Você está na página 1de 20

Clínica Analítica Comportamental

Aula 3: Análise funcional do


comportamento
Prof. Paulo A B Panetta

Universidade Nove de Julho/ Curso de Psicologia

São Paulo/ 2018


Clínica Analítica
Comportamental
■ Análise do Comportamento estuda o
comportamento humano. Como defini-lo?
■ Como modificar um comportamento? O que
devemos fazer para alterá-lo?
■ Identificar as partes que compõe a relação →
análise funcional
■ Análise funcional: estabelecer relações entre eventos
ambientais e eventos comportamentais (respostas)
Clínica Analítica
Comportamental
■Podemos definir a análise funcional como a busca
pelos determinantes do comportamento → encontrar
os eventos ambientais que controlam o
comportamento.

■ Comportamento respondente: S → R
■ Comportamento operante: Sd – R → SR
■ Casos clínicos: interações entre ambos os
comportamentos
Clínica Analítica
Comportamental
■ Exemplo:

■ Comportamento respondente:
Pergunta pessoal: (S) → taquicardia, sudorese, boca
seca... (R) (sensação de ansiedade – sentir)
■ Comportamento operante:

Pergunta pessoal (Sd) – iniciar contagem (R) →


eliminar pergunta (SR-)
Clínica Analítica
Comportamental
■ Exemplo:

■ Comportamento respondente:
Pergunta pessoal: (S) → taquicardia, sudorese, boca
seca... (R) (sensação de ansiedade – sentir)
■ Comportamento operante:

Sensação de ansiedade (Sd) – iniciar contagem (R) →


eliminar sensação de ansiedade (SR-)
Clínica Analítica
Comportamental
■ O comportamento é multi determinado (múltiplas
causas). Mas a determinação do comportamento
ocorre em três níveis:

■ Filogenético: selecionado na história da espécie


■ Ontogenético: selecionado na história do indivíduo

■ Cultural: selecionado na interação entre indivíduos


Clínica Analítica
Comportamental
■ Segundo Skinner, o foco de intervenção da
psicologia clínica deve ser sobre o nível ontogenético
e cultural

■Nível filogenético: pouca intervenção clínica


possível atualmente
Clínica Analítica
Comportamental
■ Algumas regras básicas da análise funcional:

1. Evitar causas mentalistas como determinantes de


comportamento. Exemplo: pensamentos, crenças,
sentir algo ou instâncias internas (estruturas)
2. Buscar funcionalidade entre eventos; aquilo que o
indivíduo produz em uma certa situação. Exemplo:
falar “eu te amo” no início e final de namoro
Clínica Analítica
Comportamental
■ Algumas regras básicas da análise funcional:

3. Focar no ambiente e não na ação (resposta) do


indivíduo. Exemplo: comportamento de namorar
4. Sempre realizar a análise funcional do
comportamento com base na interação respondente –
operante: incluir ambos na análise
5. Incluir a história de vida do indivíduo na análise
funcional
Clínica Analítica
Comportamental
■ Alguns problemas da análise funcional:

■ Definir a unidade de análise – qual comportamento


analisar e como fazer a analise: macro ou micro?
■ Encontrar os Sd’s e estímulos reforçadores de cada
comportamento
■ Distinção entre análise funcional e análise de
contingências
Exercícios
1. Aponte qual seria o estímulo eliciador e a resposta
eliciada, seguindo a contingência S → R.

1a. Ficar irritado com um barulho alto e constante


1b. Ter ânsia de vomito com o cheiro de carne
1c. Comer carne estragada e vomitar
1d. Ficar ruborizado na frente de muitas pessoas
1e. Taquicardia no dia marcado da prova
Exercícios
1f. Salivar com comida na boca
1g. Salivar com a visão de bebida alcoólica
1h. Diante da sua sogra, ficar ansioso
1i. Transpirar com o aumento da temperatura
1j. Excesso de luz e claridade provoca cefaléia
1k. Flexionar a perna quando o médico bate no seu joelho
com um martelo
1l. Sentir dor ao receber uma injeção de anestesia
1m. Sentir dor ao entrar no consultório de um dentista
Exercícios
2. Aponte qual seria o estímulo discriminativo (Sd), a
resposta (R) e o estímulo reforçador (SR) de cada
comportamento. Façam segundo o modelo da tríplice
contingência: Sd – R → SR
2a. Ao final de uma sessão, o paciente pergunta ao seu terapeuta:
“posso te pagar na próxima semana”. O terapeuta responde: “sim”.
2b. A mãe do Edgar sempre o atende quando ele chora, pois, em
seguida, ele geralmente para de chorar.
2c. A noite, chego no metrô andando até a estação.
2d. Ao final do mês, vou ao supermercado e só compro aquilo que
realmente necessito.
2e. Ligo o aparelho de som e faço um pouco de barulho sempre
quando chego em casa.
Exercícios
2f. Sempre escovo os dentes pela manhã e assim evito mal
hálito
2g. Quando chegar a hora do jogo, vou ao estádio torcer
pelo meu time
2h. Levanto cedo da cama com o barulho do despertador
e evito perder a hora
2i. Ao atravessar a argola na presença da luz, o rato
produz comida
2j. Próximo ao meio dia vou ao restaurante e almoço
2l. Tomo um remédio ao sentir dor de barriga e ela passa.
Exercício 1
1a. Ficar irritado com um barulho alto e constante
Barulho alto e constante (S) → irritação (R)
1b. Ter ânsia de vomito com o cheiro de carne
Cheiro de carne (S) → ânsia de vomito (R)
1c. Comer carne estragada e vomitar
Comer carne estragada (S) → vomitar (R)
1d. Ficar ruborizado na frente de muitas pessoas
Diante de muitas pessoas (S) → ruborizar (R)
Exercício 1
1e. Ter taquicardia no dia marcado da prova
Dia de prova (S) → sentir taquicardia (R)
1f. Salivar com comida na boca
Comida na boca (S) → salivar (R)
1g. Salivar com a visão de bebida alcoólica
Ver bebida alcoólica (S) → salivar (R)
1h. Diante da sua sogra, ficar ansioso
Diante da sogra (S) → sentir ansiedade (R)
1i. Transpirar com o aumento da temperatura
Aumento de temperatura (S) → transpiração (R)
Exercício 1
1j. Excesso de luz e claridade provoca cefaleia
Excesso de luz e claridade (S) → cefaléia (R)
1k. Flexionar a perna quando o médico bate no seu
joelho com um martelo
Médico bater no joelho com martelo (S) → flexionar
a perna (R)
1l. Sentir dor ao receber uma injeção de anestesia
Receber injeção (S) → sentir dor (R)
1m. Sentir dor ao entrar no consultório de um
dentista
Entrar no consultório (S) → sentir dor (R)
Exercício 2
2a. Ao final de uma sessão, o paciente pergunta ao seu terapeuta:
“posso te pagar na próxima semana”. O terapeuta responde: “sim”.
Final de sessão (Sd) – dizer: “posso te pagar na próxima sessão?”(R)
→ sim (SR)
2b. A mãe do Edgar sempre o atende quando ele chora, pois, em
seguida, ele geralmente para de chorar.
Edgar chorar (Sd) – atende-lo (R) → Edgar parar de chorar (SR)
2c. A noite, chego no metrô andando até a estação.
Noite (Sd) – andar (R) → chegar no metrô (SR)
2d. Ao final do mês, vou ao supermercado e só compro aquilo que
realmente necessito.
Final do mês (Sd) – ir ao supermercado (R) → comprar o
necessário (SR)
Exercício 2
2e. Ligo o aparelho de som e faço um pouco de barulho sempre
quando chego em casa.
Chegar em casa (Sd) – ligar o som (R) → fazer barulho (SR)
2f. Sempre escovo os dentes pela manhã e assim evito mal hálito
Manhã (Sd) – escovar os dentes (R) → evitar mal hálito (SR)
2g. Quando chegar a hora do jogo, vou ao estádio torcer pelo meu
time
Hora do jogo (Sd) – ir ao estádio (R) → torcer (SR)
2h. Levanto cedo da cama com o barulho do despertador e evito
perder a hora
Barulho do despertador (Sd) – levantar da cama (R) → evitar perder
a hora (SR)
Exercício 2
3i. Ao atravessa a argola na presença da luz, o rato produz
comida
Luz (Sd) – atravessar argola (R) → comida (SR)
3j. Próximo ao meio dia vou ao restaurante e almoço
Meio dia (Sd) – ir ao restaurante (R) → almoçar (SR)
3l. Tomo um remédio ao sentir dor de barriga e ela passa
Sentir dor de barriga (Sd) – tomar remédio (R) → dor
passar (SR)