Você está na página 1de 11

RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES

1 RESOLUÇÃO

Trata-se de afirmativas a respeito da NBC TP 01 – Perícia Contábil. Devemos


assinalar a alternativa CORRETA. Para isto vamos analisar cada alternativa.

Alternativa A. INCORRETA. O perito-assistente pode, tão logo tenha


conhecimento da perícia, manter contato com o perito do juízo, colocando-se à
disposição para a execução da perícia em conjunto.

Alternativa B. INCORRETA. O item 5 da norma em questão cita que:

A perícia judicial é exercida sob a tutela do Poder Judiciário. A perícia


extrajudicial é exercida no âmbito arbitral, estatal ou voluntária. A perícia
arbitral é exercida sob o controle da lei de arbitragem. Perícias oficial e estatal
são executadas sob o controle de órgãos de Estado. Perícia voluntária é
contratada, espontaneamente, pelo interessado ou de comum acordo entre as
partes.

Alternativa C. INCORRETA. A perícia voluntária é contratada pelo interessado


ou de comum acordo entre as partes, conforme já citado no esclarecimento da
alternativa B: “Perícia voluntária é contratada, espontaneamente, pelo
interessado ou de comum acordo entre as partes”.

Alternativa D. CORRETA. Trata-se do item 27 da NBC TP 01:

2 Resolução:

Trata-se dos procedimentos periciais contábeis visam fundamentar o laudo


pericial contábil e o parecer técnico-contábil e abrangem total ou parcialmente,
segundo a natureza e a complexidade da matéria, exame, vistoria, indagação,
investigação, arbitramento, mensuração, avaliação e certificação.

A sequência correta é:

(2)A mensuração é o ato de qualificação e quantificação física de coisas,


bens, direitos e obrigações.

(3) A avaliação é o ato de estabelecer o valor de coisas, bens, direitos,


obrigações, despesas e receitas.

(4)O arbitramento é a determinação de valores, quantidades ou a solução de


controvérsia por critério técnico-científico.
(1)A vistoria é a diligência que objetiva a verificação e a constatação de
situação, coisa ou fato, de forma circunstancial.

(5)A indagação é a busca de informações mediante entrevista com


conhecedores do objeto ou de fato relacionado à perícia.

Ainda temos os seguintes procedimentos periciais:

O exame é a análise de livros, registros de transações e documentos.

A investigação é a pesquisa que busca trazer ao laudo pericial contábil ou


parecer técnico-contábil o que está oculto por quaisquer circunstâncias.

A certificação é o ato de atestar a informação trazida ao laudo ou ao parecer


pelo perito.

Gabarito: Alternativa D.

3 Resolução:

Trata-se de casos de impedimento e suspeição que estão presentes na NBC


PP 01 e no Código de Processo Civil. Vamos analisar cada alternativa e
assinalar a que esteja INCORRETA.

Alternativa A, e B estão de acordo com o item 16 da NBC PP


01.Portanto CORRETAS.

Os casos de suspeição a que está sujeito o perito do juízo são os seguintes:

(a) ser amigo íntimo de qualquer das partes;

(b) ser inimigo capital de qualquer das partes;

(c) ser devedor ou credor em mora de qualquer das partes, dos seus cônjuges,
de parentes destes em linha reta ou em linha colateral até o terceiro grau ou
entidades das quais esses façam parte de seu quadro societário ou de direção;

(d) ser herdeiro presuntivo ou donatário de alguma das partes ou dos seus
cônjuges;

(e) ser parceiro, empregador ou empregado de alguma das partes;

(f) aconselhar, de alguma forma, parte envolvida no litígio acerca do objeto da


discussão; e
(g) houver qualquer interesse no julgamento da causa em favor de alguma das
partes.

Alternativa C. INCORRETA. Vejamos o que nos cita o item 17 da NBC PP 01:

O perito pode ainda declarar-se suspeito por motivo íntimo.

Percebam que a alternativa foi de encontro ao disposto na Norma em questão.

Alternativa D. Está CORRETA. De acordo com o artigo 13 da NBC PP 01:

O perito do juízo deve se declarar impedido quando não puder exercer suas
atividades, observados os termos do Código de Processo Civil.

Gabarito: Alternativa C.

4 Resolução:

A questão aborda o artigo 156 do Código de Processo Civil. Vamos analisar


cada alternativa e assinalar aquela que seja INCORRETA.

Alternativa A. CORRETA. Está de acordo com o disposto no parágrafo 5º do


artigo em questão:

“Na localidade onde não houver inscrito no cadastro disponibilizado pelo


tribunal, a nomeação do perito é de livre escolha pelo juiz e deverá recair sobre
profissional ou órgão técnico ou científico comprovadamente detentor do
conhecimento necessário à realização da perícia”.

Alternativa B. CORRETA. De acordo com o parágrafo 1º :

“Os peritos serão nomeados entre os profissionais legalmente habilitados e os


órgãos técnicos ou científicos devidamente inscritos em cadastro mantido pelo
tribunal ao qual o juiz está vinculado”.

Alternativa C. INCORRETA. Não há esta exigência. Na verdade o Perito deve,


após a ciência em sua nomeação, comprovar a especialização. Conforme
disposto no artigo 465 do Código de ProcessoCivil:

Art. 465. O juiz nomeará perito especializado no objeto da perícia e fixará de


imediato o prazo para a entrega do laudo.

 1o Incumbe às partes, dentro de 15 (quinze) dias contados da intimação


do despacho de nomeação do perito:
I – arguir o impedimento ou a suspeição do perito, se for o caso;

II – indicar assistente técnico;

III – apresentar quesitos.

 2o Ciente da nomeação, o perito apresentará em 5 (cinco) dias:

I – proposta de honorários;

II – currículo, com comprovação de especialização;

III – contatos profissionais, em especial o endereço eletrônico, para onde serão


dirigidas as intimações pessoais.

Importante também citar que o Conselho Nacional de Justiça regulamentou


sobre o cadastro de Peritos, conforme texto abaixo:

Aprovada sob a relatoria do conselheiro Carlos Levenhagen, a resolução


regulamenta a criação e manutenção do Cadastro Eletrônico de Peritos e
Órgãos Técnicos ou Científicos (CPTEC), que deve ser implementado nos
tribunais para garantir agilidade operacional na seleção e escolha dos peritos e
para padronizar e otimizar o controle de informações sobre a contratação de
profissionais e de órgãos prestadores de serviços. O CPTEC permitirá o
gerenciamento e a escolha de interessados, que formarão lista de profissionais
e de órgãos aptos à prestação de serviços, dividida por área de especialidade e
por comarca de atuação.

Caberá a cada tribunal validar o cadastramento e a documentação apresentada


pelos interessados, e é vedada a nomeação de profissional ou de órgão que
não esteja regularmente cadastrado. Nas localidades onde não houver inscrito
no cadastro disponibilizado pelo tribunal, a nomeação do perito será de livre
escolha pelo juiz e deverá recair sobre profissional ou órgão técnico ou
científico comprovadamente detentor do conhecimento necessário à realização
da perícia (artigo 156, parágrafo 5 do CPC).

Alternativa D. CORRETA. Está de acordo com o disposto no artigo 156 do


Código de Processo Cívil, que para fins didáticos será apresentado na integra.

Art. 156. O juiz será assistido por perito quando a prova do fato depender de
conhecimento técnico ou científico.

 1o Os peritos serão nomeados entre os profissionais legalmente


habilitados e os órgãos técnicos ou científicos devidamente inscritos em
cadastro mantido pelo tribunal ao qual o juiz está vinculado.
 2o Para formação do cadastro, os tribunais devem realizar consulta
pública, por meio de divulgação na rede mundial de computadores ou em
jornais de grande circulação, além de consulta direta a universidades, a
conselhos de classe, ao Ministério Público, à Defensoria Pública e à
Ordem dos Advogados do Brasil, para a indicação de profissionais ou de
órgãos técnicos interessados.
 3o Os tribunais realizarão avaliações e reavaliações periódicas para
manutenção do cadastro, considerando a formação profissional, a
atualização do conhecimento e a experiência dos peritos interessados.
 4o Para verificação de eventual impedimento ou motivo de suspeição,
nos termos dos arts. 148e 467, o órgão técnico ou científico nomeado
para realização da perícia informará ao juiz os nomes e os dados de
qualificação dos profissionais que participarão da atividade.
 5o Na localidade onde não houver inscrito no cadastro disponibilizado
pelo tribunal, a nomeação do perito é de livre escolha pelo juiz e deverá
recair sobre profissional ou órgão técnico ou científico comprovadamente
detentor do conhecimento necessário à realização da perícia.

Gabarito: Alternativa C.

5 Resolução:

Trata-se da terminologia disposta na NBC TP 01 – Perícia Contábil. Esta


terminologia está presente entre os itens 55 e 64 da norma em questão. Vamos
avaliar cada item disposto na questão e ordenar de forma correta.

(1) – Síntese do objeto da perícia e resumo dos autos: O relato ou a


transcrição sucinta, de forma que resulte em uma leitura compreensiva dos
fatos relatados sobre as questões básicas que resultaram na nomeação ou na
contratação do perito.

(4) – Metodologia: conjunto dos meios dispostos convenientemente para


alcançar o resultado da perícia por meio do conhecimento técnico-científico, de
maneira que possa, ao final, inseri-lo no corpo técnico do laudo e parecer.

(3) – Critério:é a faculdade que tem o perito de distinguir como proceder em


torno dos fatos alegados para julgar ou decidir o caminho que deve seguir na
elaboração do laudo e do parecer.

(2 )- Forma Circunstanciada: a redação pormenorizada, minuciosa, efetuada


com cautela e detalhamento em relação aos procedimentos e aos resultados
do laudo e do parecer.

Alem destas terminologias ainda temos:

Diligência: todos os atos adotados pelos peritos na busca de documentos,


coisas, dados e informações e outros elementos de prova necessários à
elaboração do laudo e do parecer, mediante termo de diligência, desde que tais
provas não estejam colacionadas aos autos. Ainda são consideradas
diligências as comunicações às partes, aos peritos-assistentes ou a terceiros,
ou petições judiciais.

Conclusão: é a quantificação, quando possível, do valor da demanda,


podendo reportar-se a demonstrativos apresentados no corpo do laudo e do
parecer ou em documentos. É na conclusão que o perito registrará outras
informações que não constaram na quesitação, porém, encontrou-as na busca
dos elementos de prova inerentes ao objeto da perícia.

Apêndices: são documentos elaborados pelo perito contábil; e Anexos são


documentos entregues a estes pelas partes e por terceiros, com o intuito de
complementar a argumentação ou elementos de prova.

Palavras e termos ofensivos: o perito que se sentir ofendido por expressões


injuriosas, de forma escrita ou verbal, no processo, poderá tomar as seguintes
providências:

(a) sendo a ofensa escrita ou verbal, por qualquer das partes, peritos ou
advogados, o perito ofendido pode requerer da autoridade competente que
mande riscar os termos ofensivos dos autos ou cassada a palavra;

(b) as providências adotadas, na forma prevista na alínea (a), não impedem


outras medidas de ordem civil ou criminal.

Esclarecimentos: havendo determinação de esclarecimentos do laudo ou do


parecer sem a realização de audiência, o perito deve fazer, por escrito,
observando em suas respostas os mesmos procedimentos adotados quando
da feitura do esclarecimento em audiência, no que for aplicável.

Os peritos devem, na conclusão do laudo e do parecer, considerar as formas


explicitadas nos itens seguintes:

(a) omissão de fatos: o perito do juízo não pode omitir nenhum fato relevante
encontrado no decorrer de suas pesquisas ou diligências, mesmo que não
tenha sido objeto de quesitação e desde que esteja relacionado ao objeto da
perícia;

(b) a conclusão com quantificação de valores é viável em casos de:


apuração de haveres; liquidação de sentença, inclusive em processos
trabalhistas; resolução de sociedade; avaliação patrimonial, entre outros;

(c) pode ocorrer que, na conclusão, seja necessária a apresentação de


alternativas, condicionada às teses apresentadas pelas partes, casos em que
cada uma apresenta uma versão para a causa. O perito deve apresentar as
alternativas condicionadas às teses apresentadas, devendo, necessariamente,
ser identificados os critérios técnicos que lhes deem respaldo;

(d) a conclusão pode ainda reportar-se às respostas apresentadas nos


quesitos;

(e) a conclusão pode ser, simplesmente, elucidativa quanto ao objeto da


perícia, não envolvendo, necessariamente, quantificação de valores.

Gabarito: Alternativa C.

6 Resolução:

Trata-se do Termo de Diligência. De acordo com a NBC TP 01 – Perícia


Contábil:

Termo de diligência é o instrumento por meio do qual o perito solicita


documentos, coisas, dados e informações necessárias à elaboração do laudo
pericial contábil e do parecer técnico-contábil.

Serve também para determinar o local, a data e a hora do início da perícia, e


ainda para a execução de outros trabalhos que tenham sido a ele determinados
ou solicitados por quem de direito, desde que tenham a finalidade de orientar
ou colaborar nas decisões, judiciais ou extrajudiciais.

O termo de diligência deve ser redigido pelo perito, ser apresentado


diretamente ao perito-assistente, à parte, a seu procurador ou terceiro, por
escrito e juntado ao laudo.

Gabarito: Alternativa D.

7 Resolução:

Vamos avaliarcada item para encontrar a sequência correta.

I – O laudo pericial contábil terá necessariamente por limite os próprios


objetivos da perícia deferida. Já o parecer pericial contábil não
terá necessariamente por limite os próprios objetivos da perícia deferida ou
contratada.

Afirmativa FALSA. Conforme dispõe a NBC TP 01 – Perícia Contábil:

O laudo pericial contábil e o parecer técnico-contábil têm por limite o próprio


objeto da perícia deferida ou contratada.
II – A perícia conciliatória é aquela exercida sob o controle da lei de
arbitragem. Perícia no âmbito estatal é executada sob o controle de órgão do
Estado. Perícia voluntária é aquela contratada espontaneamente pelo
interessado ou de comum acordo entre as partes.

Sobre perícia conciliatória esta deriva da busca de consenso entre o perito


judicial e o autárquico para que ocorra a conciliação extrajudicialentre o INSS e
o segurado.

Outra afirmativa FALSA.

De acordo com o item 5 da NBC TP 01:

A perícia judicial é exercida sob a tutela do Poder Judiciário. A perícia


extrajudicial é exercida no âmbito arbitral, estatal ou voluntária. A perícia
arbitral é exercida sob o controle da lei de arbitragem. Perícias oficial e estatal
são executadas sob o controle de órgãos de Estado. Perícia voluntária é
contratada, espontaneamente, pelo interessado ou de comum acordo entre as
partes.

III – A perícia contábil constitui o conjunto de procedimentos técnico-científicos


destinados a levar à instância decisória elementos de prova necessários a
subsidiar a justa solução do litígio ou constatação de um fato, mediante laudo
pericial contábil e/ou parecer pericial contábil, em conformidade com as normas
jurídicas e profissionais e com a legislação específica no que for pertinente.

Afirmativa VERDADEIRA. Está exatamente igual ao descrito naNBC TP 01.

Assim a sequência correta é: F, F, V.

Gabarito: D.

8 Resolução:

A questão aborda os procedimentos periciais contábeis visam fundamentar o


laudo pericial contábil e o parecer técnico-contábil e abrangem, total ou
parcialmente, segundo a natureza e a complexidade da matéria, exame,
vistoria, indagação, investigação, arbitramento, mensuração, avaliação e
certificação.

A respeito destes vamos avaliar cada alternativa e assinalar a que esteja


correta.

Alternativa A. INCORRETA. A NBC TP 01 dispõe que: O exame é a análise de


livros, registros de transações e documentos.
Alternativa B. INCORRETA. De acordo com o CFC:

O arbitramento é a determinação de valores, quantidades ou a solução de


controvérsia por critério técnico-científico.

A mensuração é o ato de qualificação e quantificação física de coisas, bens,


direitos e obrigações.

Alternativa C.CORRETA. Esta sim está com o texto de acordo com a NBC TP
01.

A avaliação é o ato de estabelecer o valor de coisas, bens, direitos, obrigações,


despesas e receitas.

Alternativa D. INCORRETA. Não há procedimento pericial-contábil com o nome


de valoração. Na verdade trata-se do arbitramento:

O arbitramento é a determinação de valores, quantidades ou a solução de


controvérsia por critério técnico-científico.

Gabarito: Alternativa C.

9 Resolução:

A questão nos traz casos de suspeição, estes estão presentes na NBC PP01 –
Perito Contábil. Esta norma nos traz a seguinte redação a respeito do assunto:

Impedimento e suspeição são situações fáticas ou circunstanciais que


impossibilitam o perito de exercer, regularmente, suas funções ou realizar
atividade pericial em processo judicial ou extrajudicial, inclusive arbitral. Os
itens previstos nesta Norma explicitam os conflitos de interesse motivadores
dos impedimentos e das suspeições a que está sujeito o perito nos termos da
legislação vigente e do Código de Ética Profissional do Contador.

Abaixo seguem os casos de suspeição de acordo com a NBC PP 01:

Os casos de suspeição a que está sujeito o perito do juízo são os seguintes:

(a) ser amigo íntimo de qualquer das partes;

(b) ser inimigo capital de qualquer das partes;


(c) ser devedor ou credor em mora de qualquer das partes, dos seus cônjuges,
de parentes destes em linha reta ou em linha colateral até o terceiro grau ou
entidades das quais esses façam parte de seu quadro societário ou de direção;

(d) ser herdeiro presuntivo ou donatário de alguma das partes ou dos seus
cônjuges;

(e) ser parceiro, empregador ou empregado de alguma das partes;

(f) aconselhar, de alguma forma, parte envolvida no litígio acerca do objeto da


discussão; e

(g) houver qualquer interesse no julgamento da causa em favor de alguma das


partes.

O perito pode ainda declarar-se suspeito por motivo íntimo.

Todos os três itens são casos de suspeição.

Gabarito: Alternativa C.

10 Resolução:

Alternativa A. INCORRETA. O perito deve explicitar a sua proposta no contrato


que, obrigatoriamente, celebrará com o seu cliente, observando as normas
estabelecidas pelo Conselho Federal de Contabilidade.

Alternativa B. CORRETA. De acordo com o item 38 da NBC PP 01:

O perito pode requerer a liberação parcial dos honorários quando julgar


necessário para o custeio de despesas durante a realização dos trabalhos.

Alternativa C. CORRETA. Está de acordo com o item 31 da norma em questão:

A realização de diligências, durante a elaboração do laudo pericial, para busca


de provas, quando necessária, deve ser comunicada às partes para ciência de
seus assistentes.

Alternativa D.CORRETA. De acordo com o item 30 da NBC PP 01:

Na perícia extrajudicial, o perito deve estipular os prazos necessários para a


execução dos trabalhos junto com a proposta de honorários e com a descrição
dos serviços a executar.
Portanto apenas a alternativa A está INCORRETA e em desacordo com a
norma em questão.

Gabarito: Alternativa A.