Você está na página 1de 20

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA


PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO
PROCESSO DE SELEÇÃO DO PPE-DINTER UEM/UNIR-TURMA 2017

POLÍTICAS PÚBLICAS DO PROGRAMA NACIONAL DE FORMAÇÃO


EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: EVASÃO E AS ESPECIFIDADES DA
REGIÃO AMAZÔNICA

Denise Andrade

Resumo:

O ensino à distância é uma modalidade desafiante, inclusiva e que vem rompendo


as barreiras do modelo educacional presencial, formatando novos processos de
ensino-aprendizagem, contudo, ainda encontra resistência, por parte de uma parcela
da sociedade, e padece com grandes taxas de evasão. Portanto, este projeto tem
como objetivo analisar os índices de evasão, tomando como base os cursos de
Bacharelado em Administração Pública do Programa Nacional de Formação em
Administração Pública, integrante do Sistema Universidade Aberta do Brasil. Do
ponto de vista dos objetivos do estudo, trata-se de uma pesquisa descritiva,
utilizando-se de um estudo de caso comparativo envolvendo as Universidades
Públicas Federais da Região Amazônica que aderiram ao Programa.

Palavras-chave: Educação à Distância. Evasão. Região Amazônica.

1. Introdução

Com o surgimento das novas tecnologias de informação e comunicação e a


expansão dos cursos superiores na modalidade à distância, no Brasil, um público
maior pôde ter acesso ao ensino superior com uma formação que atende aos
desafios do exercício profissional e a demanda social. A Educação a Distância (EaD)
se tornou responsável por parte do processo de inclusão educacional, entretanto ela
exige um currículo diferenciado, docentes com domínio nos usos de novas
tecnologias e em constante atualização, aluno com motivação, autonomia e

1
responsabilidade em sua formação, material didático diferenciado e múltiplas
estratégias de aprendizagens pró ativas.
Dentro dessa perspectiva, realizou-se uma consulta ao sistema eletrônico de
acompanhamento dos processos que regulam a educação no Brasil, por meio do
Ministério da Educação (e-mec), apontando que, dos 533 cursos de Bacharelado
oferecidos na modalidade à distância nas diversas regiões brasileiras, apenas 61
cursos apresentam Conceito de Curso (CC) e avaliação do Exame Nacional de
Desempenho dos Estudantes - ENADE. O conceito médio dessas 61 instituições é
de 3,85 no Conceito de Curso e a nota concentrou-se em 2,68 no ENADE.
Observa-se que, embora os cursos tenham obtido um conceito satisfatório,
conforme classificação disposta na Portaria Normativa nº 04/08 (BRASIL, 2008), o
ENADE revelou que o desempenho dos estudantes em relação aos conteúdos
programáticos dos cursos, que constam nos seus projetos pedagógicos, bem como
suas habilidades e competências adquiridas deram-se como insatisfatório.
Direcionando o foco para os cursos de Administração, observou-se que os
conceitos atribuídos aos cursos de Bacharelado em Administração Pública, dos trinta
e sete oferecidos, apenas nove deles possuem avaliação através do Conceito de
Curso e ENADE. As médias dos conceitos são de 4,0 para Conceito do Curso e 3,11
no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes. Embora o ENADE tenha
revelado como conceito satisfatório, esse está praticamente no limite do mínimo
estabelecido para a satisfação em relação ao desempenho dos estudantes.
A demanda de cursos superiores em administração pública surge em um
contexto de mudanças, aonde desde 1930 a administração pública brasileira vem
realizando reformas administrativas para melhoria da gestão pública. Segundo
Pereira (1998), a crise foi agravada com a Constituição de 1988, com o extremo
enrijecimento burocrático e patrimonialismo incontido nas práticas administrativas,
que, de acordo com o autor resultou em alto custo e baixa qualidade da
administração pública.
Devido, dentre outros, a ausência de qualidade dos serviços oferecidos pela
administração pública, tanto nas esferas federais quanto nas estaduais e municipais,
surge o Programa Nacional de Formação em Administração Pública - PNAP como
consequência das necessidades de fortalecimento e inovação da gestão pública,
apontadas através das reformas administrativas brasileiras, em especial a de 1990.
Para Demarco, (2015, p.5) o PNAP foi impactado por três vetores:

2
[...] o processo de descentralização das políticas públicas em direção
as administrações subnacionais; o fortalecimento da qualificação
como critério para progressão e desenvolvimento nas carreiras da
Administração Pública; e o fortalecimento da modalidade de ensino a
distância como instrumento desta qualificação, impulsionada com o
avanço das novas tecnologias de informação e comunicação (TICs).

Observa-se que a proposta do PNAP tem como objetivo geral qualificar os


servidores públicos por meio do ensino à distância, utilizando as novas tecnologias
para este alcance. Nesse sentido, não se pode focar apenas a utilização das
tecnologias de informação e comunicação sem perder de vista o preparo dos
profissionais que atuarão nessa qualificação bem como as especificidades regionais
e locais onde os cursos serão oferecidos.
Em 27 de abril de 2009 foi lançado o primeiro edital do PNAP no âmbito do
Sistema Universidade Aberta do Brasil - UAB, com o objetivo de selecionar e acolher
adesões à oferta de cursos na área de Administração Pública. Os cursos
contemplados no programa foram: Bacharelado em Administração Pública e as
especializações em Gestão Pública, Gestão Pública Municipal e Gestão em Saúde.
Foram selecionadas trinta e seis instituições de ensino superior para o curso
de Bacharelado em Administração Pública que atendiam aos critérios estabelecidos
no edital. Para sua implementação essas instituições deveriam cumprir os critérios
estabelecidos no edital, dentre os quais, adequada infraestrutura física e de recursos
humanos dos polos de apoio presencial, a fim de garantir o bom funcionamento dos
cursos e a organização acadêmica adequada à oferta dos cursos (BRASIL, 2009).
Para que se verificasse a eficiência, eficácia e efetividade do programa foi
realizado o IV Fórum da Área de Administração Pública em outubro de 2014,
ocasião esta de apresentação dos resultados do PNAP. Os dados apresentados
referentes ao curso de Bacharelado em Administração Pública foram: (1) 29.929
vagas ofertadas; (2) 25.173 alunos cadastrados; (3) 16.870 alunos cursando; e (4)
1.114 alunos formados.
A partir dos dados apresentados e do histórico da educação à distância no
Brasil, em especial no que se refere ao curso de Bacharelado em Administração
Pública e, levando-se em consideração que esses cursos de 2009 a 2014 formaram
apenas 1.114 alunos, entendeu-se importante uma criteriosa pesquisa em relação ao
alto índice de evasão ocorrida.

3
2. Justificativas

A discussão sobre a evasão nos cursos oferecidos na modalidade à distância


tem despertado interesse por parte de pesquisadores das diversas áreas de
conhecimento, em especial as causas que levam os participantes à desistência nas
etapas de implementação e desenvolvimento desses cursos. Entretanto não se
encontra pesquisas com focos nas especificidades inerentes à região amazônica em
cursos de nível superior na modalidade em EaD oferecidos por instituições públicas.
O Programa Nacional de Formação em Administração Pública é financiado
pelo Governo Federal e o investimento, comparado com o número de alunos que se
formam parece não justificar os recursos aplicados, como observado nos resultados
apresentados no IV Fórum de Administração Pública.
A Região Amazônica possui especificidades diferenciadas das demais regiões
do País, como no Estado do Amazonas, por exemplo, onde os acessos a alguns
polos de apoio presencial ocorrem apenas com a utilização do transporte fluvial. Em
Rondônia, municípios como Nova Mamoré e Chupinguaia têm acesso à internet de
forma precária em relação ao uso da plataforma e, devido ao alto custo dos
investimentos necessários ao seu pleno funcionamento, não se vislumbra solução
para o problema.
No Pará tem-se problemas de acesso aos polos, pois o Estado possui
diversas etnias indígenas. Em algumas situações os índios bloqueiam as estradas
devido aos conflitos de interesses, em outras, por questões envolvendo o
pagamento de pedágios em diferentes estradas de acesso aos municípios ou à
Capital, situação esta característica de outros estados da região Amazônica.
Observa-se também de forma empírica, em discussões de intercâmbio entre
coordenadores do PNAP, a dificuldade de aderência de atores sociais envolvidos na
práxis educacional, em virtude de diferentes visões em relação à EaD como
modalidade de ensino e/ou a sua institucionalização. Destaca-se ainda o fato já
apontado de que muitos dos alunos matriculados nesses cursos residem em
municípios e distritos diferentes daqueles onde se situa o polo presencial e, em
alguns casos, na zona rural, onde não há qualquer acesso à internet.
A pesquisa proposta se justifica, pois a análise a partir dos índices de evasão
pode indicar se há ou não alguma correlação com as especificidades de cada
instituição e de cada Estado pesquisado frente às políticas públicas nacionais do

4
PNAP e/ou as questões de adesão e gestão, questões curriculares, questões que
englobam os atores sociais pertencentes a esses novos paradigmas educacionais
ou questões ligadas ao perfil dos alunos. Parte-se do pressuposto de que as causas
são diversas, mas identifica-las e buscar ações que as inibam são objetivos que
podem auxiliar nas políticas públicas do PNAP em sua forma de gestão.

3. Objetivos

Os objetivos da pesquisa estão aqui subdivididos em objetivo geral e objetivos


específicos, para abranger os aspectos no sentido mais amplo e ainda para detalhar
as ações que serão trabalhadas nesta pesquisa.

3.1 Objetivo geral

O objetivo geral desta pesquisa é analisar o impacto das especificidades


regionais em relação aos índices de evasão dos alunos do curso de Bacharelado em
Administração Pública, na modalidade à distância na Região Amazônica, tomando-
se como base o Programa Nacional de Formação em Administração Pública.

3.2 Objetivos específicos

Para operacionalizar a pesquisa estabelece-se os seguintes objetivos


específicos:
 Realizar uma análise bibliométrica da produção científica de pesquisadores
da educação à distância sobre a evasão nessa modalidade de ensino nos
periódicos com qualis CAPES no período de 2012 a 2017;
 Identificar o índice de evasão nos cursos de Bacharelado em Administração
Pública na modalidade à distância, integrante do PNAP junto à quatro
instituições federais da Amazônia;
 Diagnosticar por meio da percepção dos alunos do curso de Bacharelado em
Administração Pública, na modalidade à distância, a relação das
especificidades regionais com os índices de evasão;
 Pesquisar o arcabouço legal de institucionalização da EaD e do PNAP nas
Universidades pesquisadas.

5
4. Revisão da literatura e fundamentação teórica

O cenário atual, com suas políticas de ajustes econômicos visando a


contenção de despesas com as políticas públicas neoliberais, para supostamente
enfrentar o que se denominou de globalização, com a diminuição do Estado de Bem
Estar Social tem cada vez mais levado a muitas dificuldades para as Instituições
Públicas Educacionais.
Se por um lado a reforma do Estado tem levado a sérios problemas para o
crescimento das Instituições de Ensino Superior-IES públicas, que vêem cada vez
mais seu financiamento diminuído, por outro há exigência para que estas
acompanhem a demanda por quantidade maior de pessoas com acesso ao nível
superior. Esta dicotomia entre as exigências, inclusive de organismos internacionais
do aumento da oferta de vagas no ensino superior, levou ao crescimento da
participação das instituições privadas na formação do ensino superior.
Esta situação da oferta do ensino superior tem levado a um tensionamento de
forças entre o público e o privado, onde a qualidade de ensino tem sido questionada
e colocada a parte, frente às possibilidades de demanda e oferta de possibilidades
entre as áreas públicas e privadas. As Universidades Públicas se veem obrigadas a
uma expansão das matrículas, sem a contrapartida do aumento do números de
docentes e de técnicos administrativos, como também a ausência de investimentos
capazes de suprir a necessidade de material de consumo e equipamentos.
É neste cenário de mudanças paradigmáticas nas políticas públicas
neoliberais e nas políticas educacionais que se estabeleceu como a maior
possibilidade de aumento do número de vagas no ensino superior nas IES Públicas,
e um maior alcance para atender as demandas de interiorização e atenção a uma
população menos favorecida sócio economicamente que as novas tecnologias
educacionais e a expansão da EaD surgem como centralidade de ações nas
universidades federais.
Para Pretto (2006) a adoção das novas tecnologias de Informação e
Comunicação é um fator essencial, já que as novas práxis educacionais passam
necessariamente pelas TICs no processo ensino aprendizagem. No entanto estas
devem estar associadas a políticas públicas coerentes com as transformações
sociais. Partindo desta premissa é que se faz necessário abordar os pressupostos
sobre a Educação à Distância, sua importância, surgimento e base legal no Brasil.

6
O mesmo ocorre com a caracterização do Programa Nacional de Formação
em Administração Pública e do Sistema Universidade Aberta do Brasil e a correlação
com os índices de evasão especificamente na modalidade EaD. Para tanto usar-se á
como aporte teórico e metodológico desta pesquisa, dentre outros, obras e estudos
de Coelho (2001), Pretto (2006), Santos (2008), Mugnol (2009), Barros (2011) e
Demarco (2015).

4.1 Educação à Distância

A Educação à Distância é a modalidade educacional na qual a mediação


didático-pedagógica nos processos de ensino e aprendizagem ocorre com a
utilização de meios e tecnologias de informação e comunicação, com estudantes e
professores desenvolvendo atividades educativas em lugares ou tempos diversos.
Essa definição está presente no Decreto 5.622/05 que regulamenta o Art. 80 da Lei
de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), nº 9394/96.
Para Moran (2002), educação à distância é o processo de ensino aprendizado
mediado por recursos tecnológicos onde professores e alunos não estão
normalmente juntos fisicamente, mas conectados, dentre outras formas, através da
internet.
Bastos e Sabattini (2000) definem educação à distância como qualquer forma
de ensino onde o professor se encontra distante do aluno, enfatizando que a
tecnologia deve ser utilizada para disponibilização e interação do conteúdo
educacional.
No Brasil, as primeiras experiências com educação à distância ocorreram por
meio dos cursos por correspondência, com apoio do rádio e da televisão. De acordo
com Nunes (1993), a EaD iniciou em 1929 com a implantação do Instituto Rádio
Monitor e, em 1941 por meio do Instituto Universal Brasileiro.
Devido à disseminação das tecnologias de informação e comunicação
ocorrida na década de 1990, surgem os primeiros programas formais de EaD, os
quais foram ampliados como resultado do avanço tecnológico (MUGNOL, 2009).
As normas que regem a educação à distância no Brasil estão dispostas na Lei
de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB (Lei n. º 9394/96), regulamentada
pelo Decreto n. º 5.622/05, com normatização definida na Portaria Ministerial n. º
4.361, de 2004.

7
O Decreto 5622/05 regulamentou a educação à distância caracterizando-a,
regulando sua organização, níveis e modalidades educacionais, avaliação de
desempenho do estudante e condições para oferta dos cursos à distância, enquanto
a Portaria Ministerial nº 4361/2004 normatizou as exigências para credenciamento e
recredenciamento de instituições de ensino superior no oferecimento de cursos de
graduação e pós-graduação nessa modalidade à distância.
A EaD, que iniciou como uma alternativa de capacitação atendendo aos
interesses econômicos da época, vencendo a barreira da distância com a utilização
da tecnologia, foi ampliada agregando novos paradigmas pedagógicos com o uso de
novas tecnologias, constituindo-se como alternativa para a inclusão social (BARROS
e CARVALHO 2011).

4.2 O Sistema Universidade Aberta do Brasil e o Programa Nacional de


Formação em Administração Pública

O Sistema Universidade Aberta do Brasil - UAB foi instituído por meio do


Decreto nº 5.800/06, tendo como foco as políticas públicas e a gestão da educação
superior, visando a expansão do nível de escolaridade no ensino superior, no âmbito
do Plano Nacional de Educação Superior. A legislação regulamenta que a União
contará com o apoio dos demais entes federativos para a oferta de cursos e
programas de educação superior, articulando-se com os polos presenciais para que
esses proporcionem a infraestrutura e recursos humanos necessários à
implementação e funcionamento desses cursos e programas. Para aderir ao
Programa as instituições públicas de ensino superior deveriam participar dos editais
publicados pelo Ministério da Educação.
O Programa Nacional de Formação em Administração Pública-PNAP surgiu
da necessidade de fortalecimento da máquina administrativa, no sentido de oferecer
à sociedade serviços de qualidade e, segundo Demarco (2015, p.5):

O PNAP, assim como outras iniciativas de fortalecimento das


capacidades estatais no Brasil, foi impactado por três vetores
principais: o processo de descentralização das políticas públicas em
direção as administrações subnacionais; o fortalecimento da
qualificação como critério para progressão e desenvolvimento nas
carreiras da Administração Pública; e o fortalecimento da modalidade
de ensino à distância como instrumento desta qualificação,

8
impulsionada com o avanço das novas tecnologias de informação e
comunicação (TICs).

A intenção de modernizar a administração pública brasileira foi apontada pela


Constituição Federal de 1988, sendo suas atribuições ampliadas e aprofundadas
nos setores de educação e saúde, entre outras. O modelo de administração pública
passa do burocrático para o gerencial que, de acordo com Kettl (2005), pode ser
representado por dois pilares fundamentais: a fixação de objetivos e a realização de
avaliação, sendo que na avaliação devem ser considerados os conceitos de
eficiência, eficácia e efetividade.
No Brasil, a reforma do Estado teve como base a Nova Administração Pública
que, de acordo com Pereira (2010), dentre as mudanças ocorridas permitiu ações
governamentais relacionadas à formulação, implementação e avaliação de políticas
públicas direcionadas para a eficiência e a maximização dos resultados. Ainda de
acordo com o autor, a gestão da eficiência, eficácia e efetividade está relacionada ao
uso adequado dos instrumentos disponíveis que viabilizam uma boa governança.
Com base nos esforços que deveriam ser dispendidos para atender essa
Nova Administração Pública, surge o PNAP no âmbito da Universidade Aberta do
Brasil, com a expectativa de atender aos governos federal, estadual e municipal.

4.3 O PNAP na Amazônia

O primeiro edital partiu de iniciativa no âmbito do Sistema UAB em parceria


com a CAPES e instituições públicas de ensino superior como uma estratégia de
descentralização e fortalecimento da administração pública, oferecendo os cursos de
Bacharelado em Administração Pública, e três pós-graduação em Gestão Pública,
Gestão Pública Municipal e Gestão em Saúde, objetivando proporcionar ao seu
público alvo, os gestores públicos, em especial os estaduais e municipais, uma
conscientização das políticas do governo.
Dentre as instituições públicas de ensino superior pertencentes à Amazônia,
foram selecionadas as propostas de curso de Bacharelado em Administração
Pública das universidades federais do Amazonas, Pará, Acre e Rondônia.

9
O curso de Bacharelado em Administração Pública é oferecido em oito
módulos na modalidade à distância, sendo que vinte por cento da carga horária de
cada disciplina deve ser por meio de encontros presenciais.
As universidades selecionadas inseriram em suas propostas as localidades
de oferecimento, ou seja, os polos onde o curso seria oferecido. A média de número
de polos de cada instituição variou entre seis e sete, com vagas de cinquenta alunos
por polo, em sua maioria.
Os convênios firmados entre as instituições cedentes dos polos de apoio
presencial tiveram diferentes especificidades, como no caso de Rondônia e
Amazonas.
Em Rondônia a estrutura do polo contou com o apoio de prefeituras
municipais, que cederam a estrutura física, contemplando sala de aula, laboratório
de informática com acesso à internet, sala de tutores e biblioteca, sendo os livros
oferecidos pelo Programa.
De acordo com Lucena et al. (2012), no Amazonas as prefeituras foram
responsáveis pela manutenção do polo, recebendo através do Governo Eletrônico –
Serviço de Atendimento ao Cidadão-GESAC - programa do Governo Federal para
inclusão digital em regiões remotas do País, um kit de acesso contendo trinta
computadores com sistemas operacionais, impressora, roteador sem fio e antena
parabólica.

4.4 Evasão

Santos et al. (2008) já apontava para a necessidade de se verificar a


efetividade das diversas ações para o aumento da taxa de efetividade da educação
à distância no Brasil, por tratar-se de uma modalidade relativamente nova, se
comparada aos modelos americanos e europeus. Acrescentava ainda que essa nova
modalidade deveria primar pela qualidade do ensino, possibilitando ao participante
uma formação de qualidade, levando ao desenvolvimento de uma formação
profissional e ética com o domínio cognitivo, social e emocional exigido para sua
atuação na área de atuação.
Ocorre que o índice de evasão nos cursos oferecidos na modalidade à
distância é elevado. Pesquisas apontam que os participantes evadem em qualquer
fase do curso. Segundo Longo (2009) as causas da evasão nessa modalidade são

10
diversas e costuma ser maior que nos cursos presenciais, como as características
do público alvo, os mecanismos de interação social e as dificuldades geradas pela
mediação tecnológica.
Para Santos et al. (2008), os números elevados também podem estar
relacionados a necessidades individuais e regionais e pela avaliação do curso.
Coelho (2001) supõe como causas a falta da tradicional relação face-a-face entre
professor e alunos, ausência de habilidade para lidar com as novas tecnologias o
que inviabiliza as atividades propostas pelos cursos à distância, ausência de
reciprocidade da comunicação, o que dificulta a interatividade e ainda necessidade
de um agrupamento de pessoas em um espaço físico para troca de saberes.
O estudo realizado por Lucena et al. (2008) na Universidade Federal do
Amazonas apontou que das 346 vagas oferecidas no curso de Bacharelado em
Administração Pública em 2011/2, divididas em seis polos, no final do segundo
módulo, realizado em 2012/1 já haviam evadido 61 alunos, ocorrendo ainda a
desistência por parte de 27 alunos.
De acordo com informações prestadas pela coordenação do curso da
Fundação Universidade Federal de Rondônia, dos 350 alunos matriculados,
permaneceram até 2016.1 apenas 92 alunos.
Na literatura há modelos que tentam explicar o fenômeno evasão. O modelo
desenvolvido por Tinto (1975) reconhece a necessidade de as instituições de ensino
serem proativas no processo de integração dos estudantes, verificando o senso de
comunidade, oportunizado pela noção de construtivismo social.
Baseado no modelo de Tinto (1975) e nos modelos psicológicos, Bean e
Metzner (1985) defendem a evasão dos estudantes maiores de 24 anos
relacionando-a ao fato desses serem tratados como estudantes não-tradicionais,
com outras atividades que não o estudo.
O estudo da evasão reporta o pesquisador a diferentes modelos que tentam
mapear as causas que contribuem para a desistência. Entretanto, vale ressaltar que,
apesar dos diferentes modelos propostos serem utilizados em sua íntegra, muitas
vezes faz-se necessária uma adaptação à realidade vivida em cada curso.

5. Descrição e fundamentação da metodologia a ser usada

11
Para Prodanov e Freitas (2013, p. 14) a metodologia, em um nível aplicado,
examina, descreve e avalia métodos e técnicas de pesquisa que proporcionam a
coleta e o processamento de informações, com vistas à resolução de problemas
e/ou questões de investigação. Nesta seção apresentam-se informações quanto à
classificação, universo da pesquisa, e procedimentos para coleta de dados.

5.1 Classificação da Pesquisa

Alguns critérios devem ser selecionados para a classificação das pesquisas


científicas, como quanto aos objetivos, natureza, abordagem e procedimentos
técnicos utilizados para formulação do estudo. O Quadro 1, apresenta, de forma
resumida, os principais aspectos metodológicos desta pesquisa.

Quadro 1-Estrutura metodológica da pesquisa


Aspectos Classificação Descrição
Objetiva gerar conhecimentos para aplicação
prática dirigidos à solução de problemas
Natureza Aplicada
específicos, envolvendo verdades e interesses
locais.
Quando a pesquisa se encontra na fase
preliminar, tem como finalidade proporcionar
mais informações sobre o assunto a ser
investigado, possibilitando sua definição e seu
Exploratória delineamento, isto é, facilitar a delimitação do
tema da pesquisa; orientar a fixação dos
Objetivo do objetivos e a formulação das hipóteses ou
estudo descobrir um novo tipo de enfoque para o
assunto
Tal pesquisa observa, registra, analisa e ordena
dados. Procura descobrir a frequência com que
Descritiva um fato ocorre, sua natureza, suas
características, causas e relações com outros
fatos
A
Empregada nos mais variados estudos que
Análise
quantificam o processo da comunicação escrita.
bibliométrica
Procedimentos Estudo de
Envolve o estudo profundo de dois ou mais
caso
casos para posteriormente serem comparados e
comparativo
contrastados (YIN, 1986).
Necessita de recursos e técnicas estatísticas,
Abordagem do
Quantitativa para traduzir em números as informações
problema
coletadas, além de classificá-las e analisá-las.

12
Fonte: Adaptado de Silva (2004)

Tendo em vista a intenção da pesquisa em buscar maior compreensão sobre


a evasão na Educação a Distância, esta se classifica quanto a sua natureza como
aplicada, ou seja, pesquisas que objetivam gerar novos conhecimentos, para
aplicação prática ou imediata (PRODANOV e FREITAS, 2013). Para operacionalizar
os objetivos propostos, será utilizada abordagem quantitativa. Quanto aos seus
objetivos, a pesquisa apresenta-se como exploratória e descritiva, com o emprego
de técnicas padronizadas de coleta de dados, como instrumento de coleta
estruturado. Será utilizado também a bibliometria para analisar a produção científica
de pesquisadores da educação à distância sobre a evasão nessa modalidade de
ensino nos periódicos com qualificação CAPES, no período de 2012 a 2017.
Finalizando o delineamento metodológico, foi escolhido o estudo de caso
comparativo, dentre as modalidades de pesquisa, buscando atingir aos objetivos
propostos. Entre as diversas finalidades do estudo de caso múltiplo ou comparativo
elencadas por Stake (2005), destaca-se como um dos propósitos o interesse em
empregar mais de um caso instrumental para compreender melhor o fenômeno.

5.2 Amostragem e População da Pesquisa

Segundo Lakatos e Marconi (2003), amostra é uma parcela ou subconjunto,


convenientemente selecionado dentre a população estudada (universo). Neste caso,
o universo pesquisado compreende os alunos matriculados e evadidos no curso de
Graduação em Administração Pública, na modalidade à Distância das Universidades
Federais da Região Amazônica, vinculados ao Programa Nacional de Formação em
Administração Pública, Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB), e a amostra
será definida estatisticamente.

5.3 Procedimentos e Instrumento para Coleta de Dados

Para a coleta das informações sobre a evasão será utilizado o instrumento de


coleta estruturado, que de acordo com Gil (2002), por esse meio é possível a
obtenção de grande quantidade de dados em curto espaço de tempo e a um custo
razoavelmente baixo.

13
O instrumento será encaminhado via on line a partir da ferramenta
denominada Google Doc’s, que é uma plataforma que funciona com qualquer
terminal de operação conectado à internet.

5.4 Tratamento dos Dados

Os dados coletados nesta pesquisa serão tratados estatisticamente, por meio


da plataforma eletrônica Microsoft Excel e posteriormente apurados no programa
Statistical Software for Social Sciences-SPSS (versão 20), possibilitando maior
riqueza na análise estatística.

6. Originalidade da temática investigada

Autores como Santos et al. (2008), Carr (2006) e Almeida (2008) apontam
que são expressivos os índices de evasão nos cursos oferecidos na modalidade à
distância. Várias questões são elencadas, entre as quais o contato face-a-face entre
professor-aluno, domínio técnico insuficiente no uso do computador e internet,
ausência de reciprocidade de comunicação e falta de agrupamento de pessoas em
uma estrutura física (SANTOS et al., 2008). Outra questão seria o perfil dos alunos,
que por serem mais velhos priorizam questões familiares e tendem a desistir dos
cursos à distância, constatando ainda que muitos alunos desistem em razão de
matrimônio, mudança de trabalho, gravidez, cuidados com filhos pequenos e outras
transições pessoais e profissionais (CARR, 2006). Some-se a estas questões as
razões apontadas por Almeida (2008) que constatou que a evasão também está
relacionada a ausência de feedback do tutor nas atividades realizadas, problemas
com acesso à internet, falta de habilidade no uso do computador, atraso na entrega
do material de apoio, dentre outros.
Todas estas questões elencadas acima estão presentes nos cursos de
Bacharelado em Administração Pública nas regiões do País, mas os índices de
evasão diferenciam-se de forma significativa quando comparado ao curso no Estado
do Amazonas, que foi em média de 20% até o segundo semestre com os de
Rondônia, que os índices chegaram a média acima de 40% no mesmo período.
Como na Amazônia não há pesquisas voltados para as causas da evasão
nos cursos de Bacharelado em Administração Pública, na modalidade à distância,

14
integrante do PNAP, acredita-se que este projeto previsto para ser um estudo de
caso comparativo com metodologia quantitativa pode dar visibilidade às
especificidades deste curso nas quatro instituições públicas que aderiram ao
programa, de forma a contribuir para poder se analisar os altos índices de evasão
apresentados no IV Fórum da Área de Administração Pública (2014) que apontou
que das 29.929 vagas ofertadas; 25.173 foram ocupadas com alunos cadastrados,
mas somente 16.870 alunos efetivamente estavam cursando e 1.114 alunos
concluíram.
Desta forma, levando em consideração que de 2009 a 2014, somente 1.114
alunos se formaram no Bacharelado em Administração Pública do PNAP, entende-se
que esta pesquisa é de suma importância ao analisar as especificidades da evasão
destes alunos na Região Amazônica, região essa com uma grande demanda de
profissionais nestas áreas, pois trata-se de regiões onde o serviço público é um dos
principais pontos de empregabilidade, exigindo uma formação com ensino superior
na área.
A pesquisa, além de contribuir para a análise desta contradição entre
demanda e oferta nas regiões estudadas, também possui a originalidade de dar
visibilidade da correlação ou não entre as Políticas Públicas Educacionais na
modalidade EaD idealizada pelo Ministério da Educação e as dificuldades de sua
implementação e desenvolvimento frente as especificidades das IES públicas
instaladas na Região Amazônica que possui limitações em relação ao acesso da
internet, por exemplo, além de ter um perfil de aluno bastante diferenciado que
envolve desde a questão de etnia, de pertencimento rural, de aderência às questões
de influências de fronteiras, onde o multiculturalismo se mostra muito presente e o
debate da descolonização é uma realidade presente no cotidiano.
Este trabalho poderá também identificar questões que elevem os índices de
evasão que podem indicar parâmetros para Políticas Públicas efetivas para a região
Amazônica que possam contribuir para inibir que vagas como as do PNAP fiquem
ociosas, com altos custos econômicos e sociais, em uma região com significativa
necessidade de formação destes profissionais.

15
7. Cronograma de execução

2º Semestre de 2017
 Cursar as disciplinas obrigatórias do programa;
 Participar do Seminário de Pesquisa em Educação, apresentando o projeto
reformulado, em conformidade com as recomendações do orientador.
1º Semestre de 2018
 Cursar a disciplina Ensino, Aprendizagem e Educação Escolar;
 Encontros com orientador para traçar as diretrizes para o desenvolvimento
do projeto de pesquisa;
 Publicação de artigos;
 Aprofundar a bibliografia e iniciar a coleta de dados.
2º Semestre de 2018
 Realizar estágio obrigatório;
 Encontros com orientador para consolidação da coleta dos dados e
continuidade da pesquisa;
 Participação em eventos científicos com apresentação de trabalhos.
1º Semestre de 2019
 Realizar estágio obrigatório;
 Encontro com orientador;
 Aplicação do instrumento de coleta dos dados;
 Participação em eventos científicos com apresentação de trabalhos.
2º Semestre de 2019
 Realização de estágio obrigatório;
 Encontros com orientador;
 Análise da coleta de dados;
 Participação em eventos científicos com apresentação de trabalhos.
1º Semestre de 2020
 Realização de estágio obrigatório;
 Encontros com orientador;
 Participação em eventos científicos com apresentação de trabalhos;
 Qualificação do projeto de pesquisa.
2º Semestre de 2020
 Realização de estágio obrigatório;
 Encontro com orientador;
 Participação em eventos científicos com apresentação de trabalhos;

16
 Elaboração da tese.
1º Semestre de 2021
 Realização de estágio obrigatório;
 Conclusão da tese;
 Defesa da tese.

8. Referências

ALMEIDA, O.C.S. Evasão em Cursos a Distância: Validação de instrumento, 11


fatores Influenciadores e Cronologia da Desistência. Dissertação (Mestrado em
Administração). Universidade de Brasília. Brasília, 2007. Disponível em: <
http://www.unb.br/face/ppga/arquivos/dissertacoes/Evasao_em_Cursos_a_Distancia.
pdf> Acesso em 17 abr. 2017.

17
BARROS, Maria das Graças. CARVALHO, Ana Beatriz Gomes. In:____As
concepções de interatividade nos ambientes virtuais de aprendizagem.
Paraíba: Eduepb, 2011. p. 209-232.

BASTOS, D. CARDOSO, S. SABBATINI, R. Uma visão geral da educação à


distância. Disponível em: < http://www.edumed.net/cursos/edu002. 2000>. Acesso
em: 19 mar. 2017.

BEAN, J. P.; METZNER, B. S. A conceptual model of nontraditional


undergraduate student attrition. Review of Educational Research, [S.l.], v. 55, n.
4, p. 485-540, 1985. Disponível em: <http://rer.sagepub.com/content/55/4/485.
full.pdf>. Acesso em: 23 abr.2017.

BRASIL. Lei Federal nº. 9.394, de 20.12.1996. Estabelece as diretrizes e bases da


educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br
/ccivil_03/leis/L9394.htm >. ______. Resolução CNE/CES n.1 de 03 de abril de
2001. Diário Oficial da União. Brasília, 9 de abril de 2001, seção 1, p.12.

______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES n.1 de 03 de abril de 2001.


Diário Oficial da União. Brasilia, 9 de abril de 2001, seção 1, p. 12.

______. Ministério da Educação. Portaria Ministerial nº 4.361 de 29.12.2004.


Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/port_4361.pdf> .Acesso
em: 19 mar. 2017.

______. Decreto Federal nº. 5.622, de 20.12.2005. Regulamenta o art. 80 da Lei nº.
9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da
educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-
2006/2005/Decreto/D5622.htm>. Acesso em 19 mar. 2017.

______. Decreto Federal nº 5.800 de 08.06.2006. Institui o Sistema Universidade


Aberta do Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-
2006/2006/decreto/d5800.htm> . Acesso em 19 mar.2017.
______. Ministério da Educação. Portaria Normativa nº 04 de 06.08.2008.
Regulamenta a aplicação do conceito preliminar de cursos superiores, para fins dos
processos de renovação de reconhecimento respectivos, no âmbito do ciclo
avaliativo do SINAES instaurado pela Portaria Normativa nº 1, de 2007. Disponível
em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman &view=download&alias
=670-sesu-port-04-2008-pdf&category_slug=documentos-pdf&Itemid=301 92>.
Acesso em: 02 abr. 2017.

18
______. Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Edital n.
01 de 27 de abril de 2009. Disponível em: < https://www.capes. gov.br/images/
stories/download/bolsas/ EDITAL_N1_ PNAP_DED_CAPES_2009.pdf> Acesso em
02 abr. 2017.

CARR, S. As Distance Learning Comes of Age, the Challenge is Keeping the


Students. Chronicle of Higher Education. 2000. Disponível em:
<http://www.craftonhills.edu/faculty-and-staff/online-teaching/as-distance-education-
comes-of-age-article>. Acesso em: 20 mai. 2017.

COELHO, Maria de Lourdes. A Evasão nos Cursos de Formação Continuada de


Professores Universitários na Modalidade de Educação a Distância Via
Internet. In: 8º Congresso Internacional de Educação a Distância. 6-8 ago 2001.;
Brasília (DF). Brasil. Disponível em: http://www.abed.org.br/congresso2001/02.zip.
Acesso em 23 mai. 2017.

DEMARCO, Diogo Joel. A formação de gestores públicos no Brasil: um balanço


das contribuições do Programa Nacional de Formação em Administração Pública.
VIII Congresso CONSAD de Administração Pública. Brasília, 2015.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas,
2002.

KETTL, Donald F. The global public management revolution. 2 Ed Washington,


DC: Brookings Institution Press, 2005.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de


metodologia científica. 5. ed. - São Paulo: Atlas, 2003.

LONGO, Carlos Roberto Juliano. A EaD na pós-graduação. In. LITTO, Fredic


Michael; FORMIGA, Manuel Marcos Maciel (Orgs). Educação a distância: o estado
da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2009.

LUCENA, Ketlen K. Teles; et al. O desafio da educação à distância na Amazônia:


um estudo de caso. São Carlos: UFSCar, 2012. Disponível em:
<http://sistemas3.sead.ufscar.br/ojs/Trabalhos/213-883-1-ED.pdf> . Acesso em 23
mai. 2017.

MORAN, José Manuel. O que é educação à distância. Disponível em:


<http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2013/12/dist.pdf>. Acesso em:
19 mar. 2017.

19
MUGNOL, Marcio. A educação a distância no Brasil: conceitos e
fundamentos. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 9, n. 27, p. 335-349,
maio/ago. 2009.

NUNES, Ivônio Barros. Noções de educação à distância. Revista educação à


distância. Vols. 3, 4 e 5. Brasília: INED, dez/1993 a abril/1994.

PEREIRA, Luiz Carlos Bresser. Reforma do Estado para a cidadania. A reforma


gerencial brasileira na perspectiva internacional. Brasília: ENAP. São Paulo: Editora
34, 1998.

PEREIRA, José Matias. Governança no Setor Público. São Paulo: Atlas, 2010.

PRETTO, Nelson; PINTO, Cláudio da Costa. Tecnologias e Novas Educações.


Revista Brasileira de Educação. v.11, n.31, jan/abr. 2006.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e


técnicas da pesquisa e do trabalho científico. 2 ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

SANTOS, Eliane Maria dos, et al. Evasão a Educação à Distância: identificando


causas e propondo estratégias de prevenção. 2008.

STAKE, R. Case Studies. In: DENZIN, N.; LINCOLN, T. handbook of Qualitative


Research. London: Sage, 2005.

TINTO, V. Dropout from higher education: a theoretical synthesis of recent research.


Review of Educational Research, 45, 89-125, 1975.

YIN, R. Case study reserarch: design and methods. London: Sage, 1986.

20