Você está na página 1de 48

ANATOMIA E FISIOLOGIA

SISTEMA ÓSSEO
Um esqueleto adulto contém aproximadamente 206 ossos.
Ossos são órgãos esbranquiçados, muito duros, que se unindo aos outros, por intermédio das
junturas ou articulações constituem o esqueleto. É uma forma especializada de tecido conjuntivo
cuja principal característica é a mineralização (cálcio) de sua matriz óssea (fibras colágenas e
proteoglicanas). A parte externa é composta de substância cortical (compacta ou densa) e a interna
de substância esponjosa. Quanto à irrigação do osso, temos os canais de Volkman (vasos sangüíneos
maiores) e os canais de Havers (vasos sangüíneos menores).
Com o passar da idade as proporções de líquidos e materiais orgânicos diminuem gradualmente, e é
por essa razão que pessoas idosas têm os ossos mais quebradiços e mais difíceis de se consolidarem.
O fato dos ossos serem considerados um tecido é que eles podem hipertrofiar em resposta ao
exercício, mas também são vulneráveis e podem ser lesados por um treinamento excessivamente
intenso ou esforço repetitivo.
Crânio
O crânio é constituído por oito ossos, dois
pares e quatro ímpares. Tem como função
proteger o encéfalo. Os ossos são: frontal,
occipital, esfenóide, etmóide, parietal e
temporal.

Face
A face é constituída por 2 ossos ímpares
(zigomático, maxila, palatino, lacrimal,
nasal e concha nasal inferior) e 6 pares
(mandíbula e vômer) totalizando assim 14 ossos.

Coluna Vertebral
A coluna vertebral é constituída pela superposição de uma série
de ossos isolados denominados vértebras. Superiormente, se
articula com o osso occipital; inferiormente, articula-se com o
osso do quadril. A coluna vertebral é dividida em quatro regiões:
cervical (7), torácica (12), lombar (5) e sacro-coccígea (4 + 4).

Tórax
Os ossos do tórax constituem uma caixa vasada. O tórax é
constituído posteriormente pelas 12 vértebras torácicas,
anteriormente pelo osso esterno e lateralmente por 12
pares de costelas.

Membro Superior: 32 (Cintura escapular = 2; Braço = 1; Antebraço = 2; Mão = 27)


A Cintura Escapular é constituída por dois ossos: a clavícula e a escápula.
Braço: úmero
Ante-braço: rádio e ulna
Mão: A mão se divide em: carpo (proximal: Escáfoide, Semilunar, Piramidal e Pisiforme; distal:
Trapézio, Trapezóide, Capitato e Hamato), metacarpo (5) e falanges (14).

Membro Inferior:
É formado pelos ossos do quadril (direito e esquerdo): Ilíaco (Ílio - 2/3 superiores; ísquio - 1/3
inferior e posterior (resistente); púbis - 1/3 inferior e anterior).
Coxa: Fêmur
Joelho: Patela
Perna: Tíbia e fíbula
Pé: O pé se divide em: tarso (Proximal: Calcâneo (túber do calcâneo) e Tálus (tróclea); Distal:
Navicular, Cubóide, Cuneiforme Medial, Cuneiforme Intermédio (Médio) e Cuneiforme
Lateral), metatarso (5) e falanges (14).

SISTEMA MUSCULAR
O tecido muscular é caracterizado pela propriedade de contração e distensão de suas células, o que
determina a movimentação dos membros e das vísceras. Essa musculatura recobre totalmente o
esqueleto e está presa aos ossos. Há basicamente três tipos de tecido muscular: liso, estriado
esquelético e estriado cardíaco.
Músculo liso: o músculo involuntário localiza-se na pele, órgãos
internos, aparelho reprodutor, grandes vasos sangüíneos e aparelho
excretor. O estímulo para a contração dos músculos lisos é mediado pelo
sistema nervoso vegetativo.
Músculo estriado esquelético: é inervado pelo sistema nervoso central
e, como este se encontra em parte sob controle consciente, chama-se
músculo voluntário. As contrações do músculo esquelético permitem os
movimentos dos diversos ossos e cartilagens do esqueleto.
Músculo cardíaco: este tipo de tecido muscular forma a maior parte do
coração dos vertebrados. O músculo cardíaco carece de controle
voluntário. É inervado pelo sistema nervoso vegetativo.

Contração: ocorre pelo deslizamento dos filamentos de


actina sobre os de miosina c sarcômero diminui devido à
aproximação das duas linhas Z, e a zona H chega a
desaparecer.

Uma teoria simplificada admite que, ao receber um


estímulo nervoso, a fibra muscular mostra, em seqüência,
os seguintes eventos:
1. O retículo sarcoplasmático e o sistema T liberam íons Ca++ e Mg++ para o citoplasma.
2. Em presença desses dois íons, a miosina adquire uma propriedade ATP ásica, isto é, desdobra o
ATP, liberando a energia de um radical fosfato:
3. A energia liberada provoca o deslizamento da actina entre os filamentos de miosina,
caracterizando o encurtamento das miofibrilas.
Lista dos Músculos Principais do Corpo Humano
Trapézio: é o mais superficial dos músculos da região posterior do tórax, tem a forma de um
trapezóide. Ele eleva, abaixa, retrai e faz a rotação da escápula. Recobre músculos adjacentes
como o Levantador da escápula e Rombóides maior e menor (o levantador da escápula eleva a
escápula e os rombóides fazem a retração da mesma).
Grande Dorsal: É um músculo de grandes dimensões, triangular, que recobre inferiormente a
parede póstero-lateral do tórax. Ele produz a extensão, adução e rotação medial do ombro;
Glúteo Máximo: É um músculo volumoso, situado superficialmente na região glútea. Cobre os
músculos Glúteo Médio e Mínimo (abdução e rotação medial dos quadris); Faz a extensão e
rotação externa dos quadris e com os membros inferiores fixos, participa na extensão do
tronco. Recobre também mais profundamente os músculos curtos da região: Piriforme,
Obturatório Interno, Externo, Gêmeos Superior e Inferior e o Quadrado da Coxa. Esses músculos
fazem a rotação lateral dos quadris. Alguns estudiosos discutem quanto a verdadeira função
dos 4 acima. Alguns mencionam o piriforme e o obturatório interno como abdutores e o
quadrado da coxa e obturatório externo como adutores.
Reto Femoral, Vasto Lateral, Vasto Medial e Vasto Intermédio: É o mais volumoso e potente
músculo do corpo, constituindo a maior parte da massa muscular da região anterior e medial
da coxa (chamado o conjunto de quadríceps) fazem em conjunto a extensão dos joelhos. O
vasto intermédio é coberto pelo reto femoral. O Reto femoral é um músculo bi - articular e
age sobre a articulação dos quadris e joelhos. Atua como flexor dos quadris e extensor dos
joelhos.
Sartório: é um músculo que cruza obliquamente a coxa, látero-medialmente, descrevendo um
curso espiral. Tem como ação flexionar os quadris e joelhos.
Ísquiotibiais: São formados pelos músculos Semitendinoso, Semimembranoso (pósteromediais)
e Bíceps da coxa (pósterolateral). O semitendinoso é mais à frente do semimembranoso. Com
exceção da porção curta do Bíceps da Coxa, eles agem como extensores dos quadris e flexores
dos joelhos.
Gastrocnêmio e Sóleo: O gastrocnêmio fica na região posterior da perna abaixo dos joelhos e
recobre outro músculo chamado Sóleo (este conjunto é chamado de Tríceps Sural ou
Panturrilha). Agem como flexores plantares, ou seja, fletem o pé para baixo. O gastrocnêmio
também age como flexor dos joelhos quando a perna não estiver suportando o peso.
Adutores: São compreendidos pelos músculos Pectíneo, Adutor longo, Adutor curto, Adutor
magno e Grácil. O adutor longo e o pectíneo são superficiais enquanto o grácil é mais medial.
O adutor curto é recoberto pelo adutor longo e o adutor magno pelo curto, longo e vasto
medial. Todos esses músculos fazem a adução dos quadris (trazem a perna para o centro).
Mas o adutor magno tem uma porção que faz a extensão dos quadris e por outro lado tanto o
pectíneo como os adutores em geral auxiliam na flexão dos quadris e o grácil tem ação na
flexão dos joelhos também.
Tibial Anterior: Ocupa uma posição lateral e paralela à tíbia, mas seu tendão de inserção ao
nível do tornozelo, desvia-se medialmente. Este músculo faz a dorsiflexão (traz as pontas dos
dedos dos pés para cima) e a inversão dos pés.
Deltóide: O mais superficial dos músculos intrínsecos do ombro, ele modela o ombro.
Geralmente volumoso, podendo-se reconhecer nele 3 partes: clavicular, acrominal e escapular.
Faz a abdução com as 3 partes juntas e a flexão do ombro (clavicular), a adução (acromial) e a
extensão (escapular). Músculos vizinhos ajudam a fazer movimentação de ombro como:
Supraspinhal, Infraspinhal, Redondo Menor e Redondo Maior, os quais são músculos intrínsecos
do ombro e agem como: supraspinhal (abdutor do ombro), Infraspinhal e redondo menor
(rotator lateral do ombro) e o redondo maior (rotator medial do ombro).
Tríceps: É o único músculo volumoso na face posterior do braço. Possui três porções a longa,
a média e a lateral. É um poderoso extensor de cotovelos.
Peitoral: Em forma de leque, é o mais superficial dos músculos da parede anterior do tórax. Ele é
um poderoso adutor do ombro. Sua porção clavicular faz a flexão de ombro. Recobre os músculos
Peitoral menor e Subclávio, os quais agem fazendo a depressão da escápula. Ainda o peitoral
menor recobre outro músculo importante chamado Serrátil anterior, sua ação é tracionar para trás
(protusão) a escápula voltando a cavidade glenóide para cima.
Bíceps: O mais superficial dos músculos anteriores do braço, e como o nome indica, possui
duas cabeças de origem, uma longa (lateral) e outra curta (medial). Tem como ação a flexão
dos cotovelos. Mas auxilia na supinação (voltar a mão para cima). Recobre outro músculo
chamado Braquial o qual faz a flexão dos cotovelos.
Braquioradial: apesar de a sua origem ser no úmero, cruzando o cotovelo, a maior parte de
seu ventre situa-se no antebraço. Fica entre o tríceps e o braquial agindo como flexor dos
cotovelos.
Reto Abdominal, Oblíquo Externo e Oblíquo Interno: Juntos, formam uma parede abdominal
e um assoalho pélvico resistindo a pressão exercida pelo diafragma no sentido caudal, durante
o esforço e tosse. São importantes na respiração, defecação, micção, no parto e vômito. O reto
abdominal age como flexor de tronco auxiliado pelos oblíquos interno e externo, mas é o mais
importante para flexões de tronco contra a resistência em decúbito dorsal. Os oblíquos atuam
como rotatores do tronco. A rotação do tronco para o lado de um oblíquo externo é auxiliada
pelo oblíquo interno oposto. E todos eles mais outro músculo chamado Transverso do lado
respectivo agem como flexores de tronco lateral.
Íliopsoas: Músculo de 2 porções: o ilíaco (lateral) e o psoas maior (medial) . É um importante
flexor dos quadris. Quando os quadris estão fixados ele flete o tronco. Existe um músculo que
atua junto a ele na flexão: o chamado Tensor da Fáscia Lata (fazendo também a rotação medial
dos quadris).

SISTEMA RESPIRATÓRIO
O sistema respiratório humano é constituído por um par de pulmões e por vários órgãos que conduzem o ar

para dentro e para fora das cavidades pulmonares. Esses  órgãos são as fossas nasais, a boca, a faringe, a

laringe, a traquéia, os brônquios, os bronquíolos e os alvéolos, os três últimos localizados nos pulmões.

Fossas nasais: são duas cavidades paralelas que começam


nas narinas e terminam na faringe. No teto das fossas
nasais existem células sensoriais, responsáveis pelo sentido
do olfato. Têm as funções de filtrar, umedecer e aquecer o
ar.
Faringe: é um canal comum aos sistemas digestório e
respiratório e comunica-se com a boca e com as fossas
nasais. O ar inspirado pelas narinas ou pela boca passa
necessariamente pela faringe, antes de atingir a laringe.

Traquéia: Bifurca-se na sua região inferior, originando os


brônquios, que penetram nos pulmões. Seu epitélio de
revestimento muco-ciliar adere partículas de poeira e
bactérias presentes em suspensão no ar inalado, que são
posteriormente varridas para fora (graças ao movimento
dos cílios) e engolidas ou expelidas.

Laringe: situado na parte superior do pescoço, em continuação à


faringe. A entrada da laringe chama-se glote. Acima dela existe
uma espécie de “lingüeta” de cartilagem denominada epiglote,
que funciona como válvula. Quando nos alimentamos, a laringe
sobe e sua entrada é fechada pela epiglote. Isso impede que o
alimento ingerido penetre nas vias respiratórias.
O epitélio que reveste a laringe apresenta pregas, as cordas
vocais, capazes de produzir sons durante a passagem de ar.
Pulmões: Os pulmões humanos são órgãos
esponjosos, sendo envolvidos por uma membrana
serosa denominada pleura. Nos pulmões os
brônquios ramificam-se dando origem a tubos
cada vez mais finos, os bronquíolos.

Cada bronquíolo termina em pequenas bolsas formadas por células epiteliais achatadas recobertas
por capilares sangüíneos, denominadas alvéolos pulmonares.
Diafragma: A base de cada pulmão apóia-se no diafragma, órgão músculo-membranoso que separa
o tórax do abdômen, promovendo, juntamente com os músculos intercostais, os movimentos
respiratórios. O nervo frênico controla os movimentos do diafragma.

Ventilação pulmonar
A inspiração, que promove a entrada de ar nos pulmões, dá­se pela contração da musculatura do diafragma
e dos músculos intercostais. O diafragma abaixa e as costelas elevam­se, promovendo o aumento da caixa

torácica, com conseqüente redução da pressão interna (em relação à externa), forçando o ar a entrar nos

pulmões.

A expiração, que promove a saída de ar dos pulmões, dá-se


pelo relaxamento da musculatura do diafragma e dos
músculos intercostais. O diafragma eleva-se e as costelas
abaixam, o que diminui o volume da caixa torácica, com
conseqüente aumento da pressão interna, forçando o ar a
sair dos pulmões.

A capacidade e os volumes respiratórios


O sistema respiratório humano comporta um volume total de aproximadamente 5 litros de ar – a
capacidade pulmonar total. Desse volume, apenas meio litro é renovado em cada respiração
tranqüila, de repouso. Esse volume renovado é o volume corrente
Nunca se consegue encher os pulmões com ar completamente renovado, já que mesmo no final de
uma expiração forçada o volume residual permanece no sistema respiratório. A ventilação
pulmonar, portanto, dilui esse ar residual no ar renovado, colocado em seu interior

SISTEMA DIGESTÓRIO
O sistema digestório humano é formado por um longo tubo
musculoso, ao qual estão associados órgãos e glândulas que
participam da digestão. Apresenta as seguintes regiões; boca,
faringe, esôfago, estômago, intestino delgado, intestino
grosso e ânus.

BOCA
A abertura pela qual o alimento entra no tubo digestivo é a
boca. Aí se encontram os dentes e a língua, que preparam o
alimento para a digestão, por meio da mastigação. Os dentes
reduzem os alimentos em pequenos pedaços, misturando-os à
saliva, o que irá facilitar a futura ação das enzimas.
 

A língua

A língua movimenta o alimento empurrando-o em direção a garganta, para


que seja engolido. Na superfície da língua existem dezenas de papilas
gustativas, cujas células sensoriais percebem os quatro sabores primários:
amargo (A), azedo ou ácido (B), salgado (C) e doce (D). De sua
combinação resultam centenas de sabores distintos. A distribuição dos
quatro tipos de receptores gustativos, não é homogênea.

As glândulas salivares
A presença de alimento na boca, assim como sua visão e cheiro, estimula as glândulas salivares a
secretar saliva, que contém a enzima amilase salivar ou ptialina, além de sais e outras substâncias.
FARINGE E ESÔFAGO
A faringe, situada no final da cavidade bucal, é um canal comum aos sistemas digestório e
respiratório: por ela passam o alimento, que se dirige ao esôfago, e o ar, que se dirige à laringe.
O esôfago é um canal que liga a faringe ao estômago. O bolo alimentar leva de 5 a 10 segundos
para percorrê-lo.

 ESTÔMAGO E SUCO GÁSTRICO
O estômago é uma bolsa de parede musculosa, localizada no lado esquerdo abaixo do abdome, logo
abaixo das últimas costelas. É um órgão muscular que liga o esôfago ao intestino delgado. Sua
função principal é a digestão de alimentos protéicos. Quando está vazio, tem a forma de uma letra
"J" maiúscula, cujas duas partes se unem por ângulos agudos.

INTESTINO DELGADO
O intestino delgado é um tubo com pouco mais de 6 m de comprimento por 4cm de diâmetro e pode
ser dividido em três regiões: duodeno, jejuno e íleo.
O duodeno tem a forma de ferradura e compreende o piloro, esfíncter muscular da parte inferior do
estômago pela qual este esvazia seu conteúdo no intestino.

Suco digestivo Enzima pH ótimo Substrato Produtos


Saliva Ptialina neutro polissacarídeos maltose
Suco gástrico Pepsina ácido proteínas oligopeptídeos
Quimiotripsina alcalino proteínas peptídeos
Tripsina alcalino proteínas peptídeos
Amilopepsina alcalino polissacarídeos maltose
Suco pancreático
Rnase alcalino RNA ribonucleotídeos
Dnase alcalino DNA desoxirribonucleotídeos
Lipase alcalino lipídeos glicerol e ácidos graxos
Carboxipeptidase alcalino oligopeptídeos aminoácidos
Aminopeptidase alcalino oligopeptídeos aminoácidos
Dipeptidase alcalino dipeptídeos aminoácidos
Suco intestinal ou entérico
Maltase alcalino maltose glicose
Sacarase alcalino sacarose glicose e frutose
Lactase alcalino lactose glicose e galactose
INTESTINO GROSSO
É o local de absorção de água, tanto a ingerida quanto a das secreções digestivas. Glândulas da
mucosa do intestino grosso secretam muco, que lubrifica as fezes, facilitando seu trânsito e
eliminação pelo ânus. Divide-se em ceco, cólon ascendente, cólon transverso, cólon descendente,
cólon sigmóide e reto. A saída do reto chama-se ânus e é fechada por um músculo que o rodeia, o
esfíncter anal.
As fibras vegetais, principalmente a celulose, não são digeridas nem absorvidas, contribuindo com
porcentagem significativa da massa fecal. Como retêm água, sua presença torna as fezes macias e
fáceis de serem eliminadas.

GLÂNDULAS ANEXAS
 Pâncreas
O pâncreas é uma glândula mista, localizada na alça
formada pelo duodeno, sob o estômago. A secreção
externa dele é dirigida para o duodeno. O pâncreas
comporta dois órgãos estreitamente imbricados:
pâncreas exócrino, que produz enzimas digestivas e
o endócrino, que secreta os hormônios insulina e
glucagon.

Fígado

É o maior órgão interno, e é ainda um dos mais importantes.


Tem cor arroxeada, superfície lisa e recoberta por uma
cápsula própria. Está situado no quadrante superior direito
da cavidade abdominal. O termo hepatite é usado para
definir qualquer inflamação no fígado, como a cirrose.

Funções do fígado:
 Secretar a bile, líquido que atua no emulsionamento das gorduras ingeridas, facilitando,
assim, a ação da lipase;
 Remover moléculas de glicose no sangue, reunindo-as quimicamente para formar
glicogênio, que é armazenado; nos momentos de necessidade, o glicogênio é reconvertido em
moléculas de glicose, que são relançadas na circulação;
 Armazenar ferro e certas vitaminas em suas células;
 Metabolizar lipídeos;
 Sintetizar diversas proteínas presentes no sangue, de fatores imunológicos e de coagulação e
de substâncias transportadoras de oxigênio e gorduras;
 Degradar álcool e outras substâncias tóxicas, auxiliando na desintoxicação do organismo;
 Destruir hemácias (glóbulos vermelhos) velhas ou anormais, transformando sua
hemoglobina em bilirrubina, o pigmento castanho-esverdeado presente na bile.

SISTEMA EXCRETOR
O sistema excretor é formado por um conjunto de órgãos que filtram o sangue, produzem e
excretam a urina - o principal líquido de excreção do organismo. É constituído por um par de rins,
um par de ureteres, pela bexiga urinária e pela uretra.

Os rins situam-se na parte dorsal do abdome, um de cada lado


da coluna vertebral. Têm a forma de um grão de feijão e
possuem uma cápsula fibrosa, que protege o córtex - mais
externo, e a medula - mais interna.
Cada rim é formado de tecido conjuntivo, e por milhares ou
milhões de unidades filtradoras, os néfrons, localizados na
região renal. O néfron é uma longa estrutura tubular
microscópica. São responsáveis pela filtração do sangue e
remoção das excreções.
Como funcionam os rins
O sangue chega ao rim através da artéria renal, que se ramifica muito no interior do órgão,
originando grande número de arteríolas aferentes, onde cada uma ramifica-se, formando um
enovelado de capilares denominado glomérulo de Malpighi.
O sangue arterial é conduzido sob alta pressão nos capilares do glomérulo. Essa pressão tem
intensidade suficiente para que ocorra a filtração. Além desses processos, ocorre, ao longo dos
túbulos renais, reabsorção ativa de aminoácidos e glicose.
Regulação da função renal
A regulação da função renal relaciona-se basicamente com a regulação da quantidade de líquidos do
corpo. O principal agente regulador do equilíbrio hídrico no corpo humano é o hormônio ADH
(antidiurético), produzido no hipotálamo e armazenado na hipófise. A concentração do plasma
sangüíneo é detectada por receptores localizados no hipotálamo. Havendo aumento na concentração
do plasma (pouca água), esses osmorreguladores estimulam a produção de ADH. Esse hormônio
passa para o sangue, indo atuar sobre os túbulos distais e coletores do néfron, tornando as células
desses tubos mais permeáveis à água. Dessa forma, ocorre maior reabsorção de água e a urina fica
mais concentrada. Quando a concentração do plasma é baixa (muita água), há inibição da produção
do ADH e, conseqüentemente, menor absorção de água nos túbulos distais e coletores,
possibilitando a excreção do excesso de água. Certas substâncias, como é o caso do álcool, inibem a
secreção de ADH, aumentando a produção de urina.
Além do ADH, há outro hormônio participante do equilíbrio hidro-iônico do organismo: a
aldosterona, produzida nas glândulas supra-renais. Ela aumenta a reabsorção ativa de sódio nos
túbulos renais, possibilitando maior retenção de água no organismo. A produção de aldosterona é
regulada da seguinte maneira: quando a concentração de sódio dentro do túbulo renal diminui, o rim
produz uma proteína chamada renina, que age sobre uma proteína produzida no fígado e encontrada
no sangue, denominada angiotensinogênio (inativo), convertendo-a em angiotensina (ativa). Essa
substância estimula as glândulas supra-renais a produzirem a aldosterona.

SISTEMA REPRODUTOR
SISTEMA REPRODUTOR MASCULINO

O sistema reprodutor masculino é formado por: 
 Testículos ou gônadas
 Vias espermáticas: epidídimo, canal deferente,
uretra.
 Pênis
 Escroto
 Glândulas anexas: próstata, vesículas
seminais, glândulas bulbouretrais.

Testículos: são as gônadas masculinas. Cada testículo é composto por um emaranhado de tubos, os
ductos seminíferos. Nesses ductos ocorrerá a formação dos espermatozóides. Em meio aos ductos
seminíferos, as células intersticiais produzem os hormônios sexuais masculinos, sobretudo a
testosterona, responsáveis pelo desenvolvimento dos órgãos genitais masculinos e dos caracteres
sexuais secundários:
 Estimulam os folículos pilosos para que façam crescer a barba masculina e o pêlo pubiano.
 Estimulam o crescimento das glândulas sebáceas e a elaboração do sebo.
 Produzem o aumento de massa muscular nas crianças durante a puberdade, pelo aumento do
tamanho das fibras musculares.
 Ampliam a laringe e torna mais grave a voz.
 Fazem com que o desenvolvimento da massa óssea seja maior, protegendo contra a
osteoporose.
Vesículas seminais: responsáveis pela produção de um líquido, que será liberado no ducto
ejaculatório que, juntamente com o líquido prostático e espermatozóides, entrarão na composição
do sêmen. O líquido das vesículas seminais age como fonte de energia para os espermatozóides e é
constituído principalmente por frutose e prostaglandinas (hormônios produzidos em numerosos
tecidos do corpo. Algumas prostaglandinas atuam na contração da musculatura lisa do útero na
dismenorréia – cólica menstrual, e no orgasmo; outras atuam promovendo vasodilatação em artérias
do cérebro, o que talvez justifique as cefaléias – dores de cabeça – da enxaqueca. São formados a
partir de ácidos graxos insaturados e podem ter a sua síntese interrompida por analgésicos e
antiinflamatórios).
Pênis: é considerado o principal órgão do aparelho sexual masculino, sendo formado por dois tipos
de tecidos cilíndricos: dois corpos cavernosos e um corpo esponjoso (envolve e protege a uretra).
Na extremidade do pênis encontra-se a glande - cabeça do pênis, onde podemos visualizar a
abertura da uretra. Quando a glande não consegue ser exposta devido ao estreitamento do prepúcio,
diz-se que a pessoa tem fimose.
A uretra é comumente um canal destinado para a urina, mas os músculos na entrada da bexiga se
contraem durante a ereção para que nenhuma urina entre no sêmen e nenhum sêmen entre na
bexiga. Todos os espermatozóides não ejaculados são reabsorvidos pelo corpo dentro de algum
tempo.
Saco Escrotal ou Bolsa Escrotal ou Escroto: Um espermatozóide leva cerca de 70 dias para ser
produzido. Eles não podem se desenvolver adequadamente na temperatura normal do corpo
(36,5°C). Assim, os testículos se localizam na parte externa do corpo, dentro da bolsa escrotal, que
tem a função de termorregulação (aproximam ou afastam os testículos do corpo), mantendo-os a
uma temperatura geralmente em torno de 1 a 3 °C abaixo da corporal.
PUBERDADE: os testículos da criança permanecem inativos até que são estimulados entre 10 e 14
anos pelos hormônios gonadotróficos da glândula hipófise (pituitária)
O hipotálamo libera fatores liberadores dos hormônios gonadotróficos que fazem a hipófise liberar
FSH (hormônio folículo estimulante) e LH (hormônio luteinizante).
FSH à estimula a espermatogênese pelas células dos túbulos seminíferos.
LH à estimula a produção de testosterona pelas células intersticiais dos testículos à características
sexuais secundárias, elevação do desejo sexual.

TESTOSTERONA
Efeito na Espermatogênese. A testosterona faz com que os testículos cresçam. Ela deve estar
presente, também, junto com o folículo estimulante, antes que a espermatogênese se complete.
Efeito nos caracteres sexuais masculinos. Depois que um feto começa a se desenvolver no útero
materno, seus testículos começam a secretar testosterona, quando tem poucas semanas de vida
apenas. Essa testosterona, então, auxilia o feto a desenvolver órgãos sexuais masculinos e
características secundárias masculinas. Na puberdade, induz os órgãos sexuais masculinos a retomar
o crescimento. Os testículos, a bolsa escrotal e o pênis crescem, então, aproximadamente mais 10
vezes.
Efeito nos caracteres sexuais secundários. Faz com que os pêlos cresçam na face, ao longo da
linha média do abdome, no púbis e no tórax. Origina, porém, a calvície nos homens que tenham
predisposição hereditária para ela. Estimula o crescimento da laringe, de maneira que o homem,
após a puberdade fica com a voz mais grave. Estimula um aumento na deposição de proteína nos
músculos, pele, ossos e em outras partes do corpo. Algumas vezes, a testosterona também promove
uma secreção anormal das glândulas sebáceas da pele, fazendo com que se desenvolva a acne pós-
puberdade na face. Na ausência de testosterona, as características sexuais secundárias não se
desenvolvem e o indivíduo mantém um aspecto sexualmente infantil.

Hormônios Sexuais Masculinos

Glândula Hormônio Órgão-alvo Principais ações


Estimulam a produção de testosterona e
Hipófise FSH e LH testículos
controlam a produção de espermatozóides.
Estimula o aparecimento dos caracteres
diversos
sexuais secundários.
Testículos Testosterona Induz o amadurecimento dos órgãos
Sistema Reprodutor genitais, promove o impulso sexual e
controla a produção de espermatozóides

SISTEMA REPRODUTOR FEMININO


O sistema reprodutor feminino é constituído por dois ovários, duas tubas uterinas (trompas de
Falópio), um útero, uma vagina, uma vulva. Ele está localizado no interior da cavidade pélvica. A
pelve constitui um marco ósseo forte que realiza uma função protetora.
A vagina é um canal de paredes elásticas, que liga o colo do útero aos genitais externos. Contêm
duas glândulas que secretam um muco lubrificante. A entrada da vagina é protegida por uma
membrana circular - o hímen - que fecha parcialmente o orifício vulvo-vaginal e é quase sempre
perfurado no centro, podendo ter formas diversas.
A genitália externa ou vulva é delimitada e protegida por duas pregas cutâneo-mucosas
intensamente irrigadas e inervadas - os grandes lábios. Na mulher reprodutivamente madura, os
grandes lábios são recobertos por pêlos pubianos. Mais internamente, outra prega cutâneo-mucosa
envolve a abertura da vagina - os pequenos lábios - que protegem a abertura da uretra e da vagina.
Na vulva também está o clitóris, formado por tecido esponjoso erétil, homólogo ao pênis do
homem.

Ovários: são as gônadas femininas. Produzem estrógeno e progesterona, hormônios sexuais


femininos. No final do desenvolvimento embrionário de uma menina, ela já tem todas as células
que irão transformar-se em gametas nos seus dois ovários. A partir da adolescência, sob ação
hormonal, os folículos ovarianos começam a crescer e a desenvolver. Os folículos em
desenvolvimento secretam o hormônio estrógeno. Mensalmente, apenas um folículo geralmente
completa o desenvolvimento e a maturação, rompendo-se e liberando o ovócito secundário (gameta
feminino): fenômeno conhecido como ovulação.
Tubas uterinas, ovidutos ou trompas de Falópio: são dois ductos que unem o ovário ao útero.
Útero: órgão oco situado na cavidade pélvica anteriormente à bexiga e posteriormente ao reto, de
parede muscular espessa (miométrio) e com formato de pêra invertida. É revestido internamente
por um tecido vascularizado rico em glândulas - o endométrio.
A pituitária (hipófise) anterior das meninas, como a dos meninos, não secreta praticamente nenhum
hormônio gonadotrópico até à idade de 10 a 14 anos. Entretanto, por essa época, começa a secretar
dois hormônios gonadotrópicos. No inicio, secreta principalmente o hormônio foliculo-estimulante
(FSH), que inicia a vida sexual na menina em crescimento; mais tarde, secreta o harmônio
luteinizante (LH), que auxilia no controle do ciclo menstrual.
Hormônio Folículo-Estimulante: causa a proliferação das células foliculares ovarianas e estimula
a secreção de estrógeno, levando as cavidades foliculares a desenvolverem-se e a crescer.
Hormônio Luteinizante: aumenta ainda mais a secreção das células foliculares, estimulando a
ovulação.

Hormônios Sexuais Femininos


Os dois hormônios ovarianos, o estrogênio e a progesterona, são responsáveis pelo desenvolvimento
sexual da mulher e pelo ciclo menstrual. Esses hormônios, como os hormônios adrenocorticais e o
hormônio masculino testosterona, são ambos compostos esteróides, formados, principalmente, de
um lipídio, o colesterol. Os estrogênios são, realmente, vários hormônios diferentes chamados
estradiol, estriol e estrona, mas que têm funções idênticas e estruturas químicas muito semelhantes.
Por esse motivo, são considerados juntos, como um único hormônio.
Funções do Estrogênio: o estrogênio induz as células de muitos locais do organismo, a proliferar.
O estrogênio também provoca o aumento da vagina e o desenvolvimento dos lábios que a
circundam, faz o púbis se cobrir de pêlos, os quadris se alargarem e o estreito pélvico assumir a
forma ovóide, em vez de afunilada como no homem; provoca o desenvolvimento das mamas e a
proliferação dos seus elementos glandulares, e, finalmente, leva o tecido adiposo a concentrarem-se,
na mulher, em áreas como os quadris e coxas, dando-lhes o arredondamento típico do sexo. O
estrogênio também estimula o crescimento de todos os ossos logo após a puberdade, mas promove
rápida calcificação óssea, fazendo com que as partes dos ossos que crescem se "extingam" dentro de
poucos anos, de forma que o crescimento, então, pára. O estrogênio tem, outrossim, efeitos muito
importantes no revestimento interno do útero, o endométrio, no ciclo menstrual.
Funções da Progesterona: a progesterona tem pouco a ver com o desenvolvimento dos caracteres
sexuais femininos; está principalmente relacionada com a preparação do útero para a aceitação do
embrião e à preparação das mamas para a secreção láctea. Em geral, a progesterona aumenta o grau
da atividade secretória das glândulas mamárias e, também, das células que revestem a parede
uterina, acentuando o espessamento do endométrio e fazendo com que ele seja intensamente
invadido por vasos sangüíneos; determina, ainda, o surgimento de numerosas glândulas produtoras
de glicogênio. Finalmente, a progesterona inibe as contrações do útero e impede a expulsão do
embrião que se está implantando ou do feto em desenvolvimento.

CICLO MENSTRUAL
O ciclo menstrual na mulher é causado pela secreção alternada dos hormônios folículo-estimulante
e luteinizante, pela pituitária (hipófise) anterior (adenohipófise), e dos estrogênios e progesterona,
pelos ovários. O ciclo de fenômenos que induzem essa alternância tem a seguinte explicação:
1. No começo do ciclo menstrual, isto é, quando a menstruação se inicia, a pituitária anterior secreta
maiores quantidades de hormônio folículo-estimulante juntamente com pequenas quantidades de
hormônio luteinizante. Juntos, esses hormônios promovem o crescimento de diversos folículos nos
ovários e acarretam uma secreção considerável de estrogênio (estrógeno).
2. Acredita-se que o estrogênio tenha, então, dois efeitos seqüenciais sobre a secreção da pituitária
anterior. Primeiro, inibiria a secreção dos hormônios folículo-estimulante e luteinizante, fazendo
com que suas taxas declinassem a um mínimo por volta do décimo dia do ciclo. Depois,
subitamente a pituitária anterior começaria a secretar quantidades muito elevadas de ambos os
hormônios mas principalmente do hormônio luteinizante. É essa fase de aumento súbito da secreção
que provoca o rápido desenvolvimento final de um dos folículos ovarianos e a sua ruptura dentro de
cerca de dois dias.
3. O processo de ovulação, que ocorre por volta do décimo quarto dia de um ciclo normal de 28
dias, conduz ao desenvolvimento do corpo lúteo ou corpo amarelo, que secreta quantidades
elevadas de progesterona e quantidades consideráveis de estrogênio.
4. O estrogênio e a progesterona secretados pelo corpo lúteo inibem novamente a pituitária anterior,
diminuindo a taxa de secreção dos hormônios folículo-estimulante e luteinizante. Sem esses
hormônios para estimulá-lo, o corpo lúteo involui, de modo que a secreção de estrogênio e
progesterona cai para níveis muito baixos. É nesse momento que a menstruação se inicia, provocada
por esse súbito declínio na secreção de ambos os hormônios.
5. Nessa ocasião, a pituitária anterior, que estava inibida pelo estrogênio e pela progesterona,
começa a secretar outra vez grandes quantidades de hormônio folículo-estimulante, iniciando um
novo ciclo. Esse processo continua durante toda a vida reprodutiva da mulher.
Podemos, então, dividir o ciclo menstrual em 4 fases:
1. Fase menstrual: corresponde aos dias de menstruação e dura cerca de 3 a 7 dias, geralmente.
2. Fase proliferativa ou estrogênica: período de secreção de estrógeno pelo folículo ovariano,
que se encontra em maturação.
3. Fase secretora ou lútea: o final da fase proliferativa e o início da fase secretora é marcado
pela ovulação. Essa fase é caracterizada pela intensa ação do corpo lúteo.
4. Fase pré-menstrual ou isquêmica: período de queda das concentrações dos hormônios
ovarianos, quando a camada superficial do endométrio perde seu suprimento sangüíneo normal
e a mulher está prestes a menstruar. Dura cerca de dois dias, podendo ser acompanhada por dor
de cabeça, dor nas mamas, alterações psíquicas, como irritabilidade e insônia (TPM ou Tensão
Pré-Menstrual).

SISTEMA CARDIOVASCULAR
Componentes do Sistema Cardiovascular
Os principais componentes do sistema circulatório são: coração, vasos sangüíneos, sangue, vasos
linfáticos e linfa.

Funções do sistema cardiovascular


O sistema circulatório permite que algumas atividades sejam executadas com grande eficiência:
 Transporte de gases
 Transporte de nutrientes
 Transporte de resíduos metabólicos
 Transporte de hormônios
 Intercâmbio de materiais
 Transporte de calor
 Distribuição de mecanismos de defesa
 Coagulação sangüínea

CORAÇÃO
O coração é um órgão muscular oco que se localiza no meio do peito, sob o osso esterno,
ligeiramente deslocado para a esquerda. Em uma pessoa adulta, tem o tamanho aproximado de um
punho fechado e pesa cerca de 400 gramas.
O coração humano, apresenta quatro cavidades: duas superiores, denominadas átrios (ou aurículas)
e duas inferiores, denominadas ventrículos. O átrio direito comunica-se com o ventrículo direito
através da válvula tricúspide. O átrio esquerdo, por sua vez, comunica-se com o ventrículo esquerdo
através da válvula bicúspide ou mitral.A função das válvulas cardíacas é garantir que o sangue siga
uma única direção, sempre dos átrios para os ventrículos.

As câmaras cardíacas contraem-se e dilatam-se alternadamente 70 vezes por minuto, em média. O


processo de contração de cada câmara do miocárdio (músculo cardíaco) denomina-se sístole. O
relaxamento, que acontece entre uma sístole e a seguinte, é a diástole.

a­ A atividade elétrica do coração
Nódulo sinoatrial (SA) ou marcapasso ou nó sino-atrial: região
especial do coração, que controla a freqüência cardíaca. Localiza-se
perto da junção entre o átrio direito e a veia cava superior e é
constituído por um aglomerado de células musculares especializadas.

Sistema de Purkinje: um sistema especial de condução, composto de fibras musculares cardíacas


especializadas, ou fibras de Purkinje (Feixe de Hiss), que transmitem os impulsos com uma
velocidade aproximadamente 6 vezes maior do que o músculo cardíaco normal, cerca de 2 m por
segundo, em contraste com 0,3 m por segundo no músculo cardíaco.

b- Controle Nervoso do Coração


O sistema nervoso é conectado com o coração através de dois grupos diferentes de nervos, os
sistemas parassimpático e simpático. A estimulação dos nervos parassimpáticos causa os seguintes
efeitos sobre o coração: (1) diminuição da freqüência dos batimentos cardíacos; (2) diminuição da
força de contração do músculo atrial; (3) diminuição na velocidade de condução dos impulsos
através do nódulo AV (átrio-ventricular) , aumentando o período de retardo entre a contração atrial e
a ventricular; e (4) diminuição do fluxo sangüíneo através dos vasos coronários que mantêm a
nutrição do próprio músculo cardíaco. Todos esses efeitos podem ser resumidos, dizendo-se que a
estimulação parassimpática diminui todas as atividades do coração. Usualmente, a função cardíaca é
reduzida pelo parassimpático durante o período de repouso, juntamente com o restante do corpo.
Isso talvez ajude a preservar os recursos do coração; pois, durante os períodos de repouso,
indubitavelmente há um menor desgaste do órgão.
A estimulação dos nervos simpáticos apresenta efeitos exatamente opostos sobre o coração: (1)
aumento da freqüência cardíaca, (2) aumento da força de contração, e (3) aumento do fluxo
sangüíneo através dos vasos coronários visando a suprir o aumento da nutrição do músculo
cardíaco. Esses efeitos podem ser resumidos, dizendo-se que a estimulação simpática aumenta a
atividade cardíaca como bomba, algumas vezes aumentando a capacidade de bombear sangue em
até 100 por cento. Esse efeito é necessário quando um indivíduo é submetido a situações de
estresse, tais como exercício, doença, calor excessivo, ou outras condições que exigem um rápido
fluxo sangüíneo através do sistema circulatório. Por conseguinte, os efeitos simpáticos sobre o
coração constituem o mecanismo de auxílio utilizado numa emergência, tornando mais forte o
batimento cardíaco quando necessário.
Os neurônios pós-ganglionares do sistema nervoso simpático secretam principalmente
noradrenalina, razão pela qual são denominados neurônios adrenérgicos. A estimulação simpática
do cérebro também promove a secreção de adrenalina pelas glândulas adrenais ou supra-renais. A
adrenalina é responsável pela taquicardia (batimento cardíaco acelerado), aumento da pressão
arterial e da freqüência respiratória, aumento da secreção do suor, da glicose sangüínea e da
atividade mental, além da constrição dos vasos sangüíneos da pele.
O neurotransmissor secretado pelos neurônios pós-ganglionares do sistema nervoso parassimpático
é a acetilcolina, razão pela qual são denominados colinérgicos, geralmente com efeitos antagônicos
aos neurônios adrenérgicos. Dessa forma, a estimulação parassimpática do cérebro promove
bradicardia (redução dos batimentos cardíacos), diminuição da pressão arterial e da freqüência
respiratória, relaxamento muscular e outros efeitos antagônicos aos da adrenalina.
Em geral, a estimulação do hipotálamo posterior aumenta a pressão arterial e a freqüência cardíaca,
enquanto que a estimulação da área pré-óptica, na porção anterior do hipotálamo, acarreta efeitos
opostos, determinando notável diminuição da freqüência cardíaca e da pressão arterial. Esses efeitos
são transmitidos através dos centros de controle cardiovascular da porção inferior do tronco
cerebral, e daí passam a ser transmitidos através do sistema nervoso autônomo.

Fatores que aumentam a freqüência cardíaca Fatores que diminuem a freqüência cardíaca
Queda da pressão arterial
inspiração
excitação
raiva
Aumento da pressão arterial
dor
expiração
hipóxia (redução da disponibilidade de oxigênio
tristeza
para as células do organismo)
exercício
adrenalina
febre

Circulação pulmonar e circulação sistêmica
A circulação sangüínea humana pode ser dividida em dois
grandes circuitos: um leva sangue aos pulmões, para oxigená-
lo, e outro leva sangue oxigenado a todas as células do corpo.
Por isso se diz que nossa circulação é dupla. O trajeto
“coração (ventrículo direito)  pulmões  coração (átrio
esquerdo)” é denominado circulação pulmonar ou pequena
circulação. O trajeto “coração (ventrículo esquerdo) 
sistemas corporais  coração (átrio direito)” é denominado
circulação sistêmica ou grande circulação.
Circulação pulmonar:
Ventrículo direito  artéria pulmonar  pulmões  veias
pulmonares  átrio esquerdo.
Circulação sistêmica:
Ventrículo esquerdo  artéria aorta  sistemas corporais 
veias cavas  átrio direito.

VASOS SANGÜÍNEOS
Os vasos sangüíneos são de três tipos básicos: artérias, veias e capilares.
a- Artérias: são vasos de parede espessa que saem do coração levando sangue para os órgãos e tecidos
do corpo. Quando o sangue é bombeado pelos ventrículos e penetra nas artérias, elas se relaxam e se dilatam,

o que diminui a pressão sangüínea. Durante a diástole ventricular, a pressão sangüínea diminui. Ocorre,

então, contração das artérias, o que mantém o sangue circulando até a próxima sístole.

Pressão   arterial:  é   a   pressão   exercida   pelo   sangue   contra   a   parede   das   artérias.   A   pulsação

corresponde às variações de pressão sangüínea na artéria durante os batimentos cardíacos. 
b- Capilares sangüíneos: são vasos de pequeno calibre que ligam as extremidades das arteríolas às
extremidades das vênulas. Quando o sangue passa pelos capilares, parte do líquido que o constitui
atravessa a parede capilar e espalha-se entre as células próximas, nutrindo-as e oxigenando-as. As
células, por sua vez, eliminam gás carbônico e outras excreções no líquido extravasado.
c- Veias: são vasos que chegam ao coração, trazendo o sangue dos órgãos e tecidos. As veias de
maior calibre apresentam válvulas em seu interior, que impedem o refluxo de sangue e garante sua
circulação em um único sentido.
O retorno do sangue ao coração deve-se, em grande parte, às contrações dos músculos esqueléticos,
que comprimem as veias, fazendo com que o sangue desloque-se em seu interior. Devido às
válvulas, o sangue só pode seguir rumo ao coração.
SISTEMA NERVOSO
O sistema nervoso, juntamente com o sistema endócrino, capacitam o organismo a perceber as
variações do meio (interno e externo), a difundir as modificações que essas variações produzem e a
executar as respostas adequadas para que seja mantido o equilíbrio interno do corpo (homeostase).
São os sistemas envolvidos na coordenação e regulação das funções corporais.
Os neurônios são as células responsáveis pela recepção e transmissão dos estímulos do meio
(interno e externo), possibilitando ao organismo a execução de respostas adequadas para a
manutenção da homeostase. Para exercerem tais funções, contam com duas propriedades
fundamentais: a irritabilidade (excitabilidade) e a condutibilidade. Irritabilidade é a capacidade
que permite a uma célula responder a estímulos, sejam eles internos ou externos. Essa propriedade é
inerente aos vários tipos celulares do organismo. A resposta emitida pelos neurônios assemelha-se a
uma corrente elétrica transmitida ao longo de um fio condutor: uma vez excitados pelos estímulos,
os neurônios transmitem essa onda de excitação - chamada de impulso nervoso - por toda a sua
extensão em grande velocidade e em um curto espaço de tempo. Esse fenômeno deve-se à
propriedade de condutibilidade.
Um neurônio é uma célula composta de um
corpo celular (onde está o núcleo, o
citoplasma e o citoesqueleto), e de finos
prolongamentos que podem ser subdivididos
em dendritos e axônios. Os dendritos são
prolongamentos geralmente muito ramificados
e que atuam como receptores de estímulos. Os
axônios são prolongamentos longos que atuam como condutores dos impulsos nervosos. Todos os
axônios têm um início, um meio (o axônio propriamente dito) e um fim (terminal axonal ou botão
terminal). O terminal axonal é o local onde o axônio entra em contato com outros neurônios e/ou
outras células e passa a informação (impulso nervoso) para eles. A região de passagem do impulso
nervoso de um neurônio para a célula adjacente chama-se sinapse.
Os corpos celulares dos neurônios são geralmente encontrados em áreas restritas do sistema
nervoso, que formam o Sistema Nervoso Central (SNC), ou nos gânglios nervosos, localizados
próximo da coluna vertebral.
Do sistema nervoso central partem os prolongamentos dos neurônios, formando feixes chamados
nervos, que constituem o Sistema Nervoso Periférico (SNP).
O axônio está envolvido por um dos tipos celulares seguintes: célula de Schwann (encontrada
apenas no SNP) ou oligodendrócito (encontrado apenas no
SNC) Em muitos axônios, esses tipos celulares determinam a
formação da bainha de mielina - invólucro principalmente
lipídico que atua como isolante térmico e facilita a
transmissão do impulso nervoso. Em axônios mielinizados
existem regiões de descontinuidade da bainha de mielina, que
acarretam a existência de uma constrição denominada nódulo
de Ranvier.

O impulso nervoso 
A membrana plasmática do neurônio transporta alguns íons ativamente, do líquido extracelular para
o interior da fibra, e outros, do interior, de volta ao líquido extracelular. Assim funciona a bomba
de sódio e potássio, que bombeia ativamente o sódio para fora, enquanto o potássio é bombeado
ativamente para dentro. Porém esse bombeamento não é eqüitativo: para cada três íons sódio
bombeados para o líquido extracelular, apenas dois íons potássio são bombeados para o líquido
intracelular.

Em repouso: canais de sódio fechados. Membrana é praticamente impermeável ao sódio, impedindo


sua difusão a favor do gradiente de concentração. Sódio é bombeado ativamente para fora pela
bomba de sódio e potássio. Como a saída de sódio não é acompanhada pela entrada de potássio na
mesma proporção, estabelece-se uma diferença de cargas elétricas entre os meios intra e
extracelular: há déficit de cargas positivas dentro da célula e as faces da membrana mantêm-se
eletricamente carregadas.
O potencial eletronegativo criado no interior da fibra nervosa devido à bomba de sódio e potássio é
chamado potencial de repouso da membrana, ficando o exterior da membrana positivo e o
interior negativo. Dizemos, então, que a membrana está polarizada.  
Ao ser estimulada, uma pequena região da membrana torna-se permeável ao sódio (abertura dos
canais de sódio). Como a concentração desse íon é maior fora do que dentro da célula, o sódio
atravessa a membrana no sentido do interior da célula. A entrada de sódio é acompanhada pela
pequena saída de potássio. Esta inversão vai sendo transmitida ao longo do axônio, e todo esse
processo é denominado onda de despolarização. Os impulsos nervosos ou potenciais de ação são
causados pela despolarização da membrana além de um limiar (nível crítico de despolarização que
deve ser alcançado para disparar o potencial de ação). Os potenciais de ação assemelham-se em
tamanho e duração e não diminuem na medida em que são conduzidos ao longo do axônio, ou seja,
são de tamanho e duração fixos. A aplicação de uma despolarização crescente a um neurônio não
tem qualquer efeito até que se cruze o limiar e, então, surja o potencial de ação. Por esta razão, diz-
se que os potenciais de ação obedecem à "lei do tudo ou nada".
Imediatamente após a onda de despolarização ter-se propagado ao longo da fibra nervosa, o interior
da fibra torna-se carregado positivamente, porque um grande número de íons sódio se difundiu para
o interior. Essa positividade determina a parada do fluxo de íons sódio para o interior da fibra,
fazendo com que a membrana se torne novamente impermeável a esses íons. Por outro lado, a
membrana torna-se ainda mais permeável ao potássio, que migra para o meio interno. Devido à alta
concentração desse íon no interior, muitos íons se difundem, então, para o lado de fora. Isso cria
novamente eletronegatividade no interior da membrana e positividade no exterior – processo
chamado repolarização, pelo qual se restabelece a polaridade normal da membrana. Após a
repolarização, a bomba de sódio bombeia novamente os íons sódio para o exterior da membrana,
criando um déficit extra de cargas positivas no interior da membrana, que se torna temporariamente
mais negativo do que o normal. A eletronegatividade excessiva no interior atrai íons potássio de
volta para o interior (por difusão e por transporte ativo). Assim, o processo traz as diferenças iônicas
de volta aos seus níveis originais.
Um potencial de ação iniciado em uma extremidade de um axônio apenas se propaga em uma
direção, não retornando pelo caminho já percorrido. Conseqüentemente, os potenciais de ação são
unidirecionais. O percurso do impulso nervoso no neurônio é sempre no sentido dendrito  corpo
celular  axônio.

Sinapses
Sinapse é um tipo de junção especializada em que um terminal axonal faz contato com outro
neurônio ou tipo celular. As sinapses podem ser elétricas ou químicas (maioria).

Sinapses elétricas
As sinapses elétricas, permitem a transferência direta da corrente iônica de uma célula para outra.
Ocorrem em sítios especializados denominados junções gap ou junções comunicantes. Nesses
tipos de junções as membranas pré-sinápticas (do axônio - transmissoras do impulso nervoso) e pós-
sinápticas (do dendrito ou corpo celular - receptoras do impulso nervoso) estão separadas por
apenas 3 nm. A maioria das junções gap permite que a corrente iônica passe adequadamente em
ambos os sentidos, sendo desta forma, bidirecionais.

Sinapses químicas
Via de regra, a transmissão sináptica no sistema nervoso humano maduro é química. As membranas
pré e pós-sinápticas são separadas por uma fenda com largura de 20 a 50 nm - a fenda sináptica. A
passagem do impulso nervoso nessa região é feita, então, por substâncias químicas: os
neurotransmissores, liberados na fenda sináptica. O terminal axonal típico contém dúzias de
pequenas vesículas membranosas esféricas que armazenam neurotransmissores - as vesículas
sinápticas. A membrana dendrítica relacionada com as sinapses (pós-sináptica) apresenta moléculas
de proteínas especializadas na detecção dos neurotransmissores na fenda sináptica - os receptores.
Por isso, a transmissão do impulso nervoso ocorre sempre do axônio de um neurônio para o
dendrito ou corpo celular do neurônio seguinte. Podemos dizer então que nas sinapses químicas, a
informação que viaja na forma de impulsos elétricos ao longo de um axônio é convertida, no
terminal axonal, em um sinal químico que atravessa a fenda sináptica. Na membrana pós-sináptica,
este sinal químico é convertido novamente em sinal elétrico.
As sinapses químicas também ocorrem nas junções entre as terminações dos axônios e os
músculos; essas junções são chamadas placas motoras ou junções neuro-musculares.

Neurotransmissores
A maioria dos neurotransmissores situa-se em três categorias: aminoácidos, aminas e peptídeos. Os
neurotransmissores aminoácidos e aminas são armazenados e liberados em vesículas sinápticas. Sua
síntese ocorre no terminal axonal a partir de precursores metabólicos ali presentes. Uma vez
sintetizados, os neurotransmissores aminoácidos e aminas são levados para as vesículas sinápticas
que liberam seus conteúdos por exocitose. Nesse processo, a membrana da vesícula funde-se com a
membrana pré-sináptica, permitindo que os conteúdos sejam liberados. A membrana vesicular é
posteriormente recuperada por endocitose e a vesícula reciclada é recarregada com
neurotransmissores.
Os neurotransmissores peptídeos são liberados em grânulos secretores. Após serem sintetizados, são
clivados no complexo de golgi, transformando-se em neurotransmissores ativos, que são secretados
em grânulos secretores e transportados ao terminal axonal (transporte anterógrado) para serem
liberados na fenda sináptica.
Diferentes neurônios no SNC liberam também diferentes neurotransmissores. A transmissão
sináptica rápida na maioria das sinapses do SNC é mediada pelos neurotransmissores aminoácidos
glutamato (GLU), gama-aminobutírico (GABA) e glicina (GLI). A amina acetilcolina medeia a
transmissão sináptica rápida em todas as junções neuromusculares. As formas mais lentas de
transmissão sináptica no SNC e na periferia são mediadas por neurotransmissores das três
categorias.
O glutamato e a glicina estão entre os 20 aminoácidos que constituem os blocos construtores das
proteínas. Conseqüentemente, são abundantes em todas as células do corpo. Em contraste, o GABA
e as aminas são produzidas apenas pelos neurônios que os liberam.
O mediador químico adrenalina, além de servir como neurotransmissor no encéfalo, também é
liberado pela glândula adrenal para a circulação sangüínea.
Abaixo são citadas as funções específicas de alguns neurotransmissores.
 endorfinas e encefalinas: bloqueiam a dor, agindo naturalmente no corpo como
analgésicos.
 dopamina: neurotransmissor inibitório derivado da tirosina. Produz sensações de satisfação
e prazer. Os neurônios dopaminérgicos podem ser divididos em três subgrupos com diferentes
funções. O primeiro grupo regula os movimentos: uma deficiência de dopamina neste sistema
provoca a doença de Parkinson, caracterizada por tremuras, inflexibilidade, e outras desordens
motoras, e em fases avançadas pode verificar-se demência. O segundo grupo, funciona na
regulação do comportamento emocional. O terceiro, projeta-se apenas para o córtex pré-frontal.
Esta área do córtex está envolvida em várias funções cognitivas, memória, planejamento de
comportamento e pensamento abstrato, assim como, em aspectos emocionais, especialmente
relacionados com o stress. Distúrbios nos dois últimos sistemas estão associados com a
esquizofrenia.
 Serotonina: neurotransmissor derivado do triptofano, regula o humor, o sono, a atividade
sexual, o apetite, o ritmo circadiano, as funções neuroendócrinas, temperatura corporal,
sensibilidade à dor, atividade motora e funções cognitivas. Atualmente vem sendo intimamente
relacionada aos transtornos do humor, ou transtornos afetivos. Tem efeito inibidor da conduta e
modulador geral da atividade psíquica. Influi sobre quase todas as funções cerebrais, inibindo-a
de forma direta ou estimulando o sistema GABA.
 GABA (ácido gama-aminobutirico): principal neurotransmissor inibitório do SNC. Ele está
presente em quase todas as regiões do cérebro. Está envolvido com os processos de ansiedade.
Seu efeito ansiolítico seria fruto de alterações provocadas em diversas estruturas do sistema
límbico, inclusive a amígdala e o hipocampo. A inibição da síntese do GABA ou o bloqueio de
seus neurotransmissores no SNC, resultam em estimulação intensa, manifestada através de
convulsões generalizadas.
 Ácido glutâmico ou glutamato: principal neurotransmissor estimulador do SNC. A sua
ativação aumenta a sensibilidade aos estímulos dos outros neurotransmissores.
Tipos de neurônios
De acordo com suas funções na condução dos impulsos, os neurônios podem ser classificados em:
1. Neurônios receptores ou sensitivos (aferentes): são os que recebem estímulos sensoriais e
conduzem o impulso nervoso ao sistema nervoso central.
2. Neurônios motores ou efetuadores (eferentes): transmitem os impulsos motores (respostas
ao estímulo).
3. Neurônios associativos ou interneurônios: estabelecem ligações entre os neurônios
receptores e os neurônios motores.

Origem do sistema nervoso


O sistema nervoso origina-se da ectoderme embrionária e se localiza na região dorsal. Durante o
desenvolvimento embrionário, a ectoderme sofre uma invaginação, dando origem à goteira neural,
que se fecha, formando o tubo neural. Este possui uma cavidade interna cheia de líquido, o canal
neural. Em sua região anterior, o tubo neural sofre dilatação, dando origem ao encéfalo primitivo.
Em sua região posterior, o tubo neural dá origem à medula espinhal. O canal neural persiste nos
adultos, correspondendo aos ventrículos cerebrais, no interior do encéfalo, e ao canal do
epêndimo, no interior da medula.
Durante o desenvolvimento embrionário, verifica-se que a partir da vesícula única que constitui o
encéfalo primitivo, são formadas três outras vesículas: a primeira, denominada prosencéfalo
(encéfalo anterior); a segunda, mesencéfalo (encéfalo médio) e a terceira, rombencéfalo (encéfalo
posterior).
O prosencéfalo e o rombencéfalo sofrem estrangulamento, dando origem, cada um deles, a duas
outras vesículas. O mesencéfalo não se divide. Desse modo, o encéfalo do embrião é constituído por
cinco vesículas em linha reta. O prosencéfalo divide-se em telencéfalo (hemisférios cerebrais) e
diencéfalo (tálamo e hipotálamo); o mesencéfalo não sofre divisão e o romboencéfalo divide-se em
metencéfalo (ponte e cerebelo) e mielencéfalo (bulbo). As divisões do S.N.C se definem já na sexta
semana de vida fetal.

O Sistema Nervoso
O SNC recebe, analisa e integra informações. É o local onde ocorre a tomada de decisões e o envio
de ordens. O SNP carrega informações dos órgãos sensoriais para o sistema nervoso central e do
sistema nervoso central para os órgãos efetores (músculos e glândulas).
O Sistema Nervoso Central
O SNC divide-se em encéfalo e medula. O
encéfalo corresponde ao telencéfalo (hemisférios
cerebrais), diencéfalo (tálamo e hipotálamo),
cerebelo, e tronco cefálico, que se divide em:
BULBO, situado caudalmente; MESENCÉFALO,
situado cranialmente; e PONTE, situada entre
ambos.

No SNC, existem as chamadas substâncias


cinzenta e branca. A substância cinzenta é
formada pelos corpos dos neurônios e a branca, por seus prolongamentos. Com exceção do bulbo e
da medula, a substância cinzenta ocorre mais externamente e a substância branca, mais
internamente.
Os órgãos do SNC são protegidos por estruturas esqueléticas (caixa craniana, protegendo o
encéfalo; e coluna vertebral, protegendo a medula - também denominada raque) e por
membranas denominadas meninges, situadas sob a proteção esquelética: dura-máter (a externa),
aracnóide (a do meio) e pia-máter (a interna). Entre as meninges aracnóide e pia-máter há um
espaço preenchido por um líquido denominado líquido cefalorraquidiano ou líquor.
O TELENCÉFALO
O telencéfalo ou cérebro é dividido em dois hemisférios
cerebrais bastante desenvolvidos. Nestes, situam-se as sedes
da memória e dos nervos sensitivos e motores. São
reservatórios do LÍQUIDO CÉFALO-RAQUIDIANO,
(LÍQÜOR), participando na nutrição, proteção e excreção do
sistema nervoso. Em seu desenvolvimento, o córtex ganha
diversos sulcos para permitir que o cérebro esteja
suficientemente compacto para caber na calota craniana, que
não acompanha o seu crescimento. Por isso, no cérebro
adulto, apenas 1/3 de sua superfície fica "exposta", o restante
permanece por entre os sulcos. O córtex cerebral está
dividido em mais de quarenta áreas funcionalmente distintas,
sendo a maioria pertencente ao chamado neocórtex.

Cada uma das áreas do córtex cerebral controla uma atividade específica.
1. Hipocampo: região do córtex que está dobrada sobre si e possui apenas três camadas
celulares; localiza-se medialmente ao ventrículo lateral.
2. Córtex olfativo: localizado ventral e lateralmente ao hipocampo; apresenta duas ou três
camadas celulares.
3. Neocórtex: córtex mais complexo; separa-se do córtex olfativo mediante um sulco chamado
fissura rinal; apresenta muitas camadas celulares e várias áreas sensoriais e motoras. As áreas
motoras estão intimamente envolvidas com o controle do movimento voluntário.
A região superficial do telencéfalo, constitui o córtex cerebral, formado a partir da fusão das partes
superficiais telencefálicas e diencefálicas. O córtex recobre um grande centro medular branco,
formado por fibras axonais (substância branca).

O DIENCÉFALO (tálamo e hipotálamo)


Todas as mensagens sensoriais, com exceção das provenientes dos receptores do olfato, passam
pelo tálamo antes de atingir o córtex cerebral. Esta região está localizada entre o tronco encefálico
e o cérebro. O tálamo atua como estação retransmissora de impulsos nervosos para o córtex
cerebral. Ele é responsável pela condução dos impulsos às regiões apropriadas do cérebro onde eles
devem ser processados. O tálamo também está relacionado com alterações no comportamento
emocional; que decorre, não só da própria atividade, mas também de conexões com outras
estruturas do sistema límbico (que regula as emoções).

O hipotálamo, é o principal centro integrador das atividades dos órgãos viscerais, sendo um dos
principais responsáveis pela homeostase corporal. Ele faz ligação entre o sistema nervoso e o
sistema endócrino, atuando na ativação de diversas glândulas endócrinas. É o hipotálamo que
controla a temperatura corporal, regula o apetite e o balanço de água no corpo, o sono e está
envolvido na emoção e no comportamento sexual. Aceita-se que o hipotálamo desempenha, ainda,
um papel nas emoções. Especificamente, as partes laterais parecem envolvidas com o prazer e a
raiva, enquanto que a porção mediana parece mais ligada à aversão, ao desprazer e à tendência ao
riso (gargalhada) incontrolável.

O TRONCO ENCEFÁLICO
O tronco encefálico interpõe-se entre a
medula e o diencéfalo, situando-se
ventralmente ao cerebelo. Possui três
funções gerais; (1) recebe informações
sensitivas de estruturas cranianas e
controla os músculos da cabeça; (2)
contém circuitos nervosos que transmitem
informações da medula espinhal até outras
regiões encefálicas e, em direção contrária, do encéfalo para a medula espinhal (lado esquerdo do
cérebro controla os movimentos do lado direito do corpo; lado direito de cérebro controla os
movimentos do lado esquerdo do corpo); (3) regula a atenção. Além destas 3 funções gerais,
desempenham funções motoras e sensitivas específicas.
Na constituição do tronco encefálico entram corpos de neurônios que se agrupam em núcleos e
fibras nervosas, que, por sua vez, se agrupam em feixes ou fascículos. Muitos dos núcleos do tronco
encefálico recebem ou emitem fibras nervosas que entram na constituição dos nervos cranianos.
Dos 12 pares de nervos cranianos, 10 fazem conexão no tronco encefálico.

O CEREBELO
Situado atrás do cérebro, que é primariamente um centro para o controle dos movimentos iniciados
pelo córtex motor. Como o cérebro, também está dividido em dois hemisférios. Porém, ao contrário
dos hemisférios cerebrais, o lado esquerdo do cerebelo está relacionado com os movimentos do lado
esquerdo do corpo, enquanto o lado direito, com os movimentos do lado direito do corpo.
O cerebelo recebe informações do córtex motor e dos gânglios basais de todos os estímulos
enviados aos músculos. A partir das informações do córtex motor sobre os movimentos musculares
que pretende executar e de informações proprioceptivas que recebe diretamente do corpo
(articulações, músculos, áreas de pressão do corpo, aparelho vestibular e olhos), avalia o
movimento realmente executado. Após a comparação entre desempenho e aquilo que se teve em
vista realizar, estímulos corretivos são enviados de volta ao córtex para que o desempenho real seja
igual ao pretendido. Dessa forma, o cerebelo relaciona-se com os ajustes dos movimentos,
equilíbrio, postura e tônus muscular.

Algumas estruturas do encéfalo e suas funções

O córtex é a camada mais externa do


Córtex Cerebral cérebro. O lado esquerdo e direito do
córtex cerebral são ligados por um
Funções: feixe grosso de fibras nervosas
 Pensamento chamado de corpo caloso. Os lobos são
 Movimento as principais divisões físicas do córtex
voluntário cerebral. O lobo frontal é responsável
 Linguagem pelo planejamento consciente e pelo controle motor. O lobo
 Julgamento temporal tem centros importantes de memória e audição. O lobo
 Percepção parietal lida com os sentidos corporal e espacial. O lobo occipital
direciona a visão.
A palavra cerebelo vem do
Cerebelo
latim para "pequeno cérebro”.
O cerebelo fica localizado ao
Funções:
lado do tronco encefálico. É
 Movimento
parecido com o córtex
 Equilíbrio
cerebral em alguns aspectos:
 Postura
o cerebelo é dividido em
 Tônus muscular
hemisférios e tem um córtex que recobre estes hemisférios.
Tronco Encefálico O Tronco Encefálico é uma área do
encéfalo que fica entre o tálamo e a
Funções: medula espinhal. Possui várias estruturas
 Respiração como o bulbo, o mesencéfalo e a ponte.
 Ritmo dos Algumas destas áreas são responsáveis
batimentos cardíacos pelas funções básicas para a manutenção
 Pressão Arterial da vida como a respiração, o batimento
cardíaco e a pressão arterial.
Mesencéfalo Bulbo: recebe informações de vários órgãos do corpo, controlando as
funções autônomas (a chamada vida vegetativa): batimento cardíaco,
Funções: respiração, pressão do sangue, reflexos de salivação, tosse, espirro e o
 Visão ato de engolir.
 Audição Ponte: Participa de algumas atividades do bulbo, interferindo no
 Movimento dos controle da respiração, além de ser um centro de transmissão de
Olhos impulsos para o cerebelo. Serve ainda de passagem para as fibras
 Movimento do nervosas que ligam o cérebro à medula.
corpo
O tálamo recebe informações sensoriais do corpo e as passa para o
Tálamo córtex cerebral. O córtex cerebral envia informações motoras para o
Funções: tálamo que posteriormente são distribuídas pelo corpo. Participa,
 Integração Sensorial juntamente com o tronco encefálico, do sistema reticular, que é
 Integração Motora encarregado de “filtrar” mensagens que se dirigem às partes
conscientes do cérebro.
Sistema Límbico O Sistema Límbico é um grupo de
Funções: estruturas que inclui hipotálamo,
 Comportamento tálamo, amígdala, hipocampo, os
emocional corpos mamilares e o giro do
 Memória cíngulo. Todas estas áreas são
 Aprendizado muito importantes para a
 Emoções emoção e reações emocionais. O
 Vida vegetativa hipocampo também é importante
(digestão, circulação, para a memória e o aprendizado.
excreção etc.)

A Medula Espinhal
Nossa medula espinhal tem a forma de um cordão. Ocupa o canal vertebral, desde a região do atlas -
primeira vértebra - até o nível da segunda vértebra lombar. A medula funciona como centro nervoso
de atos involuntários e, também, como veículo condutor de impulsos nervosos.
Da medula partem 31 pares de nervos raquidianos que se ramificam. Por meio dessa rede de nervos,
a medula se conecta com as várias partes do corpo, recebendo mensagens e vários pontos e
enviando-as e recebendo mensagens do cérebro e transmitindo-as para as várias partes do corpo. A
medula possui dois sistemas de neurônios: o sistema descendente controla funções motoras dos
músculos, regula funções como pressão e temperatura e transporta sinais originados no cérebro até
seu destino; o sistema ascendente transporta sinais sensoriais das extremidades do corpo até a
medula e de lá para o cérebro.

Os corpos celulares dos neurônios se concentram no cerne da medula – na massa cinzenta. Os


axônios ascendentes e descendentes, na área adjacente – a massa branca. As duas regiões também
abrigam células da Glia. Dessa forma, na medula espinhal a massa cinzenta localiza-se
internamente e a massa branca, externamente (o contrário do que se observa no encéfalo).

Durante uma fratura ou deslocamento da coluna, as vértebras que normalmente protegem a medula
podem matar ou danificar as células. Teoricamente, se o dano for confinado à massa cinzenta, os
distúrbios musculares e sensoriais poderão estar apenas nos tecidos que recebem e mandam sinais
aos neurônios “residentes” no nível da fratura. Por exemplo, se a massa cinzenta do segmento da
medula onde os nervos rotulados C8 for lesada, o paciente só sofrerá paralisia das mãos, sem perder
a capacidade de andar ou o controle sobre as funções intestinais e urinárias. Nesse caso, os axônios
levando sinais para “cima e para baixo” através da área branca adjacente continuariam trabalhando.
Em comparação, se a área branca for lesada, o trânsito dos sinais será interrompido até o ponto da
fratura.
Infelizmente, a lesão original é só o começo. Os danos mecânicos promovem rompimento de
pequenos vasos sangüíneos, impedindo a entrega de oxigênio e nutrientes para as células não
afetadas diretamente, que acabam morrendo; as células lesadas extravasam componentes
citoplasmáticos e tóxicos, que afetam células vizinhas, antes intactas; células do sistema
imunológico iniciam um quadro inflamatório no local da lesão; células da Glia proliferam criando
grumos e uma espécie de cicatriz, que impedem os axônios lesados de crescerem e reconectarem.
O vírus da poliomielite causa lesões na raiz ventral dos nervos espinhais, o que leva à paralisia e
atrofia dos músculos.

O Sistema Nervoso Periférico


O sistema nervoso periférico é formado por nervos encarregados de fazer as ligações entre o
sistema nervoso central e o corpo. NERVO é a reunião de várias fibras nervosas, que podem ser
formadas de axônios ou de dendritos.
As fibras nervosas, formadas pelos prolongamentos dos neurônios (dendritos ou axônios) e seus
envoltórios, organizam-se em feixes. Cada feixe forma um nervo. Vários feixes agrupados
paralelamente formam um nervo. Em nosso corpo existe um número muito grande de nervos. Seu
conjunto forma a rede nervosa.
Os nervos que levam informações da periferia do corpo para o SNC são os nervos sensoriais
(nervos aferentes ou nervos sensitivos), que são formados por prolongamentos de neurônios
sensoriais. Aqueles que transmitem impulsos do SNC para os músculos ou glândulas são nervos
motores ou eferentes, feixe de axônios de neurônios motores. Existem ainda os nervos mistos,
formados por axônios de neurônios sensoriais e por neurônios motores.

Quando partem do encéfalo, os nervos são chamados de cranianos; quando partem da medula
espinhal denominam-se raquidianos.
Do encéfalo partem doze pares de nervos cranianos. Três deles são exclusivamente sensoriais,
cinco são motores e os quatro restantes são mistos.

Nervo craniano Função


I-OLFATÓRIO sensitiva Percepção do olfato.
II-ÓPTICO sensitiva Percepção visual.
Controle da movimentação do globo ocular, da pupila e do
III-OCULOMOTOR motora
cristalino.
IV-TROCLEAR motora Controle da movimentação do globo ocular.
Controle dos movimentos da mastigação (ramo motor);
V-TRIGÊMEO mista Percepções sensoriais da face, seios da face e dentes (ramo
sensorial).
VI-ABDUCENTE motora Controle da movimentação do globo ocular.
Controle dos músculos faciais – mímica facial (ramo motor);
VII-FACIAL mista
Percepção gustativa no terço anterior da língua (ramo sensorial).
VIII-VESTÍBULO- Percepção postural originária do labirinto (ramo vestibular);
sensitiva
COCLEAR Percepção auditiva (ramo coclear).
IX- Percepção gustativa no terço posterior da língua, percepções
mista
GLOSSOFARÍNGEO sensoriais da faringe, laringe e palato.
Percepções sensoriais da orelha, faringe, laringe, tórax e vísceras.
X-VAGO mista
Inervação das vísceras torácicas e abdominais.
Controle motor da faringe, laringe, palato, dos músculos
XI-ACESSÓRIO motora
esternocleidomastóideo e trapézio.
XII-HIPOGLOSSO motora Controle dos músculos da faringe, da laringe e da língua.
O conjunto de nervos cranianos e raquidianos forma o sistema nervoso periférico.
Com base na sua estrutura e função, o sistema nervoso periférico pode ainda subdividir-se em duas
partes: o sistema nervoso somático e o sistema nervoso autônomo ou de vida vegetativa.
As ações voluntárias resultam da contração de músculos estriados esqueléticos, que estão sob o
controle do sistema nervoso periférico voluntário ou somático. Já as ações involuntárias resultam da
contração das musculaturas lisa e cardíaca, controladas pelo sistema nervoso periférico autônomo,
também chamado involuntário ou visceral.
O SNP Voluntário ou Somático tem por função reagir a estímulos provenientes do ambiente
externo. Ele é constituído por fibras motoras que conduzem impulsos do sistema nervoso central
aos músculos esqueléticos. O corpo celular de uma fibra motora do SNP voluntário fica localizado
dentro do SNC e o axônio vai diretamente do encéfalo ou da medula até o órgão que inerva.
O SNP Autônomo ou Visceral, como o próprio nome diz, funciona independentemente de nossa
vontade e tem por função regular o ambiente interno do corpo, controlando a atividade dos sistemas
digestório, cardiovascular, excretor e endócrino. Ele contém fibras nervosas que conduzem
impulsos do sistema nervoso central aos músculos lisos das vísceras e à musculatura do coração. O
sistema nervoso autônomo compõe-se de três partes:
 Dois ramos nervosos situados ao lado da coluna vertebral. Esses ramos são formados por
pequenas dilatações denominadas gânglios, num total de 23 pares.
 Um conjunto de nervos que liga os gânglios nervosos aos diversos órgãos de nutrição, como
o estômago, o coração e os pulmões.
 Um conjunto de nervos comunicantes que ligam os gânglios aos nervos raquidianos,
fazendo com que o sistema autônomo não seja totalmente independente do sistema nervoso
cefalorraquidiano.

O sistema nervoso autônomo divide-se em sistema nervoso simpático e parassimpático. De modo


geral, esses dois sistemas têm funções contrárias (antagônicas). Um corrige os excessos do outro.
Por exemplo, se o sistema simpático acelera demasiadamente as batidas do coração, o sistema
parassimpático entra em ação, diminuindo o ritmo cardíaco.
O SNP autônomo simpático, de modo geral, estimula ações que mobilizam energia, permitindo ao
organismo responder a situações de estresse. Por exemplo, o sistema simpático é responsável pela
aceleração dos batimentos cardíacos, pelo aumento da pressão arterial, da concentração de açúcar
no sangue e pela ativação do metabolismo geral do corpo. Já o SNP autônomo parassimpático
estimula principalmente atividades relaxantes, como as reduções do ritmo cardíaco e da pressão
arterial, entre outras.
Uma das principais diferenças entre os nervos simpáticos e parassimpáticos é que as fibras pós-
ganglionares dos dois sistemas normalmente secretam diferentes hormônios. O hormônio secretado
pelos neurônios pós-ganglionares do sistema nervoso parassimpático é a acetilcolina.
Os neurônios pós-ganglionares do sistema nervoso simpático secretam principalmente
noradrenalina. As fibras adrenérgicas ligam o sistema nervoso central à glândula supra-renal,
promovendo aumento da secreção de adrenalina, hormônio que produz a resposta de "luta ou fuga"
em situações de stress. A acetilcolina e a noradrenalina têm a capacidade de excitar alguns órgãos e inibir
outros, de maneira antagônica.

Efeito da estimulação Efeito da estimulação


Órgão
simpática parassimpática
Olho: pupila Dilatada Contraída
Músculo ciliar nenhum Excitado
Glândulas gastrointestinais vasoconstrição Estimulação de secreção

Glândulas sudoríparas sudação Nenhum


Coração: músculo (miocárdio) Atividade aumentada Diminuição da atividade
Coronárias Vasodilatação Constrição
Vasos sanguíneos sistêmicos:
Constrição Nenhum
Abdominal
Dilatação Nenhum
Músculo
Constrição ou dilatação Nenhum
Pele
Pulmões: brônquios Dilatação Constrição
Vasos sangüíneos Constrição moderada Nenhum
Diminuição do tônus e da Aumento do tônus e do
Tubo digestivo: luz
peristalse peristaltismo
Esfíncteres
Aumento do tônus Diminuição do tônus
Fígado Liberação de glicose Nenhum

Rim Diminuição da produção de urina Nenhum


Bexiga: corpo Inibição Excitação
Esfíncter Excitação Inibição
Ato sexual masculino Ejaculação Ereção
Glicose sangüínea Aumento Nenhum

Metabolismo basal Aumento em até 50% Nenhum

Atividade mental Aumento Nenhum


Secreção da medula supra-
Aumento Nenhum
renal (adrenalina)

Em geral, quando os centros simpáticos cerebrais se tornam excitados, estimulam, simultaneamente,


quase todos os nervos simpáticos, preparando o corpo para a atividade.

Além do mecanismo da descarga em massa do sistema simpático, algumas condições fisiológicas


podem estimular partes localizadas desse sistema. Duas das condições são as seguintes:
 Reflexos calóricos: o calor aplicado à pele determina um reflexo que passa através da
medula espinhal e volta a ela, dilatando os vasos sangüíneos cutâneos. Também o aquecimento
do sangue que passa através do centro de controle térmico do hipotálamo aumenta o grau de
vasodilatação superficial, sem alterar os vasos profundos.
 Exercícios: durante o exercício físico, o metabolismo aumentado nos músculos tem um
efeito local de dilatação dos vasos sangüíneos musculares; porém, ao mesmo tempo, o sistema
simpático tem efeito vasoconstritor para a maioria das outras regiões do corpo (exceto no
coração e no cérebro).

Nas junções neuro-musculares, tanto nos gânglios do SNPA simpático como nos do parassimpático,
ocorrem sinapses químicas entre os neurônios pré-ganglionares e pós-ganglionares. Nos dois casos,
a substância neurotransmissora é a acetilcolina. Esse mediador químico atua nas dobras da
membrana, despolarizando essa área da membrana do músculo. Essa despolarização local promove
um potencial de ação que é conduzido em ambas as direções ao longo da fibra, determinando uma
contração muscular. Quase imediatamente após ter a acetilcolina estimulado a fibra muscular, ela é
destruída, o que permite a despolarização da membrana.

SISTEMA ENDÓCRINO
Dá-se o nome de sistema endócrino ao conjunto de órgãos que apresentam como atividade
característica a produção de secreções denominadas hormônios, que são lançados na corrente
sangüínea e irão atuar em outra parte do organismo, controlando ou auxiliando o controle de sua
função.
Constituição dos órgãos do sistema endócrino
Os tecidos epiteliais de secreção ou epitélios glandulares formam as glândulas, que podem ser uni
ou pluricelulares. As glândulas pluricelulares estão envolvidas por uma cápsula conjuntiva que
emite septos, dividindo-as em lobos. Vasos sangüíneos e nervos penetram nas glândulas, fornecendo
alimento e estímulo nervoso para as suas funções. Os hormônios influenciam praticamente todas as
funções dos demais sistemas corporais. Freqüentemente o sistema endócrino interage com o
nervoso, formando mecanismos reguladores bastante precisos. O sistema nervoso pode fornecer ao
endócrino a informação sobre o meio externo, ao passo que o sistema endócrino regula a resposta
interna do organismo a esta informação. Dessa forma, o sistema endócrino, juntamente com o
sistema nervoso, atuam na coordenação e regulação das funções corporais.

Alguns dos principais órgãos produtores de hormônios

Hipófise ou pituitária
Situa-se na base do encéfalo, em uma cavidade do osso esfenóide,
chamada tela túrcica. Nos seres humanos tem o tamanho aproximado de
um grão de ervilha e possui duas partes: o lobo anterior ou adeno-
hipófise (ACTH – Adrenocorticotropina, produz e secreta cortisol;
FSH; LH, produz testosterona e estrógeno; TSH, - Tireoestimulante,
taxa de formação dos hormônios tireoidianos e secreção; GH, estimula
síntese protéica, crescimento, facilita mobilização de gordura; e Prolactina, produção de leite) e o
lobo posterior ou neuro-hipófise (Ocitocina, estimulador da musculatura lisa e ADH – Antidiurético,
reduz a perda de água e favorece sua reabsorção).
O exercício estimula o hipotálamo, que libera
Além de exercerem efeitos sobre órgãos não-endócrinos, alguns
hormônios, produzidos pela hipófise são denominados trópicos (ou
tróficos) porque atuam sobre outras glândulas endócrinas,
comandando a secreção de outros hormônios. São eles:
 Tireotrópicos: estimula a tireóide a secretar seus principais
hormônios. Sua produção é estimulada pelo hormônio
liberador de tireotrofina (TRH), secretado pelo hipotálamo.
 Adrenocorticotrópicos: atuam sobre o córtex da glândula
endócrina adrenal (supra-renal)
 Gonadotrópicos: atuam sobre as gônadas masculinas e
femininas (FSH, LH. E Prolactina)
 Somatotrófico: atua no crescimento, promovendo o
alongamento dos ossos e estimulando a síntese de proteínas e
o desenvolvimento da massa muscular. Também aumenta a
utilização de gorduras e inibe a captação de glicose plasmática
pelas células, aumentando a concentração de glicose no
sangue (inibe a produção de insulina, predispondo ao
diabetes).

Hipotálamo

Localizado no cérebro diretamente acima da


hipófise, é conhecido por exercer controle sobre
ela por meios de conexões neurais e substâncias
semelhantes a hormônios chamados fatores
desencadeadores (ou de liberação), o meio pelo
qual o sistema nervoso controla o comportamento
sexual via sistema endócrino.
O hipotálamo estimula a glândula hipófise a liberar os
hormônios gonadotróficos (FSH e LH), que atuam sobre
as gônadas, estimulando a liberação de hormônios
gonadais na corrente sanguínea. Na mulher a glândula-
alvo é o ovário; no homem, são os testículos. Os
hormônios gonadais são detectados pela pituitária e pelo
hipotálamo, inibindo a liberação de mais hormônio
pituitário, por feed-back.

O hipotálamo também produz outros fatores de liberação


que atuam sobre a adeno-hipófise, estimulando ou inibindo
suas secreções. Produz também os hormônios ocitocina
(mulher, estimula a contração da musculatura uterina
durante o parto e a ejeção do leite; homem, provoca
relaxamento dos vasos e dos corpos eréteis do pênis,
aumentando a irrigação sangüínea.) e o ADH
(antidiurético) (regula o volume de urina,), armazenados e
secretados pela neuro-hipófise.

Tireóide
Localiza-se no pescoço, sobre a laringe e da traquéia. Seus dois hormônios, triiodotironina (T3) e
tiroxina (T4), aumentam a velocidade dos processos de oxidação e de liberação de energia nas
células do corpo, elevando a taxa metabólica e a geração de calor. Estimulam a síntese de proteínas,
estando relacionados ao crescimento, maturação e desenvolvimento. A calcitonina, participa do
controle da concentração sangüínea de cálcio, inibindo a remoção do cálcio dos ossos e a saída dele
para o plasma sangüíneo, estimulando sua incorporação pelos ossos.
Paratireóides
Pequenas glândulas, geralmente em número de quatro, localizadas na região posterior da tireóide.
Secretam o paratormônio, que estimula a remoção de cálcio da matriz óssea, a absorção de cálcio
dos alimentos pelo intestino e a reabsorção de cálcio pelos túbulos renais, aumentando a
concentração de cálcio no sangue.

As glândulas endócrinas e o cálcio

Adrenais ou supra­renais
São duas glândulas localizadas sobre os rins, divididas em
duas partes independentes – medula e córtex - secretoras
de hormônios diferentes, comportando-se como duas
glândulas. O córtex secreta três tipos de hormônios: os
glicocorticóides (ex: cortisol: estimulam a conversão de
proteínas e de gorduras em glicose, ao mesmo tempo que
diminuem a captação de glicose pelas células, aumentando,
assim, a utilização de gorduras. Essas ações elevam a
concentração de glicose no sangue, a taxa metabólica e a
geração de calor.), os mineralocorticóides (aldosterona:
Aumentam a reabsorção, nos túbulos renais, de água e de
íons sódio e cloreto, aumentando a pressão arterial.) e os
androgênicos (desenvolvimento e manutenção dos
caracteres sexuais secundários masculinos.). E a medula
secreta a adrenalina (promove taquicardia, aumento da
pressão arterial e das freqüências cardíaca e respiratória,
aumento da secreção do suor, da glicose sangüínea, da
atividade mental e constrição dos vasos sangüíneos da
pele.)
Pâncreas
É uma glândula mista –
apresenta determinadas
regiões endócrinas e
regiões exócrinas ao
mesmo tempo. As
chamadas ilhotas de
Langerhans são a porção
endócrina, onde estão as
células que secretam os
dois hormônios: insulina
(aumenta a captação de
glicose pelas células e, ao
mesmo tempo, inibe a
utilização de ácidos graxos e estimula sua deposição no tecido adiposo. No fígado, estimula a
captação da glicose plasmática e sua conversão em glicogênio. Portanto, provoca a diminuição da
concentração de glicose no sangue.) e glucagon (ativa a enzima fosforilase, que fraciona as
moléculas de glicogênio do fígado em moléculas de glicose, que passam para o sangue, elevando a
glicemia (taxa de glicose sangüínea).

EXERCÍCO ISOMÉTRICO
O exercício estático ou isométrico provoca grandes mudanças no tensionamento dos músculos, mas
poucas mudanças no seu comprimento.
"O exercício isométrico intenso e sustenido pode ocasionar um acidente cerebral hemorrágico, um
infarto do miocárdio, ou a ruptura de um aneurisma de aorta", assinala Lipshitz. E acrescenta: "Este
exercício está contra-indicado nas pessoas com recente dano miocárdio e com moderada ou severa
hipertensão"
- O individuo produz uma força, mas o seu tamanho não muda, permanece o mesmo independente
da força.
- São mais usados em RPG (reabilitação postural Global)
- Todas as fibras são induzidas a contração
=Contra indicações:
- pós-coronarianas;
- Manobra de Valsalva;
Obs: Considerando que os Exercícios Isométricos são ativos, cuidado com as contra-indicações...
Pois nem todos podem fazer esses exercícios, Se o sujeito está acostumado a fazer exercícios ativos
isotônico, esse exercício Isométrico e totalmente diferente. Acredito que deve ser feito como um
complemento em uma atividade física ou em RPG.
O principal efeito do treinamento físico de força sobre a musculatura esquelética é o aumento da
força muscular. Vale a pena ressaltar que este aumento é dependente da especificidade do
treinamento (ex. treino de resistência muscular localizada, hipertrofia, potência, força máxima).
Este efeito ocorre de 2 formas, inicialmente devido a adaptações neurais como aumento do nº de
unidades motoras recrutadas, aumento da freqüência de disparo do motoneurônio e melhora do
sincronismo inter e intra-muscular. A partir da 8ª semana, o aumento da força ocorre decorrente da
hipertrofia muscular observada pelo aumento da secção transversa muscular. Além disso, uma série
de alterações intracelular acontece com o objetivo de oferecer suporte à nova necessidade
metabólica e funcional da fibra como aumento da atividade de enzimas glicolíticas e densidade do
retículo sarcoplasmático.