Você está na página 1de 2

Introdução – Para que Filosofia?

Para não ser dominado pelo poder dominante, para tentar conhecer verdadeiramente aquilo que
julgamos conhecer, para melhorarmos nosso relacionamento com as outras pessoas e sabermos qual
o comportamento ideal na sociedade, buscando a igualdade e harmonia, e agir de forma consciente
na utilização dos recursos disponíveis na natureza.

Síntese

Introdução - Para que Filosofia?

Em cada afirmação ou pergunta realizada há crenças que temos, mesmos quando desconhecidas por
nós e que muitas vezes não questionamos para sabermos se essa representa, de fato, a verdade.
Essas crenças silenciosas não são questionadas porque julgamos serem naturais ou óbvias.

A atitude filosófica

Consiste em nos afastar, investigar e compreender as afirmações sobre aquilo que nos é ou foi
apresentando, seja ideias ou coisas, analisando as crenças e os sentimento para com o objeto a fim
de conhecê-lo realmente.

A atitude crítica

Quando rejeitamos (característica negativa) as crenças e preconceitos e questionamos (característica


positiva): o que é? Por que é? Como é?, estamos exercendo a atitude filosófica.

Para que Filosofia?

Alguns fazem essa pergunta por não enxergarem utilidade na Filosofia porque acredita que aquilo
que não tem resultado visível, prático ou enriqueça é inútil. Mas os cientistas reconhecem o valor da
filosofia e que ela supre com informações relevantes a ciência, a qual poderá aperfeiçoar-se.

Atitude Filosófica: Indagar

As características são praticamente as mesmas nas investigações sobre o objeto estudado.


(Perguntar “o que? Como? Por que?)

A reflexão filosófica

O pensamento interrogando-se, questionando nossas linguagens, ações e gestos sobre o mundo e as


relações com os demais membros pertencentes a ele.

Filosofia: um pensamento sistemático

Os procedimentos na atitude filosófica precisam assegurar o resultado obtido, não se aceita qualquer
resposta e as perguntas devem ser corretas. As declarações (enunciados) precisam estar conectadas,
sem contradizer-se, para validar a conclusão e o que é declarado deve ser provado e demonstrado
racionalmente.

Ex: Quando os Testemunhas de Jeová afirmam que profetizar falsamente é obra da religião falsa e
acusam algumas denominações dessas práticas, mas ocultam ou negam que fizeram o mesmo
dizendo que no caso deles foi apenas um erro de interpretação ou empolgação de alguém
entusiasmado, estão se contradizendo. O termo profeta, para alguns críticos, tem como um dos
significados aquele que fala em nome de Deus, se um presidente autointitulado e tido pela maioria
como porta-voz de Deus afirma por diversas vezes que o fim seria em determinada época, parece
claro a intenção de influenciar às pessoas a crerem nisso como verdade de Deus. Se não se cumpriu,
o homem também foi um falso profeta.