Você está na página 1de 11

Trabalho apresentado no III ENECULT – Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado

entre os dias 23 a 25 de maio de 2007, na Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil.

GILBERT SIMONDON: CULTURA E EVOLUÇÃO DO OBJETO TÉCNICO

Edvaldo Souza Couto1

Resumo:

O trabalho investiga elementos da cultura técnica contemporânea com ênfase na análise


sobre a evolução do objeto técnico, de acordo com Gilbert Simondon. O texto está
dividido em duas partes complementares. A primeira, intitulada “Sobre a cultura
técnica”, discute as concepções dicotômica que separam homens e máquinas e apresenta
a proposta de integração destes seres na cultura técnica proposta pelo filósofo. A
segunda, intitulada “Sobre a evolução da técnica”, analisa as condições da evolução dos
objetos técnicos e ressalta a passagem do objeto técnico abstrato para o objeto técnico
concreto, com ênfase nas condições de evolução dos objetos técnicos. Fundamentado
especialmente na obra “Du mode d´existence des objets techniques (1958)” o trabalho
conclui que a questão sobre a evolução da técnica está essencialmente vinculada a essa
sinergia funcional que caracteriza o progresso no próprio desenvolvimento da cultura
tecnológica.

Palavras-chave: Simondon. Filosofia da técnica. Cultura. Objeto técnico. Evolução


técnica.

Introdução

Na primeira parte da obra Du mode d´existence des objets techniques (1958),


intitulada Gênese et évolution des objets techniques, Simondon analisa as condições da
evolução técnica e ressalta que a evolução especifica dos objetos técnicos não se faz de
maneira absolutamente continua nem de maneira completamente descontínua. O
trabalho investiga o diálogo sinérgico entre essas duas formas com a finalidade de
demonstrar como, para o filósofo, a evolução técnica supõe mais que a perfeição na
construção do objeto, supõe sua identificação com o conhecimento científico universal.

1
Professor de “Estética” no Departamento de Filosofia da Universidade Federal da Bahia – UFBA.
Email: edvaldo@ufba.br
Por essa razão, o objeto técnico não é jamais completamente conhecido, nem
completamente concreto. É nesse intervalo que separa a técnica da ciência que se
instaura a correlação entre a fase artesanal primitiva e a fase industrial. É nesse “entre”
que o objeto se encontra, se relaciona e se identifica com seu meio, revela sua grande
dimensão e poder elevado.
O texto está dividido em duas partes complementares. A primeira, intitulada “Sobre
a cultura técnica”, discute as concepções dicotômica que separam homens e máquinas e
apresenta a proposta de integração destes seres na cultura técnica proposta pelo filósofo.
A segunda, intitulada “Sobre a evolução da técnica” analisa as condições da evolução
dos objetos técnicos e ressalta a passagem do objeto técnico abstrato para o objeto
técnico concreto, com ênfase nas condições de evolução dos objetos técnicos. O
trabalho conclui que a questão sobre a evolução da técnica está essencialmente
vinculada a essa sinergia funcional que caracteriza o progresso no próprio
desenvolvimento da cultura tecnológica.

1. Sobre a cultura técnica

Para muitos a palavra técnica evoca imediatamente a palavra progresso, entendida


como um processo contínuo e indefinido de acumulação de poder. Não raro se encontra
nessa compreensão a pressuposição de uma melhoria geral da condição humana,
orientada para uma perfeição final. Encontramos aqui os elementos básicos de uma
utopia que reserva à técnica a esperança de emancipação da humanidade, a superação de
problemas e entraves de diversas ordens, a devoção à felicidade universal.
Parece que estamos convencidos de vivermos na idade da técnica e que dela
usufruímos os mais diversos benefícios. Afinal ela está em todo lugar, faz parte de
nossas vidas. Nossas atividades mais comuns como comer, dormir, trabalhar, amar, ler,
conversar, se deslocar e se divertir são possíveis graças as tecnologias2 as quais temos
acesso. A evolução social do homem se confunde com as tecnologias desenvolvidas e
empregadas em cada época. Isto quer dizer que a história do homem coincide com a
história da técnica e que sem as ferramentas e os saberes que as tornaram possíveis não

2
Embora alguns autores façam distinção conceitual sobre esses dois termos, “técnica” e “tecnologia”, na
prática o que se observa é que cada um, e as pessoas em geral, usam de forma indiferente os dois termos.
Neste trabalho também me coloco indiferente à tal distinção.
existimos. Nesse sentido, pode-se dizer que a técnica não se opõe ao homem, é a própria
essência do homem.
Especialmente a partir das duas guerras mundiais, no século passado, quando a
experiência do terror parece ter suplantado a esperança de um mundo melhor e mais
humano, discursos positivos sobre a técnica e o progresso técnico passaram, em grande
parte, a ser considerados próprios de pessoas não críticas, com apreensões equivocadas
da realidade. Desde então, certa resistência à técnica virou moda e em toda parte
multiplicam os céticos, dissidentes, negativistas, saudosistas e todos os que sentem uma
aversão irreprimível à tecnologia. O descrédito na idéia de progresso técnico e,
sobretudo, humano, abre espaço para investigações e compreensões do progresso como
acúmulo de poder sem fim nem finalidade.
O temor perante a técnica se exprime atualmente na tese segundo a qual aquela se
tornou autônoma, teria escapado do controle humano e se transformado numa constante
e completa ameaça de destruição da nossa humanidade e do planeta. Os riscos e os
acidentes parecem estar em toda parte. A técnica é aqui considerada perigosa porque
destrói a liberdade de ação do sujeito e, por intermédio do consumo em massa de
objetos técnicos cada vez mais desejados, nos distrai de nossas aspirações mais
elevadas. Distraído pelo consumo, encantado com suas maquininhas no cotidiano, o
sujeito é desviado de pensar em si próprio, na sua condição humana, o que é uma forma
de destruição (ou alienação) do homem, interior e espiritual. Os mais radicais processam
que a humanidade tal como a conhecemos estaria à beira de ser submersa e destruída
pela técnica e por um progresso técnico que ao invés de favorecer luta contra tudo o que
é humano. Em outras palavras, o que é dito é que a bio-evolução será apagada pela
tecno-evolução.
Na atualidade, romances, filmes de ficção científica, discursos filosóficos diversos,
exploram a oposição entre natureza e técnica, homem e máquina. Essa visão
maniqueísta e redutora, que ressalta o negativo, ameaçador e perigoso, deixa aflorar um
sentimento de medo diante de um suposto destino de perdição.
Muitas abordagens não conseguem ir além dessa polaridade entre o bem e o mal, o
que liberta e o que aprisiona, o que emancipa e o que escraviza, o sonho e o pesadelo, a
tecnofilia e a tecnofobia. Assim, os produtores de discursos epistemológicos são
classificados em grupos opostos. Se os autores se declaram inimigos da técnica são
apontados como reacionários, retrógrados, esclerosados, negadores das mudanças
necessárias da sociedade. Se defendem a cultura técnica são tachados de pretensiosos,
ingênuos, ideólogos a serviços das empresas e do capital.
É nesse contexto que a filosofia da técnica de Gilbert Simondon pode nos ajudar a
compreender com mais lucidez esses dilemas da nossa época, pois o filósofo considera
que tais discursos, baseados em infantis dicotomias, são falsos e sem fundamentos,
frutos da ignorância e do ressentimento, que só mascaram o debate (Simondon, 1989, p.
09). Acima de tudo esses discursos denotam inexatidão e desonestidade. É preciso uma
postura dialógica que avalie constantemente o estatuto dos discursos sobre a técnica, sua
legitimidade, as influências que exercem sobre o próprio desenvolvimento técnico e as
razões dessa influência. É necessário compreender que a história das técnicas é uma
seqüência de avanços, retornos e estagnações e que deve ser ininterruptamente
politizada para que escolhas responsáveis sejam feitas.
Simondon propõe que se explore a noção de “sistema técnico”, que se leve em conta
toda a complexidade da criação, inovação, invenção e evolução técnica dos objetos e
das sociedades. O argumento é o de que a evolução, com efeito, não está unicamente
ligado à técnica. Na atualidade, ela é resultado quase sempre de uma decisão comercial,
que convive de perto com o econômico e as chamadas forças de mercado, em meio a
uma competição feroz e sucessivos golpes de publicidade. Um estudo sobre a evolução
técnica deve ser ancorado no diálogo entre a técnica, o econômico e o político.
É verdade que em grande parte a cultura que define o papel do homem e do objeto
no mundo é elaborado por grupos de pessoas que não levam em consideração as
especificidades e características dos objetos técnicos, muito menos os diversos graus de
relacionamentos entre os homens e as máquinas. Mas essas concepções não sobrevivem
por muito tempo. Nas últimas décadas, como a realidade técnica se torna cada vez mais
reguladora, pode-se integrá-la à cultura que ainda a estranha. Com a crescente
integração homem-máquina Simondon defende que já é hora de olhar o mundo e os
homens através de outras perspectivas que não as puramente humanas, a fim de dar um
novo sentido para a cultura e para as recentes e complexas relações homem e máquinas.
Numa sociedade permeada por objetos técnicos mais concretos e indefinidos o papel
do homem não pode ser mais o de querer ser o dono de “uma tropa de escravos”
permanentemente a seu serviço (controlar as tecnologias) nem o de ser “vitima de
máquinas hostis” em relação ao homem (submeter-se as tecnologias). Em época de
franca integração homem-máquina a função do homem é a de ser “um organizador
permanente, como intérprete vivo das máquinas umas em relação às outras”. O homem
deve assumir a função de “organizador permanente de uma sociedade de objetos
técnicos que precisam dele como os músicos necessitam do chefe de uma orquestra”
(Simondon, 1989, p. 11). O que o filósofo defende é que homens e máquinas formam
um conjunto. Existe completa e continua comunicação entre esses seres, entre homens e
homens, entre homens e máquinas, entre máquinas e máquinas. É essa rede de
comunicação que altera o modo de ser de homens e máquinas antes vistos como seres
separados. Nessa rede de comunicação e hibridismos devemos pensar agora em um
novo tipo de cultura e em um novo tipo de humanidade. Uma humanidade em que “a
tecnicidade deve ser considerada em sua relação com outros modos de ser do homem no
mundo” (Simondon, 1989, p. 152).

2. Sobre a evolução da técnica

O livro Du mode d´existence des objets techniques propõe uma integração da


realidade técnica com a cultura universal. O filósofo defende que a técnica deve ser
considerada, assim como a magia, a religião, a ciência, a ética e a estética, um modo
cultural de ser no mundo. É por considerar a técnica como integrante natural da cultura
que ele se dedica a investigar a própria natureza do objeto técnico, com o objetivo de
investigar e definir a individualidade e a especificidade do objeto técnico. Nesse
contexto, primeiro distingue o objeto técnico abstrato do objeto técnico concreto e, em
seguida, analisa as condições da evolução técnica.
Para Simondon não é fácil definir a gênese de cada objeto técnico “pois a
individualidade de cada objeto técnico se modifica no curso de sua gênese” (Simondon,
1989, p. 19). A individualidade é, portanto, instável. É mais fácil definir a gênese pelo
seu uso prático. Daí ser importante investigar o que é um objeto técnico abstrato e
concreto.
No objeto técnico abstrato cada elemento deve funcionar de maneira autônoma, pois
o sistema é fechado. O funcionamento do todo supõe a integração prévia das partes.
Eles funcionam uns após os outros, e muitas vezes, funcionam uns contra o outro. Não
há integração, simultaneidade, complementariedade. Esse funcionamento do objeto
técnico abstrato, com cada elemento funcionando uns após o outro, dá a impressão de
que a evolução é contínua, progressiva.
De outro lado, Simondon se interroga sobre o que é o objeto técnico concreto. Ele
entende que o objeto é concreto quando “realiza uma convergência de funções numa
mesma unidade estrutural” (Simondon, 1989, p. 22). Nesse caso, cada elemento
funciona um pelo outro, isto é, em completa comunicação uns com os outros. Existe
entre os elementos uma completa interdependência. Nenhum é autônomo. Todos estão
interligados. Fazem parte de um sistema. Esse funcionamento do objeto técnico
concreto, com cada elemento funcionando um pelo outro, pode dar a impressão de que a
evolução é marcada pelas rupturas e novas e diferentes conexões, o que vale dizer, de
modo descontínuo.
O filósofo, ao analisar as condições da evolução da técnica ressalta que a evolução
específica dos objetos não se faz de maneira absolutamente contínua nem de maneira
completamente descontínua. É preciso considerar sempre o diálogo sinérgico entre essas
duas formas: para o objeto técnico abstrato, a pluralidade de princípios e noções
científicas. Para o objeto técnico concreto, o sistema de causa e efeito, capaz de
autoconservação e autoregulação. Esse diálogo sinérgico pode acontecer no próprio
objeto, mas ele acontece de fato quando se torna presente e comum nas sociedades,
quando é assimilado ao objeto natural e, em particular, ao ser vivo. O diálogo sinérgico
acontece em sua máxima expressão quando o objeto técnico concreto deixa de ser algo
estranho e passa a ser algo natural numa determinada época, numa dada sociedade. Em
outras palavras, quanto maior for a naturalização do objeto técnico maior é o seu
diálogo sinérgico com os grupos sociais.
O objeto técnico abstrato, uma vez autônomo, vive independentemente do seu meio.
Como elemento fechado, não sofre interferência de outros elementos nem com eles se
comunica. Já o objeto técnico concreto não existe por ele mesmo. Como sistema, é
aberto, sofre interferência de outros elementos e objetos, se comunica e se modifica
constantemente. Ele só existe porque está continuamente em relação com um meio,
integrado numa determinada cultura. Observem-se as turbinas numa usina: elas realizam
um sistema de relações sinérgicas entre diferentes partes integradas: os condutores de
energia, os circuladores de água, a turbina propriamente dita, o gerador que contém óleo
sob pressão, etc. Esse objeto pode ser considerado o tipo de concretização acabado,
embora não completo, visto que é aberto. De acordo com Simondon, no objeto concreto
cada estrutura não é apenas uma estrutura. Ela faz parte de um sistema onde exerce uma
multiplicidade de forças.
Mas dizer que o objeto técnico concreto está sempre inserido e integrado numa
determinada cultura significa também aceitar que cabe à cultura técnica lhe dar valores
e significados, muitas vezes estranhos ao próprio objeto técnico. Não se trata apenas do
funcionamento do objeto integrado a vários elementos e sujeitos, mas, principalmente,
de estabelecer que o uso de um determinado objeto pode denotar, por exemplo, maior
status a um determinado sujeito. É isso que permite que o carro deixe de ser um mero
meio de transporte para ser um objeto que sinaliza poder, destaque e realização pessoal.
Aqui já não importa apenas que as válvulas estejam conectadas e que vários elementos
integrados formem o motor, que por sua vez deve estar integrado a outros elementos,
como a carroceria, os pneus e diversos acessórios, para que tudo no carro funcione
adequadamente. Para as sociedades contemporâneas, o uso do carro facilita e acelera a
locomoção de objetos e pessoas, mas, sobretudo, promove objetos, lugares e pessoas.
Ser dono ou circular neste ou naquele modelo de carro, com essa ou aquela potência,
esse ou aquele design, representa muito mais do que aceleração e conforto no
deslocamento. Quase sempre significa poder, prestígio, sedução, conquista, liberdade,
etc. Esses valores e significados inicialmente estranhos ao carro são atribuídos pelas
culturas ao carro, e, assim, passam a fazer parte integrante do próprio veículo: são o
carro. Podemos dizer que o indivíduo técnico, nesse caso, o carro, é causa de sua
condição de funcionamento, mas só integrado aos valores e significados culturais se
torna de fato concretizado. A concretização do objeto técnico envolve, desta maneira, os
seus elementos, o seu sistema integrado de funcionamento, sua finalidade, um ato
autêntico de pensamento e de imaginação criativa. Ele é concreto porque é dinâmico,
plural, complexo.
A evolução técnica de um objeto não diz respeito apenas ao funcionamento do
próprio objeto, mas aos diversos modos como ele se insere e se naturaliza na cultura.
Por conseqüência, a evolução técnica não diz respeito apenas ao aperfeiçoamento dos
objetos, mas ao modo como humanamente nos relacionamos e nos modificamos a partir
dele. De um lado, a evolução técnica diz respeito a capacidade de encontrar soluções
para problemas de funcionamento de um objeto e, de outro, embora simultaneamente,
ele é o efeito de uma função especificamente humana, sua capacidade de condicionar o
presente técnico pelo futuro, a capacidade de pensar, imaginar e planejar o futuro
técnico. Não apenas de maneira mecânica, mas humana, pois analisar as condições da
evolução da técnica é analisar ao mesmo tempo as condições da evolução humana. Por
isso que técnica e homens não são estranhos e inimigos. É a técnica e a capacidade de
promover a evolução da técnica que faz o homem ser homem.
A passagem do abstrato para o concreto, do analítico ao sintético, do analógico ao
digital nas últimas décadas, implica um processo de simplificação, quando certos
vetores devem ser considerados. O aperfeiçoamento dos objetos requer além da
simplicidade operacional, coerência, convergência, reversibilidade, miniaturização,
diminuição no consumo de energia, funcionar com menos barulho, menos poluição, etc.
Todos esses vetores apontam para evolução do objeto técnico (Simondon, 1989, p. 34).
Portanto, o discurso sobre a evolução técnica dos objetos deve levar em consideração
aspectos técnicos. Mas não só eles. Devem ser acrescentados igualmente os aspectos
sociais, estéticos, econômicos e, atualmente, ecológicos. No que diz respeito à função,
Simondon diz que todo objeto técnico é transformador. Esta é a função essencial do
objeto. Ele transforma uma entrada e uma saída. O objeto transforma o meio e o meio
solicita continuamente mudanças no objeto. Sem essa dinâmica não se pode caracterizar
a evolução, nem dos objetos, nem da cultura.
Uma vez que o objeto técnico concreto não vive isolado do meio, a perfeição na
construção do objeto supõe sua identificação com a cultura. Para Simondon, isto
também significa se identificar com o conhecimento científico universal. Mas o avanço
de um não significa necessariamente o avanço de outro. Mesmo em períodos de tempo
em que as ciências não avançam o progresso do objeto técnico, em sua especificidade,
pode continuar a se desenvolver. De acordo com o filósofo, “ [...] o principio deste
progresso é em efeito a maneira como o objeto se causa e se condiciona ele mesmo em
seu funcionamento e nas reações de seu funcionamento sobre sua utilização [...]
(Simondon, 1989, p. 27). De todo modo, identificado na cultura científica universal, o
objeto tecnico é cientifizado. A evolução do abstrato ao concreto é a própria
cientifização do objeto. Nesse sentido, a distinção e a separação entre cultura técnica e
cultura científica parecem sem propósito.
Ao apontar a passagem do objeto técnico abstrato ao concreto, inseridos nos dilemas
e nas soluções científicas de cada época, Simonton ressalta que a evolução do objeto
técnico nunca é completa. Sendo o objeto concreto aberto e sucessivamente sujeito as
intervenções e modificações, ele nunca é completamente conhecido. Isto que dizer
também que ele nunca é completamente concretizado. Não por acaso o filósofo defende
que “a concretização dos objetos técnicos é condicionada pelo estreito limite que separa
a ciência da técnica; a fase artesanal primitiva é caracterizada por uma débil correlação
entre ciência e técnica, pois a fase industrial é caracterizada por uma correlação
elevada” (36).

Últimas considerações
Tornou-se lugar comum dizer que no século XX a relação entre homem e técnica
passou a ser problemática e que a técnica contemporânea oculta segredos do seu
funcionamento perante os olhos das pessoas comuns. Simondon considera esse tipo de
pensamento equivocado, pois ele apenas evoca a ignorância e, por conseqüência, o
medo em relação aos desafios tecnológicos de nossa época. Os problemas e soluções
técnicas precisam ser criados em todo momento. Mas é igualmente preciso educar as
pessoas para a cultura técnica. Integra essa educação para a técnica o ensinamento
continuado e vivenciado cotidianamente de que a mixagem homem-máquina é parte
estruturante da técnica em nossa época.
A técnica não pode mais ser concebida apenas como o artesanal dos artefatos
criados pelo homem com o fim de alcançar certos objetivos. A técnica é, acima de tudo,
um conjunto de estratégias operacionais mobilizadas para realizar objetivos individuais
e coletivos. Esse conjunto de estratégias inclui tanto o pensamento e o imaginário como
as ações sociais voltadas para as diversas e complexas realizações humanas. Nesse
sentido Simondon diz que a técnica é um modo de ser e um modo de ação do homem no
mundo. Uma educação voltada para a cultura técnica deve enfatizar que o homem está
no centro da técnica e por ela se realiza; deve ressaltar a integração de homens e
máquinas no sistema técnico.
O sistema técnico envolve um alto nível de complexidade. Não vivemos mais num
mundo simples, feito de casinha na colina à beira de uma cascata, ao som da passarada.
O mundo hoje é composto de um sistema técnico dinâmico e veloz que produz novas
realidades e condições de experiências existências mutantes. É nesse contexto de
complexidade que Simondon destaca a questão da evolução do objeto técnico como um
processo, no qual se torna cada vez mais concreto, ocupando um lugar intermediário
entre o objeto natural e a representação científica. É nesse lugar intermediário, nesse
“entre” que o objeto técnico se encontra e se identifica com seu meio, é ai que ele se
revela e se desvela.
É nesse “entre” que o objeto técnico perde o seu suposto caráter artificial e estranho
e se integra, se naturaliza na cultura técnica. “A artificialidade essencial de um objeto é
devida ao fato de que o homem precisa intervir para manter o objeto existindo,
protegendo-o contra o mundo natural e conferindo a ele uma condição de existência
separada. A artificialidade não é uma característica que denota a origem fabricada do
objeto por oposição à espontaneidade produtora da natureza; a artificialidade é o que
existe dentro da ação artificializadora do homem, não importando se a ação intervém
num objeto natural ou num objeto inteiramente fabricado (Simondon, 1989, pp. 46-47).
Uma educação para a cultura técnica deve destacar essa ação naturalmente
artificializadora da ação humana no mundo, como processo de naturalização.
A evolução do objeto técnico envolve dois movimentos: a artificialização do objeto
natural e a concretização do objeto técnico na cultura. De acordo com o filósofo essa
concretização é sempre originada no homem e, nesse sentido, homem e técnica formam
um mesmo conjunto. “O objeto técnico, pensado e construído pelo homem, não se
limita apenas a criar uma mediação entre o homem e a natureza; ele é um misto estável
do humano e do natural, contém o humano e o natural; ele confere a seu conteúdo uma
estrutura semelhante à de objetos naturais, e permite a inserção no mundo das causas e
efeitos naturais dessa realidade humana” (Simondon, 1989, p. 245).
Se a evolução do objeto técnico se confunde com o meio, a evolução social do
homem se confunde com as tecnologias desenvolvidas e empregadas em cada época.
Está é mais uma condição da vida contemporânea. A tecnicidade do objeto, isto é, sua
concretização, acontece nesse contexto e é nele, e por ele, que os sentidos da técnica,
sobretudo os de sua evolução, aparecem.

Bibliográfia

CHÂTELET, Gilles. Avant-propos. In Gilbert Simondon. Une pensée de


l´individuation et de la technique. Paris, Éditions Albin Michel, 1994,pp. 09-10.
DEFORGE, Yves. L´évolution des objets techniques. In Gilbert Simondon. Une
pensée de l´individuation et de la technique. Paris, Éditions Albin Michel, 1994,
pp. 173-181.
GOFFI, Jean-Yves. La philosophie de la technique. Paris, Presses Universitaires de
France, 1988.
HOTTOIS, Gilbert (Édité). Évaluer la technique. Paris, Vrin, 1988.
ROUX, Jacques (cood.) Gilbert Simondon. Une pensée operative. Saint-Étienne,
Publications de l´Université de Saint-Étienne, 2002.
SIMONDON, Gilbert. Du mode d´existence des objets techniques. Paris, Aubier,
1989.

Você também pode gostar