Você está na página 1de 16

Quem é você no relacionamento? Doador ou parasita?

Nos relacionamentos profissionais e pessoais, percebemos que


as pessoas assumem tipos distintos de comportamentos. Há
pessoas que se preocupam tanto com os outros que se
esquecem dos próprios sonhos e projetos. Outras pessoas não
buscam contribuir com a vida das demais pessoas, pensando
apenas na sua vida.

Para compreender melhor esses tipos de comportamentos e


fazer as mudanças necessárias para nos tornarmos pessoas
melhores, foi desenvolvido o mapa do sucesso. Esse mapa
abre as perspectivas para que todos possam refletir sobre o
estágio de vida em que se encontram e onde pretendem
chegar.

“Na vida, nós vivemos papéis, nós nos posicionamos, nós


temos conexões humanas. Conexões que podem nos levar a
crescer ou a ter uma vida medíocre. Conexões que vão dar
sustentação ou talvez romper nossos relacionamentos, que
podem nos fazer felizes ou infelizes.” Paulo Vieira

A partir dessas conexões, é possível estabelecer uma métrica


simples com 3 perfis de comportamento: parasita, autofagista e
abundante.

O que significam esses perfis de comportamento?

Cada perfil de comportamento tem características próprias.


Vamos explicar um a um para que você possa compreendê-los
bem:

 Parasita:

A pessoa parasita que se aproveita de todos ao seu redor. A


pessoa parasita é aquela que sempre se beneficia. O animal
parasita, por exemplo, é aquele que, literalmente, alimenta-se
do outro. Ele absorve a vida do inimigo, sem retribuir nada ou
quase nada.

Ele absorve muito mais do que dá. Pessoas assim, às vezes, já


receberam tudo no mundo: tem uma ótima casa, vida, escola,
tem toda uma forma de ganhos, de benefícios, mas não
retribuem ao mundo nada parecido com isso.

Assim sendo, a pessoa parasita é aquela que absorve muito


mais dos outros e do mundo do que dá aos outros e ao mundo.
É aquele que pensa muito em si e não se preocupa com as
pessoas ao seu redor que podem estar em uma situação difícil.

 Autofagista:

Além dos parasitas, há a categoria daqueles que são


autofagistas. Aqueles que se classificam como autofagistas
nem parasitam, nem doam, ficam no meio termo.

São pessoas fechadas dentro de si mesmas. São pessoas que


não absorvem o mundo ao seu redor e nem doam nada para
ninguém. Essas pessoas estão simplesmente morrendo.

Aqui entram aquelas pessoas que são “neutras” do mundo.


São aqueles que não se posicionam, não tem ideias ou brilho
próprio, optam por não fazer a diferença nem definir o que
esperam para o seu futuro. Com isso, se automutilam, podando
qualquer perspectiva de uma vida de sucesso e felicidade.

 Abundante:
 Há ainda uma última classificação: o abundante. Os
abundantes não só ajudam as pessoas intensamente,
como também absorvem do mundo intensamente, sempre
dando mais do que recebem.
 O abundante conhece o equilíbrio entre o seu
crescimento profissional e pessoal e o quanto é preciso
doar às pessoas. É muito importante ser uma pessoa
interessada, estudiosa, que vise o progresso diariamente,
mas sem esquecer de que há milhares de pessoas que
precisam de ajuda.
 Muitas pessoas não tem a saúde que você tem, ou não
tiveram condições de frequentar boas escolas, ou sequer
tiveram acesso a um livro – mesmo que quisessem. O
abundante faz a diferença na sua vida, mas espalha o
que possui de bom para os outros.
 Se você já se encontra na abundância, excelente! Mas
não esqueça que esse é um trabalho constante, que
sempre haverá muito para aprender e que sempre
podemos ser melhores. Se você não está no quadrante
da abundância, fique tranquilo pois sempre podemos
mudar nosso padrão de comportamento e ser uma
pessoa melhor a cada dia. Para isso, tenha atitude.
Comece hoje mesmo a transformar sua realidade e a
realidade das pessoas que o cercam. Faça a diferença!
Fazendo diferente e melhor, você perceberá que a
felicidade e o sucesso são a recompensa!

7 dicas para conquistar uma vida com alta


performance
Alcançar um bom desempenho em todas as áreas da vida não
é uma tarefa fácil, requer dedicação e conhecimento adequado.

Por isso, separamos 7 dicas para elevar a capacidade de


ultrapassar o seu potencial, gerando elevados padrões
pessoais e valorização no mercado de trabalho.

#1 Conserve bons sentimentos

Uma das maiores vantagens competitivas que se pode ter é


nutrir bons sentimentos e principalmente o Amor.

Existe um ramo da psicologia, atualmente, dedicado a estudai


Para isso, o psicólogo Daniel Kahneman criou a Hedônica,
pesquisa científica ligada às fontes da alegria humana.

De acordo com alguns estudos, bons sentimentos trazem


realizações, por isso pessoas felizes estão sempre na frente.

Analisando o que você tem de mais importante hoje na vida,


verá que já é extremamente rico e próspero, não existindo valor
nenhum que pague o que já possui.

Muitas pessoas ainda não se dão conta disso e desconhecem


os seus maiores bens, o que geralmente, se deve ao fato de
não verbalizarem gratidão.
É fundamental que você crie o hábito de agradecer. Utilize dois
minutos do dia pensando em fatos positivos que aconteceram
nas últimas 24 horas.Desta forma, você evita concentrar suas
energia apenas em coisas negativas. Funciona apenas se
pensar em coisas bem especícificas, como

#2 Celebre cada conquista

Ser grato pelas pequenas e grandes coisas que acontecem na


vida nos faz conservar as melhores sensações.

Porém, é necessário também celebrar cada conquista


alcançada, o que destrói qualquer sensação de não
merecimento.

É fundamental também saber por que e com quem você


celebra suas conquistas. Celebre com pessoas que querem o
seu bem, olhe no olho de cada uma delas e marque este
momento.

Quando a celebração passa a ser um estilo de vida, é natural


que tenhamos alta performance, diferenciando-nos da massa.

Acesse também: Como alcançar a excelência na sua empresa.

#3 Faça diferente

Quer ter sucesso? Aja diferentemente da maioria e assim terá


destaque em qualquer área da sua vida.

Fazer o contrário da massa não é uma decisão fácil, atrai


muitas críticas e ironias, mas ser criticado é a certeza de que
você está no caminho certo.

#4 Elimine sentimentos tóxicos

Raiva, inveja, ingratidão, estresse e ciúme são exemplos de


sentimentos que lhe distanciam bastante do seu objetivo, além
de causar inúmeras doenças físicas e psicológicas.
Reconhecer a existência de cada sentimento tóxico e o mal
que eles causam é o primeiro passo para que as mudanças
aconteçam.

#5 Não tenha medo do fracasso

Muitas vezes as pessoas deixam de crescer com medo de


ouvirem “Não” e se frustrarem.

A partir do momento que enfrentamos nossos medos e agimos,


mesmo que fracassando, estamos mais aptos ao crescimento.
Pessoas de sucesso fracassaram muitas vezes antes de
chegar aonde estão.

Você se define como um aprendiz vitorioso ou uma vítima


fracassada? É necessário que você repense sua atitude diante
das dificuldades e passe a encarar tudo como aprendizado.

#6 Faça um Mural da Vida Extraordinária

Ter uma visão positiva de futuro é um diferencial para alcançar


a alta performance. Pessoas que não agem dessa forma,
acabam subutilizando seu cérebro.

Crie um Mural da Vida Extraordinária! Essa é uma das formas


mais eficazes de realizar suas metas e objetivos. Veja como:

1) Defina suas metas e objetivos;

2) Estabeleça o tempo em que eles serão realizados, mas sem


estipular datas específicas;

3) Determine como irá realizá-los;

4) Por fim, represente todas essas metas e objetivos em forma


de imagens e cole-as em uma espécie de mural. Pode ser a
casa dos seus sonhos ou o corpo que você deseja. A escolha
das imagens depende da sua necessidade.

5) Feito isso, escolha um lugar onde você apenas você poderá


visualizar seu mural todos os dias.
6) De olhos fechados, entre na imagem e vivencie a cena, veja
e sinta. Tenha vontade e determinação de realizá-la! Depois é
só colocar seu plano de ação em prática e assim completar
todo o seu Mural da Vida Extraordinária!

#7 Adote o Princípio 10/90

Uma pessoa de alta performance procura sempre aprender


com tudo que a vida oferece, independente do que seja.

O princípio 10/90 mostra-nos a seguinte fórmula:

VIDA = 10% + 90%

Procure entender o que acontece com você como os 10% da


vida estão relacionados com . E 90% estão ligados a como
você reage ao acontecimentos.

Sobre os 10%, nós não temos controle, pois não são fatos que
dependem da nossa vontade. Mas decidir o que fazer com o
que nos acontece é de total responsabilidade nossa.

Para que verdadeiras mudanças aconteçam, de fato na sua


vida é fundamental fazer as perguntas certas para tudo e as
respostas ideais virão. Ao descobrir as respostas é necessário
agir e dar continuidade às transformações, alcançando a sua
maior performance.

Como a gratidão pode mudar de vez sua qualidade de


vida?
A gratidão é um sentimento que está intrinsecamente ligado à
felicidade e à prosperidade. Pode até ser difícil entender a
lógica em um primeiro momento, mas ela é um requisito para
se ter uma vida alegre e de sucesso. Ao final deste post,
você saberá como transformar sua qualidade de vida,
praticando a gratidão. Mas para isso, é preciso aprender:

 Como identificar o nível de gratidão de alguém?


 A diferença entre dizer obrigada e ser grato
 A importância de comunicar gratidão
 Por que ser um doador?
 Passo a passo para começar a ser grato
Como identificar o nível de gratidão de alguém?

O nível de gratidão em uma pessoa é facilmente identificado ao se


observar o nível de felicidadee de prosperidade financeira dela. Se
for feliz e próspera, certamente exerce a gratidão. Você deve estar se
perguntando como isso é possível, se muitos indivíduos costumam ser
gratos, mas continuam sendo infelizes e são dominados pelo fracasso.

Bom, não se engane. Essas pessoas não são verdadeiramente gratas e,


por isso, são mal-sucedidas. Agradecer pelas gentilezas pode ser
apenas uma questão de educação e não necessariamente de
sentimento. E é importante ressaltar que existe uma grande diferença
entre esses dois conceitos.

Para você entender melhor, imagine uma pessoa depressiva que faz
questão de dizer “obrigado” repetidas vezes por algo que recebeu. Os
agradecimentos excessivos são apenas uma forma de chamar a
atenção e fortalecer a posição de vítima. Assim, não podem ser
consideradas gratas.

A gratidão é um estilo de vida marcado por uma rotina de excelência


que não precisa ser ensaiada ou garimpada. Trata-se de algo que
sentimos e impacta diretamente em quão felizes e prósperos somos.

A gratidão e a ingratidão são constituídas por características que


formam nosso estilo de de vida, podendo ser identificadas facilmente
no nosso dia a dia, por meio dos nossos sentimentos e ações.
Clique AQUI e assista a um vídeo para entender melhor a
diferença entre uma pessoa que é essencialmente grata e uma que é
ingrata.
A importância de comunicar gratidão

Uma pesquisa realizada por Robert Emmons, da Universidade da


Califórnia, afirma que pessoas que comunicam gratidão possuem
emoções mais positivas, como alegria e amor. Esse sentimento é como
um elixir que nos torna mais alegres, entusiasmados, amorosos e
otimistas.
Além disso, também nos protege de sentimentos negativos, como
inveja, ressentimento e mágoa, típicas de pessoas que se consideram
vítimas do mundo. Quimicamente a vitimização e a gratidão não
combinam e é por esta razão que aqueles que se fazem de vítima
guardam muita mágoa e raramente conseguem se desenvolver.

De todos os pecados que o ser humano pode cometer, a ingratidão é


um dos principais. Ela não faz parte da natureza humana e é a essência
da vilania. E o motivo é bem simples: pessoas ingratas são capazes de
fazer qualquer coisa, pois não reconhecem nada de positivo que têm
na vida.

A gratidão e a ingratidão são constituídas por características que


formam nosso estilo de de vida, podendo ser identificadas facilmente
no nosso dia a dia, por meio dos nossos sentimentos e ações. Para
você entender melhor, veja no quadro a seguir a comparação entre
uma pessoa que é essencialmente grata e uma que é ingrata.
Por que ser um doador?

Um dos aspectos mais importantes em relação àqueles que praticam a


gratidão é o fato de eles serem doadores e terem isso como parte de
seu estilo de vida. Todos os meses reservam algo, como dinheiro ou
seu próprio tempo para ajudar outra pessoa, sem exigir algo em troca.

Isso é tão forte na essência deles que, caso não façam, sofrem. E sabe
qual é a grande vantagem em ser um doador? Você recebe tudo de
volta de formas que nem imagina. Vou explicar melhor. Quando uma
pessoa doa uma parte do seu salário para caridade, por exemplo, ela
recebe de volta um valor muito maior do que aquele doado.

O dinheiro pode retornar em situações, como uma premiação ou uma


grande oportunidade no campo profissional que vai aumentar o
salário. Acredite, pois isso realmente funciona. Você tira do que tem,
dá para outra pessoa e logo suas finanças melhoram.

Assista ao vídeo a baixo saiba mais como a gratidão é fundamental


para que você seja verdadeiramente rico e próspero:

É preciso mudar nosso estilo de vida e nos tornarmos alguém grato e


doador para conseguirmos ganhar muito mais do que já conseguimos
até hoje. Mas toda mudança requer treinamento e, neste caso, tem um
exercício muito importante que pode ajudar.

Confira o passo a passo:


– Pense em três aspectos sobre os quais você é grato e analise por quê;
– Pense em duas pessoas a quem você é grato e diga o motivo de ser
grato a elas;
– Relacione dois motivos pelos quais você é grato a Deus;
– Pense em dois fatos que causaram uma dor imensa, mas
proporcionaram um importante aprendizado e amadurecimento.
Graças a eles você se tornou alguém melhor e é por esta razão que é
grato por tê-los vivido. Esse pequeno exercício feito com frequência
vai começar a transformar sua vida, em direção à gratidão.

Agora está nas suas mãos! Até a próxima!

Inteligência Emocional: o recurso mais exigido


Você sabia que 87% das pessoas fracassam por falta de Inteligência Emocional? Esses dados,
retirados de uma pesquisa realizada pela revista Você S/A, afetam diversos profissionais em
todas as áreas e são determinantes para o sucesso num ambiente corporativo.

O conceito de inteligência emocional vem à tona em 1995, com o lançamento do livro:


Inteligência Emocional, do jornalista e psicólogo Daniel Goleman. A partir daí, as organizações
passaram a dar atenção ao perfil psicológico de seus funcionários, tornando este recurso,
determinante na contratação.

O impacto da inteligência emocional no seu sucesso profissional, já é algo comprovado e muito


requisitado nas organizações, atualmente. Afinal, esta é uma maneira poderosa de concentrar
sua energia em uma direção, para obter um resultado tremendo.

A consultoria TalentSmart testou a inteligência emocional junto com 33 outras


habilidades importantes no local de trabalho, e descobriu que a inteligência emocional é
o fator que mais influencia seu desempenho, explicando um total de 58% de sucesso em
todos os tipos de postos de trabalho. Antes de explicar o que é, de fato,
Inteligência Emocional é preciso que você imagine, metaforicamente,
que o cérebro é dividido em duas áreas: hemisfério
esquerdo e hemisfério direito. A metáfora da neurociência diz que o
hemisfério esquerdo é o racional, matemático, lógico, cognitivo,
analítico, crítico e talvez até meio chato.
Já o hemisfério direito é o lado da intuição, das emoções, dos
sentimentos, de uma compreensão subjetiva e emocional do mundo.
Então, Inteligência Emocional é quando conseguimos captar o mundo
por meio dos estímulos, usando bem os dois hemisférios.

É necessário usar o hemisfério esquerdo, racional, crítico, lógico, mas


também usar uma compreensão emocional e subjetiva do mundo. E
quando se vê tudo pelos dois hemisférios, o mundo fica muito mais
realista, porque o esquerdo só vê letras e números, fatos e dados; e o
lado direito vê a subjetividade, as intenções e as emoções.

E você? Se considera alguém com inteligência emocional? Você a


cultiva? Dedica tempo a isso? Ou você só pensa no hemisfério
esquerdo, racional e trabalha focado nisso, desesperado para ter mais
conhecimento, desprestigiando o lado emocional?

Faça o teste abaixo e descubra qual área você precisa trabalhar para ter
inteligência emocional no seu trabalho:

1 – De que maneira você costuma administrar sua rotina?


a) Você planeja todos os detalhes da sua agenda e procura seguí-los à
risca.
b) Você é bastante flexível ao que foi previsto e não gosta de
planejamentos fechados.

2 – Como você se sente ao trabalhar com algo que exija muita


atenção aos detalhes?
a) Você é naturalmente atento a eles, não deixa passar nenhum.
b) Você se sente muito impaciente e preferiria deixar os detalhes com
outra pessoa.

3 – As pessoas costumam falar que você é..


a) Sério demais e às vezes é desconfiado sem tanta necessidade.
b) Muito risonho e otimista, precisando colocar mais os “pés no
chão”.

4 – Suas decisões são mais baseadas…


a) No aprendizado no passado e em informações de muita
credibilidade.
b) Na intuição e em grandes idéias que surgem no momento, sendo
comum, por isso, “quebrar a cara”.
5- Como você age quando se depara com algo que considera
errado?
a) Tem uma tendência a observar e julgar, sendo bastante crítico.
b) Observa o que está errado sem julgar ou criticar – desde que o
acontecimento não tenha a ver com você.

6 – Sobre sua confiança em pessoas que não conhece…


a) Você costuma ser cético e desconfiado, muitas vezes achando que
algi errado pode acontecer.
b) acredita em tudo e em todos, muitas vezes deixando de enxergar o
óbvio.

7 – Como você se sente quando precisa tomar alguma decisão que


envolve algum risco?
a) Desconfortável, pois sente uma necessidade de segurança e
controle.
b) Você procura não se planejar muito, é um prazer se deparar com o
novo.

8 – Como você age diante do seu planejamento de vida?


a) Você planeja tudo ao máximo e se sente ansioso quando imagina
que algo pode dar errado.
b) Você procura não planejar muito, é um prazer se deparar com o
novo.

9 – Com que intensidade seus pensamentos costumam fluir?


a) Estão sempre a mil por hora, mesmo quando você está calado.
b) Você pensa, mas com leveza e sem autocobrança.

10 – Em que ritmo você vive?


a) Sempre atento ao futuro, suas possibilidades e riscos.
b) Vive o aqui e o agora, deixando sempre que possível o futuro para
depois.

RESULTADO

Maioria Letra A: o lado predominante do seu cérebro é o hemisfério


esquerdo. Isto significa que você tende a ter um pensamento mais
racional. Você procura sempre a lógica das coisas e busca a
consciência sobre todos os aspectos da vida. Sua memória é
importante para você, já que é por meio dela que você baseia suas
experiências presentes e futuras. Você valoriza a intelectualidade e sua
inteligência é mais propensa a produzir idéias.

Maioria Letra B: o lado dominante do seu cérebro é o hemisfério


direito. Isto significa que você tende a ter um pensamento mais
intuitivo. Você se baseia em seus sentimentos e emoções, valorizando
suas crenças e sua visão própria do mundo. Seu inconsciente tem
bastante vazão, sendo que você ancora nele suas decisões. Sua
inteligência é propensa a realizar ideias.

Aprenda a tomar as melhores decisões e a alcançar


bons resultados
Você já passou por dificuldades por não conseguir decidir qual
caminho seguir?

Na hora de tomar uma decisão, as melhores opções podem não ser tão
óbvias e as razões podem não ser claras, mas as consequências
certamente afetarão centenas de pessoas ao seu redor.

Então, como encontrar a coisa certa a fazer? E o mais importante,


como identificar, aprender e desenvolver este hábito para ter as
melhores definições sempre, mesmo em momentos de dificuldades e
incertezas?

Este artigo irá apresentar uma estrutura para que você consiga atingir
por si só estes resultados e ainda mantê-los.

Hormônio e tomada de decisões


As decisões estão diretamente relacionadas aos nossos hormônios. O
cortisol, por exemplo, é identificado em alta concentração quando a
pessoa vive sob stress muito intenso e constante. Ele é responsável
pela redução significativa da qualidade das respostas dadas em
momentos de decisões.

Porém, existem várias formas para diminuir a concentração deste


componente. Como a prática de exercícios físicos aliados a uma
alimentação adequada e o controle da fisiologia, com exercícios
rotineiros de ativação de recursos, que ajuda a elevar os níveis de
dopamina, endorfina e testosterona, e consequentemente reduzindo o
nível de cortisol, favorecendo assim, a tomada de decisão.

No cérebro, há também uma área que tem a missão de tomar decisões,


é o Córtex pré-frontal. A boa notícia é que ele pode ser treinado. O
primeiro grande passo é desenvolvê-lo. São duas as formas para isso,
a mentalização e a atenção plena (mindfullness).

A mentalização é um processo de imaginar e vivenciar atentamente no


campo da imaginação criativa, todos os detalhes de uma determinada
meta ou objetivo futuro.

Enquanto, a atenção plena, também muito conhecida com o nome


mindfullness, consiste em limpar a mente de distrações e focar em
apenas uma única instrução, como por exemplo, focar a atenção em
um barulho ambiente contínuo ou até mesmo direcionar toda a atenção
para a respiração.

Estas duas atividades garantem que o cérebro racional se desenvolva,


crie mais conexões e eleve a capacidade de tomar sábias e grandes
decisões no dia a dia.

Entretanto, não é só de razão que o cérebro é feito, mas também de


emoção. Desta maneira, é fundamental também ter o controle deste
estado.

Vamos partir do princípio que existem dois caminhos que o cérebro


utiliza para a tomada de decisões, o longo e o curto. A interação entre
os lados racional e emocional é conhecido como caminho longo,
normalmente gera decisões mais estratégicas.

Já o caminho curto, o ato de suprir as necessidades dos dois lados


(racional e emocional) de forma rápida, resulta em definições mais
práticas e óbvias.

Desde a infância, as pessoas são acostumadas a pensar e responder


pelo caminho curto, mantendo este padrão de desenvolvimento
cerebral. Enquanto você está preocupado em satisfazer os seus desejos
e os dos seus negociantes, certamente estará utilizando este padrão, ou
seja, criando apenas decisões práticas e óbvias, atendendo sem
maiores detalhes, aos dois lados. Os principais sentimentos
encontrados nesta situação são desejo, ansiedade, medo, frustração e
alívio.

Após inúmeras repetições deste modelo de solução de problemas, é


criado um novo hábito e este então é incorporado à central de hábitos.
As funções incorporadas nesta fatia do cérebro são funções realizadas
de forma automática e sem a necessidade de racionalizar a respeito,
portanto, estão ligadas ao padrão do caminho curto.

A grande pergunta neste momento é: como trafegar informações pelo


padrão do caminho longo e tomar decisões constantemente desta
maneira?

O primeiro passo para responder a esta pergunta é saber,


conscientemente, que a sua orientação para a melhor decisão será
baseada não apenas nos seus desejos, necessidades ou sucesso pessoal,
mas sim nos valores de um relacionamento longo e duradouro em que
todas as partes tem seu envolvimento e seu valor no processo, ou seja,
é uma relação ganha-ganha-ganha (em que, eu, ele e todos nós
ganhamos com a decisão).

Geralmente, esta é uma decisão menos óbvia e menos clara para ser
tomada, mas certamente, para um cérebro bem preparado, será
possível identificar e escolher.

Os maiores líderes do mundo sabem disso e tem este gerenciamento


das informações, racionalizam antes de tomar suas decisões, por isso,
atingem objetivos mais altos e desafiadores, por estarem trafegando
constantemente pelo padrão do caminho longo.

Sabendo de tudo isso, qual a sua escolha e qual sua preparação a partir
de hoje?

Até quando você vai contar historinha?


ocê sabe o que são historinhas? Se ainda não sabe, vamos te explicar.

O ser humano nasceu para brilhar e realizar coisas boas. Essa é a


nossa natureza, é a ordem natural da nossa vida. Ou seja, se você não
está obtendo realizações familiares, conjugais, profissionais e na sua
saúde, precisa compreender que essa não é a sua natureza!
Nascemos, crescemos, estudamos, trabalhamos, conquistamos coisas
extraordinárias, envelhecemos e morremos. Essa é a hora de se
perguntar: tenho realizado coisas tremendas na minha vida financeira,
profissional, amorosa, no servir ao próximo? Se a resposta foi
negativa, significa que você precisa fazer mudanças na sua vida.

Afinal de contas, o que são as historinhas?


Historinhas nada mais são do que falas verbais ou pensamentos que
tentam justificar nossos fracassos e erros, a fim de tentar validar o fato
de não termos sucesso.

Para que possa entender melhor, vou dar um exemplo. Pense em um


bandido que está começando a praticar roubos e assaltos. Já sabemos
que não é da natureza humana roubar e assaltar o próximo. Como não
é da sua natureza, a única forma de ele conseguir praticar esses crimes
é contando uma historinha, algo que valide aquela ação, que o
empodere para prática de tais atos. Uma historinha muito contada por
bandidos é a falta de condições, as injustiças do país, a falta de
oportunidade de emprego.

Quem nunca ouviu isso? Além disso, é muito comum que em assaltos
os bandidos chamem as vítimas de “vagabundo”, por exemplo. Sabe o
porquê disso? Ao diminuir a vítima, esse ser humano encontra uma
forma de conseguir fazer mal a alguém achando que possui uma
justificativa plausível para tal.

Outro exemplo que podemos usar é o adultério. O adultério não é da


natureza humana, motivo pelo qual a pessoa que trai o companheiro
inventará historinhas para que aquele ato não pareça algo ruim. Nesse
cenário, algumas das historinhas faladas são: a minha esposa não me
trata bem; o meu marido só trabalha; meu marido é grosseiro; minha
esposa não tem autoestima. Quem nunca ouviu algo nesse sentido?

Tudo o que fazemos de errado, ou tudo que não conquistamos, acaba


fazendo com que criemos uma historinha para justificar a atitude
errada ou a não conquista. A historinha pode ser contada em forma de:

 Brincadeira: é a famosa “brincadeira com fundo de verdade”.


 Mentira: esse é o caso, por exemplo, de uma pessoa que disse
que foi demitido por cortes na empresa, quando a demissão
se deu em razão de má-performance.
 Verdade: por vezes a historinha pode ter embasamento em
alguma verdade. Uma pessoa pode alegar que está com a
dificuldade financeira por conta da crise. Entretanto, tem
muita gente por aí que está ganhando dinheiro e crescendo,
não é mesmo?! Por esse motivo, isso não passa de historinha.

O que fazer para parar de contar historinhas?


A historinha retira a responsabilidade de você e a coloca no ambiente,
nas circunstâncias, nas outras pessoas. E você, que historinhas está
contando? Identifique-as e as escreva em uma papel. A partir dessa
identificação, faça mais um exercício: escreva ao lado de cada
historinha um pensamento positivo e reajuste suas crenças. Veja esse
exemplo:

O Brasil está em crise e eu não consigo prosperar.

Tem muita gente ganhando dinheiro, mesmo com a crise, e eu também


vou ganhar.

Quer ver outro exemplo?

Eu tenho metabolismo lento e por isso estou acima do peso.

Vou parar de comer açúcar e fritura para emagrecer.

A partir disso, pare de contar historinhas! Monitore-se e mude a forma


como se expressa. Ao encerrar essas falas mentais que você
compartilha sobre o seu insucesso, você começa a realizar
imediatamente. Você vai perceber grandes mudanças em um curto
espaço de tempo.