Você está na página 1de 3
I N S T I T U T O F E D E R A

I N S T I T U T O

F E D E R A L

D O

C E A R Á - I F C E

C

A M P U S

F O R T A L E Z A

 

D

E P A R T A M E N T O

D E

A R T E S

C

U R S O

T É C N I C O

E M

I N S T R U M E N T O

M U S I C A L

Disciplina de Apreciação Musical Orientada I Prof. Esp. Cecília do Valle

MÚSICA DA IDADE MÉDIA Séc. IV ao Séc. XIV

Divide-se em dois momentos:

Música Românica ou do Período Românico entre os séculos IV e X

Música Gótica ou do Período Gótico entre os séculos X e XIV

MÚSICA ROMÂNICA ou do PERÍODO ROMÂNICO

Deste período tem-se registro apenas da música religiosa ou sacra, que conhecemos como CANTOCHÃO (chamado Canto Gregoriano a partir do séc.VI).

Suas características musicais:

Monódica - uma só melodia, tessitura monofônica.

Ritmo não métrico, seguindo a acentuação das as palavras do texto bíblico, em latim.

Timbre - vocal masculino (à capela, ou seja, sem acompanhamento instrumental).

Idioma - modal (modos eclesiásticos).

Função contemplativa, de oração.

Grafia aproximada neumática.

Nascimento e desenvolvimento da TESSITURA POLIFÔNICA no REPERTÓRIO SACRO do PERÍODO GÓTICO

Organum Paralelo - Séc. IX

- Ao mesmo tempo em que era cantado um Cantochão (ou Gregoriano) pela chamada voz principal, outra voz, chamada voz organal, se conduzia baixo dele, em paralelo, conservando a mesma distância, de 5ª justa ou 4ª justa. Esse tipo de polifonia, com melodias sempre ligadas pelos mesmos intervalos, dava a sensação auditiva de faixas sonoras.

- O ritmo das melodias continuava subordinado à acentuação das palavras do texto bíblico, normalmente em latim.

- A música permaneceu vocal masculina e à capela na igreja.

- Foram os primórdios da tessitura polifônica.

Organum Livre Séc. XI

- Procurando libertar-se do paralelismo das faixas sonoras do organum

anterior, a voz organal passou a caminhar ou em sentido oposto à voz principal

(cantochão), ou permanecer temporariamente parada em relação à movimentação dela.

- O ritmo continua não métrico.

- O idioma continua modal.

- A tessitura é polifônica, com certa independência.

- O canto litúrgico permanece masculino e à capela.

Organum Melismático Séc. XII (inícios)

- As experiências no cantar da igreja passam a girar em torno de prolongar

“infinitamente” cada sílaba do Cantochão (às vezes flagramos a presença discreta do órgão ajudando na sustentação dessas notas longas), enquanto a voz organal se desdobra em bordados melódicos chamados melismas acima

da voz que mantinha o cantochão ou canto firme, a qual chamava-se tenor (aquela que mantém a base da composição).

Organum de Notre Dame Séc. XII (fins)

- Chamou-se desta forma a maneira como faziam seus organa os dois maiores

mestres deste período: Léonin e Pérotin, em Paris. Eles somaram outras melodias ao canto firme nas suas composições às quais chamaram de duplum, triplum, quadruplum, utilizando ritmo métrico, possibilitado pela maior precisão

dada a escrita musical criada pelo monge Guido d’Arezzo, no século XI.

Moteto Séc. XIII

- Mot significa palavra, em francês.

- Neste estágio a música sacra liberta-se do latim obrigatório. Os compositores usaram várias línguas em cada uma das melodias dos organa que criavam (duplum, triplum, etc.), as quais coexistiam numa mesma composição.

- No Século XIV, liberta-se também do canto gregoriano como base das

criações musicais, as quais passaram a ser totalmente da autoria dos

compositores.

Ars Nova Séc. XIV

- Destaque para Guillaume de Machaut, criador das missas totalmente compostas polifonicamente, formadas por cinco grandes partes:

Kyrie - Gloria - Credo - Sanctus - Agnus Dei.

A MÚSICA PROFANA DA IDADE MÉDIA

Fora da igreja as mulheres sempre cantaram, tocavam-se instrumentos e faziam-se trovas de amor e bravura.

O timbre dos instrumentos era rústico (alaúdes, flautas, violas, saltérios e tambores).

Para os momentos festivos destacam-se dois tipos principais de música para dança, de gênero misto:

a estampita para sapatear

o saltarelo para saltitar (subdivisão ternária).

Criando poesias cultas falando de amor e heroísmo surge a marcante figura do Trovador e da Sibila , de origens nobres, cuja obra era divulgada ao som do alaúde, harpa ou flautas, pelos Menestréis .

Roteiro retirado dos slides da aula sobre o mesmo tema.