Você está na página 1de 6

Ensaio 1 EME 412

Objetivo
Determinar a força hidrostática agindo sobre uma superfície plana imersa em água quando a superfície
está parcialmente e totalmente submersa.

Determinar a posição do ponto de aplicação da força e comparar a posição determinada pelo experimento
com a posição teórica.

Método
Atingir a condição de equilíbrio entre os momentos agindo sobre o braço do balanço do aparelho de
ensaio. As forças agindo são o peso aplicado ao balanço e a pressão hidrostática na superfície da
extremidade do quadrante.

Teoria
Quando o quadrante é imerso em água, é possível analisar as forças agindo sobre as suas superfícies,
conforme a seguir:

A força hidrostática em qualquer ponto sobre as superfícies curvadas é normal à superfície e,


portanto, se concentra no centro de giro que está localizado na origem dos raios. Forças
hidrostáticas sobre as superfícies curvadas superior e inferior, não têm nenhum efeito líquido na
geração de torque, não afetam o equilíbrio da montagem. Todas essas forças passam através do
eixo pivô.

As forças exercidas sobre os lados frontal e traseiro do quadrante são horizontais e neutras (iguais
e opostas).

A força hidrostática na superfície vertical submersa pode ser neutralizada pelo peso no balanço. A
força hidrostática resultante sobre a superfície pode ser calculada a partir do valor do peso do
balanço e a profundidade da água, conforme a seguir:

Quando o sistema está em equilíbrio, os momentos relativos ao ponto de giro são iguais:

mgL=Fh”

onde:

m é a massa no suspensor de peso,

g é a aceleração devido à gravidade,

L é o comprimento do braço de balanço,

F é o empuxo hidrostático e

h” é a distância entre o ponto de giro e o centro de aplicação da força.

Portanto, ao calcular o empuxo hidrostático e o ponto de aplicação desta força na superfície do


quadrante, podemos comparar os resultados teóricos e experimentais.

Plano Vertical Parcialmente Submerso

Para o caso onde a superfície vertical do quadrante está parcialmente submersa (figura 1). Temos:

L é a distância horizontal entre o ponto de giro e o suspensor de peso,

H é a distância vertical entre o ponto de giro e a base do quadrante,

D é a altura da superfície do quadrante, B é a largura da superfície do quadrante,


d é a profundidade da água até a base do quadrante, e

h' é a distância vertical entre a superfície e o centro de aplicação da força.

As forças mostradas são F, empuxo hidrostático, e m*g, o peso pendurado no suspensor.

Figura 1 Quadrante parcialmente submerso.

Empuxo Hidrostático:

O empuxo hidrostático pode ser definido como:

onde:

A é a área da face vertical submersa do quadrante = 𝐴 = 𝐵𝑑


h é o centro da profundidade do quadrante submerso

Portanto:
(1)

Profundidade de aplicação Experimental da força

O momento M, criado pela aplicação da força F, pode ser definido como:

M = Fh" (N m)

Um momento de equilíbrio é produzido pelo peso, W, aplicado no suspensor na extremidade do braço do


balanço. O momento é proporcional ao comprimento do braço de balanço, L.

Para equilíbrio estático os dois momentos são iguais, ou seja:

Fh" = WL = mgL

Substituindo F a partir de (1), temos:

𝑚𝑔𝐿 2𝑚𝐿
ℎ" = = (𝑚)
𝐹 𝜌𝐵𝑑²
Profundidade de aplicação da força Teórica

O resultado teórico da profundidade de aplicação de F abaixo da superfície livre é:

(2)

Onde Ix é o 2º momento da área da seção submersa com relação ao eixo da superfície livre. Com o uso
do teorema dos eixos paralelos:

(3)

A profundidade do centro de aplicação da força abaixo do ponto de giro é, portanto, dado por:

(m) (4)

Portanto:

O momento de giro pode, então, ser calculado.

Plano Vertical Totalmente Submerso

Para o caso onde a superfície vertical do quadrante está totalmente submersa:

Onde:

d é a profundidade de submersão até o ponto inferior do quadrante,

F é o empuxo hidrostático exercido sobre o quadrante,

h' é a profundidade de aplicação da força,

h" é a distância do centro de pressão abaixo do centro de giro,

B é a largura da superfície e

D é a altura da superfície

W é o peso no suspensor (=mg)


Empuxo Hidrostático

O empuxo hidrostático F pode ser definido como

(5)

Profundidade de aplicação da força Experimental

O momento, M, pode ser definido como:

M = Fh" (Nm)

Um momento de equilíbrio é produzido pelo peso, W, aplicado no suspensor na extremidade do braço de


balanço. Este momento é proporcional ao comprimento do braço de balanço, L.

Para equilíbrio estático os dois momentos são iguais, ou seja:

Fh" = WL = mgL

Substituindo F a partir de (5), temos

(m)

Profundidade de aplicação da força Teórica

O resultado teórico do ponto de aplicação da força baixo a superfície livre é:

(6)

Onde Ix é o 2º momento da área da seção imersa com relação ao eixo da superfície livre.

Com o uso do teorema dos eixos paralelos:

Ix = Ic + Ah²

A profundidade do centro de aplicação da força abaixo da superfície é:

h" = h' + H – d (m)

Substituindo conforme descrito anteriormente obtemos:

O momento de giro pode então ser calculado.

Montagem do Equipamento
Para aprimorar a precisão dos resultados, meça as dimensões B e D do quadrante da superfície da
extremidade e a distância H e L e registre os valores para referência futura.
Posicione o tanque de flotação vazio F1-12 na Bancada Hidráulica F1-10 ou outra superfície plana
adequada e, depois, ajuste os pés roscados até que o nível de bolha circular integrado indique que o
tanque está nivelado em ambos os planos.

Posicione o braço de balanço nas bordas de lâmina e verifique se o braço está livre para girar.
Posicione o suspensor de peso vazio na ranhura na extremidade do braço de balanço.
Mova o peso do contrapeso roscado até que o braço de balanço esteja na posição horizontal, indicada
pela marca indicadora no centro do indicador de nível.
Procedimento
Adicione uma massa pequena (normalmente 50g) no suspensor de peso.
Feche a válvula de drenagem na extremidade do tanque e, em seguida, adicione lentamente água no
tanque. Isso pode ser feito em uma das duas maneiras:
A água pode ser despejada no tanque a partir de um recipiente adequado, tal como um jarro de água ou
a água pode ser bombeada no tanque de flotação a partir da Bancada Hidráulica F1-10, utilizando um
tubo flexível instalado no conector de saída de liberação rápida no leito do canal.
Inicialmente, abasteça o tanque de flotação com água até que o braço de balanço eleve. Evite molhar o
braço de balanço ou o quadrante acima do nível de água no tanque.
Após o abastecimento inicial do tanque, pequenos ajustes do nível da água serão melhor realizados
utilizando um jarro de água, permitindo tempo suficiente para que a água fique estabilizada antes de
tomar as leituras.
Adicione água até que o empuxo hidrostático sobre a superfície da extremidade do quadrante eleve o
braço de balanço. Certifique-se de que não há água derramada sobre as superfícies superiores do
quadrante ou dos lados, acima do nível da água. Continue adicionando água até que o braço de balanço
esteja na posição horizontal, verificando isso pelo alinhamento do plano do braço de balanço com a
marca indicadora no centro do indicador de nível. Talvez seja mais fácil abastecer o tanque com um
pouco mais de água e obter a posição de equilíbrio, abrindo a torneira de drenagem para permitir um
pequeno escoamento de água.
Quando o braço estiver na horizontal, leia a profundidade de imersão a partir da escala na superfície do
quadrante. Deve-se tomar cuidado para ignorar o menisco movendo a parte superior para cima e para
baixo até que o se observe a superfície real da água.
Repita o procedimento acima para incrementos de carga diferentes, adicionando pesos adicionais no
suspensor de peso. Os pesos fornecidos permitem incrementos de 10, 20, e 50 gramas para serem
utilizados, dependendo do número de amostras necessário. Intervalos de cinquenta gramas são
sugeridos para um conjunto inicial de resultados.
Continue até que o nível da água cubra totalmente a superfície submersa. Repita o processo no sentido
inverso, removendo progressivamente os pesos.
Anote quaisquer fatores que você achar que podem afetar a precisão de seus resultados.
Resultados
Todas as leituras devem ser registradas, conforme a seguir:

Constantes

Altura D (m) Largura B(m) Largura do Braço L (m) Altura do Giro H (m)
0,1 0,075 0,275 0,2
Medições

Massa Momento de Giro Profundidade Distância até o Empuxo Prof. Aplic. Prof. Aplic. Momento de
Adicionada d (m) Força Força Giro gerado
obtido com o peso Centro de Pressão Hidrostático
(kg) experim. teórico pela água (Nm)
(Nm) h (m) F (N) h”(m) h”(m)

Conclusões
Comente sobre a variação do empuxo com a profundidade.

Comente sobre a relação entre a profundidade do centro da pressão e a profundidade de imersão.

Para ambos acima, comente sobre o que aconteceu quando o plano se tornou totalmente submerso.

Comente e explique as discrepâncias entre os resultados experimentais e teóricos para a profundidade


do centro de pressão.