Você está na página 1de 16

ANÁLISE DO MARKETING NO ESPORTE COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA

DE ATRAÇÃO E MANUTENÇÃO DE PESSOAS: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O


CLUBE RECREATIVO ITAPARICA

Gustavo Lima de Brito – Faculdade Sete de Setembro – FASETE


Renivaldo Rodrigues Ferraz – Faculdade Sete de Setembro – FASETE
Adson Teixeira da Silva – Faculdade Sete de Setembro – FASETE

RESUMO

O setor esportivo brasileiro tem comprovado que o marketing no esporte é um dos melhores
investimentos que uma empresa pode fazer, com o intuito de criar um elo de confiança entre
sua marca e seus consumidores. O esporte vem sendo utilizado para lançar novos produtos,
crescer a empatia do consumidor em relação às empresas e concretizar uma marca. O
marketing esportivo tem como diferencial, atingir seu consumidor em seu momento de lazer e
a todas as classes sociais, além disso, empresas que investem no esporte são vistas com bons
olhos pela sociedade, por incentivar a cultura e o lazer. Esse estudo foi concluído através de
pesquisas bibliográficas, pesquisa de campo, pesquisas descritivas e exploratórias, contou
com a aplicação de um questionário com perguntas abertas para o atual presidente do Clube
recreativo Itaparica, e outro questionário para 50 desportistas, sendo duas perguntas
dicotômicas e 16 fechadas, todas as informações foram coletadas, tabuladas e analisadas por
meio de gráficos. Por fim, identificou-se obstáculos para atração e manutenção dos
desportistas.
Palavras-chave: Marketing Esportivo, Esporte, Empresa.

ABSTRACT

The Brazilian sporting section has been proving that the marketing in the sport is one of the
best investments than a company can do, with the intention of creating a trust link between
your trademark and their consumers. The sport has been used to throw new products, to
increase the consumer's empathy in relation to the companies and to render a trademark. The
Sporting Marketing has as differential, to reach the consumer in your leisure moment and all
of the social classes, besides, companies that invest in the sport are seen with a positive way
by the society, through the culture and leisure incentive. That study was concluded through
bibliographical researches, field research, descriptive and exploratory researches, it counted
with the application of a questionnaire with open questions for the current President of the
Clube Recreativo Itaparica and a questionnaire to 50 sportsmen, two questions divided in two
parts and 16 closed, all of the information were collected, tabulated and analyzed through
graphs. Finally, it was possible to identify obstacles for attraction and the sportsmen's
maintenance.

Key-words: Sporting Marketing, Sport, Company.

V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração


1. INTRODUÇÃO

O esporte vem crescendo bastante no mundo. Cada vez mais pessoas se interessam em
praticar alguma atividade esportiva, adquirindo assim, enormes benefícios que ele
proporciona.
A prática de esporte ensina a saber lhe dar com o medo e as frustrações, a se adequar
a regras impostas aplicadas nas modalidades esportivas, ensina a trabalhar em equipe, ajuda
no desenvolvimento do raciocínio em situações de jogo. Ele é benéfico para todas as idades,
sendo sinônimo de qualidade de vida; um instrumento utilizado na educação e formador de
pessoas na sociedade.
O esporte é um veículo de conhecimento dinâmico e expressivo que demonstra
crescimento e interesse constantes por toda sociedade. Parte deste interesse se deve ao
aumento do patrocínio, que proporcionou maior divulgação e evolução de várias modalidades,
tornando possível a massificação do esporte, tanto em termos social como econômico
(POZZI, 1998).
Com a necessidade de algumas empresas apresentarem um diferencial no mercado,
surgiu o Marketing Esportivo como instrumento para promoção de seus produtos ou serviços
por meio do esporte, satisfazendo aos seus consumidores. O marketing esportivo tem como
principais objetivos, fortalecer a marca e a imagem, opera também agregando a marca, a
conquista de mercado e como ferramenta de comunicação.
É necessário reconhecer o esporte como uma atividade econômica, incentivo
governamental e de mídia para estimularem o interesse pela prática e profissionalização do
esporte. Também é preciso profissionalizar as instituições esportivas. Isso significa remunerar
profissionais que possam administrar o esporte como uma empresa.
Empresas que proporcionam lazer/esporte recebem destaque por despertarem interesse
por atividades que estejam relacionadas a uma vida saudável e também das pessoas que vêem
o esporte como meio de entretenimento. Portanto, o evento esportivo mostra-se como uma
excelente chance para que os patrocinadores posicionem sua marca ou seu produto/serviço
junto a potenciais consumidores, ou seja, as pessoas envolvidas com o evento.
Este artigo teve como objeto de estudo o Clube Recreativo Itaparica (CRI), empresa
que tem como especialidade proporcionar as pessoas esporte/lazer. Essa análise tem como
objetivo mostrar a importância do marketing esportivo como ferramenta, para atração e
manutenção dos sócios desportistas no clube, movimentando as suas áreas esportivas, como
era no passado.

2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

2.1 Marketing Esportivo

De acordo com Afif (2000), a tentativa de integrar o marketing ao esporte aconteceu


na mesma época em que o marketing moderno ganhava impulso no Brasil, por motivo de uma
política progressista implantada pelo presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, nos anos
50. Nesse período grandes empresas (nacionais e internacionais) começavam a atuar no país,
motivadas pelo Brasil que o atual presidente prometia com seu plano de metas.
O marketing esportivo, segundo Contursi (2000), foi utilizado primeiramente em 1978
pela Advertising Age, ligando o esporte ao marketing como forma de anunciar as atividades
inerentes ao trabalho do marketing, onde naquele tempo utilizava crescentemente o esporte
como um meio promocional.

V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração


Segundo Melo Neto (2003), caracterizar o nascimento do marketing esportivo no
Brasil é muito difícil. No futebol do inicio do século e nas regatas desse período, já podíamos
ver anúncios nas revistas e jornais como artefatos publicitárias de campanhas institucionais e
de anúncio de produtos, por meio das quais empresas procuravam conectar suas imagens aos
esportes em ascensão, mas foi no termino dos anos 70 e começo dos anos 80 que ocorreu uma
grande mudança no esporte, buscando retorno publicitário e de vendas. Dava-se o inicio do
marketing esportivo, que se caracteriza pelo uso do esporte como um produto pelas empresas.

2.2 Patrocínio Esportivo

O patrocínio é um dos instrumentos do elemento promoção do mix de marketing,


sendo um dos processos de promoção de vendas e de propaganda. Na indústria do esporte as
promoções de vendas são extensivamente aproveitadas, em especial para eventos esportivos, e
na década de 90 o patrocínio direcionou-se especialmente para equipes e eventos esportivos
(PITTS e STOTLAR, 2002).
De acordo com Melo Neto (2000), o patrocínio tem como características fundamentais
a valorização juntamente com o posicionamento da marca patrocinadora nos mercados-alvo,
apresentando três objetivos fundamentais: a melhoria da comunicação da empresa com seus
clientes e parceiros, a valorização e potencialização da marca e o aumento das vendas. No
entanto, no patrocínio esportivo especificamente, os principais objetivos são potencializar a
marca, devido ao intenso apelo do esporte na mídia e a dimensão do mercado e, o ganho de
atributos pela marca, por meio da associação do nome da empresa aos atletas, eventos e
equipes.

2.3 Indústria do esporte

Na indústria do esporte é o negócio como, os produtos oferecidos a clientela


relacionam-se a esporte, bens, serviços, fitness, recreação ou lazer e podem conter atividades,
pessoas lugares ou idéias. A indústria do esporte é bem amplo, muito abrangente,
diversificada e seus produtos atendem a muitos e diversos consumidores. (PITTS e STOLAR,
2002).
Para Melo Neto (2003, p. 228) indústria do esporte vem a ser “o conjunto das
atividades de criação, produção, comercialização de produtos e equipamentos esportivos, de
grande potencial de venda e faturamento”.

2.4 Evento esportivo

De acordo com Melo Neto (2003), para se realizar um evento esportivo, é essencial
um planejamento correto de suas ações e, para que isso aconteça, é indispensável
desempenhar as seguintes etapas:
• criação do conceito (idéia-base);
• definição dos fatores críticos de sucesso (vide gráfico anterior);
• viabilização das ações criticas;
• montagem da infra-estrutura e dos serviços de apoio;
• definição do sistema de parceria;
• comercialização do evento e negociação com os parceiros;
• montagem das atividades de suporte em marketing e comunicações;
• implementação;
• divulgação (assessoria de imprensa e relações públicas);

V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração


• avaliação e retorno para os parceiros.
A promoção de um evento esportivo é considerada como uma oportunidade de
levantar negócios, além disso, como ferramenta de marketing utilizado na melhoria de
imagem e gancho para impulsão de vendas (MELO NETO, 2003).

2.5 O esporte e a sociedade

Na sociedade o esporte tem presença marcante, sendo hoje em dia matéria


constitucional reconhecidamente de grande importância como fenômeno social com
influência política, econômica e cultural (ALMEIDA, 2000). O Ministério do Esporte
(AGÊNCIA BRASIL, 2006) considera que o esporte no mundo contemporâneo é uma
ferramenta que colabora para o desenvolvimento humano e de melhoria da qualidade de vida
de todos na sociedade e reforça que o acesso a atividades de esporte e lazer, em nosso país,
deve ser garantido as pessoas, em geral, independente de raça, de gênero ou de idade.
O jogo é conseqüência da evolução de uma simples brincadeira, onde as pessoas que
participa vão estabelecendo normas. Os esportes se distinguiram como modalidades de jogos
competitivos com apoio em habilidades físicas, bem como, o vôlei, o basquete e o futebol,
natação entre outros (VAZ, 2003).
No campo econômico, o esporte deu inicio a uma indústria que tem um
desenvolvimento espetacular, com taxa de crescimento por ano maior que as demais
empresas, e que permanece a desenvolver. A indústria do esporte está por todo lado, cercando
milhares de pessoas que praticam diversos esportes. Justamente por isso é muito amplo e
diversificado, incluindo uma grande variedade de produtos, pessoas e negócios que
organizam, auxiliam, produzem ou promovem esportes, fitness, recreação ou lazer e seus
serviços incluídos, tendo as empresas e as pessoas de todo mundo como consumidores como
(PITTS e STOTLAR, 2002).
O esporte juntamente com a educação é uma união utilizada como instrumento com a
finalidade do desenvolvimento integral da pessoa e formador de menores carentes (VAZ,
2003).

2.6 Diferença: Marketing Esportivo e Marketing no Esporte

Para Vaz (2003), Pitts e Stotlar (2002) e outros autores, consideram que o marketing
esportivo estar ligado a atividades elaboradas por instituições esportivas e empresas, bem
como pelos atletas, para alcançar e garantir o sucesso de seu negócio, oferecendo o seu
produto esportivo aos consumidores que, de alguma forma, se relacionam com o esporte. Já o
marketing no esporte é definido por alguns autores como uma estratégia que utiliza o esporte
como elemento de divulgação de produtos que não tem ligação direta com atividades
esportivas, como promoções, comerciais e publicidade estática nos estádios relacionadas a
refrigerantes, cosméticos, gêneros alimentícios, automóveis e etc.
Segundo Afif (2000) não existe uma distinção entre o marketing no esporte e o
marketing esportivo, os dois incidi em uma estratégia de marketing que se utiliza do esporte
como instrumento fundamental.

3. METODOLOGIA

O inicio do trabalho foi pela pesquisa bibliográfica, visando a estruturação da


fundamentação teórica do estudo, pois, Prestes (2002) afirma que a pesquisa bibliográfica
procura resolver um problema ou adquirir informações. A pesquisa bibliográfica é
considerada indispensável para o adiantamento do trabalho, sendo que ela pode ser
V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração
aproveitada para distintos fins, Koche (1997): afirma que para dominar os dados disponível
usá-lo como fundamentação na construção de uma amostra teórica explicativa de um
problema; para apresentar o estado da arte, daquele tempo, relacionado a um tópico ou
problema; para somar o conhecimento em um determinado campo, capacitando o pesquisador
a abranger um problema de estudo.
A pesquisa de campo foi em seguida, que, segundo Lakatos e Marconi (2001), a
pesquisa tem o intuito da aquisição de informações sobre determinado problema e não se
dirige exclusivamente ao levantamento de dados. Esta pesquisa se enquadra como
exploratória, descritiva e explicativa.
No trabalho, foi aplicado ao presidente do clube um questionário composto por
18(dezoito) perguntas abertas, no qual ele teve a liberdade de responder livremente. Para os
sócios desportistas foi aplicado questionário com 14 perguntas fechadas, sendo 02 (duas)
dicotômicas, possibilitando uma aquisição maior de informações. O questionário é mesclado
de perguntas que são contestadas por escrito, ele foi enviado pessoalmente ao destinatário
para o preenchimento e responder sem o comparecimento do entrevistador, a quem é
retornado, após o termino.
O questionário foi aplicado como uma ferramenta de coleta de dados, pela sua
facilidade na aplicação, pela contenção de tempo e de custo que oferece, pela compreensão
com que possibilita a abordagem de assuntos, já que ele pode ser considerado como
instrumento mais popular e usado em pesquisa.
O período de aplicação dos questionários foi de 15.08.2007 a 17.08.07 com o
presidente do clube e de 25.08.07 a 29.08.07 com os sócios desportistas.
As informações adquiridas junto aos sócios desportistas e ao gerente do Clube
Recreativo Itaparica foram tabuladas e estudadas, constituindo o referido estudo, onde os
procedimentos e instrumentos se mostrarão satisfatório, atendendo às expectativas.
Dentro do contexto deste projeto, a análise de documentos tem sua importância,
Mazzoti e Gewandsznayder (2002), consideram registros que possam ser usados como fonte
de informação, documento (...) a análise de documentos costuma acontecer quando os sujeitos
envolvidos não podem mais ser localizados ou pode ser assentadas com outras técnicas de
coleta.
A amostragem Não-Probalilistica, foi a técnica utilizada para a composição dos
elementos da amostra, são selecionados de acordo com a conformidade do pesquisador e as
características estabelecidas (MARCONI, 1990).
Os dados coletadas junto à administração do Clube Recreativo Itaparica e aos
associados desportistas foram tabuladas e analisadas sob a ótica do marketing no esporte,
organizando o referido trabalho, onde os métodos e instrumentos se mostraram satisfatórios,
atendendo às expectativas.

4. ANÁLISE DOS RESULTADOS

4.1 Resultado e análise da Pesquisa feita com o Presidente do Clube Recreativo


Itaparica.

De acordo com o atual presidente do Clube Recreativo Itaparica, o clube possui


compromisso com a promoção da prática de esportes, proporcionando aos seus desportistas
escolinhas para as crianças, e a realização de jogos em algumas modalidades durante a
semana. Ainda afirma que o clube está em negociação com o governo do estado para a
implantação de um projeto esportivo, com isso aumentando o comprometimento com seus
sócios desportistas.

V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração


Com relação à manutenção dos sócios desportistas, o presidente afirma que o clube
não possui estratégias para isso. Apesar de reconhecer uma grande necessidade, devido à
queda de associados ultimamente.
Segundo o presidente, o clube possui atualmente quatro profissionais capacitados para
desenvolver as modalidades esportivas existentes.
De acordo com o presidente, o clube possui atualmente 260 associados efetivos, com
uma porcentagem de 30% deles praticando esportes com freqüência.
Comentou que parcerias com empresários, governo municipal e estadual, estão
faltando para o clube aumentar o número de associados. Com os patrocínios das empresas
parceiras o clube possuiria mais recursos para proporcionar opções à preferência de cada
associado.
O presidente não esclareceu a importância da aplicação do marketing na elaboração de
um projeto para atração de mais associados. Na visão dele, as práticas esportivas estimulam o
descobrimento de novos talentos nos esportes, além disso, contribui para a formação de
crianças em grandes cidadãos do futuro na sociedade.
De acordo com o presidente, o clube possui uma estrutura com diversas modalidades
esportivas existentes onde se praticam voleibol, futsal, basquete e handebol, natação, futebol
de campo, futebol de areia, tênis, ping – pong e sinuca.
Ainda segundo o presidente, se ver no voleibol, tênis e handebol uma ausência maior
de desportistas, sendo voleibol e handebol considerados praticamente extintos pelos
desportistas.
Na opinião do presidente, a condição financeira que atualmente o clube passa e a falta
de apoio do governo e da Chesf, não permitem ter equipes esportivas como antigamente, ou
seja, há 10 (dez) anos atrás.
Na visão do presidente, alguns fatores foram determinantes para a diminuição de
desportistas no clube, como a renda familiar de alguns que não permite mais ser associado, a
falta de motivação dos associados em praticar esportes e a mudança de desportistas para
outras cidades.
De acordo com o presidente, a atual diretoria se compromete com a prática de
esportes, dispondo as dependências poliesportivas, fornecendo materiais esportivos e
realizando competições. Disse ainda que, o clube oferece aos seus desportistas condições
adequadas para a prática esportiva, dentro do possível, procurando manter suas instalações
conservadas e colocando a disposição materiais esportivos.
Segundo o presidente, o clube promove durante o ano, torneios como o Inter-Níveis,
Torneio Integração e jogos comemorativos. Ainda comenta, que existe a vontade de aumentar
o número de eventos, mas a questão financeira não permite, pois segundo ele, dinheiro está
difícil e escasso.
O presidente ainda comenta que os eventos promovidos durante o ano são suficientes
para a satisfação do associado, afirmando ainda que são esses que o clube tem condições de
realizar no momento.
Na opinião do presidente, o trabalho desenvolvido pela atual diretoria é satisfatório,
realizando ações que o lado financeiro permite.
Segundo o Presidente, o clube enfrenta dificuldades para a manutenção do clube,
sendo a falta de parceiros como o principal fator.
Nota-se que o clube oferece uma excelente estrutura para a prática de esportes
segundo o presidente, com duas quadras poliesportivas, mini-campo de areia, campo
gramado, quadra de tênis, piscina semi-olimpica, mesas de sinuca e mesa para ping-pong.
Ainda segundo ele é mais que suficiente para atender seus associados devido ao número de
pessoas que a cidade tem.

V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração


Constatou-se que a principal dificuldade encontrada pela atual diretoria não é apenas a
falta de empresas parceiras, mas a falta de um planejamento de marketing.
Em suas respostas, o presidente mostrou dificuldade em responder alguns
questionamentos, um deles, em relação ao marketing.
De acordo com o presidente, a falta de parcerias é o maior obstáculo na sua gestão,
impedindo de investir mais no esporte.
Observa-se que o clube precisa ser mais profissional, ir além da busca de empresas
parceiras, ou seja, ter um planejamento onde possa ter benefícios não apenas para si próprio,
mas para todos os envolvidos.

4.2 Resultado da Pesquisa feita com Desportistas do Clube Recreativo Itaparica.

Observa-se no Gráfico 1, que do total de 50 sócios desportistas pesquisados 84% é do


sexo masculino, apresentando faixa etária entre 16 anos e 51 anos, e 16% correspondem ao
sexo feminino que apresenta faixa etária entre 16 anos e 24 anos.

Gráfico 1 – Sexo dos desportistas pesquisados no Clube Recreativo Itaparica


FONTE: Pesquisa de campo realizada em agosto de 2007.

De acordo com Interesportes, os Jogos Olímpicos da Era Moderna existem desde


1896, as mulheres começaram a participar somente a partir de 1900. A partir desse período o
sexo feminino passou a conquistar espaço no meio esportivo. Elas não querem tomar o lugar
dos homens, mas estar lado a lado, com direitos e deveres iguais.

TABELA 1
MODALIDADES ESPORTIVAS PRATICADAS NO
CLUBE RECREATIVO ITAPARICA

Modalidade Esportiva Freqüência (%)


Futebol de campo 27 54
Futsal 9 18
Natação 8 16
Outros 6 12
FONTE: Pesquisa de campo realizada em Agosto de 2007.

V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração


Os homens ainda são maiorias entre os sócios desportistas, este fato pode ser
justificado pelo destaque de esportes tradicionalmente masculinos entre as três modalidades
esportivas praticadas no clube, sendo mais freqüente a prática do futebol (54%), seguido do
futsal (18%) e natação (16%), outros modalidades restantes (12%), conforme pode se
observar na Tabela 1.

TABELA 2
MODALIDADES ESPORTIVAS QUE OS DESPORTISTAS DO CLUBE
RECREATIVO ITAPARICA GOSTARIAM DE PRATICAR

Modalidade Esportiva Freqüência


Musculação 12
Basquete 5
Futebol de Campo 10
Futsal 6
Natação 5
Vôlei 5
Outros 7
FONTE: Pesquisa de campo realizada em agosto de 2007

Na Tabela 2 apresenta que dentre as modalidades esportivas que os entrevistados


desejariam praticar destacam-se com maior freqüência Musculação (24%), Basquete (10%),
Futsal (12%), futebol de campo (20%) e natação (10%), Vôlei (10%), sendo ainda referidos
boxe, sinuca, jiu-jítsu, Handebol e tênis com (14%).
Algumas modalidades esportivas existentes podem ser coletivas, em duplas ou
individuais, sempre com adversários. A prática esportiva tende há uma melhora física e
espiritual do ser humano.
No Gráfico 2, 86% dos entrevistados afirmam que as instalações esportivas do Clube
Recreativo Itaparica são adequadas para a prática de esportes, e apenas 14% não a consideram
adequadas.

Gráfico 2 –Satisfação dos desportistas em relação às instalações esportivas do clube


para a prática de esportes
FONTE: Pesquisa de campo realizada em agosto de 2007
V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração
Esse resultado demonstra que o clube possui instalações adequadas para a prática
esportiva, de acordo com a maioria dos seus associados desportistas entrevistados.

Gráfico 3 - Resultado dos desportistas entrevistados sobre as condições oferecidas


pelo clube para a prática do esporte
FONTE: Pesquisa de campo realizada em agosto de 2007

De acordo com 56% dos sócios desportistas entrevistados, o clube oferece condições
suficientes para a prática de esportes, enquanto 44% dos entrevistados não estão satisfeitos
com as condições oferecidas pelo clube, conforme pode-se verificar no Gráfico 3.
Esse dado pode estar relacionado com a falta de investimentos no clube, sendo que,
em alguns esportes, ocorre à falta de materiais esportivos, a má conservação de algumas
instalações, impossibilitando os desportistas de praticar o esporte de sua preferência.
Constatou-se no Gráfico 4, 52% dos desportistas entrevistados participam dos eventos
promovidos pelo clube, sendo que 48% não participam destes eventos.

Gráfico 4 – Percentual dos desportistas que participam dos eventos esportivos


promovidos pelo Clube Recreativo Itaparica
FONTE: Pesquisa de campo realizada em agosto de 2007

V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração


Esse resultado mostra que uma parte de sócios desportistas pode estar insatisfeita com
os eventos oferecidos pela atual gestão do clube, cabe ao próprio encontrar estratégias para
despertar em seus associados o desejo de participarem dos eventos.

Gráfico 5 – Satisfação dos desportistas entrevistados em relação aos eventos


promovidos pelo clube
FONTE: Pesquisa de campo realizada em agosto de 2007

Na visão de 50% dos entrevistados, os eventos promovidos pelo clube são


satisfatórios, sendo que outros 50% não consideram satisfatórios (Gráfico 5).
Uma parte dos sócios desportistas desejam que o clube realize mais eventos durante o
ano, além disso, que sejam atrativos. Ainda há uma parcela de sócios que encontram-se
desestimulados com a prática de esportes devido ao pouco incentivo do clube.
Na visão de apenas 16% dos entrevistados, o clube tem investido suficiente para a
prática do esporte, e 84% consideram que o clube tem investido de maneira insuficiente
(Gráfico 6).

Gráfico 6 – Resultado da entrevista dos desportistas sobre o investimento promovido


pelo clube
FONTE: Pesquisa de campo realizada em agosto de 2007

V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração


Devido à ausência de empresas parceiras, o clube fica impossibilitado de investir no
esporte, com isso, uma grande parte dos sócios desportistas permanece insatisfeita.
De acordo com 96% dos desportistas do Clube Recreativo Itaparica, a existência de
equipes motivaria a prática de esporte, e apenas 4% discordam (Gráfico 7).

Gráfico 7 – Opinião dos desportistas sobre equipes esportistas no clube


FONTE: Pesquisa de campo realizada em agosto de 2007

Constatou-se que entre os entrevistados a maioria quer o retorno de equipes esportivas,


sendo que, foram excluídas há alguns anos atrás.
No Gráfico 8, do total de entrevistados, 42% estão satisfeitos com a atual diretoria,
sendo que em 58% a uma insatisfação com relação a eles.

Gráfico 8 – Resultado da satisfação dos entrevistados em relação à atual diretoria


FONTE: Pesquisa de campo realizada em agosto de 2007

Constatou-se que na atual diretoria fazem parte membros, que desagradam alguns dos
entrevistados, além disso, os resultados apresentados pela diretoria deixam um pouco a
desejar, resultando a diminuição dos associados desportistas. A falta de capacidade
apresentada pela diretoria em obter recursos para a realização de eventos faz com que o clube
perca o que ele tem de melhor dentro dele, o sócio.
V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração
Gráfico 9 – Percentual dos entrevistados interessados em melhorar o esporte no clube
FONTE: Pesquisa de campo realizada em agosto de 2007

Constatou-se no Gráfico 9, que 94% dos entrevistados são interessados em melhorar o


esporte no clube, sendo que apenas 6% não se preocupam.
De acordo com (msisports), o ministério dos esportes contém vários programas e
projetos que incentivam ao esporte, um deles é o esporte na escola.
Os clubes estão procurando se adequar às novas condições impostas, através de
soluções como explorar com maior visão empresarial o seu patrimônio institucional (VAZ,
2003).
Na opinião de 100% dos entrevistados, o clube deveria ter escolinhas nas modalidades
esportivas existentes (Gráfico 10).

Gráfico 10 – Opinião dos entrevistados sobre a existência de escolinhas nas


modalidades esportivas
FONTE: Pesquisa de campo realizada em agosto de 2007

V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração


O Ministério do Esporte, realiza o Segundo Tempo, programa destinado à prática de
esportes, por meio de atividades esportivas e de lazer, com a finalidade de contribuir para o
bem-estar, desenvolvimento intelectual e inclusão social. Diversas modalidades esportivas são
incluídas nesse programa, sendo desenvolvidas em escolas (PORTAL ESPORTE, 2007).

Gráfico 11 – Percentual dos desportistas sobre a inclusão social


FONTE: Pesquisa de campo realizada em agosto de 2007

No Gráfico 11, 98% dos sócios desportistas entrevistados concordam que o esporte
contribui para inclusão social, sendo apenas 2% discordando.
Entende-se que a elaboração de um projeto de inclusão social através do esporte, tem a
capacidade de atrair parcerias com empresas privadas, baseando-se no argumento de que o
investimento em marketing no esporte no clube teria retorno positivo, pois acrescentaria
valores aos seus produtos e serviços, melhorando sua imagem institucional e aumentando sua
competitividade no mercado.

Gráfico 12 – Opinião dos desportistas entrevistados sobre a geração de benefícios


sócio-econômicos para o município através de práticas esportivas.
FONTE: Pesquisa de campo realizada em agosto de 2007.

V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração


Na visão dos entrevistados, 96% entendem que a prática de esporte traz benefícios
sócio-econômicos para o município, e apenas 4% discordam (Gráfico 12).
Nota-se pelo gráfico 12 que, a grande maioria dos entrevistados concordam que a
prática esportiva com maior intensidade no município gera benefícios sócios – econômicos,
pois através dela ocorre uma integridade de todos os envolvidos, proporcionando também
saúde, lazer e diversão.
Sabe-se que também, que eventos esportivos conseguem movimentar qualquer
evento, trazendo renda para os organizadores, com vendas de ingressos, lanches,
refrigerantes e outros. Uma vez sendo colocado em prática, esse projeto, com certeza, os
benefícios sócios – econômicos aparecerão automaticamente no CRI.

6. CONCLUSÃO

Na prática de esportes encontram-se virtudes que auxiliam na formação de pessoas na


sociedade, além disso, aumento da qualidade de vida. No município de Jatobá – PE, observa-
se que não existe melhor alternativa para a prática esportiva do que o Clube Recreativo
Itaparica, onde se localizam instalações esportivas que atendem aos desportistas em várias
modalidades como: futebol, futsal, basquete, tênis, vôlei, natação, sinuca e ping-pong.
Os resultados obtidos pela pesquisa revelam que o número de associados desportistas
praticando esportes atualmente no clube, é baixo, deixando as instalações vazias e o clube
praticamente sem movimento. Com isso, ocorre uma necessidade urgente de investimentos na
promoção esportiva, elaborando estratégias que possam atrair os desportistas; realizar novos
eventos com as modalidades existentes e procurar entender e atender os desportistas de acordo
com suas necessidades e desejos. Além de tentar atrair seus desportistas para participarem
ativamente, fazer com que os associados principalmente, venham prestigiar o evento que
envolve toda a família, movimentando também o clube e atraindo recursos financeiros.
A atual diretoria justifica o problema ocorrido na ausência de empresas parceiras e
planejamento de marketing, estabelecendo um direcionamento a ser seguido pela empresa,
envolvendo cinco atividades: definição da missão corporativa, análise da situação, formulação
de objetivos, formulação de estratégias, implementação, feedback e controle. É interessante
ressaltar que, constata-se não apenas esses obstáculos para o crescimento no esporte, algumas
outras dificuldades impostas pela atual diretoria, impedem a prática de esportes de alguns
desportistas como: disponibilidade de materiais esportivos e horários disponíveis para a
utilização de algumas instalações esportivas.
Segundo esta pesquisa, os sócios desportistas se encontram insatisfeitos com as
propostas implantadas pela atual diretoria do clube, expressando seus desejos na realização de
novos eventos esportivos como: torneios de férias, eventos no período das festividades como:
carnaval, natal, são João, dia dos pais, dia das mães. A implantação de escolinhas nas
modalidades tem grande importância, fazendo com que as crianças pratiquem esportes desde
cedo e movimentem o clube, sendo que, a freqüência assídua do sócio, implica em
movimentação financeira para o clube. É importante ressaltar que, não basta apenas inserir
estes, mas cabe aos associados participarem, dando também a sua parcela de contribuição.
Este trabalho foi importantíssimo para o Clube Recreativo Itaparica, pois ele poderá
usufruir de todas as informações favoráveis para atração e manutenção dos sócios
desportistas, focando não apenas o bem do clube, mas também do seu sócio, peça
fundamental e de grande importância para o seu funcionamento e existência.
Ficou evidenciado que, quando o clube traçar suas metas, objetivos, elaborar
estratégias, aplicar o marketing no esporte, preparar e qualificar funcionários para atender de
acordo com as necessidades dos sócios, firmar parceiros para reformas necessárias nas
estruturas poliesportivas e ouvir as opiniões dos desportistas, os resultados positivos surgirão
V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração
naturalmente como fruto de um trabalho bem elaborado e especifico para a situação em que se
encontra. Com isso, espera-se o aumento de recursos financeiros e dos seus desportistas, e
com certeza, ambas as partes sairão beneficiadas: clube e desportistas.
Observa-se que para o clube atrair e manter seus sócios desportistas é preciso utilizar
estratégias ligadas ao marketing no esporte, tais como: despertar o desejo dos associados em
praticar esportes por meio de métodos alternativos: premiações, novos eventos, escolinhas
esportivas, contratar profissionais especializados nas áreas esportivas, fazer planejamento
esportivo dos sócios desportistas. E ainda, verificar as condições das instalações e materiais
esportivos para que possam ser reparados se necessário, procurar entender os associados
desportistas através de pesquisas onde possam expressar suas idéias e, com isso, formar
parcerias para investimentos no esporte do Clube Recreativo Itaparica.

REFERÊNCIAS

AFIF, Antonio. A Bola de Vez: o marketing esportivo como estratégia de sucesso. São Paulo:
Infinito, 2000.

AGÊNCIA BRASIL. Metade dos desempregados brasileiros têm entre 16 e 24 anos. 30 de


Outubro de 2006. Disponível em:
<http://www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2006/10/30/materia.2006-10-
30.0778075851/view>. Acesso em: 10 out. 2007.

ALMEIDA, Luís Cláudio de. A gestão do esporte de alto nível: necessidade e especificidade.
Rio Claro: UNESP, 2000. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado.
Disponível em: <http://www.nuteses.ufu.br/index3.html> Acessado em: 15 mai. 2007.

CONTURSI, Ernani Bevilaqua. Marketing esportivo. Volume I e II. Rio de Janeiro: Sprint,
2000.

KÖCHE, José Carlos. Fundamentos de metodologia cientifica: teoria da ciência e iniciação à


pesquisa. 22. ed. Petrópolis, Rj: Vozes, 1997.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos da Metodologia


Científica. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MARCONI, Marina de A. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas,


amostras e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo:
Atlas, 1990.

MAZZOTI, Alda Judith Alves; GEWNADSZNAJDER, Fernando. O método nas ciências


naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 2 ed. São Paulo: Pioneira Thomson
Learning, 2002.

MELO NETO, Francisco Paulo de. Marketing de patrocínio. Rio de Janeiro: Sprint, 2000.

MELO NETO, Francisco Paulo de. Marketing Esportivo. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.

PITTS, Brenda G.; STOTLAR, David K. Fundamentos de Marketing Esportivo. Trad. Ieda
Moriya. São Paulo: Phorte, 2002.

V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração


PORTALESPORTE. Segundo Tempo. Disponível em:
<http://portal.esporte.gov.br/snee/segundotempo/default.jsp>. Acesso em: 05 out. 2007.

POZZI, Luis Fernando. A grande jogada: teoria e prática do marketing esportivo. São Paulo:
Globo, 1998.

PRESTES, Maria Luci de Mesquita. A Pesquisa e a Construção do Conhecimento Científico.


São Paulo: Editora Respel, 2002.

VAZ, Gil Nuno. Marketing Institucional: O mercado de idéias e imagens. 2. ed. rev. São
Paulo: Pioneira Thompson Learning, 2003.

V CONVIBRA – Congresso Virtual Brasileiro de Administração