Você está na página 1de 9

PROGRAMA FORMAÇÃO PELA ESCOLA

José Aristides da Silva Gamito

OS DESAFIOS E ENTRAVES DE FUNCIONAMENTO


DOS CONSELHOS NO EXERCÍCIO DO CONTROLE SOCIAL

Frederico de Araújo Toledo

Conceição de Ipanema – MG
2018
José Aristides da Silva Gamito

OS DESAFIOS E ENTRAVES DE FUNCIONAMENTO


DOS CONSELHOS NO EXERCÍCIO DO CONTROLE SOCIAL

Trabalho final de conclusão do Curso


Competências Básicas no âmbito do Programa
Formação pela Escola.

Frederico de Araújo Toledo

Conceição de Ipanema – MG
2018
RESUMO

O presente trabalho parte do conceito de controle social para analisar a atuação dos conselhos
municipais do FUNDEB e do CAE no município de Conceição de Ipanema (MG). São
coletados dados de funcionamento dos conselhos como frequência de reunião, pautas e
autonomia para medir o grau de eficiência do trabalho dos conselheiros. Em seguida, são
discutidos esses resultados à luz do conceito de controle social.

Palavras-chave: Controle social. Conselho do FUNDEB. Conselho do CAE. Conceição de


Ipanema. Minas Gerais.
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO...........................................................................................................04
2. CONCEITO DE CONTROLE SOCIAL ................................................................ 04
3. ATUAÇÃO DOS CONSELHOS EM CONCEIÇÃO DE IPANEMA ................. 05
4. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS ........................................................................ 06
5. OS ENCAMINHAMENTOS PRÁTICOS E SOLUÇÕES ................................... 07
6. CONSIDERAÇÕES FINAIS ................................................................................... 08
7. REFERÊNCIAS ........................................................................................................ 08
4

1. INTRODUÇÃO

Neste trabalho, discutimos sobre a importância dos conselhos municipais da educação para
a efetivação da democracia nas políticas públicas. Iniciamos com a conceituação de controle
social e falamos de sua importância nos municípios. Em seguida, tomamos dados dos
conselhos municipais do FUNDEB e do CAE do município de Conceição de Ipanema (MG).
Avaliamos a atuação desses conselhos e se eles, de fato, cumprem a função de controle social.
O objetivo deste levantamento é contribuir para melhoria do funcionamento dos conselhos
no município observado. Os conselhos são um instrumento importante da democracia para
garantir a efetividade das políticas públicas.

1. CONCEITO DE CONTROLE SOCIAL

Os gastos públicos no Estado democrático de Direito dependem de transparência. Os


governantes são eleitos pelo povo para representar seus interesses, mas a responsabilidade de
corresponder a esta delegação de poderes é dos políticos. Porém, a população não pode ficar à
margem dessas decisões. Os membros do executivo podem, por exemplo, não demonstrar
responsabilidade na aplicação dos recursos públicos da educação. Além disso, os cidadãos
estão constantemente comprometidos com sua rotina, por isso, é necessário criar um
mecanismo de controle e de acompanhamento das ações do governo por parte da população.
Para isso, alguns cidadãos precisam se disponibilizar para acompanhar se o governo está
agindo com responsabilidade e transparência.
No sistema de gestão da educação nacional do FNDE (Fundo Nacional para
Desenvolvimento da Educação), existe o conceito de controle social. A população
representada por um conselho acompanha e controla os gastos dos gestores da educação. A
sociedade civil não somente acompanhar os gastos, mas também as decisões que são tomadas
nas políticas educacionais.
A figura dos conselhos gestores de políticas públicas é possível por causa do
compromisso com a gestão participativa que o espírito da Constituição Federal de 1988
possibilitou. A partir da década de 90 esses conselhos cresceram no país. Esses conselhos
possuem as principais características: formação plural; representação do Estado e da
sociedade civil; natureza deliberativa, consultiva, fiscalizadora e mobilizadora.1 Isso significa

1
BRASIL, FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação). Cadernos de Estudos do Curso
Competências Básicas/FNDE. Brasília: FNDE, 2018, p. 116.
5

que seus membros são representantes oriundos do executivo e também da sociedade civil e
que tem o poder de controlar, acompanhar e interferir nas ações do governo municipal.
Os conselhos têm como função maior impulsionar a eficiência nas políticas públicas. Eles
são a sociedade cobrando responsabilidade e resultados do governo. Eles contrabalanceiam a
força da autoridade do executivo para que ele não haja fora dos interesses da sociedade. A
transparência e a consolidação da democracia são dois objetivos que podem e precisam ser
alcançados por eles.
Os programas do FNDE são acompanhados por conselhos no âmbito dos municípios. O
controle social é exercido pelo conselho do FUNDEB, do conselho de alimentação escolar e
pelas unidades executoras próprias das escolas. O conselho do FUNDEB é composto por 9
membros incluindo servidores indicados pelo executivo e membros da comunidade escolar
(pais, professores e alunos). Essas pessoas não são remuneradas. E seus membros têm como
função acompanhar e o controlar “a repartição, a transferência e a aplicação dos recursos do
Fundo.” Todas as verbas que o governo federal repassar para os municípios neste fundo dever
ser conhecidas pelo conselho e, principalmente, acompanhadas em sua execução.2
O Conselho de Alimentação Escolar é um conselho deliberativo e de controle social que
acompanha a aplicação de recursos na merenda escolar. Os conselhos escolares são outra
forma de acompanhamento da gestão educacional. Eles ajudam a decidir e a acompanhar as
decisões administrativas e de aplicação de recursos das unidades escolares. 3 Portanto, os
conselhos são a extensão da comunidade “vigiando” o que o prefeito e o secretário de
educação estão fazendo com o dinheiro da educação.

2. A ATUAÇÃO DOS CONSELHOS DE CONCEIÇÃO DE IPANEMA

O poder de atuação é assegurado pela legislação vigente. O seu funcionamento pleno e


eficaz depende de cada realidade. Mas em muitos municípios brasileiros esses conselhos
enfrentam dificuldades em serem, de fato, controladores sociais. No caso do município de
Conceição de Ipanema (MG) vamos analisar o funcionamento do Conselho do FUNDEB e do
Conselho de Alimentação Escolar.
O Conselho Municipal de Acompanhamento e Controle Social do FUNDEB do município
de Conceição de Ipanema foi criado pelo Decreto nº 023/1998. O decreto já incluía a paridade
dos membros e dizia no artigo 5º que eles teriam autonomia em suas decisões. A

2
BRASIL, 2018, p. 118-119.
3
BRASIL, 2018, p. 120-121.
6

periodicidade das reuniões seria mensal (artigo 6º). A primeira reunião aconteceu a 30 de
março de 2001. Portanto, são 17 anos de funcionamentos.4 A nossa proposta é analisar a sua
atuação a partir dos livros de atas, verificando a periodicidade das reuniões e as pautas
debatidas. Procedimento idêntico nós aplicaremos ao Conselho de Alimentação Escolar.
Em consulta ao livro de atas do Conselho do FUNDEB constatamos que entre 2001 e 2018
aconteceram apenas 19 reuniões.5 A média foi de duas reuniões por ano, sendo que a previsão
da lei de criação era de 10 por ano (excluímos os dois meses de férias e de recesso escolar).
Das 170 reuniões previstas em 17 anos apenas 19 foram realizadas (apenas 0,11%). As pautas
dessas reuniões se reduziram ao mínimo inevitável: A recomposição do conselho e a emissão
de pareceres. Portanto, a atuação do conselho quanto à periodicidade e à pauta é baixa.
Já o Conselho de Alimentação Escolar foi instalado a 18 de setembro de 1996. O artigo 13
de seu Regimento Interno fixava a periodicidade de suas reuniões na segunda semana de cada
mês. Em 22 anos, o conselho deveria ter realizado 220 reuniões, mas realizou somente 23.6
Seu índice de reunião foi de 10% do previsto no Regimento durante o período analisado com
base no livro de ata do conselho. Além disso, as pautas das reuniões tratam da recomposição
do conselho e por assuntos provocados pelo FNDE.
De modo geral, os dois conselhos analisados do município de Conceição de Ipanema têm
registros de pouca iniciativa e baixa frequência de reuniões. As pautas são as mínimas
obrigatórias ou são provocadas por órgãos externos. Embora, não existam dados tangíveis
para comprovar este ponto. Mas a formação do conselho ao longo dos anos foi composta por
pessoas que militavam politicamente a favor do prefeito. A instrução dos conselheiros nunca
foi uma preocupação. Nunca houve registro de treinamentos para os conselheiros promovidos
pela administração. O apoio com infraestrutura é mínimo: São disponibilizados uma sala,
computador e internet para as reuniões.
Com a organização, a atividades e as iniciativas insatisfatórias dos conselhos, percebemos
também que eles possuem pouca autonomia. A variação de sua autonomia e atuação depende
da abertura do gestor. Portanto, a função de acompanhamento e controle social dos gastos

3. DISCUSSÃO DE RESULTADOS

4
CONCEIÇÃO DE IPANEMA, Município de. Registro de Decreto e Estatuto do Conselho Municipal de
Acompanhamento e Controle Social do FUNDEB. Conceição de Ipanema: Prefeitura Municipal, 1998, p. 1-4.
5
CONCEIÇÃO DE IPANEMA, 1998, p. 1-23.
6
CONCEIÇÃO DE IPANEMA, Município de. Registro de Atas para as reuniões do Conselho Municipal de
Alimentação Escolar. Conceição de Ipanema: Prefeitura Municipal, 1996, p. 1-22.
7

A autonomia dos conselhos pode ser pensada em dois sentidos. O primeiro deles é a
infraestrutura e envolve a existência de espaço físico com materiais de escritório,
equipamentos e utensílios necessários para as atividades do conselho. O segundo deles é o
aspecto administrativo e consiste na alocação de funcionários e assessores para auxiliar nas
atividades dos conselhos.7 Os conselhos municipais de Conceição de Ipanema não possuem
espaço físico próprio, utilizam salas e equipamentos da secretaria municipal de educação e,
além disso, não contam com funcionários cedidos para auxiliá-los.
O processo de escolha dos conselheiros segue a legislação, mas contém vícios. Os
segmentos representados nos conselhos não consultam seu público para indicar um membro.
A composição do conselho é controlada indiretamente pelo poder executivo. Portanto, a
pluralidade partidária fica comprometida. A indicação de pessoas de confiança tem como
intenção colocar pessoas no conselho que defendam o interesse do poder executivo.
A efetividade do trabalho dos conselhos fica comprometida porque não possuem
iniciativa, nem autonomia. Muitos membros são inativos e só assinam as atas e os pareceres
sem conhecimento profundo e o acompanhamento das decisões do poder público municipal.
Portanto, o grau de controle social deles se torna baixo e ineficiente.

4. OS ENCAMINHAMENTOS PRÁTICOS E SOLUÇÕES

Para um caso de baixa efetividade como o dos conselhos do município de Conceição de


Ipanema, a primeira iniciativa seria dar visibilidade a estes conselhos. Eles precisam ser
apresentados à população. Os cidadãos precisam saber que existem os conselhos e qual a
função deles. Suas reuniões devem acontecer com periodicidade e publicidade.
A internet pode ser um meio de dar visibilidade aos conselhos. A agenda de reuniões e as
pautas podem ser divulgadas no site oficial da prefeitura. Além disso, o processo de escolha
dos conselhos deve respeitar mais o princípio da paridade e excluir qualquer tentativa de
formação de um grupo manipulável pelo poder executivo. Quanto mais publicidade for dada
ao conselho, mais transparente e independente ele será.
A autonomia administrativa é muito importante. Alguns municípios possuem a experiência
da “casa dos conselhos”. É um departamento onde se reúnem a parte executiva e
administrativa de todos os conselhos municipais. O fato de ter um espaço autônomo com

7
FRITZEN, Adriano; BIEGER, Thiago Beniz; ALLEBRANDT, Sérgio Luís; HINNAH, Daniel; THESING
Nelson José. Controle social e Conselhos Municipais: O caso do Conselho Municipal de Saúde de Santa Rosa
/RS. Espacios, v. 38, n. 03, 2017, p. 20.
8

equipamentos e funcionários cedidos para auxiliar na burocracia dá visibilidade e identidade


aos conselhos. Isso é fundamental para melhorar seu desempenho.

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

O ente federado com mais problemas de consolidação da democracia são os


municípios, principalmente, aqueles menores. A relação entre o poder e a população é muito
próxima e isso impede a impessoalidade do Estado. As decisões são muito monocráticas e a
população não é estimulada a participar. A ausência de uma imprensa independente também
faz falta.
Portanto, os conselhos municipais precisam de um apoio para realizar seu trabalho de
modo eficiente. No caso de Conceição de Ipanema constatamos a necessidade de
reestruturação, de formação dos conselheiros e mais autonomia. Sem a atuação dos conselhos
a educação municipal fica à mercê de interesses particulares e seu desenvolvimento fica
comprometido. A meta 18 do Plano Nacional de Educação (PME) prevê a efetivação da
gestão democrática na educação e os conselhos têm um papel importante na descentralização
do poder nos municípios. A esperança é que o PME desperte os governantes e a população
para os reparos necessários que a nossa democracia precisa.

REFERÊNCIAS

BRASIL, FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação). Cadernos de Estudos


do Curso Competências Básicas/FNDE. Brasília: FNDE, 2018.

CONCEIÇÃO DE IPANEMA, Município de. Registro de Atas para as reuniões do Conselho


Municipal de Alimentação Escolar. Conceição de Ipanema: Prefeitura Municipal, 1996.

_______________________, Município de. Registro de Decreto e Estatuto do Conselho


Municipal de Acompanhamento e Controle Social do FUNDEB. Conceição de Ipanema:
Prefeitura Municipal, 1998.

FRITZEN, Adriano; BIEGER, Thiago Beniz; ALLEBRANDT, Sérgio Luís; HINNAH,


Daniel; THESING Nelson José. Controle social e Conselhos Municipais: O caso do Conselho
Municipal de Saúde de Santa Rosa /RS. Espacios, v. 38, n. 03, 2017.