Você está na página 1de 103

dossiê/revista landa

kosmos
Fabián Ludueña Romandini (org.)
Emanuele Coccia (org.)
Raúl Antelo
Alexandre Nodari

Vol. 1 N° 2 (2013) / ISSN 2316-5847


kosmos

Salvo raríssimas exceções, a filosofia dos últimos dois séculos


parece ter se definido pela exclusão precisa do objeto que presidiu seu
nascimento: a natureza das coisas, o mundo. Seja pela delegação inad-
vertida a outros saberes (as ciências naturais) ou pela convicção de que
o único e verdadeiro espírito que habita a terra e o espaço é aquele que
se expressa na multiplicidade das sociedades humanas, em sua intera-
ção dinâmica ou em sua história, a filosofia parece ter perdido qualquer
forma de interesse por tudo aquilo que de não-humano, não-social e
não-histórico habita a realidade. No entanto, se o real é racional, isto se
deve sobretudo a que a natureza das coisas nada tem de intrinsecamente
humano e o humano, o social e o histórico definem somente uma míni-
ma porção daquilo que chamamos cosmos, a ordem das coisas.

Sob o titulo Kosmos desejamos agrupar uma série de interven-


ções e ensaios que tomem como objeto aquilo que de não humano habita
o mundo, aquilo que de cósmico e natural define o âmago das cidades
em que vivemos, das sociedades que povoamos, da cultura de que nos
nutrimos.

Não se tratará de anunciar ou sancionar pela enésima vez uma


fastidiosa e inane superação do humanismo; trata-se de reencontrar
aquela inspiração que, desde Anaxágoras a Lucrécio, de Telésio a Da-
rwin, de Glisson a Lamarck permitiu à filosofia ser, sobretudo, um saber
sobre o mundo e não somente a expressão do narcisismo com o qual
a humanidade contempla e glorifica seu próprio decurso e seu próprio
passado.

Emanuele Coccia e Fabián Ludueña Romandini


revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Astrophobos o
la in-harmonia
mundi. Glosas
a la obra
poética de H.P.
Lovecraft.
Fabián Ludueña Romandini

I.
La obra poética de Howard Philip Lovecraft es, con mucho,
menos conocida que sus relatos. Indudablemente es parte integrante,
con pleno derecho, de lo que denominaremos los Scripta de Lovecraft,
es decir, un conjunto heterogéneo compuesto de relatos de diversa
extensión (algunos escritos en co-autoría), ensayos filosóficos,
escritos periodísticos, textos sobre ciencia, crítica literaria, política,
escritos de viajes, apuntes de variado objeto y tonalidad y una copiosa
correspondencia. Con todo, diversas articulaciones resultan posibles
dentro de esa masa textual. Ciertamente, es motivo de discusión si el
propio Lovecraft creía en la propia mitología que había creado. Hay
indicios, en sus ensayos y cartas, de que el tenor profundo de la filosofía
vehiculizada en los relatos era compartida por el escritor pero no así la
forma exterior de la mitología.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

En ese sentido, hay oportunidad de distinguir, según los textos, las


posiciones de Lovecraft. Esta posibilidad, no obstante, no se torna para
nada sencilla con su poesía. Es posible sostener que su poesía pertenece
a registros diferentes del corpus. Por un lado, la materia poética, en
muchas ocasiones, está al servicio de la mitología literaria pero el
sentido profundo arraiga en convicciones últimas de Lovecraft. Por otro
lado, hay poemas completamente desvinculados de los mitologemas
fundamentales. Y las posibilidades combinatorias pueden multiplicarse
no sólo por medio de la comparación de diversos poemas entre sí sino
también dentro de la estructura de un mismo poema.
Por esta razón, habremos de circunscribirnos, en este artículo,
al análisis de un conjunto numéricamente limitado de poemas los
cuales, en casi todos los casos, tienen la doble propiedad de ser parte
176 integrante de los mitologemas centrales de la obra narrativa y, al mismo
tiempo, de tener la capacidad de transmitir la filosofía subyacente en el
Mito lovecraftiano. Por cierto, nuestra aproximación toma fundamento
en la hipótesis de que es posible distinguir, con toda rigurosidad, una
filosofía que se despliega en la mitología del escritor de Providence.
La formación y los intereses filosóficos de Lovecraft están fuera de
toda duda pero sus creencias metafísicas últimas son, al mismo tiempo,
sumamente variadas, contradictorias en ocasiones, pero siempre mucho
más profundas y rigurosas de lo que sus exégetas suelen suponer.
De esta forma, los estudios sobre la filosofía de Lovecraft tienen
aún mucho camino por recorrer cuando, por el contrario, la crítica
literaria de su obra ha avanzado, como era de esperar, con paso más
firme desde hace tiempo. Del mismo modo, la concepción filosófica de
Lovecraft es de una vastedad de intereses que sería imposible abordarla
en estas páginas.1 Por esta razón, sólo habremos de concentrarnos sobre
la visión cosmológica de Lovecraft. Y, sobre esta última, únicamente
buscaremos abordar aquí lo que nos gustaría denominar la “hipótesis
hipercosmológica” en el cual se inscriben sus preocupaciones. Esta
presupone, efectivamente, que Lovecraft enmarcó su obra en un cierto
ideal de la ciencia que se transformó en un zócalo epistemológico a
partir del cual estableció una filosofía sobre el universo material y el
destino del hombre.
La ciencia ideal de Lovecraft, dado el tiempo en el que vivió,

1  Hemos consagrado un estudio específico a la filosofía de la mitología lovecraftiana. Cfr.


Ludueña Romandini, 2013.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

no fue otra que la física en sus formas más avanzadas. Gran conocedor
de la historia y de la práctica astronómicas, Lovecraft nunca dejó de
interesarse por el potencial de pensamiento y las posibilidades literarias
que los descubrimientos de Einstein y la interpretación de Copenhague
habían puesto a disposición de los eruditos. De esta manera, si bien no
fue el primer literato en establecer estos puentes con la ciencia física,
ciertamente fue el más riguroso y consecuente de los escritores de weird
fiction de su generación en postular la ciencia ideal en ideal de ciencia
para toda filosofía por venir. Un guante que, hay que reconocerlo, la
filosofía contemporánea aún no ha sabido recoger en toda su amplitud y
con todas sus consecuencias.
Los versos de Lovecraft responden perfectamente, en cuanto
a su estructura, al principio de paralelismo del artificio poético tan
177 magistralmente expuesto por la lingüística estructural (JAKOBSON,
1981, p. 39).2 Sin embargo, nuestro objetivo en estas páginas no será
intentar una “microscopía” de las formas poetológicas (JAKOBSON,
1981, p. 465) de los versos lovecraftianos sino más bien focalizarnos
sobre la macroscopía que supone su inscripción en un universo postulado
como cosmológicamente en ruptura con la concepción antigua y medieval
del orden astronómico. Como ningún otro escritor, Lovecraft defenderá
la tesis de que la filosofía de nuestra época aún no ha sido capaz de
pensar las consecuencias ontológicas últimas de la revolución producida
en el seno del ideal de la física a partir de Galileo hasta Einstein.
Sin duda, la filosofía ha tomado en consideración a la física
moderna pero, desde la perspectiva de Lovecraft, de un modo harto
insuficiente pues no ha podido renovar sus conceptos para llevarlos a
la altura de los nuevos desafíos propuestos por esta ciencia. En este
sentido, la metafísica occidental es todavía una heredera epistémica
de un cosmos griego-latino y cristiano mientras que la poetología
cosmológica de Lovecraft propone adentrarse en los abismos de un
universo completamente ajeno a las categorías propias de la onto-
teología occidental en su tradición milenaria. Para comprender el alcance
y la significación de esta apuesta lovecraftiana, debemos examinar, en
primer lugar, algunos rasgos de la concepción clásica y cristiana del
cosmos.

2  La “función poética” que toma su fundamento en el eje de las equivalencias debe ser
contrastada con la “función cero” como espacio vacío que hace posible todos los tropos
(HAMACHER, 2011, p. 23).
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

II.
La cosmología preplatónica es sumamente diversa aunque
mucho más ominosa que la planteada por la filosofía clásica. Por
cuestiones de espacio, sólo consideraremos (a modo representativo) la
de Anaximandro de quien se supone que ha escrito la sentencia más
antigua de toda la filosofía occidental y, por ello también, ha generado
un destino, una destinación, difícil de recorrer y superar. Se trata de un
fragmento escrito hace, aproximadamente, 2600 años. En efecto, hacia
el año 530 dc el neoplatónico Simplicio escribió un voluminoso tratado
titulado In Aristotelis Physicorum libros commentaria, es decir, uno de
los más importantes comentarios antiguos sobre la Física de Aristóteles.
En un pasaje de dicha obra, Simplicio rescató, posiblemente copiándola
178 del manual de Teofrasto, una cita textual de Anaximandro, escrita, con
toda probabilidad, mil años antes.3 En primer lugar, traduzcamos el
fragmento para analizar las connotaciones que este vehiculiza:

[el principio (archén) de los seres (tôn ónton) es lo


indeterminado (tò ápeiron)] desde lo cual (ex hôn) hay
generación (génesis) para las cosas que son (toîs oûsi)
y hacia ello se produce la corrupción (phthorán), según
la culpa (katà tò crheôn); en efecto, ellas pagan la pena
(didónai autà díken) y reparan (tísin) la injusticia (adikías)
recíprocamente, [según la sentencia (judicial) del tiempo
(katà tèn toû chrónou táxin)].4

¿Qué es el ápeiron? Podríamos decir que refleja la región propia


de lo divinológio-cosmológico-político. Es un concepto político porque
del ápeiron se dice que gobierna (hybernâi). Ya Gigon entendía que
estaba en juego aquí una divinidad. Desde luego, no es un dios personal
sino “lo divino” y por ello Aristóteles dice que lo infinito gobierna todas
las cosas (GIGON, 1954, p. 125-154)5. Sin embargo, “gobernar” no
supone un poder más alto o exterior que regule la acción de los contrarios.
Tal acción, ordenada, es inmanente al todo, aún cuando trascienda a las
partes.

3  Sobre Anaximandro sigue siendo de importancia capital el libro de Kahn (1960).


4  Tomamos como base el texto griego propuesto por Cornavaca (2008, p. 48-49). Sin
embargo, a su excelente traducción la hemos modificado en puntos capitales de acuerdo a los
requerimientos de nuestra exégesis.
5  Sobre Aristóteles con relación a Anaximandro, Cfr. Física, I, 3, 203b.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Los opuestos que son aquí gobernados se refieren a los cuatro


elementos que enuncia Aristóteles: caliente, frío, seco, húmedo en su
interacción contradictoria entre sí (lo frío se calienta, lo caliente se
enfría, lo seco se humedece, etc). Así, dentro del ápeiron, se produce una
ruptura del equilibrio por prevalecer uno de los contrarios, “formándose
separadamente para alternar con su anulación por el otro contrario, al que
tal vez seguiría, cíclicamente, otro momento de equilibrio” (EGGERS
LAN et JULIÁ, 1974, p. 114). Es decir que a partir de los elementos
contenidos en lo Ilimitado se generan sus contrarios y hacia ellos se
destruyen.
Resulta importante señalar que, otros testimonios, como el
de Pseudo-Plutarco, señalan que “lo infinito es la causa entera de la
generación y destrucción de todo, a partir de lo cual se segregan los
179 cielos y en general todos los mundos”.6 Probablemente debemos
interpretar aquí que, para Anaximandro, hay un ciclo de aniquilación de
cada universo, kosmos, existente y el comienzo, en una rueda eterna, de
uno nuevo. La noción de injusticia que está en juego en este fragmento
se relaciona con un orden sustancial del mundo junto a una idea –tal vez
siniestra– de adikía donde intervienen fuerzas cósmicas deificadas de
orden indefinido.
El tipo de necesidad que aquí existe es la del tiempo histórico que
se abre cuando la culpa preside los destinos del cosmos y la vida humana.
La necesidad económica de la culpa es lo que, justamente, establece el
fragmento en su provocadora y escandalosa proposición. Como señalaba
Wilamovitz-Möllendorff, el filólogo gran rival de Nietzsche, en un
estudio sobre el derecho penal antiguo: “toda transgresión (Verfehlung)
es una adikèma hasta que no sea expiada”.7 Esto implica, según el
filólogo alemán, que todo delito instaura un desequilibrio en el orden
del cosmos.
La adikía desata entonces una potencia mística cuya reacción es
la de restaurar el orden volviendo el crimen contra su autor. Pero esta
reparación económica es cósmica y divina. Por esta razón, Teseo, en la

6  PSEUDO-PLUTARCO. Stromata, fr. 2 (12A10) apud EGGERS LAN et JULIÁ, 1974, p.


124-125.
7  “Das attische ausgebildete Recht geht eben von dem absolut Gerechten aus : die Moral
ist auch hier das Massgebende. Die Rechtsordnung, die wir Staat nennen, erscheint dazu
geschaffen, der Gerechtigkeit zur allgemeinen Herrschaft zu verhelfen. Jede Verfehlung ist ein
adikèma; so lange sie nicht gebüfst ist, dauert das adikein: man redet davon immer im Präsens”.
(WILLAMOWITZ-MÖLLENDORFF, 1905, p. 24)
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

escritura de Eurípides, puede acceder a la plegaria de las Suplicantes:


debe pedir el auxilio de las adikoumenoi, las “víctimas de una injusticia”
para tener el apoyo de la divinidad.8 Por todo esto, está fuera de toda
duda razonable que el fragmento de Anaximandro hace referencia a
conceptos eminentemente jurídicos y, al mismo tiempo, da cuenta de
fenómenos cosmológico-económicos concomitantes.
Desde el punto de vista de los filósofos como Anaximandro la
existencia está condenada a la extinción por una intrínseca culpa jurídica
que debe ser expiada en un juicio, siempre condenatorio, establecido y
llevado adelante por el tiempo como juez. Entonces, la existencia es,
desde el punto de vista normativo, una entidad judicialmente culpable
de haber salido a la luz y por lo tanto su expiación, en la justicia
cósmica, consistirá en el castigo de su extinción. Ciertamente, aquí la
180 justicia cósmica y la justicia humana están, desde luego, en un plano
de correspondencia. Tal y como se piensa económico-legalmente la
existencia del hombre, así se concibe también el kosmos en el que éste
se inserta.
Sobre este trasfondo, los filósofos, a partir de Platón en adelante,
ofrecerán una imagen muy diferente del cosmos (aún cuando haya
elementos evidentemente heredados de la antigua tradición de los sabios
preplatónicos). Del mismo modo, en ciertas corrientes religiosas, como
el gnosticismo, los modelos de la filosofía clásica volverán a teñirse de
algunas coloraciones más sombrías (DENZEY, 2013). La concepción
clásica del universo puede verse bien ejemplificada, por ejemplo, en el
Timeo (32D-33A) de Platón9:

sus intenciones [las del Demiurgo] eran las siguientes: que


[el universo] fuese, en la medida de lo posible, una criatura
viviente, perfecta, constituido de partes perfectas; y luego,
que pudiese ser único, de modo que no hubiese nada de
sobra a partir de lo cual otra criatura viviente semejante
pudiese advenir a la existencia […] Por lo tanto, debido a
este razonamiento, [el Demiurgo] lo modeló [al Universo]
para que fuese un conjunto único, compuesto de todos los
conjuntos, perfecto (téleon), exento de la vejez (agéron) y
de la enfermedad (ánoson). (PLATON, 1999, p. 60-61).

8  EURÍPIDES, Suplicantes, v. 301 sq.


9  Los estudios sobre el tema son numerosos. Querríamos señalar la importancia, sin embargo,
de Conford (1937); Vlastos (1975) y Gloy (1986). Sobre la astronomía platónica, Cfr. Knorr
(1990).
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

En este sentido, la forma del Cosmos es modelada por el


Demiurgo según una triplicidad que constituye la esencia de su orden:
se trata de un Todo cuya perfección es producto de su inmutabilidad
sustancial y de la ausencia de toda corrupción constitutiva. Esta visión,
no obstante, se refuerza en el platonismo posterior como es posible
comprobarlo a través del Comentario (I, 26) que Proclo realiza de este
diálogo platónico:

Más aún, que todo esto sea hecho de acuerdo con lo correcto
introduce una imagen de la Justicia que ordena todas las
cosas junto con Zeus […] una imagen de la causa que
ilumina el universo con la belleza demiúrgica, y los presentes
hospitalarios del intercambio que está determinado por las
propiedades especiales de las divinidades […] activando sus
propios poderes [los dioses] contribuyen a la completud del
181 primordial orden providencial del universo llevado adelante
por el Demiurgo (PROCLO, 2007, p. 120).

Resulta aún un tema de debate, por cierto, la determinación


de cuánto de estas reinterpretaciones platónicas son debidas, en gran
parte, a Siriano, el maestro de Proclo (WEAR, 2011). Pero, en cualquier
caso, resulta de capital importancia la introducción de la Justicia como
elemento constitutivo de la astronomía en la tradición platónica. En
efecto, esto muestra, con toda claridad, que el cosmos antiguo no es
meramente el resultado de leyes divinas y humanas de un movimiento
planetario impersonal sino que, al contrario, se trata de un universo
permeado éticamente y constitutivamente orientado hacia el Bien. Desde
esta perspectiva, no es posible pensar en una astronomía meramente
matemática sino que la matematización de la cosmología antigua es
consustancial con la ética.
Y, mutatis mutandis, toda ética tiene su anclaje en una cosmografía
sumamente precisa. En este contexto, la ética no es meramente la forma
de vida propia de los hombres sino que cada decisión individual, cada
gesto que modela una vida, tiene que estar en conformidad con el Todo
que supera al hombre y resulta en la fuente donde este puede abrevar
para constituir su modus vivendi. Así considerada, toda la astronomía
antigua es una forma de ethos cosmológico y toda la determinación de
la acción humana demanda una exterioridad radical sobre la que se
asienta el accionar humano. En este contexto, no existe la posibilidad de
reducir la ley moral al mundo de las costumbres humanas: al contrario,
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

las formas de la vida ética del hombre son el resultado de su inserción


acordada en el orden de un cosmos transhumano.
De la mano de esta triplicidad conceptual que sella la eticidad del
cosmos antiguo se plantea, asimismo, una imposibilidad fundamental:
“resulta manifiesto que el Universo no es infinito” (ARISTOTELES,
1949, p. 34: De Caelo I, 7, 15).10 Por esto mismo, en el Tratado acerca
del Mundo, el Pseudo-Aristóteles puede sostener:

El ensamblaje de la totalidad de los seres, quiero decir el


Cielo, la Tierra y el Mundo en su totalidad, es un orden
establecido por una sola armonía resultante de la mezcla
de los principios más opuestos. Lo seco se mezcla con lo
húmedo, lo caliente con lo frío, lo ligero con lo pesado, lo
recto con lo curvo, toda la tierra, el éter, el Sol, la Luna y el
Cielo todo entero son ordenados por una única potencia que
182 se expande a través de todas las cosas […] constriñendo a
las naturalezas más opuestas que se hallan en él [el Mundo]
para que acuerden unas con las otras y encontrar un medio
de asegurar la conservación del Universo [...] La armonía es
la causa de la conservación del Mundo. (ARISTOTELES,
1949, p. 193: Ps.Aristóteles, De Mundo, 396b-397a).

El triple principio del orden cósmico, entonces, está precedido


por una instancia superior que hace posible dicha articulación: se trata
de la armonía que se expresa en la estructura misma del cosmos y que
permite que este se conserve como el asiento seguro del hábitat humano.
Sobre esta base, entonces, podrá operar la astrología como ciencia astro-
ética. Como señala uno de sus más conspicuos tratadistas antiguos:

Cierto poder (dúnamis) que emana de la etérea substancia


eterna se dispersa y permea toda la región alrededor de la
Tierra, la cual está sujeta completamente al cambio dado
que, de los elementos primarios sublunares, el fuego y el aire
están rodeados y sufren el cambio debido a los movimientos
en el éter y, viceversa, rodean y cambian todo lo demás, la
tierra, el agua, las plantas y los animales allí. (PTOLOMEO,
1940, p. 6-7).

La astrología se torna posible una vez que adquiere consistencia


lo que podríamos denominar unos de los grandes themata11 centrales

10  Sobre el De Caelo, es importante referirse hoy a Bowen (2009).


11  Utilizamos aquí la noción de thema en el sentido preciso que le ha dado Holton (1978, p.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

de la cosmovisión antigua, esto es, la polaridad existente entre la


armonía del Todo y la influencia de un universo perfecto sobre la vida
que está llamado a proteger y estimular.12 Los elementos de esta visión
unificadora del cosmos pueden encontrarse, de modo ejemplar, en un
texto órfico como el Himno a Apolo, 24:

Soberano de Delos, que posees una mirada que todo lo abarca


e ilumina a los mortales, de áurea cabellera, que pronuncias
puros preceptos y oráculos. Escucha mis súplicas en favor
del pueblo, con ánimo benévolo, porque contemplas […] la
dichosa tierra, desde lo alto, y a través de la oscuridad, en
la paz de la noche, bajo la sombra cuyos ojos son estrellas,
examinadas […] Todo lo floreces y ajustas armónicamente
toda la bóveda celeste con tu muy sonora cítara, cuando […]
equilibras todo el cielo según el orden dórico, y escoges
183 las razas que se alimentan, aderezándoles a los hombres
un destino totalmente reglado por la armonía […] Por ello,
los mortales te dan la denominación de soberano. (ORFEO,
1992, p. 256).

Como puede apreciarse, el carácter eminentemente político del


Himno eleva a Apolo como soberano de un cosmos ordenado y, como tal,
garante del destino de los hombres.13 Desde este punto de vista, puede
articularse una taxonomía cósmica con el gobierno astropolítico de un
universo antrópicamente orientado al bienestar y la proliferación del
hombre sabio. En este sentido, más allá de las profundas transformaciones
que traerá a esta visión el cristianismo14, sus notas fundamentales serán
rescatadas y resignificadas a partir de una misma visión integradora del
hombre en un universo definitivamente favorable al asentamiento de la
especie humana (más allá de ciertas condiciones particulares, que no
podemos tratar aquí, derivadas del mitologema del pecado original).
En efecto, la teología cristiana sólo puede ser comprendida a
partir del principio cosmológico de la ordinatio ad unum, es decir, que

3-24). Es decir, como matriz organizadora de problemáticas: la noción de thema, conceptual y


metodológicamente, debe distinguirse de la de paradigma.
12  Sobre la astronomía antigua, en todas sus manifestaciones geográfico-culturales y en sus
aspectos más técnicos, Cfr. el monumental estudio de Neugebauer (1975). En referencia a las
relaciones entre astronomía, cronología y astrología, resulta indispensable referirse a North
(1989).
13  Sobre el orfismo existe hoy una bibliografía inabarcable. Cfr. no obstante, sobre los
“Himnos Órficos”, Rudhardt (1991) y sobre el carácter político del orfismo Detienne (1989).
14  Sobre este punto, Cfr. Duhem (1913), en particular los volúmenes 3 a 6.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

toda la naturaleza creada obedece a un principio macrocósmico según el


cual ésta deriva de un Dios creador y soberano, primer motor y garante
del movimiento de las esferas.15 Este principio tiene su correlato, al
mismo tiempo, en la ordenación microcósmica de los cuerpos (animados
e inanimados) y de la naturaleza sub-lunar en su conjunto. Por cierto,
como todo principio cosmológico es también un principio político,
entonces es posible sostener, como lo hacía Tomás de Aquino que “lo
que se da según la naturaleza se considera lo mejor, pues en cada uno
obra la naturaleza que es lo óptimo; por eso todo gobierno natural es
unipersonal”.
De este modo, sostiene Tomás, tal como las abejas – en el
microcosmos – tienen una reina, de igual modo, “en todo el universo se
da un único Dios, creador y señor de todas las cosas” según el principio
184 de que “toda multitud se deriva de uno”.16 Por la misma razón entonces,
en la societas humana, “lo mejor será lo que sea dirigido por uno”.17
La misma idea enuncia Tomás cuando declara que las cosas del mundo
humano deben estar “ordenadas unas en relación a las otras a semejanza

15  “Dico ergo, quod primus modus actionis soli Deo convenit; sed secundus modus etiam aliis
convenire potest: et per modum istum dicendum est, corpora caelestia causare generationem et
corruptionem in inferioribus, inquantum motus eorum est causa omnium inferiorum mutationum.
Sed cum omnis motus sit actus motoris et moti, oportet quod in motu relinquatur virtus motoris
et virtus mobilis: unde ex ipso mobili, quod corpus est, habet virtutem movendi inferiora corpora
ad dispositiones corporales. Ex parte autem motoris, qui est substantia spiritualis, quaecumque
sit illa, habet virtutem movendi ad formas substantiales, secundum quas est esse specificum,
quod divinum esse dicitur. Relinquitur autem virtus spiritualis substantiae in motu corporis
caelestis, ad modum quo virtus motoris relinquitur in instrumento: et per hunc modum omnes
formae naturales descendunt a formis quae sunt sine materia” (TOMÁS DE AQUINO, Scriptum
super Sententiis, d. 15, q. 1, a. 2), e Id., Summa contra Gentiles, III, 82, 8 (1926, t. 14, p. 245):
“Sic ergo patet quod corpora inferiora a Deo per corpora caelestia reguntur”.
16  La escolástica reinterpreta, de un modo teológico cristiano, el célebre pasaje de Aristóteles
[Metafísica, XII, 1076a] (1924, p. 440), que se apoya, a su vez, en una interpretación filosófico-
política de Homero [Ilíada II, 204] (1988, p. 65).
17  “Adhuc: ea, quae sunt ad naturam, optime se habent: in singulis enim operatur natura,
quod optimum est. Omne autem naturale regimen ab uno est. In membrorum enim multitudine
unum est quod omnia movet, scilicet cor; et in partibus animae una vis principaliter praesidet,
scilicet ratio. Est etiam apibus unus rex, et in toto universo unus Deus factor omnium et rector.
Et hoc rationabiliter. Omnis enim multitudo derivatur ab uno. Quare si ea quae sunt secundum
artem, imitantur ea quae sunt secundum naturam, et tanto magis opus artis est melius, quanto
magis assequitur similitudinem eius quod est in natura, necesse est quod in humana multitudine
optimum sit quod per unum regatur” (TOMÁS DE AQUINO, De regno ad regem Cypri, I, 2,
9 [1979, t. 42, p. 451]). Sobre el problema de la relación entre un principio cosmológico y otro
político, Cfr. Lenoir 1929.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

del orden que se encuentra en el universo”.18 De allí entonces que todas


las comunidades humanas no sean sino un reflejo, por una parte, del
orden cósmico y angélico y, por otra parte, un fragmento complementario
del conjunto constituido por la respublica generis humani, esto es, la
Cristiandad dirigida por el único gobierno del Dios trino.
Justamente por ello, algunos filósofos, aún en el Renacimiento,
podrán en duda la legitimidad de la astrología, tomando como fundamento,
precisamente, el sentido del ordenamiento cósmico. Así leemos en uno
de los comentarios bíblicos más originales del Renacimiento:

Noble es esta criatura [el universo vivo] y digna de que


la exaltemos y celebremos pero […] nuestras almas han
sido templadas, teniendo a Dios por artífice, en la misma
crátera y con los mismos elementos que las almas celestes,
185 procuremos no querer hacernos siervos de quienes son
nuestros hermanos porque así lo quiso la naturaleza […]
Cuidado, pues, con desobedecer la voluntad del artífice
y el orden del universo, como muchos lo hacen, dando y
atribuyendo al cielo más de lo necesario; tratemos de
esforzarnos en agradarle, en no disgustar a ese mismo cielo
que lleva en lo más hondo de su corazón los decretos de
Dios y el orden del mundo (PICO DELLA MIRANDOLA,
1998, p. 142-143).

Para algunos filósofos más hostiles a ciertas formas de la


adivinación, como será Pico, autor de las célebres Disputationes adversus
astrologiam divinatricem, la astrología puede tonarse peligrosa, por las
mismas razones que otros la defendían, esto es, en nombre de la armonía
del cosmos (GARIN, 1983, p. 83-112). Si para unos, dicha armonía
comportaba una intervención de las fuerzas del cosmos sobre el destino
humano, para otros, Dios había creado un universo en el que las esferas
respondían a la perfección sólo posibilitando una libertad de acción al
hombre al que estaban destinadas a servir.
A partir de allí será posible introducir una división en la historia
(que radicaliza posiciones propias de una antigua tradición) para
distinguir, por un lado, la historia natural (propia de las operaciones del

18  “Quia vero homo habet et intellectum et sensum et corporalem virtutem, haec in ipso
ad invicem ordinantur, secundum divinae providentiae dispositionem, ad similitudinem ordinis
qui in universo invenitur, nam virtus corporea subditur sensitivae et intellectivae virtuti,
velut exequens earum imperium; ipsa sensitiva potentia intellectivae subditur, et eius imperio
continetur”. (TOMÁS DE AQUINO, Summa contra Gentiles, III, 81. 4 [1926, t. 14, p. 240])
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

cosmos) y la historia civil (abarcadora de las hazañas humanas). Por


cierto, en ambas historias interviene la divinidad, postulan los filósofos
renacentistas (BACON, 1963, vol. III, p. 728-729); sin embargo,
si no fuese por el ligamen divino, la historia civil puede comenzar a
desvincularse de su lazo con el cosmos pues ya se distingue una grieta
de nuevo tipo donde la acción humana comienza su lento pero seguro
proceso de emancipación que conducirá, finalmente, a las modernas
concepciones propias de una historia humana divorciada del acontecer
natural.19
De este modo, el lugar de lo infinito sólo puede ser asignado
a Dios (ocupante de lo que algunos llamarán el “espacio imaginario”)
mientras que el cosmos será el lugar de lo naturalmente finito.20
Esta certeza sólo podrá encontrar su fin con la transpolación de las
186 propiedades del infinito divino a la totalidad de la extensión del cosmos.
El espacio que consolida Newton, con su revolución teológico-política,
abrirá un desafío para la filosofía que, desde entonces, ha tenido serias
dificultades para tomar en consideración las implicancias ontológicas de
la radicalidad del gesto newtoniano. Inesperadamente, probablemente
la literatura de Lovecraft sea uno de los lugares donde esta reflexión
fue llevada hasta sus últimas consecuencias, incluso mucho más allá de
Newton. Algunas de estas intuiciones lovecraftianas, las encontraremos
enunciadas en su inquietante poesía.

III.
El universo de los antiguos y los medievales era, finalmente, un
universo antrópico y cerrado. De allí, por lo tanto, un sentimiento de
maravilla ante el espectáculo de la naturaleza que se encuentra en variados
textos del mundo greco-romano y, por supuesto, medieval y moderno.
Todavía Newton compartía una forma de dualidad entre el universo
de la ciencia moderna al que había llevado a una cima de realización
teórica y el cosmos antiguo, pleno de armonía y constituido como una
articulación postulada como necesaria entre Dios y el hombre.21

19  Entre la abundantísima bibliografía propia de los estudios baconianos, es útil referirse a
ASH, 2004, p. 186-212, ya que provee un adecuado trasfondo científico sobre el que se asienta
la obra baconiana.
20  Cfr. Compton-Carleton, 1649, p. 337, sectio IV, col. 2: “Dico itaque cum auctoribus
secundae opinionae Deum esse in infinitis spatiis imaginariis extra coelum in immensum
diffusis”.
21  De allí los dilemas que aún develan a los estudiosos acerca de la relación entre Newton, la
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Sin embargo, en la obra literaria de Howard Philip Lovecraft


encontramos una de las formulaciones más radicales acerca de las
implicancias filosóficas de la nueva ciencia física con la que Modernidad
hizo su entrada en escena. Para comenzar, una nueva Stimmung declina
el ánimo del hombre moderno, como se expresa en Despair:

En la medianoche, gimen los pantanos / a través de los


bosques de cipreses suspiran / en el viento nocturno vuelan
locamente / formas infernales de cabellos como torrentes /
En las yertas ramas que crujen / por las ciénagas inmóviles,
hablan, / atravesando los acantilados costeros que, siempre,
gritan /maldecidos demonios de la desesperanza.22

El espacio sobre el que el hombre debe encontrar su hábitat se


187 halla ahora bajo el imperio de una naturaleza que resulta completamente
hostil para su ocupante. Las fuerzas que yacen ocultas en su seno no
pueden ya ser aplacadas sino con rituales –provisoriamente eficaces–
que sólo pueden disminuir las potencias de los “demonios de la
desesperanza” que están llamados a ejercer el dominio final del mundo
natural. Por esta razón cambia la valencia que, hasta ahora, se le había
otorgado a la vida:

Así es el vivir, solitario y lloroso, / latiendo en las congojas


de la angustia, / con repulsivas Furias robando / las
mañanas y noches de la paz y el descanso. / Pero más allá
de los gemidos y las discordias / de esta aborrecible vida,
aguarda / el dulce olvido, que culmina / con tantos años de
infructuosa búsqueda.23

En la nueva cosmovisión, no sólo la vida no tiene ya nada que


ofrecer al hombre sino que la muerte aparece en el horizonte como

teología, la alquimia y la astrología. Para estos problemas, Cfr. Cowling (1977); Schaffer (1987);
Dobbs (2002).
22  “O’er the midnight moorlands crying, / Thro’ the cypress forests sighing, / In the night-
wind madly flying, / Hellish forms with streaming hair; / In the barren branches creaking, / By
the stagnant swamp-pools speaking, / Past the shore-cliffs ever shrieking, / Damn’d demons
of despair” (LOVECRAFT, 2009, p. 64-65). Nota bene: las traducciones de los poemas
de Lovecraft, en muchos casos, han sido modificadas sensiblemente respecto de la edición
castellana utilizada, en adherencia al original inglés.
23  “Thus the living, lone and sobbing, / In the throes of anguish throbbing, / With the
loathsome Furies robbing / Night and noon of peace and rest. / But beyond the groans and
grating / Of abhorrent Life, is waiting / Sweet Oblivion, culminating / All the years of fruitless
quest” (LOVECRAFT, 2009, p. 66 – 67).
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

la última y necesaria forma de alivio ante el nuevo escenario de un


mundo inhabitable. Sin embargo, si el mundo se ha transformado en
forma duradera, la poesía de Lovecraft muestra que, en el origen de este
desarraigo, se halla la presencia de los Antiguos habitantes del cosmos
que reclaman, para sí, el sustrato de la vida humana. Ante la amenazante
perspectiva, el olvido no sólo es la esperanza del final de un padecer sino
también la cifra que sella, como principio, la insustancialidad de toda
la historia, las hazañas, los monumentos de lo que, alguna vez, se pudo
imaginar como las cimas de una civilización humana conquistadora. Por
esta razón el misterio de la vida (humana) coincide con su ausencia de
privilegio ontológico sobre un cosmos nuevo, esencialmente inhumano.
Así en Life’s Mystery leemos:

188 ¡Vida! ¡Ah, vida! / ¿Qué puede significar este espectáculo


esplendente? /¿Quién puede acopiar este objeto evanescente?
/ Él, que está muerto, es la clave de la vida / ¡El símbolo se
ha ido, profunda es la tumba!24

Desde esta perspectiva, el espectáculo del cosmos, que antes era


la casa del hombre, ahora no es más que la forma más perfecta de su
tumba. Sin embargo, la nueva situación no es más que la constatación
de lo que siempre estuvo aguardando desde el comienzo de los tiempos.
No se trata, solamente, de un hombre que descubre su nuevo lugar en
el cosmos sino, además, y de allí el estupor, de una repentina toma de
conciencia de que lo que siempre estuvo allí: la ilusión del universo
antropocéntrico sólo fue un sueño de la humanidad sin otro fundamento
que su propia fantasía. Bastó que los Modernos agrietaran las esferas y
vieran más allá de los espacios del éter para encontrar, aquí en la propia
Tierra, la lápida que, desde el comienzo del mundo, estuvo dirigida a la
humanidad por sus habitantes legendarios y primordiales.
El abismo que se extiende entre el cosmos antiguo y el nuevo
universo post-newtoniano (sabemos cuán erudito era Lovecraft en
materias astronómicas) y las consecuencias filosóficas que de esta
escisión se desprenden fue tematizada en su poema Astrophobos:

A la medianoche / cuando el cielo se incendia / a lo lejos, en

24  “Life! Ah, Life! / What may this fluorescent pageant mean? / Who can the evanescent
object glean? / He that is dead is the key of Life / Gone is the symbol, deep is the grave!”
(LOVECRAFT, 2009, p. 56-57).
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

etéreos abismos, / una vez contemplé, con anhelo incesante,


/ una estrella brillante y seductora; / cada anochecer,
retornaba en lo alto, / refulgiendo cercana en el carro Ártico.
/ Místicas ondas de belleza se mezclaban / con rayos de oro
deliciosos, / ensueños de felicidad descendían / desde una
bruma Elísea cubierta de mirra. / En los acordes nacidos de
la lira / se proyectaban armonías de baladas de Lidia / Y
(pensé) en escenas placenteras / donde habitan los libres, los
bendecidos, / y cada instante aporta un tesoro / llevado con
el hechizo del loto / y de allí fluía un compás / que salía del
laúd de Israfel.25

El poema comienza, como puede verse, con una invocación al


antiguo cosmos, ornado espectáculo de la naturaleza observable para
el hombre; la visión se corona, precisamente, con una armonía de las
189 esferas que asegura la unión del microcosmos con el macrocosmos.
En este sentido, el cosmos es habitación natural y ordenación rítmica
de la vida del hombre: la sociedad, el pensamiento y las formas de la
vida se adecuan a un Uno que todo lo contiene en una taxonomía tan
precisa como acogedora. La referencia de Lovecraft a la “lute of Israfel”
constituye, sin duda, una ambigua alusión a Poe. Por un lado, ocasión
de evocar a su maestro y al gran poema de 1831 (POE, 2008, p. 171)
donde el arcángel islámico Israfel canta apasionadamente al Cielo en
concordancia con la lira humana. Por otro, constituye la adscripción
del maestro al antiguo cosmos que, inmediatamente, en el poema de
Lovecraft, aparece desmentido como una ilusión:

Así estaba en mi confusión cuando la visión / se transformó


en un delirio rojo; / la esperanza se disolvió en escarnio, /
la belleza en fealdad; / acordes de himnos en horripilantes
colisiones, / espectrales visiones alineadas sin fin.../ Un
carmesí de locura incendió la estrella / cuando contemplé
con fijeza sus rayos; / todo era dolor, ya no había goce,
/ y ante mis ojos se reveló la dolorosa verdad; / un
pandemonio envuelto en la locura, / con febril revoloteo
miró lascivamente…/ Ahora, conozco cómo fabula lo

25  “In the Midnight heaven’s burning / Through the ethereal deeps afar / Once I watch’d with
resless yearning / An alluring aureate star; / Ev’ry eve aloft returning / Gleaming nigh the Artic
Car. / Mystic waves of beauty blended / With the gorgeous golden rays / Phantasies of bliss
descended / In a myrrh’d Elysian haze. / In the lyre-born chords extended / Harmonies of Lydian
lays. / And (thought) I lies scenes of pleasure, / Where the free and blessed dwell, / And each
moment bears a treasure, / Freightened with the lotos-spell, / And there floats a liquid measure /
From the lute of Israfel” (LOVECRAFT, 2009, p. 110-111).
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

endemoniado / en su esplendor dorado; / ahora, huyo de


sus tinieblas ornadas, / esas que contemplé y admiré tiempo
atrás; / ¡pero ese horror, permanente, constante, / se refugió
en mi alma, para siempre!26

Más allá de las ocasionales alusiones debidas a la temprana


influencia gótica que, paulatinamente dejarán lugar en la poesía
lovecraftiana a un materialismo pleno, podemos ver aquí la completa
inversión del cosmos clásico. Donde había un orden perfecto ahora
hallamos un incendio de estrellas, donde la eternidad reinaba, el
pandemonio toma su lugar y donde la exención de enfermedad y
corrupción coronaba el cielo platónico, ahora hallamos la fábula unida
al delirio del descubrimiento del verdadero rostro de un universo hostil.
Por ello, el hombre del universo post-newtoniano es un hombre habitado
190 por el horror de hallarse ante un espacio que no fue configurado para ser
su hábitat sino su silenciosa tumba. Llegados a este punto, los nuevos
seres fantásticos de la mitología lovecraftiana son llamados a cumplir
la ominosa misión de reclamar su derecho originario sobre una Tierra
en la que el hombre sólo habita por ocasión. Escribe Lovecraft en
Nyarlathothep:

Y vino, al fin, desde el interior de Egipto, / el extraño ser


oscuro que veneraban los labriegos. / Silencioso, encorvado,
misteriosamente arrogante, / cubierto por una tela roja como
la luz del ocaso, / se apretujaban a su alrededor, frenéticos
de recibir sus órdenes, / pero cuando él se iba, no podían
repetir lo que habían oído; / a través de las naciones, corría
la noticia despavorida / de que las bestias salvajes seguían
lamiéndose las manos/. Muy pronto, desde el mar, comenzó
a surgir algo malsano. Olvidadas tierras con cúpulas de
oro cubiertas de maleza. / La tierra se abrió y locas auroras
cayeron / sobre las ciudadelas temblorosas de los hombres. /
Luego, aplastando lo que él modeló por diversión, / el Caos
idiota barrió el polvo de la Tierra.27

26  “Thus I mus’d when o’er the vision / Crept a red delirious change; / Hope dissolving to
derision, / Beauty to distortion strange; / Hymnic chords in weird collision, / Spectral sights in
endless range…/ Crimson burn’d the star of madness / As behind the beams I peer’d; / All was
woe that seem’d but gladness / Ere my gaze with Truth was sear’d; / Cacodaemons, mir’d with
madness, / Through the fever’d flick’ring leer’d…/ Now I know the fiendish fable / Then the
golden glitter bore; / Now I shun the spangled sable / That I watch’d and lov’d before; / But the
horror, set and stable, / Haunts my soul forevermore!” (LOVECRAFT, 2009, p. 110-113).
27  “And at the last from inner Egypt came / The strange dark One to whom the fellahs bowed;
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

El ocaso del cosmos antiguo trae, en el universo lovecraftiano,


el despertar de divinidades recónditas de un pretérito tiempo imposible
de conjugar por mente humana alguna. Las entrañas de la Tierra, en
la mitología lovecraftiana, están habitadas por seres hostiles que, en la
Modernidad industrial, vuelven a la vida para desafiar al hombre y su
titanismo civilizacional.28 Los logros más encumbrados de la especie
humana, entonces, son barridos de la superficie terrestre por criaturas
como el temible Nyarlathothep, atraído, en un oscuro ritual, por los
hombres mismos que llaman a su propia destrucción. En este sentido, la
poesía de Lovecraft es, también una invocación, una teúrgia que convoca
a entidades que espera el poeta, pongan fin a un mundo en el cual, la vida
se ha tornado imposible. Esta figura poética y divisa política se resume
191 en la figura del Caos que, en Azathoth, adquiere contornos sumamente
precisos:

Al abismo insensato, me condujo el demonio, / más allá


de los límites brillantes del espacio dimensional /donde ni
tiempo ni materia se extendían ante mí, / solamente el Caos,
sin forma ni lugar. / Allí, el vasto Señor del Todo murmuraba,
en la oscuridad /cosas que había soñado, pero que no podía
entender. / Mientras tanto, en torno a él, aleteaban especies
de murciélagos / que revoloteaban en vórtices sin sentido,
atravesados por la luz.29

El universo lovecraftiano –heredero de la física post-newtoniana–

/ Silent and lean and cryptically proud, / And wrapped in fabrics red as sunset flame. / Throngs
pressed around, frantic for his commands, / But leaving, could not tell what they had heard; /
While through the nations spread the awestruck word / That wild beasts followed him and licked
his hands. / Soon from the sea a noxious birth began; / Forgotten lands with weedy spires of
gold; / The ground was cleft, and mad auroras rolled / Down on the quaking citadels of man. /
Then, crushing what he chanced to mould in play, / The idiot Chaos blew Earth’s dust away”(
LOVECRAFT, 2009, p. 194-195).
28  Lovecraft había sido testigo y víctima de dicha organización socio-económica (JOSHI,
2001, p. 364-388). De hecho, su fluctuación desde el conservadurismo político al socialismo no
pueden explicarse sin una comprensión cabal del diagnóstico que Lovecraft había trazado sobre
los efectos de la Revolución Industrial y del advenimiento de la democracia moderna (JOSHI,
2001, p. 346-363).
29  “Out in the mindless void the daemon bore me, / Past the bright clusters of dimensional
space, / Till neither time nor matter stretched before me, / But only Chaos, without form or
place. / Here the vast Lord of All in darkness muttered / Things he had dreamed but could not
understand, / While near him shapeless bat-things flopped and fluttered / In Idiot vortices that
ray-streams fanned” (LOVECRAFT, 2009, p. 196-197).
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

es una superación, sin embargo, de las leyes de toda ciencia. Ciertamente,


como ha sido demostrado, Lovecraft había sido un admirador de la
filosofía de Bertrand Russell (JOSHI, 2001, p. 294). En ese sentido,
el universo que se prefigura en los cuentos imbuidos del materialismo
propio del último período lovecraftiano es también profundamente in-
humano, es decir, allí no rigen más las grandes polaridades que habían
estructurado el mundo del ánthropos: los dioses son reemplazados por
seres biológicamente diversos que habitan el universo desde eones
inconmensurablemente anteriores al hombre, las leyes humanas abolidas,
las nociones de bien y de mal carecen de todo fundamento y, finalmente,
el cosmos se revela como el lugar más inhóspito que se pueda concebir
para una especie insustancial como la humana.
Desde esta perspectiva, sin embargo, el Caos está incluso más allá
192 de todo espacio. Ya no se trata meramente de concebir a un Dios infinito
más allá del espacio como Compton-Carleton pero tampoco de adoptar
únicamente el punto de vista de una física que extienda la propiedad
de lo infinito a la materia en su totalidad. Al contrario, la asunción, al
unísono, del ocaso de los dioses y de las consecuencias ineluctables de
la física de su tiempo, llevaron a Lovecraft más allá de los límites que
la ciencia había alcanzado para interrogarse, de modo completamente
materialista, sobre el tiempo y la materia en cuanto formas superables
sin la necesariedad de una trascendencia divina.
Ciertamente, estos interrogantes no fueron respondidos en el
lenguaje de la filosofía y, por ello, aún encontramos las alusiones al
Señor del Todo que, evidentemente, sin ser ningún dios, es todavía una
entidad más allá de toda biología conocida. Allí donde surge la pregunta
filosófica, Lovecraft, finalmente, termina obturándola con una metáfora
o con un personaje apto para cerrar el ciclo de la poética buscada. Desde
luego, la operación es completamente legítima y necesaria a la apuesta
literaria de la weird tale y de la science fiction story combinadas.
De todas maneras, para la filosofía queda una tarea pendiente
que Lovecraft le ha legado como ningún otro escritor de su género. Es
decir, el análisis macroscópico de los algunos poemas paradigmáticos de
Lovecraft nos lleva a asumir, como tarea filosófica futura, la consideración
de lo que hemos denominado la “hipótesis hipercosmológica” del escritor
de Providence. Si esta última le brindó un marco epistemológico para
situarse incluso más allá de los límites de la ciencia de su tiempo pero
dentro de un marco de materialismo estricto, un conclusión se impone.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

La asunción radical del universo de la física moderna implica que la


hipótesis hipercosmológica se resuelve en una anulación del concepto
mismo de cosmos. La homonimia categorial no designa ya una misma
realidad material y la astrofobia es la Stimmung que consagra la ruptura.
El hábitat donde se inscribe el ecosistema humano y, a fortiori,
la bóveda celeste en la que la Tierra misma toma su posición no pueden
explicarse más por medio de los complejos recursos del cosmos antiguo.
La in-harmonia mundi se impone como el nuevo signo de los tiempos y
acaso constituye el desafío de lo que la filosofía debe pensar si pretende
dejar de estar rezagada respecto de los mundos explorados por la ciencia
y la literatura.
Por lo tanto, el primer paso de ese recorrido quizá debería consistir en
asimilar como insuficiente la crítica que la filosofía del siglo XX ha lanzado
193 sobre el humanismo y, en general, sobre el principio antropocéntrico. Lo que
pasó bajo los efectos de una crítica no fue más que la constatación necesaria
(pero también elemental) de un estado de situación mucho más radical que
aún lejos está de haber sido explorado, esto es, las consecuencias filosóficas
de la caída de la noción de cosmos y una consiguiente transformación
ineluctable del puesto del ecosistema de la vida en su conjunto dentro del
orden de unas esferas que ahora no solamente no están más ante el hombre
sino que, además, están llamadas a prescindir de la vida.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Bibliografía

ARISTÓTELES. Metaphysics. Edición de W. David Ross. Oxford:


Clarendon Press, 1924.

ARISTÓTELES. Traité du Ciel suivi du Traité pseudo-Aristotélicien Du


monde. Traducción de J. Tricot. Paris: J. Vrin, 1949.

ASH, Eric. Power, Knowledge, and Expertise in Elizabethan England.


Baltimore: John Hopkins University Press, 2004.

BACON, Francis. The Works of Francis Bacon. Edición de Jmaes


Spedding, Robert Leslie Ellis y Douglas Denon Heath, 7 volúmenes.
Stuttgart-Bad Cannsttat: Friedrich Frommann Verlag-Günther Holzboog,
1963.

BOWEN, Alan - Wildberg, Christian. New Perspectives on Aristotle's


De Caelo. Leiden: Brill, 2009.
COMPTON-CARLETON, Thomas. Philosophia universa. Antverpiae:
194 apud Iacobum Meursium, 1649.

CONFORD, F. M. Plato’s Cosmology. The Timaeus translated with a


running commentary. London: Routledge & Kegan Paul, 1937.

CORNAVACA, Ramón. Presocráticos. Fragmentos I. Buenos Aires:


Losada 2008.

COWLING, Thomas George. Isaac Newton and Astrology. Leeds, U.K.:


Leeds University Press, 1977.

DENZEY Lewis, Nicola. Cosmology and Fate in Gnosticism and


Graeco-Roman Antiquity. Leiden: Brill, 2013.
DETIENNE, Marcel. L’écriture d’Orphée. Paris: Gallimard, 1989.

DOBBS, B.J. T. The Janus Faces of Genius, The Role of Alchemy in


Newton's Thought. Cambridge, U.K.: Cambridge University Press, 2002
(1991ª).

DUHEM, Pierre. Le système du monde. Histoire des doctrines


cosmologiques de Platon à Copernic. Paris: Librairie Scientifique A.
Hermann et Fils, 10 volúmenes, 1913.

EGGERS LAN, Conrado; JULIÁ, Victoria. Los filósofos de Mileto.


Textos y comentarios. Buenos Aires: Cathedra, 1974.

GARIN, Eugenio. Astrology in the Renaissance. The Zodiac of Life.


London: Routledge & Kegan Paul, 1983 (1976ª).

GIGON, Olof. “Die Theologie der Vorsokratiker”. In: Entretiens sur


l’Antiquité Classique 1. Vandoeuvres-Genève: Fondation Hardt, 1954.

GLOY, Karen. Studien zur platonischen Naturphilosophie im Timaios.


Würzburg: Königshausen – Neumann, 1986.

GRAF, Fritz. Eleusis und die orphische Dichtung. Athens in


revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

vorhellenistischer Zeit. Berlín: Walter de Gruyter, 1974.

HAMACHER, Werner. Para – la Filología / 95 Tesis sobre la Filología.


Traducción de Laura Carugati. Madrid-Buenos Aires: Miño y Dávila
editores, 2011.

HOLTON, Gerald. The Scientific Imagination. Cambridge: Cambridge


University Press, 1978.

HOMERO. Homeri Opera. Edición David Munro y Thomas Allen, 5


volúmenes. Oxford: Clarendon Press, 1988 (1862ª).

JAKOBSON, Roman. Selected Writings, volume III: Poetry of Grammar


and Grammar of Poetry. The Hague: Mouton & Co., 1981.

JOSHI, S. T. H.P. Lovecraft in his time. A dreamer and a visionary.


Liverpool: Liverpool University Press, 2001.

KAHN, Charles. Anaximander and the Origins of Greek Cosmology.


New York: Columbia University Press, 1960.
195
KNORR, Wilbur. “Plato and Eudoxus on the planetary motions”. In:
Journal for the History of Astronomy (21), 1990, p. 313-329.

LENOIR, V., “Métaphysique et politique au xiiie siècle et de nos jours”.


In: Révue Apologétique. (49), 1929, p. 158-170.

LOVECRAFT, Howard Philip. Poemas. Edición bilingüe. Traducción


de Roberto Díaz. Buenos Aires: Andrómeda, 2009.

LUDUEÑA ROMANDINI, Fabián. H.P. Lovecraft. La disyunción en el


Ser. Buenos Aires: hecho atómico editores, 2013.

NEUGEBAUER, Otto. A History of Ancient Mathematical Astronomy.


3 volúmenes. New York: Springer, 1975.

NORTH, John D. Stars, Minds and Fate. Essays in Ancient and Medieval
Cosmology. London: Hambledon, 1989.

[ORFEO]. Argonáuticas. Himnos Órficos. Traducción de Miguel


Periago Lorente. Madrid: Gredos, 1992.

PICO DELLA MIRANDOLA, Giovanni. Heptaplus. Traducción y notas


de Adolfo Ruiz Díaz. Edición de Silvia Magnavacca. Buenos Aires:
Universidad de Buenos Aires, Facultad de Filosofía y Letras, 1998.

PLATÓN. Timaeus. Edición y traducción de R. G. Bury. Cambridge


(MA)-London: Harvard University Press , 1999 (1929ª).

POE, Edgar Allan. Annotated Poems. Introducción y edición de Andrew


Barger. Collierville: Bottletree Books, 2008.

PROCLO, Commentary on Plato's Timaeus, volume 1. Book 1: Proclus


on the Socratic State and Atlantis. Edited and Translated by Harold
Tarrant. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

PTOLOMEO. Tetrabiblos. Edición y traducción de F. E. Robbins.


revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

London – Massachusetts: Harvard University Press, 1940.

RUDHARDT, Jean. “Quelques réflexions sur les Hymnes Orphiques”.


In: BORGEAUD, Philippe (Ed.). Orphisme et Orphée, en l’honneur de
Jean Rudhardt. Genève: Droz , 1991. p. 263-283.

SCHAFFER, Simon. "Newton's Comets and the Transformation of


Astrology." In: CURRY, Patrick (Ed.). Astrology, Science, and Society.
Woodbridge: Boydell, 1987, p. 219-243.

TOMÁS DE AQUINO. Opera omnia iussu Leonis XIII, t. 42:


Compendium Theologiae. De articulis Fidei et Ecclesiae sacramentis.
Responsio de 108 articulis. Responsio de 43 articulis. Responsio de 36
articulis. Responsio de 6 articulis. Epistola ad ducissam Brabantiae.
De emptione et venditione ad tempus. Epistola ad Bernardum abbatem
Casinensem. De regno ad regem Cypri. - De secreto. Roma: Editori di
San Tommaso, Roma, 1979.

______. Opera omnia iussu edita Leonis XIII, t. 14: Summa contra
Gentiles ad codices manuscriptos praesertim Sancti Doctoris
196 autographis exacta. Liber tertius cum Commentariis Francisci de
Sylvestris Ferrariensis. Roma: Typis Riccardi Garroni, 1926.

VLASTOS, Gregory. Plato’s Universe. Oxford: Clarendon Press, 1975.

WEAR, Sarah Klitenic. The teachings of Syrianus on Plato's Timaeus


and Parmenides. Leiden: Brill, 2011.

WILLAMOWITZ-MÖLLENDORFF, Ulrich von. Zum ältesten


Strafrecht der Kulturvölker. Leipzig: Duncker & Humboldt, 1905.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Mente e

matéria ou
a vida das
plantas
Emanuele Coccia
(École des Hautes Études en Sciences Sociales - Paris)
Tradutora: Nicoletta Cherobin

Die ganzeneu-europäischePhilosophieseitihremBeginn (durch Descartes) hat diesen


gemeinschaftlichenMangel, dass die Naturfürsienichtvorhandenist, und dassesihr
amlebendigenGrundefehlt
F. W. J. Schelling,
Philosophische Untersuchungenüber
das Wesen der menschlichen Freiheit (1809)

1. Filosofia da natureza

Salvo raras exceções, há séculos a filosofia parou de contemplar


a natureza: o direito de ocupar-se e de falar do mundo das coisas e
dos viventes não humanos cabe exclusivamente a outras disciplinas.
Plantas e animais, fenômenos atmosféricos comuns e extraordinários,
os elementos e as suas combinações, as constelações, os planetas e as
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

estrelas foram definitivamente expulsos do catálogo imaginário dos seus


objetos de estudo.
Alguém poderia pensar que não se trata da primeira vez. Segundo
a tradição, Sócrates também “descuidou da natureza na sua totalidade”,
para “ocupar-se de questões éticas [peri ta ethika, Aristóteles, Met.,987b
2]”, e Platão “reevocou a filosofia dos céus, colocou-a na cidade (in
urbibus), e a introduziu nas casas” para “interrogar-se sobre a vida, os
hábitos, o bem e o mal”1. Mas se a aposta em jogo era, na época, a
extensão do espectro dos objetos do pensamento, o que houve a partir do
século XIX é a mise en place de uma limpeza dos saberes que excluiu, de
direito, partes inteiras da realidade do domínio de algumas disciplinas.
Até de um ponto de vista histórico, uma rejeição semelhante
tem algo de excessivo: o que estamos acostumados a reconhecer como
198 filosofia nasceu e se compreendeu, originariamente, como um discurso
peri tês physeôs ou peri kosmou. A escolha não tinha nada de casual:
tornar a natureza e o cosmo os primeiros e privilegiados objetos do
pensamento significava afirmar implicitamente que o pensamento torna-
se filosofia somente confrontando-se com estes objetos. Como se apenas
diante do mundo e da natureza o homem pudesse pensar.
As motivações desta escolha suicida são obscuras: não têm
nada a ver com o advento da modernidade2 e não podem ser reduzidas à
simples divisão curricular ente ciências humanas e ciências da natureza3.

1 “Socrates autem primus philosophiam devocavit e caelo et in urbibus collocavit et in domus


etiam introduxit et coegit de vita et moribus rebusque bonis et malis quaerere” (CICERONE,
TusculanesV, IV 10). Cf. também Academica I, IV, 15 “Socrates mihi videtur id quod constat
inter omnes primus a rebus occultis et ab ipsa rebus involutis in quibus omnes ante eum
philosophi occupati fuerunt avocavisse philosophiam et ad vitam communem adduxisse, ut de
virtutibus et vitiis omninoque de bonis rebus et malis quaereret, caelestia autem vel procul esse
a mostra cognitione censeret vel si maxime cognita essent, nihil tamen ad bene vivendum”.
2 A renúncia ao mundo e à natureza não aconteceu junto com o nascimento das ciências modernas:
para demonstrá-lo basta lembrar que os heróis canonizados desta, são também e sobretudo
filósofos. O primado da história e das Kulturwissenschaften sobre as Naturwissenschaften na
reflexão filosófica foi, com certeza, uma das formas mais duradouras da influência hegeliana
e da sua interpretação humanística da noção de Geist. Tudo parece ter sido disputado entre
Schelling, Fichte e Hegel e o modo como foi interpretado o legado kantiano. É uma das teses do
maravilhoso livro de Ian Hamilton Grant (2006). Este texto deve muito às reflexões de Grant,
apesar de mover-se em direção a percursos e conclusões muito distantes e, de alguma forma,
opostas às suas.
3 Apesar da definitiva legitimação institucional da separação entre Geisteswissenschaften e
Naturwissenschaften, às quais as universidades modernas não sabem ou não querem renunciar
(e por motivações nada científicas), piorou as coisas. Se Darwin podia ainda seguir cursos
de zoologia na faculdade de teologia, hoje quem estuda química ou física é formalmente
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Mas a negação de qualquer dignidade filosófica para natureza e cosmo


teve consequências catastróficas, sobretudo no estatuto da disciplina. O
primeiro foi o estranho bovarismo: a partir de então a filosofia pretendeu
– a qualquer custo – ser incluída nas ciências humanas. Alternando
falsos pressupostos e superficiais aspirações, os filósofos sem mundo
tentaram assim reformular desesperadamente o mantra do mais epigonal
dos protagorismos. Incapaz de pensar a natureza obrigou-se a demonstrar
que “o homem é medida de todas as coisas” (UNTERSTEINER, vol. I,
1949, p. 148, B2) e dissolver-se na nova forma sofística praticada pelas
ciências humanas e sociais.
Privada dos seus objetos supremos e ameaçada pelas ciências
humanas e sociais por um lado, e pelas ciências naturais pelo outro,
a filosofia transformou-se em uma espécie de Quixote dos saberes
199 contemporâneos, ocupado em uma batalha imaginária contra seres
também imaginários, em um Narciso concentrado nos fantasmas do seu
passado, tornados souvenirs vazios para museu de província. Forçada a
ocupar-se, não mais do mundo, mas das imagens erradas que os homens
fizeram dela, obrigou-se à estranha forma de ceticismo preestabelecido,
em muitos casos declinado em formas moralistas e reformistas (por isso
passa-se de “como se pensou” para “como deve ser pensado”) ou a um
servilismo hipócrita em relação às outras disciplinas – que se trate da
antropologia ou da sociologia ou, em vez da física, das neurociências,
da economia.
Todavia, as consequências não interessaram somente à filosofia
e ao seu estatuto epistemológico e não definiram somente o estranho
poder reconhecido às ciências humanas e sociais. A estranha divisão
de objetos e competências que define hoje o sistema das disciplinas
acadêmicas produziu confusões e impasses também e, sobretudo, nas
ciências naturais. A constante divisão de cultura e natureza, de espírito e
matéria, nos currículos assim como nos saberes acadêmicos, apesar da
aceitação quase geral das teses de Darwin da origem animal do homem,
são índice de uma má consciência sobre a qual é necessário, talvez,
insistir.
A partir da memória que se conservou sobre a filosofia, esta

convidado a ignorar a história da arte ou a etnografia. Um letrado ou um filósofo, e vice-versa,


poderão reivindicar o direito de ignorar o nome e a vida das plantas que povoam ou cercam
o seu apartamento sem nenhum sentido de culpa. Este sistema de ignorâncias recíprocas – o
que chamamos especialização – representa uma das formas menos edificantes da mauvaise foi
acadêmica, que encontra periodicamente os próprios preguiçosos apologistas.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

nasceu na Grécia com um gesto original de separação originária entre


espírito e realidade. “Se as outras coisas participam de tudo, a mente
é ilimitada e soberana sobre si e não se mistura com nenhuma outra
coisa: subsiste sozinha, isolada em si (DK B12=Simplicius, In Ph.
156.14-157.4 in DIELS/KRANZ, vol. II, p. 37-38). Uma filosofia da
natureza deve pressupor uma certa teoria do espírito ou da mente: deve
pô-lo como separado de todas as coisas ou, pelo menos não considerá-
lo como puro atributo humano. Existe uma relação próxima entre a
rejeição da natureza, ou a impossibilidade de considerá-la uma grandeza
filosoficamente relevante, e a humanização do espírito e da mente que,
segundo a tradição a partir de Descartes, é habitual considerar como
um pressuposto evidente de cada especulação. Voltar a pensar sobre
a natureza, significará formular de outra forma a fenomenologia do
200 espírito4.

2. O legado de Darwin

Apesar de estar contida implicitamente na sua obra-prima,


aparecida em primeira edição em 1859, é somente no seu The Descent of
Man, and Selection in Relation to Sex, aparecido em 1871, é que Darwin
expressa-se de maneira manifesta sobre a impossibilidade de separar
o homem do resto do mundo natural. “O homem”, escreve Darwin,
“deriva de alguma forma menos organizada”, mais precisamente de “um
quadrúpede hirsuto, provavelmente arborícola nos seus costumes, um
morador do velho mundo”5. Tudo aquilo que se expressa na natureza

4 Uma crítica eficaz dos pressupostos humanísticos das ciências humanas e da recusa deles a
dialogar com as ciências da natureza, conduzida sobre outras bases e com outros fins em relação
àquela apresentada neste texto, encontra-se no importante livro de Schaeffer (2007). J.-M.
Schaeffer apresenta o paradigma daquilo que chama “prometeísmo cognitivo” ou gnosiológico,
entendido como uma antropologia filosófica que funda a exceção humana, mesmo a partir de
uma ideia de razão como própria do homem e faculdade de autoconstrução da humanidade. Mas
a sua reconstrução tende a exagerar o peso da filosofia, considerada como “le lieu d’élaborations
le plus conséquent” desta exceção ôntica (SCHAEFFER, 2005, p. 190), até fazer coincidir em
parte a história da filosofia (ou a história ocidental) com a história da construção desta “croyance
commune”. Parece-me, ao contrário, que se trata de episódios muito circunscritos: a história da
filosofia, também moderna e contemporânea, repleta de exemplos de doutrinas “anti-humanistas”
e de críticas à acepção humana. Para outra crítica à divisão de natureza e cultura e à sua real
eficácia no mundo moderno Cf. também os trabalhos já clássicos de Latour (1991 e 1999).
5 “By considering the embryological structure of man - the homologies which he presents
with the lower animals - the rudiments which he retains - and the reversions to which he is
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

anatômica6 e espiritual do homem é animal, porque “a diferença no


espírito [mind] entre homens e animais, apesar da grandeza, é certamente
uma diferença de grau e não de gênero”7. Por um lado, os animais
superiores são capazes de todas as atividades superiores do espírito das
quais o homem desfruta, como as emoções: amor, memória, curiosidade,
imitação, raciocínio. Por outro lado, “o homem, com todas as suas altas
qualidades, e a simpatia que sente para os mais degradados, com a
benevolência que estende, não somente aos outros homens mas à criatura
mais humilde, com a sua mente parecida ao sol que conseguiu penetrar
nos movimentos e nas constituições do sistema solar – com todos os

liable, we can partly recall in imagination the former condition of our early progenitors; and can
approximately place them in their proper place in the zoological series. We thus learn that man is
201 descended from a hairy, tailed quadruped, probably arboreal in its habits, and an inhabitant of the
Old World. This creature, if it its whole structure had been examined by a naturalist, wold have
been classed amongst the Quadrumana, as surely as the still more ancient progenitor of the Old
and New World monkeys. The Quadrumana and all the higher mammals are probably derived
from an ancient marsupial animal and this through a long line of diversified forms, from some
amphibian-like creature, and this again from some fish-like animal. In the dim obscurity of the
past we can see that the early progenitor of all the Vertebrata must have been an aquatic animal,
provided with branchiae, with the two sexes united in the same individual, and with the most
important organs of the body (such as the brain and heart) imperfectly or not at all developed.
This animal seems to have been more like the larvae of the existing marine Ascidians than any
other known form.” (DARWIN, 1882, p. 609)
6 “The close similarity between man and the lower animals in embryonic development,
as well as in innumerable points of structure and constitution both of high and of the most
trifling importance, - the rudiments which he retains and the abnormal reversions to which he
is occasionally liable - are fact which cannot be disputed. They have long been known, but
until recently they told us nothing with respect to the origin of man. Now when viewed by the
light of our knowledge of the whole organic world their meaning is unmistakable. […] The
close resemblance of the embryo of man to that, for instance, of a dog, - the construction of his
skull, limbs and whole frame on the same plan with that of other mammals, independently of
the uses to which the parts may be put - the occasional reappearance of various structures, for
instance of several muscles, which man does not normally possess, but which are common to the
Quadrumana - and a crowd of analogous facts - all point in the plainest manner to the conclusion
that man is the co-descendant with other mammals of a common progenitor”. (DARWIN, 1882,
p. 606)
7 “The difference in mind between man and the higher animals, great as it is, certainly is one
of degree and not of kind. We have seen that the senses and intuitions, the various emotions
and faculties, such as love, memory, attention, curiosity, imitation, reason etc, of which man
boasts, may be found in an incipient, or even sometimes in a well-developed condition, in the
lower animals. They are also capable of some inherited improvement as we see in the domestic
dog compared with the wolf or jackal” (DARWIN, 1882, p. 126). A bibliografia sobre Darwin
é enorme. Para uma primeira orientação histórica e bibiliográfica, veja-se Hodge (2009) e
Ruse (2009). Fundamental pelo enquadramento de Darwin dentro do pensamento biológico
permanece a obra monumental de Mayr (2003).
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

seus poderes eminentes – conserva ainda na sua constituição corpórea


a marca indelével da sua origem inferior”8. Também em toda a vida
ética, na moralidade, isto é, a esfera que pareceria distinguir e destacar
o homem do resto dos viventes, existe uma marca de animalidade, de
naturalidade.
O que está surgindo deste trabalho não é uma redução do humano
ao animal: o de Darwin não era o materialismo um pouco bruto que se
esforça para traduzir qualquer manifestação psicológica ou mental em
processos bioquímicos ou fatos anatômicos9. Se o “espírito” e a mente
são algo natural, é verdade também e, sobretudo, o contrário, que a
natureza, em todos os seus graus, é capaz de produzir fatos espirituais
e culturais. Prova disso são as obras sucessivas, in primis, o estudo
sobre emoções humanas e animais (DARWIN, 1872) e sucessivamente
202 o estudo sobre a ação dos vermes na formação do estrume vegetal
(DARWIN, 1881). Partindo da constatação de que “exemplares velhos
e jovens de raças extremamente diferentes, nos homens e nos animais,
expressam as mesmas emoções com os mesmos gestos” (DARWIN,
1872, p. 352), Darwin mostrou as camadas mais íntimas da existência
humana – a expressão de afetos e emoções – que compartilhamos com
os animais superiores, e que se constituem também estes últimos por um
laço inextricável de herança natural, exercício e transmissão cultural.
O segundo livro, o último escrito por Darwin, parece conter juntos o
seu testamento espiritual e a parcial derrubada das teses sobre seleção
natural. A obra demonstra que “os vermes tiveram um papel na história
do mundo que é mais importante do que a maioria das pessoas pode
pressupor”. De fato, “cada ano toneladas de terra seca passam através
dos seus corpos e chega à superfície” (DARWIN, 1881, p. 305): a ação
deles, portanto, é decisiva para a desagregação das rochas, a erosão da
terra. Na conservação das antigas ruínas10 e na preparação do solo para

8 “We must, however, acknowledge, as it seems to me, that man with all his noble qualities,
with sympathy which feels for the most debased, with benevolence which extends not only to
other men but to the humblest living creature, with his god-like intellect which has penetrated
into the movements and constitutions of the solar system - with all these exalted powers - man
still bears in his bodily frame the indelible stamp of his lowly origin”. (DARWIN, 1882, p. 619)
9 A respeito deste ponto e mais em geral sobre antropologia darwiniana,veja-se Tort (2008 e
1999).
10 “Archæologists ought to be grateful to worms, as they protect and preserve for an indefinitely
long period every object, not liable to decay, which is dropped on the surface of the land, by
burying it beneath their castings”. (DARWIN, 1881, p. 308-309)
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

o crescimento das plantas11. “Pouco fornecidos de órgãos de sentido” e,


portanto, incapazes de aprender do mundo externo, demonstram grande
perícia na construção das galerias e, sobretudo, “mostram claramente
possuir certo grau de inteligência, em vez de um simples impulso
instintivo no jeito de fechar a abertura das galerias” (DARWIN, 1881,
p. 312). As modificações que estas “criaturas tão pouco organizadas”
operam nas camadas superiores do globo não influenciam somente a
vida dos outros seres viventes (homens e plantas), mas também o estado
do próprio habitat deles, que vem assim modificado a favor também
das gerações futuras. Os viventes, também os mais elementares então,
não são simples vítimas da seleção natural e a adaptação ao ambiente
não é o seu único destino: são capazes de modificar o mundo ao seu
redor e transmitir o novo mundo para as gerações que os seguem. A
203 biologia moderna voltou a este texto de Darwin (BROWN et al., 2004)
precisamente para perceber uma imagem inédita da evolução12, da

11 “Worms prepare the ground in an excellent manner for the growth of fibrous-rooted plants
and for seedlings of all kinds. They periodically expose the mould to the air, and sift it so that
no stones larger than the particles which they can swallow are left in it. They mingle the whole
intimately together, like a gardener who prepares fine soil for his choicest plants. In this state it
is well fitted to retain moisture and to absorb all soluble substances, as well as for the process of
nitrification. The bones of dead animals, the harder parts of insects, the shells of land-molluscs,
leaves, twigs, etc., are before long all buried beneath the accumulated castings of worms, and are
thus brought in a more or less decayed state within reach of the roots of plants. Worms likewise
drag an infinite number of dead leaves and other parts of plants into their burrows, partly for the
sake of plugging them up and partly as food. The leaves which are dragged into the burrows as
food, after being torn into the finest shreds, partially digested, and saturated with the intestinal
and urinary secretions, are commingled with much earth. This earth forms the dark coloured,
rich humus which almost everywhere covers the surface of the land with a fairly well-defined
layer or mantle”. (DARWIN, 1881, p. 309-310)
12 “The standard picture of evolution, is externalist: a causal arrow runs from environment to
organism, and that arrow explains why organisms are as they are. Natural selection allows a
lineage to accommodate itself to the specifics of its environment. As the interior of Australia
became hotter and drier, phenotypes changed in many lineages of plants and animals, so that
those organisms came to suit the new conditions under which they lived. Odling-Smee, Laland
and Feldman, building on the work of Richard Lewontin, have shown that while sometimes
appropriate, this is an inadequate conception of the relationship between organisms and the
environments in which they live. Over time organisms alter their environment as well as being
altered by their environments. For example, animals modulate the effects of their physical and
biological environment by building shelters: the beaver’s dam and lodge system, and termite
mounds are two famous cases of animal structures, but they are few of many. There are many
thousands of animals which make nests, burrows and other shelters. Likewise, animals make
tools that give them access to resources from which they would otherwise be excluded: thus the
Galapagos woodpecker finch uses a cactus needle to extract insects from crevasses in bark –
insects that it would otherwise be unable to catch”. (STERELNY, 2005, p. 21)
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

causalidade que sucumbe à transformação dos viventes e, sobretudo,


das relações entre natureza e cultura. A produção de modificações
permanentes e transmissíveis de geração em geração13 do próprio
ambiente não é uma prerrogativa humana14: modificando os que foram
definidos como “nichos” ambientais, todos os viventes, também os mais
elementares15, produzem cultura16, que pode assim ser definida como
uma espécie de herança exossomática. Uma herança não anatômica,
mas ecológica17. Portanto, cada forma de vida não é simples adaptação,
e a história da espécie não se limita ao esforço inconsciente de acumular
modificações endossômicas para conseguir adaptar-se ao mundo ao seu
redor: existe uma espécie de civilização animal, silenciosa, invisível,

13 “Here the ‘long reach of the gene’ stretches through several ecosystem components, further
204 than Dawkins ever described. Many of these effects of earthworm niche construction typically
depend on multiple generations, leading only gradually to cumulative improvements in the
soil. It follows that most contemporary earthworms inhabit local selective environments that
have been radically altered by many generations of ancestors. It is likely that some earthworm
phenotypes, such as epidermis structure, or the amount of mucus secreted, co-evolved with
earthworm niche construction over many generations”. (LALAND, 2004, p. 320)
14 Sobre isso e quanto segue Cf. Brandon et al. (1996), Laland (2004), Laland et al. (1996,
1999, 2001 e 2004); Lewontin (1982, 1983 e 1985); Odling-Smee (1988); Odling-Smee et al.
(2003); Oyama et al. (2001); Sterelny (2005); Turner (2000).
15 “This process of organism-driven environmental modification is known as “niche
construction”. For a number of years my colleagues John Odling-Smee, Marc Feldman and I have
argued that niche construction has a number of important, but hitherto neglected implications for
evolutionary biology and related disciplines. Due recognition of niche construction changes the
evolutionary process from a linear to a cyclical conception of causality. […] Niche construction
is not the exclusive prerogative of large populations, keystone species or clever animals; it is a
fact of life. Organisms across the breadth of all known taxonomic groups construct important
components of their local environments. Niche construction is, after natural selection, a second
major participant in evolution. The properties of environments cause (some of) the properties of
organisms through the action of natural selection, but equally the properties of organisms cause
(some of) the properties of selective environments through niche construction”. (LALAND,
2004, p. 316)
16 Sobre cultura animal os estudos nos últimos anos multiplicaram-se fortemente. Cf. pelo
menos Biro et al., 2003; Boesch, 2003; Bonnie et al., 2006; Byrne, 2006; Hunt et al., 2003;
Laland et al., 2003 e 2009; Odling-Smee et al., 2003; Perry et al., 2003; Rendell et al., 2001;
Sherry et al., 1990; Terkel, 1996; Warner, 1988; Whiten et al., 2007. Uma síntese divulgadora
(mas em outras bases) em Lestel, 2001.
17 “Organisms not only acquire genes from their ancestors but also an ecological inheritance,
that is, a legacy of natural selection pressures that have been modified by the niche construction of
their genetic or ecological ancestors. Ecological inheritance does not depend on the presence of
any environmental replicators, but merely on the persistence, between generations, of whatever
physical changes are caused by ancestral organisms in the local selective environments of their
descendants. Thus ecological inheritance more closely resembles the inheritance of territory or
property than it does the inheritance of genes”. (LALAND, 2004, p. 316)
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

incônscia que leva os animais a escolher o próprio mundo18, modificá-lo


e a resolver então déficits fisiológicos através de expedientes técnicos
e culturais19. Para uma longa tradição filosófica e teológica, que chega
até Rousseau e Arnold Gehlen, era mesmo a capacidade de reagir à
pobreza dos próprios meios físicos20 através de técnica e cultura que
definia a natureza do homem. Se com a Origem das espécies Darwin
terminou com o preconceito da separação da natureza humana do resto
da espécie (produzindo, segundo Freud, uma das três grandes feridas

18 “Standard evolutionary theory short-changes the active role of organisms in constructing their
environments, generating explanations that are sometimes misleading. Without ancestral niche
construction by many organisms, including earthworms, topsoil would not exist. The ancestors
of contemporary earthworms must have chosen and partly constructed the soil environments
205 to which they are now adapted. There are two logically distinct routes to the complementary
match between organisms and their environments. Either organisms can change to suit their
environments, or environments can be changed by organisms to suit themselves”. (LALAND,
2004, p. 316)
19 “Returning to the earthworms, because these originally aquatic creatures are able to solve
their water - and salt -balance problems through tunnelling, exuding mucus, eliminating calcite,
and dragging leaf litter below ground, that is, through their niche construction, earthworms have
retained the ancestral freshwater kidneys (or nephridia) and have evolved few of the structural
adaptations one would expect to see in an animal living on land. For instance, earthworms
produce the high volumes of urine characteristic of freshwater rather than terrestrial animals.
As a consequence, if high-school students were asked to classify an earthworm using standard
classificatory methods they would probably conclude that the earthworm has no business living
in soil. Earthworms are structurally very poorly adapted to cope with physiological problems
such as water and salt balance on land, and they would seem to belong in a freshwater habitat.
They can only survive in a terrestrial environment by co-opting the soils that they inhabit and
the tunnels they build to serve as accessory kidneys that compensate for their poor structural
adaptation. For instance, by producing well-aggregated soils the worms weaken matric
potentials, and make it easier for them to draw water into their bodies. However, in the process,
earthworms dramatically change their environments. All of this earthworm activity highlights a
problem with the concept of “adaptation”. In this case it is the soil that does the changing, rather
than the worm, to meet the demands of the worm’s freshwater physiology. So what is adapting
to what?”. (LALAND, 2004, p. 316)
20 “L’homme vient au monde, dépouillé de protections naturelles,  sans armes et dans la
pauvreté, manquant de tout pour satisfaire aux besoins de sa vie: apparemment il mérite plus la
pitié que l’envie. Comme armes, il n’a ni les défenses des cornes, ni les pointes des ongles, ni
sabots, ni dents, ni aiguillon empoisonné pour donner la mort, tous ces organes, que la plupart
des vivants ont sur eux pour se défendre des blessures ; son corps n’est pas non plus recouvert
d’une enveloppe de poils” (GREGORIO DI NISSA, 2002, p. 100). (“O homem vem ao mundo
desprovido de proteções naturais, sem armas e na pobreza, faltando-lhe tudo para satisfazer as
necessidades da sua vida: aparentemente, ele merece piedade antes que inveja. Como armas ele
não tem chifres, nem unhas pontiagudas, nem cascos, nem dentes, nem um ferrão envenenado
para dar a morte –todos esses órgãos que a maioria dos viventes possuem para se defender de
ferimentos; o seu corpo também não está coberto por um invólucro de pelos”. Tradução livre).
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

narcisistas da modernidade)21, com a última das suas obras ele destrói o


preconceito da separação da cultura humana daquela animal. Cultura e
natureza, o orgânico, mineral e intelectual são indistinguíveis, nos dois
sentidos. Se em nenhum reino da natureza a distância que separava as
modificações anatômicas e ecológicas não é mais de ordem ontológica,
entre mundo e anatomia existe uma equivalência que fica a ser pensada
em sua totalidade.
Afirmar que “o homem é obra de um ato separado de criação”
[man is the work of a separate act of creation] não significa somente negar
a autonomia de cada ciência humana. Significa sobretudo reconhecer
à vida uma dimensão espiritual e cultural que o homem atribuiu-se
injustamente de forma exclusiva. Vida e cultura coincidem porque
cada espécie vivente produz culturalmente e espiritualmente a própria
206 existência. No olhar de Darwin a zoologia transforma-se na ciência do
espírito kath’exochen, e as ciências humanas são chamadas a transformar-
se em uma ciência da vida em todas as suas formas22. É somente por isso
que em um dos seus carnets de apontamentos podia anotar que “quem

21 “Wir wissen es alle, daß die Forschung Ch. Darwins, seiner Mitarbeiter und Vorgänger,
vor wenig mehr als einem halben Jahrhundert dieser Überhebung des Menschen ein Ende
bereitet hat. Der Mensch ist nichts anderes und nichts besseres als die Tiere, er ist selbst aus
der Tierreihe hervorgegangen, einigen Arten näher, anderen ferner verwandt. Seine späteren
Erwerbungen vermochten es nicht, die Zeugnisse der Gleichwertigkeit zu verwischen, die in
seinem Körperbau wie in seinen seelischen Anlagen gegeben sind. Dies ist aber die zweite, die
biologische Kränkung des menschlichen Narzißmus”. (FREUD, 1947)
22 Surpreende como, muitas vezes, em âmbito acadêmico, as conclusões de Darwin suscitaram
reações bastante desiguais. Não se pode esquecer que um dos desafios principais do debate
alemão a respeito da antropologia filosófica era o seu antidarwinismo. Definir filosoficamente o
estatuto do homem e a sua excentricidade a respeito do animal – a sua Stellung im Kosmos para
usar as palavras de M. Scheler – era necessário para fundar a autonomia metafísica do espírito
e portanto de todas as ciências humanas. Cf. sobre o problema o magnífico livro de J. Fischer
(2008). Notar-se-á que o capítulo inicial de Les structures élementaires de la parenté de C.
Lévi-Strauss é expressamente dedicado à fundação da separação de natureza e cultura e a definir
portanto a autonomia da sociedade humana e das suas leis daquelas do resto dos viventes. Se as
ciências humanas e sociais tentaram defender, custasse o que custasse, a autonomia do humano,
do social e do cultural, as ciências da natureza pretenderam, de forma igualmente ingênua, poder
reconduzir cada fenômeno cultural ou intelectual aos mecanismos bioquímicos. Deste ponto de
vista, o idealismo inato e o protagonismo ingênuo das ciências humanas e sociais e o materialismo
um pouco bruto das “ciências duras” são formas diferentes mas perfeitamente equivalentes de
antidarwinismo. Trata-se em ambos os casos de um estranho exorcismo pronunciado contra
a natureza, reduzida a uma massa sem espírito, inteligência ou cultura, totalmente incapaz de
produzir tudo o que por outras vias afirma-se que ela foi capaz de produzir: a vida humana, em
todas suas formas. Existe uma profunda solidariedade entre ciências humanas e naturais em não
querer reconhecer para a natureza uma realidade espiritual e ao evitar a afirmação de um olhar
filosófico sobre a natureza e o cosmo.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

compreender os babuínos, contribuirá à metafisica mais do que possa ter


feito Locke”23. Poder-se-ia subverter este adágio e, sem trair o espírito
de quem o formulou, afirmar que resolver os enigmas metafísicos
mais árduos significa sempre contribuir para o desenvolvimento da
zoologia. Talvez interrogando a natureza da mente – isto é, daquilo que
uma longa tradição filosófica chamou nous, mens, esprit, o Geist – que
conseguiríamos compreender os babuínos. E é precisando a realidade
daquilo que chamamos cultura que contribuiríamos à compreensão da
vida nas suas formas menos organizadas.

3. O corpo da cultura

207 Em um dos seus ensaios mais famosos e influentes, Clifford


Geertz tentou libertar a antropologia da “concepção sequencial das
relações entre a evolução física e o desenvolvimento cultural do homem,
a favor de uma concepção interativa e de sobreposição” (GEERTZ,
1988a, p. 60). Geertz reformula de maneira original uma imagem muito
antiga, a do caráter incompleto, ou não finito, do homem, em sentido
físico e biológico, além de metafísico24. Pico della Mirandola tinha
desenvolvido metafisicamente este princípio com uma radicalidade sem
precedentes, fazendo do homem a criatura camaleônica, sem forma e
sem cara, capaz por isso mesmo de assumi-las todas25. Algumas décadas
antes do surgimento do ensaio de Geertz, A. Gehlen tornou novamente
atual o princípio, diferenciando-o das pesquisas do biólogo holandês
Louis Bolk sobre neotenia humana (BOLK, 1926). Mas, seguindo uma
intuição oposta àquela evidenciada por Gehlen, para Geertz a cultura

23 “Origin of man now proved.— Metaphysic must flourish.— He who understands baboons
would do more towards metaphysics than Locke”. (DARWIN 1838, f. 84)
24 “O homem é, em termos físicos, um animal incompleto, não finito, o que o distingue mais
claramente dos não homens é a quantidade e variedade de coisas que deve aprender antes de
poder funcionar mais que a sua pura habilidade para aprender”. (GEERTZ, 1973a, p.46)
25 “Nec certam sedem, nec propriam faciem, nec munus ullum peculiare tibi dedimus, o Adam,
ut quam sedem, quam faciem, quae munera tute optaveris, ea, pro voto pro tua sententia, habeas
et possideas. Definita ceteris natura intra praescriptas a nobis leges coercetur. Tu, nullis angustiis
coercitus, protuo arbitrio, in cuius manu te posui, tibi illam praefinies. Medium te mundi posui,
ut circum spiceres inde commodius quic quid est in mundo. Nec te caelestem neque terrenum,
neque mortalem neque immortalem fecimus, ut tui ipsius quasi arbitrarius honorarius que
plastes et fictor, in quam malueris tute formam effingas. Poteris in inferiora quae sunt bruta
degenerare; poteris in superiora quae sunt divina ex tui animi sententia regenerari”. (PICO
DELLA MIRANDOLA, 1990, p. 4-6)
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

não serve para compensar e substituir o desenvolvimento anatômico.


Esta representa mais o motor das modificações somáticas extremas: é o
conjunto dos processos que permitem ao corpo humano adquirir a sua
última perfeição anatômica, aquela que os escolásticos teriam chamado
a sua haecceitas26. “A cultura, em vez de ser adicionada, digamos assim,
a um animal já completo, ou virtualmente completo, foi um ingrediente,
e o mais importante, da produção deste mesmo animal” (GEERTZ,
1988a, p. 62). Seguindo, sem sabê-lo, uma intuição que já tinha sido
de Darwin (segundo o qual “o uso continuado da linguagem deve ter
retroagido no cérebro e produzido um efeito transmissível” (DARWIN,
1882, p. 610). Geertz postula entre cultura, cérebro e corpo “um efetivo
sistema de retroação onde cada um modelava o progresso do outro, um
sistema do qual a interação entre a crescente utilização das ferramentas,
208 a mutante anatomia da mão e a expansão da representação do polegar no
córtex cerebral, é somente um dos exemplos mais evidentes” (GEERTZ,
1973a, p. 47). Enfim, a vida humana “é um produto cultural e biológico,
sendo que é provavelmente mais correto pensar na maior parte da nossa
estrutura como resultado da cultura, em vez de pensar em homens
anatomicamente parecidos conosco que descobrem devagar a cultura”
(GEERTZ, 1973b, p. 67).
Se mesmo o cérebro constitui-se culturalmente, a definição
daquilo que chamamos mente deve ser ampliada. De fato, será
necessário, afirma Geertz em outro ensaio também famoso, livrar-se
da ideia de pensamento reduzida a um fato puramente anatômico, ou
seja, da “concepção consolidada que o funcionamento da mente seja
essencialmente um processo intracerebral, o qual pode ser ajudado e
amplificado somente em via secundária pelos vários mecanismos
artificiosos que aquele mesmo processo permitiu ao homem inventar”
(GEERTZ, 1973b, p.76). Se “o cérebro humano é completamente
dependente dos recursos culturais para o próprio funcionamento”, a
mente deve ser considerada como uma realidade também exossomática,
a qual engloba não somente as modificações corpóreas, mas também
as atividades óbvias que exercita. Se “as ferramentas, a caça, a

26 A comparação não é arbitrária, porque Geertz enfatiza várias vezes o fato de que, através da
cultura, o homem adquire a sua individualidade mais específica. De um lado, tornar-se humanos
é tornar-se indivíduos, e nos tornamos indivíduos sob o guia dos modelos culturais. Por outro
lado, mesmo por isso, cada cultura é extremamente específica: “nós somos animais incompletos
que completam-se através da cultura, e não através da cultura em geral, mas através de formas
de cultura extremamente particulares”. (GEERTZ, 1973a, p.67 e 62)
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

organização familiar e depois a arte, a religião e a ciência modelaram


o homem somaticamente” (GEERTZ, 1973b, p. 83), é somente porque
o cérebro chega lá onde chega o pensamento e “o pensamento humano
é primeiramente um ato óbvio realizado com os materiais objetivos
da cultura comum e somente secundariamente uma questão privada”
(GEERTZ, 1973b, p. 83) e, portanto, anatômica. A inseparabilidade
entre cultura e natureza e sua constatada interferência recíproca deve
então levar a uma definição, digamos assim, cultural e não puramente
anatômica de todos os órgãos e de todas as faculdades, a partir das
mais importantes: a mente, o cérebro. Se para o indivíduo homem
“não existe uma coisa como uma natureza independente da cultura”
(GEERTZ, 1988a, p. 49) então todas as suas faculdades não terão uma
natureza anatômica independentemente da sua expressão cultural.
209 Realidade endossômica e vida exossomática do homem exprimem o
mesmo fenômeno. Poder-se-ia banalizar o pensamento expresso por
Geertz afirmando que o cérebro precisa de cultura para realizar-se e
vice-versa, as atividades culturais nunca existem abstratamente, mas
têm sempre consequências anatômicas: trata-se do programa em que as
neurociências tentaram atuar. Entretanto, nestas páginas produzem uma
vertiginosa fusão da esfera orgânica e de quanto a Kulturwissenschaft
alemã, depois de Dilthey, chamou espírito objetivo: o primeiro objeto da
cultura humana é o seu próprio corpo, a primeira encarnação do espírito
objetivo é o corpo humano. Da mesma forma, qualquer atividade do
corpo pode ser considerada como uma atividade cultural. Apesar de
Platão, cultura e culturismo têm ligações muito mais fortes do que se
imagina.
A proposição pela qual “o homem não é a obra de um ato separado
de criação” não é somente uma tese, nem o simples resultado de uma
demonstração. É também e sobretudo um princípio de método que proíbe
no ser, a cada passo, a separação do homem do resto dos viventes. Tudo
aquilo que está no homem deve-se poder detectar em forma potencial ou
embrionária no resto dos viventes. A articulação de cultura e anatomia
que parece ser própria ao homem deve ser estendida à totalidade das
espécies viventes que povoam o planeta. Se estendemos a cada forma
de vida tudo o quanto acabamos de aprender para o homem, poder-
se-á dizer que cultura é a relação que um vivente tem com o próprio
corpo anatômico, através da relação que tem com o mundo. Em outras
palavras, a transmissão anatômica (genética) ou a ecológica (cultural)
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

são dois percursos perfeitamente equivalentes e coessenciais. Devido a


isso, a relação consigo e com o mundo é, para todas as espécies viventes,
inseparável: se relacionando-se com o mundo cada ser vivente define
e constitui o próprio corpo, é relacionando-se consigo que o vivente
percebe o mundo. Cada relação em si é fato cósmico, e não somente
psicológico. Do mesmo modo, por cada vivente, na relação com o
mundo, prejudica-se a própria forma. No estado atual, o que acabamos
de afirmar pode constituir somente um programa para pesquisas futuras
e um método a ser aplicado para a contemplação da natureza: trata-se de
considerar cada ser vivente como uma mente em ato, como a realização
de um programa [pattern] cultural que se exercita também e sobretudo
no próprio corpo antes do que no ambiente. Tratar-se-á de perguntar aos
animais, às plantas, aos cogumelos o que é espírito, de descrever uma
210 fenomenologia fora dos cânones da história ocidental e humana; é o que
tentaremos fazer agora, em chave experimental, através de um exercício
que deverá continuar rapsódico.

4. A vida das plantas

Este programa de pesquisa deveria começar pelas plantas e as


suas vidas27. Elas estão em toda parte, mas somente sabemos falar sobre
elas: os seus nomes escapam aos demais, a filosofia sempre as esqueceu,
com uma negligência mais próxima ao ódio que à falta de atenção. As
plantas representam a ferida sempre aberta do esnobismo metafísico,
o qual define a nossa cultura, o retorno do removido, do que é preciso
se livrar para poder se considerar diferentes: homens, racionais, seres
espirituais. São o tumor cósmico do humanismo, o lixo do qual o Espírito
absoluto não consegue se livrar.
Ninguém se preocupa de verdade com isso. Cientistas benévolos,
ecologistas radicais ou escritores empenhados operam na campanha
animalista. A denúncia da separação entre homem e animal (a “máquina
antropológica” da qual fala Agamben, 2002) tornou-se um lugar comum
no mundo intelectual28. Mas ninguém poderia fazer a mesma coisa com

27 Depois da obra-prima de Fechner (1842), os trabalhos modernos mais interessantes sobre


as plantas são os de Halle (1999, 2005 e 2008) e Clement (2007).
28 Entre os mais famosos veja-se Singer (1975) e Foer (2009), mas o debate é muito antigo
(veja-se PORFIRIO, 2005, e o De esucarnium de PLUTARCO). A discussão animalista parece-
me manchada por uma estranha forma de humanismo: matar os animais é uma dimensão
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

as plantas: fora do ciclo heterótrofo, como únicos elementos autótrofos,


representam a evidência do fato de que os viventes devem nutrir-se
de outros seres viventes e, portanto, matá-los ou dominá-los. Viver
para os animais significa entrar, nutrir-se de uma vida alheia: na sua
excepcionalidade, as plantas são a demonstração de que o canibalismo
constitui a essência da vida, não uma opção ética.
Todavia, é na frente das plantas que resulta necessário perguntar-
se o que seja um vivente e o que significa estar no mundo. É observando
e estudando as plantas que vamos conseguir entender do que é capaz
de verdade a mente, e o que pode o espírito. Afetam uma soberana
indiferença: ao nosso mundo de homens, à cultura dos povos, à sucessão
dos reinos e das épocas do espírito. Podem ser muitos elegantes, mas
não seguem modas. Contudo, nenhum outro ser vivente contribui tanto
211 quanto eles para a qualidade estética do cosmo.
Parecem ausentes, como blindadas no seu sonho químico. Não
têm sentidos. Mas não é fechamento: ninguém mais que elas aderem
ao mundo ao seu redor. Estão perenemente, constantemente expostas
ao mundo e ao próprio ambiente. Não precisam de órgãos de sentidos
porque – à diferença da maioria dos animais superiores –, não têm uma
relação seletiva com o mundo ao seu redor. São a vida em exposição
global, em continuidade absoluta, em comunhão absoluta com aquilo
que as circunda. Por isso não precisam mover-se. Não mover-se significa
aderir completamente àquilo que acontece e ao que as rodeia. Uma
planta não é separável do mundo que a recebe. É a forma mais intensa e
paradigmática do ser-no-mundo.
As metrópoles modernas as consideram ornamentos
desnecessários da mobília urbana. Fora dos muros são hóspedes ingratos
– ervas daninhas – ou objetos de produção de massa para conseguir
proventos sempre mais escassos. Apesar disso, foram elas que deram
a vida à atmosfera onde podemos sobreviver: sem elas a terra seria tão
inóspita para nós, quanto qualquer outro planeta do sistema solar.
Do ponto de vista de uma fenomenologia comparada do espírito
dos viventes, as plantas são a forma de vida mais próxima à matéria. Mas
não existem fragmentos de matéria animada mais simples e rudimentares.
Nenhum outro ser vivente empenha todas suas forças para dar forma
à matéria. As suas vidas são cosmética. Puro ornamento. A vida das

perfeitamente natural e consolidada a muitos dos animais terrestres, e seria ingênuo querer
estabelecer uma forma de superioridade moral dos herbívoros sobre os carnívoros.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

plantas pareceria inteiramente focada a esculpir, definir a própria forma.


O que chamamos crescimento e destruição são as maneiras e as formas
infinitas de dar-se forma. A vida vegetal é o dar-se forma. A vida que se
abrevia no dar-se forma para si mesma. É o lugar onde cada problema
biológico é problema estético, e cada problema estético é problema de
vida ou de morte.
Se a vida vegetal é também uma vida cultural, esta pressupõe
a atividade de uma mente que se exercita antes de tudo e, quase
exclusivamente, na forma do próprio corpo. Pensar a vida vegetativa
desta forma corresponderia a tudo aquilo que a tradição aristotélica
tinha chamado psuchê trophukê, ou seja, nem tanto ou não somente uma
unidade taxonomicamente distinta e separada das outras, mas um lugar
compartilhado por todos os viventes, indiferente à distinção entre plantas,
212 animais e homens, o princípio pelo qual, segundo o logion aristotélico,
“a todos pertence a vida” (ARISTÓTELES, De anima 414a 25). Agora
esta vida pode ser considerada como a atividade de uma espécie de
imaginação transcendental da matéria: não uma faculdade cognitiva
– isto é, que modela a matéria etérea e intangível do psiquismo –, uma
potência plástica que modela imediatamente a realidade corpórea. A
alma vegetativa não é a vida sem imagens, sem fantasia, mas a vida na
qual a fantasia não é limitada ou reduzida a porções de si ou do mundo,
mas refere-se à totalidade de si e à totalidade do mundo. É a fantasia
transcendental, o lugar onde a imaginação forma imediatamente o corpo
e a matéria é um sonho sem consciência, um sonho sem olhos que não
precisa de órgãos nem de sujeitos para ser cumprido.
Cada planta parece inventar e abrir plano de existência no qual
não se dá, de fato, oposição entre crescimento e fantasia. A ideia de
uma esfera de absoluta coincidência entre corpo e conhecimento, entre
imagem e matéria nunca foi estranha à biologia. Sua noção de gene,
por exemplo, é uma formulação moderna (PICHOT, 1999). Esta era
muito difusa na filosofia natural e na medicina do Renascimento. Na sua
forma mais radical, ela inspirou as reflexões de William Harvey sobre
o ovo (HARVEY, 1651), as reflexões de Jan Marek Marci de Kronland
(MARCI, 1662) ou de Peder Soerensen (SEVERINUS, 1571) sobre
semina e as de Francis Glisson sobre a assim chamada percepção natural
(GLISSON, 1672)29. Para expressá-lo segundo uma analogia bastante

29 Sobre esta estação, profundamente inspirada também por Paracelso, veja-se Giglioni (1991,
1993, 1995 e 2000) e Pagel (1958 e 1967).
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

comum na época, trata-se de pensar o processo de gênese dos viventes (a


concepção do vivente que acontece no útero, conceptio uteri) da mesma
forma que a mente opera (conceptio cerebri): a matéria do mundo
em todo o ser vivente é um cérebro ou opera como um cérebro30 ou,
para dizê-lo de outra forma, existe um cérebro de matéria, uma mente
imanente à matéria em cada vivente. A vida não é nada mais que o fato
da matéria em si poder tornar-se cérebro, mente. A semente (ou um ovo)
não é nada mais que a representação mais banal desta cerebralidade
elementar, matérica. As operações das quais é capaz uma semente são
explicáveis somente pressupondo-a dotada de alguma forma de saber,
um programa de ação, um pattern que não existe certamente à maneira
de uma consciência, mas que lhe permite cumprir sem erros tudo o
que faz31. Se no homem ou no animal o conhecimento é acontecimento
213 acidental e efêmero, na semente (ou no ovo) o saber coincide com a
essência, a vida, a potência e a sua própria ação32. A semente, o ovo, o
gene são cérebros da matéria, a mente na matéria. Se a semente é uma
espécie de cérebro, é somente porque o cérebro é um ovo, uma semente.
O interesse destas especulações analógicas está mesmo na possibilidade
de chegar a uma definição não anatômica do cérebro: o cérebro não
é um órgão humano e não é um órgão tout court, mas todo traço de
matéria que detém saber e conhecimento33. Trata-se, de fato, de ampliar
também o sentido do saber e do pensamento, no sentido contrário ao
aristotelismo: não fazer mais do intelecto um órgão separado, mas fazê-
lo corresponder com a matéria tout court.

30 Nas palavras de Charles Drelincourt (De conceptione adversaria 1685, p.3-4) “conceptio
fit in útero naturalis sicut in cérebro fit conceptus animalis”. A fundação desta analogia pode
acontecer nos dois sentidos. Harvey, por exemplo, afirma que é o funcionamento do cérebro (e
portanto de cada produção artificial) que acontece da maneira na qual opera o intelecto divino no
ovo (HARVEY, 1651). Sobre a questão veja-se o maravilhoso ensaio de Giglioni, ao qual estas
páginas devem muito.
31 É a ideia de Soerensen, o qual a respeito dos semina escreve: “nec laboriosam sortem
obtinuerunt: sine sollicitudine defatigatione, ratiocinatione, dubitatione, pensum absolvunt,
scientia ingenita vitali, ipsa denique essentia. Tales scientiae quia cognitionis consensum et
conscientiam non habent, dicuntur non scire ea quae faciunt, et tamen videntur scire: operibus
enim documenta ponunt divinae scientiae”. (SEVERINUS, 1571, p. 91)
32 “Aequivoce enim nostra scientia cum illa confertur. Nos sensibus memoriis rationum
deductionibus et multa sollicitudine praecepta ordinatae coniungentes scientias acquirimus, illis
innata est, non veluti accidentia subiectis innascuntur; sed est ipsa earum essentia, vita potestas
ideoque validius agere potest. Nostra morta est, si cum hac conferatur”. (SEVERINUS, 1571,
p. 91)
33 Até poder considerar o mundo em si enervado pelos novos media como um cérebro cósmico
que vivifica a matéria e transforma o planeta terra em um grande vertebrado. É a maravilhosa
tese de McLuhan. Veja-se McLuhan (1967 e 1968).
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Foi Francis Glisson quem avançou a forma mais radical de


identificação de matéria e conhecimento, até postular a animação do
universo inteiro. Segundo Glisson, a matéria em si deve ser definida
a partir de uma espécie de afetividade natural (perceptio naturalis) e
originária, distinta de sensação, experiência ou pensamento, também
porque, diferentemente destas, é incapaz de erro. Esta afetividade radical
é a ação imediata da vida substancial (immediatam actionem vitae
substantialis). Aquilo que a matéria percebe desta maneira é a própria
forma do vivente. O exemplo que Glisson fornece desta sensibilidade
elementar é o de um grão de milho em relação à forma da planta que
dela se desenvolve, ou a de um ovo em relação à forma da galinha que
se desenvolve dele34. Trata-se quase da sensibilidade que cada vivente
tem a respeito da própria forma. Devido a isso, esta não define o espaço
214 de soberania próprio da subjetividade: diferentemente dos sentidos e do
pensamento, que podem, em qualquer momento, distrair-se do objeto
pelo qual são afetados, a percepção natural é uma afetividade sem
soberania35. A forma do vivente é objeto de percepção, mas não apresenta-
se à percepção natural na indiferença que produz a possibilidade de uma
escolha ou de um juízo; devido a isso, a afetividade natural não escolhe
os seus objetos e não delibera. Toda a forma, também nos viventes mais
elementares e desorganizados, não é somente fato estético ou estrutural,
mas o testemunho de uma psicologia inconsciente e da matéria, ou seja,
a matéria existe e vive como um cérebro.

34 “Ex dictis autem elucescit, dari perceptionem priorem, generaliorem et simpliciorem ea


sensuum et consequenter dari perceptionem naturalem. Dices, etiamsi haec perceptio non veniat
ab anima sensitiva, posse tamen ab anima vegetativa commode deduci. Aristoteles enim videtur
insinuare, animal primo vivere vitam plantae dein animalis. Respondeo ut se habet forma triticei
ad formam plantae ex se formandae ita se habere formam ovi ad formam pulli inde oriundi;
sed in utrisque formam inchoatam a perfecta solis gradibus perfectioinis differre. […] Si ergo
formam ovi animam sensitivam inchoatam (quamvis sit praeter usum loquendi) vocari placuerit,
per me licet: sed res eodem redit. Ejus enim perceptio non fuerit sensitiva, sed tantum naturalis.
Res aperta est in grano tritici in quo simiilter inest perceptio naturalis, qua se satum in planta sui
generis format, sed ad sensum nunquam aspirat. Atque adeo haec perceptio res clare distincta est
a sensu”. (GLISSON, 1672, s.p. Ad Lectorem)
35 “Dico perceptionem naturalem nullo modo posse actionem suam suspendere aut se ab obiecto
oblato avertere; sed perpetuo ad excitandum appetitum naturalem et facultatem motivam recta
pergere”. (GLISSON, 1672, s.p. Ad Lectorem)
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

5. Conclusão
Toda forma de vida é natural e cultural. É na mesma relação
com a própria forma que começa para toda forma de vida a cultura.
Do mesmo modo, na relação à própria forma anatômica, está sempre
em jogo a relação com o mundo. Vida cultural e vida natural não são
dois reinos separados que o homem deve juntar: são o que se produz em
cada ser vivente através dos movimentos sempre cruzados do trabalho
anatômico e do ecológico. Não existe, para nenhum vivente, uma vida
anatômica pura, como tampouco existe para o homem uma vida cultural
ou espiritual separada dos corpos. Com uma boutade poder-se-ia dizer
que, se as substâncias separadas, os puros intelectos, os anjos da tradição
teológica não existem, é porque tampouco existem corpos simples entre
os viventes. Cada vida é a transmissão endossomática e exossomática
215 de imagens.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Bibliografia

AGAMBEN, Giorgio. L'aperto. L'uomo e l'animale. Torino: Bollati


Boringhieri, 2002.

BIRO, D.; INOUE-NAKAMURA, N.; TONOOKA, R. et al. “Cultural


innovation and transmission of tool use in wild chimpanzees”.In: Animal
Cognition, t. 6, 2003, p. 213–223.

BOESCH, C. “Is culture a golden barrier between human and


chimpanzee”. In: Evolutionary Anthropology, t. 12, 2003, p. 82–91.

BOLK, Louis. Das Problem der Menschwerdung. Jena: 1926.

BONNIE K.E.; DE WAAL, F.B.M. “Affiliation promotes the transmission


of a social custom”. In: Primates, t. 47, 2006, p. 27–34.

BYRNE, R.W. “Culture in great apes”. In: Philosophical Transactions


of the Royal Society of London, Series B 362, 2006, p. 577–585.
216 BRANDON, R.; ANTONOVICS, J., “The Coevolution of Organism
and Environment”. In: BRANDON, R. (Ed.). Concepts and Methods in
Evolutionary Biology. Cambridge: Cambridge University Press, 1996,
p. 161–178.

BROWN, George G.; FELLER, Christian; BLANCHART, Eric;


DELEPORTE, Pierre; CHERNYANSKII, et Sergey S. With Darwin,
earthworms turn intelligent and become human friends. In: Pedobiologia
- International Journal of Soil Biology. t. 47, 2004, p. 924–933.

CLEMENT, Gilles. Le jardin en mouvement. Paris: Sens et Tonka, 2007.

DARWIN, Charles. Notebook M, Metaphysics on Morals and


Speculation on Expression. 1838. http://darwin-online.org.uk/content/fr
ameset?viewtype=side&itemID=CUL-DAR125.-&pageseq=1

______. The Descent of Man, and Selection in Relation to Sex. London:


John Murray, 2d edition 1882 (First ed. 1871).

______. The Expression of the Emotions in Man and Animals. London:


John Murray, 1872.

______. The Formation of Vegetable Mould, through the Action of


Worms, with Observations on their Habits. Londres: John Murray, 1881.

DIELS, Hermann; KRANZ, Walter. Die Fragmente der Vorsokratiker.


3 voll., Nachdruck der 6. verbesserten Auflage 1951/52. Zürich:
Weidmann, 1996.

DRELINCOURT, Charles. De conceptioneadversaria. Leiden: 1685.

FECHNER, Gustav Theodor. Nannaoder das Leben der Pflanzen.


Leipzig: Leopold Voss, 1848.

FISCHER, Joachim. PhilosophischeAnthropologie. Freiburg/München:


Karl AlberVerlag, 2008.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

FREUD, Sigmund. Eine Schwierigkeit in der Psychanalise. In: ______.


Gesammelte Werke. Band XII (Werke aus den Jahren 1917-1920).
Frankfurt: Fischer Verlag, 1947, p. 3-12.

GEERTZ, Clifford. “The Growth of Culture and the Evolution of Mind”.


In  :______. The interpretation of cultures. New York: Basic Books,
1973, p. 55-86.

______. “The Impact of the Concept of Culture on the Concept of Man”.


In  :______. The interpretation of cultures. New York: Basic Books,
1973, p. 33–54.

GEHLEN, Arnold. Der Mensch. Seine Natur und seine Stellung in der
Welt. Wiebelsheim: AulaVerlag, 2004.

GREGORIO DI NISSA. La création de l’homme. Tr. par J. Laplace.


(Sources chrétiennes n. 6). Paris: Cerf, 2002.

GIGLIONI, Guido. “Anatomist Atheismt: The ‘Hylozoistic’


Foundations of Francis Glisson’s Anatomical Research”. In: GRELL,
217 O.P.;CUNNINGHAM, A (Eds.). Religio medici. Aldershot: Ashgate,
1996. p. 115-135. 
 

______. “Conceptus uteri / Conceptus cerebri.. Note sull’analogia del


concepimento nella teoria delal generazione di William Harvey“. In:
Rivista di storia della filosofia, 1993, p. 7-22.

______. “Girolamo Cardano e Giulio Cesare Scaligero: il dibattito sul


ruolo dell’anima vegetativa”. In: BALDI, Marialuisa; CANZIANI,
Guido (Eds.).Girolamo Cardano: le opere, le  fonti, la vita. Milan: 1999,
p. 313-339.

______. “Il “Tractatus de natura substantiae energetica” di F. Glisson”.


In: Annali della Facolta di Lettere e Filosofia dell’Universita di
Maceratà, t. 24, 1991, p. 137-179.

______. Immaginazione e malattià : Saggio su Jan Baptista van


Helmont. Milano: FrancoAngeli, 2000.

______. “La teoria dell’immaginazione nell’‘Idealismo’ biologico di


Johannes Baptista Van Helmont”. In: La Cultura, t. 29, 1991, p. 110-
145.

______. “Panpsychism versus Hylozoism : An Interpretation of Some


Seventeenth-Century Doctrines of Universal Animation”. In: Acta
comeniana, t. 11, 1995, p. 25-45.

GLISSON, Francis. Tractatus de natura substantiae energetica. London:


1672.

GRANT, Ian Hamilton. Philosophies of Nature after Schelling. London:


Continuum, 2006.

HALLE, Francis. Eloge de la plante. Pour une nouvelle biologie. Paris:


Seuil, 1999.

______. Plaidoyer pour l’arbre. Paris: Actes Sud, 2005.


revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

______. Aux origines des plantes. Paris: Actes Sud, 2008.

HODGE, Jonathan (Ed.). The Cambridge Companion to Darwin.


Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

HUNT, G.R.; GRAY, R.D. “Diversification and cumulative evolution in


New Caledonian crow tool manufacture”. In: Proceedings of the Royal
Society B 270, 2003, p. 867–874.

LALAND, Kevin N. N. “Extending the Extended Phenotype”. In:


Biology and Philosophy, t. 19, 2004, p. 313–325.

LALAND, Kevin N. N.; ODLING-SMEE, F.J.; FELDMAN, M.W., “On


the Evolutionary Consequences of Niche Construction”. In: Journal of
Evolutionary Biology, t. 9, 1996, p. 293–316.

______.“Evolutionary Consequences of Niche Construction and their


Implications for Ecology”. In: Proceedings of the National Academy of
Sciences, USA t. 96, 1999, p. 10242–10247.
218
______. “Cultural Niche Construction and Human Evolution”. In:
Journal of Evolutionary Biolology, t. 14, 2001, p.. 22–33.

LALAND K. N.; HOPPITT, W. “Do animals have culture?”. In:


Evolutionary Anthropology, t. 12, 2003, p. 150–59

LALAND K.N.; GALEF, B.G. JR, (Eds.) The question of animal


culture. Cambridge Mass.: Harvard University Press, 2009.

LESTEL, D. Les origines animales de la culture. Paris: Flammarion,


2001.

LATOUR, Bruno. Nous n'avons jamais été modernes.Essai


d'anthropologie symétrique. Paris: La Découverte, 1991.

______. Politiques de la nature. Comment faire entrer les sciences en


démocraties. Paris: La Découverte, 1999.

LEWONTIN R.C. “Organism and environment”. In: PLOTKIN H.C.


(Ed.). Learning, Development and Culture. New York: Wiley, 1982, p.
151–170.

______. “The Organism as the Subject and Object of Evolution”. In:


Scientia, t. 118, 1983, p. 65–82.

______. “Adaptation”. In: LEVINS R.; LEWONTIN R. (Eds). The


Dialectical Biologist. Cambridge: Harvard University Press, 1985, p.
65–84.

MARCI, Jan Marek. Philosophia vetus restituta. 1662.

MAYR, Ernst. The Growth of Biological Thought. Diversity, Evolution


and Inheritance. Cambridge Mass.: The Belknap Press of Harvard
University Press, 2003.

MCLUHAN, Marshall. War and Peace in the global Village. New York:
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Bantam Books, 1967.

______. “The brain and the media: The ‘Western’ hemisphere”. In  :
Journal of communication, vol. 28, 1978, p. 54-60.

ODLING-SMEE F. J. “Niche Constructung Phenotypes”. In: PLOTKIN,


H.C. (Ed.). The Role of Behavior in Evolution. Cambridge: MIT Press,
1988, p. 73-132.

ODLING-SMEE, F.J.; LALAND, K.N.; FELDMAN, M. W. Niche


Construction. The Neglected Process in Evolution. Pricenton: Princeton
University Press, 2003.

OYAMA, S.; GRIFFITHS, P.E.; GRAY, R.D. Cycles of Contingency:


Developmental Systems and Evolution. Cambdrige: MIT Press, 2001.

PAGEL, Walter. Paracelsus. An introduction to philosophical medicine


in the era of renaissance. New York: Karger 1958.
______. William Harvey´s biological ideas. Selected aspects and
219 historical background. New York: Karger, 1967.

PERRY, S.; BAKER, M.; FEDIGAN, L. et al., “Social conventions in


wild white-faced capuchin monkeys”. In: Current Anthropology, t. 44,
t. 2003, p. 241–268.

PICHOT, André. Histoire de la notion de gène. Paris: Flammarion, 1999.

PICO DELLA MIRANDOLA, Giovanni. De hominis dignitate/ Über


die Würde des Menschen, hrsg. von A. Buck. Hamburg: Meiner Verlag,
1990.

PORFIRIO. Astinenza dagli animali. Milano: Bompiani Editore, 2005.

PROCHIANTZ, Alain. Machine-esprit. Paris: Editions Odile Jacob,


2001.

______. Qu'est-ce que le vivant? Paris: Seuil, 2012.

RENDELL, L.; WHITEHEAD, H. “Culture in whales and dolphins”.


In: Behaviour and Brain Sciences, t. 24, 2001, p. 309–324.

RUSE, Michael. The Cambridge Companion to the Origin of species.


Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

SCHAEFFER, Jean-Marie. La fin de l’exception humaine. Paris:


Gallimard, 2007.

______. “La thèse de l'exception humaine”. In : Communications. t. 78,


2005. p. 189-209.

SEVERINUS, PETER. Ideae medicinae philosophiacae continens totius


doctirnae paracelsianae Hippocraticae et galienicae. Basilea: 1571.

SHERRY, D.F. ; GALEF, B.G. “Social learning without imitation”. In:


Animal Behaviour, t. 40, 1990, p. 987–89.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

SINGER, Peter. Animal Liberation: A New Ethics for our Treatment of


Animals. New York: New York Review/Random House, 1975.

STERENLY, Kim. “Made By Each Other: Organisms and Their


Environment”. In: Biology and Philosophy, t. 20, 2005, p. 21–36.

TORT, Patrick. L'Effet Darwin. Sélection naturelle et naissance de la


civilisation. Paris: Seuil, 2008.

______. L'anthropologie inattendue de Charles Darwin. In: DARWIN,


Charles. La Filiation de l'homme et la sélection liée au sexe. Paris:
Syllepse 1999, p. 17-69.

TERKEL, J. “Cultural transmission of feeding behavior in the black rat


(Rattus rattus)”.In: HEYES, C.M.; GALEF, B.G. (Eds.). Social learning
in animals. San Diego: Academic Press, 1996, p. 17–48.

TURNER, J. S. The Extended Organism: The Physiology of Animal-


Built Structures. Cambridge Mass.: Harvard University Press, 2000.
220 UNTERSTEINER, Mario. I sofisti. Testimonianze e Frammenti, IV voll.
Firenze: La Nuova Italia, 1949-1962.

WARNER, R.R. “Traditionality of mating-site preferences in a coral


reef fish”. In: Nature, t. 335, 1988, p. 719–721.

WHITEN A.; VAN SCHAIK C.P. “The evolution of animal ‘cultures’


and social intelligence”. In: Philosophical Transactions of the Royal
Society B. 362, 2007, p. 603–620.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

O sabor do
perspectivismo
Raul Antelo
(Universidade Federal de Santa Catarina)

Un savoir qui implique ces quatre conditions (déplacement


du sujet, valorisation des choses à partir de leur réalité à
l’intérieur du kosmos, possibilité pour le sujet de se voir
lui-même, transfiguration enfin du mode d’être du sujet par
l’effet du savoir), c’est cela, je crois, qui constitue ce qu’on
pourrait appeler le savoir spirituel.
FOUCAULT, Michel. Hérmeneutique du sujet. Cours au
Collège de France, 1981-1982.

Mimesis is an entire world.


DAMROSCH, David. “Auerbach in Exile”.

A filologia in extremis

No prefácio a seu Essai sur la France (1930), o romanista


alemão Ernst-Robert Curtius justificava o empreendimento de traçar
um panorama da cultura francesa para os leitores de seu país, com o
argumento de atingir a reconstrução de “nosso comum patrimônio, a
Europa”, e assim evitar que “nossa civilização afunde” (CURTIUS,
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

1990, p. 14); anos depois, no Natal de 1945, em carta a Jean de Menasce,


Curtius ainda admitiria que, um pouco antes, em 1932, quando redigia
esse volume dedicado a Aby Warburg intitulado, de início, Idade Média
latina e romance. Estudos sobre a tradição literária europeia, e que seria,
finalmente, publicado como Europäische Literatur und lateinisches
Mittelalter (1948), teria descoberto, um poema espanhol do 1500, que
louvava um elenco de virtudes repartidas entre doze imperadores, de
Augusto a Teodósio, que o convenceram da singular sobrevivência, na
Península Ibérica, da tradição latina, como não se deu em nenhum outro
lugar da Europa, algo que, presente já em seu ensaio “O espírito alemão
em perigo”, se reforçaria, também em 1932, em virtude de uma profunda
crise psicológica e uma persistente depressão de Curtius, que o levaram
a consultar o dr. Gustav Jung, em Zurich. A cura o empurraria, portanto,
222 ao revigorado estudo da literatura medieval, detendo-se, em particular,
no tópico da Roma aeterna, que ele abordava, porém, na contracorrente
warburguiana, “comme un archétype au sens Jungien du terme, c’est-à
dire comme un symbole chargé simultanément d’une signification et
d’énergies multiples” (CURTIUS; DE MENASCE, 1991, p. 114-115),
mesmo que depurado do devir histórico.
Paralelamente, entre 1942 e meados de 1945, portanto, pouco
antes de Literatura Europeia e Idade Média Latina de Curtius, mas em
simultâneo com a Dialética do Esclarecimento de Adorno-Horkheimer
ou mesmo de Sade, meu próximo de Klossowski, outro romanista
emigrado, Erich Auerbach, redigia, em Istambul, sua obra-prima,
Mimesis: Dargestellte Wirklichkeit in der abendländischen Literatur
(Berna, A. Francke, 1946), atravessada pelo melancólico lamento de
ser uma pesquisa realizada, durante a guerra, nas bordas do mundo
civilizado, isto é, na Turquia.

Aqui não há nenhuma biblioteca bem provida para estudos


europeus; as comunicações internacionais estavam
paralisadas; de tal forma que tive de renunciar a quase todas
as publicações periódicas, à maioria das pesquisas mais
recentes, e por vezes a edições críticas dos meus textos
dignas de confiança. Portanto, é possível e até provável que
muita coisa me tenha passado despercebida, muita coisa que
deveria ter considerado, e que, por vezes, afirme alguma
coisa que tenha sido refutada ou modificada por pesquisas
mais recentes. Espero que entre esses prováveis erros
não haja nenhum que afete o cerne do sentido das ideias
expostas. Também é resultado da escassez de literatura
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

especializada e de periódicos o fato de este livro não conter


notas; afora os textos, cito relativamente pouca coisa, e este
pouco deixou-se introduzir facilmente no texto. Aliás, é
bem possível que este livro deva agradecer a sua existência
precisamente à falta de uma grande biblioteca especializada;
se tivesse podido tentar informar-me a respeito de tudo o
que foi feito acerca de tantos temas, talvez nunca tivesse
chegado a escrevê-lo. (CURTIUS; DE MENASCE, 1991,
p. 502)

É bem verdade que o livro de Curtius também lutava contra


o abandono internacional da tradição alemã, bem como contra o ódio
cultural e seus fundamentos político-sociológicos. Mas, diante da
constatação de que as bibliotecas do passado estavam irremediavelmente
perdidas, Curtius reivindicava, com Goethe, que a literatura não passa
223 de “fragmento de fragmentos”. Auerbach, porém, é mais abertamente
conservador que Curtius. Sem dúvida, não só a escassez de literatura
especializada como assim também a distância dos grandes centros
acadêmicos europeus respondem pelo método de Mímesis. Mas a esse
respeito, em defesa de um certo continuísmo, o próprio Auerbach
argumenta que a revolução da arte moderna contra a doutrina clássica
dos níveis, no princípio do século XIX, não poderia ter sido a primeira
de sua espécie. Houve, de fato, outras, anteriores, por meio das quais
não só os românticos e os realistas quebraram convenções, mas também,
no fim do século XVI e mesmo durante o século XVII, os partidários da
rígida imitação da literatura antiga foram questionados em suas práticas.
Antes, tanto durante a Idade Média toda como ainda no
Renascimento, houve um realismo sério; tinha sido possível representar
os acontecimentos mais corriqueiros da realidade num contexto sério e
significativo, tanto na poesia como nas artes plásticas; a doutrina dos
níveis não tinha validez universal. Por mais diferente que o realismo
medieval seja do moderno, coincidem nesta modalidade de concepção.
Entretanto, já muito antes tecera conjecturas acerca de como se formara
esta mentalidade artística medieval, como e quando ocorrera a primeira
irrupção contra a teoria clássica: foi a história de Cristo, com a sua
desconsiderada mistura do real quotidiano com a mais elevada e sublime
das tragicidades, que venceu a antiga regra estilística.
Portanto, o “realismo figural” de Auerbach (1976, p. 500-
501) postula que, sem prejuízo da sua força concreta e atual, um
acontecimento mundano significa não somente a si próprio, mas ilumina
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

também um outro acontecimento, que ele repete, de forma auspiciosa


ou meramente confirmativa; e além disso, a conexão entre ambos os
acontecimentos não é vista, fundamentalmente, como desenvolvimento
temporal ou causal, mas como uma unidade do plano divino, atemporal,
cujos membros e reflexos são todos os outros acontecimentos possíveis,
o que explica que sua mútua e imediata conexão terrena seja de menor
importância e o próprio conhecimento da articulação entre os fatos seja,
por vezes, totalmente irrelevante para a interpretação.
Conquanto esse método síntático-compositivo acarrete inegáveis
avanços na leitura, Auerbach era consciente, porém, da provável
limitação de suas ferramentas críticas, desenvolvidas nas bordas da
Europa, já que admite que, em Mímesis, muito bem

poderiam ter sido introduzidos capítulos sobre textos


224 ingleses, alemães, espanhóis; teria tratado com prazer
mais longamente do siglo de oro, e com muito prazer
teria acrescentado um capítulo sobre o Realismo alemão
do século XVII. Mas as dificuldades eram demasiado
grandes; mesmo assim, tratei de textos de três milênios e
muito frequentemente tive de abandonar o âmbito que me
é próprio, as literaturas românicas. (AUERBACH, 1976, p.
501)

Tais desculpas se devem ao fato de, em um primeiro momento,


Auerbach não ter tratado especificamente de Dom Quixote, cuja análise só
se acrescenta à edição mexicana de Mímesis, em 1950, livro que, contudo,
conquistaria imediato reconhecimento, mesmo no domínio hispânico.
Esparsas, de fato, são as referências ao Quixote na edição original e se
limitam, no capítulo “A saída do Cavaleiro”, à interpretação da excursão
de Dom Quixote como simples fuga de uma situação insustentável.
No capítulo “O Príncipe Cansado”, Auerbach traça a diferença entre a
loucura amena do Cavaleiro e a insanidade incurável de Hamlet para,
finalmente, no capítulo ad hoc, “A Dulcinéia Encantada”, concluir
que a loucura de Dom Quixote não passa de uma divertida confusão
que, embora heroica e idealista, acarreta sabedoria e humanidade,
sem chegar mesmo a configurar uma loucura simbólica, o que, para
Auerbach, não está “no” texto e aventá-lo, a seu ver, constituiria um
ato de violência. Essa restrição, esclarecedora da resistência do próprio
Auerbach, em abordar o Real do romance de Cervantes, impregnaria a
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

crítica posterior1. Edward Said, que reputa Mímesis “um dos textos mais
essenciais dos estudos literários do século XX”, traduziu ao inglês um
ensaio posterior de Auerbach, “Philologie der Weltliteratur” [“Filologia
da literatura mundial”], que fora escrito e publicado na Alemanha ainda
depois do aparecimento de Mimesis, em 1952. Nesse texto, Auerbach
aproveitou a ocasião, segundo Said, para refletir sobre sua própria obra
do pós-guerra, acerca da situação do filólogo e, em especial, sobre o
peculiar enredamento de seu trabalho com a história:

A história é a ciência da realidade que nos afeta de modo


mais imediato, nos instiga mais profundamente e nos força
a uma autoconsciência. É a única ciência em que os seres
humanos aparecem diante de nós em sua totalidade. Sob a
rubrica de história devemos compreender não somente o
225 passado, mas a progressão dos eventos em geral. Portanto,
a história abrange o presente. A história profunda dos
últimos mil anos é a história da humanidade que alcança a
autoexpressão: é disso que trata a filologia, uma disciplina
historicista. Essa história contém os registros do pujante
e venturoso progresso do homem em direção a uma
consciência de sua condição humana e da realização de
seu potencial; e esse progresso, cujo objetivo final (mesmo
em sua forma presente totalmente fragmentada) foi mal
imaginado durante muito tempo, ainda parece ter avançado
segundo um plano, apesar de seu percurso sinuoso. Todas as
ricas tensões de que nosso ser é capaz estão contidas nesse
percurso. Um sonho íntimo se desdobra; seu alcance e sua
profundidade animam inteiramente o espectador [isto é, o
filólogo] e lhe possibilitam, ao mesmo tempo, encontrar paz

1  David Damrosch espanta-se de que Auerbach, como “outro” do próprio Cide Hamete, “he
has nothing to say about the character who is the overriding focus of metafictional play: Cide
Hamete Benengeli, the Arabic historian who is the supposed author of the book. Cervantes uses
Benengeli, in fact, to parody the two sorts of ordering principles, ethical and historiographic,
that Auerbach wishes to minimize. As a ‘lying dog of a Moor’ who nonetheless swears oaths
‘as a Catholic Christian’, Benengeli is a locus of both moral and historiographic ambiguity. (Is
he telling the truth or distorting it? Must we correct for his ignorance or beware of his malice?)
Further, as an historian who is also a sorcerer, he is an observer who can alter the events he
describes. Benengeli’s relevance to Auerbach’s exposition is increased by the fact that Auerbach
himself steps out of his narrative concerning Cervantes to reflect on the importance of the
historian’s fidelity to the facts (…) Auerbach, then, echoes Benengeli even as he suppresses
him, and this double treatment of the historian is paralleled by his treatment of Don Quixote”.
(DAMROSCH, 1995, p. 110) Antes, porém, que Auerbach, pois o ensaio é de 1940-2, Maria
Rosa Lida se questionou sobre Lope e os judeus para constatar que, mesmo não havendo uma
profunda reflexão sobre o tema, inexiste, no comediógrafo, “el odio vulgar de Cervantes”.
(MALKIEL, 1973. p. 78)
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

em seu próprio potencial pelo enriquecimento que ele ganha


ao ter testemunhado o drama. A perda desse espetáculo –
cujo aparecimento depende totalmente da apresentação e
da interpretação – seria um empobrecimento para o qual
não pode haver compensação possível. [...] Ainda somos
basicamente capazes de cumprir esse dever [isto é, a
apresentação do espetáculo por meio da “reunião do material
e da composição de um todo”], não somente porque temos
um vasto material a nossa disposição, mas sobretudo porque
herdamos o senso do “perspectivismo” histórico que é tão
necessário para a tarefa (grifo meu). (AUERBACH apud
SAID, 2003, p. 210)

David Damrosch define Mimesis como um verdadeiro heterocosmo


modernista, “not an alien world, but our own world made new”
226 (DAMROSCH, 1995, p. 99). Nessa descrição do que, na verdade, é o
método do próprio Auerbach, o realismo figural, como expressão de
uma hermenêutica modernista radical, o romanista alemão atribuiria
ao filólogo uma tarefa aparentemente neutra, de simples compilação e
apresentação despretensiosa de documentos de cultura, algo no avesso,
por exemplo, da perspectiva de Benjamin, quem não concebia separar
cultura de violência.

Todos os registros escritos do passado os quais herdamos


estão saturados da história de suas próprias épocas; o
trabalho filológico é responsável por examiná-los. Eles
têm uma unidade que o filólogo interpreta de acordo com
o “perspectivismo” historicista. Portanto, em certo sentido,
a filologia é a disciplina interpretativa pela qual se pode
discernir aquele ponto de vista peculiar sobre as coisas que
é a perspectiva sobre a realidade de um determinado período
(grifo meu). (SAID, 2003, p. 210-211)

Deixemos o debate em torno ao “perspectivismo” para mais adiante, mas


digamos, por enquanto, que dessa mescla de história e filologia deriva o
próprio método de intervenção crítica de um discípulo de Auerbach como
Edward Said, cuja história cultural de caráter humanista, construída
como um sistema de correspondências entre história e literatura, é a base
de toda uma tradição que considera a temporalidade como repositório
das experiências humanas passadas, presentes e futuras, bem como o
modo mais cabal de compreensão social, por meio do qual a realidade
histórica pode ser finalmente apreendida. O próprio Said constata, então,
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

que

Uma importante questão preliminar nos leva de volta às


duas principais palavras do título de nossa conferência:
história e literatura. Nenhuma das duas é um corpo inerte de
experiências, nem são elas disciplinas que estão aí para serem
dominadas por profissionais e especialistas. Os dois termos
são mediados pela consciência crítica, pela mente do leitor
e crítico individual, cujo trabalho (tal como o de Auerbach)
vê história e literatura se informando mutuamente. Assim, o
termo médio que falta entre história e literatura é a atuação
da crítica ou interpretação. A formação e a tradição de
Auerbach davam-lhe a possibilidade de mediar as duas com
as técnicas da filologia, uma ciência para a qual não existe
hoje, nem pode haver mais, o tipo de treinamento que havia
no entre-guerras europeu para Auerbach e outros intelectuais
227 de cultura enciclopédica, como Leo Spitzer, Ernst Curtius,
Karl Vossler. Para nossa geração, sobrou a crítica, uma
atividade que passa por transformações incessantes. (SAID,
2003, p. 213)

Certamente, sobre Auerbach (e mesmo sobre seus colegas de


profissão, muitos dos quais emigrados em capitais europeias, como
Gertrud Bing, Nikolaus Pevsner ou Fritz Saxl, em Londres, ou mesmo
latino-americanas, como é o caso de Otto Maria Carpeaux ou Anatol
Rosenfeld, no Brasil, ou de Luigi Pareyson e Felix Weil2, na Argentina)
operavam certas ideias de continuidade que, no caso de Auerbach, se
traduziam em termos de formação do público, na Idade Média, e seu
correlato, a emergência do capital e das multidões, como ameaça a uma
compreensão de elite cultural, que ele apontou em Literatursprache
und Publikum in der lateinischen Spätantike und im Mittelalter (1958)3.

2  Detive-me nele, em Tempos de Babel: anacronismo e destruição. São Paulo: Lumme editor,
2007.
3  “El público literario o culto, pues, había desaparecido, y su lengua habíase convertido en
una lengua especial: la lengua de la liturgia, la lengua escrita de las cancillerías y la lengua
técnica de unos cuantos eruditos que, ya desde muy pronto, solían aprenderla como una lengua
extranjera. Sin duda, el público literario había sido ya en la antigüedad clásica una minoría
entre la población; pero era una minoría tan considerable que en muchos sitios resultaba
muy numerosa. En paulatina gradación, esta minoría conservaba el contacto mismo, tomaba
parte en muchas de las producciones literarias, las entendía e incluso influía en ellas a través
de su lenguaje vivo. Luego, en cambio, los que participaron en la vida del espíritu fueron tan
pocos que, dispersos por la Europa occidental en las islas constituidas por las escuelas, sólo
irregularmente se relacionaban entre sí; incluso cuando después se hicieron más numerosos,
siguieron constituyendo una sociedad aislada de maestros y discípulos. El propósito de su
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Nessas teorias constatamos de que modo autores como Erich Auerbach


ou mesmo Ernst-Robert Curtius, sejam eles confluentes ou não com a
noção continental de uma fortaleza alemã onímoda, projetavam, em
suas pesquisas filológicas, idêntica preocupação com relação ao tempo4.
Tomemos, a título de exemplo, aquilo que Curtius escrevia, muito
antes, em 1925, sobre o tempo em Proust e sua evidente conexão com a
memória involuntária (Bergson) e a imagem dialética (Benjamin).

Esta imprevista irrupción de la vida recordada en el instante


actual significa que nos hemos liberado del poder del
tiempo. Si el pasado deja de ser pasado, cuando el pasado es
capaz de revivir en el recuerdo, nos hemos evadido del curso
irrevocable del tiempo. El tiempo no es unidimensional ni
innumerable. No es algo que se halla fijado definitivamente.
El concepto rígido del tiempo, que constituye la base de
228 nuestros cálculos, experimenta en el arte de Proust una
corrección psicológica análoga a la corrección lógica que
sufre en la filosofía Bergson. El tiempo de las novelas de
Proust no es el cronométrico del calendario y de las ciencias
naturales, sino durée réelle, realidad espiritual cuyo ritmo

actividad era mucho más el conocimiento y el aprendizaje que el placer; no existía ya un grupo
o una clase social de hombres capaces de encontrar en la literatura un goce refinado. Llegamos
con esto al verdadero núcleo de nuestras consideraciones: ha empezado una época, que va a
durar mucho tiempo, donde las clases rectoras de la sociedad no poseen instrucción alguna, ni
ningún libro, ni siquiera un lenguaje en que se les pueda ofrecer una formación adecuada. Hay
una lengua erudita y lenguas coloquiales no susceptibles de representación escrita, pero no una
lengua de formación cultural. Por mucho que se diferencien entre sí, los sucesivos períodos
de la Edad Media, tienen de común la ausencia de todo público culto; hasta el último período,
el de transición, no comienza éste a formarse de nuevo. Desde hace algún tiempo, se intenta
infravalorar el concepto de Renacimiento – que, preparado en Italia desde el siglo XIV, alcanza
su florecimiento general en el XVI – probando cuán bien conocidos eran y cuánto habían influido
ya antes obras, pensamientos y formas clásicas en determinados círculos eruditos, y probando
también la existencia, en la Edad Media, de personas y grupos para quienes el mundo de la
cultura grecolatina era comprensible y digno de imitación. Esto es, efectivamente, de la mayor
importancia para el mantenimiento y desarrollo de la tradición; pero deja intacta la diferencia
esencial de estructura que existe entre Edad Media y Renacimiento. En tanto que no se encuentra
una minoría numerosa de personas cultas, no se alcanza una civilización comparable, con sentido,
a la clásica; y una minoría así no puede formarse como clase social hasta que la lengua materna
se vuelve a convertir en el instrumento verdadero y esencial de la educación”. (AUERBACH,
1969, p. 247-249)
4  A conclusão de Damrosch é inequívoca: o problema de Mímesis é oposto ao de D. Quixote
que busca compensar a perda através da memória, a linguagem e a reconstrução. “Auerbach’s
exile is the reverse: far more irrevocably wedded to his present age than he would wish to be, he
lives in exile from the past, from the worlds of his beloved texts, which cannot finally provide
an Olympian refuge from the dual tyrannies of time and of political pressures”. (DAMROSCH,
1995, p.115)
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

es múltiple e infinito y cuya cualidad y curso se hallan en


estrecha relación con los cambios atmosféricos, con el estado
de ánimo y hasta con las cosas que nos rodean. El tiempo
proustiano tiene una elasticidad y una relatividad ante las
que fallan las demás medidas. Los lectores han podido
observar que en las novelas de Proust no figuran fechas ni
precisiones de tiempo. En estas novelas no contamos por
meses y años, sino por las mutaciones de épocas espirituales.
No permiten un análisis cronológico. El tiempo transcurre en
una curva de incalculable irregularidad. Basta un cambio en
la atmósfera para recrear el mundo y recrearnos a nosotros
mismos. Tiempo y Espacio son simples modos del recuerdo
y están en acción recíproca.5 (CURTIUS, 1941, p. 38-40)

Essa última tese de Curtius, a da mundialização do mundo, aquilo que


Paul Valéry chamava de idade do mundo acabado, pode ser observada
229
também em Leo Spitzer, outro dos filólogos fortemente preocupado
pela questão temporal em seu método filológico, quem vai ainda mais
longe. Analisando igualmente o estilo de Proust, Spitzer já assinalara,
em 1927, que a proverbial maestria de Curtius tentara uma síntese entre
crítica estilístico-linguística e crítica filosófico-estética6.

5  E ainda: “Un lugar que hemos conocido es un fragmento del tiempo que hemos vivido.
El recuerdo que surge en nosotros de una imagen nos retrotrae un momento determinado.
Podemos, por decirlo así, conmutar el tiempo y el espacio uno dentro de otro, ampliando de ese
modo el dominio de nuestra libertad. ‘Il y a des cas assez rares, il est vrai, – où, la sédentarité
inmobilisant les jours, le meilleur moyen de gagner du temps c’est de changer de place’ (‘Hay
casos – bastante raros, es verdad – en que, inmovilizados los días por el sendentarismo, el mejor
modo de ganar tiempo consiste en cambiar de sitio’). Y no sólo las divisiones del tiempo –
pasado y presente – son relativas; también el tiempo, en su totalidad, es relativo al espacio”.
(CURTIUS, 1941, p. 38-40).
6  “Dopo la lettura delle sue pagine, per quanto naturalmente mi dispiaccia di dover sopprimere
interi capitoli, nei quali io giungevo a risultati simili partendo da un criterio linguistico, e di poter
offrire soltanto un’appendice, non so quanto utilizzabile, al suo lavoro, sono, d’altra parte, ben
lieto di dire (anche se questo possa dispiacere a qualche malcontento e invidioso sofista) che
Curtius del filologo possiede la sottigliezza, la acribia, l’obiettività, il rispetto per i testi, senza
tuttavia condividerne la scarsa sensibilità e la mente sofistica; che egli nasconde la sua sapienza
filologica; che conosce perfettamente il francese (e purtroppo non è affatto ovvio richiedere
una dote di questo genere a un romanista tedesco!); voglio dire, ha una sensibilità finissima
per le sfumature stilistiche e l’effetto estetico di ogni fatto linguistico; e riesce ad unire in una
limpida rappresentazione la penetrazione del dettaglio stilistico con l’ampio scorcio culturale e
filosofico, fondendo in una parola la precisione con l’eleganza, l’esame microscopico con quello
macroscopico. Il metodo con il quale Curtius giunge a scoprire lo ‘spirito’ di Proust nella sua
lingua, l’ha insegnato Proust stesso, ed è il medesimo che io vado proponendo da anni. Il critico
comincia a leggere, ed è dapprima sopreso da quello stile cosí singolare, fino a quando non
trova una ‘frase quasi trasparente’, che gli fa presentire il carattere dello scrittore: prosseguendo
la lettura incontra una seconda e una terza frase dello stesso genere, e finisce cosí per intuire
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Arte da linguagem

Entre 1933 e 1936, de fato, Spitzer foi diretor de estudos romances e


diretor da Escola de Línguas Estrangeiras, em Istambul (instituição
para a qual, aliás, contratou Auerbach, o que desfaz, ao menos,
objetivamente, sua lamúria das carências turcas), daí se transferindo,
exitosamente, para os Estados Unidos, à Universidade John Hopkins,
fato raro já que, como assinala Emily Apter (2006), o anti-semitismo
acadêmico norte-americano não ofereceu grandes oportunidades de
trabalho aos emigrados judeus e foram, basicamente, os colegas negros
do sul os que lhes estenderam uma mão7. Anos mais tarde, já instalado
nos Estados Unidos, Leo Spitzer faria um retrospecto sobre sua trajetória
230 intelectual, numa “Reflexão sobre as Humanidades”, recolhida, em
1948, com o titulo de Linguistics and Literary History, expressão que
acabaria emprestando o rótulo ao conjunto de ensaios editados em
Princeton. O livro foi publicado, na Espanha, por Dámaso Alonso, em
1955, e só em 1970 ganharia uma versão francesa. Nela, imitando o
gesto de Said com relação a Auerbach, seu tradutor, Michel Foucault,
empreende a versão desse texto canônico de Spitzer e a palestra sobre
filologia e história literária que abre o volume do filólogo alemão torna-
se um ensaio sobre “Art du langage et linguistique”, solução onde
desaparece a história (literária) e onde, além do mais, a linguagem é
dupla e redundantemente considerada não só como arte mas também
como técnica, igualando assim os sentidos arcaicos e antitéticos da tekné
aristotélica, onde tekné não era exatamente um “saber fazer”, algo referido
à ação, mas uma produção, uma poietiké. Desse modo, na tradução de
Foucault, a articulação entre arte da linguagem e linguística buscaria
“l’unité dernière de la linguistique et de l’histoire littéraire”, que Spitzer
assim justificara :

J’ai voué toute ma vie de savant à rapprocher ces


deux disciplines: qu’on me pardonne, si en guise de

la ‘legge’ che permette di comprendere ‘lo spirito formale di un autore’. Una critica di questo
genere ricerca le coincidenze di ‘motivo e parole’ e descrive un ‘anima linguistica’; ma, a mio
parere, questo metodo, che in fondo vuol essere soprattutto un invito a leggere e arileggere i
testi studiati, non vale solamente per Proust, ma per ogni autore, di cui si voglia veramente
comprendere la lingua”. (SPITZER, 1977, p. 231-232)
7  Ver, ainda, JURT, 1991.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

préface, j’esquisse le récit de mes premières expériences


universitaires. Je ne vous raconterai que ma propre histoire:
comment, parti du dédale de la linguistique, j’ai fait mon
chemin jusqu’au jardin enchanté de l’histoire littéraire;
comment j’ai découvert dans la linguistique un paradis, un
labyrinthe dans l’histoire littéraire; et comment je me suis
aperçu que si les humanités, aujourd’hui, sont en procès
(procès injustifié à mon sens, car la faute n’est pas la leur, mais
celle de prétendus humanistes: ils s’obstinent à contrefaire
la démarche des sciences de la nature qui se rapprochent
des disciplines humanistes), si donc les humanités sont
en procès, il n’y aurait pas de sens à prononcer un seul
acquittement: s’il est vrai qu’on ne peut accorder aucune
valeur à ce qui repose sur l’étude du langage, rien ne peut
être sauvé: ni l’histoire littéraire, ni l’histoire culturelle, – ni
l’histoire. (SPITZER, 1970, p. 45)
231
Dédalo, jardim encantado, paraíso, labirinto – eis aí todo um
imaginário medieval de saber e cavalaria, isto é, das origens do romance
europeu, convocado por Spitzer para justificar sua formação. É bem
conhecida, a esse respeito, a leitura que, em 1962, o próprio Foucault
nos propõe acerca do non du père (o não do pai/o nome do pai), a partir
de um ensaio de Jean Laplanche sobre a psicose de Hölderlin. Nela
Foucault associa a questão da institucionalização da arte europeia com
o biografismo e aponta que a Renascença teve uma percepção épica da
individualidade do artista, na qual chegaram a se confundir duas figuras
arcaizantes do patrimônio cultural europeu, o herói medieval e os temas
gregos do ciclo iniciático. Assim, quando a Europa cristã começou,
finalmente, a dar um nome a seus artistas, a reconhecê-los, enfim,
emprestou à sua existência excepcional a forma anônima do herói: como
se o nome devesse desempenhar o pálido papel de memória cronológica,
no esquema dos eternos ciclos, sempre a recomeçar. As Vite, de Vasari,
impõem-se, nesse sentido, a tarefa de recordar o imemorial, seguindo
uma ordem estatutária e ritual. Nelas, o gênio se pronuncia desde criança,
não sob a forma psicológica da precocidade, mas por esse direito, que
lhe é característico, de ser anterior ao tempo e não vir à luz senão na
sua própria culminação. Portanto, questiona-se Foucault, o que se diz,
exatamente, quando se afirma, como no caso da psicanálise estudando
Hölderlin, que o lugar vazio do Pai é esse “mesmo” lugar que Schiller
ocupou, imaginariamente, para Hölderlin e foi depois abandonado?
Esse “mesmo” lugar que os deuses dos últimos textos fizeram cintilar
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

desde sua presença infiel antes de deixar aos hespéricos sob a lei régia da
instituição? Foucault julga encontrar, nesse enigma do Mesmo, no qual
a obra coincide com o que ela não é, aquilo que ela enuncia, numa forma
exatamente oposta àquela em que Vasari considerara a questão já pronta
e resolvida. Essa forma situa-se naquilo que, no cerne mesmo da obra,
consuma (e desde seu nascimento) anuncia sua ruína. A obra e “o outro
além da obra” falam apenas do “mesmo” e na “mesma” linguagem,
sempre a partir do limite da obra (FOUCAULT, 1996). Em outras
palavras, agem como uma película que paira sempre sobre a linguagem,
uma outra linguagem que não se limita à dualidade razão e loucura e à
qual Foucault dedicaria longos anos de estudo: a questão do poder.
Ora, não custa associar essas ideias de Foucault àquilo que ele
mesmo encontra em Spitzer, uma relação entre o inglês father e um
232 protótipo indo-europeu, ainda mais quando

il ne faut pas oublier que ces équations faciles, ces équations


types sont relativement rares: c’est qu’un mot comme
père est jusqu’à un certain point préservé des mutations
culturelles; en d’autres termes, il y a dans la civilisation
indo-européenne, une continuité de sentiment concernant
le mot père qui ne s’est pas démentie pendant plus de
quatre mille ans. Notre analyse étymologique a éclairé un
pan d’histoire liguistique, qui est en connexion avec la
psychologie et l’histoire de la civilisation. Elle a suggéré un
réseau de relations entre le langage et l’esprit du locuteur. Ce
réseau, il aurait pu être révélé aussi bien par l’étude d’une
évolution syntaxique, ou morphologique, au même d’une
évolution phonétique, – comme celle du a en e, où Meyer-
Lübke a manqué de voir la durée réelle, car il portait un
intérêt exclusif à l’heure de la montre: à son “chronomètre
historique”. (SPITZER, 1970, p. 53)

O pai intelectual de Spitzer, Meyer-Lübke, teria fracassado em


reconhecer o mesmo conceito proustiano utilizado por Curtius (durée
réelle), e, portanto, lançando mão de uma reconstrução arqueológica de
matriz dumeziliana, Spitzer tornava-se consciente, porém, de que

La vigueur dans la pensée ou la sensibilité s’accompagne


toujours d’innovations dans le langage; la créativité mentale
s’inscrit aussitôt dans le langage, où elle devient créativité
linguistique; la banalité et la rigidité dans le langage
ne suffisent pas aux besoins d’expression d’une forte
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

personnalité. (SPITZER, 1970, p. 57)

Por isso mesmo, o filólogo entendia que

A partir d’une série historique, l’étymologie d’une famille


de mots, nous avons trouvé les preuves d’un changement de
climat historique. Puis nous avons considéré le changement
global d’un climat historique tel qu’il s’exprime dans les
inventions, linguistiques et littéraires, d’écrivains de deux
époques différentes (le XVIe et le XXe siècle) pour parvenir
jusqu’à des systèmes qui théoriquement se suffisent à eux-
mêmes: les grandes oeuvres d’art qui sont déterminées par
différents développements historiques et qui dans leurs
détails extérieurs (linguistiques aussi bien que littéraires)
réfléchissent leur “soleil” central. (SPITZER, 1970, p. 64)

233 Spitzer era consciente, portanto, que a durée réelle obrigava o crítico a
ler o tempo, simultaneamente, a pelo e a contrapelo, pelo direito e pelo
avesso, reconstruindo assim não só o círculo filológico, mas abrindo as
portas para um autêntico anacronismo de invenção.

En évoquant des mouvements d’aller et retour (d’abord


le détail, puis l’ensemble, puis de nouveaux détails, etc.),
je me servais d’une métaphore linéaire et temporelle pour
décrire des formes d’aperception qui coexistent trop souvent
dans l’esprit du chercheur. Le don, ou le défaut, car il a
ses dangers, de voir d’un coup les éléments et la totalité,
est fondamental pour les activités de l’esprit philologique.
(SPITZER, 1970, p. 66)

Para Spitzer, essas virtudes ou limites metodológicos dependiam, quase


exclusivamente, da intuição do leitor8. Mas isto recolocava o problema
do tempo. Assim como von Hoffmansthal e, por tabela, Walter Benjamin
postulavam que o ideal do crítico era ler o que nunca fora escrito, Spitzer
também incorporava a memória como um ingrediente imprescindível da

8  “Malheureusement, je ne connais pas de moyen pour garantir l’‘impression’ ou la


‘conviction’ dont je viens de parler: elles résultent du talent, de l’expérience et de la foi. Et même
dans ces conditions notre volonté n’y peut rien: combien de fois, avec toute cette expérience
méthodologique que j’ai accumulée depuis des années, ai-je commencé à vide, comme un
de mes étudiants de première année, sur une page qui ne produisait aucun effet magique. Le
seul moyen pour sortir de cette stérilité, c’est de lire et relire, avec obstination et confiance,
en essayant de s’imprégner complètement de l’atmosphère de l’oeuvre. Es soudain un mot, un
vers surgissent, et nous saississons que désormais il y a une relation entre le poème et nous”.
(SPITZER, 1970, p. 67)
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

leitura.

En fait nous voyons que lire c’est avoir lu; que comprendre
équivaut à avoir compris. Je viens d’évoquer l’importance
de l’expérience passée dans le processus qui permet de
comprendre une oeuvre, mais ce n’est là qu’un des facteurs
qui doivent intervenir. Car on a beau avoir une pratique de
la méthode: cela ne suffit pas pour établir un programme
qu’on peut appliquer à chaque cas. Chaque poème demande
du critique une inspiration particulière, une illumination
singulière (ce besoin constant impose l’humilité, mais toutes
les illuminations passées encouragent une sorte de pieuse
confiance). En fait, le critique doit pouvoir se transformer
comme Protée; une technique qui a été heureuse pour une
oeuvre ne peut pas être appliquée mécaniquement à une
autre. Je ne peux pas m’attendre que “le truc des 5 grands”
234 (que j’ai appliqué à une ode de Claudel) puisse marcher pour
le récit de Théramène; ou que les noms propres qui ont servi
de point de départ dans mon étude de Cervantes pouissent
jouer un rôle dans l’analyse de Diderot. Il est éprouvant
pour le maître de voir l’élève réutiliser, donc mal utiliser
un procédé qui lui a servi lorsqu’il étudiait un secteur tout
à fait différent – comme un jeune acteur qui utiliserait le
regard de Barrymore dans Richard III pour composer son
Othello. La mobilité requise du critique ne peut être obtenue
que d’après des expériences répétées avec des auteurs
entièrement différents; le “déclic” se produira plus souvent
et plus rapidement après qu’on a entendu d’autres déclis.
Et même alors, ce n’est pas une conclusion qui se produira
fatalement; on ne peut pas non plus prédire au juste à quel
moment ni où elle se produira (“L’esprit souffle...”).
Si les procédés de compréhension ne peuvent pas être
transposés mécaniquement d’une oeuvre à l’autre, cela est dû
au caractère propre de l’expression artistique: l’artiste prête à
un phénomène linguistique extérieur une signification interne
(ce qui ne fait que continuer et élargir un fait fondamental du
langage humain: c’est d’une manière arbitraire – au moins
du point de vue de l’usage courant – que la signification est
associée à des éléments acoustiques); ce qui est arbitraire
pour celui qui fait “usage” de l’oeuvre, c’est le choix par
l’artiste des faits linguistiques qui doivent donner corps à la
signification. Pour dépasser cette impression d’arbitraire, le
lecteur doit essayer de se placer au centre même de création,
– et de recréer l’organisme de l’oeuvre. Une métaphore, une
anaphore, un staccato peuvent se trouver n’importe où dans
la littérature; ils peuvent être signifiants ou ne pas l’être. Ce
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

qui nous révèle s’ils sont importants, c’est le sentiment qui


s’est déjà formé en nous à propos d’une oeuvre en sa totalité.
(SPITZER, 1970, p. 68-69)

Há, nessa passagem, uma intervenção nada irrelevante da parte de


Foucault. Porque onde José Pérez Riesgo traduz “la experiencia del
círculo filológico”, Foucault sequestra a filologia e prefere dizer, de
um modo mais neutro e distante, “on a beau avoir une pratique de la
méthode”. Seja como for, podemos concluir, em suma, que

Être susceptible d’un pareil sentiment, c’est à sa vie passée,


c’est à son éducation que le critique le doit, et non pas
simplement à sa formation universitaire; s’il veut garder
l’esprit dispos pour son travail scientifique, il devra, dans
l’ordonnance de sa vie, avoir fait des choix que je dirais
235 moraux: il devra avoir purifié son esprit, de toutes les
choses sans conséquence qui peuvent le distraire, de toutes
les obsessions, du détail quotidien; il devra le garder libre
pour l’appréhension synthétique des totalités de la vie, pour
la saisie du symbolisme dans la nature, l’art et le langage.
(SPITZER, 1970, p. 69)

Conhecemos a lição que Jean Starobinski também extrairia desse método


circular de Spitzer:

La fórmula sintética de un estilo, despejada por vía


experimental, ¿no tiene la inmensa ventaja de ser al mismo
tiempo universal (puesto que es una “entidad” organizadora),
concreta, y específica (puesto que es propia de un lenguaje
particular)? Agreguemos que la lectura de Spitzer es una
lectura “confiada”. Toma el texto tal como se le presenta, at
its face value. Hurga en él, encuentra en él reconocimiento
completo. Spitzer jamás le supone al texto una función
de disimulo, o de mistificación; jamás lo aborda como si,
al poder de revelar del texto, se le agregara un poder de
ocultar, y como si contuviese “otra cosa” que lo que declara
explícitamente contener, como si contuviese un suplemento
latente. La interpretación spitzeriana no desea sino pasar de
lo explícito a lo más explícito. El aforismo “No hay nada
en el estilo que no haya estado en el alma del autor” es
completamente reversible: no hay nada en el alma del autor
que no esté “en acto” en el estilo. La operación no tiene
resto; todo es visible para quien sabe ver. No se perderá uno
en conjeturas sobre los antecedentes intencionales, sobre
las infraestructuras afectivas o socioeconómicas. Las obras
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

están gobernadas por un principio inmanente, y atrapable en


su misma forma: todo está dicho, nada está en la sombra.
En la óptica spitzeriana, una auténtica fenomenología del
estilo rinde superfluas las inferencias freudianas o marxistas,
las que “fuerzan” el texto para librar el mensaje latente que
convoca el intérprete. No es que la historia y la psicología
“de las profundidades” sean indiferentes: son elementos
que gravitan alrededor de los centros dinámicos puestos en
evidencia por el estilista. (STAROBINSKI, 2008, p. 54)

Como se pode perceber, Foucault só poderia coincidir com essa atitude


de não desconfiar de tramoias escusas, estranhas ao campo de visão,
e só resgatáveis por estratégias da suspeita, como a psicanálise ou o
marxismo. Ao contrário, se tudo está posto, se tudo é avaliado at its face
value, é óbvio que o Spitzer de Foucault é alguém que lhe franqueia le
236 langage du dehors:

Analizando los vínculos inmanentes, el estilista espera


descubrir el vínculo de la obra con el afuera. ¿Por qué
no admitir que la obra finita, separada de su placenta
psicológica y social, sigue siendo no obstante portadora, en
su forma acabada, de todo lo que contribuyó efectivamente a
su génesis? Cosmos cerrado, irradia una luz conquistada en
la Noche antecedente. (STAROBINSKI, 2008, p. 72)

É evidente que as ideias de Spitzer até certo ponto ecoavam familiares à


sensibilidade de Foucault. Recordemos que, em seu Raymond Roussel,
também nos fala do círculo filológico em termos de que

Le langage est devenu circulaire, enveloppant; il parcourt


en hâte de lointains périmètres, mais il est attiré sans cesse
par un centre noir jamais donné, perpétuellement fuyant –
perspective qui se prolonge à l’infini, au creux des mots,
comme la perspective du poème entier s’ouvrait à la fois à
l’horizon et au milieu du texte. (FOUCAULT, 1963, p. 171-
172)

No esforço de uma ontologia que fosse, ao mesmo tempo, genealógica,


crítica e arqueológica, voltando-se, efetivamente, às  formações
discursivas, ao empreender a arqueologia do saber, em 1969, Foucault
ainda acrescenta que

Il n’est pas facile de caractériser une discipline comme


revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

l’histoire des idées: objet incertain, frontières mal dessinées,


méthodes empruntées de droite et de gauche, démarche
sans rectitude ni fixité. Il semble cependant qu’on puisse
lui reconnaître deux rôles. D’une part, elle raconte l’histoire
des à-côtés et des marges. Non point l’histoire des sciences,
mais celle de ces connaissances imparfaites, mal fondées,
qui n’ont jamais pu atteindre tout au long d’une vie obstinée
la forme de la scientificité (histoire de l’alchimie plutôt que
de la chimie, des esprits animaux ou de la phrénologie plutôt
que de la physiologie, histoire des thèmes atomistiques et
non de la physique). Histoire de ces philosophies d’ombre
qui hantent les littératures, l’art, les sciences, le droit, la
morale et jusqu’à la vie quotidienne des hommes; histoire de
ces thématismes séculaires qui ne se sont jamais cristallisés
dans un système rigoureux et individuel, mais qui ont formé
la philosophie spontanée de ceux qui ne philosophaient pas.
237 Histoire non de la littérature mais de cette rumeur latérale,
de cette écriture quotidienne et si vite effacée qui n’acquiert
jamais le statut de l’oeuvre ou s’en trouve aussitôt déchue:
analyse des sous-littératures, des almanachs, des revues et
des journaux, des succès fugitifs, des auteurs inavouables.
Ainsi définie – mais on voit tout de suite combien il est
difficile de lui fixer des limites précises – l’histoire des idées
s’adresse à toute cette insidieuse pensée, à tout ce jeu de
représentations qui courent anonymement entre les hommes;
dans l’interstice des grands monuments discursifs, elle fait
apparaître le sol friable sur lequel ils reposent. C’est la
discipline des langages flottants, des oeuvres informes, des
thèmes non liés. Analyse des opinions plus que du savoir,
des erreurs plus que de la vérité, non des formes de pensée
mais des types de mentalité.
Mais d’autre part l’histoire des idées se donne pour tâche
de traverser les disciplines existantes, de les traiter et de
les réinterpréter. Elle constitue alors, plutôt qu’un domaine
marginal, un style d’analyse, une mise en perspective.
Elle prend en charge le champ historique des sciences,
des littératures et des philosophies: mais elle y décrit les
connaissances qui ont servi de fond empirique et non réfléchi
à des formalisations ultérieures; elle essaie de retrouver
l’expérience immédiate que le discours transcrit; elle suit la
genèse qui, à partir des représentations reçues ou acquises,
vont donner naissance à des systèmes et à des oeuvres. Elle
montre en revanche comment peu à peu ces grandes figures
ainsi constituées se décomposent: comment les thèmes se
dénouent, poursuivent leur vie isolée, tombent en désuétude
ou se recomposent sur un mode nouveau. L’histoire des
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

idées est alors la discipline des commencements et des


fins, la description des continuités obscures et des retours,
la reconstitution des développements dans la forme linéaire
de l’histoire. Mais elle peut aussi et par là même décrire,
d’un domaine à l’autre, tout le jeu des échanges et des
intermédiaires: elle montre comment le savoir scientifique
se diffuse, donne lieu à des concepts philosophiques, et
prend forme éventuellement dans des oeuvres littéraires;
elle montre comment des problèmes, des notions, des
thèmes peuvent émigrer du champ philosophique où ils ont
été formulés vers des discours scientifiques ou politiques;
elle met en rapport des oeuvres avec des institutions, des
habitudes ou des comportements sociaux, des techniques, des
besoins et des pratiques muettes; elle essaie de faire revivre
les formes les plus élaborées de discours dans le paysage
concret, dans le milieu de croissance et de développement
238 qui les a vues naître. Elle devient alors la discipline des
interférences, la description des cercles concentriques qui
entourent les oeuvres, les soulignent, les relient entre elles
et les insèrent dans tout ce qui n’est pas elles. (FOUCAULT,
1969, p. 179-180)

Com efeito, pouco depois de traduzir a palestra de Spitzer, na sua lição


inaugural no Collège de France, Foucault ainda nos diria que

La formation régulière du discours peut intégrer, dans


certaines conditions et jusqu’à un certain point, les procédures
de contrôle (c’est ce qui se passe, par exemple, lorsqu’une
discipline prend forme et statut de discours scientifique); et
inversement les figures du contrôle peuvent prendre corps
à l’intérieur d’une formation discursive (ainsi la critique
littéraire comme discours constitutif de l’auteur) : si bien
que toute tâche critique, mettant en question les instances du
contrôle, doit bien analyser en même temps les régularités
discursives à travers lesquelles elles se forment; et toute
description généalogique doit prendre en compte les limites
qui jouent dans les formations réelles. Entre l’entreprise
critique et l’entreprise généalogique la différence n’est pas
tellement d’objet ou de domaine, mais de point d’attaque, de
perspective et de délimitation. (FOUCAULT, 1971, p. 68-
69)

Essa hipótese acaba configurando mais uma, topológica, graças à qual


o domínio de um saber, um espaço gnoseológico ou disciplinar, nunca
é signo de potência, mas, a rigor, de impotência. Com efeito, logo na
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

introdução de O sonho e a existência de Ludwig Binswanger, em 1954,


um de seus primeiros textos analíticos, Foucault já nos dizia que

La sécurité qu’offre l’espace, l’appui solide qu’il donne à


ma puissance repose sur l’articulation de l’espace proche et
de l’espace lointain: l’espace lointain, celui par lequel on se
dégage, on s’esquive, ou qu’on va explorer ou conquérir;
l’espace proche, celui du repos, de la familiarité, celui
qu’on a sous la main. Mais, dans certaines expériences, ce
rapport est troublé: l’espace lointain pèse alors sur l’espace
proche, l’investit de toutes parts d’une présence massive
et comme d’une étreinte qu’on ne peut desserrer. Tantôt le
lointain pénétrera lentement la présence poreuse de l’espace
proche, et se mêlera à lui dans une abolition totale de la
perspective, comme chez ces catatoniques qui “assistent” à
239 ce qui se passe “autour d’eux”, indifférents comme si tout
était lointain, concernés pourtant comme si tout était proche,
mêlant le déplacement objectif des choses à l ‘horizon et le
mouvement même de leur corps. Tantôt, l’espace lointain
pénétrera comme un météore, dans la sphère immédiate du
sujet: témoin ce malade dont Binswanger rapporte le cas; il
est convenablement orienté dans l’espace, mais, couché dans
son lit, il a l’impression qu’un morceau de la voie ferrée, là-
bas, sous sa fenêtre, se détache de l’horizon, pénètre dans sa
chambre, la traverse, lui perfore le crâne, et vient se ficher
dans son cerveau. Dans toutes ces métathèses du proche et
du lointain, l’espace perd sa sécurité, il se charge de menaces
étouffantes, de périls soudains, il est sillonné d’irruptions.
L’espace, signe de mon impuissance. (FOUCAULT, 1994,
p. 102-103)

E a questão do espaço longínquo, aquilo que víamos, no início, como


condicionante do humanismo mundialista de Auerbach ou Spitzer,
reaparece, numa conferência feita por Foucault, na Tunísia, pouco depois
da tradução de “Art du langage et linguistique”, em 1971, dessa vez
sobre a pintura de Manet, quando, ao analisar o bar do Folies Bergère,
nos diz:

Alors que toute la peinture classique, par son système de


lignes, de perspective, de point de fuite, etc., assignait
au spectateur et au peintre un certain lieu précis, fixe,
inamovible d’où le spectacle était vu, de sorte qu’en
regardant un tableau on voyait très bien d’où il était vu,
si c’était d’en haut ou d’en bas, de biais ou de face, là au
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

contraire, dans un tableau comme celui-ci, malgré l’extrême


proximité du personnage, bien qu’on ait l’impression qu’on
a là tout cela sous la main, qu’on peut en quelque sorte le
toucher, eh bien malgré cela, ou peut-être à cause de cela,
ou avec cela en tout cas, il n’est pas possible de savoir où se
trouvait placé le peintre pour peindre le tableau comme il l’a
fait, et où nous devrions nous placer pour voir un spectacle
comme celui-là. Et vous voyez qu’alors, avec cette dernière
technique, Manet fait jouer la propriété du tableau d’être
non pas du tout un espace en quelque sorte normatif dont
la représentation nous fixe ou fixe au spectateur un point et
un point unique d’où regarder, le tableau apparaît comme
un espace devant lequel et par rapport auquel on peut se
déplacer : spectateur mobile devant le tableau, lumière
réelle le frappant de plein fouet, verticales et horizontales
perpétuellement redoublées, suppression de la profondeur,
240 voilà que la toile dans ce qu’elle a de réel, de matériel, en
quelque sorte de physique, est en train d’apparaître et de
jouer avec toutes ses propriétés, dans la représentation.
(FOUCAULT, 2004, p. 47)

Em suma, que a leitura foucaultiana coincide, parcialmente, com a de


Spitzer, no intuito de uma desconstrução da metafísica da presença e,
nesse sentido, contribui, de fato, a uma reconfiguração do cosmos. Mas,
como analisa Emily Apter,

In disrespecting narrowly construed East-West dichotomies;


in learning Turkish (in learning, even, to love a non-Romanic
language), and in establishing a seminar in which Turkish
assumed its place alongside European languages as a subject
field of philological research and criticism, Spitzer forged
a worldly paradigm of translatio studii with strong links
to the history, both past and present, of translatio imperii.
The strange parallelism of Latinization during the Middle
Ages, Romanization under Atatürk under Nazism produced
a heightened awareness of the political complexities of
linguistic imperialism in the work of European émigré
scholars, even when they defined their pedagogical mission
around the preservation of High Latinity’s cultural remains.
(APTER, 2006, p. 64)

Em suma que, olhando retrospectivamente, poderíamos concluir


que a arqueologia discursiva de Foucault abre as portas a um pensamento
pós-humanista, assim como “Spitzer’s invention of comparative literature
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

in Istanbul transformed philology into something recognizable today as


the psychic life of transnational humanism” (APTER, 2006, p. 64). No
centro dessa deriva, porém, permanece, a noção de perspectivismo. Vale
a pena esmiuçá-lo, mesmo que rapidamente.

Perspectivismos

O conceito de perspectivismo foi utilizado por Leo Spitzer, em


1948, para analisar o relativismo de Cervantes perante a linguagem.
Nesse ensaio, não incluído na versão francesa de Études de style, e
que citaremos pela versão espanhola de 1955, o filólogo austríaco
manifestava, a seu ver, em pleno período de guerra fria, uma

deliberada renuncia por parte del autor [Cervantes] a hacer


241 una elección definitiva de un nombre (o etimología): en otros
términos, de un deseo de destacar los diferentes aspectos
bajo los que puede aparecer a los demás el personaje en
cuestión. Si ello es así, entonces esta actitud relativista de
Cervantes colorará, sin duda, otros detalles lingüísticos de
la novela. Efectivamente, esa actitud es la que seguramente
se oculta en los frecuentes debates (entre don Quijote y
Sancho, principalmente), que nunca llegan a una conclusión
definitiva sobre la relativa superioridad de una u otra palabra
o frase. Parece como si Cervantes mirase el lenguaje desde
el ángulo del perspectivismo. (SPITZER, 1982, p. 135)

Spitzer defende, em última instância, que o perspectivismo,


que informa a estrutura do romance em seu conjunto, implica um
distanciamento do narrador face ao leitor. Já outros críticos mais
recentes, como Thomas R. Hart (1992), entendem que o assim chamado
perspectivismo quixotesco assinala um declínio da hegemonia narrativa,
em benefício de uma maior participação do leitor9. Seja como for, o
próprio Spitzer era consciente de que o perspectivismo ultrapassava o
simples relativismo conceitual e que,

más allá de este perspectivismo podemos sentir la presencia


de algo que no está sujeto a la fluctuación: el principio
permanente e inmutable de lo divino, que quizá hasta cierto
punto se refleja en el mismo “artífice”  terrestre, el artista,

1. 9  Hart abordou também a leitura auerbachiana do Quixote em “Erich Auerbach’s


Don Quixote” e em “Insight and Method: Erich Auerbach”.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

quien asume un poder casi divino en su dominio de la materia,


en su propia actitud inconmovible ante los fenómenos de su
mundo, y hasta en su distanciamiento frente al lector. En
esta glorificación del artista es donde hemos de ver la mayor
significación histórica de la obra cumbre de la literatura
española. (SPITZER, 1982, p. 136)

Ora, por essa via, Spitzer sintoniza com a teoria borgiana do relato,
onde a ficção não é obra de um poet inspirado por theia mania, mas
de um maker, um hacedor, um “artífice”, como traduz Pérez Riesgo.
É aquilo que seria, mais tarde, apontado por Jaime Rest (1976) na obra
clássica de Borges: a linguagem é uma estrutura ordenada, sistemática
e abrangente; já a realidade é simplesmente individual, assimétrica e
inaprensível10. Como lemos na “Nueva refutación del tiempo” (1944),
242 “el mundo, desgraciadamente, es real; yo, desgraciadamente, soy
Borges”. Para esse nominalismo, apoiado em Angelus Silesius, o sujeito
é um mero caos e o pensamento simplesmente lhe propõe um cosmos,
uma ordem aparente em relação à história. Mas para Leo Spitzer, em
concreto (e isto terá inefáveis ecos em Foucault), não se trata apenas de
ver, no procedimento, uma teoria da linguagem, mas de reconhecer nele
uma questão que perpassa o olhar e o próprio regime escópico, já que

el perspectivismo lingüístico de Cervantes se halla reflejado


en su concepción de la trama y de los personajes; y de
la misma manera que, por medio de la polionomasia y
la polietimología, hace Cervantes aparecer distinto el
mundo de las palabras a sus distintos personajes, mientras
él personalmente puede tener su propio punto de vista,
como creador, sobre los nombres, así también contempla
la historia que nos va narrando desde su propia y personal
posición panorámica. La manera que tienen los personajes
de concebir la situación en que están envueltos puede no
coincidir en nada con la manera de verlos Cervantes, aunque
esta última no siempre esté clara para el lector. En otras
palabras, el perspectivismo de Cervantes, sea lingüístico,
sea de cualquier otra clase, le permitió en cuanto artista estar
por encima y a veces alejado de las falsas concepciones de
sus personajes. (SPITZER, 1982, p. 150)

A questão do olhar desloca então o debate para o problema da


razão ocidental e, nesse sentido, abandonamos o terreno dilemático,

10  Sobre o particular, ver CRESPI, 2012 .


revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

tanto de Spitzer quanto de Hart, para situar a questão no cerne da teoria


do poder. Como Foucault dirá numa entrevista (Magazine littéraire,
nº 101, jun. 1975), o modo como se trata a loucura integra a própria
história do logos e assim, analisar a razão é mais do que estudar a
simples contribuição de Platão, Descartes, Kant, Arquimedes, Galileu
ou Newton. Há, entre razão e loucura, algo além de um mero (mútuo
e recíproco) jogo especular. O perspectivismo, como forma de apontar
o biopoder, tenta assim pautar uma história dos processos e das
infraestruturas sociais ou, como dirá Spitzer, “el perspectivismo sugiere
un principio de Arquímedes extrínseco a la trama y el propio Cervantes
es aquí Arquímedes” (SPITZER, 1982, p. 163). Se o poeta é um fingidor,
o perspectivismo não é, portanto, tão somente um relativismo. É uma
forma de afiançar um absoluto.
243
Tal perspectivismo, sin embargo, tenía que reconocer, en
tiempo de Cervantes, un dominio de lo absoluto, que era,
en nuestro caso, el del catolicismo español. Cervantes, aun
ufanándose de su papel de artista que puede mantenerse
lejos de los “engaños a los ojos”, lejos de los “sueños” de
este mundo, de artista que crea su propio mundo, siempre
se ve a sí mismo como sombreado por fuerzas superiores: el
artista Cervantes nunca niega a Dios ni sus instituciones, el
Rey y el Estado. Por tanto, Dios no puede quedar dentro de
su perspectivismo de artista; más bien el Dios de Cervantes
está situado por encima de las perspectivas del lenguaje, y de
Él se dice, como hemos visto, que es el gran Entendedor del
lenguaje que ha creado, igual que desde su posición
privilegiada inferior pretende ser Cervantes. (SPITZER,
1982, p. 167-168)

Talvez possamos aceitar, em Cervantes, a sobrevivência da antiga crença


neoplatônica de um Fazedor artístico que reina sobre as múltiplas facetas
e perspectivas do mundo, com a ressalva, porém, de que a questão do
absoluto só pode mesmo ser equacionada de maneira circular. O absoluto,
longe de ser uma plenitude, associa-se àquilo que dele emerge, mas não
no sentido linear de uma causa e um efeito, mas de uma ruptura ou hiato,
isto é, de um vazio. Daí que o absoluto nunca seja um fundamento,
mas uma fundação construída, através da linguagem e não por meio
da violência, algo que funciona como um limite, o negativo mesmo
daquilo que se absolutiza. O perspectivismo, portanto, não instaura a
lógica com-pars, que tudo relativiza, mas tenta abordar, por mais de uma
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

perspectiva, fundamentalmente, a do poder, que permanece entretanto


vazio, o absoluto do gozo dis-pars. O absoluto seria esse poder-ser-outro
que é sempre signo de um saber (um sabor, uma aisthesis e não uma
mímesis) e não de uma ignorância. O Cervantes de Spitzer recusa-se,
assim, a trabalhar com a finitude moderna, relativista, que nos encerra na
facticidade, e propõe, em compensação, o absoluto como via para uma
desontologização da verdade que nos permita, enfim, postular um novo
tempo e um novo lugar11, ou como veríamos em Mallarmé, um “PEUT-
ÊTRE”, “UNE CONSTELLATION”, isto é, um acontecimento.

O olhar, o vazio

244 Minha hipótese, em suma, é que, longe do universalismo


pedagógico de Auerbach e Curtius, o perspectivismo de Spitzer, assim
reconfigurado, desempenhou inegável estímulo na teoria foucaultiana do
olhar. Ora, é mais do que conhecida a análise de Las meninas empreendida
por Foucault. O filósofo, como sabemos, destaca, no quadro, a função
desempenhada pelo espelho, dispositivo circular que atravessa o campo
da representação e restitui a visibilidade do que permanece fora do olhar.
Mas Foucault destaca também, enfaticamente, que essa invisibilidade
não é, de forma alguma, a do oculto, mas daquilo que é invisível, tanto
pela estrutura do quadro, quanto pela sua própria existência enquanto
obra. Aquilo que se reflete no espelho é o que todas as figuras da tela estão
observando; mas é também o que é exterior ao quadro, na medida em que
o espelho é quadro, esquema, pattern, norma, isto é, esse nom du père não
passa, de fato, de um fragmento retangular de linhas e cores, encarregado
de representar alguma coisa aos olhos de qualquer espectador eventual,
um sujeito “PEUT-ÊTRE” ou qualunque, como o chamaria Agamben,
um non du pére. No fundo da sala, no entanto, e ignorado por todos, o
espelho inesperado faz brilhar as figuras que o pintor contempla; mas,

11  O famoso incipit do romance (“En un lugar de la Mancha, de cuyo nombre no quiero
acordarme, no ha mucho tiempo que vivía un hidalgo de los de lanza en astillero, adarga antigua,
rocín flaco y galgo corredor”) é um exemplo desse PODE-SER, uma vez que, esquecendo o
nome desmaterializa-se a existência e, como argumentará o tardio século XIX, tudo se torna
poético à distância. Borges, apoiado nos românticos alemães, discriminava, justamente, duas
formas de traduzir, a clássica e a romântica, uma delas, perifrástica; a outra, literal, daí que a
premissa moderna de Novalis (“la filosofía lejana resuena como poesía”) se torne, em Borges,
“poesía de la noche y de la penumbra (...). Gustación de la lejanía, viaje casero por el tiempo y
por el espacio, vestuario de destinos ajenos”. (BORGES, 1926)
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

ao mesmo tempo, como nos persuadirá mais tarde Didi-Huberman, são


essas figuras que olham o pintor (FOUCAULT, 1981, p. 24-31). Dessa
análise, Foucault extraiu elementos para uma analítica da finitude que lhe
permitiu, enfim, concluir que as ciências humanas, quando reduplicam a
arte da linguagem e as ciências do trabalho e da vida, ou seja, quando, no
extremo, se reduplicam a si mesmas, não visam estabelecer um discurso
formalizado: ao contrário, elas levam o homem, que elas tomam por
objeto, ao campo da finitude, da relatividade e da perspectiva, isto é, ao
campo da erosão indefinida do tempo. Daí que, a seu ver, talvez fosse
até melhor falar de uma posição “ana” ou “hipoepistemológica” para
melhor compreendermos que a invencível impressão de fluidez e de
imprecisão que deixam quase todas as ciências humanas não é senão o
efeito de superfície daquilo que, paradoxalmente, permite defini-las em
245 sua rigorosa positividade (FOUCAULT, 1981, p. 372).
Por isso, logo nos esclarecimentos iniciais do seu curso na PUC
do Rio de Janeiro, em maio de 1973, sobre a verdade e as formas jurídicas,
Foucault nos esclarece que, quando Nietzsche diz que o conhecimento é
uma perspectiva, ele não quer, eclética ou pragmaticamente, confundir
kantismo e empirismo, senão designar o fato de que só há saber sob a
forma de um certo número de atos que são tão diferentes entre si, quanto
múltiplos em sua essência, atos pelos quais o ser humano se apropria
violentamente de um certo número de coisas, reage a situações dadas
e lhes impõe relações de força. Ou seja, o conhecimento é sempre uma
certa relação estratégica em que o homem se encontra situado. E essa
relação estratégica é a que vai definir o efeito de conhecimento, daí ser
totalmente contraditório com essa abordagem dinâmica e conflituosa que
Foucault nos propõe, imaginar um saber que não fosse, em sua natureza,
obrigatoriamente, parcial, oblíquo e perspectivo.

O caráter perspectivo do conhecimento não deriva da natureza


humana, mas sempre do caráter polêmico e estratégico
do conhecimento. Pode-se falar do caráter perspectivo do
conhecimento porque há batalha e porque o conhecimento é o
efeito dessa batalha. É por isso que encontramos em Nietzsche
a ideia, que volta constantemente, de que o conhecimento
é ao mesmo tempo o que há de mais generalizante e de
mais particular. O conhecimento esquematiza, ignora as
diferenças, assimila as coisas entre si, e isto sem nenhum
fundamento em verdade. Devido a isso, o conhecimento é
sempre um desconhecimento. Por outro lado, é sempre algo
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

que visa, maldosa, insidiosa e agressivamente indivíduos,


coisas, situações. Só há conhecimento na medida em que,
entre o homem e o que ele conhece, se estabelece, se trama
algo como uma luta singular, um tête-à tête, um duelo. Há
sempre no conhecimento alguma coisa que é da ordem do
duelo e que faz com que ele seja sempre singular. Este é o
caráter contraditório do conhecimento tal como é definido
nos textos de Nietzsche que aparentemente se contradizem:
generalizante e sempre singular. (FOUCAULT, 2002, p. 25-
26)

Foucault nos propunha, portanto, nesse curso de 1973, não


exatamente uma teoria geral do conhecimento, mas um modelo que
permitisse abordar a arqueologia dos discursos, a partir de relações
de força e de vínculos efetivamente políticos na sociedade, aquilo
246 que, com maior rigor, ele mesmo desenvolveria, em outubro de 1979,
nas conferências de Stanford: a ideia de uma interpelação Omnes et
singulatim.
Mas aqui já nos encontramos em um novo avatar do
perspectivismo. Uma visada contemporânea, pós-fundacional ou pós-
dicotômica, que já não classifique o mundo, à maneira ideal-positivista,
em termos de natural e cultural, universal e particular, objetivo e
subjetivo, necessário e espontâneo, imanente e transcendente, físico e
moral, corporal e espiritual, fato e valor ou dado e construção, deverá
passar, necessariamente, por aquilo que o antropólogo Viveiros de Castro
nos propõe em termos de “multinaturalismo”. Frente às cosmologias
multiculturalistas, modernas e ocidentais, apoiadas na mútua implicação
entre unicidade da natureza e multiplicidade das culturas, as cosmologias
ameríndias, notadamente as amazônicas, trabalhariam, pelo contrário,
com a unidade do espírito e a diversidade dos corpos. A cultura (o
sujeito) seria assim a forma do universal, ao passo que a natureza (o
objeto) funcionaria como a forma do particular, onde o que se destaca
não é bem o homem enquanto espécie, mas a humanidade enquanto
condição. O perspectivismo, para Viveiros de Castro, é uma questão
de grau ou situação, mas nunca uma oposição diacrítica. Vinculado
ao mito, momento em que humano e não-humano se indiferenciam, o
perspectivismo seria o ponto, more geometrico, onde a diferença entre
perspectivas é tão anulada quanto exacerbada. “Os humanos são aqueles
que continuaram iguais a si mesmos: os animais são ex-humanos, e não
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

os humanos ex-animais”12 (CASTRO, 2002, p. 355).


Há, neste ponto, uma sutil coincidência com a leitura do mito
segundo Furio Jesi, quem se concebe, a seu modo, como continuador
das teses anti-iluministas de Creuzer e Bachofen. Com efeito, ambos os
precursores dirigiam-se, em seus estudos do mito, aos domínios do ser
e do pensamento, que se apresentavam como um terreno de perigosas
areias movediças ou de pântanos fantasmáticos, em tudo opostos às
transparentes certezas iluministas. E esse perigo era particularmente
grande para o racionalismo porque a essência do pensamento iluminista
implicava uma precisa oposição entre luz e sombras, uma dialética do
Iluminismo que, frequentemente, desaguava no mais feroz exorcismo
das trevas. Para a razão, a luz era entendida como o contrário das trevas,
e não era possível, à maneira agostiniana, ver na treva uma ausência de
247 luz. Creuzer era culpado de ter atribuído à ciência do mito e, por tabela, à
filologia, determinadas características da história positiva. Mas Bachofen
era mais responsável ainda, por ter proposto um fundamento funerário
da propriedade, em que o núcleo da propriedade era a propriedade
fundiária, e o núcleo da propriedade fundiária, por sua vez, era o
túmulo, o que colocava o estudioso do mito perante a responsabilidade
de interpretar as sociedades ditas primitivas e, por conseguinte, todas
as outras sociedades humanas, a partir da equivalência entre primitivo
e primordial, portanto, entre o primevo e o fundamento perene do
apropriável. (JESI, 1977, p. 70) De Bachofen, em suma, provinha certa
matriz nietzscheana, que encontraríamos em Benjamin e, a seguir, em
Jesi, Foucault, Agamben, graças à qual, para equacionarmos as relações
entre o antigo e o selvagem, duas das formas do distante, no tempo e no
espaço, é necessário, basicamente, analisar os modelos gnoseológicos
utilizados para produzir as categorias do diverso que subjazem a essas

12  Numa conferência na Universiteit Leiden sobre e realismo e sua sombra, em setembro de
2011, me detive numa imagem do fotógrafo português Adelino Lyon de Castro, Ex-Homens
(1946), que retoma os ex-homens das águas-fortes de Arlt, Vigo ou Facio Hebequer, argumentando
que “como la vida ya no es natural y nos encontramos de hecho frente a un humanismo póstumo,
el tiempo surge como un valor artificialmente producido. En consecuencia, la vida se politiza
automáticamente, dado que las decisiones técnicas y artísticas que modulan el tiempo son
también decisiones que atañen a lo público. Bajo estas nuevas condiciones biopolíticas, las de
un tiempo determinado, artificialmente, por dispositivos tecnológicos, al arte sólo le resta ahora
potenciar ese artificio de manera explícita. Pero entonces, como el tiempo, la duración y ni
siquiera la misma vida admiten ya ser mostrados directamente, el arte contemporáneo se limita
a documentar las experiencias, volviéndose simple archivo de sensaciones. Es el origen de lo
contemporáneo, cuando la historia deviene lenguaje”.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

conceituações. Jesi planta assim, no coração mesmo do mito (a fábula),


o espelho da mitologia (a ficção) e nos dirá, portanto, que a lógica da
representação (a história) está minada, então, pelo regime da verdade (da
ambivalência). Os diversos-enquanto-antigos e os diversos-enquanto-
selvagens compartilham a posse do segredo, mas enquanto os primeiros
estão protegidos pelo enfoque esotérico da verdade enquanto enigma, os
segundos estão expostos aos perigos da história, o que significa que

la vera diversità, la diversità per eccellenza, quella che può


coincidere con il segreto in quanto somma diversità, è solo
la diversità nel tempo, poiché solo la diversità nel tempo è
configurabile come efficace elemento di rottura del modello
della storia quale unico continuum. (JESI, 2005, p. 27-28)

248 Vemos, enfim, como o modelo perspectivista do mito proposto


por Furio Jesi, vincula-se, em última análise, às posições de Spitzer-
Foucault-Viveiros, na mesma medida em que se afasta do iluminismo
de Auerbach ou Adorno. O perspectivismo dessa máquina mitológica,
que não tem substância, nem possui matéria, mas funciona como uma
dobra, revela a linguagem, as instituições e as crenças que as sustentam,
gerando assim, entre o pré-existente e o ex-sistente, a diferença inerente
ao próprio ser, o que desenha, de fato, um mundo.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Bibliografia

APTER, Emily. The translation zone: a new Comparative Literature.


Princeton: Princeton University Press, 2006.

AUERBACH, Erich. Lenguaje literario y público en la Baja Latinidad


y en la Edad Media. Trad. Luis López Molina. Barcelona: Seix Barral,
1969.

______. “Epílogo”.In: ______. Mimesis. São Paulo: Perspectiva, 1976.

______. “Filologia da literatura mundial” apud SAID, Edward.


“História, literatura e geografia”. In: SAID, Edward. Reflexões sobre o
exílio e outros ensaios. Trad. Pedro Maia Soares. São Paulo: Companhia
das Letras, 2003.

BORGES, Jorge Luis. “Las dos maneras de traducir”. In: La Prensa,


Buenos Aires, 1 jul. 1926.
CASTRO, Eduardo Viveiros de. A inconstância da alma selvagem. E
249 outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

CRESPI, Maximiliano. “Jaime Rest, intelectual específico”. In: Anclajes, 


Santa Rosa,  v. 16,  n. 1, jun.  2012.

CURTIUS, Ernst-Robert. Marcel Proust y Paul Valéry. Trad. Pedro


Lecuona. Buenos Aires: Losada, 1941.

______. Literatura Europeia e Idade Média Latina. Trad. T. Cabral e


Paulo Ronai. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1957.

______. Essai sur la France. Pref. F. Ewald. Paris: L`Aube, 1990.

CURTIUS, Ernst-Robert; DE MENASCE, Jean. “Correspondance


(extraits)”. In: Littérature, n° 81, Paris, 1991, Peinture et littérature, p.
114-115.

DAMROSCH, David. “Auerchach in Exile”. In: Comparative Literature,


vol. 47, nº 2, spring, 1995.

FOUCAULT, Michel. Raymond Roussel. Paris: Gallimard, 1963.

______. L’Archéologie du savoir. Paris : Gallimard, 1969.

______. L’Ordre du discours. Paris : Gallimard, 1971.

______. As palavras e as coisas. Uma arqueologia das ciências


humanas. Trad. Salma T. Muchail. 2ª ed. São Paulo: Martins, Fontes,
1981, p.24-31.

______.“Introduction”. Dits et écrits I. Paris: Gallimard, 1994, p.102-


103.

______. De lenguaje y literatura. Introd. A. Gabilondo. Paidós:


Barcelona, 1996, p.107-122.

______. A verdade e as formas jurídicas. Trad. Roberto Machado e E.


revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Jardim Moraes. 3ª ed. Rio de Janeiro: NAU, 2002.

______. La peinture de Manet. Paris: Seuil, 2004.

HART, Thomas. “Insight and Method: Erich Auerbach”. In: STRELKA,


Joseph P.(Ed.). Literary Theory and Criticism: Festschrift Presented to
Reni Wellek in Honor of his Eightieth Birthday. Berna, New York: Peter
Lang, 1984, p. 249-265.

______. “Erich Auerbach’s Don Quixote”. In: Cervantes and Ariosto:


Renewing Fiction. Princeton: Princeton University Press, 1989, p. 6-15.

______. “¿Cervantes perspectivista?”. Nueva Revista de Filología


Hispánica. México, t. 40, nº 1, 1992, p. 293-303.

JESI, Furio. O Mito. Trad. Lemos de Azevedo. Lisboa: Presença, 1977.

______. Bachofen. Torino: Bollati Boringhieri, 2005.


JURT, Joseph. “La romanistique allemande sous le Troisième Reich”.
250 In: Actes de la recherche en sciences sociales. Vol. 86-87, mar 1991, p.
125-128.

MALKIEL, Maria Rosa Lida de. “Lope de Vega y los judíos”. In:
Bulletin Hispanique. Vol. 75, n° 1-2, 1973. p. 78.

REST, Jaime. El laberinto del universo. Borges y el pensamiento


nominalista. Buenos Aires: Fausto, 1976.

SAID, Edward. “História, literatura e geografia”. In: ______. Reflexões


sobre o exílio e outros ensaios. Trad. Pedro Maia Soares. São Paulo:
Companhia das Letras, 2003, p.210-211.

SPITZER, Leo. Linguística e historia literaria. Trad. José Pérez Riesgo.


Madrid: Gredos, 1955.

______. “Art du langage et linguistique”. Trad. M. Foucault. In : ______.


Études de style. Paris: Gallimard, 1970, p.45.

______. “Sullo stile di Proust”. In: ______. Marcel Proust e altri saggi
di letteratura francese moderna. 2°. ed. Torino, Einaudi, 1977, p. 231-
232.

STAROBINSKI, Jean. La relación crítica. Trad. Ricardo Figueira.


Buenos Aires: Nueva Visión, 2008.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

O extra-terrestre e
o extra-humano:
Notas sobre “a
revolta kósmica da
criatura contra o
criador”
Alexandre Nodari

O que eu quero é muito mais áspero e mais difícil: quero o terreno.


Clarice Lispector

O assalto ao céu e o fim do matriarcado de Gaia


Ao descrever a Comuna de Paris de 1871, Karl Marx disse que as
massas, ali, tomavam “o céu de assalto”. A imagem do assalto ao
céu como mudança radical na ordem do mundo remonta, na tradição
ocidental, à mitologia grega. Segundo a Teogonia de Hesíodo, Cronos,
o de “curvo pensar”, castra seu pai Urano (o Céu), a pedido de sua mãe,
Gaia (a Terra, isto é, aquela que instaura o Cosmos que sucede ao vazio,
ao Caos). Se 1968 também foi, como muitos definiram, um “assalto
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

ao céu”, não há como negar uma importante modificação contextual,


um outro assalto ao céu que o acompanhou, ainda que em sentido
totalmente diferente, em sentido literal: a corrida espacial. Hannah
Arendt caracterizou o sucesso do primeiro satélite feito pelo homem a
orbitar a Terra, em 1957, como um evento ímpar na história humana. A
alegria que o evento proporcionou não estava relacionada tão-somente
à maravilha da capacidade humana; era também uma alegria de alívio,
pois, como noticiou um jornal americano da época, parecia o primeiro
“passo para libertar o homem de sua prisão na terra”:

A banalidade da declaração – comenta Arendt (2007,


p.10) – não deve obscurecer o fato de quão extraordinária
ela é, pois embora os cristãos tenham chamado esta terra
de “vale de lágrimas” e os filósofos tenham visto o próprio

252 corpo do homem como a prisão da mente e da alma, ninguém


na história da humanidade jamais havia concebido a terra
como prisão para o corpo dos homens nem demonstrado
tanto desejo de ir, literalmente, daqui à Lua. Devem a
emancipação e a secularização da era moderna, que tiveram
início com um afastamento não necessariamente de Deus,
mas de um deus que era o Pai dos homens no céu, terminar
com um repúdio ainda mais funesto de uma terra que
era a Mãe de todos os seres vivos sob o firmamento?

Não sem razão, Arendt conectava esta “rebelião contra a existência


humana tal como nos foi dada – um dom gratuito vindo do nada
(secularmente falando), que ele [o homem] deseja trocar, por assim
dizer, por algo produzido por ele mesmo” – com o desejo de “tornar
‘artificial’ a própria vida, por cortar o último laço que faz do próprio
homem um filho da natureza”1. O horizonte de tal desejo fora prenunciado
pelo mesmo Tsiolkovsky que Arendt menciona (“A humanidade não
permanecerá para sempre presa à terra”, lê-se no seu obelisco fúnebre
por ela citado): a imortalidade do homem, que habitaria eternamente o

1 O problema maior do diagnóstico de Arendt (2007, p.10-11) restava em acreditar que “Não há
razão para duvidar de que sejamos capazes de realizar essa troca, tal como não há motivo para
duvidar de nossa atual capacidade de destruir toda a vida orgânica da Terra”. Se, em 1958, o
poder destrutivo da humanidade parecia ser um índice da capacidade técnica construtiva dessa
mesma humanidade (ou mesmo o inverso), hoje, a atualização de tal potência destruidora parece
ser um obstáculo temporal à realização do “homem futuro” – este chegará tarde demais. O
assalto ao céu converteu-se na queda do céu (para usar a expressão de Davi Kopenawa), que,
como aquele, também é literal, já que as mudanças climáticas são seus sinais mais visíveis.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

cosmos. Justamente por isto, talvez o que estivesse em jogo não fosse
um “afastamento” do “Pai dos homens no céu”, mas, antes, o reforço da
função de seu nome, de sua imagem, a criação de uma “religião humana”,
pois a ideia de uma vida artificial no céu é precisamente o que constitui o
projeto cristão do “Reino dos Bem-Aventurados”: nas palavras de Fabián
Ludueña Romandini (2012, p.201), “um deserto onde a biodiversidade
tenha sido completamente aniquilada”, em que “a também prometida
imortalidade coincide plenamente com a eliminação da animalidade
primordial”. Desse modo, o desejo de libertar-se da Terra constitui uma
espécie de secularização literalizante da ideia da vida extraterrena, uma
tentativa do homem de ocupar espacialmente (no duplo sentido) o lugar
do Pai (ou de refalicizá-lo, talvez dissesse um psicanalista), de instaurar
algo como uma “antropocracia” (STIRNER, 2009) cósmica. Aquilo que
253 Oswald de Andrade (1995) chamou de “filosofia messiânica”, parecia,
enfim, poder se realizar: um mundo sem mãe, uma vida independente
de seu substrato natural (como se isso não fosse uma contradição
em termos), uma vida extraterrestre. Nesse sentido, é mais do que
sintomático que o primeiro vivente a ser “libertado” da prisão terrena,
a tripular um satélite artificial, tenha sido um cão, Laika, enviada para
morrer no espaço, como tantos outros animais não-humanos, em nome
do futuro de uma humanidade que pretende prescindir deles.

O espelho e a espécie
Em A origem animal de deus, Flávio de Carvalho (1973, p.73,74),
integrante tardio do movimento antropófago, descreve a diferenciação
ontológica do homem em relação aos demais animais, isto é, o
especismo, como a primeira forma de racismo: “Aos poucos, o homem
torna-se eminentemente racista repudiando a convivência com os seus
companheiros de pasto e desenvolvendo um sentimento de superioridade,
passa a considerar o resto do mundo animal como seres inferiores”.
Nessa teoria estética da religião (estética tanto por embasar a religião
nos sentidos, nas sensações, quanto por situar em sua origem a poesia
e o teatro), o papel de operador metafísico da antropogênese caberia ao
espelho: ao antigo Deus teriomorfo (índice de uma indistinção primordial
entre homens e animais, que Bachofen, e, em sua esteira, Oswald de
Andrade, chamaram de “promiscuidade primitiva” e que ignoraria
fronteiras de espécies) se substituiria um à imagem e semelhança do
homem: “A descoberta pelo homem do valor da sua própria imagem, o
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

efeito de espelho obtido pela água parada, teria influenciado na adoção


da imagem a ser reverenciada como Deus”. A antropogênese, portanto,
implicaria uma separação com o cosmos2, o fim de certo hetairismo
ontológico (em que a diferença não era um atributo específico). O
especismo seria, antes de tudo, um espelhismo, o efeito narcísico; o que,
aliás, já se depreende do sentido original de species: imagem, visão,
aparição, ou forma. Todavia, não só a imagem refletida seria a de um
homem (daí seu racismo inerente); ela também precisaria passar por
um processo de depuração para se tornar específica, semelhante àquele
descrito pelo narrador d’O espelho, conto de Guimarães Rosa, como um
“bloqueio ‘visual’ ou anulamento perceptivo”, complicada técnica que
permite retirar da imagem refletida a “máscara” ou “disfarce do rosto
externo”, aqueles “componentes (...) de inferior significado” – a começar
254 pelo “elemento animal”: a hominização consistiria naquele processo de
“aprender a não ver, no espelho, os traços” que relembram a “facies
animal” (no caso do conto, a onça). A espécie humana designaria, acima
de tudo, o processo de construção de uma imagem, de estabelecimento
de uma fronteira única com o mundo e cujo fim último consiste, nas
palavras de Ludueña Romandini (2012, p.250), em “transcender o
animal que somos”. A política humana, ademais de ser originariamente
zoopolítica, seria também, de saída, a luta para criar, moldar, definir
essa imagem específica, e, mais ainda, de com-formar os sujeitos a ela,
por meio da produção incessante do que Freud (2011, p.62) descreveu
como identificações, ou seja, o empenho “em configurar o próprio Eu
à semelhança daquele tomado por modelo” – Vorbild, uma imagem
(Bild) que está diante de (Vor) nós. Consequentemente, a sociedade
do espetáculo seria apenas – o que não é pouco – a intensificação e
explicitação desse estatuto da política humana. Esta quase sempre

2 O valor heurístico dessa concepção de Flávio não pode ser menosprezado. Ela ressoa não
só as teorias nietzschiana e batailleana da religião, situadas no mesmo plano epistemológico,
por assim dizer, como também a leitura recente feita por Jan Assmann (2010). Para este, a
distinção entre monoteísmo e politeísmo (na verdade, cosmoteísmo) consiste essencialmente na
separação com o cosmos produzida por aquele: “The divine is emancipated from its symbiotic
attachment from the cosmos, society and fate and turns to face the world as a soverign power.
In the same stroke, man is likewise emancipated from his symbiotic relationship with the world
and develops, in partnership with the One God, who dwells outside the world yet towards it
(…) Monotheism transforms the self-image of man no less fundamentally than it does his image
of god (…) [it] ultimately signifies the distinction between god and the world, and it thereby
establishes the distinction between man and the world”. Agradeço a Eduardo Viveiros de Castro
por ter me indicado a leitura da obra de Assmann.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

consiste na formação, modelagem e propagação de tipos – seja de raça,


de classe, de gênero, etc. – e o tipo humano do humanismo e dos direitos
humanos é apenas a escala final desse processo que se dá, ao mesmo
tempo, pela generalização e diferenciação, a saber, pela especificação.
Devido a esse caráter dúplice do processo, a imagem mais universal (mais
“humana”) pode sempre reverter em particularismos e ensejar a violência
mais brutal, movendo a fronteira para dentro do humano e convertendo
o especismo em racismo. A species humana não é apenas uma imagem,
mas uma imagem que demanda obediência, que chega até a internalizar
tal obediência, criando, para usar a expressão que Lacan (1998) lança
mão em “O estádio do espelho”, uma “servidão imaginária”, capaz
de negar o reflexo a qualquer um que se mostre indigno dele – como
acontece em outro O espelho, o de Machado de Assis. Deste modo, a
255 esta separação cósmica promovida pela fabricação e controle da própria
imagem não se torna possível sem um negativo excluído. Para apartar-
se do mundo, o homem deve apartar-se de si mesmo, criando um corte
interno que o cinde definitivamente do externo.

Liconomia e cosmopolitismo
Quando Hobbes lança mão da famosa definição do homem como
lobo do homem, o faz exatamente por meio do recurso a um jogo de
reconhecimentos e estranhamentos, ao qual não deixa de comparecer
o espelho. De fato, na carta-dedicatória que precede o De cive, Hobbes
(1949) afirma que, enquanto dentro dos muros da cidade, o homem é
como um Deus para o homem (referência a uma frase de Sêneca) e o
cidadão reconhece a si mesmo no outro, que é inviolável, fora deles, na
relação entre cidades (que seria a mesma que entre indivíduos no estado
de natureza), o homem é o lobo do homem (homo homini lupus). Na
guerra de todos contra todos, sem um princípio de autoridade máxima
estatal, ou supra-estatal, o homem se metamorfoseia em lobo diante
de outro homem3. Porém, para Hobbes (1949, p.2), o lobo é sempre

3 Trata-se aqui de um verdadeiro programa ambiental, isto é, de uma ordenação topológica do


mundo, uma “geografia especulativa”, para fazer uso (de modo impróprio) de uma expressão
de Catalin Avramescu (2009): o que está fora dos muros da cidade é a floresta. Não por acaso,
Hobbes sublinha a sabedoria de uma afirmação de Pôncio Telesino, segundo a qual Roma estaria
sempre ameaçada por lobos e depredadores de sua liberdade, a menos que as florestas em que
estes se alojam fossem “arrancadas pela raiz”. Se levarmos adiante o raciocínio e a imagem de
Hobbes, toda cidade é uma floresta para outra cidade – situação que só se alteraria com uma
cidade universal, um grande império, ou por um processo de domesticação ou destruição do
que está lá fora. A floresta (foris – o que está fora dos portões), apresenta-se como exterioridade
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

o outro e nunca o mesmo, “devido a um costume inato que eles [os


homens] têm de contemplar suas próprias ações nas pessoas de outros
homens”, como “num espelho, [em que] todas as coisas à esquerda
parecem estar à direita, e todas as coisas à direita estar nitidamente à
esquerda”. Ou seja, o lobo é a imagem invertida do homem. De fato, na
fórmula original de Plauto, é de uma ausência de reconhecimento que
se trata: “Lupus est homo homini, non homo, quom qualis sit non novit”
– “O homem é um lobo, e não um homem, para o homem, quando não
conhece quem seja”, ou ainda, quando não conhece a sua qualidade
de homem, quando não vê sua imagem refletida. Todavia, ainda que a
maioria dos especialistas aponte esse trecho da Asinaria como a principal
fonte de Hobbes, Landucci (1972, p.126) chama a atenção para uma
recorrência da fórmula temporalmente mais próxima ao De cive, em que
256 ela aparece, ademais, textualmente idêntica (homo homini lupus e não
Lupus est homo homini). Trata-se do Relato do que se passou na Nova
França no ano de 1642, de Vimont, publicado três anos antes da carta-
dedicatória. Nele, a frase aparece na descrição do ato conclusivo das
horríveis crueldades impostas pelos Iroqueses aos seus inimigos feitos
prisioneiros: “eles lhes cozinham e os fervem e depois os comem com
uma raiva deliciosa. Homo homini lupus; o homem se torna um lobo
perante o homem quando se deixa governar pelos Demônios”. O lobo do
homem é o (ameríndio) canibal, o “selvagem” por excelência.
Como aponta Avramescu (2009), Hobbes (2003, p.110), por razões
estratégicas, não menciona explicitamente a prática da antropofagia no
estado de natureza, ainda que, em uma formulação paradoxal, situe-o
justamente no paraíso de canibais: “Poderá porventura pensar-se que

à cidade (Estado), habitat do silvaticus, do selvagem (o Fora da floresta é também um fora da


condição civilizada), o qual só pode ser eliminado completa e eficazmente com a modificação ou
aniquilamento do espaço geográfico-político (e mesmo ontológico) que ocupa – ou seja, por meio
de uma retopologização. Na medida em que as florestas continuarem existindo, permanecerá, ao
menos, uma linha de fuga ao Estado (a desobediência civil de Thoreau passava por um exilar-se
na floresta). A eliminação de fato das florestas, desse modo, aparece como um projeto ontológico-
político de colonização do fora, a eliminação do que é topograficamente externo ao Estado, a
expansão dos muros da cidade – ou, em termos atuais, da fronteira agrícola. Por essa razão, a
proposta de José de Acosta, em meio à “conquista” do Novo Mundo, de levar os selvagens, os
homines sylvestres “de sylvis ad urbes” deve ser compreendida em todos os sentidos possíveis,
inclusive o extremo de erradicar tanto o sylvestre quanto a sylvis, convertendo-a em urbes. Como
argumenta Duerr (1985), em um livro que, poder-se-ia dizer, leva adiante a errática proposta por
Oswald de Andrade, trata-se da expansão da fronteira entre o dentro e fora, a redução deste a um
espaço confinado e controlado, processo de consequências catastróficas, como estamos sentindo.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

nunca existiu um tal tempo, nem uma condição de guerra como esta,
e acredito que jamais tenha sido geralmente assim, no mundo inteiro;
mas há muitos lugares onde atualmente se vive assim, porque os povos
selvagens de muitos lugares da América, com exceção do governo de
pequenas famílias, cuja concórdia depende da concupiscência natural
[o hetairismo], não possuem nenhuma espécie de governo, e vivem
nos nossos dias daquela maneira brutal”. Na teoria política, não faltam
referências ainda mais diretas ao canibalismo como consequência da
ausência de Estado. Assim, por exemplo, Grotius (2004, p.238), um
contemporâneo de Hobbes, respalda uma opinião de João Crisóstomo:
“‘Se não houvesse magistrados nas cidades, viveríamos uma vida mais
selvagem que aquela dos animais silvestres, não só nos mordendo
mutuamente, mas ainda nos devorando reciprocamente’”. Os povos do
257 Novo Mundo vinham “comprovar” esse laço entre viver “sem Fé, nem
Rei, nem Lei” (viver nu, na floresta, sem os costumes da civilização) e
o canibalismo. O Estado (a Lei) aparecia, desse modo, não só como o
garantidor da ordem, mas como o agente ontológico da antropogênese:
a imagem da espécie é assegurada pela forma-Estado. A norma humana
fundamental seria a que proíbe o canibalismo. Não por acaso, mesmo
já no século XX, Freud (2010a, p.45,46) construirá um relato ficcional
da hominização (baseado na hipótese de uma horda primitiva composta
de canibais) em que três tabus (compreendidos como proibições
primordiais: a do incesto, a do homicídio e a da antropofagia) “deram
início ao afastamento da cultura em relação ao estado animal primitivo”,
dos quais, agrega, “apenas o canibalismo parece ser malvisto por todos”
– único índice de nossa condição humana. Todavia, a especificidade
criada pelo Estado, na ficção jurídica do estado de natureza (que é,
sempre, uma ficção canibal), não consiste exatamente na passagem
da animalidade à humanidade: o homem antes de se tornar homem é
mais animal que os outros animais (como na formulação invocada por
Grotius) – ou, invertidamente, o que é outra forma de dizer o mesmo,
um animal menos animal, incapaz de ser animal, como Daniel Defoe
caracterizará o menino-lobo Peter4. A mitologia ocidental que liga o

4 São muitas as caracterizações feitas por Defoe (1726) desta falta de animalidade: “o homem,
não constituído para ser um selvagem, não possui armas para se defender, nem dentes ou garras
para rasgar e devorar; determinado pelo Criador a supri-los pela autoridade de sua pessoa, um
temor dele se estabelece sobre as bestas, e ele possui mãos que lhe foram dadas, primeiro para
fazer, e depois para fazer uso de armas, tanto para governá-las para sua segurança, quanto para
destruí-las para se alimentar”; “Um homem não é mais apto para ser uma besta do que uma besta
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Estado à antropogênese revela, no estado de natureza, uma imagem em


negativo do homem que transcendeu o animal: o sub-animal, o homem
como lobo do homem. Antes do homem não havia o animal – havia
o canibal. Para dizê-lo de outro modo: o homem é concebido nesses
relatos como uma espécie (de) extraterrestre, pois o animal humano,
o Homo antes da antropogênese estatal, não é exatamente um animal,
está apartado aos demais viventes, e um hiato intransponível parece
separá-lo do mundo natural. O rompimento com o hetairismo ontológico
acarretaria uma concepção segundo a qual o homem é sempre mais ou
menos que os demais viventes, bem como um poder (uma classe: o
Estado) que realiza a passagem deste para aquele. O reino nunca é deste
mundo – como não o são seus sujeitos (senhores e súditos).
Por isso, Derrida (2010, p.126) falará em uma liconomia: “A lei
258 (nomos) sempre é determinada a partir do lugar de algum lobo”. E o
motivo do lobo aparecer como um correlato do homem no estado de
natureza é que ele figura, na tradição ocidental, de um lado, como um
dos animais mais sociais, mais próximos ao homem (por essa razão,
pode articular a passagem da natureza à cultura, como no caso da loba
Capitolina que amamenta e salva da animalidade Rômulo e Remo, os
fundadores míticos de Roma); e, de outro, tanto como um animal canibal
(que come seus semelhantes) quanto como um animal antropófago
(que devora homens) e causador da antropofagia/canibalismo entre os
homens (por disseminar a doença da raiva) – de modo que o homem-
lobo, o lobisomem, indica também a passagem inversa, da cultura à
natureza. Tal retorno ao estado de natureza se daria sempre que a Lei
se enfraquece ou no espaço em que ela está ausente (a floresta), em
que a antropofagia volta a aparecer em sua forma literal ou na sua
forma desviada, a “baixa antropofagia”: “Homo homini lupus; quem,”
pergunta Freud (2010b, p.124), “a partir de todas as experiências da vida
e da história, terá coragem de contestar essa máxima? (...) quando foram
suprimidas as forças psíquicas contrárias que usualmente inibem tal
agressão, ela também se expressa de modo espontâneo e revela o homem
como uma besta selvagem à qual é alheia a consideração pela própria
espécie”. A sub-animalidade do lobo-canibal residiria justamente nisso:

para ser um homem; destituída sua parte racional, sua Carcaça, deixada inteiramente destituída,
é desqualificada para viver”; “pouco mais que a vida vegetativa”; “um objeto de mera natureza
informe, uma vida ausente de um nome que a distingua, uma criatura abandonada pela própria
natureza”; “um corpo sem o exercício da alma”, a “aparição de uma coisa em forma humana”.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

em ignorar a semelhança, em devorar até mesmo um integrante da própria


espécie, algo que, supostamente, nem os (demais) animais fariam. É esta
posição sub-animal do antropófago que faz com que Robinson Crusoe,
ao invés de considerar “a maior das bençãos (...) ver um integrante de
minha própria espécie”, temer tanto esse encontro quanto “ver o próprio
Diabo”: ao refletir sobre a “natureza dessas criaturas desgraçadas, (...) os
selvagens”, o protagonista do romance de Defoe questionará “como (...)
o sábio Governador de todas as coisas pôde entregar qualquer de Suas
criaturas a tal inumanidade; ou, mais do que isso, a algo tão abaixo da
própria brutalidade a ponto de devorar sua própria espécie”. Aqui, o jogo
de espelhos fica explícito: Crusoe não reconhece (não se alegra em ver)
como integrante da própria espécie o selvagem, que não reconhece (pela
prática do canibalismo) em Crusoe um integrante da própria espécie. E
259 é esta ausência de reconhecimento (a qual Crusoe imputa só ao outro)
que justifica o seu projeto de extermínio e dominação dos selvagens. A
contraface do homem é o “Unmensch” (o “monstro inumano”), o homem
que “tem a aparência de um homem, mas não é um homem” – e daí o
paradoxo implicado na constituição de toda imagem humana, o de “que
alguém pode ser homem sem ser homem” (STIRNER, 2009, p.229).
O canibal, portanto, é como o lobo da fábula de La Fontaine: “o
inimigo comum”. Nesse sentido, assemelha-se a outra figura político-
jurídica do Ocidente, o pirata, verdadeiro lobo do mar, considerado,
por Cícero o inimigo comum de todos, definição que chegaria no
moderno direito internacional levemente alterada pelo pensamento
medieval: o inimigo da espécie humana5. A exterioridade ao Estado
implica uma exterioridade à imagem humana e o projeto kantiano de
um cosmopolitismo assenta-se justamente na universalização dessa
exclusão: para Kant, lembra Marcos Matos (2012), “toda constituição
civil é previamente determinada, em última instância, segundo um
direito cosmopolita, já que homens e Estados seriam como cidadãos em
um ‘Estado universal da humanidade’ (...) e a recusa em participar deste
jus cosmopoliticum lança tais pessoas para fora do humano (ou para o
seu limite: a guerra que precede as relações de tolerância, catequização,
de amansamento...)”6. Trata-se de uma “imagem do pensamento

5 Cf. HELLER-ROAZEN, 2009.

6 Veja-se essa passagem de Kant citada por Matos: “Supõe-se comumente que não se pode
proceder hostilmente contra ninguém a não ser apenas quando ele me tenha já lesado de fato, e
isto é também inteiramente correto se ambos se encontram num estado civil-legal. Com efeito,
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

inspirada pela forma-Estado, que não prescinde de uma ontologia, mas


institui uma espécie de ‘direito de conquista’, a partir do qual o ser é
definido do ponto de vista de sua disponibilidade para a representação”.
O cosmopolitismo humanista é o imperialismo cósmico domesticador
promovido pelo humano, esse extraterrestre.

O extraterrestre e a ficção científica


De acordo com Arendt (2007, p.10), o afã de se libertar da Terra e
constituir uma vida artificial levou ao centro da cena “aquilo que, até
então, estivera relegado ao reino da literatura de ficção científica, tão
destituída de respeitabilidade (e à qual, infelizmente, ninguém deu até
agora a atenção que merece como veículo dos sentimentos e desejos
das massas)”. Se a ficção é, nas palavras de Saer (2009, p.4), uma
260 “antropologia especulativa”, a científica talvez se assemelhe a uma
formulação mitológica da cosmologia ocidental. Regra geral (com
infinitas exceções), a figura do extraterrestre se apresenta, na ficção
científica, como a projeção do homem no cosmos: dito de outro modo,
o extraterrestre é concebido à imagem e semelhança do homem. Isso
se deixa ver não só na psicologia atribuída aos ETs (tanto se aparecem
conquistadores implacáveis – lobos – quanto se, pelo contrário,
mostram-se de um altruísmo humanista), ou na forma humanoide
com que são pintados, como também, e especialmente, na quase total
ausência de animais não-humanoides em outros planetas (ou mesmo
na Terra), no predomínio quase total neles de apenas uma espécie (a
humanoide) – como se o monopólio especista constituísse uma lei
cósmica. Esta concepção do extraterrestre, de certa forma, replica a
ontologia ocidental em que o próprio homem é concebido como tal. Os
extraterrestres são tão humanos quanto os humanos são extraterrestres.
Assim, não assusta que Star Trek, provavelmente a série televisiva
de ficção científica mais conhecida, tematize exatamente a realização
cósmica do cosmopolitismo kantiano, a sua verdadeira universalização:

por este ter ingressado no mesmo estado, proporciona àquele (mediante a autoridade que possui
poder sobre ambos) a segurança requerida. Mas o homem (ou o povo), no simples estado de
natureza, priva-me dessa segurança e já me prejudica em virtude precisamente desse estado, por
estar ao meu lado, se não efetivamente, no entanto, devido à ausência de leis do seu estado, pela
qual eu estou constantemente ameaçado por ele (…). Por conseguinte, o postulado que subjaz
a todos os artigos seguintes é este: todos os homens que entre si podem exercer influências
recíprocas devem pertencer a qualquer constituição civil”.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

uma “Federação Intergaláctica” promove e assegura uma espécie de paz


armada, explorando o cosmos para a expansão de suas fronteiras, não
faltando, obviamente, os selvagens que não querem se submeter a tal
jus cosmopoliticum – o espaço como “fronteira final” a ser conquistada
pelo humano.
Todavia, a ficção científica não pode ser reduzida à enunciação
ideológica da antropocracia em nível cósmico. Se ela é mesmo, como
dissemos, um relato mitológico acerca da posição que o Ocidente
atribui ao homem no cosmos, isso significa também que se trata de
um discurso sem original que pode ser infinitamente traduzido, isto
é, traído e transformado. A ficção científica, desse modo, não reflete
apenas os “sentimentos e desejos das massas”, como os elabora, explora
seus medos, os perigos decorrentes de tais desejos – o lado oculto da
249 lua. Para ficarmos no mesmo tipo de exemplo, tomemos Battlestar
Galactica (a versão dos anos 2000), que tematiza a guerra entre uma
proto-humanidade originária de um planeta distante e as máquinas
criadas por ela, guerra que também é religiosa (como toda guerra), entre
o politeísmo dos humanoides e o monoteísmo que é instaurado pelas
máquinas (como se ele fosse artificial, implicasse um corte com a vida
“natural”). Reduzidos a uns poucos milhares, os humanoides vão em
busca da sua colônia perdida, a Terra, e, ao contrário da versão original
da série (do final dos anos 1970), o que encontram é um planeta destruído
por guerras nucleares – e indícios de que seus habitantes eram máquinas,
não humanoides. O cenário da Terra devastada e a interminável guerra
civil com as máquinas provoca uma decisão: ao encontrarem outro
planeta habitável, o nosso, que optam por também chamar de Terra, os
humanoides abandonam toda a sua tecnologia antes de ocupá-lo e dar
origem à (nossa) humanidade – os deuses astronautas. Não só aqui se
apresentam as duas alternativas extremas que o conflito que vivemos
hoje parece reproduzir (manter a determinação da potência e dominação
da matéria, como se fôssemos estranhos à Terra, até destruí-la, ou
então mudar totalmente o curso civilizatório, partindo praticamente do
zero, ou melhor, com uma outra concepção do que é a técnica e de sua
relação com a natureza), como também a completa indistinção entre
humano e maquínico para a qual estamos caminhando: além de muitas
máquinas se imiscuírem entre os humanoides sem que estes saibam, e
de um híbrido entre ambos ser a nossa Eva, algumas delas desejam – e
conquistam – a mortalidade, pois a morte é uma condição da vida. Ou
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

seja, o projeto cosmopolítico ocidental, enquanto busca da eternidade,


em todos os sentidos e planos, seja a paz perpétua entre as nações,
seja a imortalidade da vida humana, visa, na verdade, uma condição
maquínica que se caracteriza pela ausência de vida. Não por acaso, na
sua tentativa de Cosmologia, Charles Peirce descrevia o começo do
universo como um puro acaso, e o seu final como a completa ausência
deste, ou seja, a lei, o maquínico, a morte: “The state of things in the
infinite past is chaos, tohu bohu, the nothingness of which consists in
the total absence of regularity. The state of things in the infinite future
is death, the nothingness of which consists in the complete triumph of
law and absence of all spontaneity”. O horizonte cósmico para o qual o
Ocidente aponta é o de “País da Anestesia” de extensão universal.
Mas talvez ninguém aborde tão bem e obsessivamente a condição
250 enunciada por Macunaíma – “Os homens é que eram máquinas e as
máquinas é que eram homens” (ANDRADE, 1998, p.41)7 – quanto
Philip K. Dick: em suas ficções, o maquínico torna-se indistinguível não
só do humano, como também do divino e do animal (algo realmente em
curso com a atual biotecnologia). O mais conhecido de seus romances,
Do Androids Dream of Electric Sheep?, em que a Terra aparece como
uma espécie de lixão cósmico habitado por sub-humanos, ciborgues
fora-de-linha e animais maquínicos e não, enuncia quase literalmente
a condição contemporânea, já que cada vez mais um número maior da
população (humana e não-humana) da Terra e a própria Terra parecem
se converter em “enjeitados de uma nova catástrofe cósmica”8. Talvez se
possa dizer, seguindo Bruno Latour, que é contra a aliança extraterrestre
entre humanos e máquinas que estes enjeitados, os terrenos, estão
travando a mais decisiva de todas as guerras, a guerra da Terra9.
E esta guerra também é uma guerra de imagens (de espécies),
uma guerra travada na imaginação. Se, de certa forma, com a corrida

7 Como aponta Carlyle (apud PIGNATARI, 2004, p.88), a maquinização do homem implica
uma modificação ontológica, “uma poderosa mudança em todo o nosso modo de existência.
Os hábitos não regem apenas nossos modos de agir, mas também os nossos modos de pensar
e sentir. Os homens se tornaram mecânicos na cabeça e no coração – tanto quanto nas mãos”.
8 A expressão é de Felix Guattari. Cf. http://culturevisuelle.org/imagination/2013/03/08/
castaways-of-a-new-cosmic-catastrophe/
9 A oposição beligerante entre “terrenos” (“earthbounds”) e humanos é de Bruno Latour: http://
www.ed.ac.uk/schools-departments/humanities-soc-sci/news-events/lectures/gifford-lectures/
series-2012-2013/lecture-five (agradeço a Déborah Danowski pela referência); “a guerra da
Terra”, é, salvo engano, uma formulação de Eduardo Viveiros de Castro.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

espacial, dez anos antes de 1968, a imaginação já estava no poder,


trata-se agora de mobilizá-la contra o poder – e aqui a arte apresenta-se
como um dos instrumentos de guerra privilegiados, pois se ela “pode,
eventualmente ser um discurso do poder”, argumenta Décio Pignatari
(2004, p.20), “nunca [pode ser] um discurso para o poder”. O desafio
proposto por Günther Anders (2013) diante da ameaça nuclear, o de
ultrapassar a “capacidade de nosso poder natural de imaginação” e
imaginar a nadeidade total, a extinção, a destruição da Terra, continua
mais atual do que nunca diante da catástrofe ambiental. Além disso, ele
é o ponto de partida a outro desafio, para o qual, no Ocidente, talvez
só a arte possa estar à altura: imaginar outros modos de vida, terrenos,
i.e., não-extraterrestres, pois, como afirma Deleuze, “Não há literatura
que não leve a linguagem a esse limite que separa o homem do animal.
251 (...) Deve-se estar sempre no limite que o separa da animalidade, mas
de modo que não se fique separado dela”10. Talvez só a arte seja capaz
de experimentar o terreno, isto é “pesquisar novos mundos, novas
civilizações, audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve”,
e, enquanto humano, jamais poderá ir. A ficção seria uma via privilegiada
para experimentar estes outros modos de vida: “There are no bounds to
the sympathetic imagination”, diz Elizabeth Costello, personagem de
Coetzee (1999), “If I can think my way into the existence of a being
who has never existed, then I can think my way into the existence of a
bat or (...) any being with whom I share the substrate of life”. Porém,
talvez não se trate de simpatia (no sentido forte), mas da produção
de desidentificações com a espécie (imagem) humana, visando não o
comum, mas o inter-esse, a consistência de um como-ser, um quase-ser,
um entre-ser11: um hetairismo ontológico (que não se confunde com a
fusão, na medida em que a promiscuidade pressupõe a diferença, ainda
que esta possa tornar-se imperceptível).
Contudo, para que a afirmação de Lacan, segundo a qual
“l’unique science vraie, sérieuse, à suivre, c’est la Science-fiction”,
se torne, de fato, possível, é preciso desfazer, ou tornar imperceptível
outra fronteira, a que confina a arte, como as florestas, a uma “reserva
ecológica do pensamento”12, negando-lhe validade epistemológica. É
este confinamento que impede que a arte ganhe corpo. Para citar mais

10 Cf. http://stoa.usp.br/prodsubjeduc/files/262/1015/Abecedario+G.+Deleuze.pdf
11 Cf. ORTEGA Y GASSET, 1991.
12 Cf. LÉVI-STRAUSS, 1989, p.245 e VIVEIROS DE CASTRO, 2002, pp.488-489.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

uma vez as palavras magistrais de Costello: “Confinement to prison is


the form of punishment that the West favors and does its best to impose
on the rest of the world (…) the freedom of the body to move in space is
targeted at the point at which reason can most painfully and effectively
harm the being of the order”. Confinadas antropoemicamente de modo
a proteger a imagem humana do contato com elas, por meio do projeto
cosmopolita de “pacificação ontológica”, a aliança entre literatura e
animalidade parece se apresentar como a última aventura possível num
mundo convertido numa gigantesca “terra sem surpresas”, em que até a
catástrofe se tornou hábito. Tomar a sério essa aliança, experimentá-la
vitalmente parece ser uma das únicas alternativas em um cenário no qual
a imagem do extraterrestre humano parece se converter empiricamente
em seu anverso, i.e, em que os homens estão se tornando, de fato, lobos
252 do homem – como demonstram os filmes catastróficos (de A noite dos
mortos-vivos a Temps du loup), cujo valor epistemológico é muito maior
do que o dos tratados políticos atuais.

A Antropofagia e o extra-humano
Uma das tentativas mais audazes de questionar ambas as fronteiras
(entre o animal e o humano e entre a filosofia e a literatura) foi a
Antropofagia capitaneada por Oswald de Andrade. Por muito tempo
considerada apenas como a inversão polêmica de postulados ocidentais,
só agora a profundidade dos conceitos poético-filosóficos antropófagos
começa a ser levada a sério13. A dificuldade em compreendê-la deriva
do fato de que os antropófagos, para usar a caracterização que Arendt
(1987, p.144) faz de Walter Benjamin, “pensava[m] poeticamente”. O
pensamento selvagem de Oswald de Andrade se situa ali onde a filosofia
ameaça se converter em poesia e vice-versa – daí o seu isomorfismo. E
um dos objetivos maiores da Antropofagia foi, a partir da retomada da
figura do canibal, pensar o fora do humano, o que é estranho ao homem.
No Manifesto Antropófago, (ao menos) duas formulações
produzem um tal deslocamento do estatuto ontológico do homem. Uma
delas é a enunciação da “única lei do mundo”: “Só me interessa o que
não é meu. Lei do homem. Lei do antropófago”14. Nela, há uma espécie

13 Ao contrário da opinião de comentadores e mesmo de integrantes do movimento, esta sempre


foi a intenção inicial da Revista. Veja-se esse trecho de carta de Raul Bopp a respeito dela: “Coisa
séria. Levar a sério esse estudo. Uma revisão cultural (nada de ‘blague’)” (MANFREDINI,
1928).
14 Todas as citações da Revista de Antropofagia foram extraídas da edição fac-similar referida
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

de modificação da lógica subsuntiva, segundo a qual “homem”, como


categoria mais ampla e geral, deveria, por isso, ser também a última da
sequência, englobando um pretérito “antropófago”. Se “antropófago”
aparece depois, talvez seja porque o “homem” está subsumido nele;
como se, levando a cabo a sua própria lei de só se interessar pelo que
não é seu, o homem estivesse, na verdade, cumprindo uma lei que o
ultrapassa, tornando-se antropófago (o que estaria além da humanidade).
A outra formulação é a famosa deglutição do dito hamletiano: “Tupi or
not tupi that is the question”. Aqui, a fórmula da equação original de
Shakespeare permanece inalterada (e mesmo na língua original: or, not,
that is the question); o que mudam são apenas os seus termos, e isso
por meio de uma modificação mínima. Contudo, este apenas mínimo
é, ao mesmo tempo, tudo – um leve deslocamento (acidente) formal é
253 também o mais substancial. A questão deixa de ser ontológica e passa
a ser, como queria Oswald, “odontológica”: não se trata mais de ser
ou não ser, nem mesmo de ser índio ou não ser índio, mas de devorar
ou não o ser – devoração que a própria fórmula realiza, na medida em
que “ser”, to be, desaparece completamente dela, sendo substituído por
tupi. O tupi é aquilo que devora o ser, mas sua posição (a de primeira
na equação) não coincide com a do não ser (segundo termo na versão
original), assim como o não devorar o ser (not tupi) não coincide com o
ser. O deslocamento é duplo, na medida em que a devoração toma o lugar
do ser, adiantando o que Oswald diria muitos anos depois na Mensagem
ao Antropófago desconhecido: “Nada existe fora da Devoração. O Ser é
a Devoração pura eterna.” (ANDRADE, 2011, p.449). O ser é a própria
relação de devoração.
Mas, se nestas formulações, o antropófago ou a Antropofagia
parecem ultrapassar o humano, em outras, aparecem como o aquém
do humano, como no recurso à ideia do “homem biológico”: “O Brasil
precisa voltar ao seu ciclo elementar e ao predomínio dos sentidos. Criar
por si mesmo a idade do instinto de que o exilaram”. A Antropofagia,
nesses casos, operaria como um fator de inumanização, a produção de
“Corpos sem Roupas (CsRs)” (COSTA, 2012), cujo ponto de chegada
seria o “índio” considerado como “animal humano”:

na bibliografia.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

O meio físico brasileiro, como irradiador e rector das


mais violentas energias cósmicas, exerce ferozmente a
antropofagia.
Isto é, destróe e assimila qualidades. A primeira coisa que
acontece ao homem que se fixa no Brasil é ser envolvido,
desde logo, pelas forças pontecialissimas do meio físico
que atuam sobre ele destruidoramente. (...) Anula-se como
expressão racial, transformando-se num mero material
humano para a confeção do novo homem. (...) Anulando a
raça dos elementos que entram na formação do brasileiro o
meio físico deseja apurar, apenas, em toda a sua vitalidade
intáta, o animal humano, e situá-lo na condição do indio.

Como entender este caráter dúplice e paradoxal do antropófago enquanto


super- e sub-humano ao mesmo tempo?
254 Em um outro texto da Revista de Antropofagia, assinado por
“Cunhambebinho”, a relação entre o antropófago e o homem também se
dá por meio de um deslocamento. Nele, “o grande sentido aventureiro”
e o “índio do homem” são apresentados como sinônimos: “o grande
sentido aventureiro – índio do homem”, o grande sentido aventureiro
é o índio do homem. A aventura, entendida como ida ao fora, saída
da “terra sem surpresas”, era uma das palavras chaves do movimento,
sinônima do que chamavam de “exogamia”: “Exogamia é a aventura
exterior”. Mas o que significa essa fórmula sintética que faz de uma
porção quantitativa (o índio) do todo (a espécie humana), uma qualidade
relativa e relacional deste (uma posição que o homem pode tomar), a
qual se caracterizaria exatamente pela desestabilização (da própria
noção de homem), ou seja, pela aventura? Aqui já não se trata de um
jogo entre alto e baixo, mas de deslocamento da relação entre parte e
Todo, uma destotalização constitutiva, por assim dizer.
O fragmento retoma, como a assinatura deixa entrever, uma
célebre frase do famoso chefe de guerra tupi, Cunhambebe, contada
por Hans Staden (1974, p.132). No relato, o índio oferece uma perna
humana que está mastigando ao viajante alemão, que retruca: “Um
animal irracional não come um outro parceiro, e um homem deve
devorar um outro homem?”. Como vimos, a pergunta expressa um
dos paradoxos mais encrustados na visão ocidental do canibalismo. A
resposta, citada pelos antropófagos em tupi, é genial: “Sou um Jaguar”.
Novamente, trata-se de um deslocamento duplo, ou melhor, de um
duplo estranhamento – e é esse caráter dúplice, dual, do estranhamento
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

canibal que o cosmopolitismo humanista quis eliminar com o seu


espelho redutor: Cunhambebe não está apenas não reconhecendo a
co-especificidade do devorado; ele está estranhando a sua própria
humanidade. Tal condição exterior, porém, não confere ao antropófago
uma posição absoluta nem no campo do sobre-humano nem no do infra-
humano, nem no reino espiritual nem no animal. O canibal introduz uma
diferença imperceptível, a de ser uma onça, que ele não é em termos
absolutos, mas apenas relacionalmente (é da contestação do absoluto
que se trata). Há imagens que o espelho não capta – o espelho é sempre
espelho do outro.
Comer um outro homem significa não reconhecer a imagem
comum, o comum pertencimento à espécie/categoria; mas, para tanto, não
é o outro que tem sua imagem humana negada (como na guerra ocidental,
255 concebida como “negação ontológica do outro ser” (SCHMITT, 1992, p.
59)), mas o devorador que se desloca para uma posição de exterioridade.
“Sou um jaguar, sou um lobisomem”, a Antropofagia é o colocar-se
como se fosse um lobo, um jaguar, e esse auto-estranhamento cria um
inter-esse no Outro e pelo outro, como único garante da posição instável
de exterioridade de si15.
Enquanto na cosmologia política ocidental, o homem é definido
por um confronto com uma animalidade em negativo (sempre demasiada
ou sempre em falta: sub- e sobre-animal), os antropófagos definiram o
canibal diante da (pretensa) humanidade (super- e sub-homem), como
um deslocamento em relação a ela: não a mera assunção de uma falsa
animalidade em negativo, mas o gesto de estilhaçar o espelho (multiplicá-
lo). Índio, tupi, animal humano: as varias declinações antropófagas
do antropófago parecem situá-lo como o extra-humano, no duplo
sentido do prefixo: um excesso (obtido, ao mesmo tempo, por cima,
pela ultrapassagem – super-homem –, como na “única lei do mundo”, e
por baixo, “pela redução” – sub-homem, animal) de algo estranho em
relação ao homem, excesso que não é exclusivo ao homem, que lhe é

15 Seria necessário fazer uma distinção (que aqui não é possível por falta de espaço) entre
dois tipos de interesse, análoga à que Gabriel Tarde (cuja monadologia é muito semelhante
à Antropofagia) faz entre possessão unilateral e possessão recíproca (e também à distinção
stirneriana entre sociedade e associação): há o interesse (“baixa antropofagia”), em sentido
usual, que remete a um sujeito indiviso e que pressupõe uma identidade no horizonte (um valor
quantificável), e há o inter-esse (“alta antropofagia”), entendido como um entre-ser, uma zona
de contato entre dois seres (se “só me interessa o que não é meu”, então é preciso a diferença, o
não-(m)eu, ou seja, o mundo).
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

exterior, a exterioridade no homem. Esta exterioridade canibal não cabe


no espelho, não está disponível à representação.
O excesso (por cima e por baixo, por fora e de fora) da
Antropofagia em relação ao homem fica patente nos momentos em que
Oswald e seus companheiros a formulam como algo para além de uma
mera prática humana, como uma força cósmica. De fato, ela foi, por um
lado, equiparada a “energias cósmicas”, “leis cósmicas” – e até mesmo
o fim do mundo, a entropia, foi caracterizado como a “devoração do
planeta pelo imperativo do seu destino cósmico” (ANDRADE, 1995,
p.106). Mas, por outro, a Antropofagia cósmica tem como resultado
uma espécie de limitação do homem, de contato com a terra, a ponto
de Oswald conduzir o Espírito a uma “redução em que o homem reside
com antenas possantes e que eu chamo de Cabina Ptolomaica”. A
256 Antropofagia, entendida como totemização do Tabu, ou seja, devoração
da lei, da abstração, do conceito, da imagem, seria uma “introversão
que se projeta num horizonte telepático [e que] funciona, porém,
numa cabina de sistema ptolomaico, presa às convicções horizontais e
estáticas da terra. Capaz somente de atingir um horizonte de pedrada.
Eis a elucidação de todos os erros dualistas e a Crítica do Espírito
realizada definitivamente pela Antropofagia”16. Contudo, essa limitação
não constituiria uma prisão, mas sim, acima de tudo, uma abertura de
possibilidades: ela garantiria que toda totemização do Tabu gerasse
outro Tabu, isto é, que a exterioridade se redefinisse infinitamente, que
a aventura continuasse sempre possível17. Se, por um lado, é “Tudo
kósmico e exterior”, por outro, é justamente isso que permite que os
antropófagos sejam sempre “transformadores de cosmo-energia”, isto
é, exogâmicos, praticantes da “aventura exterior”. O extra-humano,
enquanto operador do “mecanismo da introversão”, se definiria como
“o animal que pluraliza”: aquilo que é introvertido objetivamente (e não
subjetivamente) é o mundo, mas jamais sua totalidade; cada devoração
é uma relação singular – daí, justamente, a multiplicidade resultante.
A exterioridade é sempre relativa, relacional: o fora não é uma posição
absoluta, nem absolutizável; ele se constitui pela devoração. Talvez seja
isso que um enigmático aforismo do Manifesto enuncie: “Da equação

16 Crítica que deveria ser retomada hoje, já que a filosofia ocidental volta a tentar erigir uma
metafísica que pretende vingar-se da “vingança de Ptolomeu”, metafísica que, a título de romper
com o homem, reforça o antropocentrismo.
17 Por sua vez, a operação messiânica consiste em fazer acreditar que existe um Tabu final,
cuja totemização não resulte na criação de outro que lhe substitua.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

eu parte do Cosmos ao axioma Cosmos parte do eu”. O duplo sentido


de “parte” (verbo e substantivo) mimetiza o duplo sentido da fórmula,
que denuncia o caráter projetivo da cosmologia ocidental, ao mesmo
tempo que propõe algo como um “devir-mundo” do eu, ou seja, uma
cosmética (PRÉVOST, 2012)18. A excessiva exterioridade estranha do
extra-humano é o mundo, um excesso do mundo, do cosmos, no homem
– justamente o que o cosmopolitismo humanista quis eliminar. Se o
extra-terrestre é o humano projetado cosmicamente, o extra-humano é
o terreno projetando o cosmos. Sair do humano é entrar no mundo.

257

18 O egoísmo da fórmula (presente em muitas outras dos antropófagos) só pode ser entendido
pesando a limitação da cabina ptolomaica, a impossibilidade de universalização (de sair do
horizonte de pedrada, de eliminar completamente os tabus), isto é, não compreendendo o “eu”
como um sujeito indivisível. Nesse sentido, mostra-se útil o recurso à filosofia de Max Stirner,
que poderia muito bem ser considerado um “romântico da Antropofagia”, para usar a linguagem
do movimento. No egoísmo anti-narcisista de Stirner (2009, p.235), o eu, o extra-humano, pode
se desidentificar de toda espécie na medida em que afirma a sua singularidade (ou unicidade), ou
seja, ao assumir a posição, sempre transitória, de um eu radical, que não pode ser reduzido a nada
daquilo que o caracteriza, a nada daquilo que ele é (mulher, judeu, animal), um eu que consiste
nas suas relações de apropriação, com aquilo que (e como) apropria, digere e dissolve, incluindo
a si mesmo: “o eu não é tudo, destrói tudo, e só o eu que progressivamente se dissolve, o eu que
nunca é, o eu... finito é verdadeiramente eu”. Para Stirner (2009, p. 421,430,403), o eu é sempre
transitivo (outro modo de dizer que o eu nunca é), uma posição instável, múltipla, apropriável
por qualquer um (inclusive pelos outros não-humanos, pois assim como “Um homem não está
‘destinado’ a nada, não tem nenhuma ‘missão’ particular, nenhuma ‘destinação’, tampouco (...)
uma planta ou um animal a têm”), mas jamais absolutizável, que resiste a toda sublimação que o
converta em “ponto de vista fixo”, que converta os indivíduos em “exemplares de uma espécie”,
ou seja, que produza seu “adestramento”. Desse modo, talvez se trate de uma radicalização do
eu em ainda outro sentido, se admitirmos a hipótese de Karl Brugmann lembrada por Daniel
Heller-Roazen (2010, p.135), “segundo a qual o termo grego ego, assim como seus correlatos
no indo-europeu, derivaria de um substantivo neutro (*eg[h]om), que significaria simplesmente
‘aquiedade’ (Hierheit): originalmente, ‘eu’ teria o sentido de ser insubstancial de qualquer coisa
que fosse indicada como ‘aqui’, fosse ela animada ou inanimada, humana ou inumana”.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Bibliografia

ANDERS, Günther. Teses para a Era Atômica. Tradução de Alexandre


Nodari e Déborah Danowski a ser publicada no Sopro. 2013.

ANDRADE, Mário de. Macunaíma, o herói sem nenhum caráter. Edição


crítica coordenada por Telê Porto Ancona Lopez. Coleção Arquivos
UNESCO, 1988.

ANDRADE, Oswald de. A utopia antropofágica. 2. ed. São Paulo:


Globo, Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, 1995.

______. Estética e política. 2.ed. São Paulo: Globo, 2011.

ARENDT, Hannah. A condição humana. 10.ed. Tradução de Roberto


Raposo. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

______. Homens em tempos sombrios. Tradução de Denise Bottmann.


São Paulo: Companhia das Letras, 1987.
258 ASSMANN, Jan. The price of monotheism. Tradução ao inglês de
Robert Savage. Stanford: Stanford University Press, 2010. [edição
eletrônica]

AVRAMESCU, Catalin. An intellectual history of cannibalism.


Tradução ao inglês de Alistair Ian Blyth. Princeton: Princeton
University Press, 2009. [edição eletrônica]

CARVALHO, Flávio de. A origem animal de Deus. O bailado do Deus


morto. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1973.

COETZEE, J.M. The lives of animals. Princeton: Princeton University


Press, 1999. [edição eletrônica].
COSTA, André Duchiade de M. Da Antropofagia e outras cogitações.
Manuscrito. 2012.

DEFOE, Daniel. Mere nature delineated: or, a body without a soul.


Londres: T. Warner, 1726.

DERRIDA, Jacques. Seminario “La bestia y el soberano”. Vol. I.


Buenos Aires: Manantial, 2010.

DUERR, Hans Peter. Dreamtime: Concerning the Boundary between


Wilderness and Civilization. Tradução ao inglês de Felicitas Goodman.
Oxford: Basil Blackwell, 1985.

FREUD, Sigmund. O futuro de uma ilusão. Tradução de Renato Zwick.


Porto Alegre: L&PM, 2010a.

______. O mal-estar na cultura. Tradução de Renato Zwick. Porto


Alegre: L&PM, 2010b.

______. Obras completas, v. 15 (1920-1923): Psicologia das massas e


análise do eu e outros textos. Tradução e notas de Paulo César de Souza.
São Paulo: Companhia das Letras, 2011.
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

GROTIUS, Hugo. O direito da guerra e da paz. v. I. Tradução de Ciro


Moranza. Ijuí: Editora da Unijuí, 2004.

HELLER-ROAZEN, Daniel. The Enemy of All. Piracy and the Law of


Nations. Nova Iorque: Zone Books, 2009.

______. Ecolalias. Tradução de Fábio Durão. Campinas: Ed. da


UNICAMP, 2010.

HOBBES, Thomas. De cive. Nova Iorque: Appleton-Century-Crofts,


1949.

______. Leviatã. Tradução de João Paulo Monteiro et al. São Paulo:


Martins Fontes, 2003.

LACAN, Jacques. “O estádio do espelho como formador da função


do eu”. Em: Escritos. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Jorge
Zahar, 1998.
LANDUCCI, Sergio. I filosofi e i selvaggi: 1580-1780. Roma; Bari:
259 Laterza, 1972.

LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. Tradução de Tânia


Pellegrini. Campinas: Papirus, 1989.

LUDUEÑA ROMANDINI, Fabián. A comunidade dos espectros. I.


Antropotecnia. Tradução de Alexandre Nodari e Leonardo D’Ávila.
Desterro: Cultura e Barbárie, 2012.

MANFREDINI, Jurandyr. “Et tout finit par des chansons”. Gazeta do


Povo, Curitiba, 2 set. 1928. p.2.

MATOS, Marcos. “Tudo cósmico e exterior”: a o(do)ntologia do


pensamento antopofágico. Comunicação apresentada no evento “A
virada ontológica na filosofia contemporânea”. Porto Alegre, outubro
de 2012.

ORTEGA Y GASSET, José. A idéia do teatro. Tradução de J.


Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 1991.

PIGNATARI, Décio. Semiótica & literatura. 6. ed. Cotia: Ateliê


Editorial, 2004.

PRÉVOST, Bernard. “Cosmique cosmétique. Pour une cosmologie de


la parure”. Images Re-vues, n. 10 (2012).

Relations des jésuites contenant ce qui s’est passé de plus remarquable


dans les missions des pères de la compagnie de Jésus dans la Nouvelle
France. v. II. Quebec: Augustin Coté, 1858.

Revista de Antropofagia. Edição fac-similar. São Paulo: Abril, Metal


Leve, 1975.

SAER, Juan José. “O conceito de ficção”. Tradução de Joca Wolff.


Sopro, n.15, ago/2009. pp. 1-4.

SCHMITT, Carl. O conceito do político. Tradução de Álvaro L. M.


revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Valls. Petrópolis: Vozes.

STADEN, Hans. Duas viagens ao Brasil. Tradução de Guiomar de


Carvalho Franco. Belo Horizonte: Itatiaia, 1974.

STIRNER, Max. O único e a sua propriedade. Tradução de João


Barrento. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A inconstância da alma selvagem.


São Paulo: Cosac & Naify, 2002.

260
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

261
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

Fabián Ludueña Romandini é pesquisador do CONICET e do Instituto


de Pesquisa "Gino Germani" da Faculdade de Ciências Sociais da
Universidade de Buenos Aires. Professor de Filosofia na Pós-Graduação
da Faculdade de Ciências Sociais (UBA) e professor titular de Filosofia
e Ética na UADE. Seu mestrado e tese de doutorado trataram da
filosofia da Renascença e foram defendidas na École des Hautes Études
en Sciences Sociales, em Paris. Autor dos livros Homo Oeconomicus.
Marsilio Ficino, la teología y los misterios paganos (Madrid / Buenos
Aires, 2007); La comunidad de los espectros I. Antropotecnia (Madrid /
Buenos Aires, 2010) [Tradução brasileira: A comunidade dos espectros
I. Antropotecnia, Florianópolis, Cultura e Barbárie, 2011]). Suas áreas
de interesse abrangem, principalmente, a metafísica, a filosofia política,
a história do direito romano e a história da teologia cristã. Editor em
261 castelhano de obras de Alexius Meinong, Jacob Taubes e Werner
Hamacher. Seu último livro se intitula Más allá del principio antrópico:
hacia una filosofía del Outside (Buenos Aires, 2012) (com tradução
brasileira, em preparação).

Emanuele Coccia estudou nas Universidades de Macerata, Berlim,


Florença e Paris. Depois de lecionar na Universidade de Freiburg im
Breisgau (Alemanha) é agora maître de conférences na E.H.E.S.S. de
Paris. Algumas das suas publicações são: Filosofía de la imaginación.
Averroes y el averroísmo (Adriana Hidalgo Editora, Buenos Aires,
2008), La vida sensible (Marea Editorial, Buenos Aires, 2011) y Le
bien dans les choses (Payot et Rivages, Paris, 2013). Editou, junto com
Giorgio Agamben, uma vasta antologia sobre os anjos no Judaísmo,
no Cristianismo e no Islã (Angeli. Ebraismo Christianesmo Islam,
Neripozza, Vicenza, 2009).

Raúl Antelo é professor titular de literatura brasileira na Universidade


Federal de Santa Catarina. Graduado em Letras (Universidad de Buenos
Aires, 1974), mestre e doutor em literatura brasileira (Universidade de
São Paulo, 1978 e 1981). Desde 1991 é pesquisador (1-A) do CNPq
e recebeu, em 2004, a bolsa Guggenheim. Foi professor visitante nas
Universidades de Yale, Duke, Texas at Austin, Autônoma de Barcelona
e Leiden. É autor de Literatura em Revista (Atica, 1984); Na ilha de
Marapatá (Hucitec/INL, 1986); João do Rio: o dândi e a especulação
(Timbre/Taurus, 1989); Parque de diversões  Aníbal Machado (Ed. da
revista landa Vol. 1 N° 2 (2013)

UFMG/Ed. da UFSC, 1994); Objecto Textual (Memorial da América


Latina, 1997); Algaravía. Discursos de nação (Ed. da UFSC, 1998),
Transgressão & Modernidade (EUPG, 2001), Potências da imagem
(Grifos, 2004), Maria con Marcel. Duchamp en los trópicos (Buenos
Aires, Siglo XXI, 2006); Tempos de Babel. Anacronismo e destruição
(São Paulo, Lumme, 2007); Crítica acéfala (Buenos Aires, Grumo,
2008); Ausências (Florianópolis, Ed. da Casa, 2009); Maria com
Marcel. Duchamp nos trópicos (Belo Horizonte, Ed. da UFMG) e Alfred
Métraux: antropofagia e cultura (Buenos Aires, Cuenco de Plata, 2011).

Alexandre Nodari é mestre (com dissertação sobre a Antropofagia)


e doutor (com tese sobre o conceito de censura) em Teoria Literária
pelo PPGL/UFSC. Co-ministrou, com Eduardo Viveiros de Castro, o
262 seminário de pós-graduação “Do matriarcado primitivo à sociedade contra
o Estado: cartografia da hipótese antropofágica” no Museu Nacional/
UFRJ (2012). Colaborou em volumes coletivos como: Antropofagia
hoje? (São Paulo: É Realizações, 2011), Teoria, poesia, crítica (Rio de
Janeiro: 7Letras, 2012), Experiencia, cuerpo y subjetividades (Buenos
Aires: Santiago Arcos, 2011) e O comum e a experiência da linguagem
(Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2007); também publicou artigos
em periódicos nacionais e internacionais. Em 2011, co-ministrou uma
sessão do seminário de pós-graduação (na UBA) “Sacro Poder”, a cargo
de Fabián Ludueña e Emanuele Coccia. É editor da Cultura e Barbárie
e do panfleto político-cultural Sopro (http://www.culturaebarbarie.org/
sopro), e integrante da #ATOA.