Você está na página 1de 6

Universidade Federal da Bahia

Instituto de Ciências da Saúde


Departamento de Biofunção
Bioquímica para Biotecnologia – ICS A13 / 2018.2
Prof. Dr. Daniele Takahashi Bernal
Discentes Renato Xavier Barbosa Junior
Marcelo Junior

DETERMINAÇÃO DO pH DE SOLUÇÕES

1. Introdução

A concentração de íons H+ influencia uma série de fenômenos em


bioquímica, como, por exemplo, as reações catalisadas por enzimas.
Portanto, a correta determinação do pH das soluções é de extrema
importância aos estudos bioquímicos.
A determinação dos valores de pH pode ser realizada de duas formas:
com o uso de indicadores ou com o potenciômetro. Os indicadores de pH são
ácidos orgânicos fracos que mudam de cor de acordo com a variação de pH
do meio. Eles apresentam a seguinte equação de equilíbrio:

HIn ↔ H+ + In-
(cor 1) (cor 2)

As moléculas não dissociadas dos indicadores apresentam uma


determinada cor, diferente da de seus íons. O grau de dissociação dos
indicadores (e, portanto a sua coloração) irá variar a depender do pH da
solução em que sejam adicionados.
Existe um grande número de indicadores de pH que permitem medir
valores de pH desde 0,5 até 13 unidades.
Para determinações mais precisas utiliza-se o potenciômetro, um
aparelho dotado de um eletrodo de vidro sensível à concentração de íons H+.

2. Objetivos

Determinar o pH com o uso de indicadores.

3. Material e Métodos

Para a realização do experimento foram utilizados soluções tampão em pH 3, 4,


5, 6, 7, 8, 9, 10 e 12; Na OH a 0,1 M; HCl a 0,1 M; água destilada; e indicador
universal. A primeira parte consistiu em preparar uma bateria de 9 tubos de ensaio e
pipetar em cada um deles 0,5 ml da solução tampão correspondente (pH 3, 4, 5, 6, 7, 8,
9, 10 e 12) e posteriormente adicionar 2,5 mL de água destilada e duas gotas de
indicador universal. Como resultado obtivemos uma escala em cores por pH.

FOTOS REAGENTES E RESULTADO (1)

Da esquerda para a direita: (1) Água destilada; (2) reagente para pH; (3) resultado para escala de pH e (4)
indicador universal. Fonte: Prof. Dr. Daniele.

Foi preparada uma segunda bateria com quatro tubos de ensaio e de acordo com
a primeira bateria utilizada como escala de pH conseguimos determinar
experimentalmente o pH de cada solução.

Tubo Água Tampão pH 7,0 pH observado


1 2,5 ml - 7,1
2 2,0 ml 0,5 ml 7
3 2,5 ml - 7,1
4 2,0 ml 0,5 ml 7

Acrescentamos uma gota de NaOH 0,1 M nos tubos 1 e 2, procurando observar


as possíveis alterações e os valores de pH para cada um dos tubos.
Com uma pipeta, sopramos no tubo 1 durante 15 seg, com um certo cuidado para
que a saliva não fosse direcionada para o interior do tubo. Repetimos o processo no tubo
2 por 15 seg e observamos o resultado. Acrescentamos uma gota de HCl nos tubos 3 e
4.
FOTOS REAGENTES E RESULTADO (2)

Da esquerda para a direita: (1) NaOH 0,1 M; HCl (2) solução de pH ; (3) canudo em substituição da
pipeta. Fonte: Prof. Dr. Daniele.

4. Resultado e Discussão

Resultados obtidos com o experimento:

Tampão Variação de pH após Variação do pH Variação do pH após


Tubo Água
pH 7,0 acréscimo de Na OH após soprar acréscimo de HCl
1 2,5 ml - ≥ 12 < 13 ≥6<7 -
2 2,0 ml 0,5 ml 7 7 -
3 2,5 ml - - - 4
4 2,0 ml 0,5 ml - - 7

a) Qual a função de um sistema tampão?

Resistir a mudanças de pH quando quantidades de ácido ou base são adicionadas em


sistemas aquosos. Tal sistema consiste em um ácido fraco (que doa prótons) e sua base
conjugada (aceptor de prótons).

b) O que significa pH e qual a importância em determinar o pH de uma solução?

O potencial de hidrogênio (pH) é por definição uma grandeza que indica a quantidade
de H+ e OH- presente numa solução e é experimentalmente mensurável. Tem como
expressão:
É de grande valia determinar/conhecer o pH de uma solução para predizer o
comportamento dela frente a outros solutos, acompanhar a velocidade de sua reação, e
em especial na bioquímica já que o pH afeta a estrutura e atividade de macromoléculas
biológicas (a exemplo das enzimas catalíticas) e no estudo das forças de um ácido e sua
base conjugada.

c) O valor do pH da água, medido com os indicadores, está de acordo com o


esperado? Se não está discuta o porquê.

Sim.

d) O que acontece quando você sopra o tubo de ensaio? Discuta as diferenças


observadas entre o tubo que contem apenas água e o tubo que contém a solução
tampão.

Ao soprar dentro do tubo de ensaio adicionamos CO2 na solução. O CO2 presente na


água e dissolvido nesta e reage com a água, de acordo com:

CO2(aq) + H2O(l) ↔ H2CO3(aq)

O ácido carbônico, H2CO3, cede um dos seus prótons a moléculas de água,


aumentando a acidez:

H2CO3(aq) + H2O(l) ↔ HCO3¯(aq) + H3O+(aq)

A dissolução do CO2 contribui assim para aumentar a concentração de H3O+ em


solução, e assim esta se torna superior à concentração de OH¯, o que corresponde a
uma solução ácida.

No tubo que contem apenas água ocorre uma mudança brusca do pH. Era neutra (pH7),
passou drasticamente para 12 e depois de soprada para pH6. No tubo que contém
solução tamponante não há variação do pH, pois a solução cria uma resistência à
variação causada pela adição de ocasionada pelo CO2.

e) Discuta um pouco sobre a importância do sistema tampão bicarbonato presente


no sangue.
O sangue é tamponado pelo sistema tampão do bicarbonato, consistindo em ácido
carbônico (H2CO3) como doador de prótons e bicarbonato (HCO3¯) como aceptor de
prótons:

H2CO3 ↔ HCO3¯ + H+

Esse sistema tampão difere de outros pares ácido-base conjugados, porque o ácido
carbônico (H2CO3) é formado a partir de dióxido de carbono dissolvido (d) e água,
em uma reação reversível:

CO2 + H2O ↔ H2CO3

O dióxido de carbono é um gás sob condições normais, e CO2 dissolvido (d) em uma
solução aquosa está em equilíbrio com o CO2 em fase gasosa:

CO2(g) ↔ CO2(d)
O pH de uma solução tampão de bicarbonato depende da concentração de H2CO3 e
HCO3¯, os componentes doador e receptor de prótons. A concentração de H2CO3 por
sua vez depende da concentração de CO2 na fase gasosa, logo o pH de um tampão de
bicarbonato exposto a uma fase gasosa é determinado pela concentração de HCO3¯ na
fase aquosa e pela concentração de CO2 na fase gasosa.
A solução tampão de bicarbonato é um tampão fisiológico efetivo em pH próximo de
7,4, porque o H2CO3 do sangue está em equilíbrio com uma grande capacidade de
reserva de CO2 (g) no ar contido nos pulmões. Esse sistema de tamponamento envolve
três equilíbrios reversíveis, nesse caso entre o CO2 gasoso nos pulmões e o bicarbonato
(HCO3¯) no sangue.
No pH do plasma sanguíneo (7,4) muito pouco de H2CO3 está presente em comparação
HCO3¯, e a adição de uma pequena quantidade de base (NH3 ou OH–) poderia titular
esse H2CO3, exaurindo a capacidade tamponante.
O papel importante do H2CO3 (pKa5 3,57 a 37oC) no tamponamento do sangue (pH
,7,4) é questionável pois sabe-se que em regra um tampão é mais efetivo na escala de
uma unidade de pH acima e abaixo do valor de pKa. A explicação reside no grande
estoque de CO2(d) no sangue. Seu rápido equilíbrio com H2CO3 resulta na formação
adicional de H2CO3.

5. Referências
NELSON, David L.; COX, Michael M. Lehninger princípios de bioquímica. Omega,
2009.

VOET, Donald; VOET, Judith G.; PRATT, Charlotte W. Fundamentos de Bioquímica-:


A Vida em Nível Molecular. Artmed Editora, 2014.

SMITH, Colleen M.; MARKS, Allan D.; LIEBERMAN, Michael. Bioquímica médica
básica de Marks: uma abordagem clínica. Artmed, 2007.

Você também pode gostar