Você está na página 1de 2

EXERCÍCIO

Um biorreator de 500 L é usado para a produção de uma enzima fúngica usando glicose como
fonte de carbono. A cultura tem uma taxa especifica de consumo de oxigênio de 0,4 gO2 gbiomassa-
1 -1
h . A concentração de biomassa no biorreator considera-se constante igual a 5 gbiomassa L-1.
Sabe-se que o consumo de 1 mol de oxigênio por parte do microrganismo libera 460 kJ de calor
no meio (calor especifico da água = 4,186 kJ kg-1 °C-1). Para manter o bioprocesso a 35°C, usa-se
agua de resfriamento a 15°C, bombeada a traves de uma serpentina helicoidal de aço inoxidável
dentro do fermentador (Espessura da parede da serpentina = 2 mm; Condutividade térmica do
aço inoxidável = 60 W m-1 °C-1) a uma vazão de 12 L min-1. A serpentina tem uma área de
transferência de calor de 0,17 m2.

a) Qual a temperatura de saída da agua de resfriamento?

b) Qual o valor do coeficiente global de transferência de calor (U)?

Considerando que as paredes da serpentina permanecem limpas e que o coeficiente de


transferência de calor do lado interno da serpentina é estimado como 15 kW m¯² °C¯¹.

c) Em que lugar se tem a maior resistência à transferência de calor (convecção do lado externo
da serpentina, condução a traves da parede da serpentina ou convecção do lado interno da
serpentina)? O que faria para diminuir essa resistência?

SOLUÇÃO

a) Qual a temperatura de saída da agua de resfriamento?

Calor que gera a fermentação:


𝑘𝐽 1 𝑚𝑜𝑙𝑂2 𝑔𝑂2 𝑔𝑏𝑖𝑜𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 1ℎ
𝑄̇ = 460 × × 0,4 ×5 × 500 𝐿 × = 3,993 𝑘𝑊
𝑚𝑜𝑙𝑂2 32 𝑔𝑂2 𝑔𝑏𝑖𝑜𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎 ℎ 𝐿 3600 𝑠

Na equação de balanço de energia na agua de resfriamento:


𝐿 1 𝑚𝑖𝑛 𝑘𝐽
𝑄̇ = 3,993 𝑘𝑊 = 12 × × 4,186 × (𝑇𝑠𝑎𝑖𝑑𝑎 − 15 °𝐶)
𝑚𝑖𝑛 60 𝑠 𝑘𝑔 °𝐶
𝑻𝒔𝒂𝒊𝒅𝒂 = 𝟏𝟗, 𝟕𝟕°𝑪
b) Qual o valor do coeficiente global de transferência de calor (U)?

Na equação da taxa de transferência de calor do trocador de calor:


19,77 °𝐶 − 15 °𝐶
𝑄̇ = 3,993 𝑘𝑊 = 𝑈 × 0,17 𝑚2 ×
35 °𝐶 − 15 °𝐶
𝑙𝑛 ( )
35 °𝐶 − 19,77 °𝐶
𝒌𝑾 𝑾
𝑼 = 𝟏, 𝟑𝟒𝟐 = 𝟏𝟑𝟒𝟐
𝒎𝟐 °𝑪 𝒎𝟐 °𝑪
Considerando que as paredes da serpentina permanecem limpas e que o coeficiente de
transferência de calor do lado interno da serpentina é estimado como 15 kW m¯² °C¯¹.

c) Em que lugar se tem a maior resistência à transferência de calor (convecção do lado externo
da serpentina, condução a traves da parede da serpentina ou convecção do lado interno da
serpentina)? O que faria para diminuir essa resistência?

Na equação da somatória de resistências à transferência de calor no trocador de calor:

𝑅𝑇 = 𝑅ℎ + 𝑅𝑘 + 𝑅𝑐

1 1 2 × 10−3 𝑚 1
= + +
𝑊 ℎℎ 𝑊 𝑊
1342 60 𝑚 °𝐶 15000 2
𝑚2 °𝐶 𝑚 °𝐶
𝑊
ℎℎ = 1550
𝑚2 °𝐶
Por tanto, substituindo o valor na equação anterior:

𝑚2 °𝐶 𝑚2 °𝐶 𝑚2 °𝐶 𝑚2 °𝐶
7,45 × 10−4 = 6,45 × 10−4 + 3,33 × 10−5 + 6,67 × 10−5
𝑊 𝑊 𝑊 𝑊
Levando em conta o anterior:

A resistência oferecida por 𝒉𝒉 (convecção do lado externo da serpentina, no biorreator) é 10


vezes maior à oferecida por 𝒉𝒄 (convecção do lado interno da serpentina, agua de
resfriamento) e à oferecida pela condução na parede da serpentina.

Para diminuir essa resistência (aumentar 𝒉𝒉 ) pode se aumentar a agitação do meio de cultivo
(𝒉𝒉 é proporcional à turbulência, Re)