Você está na página 1de 3

(Texto extraído do novo livro de Rodrigo Romo, com o título provisório de Confederação

Intergaláctica 5, em desenvolvimento, com previsão de publicação no final de 2018)

Outro fator fundamental na transferência de energia de um plano dimensional para o outro, são
as frequências emitidas pelo processo vibracional, que na realidade física terrestre, vocês
chamam de música. Todo o universo é, na verdade, energia que possui uma vibração e essa
mesma emite tons e frequências, que podem ser transformados em sons, alguns audíveis na
curta linha sensorial humana e outras muito além. Portanto, o universo é de fato musical e tudo
vibra emitindo sons e notas.

Vocês, na estrutura terrestre, falam em apenas 7 notas musicais e seus tons e sub-tons. Mas,
na verdade, o multiverso possui muito mais do que isso. No plano imaterial existe vibração que
emite tons que não podem ser reproduzidos no plano material bariônico, pois não vibram nessa
escala que utiliza as cargas dos átomos como pontos de ligação atômica, mas vibram em
planos de imaterialidade Morontial, o que não existe na estrutura atômica do universo de vocês.

Os Mestres Lanonadeck são exímios músicos, pois a transferência de informações entre as


diferentes dimensões do universo Bariônico é realizada através do ajustes de vibrações e de
frequências com seus respectivos campos de informação e tons. O que significa que o universo
possui som e o vosso genoma também, pois toda informação da escala radioativa do universo
emite padrões de tons e sub-tons. Portanto, o som em esferas audíveis e não audíveis.

Toda estrutura genética que possui muita informação possui um padrão musical na percepção
dos Lanonadeck e dos Voronandeck e dessa forma, através do som é possível realizar curas e
ajustes, pois na verdade o estado de doença é apenas um processo desarmônico grave ou
superficial, onde o genoma está desalinhado e não vibra no seu código original. Os
Lanonadeck aprenderam a estabilizar o universo bariônico através das frequências que a
humanidade define como música, porém numa esfera inaudível para seus ouvidos, mas ela é
real e bem interessante, pois essa música vibra desde o patamar imaterial ou até mesmo
semi-material de 9D a 12D. Sendo essa estrutura transferida em blocos de informações como
partituras para as realidades da estrutura bariônica, gerando assim a transferência da
informação imaterial para o plano físico Morontial desde 8D até a mais densa estrutura do
átomo bariônico, que são as rochas e o plano atômico em si.

Por essa razão que no plano material terrestre, a música gera impressionantes mudanças e
serve como terapia, podendo gerar relaxamento ou elevando os índices de adrenalina, pois ela
vibra na estrutura das ligações dos átomos e das pontes de Hidrogênio, alterando as
informações originais. A fala verbal de vocês emite sons, o que demonstra que o universo é
regido pela transferência de informações, sejam elas harmônicas ou desarmônicas, gerando a
chamada relação de CAUSA e EFEITO, que foi erroneamente traduzida como Carma ou
Darma, através do sofrimento.

Todo átomo vibra com o som e consequentemente com a música, motivo pelo qual ela é tão
importante em sua sociedade e em outras também, que a utilizam para diversos mecanismos
de comunicação. Desta maneira, de acordo com a estrutura musical onde um ser humano está
envolvido, ela irá gerar anomalias ou ajustes em toda a sua estrutura corporal e orgânica,
podendo ser um ótimo mecanismo de ajustes. Toda informação irá reverberar na estrutura
atômica orgânica e consequentemente nos corpos sutis e nas outras membranas de conexão
com o plano imaterial, que todos vocês possuem, através do ODU ou do cadenciamento do
genoma físico e astral até as esferas do seu EU SOU alcançando finalmente a Supra Mônada.

Dessa forma podemos definir que cada Alma possui uma nota secreta de vibração e, portanto,
sua própria sinfonia, que está ligada à partitura da Mônada e de todas as fases de constituição,
desde a formatação do próprio Espírito que está dentro da Supra Mônada. Assim, cada Supra
Mônada do multiverso possui um enorme conjunto de partituras cósmicas de vibração que vão
emitir as notas de estabilização do próprio multiverso onde estão inseridas. Quando essas
emissões são harmônicas, elas somam para uma ascensão do universo imaterial e suas
conexões com o universo material bariônico, pois este depende sempre das vibrações
Monádicas para estabilizar as ligações atômicas. Dessa forma, o seu universo sem o Espírito
não pode se manifestar e nem existir de forma harmônica e atomicamente estável. Assim,
quando uma galáxia está instável e gerando notas vibracionais desarmônicas, ela acaba
emitindo um padrão que não é o natural do multiverso. Lembrando que vocês, humanos,
confundem o conceito de harmonia com amor, decorrente da parte sensorial e afetiva de vocês.
Para os Mestres engenheiros do universo o amor é a própria harmonia sem a conotação das
emoções e do afeto humano. Por essa razão para vocês é difícil entender a questão do
desequilíbrio do universo. E da mesma maneira as doenças e os aspectos negativos que são
vistos em seu mundo através dos interesses desarmônicos dos políticos, do ego e da vaidade,
que se sobrepõe aos verdadeiros valores que os Mestres da LUZ como Jesus Cristo, Gautama
e muitos outros deixaram. Não apenas em vossas sociedades, mas em muitas outras no
passado e presente de Naoshi.

Harmonia é, na verdade, o acorde musical mais importante e fundamental do processo de


experiência da Alma na estrutura corporal do universo material Bariônico. Não é a evolução
como se imagina na sociedade de vocês, pois quando se desce desde o foco inicial da Supra
Mônada e penetra-se na estrutura da realidade física bariônica, se perde a percepção real
entre as diferentes frequências dessas dimensões. E assim, o que surge é o momento do
experimento e a compreensão do processo pessoal e corporal que antes nuca tinha ocorrido.
Isso não é evolução, mas antes, a compreensão e percepção deste processo momentâneo.

Segundo o entendimento de vocês, todos os seres vivos possuem uma Alma-Espírito, que
provém do plano imaterial da FONTE QUE TUDO É, vulgarmente chamada de DEUS. O ponto
de origem do Espírito é o mesmo da FONTE que possui toda informação e a perfeição herdada
de seu CRIADOR, que é a própria FONTE. Sendo assim, como é que vocês acham que o
Espirito evolui? O que ocorre, na verdade, é o aprendizado e amadurecimento de uma
experiência desconhecida, que antes só existia como informação virtual, já que a FONTE é
onisciente, onipresente e possui toda a sabedoria do universo, o que na verdade também é um
grande engano das bases religiosas, infundadas. A evolução existe se for analisada de forma
parcial. Mas se mudarmos um pouco esse entendimento em relação à Alma-Espirito que ao
experenciar coisas novas, acaba aprendendo, poderíamos definir uma evolução parcial através
da compreensão do processo de sua própria experiência física. Isso será que é evolução?

De qualquer forma, até mesmo o processo de aprendizado de vocês é uma partitura musical
que busca equilibrar os tons e notas do genoma com as vibrações do universo externo material
onde vivem as suas experiências encarnacionais. Quando elas são em geral harmônicas, isso
gera poucas encarnações e um processo de evolução e ascensão encarnacional nas diversas
etnias raciais de forma progressiva. Aí poderíamos até definir uma certa evolução. Mas quando
são vivenciadas estruturas encarnacionais desarmônicas, isso gera o aprisionamento
encarnacional e o desligamento parcial da FONTE, decorrente dos tons negativados que são
vivenciados e emitidos, afastando o Espírito-Alma da reconexão com a sua FONTE
MONÁDICA original. O tom vibracional do genoma físico e da própria Alma acabam sendo
distorcidos em relação à sua tônica original e dessa forma a conexão primordial se perde.
Como já foi colocado, programações desnecessárias são inseridas quando os ciclos
encarnacionais são repetidos de forma indevida, amplificando os padrões negativos e
desarmônicos de suas próprias co-criações fora do padrão musical original da Alma-Espírito.

Este texto pode ser compartilhado incluindo a fonte juntamente ao link original, mencionando o
autor Rodrigo Romo. Não é permitido alterar seu conteúdo.

Você também pode gostar