Você está na página 1de 71

FIXADORES

Fixadores, ou dispositivos de fixação, são usados para criar juntas seguras entre dois ou
mais componentes.
Tipos de dispositivos de fixação usados em aeronaves variam de acordo com os materiais, que
exigem a adesão, e a importância do componentes unidos, ou estruturas, para a segurança da
aeronave.
O ambiente em que a junta deve operar e a freqüência (e facilidade) com a qual a junta pode
precisar ser desmontada, para inspeção, substituição ou reparação, também irá influenciar a
escolha de fixadores para ser empregado. Fixadores podem ser metálicos ou não metálico s(ou
compostos de ambos os tipos). Eles podem ser flexíveis ou rígidos (ou uma combinação de
ambos) e podem ser usados para formar as três categorias de articulações.
JUNTAS TEMPORÁRIAS
Juntas temporárias são usadas onde a articulação pode ser desmontada sem danos
e onde, geralmente, o mesmo fixador pode ser usado para reavaliar o conjunto. Parafusos
e porcas, anéis de segurança e fixadores de libertação rápida são, normalmente, usados em
articulações.
JUNTAS PERMANENTES
As juntas permanentes são aquelas que não se destinam a ser desmontadas freqüentemente ,e
são articulações onde quer o meio de fixação ou os componentes associados sofrerão danos na
sua separação. Adesivos, rebites e soldas são exemplos de usos de juntas permanentes
JUNTAS FLEXÍVEIS
As articulações flexíveis permitem o movimento dos componentes unidos em relação um ao
outro.
Montagens anti-vibrações, e dobradiças são dispositivos que podem empregados nas
articulações flexíveis.

Quaisquer que sejam os fixadores utilizados, para fazer uma junta em particular, deve ser
assegurado que somente os materiais aprovados são utilizados e sua legalidade é confirmada.
Isto deve de ser feito com a referência dos Part-Numbers encontrados nos Manuais de
Manutenção de Aeronaves, Manuais de Reparação Estruturais,Catálogos de peças e outras,
Publicações aprovadas.
O uso de fixadores não aprovados pode levar a possiveis(e graves)falhas em aeronaves e nas
suas estruturas associadas.

FiXADORES ROSCADOS
Fixadores roscados permitem que as peças sejam fixadas com mais força que os fixadores não
rosqueados permitem.
Ao contrário de rebites e pinos, os fixadores com rosca podem ser desmontados e remontados
um número quase infinito de vezes.
Devido à grande variedade de diferentes fixadores disponíveis, deve de se ter um grande
cuidado para selecionar o fixador correto para cada instalação particular.
Parafusos, porcas, e pernos são fabricados para os muitos, (e diferentes) Padrões Internacionais
numa variedade de formas diferentes.
A maioria das aeronaves agora usa roscas unificadas ou métricas. Mas, no entanto, algumas
aeronaves mais antigas usam o obsoleto British Association (BA), a British Standard Fine (BSF) ou
a Whitworth(BSW).

International Standard Common ABBreviation

American National Coarse ANC


American National Fine ANF
Unified Coarse UNC
Unified Fine UNF
British Association BA
British Standard Fine BSF
ISO Metric M

Padrões Internacionais mais comuns


O PLANO INCLINADO
O valor da cunha, como meio de transmissão de movimento, é bem conhecido.
Para um esforço constante aplicado na condução de uma cunha, um menor ângulo de inclinação
entre os planos fará com que uma força maior seja exercida através de uma menor
distância. Por outro lado, um ângulo maior causará menos força a ser exercida através de maior
distância.

Transmissão de movimento num plano inclinado


Embora a cunha seja, geralmente, usada como meio de transmissão de movimento, lembramos
que a ação pode ser revertida e a cunha pode-se mover quando for aplicada uma força nas
superfícies inclinadas.
Isto é mais notado quando o ângulo é grande (e quanto maior o ângulo de
inclinação maior é o movimento invertido) embora não importe quão pequeno o ângulo possa
ser, pois a resultante das forças aplicadas tenderá a produzir movimento.
Fricção, entre as superfícies, pode, no entanto, impedir o movimento de realmente ocorrer.
Quando um plano inclinado contínuo é cortado em torno do exterior (ou interior) de um
cilindro, então uma espiral (também conhecida como "hélice") é produzida .
O ângulo da hélice é importante nas roscas dos parafusos, porque dita o número de
roscas, que podem ser cortadas, por incremento linear axial (milímetros ou polegadas) ,no
cilindro.

Angulo Helice
Angulo de Helice de uma rosca
De maneira semelhante às cunhas mencionadas anteriormente, um fio com um pequeno
ângulo de hélice (um fio fino), irá exercer uma força maior do que um com uma hélice com
maior ângulo (um fio grosso) para um determinado diâmetro do cilindro.
Fios finos são, normalmente, associados a instrumentos pequenos e delicados ou
equipamentos, onde o poder de retenção seguro é muitas vezes exigido aos fixadores de
tamanho miniatura.
A maior "ação de cunhagem" dos fios finos também os torna muito mais seguros em situações
em que vibrações (ou uma mudança de temperatura) têm tendência para soltar as juntas
roscadas.
A maioria dos componentes de aeronaves é montada usando linhas finas nos vários parafusos,
porcas e parafusos, que são, muitas vezes, seguros por outros processos mecânicos, para
reforçar a sua resistência aos efeitos da mudança de temperatura e vibrações.
TERMINOLOGIA DO PARAFUSO
É muitas vezes contestado quanto à diferença entre um screw e um bolt, mas,
geralmente, aceita-se que um bolt seja considerado um fixador roscado, que
tem uma espaço definido na haste, entre a cabeça e o começo do fio, e é usado em combinação
com uma porca, enquanto que um srew é roscado o caminho para a cabeça.
Ao definir o comprimento dos bolts, geralmente é feita referência ao comprimento da
porção lisa da haste, de parafusos com cabeça hexagonal ,enquanto
comprimentos de screw são designados de forma diferente, de acordo com o seu tipo.
Designação de comprimentos de fixadores
Normalmente, as roscas dos parafusos são formadas com a rosca no sentido horário e
referidos como roscas "direitas", mas há ocasiões em que a rosca é
formada com a ranhura em espiral no sentido anti-horário e, são designadas como
roscas"esquerdas".
Enquanto uma forma tradicional de rosca pode ser usada para ilustrar as terminologias,
associado às roscas dos parafusos ,o perfil real de qualquer rosca, será determinada pelo
padrão ou especificação para o qual é fabricado, e também será influenciado pelo uso ao qual
o item terá.

Terminologia de rosca
Os termos a seguir são usados para definir as características de um item encadeado:
Diâmetro Maior: O maior diâmetro do fio de rosca , medido à direita dos ângulos para o eixo.
Diâmetro Menor : O menor diâmetro do fio de rosca, medido à direita dos ângulos para o
eixo.
Pitch: A distância do centro de um topo até o centro do próximo,medido paralelamente ao
eixo.
Profundidade do Fio: A distância entre a raiz e o topo, medida em ângulos retos ao eixo.
Rosca Única: Termo usado quando há apenas um corte de rosca no material.
Rosca Multi-Start: Consiste em duas ou mais roscas separadas e paralelas cortadas
no material que leva o fio. Este método é usado para conseguir um movimento de ação rápida
entre dois itens com rosca.
Runout: A parte do fio onde o diâmetro menor aumenta até ficar igual ao diâmetro maior e se
funde com a parte plana da haste.
FORMAS DE ROSCAS DE PARAFUSO
A forma de uma rosca dependerá da função para a qual ela será usada.
Onde a rosca é usada para unir componentes juntos (porcas, parafusos, parafusos e
tachas), as roscas convencionais em forma de "V", semelhantes ao Segmento métrico ISO
poderão ser encontradas.
Tensores e dispositivos similares, (que são empregados como conjuntos de
tensão ou de distância entre componentes), também podem usar roscas de "forma de V"
, enquanto os fios Acme(trapezoidal- Parafusos que transmitem movimento suave e uniforme),
Buttress (dente serra- Parafusos que exercem grande esforço num só sentido)e Square (rosca
quadrada- Parafusos que sofrem grandes esforços e choques) são utilizados para transmitir
movimento.
Os filetes das roscas apresentam vários perfis. Esses perfis, sempre uniformes, dão nome as
roscas e condicionam sua aplicação. Temos os seguintes perfis das roscas:
-Triangular: Parafusos e porcas de fixação na união de peças. Ex.: Fixação da roda do carro.
-Trapezoidal: Parafusos que transmitem movimento suave e uniforme. Ex.: Fusos de máquinas.
-Redonda: Parafusos de grandes diâmetros sujeitos a grandes esforços. Ex.: Equipamentos
ferroviários.
-Quadrada: Parafusos que sofrem grandes esforços e choques. Ex.: Prensas e morsas.
-Dente de Serra: Parafusos que exercem grande esforço num só sentido Ex.: macacos de
catraca.
Dependendo da inclinação dos filetes em relação ao eixo do parafuso, as roscas ainda podem
ser direita e esquerda. Na rosca direita, o filete sobe da direita para a esquerda. Na rosca
esquerda, o filete sobe da esquerda para a direita
As classificações de roscas foram desenvolvidas ao longo dos anos, desde a padronização inicial
da fio BSW (um fio bastante grosseiro, que afrouxava quando submetidos a vibração)
aos fios de rosca modernos e mais finos que são mais usados em componentes e estruturas
aeroespaciais.
Na tentativa de fornecer um padrão comum, o Canadá, os Estados Unidos da América
e o Reino Unido adotaram o sistema unificado de roscas.
A International Standard Organization (ISO), posteriormente, recomendou que o
sistema unificado fosse usado internacionalmente, em paralelo com um sistema usando
unidades métricas de medição, mas com uma forma semelhante de perfil de rosca e padrões de
tolerâncias.
Os sistemas Unified Coarse (UNC) e Unified Fine (UNF) podem ser usados sempre
seu uso é apropriado, embora as roscas especiais, como UNS (para aplicações de alta
temperatura) e UNJ (aplicações de aumento da força de fadiga) se tenham tornado mais
comuns.

OUTRAS FORMAS DE ROSCAS


Nos Estados Unidos, um grupo paralelo embora diferente de sistemas de roscas é usado.
Os quatro sistemas principais são ANC, ANF (também referido como AF), UNC e UNF, com
o NC e NF com um fio mais fino que o UNC e UNF
CLASSES DE AJUSTE
Além de poderem ser identificadas como de passo grosso ou passo fino as roscas também são
classificadas por classe de ajuste:

Class of Fit Type of Fit


1 Loose
2 Free
3 Medium
4 Close
5 Tight

Classes de Ajustes Roscas


Um ajuste de Classe 1 pode ser apertado até o final, com a mão (como com
porca), enquanto um ajuste de Classe 4 ou 5 requer uma chave de boca durante o aperto.
O ajuste de Classe 3 é o tipo mais utilizado em aeronaves e seria típico de uma rosca que é
projetada para uso em um ambiente de alta temperatura e pode requer a aplicação de um
composto anti-gripante antes da instalação.
Por comparação, um fixador que vai ser sujeito à alta tensão ou cargas de tensão, associadas à
segurança das peças do motor da aeronave, precisariam de uma tlerancia de ajuste apertada.

MEDIÇÃO ROSCAS
A medida de uma rosca de parafuso,pode ser encontrada no IPC e fornecida por um
número. Embora isso seja verdade e os manuais sempre devam de ser usados, existem
outras formas de identificar as roscas dos parafusos.
-Um método é identificar o parafuso por meio de várias marcas, normalmente encontradas
na cabeça do parafuso. Estas marcas podem dar uma pista sobre o tipo de
rosca do parafuso tem (AF, BSF, ou métrica etc.).
-Uma medição em toda a linha de topos usando um micrômetro, daria o diâmetro do parafuso
em questão.
-Marcas identificadoras na cabeça também dariam o material de que o parafuso é feito.
Duas ferramentas úteis podem ser usadas para medir.
-O medidor de perfil pode ser usado para garantir que a ferramenta, que está cortando o fio,
é do tipo correto.
-O medidor de passo pode ser usado para encontrar o tamanho da linha simplesmente
ajustando as vários lâminas do manômetro contra a rosca.
PARAFUSOS
Os parafusos, usados na construção de componentes e estruturas aeroespaciais,
evoluíram para uma gama de materiais, formas e tamanhos desconcertantes, ditados pelas
aplicações para as quais os itens foram projetados
Padrões e sistemas foram estabelecidos, para fornecer identificação das muitas formas
diferentes de dispositivos com rosca, a fim de garantir que apenas itens correctos são instalados
nos locais relevantes.
É enfatizado aqui que somente os materiais de projeto aprovados podem ser usados para
componentes aeroespaciais .
PARAFUSOS BRITÂNICOS
Uma extensa gama de parafusos é fornecida, nas especificações elaboradas pela Sociedade de
Empresas Aeroespaciais Britânicas (SBAC). Os seguintes são de uso comum:
PADRÃO GERAL AERONAVES(AGS)
-AGS-Aircraft General Standard
-AS-Aircraft Standards
-Al-Liga de alumínio(Aluminium Alloy)
-BA- British Association
-BSF-British Standard Fine
-HTS-Aço de alta resistência
-HTSS-Aço inoxidável de alta elasticidade
-LTS-Aço de baixa elasticidade
-SS-Aço Inoxidável
-UNC-Grosseiro Nacional Unificado
-UNF. Fino Nacional Unificada
IDENTIFICAÇÃO DOS PARAFUSOS UNIFICADOS
British Standard Unified (BS Unified) Os parafusos são identificados pelo uso de um
código numérico, que fornece informações relativas ao tipo, material, superfície
acabamento, comprimento, diâmetro e quaisquer outras características importantes da rosca do
dispositivo
A tabela mostra uma seleção (muito pequena) de parafusos e parafusos padrão da aeronave
com uma descrição (abreviada) do tipo de dispositivo e dos materiais de que é
feito.
A referência à tabela mostra que o código A102 significa um parafuso com cabeça hexagonal
que é feito de aço de alta resistência, enquanto o código A175 representa um parafuso 100 °
de cabeça escareada, feito de uma liga de alumínio
Standard No. Description Material

A102 Hex. Headed Bolt HTS.


A104 Hex. Headed Bolt SS
A111 Hex. Close Tolerance. Bolt HTS
A112 Shear Bolt HTS
A174 100º Countersunk. Head. Bolt SS
A175 100º Countersunk. Head. Bolt Al Al
A204 100º Countersunk. Head. Screw HTS
A205 Pan Head. Screw HTS
Outros métodos de indicar que um item possui uma especificação unificada são:
-Três círculos contíguos (tocantes) marcados em uma posição conveniente.
Nota: Devido à dificuldade em aplicar as marcas de identificação a itens individuais, é
planeado simplesmente marcar os pacotes nos quais os dispositivos especificados são
comercializados,para que algumas ou todas as marcas de identificação não sejam vistas nos
itens(particularmente parafusos). Um grande cuidado deve, portanto, ser tomado para
assegurar que os itens que estão sendo usados ​estão corretamente identificados e estão de
acordo com o padrão aprovado.
-Um recesso superficial na cabeça de um Parafuso, igual ao diâmetro nominal do
rosca (itens forjados a frio).
-Um 'ponto de cachorro' (pequena protuberância) na extremidade da haste roscada (geralmente
aplica-se a parafusos).

NÚMEROS e letras adicionais são adicionados ao código de identificação, para fornecer


informações relativas ao comprimento (geralmente da haste lisa ou porção de aperto)
e ao diâmetro dos itens. O comprimento é dado por um numero, o que significa
incrementos de décimos de uma polegada, de modo que um 5 representaria um parafuso com
uma haste de 0,5 pol, enquanto que o numero 12 significaria a haste lisa como sendo 1,2 de
comprimento.
A tabela seguinte, mostrará como o diâmetro de um item é designado por
a adição de outra carta ao sistema, para que um Bolt, com a marcação do código
A102 9 E, significaria um parafuso com cabeça hexagonal de rosca unificada, feito de
aço de alta resistência, com comprimento de haste simples de 0,9 pol. e diâmetro de ¼ pol.
Code Diameter Code Diameter

Y 0-80 UNF J 3/8" UNF (UNJF)

Z 2-64 UNF L 7/16" UNF (UNJF)

A 4-40 UNC N 1/2" UNF (UNJF)

B 6-32 UNC P 9/16" UNF (UNJF)

C 8-32 UNC Q 5/8" UNF (UNJF)

D 10-32 UNF UNJF) S 3/4" UNF (UNJF)

E 1/4" UNF (UNJF) U 7/8" UNF (UNJF)

G 5/16" UNF (UNJF) W 1" UNF (UNJF)


No sistema britânico anterior (que pode ser encontrado em aviões antigos e aeronaves leves),
parafusos mais de ¼ de polegada de diâmetro são normalmente BSF, enquanto parafusos menos
de ¼ de polegada de diâmetro (a maioria dos parafusos) são BA.
Ambos os itens também usam um numeror para representar o seu comprimento nominal e um
código de letra para identificar seu diâmetro.
Outros parafusos desta época podem ter entalhes nos cantos da cabeça (Aço alta tração
) ou um anel levantado na cabeça do Parafuso (Laminado a Frio) para auxiliar na diferenciação
das suas designações particulares.
Code Size Code Size

A 6 BA P 9/16" BSF
B 4 BA Q 5/8” BSF
C 2 BA S 3/4" BSF
E 1/4” BSF U 7/8" BSF
G 5/16" BSF W 1" BSF
J 3/ 8" BSF X 12 BA
L 7/16" BSF Y 10 BA
N 1/2" BSF Z 8 BA
PARAFUSOS AMERICANOS
Parafusos e porcas para aeronaves são incorporados no NC (American National
Coarse), a NF (American National Fine), a UNC (Unified National Coarse),
e a série de tópicos UNF (Unified National Fine). O item é muitas vezes codificado para dar
o diâmetro da porção roscada e o número de fios por polegada (tpi).
Parafusos de aeronaves podem ser feitos de HTS( aço resistente à corrosão) ou liga de alumínio
O tipo de cabeça pode ser hexagonal, clevis, eyeBolt, torção interna e embebido e as marcas de
cabeça podem ser usadas para indicar
características como tolerância estreita, liga de alumínio, ou outros tipos de aço.
IDENTIFICAÇÃO DE PARAFUSOS PADRÃO
Embora existam vários padrões diferentes dos EUA,para este curso vamos falar apenas dos mais
usados NA.

Os parafusos NA vêm em três estilos de cabeça, cabeça de hexágono, Clevis(parafusos cabeça


redonda com fenda) e EyeBolts -

EyeBolt
AN nº TYPE MATERIAL TRATAMENTO TAMANHO SISTEMA ROSCA

Bolt, hex. AÇO BANHADO CADMIO No. 10 to UNF


3 – 20
Head CRS NÂO TEM 1¼”
AL ANODIZADO

Bolt, No. 6 to UNF


21 – 36 AÇO BANHADO CADMIO
Clevis 1”
42 – 36 Bolt, Eye No. 10 to UNF
AÇO BANHADO CADMIO
9/16”

Bolt, hex. No. 10 to UNF OU UNC


73 – 81 Drilled AÇO BANHADO CADMIO ¾”
Head

173 – 186 Bolt, close BANHADO CADMIO No. 10 to UNF


AÇO
- tolerance NA ROSCA E CABEÇA 1”

EXEMPLOS DE PARAFUSOS PADRÃO (PRIMEIRA SÉRIE)


Nota: A última série usa um sistema numérico diferente
Para fins de identificação, o numero AN é usado para indicar o tipo de parafuso e o seu
diâmetro. Além disso, um código é usado para indicar o material, comprimento e
presença de um pino ou orifício do fio de travamento da seguinte maneira:
-Diâmetro: O último algarismo, ou últimos dois algarismos, do numero AN indica
diâmetro da rosca, 1 = nº 6, 2 = nº8, 3 = nº10 e 4 = ¼ ”com números sucessivos que indicam o
diâmetro em incrementos de 1/16 ”.
Assim, um AN4 é um parafuso hexagonal de ¼ ”de diâmetro e um AN14 é um parafuso
sextavado de 7/8 ”(14/16”) de diâmetro.

Comprimentos: O comprimento de um parafuso, no caso de um parafuso com cabeça sextavada,


é medido sob a cabeça do primeiro fio completo e é citado em incrementos de 1/8 ”como um
numero de traço.
A última figura do numero representa o oitavo e o primeiro número
polegadas, de modo que um AN4 - 12 é um parafuso sextavado de ¼ ”de diâmetro, 1 ¼”
Posição do furo perfurado: Os parafusos são normalmente fornecidos com um furo na parte
roscada da haste, mas arranjos diferentes podem ser obtidos:
Haste perfurada = codificao normal, ex. AN24 - 15
Haste não perfurada = A adicionada após o nº do traço, e. AN24 - 15A
Cabeça perfurada apenas = H adicionada antes do traço(substituindo o traço) A adicionado, e.
depois do traço AN25H15A
Cabeça perfurada e haste = H adicionada Antes do traço Nº. AN25H15

Material: A codificação padrão aplica-se a um material resistente à corrosão, parafuso de aço


banhado a cádmio.
Onde o Parafuso é fornecido em outros materiais,as letras são colocadas após o numero AN da
seguinte forma:
-C = Aço Resistente à Corrosão C.R.S. AN25C15
-DD = Liga de Alumínio, por AN25DD15

Rosca: Onde o Parafuso é fornecido como roscas UNF ou UNC, é indicado ao colocar um A no
lugar do traço, AN24A15
PARAFUSOS TIPO ESPECIAL
O parafuso com cabeça hexagonal AN3 - AN20, é um exemplo de parafuso estrutural usado para
aplicações que envolvem cargas de tensão ou cisalhamento, onde um ligeiro ajuste da unidade é
permissível.
Parafusos de liga de aço, menores que 3/16 ”de diâmetro e parafusos de liga de alumínio
menores que ¼ ”não são usados na estrutura primária.
Outros parafusos podem ser usados da seguinte forma:
-Parafusos de tolerância fechada: esses parafusos são usinados com mais precisão do que os
parafusos padrão. Eles podem ser hexagonais (AN173 - AN186) ou sextavados
(NAS80 - NAS86). São usados em aplicações onde é necessário um ajuste apertado da unidade
(o parafuso requer um aperto entre 340g - 400g .
-Parafusos de torção interna: (MS 20024 ou NAS 495) são estratificados
de aço de alta resistência e são adequados para aplicações de tração ou cisalhamento.
A cabeça é embutida para permitir a inserção de uma chave hexagonal usada para
instalar ou remover o parafuso.

Parafusos Clevis: A cabeça de uma argola redonda e ranhurada, por uma chave de fenda padrão,
ou embutida, para uma chave de fenda com pontas cruzadas. Este tipo de parafuso é usado
apenas para cargas de cisalhamento e nunca em tensão. É frequente inserido como pino
mecânico num sistema de controle.
Parafusos Eye-Bolt: o olho é projetado para a fixação de cabos ou são usados para cargas de
tração. A extremidade rosqueada pode ser perfurada para "segurança".
PARAFUSOS MÉTRICOS
A identificação de um parafuso métrico é pelo uso do diâmetro em milímetros,
imediatamente após a letra maiúscula "M". Desta forma, M6 representa um parafuso de 6 mm-
de diâmetro. O comprimento também é mostrado em milímetros, então o parafuso M6 -15 será
um parafuso de 6 mm de diâmetro, com 15 mm de comprimento. A terminologia básica, para
identificar os parafusos do sistema métrico, envolve o comprimento nominal, o comprimento de
aperto e diâmetro

Comprimento

Comprimento aperto

Diametro
PORCAS
Porcas de padrão aeroespacial são feitas numa variedade de formas e tamanhos. Elas podem ser
fabricadas em aço carbono revestido a cádmio, aço inoxidável ou anodizado (2024 – T),
ligas de alumínio e podem ter rosca direita ou esquerda).
Como regra geral, as porcas são fabricadas com o mesmo material que o parafuso ou
ao qual estão fixadas, com excepção dos parafusos de aço de alta resistência,
com o qual, porcas de aço leve são usadas
Como elas não têm marcas de identificação ou letras, são geralmente identificadas
pela cor e suas características de construção.
Tipos conhecidos de porcas :
-Porca Castelada: são utilizadas com parafusos sextavados ou
eye-bolts e Clevis, .Elas são bastante robustas e podem suportar grandes cargas de tração. As
ranhuras (castelos) são projetadas para acomodar um(contrapino) pino.
-Porcas com fenda: são semelhantes em construção às castanhas do castelo e são usadas
aplicações semelhantes, exceto que elas são normalmente usadas apenas para uso do motor.
- Porcas hexágono liso: são de construção robusta e usadas para cargas de tração
Como exigem um dispositivo de travamento auxiliar, seu uso na aeronave é limitado.
-Pocas Hexagonais ligeiras: são porcas muito mais leves, usadas para ligeiras forças de tração.
-Porcas de Bloqueio: são utilizadas como dispositivos de travamento para porcas planas, por
extremidades da haste com rosca e para outros dispositivos.
-Porcas de Asa: são usadas onde a estanquecidade desejada pode ser obtida apenas usando os
dedos e onde a montagem e desmontagem é frequente..
Porcas autofrenadas e porcas de Ancoragem
Uma porca normal padrão dependerá da fricção entre os fios de engate para garantir o seu
aperto.
O inimigo deste sistema é a vibração, que pode causar afrouxamento e, em casos extremos,
Levar a porca a soltar-se completamente do parafuso.
Nas areas onde possa ocorrer, dispositivos de bloqueio são usados. Estes aumentam
a resistência de atrito entre os fios, ou bloqueiam completamente o desaperto da porca.
Porcas rígidas e âncoras empregam vários meios para aumentar as forças de atrito.
Os dispositivos incluem:
-Nyloc: parece uma porca hexagonal padrão, mas tem uma inserção de plástico no final
Esta inserção tem um diâmetro interno ligeiramente menor do que a rosca da porca, de modo
que, quando a porca é aparafusada ainserção de plástico é deslocada e um alto grau de fricção é
criado.
Outro tipo de porca de plástico "stop" é chamada de "Capnut". Este tipo é completamente
selado e é usado em compartimentos pressurizados e tanques de combustível e óleo, etc.
Nota: Como a inserção é de nylon, este tipo de rigidez não deve ser usado em altas ou baixas
temperaturas. Uma temperatura máxima típica seria de 120ºC. Um tipo de travamento similar
usa uma inserção de fibra em vez de nylon, e é chamado de "porca Fiberlock".
Nem o nylon nem o Fiberlock devem ser reutilizados.
Oddie: O topo desta porca tem uma extremidade entalhada, consistindo de seis línguas, que
formar um círculo um pouco menor que o parafuso ou o diâmetro do pino. Quando a porca é
apertada a carga de atrito é transmitida para o dispositivo roscado.
Philidas: Esta porca tem uma coroa circular que é ranhurada horizontalmente em dois
lugares
O segmento na parte com fenda está ligeiramente fora de fase com o resto da rosca, de modo
que maior atrito é alcançado quando a porca é apertada.
-Aerotight: Similar á Philidas na aparência, exceto que os slots são verticais. O método de
bloqueio também é semelhante.
-Leve: A seção de travamento desta porca é ligeiramente oval e assim provoca maior atrito
quando o fio de rosca passa através dela.
Nota: As porcas rígidas do tipo hexagonal metálico podem ser reutilizadas, desde que não sejam
usadas em áreas vitais, como controles de vôo e elas mantêm seu efeito de atrito. Uma
regra reconhecida é que elas são descartadas quando se conseguirem apertar ou desapertar
com os dedos depois de terem sido usadas.

Porcas de ancoragem : As porcas de ancoragem são fornecidas com uma ou dois


pontos de fixação e podem ser fixas ou flutuantes.
A porca de fixação pode ser uma unidade rígida unitária, integral com a placa de base, ou
pode ser um conjunto, compreendendo porca, gaiola e placa de base.
Tipos de acessórios individuais são usados em cantos ou onde o espaço é limitado e
dois pontos de fixação adjacentes. As porcas de ancoragem dupla têm um orifício em ambos os
ladosr da porca. Elas são montados na estrutura por rebitagem.
São a maior parte das vezes do tipo flutuante.
PARAFUSOS(SCREWS)
Os parafusos são, provavelmente o fixador com rosca mais usado em aeronaves. Eles diferem
dos Bolts na mdida em que eles são geralmente feitos de materiais de força baixa.
Podem ser fixados por uma variedade de ferramentas, incluindo chaves de fenda, chaves
inglesas e chaves Allen. A maioria dos parafusos é rosqueada ao longo comprimento completo,
enquanto alguns têm uma parte plana no seu comprimento.
Há um numero de diferentes tipos de parafusos, que podem ser usados ​para uma ampla
gama de tarefas. É senso comum que grande cuidado deve ser tomado para substituir
parafusos com os itens corretos, usando as marcações no parafuso, o IPC e quaisquer outros
sistemas em uso atual.
Outro ponto, que exige cuidado, é a diferença de terminologia entre os britânicos.
e americanos para cabeças de parafuso. O que os britânicos chamam de "escareado"
parafuso de cabeça, os americanos chamam um parafuso de "cabeça chata" ou "flush".
Similarmente, parafusos com cabeça de cogumelo são conhecidos como "cabeças de treliça"
nos EUA.
PARAFUSOS
Parafusos são usados extensivamente para prender carenagens,placas de inspeção, e outras
partes estruturais leves. A principal diferença entre os parafusos da aeronave(Bolts) e os
parafusos(screws), é que os fios de um screw preenchem todo o comprimento do parafuso
enquanto que os Bolts tem uma parte do comprimento sem rosca.
O parafuso mais comum usado na aviação é o parafuso de cabeça que pode ser bloqueado por
fio usando o furo na cabeça(frenado).
Parafusos de cabeça chata (cabeça de embeber) estáo disponíveis com cabeças de fenda simples
ou cruzadas.
O parafuso de cabeça redonda e o parafuso de cabeça cilíndrica (cabeça de cogumelo) fornecem
propriedades de retenção em folhas de metal finas.
PARAFUSOS ESTRUTURAIS
Parafusos estruturais são feitos de liga de aço, são tratados termicamente e podem ser usados
em muitas alicações estruturais. Têm um aperto definido e a mesma resistência ao cisalhamento
que um Bolt do mesmo tamanho. Estão disponíveis sob a forma de cabeças chatas, planas ou de
anilha. O parafuso de cabeça de anilha tem uma anilha formada na cabeça para aumentar sua
capacidade de retenção com materiais finos, muito parecido com o treliça ou cabeça de
cogumelo.

Comprimento aperto

Comprimento

Diametro
PARAFUSOS AUTO-ROSCANTES
Parafusos auto-roscantes têm roscas grossas e são usados para folhas finas de metal, plástico e
madeira prensada juntas. O parafuso tipo A tem uma ponta afiada, e o tipo B tem uma ponta
cega com roscas que são ligeiramente mais finas do que o tipo A.
Existem quatro tipos de cabeça em uso normal:
-cabeça redonda
-Oval cabeça oval escareada
- treliça ou cabeça de cogumelo
-cabeça de embeber plana.
STUDS(Pernos)
Os Studs são hastes de metal que são roscados em ambas as extremidades .
Em geral são usados onde não é possível, ou desejável usar um parafuso.
Como muitos tipos de parafusos de fixação, a maioria dos studs são produzidos numa forma
padrão, com variantes usadas para fins especiais.
Por exemplo, onde um tipo padrão não e aconselhavel(metal macio por ex), um stud escalonado
(que tem maior poder de retenção) seria usado. Um stud escalonado também seria usado
no caso de um fio danificado ter sido removido.
A segurança de um stud depende do atrito entre a sua rosca e a do furo roscado (o fio "metal")
no qual ele está inserido.
STUDS PADRÃO
De longe, mais usado é o tipo padrão (liso ou paralelo), no qual o diâmetro do stud, ao longo de
seu comprimento, é constante. Studs padrão são classificados pelo tipo de rosca, diâmetro e
comprimento total. A rosca é, geralmente, terminada com um muito ligeiro oversize lpara dar
um ajuste apertado no buraco.
Outras variantes do padrão são disponíveis para uso em circunstâncias que requerem alicação
especial.
Para atender a requisitos especiais, os vários tipos de pinos padrão também podem ser
fornecidos com comprimentos não padronizados de porção lisa e extremidade "metálica".

STUDS CINTURA(WAISTED STUDS)


Studs de cintura são usadas onde a redução de peso, sem a perda de força, é de suma
importância. O diâmetro da parte plana do stud é reduzido ao diâmetro menor dos fios da
extremidade, aliviando assim o pino sem prejudicar a sua força efetiva

STUDS de PASSAGEM
Este tipo oferece uma ancoragem mais forte do que o tipo padrão, se a extremidade do "metal"
do stud prisioneiro fôr alojado em metal macio. A rosca final é um tamanho maior do que o da
"porca" final.
Studs de passagem também são usados como substitutos para studs padrão quando o orifício
do parafuso for aumentado devido a uma rosca passada por ex
STUDS DE OMBRO(SHOULDERED STUDS)
Este tipo é usado onde a rigidez máxima do conjunto é de primordial importância.
O stud é usinado a partir de uma barra de tamanho grande e um ombro de projeção é deixado
entre a extremidade "metálica" da rosca e a parte plana do diâmetro normal. Este ombro
assenta firmemente na superfície do metal e confere uma resistência adicional ás forças laterais.
O orifício de folga no segundo componente, através do qual a extremidade da “porca” e a parte
lisa das passagens do stud, devem ser maquinadas no interior a fim de dar folga para o ombro
do parafuso prisioneiro
INSERTS(Inserções)
Insertos de rosca são um meio de fornecer uma ancoragem mais forte, para screws, bolts
ou studs, nas ligas metálicas comparativamente mais macias (alumínio, magnésio,
Bronze), madeira, plásticos ou materiais compósitos. Eles também podem ser usados quando é
necessário fazer uma reparação num furo roscado que sofreu danos.
Existem dois tipos básicos de inserção de rosca (arame e parede fina), mas os desenhos
de cada tipo irão variar de acordo com os muitos fabricantes ou para o meio ambiente
em que o fixador deve operar.

INSERTOS DE DE ARAME
Insertos de rosca de arame consistem numa bobine helicoidal de arame que possui uma secção
transversal de diamante e é geralmente feito de aço resistente à corrosão ou liga de níquel
resistente ao calor. Brocas de tamanho específico,(fornecidos pelo fabricante) são necessários
para formar os furos para as inserções e outra ferramenta especial é necessária para
insirir as bobines de arame corretamente nos furos preparados.

INSERTOS DE PAREDE FINA


Inserções de parede fina aparecem numa variedade de modelos, materiais e acabamentos de
superfície e consistem numa parede fina, que é roscada internamente e pode, ou não, ser
roscada externamente. Da mesma forma, são necessárias ferramentas especiais do fabricante
para preparar os furos para as inserções e vários métodos são adotados para proteger cada
tipo particular de inserção de parede fina no seu buraco. Inserções de parede fina incluem:
- Insertos com trava de chave: insertos de chave intercalada são encadeados internamente e
externamente e, depois de ser parafusado no buraco preparado, são (como o seu nome
implica), trancado em seus buracos por pequenas cunhas ou chaves.
As chaves são então pressionadas (ou marteladas) no lugar entre a inserção e a parede do
buraco.

CAVILHAS E PINOS
Cavilhas e pinos usados em aeronaves podem incluir o Pino de Rolo, o Pino de Garra, a Cavilha
(Cotter)e o Pin Cônico.

CAVILHAS
Embora normalmente não sejam usados como fixadores, as cavilhas são barras ou pinos
que fixam o material(muitas vezes permanentemente) num dos componentes de maneira
que a haste saliente da cavilha se localize com um orifício correspondente no material,
garantindo assim uma montagem precisa.
Um exemplo do uso de cavilhas pode ser encontradosna Unidade de Controle da Hélice
que está ligado á carcaça do motor e onde há uma exigência para uma precisão absoluta
no alinhamento das guias do óleo.

PINO DE ROLO
Os pinos de rolo são usados com frequência para prender uma polia a um eixo ou
fornecer um pivô para uma junta onde o pino não seja removido.
Normalmente, um pino de rolo é feito de aço de mola plana que é enrolado numa
forma cilíndrica que permite que o pino se comprima quando é pressionado no furo,
e cria uma ação de mola que mantém o pino apertado dentro do furo do furo. Para
remover um pino de rolo,este deve ser retirado do orifício com um punção de tamanho correto.
Pino de Rolo

Pinos Clevis
Parafusos de fixação ou de cabeça chata são usados para pinos de articulação em alguns
sistemas de controlo de aeronaves
São feitos de aço banhado com cádmio e têm comprimentos de aperto de 1/16 pol. Quando um
pino de engate é instalado, uma anilha lisa é geralmente colocada sobre o final da haste e um
pino (divisor) é inserido, através do orifício pré-perfurado no pino do gancho, para travá-lo no
lugar.
PINOS CÕNICOS
Os pinos cônicos lisos e roscados têm um cone de 1 em 48 e são usados ​em vários locais durante
a construção de aeronaves. Eles são projetados para transportar cargas de cisalhamento e são
fabricados em aço de alta resistência.
Os pinos fazem com que não se permita qualquer movimento ou movimento solto e são
usados ​para unir tubos e juntar colares aos eixos.
O pino cônico simples é forçado no orifício, que é fresado até o tamanho especificado
, e é mantido no lugar por fricção sozinho. Para garantir a segurança, ele também pode ser
bloqueado com fio, passando o fio de bloqueio através do furo pré-perfurado no pino,e em
seguida, prendendo o fio ao redor do eixo.
O pino roscado é semelhante ao pino simples, exceto que a sua extremidade pequena é roscada
para aceitar uma porca de cisalhamento autotravante ou uma porca castelo de cisalhamento
com pino bipartido.
Alguns pinos cônicos podem ser encontrados com uma extremidade pequena dividida, que
funciona como um pino, para evitar que se solte. Esses pinos são às vezes chamados de
Pinos cônicos bifurcados.
Todos os pinos cônicos são medidos pelo diametro da sua extremidade mais pequena e pelo seu
comprimento.
DISPOSITIVOS DE BLOQUEIO
Os problemas associados a dispositivos encadeados e os efeitos da vibração, foram
discutidos anteriormente, quando o uso de porcas auto-frenadas e de castelo foi
discutido.
Existem porem várias outras maneiras pelas quais a integridade de uma junta roscada
pode ser assegurada.

ANILHAS DE MOLA
Estas anilhas estão disponíveis em uma variedade de formas. Em algumas
instâncias (particularmente com junções de liga leve), anilhas de pressão são montadas
com anilhas planas entre a anilha de pressão e o componente. Isto evita danos no
acabamento da superfície quando a anilha de pressão for comprimida embora, com
junções de aço, a anilha lisa seja omitida.
É uma boa prática substituir as anilhas de pressão nas reparações ou inspeções.
Este procedimento é necessário em motores e componentes do motor assim como em
bombas e compressores.
Em circunstâncias normais, no entanto, as anilhas de pressão podem ser reutilizadas se
mantiverem sua "elasticidade" e “grossura". Tipos de anilhas de pressão incluem:
Anilhas de bobina simples e duplas: fabricadas com seção retangular de chapa de aço
e com a forma de hélice.Estas anilhas são aos tipos mais comuns de anilhas de
pressão podem ser encontrados em componentes de aeronaves
Anilhas de dobras: As anilhas de mola de dobras geralmente são fabricadas a partir de
qualquer liga de cobre ou aço resistente à corrosão. Eles são freqüentemente usadas
em cargas leves em aplicações como instrumentos e instalações elétricas.
Anilhas Belleville: As anilhas Belleville são fabricadas em aço de mola e são
achatadas. O serem achatadas provoca que durante o aperto, seja exercida uma carga
axial na porca, que resistirá a qualquer tendência da mesma desapertar.

Belleville Bobina Dupla


Anilha Dobras Bobina
Simples
ANILHAS ANTI-VIBRAÇÃO
Anilhas planas deste tipo são fabricadas em aço ou bronze e são usadas no lugar de
anilhas de pressão.
Em alguns casos as anilhas cónicas anti-vibração são usadas para travar parafusos.
Tanto o diâmetro interno como o externo podem ser serrilhados, sendo a serração
projectada para “morder” o componente e a porca para evitar a rotação.
Todas as anilhas anti-vibração devem ser usadas somente uma vez.
Não devem ser usadas em componentes com tratamento anti-corrosivo pois podem
danificar o tratamento
ANILHAS COM FREIO
As Anilhas com freio são normalmente usadas em porcas planas.
As anilhas são fabricadas a partir de material metálico fino e tem dois ou mais freios
saidos dos diametro externo.
Podem ser projetadas para bloquear um ou mais acessorios.
Quando a anilha é instalada, um freio é dobrado contra o componente ou inserida
num buraco, enquanto um segundo freio é dobrado contra a porca, depois de ter sido
apertada corretamente.
Nota: As anilhas de freio podem ser reutilizadas até que todos os freios tenham sido
usados uma vez.
PLACAS DE BLOQUEIO
Em certas circunstâncias, o torque aplicado, o fio ou o tipo de porca, pode não garantir
que a porca não se desenrosque em uso (por exemplo, durante a vibração). As placas
de bloqueio são usadas onde a retenção de uma porca é necessária.
A porca é carregada com torque e depois (somente se necessário) gira <1/12 de volta
até as faces ficarem alinhadas com o orifício na placa de bloqueio.
O prato geralmente tem 12 faces para permitir esse ajuste. A placa é então colocada
sobre a porca e o pequeno parafuso de fixação fixa-se no orifício com rosca ao lado da
porca.
A remoção da porca envolve simplesmente a remoção do parafuso de fixação, o
levantamento da placa e o desenroscar da porca.
Nota: Uma anilha com freio pode ser usada para fazer a mesma tarefa. A placa de
bloqueio é usada onde a porca é frequentemente removida - a placa pode ser usada
indefinidamente desde que mantenha um bom ajuste com a porca.

Troços
Os troços são geralmente fabricados a partir de cádmio ou aço carbono ou de aço
resistente à corrosão. Seu objetivo principal é
bloquear as porcas ranhuradas e casteladas. As porcas são
trancadas nos parafusos passando o pino através do orifício no parafuso e no castelo
da porca. As pernas do troço são viradas em duas direções.
Os troços são medidos por diâmetro e comprimento.
Cuidado com o torque na porca para ajustar os orificios.
Muitas vezes, um valor de torque declarado será menor do que o valor defenido
FIO DE BLOQUEIO(ARAME FRENAR)
Bloqueio por fio (ou "Safetying", como é conhecido nos EUA), é a forma mais comum de
bloqueio em uso em toda a indústria aeronáutica. O fio é geralmente feito de aço
resistente à corrosão ou liga de níquel resistente ao calor. Fio de cobre fino também é
usado para algumas operações especiais de travamento.
O fio é normalmente classificado pelo seu diâmetro em incrementos de 'Fio Padrão
"Gauge" (SWG) ou "American Wire Gauge" (AWG). O calibre mais usual usado é
22 SWG (ou seu equivalente americano), embora seja necessário ter muito cuidado
para verificar o medidor de fio correto para cada aplicação específica.
O bloqueio de fio é um método positivo de proteger itens como parafusos, uniões de
tubos,prrcas etc etc
Os componentes projetados para serem bloqueados por fio têm orifícios
posições apropriadas para enrolar o fio de bloqueio para passar.
Ao instalar o fio, ele não deve ultrapassar uma distância de mais de 75 mm (3 pol.)
sem ser suportado.
Deve haver aproximadamente oito voltas para cada 25,4 mm (1 pol) de comprimento do
fio e nenhum comprimento de mais de 9,5 mm (3/8 pol) deve ser deixado sem torção. O
ângulo de puxar ou aproximar, não deve ser inferior a 45º em relação ao eixo.
Quando o fio passar pelo último furo, o fio deve ser puxado e apertado de maneira que
a torção continue por pelo menos 12 mm - 13 mm (½ in). O fio é
depois cortado e o final é dobrado para baixo, para evitar que o pessoal se corte.
Algumas formas de travamento de fio são feitas com um único fio,
especialmente em casos onde é encontrado um anel completo ou formação similar de
porcas.O fio é passado em sequência, através dos orifícios na sua
respectivas porcas e parafusos ,até que as extremidades do fio se encontrem.
O fio deve ser roscado para que qualquer tendência, de uma porca ou parafuso, para
afrouxar, irá adicionar tensão ao fio.

USO DO FIO DE BLOQUEIO COM ESTICADORES


Como com qualquer fixador com rosca, os esticadores devem estar travados para evitar
que se soltem e prejudiquem o control que estão a ligar.
Há um numero de diferentes tipos de arames usados em esticadores e a AMM deve ser
consultada para saber qual método é especificado. Métodos utilizados incluem o
enrolamento único e espiral de enrolamento único, bem como o enrolamento duplo e
espiral de enrolamento duplo.
O enrolamento único e espiral de enrolamento único usam um único fio que passa pelo
buraco no centro do esticador, terminando envolto em torno de cada extremidade. A
espiral de invólucro único também usa um único pedaço de fio que passado ao redor do
barril e passa pelo buraco central duas vezes.
Dois pedaços de arame são usados no método duplo, que são basicamente dois
enrolamentos individuais, um em cada direção. Uma espiral de enrolamento duplo
consiste em dois envolvimentos das espirais, novamente um em cada direção.
USO DO FIO DE BLOQUEIO COM ANILHAS DE BLOQUEIO.
Quando anilhas de bloqueio são usadas, elas devem ser instaladas de tal forma que os
anilhas e o arame estejam em alinhamento .
Sempre que possível, a extremidade fechada do fio deve estar na anilha e a
extremidade torcida no componente a ser bloqueado, embora o método exato possa ser
encontrado no AMM.
FIO DE COBRE FINO
Fio de cobre fino é usado para manter alguns interruptores e alavancas numa posição
"definida" e, assim, impedir o funcionamento acidental dos interruptores que controlam
certos sistemas críticos, como circuitos de emergência.
Quando o interruptor é necessário para ser operado, então é feito um movimento,
que irá quebrar o fio de cobre e permitir o movimento do interruptor.
Um propósito secundário do fio de cobre é como um indicador ou "testemunha", onde
um fio partido indica que o comutador ou controle foi operado. Este método
é empregado em sistemas onde é necessário saber quando um sistema foi
operado (um sistema de proteção contra incêndio por ex).

FECHOS RÁPIDOS
Fixadores especiais foram projetados para conter carenagens, capotas e inspeção de
painéis e permitir a sua rápida remoção e substituição durante a manutenção.

FIXAÇÕES RÁPIDAS
Em capotas e outras portas de acesso de inspeção geralmente serão usados fixadores,
rápidos que podem ser bloqueados e desbloqueados por um quarto de volta do pino
Estes fixadores consistem num fio de mola de aço duro, que é rebitada numa
abertura numa parte fixa da fuselagem. O pino é montado no painel (ou parte
removível), usando um anel de metal.
Quando o painel é fechado, um quarto de volta do pino puxa o fio para dentro da curva
do parafuso prisioneiro, fixando o painel à estrutura da aeronave.
Painéis (e capotas) geralmente têm um grande número de fixadores instalados para
garantir a segurança e, para indicar que todos os fixadores estão corretamente
protegidos, têm uma série de linhas marcadas (pintadas) na superfície.
Quando os pinos estiverem corretamente fixados, os slots de chave de fenda estarão
alinhados com as linhas marcadas na superfície dos painéis.
Alguns fixadores rápidos têm um receptáculo embutido, que guia o parafuso prisioneiro
para facilitar o engate correto
FIXADORES DE ODDIE(IMPARES)
Os fixadores ímpares têm um pino central, que é mantido na posição
no painel com uma anilha de borracha ou uma mola enrolada.
Um clipe de duas pernas é preso ao componente fixo (geralmente com rebites). O
parafuso prisioneiro é em forma de bala e tem dois recessos opostos um ao outro no
final conjunto.
O fecho está bloqueado ao posicionar o recesso alinhado com as pernas da mola,
e, em seguida, pressionando o parafuso prisioneiro. Isto é conseguido, com a chave de
fendas que está alinhado com as marcas no painel. Deve haver um clique definitivo no
encaixe da fixação.
Um quarto de volta do parafuso prisioneiro na direção contraria irá liberta-lo.
FIXADORES CAMLOC
Os fixadores Camloc consistem num conjunto de pino de mola e um receptáculo. A
braçadeira é fixada ao painel de controle enquanto o o receptáculo é preso à estrutura
da aeronave.
Para travar o fixador, o pino é empurrado contra sua mola com uma chave de fenda e
dado um quarto de volta no sentido horário. Como resultado, o pino cruzado, no pino,
roda no receptáculo e junta os dois componentes.
Finalmente, a mola do pino puxa o pino numa ranhura de travamento.
O fixador é desbloqueado por um quarto de volta no sentido anti-horário quando a mola
do parafuso prisioneiro faz com que o parafuso se estenda para fora.
FASTENERS AIRLOC
Os fixadores Airloc consistem numa trava com um pino
cruzado, e um receptáculo de chapa de aço-mola na estrutura.
O fixador trava girando o pino por um quarto de volta. O pino cai
num entalhe no receptáculo e mantém o fixador travado
PIP-PINS
Os “Pinos-pip” de liberação rápida são usados em conjuntos, onde é necessário
remover ou reposicionar componentes. Eles geralmente tomam o lugar de parafusos
permanentes.
Consiste num corpo oco contendo um êmbolo carregado por mola. Quando
o pino é empurrado para dentro de um buraco, duas esferas de bloqueio de aço, presas
na haste do alfinete, movem-se para uma entrada no êmbolo.
Quando o pino estiver totalmente em casa e a pressão for libertada, as esferas são
forçadas a sairem da haste, à medida que a mola em torno do êmbolo se expande e
então trave o pino na posição.
O pino é removido com um simples puxão no anel. Esta ação alinha o êmbolo com as
duas esferas de bloqueio que se retraem para permitir que o pino seja retirado.
Alfinetes são usados para puxar o pin(libertar as esferas).
Um exemplo de onde os pinos-pip são necessários é nas capotas do motor. Estas têm
que ser abertas diariamente para permitir a inspeção do motor.
ANÉIS DE SEGURANÇA E ANÉIS DE BLOQUEIO
Os anéis de segurança e os anéis de bloqueio são fabricados a partir de folhas de mola
ou fio de aço da mola, e podem ser especialmente concebidos para um determinado
propósito. Endurecido e temperado para dar uma mola "interna" ou "externa"
os aneis podem ser usados para travar várias peças juntas.
Os anéis de retenção da folha da mola têm furos nas extremidades para permitir que o
alicate de freio seja inserido.
Anéis de fio de mola geralmente tem uma extremidade dobrada que é inserida num
orifício radial, que corresponde a um anel interno ou externo.
Estes aneis em cada remoção e instalação devem de ser inspecionados e substituidos
se apresentarem qualquer tipo de dano.
interno Externo

interno Externo

interno Externo
Aperte as pernas juntas
ou expandir, para remover as
argolas
CHAVETA
Esses itens podem ser encontrados onde correntes ou polias estão localizadas em
eixos.
A chaveta é usada para transmitir a força de uma parte para a outra.
Existem diferentes tipos de chavetas.
PEENING
Peening é um método de impedir um dispositivo com rosca (Parafuso, porca)
se solte, distorcendo o final do fio, depois de instalar o dispositivo. A distorção é
normalmente obtida (usando um punção central) na rosca do parafuso.
Isto vai impedir que desenrosque.
No caso de um parafuso com porca, um fio e meio do parafuso
deve sair da porca para criar um peening eficaz.
A desvantagem de peening (e a distorção do fio) significa que, uma vez desmontado
o dispositivo roscado é inútil e é descartado.
JUNTAS DE COLA / ADESIVA
Estas são juntas permanentes em que um adesivo é usado para juntar dois, ou
mais, materiais.
Algumas vantagens do uso de adesivos, são a junção de materiais diferentes,
serem bons isolantes elétricos, o que pode reduzir bastante a corrosão dissimilar em
juntas de metal.
Usar adesivos não só economiza o peso (e custos) associados aos fixadores roscados
(e rebites), mas também elimina a necessidade de fazer orifícios na estrutura, para
esses fixadores, o que evita a possibilidade de ocorrerem stress no material.
A ausência de fixadores no revestimento da aeronave resulta num fluxo de ar mais
suave e contribui para sua eficiência aerodinâmica.
As juntas coladas com adesivo também proporcionam maior rigidez à estrutura,
do que a alcançada com fixações mecânicas.
Existem, no entanto, algumas desvantagens a ter em conta:
- as superfícies, dos itens a serem juntos (os aderentes), devem estar isentos de
massa, óleo ou poeira, e o tipo de adesivo deve suportar as condições ou ambiente em
é colocado.
Vapores de adesivos podem ser tóxicos e extremamente inflamáveis, de modo que
muito cuidado deve ser tomado ao aplicar adesivos. Isso implica trabalhar em
condições ventiladas, usando o equipamento de proteção individual adequado e
observar as precauções de segurança relevantes.
BLOQUEIO POR ADESIVOS
Shellac, Araldite etc na especificação DTD 900, podem ser usados para bloquear
muitos componentes pequenos, particularmente instrumentos, válvulas, interruptores
etc.
O adesivo é aplicado na parte externa da face da porca e no parafuso saliente
rosca, ou ao componente e cabeça do parafuso, após o aperto, e evita
movimento entre partes relevantes.
É uma boa prática, ao usar Araldite, misturar uma amostra separada sob
condições, para verificar se endurece dentro do período de tempo especificado.

LOCTITE
Loctite é o nome comercial de um selante líquido, usado para travar roscas de metal. É
um material aprovado, que endurece nas roscas do parafuso após a montagem. Loctite
é fornecido em vários graus para dar um bloqueio de força predeterminado
numa variedade de aplicações de travamento.
Ao usar Loctite, é aconselhável desengurdurar as peças para obter o máximo
de força. Se as roscas não são desengorduradas, cerca de 15% da força de travamento
é normalmente perdida.
ADESIVOS DE RESINA SINTÉTICA
Os adesivos de resina sintética são usados extensivamente para juntas em estruturas
de madeira, para evitar as tensões e esforços localizados, que podem aparecer, após o
uso de métodos mecânicos de fixação.
Os adesivos de resina sintética consistem geralmente em duas partes separadas,
nomeadamente a resina e o endurecedor. A resina desenvolve suas propriedades
adesivas somente como resultado da reação química entre ela e o endurecedor.

TESTE DE TÉCNICAS DE ADESÃO


Testes freqüentes são feitos para garantir que as técnicas de união sejam satisfatórias.
Sempre que possível, os testes devem ser feitos, usando cortes de componentes reais
de cada lote. Onde os cortes não estão disponíveis, os testes devem ser feitos em
peças de teste representativas.

JUNTAS DE METAL com METAL


As juntas metal-metal envolvem o uso de calor, para elevar a temperatura do
metais a um ponto em que, seja pelo uso do martelo, pela aplicação de
pressão, ou por uma reação química entre os metais, os metais
fundam em conjunto e, assim, criem o vínculo exigido.
SOLDAGEM
Soldagem é a fusão de materiais, aquecendo o ponto ou borda de contato de dois ou
mais peças de metal (e aplicando uma haste de enchimento, se necessário), fazendo
Juntas soldadas são normalmente consideradas como parte permanente da estrutura e
não são desmontadas durante inpeções de rotina
Somente um soldador treinado, autorizado pela CAA, pode soldar componentes de uma
Aeronave civil registrada na Grã-Bretanha e essa pessoa é obrigada a submeter à CAA
série de testes de solda, para exame, a cada doze meses.

SOLDA MACIA
A solda macia é a junção permanente de metais, usando um metal de enchimento que
se funde uma temperatura consideravelmente menor do que a dos metais que estão
sendo associados. O metal de enchimento é uma liga constituída, principalmente, de
chumbo e estanho (com, possivelmente, antimônio e bismuto), misturado em
proporções variadas, dependendo do uso a que se destina.
Para garantir uma junta satisfatória, a solda deve formar uma junção metalica com a
superfícies e para permitir que isso aconteça, as superfícies comuns devem ser livres
de óleo, massa, poeira e corrosão.
Também é necessário o uso de uma substância aprovada (um 'fluxo'), que é aplicada
nos metais, para evitar a formação de filmes de óxido potencialmente corrosivos,
enquanto os metais estão sendo aquecidos (geralmente por condução do calor de um
"ferro" de solda).
SOLDA DURA
A solda dura inclui solda de prata e brasagem.
Nestes processos, o enchimentos derretem a temperaturas mais elevadas do que a
solda macia e fornecem uma junta muito mais forte que também é capaz de operar em
temperaturas mais altas.
A solda de prata consiste em uma liga de cobre e prata enquanto a brasagem usa uma
liga de cobre-zinco.
A fonte de calor usada para solda dura é, geralmente, uma chama direta e uma
fluxo diferente também é necessário para evitar a oxidação da junta.
Juntas soldadas duras têm seus enchimentos puxados para eles por capilaridade,
portanto, a lacuna entre os componentes deve ser mantida uniforme e estreitamente
controlada.
Como em todas as juntas soldadas, as superfícies que estão sendo unidas devem estar
limpas e livres de óleo,massa, corrosão, incrustações, etc. Os métodos mecânicos de
limpeza podem incluir esmeril ,pano, ou escova de arame.