Você está na página 1de 115

NORMA ABNT NBR

BRASILEIRA IEC
60694
Primeira edição
04.12.2006
Válida a partir de
04.01.2007

Especificações comuns para normas de


equipamentos de manobra de alta-tensão e
mecanismos de comando
Common specifications for high-voltage switchgear and controlgear
standards

Palavras-chave: Equipamento de manobra de alta tensão.


Mecanismos de comando.
Descriptors: High-voltage switchgear. Controlgear.

ICS 29.130.10

Número de referência
ABNT NBR IEC 60694:2006
109 páginas

©ABNT 2006
ABNT NBR IEC 60694:2006

© ABNT 2006
Todos os direitos reservados. A menos que especificado de outro modo, nenhuma parte desta publicação pode ser reproduzida
ou por qualquer meio, eletrônico ou mecânico, incluindo fotocópia e microfilme, sem permissão por escrito pela ABNT.
Sede da ABNT
Av.Treze de Maio, 13 - 28º andar
20031-901 - Rio de Janeiro - RJ
Tel.: + 55 21 3974-2300
Fax: + 55 21 2220-1762
abnt@abnt.org.br
www.abnt.org.br

Impresso no Brasil

ii ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Sumário Página

Prefácio Nacional..................... .................................... ................................... .............................. .......................vi


1 Geral ....................................... ................................... ................................... .............................. ..............1
1.1 Escopo ................................. ................................... ................................... .............................. ........1
1.2 Referências normativas........................... ................................... .................................... .................1

2 Condiç
2.1 ões norm
Condiç ões normais e aisespecde iais
servde serviço ....................................
iço....................... ....................................
................................... ....................6
................................... ...........6
2.2 Condições especiais de serviço ................................ .................................... .............................. ...8
3 Definições.................................................................................................................................................9
3.1 Termos gerais ......................................... ................................... .................................. ....................9
3.2 Conjuntos de equipamento de manobra e mecanismo de comando ....... ....... ...... ........ ....... ....... 11
3.3 Partes dos conjuntos.................. .................................... ................................... ............................1 1
3.4 Dispositivos de chaveamento .............................. ................................... .................................... ..12
3.5 Partes de um equipamento de manobra e mecanismo de comando.......... ...... ........ ....... ....... ..... 12
3.6 Operação .............................. .................................... ................................... .............................. .....17
3.7 Grandezas características .............................. ................................... .................................... ........20
3.8 Índice de definições.......................... ................................... .................................... ......................20
4 Características nominais ....................................... ................................... .................................... .........23
4.1 Tensão nominal (Ur) ................................ ................................... .................................... ................23
4.2 Nível de isolamento nominal ............................... ......................................... ............................. ....24
4.3 Freqüência nominal (fr) ................................. ................................... .................................... ..........28
4.4 Corrente nominal de regime contínuo e elevação de temperatura.......... ....... ...... ....... ........ ....... .28
4.5 Corrente suportável nominal de curta duração (Ik) ......................................... .............................31
4.6 Valor de crista da corrente suportável nominal (Ip)......................................................................31
4.7 Duração nominal do curto-circuito (tk)................. .............................. ................................... ........31
4.8 Tensão nominal de alimentação dos dispositivos de fechamento e abertura
e dos circuitos auxiliar e de controle ( Ua).....................................................................................31
4.9 Freqüência nominal de alimentação dos dispositivos de fechamento e abertura
e de circuitos auxiliares...................................... ................................... .............................. ..........33
4.10 Pressão nominal de alimentação de gás comprimido para isolação e/ou operação......... ....... ..33
5 Projeto e construção......................................................... .................................... ............................. ....33
5.1 Requisitos para líquidos em equipamento de manobra e mecanismo de comando ....... ....... ....33
5.2 Requisitos para gases em equipamento de manobra e mecanismo de comando........ ........ ...... 34
5.3 Aterramento do equipamento de manobra e mecanismo de comando ........ ....... ....... ....... ........ .34
5.4 Equipamento auxiliar e de controle ....................................... ................................... ....................34
5.5 Operação não manual dependente .................................. .................................... .........................45
5.6 Operação por energia acumulada .................................... ................................... ..........................45
5.7 Operação manual independente ................................ ................................... ................................46
5.8 Operação dos disparadores ................................. ......................................... ................................46
5.9 Dispositivos para monitoramento e intertravamento de baixa e alta pressão... ........ ....... ....... ...47
5.10 Placas de id entificação.............................................. ................................... .................................47
5.11
5.12 Dispos itivos
Indicador de de interotrav
posiçã amento .......................................
................................... ...................................
.............................. .........................48
.................................... ................49
5.13 Graus de proteção pelos invólucros............... ................................... ................................... ........49
5.14 Distâncias de escoamento ..................................................... ................................... ....................50
5.15 Estanqueidade ao gás e ao vácuo ......................................... ................................... ....................51
5.16 Estanqueidade aos líquidos ............................. ................................ ................................... ..........52
5.17 Inflamabilidade............................ ................................... ................................... .............................5 2
5.18 Compatibilidade eletromagnética (CEM) .......................... ................................... .........................52

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados iii


ABNT NBR IEC 60694:2006
6 Ens ios de tipo...................... ................................... .................................... ............................. .............53
6.1 Considerações gerais ....................................... ................................... .............................. ..........53
6.2 Ensaios dielétricos...................................... ................................... ............................... ...............55
6.3 Ensaio de tensão de radiointerferência ............................................................ ..........................63
6.4 Medição da resistência dos circuitos........... ......................................... ................................... ...64
6.5 Ensaios de elevação de temperatura .................................... ................................... ...................65
6.6 Ensaios de corrente suportável de curta duração e valor de crista da corrente suportável....68
6.7 Verificação da proteção................................................................. .................................... ..........70
6.8 Ensaios de estanqueidade........................... ................................... ................................... ..........70
6.9 Ensaios de compatibilidade eletromagnética (CEM) ..................................................................73
6.10 Ensaios adicionais em circuitos auxiliares e de controle ..........................................................77
7 En aios de rotina ............................... ................................... ................................... ..............................8 1
7.1
7.2 Ensaios
Ensa io dielétricouitos
nos circ no circuito princ
auxilia r e deipal ............................................
contr ....................................
ole........................ ................................... ........81
....................82
7.3 Medição da resistência do circuito principal ................. .................................... .........................83
7.4 Ensaio de estanqueidade........................................ ................................... .............................. ....83
7.5 Verificações visuais e de projeto ................................................................ ................................84
8 Guia para seleção de equipamento de manobra e mecanismo de controle....... ....... ........ ....... ....... ....84
9 Informações a serem fornecidas junto às solicitações, propostas e pedidos ...... ....... ....... ....... ........ .84
10 Regras para transporte, armazenagem, instalação, operação e manutenção ....... ....... ....... ....... ....... .84
10.1 Condições durante o transporte, armazenagem e instalação........ ....... ....... ....... ....... ........ ....... .84
10.2 Instalação ................................. .................................... ................................... .............................8 4
10.3 Operação .................................. .................................... ................................... .............................8 5
10.4 Manutenção .................................... ................................... .................................... .......................86
11 Segurança...............................................................................................................................................90
11.1 Aspectos elétricos ...................................... ................................... ............................... ...............90
11.2 Aspectos mecânicos.............................. ................................... ................................... ................90
11.3 Aspectos térmicos ...................................... ................................... ................................ ..............90
11.4 Aspectos de operação ...................................... .................................... ................................... ....90
Anexo A (normativo) Identificação da amostra sob ensaio ...................................... ................................... .....94
Anexo B (normativo) Determinação do valor eficaz equivalente de uma corrente de curta duração
durante um curto-circuito de uma dada duração .............................................................. ...................96
Anexo C (normativo) Método para ensaio de intempérie para equipamento de manobra e mecanismo
de comando para uso externo .................... ................................... ................................... .....................97
Anexo D (informativo) Informação a respeito dos níveis de isolamento e ensaios .......................................100
Anexo E (informativo) Estanqueidade (informação, exemplo e orientação)...................................................103
Anexo F (informativo) Ensaio dielétrico de equipamento de manobra e mecanismo de controle autoprotegido
................................ ................................... .................................... ............................. ...105
Anexo G (informativo) Bibliografia ................................ .................................... ................................... ............108
Anexo H (informativo) Medições de compatibilidade eletromagnética no campo .........................................109

Figura 1 – Fator de correção para altitude (ver 2.2.1) .......................................................................................91


Figura 2 – Diagrama de conexões de um dispositivo de manobra tripolar (ver 6.2.5.1)..................................92
Figura 3 – Diagrama de um circuito de ensaio para ensaio de tensão de radiointerferência
em dispositivos de manobra (ver 6.3)............................................. ................................... ................................9 3
Figura 4 – Exemplos de classes de contatos .............................................. ................................... ...................39
Figura 5 – Exemplo de sistema secundário em cubículo de média tensão .....................................................43
Figura 6 – Exemplo de sistema secundário de disjuntor com mecanismo simples........................................44
Figura 7 – Exemplo de sistema secundário de disjuntor com cubículo de controle separado ....... ....... ...... ..44
Figura 8 – Exemplo de sistema secundário num vão de subestação isolada a gás (GIS) ..............................45

iv ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006
Figura 9 – Exemplo de escolha da classe de severidade de CEM....................................................................53
Figura B.1 – Determinação da corrente de curta duração ................................................................................96
Figura C.1 – Arranjo para ensaio de intempéries............................. ................................... ..............................9 8
Figura C.2 – Bico para ensaio de intempéries.... ......................................... ................................... ...................99
Figura E.1 – Exemplo de um gráfico TC de coordenação de estanqueidade para um sistema
de pressão fechado ......................................... ................................... ................................... ...........................10 3
Figura E.2 – Sensibilidade e aplicabilidade de diferentes métodos de detecção de vazamento
para ensaios de estanqueidade ......................................... ................................... .............................. .............104
Figura F.1 – Exemplos de formas de onda de tensão de impulso com dispositivos limitadores
de tensão incorporados .................................. .................................... ................................... ..........................10 7
Tabela 1a – Níveis de isolamento nominais para tensões nominais da classe I, série I .................................25
Tabela 1b – Níveis de isolamento nominais para tensões nominais da classe I, série II
(utilizado na América do Norte) .................................... ................................... .............................. ....................26
Tabela 2a – Níveis de isolamento nominal para tensões nominais da classe II ..............................................27
Tabela 2b – Níveis de isolamento nominal utilizados na América do Norte para classe II .............................28
Tabela 3 – Li mites de temperatura e elevação de temperatura para diferentes partes, materiais
e dielétricos de equipamentos de manobra de alta tensão e mecanismo de comando ..................................29
Tabelas 4 e 5 (retiradas)
Tabela 6 – Graus de proteção ....................................... ................................... ................................... ...............50
Tabela 7 – Fatores de aplicação para distâncias de escoamento ....................................................................51
Tabela 8 – Exemplo de agrupamentos de ensaios de tipo ............................................ .............................. .....54
Tabela 9 – Condições de ensaio no caso geral ................................ ................................... ..............................58
Tabela 10 – Condições de ensaio à freqüência industrial para isolamento longitudinal ................................59
Tabela 11 – Condições de ensaio de impulso para isolamento longitudinal ..................................................59
Tabela 12 – Taxa de vazamento temporário permitida para sistemas a gás....................................................71
Tabela 13 (retirada)
Tabela 14 – Tensão em corrente contínua................................. ................................... .............................. .......32
Tabela 15 – Tensão em corrente alternada........................... ................................... .............................. ............32
Tabela 16 – Classes de contatos auxiliares............... ................................... ................................... ..................39
Tabela 17 – Aplicação de tensão em ensaio de transitórios elétricos rápidos/trem de pulsos ....... ....... ...... ..75
Tabela 18 – Aplicação de tensão em ensaio de amortecimento de ondas oscilatórias ..................................76
Tabela 19 – Critério de avaliação de ensaios de imunidade a distúrbios transitórios ....................................76

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados v


ABNT NBR IEC 60694:2006

Prefácio Nacional

A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasileiras,
cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês Brasileiros (ABNT/CB), dos Organismos de Normalização
Setorial (ABNT/ONS) e das Comissões de Estudo Especiais Temporárias (ABNT/CEET), são elaboradas por
Comissões de Estudo (CE), formadas por representantes dos setores envolvidos, delas fazendo parte: produtores,
consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros).

A ABNTdeNBR
Estudo IEC 60694
Cláusulas foi aelaborada
Comuns no Comitê
Equipamentos Brasileiro
de Manobra de Eletricidade
de Alta (ABNT/CB-03),
Tensão (CE-03:017.16). pela Comissão
O Projeto de
circulou em
Consulta Nacional conforme Edital nº 03, de 01.03.2006, com o número de Projeto 03:017.16-001.

Esta Norma é uma tradução idêntica da IEC 60694:2002, que foi elaborada pelo Comitê Técnico High-voltage
switchgear and controlgear (IEC/SC 17A).

Esta Norma cancela e substitui a ABNT NBR 10478:1988 – Cláusulas comuns a equipamentos elétricos de
manobra de tensão nominal acima de 1 kV.

Esta Norma contém os anexos A a C, de caráter normativo, e os anexos D a H, de caráter informativo.

A correspondência entre as normas listadas na seção 1.2 “Referências normativas” e as Normas Brasileiras
aplicáveis é a seguinte:

IEC 60060-1:1989, High-voltage test techniques – ABNT NBR 5389:1992 – Técnicas de ensaios
Part 1: General definitions and test requirements elétricos de alta tensão
IEC 60071-1:2006, Insulation co-ordination – ABNT NBR 6939:2000 – Coordenação de isolamento
Part 1: Definitions, principles and rules – Procedimento
IEC 60669-1:2000, Switches for household and ABNT NBR NM 60669-1:2004 – Interruptores para
similar fixed-electrical installations – Part 1: General instalações elétricas fixas domésticas e análogas –
requirements Parte 1: Requisitos gerais (IEC 60669-1:2000, MOD)

vi ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


NORMA BRASILEIRA ABNT NBR IEC 60694:2006

Especificações comuns para normas de equipamentos de manobra


de alta-tensão e mecanismos de comando

1 Geral
1.1 Escopo
Esta Norma se aplica a equipamentos de manobra de c.a. e a mecanismos de comando, projetados para
instalação interna e externa e para operações com freqüência de serviço até e incluindo 60 Hz em sistemas que
possuam tensões acima de 1 000 V.

Esta Norma se aplica a todos os equipamentos de manobra de alta tensão e mecanismos de comando, exceto se
especificado de outro modo em normas IEC pertinentes para o tipo particular do equipamento de manobra e
mecanismo de comando.

1.2 Referências normativas


As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições
para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está
sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de
se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em
vigor em um dado momento.

ABNT NBR IEC 60269-1:2003 – Dispositivos-fusíveis de baixa tensão – Parte 1: Requisitos gerais

ABNT NBR IEC 60269-2:2003 – Dispositivos-fusíveis de baixa tensão – Parte 2: Requisitos adicionais para
dispositivo-fusível para uso por pessoas autorizadas (dispositivos-fusíveis principalmente para aplicação industrial)

ABNT NBR IEC 60529:2005 – Graus de proteção para invólucros de equipamentos elétricos (código IP)

ABNT NBR IEC 60947-2:1998 – Dispositivos de manobra e comando de baixa tensão – Parte 2: Disjuntores

ABNT NBR IEC 60947-7-1:2004 – Dispositivos de manobra e controle de baixa tensão – Parte 7: Dispositivos
auxiliares – Seção 1: Conectores elétricos para condutores elétricos de cobre

ABNT NBR IEC 60947-7-2:2004 – Dispositivos de manobra e controle de baixa tensão – Parte 7: Dispositivos
auxiliares – Seção 2: Conectores elétricos para condutores de proteção em cobre

IEC 60034-1:2004, Rotating electrical machines – Part 1: Rating and performance


IEC 60038:2002, IEC standard voltages

IEC 60050(131):2002, International Electrotechnical Vocabulary (IEV) – Chapter 131: Electrical and magnetic
circuits

IEC 60050(151):2001, International Electrotechnical Vocabulary (IEV) – Chapter 151: Electrical and magnetic
devices

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 1


ABNT NBR IEC 60694:2006

IEC 60050(191):1990, International Electrotechnical Vocabulary (IEV) – Chapter 191: Dependability and quality
of service

IEC 60050(301):1983, International Electrotechnical Vocabulary (IEV) – Chapter 301: General terms
in measurements in electricity

IEC 60050(351):1998, International Electrotechnical Vocabulary (IEV) – Chapter 351: Automatic control

IEC 60050(441):1984, International Electrotechnical Vocabulary (IEV) – Chapter 441: Switchgear, controlgear
and fuses

IEC 60050(446):1983, International Electrotechnical Vocabulary (IEV) – Chapter 446: Electrical relays

IEC 60050(581):1978, International Electrotechnical Vocabulary (IEV) – Chapter 581: Electromechanical


components for electronic equipment

Amendment 1 (1998)

IEC 60050(604):1987, International Electrotechnical Vocabulary (IEV) – Chapter 604: Generation, transmission
and distribution of electricity – Operation

Amendment 1 (1998)

IEC 60050(811):1991, International Electrotechnical Vocabulary (IEV) – Chapter 811: Electric traction

IEC 60050(826):2004, International Electrotechnical Vocabulary (IEV) – Chapter 826: Electrical installations
of buildings

IEC 60051-2:1984, Direct acting indicating analogue electrical measuring instruments and their accessories –
Part 2: Special requirements for ammeters and voltmeters

IEC 60051-4:1984, Direct acting indicating analogue electrical measuring instruments and their accessories –
Part 4: Special requirements for frequency meters

IEC 60051-5:1985, Direct acting indicating analogue electrical measuring instruments and their accessories –
Part 5: Special requirements for phase meters, power factor meters and synchroscopes

IEC 62271-100:2003, High-voltage switchgear and controlgear – Part 100: High-voltage alternating-current
circuit-breakers

IEC 60059:1999, IEC standard current ratings

IEC 60060-1:1989, High-voltage test techniques – Part 1: General definitions and test requirements1)

IEC 60064:2005, Tungsten filament lamps for domestic and similar general lighting purposes; Performance
requirements

IEC 60068-2 (all parts): Environmental testing – Part 2: Tests


IEC 60068-2-1:1990, Environmental testing – Part 2: Tests. Tests A: Cold

Amendment 1 (1993)

Amendment 2 (1994)

1)
NOTA DE TRADUÇÃO Ver informações no Prefácio Nacional desta Norma

2 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

IEC 60068-2-2:1974, Environmental testing – Part 2: Tests. Tests B: Dry heat

IEC 60068-2-3:1969, Environmental testing – Part 2: Tests. Test Ca: Damp heat, steady state

IEC 60068-2-17:1994, Environmental testing – Part 2: Tests - Test Q: Sealing

IEC 60068-2-30:2005, Environmental testing – Part 2: Tests. Test Db and guidance: Damp heat, cyclic
(12 + 12-hour cycle)

IEC 60068-2-63:1991, Environmental testing – Part 2: Tests - Tests Eg: Impact, spring hammer

IEC 60071-1:2006, Insulation co-ordination – Part 1: Definitions, principles and rules2)

IEC 60071-2:1996, Insulation coordination – Part 2: Application guide

IEC 60073:2002, Basic and safety principles for man-machine interface, marking and identification – coding
principles for indicating devices and actuators

IEC 60081:2002, Double-ccapped fluorescent lamps – Performance specifications

Amendment 1 (2003)

Amendment 2 (2005)

IEC/TR 60083:2006, Plugs and socket-outlets for domestic and similar general use standardised in member
countries of IEC

IEC 60085:2004, Thermal evaluation and classification of electrical insulation

IEC 60115-4:1982, Fixed resistors for use in electronic equipment – Part 4: Sectional specification: Fixed power
resistors

IEC 60130 (all parts): Connectors for frequencies below 3 Mhz

IEC 60227 (all parts): Polyvinyl chloride insulated cables of rated voltages up to and including 450/750 V

IEC 60228:2004, Conductors of insulated cables

IEC 60245 (all parts): Rubber insulated cables – Rated voltages up to and including 450/750 V

IEC 60255-5:1977, Electrical relays - Part 5: Insulation tests for electrical relays

IEC 60255-8:1990, Electrical relays - Part 8: Thermal electrical relays

IEC 60255-21-1:1988, Electrical relays – Part 21: Vibration, shock, bump and seismic tests on measuring relays
and protection equipment – Section One: Vibration tests (sinusoidal)

IEC 60255-21-3:1993, Electrical relays – Part 21: Vibration, shock, bump and seismic tests on measuring relays
and protection equipment – Section 3: Seismic tests

IEC 60255-23:1994, Electrical relays – Part 23: Contact performance

2)
NOTA DE TRADUÇÃO Ver informações no Prefácio Nacional desta Norma

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 3


ABNT NBR IEC 60694:2006

IEC 60269-2-1:2004, Low-voltage fuses – Part 2-1: Supplementary requirements for fuses for use by authorised
persons (fuses mainly for industrial application) – Sections I to V: Examples of types of standardised fuses for use
by authorised persons

IEC 60270:2000, Partial discharge measurements

IEC 60296:2003, Specification for unused mineral insulating oils for transformers and switchgear

IEC 60309-1:2005, Plugs, socket-outlets and couplers for industrial purposes – Part 1: General requirements

IEC 60309-2:2005,
interchangeability
Plugs, socket-outlets and couplers for industrial purposes – Part 2: Dimensional
requirements for pin and contact-tube accessories

IEC 60326(all parts): Printed boards

IEC 60376:2005, Specification and acceptance of new sulphur hexafluoride

IEC 60393-1:1989, Potentiometers for use in electronic equipment – Part 1: Generic specification

Amendment 1 (1992)

IEC 60417(all parts): Graphical symbols for use on equipment

IEC 60445:1999, Basic and safety principles for man-machine interface, marking and identification –
Identification of equipment terminals and of terminations of certain designated conductors, including general rules
for an alphanumeric system, including general rules for an alphanumeric system

IEC 60480:2004, Guide to the checking of sulphur hexafluoride (SF6) taken from electrical equipment

IEC 60485:1974, Digital electronic d.c. voltmeters and d.c. electronic analogue-to-digital converters

IEC 60502-1:2004, Power cables with extruded insulation and their accessories for rated voltages from 1 kV
(Um = 1,2 kV) up to 30 kV (Um = 36 kV) - Part 1: Cables for rated voltages of 1 kV (Um = 1,2 kV) and 3 kV
(Um = 3,6 kV)

IEC 60507:1991, Artificial pollution tests on high-voltage insulators to be used on a.c. systems

IEC 60512-2:1985, Electromechanical components components for electronic equipment; basic testing procedures
and measuring methds – Part 2: General examination, electrical continuity and contact resistance tests,insulation
tests and voltage stress tests

IEC 60617, Graphical symbols for diagrams

IEC 60669-1:2000, Switches for household and similar fixed-electrical installations – Part 1: General requirements3)

IEC 60721 (all parts), Classification of environmental conditions

IEC 60730-2-9:1992, Automatic electrical controls for household and similar use – Part 2: Particular requirements
for temperature sensing controls

IEC 60730-2-13:2001, Automatic electrical controls for household and similar use – Part 2: Particular requirements
for humidity sensing controls

IEC 60815:1986, Guide for the selection of insulators in respect of polluted conditions

3)
NOTA DE TRADUÇÃO Ver informações no Prefácio Nacional desta Norma

4 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

IEC 60816:1984, Guide on methods of measurement of short-duration transients on low-voltage power


and signal lines

IEC 60947-3:2005, Low-voltage switchgear and controlgear – Part 3: Switches, disconnectors, switch-disconnectors
and fuse-combination units

IEC 60947-4-1:2002, Low-voltage switchgear and controlgear – Part 4: Contactors and motor-starters –
Section One: Electromechanical contactors and motor-starters

Amendment 2 (2005)

IEC 60947-4-2:2002, Low-voltage switchgear and controlgear – Part 4: Contactors and motor-starters –
Section 2: AC semiconductor motor controllers and starters

IEC 60947-5-1:2003, Low-voltage switchgear and controlgear – Part 5: Control circuit devices and switching
elements – Section One: Electromechanical control circuit devices

IEC 61000-4-1:2000, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 4: Testing and measurement techniques –
Section 1: Overview of immunity tests - Basic EMC publication

IEC 61000-4-4:1995, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 4: Testing and measurement tech-niques –
Section 4: Electrical fast transient/burst immunity test - Basic EMC publication

IEC 61000-4-12:2006, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 4: Testing and measurement tech-niques –
Section 12: Oscillatory waves immunity test - Basic EMC publication

IEC 61000-4-17:2002, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 4-17: Testing and measurement tech-niques –
Riple on d.c. input power port immunit test

IEC 61000-4-29: 2000, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 4-29: Testing and measurement tech-niques –
Voltage dips, short interruptions and voltage variations on d.c. input power ports, immunity tests

IEC 61000-5(all parts), Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 5: Installation and mitigation guide-lines

IEC 61000-5-1:1996, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 5: Installation and mitigation guide-lines –
Section 1: General considerations – Basic EMC publication

IEC 61000-5-2:1997, Electromagnetic compatibility (EMC) - Part 5: Installation and mitigation guide-lines –
Section 2: Earthing and cabling

IEC 61000-6-5, Electromagnetic compatibility (EMC) – Part 6-5: Generic standards – Immunity for power station
and substation environments

IEC 61020-4 (all parts), Electromechanical switches for use in electronic equipment – Part 4: Sectional specification
for lever (toggle) switches

IEC 61166:1993, High-voltage alternating current circuit-breakers – Guide for seismic qualification of high-voltage
alternating current circuit breakers
IEC 61180-1:1992, High-voltage test techniques for low-voltage equipment – Part 1: Definitions, test and procedure
requirements

IEC/TS 61634: 1995, High-voltage switchgear and controlgear - Use and handling of sulphur hexafluoride (SF6)
in high-voltage switchgear and controlgear

IEC 61810-1(all parts), Electromechanical relays

IEC 61810-7:2006, Electromechanical all-or-nothing relays – Part 7: Test and measurement procedures

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 5


ABNT NBR IEC 60694:2006

CISPR 11:2004, Industrial, scientific and medical (ISM) radio-frequency equipment - electromagnetic disturbance
characteristics - limits and methods of measurement

Amendment 2 (2006)

CISPR 16-1-1:2006, Specification for radio disturbance and immunity measuring apparatus and methods –
Part 1-1: Radio disturbance and immunity measuring apparatus

Amendment 1 (2006)

CISPR
Part 18-2:1996,
2: Methods Radio interference
of measurement characteristics
and procedure of overhead
for determining limits power lines and high-voltage equipment –

Amendment 2(1996)

Outras normas internacionais são referidas para informação nesta Norma. Elas estão listadas no anexo G.

2 Condições normais e especiais de serviço


Se não especificado de outra maneira, os equipamentos de manobra de alta tensão e mecanismos de comando,
incluindo os dispositivos de operação e equipamentos auxiliares que formam parte dele, são previstos para serem
utilizados de acordo com as suas características nominais e as condições normais de serviço especificadas em 2.1.

Se as reais condições de serviço forem diferentes das condições normais, os equipamentos de manobra de alta
tensão e mecanismos de comando, assim como os dispositivos de operação e equipamentos auxiliares
associados, devem ser projetados para atender a qualquer condição especial de serviço especificada pelo usuário,
ou devem ser feitos arranjos apropriados (ver 2.2).

NOTA 1 Para essas condições, a fim de assegurar a correta operação de outros componentes, tais como relés, é
recomendável que sejam tomadas ações apropriadas.

NOTA 2 Informações detalhadas sobre a classificação das condições ambientais estão especificadas na IEC 60721-3-3
(para interior) e IEC 60721-3-4 (para exterior).

2.1 Condições normais de serviço

2.1.1 Equipamentos de manobra e mecanismos de comando para interior

a) A temperatura do ar ambiente não excede 40°C e o seu valor médio, medido num período de 24 h, não
excede 35°C.
A temperatura mínima do ar ambiente é de – 5°C para a classe “menos 5 para interior”, – 15°C para a cl asse
“menos 15 para interior”, e – 25°C para a classe “m enos 25 para interior”.
b) Os efeitos da radiação solar podem ser desprezados.

c) A altitude não excede 1 000 m.


d) O ar ambiente não é significativamente poluído com poeira, fumaça, gás corrosivo e/ou inflamável, vapores ou sal.
e) As condições de umidade são as seguintes:
⎯ o valor médio da umidade relativa, medida num período de 24 h, não excede 95%;
⎯ o valor médio da pressão de vapor d’água, num período de 24 h, não excede 2,2 kPa;
⎯ o valor médio da umidade relativa, medida num período de um mês, não excede 90%;

6 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

⎯ o valor médio da pressão de vapor d’água, medida num período de um mês, não excede 1,8 kPa.
Para estas condições, pode ocorrer ocasionalmente condensação.
NOTA 1 Pode ocorrer condensação onde houver mudanças bruscas de temperatura durante períodos de alta umidade.

NOTA 2 Para suportar os efeitos da alta umidade e condensação, tais como falhas da isolação ou corrosão metálica, é
recomendável que sejam usados equipamentos projetados e ensaiados de acordo com essas condições.

NOTA 3 A condensação pode ser prevenida por intermédio de projeto especial da edificação ou invólucro, por
ventilação adequada e por aquecimento da instalação ou pelo uso de equipamento desumidificador.

f) Vibrações devido a causas externas ao equipamento de manobra e mecanismo de comando ou devido a


tremores de terra são desprezíveis.
g) Perturbações eletromagnéticas induzidas nas interfaces do sistema secundário, como resultado de manobras
no sistema de alta tensão, não excedem 1,6 kV no modo comum para a classe de severidade de CEM normal,
e 0,8 kV no modo comum para a classe de severidade de CEM reduzida.
NOTA 4 Os valores máximos de tensão induzida podem ser excedidos nas interfaces com transformadores de
instrumentos. Consultar as normas de transformadores de instrumentos para o adequado desempenho desses dispositivos.

2.1.2 Equipamento de manobra e mecanismo de comando para exterior

a) A temperatura do ar ambiente não excede 40°C e o seu valor médio, obtido num período de 24 h,
não excede 35°C.
A temperatura mínima do ar ambiente é – 10° C para a classe “menos 10 para exterior”, – 25°C para a cla sse
“menos 25 para exterior”, e – 40°C para a classe “m enos 40 para exterior”.

É recomendável que sejam consideradas mudanças rápidas de temperatura.


b) Não é recomendável que a radiação solar exceda 1 000 W/m2 num dia claro ao meio dia.
NOTA 1 Sob certas condições de radiação solar, medidas apropriadas, como, por exemplo, abrigo, ventilação
forçada etc., podem ser necessárias, ou a redução da característica nominal pode ser adotada, com o objetivo de não
exceder a elevação de temperatura especificada.

NOTA 2 Detalhes da radiação solar global são fornecidos na IEC 60721-2-4.

c) A altitude não excede 1 000 m.


d) O ar ambiente pode estar poluído com poeira, fumaça, gás corrosivo, vapor ou sal. A poluição não excede o
nível II de poluição - médio, conforme a tabela 1 da IEC 60815.
e) A espessura da camada de gelo não excede 1 mm para a classe 1, 10 mm para a classe 10 e 20 mm para a
classe 20.
f) A velocidade do vento não excede 34 m/s (correspondente a 700 Pa numa superfície cilíndrica).
NOTA 3 As características do vento estão descritas na IEC 60721-2-2.

g) É recomendável que a presença de condensação ou precipitações seja considerada.


NOTA 4 As características de precipitação estão definidas na IEC 60721-2-2.

h) Vibrações devido a causas externas aos equipamentos de manobra e mecanismos de comando ou devido a
tremores de terra são desprezíveis.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 7


ABNT NBR IEC 60694:2006

i) Perturbações eletromagnéticas induzidas nas interfaces do sistema secundário, como resultado de manobras
no sistema de alta tensão, não excedem 1,6 kV no modo comum para a classe de severidade de CEM normal,
e 0,8 kV no modo comum para a classe de severidade de CEM reduzida.
NOTA 5 Os valores máximos de tensão induzida podem ser excedidos nos circuitos secundários de transformadores
de instrumentos. Consultar as normas para transformadores de instrumentos para o adequado desempenho desses
dispositivos.

2.2 Condições especiais de serviço

Quando osdas
diferentes equipamentos
descritas emde2.1,
manobra de alta tensão
é recomendável que a eespecificação
mecanismosdodeusuário
comando foremaos
se refira utilizados em condições
itens normalizados a
seguir.

2.2.1 Altitude
Para instalação a uma altitude superior a 1 000 m, o nível de isolamento da isolação externa, sob condições
atmosféricas de referência normalizadas, deve ser determinado pela multiplicação das tensões suportáveis de
isolamento requeridas no local de serviço pelo fator Ka, conforme a figura 1.
NOTA 1 Para isolação interna, as características dielétricas são idênticas em qualquer altitude e nenhuma precaução
especial necessita ser tomada. Para isolação interna e externa, ver IEC 60071-2.

NOTA 2 Para equipamentos auxiliares e de controle de baixa tensão, nenhuma precaução especial necessita ser tomada se
a altitude for inferior a 2 000 m. Para altitude superior, ver IEC 60664-1.

2.2.2 Poluição
Para instalação em ambientes poluídos, é recomendável que seja especificado um nível de poluição III –
Pesado, ou IV - Muito pesado, da IEC 60815.
2.2.3 Temperatura e umidade

Para instalação em local onde a temperatura ambiente pode estar significativamente fora da faixa das condições
normais de serviço descritas em 2.1, é recomendável que as faixas preferenciais de temperatura mínima e
máxima a serem especificadas sejam:
– 50°C e + 40°C para climas muito frios;
– 5°C e + 50°C para climas muito quentes.
Em certas regiões com ocorrência freqüente de ventos quentes e úmidos, podem ocorrer mudanças bruscas na
temperatura, resultando em condensações mesmo em locais abrigados.
Em locais tropicais abrigados, o valor médio da umidade relativa medido num período de 24 h pode ser de 98%.

2.2.4 Vibrações

Para as instalações onde existe a possibilidade de ocorrência de abalos sísmicos, é recomendável que o nível de
severidade seja especificado pelo usuário conforme IEC 61166.

2.2.5 Outros parâmetros


Quando prevalecerem condições ambientais especiais no local onde o equipamento de manobra e mecanismo de
comando é para ser colocado em serviço, é recomendável que tais condições sejam especificadas pelo usuário
conforme IEC 60721.

8 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

3 Definições
Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as definições das IEC 60050(151), IEC 60050(191), IEC 60050(441),
IEC 60050(604) e IEC 60050(826).

Algumas destas definições são repetidas abaixo, para facilitar seu uso.

As definições dadas abaixo são também aplicáveis. Elas estão classificadas de acordo com a IEC 60050(441).
As definições da IEC 60050(441) não são repetidas, mas é feita referência ao número da subseção específica.
As referências de outras normas além da IEC 60050(441) são classificadas na mesma linha da classificação
usada no Vocabulário Eletrotécnico Internacional (IEC 60050(441)).
3.1 Termos gerais
3.1.1
equipamento de manobra e mecanismo de comando
[IEV 441-11-01]

3.1.2
isolação externa
distâncias na atmosfera e as superfícies em contato com o ar ambiente de uma isolação sólida do equipamento
que estejam submetidas às solicitações dielétricas e aos efeitos da condição atmosférica e a outras condições
externas, tais como poluição, umidade, pequenos animais etc.
[IEV 604-03-02]

3.1.3
código IP
sistema de codificação para indicar os graus de proteção proporcionados por um invólucro contra o acesso a
partes perigosas,
associadas penetração
com tais proteçõesde objetos sólidos estranhos, penetração de água e para dar informações adicionais
[3.4 da ABNT NBR IEC 60529]

3.1.4
proteção proporcionada por um invólucro contra o acesso a p artes perigosas
a proteção de pessoas contra:

⎯ o contato com partes mecânicas perigosas;

⎯ o contato com partes vivas de baixa tensão;

⎯ a aproximação a partes vivas de alta tensão numa distância inferior a adequada, dentro de um invólucro
[3.6 da ABNT NBR IEC 60529]
3.1.5
manutenção
combinação de todas as ações técnicas e administrativas, incluindo ações de supervisão, de modo a manter ou
restabelecer
[IEV 191-07-01]
um determinado item a um estado no qual ele possa executar as funções requisitadas
3.1.6
manutenção programada
manutenção preventiva executada de acordo com um programa estabelecido
[IEV 191-07-10]

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 9


ABNT NBR IEC 60694:2006

3.1.7
inspeção
investigação visual periódica, em serviço, dos principais pontos dos equipamentos de manobra e mecanismos de
comando, sem desmontá-los. Esta investigação é geralmente direcionada para as pressões e/ou níveis de fluidos,
estanqueidade, posição dos relés, poluição de partes isolantes, como também para ações como lubrificação,
limpeza, lavagem etc., as quais possam ser executadas com os equipamentos de manobra e mecanismo de
comando em serviço
NOTA As observações resultantes de uma inspeção podem levar à decisão de se executar um recondicionamento.

3.1.8
ensaios de diagnóstico
ensaios comparativos dos parâmetros característicos dos equipamentos de manobra e mecanismos de comando,
para verificar o desempenho de suas funções, por medição de um ou mais de seus parâmetros
NOTA Os resultados dos ensaios de diagnóstico podem levar à decisão de se executar um recondicionamento.

3.1.9
verificação
inspeção com desmontagem parcial adicional, conforme solicitado, suplementada por medições e ensaios não
destrutivos, de modo a avaliar com confiabilidade as condições dos equipamentos de manobra e mecanismos de
comando
3.1.10
recondicionamento
trabalho executado com o objetivo de reparar ou substituir partes, as quais foram encontradas fora da tolerância
pela inspeção, ensaios, exames, ou conforme solicitado pelo manual de manutenção do fabricante, de modo a
restabelecer o componente e/ou o equipamento de manobra e mecanismo de comando a uma condição aceitável

3.1.11
tempo de indisponibilidade
intervalo de tempo durante o qual um item permanece indisponível
[IEV 191-09-08]
3.1.12
falha
término da capacidade de um determinado item em executar a função solicitada
[IEV 191-04-01]
NOTA 1 Após uma falha o item apresenta um defeito.

NOTA 2 “Falha” é um evento, diferentemente de “defeito”, o qual é um estado.

NOTA 3 Este conceito, conforme definido, não se aplica aos itens constituídos somente de programas computacionais.

3.1.13
falha maior (do equipamento de manobra e mecanismo d e comando)
falha do equipamento de manobra e mecanismo de comando que ocasiona a parada de uma ou mais das suas
funções fundamentais
Uma falha maior resultará em uma imediata alteração das condições operacionais do sistema, por exemplo, os
equipamentos de proteção de retaguarda serão solicitados a eliminar a falta, ou implicará uma retirada obrigatória
de serviço dentro de 30 min para manutenção não programada
3.1.14
falha menor (do equipamento de manobra e mecanismo de comando)
qualquer falha de um elemento construtivo ou de um subconjunto, a qual não cause uma falha principal do
equipamento de manobra e mecanismo de comando

10 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

3.1.15
defeito
imperfeição no estado de um item (ou fragilidade inerente), a qual possa resultar em uma ou mais falhas do
próprio item, ou de outro item sob as condições específicas de serviço ou ambientais ou de manutenção, por um
determinado período de tempo
3.1.16
temperatura do ar ambiente
[IEV 441-11-13]

3.1.17
nível de serviço
nível do solo ou de uma plataforma permanentemente fixa do qual uma pessoa habilitada pode operar um
dispositivo
3.1.18
tipo não-exposto
tipo de componente cujas partes vivas não podem ser facilmente tocadas
3.1.19
monitorização
observação da operação de um sistema ou parte de um sistema para verificar o seu correto funcionamento pela
detecção de funcionamento incorreto; isto é efetuado pela medição de uma ou mais variáveis do sistema e
comparação dos valores medidos com os valores especificados
[IEV 351-18-24, modificada]
NOTA Várias definições são dadas para este termo na IEV. Elas são relacionadas a diferentes casos de aplicação.
A referência dada acima é para ser aplicada no caso atual.

3.1.20
supervisão
atividade efetuada manual ou automaticamente, para observar o estado de um item
[IEV 191-07-26]
NOTA Várias definições são dadas para este termo na IEV. Elas são relacionadas a diferentes casos de aplicação.
A referência dada acima é para ser aplicada no caso atual.

3.2 Conjuntos de equipamento de manobra e mecanismo de comando


3.2.1
equipamento de manobra autoprotegido
equipamento de manobra e mecanismo de comando que incorporam integralmente dispositivos limitadores de
tensão
3.2.2
amostra de ensaio
um equipamento de manobra e mecanismo de comando completo quando os pólos são acoplados
mecanicamente
ensaios (isto
tripolares. Seé,este
um não
únicoformecanismo de amostra
o caso, uma operação)
de ou quando
ensaio os pólo
é um ensaios de tipo são principalmente
do equipamento de manobra e
mecanismo de comando completo. Onde permitido nas normas IEC pertinentes, uma amostra de ensaio pode ser
um subconjunto representativo

3.3 Partes dos conjuntos


3.3.1
unidade de transporte
parte do equipamento de manobra e mecanismo de comando apropriada para transporte sem desmontagem

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 11


ABNT NBR IEC 60694:2006

3.4 Dispositivos de chaveamento


Sem definição particular.

3.5 Partes de um equipamento de manobra e mecanismo de comando


3.5.1
invólucro
parte que propicia proteção do equipamento contra certas influências externas e, em qualquer direção, proteção
contra contato direto
[IEV 826-03-12]
NOTAS Para o escopo desta Norma, esta definição extraída da IEC 60050(826) precisa das seguintes explicações:

1 Invólucros proporcionam proteção de pessoas ou animais contra o acesso a partes perigosas.

2 Barreiras, formas de abertura ou quaisquer outros meios, se acoplados ao invólucro ou constituídos por
componentes internos adequados para prevenir ou limitar a penetração de corpos-de-prova específicos são
considerados como parte do invólucro, exceto quando eles podem ser removidos sem o uso de chaves ou
ferramentas. [3.1 da ABNT NBR IEC 60529].

3.5.2
parte perigosa
parte que é perigosa à aproximação ou ao toque [3.5 da ABNT NBR IEC 60529]
3.5.3
contato
[IEV 441-15-05]

3.5.4
circuito auxiliar
[IEV 441-15-04]

3.5.5
circuito de controle
[IEV 441-15-03]
3.5.6
chave auxiliar
[IEV 441-15-11]
3.5.7
chave de controle
[IEV 441-14-46]

3.5.8
contato auxiliar
[IEV 441-15-10]
3.5.9
contato de controle
[IEV 441-15-09]
3.5.10
conexão (aparafusada ou equivalente)
dois ou mais condutores projetados para assegurar a continuidade permanente de um circuito quando unidos por
meio de parafusos, pinos ou algo equivalente

12 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

3.5.11
dispositivo indicador de posição
[IEV 441-15-25]
3.5.12
dispositivo de monitoramento
dispositivo previsto para observar automaticamente o estado de um item
[IEV 191-07-26]

3.5.13
chave-piloto
[IEV 441-14 -48]

3.5.14
contato de baixa energia
contato projetado para ser utilizado em circuitos de energia muito baixa, por exemplo, para tecnologias de
monitoramento ou de informação
NOTA Aplicações típicas são contatos inseridos em um circuito de carga no qual flui uma corrente de alguns miliamperes
a uma tensão não excedendo 10 V entre terminais.

3.5.15
entrada de cabos
parte do invólucro contendo aberturas para permitir a passagem de cabos ao seu interior

3.5.16
tampa removível
parte de um invólucro que é utilizada para fechamento de uma abertura ou acesso. É projetada para ser fixada por
meio de parafusos ou forma similar. Normalmente, não é removida após a colocação do equipamento em serviço.
3.5.17
divisória
uma parte de um invólucro que separa um compartimento de outros compartimentos
[IEV 441-13-06]

3.5.18
elemento de comando
parte de um sistema de comando no qual uma força de comando externa é aplicada
NOTA O elemento de comando pode tomar a forma de um punho, maçaneta, puxador, botoeira etc.
[IEV 441-15-22]
3.5.19
dispositivo de indicação (de um instrumento de medição)
conjunto de componentes de um instrumento de medição para indicar o valor da grandeza medida
NOTA Por extensão, o meio de indicação ou dispositivo indicador de algum instrumento tal como indicador de medição ou
um gerador de sinal.
[IEV 301-07-01]
3.5.20
emenda
dispositivo de conexão com luva(s) para acomodação de condutor(es) elétrico(s) com ou sem provisões adicionais
para acomodar e garantir o isolamento
[IEV 581-05-11]

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 13


ABNT NBR IEC 60694:2006

3.5.21
terminal
ponto de um circuito elétrico para executar uma conexão
[IEV 131-01-02]

3.5.22
bloco terminal
conjunto de terminais num invólucro ou corpo de material isolante para facilitar a interconexão entre condutores
múltiplos
[IEV 581-06-36]
3.5.23
condutor neutro (símbolo N)
condutor conectado ao ponto neutro de um sistema e capaz de contribuir para a condução de energia elétrica
[IEV 826-01-03]

3.5.24
condutor de p roteção (símbolo PE)
condutor requerido por algumas medidas de proteção contra choque elétrico para qualquer conexão elétrica das
seguintes partes:

⎯ partes metálicas expostas;

⎯ partes condutoras extrínsecas;

⎯ terminal principal de aterramento;

⎯ eletrodo de terra;

⎯ ponto aterrado da fonte ou neutro artificial.


[IEV 826-04-05]
3.5.25
condutor PEN
condutor aterrado combinando as funções de condutor de proteção e condutor neutro
NOTA O acrônimo PEN resulta da combinação dos símbolos PE para condutor de proteção e N para o condutor Neutro.
[IEV 826-04-06]

3.5.26
relé de tudo ou nada
relé elétrico que se destina a ser energizado por uma grandeza cujo valor está dentro da sua faixa de operação ou
efetivamente zero
[IEV 446-11-02]
3.5.27
relé elétrico térmico
relé
srcemde elétrica
mediçãopela
dependente
mediçãododotempo
fluxo que
de se destinaatravés
corrente a proteger um equipamento
do equipamento contra edanos
protegido por térmicos
uma curvade
característica simulando o seu comportamento térmico
[IEV 446-15-16]

14 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

3.5.28
contator (mecânico)
dispositivo de manobra mecânico que possui apenas uma posição de descanso, operado de outra forma que não
seja manual, capaz de estabelecer, conduzir e interromper correntes sob condições normais de circuito, incluindo
as condições de operação em sobrecarga
NOTA Os contatores podem ser projetados de acordo com o método segundo o qual é fornecida a força para fechamento
dos contatos principais.
[IEV 441-14-33]

3.5.29
dispositivo de partida
combinação de todos os meios de manobra necessários para partir e parar um motor em associação com uma
proteção adequada de sobrecarga
NOTA Os dispositivos de partida podem ser projetados de acordo com o método no qual é fornecida a força para
fechamento dos contados principais.
[IEV 441-14-38]
3.5.30
disparador em d erivação
disparador energizado por uma fonte de tensão
NOTA A fonte de tensão pode ser independente da tensão do circuito principal.
[IEV 441-16-41]
3.5.31
chave
componente provido de um elemento de comando e contatos para estabelecer e interromper uma conexão
[IEV 581-10-01]
3.5.32
circuito de distribuição (de edificações)
circuito que alimenta um quadro de distribuição
[IEV 826-05-02]
3.5.33
circuito terminal (de edificações)
circuito conectado diretamente a equipamentos ou tomadas elétricas
[IEV 826-05-03]

3.5.34
chave tipo alavanca
chave que possui uma alavanca, cujo movimento resulta direta ou indiretamente na conexão ou desconexão das
terminações da chave de maneira especificada. Qualquer ação indireta através de um mecanismo de atuação
deve ser tal que a velocidade de conexão e/ou desconexão seja independente da velocidade de movimento da
alavanca
[IEV 581-10-11]
3.5.35
seccionador
dispositivo de chaveamento mecânico que assegura, na posição aberta, uma distância de isolação de acordo com
os requisitos especificados
NOTA Um seccionador é capaz de abrir e fechar quando uma corrente desprezível é interrompida ou estabelecida, ou
quando ocorre uma tensão insignificante através dos terminais de cada um dos seus pólos. É também capaz de conduzir
correntes sob condições normais de circuito e conduzir correntes por um período de tempo especificado, sob condições
anormais, tais como aquelas de curto-circuito.
[IEV 441-14-05]

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 15


ABNT NBR IEC 60694:2006

3.5.36
contador de operações
dispositivo que indica o número de ciclos de operação efetuado por um dispositivo de manobra mecânico
3.5.37
lâmpada de sinalização
lâmpada utilizada como um sinalizador
[IEV 811-31-06]

3.5.38
plugues
meios quee permitem
tomadas conectar, à vontade, um cabo flexível a uma fiação fixa

NOTA A aplicação destes meios é mostrada na figura 1 da IEC 60309-1.

3.5.39
acoplador de cabos
meios que permitem conectar, à vontade, dois cabos flexíveis
NOTA A aplicação destes meios é mostrada na figura 1 da IEC 60309-1.

3.5.40
acoplador de equipamentos
meios que permitem conectar, à vontade, um cabo flexível a um equipamento
NOTA A aplicação destes meios é mostrada na figura 1 da IEC 60309-1.

3.5.41
conector
componente colocado na extremidade de condutores, a fim de permitir a conexão e desconexão a outro
componente compatível
[IEV 581-06-01]

3.5.42
bobina
conjunto de espiras, normalmente coaxiais, conectadas em série
[IEV 151-01-21]
3.5.43
componente estático de chaveamento
dispositivo em que a ação de chaveamento é desenvolvida através de meio eletrônico, magnético, ótico ou outros
componentes sem movimento mecânico.
3.5.44
sistema secundário
sistema constituído pelos:
⎯ circuitos de controle e auxiliares, montados sobre ou próximo a equipamento de manobra ou mecanismo de
controle, incluindo os circuitos em cubículos de controle;
⎯ de equipamento
manobra oupara monitoramento,
mecanismo diagnóstico etc., que é integrante dos circuitos auxiliares do equipamento
de controle;
⎯ circuitos ligados ao terminal secundário de transformadores de instrumentos, que são integrantes do
equipamento de manobra ou mecanismo de controle.

16 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

3.5.45
subconjunto (de um sistema secundário)
parte de um sistema secundário, com respeito à função ou posição. Um subconjunto é normalmente instalado num
invólucro separado e deve ter sua própria interface

3.5.46
subconjunto intercambiável (de um sistema secundário)
subconjunto planejado para ser instalado em várias posições de um sistema secundário, ou planejado para ser
substituído por outros subconjuntos similares. Um subconjunto intercambiável tem interface acessível

3.6 Operação
3.6.1
operação não-manual dependente
[IEV 441-16-14]
3.6.2
operação por energia acumulada
[IEV 441-16-15]
3.6.3
operação efetuada corretamente
operação que, de acordo com os requisitos especificados, é prevista para assegurar que contatos auxiliares de um
dispositivo mecânico de manobra estejam nas respectivas posições correspondentes à posição de abertura ou
fechamento dos contatos principais
IEV 441-16-12, modificado
NOTA Um dispositivo que assegura uma operação correta é feito pela associação de uma parte móvel
(ligada
No casomecanicamente ao contatomecânicos,
dos contatos auxiliares principal esse
do circuito
elementoprimário,
sensorsem
podea ser
utilização de molas)
simplesmente e um elemento
o contato sensor.
fixo, diretamente
conectado ao terminal secundário. No caso onde a função é obtida eletronicamente, o elemento sensor pode ser um transdutor
estático (ótico, magnético etc.) associado a uma chave estática com um elemento transmissor eletrônico ou eletroótico.

3.6.4 Definições relativas à pressão (ou densidade)


3.6.4.1
pressão de enchimento nominal para isol amento pre (ou densidade ρre)
pressão em Pascal (Pa), para isolamento e/ou manobra, referida às condições atmosféricas padrão de + 20°
Ce
101,3 kPa (ou densidade), que pode ser expressa em termos relativos ou absolutos, para a qual o conjunto é
enchido antes de ser colocado em serviço, ou reenchido automaticamente
3.6.4.2
pressão de enchimento nominal para operação prm (ou densidade ρrm)
pressão em Pascal (Pa), referida às condições atmosféricas padrão de + 20°C e 101,3 kPa (ou densidade) , que
pode ser expressa em termos relativos ou absolutos, para a qual o dispositivo de comando é enchido antes de ser
colocado em serviço, ou reenchido automaticamente

3.6.4.3
pressão de alarme para isolamento pae (ou densidade ρae)
pressão em Pascal (Pa), paraisolamento e/ou manobra, referida às condições atmosféricas padrão de +20°C e
101,3 kPa (ou densidade), que pode ser expressa em termos relativos ou absolutos, na qual um sinal
de monitoramento pode ser usado para indicar a necessidade de reenchimento em um tempo relativamente curto

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 17


ABNT NBR IEC 60694:2006

3.6.4.4
pressão de alarme para operação pam (ou densidade ρam)
pressão em Pascal (Pa), referida às condições atmosféricas padrão de + 20°C e 101,3 kPa (ou densidade) , que
pode ser expressa em termos relativos ou absolutos, na qual um sinal de monitoramento pode ser usado para
indicar a necessidade de reenchimento do dispositivo de comando em um tempo relativamente curto
3.6.4.5
pressão mínima funcional para isolamento pme (ou densidade ρme)
pressão em Pascal (Pa), para isolamento e/ou manobra, referida às condições atmosféricas padrão de+ 20°C e
101,3 kPa (ou densidade), que pode ser expressa em termos relativos ou absolutos, na qual e acima da qual as
características nominais do equipamento de manobra e mecanismo de comando são mantidas e um reenchimento
torna-se necessário

3.6.4.6
pressão mínima funcional p ara operação pmm (ou densidade ρmm)
pressão em Pascal (Pa), referida às condições atmosféricas padrão de + 20°C e 101,3 kPa (ou densidade),
que pode ser expressa em termos relativos ou absolutos, na qual e acima da qual as características nominais do
equipamento de manobra e mecanismo de comando são mantidas e um reenchimento do dispositivo de comando
torna-se necessário. Essa pressão é freqüentemente designada como pressão de bloqueio

3.6.5 Definições relativas à estanqueidade de gás ou vácuo

Essas definições são aplicáveis a todo equipamento de manobra e mecanismo de comando que usem vácuo ou
gás, exceto o ar à pressão atmosférica, como isolante, meio de interrupção ou fluido de operação
3.6.5.1
compartimento preenchido a gás
compartimento de um equipamento de manobra e mecanismo de comando no qual a pressão de gás é mantida
por um dos seguintes sistemas:
a) sistema de pressão controlado;

b) sistema de pressão fechado;

c) sistema de pressão selado.


NOTA Alguns compartimentos preenchidos a gás podem ser permanentemente interconectados para formar um sistema
de gás comum (conjunto estanque a gás).

3.6.5.2
sistema de pressão controlado p ara gás
volume que é automaticamente reposto por uma fonte de gás externa ou interna
NOTA 1 Exemplos de sistema de pressão controlado são os disjuntores a ar comprimido ou mecanismos de operação
pneumáticos.

NOTA 2 O volume pode ser constituído de vários compartimentos preenchidos a gás permanentemente interconectados.

3.6.5.3
sistema de pressão fechado para gás
volume que é reposto, quando necessário, por uma conexão manual a uma fonte externa de gás
NOTA Exemplos de sistema de pressão fechado são os disjuntores a SF6 de pressão única.

18 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

3.6.5.4
sistema de pressão selado
volume para o qual nenhum processamento posterior de gás ou vácuo é necessário durante a vida útil esperada
NOTA 1 Exemplos de sistema de pressão selado são ampolas de disjuntores a vácuo ou alguns disjuntores a SF6.

NOTA 2 Sistemas de pressão selados são completamente montados e testados na fábrica.

3.6.5.5
taxa de vazamento absoluta, F
3
quantidade de gás escapado por unidade de tempo, expressa em Pa.m /s
3.6.5.6
taxa de vazamento permitida, Fp
máxima taxa de vazamento absoluta de gás permitida, especificada pelo fabricante para uma parte, um
componente ou um subconjunto, ou pelo uso do gráfico de coordenação de estanqueidade (TC), para uma
combinação de partes, componentes ou subconjuntos conectados em um único sistema de pressão
3.6.5.7
taxa de vazamento relativa, Frel
taxa de vazamento absoluta relacionada com a quantidade total de gás em um sistema na pressão nominal de
enchimento (ou densidade). É expressa em percentagem por ano ou por dia

3.6.5.8
tempo entre reenchimentos, T
tempo decorrido entre dois reenchimentos realizados manual ou automaticamente quando a pressão (densidade)
alcança o nível de alarme, para compensar a taxa de vazamento absoluta F

3.6.5.9
número de reenchimentos por dia, N
número de reenchimentos para compensar a taxa de vazamento absoluta F. Esse valor é aplicado a sistemas de
pressão controlados
3.6.5.10
queda de pressão, Δp
queda de pressão, em um dado tempo, causada pela taxa de vazamento absoluta F, sem reenchimento

3.6.5.11
gráfico de coordenação de estanqueidade, TC
documento fornecido pelo fabricante para demonstrar a relação entre a estanqueidade do sistema completo e a de
partes, componentes ou subconjuntos, durante a realização de ensaios

3.6.5.12
medição de vazamento cumulativa
medição que leva em consideração todos os vazamentos de um dado conjunto para determinar taxas de
vazamento

3.6.5.12
rastreamento de vazamento
ação de mover vagarosamente a ponta de prova do medidor de vazamento em torno de um conjunto para localizar
vazamentos de gás

3.6.6 Definições relativas à estanqueidade de líquidos

Essas definições são aplicáveis a todos os equipamentos de manobra e mecanismos de comando que usem
líquidos como isolante, meio de interrupção ou fluido de operação, com ou sem pressão permanente.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 19


ABNT NBR IEC 60694:2006

3.6.6.1
sistema de pressão controlado p ara líquido
volume que é automaticamente reposto com líquido
3.6.6.2
sistema de pressão fechado para líquido
volume que é reposto manualmente, quando necessário, com líquido
3.6.6.3
taxa de vazamento absoluta, Fliq
3
quantidade de líquido perdido por unidade de tempo, expressa em cm /s
3.6.6.4
taxa de vazamento permitida, Fp (liq)
máxima taxa de vazamento absoluta permitida, especificada pelo fabricante para um sistema de pressão
3.6.6.5
número de reenchimentos por dia, Nliq
número de reenchimentos para compensar a taxa de vazamento absoluta Fliq. Esse valor é aplicável a sistemas de
pressão controlados

3.6.6.6
queda de pressão, Δ Pliq
queda de pressão, em um dado tempo, causada pela taxa de vazamento absolula Fliq, sem reenchimento

3.7 Grandezas características


3.7.1
distância
[IEV de seccionamento
441-17-35]
3.7.2
grau de proteção
extensão de proteção proporcionada por um invólucro contra acesso apartes perigosas, contra penetração de objetos
sólidos estranhos e/ou de água verificada por métodos de ensaios normalizados [3.3 da ABNT NBR IEC 60529]
3.7.3
valor nominal
valor quantitativo designado, geralmente pelo fabricante, para uma condição específica de operação de um
dispositivo, componente ou equipamento
[IEV 151-04 -03]

3.8 Índice de definições

A
Amostra de ensaio............................................................................................................................... 3.2.2

C
Chave auxiliar...................................................................................................................................... 3.5.6
Chave de controle................................................................................................................................ 3.5.7
Chave-piloto......................................................................................................................................... 3.5.13
Circuito auxiliar..................................................................................................................................... 3.5.4
Circuito de controle.............................................................................................................................. 3.5.5

20 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Código IP............................................................................................................................................. 3.1.3


Compartimento preenchido a gás........................................................................................................ 3.5.5.1
Conexão............................................................................................................................................... 3.5.10
Contato................................................................................................................................................. 3.5.3
Contato auxiliar.................................................................................................................................... 3.5.8
Contato de baixa energia..................................................................................................................... 3.5.14
Contato de controle.............................................................................................................................. 3.5.9

D
Defeito.................................................................................................................................................. 3.1.15
Dispositivo de monitoramento.............................................................................................................. 3.5.12
Dispositivo indicador de posição.......................................................................................................... 3.5.11
Distância de seccionamento................................................................................................................ 3.7.1

E
Ensaios de diagnóstico........................................................................................................................ 3.1.8
Equipamento de manobra autoprotegido............................................................................................. 3.2.1
Equipamento de manobra e mecanismo de comando........................................................................ 3.1.1

F
Falha.................................................................................................................................................... 3.1.12
Falha maior.......................................................................................................................................... 3.1.13
Falha menor......................................................................................................................................... 3.1.14

G
Gráfico de coordenação de estanqueidade......................................................................................... 3.6.5.11
Grau de proteção................................................................................................................................. 3.7.2

I
Inspeção................................................................................................................................................ 3.1.7
Invólucro................................................................................................................................................ 3.5.1
Isolação externa.................................................................................................................................... 3.1.2

M
Manutenção.......................................................................................................................................... 3.1.5
Manutenção programada...................................................................................................................... 3.1.6
Medição de vazamento cumulativa....................................................................................................... 3.6.5.12
N
Número de reenchimentos por dia........................................................................................................ 3.6.5.9 e 3.6.6.5

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 21


ABNT NBR IEC 60694:2006

O
Operação efetuada corretamente......................................................................................................... 3.6.3
Operação não-manual dependente...................................................................................................... 3.6.1
Operação por energia acumulada........................................................................................................ 3.6.2

P
Parte perigosa....................................................................................................................................... 3.5.2
Pressão de alarme para isolamento..................................................................................................... 3.6.4.3
Pressão de alarme para operação........................................................................................................ 3.6.4.4
Pressão de enchimento nominal para isolamento................................................................................ 3.6.4.1
Pressão de enchimento nominal para operação.................................................................................. 3.6.4.2
Pressão mínima funcional para isolamento.......................................................................................... 3.6.4.5
Pressão mínima funcional para operação............................................................................................ 3.6.4.6
Proteção proporcionada por um invólucro contra o acesso a partes perigosas................................... 3.1.4

Q
Queda de pressão................................................................................................................................ 3.6.5.10 e 3.6.6.6

R
Rastreamento de vazamento................................................................................................................ 3.6.5.13
Recondicionamento.............................................................................................................................. 3.1.10

S
Sistema de pressão controlado para gás............................................................................................. 3.6.5.2
Sistema de pressão controlado para líquido......................................................................................... 3.6.6.1
Sistema de pressão fechado para gás................................................................................................. 3.6.5.3
Sistema de pressão fechado para líquido............................................................................................. 3.6.6.2
Sistema de pressão selado................................................................................................................... 3.6.5.4

T
Taxa de vazamento absoluta................................................................................................................ 3.6.5.5 e 3.6.6.3
Taxa de vazamento permitida............................................................................................................... 3.6.5.6 e 3.6.6.4
Taxa de vazamento relativa.................................................................................................................. 3.6.5.7
Temperatura do ar ambiente................................................................................................................ 3.1.16
Tempo de indisponibilidade.................................................................................................................. 3.1.11

Tempo entre reenchimentos................................................................................................................. 3.6.5.8


U
Unidade de transporte.......................................................................................................................... 3.3.1

V
Valor nominal........................................................................................................................................ 3.7.3
Verificação............................................................................................................................................ 3.1.9

22 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

4 Características nominais
É recomendável que as características comuns aos equipamento de manobra e mecanismos de comando,
incluindo seus dispositivos de operação e equipamentos auxiliares, sejam escolhidas conforme relacionado a
seguir:

a) tensão nominal (Ur)

b) nível de isolamento nominal

c) freqüência nominal (fr)


d) corrente nominal de regime contínuo (Ir)
e) corrente suportável nominal de curta duração (Ik)

f) valor de crista da corrente suportável nominal (Ip)

g) duração nominal da corrente suportável de curta duração (tk)

h) tensão nominal de alimentação dos dispositivos de abertura e fechamento e dos circuitos auxiliares (Ua)

i) freqüência nominal dos dispositivos de abertura e fechamento e dos circuitos auxiliares

j) pressão nominal da fonte de gás comprimido para isolamento ou operação.


NOTA Outras características nominais podem ser necessárias e serão especificadas nas normas da IEC aplicáveis.

4.1 Tensão nominal (Ur)


A tensão nominal corresponde ao limite superior da tensão máxima do sistema onde o equipamento de manobra e
mecanismo de comando é previsto ser utilizado. Valores nominais padronizados de tensões são apresentados
abaixo:
NOTA Por razões editoriais, principalmente devido às tensões de restabelecimento transitórias, a subdivisão das classes
de tensão difere daquela da IEC 60038.

4.1.1 Classe I para tensões nominais iguais ou inferiores a 245 kV

Série I 3,6 kV – 7,2 kV – 12 kV – 17,5 kV – 24 kV – 36 kV – 52 kV – 72,5 kV – 100 kV – 123 kV – 145 kV –


170 kV - 245 kV.

Série II (baseado em valores praticados na América do Norte): 4,76 kV – 8,25 kV – 15 kV – 25,8 kV – 38 kV –


48,3 kV – 72,5 kV.4)

4.1.2 Classe II para tensões nominais superiores a 245 kV

300 kV - 362 kV - 420 kV - 550 kV - 800 kV5).

4)
NOTA DE TRADUÇÃO No Brasil são praticados os seguintes valores: 24,2 kV – 36,2 kV – 92,4 kV – 242 kV.
5)
NOTA DE TRADUÇÃO No Brasil é praticado o seguinte valor: 460 kV.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 23


ABNT NBR IEC 60694:2006

4.2 Nível de isolamento nominal


O nível de isolamento nominal de um equipamento de manobra e mecanismo de comando deve ser escolhido de
acordo com os valores apresentados nas tabelas 1 e 2.

Nestas tabelas, os valores de tensão suportável são válidos para as condições atmosféricas de referência
normalizadas (temperatura, pressão e umidade) especificado na IEC 60071-1. Para as condições especiais de
serviço, ver 2.2.
Os valores de tensão nominal suportável de impulso atmosférico (Up), tensão de impulso de manobra (Us)
(quando aplicável) e tensão à freqüência industrial ( Ud) devem ser escolhidos sem o cruzamento de linhas
horizontais. O nível de isolamento nominal é especificado pela tensão nominal suportável de impulso atmosférico
entre fase e terra.

Para a maioria das tensões nominais, existem vários níveis de isolamento nominal para permitir a aplicação de
critérios de desempenho diferentes ou padrões de sobretensão. É recomendável que a escolha seja feita
considerando-se o grau de exposição a sobretensões de frente rápida e frente lenta, o tipo de aterramento do
neutro do sistema e o tipo dos dispositivos limitadores de sobretensão (ver IEC 60071-2).

Os “valores comuns” utilizados nas tabelas 1a e 1b são válidos para fase e terra, entre fases e entre os contatos
abertos do dispositivo de manobra, se não especificado ao contrário nesta Norma. Os valores de tensões
suportáveis “entre a distância de seccionamento” são válidos somente para os dispositivos de manobra onde as
distâncias entre contatos abertos são projetadas para satisfazer as condições de segurança especificadas para
seccionadores.

Para mais informações sobre níveis de isolamento, ver anexo D.

24 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Tabela 1a — Níveis de isolamento nominais para tensões nominais da classe I, série I6)

Tensão nominal Tensão suportável nominalde Tensão suportável nominal


curta duração à freqüência de impulso atmosférico
Ur
industrial
Up
kV (eficaz) Ud

kV (eficaz) kV (crista)
Valor Entre a distância Valor comum Entre a distância
de de
comum seccionamento seccionamento
(1) (2) (3) (4) (5)
3,6 10 12 20 23
40 46
7,2 20 23 40 46
60 70
12 28 32 60 70
75 85
17,5 38 45 75 85
95 110
24 50 60 95 110
125 145
36 70 80 145 165
170 195
52 95 110 250 290
72,5 140 160 325 375
100 150 175 380 440
185 210 450 520
123 185 210 450 520
230 265 550 630
145 230 265 550 630
275 315 650 750
170 275 315 650 750
325 375 750 860
245 360 415 850 950

395 460 950 1 050


460 530 1 050 1 200

6)
NOTA DE TRADUÇÃO No Brasil são praticados os seguintes valores: 24,2 kV – 36,2 kV – 92,4 kV – 242 kV.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 25


ABNT NBR IEC 60694:2006

Tabela 1b — Níveis de isolamento nominais para tensões nominais da classe I,


série II (utilizado na América do Norte)*7)
Tensão nominal Tensão suportável nominal decurta Tensão suportável nominal
duração à freqüência industrial de impulso
Ur
Ud atmosférico
kV (eficaz)
Up
kV (eficaz)
kV (crista)
Valor comum Entre a distância Valor Entre a
de seccionamento comum distância de
seccionamento
Seco Sob Seco Sob
chuva** chuva **
(1) (2) (2 a) (3) (3 a) (4) (5)

4,76 19 - 21 - 60 70
8,25 26 24 29 27 75 80
35 30 39 33 95 105
15 35 30 39 33 95 105
50 45 55 50 110 125
25,8 50 45 55 50 125 140
70 60 77 66 150 165
38 70 60 77 66 150 165

95 80 105 88 200 220


48,3 120 100 132 110 250 275
72,5 160 140 176 154 350 385
* Para as tensões nominais superiores a 72,5 kV até 245 kV inclusive, são aplicáveis os valores
da tabela 1a.
** A duração da aplicação das tensões sob chuva é de 10 s para equipamentos externos.
Ver 9.2 da IEC 60060-1.

7)
NOTA DE TRADUÇÃO No Brasil é praticado o seguinte valor: 460 kV.

26 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Tabela 2a — Níveis de isolamento nominal para tensões nominais da cl asse II


Tensão Tensão suportável nominal Tensão suportável nominal Tensão suportável nominal de
nominal de curta duração à de impulso de manobra impulso atmosférico
freqüência industrial
Ur Us Up
Ud

kV (eficaz) kV (eficaz) kV (crista) kV (crista)

Fase-terra Entre contatos Entre fase e Entre fases Entre distância Fase-terra e Entre contatos
e entre abertos do terra e entre de entre fases abertos do
fases dispositivo de dispositivo (notas 3 e 4) seccionamento dispositivo de
manobra e/ou de manobra
(nota 3) entre distância aberto (notas 1, 2 e 3) manobra e/ou
de entre distância
seccionamento de
seccionamento
(nota 3)
(notas 2 e 3)
(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8)
300 380 435 750 1 125 700 (+ 245) 950 950 (+ 170)
850 1 275 1 050 1050 (+ 170)
362 450 520 850 1 275 800 (+ 295) 1 050 1 050 (+ 205)
950 1 425 1 175 1 175 (+ 205)
420 520 610 950 1 425 900 (+ 345) 1 300 1 300 (+ 240)
1 050 1 575 1 425 1 425 (+ 240)
550 620 800 1 050 1 680 900 (+ 450) 1 425 1 425 (+ 315)
1 175 1 760 1 550 1 550 (+ 315)
800 830 1 150 1 300 2 210 1 100 (+ 650) 1 800 1 800 (+ 455)
1 425 2 420 2 100 2 100 (+ 455)
NOTA 1 A coluna (6) é também aplicável a alguns disjuntores; ver IEC 60056.

NOTA 2 Na coluna (6), os valores entre parênteses são os valores de crista da tensão à freqüência industrial U i 2 3 , aplicada ao
terminal oposto (tensão combinada).

Na coluna (8), os valores entre parênteses são valores de crista da tensão à freqüência industrial 0,7 Ur U i 2 3 , aplicada ao terminal
oposto (tensão c ombinada).
Ver anexo D.
NOTA 3 Os valores da coluna (2) são aplicáveis:
a) para ensaios de tipo fase-terra,
b) para ensaios de rotina fase-terra, fase-fase e entre contatos abertos do dispositivo de manobra.
Os valores das colunas (3), (5), (6) e (8) são aplicáveis somente para ensaios de tipo.
NOTA 4 Esses valores são derivados dos fatores multiplicadores apresentados na tabela 3 da IEC 60071-1.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 27


ABNT NBR IEC 60694:2006

Tabela 2b — Níveis de isolamento nominal utilizados na América do Norte para classe II


Tensão Tensão suportável nominal de curta Tensão suportável nominal de impulso Tensão suportável nominal de
nominal duração à freqüência industrial de manobra impulso atmosférico
Ur Ud Us Up

kV (eficaz) kV (eficaz) kV (crista) kV (crista)


Fase-terra Entre contatos abertos Fase-terra e entre Entre fases Entre distância de Fase-terra Entre contatos
e entre fases do dispositivo de dispositivo de seccionamento e entre fases abertos do
manobra e/ou entre manobra aberto (notas 3 e 4) dispositivo de
(nota 3) distância de (notas 1, 2 e 3) manobra e/ou entre
seccionamento distância de
seccionamento
(nota 3)
(notas 2 e 3)
(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8)
362 520 610 950 1425 800 (+ 295) 1 300 1 300 (+ 205)
550 710 890 1 175 2 210 900 (+ 450) 1 800 1 800 (+ 315)
As notas são as mesmas da tabela 2a.

4.3 Freqüência nominal (fr)

Os valores normalizados de freqüência nominal são 16 2/3 Hz, 25 Hz, 50 Hz e 60 H z8 .

4.4 Corrente nominal de regime contínuo e elevação de temperatura

4.4.1 Corrente nominal de regime contínuo (Ir)


A corrente nominal de regime contínuo do equipamento de manobra e mecanismo de comando é o valor eficaz da
corrente que este deve ser capaz de conduzir continuamente sob as condições especificadas de uso e
funcionamento.

É conveniente que os valores das correntes nominais de regime contínuo sejam escolhidos da série R 10,
especificada na IEC 60059.
NOTA 1 A série R 10 compreende os números 1 - 1,25 - 1,6 - 2 - 2,5 - 3,15 - 4 - 5 - 6,3 - 8 e os seus produtos por 10n.

NOTA 2 Correntes nominais para serviço temporário ou intermitentes estão sujeitas a acordo entre usuário e fabricante.

4.4.2 Elevação de temperatura

A elevação de temperatura de qualquer parte do equipamento de manobra e mecanismo de comando, a uma


temperatura ambiente não superior a 40°C, não deve exceder os valores limites de elevação de temperatura
especificados na tabela 3, sob as condições especificadas nas seções de ensaio

8 NOTA DE TRADUÇÃO A freqüência nominal do Brasil é 60 Hz.

28 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Tabela 3 — L imites de temperatura e elevação de temperatura para diferentes partes, materiais e


dielétricos de equipamentos de manobra de alta-tensão e mecanismo de comando
Valor máximo
Natureza da parte, do material e do dielétrico Temperatura Elevação de temperatura para
(Ver pontos 1, 2, 3) (ver nota) uma temperatura ambiente não
excedendo 40°C
°C K
1 Contatos (ver ponto 4)
Cobre nu ou liga de cobre nu
- no ar 75 35
- no SF6 (ver ponto 5) 105 65
- no óleo 80 40
Prateados ou niquelados (ver ponto 6)
- no ar 105 65
- no SF6 (ver ponto 5) 105 65
- no óleo 90 50
Estanhados (ver ponto 6)
- no ar 90 50
- no SF6 (ver ponto 5) 90 50
- no óleo 90 50
2 Conexões, aparafusadasou equivalente (ver ponto 4)
Cobre nu, liga de cobre nu ou liga de alumínio nu
- no ar 90 50
- no SF6 (ver ponto 5) 115 75
- no óleo 100 60
Prateadas ou niqueladas (ver ponto 6)
- no ar 115 75
- no SF6 (ver ponto 5) 115 75
- no óleo 100 60
Estanhadas
- no ar 105 65
- no SF6 (ver ponto 5) 105 65
- no óleo 100 60
3 Todos os outros contatos ou conexões feitos de metais nus (ver ponto 7) (ver ponto 7)
ou revestidos de outros materiais
4 Terminais para conexão a condutores externos através de
parafusos (ver ponto 8)
- nus 90 50
- prateados, niquelados ou estanhados 105 65
- outros revestimentos (ver ponto 7) (ver ponto 7)
5 Dispositivo de manobra a óleo (ver pontos 9 e 10) 90 50
6 Partes metálicas atuando como molas (ver ponto 11) (ver ponto 11)
7 Materiais isolantes e partes metálicas em contato com
isolantes das seguintes classes (ver ponto 12)
-Y 90 50
-A 105 65
-E 120 80
-B 130 90
-F 155 115
- Esmalte: à base de óleo 100 60
sintético 120 80
-H 180 140
- C outros materiais isolantes (ver ponto 13) (ver ponto 13)
8 Qualquer parte metálica ou material isolante em contato 100 60
com óleo, exceto contatos
9 Partes acessíveis
- possibilidade de toque em operação normal 70 30
- sem necessidade de ser tocado em operação normal 80 40
NOTA Os pontos referidos nesta tabela são aqueles de 4.4.3.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 29


ABNT NBR IEC 60694:2006

4.4.3 Pontos particulares da tabela 3

Os seguintes pontos são referidos na tabela 3 e a completam.

Ponto 1 Segundo a sua função, a mesma parte pode pertencer a diversas categorias, como listado na tabela 3.

Neste caso, os valores máximos permissíveis de temperatura e elevação de temperatura a serem


considerados são os menores entre as categorias pertinentes.
Ponto 2 Para dispositivos de manobra a vácuo, os valores limites de temperatura e de elevação de temperatura
não são aplicáveis
temperatura para asdepartes
e de elevação sob vácuo.
temperatura As demais
indicados na tabelapartes
3. não devem exceder os valores de
Ponto 3 Todas as precauções necessárias devem ser tomadas para assegurar que nenhum dano seja causado
aos materiais isolantes circunvizinhos.

Ponto 4 Quando partes de contatos ou conexões possuem revestimentos diferentes ou uma das partes sem
revestimento, os valores de temperatura e de elevação de temperatura permissíveis devem ser:

a) para os contatos, o menor valor entre os limites indicados para os materiais da superfície dessas
partes, conforme item 1 da tabela 3;

b) para as conexões, o maior valor entre os limites indicados para os materiais da superfície dessas
partes, conforme item 2 da tabela 3.

Ponto 5 A expressão SF6 indica gás SF6 puro ou mistura de SF6 com outros gases livres de oxigênio.
NOTA 1 Devido à ausência de oxigênio, uma harmonização dos limites de temperatura para partes diferentes dos contatos
e conexões, no caso de equipamentos de manobra em SF6, parece apropriado. Conforme a IEC 60943 (guia para a
especificação de temperaturas permissíveis), os limites de temperatura permissíveis para partes de cobre nu e liga de cobre nu
podem ser equalizados aos valores para partes prateadas ou niqueladas, no caso de ambiente em 6SF .

No caso particular de partes estanhadas, devido aos efeitos da corrosão por desgaste (referir a IEC 60943), um aumento das
temperaturas permissíveis não é aplicável, mesmo em SF6 livre de oxigênio. Portanto, os valores iniciais para partes
estanhadas são mantidos.

NOTA 2 As elevações de temperatura para contatos de cobre nu e prateados em SF6 estão sob consideração.

Ponto 6 A qualidade dos contatos revestidos deve ser tal que uma camada contínua do material de
revestimento permaneça na área de contato após os seguintes ensaios, realizados conforme as
especificações pertinentes a cada equipamento:

a) ensaio de estabelecimento e interrupção (se aplicável);

b) ensaio de corrente suportável de curta duração;

c) ensaio de durabilidade mecânica.


De acordo com as especificações particulares para cada equipamento. Caso contrário, os contatos
devem ser considerados “nus”.
Ponto 7 Quando são utilizados materiais diferentes daqueles apresentados na tabela 3, suas propriedades
devem ser consideradas para se determinarem as máximas de temperatura permissíveis.
Ponto 8 Os valores de temperatura e de elevação de temperatura são válidos ainda mesmo quando um
condutor nu é conectado aos terminais.

Ponto 9 Temperatura medida no nível superior do óleo.

30 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Ponto 10 É conveniente que a vaporização e a oxidação sejam particularmente consideradas quando for
utilizado óleo de baixo ponto de fulgor.
Ponto 11 A temperatura não deve alcançar valores que comprometam a elasticidade do material.

Ponto 12 As classes de material isolante são as estabelecidas na IEC 60085.

Ponto 13 Os valores da temperatura deste material são limitados somente pelo requisito de não causar danos às
partes circunvizinhas.

4.5 Corrente suportável nominal de curta duração (Ik)


É o valor eficaz da corrente que o equipamento de manobra e mecanismo de comando pode conduzir na posição
fechada durante um curto período de tempo especificado, conforme condições de uso e comportamento prescritas.

É conveniente que os valores eficazes padronizados de corrente suportável nominal de curta duração sejam
escolhidos da série R 10 especificada na IEC 60059, e devem ser iguais aos valores de curto-circuito designados
para o equipamento de manobra e mecanismo de comando.
NOTA A série R 10 compreende os números 1 - 1,25 - 1,6 - 2 - 2,5 - 3,15 - 4 - 5 - 6,3 - 8 e os seus produtos por 10n.

4.6 Valor de crista da corrente suportável nominal (Ip)


O pico da corrente associado com a primeira maior alternância da corrente suportável nominal de curta duração
que o equipamento de manobra e mecanismo de comando pode conduzir na posição fechada sob condições
prescritas de uso e comportamento.

O valor de crista da corrente suportável nominal deve corresponder à freqüência nominal. Para uma freqüência
nominal de 50 Hz e menor, é igual a 2,5 vezes o valor da corrente suportável nominal de curta duração e, para
uma freqüência nominal de 60 Hz, 2,6 vezes.
NOTA Valores superiores a 2,5 ou 2,6 vezes o valor da corrente suportável nominal de curta duração podem ser
solicitados se as características do sistema assim o exigirem.

4.7 Duração nominal do curto-circuito (tk)


É o intervalo de tempo no qual o equipamento de manobra e mecanismo de comando pode conduzir, na posição
fechada, uma corrente igual à sua corrente suportável nominal de curta duração.

A duração padronizada desse intervalo de curto-circuito é de 1 s.

Se for necessário, pode ser escolhido um valor menor ou maior que 1s. Os valores recomendados são 0,5 s, 2s e 3 s.

4.8 Tensão nominal de alimentação dos dispositivos de fechamento e abertura e dos circuitos
auxiliar e de controle (Ua)

4.8.1 Geral
A tensão de alimentação de dispositivos de fechamento e abertura e de circuitos auxiliares e de controle deve ser
entendida como a tensão medida nos próprios terminais dos equipamentos durante sua operação, incluindo, se
necessário, os resistores auxiliares ou acessórios fornecidos ou solicitados pelos fabricantes a serem instalados
em série com a fonte de alimentação, porém não incluindo os condutores para a ligação à fonte de alimentação
elétrica.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 31


ABNT NBR IEC 60694:2006

O sistema de alimentação pode ser preferencialmente referenciado a terra (isto é, não completamente flutuante)
para evitar o acúmulo de tensões estáticas perigosas. A localização do ponto terra pode ser definida de acordo
com a prática.

É conveniente que seja observado que a operação normal do equipamento estará assegurada quando a tensão de
alimentação estiver dentro das tolerâncias descritas em 4.8.3.

4.8.2 Tensão nominal (Ua)

É conveniente que a tensão nominal de alimentação seja escolhida entre os valores padronizados fornecidos nas
tabelas 14 e 15. Os valores marcados com um asterisco são os preferidos para equipamento eletrônico auxiliar.

Tabela 14 — Tensão em corrente contínua


Ua
V
24
48*
60
110* ou 125
220 ou 250
Tabela 15 — T ensão em corrente alternada
Sistema trifásico de três Sistema monofásico Sistema monofásico
ou quatro fios de três fios de dois fios
V V V
- 120 / 240 120
(220/380) - (220)
230/400* - 230*
(240/415) - (240)
277/480 - 277
347/600 - 347
NOTA 1 Os valores menores na primeira coluna se referem às tensões fase-neutro, e os valores maiores
às tensões fase-fase. O valor menor na segunda coluna é a tensão fase-neutro e o valor maior é a tensão
entre linhas.
NOTA 2 O valor 230/400 V será, no futuro, a única tensão padronizada pela IEC e a adoção desta é
recomendada em novos sistemas. As variações das tensões nos sistemas existentes de 220/380 V e
240/415 V devem ser trazidas para dentro da faixa 230/400 V 10%. A redução desta faixa será considerada
em futura padronização.9)

9)
NOTA DE TRADUÇÃO Esta nota não se aplica ao sistema brasileiro.

32 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

4.8.3 Tolerâncias

A tolerância relativa à tensão de alimentação c.a. e c.c., em regime normal, medida na entrada do equipamento
auxiliar (controles eletrônicos, supervisão, monitoramento e comunicação), é de 85% a 110%.

Para tensões de alimentação menores do que o mínimo estipulado para a fonte de alimentação, cuidados devem
ser tomados para prevenir qualquer risco para o equipamento eletrônico e/ou operação insegura devido ao
comportamento imprevisível do equipamento.

Para operação dos disparadores de abertura em derivação, a tolerância relativa obedece aos requisitos de 5.8.

4.8.4 Tensão de ondulação

No caso de alimentação em c.c., a tensão de ondulação, que é o valor pico a pico da componente em c.a. da
tensão de alimentação em condições de carga nominal, deve ser limitada a um valor máximo de 5% da
componente em c.c. A tensão é medida nos terminais de alimentação do equipamento auxiliar. A IEC 61000-4-17
é aplicada.

4.8.5 Queda de tensão e interrupção de alimentação

A IEC 61000-4-29 deve ser aplicada para componentes elétricos e eletrônicos.

Quanto à interrupção de alimentação, o desempenho do sistema é considerado correto se:

⎯ não houver operação incorreta;

⎯ não houver alarmes ou sinais remotos incorretos;

⎯ qualquer ação pendente, mesmo com um pequeno atraso, for completada corretamente.
4.9 Freqüência nominal de alimentação dos dispositivos de fechamento e abertura e de
circuitos auxiliares
Os valores padronizados de freqüência da alimentação são c.c., 50 Hz e 60 Hz.10

4.10 Pressão nominal de alimentação de gás comprimido para isolação e/ou operação
Os valores padronizados de pressão nominal são:

0,5 MPa - 1 MPa - 1,6 MPa - 2 MPa - 3 MPa - 4 MPa,

exceto quando especificado de outra maneira pelo fabricante.

5 Projeto e construção
5.1 Requisitos para líquidos em equipamento de manobra e mecanismo de comando
O fabricante deve especificar o tipo, a quantidade solicitada e a qualidade do líquido para ser usado nos
equipamentos de manobra e mecanismos de comando, e fornecer ao usuário as instruções necessárias para
substituição do líquido e a manutenção da sua quantidade e qualidade solicitadas (ver 10.4.1 item d)).

10
NOTA DE TRADUÇÃO Os valores de freqüência nominal da alimentação no Brasil são: c.c. e 60 Hz.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 33


ABNT NBR IEC 60694:2006

5.1.1 Nível do líquido

Deve ser previsto um dispositivo para verificar o nível do líquido, preferencialmente em serviço, para operação
correto com indicação dos limites mínimo e máximo admissíveis.
NOTA Isto não é aplicável a amortecedores.

5.1.2 Qualidade do líquido

O líquido a ser utilizado em equipamento de manobra e mecanismo de comando deve obedecer às instruções do
fabricante.
Para equipamentos de manobra e mecanismos de comando a óleo, o óleo isolante, na condição de novo, deve
obedecer à IEC 60296.

5.2 Requisitos para gases em equipamento de manobra e mecanismo de comando


O fabricante deve especificar o tipo, a qualidade, a quantidade e a densidade solicitada do gás a ser utilizado nos
equipamentos de manobra e mecanismos de comando e fornecer ao usuário as instruções necessárias para a
substituição do gás e a manutenção da sua quantidade e qualidade solicitadas (ver 10.4.1 a)), exceto para
sistemas de pressão selados.

Para equipamentos de manobra e mecanismos de comando a gás, o gás, na condição de novo, deve estar de
acordo com a IEC 60376.

Para evitar condensação, a quantidade máxima admissível de umidade no compartimento de gás do equipamento
de manobra e mecanismo de comando, com gás à densidade nominal para isolamento ρre, deve ser tal que o
ponto de condensação não seja superior a – 5°C para uma medição efetuada à temperatura ambiente de 20°C.
Correções
determinaçãoadequadas devem
do ponto de ser feitasver
condensação, para
IECmedidas
60376B realizadas em outras temperaturas. Para a medição e
e IEC 60480.

As partes dos equipamentos da manobra e mecanismos de comando de alta tensão a SF 6 devem satisfazer os
requisitos recomendados nas normas pertinentes.
NOTA Devem ser atendidos os requisitos referentes aos reservatórios sob pressão.

5.3 Aterramento do equipamento de manobra e mecanismo de comando


A estrutura de cada equipamento de manobra deve ser provida com um terminal de aterramento confiável
equipado com parafuso para conexão a um condutor de aterramento adequado às condições especificadas de
falta para a terra. O diâmetro do parafuso deve ser no mínimo 12 mm. O ponto de conexão deve ser marcado com
o símbolo “Proteção à Terra”, conforme indicado pelo símbolo nº 5019 da IEC 60417. As partes dos invólucros
metálicos conectadas ao sistema de aterramento podem ser consideradas como um condutor de aterramento.

5.4 Equipamento auxiliar e de controle

5.4.1 Invólucros

5.4.1.1 Geral

Os invólucros para circuitos auxiliares e de controle de baixa tensão devem ser construídos de materiais capazes
de resistir aos estresses mecânico, elétrico e térmico, bem como aos efeitos de umidade, que podem ocorrer
durante operação normal de serviço.

34 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

5.4.1.2 Proteção contra corrosão

Proteção contra corrosão deve ser assegurada pela utilização de materiais próprios ou pela aplicação de
revestimento de proteção próprio para superfícies expostas, levando-se em conta as condições futuras de uso e
manutenção estabelecidas na seção 2.

5.4.1.3 Grau de proteção

O grau de proteção proporcionado por um invólucro para circuitos auxiliares e de controle deve estar de acordo
com 5.13.

Aberturas em entradas de cabo, tampas removíveis etc. devem ser projetadas de tal forma que, quando os cabos
são corretamente instalados, possa ser obtido o grau de proteção estabelecido de um invólucro para circuitos
auxiliares e de controle de baixa tensão, como definido em 5.13. Isto implica que um meio de entrada adequado
para a aplicação estabelecida pelo fabricante seja preferencialmente selecionado.
Qualquer abertura de ventilação deve ser protegida ou projetada para ter o mesmo grau de proteção que aquele
especificado para o invólucro.

5.4.2 Proteção contra choque elétrico

5.4.2.1 Proteção para segregação de circuitos auxiliares e de controle do circuito principal

Equipamentos auxiliares e de controle que são instalados na carcaça dos dispositivos de manobra devem ser
apropriadamente protegidos contra descarga disruptiva do circuito principal.

A fiação dos circuitos auxiliares e de controle, com exceção daqueles de pequeno comprimento nos terminais de
transformadores de instrumentos, bobinas de disparo, contatos auxiliares etc., deve ser segregada do circuito
principal por uma partição metálica aterrada (por exemplo, tubos), ou separada por partições (por exemplo, tubos)
feitas de material isolado.

5.4.2.2 Acessibilidade aos equipamentos auxiliares e de controle

Equipamentos auxiliares e de controle que requerem cuidados durante o serviço devem ser acessíveis sem risco
de contato direto com partes de alta-tensão.

Quando for necessário considerar a redução das distâncias de segurança acima do nível de serviço, devido a
condições anormais do ambiente (por exemplo: acúmulo de neve, areia etc.), a altura mínima em relação às partes
vivas deve ser aumentada.

5.4.3 Risco de incêndio

5.4.3.1 Geral

Como o risco de incêndio está presente em circuitos de controle e auxiliares, a probabilidade de incêndio deve ser
reduzida sob condições de uso normal, e mesmo nos casos previsíveis de uso anormal, mau funcionamento ou
falha.
O primeiro objetivo é prevenir a ignição devido a partes eletricamente energizadas. O segundo objetivo é limitar o
impacto do fogo, se ocorrer fogo ou ignição dentro do invólucro.

5.4.3.2 Projeto dos componentes e circuito

Em operação normal, a dissipação de calor dos componentes é geralmente pequena. No entanto, um componente
pode, quando em condição de falta ou em condição de sobrecarga resultado de uma falta externa, gerar
aquecimento excessivo tal que o fogo possa ser iniciado.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 35


ABNT NBR IEC 60694:2006

O fabricante deve tomar todo o cuidado para que, por meio de projeto apropriado do circuito e proteções, faltas
internas ou condições de sobrecarga não acarretem risco de incêndio. O fabricante deve projetar ou escolher
componentes que tenham uma potência nominal maior do que a necessária sob condições normais e
características de auto-extinção determinadas com relação à máxima potência de curto do circuito.
Atenção especial deve ser dada aos resistores.

Consideração deve ser dada ao conjunto de componentes e ao arranjo relativo daqueles que possam dissipar
calor excessivo, providenciando espaço suficiente ao redor deles.

5.4.3.3 Gerenciamento do impacto do fogo

Providências devem ser tomadas para gerenciar o impacto de fogo. Invólucros devem ser construídos, para
isolação, estanqueidade etc. com material suficientemente resistente à provável ignição e fonte de calor situado no
seu interior. O fabricante deveria considerar que, se o invólucro entra em ignição, um componente pode emitir
material derretido em chamas e/ou partículas incandescentes.

5.4.4 Componentes instalados em invólucros

5.4.4.1 Seleção de componentes

Componentes instalados em invólucros atendem aos requisitos relevantes das normas IEC. Quando uma norma IEC
não existir, ou o componente for qualificado com referência a outra norma (distribuída por um país ou outra
organização), o critério para seleção deve ser estabelecido mediante acordo entre fabricante e usuário.

Todos os componentes utilizados em circuitos auxiliares e de controle devem ser projetados ou escolhidos para
serem integralmente operacionais com as suas características nominais, para todas as condições reais de serviço
dentro de invólucros de circuitos auxiliares e de controle.

Dependendo das precauções adequadamente adotadas (isolamento, aquecimento, ventilação etc.), as condições
de serviço dentro de invólucros podem diferir das condições de serviço externo especificadas na seção 2.
Essas precauções devem ser adotadas para assegurar que as condições essenciais de serviço sejam mantidas
para operações específicas, como, por exemplo, aquecedores para manter a temperatura mínima necessária para
a operação correta de relés, contatores, seccionadores de baixa tensão, medidores, contadores, botoeiras etc., de
acordo com as especificações pertinentes.

A perda dessas condições adequadas não pode causar falhas dos componentes, nem operações intempestivas de
equipamentos de manobra e de controle. Durante um intervalo de tempo de duas horas, a operação do
equipamento de manobra e mecanismo de controle deve ser possível. Após esse período, os circuitos auxiliares e
de controle devem estar numa posição definida e bloqueada.

Onde for essencial o aquecimento para o funcionamento correto do equipamento, deve ser providenciada a
monitorização do circuito de aquecimento.

No caso de equipamento de manobra e mecanismo de controle projetado para instalação de uso exterior, devem
ser estabelecidas providências apropriadas (ventilação e/ou aquecimento interno etc.) para prevenir condensação
prejudicial em invólucros de circuitos auxiliares e de controle de baixa tensão.
No caso de o sistema auxiliar incluir dispositivos eletrônicos, esse deve ser protegido contra polaridade reversa
nos pontos de interface (não devem ser observados danos, exceto possíveis fusíveis rompidos).

5.4.4.2 Instalação de componentes

Os componentes devem ser instalados de acordo com as instruções de seus fabricantes.

36 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

5.4.4.3 Acessibilidade

É conveniente que atuadores de abertura e fechamento e sistemas de desligamento de emergência estejam


localizados entre 0,4 m e 2 m acima do nível de serviço. É conveniente que outros atuadores estejam localizados
a uma altura tal que possam facilmente ser operados e que os dispositivos de indicação estejam localizados a
uma altura tal que possam facilmente ser lidos.

É conveniente que os invólucros para circuitos auxiliares e de controle de baixa tensão montados em estrutura ou
sobre o piso estejam instalados a uma altura tal, com relação ao nível de serviço, que os requisitos de altura
especificados acima para acessibilidade, operação e leitura sejam atendidos.

É conveniente que os componentes em invólucros estejam dispostos de tal forma que sejam acessíveis para
montagem, fiação, manutenção e substituição. É conveniente que seja considerada a facilidade de acesso para
componentes que possam necessitar de ajustes durante a sua vida útil.

5.4.4.4 Identificação

A identificação dos componentes instalados em invólucros é de responsabilidade do fabricante e deve estar em


acordo com a indicação nos desenhos e diagramas de fiação. Se um componente for do tipo extraível (“plug-in”),
é conveniente que uma marca de identificação seja colocada no componente e na parte fixa onde o componente
é conectado.

Onde a mistura de componentes ou tensões puder causar confusão, é conveniente fornecer uma identificação
mais explícita.

5.4.4.5 Requisitos para componentes de circuitos auxiliares e de controle

5.4.4.5.1 Cabos e fiação

A seção transversal nominal e as características de condutores e cabos devem estar de acordo com os requisitos
da IEC 60228.

A isolação dos cabos deve estar de acordo com o padrão IEC pertinente (por exemplo, cabos isolados com cloreto
de polivinila devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60227 ou IEC 60502-1, cabos isolados com borracha
devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60245 etc.).

A escolha dos cabos para interligação de invólucros com circuitos auxiliares e de controle é de responsabilidade
do fabricante. A escolha é determinada pela corrente que deve ser conduzida, pela queda de tensão e carga do
transformador de corrente, pelos estresses mecânicos aos quais o cabo é submetido e pelo tipo de isolação.
A escolha dos condutores em invólucros também é de responsabilidade do fabricante.

Devem ser previstos meios adequados para a conexão da fiação externa, por exemplo, blocos terminais,
terminações do tipo extraível “plug-in” etc.

Cabos entre dois blocos de terminais não devem ter emendas intermediárias ou conexões soldadas.
As conexões devem ser feitas nos terminais fixos.

Os condutores isolados devem ser adequadamente suportados e não devem repousar contra arestas vivas.

É conveniente considerar a proximidade da fiação a elementos de aquecimento.

O espaço disponível para a fiação deve permitir a expansão dos núcleos de cabos múltiplos e a terminação
adequada dos condutores. Os condutores não devem ser submetidos a estresses que reduzam sua vida útil.

Condutores conectados a componentes em tampas ou portas devem ser instalados de tal modo que não ocorram
danos mecânicos aos condutores em função do movimento dessas tampas ou portas.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 37


ABNT NBR IEC 60694:2006

É conveniente que somente um condutor seja conectado a um terminal; a conexão de dois ou mais condutores a
um terminal é permitida somente naqueles casos onde o terminal é projetado para esta finalidade.

O método e a extensão da identificação de condutores, por exemplo por números, cores ou símbolos, é de
responsabilidade do fabricante. A identificação dos condutores deve estar em acordo com os desenhos e
diagramas de fiação, e a especificação do usuário, se aplicável. Esta identificação pode ser limitada aos terminais
dos condutores. Onde for apropriado, a identificação da fiação de acordo com a IEC 60445 pode ser aplicada.

5.4.4.5.2 Terminais

Blocos terminais objetivando conectar condutores de cobre redondos devem atender aos requisitos da IEC 60947-7-1.
Blocos terminais de condutor de proteção objetivando conectar condutores de cobre redondo devem atender aos
requisitos da IEC 60947-7-2.

Os terminais devem manter a pressão de contato necessária correspondente à corrente nominal e à corrente de
curto-circuito dos circuitos.

Os blocos terminais para a fiação de componentes dentro de invólucros devem ser escolhidos de acordo com a
seção transversal dos condutores utilizados.

Se facilidades forem previstas para conexão de condutores de neutro, de proteção e condutores PEN, estes devem
estar localizados nas proximidades do terminal do condutor de fase associado.

A identificação dos terminais deve atender aos requisitos da IEC 60445 e deve estar de acordo com as indicações
nos desenhos e diagramas de fiação e com a especificação do usuário, se aplicável.

5.4.4.5.3 Chaves auxiliares

As chaves auxiliares devem ser adequadas ao número de ciclos de operações mecânicas e elétricas
especificadas para o dispositivo de manobra.

As chaves auxiliares, que são operadas em conjunto com os contatos principais, devem ter a operação efetuada
corretamente em ambas as direções. Entretanto, em alguns casos onde a velocidade do mecanismo de operação
não é muito rápida e mediante acordo entre fabricante e usuário, um conjunto de dois contatos auxiliares, com
operação efetuada corretamente na mesma direção (um contato para cada direção), pode ser usado, desde que
as condições de dependência entre os contatos auxiliares e os principais sejam satisfeitas.

5.4.4.5.4 Contatos auxiliares e de controle

Os contatos auxiliares e de controle devem ser adequados ao uso que lhes é destinado em termos de condições
do ambiente (ver 5.4.3.1), capacidade de estabelecimento e interrupção e tempo de operação dos contatos
auxiliares e de controle em relação à operação do equipamento principal.

Os contatos auxiliares e de controle devem ser adequados ao número de ciclos de operação mecânica e elétrica
especificados para o dispositivo de manobra.

Onde um contato auxiliar é disponibilizado para o usuário, é conveniente que os documentos técnicos fornecidos
pelo fabricante contenham informações relativas à classe deste contato.

As características operacionais dos contatos auxiliares devem estar em conformidade com uma das classes
mostradas na tabela 16.

38 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Tabela 16 — Classes de contatos auxiliares


Corrente c.c.
Capacidade de interrupção
Corrente suportável de
Classe Corrente nominal de regime curta duração ≤ 48V 110 V ≤ Ua ≤ 250 V
contínuo
1 10 A 100 A/30 ms 440 W
2 2A 100 A/30 ms 22 W
3 200 mA 1 A/30 ms 50 mA
NOTA 1 Esta tabela refere-se somente a contatos auxiliares [IEV 441-15-10] que estão incluídos num circuito auxiliar
e operados mecanicamente por um dispositivo de manobra. Contatos de controle [IEV 441-15-09] que estão incluídos
num circuito de controle de um dispositivo mecânico de manobra não são previstos por esta tabela.
NOTA 2 Se não circular corrente suficiente através do contato, a oxidação pode aumentar a resistência.
Portanto, um valor mínimo de corrente pode ser requerido para contato classe 1.
NOTA 3 No caso da aplicação de contatos estáticos, a corrente suportável de curta duração nominal pode ser
reduzida se um equipamento de limitação de corrente, diferente de fusíveis, for empregado.
NOTA 4 Para todas as classes, a capacidade de interrupção é baseada numa constante de tempo não inferior
a 20 ms com uma tolerância relativa de 020 % .

NOTA 5 Um contato auxiliar conforme as classes 1, 2 ou 3 para c.c. é normalmente capaz de operar com
correspondente corrente e tensão c.a.
NOTA 6 Contatos classe 3 não são destinados a ser submetidos à corrente plena de curto-circuito da alimentação
auxiliar da subestação.
NOTA 7 Corrente de interrupção a um valor definido de tensão entre 110 V e 250 V pode ser deduzida do valor da
potência indicada para contatos classe 1 e classe 2 (por exemplo, 2 A em 220 V c.c. para um contato classe 1).

O número de contatos auxiliares livres e a classe de cada um deles devem ser especificados para o fabricante de
acordo com a seção 9. Para aplicações particulares, diferentes valores podem ser especificados para o fabricante
de acordo com a seção 9.

Exemplos de três classes de contatos são mostrados na figura 4.

Figura 4 — Exemplos de classes de contatos

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 39


ABNT NBR IEC 60694:2006

5.4.4.5.5 Outros contatos que não sejam os contatos auxiliares e de controle

Um outro contato, além do auxiliar e de controle, é o contato acionado por um componente (relé, contator, chave
de baixa tensão etc.) usados em circuitos auxiliares e de controle.

Onde um outro contato que não seja contato auxiliar ou de controle é disponibilizado para o usuário, é conveniente
que os documentos técnicos fornecidos pelo fabricante incluam a corrente contínua nominal e a capacidade de
interrupção e de estabelecimento deste contato.

O usuário é responsável por assegurar que o desempenho do contato é adequado à tarefa.

O número de contatos fornecidos deve ser especificado pelo fabricante de acordo com a seção 9.

5.4.4.5.6 Relés

Os relés tudo ou nada devem atender aos requisitos da IEC 61810 nas partes aplicáveis.

A IEC 61810-1 estabelece as tensões nominais recomendadas para os relés e os limites recomendados da faixa
de operação para essas tensões. Para todos os relés escolhidos com uma tensão de alimentação igual à tensão
nominal dos circuitos auxiliares e de controle, os valores recomendados na IEC 61810-1 para os limites da faixa
de operação permitem aos relés atenderem aos limites estabelecidos em 4.8.

Quando um relé é escolhido e utilizado em uma tensão diferente da tensão nominal dos circuitos auxiliares e de
controle, devem ser providos meios adequados para permitir que ele opere corretamente dentro dos limites da
faixa de operação requerida em 4.8 (por exemplo, inclusão de um resistor série).

Os relés térmicos para proteção de motores devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60255-8.

O desempenho dos contatos do relé devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60255-23.
Os requisitos para os contatos do relé disponibilizados para o usuário, se existirem, estão contidos em 5.4.4.5.5.

5.4.4.5.7 Contatores e dispositivos de partida de motor

Os contatores eletromecânicos c.a. e c.c. para abertura e fechamento de circuitos elétricos devem atender aos
requisitos da IEC 60947-4-1. Quando um contator eletromecânico está combinado com um relé apropriado, para
prover proteção contra curto-circuito, ele deve também satisfazer as outras condições correspondentes
especificadas para disjuntores de baixa tensão, como especificado na IEC 60947-2.

Dispositivos de partida de motores em c.a. para partir e acelerar a velocidade normal, para garantir operação
contínua, para cortar a fonte e prover meios para a proteção de motores e circuitos associados contra sobrecargas
de operação devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60947-4-1. Relés de sobrecarga para dispositivos
de partida devem também atender aos requisitos da IEC 60947-4-1.

Controladores semicondutores de motores c.a. e dispositivos de partida devem estar de acordo com os requisitos
da IEC 60947-2.

Requisitos para contator e contatos de partida de motor disponíveis para o usuário, se aplicável, estão contidos
em 5.4.4.5.5.

5.4.4.5.8 Disparadores em derivação

Disparadores em derivação são previstos para um propósito específico. Como não existe norma IEC para
disparadores em derivação, estes devem preferencialmente satisfazer os requisitos da norma pertinente do
equipamento.

É conveniente que a potência elétrica dos disparadores em derivação seja estabelecida pelo fabricante.

40 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

5.4.4.5.9 Chaves de baixa tensão

As chaves a serem usadas em circuitos de motores devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60947-3.

As chaves a serem usadas em circuitos de distribuição ou em circuitos terminais devem estar de acordo com os
requisitos da IEC 60947-3.

Quando chaves domésticas são usadas em circuitos terminais, estes devem estar de acordo com os requisitos
da IEC 60669-1.

Chaves
requisitosdedacontrole manuais,Aspor
IEC 60947-5-1. exemplo,
cores botoeiras,
sugeridas chaves
para estas rotativas
chaves etc., devem
são dadas na IEC estar
60073.deOsacordo comgráficos
símbolos os
para uso no equipamento são dados na IEC 60417. Quando um usuário não tiver requisitos locais específicos, é
recomendado que a cor e a etiqueta dessas chaves manuais de comando estejam de acordo com estas
duas publicações.

Os requisitos para quaisquer contatos das chaves de controle manuais disponíveis para o usuário estão contidos
em 5.4.4.5.5.

Chaves automáticas, por exemplo, pressostatos, termostatos etc., devem estar de acordo com os requisitos
da IEC 60947-5-1. Quando termostatos domésticos são utilizados, eles devem estar de acordo com os requisitos
da IEC 60730-2-9, que define os requisitos particulares para controles elétricos automáticos por sensores de
temperatura de uso doméstico ou similar. Quando controles por sensores de umidade domésticos são aplicados,
eles devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60730-2-13, que define os requisitos particulares para
controles elétricos automáticos de controle por sensor de umidade para uso doméstico ou similar. Os requisitos
para quaisquer contatos de chaves automáticas disponibilizados para o usuário estão contidos em 5.4.4.5.5.

Os interruptores de alavanca articulada com função de estabelecimento e de interrupção não bruscas devem estar
de acordo com os requisitos da IEC 60131-2. Os interruptores de alavanca articulada com função de
estabelecimento e de interrupção bruscas devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60131-3.
Os requisitos para qualquer contato dos interruptores de alavanca articulada disponíveis para o usuário estão
contidosem 5.4.4.5.5.

5.4.4.5.10 Disjuntores de baixa tensão

Disjuntores de baixa tensão devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60947-2.

Disjuntores de baixa tensão incorporando proteção de corrente residual devem também estar de acordo com os
requisitos da IEC 60947-2.

5.4.4.5.11 Fusíveis de baixa tensão

Fusíveis de baixa tensão devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60269-1.

Os requisitos suplementares relativos a fusíveis para aplicações essencialmente industriais são cobertos
pela IEC 60269-2. A IEC 60269-2-1 apresenta três exemplos de sistemas de fusíveis como normalizados no que
diz respeito a aspectos de segurança.

5.4.4.5.12 Seccionadores de baixa tensão

Seccionadores de baixa tensão devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60947-3.

5.4.4.5.13 Motores

As máquinas elétricas rotativas devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60034-1 nas subseções
aplicáveis.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 41


ABNT NBR IEC 60694:2006

5.4.4.5.14 Elementos para aquecimento

Todos os elementos para aquecimento devem ser do tipo não exposto. Devem ficar situados de forma a não
causar nenhuma deterioração na fiação ou na operação de componentes.

Onde possa ocorrer acidentalmente um contato com elemento para aquecimento ou seu invólucro, a temperatura
da superfície não deve exceder os limites de elevação de temperatura de partes acessíveis previstas para serem
tocadas em operação normal, como especificado na tabela 3.

5.4.4.5.15 Medidores

Os instrumentos de medidas elétricas de indicação analógica para ação direta e seus acessórios devem estar de
acordo com os requisitos da IEC 60051 em suas partes aplicáveis. Os amperímetros e os voltímetros devem estar
de acordo com os requisitos da IEC 60051-2. Os freqüencímetros devem estar de acordo com os requisitos
da IEC 60051-4. Os medidores de fase, de fator de potência e os sincronoscópios devem estar de acordo com os
requisitos da IEC 60051-5.

Os voltímetros eletrônicos digitais e os conversores eletrônicos analógico-digitais de c.c. devem estar de acordo
com os requisitos da IEC 60485.

5.4.4.5.16 Contadores

Os contadores devem ser apropriados para o serviço a que são destinados em termos de condições ambientais e
para o número de ciclos de operação elétricos e mecânicos especificados para os dispositivos de manobra.

5.4.4.5.17 Indicadores luminosos

Os indicadores luminosos são associados com equipamento de circuito de controle. Por conseqüência, devem
estar de acordo com os requisitos da IEC 60947-5-1.
As cores sugeridas para os indicadores luminosos são dadas na IEC 60073. Os símbolos gráficos para uso no
equipamento são dados na IEC 60417. Quando um usuário não tiver requisitos locais específicos, é recomendado
que a cor e a etiqueta de quaisquer indicadores luminosos estejam de acordo com estas duas publicações.

5.4.4.5.18 Plugues, tomadas e acopladores

Os plugues e os soquetes destinados essencialmente para uso industrial, tanto interior quanto exterior, devem
estar de acordo com os requisitos da IEC 60309-1 e IEC 60309-2.
Quando um soquete doméstico é instalado, este deve estar de acordo com os requisitos da IEC 60083, que fixa os
requisitos particulares para plugues e soquetes para uso doméstico e similar.
Acopladores de cabos destinados essencialmente para uso industrial, tanto interior quanto exterior, devem estar
de acordo com os requisitos das IEC 60309-1 e IEC 60309-2.
Acopladores de equipamentos destinados essencialmente para uso industrial, tanto interior quanto exterior, devem
estar de acordo com os requisitos das IEC 60309-1 e IEC 60309-2.
Os outros conectores devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60130 nas partes aplicáveis.

5.4.4.5.19 Placas de circuito impresso

As placas de circuito impresso utilizadas para a conexão de componentes convencionais (por exemplo, relés)
são consideradas equipamento convencional. As placas de circuito impresso devem estar de acordo com os
requisitos da IEC 60326 nas partes aplicáveis.

42 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

5.4.4.5.20 Resistores
Os resistores fixos de potência, de dissipação superior a 1 W e inferior a 1 000 W, devem estar de acordo com os
requisitos da IEC 60115-4.
Os potenciômetros devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60393-1.

5.4.4.5.21 Iluminação
Em alguns tipos de invólucros, por exemplo invólucros contendo dispositivos de operação manual
(manivelas,
ser botoeiras etc.),
preferencialmente deve sero preferencialmente
considerados efeito térmico e a instalado um eletromagnética
interferência sistema de iluminação.
sobre osNeste caso, devem
componentes dos
circuitos auxiliares e de controle.
As lâmpadas de filamento de tungstênio devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60064.
As lâmpadas fluorescentes devem estar de acordo com os requisitos da IEC 60081.

5.4.4.5.22 Bobinas
As bobinas não cobertas por norma de componente devem ser apropriadas para o serviço a que são destinadas
(por exemplo, com respeito à elevação de temperatura, rigidez dielétrica etc.).

5.4.5 Sistemas secundários


Em muitos casos o sistema secundário pode ser dividido em vários subconjuntos, tais como o cubículo de controle
central de um disjuntor, ou o cubículo de controle completo de um disjuntor num vão de subestação isolada a gás.
Exemplos são mostrados nas figuras 5, 6, 7 e 8.
Subconjuntos intercambiáveis podem ser colocados em posições diferentes do sistema secundário ou substituídos
por outros subconjuntos similares.
NOTA Na prática, existe uma grande variação na complexidade do equipamento do sistema secundário. Em alguns casos
o sistema pode consistir em apenas um grupo de relés tudo ou nada, cablagem e régua de terminais. Em outros casos, é
incluído equipamento completo para proteção, controle e medição.

A Interface externa, para sistema secundário


B Interface interna, para subconjunto

Figura 5 — Exemplo d e sistema secundário em cubículo de média tensão

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 43


ABNT NBR IEC 60694:2006

A Interface externa, para sistema secundário


NOTA Subconjuntos podem ser definidos no cubículo de forma similar à da figura 5.

Figura 6 — Exemplo d e sistema secundário de disjuntor com mecanismo simples

A Interface externa, para sistema secundário


B Interface interna, para subconjunto
NOTA Subconjuntos podem ser definidos em cada cubículo de forma similar à da figura 5.

Figura 7 — Exemplo d e sistema secundário de disjuntor com cubículo de controle separado

44 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

A Interface externa, para sistema secundário


B Interface interna, para subconjunto
NOTA Subconjuntos podem ser definidos em cada cubículo de forma similar à da figura 5.

Figura 8 — Exemplo de sistema secundário num vão de subestação isolada a gás (GIS)

5.5 Operação não manual dependente


Um dispositivo de manobra previsto para operação não manual dependente (se for o caso) deve ser capaz de
estabelecer e/ou interromper sua corrente de curto-circuito nominal, quando a tensão ou pressão da fonte de
energia do dispositivo de operação está no limite inferior especificado em 4.8 e 4.10 (o termo “dispositivo de
operação” compreende relés e contatores intermediários de comando eventuais). Os tempos de fechamento e
abertura máximos, quando especificados pelo fabricante, não devem ser excedidos.

Exceto para operação lenta durante a manutenção, os contatos principais somente devem se mover pela ação do
mecanismo de acionamento, conforme projeto. As posições fechada e aberta dos contatos principais não devem
ser modificadas em função da perda da energia da fonte de alimentação ou restabelecimento desta fonte de
alimentação, para o dispositivo de fechamento e/ou abertura.

5.6 Operação por energia acumulada


Um dispositivo de manobra previsto para operar com energia acumulada deve ser capaz de estabelecer e
interromper sua corrente de curto-circuito nominal (se for o caso), quando a energia é convenientemente acumula,
conforme 5.6.1 ou 5.6.2. Os tempos de fechamento e abertura máximos, quando especificados pelo fabricante,
não devem ser excedidos.

Exceto na operação lenta durante a manutenção, os contatos principais somente devem se mover pela ação do
mecanismo de acionamento, conforme projeto e não no caso de restabelecimento da alimentação após a perda da
energia.

5.6.1 Acumulação de energia em reservatório de gás ou acumuladores hidráulicos

Quando a energia é acumulada num reservatório de gás ou num acumulador hidráulico, os requisitos de 5.6 são
aplicáveis às pressões de operação compreendidas entre os limites especificados a seguir nos itens a) e b):

a) Alimentação pneumática ou hidráulica externa

Exceto nos casos de especificação diferente pelo fabricante, os limites da pressão de operação estão
compreendidos entre 85% e 110% da pressão nominal.

Estes limites não são aplicáveis quando os reservatórios também armazenam gás comprimido para a
interrupção.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 45


ABNT NBR IEC 60694:2006

b) Compressor ou bomba como parte integrante do dispositivo de manobra ou do dispositivo de operação

Os limites da pressão de operação devem ser especificados pelo fabricante.

5.6.2 Acumulação de energia por meio de molas (ou pesos)

Quando a energia é armazenada por meio de molas (ou pesos), os requisitos de 5.6 são aplicáveis quando a mola
está carregada (ou o peso está levantado). Os contatos móveis não podem movimentar-se na posição aberta, a
menos que a energia acumulada seja suficiente para completar satisfatoriamente a operação de fechamento.

5.6.3 Acumulação de energia por operação manual

Se a energia for armazenada através de molas (ou pesos) por meio de uma operação manual, o sentido do
movimento da alavanca ou manivela deve ser indicado. Um dispositivo indicando que a mola (ou o peso) está
carregada deve ser montado no equipamento de manobra, exceto no caso de uma operação de fechamento
manual independente.

A força máxima necessária para carregamento manual da mola (ou peso) não deve ser superior a 250 N.

5.6.4 Acumulação de energia por motor

Motores e seus equipamentos elétricos auxiliares destinados a carregar a mola (ou peso) ou para acionar um
compressor ou uma bomba devem operar satisfatoriamente entre 85% e 110% da tensão nominal de alimentação
(ver 4.8). A freqüência, no caso de c.a., deve ser a freqüência nominal da alimentação (ver. 4.9).
NOTA Para os motores elétricos, os limites não implicam a utilização de motores especiais, mas somente a seleção de
um motor, no qual esses valores produzam o esforço necessário. A tensão nominal do motor não precisa coincidir com a
tensão nominal de alimentação do dispositivo de fechamento.

Além disso, se for especificado um meio de carregar manualmente uma mola ou peso, este deve ser fornecido
pelo fabricante e satisfazer os requisitos de 5.6.3.

5.7 Operação manual independente


No caso de um seccionador ou seccionador de aterramento, operado de forma manual independente - se previsto
pelo fabricante - para evitar a reabertura intempestiva do equipamento, após o fechamento sobre um curto-circuito,
deve ser introduzido um tempo de retardo entre as operações de fechamento e abertura por meios apropriados.
Esse tempo de retardo não deve ser menor que a duração nominal da corrente de curto-circuito (ver 4.7).

5.8 Operação dos disparadores


Os limites de operação dos disparadores devem ser os seguintes.

5.8.1 Disparador em derivação de fechamento

Um disparador em derivação de fechamento deve operar corretamente entre 85% e 110% da tensão nominal de
alimentação do dispositivo de fechamento (ver 4.8). A freqüência, no caso de c.a., deve ser freqüência nominal de
alimentação do dispositivo de fechamento (ver 4.9).

5.8.2 Disparador em derivação de abertura

Um disparador em derivação de abertura deve operar corretamente sob todas as condições de operação do
equipamento de manobra até a sua capacidade de interrupção de curto circuito nominal, e entre 70% no caso de
corrente contínua - ou 85% no caso de corrente alternada - e 110% da tensão nominal de alimentação do
dispositivo de abertura (ver 4.8). A freqüência no caso de c.a. deve ser a freqüência nominal de alimentação do
dispositivo de abertura (ver 4.9).

46 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

5.8.3 Operação de disparadores em derivação por meio de capacitores

Quando, para fins de operação de um disparador em derivação por energia acumulada, um conjunto retificador-
capacitor constituir parte integrante do equipamento de manobra, no qual os capacitores são carregados por
energia proveniente do circuito principal, os capacitores devem conservar energia suficiente, por um tempo mínimo
de 5 s (a menos que especificado outro valor), para o funcionamento especificado, após a tensão de alimentação
haver sido desligada dos terminais do conjunto retificador-capacitor, na ocorrência de um curto-circuito do lado
da fonte. A tensão do circuito principal antes do desligamento deve ser considerada como a mais baixa tensão
de operação do sistema (ver IEC 60038 para a relação entre a “maior tensão para o equipamento” e as tensões
do sistema).

5.8.4 Disparador para subtensão

Um disparador de subtensão deve provocar a abertura do equipamento de manobra quando a tensão nos
terminais do disparador for menor que 35% do seu valor nominal, mesmo que o decréscimo da tensão ocorra de
forma lenta e gradual.

Por outro lado, ele não deve provocar a operação do dispositivo de manobra quando a tensão nos seus terminais
exceder 70% da sua tensão nominal de alimentação.

O fechamento do dispositivo de manobra deve ser possível quando o valor da tensão nos terminais do disparador
for igual ou maior que 85% da sua tensão nominal. O fechamento do dispositivo de manobra deve ser impossível
quando a tensão nos terminais do disparador for menor que 35% da sua tensão nominal de alimentação.

5.9 Dispositivos para monitoramento e intertravamento de baixa e alta pressão


Quando dispositivos para intertravamento de baixa e alta pressão são instalados nos mecanismos de operação,
eles devem ser tais que possam ser ajustados para operar dentro dos limites apropriados de pressão definidos
pelo fabricante, de acordo com 5.6.1 e com as normas pertinentes.
Sistemas de pressão fechados a gás comprimido para isolação e/ou operação e com uma pressão funcional
mínima para isolação e/ou operação acima de 0,2 MPa (pressão absoluta) devem ser providos com dispositivo de
monitoramento de pressão (ou densidade), para ser continuamente, ou pelo menos periodicamente, monitorados
como parte do programa de manutenção, levando em consideração as normas pertinentes. Para equipamentos de
manobra e mecanismos de comando com pressão funcional mínima não superior a 0,2 MPa (pressão absoluta),
tais meios devem ser objeto de acordo entre fabricante e usuário.

5.10 Placas de identificação


O equipamento de manobra, mecanismo de comando e seus dispositivos de operação devem ser fornecidos com
placas de identificação contendo as informações necessárias, tais como nome ou marca do fabricante, ano de
fabricação, tipo designado pelo fabricante, número de série, características nominais etc., conforme especificado
nas normas pertinentes.

Para equipamentos de manobra e mecanismos de comando para uso externo, as placas de identificação e seus
dispositivos de fixação devem ser à prova de intempérie e de corrosão.

Se o equipamento de manobra e mecanismo de comando for constituído de vários pólos com mecanismos de
operação independentes, cada pólo deve ser fornecido com uma placa de identificação.

Para um dispositivo de operação que é parte integrante do dispositivo de manobra, pode ser suficiente utilizar
somente uma placa de identificação conjunta.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 47


ABNT NBR IEC 60694:2006

As características técnicas utilizadas nas placas de identificação e/ou documentação que são comuns a vários
tipos de equipamentos de manobra e mecanismos de comando de alta tensão devem ser representadas pelos
mesmos símbolos. As características nominais e seus símbolos são:

⎯ tensão nominal Ur

⎯ tensão suportável nominal de impulso atmosférico11 Up

⎯ tensão suportável nominal de impulso de manobra11 U s

⎯ tensão suportável nominal à freqüência industrial11 Ud

⎯ corrente nominal de regime contínuo Ir

⎯ corrente suportável nominal de curta duração Ik

⎯ valor de crista nominal da corrente suportável Ip

⎯ freqüência nominal fr

⎯ duração nominal do curto-circuito tk

⎯ tensão nominal dos circuitos auxiliares Ua

⎯ pressão nominal (densidade) para isolamento pre (ρre)

⎯ pressão nominal (densidade) para operação prm (ρrm)

⎯ pressão de alarme (densidade) para isolamento pae (ρae)

⎯ pressão de alarme (densidade) para operação pam (ρam)

⎯ pressão mínima (densidade) para isolamento pme (ρme)

⎯ pressão mínima (densidade) para operação pmm (ρmm)

Outras características (tais como tipo de gás ou classe de temperatura) peculiares devem ser representadas pelos
símbolos que são utilizados nas normas pertinentes.

5.11 Dispositivos de intertravamento


Dispositivos de intertravamento entre diferentes componentes do equipamento podem ser especificados por
razões de segurança e conveniência de operação (por exemplo, entre o dispositivo de manobra e o seccionador
de aterramento associado).

Estes dispositivos de intertravamento devem ser fornecidos mediante acordo entre fabricante e usuário.
Os dispositivos de manobra, nos quais uma operação indevida possa causar danos ou aqueles que são utilizados
para assegurar distâncias de isolamento, devem ser fornecidos com dispositivos de bloqueio conforme
especificado pelo fabricante (por exemplo, cadeados).

11
Os valores a serem utilizados em placas de identificação são valores fase-terra.

48 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Um dispositivo de intertravamento é um sistema constituído de componentes (este pode conter partes mecânicas,
cabos, contatores, bobinas etc.). Cada componente deve ser considerado como parte de um equipamento auxiliar
e de controle (ver 5.4).

5.12 Indicador de posição


Indicação clara e confiável da posição dos contatos do circuito principal deve ser fornecida no caso destes
contatos não serem visíveis. Deve ser possível verificar facilmente o estado do dispositivo indicador de posição no
caso de uma operação local.

As cores do dispositivo indicador de posição nas posições aberta, fechada ou, quando apropriado, aterrada,
devem estar de acordo com a IEC 60073.

A posição fechada deve ser marcada, preferencialmente com um I (conforme indicado pelo símbolo 417-IEC-5007-a
da IEC 60417). A posição aberta deve ser marcada, preferencialmente com um O (conforme indicado pelo símbolo
417-IEC-5008-a da IEC 60417).

Alternativamente, no caso de equipamentos de funções múltiplas, as posições podem ser marcadas por meio de
símbolos gráficos para diagramas conforme a IEC 60617.

5.13 Graus de proteção pelos invólucros


Devem ser especificados graus de proteção de acordo com a ABNT NBR IEC 60529, para todos os invólucros de
equipamentos de manobra e mecanismos de comando de alta-tensão, referentes ao circuito principal, permitindo
penetração pelo lado de fora, bem como para invólucros apropriados para circuito de controle e/ou auxiliares de
baixa tensão e equipamentos de operação mecânica e dispositivos.

Os graus de proteção aplicam-se às condições de serviço dos equipamentos.


NOTA Os graus de proteção podem ser diferentes para outras condições, tais como manutenção, ensaio etc.

5.13.1 Proteção de pessoas contra acesso a partes perigosas e proteção do equipamento contra
penetração de objetos sólidos estranhos

O grau de proteção proporcionado por um invólucro contra acesso de pessoas a partes perigosas do circuito
principal, de controle e/ou auxiliar e a qualquer parte móvel perigosa (exceto hastes rotatórias, lisas e articulações
de movimentos lentos) deve ser indicado por meio de uma designação especificada na tabela 6.

O primeiro numeral característico indica o grau de proteção proporcionado pelo invólucro, com respeito a pessoas,
bem como a proteção do equipamento dentro do invólucro contra penetração de corpos sólidos estranhos.

Se somente a proteção contra acesso a partes perigosas for solicitada ou se esta for maior que aquela indicada
pelo primeiro numeral característico, uma letra adicional pode ser usada, como na tabela 6.

A tabela 6 informa detalhes de objetos que serão “excluídos” do invólucro para cada um dos graus de proteção.
O termo “excluído” implica que objetos sólidos estranhos não entrarão completamente no invólucro e que uma
parte do corpo
adequada ou um eobjeto
será mantida segurado
nenhuma por uma
parte móvel pessoa
perigosa seránão entrará no invólucro ou, se entrar, a distância
tocada.

5.13.2 Proteção contra penetração de água

Nenhum grau de proteção contra entrada prejudicial de água é especificado, como indicado pelo segundo numeral
característico do código IP (segundo numeral característico X).

Equipamento para uso externo fornecido com características de proteção adicionais contra chuva e outras
condições atmosféricas deve ser especificado por meio da letra suplementar W, colocada depois do segundo
numeral característico, ou depois da letra adicional, se for o caso.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 49


ABNT NBR IEC 60694:2006

5.13.3 Proteção do equipamento contra impacto mecânico sob condições normais de serviço

Os invólucros dos equipamentos de manobra e mecanismos de comando encapsulado devem ter resistência
mecânica suficiente (ensaios correspondentes são especificados em 6.7.2).

Para uso interno, o nível de impacto proposto é 2 J.

Para uso externo sem proteção mecânica adicional, níveis de impacto mais elevados podem ser especificados,
mediante objeto de acordo entre fabricante e usuário.

Tabela 6 — Graus de proteção

5.14 Distâncias de escoamento


A IEC 60815 estabelece regras gerais para a escolha de isoladores com desempenho satisfatório sob condições
de poluição.

A distância de escoamento nominal mínima de um isolador de cerâmica ou vidro para uso externo situado entre
fase e terra, entre fases e através de terminais de um pólo de um disjuntor ou seccionador, é determinada pela
relação:
It = a x If x Ur x kD

onde
It é a distância de escoamento nominal mínima (mm) (ver nota 1);

a é o fator de aplicação selecionado em relação ao tipo de isolamento de acordo com a tabela 7;

50 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

If é a distância de escoamento específica nominal mínima de acordo com a tabela II da IEC 815 (mm/kV)
(ver nota 2);
Ur é a tensão nominal do equipamento de manobra e mecanismo de comando;

kD é o fator de correção devido ao diâmetro (ver 5.3 da IEC 815).


NOTA 1 Para a distância de escoamento real, são aplicáveis as tolerâncias de fabricação especificadas (ver IEC 60273 e
IEC 60233).

NOTA 2 Razão entre distância do escoamento medida entre fase e terra e Ur.

Tabela 7 — Fatores de aplicação para distâncias de escoamento


Aplicação para isolação Fator de aplicação
a
Entre fase e terra 1,0
Entre fases 3
Através de contatos abertos de um disjuntor ou 1,0
seccionador
NOTA 1 Equipamentos de manobra que podem estar sujeitos a condições de discordância de fase podem necessitar de
uma distância de escoamento maior através dos contatos abertos. Um fator de aplicação a = 1,15 tem sido sugerido para tais
aplicações.
NOTA 2 Isoladores não verticais sujeitos a serem cobertos de neve poluída fundente podem necessitar de uma distância
de escoamento maior.

5.15 Estanqueidade ao gás e ao vácuo


As especificações seguintes aplicam-se a todos os equipamentos de manobra e mecanismos de comando que
utilizem vácuo ou gás, exceto ar à pressão atmosférica, como meio de isolação, isolação combinada com
interrupção ou operação. O anexo E fornece informação, exemplos e guia para estanqueidade.

5.15.1 Sistema de pressão controlada para gás


A estanqueidade de sistemas de pressão controlada para gás é especificada pelo número de reenchimentos por
dia (N) ou pela queda de pressão por dia (Δp). Os valores permissíveis devem ser fornecidos pelo fabricante.

5.15.2 Sistema autônomo de pressão a gás


A característica de estanqueidade de um sistema auônomo de pressão a gás definido pelo fabricante deve ser
consistente com uma filosofia mínima de manutenção e inspeção.
A estanqueidade de um sistema autônomo de pressão a gás é especificada pela taxa de vazamento relativa Frel
de cada compartimento; valores normalizados são 1% e 3% por ano.
NOTA Esses valores também podem ser utilizados para calcular tempos entre reenchimentos, T, exceto condições
extremas de temperatura ou freqüência de operações.

A possibilidade de vazamentos entre subconjuntos de pressões diferentes também deve ser considerada.
No caso particular de manutenção em um entre vários compartimentos, quando compartimentos adjacentes
contendo gás sob pressão, a taxa de vazamento permissível de gás ele deve também ser especificada pelo
fabricante e o tempo entre reenchimentos não deve ser menor que um mês.
Devem ser estabelecidos meios seguros providos para habilitar o sistema de gás a ser reenchido enquanto o
equipamento estiver em serviço.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 51


ABNT NBR IEC 60694:2006

5.15.3 Sistemas de pressão selados

A estanqueidade de sistemas de pressão selados é especificada pela sua expectativa de vida útil.

Os valores normalizados são 20 anos e 30 anos.

5.16 Estanqueidade aos líquidos


As especificações seguintes aplicam-se a todos os equipamentos de manobra e mecanismos de comando que
usam líquidos como meio de isolação, isolação combinada com interrupção ou controle com ou sem pressão
permanente.

5.16.1 Sistemas de pressão controlados para líquido

A estanqueidade de sistemas de pressão controlados para líquido é especificado pelo número de reenchimentos
por dia, Nliq, ou pela queda de pressão,Δpliq , sem reenchimento, ambos causados pela taxa de vazamento Fliq.

Os valores permissíveis devem ser fornecidos pelo fabricante.

5.16.2 Sistemas autônomos de pressão a líquidos

O nível de estanqueidade de sistemas autônomos de pressão a líquidos, pressurizados ou não, devem ser
especificados pelo fabricante.

5.16.3 Níveis de estanqueidade para líquido

O nível de estanqueidade para líquido deve ser indicado pelo fabricante. Uma distinção clara deve ser feita entre
estanqueidade interna e externa.
a) estanqueidade total: nenhuma perda de líquido pode ser detectada;

b) estanqueidade relativa: perda desprezível é aceitável sob as seguintes condições:

⎯ a taxa de vazamento, Fliq deve ser menor que a taxa de vazamento permissível, Fp(liq);
⎯ a taxa de vazamento, Fliq não deve aumentar continuamente com tempo, ou no caso de equipamento de
manobra, com número de operações;
⎯ odevazamento de líquido não deve causar mal funcionamento do equipamento de manobra e mecanismo
comando, nem constituir qualquer risco para os operadores no curso normal do seu trabalho.

5.17 Inflamabilidade
É conveniente que a escolha e a concepção das partes sejam tais que retardem a propagação de qualquer chama
resultante de sobreaquecimento acidental no equipamento de manobra e mecanismo de comando.

5.18 Compatibilidade eletromagnética (CEM)


O sistema secundário deve ser capaz de suportar distúrbios eletromagnéticos estabelecidos em 2.1, sem avaria
ou mau funcionamento. Estas condições se aplicam tanto para operação normal quanto para manobras, incluindo
interrupções de correntes de faltas no circuito principal.

52 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Duas classes de severidade de CEM são definidas para interfaces ou sistemas secundários de portas ou
subconjuntos:

⎯ classe de severidade de CEM normal:

interfaces ou portas próximas de sistema primário de alta tensão;

interfaces ou portas destinadas a conexões entre cubículos dentro de um sistema secundário;

⎯ classe de severidade CEM reduzida: interfaces ou portas destinadas a conexão somente dentro do cubículo,
não próximas de sistema primário de alta-tensão.
Um sistema secundário completo pode consistir em partes pertencendo a duas classes. Um exemplo é mostrado
na figura 9.

N Classe de severidade de CEM normal


R Classe de severidade de CEM reduzida

Figura 9 — Exemplo d e escolha da classe de severidade de CEM


NOTA Recomendações gerais sobre Compatibilidade Eletromagnética e considerações para a sua melhoria são dadas
na IEC 61000-5-1 e IEC 61000-5-2. A magnitude das tensões induzidas num sistema secundário depende do próprio sistema
secundário e das condições, tais como aterramento e tensão nominal do circuito principal.

6 Ensaios de tipo
6.1 Considerações gerais
Os ensaios de tipo têm a finalidade de comprovar as características de equipamentos de manobra e mecanismos
de comando, de seus dispositivos de operação e de seus equipamentos auxiliares.

6.1.1 Agrupamento de ensaios

Os ensaios de tipo devem ser realizados em um máximo de quatro corpos-de-prova, a menos que especificado
de outro modo em normas pertinentes.
NOTA A razão da especificação de quatro corpos-de-prova é aumentar a confiança para o usuário que o equipamento de
manobra e mecanismo de comando ensaiado é representativo daquele que será fornecido (no limite, isso exigiria que todos os
ensaios fossem executados em um único corpo-de-prova), enquanto permite ao fabricante executar ensaios em laboratórios
separados para diferentes grupos de ensaios.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 53


ABNT NBR IEC 60694:2006

Cada corpo-de-prova do equipamento de manobra e mecanismo de comando deve estar fiel aos desenhos e ser
totalmente representativo de seu tipo, além de ser submetido a um ou mais ensaios de tipo.

Por razões prática de ensaio, os ensaios de tipo podem ser agrupados. Um exemplo de um possível agrupamento
é mostrado na tabela 8 a seguir.

Tabela 8 — Exemplo de agrupamentos de ensaios de tipo


Grupo Ensaios de tipo Subseção
1 Ensaios dielétricos nos circuitos principal, auxiliar e de 6.2
controle 6.3
Ensaio de tensão de radiointerferência
2 Medição da resistência do circuito principal 6.4
Ensaios de elevação de temperatura 6.5
3 Ensaios de corrente suportável de curta duração e valor de 6.6
crista da corrente suportável
Ensaios de estabelecimento e interrupção Ver norma pertinente
4 Ensaios para verificar o grau de proteção de invólucros 6.7
Ensaios de estanqueidade (onde aplicável) 6.8
Ensaios mecânicos ⎫⎬Ver norma pertinente
Ensaios climáticos ⎭
Nos casos em que ensaios de tipo adicionais são necessários, eles estão especificados em norma pertinente.

Cada ensaio de tipo individual deve ser executado em princípio em um equipamento de manobra e mecanismo de
comando completo (porém ver 3.2.2) nas condições requeridas para serviço (preenchido com os tipos e
quantidades de líquido ou gás na pressão e temperatura especificados), nos seus dispositivos de operação e
equipamento auxiliar, todos os quais devendo, em princípio, estar ou ser reconduzidos à condição de novos e
limpos no início de cada ensaio de tipo.

Recondicionamento durante cada ensaio de tipo pode ser permitido, de acordo com norma pertinente.
O fabricante deve fornecer uma declaração ao laboratório de ensaio e uma lista das partes que podem ser
renovadas durante os ensaios.

6.1.2 Informações para identificação dos corpos-de-prova

O fabricante deve submeter ao laboratório de ensaios os desenhos e outros dados contendo informações
suficientes para identificar sem ambigüidade, os detalhes e as partes essenciais do modelo do equipamento de
manobra e mecanismo de comando apresentado para ensaio. Cada desenho ou tabela de dados deve ser
unicamente referenciada e conter uma declaração do fabricante, de modo a garantir que os dados fornecidos
representem fielmente o equipamento de manobra e mecanismo de comando a ser ensaiado.

Ao término da verificação, os desenhos de detalhes e outros dados devem ser devolvidos ao fabricante para
arquivamento.

O fabricante deve manter registros detalhados do projeto de todas as partes componentes do equipamento de
manobra e mecanismo de comando ensaiado e deve assegurar que estes possam ser identificados através de
informações incluídas nos desenhos e tabela de dados.
NOTA Os fabricantes cujos sistemas de produção tenham sido certificados de acordo com a ISO 9001 ou ISO 9002
atendem aos requisitos acima mencionados.

O laboratório de ensaio deve verificar que os desenhos e tabela de dados representam adequadamente os
detalhes e partes essenciais do equipamento de manobra e mecanismo de comando a ser ensaiado, porém não
será responsável pela exatidão da informação detalhada.

54 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Desenhos ou dados particulares que devem ser submetidos pelo fabricante ao laboratório de ensaio para
identificação de partes essenciais do equipamento de manobra e mecanismo de comando são especificados no
anexo A.
NOTA Um ensaio de tipo individual não necessita ser repetido por uma mudança de detalhe de construção, se o
fabricante puder demonstrar que essa mudança não influencia o resultado daquele ensaio de tipo individual.

6.1.3 Informações a serem incluídas nos relatórios de ensaios de tipo

Os resultados de todos os ensaios de tipo devem ser registrados em relatórios específicos contendo dados
suficientes
que partespara comprovar
essenciais do conformidade
equipamento com
de amanobra
especificação e informação
e mecanismo suficiente deve
de comando ser incluída,
possam de modo
ser identificadas.
Particularmente, as seguintes informações devem ser incluídas:

⎯ fabricante;
⎯ designação do tipo ou modelo e número de série do equipamento de manobra e mecanismo de comando;
⎯ características nominais do equipamento de manobra e mecanismo de comando ensaiado conforme
especificadas na norma pertinente;
⎯ descrição geral (pelo fabricante) do equipamento de manobra e mecanismo de comando ensaiado, incluindo o
número de pólos;
⎯ fabricação, tipo, números de série e características das partes essenciais, onde aplicável
(por exemplo, mecanismos de operação, câmara de interrupção, impedâncias de derivação);
⎯ detalhes gerais da estrutura-suporte do dispositivo de manobra ou invólucro do equipamento de manobra do
qual o dispositivo de manobra é uma parte integrante;
⎯ detalhes do mecanismo de operação e dispositivos utilizados durante os ensaios, onde aplicável;

⎯ fotografias
ensaio; para ilustrar a condição do equipamento de manobra e mecanismo de comando antes e após o
⎯ desenhos de contorno e tabela de dados suficientes para representar o equipamento de manobra e
mecanismo de comando ensaiado;
⎯ números de referência de todos os desenhos submetidos para identificar partes essenciais do equipamento
de manobra e mecanismo de comando ensaiado;
⎯ detalhes dos arranjos de ensaio (incluindo o diagrama do circuito de ensaio);
⎯ declarações do comportamento do equipamento de manobra e de mecanismo de comando durante os
ensaios, sua condição após os ensaios e quaisquer partes substituída ou recondicionada durante os ensaios;
⎯ registros dos parâmetros de ensaio durante cada ensaio ou seqüência de ensaio, conforme especificado em
norma pertinente.

6.2 Ensaios dielétricos


Os ensaios dielétricos do equipamento de manobra e de mecanismo de comando devem ser executados de
acordo com a IEC 60060-1, a m enos que especificado de outro modo nesta Norma.

Informações sobre ensaios dielétricos são dadas no anexo F.


NOTA Quando o equipamento de manobra e de mecanismo de comando incorpora dispositivos limitadores de tensão que
não podem ser separados desse equipamento, então o equipamento completo deve ser ensaiado de acordo com o anexo F.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 55


ABNT NBR IEC 60694:2006

6.2.1 Condições do ar ambiente durante os ensaios

Deve ser consultada a IEC 60060-1 no que se refere às condições atmosféricas normalizadas de referência e aos
fatores de correção atmosféricos.

Para equipamento de manobra e mecanismo de comando onde o ar livre é a principal isolação externa, o fator de
correção Kt deve ser aplicado.

O fator de correção para a umidade deve ser aplicado somente para ensaios a seco onde o ar livre é a principal
isolação.

Para equipamento de manobra e mecanismo de comando de tensão nominal menor ou igual a 52 kV, pode ser
assumido que:

m = 1 e w = 0 quando a umidade absoluta é maior do que a referência atmosférica, isto é, quando h > 11 g/m3 ;

m = 1 e w = 1 quando a umidade absoluta é menor do que a referência atmosférica, isto é, quando h < 11 g/m3 .

Para equipamento de manobra e mecanismo de comando tendo isolação externa e interna, o fator de correção Kt
deve ser aplicado se seu valor estiver entre 0,95 e 1,05. Entretanto, para evitar solicitação excessiva da isolação
interna, a aplicação do fator de correção Kt pode ser omitida onde um desempenho satisfatório da isolação externa
tem sido comprovado. Quando o fator de correção está fora da faixa 0,95 e 1,05, detalhes dos ensaios dielétricos
devem ser objeto de acordo entre o fabricante e o usuário.

Para equipamento de manobra e mecanismo de comando tendo somente isolação interna, as condições do ar
ambiente não têm influência e o fator de correção Kt não deve ser aplicado.

Para ensaios combinados, o parâmetro g deve ser calculado considerando-se o valor total da tensão de ensaio.

6.2.2 Procedimento de ensaio sob chuva

A isolação externa de equipamento de manobra e mecanismo de comando para uso exterior deve ser submetida
aos ensaios de suportabilidade sob chuva conforme o procedimento de ensaio sob chuva dado na IEC 60060-1.

6.2.3 Condições do equipamento de manobra e de mecanismo de comando durante ensaios dielétricos

Os ensaios dielétricos devem ser executados em equipamento de manobra e mecanismo de comando


completamente montado, como em serviço; as superfícies externas das partes isolantes devem estar limpas.

O equipamento de manobra e de mecanismo de comando deve ser montado para ensaio com as distâncias livres
mínimas e altura conforme especificadas pelo fabricante.

Um ensaio executado em um equipamento à altura acima da superfície do solo será considerado satisfatório se
este equipamento for montado a uma altura maior que a de ensaio quando em serviço.

Quando a distância entre os pólos do equipamento de manobra e de mecanismo de comando não é


inerentemente
Entretanto, parafixada
evitarpelo projeto, esta
a montagem distânciaequipamentos
de grandes para o ensaiodedeve ser o evalor
manobra mínimo declarado
de mecanismo pelo fabricante.
de comando tripolares
somente para fins de ensaios, os ensaios de poluição artificial e de tensão de radiointerferência podem ser feitos
em um único pólo e, se a mínima distância livre entre pólos for igual a ou maior que aqueles dados nas tabelas F.1
e F.3 da IEC 60071-2, todos os outros ensaios dielétricos podem ser feitos em um único pólo.

Quando o fabricante declara que é necessário o uso de isolação suplementar tal como fita ou barreiras a serem
usadas quando em serviço, tal isolação suplementar deve também ser utilizada durante os ensaios.

56 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Se para a proteção do sistema for necessária a utilização de anéis ou chifres, estes podem ser removidos ou ter
seus espaçamentos aumentados para fins de ensaios. Entretanto, se eles forem necessários para a distribuição
do gradiente, devem permanecer na posição srcinal para o ensaio.

Para equipamento de manobra e mecanismo de comando que utilizam gás comprimido para isolação, os ensaios
dielétricos devem ser executados na mínima pressão (densidade) de funcionamento para isolação conforme
especificado pelo fabricante. A temperatura e a pressão do gás durante os ensaios devem ser anotadas e
registradas no relatório de ensaio.
NOTA Atenção: Nos ensaios dielétricos de equipamentos de manobra e de mecanismo de comando que incorporam
dispositivos
dentro dos de manobra
limites a vácuo, devem
de segurança. ser tomados
Os códigos cuidados
nacionais de para garantir podem
segurança que o nível da possível
influenciar nas emissão
medidas dederaio X esteja
segurança
estabelecidas.

6.2.4 Critérios para aprovação no ensaio

a) Ensaios de tensão suportável de curta duração à freqüência industrial

O equipamento de manobra e mecanismo de comando deve ser considerado aprovado no ensaio se não
ocorrer descarga disruptiva.
Se durante um ensaio sob chuva ocorrer descarga disruptiva na isolação externa auto-recuperante, este
ensaio deve ser repetido nas mesmas condições e o equipamento de manobra e de mecanismo de comando
deve ser considerado aprovado com sucesso no ensaio se não ocorrer mais nenhuma descarga disruptiva.

b) Ensaios de impulso

No procedimento B da IEC 60060-1 devem ser aplicados: para cada condição de ensaio devem ser aplicados
15 impulsos consecutivos de manobra ou atmosféricos, de valor igual à tensão suportável nominal em cada
polaridade. O equipamento de manobra e mecanismo de comando deve ser considerado aprovado no ensaio
se o número de descarga disruptiva na isolação auto-recuperante não exceder dois para cada série
de 15 impulsos e se não ocorrer descarga disruptiva na isolação não auto-recuperante.

O procedimento C da IEC 60060-1 pode ser aplicado como uma alternativa ao ensaio de suportabilidade com
15 impulsos. Neste caso, o ensaio deve ser executado aplicando três impulsos consecutivos para cada
polaridade. O equipamento de manobra e mecanismo de comando deve ser considerado aprovado no ensaio
se não ocorrer descarga disruptiva. Se ocorrer uma descarga disruptiva na parte auto-recuperante,
nove impulsos adicionais devem ser aplicados e, se não ocorrer descarga disruptiva, o equipamento de
manobra e mecanismo de comando deve ser considerado aprovado no ensaio.

Se for provado que ensaios com uma dada polaridade fornecem os resultados mais desfavoráveis, é permitida
a execução dos ensaios somente para esta polaridade.

Alguns materiais isolantes retêm carga após um ensaio de impulso. Para estes casos devem ser tomados
cuidados quando da mudança de polaridade. Para permitir a descarga do material isolante, é recomendado o
uso de métodos apropriados, como, por exemplo, a aplicação de três impulsos com valor de crista de
aproximadamente 80% do valor da tensão de ensaio na polaridade contrária antes do novo ensaio.

c) Comentários gerais

Para ensaio de grandes equipamentos de manobra e mecanismo de comando, a parte do equipamento


através da qual a tensão de ensaio é aplicada pode ser submetida às várias seqüências de ensaios na
verificação das propriedades isolantes de outras partes posteriores do equipamento (disjuntores, seccionadores,
outros “vãos”). É recomendado que essas partes sejam ensaiadas em seqüência, iniciando-se com a primeira
parte conectada. Quando esta parte for aprovada no ensaio de acordo com o critério acima mencionado, sua
qualificação não é prejudicada por possíveis descargas disruptivas que poderiam ocorrer nela durante ensaios
adicionais em outras partes.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 57


ABNT NBR IEC 60694:2006

NOTA Essas descargas podem ter sido geradas pela probabilidade acumulada de descarga com o aumento do
número de aplicações de tensão ou pela tensão refletida após uma descarga disruptiva em um ponto remoto dentro do
equipamento. Para reduzir a probabilidade de ocorrência dessas descargas em equipamentos preenchidos a gás, a
pressão nas partes já ensaiadas podem ser aumentadas após terem sido aprovadas.

6.2.5 Aplicação da tensão de ensaio e condições de ensaio

Deve ser feita distinção entre o caso geral, onde as três tensões de ensaio (fase para terra, entre fases e entre os
contatos abertos do dispositivo de manobra aberto) são iguais, e os casos especiais da distância de
seccionamento e de isolamento entre fases maiores do que as de fase para terra.

6.2.5.1 Caso geral

Com referência à figura 2, que mostra um diagrama de conexão de um dispositivo de manobra tripolar, a tensão
de ensaio deve ser aplicada de acordo com a tabela 9:

Tabela 9 — Condições de ensaio no caso geral


Condição de ensaio Dispositivo de manobra Tensão aplicada a Terra conectada a
1 Fechado Aa BCbcF
2 Fechado Bb ACacF
3 Fechado Cc ABabF
4 Aberto A BCabcF
5 Aberto B ACabcF
6 Aberto C ABabcF
7 Aberto a ABCbcF
8 Aberto b ABCacF
9 Aberto c ABCabF

As condições de ensaio 3, 6 e 9 podem ser omitidas se o arranjo dos pólos externos for simétrico em relação ao
pólo central e à base. As condições de ensaio 7, 8 e 9 podem ser omitidas se o arranjo dos terminais de cada pólo
for simétrico em relação à base.

6.2.5.2 Caso especial

Quando a tensão de ensaio entre os contatos abertos do dispositivo de manobra for maior que a tensão suportável
fase para terra, podem ser utilizados diferentes métodos de ensaio.

a) método preferencial

A menos que especificado de outro modo nesta Norma, o método preferencial é a utilização de ensaios de
tensão combinada (ver seção 26 da IEC 60060-1).
⎯ Ensaios de tensão à freqüência industrial
Os ensaios devem ser executados utilizando duas fontes diferentes em condição de discordância de fase,
a fim de se obter a tensão de ensaio especificada. A distribuição de tensão é especificada em 6.2.6.1
e em 6.2.7.1.

Neste caso, a tensão de ensaio entre os contatos abertos do dispositivo de manobra (ou distância de
seccionamento) deve ser aplicada de acordo com a tabela 10.

58 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Tabela 10 — Condições de ensaio à freqüência industrial


para isolamento longitudinal
Condição de ensaio Tensão aplicada a Terra conectada a
1 Aea BCbcF
2 Beb AcacF
3 Cec ABabF

A condição
central de ensaio 3 pode ser omitida se o arranjo dos pólos externos for simétrico em relação ao pólo
e à base.

⎯ Ensaios com tensão de impulso


A tensão suportável nominal de impulso fase para terra constitui a principal parte da tensão de ensaio e é
aplicada a um terminal; a tensão complementar é fornecida por outra fonte de tensão de polaridade
oposta e aplicada ao terminal oposto. Essa tensão complementar pode ser outra tensão de impulso ou o
valor de crista de uma tensão de freqüência industrial. Os outros pólos e a base são aterrados.

Para levar em conta a influência do impulso sobre a onda de tensão à freqüência industrial, causada pelo
acoplamento capacitivo entre os dois circuitos de tensão, os seguintes requisitos de ensaio devem ser
preenchidos: a queda de tensão na onda de freqüência industrial deve ser limitada de modo que a tensão
de ensaio real à terra, medida no instante do valor de crista do impulso não seja inferior ao valor
especificado para a tensão complementar com uma tolerância de 5%. Para obter tal condição, o valor
instantâneo da tensão à freqüência industrial pode ser aumentada até, porém não mais que
Ur 2 3 para ensaios de impulso atmosférico, e não mais que 1,2 Ur 2 3 para ensaios de impulso de
manobra. Ver D.2.3.1.

A queda de tensão pode ser bastante reduzida utilizando-se um capacitor de valor conveniente
conectado em paralelo ao terminal do lado de aplicação de tensão à freqüência industrial.

A tensão de ensaio deve ser aplicada de acordo com a tabela 11.

Tabela 11 — Condições de ensaio de impulso para isolamento longitudinal

Condição de Parte principal Parte complementar


Terra conectada a
ensaio Tensão aplicada a
1 A a BbCcF
2 B b AaCcF
3 C c AaBbF
4 a A BbCcF
5 b B AaCcF

6 c C AaBbF
As condições de ensaio 3 e 6 podem ser omitidas se o arranjo dos pólos externos for simétrico em
relação ao pólo central e à base.

As condições de ensaio 4, 5 e 6 podem ser omitidas se o arranjo dos terminais de cada pólo for simétrico
em relação à base.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 59


ABNT NBR IEC 60694:2006

b) Método alternativo

Quando é utilizada somente uma fonte de tensão, a isolação entre contatos abertos do dispositivo de
manobra (ou distância de seccionamento) pode ser ensaiada como segue, tanto para ensaios de tensão à
freqüência industrial como para ensaios com tensão de impulso:

⎯ a tensão total de ensaio Ut é aplicada entre um terminal e a terra; o terminal oposto é aterrado;

⎯ quando a tensão resultante através da isolação suporte do dispositivo de manobra exceder a tensão
suportável nominal fase para terra, a base é fixada a uma tensão parcial em relação à terra Uf , de modo
que Uf - Ur esteja entre 90% e 100% da tensão suportável nominal fase para terra.
6.2.6 Ensaios de equipamento de manobra e mecanismo de comando de Ur 245 kV ≤
Os ensaios devem ser executados com as tensões de ensaio dadas nas tabelas 1a ou 1b.

6.2.6.1 Ensaios de tensão à freqüência industrial

O equipamento de manobra e mecanismo de comando deve ser submetido a ensaios de tensão suportável de
curta duração à freqüência industrial de acordo com a IEC 60060-1. A tensão de ensaio deve ser elevada, para
cada condição de ensaio, ao valor de ensaio e mantida por 1 min.

Os ensaios devem ser executados nas condições a seco e também sob chuva para equipamento de manobra e
mecanismo de comando de uso exterior.

A distância de seccionamento pode ser ensaiada como segue:


⎯ método preferencial. Neste caso, nenhum dos dois valores de tensão aplicados aos dois terminais deve ser
menor que um terço da tensão suportável nominal fase para terra;

método
menor quealternativo:
72,5 kV epara
paradispositivo
dispositivode
de manobra
manobra isolado
convencional
a gásdeemqualquer
invólucro
tensão
metálico
nominal,
com atensão
tensãonominal
para a
terra da base Uf não necessita ser fixada com tanta exatidão e a base pode até mesmo ser isolada.
NOTA Devido à grande dispersão dos resultados dos ensaios de tensão à freqüência industrial sob chuva para
equipamentos de manobra e mecanismo de comando de tensão nominal igual a 170 kV e 245 kV, é aceitável substituir estes
ensaios por um ensaio de tensão de impulso de manobra (250/2 500 μs) sob chuva, com valor de crista igual a 1,55 vez o valor
eficaz da tensão de ensaio à freqüência industrial especificada.

6.2.6.2 Ensaios de tensão de impulso atmosférico

O equipamento de manobra e mecanismo de comando deve ser submetido aos ensaios de tensão de impulso
atmosférico somente na condição a seco. Os ensaios devem ser executados com tensões de ambas as
polaridades, utilizando a forma de onda padronizada de 1,2/50 μs, de acordo com a IEC 60060-1.

Quando for utilizado o método alternativo para ensaiar a distância de seccionamento de um dispositivo de
manobra isolado a gás em invólucro metálico de tensão nominal menor que 72,5 kV e de dispositivo de manobra
convencional de qualquer tensão nominal, a tensão para a terra da base Uf não necessita ser fixada com tanta
exatidão e a base pode até ser isolada.

6.2.7 Ensaios de equipamento de manobra e mecanismo de comando de tensão nominal acima de 245 kV

Na posição fechada, os ensaios devem ser executados nas condições 1, 2 e 3 da tabela 9. Na posição aberta, os
ensaios devem ser executados como declarado a seguir (porém ver 6.2.3). Além disso, ensaios de tensão de
impulso de manobra fase para fase devem ser executados conforme declarado a seguir. As tensões de ensaio são
dados nas tabelas 2a ou 2b.

60 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

6.2.7.1 Ensaios de tensão à freqüência industrial

O equipamento de manobra e mecanismo de comando deve ser submetido aos ensaios de tensão suportável de
curta duração à freqüência industrial de acordo com a IEC 60060-1. A tensão de ensaio deve ser elevada, para
cada condição de ensaio, ao valor de ensaio e mantida durante 1 min.

Os ensaios devem ser executados somente na condição a seco.

O isolamento entre contatos abertos de um dispositivo de manobra ou distância de seccionamento deve ser
ensaiado pelo método preferencial a) de 6.2.5.2. Mediante acordo com o fabricante, o método alternativo b)
de 6.2.5.2
entre também
um terminal e apode
baseser utilizado.
deve ser maiorQualquer que seja
que a tensão o método
nominal Ur. escolhido, nenhuma das tensões aplicadas

6.2.7.2 Ensaios de tensão de impulso de manobra

O equipamento de manobra e mecanismo de comando deve ser submetido aos ensaios de tensão de impulso de
manobra. Os ensaios devem ser executados com tensões de ambas as polaridades, utilizando a forma de onda
padronizada de 250/2 500 μs, de acordo com a IEC 60060-1. Ensaios sob chuva devem ser executados somente
em equipamentos de manobra e de controle de uso exterior.
A distância de seccionamento deve ser ensaiada com o método preferencial a) de 6.2.5.2.

O isolamento entre pólos deve ser ensaiado somente na condição a seco com a tensão total de ensaio conforme
coluna 5 das tabelas 2, pelo método preferencial a) de 6.2.5.2, no qual as duas componentes de tensão deveriam
ser iguais à metade da tensão de ensaio total.

A distribuição de tensão real deve ser a mais balanceada possível. Qualquer desbalanceamento da distribuição da
tensão total de ensaio é mais severo. Quando as componentes da tensão são diferentes em forma e/ou amplitude,
o ensaio deve ser repetido com inversão das conexões.
6.2.7.3 Ensaios com tensão de impulso atmosférico

O equipamento de manobra e mecanismo de comando deve ser submetido aos ensaios de tensão de impulso
atmosférico somente na condição a seco. Os ensaios devem ser executados com tensões de ambas as
polaridades, utilizando a forma de onda padronizada de 1,2/50 μs, de acordo com a IEC 60060-1.

6.2.8 Ensaios de poluição artificial


Não são necessários ensaios de poluição artificial quando a distância de escoamento dos isoladores satisfazem os
requisitos de 5.14.

Se a distância de escoamento dos isoladores não satisfizerem os requisitos de 5.14, os ensaios de poluição
artificial devem ser executado de acordo com a IEC 60507, utilizando a tensão nominal e os fatores de aplicação
dados em 5.14.

6.2.9 Ensaios de descargas parciais

Quando requerido pela norma pertinente do produto, ensaios de descargas parciais devem ser executados e as
medições realizadas conforme a IEC 60270.

6.2.10 Ensaios de circuitos auxiliares e de controle

Sistemas secundários de equipamento de manobra e dispositivo de controle devem ser submetidos a ensaios de
tensão suportável nominal de impulso, bem como a ensaios de tensão suportável nominal de curta duração à
freqüência industrial.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 61


ABNT NBR IEC 60694:2006

Cada ensaio deve ser realizado:


a) entre o sistema secundário conectado como um todo e o chassi do dispositivo de manobra;
b) se aplicável, entre cada parte (subconjunto) do sistema secundário, o qual em uso normal pode ser isolado de
outras partes, e outras partes conectadas juntas e o chassi.
Os ensaios de tensão suportável de impulso devem ser realizados de acordo com a IEC 60255-5. A crista da
tensão suportável de impulso deve ser de 5 kV. O sistema secundário deve suportar os ensaios sem avaria
permanente. Depois do ensaio o sistema secundário deve ainda estar completamente operativo.
O ensaio de tensão de freqüência industrial deve ser de 2 kV. Os ensaios devem ser realizados com uma duração
de 1 min, de acordo com IEC 61180-1.
O sistema secundário deve ser considerado aprovado se não ocorrer nenhuma descarga disruptiva durante cada
ensaio.
Normalmente, a tensão de ensaio de motores e outros dispositivos usados em circuitos auxiliares e de controle
deve ser idêntica à tensão de ensaio daqueles circuitos. Se tais equipamentos já tiverem sido ensaiados de acordo
com a especificação apropriada, eles podem ser desconectados durante estes ensaios. Valores menores de
tensão de ensaio para componentes auxiliares estão em estudo. Se puder ser verificado que os estresses
dielétricos permitem isso, valores menores de tensão podem ser usados, mediante acordo entre fabricante e
usuário.
NOTA Possíveis valores menores são 2,5 kV para o ensaio de impulso e 1 kV para o ensaio à freqüência industrial.

O critério de seleção é baseado na magnitude da maior tensão de modo comum, à freqüência industrial, suscetível
de ocorrer entre dois pontos do circuito de aterramento da subestação (por exemplo, durante um curto-circuito
primário ou devido à presença de um reator de derivação).

6.2.11 Ensaio de tensão como condição de verificação

Quando as propriedades de isolamento entre contatos abertos de um dispositivo de manobra após ensaios de
estabelecimento, interrupção e/ou de vida mecânica/elétrica não puderem ser verificadas por inspeção visual com
confiabilidade suficiente, pode ser apropriada a realização de um ensaio de tensão suportável à freqüência
industrial na condição a seco de acordo com 6.2.6.1 e 6.2.7.1 entre contatos abertos do dispositivo de manobra
com os seguintes valores de tensão à freqüência industrial.
Para equipamentos com tensão nominal até 245 kV inclusive:
⎯ requisitos
80% do valor da tabela 1a ou 1b, coluna 3, para seccionadores e seccionadores sob carga (equipamento com
de segurança) e coluna 2 para outros equipamentos.
Para equipamento com tensão nominal de 300 kV e acima:
⎯ requisitos
100% do valor da tabela 2a ou 2b, coluna 3, para seccionadores e seccionadores sob carga (equipamento com
de segurança);
⎯ 80% do valor da tabela 2a ou 2b, coluna 3, para outros equipamentos.
NOTA 1 A redução da tensão de ensaio é motivada pela margem de segurança nos valores nominais da tensão de ensaio,
os quais consideram envelhecimento, desgaste e outra deterioração normal, e pela natureza estatística da tensão disruptiva.
NOTA 2 Ensaios de verificação da condição do isolamento para a terra podem ser necessários para dispositivos em
invólucros de determinados projetos. Em tais casos um ensaio à freqüência industrial com 80% dos valores da coluna 2, das
tabelas 1 e 2, respectivamente, deveriam ser realizados.

NOTA 3 Normas pertinentes podem especificar este ensaio de verificação da condição como mandatório para determinados
tipos de equipamento.

62 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

6.3 Ensaio de tensão de radiointerferência


Estes ensaios se aplicam somente a equipamentos de manobra e mecanismos de comando de tensão nominal
igual ou superior a 123 kV, e devem ser executados quando especificados em normas pertinentes. Equipamentos
de manobra e mecanismos de comando devem ser montados conforme estabelecido em 6.2.3.

A tensão de ensaio deve ser aplicada como segue:

a) na posição fechada, entre os terminais e a base aterrada;

b) na posição aberta, entre um dos terminais e os outros terminais conectados à base aterrada e, em seguida,
com as conexões invertidas, se o dispositivo de manobra não for simétrico.

O invólucro, o tanque, a base e outras partes normalmente aterradas devem ser conectados à terra.
Deve ser tomado cuidado para que não haja influência nas medições pela proximidade de objetos, aterrados ou
não, ao equipamento de manobra e mecanismo de comando e aos circuitos de ensaio e medição.

O equipamento de manobra e mecanismo de comando deve estar seco, limpo e aproximadamente à mesma
temperatura da sala onde o ensaio é realizado. Este equipamento não deve ter sido submetido a outro ensaio
dielétrico dentro de um período de 2 h antes do presente ensaio.

As conexões de ensaio e suas extremidades não devem ser fonte de tensão de radiointerferência de valores
maiores que aqueles indicados abaixo.

O circuito de medição (ver figura 3) deve estar de acordo com a CISPR 18-2. O circuito de medição deve
preferencialmente ser sintonizado na freqüência de 0,5 MHz 10%, porém outras freqüências na faixa de 0,5 MHz
a 2 MHz podem ser utilizadas, sendo a freqüência de medição registrada. Os resultados devem ser expressos em
microvolts.

Se as impedâncias de medição forem diferentes daquelas especificadas nas publicações CISPR, elas não devem
ser maiores que 600 Ω nem menores que 30 Ω. Em qualquer caso o ângulo de fase não deve exceder 20°.
O valor da tensão de radiointerferência equivalente referida a 300 Ω pode ser calculado assumindo-se que a
tensão medida é diretamente proporcional à resistência, exceto para corpos-de-prova de capacitância elevada,
para os quais uma correção feita nestas bases pode ser inexata. Portanto, uma resistência de 300 Ω é
recomendada para equipamento de manobra e mecanismo de comando com buchas de flanges aterrados
(por exemplo, equipamento de manobra e mecanismo de comando tipo tanque morto).

O filtro F deve ter uma alta impedância na freqüência de medição, de modo que a impedância entre o condutor de
alta tensão e a terra, vista do equipamento sob ensaio, não seja consideravelmente reduzida. Este filtro também
reduz correntes de freqüência de rádio circulantes no circuito de ensaio, geradas pelo transformador de alta
tensão ou captadas de fontes extrínsecas. Um valor adequado para a impedância do filtro está na faixa
de 10 000 Ω a 20 000 Ω na freqüência de medição.

Deve ser assegurado por meios adequados que o nível de fundo de radiointerferência (nível de radiointerferência
causado por campos externos e pelo transformador de alta tensão quando magnetizado à tensão plena de ensaio)
seja pelo menos 6 dB e preferivelmente 10 dB abaixo do nível de radiointerferência especificado do equipamento
sob ensaio. Métodos de calibração para o instrumento de medição e para os circuitos de medição são dados nas
CISPR 16-1 e CISPR 18-2 respectivamente.
Como o nível de radiointerferência pode ser afetado por fibras e poeira depositadas nos isoladores, é permitido
limpar os isoladores com um tecido adequado antes de realizar uma medição. As condições atmosféricas durante
o ensaio devem ser registradas. Não é conhecido que fatores de correção se apliquem ao ensaio de
radiointerferência, porém sabe-se que estes ensaios podem ser sensíveis à umidade relativa alta e os resultados
do ensaio podem ser duvidosos se a umidade relativa exceder 80%.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 63


ABNT NBR IEC 60694:2006

O seguinte procedimento de ensaio deve ser seguido:

Uma tensão de 1,1 U r 3 deve ser aplicada ao equipamento de manobra e mecanismo de controle e mantida
durante pelo menos 5 min, sendo Ur a tensão nominal do equipamento de manobra e mecanismo de controle.
A tensão deve então ser abaixada em degraus até 0,3 Ur 3 , elevada novamente em degraus até o valor inicial
e finalmente abaixada em degraus até 0,3 Ur 3 . Em cada degrau deve ser feita a medição de radiointerferência
e o nível de radiointerferência, como registrado durante as últimas séries de reduções da tensão, deve ser plotado
contra a tensão aplicada. A curva assim obtida é a característica de radiointerferência do equipamento de manobra

e mecanismo de controle. A amplitude do degrau de tensão deve ser de aproximadamente 0,1 Ur 3 .


O equipamento de manobra e mecanismo de controle deve ser considerado aprovado se o nível de
radiointerferência para a tensão de 1,1 U r 3 não exceder 2 500 μV.

6.4 Medição da resistência dos circuitos

6.4.1 Circuito principal

Uma medição de resistência do circuito principal deve ser feita para comparação entre o equipamento de manobra
e o mecanismo de controle submetido ao ensaio de tipo de elevação de temperatura e os outros equipamentos do
mesmo tipo submetidos aos ensaios de rotina (ver 7.3).
A medição deve ser feita com corrente contínua através da medição da queda de tensão ou da resistência através
dos terminais de cada pólo. Consideração especial deve ser dada a equipamento de manobra e mecanismo de
controle em invólucro (ver normas pertinentes).
A corrente durante o ensaio deve ter qualquer valor conveniente entre 50 A e a corrente nominal de regime contínuo.
NOTA A experiência mostra que um aumento da resistência do circuito principal não pode ser considerado isoladamente
como evidência confiável de mau contato ou má conexão. Em tal caso, o ensaio deveria ser repetido com uma corrente mais
elevada, tão próxima quanto possível da corrente nominal de regime contínuo.

A medição da queda de tensão c.c. ou da resistência deve ser feita antes do ensaio de elevação de temperatura,
com o equipamento de manobra e mecanismo de controle na temperatura do ar ambiente e após o ensaio de
elevação de temperatura quando o equipamento de manobra e mecanismo de controle tiver esfriado até a
temperatura do ar ambiente. As resistências medidas nestes dois ensaios não devem diferir em mais que 20%.
O valor medido de queda de tensão c.c. ou da resistência deve ser fornecido no relatório de ensaios de tipo, bem
como as condições gerais durante o ensaio (corrente, temperatura do ar ambiente, pontos de medição etc.).

6.4.2 Circuitos auxiliares

6.4.2.1 Medida da resistência dos contatos auxiliares classe 1 e classe 2

Uma amostra de cada tipo de contato auxiliar classe 1 e classe 2 deve ser inserida num circuito de carga resistiva
através do qual circula uma corrente de 10 mA, quando energizado através de uma fonte tendo uma tensão a
vazio de 6 V c.c. com uma tolerância relativa de 0−15 % e a m edida de resistência de acordo com o ensaio 2b
de IEC 60512-2.
A resistência dos contatos auxiliares de classes 1 e 2 na posição fechada não deve exceder 50 Ω .
NOTA Sob o material do contato, pode ocorrer oxidação com redução das capacidades efetivas de condução de corrente.
Isto resulta numa resistência de contato aumentada ou até mesmo em nenhuma condução em tensão muito baixa, enquanto
que nenhum problema é observado em tensão maior. Este ensaio é destinado a verificar o desempenho do contato sob estas
condições de baixa tensão. O critério de avaliação leva em conta a não-linearidade da resistência. O valor de 50 Ω resulta de
considerações estatísticas e já tem sido levado em conta pelos usuários.

64 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

6.4.2.2 Medida da resistência dos contatos auxiliares classe 3

Uma amostra dos contatos auxiliares classe 3 deve ser inserida num circuito com carga resistiva através do qual
circula uma corrente ≤ 10 mA quando energizado por uma fonte tendo uma tensão em vazio ≤ 30 mV c.c. e a
resistência medida de acordo com IEC 61810-7.

A resistência dos contatos auxiliares classe 3 na posição fechada não deve exceder 1 Ω.

6.5 Ensaios de elevação de temperatura

6.5.1 Condições do equipamento de manobra e mecanismo de controle a ser ensaiado

A menos que especificado de outra forma em normas pertinentes, o ensaio de elevação de temperatura dos
circuitos principais deve ser executado em um dispositivo de manobra novo com os contatos limpos e, se aplicável,
preenchido com líquido ou gás apropriados na pressão mínima (ou densidade) de funcionamento para isolação
antes do ensaio.

6.5.2 Arranjo do equipamento

O ensaio deve ser feito abrigado, em ambiente praticamente isento de correntes de ar, exceto aquelas geradas
pelo aquecimento do dispositivo de manobra sob ensaio. Na prática, esta condição é obtida quando a velocidade
do ar não excede 0,5 m/s.

Para ensaios de elevação de temperatura de partes que não sejam equipamento auxiliar, o equipamento de
manobra e mecanismo de controle e seus acessórios devem ser montados reproduzindo as condições de serviço,
incluindo todas as coberturas normais de qualquer parte do equipamento de manobra e de mecanismo de controle,
e deve ser protegido contra aquecimento ou resfriamento externos indevidos.

Quando o equipamento de manobra e mecanismo de controle, de acordo com instruções do fabricante, pode ser
instalado em diferentes posições, os ensaios de elevação de temperatura devem ser executados na posição mais
desfavorável.

Estes ensaios devem ser feitos em princípio em equipamento de manobra e mecanismo de controle tripolar,
porém podem ser realizados em um pólo ou unidade isoladamente com a condição de que a influência de outros
pólos ou unidades seja desprezível. Este é o caso geral para equipamento de manobra sem invólucro.
Para equipamento de manobra e mecanismo de controle tripolar com corrente nominal de regime contínuo não
excedendo 630 A, os ensaios podem ser executados com todos os pólos conectados em série.

Para equipamentos de manobra e mecanismos de controle, particularmente os grandes, nos quais a isolação para
a terra não tem grande influência na elevação de temperatura, essa isolação pode ser bastante reduzida.

Conexões temporárias para o circuito principal devem ser tais que não dissipem quantidade significativa de calor
do equipamento, nem introduzam quantidade significativa de calor no equipamento durante ensaio.
Deve ser medida a elevação de temperatura nos terminais do circuito principal e nas conexões temporárias à
distância de 1 m dos terminais. A diferença de elevação de temperatura não deve exceder 5 K. O tipo e as
dimensões das conexões temporárias devem ser registrados no relatório de ensaio.
NOTA 1 A fim de tornar o ensaio de elevação de temperatura mais reproduzível, o tipo e/ou dimensões das conexões
temporárias podem ser especificados em normas específicas.

Para equipamento de manobra e mecanismo de controle tripolar, o ensaio deve ser feito em um circuito trifásico
com as exceções acima mencionadas.

O ensaio deve ser feito com a corrente nominal de regime contínuo (Ir) do equipamento de manobra e mecanismo
de controle. A corrente de alimentação deve ser praticamente senoidal.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 65


ABNT NBR IEC 60694:2006

Equipamento de manobra e mecanismo de controle, com exceção do equipamento auxiliar c.c., devem ser
ensaiados com a freqüência nominal com tolerância de −25% . A freqüência de ensaio deve ser registrada no
relatório de ensaio.
NOTA 2 Ensaios executados em 50 Hz em dispositivos de manobra do tipo aberto não contendo componentes ferrosos
adjacentes às partes condutoras de corrente podem comprovar o desempenho deste dispositivo de manobra quando
normalizado em 60 Hz, com a condição de que os valores registrados de elevação de temperatura durante os ensaios em 50 Hz
não excedam 95% dos máximos valores permitidos.

Quando ensaios são realizados em 60 Hz, eles podem ser considerados válidos para a mesma corrente nominal
com freqüência nominal de 50 Hz.
O ensaio deve ser realizado em um período de tempo suficiente para a elevação de temperatura atingir um valor
estável. Essa condição é considerada obtida quando o aumento de elevação de temperatura não exceder 1 K em 1 h.
Este critério será normalmente alcançado após uma duração de ensaio de cinco vezes a constante de tempo
térmica do dispositivo ensaiado.
O tempo total de ensaio pode ser reduzido por um preaquecimento do circuito com um valor maior de corrente,
exceto quando é requerida a medição da constante de tempo térmica.
6.5.3 Medição da temperatura e da elevação da temperatura
Devem ser tomadas precauções para reduzir as variações e erros devidos ao atraso entre a temperatura do
dispositivo de manobra e as variações da temperatura do ar ambiente.
Para bobinas, deve ser normalmente utilizado o método de variação da resistência para se obter a elevação de
temperatura. Outros métodos são permitidos, se não for possível a utilização do método da variação de resistência.
A temperatura das várias partes que não as bobinas para as quais são especificados limites deve ser medida com
termômetros
quente ou termopares,
acessível. A elevaçãoou
deoutros dispositivos
temperatura deve sensíveis de qualquer
ser registrada tipo adequado,
em intervalos de tempo colocados no pontotodo
regulares durante maiso
ensaio, quando é necessário o cálculo da constante de tempo térmica.
A temperatura da superfície de um componente imerso em um líquido dielétrico deve ser medida somente através
de termopares colocados na superfície deste componente. A temperatura do líquido dielétrico deve ser medida na
camada superior do dielétrico.
Para medições com termômetros ou termopares, devem ser tomadas as seguintes precauções:
a) os bulbos dos termômetros ou termopares devem ser protegidos contra resfriamento externo (lã limpa e seca
etc.). A área protegida, entretanto, deve ser desprezível se comparada com área a de resfriamento do objeto
sob ensaio;
b) deve ser assegurada uma boa condutividade de calor entre o termômetro ou termopar e a superfície da parte
sob ensaio;
c) quando termômetros de bulbo são utilizados em lugares onde existe qualquer campo magnético variável, é
recomendável a utilização de termômetro a álcool ao invés de termômetro de mercúrio, devido a este último
ser mais sujeito a influência destas condições.
6.5.4 Temperatura do ar ambiente

A temperatura do ar ambiente é a temperatura média do ar nas proximidades do equipamento de manobra e


mecanismo de controle (para equipamento em invólucro, é o ar fora do invólucro). Ela deve ser medida durante o
último quarto do período de ensaio por meio de pelo menos três termômetros, termopares ou outros dispositivos
de detecção de temperatura igualmente distribuídos ao redor do equipamento de manobra e mecanismo de
controle a uma altura média das suas partes que conduzem corrente e a uma distância de aproximadamente 1 m
do equipamento de manobra e mecanismo de controle. Os termômetros ou termopares devem ser protegidos
contra correntes de ar e influência indevida de calor.

66 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

A fim de evitar erros de indicação devido a mudanças rápidas de temperatura, os termômetros ou termopares
podem ser colocados em recipientes contendo cerca de 0,5 L de óleo.

Durante o último quarto do período de ensaio, a mudança da temperatura do ar ambiente não deve exceder 1 K
em 1 h. Se isso não for possível devido às condições desfavoráveis da temperatura da sala de ensaios, a
temperatura de um equipamento de manobra e mecanismo de controle idêntico, sob mesmas condições, porém
sem corrente, pode ser tomada em substituição à temperatura do ar ambiente. Este equipamento adicional não
deve estar sujeito a quantidades indevidas de calor.

A temperatura do ar ambiente durante os ensaios deve ser maior que + 10°C, porém menor que + 40°C.
Nenhuma
dentro correção
dessa faixa. dos valores de elevação de temperatura deve ser feita para temperaturas do ar ambiente

6.5.5 Ensaio de elevação de temperatura de equipamentos auxiliares e de controle

O ensaio é realizado com a fonte especificada (c.a. ou c.c.) e para c.a., na sua freqüência nominal
(tolerância de −25% ).

NOTA Ensaios executados em 50 Hz em dispositivos de manobra do tipo aberto não contendo componentes ferrosos
adjacentes às partes condutoras de corrente podem comprovar o desempenho deste dispositivo de manobra quando
normalizado em 60 Hz, com a condição de que os valores registrados de elevação de temperatura durante os ensaios em 50
Hz não exceda 95% dos máximos valores permitidos. Quando ensaios são realizados em 60 Hz, eles podem ser considerados
válidos para a mesma corrente nominal com freqüência nominal de 50 Hz.

O equipamento auxiliar deve ser ensaiado com a sua tensão de suprimento nominal (Ua) ou com a sua corrente
nominal. A tensão da fonte c.a. deve ser praticamente senoidal.

Bobinas energizadas continuamente devem ser ensaiadas durante um período de tempo suficiente para que a
elevação1de
exceder temperatura
K em 1 h. atinja um valor constante. Essa condição é normalmente obtida quando a variação não

Para circuitos energizados somente durante operações de manobra, os ensaios podem ser realizados sob as
seguintes condições:

a) quando o dispositivo de manobra tem um dispositivo automático para interrupção do circuito auxiliar no final
da operação, o circuito deve ser energizado 10 vezes, ou por 1 s ou por até a operação do dispositivo
automático para interrupção, sendo 10 s o intervalo entre cada energização ou, se a construção do dispositivo
de manobra não permitir isso, o menor intervalo possível;

b) quando o dispositivo de manobra não tem um dispositivo automático para interrupção do circuito auxiliar no
final da operação, o ensaio deve ser realizado energizando o circuito uma vez com a duração de 15 s.

6.5.6 Interpretação dos ensaios de elevação de temperatura

A elevação de temperatura das várias partes do equipamento de manobra e mecanismo de controle ou


equipamento auxiliar para os quais são especificados limites não deve exceder os valores especificados na tabela 3.
Caso contrário, o equipamento de manobra e mecanismo de controle não deverá ser considerado aprovado no
ensaio.
Quando os contatos de arco são de cobre nu e separados dos contatos principais, mas em paralelo com eles, a
elevação de temperatura dos contatos principais e dos contatos de arco não deve exceder os valores dados na
tabela 3.

Se a isolação de uma bobina for feita de diversos materiais isolantes diferentes, a elevação de temperatura
permitida da bobina deve ser aquela do material isolante de menor limite de elevação de temperatura.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 67


ABNT NBR IEC 60694:2006

Se o equipamento de manobra e mecanismo de controle for montado com vários equipamentos atendendo a
normas específicas (por exemplo, retificadores, motores, chaves de baixa tensão etc.), a elevação de temperatura
de tais equipamentos não deve exceder os limites especificados nas normas pertinentes.

6.6 Ensaios de corrente suportável decurta duração e valor de crista da corrente suportável
Os circuitos principais e, onde aplicável, os circuitos de aterramento do equipamento de manobra e mecanismo de
controle devem ser submetidos a um ensaio para provar suas capacidades de conduzir o valor de crista da
corrente suportável nominal e a corrente suportável nominal de curta duração.
O ensaio deve ser realizado na freqüência nominal com uma tolerância de 10% com uma tensão adequada e
iniciado a qualquer temperatura ambiente conveniente.
NOTA Por conveniência de ensaio, tolerâncias maiores que a freqüência nominal podem ser necessárias. Se os desvios
forem apreciáveis, isto é, quando equipamentos de manobra e mecanismo de controle com freqüência nominal de 50 Hz são
ensaiados em 60 Hz e vice-versa, deve-se tomar cuidado na interpretação dos resultados.

6.6.1 Arranjo do equipamento de manobra e mecanismo de controle e do circuito de ensaio

O equipamento de manobra e mecanismo de controle deve ser montado em seu próprio suporte ou em um
suporte equivalente e instalado com seu próprio dispositivo de operação tanto quanto necessários, para tornar o
ensaio representativo. Deve estar na posição fechada e montado com contatos limpos na condição de novo.

Cada ensaio deve ser precedido de uma operação mecânica sem carga do dispositivo de manobra e, com
exceção das chaves de aterramento, pela medição da resistência do circuito principal.

O ensaio pode ser executado de modo trifásico ou monofásico. No caso de ensaio monofásico, deve ser aplicado
o seguinte:
⎯ em um equipamento de manobra e mecanismo de controle tripolar, o ensaio deve ser feito em dois pólos
adjacentes;

⎯ ou
no caso
em dois
de equipamentos
pólos adjacentes
de manobra
ou em ume mecanismo
pólo com o condutor
de controle
decom
retorno
pólosa separados,
uma distância
o ensaio
igual àpode
entreserfases.
feito
Se a distância entre pólos não for fixada pelo projeto, o ensaio deve ser feito com a mínima distância indicada
pelo fabricante;
⎯ acima da tensão nominal de 72,5 kV, a menos que de outra forma especificado em normas pertinentes,
o condutor de retorno não necessita ser levado em consideração, porém em nenhum caso deve ser localizado
mais próximo ao pólo sob ensaio que a distância mínima indicada pelo fabricante entre os eixos das fases.

As conexões para os terminais do equipamento de manobra e mecanismo de controle devem ser feitas de tal
modo que evitem esforços anormais nos terminais. A distância entre os terminais e os suportes dos condutores
mais próximos de ambos os lados do equipamento de manobra e mecanismo de controle deve estar de acordo
com as instruções do fabricante.

O arranjo de ensaio deve constar no relatório de ensaio.

6.6.2 Corrente e duração do ensaio

A componente c.a. da corrente de ensaio deve, em princípio, ser igual à componente c.a. da corrente suportável
nominal de curta duração ( Ik) do equipamento de manobra e mecanismo de controle. O valor de crista da corrente
(para umsuportável
corrente circuito trifásico,
nominalo (maior valor
Ip) e não emexceder
deve uma das fases
este externas)
valor em maisnão deve
de 5% seramenor
sem que do
permissão o valor de crista da
fabricante.

68 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Para ensaios trifásicos, a corrente em qualquer fase não deve variar da média das correntes nas três fases em
mais de 10%. A média dos valores eficazes da componente c.a. das correntes de ensaio não deve ser menor que
o valor nominal.

A corrente de ensaio It deve em princípio ser aplicada durante um tempott igual à duração nominaltk de curto-circuito.

Se não for disponível outro método para determinar o valorIt2 tt , este deve ser determinado a partir do oscilograma,
utilizando o método de avaliação It dado no anexo B. O valor deIt2 tt no ensaio não deve ser menor que o valor de
2
Ik tk calculado da corrente nominal de curta duração ( Ik) e da duração nominal de curto-circuito (tk), e não deve
exceder este valor em mais de 10% sem a autorização do fabricante.

Entretanto, quando as características do laboratório de ensaios são tais que os valores de crista e eficazes da
corrente de ensaio acima especificados não podem ser obtidos em um ensaio de duração especificada, os
seguintes desvios são permitidos:

a) se o decréscimo da corrente de curto-circuito das instalações de ensaio for tal que o valor eficaz especificado,
medido de acordo com o anexo B ou por um método equivalente não pode ser obtido para a duração nominal
sem aplicar inicialmente uma corrente excessivamente alta, pode-se admitir que o valor eficaz da corrente de
ensaio caia a valores abaixo do valor especificado durante o ensaio e que a duração do ensaio seja
adequadamente aumentada, contanto que o valor de crista da corrente não seja menor que o especificado e o
tempo não seja superior a 5 s;

b) se, a fim de obter o valor de crista requerido, o valor eficaz da corrente for aumentado acima do valor
especificado, a duração do ensaio pode ser adequadamente reduzida;

c) se nem a) nem b) forem praticáveis, é permitida a separação do ensaio do valor de crista da corrente
suportável e o ensaio da corrente suportável de curta duração. Neste caso são realizados dois ensaios:
⎯ para o ensaio do valor de crista da corrente suportável, o tempo de duração da aplicação da corrente de
curto-circuito não deve ser menor que 0,3 s;

⎯ para
curto-circuito
o ensaiodeve
alínea a).
da corrente
ser igualsuportável
à duraçãodenominal.
curta duração,
Entretanto,
o tempo
é permitido
de duração
desviodanoaplicação
tempo dedaacordo
corrente
comdea

6.6.3 Comportamento do equipamento de manobra e mecanismo de controle durante o ensaio

Todo equipamento de manobra e mecanismo de controle deve ser capaz de conduzir seu valor de crista da
corrente suportável nominal e sua corrente suportável nominal de curta duração sem causar danos mecânicos a
qualquer parte ou separação de contatos.

É reconhecido que, durante o ensaio, a elevação de temperatura das partes condutoras de corrente e de partes
adjacentes do dispositivo de manobra mecânico pode exceder os limites especificados na tabela 3. Nenhum limite
de elevação de temperatura é especificado para os ensaios de corrente suportável de curta duração, porém a
máxima temperatura atingida não deve ser suficiente para causar danos significativos às partes adjacentes.

6.6.4 Condições do equipamento de manobra e mecanismo de controle após o ensaio

Após o ensaio, o equipamento de manobra e o mecanismo de controle não devem apresentar deterioração
significativa, devem ser capazes de operar normalmente, conduzindo sua corrente nominal continuamente sem
exceder os limites de elevação de temperatura especificados na tabela 3, e suportar a tensão especificada sob
ensaios dielétricos.

Se o dispositivo de manobra mecânico tiver uma capacidade de estabelecimento e/ou interrupção nominal, a
condição dos contatos não deve ser tal que afete consideravelmente o desempenho em qualquer estabelecimento
e/ou interrupção de corrente até o seu valor nominal.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 69


ABNT NBR IEC 60694:2006

Para verificar estas solicitações é suficiente o seguinte:

a) uma operação sem carga do dispositivo de manobra mecânico deve ser realizada imediatamente após o
ensaio e os contatos devem abrir na primeira tentativa;

b) em seguida, a resistência do circuito principal deve ser medida de acordo com 6.4.1 (exceto para
seccionadores de aterramento). Se a resistência aumentar em mais de 20% e se não for possível confirmar a
condição dos contatos por inspeção visual, pode ser apropriado executar um ensaio adicional de elevação de
temperatura.

6.7 Verificação da proteção


6.7.1 Verificação do código IP

De acordo com os requisitos especificados nas seções 11, 12, 13 e 15 da ABNT NBR IEC 60529, devem ser
realizados ensaios em invólucros de equipamentos de manobra e mecanismos de controle completamente
montados da mesma maneira que em condições de serviço. Como as conexões definitivas dos cabos entrando no
invólucro não são normalmente instaladas para os ensaios de tipo, podem ser utilizadas peças correspondentes
para preenchimento. As unidades de transporte do equipamento de manobra devem ser fechadas para os ensaios
por coberturas que forneçam qualidade de proteção idêntica das juntas.

Entretanto, estes ensaios somente devem ser realizados se existirem dúvidas em relação ao atendimento a esses
requisitos, em cada posição das partes relevantes julgadas necessárias.

Quando a letra suplementar W é utilizada, um método de ensaio recomendado é dado no anexo C.

6.7.2 Ensaio de impacto mecânico

Quando houver acordo entre fabricante e usuário, invólucros para instalação interna devem ser submetidos a um
ensaio de impacto. Três golpes são aplicados a pontos do invólucro que são suscetíveis de serem, provavelmente,
os pontos mais fracos de cada invólucro, excetuando-se dispositivos como relés, medidores etc.
A cabeça do martelo com o qual o impacto é aplicado tem uma face hemisférica com um raio de 25 mm de aço
com dureza Rockwell de R100. É recomendado o uso de um aparato de ensaio de impacto operado a mola, como
definido na IEC 60068-2-63.
Após o ensaio, o invólucro não deve apresentar quebras e a deformação do invólucro não deve afetar a função
normal do equipamento, reduzir a isolação e/ou a distância de escoamento, ou reduzir o grau de proteção
especificado contra acesso a partes perigosas abaixo de valores permitidos. Podem ser ignorados danos
superficiais, tais como remoção de pintura, quebra de aletas de resfriamento ou partes similares, ou achatamento
de pequena dimensão.
Entretanto, estes ensaios somente devem ser realizados se existir dúvida em relação ao atendimento a estas
solicitações, em cada posição das partes relevantes julgadas necessárias.
Para instalação externa, o ensaio deve ser objeto de acordo entre fabricante e usuário.

6.8 Ensaios de estanqueidade


A finalidade dos ensaios de estanqueidade é demonstrar que a taxa absoluta de vazamento F não excede o valor
especificado da taxa de vazamento permitida Fp.
Onde possível, os ensaios devem ser executados em um sistema completo à pre (ou ρre). Se isso não for prático,
os ensaios podem ser executados em partes, componentes ou subconjuntos. Em tais casos, a taxa de vazamento
do sistema total pode ser determinada pelo somatório das taxas de vazamento dos componentes, utilizando o
mapa TC de coordenação de vazamento (ver anexo E). Os vazamentos possíveis entre subconjuntos de pressões
diferentes devem também ser levados em consideração.

70 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

O ensaio de estanqueidade de equipamentos de manobra e mecanismos de controle contendo um dispositivo de


manobra mecânico deve ser realizado tanto na posição aberta como na fechada, a menos que a taxa de
vazamento seja independente da posição dos contatos principais.

Em geral, somente medições cumulativas de vazamento permitem cálculos de taxas de vazamento.

O relatório de ensaios de tipo deve incluir informações como:

⎯ uma descrição do objeto sob ensaio, incluindo seu volume interno e a natureza do gás ou líquido de
enchimento;

⎯ se o objeto sob ensaio está na posição aberta ou fechada (se aplicável);

⎯ registro das pressões e temperaturas no início e fim dos ensaios e o número de reenchimentos (se
necessário);

⎯ os ajustes das pressões de “cut-in” e de “cut-off” dos dispositivos de monitoramento ou de controle da pressão
(ou densidade);

⎯ uma indicação da calibração dos medidores utilizados para detectar taxas de vazamento;
⎯ os resultados das medições;

⎯ se aplicável, o gás ensaiado e o fator de conversão para avaliar os resultados.

Os ensaios de estanqueidade devem ser realizados em conjunto com os ensaios solicitados em normas
pertinentes, habitualmente antes e após o ensaio de operação mecânica ou durante os ensaios de operação a
temperaturas extremas.

É aceitável um aumento da taxa de vazamento a temperaturas extremas (se tais ensaios forem solicitados nas
normas pertinentes), garantindo que esta taxa retorne a um valor não maior que o máximo valor permitido na
temperatura normal do ar ambiente. O aumento temporário da taxa de vazamento não deve exceder os valores
dados na tabela 12.

Em geral, é feita referência à IEC 60068-2-17, para aplicação de um método de ensaio adequado.

Tabela 12 — T axa de vazamento temporário permitida para sistemas a gás


Classe de temperatura Taxa de vazamento temporária permitida
°C
+ 40 e + 50 3Fp
temperatura ambiente Fp
-5/-10/-15/-25/-40 3Fp
-50 6Fp

6.8.1 Sistemas de pressão controlada para gás


A taxa de vazamento relativa Frel deve ser checada medindo-se a queda de pressão Δp durante um período de
tempo t, o qual tem uma duração suficiente para permitir a determinação da queda de pressão (dentro da faixa de
enchimento e reposição de pressão). Uma correção deve ser feita para levar em consideração a variação da
temperatura do ar ambiente. Durante este período o dispositivo de reenchimento deve estar inoperante.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 71


ABNT NBR IEC 60694:2006

onde t é a duração do ensaio (horas).

NOTA De modo a manter a linearidade da fórmula, Δp deve ser da mesma ordem de grandeza de pr – pm.
Alternativamente, o número de operações de reenchimento por dia pode ser medido diretamente.
6.8.2 Sistemas fechados de pressão para gás

Devido às taxas de vazamento comparativamente pequenas destes sistemas, não são aplicáveis medições de
queda de pressão. Outros métodos (exemplos são dados no anexo E) podem ser utilizados para medir a taxa de
vazamento F, que permitem em combinação com o mapa TC de coordenação de vazamento, calcular:

⎯ a taxa de vazamento relativa Fre;


⎯ o tempo entre reenchimentos T (fora de condições extremas de temperatura ou freqüência de operações).
Em geral o ensaio Qm (ver IEC 60068-2-17) representa um método adequado para determinar vazamento em
sistemas a gás.

Se o objeto sob ensaio for enchido com um gás de ensaio diferente daquele utilizado quando em serviço e/ou a
uma pressão de ensaio diferente daquela pressão de operação normal, fatores de correção definidos pelo
fabricante devem ser utilizados para cálculos.

Desde que ocorram dificuldades de medição durante ensaios em baixa e alta temperatura, o procedimento
utilizado pode ser executar o ensaio de estanqueidade à temperatura ambiente antes e após os ensaios a baixa e
alta temperatura, para determinar se ocorreu uma mudança.
Desde que medições de taxa de vazamento na prática possam ter uma imprecisão de 50%, o ensaio de
estanqueidade é considerado satisfatório quando os valores declarados na tabela 12 são obtidos dentro do limite
de + 50%. Esta imprecisão da medição deve ser levada em consideração quando se calcular o período de tempo
entre reenchimentos.

6.8.3 Sistemas selados de pressão

a) Equipamento de manobra utilizando gás


Ensaios de estanqueidade em tais equipamentos são executados a fim de determinar a vida esperada de
operação para o sistema selado de pressão.

Os ensaios devem ser executados de acordo com 6.8.2.

b) Equipamento de manobra a vácuo

O nível de vácuo deve ser medido duas vezes sem operação do tubo de vácuo, com um intervalo de tempo tal
que a taxa de variação da pressão de vácuo possa ser avaliada adequadamente.

Esta taxa deve ser tal que o nível de pressão de vácuo não alcance o limiar máximo aceitável durante sua vida
esperada de operação. O intervalo de tempo mínimo depende do tamanho do tubo de vácuo e da sensibilidade do
método de ensaio.
NOTA Geralmente, um intervalo de tempo de quatro semanas é considerado aceitável.

72 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

O método escolhido para medição de vácuo deve ser calibrado para cada tipo de tubo de vácuo. Isso pode ser
feito aplicando-se o método de ensaio simultaneamente com uma medição convencional de pressão de vácuo
antes de selar a amostra. A exatidão da avaliação deve ser estabelecida repetindo as medições.

6.8.4 Ensaios de estanqueidade para líquido


A finalidade dos ensaios de estanqueidade é demonstrar que a taxa de vazamento do sistema total Fliq não excede
o valor especificado Fp(liq) .

O objeto sob ensaio deve estar nas mesmas condições que aquelas quando em serviço com todos os seus
acessórios e seu fluido normal, montados tão próximo quanto possível como quando em serviço (flanges, fixação).
Os ensaios de estanqueidade devem ser realizados em conexão com os ensaios solicitados em normas
pertinentes, habitualmente antes e após o ensaio de operação mecânica, durante ensaios de operação a
temperaturas extremas ou antes e após ensaios de elevação de temperatura.
É aceitável um aumento da taxa de vazamento a temperaturas extremas (se tais ensaios forem solicitados nas
normas pertinentes) e/ou durante operações, garantindo que esta taxa retorne ao valor inicial após a temperatura
retornar à temperatura normal do ar ambiente e/ou após as operações serem executadas. O aumento temporário
da taxa de vazamento não deve prejudicar a operação segura do equipamento de manobra e mecanismo de
controle.

O equipamento de manobra deve ser observado por um período de tempo suficiente para determinar um possível
vazamento ou queda de pressão Δp. Neste caso, são válidos os cálculos dados em 6.8.1.
NOTA É possível a utilização de líquidos ou gases diferentes daqueles utilizados em serviço para o ensaio, porém com
justificativa do fabricante.

O relatório de ensaio deve incluir informações tais como:


⎯ descrição geral do objeto sob ensaio;
⎯ número de operações executadas;

⎯ natureza e pressão(ões) do líquido;

⎯ temperatura do ar ambiente durante o ensaio;

⎯ resultados com o dispositivo de manobra nas posições fechada e aberta (onde aplicável).
6.9 Ensaios de compatibilidade eletromagnética (CEM)
Solicitações e ensaios de CEM são especificados somente para sistemas secundários.
Para o circuito principal do equipamento de manobra e mecanismo de controle na operação normal, sem
operações de manobra, o nível de emissão é verificado por meio do ensaio de tensão de radiointerferência
(ver 6.3).
Emissão causada por operações de manobra, incluindo interrupção de correntes de falta, é acidental.

A freqüência e o nível de tais emissões são considerados parte do ambiente eletromagnético normal.

Para sistemas secundários do equipamento de manobra e mecanismo de controle, as solicitações e ensaios de


CEM especificados nesta Norma têm precedência sobre outras especificações de CEM.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 73


ABNT NBR IEC 60694:2006

6.9.1 Ensaios de emissões sobre sistemas secundários

O equipamento eletrônico integrante de sistema secundário deve atender aos requisitos relativos à emissão, como
definido na CISPR 11 para grupo 1, equipamento da classe A. Não são especificados outros ensaios.

Uma distância de medição de 10 m pode ser usada ao invés de 30 m, aumentando os valores-limites de 10 dB.

6.9.2 Ensaios de imunidade sobre sistemas secundários

6.9.2.1 Geral

Sistemas secundários do equipamento de manobra e dispositivo de controle devem ser submetidos a ensaios de
imunidade eletromagnética, se eles incluírem componentes ou equipamentos eletrônicos. Em outros casos, os
ensaios não são requeridos.

Os ensaios de imunidade são especificados a seguir:


⎯ ensaio de transitórios elétricos rápidos/trem de pulsos (ver 6.9.2.2). O ensaio simula as condições causadas
pela manobra no circuito secundário;
⎯ noensaio de imunidade a onda oscilatória (ver 6.9.2.3). O ensaio simula as condições causadas pela manobra
circuito principal.

Existem outros ensaios de imunidade de CEM, mas não são especificados neste caso. Uma compilação de
ensaios de imunidade de CEM é dada na IEC 61000-4-1, e a IEC 61000-6-5 trata da imunidade CEM de
equipamentos em estações de geração de energia e subestações de alta-tensão.

Ensaios de descarga eletrostática (DE) são normalmente requeridos nos equipamentos eletrônicos e devem ser
realizados sobre tais equipamentos usados no sistema secundário do equipamento de manobra e dispositivo de
controle. Ensaios de DE não necessitam ser repetidos nos sistemas secundários completos. Somente em casos
especiais os ensaios de campo radiado e de campo magnético são considerados pertinentes.
NOTA 1 Exemplo de caso especial: Dispositivos eletrônicos, colocados nas proximidades dos barramentos do conjunto de
manobra e controle blindados, podem ser influenciados pelos campos magnéticos. Arranjos suplementares podem então ser
feitos, a fim de assegurar a compatibilidade eletromagnética.

NOTA 2 O uso de radiotransmissores ou telefones celulares próximos a um sistema de controle com porta aberta pode
expor o sistema secundário a consideráveis campos eletromagnéticos de radiofreqüência.

6.9.2.2 Recomendações para ensaios de imunidade

Ensaios de imunidade eletromagnética podem ser feitos sobre sistemas secundários completos ou subconjuntos.
Exemplos são dados nas figuras 5, 6, 7 e 8. Ensaios podem ser alternativamente realizados sobre:

⎯ o sistema secundário completo;

⎯ subconjuntos, tais como cubículo de controle central, cubículo do mecanismo de operação etc.
⎯ subconjuntos dentro de um cubículo, tais como sistema de medição ou monitorização.
Ensaios individuais dos subconjuntos são extremamente recomendados nos casos onde se necessitam de
interligações de comprimentos longos, ou onde são esperadas tensões de interferência significativas entre os
subconjuntos. Os ensaios individuais são obrigatórios para cada subconjunto intercambiável.

Os subconjuntos podem ser posicionados em diferentes lugares dentro do sistema secundário, sem invalidar o
ensaio de tipo de sistema completo, contanto que o comprimento total dos cabos e o número de cabos individuais
conectando o subconjunto ao sistema secundário não seja maior do que no sistema ensaiado.

74 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Subconjuntos intercambiáveis podem ser substituídos por subconjuntos similares, sem invalidar o ensaio de tipo
srcinal, contanto que

⎯ sejam seguidas regras para instalação e projeto especificadas na IEC 61000-5;

⎯ ensaios de tipo tenham sido realizados nos subconjuntos mais completos aplicáveis ao tipo equipamento de
manobra e mecanismo de controle;

⎯ as regras de projeto do fabricante sejam as mesmas que aquelas dos subconjuntos submetidos aos ensaios.
A tensão de ensaio deve ser aplicada à interface do sistema secundário ou subconjunto ensaiado.
A interface deve ser definida pelo fabricante.

O relatório do ensaio de tipo deve indicar claramente qual sistema ou subconjunto foi ensaiado.
Ver também anexo A.
NOTA Os ensaios de imunidade são destinados a cobrir a maioria das condições de serviço. Podem existir situações
extremas, onde distúrbios induzidos são mais severos que aqueles cobertos pelos ensaios.

6.9.2.3 Ensaio de transitórios elétricos rápidos/trem de pulsos

Um ensaio de transitórios elétricos rápidos/trem de pulsos pode ser realizado de acordo com IEC 61000-4-4.
A tensão de ensaio e o método acoplamento devem ser escolhidos de acordo com a tabela 17.

Tabela 17 — Aplicação de tensão em ensaio de t ransitórios elétricos rápidos/trem de pulsos


Interface Classe normal de Classe reduzida de Acoplamento
severidade da CEM severidade da CEM
Tensão de ensaio Tensão de ensaio
kV kV
Circuitos de potência 2 2 RADa
Circuitos de controle 2 2 RADa
Circuitos blindados e de 2 2 Grampo de acoplamento
comunicação capacitivo
Terminal de aterramento 2 2 RADa
a
RAD: Rede de acoplamento-desacoplamento.

6.9.2.4 Ensaio de imunidade a ondas oscilatórias

Um ensaio de imunidade a ondas oscilatórias deve ser realizado, com forma e duração da tensão de ensaio de
acordo com a IEC 61000-4-12.

Ensaios de amortecimento de ondas oscilatórias devem ser feitos para 100 kHz e 1 MHz, com uma tolerância
de ± 30%.
Manobras de seccionador em SIG podem gerar surtos com frentes de onda extremamente íngremes.
Por esta razão, freqüências adicionais de ensaios (10 MHz e 50 MHz) devem ser preferencialmente utilizadas.

Ensaios devem ser realizados em modo comum e em modo diferencial. A tensão de ensaio e o método de
acoplamento devem ser escolhidos de acordo com a tabela 18.
NOTA O aumento dos valores de tensão de ensaio para os secundários do transformador de instrumento reflete valores
reais de distúrbios registrados em instalações de campo.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 75


ABNT NBR IEC 60694:2006

Tabela 18 — Aplicação de tensão em ensaio de amortecimento de ond as oscilatórias


Interface Classe normal de severidade Classe reduzida de Acoplamento
da CEM severidade da CEM
Tensão de ensaio Tensão de ensaio
kV kV
Modo diferencial: 1,0 (2,5 b) Modo diferencial: 0,5 RADa
Circuitos de potência
Modo comum: 2,5 Modo comum: 1,0 RADa
b a
Circuitos
(medição)de controle Modo diferencial: 1,0 (2,5 ) Modo diferencial: 0,5 RADa
Modo comum: 2,5 Modo comum: 1,0 RAD
Circuitos de comunicação Modo diferencial: 1,0 Modo diferencial: 0,5 RADa
(sem blindagem) Modo comum: 2,5 Modo comum: 1,0 RADa
Circuitos blindados 2,5 1,0 Entre armário
a
RAD: Rede de acoplamento-desacoplamento.
b
Somente para circuitos secundários dos transformadores de instrumentos.

6.9.2.5 Comportamento do equipamento do secundário durante e após os ensaios

O sistema secundário deve suportar cada um dos ensaios especificados em 6.9.2.2 e 6.9.2.3 sem danos
permanentes. Após os ensaios este sistema secundário deve estar totalmente operacional. É permitida a perda
temporária de partes da funcionalidade de acordo com a tabela 19.

Tabela 19 — Critério de avaliação de ensaios de imunidade a distúrbios transitórios


Função Critérioa
Proteção, teleproteção 1
Alarme 2
Supervisão 2
Comando e controle 1
Medição 2
Contagem 1
Processamento de dados
- para sistema rápido de proteção 1
- para uso geral 2
Informação 2
Armazenamento de dados 1
Processamento 2
Monitorização 2
Interface homem-máquina 2
Autodiagnóstico 2
Funções de processamento, monitorização e autodiagnóstico que são conectadas “on-line” e são
partes do circuito de comando e controle devem satisfazer o critério 1.
a
Critérios, de acordo com IEC 61000-4-11:
1: Desempenho normal dentro dos limites especificados
2: Degradação temporária ou perda de função ou desempenho que é auto-recuperável.

76 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

6.10 Ensaios adicionais em circuitos auxiliares e de controle

6.10.1 Geral

O objetivo dos ensaios descritos abaixo é a qualificação de todo o conjunto sem repetir ensaios individuais em
componentes. Portanto, ensaios em componentes que estão de acordo com as normas IEC pertinentes e com
valores relevantes não necessitam ser repetidos.

6.10.2 Ensaios funcionais

Um ensaio funcional de todos os circuitos de baixa tensão devem ser feitos para verificar o bom funcionamento
dos circuitos auxiliares e de controle em conjunto com os outras partes do equipamento de manobra e mecanismo
de controle. Os procedimentos de ensaio dependem da natureza e da complexidade dos circuitos de baixa tensão
do dispositivo. Estes ensaios são especificados nas normas IEC pertinentes para equipamento de manobra e
mecanismo de controle. Eles devem ser realizados com os valores-limites superior e inferior de tensão de
alimentação, definidos em 4.8.3.

Para circuitos em baixa tensão, subconjuntos e componentes, os ensaios de operação podem ser omitidos se eles
tiverem sido realizados plenamente durante um ensaio aplicado em todo o equipamento de manobra e mecanismo
de controle ou circunstâncias apropriadas.

6.10.3 Ensaio de continuidade elétrica em partes metálicas aterradas

Um ensaio deve ser realizado em invólucros de circuitos auxiliares e de controle.

O equipamento do ensaio compreende uma fonte c.c. com um valor máximo de tensão a vazio de 12 V c.c.,
um regulador de corrente de saída e instrumentos de medição de tensão e corrente.

Uma corrente mínima de 2 A deve circular entre as conexões de aterramento principais e cada uma das massas
seguintes mecânicas, se aplicável:

⎯ portas;
⎯ maçanetas de portas;
⎯ estruturas;
⎯ invólucros metálicos.
NOTA Pode ser necessário retirar a cobertura de proteção nos pontos de medição.

Os invólucros dos circuitos de controle e auxiliar devem ser considerados aprovados neste ensaio se a resistência
medida estiver abaixo de 0,5 Ω.

6.10.4 Verficação das características operacionais dos contatos auxiliares

6.10.4.1 Geral

Contatos auxiliares, que são contatos inclusos em circuitos auxiliares, devem ser submetidos aos seguintes
ensaios, a menos que o equipamento tenha passado pelos ensaios de tipo como uma unidade funcional.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 77


ABNT NBR IEC 60694:2006

6.10.4.2 Corrente nominal permanente do contato auxiliar

Este ensaio verifica o valor nominal da corrente que um contato auxiliar previamente fechado é capaz de conduzir
continuamente.

O circuito deve ser fechado e aberto através de meios independentes do contato sob ensaio. Procedimentos de
ensaio são descritos em 6.5.5. O contato deve conduzir corrente permanente correspondente à sua classe de
acordo com a tabela 16 sem exceder a elevação de temperatura da tabela 3, baseada no material do contato e no
ambiente de trabalho.

6.10.4.3 Corrente suportável nominal de curta duração do contato auxiliar


Este ensaio verifica o valor da corrente que um contato auxiliar previamente fechado é capaz de conduzir por um
curto período de tempo especificado.
O circuito deve ser fechado e aberto por meios independentes do contato sob ensaio. O contato deve conduzir a
corrente suportável nominal de curta duração correspondente à sua classe de acordo com a tabela 16 por 30 ms,
com uma carga resistiva. Isto implica que o valor da corrente a ser obtida deve ser alcançado dentro de 5 ms
depois do início de circulação da corrente. A tolerância relativa da amplitude da corrente no ensaio é de −50% e a
tolerância relativa da duração do ensaio de corrente é de −100 % .

Este ensaio deve ser repetido 20 vezes com intervalo de 1 min entre cada um. O valor da resistência do contato
deve ser tomado antes e depois dos ensaios, com os contatos na temperatura ambiente em ambas as medições.
O aumento da resistência deve ser menor do que 20%.

6.10.4.4 Capacidade de interrupção do contato auxiliar

Este ensaio verifica a capacidade de interrupção de um contato auxiliar.


O circuito deve ser fechado por meios independentes do contato sob ensaio. O contato deve conduzir por 5 s e
deve interromper a corrente associada com a sua classe de acordo com a tabela 16, com uma carga indutiva.
A tolerância relativa da tensão é de 100 % e a tolerância relativa da amplitude de corrente é de −50% .

Para todas as classes, a constante de tempo do circuito não deve ser menor do que 20 ms com uma tolerância
relativa de −20
0 %.

Este ensaio deve ser repetido 20 vezes com um intervalo de 1 min entre cada um. A tensão de restabelecimento
deve ser mantida durante cada intervalo de 1 min e por 300 ms ± 30 ms depois da última operação.
O valor da resistência de contato deve ser tomada antes e depois dos ensaios, com os contatos na temperatura
ambiente em ambas as medições. O aumento da resistência deve ser menor do que 20%.

6.10.5 Ensaio de imunidade à ondulação residual à tensão de alimentação c.c.

Este ensaio é realizado de acordo com a IEC 61000-4-17 e aplica-se a componentes elétricos e eletrônicos.
É conveniente que as normas pertinentes da IEC para equipamento de manobra e mecanismo de controle
estabeleçam
seccionadoressemotorizados
tal ensaio éetc.).
necessário ou não em alguns componentes (por exemplo, não se aplica a motores,

O nível do ensaio é classe 2 e a freqüência da tensão de ondulação é igual a três vezes a freqüência nominal.
O critério de avaliação é: “desempenho normal dentro dos limites da especificação” (critério a).

6.10.6 Ensaios de imunidade durante quedas de tensão, interrupções curtas e variações da tensão para
alimentação em c.c.

A referência à IEC 61000-4-29 está sob consideração.

78 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

6.10.7 Ensaios de ambiente

6.10.7.1 Geral

Ensaios em todas as partes dos equipamentos de controle e auxiliar devem ser feitos sob condições totalmente
representativas daquelas que prevaleçam quando montados, armazenados ou manobrados como um
equipamento de manobra e mecanismo de controle completo. Tais condições são satisfeitas quando os ensaios
são feitos em equipamento de manobra e mecanismo de controle completo como estabelecido em 6.1.1.
Quando isto não é feito, cuidados devem ser tomados para que os ensaios sejam realizados sob condições
características da operação no equipamento de manobra e mecanismo de operação.

Ensaios de ambiente devem ser feitos em ordem para avaliar:

⎯ a eficiência das precauções tomadas;

⎯ o funcionamento adequado dos circuitos de controle e auxiliar sobre toda a faixa das condições reais de
serviço dentro dos invólucros.

Todos estes ensaios devem prosseguir no mesmo equipamento.

Estes ensaios podem prosseguir no próprio cubículo, ou associado com o equipamento de manobra e mecanismo
de comando.

Cada ensaio ambiental dos circuitos de controle e auxiliar podem ser omitidos, se cobertos por um ensaio aplicado
a todo o equipamento de manobra e mecanismo de controle.

Uma vez um equipamento aprovado com sucesso nos ensaios de ambiente, ele pode ser conectado ao
equipamento de manobra e mecanismo de operação de diversas maneiras (montado diretamente sobre a
estrutura, instalado separadamente como num cubículo de controle etc.).
Os ensaios de ambiente devem preferencialmente ser feitos em circuitos de controle e auxiliar completos.
Tais ensaios, feitos em um conjunto de circuitos de controle e auxiliar representativo, são considerados para
verificar o funcionamento correto de conjuntos similares de circuitos de controle e auxiliar, pertencendo à mesma
série de equipamento de manobra e mecanismo de operação.

Os ensaios de ambiente não necessitam ser repetidos se a tensão nominal dos circuitos de controle e auxiliar for
trocada.

A troca da tensão nominal de alimentação dos circuitos de controle e auxiliar devem ter, para alguns projetos, um
impacto nos resultados dos ensaios de ambiente. Na prática, a menos que outra justificativa seja dada pelo
fabricante, é desejável executar os ensaios de ambiente em circuitos de controle e auxiliar tendo a mais alta
tensão nominal de alimentação, de forma a cobrir todos os outros circuitos similares de controle e auxiliar
projetados para tensões nominais de alimentação menores.

Como os ensaios de ambiente verificam a propriedade de funcionamento dos circuitos de controle e auxiliar sobre
toda a faixa de condições de serviço em operação normal, elementos aquecidos devem estar prontos para operar,
salvo indicação contrária. Condições de serviço reais irão determinar se o aquecimento dos elementos está no
circuito ou não.
No final dos ensaios, exceto para o ensaio de resposta à vibração, os circuitos de controle e auxiliar devem ser
inspecionados para verificar se são capazes de funcionar de acordo com as especificações apropriadas.
Estas inspeções serão baseadas num conjunto significativo de funções. Os circuitos de controle e auxiliar devem
ser energizados e devem permanecer em condição de operação durante e após o ensaio, até que as inspeções
sejam concluídas.

O fabricante deve indicar de forma clara as funções que devem ser verificadas no fim dos ensaios.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 79


ABNT NBR IEC 60694:2006

6.10.7.2 Ensaio a frio

Um ensaio a frio deve ser realizado de acordo com o ensaio Ad da IEC 60068-2-2, sob condições de serviço
especificadas na seção 2. A duração do ensaio deve ser de 16 h.

6.10.7.3 Ensaio a calor seco

Um ensaio a calor seco deve ser realizado de acordo com o ensaio Ba da IEC 60068-2-1, sob condições de
serviço especificadas na seção 2. A temperatura do ensaio deve ser a máxima temperatura do ar ambiente e a
duração do ensaio deve ser de 16 h.

6.10.7.4 Ensaio contínuo a calor úmido

Um ensaio contínuo a calor úmido deve ser realizado de acordo com o ensaio Ca da IEC 60068-2-3. A duração do
ensaio deve ser de quatro dias.

6.10.7.5 Ensaio cíclico a calor úmido

Um ensaio cíclico a calor úmido deve ser realizado de acordo com o ensaio Db da IEC 60068-2-30.
A maior tempertura deve ser a máxima temperatura do ar ambiente especificada na seção 2 e o número de ciclos
de temperatura deve ser igual a dois. A variante 2 pode ser usada para o período de queda de temperatura e a
recuperação deve acontecer sob condições atmosféricas normais. Nenhuma precaução especial deve ser tomada
com respeito à eliminação de umidade da superfície.

6.10.7.6 Ensaios de resposta a vibrações e abalos sísmicos

Como o ensaio de resposta à vibração não é coberto pela IEC 60068-2-6, é feita referência à IEC 60255-21-1.

Este ensaio visa detectar qualquer falha mecânica do conjunto equipamento de controle e auxiliar. Os danos
podem ser causados por duas diferentes fontes de vibração:
⎯ vibrações devido à manobra do equipamento de manobra e mecanismo de operação associado, que são
altamente dependentes do local da instalação. O ensaio deve ser realizado de acordo com a IEC 60255-21-1.
Parâmetros do ensaio de resposta a vibrações são aqueles correspondentes à classe de severidade 1.
Este ensaio pode ser omitido se o conjunto do equipamento de controle e auxiliar for submetido a ensaios
pertinentes de durabilidade mecânica no equipamento de manobra e mecanismo de operação completo;
⎯ vibrações devido a condições especiais de serviço especificadas em 2.2.4. O ensaio será realizado mediante
acordo entre fabricante e usuário. Neste caso, é conveniente um ensaio apropriado de resposta a abalo
sísmico de acordo com a IEC 60255-21-3, classe de severidade 1.

O sistema secundário deve suportar o ensaio de resposta à vibração sem sofrer dano permanentemente.
Depois do ensaio, ele deve ainda permanecer totalmente em estado de funcionamento. Perdas temporárias de
parte do funcionamento são permitidas durante o ensaio, de acordo com o critério estabelecido na tabela 19.

6.10.7.7 Outros ensaios de ambiente

Através de acordo entre fabricante e usuário (ver 2.2.5), outros ensaios de ambiente podem ser realizados de
acordo com a IEC 60068-2.

6.10.7.8 Verificação final

Os ensaios de suportabilidade de tensão à freqüência industrial de acordo com 6.2.10 devem ser repetidos depois
que todos os outros ensaios de tipo tiverem sido completados, para confirmar que não há redução de desempenho
durante o ensaio.

80 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

7 Ensaios de rotina
Os ensaios de rotina têm como finalidade revelar falhas no material ou na construção. Estes ensaios não
prejudicam as propriedades e confiabilidade do objeto sob ensaio. Os ensaios de rotina devem ser realizados,
sempre que possível, nas instalações do fabricante em cada equipamento fabricado, para assegurar que o produto
está de acordo com o equipamento aprovado nos ensaios de tipo. Através de acordo, qualquer ensaio de rotina
pode ser feito no campo.

Os ensaios de rotina dados nesta Norma compreendem:

a) ensaio dielétrico no circuito principal de acordo com 7.1;


b) ensaio dielétrico nos circuitos auxiliares e de controle de acordo com 7.2;

c) medição da resistência do circuito principal de acordo com 7.3;

d) ensaio de estanqueidade de acordo com 7.4;

e) verificações visual e de projeto de acordo com 7.5.

Ensaios de rotina adicionais podem ser necessários e serão especificados nas normas IEC pertinentes.

Quando o equipamentos de manobra e mecanismo de controle não são completamente montados antes do
transporte, devem ser feitos ensaios separados em todas as unidades de transporte. Neste caso, o fabricante
deve demonstrar a validade dos seus ensaios (exemplos: taxa de vazamento, tensão de ensaio, resistência de
parte do circuito principal).

Os relatórios de ensaio de rotina normalmente não são necessários, a menos que haja acordo diferente entre
fabricante e usuário.
7.1 Ensaio dielétrico no circuito principal
Deve ser realizado um ensaio de tensão de curta duração à freqüência industrial, a seco. O ensaio deve ser
realizado de acordo com a IEC 60060-1 e 6.2 em um equipamento completo ou em pólos separados, ou em
unidades de transporte em condições de novo, limpo e seco.

A tensão de ensaio deve ser a especificada na coluna 2 das tabelas 1 ou 2, de acordo com as normas IEC
pertinentes, ou a sua parte aplicável.

Quando o isolamento do equipamento de manobra e mecanismo de controle é constituído somente por isoladores
de núcleo sólido e ar à pressão ambiente, o ensaio de tensão suportável à freqüência industrial pode ser omitido
se as dimensões entre as partes condutoras - entre fases, entre contatos abertos do dispositivo de manobra e
entre partes condutoras e a base - forem verificadas por medições dimensionais.
A base de verificação das dimensões são os desenhos dimensionais (contorno), os quais são parte do relatório do
ensaio de tipo (ou são nele referidos) do equipamento de manobra e mecanismo de controle particular.
Portanto, nestes desenhos devem ser dadas todas as informações necessárias para a verificação dimensional,
incluindo as tolerâncias permitidas.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 81


ABNT NBR IEC 60694:2006

7.2 Ensaios nos circuitos auxiliar e de controle

7.2.1 Inspeção de circuitos de controle e auxiliar e verificação da conformidade com diagramas de


circuitos e de fiação

A natureza dos materiais, a qualidade do conjunto, o fim e, se necessário, a superfície protetora contra corrosão
devem ser verificados. Uma inspeção visual é também necessária para verificar a boa instalação do isolamento
térmico.

Uma inspeção visual dos atuadores, intertravamentos, bloqueios etc. deve ser feita.

Componentes para circuitos de controle e auxiliar dentro de invólucros devem ser inspecionados para a correta
montagem. A localização dos meios para conexão externa dos cabos deve ser inspecionada para assegurar que
há suficiente espaço para a acomodação de cabos e para a correta conexão dos condutores.

Os condutores e cabos devem ser inspecionados para correto encaminhamento. Atenção especial deve ser dada
para assegurar que não haja risco mecânico nos condutores e cabos devido à proximidade de pontas afiadas ou
elementos aquecidos, ou o movimentos de partes móveis.
Além disso, a identificação de componentes e terminal e, se aplicável, a identificação de cabos e fios devem ser
verificadas. Em adição, a conformidade dos circuitos de controle e auxiliar com os diagramas dos circuitos e de
fiação deve ser verificada e os dados técnicos fornecidos pelo fabricante (por exemplo, número de contatos
auxiliares livres e a classe de cada um, número, tipo e capacidade dos contatos outros que contatos auxiliar e de
controle, alimentação elétrica dos disparadores em derivação etc.)

7.2.2 Ensaios funcionais

Um ensaio funcional de todos os circuitos de baixa tensão deve ser feito para verificar o correto funcionamento
dos circuitos
operação. Osde controle e auxiliar
procedimentos em conjunto
de ensaio dependemcomdaoutras partes
natureza do complexidade
e da equipamento de
dosmanobra
circuitosedemecanismo de
baixa tensão
do dispositivo. Estes ensaios são especificados em normas da IEC pertinentes para equipamento de manobra e
mecanismo de operação. Eles devem ser realizados com os valores limites superior e inferior da tensão de
alimentação definidos em 4.8.3.

Os ensaios operacionais em circuitos de baixa tensão, subconjuntos e componentes podem ser omitidos se eles já
tiverem sido totalmente ensaiados durante um ensaio aplicado a todo o equipamento de manobra e mecanismo de
operação.

7.2.3 Verificação da proteção contra choque elétrico

Proteção contra contato direto com o circuito principal e acesso seguro a partes do equipamento de controle e
auxiliar sujeito a ser tocado durante operação normal deve ser verificada. Onde possível (por exemplo, sem
remoção de revestimento), a continuidade elétrica das partes metálicas à terra deve ser ensaiada sob as mesmas
condições daquelas em 6.10.3. Onde não for possível, uma inspeção visual deve ser realizada.

7.2.4 Ensaios dielétricos

Somente ensaios à freqüência industrial devem ser realizados. Este ensaio deve ser feito sob as mesmas
condições daquelas detalhadas em 6.2.10.

O ensaio de tensão deve ser a 1 kV com duração de 1 s.

82 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

7.3 Medição da resistência do circuito principal


Para o ensaio de rotina, deve ser medida a queda de tensão c.c. ou a resistência de cada pólo do circuito principal
sob condições tão próximas quanto possível daquelas nas quais foram realizados os ensaios de tipo, no que se
refere a temperatura do ar ambiente e pontos de medição. A corrente de ensaio deve estar dentro da faixa
especificada em 6.4.1.

A resistência medida não deve exceder 1,2 Ru, onde Ru é igual à resistência medida antes do ensaio de elevação
de temperatura.

7.4 Ensaio de estanqueidade


Ensaios de rotina devem ser realizados na temperatura normal do ar ambiente com o equipamento preenchido à
pressão (ou densidade) correspondente à prática de ensaio do fabricante. Para sistemas a gás pode ser utilizado
um detector de vazamento de gás.

7.4.1 Sistemas de pressão controlada para gás

O procedimento de ensaio corresponde a 6.8.1.

7.4.2 Sistemas fechados de pressão para gás

O procedimento de ensaio corresponde a 6.8.2.

O ensaio pode ser realizado em diferentes estágios do processo de fabricação ou montagem no campo, em partes,
componentes e subconjuntos, de acordo com o gráfico TC de coordenação de estanqueidade.

7.4.3 Sistemas selados de pressão


a) Equipamento de manobra utilizando gás

O procedimento de ensaio corresponde a 6.8.3, alínea a).

b) Equipamento de manobra a vácuo

Cada tubo a vácuo deve ser identificado pelo seu número de série e seu nível de pressão de vácuo deve ser
ensaiado pelo fabricante de acordo com 6.8.3, alínea b).

Os resultados do ensaio devem ser documentados e, se solicitado, certificados.

Após a montagem do dispositivo de manobra o nível de pressão de vácuo dos tubos de vácuo deve ser ensaiado
por um ensaio dielétrico de rotina significativo através dos contatos abertos. A tensão de ensaio deve ser
estabelecida pelo fabricante.

O ensaio dielétrico deve ser executado após o ensaio mecânico de rotina.

7.4.4 Ensaios de estanqueidade para líquido

Ensaios de rotina devem ser realizados na temperatura normal do ar ambiente, com o dispositivo de manobra e
mecanismo de controle completamente montado. Ensaios de subconjuntos são também permitidos.
Neste caso, uma verificação final deve ser feita em campo.

Os métodos de ensaio correspondem àqueles dos ensaios de tipo (ver 6.8.4).

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 83


ABNT NBR IEC 60694:2006

7.5 Verificações visuais e de projeto


O equipamento de manobra e mecanismo de controle deve ser verificado quanto à sua conformidade com a
especificação de compra.

8 Guia para seleção de equipamento de manobra e mecanismo de controle


Para ser especificado nas normas IEC pertinentes de equipamento de manobra e mecanismo de controle.

9 Informações a serem fornecidas junto às solicitações, propostas e pedidos


A serem especificadas nas normas IEC pertinentes para equipamentos de manobra e mecanismos de controle.

10 Regras para transporte, armazenagem, instalação, operação e manutenção


É essencial que o transporte, armazenagem e instalação do equipamento de manobra e mecanismo de controle,
bem como sua operação e manutenção em serviço, sejam executados de acordo com instruções fornecidas pelo
fabricante.

Conseqüentemente, o fabricante deve fornecer instruções para transporte, armazenagem, instalação, operação e
manutenção do equipamento de manobra e mecanismo de controle. As instruções para o transporte e
armazenagem devem ser fornecidas num tempo conveniente antes da entrega, e as instruções para instalação,
operação e manutenção devem ser fornecidas o mais tardar junto com a entrega.

É impossível,
dos diferentes aqui,
tipos cobrir em detalhe as
de equipamentos regras completas
fabricados, para a instalação,
porém a informação a seguiroperação e manutenção
é fornecida com relaçãode cada
aos um
pontos
mais importantes a serem considerados para as instruções fornecidas pelo fabricante.

10.1 Condições durante o transporte, armazenageme instalação


Um acordo especial deve ser feito entre o fabricante e o usuário se as condições de temperatura e umidade em
serviço definidas no pedido não puderem ser garantidas durante o transporte, armazenagem e instalação.
Cuidados especiais podem ser essenciais para a proteção do isolamento durante o transporte, armazenamento e
instalação e, anteriormente à energização, para prevenir absorção de umidade devido, por exemplo, à chuva, neve
ou condensação. Vibrações durante o transporte devem ser consideradas. Devem ser fornecidas instruções
apropriadas.

10.2 Instalação
Para cada tipo de equipamento de manobra e mecanismo de controle as instruções fornecidas pelo fabricante
devem incluir pelo menos os itens listados abaixo.

10.2.1 Desembalagem e levantamento


As informações necessárias para desembalagem e levantamento seguros devem ser fornecidas, incluindo
detalhes de qualquer levantamento especial e posicionamento de dispositivos.

10.2.2 Montagem dos componentes

Quando o equipamento de manobra e mecanismo de controle não é totalmente montado para transporte, todas as
unidades de transporte devem ser claramente marcadas. Desenhos mostrando a montagem destas partes devem
ser fornecidos com o equipamento de manobra e mecanismo de controle.

84 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

10.2.3 Montagem do equipamento

As instruções para montagem do equipamento de manobra e mecanismo de controle, dispositivo de operação e


equipamento auxiliar devem incluir detalhes suficientes da localização e fundações para permitir que a preparação
do local seja executada.

Estas instruções devem também indicar:

⎯ a massa total do equipamento inclusive dos fluidos para extinção ou isolação;

⎯ a massa dos fluidos de extinção ou isolação;


⎯ a massa da parte mais pesada do equipamento a ser levantada separadamente, se ela exceder 100 kg.

10.2.4 Conexões
As instruções devem incluir informações sobre:

a) conexão de condutores, constando o aviso necessário para prevenir sobreaquecimento e desnecessário


esforço no equipamento de manobra e mecanismo de controle e para prover distâncias de isolamento
adequadas;

b) conexão dos circuitos auxiliares;

c) conexões de sistemas de líquido ou gás, se existir, incluindo tamanho e arranjo do tubo;

d) conexão para aterramento.

10.2.5 Inspeção final da instalação


Devem ser fornecidas instruções para inspeção e ensaios que devem ser realizados após o equipamento de
manobra e o mecanismo de controle terem sido instalados e todas as conexões terem sido completadas.
Estas instruções devem incluir:
⎯ programa de ensaios de campo recomendados para estabelecer a operação correta;
⎯ procedimentos para efetuar qualquer ajuste que possa ser necessário para obter a operação correta;
⎯ recomendações para quaisquer medições relevantes que devam ser executadas e registradas de modo a
auxiliar decisões futuras de manutenção;
⎯ instrução para a inspeção final e colocação em serviço.
A recomendação para medições de compatibilidade eletromagnética no campo é dada no anexo X.

10.3 Operação
As instruções dadas pelo fabricante devem conter as seguintes informações:
⎯ operação,
descrição geral do equipamento com atenção particular para a descrição técnica de suas características e
de modo que o usuário tenha um entendimento adequado dos principais princípios envolvidos;

⎯ descrição dos itens de segurança do equipamento e operação dos intertravamentos e cadeados;


⎯ descrição dos procedimentos a serem executados durante as ações de isolamento, aterramento, manutenção
e ensaio do equipamento.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 85


ABNT NBR IEC 60694:2006

10.4 Manutenção
A eficiência da manutenção depende principalmente do modo como as instruções são preparadas pelo fabricante
e implementadas pelo usuário.

10.4.1 Recomendações para o fabricante

a) O fabricante deve editar um manual de manutenção incluindo as seguintes informações:

1) Extensão e freqüência de manutenção. Para este propósito os seguintes fatores devem ser considerados:

⎯ operações de manobra (corrente e número);


⎯ número total de operações;

⎯ tempo em serviço (intervalos periódicos);

⎯ condições do ambiente;

⎯ medições e ensaios para diagnóstico (se existirem).

2) Descrição detalhada do trabalho de manutenção:

⎯ local recomendado para o trabalho de manutenção (interno, externo, na fábrica, no campo etc.);
⎯ procedimentos para inspeção, ensaios para diagnóstico, verificação e revisão;

⎯ referência a desenhos;

⎯ referência a números de identificação de peças;

⎯ utilização de ferramentas ou equipamento especiais;


⎯ precauções a serem observadas (por exemplo, limpeza e possíveis efeitos prejudiciais dos
subprodutos do arco);

⎯ procedimentos de lubrificação.

3) Desenhos abrangentes dos detalhes do equipamento de manobra e mecanismo de controle importantes


para a manutenção, com identificação clara (número de identificação e descrição) de conjuntos,
subconjuntos e partes significativas.
NOTA Desenhos de detalhe expandidos que indicam a posição relativa de componentes nos conjuntos e
subconjuntos são métodos de ilustração recomendados.

4) Limites de valores e tolerâncias que, quando excedidos, tornam necessária uma ação corretiva.
Por exemplo:
⎯ pressões, níveis de densidade;
⎯ resistores e capacitores (do circuito principal);
⎯ tempos de operação;
⎯ resistência dos circuitos principais;

86 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

⎯ características do líquido ou gás isolante;


⎯ quantidades e qualidade do líquido ou do gás (ver IEC 69480 e IEC 61634 para SF6);

⎯ erosão permitida das partes sujeitas a desgastes;

⎯ torques;
⎯ dimensões importantes.
5) Especificações para materiais auxiliares de manutenção, incluindo aviso de incompatibilidade de
materiais conhecidas:

⎯ graxa;
⎯ óleo;

⎯ fluido;
⎯ agentes de limpeza e desengraxantes.
6) Lista de ferramentas especiais, equipamento de içamento e de acesso.
7) Ensaios após atividades de manutenção.

8) Lista de sobressalentes recomendados (descrição, número de referência, quantidades) e instruções para


armazenagem.

9) Estimativa do cronograma de manutenção.


10) Como proceder com o equipamento no fim de sua vida operacional, levando em consideração os
requisitos ambientais.

b) O fabricante deve informar os usuários de um tipo particular de equipamento de manobra e mecanismo de


controle e sobre ações corretivas necessárias devido a possíveis defeitos sistemáticos e falhas.

c) Disponibilidade de peças sobressalentes:

O fabricante deve ser responsável por garantir a contínua disponibilidade de partes de reserva necessárias à
manutenção por um período não inferior a 10 anos desde a data de conclusão da fabricação.

10.4.2 Recomendações para o usuário

a) Se o usuário desejar realizar sua própria manutenção, ele deve assegurar que sua equipe tenha qualificação
suficiente, bem como um conhecimento detalhado do respectivo equipamento de manobra e mecanismo de
controle.

b) O usuário deve registrar as seguintes informações:

⎯ o número de série e o tipo do equipamento de manobra e mecanismo de controle;

⎯ a data de entrada em serviço do equipamento de manobra e mecanismo de controle;

⎯ os resultados de todas as medições e ensaios, incluindo ensaios de diagnóstico realizados durante a vida
do equipamento de manobra e mecanismo de controle;

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 87


ABNT NBR IEC 60694:2006

⎯ datas e extensão da manutenção realizada;


⎯ o histórico de serviço, registros periódicos dos contadores de operação e outras indicações
(por exemplo, operações de curto-circuito);

⎯ referência a qualquer relatório de falha.

c) No caso de falha e defeitos, o usuário deve fazer um relatório de falha e informar ao fabricante, declarando as
circunstâncias especiais e as medidas tomadas. Dependendo da natureza da falha, deve ser feita uma análise
em conjunto com o fabricante.

10.4.3 Relatório de falha

A finalidade do relatório de falha é padronizar o registro de falha do equipamento de manobra e mecanismo de


comando, com os seguintes objetivos:

⎯ descrever a falha, utilizando uma terminologia comum;

⎯ fornecer dados para fins estatísticos;


⎯ fornecer uma realimentação significativa ao fabricante.

A seguir são fornecidas orientações de como fazer um relatório de falha.


Um relatório de falha deve incluir:

a) Identificação do equipamento de manobra que falhou:

⎯ nome da subestação;
⎯ identificação do equipamento de manobra (fabricante, tipo, número de série, dados nominais);
⎯ família do equipamento de manobra (sopro de ar, pequeno volume de óleo, SF6, vácuo);
⎯ localização (interno, externo);
⎯ invólucro;

⎯ mecanismo de operação, se aplicável (hidráulico, pneumático, mola, motor, manual).

b) Histórico do equipamento de manobra:

⎯ data de comissionamento do equipamento;

⎯ data da falha/defeito;

⎯ número total de ciclos de operações, se aplicável;


⎯ data da última manutenção;
⎯ detalhes de qualquer mudança feita no equipamento desde a fabricação;

⎯ número total de ciclos de operação desde a última manutenção;


⎯ condição do equipamento de manobra quando a falha/defeito foi descoberta (em serviço, manutenção etc.).

88 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

c) Identificação do subconjunto/componente responsável pela falha/defeito primário

⎯ componentes solicitados por alta-tensão;


⎯ circuitos de controle elétrico e auxiliar;

⎯ mecanismo de operação, se aplicável;

⎯ outros componentes.
d) Solicitação provável que contribuiu para a falha/defeito
⎯ condições do ambiente (temperatura, vento, chuva, neve, gelo, poluição, descarga atmosférica etc.).

e) Classificação da falha/defeito

⎯ falha maior;

⎯ falha menor;
⎯ defeito.
f) Origem e causa da falha/defeito

⎯ srcem (mecânica, elétrica, estanqüeidade se aplicável);


⎯ causa (projeto, fabricação, instruções inadequadas, montagem incorreta, manutenção incorreta,
solicitações além daquelas especificadas etc.).

g) Conseqüências da falha ou defeito

⎯ tempo de inoperância do equipamento de manobra;

⎯ tempo consumido para o reparo;

⎯ custo da mão-de-obra;

⎯ custo das partes de reserva.


Um relatório de falha pode incluir as seguintes informações:

⎯ desenhos, croquis;
⎯ fotografias dos componentes defeituosos;

⎯ diagrama unifilar da subestação;

⎯ seqüências de operação e tempos;


⎯ registros ou gráficos;

⎯ referências aos manuais de operação e manutenção.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 89


ABNT NBR IEC 60694:2006

11 Segurança
O equipamento de manobra e mecanismo de controle de alta-tensão pode ser seguro somente quando instalado
de acordo com as regras de instalação específicas, e utilizado e mantido de acordo com as instruções do
fabricante (ver seção 10).

O equipamento de manobra e mecanismo de controle de alta-tensão somente deve ser acessível, operado e
mantido por pessoas habilitadas. Nos casos em que o acesso aos equipamentos de manobra e mecanismos de
controle de distribuição não é limitado, podem ser necessárias medidas de segurança adicionais.

As seguintes especificações desta Norma fornecem medidas de segurança pessoal para equipamento de
manobra e mecanismo de controle contra vários perigos:

11.1 Aspectos elétricos


⎯ isolação da distância de isolamento (ver 4.2);

⎯ aterramento (contato indireto) (ver 5.3);

⎯ separação dos circuitos de AT e BT (ver 5.4);

⎯ código IP (contato direto) (ver 5.13.1).

11.2 Aspectos mecânicos


⎯ componentes pressurizados (ver 5.2);

⎯ força de atuação manual (ver 5.6.3);


⎯ código IP (partes móveis) (ver 5.13.1);

⎯ proteção contra impacto mecânico (ver 5.13.3).

11.3 Aspectos térmicos


⎯ máxima temperatura das partes acessíveis (ver tabela 3);

⎯ inflamabilidade (ver 5.17).

11.4 Aspectos de operação


⎯ operação dependente de energia (ver 5.5);

⎯ carregamento manual (ver 5.6.3);

⎯ operação manual independente (ver 5.7);

⎯ dispositivos de intertravamento (ver 5.11);

⎯ indicação de posição (ver 5.12).

90 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Estes fatores podem ser calculados a partir de 4.2.2 da IEC 60071-2, com a seguinte equação:

Ka = e ( - 1000)/8150
m H

onde
H é a altitude, em metros;
m é tomado como um valor fixo em cada caso para simplificação como segue:
m = 1 para tensões de impulso de manobra fase-fase, à freqüência industrial e de impulso atmosférico
m = 0,9 para tensão de impulso de manobra longitudinal

m = 0,75 para tensão de impulso de manobra fase-terra.

Figura 1 — Fato r de correção para altitude (ver 2.2.1)

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 91


ABNT NBR IEC 60694:2006

Figura 2 — Diagrama de con exões de um dispositivo de manobra tripolar (ver 6.2.5.1)

92 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

F Filtro
RL Resistência equivalente de R1 em série com a combinação paralela de R2 e a resistência equivalente do equipamento de
medição
Zs Pode ser um capacitor ou um circuito composto de um capacitor e um indutor em série
L A impedância utilizada para desviar correntes à freqüência industrial e para compensar capacitâncias de dispersão na
freqüência de medição

Figura 3 — Diagrama de um circuito de ensaio para ensaio de tensão de radiointerferência em dispositivos


de manobra (ver 6.3)

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 93


ABNT NBR IEC 60694:2006

Anexo A
(normativo)
Identificação da amostra sob ensaio

Os seguintes dados e desenhos, quando aplicável, devem ser submetidos pelo fabricante ao laboratório de
ensaios, com relação a cada amostra sob ensaio (porém não necessariamente devem ser incluídos no relatório de
ensaio). As informações a serem incluídas no relatório de ensaio são dadas em 6.1.3.

A.1 Dados
⎯ Nome do fabricante;
⎯ Designação do tipo, características nominais e número de série do equipamento;
⎯ Descrição resumida do equipamento (incluindo o número de pólos, o sistema de intertravamento, o sistema
de barramento, o sistema de aterramento e o processo de extinção de arco);

⎯ Fabricação, tipo, número de série e valores nominais de partes essenciais, onde aplicável
(por exemplo, mecanismo de operação, interruptores, impedâncias emderivação, relés, elos fusíveis, isoladores);


Características nominais dos elos fusíveis e dispositivos de proteção;
⎯ Se o equipamento é para operação nos planos vertical e/ou horizontal.

94 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

A.2 Desenhos
Desenhos a serem submetidos Conteúdo do desenho (quandoaplicável)
Diagrama unifilar do circuito principal Designação dos tipos dos componentes principais
Arranjo geral Dimensões
Estruturas-suporte
NOTA Para uma montagem pode ser Invólucro (s)
necessário fornecer desenho do conjunto Dispositivos de alívio de pressão Partes
completo e de cada dispositivo de manobra.
condutoras do circuito principal
Condutores e conexões de aterramento
Distâncias de isolamento:
- para terra, entre contatos abertos
- entre pólos
Localização e dimensões de barreiras entre pólos
Localização das blindagens metálicas aterradas, guilhotinas
ou partições em relação às partes vivas
Nível do líquido isolante
Localização e designação do tipo dos isoladores
Localização e designação do tipo dos transformadores para
instrumentos
Desenho detalhado dos isoladores Material
Dimensões (incluindo perfil e distância de escoamento)
Desenhos do arranjo das caixas de cabos Distâncias de isolamento
Dimensões principais
Terminais
Nível ou quantidade e especificações da isolação das caixas
Detalhes das terminações dos cabos
Desenhos detalhados das partes do circuito Dimensões e material das partes principais
principal e componentes associados Vista em corte através dos eixos dos contatos principal e de
arco
Percurso dos contatos móveis
Distância de isolamento entre contatos abertos
Distância entre o ponto de separação dos contatos e o final do
percurso
Montagem dos contatos móveis e fixos (componentes)
Detalhes dos terminais (dimensões, materiais)
Identificação das molas
Material e distâncias de escoamento das partes isolantes
Desenhos detalhados dos mecanismos Arranjo e identificação dos componentes principais das
(incluindo acoplamento e mecanismos de cadeias cinemáticas para:
operação) - contatos principais
- chaves auxiliares
- chaves-piloto
- indicação de posição
Dispositivo de travamento
Montagem do mecanismo (componentes)
Dispositivo de intertravamento
Identificação das molas
Dispositivos de controle e auxiliares
Diagrama elétrico dos circuitos auxiliares e de Designação do tipo de todos os componentes
controle (se aplicável)

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 95


ABNT NBR IEC 60694:2006

Anexo B
(normativo)
Determinação do valor eficaz equivalente de uma corrente de curta duração
durante um curto-circuito de uma dada duração

O método ilustrado na figura B.1 deve ser utilizado para determinar a corrente de curta duração (ver 6.6.2).
O tempo total tt do ensaio é dividido em 10 partes iguais pelas verticais 0 – 0,1 ... 1 e o valor eficaz da componente
c.a. da corrente é medida nestas verticais.
Estes valores são designados:
Z0 , Z1 ... Z 10
onde:

Z X 2

e X é o valor de crista da componente c.a. da corrente.


O valor eficaz equivalente da corrente durante o tempo tt é dado por:

A componente c.c. da corrente representada por CC’ não é levada em consideração.

AA’ Envoltória da onda de corrente.


BB’
CC’ Deslocamento da linha de zero da onda de corrente da linha de zero normal para qualquer instante.
Z0 ... Z10 Valor eficaz da componente c.a. da corrente em qualquer instante medido do zero normal; a componente c.c. é desprezada
X0 Valor de crista da componente c. a. da corrente no instante do início do curto-circuito
BT Duração do curto-circuito, tt
Figura B.1 — Determinação da corrente de curta-duração

96 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Anexo C
(normativo)
Método para ensaio de i ntempérie para equipamento de manobra e
mecanismo de comando para uso externo

O equipamento de manobra e mecanismo de comando a ser ensaiado deve estar completo e totalmente equipado
com todas as coberturas, blindagens, buchas etc., e colocado na área a ser submetida a uma precipitação artificial.
Para equipamento de manobra e mecanismo de comando constituído de várias unidades funcionais, um mínimo
de duas unidades deve ser utilizado para ensaiar a junção entre elas.

A precipitação artificial deve ser fornecida por um número suficiente de bicos, a fim de produzir uma pulverização
uniforme sobre a superfície sob ensaio. As várias partes do equipamento de manobra e mecanismo de comando
podem ser ensaiadas separadamente, garantindo que uma pulverização uniforme seja simultaneamente aplicada
também:

a) às superfícies superiores por bicos situados a uma altura adequada;

b) no piso exterior ao equipamento a uma distância de 1 m em frente às partes sob ensaio com o equipamento
colocado à altura mínima acima do nível do piso especificada pelo fabricante.

Onde a largura do equipamento exceder 3 m, a pulverização pode ser aplicada a cada seção de 3 m de largura
sucessivamente. Invólucros pressurizados não necessitam ser submetidos à precipitação artificial.

Cada bico utilizado neste ensaio deve fornecer uma pulverização uniforme com um padrão de forma quadrada
tendo uma capacidade de 30 L/min 10% a uma pressão de 460 kPa 10% e com um ângulo de pulverização de
60°a 80°. As linhas dos eixos centrais dos bicos d evem ser inclinadas para baixo, de modo que o topo da
pulverização seja horizontal enquanto seja dirigida em direção à superfície sob ensaio. É conveniente distribuir os
bicos em um tubo vertical, mantendo um espaçamento entre eles de aproximadamente 2 m (ver arranjo de ensaio
na figura C.1).
A pressão do tubo de alimentação dos bicos deve ser 460 kPa 10% sob condição de fluxo. A taxa na qual a
água é aplicada a cada superfície sob ensaio deve ser de aproximadamente 5 mm/min, e cada superfície assim
ensaiada deve ser submetida a esta taxa de precipitação artificial durante 5 min. Os bicos de pulverização devem
estar a uma distância entre 2,5 e 3 m da superfície vertical sob ensaio mais próxima
NOTA A quantidade de água é considerada de acordo com esta Norma quando a pressão é de 460 kPa 10% e quando
é utilizado um bico de acordo com a figura C.2.

Após a conclusão do ensaio, o equipamento deve ser imediatamente inspecionado para determinar se os
seguintes requisitos foram satisfeitos:

1) não deve ser visível água sobre a isolação dos circuitos principal e auxiliar;

2) não deve ser visível água em quaisquer componentes elétricos internos e mecanismos do equipamento;
3) não deve ter acúmulo significativo de água na estrutura ou outras partes não isolantes (para minimizar a
corrosão).

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 97


ABNT NBR IEC 60694:2006

A Aproximadamente 2 m
B 1m
C 2,5 m a 3 m
D Altura mínima acima do chão

Figura C.1 — Arranjo para ensaio de intempéries

98 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

27,8

22,2

28
Corpo
Material: bronze 39

14,3 1,6

0 19k7 0,8

Espirais internas
Materia:
l bronze

Montagem

Escala 1:1

Dimensoes em miffmetros

Figura C.2- Bico para ensaio de intemperies

©£1-BNT 2006- Todos os direitos reservados 99


ABNT NBR IEC 60694:2006

Anexo D
(informativo)
Informação a respeito dos níveis de isolamento e ensaios

O objetivo deste anexo é fornecer informações a respeito dos níveis de isolamento e ensaios especificados nesta
Norma.

D.1 Especificação
Os níveis nominais de isolamento são baseados principalmente nos requisitos da IEC 60071-1. O guia de aplicação
da IEC 60071-2 fornece toda explanação referente à relação entre a tensão nominal do sistema e os níveis
padronizados de isolamento. Porém estas normas são elaboradas para serem utilizadas por todos os tipos de
equipamentos: isoladores, cabos, transformadores de potência etc. Portanto, algumas escolhas necessitam ser
feitas aplicando-as aos equipamentos de manobra e mecanismo de comando de alta-tensão.

D.1.1 Fase-terra
Os níveis de isolamento têm sido selecionados levando em consideração os valores mais utilizados para
equipamento de manobra e m ecanismo de comando.

Em adição
para tensõesà IEC 60071-1,
nominais umaque
maiores tensão
245 nominal
kV, a fimsuportável à freqüência
de verificar industrial
a suportabilidade às de curta duração
sobretensões é adicionada
temporárias pela
isolação interna.

D.1.2 Fase-fase
Nenhuma modificação é feita para as especificações da IEC 60071-1 para o isolamento entre pólos.

D.1.3 Isolação longitudinal


Uma vez que nenhuma outra norma IEC especifica a isolação longitudinal, os valores nominais de suportabilidade
não necessitam ser tomados da lista da IEC 60071-1.

D.1.3.1 Distância de seccionamento

Em adição aos requisitos de coordenação de isolamento, a norma especifica a isolação da “distância de


seccionamento”. Isto é para cobrir as condições especiais que os seccionadores devem atender para prover um
fator de segurança adicional (1,15) (ver 5.102 da IEC 60129).

A intenção não é prover uma “autocoordenação”, a qual iria requerer que qualquer descarga disruptiva no
dispositivo de manobra ocorra preferencialmente entre fase-terra e não entre seus contatos abertos. Geralmente,
é admitido que quando um trabalho tem que ser realizado no condutor de alta tensão, a segurança somente é
garantida quando o condutor é conectado à terra. Devem ser aplicadas as regras locais de segurança.

D.1.3.2 Ensaios de tensão combinada das tabelas 2

Um ensaio de tensão combinada é aquele no qual duas fontes separadas, ambas gerando tensões para terra, são
conectadas aos dois terminais da amostra sob ensaio (ver seção 26 da IEC 60060-1).

100 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Tal ensaio é solicitado para equipamentos de manobra e mecanismo de comando de 300 kV ou superior para
levar em consideração as condições de defasagem entre as distâncias de isolamento ou em disjuntores de
acoplamento. Ele também pode ser útil para realizar qualquer ensaio onde a tensão de ensaio entre duas partes
vivas é especificada maior que a de fase - terra.

As componentes dos ensaios de tensão combinada foram especificadas após as seguintes considerações:
⎯ Tensão suportável à freqüência industrial de curta duração

Os valores especificados de tensão suportável à freqüência industrial correspondem às mais severas


condições de
dispositivo de rejeição
manobradeligado
cargaao
após a desconexão
gerador de um
pode atingir até gerador
1,5 vez a plena
tensãocarga. A sobretensão
do sistema do lado
e pode durar atédo
3s
com possível deslocamento de fase. Ao mesmo tempo, o lado do dispositivo de manobra ligado à rede está
energizada com a tensão nominal de operação. A soma das duas tensões em oposição de fase é 2,5 vezes a
tensão do sistema, estendido aqui a 2,5 vezes a tensão nominal.
⎯ Tensão suportável de impulso de manobra

O valor de tensão suportável de impulso de manobra especificado para fase-terra na coluna 4 da tabela 2 é
previsto para cobrir a maior sobretensão de frente lenta que provavelmente possa ocorrer no terminal do
dispositivo de manobra. Isso ocorre na extremidade remota de uma linha de transmissão após um religamento
rápido na outra extremidade sobre carga residual. Esta sobretensão, neste instante, é da mesma polaridade
da tensão à freqüência industrial da rede, portanto não deve ser a considerada quando se procura a máxima
solicitação através de um dispositivo de manobra. A máxima solicitação se verifica quando ocorre uma
sobretensão de polaridade oposta à da tensão à freqüência industrial do sistema. Neste caso, o valor máximo
de sobretensão ocorre quando do fechamento da extremidade remota, o qual é inferior ao que ocorre quando
de um religamento. Portanto, os valores especificados de impulso de manobra da coluna 6 são menores do
que aqueles da coluna 4.

Impulso atmosférico
No processo de definição da coordenação de isolamento, a IEC 60071-1 leva em consideração a
probabilidade de ocorrência de uma situação para selecionar o critério de desempenho. A probabilidade de
que a máxima sobretensão de frente rápida ocorra no terminal de um dispositivo de manobra no instante em
que o terminal oposto está energizado com a máxima tensão do sistema na polaridade oposta é pequena.
Portanto, o impulso atmosférico especificado a ser considerado neste caso particular não necessita ser tão
alto como no caso geral. Uma redução de aproximadamente 5% tem sido provada ser mais que adequada
durante as últimas décadas. Por conveniência de ensaio, esta redução da tensão total entre terminais do
dispositivo de manobra é aplicada na componente de tensão à freqüência industrial.

D.2 Ensaio
D.2.1 Ensaio da isolação longitudinal pelo método alternativo
Para ser exatamente equivalente ao método preferencial, a tensão entre o terminal energizado e a base deve ser
igual à tensão suportável nominal fase-terra. Porém é difícil ajustar exatamente esta tensão simultaneamente com
a tensão de ensaio longitudinal. O valor de Uf foi fixado considerando o seguinte:
⎯ asem
⎯ amenos
tensão
risco;de ensaio entre qualquer terminal e a base não pode exceder a tensão suportável nominal fase-terra
solicitação do campo elétrico entre os contatos abertos depende principalmente da tensão entre eles, e
da tensão para a terra;
⎯ a determinação da tensão suportável nominal da distância de seccionamento não é tão exata;
⎯ o fator de segurança é incluído no processo de coordenação de isolamento (ver IEC 60071-1), para levar em
consideração tais dificuldades de ensaio.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 101


ABNT NBR IEC 60694:2006

D.2.2 Ensaio entre fases para tensões nominais acima de 245 kV

D.2.2.1 Divisão da tensão entre as duas componentes do impulso de manobra do ensaio fase-fase

A relação real das duas componentes pode ter qualquer valor na rede. De maneira a simplificar os ensaios,
a IEC 60071-1 especifica componentes balanceados (mesma amplitude com polaridades opostas). Uma vez que
isto conduz a uma condição menos severa, a tensão de ensaio total foi aumentada para cobrir qualquer caso
realístico (ver anexo C da IEC 60071-2). Assim, se a mesma tensão de ensaio total for aplicada com uma
distribuição desbalanceada das componentes, o ensaio é mais severo que o solicitado.

Porém, poucos laboratórios possuem dois geradores de impulso. Deste modo uma componente pode ser
substituída pelo valor de crista da tensão à freqüência industrial. Mas isto conduz a tensões à freqüência industrial
maiores que a tensão fase-terra especificada, e de duração maior. Portanto, algum compromisso é necessário,
dependendo da tensão suportável fase-terra real do equipamento de manobra e das instalações do laboratório.

D.2.2.2 Ensaios sob chuva

Normalmente não é necessário ensaio de impulso de manobra sob chuva entre fases pelas seguintes razões:

⎯ isolação interna ao invólucro não necessita de ensaios sob chuva;

⎯ para equipamentos de manobra e mecanismos de controle de tensão nominal acima de 245 kV, a tensão
suportável entre fases não é sensível à influência da precipitação atmosférica, uma vez que o ar é a única
isolação entre fases exposta ao tempo.

D.2.3 Ensaios de tensão combinada de isolação longitudinal

D.2.3.1 Tolerância da componente da tensão à freqüência industrial


De acordo com a IEC 60060-1, a tolerância da componente de tensão à freqüência industrial deve ser mantida
dentro de 3% do nível especificado. Isto permite algumas variações da fonte de tensão principal sem ajuste
permanente. Porém, durante um ensaio de tensão combinada, o laboratório precisa também monitorar muitos
outros parâmetros da fonte de tensão de impulso. Portanto, é aceitável uma tolerância maior para esta
componente, mas a tensão de ensaio a ser considerada é a tensão total obtida entre contatos abertos ou distância
de seccionamento.

D.2.3.2 Fator de correção atmosférico

O fator de correção atmosférico deve ser preferencialmente calculado de acordo com a IEC 60060-1. No caso do
ensaio de tensão combinada, o fator de correção atmosférico deve ser preferencialmente aplicado à tensão de
ensaio total, que é a soma das duas componentes.

102 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Anexo E
(informativo)

Estanqueidade (informa ao, exemplo e orienta ao)

Exemplo:
A B c
Equipamento de manobra em inv61ucro
metalico isolado a gas, encapsulamento
monofasico, compartimentos das tres fases
g I e
do disjuntor conectados ao mesmo
sistema de gas

Taxa de vazamento do sistema:


Compartimento A 19. 10-0 Pax m3Js

Compartimento B 19 · 10-0 Pax m3/s


Compartimento C 19 · 10-0 Pax m3/s
3
Caixa de controle
(incluindo valvulas,Dmedivao, monitoramento) 2,3 . 1o-O Pa X m /s
Canalizavao e 0,2 . 1o-O Pa X m3/s

Canalizavao I 0,2 . 1 o-O Pa X m3/s

Canalizavao g 0,2 - 10-0 Pax m3/s

Sistema complete 59,9 - 10-0 Pax m3/s

Pressao de enchimento Pre: 700 kPa (absolute)


Pressao de alarme Pae: 640 kPa (absolute)

Volume interne total 270 dm 3

59,9 - 10-6 x 60x60 x24x365


Frel = x 100 = 1,0% por ano
700x103 x270x10-3

3
-3
T= (700-640)x10 x270x10 = 8,5 anos
59,9 - 10-6 x60 x60 x24 x 365

Figura E.1 - Exemplo de urn grilficodeTCpressao


de coordena ao de estanqueidade para urn
fechado
sistema

©£1-BNT 2006- Todos os direitos reservados 103


1
0
4

©
A
B
N
NOTA 1 “Rastreador de vazamento” em boas condições. Medição por integração de vazamento pode resultar melhor sensibilidade.
T
2
0
0
6
- NOTA 2 Medição por integração de vazamento.
Por “Rastreador de vazamento”.
T
o
d NOTA 3
o
s
o
s
d
Figura E.2 – Sensibilidade e aplicabilidade de diferentes métodos de detecção de vazamento para ensaios de estanqueidade
ir
e
it
o
s
re
s
e
rv
a
d
o
s
ABNT NBR IEC 60694:2006

Anexo F
(informativo)
Ensaio dielétrico de equipamento de manobra e mecanismo de controle
autoprotegido

F.1 Geral
F.1.1 Quando o equipamento de manobra e mecanismo de controle inclui pára-raios incorporados a outras
peças do equipamento tendo uma tensão suportável nominal sem possibilidade de separação, são necessárias
algumas adaptações nas práticas normais de ensaio.

Primeiramente, é necessário introduzir uma “tensão suportável presumida”, a tensão de ensaio que deveria ser
fornecida pelo gerador de impulsos sem a influência da amostra sob ensaio. Esta deve ser medida antes de
conectar a amostra sob ensaio.

Então, deve ser definido um critério de falha: uma descarga “anormal” que é caracterizada por um decaimento
abrupto na curva tensão x tempo ou por uma forma de onda diferente daquela obtida para o dispositivo de
limitação de tensão quando ensaiado separadamente (ver figura F.1).
F.1.2 A tensão suportável à freqüência industrial de curta duração também deve ser considerada, especialmente
para equipamento de manobra e mecanismo de controle de tensão nominal de 245 kV ou inferior.
Para esta classe de equipamento, o valor da tensão à freqüência industrial de ensaio é alto, não devido a tão altas
sobretensões temporárias, mas para cobrir também a classe de sobretensões suportáveis de frentes lentas.

A adoção desta forma de onda e duração de tensão de ensaio nos níveis especificados nas tabelas 1 e 2
danificaria os pára-raios sem representar as condições realísticas de serviço. Portanto, os ensaios de tensão à
freqüência industrial devem ser executados em níveis que cubram as possíveis sobretensões temporárias.
Impulsos de manobra devem ser adicionados para verificar a isolação contra sobretensões de frentes lentas
(ver IEC 60071-2).
F.1.3 Dispositivos limitadores de tensão incluídos no equipamento de manobra e mecanismo de comando
autoprotegido devem ser ensaiados separadamente de acordo com suas normas pertinentes (IEC 60099).

A finalidade dos ensaios deste anexo é verificar a coordenação entre os dispositivos limitadores de tensão e
outros componentes do equipamento de manobra e mecanismo de comando.

F.2 Ensaios à freqüência industrial


Ensaios à freqüência industrial a seco devem ser realizados durante 1 min com tensões de ensaio de valor eficaz
conforme indicado abaixo. Não devem ocorrer descargas disruptivas. Tem sido adotado um fator de falta a terra
de 1,4 na fórmula a seguir para cálculo geral. Valores reais devem ser preferencialmente utilizados quando
conhecidos.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 105


ABNT NBR IEC 60694:2006

F.2.1 Fase-terra
⎯ equipamento de manobra e mecanismo de comando para ser utilizado em sistemas solidamente aterrados
deve ser ensaiado a 1,4 1,15 U r 3 1,6 Ur 3.

⎯ equipamento de manobra e mecanismo de comando para ser utilizado em sistemas diferentes dos
solidamente aterrados deve ser ensaiado a 1,15 U r 2 U r 3 .

F.2.2 Entre fases


⎯ equipamento de manobra e mecanismo de comando sem separações condutoras aterradas entre fases deve
ser ensaiado a 1,15 U r 2 Ur 3.

F.2.3 Entre contatos abertos do dispositivo de manobra


⎯ equipamento de manobra e mecanismo de comando para ser utilizado em sistemas solidamente aterrados
deve ser ensaiado a 1,15 1 1,4 U r 3 2,75 Ur 3.

⎯ equipamento de manobra e mecanismo de comando para ser utilizado em sistemas diferentes daqueles
solidamente aterrados deve ser ensaiado a 1,15 1 3 Ur 3 3 ,15 U r 3

⎯ através da distância de seccionamento, a tensão de ensaio deve ser 1,15 vez a tensão de ensaio entre
contatos abertos do dispositivo de manobra.

O ensaio deve ser executado com duas fontes de tensão em oposição, uma sendo ajustada perto do valor da
tensão de ensaio fase-terra e a outra a um valor conveniente para dar o valor total especificado.
Como alternativa, pode ser utilizada uma única fonte se a base for isolada da terra. Neste caso, a tensão entre o
terminal energizado e a base deve ser preferencialmente fixada próxima ao valor da tensão de ensaio fase-terra,
como no método alternativo de 6.2.5.2 b).

F.3 Ensaios de impulso de manobra


Equipamentos de manobra e mecanismo de comando de tensão nominal de 300 kV e superior devem ser
ensaiados com os valores de tensão das tabelas 2a e 2b, como tensões presumidas.

Equipamentos de manobra e mecanismo de comando de tensão nominal de 245 kV e inferior devem ser
ensaiados com 15 impulsos de manobra, em cada polaridade e em cada condição. Não devem ocorrer descargas
disruptivas. O valor de crista presumido da tensão de ensaio deve ser 1,55 vez o valor eficaz das tensões à
freqüência industrial especificada na tabela 1 entre fase e terra, entre fases, entre contatos abertos do dispositivo
de manobra e através da distância de seccionamento respectivamente, se houver.

Pelo menos a tensão fase-terra obtida através do objeto sob ensaio deve ser registrada. A forma de onda da
tensão obtida pode ser muito diferente da forma de onda da tensão presumida, devido às características
respectivas do gerador de ensaio e do dispositivo limitador de tensão (ver figura F.1).

F.4 Ensaios de impulso atmosférico


Equipamento de manobra e mecanismo de comando deve ser ensaiado com os valores de tensões das tabelas 1
e 2, como tensões presumidas.

106 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

F.5 Ensaios de rotina


Componentes a serem incorporados em equipamentos de manobra e mecanismo de comando autoprotegidos
devem ser ensaiados durante 1 min com um valor eficaz de tensão à freqüência industrial igual a 1,15 x 0,7 do
valor de crista da tensão limitada obtida Ul, medida durante o ensaio de tipo com impulsos de manobra.

Figura F.1 — Exemplos de formas de onda de tensão de impulso com dispositivos li mitadores
de tensão incorporados

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 107


ABNT NBR IEC 60694:2006

Anexo G
(informativo)
Bibliografia

As seguintes normas internacionais são referidas nesta Norma para informação.


IEC 60068-2-6:1995, Environmental testing – Part 2: Tests – Test Fc: Vibration (sinusoidal)

IEC 60099-4:1991, Surge-arresters – Part 4: Metal-oxide surge arresters without gaps for a.c. systems

IEC 60129:1984, Alternating current disconnectors (isolators) and earthing switches

IEC 60233:1974, Tests on hollow insulators for use in electrical equipment

IEC 60273:1990, Characteristics of indoor and outdoor post insulators for systems with nominal voltages greater
than 1 000 V

IEC 60664-1:1992, Insulation coordination for equipment within low-voltage systems – Part 1: Principles,
requirements and tests

IEC 60721-2-2:1988, Classification of environmental conditions – Part 2: Environmental conditions appearing


in nature - Precipitation and wind

IEC 60721-2-4:1987, Classification of environmental conditions – Part 2: Environmental conditions appearing


in nature - Solar radiation and temperature

IEC 60721-3-3:1994, Classification of environmental conditions – Part 3: Classification of groups of environmental


parameter and their severities – Section 3: Stationary use at weatherprotected locations

IEC 60721-3-4:1995, Classification of environmental conditions – Part 3: Classification of groups of environmental


parameter and their severities - Section 4: Stationary use at non-weatherprotected locations

IEC 60943:1989, Guide for the specification of permissible temperature and temperature rise for parts of electrical
equipment, in particular for terminals

IEC 61000-4-1:1992, Electromagnetic compatibility (CEM) – Part 4: Testing and measurement techniques –
Section 1: Overview of immunity tests - Basic CEM publication

ISO 9001:1994, Quality systems –Model for quality assurance in design, development, production, installation
and servicing

ISO 9002:1994, Quality systems - Model for quality assurance in production, installation and servicing

108 ©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados


ABNT NBR IEC 60694:2006

Anexo H
(informativo)
Medições de compatibilidade eletromagnética no campo

Medições da CEM no campo não são ensaios de tipo, mas podem ser realizadas em situações especiais:

⎯ onde for considerado necessário verificar se as solicitações reais são cobertas pela classe de severidade da
CEM do sistema secundário, ou
⎯ de maneira a avaliar o ambiente eletromagnético, a fim de aplicar métodos próprios de mitigação, se necessário,
⎯ as medições podem ser realizadas para registrar tensões induzidas eletromagneticamente no sistema
secundário, devido a operações de manobra no circuito principal e no sistema secundário. Não é necessário
ensaiar todos os sistemas secundários numa determinada subestação. Deve ser escolhida preferencialmente
uma configuração típica.
Medição de tensões induzidas são realizadas em partes representativas na interface entre o sistema secundário e
a rede na sua vizinhança, por exemplo, nos terminais de entrada do cubículo de controle, sem desconexão do
sistema. A extensão do sistema secundário é descrita em 5.18. A instrumentação para registro de tensões
induzidas deve ser conectada como indicado na IEC 60816.
Operações de manobra devem ser executadas à tensão nominal de operação, tanto no sistema principal como no
secundário.
de operaçõesTensões induzidas irão
de estabelecimento variar estatisticamente,
e interrupção, com instantese de
portanto deveinstantâneas
operações ser escolhidoaleatórios.
um número representativo

Operações de manobra no circuito principal são realizadas em condições sem carga. Os ensaios, portanto, irão
incluir manobra das partes da subestação, porém não incluirão manobras de corrente de carga e de falta.
Devem ser realizadas operações de estabelecimento do circuito principal com uma carga residual no lado da
carga correspondente à tensão nominal de operação. Essa condição pode ser difícil de se obter nos ensaios e,
como uma alternativa, o procedimento de ensaio pode ser como segue:
⎯ zero;
descarregar o lado da carga antes da operação de estabelecimento, para assegurar que a carga residual é
⎯ multiplicar os valores das tensões registrados na operação de estabelecimento por 2, a fim de simular o caso
com a carga residual no lado da carga.
O dispositivo de manobra no sistema primário deve ser preferencialmente operado na pressão e tensão auxiliar
nominais.
NOTA 1 Os casos mais severos, em relação às tensões induzidas, normalmente ocorrerão quando somente uma pequena
parte da subestação é manobrada.

NOTA
na 2
manobra Especialmente
do seccionador.para instalações isoladas a gás (SIG), os mais severos distúrbios eletromagnéticos são esperados

O valor registrado ou calculado do pico da tensão induzida em modo comum, devido à manobra no circuito
principal, não deve exceder 1,6 kV para interfaces de classe de severidade normal da CEM e 0,8 kV para interface
de classe de severidade reduzida da CEM.

A nota de 5.18 fornece recomendações para melhoria da compatibilidade eletromagnética.

©ABNT 2006 - Todos os direitos reservados 109

Você também pode gostar