Você está na página 1de 6

Lista 4 - Métodos Matemáticos II

Prof. Jorge Delgado

1. Calcule Res f (0) da função f (z) dada.


1 1 cot z senh z
(a) ; (b) z cos ; (c) ; (d) .
z + z2 z z4 z4 (1 − z2 )
1 1 7
Solução. (a) 1; (b) − ; (c) − ; (d) .
2 45 6

2. Usando o teorema do resíduo verifique que



e−z 2 1/z πi z−1
(a) dz = −2π i; (b) z e dz = ; (c) = 2π i,
C z2 C 3 C z2 − 2z

onde C é o círculo de centro 0 e raio 2.

Teorema 1
Seja C uma curva fechada simples e seja f uma função analítica em
C e no seu interior exceto num número finito de pontos singulares no
interior de C. Então
  
1 1
f (z) dz = 2π i Resz=0 f .
C z2 z

3. Usando o teorema 1 calculando um único resíduo, calcule a integral


das funções dadas ao longo do círculo C : |z| = 2:

z5 1 1
(a) dz = −2π i; (b) dz = 0; (c) = 2π i.
C 1 − z3 C 1 + z2 C z

4. (a) Usando a série de Maclaurin de ez e assumindo que é possível


integrar a série termo a termo, isto é, a integral da série é a série das
integrais dos seus termos, verifique que:

z+ z1
X 1 1
e dz = zn e z dz.
C n! C
n=0

1
Lista 4 - Métodos Matemáticos II 2

(b) Use o teorema do resíduo para calcular as integrais da série do


item anterior e obter a fórmula:

1
z+ z
X 1
e dz = 2π i .
C n! (n + 1)!
n=0

5. Sabemos que se f possui uma singularidade isolada em z0 , então


f (z) se representa por uma série de Laurent em um disco perfurado
0 < |z − z0 | < R, para algum R > 0. A parte dessa série que contêm
as potências negativas de z − z0 é chamada a parte principal de f em
z0 .

Determine a parte principal da função f (z) na sua singularidade iso-


lada z0 , diga se se trata de uma singularidade removível, de um polo
(dê a ordem) ou uma singularidade escencial e dê Res f (z0 ).
z
(a) f (z) = ze1/z ; (b) f (z) = ;
1+z
sen z cos z
(c) f (z) = ; (d) f (z) = .
z z5

X 1 1 1
Solução. (a) Sing. escencial z0 = 0, parte principal n
; Res f (0) = 2.
n=1
(n + 1)! z
1
(b) Polo simples em z = −1, parte principal ; Res f (−1) = 1. (c) Sing.
z+1
removível em z = 0, parte principal 0; Res f (0) = 0. (d) Polo de ordem 5 em
1 1 1 1
z = 0, parte principal z5 − 2!z3 + 4!z ; Res f (0) = 4! .

6. Verifique que a singularidade da função f (z) dada é um polo, deter-


mine a ordem e o resíduo correspondente.

1 − cosh z 1 − e2z e2z


(a) f (z) = ; (b) f (z) = ; (c) f (z) = .
z3 z4 (z − 1)2
1 4
Solução. (a) Ordem 1, resíduo − 2 ; (b) Ordem 3, resíduo − 3 ; (c) Ordem 2, resíduo
2e2 .

f (z)
7. Se f (z) é analítica em z0 e g(z) = . Verifique que
z − z0

(a) se f (z0 ) , 0, então z0 é um polo simples de g(z).

(b) se f (z0 ) = 0, então z0 é uma singularidade removível de g(z).

J. Delgado GMA - IME UFF


Lista 4 - Métodos Matemáticos II 3

Solução. Escreva a série Laurent de g(z) em 0 < |z − z0 | < R usando a de Taylor


de f (z) em torno de z0 definida num disco |z − z0 | < R.

8a3 z2
8. Seja a ∈ R, a > 0. Determine a parte principal de f (z) =
(z2 + a2 )3
em torno da singularidade z0 = ai.
φ(z) 8a3 z2
Solução. Escreva f (z) = (z−ai)3 , onde φ(z) = (z+ai)3 . Verifique que φ é analítica
i/2 a/2 a2 i
em −ai. A parte principal de f (z) em ai é − z−ai − (z−ai)2 − (z−ai)3 .

9. Verifique que
3
ez

z 3 i
(a) Resz=− 1 =− ; (b) Resz=iπ =± ;
2 2z + 1 16 z2 + π2 2π

z1/4 i+1
(c) Resz=−1 = , (|z| > 0, 0 < arg z < 2π );
z+1 2
Log z π + 2i
(d) Resz=i 2 2
=
(z + 1) 8

3z3 + 2
10. Verifique que o valor da integral dz, ao longo do
C (z − 1)(z2 + 9)
círculo
(a) C : |z − 2| = 2 é igual a π i;
(b) C : |z| = 4 é igual a 6π i.

dz
11. Verifique que o valor da integral ao longo do círculo
C z3 (z + 4)

πi
(a) C : |z| = 2 é igual a ;
32
(b) C : |z + 2| = 3 é igual a 0.

cosh π z
12. Verifique que dz = 4π i, onde C : |z| = 2.
C z(z2 + 1)

13. Usando o Teorema 1, verifique os valores das integrais abaixo ao


longo do círculo C : |z| = 3, calculando um único resíduo.

(3z + 2)2 z3 e1/z
(a) dz = 9π i; (b) = 2π i.
C z(z − 1)(2z + 5) C 1 + z3

J. Delgado GMA - IME UFF


Lista 4 - Métodos Matemáticos II 4

Lembre do seguinte resultado.

Teorema 2
Se g e h são analíticas em z0 e g(z0 ) , 0, h(z0 ) = 0 e h0 (z0 ) , 0,
g(z) g(z0 )
então z0 é um polo simples de F (z) = e Res F (z0 ) = 0 .
h(z) h (z0 )

14. Use o Teorema 2 para verificar o valor das integrais:



dz
(a) tan z dz = −4π i; (b) = −π i.
|z|=2 |z|=2 senh 2z

dz π
15. Verifique que = √ , onde C é o retângulo de vértices
C (z2 2
− 1) + 3 2 2
−2, 2, 2 + i e 2 − i.
Indicação: verifique que os zeros do polinômio q(z) = (z2 − 1)2 + 3 são as raízes quadradas dos
√ √
1 3+i
números 1 ± 3i. Logo, q(z) é analítica em C e no seu interior exceto nos pontos z0 = √2 e

− √3+i
−z0 = 2
, podendo então aplicar o Teorema 2 para calcular os resíduos.

16. Usando resíduos verifique as integrais reais impróprias abaixo.


Z∞ Z∞
dx π x 2 dx π
(a) 2 2
= ; (b) 2 2
= ;
0 (x + 1) 4 0 (x + 1)(x + 4) 6
Z∞
cos ax π
(c) dx = (1 + ab)e−ab , onde a > 0 e b > 0;
0 (x 2 + b2 )2 4b3
Z∞
x sen ax π
(d) 4
dx = e−a sen a, onde a > 0;
−∞ x +4 2
Z∞
x dx π
(e) =− ;
−∞ (x 2 2
+ 1)(x + 2x + 2) 5
Z∞
sen x dx π
(f) 2
= − sen 2.
−∞ x + 4x + 5 e

17. Usando resíduos verifique as fórmulas de integração abaixo.


Zπ Z 2π
cos θ dθ π cos2 3θ dθ 3π
(a) =− ; (b) = ;
−π 5 + 4 cos θ 3 0 5 − 4 cos 2θ 8
Z 2π Z 2π
dθ dθ 2π
(c) = = p , (k2 < 1);
0 1 + k cos θ 0 1 + k sen θ 1 − k2

J. Delgado GMA - IME UFF


Lista 4 - Métodos Matemáticos II 5



(d) = π a(a2 − 1)−3/2 , (k2 < 1);
0 (a + cos θ)2

(2n)!
(e) sen2n θ dθ = π , n = 1, 2, 3, · · · .
0 (2n n)!
Z∞
x dx π
18. Verifique que o valor principal de é− .
−∞ (x 2 2
+ 1)(x + 2x + 2) 5

19. Verifique a fórmula


Z∞ √
−x 2 π −b2
e cos(2bx) dx = e .
0 2
R∞ 2

π

2
Indicação: assumindo que 0 e−x dx = 2 , calcule C e−z dz, onde C é o retângulo de vértices

−a, a, a + ib e −a + ib. Passe ao limite quando a → ∞ para concluir.

20. (a) Seja CR o arco do círculo de centro zero e raio R > 0 que liga R com
π
Reiπ /4 e seja AR o contorno do setor circular 0 ≤ r ≤ R, 0 ≤ θ ≤
4
orientado positivamente. Integrando ao longo de AR , verifique que:
ZR ZR Z
1 −r 2 2
2
cos(x ) dx = √ e dr − Re eiz dz ,
0 2 0 CR
ZR ZR Z
1 2 2
sen(x 2 ) dx = √ e−r dr − Im eiz dz ,
0 2 0 CR
Z
R Z π /2
iz2 2
(b) Verifique que e dz ≤ e−R sen φ dφ e use-a para con-

CR 2 0
cluir que o valor principal da integral ao longo do arco CR , no item
acima, tende a zero quando R tende a ∞.
Z∞ √
−x 2 π
(c) Use (a), (b) e a fórmula e dx = para concluir as fórmulas
0 2
Z∞ Z∞ r
2 2 1 π
cos(x ) dx = sen(x ) dx = .
0 0 2 2

21. Considerando o contorno da Figura 1, abaixo, para resolver os seguin-


tes três itens.

(a) Verifique que, para a ≥ 0 e b ≥ 0,


Z
cos(ax) − cos(bx) π
2
dx = (b − a).
0 x 2

J. Delgado GMA - IME UFF


Lista 4 - Métodos Matemáticos II 6

Use a identidade 1 − cos(2x) = 2 sen2 x para concluir:


sen2 x
Z
π
2
dx = .
0 x 2

(b) Verifique que, para −1 < a < 3 e x a = ea ln x ,


Z∞
xa (1 − a)π
2 2
dx = .
0 (x + 1) 4 cos(aπ /2)

Figura 1:

z1/3 log z e(1/3) log z log z


(c) Usando a função f (z) = 2
= , definida para
z +1 z2 + 1
π 3π
|z| > 0, − < arg z < , obtenha as fórmulas:
2 2
Z ∞ 3√ Z ∞ 3√
x ln x π2 x π
2
dx = , 2
dx = p .
0 x +1 6 0 x +1 3

z−1/2 e(−1/2) log z


22. Integrando um ramo apropriado de f (z) = = ao
z2 + 1 z2 + 1
longo do caminho indicado na Figura 1, acima, verifique que:
Z∞
dx π
√ 2
= √ .
0 x(x + 1) 2

J. Delgado GMA - IME UFF