Você está na página 1de 1366

GUIA DE PESQUISA EM SEGURANÇA

E MEDICINA DO TRABALHO SAIR

NORMAS REGULAMENTADORAS

PRINCIPAIS SIGLAS

PRINCIPAIS TERMOS

MODELOS DE RELATÓRIOS E PLANILHAS

LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
NORMAS REGULAMENTADORAS SAIR

(NR 1) (NR 10) (NR 19) (NR 28)

(NR 2) (NR 11) (NR 20) (NR 29)

(NR 3) (NR 12) (NR 21) (NR 30)

(NR 4) (NR 13) (NR 22) (NR 31)

(NR 5) (NR 14) (NR 23) (NR 32)

(NR 6) (NR 15) (NR 24) (NR 33)

(NR 7) (NR 16) (NR 25) (NR 34)

(NR 8) (NR 17) (NR 26) (NRRS)

(NR 9) (NR 18) (NR 27)

MENU PRINCIPAL
LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR
Índice Cronológico da Legislação Complementar SAIR

Lei 5.889, de 8 de junho de 1973 Portaria 865, de 14 de setembro de 1995 Portaria 140, de 9 de dezembro de 2006
Portaria 3.214, de 8 de junho de 1978 Portaria 14, de 20 de dezembro de 1995 Portaria 485, de 11 de novembro de 2005
Portaria 19, de 26 de julho de 1983 Instrução Normativa 1, de 20 de dezembro de 1995 Portaria 157, de 10 de abril de 2006
Portaria 33, de 27 de outubro de 1983 Portaria 53, de 17 de dezembro de 1997 Portaria 158, de 10 de abril de 2006
Lei 7.369, de 20 de setembro de 1985 Portaria Interministerial 482, de 16 de abril de 1999 Portaria 162, de 12 de maio de 2006
Lei 7.410, de 27 de novembro de 1985 Portaria 210, de 30 de abril de 1999 Portaria 166, de 30 de maio de2006
Decreto 92.530, de 09 de abril de 1986 Portaria 25 de 27 de maio de 1999 Portaria 169, de 14 de julho de 2006
Portaria 3.067, de 12 de abril de1988 Portaria 24, de 27 de maio de 1999 Instrução Normativa 65, de 19 de julho de 2006
Portaria Interministerial 3.195, de 10 de agosto de 1988 Portaria 33, de 26 de dezembro de 2000 Portaria 191, de 04 de dezembro de 2006
Portaria Interministerial 3.257, de 22 de setembro de 1988 Portaria 16, de 10 de maio de 2001 Portaria 07, de 30 de março de 2007
Portaria 3.144, de 02 de maio de 1989 Portaria 20, de 13 de setembro de 2001 Portaria 08, de 30 de março de 2007
Portaria 3.311, de 29 de novembro de 1989 Portaria 34, de 20 de dezembro de 2001 Portaria 09, de 30 de março de 2007
Resolução 359, de 31 de julho de 1991 Decreto 4.552, de 27 de dezembro de 2002 Portaria 12, de 31 de maio de 2007
Portaria 04, de 08 de outubro de 1991 Portaria 34, de 04 de dezembro de 2002 Portaria 11, de 31 de maio de 2007
Portaria 9, de 09 de outubro de 1992 Portaria 48, de 25 de março de 2003 Portaria 13, de 21 de junho de 2007
Lei 8.543, de 23 de dezembro de 1992 Portaria 518, de 4 de abril de 2003 Portaria 14, de 21 de junho de 2007
Portaria 8, de 1º de junho de 1993 Lei 10.674, de 16 de maio de 2003 Portaria 15, de 03 de julho de 2007
Portaria 09, de 1º de julho de 1993 Portaria 56, de 17 de setembro de 2003 Portaria 17, de 01 de agosto de 2007
Portaria 10, de 1º de julho de 1993 Portaria Interministeria 775, de 28 de abril de 2004 Instrução Normativa 70, de 13 de agosto de 2007
Instrução Normativa Intersecretarial 01 de 24 de março de 1994 Portaria 776, de 28 de abril de 2004 Portaria 37, de 16 de Janeiro de 2008
Portaria 26, de 29 de dezembro de 1994 Portaria 108, de 30 de dezembro de 2004 Portaria 36, de 29 de janeiro de 2008
Portaria 25, de 29 de dezembro de 1994 Portaria 598, de 7 de dezembro de 2004 Portaria 43, de 11 de março de 2008
Lei 9.029, de 13 de abril de 1995 Portaria 111, de 16 de dezembro de 2004 Portaria 44, de 09 de abril de 2008
Portaria 01, de 12 de maio de 1995 Portaria 114, de 17 de Janeiro de 2005 Portaria 191, de 15 de abril de 2008
Instrução Normativa 2, de 20 de dezembro de 1995 Portaria 86, de 03 de março de 2005 Portaria 262, de 29 de maio de 2008
Portaria 9, de 21 de maio de 1996 Portaria 484, de 09 de novembro de 2005

MENU PRINCIPAL
NR 1 SAIR

NR 1
Disposições Gerais
(101.000-0)
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Atualizações:
Portaria SSMT n. 06, de 09 de março de 1983 – DOU de 14.03.83
Portaria SSMT n. 03, de 07 de fevereiro de 1988 – DOU de 10.03.88
Portaria SSST n. 13, de 17 de setembro de 1993 – DOU de 21.09.93
Portaria SIT n. 84, de 04 de março de 2009 – DOU de 12.03.09

1.1. As Normas Regulamentadoras – NR, relativas à segurança e medicina do traba-


lho, são de observância obrigatória pelas empresas privadas e públicas e pelos órgãos
públicos da administração direta e indireta, bem como pelos órgãos dos Poderes Le-
gislativo e Judiciário, que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do
Trabalho – CLT. (Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
1.1.1. As disposições contidas nas Normas Regulamentadoras – NR aplicam-se,
no que couber, aos trabalhadores avulsos, às entidades ou empresas que lhes to-
mem o serviço e aos sindicatos representativos das respectivas categorias profissio-
nais. (Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
1.2. A observância das Normas Regulamentadoras – NR não desobriga as empresas
do cumprimento de outras disposições que, com relação à matéria, sejam incluídas
em códigos de obras ou regulamentos sanitários dos estados ou municípios, e outras,
oriundas de convenções e acordos coletivos de trabalho. (Alteração dada pela Portaria
n. 06, de 09.03.83)
1.3. A Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho – SSST é o órgão de âmbito
nacional competente para coordenar, orientar, controlar e supervisionar as atividades
relacionadas com a segurança e medicina do trabalho, inclusive a Campanha Nacio-
nal de Prevenção de Acidentes do Trabalho – CANPAT, o Programa de Alimentação
do Trabalhador – PAT e ainda a fiscalização do cumprimento dos preceitos legais e
regulamentares sobre segurança e medicina do trabalho em todo o território nacional.
(Alteração dada pela Portaria n. 13, de 17.09.93)
1.3.1. Compete, ainda, à Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho – SSST
conhecer, em última instância, dos recursos voluntários ou de ofício, das decisões

4
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 1 SAIR

proferidas pelos Delegados Regionais do Trabalho, em matéria de segurança e


saúde no trabalho. (Alteração dada pela Portaria n. 13, de 17.09.93)
1.4. A Delegacia Regional do Trabalho – DRT, nos limites de sua jurisdição, é o
órgão regional competente para executar as atividades relacionadas com a segurança
e medicina do trabalho, inclusive a Campanha Nacional de Prevenção dos Acidentes
do Trabalho – CANPAT, o Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT e ainda
a fiscalização do cumprimento dos preceitos legais e regulamentares sobre segurança e
medicina do trabalho. (Alteração dada pela Portaria n. 13, de 17.09.93)
1.4.1. Compete, ainda, à Delegacia Regional do Trabalho – DRT ou à Delegacia
do Trabalho Marítimo – DTM, nos limites de sua jurisdição: (Alteração dada pela
Portaria n. 06, de 09.03.83)
a) adotar medidas necessárias à fiel observância dos preceitos legais e regulamenta-
res sobre segurança e medicina do trabalho;
b) impor as penalidades cabíveis por descumprimento dos preceitos legais e regu-
lamentares sobre segurança e medicina do trabalho;
c) embargar obra, interditar estabelecimento, setor de serviço, canteiro de obra,
frente de trabalho, locais de trabalho, máquinas e equipamentos;
d) notificar as empresas, estipulando prazos, para eliminação e/ou neutralização
de insalubridade;
e) atender requisições judiciais para realização de perícias sobre segurança e me-
dicina do trabalho nas localidades onde não houver médico do trabalho ou enge-
nheiro de segurança do trabalho registrado no MTb.
1.5. Podem ser delegadas a outros órgãos federais, estaduais e municipais, mediante
convênio autorizado pelo Ministro do Trabalho, atribuições de fiscalização e/ou orien-
tação às empresas, quanto ao cumprimento dos preceitos legais e regulamentares sobre
segurança e medicina do trabalho. (Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
1.6. Para fins de aplicação das Normas Regulamentadoras – NR, considera-se: (Alte-
ração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
a) empregador, a empresa individual ou coletiva, que, assumindo os riscos da ati-
vidade econômica, admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviços. Equi-
param-se ao empregador os profissionais liberais, as instituições de beneficência,
as associações recreativas ou outras instituições sem fins lucrativos, que admitem
trabalhadores como empregados;
b) empregado, a pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a em-
pregador, sob a dependência deste e mediante salário;
c) empresa, o estabelecimento ou o conjunto de estabelecimentos, canteiros de
obra, frente de trabalho, locais de trabalho e outras, constituindo a organização
de que se utiliza o empregador para atingir seus objetivos;
d) estabelecimento, cada uma das unidades da empresa, funcionando em lugares
diferentes, tais como: fábrica, refinaria, usina, escritório, loja, oficina, depósito,
laboratório;
e) setor de serviço, a menor unidade administrativa ou operacional compreendida
no mesmo estabelecimento;

5
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 1 SAIR

f ) canteiro de obra, a área do trabalho fixa e temporária, onde se desenvolvem


operações de apoio e execução à construção, demolição ou reparo de uma obra;
g) frente de trabalho, a área de trabalho móvel e temporária, onde se desenvolvem
operações de apoio e execução à construção, demolição ou reparo de uma obra;
h) local de trabalho, a área onde são executados os trabalhos.
1.6.1. Sempre que uma ou mais empresas, tendo, embora, cada uma delas, per-
sonalidade jurídica própria, estiverem sob direção, controle ou administração de
outra, constituindo grupo industrial, comercial ou de qualquer outra atividade
econômica, serão, para efeito de aplicação das Normas Regulamentadoras – NR,
solidariamente responsáveis a empresa principal e cada uma das subordinadas.
(Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
1.6.2. Para efeito de aplicação das Normas Regulamentadoras – NR, a obra de
engenharia, compreendendo ou não canteiro de obra ou frentes de trabalho, será
considerada como um estabelecimento, a menos que se disponha, de forma dife-
rente, em NR específica. (Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
1.7. Cabe ao empregador: (Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
a) cumprir e fazer cumprir as disposições legais e regulamentares sobre segurança
e medicina do trabalho; (101.001-8/I1)
b) elaborar ordens de serviço sobre segurança e saúde no trabalho, dando ciência
aos empregados por comunicados, cartazes ou meios eletrônicos. (Alteração dada
pela Portaria n. 84, de 04.03.09)
c) informar aos trabalhadores: (Alteração dada pela Portaria n. 03, de 07.02.88)
I – os riscos profissionais que possam originar-se nos locais de trabalho; (101.005-
0/I3)
II – os meios para prevenir e limitar tais riscos e as medidas adotadas pela empresa;
(101.006-9/I3)
III – os resultados dos exames médicos e de exames complementares de diagnósti-
co aos quais os próprios trabalhadores forem submetidos; (101.007-7/I3)
IV – os resultados das avaliações ambientais realizadas nos locais de trabalho.
(101.008-5/I3)
d) permitir que representantes dos trabalhadores acompanhem a fiscalização
dos preceitos legais e regulamentares sobre segurança e medicina do trabalho.
(101.009-3/I3) (Alteração dada pela Portaria n. 03, de 07.02.88)
e) determinar procedimentos que devem ser adotados em caso de acidente ou
doença relacionada ao trabalho. (Inserção dada pela Portaria n. 84, de 04.03.09)
1.8. Cabe ao empregado: (Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
a) cumprir as disposições legais e regulamentares sobre segurança e saúde do tra-
balho, inclusive as ordens de serviço expedidas pelo empregador; (Alteração dada
pela Portaria n. 84, de 04.03.09)
b) usar o EPI fornecido pelo empregador;
c) submeter-se aos exames médicos previstos nas Normas Regulamentadoras –
NR;
d) colaborar com a empresa na aplicação das Normas Regulamentadoras – NR;

6
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 1 SAIR

1.8.1. Constitui ato faltoso a recusa injustificada do empregado ao cumprimento


do disposto no item anterior. (Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
1.9. O não cumprimento das disposições legais e regulamentares sobre segurança e
medicina do trabalho acarretará ao empregador a aplicação das penalidades previstas
na legislação pertinente. (Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
1.10. As dúvidas suscitadas e os casos omissos verificados na execução das Normas
Regulamentadoras – NR serão decididos pela Secretaria de Segurança e Medicina do
Trabalho – SSMT. (Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)

7
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 2 SAIR

NR 2
Inspeção Prévia
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Atualizações:
Portaria SSMT n. 06, de 09 de março de 1983 – DOU de 14.03.83
Portaria SSMT n. 35, de 28 de dezembro de 1983 – DOU de 29.12.83

2.1. Todo estabelecimento novo, antes de iniciar suas atividades, deverá solicitar apro-
vação de suas instalações ao órgão regional do MTb. (Alteração dada pela Portaria n.
35, de 28.12.83)
2.2. O órgão regional do MTb, após realizar a inspeção prévia, emitirá o Certificado
de Aprovação de Instalações – CAI, conforme modelo anexo. (Alteração dada pela
Portaria n. 35, de 28.12.83)
2.3. A empresa poderá encaminhar ao órgão regional do MTb uma declaração das ins-
talações do estabelecimento novo, conforme modelo anexo, que poderá ser aceita pelo
referido órgão, para fins de fiscalização, quando não for possível realizar a inspeção
prévia antes de o estabelecimento iniciar suas atividades. (Alteração dada pela Portaria
n. 35, de 28.12.83)
2.4. A empresa deverá comunicar e solicitar a aprovação do órgão regional do MTb,
quando ocorrer modificações substanciais nas instalações e/ou nos equipamentos de
seu(s) estabelecimento(s). (Alteração dada pela Portaria n. 35, de 28.12.83)
2.5. É facultado às empresas submeter à apreciação prévia do órgão regional do MTb
os projetos de construção e respectivas instalações. (Alteração dada pela Portaria n. 35,
de 28.12.83)
2.6. A inspeção prévia e a declaração de instalações, referidas nos itens 2.1 e 2.3,
constituem os elementos capazes de assegurar que o novo estabelecimento inicie suas
atividades livre de riscos de acidentes e/ou de doenças do trabalho, razão pela qual o
estabelecimento que não atender ao disposto naqueles itens fica sujeito ao impedi-
mento de seu funcionamento, conforme estabelece o art. 160 da CLT, até que seja
cumprida a exigência deste artigo. (Alteração dada pela Portaria n. 35, de 28.12.83)

8
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 2 SAIR

MINISTÉRIO DO TRABALHO
SECRETARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

DELEGACIA _____________________________
DRT ou DTM

CERTIFICADO DE APROVAÇÃO DE INSTALAÇÕES


CAI n.o

O DELEGADO REGIONAL DO TRABALHO OU DELEGADO DO TRABA-


LHO MARÍTIMO, diante do que consta no processo DRT em que é
interessada a firma resolve expedir o presente
Certificado de Aprovação de Instalações – CAI para o local de trabalho, sito na
n.o , na cida­de de
neste Estado. Nesse local serão exercidas atividades
por um máximo de
empregados. A expedição do presente Certificado é feita em obediência ao
art. 160 da CLT com a redação dada pela Lei n.o 6.514, de 22.12.77, devidamente re-
gulamentada pela NR 02 da Portaria n.o 35, de 28 de dezembro de 1983, e não isenta
a firma de posteriores inspeções, a fim de ser observada a manutenção das condições
de segurança e medicina do trabalho previstas na NR.

Nova inspeção deverá ser requerida, nos termos do § 1o do citado art. 160 da CLT,
quando ocorrer modificação substancial nas instalações e/ou nos equipamentos de
seu(s) estabelecimento(s).

Delegado Regional do Trabalho ou Diretor da Divisão ou Chefe da Seção de


do Trabalho Marítimo Segurança e Medicina do Trabalho

9
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 2 SAIR

DECLARAÇÃO DE INSTALAÇÕES (MODELO)


(NR 2)

1. Razão Social: CEP: Fone:


CGC:
Endereço:
Atividade principal:
No de empregados (previstos): – Masculino: Maiores:
Menores:
– Feminino: Maiores:
Menores:

2. Descrição das Instalações e dos Equipamentos (deverá ser feita obedecen-


do ao disposto nas NR 8, 11, 12, 13, 14, 15 (anexos), 17, 19, 20, 23, 24,
25 e 26) (use o verso e anexe outras folhas, se necessário).

3. Data: ____/____/_____

(Nome legível e assinatura do empregador ou preposto)

10
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 2 SAIR

Instrução Normativa n. 001, de 17 de maio de 1983

O Secretário de Segurança e Medicina do Trabalho, tendo em vista a Lei n.o 6.514,


de 22.12.77, que alterou o Capítulo V, da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT,
no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 2o da Portaria Ministerial n.o
3.214, de 08.06.78, e, ainda, considerando:
a) que a inspeção prévia de instalações para expedição do Certificado de Apro-
vação de Instalações – CAI, cuja vigência alcança mais de 37 (trinta e sete) anos
constitui um ato de realização cada vez mais difícil;
b) que a multiplicação de estabelecimentos, bem como a expansão geográfica dos
diferentes setores de atividade, acompanhando a própria urbanização acelerada,
impede uma adequada disponibilidade de recursos humanos e materiais capazes
de manter atualizada e plena aquela inspeção prévia;
c) que, por tais razões, o novo texto da NR 2 institui a Declaração de Instalações
da empresa;
d) que tal declaração, além de coadunar-se com o espírito do Programa Nacional
de Desburocratização, corrige a impraticabilidade atual,
RESOLVE:
Baixar a presente Instrução Normativa – IN com a finalidade de disciplinar o meca-
nismo de funcionamento da Declaração de Instalações da empresa, que passará a ser
o seguinte:
1. A empresa fornece a declaração à DRT, contra-recibo.
2. A empresa retém uma cópia juntamente com o croquis das instalações, de modo
a tê-los disponíveis para demonstração ao Agente da Inspeção do MTb, quando este
exigir.
3. A DRT armazenará as declarações em arquivo específico, com registro simples, sem
processo.
3.1. A DRT utilizará o arquivamento tradicional das declarações ou a microfilma-
gem, se dispuser de tal recurso.
4. Em períodos dependentes da própria capacidade fiscalizadora da DRT, esta deverá
separar, aleatoriamente e/ou por indícios a seu alcance, algumas declarações para com-
provação através de visitas fiscalizadoras.
5. O modelo, anexo a esta IN, deverá ser adotado pelas empresas como forma e orien-
tação para preenchimento da declaração de instalações.
6. As dúvidas na aplicação da presente IN e os casos omissos serão dirimidos pela
SSMT.
7. Esta Instrução Normativa entrará em vigor na data de sua publicação.

DAVID BOIANOVSKY

11
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 2 SAIR

DECLARAÇÃO DE INSTALAÇÕES (MODELO)


(NR 2)

1. Razão social: CEP: Fone:


CGC:
Endereço:
Natureza da atividade:
N.o de empregados (existentes ou previstos): ____
- Masculino: Maiores:
Menores:
- Feminino: Maiores:
Menores:

2. Descrição das Instalações e dos Equipamentos (deverá ser feita obedecen-


do ao disposto nas NR 8, 10, 11, 12, 13, 14, 15 (anexos), 17, 19, 20, 23,
24, 25 e 26).

3. Data: ____/____/_____

(Nome legível e assinatura do representante da empresa)



Nome legível e assinatura do Engenheiro de Segurança e
Registro na SSMT/MTb.

12
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 3 SAIR

NR 3
Embargo ou Interdição
(103.000-0)
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Atualizações:
Portaria SSMT n. 06, de 09 de março de 1983 – DOU de 14.03.83

3.1. O Delegado Regional do Trabalho ou Delegado do Trabalho Marítimo, con-


forme o caso, à vista de laudo técnico do serviço competente que demonstre grave e
iminente risco para o trabalhador, poderá interditar estabelecimento, setor de serviço,
máquina ou equipamento, ou embargar obra, indicando na decisão tomada, com a
brevidade que a ocorrência exigir, as providências que deverão ser adotadas para pre-
venção de acidentes do trabalho e doenças profissionais. (Alteração dada pela Portaria
n. 06, de 09.03.83)
3.1.1. Considera-se grave e iminente risco toda condição ambiental de trabalho
que possa causar acidente do trabalho ou doença profissional com lesão grave à
integridade física do trabalhador. (Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
3.2. A interdição importará na paralisação total ou parcial do estabelecimento, setor
de serviço, máquina ou equipamento. (103.001-9/I4) (Alteração dada pela Portaria n.
06, de 09.03.83)
3.3. O embargo importará na paralisação total ou parcial da obra. (103.002-7/I4)
(Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
3.3.1. Considera-se obra todo e qualquer serviço de engenharia de construção,
montagem, instalação, manutenção e reforma. (Alteração dada pela Portaria n. 06,
de 09.03.83)
3.4. A interdição ou o embargo poderá ser requerido pelo Setor de Segurança e Me-
dicina do Trabalho da Delegacia Regional do Trabalho – DRT ou da Delegacia do
Trabalho Marítimo – DTM, pelo agente da inspeção do trabalho ou por entidade
sindical. (Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)

13
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 3 SAIR

3.5. O Delegado Regional do Trabalho ou o Delegado do Trabalho Marítimo dará


ciência imediata da interdição ou do embargo à empresa, para o seu cumprimento.
(Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
3.6. As autoridades federais, estaduais ou municipais darão imediato apoio às medidas
determinadas pelo Delegado Regional do Trabalho ou Delegado do Trabalho Maríti-
mo. (Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
3.7. Da decisão do Delegado Regional do Trabalho ou Delegado do Trabalho Ma-
rítimo, poderão os interessados recorrer, no prazo de 10 (dez) dias, à Secretaria de
Segurança e Medicina do Trabalho – SSMT, à qual é facultado dar efeito suspensivo.
(Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
3.8. Responderá por desobediência, além das medidas penais cabíveis, quem, após
determinada a interdição ou o embargo, ordenar ou permitir o funcionamento do
estabelecimento ou de um dos seus setores, a utilização de máquinas ou equipamento,
ou o prosseguimento da obra, se em consequência resultarem danos a terceiros. (Alte-
ração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)
3.9. O Delegado Regional do Trabalho ou Delegado do Trabalho Marítimo, inde-
pendentemente de recurso, e após laudo técnico do setor competente em segurança e
medicina do trabalho, poderá levantar a interdição ou o embargo. (Alteração dada pela
Portaria n. 06, de 09.03.83)
3.10. Durante a paralisação do serviço, em decorrência da interdição ou do embar-
go, os empregados receberão os salários como se estivessem em efetivo exercício.
(103.004-3/I2) (Alteração dada pela Portaria n. 06, de 09.03.83)

14
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

NR 4
Serviços Especializados em Engenharia
de Segurança e em Medicina do Trabalho
(104.000-6)
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Alterações/Atualizações:
Portaria SSMT n. 33, de 27de outubro de 1983 – DOU de 31.10.83
Portaria SSMT n. 34, de 20 de dezembro de 1983 – DOU de 29.12.83
Portaria SSMT n. 34, de 11 de dezembro de 1987 – DOU de 16.12.87
Portaria DSST n. 11, de 17 de setembro de 1990 – DOU de 20.09.90
Portaria DSST n. 04, de 08 de outubro de 1991 – DOU de 10.10.91
Portaria SNT n. 04, de 06 de fevereiro de 1992 – DOU de 21.02.92
Portaria SSST n. 08, de 01 de junho de 1993 – DOU de 03.06.93
Portaria SSST n. 01, de 12 de maio de 1995 – DOU de 25.05.95
Portaria SIT n. 17, de 01 de agosto de 2007 – DOU de 02.08.07
Portaria SIT n. 76, de 21 de novembro de 2008 – DOU de 25.11.08
Portaria SIT n. 128, de 11 de dezembro de 2009 – DOU de 14.12.09

4.1. As empresas privadas e públicas, os órgãos públicos da administração direta e indire-


ta e dos poderes Legislativo e Judiciário, que possuam empregados regidos pela Consoli-
dação das Leis do Trabalho – CLT, manterão, obrigatoriamente, Serviços Especializados
em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, com a finalidade­de promover
a saúde e proteger a integridade do trabalhador no local de trabalho. (104.027-8/I4)
4.2. O dimensionamento dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em
Medicina do Trabalho vincula-se à gradação do risco da atividade principal e ao número
total de empregados do estabelecimento, constantes dos Quadros I e II, anexos, observa-
das as exceções previstas nesta NR. (104.028-6/I3)
4.2.1. Para fins de dimensionamento, os canteiros de obras e as frentes de traba-
lho com menos de 1 (um) mil empregados e situados no mesmo estado, território
ou Distrito Federal não serão considerados como estabelecimentos, mas como inte-
grantes da empresa de engenharia principal responsável, a quem caberá organizar os
Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho.
4.2.1.1. Neste caso, os engenheiros de segurança do trabalho, os médicos do trabalho
e os enfermeiros do trabalho poderão ficar centralizados.
4.2.1.2. Para os técnicos de segurança do trabalho e auxiliares de enfermagem do

15
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

trabalho, o dimensionamento será feito por canteiro de obra ou frente de trabalho,


conforme o Quadro II, anexo.
4.2.2. As empresas que possuam mais de 50 (cinquenta) por cento de seus emprega-
dos em estabelecimentos ou setor com atividade cuja gradação de risco seja de grau
superior ao da atividade principal deverão dimensionar os Serviços Especializados
em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, em função do maior grau
de risco, obedecido o disposto no Quadro II desta NR.
4.2.3. A empresa poderá constituir Serviço Especializado em Engenharia de Segu-
rança e em Medicina do Trabalho centralizado para atender a um conjunto de esta-
belecimentos pertencentes a ela, desde que a distância a ser percorrida entre aquele
em que se situa o serviço e cada um dos demais não ultrapasse a 5 (cinco) mil metros,
dimensionando-o em função do total de empregados e do risco, de acordo com o
Quadro II, anexo, e o subitem 4.2.2.
4.2.4. Havendo, na empresa, estabelecimento(s) que se enquadre(m) no Quadro II,
desta NR, e outro(s) que não se enquadre(m), a assistência a este(s) será feita pelos
serviços especializados daquele(s), dimensionados conforme os subitens 4.2.5.1 e
4.2.5.2 e desde que localizados no mesmo estado, território ou Distrito Federal.
(104.029-4/I3)
4.2.5. Havendo, na mesma empresa, apenas estabelecimentos que, isoladamente, não
se enquadrem no Quadro II, anexo, o cumprimento desta NR será feito através de
Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho cen-
tralizados em cada estado, território ou Distrito Federal, desde que o total de empre-
gados dos estabelecimentos no estado, território ou Distrito Federal alcance os limites
previstos no Quadro II, anexo, aplicado o disposto no subitem 4.2.2. (104.007-3/I1)
4.2.5.1. Para as empresas enquadradas no grau de risco 1 o dimensionamento dos
serviços referidos no subitem 4.2.5 obedecerá ao Quadro II, anexo, considerando-se
como número de empregados o somatório dos empregados existentes no estabeleci-
mento que possua o maior número e a média aritmética do número de empregados
dos demais estabelecimentos, devendo todos os profissionais integrantes dos Serviços
Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, assim cons-
tituídos, cumprirem tempo integral.
4.2.5.2. Para as empresas enquadradas nos graus de risco 2, 3 e 4, o dimensiona-
mento dos serviços referidos no subitem 4.2.5 obedecerá o Quadro II, anexo, consi-
derando-se como número de empregados o somatório dos empregados de todos os
estabelecimentos.
4.3. As empresas enquadradas no grau de risco 1 obrigadas a constituir Serviços Es-
pecializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho e que possuam
outros serviços de medicina e engenharia poderão integrar estes serviços com os Serviços
Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho constituindo
um serviço único de engenharia e medicina.
4.3.1. As empresas que optarem pelo serviço único de engenharia e medicina ficam
obrigadas a elaborar e submeter à aprovação da Secretaria de Segurança e Medicina
do Trabalho, até o dia 30 de março, um programa bienal de segurança e medicina do
trabalho a ser desenvolvido.
4.3.1.1. As empresas novas que se instalarem após o dia 30 de março de cada exercí-

16
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

cio poderão constituir o serviço único de que trata o subitem 4.3.1 e elaborar o pro-
grama respectivo a ser submetido à Secretaria de Segurança e Medicina do Trabalho,
no prazo de 90 (noventa) dias a contar de sua instalação.
4.3.1.2. As empresas novas, integrantes de grupos empresariais que já possuam ser-
viço único, poderão ser assistidas pelo referido serviço, após comunicação à DRT.
4.3.2. À Secretaria de Segurança e Medicina do Trabalho fica reservado o direito de
controlar a execução do programa e aferir a sua eficácia.
4.3.3. O serviço único de engenharia e medicina deverá possuir os profissionais es-
pecializados previstos no Quadro II, anexo, sendo permitido aos demais engenheiros
e médicos exercerem Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho, desde que
habilitados e registrados conforme estabelece a NR 27. (104.030-8/I3)
4.3.4. O dimensionamento do serviço único de engenharia e medicina deverá obede-
cer ao disposto no Quadro II desta NR, no tocante aos profissionais especializados.
(104.031-6/I3)
4.4. Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho
deverão ser integrados por médico do trabalho, engenheiro de segurança do trabalho,
técnico de segurança do trabalho, enfermeiro do trabalho e auxiliar de enfermagem do
trabalho, obedecido o Quadro II, anexo. (104.032-4/I3)
4.4.1. Para fins desta NR, as empresas obrigadas a constituir Serviços Especializados
em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho deverão exigir dos profis-
sionais que os integram comprovação de que satisfazem os seguintes requisitos:
a) engenheiro de segurança do trabalho – engenheiro ou arquiteto portador de cer-
tificado de conclusão de curso de especialização em Engenharia de Segurança do
Trabalho, em nível de pós-graduação;
b) médico do trabalho – médico portador de certificado de conclusão de curso de
especialização em Medicina do Trabalho, em nível de pós-graduação, ou portador de
certificado de residência médica em área de concentração em saúde do trabalhador
ou denominação equivalente, reconhecida pela Comissão Nacional de Residência
Médica, do Ministério da Educação, ambos ministrados por universidade ou facul-
dade que mantenha curso de graduação em Medicina;
c) enfermeiro do trabalho – enfermeiro portador de certificado de conclusão de curso
de especialização em Enfermagem do Trabalho, em nível de pós-graduação, ministrado
por universidade ou faculdade que mantenha curso de graduação em enfermagem;
d) auxiliar de enfermagem do trabalho – auxiliar de enfermagem ou técnico de en-
fermagem portador de certificado de conclusão de curso de qualificação de auxiliar
de enfermagem do trabalho, ministrado por instituição especializada reconhecida e
autorizada pelo Ministério da Educação;
e) técnico de segurança do trabalho: técnico portador de comprovação de registro
profissional expedido pelo Ministério do Trabalho.
4.4.1.1. Em relação às Categorias mencionadas nas alíneas “a” e “c”, observar-se-á o
disposto na Lei n. 7.410, de 27 de novembro de 1985.
4.4.2. Os profissionais integrantes dos Serviços Especializados em Engenharia de
Segurança e em Medicina do Trabalho deverão ser empregados da empresa, salvo os
casos previstos nos itens 4.14 e 4.15. (104.033-2/I3)
4.5. A empresa que contratar outra(s) para prestar serviços em estabelecimentos enqua-

17
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

drados no Quadro II, anexo, deverá estender a assistência de seus Serviços Especiali-
zados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho aos empregados da(s)
contratada(s), sempre que o número de empregados desta(s), exercendo atividade naque-
les estabelecimentos, não alcançar os limites previstos no Quadro II, devendo, ainda, a
contratada cumprir o disposto no subitem 4.2.5. (104.034-0/I2)
4.5.1. Quando a empresa contratante e as outras por ela contratadas não se enqua-
drarem no Quadro II, anexo, mas que pelo número total de empregados de ambos,
no estabelecimento, atingirem os limites dispostos no referido quadro, deverá ser
constituído um serviço especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do
Trabalho comum, nos moldes do item 4.14. (104.035-9/I4)
4.5.2. Quando a empresa contratada não se enquadrar no Quadro II, anexo, mesmo
considerando-se o total de empregados nos estabelecimentos, a contratante deve es-
tender aos empregados da contratada a assistência de seus Serviços Especializados em
Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, sejam estes centralizados ou
por estabelecimento. (104.036-7/I2)
4.5.3. A empresa que contratar outras para prestar serviços em seu estabelecimento
pode constituir SESMT comum para assistência aos empregados das contratadas, sob
gestão própria, desde que previsto em Convenção ou Acordo Coletivo de Trabalho.
4.5.3.1. O dimensionamento do SESMT organizado na forma prevista no subitem
4.5.3 deve considerar o somatório dos trabalhadores assistidos e a atividade econô-
mica do estabelecimento da contratante.
4.5.3.2. No caso previsto no item 4.5.3, o número de empregados da empresa con-
tratada no estabelecimento da contratante, assistidos pelo SESMT comum, não in-
tegra a base de cálculo para dimensionamento do SESMT da empresa contratada.
4.5.3.3 O SESMT organizado conforme o subitem 4.5.3 deve ter seu funcionamen-
to avaliado semestralmente, por Comissão composta de representantes da empresa
contratante, do sindicato de trabalhadores e da Delegacia Regional do Trabalho, ou
na forma e periodicidade previstas na Convenção ou Acordo Coletivo de Trabalho.
4.6. Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho
das empresas que operem em regime sazonal deverão ser dimensionados, tomando-se
por base a média aritmética do número de trabalhadores do ano civil anterior e obedeci-
dos os Quadros I e II anexos.
4.7. Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho
deverão ser chefiados por profissional qualificado, segundo os requisitos especificados no
subitem 4.4.1 desta NR. (104.018-9/I1)
4.8. O técnico de segurança do trabalho e o auxiliar de enfermagem do trabalho de-
verão dedicar 8 (oito) horas por dia para as atividades dos Serviços Especializados em
Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, de acordo com o estabelecido no
Quadro II, anexo. (104.037-5/I2)
4.9. O engenheiro de segurança do trabalho, o médico do trabalho e o enfermeiro do
trabalho deverão dedicar, no mínimo, 3 (três) horas (tempo parcial) ou 6 (seis) horas
(tempo integral) por dia para as atividades dos Serviços Especializados em Engenharia
de Segurança e em Medicina do Trabalho, de acordo com o estabelecido no Quadro II,
anexo, respeitada a legislação pertinente em vigor. (104.038-3/I2)
4.10. Ao profissional especializado em Segurança e em Medicina do Trabalho é vedado o

18
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

exercício de outras atividades na empresa, durante o horário de sua atuação nos Serviços
Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. (104.039-1/I3)
4.11. Ficará por conta exclusiva do empregador todo o ônus decorrente da instalação e
manutenção dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do
Trabalho. (104.040-5/I1)
4.12. Compete aos profissionais integrantes dos Serviços Especializados em Engenharia
de Segurança e em Medicina do Trabalho: (104.026-0/I2)
a) aplicar os conhecimentos de engenharia de segurança e de medicina do trabalho ao
ambiente de trabalho e a todos os seus componentes, inclusive máquinas e equipa-
mentos, de modo a reduzir até eliminar os riscos ali existentes à saúde do trabalhador;
b) determinar, quando esgotados todos os meios conhecidos para a eliminação do
risco e este persistir, mesmo reduzido, a utilização, pelo trabalhador, de Equipamen-
tos de Proteção Individual – EPI, de acordo com o que determina a NR 6, desde que
a concentração, a intensidade ou característica do agente assim o exija;
c) colaborar, quando solicitado, nos projetos e na implantação de novas instalações
físicas e tecnológicas da empresa, exercendo a competência disposta na alínea “a”;
d) responsabilizar-se tecnicamente pela orientação quanto ao cumprimento do dispos-
to nas NR aplicáveis às atividades executadas pela empresa e/ou seus estabelecimentos;
e) manter permanente relacionamento com a CIPA, valendo-se ao máximo de suas
observações, além de apoiá-la, treiná-la e atendê-la, conforme dispõe a NR 5;
f ) promover a realização de atividades de conscientização, educação e orientação dos
trabalhadores para a prevenção de acidentes do trabalho e doenças ocupacionais,
tanto através de campanhas quanto de programas de duração permanente;
g) esclarecer e conscientizar os empregadores sobre acidentes do trabalho e doenças
ocupacionais, estimulando-os em favor da prevenção;
h) analisar e registrar em documento(s) específico(s) todos os acidentes ocorridos
na empresa ou estabelecimento, com ou sem vítima, e todos os casos de doen­
ça ocupacional, descrevendo a história e as características do acidente e/ou da
doença ocupacional, os fatores ambientais, as características do agente e as condições
do(s) indivíduo(s) portador(es) de doença ocupacional ou acidentado(s);
i) registrar mensalmente os dados atualizados de acidentes do trabalho, doenças ocu-
pacionais e agentes de insalubridade, preenchendo, no mínimo, os quesitos descritos
nos modelos de mapas constantes nos Quadros III, IV, V e VI, devendo a empresa
encaminhar um mapa contendo avaliação anual dos mesmos dados à Secretaria de
Segurança e Medicina do Trabalho até o dia 31 de janeiro, através do órgão regional
do MTb;
j) manter os registros de que tratam as alíneas “h” e “i” na sede dos Serviços Espe-
cializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho ou facilmen-
te alcançáveis a partir da mesma, sendo de livre escolha da empresa o método de
arquivamento e recuperação, desde que sejam asseguradas condições de acesso aos
registros e entendimento de seu conteúdo, devendo ser guardados somente os mapas
anuais dos dados correspondentes às alíneas “h” e “i” por um período não inferior a
5 (cinco) anos;
l) as atividades dos profissionais integrantes dos Serviços Especializados em Enge-
nharia de Segurança e em Medicina do Trabalho são essencialmente prevencionistas,

19
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

embora não seja vedado o atendimento de emergência, quando se tornar necessário.


Entretanto, a elaboração de planos de controle de efeitos de catástrofes, de disponi-
bilidade de meios que visem ao combate a incêndios e ao salvamento e de imediata
atenção à vítima deste ou de qualquer outro tipo de acidente estão incluídos em suas
atividades.
4.13. Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Traba-
lho deverão manter entrosamento permanente com a CIPA, dela valendo-se como agen-
te multiplicador, e deverão estudar suas observações e solicitações, propondo soluções
corretivas e preventivas, conforme o disposto no subitem 5.14.1. da NR 5.
4.14. As empresas cujos estabelecimentos não se enquadrem no Quadro II, anexo a esta
NR, poderão dar assistência na área de segurança e medicina do trabalho a seus empre-
gados através de Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina
do Trabalho comuns, organizados pelo sindicato ou associação da categoria econômica
correspondente ou pelas próprias empresas interessadas.
4.14.1. A manutenção desses Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e
em Medicina do Trabalho deverá ser feita pelas empresas usuárias, que participarão
das despesas em proporção ao número de empregados de cada uma.
4.14.2. Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do
Trabalho previstos no item 4.14 deverão ser dimensionados em função do somatório
dos empregados das empresas participantes, obedecendo ao disposto nos Quadros I
e II e no subitem 4.2, desta NR.
4.14.3. As empresas de mesma atividade econômica, localizadas em um mesmo
município, ou em municípios limítrofes, cujos estabelecimentos se enquadrem no
Quadro II, podem constituir SESMT comum, organizado pelo sindicato patronal
correspondente ou pelas próprias empresas interessadas, desde que previsto em Con-
venção ou Acordo Coletivo de Trabalho.
4.14.3.1. O SESMT comum pode ser estendido a empresas cujos estabelecimentos
não se enquadrem no Quadro II, desde que atendidos os demais requisitos do subi-
tem 4.14.3.
4.14.3.2. O dimensionamento do SESMT organizado na forma do subitem 4.14.3
deve considerar o somatório dos trabalhadores assistidos.
4.14.3.3. No caso previsto no item 4.14.3, o número de empregados assistidos pelo
SESMT comum não integra a base de cálculo para dimensionamento do SESMT
das empresas.
4.14.3.4. O SESMT organizado conforme o subitem 4.14.3 deve ter seu funcio-
namento avaliado semestralmente, por Comissão composta de representantes das
empresas, do sindicato de trabalhadores e da Delegacia Regional do Trabalho, ou
na forma e periodicidade previstas na Convenção ou Acordo Coletivo de Trabalho.
4.14.4. As empresas que desenvolvem suas atividades em um mesmo polo industrial
ou comercial podem constituir SESMT comum, organizado pelas próprias empresas
interessadas, desde que previsto nas Convenções ou Acordos Coletivos de Trabalho
das categorias envolvidas.
4.14.4.1. O dimensionamento do SESMT comum organizado na forma do subitem
4.14.4 deve considerar o somatório dos trabalhadores assistidos e a atividade econô-
mica que empregue o maior número entre os trabalhadores assistidos.

20
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

4.14.4.2. No caso previsto no item 4.14.4, o número de empregados assistidos pelo


SESMT comum não integra a base de cálculo para dimensionamento do SESMT
das empresas.
4.14.4.3. O SESMT organizado conforme o subitem 4.14.4 deve ter seu funciona-
mento avaliado semestralmente, por Comissão composta de representantes das em-
presas, dos sindicatos de trabalhadores e da Delegacia Regional do Trabalho, ou na
forma e periodicidade previstas nas Convenções ou Acordos Coletivos de Trabalho.
4.15. As empresas referidas no item 4.14 poderão optar pelos Serviços Especializados em
Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho de instituição oficial ou institui-
ção privada de utilidade pública, cabendo às empresas o custeio das despesas, na forma
prevista no subitem 4.14.1.
4.16. As empresas cujos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Me-
dicina do Trabalho não possuam médico do trabalho e/ou engenheiro de segurança do
trabalho, de acordo com o Quadro II desta NR, poderão se utilizar dos serviços destes
profissionais existentes nos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em
Medicina do Trabalho mencionados no item 4.14 e subitem 4.14.1 ou no item 4.15,
para atendimento do disposto nas NR.
4.16.1. O ônus decorrente dessa utilização caberá à empresa solicitante.
4.17. Os serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho
de que trata esta NR deverão ser registrados no órgão regional do MTb. (104.023-5/I1)
4.17.1. O registro referido no item 4.17 deverá ser requerido ao órgão regional do
MTb e o requerimento deverá conter os seguintes dados:
a) nome dos profissionais integrantes dos Serviços Especializados em Engenharia de
Segurança e em Medicina do Trabalho;
b) número de registro dos profissionais na Secretaria de Segurança e Medicina do
Trabalho do MTb;
c) número de empregados da requerente e grau de risco das atividades, por estabe-
lecimento;
d) especificação dos turnos de trabalho, por estabelecimento;
e) horário de trabalho dos profissionais dos Serviços Especializados em Engenharia
de Segurança e em Medicina do Trabalho.
4.18. Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Traba-
lho, já constituídos, deverão ser redimensionados nos termos desta NR e a empresa terá
90 (noventa) dias de prazo, a partir da publicação desta Norma, para efetuar o redimen-
sionamento e o registro referido no item 4.17.
4.19. A empresa é responsável pelo cumprimento da NR, devendo assegurar, como um
dos meios para concretizar tal responsabilidade, o exercício profissional dos componen-
tes dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho.
O impedimento do referido exercício profissional, mesmo que parcial e o desvirtuamen-
to ou desvio de funções constituem, em conjunto ou separadamente, infrações classifica-
das no grau I4, se devidamente comprovadas, para os fins de aplicação das penalidades
previstas na NR 28. (104.025-1/I4)
4.20. Quando se tratar de empreiteiras ou empresas prestadoras de serviços, considera­-
se estabelecimento, para fins de aplicação desta NR, o local em que os seus empregados
estiverem exercendo suas atividades.

21
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

QUADRO I
(Alterado pela Portaria SIT n. 76, de 21 de novembro de 2008)
Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (Versão 2.0)*, com
correspondente Grau de Risco – GR para fins de dimensionamento do SESMT
Códigos Denominação GR
A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQUICULTURA
01 AGRICULTURA, PECUÁRIA E SERVIÇOS RELACIONADOS
01.1 Produção de lavouras temporárias
01.11-3 Cultivo de cereais 3
01.12-1 Cultivo de algodão herbáceo e de outras fibras de lavoura temporária 3
01.13-0 Cultivo de cana-de-açúcar 3
01.14-8 Cultivo de fumo 3
01.15-6 Cultivo de soja 3
01.16-4 Cultivo de oleaginosas de lavoura temporária, exceto soja 3
01.19-9 Cultivo de plantas de lavoura temporária não especificadas anteriormente 3
01.2 Horticultura e floricultura
01.21-1 Horticultura 3
01.22-9 Cultivo de flores e plantas ornamentais 3
01.3 Produção de lavouras permanentes
01.31-8 Cultivo de laranja 3
01.32-6 Cultivo de uva 3
01.33-4 Cultivo de frutas de lavoura permanente, exceto laranja e uva 3
01.34-2 Cultivo de café 3
01.35-1 Cultivo de cacau 3
01.39-3 Cultivo de plantas de lavoura permanente não especificadas anteriormente 3
01.4 Produção de sementes e mudas certificadas
01.41-5 Produção de sementes certificadas 3
01.42-3 Produção de mudas e outras formas de propagação vegetal, certificadas 3
01.5 Pecuária
01.51-2 Criação de bovinos 3
01.52-1 Criação de outros animais de grande porte 3
01.53-9 Criação de caprinos e ovinos 3
01.54-7 Criação de suínos 3
01.55-5 Criação de aves 3
01.59-8 Criação de animais não especificados anteriormente 3
01.6 Atividades de apoio à agricultura e à pecuária; atividades de pós-colheita
01.61-0 Atividades de apoio à agricultura 3
01.62-8 Atividades de apoio à pecuária 3
01.63-6 Atividades de pós-colheita 3
01.7 Caça e serviços relacionados
01.70-9 Caça e serviços relacionados 3
02 PRODUÇÃO FLORESTAL
02.1 Produção florestal – florestas plantadas
02.10-1 Produção florestal – florestas plantadas 3
02.2 Produção florestal – florestas nativas
02.20-9 Produção florestal – florestas nativas 4
02.3 Atividades de apoio à produção florestal
02.30-6 Atividades de apoio à produção florestal 3
03 PESCA E AQUICULTURA
03.1 Pesca
03.11-6 Pesca em água salgada 3
03.12-4 Pesca em água doce 3
03.2 Aquicultura
03.21-3 Aquicultura em água salgada e salobra 3
03.22-1 Aquicultura em água doce 3
B INDÚSTRIAS EXTRATIVAS
05 EXTRAÇÃO DE CARVÃO MINERAL
05.0 Extração de carvão mineral
05.00-3 Extração de carvão mineral 4
06 EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL
06.0 Extração de petróleo e gás natural
06.00-0 Extração de petróleo e gás natural 4
07 EXTRAÇÃO DE MINERAIS METÁLICOS
07.1 Extração de minério de ferro

22
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
07.10-3 Extração de minério de ferro 4
07.2 Extração de minerais metálicos não ferrosos
07.21-9 Extração de minério de alumínio 4
07.22-7 Extração de minério de estanho 4
07.23-5 Extração de minério de manganês 4
07.24-3 Extração de minério de metais preciosos 4
07.25-1 Extração de minerais radioativos 4
07.29-4 Extração de minerais metálicos não ferrosos não especificados anteriormente 4
08 EXTRAÇÃO DE MINERAIS NÃO METÁLICOS
08.1 Extração de pedra, areia e argila
08.10-0 Extração de pedra, areia e argila 4
08.9 Extração de outros minerais não metálicos
08.91-6 Extração de minerais para fabricação de adubos, fertilizantes e outros produtos químicos 4
08.92-4 Extração e refino de sal marinho e sal-gema 4
08.93-2 Extração de gemas (pedras preciosas e semipreciosas) 4
08.99-1 Extração de minerais não metálicos não especificados anteriormente 4
09 ATIVIDADES DE APOIO À EXTRAÇÃO DE MINERAIS
09.1 Atividades de apoio à extração de petróleo e gás natural
09.10-6 Atividades de apoio à extração de petróleo e gás natural 4
09.9 Atividades de apoio à extração de minerais, exceto petróleo e gás natural
09.90-4 Atividades de apoio à extração de minerais, exceto petróleo e gás natural 4
C INDÚSTRIAS DE TRANSFORMAÇÃO
10 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS ALIMENTÍCIOS
10.1 Abate e fabricação de produtos de carne
10.11-2 Abate de reses, exceto suínos 3
10.12-1 Abate de suínos, aves e outros pequenos animais 3
10.13-9 Fabricação de produtos de carne 3
10.2 Preservação do pescado e fabricação de produtos do pescado
10.20-1 Preservação do pescado e fabricação de produtos do pescado 3
10.3 Fabricação de conservas de frutas, legumes e outros vegetais
10.31-7 Fabricação de conservas de frutas 3
10.32-5 Fabricação de conservas de legumes e outros vegetais 3
10.33-3 Fabricação de sucos de frutas, hortaliças e legumes 3
10.4 Fabricação de óleos e gorduras vegetais e animais
10.41-4 Fabricação de óleos vegetais em bruto, exceto óleo de milho 3
10.42-2 Fabricação de óleos vegetais refinados, exceto óleo de milho 3
10.43-1 Fabricação de margarina e outras gorduras vegetais e de óleos não comestíveis de 3
animais
10.5 Laticínios
10.51-1 Preparação do leite 3
10.52-0 Fabricação de laticínios 3
10.53-8 Fabricação de sorvetes e outros gelados comestíveis 3
10.6 Moagem, fabricação de produtos amiláceos e de alimentos para animais
10.61-9 Beneficiamento de arroz e fabricação de produtos do arroz 3
10.62-7 Moagem de trigo e fabricação de derivados 3
10.63-5 Fabricação de farinha de mandioca e derivados 3
10.64-3 Fabricação de farinha de milho e derivados, exceto óleos de milho 3
10.65-1 Fabricação de amidos e féculas de vegetais e de óleos de milho 3
10.66-0 Fabricação de alimentos para animais 3
10.69-4 Moagem e fabricação de produtos de origem vegetal não especificados anteriormente 3
10.7 Fabricação e refino de açúcar
10.71-6 Fabricação de açúcar em bruto 3
10.72-4 Fabricação de açúcar refinado 3
10.8 Torrefação e moagem de café
10.81-3 Torrefação e moagem de café 3
10.82-1 Fabricação de produtos à base de café 3
10.9 Fabricação de outros produtos alimentícios
10.91-1 Fabricação de produtos de panificação 3
10.92-9 Fabricação de biscoitos e bolachas 3
10.93-7 Fabricação de produtos derivados do cacau, de chocolates e confeitos 3
10.94-5 Fabricação de massas alimentícias 3
10.95-3 Fabricação de especiarias, molhos, temperos e condimentos 3
10.96-1 Fabricação de alimentos e pratos prontos 3

23
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
10.99-6 Fabricação de produtos alimentícios não especificados anteriormente 3
11 FABRICAÇÃO DE BEBIDAS
11.1 Fabricação de bebidas alcoólicas
11.11-9 Fabricação de aguardentes e outras bebidas destiladas 3
11.12-7 Fabricação de vinho 3
11.13-5 Fabricação de malte, cervejas e chopes 3
11.2 Fabricação de bebidas não alcoólicas
11.21-6 Fabricação de águas envasadas 3
11.22-4 Fabricação de refrigerantes e de outras bebidas não alcoólicas 3
12 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DO FUMO
12.1 Processamento industrial do fumo
12.10-7 Processamento industrial do fumo 3
12.2 Fabricação de produtos do fumo
12.20-4 Fabricação de produtos do fumo 3
13 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS TÊXTEIS
13.1 Preparação e fiação de fibras têxteis
13.11-1 Preparação e fiação de fibras de algodão 3
13.12-0 Preparação e fiação de fibras têxteis naturais, exceto algodão 3
13.13-8 Fiação de fibras artificiais e sintéticas 3
13.14-6 Fabricação de linhas para costurar e bordar 3
13.2 Tecelagem, exceto malha
13.21-9 Tecelagem de fios de algodão 3
13.22-7 Tecelagem de fios de fibras têxteis naturais, exceto algodão 3
13.23-5 Tecelagem de fios de fibras artificiais e sintéticas 3
13.3 Fabricação de tecidos de malha
13.30-8 Fabricação de tecidos de malha 3
13.4 Acabamentos em fios, tecidos e artefatos têxteis
13.40-5 Acabamentos em fios, tecidos e artefatos têxteis 3
13.5 Fabricação de artefatos têxteis, exceto vestuário
13.51-1 Fabricação de artefatos têxteis para uso doméstico 3
13.52-9 Fabricação de artefatos de tapeçaria 3
13.53-7 Fabricação de artefatos de cordoaria 3
13.54-5 Fabricação de tecidos especiais, inclusive artefatos 3
13.59-6 Fabricação de outros produtos têxteis não especificados anteriormente 3
14 CONFECÇÃO DE ARTIGOS DO VESTUÁRIO E ACESSÓRIOS
14.1 Confecção de artigos do vestuário e acessórios
14.11-8 Confecção de roupas íntimas 2
14.12-6 Confecção de peças do vestuário, exceto roupas íntimas 2
14.13-4 Confecção de roupas profissionais 2
14.14-2 Fabricação de acessórios do vestuário, exceto para segurança e proteção 2
14.2 Fabricação de artigos de malharia e tricotagem
14.21-5 Fabricação de meias 2
14.22-3 Fabricação de artigos do vestuário, produzidos em malharias e tricotagens, exceto meias 2
15 PREPARAÇÃO DE COUROS E FABRICAÇÃO DE ARTEFATOS DE COURO, ARTIGOS
PARA VIAGEM E CALÇADOS
15.1 Curtimento e outras preparações de couro
15.10-6 Curtimento e outras preparações de couro 3
15.2 Fabricação de artigos para viagem e de artefatos diversos de couro
15.21-1 Fabricação de artigos para viagem, bolsas e semelhantes de qualquer material 2
15.29-7 Fabricação de artefatos de couro não especificados anteriormente 2
15.3 Fabricação de calçados
15.31-9 Fabricação de calçados de couro 3
15.32-7 Fabricação de tênis de qualquer material 3
15.33-5 Fabricação de calçados de material sintético 3
15.39-4 Fabricação de calçados de materiais não especificados anteriormente 3
15.4 Fabricação de partes para calçados, de qualquer material
15.40-8 Fabricação de partes para calçados, de qualquer material 3
16 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE MADEIRA
16.1 Desdobramento de madeira
16.10-2 Desdobramento de madeira 3
16.2 Fabricação de produtos de madeira, cortiça e material trançado, exceto móveis
16.21-8 Fabricação de madeira laminada e de chapas de madeira compensada, prensada e 3
aglomerada

24
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
16.22-6 Fabricação de estruturas de madeira e de artigos de carpintaria para construção 3
16.23-4 Fabricação de artefatos de tanoaria e de embalagens de madeira 3
16.29-3 Fabricação de artefatos de madeira, palha, cortiça, vime e material trançado não 3
especificados anteriormente, exceto móveis
17 FABRICAÇÃO DE CELULOSE, PAPEL E PRODUTOS DE PAPEL
17.1 Fabricação de celulose e outras pastas para a fabricação de papel
17.10-9 Fabricação de celulose e outras pastas para a fabricação de papel 3
17.2 Fabricação de papel, cartolina e papel-cartão
17.21-4 Fabricação de papel 3
17.22-2 Fabricação de cartolina e papel-cartão 3
17.3 Fabricação de embalagens de papel, cartolina, papel-cartão e papelão ondulado
17.31-1 Fabricação de embalagens de papel 2
17.32-0 Fabricação de embalagens de cartolina e papel-cartão 2
17.33-8 Fabricação de chapas e de embalagens de papelão ondulado 2
17.4 Fabricação de produtos diversos de papel, cartolina, papel-cartão e papelão ondulado
17.41-9 Fabricação de produtos de papel, cartolina, papel-cartão e papelão ondulado para uso 2
comercial e de escritório
17.42-7 Fabricação de produtos de papel para usos doméstico e higiênico-sanitário 2
17.49-4 Fabricação de produtos de pastas celulósicas, papel, cartolina, papel-cartão e papelão 2
ondulado não especificados anteriormente
18 IMPRESSÃO E REPRODUÇÃO DE GRAVAÇÕES
18.1 Atividade de impressão
18.11-3 Impressão de jornais, livros, revistas e outras publicações periódicas 3
18.12-1 Impressão de material de segurança 3
18.13-0 Impressão de materiais para outros usos 3
18.2 Serviços de pré-impressão e acabamentos gráficos
18.21-1 Serviços de pré-impressão 3
18.22-9 Serviços de acabamentos gráficos 3
18.3 Reprodução de materiais gravados em qualquer suporte
18.30-0 Reprodução de materiais gravados em qualquer suporte 3
19 FABRICAÇÃO DE COQUE, DE PRODUTOS DERIVADOS DO PETRÓLEO E DE
BIOCOMBUSTÍVEIS
19.1 Coquerias
19.10-1 Coquerias 3
19.2 Fabricação de produtos derivados do petróleo
19.21-7 Fabricação de produtos do refino de petróleo 3
19.22-5 Fabricação de produtos derivados do petróleo, exceto produtos do refino 3
19.3 Fabricação de biocombustíveis
19.31-4 Fabricação de álcool 3
19.32-2 Fabricação de biocombustíveis, exceto álcool 3
20 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS
20.1 Fabricação de produtos químicos inorgânicos
20.11-8 Fabricação de cloro e álcalis 3
20.12-6 Fabricação de intermediários para fertilizantes 3
20.13-4 Fabricação de adubos e fertilizantes 3
20.14-2 Fabricação de gases industriais 3
20.19-3 Fabricação de produtos químicos inorgânicos não especificados anteriormente 3
20.2 Fabricação de produtos químicos orgânicos
20.21-5 Fabricação de produtos petroquímicos básicos 3
20.22-3 Fabricação de intermediários para plastificantes, resinas e fibras 3
20.29-1 Fabricação de produtos químicos orgânicos não especificados anteriormente 3
20.3 Fabricação de resinas e elastômeros
20.31-2 Fabricação de resinas termoplásticas 3
20.32-1 Fabricação de resinas termofixas 3
20.33-9 Fabricação de elastômeros 3
20.4 Fabricação de fibras artificiais e sintéticas
20.40-1 Fabricação de fibras artificiais e sintéticas 3
20.5 Fabricação de defensivos agrícolas e desinfetantes domissanitários
20.51-7 Fabricação de defensivos agrícolas 3
20.52-5 Fabricação de desinfetantes domissanitários 3
20.6 Fabricação de sabões, detergentes, produtos de limpeza, cosméticos, produtos de
perfumaria e de higiene pessoal
20.61-4 Fabricação de sabões e detergentes sintéticos 3

25
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
20.62-2 Fabricação de produtos de limpeza e polimento 3
20.63-1 Fabricação de cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal 2
20.7 Fabricação de tintas, vernizes, esmaltes, lacas e produtos afins
20.71-1 Fabricação de tintas, vernizes, esmaltes e lacas 3
20.72-0 Fabricação de tintas de impressão 3
20.73-8 Fabricação de impermeabilizantes, solventes e produtos afins 3
20.9 Fabricação de produtos e preparados químicos diversos
20.91-6 Fabricação de adesivos e selantes 3
20.92-4 Fabricação de explosivos 4
20.93-2 Fabricação de aditivos de uso industrial 3
20.94-1 Fabricação de catalisadores 3
20.99-1 Fabricação de produtos químicos não especificados anteriormente 3
21.10-6 Fabricação de produtos farmoquímicos 3
21.2 Fabricação de produtos farmacêuticos
21.21-1 Fabricação de medicamentos para uso humano 3
21.22-0 Fabricação de medicamentos para uso veterinário 3
21.23-8 Fabricação de preparações farmacêuticas 3
22 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE BORRACHA E DE MATERIAL PLÁSTICO
22.1 Fabricação de produtos de borracha
22.11-1 Fabricação de pneumáticos e de câmaras-de-ar 3
22.12-9 Reforma de pneumáticos usados 3
22.19-6 Fabricação de artefatos de borracha não especificados anteriormente 3
22.2 Fabricação de produtos de material plástico
22.21-8 Fabricação de laminados planos e tubulares de material plástico 3
22.22-6 Fabricação de embalagens de material plástico 3
22.23-4 Fabricação de tubos e acessórios de material plástico para uso na construção 3
22.29-3 Fabricação de artefatos de material plástico não especificados anteriormente 3
23 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE MINERAIS NÃO METÁLICOS
23.1 Fabricação de vidro e de produtos do vidro
23.11-7 Fabricação de vidro plano e de segurança 3
23.12-5 Fabricação de embalagens de vidro 3
23.19-2 Fabricação de artigos de vidro 3
23.2 Fabricação de cimento
23.20-6 Fabricação de cimento 4
23.3 Fabricação de artefatos de concreto, cimento, fibrocimento, gesso e materiais
semelhantes
23.30-3 Fabricação de artefatos de concreto, cimento, fibrocimento, gesso e materiais 4
semelhantes
23.4 Fabricação de produtos cerâmicos
23.41-9 Fabricação de produtos cerâmicos refratários 4
23.42-7 Fabricação de produtos cerâmicos não refratários para uso estrutural na construção 3
23.49-4 Fabricação de produtos cerâmicos não refratários não especificados anteriormente 4
23.9 Aparelhamento de pedras e fabricação de outros produtos de minerais não metálicos
23.91-5 Aparelhamento e outros trabalhos em pedras 3
23.92-3 Fabricação de cal e gesso 4
23.99-1 Fabricação de produtos de minerais não metálicos não especificados anteriormente 3
24 METALURGIA
24.1 Produção de ferro-gusa e de ferroligas
24.11-3 Produção de ferro-gusa 4
24.12-1 Produção de ferroligas 4
24.2 Siderurgia
24.21-1 Produção de semi-acabados de aço 4
24.22-9 Produção de laminados planos de aço 4
24.23-7 Produção de laminados longos de aço 4
24.24-5 Produção de relaminados, trefilados e perfilados de aço 4
24.3 Produção de tubos de aço, exceto tubos sem costura
24.31-8 Produção de tubos de aço com costura 4
24.39-3 Produção de outros tubos de ferro e aço 4
24.4 Metalurgia dos metais não ferrosos
24.41-5 Metalurgia do alumínio e suas ligas 4
24.42-3 Metalurgia dos metais preciosos 4
24.43-1 Metalurgia do cobre 4
24.49-1 Metalurgia dos metais não ferrosos e suas ligas não especificados anteriormente 4

26
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
24.5 Fundição
24.51-2 Fundição de ferro e aço 4
24.52-1 Fundição de metais não ferrosos e suas ligas 4
25 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DE METAL, EXCETO MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
25.1 Fabricação de estruturas metálicas e obras de caldeiraria pesada
25.11-0 Fabricação de estruturas metálicas 4
25.12-8 Fabricação de esquadrias de metal 3
25.13-6 Fabricação de obras de caldeiraria pesada 3
25.2 Fabricação de tanques, reservatórios metálicos e caldeiras
25.21-7 Fabricação de tanques, reservatórios metálicos e caldeiras para aquecimento central 3
25.22-5 Fabricação de caldeiras geradoras de vapor, exceto para aquecimento central e para 3
veículos
25.3 Forjaria, estamparia, metalurgia do pó e serviços de tratamento de metais
25.31-4 Produção de forjados de aço e de metais não ferrosos e suas ligas 4
25.32-2 Produção de artefatos estampados de metal; metalurgia do pó 4
25.39-0 Serviços de usinagem, solda, tratamento e revestimento em metais 4
25.4 Fabricação de artigos de cutelaria, de serralheria e ferramentas
25.41-1 Fabricação de artigos de cutelaria 3
25.42-0 Fabricação de artigos de serralheria, exceto esquadrias 3
25.43-8 Fabricação de ferramentas 3
25.5 Fabricação de equipamento bélico pesado, armas de fogo e munições
25.50-1 Fabricação de equipamento bélico pesado, armas de fogo e munições 4
25.9 Fabricação de produtos de metal não especificados anteriormente
25.91-8 Fabricação de embalagens metálicas 3
25.92-6 Fabricação de produtos de trefilados de metal 4
25.93-4 Fabricação de artigos de metal para uso doméstico e pessoal 3
25.99-3 Fabricação de produtos de metal não especificados anteriormente 3
26 FABRICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA, PRODUTOS ELETRÔNICOS E
ÓPTICOS
26.1 Fabricação de componentes eletrônicos
26.10-8 Fabricação de componentes eletrônicos 3
26.2 Fabricação de equipamentos de informática e periféricos
26.21-3 Fabricação de equipamentos de informática 3
26.22-1 Fabricação de periféricos para equipamentos de informática 3
26.3 Fabricação de equipamentos de comunicação
26.31-1 Fabricação de equipamentos transmissores de comunicação 3
26.32-9 Fabricação de aparelhos telefônicos e de outros equipamentos de comunicação 3
26.4 Fabricação de aparelhos de recepção, reprodução, gravação e amplificação de áudio e
vídeo
26.40-0 Fabricação de aparelhos de recepção, reprodução, gravação e amplificação de áudio e 3
vídeo
26.5 Fabricação de aparelhos e instrumentos de medida, teste e controle; cronômetros e
relógios
26.51-5 Fabricação de aparelhos e equipamentos de medida, teste e controle 3
26.52-3 Fabricação de cronômetros e relógios 3
26.6 Fabricação de aparelhos eletromédicos e eletroterapêuticos e equipamentos de
irradiação
26.60-4 Fabricação de aparelhos eletromédicos e eletroterapêuticos e equipamentos de 3
irradiação
26.7 Fabricação de equipamentos e instrumentos ópticos, fotográficos e cinematográficos
26.70-1 Fabricação de equipamentos e instrumentos ópticos, fotográficos e cinematográficos 3
26.8 Fabricação de mídias virgens, magnéticas e ópticas
26.80-9 Fabricação de mídias virgens, magnéticas e ópticas 3
27 FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS, APARELHOS E MATERIAIS ELÉTRICOS
27.1 Fabricação de geradores, transformadores e motores elétricos
27.10-4 Fabricação de geradores, transformadores e motores elétricos 3
27.2 Fabricação de pilhas, baterias e acumuladores elétricos
27.21-0 Fabricação de pilhas, baterias e acumuladores elétricos, exceto para veículos 3
automotores
27.22-8 Fabricação de baterias e acumuladores para veículos automotores 3
27.3 Fabricação de equipamentos para distribuição e controle de energia elétrica
27.31-7 Fabricação de aparelhos e equipamentos para distribuição e controle de energia elétrica 3
27.32-5 Fabricação de material elétrico para instalações em circuito de consumo 3

27
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
27.33-3 Fabricação de fios, cabos e condutores elétricos isolados 3
27.4 Fabricação de lâmpadas e outros equipamentos de iluminação
27.40-6 Fabricação de lâmpadas e outros equipamentos de iluminação 3
27.5 Fabricação de eletrodomésticos
27.51-1 Fabricação de fogões, refrigeradores e máquinas de lavar e secar para uso doméstico 3
27.59-7 Fabricação de aparelhos eletrodomésticos não especificados anteriormente 3
27.9 Fabricação de equipamentos e aparelhos elétricos não especificados anteriormente
27.90-2 Fabricação de equipamentos e aparelhos elétricos não especificados anteriormente 3
28 FABRICAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
28.1 Fabricação de motores, bombas, compressores e equipamentos de transmissão
28.11-9 Fabricação de motores e turbinas, exceto para aviões e veículos rodoviários 3
28.12-7 Fabricação de equipamentos hidráulicos e pneumáticos, exceto válvulas 3
28.13-5 Fabricação de válvulas, registros e dispositivos semelhantes 3
28.14-3 Fabricação de compressores 3
28.15-1 Fabricação de equipamentos de transmissão para fins industriais 3
28.2 Fabricação de máquinas e equipamentos de uso geral
28.21-6 Fabricação de aparelhos e equipamentos para instalações térmicas 3
28.22-4 Fabricação de máquinas, equipamentos e aparelhos para transporte e elevação de 3
cargas e pessoas
28.23-2 Fabricação de máquinas e aparelhos de refrigeração e ventilação para uso industrial e 3
comercial
28.24-1 Fabricação de aparelhos e equipamentos de ar condicionado 3
28.25-9 Fabricação de máquinas e equipamentos para saneamento básico e ambiental 3
28.29-1 Fabricação de máquinas e equipamentos de uso geral não especificados anteriormente 3
28.3 Fabricação de tratores e de máquinas e equipamentos para a agricultura e pecuária
28.31-3 Fabricação de tratores agrícolas 3
28.32-1 Fabricação de equipamentos para irrigação agrícola 3
28.33-0 Fabricação de máquinas e equipamentos para a agricultura e pecuária, exceto para 3
irrigação
28.4 Fabricação de máquinas-ferramenta
28.40-2 Fabricação de máquinas-ferramenta 3
28.5 Fabricação de máquinas e equipamentos de uso na extração mineral e na construção
28.51-8 Fabricação de máquinas e equipamentos para a prospecção e extração de petróleo 3
28.52-6 Fabricação de outras máquinas e equipamentos para uso na extração mineral, exceto na 3
extração de petróleo
28.53-4 Fabricação de tratores, exceto agrícolas 3
28.54-2 Fabricação de máquinas e equipamentos para terraplenagem, pavimentação e 3
construção, exceto tratores
28.6 Fabricação de máquinas e equipamentos de uso industrial específico
28.61-5 Fabricação de máquinas para a indústria metalúrgica, exceto máquinas-ferramenta 3
28.62-3 Fabricação de máquinas e equipamentos para as indústrias de alimentos, bebidas e 3
fumo
28.63-1 Fabricação de máquinas e equipamentos para a indústria têxtil 3
28.64-0 Fabricação de máquinas e equipamentos para as indústrias do vestuário, do couro e de 3
calçados
28.65-8 Fabricação de máquinas e equipamentos para as indústrias de celulose, papel e papelão 3
e artefatos
28.66-6 Fabricação de máquinas e equipamentos para a indústria do plástico 3
28.69-1 Fabricação de máquinas e equipamentos para uso industrial específico não 3
especificados anteriormente
29 FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS
29.1 Fabricação de automóveis, camionetas e utilitários
29.10-7 Fabricação de automóveis, camionetas e utilitários 3
29.2 Fabricação de caminhões e ônibus
29.20-4 Fabricação de caminhões e ônibus 3
29.3 Fabricação de cabines, carrocerias e reboques para veículos automotores
29.30-1 Fabricação de cabines, carrocerias e reboques para veículos automotores 3
29.4 Fabricação de peças e acessórios para veículos automotores
29.41-7 Fabricação de peças e acessórios para o sistema motor de veículos automotores 3
29.42-5 Fabricação de peças e acessórios para os sistemas de marcha e transmissão de veículos 3
automotores
29.43-3 Fabricação de peças e acessórios para o sistema de freios de veículos automotores 3

28
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
29.44-1 Fabricação de peças e acessórios para o sistema de direção e suspensão de veículos 3
automotores
29.45-0 Fabricação de material elétrico e eletrônico para veículos automotores, exceto baterias 3
29.49-2 Fabricação de peças e acessórios para veículos automotores não especificados 3
anteriormente
29.5 Recondicionamento e recuperação de motores para veículos automotores
29.50-6 Recondicionamento e recuperação de motores para veículos automotores 3
30 FABRICAÇÃO DE OUTROS EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE, EXCETO VEÍCULOS
AUTOMOTORES
30.1 Construção de embarcações
30.11-3 Construção de embarcações e estruturas flutuantes 3
30.12-1 Construção de embarcações para esporte e lazer 3
30.3 Fabricação de veículos ferroviários
30.31-8 Fabricação de locomotivas, vagões e outros materiais rodantes 3
30.32-6 Fabricação de peças e acessórios para veículos ferroviários 3
30.4 Fabricação de aeronaves
30.41-5 Fabricação de aeronaves 3
30.42-3 Fabricação de turbinas, motores e outros componentes e peças para aeronaves 3
30.5 Fabricação de veículos militares de combate
30.50-4 Fabricação de veículos militares de combate 3
30.9 Fabricação de equipamentos de transporte não especificados anteriormente
30.91-1 Fabricação de motocicletas 3
30.92-0 Fabricação de bicicletas e triciclos não motorizados 3
30.99-7 Fabricação de equipamentos de transporte não especificados anteriormente 3
31 FABRICAÇÃO DE MÓVEIS
31.0 Fabricação de móveis
31.01-2 Fabricação de móveis com predominância de madeira 3
31.02-1 Fabricação de móveis com predominância de metal 3
31.03-9 Fabricação de móveis de outros materiais, exceto madeira e metal 3
31.04-7 Fabricação de colchões 2
32 FABRICAÇÃO DE PRODUTOS DIVERSOS
32.1 Fabricação de artigos de joalheria, bijuteria e semelhantes
32.11-6 Lapidação de gemas e fabricação de artefatos de ourivesaria e joalheria 3
32.12-4 Fabricação de bijuterias e artefatos semelhantes 3
32.2 Fabricação de instrumentos musicais
32.20-5 Fabricação de instrumentos musicais 3
32.3 Fabricação de artefatos para pesca e esporte
32.30-2 Fabricação de artefatos para pesca e esporte 3
32.4 Fabricação de brinquedos e jogos recreativos
32.40-0 Fabricação de brinquedos e jogos recreativos 3
32.5 Fabricação de instrumentos e materiais para uso médico e odontológico e de artigos
ópticos
32.50-7 Fabricação de instrumentos e materiais para uso médico e odontológico e de artigos 3
ópticos
32.9 Fabricação de produtos diversos
32.91-4 Fabricação de escovas, pincéis e vassouras 3
32.92-2 Fabricação de equipamentos e acessórios para segurança e proteção pessoal e 3
profissional
32.99-0 Fabricação de produtos diversos não especificados anteriormente 3
33 MANUTENÇÃO, REPARAÇÃO E INSTALAÇÃO DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS
33.1 Manutenção e reparação de máquinas e equipamentos
33.11-2 Manutenção e reparação de tanques, reservatórios metálicos e caldeiras, exceto para 3
veículos
33.12-1 Manutenção e reparação de equipamentos eletrônicos e ópticos 3
33.13-9 Manutenção e reparação de máquinas e equipamentos elétricos 3
33.14-7 Manutenção e reparação de máquinas e equipamentos da indústria mecânica 3
33.15-5 Manutenção e reparação de veículos ferroviários 3
33.16-3 Manutenção e reparação de aeronaves 3
33.17-1 Manutenção e reparação de embarcações 3
33.19-8 Manutenção e reparação de equipamentos e produtos não especificados anteriormente 3
33.2 Instalação de máquinas e equipamentos
33.21-0 Instalação de máquinas e equipamentos industriais 3
33.29-5 Instalação de equipamentos não especificados anteriormente 3

29
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
D ELETRICIDADE E GÁS
35 ELETRICIDADE, GÁS E OUTRAS UTILIDADES
35.1 Geração, transmissão e distribuição de energia elétrica
35.11-5 Geração de energia elétrica 3
35.12-3 Transmissão de energia elétrica 3
35.13-1 Comércio atacadista de energia elétrica 3
35.14-0 Distribuição de energia elétrica 3
35.2 Produção e distribuição de combustíveis gasosos por redes urbanas
35.20-4 Produção de gás; processamento de gás natural; distribuição de combustíveis gasosos 3
por redes urbanas
35.3 Produção e distribuição de vapor, água quente e ar condicionado
35.30-1 Produção e distribuição de vapor, água quente e ar condicionado 3
E ÁGUA, ESGOTO, ATIVIDADES DE GESTÃO DE RESÍDUOS E DESCONTAMINAÇÃO
36 CAPTAÇÃO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA
36.0 Captação, tratamento e distribuição de água
36.00-6 Captação, tratamento e distribuição de água 3
37 ESGOTO E ATIVIDADES RELACIONADAS
37.0 Esgoto e atividades relacionadas
37.01-1 Gestão de redes de esgoto 3
37.02-9 Atividades relacionadas a esgoto, exceto a gestão de redes 3
38 COLETA, TRATAMENTO E DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS; RECUPERAÇÃO DE
MATERIAIS
38.1 Coleta de resíduos
38.11-4 Coleta de resíduos não perigosos 3
38.12-2 Coleta de resíduos perigosos 3
38.2 Tratamento e disposição de resíduos
38.21-1 Tratamento e disposição de resíduos não perigosos 3
38.22-0 Tratamento e disposição de resíduos perigosos 3
38.3 Recuperação de materiais
38.31-9 Recuperação de materiais metálicos 3
38.32-7 Recuperação de materiais plásticos 3
38.39-4 Recuperação de materiais não especificados anteriormente 3
39 DESCONTAMINAÇÃO E OUTROS SERVIÇOS DE GESTÃO DE RESÍDUOS
39.0 Descontaminação e outros serviços de gestão de resíduos
39.00-5 Descontaminação e outros serviços de gestão de resíduos 3
F CONSTRUÇÃO
41 CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS
41.1 Incorporação de empreendimentos imobiliários
41.10-7 Incorporação de empreendimentos imobiliários 1
41.2 Construção de edifícios
41.20-4 Construção de edifícios 3
42 OBRAS DE INFRAESTRUTURA
42.1 Construção de rodovias, ferrovias, obras urbanas e obras-de-arte especiais
42.11-1 Construção de rodovias e ferrovias 4
42.12-0 Construção de obras-de-arte especiais 4
42.13-8 Obras de urbanização – ruas, praças e calçadas 3
42.2 Obras de infraestrutura para energia elétrica, telecomunicações, água, esgoto e
transporte por dutos
42.21-9 Obras para geração e distribuição de energia elétrica e para telecomunicações 4
42.22-7 Construção de redes de abastecimento de água, coleta de esgoto e construções 4
correlatas
42.23-5 Construção de redes de transportes por dutos, exceto para água e esgoto 4
42.9 Construção de outras obras de infraestrutura
42.91-0 Obras portuárias, marítimas e fluviais 4
42.92-8 Montagem de instalações industriais e de estruturas metálicas 4
42.99-5 Obras de engenharia civil não especificadas anteriormente 3
43 SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO
43.1 Demolição e preparação do terreno
43.11-8 Demolição e preparação de canteiros de obras 4
43.12-6 Perfurações e sondagens 4
43.13-4 Obras de terraplenagem 3
43.19-3 Serviços de preparação do terreno não especificados anteriormente 3
43.2 Instalações elétricas, hidráulicas e outras instalações em construções

30
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
43.21-5 Instalações elétricas 3
43.22-3 Instalações hidráulicas, de sistemas de ventilação e refrigeração 3
43.29-1 Obras de instalações em construções não especificadas anteriormente 3
43.3 Obras de acabamento
43.30-4 Obras de acabamento 3
43.9 Outros serviços especializados para construção
43.91-6 Obras de fundações 4
43.99-1 Serviços especializados para construção não especificados anteriormente 3
G COMÉRCIO; REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS
45 COMÉRCIO E REPARAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS
45.1 Comércio de veículos automotores
45.11-1 Comércio a varejo e por atacado de veículos automotores 2
45.12-9 Representantes comerciais e agentes do comércio de veículos automotores 2
45.2 Manutenção e reparação de veículos automotores
45.20-0 Manutenção e reparação de veículos automotores 3
45.3 Comércio de peças e acessórios para veículos automotores
45.30-7 Comércio de peças e acessórios para veículos automotores 2
45.4 Comércio, manutenção e reparação de motocicletas, peças e acessórios
45.41-2 Comércio por atacado e a varejo de motocicletas, peças e acessórios 2
45.42-1 Representantes comerciais e agentes do comércio de motocicletas, peças e acessórios 2
45.43-9 Manutenção e reparação de motocicletas 3
46 COMÉRCIO POR ATACADO, EXCETO VEÍCULOS AUTOMOTORES E MOTOCICLETAS
46.1 Representantes comerciais e agentes do comércio, exceto de veículos automotores e
motocicletas
46.11-7 Representantes comerciais e agentes do comércio de matérias-primas agrícolas e 2
animais vivos
46.12-5 Representantes comerciais e agentes do comércio de combustíveis, minerais, produtos 2
siderúrgicos e químicos
46.13-3 Representantes comerciais e agentes do comércio de madeira, material de construção 2
e ferragens
46.14-1 Representantes comerciais e agentes do comércio de máquinas, equipamentos, 2
embarcações e aeronaves
46.15-0 Representantes comerciais e agentes do comércio de eletrodomésticos, móveis e 2
artigos de uso doméstico
46.16-8 Representantes comerciais e agentes do comércio de têxteis, vestuário, calçados e 2
artigos de viagem
46.17-6 Representantes comerciais e agentes do comércio de produtos alimentícios, bebidas e 2
fumo
46.18-4 Representantes comerciais e agentes do comércio especializado em produtos não 2
especificados anteriormente
46.19-2 Representantes comerciais e agentes do comércio de mercadorias em geral não 2
especializado
46.2 Comércio atacadista de matérias-primas agrícolas e animais vivos
46.21-4 Comércio atacadista de café em grão 2
46.22-2 Comércio atacadista de soja 2
46.23-1 Comércio atacadista de animais vivos, alimentos para animais e matérias-primas 2
agrícolas, exceto café e soja
46.3 Comércio atacadista especializado em produtos alimentícios, bebidas e fumo
46.31-1 Comércio atacadista de leite e laticínios 2
46.32-0 Comércio atacadista de cereais e leguminosas beneficiados, farinhas, amidos e féculas 2
46.33-8 Comércio atacadista de hortifrutigranjeiros 2
46.34-6 Comércio atacadista de carnes, produtos da carne e pescado 2
46.35-4 Comércio atacadista de bebidas 2
46.36-2 Comércio atacadista de produtos do fumo 2
46.37-1 Comércio atacadista especializado em produtos alimentícios não especificados 2
anteriormente
46.39-7 Comércio atacadista de produtos alimentícios em geral 2
46.4 Comércio atacadista de produtos de consumo não alimentar
46.41-9 Comércio atacadista de tecidos, artefatos de tecidos e de armarinho 2
46.42-7 Comércio atacadista de artigos do vestuário e acessórios 2
46.43-5 Comércio atacadista de calçados e artigos de viagem 2
46.44-3 Comércio atacadista de produtos farmacêuticos para uso humano e veterinário 2

31
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
46.45-1 Comércio atacadista de instrumentos e materiais para uso médico, cirúrgico, ortopédico 2
e odontológico
46.46-0 Comércio atacadista de cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal 2
46.47-8 Comércio atacadista de artigos de escritório e de papelaria; livros, jornais e outras 2
publicações
46.49-4 Comércio atacadista de equipamentos e artigos de uso pessoal e doméstico não 2
especificados anteriormente
46.5 Comércio atacadista de equipamentos e produtos de tecnologias de informação e
comunicação
46.51-6 Comércio atacadista de computadores, periféricos e suprimentos de informática 3
46.52-4 Comércio atacadista de componentes eletrônicos e equipamentos de telefonia e 3
comunicação
46.6 Comércio atacadista de máquinas, aparelhos e equipamentos, exceto de tecnologias de
informação e comunicação
46.61-3 Comércio atacadista de máquinas, aparelhos e equipamentos para uso agropecuário; 3
partes e peças
46.62-1 Comércio atacadista de máquinas, equipamentos para terraplenagem, mineração e 3
construção; partes e peças
46.63-0 Comércio atacadista de máquinas e equipamentos para uso industrial; partes e peças 3
46.64-8 Comércio atacadista de máquinas, aparelhos e equipamentos para uso odonto-médico- 3
hospitalar; partes e peças
46.65-6 Comércio atacadista de máquinas e equipamentos para uso comercial; partes e peças 3
46.69-9 Comércio atacadista de máquinas, aparelhos e equipamentos não especificados 3
anteriormente; partes e peças
46.7 Comércio atacadista de madeira, ferragens, ferramentas, material elétrico e material de
construção
46.71-1 Comércio atacadista de madeira e produtos derivados 3
46.72-9 Comércio atacadista de ferragens e ferramentas 3
46.73-7 Comércio atacadista de material elétrico 3
46.74-5 Comércio atacadista de cimento 3
46.79-6 Comércio atacadista especializado de materiais de construção não especificados 3
anteriormente e de materiais de construção em geral
46.8 Comércio atacadista especializado em outros produtos
46.81-8 Comércio atacadista de combustíveis sólidos, líquidos e gasosos, exceto gás natural e 3
GLP
46.82-6 Comércio atacadista de gás liquefeito de petróleo (GLP) 3
46.83-4 Comércio atacadista de defensivos agrícolas, adubos, fertilizantes e corretivos do solo 3
46.84-2 Comércio atacadista de produtos químicos e petroquímicos, exceto agroquímicos 3
46.85-1 Comércio atacadista de produtos siderúrgicos e metalúrgicos, exceto para construção 3
46.86-9 Comércio atacadista de papel e papelão em bruto e de embalagens 3
46.87-7 Comércio atacadista de resíduos e sucatas 3
46.89-3 Comércio atacadista especializado de outros produtos intermediários não especificados 3
anteriormente
46.9 Comércio atacadista não especializado
46.91-5 Comércio atacadista de mercadorias em geral, com predominância de produtos 2
alimentícios
46.92-3 Comércio atacadista de mercadorias em geral, com predominância de insumos 2
agropecuários
46.93-1 Comércio atacadista de mercadorias em geral, sem predominância de alimentos ou de 2
insumos agropecuários
47 COMÉRCIO VAREJISTA
47.1 Comércio varejista não especializado
47.11-3 Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos 2
alimentícios – hipermercados e supermercados
47.12-1 Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos 2
alimentícios – minimercados, mercearias e armazéns
47.13-0 Comércio varejista de mercadorias em geral, sem predominância de produtos 2
alimentícios
47.2 Comércio varejista de produtos alimentícios, bebidas e fumo
47.21-1 Comércio varejista de produtos de padaria, laticínio, doces, balas e semelhantes 2
47.22-9 Comércio varejista de carnes e pescados – açougues e peixarias 3
47.23-7 Comércio varejista de bebidas 2
47.24-5 Comércio varejista de hortifrutigranjeiros 2

32
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
47.29-6 Comércio varejista de produtos alimentícios em geral ou especializado em produtos 2
alimentícios não especificados anteriormente; produtos do fumo
47.3 Comércio varejista de combustíveis para veículos automotores
47.31-8 Comércio varejista de combustíveis para veículos automotores 3
47.32-6 Comércio varejista de lubrificantes 3
47.4 Comércio varejista de material de construção
47.41-5 Comércio varejista de tintas e materiais para pintura 2
47.42-3 Comércio varejista de material elétrico 1
47.43-1 Comércio varejista de vidros 2
47.44-0 Comércio varejista de ferragens, madeira e materiais de construção 2
47.5 Comércio varejista de equipamentos de informática e comunicação; equipamentos e
artigos de uso doméstico
47.51-2 Comércio varejista especializado de equipamentos e suprimentos de informática 1
47.52-1 Comércio varejista especializado de equipamentos de telefonia e comunicação 1
47.53-9 Comércio varejista especializado de eletrodomésticos e equipamentos de áudio e vídeo 1
47.54-7 Comércio varejista especializado de móveis, colchoaria e artigos de iluminação 1
47.55-5 Comércio varejista especializado de tecidos e artigos de cama, mesa e banho 1
47.56-3 Comércio varejista especializado de instrumentos musicais e acessórios 1
47.57-1 Comércio varejista especializado de peças e acessórios para aparelhos eletroeletrônicos 1
para uso doméstico, exceto informática e comunicação
47.59-8 Comércio varejista de artigos de uso doméstico não especificados anteriormente 1
47.6 Comércio varejista de artigos culturais, recreativos e esportivos
47.61-0 Comércio varejista de livros, jornais, revistas e papelaria 1
47.62-8 Comércio varejista de discos, CDs, DVDs e fitas 1
47.63-6 Comércio varejista de artigos recreativos e esportivos 1
47.7 Comércio varejista de produtos farmacêuticos, perfumaria e cosméticos e artigos
médicos, ópticos e ortopédicos
47.71-7 Comércio varejista de produtos farmacêuticos para uso humano e veterinário 2
47.72-5 Comércio varejista de cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal 1
47.73-3 Comércio varejista de artigos médicos e ortopédicos 1
47.74-1 Comércio varejista de artigos de óptica 1
47.8 Comércio varejista de produtos novos não especificados anteriormente e de produtos
usados
47.81-4 Comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios 1
47.82-2 Comércio varejista de calçados e artigos de viagem 1
47.83-1 Comércio varejista de jóias e relógios 1
47.84-9 Comércio varejista de gás liquefeito de petróleo (GLP) 3
47.85-7 Comércio varejista de artigos usados 2
47.89-0 Comércio varejista de outros produtos novos não especificados anteriormente 1
47.9 Comércio ambulante e outros tipos de comércio varejista
47.90-3 Comércio ambulante e outros tipos de comércio varejista 2
H TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E CORREIO
49 TRANSPORTE TERRESTRE
49.1 Transporte ferroviário e metroferroviário
49.11-6 Transporte ferroviário de carga 3
49.12-4 Transporte metroferroviário de passageiros 3
49.2 Transporte rodoviário de passageiros
49.21-3 Transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo, municipal e em região 3
metropolitana
49.22-1 Transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo, intermunicipal, 3
interestadual e internacional
49.23-0 Transporte rodoviário de táxi 3
49.24-8 Transporte escolar 3
49.29-9 Transporte rodoviário coletivo de passageiros, sob regime de fretamento, e outros 3
transportes rodoviários não especificados anteriormente
49.3 Transporte rodoviário de carga
49.30-2 Transporte rodoviário de carga 3
49.4 Transporte dutoviário
49.40-0 Transporte dutoviário 3
49.5 Trens turísticos, teleféricos e similares
49.50-7 Trens turísticos, teleféricos e similares 3
50 TRANSPORTE AQUAVIÁRIO
50.1 Transporte marítimo de cabotagem e longo curso

33
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
50.11-4 Transporte marítimo de cabotagem 3
50.12-2 Transporte marítimo de longo curso 3
50.2 Transporte por navegação interior
50.21-1 Transporte por navegação interior de carga 3
50.22-0 Transporte por navegação interior de passageiros em linhas regulares 3
50.3 Navegação de apoio
50.30-1 Navegação de apoio 3
50.9 Outros transportes aquaviários
50.91-2 Transporte por navegação de travessia 3
50.99-8 Transportes aquaviários não especificados anteriormente 3
51 TRANSPORTE AÉREO
51.1 Transporte aéreo de passageiros
51.11-1 Transporte aéreo de passageiros regular 3
51.12-9 Transporte aéreo de passageiros não regular 3
51.2 Transporte aéreo de carga
51.20-0 Transporte aéreo de carga 3
51.3 Transporte espacial
51.30-7 Transporte espacial 3
52 ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES
52.1 Armazenamento, carga e descarga
52.11-7 Armazenamento 3
52.12-5 Carga e descarga 3
52.2 Atividades auxiliares dos transportes terrestres
52.21-4 Concessionárias de rodovias, pontes, túneis e serviços relacionados 3
52.22-2 Terminais rodoviários e ferroviários 3
52.23-1 Estacionamento de veículos 3
52.29-0 Atividades auxiliares dos transportes terrestres não especificadas anteriormente 3
52.3 Atividades auxiliares dos transportes aquaviários
52.31-1 Gestão de portos e terminais 3
52.32-0 Atividades de agenciamento marítimo 3
52.39-7 Atividades auxiliares dos transportes aquaviários não especificadas anteriormente 3
52.4 Atividades auxiliares dos transportes aéreos
52.40-1 Atividades auxiliares dos transportes aéreos 3
52.5 Atividades relacionadas à organização do transporte de carga
52.50-8 Atividades relacionadas à organização do transporte de carga 3
53 CORREIO E OUTRAS ATIVIDADES DE ENTREGA
53.1 Atividades de Correio
53.10-5 Atividades de Correio 2
53.2 Atividades de malote e de entrega
53.20-2 Atividades de malote e de entrega 2
I ALOJAMENTO E ALIMENTAÇÃO
55 ALOJAMENTO
55.1 Hotéis e similares
55.10-8 Hotéis e similares 2
55.9 Outros tipos de alojamento não especificados anteriormente
55.90-6 Outros tipos de alojamento não especificados anteriormente 2
56 ALIMENTAÇÃO
56.1 Restaurantes e outros serviços de alimentação e bebidas
56.11-2 Restaurantes e outros estabelecimentos de serviços de alimentação e bebidas 2
56.12-1 Serviços ambulantes de alimentação 2
56.2 Serviços de catering, bufê e outros serviços de comida preparada
56.20-1 Serviços de catering, bufê e outros serviços de comida preparada 2
J INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO
58 EDIÇÃO E EDIÇÃO INTEGRADA À IMPRESSÃO
58.1 Edição de livros, jornais, revistas e outras atividades de edição
58.11-5 Edição de livros 3
58.12-3 Edição de jornais 3
58.13-1 Edição de revistas 3
58.19-1 Edição de cadastros, listas e outros produtos gráficos 3
58.2 Edição integrada à impressão de livros, jornais, revistas e outras publicações
58.21-2 Edição integrada à impressão de livros 3
58.22-1 Edição integrada à impressão de jornais 3
58.23-9 Edição integrada à impressão de revistas 3

34
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
58.29-8 Edição integrada à impressão de cadastros, listas e outros produtos gráficos 3
59 ATIVIDADES CINEMATOGRÁFICAS, PRODUÇÃO DE VÍDEOS E DE PROGRAMAS DE
TELEVISÃO; GRAVAÇÃO DE SOM E EDIÇÃO DE MÚSICA
59.1 Atividades cinematográficas, produção de vídeos e de programas de televisão
59.11-1 Atividades de produção cinematográfica, de vídeos e de programas de televisão 2
59.12-0 Atividades de pós-produção cinematográfica, de vídeos e de programas de televisão 2
59.13-8 Distribuição cinematográfica, de vídeo e de programas de televisão 2
59.14-6 Atividades de exibição cinematográfica 2
59.2 Atividades de gravação de som e de edição de música
59.20-1 Atividades de gravação de som e de edição de música 2
60 ATIVIDADES DE RÁDIO E DE TELEVISÃO
60.1 Atividades de rádio
60.10-1 Atividades de rádio 2
60.2 Atividades de televisão
60.21-7 Atividades de televisão aberta 2
60.22-5 Programadoras e atividades relacionadas à televisão por assinatura 2
61 TELECOMUNICAÇÕES
61.1 Telecomunicações por fio
61.10-8 Telecomunicações por fio 2
61.2 Telecomunicações sem fio
61.20-5 Telecomunicações sem fio 2
61.3 Telecomunicações por satélite
61.30-2 Telecomunicações por satélite 2
61.4 Operadoras de televisão por assinatura
61.41-8 Operadoras de televisão por assinatura por cabo 2
61.42-6 Operadoras de televisão por assinatura por micro-ondas 2
61.43-4 Operadoras de televisão por assinatura por satélite 2
61.9 Outras atividades de telecomunicações
61.90-6 Outras atividades de telecomunicações 2
62 ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
62.0 Atividades dos serviços de tecnologia da informação
62.01-5 Desenvolvimento de programas de computador sob encomenda 2
62.02-3 Desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis 2
62.03-1 Desenvolvimento e licenciamento de programas de computador não customizáveis 2
62.04-0 Consultoria em tecnologia da informação 2
62.09-1 Suporte técnico, manutenção e outros serviços em tecnologia da informação 2
63 ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO
63.1 Tratamento de dados, hospedagem na internet e outras atividades relacionadas
63.11-9 Tratamento de dados, provedores de serviços de aplicação e serviços de hospedagem 2
na internet
63.19-4 Portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na internet 2
63.9 Outras atividades de prestação de serviços de informação
63.91-7 Agências de notícias 2
63.99-2 Outras atividades de prestação de serviços de informação não especificadas 2
anteriormente
K ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS
64 ATIVIDADES DE SERVIÇOS FINANCEIROS
64.1 Banco Central 1
64.10-7 Banco Central 1
64.2 Intermediação monetária – depósitos à vista
64.21-2 Bancos comerciais 1
64.22-1 Bancos múltiplos, com carteira comercial 1
64.23-9 Caixas econômicas 1
64.24-7 Crédito cooperativo 1
64.3 Intermediação não monetária – outros instrumentos de captação
64.31-0 Bancos múltiplos, sem carteira comercial 1
64.32-8 Bancos de investimento 1
64.33-6 Bancos de desenvolvimento 1
64.34-4 Agências de fomento 1
64.35-2 Crédito imobiliário 1
64.36-1 Sociedades de crédito, financiamento e investimento – financeiras 1
64.37-9 Sociedades de crédito ao microempreendedor 1
64.38-7 Bancos de câmbio e outras instituições de intermediação não monetária 1

35
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
64.4 Arrendamento mercantil
64.40-9 Arrendamento mercantil 1
64.5 Sociedades de capitalização
64.50-6 Sociedades de capitalização 1
64.6 Atividades de sociedades de participação
64.61-1 Holdings de instituições financeiras 1
64.62-0 Holdings de instituições não financeiras 1
64.63-8 Outras sociedades de participação, exceto holdings 1
64.7 Fundos de investimento
64.70-1 Fundos de investimento 1
64.9 Atividades de serviços financeiros não especificadas anteriormente
64.91-3 Sociedades de fomento mercantil – factoring 1
64.92-1 Securitização de créditos 1
64.93-0 Administração de consórcios para aquisição de bens e direitos 1
64.99-9 Outras atividades de serviços financeiros não especificadas anteriormente 1
65 SEGUROS, RESSEGUROS, PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E PLANOS DE SAÚDE
65.1 Seguros de vida e não vida
65.11-1 Seguros de vida 1
65.12-0 Seguros não vida 1
65.2 Seguros-saúde
65.20-1 Seguros-saúde 1
65.3 Resseguros
65.30-8 Resseguros 1
65.4 Previdência complementar
65.41-3 Previdência complementar fechada 1
65.42-1 Previdência complementar aberta 1
65.5 Planos de saúde
65.50-2 Planos de saúde 1
66 ATIVIDADES AUXILIARES DOS SERVIÇOS FINANCEIROS, SEGUROS, PREVIDÊNCIA
COMPLEMENTAR E PLANOS DE SAÚDE
66.1 Atividades auxiliares dos serviços financeiros
66.11-8 Administração de bolsas e mercados de balcão organizados 1
66.12-6 Atividades de intermediários em transações de títulos, valores mobiliários e mercadorias 1
66.13-4 Administração de cartões de crédito 1
66.19-3 Atividades auxiliares dos serviços financeiros não especificadas anteriormente 1
66.2 Atividades auxiliares dos seguros, da previdência complementar e dos planos de saúde
66.21-5 Avaliação de riscos e perdas 1
66.22-3 Corretores e agentes de seguros, de planos de previdência complementar e de saúde 1
66.29-1 Atividades auxiliares dos seguros, da previdência complementar e dos planos de saúde 1
não especificadas anteriormente
66.3 Atividades de administração de fundos por contrato ou comissão
66.30-4 Atividades de administração de fundos por contrato ou comissão 1
L ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS
68 ATIVIDADES IMOBILIÁRIAS
68.1 Atividades imobiliárias de imóveis próprios
68.10-2 Atividades imobiliárias de imóveis próprios 1
68.2 Atividades imobiliárias por contrato ou comissão
68.21-8 Intermediação na compra, venda e aluguel de imóveis 1
68.22-6 Gestão e administração da propriedade imobiliária 1
M ATIVIDADES PROFISSIONAIS, CIENTÍFICAS E TÉCNICAS
69 ATIVIDADES JURÍDICAS, DE CONTABILIDADE E DE AUDITORIA
69.1 Atividades jurídicas
69.11-7 Atividades jurídicas, exceto cartórios 1
69.12-5 Cartórios 1
69.2 Atividades de contabilidade, consultoria e auditoria contábil e tributária
69.20-6 Atividades de contabilidade, consultoria e auditoria contábil e tributária 1
70 ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO
EMPRESARIAL
70.1 Sedes de empresas e unidades administrativas locais
70.10-7 Sedes de empresas e unidades administrativas locais 1
70.2 Atividades de consultoria em gestão empresarial
70.20-4 Atividades de consultoria em gestão empresarial 1
71 SERVIÇOS DE ARQUITETURA E ENGENHARIA; TESTES E ANÁLISES TÉCNICAS

36
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
71.1 Serviços de arquitetura e engenharia e atividades técnicas relacionadas
71.11-1 Serviços de arquitetura 1
71.12-0 Serviços de engenharia 1
71.19-7 Atividades técnicas relacionadas à arquitetura e engenharia 1
71.2 Testes e análises técnicas
71.20-1 Testes e análises técnicas 2
72 PESQUISA E DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO
72.1 Pesquisa e desenvolvimento experimental em ciências físicas e naturais
72.10-0 Pesquisa e desenvolvimento experimental em ciências físicas e naturais 2
72.2 Pesquisa e desenvolvimento experimental em ciências sociais e humanas
72.20-7 Pesquisa e desenvolvimento experimental em ciências sociais e humanas 2
73 PUBLICIDADE E PESQUISA DE MERCADO
73.1 Publicidade
73.11-4 Agências de publicidade 1
73.12-2 Agenciamento de espaços para publicidade, exceto em veículos de comunicação 1
73.19-0 Atividades de publicidade não especificadas anteriormente 1
73.2 Pesquisas de mercado e de opinião pública
73.20-3 Pesquisas de mercado e de opinião pública 1
7475 OUTRAS ATIVIDADES PROFISSIONAIS, CIENTÍFICAS E TÉCNICAS
74.1 Design e decoração de interiores
74.10-2 Design e decoração de interiores 1
74.2 Atividades fotográficas e similares
74.20-0 Atividades fotográficas e similares 2
74.9 Atividades profissionais, científicas e técnicas não especificadas anteriormente
74.90-1 Atividades profissionais, científicas e técnicas não especificadas anteriormente 1
ATIVIDADES VETERINÁRIAS
75.0 Atividades veterinárias
75.00-1 Atividades veterinárias 3
N ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES
77 ALUGUÉIS NÃO IMOBILIÁRIOS E GESTÃO DE ATIVOS INTANGÍVEIS NÃO
FINANCEIROS
77.1 Locação de meios de transporte sem condutor
77.11-0 Locação de automóveis sem condutor 1
77.19-5 Locação de meios de transporte, exceto automóveis, sem condutor 1
77.2 Aluguel de objetos pessoais e domésticos
77.21-7 Aluguel de equipamentos recreativos e esportivos 1
77.22-5 Aluguel de fitas de vídeo, DVDs e similares 1
77.23-3 Aluguel de objetos do vestuário, jóias e acessórios 1
77.29-2 Aluguel de objetos pessoais e domésticos não especificados anteriormente 1
77.3 Aluguel de máquinas e equipamentos sem operador
77.31-4 Aluguel de máquinas e equipamentos agrícolas sem operador 1
77.32-2 Aluguel de máquinas e equipamentos para construção sem operador 1
77.33-1 Aluguel de máquinas e equipamentos para escritório 1
77.39-0 Aluguel de máquinas e equipamentos não especificados anteriormente 1
77.4 Gestão de ativos intangíveis não financeiros
77.40-3 Gestão de ativos intangíveis não financeiros 1
78 SELEÇÃO, AGENCIAMENTO E LOCAÇÃO DE MÃO DE OBRA
78.1 Seleção e agenciamento de mão de obra
78.10-8 Seleção e agenciamento de mão de obra 1
78.2 Locação de mão de obra temporária
78.20-5 Locação de mão de obra temporária 1
78.3 Fornecimento e gestão de recursos humanos para terceiros
78.30-2 Fornecimento e gestão de recursos humanos para terceiros 1
79 AGÊNCIAS DE VIAGENS, OPERADORES TURÍSTICOS E SERVIÇOS DE RESERVAS
79.1 Agências de viagens e operadores turísticos
79.11-2 Agências de viagens 1
79.12-1 Operadores turísticos 1
79.9 Serviços de reservas e outros serviços de turismo não especificados anteriormente
79.90-2 Serviços de reservas e outros serviços de turismo não especificados anteriormente 1
80 ATIVIDADES DE VIGILÂNCIA, SEGURANÇA E INVESTIGAÇÃO
80.1 Atividades de vigilância, segurança privada e transporte de valores
80.11-1 Atividades de vigilância e segurança privada 3
80.12-9 Atividades de transporte de valores 3

37
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
80.2 Atividades de monitoramento de sistemas de segurança
80.20-0 Atividades de monitoramento de sistemas de segurança 3
80.3 Atividades de investigação particular
80.30-7 Atividades de investigação particular 3
81 SERVIÇOS PARA EDIFÍCIOS E ATIVIDADES PAISAGÍSTICAS
81.1 Serviços combinados para apoio a edifícios
81.11-7 Serviços combinados para apoio a edifícios, exceto condomínios prediais 2
81.12-5 Condomínios prediais 2
81.2 Atividades de limpeza
81.21-4 Limpeza em prédios e em domicílios 3
81.22-2 Imunização e controle de pragas urbanas 3
81.29-0 Atividades de limpeza não especificadas anteriormente 3
81.3 Atividades paisagísticas
81.30-3 Atividades paisagísticas 1
82 SERVIÇOS DE ESCRITÓRIO, DE APOIO ADMINISTRATIVO E OUTROS SERVIÇOS
PRESTADOS ÀS EMPRESAS
82.1 Serviços de escritório e apoio administrativo
82.11-3 Serviços combinados de escritório e apoio administrativo 1
82.19-9 Fotocópias, preparação de documentos e outros serviços especializados de apoio 2
administrativo
82.2 Atividades de teleatendimento
82.20-2 Atividades de teleatendimento 2
82.3 Atividades de organização de eventos, exceto culturais e esportivos
82.30-0 Atividades de organização de eventos, exceto culturais e esportivos 2
82.9 Outras atividades de serviços prestados principalmente às empresas
82.91-1 Atividades de cobrança e informações cadastrais 2
82.92-0 Envasamento e empacotamento sob contrato 2
82.99-7 Atividades de serviços prestados principalmente às empresas não especificadas 2
anteriormente
O ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DEFESA E SEGURIDADE SOCIAL
84 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DEFESA E SEGURIDADE SOCIAL
84.1 Administração do estado e da política econômica e social
84.11-6 Administração pública em geral 1
84.12-4 Regulação das atividades de saúde, educação, serviços culturais e outros serviços 1
sociais
84.13-2 Regulação das atividades econômicas 1
84.2 Serviços coletivos prestados pela administração pública
84.21-3 Relações exteriores 1
84.22-1 Defesa 1
84.23-0 Justiça 1
84.24-8 Segurança e ordem pública 1
84.25-6 Defesa Civil 1
84.3 Seguridade social obrigatória
84.30-2 Seguridade social obrigatória 1
P EDUCAÇÃO
85 EDUCAÇÃO
85.1 Educação infantil e ensino fundamental
85.11-2 Educação infantil – creche 2
85.12-1 Educação infantil – pré-escola 2
85.13-9 Ensino fundamental 2
85.2 Ensino médio
85.20-1 Ensino médio 2
85.3 Educação superior
85.31-7 Educação superior – graduação 2
85.32-5 Educação superior – graduação e pós-graduação 2
85.33-3 Educação superior – pós-graduação e extensão 2
85.4 Educação profissional de nível técnico e tecnológico
85.41-4 Educação profissional de nível técnico 2
85.42-2 Educação profissional de nível tecnológico 2
85.5 Atividades de apoio à educação
85.50-3 Atividades de apoio à educação 2
85.9 Outras atividades de ensino
85.91-1 Ensino de esportes 2

38
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
85.92-9 Ensino de arte e cultura 2
85.93-7 Ensino de idiomas 2
85.99-6 Atividades de ensino não especificadas anteriormente 2
Q SAÚDE HUMANA E SERVIÇOS SOCIAIS
86 ATIVIDADES DE ATENÇÃO À SAÚDE HUMANA
86.1 Atividades de atendimento hospitalar
86.10-1 Atividades de atendimento hospitalar 3
86.2 Serviços móveis de atendimento a urgências e de remoção de pacientes
86.21-6 Serviços móveis de atendimento a urgências 3
86.22-4 Serviços de remoção de pacientes, exceto os serviços móveis de atendimento a 3
urgências
86.3 Atividades de atenção ambulatorial executadas por médicos e odontólogos
86.30-5 Atividades de atenção ambulatorial executadas por médicos e odontólogos 3
86.4 Atividades de serviços de complementação diagnóstica e terapêutica
86.40-2 Atividades de serviços de complementação diagnóstica e terapêutica 3
86.5 Atividades de profissionais da área de saúde, exceto médicos e odontólogos
86.50-0 Atividades de profissionais da área de saúde, exceto médicos e odontólogos 2
86.6 Atividades de apoio à gestão de saúde
86.60-7 Atividades de apoio à gestão de saúde 1
86.9 Atividades de atenção à saúde humana não especificadas anteriormente
86.90-9 Atividades de atenção à saúde humana não especificadas anteriormente 1
87 ATIVIDADES DE ATENÇÃO À SAÚDE HUMANA INTEGRADAS COM ASSISTÊNCIA
SOCIAL, PRESTADAS EM RESIDÊNCIAS COLETIVAS E PARTICULARES
87.1 Atividades de assistência a idosos, deficientes físicos, imunodeprimidos e
convalescentes, e de infraestrutura e apoio a pacientes prestadas em residências
coletivas e particulares
87.11-5 Atividades de assistência a idosos, deficientes físicos, imunodeprimidos e 1
convalescentes prestadas em residências coletivas e particulares
87.12-3 Atividades de fornecimento de infraestrutura de apoio e assistência a paciente no 1
domicílio
87.2 Atividades de assistência psicossocial e à saúde a portadores de distúrbios psíquicos,
deficiência mental e dependência química
87.20-4 Atividades de assistência psicossocial e à saúde a portadores de distúrbios psíquicos, 1
deficiência mental e dependência química
87.3 Atividades de assistência social prestadas em residências coletivas e particulares 1
87.30-1 Atividades de assistência social prestadas em residências coletivas e particulares 1
88 SERVIÇOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SEM ALOJAMENTO
88.0 Serviços de assistência social sem alojamento
88.00-6 Serviços de assistência social sem alojamento 1
R ARTES, CULTURA, ESPORTE E RECREAÇÃO
90 ATIVIDADES ARTÍSTICAS, CRIATIVAS E DE ESPETÁCULOS
90.0 Atividades artísticas, criativas e de espetáculos
90.01-9 Artes cênicas, espetáculos e atividades complementares 2
90.02-7 Criação artística 2
90.03-5 Gestão de espaços para artes cênicas, espetáculos e outras atividades artísticas 1
91 ATIVIDADES LIGADAS AO PATRIMÔNIO CULTURAL E AMBIENTAL
91.0 Atividades ligadas ao patrimônio cultural e ambiental
91.01-5 Atividades de bibliotecas e arquivos 2
91.02-3 Atividades de museus e de exploração, restauração artística e conservação de lugares e 2
prédios históricos e atrações similares
91.03-1 Atividades de jardins botânicos, zoológicos, parques nacionais, reservas ecológicas e 2
áreas de proteção ambiental
92 ATIVIDADES DE EXPLORAÇÃO DE JOGOS DE AZAR E APOSTAS
92.0 Atividades de exploração de jogos de azar e apostas
92.00-3 Atividades de exploração de jogos de azar e apostas 1
93 ATIVIDADES ESPORTIVAS E DE RECREAÇÃO E LAZER
93.1 Atividades esportivas
93.11-5 Gestão de instalações de esportes 1
93.12-3 Clubes sociais, esportivos e similares 2
93.13-1 Atividades de condicionamento físico 2
93.19-1 Atividades esportivas não especificadas anteriormente 2
93.2 Atividades de recreação e lazer
93.21-2 Parques de diversão e parques temáticos 2

39
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

Códigos Denominação GR
93.29-8 Atividades de recreação e lazer não especificadas anteriormente 2
S OUTRAS ATIVIDADES DE SERVIÇOS
94 ATIVIDADES DE ORGANIZAÇÕES ASSOCIATIVAS
94.1 Atividades de organizações associativas patronais, empresariais e profissionais
94.11-1 Atividades de organizações associativas patronais e empresariais 1
94.12-0 Atividades de organizações associativas profissionais 1
94.2 Atividades de organizações sindicais
94.20-1 Atividades de organizações sindicais 1
94.3 Atividades de associações de defesa de direitos sociais
94.30-8 Atividades de associações de defesa de direitos sociais 1
94.9 Atividades de organizações associativas não especificadas anteriormente
94.91-0 Atividades de organizações religiosas 1
94.92-8 Atividades de organizações políticas 1
94.93-6 Atividades de organizações associativas ligadas à cultura e à arte 1
94.99-5 Atividades associativas não especificadas anteriormente 1
95 REPARAÇÃO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA E
COMUNICAÇÃO E DE OBJETOS PESSOAIS E DOMÉSTICOS
95.1 Reparação e manutenção de equipamentos de informática e comunicação
95.11-8 Reparação e manutenção de computadores e de equipamentos periféricos 3
95.12-6 Reparação e manutenção de equipamentos de comunicação 3
95.2 Reparação e manutenção de objetos e equipamentos pessoais e domésticos
95.21-5 Reparação e manutenção de equipamentos eletroeletrônicos de uso pessoal e 3
doméstico
95.29-1 Reparação e manutenção de objetos e equipamentos pessoais e domésticos não 3
especificados anteriormente
96 OUTRAS ATIVIDADES DE SERVIÇOS PESSOAIS
96.0 Outras atividades de serviços pessoais
96.01-7 Lavanderias, tinturarias e toalheiros 2
96.02-5 Cabeleireiros e outras atividades de tratamento de beleza 2
96.03-3 Atividades funerárias e serviços relacionados 2
96.09-2 Atividades de serviços pessoais não especificadas anteriormente 2
T SERVIÇOS DOMÉSTICOS
97 SERVIÇOS DOMÉSTICOS
97.0 Serviços domésticos
97.00-5 Serviços domésticos 2
U ORGANISMOS INTERNACIONAIS E OUTRAS INSTITUIÇÕES EXTRATERRITORIAIS
99 ORGANISMOS INTERNACIONAIS E OUTRAS INSTITUIÇÕES EXTRATERRITORIAIS
99.0 Organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais
99.00-8 Organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais 1

40
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

QUADRO II
Dimensionamento dos SESMT
(Alterado pela Portaria SSMT n. 34, de 11 de dezembro de 1987)

Grau N. de empregados no 50 101 251 501 1.001 2.001 3.501 Acima de 5.000 para
de estabelecimento a a a a a a a cada grupo de 4.000 ou
Risco Técnicas 100 250 500 1.000 2.000 3.500 5.000 fração acima de 2.000**
1 Técnico Seg. Trabalho 1 1 1 2 1
Engenheiro Seg. Trabalho 1* 1 1*
Aux. Enferm. do Trabalho 1 1 1
Enfermeiro do Trabalho 1*
Médico do Trabalho 1* 1* 1 1*
2 Técnico Seg. Trabalho 1 1 2 5 1
Engenheiro Seg. Trabalho 1* 1 1 1*
Aux. Enferm. do Trabalho 1 1 1 1
Enfermeiro do Trabalho 1
Médico do Trabalho 1* 1 1 1
3 Técnico Seg. Trabalho 1 2 3 4 6 8 3
Engenheiro Seg. Trabalho 1* 1 1 2 1
Aux. Enferm. do Trabalho 1 2 1 1
Enfermeiro do Trabalho 1
Médico do Trabalho 1* 1 1 2 1
4 Técnico Seg. Trabalho 1 2 3 4 5 8 10 3
Engenheiro Seg. Trabalho 1* 1* 1 1 2 3 1
Aux. Enferm. do Trabalho 1 1 2 1 1
Enfermeiro do Trabalho 1
Médico do Trabalho 1* 1* 1 1 2 3 1
(*) Tempo parcial (mínimo de três horas)
(**) O dimensionamento total deverá ser feito levando-se em consideração o dimensionamento de faixas de 3.501 a 5.000
mais o dimensionamento do(s) grupo(s) de 4.000 ou fração acima de 2.000.
OBS: Hospitais, Ambulatórios, Maternidade, Casas de Saúde e Repouso, Clínicas e estabelecimentos similares com mais
de 500 (quinhentos) empregados deverão contratar um Enfermeiro em tempo integral.

QUADRO III
Acidentes com Vítima

Acidentes com vítima Data do mapa / /


Responsável Ass:
Setor N. N. N. N. Absoluto Índice Dias / Taxa de Óbitos Índice de
Absoluto Absoluto c/ Absoluto c/ sem Relativo/ Homens Frequência Avaliação
Afastamento Afastamento Afastamento Total de Perdidos da
< 15 dias > 15 dias Empregados Gravidade

Total de
Estabele-
cimento

41
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 4 SAIR

QUADRO IV
Doenças Ocupacionais

Data do mapa / /
Responsável Ass:
Tipo de N. Setores de N. Relativo de N. de N. de N. de Trabalhadores
Doença Absoluto Atividade dos Casos (% Total Óbitos Trabalhadores Definitivamente
de Casos Portadores Empregados) Transferidos para Incapacitados
(*) Outro Setor

(*) Codificar no verso. Por exemplo: 1 – setor embalagens; 2 – setor montagem.

QUADRO V
Insalubridade

Data do mapa / /
Responsável Ass:

Setor Agentes Intensidade ou N. de Trabalhadores


Identificados Concentração Expostos

QUADRO VI
Acidentes sem Vítima

Data do mapa / /
Responsável Ass:

Setor N. Perda Material Acidentes s/ Vítima Observações


de Acidentes Avaliada (R$
1.000,00) Acidentes c/ Vítima

Total do
estabelecimento

42
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

NR 5
Comissão Interna de Prevenção
de Acidente (205.000-5)
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Alterações/Atualizações:
Portaria SSMT n. 33, de 27de outubro de 1983 – DOU de 31.10.83
Portaria SSST n. 25, de 29 de dezembro de 1994 – DOU de 30.12.94 (Rep. 15.12.95)
Portaria SSST n. 08, de 23 de fevereiro de 1999 – DOU de 24.02.99 (Retf. 10.05.99)
Portaria SSST n. 15, de 26 de fevereiro de 1999 – DOU de 01.03.99
Portaria SSST n. 24, de 27 de maio de 1999 – DOU de 28.05.99
Portaria SSST n. 25, de 27 de maio de 1999 – DOU de 28.05.99
Portaria SSST n. 16, de 10 de maio de 2001 – DOU de 11.05.01
Portaria SIT n. 14, de 21 de junho de 2007 – DOU de 26.06.07

DO OBJETIVO
5.1. A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA – tem como objetivo a
prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compa-
tível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde
do trabalhador.

DA CONSTITUIÇÃO
5.2. Devem constituir CIPA, por estabelecimento, e mantê-la em regular funcionamen-
to as empresas privadas, públicas, sociedades de economia mista, órgãos da administra-
ção direta e indireta, instituições beneficentes, associações recreativas, cooperativas, bem
como outras instituições que admitam trabalhadores como empregados. (205.001-3/I4)
5.3. As disposições contidas nesta NR aplicam-se, no que couber, aos trabalhadores
avulsos e às entidades que lhes tomem serviços, observadas as disposições estabelecidas
em Normas Regulamentadoras de setores econômicos específicos.
5.4. A empresa que possuir em um mesmo município dois ou mais estabelecimentos,
deverá garantir a integração das CIPA e dos designados, conforme o caso, com o
objetivo de harmonizar as políticas de segurança e saúde no trabalho. (205.066-8/I1)
5.5. As empresas instaladas em centro comercial ou industrial estabelecerão, através
de membros de CIPA ou designados, mecanismos de integração com objetivo de pro-
mover o desenvolvimento de ações de prevenção de acidentes e doenças decorrentes
do ambiente e instalações de uso coletivo, podendo contar com a participação da
administração do mesmo.

43
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

DA ORGANIZAÇÃO
5.6. A CIPA será composta de representantes do empregador e dos empregados, de
acordo com o dimensionamento previsto no Quadro I desta NR, ressalvadas as altera-
ções disciplinadas em atos normativos para setores econômicos específicos. (205.067-
6/I3)
5.6.1. Os representantes dos empregadores, titulares e suplentes serão por eles
designados.
5.6.2. Os representantes dos empregados, titulares e suplentes, serão eleitos em
escrutínio secreto, do qual participem, independentemente de filiação sindical,
exclusivamente os empregados interessados. (205.068-4/I3)
5.6.3. O número de membros titulares e suplentes da CIPA, considerando a or-
dem decrescente de votos recebidos, observará o dimensionamento previsto no
Quadro I desta NR, ressalvadas as alterações disciplinadas em atos normativos de
setores econômicos específicos.
5.6.4. Quando o estabelecimento não se enquadrar no Quadro I, a empresa de-
signará um responsável pelo cumprimento dos objetivos desta NR, podendo ser
adotados mecanismos de participação dos empregados, através de negociação co-
letiva. (205.007-2/I2)
5.7. O mandato dos membros eleitos da CIPA terá a duração de um ano, permitida
uma reeleição. (205.008-0/I2)
5.8. É vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa do empregado eleito para cargo
de direção de Comissões Internas de Prevenção de Acidentes desde o registro de sua
candidatura até um ano após o final de seu mandato. (205.069-2/I3)
5.9. Serão garantidas aos membros da CIPA condições que não descaracterizem suas
atividades normais na empresa, sendo vedada a transferência para outro estabeleci-
mento sem a sua anuência, ressalvado o disposto nos parágrafos primeiro e segundo
do artigo 469, da CLT. (205.070-6/I3)
5.10. O empregador deverá garantir que seus indicados tenham a representação ne-
cessária para a discussão e encaminhamento das soluções de questões de segurança e
saúde no trabalho analisadas na CIPA. (205.071-4/I1)
5.11. O empregador designará entre seus representantes o Presidente da CIPA,
e os representantes dos empregados escolherão entre os titulares o vice-presidente.
(205.072-2/I2)
5.12. Os membros da CIPA, eleitos e designados serão empossados no primeiro dia
útil após o término do mandato anterior. (205.073-0/I1)
5.13. Será indicado, de comum acordo com os membros da CIPA, um secretário e seu
substituto, entre os componentes ou não da comissão, sendo neste caso necessária a
concordância do empregador. (205.014-5/I1)
5.14. Empossados os membros da CIPA, a empresa deverá protocolizar, em até dez
dias, na unidade descentralizada do Ministério do Trabalho, cópias das atas de eleição
e de posse e o calendário anual das reuniões ordinárias. (205.074-9/I1)
5.15. Protocolizada na unidade descentralizada do Ministério do Trabalho e Empre-
go, a CIPA não poderá ter seu número de representantes reduzido, bem como não

44
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

poderá ser desativada pelo empregador, antes do término do mandato de seus mem-
bros, ainda que haja redução do número de empregados da empresa, exceto no caso
de encerramento das atividades do estabelecimento. (205.075-7/I3)

DAS ATRIBUIÇÕES
5.16. A CIPA terá por atribuição:
a) identificar os riscos do processo de trabalho, e elaborar o mapa de riscos, com a par-
ticipação do maior número de trabalhadores, com assessoria do SESMT, onde houver;
b) elaborar plano de trabalho que possibilite a ação preventiva na solução de pro-
blemas de segurança e saúde no trabalho;
c) participar da implementação e do controle da qualidade das medidas de pre-
venção necessárias, bem como da avaliação das prioridades de ação nos locais de
trabalho;
d) realizar, periodicamente, verificações nos ambientes e condições de trabalho
visando a identificação de situações que venham a trazer riscos para a segurança e
saúde dos trabalhadores;
e) realizar, a cada reunião, avaliação do cumprimento das metas fixadas em seu
plano de trabalho e discutir as situações de risco que foram identificadas;
f ) divulgar aos trabalhadores informações relativas à segurança e saúde no trabalho­;
g) participar, com o SESMT, onde houver, das discussões promovidas pelo empre-
gador, para avaliar os impactos de alterações no ambiente e processo de trabalho
relacionados à segurança e saúde dos trabalhadores;
h) requerer ao SESMT, quando houver, ou ao empregador, a paralisação de má-
quina ou setor onde considere haver risco grave e iminente à segurança e saúde
dos trabalhadores;
i) colaborar no desenvolvimento e implementação do PCMSO e PPRA e de ou-
tros programas relacionados à segurança e saúde no trabalho;
j) divulgar e promover o cumprimento das Normas Regulamentadoras, bem como
cláusulas de acordos e convenções coletivas de trabalho, relativas à segurança e
saúde no trabalho;
l) participar, em conjunto com o SESMT, onde houver, ou com o empregador da
análise das causas das doenças e acidentes de trabalho e propor medidas de solução
dos problemas identificados;
m) requisitar ao empregador e analisar as informações sobre questões que tenham
interferido na segurança e saúde dos trabalhadores;
n) requisitar à empresa as cópias das CAT emitidas;
o) promover, anualmente, em conjunto com o SESMT, onde houver, a Semana
Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho – SIPAT;
p) participar, anualmente, em conjunto com a empresa, de Campanhas de Pre-
venção da AIDS.
5.17. Cabe ao empregador proporcionar aos membros da CIPA os meios necessários
ao desempenho de suas atribuições, garantindo tempo suficiente para a realização das
tarefas constantes do plano de trabalho. (205.017-0/I2)

45
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

5.18. Cabe aos empregados:


a) participar da eleição de seus representantes;
b) colaborar com a gestão da CIPA;
c) indicar à CIPA, ao SESMT e ao empregador situações de riscos e apresentar
sugestões para melhoria das condições de trabalho;
d) observar e aplicar no ambiente de trabalho as recomendações quanto a preven-
ção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho.
5.19. Cabe ao Presidente da CIPA:
a) convocar os membros para as reuniões da CIPA;
b) coordenar as reuniões da CIPA, encaminhando ao empregador e ao SESMT,
quando houver, as decisões da comissão;
c) manter o empregador informado sobre os trabalhos da CIPA;
d) coordenar e supervisionar as atividades de secretaria;
e) delegar atribuições ao Vice-Presidente;
5.20. Cabe ao Vice-Presidente:
a) executar atribuições que lhe forem delegadas;
b) substituir o Presidente nos seus impedimentos eventuais ou nos seus afastamen-
tos temporários;
5.21. O Presidente e o Vice-Presidente da CIPA, em conjunto, terão as seguintes atribuições:
a) cuidar para que a CIPA disponha de condições necessárias para o desenvolvi-
mento de seus trabalhos;
b) coordenar e supervisionar as atividades da CIPA, zelando para que os objetivos
propostos sejam alcançados;
c) delegar atribuições aos membros da CIPA;
d) promover o relacionamento da CIPA com o SESMT, quando houver;
e) divulgar as decisões da CIPA a todos os trabalhadores do estabelecimento;
f ) encaminhar os pedidos de reconsideração das decisões da CIPA;
g) constituir a comissão eleitoral.
5.22. O Secretário da CIPA terá por atribuição:
a) acompanhar as reuniões da CIPA, e redigir as atas apresentando-as para aprova-
ção e assinatura dos membros presentes;
b) preparar as correspondências; e
c) outras que lhe forem conferidas.

DO FUNCIONAMENTO
5.23. A CIPA terá reuniões ordinárias mensais, de acordo com o calendário preesta-
belecido. (205.076-5/I3)
5.24. As reuniões ordinárias da CIPA serão realizadas durante o expediente normal da
empresa e em local apropriado. (205.019-6/I1)
5.25. As reuniões da CIPA terão atas assinadas pelos presentes com encaminhamento
de cópias para todos os membros. (205.077-3/I1)
5.26. As atas ficarão no estabelecimento à disposição dos Agentes da Inspeção do
Trabalho – AIT. (205.078-1/I1)

46
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

5.27. Reuniões extraordinárias deverão ser realizadas quando: (205.064-1/I3)


a) houver denúncia de situação de risco grave e iminente que determine aplicação
de medidas corretivas de emergência;
b) ocorrer acidente do trabalho grave ou fatal;
c) houver solicitação expressa de uma das representações.
5.28. As decisões da CIPA serão preferencialmente por consenso.
5.28.1. Não havendo consenso, e frustradas as tentativas de negociação direta ou com me-
diação, será instalado processo de votação, registrando-se a ocorrência na ata da reunião.
5.29. Das decisões da CIPA caberá pedido de reconsideração, mediante requerimento
justificado.
5.29.1. O pedido de reconsideração será apresentado à CIPA até a próxima reunião
ordinária, quando será analisado, devendo o Presidente e o Vice-Presidente efetivar os
encaminhamentos necessários.
5.30. O membro titular perderá o mandato, sendo substituído por suplente, quando
faltar a mais de quatro reuniões ordinárias sem justificativa. (205.079-0/I1)
5.31. A vacância definitiva de cargo, ocorrida durante o mandato, será suprida por
suplente, obedecida à ordem de colocação decrescente registrada na ata de eleição, de-
vendo o empregador comunicar à unidade descentralizada do Ministério do Trabalho
e Emprego as alterações e justificar os motivos. (205.026-9/I2)
5.31.1. No caso de afastamento definitivo do presidente, o empregador indica-
rá o substituto, em dois dias úteis, preferencialmente entre os membros da CIPA.
(205.080-3/I1)
5.31.2. No caso de afastamento definitivo do vice-presidente, os membros titulares
da representação dos empregados escolherão o substituto, entre seus titulares, em dois
dias úteis.

DO TREINAMENTO
5.32. A empresa deverá promover treinamento para os membros da CIPA, titulares e
suplentes, antes da posse. (205.081-1/I3)
5.32.1. O treinamento de CIPA em primeiro mandato será realizado no prazo
máximo de trinta dias, contados a partir da data da posse. (205.082-0/I3)
5.32.2. As empresas que não se enquadrem no Quadro I, promoverão anualmente
treinamento para o designado responsável pelo cumprimento do objetivo desta
NR. (205.083-8/I3)
5.33 O treinamento para a CIPA deverá contemplar, no mínimo, os seguintes
itens: (205.065-0/I2)
a) estudo do ambiente, das condições de trabalho, bem como dos riscos originados
do processo produtivo;
b) metodologia de investigação e análise de acidentes e doenças do trabalho;
c) noções sobre acidentes e doenças do trabalho decorrentes de exposição aos ris-
cos existentes na empresa;
d) noções sobre a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida – AIDS, e medidas
de prevenção;

47
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

e) noções sobre as legislações trabalhista e previdenciária relativas à segurança e


saúde no trabalho;
f ) princípios gerais de higiene do trabalho e de medidas de controle dos riscos;
g) organização da CIPA e outros assuntos necessários ao exercício das atribuições
da Comissão.
5.34. O treinamento terá carga horária de vinte horas, distribuídas em no máximo oito
horas diárias e será realizado durante o expediente normal da empresa. (205.038-2/I2)
5.35. O treinamento poderá ser ministrado pelo SESMT da empresa, entidade patro-
nal, entidade de trabalhadores ou por profissional que possua conhecimentos sobre
aos temas ministrados.
5.36. A CIPA será ouvida sobre o treinamento a ser realizado, inclusive quanto à
entidade ou profissional que o ministrará, constando sua manifestação em ata, ca-
bendo à empresa escolher a entidade ou profissional que ministrará o treinamento.
(205.084-6/I1)
5.37. Quando comprovada a não observância ao disposto nos itens relacionados ao
treinamento, a unidade descentralizada do Ministério do Trabalho e Emprego deter-
minará a complementação ou a realização de outro, que será efetuado no prazo máxi-
mo de trinta dias, contados da data de ciência da empresa sobre a decisão.

DO PROCESSO ELEITORAL
5.38. Compete ao empregador convocar eleições para escolha dos representantes dos
empregados na CIPA, no prazo mínimo de 60 (sessenta) dias antes do término do
mandato em curso. (205.085-4/I2)
5.38.1. A empresa estabelecerá mecanismos para comunicar o início do processo
eleitoral ao sindicato da categoria profissional. (205.086-2/I1)
5.39. O Presidente e o Vice-Presidente da CIPA constituirão dentre seus membros, no
prazo mínimo de 55 (cinquenta e cinco) dias antes do término do mandato em curso,
a Comissão Eleitoral – CE, que será a responsável pela organização e acompanhamen-
to do processo eleitoral. (205.102-8/I1)
5.39.1 Nos estabelecimentos onde não houver CIPA, a Comissão Eleitoral será
constituída pela empresa. (205.087-0/I1)
5.40. O processo eleitoral observará as seguintes condições:
a) publicação e divulgação de edital, em locais de fácil acesso e visualização, no
prazo mínimo de 45 (quarenta e cinco) dias antes do término do mandato em
curso; (205.088-9/I2)
b) inscrição e eleição individual, sendo que o período mínimo para inscrição será
de 15 (quinze) dias; (205.089-7/I2)
c) liberdade de inscrição para todos os empregados do estabelecimento, indepen-
dentemente de setores ou locais de trabalho, com fornecimento de comprovante;
(205.045-5/I3)
d) garantia de emprego para todos os inscritos até a eleição; (205.046-3/I3)
e) realização da eleição no prazo mínimo de 30 (trinta) dias antes do término do
mandato da CIPA, quando houver; (205.090-0/I2)

48
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

f ) realização de eleição em dia normal de trabalho, respeitando os horários de


turnos e em horário que possibilite a participação da maioria dos empregados.
(205.091-9/I2)
g) voto secreto; (205.092-7/I2)
h) apuração dos votos, em horário normal de trabalho, com acompanhamento de
representante do empregador e dos empregados, em número a ser definido pela
comissão eleitoral; (205.093-5/I2)
i) faculdade de eleição por meios eletrônicos;
j) guarda, pelo empregador, de todos os documentos relativos à eleição, por um
período mínimo de cinco anos. (205.094-3/I2)
5.41. Havendo participação inferior a cinquenta por cento dos empregados na vo-
tação, não haverá a apuração dos votos e a comissão eleitoral deverá organizar outra
votação que ocorrerá no prazo máximo de dez dias. (205.095-1/I1)
5.42. As denúncias sobre o processo eleitoral deverão ser protocolizadas na unidade
descentralizada do MTE, até trinta dias após a data da posse dos novos membros da
CIPA.
5.42.1. Compete à unidade descentralizada do Ministério do Trabalho e Empre-
go, confirmadas irregularidades no processo eleitoral, determinar a sua correção
ou proceder a anulação quando for o caso.
5.42.2. Em caso de anulação a empresa convocará nova eleição no prazo de cinco
dias, a contar da data de ciência , garantidas as inscrições anteriores. (205.096-0/
I2)
5.42.3. Quando a anulação se der antes da posse dos membros da CIPA, ficará
assegurada a prorrogação do mandato anterior, quando houver, até a complemen-
tação do processo eleitoral. (205.097-8/I2)
5.43. Assumirão a condição de membros titulares e suplentes, os candidatos mais
votados. (205.098-6/I3)
5.44. Em caso de empate, assumirá aquele que tiver maior tempo de serviço no esta-
belecimento.
5.45. Os candidatos votados e não eleitos serão relacionados na ata de eleição e apu-
ração, em ordem decrescente de votos, possibilitando nomeação posterior, em caso de
vacância de suplentes. (205.058-7/I2)

DAS CONTRATANTES E CONTRATADAS


5.46. Quando se tratar de empreiteiras ou empresas prestadoras de serviços, conside-
ra-se estabelecimento, para fins de aplicação desta NR, o local em que seus emprega-
dos estiverem exercendo suas atividades.
5.47. Sempre que duas ou mais empresas atuarem em um mesmo estabelecimento, a
CIPA ou designado da empresa contratante deverá, em conjunto com as das contra-
tadas ou com os designados, definir mecanismos de integração e de participação de
todos os trabalhadores em relação às decisões das CIPA existentes no estabelecimento.
5.48. A contratante e as contratadas, que atuem num mesmo estabelecimento, deve-
rão implementar, de forma integrada, medidas de prevenção de acidentes e doenças

49
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

do trabalho, decorrentes da presente NR, de forma a garantir o mesmo nível de pro-


teção em matéria de segurança e saúde a todos os trabalhadores do estabelecimento.
(205.099-4/I1)
5.49. A empresa contratante adotará medidas necessárias para que as empresas contra-
tadas, suas CIPA, os designados e os demais trabalhadores lotados naquele estabeleci-
mento recebam as informações sobre os riscos presentes nos ambientes de trabalho,
bem como sobre as medidas de proteção adequadas. (205.100-1/I3)
5.50. A empresa contratante adotará as providências necessárias para acompanhar
o cumprimento pelas empresas contratadas que atuam no seu estabelecimento, das
medidas de segurança e saúde no trabalho. (205.101-0/I3)

DISPOSIÇÕES FINAIS
5.51 Esta norma poderá ser aprimorada mediante negociação, nos termos de portaria
específica.

QUADRO I
Dimensionamento de CIPA
* GRUPOS N. de Empregados 0 20 30 51 81 101 121 141 301 501 1001 2501 5001 Acima de 10.000
no Estabelecimento a a a a a a a a a a a a a para cada grupo
N. de Membros 19 29 50 80 100 120 140 300 500 1.000 2.500 5.000 10.000 de 2.500
da CIPA acrescentar
Efetivos 1 1 3 3 4 4 4 4 6 9 12 15 2
C-1
Suplentes 1 1 3 3 3 3 3 3 4 7 9 12 2
Efetivos 1 1 3 3 4 4 4 4 6 9 12 15 2
C-1a
Suplentes 1 1 3 3 3 3 3 4 5 8 9 12 2
Efetivos 1 1 2 2 3 4 4 5 6 7 10 11 2
C-2
Suplentes 1 1 2 2 3 3 4 4 5 6 7 9 1
Efetivos 1 1 2 2 3 3 4 5 6 7 10 10 2
C-3
Suplentes 1 1 2 2 3 3 4 4 5 6 8 8 2
Efetivos 1 1 2 2 2 3 3 4 5 6 1
C-3a
Suplentes 1 1 2 2 2 3 3 3 4 5 1
Efetivos 1 1 1 1 1 2 2 2 3 5 6 1
C-4
Suplentes 1 1 1 1 1 2 2 2 3 4 4 1
Efetivos 1 1 2 3 3 4 4 4 6 9 9 11 2
C-5
Suplentes 1 1 2 3 3 3 4 4 5 7 7 9 2
Efetivos 1 1 2 2 2 3 3 4 6 7 1
C-5a
Suplentes 1 1 2 2 2 3 3 3 4 5 1
Efetivos 1 1 2 3 3 4 5 5 6 8 10 12 2
C-6
Suplentes 1 1 2 3 3 3 4 4 4 6 8 10 2
Efetivos 1 1 2 2 2 2 3 4 5 6 1
C-7
Suplentes 1 1 2 2 2 2 3 3 4 4 1
Efetivos 1 1 2 2 3 3 4 5 6 8 9 10 2
C-7a
Suplentes 1 1 2 2 3 3 3 4 5 7 8 8 2
Efetivos 1 1 2 2 3 3 4 5 6 7 8 10 1
C-8
Suplentes 1 1 2 2 3 3 3 4 4 5 6 8 1
Efetivos 1 1 1 2 2 2 3 5 6 7 1
C-9
Suplentes 1 1 1 2 2 2 3 4 4 5 1
Efetivos 1 1 2 2 3 3 4 4 5 8 9 10 2
C-10
Suplentes 1 1 2 2 3 3 3 4 4 6 7 8 2
Efetivos 1 1 2 3 3 4 4 5 6 9 10 12 2
C-11
Suplentes 1 1 2 3 3 3 3 4 4 7 8 10 2
Efetivos 1 1 2 3 3 4 4 5 7 8 9 10 2
C-12
Suplentes 1 1 2 3 3 3 3 4 6 6 7 8 2
Efetivos 1 1 3 3 3 3 4 5 6 9 11 13 2
C-13
Suplentes 1 1 3 3 3 3 3 4 5 7 8 10 2
(continua)

50
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO I
Dimensionamento de CIPA (continuação)
* GRUPOS N. de Empregados 0 20 30 51 81 101 121 141 301 501 1001 2501 5001 Acima de 10.000
no Estabelecimento a a a a a a a a a a a a a para cada grupo
N. de Membros 19 29 50 80 100 120 140 300 500 1.000 2.500 5.000 10.000 de 2.500
da CIPA acrescentar
Efetivos 1 1 2 2 3 4 4 5 6 9 11 11 2
C-14
Suplentes 1 1 2 2 3 3 4 4 5 7 9 9 2
Efetivos 1 1 2 2 2 3 3 4 5 6 1
C-14a
Suplentes 1 1 2 2 2 3 3 3 4 4 1
Efetivos 1 1 3 3 4 4 4 5 6 8 10 12 2
C-15
Suplentes 1 1 3 3 3 3 3 4 4 6 8 10 2
Efetivos 1 1 2 3 3 3 4 5 6 8 10 12 2
C-16
Suplentes 1 1 2 3 3 3 3 4 4 6 7 9 2
Efetivos 1 1 2 2 4 4 4 4 6 8 10 12 2
C-17
Suplentes 1 1 2 2 3 3 3 4 5 7 8 10 2
Efetivos 2 2 4 4 4 4 6 8 10 12 2
C-18
Suplentes 2 2 3 3 3 4 5 7 8 10 2
Efetivos 3 3 4 4 4 4 6 9 12 15 2
C-18a
Suplentes 3 3 3 3 3 4 5 7 9 12 2
Efetivos 1 1 2 2 2 3 3 4 5 6 1
C-19
Suplentes 1 1 2 2 2 3 3 3 4 4 1
Efetivos 1 1 3 3 3 3 4 5 5 6 8 2
C-20
Suplentes 1 1 3 3 3 3 3 4 4 5 6 1
Efetivos 1 1 2 2 2 3 3 4 5 6 1
C-21
Suplentes 1 1 2 2 2 3 3 3 4 5 1
Efetivos 1 1 2 2 3 3 4 4 6 8 10 12 2
C-22
Suplentes 1 1 2 2 3 3 3 3 5 6 8 9 2
Efetivos  1 1 2 2 2 2 3 4 5 6 1
C-23
Suplentes 1 1 2 2 2 2 3 3 4 5 1
Efetivos 1 1 2 2 4 4 4 4 6 8 10 12 2
C-24
Suplentes 1 1 2 2 3 3 4 4 5 7 8 10 2
Efetivos 1 1 2 2 2 2 3 4 5 6 1
C-24a
Suplentes 1 1 2 2 2 2 3 3 4 4 1
Efetivos 1 1 3 3 4 4 4 4 6 9 12 15 2
C-24b
Suplentes 1 1 3 3 3 3 3 3 4 7 9 12 2
Efetivos 1 1 2 2 2 2 3 4 5 6 1
C-25
Suplentes 1 1 2 2 2 2 3 3 4 5 1
Efetivos 1 2 3 4 5 1
C-26
Suplentes 1 2 3 3 4 1
Efetivos 1 1 2 3 4 5 6 6 1
C-27
Suplentes 1 1 2 3 3 4 5 5 1
Efetivos 1 1 2 3 4 5 6 6 1
C-28
Suplentes 1 1 2 3 4 5 5 5 1
Efetivos 1 2 3 4 5 1
C-29
Suplentes 1 2 3 3 4 1
Efetivos 1 1 1 2 4 4 4 5 7 8 9 10 2
C-30
Suplentes 1 1 1 2 3 3 4 4 6 7 8 9 1
Efetivos 1 1 2 2 2 3 3 4 5 6 1
C-31
Suplentes 1 1 2 2 2 3 3 3 4 5 1
Efetivos 1 1 2 2 2 3 3 4 5 6 1
C-32
Suplentes 1 1 2 2 2 3 3 3 4 5 1
Efetivos 1 1 1 1 2 3 4 5 1
C-33
Suplentes 1 1 1 1 2 3 3 4 1
Efetivos 1 1 2 2 4 4 4 4 6 8 10 12 2
C-34
Suplentes 1 1 2 2 3 3 3 4 5 7 8 9 2
Efetivos 1 1 2 2 2 2 3 4 5 6 1
C-35
Suplentes 1 1 2 2 2 2 3 3 4 5 1
Observação:
Nos grupos C-18 e C18-a constituir CIPA por estabelecimento a partir de 70 trabalhadores e quando o estabelecimento possuir menos de 70
trabalhadores observar o dimensionamento descrito na NR 18 – subitem 18.33.1.
Os membros efetivos e suplentes terão representantes dos Empregadores e Empregados.
* As atividades econômicas integrantes dos grupos estão especificadas por CNAE nos QUADROS II e III.

51
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO II
Agrupamento de setores econômicos pela Classificação Nacional de Atividades
Econômicas – CNAE (versão 2.0), para dimensionamento da CIPA
C-1 – MINERAIS
05.00-3 06.00-0 07.10-3 07.21-9 07.22-7 07.23-5 07.24-3 07.25-1 07.29-4 08.10-0
08.91-6 08.92-4 08.93-2 08.99-1 09.10-6 09.90-4 19.10-1 23.20-6 23.91-5
C-1a – MINERAIS
19.21-7 19.22-5 19.31-4
C-2 – ALIMENTOS
10.11-2 10.12-1 10.13-9 10.20-1 10.31-7 10.32-5 10.33-3 10.41-4 10.42-2 10.43-1
10.51-1 10.52-0 10.53-8 10.61-9 10.62-7 10.63-5 10.64-3 10.65-1 10.66-0 10.69-4
10.71-6 10.72-4 10.81-3 10.82-1 10.91-1 10.92-9 10.93-7 10.94-5 10.95-3 10.96-1
10.99-6 11.11-9 11.12-7 11.13-5 11.21-6 11.22-4 12.10-7 12.20-4
C-3 – TÊXTEIS
13.11-1 13.12-0 13.13-8 13.14-6 13.21-9 13.22-7 13.23-5 13.40-5 13.59-6
C-3a – TÊXTEIS
13.30-8 13.51-1 13.52-9 13.53-7 13.54-5 13.59-6 14.21-5 14.22-3
C-4 – CONFECÇÃO
14.11-8 14.12-6 14.13-4 14.14-2 32.92-2
C-5 – CALÇADOS E SIMILARES
15.10-6 15.31-9 15.32-7 15.33-5 15.39-4 15.40-8
C-5a – CALÇADOS E SIMILARES
15.21-1 15.29-7
C-6 – MADEIRA
16.10-2 16.21-8 16.22-6 16.23-4 16.29-3 31.01-2
7 – PAPEL
17.31-1 17.32-0 17.33-8 17.41-9 17.42-7 17.49-4
C-7a – PAPEL
17.10-9 17.21-4 17.22-2
C-8 – GRÁFICOS
18.11-3 18.12-1 18.13-0 18.21-1 18.22-9 58.11-5 58.12-3 58.13-1 58.19-1 58.21-2
58.22-1 58.23-9 58.29-8 63.91-7
C-9 – SOM E IMAGEM
18.30-0 59.11-1 59.12-0 59.13-8 59.14-6 59.20-1 60.10-1 60.21-7 60.22-5 74.20-0
90.01-9 90.02-7 90.03-5
C-10 – QUÍMICOS
19.32-2 20.11-8 20.12-6 20.13-4 20.14-2 20.19-3 20.21-5 20.22-3 20.29-1 20.31-2
20.32-1 20.33-9 20.40-1 20.51-7 20.52-5 20.61-4 20.62-2 20.63-1 20.71-1 20.72-0
20.73-8 20.91-6 20.93-2 20.94-1 20.99-1 21.10-6 21.21-1 21.22-0 21.23-8 22.21-8
22.22-6 22.23-4 22.29-3 26.80-9 27.21-0 27.22-8 31.04-7
C-11 – BORRACHA
22.11-1 22.12-9 22.19-6
C-12 – NÃO METÁLICOS
23.11-7 23.12-5 23.19-2 23.30-3 23.41-9 23.42-7 23.49-4 23.92-3 23.99-1 32.11-6
38.32-7 38.39-4
C-13 – METÁLICOS
24.11-3 24.12-1 24.21-1 24.22-9 24.23-7 24.24-5 24.31-8 24.39-3 24.41-5 24.42-3
24.43-1 24.49-1 24.51-2 24.52-1 25.11-0 25.13-6 25.31-4 25.32-2 25.39-0 25.92-6
C-14 – EQUIPAMENTOS/MÁQUINAS E FERRAMENTAS
25.12-8 25.21-7 25.22-5 25.41-1 25.42-0 25.43-8 25.91-8 25.93-4 25.99-3 26.10-8
26.21-3 26.22-1 26.31-1 26.32-9 26.40-0 26.51-5 26.52-3 26.60-4 26.70-1 27.10-4
27.31-7 27.32-5 27.33-3 27.40-6 27.51-1 27.59-7 27.90-2 28.11-9 28.12-7 28.13-5
28.14-3 28.15-1 28.21-6 28.22-4 28.23-2 28.24-1 28.25-9 28.32-1 28.33-0 28.40-2
28.51-8 28.52-6 28.54-2 28.61-5 28.62-3 28.63-1 28.64-0 28.65-8 28.66-6 28.69-1
29.45-0 31.02-1 31.03-9 32.30-2 32.40-0 32.50-7 33.11-2 33.12-1 33.13-9 33.14-7
33.19-8 33.21-0 38.31-9 95.12-6 95.21-5
C-14a – EQUIPAMENTOS/MÁQUINAS E FERRAMENTAS
28.29-1 32.12-4 32.20-5 32.99-0 32.91-4 33.29-5 95.11-8
C-15 – EXPLOSIVOS E ARMAS
20.92-4 25.50-1
C-16 – VEÍCULOS
28.31-3 28.53-4 29.10-7 29.20-4 29.30-1 29.41-7 29.42-5 29.43-3 29.44-1 29.49-2
29.50-6 30.11-3 30.12-1 30.31-8 30.32-6 30.41-5 30.42-3 30.50-4 30.91-1 30.92-0
30.99-7 33.15-5 33.16-3 33.17-1 45.20-0 45.43-9
C-17 – ÁGUA E ENERGIA
35.11-5 35.12-3 35.13-1 35.14-0 35.20-4 35.30-1 36.00-6 37.01-1 37.02-9 38.11-4
38.12-2 38.21-1 38.22-0 39.00-5
C-18 – CONSTRUÇÃO
42.22-7 42.23-5 42.91-0 42.99-5 43.21-5 43.22-3 43.29-1 43.30-4 43.99-1
C-18a – CONSTRUÇÃO
41.20-4 42.11-1 42.12-0 42.13-8 42.21-9 42.92-8 43.11-8 43.12-6 43.13-4 43.19-3
43.91-6

52
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO II
Agrupamento de setores econômicos pela Classificação Nacional de Atividades
Econômicas – CNAE (versão 2.0), para dimensionamento da CIPA (continuação)
C-19 – INTERMEDIÁRIOS DO COMÉRCIO
46.11-7 46.14-1 46.15-0 46.16-8 46.17-6 46.18-4 46.19-2
C-20 – COMÉRCIO ATACADISTA
46.13-3 46.21-4 46.22-2 46.23-1 46.31-1 46.32-0 46.33-8 46.34-6 46.35-4 46.36-2
46.37-1 46.39-7 46.41-9 46.42-7 46.43-5 46.44-3 46.45-1 46.47-8 46.49-4 46.51-6
46.52-4 46.61-3 46.62-1 46.63-0 46.64-8 46.65-6 46.69-9 46.71-1 46.72-9 46.73-7
46.74-5 46.79-6 46.85-1 46.86-9 46.89-3 46.91-5 46.92-3 46.93-1
C-21 – COMÉRCIO VAREJISTA
45.11-1 45.12-9 45.30-7 45.41-2 45.42-1 47.11-3 47.12-1 47.13-0 47.21-1 47.22-9
47.23-7 47.24-5 47.29-6 47.41-5 47.42-3 47.43-1 47.44-0 47.51-2 47.52-1 47.53-9
47.54-7 47.55-5 47.56-3 47.57-1 47.59-8 47.61-0 47.62-8 47.63-6 47.71-7 47.72-5
47.73-3 47.74-1 47.81-4 47.82-2 47.83-1 47.85-7 47.89-0 47.90-3
C-22 – COMÉRCIO DE PRODUTOS PERIGOSOS
46.12-5 46.46-0 46.81-8 46.82-6 46.83-4 46.84-2 46.87-7 47.31-8 47.32-6 47.84-9
C-23 – ALOJAMENTO E ALIMENTAÇÃO
55.10-8 55.90-6 56.11-2 56.12-1 56.20-1 88.00-6
C-24 – TRANSPORTE
49.40-0 49.50-7 50.22-0 50.91-2 50.99-8 51.11-1 51.12-9 51.20-0 52.11-7 52.12-5
52.40-1
C-24a – TRANSPORTE
50.30-1 52.21-4 52.22-2 52.23-1 52.29-0 52.31-1 52.32-0 52.39-7 52.50-8
C-24b – TRANSPORTE
50.11-4 50.12-2 50.21-1 51.30-7
C-24c – TRANSPORTE
49.21-3 49.22-1 49.23-0 49.24-8 49.29-9 49.30-2
C-24d – TRANSPORTE
49.11-6 49.12-4
C-25 – CORREIO E TELECOMUNICAÇÕES
53.10-5 53.20-2 61.10-8 61.20-5 61.30-2 61.41-8 61.42-6 61.43-4 61.90-6
C-26 – SEGURO
65.11-1 65.12-0 65.20-1 65.30-8 65.41-3 65.42-1 65.50-2
C-27 – ADMINISTRAÇÃO DE MERCADOS FINANCEIROS
66.11-8 66.12-6 66.19-3 66.21-5 66.22-3 66.29-1 66.30-4
C-28 – BANCOS
64.10-7 64.21-2 64.22-1 64.23-9 64.24-7 64.31-0 64.32-8 64.33-6 64.34-4 64.35-2
64.36-1 64.37-9 64.40-9 64.50-6 64.61-1 64.63-8 64.70-1 64.91-3 64.92-1 64.93-0
64.99-9 66.13-4 77.40-3
C-29 – SERVIÇOS
41.10-7 64.62-0 68.10-2 68.21-8 68.22-6 69.11-7 69.12-5 69.20-6 70.10-7 70.20-4
73.20-3 77.21-7 77.22-5 77.23-3 77.29-2 79.11-2 79.12-1 79.90-2 81.11-7 85.50-3
94.11-1 94.12-0 94.20-1 94.30-8 94.91-0 94.92-8 94.93-6 94.99-5
C-30 – LOCAÇÃO DE MÃO DE OBRA E LIMPEZA
80.11-1 80.12-9 80.20-0 80.30-7 81.21-4 81.22-2 81.29-0 81.30-3 96.01-7
C-31 – ENSINO
85.11-2 85.12-1 85.13-9 85.20-1 85.31-7 85.32-5 85.33-3 85.41-4 85.42-2 85.91-1
85.92-9 85.93-7 85.99-6 91.01-5 91.02-3 91.03-1 93.11-5 93.12-3 93.13-1 93.19-1
C-32 – PESQUISAS
71.20-1 72.10-0 72.20-7
C-33 – ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
84.11-6 84.12-4 84.13-2 84.21-3 84.22-1 84.23-0 84.24-8 84.25-6 84.30-2 99.00-8
C-34 – SAÚDE
75.00-1 86.10-1 86.21-6 86.22-4 86.30-5 86.40-2 86.50-0 86.60-7 86.90-9 87.11-5
87.12-3 87.20-4 87.30-1 96.03-3
C-35 – OUTROS SERVIÇOS
62.01-5 62.02-3 62.03-1 62.04-0 62.09-1 63.11-9 63.19-4 63.99-2 71.11-1 71.12-0
71.19-7 73.11-4 73.12-2 73.19-0 74.10-2 74.90-1 77.11-0 77.19-5 77.31-4 77.32-2
77.33-1 77.39-0 78.10-8 78.20-5 78.30-2 81.12-5 82.11-3 82.19-9 82.20-2 82.30-0
82.91-1 82.92-0 82.99-7 92.00-3 93.21-2 93.29-8 95.29-1 96.02-5 96.09-2 97.00-5

53
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO III
Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (Versão 2.0),
com correspondente agrupamento para dimensionamento da CIPA
CNAE Descrição Grupo
05.00-3 Extração de carvão mineral C-1
06.00-0 Extração de petróleo e gás natural C-1
07.10-3 Extração de minério de ferro C-1
07.21-9 Extração de minério de alumínio C-1
07.22-7 Extração de minério de estanho C-1
07.23-5 Extração de minério de manganês C-1
07.24-3 Extração de minério de metais preciosos C-1
07.25-1 Extração de minerais radioativos C-1
07.29-4 Extração de minerais metálicos não ferrosos não especificados anteriormente C-1
08.10-0 Extração de pedra, areia e argila C-1
08.91-6 Extração de minerais para fabricação de adubos, fertilizantes e outros produtos C-1
químicos
08.92-4 Extração e refino de sal marinho e sal-gema C-1
08.93-2 Extração de gemas (pedras preciosas e semipreciosas) C-1
08.99-1 Extração de minerais não metálicos não especificados anteriormente C-1
09.10-6 Atividades de apoio à extração de petróleo e gás natural C-1
09.90-4 Atividades de apoio à extração de minerais, exceto petróleo e gás natural C-1
10.11-2 Abate de reses, exceto suínos C-2
10.12-1 Abate de suínos, aves e outros pequenos animais C-2
10.13-9 Fabricação de produtos de carne C-2
10.20-1 Preservação do pescado e fabricação de produtos do pescado C-2
10.31-7 Fabricação de conservas de frutas C-2
10.32-5 Fabricação de conservas de legumes e outros vegetais C-2
10.33-3 Fabricação de sucos de frutas, hortaliças e legumes C-2
10.41-4 Fabricação de óleos vegetais em bruto, exceto óleo de milho C-2
10.42-2 Fabricação de óleos vegetais refinados, exceto óleo de milho C-2
10.43-1 Fabricação de margarina e outras gorduras vegetais e de óleos não comestíveis de C-2
animais
10.51-1 Preparação do leite C-2
10.52-0 Fabricação de laticínios C-2
10.53-8 Fabricação de sorvetes e outros gelados comestíveis C-2
10.61-9 Beneficiamento de arroz e fabricação de produtos do arroz C-2
10.62-7 Moagem de trigo e fabricação de derivados C-2
10.63-5 Fabricação de farinha de mandioca e derivados C-2
10.64-3 Fabricação de farinha de milho e derivados, exceto óleos de milho C-2
10.65-1 Fabricação de amidos e féculas de vegetais e de óleos de milho C-2
10.66-0 Fabricação de alimentos para animais C-2
10.69-4 Moagem e fabricação de produtos de origem vegetal não especificados C-2
anteriormente
10.71-6 Fabricação de açúcar em bruto C-2
10.72-4 Fabricação de açúcar refinado C-2
10.81-3 Torrefação e moagem de café C-2
10.82-1 Fabricação de produtos à base de café C-2
10.91-1 Fabricação de produtos de panificação C-2
10.92-9 Fabricação de biscoitos e bolachas C-2
10.93-7 Fabricação de produtos derivados do cacau, de chocolates e confeitos C-2
10.94-5 Fabricação de massas alimentícias C-2
10.95-3 Fabricação de especiarias, molhos, temperos e condimentos C-2
10.96-1 Fabricação de alimentos e pratos prontos C-2
10.99-6 Fabricação de produtos alimentícios não especificados anteriormente C-2
11.11-9 Fabricação de aguardentes e outras bebidas destiladas C-2
11.12-7 Fabricação de vinho C-2
11.13-5 Fabricação de malte, cervejas e chopes C-2
11.21-6 Fabricação de águas envasadas C-2
11.22-4 Fabricação de refrigerantes e de outras bebidas não alcoólicas C-2
12.10-7 Processamento industrial do fumo C-2

54
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO III
Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (Versão 2.0),
com correspondente agrupamento para dimensionamento da CIPA (continuação)
CNAE Descrição Grupo
12.20-4 Fabricação de produtos do fumo C-2
13.11-1 Preparação e fiação de fibras de algodão C-3
13.12-0 Preparação e fiação de fibras têxteis naturais, exceto algodão C-3
13.13-8 Fiação de fibras artificiais e sintéticas C-3
13.14-6 Fabricação de linhas para costurar e bordar C-3
13.21-9 Tecelagem de fios de algodão C-3
13.22-7 Tecelagem de fios de fibras têxteis naturais, exceto algodão C-3
13.23-5 Tecelagem de fios de fibras artificiais e sintéticas C-3
13.30-8 Fabricação de tecidos de malha C-3a
13.40-5 Acabamentos em fios, tecidos e artefatos têxteis C-3
13.51-1 Fabricação de artefatos têxteis para uso doméstico C-3a
13.52-9 Fabricação de artefatos de tapeçaria C-3a
13.53-7 Fabricação de artefatos de cordoaria C-3a
13.54-5 Fabricação de tecidos especiais, inclusive artefatos C-3a
13.59-6 Fabricação de outros produtos têxteis não especificados anteriormente C-3a
14.11-8 Confecção de roupas íntimas C-4
14.12-6 Confecção de peças do vestuário, exceto roupas íntimas C-4
14.13-4 Confecção de roupas profissionais C-4
14.14-2 Fabricação de acessórios do vestuário, exceto para segurança e proteção C-4
14.21-5 Fabricação de meias C-3a
14.22-3 Fabricação de artigos do vestuário, produzidos em malharias e tricotagens, exceto C-3a
meias
15.10-6 Curtimento e outras preparações de couro C-5
15.21-1 Fabricação de artigos para viagem, bolsas e semelhantes de qualquer material C-5a
15.29-7 Fabricação de artefatos de couro não especificados anteriormente C-5a
15.31-9 Fabricação de calçados de couro C-5
15.32-7 Fabricação de tênis de qualquer material C-5
15.33-5 Fabricação de calçados de material sintético C-5
15.39-4 Fabricação de calçados de materiais não especificados anteriormente C-5
15.40-8 Fabricação de partes para calçados, de qualquer material C-5
16.10-2 Desdobramento de madeira C-6
16.21-8 Fabricação de madeira laminada e de chapas de madeira compensada, prensada e C-6
aglomerada
16.22-6 Fabricação de estruturas de madeira e de artigos de carpintaria para construção C-6
16.23-4 Fabricação de artefatos de tanoaria e de embalagens de madeira C-6
16.29-3 Fabricação de artefatos de madeira, palha, cortiça, vime e material trançado não C-6
especificados anteriormente, exceto móveis
17.10-9 Fabricação de celulose e outras pastas para a fabricação de papel C-7a
17.21-4 Fabricação de papel C-7a
17.22-2 Fabricação de cartolina e papel-cartão C-7a
17.31-1 Fabricação de embalagens de papel C-7
17.32-0 Fabricação de embalagens de cartolina e papel-cartão C-7
17.33-8 Fabricação de chapas e de embalagens de papelão ondulado C-7
17.41-9 Fabricação de produtos de papel, cartolina, papel-cartão e papelão ondulado para uso C-7
comercial e de escritório
17.42-7 Fabricação de produtos de papel para usos doméstico e higiênico-sanitário C-7
17.49-4 Fabricação de produtos de pastas celulósicas, papel, cartolina, papel-cartão e papelão C-7
ondulado não especificados anteriormente
18.11-3 Impressão de jornais, livros, revistas e outras publicações periódicas C-8
18.12-1 Impressão de material de segurança C-8
18.13-0 Impressão de materiais para outros usos C-8
18.21-1 Serviços de pré-impressão C-8
18.22-9 Serviços de acabamentos gráficos C-8
18.30-0 Reprodução de materiais gravados em qualquer suporte C-9
19.10-1 Coquerias C-1
19.21-7 Fabricação de produtos do refino de petróleo C-1a

55
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO III
Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (Versão 2.0),
com correspondente agrupamento para dimensionamento da CIPA (continuação)
CNAE Descrição Grupo
19.22-5 Fabricação de produtos derivados do petróleo, exceto produtos do refino C-1a
19.31-4 Fabricação de álcool C-1a
19.32-2 Fabricação de biocombustíveis, exceto álcool C-10
20.11-8 Fabricação de cloro e álcalis C-10
20.12-6 Fabricação de intermediários para fertilizantes C-10
20.13-4 Fabricação de adubos e fertilizantes C-10
20.14-2 Fabricação de gases industriais C-10
20.19-3 Fabricação de produtos químicos inorgânicos não especificados anteriormente C-10
20.21-5 Fabricação de produtos petroquímicos básicos C-10
20.22-3 Fabricação de intermediários para plastificantes, resinas e fibras C-10
20.29-1 Fabricação de produtos químicos orgânicos não especificados anteriormente C-10
20.31-2 Fabricação de resinas termoplásticas C-10
20.32-1 Fabricação de resinas termofixas C-10
20.33-9 Fabricação de elastômeros C-10
20.40-1 Fabricação de fibras artificiais e sintéticas C-10
20.51-7 Fabricação de defensivos agrícolas C-10
20.52-5 Fabricação de desinfestantes domissanitários C-10
20.61-4 Fabricação de sabões e detergentes sintéticos C-10
20.62-2 Fabricação de produtos de limpeza e polimento C-10
20.63-1 Fabricação de cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal C-10
20.71-1 Fabricação de tintas, vernizes, esmaltes e lacas C-10
20.72-0 Fabricação de tintas de impressão C-10
20.73-8 Fabricação de impermeabilizantes, solventes e produtos afins C-10
20.91-6 Fabricação de adesivos e selantes C-10
20.92-4 Fabricação de explosivos C-15
20.93-2 Fabricação de aditivos de uso industrial C-10
20.94-1 Fabricação de catalisadores C-10
20.99-1 Fabricação de produtos químicos não especificados anteriormente C-10
21.10-6 Fabricação de produtos farmoquímicos C-10
21.21-1 Fabricação de medicamentos para uso humano C-10
21.22-0 Fabricação de medicamentos para uso veterinário C-10
21.23-8 Fabricação de preparações farmacêuticas C-10
22.11-1 Fabricação de pneumáticos e de câmaras-de-ar C-11
22.12-9 Reforma de pneumáticos usados C-11
22.19-6 Fabricação de artefatos de borracha não especificados anteriormente C-11
22.21-8 Fabricação de laminados planos e tubulares de material plástico C-10
22.22-6 Fabricação de embalagens de material plástico C-10
22.23-4 Fabricação de tubos e acessórios de material plástico para uso na construção C-10
22.29-3 Fabricação de artefatos de material plástico não especificados anteriormente C-10
23.11-7 Fabricação de vidro plano e de segurança C12
23.12-5 Fabricação de embalagens de vidro C12
23.19-2 Fabricação de artigos de vidro C-12
23.20-6 Fabricação de cimento C-1
23.30-3 Fabricação de artefatos de concreto, cimento, fibrocimento, gesso e materiais C-12
semelhantes
23.41-9 Fabricação de produtos cerâmicos refratários C-12
23.42-7 Fabricação de produtos cerâmicos não refratários para uso estrutural na construção C-12
23.49-4 Fabricação de produtos cerâmicos não refratários não especificados anteriormente C-12
23.91-5 Aparelhamento e outros trabalhos em pedras C-1
23.92-3 Fabricação de cal e gesso C-12
23.99-1 Fabricação de produtos de minerais não metálicos não especificados anteriormente C-12
24.11-3 Produção de ferro-gusa C-13
24.12-1 Produção de ferroligas C-13
24.21-1 Produção de semi-acabados de aço C-13
24.22-9 Produção de laminados planos de aço C-13
24.23-7 Produção de laminados longos de aço C-13

56
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO III
Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (Versão 2.0),
com correspondente agrupamento para dimensionamento da CIPA (continuação)
CNAE Descrição Grupo
24.24-5 Produção de relaminados, trefilados e perfilados de aço C-13
24.31-8 Produção de tubos de aço com costura C-13
24.39-3 Produção de outros tubos de ferro e aço C-13
24.41-5 Metalurgia do alumínio e suas ligas C-13
24.42-3 Metalurgia dos metais preciosos C-13
24.43-1 Metalurgia do cobre C-13
24.49-1 Metalurgia dos metais não ferrosos e suas ligas não especificados anteriormente C-13
24.51-2 Fundição de ferro e aço C-13
24.52-1 Fundição de metais não ferrosos e suas ligas C-13
25.11-0 Fabricação de estruturas metálicas C-13
25.12-8 Fabricação de esquadrias de metal C-14
25.13-6 Fabricação de obras de caldeiraria pesada C-13
25.21-7 Fabricação de tanques, reservatórios metálicos e caldeiras para aquecimento central C-14
25.22-5 Fabricação de caldeiras geradoras de vapor, exceto para aquecimento central e para C-14
veículos
25.31-4 Produção de forjados de aço e de metais não ferrosos e suas ligas C-13
25.32-2 Produção de artefatos estampados de metal; metalurgia do pó C-13
25.39-0 Serviços de usinagem, solda, tratamento e revestimento em metais C-13
25.41-1 Fabricação de artigos de cutelaria C-14
25.42-0 Fabricação de artigos de serralheria, exceto esquadrias C-14
25.43-8 Fabricação de ferramentas C-14
25.50-1 Fabricação de equipamento bélico pesado, armas de fogo e munições C-15
25.91-8 Fabricação de embalagens metálicas C-14
25.92-6 Fabricação de produtos de trefilados de metal C-13
25.93-4 Fabricação de artigos de metal para uso doméstico e pessoal C-14
25.99-3 Fabricação de produtos de metal não especificados anteriormente C-14
26.10-8 Fabricação de componentes eletrônicos C-14
26.21-3 Fabricação de equipamentos de informática C-14
26.22-1 Fabricação de periféricos para equipamentos de informática C-14
26.31-1 Fabricação de equipamentos transmissores de comunicação C-14
26.32-9 Fabricação de aparelhos telefônicos e de outros equipamentos de comunicação C-14
26.40-0 Fabricação de aparelhos de recepção, reprodução, gravação e amplificação de áudio C-14
e vídeo
26.51-5 Fabricação de aparelhos e equipamentos de medida, teste e controle C-14
26.52-3 Fabricação de cronômetros e relógios C-14
26.60-4 Fabricação de aparelhos eletromédicos e eletroterapêuticos e equipamentos de C-14
irradiação
26.70-1 Fabricação de equipamentos e instrumentos ópticos, fotográficos e cinematográficos C-14
26.80-9 Fabricação de mídias virgens, magnéticas e ópticas C-10
27.10-4 Fabricação de geradores, transformadores e motores elétricos C-14
27.21-0 Fabricação de pilhas, baterias e acumuladores elétricos, exceto para veículos C-10
automotores
27.22-8 Fabricação de baterias e acumuladores para veículos automotores C-10
27.31-7 Fabricação de aparelhos e equipamentos para distribuição e controle de energia C-14
elétrica
27.32-5 Fabricação de material elétrico para instalações em circuito de consumo C-14
27.33-3 Fabricação de fios, cabos e condutores elétricos isolados C-14
27.40-6 Fabricação de lâmpadas e outros equipamentos de iluminação C-14
27.51-1 Fabricação de fogões, refrigeradores e máquinas de lavar e secar para uso doméstico C-14
27.59-7 Fabricação de aparelhos eletrodomésticos não especificados anteriormente C-14
27.90-2 Fabricação de equipamentos e aparelhos elétricos não especificados anteriormente C-14
28.11-9 Fabricação de motores e turbinas, exceto para aviões e veículos rodoviários C-14
28.12-7 Fabricação de equipamentos hidráulicos e pneumáticos, exceto válvulas C-14
28.13-5 Fabricação de válvulas, registros e dispositivos semelhantes C-14
28.14-3 Fabricação de compressores C-14
28.15-1 Fabricação de equipamentos de transmissão para fins industriais C-14

57
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO III
Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (Versão 2.0),
com correspondente agrupamento para dimensionamento da CIPA (continuação)
CNAE Descrição Grupo
28.21-6 Fabricação de aparelhos e equipamentos para instalações térmicas C-14
28.22-4 Fabricação de máquinas, equipamentos e aparelhos para transporte e elevação de C-14
cargas e pessoas
28.23-2 Fabricação de máquinas e aparelhos de refrigeração e ventilação para uso industrial e C-14
comercial
28.24-1 Fabricação de aparelhos e equipamentos de ar condicionado C-14
28.25-9 Fabricação de máquinas e equipamentos para saneamento básico e ambiental C-14
28.29-1 Fabricação de máquinas e equipamentos de uso geral não especificados C-14a
anteriormente
28.31-3 Fabricação de tratores agrícolas C-16
28.32-1 Fabricação de equipamentos para irrigação agrícola C-14
28.33-0 Fabricação de máquinas e equipamentos para a agricultura e pecuária, exceto para C-14
irrigação
28.40-2 Fabricação de máquinas-ferramenta C-14
28.51-8 Fabricação de máquinas e equipamentos para a prospecção e extração de petróleo C-14
28.52-6 Fabricação de outras máquinas e equipamentos para uso na extração mineral, exceto C-14
na extração de petróleo
28.53-4 Fabricação de tratores, exceto agrícolas C-16
28.54-2 Fabricação de máquinas e equipamentos para terraplenagem, pavimentação e C-14
construção, exceto tratores
28.61-5 Fabricação de máquinas para a indústria metalúrgica, exceto máquinas-ferramenta C-14
28.62-3 Fabricação de máquinas e equipamentos para as indústrias de alimentos, bebidas e C-14
fumo
28.63-1 Fabricação de máquinas e equipamentos para a indústria têxtil C-14
28.64-0 Fabricação de máquinas e equipamentos para as indústrias do vestuário, do couro e C-14
de calçados
28.65-8 Fabricação de máquinas e equipamentos para as indústrias de celulose, papel e C-14
papelão e artefatos
28.66-6 Fabricação de máquinas e equipamentos para a indústria do plástico C-14
28.69-1 Fabricação de máquinas e equipamentos para uso industrial específico não C-14
especificados anteriormente
29.10-7 Fabricação de automóveis, camionetas e utilitários C-16
29.20-4 Fabricação de caminhões e ônibus C-16
29.30-1 Fabricação de cabines, carrocerias e reboques para veículos automotores C-16
29.41-7 Fabricação de peças e acessórios para o sistema motor de veículos automotores C-16
29.42-5 Fabricação de peças e acessórios para os sistemas de marcha e transmissão de C-16
veículos automotores
29.43-3 Fabricação de peças e acessórios para o sistema de freios de veículos automotores C-16
29.44-1 Fabricação de peças e acessórios para o sistema de direção e suspensão de veículos C-16
automotores
29.45-0 Fabricação de material elétrico e eletrônico para veículos automotores, exceto C-14
baterias
29.49-2 Fabricação de peças e acessórios para veículos automotores não especificados C-16
anteriormente
29.50-6 Recondicionamento e recuperação de motores para veículos automotores C-16
30.11-3 Construção de embarcações e estruturas flutuantes C-16
30.12-1 Construção de embarcações para esporte e lazer C-16
30.31-8 Fabricação de locomotivas, vagões e outros materiais rodantes C-16
30.32-6 Fabricação de peças e acessórios para veículos ferroviários C-16
30.41-5 Fabricação de aeronaves C-16
30.42-3 Fabricação de turbinas, motores e outros componentes e peças para aeronaves C-16
30.50-4 Fabricação de veículos militares de combate C-16
30.91-1 Fabricação de motocicletas C-16
30.92-0 Fabricação de bicicletas e triciclos não motorizados C-16
30.99-7 Fabricação de equipamentos de transporte não especificados anteriormente C-16
31.01-2 Fabricação de móveis com predominância de madeira C-6
31.02-1 Fabricação de móveis com predominância de metal C-14

58
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO III
Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (Versão 2.0),
com correspondente agrupamento para dimensionamento da CIPA (continuação)
CNAE Descrição Grupo
31.03-9 Fabricação de móveis de outros materiais, exceto madeira e metal C-14
31.04-7 Fabricação de colchões C-10
32.11-6 Lapidação de gemas e fabricação de artefatos de ourivesaria e joalheria C-12
32.12-4 Fabricação de bijuterias e artefatos semelhantes C-14a
32.20-5 Fabricação de instrumentos musicais C-14a
32.30-2 Fabricação de artefatos para pesca e esporte C-14
32.40-0 Fabricação de brinquedos e jogos recreativos C-14
32.50-7 Fabricação de instrumentos e materiais para uso médico e odontológico e de artigos C-14
ópticos
32.91-4 Fabricação de escovas, pincéis e vassouras C-14a
32.92-2 Fabricação de equipamentos e acessórios para segurança e proteção pessoal e C-4
profissional
32.99-0 Fabricação de produtos diversos não especificados anteriormente C-14a
33.11-2 Manutenção e reparação de tanques, reservatórios metálicos e caldeiras, exceto para C-14
veículos
33.12-1 Manutenção e reparação de equipamentos eletrônicos e ópticos C-14
33.13-9 Manutenção e reparação de máquinas e equipamentos elétricos C-14
33.14-7 Manutenção e reparação de máquinas e equipamentos da indústria mecânica C-14
33.15-5 Manutenção e reparação de veículos ferroviários C-16
33.16-3 Manutenção e reparação de aeronaves C-16
33.17-1 Manutenção e reparação de embarcações C-16
33.19-8 Manutenção e reparação de equipamentos e produtos não especificados C-14
anteriormente
33.21-0 Instalação de máquinas e equipamentos industriais C-14
33.29-5 Instalação de equipamentos não especificados anteriormente C-14a
35.11-5 Geração de energia elétrica C-17
35.12-3 Transmissão de energia elétrica C-17
35.13-1 Comércio atacadista de energia elétrica C-17
35.14-0 Distribuição de energia elétrica C-17
35.20-4 Produção de gás; processamento de gás natural; distribuição de combustíveis C-17
gasosos por redes urbanas
35.30-1 Produção e distribuição de vapor, água quente e ar condicionado C-17
36.00-6 Captação, tratamento e distribuição de água C-17
37.01-1 Gestão de redes de esgoto C-17
37.02-9 Atividades relacionadas a esgoto, exceto a gestão de redes C-17
38.11-4 Coleta de resíduos não perigosos C-17
38.12-2 Coleta de resíduos perigosos C-17
38.21-1 Tratamento e disposição de resíduos não perigosos C-17
38.22-0 Tratamento e disposição de resíduos perigosos C-17
38.31-9 Recuperação de materiais metálicos C-14
38.32-7 Recuperação de materiais plásticos C-12
38.39-4 Recuperação de materiais não especificados anteriormente C-12
39.00-5 Descontaminação e outros serviços de gestão de resíduos C-17
41.10-7 Incorporação de empreendimentos imobiliários C-29
41.20-4 Construção de edifícios C-18a
42.11-1 Construção de rodovias e ferrovias C-18a
42.12-0 Construção de obras-de-arte especiais C-18a
42.13-8 Obras de urbanização – ruas, praças e calçadas C-18a
42.21-9 Obras para geração e distribuição de energia elétrica e para telecomunicações C-18a
42.22-7 Construção de redes de abastecimento de água, coleta de esgoto e construções C-18
correlatas
42.23-5 Construção de redes de transportes por dutos, exceto para água e esgoto C-18
42.91-0 Obras portuárias, marítimas e fluviais C-18
42.92-8 Montagem de instalações industriais e de estruturas metálicas C-18a
42.99-5 Obras de engenharia civil não especificadas anteriormente C-18
43.11-8 Demolição e preparação de canteiros de obras C-18a

59
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO III
Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (Versão 2.0),
com correspondente agrupamento para dimensionamento da CIPA (continuação)
CNAE Descrição Grupo
43.12-6 Perfurações e sondagens C-18a
43.13-4 Obras de terraplenagem C-18a
43.19-3 Serviços de preparação do terreno não especificados anteriormente C-18a
43.21-5 Instalações elétricas C-18
43.22-3 Instalações hidráulicas, de sistemas de ventilação e refrigeração C-18
43.29-1 Obras de instalações em construções não especificadas anteriormente C-18
43.30-4 Obras de acabamento C-18
43.91-6 Obras de fundações C-18a
43.99-1 Serviços especializados para construção não especificados anteriormente C-18
45.11-1 Comércio a varejo e por atacado de veículos automotores C-21
45.12-9 Representantes comerciais e agentes do comércio de veículos automotores C-21
45.20-0 Manutenção e reparação de veículos automotores C-16
45.30-7 Comércio de peças e acessórios para veículos automotores C-21
45.41-2 Comércio por atacado e a varejo de motocicletas, peças e acessórios C-21
45.42-1 Representantes comerciais e agentes do comércio de motocicletas, peças e C-21
acessórios
45.43-9 Manutenção e reparação de motocicletas C-16
46.11-7 Representantes comerciais e agentes do comércio de matérias-primas agrícolas e C-19
animais vivos
46.12-5 Representantes comerciais e agentes do comércio de combustíveis, minerais, C-22
produtos siderúrgicos e químicos
46.13-3 Representantes comerciais e agentes do comércio de madeira, material de C-20
construção e ferragens
46.14-1 Representantes comerciais e agentes do comércio de máquinas, equipamentos, C-19
embarcações e aeronaves
46.15-0 Representantes comerciais e agentes do comércio de eletrodomésticos, móveis e C-19
artigos de uso doméstico
46.16-8 Representantes comerciais e agentes do comércio de têxteis, vestuário, calçados e C-19
artigos de viagem
46.17-6 Representantes comerciais e agentes do comércio de produtos alimentícios, bebidas C-19
e fumo
46.18-4 Representantes comerciais e agentes do comércio especializado em produtos não C-19
especificados anteriormente
46.19-2 Representantes comerciais e agentes do comércio de mercadorias em geral não C-19
especializado
46.21-4 Comércio atacadista de café em grão C-20
46.22-2 Comércio atacadista de soja C-20
46.23-1 Comércio atacadista de animais vivos, alimentos para animais e matérias-primas C-20
agrícolas, exceto café e soja
46.31-1 Comércio atacadista de leite e laticínios C-20
46.32-0 Comércio atacadista de cereais e leguminosas beneficiados, farinhas, amidos e C-20
féculas
46.33-8 Comércio atacadista de hortifrutigranjeiros C-20
46.34-6 Comércio atacadista de carnes, produtos da carne e pescado C-20
46.35-4 Comércio atacadista de bebidas C-20
46.36-2 Comércio atacadista de produtos do fumo C-20
46.37-1 Comércio atacadista especializado em produtos alimentícios não especificados C-20
anteriormente
46.39-7 Comércio atacadista de produtos alimentícios em geral C-20
46.41-9 Comércio atacadista de tecidos, artefatos de tecidos e de armarinho C-20
46.42-7 Comércio atacadista de artigos do vestuário e acessórios C-20
46.43-5 Comércio atacadista de calçados e artigos de viagem C-20
46.44-3 Comércio atacadista de produtos farmacêuticos para uso humano e veterinário C-20
46.45-1 Comércio atacadista de instrumentos e materiais para uso médico, cirúrgico, C-20
ortopédico e odontológico
46.46-0 Comércio atacadista de cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal C-22

60
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO III
Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (Versão 2.0),
com correspondente agrupamento para dimensionamento da CIPA (continuação)
CNAE Descrição Grupo
46.47-8 Comércio atacadista de artigos de escritório e de papelaria; livros, jornais e outras C-20
publicações
46.49-4 Comércio atacadista de equipamentos e artigos de uso pessoal e doméstico não C-20
especificados anteriormente
46.51-6 Comércio atacadista de computadores, periféricos e suprimentos de informática C-20
46.52-4 Comércio atacadista de componentes eletrônicos e equipamentos de telefonia e C-20
comunicação
46.61-3 Comércio atacadista de máquinas, aparelhos e equipamentos para uso agropecuário; C-20
partes e peças
46.62-1 Comércio atacadista de máquinas, equipamentos para terraplenagem, mineração e C-20
construção; partes e peças
46.63-0 Comércio atacadista de máquinas e equipamentos para uso industrial; partes e peças C-20
46.64-8 Comércio atacadista de máquinas, aparelhos e equipamentos para uso odonto- C-20
médico-hospitalar; partes e peças
46.65-6 Comércio atacadista de máquinas e equipamentos para uso comercial; partes e C-20
peças
46.69-9 Comércio atacadista de máquinas, aparelhos e equipamentos não especificados C-20
anteriormente; partes e peças
46.71-1 Comércio atacadista de madeira e produtos derivados C-20
46.72-9 Comércio atacadista de ferragens e ferramentas C-20
46.73-7 Comércio atacadista de material elétrico C-20
46.74-5 Comércio atacadista de cimento C-20
46.79-6 Comércio atacadista especializado de materiais de construção não especificados C-20
anteriormente e de materiais de construção em geral
46.81-8 Comércio atacadista de combustíveis sólidos, líquidos e gasosos, exceto gás natural C-22
e GLP
46.82-6 Comércio atacadista de gás liquefeito de petróleo (GLP) C-22
46.83-4 Comércio atacadista de defensivos agrícolas, adubos, fertilizantes e corretivos do solo C-22
46.84-2 Comércio atacadista de produtos químicos e petroquímicos, exceto agroquímicos C-22
46.85-1 Comércio atacadista de produtos siderúrgicos e metalúrgicos, exceto para construção C-20
46.86-9 Comércio atacadista de papel e papelão em bruto e de embalagens C-20
46.87-7 Comércio atacadista de resíduos e sucatas C-22
46.89-3 Comércio atacadista especializado de outros produtos intermediários não C-20
especificados anteriormente
46.91-5 Comércio atacadista de mercadorias em geral, com predominância de produtos C-20
alimentícios
46.92-3 Comércio atacadista de mercadorias em geral, com predominância de insumos C-20
agropecuários
46.93-1 Comércio atacadista de mercadorias em geral, sem predominância de alimentos ou C-20
de insumos agropecuários
47.11-3 Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos C-21
alimentícios – hipermercados e supermercados
47.12-1 Comércio varejista de mercadorias em geral, com predominância de produtos C-21
alimentícios – minimercados, mercearias e armazéns
47.13-0 Comércio varejista de mercadorias em geral, sem predominância de produtos C-21
alimentícios
47.21-1 Comércio varejista de produtos de padaria, laticínio, doces, balas e semelhantes C-21
47.22-9 Comércio varejista de carnes e pescados – açougues e peixarias C-21
47.23-7 Comércio varejista de bebidas C-21
47.24-5 Comércio varejista de hortifrutigranjeiros C-21
47.29-6 Comércio varejista de produtos alimentícios em geral ou especializado em produtos C-21
alimentícios não especificados anteriormente; produtos do fumo
47.31-8 Comércio varejista de combustíveis para veículos automotores C-22
47.32-6 Comércio varejista de lubrificantes C-22
47.41-5 Comércio varejista de tintas e materiais para pintura C-21
47.42-3 Comércio varejista de material elétrico C-21
47.43-1 Comércio varejista de vidros C-21

61
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO III
Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (Versão 2.0),
com correspondente agrupamento para dimensionamento da CIPA (continuação)
CNAE Descrição Grupo
47.44-0 Comércio varejista de ferragens, madeira e materiais de construção C-21
47.51-2 Comércio varejista especializado de equipamentos e suprimentos de informática C-21
47.52-1 Comércio varejista especializado de equipamentos de telefonia e comunicação C-21
47.53-9 Comércio varejista especializado de eletrodomésticos e equipamentos de áudio e C-21
vídeo
47.54-7 Comércio varejista especializado de móveis, colchoaria e artigos de iluminação C-21
47.55-5 Comércio varejista especializado de tecidos e artigos de cama, mesa e banho C-21
47.56-3 Comércio varejista especializado de instrumentos musicais e acessórios C-21
47.57-1 Comércio varejista especializado de peças e acessórios para aparelhos C-21
eletroeletrônicos para uso doméstico, exceto informática e comunicação
47.59-8 Comércio varejista de artigos de uso doméstico não especificados anteriormente C-21
47.61-0 Comércio varejista de livros, jornais, revistas e papelaria C-21
47.62-8 Comércio varejista de discos, CDs, DVDs e fitas C-21
47.63-6 Comércio varejista de artigos recreativos e esportivos C-21
47.71-7 Comércio varejista de produtos farmacêuticos para uso humano e veterinário C-21
47.72-5 Comércio varejista de cosméticos, produtos de perfumaria e de higiene pessoal C-21
47.73-3 Comércio varejista de artigos médicos e ortopédicos C-21
47.74-1 Comércio varejista de artigos de óptica C-21
47.81-4 Comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios C-21
47.82-2 Comércio varejista de calçados e artigos de viagem C-21
47.83-1 Comércio varejista de jóias e relógios C-21
47.84-9 Comércio varejista de gás liquefeito de petróleo (GLP) C-22
47.85-7 Comércio varejista de artigos usados C-21
47.89-0 Comércio varejista de outros produtos novos não especificados anteriormente C-21
47.90-3 Comércio ambulante e outros tipos de comércio varejista C-21
49.11-6 Transporte ferroviário de carga C-24d
49.12-4 Transporte metroferroviário de passageiros C-24d
49.21-3 Transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo, municipal e em C-24c
região metropolitana
49.22-1 Transporte rodoviário coletivo de passageiros, com itinerário fixo, intermunicipal, C-24c
interestadual e internacional
49.23-0 Transporte rodoviário de táxi C-24c
49.24-8 Transporte escolar C-24c
49.29-9 Transporte rodoviário coletivo de passageiros, sob regime de fretamento, e outros C-24c
transportes rodoviários não especificados anteriormente
49.30-2 Transporte rodoviário de carga C-24c
49.30-2 Transporte rodoviário de carga C-24c
49.40-0 Transporte dutoviário C-24
49.50-7 Trens turísticos, teleféricos e similares C-24
50.11-4 Transporte marítimo de cabotagem C-24b
50.12-2 Transporte marítimo de longo curso C-24b
50.21-1 Transporte por navegação interior de carga C-24b
50.22-0 Transporte por navegação interior de passageiros em linhas regulares C-24
50.30-1 Navegação de apoio C-24a
50.91-2 Transporte por navegação de travessia C-24
50.99-8 Transportes aquaviários não especificados anteriormente C-24
51.11-1 Transporte aéreo de passageiros regular C-24
51.12-9 Transporte aéreo de passageiros não regular C-24
51.20-0 Transporte aéreo de carga C-24
51.30-7 Transporte espacial C-24b
52.11-7 Armazenamento C- 24
52.12-5 Carga e descarga C-24
52.21-4 Concessionárias de rodovias, pontes, túneis e serviços relacionados C-24a
52.22-2 Terminais rodoviários e ferroviários C-24a
52.23-1 Estacionamento de veículos C-24a
52.29-0 Atividades auxiliares dos transportes terrestres não especificadas anteriormente C-24a

62
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO III
Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (Versão 2.0),
com correspondente agrupamento para dimensionamento da CIPA (continuação)
CNAE Descrição Grupo
52.31-1 Gestão de portos e terminais C-24a
52.32-0 Atividades de agenciamento marítimo C-24a
52.39-7 Atividades auxiliares dos transportes aquaviários não especificadas anteriormente C-24a
52.40-1 Atividades auxiliares dos transportes aéreos C-24
52.50-8 Atividades relacionadas à organização do transporte de carga C-24a
53.10-5 Atividades de Correio C-25
53.20-2 Atividades de malote e de entrega C-25
55.10-8 Hotéis e similares C-23
55.90-6 Outros tipos de alojamento não especificados anteriormente C-23
56.11-2 Restaurantes e outros estabelecimentos de serviços de alimentação e bebidas C-23
56.12-1 Serviços ambulantes de alimentação C-23
56.20-1 Serviços de catering, bufê e outros serviços de comida preparada C-23
58.11-5 Edição de livros C-8
58.12-3 Edição de jornais C-8
58.13-1 Edição de revistas C-8
58.19-1 Edição de cadastros, listas e outros produtos gráficos C-8
58.21-2 Edição integrada à impressão de livros C-8
58.22-1 Edição integrada à impressão de jornais C-8
58.23-9 Edição integrada à impressão de revistas C-8
58.29-8 Edição integrada à impressão de cadastros, listas e outros produtos gráficos C-8
59.11-1 Atividades de produção cinematográfica, de vídeos e de programas de televisão C-9
59.12-0 Atividades de pós-produção cinematográfica, de vídeos e de programas de televisão C-9
59.13-8 Distribuição cinematográfica, de vídeo e de programas de televisão C-9
59.14-6 Atividades de exibição cinematográfica C-9
59.20-1 Atividades de gravação de som e de edição de música C-9
60.10-1 Atividades de rádio C-9
60.21-7 Atividades de televisão aberta C-9
60.22-5 Programadoras e atividades relacionadas à televisão por assinatura C-9
61.10-8 Telecomunicações por fio C-25
61.20-5 Telecomunicações sem fio C-25
61.30-2 Telecomunicações por satélite C-25
61.41-8 Operadoras de televisão por assinatura por cabo C-25
61.42-6 Operadoras de televisão por assinatura por micro-ondas C-25
61.43-4 Operadoras de televisão por assinatura por satélite C-25
61.90-6 Outras atividades de telecomunicações C-25
62.01-5 Desenvolvimento de programas de computador sob encomenda C-35
62.02-3 Desenvolvimento e licenciamento de programas de computador customizáveis C-35
62.03-1 Desenvolvimento e licenciamento de programas de computador não customizáveis C-35
62.04-0 Consultoria em tecnologia da informação C-35
62.09-1 Suporte técnico, manutenção e outros serviços em tecnologia da informação C-35
63.11-9 Tratamento de dados, provedores de serviços de aplicação e serviços de C-35
hospedagem na internet
63.19-4 Portais, provedores de conteúdo e outros serviços de informação na internet C-35
63.91-7 Agências de notícias C-8
63.99-2 Outras atividades de prestação de serviços de informação não especificadas C-35
anteriormente
64.10-7 Banco Central C-28
64.21-2 Bancos comerciais C-28
64.22-1 Bancos múltiplos, com carteira comercial C-28
64.23-9 Caixas econômicas C-28
64.24-7 Crédito cooperativo C-28
64.31-0 Bancos múltiplos, sem carteira comercial C-28
64.32-8 Bancos de investimento C-28
64.33-6 Bancos de desenvolvimento C-28
64.34-4 Agências de fomento C-28
64.35-2 Crédito imobiliário C-28

63
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO III
Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (Versão 2.0),
com correspondente agrupamento para dimensionamento da CIPA (continuação)
CNAE Descrição Grupo
64.36-1 Sociedades de crédito, financiamento e investimento – financeiras C-28
64.37-9 Sociedades de crédito ao microempreendedor C-28
64.40-9 Arrendamento mercantil C-28
64.50-6 Sociedades de capitalização C-28
64.61-1 Holdings de instituições financeiras C-28
64.62-0 Holdings de instituições não financeiras C-29
64.63-8 Outras sociedades de participação, exceto holdings C-28
64.70-1 Fundos de investimento C-28
64.91-3 Sociedades de fomento mercantil – factoring C-28
64.92-1 Securitização de créditos C-28
64.93-0 Administração de consórcios para aquisição de bens e direitos C-28
64.99-9 Outras atividades de serviços financeiros não especificadas anteriormente C-28
65.11-1 Seguros de vida C-26
65.12-0 Seguros não vida C-26
65.20-1 Seguros-saúde C-26
65.30-8 Resseguros C-26
65.41-3 Previdência complementar fechada C-26
65.42-1 Previdência complementar aberta C-26
65.50-2 Planos de saúde C-26
66.11-8 Administração de bolsas e mercados de balcão organizados C-27
66.12-6 Atividades de intermediários em transações de títulos, valores mobiliários e C-27
mercadorias
66.13-4 Administração de cartões de crédito C-28
66.19-3 Atividades auxiliares dos serviços financeiros não especificadas anteriormente C-27
66.21-5 Avaliação de riscos e perdas C-27
66.22-3 Corretores e agentes de seguros, de planos de previdência complementar e de saúde C-27
66.29-1 Atividades auxiliares dos seguros, da previdência complementar e dos planos de C-27
saúde não especificadas anteriormente
66.30-4 Atividades de administração de fundos por contrato ou comissão C-27
68.10-2 Atividades imobiliárias de imóveis próprios C-29
68.21-8 Intermediação na compra, venda e aluguel de imóveis C-29
68.22-6 Gestão e administração da propriedade imobiliária C-29
69.11-7 Atividades jurídicas, exceto cartórios C-29
69.12-5 Cartórios C-29
69.20-6 Atividades de contabilidade, consultoria e auditoria contábil e tributária C-29
70.10-7 Sedes de empresas e unidades administrativas locais C-29
70.20-4 Atividades de consultoria em gestão empresarial C-29
71.11-1 Serviços de arquitetura C-35
71.12-0 Serviços de engenharia C-35
71.19-7 Atividades técnicas relacionadas à arquitetura e engenharia C-35
71.20-1 Testes e análises técnicas C-32
72.10-0 Pesquisa e desenvolvimento experimental em ciências físicas e naturais C-32
72.20-7 Pesquisa e desenvolvimento experimental em ciências sociais e humanas C-32
73.11-4 Agências de publicidade C-35
73.12-2 Agenciamento de espaços para publicidade, exceto em veículos de comunicação C-35
73.19-0 Atividades de publicidade não especificadas anteriormente C-35
73.20-3 Pesquisas de mercado e de opinião pública C-29
74.10-2 Design e decoração de interiores C-35
74.20-0 Atividades fotográficas e similares C-9
74.90-1 Atividades profissionais, científicas e técnicas não especificadas anteriormente C-35
75.00-1 Atividades veterinárias C-34
77.11-0 Locação de automóveis sem condutor C-35
77.19-5 Locação de meios de transporte, exceto automóveis, sem condutor C-35
77.21-7 Aluguel de equipamentos recreativos e esportivos C-29
77.22-5 Aluguel de fitas de vídeo, DVDs e similares C-29
77.23-3 Aluguel de objetos do vestuário, jóias e acessórios C-29

64
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO III
Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (Versão 2.0),
com correspondente agrupamento para dimensionamento da CIPA (continuação)
CNAE Descrição Grupo
77.29-2 Aluguel de objetos pessoais e domésticos não especificados anteriormente C-29
77.31-4 Aluguel de máquinas e equipamentos agrícolas sem operador C-35
77.32-2 Aluguel de máquinas e equipamentos para construção sem operador C-35
77.33-1 Aluguel de máquinas e equipamentos para escritório C-35
77.39-0 Aluguel de máquinas e equipamentos não especificados anteriormente C-35
77.40-3 Gestão de ativos intangíveis não financeiros C-28
78.10-8 Seleção e agenciamento de mão de obra C-35
78.20-5 Locação de mão de obra temporária C-35
78.30-2 Fornecimento e gestão de recursos humanos para terceiros C-35
79.11-2 Agências de viagens C-29
79.12-1 Operadores turísticos C-29
79.90-2 Serviços de reservas e outros serviços de turismo não especificados anteriormente C-29
80.11-1 Atividades de vigilância e segurança privada C-30
80.12-9 Atividades de transporte de valores C-30
80.20-0 Atividades de monitoramento de sistemas de segurança C-30
80.30-7 Atividades de investigação particular C-30
81.11-7 Serviços combinados para apoio a edifícios, exceto condomínios prediais C-29
81.12-5 Condomínios prediais C-35
81.21-4 Limpeza em prédios e em domicílios C-30
81.22-2 Imunização e controle de pragas urbanas C-30
81.29-0 Atividades de limpeza não especificadas anteriormente C-30
81.30-3 Atividades paisagísticas C-30
82.11-3 Serviços combinados de escritório e apoio administrativo C-35
82.19-9 Fotocópias, preparação de documentos e outros serviços especializados de apoio C-35
administrativo
82.20-2 Atividades de teleatendimento C-35
82.30-0 Atividades de organização de eventos, exceto culturais e esportivos C-35
82.91-1 Atividades de cobrança e informações cadastrais C-35
82.92-0 Envasamento e empacotamento sob contrato C-35
82.99-7 Atividades de serviços prestados principalmente às empresas não especificadas C-35
anteriormente
84.11-6 Administração pública em geral C-33
84.12-4 Regulação das atividades de saúde, educação, serviços culturais e outros serviços C-33
sociais
84.13-2 Regulação das atividades econômicas C-33
84.21-3 Relações exteriores C-33
84.22-1 Defesa C-33
84.23-0 Justiça C-33
84.24-8 Segurança e ordem pública C-33
84.25-6 Defesa Civil C-33
84.30-2 Seguridade social obrigatória C-33
85.11-2 Educação infantil – creche C-31
85.12-1 Educação infantil – pré-escola C-31
85.13-9 Ensino fundamental C-31
85.20-1 Ensino médio C-31
85.31-7 Educação superior – graduação C-31
85.32-5 Educação superior – graduação e pós-graduação C-31
85.33-3 Educação superior – pós-graduação e extensão C-31
85.41-4 Educação profissional de nível técnico C-31
85.42-2 Educação profissional de nível tecnológico C-31
85.50-3 Atividades de apoio à educação C-29
85.91-1 Ensino de esportes C-31
85.92-9 Ensino de arte e cultura C-31
85.93-7 Ensino de idiomas C-31
85.99-6 Atividades de ensino não especificadas anteriormente C-31
86.10-1 Atividades de atendimento hospitalar C-34

65
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 5 SAIR

QUADRO III
Relação da Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE (Versão 2.0),
com correspondente agrupamento para dimensionamento da CIPA (continuação)
CNAE Descrição Grupo
86.21-6 Serviços móveis de atendimento a urgências C-34
86.22-4 Serviços de remoção de pacientes, exceto os serviços móveis de atendimento a C-34
urgências
86.30-5 Atividades de atenção ambulatorial executadas por médicos e odontólogos C-34
86.40-2 Atividades de serviços de complementação diagnóstica e terapêutica C-34
86.50-0 Atividades de profissionais da área de saúde, exceto médicos e odontólogos C-34
86.60-7 Atividades de apoio à gestão de saúde C-34
86.90-9 Atividades de atenção à saúde humana não especificadas anteriormente C-34
87.11-5 Atividades de assistência a idosos, deficientes físicos, imunodeprimidos e C-34
convalescentes prestadas em residências coletivas e particulares
87.12-3 Atividades de fornecimento de infraestrutura de apoio e assistência a paciente no C-34
domicílio
87.20-4 Atividades de assistência psicossocial e à saúde a portadores de distúrbios psíquicos, C-34
deficiência mental e dependência química
87.30-1 Atividades de assistência social prestadas em residências coletivas e particulares C-34
88.00-6 Serviços de assistência social sem alojamento C-23
90.01-9 Artes cênicas, espetáculos e atividades complementares C-9
90.02-7 Criação artística C-9
90.03-5 Gestão de espaços para artes cênicas, espetáculos e outras atividades artísticas C-9
91.01-5 Atividades de bibliotecas e arquivos C-31
91.02-3 Atividades de museus e de exploração, restauração artística e conservação de C-31
lugares e prédios históricos e atrações similares
91.03-1 Atividades de jardins botânicos, zoológicos, parques nacionais, reservas ecológicas e C-31
áreas de proteção ambiental
92.00-3 Atividades de exploração de jogos de azar e apostas C-35
93.11-5 Gestão de instalações de esportes C-31
93.12-3 Clubes sociais, esportivos e similares C-31
93.13-1 Atividades de condicionamento físico C-31
93.19-1 Atividades esportivas não especificadas anteriormente C-31
93.21-2 Parques de diversão e parques temáticos C-35
93.29-8 Atividades de recreação e lazer não especificadas anteriormente C-35
94.11-1 Atividades de organizações associativas patronais e empresariais C-29
94.12-0 Atividades de organizações associativas profissionais C-29
94.20-1 Atividades de organizações sindicais C-29
94.30-8 Atividades de associações de defesa de direitos sociais C-29
94.91-0 Atividades de organizações religiosas C-29
94.92-8 Atividades de organizações políticas C-29
94.93-6 Atividades de organizações associativas ligadas à cultura e à arte C-29
94.99-5 Atividades associativas não especificadas anteriormente C-29
95.11-8 Reparação e manutenção de computadores e de equipamentos periféricos C-14a
95.12-6 Reparação e manutenção de equipamentos de comunicação C-14
95.21-5 Reparação e manutenção de equipamentos eletroeletrônicos de uso pessoal e C-14
doméstico
95.29-1 Reparação e manutenção de objetos e equipamentos pessoais e domésticos não C-35
especificados anteriormente
95.29-1 Reparação e manutenção de objetos e equipamentos pessoais e domésticos não C-35
especificados anteriormente
96.01-7 Lavanderias, tinturarias e toalheiros C-30
96.02-5 Cabeleireiros e outras atividades de tratamento de beleza C-35
96.03-3 Atividades funerárias e serviços relacionados C-34
96.09-2 Atividades de serviços pessoais não especificadas anteriormente C-35
97.00-5 Serviços domésticos C-35
99.00-8 Organismos internacionais e outras instituições extraterritoriais C-33

66
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 6 SAIR

NR 6
Equipamento de Proteção Individual –
EPI (206.000-0)
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Alterações/Atualizações:
Portaria SSMT n. 05, de 07 de maio de 1982 – DOU de 17.05.82
Portaria SSMT n. 06, de 09 de março de 1983 – DOU de 14.03.83
Portaria DSST n. 05, de 28 de outubro de 1991 – DOU de 30.10.91
Portaria DSST n. 03, de 20 de fevereiro de 1992 – DOU de 21.02.92
Portaria DSST n. 02, de 20 de maio de 1992 – DOU de 21.05.92
Portaria DNSST n. 06, de 19 de agosto de 1992 – DOU de 20.08.92
Portaria SSST n. 26, de 29 de dezembro de 1994 – DOU de 30.12.94
Portaria SIT n. 25, de 15 de outubro de 2001 – DOU de 17.10.01
Portaria SIT n. 48, de 25 de março de 2003 – DOU de 28.03.04
Portaria SIT n. 108, de 30 de dezembro de 2004 – DOU de 10.12.04
Portaria SIT n. 191, de 04 de dezembro de 2006 – DOU de 06.12.06
Portaria SIT n. 194, de 22 de dezembro de 2006 – DOU de 22.12.06
Portaria SIT n. 125, de 12 de novembro de 2009 – DOU de 13.11.09

6.1. Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora – NR, considera-se


Equipamento de Proteção Individual – EPI, todo dispositivo ou produto, de uso
individual utilizado pelo trabalhador, destinado à proteção de riscos suscetíveis de
ameaçar a segurança e a saúde no trabalho.
6.1.1. Entende-se como Equipamento Conjugado de Proteção Individual, todo
aquele composto por vários dispositivos, que o fabricante tenha associado contra
um ou mais riscos que possam ocorrer simultaneamente e que sejam suscetíveis de
ameaçar a segurança e a saúde no trabalho.
6.2. O equipamento de proteção individual, de fabricação nacional ou importado, só
poderá ser posto à venda ou utilizado com a indicação do Certificado de Aprovação
– CA, expedido pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no
trabalho do Ministério do Trabalho e Emprego. (206.023-0/I4)
6.3. A empresa é obrigada a fornecer aos empregados, gratuitamente, EPI adequado
ao risco, em perfeito estado de conservação e funcionamento, nas seguintes circuns-
tâncias: (206.024-8/I4)
a) sempre que as medidas de ordem geral não ofereçam completa proteção contra
os riscos de acidentes do trabalho ou de doenças profissionais e do trabalho;

67
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 6 SAIR

b) enquanto as medidas de proteção coletiva estiverem sendo implantadas; e,


c) para atender a situações de emergência.
6.4. Atendidas as peculiaridades de cada atividade profissional, e observado o disposto
no item 6.3, o empregador deve fornecer aos trabalhadores os EPI adequados, de
acordo com o disposto no ANEXO I desta NR.
6.4.1. As solicitações para que os produtos que não estejam relacionados no ANE-
XO I, desta NR, sejam considerados como EPI, bem como as propostas para
reexame daqueles ora elencados, deverão ser avaliadas por comissão tripartite a ser
constituída pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no
trabalho, após ouvida a CTPP, sendo as conclusões submetidas àquele órgão do
Ministério do Trabalho e Emprego para aprovação.
6.5. Compete ao Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina
do Trabalho – SESMT, ou a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – CIPA,
nas empresas desobrigadas de manter o SESMT, recomendar ao empregador o EPI
adequado ao risco existente em determinada atividade.
6.5.1. Nas empresas desobrigadas de constituir CIPA, cabe ao designado, median-
te orientação de profissional tecnicamente habilitado, recomendar o EPI adequa-
do à proteção do trabalhador.
6.6. Cabe ao empregador
6.6.1. Cabe ao empregador quanto ao EPI:
a) adquirir o adequado ao risco de cada atividade; (206.005-1/I3)
b) exigir seu uso; (206.025-6/I4)
c) fornecer ao trabalhador somente o aprovado pelo órgão nacional competente
em matéria de segurança e saúde no trabalho; (206.026-4/I4)
d) orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado, guarda e conservação;
(206.008-6/I3)
e) substituir imediatamente, quando danificado ou extraviado; (206.009-0/I3)
f ) responsabilizar-se pela higienização e manutenção periódica; (206.027-2/I2)
g) comunicar ao MTE qualquer irregularidade observada;
h) registrar o seu fornecimento ao trabalhador, podendo ser adotados livros, fichas
ou sistema eletrônico. (Inserida pela Portaria SIT n. 107, de 25 de agosto de 2009)
6.7. Cabe ao empregado
6.7.1. Cabe ao empregado quanto ao EPI:
a) usar, utilizando-o apenas para a finalidade a que se destina;
b) responsabilizar-se pela guarda e conservação;
c) comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne impróprio para uso; e,
d) cumprir as determinações do empregador sobre o uso adequado.
6.8. Cabe ao fabricante e ao importador
6.8.1. O fabricante nacional ou o importador deverá:
a) cadastrar-se, segundo o ANEXO II, junto ao órgão nacional competente em
matéria de segurança e saúde no trabalho;
b) solicitar a emissão do CA, conforme o ANEXO II;
c) solicitar a renovação do CA, conforme o ANEXO II, quando vencido o prazo

68
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 6 SAIR

de validade estipulado pelo órgão nacional competente em matéria de segurança


e saúde do trabalho;
d) requerer novo CA, de acordo com o ANEXO II, quando houver alteração das
especificações do equipamento aprovado; (206.028-0/I3)
e) responsabilizar-se pela manutenção da qualidade do EPI que deu origem ao
Certificado de Aprovação – CA; (206.029-9/I4)
f ) comercializar ou colocar à venda somente o EPI, portador de CA;
g) comunicar ao órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no
trabalho quaisquer alterações dos dados cadastrais fornecidos; (206.018-3/I1)
h) comercializar o EPI com instruções técnicas no idioma nacional, orientando sua
utilização, manutenção, restrição e demais referências ao seu uso; (206.030-2/I2)
i) fazer constar do EPI o número do lote de fabricação; e, (206.031-0/I2)
j) providenciar a avaliação da conformidade do EPI no âmbito do SINMETRO,
quando for o caso.
6.9. Certificado de Aprovação – CA
6.9.1. Para fins de comercialização o CA concedido aos EPI terá validade:
a) de 5 (cinco) anos, para aqueles equipamentos com laudos de ensaio que não
tenham sua conformidade avaliada no âmbito do SINMETRO;
b) do prazo vinculado à avaliação da conformidade no âmbito do SINMETRO,
quando for o caso;
c) de 2 (dois) anos, para os EPI desenvolvidos até a data da publicação desta Nor-
ma, quando não existirem normas técnicas nacionais ou internacionais, oficial-
mente reconhecidas, ou laboratório capacitado para realização dos ensaios, sendo
que nesses casos os EPI terão sua aprovação pelo órgão nacional competente em
matéria de segurança e saúde no trabalho, mediante apresentação e análise do Ter-
mo de Responsabilidade Técnica e da especificação técnica de fabricação, podendo
ser renovado até 2007, quando se expirarão os prazos concedidos; e (Alterada pela
Portaria SIT n. 194, de 22 de dezembro de 2006)
d) de 2 (dois) anos, renováveis por igual período, para os EPI desenvolvidos após
a data da publicação desta NR, quando não existirem normas técnicas nacionais
ou internacionais, oficialmente reconhecidas, ou laboratório capacitado para rea­
lização dos ensaios, caso em que os EPI serão aprovados pelo órgão nacional com-
petente em matéria de segurança e saúde no trabalho, mediante apresentação e aná-
lise do Termo de Responsabilidade Técnica e da especificação técnica de fabricação.
6.9.2. O órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho,
quando necessário e mediante justificativa, poderá estabelecer prazos diversos da-
queles dispostos no subitem 6.9.1.
6.9.3. Todo EPI deverá apresentar em caracteres indeléveis e bem visíveis, o nome
comercial da empresa fabricante, o lote de fabricação e o número do CA, ou, no
caso de EPI importado, o nome do importador, o lote de fabricação e o número
do CA. (206.032-9/I3)
6.9.3.1. Na impossibilidade de cumprir o determinado no item 6.9.3, o órgão
nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho poderá auto-

69
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 6 SAIR

rizar forma alternativa de gravação, a ser proposta pelo fabricante ou importador,


devendo esta constar do CA.
6.10. Restauração, lavagem e higienização de EPI
6.10.1. Os EPI passíveis de restauração, lavagem e higienização, serão definidos
pela comissão tripartite constituída, na forma do disposto no item 6.4.1, desta
NR, devendo manter as características de proteção original.
6.11. Da competência do Ministério do Trabalho e Emprego/MTE
6.11.1. Cabe ao órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no
trabalho:
a) cadastrar o fabricante ou importador de EPI;
b) receber e examinar a documentação para emitir ou renovar o CA de EPI;
c) estabelecer, quando necessário, os regulamentos técnicos para ensaios de EPI;
d) emitir ou renovar o CA e o cadastro de fabricante ou importador;
e) fiscalizar a qualidade do EPI;
f ) suspender o cadastramento da empresa fabricante ou importadora; e
g) cancelar o CA.
6.11.1.1. Sempre que julgar necessário o órgão nacional competente em matéria
de segurança e saúde no trabalho, poderá requisitar amostras de EPI, identificadas
com o nome do fabricante e o número de referência, além de outros requisitos.
6.11.2. Cabe ao órgão regional do MTE:
a) fiscalizar e orientar quanto ao uso adequado e a qualidade do EPI;
b) recolher amostras de EPI; e
c) aplicar, na sua esfera de competência, as penalidades cabíveis pelo descumpri-
mento desta NR.
6.12. Fiscalização para verificação do cumprimento das exigências legais relativas ao EPI.
6.12.1. Por ocasião da fiscalização poderão ser recolhidas amostras de EPI, no
fabricante ou importador e seus distribuidores ou revendedores, ou ainda, junto
à empresa utilizadora, em número mínimo a ser estabelecido nas normas técnicas
de ensaio, as quais serão encaminhadas, mediante ofício da autoridade regional
competente em matéria de segurança e saúde no trabalho, a um laboratório cre-
denciado junto ao MTE ou ao SINMETRO, capaz de realizar os respectivos lau-
dos de ensaios, ensejando comunicação posterior ao órgão nacional competente.
6.12.2. O laboratório credenciado junto ao MTE ou ao SINMETRO, deverá
elaborar laudo técnico, no prazo de 30 (trinta) dias a contar do recebimento das
amostras, ressalvados os casos em que o laboratório justificar a necessidade de di-
latação deste prazo, e encaminhá-lo ao órgão nacional competente em matéria de
segurança e saúde no trabalho, ficando reservado a parte interessada acompanhar
a realização dos ensaios.
6.12.2.1. Se o laudo de ensaio concluir que o EPI analisado não atende aos requi-
sitos mínimos especificados em normas técnicas, o órgão nacional competente em
matéria de segurança e saúde no trabalho expedirá ato suspendendo a comerciali-
zação e a utilização do lote do equipamento referenciado, publicando a decisão no
Diário Oficial da União – DOU.

70
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 6 SAIR

6.12.2.2. A Secretaria de Inspeção do Trabalho – SIT, quando julgar necessário,


poderá requisitar para analisar, outros lotes do EPI, antes de proferir a decisão
final.
6.12.2.3. Após a suspensão de que trata o subitem 6.12.2.1, a empresa terá o prazo
de 10 (dez) dias para apresentar defesa escrita ao órgão nacional competente em
matéria de segurança e saúde no trabalho.
6.12.2.4. Esgotado o prazo de apresentação de defesa escrita, a autoridade com-
petente do Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho – DSST, analisará o
processo e proferirá sua decisão, publicando-a no DOU.
6.12.2.5. Da decisão da autoridade responsável pelo DSST, caberá recurso, em
última instância, ao Secretário de Inspeção do Trabalho, no prazo de 10 (dez) dias
a contar da data da publicação da decisão recorrida.
6.12.2.6. Mantida a decisão recorrida, o Secretário de Inspeção do Trabalho po-
derá determinar o recolhimento do(s) lote(s), com a consequente proibição de sua
comercialização ou ainda o cancelamento do CA.
6.12.3. Nos casos de reincidência de cancelamento do CA, ficará a critério da au-
toridade competente em matéria de segurança e saúde no trabalho a decisão pela
concessão, ou não, de um novo CA.
6.12.4. As demais situações em que ocorra suspeição de irregularidade, enseja-
rão comunicação imediata às empresas fabricantes ou importadoras, podendo a
autoridade competente em matéria de segurança e saúde no trabalho suspender
a validade dos Certificados de Aprovação de EPI emitidos em favor das mesmas,
adotando as providências cabíveis.

ANEXO I
LISTA DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL
(Texto dado pela Portaria SIT n. 25, de 15 de outubro de 2001)

A – EPI PARA PROTEÇÃO DA CABEÇA


A.1 – Capacete
a) Capacete de segurança para proteção contra impactos de objetos sobre o crânio;
b) capacete de segurança para proteção contra choques elétricos;
c) capacete de segurança para proteção do crânio e face contra riscos provenientes de
fontes geradoras de calor nos trabalhos de combate a incêndio.
A.2 – Capuz
a) Capuz de segurança para proteção do crânio e pescoço contra riscos de origem
térmica;
b) capuz de segurança para proteção do crânio e pescoço contra respingos de produtos
químicos.
B – EPI PARA PROTEÇÃO DOS OLHOS E FACE
B.1 – Óculos
a) óculos de segurança para proteção dos olhos contra impactos de partículas volantes;
b) óculos de segurança para proteção dos olhos contra luminosidade intensa;

71
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 6 SAIR

c) óculos de segurança para proteção dos olhos contra radiação ultravioleta;


d) óculos de segurança para proteção dos olhos contra radiação infravermelha;
e) óculos de segurança para proteção dos olhos contra respingos de produtos quími-
cos.
B.2 – Protetor facial
a) Protetor facial de segurança para proteção da face contra impactos de partículas
volantes;
b) protetor facial de segurança para proteção da face contra respingos de produtos
químicos;
c) protetor facial de segurança para proteção da face contra radiação infravermelha;
d) protetor facial de segurança para proteção dos olhos contra luminosidade intensa.
B.3 – Máscara de Solda
a) máscara de solda de segurança para proteção dos olhos e face contra impactos de
partículas volantes;
b) máscara de solda de segurança para proteção dos olhos e face contra radiação ul-
travioleta;
c) máscara de solda de segurança para proteção dos olhos e face contra radiação in-
fravermelha;
d) máscara de solda de segurança para proteção dos olhos e face contra luminosidade
intensa.
C – EPI PARA PROTEÇÃO AUDITIVA
C.1 – Protetor auditivo
a) Protetor auditivo circum-auricular para proteção do sistema auditivo contra níveis
de pressão sonora superiores ao estabelecido na NR – 15, Anexos I e II;
b) protetor auditivo de inserção para proteção do sistema auditivo contra níveis de
pressão sonora superiores ao estabelecido na NR – 15, Anexos I e II;
c) protetor auditivo semi-auricular para proteção do sistema auditivo contra níveis de
pressão sonora superiores ao estabelecido na NR – 15, Anexos I e II.
D – EPI PARA PROTEÇÃO RESPIRATÓRIA
D.1 – Respirador purificador de ar
a) Respirador purificador de ar para proteção das vias respiratórias contra poeiras e
névoas;
b) respirador purificador de ar para proteção das vias respiratórias contra poeiras,
névoas e fumos;
c) respirador purificador de ar para proteção das vias respiratórias contra poeiras, né-
voas, fumos e radionuclídeos;
d) respirador purificador de ar para proteção das vias respiratórias contra vapores or-
gânicos ou gases ácidos em ambientes com concentração inferior a 50 ppm (parte por
milhão);
e) respirador purificador de ar para proteção das vias respiratórias contra gases emana-
dos de produtos químicos;
f ) respirador purificador de ar para proteção das vias respiratórias contra partículas e
gases emanados de produtos químicos;

72
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 6 SAIR

g) respirador purificador de ar motorizado para proteção das vias respiratórias contra


poeiras, névoas, fumos e radionuclídeos.
D.2 – Respirador de adução de ar
a) respirador de adução de ar tipo linha de ar comprimido para proteção das vias res-
piratórias em atmosferas com concentração Imediatamente Perigosa à Vida e à Saúde
e em ambientes confinados;
b) máscara autônoma de circuito aberto ou fechado para proteção das vias respirató-
rias em atmosferas com concentração Imediatamente Perigosa à Vida e à Saúde e em
ambientes confinados;
D.3 – Respirador de fuga
a) Respirador de fuga para proteção das vias respiratórias contra agentes químicos em
condições de escape de atmosferas Imediatamente Perigosa à Vida e à Saúde ou com
concentração de oxigênio menor que 18% em volume.
E – EPI PARA PROTEÇÃO DO TRONCO
E.1 – Vestimentas de segurança que ofereçam proteção ao tronco contra riscos de ori-
gem térmica, mecânica, química, radioativa e meteorológica e umidade proveniente
de operações com uso de água.
E.2 – Colete à prova de balas de uso permitido para vigilantes que trabalhem portan-
do arma de fogo, para proteção do tronco contra riscos de origem mecânica. (Incluído
pela Portaria SIT n. 191, de 04 de dezembro de 2006)
F – EPI PARA PROTEÇÃO DOS MEMBROS SUPERIORES
F.1 – Luva
a) Luva de segurança para proteção das mãos contra agentes abrasivos e escoriantes;
b) luva de segurança para proteção das mãos contra agentes cortantes e perfurantes;
c) luva de segurança para proteção das mãos contra choques elétricos;
d) luva de segurança para proteção das mãos contra agentes térmicos;
e) luva de segurança para proteção das mãos contra agentes biológicos;
f ) luva de segurança para proteção das mãos contra agentes químicos;
g) luva de segurança para proteção das mãos contra vibrações;
h) luva de segurança para proteção das mãos contra radiações ionizantes.
F.2 – Creme protetor
a) Creme protetor de segurança para proteção dos membros superiores contra agentes
químicos, de acordo com a Portaria SSST n. 26, de 29.12.1994.
F.3 – Manga
a) Manga de segurança para proteção do braço e do antebraço contra choques elétri-
cos;
b) manga de segurança para proteção do braço e do antebraço contra agentes abrasivos
e escoriantes;
c) manga de segurança para proteção do braço e do antebraço contra agentes cortantes
e perfurantes;
d) manga de segurança para proteção do braço e do antebraço contra umidade prove-
niente de operações com uso de água;
e) manga de segurança para proteção do braço e do antebraço contra agentes térmicos.

73
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 6 SAIR

F.4 – Braçadeira
a) Braçadeira de segurança para proteção do antebraço contra agentes cortantes.
F.5 – Dedeira
a) Dedeira de segurança para proteção dos dedos contra agentes abrasivos e escorian-
tes.
G – EPI PARA PROTEÇÃO DOS MEMBROS INFERIORES
G.1 – Calçado
a) Calçado de segurança para proteção contra impactos de quedas de objetos sobre os
artelhos;
b) calçado de segurança para proteção dos pés contra choques elétricos;
c) calçado de segurança para proteção dos pés contra agentes térmicos;
d) calçado de segurança para proteção dos pés contra agentes cortantes e escoriantes;
e) calçado de segurança para proteção dos pés e pernas contra umidade proveniente
de operações com uso de água;
f ) calçado de segurança para proteção dos pés e pernas contra respingos de produtos
químicos.
G.2 – Meia
a) Meia de segurança para proteção dos pés contra baixas temperaturas.
G.3 – Perneira
a) Perneira de segurança para proteção da perna contra agentes abrasivos e escoriantes;
b) perneira de segurança para proteção da perna contra agentes térmicos;
c) perneira de segurança para proteção da perna contra respingos de produtos químicos;
d) perneira de segurança para proteção da perna contra agentes cortantes e perfuran-
tes;
e) perneira de segurança para proteção da perna contra umidade proveniente de ope-
rações com uso de água.
G.4 – Calça
a) Calça de segurança para proteção das pernas contra agentes abrasivos e escoriantes;
b) calça de segurança para proteção das pernas contra respingos de produtos químicos;
c) calça de segurança para proteção das pernas contra agentes térmicos;
d) calça de segurança para proteção das pernas contra umidade proveniente de opera-
ções com uso de água.
H – EPI PARA PROTEÇÃO DO CORPO INTEIRO
H.1 – Macacão
a) Macacão de segurança para proteção do tronco e membros superiores e inferiores
contra chamas;
b) macacão de segurança para proteção do tronco e membros superiores e inferiores
contra agentes térmicos;
c) macacão de segurança para proteção do tronco e membros superiores e inferiores
contra respingos de produtos químicos;
d) macacão de segurança para proteção do tronco e membros superiores e inferiores
contra umidade proveniente de operações com uso de água.
H.2 – Conjunto

74
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 6 SAIR

a) Conjunto de segurança, formado por calça e blusão ou jaqueta ou paletó, para pro-
teção do tronco e membros superiores e inferiores contra agentes térmicos;
b) conjunto de segurança, formado por calça e blusão ou jaqueta ou paletó, para
proteção do tronco e membros superiores e inferiores contra respingos de produtos
químicos;
c) conjunto de segurança, formado por calça e blusão ou jaqueta ou paletó, para
proteção do tronco e membros superiores e inferiores contra umidade proveniente de
operações com uso de água;
d) conjunto de segurança, formado por calça e blusão ou jaqueta ou paletó, para pro-
teção do tronco e membros superiores e inferiores contra chamas.
H.3 – Vestimenta de corpo inteiro
a) vestimenta de segurança para proteção de todo o corpo contra respingos de produ-
tos químicos;
b) vestimenta de segurança para proteção de todo o corpo contra umidade provenien-
te de operações com água.
c) vestimenta condutiva de segurança para proteção de todo o corpo contra choques
elétricos. (Incluída pela Portaria SIT n. 108, de 30 de dezembro de 2004)
I – EPI PARA PROTEÇÃO CONTRA QUEDAS COM DIFERENÇA DE NÍVEL
I.1 – Dispositivo trava-queda
a) Dispositivo trava-queda de segurança para proteção do usuário contra quedas em
operações com movimentação vertical ou horizontal, quando utilizado com cinturão
de segurança para proteção contra quedas.
I.2 – Cinturão
a) Cinturão de segurança para proteção do usuário contra riscos de queda em traba-
lhos em altura;
b) cinturão de segurança para proteção do usuário contra riscos de queda no posicio-
namento em trabalhos em altura.
Nota: O presente Anexo poderá ser alterado por portaria específica a ser expedida
pelo órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho, após
observado o disposto no subitem 6.4.1.

ANEXO II
(Texto dado pela Portaria SIT n. 25, de 15 de outubro de 2001)

1.1 – O cadastramento das empresas fabricantes ou importadoras, será feito mediante


a apresentação de formulário único, conforme o modelo disposto no ANEXO III,
desta NR, devidamente preenchido e acompanhado de requerimento dirigido ao ór-
gão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho.
1.2 – Para obter o CA, o fabricante nacional ou o importador, deverá requerer junto
ao órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho a apro-
vação do EPI.
1.3 – O requerimento para aprovação do EPI de fabricação nacional ou importado
deverá ser formulado, solicitando a emissão ou renovação do CA e instruído com os

75
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 6 SAIR

seguintes documentos:
a) memorial descritivo do EPI, incluindo o correspondente enquadramento no ANE-
XO I desta NR, suas características técnicas, materiais empregados na sua fabricação,
uso a que se destina e suas restrições;
b) cópia autenticada do relatório de ensaio, emitido por laboratório credenciado pelo
órgão competente em matéria de segurança e saúde no trabalho ou do documento que
comprove que o produto teve sua conformidade avaliada no âmbito do SINMETRO,
ou, ainda, no caso de não haver laboratório credenciado capaz de elaborar o relatório
de ensaio, do Termo de Responsabilidade Técnica, assinado pelo fabricante ou impor-
tador, e por um técnico registrado em Conselho Regional da Categoria;
c) cópia autenticada e atualizada do comprovante de localização do estabelecimento; e
d) cópia autenticada do certificado de origem e declaração do fabricante estrangeiro
autorizando o importador ou o fabricante nacional a comercializar o produto no Bra-
sil, quando se tratar de EPI importado.

ANEXO III
(Texto dado pela Portaria SIT n. 25, de 15 de outubro de 2001)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO

DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

FORMULÁRIO ÚNICO PARA CADASTRAMENTO DE EMPRESA


­FABRICANTE OU IMPORTADORA DE EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO
INDIVIDUAL

1 – Identificação do fabricante ou importador de EPI:

– Fabricante: – Importador – Fabricante e Importador

Razão Social:
Nome Fantasia: CNPJ/MF:
Inscrição Estadual – IE: Inscrição Municipal – IM:
Endereço: Bairro: CEP:
Cidade: Estado:
Telefone: Fax:
E-Mail: Ramo de Atividade:
CNAE (Fabricante): CCI da SRF/MF (Importador):

76
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 6 SAIR

2 – Responsável perante o DSST / SIT:

a) Diretores:
Nome: N. da Identidade: Cargo na Empresa:
1
2
3
b) Departamento Técnico:
Nome N. do Registro Prof. Conselho Prof./Estado:
1
2

3 – Lista de EPI fabricados:

4 – Observações:
a) Este formulário único deverá ser preenchido e atualizado, sempre que houver alte-
ração, acompanhado de requerimento ao DSST/SIT/MTE;

b) Cópia autenticada do Contrato Social onde conste dentre os objetivos sociais da


empresa, a fabricação e/ou importação de EPI.

Nota: As declarações anteriormente prestadas são de inteira responsabilidade do fa-


bricante ou importador, passíveis de verificação e eventuais penalidades, facultadas
em Lei.

__________________,_____ de ____________ de ______

_______________________________________________
Diretor ou Representante Legal

77
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 7 SAIR

NR 7
Programa de Controle Médico de Saúde
Ocupacional (107.000-2)
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Alterações/Atualizações:
Portaria SSMT n. 12, de 06 de junho de 1983 – DOU de 14.06.83
Portaria MTPS n. 3.720, de 31 de outubro de 1990 – DOU de 01.11.90
Portaria SSST n. 24, de 29 de dezembro de 1994 – DOU de 30.12.90
Portaria SSST n. 08, de 08 de maio de 1996 – DOU Rep. 09.05.96
Portaria SSST n. 19, de 09 de abril de 1998 – DOU de 22.04.98

7.1. Do objeto.
7.1.1. Esta Norma Regulamentadora – NR estabelece a obrigatoriedade de ela-
boração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que
admitam trabalhadores como empregados, do Programa de Controle Médico de
Saúde Ocupacional – PCMSO, com o objetivo de promoção e preservação da
saúde do conjunto dos seus trabalhadores.
7.1.2. Esta NR estabelece os parâmetros mínimos e diretrizes gerais a serem ob-
servados na execução do PCMSO, podendo os mesmos ser ampliados mediante
negociação coletiva de trabalho.
7.1.3. Caberá à empresa contratante de mão de obra prestadora de serviços infor-
mar a empresa contratada dos riscos existentes e auxiliar na elaboração e imple-
mentação do PCMSO nos locais de trabalho onde os serviços estão sendo presta-
dos. (107.055-0/I3) (Alterado pela Portaria n. 8, de 05 de maio de 1996)
7.2. Das diretrizes.
7.2.1. O PCMSO é parte integrante do conjunto mais amplo de iniciativas da
empresa no campo da saúde dos trabalhadores, devendo estar articulado com o
disposto nas demais NR.
7.2.2. O PCMSO deverá considerar as questões incidentes sobre o indivíduo e a
coletividade de trabalhadores, privilegiando o instrumental clínico-epidemiológi-
co na abordagem da relação entre sua saúde e o trabalho. (107.056-8/I3)
7.2.3. O PCMSO deverá ter caráter de prevenção, rastreamento e diagnóstico
precoce dos agravos à saúde relacionados ao trabalho, inclusive de natureza subclí-
nica, além da constatação da existência de casos de doenças profissionais ou danos
irreversíveis à saúde dos trabalhadores. (107.057-6/I3)

78
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 7 SAIR

7.2.4. O PCMSO deverá ser planejado e implantado com base nos riscos à saúde
dos trabalhadores, especialmente os identificados nas avaliações previstas nas de-
mais NR. (107.058-4/I3)
7.3. Das responsabilidades.
7.3.1. Compete ao empregador:
a) garantir a elaboração e efetiva implementação do PCMSO, bem como zelar
pela sua eficácia; (107.059-2/I4)
b) custear sem ônus para o empregado todos os procedimentos relacionados ao
PCMSO; (107.060-6/I2) (Alterada pela Portaria n. 8, de 05 de maio de 1996)
c) indicar, dentre os médicos dos Serviços Especializados em Engenharia de Segu-
rança e Medicina do Trabalho – SESMT, da empresa, um coordenador responsá-
vel pela execução do PCMSO; (107.061-4/I2)
d) no caso de a empresa estar desobrigada de manter médico do trabalho, de acor-
do com a NR 4, deverá o empregador indicar médico do trabalho, empregado ou
não da empresa, para coordenar o PCMSO; (107.062-2/I2)
e) inexistindo médico do trabalho na localidade, o empregador poderá contratar
médico de outra especialidade para coordenar o PCMSO.
7.3.1.1. Ficam desobrigadas de indicar médico coordenador as empresas de grau
de risco 1 e 2, segundo o Quadro 1 da NR 4, com até 25 (vinte e cinto) empre-
gados e aquelas de grau de risco 3 e 4, segundo o Quadro 1 da NR 4, com até 10
(dez) empregados. (Alterado pela Portaria n. 8, de 05 de maio de 1996)
7.3.1.1.1. As empresas com mais de 25 (vinte e cinco) empregados e até 50 (cin-
quenta) empregados, enquadradas no grau de risco 1 ou 2, segundo o Quadro 1 da
NR 4, poderão estar desobrigadas de indicar médico coordenador em decorrência
de negociação coletiva. (Alterado pela Portaria n. 8, de 05 de maio de 1996)
7.3.1.1.2. As empresas com mais de 10 (dez) empregados e com até 20 (vinte)
empregados, enquadradas no grau de risco 3 ou 4, segundo o Quadro 1 da NR
4, poderão estar desobrigadas de indicar médico do trabalho coordenador em
decorrência de negociação coletiva, assistida por profissional do órgão regional
competente em segurança e saúde no trabalho. (Alterado pela Portaria n. 8, de 05
de maio de 1996)
7.3.1.1.3. Por determinação do Delegado Regional do Trabalho, com base no
parecer técnico conclusivo da autoridade regional competente em matéria de se-
gurança e saúde do trabalhador, ou em decorrência de negociação coletiva, as
empresas previstas no item 7.3.1.1 e subitens anteriores poderão ter a obrigatorie-
dade de indicação de médico coordenador, quando suas condições representarem
potencial de risco grave aos trabalhadores. (Alterado pela Portaria n. 8, de 05 de
maio de 1996)
7.3.2. Compete ao médico coordenador:
a) realizar os exames médicos previstos no item 7.4.1 ou encarregar os mesmos a
profissional médico familiarizado com os princípios da patologia ocupacional e
suas causas, bem como com o ambiente, as condições de trabalho e os riscos a que
está ou será exposto cada trabalhador da empresa a ser examinado; (107.063-0/I2)

79
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 7 SAIR

b) encarregar dos exames complementares previstos nos itens, quadros e anexos


desta NR profissionais e/ou entidades devidamente capacitados, equipados e qua-
lificados. (107.064-9/I2)
7.4. Do desenvolvimento do PCMSO.
7.4.1. O PCMSO deve incluir, entre outros, a realização obrigatória dos exames
médicos:
a) admissional; (107.008-8/I3)
b) periódico; (107.009-6/I3)
c) de retorno ao trabalho; (107.010-0/I3)
d) de mudança de função; (107.011-8/I3)
e) demissional. (107.012-6/I3)
7.4.2. Os exames de que trata o item 7.4.1 compreendem:
a) avaliação clínica, abrangendo anamnese ocupacional e exame físico e mental;
(107.065-7/I3)
b) exames complementares, realizados de acordo com os termos específicos nesta
NR e seus anexos. (107.066-5/I3)
7.4.2.1. Para os trabalhadores cujas atividades envolvem os riscos discriminados
nos Quadros I e II desta NR, os exames médicos complementares deverão ser
executados e interpretados com base nos critérios constantes dos referidos quadros
e seus anexos. A periodicidade de avaliação dos indicadores biológicos do Quadro
I deverá ser, no mínimo, semestral, podendo ser reduzida a critério do médico
coordenador, ou por notificação do médico agente da inspeção do trabalho, ou
mediante negociação coletiva de trabalho. (107.067-3/I3)
7.4.2.2. Para os trabalhadores expostos a agentes químicos não constantes dos
Quadros I e II, outros indicadores biológicos poderão ser monitorizados, depen-
dendo de estudo prévio dos aspectos de validade toxicológica, analítica e de inter-
pretação desses indicadores. (107.016-9/I1)
7.4.2.3. Outros exames complementares usados normalmente em patologia clí-
nica para avaliar o funcionamento de órgãos e sistemas orgânicos podem ser rea­
lizados, a critério do médico coordenador ou encarregado, ou por notificação do
médico agente da inspeção do trabalho, ou ainda decorrente de negociação coleti-
va de trabalho. (107.017-7/I1)
7.4.3. A avaliação clínica referida no item 7.4.2, alínea “a”, com parte integrante
dos exames médicos constantes no item 7.4.1, deverá obedecer aos prazos e à pe-
riodicidade conforme previstos nos subitens abaixo relacionados:
7.4.3.1. no exame médico admissional, deverá ser realizada antes que o trabalha-
dor assuma suas atividades; (107.068-1/I2)
7.4.3.2. no exame médico periódico, de acordo com os intervalos mínimos de
tempo abaixo discriminados:
a) para trabalhadores expostos a riscos ou a situações de trabalho que impliquem o
desencadeamento ou agravamento de doença ocupacional, ou, ainda, para aqueles
que sejam portadores de doenças crônicas, os exames deverão ser repetidos:
a.1) a cada ano ou a intervalos menores, a critério do médico encarregado, ou se

80
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 7 SAIR

notificado pelo médico agente da inspeção do trabalho, ou, ainda, como resultado
de negociação coletiva de trabalho; (107.069-0/I2)
a.2) de acordo com a periodicidade especificada no Anexo n. 6 da NR 15, para os
trabalhadores expostos a condições hiperbáricas; (107.070-3/I2)
b) para os demais trabalhadores:
b.1) anual, quando menores de 18 (dezoito) anos e maiores de 45 (quarenta e
cinco) anos de idade; (107.021-5/I2)
b.2) a cada dois anos, para os trabalhadores entre 18 (dezoito) anos e 45 (quarenta
e cinco) anos de idade. (107.071-1/I2)
7.4.3.3. No exame médico de retorno ao trabalho, deverá ser realizada obrigato-
riamente no primeiro dia da volta ao trabalho de trabalhador ausente por período
igual ou superior a 30 (trinta) dias por motivo de doença ou acidente, de natureza
ocupacional ou não, ou parto. (107.072-0/I2)
7.4.3.4. No exame médico de mudança de função, será obrigatoriamente realizada
antes da data da mudança. (107.073-8/I2)
7.4.3.4.1. Para fins desta NR, entende-se por mudança de função toda e qualquer
alteração de atividade, posto de trabalho ou de setor que implique a exposição do
trabalhador à risco diferente daquele a que estava exposto antes da mudança.
7.4.3.5. No exame médico demissional, será obrigatoriamente realizada até a data
da homologação, desde que o último exame médico ocupacional tenha sido re-
alizado há mais de: (107.074-6/I2) (Alterado pela Portaria n. 8, de 05 de maio de
1996)
– 135 (cento e trinta e cinco) dias para as empresas de grau de risco 1 e 2, segundo
o Quadro I da NR 4;
– 90 (noventa) dias para as empresas de grau de risco 3 e 4, segundo o Quadro I
da NR 4.
7.4.3.5.1. As empresas enquadradas no grau de risco 1 ou 2, segundo o Quadro I
da NR-4, poderão ampliar o prazo de dispensa da realização do exame demissio-
nal em até mais 135 (cento e trinta e cinco) dias, em decorrência de negociação
coletiva, assistida por profissional indicado de comum acordo entre as partes ou
por profissional do órgão regional competente em segurança e saúde no trabalho.
(Alterado pela Portaria n. 8, de 05 de maio de 1996)
7.4.3.5.2. As empresas enquadradas no grau de risco 3 ou 4, segundo o Quadro I
da NR 4, poderão ampliar o prazo de dispensa da realização do exame demissional
em até mais 90 (noventa) dias, em decorrência de negociação coletiva assistida por
profissional indicado de comum acordo entre as partes ou por profissional do ór-
gão regional competente em segurança e saúde no trabalho. (Alterado pela Portaria
n. 8, de 05 de maio de 1996)
7.4.3.5.3. Por determinação do Delegado Regional do Trabalho, com base em
parecer técnico conclusivo da autoridade regional competente em matéria de se-
gurança e saúde do trabalhador, ou em decorrência de negociação coletiva, as em-
presas poderão ser obrigadas a realizar o exame médico demissional independen-
temente da época de realização de qualquer outro exame, quando suas condições

81
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 7 SAIR

representarem potencial de risco grave aos trabalhadores. (Alterado pela Portaria n.


8, de 05 de maio de 1996)
7.4.4. Para cada exame médico realizado, previsto no item 7.4.1, o médico emitirá
o Atestado de Saúde Ocupacional – ASO, em 2 (duas) vias. (107.075-4/I2)
7.4.4.1. A primeira via do ASO ficará arquivada no local de trabalho do trabalha-
dor, inclusive frente de trabalho ou canteiro de obras, à disposição da fiscalização
do trabalho. (107.076-2/I1)
7.4.4.2. A segunda via do ASO será obrigatoriamente entregue ao trabalhador,
mediante recibo na primeira via. (107.077-0/I1)
7.4.4.3. O ASO deverá conter no mínimo: (Alterado pela Portaria n. 8, de 05 de
maio de 1996)
a) nome completo do trabalhador, o número de registro de sua identidade e sua
função; (107.078-9/I2)
b) os riscos ocupacionais específicos existentes, ou a ausência deles, na atividade do
empregado, conforme instruções técnicas expedidas pela Secretaria de Segurança
e Saúde no Trabalho – SSST;
c) indicação dos procedimentos médicos a que foi submetido o trabalhador, in-
cluindo os exames complementares e a data em que foram realizados;
d) o nome do médico coordenador, quando houver, com respectivo CRM;
e) definição de apto ou inapto para a função específica que o trabalhador vai exer-
cer, exerce ou exerceu;
f ) nome do médico encarregado do exame e endereço ou forma de contato;
g) data e assinatura do médico encarregado do exame e carimbo contendo seu
número de inscrição no Conselho Regional de Medicina.
7.4.5. Os dados obtidos nos exames médicos, incluindo avaliação clínica e exames
complementares, as conclusões e as medidas aplicadas deverão ser registrados em
prontuário clínico individual, que ficará sob a responsabilidade do médico-coor-
denador do PCMSO. (107.033-9/I3)
7.4.5.1. Os registros a que se refere o item 7.4.5 deverão ser mantidos por período
mínimo de 20 (vinte) anos após o desligamento do trabalhador. (107.079-7/I3)
7.4.5.2. Havendo substituição do médico a que se refere o item 7.4.5, os arquivos
deverão ser transferidos para seu sucessor. (107.080-0/I3)
7.4.6. O PCMSO deverá obedecer a um planejamento em que estejam previstas
as ações de saúde a serem executadas durante o ano, devendo estas ser objeto de
relatório anual. (107.081-9/I3)
7.4.6.1. O relatório anual deverá discriminar, por setores da empresa, o número
e a natureza dos exames médicos, incluindo avaliações clínicas e exames comple-
mentares, estatísticas de resultados considerados anormais, assim como o planeja-
mento para o próximo ano, tomando como base o modelo proposto no Quadro
III desta NR. (107.082-7/I2)
7.4.6.2. O relatório anual deverá ser apresentado e discutido na CIPA, quando
existente na empresa, de acordo com a NR 5, sendo sua cópia anexada ao livro de
atas daquela comissão. (107.038-0/I1)

82
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 7 SAIR

7.4.6.3. O relatório anual do PCMSO poderá ser armazenado na forma de arqui-


vo informatizado, desde que este seja mantido de modo a proporcionar o imediato
acesso por parte do agente da inspeção do trabalho. (107.039-8/I1)
7.4.6.4. As empresas desobrigadas de indicarem médico coordenador ficam dis-
pensadas de elaborar o relatório anual. (Alterado pela Portaria n. 8, de 05 de maio
de 1996)
7.4.7. Sendo verificada, através da avaliação clínica do trabalhador e/ou dos exa-
mes constantes do Quadro I da presente NR, apenas exposição excessiva (EE ou
SC+) ao risco, mesmo sem qualquer sintomatologia ou sinal clínico, deverá o tra-
balhador ser afastado do local de trabalho, ou do risco, até que esteja normalizado
o indicador biológico de exposição e as medidas de controle nos ambientes de
trabalho tenham sido adotadas. (107.083-5/I4)
7.4.8. Sendo constatada a ocorrência ou agravamento de doenças profissionais,
através de exames médicos que incluam os definidos nesta NR; ou sendo veri-
ficadas alterações que revelem qualquer tipo de disfunção de órgão ou sistema
biológico, através dos exames constantes dos Quadros I (apenas aqueles com inter-
pretação SC) e II, e do item 7.4.2.3 da presente NR, mesmo sem sintomatologia,
caberá ao médico-coordenador ou encarregado: (107.084-3/I4)
a) solicitar à empresa a emissão da Comunicação de Acidente do Trabalho – CAT;
b) indicar, quando necessário, o afastamento do trabalhador da exposição ao risco,
ou do trabalho;
c) encaminhar o trabalhador à Previdência Social para estabelecimento de nexo
causal, avaliação de incapacidade e definição da conduta previdenciária em relação
ao trabalho;
d) orientar o empregador quanto à necessidade de adoção de medidas de controle
no ambiente de trabalho.
7.5. Dos primeiros socorros.
7.5.1. Todo estabelecimento deverá estar equipado com material necessário à pres-
tação dos primeiros socorros, considerando-se as características da atividade desen-
volvida; manter esse material guardado em local adequado e aos cuidados de pessoa
treinada para esse fim. (107.045-2/I1)

83
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
QUADRO I  Parâmetros para Controle Biológico da Exposição a Alguns Agentes Químicos
(Aprovado pela Portaria SSST n. 24, de 29 de dezembro de 1994)
Agente Químico Indicador Biológico VR IBMP Método Analítico Amostragem Interpretação Vigência
Mat. Biológ. Análise
Anilina Urina p-aminofenol e/ou Até 2% 50mg/g creat. 5% CG E FJ FJ0-1 EE SC+

MENU PRINCIPAL
Sangue metaemoglobina
Arsênico Urina Arsênico Até 10 µg/g creat. 50 µg/g creat. E ou EAA FS+T-6 EE
Cádmio Urina Cádmio Até 2 µg/g creat. 5 µg/g creat. EAA NC T- 6 SC
Chumbo Sangue Chumbo e ác. delta amino Até 40 µg/100 ml Até 60 µg/100 ml EAA NC T-1 SC
inorgânico Urina levulinico ou zincoprotoporfirina 4,5 mg/g creat. Até 40 10 mg/g creat. E NC T-1 SC
Sangue µg/100 ml 100 µg/100 ml HF NC T-1 SC
Chumbo Urina Chumbo Até 50 µg/g creat. 100 µg/g creat. EAA FJ0-1 EE
tetraetila
Cromo Urina Cromo Até 5 µg/g creat. 30 µg/g creat. EAA FS EE
hexavalente
Diclorometano Sangue Carboxiemoglobina Até 1% NF 3,5% NF E FJ0-1 SC +
Dimetilformamida Urina N-metilformamida 40 mg/g creat. CG ou CLAD FJ EE P-18
Dissulfeto de Urina Ác. 2-tiop-tiazolidina 5 mg/g creat. CG ou CLAD FJ EE P-25
carbono
Ésteres Sangue Acetil-colinesterase eritrocitária Determinar a atividade 30% de depressão da NC SC
organofosforados ou colinesterase plasmática pré- ocupacional atividade inicial NC SC
e carbamatos ou colinesterase eritrocitária e 50% de depressão da NC SC
plasmática (sangue total) atividade inicial

84
25% de depressão da
NR 7

atividade inicial
Estireno Urina Ác. mandélico e/ou 0,8 g/g creat. CG ou CLAD FJ EE
Urina Ác. fenil-glioxílico 240 mg/g creat. CG ou CLAD FJ EE
Etil-benzeno Urina Ác. mandélico 1,5 g/g creat. CG ou CLAD FS EE
Fenol Urina Fenol 20 mg/g creat. 250 mg/g creat. CG ou CLAD FJ0-1 EE
Flúor e fluoreto Urina Fluoreto Até 0,5 mg/g 3 mg/g creat. no início da IS PP+ EE
Creat. jornada e 10mg/g creat. no
final da jornada
Mercúrio inorgânico Urina Mercúrio Até 5 µg/g creat. 35 µg/g creat. EAA PU T-12 EE

Metanol Urina Metanol Até 5 mg/l 15 mg/l CG FJ0-1 EE


Metil-etil-cetona Urina Metil-etil-cetona 2 mg/l CG FJ EE P-12
Monóxido de Sangue Carboxiemoglobina Até 1% NF 3,5% NF E FJ0-1 SC+
carbono
N-hexano Urina 2,5 hexanodiona 5 mg/g creat. CG FJ EE P-18
Nitrobenzeno Sangue Metaemoglobina Até 2% 5% E FJ0-1 SC+
Pentaclorofenol Urina Pentaclorofenol 2 mg/g creat. CG ou CLAD FS+ EE
Tetracloroetileno Urina Ác. tricloroacético 3,5 mg/l E FS+ EE
Tolueno Urina Ác. hipúrico Até 1,5 g/g creat. 2,5 g/g creat. CG ou CLAD FJ0- 1 EE
Tricloroetano Urina Triclorocompostos totais 40 mg/g creat. E FS EE
Tricloroetileno Urina Triclorocompostos totais 300 mg/g creat. E FS EE
Xileno Urina Ác. metil-hipúrico 1,5 g/g creat. CG ou CLAD FJ EE

ÍNDICE
SAIR
NR 7 SAIR

ANEXO do QUADRO I
(Aprovado pela Portaria SSST n. 24, de 29 de dezembro de 1994)
Abreviaturas
IBMP Índice Biológico Máximo Permitido é o valor máximo do indicador biológico para
o qual se supõe que a maioria das pessoas ocupacionalmente expostas não corre
risco de dano à saúde. A ultrapassagem deste valor significa exposição excessiva.
VR Valor de Referência da Normalidade; valor possível de ser encontrado em
populações não expostas ocupacionalmente.
NF Não fumantes.

Método Analítico Recomendado


E Espectrofotometria ultravioleta/visível;
EAA Espectrofotometria de absorção atômica;
CG Cromatografia em fase gasosa;
CLAD Cromatografia líquida de alto desempenho;
IS Eletrodo íon seletivo;
HF Hematofluorômetro.

Condições de Amostragem
FJ Final do último dia de jornada de trabalho (recomenda-se evitar a primeira jornada
da semana).
FS Final do último dia de jornada da semana.
FS+ Início da última jornada da semana.
PP+ Pré e pós a 4ª jornada de trabalho da semana.
PU Primeira urina da manhã.
NC Momento de amostragem “não crítico”: pode ser feita em qualquer dia e horário,
desde que o trabalhador esteja em trabalho contínuo nas últimas 4 semanas sem
afastamento maior que 4 dias.
T-1 Recomenda-se iniciar a monitorização após 1 mês de exposição.
T-6 Recomenda-se iniciar a monitorização após 6 meses de exposição.
T-12 Recomenda-se iniciar a monitorização após 12 meses de exposição.
0-1 Pode-se fazer a diferença entre pré e pós-jornada.

Interpretação
EE O indicador biológico é capaz de indicar uma exposição ambiental acima do
Limite de Tolerância, mas não possui, isoladamente, significado clínico ou
toxicológico próprio, ou seja, não indica doença, nem está associado a um efeito
ou disfunção de qualquer sistema biológico.
SC Além de mostrar uma exposição excessiva, o Indicador Biológico tem também
significado clínico ou toxicológico próprio, ou seja, pode indicar doença, estar
associado a um efeito ou uma disfunção do sistema biológico avaliado.
SC+ O Indicador Biológico possui significado clínico ou toxicológico próprio, mas, na
prática, devido à sua curta meia-vida biológica, deve ser considerado como EE.

Vigência
P-12 A inspeção do trabalho passará a exigir a avaliação deste indicador biológico 12
meses após a publicação desta norma.
P-18 A inspeção do trabalho passará a exigir a avaliação deste indicador biológico 18
meses após a publicação desta norma.
P-24 A inspeção do trabalho passará a exigir a avaliação deste indicador biológico 24
meses após a publicação desta norma.

Recomendação
Recomenda-se executar a monitorização biológica no coletivo, ou seja, monitorizando os
resultados do grupo de trabalhadores expostos a riscos quantitativamente semelhantes.

85
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 7 SAIR

QUADRO II  Parâmetros para Monitorização da Exposição Ocupacional a Alguns Riscos à Saúde
(Alterado pela Portaria n. 19, de 09 de abril de 1998)
Risco Exame Com- Periodicidade Método de Execução Critério de Observa-
plementar dos Exames Interpretação ções
Ruído Vide Anexo I – Quadro II
Aerodispersoi- Telerradiografia Admissional e Radiografia em posição póstero- Classificação  
des fibrogê- do tórax anual anterior (PA) internacional
nicos Técnica preconizada pela OIT, da OIT para
Espirometria Admissional e 1980 radiografias
bienal Técnica preconizada pela
­American Thoracic Society, 1987
Aerodispersoi- Telerradiografia Admissional Radiografia em posição póstero- Classificação  
de não fibro- do tórax trienal, se anterior (PA) internacional
gênicos exposição < 15 Técnica preconizada pela OIT, da OIT para
Espirometria anos 1980 radiografias

Bienal, se Técnica preconizada pela Ameri-


exposição > 15 can Thoracic Society, 1987
anos

Admissional e
bienal
Condições Radiografias Admissional e     Ver anexo
hiperbáricas de articulações anual “B” do
coxo-femorais Anexo n. 6
e escápulo- da NR 15
umerais

Radiações Hemograma Admissional e      


ionizantes completo e semestral
contagem de
plaquetas
Hormônios Apenas em ho- Admissional e      
sexuais mens; Testos- semestral
femininos terona total ou
plasmática livre
LH e FSH
Benzeno Hemograma Admissional e      
completo e semestral
plaquetas

ANEXO I do QUADRO II
(Incluído pela Portaria n. 19, de 09 de abril de 1998)

DIRETRIZES E PARÂMETROS MÍNIMOS PARA AVALIAÇÃO E ACOMPA-


NHAMENTO DA AUDIÇÃO EM TRABALHADORES EXPOSTOS A NÍVEIS
DE PRESSÃO SONORA ELEVADOS

1. Objetivos
1.1. Estabelecer diretrizes e parâmetros mínimos para a avaliação e o acompanha-
mento da audição do trabalhador através da realização de exames audiológicos de
referência e sequenciais.
1.2. Fornecer subsídios para a adoção de programas que visem a prevenção da perda
auditiva induzida por níveis de pressão sonora elevados e a conservação da saúde au-
ditiva dos trabalhadores.

86
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 7 SAIR

2. Definições e Caracterização
2.1. Entende-se por perda auditiva por níveis de pressão sonora elevados as alterações
dos limiares auditivos, do tipo sensorioneural, decorrentes da exposição ocupacional
sistemática a níveis de pressão sonora elevados. Tem como características principais
a irreversibilidade e a progressão gradual com o tempo de exposição ao risco. A sua
história natural mostra, inicialmente, o acometimento dos limiares auditivos em uma
ou mais frequências da faixa de 3.000 a 6.000 Hz. As frequências mais altas e mais
baixas poderão levar mais tempo para serem afetadas. Uma vez cessada a exposição,
não haverá progressão da redução auditiva.
2.2. Entende-se por exames audiológicos de referência e sequenciais o conjunto de
procedimentos necessários para avaliação da audição do trabalhador ao longo do tem-
po de exposição ao risco, incluindo:
a. anamnese clínico-ocupacional;
b. exame otológico;
c. exame audiométrico realizado segundo os termos previstos nesta norma técnica;
d. outros exames audiológicos complementares solicitados a critério médico.
3. Princípios e procedimentos básicos para a realização do exame audiométrico
3.1. Devem ser submetidos a exames audiométricos de referência e sequenciais, no
mínimo, todos os trabalhadores que exerçam ou exercerão suas atividades em ambien-
tes cujos níveis de pressão sonora ultrapassem os limites de tolerância estabelecidos
nos Anexos 1 e 2 da NR 15 da Portaria n. 3.214 do Ministério do Trabalho, indepen-
dentemente do uso de protetor auditivo.
3.2. O audiômetro será submetido a procedimentos de verificação e controle periódi-
co do seu funcionamento .
3.2.1. Aferição acústica anual.
3.2.2. Calibração acústica, sempre que a aferição acústica indicar alteração, e,
obrigatoriamente, a cada 5 anos.
3.2.3. Aferição biológica é recomendada precedendo a realização dos exames au-
diométricos. Em caso de alteração, submeter o equipamento à aferição acústica.
3.2.4. Os procedimentos constantes dos itens 3.2.1 e 3.2.2 devem seguir o preco-
nizado na norma ISO 8253-1, e os resultados devem ser incluídos em um certifi-
cado de aferição e/ou calibração que acompanhará o equipamento.
3.3. O exame audiométrico será executado por profissional habilitado, ou seja, mé-
dico ou fonoaudiólogo, conforme resoluções dos respectivos conselhos federais pro-
fissionais.
3.4. Periodicidade dos exames audiométricos.
3.4.1. O exame audiométrico será realizado, no mínimo, no momento da admis-
são, no 6o (sexto) mês após a mesma, anualmente a partir de então, e na demissão.
3.4.1.1. No momento da demissão, do mesmo modo como previsto para a avalia-
ção clínica no item 7.4.3.5 da NR 7, poderá ser aceito o resultado de um exame
audiométrico realizado até:
a) 135 (cento e trinta e cinco) dias retroativos em relação à data do exame médico
demissional de trabalhador de empresa classificada em grau de risco 1 ou 2;

87
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 7 SAIR

b) 90 (noventa) dias retroativos em relação à data do exame médico demissional


de trabalhador de empresa classificada em grau de risco 3 ou 4.
3.4.2. O intervalo entre os exames audiométricos poderá se reduzido a critério do
médico coordenador do PCMSO, ou por notificação do médico agente de inspe-
ção do trabalho, ou mediante negociação coletiva de trabalho.
3.5. O resultado do exame audiométrico deve ser registrado em uma ficha que con-
tenha, no mínimo:
a) nome, idade e número de registro de identidade do trabalhador;
b) nome da empresa e a função do trabalhador;
c) tempo de repouso auditivo cumprido para a realização do exame audiométrico;
d) nome do fabricante, modelo e data da última aferição acústica do audiômetro;
e) traçado audiométrico e símbolos conforme o modelo constante do Anexo 1;
f ) nome, número de registro no conselho regional e assinatura do profissional
responsável pelo exame audiométrico.
3.6. Tipos de exames audiométricos.
O trabalhador deverá ser submetido a exame audiométrico de referência e a exame
audiométrico sequencial na forma abaixo descrita:
3.6.1. Exame audiométrico de referência, aquele com o qual os sequenciais serão
comparados e cujas diretrizes constam dos subitens abaixo, deve ser realizado:
a. quando não se possua um exame audiométrico de referência prévio;
b. quando algum exame audiométrico sequencial apresentar alteração significativa
em relação ao de referência, conforme descrito nos itens 4.2.1, 4.2.2 e 4.2.3
desta norma técnica.
3.6.1.1. O exame audiométrico será realizado em cabina audiométrica cujos níveis
de pressão sonora não ultrapassem os níveis máximos permitidos, de acordo com
a norma ISO 8253.1.
3.6.1.1.1. Nas empresas em que existir ambiente acusticamente tratado, que aten-
da à norma ISO 8253.1, a cabina audiométrica poderá ser dispensada.
3.6.1.2. O trabalhador permanecerá em repouso auditivo por um período míni-
mo de 14 horas até o momento de realização do exame audiométrico.
3.6.1.3. O responsável pela execução do exame audiométrico inspecionará o mea­
to acústico externo de ambas as orelhas e anotará os achados na ficha de registro.
Se identificada alguma anormalidade, encaminhará ao médico responsável.
3.6.1.4. Vias, frequências e outros testes complementares.
3.6.1.4.1. O exame audiométrico será realizado, sempre, pela via aérea nas
frequên­cias de 500, 1.000, 2.000. 3.000, 4.000, 6.000 e 8.000 Hz.
3.6.1.4.2. No caso de alteração detectada no teste pela via aérea ou segundo a
avaliação do profissional responsável pela execução do exame, o mesmo será feito,
também, pela via óssea nas frequências de 500, 1.000, 2.000, 3.000 e 4.000 Hz.
3.6.1.4.3. Segundo a avaliação do profissional responsável, no momento da execução
do exame, poderão ser determinados os limiares de reconhecimento de fala (LRF).
3.6.2. Exame audiométrico sequencial, aquele que será comparado com o de refe-
rência, aplica-se a todo trabalhador que já possua um exame audiométrico de refe-

88
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 7 SAIR

rência prévio, nos moldes previstos no item 3.6.1. As seguintes diretrizes mínimas
devem ser obedecidas:
3.6.2.1. Na impossibilidade da realização do exame audiométrico nas condições
previstas no item 3.6.1.1, o responsável pela execução do exame avaliará a viabili-
dade de sua realização em um ambiente silencioso, através do exame audiométrico
em 2 (dois) indivíduos, cujos limiares auditivos, detectados em exames audiomé-
tricos de referência atuais, sejam conhecidos. Diferença de limiar auditivo, em
qualquer frequência e em qualquer um dos 2 (dois) indivíduos examinados, acima
de 5 dB(NA) (nível de audição em decibel) inviabiliza a realização do exame no
local escolhido.
3.6.2.2. O responsável pela execução do exame audiométrico inspecionará o me-
ato acústico externo de ambas as orelhas e anotará os achados na ficha de registro.
3.6.2.3. O exame audiométrico será feito pela via aérea nas frequências de 500,
1.000, 2.000, 3.000, 4.000, 6.000 e 8.000 Hz.
4. Interpretação dos resultados do exame audiométrico com finalidade de pre-
venção
4.1. A interpretação dos resultados do exame audiométrico de referência deve seguir
os seguintes parâmetros:
4.1.1. São considerados dentro dos limites aceitáveis, para efeito desta norma téc-
nica de caráter preventivo, os casos cujos audiogramas mostram limiares auditivos
menores ou iguais a 25 dB(NA), em todas as frequências examinadas.
4.1.2. São considerados sugestivos de perda auditiva induzida por níveis de pres-
são sonora elevados os casos cujos audiogramas, nas frequências de 3.000 e/ou
4.000 e/ou 6.000 Hz, apresentam limiares auditivos acima de 25 dB(NA) e mais
elevados do que nas outras frequências testadas, estando estas comprometidas ou
não, tanto no teste da via aérea quanto da via óssea, em um ou em ambos os lados.
4.1.3. São considerados não sugestivos de perda auditiva induzida por níveis de
pressão sonora elevados os casos cujos audiogramas não se enquadram nas descri-
ções contidas nos itens 4.1.1 e 4.1.2 acima.
4.2. A interpretação dos resultados do exame audiométrico sequencial deve seguir os
seguintes parâmetros:
4.2.1. São considerados sugestivos de desencadeamento de perda auditiva induzi-
da por níveis de pressão sonora elevados, os casos em que os limiares auditivos em
todas as frequências testadas no exame audiométrico de referência e no sequencial
permanecem menores ou iguais a 25 dB(NA), mas a comparação do audiograma
sequencial com o de referência mostra uma evolução dentro dos moldes definidos
no item 2.1 desta norma, e preenche um dos critérios abaixo:
a) a diferença entre as médias aritméticas dos limiares auditivos no grupo de
frequên­cias de 3.000, 4.000 e 6.000 Hz iguala ou ultrapassa 10 dB(NA);
b) a piora em pelo menos uma das frequências de 3.000, 4.000 ou 6.000 Hz iguala
ou ultrapassa 15 dB(NA).
4.2.2. São considerados, também sugestivos de desencadeamento de perda auditi-
va induzida por níveis de pressão sonora elevados, os casos em que apenas o exame

89
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 7 SAIR

audiométrico de referência apresenta limiares auditivos em todas as frequências


testadas menores ou iguais a 25 dB(NA), e a comparação do audiograma sequen-
cial com o de referência mostra uma evolução dentro dos moldes definidos no
item 2.1 desta norma, e preenche um dos critérios abaixo:
a) a diferença entre as médias aritméticas dos limiares auditivos no grupo de
frequên­cias de 3.000, 4.000 e 6.000 Hz iguala ou ultrapassa 10 dB(NA);
b) a piora em pelo menos uma das frequências de 3.000, 4.000 ou 6.000 Hz iguala
ou ultrapassa 15 dB(NA).
4.2.3. São considerados sugestivos de agravamento da perda auditiva induzida por
níveis de pressão sonora elevados, os casos já confirmados em exame audiométrico
de referência, conforme item 4.1.2., e nos quais a comparação de exame audio-
métrico sequencial com o de referência mostra uma evolução dentro dos moldes
definidos no item 2.1 desta norma, e preenche um dos critérios abaixo:
a) a diferença entre as médias aritméticas dos limiares auditivos no grupo de fre-
quências de 500, 1.000 e 2.000 Hz, ou no grupo de frequências de 3.000, 4.000
e 6.000 Hz iguala ou ultrapassa 10 dB(NA).
b) a piora em uma frequência isolada iguala ou ultrapassa 10 dB(NA).
4.2.4. Para fins desta norma técnica, o exame audiométrico de referência perma-
nece o mesmo até o momento em que algum dos exames audiométricos sequen-
ciais for preenchido por algum dos critérios apresentados em 4.2.1, 4.2.2 ou 4.2.3.
Uma vez preenchido por algum destes critérios, deve-se realizar um novo exame
audiométrico, dentro dos moldes previstos no item 3.6.1 desta norma técnica,
que será, a partir de então, o novo exame audiométrico de referência. Os exames
anteriores passam a constituir o histórico evolutivo da audição do trabalhador.
5. Diagnóstico da perda auditiva induzida por níveis de pressão sonora elevados
e definição da aptidão para o trabalho
5.1. O diagnóstico conclusivo, o diagnóstico diferencial e a definição da aptidão para
o trabalho, na suspeita de perda auditiva induzida por níveis de pressão sonora ele-
vados, estão a cargo do médico coordenador do PCMSO de cada empresa, ou do
médico encarregado pelo mesmo para realizar o exame médico, dentro dos moldes
previstos na NR 7, ou, na ausência destes, do médico que assiste ao trabalhador.
5.2. A perda auditiva induzida por níveis de pressão sonora elevados, por si só, não é
indicativa de inaptidão para o trabalho, devendo-se levar em consideração na análise
de cada caso, além do traçado audiométrico ou da evolução sequencial de exames
audiométricos, os seguintes fatores:
a) a história clínica e ocupacional do trabalhador;
b) o resultado da otoscopia e de outros testes audiológicos complementares;
c) a idade do trabalhador;
d) o tempo de exposição pregressa e atual a níveis de pressão sonora elevados;
e) os níveis de pressão sonora a que o trabalhador estará, está ou esteve exposto no
exercício do trabalho;
f ) a demanda auditiva do trabalho ou da função;
g) a exposição não ocupacional a níveis de pressão sonora elevados;

90
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 7 SAIR

h) a exposição ocupacional a outro(s) agente(s) de risco ao sistema auditivo;


i) a exposição não ocupacional a outro(s) agentes de risco ao sistema auditivo;
j) a capacitação profissional do trabalhador examinado;
k) os programas de conservação auditiva aos quais tem ou terá acesso o trabalhador.
6. Condutas preventivas
6.1. Em presença de trabalhador cujo exame audiométrico de referência se enquadre
no item 4.1.2, ou algum dos exames audiométricos sequenciais se enquadre nos itens
4.2.1 ou 4.2.2 ou 4.2.3, o médico coordenador do PCMSO, ou o encarregado pelo
mesmo do exame médico, deverá:
a) definir a aptidão do trabalhador para a função, com base nos fatores ressaltados
no item 5.2 desta norma técnica;
b) incluir o caso no relatório anual do PCMSO;
c) participar da implantação, aprimoramento e controle de programas que visem
a prevenção da progressão da perda auditiva do trabalhador acometido e de outros
expostos ao risco, levando-se em consideração o disposto no item 9.3.6 da NR 9;
d) disponibilizar cópias dos exames audiométricos aos trabalhadores.
6.2. Em presença de trabalhador cujo exame audiométrico de referência se enquadre
no item 4.1.3, ou que algum dos exames audiométricos sequenciais se enquadre nos
itens 4.2.1.a., 4.2.1.b, 4.2.2.a, 4.2.2.b, 4.2.3.a ou 4.2.3.b, mas cuja evolução foge
dos moldes definidos no item 2.1 desta norma técnica, o médico coordenador do
PCMSO­, ou o encarregado pelo mesmo do exame médico, deverá:
a) verificar a possibilidade da presença concomitante de mais de um tipo de agres-
são ao sistema auditivo;
b) orientar e encaminhar o trabalhador para avaliação especializada;
c) definir sobre a aptidão do trabalhador para função;
d) participar da implantação, aprimoramento e controle de programas que visem
a prevenção da progressão da perda auditiva do trabalhador acometido e de outros
expostos ao risco, levando-se em consideração o disposto no item 9.3.6 da NR 9.
e) disponibilizar cópias dos exames audiométricos aos trabalhadores.

91
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 7 SAIR

TRAÇADO AUDIOMÉTRICO
(Incluído pela Portaria n. 19, de 09 de abril de 1998)

ORELHA DIREITA
Frequência em KHz
-10   0,25 0,5 1 2 3 4 6 8
N 0                  
Í
V 10                  
E
L
20                  
30                  
D
E 40                  
50                  
A
U 60                  
D
I
70                  
Ç 80                  
Ã
O 90                  
100                  
E
M 110                  
d D
120                  
B 130                  
D

ORELHA ESQUERDA
Frequência em KHz

-10   0,25 0,5 1 2 3 4 6 8


N 0                  
Í
V 10                  
E
L
20                  
30                  
D
E 40                  
50                  
A
U 60                  
D
I
70                  
Ç 80                  
Ã
O 90                  
100                  
E
M 110                  
d 120                  
B D 130                  
D

A distância entre cada oitiva de frequência deve corresponder a uma variação de 20 dB no


eixo do nível de audição (D).

92
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 7 SAIR

SÍMBOLOS
  ORELHA DIREITA ORELHA ESQUERDA

RESPOSTAS PRESENTES    

Via de condução aérea o 3


Via de condução óssea < >
RESPOSTAS PRESENTES

Via de condução aérea o


Via de condução óssea < >
1. Os símbolos referentes à via de condução aérea devem ser ligados através de linhas contínuas para a orelha direita e
linhas interrompidas para a orelha esquerda.
2. Os símbolos de condução óssea não devem ser interligados.
3. No caso do uso de cores:
a) a cor vermelha deve ser usada para os símbolos referentes à orelha direita;
b) a cor azul deve ser usada para os símbolos referentes à orelha esquerda.

QUADRO III  Programa de controle médico de saúde ocupacional, relatório anual


(Aprovado pela Portaria SSST n.º 24, de 29 de dezembro de 1994)
Responsável: Data:
Assinatura:
Setor Natureza do N. Anual de Exames N. de Resultados N. de Resultados N. de Exames
Exame Realizados Anormais Anormais x 100 para o Ano
_______________ Seguinte

N. Anual de Exames
           
           
           
           
           

93
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 8 SAIR

NR 8
Edificações
(108.000-8)
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Atualizações/Atualizações:
Portaria SSMT n. 12, de 06 de outubro de 1983 – DOU de 14.06.83
Portaria SIT n. 23, de 09 de outubro de 2001 – DOU de 01.11.01

8.1. Esta Norma Regulamentadora – NR estabelece requisitos técnicos mínimos que


devem ser observados nas edificações, para garantir segurança e conforto aos que nelas
trabalhem.
8.2. Os locais de trabalho devem ter a altura do piso ao teto, pé direito, de acordo com
as posturas municipais, atendidas as condições de conforto, segurança e salubridade,
estabelecidas na Portaria 3.214/78. (108.016-4/I3) (Alterado pela Portaria SIT n. 23,
de 09 de outubro de 2001)
8.2.1. (Revogado pela Portaria SIT n. 23, de 09 de outubro de 2001)
8.3. Circulação.
8.3.1. Os pisos dos locais de trabalho não devem apresentar saliências nem depres-
sões que prejudiquem a circulação de pessoas ou a movimentação de materiais.
(108.017-2/I2) (Alterado pela Portaria SIT n. 12, de 06 de outubro de 1983)
8.3.2. As aberturas nos pisos e nas paredes devem ser protegidas de forma que
impeçam a queda de pessoas ou objetos. (108.018-0/I4) (Alterado pela Portaria
SIT n. 12, de 06 de outubro de 1983)
8.3.3. Os pisos, as escadas e rampas devem oferecer resistência suficiente para
suportar as cargas móveis e fixas, para as quais a edificação se destina. (108.019-9/
I4) (Alterado pela Portaria SIT n. 12, de 06 de outubro de 1983)
8.3.4. As rampas e as escadas fixas de qualquer tipo devem ser construídas de acor-
do com as normas técnicas oficiais e mantidas em perfeito estado de conservação.
(108.020-2/I3) (Alterado pela Portaria SIT n. 12, de 06 de outubro de 1983)
8.3.5. Nos pisos, escadas, rampas, corredores e passagens dos locais de trabalho,
onde houver perigo de escorregamento, serão empregados materiais ou processos
antiderrapantes. (108.021-0/I2)

94
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 8 SAIR

8.3.6. Os andares acima do solo, tais como terraços, balcões, compartimentos para
garagens e outros que não forem vedados por paredes externas, devem dispor de
guarda-corpo de proteção contra quedas, de acordo com os seguintes requisitos:
(108.022-9/I4)
a) ter altura de 0,90 m (noventa centímetros), no mínimo, a contar do nível do
pavimento; (108.023-7/I3) (Alterado pela Portaria SIT n. 12, de 06 de outubro de
1983)
b) quando for vazado, os vãos do guarda-corpo devem ter, pelo menos, uma das
dimensões igual ou inferior a 0,12 m (doze centímetros); (108.024-5/I3) (Alterado
pela Portaria SIT n. 12, de 06 de outubro de 1983)
c) ser de material rígido e capaz de resistir ao esforço horizontal de 80 kgf/m2 (oi-
tenta quilogramas-força por metro quadrado) aplicado no seu ponto mais desfavo-
rável. (108.025-3/I3) (Alterado pela Portaria SIT n. 12, de 06 de outubro de 1983)
8.4. Proteção contra intempéries.
8.4.1. As partes externas, bem como todas as que separem unidades autônomas
de uma edificação, ainda que não acompanhem sua estrutura, devem, obrigato-
riamente, observar as normas técnicas oficiais relativas à resistência ao fogo, iso-
lamento térmico, isolamento e condicionamento acústico, resistência estrutural
e impermeabilidade. (108.026-1/I2) (Alterado pela Portaria SIT n. 12, de 06 de
outubro de 1983)
8.4.2. Os pisos e as paredes dos locais de trabalho devem ser, sempre que necessá-
rio, impermeabilizados e protegidos contra a umidade. (108.027-0 /I2) (Alterado
pela Portaria SIT n. 12, de 06 de outubro de 1983)
8.4.3. As coberturas dos locais de trabalho devem assegurar proteção contra as
chuvas. (108.028-8/I2) (Alterado pela Portaria SIT n. 12, de 06 de outubro de
1983)
8.4.4. As edificações dos locais de trabalho devem ser projetadas e construídas de
modo a evitar insolação excessiva ou falta de insolação. (108.029-6/I2) (Alterado
pela Portaria SIT n. 12, de 06 de outubro de 1983)

95
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 9 SAIR

NR 9
Programa de Prevenção de Riscos
Ambientais
(109.000-3)
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Alterações/Atualizações:
Portaria SSST n. 25, de 29 de dezembro de 1994 – DOU de 30.12.90

9.1. Do objeto e campo de aplicação.


9.1.1. Esta Norma Regulamentadora – NR estabelece a obrigatoriedade da ela-
boração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que
admitam trabalhadores como empregados, do Programa de Prevenção de Riscos
Ambientais – PPRA, visando à preservação da saúde e da integridade dos trabalha-
dores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle
da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente
de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos
naturais. (109.042-9/I4)
9.1.2. As ações do PPRA devem ser desenvolvidas no âmbito de cada estabeleci-
mento da empresa, sob a responsabilidade do empregador, com a participação dos
trabalhadores, sendo sua abrangência e profundidade dependentes das caracterís-
ticas dos riscos e das necessidades de controle. (109.002-0/I2)
9.1.2.1. Quando não forem identificados riscos ambientais nas fases de antecipa-
ção ou reconhecimento, descritas no itens 9.3.2 e 9.3.3, o PPRA poderá resumir-
se às etapas previstas nas alíneas “a” e “f ” do subitem 9.3.1.
9.1.3. O PPRA é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da
empresa no campo da preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores,
devendo estar articulado com o disposto nas demais NR, em especial com o Pro-
grama de Controle Médico de Saúde Ocupacional – PCMSO previsto na NR 7.
(109.043-7/I3)
9.1.4. Esta NR estabelece os parâmetros mínimos e diretrizes gerais a serem obser-
vados na execução do PPRA, podendo os mesmos ser ampliados mediante nego-
ciação coletiva de trabalho.

96
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 9 SAIR

9.1.5. Para efeito desta NR, consideram-se riscos ambientais os agentes físicos,
químicos e biológicos existentes nos ambientes de trabalho que, em função de
sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, são capazes de
causar danos à saúde do trabalhador.
9.1.5.1. Consideram-se agentes físicos as diversas formas de energia a que possam
estar expostos os trabalhadores, tais como: ruído, vibrações, pressões anormais,
temperaturas extremas, radiações ionizantes, bem como o infrassom e o ultrassom.
9.1.5.2. Consideram-se agentes químicos as substâncias, compostos ou produtos
que possam penetrar no organismo pela via respiratória, nas formas de poeiras,
fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de
exposição, possam ter contato ou ser absorvido pelo organismo através da pele ou
por ingestão.
9.1.5.3. Consideram-se agentes biológicos as bactérias, fungos, bacilos, parasitas,
protozoários, vírus, entre outros.
9.2. Da estrutura do PPRA.
9.2.1. O Programa de Prevenção de Riscos Ambientais deverá conter, no mínimo,
a seguinte estrutura:
a) planejamento anual com estabelecimento de metas, prioridades e cronograma;
(109.044-5/I2)
b) estratégia e metodologia de ação; (109.045-3/I2)
c) forma do registro, manutenção e divulgação dos dados; (109.046-1/I2)
d) periodicidade e forma de avaliação do desenvolvimento do PPRA. (109.047-0/
I2)
9.2.1.1. Deverá ser efetuada, sempre que necessário e pelo menos uma vez ao ano,
uma análise global do PPRA para avaliação do seu desenvolvimento e realização
dos ajustes necessários e estabelecimento de novas metas e prioridades. (109.048-
8/I3)
9.2.2. O PPRA deverá estar descrito num documento-base contendo todos os
aspectos estruturais constantes do item 9.2.1. (109.049-6/I2)
9.2.2.1. O documento-base e suas alterações e complementações deverão ser apre-
sentados e discutidos na CIPA, quando existente na empresa, de acordo com a
NR 5, sendo sua cópia anexada ao livro de atas desta Comissão. (109.050-0/I1)
9.2.2.2. O documento-base e suas alterações deverão estar disponíveis de modo a
proporcionar o imediato acesso às autoridades competentes. (109.051-8/I1)
9.2.3. O cronograma previsto no item 9.2.1 deverá indicar claramente os prazos
para o desenvolvimento das etapas e cumprimento das metas do PPRA. (109.052-
6/I2)
9.3. Do desenvolvimento do PPRA.
9.3.1. O Programa de Prevenção de Riscos Ambientais deverá incluir as seguintes
etapas:
a) antecipação e reconhecimento dos riscos; (109.053-4/I3)
b) estabelecimento de prioridades e metas de avaliação e controle; (109.054-2/I3)
c) avaliação dos riscos e da exposição dos trabalhadores; (109.055-0/I3)

97
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 9 SAIR

d) implantação de medidas de controle e avaliação de sua eficácia; (109.056-9/I3)


e) monitoramento da exposição aos riscos; (109.057-7/I3)
f ) registro e divulgação dos dados. (109.058-5/I3)
9.3.1.1. A elaboração, implementação, acompanhamento e avaliação do PPRA
poderão ser feitas pelo Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em
Medicina do Trabalho – SESMT ou por pessoa ou equipe de pessoas que, a crité-
rio do empregador, sejam capazes de desenvolver o disposto nesta NR.
9.3.2. A antecipação deverá envolver a análise de projetos de novas instalações,
métodos ou processos de trabalho, ou de modificação dos já existentes, visando a
identificar os riscos potenciais e introduzir medidas de proteção para sua redução
ou eliminação. (109.059-3/I3)
9.3.3. O reconhecimento dos riscos ambientais deverá conter os seguintes itens,
quando aplicáveis:
a) a sua identificação; (109.060-7/I2)
b) a determinação e localização das possíveis fontes geradoras; (109.061-5/I2)
c) a identificação das possíveis trajetórias e dos meios de propagação dos agentes
no ambiente de trabalho; (109.062-3/I2)
d) a identificação das funções e determinação do número de trabalhadores expos-
tos; (109.063-1/I2)
e) a caracterização das atividades e do tipo da exposição; (109.064-0/I2)
f ) a obtenção de dados existentes na empresa, indicativos de possível comprome-
timento da saúde decorrente do trabalho; (109.065-8/I1)
g) os possíveis danos à saúde relacionados aos riscos identificados, disponíveis na
literatura técnica; (109.066-6/I1)
h) a descrição das medidas de controle já existentes. (109.067-4/I1)
9.3.4. A avaliação quantitativa deverá ser realizada sempre que necessária para:
(109.068-2/I4)
a) comprovar o controle da exposição ou a inexistência de riscos identificados na
etapa de reconhecimento;
b) dimensionar a exposição dos trabalhadores;
c) subsidiar o equacionamento das medidas de controle.
9.3.5. Das medidas de controle.
9.3.5.1. Deverão ser adotadas as medidas necessárias suficientes para a eliminação,
a minimização ou o controle dos riscos ambientais sempre que forem verificadas
uma ou mais das seguintes situações: (109.069-0/I4)
a) identificação, na fase de antecipação, de risco potencial à saúde;
b) constatação, na fase de reconhecimento de risco evidente à saúde;
c) quando os resultados das avaliações quantitativas da exposição dos trabalhado-
res excederem os valores dos limites previstos na NR 15 ou, na ausência destes,
os valores limites de exposição ocupacional adotados pela American Conference
of Governmental Industrial Higyenists – ACGIH, ou aqueles que venham a ser
estabelecidos em negociação coletiva de trabalho, desde que mais rigorosos do que
os critérios técnico-legais estabelecidos;

98
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 9 SAIR

d) quando, através do controle médico da saúde, ficar caracterizado o nexo causal


entre danos observados na saúde dos trabalhadores e a situação de trabalho a que
eles ficam expostos.
9.3.5.2. O estudo, desenvolvimento e implantação de medidas de proteção coleti-
va deverão obedecer à seguinte hierarquia: (109.070-4/I2)
a) medidas que eliminam ou reduzam a utilização ou a formação de agentes pre-
judiciais à saúde;
b) medidas que previnam a liberação ou disseminação desses agentes no ambiente de
trabalho;
c) medidas que reduzam os níveis ou a concentração desses agentes no ambiente
de trabalho.
9.3.5.3. A implantação de medidas de caráter coletivo deverá ser acompanhada
de treinamento dos trabalhadores quanto aos procedimentos que assegurem a sua
eficiência e de informação sobre as eventuais limitações de proteção que ofereçam;
(109.071-2/I3)
9.3.5.4. Quando comprovado pelo empregador ou instituição, a inviabilidade
técnica da adoção de medidas de proteção coletiva ou quando estas não forem
suficientes ou encontrarem-se em fase de estudo, planejamento ou implantação
ou ainda em caráter complementar ou emergencial, deverão ser adotadas outras
medidas obedecendo-se à seguinte hierarquia: (109.072-0/I2)
a) medidas de caráter administrativo ou de organização do trabalho;
b) utilização de Equipamento de Proteção Individual – EPI.
9.3.5.5. A utilização de EPI no âmbito do programa deverá considerar as Normas
Legais e Administrativas em vigor e envolver no mínimo:
a) seleção do EPI adequado tecnicamente ao risco a que o trabalhador está exposto
e à atividade exercida, considerando-se a eficiência necessária para o controle da
exposição ao risco e o conforto oferecido segundo avaliação do trabalhador usuá-
rio; (109.073-9/I3)
b) programa de treinamento dos trabalhadores quanto à sua correta utilização e
orientação sobre as limitações de proteção que o EPI oferece; (109.074-7/I3)
c) estabelecimento de normas ou procedimento para promover o fornecimento,
o uso, a guarda, a higienização, a conservação, a manutenção e a reposição do
EPI, visando a garantir as condições de proteção originalmente estabelecidas;
(109.075-5/I2)
d) caracterização das funções ou atividades dos trabalhadores, com a respectiva
identificação dos EPI utilizados para os riscos ambientais. (109.076-3/I2)
9.3.5.6. O PPRA deve estabelecer critérios e mecanismos de avaliação da eficácia
das medidas de proteção implantadas considerando os dados obtidos nas avalia-
ções realizadas e no controle médico da saúde previsto na NR 7. (109.077-1/I2)
9.3.6. Do nível de ação.
9.3.6.1. Para os fins desta NR, considera-se nível de ação o valor acima do qual
devem ser iniciadas ações preventivas de forma a minimizar a probabilidade de
que as exposições a agentes ambientais ultrapassem os limites de exposição. As

99
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 9 SAIR

ações devem incluir o monitoramento periódico da exposição, a informação aos


trabalhadores e o controle médico.
9.3.6.2. Deverão ser objeto de controle sistemático as situações que apresentem
exposição ocupacional acima dos níveis de ação, conforme indicado nas alíneas
que seguem: (109.078-0/I3)
a) para agentes químicos, a metade dos limites de exposição ocupacional conside-
rados de acordo com a alínea “c” do subitem 9.3.5.1;
b) para o ruído, a dose de 0,5 (dose superior a 50%), conforme critério estabeleci-
do na NR 15, Anexo I, item 6.
9.3.7. Do monitoramento.
9.3.7.1. Para o monitoramento da exposição dos trabalhadores e das medidas de
controle deve ser realizada uma avaliação sistemática e repetitiva da exposição a
um dado risco, visando à introdução ou modificação das medidas de controle,
sempre que necessário. (109.079-8/I2)
9.3.8. Do registro de dados.
9.3.8.1. Deverá ser mantido pelo empregador ou instituição um registro de dados,
estruturado de forma a constituir um histórico técnico e administrativo do desen-
volvimento do PPRA. (109.080-1/I3)
9.3.8.2. Os dados deverão ser mantidos por um período mínimo de 20 (vinte)
anos. (109.081-0/I3)
9.3.8.3. O registro de dados deverá estar sempre disponível aos trabalhadores inte-
ressados ou seus representantes e para as autoridades competentes. (109.037-2/I1)
9.4. Das responsabilidades.
9.4.1. Do empregador:
I – estabelecer, implementar e assegurar o cumprimento do PPRA como atividade
permanente da empresa ou instituição.
9.4.2. Dos trabalhadores:
I – colaborar e participar na implantação e execução do PPRA;
II – seguir as orientações recebidas nos treinamentos oferecidos dentro do PPRA;
III – informar ao seu superior hierárquico direto ocorrências que, a seu julgamen-
to, possam implicar risco à saúde dos trabalhadores.
9.5. Da informação.
9.5.1. Os trabalhadores interessados terão o direito de apresentar propostas e rece-
ber informações e orientações a fim de assegurar a proteção aos riscos ambientais
identificados na execução do PPRA.
9.5.2. Os empregadores deverão informar os trabalhadores de maneira apropriada
e suficiente sobre os riscos ambientais que possam originar-se nos locais de traba-
lho e sobre os meios disponíveis para prevenir ou limitar tais riscos e para proteger-
se dos mesmos. (109.082-8/I3)
9.6. Das disposições finais.
9.6.1. Sempre que vários empregadores realizem, simultaneamente, atividades no
mesmo local de trabalho terão o dever de executar ações integradas para aplicar as
medidas previstas no PPRA visando a proteção de todos os trabalhadores expostos

100
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 9 SAIR

aos riscos ambientais gerados. (109.039-9/I2)


9.6.2. O conhecimento e a percepção que os trabalhadores têm do processo de tra-
balho e dos riscos ambientais presentes, incluindo os dados consignados no Mapa
de Riscos, previsto na NR 5, deverão ser considerados para fins de planejamento e
execução do PPRA em todas as suas fases. (109.040-2/ I2)
9.6.3. O empregador deverá garantir que, na ocorrência de riscos ambientais nos
locais de trabalho que coloquem em situação de grave e iminente risco um ou mais
trabalhadores, os mesmos possam interromper de imediato as suas atividades, co-
municando o fato ao superior hierárquico direto para as devidas providências.
(109.083-6/I4)

101
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

NR 10
Segurança em Instalações e
Serviços em Eletricidade
(210.000-2)
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Alterações/Atualizações:
Portaria SSMT n. 12, de 06 de junho de 1983 – DOU de 14.06.83
Portaria GM n. 598, de 07 de dezembro de 2004 – DOU de 08.09.04
Portaria GM n. 484, de 09 de novembro de 2005 – DOU de 10.11.05

10.1. Objetivo e campo de aplicação.


10.1.1. Esta Norma Regulamentadora – NR estabelece os requisitos e condições
mínimas objetivando a implementação de medidas de controle e sistemas preven-
tivos, de forma a garantir a segurança e a saúde dos trabalhadores que, direta ou
indiretamente, interajam em instalações elétricas e serviços com eletricidade.
10.1.2. Esta NR se aplica às fases de geração, transmissão, distribuição e consumo,
incluindo as etapas de projeto, construção, montagem, operação, manutenção das
instalações elétricas e quaisquer trabalhos realizados nas suas proximidades, obser-
vando-se as normas técnicas oficiais estabelecidas pelos órgãos competentes e, na
ausência ou omissão destas, as normas internacionais cabíveis.
10.2. Medidas de controle.
10.2.1. Em todas as intervenções em instalações elétricas devem ser adotadas me-
didas preventivas de controle do risco elétrico e de outros riscos adicionais, me-
diante técnicas de análise de risco, de forma a garantir a segurança e a saúde no
trabalho. (210.122-0/I4)
10.2.2. As medidas de controle adotadas devem integrar-se às demais iniciativas
da empresa, no âmbito da preservação da segurança, da saúde e do meio ambiente
do trabalho. (210.002-9/I1)
10.2.3. As empresas estão obrigadas a manter esquemas unifilares atualizados das
instalações elétricas dos seus estabelecimentos com as especificações do sistema de
aterramento e demais equipamentos e dispositivos de proteção. (210.003-7/I3)
10.2.4. Os estabelecimentos com carga instalada superior a 75 kW devem cons-
tituir e manter o Prontuário de Instalações Elétricas, contendo, além do disposto
no subitem 10.2.3, no mínimo: (210.004-5/I4)

102
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

a) conjunto de procedimentos e instruções técnicas e administrativas de segurança


e saúde, implantadas e relacionadas a esta NR e descrição das medidas de controle
existentes; (210.123-8/I2)
b) documentação das inspeções e medições do sistema de proteção contra descar-
gas atmosféricas e aterramentos elétricos; (210.006-1/I2)
c) especificação dos equipamentos de proteção coletiva e individual e o ferramen-
tal, aplicáveis conforme determina esta NR; (210.007-0/I2)
d) documentação comprobatória da qualificação, habilitação, capacitação, autori-
zação dos trabalhadores e dos treinamentos realizados; (210.008-8/I2)
e) resultados dos testes de isolação elétrica realizados em equipamentos de prote-
ção individual e coletiva; (210.124-6/I2)
f ) certificações dos equipamentos e materiais elétricos em áreas classificadas;
(210.125-4/I2)
g) relatório técnico das inspeções atualizadas com recomendações, cronogramas de
adequações, contemplando as alíneas de “a” a “f ”. (210.126-2/I2)
10.2.5. As empresas que operam em instalações ou equipamentos integrantes do
sistema elétrico de potência devem constituir prontuário com o conteúdo do item
10.2.4 e acrescentar ao prontuário os documentos a seguir listados: (210.012-6/
I4)
a) descrição dos procedimentos para emergências; (210.127-0/I2)
b) certificações dos equipamentos de proteção coletiva e individual. (210.128-9/I2)
10.2.5.1. As empresas que realizam trabalhos em proximidade do Sistema Elétrico
de Potência devem constituir prontuário contemplando as alíneas “a”, “c”, “d” e
“e”, do item 10.2.4 e alíneas “a” e “b” do item 10.2.5.
10.2.6. O Prontuário de Instalações Elétricas deve ser organizado e mantido atua-
lizado pelo empregador ou pessoa formalmente designada pela empresa, devendo
permanecer à disposição dos trabalhadores envolvidos nas instalações e serviços
em eletricidade. (210.016-9/I3)
10.2.7. Os documentos técnicos previstos no Prontuário de Instalações Elétricas
devem ser elaborados por profissional legalmente habilitado. (210.017-7/I2)
10.2.8. Medidas de proteção coletiva.
10.2.8.1. Em todos os serviços executados em instalações elétricas devem ser pre-
vistas e adotadas, prioritariamente, medidas de proteção coletiva aplicáveis, me-
diante procedimentos, às atividades a serem desenvolvidas, de forma a garantir a
segurança e a saúde dos trabalhadores. (210.018-5/I4)
10.2.8.2. As medidas de proteção coletiva compreendem, prioritariamente, a de-
senergização elétrica conforme estabelece esta NR e, na sua impossibilidade, o
emprego de tensão de segurança. (210.019-3/I3)
10.2.8.2.1. Na impossibilidade de implementação do estabelecido no subitem
10.2.8.2. devem ser utilizadas outras medidas de proteção coletiva, tais como: iso-
lação das partes vivas, obstáculos, barreiras, sinalização, sistema de seccionamento
automático de alimentação, bloqueio do religamento automático. (210.129-7/I3)
10.2.8.3. O aterramento das instalações elétricas deve ser executado conforme

103
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

regulamentação estabelecida pelos órgãos competentes e, na ausência desta, deve


atender às Normas Internacionais vigentes. (210.130-0/I3)
10.2.9. Medidas de proteção individual.
10.2.9.1. Nos trabalhos em instalações elétricas, quando as medidas de proteção
coletiva forem tecnicamente inviáveis ou insuficientes para controlar os riscos,
devem ser adotados equipamentos de proteção individual específicos e adequados
às atividades desenvolvidas, em atendimento ao disposto na NR 6. (210.022-3/I4)
10.2.9.2. As vestimentas de trabalho devem ser adequadas às atividades, deven-
do contemplar a condutibilidade, inflamabilidade e influências eletromagnéticas.
(210.131-9/I3)
10.2.9.3. É vedado o uso de adornos pessoais nos trabalhos com instalações elétri-
cas ou em suas proximidades. (210.132-7/I3)
10.3. Segurança em projetos.
10.3.1. É obrigatório que os projetos de instalações elétricas especifiquem dispo-
sitivos de desligamento de circuitos que possuam recursos para impedimento de
reenergização, para sinalização de advertência com indicação da condição opera-
tiva. (210.025-8/I3)
10.3.2. O projeto elétrico, na medida do possível, deve prever a instalação de
dispositivo de seccionamento de ação simultânea, que permita a aplicação de im-
pedimento de reenergização do circuito. (210.133-5/I3)
10.3.3. O projeto de instalações elétricas deve considerar o espaço seguro, quanto
ao dimensionamento e a localização de seus componentes e as influências exter-
nas, quando da operação e da realização de serviços de construção e manutenção.
(210.134-3/I3)
10.3.3.1. Os circuitos elétricos com finalidades diferentes, tais como: comuni-
cação, sinalização, controle e tração elétrica devem ser identificados e instalados
separadamente, salvo quando o desenvolvimento tecnológico permitir comparti-
lhamento, respeitadas as definições de projetos. (210.028-2/I2)
10.3.4. O projeto deve definir a configuração do esquema de aterramento, a obri-
gatoriedade ou não da interligação entre o condutor neutro e o de proteção e a
conexão à terra das partes condutoras não destinadas à condução da eletricidade.
(210.135-1/I3)
10.3.5. Sempre que for tecnicamente viável e necessário, devem ser projetados dis-
positivos de seccionamento que incorporem recursos fixos de equipotencialização
e aterramento do circuito seccionado. (210.136-0/I3)
10.3.6. Todo projeto deve prever condições para a adoção de aterramento tempo-
rário. (210.137-8/I3)
10.3.7. O projeto das instalações elétricas deve ficar à disposição dos trabalhado-
res autorizados, das autoridades competentes e de outras pessoas autorizadas pela
empresa e deve ser mantido atualizado. (210.138-6/I3)
10.3.8. O projeto elétrico deve atender ao que dispõem as Normas Regulamenta-
doras de Saúde e Segurança no Trabalho, as regulamentações técnicas oficiais es-
tabelecidas, e ser assinado por profissional legalmente habilitado. (210.033-9/I2)

104
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

10.3.9. O memorial descritivo do projeto deve conter, no mínimo, os seguintes


itens de segurança:
a) especificação das características relativas à proteção contra choques elétricos,
queimaduras e outros riscos adicionais; (210.139-4/I2)
b) indicação de posição dos dispositivos de manobra dos circuitos elétricos: (Verde
– “D”, desligado e Vermelho – “L”, ligado); (210.140-8/I2)
c) descrição do sistema de identificação de circuitos elétricos e equipamentos,
incluindo dispositivos de manobra, de controle, de proteção, de intertravamen-
to, dos condutores e os próprios equipamentos e estruturas, definindo como tais
indicações devem ser aplicadas fisicamente nos componentes das instalações;
(210.141-6/I2)
d) recomendações de restrições e advertências quanto ao acesso de pessoas aos
componentes das instalações; (210.142-4/I2)
e) precauções aplicáveis em face das influências externas; (210.143-2/I2)
f ) o princípio funcional dos dispositivos de proteção, constantes do projeto, des-
tinados à segurança das pessoas; (210.144-0/I2)
g) descrição da compatibilidade dos dispositivos de proteção com a instalação
elétrica. (210.145-9/I2)
10.3.10. Os projetos devem assegurar que as instalações proporcionem aos traba-
lhadores iluminação adequada e uma posição de trabalho segura, de acordo com a
NR 17 – Ergonomia. (210.041-0/I2)
10.4. Segurança na construção, montagem, operação e manutenção.
10.4.1. As instalações elétricas devem ser construídas, montadas, operadas, refor-
madas, ampliadas, reparadas e inspecionadas de forma a garantir a segurança e a
saúde dos trabalhadores e dos usuários, e serem supervisionadas por profissional
autorizado, conforme dispõe esta NR. (210.042-8/I4)
10.4.2. Nos trabalhos e nas atividades referidas devem ser adotadas medidas pre-
ventivas destinadas ao controle dos riscos adicionais, especialmente quanto a al-
tura, confinamento, campos elétricos e magnéticos, explosividade, umidade, po-
eira, fauna e flora e outros agravantes, adotando-se a sinalização de segurança.
(210.043-6/I4)
10.4.3. Nos locais de trabalho só podem ser utilizados equipamentos, dispositivos
e ferramentas elétricas compatíveis com a instalação elétrica existente, preservan-
do-se as características de proteção, respeitadas as recomendações do fabricante e
as influências externas. (210.044-4/I3)
10.4.3.1. Os equipamentos, dispositivos e ferramentas que possuam isolamento
elétrico devem estar adequados às tensões envolvidas, e serem inspecionados e
testados de acordo com as regulamentações existentes ou recomendações dos fa-
bricantes. (210.045-2/I3)
10.4.4. As instalações elétricas devem ser mantidas em condições seguras de fun-
cionamento e seus sistemas de proteção devem ser inspecionados e controlados
periodicamente, de acordo com as regulamentações existentes e definições de pro-
jetos. (210.046-0/I3)

105
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

10.4.4.1. Os locais de serviços elétricos, compartimentos e invólucros de equipa-


mentos e instalações elétricas são exclusivos para essa finalidade, sendo expressa-
mente proibido utilizá-los para armazenamento ou guarda de quaisquer objetos.
(210.047-9/I2)
10.4.5. Para atividades em instalações elétricas deve ser garantida ao trabalhador
iluminação adequada e uma posição de trabalho segura, de acordo com a NR 17
– Ergonomia, de forma a permitir que ele disponha dos membros superiores livres
para a realização das tarefas. (210.146-7/I3)
10.4.6. Os ensaios e testes elétricos laboratoriais e de campo ou comissionamen-
to de instalações elétricas devem atender à regulamentação estabelecida nos itens
10.6 e 10.7, e somente podem ser realizadas por trabalhadores que atendam às
condições de qualificação, habilitação, capacitação e autorização estabelecidas nes-
ta NR. (210.049-5/I3)
10.5. Segurança em instalações elétricas desenergizadas.
10.5.1. Somente serão consideradas desenergizadas as instalações elétricas libera-
das para trabalho, mediante os procedimentos apropriados, obedecida a sequência
abaixo: (210.147-5/I4)
a) seccionamento;
b) impedimento de reenergização;
c) constatação da ausência de tensão;
d) instalação de aterramento temporário com equipotencialização dos condutores
dos circuitos;
e) proteção dos elementos energizados existentes na zona controlada (Anexo I);
f ) instalação da sinalização de impedimento de reenergização.
10.5.2. O estado de instalação desenergizada deve ser mantido até a autorização
para reenergização, devendo ser reenergizada respeitando a sequência de procedi-
mentos abaixo: (210.148-3/I4)
a) retirada das ferramentas, utensílios e equipamentos;
b) retirada da zona controlada de todos os trabalhadores não envolvidos no pro-
cesso de reenergização;
c) remoção do aterramento temporário, da equipotencialização e das proteções
adicionais;
d) remoção da sinalização de impedimento de reenergização;
e) destravamento, se houver, e religação dos dispositivos de seccionamento.
10.5.3. As medidas constantes das alíneas apresentadas nos itens 10.5.1 e 10.5.2
podem ser alteradas, substituídas, ampliadas ou eliminadas, em função das pecu-
liaridades de cada situação, por profissional legalmente habilitado, autorizado e
mediante justificativa técnica previamente formalizada, desde que seja mantido o
mesmo nível de segurança originalmente preconizado.
10.5.4. Os serviços a serem executados em instalações elétricas desligadas, mas
com possibilidade de energização, por qualquer meio ou razão, devem atender ao
que estabelece o disposto no item 10.6. (210.062-2/I3)
10.6. Segurança em instalações elétricas energizadas.

106
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

10.6.1. As intervenções em instalações elétricas com tensão igual ou superior a 50


Volts em corrente alternada ou superior a 120 Volts em corrente contínua somente
podem ser realizadas por trabalhadores que atendam ao que estabelece o item 10.8
desta Norma. (210.063-0/I4)
10.6.1.1. Os trabalhadores de que trata o item anterior devem receber treinamen-
to de segurança para trabalhos com instalações elétricas energizadas, com currícu-
lo mínimo, carga horária e demais determinações estabelecidas no Anexo II desta
NR. (210.149-1/I3)
10.6.1.2. As operações elementares como ligar e desligar circuitos elétricos, reali-
zadas em baixa tensão, com materiais e equipamentos elétricos em perfeito estado
de conservação, adequados para operação, podem ser realizadas por qualquer pes-
soa não advertida.
10.6.2. Os trabalhos que exigem o ingresso na zona controlada devem ser realizados
mediante procedimentos específicos respeitando as distâncias previstas no Anexo I.
(210.065-7/I3)
10.6.3. Os serviços em instalações energizadas, ou em suas proximidades devem
ser suspensos de imediato na iminência de ocorrência que possa colocar os traba-
lhadores em perigo. (210.150-5/I4)
10.6.4. Sempre que inovações tecnológicas forem implementadas ou para a entra-
da em operações de novas instalações ou equipamentos elétricos devem ser previa-
mente elaboradas análises de risco, desenvolvidas com circuitos desenergizados, e
respectivos procedimentos de trabalho. (210.067-3/I3)
10.6.5. O responsável pela execução do serviço deve suspender as atividades quan-
do verificar situação ou condição de risco não prevista, cuja eliminação ou neutra-
lização imediata não seja possível. (210.151-3/I3)
10.7. Trabalhos envolvendo alta tensão (AT).
10.7.1. Os trabalhadores que intervenham em instalações elétricas energizadas
com alta tensão, que exerçam suas atividades dentro dos limites estabelecidos
como zonas controladas e de risco, conforme Anexo I, devem atender ao disposto
no item 10.8 desta NR. (210.069-0/I4)
10.7.2. Os trabalhadores de que trata o item 10.7.1 devem receber treinamento
de segurança, específico em segurança no Sistema Elétrico de Potência (SEP) e em
suas proximidades, com currículo mínimo, carga horária e demais determinações
estabelecidas no Anexo II desta NR. (210.152-1/I3)
10.7.3. Os serviços em instalações elétricas energizadas em AT, bem como aqueles
executados no Sistema Elétrico de Potência – SEP, não podem ser realizados indi-
vidualmente. (210.071-1/I4)
10.7.4. Todo trabalho em instalações elétricas energizadas em AT, bem como
aquelas que interajam com o SEP, somente pode ser realizado mediante ordem
de serviço específica para data e local, assinada por superior responsável pela área.
(210.153-0/I3)
10.7.5. Antes de iniciar trabalhos em circuitos energizados em AT, o superior
imediato e a equipe, responsáveis pela execução do serviço, devem realizar uma

107
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

avaliação prévia, estudar e planejar as atividades e ações a serem desenvolvidas de


forma a atender os princípios técnicos básicos e as melhores técnicas de segurança
em eletricidade aplicáveis ao serviço. (210.154-8/I3)
10.7.6. Os serviços em instalações elétricas energizadas em AT somente podem ser
realizados quando houver procedimentos específicos, detalhados e assinados por
profissional autorizado. (210.074-6/I3)
10.7.7. A intervenção em instalações elétricas energizadas em AT dentro dos li-
mites estabelecidos como zona de risco, conforme Anexo I desta NR, somente
pode ser realizada mediante a desativação, também conhecida como bloqueio,
dos conjuntos e dispositivos de religamento automático do circuito, sistema ou
equipamento. (210.075-4/I4)
10.7.7.1. Os equipamentos e dispositivos desativados devem ser sinalizados com
identificação da condição de desativação, conforme procedimento de trabalho es-
pecífico padronizado. (210.076-2/I4)
10.7.8. Os equipamentos, ferramentas e dispositivos isolantes ou equipados com
materiais isolantes, destinados ao trabalho em alta tensão, devem ser submetidos
a testes elétricos ou ensaios de laboratório periódicos, obedecendo-se as especifica-
ções do fabricante, os procedimentos da empresa e na ausência desses, anualmen-
te. (210.077-0/I4)
10.7.9. Todo trabalhador em instalações elétricas energizadas em AT, bem como
aqueles envolvidos em atividades no SEP devem dispor de equipamento que per-
mita a comunicação permanente com os demais membros da equipe ou com o
centro de operação durante a realização do serviço. (210.078-9/I3)
10.8. Habilitação, qualificação, capacitação e autorização dos trabalhadores.
10.8.1. É considerado trabalhador qualificado aquele que comprovar conclusão
de curso específico na área elétrica reconhecido pelo Sistema Oficial de Ensino.
10.8.2. É considerado profissional legalmente habilitado o trabalhador previa-
mente qualificado e com registro no competente conselho de classe.
10.8.3. É considerado trabalhador capacitado aquele que atenda às seguintes con-
dições, simultaneamente:
a) receba capacitação sob orientação e responsabilidade de profissional habilitado
e autorizado; e
b) trabalhe sob a responsabilidade de profissional habilitado e autorizado.
10.8.3.1. A capacitação só terá validade para a empresa que o capacitou e nas condições
estabelecidas pelo profissional habilitado e autorizado responsável pela capacitação.
10.8.4. São considerados autorizados os trabalhadores qualificados ou capacitados
e os profissionais habilitados, com anuência formal da empresa.
10.8.5. A empresa deve estabelecer sistema de identificação que permita a qual-
quer tempo conhecer a abrangência da autorização de cada trabalhador, conforme
o item 10.8.4. (210.155-6/I2)
10.8.6. Os trabalhadores autorizados a trabalhar em instalações elétricas devem
ter essa condição consignada no sistema de registro de empregado da empresa.
(210.080-0/I1)

108
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

10.8.7. Os trabalhadores autorizados a intervir em instalações elétricas devem ser


submetidos à exame de saúde compatível com as atividades a serem desenvolvidas,
realizado em conformidade com a NR 7 e registrado em seu prontuário médico.
(210.156-4/I2)
10.8.8. Os trabalhadores autorizados a intervir em instalações elétricas devem
possuir treinamento específico sobre os riscos decorrentes do emprego da energia
elétrica e as principais medidas de prevenção de acidentes em instalações elétricas,
de acordo com o estabelecido no Anexo II desta NR. (210.157-2/I3)
10.8.8.1. A empresa concederá autorização na forma desta NR aos trabalhadores
capacitados ou qualificados e aos profissionais habilitados que tenham participado
com avaliação e aproveitamento satisfatórios dos cursos constantes do ANEXO II
desta NR. (210.158-0/I3)
10.8.8.2. Deve ser realizado um treinamento de reciclagem bienal e sempre que
ocorrer alguma das situações a seguir: (210.159-9/I3)
a) troca de função ou mudança de empresa;
b) retorno de afastamento ao trabalho ou inatividade, por período superior a três
meses;
c) modificações significativas nas instalações elétricas ou troca de métodos, proces-
sos e organização do trabalho.
10.8.8.3. A carga horária e o conteúdo programático dos treinamentos de recicla-
gem destinados ao atendimento das alíneas “a”, “b” e “c” do item 10.8.8.2 devem
atender as necessidades da situação que o motivou. (210.160-2/I2)
10.8.8.4. Os trabalhos em áreas classificadas devem ser precedidos de treinamento
específico de acordo com risco envolvido. (210.089-4/I3)
10.8.9. Os trabalhadores com atividades não relacionadas às instalações elétricas
desenvolvidas em zona livre e na vizinhança da zona controlada, conforme define
esta NR, devem ser instruídos formalmente com conhecimentos que permitam
identificar e avaliar seus possíveis riscos e adotar as precauções cabíveis. (210.090-
8/I2)
10.9. Proteção contra incêndio e explosão.
10.9.1. As áreas onde houver instalações ou equipamentos elétricos devem ser
dotadas de proteção contra incêndio e explosão, conforme dispõe a NR 23 – Pro-
teção Contra Incêndios. (210.091-6/I3)
10.9.2. Os materiais, peças, dispositivos, equipamentos e sistemas destinados à
aplicação em instalações elétricas de ambientes com atmosferas potencialmente
explosivas devem ser avaliados quanto à sua conformidade, no âmbito do Sistema
Brasileiro de Certificação. (210.161-0/I3)
10.9.3. Os processos ou equipamentos suscetíveis de gerar ou acumular eletricida-
de estática devem dispor de proteção específica e dispositivos de descarga elétrica.
(210.162-9/I3)
10.9.4. Nas instalações elétricas de áreas classificadas ou sujeitas a risco acentuado
de incêndio ou explosões, devem ser adotados dispositivos de proteção, como
alarme e seccionamento automático para prevenir sobretensões, sobrecorrentes,

109
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

falhas de isolamento, aquecimentos ou outras condições anormais de operação.


(210.094-0/I3)
10.9.5. Os serviços em instalações elétricas nas áreas classificadas somente pode-
rão ser realizados mediante permissão para o trabalho com liberação formalizada,
conforme estabelece o item 10.5 ou supressão do agente de risco que determina a
classificação da área. (210.163-7/I3)
10.10. Sinalização de segurança.
10.10.1. Nas instalações e serviços em eletricidade deve ser adotada sinalização
adequada de segurança, destinada à advertência e à identificação, obedecendo ao
disposto na NR-26 – Sinalização de Segurança, de forma a atender, dentre outras,
as situações a seguir: (210.096-7/I3)
a) identificação de circuitos elétricos; (210.097-5/I2)
b) travamentos e bloqueios de dispositivos e sistemas de manobra e comandos;
(210.098-3/I2)
c) restrições e impedimentos de acesso; (210.099-1/I2)
d) delimitações de áreas; (210.100-9/I2)
e) sinalização de áreas de circulação, de vias públicas, de veículos e de movimenta-
ção de cargas; (210.101-7/I2)
f ) sinalização de impedimento de energização; (210.102-5/I2)
g) identificação de equipamento ou circuito impedido. (210.103-3/I2)
10.11. Procedimentos de trabalho.
10.11.1. Os serviços em instalações elétricas devem ser planejados e realizados
em conformidade com procedimentos de trabalho específicos, padronizados, com
descrição detalhada de cada tarefa, passo a passo, assinados por profissional que
atenda ao que estabelece o item 10.8 desta NR. (210.104-1/I3)
10.11.2. Os serviços em instalações elétricas devem ser precedidos de ordens de
serviço específicas aprovadas por trabalhador autorizado, contendo, no mínimo, o
tipo, a data, o local e as referências aos procedimentos de trabalho a serem adotados.
(210.164-5/I3)
10.11.3. Os procedimentos de trabalho devem conter, no mínimo, objetivo, cam-
po de aplicação, base técnica, competências e responsabilidades, disposições ge-
rais, medidas de controle e orientações finais. (210.106-8/I2)
10.11.4. Os procedimentos de trabalho, o treinamento de segurança e saúde e a
autorização de que trata o item 10.8 devem ter a participação em todo processo de
desenvolvimento do Serviço Especializado de Engenharia de Segurança e Medici-
na do Trabalho – SESMT, quando houver. (210.107-6/I2)
10.11.5. A autorização referida no item 10.8 deve estar em conformidade com o
treinamento ministrado, previsto no Anexo II desta NR. (210.108-4/I3)
10.11.6. Toda equipe deverá ter um de seus trabalhadores indicado e em condi-
ções de exercer a supervisão e condução dos trabalhos. (210.109-2/I1)
10.11.7. Antes de iniciar trabalhos em equipe os seus membros, em conjunto
com o responsável pela execução do serviço, devem realizar uma avaliação prévia,
estudar e planejar as atividades e ações a serem desenvolvidas no local, de forma a

110
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

atender os princípios técnicos básicos e as melhores técnicas de segurança aplicá-


veis ao serviço. (210.165-3/I3)
10.11.8. A alternância de atividades deve considerar a análise de riscos das tarefas
e a competência dos trabalhadores envolvidos, de forma a garantir a segurança e a
saúde no trabalho. (210.166-1/I3)
10.12. Situação de emergência.
10.12.1. As ações de emergência que envolvam as instalações ou serviços com
eletricidade devem constar do plano de emergência da empresa. (210.112-2/I2)
10.12.2. Os trabalhadores autorizados devem estar aptos a executar o resgate e
prestar primeiros socorros a acidentados, especialmente por meio de reanimação
cardio-respiratória. (210.113-0/I3)
10.12.3. A empresa deve possuir métodos de resgate padronizados e adequados
às suas atividades, disponibilizando os meios para a sua aplicação. (210.114-9/I3)
10.12.4. Os trabalhadores autorizados devem estar aptos a manusear e operar
equipamentos de prevenção e combate a incêndio existentes nas instalações elétri-
cas. (210.115-7/I3)
10.13. Responsabilidades.
10.13.1. As responsabilidades quanto ao cumprimento desta NR são solidárias aos
contratantes e contratados envolvidos.
10.13.2. É de responsabilidade dos contratantes manter os trabalhadores informa-
dos sobre os riscos a que estão expostos, instruindo-os quanto aos procedimentos
e medidas de controle contra os riscos elétricos a serem adotados. (210.167-0/I2)
10.13.3. Cabe à empresa, na ocorrência de acidentes de trabalho envolvendo insta-
lações e serviços em eletricidade, propor e adotar medidas preventivas e corretivas.
(210.117-3/I4)
10.13.4. Cabe aos trabalhadores:
a) zelar pela sua segurança e saúde e a de outras pessoas que possam ser afetadas
por suas ações ou omissões no trabalho;
b) responsabilizar-se junto com a empresa pelo cumprimento das disposições legais e
regulamentares, inclusive quanto aos procedimentos internos de segurança e saúde; e
c) comunicar, de imediato, ao responsável pela execução do serviço as situações
que considerar de risco para sua segurança e saúde e a de outras pessoas.
10.14. Disposições finais.
10.14.1. Os trabalhadores devem interromper suas tarefas exercendo o direito
de recusa, sempre que constatarem evidências de riscos graves e iminentes para
sua segurança e saúde ou a de outras pessoas, comunicando imediatamente o
fato a seu superior hierárquico, que diligenciará as medidas cabíveis. (210.118-
1/I4)
10.14.2. As empresas devem promover ações de controle de riscos originados por
outrem em suas instalações elétricas e oferecer, de imediato, quando cabível, de-
núncia aos órgãos competentes. (210.168-8/I1)
10.14.3. Na ocorrência do não cumprimento das normas constantes nesta NR, o
MTE adotará as providências estabelecidas na NR 3.

111
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

10.14.4. A documentação prevista nesta NR deve estar permanentemente à dispo-


sição dos trabalhadores que atuam em serviços e instalações elétricas, respeitadas as
abrangências, limitações e interferências nas tarefas. (210.120-3/I2)
10.14.5. A documentação prevista nesta NR deve estar, permanentemente, à dis-
posição das autoridades competentes. (210.169-6/I1)
10.14.6. Esta NR não é aplicável a instalações elétricas alimentadas por extra-
baixa tensão.

ANEXO I
GLOSSÁRIO

1. Alta Tensão (AT): tensão superior a 1.000 Volts em corrente alternada ou 1.500
volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra.
2. Área Classificada: local com potencialidade de ocorrência de atmosfera explosiva.
3. Aterramento Elétrico Temporário: ligação elétrica efetiva confiável e adequada
intencional à terra, destinada a garantir a equipotencialidade e mantida continua-
mente durante a intervenção na instalação elétrica.
4. Atmosfera Explosiva: mistura com o ar, sob condições atmosféricas, de substân-
cias inflamáveis na forma de gás, vapor, névoa, poeira ou fibras, na qual após a
ignição a combustão se propaga.
5. Baixa Tensão (BT): tensão superior a 50 Volts em corrente alternada ou 120 volts
em corrente contínua e igual ou inferior a 1.000 volts em corrente alternada ou
1.500 volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra.
6. Barreira: dispositivo que impede qualquer contato com partes energizadas das
instalações elétricas.
7. Direito de Recusa: instrumento que assegura ao trabalhador a interrupção de
uma atividade de trabalho por considerar que ela envolve grave e iminente risco
para sua segurança e saúde ou de outras pessoas.
8. Equipamento de Proteção Coletiva (EPC): dispositivo, sistema, ou meio, fixo
ou móvel de abrangência coletiva, destinado a preservar a integridade física e a
saúde dos trabalhadores, usuários e terceiros.
9. Equipamento Segregado: equipamento tornado inacessível por meio de invólu-
cro ou barreira.
10. Extra-Baixa Tensão (EBT): tensão não superior a 50 volts em corrente alternada
ou 120 volts em corrente contínua, entre fases ou entre fase e terra.
11. Influências Externas: variáveis que devem ser consideradas na definição e seleção
de medidas de proteção para segurança das pessoas e desempenho dos componen-
tes da instalação.
12. Instalação Elétrica: conjunto das partes elétricas e não elétricas associadas e com
características coordenadas entre si, que são necessárias ao funcionamento de uma
parte determinada de um sistema elétrico.
13. Instalação Liberada para Serviços (BT/AT): aquela que garanta as condições de

112
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

segurança ao trabalhador por meio de procedimentos e equipamentos adequados


desde o início até o final dos trabalhos e liberação para uso.
14. Impedimento de Reenergização: condição que garante a não energização do cir-
cuito através de recursos e procedimentos apropriados, sob controle dos trabalha-
dores envolvidos nos serviços.
15. Invólucro: envoltório de partes energizadas destinado a impedir qualquer contato
com partes internas.
16. Isolamento Elétrico: processo destinado a impedir a passagem de corrente elétri-
ca, por interposição de materiais isolantes.
17. Obstáculo: elemento que impede o contato acidental, mas não impede o contato
direto por ação deliberada.
18. Perigo: situação ou condição de risco com probabilidade de causar lesão física ou
dano à saúde das pessoas por ausência de medidas de controle.
19. Pessoa Advertida: pessoa informada ou com conhecimento suficiente para evitar
os perigos da eletricidade.
20. Procedimento: sequência de operações a serem desenvolvidas para realização de
um determinado trabalho, com a inclusão dos meios materiais e humanos, medi-
das de segurança e circunstâncias que impossibilitem sua realização.
21. Prontuário: sistema organizado de forma a conter uma memória dinâmica de
informações pertinentes às instalações e aos trabalhadores.
22. Risco: capacidade de uma grandeza com potencial para causar lesões ou danos à
saúde das pessoas.
23. Riscos Adicionais: todos os demais grupos ou fatores de risco, além dos elétricos,
específicos de cada ambiente ou processos de Trabalho que, direta ou indiretamen-
te, possam afetar a segurança e a saúde no trabalho.
24. Sinalização: procedimento padronizado destinado a orientar, alertar, avisar e advertir.
25. Sistema Elétrico: circuito ou circuitos elétricos inter-relacionados destinados a
atingir um determinado objetivo.
26. Sistema Elétrico de Potência (SEP): conjunto das instalações e equipamentos destina-
dos à geração, transmissão e distribuição de energia elétrica até a medição, inclusive.
27. Tensão de Segurança: extra-baixa tensão originada em uma fonte de segurança.
28. Trabalho em Proximidade: trabalho durante o qual o trabalhador pode entrar na
zona controlada, ainda que seja com uma parte do seu corpo ou com extensões con-
dutoras, representadas por materiais, ferramentas ou equipamentos que manipule.
29. Travamento: ação destinada a manter, por meios mecânicos, um dispositivo de mano-
bra fixo numa determinada posição, de forma a impedir uma operação não autorizada.
30. Zona de Risco: entorno de parte condutora energizada, não segregada, acessível
inclusive acidentalmente, de dimensões estabelecidas de acordo com o nível de
tensão, cuja aproximação só é permitida a profissionais autorizados e com a ado-
ção de técnicas e instrumentos apropriados de trabalho.
31. Zona Controlada: entorno de parte condutora energizada, não segregada, acessí-
vel, de dimensões estabelecidas de acordo com o nível de tensão, cuja aproximação
só é permitida a profissionais autorizados.

113
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

ANEXO II
ZONA DE RISCO E ZONA CONTROLADA
Tabela de raios de delimitação de zonas de risco, controlada e livre.
Faixa de tensão nominal da Rr – Raio de delimitação entre zona de Rc – Raio de delimitação entre zona
instalação elétrica em kV risco e controlada em metros controlada e livre em metros
<1 0,20 0,70
≥1e<3 0,22 1,22
≥3e<6 0,25 1,25
≥ 6 e < 10 0,35 1,35
≥ 10 e < 15 0,38 1,38
≥ 15 e < 20 0,40 1,40
≥ 20 e < 30 0,56 1,56
≥ 30 e < 36 0,58 1,58
≥ 36 e < 45 0,63 1,63
≥ 45 e < 60 0,83 1,83
≥ 60 e < 70 0,90 1,90
≥ 70 e < 110 1,00 2,00
≥ 110 e < 132 1,10 3,10
≥ 132 e < 150 1,20 3,20
≥ 150 e < 220 1,60 3,60
≥ 220 e < 275 1,80 3,80
≥ 275 e < 380 2,50 4,50
≥ 380 e < 480 3,20 5,20
≥ 480 e < 700 5,20 7,20

Rc Rc
ZL ZL

ZCP ZL ZC

ZR ZR

PE PE

Rr Rr

SI

Figura 1  Distâncias no ar que delimi- Figura 2  Distâncias no ar que delimitam


tam radialmente as zonas de risco, con- radialmente as zonas de risco, controlada
trolada e livre. e livre, com interposição de superfície de
ZL: Zona livre. separação física adequada.
ZC: Zona controlada, restrita a trabalhadores autorizados.
ZR: Zona de risco, restrita a trabalhadores autorizados e com a adoção de técnicas, instrumentos e equipamentos apropria-
dos ao trabalho.
PE: Ponto da instalação energizado.
SI: Superfície isolante construída com material resistente e dotada de todos dispositivos de segurança.

114
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

ANEXO III
TREINAMENTO

1. CURSO BÁSICO – SEGURANÇA EM INSTALAÇÕES E SERVIÇOS


COM ELETRICIDADE
I – Para os trabalhadores autorizados: carga horária mínima – 40h:

Programação mínima:
1. Introdução à segurança com eletricidade.
2. Riscos em instalações e serviços com eletricidade:
a) o choque elétrico, mecanismos e efeitos;
b) arcos elétricos; queimaduras e quedas;
c) campos eletromagnéticos.
3. Técnicas de análise de risco.
4. Medidas de controle do risco elétrico:
a) desenergização;
b) aterramento funcional (TN/TT/IT); de proteção; temporário;
c) equipotencialização;
d) seccionamento automático da alimentação;
e) dispositivos a corrente de fuga;
f ) extra baixa tensão;
g) barreiras e invólucros;
h) bloqueios e impedimentos;
i) obstáculos e anteparos;
j) isolamento das partes vivas;
k) isolação dupla ou reforçada;
l) colocação fora de alcance;
m) separação elétrica.
5. Normas Técnicas Brasileiras – NBR da ABNT: NBR-5410, NBR 14039 e outras;
6) Regulamentações do MTE:
a) NRs;
b) NR-10 (Segurança em Instalações e Serviços com Eletricidade);
c) qualificação; habilitação; capacitação e autorização.
7. Equipamentos de proteção coletiva.
8. Equipamentos de proteção individual.
9. Rotinas de trabalho – Procedimentos.
a) instalações desenergizadas;
b) liberação para serviços;
c) sinalização;
d) inspeções de áreas, serviços, ferramental e equipamento.
10. Documentação de instalações elétricas.
11. Riscos adicionais:
a) altura;

115
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

b) ambientes confinados;
c) áreas classificadas;
d) umidade;
e) condições atmosféricas.
12. Proteção e combate a incêndios:
a) noções básicas;
b) medidas preventivas;
c) métodos de extinção;
d) prática.
13. Acidentes de origem elétrica:
a) causas diretas e indiretas;
b) discussão de casos.
14. Primeiros socorros:
a) noções sobre lesões;
b) priorização do atendimento;
c) aplicação de respiração artificial;
d) massagem cardíaca;
e) técnicas para remoção e transporte de acidentados;
f ) práticas.
15. Responsabilidades.

2. CURSO COMPLEMENTAR – SEGURANÇA NO SISTEMA ELÉTRICO DE


POTÊNCIA (SEP) E EM SUAS PROXIMIDADES
É pré-requisito para frequentar este curso complementar, ter participado, com apro-
veitamento satisfatório, do curso básico definido anteriormente.
Carga horária mínima – 40h
(*) Estes tópicos deverão ser desenvolvidos e dirigidos especificamente para as condi-
ções de trabalho características de cada ramo, padrão de operação, de nível de tensão
e de outras peculiaridades específicas ao tipo ou condição especial de atividade, sendo
obedecida a hierarquia no aperfeiçoamento técnico do trabalhador.
I – Programação Mínima:
1. Organização do Sistema Elétrico de Potência – SEP.
2. Organização do trabalho:
a) programação e planejamento dos serviços;
b) trabalho em equipe;
c) prontuário e cadastro das instalações;
d) métodos de trabalho; e
e) comunicação.
3. Aspectos comportamentais.
4. Condições impeditivas para serviços.
5. Riscos típicos no SEP e sua prevenção (*):
a) proximidade e contatos com partes energizadas;
b) indução;

116
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 10 SAIR

c) descargas atmosféricas;
d) estática;
e) campos elétricos e magnéticos;
f ) comunicação e identificação; e
g) trabalhos em altura, máquinas e equipamentos especiais.
6. Técnicas de análise de risco no SEP (*).
7. Procedimentos de trabalho – análise e discussão. (*).
8. Técnicas de trabalho sob tensão: (*)
a) em linha viva;
b) ao potencial;
c) em áreas internas;
d) trabalho a distância;
e) trabalhos noturnos; e
f ) ambientes subterrâneos.
9. Equipamentos e ferramentas de trabalho (escolha, uso, conservação, verificação,
ensaios) (*).
10. Sistemas de proteção coletiva (*).
11. Equipamentos de proteção individual (*).
12. Posturas e vestuários de trabalho (*).
13. Segurança com veículos e transporte de pessoas, materiais e equipamentos (*).
14. Sinalização e isolamento de áreas de trabalho(*).
15. Liberação de instalação para serviço e para operação e uso (*).
16. Treinamento em técnicas de remoção, atendimento, transporte de acidentados (*).
17. Acidentes típicos (*) – Análise, discussão, medidas de proteção.
18. Responsabilidades (*).

117
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 11 SAIR

NR 11
Transporte, Movimentação,
Armazenagem e Manuseio de Materiais
(111.000-4)
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Alterações/Atualizações:
Portaria SIT n. 56, de 17 de julho de 2003 – DOU de 06.07.03
Portaria SIT n. 82, de 01 de junho de 2004 – DOU de 02.06.04

11.1. Normas de segurança para operação de elevadores, guindastes, transportadores


industriais e máquinas transportadoras.
11.1.1. Os poços de elevadores e monta-cargas deverão ser cercados, solidamen-
te, em toda sua altura, exceto as portas ou cancelas necessárias nos pavimentos.
(111.036-5/I4)
11.1.2. Quando a cabina do elevador não estiver ao nível do pavimento, a aber-
tura deverá estar protegida por corrimão ou outros dispositivos convenientes.
(111.037-3/I3)
11.1.3. Os equipamentos utilizados na movimentação de materiais, tais como
ascensores, elevadores de carga, guindastes, monta-carga, pontes-rolantes, talhas,
empilhadeiras, guinchos, esteiras-rolantes, transportadores de diferentes tipos,
serão calculados e construídos de maneira que ofereçam as necessárias garan-
tias de resistência e segurança e conservados em perfeitas condições de trabalho.
(111.038-1/I4)
11.1.3.1. Especial atenção será dada aos cabos de aço, cordas, correntes, roldanas e
ganchos que deverão ser inspecionados, permanentemente, substituindo-se as suas
partes defeituosas. (111.039-0/I4)
11.1.3.2. Em todo o equipamento será indicado, em lugar visível, a carga máxima
de trabalho permitida. (111.040-3/I2)
11.1.3.3. Para os equipamentos destinados à movimentação do pessoal serão exi-
gidas condições especiais de segurança. (111.041-1/I4)
11.1.4. Os carros manuais para transporte devem possuir protetores para as mãos.
(111.042-0/I2)

118
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 11 SAIR

11.1.5. Nos equipamentos de transporte, com força motriz própria, o operador


deverá receber treinamento específico, dado pela empresa, que o habilitará nessa
função. (111.043-8/I3)
11.1.6. Os operadores de equipamentos de transporte motorizado deverão ser
habilitados e só poderão dirigir se durante o horário de trabalho portarem um
cartão de identificação, com o nome e fotografia, em lugar visível. (111.044-6/I3)
11.1.6.1. O cartão terá a validade de 1 (um) ano, salvo imprevisto, e, para a reva-
lidação, o empregado deverá passar por exame de saúde completo, por conta do
empregador. (111.045-4/I2)
11.1.7. Os equipamentos de transporte motorizados deverão possuir sinal de ad-
vertência sonora (buzina). (111.046-2/I2)
11.1.8. Todos os transportadores industriais serão permanentemente inspeciona-
dos e as peças defeituosas, ou que apresentem deficiências, deverão ser imediata-
mente substituídas. (111.047-0/I3)
11.1.9. Nos locais fechados ou pouco ventilados, a emissão de gases tóxicos, por
máquinas transportadoras, deverá ser controlada para evitar concentrações, no
ambiente de trabalho, acima dos limites permissíveis. (111.048-9/I3)
11.1.10. Em locais fechados e sem ventilação, é proibida a utilização de máquinas
transportadoras, movidas a motores de combustão interna, salvo se providas de
dispositivos neutralizadores adequados. (111.014-4/I3)
11.2. Normas de segurança do trabalho em atividades de transporte de sacas.
11.2.1. Denomina-se, para fins de aplicação da presente regulamentação a expres-
são “Transporte manual de sacos” toda atividade realizada de maneira contínua
ou descontínua, essencial ao transporte manual de sacos, na qual o peso da carga
é suportado, integralmente, por um só trabalhador, compreendendo também o
levantamento e sua deposição.
11.2.2. Fica estabelecida a distância máxima de 60,00 m (sessenta metros) para o
transporte manual de um saco. (111.051-9/I2)
11.2.2.1. Além do limite previsto nesta norma, o transporte de cargas deverá ser
realizado mediante impulsão de vagonetes, carros, carretas, carros de mão apro-
priados, ou qualquer tipo de tração mecanizada. (111.052-7/I2)
11.2.3. É vedado o transporte manual de sacos, através de pranchas, sobre vãos
superiores a 1,00 m (um metro) ou mais de extensão. (111.053-5/I1)
11.2.3.1. As pranchas de que trata o item 11.2.3 deverão ter a largura mínima de
0,50 m (cinquenta centímetros). (111.018-7/I1)
11.2.4. Na operação manual de carga e descarga de sacos, em caminhão ou vagão,
o trabalhador terá o auxílio de ajudante. (111.054-3/I2)
11.2.5 As pilhas de sacos, nos armazéns, devem ter altura máxima limitada ao
nível de resistência do piso, à forma e resistência dos materiais de embalagem e
à estabilidade, baseada na geometria, tipo de amarração e inclinação das pilhas.
(111.055-1/I3) (Alterado pela Portaria SIT n. 82, de 01 de junho de 2004)
11.2.6. (Revogado pela Portaria SIT n. 82, de 01 de junho de 2004)

119
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 11 SAIR

11.2.7. No processo mecanizado de empilhamento, aconselha-se o uso de esteiras­


‑rolantes, dadas ou empilhadeiras.
11.2.8. Quando não for possível o emprego de processo mecanizado, admite-se o
processo manual, mediante a utilização de escada removível de madeira, com as
seguintes características:
a) lance único de degraus com acesso a um patamar final;
b) a largura mínima de 1,00 m (um metro), apresentando o patamar as dimensões
mínimas de 1,00 m 3 1,00 m (um metro 3 um metro) e a altura máxima, em
relação ao solo, de 2,25 m (dois metros e vinte e cinco centímetros);
c) deverá ser guardada proporção conveniente entre o piso e o espelho dos degraus,
não podendo o espelho ter altura superior a 0,15 m (quinze centímetros), nem o
piso largura inferior a 0,25 m (vinte e cinco centímetros);
d) deverá ser reforçada, lateral e verticalmente, por meio de estrutura metálica ou
de madeira que assegure sua estabilidade;
e) deverá possuir, lateralmente, um corrimão ou guarda-corpo na altura de 1,00 m
(um metro) em toda a extensão;
f ) perfeitas condições de estabilidade e segurança, sendo substituída imediatamen-
te a que apresente qualquer defeito.
11.2.9. O piso do armazém deverá ser constituído de material não escorregadio,
sem aspereza, utilizando-se, de preferência, o mastique asfáltico, e mantido em
perfeito estado de conservação. (111.056-0/I3)
11.2.10. Deve ser evitado o transporte manual de sacos em pisos escorregadios ou
molhados. (111.057-8/I2)
11.2.11. A empresa deverá providenciar cobertura apropriada dos locais de carga
e descarga da sacaria. (111.049-7/I2)
11.3. Armazenamento de materiais.
11.3.1. O peso do material armazenado não poderá exceder a capacidade de carga
calculada para o piso. (111.058-6/I3)
11.3.2. O material armazenado deverá ser disposto de forma a evitar a obstrução de
portas, equipamentos contra incêndio, saídas de emergências, etc. (111.059-4/I3)
11.3.3. O material empilhado deverá ficar afastado das estruturas laterais do prédio
a uma distância de pelo menos 0,50 m (cinquenta centímetros). (111.033-0/I1)
11.3.4. A disposição da carga não deverá dificultar o trânsito, a iluminação e o
acesso às saídas de emergência. (111.060-8/I3)
11.3.5. O armazenamento deverá obedecer aos requisitos de segurança especiais a
cada tipo de material. (111.061-6/I2)
11.4. Movimentação, armazenagem e manuseio de chapas de mármore, granito e
outras rochas. (Acrescentado pela Portaria SIT n. 56, de 17 de setembro de 2003)
11.4.1. A movimentação, armazenagem e manuseio de chapas de mármore, gra-
nito e outras rochas deve obedecer ao disposto no Regulamento Técnico de Pro-
cedimentos constante no Anexo I desta NR. (Acrescentado pela Portaria SIT n. 56,
de 17 de setembro de 2003)

120
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 11 SAIR

ANEXO I AO ITEM 11.4.1 DA NR 11


(Redação dada pela Portaria n. 56, de 17 de setembro de 2003)

REGULAMENTO TÉCNICO DE PROCEDIMENTOS PARA MOVIMENTA-


ÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE CHAPAS DE MÁRMORE, GRA-
NITO E OUTRAS ROCHAS

1. Fueiros.
1.1. As chapas serradas, ainda sobre o carro transportador e dentro do alojamento
do tear, devem receber proteção lateral para impedir a queda das mesmas – proteção
denominada L ou Fueiro, observando-se os seguintes requisitos mínimos
a) os equipamentos devem ser calculados e construídos de maneira que ofereçam
as necessárias garantias de resistência e segurança e conservados em perfeitas con-
dições de trabalho;
b) em todo equipamento será indicado, em lugar visível, o nome do fabricante, o
responsável técnico e a carga máxima de trabalho permitida;
c) os encaixes dos L (Fueiros) devem possuir sistema de trava que impeça a saída
acidental dos mesmos.
2. Carro porta-bloco e carro transportador.
2.1. O uso de carros porta-bloco e carros transportadores deve obedecer aos seguintes
requisitos mínimos:
a) os equipamentos devem ser calculados e construídos de maneira que ofereçam
as necessárias garantias de resistência e segurança e serem conservados em perfeitas
condições de trabalho, atendendo às instruções do fabricante;
b) em todo equipamento devem ser indicados, em lugar visível, o nome do fabri-
cante, o responsável técnico e a carga máxima de trabalho permitida;
c) tanto o carro transportador como o porta-bloco devem dispor de proteção das
partes que ofereçam risco para o operador, com atenção especial aos itens:
- condições dos cabos de aço;
- ganchos e suas proteções;
- proteção das roldanas;
- proteção das rodas do carro;
- proteção das polias e correias;
- proteção das partes elétricas.
d) o operador do carro transportador e do carro porta-bloco, bem como a equipe
que trabalhar na movimentação do material, deve receber treinamento adequado
e específico para a operação;
e) além de treinamento, informações e instruções, os trabalhadores devem receber
orientação em serviço, que consistirá de período no qual desenvolverão suas ati-
vidades sob orientação de outro trabalhador experiente ou sob supervisão direta,
com duração mínima de trinta dias;
f ) para operação de máquinas, equipamentos ou processos diferentes daqueles

121
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 11 SAIR

a que o operador estava habituado, deve ser feito novo treinamento, de modo a
qualificá-lo à utilização dos mesmos;
g) após a retirada do carro porta-bloco do alojamento do tear, as proteções laterais
devem permanecer até a retirada de todas as chapas;
h) nenhum trabalho pode ser executado com pessoas entre as chapas;
i) devem ser adotados procedimentos para impedir a retirada de chapas de um úni-
co lado do carro transportador, com objetivo de manter a estabilidade do mesmo;
j) a operação do carro transportador e do carro porta-bloco deve ser realizada por
no mínimo duas pessoas treinadas conforme a alínea “d”.
3. Pátio de estocagem.
3.1. Nos locais do pátio onde for realizada a movimentação e armazenagem de chapas,
devem ser observados os seguintes critérios:
a) o piso não deve ser escorregadio, não deve ter saliências e deve ser horizontal,
facilitando o deslocamento de pessoas e materiais;
b) o piso deve ser mantido em condições adequadas, devendo a empresa garantir
que o mesmo tenha resistência suficiente para suportar as cargas usuais;
c) recomenda-se que a área de armazenagem de chapas seja protegida contra in-
tempéries.
3.2. As empresas que estejam impedidas de atender ao prescrito no item 3.1 devem
possuir projeto alternativo com as justificativas técnicas da impossibilidade, além de
medidas acessórias para garantir segurança e conforto nas atividades de manutenção
e armazenagem das chapas.
4. Cavaletes.
4.1. Os cavaletes devem estar instalados sobre bases construídas de material resistente
e impermeável, de forma a garantir perfeitas condições de estabilidade e de posiciona-
mento, observando-se os seguintes requisitos:
a) os cavaletes devem garantir adequado apoio das chapas e possuir altura mínima
de 1,50 m (um metro e cinquenta centímetros);
b) os cavaletes verticais devem ser compostos de seções com largura máxima de
0,22 m (vinte e dois centímetros);
c) os palitos dos cavaletes verticais devem ter espessura que possibilite resistência
aos esforços das cargas usuais e serem soldados, garantindo a estabilidade e impe-
dindo o armazenamento de mais de dez chapas em cada seção;
d) cada cavalete vertical deve ter no máximo seis metro de comprimento com um
reforço nas extremidades;
e) deve ser garantido um espaço, devidamente sinalizado, com no mínimo oitenta
centímetros entre cavaletes verticais;
f ) a distância entre cavaletes e as paredes do local de armazenagem deve ser de no
mínimo 0,50 m (cinquenta centímetros);
g) os cavaletes devem ser conservados em perfeitas condições de uso;
h) em todo cavalete devem ser indicados, em lugar visível, o nome do fabricante,
o responsável técnico e a carga máxima de trabalho permitida;

122
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 11 SAIR

i) a área de circulação de pessoas deve ser demarcada e possuir no mínimo 1,20 m


(um metro e vinte centímetros) de largura;
j) o espaço destinado para carga e descarga de materiais deve possuir largura de, no
mínimo, uma vez e meia a largura do maior veículo utilizado e ser devidamente
demarcado no piso;
l) os cavaletes em formato triangular devem ser mantidos em adequadas condi-
ções de utilização, comprovadas por vistoria realizada por profissional legalmente
habilitado;
m) as atividades de retirada e colocação de chapas em cavaletes devem ser realiza-
das sempre com pelo menos uma pessoa em cada extremidade da chapa.
4.2. Recomenda-se a adoção de critérios para a separação no armazenamento das
chapas, tais como cor, tipo do material, ou outros critérios de forma a facilitar a mo-
vimentação das mesmas.
4.3. Recomenda-se que as empresas mantenham, nos locais de armazenamento, os
projetos, cálculos e as especificações técnicas dos cavaletes.
5. Movimentação de chapas com uso de ventosas.
5.1. Na movimentação de chapas com uso de ventosas devem ser observados os se-
guintes requisitos mínimos:
a) a potência do compressor deve atender às necessidades de pressão das ventosas
para sustentar as chapas quando de sua movimentação;
b) as ventosas devem ser dotadas de válvulas de segurança, com acesso facilitado ao
operador, respeitando os aspectos ergonômicos;
c) as mangueiras e conexões devem possuir resistência compatível com a demanda
de trabalho;
d) as ventosas devem ser dotadas de dispositivo auxiliar que garanta a contenção da
mangueira, evitando seu ricocheteamento em caso de desprendimento acidental;
e) as mangueiras devem estar protegidas, firmemente presas aos tubos de saída e de
entrada e, preferencialmente, afastadas das vias de circulação;
f ) o fabricante do equipamento deve fornecer manual de operação em português,
objetivando treinamento do operador;
g) as borrachas das ventosas devem ter manutenção periódica e imediata substitui-
ção em caso de desgaste ou defeitos que as tornem impróprias para uso;
h) o empregador deve destinar área específica para a movimentação de chapas com
uso de ventosa, de forma que o trabalho seja realizado com total segurança; esta
área deve ter sinalização adequada na vertical e no piso;
i) procedimentos de segurança devem ser adotados para garantir a movimentação
segura de chapas na falta de energia elétrica.
5.2. Recomenda-se que os equipamentos de movimentação de chapas, a vácuo,
possuam­ alarme sonoro e visual que indiquem pressão fora dos limites de segurança
estabelecidos.
6. Movimentação de chapas com cabos de aço, cintas, correias e correntes.
6.1. Na movimentação de chapas, com a utilização de cabos de aço, cintas, correias
e correntes, deve ser levada em conta a capacidade de sustentação das mesmas e a

123
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 11 SAIR

capacidade de carga do equipamento de içar, atendendo às especificações técnicas e


recomendações do fabricante.
6.2. Correntes e cabos de aço devem ser adquiridos exclusivamente de fabricantes ou
de representantes autorizados, sendo proibida a aquisição de sucatas, em especial de
atividades portuárias.
6.3. O empregador deve manter as notas fiscais de aquisição dos cabos de aço e cor-
rentes no estabelecimento à disposição da fiscalização.
6.4. Em todo equipamento devem ser indicados, em lugar visível, o nome do fabri-
cante, o responsável técnico e a carga máxima de trabalho permitida.
6.5. Os cabos de aço, correntes, cintas e outros meios de suspensão ou tração e suas
conexões, devem ser instalados, mantidos e inspecionados conforme especificações
técnicas do fabricante.
6.6. O empregador deve manter em arquivo próprio o registro de inspeção e manu-
tenção dos cabos de aço, cintas, correntes e outros meios de suspensão em uso.
6.7. O empregador deve destinar área específica com sinalização adequada, na vertical
e no piso, para a movimentação de chapas com uso de cintas, correntes, cabos de aço
e outros meios de suspensão.
7. Movimentação de chapas com uso de garras.
7.1. A movimentação de chapas com uso de garras só pode ser realizada pegando-se
uma chapa por vez e por no mínimo três trabalhadores e observando-se os seguintes
requisitos mínimos:
a) não ultrapassar a capacidade de carga dos elementos de sustentação e a capaci-
dade de carga da ponte rolante ou de outro tipo de equipamento de içar, atenden-
do às especificações técnicas e recomendações do fabricante;
b) todo equipamento de içar deve ter indicado, em lugar visível, o nome do fabri-
cante, o responsável técnico e a carga máxima de trabalho permitida;
c) as áreas de movimentação devem propiciar condições de forma que o trabalho
seja realizado com total segurança e serem sinalizadas de forma adequada, na ver-
tical e no piso.
7.2. As empresas devem ter livro próprio para registro de inspeção e manutenção dos
elementos de sustentação usados na movimentação de chapas com uso de garras.
7.2.1. As inspeções e manutenções devem ser realizadas por profissional legalmen-
te habilitado e dado conhecimento ao empregador.
8. Disposições Gerais.
8.1. Durante as atividades de preparação e retirada de chapas serradas do tear devem
ser tomadas providências para impedir que o quadro inferior porta-lâminas do tear
caia sobre os trabalhadores.
8.2. As instruções, visando a informação, qualificação e treinamento dos trabalhado-
res, devem ser redigidas em linguagem compreensível e adotando metodologias, técni-
cas e materiais que facilitem o aprendizado para preservação de sua segurança e saúde.
8.3. Na construção dos equipamentos utilizados na movimentação e armazenamento
de chapas devem ser observadas no que couber as especificações das normas da ABNT
e outras nacionalmente aceitas.

124
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 11 SAIR

8.4. Fica proibido o armazenamento e a disposição de chapas sobre paredes, colunas,


estruturas metálicas ou outros locais que não sejam os cavaletes especificados neste
Regulamento Técnico de Procedimentos.

GLOSSÁRIO

Carro porta-bloco: Carro que fica sob o tear com o bloco.


Carro transportador: Carro que leva o carro porta-bloco até o tear.
Cavalete triangular: Peça metálica em formato triangular com uma base de apoio
usado para armazenagem de chapas de mármore, granito e outras rochas.
Cavalete vertical: Peça metálica em formato de pente colocado na vertical apoiado
sobre base metálica, usado para armazenamento de chapas de mármore, granito e
outras rochas.
Chapas de mármore ou granito: Produto da serragem do bloco, com medidas va-
riáveis, podendo ser de 3,00 m 3 1,50 m (três metros por um metro e cinquenta
centímetros) com espessuras de 0,02 m a 0,03 m (dois a três centímetros).
Cintas: Equipamento utilizado para a movimentação de cargas diversas.
Fueiro: Peça metálica em formato de L (para os carros porta-bloco mais antigos, ou
simples), com um de seus lados encaixados sobre a base do carro porta-bloco, que tem
por finalidade garantir a estabilidade das chapas durante e após a serrada e enquanto
as chapas estiverem sobre o carro.
Palitos: Hastes metálicas usadas nos cavaletes verticais para apoio das chapas de már-
more, granito e outras rochas.
Tear: Equipamento robusto composto de um quadro de lâminas de aço, apoiadas
sobre o bloco de pedra; quando acionadas, fazem um movimento de vaivém, serrando
a pedra de cima para baixo, sendo imprescindível o uso gradual de areia, granalha de
aço e água para que seja possível o transpasse do bloco de rochas.
Ventosa: Equipamento a vácuo usado na movimentação de chapas de mármore, gra-
nito e outras rochas.

125
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 12 SAIR

NR 12
Máquinas e Equipamentos
(112.000-0)
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Atualizações:
Portaria SSST n. 13, de 24 de outubro de 1994 – DOU de 26.10.94
Portaria SSST n. 25, de 28 de janeiro de 1996 – DOU de 05.12.96
Portaria SSST n. 04, de 28 de janeiro de 1997 – DOU de 04.03.97
Portaria SSST n. 08, de 24 de março de 1997 – DOU de 26.03.97

12.1. Instalações e áreas de trabalho.


12.1.1. Os pisos dos locais de trabalho onde se instalam máquinas e equipamentos
devem ser vistoriados e limpos, sempre que apresentarem riscos provenientes de
graxas, óleos e outras substâncias que os tornem escorregadios. (112.057-3/I2)
12.1.2. As áreas de circulação e os espaços em torno de máquinas e equipamentos
devem ser dimensionados de forma que o material, os trabalhadores e os trans-
portadores mecanizados possam movimentar-se com segurança. (112.058-1/I3)
12.1.3. Entre partes móveis de máquinas e/ou equipamentos deve haver uma fai-
xa livre variável de 0,70 m (setenta centímetros) a 1,30 m (um metro e trinta
centímetros), a critério da autoridade competente em segurança e medicina do
trabalho. (112.059-0/I3)
12.1.4. A distância mínima entre máquinas e equipamentos deve ser de 0,60 m
(sessenta centímetros) a 0,80 m (oitenta centímetros), a critério da autoridade
competente em segurança e medicina do trabalho. (112.060-3/I2)
12.1.5. Além da distância mínima de separação das máquinas, deve haver áreas re-
servadas para corredores e armazenamento de materiais, devidamente demarcadas
com faixa nas cores indicadas pela NR 26. (112.061-1/I2)
12.1.6. Cada área de trabalho, situada em torno da máquina ou do equipamento,
deve ser adequada ao tipo de operação e à classe da máquina ou do equipamento
a que atende. (112.062-0/I2)
12.1.7. As vias principais de circulação, no interior dos locais de trabalho, e as
que conduzem às saídas devem ter, no mínimo, 1,20 m (um metro e vinte centí-
metros) de largura e ser devidamente demarcadas e mantidas permanentemente
desobstruídas. (112.063-8/I2)

126
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 12 SAIR

12.1.8. As máquinas e os equipamentos de grandes dimensões devem ter escadas


e passadiços que permitam acesso fácil e seguro aos locais em que seja necessária a
execução de tarefas. (112.064-6/I3)
12.2. Normas de segurança para dispositivos de acionamento, partida e parada de
máquinas e equipamentos.
12.2.1. As máquinas e os equipamentos devem ter dispositivos de acionamento e
parada localizados de modo que:
a) seja acionado ou desligado pelo operador na sua posição de trabalho; (112.065-
4/I3)
b) não se localize na zona perigosa de máquina ou do equipamento; (112.066-2/I3)
c) possa ser acionado ou desligado em caso de emergência, por outra pessoa que
não seja o operador; (112.067-0/I3)
d) não possa ser acionado ou desligado, involuntariamente, pelo operador, ou de
qualquer outra forma acidental; (112.068-9/I3)
e) não acarrete riscos adicionais. (112.069-7/I3)
12.2.2. As máquinas e os equipamentos com acionamento repetitivo, que não
tenham proteção adequada, oferecendo risco ao operador, devem ter dispositivos
apropriados de segurança para o seu acionamento. (112.070-0/I4)
12.2.3. As máquinas e os equipamentos que utilizarem energia elétrica, fornecida
por fonte externa, devem possuir chave geral, em local de fácil acesso e acondi-
cionada em caixa que evite o seu acionamento acidental e proteja as suas partes
energizadas. (112.071-9/I3)
12.2.4. O acionamento e o desligamento simultâneo, por um único comando, de
um conjunto de máquinas ou de máquina de grande dimensão, devem ser prece-
dido de sinal de alarme. (112.016-6/I2)
12.3. Normas sobre proteção de máquinas e equipamentos.
12.3.1. As máquinas e os equipamentos devem ter suas transmissões de força en-
clausuradas dentro de sua estrutura ou devidamente isoladas por anteparos ade-
quados. (112.072-7/I4)
12.3.2. As transmissões de força, quando estiverem a uma altura superior a 2,50 m
(dois metros e cinquenta centímetros), podem ficar expostas, exceto nos casos em
que haja plataforma de trabalho ou áreas de circulação em diversos níveis.
12.3.3. As máquinas e os equipamentos que ofereçam risco de ruptura de suas par-
tes, projeção de peças ou partes destas, devem ter os seus movimentos, alternados
ou rotativos, protegidos. (112.073-5/I4)
12.3.4. As máquinas e os equipamentos que, no seu processo de trabalho, lancem
partículas de material, devem ter proteção, para que essas partículas não ofereçam
riscos. (112.074-3/I3)
12.3.5. As máquinas e os equipamentos que utilizarem ou gerarem energia elétrica
devem ser aterrados eletricamente, conforme previsto na NR 10. (112.075-1/I3)
12.3.6. Os materiais a serem empregados nos protetores devem ser suficientemen-
te resistentes, de forma a oferecer proteção efetiva. (112.076-0/I3)
12.3.7. Os protetores devem permanecer fixados firmemente, à máquina, ao equi-

127
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 12 SAIR

pamento, piso ou a qualquer outra parte fixa, por meio de dispositivos que, em
caso de necessidade, permitam sua retirada e recolocação imediatas. (112.077-8/
I2)
12.3.8. Os protetores removíveis só podem ser retirados para execução de limpeza,
lubrificação, reparo e ajuste, ao fim das quais devem ser, obrigatoriamente, reco-
locados. (112.078-6/I3)
12.3.9. Os fabricantes, importadores e usuários de motosserras devem atender ao
disposto no Anexo I desta NR.
12.3.10. Os fabricantes, importadores e usuários de cilindros de massa devem
atender ao disposto no Anexo II desta NR.
12.3.11. Os fabricantes e importadores de máquinas injetoras de plástico, ao dis-
posto na norma NBR 13536/95. (112.079-4/I3)
12.3.11.1. Os fabricantes e importadores devem afixar, em local visível, uma iden-
tificação com as seguintes características: (112.080-8/I1)

ESTE EQUIPAMENTO ATENDE AOS


REQUISITOS DE SEGURANÇA DA NR-12

Subitens 12.3.11 e 13.3.11.1 acrescentados pela Portaria n. 9, de 30.03.2000.


12.4. Assentos e mesas.
12.4.1. Para os trabalhos contínuos em prensas e outras máquinas e equipamen-
tos, onde o operador possa trabalhar sentado, devem ser fornecidos assentos con-
forme o disposto na NR 17. (112.081-6/I2)
12.4.2. As mesas para colocação de peças que estejam sendo trabalhadas, assim
como o ponto de operação das prensas, de outras máquinas e outros equipamen-
tos, devem estar na altura e posição adequadas, a fim de evitar fadiga ao operador,
nos termos da NR 17. (112.082-4/I2)
12.4.3. As mesas deverão estar localizadas de forma a evitar a necessidade de o
operador colocar as peças em trabalho sobre a mesa da máquina. (112.083-2/I2)
12.5. Fabricação, importação, venda e locação de máquinas e equipamentos.
12.5.1. É proibida a fabricação, a importação, a venda, a locação e o uso de má-
quinas e equipamentos que não atendam às disposições contidas nos itens 12.2 e
12.3 e seus subitens, sem prejuízo da observância dos demais dispositivos legais e
regulamentares sobre segurança e medicina do trabalho. (112.084-0/I4)
12.5.2. O Delegado Regional do Trabalho ou Delegado do Trabalho Marítimo,
conforme o caso, decretará a interdição da máquina ou de equipamento que não
atender ao disposto no subitem 12.5.1.
12.6. Manutenção e operação.
12.6.1. Os reparos, a limpeza, os ajustes e a inspeção somente podem ser exe-
cutados com as máquinas paradas, salvo se o movimento for indispensável à sua
realização. (112.085-9/I4)

128
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 12 SAIR

12.6.2. A manutenção e inspeção somente podem ser executadas por pessoas de-
vidamente credenciadas pela empresa. (112.086-7/I2)
12.6.3. A manutenção e a inspeção das máquinas e dos equipamentos devem ser
feitas de acordo com as instruções fornecidas pelo fabricante e/ou de acordo com
as normas técnicas oficiais vigentes no país. (112.087-5/I3)
12.6.4. Nas áreas de trabalho com máquinas e equipamentos devem permanecer
apenas o operador e as pessoas autorizadas. (112.088-3/I2)
12.6.5. Os operadores não podem se afastar das áreas de controle das máquinas
sob sua responsabilidade, quando em funcionamento. (112.089-1/I3)
12.6.6. Nas paradas temporárias ou prolongadas, os operadores devem colocar
os controles em posição neutra, acionar os freios e adotar outras medidas, com o
objetivo de eliminar riscos provenientes de deslocamentos. (112.090-5/I2)
12.6.7. É proibida a instalação de motores estacionários de combustão interna em
lugares fechados ou insuficientemente ventilados. (112.091-3/I3)

ANEXO I
MOTOSSERRAS
(Texto incorporado pela Portaria n. 13, de 24/10/94)

1. FABRICAÇÃO, importação, venda, locação e uso de motosserras. É proibida a


fabricação, importação, venda, locação e uso de motosserras que não atendam às dis-
posições contidas neste Anexo, sem prejuízo dos demais dispositivos legais e regula-
mentares sobre segurança e saúde no trabalho. (112.036-0/I4).
2. PROIBIÇÃO DE USO DE MOTOSSERRAS. É proibido o uso de motosserras à
combustão interna em lugares fechados ou insuficientemente ventilados. (112.092-1/I3).
3. DISPOSITIVOS DE SEGURANÇA. As motosserras, fabricadas e importadas
para comercialização no País, deverão dispor dos seguintes dispositivos de segurança:
(112.038-7/I4)
a) freio manual de corrente;
b) pino pega-corrente;
c) protetor da mão direita;
d) protetor da mão esquerda;
e) trava de segurança do acelerador.
3.1. Para fins de aplicação deste item, define-se:
a) freio manual de corrente: dispositivo de segurança que interrompe o giro da corren-
te, acionado pela mão esquerda do operador;
b) pino pega-corrente: dispositivo de segurança que, nos casos de rompimento da
corrente, reduz seu curso, evitando que atinja o operador;
c) protetor da mão direita: proteção traseira que, no caso de rompimento da corrente,
evita que esta atinja a mão do operador;
d) protetor da mão esquerda: proteção frontal que evita que a mão do operador
alcance­, involuntariamente, a corrente, durante a operação de corte;
e) trava de segurança do acelerador: dispositivo que impede a aceleração involun­tária.

129
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 12 SAIR

4. RUÍDOS E VIBRAÇÕES. Os fabricantes e importadores de motosserras instala-


dos no País introduzirão, nos catálogos e manuais de instruções de todos os modelos
de motosserras, os seus níveis de ruído e vibração e a metodologia utilizada para a
referida aferição. (112.093-0/I1)
5. MANUAL DE INSTRUÇÕES. Todas as motosserras fabricadas e importadas
serão comercializadas com Manual de Instruções contendo informações relativas à
segurança e à saúde no trabalho, especialmente: (112.094-8/I3)
a) riscos de segurança e saúde ocupacional;
b) instruções de segurança no trabalho com o equipamento, de acordo com o previsto
nas Recomendações Práticas da Organização Internacional do Trabalho – OIT;
c) especificações de ruído e vibração;
d) penalidades e advertências.
6. TREINAMENTO obrigatório para operadores de motosserra. Deverão ser aten-
didos os seguintes:
6.1. Os fabricantes e importadores de motosserra instalados no País, através de seus
revendedores, deverão disponibilizar treinamento e material didático para os usuários
de motosserra, com conteúdo programático relativo à utilização segura de motosserra,
constante no Manual de Instruções. (112.095-6/I3)
6.2. Os empregadores deverão promover a todos os operadores de motosserra treina-
mento para utilização segura da máquina, com carga horária mínima de 8 (oito) ho-
ras, com conteúdo programático relativo à utilização segura da motosserra, constante
no Manual de Instruções. (112.096-4/I3)
6.3. Os certificados de garantia dos equipamentos contarão com campo específico,
a ser assinado pelo consumidor, confirmando a disponibilidade do treinamento ou
responsabilizando-se pelo treinamento dos trabalhadores que utilizarão a máquina.
(112.097-2/I1)
7. ROTULAGEM. Todos os modelos de motosserra deverão conter rotulagem de
advertência indelével resistente, em local de fácil leitura e visualização do usuário, com
a seguinte informação: “O uso inadequado da motosserra pode provocar acidentes
graves e danos à saúde”. (112.098-0/I2)
8. PRAZO. A observância do disposto nos itens 4, 6 e 7 será obrigatória a partir de
janeiro de 1995.
a.1) proteção fixa instalada a 117 cm (± 2,5 cm) de altura e a 92 cm (2,5 cm) da extre-
midade da mesa baixa, para evitar o acesso à área de movimento de riscos;

ANEXO II
CILINDROS DE MASSA
(Inclusão dada pela Portaria n. 25, de 03/12/96)

1. É proibida a fabricação, a importação, a venda e a locação de cilindros de massa


que não atendam às disposições contidas neste Anexo, sem prejuízo dos demais dispo-
sitivos legais e regulamentares sobre a segurança e saúde no trabalho. (112.099-9/I3)
(Alteração dada pela Portaria n. 04, de 28/01/97)

130
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 12 SAIR

a) proteção fixa instalada a 177 cm (± 2,5 cm) de altura e a 77 cm (± 2,5 cm) da extre-
midade da mesa baixa, para evitar o acesso à área de movimento de riscos.
2. Dispositivos de Segurança.
Os cilindros de massa fabricados e importados para comercialização no País deverão
dispor dos seguintes dispositivos de segurança:
a.1) proteção fixa instalada a 117 cm (± 2,5 cm) de altura e a 77 cm (± 2,5 cm)
da extremidade da mesa baixa, para evitar o acesso à área de movimento de riscos;
(112.099-9/I3) (Alteração dada pela Portaria n. 04, de 28/01/97)
a.2) a proteção fica nas laterais da prancha de extensão traseira, para eliminar a possi-
bilidade de contato com a área de movimentação de riscos, por outro local, além da
área de operação; (112.100-6/I3)
a.3) prancha de extensão traseira, com inclinação de 50 a 55 graus e distância entre
zona de prensagem (centro e cilindro inferior) e extremidade superior da prancha 80 cm
(± 2,5 cm); (112.101-4/I3)
a.4) mesa baixa com comprimento de 80 cm (± 2,5 cm), medidas do centro do ci-
lindro inferior à extremidade da mesa e altura de 75 cm (± 2,5 cm); (112.102-2/I3)
a.5) chapa de fechamento do vão entre tolete obstrutivo e cilindro superior. (112.103-
0/I3)
b. Segurança e Limpeza:
b.1) para o cilindro superior lâmpada de limpeza em contato com a superfície inferior
do cilindro; (112.104-9/I3)
b.2) para o cilindro inferior chapa de fechamento do vão entre cilindro e mesa baixa.
(112.105-7/I3)
c. Proteção Elétrica:
c.1) dispositivo eletrônico que impeça a inversão de fases; (112.106-5/I3)
c.2) sistema de parada instantânea de emergência, acionado por botoeiras posiciona-
das lateralmente, à prova de poeira, devendo funcionar com freio motor ou similar, de
tal forma que elimine o movimento de inércia dos cilindros. (112.107-3/I3)
d. Proteção das polias:
d.1) proteção das polias com tela de malha, no máximo 0,25 cm², ou chapa. (112.108-
1/I3)
e. Indicador visual:
e.1) indicador visual para regular visualmente a abertura dos cilindros durante a ope-
ração de cilindrar a massa, evitando o ato de colocar as mãos para verificar a abertura
dos cilindros. (112.109-0/I3)
3. Para fins de aplicação deste item, define-se:
Cilindro de Massa: máquina utilizada para cilindrar a massa de fazer pães. Consiste
principalmente de mesa baixa, prancha de extensão traseira, cilindros superior e infe-
rior, motor e polias.
Mesa Baixa: prancha de madeira revestida de fórmica, na posição horizontal, utilizada
como apoio para o operador manusear a massa.
Prancha de Extensão Traseira: prancha de madeira revestida com fórmica, inclinada
em relação à base, utilizada para suportar e encaminhar a massa até os cilindros.

131
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 12 SAIR

Cilindros Superior e Inferior: cilindram a massa, possuindo ajuste de espessura e


posicionam-se entre a mesa baixa e a prancha.
Distância de Segurança: mínima distância necessária para impedir o acesso à zona
de perigo.
Movimento de Risco: movimento de partes da máquina que podem causar danos
pessoais.
Proteções: dispositivos mecânicos que impedem o acesso às áreas de movimentos de
risco.
Proteções Fixas: proteções fixadas mecanicamente, cuja remoção ou deslocamento só
é possível com o auxílio de ferramentas.
Proteções Móveis: proteções móveis que impedem o acesso à área dos movimentos
de risco quando fechadas.
Segurança Mecânica: dispositivo que, quando acionado, impede mecanicamente o
movimento da máquina.
Segurança Elétrica: dispositivo que, quando acionado, impede eletricamente o mo-
vimento da máquina.

132
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

NR 13
Caldeiras e Vasos de Pressão
(113.000-5)
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Alterações/Atualizações:
Portaria SSMT n. 12, de 06 de junho de 1983 – DOU de 14.06.83
Portaria SSMT n. 02, de 08 de maio de 1984 – DOU de 07.06.84
Portaria SSST n. 23, de 27 de dezembro de 1994 – DOU Rep.: 26.04.95
Portaria SIT n. 57, de 19 de junho de 2008 – DOU de 24.06.08

13.1. Caldeiras a vapor – disposições gerais.


13.1.1. Caldeiras a vapor são equipamentos destinados a produzir e acumular vapor
sob pressão superior à atmosférica, utilizando qualquer fonte de energia, excetuan-
do-se os refervedores e equipamentos similares utilizados em unidades de processo.
13.1.2. Para efeito desta NR, considera-se “Profissional Habilitado” aquele que
tem competência legal para o exercício da profissão de engenheiro nas atividades
referentes a projeto de construção, acompanhamento de operação e manutenção,
inspeção e supervisão de inspeção de caldeiras e vasos de pressão, em conformida-
de com a regulamentação profissional vigente no País.
13.1.3. Pressão Máxima de Trabalho Permitida – PMTP ou Pressão Máxima de
Trabalho Admissível – PMTA é o maior valor de pressão compatível com o código
de projeto, a resistência dos materiais utilizados, as dimensões do equipamento e
seus parâmetros operacionais.
13.1.4. Constitui risco grave e iminente a falta de qualquer um dos seguintes itens:
a) válvula de segurança com pressão de abertura ajustada em valor igual ou inferior
a PMTA; (113.100-1/I4)
b) instrumento que indique a pressão do vapor acumulado; (113.101-0/I4)
c) injetor ou outro meio de alimentação de água, independente do sistema princi-
pal, em caldeiras a combustível sólido; (113.102-8/I4)
d) sistema de drenagem rápida de água, em caldeiras de recuperação de álcalis;
(113.103-6/I4)
e) sistema de indicação para controle do nível de água ou outro sistema que evite
o superaquecimento por alimentação deficiente. (113.104-4/I4)
13.1.5. Toda caldeira deve ter afixada em seu corpo, em local de fácil acesso e bem

133
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

visível, placa de identificação indelével com, no mínimo, as seguintes informações:


(113.105-2/I1)
a) fabricante;
b) número de ordem dado pelo fabricante da caldeira;
c) ano de fabricação;
d) pressão máxima de trabalho admissível;
e) pressão de teste hidrostático;
f ) capacidade de produção de vapor;
g) área de superfície de aquecimento;
h) código de projeto e ano de edição.
13.1.5.1. Além da placa de identificação, devem constar, em local visível, a catego-
ria da caldeira, conforme definida no subitem 13.1.9 desta NR, e seu número ou
código de identificação. (113.106-0/I1)
13.1.6. Toda caldeira deve possuir, no estabelecimento onde estiver instalada, a
seguinte documentação, devidamente atualizada:
a) “Prontuário da Caldeira”, contendo as seguintes informações: (113.002-1/I3)
- código de projeto e ano de edição;
- especificação dos materiais;
- procedimentos utilizados na fabricação, montagem, inspeção final e determina-
ção da PMTA;
- conjunto de desenhos e demais dados necessários para o monitoramento da vida
útil da caldeira;
- características funcionais;
- dados dos dispositivos de segurança;
- ano de fabricação;
- categoria da caldeira;
b) “Registro de Segurança”, em conformidade com o subitem 13.1.7; (113.107-9/I3)
c) “Projeto de Instalação”, em conformidade com o item 13.2; (113.108-7/I3)
d) “Projetos de Alteração ou Reparo”, em conformidade com os subitens 13.4.2 e
13.4.3; (113.109-5/I3)
e) “Relatórios de Inspeção”, em conformidade com os subitens 13.5.11, 13.5.12
e 13.5.13. (113.110-9/I3)
13.1.6.1. Quando inexistente ou extraviado, o “Prontuário da Caldeira” deve ser
reconstituído pelo proprietário, com responsabilidade técnica do fabricante ou de
“Profissional Habilitado”, citado no subitem 13.1.2, sendo imprescindível a re-
constituição das características funcionais, dos dados dos dispositivos de segurança
e dos procedimentos para determinação da PMTA. (113.006-4/I3)
13.1.6.2. Quando a caldeira for vendida ou transferida de estabelecimento, os
documentos mencionados nas alíneas “a”, “d”, e “e” do subitem 13.1.6 devem
acompanhá-la.
13.1.6.3. O proprietário da caldeira deverá apresentar, quando exigido pela auto-
ridade competente do órgão regional do Ministério do Trabalho, a documentação
mencionada no subitem 13.1.6. (113.111-7/I1)

134
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

13.1.7. O “Registro de Segurança” deve ser constituído de livro próprio, com pá-
ginas numeradas, ou outro sistema equivalente onde serão registradas:
a) todas as ocorrências importantes capazes de influir nas condições de segurança
da caldeira; (113.112-5/I2)
b) as ocorrências de inspeções de segurança periódicas e extraordinárias, devendo
constar o nome legível e assinatura de “Profissional Habilitado”, citado no subitem
13.1.2, e de operador de caldeira presente na ocasião da inspeção. (113.113-3/I2)
13.1.7.1. Caso a caldeira venha a ser considerada inadequada para uso, o “Re-
gistro de Segurança” deve conter tal informação e receber encerramento formal.
(113.114-1/I2)
13.1.8. A documentação referida no subitem 13.1.6 deve estar sempre à disposi-
ção para consulta dos operadores, do pessoal de manutenção, de inspeção e das
representações dos trabalhadores e do empregador na Comissão Interna de Pre-
venção de Acidentes – CIPA, devendo o proprietário assegurar pleno acesso a essa
documentação. (113.115-0/I2)
13.1.9. Para os propósitos desta NR, as caldeiras são classificadas em 3 (três) cate-
gorias, conforme segue:
a) caldeiras da categoria A são aquelas cuja pressão de operação é igual ou superior
a 1960 KPa (19.98 kgf/cm2);
b) caldeiras da categoria C são aquelas cuja pressão de operação é igual ou inferior
a 588 KPa (5.99 kgf/cm2) e o volume interno é igual ou inferior a 100 (cem) litros;
c) caldeiras da categoria B são todas as caldeiras que não se enquadram nas cate-
gorias anteriores.
13.2. Instalação de caldeiras a vapor.
13.2.1. A autoria do “Projeto de Instalação” de caldeiras a vapor, no que concer-
ne ao atendimento desta NR, é de responsabilidade de “Profissional Habilitado”,
conforme citado no subitem 13.1.2, e deve obedecer aos aspectos de segurança,
saúde e meio ambiente previstos nas Normas Regulamentadoras, convenções e
disposições legais aplicáveis. (113.127-3/I2)
13.2.2. As caldeiras de qualquer estabelecimento devem ser instaladas em “Casa
de Caldeiras” ou em local específico para tal fim, denominado “Área de Caldeiras”.
13.2.3. Quando a caldeira for instalada em ambiente aberto, a “Área de Caldeiras”
deve satisfazer aos seguintes requisitos:
a) estar afastada de, no mínimo, 3,00 m (três metros) de: (113.128-1/I3)
- outras instalações do estabelecimento;
- de depósitos de combustíveis, excetuando-se reservatórios para partida com até
2.000 (dois mil) litros de capacidade;
- do limite de propriedade de terceiros;
- do limite com as vias públicas;
b) dispor de pelo menos 2 (duas) saídas amplas, permanentemente desobstruídas
e dispostas em direções distintas; (113.129-0/I4)
c) dispor de acesso fácil e seguro, necessário à operação e à manutenção da cal-
deira, sendo que, para guarda-corpos vazados, os vãos devem ter dimensões que

135
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

impeçam a queda de pessoas; (113.130-3/I3)


d) ter sistema de captação e lançamento dos gases e material particulado, prove-
nientes da combustão, para fora da área de operação, atendendo às normas am-
bientais vigentes; (113.131-1/I4)
e) dispor de iluminação conforme normas oficiais vigentes; (113.132-0/I3)
f ) ter sistema de iluminação de emergência caso opere à noite. (113.133-8/I4)
13.2.4. Quando a caldeira estiver instalada em ambiente fechado, a “Casa de Cal-
deiras” deve satisfazer aos seguintes requisitos: (Alterado pela Portaria SIT n. 57,
de 19 de junho de 2008)
a) constituir prédio separado, construído de material resistente ao fogo, podendo
ter apenas uma parede adjacente a outras instalações do estabelecimento, porém
com as outras paredes afastadas de, no mínimo, 3 (três) metros de outras insta-
lações, do limite de propriedade de terceiros, do limite com as vias públicas e de
depósitos de combustíveis, excetuando-se reservatórios para partida com até 2.000
(dois mil) litros de capacidade; (113.013-7/I4)
b) dispor de pelo menos 2 (duas) saídas amplas, permanentemente desobstruídas
e dispostas em direções distintas; (113.134-6/I4)
c) dispor de ventilação permanente com entradas de ar que não possam ser blo-
queadas; (113.135-4/I4)
d) dispor de sensor para detecção de vazamento de gás quando se tratar de caldeira
a combustível gasoso; (113.136-2/I4)
e) não ser utilizada para qualquer outra finalidade; (113.137-0/I4)
f ) dispor de acesso fácil e seguro, necessário à operação e à manutenção da cal-
deira, sendo que, para guarda-corpos vazados, os vãos devem ter dimensões que
impeçam a queda de pessoas; (113.114-5/I3)
g) ter sistema de captação e lançamento dos gases e material particulado, prove-
nientes da combustão para fora da área de operação, atendendo às normas am-
bientais vigentes; (113.138-9/I4)
h) dispor de iluminação conforme normas oficiais vigentes e ter sistema de ilumi-
nação de emergência. (113.139-7/I4)
13.2.5. Constitui risco grave e iminente o não atendimento aos seguintes requisitos:
a) para todas as caldeiras instaladas em ambiente aberto, as alíneas “b” , “d” e “f ”
do subitem 13.2.3 desta NR;
b) para as caldeiras da categoria “A” instaladas em ambientes fechados, as alíneas
“a”, “b”, “c”, “d”, “e”, “g” e “h” do subitem 13.2.4 desta NR; (Alterado pela Portaria
SIT n. 57, de 19 de junho de 2008)
c) para as caldeiras das categorias “B” e “C” instaladas em ambientes fechados,
as alíneas “b”, “c”, “d”, “e”, “g” e “h” do subitem 13.2.4 desta NR. (Alterado pela
Portaria SIT n. 57, de 19 de junho de 2008)
13.2.6. Quando o estabelecimento não puder atender ao disposto nos subitens
13.2.3 ou 13.2.4, deverá ser elaborado “Projeto Alternativo de Instalação”, com
medidas complementares de segurança que permitam a atenuação dos riscos.
13.2.6.1. O “Projeto Alternativo de Instalação” deve ser apresentado pelo pro-

136
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

prietário da caldeira para obtenção de acordo com a representação sindical da


categoria profissional predominante no estabelecimento.
13.2.6.2. Quando não houver acordo, conforme previsto no subitem 13.2.6.1, a
intermediação do órgão regional do MTb poderá ser solicitada por qualquer uma
das partes, e, persistindo o impasse, a decisão caberá a esse órgão.
13.2.7. As caldeiras classificadas na categoria A deverão possuir painel de instru-
mentos instalados em sala de controle, construída segundo o que estabelecem as
Normas Regulamentadoras aplicáveis. (113.140-0/I3)
13.3. Segurança na operação de caldeiras.
13.3.1. Toda caldeira deve possuir “Manual de Operação” atualizado, em lín-
gua portuguesa, em local de fácil acesso aos operadores, contendo no mínimo:
(113.016-1/I3)
a) procedimentos de partidas e paradas;
b) procedimentos e parâmetros operacionais de rotina;
c) procedimentos para situações de emergência;
d) procedimentos gerais de segurança, saúde e preservação do meio ambiente.
13.3.2. Os instrumentos e controles de caldeiras devem ser mantidos calibrados e
em boas condições operacionais, constituindo condição de risco grave e iminente
o emprego de artifícios que neutralizem sistemas de controle e segurança da cal-
deira. (113.145-1/I4)
13.3.3. A qualidade da água deve ser controlada e tratamentos devem ser im-
plementados, quando necessários, para compatibilizar suas propriedades físico-
químicas com os parâmetros de operação da caldeira. (113.146-0/I3)
13.3.4. Toda caldeira a vapor deve estar obrigatoriamente sob operação e controle
de operador de caldeira, sendo que o não atendimento a esta exigência caracteriza
condição de risco grave e iminente. (113.147-8/I4)
13.3.5. Para efeito desta NR, será considerado operador de caldeira aquele que
satisfizer pelo menos uma das seguintes condições:
a) possuir certificado de “Treinamento de Segurança na Operação de Caldeiras” e
comprovação de estágio prático (b) conforme subitem 13.3.11;
b) possuir certificado de “Treinamento de Segurança na Operação de Caldeiras”
previsto na NR 13 aprovada pela Portaria n. 02, de 08.05.84;
c) possuir comprovação de pelo menos 3 (três) anos de experiência nessa atividade,
até 08 de maio de 1984.
13.3.6. O pré-requisito mínimo para participação como aluno, no “Treinamento
de Segurança na Operação de Caldeiras” é o atestado de conclusão do 1o grau.
13.3.7. O “Treinamento de Segurança na Operação de Caldeiras” deve, obriga-
toriamente:
a) ser supervisionado tecnicamente por “Profissional Habilitado” citado no subi-
tem 13.1.2; (113.148-6/I2)
b) ser ministrado por profissionais capacitados para esse fim; (113.149-4/I3)
c) obedecer, no mínimo, ao currículo proposto no Anexo I-A desta NR. (113.150-8/I3)
13.3.8. Os responsáveis pela promoção do “Treinamento de Segurança na Ope-

137
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

ração de Caldeiras” estarão sujeitos ao impedimento de ministrar novos cursos,


bem como a outras sanções legais cabíveis, no caso de inobservância do disposto
no subitem 13.3.7.
13.3.9. Todo operador de caldeira deve cumprir um estágio prático, na operação
da própria caldeira que irá operar, o qual deverá ser supervisionado, documentado
e ter duração mínima de: (113.151-6/I3)
a) caldeiras da categoria A: 80 (oitenta) horas;
b) caldeiras da categoria B: 60 (sessenta) horas;
c) caldeiras da categoria C: 40 (quarenta) horas.
13.3.10. O estabelecimento onde for realizado o estágio prático supervisionado
deve informar previamente à representação sindical da categoria profissional pre-
dominante no estabelecimento: (113.141-9/I1)
a) período de realização do estágio;
b) entidade, empresa ou profissional responsável pelo “Treinamento de Segurança
na Operação de Caldeiras”;
c) relação dos participantes do estágio.
13.3.11. A reciclagem de operadores deve ser permanente, por meio de constantes
informações das condições físicas e operacionais dos equipamentos, atualização
técnica, informações de segurança, participação em cursos, palestras e eventos per-
tinentes. (113.142-7/I3)
13.3.12. Constitui condição de risco grave e iminente a operação de qualquer
caldeira em condições diferentes das previstas no projeto original, sem que:
a) seja reprojetada levando em consideração todas as variáveis envolvidas na nova
condição de operação; (113.143-5/I4)
b) sejam adotados todos os procedimentos de segurança decorrentes de sua nova
classificação no que se refere a instalação, operação, manutenção e inspeção.
13.4. Segurança na manutenção de caldeiras. (113.144-3/I4)
13.4.1. Todos os reparos ou alterações em caldeiras devem respeitar o respectivo
código do projeto de construção e as prescrições do fabricante no que se refere a:
(113.152-4/I3)
a) materiais;
b) procedimentos de execução;
c) procedimentos de controle de qualidade;
d) qualificação e certificação de pessoal.
13.4.1.1. Quando não for conhecido o código do projeto de construção, deve ser
respeitada a concepção original da caldeira, com procedimento de controle do
maior rigor prescrito nos códigos pertinentes.
13.4.1.2. Nas caldeiras de categorias A e B, a critério do “Profissional Habilitado”,
citado no subitem 13.1.2, podem ser utilizadas tecnologia de cálculo ou procedi-
mentos mais avançados, em substituição aos previstos pelos códigos de projeto.
13.4.2. “Projetos de Alteração ou Reparo” devem ser concebidos previamente nas
seguintes situações: (113.023-4/I3)
a) sempre que as condições de projeto forem modificadas;

138
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

b) sempre que forem realizados reparos que possam comprometer a segurança.


13.4.3. O “Projeto de Alteração ou Reparo” deve:
a) ser concebido ou aprovado por “Profissional Habilitado”, citado no subitem
13.1.2; (113.153-2/I2)
b) determinar materiais, procedimentos de execução, controle e qualificação de
pessoal. (113.154-0/I2)
13.4.4. Todas as intervenções que exijam mandrilamento ou soldagem em partes
que operem sob pressão devem ser seguidas de teste hidrostático, com característi-
cas definidas pelo “Profissional Habilitado”, citado no subitem 13.1.2. (113.155-
9/I3)
13.4.5. Os sistemas de controle e segurança da caldeira devem ser submetidos à
manutenção preventiva ou preditiva. (113.156-7/I3)
13.5. Inspeção de segurança de caldeiras.
13.5.1. As caldeiras devem ser submetidas a inspeções de segurança inicial, perió­
dica e extraordinária, sendo considerado condição de risco grave e iminente o não
atendimento aos prazos estabelecidos nesta NR.
13.5.2. A inspeção de segurança inicial deve ser feita em caldeiras novas, antes da
entrada em funcionamento, no local de operação, devendo compreender exames
interno e externo, teste hidrostático e de acumulação. (113.160-5/I4)
13.5.3. A inspeção de segurança periódica, constituída por exames interno e exter-
no, deve ser executada nos seguintes prazos máximos: (113.161-3/I4)
a) 12 (doze) meses para caldeiras das categorias A, B e C;
b) 12 (doze) meses para caldeiras de recuperação de álcalis de qualquer categoria;
c) 24 (vinte e quatro) meses para caldeiras da categoria A, desde que aos 12 (doze)
meses sejam testadas as pressões de abertura das válvulas de segurança;
d) 40 (quarenta) meses para caldeiras especiais conforme definido no item 13.5.5.
13.5.4. Estabelecimentos que possuam “Serviço Próprio de Inspeção de Equipa-
mentos”, conforme estabelecido no Anexo II, podem estender os períodos entre
inspeções de segurança, respeitando os seguintes prazos máximos:
a) 18 meses para caldeiras de recuperação de álcalis e as das categorias “B” e “C”;
(Alterada pela Portaria SIT n. 57, de 19 de junho de 2008)
b) 30 (trinta) meses para caldeiras da categoria A.
13.5.5. As caldeiras que operam de forma contínua e que utilizam gases ou resíduos­
das unidades de processo, como combustível principal para aproveitamento de ca-
lor ou para fins de controle ambiental, podem ser consideradas especiais quando
todas as condições seguintes forem satisfeitas:
a) estiverem instaladas em estabelecimentos que possuam “Serviço Próprio de Ins-
peção de Equipamentos” citado no Anexo II;
b) tenham testados a cada 12 (doze) meses o sistema de intertravamento e a pres-
são de abertura de cada válvula de segurança;
c) não apresentem variações inesperadas na temperatura de saída dos gases e do
vapor durante a operação;
d) exista análise e controle periódico da qualidade da água;

139
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

e) exista controle de deterioração dos materiais que compõem as principais partes


da caldeira;
f ) seja homologada como classe especial mediante:
- acordo entre a representação sindical da categoria profissional predominante no
estabelecimento e o empregador;
- intermediação do órgão regional do MTb, solicitada por qualquer uma das par-
tes quando não houver acordo;
- decisão do órgão regional do MTb quando persistir o impasse.
13.5.6. Ao completar 25 (vinte e cinco) anos de uso na sua inspeção subsequente,
as caldeiras devem ser submetidas a rigorosa avaliação de integridade para deter-
minar a sua vida remanescente e novos prazos máximos para inspeção, caso ainda
estejam em condições de uso. (113.027-7/I4)
13.5.6.1. Nos estabelecimentos que possuam “Serviço Próprio de Inspeção de
Equipamentos”, citado no Anexo II, o limite de 25 (vinte e cinco) anos pode ser
alterado em função do acompanhamento das condições da caldeira, efetuado pelo
referido órgão.
13.5.7. As válvulas de segurança instaladas em caldeiras devem ser inspecionadas
periodicamente conforme segue: (113.028-5/I4)
a) pelo menos 1 (uma) vez por mês, mediante acionamento manual da alavanca,
em operação, para caldeiras das categorias B e C;
b) desmontando, inspecionando e testando em bancada as válvulas flangeadas e,
no campo, as válvulas soldadas, recalibrando-as numa frequência compatível com
a experiência operacional da mesma, porém respeitando-se como limite máximo
o período de inspeção estabelecido no subitem 13.5.3 ou 13.5.4, se aplicável para
caldeiras de categorias A e B.
13.5.8. Adicionalmente aos testes prescritos no subitem 13.5.7, as válvulas de
segurança instaladas em caldeiras deverão ser submetidas a testes de acumulação,
nas seguintes oportunidades: (113.029-3/I4)
a) na inspeção inicial da caldeira;
b) quando forem modificadas ou tiverem sofrido reformas significativas;
c) quando houver modificação nos parâmetros operacionais da caldeira ou varia-
ção na PMTA;
d) quando houver modificação na sua tubulação de admissão ou descarga.
13.5.9. A inspeção de segurança extraordinária deve ser feita nas seguintes opor-
tunidades: (113.162-1/I4)
a) sempre que a caldeira for danificada por acidente ou outra ocorrência capaz de
comprometer sua segurança;
b) quando a caldeira for submetida à alteração ou reparo importante capaz de
alterar suas condições de segurança;
c) antes de a caldeira ser recolocada em funcionamento, quando permanecer ina-
tiva por mais de 6 (seis) meses;
d) quando houver mudança de local de instalação da caldeira.
13.5.10. A inspeção de segurança deve ser realizada por “Profissional Habilitado”,

140
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

citado no subitem 13.1.2, ou por “Serviço Próprio de Inspeção de Equipamen-


tos”, citado no Anexo II.
13.5.11. Inspecionada a caldeira, deve ser emitido “Relatório de Inspeção”, que
passa a fazer parte da sua documentação. (113.157-5/I3)
13.5.12. Uma cópia do “Relatório de Inspeção” deve ser encaminhada pelo “Pro-
fissional Habilitado”, citado no subitem 13.1.2, num prazo máximo de 30 (trinta)
dias, a contar do término da inspeção, à representação sindical da categoria profis-
sional predominante no estabelecimento. (113.158-3/I1)
13.5.13. O “Relatório de Inspeção”, mencionado no subitem 13.5.11, deve conter
no mínimo: (113.159-1/I2)
a) dados constantes na placa de identificação da caldeira;
b) categoria da caldeira;
c) tipo da caldeira;
d) tipo de inspeção executada;
e) data de início e término da inspeção;
f ) descrição das inspeções e testes executados;
g) resultado das inspeções e providências;
h) relação dos itens desta NR ou de outras exigências legais que não estão sendo
atendidas;
i) conclusões;
j) recomendações e providências necessárias;
k) data prevista para a nova inspeção da caldeira;
l) nome legível, assinatura e número do registro no conselho profissional do “Pro-
fissional Habilitado”, citado no subitem 13.1.2 e nome legível e assinatura de
técnicos que participaram da inspeção.
13.5.14. Sempre que os resultados da inspeção determinarem alterações dos dados
da placa de identificação, a mesma deve ser atualizada. (113.031-5/I1)
13.6. Vasos de pressão – Disposições gerais.
13.6.1. Vasos de pressão são equipamentos que contêm fluidos sob pressão interna
ou externa.
13.6.1.1. O campo de aplicação desta NR, no que se refere a vasos de pressão, está
definido no Anexo III.
13.6.1.2. Os vasos de pressão abrangidos por esta NR estão classificados em cate-
gorias de acordo com o Anexo IV.
13.6.2. Constitui risco grave e iminente a falta de qualquer um dos seguintes itens:
a) válvula ou outro dispositivo de segurança com pressão de abertura ajustada em
valor igual ou inferior à PMTA, instalada diretamente no vaso ou no sistema que
o inclui; (113.163-0/I4)
b) dispositivo de segurança contra bloqueio inadvertido da válvula quando esta
não estiver instalada diretamente no vaso; (113.164-8/I4)
c) instrumento que indique a pressão de operação. (113.165-6/I4)
13.6.3. Todo vaso de pressão deve ter afixado em seu corpo em local de fácil acesso

141
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

e bem visível, placa de identificação indelével com, no mínimo, as seguintes infor-


mações: (113.166-4/I1)
a) fabricante;
b) número de identificação;
c) ano de fabricação;
d) pressão máxima de trabalho admissível;
e) pressão de teste hidrostático;
f ) código de projeto e ano de edição.
13.6.3.1. Além da placa de identificação, deverão constar, em local visível, a ca-
tegoria do vaso, conforme Anexo IV, e seu número ou código de identificação.
(113.167-2/I1)
13.6.4. Todo vaso de pressão deve possuir, no estabelecimento onde estiver insta-
lado, a seguinte documentação devidamente atualizada:
a) “Prontuário do Vaso de Pressão” a ser fornecido pelo fabricante, contendo as
seguintes informações: (113.168-0/I3)
- código de projeto e ano de edição;
- especificação dos materiais;
- procedimentos utilizados na fabricação, montagem e inspeção final e determi-
nação da PMTA;
- conjunto de desenhos e demais dados necessários para o monitoramento da sua
vida útil;
- características funcionais;
- dados dos dispositivos de segurança;
- categoria do vaso;
b) “Registro de Segurança” em conformidade com o subitem 13.6.5; (113.169-9/I3)
c) “Projeto de Instalação” em conformidade com o item 13.7; (113.170-2/I3)
d) “Projeto de Alteração ou Reparo” em conformidade com os subitens 13.9.2 e
13.9.3; (113.171-0/I3)
e) “Relatórios de Inspeção” em conformidade com o subitem 13.10.8. (113.172-9/I3)
13.6.4.1. Quando inexistente ou extraviado, o “Prontuário do Vaso de Pressão”
deve ser reconstituído pelo proprietário com responsabilidade técnica do fabri-
cante ou de “Profissional Habilitado”, citado no subitem 13.1.2, sendo impres-
cindível a reconstituição das características funcionais, dos dados dos dispositivos
de segurança e dos procedimentos para determinação da PMTA. (113.173-7/I3)
13.6.4.2. O proprietário de vaso de pressão deverá apresentar, quando exigida pela
autoridade competente do órgão regional do Ministério do Trabalho, a documen-
tação mencionada no subitem 13.6.4. (113.174-5/I1)
13.6.5. O “Registro de Segurança” deve ser constituído por livro de páginas nu-
meradas, pastas ou sistema informatizado ou não com confiabilidade equivalente
onde serão registradas:
a) todas as ocorrências importantes capazes de influir nas condições de segurança
dos vasos; (113.175-3/I2)
b) as ocorrências de inspeção de segurança. (113.176-1/I2)

142
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

13.6.6. A documentação referida no subitem 13.6.4 deve estar sempre à dispo-


sição para consulta dos operadores do pessoal de manutenção, de inspeção e das
representações dos trabalhadores e do empregador na Comissão Interna de Pre-
venção de Acidentes – CIPA, devendo o proprietário assegurar pleno acesso a essa
documentação, inclusive à representação sindical da categoria profissional pre-
dominante no estabelecimento, quando formalmente solicitado. (113.177-0/I2)
13.7. Instalação de vasos de pressão.
13.7.1. Todo vaso de pressão deve ser instalado de modo que todos os drenos,
respiros, bocas de visita e indicadores de nível, pressão e temperatura, quando
existentes, sejam facilmente acessíveis. (113.042-0/I2)
13.7.2. Quando os vasos de pressão forem instalados em ambientes fechados, a
instalação deve satisfazer os seguintes requisitos: (Alterado pela Portaria SIT n. 57,
de 19 de junho de 2008)
a) dispor de pelo menos 2 (duas) saídas amplas, permanentemente desobstruídas
e dispostas em direções distintas; (113.178-8/I4)
b) dispor de acesso fácil e seguro para as atividades de manutenção, operação e
inspeção, sendo que, para guardacorpos vazados, os vãos devem ter dimensões que
impeçam a queda de pessoas; (113.043-9/I3)
c) dispor de ventilação permanente com entradas de ar que não possam ser blo-
queadas; (113.179-6/I4)
d) dispor de iluminação conforme normas oficiais vigentes; (113.180-0/I4)
e) possuir sistema de iluminação de emergência. (113.181-8/I4)
13.7.3. Quando o vaso de pressão for instalado em ambiente aberto, a instalação
deve satisfazer as alíneas “a”, “b”, “d” e “e” do subitem 13.7.2. (113.182-6/I4)
13.7.4 Constitui risco grave e iminente o não atendimento às seguintes alíneas do
subitem 13.7.2:
- “a”, “c” “d” e “e” para vasos instalados em ambientes fechados; (Alterado pela
Portaria SIT n. 57, de 19 de junho de 2008)
- “a” para vasos instalados em ambientes abertos;
- “e” para vasos instalados em ambientes abertos e que operem à noite.
13.7.5. Quando o estabelecimento não puder atender ao disposto no subitem
13.7.2, deve ser elaborado “Projeto Alternativo de Instalação” com medidas com-
plementares de segurança que permitam a atenuação dos riscos.
13.7.5.1. O “Projeto Alternativo de Instalação” deve ser apresentado pelo proprie-
tário do vaso de pressão para obtenção de acordo com a representação sindical da
categoria profissional predominante no estabelecimento.
13.7.5.2. Quando não houver acordo, conforme previsto no subitem 13.7.5.1, a
intermediação do órgão regional do MTb poderá ser solicitada por qualquer uma
das partes e, persistindo o impasse, a decisão caberá a esse órgão.
13.7.6. A autoria do “Projeto de Instalação” de vasos de pressão enquadrados nas
categorias I, II e III, conforme Anexo IV, no que concerne ao atendimento desta
NR, é de responsabilidade de “Profissional Habilitado”, conforme citado no su-
bitem 13.1.2, e deve obedecer aos aspectos de segurança, saúde e meio ambiente

143
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

previstos nas Normas Regulamentadoras, convenções e disposições legais aplicá-


veis. (113.183-4/I2)
13.7.7. O “Projeto de Instalação” deve conter pelo menos a planta baixa do esta-
belecimento, com o posicionamento e a categoria de cada vaso e das instalações de
segurança. (113.184-2/I2)
13.8. Segurança na operação de vasos de pressão.
13.8.1. Todo vaso de pressão enquadrado nas categorias I ou II deve possuir ma-
nual de operação próprio ou instruções de operação contidas no manual de opera-
ção da unidade onde estiver instalado, em língua portuguesa e de fácil acesso aos
operadores, contendo no mínimo: (113.046-3/I3)
a) procedimentos de partidas e paradas;
b) procedimentos e parâmetros operacionais de rotina;
c) procedimentos para situações de emergência;
d) procedimentos gerais de segurança, saúde e preservação do meio ambiente.
13.8.2. Os instrumentos e controles de vasos de pressão devem ser mantidos cali-
brados e em boas condições operacionais. (113.047-1/I3)
13.8.2.1. Constitui condição de risco grave e iminente o emprego de artifícios que
neutralizem seus sistemas de controle e segurança. (113.188-5/I4)
13.8.3. A operação de unidades que possuam vasos de pressão de categorias “I” ou
“II” deve ser efetuada por profissional com “Treinamento de Segurança na Ope-
ração de Unidades de Processos”, sendo que o não atendimento a esta exigência
caracteriza condição de risco grave e iminente. (113.048-0/I4)
13.8.4. Para efeito desta NR será considerado profissional com “Treinamento de
Segurança na Operação de Unidades de Processo” aquele que satisfizer uma das
seguintes condições:
a) possuir certificado de “Treinamento de Segurança na Operação de Unidades de
Processo” expedido por instituição competente para o treinamento;
b) possuir experiência comprovada na operação de vasos de pressão das categorias
I ou II de pelo menos 2 (dois) anos antes da vigência desta NR.
13.8.5. O pré-requisito mínimo para participação, como aluno, no “Treinamento
de Segurança na Operação de Unidades de Processo” é o atestado de conclusão
do 1o grau.
13.8.6. O “Treinamento de Segurança na Operação de Unidades de Processo”
deve obrigatoriamente:
a) ser supervisionado tecnicamente por “Profissional Habilitado” citado no subi-
tem 13.1.2; (113.189-3/I2)
b) ser ministrado por profissionais capacitados para esse fim; (113.190-7/I3)
c) obedecer, no mínimo, ao currículo proposto no Anexo I-B desta NR. (113.191-
5/I3)
13.8.7. Os responsáveis pela promoção do “Treinamento de Segurança na Opera-
ção de Unidades de Processo” estarão sujeitos ao impedimento de ministrar novos
cursos, bem como a outras sanções legais cabíveis, no caso de inobservância do
disposto no subitem 13.8.6.

144
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

13.8.8. Todo profissional com “Treinamento de Segurança na Operação de Uni-


dade de Processo” deve cumprir estágio prático, supervisionado, na operação de
vasos de pressão com as seguintes durações mínimas: (113.192-3/I3)
a) 300 (trezentas) horas para vasos de categorias I ou II;
b) 100 (cem) horas para vasos de categorias III, IV ou V.
13.8.9. O estabelecimento onde for realizado o estágio prático supervisionado
deve informar previamente à representação sindical da categoria profissional pre-
dominante no estabelecimento: (113.193-1/I1)
a) período de realização do estágio;
b) entidade, empresa ou profissional responsável pelo “Treinamento de Segurança
na Operação de Unidade de Processo”;
c) relação dos participantes do estágio.
13.8.10. A reciclagem de operadores deve ser permanente por meio de constantes
informações das condições físicas e operacionais dos equipamentos, atualização
técnica, informações de segurança, participação em cursos, palestras e eventos per-
tinentes. (113.185-0/I3)
13.8.11. Constitui condição de risco grave e iminente a operação de qualquer
vaso de pressão em condições diferentes das previstas no projeto original, sem que:
a) seja reprojetado levando em consideração todas as variáveis envolvidas na nova
condição de operação; (113.186-9/I4)
b) sejam adotados todos os procedimentos de segurança decorrentes de sua nova
classificação no que se refere à instalação, operação, manutenção e inspeção.
(113.187-7/I4)
13.9. Segurança na manutenção de vasos de pressão.
13.9.1. Todos os reparos ou alterações em vasos de pressão devem respeitar o res-
pectivo código de projeto de construção e as prescrições do fabricante no que se
refere a: (113.194-0/I3)
a) materiais;
b) procedimentos de execução;
c) procedimentos de controle de qualidade;
d) qualificação e certificação de pessoal.
13.9.1.1. Quando não for conhecido o código do projeto de construção, deve-
rá ser respeitada a concepção original do vaso, empregando-se procedimentos de
controle do maior rigor, prescritos pelos códigos pertinentes.
13.9.1.2. A critério do “Profissional Habilitado”, citado no subitem 13.1.2, po-
dem ser utilizadas tecnologia de cálculo ou procedimentos mais avançados, em
substituição aos previstos pelos códigos de projeto.
13.9.2. “Projetos de Alteração ou Reparo” devem ser concebidos previamente nas
seguintes situações: (113.053-6/I3)
a) sempre que as condições de projeto forem modificadas;
b) sempre que forem realizados reparos que possam comprometer a segurança.
13.9.3. O “Projeto de Alteração ou Reparo” deve:
a) ser concebido ou aprovado por “Profissional Habilitado”, citado no subitem

145
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

13.1.2; (113.195-8/I2)
b) determinar materiais, procedimentos de execução, controle de qualidade e qua-
lificação de pessoal; (113.196-6/I2)
c) ser divulgado para funcionários do estabelecimento que possam estar envolvi-
dos com o equipamento. (113.197-4/I2)
13.9.4 Todas as intervenções que exijam soldagem em partes que operem sob
pressão devem ser seguidas de teste hidrostático, com características definidas pelo
“Profissional Habilitado”, citado no subitem 13.1.2, levando em conta o disposto
no item 13.10. (113.198-2/I3)
13.9.4.1. Pequenas intervenções superficiais podem ter o teste hidrostático dis-
pensado, a critério do “Profissional Habilitado”, citado no subitem 13.1.2.
13.9.5 Os sistemas de controle e segurança dos vasos de pressão devem ser subme-
tidos à manutenção preventiva ou preditiva. (113.199-0/I3)
13.10. Inspeção de segurança de vasos de pressão.
13.10.1. Os vasos de pressão devem ser submetidos a inspeções de segurança ini-
cial, periódica e extraordinária.
13.10.2. A inspeção de segurança inicial deve ser feita em vasos novos, antes de
sua entrada em funcionamento, no local definitivo de instalação, devendo com-
preender exame externo, interno e teste hidrostático, considerando as limitações
mencionadas no subitem 13.10.3.5. (113.116-8/I3)
13.10.3. A inspeção de segurança periódica, constituída por exame externo, inter-
no e teste hidrostático, deve obedecer aos seguintes prazos máximos estabelecidos
a seguir: (113.200-8/I3)
a) para estabelecimentos que não possuam “Serviço Próprio de Inspeção de Equi-
pamentos”, conforme citado no Anexo II:

Categoria do Vaso Exame Externo Exame Interno Teste Hidrostático


I 1 ano 3 anos 6 anos
II 2 anos 4 anos 8 anos
III 3 anos 6 anos 12 anos
IV 4 anos 8 anos 16 anos
V 5 anos 10 anos 20 anos

b) para estabelecimentos que possuam “Serviço Próprio de Inspeção de Equipa-


mentos”, conforme citado no Anexo II:

Categoria do Vaso Exame Externo Exame Interno Teste Hidrostático


I 3 anos 6 anos 12 anos
II 4 anos 8 anos 16 anos
III 5 anos 10 anos a critério
IV 6 anos 12 anos a critério
V 7 anos a critério a critério

146
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

13.10.3.1. Vasos de pressão que não permitam o exame interno ou externo por
impossibilidade física devem ser alternativamente submetidos a teste hidrostático,
considerando-se as limitações previstas no subitem 13.10.3.5. (113.117-6/I3)
13.10.3.2. Vasos com enchimento interno ou com catalisador podem ter a perio-
dicidade de exame interno ou de teste hidrostático ampliada, de forma a coincidir
com a época da substituição de enchimentos ou de catalisador, desde que esta
ampliação não ultrapasse 20 (vinte) por cento do prazo estabelecido no subitem
13.10.3 desta NR. (113.118-4/I3)
13.10.3.3. Vasos com revestimento interno higroscópico devem ser testados hi-
drostaticamente antes da aplicação do mesmo, sendo os testes subsequentes subs-
tituídos por técnicas alternativas. (113.119-2/I3)
13.10.3.4. Quando for tecnicamente inviável e mediante anotação no “Registro
de Segurança” pelo “Profissional Habilitado”, citado no subitem 13.1.2, o teste
hidrostático pode ser substituído por outra técnica de ensaio não destrutivo ou
inspeção que permita obter segurança equivalente. (113.120-6/I3)
13.10.3.5. Considera-se como razões técnicas que inviabilizam o teste hidrostá-
tico:
a) resistência estrutural da fundação ou da sustentação do vaso incompatível com
o peso da água que seria usada no teste;
b) efeito prejudicial do fluido de teste a elementos internos do vaso;
c) impossibilidade técnica de purga e secagem do sistema;
d) existência de revestimento interno;
e) influência prejudicial do teste sobre defeitos subcríticos.
13.10.3.6. Vasos com temperatura de operação inferior a 0 ºC (zero graus centí-
grados) e que operem em condições nas quais a experiência mostre que não ocorre
deterioração, ficam dispensados do teste hidrostático periódico, sendo obrigató-
rio exame interno a cada 20 (vinte) anos e exame externo a cada 2 (dois) anos.
(113.121-4/I3)
13.10.3.7. Quando não houver outra alternativa, o teste pneumático pode ser
executado, desde que supervisionado pelo “Profissional Habilitado”, citado no
subitem 13.1.2, e cercado de cuidados especiais por tratar-se de atividade de alto
risco. (113.122-2/I3)
13.10.4. As válvulas de segurança dos vasos de pressão devem ser desmontadas, ins-
pecionadas e recalibradas por ocasião do exame interno periódico. (113.123-0/I3)
13.10.5. A inspeção de segurança extraordinária deve ser feita nas seguintes opor-
tunidades: (113.124-9/I3)
a) sempre que o vaso for danificado por acidente ou outra ocorrência que com-
prometa sua segurança;
b) quando o vaso for submetido a reparo ou alterações importantes, capazes de
alterar sua condição de segurança;
c) antes de o vaso ser recolocado em funcionamento, quando permanecer inativo
por mais de 12 (doze) meses;
d) quando houver alteração do local de instalação do vaso.

147
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

13.10.6. A inspeção de segurança deve ser realizada por “Profissional Habilitado”,


citado no subitem 13.1.2 ou por “Serviço Próprio de Inspeção de Equipamentos”,
conforme citado no Anexo II.
13.10.7. Após a inspeção do vaso deve ser emitido “Relatório de Inspeção”, que
passa a fazer parte da sua documentação. (113.125-7/I3)
13.10.8. O “Relatório de Inspeção” deve conter no mínimo: (113.126-5/I2)
a) identificação do vaso de pressão;
b) fluidos de serviço e categoria do vaso de pressão;
c) tipo do vaso de pressão;
d) data de início e término da inspeção;
e) tipo de inspeção executada;
f ) descrição dos exames e testes executados;
g) resultado das inspeções e intervenções executadas;
h) conclusões;
i) recomendações e providências necessárias;
j) data prevista para a próxima inspeção;
k) nome legível, assinatura e número do registro no conselho profissional do “Pro-
fissional Habilitado”, citado no subitem 13.1.2, e nome legível e assinatura de
técnicos que participaram da inspeção.
13.10.9. Sempre que os resultados da inspeção determinarem alterações dos dados
da placa de identificação, a mesma deve ser atualizada. (113.070-6/I1)

ANEXO I-A
CURRÍCULO MÍNIMO PARA “TREINAMENTO DE SEGURANÇA
NA OPERAÇÃO DE CALDEIRAS”

1. Noções de grandezas físicas e unidades


Carga horária: 4 (quatro) horas
1.1. Pressão
1.1.1. Pressão atmosférica
1.1.2. Pressão interna de um vaso
1.1.3. Pressão manométrica, pressão relativa e pressão absoluta
1.1.4. Unidades de pressão
1.2. Calor e temperatura
1.2.1. Noções gerais: o que é calor, o que é temperatura
1.2.2. Modos de transferência de calor
1.2.3. Calor específico e calor sensível
1.2.4. Transferência de calor a temperatura constante
1.2.5. Vapor saturado e vapor superaquecido
1.2.6. Tabela de vapor saturado
2. Caldeiras – considerações gerais
Carga horária: 8 (oito) horas
2.1. Tipos de caldeiras e suas utilizações

148
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

2.2. Partes de uma caldeira


2.2.1. Caldeiras flamotubulares
2.2.2. Caldeiras aquotubulares
2.2.3. Caldeiras elétricas
2.2.4. Caldeiras a combustíveis sólidos
2.2.5. Caldeiras a combustíveis líquidos
2.2.6. Caldeiras a gás
2.2.7. Queimadores
2.3. Instrumentos e dispositivos de controle de caldeiras
2.3.1. Dispositivo de alimentação
2.3.2. Visor de nível
2.3.3. Sistema de controle de nível
2.3.4. Indicadores de pressão
2.3.5. Dispositivos de segurança
2.3.6. Dispositivos auxiliares
2.3.7. Válvulas e tubulações
2.3.8. Tiragem de fumaça
3. Operação de caldeiras
Carga horária: 12 (doze) horas
3.1. Partida e parada
3.2. Regulagem e controle
3.2.1. de temperatura
3.2.2. de pressão
3.2.3. de fornecimento de energia
3.2.4. do nível de água
3.2.5. de poluentes
3.3. Falhas de operação, causas e providências
3.4. Roteiro de vistoria diária
3.5. Operação de um sistema de várias caldeiras
3.6. Procedimentos em situações de emergência
4. Tratamento de água e manutenção de caldeiras
Carga horária: 8 (oito) horas
4.1. Impurezas da água e suas consequências
4.2. Tratamento de água
4.3. Manutenção de caldeiras
5. Prevenção contra explosões e outros riscos
Carga horária: 4 (quatro) horas
5.1. Riscos gerais de acidentes e riscos à saúde
5.2. Riscos de explosão
6. Legislação e normalização
Carga horária: 4 (quatro) horas
6.1. Normas Regulamentadoras
6.2. Norma Regulamentadora 13 – NR 13

149
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

ANEXO I-B
CURRÍCULO MÍNIMO PARA “TREINAMENTO DE SEGURANÇA
NA OPERAÇÃO DE UNIDADES DE PROCESSO”

1. Noções de grandezas físicas e unidades


Carga horária: 4 (quatro) horas
1.1. Pressão
1.1.1. Pressão atmosférica
1.1.2. Pressão interna de um vaso
1.1.3. Pressão manométrica, pressão relativa e pressão absoluta
1.1.4. Unidades de pressão
1.2. Calor e temperatura
1.2.1. Noções gerais: o que é calor, o que é temperatura
1.2.2. Modos de transferência de calor
1.2.3. Calor específico e calor sensível
1.2.4. Transferência de calor a temperatura constante
1.2.5. Vapor saturado e vapor superaquecido

2. Equipamentos de processo
Carga horária estabelecida de acordo com a complexidade da unidade, mantendo um
mínimo de 4 (quatro) horas por item, onde aplicável.
2.1. Trocadores de calor
2.2. Tubulação, válvulas e acessórios
2.3. Bombas
2.4. Turbinas e ejetores
2.5. Compressores
2.6. Torres, vasos, tanques e reatores
2.7. Fornos
2.8. Caldeiras

3. Eletricidade
Carga horária: 4 (quatro) horas

4. Instrumentação
Carga horária: 8 (oito) horas

5. Operação da unidade
Carga horária: estabelecida de acordo com a complexidade da unidade
5.1. Descrição do processo
5.2. Partida e parada
5.3. Procedimentos de emergência
5.4. Descarte de produtos químicos e preservação do meio ambiente
5.5. Avaliação e controle de riscos inerentes ao processo

150
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

5.6. Prevenção contra deterioração, explosão e outros riscos

6. Primeiros socorros
Carga horária: 8 (oito) horas

7. Legislação e normalização
Carga horária: 4 (quatro) horas

ANEXO II
REQUISITOS PARA CERTIFICAÇÃO DE
“SERVIÇO PRÓPRIO DE INSPEÇÃO DE EQUIPAMENTOS”

Antes de colocar em prática os períodos especiais entre inspeções, estabelecidos


nos subitens 13.5.4 e 13.10.3 desta NR, os “Serviços Próprios de Inspeção de Equi-
pamentos” da empresa, organizados na forma de setor, seção, departamento, divisão,
ou equivalente, devem ser certificados pelo Instituto Nacional de Metrologia, Norma-
lização e Qualidade Industrial – INMETRO diretamente ou mediante “Organismos
de Certificação” por ele credenciados, que verificarão o atendimento aos seguintes
requisitos mínimos expressos nas alíneas “a” a “g”. Esta certificação pode ser cancelada
sempre que for constatado o não atendimento a qualquer destes requisitos:
a) existência de pessoal próprio da empresa onde estão instalados caldeira ou vaso
de pressão, com dedicação exclusiva a atividades de inspeção, avaliação de integri-
dade e vida residual, com formação, qualificação e treinamento compatíveis com
a atividade proposta de preservação da segurança;
b) mão de obra contratada para ensaios não destrutivos certificada segundo regula-
mentação vigente e para outros serviços de caráter eventual, selecionada e avaliada
segundo critérios semelhantes ao utilizado para a mão de obra própria;
c) serviço de inspeção de equipamentos proposto possuir um responsável pelo seu
gerenciamento formalmente designado para esta função;
d) existência de pelo menos 1 (um) “Profissional Habilitado”, conforme definido
no subitem 13.1.2;
e) existência de condições para manutenção de arquivo técnico atualizado, ne-
cessário ao atendimento desta NR, assim como mecanismos para distribuição de
informações quando requeridas;
f ) existência de procedimentos escritos para as principais atividades executadas;
g) existência de aparelhagem condizente com a execução das atividades propostas.

ANEXO III

1. Esta NR deve ser aplicada aos seguintes equipamentos:


a) qualquer vaso cujo produto “PV” seja superior a 8 (oito), onde “P” é a máxima
pressão de operação em KPa e “V” o seu volume geométrico interno em m3, incluindo:

151
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

- permutadores de calor, evaporadores e similares;


- vasos de pressão ou partes sujeitas a chama direta que não estejam dentro do
escopo de outras NR, nem do item 13.1 desta NR;
- vasos de pressão encamisados, incluindo refervedores e reatores;
- autoclaves e caldeiras de fluido térmico que não o vaporizem;
b) vasos que contenham fluido da classe “A”, especificados no Anexo IV, indepen-
dente das dimensões e do produto “PV”.
2. Esta NR não se aplica aos seguintes equipamentos:
a) cilindros transportáveis, vasos destinados ao transporte de produtos, reservató-
rios portáteis de fluido comprimido e extintores de incêndio;
b) os destinados à ocupação humana;
c) câmara de combustão ou vasos que façam parte integrante de máquinas rotati-
vas ou alternativas, tais como bombas, compressores, turbinas, geradores, moto-
res, cilindros pneumáticos e hidráulicos e que não possam ser caracterizados como
equipamentos independentes;
d) dutos e tubulações para condução de fluido;
e) serpentinas para troca térmica;
f ) tanques e recipientes para armazenamento e estocagem de fluidos não enqua-
drados em normas e códigos de projeto relativos a vasos de pressão;
g) vasos com diâmetro interno inferior a 150 mm (cento e cinquenta milímetros)
para fluidos das classes “B”, “C” e “D”, conforme especificado no Anexo IV.

ANEXO IV
CLASSIFICAÇÃO DE VASOS DE PRESSÃO

1. Para efeito desta NR, os vasos de pressão são classificados em categorias segundo o
tipo de fluido e o potencial de risco.
1.1. Os fluidos contidos nos vasos de pressão são classificados conforme descrito a seguir:
Classe “A”:
- fluidos inflamáveis;
- combustível com temperatura superior ou igual a 200 ºC (duzentos graus cen-
tígrados);
- fluidos tóxicos com limite de tolerância igual ou inferior a 20 (vinte) ppm;
- hidrogênio;
- acetileno.
Classe “B”:
- fluidos combustíveis com temperatura inferior a 200 ºC;
- fluidos tóxicos com limite de tolerância superior a 20 (vinte) ppm;
Classe “C”:
- vapor de água, gases asfixiantes simples ou ar comprimido;
Classe “D”:
- água ou outros fluidos não enquadrados nas classes “A”, “B” ou “C”, com tem-
peratura superior a 50 ºC (cinquenta graus centígrados).

152
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 13 SAIR

1.1.1. Quando se tratar de mistura, deverá ser considerado para fins de classifica-
ção o fluido que apresentar maior risco aos trabalhadores e instalações, conside-
rando-se sua toxicidade, inflamabilidade e concentração.
1.2. Os vasos de pressão são classificados em grupos de potencial de risco em função
do produto “PV”, onde “P” é a pressão máxima de operação em MPa e “V” o seu
volume geométrico interno em m3, conforme segue:
- Grupo 1 – PV ³ 100
- Grupo 2 – PV < 100 e PV ³ 30
- Grupo 3 – PV < 30 e PV ³ 2,5
- Grupo 4 – PV < 2,5 e PV ³ 1
- Grupo 5 – PV < 1
Declara,
1.2.1. Vasos de pressão que operem sob a condição de vácuo deverão enquadrar-se
nas seguintes categorias:
- categoria I: para fluidos inflamáveis ou combustíveis;
- categoria V: para outros fluidos.
1.3. A tabela a seguir classifica os vasos de pressão em categorias de acordo com os
grupos de potencial de risco e a classe de fluido contido.
CATEGORIAS DE VASOS DE PRESSÃO
Grupo de Potencial de Risco
1 2 3 4 5
Classe de Fluido P.V ≥ 100 P.V < 100 P.V < 30 P.V < 2.5 P.V < 1
P.V ≥ 30 P.V ≥ 2.5 P.V ≥ 1
Categorias
“A”
- Fluido inflamável,
combustível com temperatura
igual ou superior a 200 ºC
- Tóxico com limite de I I II III III
tolerância ≤ 20 ppm
- Hidrogênio
- Acetileno
“B”
- Combustível com
temperatura menor que 200 ºC I II III IV IV
- Tóxico com limite de
tolerância > 20 ppm
“C”
- Vapor de água
- Gás asfixiante simples I II III IV V
- Ar comprimido
“D”
Outro fluido II III IV V V
Notas:
a) Considerar volume em m³ e pressão em MPa;
b) Considerar 1 MPa correspondente a 10,197 Kgf/cm².

153
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 14 SAIR

NR 14
Fornos
(114.000-0)
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Alterações/Atualizações:
Portaria SSMT n. 12, de 06 de junho de 1983 – DOU de 14.06.83

14.1. Os fornos, para qualquer utilização, devem ser construídos solidamente, reves-
tidos com material refratário, de forma que o calor radiante não ultrapasse os limites
de tolerância estabelecidos pela Norma Regulamentadora – NR 15. (114.008-6/I3)
14.2. Os fornos devem ser instalados em locais adequados, oferecendo o máximo de
segurança e conforto aos trabalhadores. (114.009-4/I4)
14.2.1. Os fornos devem ser instalados de forma a evitar acúmulo de gases nocivos
e altas temperaturas em áreas vizinhas. (114.010-8/I4)
14.2.2. As escadas e plataformas dos fornos devem ser feitas de modo a garantir
aos trabalhadores a execução segura de suas tarefas. (114.011-6/I4)
14.3. Os fornos que utilizarem combustíveis gasosos ou líquidos devem ter sistemas
de proteção para:
a) não ocorrer explosão por falha da chama de aquecimento ou no acionamento
do queimador; (114.005-1/I4)
b) evitar retrocesso da chama. (114.006-0/I4)
14.3.1. Os fornos devem ser dotados de chaminé, suficientemente dimensionada
para a livre saída dos gases queimados, de acordo com normas técnicas oficiais
sobre poluição do ar. (114.012-4/I3)

154
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

NR 15
Atividades e Operações Insalubres
(115.000-6)
Publicação:
Portaria GM n. 3.214, de 08 de junho de 1978 – DOU de 06.07.78
Alterações/Atualizações:
Portaria SSMT n. 12, de 12 de novembro de 1979 – DOU de 23.11.79
Portaria SSMT n. 01, de 17 de abril de 1980 – DOU de 25.04.80
Portaria SSMT n. 05, de 09 de fevereiro de 1983 – DOU de 17.02.83
Portaria SSMT n. 12, de 06 de junho de 1983 – DOU de 14.06.83
Portaria SSMT n. 24, de 14 de setembro de 1983 – DOU de 15.09.83
Portaria GM n. 3.751, de 23 de novembro de 1990 – DOU de 26.11.90
Portaria DSST n. 01, de 28 de maio de 1991 – DOU de 29.05.91
Portaria DNSST n. 08, de 05 de outubro de 1992 – DOU de 08.10.92
Portaria DNSST n. 09, de 05 de outubro de 1992 – DOU de 14.10.92
Portaria SSST n. 04, de 11 de abril de 1994 – DOU de 14.04.94
Portaria SSST n. 22, de 26 de dezembro de 1994 – DOU de 27.12.94
Portaria SSST n. 14, de 20 de dezembro de 1995 – DOU de 22.12.95
Portaria SIT n. 99, de 19 de outubro de 2004 – DOU de 21.10.04
Portaria SIT n. 43, de 11 de março de 2008 – DOU (Rep.) 13.03.08

15.1. São consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem:


15.1.1. Acima dos limites de tolerância previstos nos Anexos n. 1, 2, 3, 5, 11 e 12;
15.1.2. (Revogado pela Portaria n. 3.751, de 23.11.1990 – DOU 26.11.90);
15.1.3. Nas atividades mencionadas nos Anexos n. 6, 13 e 14;
15.1.4. Comprovadas através de laudo de inspeção do local de trabalho, constan-
tes dos Anexos n. 7, 8, 9 e 10.
15.1.5. Entende-se por “Limite de Tolerância”, para os fins desta Norma, a con-
centração ou intensidade máxima ou mínima, relacionada com a natureza e o
tempo de exposição ao agente, que não causará dano à saúde do trabalhador,
durante a sua vida laboral.
15.2. O exercício de trabalho em condições de insalubridade, de acordo com os sub­
i­tens do item anterior, assegura ao trabalhador a percepção de adicional, incidente
sobre o salário mínimo da região, equivalente a: (115.001-4/I1)
15.2.1. 40% (quarenta por cento), para insalubridade de grau máximo;
15.2.2. 20% (vinte por cento), para insalubridade de grau médio;
15.2.3. 10% (dez por cento), para insalubridade de grau mínimo.

155
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

15.3. No caso de incidência de mais de um fator de insalubridade, será apenas con-


siderado o de grau mais elevado, para efeito de acréscimo salarial, sendo vedada a
percepção cumulativa.
15.4. A eliminação ou neutralização da insalubridade determinará a cessação do paga-
mento do adicional respectivo.
15.4.1. A eliminação ou neutralização da insalubridade deverá ocorrer:
a) com a adoção de medidas de ordem geral que conservem o ambiente de traba-
lho dentro dos limites de tolerância;
b) com a utilização de equipamento de proteção individual.
15.4.1.1. Cabe à autoridade regional competente em matéria de segurança e saúde
do trabalhador, comprovada a insalubridade por laudo técnico de engenheiro de
segurança do trabalho ou médico do trabalho, devidamente habilitado, fixar adi-
cional devido aos empregados expostos à insalubridade quando impraticável sua
eliminação ou neutralização.
15.4.1.2. A eliminação ou neutralização da insalubridade ficará caracterizada atra-
vés de avaliação pericial por órgão competente, que comprove a inexistência de
risco à saúde do trabalhador.
15.5. É facultado às empresas e aos sindicatos das categorias profissionais interessadas
requererem ao Ministério do Trabalho, através das DRTs, a realização de perícia em
estabelecimento ou setor deste, com o objetivo de caracterizar e classificar ou deter-
minar atividade insalubre.
15.5.1. Nas perícias requeridas às Delegacias Regionais do Trabalho, desde que
comprovada a insalubridade, o perito do Ministério do Trabalho indicará o adi-
cional devido.
15.6. O perito descreverá no laudo a técnica e a aparelhagem utilizadas.
15.7. O disposto no item 15.5. não prejudica a ação fiscalizadora do MTb nem a
realização exofficio da perícia, quando solicitado pela Justiça, nas localidades onde
não houver perito.

ANEXO N. 1
Limites de Tolerância para Ruído Contínuo ou Intermitente

Nível de Ruído dB (A) Máxima Exposição Diária Permissível


85 8 horas
86 7 horas
87 6 horas
88 5 horas
89 4 horas e 30 minutos
90 4 horas
91 3 horas e 30 minutos
92 3 horas
93 2 horas e 40 minutos
(continua)

156
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

Nível de Ruído dB (A) Máxima Exposição Diária Permissível


94 2 horas e 15 minutos
95 2 horas
96 1 hora e 45 minutos
98 1 hora e 15 minutos
100 1 hora
102 45 minutos
104 35 minutos
105 30 minutos
106 25 minutos
108 20 minutos
110 15 minutos
112 10 minutos
114 8 minutos
115 7 minutos

1. Entende-se por Ruído Contínuo ou Intermitente, para os fins de aplicação de Li-


mites de Tolerância, o ruído que não seja ruído de impacto.
2. Os níveis de ruído contínuo ou intermitente devem ser medidos em decibéis (dB)
com instrumento de nível de pressão sonora operando no circuito de compensação
“A” e circuito de resposta lenta (SLOW). As leituras devem ser feitas próximas ao
ouvido do trabalhador.
3. Os tempos de exposição aos níveis de ruído não devem exceder os limites de tole-
rância fixados no Quadro deste anexo. (115.050-2/I3)
4. Para os valores encontrados de nível de ruído intermediário será considerada a
máxima exposição diária permissível relativa ao nível imediatamente mais elevado.
5. Não é permitida exposição a níveis de ruído acima de 115 dB(A) para indivíduos
que não estejam adequadamente protegidos. (115.051-0/I4)
6. Se durante a jornada de trabalho ocorrerem dois ou mais períodos de exposição
a ruído de diferentes níveis, devem ser considerados os seus efeitos combinados, de
forma que, se a soma das seguintes frações:

C1 C2 C3 Cn
+ + +
T1 T2 T3 Tn

exceder a unidade, a exposição estará acima do limite de tolerância.


Na equação acima, Cn indica o tempo total que o trabalhador fica exposto a um nível
de ruído específico, e Tn indica a máxima exposição diária permissível a este nível,
segundo o Quadro deste Anexo.
7. As atividades ou operações que exponham os trabalhadores a níveis de ruído, con-
tínuo ou intermitente, superiores a 115 dB(A), sem proteção adequada, oferecerão
risco grave e iminente.

157
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

ANEXO N. 2
Limites de Tolerância para Ruídos de Impacto

1. Entende-se por ruído de impacto aquele que apresenta picos de energia acústica de
duração inferior a 1 (um) segundo, a intervalos superiores a 1 (um) segundo.
2. Os níveis de impacto deverão ser avaliados em decibéis (dB), com medidor de nível
de pressão sonora operando no circuito linear e circuito de resposta para impacto. As
leituras devem ser feitas próximas ao ouvido do trabalhador. O limite de tolerância
para ruído de impacto será de 130 dB (linear). Nos intervalos entre os picos, o ruído
existente deverá ser avaliado como ruído contínuo.
3. Em caso de não se dispor de medidor de nível de pressão sonora com circuito de
resposta para impacto, será válida a leitura feita no circuito de resposta rápida (FAST)
e circuito de compensação “C”. Neste caso, o limite de tolerância será de 120 dB (C).
4. As atividades ou operações que exponham os trabalhadores, sem proteção adequa-
da, a níveis de ruído de impacto superiores a 140 dB (LINEAR), medidos no circuito
de resposta para impacto, ou superiores a 130 dB (C), medidos no circuito de resposta
rápida (FAST), oferecerão risco grave e iminente. (115.052-9/I4)

ANEXO N. 3
Limites de Tolerância para Exposição ao Calor

1. A exposição ao calor deve ser avaliada através do “Índice de Bulbo Úmido Termô-
metro de Globo” – IBUTG definido pelas equações que se seguem: (115.053-7/I3)
Ambientes internos ou externos sem carga solar:
IBUTG = 0,7 tbn + 0,3 tg
Ambientes externos com carga solar:
IBUTG = 0,7 tbn + 0,1 tbs + 0,2 tg
onde:
tbn = temperatura de bulbo úmido natural
tg = temperatura de globo
tbs = temperatura de bulbo seco.
2. Os aparelhos que devem ser usados nesta avaliação são: termômetro de bulbo úmi-
do natural, termômetro de globo e termômetro de mercúrio comum.
3. As medições devem ser efetuadas no local onde permanece o trabalhador, à altura
da região do corpo mais atingida.
Limites de Tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermiten-
te com períodos de descanso no próprio local de prestação de serviço.
1. Em função do índice obtido, o regime de trabalho intermitente será definido no
Quadro n. 1.

158
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

QUADRO N. 1 (115.006-5/I4)
Regime de Trabalho Intermitente
com Descanso no Próprio Local Tipo de Atividade
de Trabalho (por hora) Leve Moderada Pesada
Trabalho contínuo até 30,0 até 26,7 até 25,0
45 minutos de trabalho
30,1 a 30,6 26,8 a 28,0 25,1 a 25,9
15 minutos de descanso
30 minutos de trabalho
30,7 a 31,4 28,1 a 29,4 26,0 a 27,9
30 minutos de descanso
15 minutos de trabalho
31,5 a 32,2 29,5 a 31,1 28,0 a 30,0
45 minutos de descanso
Não é permitido o trabalho sem a
adoção de medidas adequadas de acima de 32,2 acima de 31,1 acima de 30,0
controle
2. Os períodos de descanso serão considerados tempo de serviço para todos os efeitos
legais.
3. A determinação do tipo de atividade (Leve, Moderada ou Pesada) é feita consultan-
do-se o Quadro n. 3.
Limites de Tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermiten-
te com período de descanso em outro local (local de descanso).
1. Para os fins deste item, considera-se como local de descanso ambiente termicamen-
te mais ameno, com o trabalhador em repouso ou exercendo atividade leve.
2. Os limites de tolerância são dados segundo o Quadro n. 2.

QUADRO N. 2 (115.007-3/I4)
M (Kcal/h) Máximo IBTUG
175 30,5
200 30,0
250 28,5
300 27,5
350 26,5
400 26,0
450 25,5
500 25,0

159
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

Onde: M é a taxa de metabolismo média ponderada para uma hora, determinada pela
seguinte fórmula:
M = Mt 3 Tt + Md 3 Td
60
Sendo:

Mt – taxa de metabolismo no local de trabalho.


Tt – soma dos tempos, em minutos, em que se permanece no local de trabalho.
Md – taxa de metabolismo no local de descanso.
Td – soma dos tempos, em minutos, em que se permanece no local de descanso.

IBUTG é o valor IBUTG médio ponderado para uma hora, determinado pela seguin-
te fórmula:

IBUTG = IBUTGt 3 Tt + IBUTGd 3 Td


60

Sendo:
IBUTGt = valor do IBUTG no local de trabalho.
IBUTGd = valor do IBUTG no local de descanso.
Tt e Td = como anteriormente definidos.
Os tempos Tt e Td devem ser tomados no período mais desfavorável do ciclo de tra-
balho, sendo Tt + Td = 60 minutos corridos.
3. As taxas de metabolismo Mt e Md serão obtidas consultando-se o Quadro n. 3.
4. Os períodos de descanso serão considerados tempo de serviço para todos os efeitos
legais.

160
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

QUADRO N. 3
Taxas de Metabolismo por Tipo de Atividade (115.008-1/I4)

Tipo de Atividade Kcal/h


Sentado em repouso 100
Trabalho Leve 
Sentado, movimentos moderados com braços e tronco (ex.: datilografia). 125
Sentado, movimentos moderados com braços e pernas (ex.: dirigir). 150
De pé, trabalho leve, em máquina ou bancada, principalmente com os braços. 150
Trabalho Moderado 
Sentado, movimentos vigorosos com braços e pernas. 180
De pé, trabalho leve em máquina ou bancada, com alguma movimentação. 175
De pé, trabalho moderado em máquina ou bancada, com alguma 220
movimentação.
Em movimento, trabalho moderado de levantar ou empurrar 300
Trabalho Pesado 
Trabalho intermitente de levantar, empurrar ou arrastar pesos (ex.: remoção 440
com pá)
Trabalho fatigante 550

ANEXO N. 4
(Revogado pela Portaria MTPS n. 3.751, de 23.11.90 – DOU 26.11.90)

ANEXO N. 5
Radiações Ionizantes (115.054-5/I3)

Nas atividades ou operações onde trabalhadores possam ser expostos a radiações ioni-
zantes, os limites de tolerância, os princípios, as obrigações e controles básicos para a
proteção do homem e do seu meio ambiente contra possíveis efeitos indevidos causa-
dos pela radiação ionizante, são os constantes da Norma CNEN-NE-3.01: “Diretrizes
Básicas de Radioproteção”, de julho de 1988, aprovada, em caráter experimental, pela
Resolução CNEN n. 12/88, ou daquela que venha a substituí-la. (Parágrafo dado pela
Portaria n. 04, de 11 de abril de 1994)

ANEXO N. 6
Trabalho sob Condições Hiperbáricas
(Título alterado pela Portaria SSMT n. 24, de 14 de setembro de 1983)

Este Anexo trata dos trabalhos sob ar comprimido e dos trabalhos submersos.
1. Trabalhos sob Ar Comprimido.
(Alterado pela Portaria SSMT n. 05, de 09 de fevereiro de 1983)
1.1. Trabalhos sob ar comprimido são os efetuados em ambientes onde o trabalhador

161
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

é obrigado a suportar pressões maiores que a atmosférica e onde se exige cuidadosa


descompressão, de acordo com as tabelas anexas.
1.2. Para fins de aplicação deste item, define-se:
a) Câmara de Trabalho – É o espaço ou compartimento sob ar comprimido, no in-
terior da qual o trabalho está sendo realizado;
b) Câmara de Recompressão – É uma câmara que, independentemente da câmara de
trabalho, é usada para tratamento de indivíduos que adquirem doença descompressiva
ou embolia e é diretamente supervisionada por médico qualificado;
c) Campânula – É uma câmara através da qual o trabalhador passa do ar livre para a
câmara de trabalho do tubulão e vice-versa;
d) Eclusa de Pessoal – É uma câmara através da qual o trabalhador passa do ar livre
para a câmara de trabalho do túnel e vice-versa;
e) Encarregado de Ar Comprimido – É o profissional treinado e conhecedor das
diversas técnicas empregadas nos trabalhos sob ar comprimido, designado pelo em-
pregador como o responsável imediato pelos trabalhadores;
f ) Médico Qualificado – É o médico do trabalho com conhecimentos comprovados
em Medicina Hiperbárica, responsável pela supervisão e pelo programa médico;
g) Operador de Eclusa ou de Campânula – É o indivíduo previamente treinado nas
manobras de compressão e descompressão das eclusas ou campânulas, responsável
pelo controle da pressão no seu interior;
h) Período de Trabalho – É o tempo durante o qual o trabalhador fica submetido
a pressão maior que a do ar atmosférico, excluindo-se o período de descompressão;
i) Pressão de Trabalho – É a maior pressão de ar à qual é submetido o trabalhador no
tubulão ou túnel durante o período de trabalho;
j) Túnel Pressurizado – É uma escavação, abaixo da superfície do solo, cujo maior
eixo faz um ângulo não superior a 45º (quarenta e cinco graus) com a horizontal, fe-
chado nas duas extremidades, em cujo interior haja pressão superior a uma atmosfera;
l) Tubulão de Ar Comprimido – É uma estrutura vertical que se estende abaixo da
superfície da água ou solo, através da qual os trabalhadores devem descer, entrando
pela campânula, para uma pressão maior que atmosférica. A atmosfera pressurizada
opõe-se à pressão da água e permite que os homens trabalhem em seu interior.
1.3. O disposto neste item aplica-se a trabalhos sob ar comprimido em tubulões pneu-
máticos e túneis pressurizados.
1.3.1. Todo trabalho sob ar comprimido será executado de acordo com as prescri-
ções dadas a seguir e quaisquer modificações deverão ser previamente aprovadas pelo
órgão nacional competente em segurança e medicina do trabalho. (115.055-3/I4)
1.3.2. O trabalhador não poderá sofrer mais que uma compressão num período
de 24 (vinte e quatro) horas.
1.3.3. Durante o transcorrer dos trabalhos sob ar comprimido, nenhuma pessoa
poderá ser exposta à pressão superior a 3,4 kgf/cm2, exceto em caso de emergên-
cia ou durante tratamento em câmara de recompressão, sob supervisão direta do
médico responsável.
1.3.4. A duração do período de trabalho sob ar comprimido não poderá ser supe-

162
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

rior a 8 (oito) horas, em pressões de trabalho de 0 a 1,0 kgf/cm2; a 6 (seis) horas


em pressões de trabalho de 1,1 a 2,5 kgf/cm2; e a 4 (quatro) horas, em pressão de
trabalho de 2,6 a 3,4 kgf/cm2.
1.3.5. Após a descompressão, os trabalhadores serão obrigados a permanecer, no
mínimo, por 2 (duas) horas no canteiro de obra, cumprindo um período de ob-
servação médica.
1.3.5.1. O local adequado para o cumprimento do período de observação deverá
ser designado pelo médico responsável.
1.3.6. Para trabalhos sob ar comprimido, os empregados deverão satisfazer os se-
guintes requisitos:
a) ter mais de 18 (dezoito) e menos de 45 (quarenta e cinco) anos de idade;
b) ser submetido a exame médico obrigatório, pré-admissional e periódico, exigi-
do pelas características e peculiaridades próprias do trabalho;
c) ser portador de placa de identificação, de acordo com o modelo anexo (Quadro
I), fornecida no ato da admissão, após a realização do exame médico.
1.3.7. Antes da jornada de trabalho, os trabalhadores deverão ser inspecionados
pelo médico, não sendo permitida a entrada em serviço daqueles que apresentem
sinais de afecções das vias respiratórias ou outras moléstias.
1.3.7.1. É vedado o trabalho àqueles que se apresentem alcoolizados ou com sinais
de ingestão de bebidas alcoólicas.
1.3.8. É proibido ingerir bebidas gasosas e fumar dentro dos tubulões e túneis.
1.3.9. Junto ao local de trabalho, deverão existir instalações apropriadas à Assis-
tência Médica, à recuperação, à alimentação e à higiene individual dos trabalha-
dores sob ar comprimido.
1.3.10. Todo empregado que vá exercer trabalho sob ar comprimido deverá ser
orientado quanto aos riscos decorrentes da atividade e às precauções que deverão
ser tomadas, mediante educação audiovisual.
1.3.11. Todo empregado sem prévia experiência em trabalhos sob ar comprimido
deverá ficar sob supervisão de pessoa competente, e sua compressão não poderá
ser feita se não for acompanhado, na campânula, por pessoa hábil para instruí-lo
quanto ao comportamento adequado durante a compressão.
1.3.12. As turmas de trabalho deverão estar sob a responsabilidade de um encarregado
de ar comprimido, cuja principal tarefa será a de supervisionar e dirigir as operações.
1.3.13. Para efeito de remuneração, deverão ser computados na jornada de traba-
lho o período de trabalho, o tempo de compressão, descompressão e o período de
observação médica.
1.3.14. Em relação à supervisão médica para o trabalho sob ar comprimido, deve-
rão ser observadas as seguintes condições:
a) sempre que houver trabalho sob ar comprimido, deverá ser providenciada a
assistência por médico qualificado, bem como local apropriado para atendimento
médico;
b) todo empregado que trabalhe sob ar comprimido deverá ter uma ficha médica,
onde deverão ser registrados os dados relativos aos exames realizados;

163
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

c) nenhum empregado poderá trabalhar sob ar comprimido, antes de ser exami-


nado por médico qualificado, que atestará, na ficha individual, estar essa pessoa
apta para o trabalho;
d) o candidato considerado inapto não poderá exercer a função, enquanto perma-
necer sua inaptidão para esse trabalho;
e) o atestado de aptidão terá validade por 6 (seis) meses;
f ) em caso de ausência ao trabalho por mais de 10 (dez) dias ou afastamento por
doença, o empregado, ao retornar, deverá ser submetido a novo exame médico.
1.3.15. Exigências para Operações nas Campânulas ou Eclusas.
1.3.15.1. Deverá estar presente no local, pelo menos, uma pessoa treinada nesse
tipo de trabalho e com autoridade para exigir o cumprimento, por parte dos em-
pregados, de todas as medidas de segurança preconizadas neste item.
1.3.15.2. As manobras de compressão e descompressão deverão ser executadas
através de dispositivos localizados no exterior da campânula ou eclusa, pelo ope-
rador das mesmas. Tais dispositivos deverão existir também internamente, porém
serão utilizados somente em emergências. No início de cada jornada de trabalho,
os dispositivos de controle deverão ser aferidos.
1.3.15.3. O operador da campânula ou eclusa anotará, em registro adequado
(Quadro II) e para cada pessoa o seguinte:
a) hora exata da entrada e saída da campânula ou eclusa;
b) pressão do trabalho;
c) hora exata do início e do término de descompressão.
1.3.15.4. Sempre que as manobras citadas no subitem 1.3.15.2 não puderem ser
realizadas por controles externos, os controles de pressão deverão ser dispostos
de maneira que uma pessoa, no interior da campânula, de preferência o capataz,
somente possa operá-los sob vigilância do encarregado da campânula ou eclusa.
1.3.15.5. Em relação à ventilação e à temperatura, serão observadas as seguintes
condições:
a) durante a permanência dos trabalhadores na câmara de trabalho ou na campâ-
nula ou eclusa, a ventilação será contínua, à razão de, no mínimo, 30 (trinta) pés
cúbicos/min./homem;
b) a temperatura, no interior da campânula ou eclusa, da câmara de trabalho, não
excederá a 27 ºC (temperatura de globo úmido), o que poderá ser conseguido
resfriando-se o ar através de dispositivos apropriados (resfriadores), antes da en-
trada na câmara de trabalho, campânula ou eclusa, ou através de outras medidas
de controle;
c) a qualidade do ar deverá ser mantida dentro dos padrões de pureza estabelecidos
no subitem 1.3.15.6, através da utilização de filtros apropriados, colocados entre a
fonte de ar e a câmara de trabalho, campânula ou eclusa.
1.3.15.6.

164
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

Contaminante Limite de Tolerância


Monóxido de carbono 20 ppm
Dióxido de carbono 2.500 ppm
Óleo ou material particulado 5 mg/m3 (PT > 2 kgf/cm2)
3 g/m3 (PT < 2 kgf/cm2)
Metano 10% do limite inferior de explosividade
Oxigênio mais de 20%

1.3.15.7. A comunicação entre o interior dos ambientes sob pressão de ar compri-


mido e o exterior deverá ser feita por sistema de telefonia ou similar.
1.3.16. A compressão dos trabalhadores deverá obedecer às seguintes regras:
a) no primeiro minuto, após o início da compressão, a pressão não poderá ter
incremento maior que 0,3 kgf/cm2;
b) atingido o valor 0,3 kgf/cm2, a pressão somente poderá ser aumentada após
decorrido intervalo de tempo que permita ao encarregado da turma observar se
todas as pessoas na campânula estão em boas condições;
c) decorrido o período de observação, recomendado na alínea “b”, o aumento da
pressão deverá ser feito a uma velocidade não superior a 0,7 kgf/cm2, por minuto,
para que nenhum trabalhador seja acometido de mal-estar;
d) se algum dos trabalhadores se queixar de mal-estar, dores no ouvido ou na cabe-
ça, a compressão deverá ser imediatamente interrompida e o encarregado reduzirá
gradualmente a pressão da campânula até que o trabalhador se recupere e, não
ocorrendo a recuperação, a descompressão continuará até a pressão atmosférica,
retirando-se, então, a pessoa e encaminhado-a ao serviço médico.
1.3.17. Na descompressão de trabalhadores expostos à pressão de 0,0 a 3,4 kgf/
cm2, serão obedecidas as tabelas anexas (Quadro III) de acordo com as seguintes
regras:
a) sempre que duas ou mais pessoas estiverem sendo descomprimidas na mesma
campânula ou eclusa e seus períodos de trabalho ou pressão de trabalho não forem
coincidentes, a descompressão processar-se-á de acordo com o maior período ou
maior pressão de trabalho experimentada pelos trabalhadores envolvidos;
b) a pressão será reduzida a uma velocidade não superior a 0,4 kgf/cm2, por mi-
nuto, até o primeiro estágio de descompressão, de acordo com as tabelas anexas; a
campânula ou eclusa deve ser mantida naquela pressão, pelo tempo indicado em
minutos, e depois diminuída a pressão à mesma velocidade anterior, até o próximo
estágio e assim por diante; para cada 5 (cinco) minutos de parada, a campânula
deverá ser ventilada à razão de 1 (um) minuto.
1.3.18. Para o tratamento de caso de doença descompressiva ou embolia traumáti-
ca pelo ar, deverão ser empregadas as tabelas de tratamento de VAN DER AUER
e as de WORKMAN e GOODMAN.

165
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

1.3.19 As atividades ou operações realizadas sob ar comprimido serão considera-


das insalubres de grau máximo.
1.3.20 O não cumprimento ao disposto neste item caracteriza o grave e iminente
risco para os fins e efeitos da NR 3.

QUADRO I
MODELO DE PLACA DE IDENTIFICAÇÃO PARA TRABALHO EM
AMBIENTE SOB AR COMPRIMIDO
FRENTE VERSO

EM CASO DE INCONSCIÊNCIA
NOME DA CIA.
OU MAL DE CAUSA
LOCAL E ANO
INDETERMINADA, TELEFONAR
4 cm

4 cm
NOME DO TRABALHADOR
IMEDIATAMENTE PARA O NO
ATENÇÃO: TRABALHA EM AR
E ENCAMINHAR O PORTADOR
COMPRIMIDO
DESTE PARA

6 cm 6 cm

ESPECIFICAÇÃO DO MATERIAL DA PLACA:


Alumínio com espessura de 2 mm

QUADRO II
FOLHA DE REGISTRO DO TRABALHO SOB AR COMPRIMIDO

FIRMA ________________________________________________ DATA _____________________


OBRA ___________________________________________________________________________
NOME DO ENCARREGADO _______________________________________________________
Compressão Descompressão
Nome Função Pressão Período
Hora de
de de Início Término Duração Obs.
Entrada
Trabalho Trabalho 
   

166
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

QUADRO III
TABELAS DE DESCOMPRESSÃO

Pressão de Trabalho de 0 a 0,900 kgf/cm2

Período de Trabalho Estágio de Tempo Total de


(Horas) Descompressão Descompressão*
0,3 kgf/cm2
0 a 6:00 4 min. 7 min.
6 a 8:00 14 min. 17 min.
+ de 8:00 ** 30 min. 33 min.
NOTAS:
A velocidade de descompressão entre os estágios não deverá exceder a 0,3 kgf/cm2 por minuto;
(*) incluído tempo de descompressão entre os estágios;
(**) somente em casos excepcionais, não podendo ultrapassar 12 horas.

Período de trabalho de ½ a 1 hora


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2
1,0 a 1,2               -
1,2 a 1,4             -
1,4 a 1,6             5 5
1,6 a 1,8           10 10
1,8 a 2,0         5 15 20
NOTAS:
(*) A descompressão, tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita à velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm2/minuto;
(**) não está incluído o tempo entre estágio;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

Período de trabalho de 1h a 1 ½ hora


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2
1,0 a 1,2               -
1,2 a 1,4             5 5
1,4 a 1,6             10 10
1,6 a 1,8          5 15 20
1,8 a 2,0         5 30 35
NOTAS:
(*) A descompressão, tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita à velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm2/min;
(**) não está incluído o tempo entre estágios;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

167
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

Período de trabalho de 1 ½ a 2 horas


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2
1,0 a 1,2             5 5
1,2 a 1,4             10 10
1,4 a 1,6           5  20 25
1,6 a 1,8         10 30 40
1,8 a 2,0        5 15 35 55
NOTAS:
(*) A descompressão, tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita à velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm²/minuto;
(**) não está incluído o tempo entre estágios;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

Período de trabalho de 2h a 2 ½ horas


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2
1,0 a 1,2             5 5
1,2 a 1,4             20 20
1,4 a 1,6           5  30 35
1,6 a 1,8         15 40 55
1,8 a 2,0        5 25 40 70
NOTAS:
(*) A descompressão, tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita à velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm²/minuto;
(**) não está incluído o tempo entre estágios;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

Período de trabalho de 2 ½ a 3 horas


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2
1,0 a 1,2             10 10
1,2 a 1,4           5 20 25
1,4 a 1,6           10  35 45
1,6 a 1,8        5 20 40 65
1,8 a 2,0       10 30 40 80
NOTAS:
(*) A descompressão, tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita à velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm²/minuto;
(**) não está incluído o tempo entre estágios;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

168
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

Período de trabalho de 3 a 4 horas


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2
1,0 a 1,2           15 15
1,2 a 1,4         5 30 35
1,4 a 1,6       15 40 55
1,6 a 1,8     5 25 45 75
1,8 a 2,0   5 15 30 45 95

NOTAS:
(*) A descompressão, tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita à velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm²/minuto;
(**) não está incluído o tempo entre estágios;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

Período de trabalho de 4 a 6 horas ****


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,8 1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2
1,0 a 1,2           20 20
1,2 a 1,4         5 35 40
1,4 a 1,6       5 20 40 65
1,6 a 1,8     10 30 45 85
1,8 a 2,0   5 20 35 45 105
NOTAS:
(*) A descompressão, tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita à velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm²/minuto;
(**) não está incluído o tempo entre estágios;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.
(****) até 8 (oito) horas para pressão de trabalho de 1,0 kgf/cm2. E até 6 (seis) horas, para as demais pressões.

Período de trabalho de 0 a ½ hora


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2
2,0 a 2,2           5 5
2,2 a 2,4     5 5
2,4 a 2,6     5 5
2,6 a 2,8   5 5
2,8 a 3,0   5 5 10
3,0 a 3,2 5 5 10
3,2 a 3,4 5 10 15
NOTAS:
(*) A descompressão, tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita à velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm²/minuto;
(**) não está incluído o tempo entre estágios;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

169
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

Período de trabalho de ½ a 1 hora


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2
2,0 a 2,2           5 15 20
2,2 a 2,4     5 20 25
2,4 a 2,6     10 25 35
2,6 a 2,8   5 10 35 50
2,8 a 3,0   5 15 40 60
3,0 a 3,2 5 5 20 40 70
3,2 a 3,4 5 10 25 40 80
NOTAS:
(*) A descompressão tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita a velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm²/minuto;
(**) não está incluindo o tempo entre os estágios;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

Período de trabalho de 1 a 1 ½ hora


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2
2,0 a 2,2         5 10 35 50
2,2 a 2,4         5 20 35 60
2,4 a 2,6         10 25 40 75
2,6 a 2,8     5 10 30 45 90
2,8 a 3,0     5 20 35 45 105
3,0 a 3,2 5 10 20 35 45 115
3,2 a 3,4 5 15 25 35 45 125
NOTAS:
(*) A descompressão, tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita à velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm²/minuto;
(**) não está incluído o tempo entre estágios;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

Período de trabalho de 1 ½ a 2 horas


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2

2,0 a 2,2           5 25 40 70
2,2 a 2,4         5 10 30 40 85
2,4 a 2,6         5 20 35 40 100
2,6 a 2,8     5 10 25 35 40 115
2,8 a 3,0     5 15 30 35 45 130
3,0 a 3,2 5 10 20 30 35 45 145
3,2 a 3,4 5 15 25 30 35 45 155
NOTAS:
(*) A descompressão, tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita à velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm²/minuto;
(**) não está incluído o tempo entre estágios;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

170
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

Período de trabalho de 2 a 2 ½ horas


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2
2,0 a 2,2         5 10 30 45 90
2,2 a 2,4         5 20 35 45 105
2,4 a 2,6       5 10 25 35 45 120
2,6 a 2,8     5 20 30 35 45 135
2,8 a 3,0   5 10 20 30 35 45 145
3,0 a 3,2 5 5 15 25 30 35 45 160
3,2 a 3,4 5 10 20 25 30 40 45 175
NOTAS:
(*) A descompressão, tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita à velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm²/minuto;
(**) não está incluído o tempo entre estágios;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

Período de trabalho de 2 ½ a 3 horas


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2
2,0 a 2,2       5 15 35 40 95
2,2 a 2,4       10 25 35 45 115
2,4 a 2,6     5 15 30 35 45 130
2,6 a 2,8   5 10 20 30 35 45 145
2,8 a 3,0   5 20 25 30 35 45 160
3,0 a 3,2 5 10 20 25 30 40 45 175
3,2 a 3,4 5 5 15 25 25 30 40 45 190
NOTAS:
(*) A descompressão, tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita à velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm²/minuto;
(**) não está incluído o tempo entre estágios;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

Período de trabalho de 3 a 4 horas


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2
2,0 a 2,2         10 20 35 45 110
2,2 a 2,4       5 15 25 40 45 130
2,4 a 2,6     5 5 25 30 40 45 150
2,6 a 2,8     5 15 25 30 40 45 160
2,8 a 3,0   5 10 20 25 30 40 45 175
3,0 a 3,2 5 5 15 25 25 30 40 45 190
3,2 a 3,4 5 15 20 25 30 30 40 45 210
NOTAS:
(*) A descompressão, tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita à velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm²/minuto;
(**) não está incluído o tempo entre estágios;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.

171
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

Período de trabalho de 4 a 6 horas


Estágio de Descompressão (kgf/cm2)*
Pressão de Trabalho*** Tempo Total
(kgf/cm2) Descompressão** (min.)
1,6 1,4 1,2 1,0 0,8 0,6 0,4 0,2
2,0 a 2,2       5 10 25 40 50 130
2,2 a 2,4       10 20 30 40 55 155
2,4 a 2,6     5 15 25 30 45 60 180
2,6 a 2,8   5 10 20 25 30 45 70 205
2,8 a 3,0   10 15 20 30 40 50 80 245****
NOTAS:
(*) A descompressão, tanto para o 1o estágio quanto entre os estágios subsequentes, deverá ser feita à velocidade não
superior a 0,4 kgf/cm²/minuto;
(**) não está incluído o tempo entre estágios;
(***) para os valores-limite de pressão de trabalho use a maior descompressão.
(****) o período de trabalho mais o tempo de descompressão (incluindo tempo entre os estágios) não deverá exceder a
12 (doze) horas.

2. Trabalhos Submersos.
(Alterado pela Portaria SSMT n. 24, de 14 de setembro de 1983)
2.1. Para os fins do presente item consideram-se:
I – Águas Abrigadas: toda massa líquida que, pela existência de proteção natural
ou artificial, não estiver sujeita ao embate de ondas, nem correntezas superiores a
1 (um) nó;
II – Câmara Hiperbárica: um vaso de pressão especialmente projetado para a ocupa-
ção humana, no qual os ocupantes podem ser submetidos a condições hiperbáricas;
III – Câmara de Superfície: uma câmara hiperbárica especialmente projetada
para ser utilizada na descompressão dos mergulhadores, requerida pela operação
ou pelo tratamento hiperbárico;
IV – Câmara Submersível de Pressão Atmosférica: uma câmara resistente à pres-
são externa, especialmente projetada para uso submerso, na qual os seus ocupantes
permanecem submetidos à pressão atmosférica;
V – Câmara Terapêutica: a câmara de superfície destinada exclusivamente ao
tratamento hiperbárico;
VI – Comandante da Embarcação: o responsável pela embarcação que serve de
apoio aos trabalhos submersos;
VII – Condição Hiperbárica: qualquer condição em que a pressão ambiente seja
maior que a atmosférica;
VIII – Condições Perigosas: situações em que uma operação de mergulho envol-
va riscos adicionais ou condições adversas, tais como:
a) uso e manuseio de explosivos;
b) trabalhos submersos de corte e solda;
c) trabalhos em mar aberto;
d) correntezas superiores a 2 (dois) nós;
e) estado de mar superior a “mar de pequenas vagas” (altura máxima das ondas de
2,00 (dois) metros);

172
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

f ) manobras de peso ou trabalhos com ferramentas que impossibilitem o controle


da flutuabilidade do mergulhador;
g) trabalhos noturnos;
h) trabalhos em ambientes confinados.
IX – Contratante: pessoa física ou jurídica que contrata os serviços de mergulho
ou para quem esses serviços são prestados;
X – Descompressão: o conjunto de procedimentos, através do qual um mergu-
lhador elimina do seu organismo o excesso de gases inertes absorvidos durante
determinadas condições hiperbáricas, sendo tais procedimentos absolutamente
necessários, no seu retorno à pressão atmosférica, para a preservação da sua inte-
gridade física;
XI – Emergência: qualquer condição anormal capaz de afetar a saúde do mergu-
lhador ou a segurança da operação de mergulho;
XII – Empregador: pessoa física ou jurídica, responsável pela prestação dos servi-
ços, de quem os mergulhadores são empregados;
XIII – Equipamento Autônomo de Mergulho: aquele em que o suprimento de mis-
tura respiratória é levado pelo próprio mergulhador e utilizado como sua única fonte;
XIV – Linha de Vida: um cabo, manobrado do local de onde é conduzido o
mergulho, que, conectado ao mergulhador, permite recuperá-lo e içá-lo da água,
com seu equipamento;
XV – Mar Aberto: toda área que se encontra sob influência direta do mar alto;
XVI – Médico Hiperbárico: médico com curso de medicina hiperbárica com
currículo aprovado pela SSMT/MTb, responsável pela realização dos exames psi-
cofísicos admissional, periódico e demissional de conformidade com os Anexos A
e B e a NR 7;
XVII – Mergulhador: o profissional qualificado e legalmente habilitado para uti-
lização de equipamentos de mergulho, submersos;
XVIII – Mergulho de Intervenção: o mergulho caracterizado pelas seguintes
condições:
a) utilização de misturas respiratórias artificiais;
b) tempo de trabalho, no fundo, limitado a valores que não incidam no emprego
de técnica de saturação;
XIX – Misturas Respiratórias Artificiais: misturas de oxigênio, hélio ou outros
gases, apropriadas à respiração durante os trabalhos submersos, quando não seja
indicado o uso do ar natural;
XX – Operação de Mergulho: toda aquela que envolve trabalhos submersos e que
se estende desde os procedimentos iniciais de preparação até o final do período
de observação;
XXI – Período de Observação: aquele que se inicia no momento em que o mer-
gulhador deixa de estar submetido a condições hiperbáricas e se estende:
a) até 12 (doze) horas para os mergulhos com ar;
b) até 24 (vinte e quatro) horas para os mergulhos com misturas respiratórias
artificiais.

173
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

XXII – Plataforma de Mergulho: navio, embarcação, balsa, estrutura fixa ou


flutuante, canteiro de obras, estaleiro, cais ou local a partir do qual se realiza o
mergulho;
XXIII – Pressão Ambiente: a pressão do meio que envolve o mergulhador;
XXIV – Programa Médico: o conjunto de atividades desenvolvidas pelo empre-
gador, na área médica, necessárias à manutenção da saúde e integridade física do
mergulhador;
XXV – Regras de Segurança: os procedimentos básicos que devem ser observados
nas operações de mergulho, de forma a garantir sua execução em perfeita seguran-
ça e assegurar a integridade física dos mergulhadores;
XXVI – Sino Aberto: campânula com a parte inferior aberta e provida de estrado,
de modo a abrigar e permitir o transporte de, no mínimo, 2 (dois) mergulhadores,
da superfície ao local de trabalho, devendo possuir sistema próprio de comunica-
ção, suprimento de gases de emergência e vigias que permitam a observação de
seu exterior;
XXVII – Sino de Mergulho: uma câmara hiperbárica, especialmente projetada
para ser utilizada em trabalhos submersos;
XXVIII – Sistema de Mergulho: o conjunto de equipamentos necessários à exe-
cução de operações de mergulho, dentro das normas de segurança;
XXIX – Supervisor de Mergulho: o mergulhador, qualificado e legalmente
habilitado, designado pelo empregador para supervisionar a operação de mer-
gulho;
XXX – Técnicas de Saturação: os procedimentos pelos quais um mergulhador
evita repetidas descompressões para a pressão atmosférica, permanecendo subme-
tido à pressão ambiente maior que aquela, de tal forma que seu organismo se
mantenha saturado com os gases inertes das misturas respiratórias;
XXXI – Técnico de Saturação: o profissional devidamente qualificado para apli-
cação das técnicas adequadas às operações em saturação;
XXXII – Trabalho Submerso: qualquer trabalho realizado ou conduzido por um
mergulhador em meio líquido;
XXXIII – Umbilical: o conjunto de linha de vida, mangueira de suprimento res-
piratório e outros componentes que se façam necessários à execução segura do
mergulho, de acordo com a sua complexidade.
2.1.1. O curso referido no inciso XVI do subitem 2.1 poderá ser ministrado por
instituições reconhecidas e autorizadas pelo MEC e credenciadas pela FUNDA-
CENTRO para ministrar o referido curso.
2.1.2. O credenciamento junto à FUNDACENTRO referido no subitem 2.1.1 e
o registro do médico hiperbárico na SSMT/MTb serão feitos obedecendo às nor-
mas para credenciamento e registro na área de segurança e medicina do trabalho.
2.2. Das obrigações do contratante.
2.2.1. Será de responsabilidade do contratante:
a) exigir do empregador, através do instrumento contratual, que os serviços sejam
desenvolvidos de acordo com o estabelecido neste item;

174
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

b) exigir do empregador que apresente Certificado de Cadastramento expedido


pela Diretoria de Portos e Costas – DPC;
c) oferecer todos os meios ao seu alcance para atendimento em casos de emergên-
cia quando solicitado pelo supervisor de mergulho.
2.3. Das obrigações do empregador.
2.3.1. Será de responsabilidade do empregador:
a) garantir que todas as operações de mergulho obedeçam a este item; (115.056-1/I4)
b) manter disponível, para as equipes de mergulho, nos locais de trabalho, manu-
ais de operação completos, equipamentos e tabelas de descompressão adequadas;
c) indicar por escrito os integrantes da equipe e suas funções;
d) comunicar, imediatamente, à Delegacia do Trabalho Marítimo da região, atra-
vés de relatório circunstanciado, os acidentes ou situações de risco ocorridos du-
rante a operação de mergulho;
e) exigir que os atestados médicos dos mergulhadores estejam atualizados;
f ) garantir que as inspeções de saúde sejam conduzidas de acordo com as dispo-
sições do subitem 2.9 e propiciar condições adequadas à realização dos exames
médico-ocupacionais;
g) garantir a aplicação do programa médico aos seus mergulhadores, bem como
assegurar comunicações eficientes e meios para, em caso de acidente, prover o
transporte rápido de médico qualificado para o local da operação;
h) fornecer à equipe de mergulho as provisões, roupas de trabalho e equipamen-
tos, inclusive os de proteção individual, necessários à condução segura das opera-
ções planejadas;
i) assegurar que os equipamentos estejam em perfeitas condições de funcionamen-
to e tenham os seus certificados de garantia dentro do prazo de validade;
j) prover os meios para assegurar o cumprimento dos procedimentos normais e
de emergência, necessários à segurança da operação de mergulho, bem como à
integridade física das pessoas nela envolvida;
l) fornecer, imediatamente, aos órgãos competentes, todas as informações a res-
peito das operações, equipamentos de mergulho e pessoal envolvidos, quando so-
licitadas;
m) timbrar e assinar os livros de registro dos mergulhadores, referentes às opera-
ções de mergulho em que os mesmos tenham participado;
n) guardar os Registros das Operações de Mergulho – ROM e outros julgados
necessários, por um período mínimo de 5 (cinco) anos, a contar da data de sua
realização;
o) providenciar, para as equipes, condições adequadas de alojamento, alimentação
e transporte.
2.4. Das Obrigações do Comandante da Embarcação ou do Responsável pela Plata-
forma de Mergulho.
2.4.1. Será de responsabilidade do comandante da embarcação ou do responsável
pela plataforma de mergulho:
a) não permitir a realização de nenhuma atividade que possa oferecer perigo para

175
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

os mergulhadores que tenham a embarcação como apoio, consultando o supervi-


sor de mergulho sobre as que possam afetar a segurança da operação antes que os
mergulhos tenham início;
b) tornar disponível ao supervisor, quando solicitado por este, durante as opera-
ções de mergulho e em casos de emergência, todo equipamento, espaço ou facili-
dade para garantir a integridade física dos mergulhadores;
c) garantir que nenhuma manobra seja realizada e qualquer máquina ou equipa-
mento pare de operar, se oferecerem perigo para os mergulhadores em operação;
d) providenciar para que o supervisor de mergulho seja informado, antes do início
da operação e a convenientes intervalos no curso da mesma, sobre as previsões
meteorológicas para a área de operação;
e) avisar as outras embarcações, nas imediações da realização da operação de mer-
gulho, usando, para isso, sinalização, balizamento ou outros meios adequados e
eficientes.
2.5. Das Obrigações do Supervisor de Mergulho.
2.5.1. Será de responsabilidade do supervisor de mergulho:
a) assumir o controle direto da operação para a qual foi indicado;
b) só permitir que a operação de mergulho seja conduzida dentro do prescrito no
presente item;
c) assinar o livro de registro de cada mergulhador participante da operação;
d) não mergulhar durante a operação de mergulho, quando atuando como super-
visor;
e) só permitir que tomem parte na operação pessoas legalmente qualificadas e em
condições para o trabalho;
f ) decidir com os outros supervisores, quando dois ou mais supervisores forem
indicados para uma operação, os períodos da responsabilidade de cada um;
g) efetuar e preservar os registros especificados no subitem 2.12;
h) estabelecer, com o comandante da embarcação ou responsável pela plataforma
de mergulho, as medidas necessárias ao bom andamento e à segurança da operação
de mergulho, antes do seu início;
i) requisitar a presença do médico qualificado no local da operação de mergulho,
nos casos em que haja necessidade de tratamento médico especializado;
j) não permitir a operação de mergulho se não houver, no local, os equipamentos
normais e de emergência adequados e em quantidade suficiente para sua condução
segura;
l) comunicar ao empregador, dentro do menor prazo possível, todos os acidentes
ou todas as situações de riscos, ocorridos durante a operação, inclusive as informa-
ções individuais encaminhadas pelos mergulhadores.
2.6. Dos Deveres dos Mergulhadores.
2.6.1. Será de responsabilidade do mergulhador:
a) portar, obrigatoriamente, o seu Livro de Registro do Mergulhador – LRM;
b) apresentar o LRM, sempre que solicitado pelo órgão competente, empregador,
contratante ou supervisor;

176
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

c) providenciar os registros referentes a todas as operações de mergulho em que


tenha tomado parte, tão breve quanto possível, respondendo legalmente pelas
anotações efetuadas;
d) informar ao supervisor de mergulho se está fisicamente inapto ou se há qual-
quer outra razão pela qual não possa ser submetido a condição hiperbárica;
e) guardar os seus LRM por um período mínimo de 5 (cinco) anos, a contar da
data do último registro;
f ) cumprir as regras de segurança e demais dispositivos deste item;
g) comunicar ao supervisor as irregularidades observadas durante a operação de
mergulho;
h) apresentar-se para exame médico, quando determinado pelo empregador;
i) assegurar-se, antes do início da operação, de que os equipamentos individuais
fornecidos pelo empregador estejam em perfeitas condições de funcionamento.
2.7. Da Classificação dos Mergulhadores.
2.7.1. Os mergulhadores serão classificados em duas categorias:
a) MR – mergulhadores habilitados, apenas, para operações de mergulho utilizan-
do ar comprimido;
b) MP – mergulhadores devidamente habilitados para operações de mergulho que
exijam a utilização de mistura respiratória artificial.
2.8. Das Equipes de Mergulho.
2.8.1. A equipe básica para mergulho com “ar comprimido” até a profundidade
de 50,00 m (cinquenta metros) e na ausência das condições perigosas definidas no
inciso VIII do subitem 2.1 deverá ter a constituição abaixo especificada, desde que
esteja prevista apenas descompressão na água:
a) 1 supervisor;
b) 1 mergulhador para a execução do trabalho;
c) 1 mergulhador de reserva, pronto para intervir em caso de emergência;
d) 1 auxiliar de superfície.
2.8.1.1. Em águas abrigadas, nas condições descritas no subitem 2.8.1, considera-
da a natureza do trabalho e, desde que a profundidade não exceda a 12,00 m (doze
metros) a equipe básica poderá ser reduzida de seu auxiliar de superfície.
2.8.2. Quando, em mergulhos nas condições estipuladas no subitem 2.8.1, estiver
programada descompressão na câmara de superfície, a equipe básica será acrescida
de 1 (um) mergulhador, que atuará como operador de câmara.
2.8.3. Na ocorrência de quaisquer das condições perigosas enumeradas no inciso
VIII do subitem 2.1, as equipes descritas nos subitens 2.8.1 e 2.8.2 serão acresci-
das de 1 (um) mergulhador, passando, respectivamente, a serem constituídas por
5 (cinco) e 6 (seis) homens.
2.8.4. Em toda operação de mergulho em que para a realização do trabalho for
previsto o emprego simultâneo de 2 (dois) ou mais mergulhadores na água, deverá
existir, no mínimo, 1 (um) mergulhador de reserva para cada 2 (dois) submersos.
2.8.5. Em operação a mais de 50,00 m (cinquenta metros), ou quando for utiliza-
do equipamento autônomo, serão sempre empregados, no mínimo, 2 (dois) mer-

177
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

gulhadores submersos, de modo que um possa, em caso de necessidade, prestar


assistência ao outro.
2.8.6. Nos mergulhos de intervenção, utilizando-se Misturas Respiratórias Artifi-
ciais – MRA, as equipes de mergulho terão a seguinte constituição:
a) até a profundidade de 120,00 m (cento e vinte metros):
- 1 supervisor
- 2 mergulhadores
- 1 mergulhador encarregado da operação do sino
- 1 mergulhador auxiliar
- 1 mergulhador de reserva para atender a possíveis emergências
b) de 120,00 m (cento e vinte metros) a 130,00 m (cento e trinta metros):
- todos os elementos acima e mais 1 (um) mergulhador encarregado da operação
da câmara hiperbárica.
2.8.7. Nas operações com técnica de saturação deverá haver, no mínimo, 2 (dois)
supervisores e 2 (dois) técnicos de saturação.
2.9. Exames Médicos.
2.9.1. É obrigatória a realização de exames médicos, dentro dos padrões estabe-
lecidos neste subitem, para o exercício da atividade de mergulho, em nível pro-
fissional.
2.9.2. Os exames médicos serão divididos em duas categorias:
a) exame pré-admissional para seleção de candidatos à atividade de mergulho;
b) exame periódico para controle do pessoal em atividade de mergulho.
2.9.3. Os exames médicos só serão considerados válidos, habilitando o mergulha-
dor para o exercício da atividade, quando realizados por médico qualificado.
2.9.4. Caberá, igualmente, ao médico qualificado, a condução dos testes de pres-
são e de tolerância de oxigênio.
2.9.5. Os exames deverão ser conduzidos de acordo com os padrões psicofísicos
estabelecidos nos Anexos A e B.
2.9.6. O médico concluirá os seus laudos por uma das seguintes formas:
a) apto para mergulho (integridade física e psíquica);
b) incapaz temporariamente para mergulho (patologia transitória);
c) incapaz definitivamente para mergulho (patologia permanente e/ou progressi-
va).
2.9.7. Os exames médicos dos mergulhadores serão realizados nas seguintes con-
dições:
a) por ocasião da admissão;
b) a cada 6 (seis) meses, para todo o pessoal em efetiva atividade de mergulho;
c) imediatamente, após acidente ocorrido no desempenho de atividade de mergu-
lho ou moléstia grave;
d) após o término de incapacidade temporária;
e) em situações especiais, por solicitação do mergulhador ao empregador.
2.9.7.1. Os exames médicos a que se refere o subitem anterior, só terão validade
quando realizados em território nacional.

178
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

2.9.8. Os exames complementares previstos nos Anexos A e B terão validade de


12 (doze) meses, ficando a critério do médico qualificado a solicitação, a qualquer
tempo, de qualquer exame que julgar necessário.
2.10. Das Regras de Segurança do Mergulho.
2.10.1. É obrigatório o uso de comunicações verbais em todas as operações de
mergulho realizadas em condições perigosas sendo que, em mergulhos com Mistu-
ras Respiratórias Artificiais – MRA, deverão ser incluídos instrumentos capazes de
corrigir as distorções sonoras provocadas pelos gases na transmissão da voz.
2.10.2. Em mergulho a mais de 50,00 m (cinquenta metros) de profundidade,
quando utilizando sino de mergulho ou câmara submersível de pressão atmosfé-
rica, é obrigatória a disponibilidade de intercomunicador, sem fio, que permita
comunicações verbais, para utilização em caso de emergência.
2.10.3. Em todas as operações de mergulho, serão utilizados balizamento e sina-
lização adequados de acordo com o código internacional de sinais e outros meios
julgados necessários à segurança.
2.10.4 A técnica de mergulho suprido pela superfície será sempre empregada,
exceto em casos especiais onde as próprias condições de segurança indiquem ser
mais apropriada a técnica de mergulho autônomo, sendo esta apoiada por uma
embarcação miúda.
2.10.5 Os umbilicais ou linhas de vida serão sempre afixados a cintas adequadas e
que possam suportar o peso do mergulhador e dos equipamentos.
2.10.6. A entrada e saída dos mergulhadores no meio líquido será sempre facilita-
da com o uso de cestas, convés ao nível de água ou escadas rígidas.
2.10.7. Os mergulhos com descompressão só deverão ser planejados para situações
em que uma câmara de superfície, conforme especificada no subitem 2.11.20 e
pronta para operar, possa ser alcançada em menos de 1 (uma) hora, utilizado o
meio de transporte disponível no local.
2.10.7.1. Caso a profundidade seja maior que 40,00 m (quarenta metros) ou o
tempo de descompressão maior que 20 (vinte) minutos, é obrigatória a presença
no local do mergulho de uma câmara de superfície de conformidade com o subi-
tem 2.11.20.
2.10.8. Sempre que for necessário pressurizar ou descomprimir um mergulhador,
um segundo homem deverá acompanhá-lo no interior da câmara.
2.10.9. O uso de câmaras de compartimento único só será permitido, em emer-
gência, para transporte de acidentado, até o local onde houver instalada uma câ-
mara de duplo compartimento.
2.10.10. Nas operações de mergulho em que for obrigatória a utilização de câ-
mara de superfície, só poderá ser iniciado o segundo mergulho após o término
do período de observação do mergulho anterior, a menos que haja no local, em
disponibilidade, uma segunda câmara e pessoal suficiente para operá-la.
2.10.11. Durante o período de observação, as câmaras de superfície deverão estar
desocupadas e prontas para utilização, de modo a atender a uma possível necessi-
dade de recompressão do mergulhador.

179
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

2.10.11.1. Durante o período de observação, o supervisor e demais integrantes


da equipe, necessários para conduzir uma recompressão, não deverão se afastar
do local.
2.10.12. Durante o período de observação não será permitido aos mergulhadores:
a) realizar outro mergulho, exceto utilizando as tabelas apropriadas para mergu-
lhos sucessivos;
b) realizar voos a mais de 600,00 m (seiscentos metros);
c) realizar esforços físicos excessivos;
d) afastar-se do local da câmara, caso o mergulho tenha se realizado com a utiliza-
ção de Misturas Respiratórias Artificiais – MRA.
2.10.13. Nas operações de mergulho discriminadas neste subitem deve ser obser-
vado o seguinte:
a) mergulho com equipamento autônomo a ar comprimido: profundidade máxi-
ma igual a 40,00 m (quarenta metros);
b) mergulho com equipamento a ar comprimido suprido pela superfície: profun-
didade máxima igual a 50,00 m (cinquenta metros);
c) mergulho sem apoio de sino aberto: profundidade máxima igual a 50,00 m
(cinquenta metros);
d) mergulho de intervenção com Mistura Respiratória Artificial – MRA e apoiado
por sino aberto: profundidade máxima igual a 90,00 m (noventa metros);
e) mergulho de intervenção com Mistura Respiratória Artificial – MRA e apoiado
por sino de mergulho: profundidade máxima igual a 130,00 m (cento e trinta
metros).
2.10.13.1. Nas profundidades de 120,00 m (cento e vinte metros) a 130,00 m
(cento e trinta metros) só poderão ser realizados mergulhos utilizando equipamen-
tos e equipes que permitam a técnica de saturação.
2.10.13.2. As operações de mergulho, em profundidade superior a 130,00 m
(cento e trinta metros), só poderão ser realizadas quando utilizando técnicas de
saturação.
2.10.13.3. Em profundidade superior a 90,00 m (noventa metros), qualquer ope-
ração de mergulho só deverá ser realizada com sino de mergulho em conjunto
com câmara de superfície adotada de todos acessórios e equipamentos auxiliares,
ficando a profundidade limitada à pressão máxima de trabalho dessa câmara.
2.10.13.4. O tempo máximo submerso diário, em mergulhos utilizando ar com-
primido, não deverá ser superior a 4 (quatro) horas, respeitando-se, ainda, os se-
guintes limites:
a) Mergulho com Equipamento Autônomo: o tempo de fundo deverá ser mantido
dentro dos limites de mergulho sem descompressão, definidos nas tabelas em anexo;
b) Mergulho com Equipamento Suprido da Superfície: o tempo de fundo deverá
ser inferior aos limites definidos nas tabelas de mergulhos excepcionais em anexo.
2.10.13.5. Utilizando Mistura Respiratória Artificial – MRA em mergulho de
intervenção com sino aberto, o tempo de permanência do mergulhador na água
não poderá exceder a 160 (cento e sessenta) minutos.

180
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

2.10.13.6. Utilizando Mistura Respiratória Artificial – MRA em mergulho de


intervenção com sino de mergulho, o tempo de fundo não poderá exceder de:
a) 90 (noventa minutos), para mergulhos até 90,00 m (noventa metros);
b) 60 (sessenta minutos), para mergulhos entre 90,00 m (noventa metros) a
120,00 m (cento e vinte metros) de profundidade;
c) 30 (trinta minutos), para mergulhos entre 120,00 m (cento e vinte metros) a
130,00 m (cento e trinta metros) de profundidade.
2.10.13.7. Utilizando a técnica de saturação, o período máximo submerso para
cada mergulhador, incluída a permanência no interior do sino, não poderá exceder
de 8 (oito) horas em cada período de 24 (vinte e quatro) horas.
2.10.13.8. Utilizando a técnica de saturação, o período máximo de permanência
sob pressão será de 28 (vinte e oito) dias e o intervalo mínimo entre duas satura-
ções será igual ao tempo de saturação, não podendo este intervalo ser inferior a
14 (quatorze) dias. O tempo total de permanência sob saturação num período de
12 (doze) meses consecutivos não poderá ser superior a 120 (cento e vinte) dias.
2.10.14. Em mergulho a mais de 150,00 m (cento e cinquenta metros) de profun-
didade, a Mistura Respiratória Artificial – MRA deverá ser devidamente aquecida
para suprimento ao mergulhador.
2.10.15. Só será permitido realizar mergulhos a partir de embarcações não fundea­
das, quando o supervisor de mergulho julgar seguro este procedimento e medidas
adequadas forem tomadas para resguardar a integridade física do mergulhador
protegendo-o contra os sistemas de propulsão, fluxo de água e possíveis obstácu-
los.
2.10.15.1. Estes mergulhos só serão permitidos se realizados à luz do dia, exceto
quando a partir de embarcação de posicionamento dinâmico aprovada pela Dire-
toria de Portos e Costas – DPC, para esse tipo de operação.
2.10.16. Qualquer equipamento elétrico utilizado em submersão deverá ser do-
tado de dispositivo de segurança que impeça a presença de tensões ou correntes
elevadas, que possam ameaçar a integridade física do mergulhador, em caso de
mau funcionamento.
2.10.17. O supervisor de mergulho não poderá manter nenhum mergulhador
submerso ou sob condição hiperbárica contra a sua vontade, exceto quando for
necessária a complementação de uma descompressão ou em caso de tratamento
hiperbárico.
2.10.17.1. O mergulhador que se recusar a iniciar o mergulho ou permanecer sob
condição hiperbárica, sem motivos justificáveis, será passível de sanções de confor-
midade com a legislação pertinente.
2.10.18. Qualquer operação de mergulho deverá ser interrompida ou cancelada
pelo supervisor de mergulho quando as condições de segurança não permitirem a
execução ou continuidade do trabalho.
2.10.19. A distância percorrida pelo mergulhador entre o sino de mergulho e o
local de efetivo trabalho só poderá exceder a 33,00 m (trinta e três metros) em
situações especiais, se atendidas as seguintes exigências:

181
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

a) não houver outra alternativa para a realização da operação de mergulho sem a


utilização desse excesso. Neste caso, será o Contratante o responsável pela deter-
minação do uso de umbilical para atender a distância superior a 33,00 m (trinta
e três metros), ouvidos o supervisor de mergulho e o comandante ou responsável
pela plataforma de mergulho.
b) a operação de mergulho for realizada à luz do dia;
c) o percurso entre o sino de mergulho e o local de efetivo trabalho submerso for
previamente inspecionado por uma câmara de TV submarina;
d) for estendido um cabo-guia entre o sino de mergulho e o local de trabalho sub-
merso por um veículo de controle remoto ou pelo primeiro mergulhador;
e) a distância percorrida pelo mergulhador não exceder a 60,00 m (sessenta metros);
f ) forem utilizadas garrafas de emergência suficientes para garantir o retorno do
mergulhador ao sino de mergulho, tomando-se como base de consumo respirató-
rio 60 (sessenta) litros/minuto, na profundidade considerada, com autonomia de
3 (três) minutos;
g) for utilizado um sistema com, no mínimo, 2 (duas) alternativas de fornecimen-
to de gás, aquecimento e comunicações;
h) for utilizado umbilical de flutuabilidade neutra.
2.10.19.1. Caso as condições de visibilidade não permitam a completa visão do
trajeto do mergulhador por uma câmara de TV fixa, será obrigatório o uso de
câmara instalada em veículo autopropulsável com controle remoto.
2.10.19.2. Os mergulhadores, para utilizarem umbilical para distâncias superio-
res a 33,00 (trinta e três) metros, deverão receber treinamento prévio de resgate
e retorno ao sino em situação de emergência, devidamente registrado no Livro
Registro do Mergulhador – LRM.
2.10.20. Nenhuma operação de mergulho poderá ser realizada sem ter havido uma
revisão no sistema e equipamento com antecedência não superior a 12 (doze) horas.
2.10.21. Todos os integrantes das equipes de mergulho, especialmente os supervi-
sores, deverão tomar as devidas precauções, relativas à segurança das operações, no
tocante ao planejamento, preparação, execução e procedimentos de emergência,
conforme discriminado a seguir:
I – Quanto ao Planejamento:
a) condições meteorológicas;
b) condições de mar;
c) movimentação de embarcações;
d) perigos submarinos, incluindo ralos, bombas de sucção ou locais onde a dife-
rença de pressão hidrostática possa criar uma situação de perigo para os mergu-
lhadores;
e) profundidade e tipo de operação a ser executada;
f ) adequação dos equipamentos;
g) disponibilidade e qualificação do pessoal;
h) exposição a quedas da pressão atmosférica causadas por transporte aéreo, após
o mergulho;

182
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

i) operações de mergulho simultâneas.


II – Quanto à Preparação:
a) obtenção, junto aos responsáveis, pela condução de quaisquer atividades que,
na área, possam interferir com a operação, de informações que possam interessar
à sua segurança;
b) seleção dos equipamentos e misturas respiratórias;
c) verificação dos sistemas e equipamentos;
d) distribuição das tarefas entre os membros da equipe;
e) habilitação dos mergulhadores para a realização do trabalho;
f ) procedimentos de sinalização;
g) precauções contra possíveis perigos no local de trabalho.
III – Quanto à Execução:
a) responsabilidade de todo o pessoal envolvido;
b) uso correto dos equipamentos individuais;
c) suprimento e composição adequada das misturas respiratórias;
d) locais de onde poderá ser conduzida a operação;
e) operações relacionadas com câmaras de compressão submersíveis;
f ) identificação e características dos locais de trabalho;
g) utilização de ferramentas e outros equipamentos pelos mergulhadores;
h) limites de profundidade e tempo de trabalho;
i) descida, subida e resgate da câmara de compressão submersível e dos mergu-
lhadores;
j) tabelas de descompressão, inclusive as de tratamento e de correção;
l) controle das alterações das condições iniciais;
m) período de observação;
n) manutenção dos registros de mergulho.
IV – Quanto aos Procedimentos de Emergência:
a) sinalização;
b) assistência na água e na superfície;
c) disponibilidade de câmara de superfície ou terapêutica;
d) primeiros socorros;
e) assistência médica especializada;
f ) comunicação e transporte para os serviços e equipamentos de emergência;
g) eventual necessidade de evacuação dos locais de trabalho;
h) suprimentos diversos para atender às emergências.
2.11. Dos Equipamentos de Mergulho.
2.11.1. Os sistemas e equipamentos deverão ser instalados em local adequado, de
forma a não prejudicar as condições de segurança das operações.
2.11.2. Os equipamentos de mergulho utilizados nas operações de mergulho de-
verão possuir certificado de aprovação fornecido ou homologado pela Diretoria de
Portos e Costas – DPC.
2.11.3. Os vasos de pressão deverão apresentar em caracteres indeléveis e bem vi
síveis:

183
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

a) limites máximos de trabalho e segurança;


b) nome da entidade que o tenha aprovado;
c) prazo de validade do certificado;
d) data do último teste de ruptura.
2.11.4 O certificado referido no subitem 2.11.2 não terá validade se:
a) qualquer alteração ou reparo tiver sido efetuado no sistema ou equipamento de
forma a alterar suas características originais;
b) vencidos os períodos estabelecidos no quadro abaixo para os testes de vazamen-
to e testes de ruptura.

Equipamentos Testes de Vazamento Testes de Ruptura


Câmaras hiperbáricas 2 anos 5 anos
Reservatório de gases não submerso 5 anos 5 anos
Reservatório de gases submerso 2 anos 5 anos
Equipamentos com pressão de trabalho 2 anos 2 anos
superior a 500 Mbar

2.11.5. A pressão do teste de ruptura dos equipamentos deverá ser igual a 1,5 vezes
a pressão máxima de trabalho para a qual foram projetados.
2.11.6. Preferencialmente, serão utilizados testes hidrostáticos, contudo, em caso
de impossibilidade, poderão ser realizados testes pneumáticos, quando suficientes
precauções forem tomadas para a segurança das pessoas, no caso de falha estrutural
do equipamento.
2.11.7. Os sistemas e equipamentos deverão incluir um meio de fornecer aos mer-
gulhadores mistura respiratória adequada (incluindo um suprimento de reserva
para o caso de uma emergência ou para uma recompressão terapêutica) em volu-
me, temperatura e pressão capazes de permitir esforço físico vigoroso e prolongado
durante a operação.
2.11.8. Todos os equipamentos que funcionem com reciclagem de mistura res-
piratória deverão ser previamente certificados por uma entidade reconhecida e
aprovada pela Diretoria de Portos e Costas – DPC, quanto à sua capacidade de
fornecer misturas respiratórias nos padrões exigidos e em quantidade suficiente.
2.11.9. Todos os compressores de misturas respiratórias, especialmente os de ar,
deverão ser instalados de maneira que não exista o risco de que aspirem gases da
descarga do seu próprio motor ou de ambientes onde exista qualquer possibilidade
de contaminação (praças de máquinas, porões, etc.).
2.11.10. Todos os reservatórios de gases deverão ter dispositivos de segurança que
operem à pressão máxima de trabalho.
2.11.11. Os gases ou misturas respiratórias, fornecidos em reservatórios, para as
operações de mergulho, só poderão ser utilizados se acompanhados das seguintes
especificações:

184
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

a) percentual dos elementos constituintes;


b) grau de pureza;
c) tipo de análise realizada;
d) nome e assinatura do responsável pela análise
2.11.12. As Misturas Respiratórias Artificiais deverão ser analisadas no local das
operações, quanto aos seus percentuais de oxigênio, e ter, indelevelmente, mar-
cados os seus reservatórios, de forma legível, com o nome e a composição de seu
conteúdo.
2.11.13. A equipe de mergulho deverá ter, sempre, condições de analisar, no local
da operação, as Misturas Respiratórias Artificiais empregadas, quanto ao percen-
tual de:
a) oxigênio;
b) gás carbônico;
c) monóxido de carbono.
2.11.14. Só poderá ser realizada uma operação de mergulho se houver disponível,
no local, uma quantidade de gases, no mínimo, igual a 3 (três) vezes a necessária
à pressurização das câmaras hiperbáricas, na pressão da profundidade máxima de
trabalho, durante uma operação normal.
2.11.14.1. Nos equipamentos que dispuserem de sistema de reciclagem, a quanti-
dade de gases poderá ser apenas 2/3 (dois terços) da exigida no subitem 2.11.14.
2.11.15. Todos os indicadores de pressão, profundidade ou equivalente, deverão
ser construídos de forma a não serem afetados pelas condições ambientes, exceto
aqueles projetados para tal.
2.11.16. Todos os instrumentos de controle, indicadores e outros acessórios de-
verão ser indelével e legivelmente marcados, em língua portuguesa, quanto à sua
função.
2.11.17. Todos os sistemas e equipamentos deverão ter manutenção permanente
de forma a assegurar seu funcionamento perfeito, quando em utilização.
2.11.18. Os sistemas e equipamentos de mergulho deverão possuir:
a) umbilical, exceto quando for utilizada a técnica de mergulho autônomo;
b) linha de vida, exceto quando:
I – a natureza das operações apresentar inconvenientes ao seu uso, sendo, neste
caso, utilizado um sistema alternativo para manter a segurança dos mergulhadores;
II – a profundidade de trabalho for inferior a 30,00 m (trinta metros) e um dos
mergulhadores submersos já a estiver usando.
c) nas operações utilizando sino de mergulho, meios de registrar em fita magnética
todas as intercomunicações efetuadas durante a pressurização, desde o seu início,
até o retorno dos mergulhadores à superfície ou a entrada dos mesmos numa câ-
mara de superfície em condições normais;
d) sistema de intercomunicação, entre os mergulhadores e o supervisor da opera-
ção, em trabalhos em profundidades superiores a 30,00 m (trinta metros), exceto
quando a técnica empregada seja a de mergulho autônomo.

185
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

e) profundímetro que permita leitura na superfície em operações em profundi-


dades superiores a 12,00 m (doze metros), exceto quando utilizado equipamento
autônomo;
f ) sistema e equipamento para permitir, com segurança, a entrada e saída dos
mergulhadores da água;
g) sistema de iluminação, normal e de emergência, que durante o mergulho no-
turno seja capaz de iluminar adequadamente o local de controle e a superfície da
água, exceto quando a natureza das operações contraindicarem seu uso;
h) equipamento individual, de uso obrigatório, composto de:
I – roupa apropriada para cada tipo de mergulho;
II – suprimento de mistura respiratória de reserva, para o caso de emergência, a
partir de 20,00 m (vinte metros) de profundidade;
III – relógio, quando em mergulhos autônomos;
IV – faca;
V – controle de flutuabilidade individual, para trabalhos em profundidade maior
do que 12,00 m (doze metros) ou em condições perigosas, exceto em profundida-
des superiores a 50,00 m (cinquenta metros);
VI – luvas de proteção, exceto quando as condições não impuserem seu uso;
VII – tabelas de descompressão impermeabilizadas, de modo a permitir sua utili-
zação em operações de mergulho com equipamentos autônomos;
VIII – colete inflável de mergulho, profundímetro, tubo respirador, máscara, nada-
deiras e lastro adequado, quando a técnica empregada for de mergulho autônomo;
IX – lanterna, para mergulhos noturnos ou em locais escuros.
2.11.19. Todas as câmaras hiperbáricas deverão:
a) ser construídas:
I – com vigias que permitam que todos os seus ocupantes sejam perfeitamente
visíveis do exterior;
II – de forma que todas as escotilhas assegurem a manutenção da pressão interna
desejada;
III – de forma que todas as redes que atravessem seu corpo disponham, interna e
externamente próximo ao ponto de penetração, de válvulas ou outros dispositivos
convenientes à segurança;
IV – dispondo, em cada compartimento, de válvulas de alívio de pressão interna
máxima do trabalho, capazes de serem operadas do exterior;
V – com isolamento térmico apropriado, de forma a proteger seus ocupantes,
quando utilizadas Misturas Respiratórias Artificiais;
VI – de modo a minimizar os riscos de incêndio interno e externo;
VII – de modo a minimizar o ruído interno.
b) ser equipadas:
I – com dispositivo de segurança para impedir sucção nas extremidades internas
das redes, que possam permitir sua despressurização;
II – de modo que a pressão em seus compartimentos possa ser controlada interna
e externamente;

186
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

III – com indicadores da profundidade correspondente à pressão interna, no seu


interior e no local de controle na superfície;
IV – com estojo de primeiros socorros, contendo medicamentos adequados para o tra-
tamento de acidentes típicos e as instruções para sua aplicação, na ausência do médico;
V – com sistema de iluminação normal e de emergência, em todos os seus com-
partimentos;
VI – com ferramentas adequadas para atender a uma possível emergência;
VII – com tabelas de descompressão adequadas, bem como regras para procedi-
mentos em emergência;
VIII – nos mergulhos com Misturas Respiratórias Artificiais – MRA, com analisa-
dor da pressão parcial ou de percentagem de oxigênio;
IX – nos mergulhos com Misturas Respiratórias Artificiais – MRA, com equipa-
mento automático que registre, gráfica e cronologicamente, as variações da pressão
interna, desde o início da pressurização até o término da descompressão ou trata-
mento hiperbárico.
2.11.20. Todas as câmaras de superfície deverão:
a) ser construídas:
I – com, no mínimo, 2 (dois) compartimentos estanques, pressurizáveis inde­pen­
dentemente;
II – de modo a ter espaço suficiente, em um dos compartimentos, para permitir
que dois adultos permaneçam deitados, com relativo conforto;
III – de modo a ter um diâmetro interno mínimo de 1,75 m (um metro e setenta e cin-
co centímetros), exceto aquelas já em uso no País, na data da publicação deste Anexo;
IV – de modo a ter um diâmetro mínimo de 2 (dois) metros, quando empregadas
em operações de duração superior a 12 (doze) horas, exceto aquelas já em uso no
País, na data da publicação deste Anexo;
V – com compartimentos próprios que permitam a transferência, sob pressão, do
exterior para o interior e vice-versa, de medicamentos, alimentos e equipamentos
necessários.
b) ser equipadas:
I – em cada compartimento, com recursos de combate a incêndio adequados;
II – com sistema capaz de fornecer a seus ocupantes oxigenoterapia hiperbárica,
através de máscaras faciais, havendo exaustão direta para o exterior quando forem
utilizadas Misturas Respiratórias Artificiais como atmosfera ambiente;
III – quando utilizadas em operações que exijam ocupação por período superior
a 12 (doze) horas:
a) com sistema de controle de temperatura e umidade relativa do meio ambiente;
b) com sistema sanitário completo, incluindo vaso, chuveiro e lavatório com água
quente e fria.
IV – com flange padronizado pela Diretoria de Portos e Costas – DPC, que per-
mita o seu acoplamento em emergência, a diferentes sinos de mergulho, quando
prevista a utilização destes sinos.
2.11.20.1. Nos mergulhos com ar comprimido, quando a descompressão não exce-

187
MENU PRINCIPAL ÍNDICE
NR 15 SAIR

der a 2 (duas) horas, ou nos casos em que seja necessário o tratamento hiperbárico,
será permitida a utilização de câmaras com diâmetro mínimo de 1,20 m (um metro
e vinte centímetros).
2.11.20.2. Ficam dispensados das exigências dos subitens 2.11.19 e 2.11.20 as
câmaras destinadas, exclusivamente, a transporte em condições de emergência.
2.11.21. Todos os sinos do mergulho deverão:
a) ser construídos:
I – com escotilha de fácil acesso para a entrada e saída dos mergulhadores;
II – com escotilha de acoplamento que permita, facilmente, a transferência dos
mergulhadores sob pressão para a câmara de superfície e vice-versa;
III – com sistema próprio de controle da sua flutuabilidade, acionável interna-
mente, sob qualquer condição de pressão, e com dispositivos de segurança que
evitem seu acionamento acidental;
IV – com dispositivo de segurança que não permita que as redes e manômetros de
oxigênio, no seu interior, sejam submetidos a pressões com uma diferença de mais
de 8 (oito) bares acima da pressão interna ambiente.
b) ser equipadas:
I – com flange padronizado pela Diretoria de Portos e Costas – DPC, que permita
o seu acoplamento em