Você está na página 1de 3

Figueiredo, A. D. (2016). Por uma escola com futuro ... para além do digital. Revista Nova Ágora, nº 5, Set.

2016, pp. 19-21.

19
NovaAgora - Revista5 setembro »2016

Porumaescolacomfuturo...paraalémdodigital

loAntónioDiasdeFigueiredo I.)

Diz-sequevivemoshojeemváriosmundos: crescentedosquesofremosseusefeitos falade


umanalógicoeumdigital,umfísico eumvirtual, economiasdobiscate.Poroutrolado,anuncia-se
umpresencial eumdistante.Noentanto, a dis- comoeminenteaautomatizaçãomaciçadospas-
tinçãoentre eles écadavezmaisdifusa.Raras tasde trabalho, per força damecanizaçãode
são,hoje, as atividades individuais e coletivas muitasdastarefashojeaindaexercidasporpes-
quepodemserconduzidassemrecorrer a tec- soase da "algoritmização"de largonúmerode
nologiasdigitais ou sem consultar telemóveis, atividadescujaexigênciaintelectualimpunha,até
comunicarna Net ou aceder a repositórios na aqui,a intervençãohumana.Nestenovomundo,
"nuvem", onde, de resto, já se encontra ondetodoscompetemcom todos, sem fron-
armazenadaamaiorpartedasnossosdados.Um teiras,acapacidadedecadaumpara criar valor,
projeto recente, patrocinado pela Comissão comempenhoe iniciativa,passoua serumfator
Europeia, o &life Manifesto,defende o fim da crítico de sucesso. Nestemesmomundo. os
distinção entre mundos online e off/inn e o menoscompetentescomeçam,já, a ser preteri-
reconhecimentodequevivemosumanovaordem dosface aosque,emoutras partes domundo,
social,económica,políticaeéticanoseiodaqual fazemomesmacommelhorqualidadeemenor
essetipo dedistinçãonãotemsentido.Énesse custo,agudizando o desemprego e o emprego
mundoque irão viver os jovenscidadãosque precárioquejáhojesãonoticiaemváriospaíses
saemdasnossasescolas. europeus.

Cientedasresponsabilidadesquelhecabem Énestemundoqueosestudantesdasnossas
nestamudançacivilizacional. a escola procura escolasterão de integrar-se, diferenciar-se e
adaptar-seaodesafio.Noentanto,grandeparte afirmar-se,sequiseremencontrar a suaplena
dodebateemquesevêenvolvidasurgea partir realização.Noentanto. as sistemas de ensino,
dasvisões tradicionais daeducaçãoquedomi- aindavinculados ao mandato de produzirem Ciente das
namo nossa discurso educativo—visões de industrialmentefuncionáriosparaumaeconomia responsabilidades
inspiraçãoindustrial,queencaramodigitalcomo deplenoemprego,revelam-semalpreparados que Hie cabem nesta
essencialmenteinstrumentaletendema ignorar paradesenvolverem os cidadãosautónomos, mudança
aimensamutaçãosocioculturaleeconómicaque afirmativoseinovadoresqueestanovarealidade aescola procura
vivemos.Duaslinhas de força dessamutação, exige. adaptar-se ao desafio.
particularmente críticas, são as que incidem No entanto,
grande parte do debate
sobre o futuro do emprego e as querecaem
em que se vé envolvida
sabreas competênciasessenciaisparaque os QuecompetênciasparaoséculoXXI? surge a partir das
cidadãosdo futuro, que já é presente,possam visões tradicionais
realizar-seplenamente. Poroutro lado, a dinâmica concorrencial da educação que dominam
acimacitadademonstraqueavisãotradicionale onosso discurso educativo
uniformizadora que a escola tradicional tem visões de inspiração
Queempregoemquemundo? vindoaseguirnãoécapazdeproduzirnosjovens industrial,
ascompetênciashoje necessárias ao sucesso que encaram o digital
Bmundoglobalizado, as dinâmicasde con- dasorganizaçOesedosmercados. como essencialmente
instrumental
corrência que o caraterizam e o capitalismo
etendem a ignorar
especulativoqueoalimentaestãoa transformar Numdosseusestudosmaisrecentes,New aimensa
oidealde"plenoemprego"queseanunciavahá Visions for Education:Unlockingthe Potential of mutação sociocultural e
cinquentaanosnumarealidade de "pleno pre- Technology,o WorldEconomicforumdebruça-se económica que vivemos.
cariado".Alguns,maisotimistas,falamdeecono- sabreesta questão e inventaria o que define
miasdapartilhaoudefreelancing,masonúmero comoascompetênciasparaoséculoXXI.Dentro
20
Parumaescalacamfutura...paraalémdadigital

destas,distingue três categorias: as literacias Asculturasdadigital


fundacionais,ascompetênciaschavee as quali-
dadesde caráter.As literacias fundacionais,ou Emboraos jovensdosnossosdiastenham
competênciasparaaplicarossaberesadquiridos nascidona era digital edominemcomdestreza
àstarefas do dia a dia, incluem a literacia da astecnologiasdessaera, observa-sequeestão
escrita e da leitura, anumeraciae as literacias malpreparados para corresponderem aos
científicas,dasTIC,financeira, cultural e cívica. desafiosqueela coloca.Camefeito, a sua agili-
Ascompetênciaschave, ou capacidades para dadeinstrumentalnautilizaçãodosnovosmeios,
abordarusdesafioscomplexasemquevãointervir, maioritariamente dirigida para o consumo(de
incluem o pensamento crítico, a aptidão para músicas,jogos e outrosconteúdosmultimedia)
resolverproblemas,a criatividade easaptidões estálongedecorresponderaagilidadesconce-
paracomunicar e colaborar. Finalmente, as tuais e culturais equivalentes.Estálonge, tam-
qualidadesde caráter, queexpressam a rela- bém,de os proteger das perigos de uma
cionamentocom o meio envolvente, incluem exposiçãopúblicacadavezmaisalargada,deos
curiosidade,iniciativa, persistência,resistênciaà resguardardasmanipulaçõesintelectuais aque
frustração,adaptabilidade,liderança e sensibili- estãosujeitosedeossensibilizarparaaausên-
Odesafio que se coloca
dadeàsdimensõessocial e cultural. Detodas ciade credibilidade demuitasdasinformações
a este nível é
estas,asqueosrecrutadoreshojemaisvalorizam comquesecruzamequetendema tomarcomo
ode assegurar que
os jovens evoluam
sãoascompetênciaschave e asqualidadesde verdadeiras.
do seu estatuto de caráter—paradoxalmente,asqueaescola tradi-
meros consumidores cionalmaistemsecundarizado. li desafioquesecoloca a este nível é o de
para o estatuto de assegurarqueosjovensevoluam,doseuestatuto
utilizadores esclarecidos, Curiosamente, o reconhecimento da demerosconsumidores,para a estatutode uti-
edeste para o estatuto de importànciadestascompetências e qualidades lizadoresesclarecidos, e deste para o estatuto
criadores e participantes decaráter, apesar de emergir de contextos decriadoreseparticipantesativos. l] desafionão
ativos.
condicionadospar vises neoliberaisdasecono- e,assim,comoporvezesseafirma,adeintegrar
miasedassociedades,acabaporseapresentar o"digital" narelaçãoensino-aprendizagem,nem
comopositivo por demonstrarpoder contribuir dedesenvolvernosjovenscompetências instru-
parao desenvolvimentodecidadãosmais sen- mentaispara o "uso" dastecnologiasda infer-
síveisaosvaloreshumanosesociais,eate cria- mação e da comunicação,mas sim o de os
tivoseartísticos.queasescolastradicionaisnão preparar para uma pertença cultural plena,
estavamadesenvolver. madurae ativananovaera.
21
NovaAgora - RevistaSisetembro »2018

Osdesafios que esta


mudança pedagógica
coloca à
formação de professores
situam-se, por isso,
Aspedagogias [Isdesafiosqueestamudançapedagógica muito para além da
coloca à formação de professores situam-se, preparação dos docentes
Lm
i adasviasqueseabreparaasuperação parisso, muito para além da preparação dos Para o uso mais ou menos
dessasdificuldadeséatransformaçãodaspeda- docentesparaousomaisoumenosinstrumental instrumental
das tecnologias digitais.
gogias,de ummodelocentrado na explicação dastecnologias digitais. U bom professor do
Obom professor
paraum modelocentrado na autonomia. Por séculoXXIassumirá.seguramente, para além
do século XXI assumirá,
razõeshistóricas, a pedagogia ocidental tem dasmuitas e valiosasfunçõesquetemvindo a seguramente,
vindo a cristalizar em torno de paradigmas desempenharao longo dos tempos, a nobre para além das muitas e
pedagógicoscentrados unicamente na expli- funçãodese transformarnumagentechavede valiosas funções que tem
cação,queretiram aquemaprendeaautonomia, transformaçãocultural. vindo a desempenhar
iniciativa e responsabilidade pela sua própria ao longo dos tempos,
aprendizagem. U sentido de dependência e anobre função de se
demissãoqueestesmodelosinduzeméhojetão lima escola para alémdo digital transformar num
ponderosaque o natural ato de aprender se agente chave de
transformação cultural.
tornou, para grande parte das jovens,numa Éessa, no essencial, a mensagemdeste
penosaobrigação.Noentanto,sórecentemente, brevetexto. II desafioquedefrontamos é pon-
como reconhecimentoda importância da obra deroso e mais sério do quepossamospensar.
dePauloFreire,secomeçouacompreenderque Nãose trata de passartranquilamente de um
omaiordesafiodaeducaçãonosnossosdiasnão regimeestável, o do pré-digital, para outra
éo de "explicar" conhecimentos inertes e regimeestável,ododigital,edaroproblemacomo
descontextualizados.mas o de criar cidadãos resolvido.Elqueestáemcausaéumamudança
curiosos,indagadores,autónomos,capazes de profundaecrescentedomundoemquevivemos.
assumirem,individual e coletivamente, a con- Essamudançaencontra-se, para já, nos seus
duçãodasuaaprendizagem e a construçãodo primórdios(jádevastadoresparamuitossetores
seupróprio destino. dasociedade),mastenderá a desmultiplicar-se,
noproximofuturo,emmodalidadeseconsequên-
Atransformaçãodapedagogiadaexplicação ciasqueninguémsabecomavãoevoluir.Eldigi-
numapedagogiadaautonomia,comopreconiza tal é. em larga medida,responsável por essa
Freire.aponta. por outrolado,para aadoçãode mudança,masasrespostasaodesafionãoestão
abordagensaindapoucopraticadasnasnossas emaprenderodigital—estãoemdesenvolveras
escolas.orientadas para a autonomia e o tra- competências da futura geração para esse
balhode grupo,coma a aprendizagembaseada mundode transformação,preparando-os cul-
emprojetos. a aprendizagem mista, as aulas turalmente para quepossam construir a sua
invertidas, a coavaliação.Emalgunspaíses, a autonomiaecontribuirparaqueessemundoseja
formaçãodosprofessoresparaestaspráticas já melhor.
estáamerecer particularatenção.

Osprofessores

Apreparaçãoparaavidaativanummundode
trabalhoprecário e volatilidadedosmercados,a
construçãodecompetênciasparaoséculoXXI, (') Professor catedrático aposentado da Universidade
deCoimbra. autor, investigador e consultor em estratégia.
aabertura dasmentespara novoshorizontes qualidadee TI na educaçáo.
culturais e a transformação das pedagogias
colocamdificuldadesimensasaumaescolaque
nãofoi concebida para tais fins. Ilificuldades
essasquesãoacrescidaspelofactode.perante
aimparávelevoluçãotecnológica,ninguémpoder
saberexatamentecompirá seressemundo.