Você está na página 1de 4

UNILA - Universidade Federal da Integraçao Latino-Americana

INSTITUTO LATINO-AMERICANO DE ARTE, CULTURA E HISTÓRIA (ILAACH)


MÚSICA

PROPOSTA DE ESTUDO: TÉCNICAS PIANÍSTICAS NÃO-DANOSAS


À SAÚDE

FILIPE CAMERA DE BONA

Foz do Iguaçu 2018


INTRODUÇÃO
Do número total de músicos que buscam ajuda médica a cada ano para tratar
problemas relacionados ao instrumento, mais da metade são pianistas. Práticas
inapropriadas de tocar piano são um fator contribuinte para o desenvolvimento de
patologias. Pedagogos não deram importância aos aspectos fisiológicos do piano
até o início do século XX, quando as recomendações técnicas eram primariamente
baseadas na forma de tocar de pianistas famosos e regularmente eram
idiossincráticas (WRISTEN, B.).

DESENVOLVIMENTO
Na última década, o interesse nas atividades relacionadas à técnica de instrumentos
cresceu drasticamente. A medicina relacionada às artes musicais se desenvolveu
em uma distinta especialidade frente aos interesses médicos relacionados. Livros,
artigos e séries de vídeo sobre problemas de saúde em músicos também aumentou.
Entretanto, enquanto a comunidade médica voltou os olhos para o trtamento de
doenças relacionadas à técnica instrumental, a comunidade musical ainda tem
relutância a aceitar técnicas de prevencão. (WRISTEN, B.)

CONCEITO E CRÍTICA AO POSITIVISMO


O positivismo é uma das doutrinas filosóficas derivadas do iluminismo. Sua origem
mais remota se encontra em Condorcet, filósofo vinculado à Enciclopédia, para
quem era possível criar-se uma ciência da sociedade com base na matemática
social, de acordo com Michael Löwy. Mas foi com Augusto Comte (1798-1857) que
o positivismo se tornou uma escola filosófica. Em 1830 surgiu o primeiro volume de
seu Cours de philosophie positive. Ao longo de aproximadamente uma década
concluiu essa sua obra de referência, cujo último volume foi publicado em 1842.
Mas o trabalho conclusivo de Comte foi o Système de politique positive, editado
entre 1852 e 1854, em plena maturidade intelectual. A época do positivismo foi
marcada pela profunda transformação material e espiritual trazida pela Revolução
Industrial, e pelas intensas e significativas transformações ensaiadas e realizadas,
integral ou parcialmente, pela Revolução Francesa. É nesse contexto bafejado pelo
ideário difundido pelas ideias francesas a transitar mundo afora que se situa o
conjunto de formulações do pensamento de Comte. Os fundamentos do positivismo
consistem na busca de uma explicação geral diante de um fenômeno derivado da
industrialização: a crescente especialização. Comte procurou fazer de sua filosofia
um instrumento para manter plena a perspectiva do geral, da visão macro. Fundou,
assim, a física social, nome que ensejou o aparecimento da sociologia. Essa ciência
se baseou no modelo de investigação comum às ciências empíricas particulares,
com vistas a “descobrir as regras que governam a sucessão e a coexistência dos
fenômenos”. A denominação decorreu da importância que a física tinha até então, e
a “nova” ciência por ele concebida aplicaria procedimentos metodológicos de
observação dos fenômenos históricos e sociais. A questão do método ganhou
dimensão em sua concepção de produção de um saber científico, daí a surgir o
princípio da lei. Para Comte, só existiria verdadeiramente ciência no caso de os
fenômenos permitirem, a partir da observação das relações e de suas
manifestações, antever os desdobramentos futuros. A previsão, portanto, criaria a
possibilidade de se perceber com alguma antecedência as etapas da evolução
histórica. (PENNA, A. L.)
Na área da música e das performances de piano, a filosofia de Comte se encontra
na fé pela repetição de exercícios técnicos desenvolvidos há mais de um século, e
na cópia sempre fiel a artistas do passado. Na formação do pianista, o uso de tais
exercícios é tido como crença e promessa da formação de músicos virtuosos, e
levados a níveis danosos a saúde em virtude do excessivo apelo pela força
muscular no momento da repetição sistemática.

CONCLUSÃO E PROPOSTA DE ESTUDO


Essa breve análise da formação pianística e da filosofia positivista traz a reflexão
sobre a crença na metodologia atual do estudo de piano, e, consequentemente, a fé
no método, no estímulo a elevados índices de danos físicos em pianistas.
Proponho, portanto, uma pesquisa que traga à tona metodologias novas ou
reformuladas para a formação de artistas do piano não passíveis de futuros
problemas de saúde relacionados à técnica pianística.

BIBLIOGRAFIA

PENNA, A. L. POSITIVISMO. Disponível em:


https://cpdoc.fgv.br/sites/default/files/verbetes/primeira-republica/POSITIVISMO.pdf .
Acesso em: 02 out. 2018.
WRISTEN, B.. OVERUSE INJURIES AND PIANO TECHNIQUE: A
BIOMECHANICAL APPROACH .Texas Tech University, August 1998.