Você está na página 1de 4

ORIENTAÇÕES PARA PLANEJAMENTO DE CAMPANHAS DE VACINAÇÃO

1.Postos de Vacinação
 Para planejamento de um posto de vacinação deve ser considerado:
o Localização geográfica, sendo priorizadas áreas descobertas,
o Número de doses aplicadas administradas em campanhas anteriores, sendo remanejados
aqueles com total de doses igual ou inferior a 50/dia;
o Possibilidade de parcerias com o responsável pelo local eleito.
 Após a definição do local para o posto, os dados administrativos deste devem ser inseridos no
Sistema Municipal de Vacinação – planejamento (SMV-plano) ou no formulário padronizado pela
Secretaria para posterior inserção. Devem ser preenchidos os seguintes campos:
1- Identificação da campanha vigente;
2- Identificação correta da Unidade e Distrito de Saúde responsável pelo posto;
3- Identificação do tipo de posto: fixo ou volante;
4- Endereço completo, com CEP;
5- Nome do posto (geralmente o local em que está implantado, ex: supermercado, farmácia,
posto de gasolina....);
6- Nome completo dos servidores definidos para cada função na campanha: 01 Triador, 01
registrador e 02 vacinadores. Lembrando que cada posto fixo deve ter no máximo 04
pessoas e posto volante com 03 pessoas;
7- Deve constar o cargo ocupado na SEMSA e o CPF de cada integrante;
8- No caso da campanha de Influenza, deve constar a identificação de idosos acamados
existente na área. Se afirmativo, ter a descrição da situação vacinal;
OBS: Para efetivar a inserção dos dados no sistema, garantindo o salvamento destes, todos os campos
deverão ser preenchidos corretamente.
 Para garantir o funcionamento do posto de vacinação, o gestor local deve contactar o parceiro para
formalizar a atividade, antes da inserção deste no SMV- plano, evitando divergências
administrativas. Na semana que antecede a campanha, estes postos devem ser devidamente
identificados para facilitar a divulgação do local.

2. Termômetro de cabo extensor


 Cada caixa de isopor destinada ao armazenamento de vacina, deve ter 01 termômetro de cabo
extensor;
 Cada unidade deve realizar o levantamento da quantidade e condições existente deste item,
lançando no site o saldo e a necessidade de cada unidade. Realizar este calculo, considerando ainda
a necessidade das UBSF vinculadas.

3. Isopor
 O padrão para este item é
Local Isopor 12l Isopor 36l Isopor 130l
1 – influenza/VOP
01 – garrafas de água
Posto Fixo 1 – FA/dT/PNM 23V 0
01 – reserva de gelo
01 – reserva de doses
01– influenza/VOP/dT
Posto Volante 01- FA/dT/PNM 23V 0 0
1- água
Unidade de Saúde 0 0 01 para cada 05 postos
02 - para cada supervisor
DISA 01 - para cada “Zé Gotinha” 10 10
10 – apoio
 As caixas de isopor de 130lts é disponibilizado somente para armazenar reserva de gelo em
escamas.
 Cada unidade deve realizar o levantamento do estoque existente de cada caixa de isopor por
tamanho, observando fissuras e sujidades excessivas.
 Para inserção destes itens no SMV- plano, cada unidade deve registrar a quantidade existente e a
necessidade de acordo com o padrão acima. Caso a unidade tenha UBSF vinculada, deve ser
acrescida a quantidade necessária para atendê-la.
 O DISA também armazena vacina e gelo, portanto, necessita informar estoque existente na sede,
caso haja.

4. Banner “Aqui posto de vacinação”


 Cada posto fixo deve ser identificado com o banner “Aqui posto de Vacinação”;
 Cada unidade deve realizar o levantamento do estoque existente e inserir no SMV-plano;
 Ao término da campanha, estes devem ser recolhidos e armazenados até a próxima campanha.

5. Supervisores
 Cada unidade de saúde deve eleger supervisores para prestar assessoria técnica e logística aos
postos de vacinação distribuídos e para as UBSF vinculadas, de acordo com o padrão abaixo:
Supervisão QTD
UBSF 01 supervisor para cada 04 UBSF
Postos da Unidade de Saúde 01 supervisor para cada 05 postos da UBS
 Quanto aos postos de vacinação das UBSF, geralmente são distribuídos na área de abrangência da
unidade, facilitando o deslocamento da equipe, portanto cabe aos profissionais de nível superior
desta prestar assessoria técnica e logística a estes.

6. Transporte
 O padrão para veículos é o mesmo utilizado para supervisor, sendo 01 para cada 04 UBSF E 01 para
cada 05 postos da UBS, ou seja, cada supervisor deve ter 01 veículo.
 Para descrição do Transporte é necessário à definição do tipo (passeio, tração, lancha, moto...), da
origem (oficial de outra secretaria ou da SEMSA, particular), o numero da placa, tipo de
combustível, modelo do veículo e nome do motorista, conforme tabela abaixo:
tipo de transporte Origem Dados transporte oficial SEMSA e particular

tipo de combustível
pick up c/ oficial da oficial de outra nome do
UBS XX moto lancha traçao ônibus passeio SEMSA secretaria particular motorista placa modelo gasolina diesel alcool flex

Necessidade x x
jxx-
de transporte
x x Joao Santos 2022 palio x

7. Planejamento da sede UBS/ Hospitais/CAIC/CAIMI


 Para composição da equipe de coordenação da campanha nas unidades, o quantitativo dos recursos
humanos não poderá exceder ao padrão abaixo descrito:
RH por sede da unidade de Saúde QTD máxima por Unidade
Coordenador geral 01
Supervisores Seguindo padrão do item 3
Digitador 02
Serviços gerais 01
Apoio administrativo para controle veículos e cautelas de 01
tickets alimentação
Apoio técnico para controle de imunobiológicos 01
8. Dados da sede DISA
 Para composição da equipe de coordenação da sede do DISA, o quantitativo de recursos humanos,
não poderá exceder o padrão abaixo:
RH QTD máxima por DISA
Coordenação geral 01
Coordenação campanha 01
Supervisores 01 para cada 04 UBS
Supervisor do SI 01
Apoio administrativo para controle veículos 01
Apoio administrativo para controle de cautela de tickets 01
Apoio administrativo logístico 01
Apoio administrativo para controle de imunobiológicos 01
Serviços gerais 03
Zé gotinha 02
01 para cada supervisor + 01 para cada “zé
Motorista
gotinha” + 04 para apoio logístico

9. Abertura campanha
 O DISA deve descrever também os dados de RH referente à abertura da campanha. Caso este tenha
sido eleito, deve seguir o padrão abaixo:
RH QTD máxima por DISA
Coordenação do evento 01
Supervisores 02
Apoio administrativo logístico 04
Apoio administrativo para controle de imunobiológicos 02
Apoio técnico para cerimonial 01
Equipe para vacinar 08
Serviços gerais 04
Motorista 02

10. Cálculo para insumos


A determinação da quantidade de cada insumo a ser enviado para as unidades de saúde é oriundo da
totalização de RH e posto de vacinação por UBS e UBSF, de acordo com o padrão abaixo:
MATERIAL QTD/POSTO
Caneta, lápis e envelope 02
Algodão* Banner** 01
Cartão de adulto 100
Flayer 200
Cartazes 100
Mapa de doses aplicadas por vacina 04
Saco de lixo, saco de 2kg, descartex*, papel madeira* 04
Termômetro de cabo extensor Item 2.
* Caso haja vacinas injetáveis na campanha.
** Cada UBS deve registrar o número de banner disponível na unidade. O valor a ser enviado é oriundo do
padrão, diminuído pelo quantitativo existente na unidade.
MATERIAL QTD/UBS
Fita adesiva 1 para cada 5 postos
Faixa 01
Isopor conforme item 2
Água* 4 garrafas por pessoa
Gelo** Cálculo abaixo
*O pacote é composto com 12 unidades, portanto se para UBS XX está previsto 40 pessoas na campanha, o
Cálculo será: 40*4/12 = 13,3 pcts, arredondando= 13 pcts.
**Gelo: de acordo com o número de caixas de isopor padronizado, acrescido de 20% do valor total para
reposição de gelo no decorrer das campanhas, tratando- se de sacos de 20kg e 30% caso seja sacos de 40kg.
1. Para cada 03 cx de 12lt= 01 saco de gelo de 20Kg
2. Para cada 01 cx de 36lt= 01 saco de 20kg
3. Para cada 01 cx de 130lts= 03 sacos de 20 Kg
Ex: A UBS X somando a quantidade de caixas necessárias para seus postos e UBSF ligadas necessita de 40 cx
de 12lts, 20 cx de 36lts e 8 cx de 130lts.
Gelo de 20kg= (40/3 + 20 + 8*3) + 20*(40/3 + 20 + 8*3)/100 = 68,8, arredondando = 70 sacos