Você está na página 1de 5

Livro: Despertar

Capítulo um:

Zumbis
Houve poção suficiente para acordar Collin, Tilda, Nez e mais alguns poucos ratos de Barksburg da
maldição. Agora, sentados na sala de Linera, os ratos planejavam suas próximas ações. Foi Tilda quem
começou a conversa:
- “Maginos, por favor, precisamos entender melhor a situação. Que maldição é essa? Quem a soltou? E por
que parece que nós somos os únicos acordados em todo o reino?”. Depois de um momento pensativo,
Maginos rompeu o silêncio. Porém não parecia que estava falando com ninguém além de si mesmo:
- “Isso já faz tanto tempo...”. Após mais alguns instantes de silêncio, Nez ficou impaciente segurou o ombro
do ancião e novamente tentou chama-lo a realidade:
- “Maginos, por favor, o que está havendo?”. O Místico olhou para cada um dos seus amigos, como que
percebendo pela primeira vez sua presença, depois abaixou seu olhar e não tornou a levantar, como que
envergonhado:
- “Só posso lhes contar que há muito tempo eu quase me perdi no lado sombrio da magia. Seduzido pelo
poder, estudei maldições antigas, poções e rituais sombrios. Felizmente, percebi o quanto essas forças eram
destrutivas e me afastei a tempo. Mas as sombras... Bem, as sombras sempre deixam suas marcas. De
alguma maneira me tornei imune a essa maldição e pude acordá-los graças a uma poção antiga que eu
havia guardado”. O tom de voz de Collin era muito compreensivo e maduro para sua idade:
- “Fico feliz que as sombras não tomaram seu coração. Ser um grande herói não significa nunca errar, mas
ter coragem de consertar seus erros”. Maginos levantou o rosto:
- “Meu príncipe! Como eu quero um dia vê-lo sentar no trono e governar o reino!”. Os pensamentos de
Maginos se perderam novamente, como que se houvesse se voltado para dentro de si e procurasse algo em
sua memória: “Há mais poções no meu antigo laboratório! Poucas delas, mas acredito que seja o suficiente.
Também tenho um tomo com informações sobre a maldição do sono e a receita para fabricação de mais
poções. Podemos ir até lá”. Neste instante, Linera chegou ao cômodo com ar de preocupação:
- “Realmente, não encontramos nem Lily nem Filch em nenhuma parte de Barksburg. Acredito que talvez
estivessem no último grupo de batedores que adentrou o castelo”. Collin se levantou de sua cadeira e disse
com convicção:
- “Então vamos! Pegamos os tomos, as poções e talvez com sorte encontremos o grupo de batedores. Sinto
que finalmente está na hora de visitar meu antigo lar”. Descendo até o pátio, todos pararam para olhar o
castelo por um instante:
- “Tudo parece tão sombrio e quieto. O reino parece até um grande cemitério” – observou Nez segurando
firme seu martelo.
- “Há algo errado por aqui” – o místico estava de olhos fechados e parecendo querer aguçar seus outros
sentidos.
Apenas pequenos gemidos, de pessoas e ratos em seus pesadelos podiam ser ouvidos. De repente alguns
ratos de Barksburg deitados no chão começaram a se levantar ainda dormindo. Não dá para saber que tipo
de alucinação eles estavam tendo em seus pesadelos, mas pareciam enxergar Collin e seus amigos como
inimigos.
- “Eu temia isso! Não estão dormindo, nem estão acordados. Estão em um estado intermediário como se
fossem um tipo de zumbi. Quem lançou a maldição também pode controlar os pesadelos.” – esclareceu
Maginos.
- “Estamos sozinhos! Ratos de Barksburg ou antigas ratazanas de Vanestra, todos agora nos veem como
adversários” – disse Nez em tom grave.
- “Se o castelo parece um cemitério, então definitivamente os mortos não estão descansando em paz” – a
maça de Tilda anunciava que a noite ficaria ainda mais escura.

Objetivo do Capítulo
Recupere as poções para combater a maldição do sono e o tomo sobre a maldição no Laboratório de
Alquimia.

Condição para Vitória


Os ratos vencem se derrotarem todos os lacaios no Laboratório de Alquimia antes que o marcador de
ampulheta atinja o final do capítulo.

Condição para Derrota


Se o marcador de ampulheta atingir o marcador de final do capítulo, antes que os ratos derrotem todos os
lacaios no Laboratório de Alquimia ou se todos os ratos forem capturados no mesmo bloco, eles serão
derrotados.

Organização do Capítulo
Fim do Capítulo
Coloque o marcador de final do capítulo na página 6 da sequência do capítulo.

Organização do grupo
Collin, Tilda, Nez e Maginos necessariamente serão o grupo para esta aventura.

Organização do monte de confrontos


Para formar o monte de confrontos, misture e coloque todas as cartas de confronto padrão viradas para
baixo na área de confronto, no tabuleiro de controle da história. As cartas de confronto difíceis não serão
usadas neste capítulo.

Organização dos blocos de sala


Coloque os seguintes blocos posicionados nesta ordem, sempre com a seta de orientação virada para cima:
O Pátio; a direita do pátio Os Túneis da Sala de Jantar; a direita dos túneis da sala de jantar, Os Túneis de
Cristal.
Posicione os ratos heróis no espaço adjacente a abertura do velho carvalho no Pátio. Posicione
normalmente duas ratazanas guerreiras e duas ratazanas de elite, que são na verdade, ratos de Barksburg
sob o encantamento da maldição.

Regras Especiais do Capítulo


Pátio do Castelo
1) Busca especial: Em qualquer cogumelo: Gataria

2) Onda especial: Dois guerreiros ratazanas.

A Entrada do Túnel

Os Túneis da Sala de Jantar


1) Hora da história: Ao adentrar os túneis da sala de jantar, escolha um jogador para ler em voz alta o
trecho abaixo:
A frente dos ratos uma enorme parede de escombros se erguia.
- “Céus! Será que nenhuma vez isso poderia ser mais fácil!” – praguejou Nez.
- “Por favor, silêncio! Não queremos atrair mais a atenção de ninguém.” – Tilda tentou esfriar os ânimos.
Nez fez o silêncio não de quem estava calmo, mas de quem estava ainda mais irritado.
- “Esta parte do castelo ainda não foi reformada. Precisamos de um plano...” – falou Collin, olhando
pensativo para o caminho obstruído.
- “Pelo que me lembro do castelo, aqui em cima era a sala de jantar. Apesar de estar provavelmente
destruída, deve ter sobrado um garfo em algum lugar. Poderíamos usar um garfo para nos arremessarmos
para o outro lado. O último rato poderia se arremessar, atirando uma pedra na parte oposta do garfo” –
sugeriu Maginos.
- “Vamos! Não sei se é uma boa ideia, mas é a única que temos.” – decidiu Collin.
- “Única ideia? Eu tenho mais uma sugestão!” – flou Nez descontando toda a sua raiva desferindo um golpe
de martelo no monte de escombros. As paredes tremeram e de um canto escuro surgiu uma centopeia
enfurecida. Todos olharam para Nez. Não foi preciso falar nada.

2) Regra especial: A parede de escombros: Considere os espaços marcados com um X como bloqueados. Só
poderão ser passados usando um garfo (ou um pergaminho de levitação, caso houver algum).

3) Confronto especial: A Centopeia deve ser posicionada na entrada de lacaios da parte inferior do bloco
(usando a seta de orientação apontada para cima).

4) Onda especial: Caso aja onda nesse bloco, mais escombros cairão no chão. Todos os ratos deverão rolar
os dados correspondentes ao seu valor de movimento. Se não conseguirem tirar pelo menos um asterisco,
recebem um ferimento indefensável. Nenhum lacaio será adicionado e o marcador de ampulheta é
movimentado normalmente.

A Sala de Jantar
1) Regra especial: Sala de Jantar destruída: A mesa de jantar foi destruída, ignore as linhas vermelhas e
amarelas do bloco.
2) Onda especial: Brodie.

3) Busca especial: Garfo de Jantar, no prato quebrado no chão, e Elixir de Whiskerfroth, na garrafa de vinho
quebrada no chão.

Os Túneis de Cristal
1) Busca especial: Ponto de descanso, em qualquer lugar.

Laboratório de Alquimia
1) Hora da história: Ao adentrar o Laboratório de Alquimia, escolha um jogador para ler em voz alta o
trecho abaixo:
- “Graças a Deus a sala está bem preservada!” – suspirou Maginos aliviado. O alívio foi ainda maior ao
perceber que os ratos desaparecidos de Barksburg, incluindo Lily e Filch, também estavam lá. Parecia que
coletavam algumas ervas em cima da mesa do laboratório, quando a maldição caiu sobre o reino. Porém
todo o alívio se transformou em terror ao perceber que o grupo de batedores se levantou e sacou suas
armas.
“Lily! Filch! Somos nós! Seus amigos!” – gritou Tilda o mais alto que pôde, mas foi interrompida por uma
flecha disparada por Lily que encravou em uma madeira a poucos centímetros de sua cabeça. Lily e Filch
pareciam profundamente imersos em seus pesadelos. Não era possível saber que alucinação eles estavam
tendo, mas o ódio em seu olhar denunciava que se tratava de algo tenebroso.
“Não há outra opção! Precisamos do que está naquela mesa e eles não irão nos escutar!” – Collin sacou sua
espada com o maior pesar que sentiu na vida – “Desculpem amigos”.

2) Confronto especial: Posicione Lily, Filch, um guerreiro ratazana e uma ratazana de elite em cima da mesa
do Laboratório de Alquimia.

3) Regra especial: Lutando contra Lily e Filch: Lily e Filch devem ser utilizados como lacaios neste bloco. Seu
movimento e ataque segue o padrão normal dos lacaios. Seus valores de ataque e defesa correspondem
aos da ficha de personagem, mais os equipamentos iniciais. Os queijos que tirarem nos dados são
adicionados à roda de lacaios e não podem ser usados para ativar nenhuma habilidade especial que
possuam. As habilidades especiais das armas são usadas normalmente. Quando tiverem pelo menos duas
feridas, eles já caem no chão desorientados e são considerados como derrotados.

4) Onda especial: 2 guerreiros ratazanas.

5) Hora da história: Ao terminar o combate, escolha um jogador para ler em voz alta o trecho abaixo:
Tilda estava cuidando dos ferimentos de Lily, Filch e dos guerreiros de Barksburg que acabaram de acordar.
- “Espero nunca mais ter que ataca-lo meu amigo” – disse Nez a Filch.
- “Na próxima vez, se eu estiver acordado, Tilda estará cuidando de você e não de mim” – respondeu o
ladrão com uma língua mais afiada que a sua adaga.
- “Uma pena que só consigo curar os corpos e não essas cabeças duras” – disse Tilda, arrancando risadas de
todos. O bom momento já foi logo interrompido por Maginos:
- “Nããããoooo! Não é possível”. Todos silenciaram e olharam para o ancião. “O tomo e parte das poções
sumiram. Provavelmente quem lançou a maldição passou por aqui antes de nós”.
- “E agora? O que podemos fazer?” – esbravejou Nez impaciente por um novo plano.
- “Temos poucas poções, nenhuma receita e não sabemos quase nada sobre a maldição e muito menos
quem a lançou” – Maginos abaixou o olhar. O desânimo tomou conta de todos. O silêncio só fez com que
ouvissem ainda mais os gemidos das pessoas presas em seus pesadelos, o que aumentou sua angústia.
Collin fitava a escuridão de fora, sentado em uma janela próxima a mesa, quando interrompeu o silêncio:
- “Se vocês tivessem lançado essa maldição, que lugar escolheriam?” – Collin indagou.
- “Talvez um lugar alto para aumentar seu alcance” – comentou Tilda.
- “A quanto tempo a torre alta da ala leste do castelo está selada?” – perguntou Collin. Nez, como um dos
mais velhos do grupo, respondeu:
- “Esta torre era o aposento da rainha. Toda a ala foi selada desde que...” – Nez hesitou por um momento,
tentando achar as palavras – “desde que sua mãe faleceu a muitos anos”.
- “E por que nesta noite escura, esta torre é o único lugar do reino que tem um pouco de luz” – perguntou
Collin, agora olhando para seus amigos.