Você está na página 1de 81

Curso de Iniciação à

Astrologia
Tradicional

Parte 8
A palavra “aspecto” tem origem latina
(aspectu) e significa observar, ver, olhar.
No contexto astrológico, considera-se que
existe um aspecto entre planetas quando
estes “olham” um para o outro, ou seja,
Os Aspectos quando estabelecem uma relação.
Os aspectos entre os planetas indicam o
tipo de dinâmica existente entre eles e
descrevem a ação dos planetas no
horóscopo.
Os aspectos têm a sua origem na
geometria do próprio Zodíaco e nas
naturezas dos signos.
Planetas colocados no mesmo signo estão
sujeitos às mesmas qualidades, pelo que
Os cinco se conclui que a sua ação se combina.
aspectos Neste caso diz-se que os planetas estão
em conjunção.
Planetas em signos opostos agem de
forma contrária um ao outro, provocando
conflito e divisão. Neste caso diz-se que
estão em oposição.
Quando dois planetas se situam em signos
do mesmo elemento, estão sob influência
das mesmas qualidades primitivas e as
suas ações combinam-se de forma fácil e
fluida. Diz-se que estão em trígono.
Da mesma forma, planetas em signos com
Trígono e elementos diferentes, mas do mesmo
Sextil gênero, partilham a mesma temperatura:
o Quente no caso dos signos masculinos,
e o Frio no caso dos femininos. O seu
relacionamento não é tão fluente como
no caso anterior, mas a relação é
simpática. Diz-se então que estão em
sextil.
Planetas situados em signos cuja
temperatura é incompatível mas que
partilham o mesmo modo dizem-se em
quadratura.
Quadratura Este aspecto representa um
relacionamento difícil e propenso a
atritos.
Os Aspectos
Os Aspectos Angulares
Na prática astrológica a definição de
aspecto é mais restrita.
Em vez de considerar os signos para
estabelecer a relação de aspecto,
considera-se apenas o ângulo que
estes formam no Zodíaco.
Signos em oposição estão num
ângulo de 180°, em trígono, num
ângulo de 120°, em quadratura a 90°
e sextil a 60°.
Assim, a relação entre signos
converte-se numa relação
geométrica. Considera-se então que
os planetas estão em oposição
quando entre eles existir um ângulo
de 180°, em trígono quando em
ângulo de 120°, etc.
Deste modo, o aspecto define-se na prática
como uma relação angular entre dois
planetas, baseada na estrutura geométrica do
Zodíaco.
Note-se que os ângulos representados pelos
aspectos são geocêntricos, ou seja, são
medidos a partir do centro da Terra.
Relações Representam a relação angular entre dois
planetas, na perspectiva de um observador
terrestre.
Angulares
entre os
Planetas
Ficam fora deste sistema quatro signos: os dois
imediatamente adjacentes ao ponto de
partida (a 30° de distância) e os dois que
ladeiam o signo oposto (a 150°) que não fazem
parte do sistema tradicional de aspectos. Estes
signos nada partilham com o signo de partida -
nem a temperatura, nem o modo - não
estabelecendo, portanto, uma relação com
As este. Tradicionalmente diz-se que os planetas
Inconjunções assim colocados não podem observar-se (ou
seja, aspectar-se).
Alguns autores afirmam ainda que as relações
angulares de 30° são muito fracas e que as de
150° não resultam de uma divisão uniforme da
esfera, portanto, não são consideradas. Estas
relações angulares de 30° e 150° são
denominadas inconjunções.
As
Inconjunções
Como já referimos várias vezes a palavra
aspecto quer dizer “ver” ou “observar”.
Considera-se que os planetas colocados nos
ângulos de 180°, 120°, 90° e 60° podem
observar-se, logo aspectar-se.
Na base deste conceito está a luz emitida
pelos planetas. A tradição astrológica
A luz como considera que os aspectos se formam porque
base dos os planetas envolvidos se tocam com a sua luz.
No caso da conjunção os planetas encontram-
aspectos se “fisicamente”, misturando as suas luzes; ao
passo que os restantes aspectos se formam
por irradiação.
No caso da oposição, trígono, quadratura e
sextil, o planeta irradia a sua luz, que ao tocar
noutro planeta permite que se possam
observar, formando o aspecto.
Este conceito baseia-se nos princípios da
óptica antiga.
Os estudiosos da Antiguidade afirmavam
que a visão existia porque os olhos
emitiam raios; ao tocar num objeto estes
A luz como raios permitiam a sua visualização.
base dos Sabemos hoje que o que se passa é
exatamente o oposto: são os nossos olhos
aspectos que captam a luz dos objetos e por isso
podemos vê-los.
Contudo, o princípio básico mantém-se,
sublinhando a importância da luz na
Astrologia Tradicional.
Nesta perspectiva, a conjunção não deve
ser considerada um aspecto pois trata-se
da interação corpo-a-corpo dos planetas e
não da visualização mútua.
A luz como Na verdade, deve-se distinguir entre a
base dos conjunção corpórea e os aspectos
propriamente ditos.
aspectos Para simplificar, ao longo do livro vamos
referir-nos à conjunção como aspecto,
mas não queríamos deixar de assinalar a
diferença.
Nos horóscopos raramente encontramos
aspectos exatos.
Considera-se que cada planeta tem um
campo de influência a partir do qual pode
interagir (ou seja, formar aspecto) com
outros planetas.
Este campo, denominado orbe, pode ser
visualizado como uma esfera de irradiação
ao redor do planeta.
Os Orbes O foco desta esfera (ou orbe) é o próprio
grau onde o planeta se encontra, o seu
corpo.
Os orbes são expressos em raio, o que
quer dizer que a influência ou orbe do
planeta vai estender-se para a frente e
para trás do planeta um determinado
número de graus.
Os Orbes
Os Orbes
Os orbes são geralmente medidos em
raio; alguns autores apresentam variações
ligeiras destes valores (por exemplo, 17°
de raio para o Sol e 8° para Vênus), mas a
grande maioria usa os valores indicados.
Por exemplo: o orbe da Lua tem um
Os Orbes diâmetro de 24° estendendo-se 12° para a
frente e para trás da posição zodiacal do
planeta.
Se a Lua estiver posicionada a 17° de
Capricórnio, o seu orbe estende-se desde
de 5° até 29° do signo. Dentro deste
campo a Lua forma conjunções.
Orbe da Lua
Para os outros aspectos, o orbe da Lua é
irradiado na direção das zonas do Zodíaco
com que forma aspecto, como se
projetasse focos da sua luz.
Desta forma, a Lua aspecta por oposição
tudo o que estiver situado entre os 5° e os
29° de Caranguejo (o signo oposto a
Capricórnio); forma quadraturas a tudo o
Orbe da Lua que se encontrar entre os mesmos graus
de Carneiro e de Balança (os signos que se
situam a 90° de Capricórnio); faz trígonos
aos que estiverem nos mesmos graus de
Touro e de Virgem (signos do mesmo
elemento e a 120° de Capricórnio); e por
fim aspecta por sextis qualquer planeta ou
ponto situado nos mesmos graus de
Peixes e de Escorpião (signos a 60° de
distância).
Os Aspectos
da Lua
Considera-se, então, que se forma um
aspecto quando o orbe do planeta com
maior número de graus de irradiação toca
o corpo (ou seja, o grau do Zodíaco) em
que se encontra o outro planeta.
Retomemos o exemplo anterior, da Lua a
17° de Capricórnio e Marte a 10° de
Os Orbes Virgem. Observamos que o orbe da Lua,
que se estende de 5° a 29° do signo, toca
por trígono o posicionamento de Marte.
Da mesma forma, o orbe de Marte, que se
estende de 2° a 18° de Virgem toca por
irradiação o grau zodiacal da Lua. Diz-se
então que o aspecto entre os planetas é
mútuo.
Aspecto entre
Lua e Marte
Um aspecto considera-se partil quando os
planetas se encontram no mesmo grau e o
aspecto entre eles é exato.
Quanto está fora desse limite, mas dentro
do orbe necessário, o aspecto diz-se
plático.
Partil e Plático Quanto mais exato for um aspecto mais
intenso será o seu efeito.
O termo partil pode ser facilmente
substituído pela expressão "exato" e
plático por "dentro de orbe", no entanto,
ficam aqui referenciados os termos
técnicos.
Devido às diferenças de orbes entre os
planetas, por vezes, os aspectos não são
mútuos: a orbe do planeta A pode tocar o
corpo do planeta B, mas a orbe de B pode
não tocar o corpo de A.
Aspectos Nesse caso temos um aspecto um pouco
Unilaterais mais fraco. Apenas quando os dois
planetas estão dentro dos orbes um do
outro o aspecto está verdadeiramente
ativo.
Por exemplo, tomemos o Sol a 2° de
Gêmeos e Saturno a 13° do mesmo signo.
Aspectos
Unilaterais
O orbe do Sol (com 15° de raio) estende-
se até 17° de Gêmeos, tocando o corpo de
Saturno a 15°.
No entanto, o orbe de Saturno só alcança
até 4° de Gêmeos, não tocando o corpo
do Sol.
Aspectos Dizemos então que Saturno está no orbe
Unilaterais de Sol, mas o Sol não está no orbe de
Saturno.
Há uma conjunção entre os dois planetas,
mas o aspecto é unilateral e não tem
expressão total.
A mesma lógica se aplica às oposições,
trígonos, quadraturas e sextis.
Devido ao desfasamento criado pelo
comprimento da orbe do planeta, pode
acontecer formarem-se aspectos entre
signos cuja natureza não é compatível.
Aspectos Isto ocorre quando os planetas estão
Dissociados colocados no fim de um signo e o seu
orbe alcança o signo seguinte; ou quando
estão colocados no princípio do signo e o
orbe ainda abarca parte do signo anterior.
Neste caso temos um aspecto dissociado.
Aspectos Dissociados
O planeta A está a 28° de Leão e o planeta B
a 2° de Virgem, formando uma conjunção
bastante próxima (apenas a 4° de
afastamento) mas entre dois signos
adjacentes, que não se aspectam.
O planeta C, a 1º de Touro, forma um sextil
ao planeta D, a 29º de Aquário; é um
aspecto próximo (2° de afastamento), mas
entre signos que estão naturalmente em
quadratura.
O planeta E, a 27° de Virgem, forma uma
quadratura ao planeta F, a 2° de
Capricórnio; apesar de ser uma quadratura
próxima (5° de afastamento), os signos
envolvidos estão normalmente em trígono.
O planeta G está a 27° de Caranguejo, em
oposição ao planeta H, a 1° de Aquário; esta
oposição próxima (4° de afastamento) liga
signos que normalmente não se aspectam.
A validade destes aspectos é muitas
vezes fonte de discussão entre os
autores.
Os mais antigos só consideravam o
aspecto quando ocorria nos signos
adequados, enquanto a maioria dos
Aspectos autores posteriores (a parti da Idade
Média) consideram o aspecto válido
Dissociados desde que esteja dentro de orbe.
Para a tradição, aspectos dissociados não
são considerados aspectos.
Os orbes são importantes para a
determinar a força do aspecto, mas não
para determiná-lo em si.
Os planetas podem também formar
aspectos a outros componentes do
Aspectos com horóscopo como o Ascendente, o MC, as
Pontos do Partes, etc.
Como estes elementos são pontos
Mapa matemáticos e não corpos celestes, não
lhes é atribuído um orbe próprio.
Alguns autores renascentistas (séculos XV
e XVI) utilizam uma regra ligeiramente
diferente para a formação de aspectos.
Embora considerem o mesmo conceito de
Variações na orbe, afirmam que o aspecto só se forma
Definição de quando a metade do raio de orbe de um
planeta toca a metade de raio de orbe do
Aspecto outro.
Faz-se então uma divisão das metades de
orbe cujo termo técnico é "metade" (do
francês, moitie).
Variações na Definição de Aspecto

Por exemplo: tomemos a Lua a 14° de


Gêmeos e Mercúrio a 22° do mesmo signo.
Para ver se o aspecto seria possível
tomamos a moitie do orbe da Lua, ou seja,
6° (metade de 12°) e a moitie de Mercúrio,
3°30' (metade de 7º); o resultado é 6°+
3°30' = 9°30’.
Esta é a amplitude a partir da qual as
moities dos planetas se tocam e o aspecto
se forma.
Como neste exemplo a distância entre os
dois planetas é de 8° (valor inferior ao do
limite máximo) existe um aspecto pois a
suas moities não só se tocam, como se
sobrepõem parcialmente.
Diz-se então que a Lua e Mercúrio estão
conjuntos.
Temos então dois sistemas:

• o sistema orbe-corpo, que considera o


aspecto quando o raio de
orbe do planeta A toca o corpo do planeta B;
Sistemas
• o sistema de moities, que considera o
aspecto quando a metade do raio de orbe
do planeta A toca a metade do raio de orbe
do planeta B.
Quando olhamos para um horóscopo
vemos um momento parado no tempo; os
planetas foram como que “congelados” no
seu movimento e por esse motivo os
aspectos parecem estáticos.
Contudo, isto é apenas uma conveniência
prática, pois nada na Natureza é estático.
Aplicação e
Como os planetas estão sempre em
Separação movimento, os aspectos são relações
dinâmicas.
A dinâmica dos aspectos deriva das
diferentes velocidades de cada planeta.
Um aspecto é sempre formado pelo
planeta mais rápido, pois é este que se
aproxima ou afasta do planeta mais lento.
Aplicação e
Separação
Quando o planeta A, mais rápido, entra em
orbe de aspecto com o planeta B, mais lento, o
aspecto começa a formar-se.
Nesta fase o planeta A aplica-se ao aspecto
com o planeta B.
Em determinada altura os planetas atingem a
Aplicação e distância exata de aspecto; o aspecto
completa-se, aperfeiçoa-se; temos então um
Separação aspecto partil ou exato.
Assim que o planeta A começa a afastar-se de
B mais de 1º, o aspecto começa a desfazer-se.
Nesta fase o planeta A separa-se do aspecto
com o planeta B.
A separação ocorre até que o planeta A (o
mais rápido) saia de orbe e o aspecto termine.
Aplicação e Separação
Aplicação e Separação
Aplicação e Separação
Aplicação e Separação
Recordamos que a velocidade padrão dos
planetas é-nos dada pela ordem caldaica: Lua,
Mercúrio, Vénus, Sol, Marte, Júpiter e Saturno.
A Lua é sempre o astro mais rápido, pelo que
não nos coloca problemas.
O Sol apresenta uma velocidade relativamente
constante, aproximadamente 1° por dia.
Aplicação e Os restantes planetas, apesar de seguirem a
Separação ordem caldaica, apresentam por vezes ligeiras
irregularidades na sua velocidade (isto ocorre
quando mudam o sentido de andamento,
passando de diretos para retrógrados e vice-
versa).
Para um estudo rigoroso torna-se necessário
consultar tabelas para conhecer a sua
velocidade exata.
Aplicação e
Separação
Mútua
Quando um planeta não tem aspectos
aplicativos a outro planeta, diz-se vazio ou
vazio de curso.
Neste caso, forma apenas aspectos
separativos, não se aplicando a nenhum
outro.
Planeta Vazio Como os aspectos aplicativos descrevem
de Curso ações futuras, ou motivações (no caso de
natividades), um planeta nestas condições
tem a sua capacidade de ação diminuída
ou retardada.
Indica um estado de inação e “falta de
vontade” nas questões significadas pelo
planeta.
Segundo a tradição: um planeta só estará
vazio de curso quando não se aplicar a
nenhum aspecto com outro planeta antes
de sair do signo em que se encontra.
Planeta Vazio Assim, um planeta que tem apenas
de Curso aspectos separativos mas que se aplica a
um aspecto dissociado é considerado
vazio de curso.
Algo que não seria verdade na definição
que foi dada anteriormente.
A Lua Vazia de Curso
Quando um planeta está totalmente sem
aspectos (aplicativos ou separativos) diz-
se que está feral (ou selvagem).
Esta condição é considerada infortunada,
pois o planeta não partilha as suas
qualidades com os restantes elementos
do horóscopo.
Planeta Feral Como não tem interação direta com os
outros planetas a sua expressão torna-se
desfasada e, por consequência, acaba por
destacar-se bastante no horóscopo.
O efeito de um planeta feral será ainda
mais evidente se este se encontrar
sozinho no signo.
Dos cinco aspectos tradicionais, o trígono,
a quadratura e o sextil são considerados
aspectos duplos.
Estes aspectos podem ocorrer em duas
direções a partir do ponto inicial, uma à
Aspectos esquerda e outra à direita.
Assim existem dois tipos de trígono,
Destros e quadratura e sextil.
Sinistros Os que ocorrem à esquerda do planeta,
no sentido dos signos, são denominados
aspectos sinistros.
Os que ocorrem à sua direita, no sentido
contrário aos signos, são chamados de
aspectos destros.
Aspectos
Destros e
Sinistros
Para distinguir entre um aspecto destro e
sinistro há que considerar o planeta mais
rápido, que é responsável pela formação
do aspecto.
Se o aspecto se formar no sentido
Aspectos contrário ao dos signos, será um aspecto
destro, se for no sentido dos signos, será
Destros e sinistro.
Sinistros Outra forma de visualizar é olhar para o
planeta mais rápido a partir do centro do
horóscopo, todos os aspectos que formar
para a sua direita são destros, enquanto
que os que forma para a esquerda serão
sinistros.
Aspectos Destros e Sinistros

Por exemplo, tomemos Vênus a 7°


de Caranguejo e Saturno a 10° de
Escorpião e Júpiter a 5° de Carneiro.
Vênus está dentro do orbe dos dois
planetas mais lentos, projetando um
trígono a Saturno e uma quadratura
a Júpiter.
O trígono a Saturno é sinistro, pois é
projetado segundo a ordem natural
dos signos (de Caranguejo para Leão,
Virgem, Balança e finalmente
Escorpião).
A quadratura a Júpiter é destra, pois
é formada na ordem contrária à dos
signos (de Caranguejo para Gêmeos,
Touro e finalmente Carneiro).
Um aspecto destro é considerado mais
forte que o sinistro, pois forma-se no
sentido de ascensão dos signos.
Por ser mais forte, é considerado mais
Aspectos determinativo nas suas ações.
Por sua vez, o aspecto sinistro é mais
Destros e brando, pois forma-se contra a ascensão
Sinistros dos signos, mas a favor do passo natural
dos planetas.
Por ser mais brando, confere mais
liberdade de escolha nas ações que
representa.
Os planetas podem também formar
aspectos a pontos não-planetários do
mapa astrológico.
Os mais importantes são os aspectos dos
planetas ao Ascendente, ao Meio-do-céu
Aspectos a e à Parte da Fortuna. Como estes pontos
não emitem luz (pois não têm existência
Elementos física), não podem ter orbes nem emitir
aspectos.
Não Os planetas, contudo, podem aspectá-los.
Planetários Ao contrário dos aspectos
interplanetários, os aspectos entre
planetas e pontos não-planetários são
unilaterais, pois só um dos elementos (o
planeta) participa ativamente no aspecto;
o outro elemento é apenas aspectado.
Para calcular estes aspectos, considera-se
o orbe do planeta e observa-se se o ponto
não-planetário está dentro dos seus
Aspectos a limites (no caso da conjunção) ou dentro
da sua projeção (no caso da oposição,
Elementos trígono, quadratura ou sextil).
Não Para os quatro ângulos do mapa e para a
Parte da Fortuna, não são consideradas
Planetários aplicações nem separações, porque o
movimento destes pontos através do
Zodíaco segue parâmetros diferentes do
movimento dos planetas.
Representação
dos Aspectos
A conjunção é o mais intenso de todos os
aspectos pois une diretamente os planetas.
Ocorre quando estes estão num ângulo
próximo dos 0° e geralmente no mesmo signo.
Na verdade, não é considerado um verdadeiro
aspecto porque resulta de uma ligação “física”
entre corpos celestes e não de uma relação
angular (radiação).
Natureza dos A sua natureza é a de fusão, pois mistura as
Aspectos qualidades dos planetas.
Estes ficam de tal forma associados que as
- Conjunção suas naturezas se confundem.
Apesar da sua intensidade, podemos dizer que
a conjunção é um aspecto neutro.
A sua qualidade depende dos planetas
envolvidos e do signo onde se encontram: se
os planetas forem compatíveis a conjunção
gera facilidade e fluidez, se os planetas forem
de naturezas muito diferentes gera atrito e
bloqueio.
A oposição relaciona planetas em signos
opostos, ou seja, num ângulo próximo dos
180°.
A sua natureza advém da interação de
lados opostos e não da natureza dos
Natureza dos signos envolvidos, como nos restantes
Aspectos aspectos. Como coloca em contato duas
polaridades zodiacais, indica confronto e
- Oposição manifesta-se de forma tensa e difícil.
Se compararmos a oposição a um diálogo,
este seria uma discussão aberta, em que
as duas partes estão em confronto direto,
gerando mal-estar e bloqueio.
O trígono corresponde a uma relação
angular de 120°.
Relaciona planetas colocados em signos
do mesmo elemento e que por isso
partilham as mesmas qualidades
Natureza dos primitivas (temperamento).
Aspectos Assim sendo, indica uma relação fácil,
fluida e estável entre os planeias
- Trígono envolvidos.
Ao comparar o trígono com um diálogo,
podemos imaginar duas pessoas que
falam sobre a mesma coisa e concordam
sobre o assunto.
A quadratura relaciona planetas a 90° de
distância. Põe em relação signos do
mesmo modo mas de elementos
incompatíveis.
Indica uma tensão no relacionamento dos
Natureza dos planetas envolvidos, que se manifesta
geralmente como pressão e conflito
Aspectos interior.
- Quadratura Exterioriza-se como esforço e resistência.
Por isso, a quadratura é muitas vezes uma
fonte de estresse e frustração.
Se fosse um diálogo, a quadratura seria
uma conversa tensa, desconfortável e
cheia de provocações.
O sextil corresponde a um ângulo de 60°.
Representa uma relação harmoniosa
porque relaciona signos da mesma
temperatura (Quente ou Frio); no entanto,
o sextil é menos intenso que o trígono,
pois os signos envolvidos têm elementos
Natureza dos e modos diferentes.
Aspectos Comparado a um diálogo, o sextil seria
uma conversa entre duas pessoas que
- Sextil estão de acordo nos pontos básicos
embora com ligeiras diferenças de
abordagem.
É um aspecto de cooperação e
entendimento, onde os planetas têm uma
expressão funcional e agradável.
Relação entre
os aspectos e
o esquema
natural de
regências
planetárias
Os aspectos nas regências diurnas e noturnas
Os aspectos
no sistema de
júbilos
Os aspectos considerados harmônicos, o
trígono e o sextil, representam relações
confortáveis, nas quais a natureza dos
planetas se combina com facilidade. Nos
manuais antigos são designados como
“aspectos de amizade e amor”, em alusão
A à relação fácil que se estabelece entre os
interpretação planetas envolvidos.
A oposição e a quadratura implicam
dos aspectos relações planetárias difíceis, nas quais a
tensão e o atrito são fatores
predominantes. Nos manuais antigos são
denominados aspectos de inimizade e
ódio, mais uma vez aludindo ao tipo de
relação entre os planetas.
A conjunção é considerada neutra, visto
que o resultado da combinação planetária
depende da natureza dos planetas
envolvidos.
A conjunção de dois planetas cuja
A Conjunção natureza seja compatível (como Vênus e a
Lua, por exemplo) é harmônica; em
contrapartida, a conjunção de dois
planetas naturalmente antagônicos (por
exemplo, a Lua e Marte) é desarmônica.
• O aspecto será tanto mais marcante
quanto mais exato.
• São mais intensos os aspectos em que
ambos os planetas estão dentro dos
Importância e respectivos orbes.
intensidade • Aspectos aplicativos tendem a ser mais
intensos que separativos (a não ser que
do aspecto o aspecto separativo seja muito exato).
• Aspectos no limite de orbe são muito
fracos, particularmente se separativos
ou dissociados.
O significado básico de qualquer aspecto
resulta da interação de dois fatores.
O primeiro diz respeito ao tipo de aspecto
envolvido, pois como já vimos os aspectos
fluidos facilitam a expressão combinada
dos planetas, enquanto os aspectos
Significado tensos a dificultam.
Básico dos O outro fator a ter em conta é a “mistura
das naturezas” dos dois planetas:
Aspectos naturezas compatíveis geram interações
fáceis, enquanto naturezas incompatíveis
produzem instabilidade.
Na base desta compatibilidade estão as
qualidades primitivas e temperamentos
dos planetas.
Se dois planetas de naturezas compatíveis
formarem um aspecto, a combinação
resultante terá sempre uma tônica positiva.
Contudo, o tipo de aspecto que os planetas
formam pode modular esta situação.
Significado Os aspectos fluidos (trígono e sextil) reforçam
a compatibilidade dos planetas, permitindo
Básico dos que partilhem o melhor de cada um.
Os aspectos tensos (quadratura e oposição)
Aspectos perturbam esta compatibilidade, sem contudo
a destruir; a interação continua a ter um
resultado “simpático”, embora a sua expressão
se torne instável e descoordenada.
No caso de planetas compatíveis, a conjunção
é considerada um aspecto fluido.
Na combinação de planetas naturalmente
incompatíveis a tensão é um fator
constante, seja qual for o aspecto
formado.
Significado No entanto, os aspectos fluidos (trígono e
sextil) amenizam parte da tensão,
Básico dos realçando o melhor da combinação.
Aspectos Os aspectos tensos (quadratura e
oposição) reforçam as características já
difíceis da partilha planetária.
Nestes casos a conjunção atua como um
aspecto tenso.
A amizade e
inimizade dos
planetas
A=amigos
I=Inimigos
As compatibilidades e incompatibilidades
dos planetas são apresentadas de várias
A amizade e formas na Tradição; a amizade e inimizade
dos planetas é uma das mais referidas.
inimizade dos É utilizada para combinações de planetas
planetas em técnicas mais avançadas de delineação
(por exemplo, compatibilidade entre duas
pessoas).
Para interpretar um aspecto entre um
planeta e um ponto não-planetário há que
adicionar a qualidade do planeta à
Interpretação significação do ponto em questão.
O planeta contribui com a sua qualidade
de aspectos a (natural e acidental) e o ponto não-
elementos planetário recebe-a.
não- Por exemplo, um Saturno dignificado em
aspecto ao Ascendente adiciona à
planetários expressão pessoal uma nota de
sobriedade e ponderação, ao passo que
um Saturno debilitado confere-lhe uma
tonalidade mais agreste e desconfiada.
Por outro lado, a própria natureza do
aspecto condiciona o contributo do
planeta: se o aspecto for fluido, o planeta
adiciona com facilidade a sua natureza à
significação do ponto; se for tenso, o
Interpretação planeta manifesta-se de forma menos
de aspectos a estável.
Por exemplo, Saturno dignificado em
elementos trígono ao Ascendente indica que a
não- sobriedade e ponderação já mencionadas
são expressas de forma constante e
planetários natural; contudo, se o mesmo Saturno
dignificado estiver em quadratura ao
Ascendente, estas qualidades tornam-se
mais inconstantes, chegando até a
prejudicar a expressão do indivíduo.
Para além dos aspectos, existem outros
tipos de interação entre signos, dos quais
o mais conhecido e utilizado é o dos
antiscia.
Antiscia (no singular antiscion) é um
termo de origem grega que quer dizer
Os Antiscia “sombra” ou “reflexo”.
Diz-se que dois pontos zodiacais estão em
antiscion quando ocupam posições
equidistantes do Equador Celeste.
Isto acontece quando estão à mesma
distância dos pontos dos Solstícios, o eixo
Caranguejo - Capricórnio.
Os Antiscia
Os planetas situados no signo de
Caranguejo têm os seus “pontos reflexos”
em Gêmeos e vice-versa.
Da mesma forma, os antiscia ligam os
pares Leão-Touro, Virgem--Carneiro,
Balança-Peixes, Escorpião-Aquário e
Sagitário-Capricórnio.
Os Antiscia Os antiscia são também denominados
“graus de dias iguais” porque quando o
Sol transita em graus que estão em
antiscion verifica-se que a duração do dia
é idêntica nessas duas épocas do ano.
Ou seja, os graus em antiscion são pontos
do Zodíaco em que a quantidade de luz
distribuída pelo Sol ao longo do dia é
idêntica.
Contra-
antiscion
Em termos práticos, os antiscia e os
contra-antiscia só são considerados se
houver planetas ou outros fatores do
horóscopo a ativar aquele ponto.
São encarados como complementos à
interpretação, pelo que não são
Antiscion e interpretados por si mesmos.
Tal como numa conjunção, os antiscia
Contra- fundem as qualidades de dois planetas.
Antiscion A principal diferença no caso do antiscion
é a possibilidade de combinar Casas e
signos muito diferentes, o que não
acontece na conjunção.
Desta forma, podemos considerar o
antiscion menos intenso mas mais
complexo que a conjunção.
Exemplos de antiscia e contra-antiscia
Signos que
Obedecem e
Signos que
Comandam
Este tipo de atribuição serve para comparar o
poder entre os signos.
Por exemplo, podemos comparar a força
relativa da Lua (sentimentos) e Mercúrio
(razão) num mapa natal.
Se Mercúrio está num signo de comando e a
Signos que Lua num de obediência, a razão tende a
Obedecem e prevalecer sobre os sentimentos; na
disposição inversa, os sentimentos
Signos que sobrepõem-se facilmente à razão.
Comandam O mesmo tipo de raciocínio era seguido para
outras considerações, como é o caso dos
signos que se observam, os que se ouvem, etc.
Juntamente com os antiscia, estes casos
acrescentam novos dados ao estudo das
relações entre os planetas, enriquecendo a
interpretação do horóscopo.
O textos foram extraídos ou adaptados do
livro:
Créditos
“Tratado das Esferas”,
de Helena Avelar e Luís Ribeiro