Você está na página 1de 31

VOLUME 1 | GEOMETRIA

Resoluções de Atividades
Sumário
Capítulo 1 – Geometria de posição ................................................................... 1 Capítulo 5 – Poliedros....................................................................................... 19

Capítulo 2 – Triângulo retângulo ......................................................................... 4. Capítulo 6 – Unidades de áreas e unidades de volume .................................. 23

Capítulo 3 – Projeções, ângulos e distâncias ..................................................... 7 Capítulo 7 – Prismas ......................................................................................... 26.

Capítulo 4 – Polígonos ..................................................................................... 14

(F) Dois pontos distintos determinam uma única reta que


Capítulo 1 Geometria de posição passa por eles.
(V)
(V)
Atividades para Sala – pág. 14
02 A interseção de um plano com uma face (quadrado) do
01 a) Postulado, pois os postulados são constatações que cubo é um segmento. Assim, o polígono tem seis lados,
não necessitam ser comprovadas para que sejam consi- é um hexágono. Veja:
deradas verdadeiras.
b) Ponto, reta e plano.
c) Teoremas.
02 C
Como o prolongamento é infinito nos dois sentidos e em
duas dimensões (comprimento e largura), temos a ideia
de plano, elemento geométrico infinito com duas dimen-
sões. Sendo xcm a medida do lado do hexágono, temos:
I) Na face (quadrado) do cubo:
03 a) Infinitas. c) Infinitos. x
b) Três retas. d) PL (VBC), PL (VAC) e PL (VAB).
x 3cm
y

04 a) PL (ABC) e PL (ABG) (dois planos).
3cm
Note que PL (ABC) = PL (ABCD) e PL (ABG) = PL (ABGH).
b) São 8 vértices ("cantos") e cada vértice pode ser
ligado aos outros 7 vértices, determinando 7 retas. x = 3cm
Logo, o total de retas seria 8 · 7 = 56. Porém, cada y 2 = 32 + 32
reta
 está sendo
 contada duas vezes. Por exemplo, y 2 = 18
AB é igual a BA . Logo, teremos 56 : 2= 28 retas.
y = 18
05 Determinam sete planos.
y = 3 2cm
Além dos planos das 5 faces, temos os planos 2 que
contém as diagonais AC e BD da base, juntamente
II) Perímetro do hexágono regular = 6 ⋅ 3 2 = 18 2cm
com o vértice “V”. V
03 Mesas com três pernas não balançam porque três pon-
tos não colineares determinam um único plano (Postu-
lado da Determinação de Plano).
D
C
04 Podemos imaginar uma pirâmide na qual a base é um
A
B pentágono regular, cujos vértices são os pontos A, B, C,
Os sete planos determinados são: PL(ABCD), PL(VAB), D e E. O ponto V é o vértice da pirâmide (ponto fora do
PL(VBC), PL(VDC), PL(VDA), PL(VAC) e PL(VBD). plano da base).
V

Atividades Propostas – Pág. 14

01 F, V, V, F, V, F, V, V A E

(F) O ponto, a reta e o plano são exemplos de conceitos D

primitivos. B
C
(V)
(V) Assim, dentre esses seis pontos, não existem três alinha-
(F) Por dois pontos distintos, passa uma única reta. dos; as retas determinadas por dois quaisquer desses
(V) pontos são distintas. São elas:

2a Série – Ensino Médio | 1


VOLUME 1 | GEOMETRIA

• As cinco retas que contêm as cinco “quinas” inclina-


das (arestas laterais):
    
VA, VB, VC, VD e VE

• As cinco retas que contêm


 os
 cinco
  lados
 do
 pentá-

gono (arestas da base): AB, BC, CD, DE e EA .
• As cinco retas que contêm as
cinco
 diagonais
  do
 pen-
tágono (diagonais da base): AC, AD,BD,BE e CE.
O plano que contém o pentágono destacado (polígono
E de 5 lados) divide a pirâmide em duas partes. Conside-
rando uma dessas partes, o pentágono destacado será
A
D uma de suas faces.

B 09 Cada um dos 8 vértices pode ser ligado aos 7 outros,


C
determinando 7 retas. Seriam, portanto, 8 · 7 = 56 retas.
No entanto, dessa maneira, cada reta foi contada duas
Ao todo, são 5 + 5 + 5 = 15 retas. 8⋅7
vezes. Daí, temos: número de retas = = 28 .
2
Podemos, também, contar essas retas de outra maneira. 10 Temos o plano da base, os seis planos V
Cada um dos seis pontos pode ser ligado a cinco pon- das faces laterais e mais os planos deter-
tos (cada um dos seis pontos determina cinco retas). Daí, 6 ⋅ (6 − 3)
teríamos 6 · 5 = 30 retas. Desse
modo,
 porém, cada reta minados por cada uma das =9
foi contada duas vezes (a reta VA , por exemplo, foi con- 2
diagonais do hexágono e o vértice V da F E
tada no ponto A e, novamente, no ponto V). Assim, o
6⋅5 pirâmide. Total = 1 + 6 + 9 = 16 planos. A D
número correto de retas determinadas é = 15.
2 B C

05 Podemos imaginar uma pirâmide na qual a base é um


pentágono regular, cujos vértices são os pontos A, B, C,
D, E. O ponto V é o vértice da pirâmide (ponto fora do
plano da base). V Atividades para Sala – pág. 27

01 F, V, V, F, F
E
A (F) Os pontos podem ser alinhados.
D
(V) Três pontos coincidentes estão em um plano; três
B
C pontos alinhados estão em uma reta e essa reta está
Assim, os cinco pontos coplanares A, B, C, D, E determi- contida em um plano; três pontos não alinhados
nam um mesmo plano (o plano da base da pirâmide). Qual- determinam um plano.
quer outro plano determinado deve conter o ponto V e
(V) A reta só pode ser secante ao plano, contida no plano
dois pontos da base, são eles: PL (VAB), PL (VAC), PL (VAD),
PL (VAE), PL (VBC), PL (VBD),PL (VBE), PL (VCD), PL (VCE) ou paralelo a ele. A reta secante ao plano tem apenas
e PL (VDE). Ao todo, temos 1 + 10 = 11 planos determi- um ponto em comum com o plano, e a paralela não
nados. contida no plano não tem nenhum ponto em comum
sobrou apenas a reta contida no plano.
06 F, V, F, F, V, V (F) Pense em uma pirâmide de base triangular, existem
(F) O paralelogramo é uma região limitada pelos lados. quatro faces (quatro planos).
O plano é ilimitado. (F) As retas AB, CD e EF do enunciado da questão
(V) seguinte, por exemplo, são paralelas entre si; no
(F) Três pontos determinam uma reta, se os mesmos esti- entanto, não estão contidas todas em um mesmo
verem alinhados.
plano.
(F) Três pontos não alinhados determinam um plano.
(V)
(V) 02 a) Retas HE e GF.
b) Retas EF e HG.
07 C
c) Plano (ABG).
Os pontos da diagonal pertencem ao quadrado, mas
a reta que contém a diagonal tem pontos fora do qua- Observação: podem ser escolhidas três quaisquer das
drado. quatro letras A, B, G, H, em qualquer ordem, para iden-
08 C tificar o plano.
As faces da pirâmide são 4 triângulos e um quadrado
(base). A interseção de um plano com cada uma das 03 C
faces é um segmento de reta. Como o plano intercep-
tará as cinco faces, o corte provocado pelo plano será Sendo an o número máximo de fatias obtidas com n cor-
um polígono de cinco lados (5 segmentos de reta). tes, note que:

2 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

• Um corte (reta r1) dividirá o bolo em duas fatias 02 A


(regiões R1 e R2);
r1 Há eclipse como alinhamento
 do Sol, da Terra e da Lua.
R1
Logo, as retas SL e TL são paralelas coincidentes.
R1

ou seja: a1 = 2 regiões. 03 Note o padrão seguinte, em que an indica o número


máximo de regiões para n retas:
• Dois cortes (retas r1 e r2) dividirão o bolo em quatro
a1 = 2
fatias (regiões R1, R2, R3 e R4);
a2 = 4 = 2 + 2
r1
a3 = 7 = 4 + 3 = 2 + 2 + 3
R1
R4
a4 = 11 = 7 + 4 = 2 + 2 + 3 + 4
R3 Seguindo o padrão temos:
R2
r2
an = 2 + (2 + 3 + 4 + ... + n)
ou seja: a2 = a1 + 2 an = 1 + (1 + 2 + 3 + ... + n)
a2 = 2 + 2 = 4 regiões. (1+ n) n
an = 1 +
2
n + n2
• Três cortes (retas r1, r2, r3) dividirão o plano em sete Daí, 211 = 1 +
2
regiões (R1, R2, ..., R7);
r1
n2 + n – 420 = 0
R5
D = 1 + 1680
R1 R6 D = 1681
R4 n = 20
R3 −1 ± 41
R2 R7 n=
r2 2
n = –21 (não convém)
r3
ou seja: a3 = a2 + 3
Logo, estão sendo consideradas 20 retas.
a3 = 2 + 2 + 3 = 7 regiões.
Seguindo o padrão sugerido, temos que: 04 E
a4 = a3 + 4 Para trabalhar com planos perpendiculares, nada melhor
a4 = 2 + 2 + 3 + 4 = 11 regiões. que o paralelepípedo retângulo ("uma caixa de sapa-
Desse modo, cinco cortes determinarão, no máximo: tos"). Considere, então, a figura seguinte relativa ao
enunciado, onde u é uma reta contida em b perpendicu-
a5 = a4 + 5
lar à reta s, passando em A.
a5 = 2 + 2 + 3 + 4 + 5 = 16 regiões (fatias).
p
04 O padrão da questão anterior sugere que o número de b
fatias obtidas (an) com n cortes pode ser dado por: r' t r
an = 2 + (2 + 3 + 4 +... + n)
a
Daí, podemos dizer que:
an = 1 + (1 + 2 + 3 + 4 + ... + n) s
u' A
an = 1+ (1+ n) ⋅ n u
2
Logo, a10 = 1 + (1+ 10) ⋅ 10 = 56 . Analisando as afirmativas, temos:
2 I) Verdadeira. A reta s é perpendicular a duas retas con-
05 I. D – Fundamentalmente, o pedreiro utilizou um dos correntes (r e u) do plano b, então s é perpendicular ao
postulados da determinação de um plano: "três pontos plano b.
não colineares (as taliscas) determinam um plano". II) Verdadeira. A reta s é perpendicular ao plano b, então
B – Duas retas concorrentes determinam um plano.
II. qualquer reta de b forma 90º com a reta s (qualquer reta
O pedreiro passou a régua por duas taliscas horizontais de b é perpendicular ou ortogonal à reta s). Como a reta
de cada vez. Se as retas determinadas pelas taliscas são t, contida em b, é corrente à reta s, t e s são retas per-
horizontais e concorrentes, o plano determinado por pendiculares.
elas (o contrapiso) também será horizontal. III) Verdadeira. A reta s é, perpendicular ao plano b, então
qualquer plano que contenha s é perpendicular a b.
Atividades Propostas – pág. 28 s

q
01 D
t
4 arestas (AB, CD, AE e DH).
A a considere a ⊂ b e a ⊥t.
Note que a aresta AD não é reversa à reta r, pois existe o b

plano (ADFG) contendo AD e r (AD // r).

2a Série – Ensino Médio | 3


VOLUME 1 | GEOMETRIA

Note que a medida do ângulo entre os planos b e q é a c) Verdadeira. É um dos casos de determinação do
medida do ângulo entre as retas a e s, isto é, bt q = aÂs = 90º. plano.
IV) Verdadeira. Veja, na figura, o plano p paralelo ao plano b. d) Falso. Veja os planos A, B e C no paralelepípedo
seguinte. Apesar de eles satisfazerem a condição, os
05 a) Se as retas r e s são paralelas distintas, existe um planos A e B não são paralelos.
único plano passando por r e s. Então, A ∩ B é um
v
conjunto unitário. B
u
Se as retas são paralelas coincidentes, então A
C
A ∩ B = A = B
b) Se r e s são retas reversas, não existe um plano por
elas. Logo, A ∩ B = φ.
06 C C : plano da face frontal
Considere o paralelepípedo retângulo seguinte. B : plano da face superior
A : plano da face à direita
H e) Falsa. Veja as retas u e v paralelas ao plano A, na justi-
E s ficativa do item anterior.
G
F
09 F, F, F, F, V
(F) r e s não têm ponto comum; então r e s podem ser
D C reversas.
(F) Duas retas paralelas distintas sempre determinam um
A
B r plano.
(F) Uma reta está contida em infinitos planos distintos.
I) Verdadeira. Observe os planos paralelos (ABCD) e (EFGH) (F) Três pontos não colineares determinam um plano.
interceptados pelo plano (ABEH), as interseções são (V)
as retas r e s. Note que r e s contidas no mesmo plano
(ABEH) e r ∩ s = ø; r e s são paralelas. 10 D
b
II) Falsa.Observe os planos paralelos (ABCD) e(EFGH).
 A s
reta EF está contida no plano (EFGH), a reta
AB =r está x
contida no plano (ABCD) e, no entanto, AB e EF são
reversas. d

III) Falsa. Observe a reta GH paralela aos planos (ABCD) e
(BCEF); esses planos são secantes e não paralelos. c A B

IV) Verdadeira. Veja justificativa da afirmativa II.


a

07 B
O tetraedro (pirâmide de base triangular) tem 6 arestas.
Considerando a aresta AD, todas as outras arestas são Observe na figura que d é perpendicular ao plano (ABX),
concorrentes a AD (têm um plano em comum), exceto a sai determinado pelas retas correntes b e c. Assim, d
aresta BC que é reversa a AD. Temos, então, 3 pares de forma 90º com qualquer reta do plano (ABX), ou seja, d
arestas reversas: é perpendicular à reta s.
1o par : AD e BC
2o par : AC e BD Capítulo 2 Triângulo retângulo
3o par : AB e CD
Outra solução: o par BC e AD é o mesmo par AD e BC ; Atividades para Sala
cada aresta apresenta apenas uma aresta reversa e são
6 arestas. São 6 · 1 = 6 pares, mas cada par foi contado
duas vezes. Daí: 01 C
6 ⋅1 O triângulo BCT é retangular em T. Daí, temos:
No de pares = =3 B
2
08 C h θ

a) Falsa. Se os 3 pontos forem alinhados, os planos que A


os contêm podem ser secantes.
b) Falsa. Veja a figura do paralelepípedo seguinte. As retas R
r

r e s são perpendiculares a t e não são paralelas, mas R


concorrentes.
C

s (linha do horizonte)

Terra
r R
senθ = ⇒ R = R · senθ + h · senθ ⇒
t R+h

4 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

R(1 – senθ) = h · senθ a 2 = 4⋅x + 2⋅x 2


Daí, R =
h ⋅ senθ
1 − senθ
a 2 = 2x ⋅ 2 + 2 ( )
x=
a 2 (2 − 2 )

02 Quando o diâmetro do círculo é lado do triângulo inscrito,
o triângulo é retângulo e o diâmetro é a hipotenusa.
2⋅ 2 +( 2 ) (2 − 2 )
Completando, então, os triângulos retângulos, temos: 2 2 ⋅ a − 2a
x=
a) 2 ⋅ ( 4 − 2)
C

6
x=
2a ( 2 −1 ) = a( 2 −1 )
a 4 2
( )( ) ⇒ x = 32 (2 − 1) = 16 metros
a
A B Daí, x = 32 2 +1 2 −1
2 D
2 2
04 Considerando os dados da figura seguinte, temos:

2R

Calculando o cosseno de a nos triângulos ABC e ACD:



6 2
cosα = = ⇒ 4R = 36 ⇒ R = 9
2R 6
x

a b
b) y
4 5
A 400m B
C

B
a

2R – 2

a x 5
D
I) tgβ = = ⇒ x = 5k e y = 6k
2 y 6
A 2R x 1 5k 1
II) tgα = = ⇒ =
400 + y 2 400 + 6k 2
10k = 400 + 6k
k ⇒ k = 100
Calculando o seno de a nos triângulos ABC e BCD: Daí, x =500 e y = 600.
4 5 2R − 2
sena = = ⇒ 16 · 5 = 4R2 – 4R ⇒ R2 – R – 20 = 0
2R 4 5
05 Considerando os dados da figura seguinte, temos:
Daí, R = 5 ou R = – 4 (não convém). Logo, R = 5.

03 Sendo a a medida do lado do quadrado e x a medida do


raio, temos:
x
x
123
123
123

45º
30º
a
4 y
1,70

123
a

I) a = 32 ( 2 +1 m)
y
I) tg45º =
x
=1⇒y=x
II) Diagonais dos quadrados (maior e menor): y 3 x 1, 7
tg30º =
II) = ⇒ =
D=a 2 ed=x 2 x+4 3 x+4 3
68
III) Diagonal do quadrado maior = (4 raios) + 2 · (diagonal 3x = 1, 7x + 6, 8 ⇒ 1, 3x = 6, 8 ⇒ x = ≅ 5, 23
13
do quadrado menor)
Daí, a altura da torre é x + 1,70 = 6,93m.

2a Série – Ensino Médio | 5


VOLUME 1 | GEOMETRIA

Atividades Propostas 04 B
Completando o triângulo retângulo, temos:

01 A
Completando o triângulo retângulo, temos:

7km
x
30cm
d

12km
5 km

30
sen3º = = 0,05 ⇒ 0,05x = 30 ⇒ x = 600cm = 6m
x
5km
02 C
Considere a figura a seguir, em que a, b e c são os lados
procurados.
5km

b a c d2 = 52 + 122
h
d2 = 25 + 144
a m n
a
d = 13

I) Foram dados: m – n = 7, isto é, m = n + 7 e h = 12. 05 C


h n Considere a figura seguinte relativa ao problema.
II)
tgα = = ⇒ h2 = m ⋅ n ⇒
m h
(n + 7) ⋅ n = 144 ⇒ n2 + 7n − 144 = 0 A x S 4–x B

Daí, n = 9 ou n = – 16 (não convém). 1


d
III) m = n + 7 ⇒ m = 9 + 7 = 16 R1

IV) h2 = 16 · 9 ⇒ h = 12 d 4
V) a = m + n ⇒ a = 16 + 9 = 25
b m
VI) cosa = = ⇒ b2 = 16 · 25 ⇒ b = 20
a b
c n R2
VIII) sena = = ⇒ c 2 = 9 ⋅ 25 ⇒ c = 15
a c

03
Temos:
C
123

d2 = x2 + 12
d2 = (4 – x)2 + 42
12
O x2 + 1 = x2 – 8x + 16 + 16

13 180º y
a 8x = 31
t

a
B x = 3,875km = 3875m
z x

A
06 E
I) ^ = 180º = 90º (ângulo inscrito)
ABC Considere o seguinte modelo matemático, relativo à
2
situação problema.
II) 13 = x + 12 ⇒ 169 – 144 = x ⇒ x = 5
2 2 2 2


z x 25
III) cosa = = ⇒z=
x 13 13
y 12 144
123

13
IV) sena = = ⇒y=
12 13 13 7
x
123

2
t y 2 25 144 5 ⋅ 12 60 x
V) tga = = ⇒ t = ⋅ ⇒ t= = P Q
z t 13 13 13 13
Usando o Teorema de Pitágoras, temos:
144 25 60
Respostas: x = 5, y = ,z= e t= . 132 = (7 – 2)2 + x2
13 13 13

6 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

169 = 25 + x2 I) (2r)2 = b2 + b2 → 2b2 = 4r2 → b = r 2


x = 1442
II) Lado do quadrado maior :
x = 12 2b + 4r = a + 2r
2r = a – 2b
2r = 2 7 − 2r 2
07 C
Destaquemos os triângulos retângulos formados nas r= 7 −r 2

situações inicial e final. (


r ⋅ 1+ 2 = ) 7


r=
2 +1
7
= 7⋅ ( 2 −1 )
L = 3,9m

h = 1,5m

D
09 E

C = (3,9 – 1,4)m
h = 1,5m 30º
x
80m
d x
h
60º 30º
80m
1,80m

Aplicando Pitágoras no primeiro triângulo:


D2 + h2 = L2 ⇒ D2 + 2,25 = 15,21 ⇒ D = 12, 96 x 3
sen60º = ⇔ x = 80 ⋅ = 40 ⋅ 1, 73 = 69, 2m
D = 3,6 m 80 2
h = 69,2 + 1,8 = 71m

Aplicando Pitágoras no segundo triângulo: 10 B


d = h + C ⇒ d + 1,5 = 2,5 ⇒ d = 6,25 – 2,25 = 4
2 2 2 2 2 2 2

d = 2m
2m 45º L
x

Comparando os dois triângulos: 45º


30º
x = D – d = 3,6 – 2 x

x = 1,6m 2
x2 + x2 = 22 sen 30º = ⇔ L = 2⋅ 2
L

x= 2
08 Considerando as retas que passam nos centros dos cír-
culos e sendo a = 2 7 a medida do lado do quadrado
fornecido, obtemos outro quadrado de lado a + 2r. Veja: Capítulo 3 Projeções, ângulos e distâncias

b 4r b Atividades para Sala – pág. 50

r
b 01 A
r

x 14
a 7cm
a
Fonte 28cm
luminosa

r 14
a r

25cm d

I) 252 = 72 + x2

a + 2r
625 – 49 = x2
(Dado: a = 2 7) x2 = 576
x = 24

2a Série – Ensino Médio | 7


VOLUME 1 | GEOMETRIA

7 14 r
II) tga = = A
24 25 + d
x 4 2
7 · (25 + d) = 14 · 24
25 + d = 2 · 24 B
x
d = 48 – 25 C
D
d = 23cm 5

(4 2 )
2
= x2 + x2
02 B
16 ⋅ 2 = 2x 2
Sendo BC = x a medida da projeção ortogonal da escada
(segmento AB) sobre o piso inferior (plano b), temos: x 2 = 16
x = 4cm
r

a
A
05 B
Considerando o plano paralelo ao solo, passando pelos
pontos A e D, temos que a projeção ortogonal da bar-
5
4 raca, sobre esse plano AFDE, é um losango cujos lados
são AE = ED = DF = FA = x; e o ponto de encontro das
b
diagonais desse losango (P) é a projeção ortogonal do
B
X C
ponto médio M do segmento BC. Daí, temos:
C


M 1
F
5 = 4 + x
2 2 2 B
A P D
x=3 1
X X 1
E 1

03 Sendo C a projeção ortogonal do ponto B sobre o plano


a, temos o triângulo ABC, retângulo em C, conforme a
figura.
4 3
I) AM = (altura do ∆ equilátero)
t
2
b AM = 2 3 m
B
II) MP = 2 – 1 = 1m

5 III) No triângulo AMP:


C
a 0 A M
( )
2
2 3 2 3 = AP ( )2 + 12
( )
2 2 3
( )
2 2 1

( )
= AP + 1 2
( )
2 3
2 3 AP2 +=12 11m
= AP
Destacando o triângulo ABC, temos: A P

B IV) EF = BC = 4m (EFCB é um retângulo, os lados opos-


tos são paralelos e iguais).
18
V) As diagonais de um losango cortam-se mutuamente
10
ao meio e são perpendiculares. Daí:
5
a F
C O x A
y 2

A P
D
11 2 11

10 5 E
sena = = → 10x = 90 → x = 9cm
18 x
 11 ⋅ 2 
ÁreaAEDF = 4 ⋅   = 4 11 m
2

04 A distância entre duas retas reversas r e s é a distância  2 


entre um ponto qualquer da reta r e o plano paralelo a
r que contém s. No caso, pode ser a distância de A ao Como o plano AFDE é paralelo ao solo, a projeção sobre
plano BCD, ou seja, pode ser a medida x = AB = BC. o solo é igual à projeção sobre o plano AFDE.

8 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

Atividades Propostas – pág. 51 A


01 A x 26cm

Considerando os dados da figura seguinte, temos: a

16 m A' 24cm B

1m
A

y q 8m
A distância do ponto A ao plano a é AA’ = x. Daí, temos:
B
x 262 = 242 + x2
2m 2m
x2 = 262 – 242
I) 1 + y + 2 = 8 x2 =(26 + 24) · (26 – 24)
y = 5m x= 50 ⋅ 2
x x=10cm
II) tgq = → x = 5 ⋅ tgθ
y
05 B
02 Sendo x metros a altura do poste, temos:  
A distância entre duas retas reversas AB eCD é a dis-
tância entre
um
 ponto qualquer
 da reta AB e o plano
b paralelo a AB que contém CD . No caso, pode ser a dis-
x tância de B ao plano CDE, ou seja, a medida x = BE = CF.
a
2,3 m Considerando o triângulo BEF, retângulo em B, temos:
a

B 30cm F
28º

a + b + 90º = a + 28º + 90º → b = 28º


I) x
II) senb = 2,3 2,3 15 5 cm
→ sen28o = = 0, 46
x x
230
→ 0, 46 ⋅ x = 2,30 → x = = 5m E
46
03 D
(15 5 )
2
= x 2 + 302
Devido à grande distância do Sol à Terra, os raios sola-
res são considerados paralelos, formando um mesmo
ângulo a com um plano horizontal (o solo). Daí, temos: 225 · 5 – 900 = x2
x2 = 225
x = 15cm
1,60 m

06 B
Considerando o segmento MBN , perpendicular ao seg-
(Sombra) a mento CD , temos:
2,4m
I) Na figura II:

F 6m N E

F E
x

A B
3m 3m 3,4m
(Sombra) a 4m
45m
C D
x 1,6m 16
tgα = = →x= ⋅ 45m → C 6m M D
45m 2,4m 24
2
x = ⋅ 45m = 30m
3
3, 4 m
MN = 3,4m e BM = = 1, 7m
04 Sendo A’ a projeção ortogonal do ponto A sobre o plano 2
a, temos:
II) Na figura I:

2a Série – Ensino Médio | 9


VOLUME 1 | GEOMETRIA

B 09 B
r

x
E
12 30º
B'
60º
M D

2 3
DE 3 m
MB’ = = = 1, 5m e BB’ = h x
2 2 Tg30º = ⇔x=4 3
12
III) Teorema de Pitágoras:
(BM)2 = (MB')2 + (BB')2
r = 4 3 + 2 3 = 6 3, logo, a área da tampa será:

( )
2
(1,7)2 = (1,5)2 + h2 A = π⋅ 6 3 = 108πm2
2,89 = 2,25 + h2
h2 = 0,64 10 D
Cada formiga, em duas horas, percorrerá 6km (ver figura):
h = 0,8m
B'


07 S
x
C 6km
x r
a
2 5
A 5 6
6km A 3km B
y
A'
B

Logo, x2 = 62 + 92 ⇔ x = 117 km

Atividades para Sala – pág. 56


I) y2 = 52 + 62 → y2 = 61
( )
2
II) x2 = y2 + 2 5 → x2 = 61 + 20 → x = 9
01
08 D
A
Sendo P um ponto do Equador e NO = SO = PO = R (raio
20cm
da Terra, raio do Equador), temos no triângulo NSP’:
16cm

A' θ P
Eixo ligando o Polo Norte (N)
ao Polo Sul (S) b x
N

Q 0
P r
S
a Q'
A
M' P' I) 202 = 162 + x2
x2 = 400 – 256
x = 12cm

N II) cosθ = x = 12 = 3
20 20 5

R b 02 D
Considerando um plano perpendicular aos pisos pas-
P
O
R
sando pela rampa, temos a seguinte secção reta:
Piso superior
R
Rampa

S P' 3m
6m

SP ’ OP SP ’ R b
tgβ = = → = → SP ’ = 2R a
NS NO 2R R Piso inferior

Logo, o raio da projeção estereográfica é uma circunfe-


rência de centro S e de raio igual SP’ = 2R. Daí, temos:

10 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

3m 1 Daí, BO = AB = 5m
sena = =
6m 2 II) A altura VO é perpendicular ao plano da base, então
Assim, a = 30º (agudo) e b = 180º – 30º = 150º (obtuso) VO forma 90º com qualquer reta desse plano. Assim,
BO é a projeção ortogonal de VB sobre o piso e
o ângulo de medida a que VB forma com BO é o
ângulo que a vareta VB forma com o piso.
03 C

Sendo P’ a projeção ortogonal de P sobre o plano b, a V

secção reta do diedro, passando em P, gera o triângulo


10m
PP’A, retângulo em P’, conforme a figura seguinte:
a
O B
a 5m
P 5m
5m A
r

θ 5m 1
Daí, cos a = = → α = 60º
10m 2
A P'
b
b) Sendo M o ponto médio do lado AB , as alturas
P dos triângulos AOB e AVB serão, respectivamente,
OM e VM . Assim, o ângulo de medida b que OM e
x 1 VM formam entre si é o ângulo formado pelos planos
(PP' = 1) da face lateral (AVB) e do piso (plano AOB). Note que
Daí, temos: a reta AB é a interseção desses planos.
q
A P'

1 5 5
I) tgθ = = → AP ’ = = 5 V
AP ’ 5 5

10m
II) Teorema de Pitágoras no triângulo PP’A:
2
( 5)
2 B
0 b
x = + 12 M
5m
5m A
x2 = 6
Logo, x = PA = 6 Temos:
5 3
I) OM = (altura do triângulo equilátero AOB de
2
lado 5m)
04 Prolongando a corrente e ligando os pontos de tangên-
cia ao centro, temos: II) Teorema de Pitágoras no ∆VOB:
(VB)2 = (OB)2 + (VO)2
I) 2x = 60º
102 = 52 + (VO)2
a 50a
x = 30º

VO = 75 = 5 3 (altura da barraca)
R
R
R O VO 5 3
III) tgb = = =2
OM 5 3
2

Atividades Propostas – pág. 57


R
II) sen30” =
30º R + 50
R + 50 1 R 01 B
=
R 2 R + 50 Sendo x a medida da aresta do cubo, temos:

R + 50 = 2R A B
R = 50cm
D C

x
05 a) Temos:
I) Na base, o triângulo AOB é equilátero. E
F
x y
a

H x G
5
O B
5 5 I) O segmento EG é a projeção ortogonal de AG, então
A a = EGA é o ângulo que AG forma com o plano EFGH.

2a Série – Ensino Médio | 11


VOLUME 1 | GEOMETRIA

II) y = x 2 (diagonal do quadrado) 05 E


x 2 1, 4 a) Falso, pois projetando ortogonalmente os extremos
III) tga = = → tgα ≈ = 0, 70 do segmento, obtemos uma figura limitada (começo
x 2 2 2
e fim); a semirreta é ilimitada em uma das direções.
De acordo com a tabela, a = 35°
b) Falso, pois se a reta é perpendicular ao plano, a proje-
ção ortogonal é um ponto.
02 E c) Falso, pois, partindo do vértice, a parábola é infinita
Ligando os pontos de tangência ao centro O da esfera e nos dois sentidos; dependendo da posição da pará-
sendo x a distância entre o centro da esfera e a aresta do bola, a projeção ortogonal poderá ser uma semirreta,
diedro, temos: na qual a origem é a projeção do vértice, mas um seg-
mento de reta (com começo e fim) a projeção ortogo-
nal não pode ser.
d) Falso, pois a projeção ortogonal de cada lado (seg-
4
a mento) é um segmento de reta ou um ponto; no
x
a O máximo, a projeção ortogonal do triângulo terá três
lados.
4
e) Verdadeiro, pois se o plano que contém a circunfe-
rência for perpendicular ao plano a, a projeção da
circunferência coincidirá com a projeção do diâmetro
paralelo a a.

I) 2α = 24° → α = 12°
06 D
4 4
II) sen12º = = 0, 21 → 0, 21x = 4 → x = ≈ 19cm Os três planos, perpendiculares entre si dois a dois,
x 0, 21 determinam 8 regiões (“Pense em um canto de parede
e prolongue as duas paredes e o piso”;aparecerão oito
03 A salas, sendo quatro no piso superior e quatro no piso
Considerando a secção reta do diedro que passa em P, inferior).
P’, P”, temos:
b
O
a
45º

P’’ p

P’
x
P Em cada região, é possível colocar apenas uma esfera
x + 90º + 90º + 45º = 360º tangenciando os três planos.
x = 135º
b

04 C p

Considerando a diagonal EC do cubo concorrente com


^ , na figura
a aresta CG, calculemos o seno de a = DCG a
seguinte.

A B
São, portanto, 8 esferas.
D
C

a 07
x
E
a) Observando as figuras, temos:
x F
y V

H x G

I) y = x 2 (diagonal do quadrado)
C
II) (EC)2 = y2 + x2 B

( )
2
(EC)2 = x 2 + x
2

M
(EC)2 = 3x2 O

EC = x 3
y x 2 2⋅ 3 6 D
senα = = = = A
EC x 3 3⋅ 3 3

12 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

Base: O 1 B O 1 B

C B
y y
2 3
2 3 2 3
1 60º x–1 1
M A x C A x C

1
I) No triângulo ABC:
D 1 1 A
2 3
tg60º = = 3→x=2
x
I) OB = 1 2 (diagonal do quadrado de lado 1) II) Teorema de Pitágoras:
OB = 2m y2 = ( 2 3 )2 + (x – 1)2
II) VB = AB = 2m (o triângulo AVB é equilátero) y2 = 4 · 3 + (2 – 1)2
III) VO (altura) é perpendicular ao plano do piso, então y2 = 12 + 1
VO é perpendicular a qualquer reta do piso. Assim, o y = AO = 13
triângulo VOB é retângulo em O. Daí: III) O segmento PO é perpendicular ao plano b, então PO
forma 90º com toda reta de b. Assim, PO é perpendi-
V
(VB)2= (OB)2 + (VO)2 cular ao segmento AO, o triângulo AOP é retângulo
22 = ( 2 )2 + (VO)2 2
em O. Daí:
4 – 2 = (VO)2 C P
B
VO = 2 2
k 1 (raio)
O M
k = ( 13 ) + 1
2 2 2

O
D A k = AP = 14 A 13

b) O ângulo formado pela vareta AB e o plano do piso é


o ângulo a que AB forma com a sua projeção ortogo- 09 E
nal sobre o piso. Daí, temos: O hexágono regular é composto de seis triângulos equi-
V láteros congruentes. Daí, temos:
2
senα = → α = 45º 2
2 2 V (Plano horizontal)
C
a B 13
13
B
M a
O 13 O
M

D A
12 A

c) A reta AB é perpendicular ao plano VOM, então a reta


AB é perpendicular a toda reta do plano VOM, a reta I) OB = AB = 12 (o triângulo AOB é equilátero de lado = 12)
AB é perpendicular à reta VM. Assim, o ângulo b entre
II) Teorema de Pitágoras no triângulo VOB:
OM e VM é o ângulo diedro formado pelos planos da
face lateral VAB e do piso, conforme mostra a figura: (VB)2 = (OB)2 + (VO)2
2 V
169 = 144 + (VO)2
tgβ = = 2
1 VO = 5m
1 3 12 3
cos β = = C 2
3
III) OM = = 6 3m (altura do triângulo equilátero)
3 3 B 2
b

O 1 M Assim, obtemos:

D A VO 5
Inclinação do telhado = tga = =
OM 6 3
08 Considerando o trapézio AOBC contido no plano b, con- 5 5
Inclinação do telhado = tga = = = 0, 49
forme as figuras seguintes, temos: 6 ⋅ (1, 7) 10, 2
49
Inclinação do telhado = tga = 0, 49 = = 49%
O
1 B 100

(maior que 45%)


2 3 De acordo com a tabela, a inclinação deve ser, no
mínimo, 30% e, no máximo, 45%. Abaixo de 30% ocorre
1 60º b retorno de água (pouco inclinado) e acima de 45% ocorre
A C escorregamento de telha (muito inclinado). Logo, o
telhado pode apresentar escorregamento de telhas.

2a Série – Ensino Médio | 13


VOLUME 1 | GEOMETRIA

10 Considerando um diâmetro AB, temos: 02 A


Prolongando o raio solar que passa no centro da Terra,
temos:
76.º
Q
6.0º B
6.0º
A b
raios de Sol paralelos

6.0º B' 23º P


6.0º
A'

I) a = 23° e b = 76.° (correspondentes de retas paralelas)


 = a + b = 99°
II) PQ
I) Sendo o disco paralelo ao piso, um mesmo raio solar III) Regra de três:
forma ângulos iguais com o disco e com o piso. Assim, Medida do arco Comprimento do
o diâmetro AB do disco é paralelo ao diâmetro A’B’ da (em graus) arco (km)
sombra. 36.0°............................................ 4.0 000 (Equador)

II) Devido à enorme distância do Sol à Terra, os raios 99°............................................ x


40 000 360o 40 000 40 40 000 ⋅ 11
solares podem ser considerados paralelos. = → = →x= = 11 000
x 99º x 11 40
Assim, AA’B’B é um paralelogramo e, portanto,
A’B’ = AB = 4.cm (lados opostos iguais). Logo, a área 03 B
da sombra é a mesma do disco, ou seja: As diagonais de um retângulo são iguais e cortam-se ao
Área = p · 22 = 4.pcm2 meio. Traçando a diagonal AC, temos:

D M C

Capítulo 4 Polígonos
P

Atividades para Sala – pág. 75 E

01 A B

Considere as retas r//s//a//b, temos os ângulos alternos


internos iguais. I) AM = AB = 15 (DABC é equilátero)
II) DE e AM são medianas do DADC; assim, P é baricen-
x tro. Logo, PM = x e AP = 2x.
a
y III) AP + PM = AM
y
a1 r 2x + x = 15
a1
s
x=5
Portanto, AP = 2x = 10
b

04 D
I) As bases médias de um triângulo o dividem em quatro
Note que para cada ângulo “dentro” das retas paralelas triângulos congruentes. Logo, esses triângulos têm a
a e b, existe outro alterno interno igual, “olhando” para mesma área. Considerando os pontos médios das dia-
o lado contrário. gonais do quadrilátero inicial, temos:
D
Daí, para os ângulos “dentro” das paralelas a e b, temos: R
I) Soma dos ângulos que “olham” para a direita = soma X C
X
dos ângulos que “olham” para a esquerda. S
X
Y
Q
90º + (a1 + y) = (90º + a1) + y X Y
Y Y
90º + 70º = 130º + y
A P B
y = 30º
II) x + y = 180º 4.X + 4.Y = 150 000
x = 150º X + Y = 37 500

14 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

II) D 02 Considerando os ângulo “dentro” das paralelas AB e EF,


R
W C temos:
K
W W A
S
K Q
W E
K K
a3
A P B AB // r // s // EF
a1 a2

a2 a3
a1
4K + 4W = 150 000
B
F
K + Y = 37 500
Soma dos ângulos que “olham” para cima = soma dos
ângulos que “olham” para baixo.
III) Sendo T a área procurada:
a1 + (a2 + a3) = (a1 + a2) + a3
D 40º + x = 96º + 52º
R
x = 108º
X
C
W 03 C
S
T
Completando o triângulo, temos:
Q

Y ^
K b
^
c
B
A P

40º x â

T + (X + Y) + (K + W) = 150 000
I) x = c + 40° (ângulo externo do triângulo)
T + 37 500 + 37 500 = 150 000 II) a + b + x = 180° (soma dos ângulos internos do ∆)
T = 75 000 a + b + c + 40° = 180°
S + 40° = 180°
05 C S = 140°
O ponto do plano do triângulo que fica a igual distância
04 D
dos vértices (das casas) é o circuncentro (centro da cir-
cunferência circunscrita) e a distância igual é o raio. Veja: Em um retângulo, as diagonais são iguais e cortam-se ao
meio. Daí, temos triângulos isósceles cujos ângulos da
A base são iguais.
A D
R
O

R
b
B R
a a
C B C

b = a+ a (ângulo externo do triângulo)


Atividades Propostas – pág. 75
b = 2 · (20°) = 40°

05 B
01 E Os ângulos A  D são iguais, pois AB = AC,
BD e AC
Considerando a figura seguinte, temos:
enquanto os ângulos A 
DE e A ED são iguais, pois
s AD = AE .
r
72º A


20º
a
r'
a b
b E
b
a x a
B D C

 é externo ao triângulo CDE: b = x + a.


I) O ângulo AED
I) a = 72° (correspondentes)  C é externo ao triângulo ABD:
II) O ângulo AD
II) b = a (opostos pelo vértice)
b + x = a + 20º
III) a + b + 90° = 180°
72° + a + 90° = 180°
( )
x + α + x = α + 20º
2x = 20º
a = 18° x =10º

2a Série – Ensino Médio | 15


VOLUME 1 | GEOMETRIA

06 A
A
Temos o seguinte modelo matemático, onde o triângulo 5–x 7–x
7
5
AOB é isósceles de base AB: M x P y N
r a q y
x a q q
a x y
a q
B x Q z R y C

9
x + 30º x + 30º
O
P
I) BM = Q 
BP = α e N 
CP = R 
CP = θ
x
y y (BP e CP são bissetrizes)
A B
Q
II) BP = M 
PB = α; M BP = Q PB = α e
I) x + (x + 30°) + (x + 30°) = 360° (uma volta)    
R CP = N P C = θ; N CP = R P C = θ
3x = 300° (alternos internos de retas paralelas)
x = 100° III)Os triângulos BMP e BQP são isósceles de base BP e os
II) x + y + y = 180° triângulos PNC e PRC são isósceles de base PC. Daí:
BM = MP = x → AM = 5 – x e CN = PN = y →
100° + 2y = 180°
AN = 7 – y
y = 40° Logo, o perímetroAMN = AM + MN + AN
= (5 – x) + (x + y) + (7 – y)= 12cm
07 A IV)MPQB e NCRP são paralelogramos (apresentam os
lados opostos paralelos), e os paralelogramos têm os
B
lados opostos, além de paralelos, iguais.
Daí, BQ = MP = x e RC = PN = y.
60º 15º
20
h Logo, o perímetroAMN = x + z + y = BC = 9cm
A 30º 75º C 12cm 4
75º Portanto, a razão procurada é = =
1 20
9cm 3
75º
P
10 As bases médias do triângulo o dividem em quatro triân-
gulos congruentes. Logo, eles têm a mesma área. Daí,
Temos:
^ ^ temos:
I) P = C = 75º (correspondentes de retas paralelas) e
^ I) A Área 1 = 4a
AB C = C = 75º (∆ABC é isósceles de base BC). a
II) No triângulo ABC: a
a a
 + 75° + 75° = 180° →  = 30°
III)Traçando a altura (h) relativa ao lado AC : II) A Área 2 = 4 · (4a) = 16a
h 1 4a
sen30° = = → h = 10
20 2 4a
4a
4a
Daí, a altura da pipa será 10 + 1 = 11m

III) A Área ABC = 4 · (16a) = 64a


08 A 16a
16a
Sendo G o baricentro, teremos:
B 16a 16a C
A

IV) Área sombreada = a + 4a + 16a = 21a


2x
G
21a 21
x V) Razão = =
B M C 64a 64
Sabemos que AM = 12, então:
2x + x = 12 Atividades para Sala – pág. 85
x=4
01 D
Daí, AG = 2x = 8
Traçando as diagonais de mesmo vértice do hexágono,
obtemos 4 triângulos.
09 D
As bissetrizes dividem os respectivos ângulos ao meio.
Daí, temos:

16 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

A soma dos 6 ângulos internos do hexágono corres- a 3


ponde à soma dos ângulos internos dos 4 triângulos. II) Apótema = r = (altura do triângulo equilátero de
2
Assim, a soma dos ângulos internos do hexágono será:

lado a = R = 12cm)
Si = 4 · (180°) = 720°
12 3
De modo geral, para um polígono de n lados, a soma dos r = = 6 3 cm
2
ângulos internos é Si = (n – 2) · 180°.
No caso, Si =(6 –2) · 180° = 720° • Para o quadrado:

02 E
b
R
b
Traçando uma perpendicular às retas r e s, temos um r O
hexágono.
R r
b b
r
a
b

g
d I) 2R = b 2 (diagonal do quadrado de lado b)
s

2 · (12) = b 2
Soma dos ângulos internos = a + b + l + d + 90° + 90° =
24
(6 – 2) · 180° ⇒ a + b + l + d = 720° – 180° = 540° b= = 12 2cm (lado do quadrado)
2
03
B
Mediatriz i C II) 2r = b
i
A Mediatriz de CD
12 2
a r = = 6 2cm (apótema do quadrado)
2
O D

• Para o triângulo equilátero:

E
R
Sendo n o número de lados do polígono ABCDE..., o seu
c c
n (n − 3) O
número de diagonais será d = . Devemos ter: r
2
c
5 n (n − 3) 5
d=
I) ⋅n → = ⋅n
2 2 2
Como n ≠ o, fazendo os devidos cancelamentos, obte-
I) R = 2r (propriedade do baricentro; no triângulo
mos:
equilátero, circuncentro = baricentro).
n – 3 = 5 → n = 8 12 = 2r
i=
II)
(n − 2) ⋅ 180º → i = (8 − 2) ⋅ 180º → i = 135º r = 6cm (apótema do triângulo equilátero)
n 8
c 3
III) Soma dos ângulos internos do pentágono = 90º + i II) R + r =(altura do triângulo equilátero de lado a)
2
+ i + 90º + a
c 3
(5 – 2)· 180º = 180º + 2 · i + a 12 + 6=
2
(3) ·180º = 180º + 270º + a 36
c=
= 12 3cm (lado do triângulo equilátero)
540º – 450º = a 3
a = 90º
05 C
Em um triângulo equilátero, o circuncentro (O) coincide
04 • Para o hexágono regular: com o baricentro. Daí, temos:
a
v

a R R a 40cm h

r M
r
R 2r 0
60cm
A
a a

I) Lado = a = R = 12cm (dado)

2a Série – Ensino Médio | 17


VOLUME 1 | GEOMETRIA

60 3 Ângulos de T triângulos = n · (360°) + (soma dos ângu-


(AM é altura e mediana do ∆ equilátero).
I) r + 2r = los internos do pentágono)
2
3r = 30 3 T · (180°) = 360° · n + (5 – 2) · 180°
r = 10 3 e 2r = 20 3 Dividindo-se por 180°, obtemos:
II) Teorema de Pitágoras no ∆AVO: T = 2n + 3
(AV)2 = (2r)2 + h2
402 = (20 3 )2 + h2 04 D
1600 = 1200 + h2
h = 20cm i
i
Logo, a altura total é 1,50m + 20cm = q
i
150cm + 20cm = 170cm

I) i =
(n − 2) ⋅ 180º = (5 − 2) ⋅ 180º = 108º
Atividades Propostas – pág. 86
n 5
II) i + i + i + θ = 360°
01 D 324° + θ = 360°
θ = 36°
D N
y C
M
d y
A a a 05 B
x
x A soma dos ângulos internos ao redor de um ponto deve
B ser igual a 360°. O ângulo interno de um octógono é
135°.
I) Ângulos internos do triângulo: I) Usando um octógono em torno de um ponto, ficam
x + y + a = 180° faltando 360° – 135° = 225° (não é divisível por nenhum
x + y = 180° – a dos ângulos dados, não convém).
II) Ângulos internos do quadrilátero: II) Usando dois octógonos em torno de um ponto, ficam
a + d + 2x + 2y = 360° faltando 360° – 2 · (135°) = 90° (pode ser preenchido
a + d + 2 · (x + y) = 360° com um quadrado)
a + d + 2 · (180° – a) = 360° Logo, para preencher todos os espaços em torno de um
a + d + 360° – 2a = 360° ponto, sem sobreposição, podemos utilizar dois octógo-
a + d = 2a nos e um quadrado. Veja:

02 D
Sendo x a medida do ângulo interno remanescente (não
somado), devemos ter:
Soma dos n ângulos = 1900° + x = (n – 2) · 180°

x = 180° · n – 360° – 1900°
Cada ângulo interno do octógono regular mede 135° e
180°· n = 2260° + x
cada ângulo interno do quadrado mede 90°.
Onde devemos ter:
Somando 135° + 135° + 90° = 360°. Portanto, o polígono
• n inteiro maior ou igual a 3. pedido é o quadrado.
• 0° < x < 180° (x é ângulo interno do polígono)
Isso mostra que 2260 + x é múltiplo de 180 e maior que 06 Em um triângulo equilátero, o incentro, o circuncentro e
2260 (é igual a 180 vezes o inteiro n). Dividamos, então, o baricentro coincidem. Daí, temos:
2260 por 180
I) R = 2r (propriedade do baricentro).
2260º ÷ 180 ≅ 12
8 = 2r
Assim, o múltiplo de 180, próximo e maior que 2260 é
r = 4cm
(180) · 13 = 2340. Daí, temos: a 3
II) R + r = (altura do triângulo equilátero)
• 180° · n = 2340° → n = 13 2
A
• 2260° + x = 2340° → x = 80° a 3
8 + 4 = R
2 a
a
03 Observe, no exemplo dado, que ao redor de cada bolha 24
temos 360° e que a soma dos ângulos internos dos triân- a = = 8 3 cm O
3 r
gulos obtidos equivale à soma dos ângulos ao redor das C a B
bolhas, mais a soma dos ângulos internos do pentágono. a = 8 · (1,7) = 13,6 cm
Daí, devemos ter:

18 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

07 Cada ângulo interno do hexágono equiângulo mede II) i + x + x = 180º


180º + 2x = 180º
i=
(n − 2) ⋅ 180º = (6 − 2) ⋅ 180º = 120º . x = 36º
n 6 III)x + a + x = i
Prolongando os lados, obtemos o triângulo equilátero 36º + a + 36º = 108º
BCQ. a = 36º
P

60º 20 10 B
20
Sendo n o número de lados, devemos ter:
E 20 D
y 13 (n – 2) · 180º = 2 · 130º + 128 · (n – 2)
F C
120º ⇒ 180n – 360º = 260 + 128n – 256
x x 15 60º 15
60º
120º
60º
⇒ 180n – 128n = 360 + 260 – 256
º
60
R x Q
A 23 B 15
⇒ 52n = 364 ⇒
De modo análogo, os triângulos ARF e EPD também ⇒n=7
são equiláteros. Como o triângulo maior PRQ também é
equilátero, temos: Capítulo 5 Poliedros
I) RQ = PQ
x + 23 + 15 = 15 + 13 + 20 Atividades para Sala – pág. 101
x = AF = 10
II) RP = PQ 01 D

123
x + y + 20 = 48 F4 = 12
10 + y = 28 Dados: F6 = 8
y = 18 F8 = 6
Daí, o perímetro do hexágono = 23 + 15 + 13 +20 + y +
x = 99 Devemos ter:
I) F = 12 + 8 + 6 → F = 26
08 a) Observando que x se opõe ao maior cateto, x é o
ângulo externo do hexágono menor, ou seja: II) 2A = 12 · 4 + 8 · 6 + 6 · 8 → 2A = 144 → A = 72
360º III)V + F = A + 2
x= = 60º
6 V + 26 = 72 + 2 → V = 48
Daí, o ângulo interno do hexágono menor mede
02 B
180º – x = 120º Dados: F3 = 8 e F4 = 18.
b) Como o triângulo ABC é retângulo, temos: Devemos ter:
x + y + 90° = 180° I) F = 8 + 18 → F = 26
60° + y + 90° = 180° II) 2A = 8 · 3 + 18 · 4 → 2A = 24 + 72 → A = 48
y = 30° III)V + F = A + 2
V + 26 = 48 + 2
c) Na figura 1:
V = 24
3
cos60o = ⇔ AB = 6 IV)
Os vértices são idênticos, então, de cada vértice,
AB parte um mesmo número m de arestas. Daí:
Observando a figura 2, percebemos que o lado do o dobro do número de arestas = V · m = 2A
hexágono menor é a hipotenusa AB, menos o cateto
24 · m = 96
menor. Daí:
m = 4
lado do hexágono menor = AB – 3 = 6 – 3 = 3
Logo, o rombicuboctaedro apresenta 24 vértices dos
Logo, o perímetro do hexágono menor é 6 · 3 = 18cm quais partem, de cada um, 4 arestas.

09 C A
03 A
x α x
Sendo F5 = x e F6 = y os números de faces pentagonais e
B i E hexagonais, respectivamente, devemos ter:
I) V = 60 e F = x + y
x
II) Cada vértice tem 3 arestas (triedros ou ângulos triédri-
C D cos). Assim, obtemos:
Como AB = BC ⇒ ABC é isósceles de base AC. Logo os O dobro do número de arestas = 2A = 3 · V = F5 · 5 + F6 · 6
ângulos da base são iguais. Temos que: 2A = 3 · 60 = x · 5 + y · 6

I) i =
(5 − 2) ⋅ 180º ⇒ i = 108º . Daí:
5 • 2A = 3 · 60 → A = 90

2a Série – Ensino Médio | 19


VOLUME 1 | GEOMETRIA

• x · 5 + y · 6 = 3 · 60 → 5x + 6y = 180 03 A
III)Relação de Euler: Contando as faces, temos:
V + F = A + 2 • No de faces triangulares = F3 = 5
60 + F = 90 + 2 • No de faces quadrangulares = F4 = 10 + 5 = 15 (As 10
F = 32 → x + y = 32 adjacentes à base, mais as 5 superiores; a base é um decá-

123
5x + 6y = 180
IV)Resolvendo o sistema , obtemos: gono)
x + y = 32
• No de faces pentagonais = F5 = 1
x = 12 (faces pentagonais) e y = 20 (faces hexagonais). • No de faces de 10 lados = F10 = 1 (A base)
04 Os ângulos poliédricos estão associados aos vértices do Daí, obtemos:
poliedro, de modo que, se o ângulo é constituído de n
I) F = F3 + F4 + F5 + F10 = 5 + 15 + 1 + 1 → F = 22
semirretas, é porque do respectivo vértice do poliedro
partem n arestas. II) 2A = 5 · 3 + 15 · 4 + 1 · 5 + 1 · 10
Dados: V3 = 2, V5 = 8 e V6 = 6 15 + 60 + 5 + 10
A =
Daí, devemos ter: 2
A = 45
I) V = 2 + 8 + 6 → V = 16
III) Relação de Euler:
II) 2A = 2 · 3 + 8 · 5 + 6 · 6 → 2A = 6 + 40 + 36 → A = 41
V + F = A + 2
III)Relação de Euler:
V + 22 = 45 + 2
V + F = A + 2
V = 25
16 + F = 41 + 2
F = 27 04

123
F = 15 (pentadecaedro)
05 A figura apresenta vinte faces triangulares (F3 = 20) e V = 22 (vértices)
doze faces pentagonais (F5 = 12). Daí, devemos ter: Dados F3 = 4 (4 faces triangulares)
I) F = 20 + 12 → F =32 F5 = x (x faces pentagonais)
II) 2A = 20 · 3 + 12 · 5
F6 = y (y faces hexagonais)
2A = 120
A = 60 I) V + F = A + 2 ⇒ 22 + 15 = A + 2 ⇒ A = 35
III)Relação de Euler: II) F3 + F5 + F6 = F ⇒ 4 + x + y = 15 ⇒ x + y = 11.
V + F = A + 2 III) 2A = 3F3 + 5F5 + 6F6 ⇒ 70 = 12 + 5x + 6y ⇒ 5x + 6y = 58
V + 32 = 60 + 2
123

V = 30 5x + 6y = 58
Resolvendo , encontram-se x = 8 e y = 3.
Logo, o poliedro apresenta 30 vértices e 60 arestas. x + y = 11
Logo, existem 8 faces pentagonais.

Atividades Propostas – pág. 101 05 I) F = F4 = 30


II) 2A = 30 · 4 → A = 60
01 B III)V + F = A + 2
O cubo tem 6 faces e 8 vértices. Cada vértice do cubo V + 30 = 60 + 2
corresponde a uma face triangular do poliedro; e cada V = 32
face do cubo corresponde a uma face quadrada. Logo, o
poliedro tem 8 faces triangulares e 6 faces quadradas. 06 A = 40 e sendo V e F os respectivos números de vértices
e faces, devemos ter:
02 A V F
I) = = k → V = 3k e F = 4k, onde k é a constante de
De acordo com a planificação, o poliedro tem 8 faces 3 4
triangulares (F3 = 8) e 6 faces quadrangulares (F4 = 6). proporcionalidade.
Daí, temos:
II) Relação de Euler:
I) F = F3 + F4 → F = 8 + 6 = 14
V + F = A + 2
II) 2A = 8 · 3 + 6 · 4
3k + 4k = 40 + 2
24 + 24
A = k = 6 → V = 3 · 6 = 18 e F = 4 · 6 = 24
2
A = 24 07 B
O icosaedro tem 20 faces e cada face transformou-se
III) Relação de Euler:
em 4. Assim, o geodésica tem 20 · 4 = 80 faces, todas
V + F = A + 2 triangulares. Daí, o número de arestas (A) é tal que:
V + 14 = 24 + 2 2A = 80 · 3
V = 12 A = 120

20 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

08 Os ângulos poliédricos estão associados aos vértices do b) I) O dodecaedro regular tem V = 20 vértices. Ligando
poliedro, de modo que, se o ângulo é constituído de n V ⋅ ( V − 1) 20 ⋅ 19
os vértices, obtemos = = 190 seg-
semirretas, é porque, do respectivo vértice do poliedro, 2 2
partem n arestas. mentos entre arestas, diagonal de face e diagonal do
Dados: V4 = 3, V5 = 6 e V8 = 4. poliedro.
Daí, devemos ter: II) Diagonais de face (as faces são pentágonos):
I) V = 3 + 6 + 4 → V = 13 5 ⋅ (5 − 3 )
d5 = F5 · = 12 · (5) = 60
II) 2A = 3 · 4 + 6 · 5 + 4 · 8 → 2A = 12 + 30 + 48 → A = 45 2
Logo, o número (D) de diagonais do dodecaedro será:
III)Relação de Euler:
V + F = A + 2 V ⋅ ( V − 1)
D= – A – d5
13 + F = 45 + 2 2
D = 190 – 30 – 60
F = 34
D = 100
50  1 3
09 I) A = V + ⋅ V → A = V ⋅  1+  → A = ⋅ V
100  2 2
03
II) V + A + F = 14 → V + F = 14 – A
C
III)Relação de Euler: b
a
V + F = A + 2 D
B Dado: a = 8 cm
14 – A = A + 2
A = 6 A a
a
3 3
IV)A = ⋅ V → 6 = ⋅ V → 3 V = 12 → V = 4
2 2
Pela simetria da figura, ABCD é um quadrado de lado
V) V + A + F = 14 → 4 + 6 + F = 14 → F = 4
b cujas diagonais são iguais a a, onde a é a medida da
Logo, o poliedro tem 4 faces e 6 arestas.
aresta do cubo e b, a medida da aresta do octaedro
regular.
10 D
Os brilhantes ocuparão a posição dos vértices e as has- Daí, temos: C
tes são as arestas do poliedro, temos 2 · A = 20 · 3 → a = b 2 (diagonal do quadrado) b b

A = 30 e V + F = A + 2 → V = 12. Pelos preços expostos, 8=b 2 D a B


o custo da joia (matéria-prima) será de:
8 8 2
C = 200 · 30 + 250 · 12 = R$ 9000,00. b= = b b
2 2
A
b = 4 2cm
Atividades para Sala – pág. 110 04 B
• S = (V – 2) · 360º ⇒ 720º = (V – 2) · 360º ⇒
01 Tetraedro, hexaedro (cubo), octaedro, dodecaedro e ico- ⇒V–2=2⇒V=4
saedro regulares. • A + 2 = V + F ⇒ A + 2 = 4 + F ⇒ A = 2 + F.
2
02 a) Observando a nomenclatura, o dodecaedro tem 12 Como F = A, obtemos:
3
faces e o icosaedro, 20. Como são conjugados, o
2
dodecaedro tem 20 vértices e o icosaedro, 12. Daí, A=2+A ⇒ 3A = 6 + 2A ⇒ A = 6
3
para o dodecaedro, temos: 2
Daí, F = ⋅ 6 = 4.
I) V + F = A + 2 → 32 = A + 2 → A = 30 (os poliedros 3
conjugados têm o mesmo número de arestas). 05
123

II) Sendo n o número de arestas de uma face do dode- F3 = 3



caedro (F = 12): F4 = 1
Dados
2A = F · m → 60 = 12 · n → n = 5 (faces pentagonais) F5 = 1
Logo, o dodecaedro apresenta 12 faces pentago- F6 = 2
nais. Daí, a soma (S) dos ângulos será:
S = 12 · (n – 2) · 180° a) • 2A = 3F3 + 4F4 + 5F5 + 6F6
S = 12 · (5 – 2) · 180° 2A = 9 + 4 + 5 + 12
S = 6480° 2A = 30
Outra solução: A = 15
S = (V – 2) · 360º • F = F3 + F4 + F5 + F6
S = (20 – 2) · 360º F = 3 + 1 + 1 + 2
S = 6480º

2a Série – Ensino Médio | 21


VOLUME 1 | GEOMETRIA

F = 7 04 E
•A+2=V+F

123
F3 = 12
15 + 2 = V + 7 ⇒ F = F3 + F5 ⇒ F = 12 + x.
F5 = x
V = 10
O poliedro tem 10 vértices, 7 faces e 15 arestas. Como A = 3 · F5 ⇒ A = 3x.
V ( V − 1) • 2A = 3F3 + 5F5
b) D = – A – N, onde: 6x = 36 + 5x
2
N = F3 · d3 + F4 · d4 + F5 · d5 + F6 · d6 x = 36 ⇒ F5 = 36
• Si = (n – 2) · 180º, onde Si é a soma dos ângulos inter-
3 (3 − 3) 4 ⋅ (4 − 3) 5 (5 − 3 ) 6 (6 − 2) nos de um polígono de n lados
N = 3 ⋅ + 1⋅ + 1⋅ + 2⋅
2 2 2 2 Para n = 5 ⇒ Si = (5 – 2) · π ⇒ Si = 3π
N = 0 + 2 + 5 + 18
(note que πrad = 180º)
N = 25
• Sendo S a soma pedida, temos que S = 36 · Si ⇒
Daí, S = 36 · 3π ⇒ S = 108π.
10 (10 − 1)
D = − 15 − 25
2 05 Foi dado S = 32r, onde r é o ângulo reto e sabemos que
D = 5 · 9 – 40 S = (V – 2) · 360º. Daí, temos:
D = 45 – 40 32 ⋅ 90º
I) (V – 2) · 360º = 32r ⇒ V – 2 = ⇒ V – 2 = 8 ⇒ V = 10
D = 5 360º
O poliedro possui 5 diagonais. II) V + F = A + 2 ⇒ 10 + F = 20 + 2 ⇒ F = 12

123
III) F3 = x
⇒F = x + y ⇒ x + y = 12
F5 = y
Atividades Propostas – pág. 111 IV) 2A = 3F3 + 5F5 ⇒ 40 = 3x + 5y

123
x + y = 12
01 D Resolvendo o sistema , encontramos
O poliedro regular, de faces triangulares, e que não pos- 3x + 5y = 40
sui diagonais é o tetraedro, cujo número de vértices é x = 10 e y = 2.
igual a 4.
Daí, S = (V – 2) · 360º ⇒ S = (4 – 2) · 360º ⇒ S = 720º Logo, F3 = 10 e F5 = 2.
O poliedro apresenta 10 faces triangulares e 2 faces pen-
02 De acordo com o enunciado, V = 60 e A = 90. Sendo tagonais.
F5 = x e F6 = y, temos:
I) F = F5 + F6 ⇒ F = x + y 06 A
I) F4 = x e F3 = 4 ⇒ F = 4 + x
II) V + F = A + 2 ⇒ 60 + F = 90 + 2 ⇒ F = 32
II) S = 12r (onde r é um ângulo reto).
Daí, x + y = 32 12 90”
Logo, (V – 2) · 360º = 12r ⇒ V – 2 = ⇒ v=5
360”
III) 2A = 5F5 + 6F6 ⇒ 180 = 5x + 6y. III) 2A = 3F3 + 4F4
2A = 12 + 4x
123

x + y = 32 , encontram-se x = 12 e y = 20.
Do sistema A = 6 + 2x
5x + 6y = 180
IV) V + F = A + 2 ⇒ 5 + (4 + x) = (6 + 2x) + 2 ⇒ x = 1
Logo, F6 = 20. Portanto, serão 20 os homenageados.
Logo, A = 6 + 2 · 1 ⇒ A = 8.
03 E
07 A
Foram dados F3 = 10 e F5 = 10. Daí, temos:
123

F3 = x
I) F = F3 + F5 ⇒ F = 20 I) ⇒F=x+y
F4 = y
II) 2A = 3 · F3 + 5 · F5 ⇒ 2A = 30 + 50 ⇒ A = 40
III) V + F = A + 2 ⇒ V + 20 = 40 + 2 ⇒ V = 22 II) S = 2880º e S = (V – 2) · 360º. Daí:
IV) O no de diagonais do poliedro (D) será: 2880º = (V – 2) · 360º
V ⋅ ( V − 1) V – 2 = 8 ⇒ V = 10
D= − A − N, onde :
1 III) V + F = A + 2 ⇒ 10 + F = 20 + 2 ⇒ F = 12.
N = F3 · d3 + F5 · d5 (N é o número de diagonais de
Daí, x + y = 12
todas as faces)
IV) 2A = 3F3 + 4F4
3 ⋅ (3 − 3) 10 ⋅ 5 ⋅ (5 − 3)
N = 10 · + 40 = 3x + 4y
2 2
N = 0 + 50 = 50 x + y = 12
123


Resolvendo o sistema , obtemos x = 8 e y = 4.
22 ⋅ (22 − 1) 3x + 4y = 40
Daí, D = − 40 − 50
2
D = 11 · 21 – 90 O poliedro possui 8 faces triangulares e 4 faces quadran-
D = 141 gulares.

22 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

A x
08 Considere o tetraedro ABCD l 02 e
representado na figura e α o D
e
y
ângulo diedro formado pelas d
d
faces BCD e ACD. Como todas as B a z
faces são triângulos equiláteros 2r O r M c
500cm = 5m
e sendo  a medida das arestas l
c
w
 3 b
do tetraedro, BM = AM = . C b
2 r
O centro do triângulo BCD é
a a
baricentro. Sendo assim,
r w z y x
 3  3
OM = r e BM = 2r. Daí: 2r + r = ⇒r= 0,004km = 4m
2 6
OM 2p = (2a + 2b + 2c + 2d + 2e) + (2x + 2y + 2z + 2w + 2r)
No triângulo retângulo AOM, cosa = ⇒ 2p = 2 (a + b + c + d + e) + 2 (x + y + z + w + r)
AM
2p = 2 · 5 + 2 · 4
 3 2 1
⇒ cosa = ⋅ ⇒ cos α = . 2p = 10 + 8
6  3 3
2p = 18m
09
03 0,092km = 92m 92, 8, 60, 60 2
A m.d.c = 22 = 4
a
0,8dam = 8m 46, 4, 30, 30 2
2r
a 600dm = 60m 23, 2, 15, 15 2
P D
0,6hm = 60m 23, 1, 15, 15 3
r
x
23, 1, 5, 5 5
a
B M
2r O r 23, 1, 1, 1 23
a 1, 1, 1, 1
C
92 : 4 = 23
Na figura, O é o centro de BCD (O é baricentro) e P é 8:4=2
23 + 2 + 15 + 15 = 55 estacas.
o centro de ACD (P é baricentro). Considere a aresta 60 : 4 = 15
OP = x a aresta do poliedro interno e AB = a do polie- 60 : 4 = 15
dro externo. Usando a semelhança dos triângulos MAB e
a 2r + r 04 Área do ladrilho = 24cm · 16cm = 384cm2
MPO, obtemos: = = 3.
x r Área da sala = 700cm · 960cm = 672 000cm2
672 000
10 A No de ladrilhos = = 1750.
384
O cubo é um hexaedro regular que possui V = 8 (oito
vértices) e F = 6 (seis faces). 05 B
O dual do cubo, ao contrário, possui V = 6 (seis vértices) Tamanho Foto
B b
real
e F = 8 (oito faces, octaedro regular).
a
Note que para os dois, temos: A Área = A · B Área = ab = 60cm2
V + F = A + 2 ⇒ 14 = A + 2 ⇒ A = 12 (doze arestas)
I) Escala = comprimento na foto 1
Logo, o octaedro regular é dual ao cubo. = . Daí :
comprimento real 250
a b 1  A = 250a
= = →
A B 250 B = 250b
II) Área real = A · B
Unidades de área e unidades de Área real = (250a) · (250b)
Capítulo 6 volume
Área real = (250)2 · (ab)
Área real = 62 500) · (60cm2)
Atividades para Sala – pág. 114
Área real = 3 750 000cm2
2
 1 
Área real = 3 750 000 ·  m
01 Seja h a altura da porta. Então, h = 12,5c. Como  100 
c = 16cm, h = 12,5 · 16 ⇒ h = 200cm ⇒ h = 2m (dois
 1 
metros). Área real = 3 750 000 ·  m2
 10 000 

Área real = 375m2

2a Série – Ensino Médio | 23


VOLUME 1 | GEOMETRIA

375m2 Q
III) No de galões = ≅ 31, 2
12m2 05 C
3,2

Logo, serão comprados, no mínimo, 32 galões ao custo
total de 32 · (13 reais) = 416 reais. 3,2

3,2 16

Atividades Propostas – pág. 115


3,2

01 Sendo m’ a medida real da trena, temos:


3,2
I) 1m’ = 1m + 3mm
P 3 3 3 3 O
1m’ = 1m + 0,003m
12
1m’ = 1,003m Aplicando o Teorema de Pitágoras no triângulo PQO,
temos que:
II) Frente = 2 965m’
(PQ ) ( )
2 2
= 122 + 162 ⇒ PQ = 400 ⇒ PQ = 20 m.
= 2 965 · (1,003m)
= 2 973,895m 06 D

1m 1 000mm
02 1080, 840, 600 2 São obtidos = = 200 quadradinhos no
5mm 5mm
540, 420, 300 2
1m
270, 210, 150 2 comprimento e =200 quadradinhos na largura,
5mm
135, 105, 75 3
m.d.c =23 · 3 · 5 = 120 num total de (200) · (200) = 40 000 quadradinhos. Daí:
45, 35, 25 3
comprimento total = 40 000 · (5mm)
15, 35, 25 3
5, 35, 25 5 = 200 000mm
1, 7, 5 5 = 200m
1, 7, 1 7 07 D
1, 1, 1 1
⋅ 60 dam2 = 20dam2 (Praça de esporte).
3
50 – 20 = 30dam2 = 3 000m2 (Restante).

3 000 ÷ 50 = 60m2 (Área de cada sala de aula).


a) 120cm
b) 1080 ÷ 120 = 9 08 D
840 ÷ 120 = 7 9 + 7 + 5 = 21 pedaços.
600 ÷ 120 = 5
c = 1,5m
c) 21 · 3cm = 63cm = 0,63m

m
4,5
b=
03 B
a = 7,5m
Seja x o número de tábuas de 2cm e y o de 5cm. Então,
x + y = 50 e 2x + 5y = 154cm. • A área a ser colocada azulejo = ab + 2ac + 2bc =
x + y = 50 (7,5 · 4,5) + 2 · (7,5 · 1,5) + 2 · (4,5 · 1,5) =
123

Resolvendo o sistema , obtemos:


2x + 5y = 154 33,75 + 22,5 + 13,5 = 69,75m2 = 697 500cm2.

• Área de um azulejo = 152 = 225cm2
x = 32 e y = 18. Logo, x – y = 32 – 18 = 14
• Número de azulejos = 697 500 ÷ 225 = 3.100

04 B 09 D
321

Temos que: 500dm = 50m


Área do pátio = 50m × 40m =
24h = 24 · 60 · 60s = 86 400s. 0,4hm = 40m

São, portanto, 86 400 oscilações e ele desce: = 2000m2 = 2 000 centiares


86 400 · (0,02m) = 1728mm = 1,728m No de crianças = 2 000 · 2 = 4.000

24 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

10 D Atividades Propostas – pág. 122



Tamanho
B Planta 12cm
real
01 D
14cm
A

10cm = 0,1m
comprimento na planta 1
I) Escala = = . Daí :
comprimento real 50
14cm 12cm 1  A = 50 ⋅ 14cm = 700cm = 7m
= = →
A B 50 B = 50 ⋅ 12cm = 600cm = 6m
10m
II) Área real = A · B = (7m) · (6m) = 42m2
12m

Vnecessário = 12m · 10m · 0,1m = 12m3 = 12.000 litros.

Atividades para Sala – pág. 122


02
01 A 2,5cm = 0,25dm

VB = 5 · 3 · 4 = 60

40cm = 4dm
02 B
3m = 30dm
I) Precipitação: 5cm = 50mm (choveu 50L de água por m2)
II) Área = 10km2 = 10 · (103m)2 = 10.106m2 = 107m2
Vpeça1 = 30 · 4 · 0,25 = 30dm3
Logo, houve uma precipitação de 107 · (50L) =

5 · 10 · 107L = 5 · 108L
1cm = 0,1dm

03 A
50cm = 5dm
O volume do sólido é igual ao volume de água deslo-
cado, ou seja: 2m = 20dm

V = 1m · 1m · 20cm

Vpeça2 = 20 · 5 · 0,1 = 10dm3
Observando que 20cm = 0,2m, temos:
V = 1 · 1 · 0,2 = 0,2m3 = 0,20m3. Regra de três:
30dm3 → 75kg
04 C
10dm3 → x
I) Volume = (1m) · (25cm) · (20cm)
Daí:
Volume = (10dm) · (2,5dm) · (2,0dm) 30x = 750kg.
Volume = 50dm3 x = 25kg.
1
II) 1kg = 1,7dm3 → 1dm3 = kg
1, 7

 1  500 03 E
Logo, ela comprará 50 ·  kg = kg ≅ 29,4kg
 1, 7  17
0,5cm
05 E 50cm

I) Volume de sangue = 5,5L = 5,5dm = 5,5 · (10 mm) =


3 2 3

= 5,5.106mm3.
cm

II) No de glóbulos vermelhos = (5,5 · 106) · (5 milhões) =


60

Pedra
= 27,5 · 106 milhões
80cm
=(2,75 · 10) · 106 · 106 Vpedra = 80 · 60 · 0,5 = 2 400cm3
= 2,75 · 1013

2a Série – Ensino Médio | 25


VOLUME 1 | GEOMETRIA

Sendo x a medida da aresta do cubo, o volume da parte


04 C vazia deve corresponder a 192L = 192dm3.
Logo, volume vazio = x · x · (30cm) = 192dm3

x2 · (3,0dm) = 192dm3
15cm
0,65m x2 = 64dm2
x = 8dm
Logo, o volume do cubo será x3 = (8dm)3 = 512dm3 = 512L
09 B
OBS: 15cm = 0,15m Seja h a altura que o nível da água alcançaria.

m
1 ,2
Castelo Então, 510 000 000km2 · h = 13 000km3 ⇒
13 000km3
0,6m
⇒h= ⇒
510 000 000km2
⇒ h = 0, 0000254km ⇒ h = 2, 54cm
Vcastelo = 0,6 · 1,2 · 0,15 = 0,108m3 = 108dm3
10 D
05 C Sendo x3 o volume do cubo, temos:
x I) V1 = abc = 50x3
143,2 + · 143,2 = 179 ⇒ 14.320 + 143,2x = 17.900 ⇒
100 Caixa 1 (V1)
⇒ 143,2x = 3.580 ⇒ x = 0,25 ⇒ x = 25%

c
06
I) Área da região = 10m · 15m = 150m2 b
x
II) A quantidade máxima de água ocorrerá para uma x
a
chuva de 60mm = 60L em 1m2, por hora.

Daí, a quantidade de água recebida na região, em 1
II) V2 = 2a · 2b · 2c
hora, será: 150 · (60L) = 9 000L
V2 = 8abc
V2 = 8 · 50x3
07
2
V = 400x3
a) Número máximo de notas:
V = 400 · VCUBO
56 cm 560mm 2
I) No comprimento: = =4 Caixa 2 (V2)
140mm 140mm

39cm 390mm
II) Na largura: = =6 2c
65mm 65mm
10 cm 100mm 1 000
III) Na altura: = = = 500
0, 2mm 0, 2mm 2 2b
x
x
Daí, o número máximo de notas será 4 · 6 · 500 = 12 000 2a
notas, no valor de 12 000 · (50 reais) = 600 000 reais.
Logo, podem ser colocados 400 cubos na caixa maior.
b)
I) Volume das notas = (56cm) · (39cm) · (10cm) = 21 840cm³.
II) Cada cm³ de notas tem o peso de 0,75g. Daí: Capítulo 7 Prismas
Peso das notas: 21 840 · (0,75g) = 16 380g = 16,38kg
Peso da mala cheia = (16,38 + 2,6)kg = 18,98kg. Atividades para Sala – Pág. 131

08 D 01 Base

30cm P 6

6 6 6
6

16 6 6
A D
x

x
A
D B C
x

B 6 C

26 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

I) O hexágono regular é composto de seis triângulos II) Volume de C2 = (8 + 2)3 = 103 = 1 000cm3
equiláteros, o lado do hexágono regular é igual ao III)Regra de três:
raio da circunferência circunscrita. Daí, AD = 2 · 6 = 12cm.
 Volume (cm3) Custo (R$)
II)  = 360º = 180º e AC
AD D = AD = 90º (ângulo inscrito). 512 5,12
2 2
III)No triângulo retângulo ACD: 1000 x
(AD) = (AC) + (CD)
2 2 2 5, 12 512
Daí, = → x = 10 reais.
122 = (AC)2 + 62 x 1 000
144 – 36 = (AC)2
05 A superfície da água sempre fica na horizontal, paralela
(AC)2 = 108 ao solo. Como os ângulos alternos internos de retas
IV)No triângulo retângulo PAC: paralelas são iguais, devemos ter:
(PC)2 = (AP)2 + (AC)2
(PC)2 = 256 + 108 4
x 4
(PC) = 364
2
20 3

PC = 2 91cm 60º
y x
V) No triângulo retângulo PAD: 4
h
(PD) = (PA) + (AD)
2 2 2
y
(PD)2 = 256 + 144
30º 60º
(PD)2 = 400
PD = 20cm 4 4 4 3
Tg 60º =
I) = 3⇒x= =
As possíveis medidas são 2 91cm e 20cm. x 3 3

2
II) Volume de água = · [(4cm) · (4cm) · ( 20 3cm)] =
02 B 3
No paralelepípedo, temos: 40 3 1
(4cm) · (4cm)=· y + ⋅ x(4cm) · (4cm) · x
I) Área total: S = 2ab + 2ac + 2bc 3 2
II) Diagonal: d = a2 + b2 + c 2 ⇒ d2 = a2 + b2 + c 2 Dividindo por (4cm) · (4cm), obtemos:
III) m = a + b + c 40 3 1
3 = y + 2 ⋅ x
IV) Produto notável:
(a + b + c)2 = a2 + b2 + c2 + 2ab + 2ac + 2bc 40 3 1 4 3 38 3
3 = y + 2 ⋅ 3 ⇒ y = 3
m2 = d2 + S
42 3
S = m2 – d2 III) x + y = = 14 3
3
03 C h 3 h 3
IV) sen60º = = ⇒ = ⇒ h = 21cm
I) Volume do reservatório: x+y 2 14 3 2
V = a · b · c
V = 8m · 5m · 120cm
V = 80dm · 50dm · 12dm Atividades Propostas – pág. 131
V = 48 000dm3
V = 48 000L 01
II) Regra de três: I) S = (V – 2) · 360° = 72 · (ângulo reto)
2 litros → 1 segundo 72 ⋅ (90º )
V – 2 =
48 000 litros → x 360º
Daí, 2x = 48 000 V – 2 = 18
x = 24 000s V = 20
24 000 II) Sendo n o número de lados da base, o prisma terá 2n
x= = 400 min
60 vértices (n em uma das bases e n na outra base).
04 I. D Daí: 2 · n = 20 ⇒ n = 10 (a base é um decágono).
Sendo a a medida da aresta de C1, a medida da aresta de III)O prisma terá 30 arestas (10 em uma base, 10 na
C2 será a + 2. Daí, devemos ter: outra base e 10 laterais).
Área de C2 = Área de C1 + 216 Resposta: Prisma decagonal; 30 arestas.
6 · (a + 2)2 = 6a2 + 216
6 · (a2 + 4 a + 4) = 6a2 + 216 02 D
24a = 216 – 24 ⇒ a = 8 Área de uma caixa, em cm2 :
II. E A = 2 · (14 · 20 + 14 · 40 + 20 · 40) = 3280cm2 = 0,328m2
I) Volume de C1 = 83 = 512cm3 Área total de 10 000 caixas: 10 000 · A = 3280m2

2a Série – Ensino Médio | 27


VOLUME 1 | GEOMETRIA

03 C  60 − 2x   60 − 2x  x
No de bolas =   ⋅  ⋅ = 6 ⋅ 6 ⋅ 2 = 72
No caminhão, no máximo, caberão: 6   6  6
I) No comprimento: 5 caixas. III) Para 3 camadas (x = 3 · 6 cm = 18 cm):
II) Na largura: 2 caixas.
 60 − 2x   60 − 2x  x
III)Na altura: 2 caixas. No de bolas = 
  ⋅  ⋅ = 4 ⋅ 4 ⋅ 3 = 48
6   6  6
Logo, em uma viagem, o caminhão poderá levar, no
IV) Para 4 camadas (x = 4 · 6cm = 24 cm):
máximo, 5 · 2 · 2 = 20 caixas. Assim, ele terá de fazer,
 60 − 2x   60 − 2x  x
no mínimo,
240
= 12 viagens.
No de bolas = 
  ⋅  ⋅ = 2 ⋅ 2 ⋅ 4 = 16
6   6  6
20
Logo, o máximo será 72 bolas.
04 D
Sendo a, b e c as dimensões do paralelepípedos B, deve-
08 C
mos ter:em
medida A
medida 1 A
= em . Daí=: 1 . Daí : c
medida
Escala =em B 10
medida em B 10
a = 85cma = 85cm a
b
8, 5cm 28,,55cm
cm = 42cm 1 4cm 1
= , 5cm
= → cmb = 25cm
b= = 25→
ba = c b 10 = ab = 14

123
a c c =10
 40cmc = 40cm Temos: ac = 10

Logo, o volume de B será: bc = 5
a · b · c = 85.000cm3
Multiplicando membro a membro, obtemos:

05 A
a2b2c2 = 14 · 10 · 5 ⇒ abc = (2 ⋅ 7) ⋅ (2 ⋅ 5) ⋅ 5 = 10 7
09
Sendo a, b, c as dimensões do paralelepípedo, temos:
I) Diagonal: D = a + b + c = 5 2 ⇒ a + b + c = 50
2 2 2 2 2 2 I) Área = 6 · a2 = 18 ⇒ a2 = 3 ⇒ a = 3cm (aresta do cubo).
II) Atotal = 2ab + 2ac + 2bc = 94 II) A maior distância entre dois pontos de um cubo é a
diagonal d = a 3 .
III) Produto notável:
Logo, d = 3 · 3 = 3cm.
(a + b + c)2 = a2 + b2 + c2 + 2ab + 2ac + 2bc
(a + b + c)2 = 50 + 94 10 A
a + b + c = 144 = 12 Volume de água =
123

a=b–R
IV) P.A. de razão R : (a, b, c) ⇒ 40cm · 10cm · (20 – 6)cm = 20cm · 10cm · (40 – x)cm.
c=b+R
Daí:
V) a + b + c = 12 ⇒ (b – R) + b + (b + R) = 12 ⇒ b = 4
40 · 10 · 14 = 20 · 10 · (40 – x) ⇒ 2 · 14 = 40 – x
123

a=4–R
⇒ ⇒ x = 12cm
c=4+R
VI) a2 + b2 + c2 = 50
(4 – R)2 + 42 + (4 + R)2 = 50 Atividades para Sala – pág. 135
16 – 8R + R2 + 16 + 16 + 8R + R2 = 50
R = 1 ⇒ P. A.: (3, 4, 5)
2R = 2
2
ou 01 D Base

R = –1 ⇒ P. A.: (5, 4, 3)
Logo, V = a · b · c = 3 · 4 · 5 = 60m3 3cm A
a a D
a a a a
A D
B a
B a C C
06 A
S(x) = (2x + 180) · (2x + 270 + 135 · 2)  a2 3  3a2 3
I) ABASE = 6 ·  =
S(x) = 4x2 + 540x + 360 + 48 600  4  2
S(x) = 4x2 + 900x + 48 600 II) Alateral = 6 · [a · 3] = 18a
07 A III)Alateral = 2 · ABASE
As dimensões da caixa são (60 – 20x), (60 – 2x) e x, onde
0 < x < 30, e a altura da bola é 2 · 3cm = 6cm. Podemos  3a2 3 
18a = 2 ⋅  
ter:  2 
I) Para 1 camada (x = 6cm): 18 a2
=
 60 − 2x   60 − 2x  x 3 3 a
No de bolas = 
  ⋅  ⋅ = 8 ⋅ 8 ⋅ 1 = 64 a = 2 3cm
6   6  6
II) Para 2 camadas (x = 2 · 6cm = 12cm):

28 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

IV) Volume = V = ABASE · (Altura) 04


3a
3 2
V= ⋅3
2
3⋅4 ⋅3⋅ 3
V= ⋅3 H

m
2

6c
V = 54 3cm3 60º

20m
02
Temos:
15m

0,9m 2
I) Ab = 6 ⋅ 2 3
8m

A 15m B ⇒ Ab = 6 3cm2
4
123

x 8m
C
8m

2,7m
F x II) sen60º = H ⇒ 3 = H ⇒ H = 3 3cm
0,6m 6 2 6
123

E
D Água
III) V = Ab · H ⇒ V = 6 3 ⋅ 3 3 ⇒
A 15 B
V = 54cm3
0,9 0,9
15
C 05 C
123

F x
1,8
0,6
E No triângulo sombreado, 52 = 42 + h2 ⇒ 25 – 16 = h2
D ⇒ h2 = 9 ⇒ h = 3.
2,7 – 0,9 = 1,8

5 5
I) Semelhança de triângulo: h
x 0, 6
= → x = 5m
15 1, 8 4 4
8
II) A água forma um prisma de base triangular e altura
Logo, a área da base do prisma será:
8m. Daí, o volume da água é:  5+5+8
Vágua = ABASE · altura 8⋅3 p = =9
Ab = ⇒ Ab = 12m2 ou  2
2  Ab = 9 ⋅ 1⋅ 4 ⋅ 4 = 12m2

Vágua =  x ⋅ 0, 6  ⋅ 8 =  5 ⋅ 0, 6  ⋅ 8 = 12 m3
 2   2 
Assim, o volume será:
03 Temos: V = Ab · H ⇒ V = 12 · 3 ⇒ V = 36m3

ABASE = ASECÇÃO = S1 + S2, onde:

Atividades Propostas – pág. 136


7m

01 D
S1 2m
Pelo princípio de Cavalieri, as pilhas têm o mesmo volume.
2m 3m
4m
02 D
a2 3 12 3 5 3 3
2m S2 I) Vcoluna = ⋅H = ⋅ 10 = m
4 4 2

5 3
3m II) 10 · Vcoluna = 10 ⋅= 25 3 m3
2
(7 + 5) ⋅ 2 = 12m2 Logo, custo = 25 3 ⋅ (200 reais) = 5 000 3 reais.
I) S1 =
2 Utilizando 3 ≅ 1, 73 , obtemos custo ≅ 5 000 · (1,73) =
II) S2 = 3 · 2 = 6m2
8 650 reais.
Daí:
• ABASE = S1 + S2 = 12 + 6 = 18m2 03 E
22 3
• Vpiscina = 18 · 3 = 54m3 Ab = 6 ⋅ =6 3
4
V = Ab ⋅ H ⇒ V = 6 3 ⋅ 2 ⇒ V = 12 3

2a Série – Ensino Médio | 29


VOLUME 1 | GEOMETRIA

04 Sendo x a medida da aresta da base, temos: ou


(Figura 1) (Figura 2) Vprisma = 15 7 + 120 =
15 7 + 8
cm3
( )
12
2a 2 2
P
3

z
1
x P 06 C

123
x Q
2
x x y y Q z

123
3
x x A x O x B 10m
x x A B
B 3a x
A
E
Na figura 1, temos: 4m
D C
a
I) 6x = 3a → x = 1m
2 J
F
G
II) Semelhança de triângulos: 3m
x 2 7 7m
y x 2a a +
• = →y= = 9
2a 6x 6 3 L
x I 10 –x H

I) (JI)2 = 32 + x2 → JI = x + 9
2
z 4x 8a 4a
• = →2= =
2a 6x 6 3 II) AEFIJ + AFGHI = 77

Na figura 2 (prisma), temos: 7 ⋅ x 2 + 9 + 7 ⋅ (10 − x ) = 77

( )
P
123
123

d
z–y 7 x 2 + 9 + 10 − x = 77
Q
2x z x + 9 + 10 − x = 11
2

y
x2 + 9 = x + 1
A x x B x 2 + 9 = x 2 + 2x + 1
III) d = (2x) + (z – y)
2 2 2
2x = 8
2 2
 a  4a a  x=4
d2 =  2 ⋅  +  − 
 2  3 3 III) VPiscina = VParalel. – VPrisma trian.
d2 = a2 + a2
 3 ⋅ 4
VPiscina = (10 · 7 · 4) –   ⋅7
d = 2a2 = a 2 2 
Logo, PQ = d = a 2 VPiscina = 280 – 42

05 D VPiscina = 238m3
2 2
h V = 238 000 litros
E C Piscina
H 32
IV) Em x horas, devemos ter:
2 2
(8000 L) · x = 238 000L
x = 29,75h
A B
3 Observando que 0,75h = 0,75 · (60min) = 45min, obtemos
x = 29h e 45min.
(Base invertida do prima)
• No triângulo CDH:
2 07 B
 3 9
2 =   + h2 ⇒ 4 =
2
+ h2 V = Ab · H
2 4
52 3
7 7 V= ⋅4 3
⇒ h2 = ⇒ h = 4
4 2
7 V = 25 · 3
3⋅ 3 7
• AEDC = 2 V = 75 unidades de volume.
=
2 4
• AABCE = 3 · 2 = 6
3 7 
• ABASE =  + 6 cm2
 4 
• VPrisma = ABASE · Altura 4 3

3 7   15 7 
• Vprisma =  + 6 ⋅ 10 =  + 60 cm3
 4   2 
5

30 | 2a Série – Ensino Médio


VOLUME 1 | GEOMETRIA

08 D
D
3
h
E C
3
2 2
5
A 3 B
(BASE)
3 3
D
2 C
E
2
A 3 B

I) Na base:
2
 3 3 3
32 =   + h ⇒ 36 = 9 + 4h2 ⇒ h =
 2 2
II) ABASE = AABCE + ACDE
1
ABASE = (3 · 2) +3 3⋅ 3 ⋅ h
3⋅ 2
Ab = (3 ⋅ 2) +9 3 2
ABASE = 6 + 2
9 3 4
Ab = 6 +
III) V = ABASE4· (Altura do prisma)
V = Ab ⋅ H
 9 3
V = 6 + ⋅5
 4 

V = 30 +
(45 3 )
4

09 D
(BASE)
8

3 2 3

x x
5 5

I) 52 = 32 + x2 ⇒ x = 4

II) ABASE = (8 + 2 ) ⋅ x
2

ABASE =
(8 + 2) ⋅ 4 = 20
2
III) V = ABASE · (Altura do prisma)

V = 20 · 5 ⇒ V = 100m3

10 (BASE)

2 2
120º

1
I) ABASE = 2 ⋅ 2 ⋅ 2 ⋅ sen120º = 3 cm
3

II) V = ABASE · Altura = 3 ⋅ 6 3 = 18 cm3

2a Série – Ensino Médio | 31

Você também pode gostar