Você está na página 1de 2

Todo diplomata brasileiro tem de

conhecer o Brasil
20/09/2016 02h00

Muita gente, ao saber que sou diplomata, acaba me confidenciando que, em


algum momento da vida, pensou em seguir carreira na diplomacia.

A carreira diplomática exerce mística sobre as pessoas. Mas é uma escolha


profissional difícil. Primeiro, as vagas são poucas. Este ano, o Instituto Rio Branco
–órgão do Ministério das Relações Exteriores responsável pelo recrutamento e
formação dos diplomatas no Brasil– ofereceu 30 vagas (das quais 2 para pessoas
com deficiência e 6 para afrodescendentes) em seu concurso público.

Segundo, porque a vida no exterior –intrínseca à diplomacia– pode ser


emocionalmente complicada. Não é todo mundo que aguenta passar a vida em
exílio voluntário, mudando de país, língua e cultura de três em três anos, sendo o
eterno estrangeiro, longe dos amigos e familiares no Brasil.

Na ONU, onde há diplomatas de todos os países trabalhando lado a lado,


percebe-se que, a despeito das diferenças culturais que os separam, existe entre
eles um ponto comum: todos tentam resolver o paradoxo de ter de representar um
país no qual não se encontram.

Nesse processo, existe o risco de alienação. Há diplomatas que perdem o contato


com a realidade. No exterior, se você permitir, a realidade do seu país pode
tornar-se uma imagem distante.

É tentador para os diplomatas viverem em um mundinho à parte, protegido, igual


em qualquer lugar em que se more. O problema é que isso é antidiplomacia.

No bar de um hotel em Nova York, um correspondente internacional me conta que


nos dias seguintes ao terremoto no Haiti, um embaixador cujo país não vale
revelar o chamou para jantar em sua residência. A despeito da calamidade que se
instalara em Porto Príncipe, o jantar foi servido por garçons de luvas brancas. O
mundo acabava lá fora e Maria Antonieta recebia seus convidados para brioches.

Diplomatas bem formados não ignorariam as contingências de sua realidade


histórica, porque essa é a matéria-prima de seu trabalho.

No tempo da chamada diplomacia "ativa e altiva", do governo Lula, ampliaram-se


as vagas oferecidas anualmente pelo Instituto Rio Branco. Para ocupar as novas
embaixadas que se abriam, o Brasil precisava de braços.

Entre 2006 e 2010, 500 novos diplomatas ingressaram na carreira. De cerca de


1000, tradicionalmente, o serviço exterior brasileiro passou a contar com cerca de
1600 diplomatas. Os mentores dessa ampliação não se preocuparam com
detalhes práticos como as salas e os equipamentos que os novos funcionários
ocupariam. Tampouco se preocuparam com o impacto orçamentário ou com os
efeitos desse influxo sobre o andamento da carreira. A impressão que ficou foi que
Lula ampliou o Itamaraty para Dilma humilhá-lo.

Os mais vulneráveis ao assédio moral da ex-presidente foram os jovens


diplomatas recém-ingressados, que tiveram sua formação e seu sentido de
possibilidade profissional comprometidos pela desinteligência e pelo garrote
orçamentário imposto por Dilma.

Um dos maiores prejuízos à formação dos diplomatas foi a suspensão de uma


viagem de estudos pelo Brasil que se realizava anualmente, na qual, com o apoio
das Forças Armadas, percorriam o país que iriam representar.

Foi assim que conheci Ijuí, no oeste gaúcho, e Cucuí, no norte amazonense (sem
contar Belém, Foz do Iguaçu, Natal, Curitiba, Teresina...). Na minha formação
como diplomata, as viagens pelo Brasil infundiram, como nenhuma outra
experiência, perspectiva e sentido profissional.

Diplomatas personificam e traduzem seu país no exterior. Para tanto, precisam


conhecê-lo. Esse conhecimento é um instrumento de trabalho. As viagens de
estudos do Instituto Rio Branco deveriam ser retomadas, porque a melhor maneira
de conhecer a realidade brasileira –a que se representa no exterior– é aí no
próprio Brasil.

Endereço da página:
http://www1.folha.uol.com.br/colunas/alexandrevidalporto/2016/09/1814897-todo-diplomata-
brasileiro-tem-de-conhecer-o-brasil.shtml

Copyright Folha de S. Paulo. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo


desta página em qualquer meio de comunicaçao, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita
da Folha de S. Paulo.