Você está na página 1de 2

Análise da Catedral de Notre-Dame de Reims

Túlio Magno de Souza Pereira da Costa

A Catedral de Notre-Dame de Reims, localizada na província de Champanhe,


no norte da França, começou a ser erguida na primeira metade do século XIII em
substituição de uma pequena igreja que já existia no centro de Reims e que abrigou,
inclusive, o batismo de Clóvis I (481‎-‎511). Além de uma importante rota comercial, a
região já tinha um forte caráter religioso, principalmente por ser sede do bispado e
por promover a conversão dos estados germânicos ao catolicismo. Após o batismo
de Clovis I, houve um impulso no cenário artístico local e uma consagração
espiritual.

A poucos passos do Museu de Belas de Reims, obedecendo a uma


arquitetura gótica, em especial aspectos do gótico francês, a Catedral de Notre-
Dame de Reims alcança com suas duas torres 81,5m de altura. A pedra inaugural da
catedral foi lançada pelo arcebispo Alberic de Humbert, como dito, no século XIII,
mas só veio a dar-se por completa somente no século XVI. O atraso se deve a
alguns eventos do período, como a peste, algumas guerras, podendo citar a Guerra
do Cem Anos e um grande incêndio, que tornaram os principais agentes dessa
delonga. Já no século XX a catedral foi, mais uma vez, vítima de ataques. Dessa
vez, devido a Primeira Guerra Mundial, quando Reims foi atingida por centenas de
bombas, o que danificou partes da catedral que foram recuperadas no final da
década de 30.

Nos direcionemos para os aspectos arquitetônicos da construção, a começar


pela fachada principal. Iniciada em 1252, a fachada oeste, também conhecida como
a principal, traz em seu primeiro nível, três portais finalizados em períodos
diferentes. São ornados com arquivoltas e rosáceas na parte superior. A fachada
ocidental traz linhas verticais proeminentes, tímpanos, frontões e pináculos que
carregam os olhos às alturas. O portal central se destaca por sua maior abertura e
altura se comparado aos demais. É dedicado à vida e glorificação da Virgem Maria,
e traz um vitral em forma de rosácea e frontão que o representa a Coroação da
Virgem por Cristo. Nos degraus, seis anjos balançam ostensórios, tendo o mundo
aos pés da Virgem e o sol acima da mão de Cristo. Já o portal direito é dedicado ao
Último Julgamento, traz Cristo em um trono e o seu lado os anjos levam os
instrumentos da Paixão. Os arcos trazem ainda cenas do Apocalipse. Enquanto o
terceiro arco, dedicado à Paixão de Cristo, as imagens trazem Cristo crucificado
entre a Virgem e São João, é possível observar também cenas da Paixão de Cristo.
Ainda sobre o conjunto figuras dos arcos, apenas dezessete datam ser do século
XIII, isso devido às inúmeras intervenções. A catedral de Reims é especialmente
conhecida por suas 2.303 estátuas espalhadas por sua arquitetura, sendo é o
edifício religioso que tem a maior quantidade de estátuas do mundo.

No nível intermediário, é ocupada pela grande rosácea com 12,5m


denominada em "l'Assomption", data do final do século XIII e é dedicada à Virgem. O
recheio dá à rosácea a forma de uma flor com doze pétalas, trazendo no centro o
dormitório da Virgem, nas coroas os 12 apóstolos, 19 músicos angélicos, 3 serafins
e 2 anjos espíritos. Além dos profetas e reis ancestrais de Cristo. Enquanto no nível
superior da catedral, podemos contemplar a galeria dos reis, que é datada de
meados do século XIV e é composta por 56 estátuas. Algumas informações
conferem que esses reis nunca foram identificados com certeza. No centro, a
representação do batismo de Clovis por Saint Remi.

Um pouco sobre os vitrais, podemos observar, nas partes superiores, que


alguns datam do século XVIII, apesar das sucessivas destruições do edifício. Mas
também é possível apreciar vitrais contemporâneos que foram colocados nas últimas
décadas, dentre eles as famosas realizações do artista Marc Chagall, em 1974, e até
mesmo nos últimos anos, como em 2011 quando seis novos painéis de vidro foram
instalados na catedral de Reims.

Em relação à planta baixa, a catedral é construída sobre uma planta de cruz


latina, possui transepto, naves laterais e principal, ambulatório e cinco capelas
axiais. O interior, marcante por sua unidade, consiste de uma nave central de dez
baias, forradas de ambos os lados de uma colateral, um ambulatório sobre o qual se
abrem cinco capelas radiantes. A nave tem uma elevação em três níveis,
caracterizando o clássico gótico francês do século XIII na sua forma equilibrada.
Aproveitando, a catedral possui dois órgãos, o grande órgão numa plataforma acima
da entrada do pórtico norte e o órgão coral menor na nave.

Referência

Paroisse Notre-Dame Saint-Jacques de Reims. Disponível em:


<https://www.cathedrale-reims.com/>. Acesso em: 30 maio 2018.