Você está na página 1de 13

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS

UNICAMP
INSTITUTO DE ARTES
PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ARTES DA CENA

SOLICITAÇÃO DA BOLSA BEPE – FAPESP


Bolsa de Estágio de Pesquisa no Exterior
Doutorado

Projeto: “A MEMÓRIA, A PERCEPÇÃO E AS MICROPERCEPÇÕES NO


PROCESSO DE CRIAÇÃO DO ATOR”

Instituição estrangeira:
Universidade Nova de Lisboa
Supervisor: Prof. Dr. Paulo Filipe Monteiro
Aluna: Melissa dos Santos Lopes
Orientador: Prof.Dr. Renato Ferracini
Bolsa regular de doutorado
FAPESP
Processo: 2010/07297- 0

Campinas
Maio de 2012
1) RESUMO DO PROJETO DE DOUTORADO NO BRASIL

Esta pesquisa de doutorado tem como foco a investigação, reflexão e

análise dos seguintes termos práticos-conceituais: memória, percepção e

micropercepção, extrapolando as relações entre estes, a partir do recorte de

algumas pedagogias direcionadas ao trabalho do ator, qual seja: o método

interpretativo de Stanislavski e os impulsos e treinamentos psico-físicos de

Grotowski.

A pergunta e pressuposto básico desse projeto é justamente tentar

problematizar e discutir esses conceitos de ordem prática de um fazer a partir e

com conceitos redimensionados de memória e micropercepção. O conceito de

memória tem como fundamento as reflexões advindas de algumas das

principais obras: de Bergson e Deleuze. Já o conceito de micropercepção tem

como estado da arte algumas das principais obras dos filósofos: Leibniz,

Deleuze e principalmente nas publicações do filósofo português José Gil.

A reflexão teórica deverá ser atravessada pela investigação prática da

atriz pesquisadora, dentro do Grupo Matula Teatro, Campinas/SP e ancorada

no processo de criação do espetáculo “Memória da Cana”, já desenvolvido pelo

coletivo teatral Os Fofos em Cena, São Paulo/SP, a fim de que se verifique

empiricamente a validade dos conceitos teóricos desenvolvidos ao longo deste

estudo no exercício prático da atuação.


2) PROJETO DE PESQUISA - ESTÁGIO NO EXTERIOR

 Apresentação

Pretendo realizar o estágio de pesquisa no exterior no Departamento


Ciências da Comunicação1 da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, da
Universidade Nova de Lisboa. A duração pleiteada é de seis meses iniciando
em 01 de setembro de 2012 e terminando em 10 de março de 2013. Tendo
cumprido os créditos do Programa de Doutorado em Artes da Cena do Instituto
de Artes da UNICAMP, apresentarei parte do texto da tese no exame de
qualificação em junho de 2012. Até o momento, participei, com apresentação
de artigos, em dois Congressos Nacionais e uma Jornada Latino Americana e
participei da organização do I Simpósio Internacional “O Corpo em Arte –
reflexões cênicas contemporâneas”, realizado na UNICAMP (fevereiro de
2012).
Neste momento elaboro um artigo que será apresentado no 54º.
Congresso Internacional de Americanistas “Construindo diálogos nas
Américas”, que será realizado em Viena (Áustria), no mês de julho e participo
ativamente como assistente de editoração da Revista Ilinx, do Lume -
UNICAMP (com lançamento marcado para o 1º semestre deste ano).

 HORIZONTE DE PESQUISA

A pesquisa de doutorado A Memória, a Percepção e as Micro


percepções no processo de criação do ator é um dos recortes que compõem o
Projeto de Pesquisa Temático Memória(s) e Pequenas Percepções que foi
aprovado pela FAPESP, em 2010.

Esta investigação parte da hipótese de que a utilização da memória


individual e coletiva de grupo, enquanto potencializadoras de criação de ações
físicas e vocais dentro de um universo ficcional espetacular perpassam por
uma possível ativação conjunta de microações, microafetos e micropercepções
que nascem impulsionadas pela ativação destas mesmas memórias. Em

                                                            
1
 http://www.fcsh.unl.pt/faculdade/departamentos 
conseqüência, esta possível ligação acaba lançando o ator em uma zona de
turbulência2 de fluxo intensivo e em um processo constante de fabulação.

Nosso campo de pesquisa é o âmbito teatral, mais precisamente as


questões advindas de um conjunto de práticas e os conceitos derivados dessa
prática. Podemos destacar como exemplos desses conceitos derivados a
presença cênica e a organicidade das ações. Sabemos que os conceitos de
presença e organicidade apresentam questões problemáticas, difusas e de
difícil compreensão intelectual. Diante dessa realidade, esse projeto pretende
discutir o que chamamos de “vida invisível” de um ator ou de suas ações a
partir da problematização dos conceitos redimensionados de memória e
micropercepção realizando uma fricção de territórios: teatrais nos primeiros e
filosóficos no segundo.

Esta relação hipotética entre memória e micropercepção passa por uma


zona limiar de fronteira consciente, pré consciente e inconsciente que nasce da
prática da experiência de trabalho de cada ator. Esse encontro pode se dar
através da relação com objetos, estímulos sonoros, textos dramatúrgicos e/ou
literatura, da relação com o espaço horizontal e vertical, do trabalho com outros
atores e principalmente da relação direta e indireta na presença dos
espectadores (público receptor).

Como essa hipótese nos permite um amplo universo de investigação


teórica e prática é importante destacar que esta pesquisa objetiva o
cruzamento destes conceitos partindo do corpo em situação de arte. A idéia é
pensar como o corpo do ator processa as questões de memória e como essa
memória ativa micropercepções que atualizam e criam uma memória presente,
em duração poética, que ao mesmo tempo podem ser geradoras de ações
físicas orgânicas ou impulsionadora na elaboração de matrizes.

Nos estudos contemporâneos desses termos, o conceito de memória


tem como fundamento as reflexões advindas de três principais obras: “Memória
e Vida”, Matéria e Memória”, de Bergson e “Bergsonismo” de Deleuze. Já o
                                                            
2
 Zona de turbulência: local/espaço poético no qual tudo ao mesmo tempo se acumula, se conecta, se 
desconecta, se atualiza, se virtualiza, se diagonaliza; tudo se auto afeta e se recria a cada momento. 
conceito de micropercepção tem como gênese as obras: “Novos Ensaios para
O entendimento Humano”, de Leibiniz, “Leibniz e a Dobra”, em Deleuze e “E
imagem-nua e as pequenas percepções” e “Movimento Total” esses últimos de
José Gil. Portanto esses autores nos darão o ponto de partida para análise
conceitual e não serão objeto de análise do projeto.

A pergunta que se coloca é: como a memória e micropercepção gera


presença e organicidade? Podemos encontrar pequenas respostas sobre essa
questão nas experimentações de Grotowski? Podemos fazer o mesmo com as
pesquisas de Stanislavski? Podemos saber se esses conceitos ajudam na
potencialização de um processo contemporâneo, próximo e recente?

A idéia de problematizar o estudo destas terminologias com conceitos do


campo específico da filosofia não foi direcionada com o objetivo de obter
respostas a discussão dos temas, mas usar esse espaço de discussão
filosófica para repensarmos esses mesmos conceitos no território teatral ligado
a questões práticas: presença e organicidade.

ESTADO DA ARTE DO CONCEITO MEMÓRIA

Para Bergson, a memória é entendida como algo que acontece em


tempo presente. Este recriar acontece em um processo de atualização
constante. O corpo serve de território para que esse processo de recriação
aconteça ininterruptamente. No caso do trabalho do ator, podemos dizer que as
ações físicas em estado cênico são atualizações na medida em que as
mesmas se recriam no espaço tempo do aqui-agora.

A escolha pelas teorias bergsonianas devem se ao fato de relacionar a


memória ao ato de criação. Não há fronteiras delimitadas entre a percepção, a
imaginação e a memória. Esta última é observada através da ação da
corporeidade, do tempo, do espaço e de nossa relativa compreensão sobre
estes, tal atividade se dá no momento presente, no ato da experiência atual.

O corpo serve de território para que esse processo de recriação


aconteça ininterruptamente, desta forma o corpo também se torna ao mesmo
tempo memória e presente. O corpo é a fronteira entre o passado e o futuro, e
o passado pressiona o presente, de onde Bergson argumenta que o passado
sobrevive dentro do corpo, no instante presente e esse processo acontece de
duas maneiras: através de mecanismos motores e em lembranças
independentes.

Diante desta reflexão, podemos dizer que não é possível reviver o


passado de forma pura, mas é possível recriá- lo. No caso do trabalho do ator,
podemos dizer que as ações físicas em estado cênico são atualizações na
medida em que as mesmas se recriam no espaço tempo do aqui-agora.

Somada a essa idéia da memória como re-criação, outra grande


contribuição do pensamento bergsoniano é a recolocação da consciência. Para
o filósofo, o objeto existente passa a ser um objeto percebido e
automaticamente transformado em representação. A noção do objeto
percebido é redimensionada e é estabelecida por um critério de seleção que
qualifica a experiência perceptiva.

Justificativa

No campo da atuação, podemos dizer que essa mesma memória é a


responsável por levar o atuador a um campo de fronteira criativa, numa zona
de experiência pré-consciente de ações microperceptivas e microafetivas na
dimensão do “como”.

Mais do que a percepção de elementos muitas vezes invisíveis, as


micro-percepções são partes formadoras de uma macro-percepção, e criam um
espaço de instabilidade constante, na medida em que contém em si potencial
para reinventar-se o tempo todo.

Tomemos o exemplo do trabalho com a mimesis corpórea: depois de


codificada uma matriz, com seus gestos, corpo, olhar, ritmos e infinitos
detalhes, há o momento de retomar tudo isso no dia a dia dos ensaios. Nesse
processo, o ator vai aos poucos descobrindo o que chamamos de “coração da
mimesis”, que é por onde adentramos nessa matriz codificada. Existe algo que
“aciona” em nós esse conjunto de elementos que compõe a matriz. Esse
coração, quando presente convoca todo o resto do corpo. E muitas vezes esse
canal de conexão está em espaços microperceptíveis: uma contração de
musculatura sutil, um olhar, uma projeção do peito, uma oposição interna, uma
imagem ou um estado.

Para entender esse universo das micropoercepções precisamos ampliar


nossa bibliografia. No campo filosófico temos nos apoiado nas discussões
levantadas pelo filósofo Leibniz e outros pesquisadores que também se apóiam
no conceito de percepção para defender suas teorias.

No caso de nossa pesquisa, José Gil é o único que tem se verticalizado


nessa temática, principalmente com relação as pequenas percepções
(micropercepções) dentro do campo das artes cênicas. Em seu livro o
Movimento Total, o filósofo faz seus primeiros ensaios a respeito do tema
relacionando as micropercepções em algumas performances de dançarinos.
Nos últimos dois anos, José Gil tem se dedicado a abordar esse mesmo tema a
partir do trabalho de criação dos atores, mas esse material ainda se encontra
em registros de palestras e artigos. Em 2010, por exemplo, José Gil deu uma
palestra na Universidade de Évora, onde meu orientador, o prof. Dr. Renato
Ferracini também foi convidado, a partir desse contato pudemos transcrever a
palestra e a mesma será publicada na 1ª edição da Revista Ilinx (revista do
LUME/Unicamp), ainda no 1º semestre de 2012.

Para a continuidade de nossas investigações e aprofundamento no


estudo do conceito de micropercepções no trabalho do ator, mais precisamente
nas pesquisas dos encenadores Stanislavski e Grotowski, assim como a
validade dos conceitos teóricos desenvolvidos ao longo deste estudo no
exercício prático da atuação (Grupo Matula Teatro e Fofos em Cena) faz-se
necessário um aprofundamento no estudo do conceito de micropercepções
elaborado por José Gil. Como esse material ainda foi pouco divulgado,
pretendemos com esse projeto a realização de entrevistas com o filósofo José
Gil, assim como obter falas e textos documentados pelo autor, mas que ainda
não foram publicados ou veiculados.

A investigação da relação intrínseca entre memória e as micro-


percepções no trabalho do ator constituem a base desse projeto. 

Objetivos
 Geral

Pretendo, no estágio de pesquisa no exterior entrar em contato com uma


bibliografia mais especificamente voltada aos estudos e investigações acerca
do conceito de micropercepções no campo das artes cênicas.

 Específicos

- Assistir aulas como aluna visitante do Programa de Pós Graduação do


Departamento Ciências da Comunicação da Universidade Nova de Lisboa;

- Cursar a disciplina Seminário de Linguagens Cênicas, ministrado pelo co-


orientador Prof. Dr. Paulo Filipe Monteiro.

- Entrevistar o Professor Doutor e Filósofo José Gil e artistas portugueses que


possam contribuir para a elaboração conceitual da tese proposta no projeto de
pesquisa no Brasil;

- Acessar materiais de referência bibliográfica, na biblioteca da Universidade


Nova de Lisboa e de outras bibliotecas que a condição de estudante permitir o
acesso;

- Participar do Colóquio “Drama e Filosofia”, organizado pelo Prof Dr. Paulo


Filipe Monteiro, orientador do estágio, com apresentação de artigo e na
organização do evento como um todo. José Gil estará presente como um dos
convidados do Colóquio;

- Elaborar e desenvolver um dos capítulos da tese que envolve o conceito de


Micropercepções a partir das principais obras de Constantin Stanislavski e
Jerzy Grotowski;

- Realizar encontros periódicos com o co-orientador português, Paulo Filipe


Monteiro.

Cronograma

Meses: setembro-outubro-novembro – Assistir aulas como ouvinte do


Programa de Pós Graduação. Cursar a disciplina Seminário de Linguagens
Cênicas, ministrada pelo co-orientador Prof.Dr. Paulo Filipe Monteiro. Realizar
encontros periódicos com o co-orientador português. Levantamento e estudo
de referências bibliográficas. Realizar entrevistas com o professor e filósofo
José Gil. Escrita da tese.

Meses: dezembro-janeiro-fevereiro – Assistir aulas como ouvinte do


Programa de Pós Graduação. Cursar a disciplina Seminário de Linguagens
Cênicas, ministrada pelo co-orientador Prof.Dr. Paulo Filipe Monteiro. Realizar
encontros periódicos com o co-orientador português. Levantamento e estudo
de referências bibliográficas. Realizar entrevistas com artistas que são citados
nas obras do professor José Gil. Participar com apresentação de trabalho e na
organização do Colóquio “Drama e Filosofia”, organizado pelo co-orientador,
deste projeto durante meu estágio em Portugal, Prof. Dr. Paulo Filipe Monteiro.
Escrita da tese.

3) Descrição dos ganhos acadêmicos esperados para o projeto de


pesquisa referente à Bolsa Regular no País em decorrência do estágio de
pesquisa no exterior

O estágio de pesquisa no exterior mostra-se de importância fundamental


nesse momento da investigação para que haja um maior aprofundamento de
algumas questões levantadas neste doutorado e também no avanço das
discussões que são realizadas semanalmente nas reuniões com os demais
pesquisadores que integram o Projeto Temático Memória e Pequena(s)
Percepçõe(s). O período em Portugal será um momento importante para a
verticalização da pesquisa quanto ao conceito de micropercepções, presente
na obra do professor e filósofo José Gil e que é um dos pilares dessa pesquisa
de doutorado. Além de ampliar a discussão a partir do convívio com estudantes
de diversas partes do mundo.

O contato direto com materiais que irão elucidar e ampliar os


conhecimentos sobre o tema de minha pesquisa de doutorado significa uma
contribuição valiosa que poderá proporcionar um salto de qualidade para a
análise e conseqüente reflexão a serem desenvolvidas nessa tese.

Na volta ao Brasil, pretendo trazer comigo materiais relacionados aos


estudos sobre as pequenas percepções (micropercepções), realizadas nas
obras de José Gil, assim como DVDs de espetáculos de atores e dançarinos
que são referência para os estudos do professor dentro do campo das artes
cênicas. Todo este material será disponibilizado para outros pesquisadores. O
que for possível copiar e comprar será disponibilizado nas bibliotecas do LUME
– Núcleo Interdisciplinar e Pesquisas Teatrais da Unicamp, assim como na
biblioteca do Instituto de Artes para os alunos da Graduação e Pós Graduação.

As entrevistas que serão realizadas durante o estágio internacional


serão gravadas, transcritas e disponibilizadas também nas bibliotecas do
LUME e do Instituto de Artes, da UNICAMP.

Esse estágio contribuirá, além disso, para a divulgação das pesquisas


em artes cênicas que vem sendo realizadas no Brasil. O intercâmbio pode
gerar muitos outros debates levando inclusive a um fortalecimento de um
pensamento sobre a cena brasileira. Diálogo esse que ainda é pouco
desenvolvido em debates internacionais, principalmente no campo das
pesquisas acadêmicas.

4) Justificativa para a escolha do centro para o estágio de pesquisa,


destacando sua singularidade e especificidade

A escolha da Universidade Nova de Lisboa para a realização desse


estágio de pesquisa no exterior, deve-se ao fato de ser a Instituição onde o
professor José Gil ministrou aulas e realizou suas pesquisas e orientações de
mestrado e doutorado até sua aposentadoria. É certo que boa parte de suas
pesquisas estão registradas na biblioteca da Universidade, na Faculdade de
Ciências Sociais e Humanas, o que facilita o nosso contato com pesquisas
produzidas e ou orientadas por ele.

Quando procuramos a coordenação da Faculdade de Ciências Sociais e


Humanas, tivemos um retorno muito positivo quanto à pesquisa e a indicação
do Prof. Dr. Paulo Filipe Monteiro3, docente do Departamento de Ciências da
Comunicação.

                                                            
3
 http://www.pfm.com.pt/ 
O professor Paulo Filipe Monteiro é coordenador da Pós Graduação do
Mestrado em Artes Cênicas e da Pós Graduação em Mestrado em Ciências da
Comunicação, da Universidade de Lisboa, e já participou da comissão de
acompanhamento da área de artes da mesma instituição.

Além de seu currículo acadêmico, o Prof.Dr. também é ator, diretor e


dramaturgo atuando em teatro, tv e cinema. Tal formação e experiência é
fundamental para que haja uma orientação mais precisa e abrangente a
respeito dos conceitos teóricos/filosóficos dentro do espaço da cena e
principalmente, do trabalho do ator enquanto criador.

A experiência na Universidade Nova de Lisboa poderá ser compartilhada


com outros pesquisadores da Pós Graduação em Artes da Cena, da
UNICAMP, assim como na minha participação em congressos nacionais e
latino americanos. Por fim, pretendo produzir um artigo ao final do estágio
relatando também essa experiência e desta forma, espero contribuir com o
debate acerca das pesquisas em artes cênicas no Brasil.

BIBLIOGRAFIA DE REFERÊNCIA

BERGSON, Henri. Matéria e Memória. São Paulo: Martins Fontes: 2006.

______________. Memória e Vida. São Paulo: Martins Fonte, 2006.


BONFITTO, M. O ator compositor. São Paulo. Editora Perspectiva: 2002.

DELEUZE, GILLES. Bergsonimo. Trad. Luiz B. L. Orlandi. São Paulo : Editora


34, 1999

---------------------------A dobra: Leibiniz e o barroco. Trad. Luís Roberto salinas


Fortes. São Paulo : Perspectiva, 2000.
FERRACINI, R. A Arte de Não Interpretar como Poesia Corpórea do Ator.
Campinas: Editora da Unicamp, Imprensa Oficial do Estado S.A. – IMESP,
2001

-------------------------------. Café com Queijo: Corpos em Criação. São Paulo:


Hucitec, 2006.
GIL, J. Movimento Total. O Corpo e a dança. São Paulo: Iluminuras, 2004

_________ a Imagem-Nua a as Pequenas Percepções – Estética e


Metafenomenologia. Lisboa: Relógio D´agua Editores: 2005
GROTOWSKI, J. “A voz” (palestra de maio de 1969 para estagiários
estrangeiros do “Teater Laboratórium” de Worclaw) in Le Théâtre, 1971 -1,
cahiers dirigés par Arrabal. Trad. de Luiz Roberto Galizia. Paris: Christian
Bourgois Editeurs, 1971, pp 87-131.
________ Em busca de um teatro pobre. Trad. Aldomar Conrado. Rio de
Janeiro: Civilização Brasileira, 1987.

_________O teatro laboratório de Jerzy Grotowski 1959-1969. Trad. Berenice


Raulino. São Paulo: Perspectiva, 2007.

YATES, F.A. A arte da memória. Trad. Flavia Bancher. Campinas,


Ed.Unicamp:2007.

LEIBNIZ, Gottfried Wilhelm. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Editora Nova


Cultural, 1974
------------------------------------- Novos Ensaios sobre o entendimento humano.
Coleção Os Pensadores. São Paulo: Nova Cultural, 2000.

RICCEUR, P. A memória, a história, o esquecimento. Trad. Alain François.


Campinas.Editora da Unicamp: 2007.

STANISLAVSKI, CONSTANTIN. A criação de um papel. Trad. Pontes de


Paula Lima. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1972.

------------------------------------------- Mi vida en el arte. Argentina: Quetzal, 1981.

------------------------------------------- A preparação do ator. Trad. Pontes de Paula


Lima. Rio de Janeiro : Civilização Brasileira, 1982.

------------------------------------------- A construção da personagem. Trad. Pontes


de Paula Lima. Rio de Janeiro : Civilização Brasileira, 1983.

------------------------------------------- Manual do Ator. Trad. Jefferson Luís


Camargo; Revisão João Azenha Jr – São Paulo : Martins Fontes, 1997.

Teses

LEONARDELLI, P. A memória como recriação do vivido – um estudo da


história do conceito de memória aplicado às artes performativas na perspectiva
do depoimento pessoal. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós
Graduação em Artes Cênicas da Escola de Comunicação e Artes, da
Universidade de São Paulo. Orientação do Prof.Dr. Luiz Fernando Ramos. São
Paulo: 2008.

LIMA, T.M. Les Mots Pratiqués: relação entre terminologia e prática no


percurso artístico de Jerzy Grotowski entre os anos de 1959 a 1974. Tese de
doutorado apresentada ao Programa de Pós Graduação em Teatro da
Universidade Estadual do Rio de Janeiro. Orientação do Prof. Dr.Luiz Camillo
Osório. Rio de Janeiro: 2008.

MORENO, N.F.C. Teatro de uma saudade: Experiências de memória brasileira


em “Assombrações do Recife Velho” & “Memória da Cana”. Tese de doutorado
apresentada ao Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da Escola de
Comunicação e Artes, da Universidade de São Paulo. Orientação da Profa.
Dra. Silvia Fernandes Telesi. São Paulo: 2011.

Você também pode gostar