Você está na página 1de 31

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS

CENTRO LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO

FACULDADE DE ARTES VISUAIS

CURSO DE LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS

Beatriz Valeriano

Matheus Reis

Otávio Ferreira Abdalla

IMAGEM EM AÇÃO

Campinas - SP

2015
Beatriz Valeriano

Matheus Reis

Otávio Ferreira Abdalla

IMAGEM EM AÇÃO

Trabalho acadêmico apresentado junto ao


Curso de Licenciatura em Artes Visuais
da Pontifícia Universidade Católica de
Campinas como requisito parcial para
obtenção do Grau de Licenciado em Artes
Visuais

Orientadora: Prof. Me. Andréia Cristina


Dulianel

Campinas - SP

2015
Aos nossos familiares, professores e amigos.

3
AGRADECIMENTOS

Aos nossos familiares que nos apoiaram durante o curso, aos professores que
fizeram diferença durante essa etapa acadêmica de grande importância, em especial
a Prof. Me. Andréia Cristina Dulianel, pela orientação e a todos aqueles que
acreditam no poder transformador da arte e a incentiva.

4
RESUMO

Esse projeto visa oferecer um material didático para desenvolver atividades que
abordem a fotografia de maneira abrangente e prática para alunos do Ensino Médio.
Sendo a fotografia uma linguagem que necessita de recursos materiais na maioria
dos casos, tais atividades envolvem um custo voltado para escolas particulares,
embora possam ser financiadas por projetos de incentivo governamental para
infraestrutura na rede pública. A sequência de aulas desenvolve-se por paradigmas
rizomáticos, na qual o aprendizado de uma tem desdobramentos na seguinte e vice-
versa, enfatizando a construção de conhecimento como um constante devir que se
apoia na inserção da produção dos alunos como conteúdo em potencial de estudo.

Nesse desenvolvimento o professor conta com embasamento teórico e


direcionamento das questões pertinentes aos assuntos abordados pelo material do
“caderno no professor” contendo informações aprofundadas do conteúdo para que
possa aprimorar seus conhecimentos sobre fotografia, envolvendo dessa forma os
alunos com questões relevantes para a linguagem.

A fundamentação desse projeto tem sua origem nos conceitos da estética e da


expressão fotográfica apresentados por François Soulages, Vilém Flusser Susan
Sontag e Andrei Tarkovsky, estando estes associados a diversos autores da arte-
educação como estrutura pedagógica, enfatizando os apontamentos sobre a
autonomia e aplicação prática na construção do conhecimento de Célestin Freinet.

Tal abordagem dá-se através de exercícios orientados, acessíveis ao aluno por meio
da prática onde privilegia-se o espaço individual e a busca de seus interesses
através de cada processo apresentado. Como forma de estímulo visual e de suporte
para consulta, o aluno terá acesso a um material didático ilustrado e interativo de
uso exclusivo para reiterar o conhecimento construído em sala de aula,
possibilitando o aperfeiçoamento do olhar fotográfico, a expressão pessoal e sua
aplicação no contexto social onde este está inserido.

Palavras-chaves: arte educação - fotografia – processos criativos – educação visual


5
SUMÁRIO

1.OBJETIVOS …............................................................................................07

2.JUSTIFICATIVA …......................................................................................08

3.FAIXA ETÀRIA............................................................................................08

4.ESTRUTURA DO MATERIAL DIDÁTICO; PROPOSTA.............................08

4.1.MATERIAL DO ALUNO …............................................................08

4.2.MATERIAL DO PROFESSOR ….................................................11

5. PROPOSTA DE AULAS ….......................................................................12

6. AULA 01: INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DA FOTOGRAFIA......................12

6.1. ATIVIDADE: A CAIXA PRETA; CABEÇA DE CAMÊRA….........15

7. AULA 02: METAFOTOGRAFIA…............................................................18

7.1. ATIVIDADE: PERCEPÇÂO DE TOQUE …...............................18

8. AULA 03: AGINDO FOTOGRAFICAMENTE …......................................19

8.1.ATIVIDADE: FOTO-INSTALAÇÃO............................................19

9. AULA 04: OBJETO - PRETEXTO …...............................................21

9.1 ATIVIDADE: DE QUADRO EM QUADRO….............................22

10. AULA 05: OBJETO - PROBLEMA …............................................24

10.1. ATIVIDADE: O QUE VOCÊ QUISER …................................24

11. AULA 06: OBJETO - ESSÊNCIA ….............................................26

11.1 ATIVIDADE: CAÇA FOTOGRÀFICA .....................................27

12. BIBLIOGRAFIA.............................................................................29

6
1. OBJETIVOS

Expor aos alunos o contexto social contemporâneo onde dá-se uma grande
importância para a leitura de imagens e suas infinitas interpretações, local onde a
linguagem fotográfica tem grande relevância.

Conscientizar os alunos daquilo que se enxerga imageticamente é uma


representação de algo e causa no ser humano uma explosão cognitiva intensa, seja
ela consciente ou inconsciente.

• Exercitar o olhar do aluno em relação ao que observamos diariamente e todas


suas composições imagéticas e o que elas nos transmitem.

• Transpassar para alunos e professores como o campo da fotografia surgiu,


sua multidisciplinaridade e seus processos desde o feitio da imagem até sua
interpretação.

• Incentivar a todos o uso mais vasto do campo fotográfico seja você


admirador, amador ou profissional.

• Debater sobre o entendimento das vertentes fotográficas e quais suas


intenções.

• Manifestar de modo racional utilizando a mente, os olhos e a ação, a livre


expressão artística e sua ampla linguagem.

• Interação entre alunos, professores, a sociedade e o meio em que habitam, o


compartilhamento de ideias e o estímulo à instauração de processos de
criação, vivenciando em conjunto as técnicas desta linguagem e seus
experimentos.

7
2. JUSTIFICATIVA

O projeto visa o entendimento imagético em era de alta reprodutibilidade, exploração


do campo amador e a leitura de imagens. Esses procedimentos enfatizam a
fotografia como uma linguagem acessível e instigante, resignificando a visão dos
alunos sobre a mesma, compreendendo suas debilidades e potenciais como algo a
ser explorado, como também não ficando à deriva e complacentes com o ilusionismo
de convencimento de ideias e propagandas que a utilizam como uma prova ou
registro do 'real'.

3. FAIXA ETÀRIA

Este material em específico destina-se a alunos do Ensino Médio.

4. ESTRUTURA DO MATERIAL EDUCATIVO; PROPOSTA

Composto por um caderno direcionado ao professor e um material interativo para os


alunos, coloca-se como acompanhamento das propostas a serem trabalhadas em
sala de aula e fixador de conhecimentos, difundindo o campo das artes visuais e
seus processos criativos direcionados a linguagem fotográfica. Contando com
referências bibliográficas e iconográficas, espera-se desse material um melhor
aproveitamento das aulas propostas, contando com a possibilidade de modificações
e interferências de acordo com a intenção do professor e a interação da turma no
processo.

4.1. MATERIAL DO ALUNO

Com objetivo impulsionar a memorização e interesse do aluno, foi escolhido o


formato de “álbum de figurinhas”. Desde a introdução, cada atividade tem duas
páginas correspondentes como suporte. Na primeira página será apresentado um
breve texto introdutório das questões abordadas e na seguinte, um espaço

8
destinado a colar quatro figurinhas como incentivo visual das propostas que podem
ser fotografias icônicas de exemplo ou o passo-a-passo de uma proposta. No final
do álbum, reserva-se uma página para que o aluno possa colar a sua maneira nove
das doze figurinhas fotográficas fornecidas a mais e seis páginas (relativas a
quantidade de atividades) contendo um envelope do mesmo material do álbum com
um recorte transparente centralizado para que possam afixar as produções
realizadas. As três figurinhas restantes são destinadas a espaços indicados na capa
para que colem as que mais se identificaram, personalizando o objeto. Todas essas
“figurinhas” se correspondem com as apresentadas nesse artigo, bem como o texto
que dá-se num resumo simplificado dos conceitos aqui abordados.

 Livro/Apostila: formatado como um “álbum de figurinhas” interativo com


impressão off-set sobre papel reciclável A3 dobrado ao meio e afixado por
grampos de 250gr/m2 para resistir a aplicação de cola adesiva.
Número de folhas: 15
Quantidade: 1
 Adesivo alto colante colorido de fotografia com dimensão de 5,08x3,39cm
Quantidade: 40

9
10
4.2. MATERIAL DO PROFESSOR

Com o objetivo de auxiliar o professor para que conduza as aulas de forma eficiente,
está a sua disposição um livreto com informações aprofundadas dos temas
abordados presentes nesse artigo, contendo desde a introdução, uma página
destinada a cada atividade com perguntas disparadoras e questões chave a serem
alcançadas em cada vivência, assim como referências bibliográficas e de nomes de
fotógrafos possibilitando uma imersão no conteúdo para articular as atividades com
mais propriedade. A segunda página contará com o passo-a-passo ilustrado das
atividades direcionadas, também presentes neste artigo.

 Livreto compacto elaborado com impressão off-set sobre papel reciclável A4


dobrado ao meio e afixado por grampos com gramatura de 90gr/m2
 Exemplos de uma mesma fotográfica com revelação em mini-lab (nitrato de
prata), impressão off-set de gráfica, impressão com impressora doméstica,
impressão em papel couche e impressão Fine Art.

11
5. PROPOSTAS DE AULAS

Inicialmente junto a linguagem fotográfica, pode ser interessante ao mediador do


processo de aprendizagem exemplificar aos ouvintes de como vivemos em uma
sociedade totalmente voltada para a leitura de imagens e suas infinitas
interpretações, conscientizando os alunos de que tudo que enxergamos
imageticamente é uma representação de algo e causa no ser humano uma explosão
cognitiva intensa, seja ela consciente ou inconsciente.

6. AULA 01: INTRODUÇÃO A FOTOGRAFIA

É de extrema importância darmos o entendimento aos alunos sobre como a


fotografia surgiu e seus princípios físicos e tecnológicos, para que, de maneira mais
concreta e precisa, mais para frente possam utilizar seus recursos e esbanjar de
12
suas inúmeras vertentes, seja ela amadora ou profissional.

O intuito é que seja passado inicialmente o funcionamento de uma câmara escura, o


princípio da fotografia. Para tanto vamos criá-la em sala de aula, com materiais
básicos – tesoura, prego ou tachinha, folha de papel branca, fita adesiva larga, pano
preto e uma caixa de papelão – uma representação de como funciona o registro
fotográfico.

Juntamente com a execução prática deste exercício e o feitio de uma única câmara
para que a integração da sala seja maior, o professor poderá contextualizar os
dados básicos do início da fotografia, momento interessante para se abordar a
multidisciplinariedade desta arte que teve como começo descobertas na área da
física e química e seus reagentes sensíveis a luz, fazendo do processo algo de
extrema importância e demonstrando que inúmeras descobertas faz da fotografia
algo que não se designa a uma única pessoa em especial.

Fotografia (do grego [fós] "luz", e [grafis] "estilo", "pincel") ou seja, "desenhar com
luz". Por definição, é o ato de criar imagens por meio de exposição luminosa, em
uma superfície sensível.

A fotografia não foi criada por apenas uma pessoa, ela é composta por uma série de
descobertas e invenções, ao longo do tempo.

Químicos e físicos foram os pioneiros nesta técnica, com a descoberta dos


processos de revelação e fixação, numa associação de iluminação e produtos
químicos.

Porém, a primeira fotografia que se tem registro, foi feita por Joseph Nicéphore
Niépce, em 1826 na França.

13
Primeira fotografia, feita por Joseph Nicéphore Niépce, em 1826 na França.

‘’ A fotografia, logo que surgiu, não era considerada arte, e atualmente ainda existe
uma gama de opiniões adversas quanto a isso. Para alguns críticos, a fotografia não
pode ser considerada arte por conta da facilidade que existe em produzi-la, em
contrapartida, outros críticos acreditam que ela pode ser considerada como arte a
partir do momento em que ela é uma interpretação da realidade, e não apenas uma
cópia.’’ http://www.infoescola.com/artes/fotografia/

A câmara escura foi uma grande invenção que possibilitou a descoberta da câmera
fotográfica, a partir de ensinamentos da física, pois ambas funcionam como o olho
humano.

14
http://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%A2mera_escura

“Quando as imagens dos objetos iluminados penetram num compartimento escuro


através de um pequeno orifício e se recebem sobre um papel branco situado a uma
certa distância desse orifício, veem-se no papel, os objetos invertidos com as suas
formas e cores próprias.”
Leonardo da Vinci (1452-1519), in Codex Atlanticus sec.XVII

6.1. ATIVIDADE: A CAIXA PRETA; CABEÇA DE CAMÊRA

Materiais:

 1 caixa de papelão

 Tesoura

 Prego

 Folha de papel branca

 Fita adesiva escura

15
 Tecido preto

Método de execução:

 De um lado da caixa cole a folha de papel

 Do outro lado, na parte inferior, faça um furo bem pequeno (é importante


certificar-se de que a caixa seja grande o suficiente para que o furo fique
posicionado acima da cabeça)

16
 Na parte de baixo, recorte um círculo aproximadamente do tamanho de sua
cabeça

 Oculte todas as frestas com a fita adesiva, por dentro e por fora, para que não
entre luz

Agora é só inserir sua cabeça dentro da câmara, cobrir o pescoço com o pano preto
e se posicionar de costas para um objeto ou lugar bem iluminado.

Ela pode ser feita em sala de aula, ou levada pronta, com o intuito de explorá-la
coletivamente com os alunos. É interessante um debate ser feito posteriormente,
levantando questões sobre as imagens observadas por cada um, assim como o
processo da camara escura.

- Comente sobre as imagens observadas. Deu para identifica-las? O que acharam?

- Vocês sabiam que a câmera fotográfica havia partido desse processo?

- Qual a ligação entre arte e fotografia pra vocês?

Recriada a partir de: http://fotografiaparatodos.com.br/educadores/?p=36

17
7. AULA 02: A METAFOTOGRAFIA

Aqui pretendemos esboçar um encontro lúdico entre os alunos e a fotografia,


ainda não vinculado necessariamente ao ato fotográfico, mas que exponha a
fotografia com uma coleção de vestígios, uma representação objetiva, portanto
daremos enfoque na perda e na permanência dos elementos, dos vestígios daquilo
que se quis fotografar, do que foi fotografado sem premeditação, do objeto em si, de
um simples fenômeno, do sujeito que fotografa, do ato fotográfico, de um ponto de
vista, de um enquadramento, do tratamento posterior, do material fotográfico
específico, das condições técnicas, do passado do objeto, do passado da foto, do
sujeito fotografado, etc.

7.1 ATIVIDADE: PERCEPÇÂO DE TOQUE

No primeiro momento haverá uma discussão proposta pelo professor na qual ele
pergunta a sala o que é a fotografia, como pergunta disparadora, gerando um
debate com a sala inteira e anotando simultaneamente numa lousa todas essas
respostas. A questão chave é utilizar essas respostas de forma a direciona-los a
perceber que a fotografia não é só um objeto e que a exposição ou destino dessa

18
passa por um longo processo de elaboração que abrange desde a concepção do
fotógrafo (objetivo/objeto), a realização (ato), a materialização (destino da imagem) e
sua recepção em algum seguimento social (resultado). Como o objetivo e o ato do
fotografo serão abordados nas atividades seguintes, o foco desta será nos diversos
tipos de suporte e de exposição fotográfica. Num segundo momento os alunos
utilizarão um laboratório de informática, onde serão instruídos a pesquisar na
internet diferentes formas de revelação e impressão da fotografia. Como pergunta
disparadora de auxílio do professor para incentivar os alunos, pode se questionar:
Onde se costuma ver fotografia? De forma com que descubram vários tipos de
suporte, como revistas, jornais e exposições de fotografia ou de arte. Como
momento final, o professor utilizará as diferentes revelações e impressões de uma
mesma fotografia disponível no material fornecido para deixar os alunos
manipularem e sentirem a diferença de texturas e visualizações disponíveis,
finalizando com um debate sobre suas impressões sobre a experiência

Recursos: Revelações do material do professor e laboratório de informátic

8. AULA 03: AGINDO FOTOGRAFICAMENTE

Nesta atividade sugerimos a produção de uma câmara escura, como na primeira


atividade, porém esta será individualizada, cada aluno fará a sua própria “máquina

19
fotográfica” e a posicionará em algum lugar da escola, de acordo com a intenção
que se tem de registrar o fato. Em seguida o grupo juntamente com o docente farão
um passeio entre todas as instalações e criarão um debate geral sobre cada
trabalho apresentado.

8.1. ATIVIDADE: FOTO-INSTALAÇÂO

Materiais:

 1 caixa de sapato

 Fita adesiva

 Tesoura

 3 bastões (cabos de vassoura, bambu, cano de pvc...)

Método de execução:

 De um lado da caixa faça um furo aproximadamente do tamanho do seu olho.


Do lado oposto corte um retângulo de aproximadamente 5cm x 3cm.

 Faça um furo embaixo da caixa onde serão colocados os bastões de sua


escolha

20
 Una-os com fita adesiva (ou barbante)

 Encaixe-os no furo e fixe bem com a fita adesiva

 Desta forma:

21
 Posicione a "máquina fotográfica" no lugar desejado e sua foto-instalação
está pronta!

Atividade recriada a partir de: http://fotografiaparatodos.com.br/educadores/?p=73

Em seguida, o grupo juntamente com o docente fará um passeio entre todas as


instalações e criarão um debate geral sobre cada trabalho apresentado.

Questões como o enquadramento, intenção da fotografia, elementos inseridos na


imagem devem ser questionados e debatidos por todos, e como é possível aprender
e interagir em uma aula de fotografia, sem necessariamente a utilização de uma
câmera fotográfica.

 Qual foi sua intenção ao escolher tal posicionamento da câmara?


(Enquadramento, elementos na imagem, jogo de luz...)
 O que achou das outras instalações?
 Como o olhar fotográfico pode ser exercitado sem uma câmera?

9. AULA 04– OBJETO-PRETEXTO

Aqui acontece o primeiro contato com o equipamento tradicional, afim de se produzir


imagens na prática, na qual propomos a exploração do objeto pretexto. Ele envolve
a escolha de um objeto ou situação para evidenciar a técnica do fotógrafo, assim,
esse momento será destinado a praticar principalmente técnicas de composição da
imagem e de exposição (claro/escuro) para que os alunos comecem a perceber
quando uma situação é propicia ou não para uma fotografia interessante, de modo
com que tenham uma base para as atividades seguintes.
22
Imagens de Referência:

Steve Mccury - Buddhism - Zhengzhou, China

Helmut Newton – Portrait of July Delphi

23
Annie Leibovitz – Portrait of Natalia Vodianova

9.1. ATIVIDADE: DE QUADRO EM QUADRO

Em sala de aula, o professor deve apresentar na aula a regra de três, noção básica
de composição, exemplificada com imagens num projetor assim como exemplos de
um mesmo enquadramento com exposições diferentes e a presença de luz e
sombra na fotografia.

Posteriormente os alunos terão disponíveis câmeras emprestadas que serão


revezadas de semana em semana entre eles para exercitar esses exemplos no seu
dia a dia, de forma com que em sala de aula os resultados obtidos sejam projetados
para que as percepções sejam discutidas com todos alunos.

Materiais:

 10 câmeras fotográficas
 1 projetor
 1 tela de projeção
 1 computador com Adobe Photoshop

24
10. AULA 05: OBJETO-PROBLEMA

O objeto problema é a busca de um objeto conceitual imaterial por meio de um


objeto particular. Já que existe uma impossibilidade de apreensão fiel da realidade
por meio da fotografia como foi mencionado anteriormente, desvincularemos essa
ilusão para uma busca relevante sensorial que enfatize a criação e o exercício
intelectual dos alunos. Como exemplo, poderíamos dizer “o objeto problema
escolhido é a alimentação”, partindo disso, não se fotografaria um sujeito
alimentando-se, pois possibilitaria uma gama extensa e mais abrangente do que o
tema envolve como a origem do alimento, o plantio, o fornecimento, o transporte, o
comercio, a variedade cultural, dentro outros.

10.1 ATIVIDADE: O QUE VOCÊ QUISER

Os alunos serão orientados a escolher um tema amplo que tenham afinidade. Na


primeira aula, deverão escrever um texto enumerando tópicos de possíveis coisas

25
que encaixem no tema escolhido. Na segunda aula as câmeras serão emprestadas
revezando de 15 em 15 minutos entre os alunos para que fotografem no ambiente
da escola algo vinculado ao tema de sua escolha, as fotografias serão
descarregadas no final da aula pelo professor. Na segunda aula, cada aluno terá sua
fotografia projetada para dizer para os outros alunos o tema escolhido, os tópicos
que havia enumerado relacionando com o resultado final, este também será um
espaço de debate para relembrar o conhecimento adquirido nas outras atividades e
a influência delas na fotografia. Posteriormente a atividade será repetida da mesma
forma porém os alunos poderão praticar fora da escola com a câmera emprestada.

Materiais:

 10 câmeras fotográficas
 1 projetor
 1 tela de projeção
 1 computador com Adobe Photoshop

Imagens de referência:

Ansel Adams (fotógrafo de paisagem), The Tetons and the Snake River (1942)

26
Robert Capa (fotojornalista) - Guerra Civil da Espanha (1936-1939)

Philippe Haslman (fotógrafo retratista), Dalí Atomicus (1948)

Richard Avedon (fotógrafo de moda), Dovima with the Elephants (1955)

27
11.AULA 06: OBJETO - ESSÊNCIA

Como atividade final direcionaremos a busca do objeto a um sentido mais de ação


do que de intelecto, o que poderia se chamar de “objeto essência”. O objeto
essência constitui a fábula de capturar um acontecimento característico único e
escapista. Seria assim como uma caça a um momento específico na qual o fotógrafo
deveria agir rápido e estar preparado pois é a soma de seu ritmo com o fluxo do que
acontece ao seu redor, de modo com que ele encontre uma estrutura ao redor do
que deseja retratar para que valorize o objeto em potencial.

Fotografias de referência:

Henri Cartier Bresson – O instânte decisivo

Robert Doisneau – Le Baiser de l'Hotel de ville

28
George Rodger - Fair Robert Stone on the 1960s

11.1 ATIVIDADE: CAÇA FOTOGRÁFICA

Na primeira aula os alunos serão orientados a andar pela escola anotando situações
rápidas e passageiras que viram no caminho. Ao final, deverão um de cada vez
escrever na lousa o acontecimento que mais lhes chamou atenção. Serão
projetadas fotografias de exemplo na lousa retirando o objeto principal da fotografia
para que dar atenção a estrutura que está ao redor deste. Após finalizado, haverá
um debate sobre as impressões da sala. Na segunda aula as câmeras serão
emprestadas revezando de 15 em 15 minutos entre os alunos para que fotografem
no ambiente da escola um momento escapista levando em consideração as técnicas
aprendidas nas atividades anteriores, as fotografias serão descarregadas no final da
aula pelo professor. Na segunda aula, cada aluno terá sua fotografia projetada para
dizer para os outros alunos porque se interessou pelo acontecimento registrado e
como fez para ressaltar o objeto central da foto. Posteriormente a atividade será
repetida da mesma forma porém os alunos poderão praticar fora da escola com a
câmera emprestada.

Materiais:

 10 câmeras fotográficas
 1 projetor
 1 tela de projeção
 1 computador com Adobe Photoshop

29
 1 lousa com giz

BIBLIOGRAFIA

TARKOVSKY, Andrei Arsenevich. Esculpir o tempo. Ediora Martins, 1998.

FREINET, Célestin. Pedagogia do Bom Senso. São Paulo: Martins Fontes,1996.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e Processos de Criação. Rio de Janeiro: Editora


Vozes, 1977.

CAMPANY, David; HACKING, Juliet. Tudo sobre fotografia. Editora Sextante,


2012.

RAMALHO, Jose Antonio. Escola de Fotografia. Editora Elsevier, 2013.

SOULAGES, François. Estética da fotografia. Senac São Paulo, 2005.

FLUSSER, Vilém. A filosofia da caixa preta. Editora Annablume, 1983.

SONTAG, Susan. Sobre fotografia. Companhia das Letras, 1977.

BASTOS, Ana. A fotografia como retrato da sociedade. Artigo, 2014.

Artigos
SOSNOWSKI, Katyúscia. Fotografia na Escola: Ampliando Olhares. Artigo. 2012.

BASTOS, Ana. A fotografia como retrato da sociedade. Artigo. 2014

30
WEFFORT, Madalena Freire. O registro e a reflexão do educador. São Paulo:
publicação pedagógica,1992.

Links:

http://fotografiaparatodos.com.br/home

http://artenaescola.org.br/sala-de-leitura/artigos/artigo.php?id=69369&

http://www.infoescola.com/artes/fotografia/

http://www.sbfisica.org.br/fne/Vol8/Num2/v08n02a05.pdf

http://www.sbfisica.org.br/fne/Vol8/Num2/v08n02a05.pdf

http://www.magnumphotos.com

31