Você está na página 1de 3

TRABALHO FINAL DE TEORIAS DA POESIA -

Para o trabalho final, os alunos deverão escolher e analisar um dos poemas abaixo.
Logo após os textos encontra-se uma lista de orientações para a análise poética que pode
servir de guia para a análise. A análise pode ser feita como texto corrido ou separando os
itens pedidos. O trabalho é individual e deverá evidenciar, por parte do aluno, a assimilação
dos conceitos estudados, da bibliografia teórico-crítica do curso. Quanto à extensão, deverá
ter entre 3 e 4 laudas (digitadas em espaço duplo, fonte 12, Times New Roman),
obedecendo-se às normas do trabalho acadêmico. Obviamente, se espera de cada um dos
alunos que analise o texto por conta própria, ou seja, a cópia ou a simples paráfrase de
textos de terceiros zera o trabalho.

Poemas:

CONVERSA DE SENHORAS

Não preciso nem casar


Tiro dele tudo que preciso
Não saio mais daqui
Duvido muito
Esse assunto de mulher já terminou
O gato comeu e regalou-se
Ele dança que nem um realejo
Escritor não existe mais
Mas também não precisa virar deus
Tem alguém na casa
Você acha que ele aguenta?
Sr. ternura está batendo
Eu não estava nem aí
Conchavando: eu faço a tréplica
Armadilha: louca pra saber
Ela é esquisita
Também você mente demais
Ele está me patrulhando
Para quem você vendeu seu tempo?
Não sei dizer: fiquei com o gauche
Não tem a menor lógica
Mas e o trampo?
Ele está bonzinho
Acho que é mentira
Não começa

Ana Cristina César

****************************
OS DOIS LADOS

Deste lado tem meu corpo


tem o sonho
tem a minha namorada na janela
tem as ruas gritando de luzes e movimentos
tem meu amor tão lento
tem o mundo batendo na minha memória
tem o caminho pro trabalho.

Do outro lado tem outras vidas vivendo a minha vida


tem pensamentos sérios me esperando na sala de visitas
tem minha noiva definitiva me esperando com flores na mão
tem a morte, as colunas da ordem e da desordem.

Murilo Mendes

***************

ANHANGABAÚ

Sentados num banco da América folhuda


O cow-boy e a menina
Mas um sujeito de meias brancas
Passa depressa
No Viaduto de ferro

**************************************

PARA A FEIRA DO LIVRO

Folheada, a folha de um livro retoma


o lânguido e vegetal da folha folha,
e um livro se folheia ou se desfolha
como sob o vento a árvore que o doa;
folheada, a folha de um livro repete
fricativas e labiais de ventos antigos,
e nada finge vento em folha de árvore
melhor do que vento em folha de livro.
Todavia a folha, na árvore do livro,
mais do que imita o vento, profere-o:
a palavra nela urge a voz, que é vento,
ou ventania varrendo o podre a zero.

Silencioso: quer fechado ou aberto,


inclusive o que grita dentro; anônimo:
só expõe o lombo, posto na estante,
que apaga em pardo todos os lombos;
modesto: só se abre se alguém o abre,
e tanto o oposto do quadro na parede,
aberto a vida toda, quanto da música,
viva apenas enquanto voam suas redes.
Mas apesar disso e apesar de paciente
(deixa-se ler onde queiram), severo:
exige que lhe extraiam, o interroguem;
e jamais exala: fechado, mesmo aberto.

João Cabral de Melo Neto

Orientações para análise de texto poético (nem todos os itens se aplicam a todos os
poemas):

1. Como é trabalhada a subjetividade no poema? Há um eu lírico evidente, discreto ou


escamoteado?
2. Até que ponto é possível parafrasear o poema?
3. Quanto ao processo de significação, ocorre maior investimento em imagens, na camada
sonora ou nas idéias? (fanopéia, melopéia, logopéia) No caso das imagens, de que
repertório elas são tomadas (natureza, técnica, cores, formas, etc.)? Que qualidade
sugerem os sons (fluidez, fricção, elocução dificultada, monotonia, tatibitate, etc.)?
4. Ocorre repetição de vocábulos ou repetição semântica por sinonímia? Qual é o efeito
dessa repetição?
5. O poema apresenta descontinuidade de enunciados e omissão de elos semânticos? (p.
ex. parataxe, enunciados truncados, ambigüidades) Qual é o efeito desses processos
nesse poema?
6. Qual é o efeito do silêncio (espaços em branco, reticências, elipses, abandono de
argumentação) nesse poema?
7. Pesquise as referências intertextuais que por acaso ocorram no poema. Essas referências
confirmam ou modificam a fonte? (p.ex.: positivas no texto citado, negativas no poema
e vice-versa).
8. Impressão geral do poema e motivo de escolha.
9. Escolha uma epígrafe para o seu trabalho retirada de um dos textos teóricos estudados.

Interesses relacionados