Você está na página 1de 7

FACULDADE PAULISTA DE ARTES

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM EDUCAÇÃO MUSICAL

Rodrigo Cristalino Bezerra da Silva

Zip, Zap, Bong: Rítmica adaptada para crianças.

São Paulo
2016
Rodrigo Cristalino Bezerra da Silva

Zip, Zap, Bong: Rítmica adaptada para crianças.

Trabalho apresentado à
disciplina: Metodologia de
Ensino da Música para o
programa de pós-graduação em
Educação Musical da
Faculdade Paulista de Artes,
ministrado pelo Prof. Ms.
Adriano Carvalho.

São Paulo
2016
Atividade pedagógica

Oficina: Zip Zap Boing: Rítmica adaptada para crianças.

Duração: 30 minutos

Público alvo: crianças de 06 a 11 anos.

Do teatro para a música.

Augusto Boal(1998), teatrólogo Brasileiro idealizou o teatro do


Oprimido de modo a propor que a linguagem teatral é a linguagem humana
por excelência, e a mais essencial. Assim mesmo poderia ser a música de
acordo com o canadense Murray Schafer a música necessita ter uma
intenção, isto é, qualquer emissão sonora sendo executada intencionalmente
é música. Por meio deste pensamento a composição musical é o principal
objeto pedagógico desta oficina. Swanwick utiliza em seu modelo de
educação musical o CLASP, a composição como uma das bases para o
entendimento funcional do fazer da música:

Além de formar compositores especialistas, a composição é uma ferramenta poderosa para


desenvolver a compreensão sobre o funcionamento dos elementos musicais, pois permite
um relacionamento direto com o material sonoro. (Swanwick 1979, p. 43).

Quando em um jogo rítmico uma criança compõe uma música escrita


ou somente instrumental ela possivelmente aproxima-se de uma intensa
motivação artística na qual a fará assimilar com maior organicidade os
termos técnicos abordados nos métodos de teoria musical.

“Todo professor precisa levar em conta suas idiossincrasias. Sinto que ninguém pode
aprender nada sobre o real funcionamento da música se ficar sentado, mudo, sem entregar-
se a ela. Como músico prático, considero que uma pessoa só consiga aprender a respeito
de som produzindo som; a respeito de música, fazendo música” (Schafer, 1986, p. 56).
Os jogos criados por Boal utilizados no teatro tem o objetivo de
despertar o corpo e a percepção de nossos sensores a fim de propor uma
desmecanização da forma social na qual somos moldados a permanecer.

Desta maneira podemos resgatar nossa essência, ou seja, nosso


modo natural de agir e criar a partir de nossa própria linguagem humana.

O mundo, agora, já é algo que se fala com falsas palavras, mas o


mediatizador dos sujeitos da educação, a incidência da ação transformadora
dos homens, de que resulte a sua humanização (FREIRE, 1997).

Se tanto a música como o teatro, são de alguma maneira uma


espécie de gerúndio conduzido pelas ações do mundo, então como
educadores do futuro. Façamos de nossas crianças compositoras de uma
nova emissão sonora da arte.

Metodologia

Procedimento:

1° contato

Relaxamento: dispostos em diversos locais da sala o educador pedirá


aos participantes que fechem os olhos e ouçam a cidade. Em seguida pedirá
que escrevam em um papel o que consideram ser música. Por ultimo o
educador pedirá um deles imite um dos sons que ouviram.

2° contato:

O jogo Zip, Zap e Boing:

 Junte todos em um grande círculo.


 Comece o jogo apontando para outro ator no círculo e dizendo "Zip",
que sem hesitação, deve apontar imediatamente para outro jogador e
dizer "Zap". Esse jogador então deve imediatamente apontar para
outra pessoa e dizer "Zap", que também deverá deve apontar de
imediato para outra e dizer "Zip".
 Observação: Zap pode ser dito quando for apontado para algume que
estiver longe, e Zip para alguem que estiver ao lado.
 Continue até que alguém cometa um erro por dizer a palavra errada
ou por demorar muito para responder.
 Modifique o jogo para atender às suas próprias necessidades. É
possível criar variações do jogo para trabalhar certas habilidades. Por
exemplo, uma ótima maneira de trabalhar o contato visual é, ao invés
em vez de apontar, simplesmente fazer contato visual com outro
jogador ao dizer "Zip". Isso exige que seus atores prestem mais
atenção ainda e façam mais contato visual.

3° contato

Composição:

Com alguns instrumentos em mãos o educador irá entregar aos


participantes e pedir que identifiquem o timbre do som existente no jogo (Zip,
Zap e Boing). Os instrumentos podem ser: pandeiro, ganzá e tamborim, ou
qualquer outro que emita som grave e agudo. Em seguida tocaremos uma
sequencia ex:

Zip: tamborim

Zap: ganzá.

Boing: pandeiro.

A partir deste exercício é possível identificar com as crianças as notas


graves e agudas estimulando sua percepção auditiva (ex: Si maior e Ré
maior - Zip – Sol maior e Mi maior – Zap e Lá maior e Dó maior – Boing).
Após esse momento o educador fará uma ciranda com os
participantes tocando o ritmo do Zip, Zap e Boing repetindo a célula rítmica
oralmente.

Ex: batendo o pé , tocando e falando

A partir deste exercício é possível identificar com as crianças o tempo


rítmico da música e a clave sonora a qual pertence no caso a ciranda, o
samba, a valsa, o coco e o baião.

4° contato.

Avaliação:

Iremos escolher um ritmo para tocar. Em seguida o educador irá


propor que alguém termine a frase:

zip! fez o meu(minha) ........

em seguida outra frase:

Zap! Respondeu o ......

E por fim a ultima frase:

Boing! o..... para tudo.....

O educador irá gravar o exercício em video para que todos para


avaliação.
Referências:

SCHAFER, R. Murray. O ouvido pensante. Arcana Editions: Canadá, 1986.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Paz e Terra: 1983.

BOAL, Augusto. Jogos para Atores e não Atores. 14º edição – Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira: 2011.

FRANÇA, Cavalieri Cecília/SWANWICK, Keith. Composição, apreciação e


performance na educação musical: teoria, pesquisa e pratica. Em Pauta.
Londres, v. 13, n. 21 p. 9, dezembro. 2002.