Você está na página 1de 30

HARMATIOLOGIA

DOUTRINA DO PECADO

“A SUA UNÇÃO VOS ENSINA A RESPEITO DE TODAS AS COISAS” 1 Jo 2.27

“A sabedoria é a coisa principal; adquire pois, a sabedoria; sim com tudo o


que possuis adquire o conhecimento” (Pv 4.7)
HAMARTIOLOGIA – A DOUTRINA DO PECADO

I. A NATUREZA DO PECADO 3

1.1. TERMINOLOGIA 3

1.2. DEFINIÇÃO 4

1.3. ASPECTOS DA IDEIA BÍBLICA DO PECADO 5

II. ORIGEM E CONSEQUÊCIAS DO PECADO 7

2.1. ORIGEM DO PECADO 7

2.2. CONSEQUÊNCIAS DA QUEDA 10

III. TRANSMISSÃO DO PECADO 13

3.1. UNIVERSALIDADE DO PECADO 13

3.2. RELAÇÃO DO PECADO DE ADÃO COM A RAÇA HUMANA 14

TEOLOGIA SISTEMÁTICA DE WAYNE GRUDEM 17

HAMARTIOLOGIA 17

D. PECADOS REAIS QUE COMETEMOS 17

E. O CASTIGO DO PECADO 27

BIBLIOGRAFIA 29

2
HAMARTIOLOGIA – A DOUTRINA DO PECADO 1

O estudo da doutrina do pecado é muito importante, porque nos ajuda a


compreender melhor outras doutrinas bíblicas, especialmente a doutrina de Deus, do
homem, de Cristo e da salvação. O grande problema da humanidade é o pecado, e o
grande propósito de Deus em Cristo é libertar o homem deste mal. Neste módulo
trataremos da natureza, da origem, dos efeitos e da transmissão do pecado.

I. A NATUREZA DO PECADO

1.1. TERMINOLOGIA
Há vários termos que são utilizados na bíblia para referir-se à ideia do pecado.
Estes termos podem nos fornecer aspectos do conceito bíblico do assunto.
No Antigo Testamento, os principais termos hebraicos para pecado são:
a) Hātā’ - ָ‫( טָחטָטא‬Ex 32.30), seu cognato hēte’ - ָ‫( חחטֵטא‬Sl 51.9), significando errar o
alvo ou falhar (= Hamartia). Hatā’āh - ָ‫ = חחטָטאָּה‬pecado. Segundo o DITAT2, a raiz
do verbo ָ‫ טָטאָּה‬aparece cerca de 580 vezes no Antigo Testamento e é, portanto, a
principal palavra que é traduzida por "pecar" e seus derivados.
b) ‘ābar - ‫( טָעבָחבטֵר‬Êx 38.26; Dt 17.2; Jó 13.13) transgredir.
c) ’āsham - ָ‫שטָא‬ ָ‫( ם ט‬Lv 5.5-8; Jz 21.22; Sl 34.21-23; Os 10.2; 13.1; Is 24.6; Jl 1.18) O
sentido principal da palavra ’āsham parece ser o de culpa. Todavia, o
sentido varia desde a ação que traz culpa até a condição de culpa e, ainda, até o
ato de punição.
’ashemah - ‫( הָטָמחמ‬Lv 4.3; 22.16). Pecado, culpa, iniqüidade, ações pecaminosas,
culpabilidade.
d) Avon - ֹ‫( טָעוָן‬1Rs 17.18). Com a ideia de torcer, e refere-se à culpa produzida pelo
pecado, iniqüidade. Aponta para o efeito do pecado no homem. Exemplo:
Mas um dos serafins voou para mim trazendo na sua mão uma brasa viva, que
tirara do altar com uma tenaz; E com ela tocou a minha boca, e disse: Eis que
isto tocou os teus lábios; e a tua iniquidade [ֹ‫ טָעוָן‬- avon] foi tirada, e purificado o
teu pecado [ָ‫ חחטָטאָּה‬- hatā’āh].
e) Pesha‘ - ‫שע‬ ‫( פפ ח‬Pv 28.13). Quer dizer rebelião ativa, uma transgressão da vontade
de Deus. É o ato de desobediência às cláusulas de um pacto, de uma aliança; é
um ato de rebeldia à autoridade a que se está sujeito. Por exemplo, Jacó teve um
acerto com Labão, seu sogro. Ao sair para retornar à terra de seus pais, Labão
veio ao seu encalço. Diz o texto bíblico que:
"Então irou-se Jacó e contendeu com Labão, dizendo: Qual é a minha
transgressão? (Pesha‘ - ou seja, em que não cumpri o nosso acordo) qual é o
meu pecado (ִ‫ חחטָטאָתתי‬- chatā’āh), que tão furiosamente me tens perseguido?" (Gn
31.36).
Padre Paulo Ricardo RC.133 - Jesus podia pecar?

1
SEVERA, de A. Zacarias. Manual de Teologia Sistemática, 1ª ed. Curitiba: A. D. SANTO EDITORA, 1999.
Hamartiologia.
2
DITAT, verbete 638, p. 450.
3
f) Peraq – ‫( קחרטֵפ‬Despedaçar, romper, pecados. A palavra é usada mais no sentido
literal).
ֵ‫ ט‬. Pecado (Lv 4.2,22,27; Nm 15.22,26-28): Pecado cometido por
g) Shegāgâh - ָ‫שטָגטָגה‬
ignorância ou descuido. Shagah - ָ‫שטָגה‬ ָ‫ ט‬. Desviar-se, desviar, errar.
No Novo Testamento, as palavras gregas mais comuns para pecado são:
a) Asebeia - ἀσέβεια (Rm 1.18; Tt 2.12). Significando impiedade, irreverência.
b) Adikia - ἀδικία (Rm 1.18; 3.5; 1Co 6.8). Indicando injustiça, falta de retidão,
prejuízo.
c) Parábasis - παράβασις (Rm 2.23,25; 5.14). Transgressão, quebra da lei,
violação, falta.
d) Anomia - ἀνοµία (Rm 4.7; 6.19; 1Jo 3.4). Desobediência, desrespeito à lei,
ilegalidade, iniqüidade.
e) Parakoē - παρακοή, Paráptōma – παράπτωµα (Rm 5.15,19). Desobediência,
violação, infração ou quebra da lei, queda, lapso, tropeço, ofensa.
f) Ponēria - πονηρία (Mt 6.13), ponērós - πονηρός. Mal, malícia, iniqüidade.
g) Ptaiō - πταίω (Tg 2.10). Tropeço, deitar por terra.
h) Hamartia - ἁµαρτία (Mt 1.21; Rm 3.23; 1Jo 1.8, etc.). Significa errar o alvo,
fracasso, falta, delito, ofensa, enfermidade. Só em romanos o apóstolo Paulo
emprega esta palavra mais de 40 vezes, cerca de 16 vezes só no capítulo 6.
i) Hamártēma - ἁµάρτηµα (Rm 3.25). Errar o alvo, fracasso, falta, delito, ofensa,
enfermidade.

1.2. DEFINIÇÃO
Para Langston, o pecado, no sentido mais lato do termo, é um estado da alma ou
da personalidade.3 Ele acrescenta, dizendo que “incluímos nessa definição os resultados
deste estado, isto é, os atos pecaminosos”. Para ele, então, pecado é um estado mau da
alma e suas manifestações. Este conceito falha ao deixar de mencionar Deus na
definição, contra quem o pecado é cometido.
Ryrie define o pecado como qualquer coisa contrária ao caráter de Deus. Ele
não deixa claro em que plano essa contrariedade pode ocorrer, se apenas em atos ou
também no estado da alma.
Strong afirma: “Pecado é a falta de conformidade com a Lei moral de Deus quer
em ato, disposição ou estado”.
W. T. Conner diz que pecado é rebelião contra a vontade de Deus.4
Berkhof tem uma definição mais completa. Diz ele que pecado é falta de
conformidade com a lei moral de Deus, seja em ato, disposição ou estado.5

Pecado é um mal moral que consiste em ação, omissão ou estado contrário a


qualquer lei de Deus dada às suas criaturas racionais.

3
LANGSTON, A. B. Esboço de teologia sistemática, 5ª ed. Rio de Janeiro: JUERP, 1977, P. 150.
4
CONNER, W. T. Doctrina cristiana. El Paso: CBP, s.d, p. 157.
5
BERKHOF, L. Teologia Sistemática. 2ª ed. Campinas: Luz Para o Caminho, 1992, p. 235.
4
"A incapacidade do homem de restaurar o que deve a Deus, incapacidade esta
que lhe foi acarretada, não o escusa de dar a devida satisfação à justiça; pois o resultado
do pecado não pode justificar o próprio pecado".6
"O pecado constitui uma violação tão infinita, que somente Deus mesmo podia
prover uma satisfação perfeita pelo pecado do homem - o que ele fez na vida
infinitamente perfeita do Deus homem Jesus Cristo".7

AS CONDICOES ORIGINAIS NA CRIAÇÃO8


Deus é absolutamente perfeito e, consequentemente, sua criação também foi
perfeita. Moises declarou: “Ele é a Rocha cuja obra é perfeita” (Dt 32.4). Davi
acrescentou: “O caminho de Deus é perfeito” (2Sm 22.31). Jesus disse: “Sede vos,
pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai” (Mt 5.48). Nada menos do que a perfeição
pode vir de um Ser absolutamente perfeito, e é próprio de um ser perfeito criar somente
coisas perfeitas, já que os efeitos carregam a imagem da sua Causa.
Is 45.18: "Porque assim diz o Senhor, que criou os céus, o Deus que formou a
terra, que a fez e a estabeleceu, não a criando para ser um caos, mas para ser habitada:
Eu sou o Senhor e não há outro".
Apesar da Criação ter sido criada perfeita, esta criação não era perfeita no
sentido absoluto, pois se assim fosse ela não teria sido degenerada.

1.3. ASPECTOS DA IDEIA BÍBLICA DO PECADO


1.3.1. PECADO É ALGO CONTRA DEUS E À SUA VONTADE
O pecado é sempre algo contra Deus e à sua vontade manifesta. Mesmo quando
ele tem referência direta às pessoas, é contra Deus que ele está sendo praticado, e só
por isto é chamado de pecado. Deus tem dado aos homens normas de vida para serem
observadas. Essas normas são leis, pois têm uma sanção para os transgressores. Essas
leis foram reveladas na criação (Rm 1.20,21), na consciência moral do homem (Rm
2.14,15) e principalmente nas Escrituras (Rm 2.17,18).
Quando se fala da “lei moral de Deus”, violada pelo pecado, quer se referir a
todo esse conjunto de normas para a vida, cuja exigência central é o amor incondicional
a Deus, com reflexo na relação com próximo (Dt 6.5; Mc 12.30). É o oposto amor a
Deus que leva o indivíduo a transgredir, desobedecer e a proceder erradamente em
relação à vontade de Deus, rebelamo-nos contra o seu próprio caráter.
A ideia de pecado como sendo egoísmo é bíblica, mais incompleta e insuficiente,
pois aponta somente para o homem e não realça sua relação com Deus. Até mesmo a
violação da lei como ideia fundamental do pecado, conquanto bíblica, só é suficiente se
o conceito de lei for estendido de modo a abranger todo o caráter de Deus. Em última
análise, é contra Deus que o pecado é cometido.
1.3.2. PECADO É UM ESTADO RUIM DA PERSONALIDADE E SUAS
MANIFESTAÇÕES
Pecado não é apenas o que fazemos ou deixamos de fazer, mas ele ocorre
também em disposição de vontade ou estado. A natureza humana tem uma propensão
para o mal. Essa propensão reflete um estado mau da alma, que a Bíblia também chama
6
LAWSON, Steven J. PILARES DA GRAÇA. 1ª ed. São José dos Campos, São Paulo, 2013, p. 389
7
LAWSON, Steven J. Op. Cit., p. 382.
8
GEISLER, Norman. Teologia Sistemática. 1ª ed. Rio de Janeiro: CPAD, 2010, p. 11.
5
de pecado (Rm 1.24,26,28; 8.5-8; Gl 5.17). Langston denomina isto de “estado mau da
personalidade”. A natureza do homem é pecaminosa. “A natureza pecaminosa é a
capacidade e a inclinação humana para fazer tudo aquilo que nos torna reprováveis aos
olhos de Deus” (Ryrie).
“O pecado não é um simples ato – algo estranho ao ser. É uma qualidade do ser.
Não existe essa coisa de pecado separado do pecador, ou de um ato separado do agente.
Deus pune pecadores, não pecados. Pecado é um modo de ser; ele não existe como
entidade em si mesma. Deus pune o pecado como um estado, não como um ato” (E. G.
Robinson).9
Neste estado de corrupção moral, o homem tem indisposição para com a lei de
Deus e está propenso à prática do pecado (Mt 5.22,28). A palavra “coração” é usada
com freqüência na Bíblia para designar o centro da vida, envolvendo a alma. Aí está a
sede do pecado. O coração é perverso e essa perversidade se manifesta em atos de
perversidade (Jr 17.9; Mt 13.15). No começo da história do homem já se diz que o
coração do homem é mau (Gn 6.5) e vê-lo-emos assim em todo o Velho Testamento (Jr
5.23, 24; 17.9, 10; Ez 11.19).

1.3.3. PECADO ENVOLVE CULPA


Culpa é o estado de merecimento de punição pela violação de uma lei ou de uma
exigência moral. O pecado envolve a culpa. Mas, para que haja a culpa, é necessário
que haja revelação da lei de Deus. “Onde não há lei também não há transgressão” (Rm
4.15). Essas leis foram reveladas aos homens, quer através de palavras, que hoje
encontramos nas Escrituras (revelação especial), quer diretamente na própria
consciência moral de cada um (revelação geral, Rm 2.14,15). Sem revelação, mesmo
que algo contrário a Deus tenha havido, não poderia haver culpa. Como declara o
apóstolo, “onde não há lei o pecado não é levado em conta” (Rm 5.13).
Sem revelação especial, o conhecimento da vontade e do caráter de Deus seria
muito precário. Muitas coisas vieram a ser consideradas pecado pelo homem só depois
que as leis foram dadas (Rm 7.7). Uma vez dada a lei, cabe ao homem a
responsabilidade de procurar conhecer e cumprir as determinações divinas (Dt 29.29).
Se o indivíduo não procurar conhecer a vontade de Deus, sua ignorância não o isenta de
culpa. E se sabia a vontade de Deus e não a cumpriu, sua culpa será maior do que a
daquele que não sabia e por isto pecou (Lc 12.47,48).

1.3.4. SOMENTE AS CRIATURAS RACIONAIS PECAM


A natureza física e irracional não pode pecar. Os animais e a natureza podem
causar danos, mas sem caráter, portanto, esses males não são pecados. O pecado
pressupõe a consciência da vontade de Deus e a liberdade de exercer a vontade própria.
A natureza física não pode conhecer nem tem vontade. Os animais irracionais não
possuem consciência moral nem natureza espiritual para conhecer a Deus, e, então,
livremente, dizer “sim” ou “não”. Só os seres racionais, feitos à imagem e semelhança
de Deus, é que podem obedecer ou desobedecer conscientemente.

9
STRONG, A. H. Teologia Sistemática. 1ª ed. São Paulo: Editora Hagnos, 2003. p.140. 2 v.
6
II. ORIGEM E CONSEQUÊCIAS DO PECADO

2.1. ORIGEM DO PECADO


21..1. A NARRATIVA DA QUEDA
Em Gn 3 temos a descrição da origem do pecado no mundo. Como interpretar
esta descrição? Há o ponto de vista liberal, segundo a qual a narrativa de Gn 3 deve ser
considerada como lenda. Há o ponto de vista neo-ortodoxo, que vê a narrativa como
mito, história primitiva, supra-história ou mito verdadeiro. A linha de Barth era que o
relato não é histórico, mas sua realidade espiritual é verdadeira (verdade sem fato).
Para as duas posições acima, a liberal e a neo-ortodoxa, a narrativa não traz nenhum
elemento histórico.
Mas há outro modo de se interpretar o relato bíblico da queda, o dos
conservadores, para quem Gn 3 trata de um fato histórico. Entre os conservadores,
alguns são literalistas na interpretação, não dando margem para nenhum simbolismo;
outros, entretanto, consideram a narrativa como fato histórico, mas com possibilidade
de algumas figuras simbólicas.
À luz de textos como Rm 5.12ss e 1Co 15.21,22, entendemos que a descrição da
queda é de um acontecimento histórico, algo que aconteceu realmente num
determinado momento da história da humanidade. “É impossível manter o paralelo
entre a obra de Adão e a obra de Cristo se for negada a queda como um acontecimento
no tempo e no espaço”. 10
“Os cristãos são prova cabal daquilo que a Bíblia ensina sobre a Queda” (Philip
Yancey).11

21.1.2 A TENTAÇÃO
O Diabo, que já havia se rebelado contra Deus, transformou-se numa criatura
astuta, ou usou como instrumento uma dessas criaturas, e chegou-se à mulher com a
intenção de levá-la à desobediência a Deus. Nessa tentação, ele deu vários passos.
Começou por tentar confundir a mulher no tocante ao que Deus dissera: “É assim que
Deus disse: Não comereis de toda árvore do jardim?” (Gn 3.1). O Diabo, aqui, alterou a
palavra de Deus, acrescentando-lhe algo, tornando, dessa forma, o mandamento muito
pesado, restringindo excessivamente a liberdade do homem, e negando a bondade de
Deus. Além disto, quis valer-se de uma possível ignorância da mulher quanto ao que
Deus de fato tinha dito. Mas ela estava bem consciente do mandamento divino.
Como não conseguiu confundir a mulher nos exatos termos e alcance do
mandamento, o inimigo prosseguiu na tentação, agora negando a veracidade da palavra
de Deus, dizendo: “Certamente não morrereis” (Gn 3.4). Para justificar a sua afirmação
contrária a de Deus, o Diabo deu uma interpretação errada da intenção do mandamento:
“Porque Deus sabe que no dia em que comerdes deste fruto, vossos olhos se abrirão, e
sereis como Deus, conhecendo o bem e o mal” (Gn 3.5). Agindo assim, Satanás estava
lançando dúvida no coração da mulher quanto à bondade e a fidelidade de Deus, e, por
extensão, depondo contra o caráter do Criador. Com o seu coração já incrédulo, a
mulher deixou de considerar a Deus e a Sua Palavra, e passou a pensar numa vida

10
MILNE, Bruce. Op. Cit., p. 106.
11
CHESTERTON, Gilbert K. Ortodoxia. 1ª ed. São Paulo: Editora Mundo Cristão, 2008, p. 6.
7
independente de Deus. Deste ponto em diante, era só consumar o ato transgressor. Foi o
que ela fez. Ela comeu e enganou o seu marido para que ele comesse também. Aí se
consumou o primeiro pecado da humanidade, pois foi Adão que recebeu o mandamento
de Deus.
Como se percebe, o pecado consumou-se num ato transgressor do mandamento
num ato transgressor do mandamento divino. Mas ele teve sua raiz na incredulidade do
coração (da mulher) no tocante a Deus e à Sua palavra. Da incredulidade veio a
disposição de desobedecer, impulsionado também pelo sentimento de egoísmo e
orgulho. Podemos dizer que a raiz fundamental do pecado, do ponto de vista teológico,
é a incredulidade, mas do ponto psicológico, é o egoísmo e o orgulho, sentimentos
contrários ao amor a Deus, que é a súmula de todos os mandamentos.

21.1.3. A POSSIBILIDADE DE PECAR


A possibilidade de pecar é inerente à natureza do ser pessoal, que tem de fazer
escolha ética, mas é limitado em conhecimento e poder. Tendo que escolher entre o
bem e o mal, com seus limites de sabedoria e poder, o homem só poderia garantir não
errar se dependesse completamente de Deus e lhe obedecesse. Por isto Deus o cercou
de instrução para que não pecasse. O homem poderia não pecar, se fosse
incondicionalmente submisso à palavra de Deus, que era a Sua lei para o homem. Mas,
desviando-se da palavra de Deus, e confiando em si mesmo ou em outrem, e não em
Deus, acabou por “errar o alvo”, ficando fora da vontade de Deus.
O homem não foi feito de modo que não poderia pecar, mas poderia não
pecar. Ele foi dotado de amor próprio em sua natureza, o que é uma coisa natural e boa
na criação de Deus, pois o amor próprio é indispensável na preservação da vida. Mas
esse amor próprio tem de ser equilibrado, nunca exagerado, o que já se torna egoísmo.
Numa situação de desconfiança de Deus, e de apelos ao amor próprio, o homem se
afasta de Deus espiritualmente e pratica o ato transgressor, recebendo sobre si a
condenação que o torna ainda mais afastado de Deus e cai num círculo vicioso de
pecado (cf. Rm 1.24,26,28).

O PROBLEMA DO MAL 12

Ao lidar com o problema do mal, Agostinho procurou definir o mal em


termos puramente de negação. O mal é falta, privação (privatio) ou negação
(negatio) do bem. Só o que primeiramente foi bom pode se tornar mau. O mal é
definido em sua relação com o conceito anterior do bem. O mal depende do bem
para sua definição. Falamos do mal em termos de injustiça, imoralidade e
ilegalidade. O Anticristo depende de Cristo até para a sua identidade. Assim como
um parasita depende do seu hospedeiro para existir, a existência do mal depende do
bem. Tudo o que participa do ser, enquanto existe, é bom. Não ser é mau. Se algo
fosse pura ou totalmente mau, não poderia existir. O mal não é uma substância ou
coisa. É falta ou privação do bem.
Nesse nível Agostinho parece estar definindo o mal em termos puramente
ontológicos. Se fosse mesmo esse o caso, Agostinho teria de dizer que o mal é uma
12
SROUL, R. C. FILOSOFIA PARA INICIANTE. 1ª ed. São Paulo. Editora Vida Nova, 2002, p. 63-65.
8
consequência necessária da finitude. Deus não pode criar uma coisa
ontologicamente “perfeita”. Com isso, estaria criando outro Deus. Nem Deus pode
criar outro Deus, porque o segundo Deus seria, por definição, uma criatura.
Para evitar a necessidade ontológica do mal, Agostinho se voltou para o
livre-arbítrio. Deus criou o ser humano com uma vontade livre (liberum arbitrium),
na qual ele também tinha liberdade (libertas) perfeita. O ser humano tinha a
capacidade de escolher o que quisesse. Tinha a possibilidade de pecar (posse
peccare) e de não pecar (posse non peccare). Ele escolheu livremente pecar,
atendendo à sua concupiscência (a inclinação que pende para o pecado, mas não é
pecado).
Como resultado do primeiro pecado, o ser humano perdeu sua liberdade, mas
não seu livre-arbítrio. A título de punição divina, ele foi lançado em um estado
corrompido conhecido como pecado original, perdendo a capacidade de buscar por
si mesmo as coisas de Deus. Isso resultou na dependência absoluta do ser humano
de uma obra de graça divina em sua alma, para poder caminhar em direção a Deus.
O ser humano caído está escravizado ao pecado. Ele ainda tem a capacidade de
escolher, uma vontade livre de coerção, mas agora está livre apenas para pecar,
porque seus desejos se inclinam para o pecado e o desviam de Deus. Agora, posse
non peccare, “a capacidade de não pecar”, se perdeu, e em seu lugar está non posse
non peccare, “a incapacidade de não pecar”. Com essa definição Agostinho
combateu o herege Pelágio, que negava o pecado original. Pelágio afirmava que o
pecado de Adão afetara apenas Adão, e que todas as pessoas têm a possibilidade de
viver de modo perfeito.
Agostinho é até hoje um santo da Igreja Católica Romana, mas os líderes da
doutrina protestante, Martinho Lutero e João Calvino, também o consideravam seu
principal mentor teológico.

A humanidade criada e decaída

A Termo latino
A humanidade
humanidade
criada
decaída
sim liberum
Livre-arbítrio sim
arbitrium
Liberdade sim não libertas

A capacidade sim sim posse peccare


de pecar
A capacidade sim não posse non
de não pecar peccare
A não sim non posse non
incapacidade peccare
de não pecar

9
21.1.4. O CARÁTER DO PRIMEIRO PECADO
Do ponto de vista formal, o primeiro pecado consistiu em o homem comer da
“árvore do conhecimento do bem e do mal”. A árvore poderia ter sido uma árvore
comum, cujo fruto em si não faria mal alguém comer se Deus não tivesse proibido (Gn
2.17). Ou poderia ser algo simbólico que representava o mandamento de Deus para o
homem, para servir de prova de obediência. Talvez ela fosse assim chamada, “árvore
do conhecimento do bem e do mal”, porque fora destinada a revelar se o estado futuro
do homem seria bom ou mau ao invés de ele mesmo se encarregar de determiná-lo por
si e para si.
Do ponto de vista essencial e material, o primeiro pecado consistiu numa
oposição de Adão a Deus, recusando-se que Deus determinasse o curso de sua vida e de
suas gerações. Foi uma prova de obediência e uma escolha fundamental para Adão.
Feito em estado de santidade, mas livre para escolher amar e obedecer a Deus, o
primeiro homem foi submetido a um mandamento para que exercesse, pessoalmente, a
sua vontade de viver submisso e dependente do Criador. Fazendo esta escolha uma vez,
parece que Deus confirmaria o homem no seu estado de santidade original, e nunca
mais estaria sujeito a pecar, à semelhança dos anjos que não caíram. Mas se o homem,
ali escolhesse desobedecer, estaria escolhendo uma vida afastada de Deus, debatendo-
se sempre com os seus erros (pecados), até que fosse salvo, se, desta feita, escolher
viver submisso e obediente a Deus. O homem desobedeceu, caiu do seu estado de
santidade original, vive em pecado, dependendo da graça redentora.

2.2. CONSEQUÊNCIAS DA QUEDA


O pecado afetou o homem em todo o seu ser e nos seus relacionamentos. Bruce
Milne diz que o pecado transtornou o homem na sua relação com Deus, com o
próximo, com o próprio homem, com a ordem e o tempo. 13 J. Scott Horrell descreve os
efeitos do pecado de Adão falando de cinco divisões que ele causou:
1. Espiritual: o homem e o Criador;
2. Psicossomática: o homem em si mesmo;
3. Sociológica: o homem do homem;
4. Antroecológica: o homem da natureza;
5. Ecológica: a natureza da natureza;
6. Divisão da cruz, na morte de Jesus Cristo, que trouxe solução para cada divisão da
queda.14

Para uma análise mais detalhada das CONSEQUÊNCIAS do pecado de Adão na


vida dele mesmo e da humanidade, destacamos os seguintes aspectos.

2.2.1. SEPARAÇÃO ENTRE O HOMEM E DEUS


A separação do homem com Deus está na própria essência do pecado. Foi,
naturalmente, o efeito mais fundamental da queda. O homem afastou-se da fonte da
vida, do centro de todo bem. Esse efeito é revelado pelo comportamento de Adão e
Eva: esconderam-se da presença de Deus quando ouviram a Sua voz, porque tiveram

13
Ib., idib., p. 109-113.
14
HORRELL, J. Scott, Op., cit., p.38.
10
medo (Gn 3.8-10). Esta situação estende-se por todas as gerações e atinge toda a
humanidade. Com o pecado, o homem perdeu sua dignidade para estar diante de Deus
(Gn 3.23,24). Ele não tem a aprovação divina, mas encontra-se sob a ira de Deus (Mt
3.7; Jo 3.36; Rm 1.18; Ef 2.3). Há uma inimizade entre o homem e Deus (Rm 8.7,8).
Com a perda da comunhão com Deus, o homem tornou-se presa fácil de Satanás, que
agora exerce poder sobre ele (2Co 4.3,4; Hb 2.14,15; Ef 2.1,2; 5.8; 1Jo 3.7-10; Jo
8.44).

2.2.2. CORRUPÇÃO DA NATUREZA DO HOMEM


Com a queda, a natureza humana ficou corrompida. Ela adquiriu uma propensão
natural para a maldade (Gn 6.5; Rm 1.20ss; 8.7,8). Tradicionalmente, essa corrupção é
denominada depravação total, que significa que o homem foi corrompido em toda a
sua natureza e em todos seus poderes [espírito, alma e corpo]. A depravação foi total
porque atingiu o homem todo, contaminando todos os poderes do corpo e da alma.
Depravação total não significa, portanto, que o homem de imediato chegou a atingir o
mais alto grau de corrupção, nem que todos sejam igualmente maus, e nem que a
natureza humana seja destituída de qualquer bem moral. Quer dizer, sim, que todas as
partes da natureza humana foram atingidas e o homem vive marcado em tudo pelo
pecado. Os pensamentos, os sentimentos, a vontade, a consciência, o corpo, a alma,
tudo no homem está corrompido (is 1.5,6). Ele é escravo do pecado (Jo 8.34; Rm 6.16-
22), não tem retidão diante de Deus (Is 64.6,7; Rm 1.29-31; 3.10-18), é insensível
diante da Palavra de Deus, orgulhoso. Há uma certa antipatia de Deus no homem. Ele
está morto em “delitos e pecados” (Ef 2.1).

O Espírito também peca, ou somente a alma e o corpo cometem pecados? 15

Quando Paulo encoraja os coríntios a se purificarem “de toda impureza, tanto da


carne como do espírito” (2 Co 7.1), ele sugere nitidamente que pode haver impureza
(ou pecado) no espírito. Do mesmo, fala da mulher solteira que se preocupa em ser
santa “assim no corpo como no espírito” (1 Co 7.34). Outros versículos falam de modo
semelhante. Por exemplo, o Senhor endureceu o “espírito” de Seom, rei de Hebrom (Dt
2.30). O salmo 78 fala do povo rebelde de Israel, “cujo espírito não foi fiel a Deus” (Sl
78.8). A “altivez do espírito” precede a queda (Pv 16.18), e é possível pessoas que
pecadoras sejam “orgulhosas em espírito” (Ec 7.8). Isaías fala daqueles “que erram de
espírito” (Is 29.24). Em Daniel 5.20, lemos que “o seu espírito [de Nabucodonosor] se
tornou soberbo e arrogante”. O fato de que “todos os caminhos do homem são puros
aos seus olhos, mas o Senhor pesa o espírito” (Pv 16.2) implica a possibilidade de que
nosso espírito esteja errado aos olhos de Deus. Outros versículos implicam a
possibilidade da existência do pecado no nosso espírito (Sl 32.2; 51.10). Finalmente, o
fato de as Escrituras aprovarem aquele “que domina o seu espírito” (Pv 16.32) implica
que nosso espírito não é simplesmente a parte espiritualmente pura da nossa vida, que
deve ser acatada sempre, mas que também pode ter inclinações ou desejos
pecaminosos.

15
BENTES, A. Carlos G. Apostila de Antropologia. p. 54.
11
2.2.3. CONSCIÊNCIA DE CULPA
Com a queda, o homem passou a sentir-se culpado diante de Deus (Gn 3.7-10).
Isto ficou revelado por Adão e Eva quando perceberam sua nudez, sentiram vergonha e
necessidade de cobrir o corpo, e também pelo medo que tiveram de Deu quando
ouviram a Sua voz. Houve uma consciência de um estado de corrupção e de
necessidade, por culpa exclusiva deles. Procuraram se esconder da presença de Deus e
um do outro. A culpa significa sentimento de ter feito o que não devia e por isto
merecer punição, ou obrigação de prestar satisfação à justiça de Deus pela violação da
lei. A culpa não faz parte da essência do pecado, mas é, antes, uma relação com a
sanção penal da lei. Ela é a autocondenação do homem, baseada na desaprovação de
Deus pelos seus atos.
A culpa não tem o mesmo grau para todos os pecadores e pessoas. Há um grau de
culpa para os pecados das crianças e outro para os pecados praticados pelos líderes
religiosos à plena luz da revelação (Mt 19.14; 23.32,33). Há uma culpa pelos pecados
cometidos na ignorância e outra pelos pecados feitos quando se tem conhecimento da
vontade de Deus (Mt 10.15; Lc 12.47,48; 23. 34; Rm 2.12).

2.2.4. DISTÚRBIOS SOCIAIS


A queda logo manifestou sua consequência na relação do homem com o próximo.
A relação do homem com a mulher foi alterada. Ao invés de amor e ajuda mútua, agora
vemos o homem acusando a mulher (Gn 3.12) e doravante viverão em conflito,
marcados por um desejo de domínio (Gn 3.16). Só pelo poder do evangelho de Cristo
esse espírito de conflito pode ser transformado e substituído por um espírito de
submissão e de liderança amorosa (Ef 5.22-28).
Esse conflito com o próximo também logo se manifestou entre os irmãos,
chegando ao ponto do fratricídio (Gn 4.6ss). Mais adiante, Lameque canta suas proezas
maldosas, matando pessoas por quase nada (Gn 4.23). A história mostra como que o
pecado afetou a relação do homem com o seu próximo. Surgem as guerras, as nações
dominadoras, as injustiças sociais, exploração do próximo, tudo como fruto do pecado
na natureza humana. A solução está em Cristo, que reconcilia os homens com Deus e
uns com os outros (Ef 2.14-17).

2.2.5. SOFRIMENTO
O mundo passou a ser um palco de sofrimentos. O ser humano sofre pela falta de
unidade em si mesmo, carência de significado e amor; sofre pelos conflitos sociais. No
caso da mulher, sofre com a gravidez (Gn 3.16). A relação da mulher com o marido,
como já vimos, não é pacífica. A terra se tomou maldita (Gn 3.17; Rm 8.20). O trabalho
agora é muito mais difícil, pois a terra vai apresentar dificuldades para que o homem
tire dela o seu sustento (Gn 3.17-19). O homem não pode mais viver no paraíso, mas
fora dele, lavrando a terra de onde fora tomado.

2.2.6. MORTE
A consequência mais drástica do pecado é a morte (Gn 2.17; Ez 18.20; Rm
6.23). O pecado trouxe uma morte tríplice: morte espiritual (Ef 2.1,4; Cl 2.13; Jo 3.36;
1 Jo 5.11,12), morte física (Gn 3.19; Rm 5.12-14; Hb 2.14,15) e morte eterna (2 Ts 1.9;
12
Ap20.11-15). De um estado de posso não morrer o homem desceu a uma condição de
não posso não morrer. Ele fora condenado a voltar ao pó de onde fora tomado.

Morte é, basicamente, um estado de separação: separação entre o corpo e a alma


ou espírito (morte física), entre o espírito e Deus nesta existência (morte espiritual) e a
pessoa e Deus na existência além (morte eterna). De Gênesis 3.22-24 podemos
entender que o homem foi criado com a possibilidade de adquirir a imortalidade
comendo da árvore da vida. Mas por ter comida da “árvore do conhecimento do bem e
do mal”, ele perdeu sua liberdade de comer da árvore da vida. A partir do momento que
o homem comeu da árvore proibida, ele morreu espiritualmente, enveredou-se pelo
caminho da morte física, até que chega o momento final quando se pode dizer dele:
“morreu”. É assim que termina a biografia de cada um na “Genealogia de Sete”: “e
morreu” (Gn 5). E se morrer fisicamente estando ainda morto espiritualmente, terá a
morte eterna.
A redenção restaura o homem em tudo aquilo que o pecado afetou. Na
consumação dos séculos, o salvo terá sua comunhão com Deus plenamente
restabelecida (Hb 12.22-24; Ap 21.4), o seu corpo estará ressuscitado e glorificado (1
Co 15.51ss), alcançando, assim, o estado de imortalidade (Lc 20.36); ele chegará ao
estado de pureza e perfeição (1 Jo 3.2,3; 2 Pe 1.4), e terá “novo céu e nova terra” (Ap
21.1; Rm 8.21). Assim será “para que Deus seja tudo em todos” (1 Co 15.28).

TRÊS ELEMENTOS FORAM PERDIDOS COM O PECADO: 16


1. A Alma - “Porque no dia em que dela comeres, morto morrerás” (Gn 2.17).
(Gn 2.17: ‫ ממ מוֹ֥ת טָתמָּמוֽת׃‬- mot tamut).
2. O Corpo - Não poderia comer da Árvore da Vida: Gn 3.22: Então disse o
SENHOR Deus: “Agora o homem se tornou como um de nós, conhecendo o bem
e o mal. Não se deve, pois, permitir que ele tome também do fruto da árvore da
vida e o coma, e viva para sempre”.
3. A Terra - Ele perdeu o domínio. A Terra foi amaldiçoada (Gn 3.17).

Os três principais eventos da Redenção seguem os três elementos implicados na


perda:
1. Redenção da alma: A Conversão – Novo Nascimento: Gl 3.13; Tt 3.5
2. Redenção do corpo: A Ressurreição: Rm 8.23; 1 Jo 3.2; 1 Co 15.42-44.
3. Redenção da Terra: A Segunda Vinda de Cristo: Rm 8.21; At 3.21; Mt 19.28;
Ap 5.1-7.

III. TRANSMISSÃO DO PECADO


A questão que se levanta aqui é por que e como que o pecado de Adão chegou a
atingir toda a humanidade. Vamos considerar primeiro o fato da universalidade do
pecado e depois a questão da relação do pecado de Adão com a sua posteridade.

16
BLOOMFIELD, Arthur E. Antes da última batalha. 1ª ed. Belo Horizonte: Editora Betânia, 1981, p. 55-57.
13
3.1. UNIVERSALIDADE DO PECADO

A universalidade do pecado é uma realidade comprovada tanto pela história das


religiões e da filosofia como pelos ensinos da Escritura. A história das religiões dá
testemunho da universalidade do pecado. Há uma consciência universal do pecado, e o
homem sente a necessidade de reconciliar-se com a divindade. Existe um sentimento
generalizado de que a divindade está ofendida e deve ser satisfeita de algum modo, sob
pena de condenação. Na história da filosofia encontramos o mesmo fato. Os filósofos,
dos mais antigos até aos mais modernos, têm lutado com o problema do mal no
mundo. Ninguém pode ignorá-lo.
A Bíblia ensina claramente que há uma pecaminosidade universal (1 Rs 8.46; Sl
143.2; Pv 20.9; Ec 7.20; Rm 3.10-12,19,23; G1 3.22; Tg 3.2; 1 Jo 1.8,10). Várias
passagens ensinam que a presença do pecado no homem é desde o seu nascimento (S1
51.5; 58.3; Jó 14.4; Jo 3.6). Em Efésios 2.3 é declarado que os homens “por natureza”
são filhos da ira. Além disto, a morte vem até mesmo sobre aqueles que não exerceram
a vontade de pecar (Rm 5.12-14). Além do mais, a Escritura ensina que todos os
homens estão debaixo da condenação, e isto, naturalmente, porque todos estão debaixo
do pecado.

3.2. RELAÇÃO DO PECADO DE ADÃO COM A RAÇA HUMANA


Como que o pecado atingiu toda a humanidade?
Há alguma ligação da raça com o pecado original de Adão ou cada indivíduo tem
o seu momento de queda? Há algumas teorias que procuram explicar esta questão,
algumas negando qualquer relação do pecado de Adão com a humanidade, outras
afirmando essa relação.

3.2.1. INTERPRETAÇÕES QUE NEGAM A RELAÇÃO DO PECADO DE


ADÃO COM A RAÇA.

3.2.1.1. INTERPRETAÇÃO PELAGIANA


Há uma explicação conhecida como pelagianismo (Pelágio) segundo a qual o
pecado de Adão não tem nenhuma relação real com o pecado de cada pessoa. Isto é, o
homem não herda a natureza pecaminosa de Adão nem sua culpa. Cada qual peca
porque escolhe pecar. A única relação do pecado de Adão com as pessoas é que ele se
constituiu num mau exemplo para todos. Cada pessoa é um novo homem e tem a
chance de viver sem pecado. Ele não nasce com sua natureza corrupta. A base do
argumento de Pelágio é que Deus pede que o homem Lhe obedeça, e se Deus requer
isto é porque de fato o homem tem capacidade de cumprir o que Deus quer, afirma.
Mas esta interpretação não tem apoio bíblico, pois a Escritura ensina que todos
pecaram em Adão e nascem em pecado. As ideias de Pelágio foram condenadas no
Concílio de Cartago, em 418.

3.2.1.2. INTERPRETAÇÃO LIBERAL


Uma forma modificada do pelagianismo é a posição defendida por alguns
teólogos liberais. Eles propõem a evolução do homem e negam a historicidade de

14
Adão; por conseguinte, não há qualquer transmissão do pecado. O liberalismo é
marcado pelo seu otimismo para com a natureza humana. Ele acentua a paternidade de
Deus e a fraternidade humana. Esta também é uma posição que não tem base na
revelação bíblica.

3.2.1.3. INTERPRETAÇÃO NEO-ORTODOXA


Alguns teólogos neo-ortodoxos consideram o relato da queda como lenda, mito,
que embora aponte para uma verdade espiritual, contudo não se refere a fato histórico.
Reinhold Niebuhr, Emil Brunner, A. Richardson, Oscar Culmann e alguns outros dizem
que Adão é um símbolo de todo o homem, e que a queda é um ato universal: todos têm
a sua queda.
Como negar a relação do pecado de Adão com a raça à luz de Romanos 5.12-19
e 1 Coríntios 15.21,22? Estes textos indicam: (1) que todos pecaram em Adão; (2) que
mesmo aqueles que não pecaram no sentido de quebrar a lei de Deus, eles morreram
por causa do pecado de Adão; (3) que há uma comparação e um contraste entre Cristo e
Adão: em cada caso, a ação de uma só pessoa é decisiva, e tem implicações para todos.

3.2.2. INTERPRETAÇÕES QUE AFIRMAM A RELAÇÃO DO PECADO DE


ADÃO COM A RAÇA
3.2.2.1.INTERPRETAÇÃO ARMINIANA
Uma posição adotada por alguns primitivos arminianos (Armínio) afirma que o
homem herda a natureza pecaminosa de Adão, mas não é responsável nem tem culpa
por isto. Por esta razão, Deus deve a cada um, em nome da justiça, uma influência
especial do Espírito Santo, e assim cada pessoa fica na mesma condição de Adão para
obedecer. Mas a Bíblia não fala dessa dívida de Deus com os homens. E como afirmar
que os homens não têm culpa com Adão diante de textos como o de Rm 5.12,14,18 e 1
Co 15.21,22?

3.2.2.2.INTERPRETAÇÃO FEDERALISTA
Esta teoria é também chamada de “aliança das obras”. Deus teria feito um pacto
com Adão, envolvendo todas as suas gerações. Adão teria duas relações com a
humanidade: a de chefe natural e a de chefe representativo de toda a raça humana na
“aliança das obras”. Pela sua relação natural com a humanidade, Adão não poderia
lançar sobre os seus descendentes a culpa dos seus erros, mas pela relação pactual, sim.
Na “aliança das obras” Deus colocou vários elementos: um elemento de representação,
um de prova e outro de recompensa ou punição. Na representação, Adão estaria
representando toda a humanidade, um representante federal. Sem a aliança, Adão e
seus descendentes estariam constantemente sujeitos a provas e sempre com a
possibilidade de pecar, mas com a aliança, a perseverança persistente por um certo
tempo de prova seria recompensada com o estabelecimento do homem num estado de
santidade, de onde não poderia cair jamais.
Se Adão cumprisse os termos da aliança, obteria o direito de vida eterna para si e
para os seus descendentes. Por outro lado, o descumprimento da aliança traria sobre si
e sobre toda a humanidade a morte. Como Adão não cumpriu a aliança, Deus lançou
sobre todos os que estavam ligados a Adão, pelo pacto, a culpa e a pena do primeiro
15
pecado. Só Jesus ficou livre dessa imputação porque ele não estava ligado ao cabeça
federal. A maior dificuldade desta teoria é que a Bíblia não fala desse pacto de obras,
com exceção, talvez, de Oséias 6.7.

3.2.2.3. INTERPRETAÇÃO REALISTA


Outra maneira de explicar a relação do pecado de Adão com a humanidade é a
que vê Adão não apenas como um indivíduo, mas como o cabeça natural da
humanidade. Do ponto de vista orgânico e vital, todas as pessoas estavam presentes na
natureza de Adão quando ele pecou. Uma possível base bíblica para esta interpretação
é Hebreus 7,9,10, onde se diz que Levi estava em Abraão quando este pagou dízimo a
Melquisedeque, embora Abraão tivesse vivido há mais de quatrocentos anos antes de
Levi.
Nesta perspectiva, na geração dos filhos, a natureza corrompida e culpada de
Adão é transmitida de geração em geração, e assim todos são herdeiros do pecado.
Agostinho, Anselmo, Boaventura e alguns outros teólogos defenderam esta ideia; antes
deles, Tertuliano. Calvino descreve Adão como a raiz da raça humana. Somos todos
ramos e participamos da mesma natureza na raiz. Jesus ficou fora dessa herança
pecaminosa porque não veio do mesmo tronco, mas foi gerado diretamente pelo
Espírito de Deus. “O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é
espírito” (Jo 3.6).

3.2.3. CONSIDERÇÃOS FINAIS


Creio que o que não se pode negar é que o pecado de Adão afetou toda a raça
humana, fazendo-a culpada e digna de condenação (Rm 5.12-19; 1Co 15.21,22). Do
mesmo modo, a obra de justiça de Cristo, como o “segundo Adão”, alcança os que se
unem a Ele pela fé. Na raça humana somos solidários. Ninguém vive isoladamente. A
solidariedade é para a morte, mas também é para a vida. A base dessa justiça não é
ainda bem compreendida por nós, tão marcados que somos pela ênfase no indivíduo e
na responsabilidade individual. Precisamos pensar mais sobre a unidade e a
solidariedade da raça humana. Mesmo porque sem isto não podemos entender nossa
participação com Cristo. Se o pecado foi abundante em Adão, em Cristo a graça foi
superabundante (Rm 5.20).

16
Teologia Sistemática de Wayne Grudem

HAMARTIOLOGIA

D. PECADOS REAIS QUE COMETEMOS17


1. Todas as pessoas são pecadoras perante Deus. As Escrituras em muitas
passagens dão testemunho da pecaminosidade universal da humanidade. “Todos se
extraviaram e juntamente se corromperam; não há quem faça o bem, não há nem um
sequer” (Sl 14.3). Diz Davi: “À tua vista não há justo nenhum vivente” (Sl 143.2). E
diz Salomão: “Não há homem que não peque” (1Rs 8.46; cf. Pv 20.9).
No Novo Testamento, Paulo tece uma extensa argumentação em Romanos 1.18-
3.20, mostrando que todas as pessoas, tanto judeus, como gregos, apresentam-se
culpados perante Deus. Diz ele: “Todos, tanto judeus como gregos, estão debaixo do
pecado; como está escrito: Não há justo, nem um sequer” (Rm 3.9-10). Ele está certo
de que “todos pecaram e carecem da glória de Deus” (Rm 3.23). Tiago, o irmão do
Senhor, admite: “Todos tropeçamos em muitas coisas” (Tg 3.2), e se ele, que era
apóstolo e líder da igreja primitiva, admitiu que cometia muitos erros, então também
nós devemos nos dispor a admiti-lo. João, o discípulo amado, que era especialmente
íntimo de Jesus, disse: Se dissermos que não temos pecado nenhum, a nós mesmos nos
enganamos, e a verdade não está em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel
e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. Se dissermos que
não temos cometido pecado, fazemo-lo mentiroso, e a sua palavra não está em nós (1Jo
1.8-10).
2. Será que nossa capacidade limita a nossa responsabilidade? Pelágio,
popular mestre cristão que pregou em Roma por volta de 383-410 d.C., e mais tarde
(até 424 d.C.) na Palestina, ensinava que Deus responsabiliza o homem só pelas coisas
que este é capaz de fazer. Logo, como Deus nos exorta a fazer o bem, temos
necessariamente a capacidade de fazer o bem que Deus exige. A posição pelagiana
rejeita a doutrina do “pecado herdado” (ou “pecado original”) e sustenta que o pecado
consiste somente em atos pecaminosos isolados.
Contudo, essa ideia de que somos responsáveis perante Deus somente por aquilo
que podemos fazer contraria o testemunho bíblico, que afirma tanto que estávamos
“mortos nos [...] delitos e pecados” nos quais andávamos antes (Ef 2.l) quanto que
somos incapazes de fazer qualquer bem espiritual, e também que somos todos culpados
diante de Deus. Além do mais, se nossa responsabilidade perante Deus se limitasse à
nossa capacidade, então pecadores extremamente empedernidos, sob pesado jugo do
pecado, poderiam ser menos culpados diante de Deus do que cristãos maduros que se
esforçam diariamente por obedecer-lhe. E o próprio Satanás, que eternamente só é
capaz de fazer o mal, estaria completamente livre de culpa - sem dúvida nenhuma uma
conclusão equivocada.
A verdadeira medida da nossa responsabilidade e da nossa culpa não é a nossa
capacidade de obedecer a Deus, mas antes a perfeição absoluta da lei moral de Deus e a
sua própria santidade (que se reflete nessa lei). “Portanto, sede vós perfeitos como
17
GRUDEM, Wayne. Teologia Sistemática. Editora Vida Nova. P. 410-421.
17
perfeito é o vosso Pai celeste” (Mt 5.48).
3. Será que as crianças são culpadas mesmo antes de pecar efetivamente?
Segundo alguns, as Escrituras pregam determinada “idade da imputabilidade”,
antes da qual as crianças pequenas não são responsáveis pelo pecado nem tidas como
culpadas perante Deus. Porém, as passagens citadas acima, na seção C, sobre o “pecado
herdado”, indicam que mesmo antes do nascimento as crianças já são culpadas perante
Deus e dotadas de uma natureza pecaminosa, o que não só lhes confere a tendência ao
pecado, mas também faz que Deus as veja como “pecadoras”. “Eu nasci na iniqüidade,
e em pecado me concebeu minha mãe” (SI 51.5). As passagens que concebem que no
juízo final se considerarão os atos pecaminosos efetivamente cometidos (e.g., Rm 2.6-
11) nada dizem sobre o fundamento do juízo nos casos em que não houve atos
individuais certos ou errados, como ocorre com as crianças que morrem muito novas.
Nesses casos, devemos aceitar as passagens bíblicas que afirmam que temos uma
natureza pecaminosa antes do momento do nascimento. Além do mais, precisamos
compreender que a natureza pecaminosa da criança se manifesta já bem cedo,
certamente nos primeiros dois anos de vida, como qualquer um que já criou filhos pode
confirmar. (Diz Davi, noutra passagem: “Desviam-se os ímpios desde a sua concepção;
nascem e já se desencaminham”, SI 58.3.) Mas então que dizer das crianças que
morrem antes de ter idade bastante para compreender e aceitar o evangelho? Será que
podem ser salvas?
Aqui só nos resta dizer que, se essas crianças forem salvas, não será pelos seus
próprios méritos, nem com base na sua justiça ou inocência, mas inteiramente com
base na obra redentora de Cristo e na regeneração operada pelo Espírito Santo dentro
delas. “Porquanto há um só Deus e um só Mediador entre Deus e os homens, Cristo
Jesus, homem” (1Tm 2.5). “Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de
Deus” (Jo 3.3).
Todavia, certamente é possível que Deus conceda regeneração (ou seja, nova
vida espiritual a uma criança mesmo antes que ela nasça. Isso aconteceu a João Batista,
pois o anjo Gabriel, antes de João nascer, disse: “[...] será grande diante do Senhor, já
do ventre materno” (Lc 1.15). Podemos dizer que João Batista “nasceu de novo” antes
de nascer!18. Encontramos exemplos semelhantes Salmo 22.10, onde diz Davi: “A ti me
entreguei desde o meu nascimento; desde o ventre de minha mãe, tu és meu Deus”. É
evidente, portanto, que Deus é capaz de salvar as crianças de um modo incomum, sem
que ouçam e compreendam o evangelho, concedendo-lhes regeneração bem cedo, às
vezes antes mesmo do nascimento (físico). É provável que imediatamente depois dessa
regeneração surja, em idade bastante precoce, uma consciência incipiente e intuitiva de
Deus e a fé nele, mas isso é algo que simplesmente não podemos entender.
Devemos, entretanto afirmar bem claramente que essa não é a maneira normal de
Deus salvar as pessoas. A salvação geralmente ocorre quando a pessoa ouve e
compreende o evangelho, e então passa a ter fé em Cristo. Mas em casos incomuns
como o de João Batista, Deus concede salvação mesmo antes dessa compreensão. E
isso nos leva a concluir que é certamente possível que Deus também o faça ao saber
18
Nota dos editores {É muito difícil aceitar que todos os casos em que alguém está ou é cheio do Espírito Santo nas
Escrituras impliquem necessariamente que tal pessoa tenha sido espiritualmente regenerada (veja o caso de Saul em 1Sm
19.23,24)}.
18
que a criança morrerá antes de ouvir o evangelho.
Quantas crianças Deus salva dessa forma? Como as Escrituras não nos dão
resposta para isso, simplesmente não temos como saber. Quando a Bíblia cala, não é
sensato fazer declarações taxativas. No entanto, devemos reconhecer que Deus, nas
Escrituras, freqüentemente salva os filhos daqueles que crêem nele (ver Gn 7.1; cf. Hb
11.7; Js 2.18; Sl 103.17; Jo 4.53; At 2.39; 11.14(?); 16.31; 18.8; 1Co 1.16; 7.14; Tt
1.6). Essas passagens não mostram que Deus automaticamente salva os filhos de todos
os crentes (pois conhecemos filhos de pais piedosos que, crescendo, rejeitam ao
Senhor, e as Escrituras nos dão exemplos, como Esaú e Absalão), mas indicam
realmente que a conduta habitual de Deus, seu modo “normal” ou esperado de agir, é
aproximar de si os filhos dos crentes. Com respeito aos filhos dos crentes que morrem
muito novos, não temos razão para pensar de outra maneira.
Especialmente relevante aqui é o caso do primeiro filho que Bate-Seba deu ao rei
Davi. Depois da morte da criança, disse Davi: “Eu irei a ela, porém ela não voltará
para mim” (2Sm 12.23). Davi, que ao longo da sua vida exibiu grande confiança de
que viveria para sempre na presença do Senhor (ver Sl 23.6 e muitos outros salmos de
Davi), também acreditaria que voltaria a ver seu filho depois de morrer. Isso só pode
implicar que ele estaria com o seu filho na presença do Senhor para sempre. Essa
passagem, ao lado outras mencionadas acima, deve servir igualmente como garantia,
para todos os crentes que perderam filhos pequenos, de que um dia os verão novamente
na glória do reino celeste.
Com respeito aos filhos dos descrentes que morrem em idade muito tenra, as
Escrituras se calam. Simplesmente devemos deixar a questão nas mãos de Deus,
confiando na sua justiça e misericórdia. Se forem salvos, não será com base em algum
mérito próprio, nem na inocência que lhes possamos atribuir. Se forem salvos, será
com base na obra redentora de Cristo; e sua regeneração, como a de João Batista antes
do nascimento (físico), será pela misericórdia e graça de Deus. A salvação sempre vem
em virtude da misericórdia divina, e não por causa dos nossos méritos (ver Rm 9.14-
18). As Escrituras não nos permitem dizer nada além disso.
4. Existem graus de pecado? Serão alguns pecados piores do que outros? A
pergunta pode ser respondida de modo afirmativo ou negativo, dependendo do sentido
que se lhe dê.
a. Culpa legal. No tocante à nossa posição legal perante Deus, qualquer pecado,
mesmo aquilo que nos pareça um pecado leve, torna-nos legalmente culpados perante
Deus e, portanto, dignos de castigo eterno. Adão e Eva aprenderam isso no jardim do
Éden, onde Deus lhes disse que um só ato de desobediência resultaria na pena de morte
(Gn 2.17). E Paulo afirma que “o julgamento derivou de uma só ofensa, para a
condenação” (Rm 5.16). Esse único pecado tornou Adão e Eva pecadores perante Deus,
já incapazes de permanecer na santa presença divina.
Essa verdade permanece válida durante toda a história da raça humana. Paulo
(citando Dt 27.26) a confirma: “Maldito todo aquele que não permanece em todas as
coisas escritas no Livro da Lei, para praticá-las” (GI3.10). E Tiago declara: “Qualquer
que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos.
Porquanto, aquele que disse: Não adulterarás também ordenou: Não matarás. Ora, se
não adulteras, porém matas, vens a ser transgressor da lei” (Tg 2.10-11).
19
Portanto, em termos de culpa legal, todos os pecados são igualmente maus, pois
nos fazem legalmente culpados perante Deus e nos constituem pecadores.
b. CONSEQUÊNCIAS na vida e no relacionamento com Deus. Por outro
lado, alguns pecados são piores do que outros, pois trazem CONSEQUÊNCIAS mais
danosas para nós e para os outros e, no tocante ao nosso relacionamento pessoal com
Deus Pai, provocam-lhe desprazer e geram ruptura mais grave na nossa comunhão com
ele.
As Escrituras às vezes falam de níveis de gravidade do pecado. Estando Jesus
diante de Pôncio Pilatos, disse ele: “Quem me entrega a ti maior pecado tem” (Jo
19.11). A referência é aparentemente a Judas, que convivera com Jesus durante três
anos e, no entanto, deliberadamente o traia entregando-o à morte. Embora Pilatos
tivesse autoridade sobre Jesus em virtude do seu cargo no governo, mesmo sendo
errado permitir que um homem inocente fosse condenado à morte, o pecado de Judas
era bem “maior”, provavelmente por causa do conhecimento bem maior e da malícia
associada e esse conhecimento.
Quando Deus revelou a Ezequiel visões de pecados no templo de Jerusalém,
disse-lhes o seguinte depois de mostrar algumas coisas ao profeta: “Pois verás ainda
maiores abominações” (Ez 8.6). A seguir mostrou a Ezequiel os pecados secretos de
alguns dos anciãos de Israel, dizendo-lhe: “Tornarás a ver maiores abominações que
eles estão fazendo” (Ez 8.13). Então o Senhor revelou a Ezequiel a imagem de
mulheres chorando diante de uma divindade babilônia, e disse: “Vês isto, filho do
homem? Verás ainda abominações maiores do que estas” (Ez 8.15). Finalmente,
mostrou a Ezequiel vinte e cinco homens no templo, que, de costas para o Senhor,
adoravam o sol. Aqui claramente temos graus crescentes de pecado e odiosidade
perante Deus.
No Sermão do Monte, ao dizer: “Aquele, pois, que violar um destes
mandamentos, posto que dos menores, e assim ensinar aos homens, será considerado
mínimo no reino dos céus” (Mt 5.19), Jesus sugere que há mandamentos menores e
maiores. Do mesmo modo, embora admita que é correto dar o dízimo mesmo sobre os
condimentos usados em casa, profere condenações contra os fariseus por eles
negligenciarem “os preceitos mais importantes da Lei: a justiça, a misericórdia e a fé”
(Mt 23.23). Nos dois casos, Jesus distingue os mandamentos menores dos maiores,
sugerindo assim que alguns pecados são piores do que outros no tocante à própria
avaliação divina da sua importância.
Em geral, podemos dizer que certos pecados trazem CONSEQUÊNCIAS mais
danosas do que outros se desonram mais a Deus, ou se geram mais dano a nós mesmos,
aos outros ou à igreja. Além disso, os pecados cometidos deliberada, repetida e
conscientemente, de coração empedernido, desagradam mais a Deus do que aqueles
que se cometem por ignorância e que não são repetidos, ou cometidos com uma
combinação de motivos bons e impuros e seguidos por remorso e arrependimento.
Assim as leis que Deus transmitiu a Moisés em Levítico tratam de casos em que as
pessoas pecam “por ignorância” (Lv 4.2,13,22). Pecado não intencional é assim
mesmo pecado: “Se alguma pessoa pecar e fizer contra algum de todos os
mandamentos do SENHOR aquilo que se não deve fazer, ainda que o não soubesse,
contudo, será culpada e levará a sua iniqüidade” (Lv 5.17). Porém, as penalidades
20
impostas e o grau de desagrado de Deus resultante do pecado são menores do que no
caso do pecado intencional.
Por outro lado, os pecados cometidos “atrevidamente”, isto é, com arrogância e
desdém pelos mandamentos de Deus, eram encarados com muita gravidade: “Mas a
pessoa que fizer alguma coisa atrevidamente, quer seja dos naturais quer dos
estrangeiros, injuria ao SENHOR; tal pessoa será eliminada do meio do seu povo” (Nm
15.30; cf. vv. 27-29).
É fácil perceber que alguns pecados trazem CONSEQUÊNCIAS muito mais
desastrosas para nós, para os outros e para o nosso relacionamento com Deus. Se eu
cobiçasse o carro do vizinho, isso seria pecado perante Deus. Mas se essa cobiça me
levasse de fato a roubarlhe o carro, o pecado então seria mais grave. Se no ato do roubo
eu lutasse contra o meu vizinho e o ferisse, ou descuidadamente ferisse outra pessoa
dirigindo o carro, o pecado seria ainda mais grave.
Do mesmo modo, se um recém-convertido, anteriormente afligido por uma
tendência de perder a cabeça e meter-se em brigas, passa a testemunhar aos seus
amigos descrentes e, um dia, recebe tanta provocação que perde a calma e acerta
alguém, sem dúvida isso será pecado aos olhos de Deus. Mas se um pastor maduro, ou
outro eminente líder cristão, perde a cabeça em público e bate em alguém, isso é ainda
mais grave aos olhos de Deus, por causa do dano causado à reputação do evangelho e
porque os homens que ocupam cargos de liderança são tidos por Deus num patamar
mais elevado de responsabilidade: “Havemos [os mestres] de receber maior juízo” (Tg
3.1; cf. Lc 12.48). Nossa conclusão, então, é que em termos de CONSEQUÊNCIAS e
em termos do grau do desprazer de Deus, alguns pecados são certamente piores que
outros.
Contudo, a distinção entre níveis de gravidade de pecado não implica endosso à
doutrina católica da classificação dos pecados em duas categorias: “venial” e “mortal”.
Na doutrina católica, o pecado venial pode ser perdoado, mas muitas vezes após
castigos nesta vida ou no purgatório (depois da morte, mas antes da entrada no céu). O
pecado mortal é aquele que provoca a morte espiritual, e não pode ser perdoado; exclui
as pessoas do reino de Deus.
Segundo as Escrituras, porém, todos os pecados são “mortais”, pois mesmo o
mais leve deles nos torna legalmente culpados perante Deus e merecedores de castigo
eterno. No entanto, até o mais grave dos pecados é perdoado quando a pessoa se
entrega a Cristo em busca de salvação (repare, em 1 Co 6.9-11, a combinação de uma
lista de pecados que excluem do reino de Deus e a afirmação de que os coríntios que os
haviam cometido foram salvos por Cristo). Assim, nesse sentido, todos os pecados são
“veniais”. A classificação católica dos pecados, que chama alguns de “mortais” (como
o suicídio) e outros (como a desonestidade, a ira ou a luxúria) de “veniais”, pode muito
facilmente levar ou à negligência em relação a alguns pecados que obstruem bastante a
santificação e a eficácia na obra do Senhor, ou, com respeito a outros pecados, a um
medo excessivo, ao desespero e à impossibilidade da certeza do perdão. E convém
perceber que exatamente o mesmo ato (como, no exemplo acima, perder a cabeça e
bater em alguém) pode ser mais ou menos grave, dependendo das pessoas envolvidas e
das circunstâncias. Muito melhor é simplesmente reconhecer que os pecados podem
variar segundo as CONSEQUÊNCIAS e o grau em que perturbam nosso
21
relacionamento com Deus, acarretando-lhe desagrado. Assim não extrapolamos o
ensino geral das Escrituras sobre o assunto.
A distinção que as Escrituras fazem dos graus de pecado têm de fato valor
positivo. Primeiro, ajuda-nos a saber em que aspectos devemos mais nos esforçar a fim
de crescer em santidade. Segundo, ajuda-nos a decidir se o melhor é simplesmente
desprezar uma falta menor de um amigo ou familiar, ou então conversar com a pessoa
sobre algum pecado mais grave (ver Tg 5.19,20). Terceiro, pode nos ajudar a decidir se
cabe exercer a disciplina na igreja, e dá uma resposta à objeção que às vezes se faz
contra o exercício da disciplina na igreja, na qual se diz que “somos todos culpados de
pecado; portanto não devemos nos intrometer na vida de ninguém”. Embora sejamos
todos de fato culpados de pecado, alguns pecados prejudicam tão gravemente a igreja e
as relações dentro dela que precisam ser abordados diretamente. Quarto, essa distinção
também pode nos ajudar a compreender que há algum fundamento no fato de os
governos civis estabelecerem leis e penalidades para coibir determinados tipos de erro
(como o assassinato ou o roubo), mas não outros (como a ira, o ciúme, a ganância ou o
uso egoísta dos bens). Não é incoerente dizer que alguns tipos de erros demandam
punição civil, mas nem todos.
5. O que acontece quando um cristão peca?
a. Nossa posição legal perante Deus fica inalterada. Embora esse assunto
pudesse ser abordado adiante, juntamente com a adoção ou a santificação dentro da
vida cristã, convém certamente abordá-lo aqui.
Quando o cristão peca, sua posição legal perante Deus permanece inalterada. Ele
ainda assim é perdoado, pois “já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo
Jesus” (Rm 8.1). A salvação não se baseia nos nossos méritos, mas é dádiva gratuita de
Deus (Rm 6.23), e a morte de Cristo sem dúvida nenhuma expiou todos os nossos
pecados - passados, presentes e futuros; Cristo morreu “pelos nossos pecados” (1Co
15.3), sem distinção. Em termos teológicos, conservamos assim nossa Justificação”.
Além do mais, permanecemos filhos de Deus e preservamos nossa condição de
membros da família de Deus. Na mesma epístola em que diz “Se dissermos que não
temos pecado nenhum, a nós mesmos nos enganamos, e a verdade não está em nós”
(1Jo 1.8), João também lembra aos seus leitores: ''Amados, agora, somos filhos de
Deus” (1Jo 3.2). O fato de o pecado permanecer em nossa vida não significa que
perdemos nossa condição de filhos de Deus. Em termos teológicos, conservamos a
nossa “adoção”.
b. Nossa comunhão com Deus se interrompe e nossa vida cristã se
prejudica. Quando pecamos, ainda que Deus não deixe de nos amar, ele se desgosta
conosco. (Mesmo o homem pode amar alguém e ao mesmo tempo se desgostar com
esse alguém, como qualquer pai pode confirmar, ou qualquer esposa, ou qualquer
marido.) Paulo nos diz que os cristãos podem entristecer “o Espírito de Deus” (Ef
4.30); quando pecamos, lhe causamos pesar e ele se desgosta conosco. O autor de
Hebreus nos lembra que “o Senhor corrige a quem ama” (Hb 12.6, citando Pv 3.11-12)
e que o “Pai espiritual [...] nos disciplina para aproveitamento, a fim de sermos
participantes da sua santidade” (Hb 12.9-10). Quando desobedecemos, Deus Pai se

22
entristece, tanto quanto um pai terreno se entristece diante da desobediência dos seus
filhos, e então nos corrige. Tema semelhante se encontra em Apocalipse 3, onde o
Cristo ressurreto fala do céu à igreja de Laodicéia, dizendo: “Eu repreendo e disciplino
a quantos amo. Sê, pois zeloso e arrepende-te” (Ap 3.19). Aqui, novamente, o amor e a
repreensão do pecado se encontram na mesma frase. Assim, o Novo Testamento atesta
o desprazer dos três membros da Trindade diante do pecado dos cristãos. (Ver também
Is 59.1-2; 1Jo 3.21).
A Confissão de Fé de Westminster diz, sabiamente, com respeito aos cristãos:
Embora eles nunca possam cair do estado de justificação, poderão, contudo, por seus
pecados, incorrer no desagrado paternal de Deus, e ficar privados da luz de sua graça, até
que se humilhem, confessem os seus pecados, peçam perdão e renovem a sua fé e o seu
arrependimento (cap. 11, seção 5).

Hebreus 12, além de muitos exemplos históricos bíblicos, mostra que o


desagrado paternal de Deus muitas vezes nos traz a disciplina: “Deus [...] nos
disciplina para aproveitamento, a fim de sermos participantes da sua santidade” (Hb
12.10). Considerando a necessidade da confissão regular e do arrependimento dos
pecados, Jesus nos exorta a orar diariamente: “Perdoa os nossos pecados, como
também nós perdoamos aqueles que pecam contra nós” (Mt 6.12, tradução do autor;
cf. 1Jo 1.9).
Quando nós, cristãos, pecamos, não só nosso relacionamento pessoal com Deus
se interrompe. Prejudicam-se também nossa vida cristã e nosso fruto no ministério.
Jesus nos faz um alerta: “Como não pode o ramo produzir fruto de si mesmo, se não
permanecer na videira, assim, nem vós o podeis dar, se não permanecerdes em mim”
(jo 15.4). Quando nos afastamos da comunhão com Cristo por causa do pecado,
diminui a intensidade com que permanecemos em Cristo.
Os autores do Novo Testamento freqüentemente falam das CONSEQUÊNCIAS
destrutivas do pecado na vida dos crentes. De fato, muitas seções das epístolas se
dedicam a repreender e afastar os cristãos do pecado que estão cometendo. Paulo diz
que se os cristãos se entregam ao pecado, cada vez mais se tornam “servos” do pecado
(Rm 6.16); porém Deus quer que os cristãos subam pelo caminho da crescente justiça.
Se nossa meta é constantemente crescer em plenitude de vida até o dia da nossa morte,
quando passaremos à presença de Deus no céu, então pecar é fazer meia-volta e
começar a descer, afastando-nos da meta de semelhança a Deus; é seguir na direção
que leva “para a morte” (Rm 6.16) e para a eterna separação de Deus, caminho do qual
fomos resgatados quando nos tornamos cristãos.
Pedro diz que os desejos pecaminosos que se alojam no nosso coração “fazem
guerra contra a alma” (1Pe 2.11) - a metáfora militar traduz corretamente a expressão
de Pedro e dá a ideia de que os desejos pecaminosos dentro em nós são como soldados
numa batalha, cujo alvo é destruir nosso bem-estar espiritual. Ceder a esses desejos
pecaminosos, nutri-los e afagá-los no nosso íntimo é alimentar, abrigar e acolher as
tropas inimigas. Se nos entregamos aos desejos que “fazem guerra” contra nossa alma,
inevitavelmente temos alguma perda de força espiritual, diminuição de poder espiritual
e de eficácia na obra do reino de Deus.
Além disso, quando nós, cristãos, pecamos, perdemos parte da recompensa
23
celeste. Aquele que fundamenta a sua obra na igreja, não com ouro, prata e pedras
preciosas, mas com “madeira, feno, palha” (1Co 3.12), verá seu trabalho “se queimar”
no dia do juízo, e “sofrerá ele dano; mas esse mesmo será salvo, todavia, como que
através do fogo” (1Co 3.15). Paulo sabe que “todos nós” precisaremos comparecer
“perante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o bem ou o mal que
tiver feito por meio do corpo” (2Co 5.10). Assim, o apóstolo sugere que há níveis de
recompensa no céu e que o pecado traz CONSEQUÊNCIAS negativas que se traduzem
em perda de recompensa celeste.
c. O perigo dos “evangélicos não convertidos. Embora o cristão genuíno que
peca não perca a sua justificação ou adoção perante Deus (ver acima), convém deixar
bem claro que a mera associação a uma igreja evangélica, a mera conformidade
exterior aos parâmetros “cristãos” de conduta esperados, não garante a salvação.
Especialmente em sociedades e culturas em que para as pessoas é fácil (ou mesmo
natural) ser cristão, existe a possibilidade real de que alguns que na verdade não
nasceram de novo entrem na igreja. Se essas pessoas acabam cada vez mais revelando
desobediência a Cristo na sua conduta, não devem se deixar iludir acreditando que
ainda contam com justificação ou adoção na família de Deus. Uma conduta
persistentemente desobediente a Cristo, aliada à ausência dos elementos do fruto do
Espírito Santo, como o amor, a alegria, a paz, etc. (ver Gl 5.22,23), é um sinal de alerta
de que a pessoa provavelmente não é genuinamente cristã, de que é possível que desde
o início não houve uma fé sincera nem a obra regeneradora do Espírito Santo. Jesus
avisa que, a alguns que profetizaram, expulsaram demônios e fizeram muitos prodígios
em seu nome, dirá: “Nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a
iniqüidade” (Mt 7.23). E João nos afirma que “... aquele que diz: Eu o conheço e não
guarda os seus mandamentos é mentiroso, e nele não está a verdade” (1Jo 2.4; aqui
João alude a uma conduta persistente na vida). Uma conduta contumaz de crescente
desobediência a Cristo deve ser tida como razão para duvidar de que a pessoa em
questão seja realmente cristã.
6. Qual é o pecado imperdoável? Várias passagens bíblicas falam de um pecado
que não será perdoado. Jesus diz:
Por isso, vos declaro: todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens; mas a
blasfêmia contra o Espírito não será perdoada. Se alguém proferir alguma palavra contra
o Filho do Homem, ser-lhe-á isso perdoado; mas, se alguém falar contra o Espírito Santo,
não lhe será isso perdoado, nem neste mundo nem no porvir (Mt 12.31-32).

Declaração semelhante aparece em Marcos 3.29-30, onde Jesus diz que “aquele
que blasfemar contra o Espírito Santo não tem perdão para sempre” (Mc 3.29;cf.12.10).
Igualmente, Hebreus 6 diz: “É impossível, pois, que aqueles que uma vez foram
iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo,
e provaram a boa palavra de Deus e os poderes do mundo vindouro, e caíram, sim, é
impossível outra vez renová-los para arrependimento, visto que, de novo, estão
crucificando para si mesmos o Filho de Deus e expondo-o à ignomínia” (Hb 6.4-6; cf.
10.26-27; também a discussão do pecado “que leva à morte” [NVI] em 1Jo 5.16-17).

24
Essas passagens talvez falem do mesmo pecado, talvez de pecados diferentes;
para decidir, é preciso fazer um exame das passagens dentro dos seus contextos.
Já se defenderam várias opiniões diferentes a respeito desse pecado.
1. Alguns propuseram que se trata de um pecado que só se poderia cometer
enquanto Cristo estava na terra. Mas a declaração de Jesus de que “todo pecado e
blasfêmia serão perdoados aos homens” (Mt 12.31) é tão geral que parece arriscado
dizer que só se refere a algo que poderia ocorrer apenas durante a sua vida - os textos
em questão não especificam tal restrição. Além disso, Hebreus 6.4-6 fala da apostasia
que aconteceu vários anos após Jesus ter voltado ao céu.
2. Alguns sustentam que o pecado é a incredulidade que persiste até a hora da
morte; portanto, todos os que morrem na incredulidade (ou pelos menos todos os que
ouvem falar de Cristo e morrem na incredulidade) cometem esse pecado. É verdade,
claro, que aqueles que persistem na incredulidade até a morte não serão perdoados, mas
importa saber se é esse fato que se discute nesses versículos. Numa leitura mais detida
dos versículos, essa explicação não parece se ajustar à linguagem empregada, pois não
se fala de incredulidade em geral, mas especificamente de alguém que fala “contra o
Espírito Santo” (Mt 12.32), blasfema “contra o Espírito Santo” (Mc 3.29) ou comete
apostasia (Hb 6.6). Esses versículos enfocam um pecado específico - a rejeição
deliberada da obra do Espírito Santo e a difamação dela, ou a rejeição deliberada da
verdade de Cristo e sua exposição à “ignomínia” (Hb 6.6). Além disso, a ideia de que
esse pecado é a incredulidade que persiste até a morte não se encaixa bem no contexto
da censura aos fariseus pelo que eles dizem em Mateus e Marcos (ver abaixo a análise
do contexto).
3. Alguns defendem que esse pecado é a grave apostasia dos crentes sinceros, e que
somente os que verdadeiramente nasceram de novo poderiam cometer esse pecado.
Eles fundamentam a sua tese na interpretação dada à natureza da apostasia descrita em
Hebreus 6.4-6 (ou seja, a rejeição de Cristo e a perda da salvação por parte de um
cristão verdadeiro). Mas não parece ser essa a melhor interpretação de Hebreus 4-6.
Ademais, embora talvez se pudesse sustentar essa tese com respeito a Hebreus 6, ela
não explica a blasfêmia contra o Espírito santo nas passagens dos evangelhos, nas quais
Jesus responde à empedernida rejeição dos fariseus à obra do Espírito Santo por
intermédio dele.
4. Uma quarta possibilidade é que esse pecado consista em rejeição e calúnia
especialmente maliciosas e deliberadas à obra do Espírito Santo em seu testemunho de
Cristo e na atribuição dessa obra a Satanás. Um exame mais detido do contexto da
declaração de Jesus em Mateus e Marcos mostra que Jesus falava em resposta à
acusação dos fariseus de que “este não expele demônios senão pelo poder de Belzebu,
maioral dos demônios” (Mt 12.22). Os fariseus haviam visto muitas vezes as obras de
Jesus. Ele acabara de curar um endemoninhado cego e mudo, que passou a ver e a falar
(Mt 12.22). As pessoas ficavam assombradas e seguiam Jesus em grandes números, e
muitas vezes os próprios fariseus haviam visto claras demonstrações do impressionante
poder do Espírito Santo agindo por intermédio de Jesus para dar vida e saúde a muitas
pessoas. Mas os fariseus, apesar de ver bem diante do seu nariz as claras demonstrações
da obra do Espírito Santo, deliberadamente rejeitavam a autoridade e o ensinamento de
Jesus, atribuindo-os ao Diabo. Jesus então lhes disse com muita clareza que “toda
25
cidade ou casa dividida contra si mesma não subsistirá. Se Satanás expele a Satanás,
dividido está contra si mesmo; como, pois, subsistirá o seu reino?” (Mt 12.25-26). Por
isso era irracional e insensato que os fariseus atribuíssem os exorcismos de Jesus ao
poder de Satanás - uma mentira clássica, deliberada, maliciosa.
Depois de explicar que “Se, porém, eu expulso demônios pelo Espírito de Deus,
certamente é chegado o reino de Deus sobre vós” (Mt 12.28),Jesus profere o seguinte
alerta: “Quem não é por mim é contra mim; e quem comigo não ajunta espalha” (Mt
12.30). Ele avisa que não existe neutralidade, e certamente aqueles que, como os
fariseus, se opõem à sua mensagem são contra ele. A seguir acrescenta: “Por isso, vos
declaro: todo pecado e blasfêmia serão perdoados aos homens; mas a blasfêmia contra
o Espírito Santo não será perdoada” (Mt 12.31). A calúnia deliberada e maliciosa contra
a obra do Espírito Santo em Jesus, calúnia pela qual os fariseus atribuíam tal obra a
Satanás, não seria perdoada.
O contexto indica que Jesus fala de um pecado que não é simplesmente
incredulidade ou rejeição de Cristo, mas que inclui: (1) o claro conhecimento de quem
é Cristo e do poder do Espírito Santo que age por meio dele, (2) a rejeição deliberada
dos fatos sobre Cristo que seus oponentes sabiam ser verdadeiros e (3) a caluniosa
atribuição da obra do Espírito Santo em Cristo ao poder de Satanás. Nesse caso a
dureza do coração seria tão grande que todos os meios normais de levar o pecador ao
arrependimento já teriam sido rejeitados. A persuasão da verdade não funcionará, pois
essa gente já conhece a verdade e deliberadamente já a rejeitou. A demonstração do
poder do Espírito Santo para curar e dar vida não funcionará, pois eles já a viram e já a
rejeitaram. Nesse caso, não que o pecado em si seja tão terrível que não possa ser
expiado pela obra redentora de Cristo, mas a dureza de coração do pecador o coloca
fora do alcance dos meios normais que Deus utiliza para conceder o perdão por
intermédio do arrependimento e da fé na salvação de Cristo. O pecado é imperdoável
porque afasta o pecador do arrependimento e da fé salvífica pelo crédito à verdade.
Berkhof, inteligentemente, define assim o pecado imperdoável:
Esse pecado consiste na rejeição e na calúnia conscientes, maliciosas e deliberadas,
Contra toda evidência e convicção, do testemunho do Espírito Santo a respeito da graça
de Deus em Cristo, atribuindo-o, por ódio e inimizade, ao Príncipe das Trevas. [...] ao
cometer esse pecado, o homem, voluntária, maliciosa e intencionalmente atribui aquilo
que é claramente reconhecido como obra de Deus à influência e à ação de Satanás.

Berkhof explica que o pecado em si consiste “não em duvidar da verdade, nem


na pecaminosa negação dela, mas em contradizer essa verdade mesmo contra a
convicção da própria mente, contra o esclarecimento da consciência e mesmo contra o
veredicto do coração”.
O fato de o pecado imperdoável envolver dureza de coração e falta de
arrependimento tão radicais indica que aqueles que temem tê-Io cometido, mas sentem
remorso do pecado no coração e desejam buscar a Deus, certamente não estão na
mesma categoria dos que são culpados dele. Berkhof diz que “podemos estar
razoavelmente certos de que os que temem tê-lo cometido, e com isso se afligem, e
desejam que os outros orem por eles, não o cometeram”.

26
Essa compreensão do pecado imperdoável também é bastante compatível com
Hebreus 6.4-6. Ali as pessoas que cometem apostasia têm todo o conhecimento e toda a
convicção da verdade: eles “foram iluminados” e “provaram o dom celestial”;
participaram em certos aspectos da obra do Espírito Santo e “provaram a boa palavra
de Deus e os poderes do mundo vindouro”, mas depois deliberadamente se afastaram
de Cristo e o expuseram “à ignomínia” (Hb 6.6). Eles também se colocaram fora do
alcance dos meios normais que Deus usa para levar as pessoas ao arrependimento e à
fé. Conhecendo a verdade e dela convencidos, deliberadamente a rejeitaram.
O texto de 1Jo 5.16-17, porém, parece se enquadrar noutra categoria. Essa
passagem não fala de um pecado que jamais pode ser perdoado, mas antes de um
pecado que, continuado, levará à morte. Esse pecado parece envolver o ensino de
graves erros doutrinários acerca de Cristo. Depois de exortar a que façamos nossos
pedidos com fé segundo a vontade de Deus (1Jo 5.14-15), João apenas deixa claro que
não está dizendo que podemos orar com fé a Deus para que ele simplesmente perdoe
esse pecado, a menos que a pessoa se arrependa - mas certamente não proíbe orar pelos
mestres heréticos que se disponham a rejeitar a sua heresia e a se arrepender,
alcançando assim o perdão. Muitas pessoas que ensinam graves erros doutrinários
ainda assim não chegaram ao ponto de cometer o pecado imperdoável, acarretando a
impossibilidade do arrependimento e da fé pela sua própria dureza de coração.

E. O CASTIGO DO PECADO
Embora o castigo divino do pecado funcione realmente como elemento inibidor
contra novos pecados e como alerta àqueles que o testemunham, não é essa a razão
principal pela qual Deus pune o pecado. A razão primeira é que a justiça de Deus o
exige, para que ele seja Glorificado no universo que criou. Ele é o Senhor que pratica
“misericórdia, juízo e justiça na terra; porque destas coisas me agrado, diz o
SENHOR” (Jr 9.24).
Paulo discorre sobre Cristo Jesus, “a quem Deus propôs como propiciação pelo
seu sangue, mediante a fé” (Rm 3.25, tradução do autor). Depois o apóstolo explica por
que Deus propôs Jesus como “propiciação” (ou seja, sacrifício que carrega a ira de
Deus contra o pecado e portanto transforma a ira divina em graça): “para manifestar a
sua justiça, por ter Deus, na sua tolerância, deixado impunes os pecados anteriormente
cometidos” (Rm 3.25). Paulo entende que, não houvesse Cristo vindo para sofrer a
penalidade dos pecados, não se poderia provar que Deus é justo. Como ele deixara os
pecados do passado sem castigo, as pessoas poderiam, com toda a razão, acusar a Deus
de injustiça, pois um Deus que não pune os pecados não é um Deus justo. Portanto,
quando Deus enviou Cristo para morrer e sofrer a penalidade dos nossos pecados,
demonstrou que era de fato justo - acumulou o castigo devido aos pecados anteriores
(os dos santos do Antigo Testamento) e depois, com perfeita justiça, impôs a Jesus esse
castigo na cruz. A propiciação do Calvário, portanto, demonstrou claramente que Deus
é perfeitamente justo, pois tinha “em vista a manifestação da sua justiça no tempo
presente, para ele mesmo ser justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus” (Rm
3.26).
Logo, na cruz temos uma clara demonstração da razão pela qual Deus castiga o
pecado: se ele não castigasse o pecado, não seria um Deus justo, e não haveria justiça
27
suprema no universo. Mas, castigando o pecado, Deus se revela justo juiz de tudo, e
faz-se justiça no universo.

28
BIBLIOGRAFIA
1. BENTES, A. Carlos G. Apostila de Antropologia.
2. BERKHOF, Louis. História das Doutrinas Cristãs. PES, 1992.
3. _________. Teologia Sistemática. 2ª ed. Campinas: Luz Para o Caminho, 1992.
4. CHESTERTON, Gilbert K. Ortodoxia. 1ª ed. São Paulo: Editora Mundo Cristão,
2008.
5. CRABTREE, A. R. Teologia do Velho Testamento. Rio de Janeiro: JUERP, 1977.
6. DICIONÁRIO INTERNACIONAL DE TEOLOGIA DO ANTIGO
TESTAMENTO. R. Laird Harris, Gleason L. Archer, Jr., Bruce K. Waltke. Editora
Vida Nova, 1998.
7. GRUDEM, Wayne. Teologia Sistemática. 1ª ed. São Paulo: Editora Vida Nova,
1999.
8. LANGSTON, A.B. Esboço de Teologia Sistemática. JUERP, 1988.
9. LAWSON, Steven J. PILARES DA GRAÇA. 1ª ed. São José dos Campos, São
Paulo, 2013.
10. SEVERA, de A. Zacarias. Manual de Teologia Sistemática, 1ª ed. Curitiba: A. D.
SANTO EDITORA, 1999. Hamartiologia.
11. SROUL, R. C. FILOSOFIA PARA INICIANTE. 1ª ed. São Paulo. Editora Vida
Nova, 2002.
12. STRONG, A. H. Teologia Sistemática. 1ª ed. São Paulo: Editora Hagnos, 2003. 2 v.

Pedidos ao Pr. A. Carlos G. Bentes - jn”B


TEL. (031) 3681 4770; CEL. 96849869; 86614070.
Email: pastorbentesgoel@gmail.com

29
Biografia do autor
O pastor Antônio Carlos Gonçalves Bentes é capitão do Comando da Aeronáutica,
Doutor em Teologia pela American Pontifical Catholic University (EUA), Pós-
graduado em Ciências da Religião pela Pan Americana, Pós-graduado em Psicologia
Pastoral pela Pós-graduado em Ciências da Religião pela Pan Americana, Pós-graduado
em Psicologia Pastoral pela FATEH - Faculdade de Teologia Hokemãh, conferencista,
filiado à ORMIBAN – Ordem dos Ministros Batistas Nacionais, professor dos
seminários batistas: STEB, SEBEMGE e Koinonia e também das instituições:
Seminário Teológico Hosana, UNITHEO, Seminário Teológico Goel e Escola Bíblica
Central do Brasil, atuando nas áreas de Teologia Sistemática, Teologia Contemporânea,
Apologética, Escatologia, Pneumatologia, Teologia Bíblica do Velho e Novo
Testamento, Hermenêutica, e Homilética. Reside atualmente em Lagoa Santa, Minas
Gerais. É pastor presidente da Igreja Batista Nacional Goel em Lagoa Santa - Minas
Gerais. É casado com a pastora Rute Guimarães de Andrade Bentes, tem três filhos:
Joelma, Telma e Charles Reuel, e duas netas: Eliza Bentes Zier e Anna Clara Bentes
Rodrigues..

Pedidos ao Pr. A. Carlos G. Bentes


Tel. (031) 3681.4770; Cel. (031) 8661.4070; 9684.9869
E-mail: pastorbentesgoel@gmail.com

30