Você está na página 1de 2

UNIVESP

PEDAGOGIA
Teorias do Currículo
1º bimestre - 2018

Questão 1 (2,5 pontos)


Sobre o currículo, é possível afirmar que:

I. O currículo é uma práxis, não um objeto estático.


II. Ao longo da História existiram diferentes concepções de currículo.
III. Contribuições filosóficas, sociológicas, psicológicas , antropológicas não se
relacionam com o tema em questão.

São verdadeiras:

a) I, II e III
b) I e II
c) II e III
d) I e III

Questão 2 (2,5 pontos)


As alternativas abaixo apresentam características de um currículo pós-crítico,
exceto:

a) reconhecer o patrimônio cultural da comunidade;


b) questionar um conhecimento universal;
c) desenvolver metodologias positivistas;
d) evitar o daltonismo cultural.

Questão 3 (2,5 pontos)


Vários autores sinalizam um certo paralelismo entre as teorias curriculares e as
características da sociedade.
Exemplifique esse fenômeno, estabelecendo relações entre uma determinada teoria
curricular e as demandas sociais que influenciaram o seu surgimento.
Questão 4 (2,5 pontos)
Michael Young emprega a expressão diferenciação do conhecimento para distinguir
o tipo de conhecimento que é importante que os alunos adquiram na escola, mais
exatamente aquele contrário à sua experiência.
Explique os argumentos do autor.

GABARITO
QUESTÃO 1
b) I e II

QUESTÃO 2
c) desenvolver metodologias positivistas;

QUESTÃO 3
Uma ou mais de uma das opções abaixo.
Sociedade de classes – industrialização, urbanização, eficientismo –
(escolanovismo e tecnicismo) – teoria curricular tradicional.
Sociedade de classes – redemocratização, tecnologia, revolução cultural –
pedagogia crítica e educação popular – teoria curricular crítica.
Sociedade em rede – democrática, multicultural, desigual e globalizada –
multiculturalismo, pós-estruturalismo e estudos culturais – teoria curricular
pós-crítica.

QUESTÃO 4
Embora o currículo deva levar em consideração o conhecimento local e cotidiano
que os alunos trazem para a escola, esse conhecimento nunca poderá ser a base
do currículo. A estrutura do conhecimento local é planejada para se relacionar com
o particular e não pode fornecer a base para quaisquer princípios generalizáveis.
Fornecer acesso a tais princípios é uma das principais razões pelas quais todos os
países têm escolas. Na visão do autor, isso só será possível através da transmissão
do conhecimento poderoso, aquele conhecimento escolar com potencial para
apresentar explicações confiáveis e generalizáveis sobre o mundo.