Você está na página 1de 3

FUNDAMENTOS DE OYÁ TOPÉ - A SENHORA DO ECO E DO FOGO

Topé é uma expressão que significa "Eco".

Dizem que ela só ouve os pedidos de seus filhos se estes forem feitos com voz alta.

Topé é a Oya mais próxima a Exú Iná (Exu do fogo/ Iná=fogo em yorubá), é uma Oya quente e
perigosa por ser demasiadamente ligada ao fogo.

Esta é uma Oya do Fogo, Oyá Topé é o fogo que temos dentro de nós, é o acalento do amor e a
Explosão da Fúria.

Pode ser exagerada ou simples, ela pode mudar de gosto e opinião facilmente.

Assim como oscilam as labaredas, oscila Oya Topé.

Esta Oya se veste de somente de vermelho vivo e marrom, tem enredo com Exu Iná, Xango
Barú, Ogun Xorokê e Ogun Akajá.

Carrega muitas pulseiras (idés de cobre), braceletes de cobre, peitaca, usa adê (coroa) de cobre
enfeitada de pedras e com chorão, traz adaga de cobre enfeitada de pedras vermelhas, eruexim
de pêlo escuro.

Não gosta de nada que seja frio e sem vida.

Seus filhos, são muito apreciados para trabalhos com fogo, defumação, e para trabalhos que
envolvam Exu, podem ter cargos na casa de Exu, serem responsaveis pelo Ipadê, responsáveis
pela casa de Exu, e todos os rituais que sejam feitos para Exu.

Devem usar alem de fios de Oyá, usar fios de Exu, Xango e Ogun.

Seus adjuntós podem ser Exu, Xango, Ogun, e em raras vezes Oxossi.

Independente do adjuntó Exu Inã deve ser montado para que esta Oyá tenha caminhos e para
que sua vida seja sempre iluminada e com movimento. Um não caminha sem o outro e vice
versa.

Este Exu é montado na tabatinga vermelha com elementos vermelhos e folhas muito quentes, e
dentro dele vão 9 brasas acesas na montagem. Cada vez que ele come, uma brasa é acesa e
deixada em cima dele para comer junto.

Ela responde nos odus Okanran (1) , Etaogunda (3), Ossá (9), Owarin (11) e Ejilaxeborá (12)

Esta Oya tambem pode carregar o Ajerê. Quando se recolhe Iyawos desta Oya, no roncó o fogo
deve estar sempre aceso, quando ela come, um Ajere deve estar sempre aceso ao lado de seu
Igbá, e recebe um pouco do ejé (sangue) das matanças.

Come com muito azeite de dende, recebe acarajes, ekurus, abaras. Gosta de receber tudo em
quantidade de 11, mas tambem recebe em numero de 9 como é de costume oferecer as Oyás.

Seus acarajes devem ser fritos com um grao de ataré colocado em cima do bolinho na hora da
fritura.

Para esquentar esta Oyá se passa dendê quente em seus chifres de búfalo no igbá.

Pode ser assentada no barro ou na louça.

Em todos os orôs desta santa, enquanto a matança é feita a Iyawo fica sentada com seus pés em
cima dos chifres de búfalo untados de dendê quente e segurando nas mãos um alguidar com 11
brasas acesas.

Um pouco do Oleo da fritura dos acarajes desta oya, é usado para fazer o padê para Exu Iná.

Este é o segredo deste Exu.

OFERENDAS A OYA TOPÉ

ACARAJE DE FOGO E PADE QUENTE A EXU INÃ

Fazer 11 acarajes no dende com atare, com um pouco do oleo fazer um pade para Exu. NO fundo
de um alguidar colocar o pade, em do pade os 11 acarajes em pé. e no meio de todos os acarajes
colocar uma brasa acesa, rodar com alegria e cantando para oya, exu e xango, e entregar aos pés
dela.

LIMPEZA DA CASA COM OYA TOPÉ

Acender num alguidar 11 brasas acesas, jogar em cima 11 graos de atares, e cruzar o fogo nos 4
cantos da casa, dos fundos para frente. Deixar apagar sozinho no portao da casa. Jogar no
telhado da casa 11 acarajes pequenos fritos no dende para que Oyá cubra e aqueça o Lar.

PARA OYA TOPÉ AFASTAR O MAL, FEITIÇOS, EGUNS E DESCARREGAR SEUS FILHOS

Preparar 11 ekurus. Nos pés de Oya, passar os 11 folhas de peregun vermelho e 11 galhos de
para raio, colocar dentro do alguidar forrando, passar os 11 ekurus no corpo e colocar no
alguidar em cima das folhas, regar com dende quente, e jogar em cima 11 graos de ataré.
Acender uma vela branca ao lado, e apos vela queimar despachar tudo na encruzilhada ou no
bambuzal.
LENDA DE OYA TOPÉ E EXU INÁ

Exu Iná era feito de fogo, como uma chama que nunca apagava. Tudo que ele tocava queimava e
por isso vivia só. Ele desejava ter uma familia e que pudesse conviver sem machucar os que dele
se aproximassem.

Exu Iná nasceu no dia em que o primeiro raio bateu na terra, o seu fogo veio desse calor.

O orixa dos Raios era Xango, entao Exu Iná foi até ele pedir ajuda para apagar seu fogo. Xango
disse que nada podia fazer, mas que Exu Iná fosse ver Orunmilá, somente Orumilá tinha resposta
para tudo.

Exu Iná foi ver Orunmila e ele lhe disse que em Nupê havia uma feiticeira chamada Topé (o nome
Topé é um termo usado para o som do eco) que sabia manipular o ar e os ventos poderia abafar
o fogo, e que ele levasse dendê para ela, pois Topé ama azeite de Dendê.

Quando Exu Iná chegou na casa de Topé ele teve de gritar o nome dela nove vezes, pois Topé
responde no Eco, na multiplicação.

Ela então saiu e se mostrou, uma negra exuberante, com roupas vermelhas e marrons e muitas
pulseiras de cobre, Exu Iná ficou paralizado ao ver tão bela mulher. Ele contou para ela sua
situação e ela resolveu ajudar, costurou para ele uma manta de couro de búfalo e jogou sobre
ele, o abafamento da manta apagou o fogo, enquanto ele se cobrisse com aquela manta o fogo
não reacenderia.

Exu Iná ficou muito feliz e muito grato a Topé, ele entregou para ela o jarro com dende, Tope
abriu o jarro e então Exu Iná lhe deu mais um presente, ele cortou um pedaço de sua pele e
jogou para Topé para que ela sempre tivesse uma chama, mas por acidente a pele flamejante de
Exu Iná caiu no jarro de dende e isso causou uma explosão de fogo que se misturou ao Asé de
Topé e nisso a pele de Exu Iná, o Dende e o fogo se tornaram parte dela, ela se transformou em
uma labareda, uma chama viva, seu interior é puro fogo.