Você está na página 1de 3

É aí que entra a Logica.

Ao escrever sentenças lógicas, cada informante pode expressar suas


observações - exatamente o que ele sabe - nem mais nem menos. De nossa parte, podemos usar
essas informações para tirar conclusões logicamente vinculadas a essas sentenças. E podemos então
usar provas lógicas para explicar nossas conclusões aos outros.

Uma comunicação eficaz exige uma linguagem que nos permita expressar o que sabemos, nem mais
nem menos. Se sabemos o estado do mundo, então devemos escrever frases suficientes para
comunicar isso aos outros. Se não sabemos de quais maneiras o mundo poderia ser, precisamos de
uma linguagem que nos permita expressar apenas o que sabemos. A beleza da lógica é que ela nos
dá meios de expressar informações incompletas quando isso é tudo o que temos e de expressar
informações completas quando informações completas estão disponíveis.

Infelizmente, determinar a implicação lógica verificando todos os mundos possíveis é impraticável


em geral. Geralmente, existem muitos, muitos mundos possíveis; e em alguns casos pode haver
infinitamente muitos

A alternativa é o raciocínio lógico, viz. a aplicação de regras de raciocínio para tirar conclusões
lógicas e produzir provas lógicas, ou seja, sequências de passos de raciocínio que levam de premissas
a conclusões.

O conceito de prova, para ser significativo, requer que reconheçamos certos passos de raciocínio
como imediatamente óbvios. Em outras palavras, precisamos estar familiarizados com os "átomos"
do raciocínio, a partir dos quais se constroem "moléculas" complexas.

Uma das grandes contribuições de Aristóteles para a filosofia foi o reconhecimento de que o que
torna um passo de uma prova imediatamente óbvio é sua forma e não seu conteúdo. Não importa
se você está falando sobre blocos ou ações ou garotas da irmandade. O que importa é a estrutura
dos fatos com os quais você está trabalhando. Tais padrões são chamados de regras de inferência.

Como exemplo, considere a etapa de raciocínio mostrada abaixo. Sabemos que todos os Acordos
são Hondas e sabemos que todas as Honda são carros japoneses. Consequentemente, podemos
concluir que todos os Acordos são carros japoneses.

Todos os Acordos são Hondas.

Todas as Honda são japonesas.

Portanto, todos os acordos são japoneses.

O que é interessante sobre esses exemplos é que eles compartilham a mesma estrutura de
raciocínio, viz. o padrão mostrado abaixo.

Todos os x são y.

Todos são z.

Portanto, todos os x são z.

A existência de tais padrões de raciocínio é fundamental na lógica, mas levanta questões


importantes. Quais padrões estão corretos? Existem muitos desses padrões ou apenas alguns?
Vamos considerar a primeira dessas questões. Obviamente, há padrões que são simplesmente
errados no sentido de que podem levar a conclusões incorretas. Considere, por exemplo, o padrão
de raciocínio (defeituoso) mostrado abaixo.

Todos os x são y.

Alguns são z.

Portanto, alguns x são z.

Agora vamos dar uma olhada em uma instância desse padrão. Se substituirmos x por Toyotas e y
por carros e z por made in America, obtemos a seguinte linha de argumentação, levando a uma
conclusão que está correta.

Todos os Toyotas são carros.

Alguns carros são feitos na América.

Portanto, algumas Toyotas são feitas na América.

Por outro lado, se substituirmos x por Toyotas e y por carros ez por Porsches, obtemos uma linha
de argumentação que leva a uma conclusão que é questionável.

Todos os Toyotas são carros.

Alguns carros são Porsches.

Portanto, algumas Toyotas são Porsches.

O que distingue um padrão correto de um incorreto é que ele deve * sempre * levar a conclusões
corretas, ou seja, deve estar correto desde que as premissas nas quais elas se baseiam estejam
corretas. Como veremos, esse é o critério de definição para o que chamamos de dedução.

Agora, vale ressaltar que há padrões de raciocínio que às vezes são úteis, mas não satisfazem esse
critério estrito. Há raciocínio indutivo, raciocínio abdutivo, raciocínio por analogia e assim por
diante.

A indução é raciocinar do particular para o geral. O exemplo mostrado abaixo ilustra isso. Se vemos
casos suficientes em que algo é verdadeiro e nunca vemos um caso em que é falso, tendemos a
concluir que é sempre verdade.

Eu vi 1000 corvos negros.

Eu nunca vi um corvo que não seja negro.

Portanto, todo corvo é preto.

Agora tente Hondas vermelhas.

Abdução é raciocínio de efeitos para possíveis causas. Muitas coisas podem causar um resultado
observado. Muitas vezes, tendemos a inferir uma causa mesmo quando nossa enumeração de
possíveis causas é incompleta.
Se não houver combustível, o carro não ligará.

Se não houver faísca, o carro não será iniciado.

Há faísca.

O carro não vai começar.

Portanto, não há combustível.

E se o carro estiver em uma câmara de vácuo?

Raciocinar por analogia é o raciocínio em que inferimos uma conclusão baseada na similaridade de
duas situações, como no exemplo a seguir.

O fluxo em um tubo é proporcional ao seu diâmetro.

Os fios são como canos.

Portanto, a corrente em um fio é proporcional ao diâmetro.

Agora tente o preço.