Você está na página 1de 24

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DA MICRO CENTRAL HIDRELÉTRICA

ARROIO DAS PEDRAS, COM POTÊNCIA DE 33,77 KW E FORNECI-


MENTO EM BAIXA TENSÃO.
CANGUÇU - RS

MCH – ARROIO DAS PEDRAS


Canguçu - RS

Memorial Descritivo

TÉCNICOS RESPONSÁVEIS:

Heber Vasques
Joel Rech
Richel Duarte
Rodrigo Rostirolla
Vinícius Schneider
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

ÍNDICE

1. APRESENTAÇÃO 2
1.1 Proprietários 2
1.2 Localização 2
1.3 Energia 3
1.4 Características do local (Rio) 3
2. NORMAS, REGULAMENTOS E SIMBOLOGIAS 3
2.1 Regulamentos e normas aplicáveis 4
3. LEGISLAÇÃO 4
3.1 ANEEL – Associação Nacional de Energia Elétrica 4
4. CLASSIFICAÇÃO 5
4.1 Micro Central Hidrelétrica - MCH 5
5. COMPONENTES PRINCIPAIS 6
6. CARGA INSTALADA 6
7. INFORMAÇÃO GERAIS – LEVANTAMENTOS DE DADOS 7
7.1 Vazão (Q) do rio 7
7.2 Potência ativa da MCH 10
8. CONSUMO 11
8.1 Horas 11
8.2 Rio 12
9. TURBINA 13
9.1 Turbina Pelton 13
10. REPRESENTAÇÕES ESQUEMÁTICAS 14
10.1 Rio 16
10.2 Construção da casa de força 16
10.3 Tubulação 17
10.1 Gerador 17
10.1 Instrumentos de medições 18
10.1 Medições 18
11. ÉPOCAS DE ESTIAGEM 21
12. RESUMO DO PROJETO 21
13. RESPONSABILIDADE TÉCNICA 22

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
1
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

1. APRESENTAÇÃO
O presente memorial técnico visa descrever o projeto de implantação de uma MCH (Mi-
cro Central Hidrelétrica), com a finalidade de fornecer eletricidade à 04 residências que
se encontram a uma distância de 2km da rede de energia elétrica.

1.1 Proprietários
Sr. Paulo Antônio da Silva (Residência 01);
Sr. Carlos Vieira Mattos (Residência 02);
Sr. Lúcio Accadrolli (Residência 03);
Sr. Plínio Padilha Fontoura (Residência 04).

1.2 Localização
A construção MCH será realizada na cidade de Canguçu (RS), no Distrito Arroio
das Pedras que fica próximo a cidade de Camaquã.

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
2
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

1.3 Energia
O sistema de suprimento é: Trifásico 220/127V.

1.4 Características do local (Rio)


O abastecimento da MCH será através do desvio de uma parte do Rio Arroio das
pedras, sendo que as residências estão distante ao rio e a casa de força em a-
proximadamente 200 metros.

Incluímos ainda, no presente memorial descritivo o quadro de cargas, dimensionamen-


tos gerais (Potência de instalação, Períodos de utilização, Vazão, Potência de utiliza-
ção) e demais dados pertinentes ao projeto.

2. NORMAS, REGULAMENTOS E SIMBOLOGIAS


O projeto foi realizado conforme às normas técnicas e regulamentos relacionados no i-
tem correspondente a cada sistema.
Além das posturas listadas nas normas técnicas e nos códigos, decretos, regulamentos,
leis e outras exigências de ordem legal, cuja observância é exigida pelas autoridades
competentes, em caso de omissão deverão ser aplicadas as normas aplicáveis publica-
das pelas seguintes organizações:
ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas
ANSI American National Standard Institute
CIE Commission Internationale de L'eclairage
DIN Deutsch IndustrieNormen
FMG Factory Mutual Global
IEC International Eletrotechnical Commission

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
3
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

ISA Instrument Society of America


ISO International Organization of Standardization
NEMA National Electrical Manufacturers Association
NFPA National Fire Protection Association
UL UnderwritersLaboratories

Em caso de divergências entre as normas, prevalecerão sempre as normas da ABNT e


na falta ou omissão dessas a norma da entidade internacional que se pronunciar com
maior rigor.
A fim de garantir a execução adequada das instalações, é indispensável que o respon-
sável pelos trabalhos de instalações tenha conhecimento e familiaridade com esses
procedimentos e normas, que deverão ser obedecidos também no que se refere aos
aspectos construtivos, sendo sua responsabilidade garantir o seu atendimento.
Também se considera indispensável que o responsável pelos trabalhos de instalação
tenha conhecimento e familiaridade com os procedimentos adequados e boas práticas
para os trabalhos de instalação ainda que não forem explicitamente mencionados por
esses regulamentos e normas, que devem ser adotados em todos os trabalhos.

2.1 Regulamentos e normas aplicáveis


O projeto segue as normas brasileiras vigentes:
Resolução n° 652, de 9 de dezembro de 2003.: Estabelece os critérios para
o enquadramento de aproveitamento hidrelétrico na condição de Pequena
Central Hidrelétrica (PCH).
Nota Técnica no 063/2012-SRG-SGH/ANEEL: Audiência Pública para defini-
ção de parâmetros regulatórios associados à aprovação de projetos básicos
de usinas hidrelétricas não despachadas centralizadamente.
NBR 6412:1988: Turbinas Hidráulicas;
NBR 9969:1987: Turbinas Hidráulicas Pequenas Centrais Hidrelétricas;
NBR 6445:1987: Turbinas Hidráulicas, Turbinas-Bombas e Bombas de Acu-
mulação.

3. LEGISLAÇÃO
Os critérios para identificação de PCH's estão definidos na Resolução ANEEL nº 394,
de 4 de dezembro de 1998, e devem ser observados pelos agentes do setor elétrico e
pela sociedade em geral, considerando também a sistemática de fiscalização da potên-
cia instalada definida na Resolução ANEEL nº 407, de 19 de outubro de 2000.

3.1 ANEEL – Associação Nacional de Energia Elétrica


A ANEEL é uma autarquia vinculada ao Ministério de Minas e Energia, que tem
por finalidade regular e fiscalizar a produção, transmissão, distribuição e comerci-
alização de energia elétrica, zelando pela qualidade dos serviços prestados, pela
universalidade de atendimento aos consumidores e pelo controle da razoabilidade
das tarifas cobradas, preservando, sempre, a viabilidade econômica e financeira

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
4
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

dos agentes e da indústria para compatibilizar interesses. A Agência também é


responsável pela criação de um ambiente que incentive o investimento, para ga-
rantir o retorno financeiro dos concessionários e a oferta plena de energia elétrica
a todos os segmentos da sociedade, promovendo, assim, o desenvolvimento e-
conômico do país e a redução das desigualdades regionais.
A agência não tem uma subordinação hierárquica direta, embora esteja vinculada
ao Ministério de Minas e Energia. No entanto, seus conselheiros, têm a gestão fi-
nanceira submetida ao controle do Poder Legislativo e todos os seus atos se
submetem ao controle de legalidade pelo Poder Judiciário. Também são obriga-
dos a realizar Audiências Públicas e dar transparência às suas atividades, objeti-
vando reduzir os riscos dos agentes do setor envolvidos nas políticas regulatórias.

4. CLASSIFICAÇÃO
São consideradas Pequenas Centrais Hidrelétricas, ou PCH, os empreendimen-
tos hidrelétricos com potência superior a 1.000 kW e igual ou inferior a 30.000 kW
e com área total de reservatório igual ou inferior a 3,0 km². A área do reservatório
é delimitada pela cota d’água associada à vazão de cheia com tempo de recor-
rência de 100 anos.
O empreendimento que não atender a condição de área máxima inundada pode-
rá, consideradas as especificidades regionais, ser também enquadrado na condi-
ção de Pequena Central Hidrelétrica, desde que deliberado pela Diretoria da A-
NEEL, com base em parecer técnico, que contemple, entre outros, aspectos eco-
nômicos e socioambientais.

4.1 Micro Central Hidrelétrica - MCH


As Pequenas Centrais Hidrelétricas são dividas da seguinte maneira;

Potência – P Queda de projeto – Hd (m)


Classificação
Símbolo
das centrais (kW) Baixa Média Alta

Pequena
1.000 < P
Central Hi- PCH Hd< 25 25 <Hd< 130 Hd> 130
<30.000
droelétrica

Minicentral
mCH 100 < P < 1.000 Hd< 20 20 <Hd< 100 Hd> 100
Hidroelétrica

Micro central
µCH P < 100 Hd< 15 15 <Hd< 50 Hd> 50
Hidroelétrica

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
5
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

Como será informado neste memorial a potência instalada é menor que 100kW,
portanto está Pequena Central Hidroelétrica pode ser classificada como uma
MCH (Micro Central Hidrelétrica).

5. COMPONENTES PRINCIPAIS
Abaixo segue a lista do principais componentes encontrados neste projeto:

Reservatório;
Vertedouro;
Barragem;
Grade;
Tomada d’água;
Canal de adução;
Câmara de carga;
Conduto forçado (02 tubos);
Casa de máquinas;
Canal de fuga ou restituição;

6. CARGA INSTALADA
Este projeto está dimensionado para gerar a potência ativa de no mínimo 30,8kW. Esta
carga está dividida entre as 04 residências conforme tabela abaixo:

RESIDÊNCIA DESCRIÇÃO QTDE TIPO POTÊNCIA TOTAL

Lâmpada 04 Iluminação 400W


Chuveiro 01 PTUE 6.800W
01 Refrigerador 01 PTUG 300W 7.700W
Televisão 01 PTUG 100W
Rádio 01 PTUG 100W
Lâmpada 04 Iluminação 400W
Chuveiro 01 PTUE 6.800W
02 Refrigerador 01 PTUG 300W 7.700W
Televisão 01 PTUG 100W
Rádio 01 PTUG 100W
Lâmpada 04 Iluminação 400W
Chuveiro 01 PTUE 6.800W
03 Refrigerador 01 PTUG 300W 7.700W
Televisão 01 PTUG 100W
Rádio 01 PTUG 100W

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
6
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

Lâmpada 04 Iluminação 400W


Chuveiro 01 PTUE 6.800W
04 Refrigerador 01 PTUG 300W 7.700W
Televisão 01 PTUG 100W
Rádio 01 PTUG 100W
POTÊNCIA ATIVA TOTAL 30,8kW

7. INFORMAÇÃO GERAIS – LEVANTAMENTOS DE DADOS


Foi realizado uma vistoria técnica no local da instalação, abaixo segue alguns dados
técnicos sobre o rio que irá fornecer toda a energia hidráulica para funcionamento a
MCH.

7.1 Vazão (Q) do rio


Volume de água que atravessa uma determinada seção, na unidade de tempo
(m3/s)

Sendo:
• Q = Vazão (m³/s);
• V = Volume (m³);
• T = Tempo (s).

7.1.1 Dimensões básicas do rio


Para medir a largura e a profundidade do rio foi utilizado um instrumento de medi-
ção chamado “trena”. Abaixo segue o desenho ilustrativo da largura e comprimen-
to de um determinado ponto do rio.

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
7
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

7.1.1 Área do rio


Foi realizado a medição da profundidade de duas áreas (A e B), sendo divididas
em 06 partes iguais.

Corte Transversal

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
8
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

Corte Transversal

Abaixo segue os valores calculados das áreas:

PONTO
LARGURA TOTAL
POSIÇÃO DE MEDI- PROFUNDIDADE (m) ÁREA (m²)
(m) (m²)
ÇÃO
1° 1,45 0,45 0,326
2° 1,45 0,62 0,899
A 3° 1,45 0,55 0,797 2,877
4° 1,45 0,44 0,638
5° 1,45 0,30 0,217
1° 1,45 0,48 0,348
2° 1,45 0,83 1,203
B 3° 1,45 0,82 1,189 3,986
4° 1,45 0,65 0,942
5° 1,45 0,42 0,304
OBS.: As posições 1° e 5° foram calculadas considerando que a sua área forma um triângu-
lo e as posições 2°,3° e 4° um retângulo

Realizamos uma média entre os 02 valores (2,877m² e 3,986m²) e obtemos a á-


rea total (média) de 3,431m².

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
9
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

7.1.2 Velocidade
Para medirmos a velocidade do água, colocamos 01 garrafa pet na posição A e
controlamos o tempo que a mesma chegou na posição B. Esse tempo foi de
127s, portanto em 127s a garrafa percorreu uma distância de 10 metros.

7.1.3 Cálculo da vazão do rio


Como informado acima:
• Volume = ∗ = 3,431 ∗ 10 = 34,31 ³
• Tempo = 127s
• Vazão: ?

34,31
=
127

= 0,270 ³/
= 270 /

7.2 Potência ativa da MCH


Neste projeto será utilizado aproximadamente 56% da capacidade do rio, portan-
to, a vazão a ser considerada nos cálculos abaixo será de 150 litros/segundo. Pa-
ra calcularmos a potência ,utilizamos a fórmula abaixo:

= ∗ ∗ ∗

Sendo:
• P = Potência (kW);
• Q = Vazão (m³/s);
• H = Queda de altura (m);
• g = Aceleração da gravidade (9,81 m/s);
• ρ = Densidade da água (1000 kg/m³).

Após diversos cálculos, foi projetado que a queda de altura será de 27 metros.
Portanto o valor da Potência ativa será:

= ∗ ∗ ∗

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
10
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

= 1000 ∗ 0,150 ∗ 27 ∗ 9,81

= 39,73

Os valores de energia e potência elétricas extraídos da água não são aproveita-


dos integralmente devido às perdas nos diversos equipamentos envolvidos no
processo de conversão da energia potencial da água em energia elétrica. Abaixo
segue os valores de perdas estipulados neste projeto:

ηh: 95 % rendimento do circuito hidráulico (5% de perda hidráulica);


ηt: 94 % rendimento na turbina (perda de 6%);
ηg 96 % rendimento do gerador, transformador e serviços auxiliares (per-
da de 4%).

Perda total 15 %

Com o valor total das perdas, podemos calcular o valor exato da potência que se-
rá fornecida pela MCH.

= ∗
Sendo:
• Pt = Potência exata (kW);
• P = Potência “Sem perdas” (kW);
• Pd = Percentual das perdas.

= ∗

= 39,73 ∗ 0,85

= 33,77

Comparado os valores das potências de instalação (30,8 kW) e geração (33,77


kW), percebemos que a MCH irá fornecer energia elétrica necessária para as 04
residências.

8. CONSUMO

8.1 Horas
Em determinadas horas durante o dia não será utilizada a potência total de
33,7kW de projeto. Para economizar o consumo de energia elétrica, foi definido
as horas que gerador irá funcionar em 100% ou 50% de sua capacidade.

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
11
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

CONSUMO PERÍODO HORAS

17h as 22h;
100% 12
6h as 13h.

22h as 6h;
50% 12
13h as 17h.

8.2 Rio
Conforme informado acima será aproveitado do rio 150 litros/segundo de sua va-
zão, com esta informação podemos identificar o consumo de litros do rio durante
01 mês (Considerando 30 dias)

Consumo de litros em 01 minuto:


! = 150 ∗ 60

! = 9000 # $% / #&' %

Consumo de litros em 01 hora:


( = ! ∗ 60

( = 540.000 # $% /ℎ%$+

Consumo de litros em 01 dia (100%)


o 12 horas (100%)
, =( ( ∗ 100%) ∗ 12

, = 540.000 ∗ 12

, = 6.480.000 # $% (100%)

Consumo de litros em 01 dia (50%)


o 12 horas (50%)
0 =( ( ∗ 50%) ∗ 12

0 = 270.000 ∗ 12

0 = 3.240.000 # $% (50%)

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
12
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

Consumo de litros em 01 dia (Total)


12, = , + 0

12, = 6.480.000 + 3.240.000

12, = 9.720.000 # $% / #+

Consumo de litros em 01 mês (30 dias)


4ê6 = 12, ∗ 30

4ê6 = 9.720.000 ∗ 30

4ê6 = 291.600.000 # $% / ê

4ê6 = 291,6 7

Em 30 dias o rio tem capacidade de fornecimento de 585,79 Ml (Em 30 dias).

9. TURBINA

9.1 Turbina Pelton


O gerador e a turbina serão fornecidos pela empresa Alterima, após uma reunião
com a engenharia da empresa foi determinado que a turbina a ser utilizada neste
projeto seria de modelo tipo Pelton.
Nesta turbina de ação o fluxo de água incide sob a forma de jato sobre o rotor que
possui pás em forma de duas conchas. A direção dos jatos é paralela em relação
ao plano do rotor.

9.1.1 Velocidade do jato


A velocidade do jato na saída do rotor será dada pela equação:

8 = 9 :2 ∗ ∗

Sendo:
• φ = Constante de velocidade (0,99);
• H = Queda de altura (m);
• g = Aceleração da gravidade (9,81 m/s).

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
13
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

8 = 9 :2 ∗ ∗

8 = 0,99:2 ∗ 9,81 ∗ 27

8 = 22,78 /

10. REPRESENTAÇÕES ESQUEMÁTICAS


Abaixo segue alguns desenhos ilustrativos e imagens do projeto:

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
14
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
15
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

10.1 Rio

10.2 Construção da casa de força

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
16
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

10.3 Tubulação

10.1 Gerador

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
17
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

10.1 Instrumentos de medições

10.1 Medições

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
18
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
19
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
20
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

11. ÉPOCAS DE ESTIAGEM


Com uma vazão de 270 litros/segundos o rio tem a capacidade de armazenar du-
6
rante um mês (30 dias) 699,84x10 litros de água. Foi realizado um estudo com as
referências aos períodos de chuvas e verificou-se que o projeto não terá proble-
mas de estiagem da água, pois chuva ocorre regularmente em determinados pe-
ríodos, mantendo assim o nível do reservatório em condições de uso, sem preju-
dicar a geração de energia elétrica.

12. RESUMO DO PROJETO


A energia gerada é disponibilizada por cerca de 1 km através de uma li-
nha de transmissão em 220 V, até as unidades consumidoras beneficia-
das;
A operação da MCH é autônoma ela trabalha 24 horas por dia sete dias
por semana. A cada 20 dias é realizada uma inspeção visual no funcio-
namento e havendo necessidade de manutenção esta é programada;
O projeto está beneficiando consumidores residenciais, somente morado-
res da região onde a usina está implantada. Devido a difícil acesso a li-
nhas de transmissão de energia e a distância de transmissão;
Como a energia elétrica não é um produto que se possa guardar, a venda
é feita mesmo antes de ela ser gerada, por meio de compromissos de
compra feitos por contratos com muito tempo de duração com os consu-
midores beneficiados.
Um empreendimento como uma usina hidrelétrica afeta muito o meio am-
biente e, no caso da MCH, além dos impactos ambientais na região, a
energia produzida por ela é destinada a um grupo pequeno de quatro fa-
mílias compostas por dezesseis pessoas, que também provoca mudan-
ças no meio ambiente. A natureza foi criteriosamente estuda para que
houvesse o menor impacto ambiental possível.
Os principais estudos realizados foram o Estudo de Impacto Ambiental
(EIA), que foi encaminhado ao IBAMA, e o Estudo Técnico de Viabilidade
de Engenharia, que foi encaminhado à ANEEL. Foram também desenvol-
vidos outros estudos complementares solicitados pelo IBAMA e por outros
órgãos com interface no licenciamento ambiental.
Desde o início do processo de licenciamento ambiental da MCH houve a
participação efetiva da comunidade, para identificar dúvidas, anseios e
expectativas dos moradores com relação ao empreendimento.
Foram realizadas reuniões com as comunidades, líderes e associações
comunitárias para tratar da MCH. O Relatório de Impacto Ambiental (RI-
MA) foi colocado à disposição da população e distribuído para as prefeitu-
ras dos municípios da área de influência direta da MCH.

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
21
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

DADOS GERAIS - PROJETO

Nome MCH – Arroio das Pedras

Cidade Canguçu

Estado Rio Grande do Sul (RS)

Tipo da usina Micro Central Hidrelétrica

Rio Arroio das Pedras

Área do rio 3,431m²

Vazão do rio 270 l/s

Potência da MCH 33,7 kW

Vazão utilizada 150 l/s

6
Consumo mês (30 dias) 291,6 x 10 litros

Turbina Pelton

Queda de água 27m

Fornecimento de energia elétrica 04 residências (Total 30,8 kW)

13. RESPONSABILIDADE TÉCNICA


O projeto foi concebido e deverá ser construído conforme às normas técnicas e
regulamentos relacionados no item correspondente a cada sistema.
Assina o presente Memorial Descritivo abaixo os proprietários e os profissionais
identificados, legalmente habilitados como responsáveis técnicos pelos dimensio-
namentos que compõem este projeto.

Canguçu, 24 de abril de 2015

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
22
ESCOLA TÉCNICA ESTADUAL FREDERICO GUILHERME SCHMIDT
CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA
SÃO LEOPOLDO - RS

Disciplina: Professor: Turma:


Eletricidade IV Doalcir Pinto 74N1

Proprietário 01: _____________________________________________

Paulo Antônio da Silva

Proprietário 02: _____________________________________________

Carlos Vieira Mattos

Proprietário 03: _____________________________________________

Lúcio Accadrolli

Proprietário 04: _____________________________________________

Plínio Padilha Fontoura

Responsável técnico: _____________________________________________

Heber da Silva Vasques

Responsável técnico: _____________________________________________

Joel Rech

Responsável técnico: _____________________________________________

Richel Duarte

Responsável técnico: _____________________________________________

Rodrigo Rostirolla

Responsável técnico: _____________________________________________

Vinícius Schneider

MCH – Arroio das Pedras


Canguçu, 24 de abril de 2015
23