Você está na página 1de 91

F UNDAMENTOS

DA

M ATEM ÁTICA I
SOMESB
Sociedade Mantenedora de Educação Superior da Bahia S/C Ltda.
Presidente  Gervásio Meneses de Oliveira
Vice-Presidente  William Oliveira
Superintendente Administrativo e Financeiro  Samuel Soares
Superintendente de Ensino, Pesquisa e Extensão  Germano Tabacof
Superintendente de Desenvolvimento e
Planejamento Acadêmico  Pedro Daltro Gusmão da Silva

FTC – EaD
Faculdade de Tecnologia e Ciências – Ensino a Distância
Diretor Geral  Waldeck Ornelas
Diretor Acadêmico  Roberto Frederico Merhy
Diretor de Tecnologia  Reinaldo de Oliveira Borba
Diretor Administrativo e Financeiro  André Portnoi
Gerente Acadêmico  Ronaldo Costa
Gerente de Ensino  Jane Freire
Gerente de Suporte Tecnológico  Jean Carlo Nerone
Coord. de Softwares e Sistemas  Rômulo Augusto Merhy
Coord. de Telecomunicações e Hardware  Osmane Chaves
Coord. de Produção de Material Didático  João Jacomel

E QUIPE DE ELABORAÇ ÃO / P RODUÇ ÃO DE MATERIAL DID ÁTICO

 Produç˜
ao Acadêmica 

Gerente de Ensino  Jane Freire


Autor  Adriano Pedreira Cattai
˜
Supervisao  Ana Paula Amorim
Coordenaç˜
ao de Curso  Geciara Carvalho
˜ Final
Revisao  Antonio Andrade do Espirito Santo e
Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento.

 Produç˜
ao Técnica 

˜ em LATEX 2ε
Ediçao  Adriano Pedreira Cattai
Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento.
˜ de Texto
Revisao  Carlos Magno
´
Equipe Tecnica  Ana Carolina Alves, Cefas Gomes, Delmara Brito,
Fábio Gonçalves, Francisco França J ´unior, Israel Dantas,
Lucas do Vale e Marcus Bacelar.

c FTC EaD
Copyright

Todos os direitos reservados e protegidos pela lei 9.610 de 19/02/98.


˜ total ou parcial, por quaisquer meios, sem autorizac¸ão prévia, por escrito, da FTC EaD -
É proibida a reproduc¸ao
Faculdade de Tecnologia e Ciências - Ensino à distância.

www.ftc.br/ead
Sumário
Elementos da Lógica e Teoria dos Conjuntos 8

Noc¸˜
oes de Lógica Matemática 8
1.1 Termos e Proposic¸ões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
1.1.1 Negac¸ão de uma Proposic¸ão Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.2 Modificadores e Conectivos: Proposic¸ões Compostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.2.1 Conjunc¸ão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
1.2.2 Disjunc¸ão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.2.3 Condicional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
1.2.4 Bicondicional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
Resumo das Proposic¸ões Compostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
1.3 Negac¸ão de Proposic¸ões Compostas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.3.1 Conjunc¸ão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.3.2 Disjunc¸ão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.3.3 Condicional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.3.4 Bicondicional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
1.4 Sentenc¸ as Abertas ou Func¸
ões Proposicionais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.5 Quantificadores. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
1.5.1 Negac¸ão de Proposic¸ões Quantificadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.6 Notas Sobre Uma Demonstrac¸ão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
1.7 Alguns Exemplos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
1.8 Exercı́cios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

Elementos da Teoria dos Conjuntos. Conjuntos Numéricos 25


Teoria dos Conjuntos 25
2.1 Introduc¸ão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
2.2 Conjuntos. Operac¸ões Fundamentais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
2.3 Notac¸ão de Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
2.4 A Relac¸ão de Inclusão. Igualdade entre Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
2.5 Diagramas de Venn-Euler . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
2.6 Reunião, Intersec¸ão e Diferenc¸ a de Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
2.6.1 Propriedades da Reunião . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
2.6.2 Propriedades da Intersec¸ão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
2.6.3 Número de Elementos da União de Dois Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
2.7 Conjuntos das Partes. Partic¸ão de um Conjunto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
2.8 Exercı́cios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

´
Conjuntos Numericos 36
2.9 A Necessidade de Contar - Linguagens Usadas para Contar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
2.10 Os Números Naturais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
2.11 Os Números Inteiros . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
3
Fundamentos da Matemática I

2.12 Os Números Racionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39


2.12.1 Tipos de Frac¸ões. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
2.12.2 Representac¸ão Decimal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
2.13 Os Números Irracionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
2.14 Os Números Reais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
2.14.1 Propriedades dos Números Reais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
2.14.2 Relac¸ão de Ordem e Desigualdades. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
2.14.3 Intervalos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
2.15 Exercı́cios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47

Grandezas e Relac¸˜
oes 48

˜ Algébricas. Equac¸˜
Expressoes oes; Inequac¸˜
oes do 1◦ grau; Grandezas Propor-
cionais. 48
˜ Algebricas
Expressoes ´ 48
3.1 Equac¸ões de Primeiro Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
3.1.1 Resoluc¸ão da Equac¸ão do Primeiro Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
3.1.2 Equac¸ões Produto e Equac¸ões Quociente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
3.1.3 Sistemas de Equac¸ões de Primeiro Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
3.1.4 Resoluc¸ão do Sistemas de Equac¸ões de Primeiro Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
3.2 Inequac¸ões do Primeiro Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
3.3 Razões e Proporc¸ões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
3.4 Grandezas Proporcionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
3.5 Regra de Três Simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
3.6 Regra de Três Composta . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
3.7 Exercı́cios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

Equac¸˜
oes; Inequac¸˜
oes do 2◦ grau. Relac¸˜
oes e Func¸˜
oes. 67
Equaçoes ˜ do 2◦ Grau
˜ e Inequaçoes 67

4.1 Equac¸ões do 2 Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
4.1.1 A Forma Canônica do Trinômio ax 2 + bx + c . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
4.1.2 Uma aplicac¸ão interessante da equac¸ão de 2◦ grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
4.1.3 Fatorac¸ão do Trinômio ax 2 + bx + c . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
4.2 Inequac¸ões do Segundo Grau . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
4.3 Inequac¸ão Produto e Inequac¸ão Quociente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75

˜ e Funçoes
Relaçoes ˜ 75
4.4 Relac¸ões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
4.4.1 Par Ordenado e Produto Cartesiano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
4.4.2 Relac¸ão Binária . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
4.5 Func¸ão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
4.5.1 O Gráfico de uma Func¸ão Real . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
4.6 Exercı́cios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82

Atividade Orientada 86
4
5.1 Etapa 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
5.2 Etapa 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
5.3 Etapa 3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87

´
Glossario 89
´
Referências Bibliograficas 90

5
Fundamentos da Matemática I

Apresentação de Disciplina
No inı́cio da civilizac¸ão toda a técnica matemática necessária era uma linguagem
para efetuar contagem. Nesse caso, a idéia de números estava associada a algo con-
creto. Com o passar do tempo alguns povos desenvolveram cálculos mais complexos
que lhes permitiriam construir prédios, ou mesmo refazer as demarcac¸ões de áreas que
eram perdidas durante as cheias periódicas de rios. Assim, surgiu a necessidade de
operar com números, que passaram a ser tratados como entes abstratos.

Um dos principais estudiosos dessa nova forma de tratar com os números foi
Pitágoras de Samos, que viveu no século VI a.C. Pitágoras tinha conhecimento de que
os egı́pcios e os babilônios faziam seus cálculos na forma de receitas, seguidas cega-
mente através. Ele, então, passou a apreciar os números pelas suas caracterı́sticas
próprias e estudou suas propriedades, suas relac¸ões e padrões, concluindo que os
números existiam independentemente das incertezas da percepc¸ão que os originava.
Percebendo que os números estavam ocultos em tudo, das harmonias da música até
as órbitas dos planetas proclamou que tudo é número.

Para ter certeza dos resultados do seu estudos, Pitágoras desenvolveu e usou a
prova cientı́fica, ou prova matemática, ou prova absoluta. A idéia dessa demonstrac¸ão
matemática clássica comec¸ a com uma verdade evidente, e através de vários passos de
argumentac¸ão lógicas se chega a uma conclusão inegável. É assim que se desenvolve
a matemática.

Neste trabalho abordaremos elementos de lógica, elementos da teoria dos con-


juntos e conjuntos numéricos, grandezas e relac¸ões entre conjuntos. É evidente que
não será possı́vel fazer um estudo completo sobre esses temas. Contudo, procuramos
um ponto de partida coerente, e então, desenvolvermos os assuntos tendo sempre em
mente que o objetivo dessa disciplina, a que se destinam estas notas, é fornecer ao
estudante uma complementac¸ão/formac¸ão para seu trabalho de futuro licenciado em
Matemática, além disso, fornecer uma linguagem própria da matemática indispensável
para a continuidade neste curso.

Prof. Adriano Pedreira Cattai.

6
Elementos da Lógica e Teoria
dos Conjuntos

Noções de Lógica Matemática

Lógica é o conjunto de estudos tendentes a expressar em linguagem matemática as estruturas e ope-


rac¸ões do pensamento, deduzindo-as de número reduzido de axiomas, com a intenc¸ão de criar uma lin-
guagem rigorosa, adequada ao pensamento cientı́fico tal como o concebe a tradic¸ão empı́rico-positivista.

Para compreender bem as definic¸ões e teoremas que constituem as teorias matemáticas, cujo estudo
se estenderá por todo o curso, é indispensável habituarmo-nos a usar uma linguagem mais precisa e
rigorosa do que se utiliza, em geral, na vida corrente. A aquisic¸ão desse hábito pode ser muito facilitada
pelo recurso a algumas noc¸ões e sı́mbolos da Lógica Matemática, dos quais indicaremos nesta sec¸ão,
de forma muito resumida e largamente baseada na intuic¸ão. Convém, no entanto, observar que a Lógica
Matemática tem hoje aplicac¸ões extremamente importantes, em diversos domı́nios; uma das mais notáveis
é, sem dúvida, a sua utilizac¸ão no planejamento dos modernos computadores eletrônicos.

Antes de iniciarmos com notac¸ões e definic¸ões, vejamos o seguinte:

Ilustração 1. (Circuitos Elétricos)

Um interruptor é um dispositivo ligado a um ponto de um circuito, que pode assumir um dos dois
estados, “ligado (fechado)” ou “desligado (aberto)”. Sendo assim, sejam A e B dois interruptores elétricos.
Eles podem ser ligados, por fios em série ou em paralelo, como segue, respectivamente:

Suponhamos que
A∨B e A∧B

designam, respectivamente, que A e B estão ligados em série e em paralelo.

No estado “ligado” (que indicaremos por 1), o in-


A B A∧B A B A∨B
terruptor permite que a corrente passe através do
1 1 1 1 1 1
ponto; enquanto que no estado “desligado” (que indi-
1 0 0 1 0 1
caremos por 0) nenhuma corrente pode passar pelo
0 1 0 0 1 1
ponto. 0 0 0 0 0 0
7
Fundamentos da Matemática I

De posse das tabelas acima podemos decidir quando há passagem de corrente em cada um dos
circuitos. De fato, haverá passagem de corrente em A ∧ B se A e B estiverem ligados, e haverá passagem
de corrente em A ∨ B se pelo menos um estiver ligado.

Cada uma das tabelas que acabamos de ver é denominada de tabela verdade. Veremos que A ∧ B (lê-
se: A e B ) e que A ∨ B (lê-se: A ou B ) são combinac¸ões de duas proposic¸ões, respectivamente, Conjunc¸ão
e Disjunc¸ão.

1.1 Termos e Proposições

A linguagem usada na matemática, como qualquer outra linguagem, compreende designac¸ões (também
chamadas nomes ou termos) e proposic¸ões lógicas (ou simplesmente proposic¸ões, ou sentenc¸ as ogicas).

As designac¸ões servem para indicar determinados objetos matemáticos: números, pontos, conjuntos,
func¸ões, operac¸ões, figuras geométricas, etc. As proposic¸ões exprimem afirmac¸ões, que podem ser ver-
dadeiras ou falsas.

Como exemplos de designac¸ões registramos as seguintes:

7, 3 + 4, (2 − π)3 , N, R.

Observe que as duas primeiras designac¸ões referem-se ao mesmo objeto: são designac¸ões equivalentes;
para indicar que duas designac¸ões, a e b, são equivalentes, escreve-se usualmente a = b . Como exemplos
de proposic¸ões (as duas primeiras verdadeiras, as demais falsas) podemos indicar:

7 = 4 + 3, 3 < 10, 3 − 1 = 1 − 3, −42 = 42 .

Lei do Terceiro Exclu´ıdo. Uma proposição, quanto ao seu valor lógico, é necessariamente
verdadeira (V) ou falsa (F), isto é, verifica-se sempre um destes dois casos.
˜
Lei da Nao-Contradiç˜
ao. Uma proposição não pode assumir valor lógico verdadeiro e falso ao
mesmo tempo.

A validade (indicado por V ) ou falsidade (indicado por F ) de uma proposic¸ão chama-se de valor lógico.
Duas proposic¸ões p e q dizem-se equivalentes quando têm o mesmo valor lógico. Simbolicamente, es-
crevemos p ⇔ q . Por exemplo, são equivalentes as proposic¸ões

5 < 0 e 12 = −12 .

Nota 1. Alguns autores costumam indicar a validade de uma proposic¸ão com “1” no lugar de V,
e “0” no lugar de F.

São proposic¸ões Não são proposic¸ões


p : Salvador é a capital da Bahia. (V) “x + 5 < 2.”
q : Todo homem é imortal. (F) “três mais cinco” (3+5).
r : O céu é cor de rosa. (F) “O dia está bonito”.
s : A soma de dois números pares é um número par. (V) “x é um número real”.

8
1.1.1 Negação de uma Proposição Simples

Dada uma proposic¸ão p , outra proposic¸ão, denominada negac¸ão de p , pode ser formulada escrevendo-
se “é falso que . . . ” antes de p ou, se possı́vel, inserindo em p a palavra não. Simbolicamente, a negac¸ão
de p é designada por ∼ p , e lê-se: não p . Por exemplo, “é falso que o pássaro canta”, e “o pássaro não
canta” são negac¸ões para a proposic¸ão “o pássaro canta”. Outro exemplo, “é falso que 2 + 2 = 5”, e
“2 + 2 6= 5” são negac¸ões para “2 + 2 = 5”. É evidente que, para toda a proposic¸ão p , se tem:

∼ (∼ p ) ⇐⇒ p .

1.2 Modificadores e Conectivos: Proposições Compostas

Cada uma das proposic¸ões que exemplificamos até aqui, contém uma única afirmativa. Por isso,
chamamos de proposic¸ão simples. Freqüentemente, porém, precisamos lidar com sentenc¸ as mais re-
buscadas, formuladas como combinac¸ão de proposic¸ões, que são as proposic¸ões compostas. Observe os
exemplos:

p : Victor gosta de Matemática. q : Victor gosta de Lı́ngua Portuguesa.

Compare, agora, com:

r : Victor gosta de Matemática e também de Lı́ngua Portuguesa.

s : Victor gosta quer de matemática, quer de Lı́ngua Portuguesa.

t : Victor gosta de Matemática, mas não de Lı́ngua Portuguesa.

Observe que r , s e t são proposic¸ões formadas por duas outras proposic¸ões simples unidas pelas
palavras “e”, “ou” e “e”, respectivamente. Simbolicamente, escrevemos:

r :p∧q s :p∨q t : p∧ ∼ q.

Os sı́mbolos lógicos ∧ (lê-se ‘e’) e ∨ (lê-se ‘ou’) denominamos conectivos. A partir de proposic¸ões
simples, com o emprego desses conectivos, podemos construir novas proposic¸ões, que são denominadas
proposições compostas. Vejamos as proposic¸ões compostas separadamente.

1.2.1 Conjunção

Como vimos, duas proposic¸ões quaisquer podem ser combinadas pela palavra “e” para formar uma
proposic¸ão composta, que chamamos de conjunc¸ão das proposic¸ões originais e, simbolicamente, repre-
sentamos com o sı́mbolo “ ∧ ”.

Exemplo 1.1. Considere as proposic¸ões simples p , q , r e s e com base em seus valores lógicos observe
o valor lógico das proposic¸ões p ∧ q e r ∧ s .

p: 2>0 (V) r: 2>0 (V)


q: 2 6= 1 (V) s: 2=1 (F)
p ∧ q: 2 > 0 e 2 6= 1 (V) p ∧ q: 2 > 0 e 2 6= 1 (F)
9
Fundamentos da Matemática I

Tendo em vista este exemplo, podemos estabelecer a seguinte propriedade:

A conjunc¸ão p ∧ q é verdadeira se p e q são ambas verdadeiras; se ao menos uma delas for


falsa, então p ∧ q é falsa.

Resumimos esses critérios na tabela verdade ao lado, em que são p q p∧q


examinadas todas as possibilidades para p e q . V V V
Observe que a primeira linha é uma maneira abreviada de dizer que se V F F
p é verdadeiro e q também, p ∧ q é então verdadeiro. As outras linhas são F V F
análogas. F F F

1.2.2 Disjunção

Combinando duas proposic¸ões quaisquer com a palavra “ou” formamos uma proposic¸ão composta, que
chamamos de disjunc¸ão das proposic¸ões originais e, simbolicamente, representamos com o sı́mbolo “∨”.
Exemplo 1.2. Exemplo 1.3.
p : 4 é par (V) p : 4 é par (V)
q: 1 é ı́mpar (V) q: 1 é par (F)
p ∨ q: 4 é par ou 1 é ı́mpar (V) p ∨ q: 4 é par ou 1 é par (V)

Tendo em vista esses dois exemplos, podemos estabelecer a seguinte propriedade:

p q p∨q
A disjunc¸ão p ∨ q é verdadeira se ao menos umas das proposic¸ões p ou
q é verdadeira; se p e q são ambas falsas, então p ∨ q é falsa. V V V
V F V
Esse critério, resumimos na tabela verdade ao lado, em que são examinadas F V V
todas as possibilidades para p e q . F F F

Nota 2. Pode-se definir, de forma análoga, a conjunção e a disjunção de proposic¸ões com-


postas formadas por mais de duas proposic¸ões simples. Por exemplo, a conjunc¸ão das
proposic¸ões p , q , r , . . . consiste na afirmac¸ão de que todas essas proposic¸ões são verdadeiras
e é, portanto, uma proposic¸ão falsa se uma das proposic¸ões p , q , r , ... o for.

Ainda a partir de proposic¸ões dadas podemos construir novas proposic¸ões mediante o emprego de out-
ros sı́mbolos lógicos chamados condicionais: o condicional “se, . . . então . . . ” (sı́mbolo →) e a bicondicional
“. . . se, e somente se, . . . ” (sı́mbolo ↔). Vejamos então, cada uma, separadamente.

1.2.3 Condicional

Vejamos a seguinte expressão: “Peter canta todos os dias ao amanhecer ”. O que se pode, com certeza,
afirmar sobre Peter? Ele canta ópera ou samba? Como nada foi dito sobre o estilo musical, nada podemos
dizer a este respeito. Talvez Peter nem cante ópera e nem samba, pois, Peter pode ser um pássaro. E
este é o caso. Peter é o pássaro do zelador da escola Crescendo para a Vida. O que, porém, se pode
afirmar, com certeza, é que essa criatura, não importando quem seja, necessariamente, vive (ou está
vivo). Diremos, então, neste caso, que a premissa p : “Peter cantava todos os dias ao amanhecer ” conduz
10
à conclusão s : “Peter está vivo”. Simbolicamente, escrevemos:

p → q.

O sı́mbolo ‘→’, que introduzimos aqui, é um condicionante e, dadas duas proposic¸ões p e q , dizemos
que “se p , então q ”.
O valor verdadeiro da condicional p → q satisfaz a seguinte propriedade:
p q p→q
O condicional p → q é falso somente quando p é verdadeira e q é falsa; caso
contrário, p → q é verdadeiro. V V V
V F F
F V V
Resumimos esse critério na tabela verdade ao lado, em que são examinadas todas
F F V
as possibilidades para p e q .

Nota 3 (Implicac¸ão Lógica). Considere os sı́mbolos ‘→’ e ‘⇒’. Observe que p → q é apenas
uma proposic¸ão e que sua tabela verdade poderá conter tanto V quanto F na última coluna.
Dizemos que p implica q (p ⇒ q ), se a condicional p → q nunca ocorrer o caso V → F , ou
seja, único em que a condicional é falsa. Em outras palavras, p ⇒ q se a condicional p → q
apresentar na sua tabela verdade apenas V na última coluna.

A partir da Nota 3, retomando o exemplo inicial e considerando as seguintes proposic¸ões:

p: Peter canta todos os dias ao amanhecer;


q: Peter está vivo;
r: Peter está morto.

temos: p → q (V) e p → r (F). Logo, somente p ⇒ q .

Há várias maneiras de formular uma proposic¸ão desse tipo, e ao lê-las, tenha sempre em mente o
conteúdo ou teor das proposic¸ões integrantes:

 Se p é verdade, então q é verdade.

 q segue de p .

 p é uma condic¸ão suficiente para q .

 q será verdadeira se p for verdadeira.

 É impossı́vel termos, ao mesmo tempo, p verdadeira e q falsa.

 Se q for falsa, então p também será falsa.

1.2.4 Bicondicional

Vimos acima que “se Peter canta todos os dias ao amanhecer, então ele está vivo”. Obviamente, não
faz sentido afirmar o inverso ou recı́proco desta proposic¸ão, isto é, não vale dizer “se Peter está vivo, então
ele canta todos os dias ao amanhecer ”. Em outras palavras, dizer que p implica q não necessariamente
equivale a afirmar que q implica p . Aliás, deve-se concordar que uma afirmac¸ão e sua recı́proca são, com
freqüência, coisas bem diferentes. Em certos casos, porém, as proposic¸ões p e q são equivalentes, de tal
modo que se implicam mutua e reciprocamente. Como exemplo, considere as proposic¸ões:
11
Fundamentos da Matemática I

p: x é um número par; q: este número x é divisı́vel por 2.

É claro que vale dizer que “se p é verdade, então q é verdade” e, reciprocamente, “se q , então p ”. Em
outros termos, as proposic¸ões ‘p ’ e ‘q ’, embora formuladas de modos diversos, são equivalentes, ou seja,
possuem o mesmo significado.
A proposic¸ão composta p ↔ q é chamada proposic¸ão bicondicional, lê-se “p se, e
somente se q ” e o verdadeiro valor lógico é dado pela seguinte propriedade: p q p↔q

A bicondicional p ↔ q é verdadeiro somente quando p e q possuı́rem o mesmo V V V

valo lógico; caso contrário, p ↔ q é falso. V F F


F V F
F F V
Resumimos na tabela verdade ao lado, todas as possibilidades para p e q .

Nota 4 (Equivalência Lógica). Análogo à Nota 3, p ↔ q é uma proposic¸ão composta a qual


possui tabela verdade contendo os valores lógicos V e F na última coluna, mas, p ⇔ q define
uma proposic¸ão composta contendo apenas V na última coluna de sua tabela verdade.

O sı́mbolo ⇔, como anteriormente, pode ser entendido e lido de várias maneiras. Podemos dizer:

 p e q são equivalentes;

 Se p , então q , e reciprocamente;

 q é verdadeira se p for verdadeira, e reciprocamente.

 p é falsa se q for falsa, e reciprocamente.

 p é uma condic¸ão necessária e suficiente para q .

 p é verdadeira se, e somente se, q é verdadeira.

Esta última, na verdade, é uma das expressões mais usadas em Matemática, quando nos referimos a
duas premissas como equivalentes.

Resumo das Proposições Compostas

Conjunç˜
ao: verdadeira somente quando ambas as
proposic¸ões são verdadeiras. TABELA V ERDADE
p q p∧q p∨q p→q p↔q
˜ falsa somente quando ambas as proposic¸ões
Disjunçao:
V V V V V V
são falsas.
V F F V F F
Condicional: falsa somente quando a primeira F V F V V F
proposic¸ão é verdadeira e a segunda falsa. F F F F V V

Bicondicional: verdadeira somente quando as proposic¸ões possuem valores lógicos iguais.

12
1.3 Negação de Proposições Compostas

Por meio de uma tabela verdade, podemos comprovar as equivalências que apresentaremos a seguir
(Leis de Morgan), que são utilizadas para a negac¸ão de proposic¸ões compostas. Comprovaremos apenas
uma. As demais deixamos como exercı́cio visto que o procedimento é análogo.

1.3.1 Conjunção

A negac¸ão da proposic¸ão composta p ∧ q é dada por ∼ p ∨ ∼ q , ou seja,

∼ (p ∧ q ) ⇔ ∼ p ∨ ∼ q .

Exemplo 1.4. A negac¸ão de “a rosa é vermelha e bonita” é “a rosa não é vermelha ou não é bonita”.

Vejamos por meio de uma tabela verdade a verificac¸ão desta lei de Morgan.

p q p∧q ∼ (p ∧ q ) ∼p ∼q ∼ p∨ ∼ q
V V V F F F F
V F F V F V V
F V F V V F V
F F F V V V V

1.3.2 Disjunção

A negac¸ão da proposic¸ão composta p ∨ q é dada por ∼ p ∧ ∼ q , ou seja,

∼ (p ∨ q ) ⇔ ∼ p ∧ ∼ q .

Exemplo 1.5. A negac¸ão de “estudo ou trabalho” é “não estudo e não trabalho”.

1.3.3 Condicional

A negac¸ão da proposic¸ão composta p → q é dada por p ∧ ∼ q , ou seja,

∼ (p → q ) ⇔ p ∧ ∼ q .

Exemplo 1.6. A negac¸ão de “se sou baiano, então sou brasileiro” é “sou baiano e não sou brasileiro”.

1.3.4 Bicondicional

A bicondicional p ↔ q pode ser negada por ∼ p ↔ q ou p ↔∼ q , ou seja,

∼ (p ↔ q ) ⇔ ∼ p ↔ q ou ∼ (p ↔ q ) ⇔ p ↔∼ q .

Exemplo 1.7. A negac¸ão de “3 > 2 se, e somente se, 2 ∈ N” pode ser feita de duas formas:

(a) 3 ≤ 2 se, e somente se, 2 ∈ N; (b) 3 > 2 se, e somente se, 2 6∈ N.


13
Fundamentos da Matemática I

1.4 Sentenças Abertas ou Funções Proposicionais

Além dos termos e proposic¸ões que consideramos até aqui, a linguagem matemática usa constante-
mente expressões em que intervém variáveis, isto é, sı́mbolos (em geral letras) que podem ser substituı́dos
por designac¸ões de acordo com determinadas condic¸ões. Assim, seja A um conjunto.

Uma função proposicional, ou simplesmente uma sentenc¸ a aberta (ou condic¸


ão) em A, é uma ex-
pressão designada por p (x ) apresentando a propriedade de que p (a) é verdadeiro ou falso para cada
a ∈ A. Em outras palavras, p (x ) é uma func¸ão proposicional em A se p (x ) se tornar uma proposic¸ão
sempre que substituirmos a variável x por qualquer elemento a ∈ A. O conjunto A é denominado Conjunto
Universo.

A ausência de referência ao Universo da variável nos faz supor que seja ele o mais amplo que a variável
pode admitir. Por exemplo:

1. Seja p (x ) : x + 2 > 7. Assim, p (x ) é uma func¸ão proposicional de N, conjunto dos números naturais,
pois, para qualquer n ∈ N, podemos atribuir um valor lógico a p (n).

2. Seja q (x ) : x + 2 > 7. Assim, q (x ) não é uma func¸ão proposicional de C, conjunto dos números
complexos, pois desigualdades não são definidas para todos os números complexos.

3. Seja p (x ) : 2x − 1 = 5 uma func¸ão proposicional de N. Ela é verdadeira para x = 3 e falsa para x 6= 3.

Além disso, se p (x ) é uma func¸ão proposicional num conjunto A, então o conjunto dos elementos a ∈ A
com a propriedade de que p (a) é verdadeiro, é chamado conjunto verdade Vp de p (x ), ou conjunto soluc¸ão
Sp . Em outras palavras,
VP = {x ; x ∈ A, p (x ) é verdadeiro} = {x ; p (x )}.

Exemplo 1.8.

(a) Considere a func¸ão proposicional p (x ) : x + 2 > 7 definida em N. Portanto, o conjunto verdade (ou
soluc¸ão) é
Vp = {x ; x ∈ N, x + 2 > 7} = {6, 7, 8, 9, . . .}.

(b) O conjunto soluc¸ão da func¸ão proposicional q (x ) : x < 0, definida em N, é o conjunto vazio, pois, não
existe número natural negativo.

(c) Seja a sentenc¸ a aberta q (x ) : x2 = 25. Se o conjunto universo for Z, conjunto dos números inteiros,
então Vq = {−5, 5}. Por outro lado, se o conjunto universo for N, então Vq = {5}.

Nota 5. O conjunto verdade depende do conjunto universo.

1.5 Quantificadores

A uma dada condic¸ão p (x ), se atribuirmos à variável x um dos valores do seu conjunto verdade uma
proposic¸ão é obtida. Outra forma extremamente importante de se obter proposic¸ões a partir de uma
condic¸ão p (x ) é antepor-lhe um dos sı́mbolos ∀ ou ∃, que se chamam quantificadores (quantificador uni-
versal e quantificador existencial, respectivamente).
14
A proposic¸ão “∀ x ∈ A; p (x )” lê-se “qualquer que seja x pertencente conjunto A, p (x )” ou “para todo x
de A, tem-se p (x )” e é verdadeira se, e somente se, atribuindo a x qualquer valor do conjunto A, p (x ) se
converte sempre numa proposic¸ão verdadeira. Em outras palavras, ∀ é o quantificador utilizado para fazer
referência ao total de elementos do universo.

A proposic¸ão “∃ x ∈ A; p (x )” lê-se “existe x em A tal que p (x )” ou “para algum x em A, tem-se p (x )”. Em


outras palavras, ∃ é o quantificador utilizado para fazer referência a parte dos elementos do universo A.

Nota 6. O sı́mbolo @ representa o quantificador “não existe”, enquanto que o sı́mbolo ∃! repre-
senta o quantificador “existe somente um”.

Exemplo 1.9.

(a) Sendo x uma variável real, são verdadeiras as proposic¸ões

 ∀ x ; x 2 + 1 > 0,  ∃! x ; x 4 ≤ 0,  ∃ x ; x 2 − 4 = 0.

(b) Sendo x uma variável inteira, são falsas as proposic¸ões

 ∃! x ; 2x = 1,  ∃ x ; 2x = 1,  ∀ x ; x − 1 = 0.

1.5.1 Negação de Proposições Quantificadas

A negac¸ão da proposic¸ão “Todos os homens são imortais” é “Não é verdade que todos os homens são
imortais”; em outras palavras, existe pelo menos um homem que não é imortal. Simbolicamente, se H
designa o conjunto de homens, o que foi dito acima pode ser escrito da seguinte forma:

∼ (∀ x ∈ H ; x é imortal) ⇒ ∃ x ∈ H ; x é imortal.

Além disso, se p (x ) designa “x é imortal”, escrevemos

∼ (∀ x ∈ H ; p (x )) ⇒ ∃ x ∈ H ; ∼ p (x ).

Em resumo, nega-se proposic¸ões que possuem quantificadores da seguinte forma:

Nota 7. Troca-se o quantificador de universal para existencial, e vice-versa, e nega-se a


sentenc¸ a aberta.

Exemplo 1.10.

(a) ∼ (∀ x ∈ R; x 2 = 4) ⇒ ∃ x ∈ R; x 2 6= 4. (b) ∼ (∃ x ∈ R ; x 2 + x < 6) ⇒ ∀ x ∈ R ; x 2 + x ≥ 6.

1.6 Notas Sobre Uma Demonstração

O termo “demonstração”, para alguns autores, possuem mais de um significado. O nosso é baseado em
Lógica e Fundamentos da Matemática, visto que a veracidade de um teorema depende das regras lógicas
utilizadas na demonstrac¸ão. O teorema surge como conseqüência lógica e necessária das premissas
através de inferência dedutiva.
15
Fundamentos da Matemática I

Geralmente, no mundo dos matemáticos, entende-se demonstrac¸ão ou demonstrac¸ão matemática


como sendo uma cadeia de argumentos convincentes, rigorosos, gerais, completos e resistentes, interli-
gados logicamente. A principal razão de uma demonstrac¸ão é a de validar uma determinada afirmac¸ão.
Do ponto de vista do ensino, nela existe uma outra razão: a de explicar ou justificar – constrói-se uma
demonstrac¸ão, não só para garantir a verdade de uma afirmac¸ão, mas para explicar por que motivo ela é
verdadeira.

Existem certas declarac¸ões que não se podem provar. Estas são os chamados axiomas ou postulados,
que alguns autores definem como conceitos primitivos, admitidos sem prova. Por exemplo, quando dize-
mos que por dois pontos distintos passa uma, e somente uma reta, estamos lidando com um postulado
que, simplesmente, admitimos como verdade.

Poderı́amos dizer, em resumo, que os postulados ou axiomas são os pilares sobre os quais edificamos
a nossa estrutura de resultados, teoremas, lemas, proposic¸ões, e etc. A validade destes resultados decorre
dos postulados em que se baseiam.

Evidentemente, há várias maneiras de demonstrar a validade de uma proposic¸ão. Algumas se mostram
mais elegantes, outras mais complicadas e, ainda outras, definitivamente incorretas. Ilustremos um erro
comum ao se elaborar uma demonstrac¸ão. Suponha que desejamos provar o seguinte resultado:

“Dados dois inteiros pares, a sua soma será ainda um número par ”.

Um erro bastante freqüente é provar uma tal afirmac¸ão simplesmente por exibir uns poucos exemplos
que a satisfac¸ am. Poderı́amos argumentar que, se “2 + 2 = 4; 4 + 8 = 12; 16 + 24 = 40, . . . .” e todas estas
somas fornecem números pares, então a afirmac¸ão está correta. Este argumento é falho, e podemos
explicá-lo da seguinte maneira: existem infinitos números pares e, é claro, não podemos testar todas as
somas possı́veis entre dois deles. De modo que, ainda que estejamos convencidos dessa afirmac¸ão, não
podemos prová-la com uns poucos ou, mesmo, muitos exemplos que a satisfac¸ am.

Uma demonstrac¸ão para essa afirmac¸ão é:

Sejam x e y dois inteiros pares, dessa forma podemos escrever x = 2m e y = 2n, para inteiros
m e n. Somando x a y , temos:

x + y = 2m + 2n = 2(m + n).

Agora, fazendo m + n = p , temos x + y = 2p , em que p é um inteiro e, portanto, mostramos que


a soma x + y de dois inteiros pares é um inteiro par.

Ilustremos, agora, em contrapartida, um caso em que apenas exibir um exemplo especı́fico basta como
demonstrac¸ão. Suponha, desta vez, que desejamos provar a seguinte declarac¸ão:

“Nem todos os números primos são ı́mpares”.

Apenas um contra-exemplo seria o bastante para prová-la. Neste caso, você estaria correto ao exibir
um único exemplo, o número 2, e dizer:

“De fato, o número 2 é primo e é um número par”,

e isto provaria a nossa afirmac¸ão. Dizemos que 2 é um contra-exemplo para a afirmac¸ão: “Todo número
primo é ı́mpar ”.
16
1.7 Alguns Exemplos

Exemplo 1.11. Use os resultados da questão 1.4 dos exercı́cios propostos para simplificar cada uma
das seguintes proposic¸ões:

(a) ∼ (p ∨ ∼ q ) (c) ∼ (p ∧ ∼ q ) (e) ∼ (∼ p ↔ q )


(b) ∼ (∼ p → q ) (d) ∼ (∼ p ∧ ∼ q ) (f) ∼ (∼ p →∼ q )

˜
Soluçao:

(a) ∼ (p ∨ ∼ q ) ⇔∼ p ∧ ∼ (∼ q ) ⇔∼ p ∧ q . (d) ∼ (∼ p ∧ ∼ q ) ⇔∼ (∼ p )∨ ∼ (∼ q ) ⇔ p ∨ q .
(b) ∼ (∼ p → q ) ⇔∼ p ∧ ∼ q . (e) ∼ (∼ p ↔ q ) ⇔∼ (∼ p ) ↔ q ⇔ p ↔ q .
(c) ∼ (p ∧ ∼ q ) ⇔∼ p ∨ ∼ (∼ q ) ⇔∼ p ∨ q . (f) ∼ (∼ p →∼ q ) ⇔∼ p ∧ ∼ (∼ q ) ⇔∼ p ∧ q .
Exemplo 1.12. Simplificar cada uma das seguintes proposic¸ões.

(a) Não é verdade que rosas são vermelhas implica em violetas são azuis.

(b) Não é verdade que está frio e chovendo.

(c) Não é verdade que ele é baixo ou elegante.

(d) Não é verdade que não está frio ou está chovendo.

(e) Não é verdade que se está chovendo então está frio.

(f) Não é verdade que rosas são vermelhas se violetas são azuis.

˜
Soluçao:

(a) Seja p “Rosas são vermelhas” e seja q “Violetas são azuis”. Assim, a proposic¸ão dada pode ser
designada por ∼ (p → q ). Pela questão 1.4 (c), ∼ (p → q ) ⇔ p ∧ ∼ q . Logo, a proposic¸ão dada é
logicamente equivalente a “Rosas são vermelhas e violetas não são azuis”.

(b) Como ∼ (p ∧ q ) ⇔∼ p ∨ ∼ q , a proposic¸ão dada é equivalente a “Não está frio ou não está chovendo”.

(c) Como ∼ (p ∨ q ) ⇔∼ p ∧ ∼ q , a proposic¸ão dada é logicamente a “Ele não é baixo e ele é elegante”.

(d) Observe que ∼ (∼ p ∨ q ) ⇔∼∼ p ∧ ∼ q ⇔ p ∧ ∼ q . Portanto, a proposic¸ão dada, que pode ser
designada por ∼ (∼ p ∨ q ), em que p é “Está frio” e q é “Está chovendo”, pode ser reescrita “Está frio
e não está chovendo”.

(e) Como ∼ (p → q ) ⇔ p ∧ ∼ q , a proposic¸ão dada pode ser reescrita “Está chovendo e não está frio”.

(f) Como ∼ (p ↔ q ) ⇔ p ↔∼ q , a proposic¸ão dada é logicamente equivalente a “Rosas são vermelhas


se violetas não são azuis”.

Exemplo 1.13 (Construc¸ão de Tabelas Verdade). Construa a tabela verdade das seguintes proposic¸ões:

(a) ∼ (p ∧ ∼ q ) (b) ∼ (p ∧ q )∨ ∼ (q ↔ p ) (c) p ∨ ∼ r → q ∧ ∼ r


17
Fundamentos da Matemática I

˜
Soluçao:

(a) Forma-se, em primeiro lugar, o par de colunas correspon- p q ∼q p∧ ∼ q ∼ (p ∧ ∼ q )


dentes às duas proposic¸ões simples p e q . Afinal, formula-se V V F F V
a coluna relativa aos valores lógicos da proposic¸ão composta V F V V F
dada. F V F F V
F F V F V

De outro modo, formam-se, primeiramente, as colunas correspondentes às duas proposic¸ões simples
p e q . Em seguida, à direita, trac¸ a-se uma coluna para cada uma dessas proposic¸
ões e para cada um
dos conectivos que figuram na proposic¸ão com-posta dada, conforme tabela abaixo à esquerda. Depois,
numa certa ordem, completam-se essas colunas, escrevendo em cada uma delas os valores lógicos con-
venientes, no modo abaixo indicado tabela abaixo à direita:

p q ∼ (p ∧ ∼ p) p q ∼ (p ∧ ∼ p)
V V V V V V F F V
V F V F F V V V F
F V F V V F F F V
F F F F V F F V F
E tapa : E tapa : 4 1 3 2 1

Os valores lógicos da proposic¸ão composta dada encontram-se na coluna completada em último lugar,
etapa 4.

(b) Resolveremos por dois métodos, como fizemos no item anterior. Por comodidade, fac¸ amos
P :=∼ (p ↔ q ), Q :=∼ (q ↔ p ) e R :=∼ (p ∧ q )∨ ∼ (q ↔ p ).

p q ∼ (p ∧ q) ∨ ∼ (q ↔ p)
p q p∧q q↔p P Q R
V V F V V V F F V V V
V V V V F F F
V F V V F F V V F F V
V F F F V V V
F V V F F V V V V F F
F V F F V V V
F F V F F F V F F V F
F F F V V F V
E tapa : 3 1 2 1 4 3 1 2 1

(c) Resolveremos por dois métodos, como fizemos nos ı́tens anteriores.

p q r ∼r A : p∨ ∼ r B : q∧ ∼ r A→B p p r p ∨ ∼ r → q ∧ ∼ r
V V V F V F F V V V V V F V F V F F V
V V F V V V V V V F V V V F V V V V F
V F V F V F F V F V V V F V F F F F V
V F F V V F F V F F V V V F F F F V F
F V V F F F V F V V F F F V V V F F V
F V F V V V V F V F F V V F V V V V F
F F V F F F V F F V F F F V V F F F V
F F F V V F F F F F F V V F F F F V F
E tapa : 1 3 2 1 4 1 3 2 1

18
Exemplo 1.14 (Tautologia). Chama-se tautologia toda a proposic¸ão composta cuja última coluna da sua
tabela verdade encerra comente com a letra V (verdadeiro). Determine quais das proposic¸ões abaixo são
tautologias.

(a) ∼ (p ∧ ∼ p ) (princı́pio da não contradic¸ão) (c) ∼ (∼ p ∧ ∼ q )


(b) p ∨ ∼ (p ∧ q ) (d) p ∧ ∼ p

˜ Conforme tabelas verdade abaixo, os ı́tens (c) e (d) não são tautologias.
Soluçao:
(a) (b)
p ∼p p∧ ∼ p ∼ (p ∧ ∼ p ) p q p∧q ∼ (p ∧ q ) p ∨ ∼ (p ∨ q )
V F F V V V V F V
F V F V V F F V V
F V F V V
F F F V V

(c) (d)
p p ∼p ∼q ∼ p∧ ∼ q ∼ (∼ p ∧ ∼ q ) p ∼p p∧ ∼ p
V V F F F V V F F
V F F V F V F V F
F V V F F V
F F V V V F
1.1 Observação (Contradição). Quando, numa tabela verdade, a última coluna só apresentar a letra F,
dizemos que a proposic¸ão é uma contradição, como no item (d) acima.

Exemplo 1.15. Decida se cada um dos seguintes é verdadeiro ou falso.

(a) p ⇒ p ∧ q (b) p ⇒ p ∨ q

˜ Observe as tabelas verdades de p → p ∧ q e p → p ∨ q .


Soluçao:

p q p∧q p → (p ∧ q ) p∨q p → (p ∨ q )
V V V V V V
V F F F V V
F V F V V V
F F F V F V

Observe que, a última coluna somente ocorre V, nos dizendo que (b) é verdadeiro, o que não acontece na
quarta coluna, logo (a) é falso.

Exemplo 1.16 (Disjunc¸ão Exclusiva). O sinal proposicional Y é chamado de disjunção exclusiva, p Y q


lê-se “p ou q mas não ambos”.

(a) Construa uma tabela verdade para p Y q

(b) Prove: p Y q ⇔ (p ∨ q )∧ ∼ (p ∧ q ). Portanto, Y pode ser escrito em termos dos três sinais ∨, ∧ e ∼.

˜
Soluçao: p q pYq
V V F
(a) Observe que p Y q é verdadeiro se p for verdadeiro ou q for verdadeiro, V F V
mas não se ambas, p e q , forem verdadeiros; logo, a tabela verdade de F V V
p Y q é apresentada ao lado. F F F
19
Fundamentos da Matemática I

(b) Considere a seguinte tabela verdade:

p q (p ∨ q) ∧ ∼ (p ∨ q)
V V V V V F F V V V
V F V V F V V V F F
F V F V V V V F F V
F F F F F F V F F F
E tapa 1 2 1 4 3 1 2 1

Como as tabelas verdade de p Y q e (p ∨ q )∧ ∼ (p ∧ q ) são idênticas, temos que p Y q ⇔ (p ∨ q )∧ ∼ (p ∧ q ).

Exemplo 1.17 (Negac¸ão Conjunta). O sinal proposicional ↓ é chamado de negação conjunta, p ↓ q lê-se
“Nem p nem q ”.

(a) Construa uma tabela verdade para p ↓ q

(b) Prove: Os três sinais ∨, ∧ e ∼ podem ser expressos em termos do sinal ↓ da seguinte maneira:
(i) ∼ p ⇔ p ↓ q (ii) p ∧ p ⇔ (p ↓ p ) ↓ (q ↓ q ) (iii) p ∨ q ⇔ (p ↓ q ) ↓ (p ↓ q )

p q p↓q
˜
Soluçao:
V V F
V F F
(a) Observe que p ↓ q é verdadeiro se nem p for verdadeiro nem q for
F V F
verdadeiro; logo, a tabela verdade de p ↓ q é apresentada ao lado.
F F V

(b)
(i) (ii)
p ∼ p↓q p q p∧q p↓p q↓q (p ↓ p ) ↓ (q ↓ q )
V F F V V V F F V
F V V V F F F V F
F V F V F F
F F F V V F
(iii)
p q p∨q p↓q (p ↓ q ) ↓ (q ↓ q )
V V V F V
V F V F V
F V V F V
F F F V F

Exemplo 1.18. Determine o conjunto verdade (VP ), das sentenc¸ as abertas a seguir:
(a) p (x ) : x + 1 < 8 em N (c) p (x ) : x é divisor de 10 em Z
(b) p (x ) : x + 7 < 5 em N (d) p (x , y ) : x < y em A × B , em que A = {1, 2, 3, 4} e B = {1, 3, 5}

˜
Soluçao:

(a) Vp = {x ; x ∈ N ∧ x + 1 < 8} = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6} ⊂ N

(b) Vp = {x ; x ∈ N ∧ x + 7 < 5} = ∅ ⊂ N

(c) Vp = {x ; x ∈ Z ∧ x divide 10} = {±1, ±2, ±5, ±10} ⊂ Z

(d) Vp = {(x , y ); x ∈ A ∧ y ∈ B ∧ x < y } = {(1, 3), (1, 5), (2, 3), (2, 5), (3, 5), (4, 5)} ⊂ A × B
20
1.8 Exercı́cios Propostos

1.1. Seja p : “Está frio” e seja q: “Está chovendo”. Diga uma sentenc¸ a verbal simples que descreva cada
uma das seguintes proposic¸ões.

(a) ∼ p (d) q ↔ p (g) ∼ p ∧ ∼ q


(b) p ∧ q (e) p →∼ q (h) p ↔∼ q
(c) p ∨ q (f) q ∨ ∼ p (i) (p ∧ ∼ q ) → p
1.2. Sejam p : “Ele é alto” e q : “Ele é elegante”. Escreva cada uma das proposic¸ões na forma simbólica
usando p e q .
(a) Ele é alto e elegante (d) Ele não é nem alto e nem elegante
(b) Ele é alto, mas não é elegante (e) Ele é alto, ou ele é baixo e elegante
(c) É falso que ele é baixo ou elegante (f) Não é verdade que ele é baixo ou não é elegante

1.3. Determine o valor lógico de cada uma das seguintes proposic¸ões compostas.

(a) Se 3 + 2 = 7, então 4 + 4 = 8;

(b) Não é verdade que 2 + 2 = 5 se, e somente se, 4 + 4 = 10;

(c) Paris está na Inglaterra ou Londres está na Franc¸ a;

(d) Não é verdade que 1 + 1 = 3 ou 2 + 1 = 3;

(e) É falso que se Paris está na Inglaterra, então Londres está na Franc¸ a.

1.4. Verificar por tabelas verdade as leis de Morgan:


(a) ∼ (p ∧ q ) ⇔∼ p ∨ ∼ q ; (c) ∼ (p → q ) ⇔ p ∧ ∼ q ;
(b) ∼ (p ∨ q ) ⇔∼ p ∧ ∼ q ; (d) ∼ (p ↔ q ) ⇔∼ p ↔ q ou ∼ (p ↔ q ) ⇔ p ↔∼ q .
1.5. Dê a recı́proca de cada proposic¸ão composta a seguir.
(a) Se m e n são inteiros pares, então o produto mn é um inteiro par.
(b) Se m é um inteiro múltiplo de 3, então m é um inteiro múltiplo de 9.
(c) Se m é um inteiro ı́mpar, então m = 2k + 1, para algum inteiro k .
(d) Se m é um inteiro par, então m = 2k , para algum inteiro k .
(e) Se m é um inteiro e m2 é par, então m é um inteiro par.
(f) Se o triângulo é eqüilátero, então é isósceles.
1.6. Negue as proposic¸ões.
(a) 3 é ı́mpar e dois é primo. (e) Aonde a vaca vai, o boi vai atrás.
(b) Paulo é professor ou não é médico. (f) Quem corre, cansa.
(c) Se x 2 = 9, então x = ±2 (g) Quem não chora não mama.

(d) x 2 = x se, e somente se, x ≥ 0. (h) Se o triângulo é eqüilátero, então é isósceles.
1.7. Quais da implicac¸ões abaixo são verdadeiras, se x ∈ R ? Justifique as falsas?
(a) x 2 = 9 ⇒ x = 3 (c) 0 < x < 1 ⇒ x 2 < x (e) x < y ⇒ −x > −y
x −2
(b) x 2 > 9 ⇒ x > 3 (d) x ≥ 0 ⇒ =1 (f) x > y ⇒ x 2 > y 2
x −2
21
Fundamentos da Matemática I

1.8. Determine o conjunto verdade das sentenc¸ as a seguir:

(a) p (x ) : x ∈ R; x 2 = 4 e x 2 + 2x = 0. (c) p (x ) : x ∈ R; x 2 = 4 → x 2 + 2x = 0.
(b) p (x ) : x ∈ R; x 2 = 4 ou x 2 + 2x = 0. (d) p (x ) : x ∈ R; x 2 = 4 ↔ x 2 + 2x = 0.

1.9. Dê o valor lógico de cada proposic¸ão abaixo:

(a) ∃! x ∈ N; x 2 = 9. 1
(g) ∀ x ∈ R, ∃ y ∈ R; y = .
x
(b) ∀ x ∈ R; x + 2 = 7. (h) Todo número inteiro primo é ı́mpar.
(c) ∀ x ∈ R; x ≥ x . (i) Todo triângulo isósceles é eqüilátero.
2
(d) ∃ x ∈ R; x − 2x ≤ 4. (j) Existe um losango que não é quadrado.
2
(e) ∃ x ∈ R; x = −4. (k) Existe um único número onde a raiz quadrada é zero.

(f) @x ∈ R; x < 0. (l) Todo retângulo é um quadrado.

1.10. Negar as proposic¸ões do exercı́cio anterior.

1.11. Qual é a negac¸ão de “Todo homem bom é justo”?

1.12. Em cada item decida se a proposic¸ão dada é falsa ou verdadeira.

(a) Se a e b são inteiros pares, então a soma a + b é um inteiro par.


(b) Se a e b são inteiros ı́mpares, então a soma a + b é um inteiro ı́mpar.
(c) Se a e b são inteiros pares, então produto ab é um inteiro par.
(d) Se a e b são inteiros ı́mpares, então o produto ab é um inteiro ı́mpar.
(e) Se m é um múltiplo de 25, então m é um múltiplo de 5.
(f) Se m é um múltiplo de 5, então m é um divisor de 25.
(g) Se n é um inteiro ı́mpar positivo, então n = 2k 2 + 2k + 1, onde k é um inteiro.
(h) Se x e y são números reais tais que xy = 1, então x = 1 e y = 1.

(i) Se x é um número real tal que x = 4, então x = 2.
(j) Se x é um número real tal que x 2 = 4, então x = 2.
(k) Se x é um número real tal que x 2 = 4, então x = 2 ou x = −2.
(l) Se x é um número real diferente de zero, então −x é negativo.

(m) Se x é um número real, então x 2 = x .
(n) Se x é um número real negativo, então x 6 < x 4 .

1.13. Onde está o erro na seguinte demonstrac¸ão?


22
Sejam a e b números reais diferentes de zero. Suponhamos que a = b . Então, multiplicando os
dois lados da igualdade por a, temos:
a2 = ab .

Subtraindo b 2 dos dois lados da igualdade, obtemos:

a2 − b 2 = ab − b 2 .

Sabemos (fatorac¸ão), que a2 − b 2 = (a + b )(a − b ). Logo:

(a + b )(a − b ) = ab − b 2 .

Colocando b em evidência do lado direito, segue que:

(a + b )(a − b ) = b (a − b ).

Dividindo ambos os lados por (a − b ), temos:

a + b = b.

Como no inı́cio dissemos que a = b , então, no lugar de a, podemos colocar b :

b + b = b.

Portanto, 2b = b . Dividindo ambos os lados por b , finalmente concluı́mos que 2 = 1.

Gabarito
Questão 1.1. (a) Não está frio. (b) Está frio e chovendo. (c) Está frio ou está chovendo. (d) Está chovendo se, e somente se, está
frio. (e) Se está frio então não está chovendo. (f) Está chovendo ou não está frio. (g) Não está frio e não está chovendo. (h) Está frio
se, e somente se, não está chovendo. (i) Se está frio e não está chovendo, então está frio. Questão 1.2. (a) p ∧ q . (b) p ∧ ∼ p . (c)
∼ (∼ p ∨ q ). (d) ∼ p ∨ ∼ q . (e) p ∨ (∼ p ∧ q ). (f) ∼ (∼ p ∨ ∼ q ). Quest ão 1.3. (a) V (b) F (c) F (d) F (e) F. Questão 1.4. Análogo à
subsec¸ao ˜ 1.3.1. Questão 1.5. (a) Se o produto m · n e´ um inteiro par, então m e n são inteiros pares. (b) Se m é um inteiro m ´ultiplo
de 9, então m é um inteiro m ´ultiplo de 3. (c) Se m = 2k + 1, para algum inteiro k , então m é um inteiro ´ımpar. (d) Se m = 2k , para
algum inteiro k , então m é um inteiro par. (e) Se m é um inteiro par, então m e´ um inteiro e m2 e´ par. (f) Se o triângulo e´ isósceles, então
é eq ¨uilátero. Questão 1.6. (a) 3 não e´ ´ımpar ou dois ao ñ é primo. (b) Paulo não é professor e e´ médico. (c) x 2 = 4 e x 6= ±2. (d)
√ √
x 2 = x e x < 0 ou x 2 6= x e x ≥ 0. (e) A vaca vai e o boi não vai atrás. (f) Quem corre, não cansa. (g) Quem não chora, mama. (h)
O triângulo é eq ¨uilátero e não e´ isósceles. Questão 1.7. (a) x 2 = 9 ⇐ x = ±3. (b) x 2 > 9 ⇐ x > 3 ou x < −3. (c) Verdadeira. (d)
Quando x = 2 ≥ 0, há uma indeterminac¸ão df r ac 00. (e) Verdadeira. (f) Se x = 1 e y = −2 , então x 2 = 1 < 4 = y 2 . Questão 1.8.
(a) Vp = {−2}. (b) Vp = {−2, 0, 2}. (c) Vp = R − {2}. (d) Vp = R − {0, 2}. Questão 1.9. (a) V (b) F (c) V (d) V (e) F (f) V (g) F (h) F
(i) F (j) V (k) V (l) F Questão 1.10. (a) Não existe (ou existe mais de um) x ∈ N; x 2 = 9. (b) ∃ x ∈ R; x + 2 6= 7. (c) ∃ x ∈ R; x < x . (d)
√ 1
∀ x ∈ R; x 2 − 2x > 4. (e) ∀ x ∈ R; x 2 6= −4. (f) ∃ x ∈ R; x < 0. (g) ∃ x ∈ R, ∀ y ∈ R; y 6= . (h) Existe n ´umero inteiro primo que
x
não e´ ´ımpar. (i) Nem todo trî angulo isósceles é eq ¨uilátero. (j) Todo losango e´ quadrado. (k) Não existe nenhum n ´umero (ou existe mais
de um n ´umero) onde a raiz quadrada e´ zero. (l) Existe retângulo que não e´ quadrado. Questão 1.11. Existe homem bom que não e´
justo ou nenhum homem bom e´ justo. Questão 1.12. (a) V (b) F (c) V (d) V (e) V (f) F (g) F (h) F (i) V (j) F (k) V (l) F (m) F (n) F Quest ão
1.13. A divisão por a − b não e´ poss´ıvel,áj que a − b = 0.

23
Fundamentos da Matemática I

Elementos da Teoria dos Conjun-


tos. Conjuntos Numéricos

Teoria dos Conjuntos

2.1 Introdução

A Teoria de Conjuntos é uma das mais fundamentais da Matemática, pois, a partir dela, vários conceitos
matemáticos podem ser expressos.

As idéias essenciais da teoria dos conjuntos foram introduzidas pelo matemático alemão George Cantor
(1.845-1.918). Esta linguagem não foi entendida de imediato pelos contemporâneos de Cantor, sofrendo
certa resistência. Mas, lenta e seguramente, esta linguagem se impôs. Em reconhecimento aos trabalhos
realizados por Cantor, a frase a seguir foi expressa pelo famoso matemático David Hilbert (1.862-1.943):
“Ninguém nos expulsará do paraı́so que Cantor criou para nós”.

A Matemática se ocupa primordialmente de números e do espac¸ o. Portanto, os conjuntos mais freqüentes


encontrados na Matemática são os conjuntos numéricos (conjuntos de números), as figuras geométricas
(que são conjuntos de pontos) e os conjuntos que derivam destes, como os conjuntos de func¸ões, matrizes,
etc. Nessa sec¸ão, procuraremos introduzir algumas das idéias básicas da teoria dos conjuntos, através de
suas linguagens.

2.2 Conjuntos. Operações Fundamentais

Intuitivamente, um conjunto é encarado como uma colec¸ão de objetos de natureza qualquer, os quais
se dizem elementos do conjunto. Representa-se simbolicamente por x ∈ X , a proposic¸ão “x é um elemento
do conjunto X ”, que também se lê “x pertence a X ”. A negac¸ão desta proposic¸ão é representada por x ∈
/ X,
lê-se “x não pertence a X ”.

Os conjuntos substituem as “propriedades” e “condic¸ões”. Assim, em vez de dizermos que “o objeto x


goza da propriedade p ” ou “o objeto y satisfaz a condic¸ão q ”, podemos escrever x ∈ X e y ∈ Y , em que
X é o conjunto dos objetos que gozam da propriedade p e Y é o conjunto dos objetos que satisfazem a
condic¸ão q .

Por exemplo, sejam p a propriedade de um número inteiro x ser par, e q a condic¸ão sobre o número
real y expressa por y 2 − 3y + 2 = 0. Por outro lado, sejam

X = {. . . , −4, −2, 0, 2, 4, . . .} e Y = {1, 2}.

Então, tanto faz dizer que x é par e que y satisfaz a condic¸ão q , como afirmar que x ∈ X e y ∈ Y .

Qual é, porém, a vantagem que se obtém quando se prefere dizer que x ∈ X e y ∈ Y em vez de dizer
que x goza da propriedade p e y satisfaz a condic¸ão q ?
24
A vantagem de se utilizar a linguagem e a notac¸ão da teoria dos conjuntos é que entre estes existe
uma álgebra montada sobre as operac¸ões de reunião (X ∪ Y ) e de intersec¸ão (X ∩ Y ), além da relac¸ão de
inclusão (X ⊂ Y ). Por exemplo,

X ∩ (Y ∪ Z ) = (X ∩ Y ) ∪ (X ∩ Z ) e X ⊂ (X ∪ Y ).

são extremamente fáceis de manipular e representam um enorme ganho em simplicidade e exatidão


quando comparadas ao manuseio de propriedades e condic¸ões.

2.3 Notação de Conjuntos

Os conjuntos são, geralmente, designados por letras maiúsculas A, B , X , Y , . . . e seus elementos


representados por letras minúsculas a, b , x , y , . . . . Ao definirmos um determinado conjunto relacionando
seus elementos, devemos dispor-los entre chaves e separados por vı́rgula. Por exemplo, se considerarmos
que A é constituı́do dos números naturais menores do que 4, escrevemos:

A = {0, 1, 2, 3}.

Nota 8. Nunca escreva coisas como A = {conjunto dos números pares}. Isto é incorreto, pois,
as chaves {. . .} são utilizadas exclusivamente para relacionar elementos de um conjunto. Deve-
se escrever: A: conjunto dos números pares, A = {2n; n ∈ Z}.

Uma condic¸ão impossı́vel, isto é, que não seja verificada por nenhum objeto, se chama conjunto vazio
e é designado por ∅. Trata-se, evidentemente, de um conjunto sem elementos. Ele é aceito como conjunto
porque cumpre a utilı́ssima func¸ão de simplificar certas proposic¸ões, evitando uma longa e tediosa menc¸ão
de excec¸ões. Tem-se assim, por exemplo:

∅ = {x ; x 6= x },

ou seja, ∅ é o conjunto dos objetos x tais que x é diferente de si mesmo; ou, ∅ = {x ; x ∈ N e x < 0}. Seja
/ ∅.
qual for o objeto x , tem-se sempre que x ∈

Em muitas questões matemáticas é importante saber que um determinado conjunto não é vazio, para
tanto, deve-se simplesmente encontrar um objeto x tal que esteja neste conjunto. Por exemplo, o conjunto
dos números pares que são primos não é vazio, pois, 2 é par e primo. Na verdade é o único número que é
par e primo, mais ainda, este conjunto é unitário.

Chama-se conjunto unitário (ou singular ) a qualquer conjunto com um só elemento. O conjunto unitário
de elemento x é representado por {x }. Estritamente falando, x e {x }, geralmente, não representam a
mesma coisa, salvo casos especiais conforme Nota 9. Por exemplo, ∅ 6= {∅}, pois, {∅} possui um
elemento (tem-se ∅ ∈ {∅}), mas, ∅ é vazio.

Exemplo 2.1. Seja A = {x ; 2x = 6} e seja b = 3. Podemos dizer que b = A?

˜ Note que A é um conjunto de um único elemento 3, isto é A = {3}. O número 3


A resposta é nao.
pertence a A; não é igual a A.

Observe neste último exemplo que existe uma diferenc¸ a básica entre o elemento x e o conjunto {x }, no
entanto, temos a seguinte nota:
25
Fundamentos da Matemática I

Nota 9. Em certas ocasiões torna-se um pedantismo distinguir x de {x }. Nesses casos, admite-


se escrever x em vez de {x }. Um exemplo disso ocorre quando se diz que a intersec¸ão de duas
retas r e s é o ponto P (em lugar do conjunto unitário {P }) e escreve-se r ∩ s = P , em vez de
r ∩ s = {P }. Neste caso, ambas as formas estão corretas.

Com experiência e bom senso, quem se ocupa com a Matemática percebe que a obediência estrita aos
rı́gidos padrões da notac¸ão e do rigor, quando praticada ao pé da letra, pode ser um obstáculos à clareza,
à elegância e ao entendimento dos alunos.

Os conjuntos podem ser finitos ou infinitos. Intuitivamente, um conjunto é finito se consiste de um


número especı́fico de elementos diferentes, isto é, se ao contarmos os diferentes membros de um conjunto,
o processo de contagem chega a um final. Este número é chamado de cardinalidade de A, e indicamos
por n(A) ou #A. De outro modo, o conjunto é infinito.

Exemplo 2.2. Seja M o conjunto dos dias da semana. Assim, M é finito e n(M ) = 7. Por outro lado, o
conjunto dos números pares é infinito.

2.4 A Relação de Inclusão. Igualdade entre Conjuntos

Sejam A e B dois conjuntos. Se todo elemento de A for também elemento de B , diz-se que A é um
subconjunto de B , que A está contido em B ou que A é parte de B. Para indicar este fato, usa-se a notac¸ão
A ⊂ B . A relac¸ão A ⊂ B chama-se relac¸ão de inclusão. Simbolicamente escrevemos

A ⊂ B ⇔ (∀ x , x ∈ A ⇒ x ∈ B ).

Quando A não é um subconjunto de B , escreve-se A 6⊂ B . Isto significa que nem todo elemento de A
pertence a B , ou seja, que existe pelo menos um objeto a tal que a ∈ A e a ∈
/ B.

Exemplo 2.3. Sejam T o conjunto dos triângulos, Q o conjunto dos quadriláteros e P o conjunto dos
polı́gonos. Como todo triângulo e todo quadrilátero é um polı́gono, temos que o conjunto T e o conjunto Q
estão contidos no conjunto P , ou seja, T ⊂ P e Q ⊂ P , por outro lado, todo triângulo não é um quadrilátero,
assim P 6⊂ Q .

Nota 10. Para todo conjunto A, temos:

1. A ⊂ A. É claro que todo elemento de A pertence a A;

2. ∅ ⊂ A. De fato, se quiséssemos mostrar que ∅ 6⊂ A, terı́amos que obter um objeto x tal


que x ∈ ∅, mas x ∈ A. Como x ∈ ∅ é impossı́vel, somos levados a concluir que ∅ ⊂ A,
ou seja, que o conjunto vazio é subconjunto de qualquer outro.

Dados dois conjuntos A e B , com o mesmo significado de A ⊂ B , é também usual escrever-se B ⊃ A, e


dizer que B contém A. Convém notar que o fato de se verificar a relac¸ão A ⊂ B não exclui a possibilidade
de ter também B ⊂ A; quando estas duas relac¸ões são conjuntamente verificadas os conjuntos A e B têm
precisamente os mesmos elementos e diz-se, então, que são iguais e escrevemos A = B . Em sı́mbolos,
temos:
A = B ⇔ (∀ x , x ∈ A ⇔ x ∈ B ) ou A = B ⇔ (A ⊂ B ∧ B ⊂ A).
26
Quando se tem A ⊂ B com A 6= ∅ e A 6= B , diz-se que A é um subconjunto próprio de B .

A relac¸ão e inclusão goza de três propriedades fundamentais e de fáceis verificac¸ões. Dados quaisquer
conjuntos A, B e C tem-se:

 A ⊂ A (reflexiva)

 Se A ⊂ B e B ⊂ A, então A = B (anti-simétrica)

 Se A ⊂ B e B ⊂ C , então A ⊂ C (transitiva)

Nota 11.

1. A propriedade anti-simétrica é constantemente usada. Quando se deseja mostrar que os


conjuntos A e B são iguais, prova-se que A ⊂ B e B ⊂ A, ou seja, que todo elemento de
A pertence a B e que todo elemento de B pertence a A.

2. A propriedade transitiva da inclusão é a base do raciocı́nio dedutivo. Por exemplo: Todo


ser humano é um animal, todo animal é mortal. Logo, todo ser humano é mortal. Isso
pode ser formulado da seguinte maneira: Sejam H , A e M , respectivamente, os conjuntos
dos seres humanos, dos animais e dos mortais. Temos H ⊂ A e A ⊂ M . Logo, H ⊂ M .

3. Se a é um elemento do conjunto A, a relac¸ão a ∈ A pode ser escrita sob forma {a} ⊂ A. É


incorreto escrever a ⊂ A e {a} ∈ A.

2.5 Diagramas de Venn-Euler

Um meio simples e instrutivo de ilustrar as relac¸ões existentes entre conjuntos é por meio dos chamados
diagramas de Venn-Euler ou, simplesmente, diagramas de Venn. Aqui representamos um conjunto por
uma área simples plana, limitada geralmente, mas não somente, por um cı́rculo.

B B
Exemplo 2.4. Suponhamos A ⊂ B e, digamos A 6= B .
Deste modo A e B podem ser descritos por qualquer dos A
A
diagramas de Venn ao lado.

B B
Exemplo 2.5. Suponhamos A 6⊂ B , B 6⊂ A e A 6=
A
B . Deste modo, A e B podem ser representados por
qualquer dos diagramas de Venn. A

A B
Exemplo 2.6. Seja A = {a, b , c , d } e B = {c , d , e , f }. Ilus- a e
c
tramos esses conjuntos por diagramas de Venn, conforme figura
ao lado. b d f

27
Fundamentos da Matemática I

2.6 Reunião, Interseção e Diferença de Conjuntos

Dados dois conjuntos A e B , a reunião (ou simplesmente união) de A com B é o conjunto A ∪ B (lê-se
“A unido a B ”), formado por todos os elementos que pertencem a A ou a B ou a ambos; a intersec¸ão de A
com B é o conjunto A ∩ B (lê-se “A inter a B ”), formado por todos os elementos que pertencem a A e a B .
Em sı́mbolos temos:

A ∪ B = {x ; x ∈ A ∨ x ∈ B } = {x ; x ∈ A ou x ∈ B }; A ∩ B = {x ; x ∈ A ∧ x ∈ B } = {x ; x ∈ A e x ∈ B }.

Se A e B não têm elementos comuns (A ∩ B = ∅), diz-se que são conjuntos disjuntos. Por exemplo, se
A for o conjunto dos números pares e B o conjunto dos números ı́mpares, então eles são disjuntos.

Chama-se diferença dos conjuntos A e B , o conjunto A − B formado pelos elementos de A que não
estão em B . Simbolicamente,

A − B = {x ; x ∈ A ∧ x ∈
/ B } = {x ; x ∈ A e x ∈
/ B }.

Exemplo 2.7.

(a) União:
1. {a, b } ∪ {c , d } = {a, b , c , d } 3. {a, b , c } ∪ {c , d , e } = {a, b , c , d , e }
2. {a, b , c , d } ∪ {c , d } = {a, b , c , d } 4. {a, b } ∪ ∅ = {a, b }
(b) Intersec¸ão:
5. {a, b , c } ∩ {b , c , d , e } = {b , c } 7. {a, b } ∩ {c , d } = ∅
6. {a, b , c , d } ∩ {c , d } = {c , d } 8. {a, b } ∩ ∅ = ∅
(c) Diferenc¸ a:
9. {a, b , c }−{c , d } = {a, b } 10. {c , d } − {a, b , c } = {d } 11. {a, b } − {c , d } = ∅

Nota 12. Quando se tem B ⊂ A, chama-se o complementar de B em relac¸ão a A o conjunto


A − B , isto é, o conjunto dos elementos de A que não estão em B . Simbolicamente,

{BA = A − B .

Note que {BA só é definido quando B ⊂ A.

Em geral, conjuntos sob verificac¸ão na Teoria dos Conjuntos são subconjuntos de um determinado
conjunto tomado como referência. Chamamos este de Conjunto Universo e o designamos pela letra U .
Assim, o complemento do conjunto A, é o complementar de A em relac¸ão ao universo U , que é o conjunto
dos elementos do universo que não estão em A, ou seja, a diferenc¸ a U − A. Denotamos por:

AC ou A.

Claramente temos (i) B ∩ B C = ∅ (ii) B ∪ B C = U (iii) ∅C = U (iv) U C = ∅

Em diagramas de Venn, ilustramos:

U U U U

A B A B A B A B
C
A B A B A B A =U A
28
2.6.1 Propriedades da Reunião

Sendo A, B e C conjuntos quaisquer, temos as seguintes propriedades.


1. A ∪ U = U 4. A ∪ B = B ∪ A (comutativa)
2. A ∪ A = A (idempotente) 5. (A ∪ B ) ∪ C = A ∪ (B ∪ C ) (associativa)
3. A ∪ ∅ = A (elemento neutro)

2.6.2 Propriedades da Interseção


6. A ∩ ∅ = ∅ 9. A ∩ B = B ∩ A (comutativa)
7. A ∩ A = A (idempotente) 10. (A ∩ B ) ∩ C = A ∩ (B ∩ C ) (associativa)
8. A ∩ U = A (elemento neutro)

São importantes também as seguintes propriedades:

11. A ∩ (B ∪ C ) = (A ∩ B ) ∪ (A ∩ C ) (propriedade distributiva)

12. A ∪ (B ∩ C ) = (A ∪ B ) ∩ (A ∪ C ) (propriedade distributiva)

13. A ∩ (A ∪ B ) = A (lei da absorc¸ão)

14. A ∪ (A ∩ B ) = A (lei da absorc¸ão)

Vejamos um argumento para validar a propriedade distributiva 11 que, em geral, é um raciocı́nio muito
utilizado para validar proposic¸ões e propriedades em Teoria dos Conjuntos.

Justificativa da Propriedade 11

Para verificar que A ∩ (B ∪ C ) = (A ∩ B ) ∪ (A ∩ C ), precisamos que as duas condic¸ões a seguir sejam


simultaneamente verdadeiras. São elas:
I. A ∩ (B ∪ C ) ⊂ (A ∩ B ) ∪ (A ∩ C ) II. (A ∩ B ) ∪ (A ∩ C ) ⊂ A ∩ (B ∪ C )

Para verificar I, suponha um dado elemento x qualquer esteja em A ∩ (B ∪ C ), ou seja, x ∈ A ∩ (B ∪ C ).


Pela definic¸ão de intersec¸ão e de reunião, respectivamente, temos:

x ∈ A ∩ (B ∪ C ) ⇒ x ∈ A e x ∈ (B ∪ C )
⇒ x ∈ A e (x ∈ B ou x ∈ C )
⇒ (x ∈ A e x ∈ B ) ou (x ∈ A e x ∈ C )
⇒ x ∈ (A ∩ B ) ∪ (A ∩ C )

como x é um elemento qualquer de A ∩ (B ∪ C ), concluı́mos que A ∩ (B ∪ C ) ⊂ (A ∩ B ) ∪ (A ∩ C ).


Analogamente, para II temos:

x ∈ (A ∩ B ) ∪ (A ∩ C ) ⇒ (x ∈ A e x ∈ B ) ou (x ∈ A e x ∈ C )
⇒ x ∈ A e (x ∈ B ou x ∈ C )
⇒ x ∈ A e x ∈ (B ∪ C )
⇒ x ∈ A ∩ (B ∪ C )

como x é um elemento qualquer de A ∩ (B ∪ C ), concluı́mos que (A ∩ B ) ∪ (A ∩ C ) ⊂ A ∩ (B ∪ C ).


Assim, por I e II, afirmamos que A ∩ (B ∪ C ) = (A ∩ B ) ∪ (A ∩ C ).

29
Fundamentos da Matemática I

Um tipo de problema interessante, que aparece constantemente nos vestibulares e concursos, é:

Exemplo 2.8. Numa turma de 7a série da Escola Crianc¸ a Feliz, sabe-se que 27 alunos gostam matemática,
33 gostam português e 15 adoram matemática e português. Pergunta-se:

(a) Quantos alunos têm essa turma?

(b) Quantos alunos não gostam de matemática? E de português?

˜ Designemos por M e P , respectivamente, o conjunto dos alunos que gostam de matemática


Soluçao:
e o conjunto dos alunos que gostam de português; por T o conjunto representando a turma, ou seja a
união de M com P . Assim, n(M ) = 27, n(P ) = 33, n(M ∩ P ) = 15 e T = M ∪ P . Como 27 gostam de
matemática, podemos concluir que 27 − 15 = 12 é a quantidade de alunos que só gostam de matemática,
e que 33 − 15 = 18 é a quantidade de alunos que só gostam de português. Portanto, 12 + 15 + 18 = 45
é a quantidade de alunos nesta turma, 18 alunos não gostam de Matemática e 12 alunos não gostam de
português. Em diagramas de Venn, temos:

M P
T = M ∪P
12 15 18 n(T ) = 12 + 18 + 15 = 45
(27-15) (33-15)
= 27 + 33 − 15 = (12 + 15) + (18 + 15) − 15
= n(M ) + n(P ) − n(M ∩ P )

Mais geralmente, temos:

2.6.3 Número de Elementos da União de Dois Conjuntos

Sejam A e B dois conjuntos finitos. Então,

n(A ∪ B ) = n(A) + n(B ) − n(A ∩ B ).

2.7 Conjuntos das Partes. Partição de um Conjunto

Algumas vezes acontece que os objetos/elementos de um conjunto são eles próprios, conjuntos. Por
exemplo, o conjunto de todos os subconjuntos de um certo conjunto A. A fim de evitar a expressão “con-
junto de conjuntos” é comum denominar-se de “famı́lia de conjuntos” (ou classe de conjuntos). Nestas cir-
cunstâncias, e a fim de evitar confusões, adotaremos letras manuscritas maiúsculas para designar famı́lias
de conjuntos: A, B, C, . . ..

Exemplo 2.9. Em geometria é comum falar em “famı́lia de linhas” ou “famı́lia de curvas”, pois, as linhas
e as curvas são constituı́das por conjuntos de pontos.

Exemplo 2.10. O conjunto {{2, 3}, {2}, {3, 4}} é uma famı́lia de conjuntos. Seus elementos são os
conjuntos {2, 3}, {2} e {3, 4}.

Teoricamente, um conjunto pode ter alguns membros que sejam conjuntos e alguns membros que
não sejam conjuntos. Por exemplo, A = {2, {1, 3}, 4, {2, 5}} não é uma famı́lia de conjuntos, pois alguns
elementos de A não são conjuntos.
30
O conjunto das partes de um conjunto A, que notamos por P(A), é o conjunto formado pelos subcon-
juntos de A. Em sı́mbolos,
P(A) = {B ; B ⊂ A}.

Definimos partição de A, e representa-se por Part(A), qualquer subconjunto do conjunto das partes de
A, que satisfaz simultaneamente, às seguintes condic¸ões:

I. Nenhuma dos elementos de Part(A) é o conjunto vazio;

II. A intersec¸ão de quaisquer dois elementos de Part(A) é o conjunto vazio.

III. A união de todos os elementos de Part(A) é igual ao conjunto A.

Exemplo 2.11. Sejam os conjuntos A = {a}, B = {m, n} e C = {x , y , z }, então:

1. P(A) = {∅, {a}}, n(A) = 1, n(P(A)) = 2 = 21

2. P(B ) = {∅, {m}, {n}, {m, n}}, n(B ) = 2, n(P(B )) = 4 = 22

3. P(C ) = {∅, {x }, {y }, {z }, {x , y }, {x , z }, {y , z }, {x , y , z }}, n(B ) = 3, n(P(B )) = 8 = 2 3

4. Part(B ) = {{m}, {n}}

5. Part(C ) = {{x }, {y , z }}. Outra partic¸ão para C é {{y }, {x , z }}

6. Part({0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}) = {{0, 2, 4, 6, 8}, {1, 3, 5, 7, 9}} ou {{0, 1, 2, 3, 4}, {5, 6, 7, 8, 9}}.

Nota 13. A cardinalidade dos conjuntos das partes de A é 2k , em que k é a cardinalidade de


A, ou seja,
n(A) = k ⇒ n(P(A)) = 2k .

Nota 14. Pelo que vimos nos exemplos 2.11(5) e 2.11(6), acima, um dado conjunto pode
possuir mais de uma partic¸ão.

2.8 Exercı́cios Propostos

2.1. Dados A = {1, 2, 3, 4} e B = {2, 4}, escreva com os sı́mbolos da teoria dos conjuntos as seguintes
sentenc¸ as, em seguida atribua seu valor ól gico.
I. 3 é elemento de A; IV. B está contido em A;
II. 1 não está em B ; V. B é igual a A;
III. A está contido em B ; VI. 2 está em A e não está em B
2.2. Reescreva as seguintes proposic¸ões usando a notac¸ão de conjunto.
(a) x não pertence a A; (d) F não é um subconjunto de G ;
(b) R é um subconjunto de S ; (e) H não contém D .
(c) d é um elemento de E ;
2.3. Reescreva as negac¸ões das proposic¸ões dadas no item anterior, usando a notac¸ão de conjunto.
31
Fundamentos da Matemática I

2.4. Seja M = {r , s , t }. Diga se cada uma das quatro proposic¸ões abaixo está correta ou errada. Se uma
delas estiver errada, diga por que.

(a) r ∈ M (b) t ⊂ M (c) {s } ∈ M (d) {r } ⊂ M .

2.5. Julgue em verdadeiro ou falso cada sentenc¸ a a seguir, corrigindo as falsas.


(a) {a, a, a, b , b } = {a, b } = {b , a}; (d) ∅ ⊂ {1};
(b) {x ; x < 0 ∧ x > 0} = ∅; (e) ∅ ∈ {1};
(c) {x ; x ≤ 0 ∨ x > 0} = ∅;
2.6. Considere os conjuntos abaixo:
F : conjunto de todos os filósofos C : conjunto de todos os cientistas
M : conjunto de todos os matemáticos P : conjunto de todos os professores

Exprima cada uma das afirmativas abaixo usando linguagem de conjuntos

I. todos os matemáticos são cientistas;

II. alguns matemáticos são filósofos;

III. alguns cientistas são filósofos;

IV. todos os filósofos são cientistas ou professores;

V. nem todo professor é cientista;

VI. alguns matemáticos são filósofos

VII. nem todo filósofo é cientista

VIII. alguns filósofos são professores

IX. se um filósofo não é matemático, ele é professor;

X. alguns filósofos são matemáticos.

2.7. Considere os conjuntos A = {1, 2, 3, 4, 5}, B = {0, 2, 4, 6, 8}, C = {1, 3, 5, 7, 9} e U = {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}.
Determine e represente em diagramas de Venn:
(a) A ∪ B (h) B ∩ C (o) C − A
(b) A ∪ C (i) A ∪ (A ∩ B ) (p) A − C
(c) B ∪ C (j) A ∩ (A ∪ B ) (q) C − B
(d) (A ∪ B ) ∪ C (k) A ∩ (B ∪ C ) (r) B − C
(e) A ∪ (B ∪ C ) (l) (A ∩ B ) ∪ (A ∩ C ) (s) AC
(f) A ∩ B (m) A − B (t) B C
(g) A ∩ C (n) B − A (u) C C
2.8. Exiba pelo menos três partic¸ões diferentes para cada conjunto da questão anterior.

2.9. Para A = {1, 2}, B = {a, b , c , d , e } e C = {m, n, o }, determine: P (A), P (B ) e P (C ), e #P (A), #P (B ),


#P (C ).

2.10. Sendo a e b números reais quaisquer, os números possı́veis de elementos do conjunto A =


{a, b , {a}, {b }, {a, b }} são:

(a) 2 ou 5; (b) 3 ou 6; (c) 1 ou 5; (d) 2 ou 6; (e) 4 ou 5.


32
2.11. Se um conjunto A possui 1024 subconjuntos, então qual é a cardinalidade de A?

2.12. Julgue as proposic¸ões a seguir. Justifique sua resposta, ou seja exiba, quando possı́vel, contra
exemplos para as falsas e demonstre as verdadeiras.
(a) A e B são sempre subconjuntos de A ∪ B . (f) A e B são sempre subconjuntos de A ∩ B
(b) A ∩ B é sempre subconjunto de A e de B . (g) A ∩ B é um subconjunto de A e B
(c) A = A ∪ ∅ (h) (A − B ) ⊂ A
(d) A ∪ B = ∅ não implica em A = ∅ e B = ∅ (i) (A − B ) ∩ B = ∅
(e) A ∩ B = ∅ implica em A = ∅ e B = ∅ (j) A − B = B − A
2.13. Considere que o conjunto A seja um subconjunto do conjunto B , ou seja, A ⊂ B . Fac¸ a digramas de
Venn para ilustrar que B C ⊂ AC . Mais formalmente prove que:

A ⊂ B ⇒ B C ⊂ AC

2.14. Dados dois conjuntos A e B , chama-se diferenc¸ a simétrica de A com B o conjunto A∆B tal que:

A∆B = (A − B ) ∪ (B − A).

(a) Determine {a, b , c , d }∆{c , d , e , f , g }

(b) Verifique que A∆∅ = A

(c) Verifique que A∆A = ∅

(d) Verifique que A∆B = B∆A, para A e B quaisquer

2.15. Indique dois conjuntos A e B , para os quais sejam verdadeiras as seguintes proposic¸ões:

(a) (A ∩ B )C = AC ∪ B C

(b) (A ∪ B )C = AC ∩ B C

(c) As proposic¸ões acima são as leis de Morgan. Prove-as.

2.16. Dados A = {1, 2, 3, 4, 5, 6} e B = {4, 5, 6, 7, 8, 9, 10}.

(a) Determine n(A ∪ B ), n(A), n(B ) e n(A ∩ B ).

(b) Compare n(A ∪ B ) com n(A) + n(B ) − n(A ∩ B ).

2.17. Justifique que n(A ∪ B ) = n(A) + n(B ) − n(A ∩ B ), para quaisquer conjuntos A e B finitos.

2.18. Sendo A, B e C conjuntos finitos, estabelec¸ a uma ó


f rmula para obter n(A ∪ B ∪ C ).

2.19. Após um jantar, foram servidas as sobremesas X e Y . Sabe-se que das 10 pessoas presentes,
5 comeram a sobremesa X , 7 comeram a sobremesa Y e 3 comeram as duas. Quantas não comeram
nenhuma?

2.20. Reproduza destacando, para cada item, o diagrama de Venn dado:


A B
(a) A ∩ (B ∪ C );
(b) (A ∩ B ) ∪ (A ∩ C );
(c) A ∪ (B ∩ C );
(d) (A ∪ B ) ∩ (A ∪ C );

C
33
Fundamentos da Matemática I

2.21. Na questão anterior:

(a) compare (a) e (b), e (c) e (d).

(b) Prove a propriedade distributiva: A ∩ (B ∪ C ) = (A ∩ B ) ∪ (A ∩ C ), e A ∪ (B ∩ C ) = (A ∪ B ) ∩ (A ∪ C ),


para quaisquer que seja A, B e C .

2.22. Trace o diagrama de Venn para os três conjuntos não vazios A, B e C , de tal maneira que A, B e C
tenham as seguintes propriedades:
(a) A ⊂ B , C ⊂ B , A ∩ C = ∅; (c) A ⊂ C , A 6= C , B ∩ C = ∅;
(b) A ⊂ B , C 6⊂ B , A ∩ C 6= ∅; (d) A ⊂ (B ∩ C ), B ⊂ C , A 6= C , B 6= C .

2.23. Numa escola que tem 415 alunos, 221 são apaixonados por geometria, 163 são apaixonados por
lógica e 52 são apaixonados por ambas as disciplinas. Quantos alunos

(a) são apaixonados por geometria ou lógica?

(b) não são apaixonados por nenhuma dessas disciplinas?

2.24. Uma populac¸ão consome três marcas de cervejas: A, B e S . Feita uma pesquisa de mercado nesta
populac¸ão, colheram-se os seguintes dados:

Marca A B S AeB B eS AeS as três não bebem cerveja


número de consumidores 109 203 162 25 41 28 5 115

Determine:

(a) o número de pessoas consultadas;

(b) o número de pessoas que só bebem a marca A;

(c) o número de pessoas que não bebem as marcas A ou S;

(d) o número de pessoas que consomem ao menos duas marcas.

2.25. Numa certa comunidade só existem indivı́duos de três rac¸ as: branca, preta ou amarela. Sabendo
que 70 são brancos, 350 são não pretos e 50% são amarelas, responda quantos indivı́duos tem essa
comunidade.

2.26. Depois de n dias de férias, um estudante observa que: choveu 7 vezes, de manhã ou à tarde;
quando chove de manhã não chove à tarde; houve 5 tardes sem chuva; houve 6 manhãs sem chuva.
Quantos foram os dias de férias?

2.27. 35 estudantes estrangeiros vieram ao Brasil. 16 visitaram Manaus; 16, S. Paulo e 11, Salvador.
Desses estudantes, 5 visitaram Manaus e Salvador e, desses 5, 3 visitaram também São Paulo. Determine
o número de estudantes que visitaram Manaus ou São Paulo.
34
Gabarito
Questão 2.1. I. 3 ∈ A (V) II. 1 6∈ B (V) III. A ⊂ B (F) IV. B ⊂ A (V) V. B = A (F) VI. 2 ∈ A − B (F) Quest ão 2.2. (a) x ∈ A
(b) R ⊂ S (c) d ∈ E (d) F 6⊂ G (e) H 6⊃ D Questão 2.3. (a) x ∈ A (b) R 6⊂ S (c) d 6∈ E (d) F ⊂ G (e) H ⊃ D Questão
2.4. (a) Verdadeiro. (b) Falso, pois t e´ elemento, logo, a proposic¸ão correta e´ t ∈ M . (c) Falso, pois {s } é um conjunto, logo, a
proposic¸ão correta é {s } ⊂ M . (d) Verdadeiro. Questão 2.5. (a) V. (b) V. (c) F; {x ; x ≥ 0 ∨ x > 0} = ∅. (d) V. (e) F; ∅ ⊂ {1}.
Questão 2.6. I. M ⊂ C II. M ∩ F 6= ∅ III. C ∩ F 6= ∅ IV. F ⊂ C ∪ P V. P − C 6= ∅ VI. M ∩ F = ∅ VII. F − C = ∅ VIII.
F ∩ P 6= ∅ IX. F − M = P X. F ∩ M 6= ∅ Questão 2.7. (a) {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 8}. (b) {1, 2, 3, 4, 5, 7, 9}. (c) {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}.
(d) {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}. (e) {0, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9}. (f) {2, 4}. (g) {1, 3, 5}. (h) ∅. (i) A. (j) A. (k) A. (l) A. (m) {1, 3, 5}.
(n) {0, 6, 8}. (o) {7, 9}. (p) {2, 4}. (q) C . (r) B . (s) {0, 6, 7, 8, 9}. (t) C . (u) A. Quest ão 2.9. P (A) = {∅, {1}, {2}, {1, 2}}.
P (B ) = {∅, {a}, {b }, {c }, {d }, {e }, {a, b }, {a, c }, {a, d }, {a, e }, {b , c }, {b , d }, {b , e }, {c , d }, {c , e }, {d , e }, {a, b , c }, {a, b , d },
{a, b , e }, {a, c , d }, {a, c , e }, {a, d , e }, {b , c , d }, {b , c , e }, {b , d , e }, {c , d , e }, {a, b , c , d }, {a, b , c , e }, {a, b , d , e }, {a, c , d , e },
{b , c , d , e }, {a, b , c , d , e }}. P (C ) = {∅, {m}, {n}, {0}, {m, n}, {m, 0}, {n, 0}, {m, n, 0}}. #P (A) = 2 2 = 4. #P (B ) = 25 = 32.
#P (C ) = 23 = 8. Questão 2.10. (a) Questão 2.11. 10 Questão 2.12. (a) V (b) V (c) V (d) F (e) F (f) F (g) V (h) V (i) V
(j) F Questão 2.13. Seja x ∈ B C , da´ı x 6∈ B . Como A ⊂ B temos que x 6∈ A, ent̃ ao x ∈ AC . Isso prova que B C ⊂ AC .
Questão 2.14. (a) {a, b , e , f , g }. (b) A − ∅ = A e ∅ − A = ∅. Desse modo, A∆∅ = A. (c) Idem ao anterior. (d)
(A − B ) ∪ (B − A) = (B − A) ∪ (A − B ). Questão 2.16. (a) 10; 6; 7; 3. (b) n(A ∪ B ) = n(A) + n(B ) − n(A ∩ B ). Quest ão 2.18.
n(A ∪ B ∪ C ) = n(A) + n(B ) + n(C ) − n(A ∩ B ) − n(A ∩ C ) − n(B ∩ C ) + n(A ∩ B ∩ C ). Quest ão 2.19. 1 Questão 2.23. (a) 332.
(b) 83. Questão 2.24. (a) 500. (b) 61. (c) 257. (d) 84. Questão 2.25. 560. Questão 2.26. 9. Questão 2.27. 29.

Conjuntos Numéricos

2.9 A Necessidade de Contar - Linguagens Usadas para Contar

De todas as formas de vida conhecidas sobre a Terra, a espécie humana é a única que desenvolveu um
procedimento sistemático para armazenar informac¸ões e transmiti-las de uma gerac¸ão para outra. Uma
parte considerável dessas informac¸ões envolve quantidades e grandezas. Desta forma, há necessidade
de uma linguagem para tratar com quantidades, grandezas e suas relac¸ões. Esta linguagem faz parte
da Matemática, que em suas fases iniciais de desenvolvimento foi motivada pela necessidade de contar
e medir. Não podemos definir um ponto de partida histórico par a necessidade de contar ou medir, pois
estes anseios se fundem com própria história do homem.

Acredita-se, que durante o desenvolvimento das civilizac¸ões a linguagem utilizada para contar e medir
teve três fases principais: a enumeração, a numeração e o número.

A enumeração é a forma mais primitiva usada para contar. Entendemos, como uma correspondência
de um para um entre objetos que desejamos contar e objetos usados como marcadores. Por exemplo,
imaginemos a seguinte situac¸ão: ao final do dia, um pastor recolhe seu rebanho de ovelha e deseja saber
se está completo. Através da enumeração este problema é resolvido associando a cada animal um objeto
concreto. O pastor poderia por exemplo, manter um recipiente contendo uma pedra para cada animal de
seu rebanho e efetuar no final do dia a correspondência entre pedras e animais.

Na maior parte das civilizac¸ões estudadas, ainda na sua forma mais primitiva, os objetos concretos uti-
lizados como marcadores eram uma seqüência ordenada de partes do corpo humano, impondo restric¸ões
na quantidade a ser contada, como os dedos das mãos.

A numeração, uma evoluc¸ão da enumerac¸ão, pois, com a criac¸ão de um vocabulário, era natural que tais
palavras fossem usadas no processo de enumerac¸ão. Esta mudanc¸ a marca a transic¸
ão para numerac¸ão,
com o surgimento de “palavras-números”. Essa evoluc¸ão possibilitou a contagem usando apenas as
“palavras-número”, sem a necessidade de percorrer partes do corpo humano para fazer a associac¸ão.

Finalmente, os números, que são entes abstratos desenvolvidos pelo homem como modelos que per-
35
Fundamentos da Matemática I

mitem contar e medir, portanto avaliar as diferentes quantidades de uma grandeza. Podemos dizer que
número é o resultado da comparac¸ão entre uma grandeza e a unidade. Se a grandeza é discreta, essa
comparac¸ão chama-se uma contagem e o resultado é um número inteiro; se a grandeza é contı́nua, a
comparac¸ão chama-se uma medição e o resultado é um número real.

Existe uma distinc¸ão entre número e número cardinal, que merece ser comentada. Na frase “seis
meninos“, o “seis“ refere-se a uma quantidade, isto é, o resultado de uma contagem. Dizemos neste caso
que o “seis“ é um número cardinal. Por outro lado, o substantivo “seis“ usado para designar o sı́mbolo 6 é
um elemento de um conjunto abstrato, e convencionamos chamá-lo de número.

Embora a teoria dos conjuntos seja muito geral, os conjuntos importantes que encontramos em matemática
elementar, são os conjuntos numéricos, ou seja, conjuntos de números. Os números são um dos objetos
principais de que se ocupa a matemática.

2.10 Os Números Naturais

Lentamente, à medida em que se civilizava, a humanidade apoderou-se desse modelo de contagem


(um, dois, três, quatro, . . . ) que são os números naturais:

{1, 2, 3, 4, 5, . . .}.

Como esses números surgiram da necessidade de contagem dos elementos de um conjunto pelo
homem primitivo e, neste sentido, o zero (0) não seria um número natural. Por volta do ano 458 d .C .,
o zero foi introduzido pelos hindus, para representar a coluna vazia dos ábacos, daı́ sua denominac¸ão
original de sunya (vazio).

Nota 15. Não se deve dar muita importância à eterna questão de saber se 0 (zero) deve ser
ou não incluı́do entre os números naturais. Praticamente, todos os livros de Matemática usados
nas escolas brasileiras consideram o 0 como um número natural, do fato que o zero atende às
propriedades básicas dos números deste conjunto.

Adotaremos 0 (zero) como sendo um número natural, ou seja,

N = {0, 1, 2, 3, 4, 5, . . .},

definindo-se um outro conjunto sem o zero:

N∗ = N − {0} = {1, 2, 3, 4, . . .},

pois, esta forma de abordagem é a mais usual.

Perceba que N é infinito e que todo número natural n, possui um sucessor indicado por suc(n), dado
por suc(n) = n + 1. Por exemplo, suc(26) = 26 + 1 = 27.

Entre os números naturais estão definidas duas operac¸ões fundamentais: a adição e a multiplicação
assim definidas:
˜ Dados os números m, n ∈ N, ela as-
Adiçao. ˜ Dados os números m, n ∈ N,
Multiplicaçao.
socia a soma m + n. ela associa o produto m · n.

+: N×N → N ·: N×N → N
(m, n) 7→ m + n (m, n) 7→ m · n
36
Essas duas operac¸ões têm a importante propriedade do fechamento, ou seja, dados dois números
naturais quaisquer, a soma e o produto entre eles é sempre outro número natural. Temos ainda, as
seguintes propriedades, para a, b e c números naturais quaisquer.

A1 : (a + b ) + c = a + (b + c ) associativa da adic¸ão
A2 : a+b =b+a comutativa da adic¸ão
A3 : a+0=0+a =a elemento neutro da adic¸ão
A4 : a+c =b+c ⇔a =b lei do cancelamento
A5 : a+b =0⇔a =0e b =0 lei do anulamento
M1 : (ab )c = a(bc ) associativa da multiplicac¸ão
M2 : ab = ba comutativa da multiplicac¸ão
M3 : a·1=a elemento neutro da multiplicac¸ão
M4 : para c 6= 0, ac = bc ⇔ a = b lei do cancelamento
M5 : a · b = 0 ⇔ a = 0 ou b = 0 lei do anulamento

D1 : a(b + c ) = ab + ac (distributiva à esquerda, da multiplicac¸ão relativamente à adic¸ão)


D2 : (b + c )a = ba + ca (distributiva à direita, da multiplicac¸ão relativamente à adic¸ão)

Nota 16. A operac¸ão subtrac¸ão (ou diferenc¸ a)é a operac¸ão inversa da adic¸ão. Se a + b = c
então dizemos que a = c − b . É óbvio que N não é fechado em relac¸ão à subtrac¸ão, pois, a
subtrac¸ão (diferenc¸ a) entre dois números naturais, nem sempreé um outro número natural. Por
exemplo, a operac¸ão 3 − 10 não teria resultado em N.

2.2 Proposição (Lei da Tricotomia). Dados dois números naturais a e b , ocorrerá uma e somente uma
das condic¸ões:

 a = b : a igual a b (igualdade);

 a > b : a maior do que b (desigualdade);

 a < b : a menor do que b (desigualdade).

Veremos que os próximos conjuntos numéricos a serem apresentados são ampliac¸ões de N, isto é,
contém N, possuem a adic¸ão e a multiplicac¸ão com as mesmas propriedades formais já apresentadas e
outras mais, que constituem justamente o motivo determinante da ampliac¸ão.

2.11 Os Números Inteiros

Os números inteiros apareceram como uma ampliac¸ão dos números naturais. Atualmente, estamos
acostumados a tratar com números negativos e, portanto, o conjunto dos números inteiros, indicado por Z,
é o conjunto
Z = {. . . , −3, −2, −1, 0, 1, 2, 3, . . .}.

Note que N é um subconjunto de Z, ou seja, N ⊂ Z.

No conjunto Z, distinguimos três subconjuntos notáveis:


37
Fundamentos da Matemática I

 Z+ = {0, 1, 2, 3, . . .} = N (conjunto dos inteiros não negativos)

 Z− = {0, −1, −2, −3, . . .} (conjunto dos inteiros não positivos)

 Z∗ = {. . . , −3, −2, −1, 1, 2, 3, . . .} (conjunto dos inteiros não nulos)

São definidas também as operac¸ões de adic¸ão e multiplicac¸ão que apresentam, além de A1 , A2 , A3 , A4 ,


M1 , M2 , M3 , M4 , M5 , D1 e D2 , a propriedade

A6 : ∀ a ∈ Z, ∃! x ∈ Z tal que a + x = 0 simétrico ou oposto para a adic¸ão

Denotamos o simétrico ou oposto de a, por −a.

Devido a propriedade A6 , podemos definir em Z a operac¸ão de subtração, estabelecendo que


a − b = a + (−b ), para todos a e b pertencentes a Z.

−: Z×Z → Z
(a, b ) 7→ a − b := a + (−b )

Nota 17. Note que não existe em Z, a propriedade análoga a A6 para a multiplicac¸ão, ou seja,
dado um número inteiro a não nulo e diferente de um, não existe b ∈ Z, tal que a · b = 1.

A operac¸ão de divisão é a operac¸ão inversa da multiplicac¸ão.


c
Se ab = c , então dizemos que a = (c divido por b ). É óbvio que Z não é fechado em relac¸ão à
b
divisão, pois, a divisão entre dois números inteiros, nem sempre é um outro número inteiro. Por exemplo,
5
a operac¸ão não possui representante em Z.
2

2.12 Os Números Racionais

Assim como os números inteiros apareceram como uma ampliac¸ão dos números naturais, dizemos que
os números racionais é uma ampliac¸ão dos números inteiros.

Como vimos, não existe um inverso multiplicativo em Z. Vamos superar essa dificuldade introduzindo
os números racionais.

Sejam a, b ∈ Z, com b 6= 0. Se a é múltiplo de b , então existe um único elemento r ∈ Z de maneira que


a = br . Esse elemento r é chamado quociente ou divisão de a por , e indicamos
a
r= , r = a ÷ b ou r = a/b .
b

Chamamos de fração um par ordenado de números inteiros (a; b ). O primeiro elemento do par é
denominado numerador e o segundo, denominador. O denominador b é diferente de zero, e a frac¸ão
a
denotamos por . Assim, definimos
b
a
Q= ; a, b ∈ Z e b 6= 0 .
b


a
Observe que todo número inteiro é um número racional, pois, ∀ a ∈ Z, podemos escrever a = . Em
1
outras palavras, Z ⊂ Q.
38
2.12.1 Tipos de Frações

Vamos definir alguns tipos de frac¸ões especiais.

1. Frac¸ões equivalentes: são frac¸ões do tipo


a ac
= , ∀ a, b , c ∈ Z, b , c 6= 0.
b bc

2. Frac¸ões próprias: são frac¸ões do tipo


a
, |a| < |b |, ∀ a ∈ Z, b ∈ Z∗ .
b

3. Frac¸ões impróprias: são frac¸ões do tipo


a
, |a| > |b |, ∀ a ∈ Z, b ∈ Z∗ .
b

4. Frac¸ões aparentes: são frac¸ões do tipo


a
, ∀ a ∈ Z, b ∈ Z∗ , ∃ c , a = bc .
b

5. Frac¸ões decimais: são frac¸ões do tipo


a
, ∀ a ∈ Z, n ∈ N.
10n

6. Frac¸ões irredutı́veis: são frac¸ões do tipo


a
, ∀ a ∈ Z, b ∈ Z∗ , mdc(a, b ) = 1.
b

Podemos definir em Q as operac¸ões já estruturadas em Z, tais como adic¸ão, multiplicac¸ão e subtrac¸ão.
No entanto, definimos uma outra operac¸ão, a divisão, que auxilia a definir os elementos inversos em relac¸ão
à multiplicac¸ão. Vejamos tais operac¸ões:
a c da + bc
Adic¸ão: + = , ∀ a, c ∈ Z, b , d ∈ Z∗ .
b d bd
a a
Nota 18. O elemento oposto − de , tem a seguinte propriedade:
b b
a −a a
− = = , ∀ a ∈ Z, b ∈ Z∗ .
b b −b
A partir dessa observac¸ão podemos definir a subtrac¸ão entre dois números racionais:

a c a −c ad − bc
− = + = , ∀ a, c ∈ Z, b , d ∈ Z∗ .
b d b d bd

a c a·c
Multiplicac¸ão: · = , ∀ a, c ∈ Z, b , d ∈ Z∗ .
b d b·d
As operac¸ões Adic¸ão e Multiplicac¸ão definidas em Q apresentam, além de A1 , A2 , A3 , A4 , M1 , M2 , M3 ,
M4 , M5 , D1 e D2 , a propriedade
a
M6 : ∀ x = ∈ Q∗ , ∃! y ∈ Q tal que xy = y x = 1. (simétrico multiplicativo ou inverso).
b
b
Denotamos: y = x −1 = .
a
5 2 5 2 5·2
Exemplo 2.12. Se x = , então x −1 = e xx −1 = · = .
2 5 2 5 2·5
39
Fundamentos da Matemática I

Nota 19. A propriedade M6 diz justamente como dividir em Q. Se x , y ∈ Q, a divisão de x por


x
y , ou seja, o número racional = xy −1 .
y

5 1 x 5 2 10
Exemplo 2.13. Se x = e y = , então = xy −1 = · = .
3 2 y 3 1 3

Ainda da propriedade M6 , dados x , y , z ∈ Q, com z 6= 0, temos:


x +y x y
= (x + y )z −1 = xz −1 + y z −1 = +
z z z

2.12.2 Representação Decimal

Qualquer número racional pode ser escrito na forma decimal. Mas existem números decimais que não
podem ser escritos em forma de números racionais (veremos isso mais adiante). Para isso, basta dividir o
numerador pelo inteiro denominador. Nessa divisão, podem ocorrer dois casos:

1. O número decimal tem uma quantidade finita de algarismos diferentes de zero, isto é, é uma decimal
exata. Por exemplo:
3 1 1 13
= 3; = 0, 5; = 0, 05; = 0, 013.
1 2 20 1000
2. O número decimal tem uma quantidade infinita de algarismos que se repetem periodicamente, isto
é, é uma dı́zima periódica. Por exemplo:
1
= 0, 3333 . . . = 0, 3̄(perı́odo 3)
3

2
= 0, 285714285714 . . . = 0, 285714 (perı́odo 285714)
7

11
= 1, 83333 . . . = 1, 83̄(perı́odo 3)
6

Assim, dado um número, decidimos se é ou não racional, se for possı́vel representa-lo sob a forma
a
, pois, os números racionais são caracterizados por poderem ser representados sob a forma de frac¸ão.
b
Vejamos alguns exemplos de como fazer isso.

1. Decimal exata
5 1 224 56 −52 13
0, 05 = = , 2, 24 = = , −0, 52 = =− .
100 20 100 25 100 25
2. Dı́zima periódica
1
 0, 3333 . . . = , pois,
3

x = 0, 33333 . . . 3 1
⇒ 10x − x = 3 ⇒ x = = .
10x = 3, 33333 . . . 9 3

2
 0, 285714285714 . . . = , pois,
7

x = 0, 285714285714 . . . 285.714 2
⇒ 1.000.000x − x = 285.714 ⇒ x = = .
1.000.000x = 285.714, 285714285714 . . . 999.999 7
40
11
 1, 83333 . . . = , pois,
6


x = 1, 83333 . . . 

165 11
10x = 18, 33333 . . . 

⇒ 100x − 10x = 165 ⇒ x = = .


90 6
100x = 183, 33333 . . .


2.13 Os Números Irracionais

O número é a medida de todas as coisas. Os números medem também as áreas, os comprimentos, os


lados dos triângulos, a conta bancária de um indivı́duo, etc.

Os gregos descobriram que nem todos os segmentos podiam ser medidos por um número inteiro posi-

tivo ou uma frac¸ão entre números inteiros, fato esse conhecido como a descoberta de 2 pelos pitagóricos
no século V , a.C.

Consideremos um triângulo retângulo e isósceles, cujos catetos sejam iguais a 1.

Segundo o Teorema de Pitágoras, aplica-se a relac¸ão:

D 2 = 12 + 12 = 2, D 1

em que D indica o comprimento da hipotenusa deste triângulo e satisfaz a igual-


dade D 2 = 2.
1

Denominamos esse número de raiz quadrada de 2 e o representamos por 2.

É evidente que a hipotenusa possui um determinado comprimento, conforme se pode observar na


figura, mas era simplesmente impossı́vel achar o número que pudesse ser associado ao exato compri-
√ 3 3 2 9 7
mento expresso por 2. O valor é grande demais, pois, = > 2 e é um pouco menor, pois,
2 2 4 5


7 2 49
= < 2. De qualquer maneira que se busque esse número, encontra-se apenas valores aproxima-
5 25


dos, que ora excedem o valor real, ora permanecem inferiores a ele, sempre por uma pequena diferenc¸ a.
√ √
Afirmamos que 2 não é um número racional. Mais geralmente: p não é um número racional se, se
somente se, p é um número primo. Essas afirmac¸ões são passı́veis de demonstrac¸ão, a qual omitiremos.

Definimos o conjunto dos números irracionais, denotado por Q0 , como sendo o conjunto dos números
a
que não podem ser representados na forma , a ∈ Z, b ∈ Z∗ . Por exemplo, os números
b

2 = 1, 4142135623730950488016887242097 . . .

3 = 1, 7320508075688772935274463415059 . . .

3
11 = 1, 2009369551760027266754653873495 . . .
π = 3, 1415926535897932384626433832795 . . .
e = 2, 718281828 . . .

são exemplos de números que não podem ser escritos sob a forma de frac¸ão, ou seja, são números irra-
cionais. Dois famosos números irracionais são π e e , em que π (pi) é dado pela divisão entre o comprimento
de uma circunferência e seu diâmetro e e é a base dos logaritmos naturais, ou neperianos.
41
Fundamentos da Matemática I

Nota 20. Os números racionais têm representac¸ão decimal finita ou infinita periódica, mas os
números irracionais não têm essa representac¸ão.

Sabemos que os números racionais são fechados em relac¸ão às quatro operac¸ões: adic¸ão, subtrac¸ão,
multiplicac¸ão e divisão (exceto por zero). No entanto, isso não acontece com os números irracionais,
vejamos a propriedade de fechamento em relac¸ão aos números irracionais.

2.3 Proposição. Seja a um número irracional qualquer e x um número racional diferente de zero. Então,
a adic¸ão, subtrac¸ão, multiplicac¸ão e divisão de x e a resultam em números racionais. Também, −a e a−1
são irracionais.

Conforme proposic¸ão acima, podemos dizer que os números



√ 1 √ √ 2 5
− 2, √ , 2 + 5, 3 − 2 2, ,√
2 7 2
são todos irracionais. Logo, há uma infinidade de números irracionais.
√ √ √ √
Os números − 3 e 3 são números irracionais, no entanto, − 3 + 3 = 0 não é um número irracional.
Analogamente, podemos exibir exemplos para verificar que os números irracionais não são fechados em
relac¸ão às outras operac¸ões: subtrac¸ão, multiplicac¸ão e divisão, como citamos.

2.14 Os Números Reais

O conjunto dos números reais R é o resultado da união entre os conjuntos dos racionais e o dos
irracionais, isto é,
R = Q ∪ Q0 .

Uma das mais importantes propriedades dos números reais é poder representá-los por pontos numa linha
reta. Assim, na figura a seguir, escolhemos um ponto, chamado de origem, para representar o 0 (zero), e
um outro ponto, geralmente à direita, para representar 1.

2 e p

-3 -2 -1 0 1 2 3

Estabelece-se, assim, um sistema natural relacionando os pontos na linha e os números reais, isto é,
cada ponto representará um único número real e cada número será representado por um único ponto. A
esta reta nos referimos como a reta real, ou reta numérica. Conseqüentemente, podemos usar as palavras
ponto e número indistintamente.

Os números à direita de 0 (semi-reta positiva) são chamados de números positivos e os números à


esquerda de 0 (semi-reta negativa) de números negativos. O número 0 não é positivo, nem negativo.

2.14.1 Propriedades dos Números Reais

Observemos que o conjunto dos números reais R satisfaz a propriedade do fechamento para a adic¸ão
e para a multiplicac¸ão, isto é, se a, b ∈ R, existe um único número real denotado por a + b (chamado soma),
42
e existe um único número real denotado por a · b (ou ab , chamado produto). O conjunto dos números reais
possui, em relac¸ão às operac¸ões da adic¸ão (+) e da multiplicac¸ão (·), as seguintes propriedades:

P1 . Comutativa: a + b = b + a e a · b = b · a, ∀ a, b ∈ R;

P2 . Associativa: (a + b ) + c = a + (b + c ) e (a · b ) · c = a · (b · c ), ∀ a, b , c ∈ R;

P3 . Distributiva: (a + b ) · c = a · +b · c ) e a · (b + c ) = a · b + a · c , ∀ a, b , c ∈ R;

P4 . Existência do elemento neutro: existem dois números reais 0 e 1 tais que

a + 0 = a e a · 1 = a, ∀ a ∈ R.

O número 0 é o elemento neutro da adic¸ão e o 1, o elemento neutro da multiplicac¸ão;

P5 . Existência do oposto: para qualquer a ∈ R, existe um número b ∈ R, chamado oposto (simétrico ou


inverso aditivo) de a, tal que a + b = 0. Denotamos b = −a;

P6 . Existência do inverso multiplicativo: para qualquer a ∈ R∗ , existe um número b ∈ R, chamado inverso


1
multiplicativo de a, tal que a · b = 1. Denotamos b = a−1 = .
a

Usando as propriedades acima, definimos a subtrac¸ão e a divisão entre números reais. Dados a, b ∈ R,
a subtração entre a e b , denotada por a − b , é definida por a − b = a + (−b ), e dados a ∈ R, b ∈ R∗ , a
a a 1
divisão entre a e b , denotada por (ou a ÷ b ), é definida por = a · b −1 = a · .
b b b

−: R×R → R ÷ : R × R∗ → R
1
(a, b ) 7→ a − b := a + (−b ) (a, b ) 7→ a ÷ b := a ·
b

2.14.2 Relação de Ordem e Desigualdades

Dados dois números reais a e b , com a 6= b , dizemos que a é maior do que b quando a está colocado à
direita de b na reta real, e denotamos a > b . De forma equivalente, podemos dizer que

a > b ⇔ a − b > 0,

isto é, a diferenc¸ a entre a e b é positiva. Analogamente, dizemos que a é menor do que b , se a está
colocado à esquerda de b na reta real, e denotamos por a < b . De forma equivalente, podemos dizer que

a < b ⇔ a − b < 0,

isto é, a diferenc¸ a entre a e bé negativa.

Nota 21.

(a) Os sinais “<” e “>” são usados como relac¸ão de ordem em R;

(b) Os sinais “≤” e “≥” significam “menor ou igual a” e “maior ou igual a”, respectivamente;

(c) a > b ⇔ b < a.

A relac¸ão de ordem possui propriedades importantes. São elas:


43
Fundamentos da Matemática I

I. Lei da Tricotomia: para quaisquer números reais a e b , vale apenas uma e somente uma:

a<b ou a>b ou a = b;

II. Transitividade: para quaisquer números reais a, b e c ,

a < b e b < c ⇒ a < c;

III. Monotonicidade da adição: para quaisquer números reais a, b e c ,

a < b ⇔ a + c < b + c;

IV. Monotonicidade da multiplicação: para quaisquer números reais a, b e c ,

a < b ⇒ ac < bc , c > 0;

a < b ⇒ ac > bc , c < 0;

V. Para quaisquer números reais a, b e c ,

a < b e c < d ⇒ a + c < b + d;

VI. Para quaisquer números reais a, b e c ,

0 < a < b e 0 < c < d ⇒ a · c < b · d;

Vejamos um breve comentário a respeito das propriedades vistas acima, bastante úteis nas resoluc¸ões
de inequac¸ões.

A propriedade I nos diz que, para quaisquer dois números reais, sempre é possı́vel relacioná-los. Nas
propriedades dadas em II - IV, podemos, também, escrever para os sinais “>”, “≤” e “≥”.

A propriedade III nos diz que, somando qualquer número positivo, negativo ou zero em ambos os
membros, a desigualdade permanece inalterada. Assim, por exemplo, sabemos que −3 < 5 e somando 3
em ambos os membros, temos −3 + 3 < 5 + 3, isto é, 0 < 8;. Novamente se somarmos −4, ficamos com
−3 + (−4) < 5 + (−4), isto é, −7 < 1.

A propriedade IV nos diz que o sinal de desigualdade permanece inalterado quando se multiplicam
ambos os membros da desigualdade por um número positivo e que muda de menor do que para maior do
que ou de maior do que para menor do que quando se multiplica por um número negativo.

Outras propriedades dos números reais: sejam a, b , c ∈ R, então:

P7 . ab = 0 ⇒ a = 0 ∨ b = 0; P10 . ab = ac ⇔ a 6= 0 ∨ b = c ;
P8 . a < 0 ∧ b < 0 ⇒ ab > 0; P11 . a 6= 0 ⇒ a2 = a · a > 0.
P9 . a > 0 ∧ b < 0 ⇒ ab < 0;

2.14.3 Intervalos

Sejam a e b números reais com a ≤ b . Os subconjuntos abaixo definidos são chamados de intervalos:
44
[a, b ] = {x ∈ R; a ≤ x ≤ b }
a b
(a, b ) = {x ∈ R; a < x < b }
a b
[a, b ) = {x ∈ R; a ≤ x < b }
a b
(a, b ] = {x ∈ R; a < x ≤ b }
a b
[a, +∞) = {x ∈ R; x ≥ a}
a
(a, +∞) = {x ∈ R; x > a}
a
(−∞, b ] = {x ∈ R; x ≤ b }
b
(−∞, b ) = {x ∈ R; x < b }
b

Os quatro primeiros intervalos são limitados, com extremos a, b : [a, b ] é um intervalo fechado, (a, b )
é um intervalo aberto, [a, b ) é fechado à esquerda e (a, b ] é fechado à direita. Os demais intervalos são
ilimitados: (−∞, b ], por exemplo, é a semi-reta esquerda, fechada, de origem b . Os sı́mbolos “−∞” e “∞”
não são números reais, eles são usados para indicar o infinito. Quando a = b , o intervalo [a, b ] reduz-se a
um ponto, nesse caso dizemos que o intervalo é degenerado.

Na representac¸ão gráfica dos intervalos na reta real, exibida acima, as bolas preenchidas indicam que
a extremidade pertence ao intervalo, caso contrário, a extremidade não pertence ao intervalo.

Interseção e União entre Intervalos; Propriedades dos Intervalos

1. A intersec¸ão de dois intervalos não degenerados é vazia, ou é um outro intervalo, ou um ponto


(intervalo degenerado);

2. A união entre dois intervalos não degenerados e não disjuntos, é um outro intervalo contendo cada
um desses intervalos;

0 1 3 4
Exemplo 2.14. Dado os intervalos A = [0, 3] e A
B = [1, 4], determinamos A ∪ B e A ∩ B .
B
Da figura ao lado, concluı́mos que A ∩ B = [1, 3]
A∩B
e A ∪ B = [0, 4].
A∪B

Módulo ou Valor Absoluto de um Número Real

Sejam a e b dois números reais distintos, ou seja, a 6= b . A diferenc¸ a entre a e b , a − b pode ser positiva
se a > b , ou negativa se a < b . Em relac¸ão à reta real, essa diferenc¸ a é a distância entre a e b , e é
sempre considerada como positiva, isto é, o valor absoluto, mesmo que a diferenc¸ a entre os números que
a representam seja negativa. Mais explicitamente, quando a = −3 e b = 2, temos

a − b = −3 − 4 = −5 e b − a = 2 − (−3) = 5.

Portanto, a distância entre −3 e 2 é 5, mesmo que a diferenc¸ a entre eles seja −5 ou 5, isto é, | − 5| =
| + 5| = 5. Dizemos, assim, que 5 é o valor absoluto ou módulo de 5 ou −5.
45
Fundamentos da Matemática I

−4 −3 −2 −1 0 1 2 3 4

Em geral, o módulo ou valor absoluto de qualquer número real é definido a seguir: Seja a um número
real. Definimos o módulo ou valor absoluto de a, denotado por |a|, da seguinte forma



a, a > 0
|a| = 

0, a = 0
−a, a < 0

Por exemplo, | − 2| = −(−2) = 2, |5| = 5, |3 − 6| = | − 3| = 3, | − 2 − 3| = | − 5| = 5.

Vejamos algumas propriedades do módulo, onde a e b são números reais quaisquer:

I. |a| = | − a|; a |a|


IV. = , b 6= 0;
b |b |
 

√  

II. |a| = a2 e |a|2 = | − a|2 ;


 

V. |x | ≤ a ⇔ −a ≤ x ≤ a ⇔ x ≥ −a e x ≤ a, em que a > 0;
III. |a · b | = |a| · |b |; VI. |x | ≥ a ⇔ x ≥ a ou x ≤ −a, em que a > 0.

A propriedade V pode ser interpretada, significando que a distância entre x e a origem é menor do que
a, isto é, deve estar entre “−a ” e “a” na reta real.

É comum encontrar equac¸ões e inequac¸ões modulares, ou seja, que envolvam módulo. Estudaremos
essas mais adiante. No entanto, vale chamar a atenc¸ão de dois casos bem simples.

Suponha que x − 2 = 3. Geometricamente, significa que o número x está a uma distância 3 do número
2. Logo, devemos ter x = 5 (se x estiver à direita de 2) ou x = −1 (se x estiver à esquerda de 2). Se, ao
invés da igualdade, tivéssemos a desigualdade |x − a| < k , com k > 0, então a distância de x ao ponto a
seria menor do que k . Logo, x deve estar entre a − k e a + k .

2.15 Exercı́cios Propostos

2.28. Defina quais das proposic¸ões são verdadeiras. Não esquec¸ a de corrigir as falas.
(a) 0 ∈ N (f) 0, 474747 . . . ∈ Q0

(b) (2 − 3) ∈ N (g) x ∈ Q ⇒ −x ∈ Q
21
(c) N ⊂ Z (h) é irredutı́vel
14
(d) N ∪ Z− = Z 2
(i) ∈ Q − Z
7
(e) Z ⊂ Q ⊂ Q0 (j) 3π ∈ Q

2.29. Verifique se E = {2, 4, 6, 8, . . .} e F = {1, 3, 5, 7, . . .} são fechados para a multiplicac¸ão e adic¸ão.

2.30. Existe um número real que satisfaz a desigualdade |x | ≤ 0? E |x | < 0?

2.31. Use as propriedades convenientes dos números reais, para isolar x entre os sinais de desigualdades,
ou seja, que fique assim: a < x < b
(a) 3 < x − 4 < 8; (c) −9 < 3x < 12; (e) 3 < 2x − 5 < 7;
(b) −1 < x + 3 < 2; (d) −6 < −2x < 4; (f) −7 < −2x + 3 < 5.
46
2.32. Reescreva os seguintes intervalos na forma de construc¸ão de conjunto, ou seja, da forma
{x ; a < x < b }.

(a) A = [−3, 5)

(b) B = (3, 8)

(c) C = [0, 4]

(d) D = (−7, −2]

2.33. Localize na reta real os seguintes intervalos: A ∪ B , B ∪ C , A ∩ B , C ∩ D , D ∩ A, onde A, B , C e D


são dados na questão anterior.

2.34. Sejam os conjuntos X = {x ; x < 3}, Y = {x ; x ≥ 2}, Z = {x ; x ≤ 1} e W = {x ; x > −1}. Esboce-os


na reta real e em seguida, escreva-os sob notac¸ão de intervalos.
x +1
2.35. Dentre os reais, −1, 0, 1, 2 e 3, qual não pode ser escrito sob a forma ? Por que?
x

Gabarito
Questão 2.28. (a) V (b) F; ((2 − 3) ∈ Z) (c) V (d) V (e) F; (Z ⊂ Q ⊂ R) (f) F; (0, 474747 . . . ∈ Q) (g) V (h) F (i) V (j) F; (3π ∈ Q 0 )
Questão 2.29. E é fechado para a multiplicac¸ão e para a adic¸ão. F e´ fechado para a multiplicac¸ão, mas não é fechado para a adic¸ao.
˜
Questão 2.30. O n ´umero zero satisfaz a desigualdade |x | ≤ 0, mas não satisfaz |x | < 0. Questão 2.31. (a) 7 < x < 12 (b)
−4 < x < −1 (c) −3 < x < 4 (d) −2 < x < 3 (e) 4 < x < 6 (f) −1 < x < 5 Quest ão 2.32. (a) A = {x ; −3 ≤ x < 5} (b)
B = {x ; 3 < x < 8} (c) C = {x ; 0 ≤ x ≤ 4} (d) D = {x ; −7 < x ≤ −2} Questão 2.33. A ∪ B = [−3, 8); B ∪ C = [0, 8);
A ∩ B = (3, 5); C ∩ D = ∅; D ∩ A = [−3, −2] Questão 2.34. X = (−∞, 3); Y = [2, +∞); Z = (−∞, 1]; W = (−1, +∞) Quest ão
x +1
2.35. 1, pois, se 1 pudesse ser escrito sob a forma , chegar´ıamos ao absurdo 1 = 0.
x

Grandezas e Relações

Expressões Algébricas. Equações;


Inequações do 1◦ grau; Grandezas Pro-
porcionais.

Expressões Algébricas
No dia a dia, usamos expressões sem perceber que as mesmas representam expressões algébricas
ou numéricas. Numa livraria, quando calculamos o prec¸ o de um jornal somado ao prec¸ o de duas canetas,
usamos expressões como 1x + 2y , em que x representa o prec¸ o do jornal e y o prec¸ o unit
ário da caneta.
Neste caso, se D é o valor total de dinheiro disponı́vel e T é o valor do troco, então temos uma expressão
algébrica do tipo D − (1x + 2y ) = T .
47
Fundamentos da Matemática I

As expressões algébricas são expressões matemáticas que apresentam letras e podem conter números.
São também denominadas expressões literais. Encontramos muitas vezes em fórmulas matemáticas,
como por exemplo, no cálculo de áreas de retângulos, triângulos e outras figuras planas, como ilustra o
quadro abaixo.
Figura

h a
h

b b a
Algébrica Matemático
Expressão Objeto

Área Área Perímetro


do triângulo do retângulo do quadrado

bxh
A= A=bxh P = 4a
2

Outros exemplos são:


(m + n) · h
A = 2x + 7y , B = (3p + 4) − 5q , C= .
2

Na Antiguidade, as letras foram pouco usadas na representac¸ão de números e relac¸ões. De acordo


com fontes históricas, os gregos Euclides e Aristóteles (322 − 384 a.C ), usaram as letras para representar
números.

O grande uso de letras para resumir mais racionalmente o cálculo algébrico passou a ser estudado pelo
matemático alemão Stifel (1486 − 1567), pelos matemáticos italianos Germano (1501 − 1576) e Bombelli
(autor de Álgebra publicada em 1572), porém, foi com o matemático francês Franc¸ ois Víete (1540 − 1603),
que introduziu o uso ordenado de letras nas analogias matemáticas, quando desenvolveu o estudo do
cálculo algébrico.

As letras nas expressões são chamadas variáveis o que significa que o valor de cada letra pode ser
substituı́do por um valor numérico.

É comum em matemática, aparecer expressões algébricas de todas as formas e tipos. Trabalhando


com expressões algébricas, certos problemas podem ser simplificados por uma fatorac¸ão, possibilitando,
talvez, eliminac¸ão de fatores que impec¸ am a continuidade do raciocı́nio. No curso de Cálculo Diferencial e
Integral I, veremos algo do tipo
x −1
lim
x →1 x2 − 1
0
que será um indeterminac¸ão do tipo . No entanto do fato que
0
x −1 x −1 1
= =
x2 − 1 (x − 1) · (x + 1) x +1
a indeterminac¸ão acima mencionada deixará de existir por uma simples simplificac¸ão de uma expressão
algébrica, e teremos
x −1 1 1
lim = lim = .
x →1 x 2 − 1 x →1 x + 1 2

Assim, destacaremos aqui alguns produtos de expressões algébricas, que são os produtos notáveis de
fácil verificac¸ão, no intuito de facilitar possı́veis simplificac¸ões na resoluc¸ão de problemas, são eles:
48
1. Quadrado da soma de dois termos: (x + y )2 = x 2 + 2xy + y 2

2. Quadrado da diferenc¸ a de dois termos: (x − y )2 = x 2 − 2xy + y 2

3. Produto da soma pela diferenc¸ a de dois termos: (x + y ) · (x − y ) = x2 − y 2

4. Cubo da soma de dois termos: (x + y )3 = x 3 + 3x 2 b + 3xy 2 + y 3

5. Cubo da diferenc¸ a de dois termos: (x − y )3 = x 3 − 3x 2 b + 3xy 2 − y 3

6. Soma de dois cubos: a3 + b 3 = (x + y ) · (x 2 − xy + y 2 )

7. Diferenc¸ a de dois cubos: x3 − y 3 = (x − y ) · (x 2 + xy + y 2 )

8. Diferenc¸ a de potências de ordem: x 4 − y 4 = (x − y ) · (x + y ) · (x 2 + y 2 )

9. Quadrado da soma de três termos: (x + y + z )2 = x 2 + y 2 + z 2 + 2xy + 2xz + 2y z

Utilizando as propriedades dos números reais, distributiva e depois a comutativa, podemos verificar que
(x + y )2 = x 2 + 2xy + y 2 da seguinte forma:

(x + y )2 = (x + y ) · (x + y )
= x 2 + xy + y x + y 2
= x 2 + xy + xy + y 2
= x 2 + 2xy + y 2

Para verificar x 4 − y 4 = (x − y ) · (x + y ) · (x 2 + y 2 ), utilizamos o produto da soma pela diferenc¸ a de dois


termos, como segue:

x4 − y4 = (x 2 )2 − (y 2 )2
= (x 2 − y 2 ) · (x 2 + y 2 )
= (x − y ) · (x + y ) · (x 2 + y 2 )

3.1 Equações de Primeiro Grau

Duas expressões algébricas unidas por um dos sinais ≡ “idêntico a” ou = “igual a” formam uma igual-
dade algébrica. As igualdades podem ser: “incondicionais” (ou “Identidades” ) ou “ condicionais” (ou
“equações” ).

As incondicionais ou identidades, são aquelas que se verificam para qualquer valor da variável. O
conjunto soluc¸ão é o próprio conjunto universo, por exemplo:
Identidade Soluc¸ão
(x + 1)2 ≡ x 2 + 2x + 1 S =R
2 2
sen x + cos x ≡ 1 S =R

Já as condicionais ou equac¸ões, são aqueles que se verificam para Equation Soluc¸ão
determinados valores da variável. O conjunto soluc¸ão é subconjunto 2x + 1 = 7 S = {3}
do universo. 2
x =9 S = {−3, 3}
49
Fundamentos da Matemática I

Definimos equação linear do primeiro grau a uma variável (ou simplesmente equac¸ão do
primeiro grau), a toda equac¸ão que pode ser reduzida a forma ax + b = 0 , com a 6= 0, em
que x é a variável ou incógnita, e as constantes a e b são os coeficientes da equac¸ão.

Quando os coeficientes da equac¸ão são números, as equac¸ões são ditas numéricas,


(6x − 2 = 4). Quando os coeficientes são representados por letras, as chamamos de equações literais,
(3x − n = m + 2). Se duas ou mais equac¸ões admitem o mesmo conjunto soluc¸ão, dizemos que são
equações equivalentes. Assim, as equac¸ões x + 1 = 7 e 2x = 12 são equivalentes pois admitem o mesmo
conjunto soluc¸ão S = {6}. A raiz de uma equac¸ão, é o valor da variável que verifica a equac¸ão.

3.1.1 Resolução da Equação do Primeiro Grau

Seja a equac¸ão de primeiro grau, ax + b = 0. Utilizando as propriedades dos números reais, obtemos
a soluc¸ão desta equac¸ão, como segue:

ax + b = 0 ⇔ ax + b + (−b ) = 0 + (−b )
⇔ ax + b − b = 0−b
⇔ ax = −b
−1
⇔ (a ) · ax = (a−1 ) · (−b )
a b
⇔ x = −
a a
b
⇔ x = −
a
Portanto, estabelecemos:

O conjunto soluc¸ão de uma equac¸ão de primeiro grau ax + b = 0 é

b
S = x =− .
a 

Exemplo 3.1. Resolver a seguinte equac¸ão do primeiro grau 2(x + 1) − 3(x − 1) = 4x .

˜ Analogamente, com as propriedades dos números reais, procedemos:


Soluçao:

2(x + 1) − 3(x − 1) = 4x ⇔ 2x + 2 − 3x + 3 = 4x
⇔ 2x − 3x + 3 + 2 = 4x
⇔ −x + 5 = 4x
⇔ −x + 5 = 4x
⇔ −x + 5 − 4x = 4x − 4x
⇔ −5x + 5 = 0
⇔ −5x + 5 − 5 = 0 − 5
⇔ −5x = −5
−5
⇔ x = =1
−5

Nota 22. Na prática não resolvemos uma equac¸ão detalhadamente como acabamos de fazer.
Vejamos no exemplo a seguir, como resolver mais rapidamente.

50
5(1 + x ) 2(1 − x ) 2 3(1 − 2x )
Exemplo 3.2. (a) 3x − m = nx + 5 (b) − = − .
3 6 3 4

˜
Soluçao:

(a) Podemos escrever a equac¸ão dada como 3x − nx = 5 + m, ou ainda, x (3 − n) = 5 + m, e portanto,


5+m
x= , para todo n 6= 3.
3−n
(b) Primeiramente, reduziremos a um mesmo denominador comum, por exemplo 12, que é um múltiplo de
3, 6 e 4. Assim reescrevemos uma equac¸ão equivalente:

4 · 5(1 + x ) 2 · 2(1 − x ) 4 · 2 3 · 3(1 − 2x )


− = −
12 12 12 12
ou ainda
20(1 + x ) 4(1 − x ) 8 9(1 − 2x )
− = − .
12 12 12 12
Como as frac¸ões estão com o mesmo denominador, escrevemos

20(1 + x ) − 4(1 − x ) 8 − 9(1 − 2x )


= .
12 12
Arrumando-se os numeradores e, em seguida, multiplicando ambos os membros por 12, temos:

20 + 20x − 41 + 4x 8 − 9 + 18x )
= ⇔ 24x + 16 = 18x − 1 ⇔ 6x = −17,
12 12
17
e, portanto, S = − .
6 

3.1.2 Equações Produto e Equações Quociente

As equações produto são as do tipo A × B = 0, em que A e B podem assumir a forma ax + b . Para que
A × B = 0, devemos ter A = 0 ou B = 0. Por exemplo (2x − 6) · (7 − x ) = 0 é uma equac¸ão produto. Sua
soluc¸ão são os valores de x em que 2x − 6 = 0 ou 7 − x = 0. Assim, x = 3 ou x = 7.
A
As equações quociente são as do tipo = 0, em A e B podem assumir a forma ax + b e, neste caso,
B
devemos ter A = 0 e B =
6 0. A condic¸ão B =
6 0 é chamada “condição de existência” da equac¸ão.
2x − 8
Por exemplo, a equac¸ão = 0 é uma equac¸ão quociente de primeiro grau e sua soluc¸ão é dada
x −3
pelas condic¸ões: 2x − 8 = 0 e x − 3 6= 0. Portanto o conjunto soluc¸ão é S = {4} e a condic¸ão de existência
é que x seja diferente de 3.

3.1.3 Sistemas de Equações de Primeiro Grau

É comum uma equac¸ão de primeiro aparecer sob a forma y = ax +b , em que para cada x real, y assume
um único valor real. No estudo de func¸ões de primeiro grau ( disciplina Fundamentos de Matemática
II), veremos que cada par ordenado (x , y ) satisfazendo esta equac¸ão, descreverá um gráfico no plano
cartesiano sob a forma de uma linha reta. Estamos aqui, interessados em obter um par ordenado (x , y )
que satisfac¸ am simultaneamente suas equac¸
ões do tipo acima, ou seja, satisfac¸ am o seguinte sistema de
equações do primeiro:
ax + by =m
cx + dy =n
51
Fundamentos da Matemática I

Por exemplo, o sistema


x −y = −3
2x + 3y =4
tem por soluc¸ão o único par ordenado (−1, 2). De fato, substituindo esses valores nas duas equac¸ões
temos, −2 − 1 = −3 e 2(−1) + 3 · 2 = 4. Quaisquer outros pares ordenados diferentes deste, não satisfaz
simultaneamente as equac¸ões.
Geometricamente, a soluc¸ão deste sistema (quando existir), y
que é um par ordenado, identifica um único ponto no plano
r
cartesiano, onde as linhas retas, representada cada uma pela
equac¸ão, ax + by = m e cx + dy = n, se encontram. Isto s
é, a soluc¸ão desse sistema identifica um ponto onde essas lin-
P
has retas se interceptam. Para o exemplo citado acima, ficamos 2
com a figura ao lado, em que o ponto P é ponto (−1, 2), a linha
reta identificada pela letra “r ” representa a equac¸ão x − y = 3 x
-3 -1 2
e a linha reta identificada pela letra “s ” representa a equac¸ão
2x + 3y = 4.

3.1.4 Resolução do Sistemas de Equações de Primeiro Grau

Analiticamente, podemos resolver um sistema de equac¸ões de primeiro grau por vários métodos. Ve-
jamos três deles, são eles: Substituição, Adição e Comparação.

1. Método da substituição: Este método consiste em substituir o valor de uma das incógnitas, obtido a
partir de uma das equac¸ões, na outra.
Resolvendo, por exemplo, a primeira equac¸ão na incógnita x , temos:

x − y = −3 ⇔ x = y − 3,

e substituindo x por esse valor na segunda equac¸ão ficamos com

2(y − 3) + 3y = 4 ⇔ 2y − 6 + 3y = 4 ⇔ y = 2

que levando à primeira equac¸ão, encontramos x = −1.

2. Método da Adição : Este método baseia-se na seguinte propriedade

“num sistema, se multiplicarmos todos os coeficientes de uma equação por um número


não nulo, o sistema que obtemos é equivalente ao anterior ”

e da soma membro a membro de cada equac¸ão do novo sistema obtido após a multiplicac¸ão por
números reais. Resumidamente, consiste em multiplicar uma ou as duas equac¸ões por números
convenientes, de modo que os coeficientes de uma de-terminada incógnita sejam opostos e, apli-
cando a propriedade eliminamos essa incógnita sobrando apenas uma.
Assim, no nosso exemplo, multiplicando por 3 a primeira equac¸ão temos

3x − 3y = −9
2x + 3y =4

e, somando-se membro a membro, obtemos 5x − 5. Logo, x = −1. Substituindo-se este valor numa
das equac¸ões, obtemos y = 2.
52
3. Método da Comparação: Este método consiste em isolar uma das duas incógnitas em ambas as
equac¸ão e compará-las. Por exemplo, isolando a incógnita y nas duas equac¸ões temos y = x + 3 e
−2x + 4
y= , comparando portanto, temos que
3
−2x + 4
x +3= ⇔ 3x + 9 = −2x + 4 ⇔ 5x = −5 ⇔ x = −1,
3
e, portanto, substituindo-se x = −1 em uma das duas equac¸ões, obtemos y = 2.

Nota 23. Note, que duas linhas retas no plano podem ser paralelas (não se interceptam) ou con-
correntes (se interceptam). Assim, dado um sistema, podemos obter um par ordenado (x0 , y0 )
que satisfac¸ a as duas equac¸
ões, como também não podemos obter este par, pois pode nem
existir.

Você seria capaz de estabelecer uma condic¸ão para que o sistema de equac¸ões

ax − by =m
cx + dy =n

não possua soluc¸ão?

Exemplo 3.3. Num terreiro há galinhas e coelhos, num total de 23 animais e 82 pés. Quantas são as
galinhas e os coelhos?

˜ Designando x para representar a quantidade de galinhas e y , a de coelhos, montamos o


Soluçao:
seguinte sistema:
x +y = 23
2x + 4y = 82
Multiplicando a segunda equac¸ão por −1 e dividindo por dois, temos o seguinte sistema equivalente:

x +y = 23
−x − 2y = −41

e assim, somando uma equac¸ão com a outra, temos que y = 18, e logo x = 5. Concluı́mos, que no terreiro
há 5 galinhas e 18 coelhos.

3.2 Inequações do Primeiro Grau

Chamamos de inequação na incógnita x a qualquer uma das sentenc¸ as abertas abaixo:

A > B; A ≥ B; A < B; A≤B

em que A e B podem assumir a forma ax + b . São exemplos: 2x + 4 > x − 1 e 3x − 5 ≥ 2.

O conjunto solução S será o conjunto de todos os valores para os quais a sentenc¸ a aberta seja ver-
dadeira. Por exemplo, o conjunto soluc¸ão da inequac¸ão 2x + 1 > x + 3 é o conjunto S = {x ∈ R; x > 2}.

Duas inequac¸ões são equivalentes se possuem o mesmo conjunto soluc¸ão. Esse fato, é muito impor-
tante na resoluc¸ão de uma inequac¸ão. Visto que sempre procuramos transformá-la em outra equivalente e
mais simples, em que o conjunto soluc¸ão possa ser obtido com maior facilidade. Vejamos alguns exemplos.
53
Fundamentos da Matemática I

Exemplo 3.4. Obter os números naturais que satisfac¸ am a inequac¸


ão 2x + 2 < 17.

˜ Usando as propriedades dos números reais, podemos escrever as seguintes equivalências:


Soluçao:

2x + 2 < 14 ⇔ 2x + 2 − 2 < 14 − 2
⇔ 2x < 12
1 1
⇔ · 2x < · 12
2 2
⇔ x < 6

como estamos interessados nos naturais que satisfac¸ am x < 6, o conjunto soluc¸
ão é S = {0, 1, 2, 3, 4, 5}.

Exemplo 3.5. Obter o conjunto soluc¸ão da inequac¸ão simultânea 12 < 2x + 2 < 20.

˜ Analogamente ao exemplo anterior, escrevemos:


Soluçao:

12 < 2x + 2 < 20 ⇔ 12 − 2 < 14 − 2 < 20 − 2


⇔ 10 < 2x < 18
1 1 1
⇔ · 10 < · 2x < · 18
2 2 2
⇔ 5 < x < 9

Portanto, se o universo for os números reais, então S = {x ∈ R; 5 < x < 9}, que é o intervalo aberto
(5, 9). Isso quer dizer, que qualquer que seja o nú-mero real entre 5 e 9, exceto deles, satisfaz a inequac¸ão
12 < 2x + 2 < 20. Se o universo fosse o conjunto dos números naturais, terı́amos S = {6, 7, 8}.
2x − 3
Exemplo 3.6. Resolva em N a seguinte inequac¸ão ≤ 2.
x −1

2x − 3
˜ Esta inequac¸ão é equivalente
Soluçao: − 2 ≤ 0, e reduzindo o primeiro membro ao mesmo
x −1
denominador, que é x − 1, temos
2x − 3 2(x − 1)
− ≤ 0,
x −1 x −1
ou ainda,
2x − 3 − 2(x − 1) 2x − 2x − 3 + 2 −1
≤0 ⇔ ≤0 ⇔ ≤ 0.
x −1 x −1 x −1
Como o numerador já é negativo, −1, então o denominador devera ser não negativo, ou seja, x − 1 ≥ 0, e
−1
portanto S = {x ∈ R; x > 1}. Note que a condic¸ão de existência de é x 6= 1, por isso, x > 1.
x −1
Exemplo 3.7. Resolva em R a seguinte inequac¸ão (x + 2) · (2x − 1) > 0.

˜ Para que tenhamos (x + 2) · (2x − 1) > 0, precisamos que os dois fatores coincidem em
Soluçao:
sinais, ou seja:
(B )
  
x + 2 > 0 e 2x − 1 > 0 ou x + 2 < 0 e 2x − 1 < 0 .
(A)

Portanto, a soluc¸ão será S = SA ∪ SB , em que SA é o conjunto soluc¸ão de (A) e SB é o conjunto soluc¸ão de


(B ). Para (A) e (B ) temos, respectivamente:

x + 2 > 0 e 2x − 1 > 0 ⇔ x > −2 e 2x > 1


1
⇔ x > −2 e x >
2 
1
⇔ x > SA 
2
54
x + 2 < 0 e 2x − 1 < 0 ⇔ x < −2 e 2x < 1
1
⇔ x < −2 e x <
2 
⇔ x < −2 SB 
1
S = SA ∪ SB = x ∈ R; x < −2 ou x >
2 

3.3 Razões e Proporções

Imaginemos que um determinado paı́s, no ano de 1.920 a populac¸ão era de, aproximadamente, 30
milhões de habitantes, e que em 1.980, essa populac¸ão passou a ser de, aproximadamente, 120 milhões
de habitantes. Comparando estes números, podemos constatar que a populac¸ão deste paı́s praticamente
quadruplicou em 60 anos. Essa comparac¸ão pode ser feita da seguinte maneira:
30 milhões 1 120 milhões
= ou = 4.
120 milhões 4 30 milhões
Esta é uma maneira muito comum de comparac¸ão entre dois números, que consiste na divisão de um pelo
outro. Cotidianamente, este tipo de comparac¸ão é muito usado, como podemos observar nos seguintes
exemplos:

(a) Quando queremos determinar a velocidade média de um automóvel, devemos dividir a distância
percorrida pelo tempo que ele gastou para percorrê-la;

(b) Quando queremos saber a escala usada na elaborac¸ão de um mapa ou da planta de uma casa,
devemos dividira medida do desenho pela medida real;

(c) Quando queremos saber a densidade demográfica de uma região, dividimos o número de habitantes
pela área dessa região;

(d) Quando queremos saber se um corpo bóia ou afunda na água, devemos calcular a densidade do
corpo, que é o resultado da divisão da massa do corpo pelo seu volume;

(e) Quando queremos determinar a porcentagem do aumento do prec¸ o de uma certa mercadoria, deve-
mos dividir o valor do aumento pelo prec¸ o anterior dessa mercadoria;

(f) Quando queremos saber qual o consumo de combustı́vel de um automóvel, devemos dividir a distância
percorrida pela quantidade de litros que o automóvel gastou.

Desta forma, quando comparamos dois números através de uma divisão, o resultado obtido chamamos
de razão entre esses números. A palavra razão vem do latim ratio e significa a divisão ou o quociente entre
dois números x e y , que denotamos por:
x
.
y
20 1
Exemplo 3.8. A razão entre 20 e 4 é 5, pois, = 5, e a razão entre 3 e 6 é (meio) ou 0, 5, pois,
4 2
3 1
= = 0, 5.
6 2

x
A razão (ou x ÷ y ) pode ser lida como:
y
“razão de x para y ” ou “x está para y ” ou “x para y ”.

55
Fundamentos da Matemática I

A razão pode ser expressa na forma de divisão entre duas grandezas de algum sistema de medidas.
Por exemplo, a área de um dado quadrado de lado a é a2 . Se dobrarmos o tamanho do lado, ou seja, um
novo quadrado de lado 2a, qual será a razão entre a nova área e a área anterior? Será também o dobro?
Vejamos:
`=a ⇒ A = a2 e ` = 2a ⇒ A = 4a2 .

Assim, dobrando-se o lado de um quadrado, a área fica quatro vezes maior.

A igualdade entre duas razões, chamamos de proporção. Sendo a, b , c e d números reais, com b e d
a c
não-nulos, a proporc¸ão entre e é dada por:
b d
a c
=
b d
e lê-se
“a está para b assim como c está para d ”.

Na proporc¸ão acima, os números a e d são chamados de extremos e os números b e c são chamados


de meios. Uma propriedade fundamental das proporc¸ões é que:

“o produto dos meios é igual ao produto dos extremos”.

3 9 3 9
Exemplo 3.9. A frac¸ão está em proporc¸ão com , pois: = . Note ainda que 3 · 8 = 4 · 6.
4 12 4 12
x +3 4
Exemplo 3.10. Qual o valor de x na equac¸ão = ?
x +2 5

˜ Podemos olhar esta igualdade como uma proporc¸ão, e assim, usando a propriedade funda-
Soluçao:
mental, temos
(x + 3) · 5 = (x + 2) · 4.

Resolvendo esta equac¸ão, obtemos x = −7. Verifique!

Exemplo 3.11. Uma razão muito famosa, π (pi): Os egı́pcios trabalhavam muito com razões espe-
ciais e descobriram a razão entre o comprimento de uma circunferência e seu diâmetro. Este é um fato
fundamental, pois, esta razão é a mesma para toda circunferência. O nome desta razão é π e seu valor
é, aproximadamente, 3, 1415926535. Em outras palavras, se C é o comprimento da circunferência e D a
medida do diâmetro da circunferência, então:
C
π= = 3, 14159265358979323846264338327950 . . .
D
D
significando que C = π D = 2π r , em que r = é o raio da circunferência.
2

3.4 Grandezas Proporcionais

Imaginemos que um automóvel, em média, percorra 80 km em 1 hora, 160 km em 2 horas e 240 km em


3 horas, como disposto na seguinte tabela:

Distância (km) Tempo (h)


80 1
160 2
240 3
56
Observe, que quando duplica o intervalo de tempo, duplica também a distância per-corrida e quando
o intervalo de tempo é triplicado, a distância também é triplicada, ou seja, quando o intervalo de tempo
aumenta, a distância percorrida também aumenta na mesma proporc¸ão. Ou seja, usando as idéias de
razões e proporc¸ões, podemos escrever:

(a) Quando o intervalo de tempo aumenta de 1 h para 2 h, a distância percorrida varia de 80 km para
160 km, ou seja, o tempo varia na razão de 1 para 2, enquanto a distância percorrida varia na razão
de 80 para 160. Assim, temos que tais razões são iguais, isto é:
1 80
= .
2 160

(b) Quando o intervalo de tempo varia de 2 h para 3 h, a distância percorrida varia de 160 km para 240 km.
Nesse caso, o tempo varia na razão de 2 para 3 e a distância percorrida na razão de 160 para 240 e
observamos que essas razões são iguais, isto é:
2 160
= .
3 240

Concluı́mos que o tempo gasto e a distância percorrida, variam sempre na mesma razão e isto significa
que a distância percorrida é diretamente proporcional ao tempo gasto para percorrê-la, se a velocidade
média do automóvel se mantiver constante. Podemos então dizer:
Duas grandezas são diretamente proporcionais quando, aumentando uma de-las, a outra
também aumenta na mesma proporc¸ão, ou, diminuindo uma delas, a outra também diminui na
mesma proporc¸ão.

Se duas grandezas x e y são diretamente proporcionais, os números que expressam essas grandezas
variam na mesma razão, isto é, existe uma constante k tal que:
x
= k,
y
em que k é a constante de proporcionalidade. Escrevemos x ∝ y para indicar que x e y são diretamente
proporcionais. Analogamente,

Duas grandezas são inversamente proporcionais quando, aumentando uma delas, a outra
diminui na mesma proporc¸ão, ou, diminuindo uma delas, a outra aumenta na mesma proporc¸ão.

Se duas grandezas x e y são inversamente proporcionais, os números que expressam essas grandezas
variam na razão inversa, isto é, existe uma constante k tal que:
k
x · y = k ou x =
y
1
Escrevemos x ∝ para indicar que x e y são inversamente proporcionais.
y
Exemplo 3.12. Uma bolinha deve se deslocar de um ponto A até um ponto B . A velocidade da bolinha
e o tempo correspondente que ela gasta nesse deslocamento estão na seguinte tabela:

velocidade (m/s) Tempo (s)


20 60
40 30
60 20

57
Fundamentos da Matemática I

Observemos, quando a velocidade aumenta de 20 m/s para 40 m/s, o tempo varia de 60s para 30s, ou
seja, a velocidade varia na razão de 20 para 40, enquanto o tempo varia na razão de 60 para 30. Assim,
temos que tais razões são inversas uma da outra, isto é:

20 1 30 1
= = = .
40 60 60 2
30

Ou, podemos ver da seguinte forma:

20 · 60 = 40 · 30 = 60 · 20 = 1200.

Exemplo 3.13. Vamos repartir o número 200 em três partes que são diretamente proporcionais aos
números 3, 5 e 2.

˜ Sejam a, b e c as parcelas desejadas. Assim, podemos escrever


Soluçao:

a b c
= = =k
3 5 2

em que, k é a constante de proporcionalidade. Daı́ escrevemos ainda:

a = 3k , b = 5k , c = 2k

Como a soma dessas parcelas deve ser 200,

a + b + c = 200 ⇔ 3k + 5k + 2k = 200 ⇔ 10k = 200 ⇔ k = 20

Portanto, os números são:


a = 3 · 20 = 60
b = 5 · 20 = 100
c = 2 · 20 = 40

Exemplo 3.14. Suponha agora, que desejamos repartir o número 620 em três partes que são inversa-
mente proporcionais aos números 5, 2 e 3. Quais são os valores dessas parcelas?

˜ Sejam a, b e c as parcelas desejadas. Escrevemos então


Soluçao:

a·5=b·2=c ·3=k

em que, k é a constante de proporcionalidade. Daı́ podemos escrever:

k k k
a= , b= , c= .
5 2 3

Como a soma desses números deve ser igual a 620, temos a + b + c = 620, ou ainda

k k k 6k + 15k + 10k
+ + = 620 ⇔ = 620 ⇔ 31k = 30 · 620 ⇔ k = 600
5 2 3 30

Portanto, as parcelas são

k 600 k 600 k 600


a= = = 120, b= = = 300, c= = = 200.
5 5 2 2 3 3
58
3.5 Regra de Três Simples

Consideremos a seguinte situac¸ão:

Num determinado banco, um caixa gasta em média 12 minutos para atender 3 clientes. Decorridos três
horas, quantos clientes esse caixa atendeu, se ele trabalhou sem parar?

Para responder essa pergunta, vejamos os seguintes procedimentos:

1. Atribua uma variável para essa grandeza que se deseja obter, assim seja x o número de clientes que
ele atendeu decorridos 3 horas de trabalho;

2. Fac¸ a uma tabela, designando as colunas para cada grandeza diferente, da seguinte forma:

tempo (minutos) clientes atendidos


12 3
180 x

3. Devemos ter uma proporc¸ão entre as grandezas. No entanto, esta proporc¸ão pode ser direta ou
inversa. Para decidir, fac¸ aà tabela a seguinte pergunta:

se o caixa em 12 minutos atendeu 3 clientes, então em 180 minutos ele atenderá mais ou
menos clientes?

A resposta é óbvia que aumentará a quantidade de clientes atendidos. Assim, constatamos que se
trata de uma proporc¸ão direta, e escrevemos:
12 3
= ⇔ 12 · x = 3 · 180 ⇔ x = 45.
180 x
Concluı́mos assim, que em três horas decorridas, o caixa atendeu, em média, mais 4 clientes.

Acabamos de resolver uma regra de três simples e direta. Assim, dizemos que:

Uma regra de três simples e direta é uma forma de relacionar grandezas diretamente propor-
cionais.

Como uma proporc¸ão pode ser direta ou inversa e uma regra de três é uma proporc¸ão, então, podemos
ter também uma regra de três inversa, como no seguinte exemplo.

Exemplo 3.15. Um piloto de teste, deu um volta completa numa determinada pista de corrida a uma
velocidade média de 200 km/h em 18 segundos. Se sua velocidade for aumentada para 240 km/h, qual o
tempo que gastará para fazer este mesmo percurso?

˜ Procedendo, de forma análoga ao exemplo imediatamente anterior, seja x o tempo que ele
Soluçao:
gastará para fazer o percurso. Consideremos a seguinte tabela:

velocidade (km/h) tempo (segundos)


200 18
240 x

Perguntamos:
59
Fundamentos da Matemática I

se a velocidade aumentou, então o tempo diminuirá ou aumentará?

Resposta: Diminuirá! Pois se ele vai andar mais rápido, então o tempo necessário para fazer o mesmo
percurso será menor. E essa resposta caracteriza a regra de três simples e inversa. Escrevemos
200 x
= ⇔ 240 · x = 18 · 200 ⇔ x = 15,
240 18
ou seja, o piloto de teste, gastará 15 segundos para dar uma volta na pista com velocidade média de
240 km/h.

Dizemos então:
Uma regra de três simples e inversa é uma forma de relacionar grandezas inversamente pro-
porcionais para obter uma proporc¸ão.

3.6 Regra de Três Composta

Podemos dizer, que uma regra de três composta é um processo de relacionamento de


grandezas diretamente proporcionais, inversamente proporcionais ou uma mistura dessas
situac¸ões.

O método funcional para resolver um problema dessa ordem é montar uma tabela com duas linhas,
sendo que a primeira linha indica as grandezas relativas à primeira situac¸ão enquanto que a segunda linha
indica os valores conhecidos da segunda situac¸ão.

Se A1 , A2 , A3 , A4 , . . . são os valores associados às grandezas para uma primeira situac¸ão S1 e B1 , B2 ,


B3 , B4 , . . . são os valores associados às grandezas para uma segunda situac¸ão S2 , montamos a tabela
abaixo lembrando que estamos interessados em obter o valor numérico para uma das grandezas, digamos
x , se conhecemos o correspondente valor numérico C e todas as medidas das outras grandezas, como no
quadro abaixo.

Situac¸ão Grandeza 1 Grandeza 2 Grandeza 3 Grandeza4 ··· Grandeza x


S1 A1 A2 A3 A4 ······ C
S2 B1 B2 B3 B4 ······ x

Quando todas as grandezas são diretamente proporcionais à grandeza x , resolvemos a proporc¸ão:


C A1 A2 A3 A4
= · · · ····
x B1 B2 B3 B4

Quando todas as grandezas são diretamente proporcionais à grandeza x , exceto a segunda grandeza,
por exemplo, com a Grandeza 3, que é inversamente proporcional à grandeza x , resolvemos a proporc¸ão
com A3 trocada de posic¸ão com B3 :

C A1 A2 B3 A4
= · · · ····
x B1 B2 A3 B4

As grandezas que forem diretamente proporcionais à grandeza x são indicadas na mesma ordem
(direta) que aparecem na tabela enquanto que as grandezas que forem inversamente proporcionais à
grandeza x aparecerão na ordem inversa daquela que apareceram na tabela.
60
Nota 24. As vezes encontramos dificuldades em analisar de um ponto de vista lógico quais
grandezas são diretamente proporcionais ou inversamente proporcionais. Como é muito difı́cil
realizar esta análise de um ponto de vista geral, apresentaremos alguns exemplos para entender
o funcionamento da situac¸ão.

Exemplo 3.16. Trabalhando durante 6 dias, 5 operários produzem 400 pec¸ as. Quantas pec¸ as desse
mesmo tipo serão produzidas por 7 operários, trabalhando durante 9 dias?

˜ Organizando os dados numa tabela, como descrito acima, temos:


Soluçao:

Grandeza 1 Grandeza 2 Grandeza x


operários dias pec¸ as
5 6 400
7 9 x

Assim, fixemos, a Grandeza 2 e relacionamos a Grandeza 1 com a Grandeza x , fazemos a seguinte


pergunta:

“aumentando o número de operários, também aumenta o números de peças?”

A resposta para esta pergunta é sim! Logo, essas grandezas são diretamente proporcionais.

Agora, fixando a Grandeza 1, vamos relacionar a Grandeza 2 com a grandeza x , fazendo a seguinte
pergunta:

“aumentando o número de dias, também aumenta o números de peças?”.

A resposta para esta pergunta, também é sim! Logo, essas grandezas são diretamente proporcionais.
Então, escrevemos:
400 5 6
= · ⇔ 30 · x = 63 · 400 ⇔ x = 840.
x 7 9
Concluı́mos que 840 pec¸ as serão produzidas.

Exemplo 3.17. Um piloto de carro, percorre 200 km em 2 dias, se rodar durante 4 horas por dia. Em
quantos dias esse piloto percorrerá 500 km, se rodar 5 horas por dia?

˜ Organizando os dados numa tabela, como segue:


Soluçao:

Grandeza 1 Grandeza 2 Grandeza x


km rodados horas por dia no de dias
200 4 2
500 5 x

De forma análoga, comparamos a Grandeza 1 com a grandeza x , e depois a Grandeza 2 com a


grandeza x . Então temos as seguintes perguntas:

1. aumentando a quantidade de quilômetros rodados, aumenta também o número de dias?


Resposta: Não! Logo são grandezas inversas.
61
Fundamentos da Matemática I

2. aumentando a quantidade de horas por dia, também aumentará o número de dias?


Resposta: Sim! Logo são grandezas diretas.

Portanto, escrevemos:
2 200 5
= · ⇔ 1.000 · x = 4.000 ⇔ x = 4
x 500 4
e assim, o piloto percorrerá em 4 dias.

3.7 Exercı́cios Propostos

3.1. Resolva as seguintes equac¸ões.


2x + 6 x −a
(a) (3x − 2)(x + 1) = 0 (e) =0 (i) − x −b
=3−x
x −1 a b

(b) (3x + 3)(5x − 3) = 0 (2x + 6)(4 − x ) 3x − 5


(f) =0 (j) =1
2−x 2x − 4
(c) (x − 4)3 = 0 x +1
(g) =4 (k) (2x + 1)(4 − 2x )(x − π) = 0
x −1
(d) (6x − 1)(2x − 7)(1 − 4x ) = 0
(h) 3x − m = nx + 5 (l) (2x − 3)(7 − 8x ) = 0

3.2. Resolva, quando possı́vel os seguintes sistemas.

3x − 2y = −1 4x + 5y = 2
(a) (e)
2x + 5y = 12 8x + 10y = 4

5x − 2y = 4 x − 2y = 1
(b) (f)
6x + 3y = 21 2x + 4y = 3

x −y = 1 2x + 5y = 0
(c) (g)
x +y = 5 3x − 2y = 0

2x − 5y = 9 2x + 4y = 3
(d) (h)
7x + 4y = 10 3x + 6y = 3

3.3. Obtenha a equac¸ão da linha reta que passa pelos pontos:


(a) (1, 2) e (3, −2) (c) (2, 3) e (3, 5) (e) (1, −1) e (−1, 2)

(b) (−1, 2) e (2, 0) (d) (1, 1) e (−2, −2) (f) (0, 3) e (6, 3)
3.4. A soma das idades de duas pessoas é 25 anos e a diferenc¸ a entre essas idadesé de 13 anos. Qual
a idade de cada uma?

3.5. A soma de dois números é 50 e o maior deles é igual ao dobro do menor, menos 1. Quais são os
números?

3.6. Duas pessoas ganharam, juntas, 50 reais por um trabalho e uma delas ganhou 25% do que a outra.
Quanto ganhou cada pessoa?

3.7. O prec¸ o de uma canetaé o dobro do prec¸ o de uma lapiseira e duas canetas juntas custam 30. Qual
o prec¸ o da caneta e da lapiseira?

3.8. Um copo cheio de água pesa 325 g . Se jogarmos metade da água fora, seu peso cai para 180 g . O
peso do copo vazio é?
62
2 3
3.9. Somando-se os de um número x como os do número y , obtém-se 84. Se o número x é metade
3 5
do número y , dê a diferenc¸ a y − x .

3.10. Resolva em R as seguintes inequac¸ões.

2 (n) (3x + 1)(2x − 5) ≥ 0


(a) 3x − 5 ≤ x +2
3
(o) (4 − 2x )(5 + 2x ) < 0
(b) 4x + 5 > 2x − 3
(p) (5 − 2x )(−7x − 2) ≤ 0
(c) 5(x + 3) − 2(x + 1) < 2x + 3
−3 − 2x
(q) ≤0
(d) 3(x + 1) − 2 ≥ 5(x − 1) − 3(2x − 1) 3x + 1

x +2 x −1 5x − 3
(e) − ≥x (r) > −1
3 2 3x − 4
2x − 3 x − 3 x −1
(f) − ≥1 (s) ≥3
2 4 x +1
2x − 3 5 − 3x 1 5x − 2
(g) − ≤ 3x − (t) <2
2 3 6 3x + 4
2x − 3 5 − 3x 1 (u) (x − 3)3 > 0
(h) − ≤ 3x −
2 3 6
(v) (4 − 5x )6 ≥ 0
(i) −2 < 3x − 1 < 4
(w) (3x + 5)2 ≤ 0
(j) −4 < 4 − 2x ≤ 3
2
3x + 5
(k) −3 < 3x − 2 < x (x) <0
2x


x
(l) x + 1 ≤ 7 − 3x < −1 (y) (3x − 8)5 > 0
2
4 3 1
(m) 2 − x < 3x + 2 < 4x + 1 (z) − + ≥−
x 2 x
3.11. Um automóvel percorreu 40 km em 5 h. Qual foi a velocidade média deste automóvel?

3.12. Se o professor de ciências disser a distância da terra ao Sol é de, aproximadamente, 150.000.000 km
e que a luz do sol, para atingir a Terra, leva em torno de 500 segundos então, qual é a velocidade da luz?

3.13. Se um automóvel se deslocar com uma velocidade média de 95 km/h, quantos quilômetros ele irá
percorrer em (a) 1 hora ? (b) em 2 horas e meia?

3.14. Qual é a escala de um desenho em que um comprimento de 3 m está representado por um compri-
mento de 5 cm?

3.15. A largura de um determinado automóvel é 2 m. Uma miniatura desse automóvel foi construı́da
utilizando-se uma escala de 1 : 40. Qual a medida, em cm da largura da miniatura?
2
3.16. Numa residência, a razão entre a área construı́da e a área livre é de . Sabe-se que a área
3
construı́da é de 90 m2 . Qual é a área livre?

3.17. Os números representados por 7, 2x − 1, 5 e 2x + 1 formam nesta ordem uma proporc¸ão. Quem deve
ser x para ser validada esta proporc¸ão?

3.18. Dois motoristas se dirigem de uma cidade A para uma cidade B , porem, por caminhas diferentes. O
primeiro viaja por uma estrada que possui 280 km com uma velocidade média de 80 km/h. O segundo, por
uma estrada que possui 352 km com uma velocidade média de 88 km/h. Qual dos dois motoristas chegará
primeiro à cidade B ?
63
Fundamentos da Matemática I

3.19. Os números x , y e 32 são diretamente proporcionais aos números 40, 72 e 128. Determine os
números x e y .

3.20. Quais devem ser os valores de x e y para que os números 3, 12 e y sejam inversamente proporcionais
a x , 30 e 10?

3.21. Numa viagem, que João das Botas fez ao Caribe, ele separou seu dinheiro em partes proporcionais a
5, 3 e 2. A primeira parte ele destinou para transportes e acomodac¸ões. A segunda parte para as refeic¸ões
e a terceira parte para compras e festas. Sabendo que João levou uma quantia de R $ 6.000, 00, quanto ele
reservou para cada item?

3.22. O número 380 é dividido em três parcelas inversamente proporcionais aos números 2, 5 e 4. Quais
são essas parcelas?

3.23. Maria e Joana montaram uma locadora de veı́culos, empregando, respectivamente, capitais de
R $ 50.000, 00 e R $ 30.000, 00. Em certo mês, a loja obteve um lucro de R $ 3.200, 00. Quanto cabe a cada
uma, se combinam em que o lucro seria divido proporcionalmente aos capitais empregados?

3.24. O dono de uma empresa resolveu distribuir uma gratificac¸ão de R $ 1.400, 00 entre seus dois gerente,
Magno e Naldo, de forma inversamente proporcional às faltas de cada um num determinado mês. Quanto
caberá para cada um, se magno faltou 5 vezes e Naldo somente 2?

3.25. Um reservatório de 2.520 litros de capacidade foi completamente enchido por 3 torneiras, que
despejaram por minuto 12 litros, 8 litros e 16 litros de água, respectivamente. Determine o volume de água
que o reservatório recebeu de cada torneira.

3.26. Comprei 15 L de suco e paguei R $ 60, 00. Quanto pagarei por 40 L desse mesmo suco?

3.27. Desejo ler um livro de 400 páginas. Nas primeiras duas horas consegui ler 25 páginas. Continuando
nesse ritmo, quantas horas gastarei para ler o livro?

3.28. Trinta caminhões com 4 m3 de areia cada um, transporta um certo material. Se os caminhões
tivessem cada um, uma capacidade de 5 m3 , quantos seriam necessário para tal servic¸ o?

3.29. Um terreno retangular tem 12 m de comprimento e 15 m de largura. Se diminuı́mos 2 m no compri-


mento do terreno, quantos metros devemos aumentar na largura para que a área permanec¸ a a mesma?

3.30. Um relógio atrasa 27 s em 72 h. Quantos segundos atrasará em 8 dias?

3.31. Para paginar um livro que tem 45 linhas em cada página são necessárias 280 páginas. Quantas
páginas com 30 linhas cada uma seriam necessárias para paginar o mesmo livro?

3.32. Em uma prova de valor 6, Cristina obteve nota 4, 8. Se o valor fosse 10, qual seria a nota dela?

3.33. Uma vareta com 1, 5 m de comprimento foi colocada verticalmente em relac¸ão ao solo e projetou
uma sobra de 53 cm. Qual seria a sombra projetada, no mesmo instante do dia, por um poste de 10, 5 m
de altura?

3.34. Para construir a cobertura de uma quadra de vôlei, 25 operários levaram 48 dias. Se fosse contratado
30 operários da mesma capacidade de servic¸ o, quantos dias esses novos operários realizariam o servic¸ o?

3.35. Uma foto mede 2, 5 cm de largura por 3, 5 cm de comprimento. Para ser ampliada de tal forma que
o lado maior mec¸ a 14 cm, quanto deve medir o lado menor da foto ampliada?
64
3.36. O ponteiro menor de um relógio percorre um ângulo de 30 graus em 60 minutos. Nessas condic¸ões,
(a) quanto tempo ele levará para percorrer um ângulo de 42 graus? (b) Se o relógio foi acertado às 12
horas (meio dia), que horas ele estará marcando?

3.37. Um tanque tem 3 torneiras. A primeira enche o tanque em 25 h, a segunda em 40 h, já a terceira o
esvazia em 20 h. Abrindo-se as três torneiras e estando o tanque vazio, em quanto tempo o tanque ficará
totalmente cheio?

3.38. Numa fazenda, 3 cavalos consomem 210 kg de capim em 7 dias. Para alimentar 8 cavalos durante
10 dias, quantos quilos de capim serão necessários?

3.39. Um ciclista percorre 180 km em 4 dias, rodando 3 h em cada dia. Seguindo esse mesmo ritmo, em
quantos dias percorrerá 600 km rodando 5 h por dia?

3.40. Duas máquinas produzem 32 pec¸ as de um certo produto em 4 dias. Quantas pec¸ as produzir
ão 5
máquinas iguais a essas em 3 dias?

3.41. Dezoito operários, trabalham 7 horas por dia durante 12 dias, conseguem realizar um determinado
servic¸ o. Trabalhando 9 horas por dia, 12 operários farão o mesmo servic¸ o em quantos dias?

3.42. Em 30 dias, uma frota de 25 táxis consome 100.000 L de combustı́vel. Em quantos dias uma frota de
36 táxis consumiria 240.000 L de combustı́vel?

3.43. Meia dúzia de datilógrafos preparam 720 páginas em 28 dias. Em quantos dias 8 datilógrafos, com a
mesma capacidade dos primeiros, prepararão 800 páginas?

3.44. Uma placa de chumbo de 8 cm de comprimento e 6 cm de largura pesa 36 u .p . (unidade de peso).


Quanto pesará outra placa dos mesmo material e da mesma espessura, só que quadrada, com 10 cm de
lado?

3.45. Uma famı́lia de 6 pessoas consome em 2 dias 3 kg de pão. Quantos quilos serão necessário para
alimenta-la durante 5 dias estando ausentes 2 pessoas?

3.46. Vinte operários levam 10 dias para levantar um muro de 2 m de altura e 25 m de comprimento.
Quantos dias levarão 15 operários para construir um muro (de mesma largura), mas com 3 m de altura e
de 40 m de comprimento?

Gabarito
2 3
Questão 3.1. (a) x ∈ R; x = ou x = −1  (b) x ∈ R; x = ou x = −1  (c) {x ∈ R; x = 4} (d)
3 5
1 7 1 5 5+m
x ∈ R; x = ou x = ou (e) {x ∈ R; x = −3} (f) {x ∈ R; x = −3 ou x = 4} (g) x ∈ R; x =
 (h) x ∈ R; x =  

6 2 4 3 3−n
3ab 1 3 7
(i) x ∈ R; x = (j) {x ∈ R; x = −1} (k) x ∈ R; x = − ou x = 2 ou x = π (l) x ∈ R; x = ou x = Questão
 21
  

b + ab − a 2 8
5
3.2. (a) (1, 2) (b) (2, 3) (c) (3, 2) (d) (2, −1) (e) Indeterminado (f) ,  (g) (0, 0) (h) Imposs´ıvel Questão 3.3. (a) y + 2x = 4
4 8
(b) 3y + 2x = 4 (c) y − 2x = −1 (d) y − x = 0 (e) 2y + 3x = 1 (f) y = 3 Quest ão 3.4. 16 e 19. Questão 3.5. 17 e 33.
Questão 3.6. 10 e 40. Questão 3.7. 5 e 7, 5. Questão 3.8. 35 g . Questão 3.9. 45. Questão 3.10. (a) {x ∈ R; x ≤ 3} (b)
1 7
{x ∈ R; x > −4} (c) {x ∈ R; x < −10} (d) x ∈ R; x ≥ (e) {x ∈ R; x ≤ 1} (f) x ∈ R; x ≥
 (g) {x ∈ R; x ≥ −3} 

2 3
1 5 1 1 3 16
(h) {x ∈ R; x ≥ −3} (i) x ∈ R; − < x < (j) x ∈ R; < x < 4 (k) x ∈ R; − x < 1 (l) x ∈ R; x ≤ ou x >
   

3 3 2 3 2 7
1 5 5 3 1
(m) {x ∈ R; x > 1} (n) x ∈ R; x ≤ − ou x ≤ (o) x ∈ R; x > 2 ou x < −
 (p) R (q) x ∈ R; x ≤ − ou x > −
 (r) 

3 2 2 2 3
7 4 4 5
x ∈ R; x < ou x > (s) R − {−1} (t) x ∈ R; x < −10 ou x > −

(u) {x ∈ R; x > 3} (v) R (w) x ∈ R; x = −

(x) 

8 3 3 3
8
∅ (y) x ∈ R; x >  (z) {x ∈ R; x ≥ 2} Questão 3.11. 8 km/h. Questão 3.12. 300.000 km/s . Questão 3.13. (a) 95 km (b)
3
237, 5 km. Questão 3.14. 1 : 60. Questão 3.15. 5 cm. Questão 3.16. 135 m2 . Questão 3.17. x = −3. Questão 3.18. O primeiro.
Questão 3.19. x = 10 e y = 18. Questão 3.20. x = 120 e y = 36. Questão 3.21. 1a = 3.000, 2a = 1.800 e 3a = 1.200. Questão
3.22. 200, 80 e 100. Questão 3.23. M = 2.000 e J = 1.200. Questão 3.24. M = 400 e N = 1.000. Questão 3.25. 840, 560 e 1.120.
Questão 3.26. 160. Questão 3.27. 32. Questão 3.28. 24. Questão 3.29. 3. Questão 3.30. 72. Questão 3.31. 420. Questão
3.32. 8. Questão 3.33. 3, 71 m. Questão 3.34. 40. Questão 3.35. 10 cm. Questão 3.36. (a) 84 min (b) 1 h 24 mi n Questão 3.37.
66 h 40 mi n. Questão 3.38. 800. Questão 3.39. 8. Questão 3.40. 60. Questão 3.41. 14. Questão 3.42. 50. Questão 3.43. 15.
Questão 3.44. 75. Questão 3.45. 5. Questão 3.46. 32.

65
Fundamentos da Matemática I

Equações; Inequações do 2◦ grau.


Relações e Funções.

Equações e Inequações do 2◦ Grau

4.1 Equações do 2◦ Grau

Definimos equação do segundo grau, toda equac¸ão que pode ser reduzida à forma
ax 2 + bx + c = 0, em que a, b e c (coeficientes) são constantes reais, com a 6= 0 e x repre-
senta a variável ou incógnita.

Problemas que recaem numa equac¸ão do segundo grau estão entre os mais antigos da Matemática.
Em textos cuneiformes, escritos pelos babilônios há quase quatro mil anos, encontramos, por exemplo,
a questão de achar dois números conhecendo sua soma s e seu produto p . Geometricamente, esse
problema pede que se determine os lados de um retângulo conhecendo o semi-perı́metro s e a área p .

Os números procurados são as raı́zes da equac¸ão do segundo grau x 2 − sx + p = 0. De fato, se um dos


números for x , o outro será s − x e seu produto p = x (s − x ) = sx − x 2 , logo x 2 − sx + p = 0.

A regra para achar dois números cuja soma e cujo produto são dados era assim enunciada pelos
babilônios:

Eleve ao quadrado a metade da soma, subtraia o produto e extraia a raiz quadrada da diferença.
Some ao resultado a metade da soma. Isso dará o maior dos números procurados. Subtraia-o
da soma para obter o outro número.

Na notac¸ão usual, esta regra fornece as raı́zes

s s 2
x = + −p
2 2


s s 2 s s 2
s −x = s− + −p = − −p
2 2 2 2
   

 

para a equac¸ão x 2 − sx + p = 0.

Observe, que se utilizando a famosa fórmula de Bháskara,



−b ± b 2 − 4ac s ± (−s )2 − 4p 

x= =
2a 2
temos justamente as raı́zes dada acima. De fato, basta observar que

s2
s± s 2 − 4p s 4 4 − p s s 2
x= = ± = ± − p.


2 2 2 2 2
 

Como os dados s e p do problema eram sempre números reais positivos, os babilônios nunca tiveram
preocupac¸ões com eventuais soluc¸ões negativas fornecidas por sua regra.
66
4.1.1 A Forma Canônica do Trinômio ax 2 + bx + c

Considerando o trinômio
b c
ax 2 + bx + c = a x 2 + x+ ,
a a


podemos notar, que as duas primeiras parcelas dentro dos parênteses são as mesmas duas parcelas do
desenvolvimento do seguinte quadrado
2
b b b2
x+ = x2 + x + 2.
2a a 4a


Completando o quadrado, podemos escrever:

b b2 b2 c
ax 2 + bx + c = a x 2 + 2 x+ 2− 2+ ,
2a 4a 4a a 

ou ainda,
2
b −b 2 + 4ac
ax 2 + bx + c = a x+ + .
2a 4a2
  

Esta maneira de escrever o trinômio do segundo grau, chamada forma canônica, tem algumas con-
seqüências. Primeiro, ela conduz imediatamente à fórmula que dá as raı́zes da equac¸ão ax 2 + bx + c = 0.
Vamos justificar isso.

Supondo a 6= 0, temos as seguintes equivalências:


2
b −b 2 + 4ac
ax 2 + bx + c = 0 ⇔ a x+ + = 0 (1)
2a 4a2

 

2
b −b 2 + 4ac
⇔ x+ + = 0 (2)
2a 4a2


2
b −b 2 + 4ac
⇔ x+ = − (3)
2a 4a2


2
b b 2 − 4ac
⇔ x+ = (4)
2a 4a2



b b 2 − 4ac
⇔ x+ = ± (5)
2a 2a

−b ± b 2 − 4ac
⇔ x = (6)
2a

A passagem da linha (4) para a linha (5) só tem sentido quando o discriminante

∆ := b 2 − 4ac

é maior do que, ou igual a zero, ou seja, ∆ ≥ 0. Caso contrário acontec¸ a, ou seja, ∆ < 0, a equivalência
b 2
entre as linhas (3) e (4) significa que a equac¸ão dada não possui soluc¸ão real, pois x + não é
2a


negativo, já que é um número ao quadrado.

Da fórmula (6) resulta imediatamente que, se o discriminante ∆ = b 2 − 4ac é positivo, a equac¸ão


ax 2 + bx + c = 0 tem duas raı́zes reais e distintas, são elas:
√ √
−b + b 2 − 4ac −b − b 2 − 4ac
x1 = e x2 =
2a 2a
b c
com x1 > x2 , cuja soma é s = x1 + x2 = − e cujo produto é p = x1 · x2 = .
a a
67
Fundamentos da Matemática I

Justificamos a soma e o produto da seguinte forma:

Soma:
√ √
b 2 − 4ac
−b + −b − b 2 − 4ac
s = x1 + x2 = +
√ 2a √ 2a
2 2
−b + b − 4ac − b − b − 4ac −2b b
= = =−
2a 2a a

Produto:
√ √
−b + b 2 − 4ac −b − b 2 − 4ac
p = x 1 · x2 = ·
2a 2a
 √  √  √ 2
−b + b 2 − 4ac  · −b − b 2 − 4ac  (−b )2 − b 2 − 4ac 
= =
4a2 4a2
(−b )2 − b 2 − 4ac b 2 − b 2 + 4ac c
= = =


4a2 4a2 a

b
Quando ∆ = b 2 − 4ac = 0, a equac¸ão dada possui uma única raiz, chamada de raiz dupla, igual a − ,
2a
pois, √
−b ± b 2 − 4ac −b ± 0 b
x= = =− .
2a 2a 2a
Exemplo 4.1. Em cada item, vamos obter, caso tenha, as raı́zes das equac¸ões dadas.

(a) x 2 + 2x − 3 = 0
˜ Calculando primeiramente o discriminante ∆. Para a = 1, b = 2 e c = −3, temos
Soluçao:

∆ = b 2 − 4ac = 22 − 4 · 1 · (−3) = 4 + 12 = 16.



−b ± b 2 − 4ac
Como ∆ = 16 > 0, da fórmula x = , obtemos:
2a
√ √
−2 + 16 −2 + 4 −2 − 16 −2 − 4
x1 = = = 1 e x2 = = = −3.
2·1 2 2·1 2

Outro procedimento para achar essas raı́zes, é descobrir dois número, x1 e x2 , tais que a soma
b c
s = x1 + x2 seja igual a − = −2 e o produto p = x1 · x2 seja = −3, ou seja, queremos dois
a a
números que sua soma seja −2 e o produto entre eles seja −3. Claramente só podemos ter x1 = 1 e
x2 = −3.

(b) x 2 − 6x + 9 = 0
˜ Analogamente, obteremos primeiro o discriminante ∆. Para a = 1, b = −6 e c = 9, temos:
Soluçao:

2
∆ = b 2 − 4ac = (−6) − 4 · 1 · 9 = 36 − 36 = 0.

Como ∆ = 0, teremos uma única raiz, a raiz dupla, que é:



−(−6) + 0 6+0
x1 = x 2 = = = 3.
2·1 2

(c) x 2 + x + 1 = 0
˜ Como ∆ = b 2 − 4ac = 12 − 4 · 1 · 1 = −3 < 0, concluı́mos que a equac¸ão não possui raiz
Soluçao:
real.
68
4.1.2 Uma aplicação interessante da equação de 2◦ grau

Suponha p (x ) = ax 2 + bx + c um trinômio qualquer, com a > 0. Escrevendo este trinômio na forma


canônica, temos:
2
b −b 2 + 4ac
p (x ) = ax 2 + bx + c = a x+ + .
2a 4a2

 

Note que no interior dos parênteses grandes, há uma soma de duas parcelas. A primeira depende de
x e é sempre maior ou igual a zero. A segunda é constante. Nessa condic¸ões observamos que o menor
valor dessa soma é atingido quando
2
b
x+ = 0,
2a


b
ou seja, quando x = − . Neste ponto, p (x ) assume seu valor mı́nimo. Portanto, quando a > 0, o menor
2a
valor assumido por p (x ) = ax 2 + bx + c é
b −b 2 + 4ac b2
p − = =c− .
2a 4a 4a


b
Agora, se a < 0, o valor p − é o maior dos números p (x ), para qualquer x real. Resumimos essas
2a


observac¸ões como segue:

b b
1. a > 0 ⇒ p (x ) = ax 2 + bx + c assume mı́nimo em x = − e seu valor é p −
2a 2a


b b
2. a < 0 ⇒ p (x ) = ax 2 + bx + c assume máximo em x = − e seu valor é p −
2a 2a


Exemplo 4.2. Seja p (x ) = x 2 − 2x − 3. Como a = 1 > 0, teremos que p (x ) assume valor mı́nimo em
x = − 2ba = − (−2) 2
2 = 1 e é justamente p (1) = 1 − 2 · 1 − 3 = −4.

Exemplo 4.3. Seja q (x ) = −2x 2 + 4x + 6. Como a = −2 < 0, teremos q (x ) assumindo valor máximo em
4
x = − 2ba = − 2·(−2) = 1, e é q (1) = −2 · 12 + 4 · 1 + 6 = 8.

Nota 25. O conhecimento do ponto em que p (x ) = ax 2 + bx + c assume seu valor máximo


ou mı́nimo permite obter rapidamente uma resposta para a tradicional questão de saber qual o
valor máximo do produto de dois números cuja a soma é constante.

Neste problema, um número s é dado e quer-se achar um par de números x e y , em que x + y = s , tais
que o produto x · y seja o maior possı́vel. De x + y = s , tiramos y = s − x , portanto, deve-se encontrar o
valor de x que torna máximo o produto

x (s − x ) = −x 2 + sx .
b s s
Como sabemos, esse valor é máximo em x = − = , e logo y = s − x = .
2a 2 2

Concluı́mos assim que o produto de dois números cuja soma é constante assume seu valor
máximo quando esses números são iguais.

Geometricamente, esse problema pede que se determine os lados a e b de um retângulo conhecendo


o semi-perı́metro s = a + b de tal modo que a área p = a · b , seja máxima. E isso ocorrerá quando o
retângulo for um quadrado. Vejamos o seguinte exemplo.
69
Fundamentos da Matemática I

Exemplo 4.4. Deseja-se construir uma pista de danc¸ a num formato retangular. Sabe-se que o perı́metro
dessa área mede 48 m. Pergunta-se: quanto deve medir o lado desse retângulo para que a área seja
máxima?

˜ Procuramos dois números a e b , tais que a + b seja igual a 24, que é o semi-perı́metro deste
Soluçao:
retângulo. Como vimos, a área será máxima quando a = b , ou seja, devemos ter a = b = 12, como sendo
os lados deste quadrado (retângulo), e portanto a área será 144 m2 . Para quaisquer outros valores de a e
b , satisfazendo a + b = 24, a área será menor. Veja ilustrac¸ão abaixo.

A = 144 m 2 A = 143m2 A = 140 m2 A = 108m2 6


11 10
12
18

14
13
12

Exemplo 4.5. Com 80 metros de cerca um fazendeiro deseja circundar uma área retangular junto a um
rio para confinar alguns animais, de forma que o lado do rio não será cercado. Quanto deve medir cada
lado desse retângulo para que o fazendeiro possa colocar um maior número de animais?

˜ Certamente, o terreno comportará um maior número de animais, quando ele possuir a maior
Soluçao:
área possı́vel. Designemos por y comprimento do lado paralelo à margem do rio e x o comprimento dos
outros dois lados, como na figura.

Rio
Nestas condic¸ões, 2x + y = 80 e y = 80 − 2x . Assim,
a área será

x x
x · y = x (80 − 2x ) = −2x 2 + 80x .

Como a = −2 < 0, temos que este trinômio


y
assumirá valor máximo quando
b 80
x =− =− = 20.
2a 2 · (−2)
Logo, as dimensões para que o retângulo tenha área máxima são 20 m e 40 m.

4.1.3 Fatoração do Trinômio ax 2 + bx + c

Colocando a 6= 0 em evidência no trinômio ax 2 + bx + c temos:

b c b c
ax 2 + bx + c = a · x 2 + x+ = a · x2 − − x+ .
a a a a


  

b c
Como x1 + x2 = − e x1 · x2 = , podemos escrever
a a

ax 2 + bx + c = a x 2 − (x1 + x2 ) · x + x1 · x2 = a · x 2 − x1 · x − x2 · x + x1 · x2
 

 

= a · x · (x − x1 ) − x2 · (x − x1 )
 = a · (x − x1 ) · (x − x2 )


70
Portanto, ax 2 + bx + c = a · (x − x1 ) · (x − x2 ), em que
√ √
−b + b 2 − 4ac −b − b 2 − 4ac
x1 = e x2 =
2a 2a
são as raı́zes da equac¸ão do 2◦ grau ax 2 + bx + c = 0.

Exemplo 4.6. Para a equac¸ão 3x 2 + x − 14 = 0, temos que


√ √
−1+ 12 −4·3·(−14)
x1 = = −1+6 169 = 2
√ 2·3

−1− 12 −4·3·(−14) −1− 169
x2 = 2·3 = 6 = − 37

Logo, a forma fatorada de 3x 2 + x − 14 é


7
3x 2 + x − 14 = 3 (x − 2) x − − = (x − 2) (3x + 7) .
3


 

4.2 Inequações do Segundo Grau

Se a 6= 0, as inequac¸ões

ax 2 + bx + c ≥ 0, ax 2 + bx + c > 0, ax 2 + bx + c < 0, ax 2 + bx + c ≤ 0

são denominadas inequac¸ões do 2◦ grau.

Vimos, que dependendo dos valores dos coeficientes a, b e c da equac¸ão ax 2 + bx + c = 0, poderemos


ter duas raı́zes reais diferentes; apenas uma raiz real dupla ou nenhuma raiz real. Este fato influencia
fortemente na obtenc¸ão do conjunto soluc¸ão de uma desigualdade quadrática.

Resolver, por exemplo, a inequac¸ão ax 2 + bx + c > 0, é responder a seguinte pergunta:

Existe x real tal que o trinômio p (x ) = ax 2 + bx + c seja estritamente positivo?

Estudando o sinal da func¸ão f (x ) = ax 2 + bx + c , encontramos a resposta para esta pergunta, que por
sua vez, é competência da disciplina Fundamentos de Matemática II. No entanto, iremos adiantar, que o
gráfico de uma func¸ão deste tipo, descreve uma parábola no plano cartesiano, que para cada func¸ão, ela
assume uma, e apenas uma, dessas formas:

D<0 D=0 D>0


a>0

x x1 x x1 x2 x

D<0 D=0 D>0


x1 x1 x2
a<0

x x x

71
Fundamentos da Matemática I

As ilustrac¸ões nesta figura acima, diz o seguinte:

1. Quando o gráfico está todo acima (respectivamente abaixo) da reta real, representada aqui pelo
eixo x , significa que o trinômio ax 2 + bx + c só assume valores não negativos (respectivamente não
positivos) para qualquer que seja o x real.

2. Quando o gráfico está acima (respectivamente abaixo) da reta real, mas toca nesse eixo em um
único ponto, que á a raiz única, significa que o trinômio ax 2 + bx + c assume valores não negativos
(respectivamente não positivos) para qualquer que seja o x real diferente desta raiz.

3. Quando o gráfico corta a reta real em dois pontos, nas raı́zes do trinômio, podemos ver que parte do
gráfico fica acima e parte do gráfico a baixo da reta real. Assim, por exemplo, podemos notar que
quando a > 0 a porc¸ão entre as duas raı́zes o trinômio ax 2 + bx + c será negativo, e positivo fora.

Assim, voltando à pergunta, que é resolver a seguinte inequac¸ão ax 2 + bx + c > 0, temos, de modo
geral, as seguintes soluc¸ões:

(1) a > 0, ∆ < 0 ⇒ S = R


(2) a > 0, ∆ = 0 ⇒ S = {x ∈ R; x 6= x1 }
(3) a > 0, ∆ > 0 ⇒ S = {x ∈ R; x < x1 ou x > x2 }
(4) a < 0, ∆ < 0 ⇒ S = ∅
(5) a < 0, ∆ = 0 ⇒ S = ∅
(6) a < 0, ∆ > 0 ⇒ S = {x ∈ R; x1 < x < x2 }

Exemplo 4.7. Para que valores reais temos (a) x 2 − 2x + 2 > 0? E (b) x 2 − 2x + 2 < 0?

˜ (a) Temos que o discriminante é ∆ = (−2)2 − 4 · 1 · 2 = −4 < 0, logo não possui raı́zes reais.
Soluçao:
Como a > 0, temos justamente, um caso do tipo (1) descrito no quadro acima, assim, a soluc¸ão é S = R.
Isto quer dizer, que para qualquer valor de x , o trinômio sempre será maior do que zero, e isso responde a
letra (b), logo a soluc¸ão para (b) é S = ∅.

Exemplo 4.8. Resolva a inequac¸ão: x 2 − 2x + 1 ≤ 0.

b
˜ Como o discriminante é ∆ = (−2)2 − 4 · 1 · 1 = 0, temos uma única raiz, a saber x = −
Soluçao: =
2a
(−2)
− = 1. Neste caso, como a = 1 > 0, temos, conforme o item (2) do quadro acima que x 2 − 2x + 1 ≤ 0
2
somente para x = 1, que é justamente quando x 2 − 2x + 1 = 0. Concluı́mos que S = {1}.

Exemplo 4.9. Determine o conjunto soluc¸ão da seguinte inequac¸ão: −2x 2 + 3x + 2 ≥ 0.

˜ O discriminante é ∆ = 32 − 4 · (−2) · 2 = 25, e daı́ teremos duas raı́zes reais distintas, que
Soluçao:
são:

−3 + 25 −3 + 5 1
x1 = = =−
2 · (−2) −4 2

−3 − 25 −3 − 5
x2 = = =2
2 · (−2) −4
72
Note ainda que a = −2 < 0, logo, recorrendo ao quadro, temos o caso (6) e, portanto,
1
−2x 2 + 3x + 2 ≥ 0 quando x estiver entre − e 2, e inclusive eles, escrevemos
2
1
S = x ∈ R; − ≤ x ≤ 2 .
2 

Todas as possı́veis análises, se resumem em 24 tipos básicos distribuı́dos em 6 tabelas, em que x1 e x2


são as raı́zes (quando existir) de ax 2 + bx + c = 0:

(T1) a > 0, ∆ > 0, duas raı́zes reais com x1 < x2


Desigualdade Conjunto Soluc¸ão
2
ax + bx + c < 0 S = {x ∈ R; x1 < x < x2 }
2
ax + bx + c > 0 S = {x ∈ R; x < x1 ou x > x2 }
2
ax + bx + c ≤ 0 S = {x ∈ R; x1 ≤ x ≤ x2 }
2
ax + bx + c ≥ 0 S = {x ∈ R; x ≤ x1 ou x ≥ x2 }

(T2) a > 0, ∆ = 0, uma raiz real dupla x1 = x2


Desigualdade Conjunto Soluc¸ão
2
ax + bx + c < 0 S =∅
2
ax + bx + c > 0 S = {x ∈ R; x 6= x1 }
2
ax + bx + c ≤ 0 S = {x1 }
2
ax + bx + c ≥ 0 S =R

(T3) a > 0, ∆ < 0, não possui raiz real


Desigualdade Conjunto Soluc¸ão
2
ax + bx + c < 0 S =∅
2
ax + bx + c > 0 S =R
2
ax + bx + c ≤ 0 S =∅
2
ax + bx + c ≥ 0 S =R

(T4) a < 0, ∆ > 0, duas raı́zes reais com x1 < x2


Desigualdade Conjunto Soluc¸ão
2
ax + bx + c < 0 S = {x ∈ R; x < x1 ou x > x2 }
2
ax + bx + c > 0 S = {x ∈ R; x1 < x < x2 }
2
ax + bx + c ≤ 0 S = {x ∈ R; x ≤ x1 ou x ≥ x2 }
2
ax + bx + c ≥ 0 S = {x ∈ R; x1 ≤ x ≤ x2 }

(T5) a < 0, ∆ = 0, uma raiz real dupla x1 = x2


Desigualdade Conjunto Soluc¸ão
2
ax + bx + c < 0 S = {x ∈ R; x 6= x1 }
2
ax + bx + c > 0 S =∅
2
ax + bx + c ≤ 0 S =R
ax 2 + bx + c ≥ 0 S = {x1 }

(T6) a < 0, ∆ < 0, não possui raiz real


Desigualdade Conjunto Soluc¸ão
2
ax + bx + c < 0 S =R
2
ax + bx + c > 0 S =∅
ax 2 + bx + c ≤ 0 S =R
2
ax + bx + c ≥ 0 S =∅
73
Fundamentos da Matemática I

4.3 Inequação Produto e Inequação Quociente

Exemplo 4.10. Resolva em R a seguinte inequac¸ão: (x 2 − x − 2) · (−x 2 + 4x − 3) > 0.

˜ Em R, o produto de dois fatores é maior do que zero se são ambos positivos ou ambos
Soluçao:
negativos. Assim, temos dois casos a analisar:
(B )
  
2 2 2 2
x − x − 2 > 0 e − x + 4x − 3 > 0 ou x − x − 2 < 0 e − x + 4x − 3 < 0
(A)

(A) Com a ajuda das tabelas (T1) e (T4), temos:


x2 − x − 2 > 0 −x 2 + 4x − 3 > 0
∆ = 9, a = 1 > 0, x1 = −1 e x2 = 2 ∆ = 4, a = −1 < 0, x1 = 1 e x2 = 3
S1 = (−∞, −1) ∪ (2, +∞) S2 = (1, 3)

SA = S1 ∩ S2 = (2, 3)

(B) Com a ajuda das tabelas (T1) e (T4), temos:


x2 − x − 2 < 0 −x 2 + 4x − 3 < 0
∆ = 9, a = 1 > 0, x1 = −1 e x2 = 2 ∆ = 4, a = −1 < 0, x1 = 1 e x2 = 3
S3 = (−1, 2) S4 = (−∞, 1) ∪ (3, +∞)

SB = S3 ∩ S4 = (−1, 1) .

A figura a seguir ajuda a visualizar as soluc¸ões parciais e a obter a soluc¸ão final.

-1 1 2 3 -1 1 2 3
S1 S3

S2 S4

SA SB

Portanto, S = SA ∪ SB = (−1, 1) ∪ (2, 3) = {x ∈ R; −1 < x < 1 ou 2 < x < 3}.

Nota 26. A soluc¸ão de uma inequac¸ão quociente é obtida de forma análoga. No entanto,
deve-se tomar muito cuidado com a condic¸ão de existência da razão, uma vez que o divisor,
necessariamente, deverá ser diferente de zero.

Relações e Funções

4.4 Relações

4.4.1 Par Ordenado e Produto Cartesiano

Deve-se a René Descartes (1596 − 1650), matemático e filósofo francês, o estabelecer da corre-
spondência biunı́voca entre pontos de um plano e pares de números reais, assim como entre pontos do
74
espac¸ o e ternos de números reais. Esse fato deu origem aos que chamamos de Geometria Analı́tica.
Grac¸ as a este princı́pioé que podemos, por exemplo, interpretar o comportamento de uma func¸ão através
do seu gráfico num sistema de coordenadas cartesianas.

Dados dois conjuntos não vazios A e B , se a ∈ A e b ∈ B , definimos o par ordenado, denotado por
(a, b ), em primeiro elemento é a ∈ A, e o segundo elemento é b ∈ B . O produto cartesiano de A por B é o
conjunto de todos esses pares ordenados e será indicado por A × B . Em sı́mbolos escrevemos

A × B = {(x , y ); x ∈ A e y ∈ B } .

Nota 27. Para as definic¸ões estabelecidas acima, temos:

(a) Dados (a, b ) e (c , d ) em A × B , teremos (a, b ) = (c , d ) ⇔ a = b e c = d . Assim, por


exemplo, (1, 8) e (8, 1) são pares ordenados distintos;

(b) A × ∅ = ∅ e, ∅ × ∅ = ∅;

(c) Quando A = B , o cartesiano A × B é o cartesiano A × A denotamos A2 ;

(d) Se A 6= B , então A × B 6= B × A, ou seja, o produto cartesiano de dois conjuntos não goza


da propriedade comutativa;

(e) Se A e B são conjuntos finitos com k e m elementos, respectivamente, então A × B tem


k · m elementos. Em outras palavras, se n(A) = k e n(B ) = m, então

n(A × B ) = n(A) · n(B ) = k · m;

(f) Se A ou B são conjuntos infinitos e nenhum deles for vazio, então A × B é um conjunto
infinito.

Representação Gráfica

Consideremos dois eixos x e y perpendiculares em O , os quais determinam o plano α. Um horizontal,


que será chamada o eixo das abscissas (ou eixo−x ), e um vertical, o eixo das ordenadas (ou eixo−y ).
Interpretamos cada uma dessas retas como cópias de uma reta real, de tal forma que as origens de
cada uma dessas cópias correspondam ao ponto de intersec¸ão dos eixos. Os números reais positivos
correspondem, na reta vertical, aos pontos da semi-reta superior, e na reta horizontal aos pontos da semi-
reta à direita da origem.

O Plano Cartesiano é o plano gerado por essas duas retas perpendiculares, ou seja, o produto carte-
siano R × R = R2 .

y
Dado um par ordenado (a, b ), localizamos no eixo horizontal o ponto que corre- P
b
sponde ao número real a, e no eixo vertical o ponto que corresponde ao número
real b . Conforme a figura ao lado, localizamos o ponto P de coordenadas a e b .

O a x

75
Fundamentos da Matemática I

Exemplo 4.11. Sejam A = {1, 2, 3} e B = {1, 2}. Então:

A×B = {(1, 1), (1, 2), (2, 1), (2, 2), (3, 1), (3, 2)}
B ×A = {(1, 1), (1, 2), (1, 3), (2, 1), (2, 2), (2, 3)}
2
A =A×A = {(1, 1), (1, 2), (1, 3), (2, 1), (2, 2), (2, 3), (3, 1), (3, 2), (3, 3)}.

Suas representac¸ões gráficas são:


y AxB y BxA y AxA

3 3 3
2 2 2
1 1 1

O 1 2 3 O 1 2 3 O 1 2 3
x x x

Exemplo 4.12. Sejam AB e C D segmentos de retas. O produto carte- AB x CD


D
siano AB × C D pode ser interpretado como um retângulo, na forma indi- Y P
cada pela figura abaixo. Tomando AB e C D perpendiculares e cada el-
emento (x , y ) ∈ AB × C D é representado pelo ponto P , intersec¸ão das C
perpendiculares a AB e C D tiradas pelos pontos x e y , respectivamente. A x B
Exemplo 4.13. Seguindo o mesmo raciocı́nio exemplo anterior, podemos interpretar o produto cartesiano
entre dois intervalos e o produto cartesiano de um ponto por um intervalo. Para o primeiro caso, seja
A = [1, 3) e B = [−1, 2], e para o segundo caso, seja C = [1, 3) e D = {2}. Veja abaixo as representac¸ões
gráficas, respectivamente, de A × B e C × D .

y y
CxD
AxB

2 2

O 1 3 x O 1 3 x
1

4.4.2 Relação Binária

Uma relac¸ão (binária) de A em B é, por definic¸ão, um subconjunto qualquer do produto cartesiano A × B .
O conjunto A é chamado conjunto de partida e o conjunto B conjunto de chegada (ou contra-domı́nio) da
relac¸ão. Se A = B , então uma relac¸ão de A em B se denominará, simplesmente, relac¸ão sobre A ou
relac¸ão em A.

Se é R uma relac¸ão de A em B , isto é, R ⊂ A × B , indicamos que (a, b ) ∈ R, e escrevemos aRb , isto
quer dizer, que a está relacionado com b .

O domı́nio de R, indicamos por D (R), é o subconjunto

D (R) = {x ∈ A; ∃ y ∈ B e x Ry },
76
em outras palavras, é o conjunto composto pelos elementos de A que se relacionam com elemento de
contra-domı́nio B .

A imagem de R, indicamos por Im(R) é o subconjunto

Im(R) = {y ∈ B ; ∃ x ∈ A e x Ry },

em outras palavras, é o conjunto composto pelos elementos de B que estão sendo relacionados com
elementos do conjunto partida A.

Assim, Seja A = {2, 3, 4} e B = {2, 3, 4, 5, 6}. Como n(A) = 3 e n(B ) = 5, temos que o produto
cartesiano A × B é um conjunto de 15 elementos, a saber:

{(2, 2), (2, 3), (2, 4), (2, 5), (2, 6), (3, 2), (3, 3), (3, 4), (3, 5), (3, 6), (4, 2), (4, 3), (4, 4), (4, 5), (4, 6)}

Consideremos as seguintes ilustrac¸ões:

1. Seja R1 o conjunto de pares ordenados (x , y ) de A × B tais que y > x , ou seja,

R1 = {(x , y ) ∈ A × B ; y > x }
= {(2, 3), (2, 4), (2, 5), (2, 6), (3, 4), (3, 5), (3, 6), (4, 5), (4, 6)}.

Desta forma, estabelecemos uma relac¸ão R1 de A em B . A figura mostra os pontos de A


A B
2 sendo relacionados com os pontos de B sob a condic¸ão que so-
2 3 mente há relac¸ão quando y > x .
4
3 D (R1 ) = {2, 3, 4} = A
5 Im(R1 ) = {3, 4, 5, 6} ⊂ B
4 6 x R1 y ⇔ y > x

2. Seja R2 o conjunto de pares ordenados (x , y ) de A × B tais que y = 2x , ou seja,

R2 = {(x , y ) ∈ A × B ; y = 2x } = {(2, 4), (3, 6)}.

Desta forma, estabelecemos uma relac¸ão R2 de A em B . A figura mostra os pontos de A


A B
2 sendo relacionados com os pontos de B sob a condic¸ão que so-
2 3 mente há relac¸ão quando y = 2x .
4
3 D (R2 ) = {2, 3} ⊂ A
5 Im(R2 ) = {4, 6} ⊂ B
4 6 x R2 y ⇔ y = 2x

3. Seja R3 o conjunto de pares ordenados (x , y ) de A × B tais que y = x , ou seja,

R2 = {(x , y ) ∈ A × B ; y = x } = {(2, 2), (3, 3), (4, 4)}.

Desta forma, estabelecemos uma relac¸ão R3 de A em B . A figura mostra os pontos de A


77
Fundamentos da Matemática I

A B
2 sendo relacionados com os pontos de B sob a condic¸ão que so-
2 3 mente há relac¸ão quando y = 2x .
4
3 D (R3 ) = {2, 3, 4} = A
5 Im(R2 ) = {2, 3, 4} ⊂ B
4 6 x R3 y ⇔ y = x

Nota 28. Sobre as ilustrac¸ões acima, temos:

(a) Na primeira ilustrac¸ão, todos os elementos de A são relacionados com elementos de B , no


entanto, pelo menos um tem mais do que um correspondente em B , por exemplo o 2 está
relacionado com 3 e com 4;

(b) Na segunda ilustrac¸ão, o elemento 4 ∈ A não está se relacionando com algum elemento de
B;

(c) Na terceira ilustrac¸ão, todos os elementos de A estão se relacionando com um e somente


um elemento de B .

Com base nesta observac¸ão, podemos garantir que somente a terceira ilustrac¸ão é uma função. Pois,
para cada elemento do conjunto de partida A (domı́nio), há um e somente um elemento (imagem) de B se
relacionando com elementos de A. A seguir veremos o conceito de func¸ão.

4.5 Função

O conceito de func¸ão é um dos mais importantes na Matemática. Na verdade, as func¸ões permeiam


nossa vida quotidiana mesmo que não nos apercebamos disso. Por exemplo, a quantia que pagamos
a cada mês na nossa conta de luz depende, de uma forma determinada, da quantidade de energia que
usamos nesse mês. O prec¸ o de uma corrida de á
t xi depende da distância que percorremos. Se nos detiver-
mos por um momento a pensar nesse tema, acharemos com facilidade muitos exemplos de quantidades
que dependem de outras quantidades de uma maneira bem determinada. Com as noc¸ões de número
real e de func¸ões, a Matemática fornece recursos com os quais podem descrever e analisar determinadas
relac¸ões de dependência entre quantidades.

Nesta sec¸ão, introduziremos o que denominamos de func¸ões reais, isto é, determinadas relac¸ões de
dependência entre quantidades descritas por números reais. Um exemplo, a que já nos referimos acima, é
o que poderı́amos chamar de função conta de luz, que a um número real (quantidade de energia utilizada)
associa um outro número real (quantidade de reais que deve ser paga). As func¸ões reais são os objetos
de estudo do Cálculo, como veremos no decorrer do curso. Vale destacar, que nesse momento, faremos
uma introduc¸ão à func¸ão, pois esse conteúdo é o tema central da disciplina Fundamentos da Matemática
II.

Uma função real é um objeto matemático que, a cada número x de um subconjunto A ⊂ R,


associa um único número f (x ) de um subconjunto B ⊂ R. Em outras palavras:

f : A → B é func¸ão ⇔ ∀ x ∈ A, ∃! y ∈ B ; y = f (x ).

78
O conjunto A é chamado de domı́nio de f , que indicamos por D (f ); o conjunto dos números reais
contido em B que estão associados por f é chamado o conjunto imagem (ou simplesmente, a imagem) de
f , que indicamos por Im(f ); e o conjunto B é chamado o contra-domı́nio de f , que indicamos por C D (f ).

Usaremos as seguintes notac¸ões:

(1) f : A → B para dizer que se trata da func¸ão real cujo domı́nio é o conjunto A;

(2) x 7→ f (x ) para dizermos que a func¸ão f associa o número x ∈ D (f ) ao número f (x );

(3) Se C ⊂ A, indicaremos por f (C ) o conjunto dos números f (x ) em que x ∈ C , que é chamado de


imagem de C .

Exemplo 4.14. Seja f : [−1, 1] → R a func¸ão definida por f (x ) = x 2 . Ou seja, f é a func¸ão que a
cada número real do intervalo [−1, 1] associa ao quadrado desse número. D (f ) = [−1, 1], Im(f ) = [0, 1] e
C D (f ) = R.

Exemplo 4.15. Seja d : R → R a func¸ão definida por d (x ) = |x |. Ou seja, para cada número real x , d (x )
é a distancia do ponto que representa o número x na reta real ao ponto que representa o 0 (zero).

Exemplo 4.16. Sejam x e y os lados de um terreno retangular de área 100 m2 . Como a área de um
retângulo é o produto dos lado, temos que xy = 100. Assim podemos escrever um lado em func¸ão do
100
outro, ou seja, y = f (x ) = .
x

Deve-se observar que uma func¸ão consta de três ingredientes: domı́nio, contra-domı́nio e a lei de
correspondência x 7→ f (x ). Mesmo quando dizemos, simplesmente, “a função real f ”, ficam subentendidos
seu domı́nio A e seu contra-domı́nio B . Sem essas especificac¸ões, não existe a func¸ão.
1
Considere a func¸ão f (x ) = . Sendo assim, devemos ser capazes de, primeiramente, responder a
x
seguinte pergunta
Qual é o seu domı́nio?

Para responder a esta pergunta, formulemos a seguinte:


1
qual é o maior subconjunto A ⊂ R tal que f (x ) = é um número real?
x
Como o 0 ∈ R não possui inverso multiplicativo, o domı́nio da func¸ão f é R∗ .

Usualmente, não sendo dado de forma explicita o domı́nio de uma func¸ão real de uma variável, definida
por uma expressão algébrica (ou lei de correspondência), assumimos que o domı́nio é o maior subconjunto
dos números reais para os quais a sua expressão faz sentido, isto é, os números com os quais podemos
efetuar as operac¸ões indicadas na referida expressão.

Exemplo 4.17. Seja f (x ) = x − 1 uma func¸ão. Assim, o domı́nio de f , são todos os números reais que
satisfazem a desigualdade x − 1 ≥ 0, logo D (f ) = {x ∈ R; x ≥ 1}.
x2 − 1
Exemplo 4.18. Seja g (x ) = . Desta forma, g (x ) será um número real se x 2 + 3x − 4 =
x2+ 3x − 4
6 −4 e x 6= 1. Logo D (g ) = {x ∈ R; x 6= −4 e x 6= 1}.
(x + 4)(x − 1) 6= 0, ou seja, x =
6
Exemplo 4.19. O domı́nio da func¸ão h(x ) = √ é o conjunto {x ∈ R; x − 3 > 0} = {x ∈ R; x > 3}.
x −3

Em muitos exemplos de func¸ões f : A → B , principalmente na Matemática Elementar, A e B são


conjuntos numéricos e a regra y = f (x ) exprime o valor f (x ) por meio de uma fórmula que envolve x .
Mas, em geral, não precisa ser assim. A natureza da regra que ensina como obter f (x ) quando é dado x
inteiramente arbitrária, sendo sujeita apenas a duas condic¸ões:
79
Fundamentos da Matemática I

˜ deve haver exceçoes:


(i) Nao ˜ A fim de que a func¸ão f tenha o conjunto A como domı́nio, a regra deve
fornecer f (x ), seja qual for x ∈ A dado;

˜ deve haver ambigüidades: A cada x ∈ A, a regra deve fazer corresponder um único f (x ) em B .


(ii) Nao

Vejamos dois exemplos para ilustrar essas exigências:

Exemplo 4.20. Indiquemos com A o conjunto dos números inteiros positivos e com B o conjunto de
triângulos do plano. Para cada x ∈ A, ponhamos f (x ) = t , caso t seja um triângulo cuja área seja
representada pelo número x . Esta regra não define uma func¸ão f : A → B porque é ambı́gua: dada um
número x > 0, existe uma infinidade de triângulos diferentes com área x .

Exemplo 4.21. Sejam B = QR a base de um triângulo PQR e A = MN


um segmento paralelo a B , unindo os outros dois lados desse triângulo.
Seja ainda P o vértice oposto à base B . Obtém-se uma correspondência
f : A → B associando a cada x ∈ A o ponto f (x ) onde a semi-reta Px
M N
intersecta a base B . Neste caso, f é uma func¸ão, veja figura ao lado. x

Q f (x) R
Dizemos que duas func¸ões f e g são iguais, e escrevemos f = g , se são definidas num mesmo domı́nio

A e se, f (x ) = g (x ) para cada x ∈ A. Assim, por exemplo, as func¸ões f (x ) = x 2 e g (x ) = |x | de R em R

são iguais, pois, x 2 = |x |, ∀ x ∈ R. Já as func¸ões f (x ) = x e g (x ) = |x | de R em R não são iguais, pois
x 6= |x |, para x < 0.

4.5.1 O Gráfico de uma Função Real

O conjunto de todos os pares ordenados da forma (x , f (x )), em que x pertence ao domı́nio da func¸ão
e f (x ) é o número que está associado ao número x pela func¸ão f . Em outras palavras:

graf(f ) = {(x , y ) ∈ R2 ; x ∈ D (f ) e y = f (x )}.

y
Exemplo 4.22. Na figura ao lado, temos o gráfico de uma 7
graf(f)
func¸ão real f cujo domı́nio é o intervalo [−2, 6) e a imagem é o
f ( x 0)
intervalo [−2, 7].

Concluı́mos então que uma func¸ão real determina um subcon-


junto do plano cartesiano. Esse fato nos sugere a seguinte per-
-2 O x0 6 x
gunta:
-2

“Quais subconjuntos do plano cartesiano podem ser gráficos de func¸ões?”

A resposta é simples, pois, sabemos que cada número real do domı́nio da func¸ão associa um único
número real da imagem, logo para cada número real do domı́nio existe um único par ordenado no gráfico
de f e cuja abscissa é x . Resumidamente temos:
80
Uma reta vertical pode no máximo conter um único ponto do gráfico de uma func¸ão.

Na figura do Exemplo 4.22 acima, vemos claramente que qual- P3


quer reta perpendicular ao eixo das abscissas, mais precisamente,
ao domı́nio da função, a mesma intercepta o gráfico em um único P2
ponto. O mesmo não acontece para o gráfico na figura ao lado. P1
O x
r
Dada a reta r perpendicular ao eixo das abscissas, temos os pontos P1 , P2 e P3 no gráfico e logo um
único ponto do domı́nio teria três correspondentes na imagem, contradizendo a definic¸ão de func¸ão e,
portanto não pode ser gráfico de uma func¸ão.

4.6 Exercı́cios Propostos

4.1. Determine o valor máximo ou o valor mı́nimo de cada trinômio a seguir:


(a) x 2 − 4 (d) 2x 2 − 5x + 2 2
(g) −x 2 + x −
9
(b) −x 2 − 3x (e) −x 2 + x + 6 (h) x 2 − 3x + 2
1 3 7
(c) −x 2 + x + (f) x 2 − x − 2 (i) x 2 + x + 2
2 2 3
5
4.2. Determine o valor de m, para que 3x 2 − 2x + m tenha valor mı́nimo igual a .
3
4.3. Dentre os retângulos de perı́metro 20 cm, determine o de área máxima.

4.4. Uma parede de tijolos será usada como um dos lados de um curral retangular. Para os outros lados
iremos usar 400 metros de tela de arame, de modo a produzir área máxima. Determina as dimensões
desta área, sob essas condic¸ões.

4.5. Numa vidrac¸ aria há um pedac¸ o de espelho, sob a forma de um triângulo de lados 60 cm, 80 cm e
1 m. Quer-se saber, a partir dele, recortar um espelho retangular com a maior área possı́vel. A fim de
economizar corte, pelo menos um dos lados do retângulo deve estar sobre um lado do triângulo, como nas
figuras abaixo.

Em cada caso, determine qual o retângulo de maior área e compare os dois resultados.

4.6. Determine o valor de p , para que o trinômio x 2 − 4x + p − 6 = 0 possua duas raı́zes reais iguais.

4.7. Dê condic¸ões para m, de modo que x 2 − 6x + m − 3 = 0 admita duas raı́zes reais diferentes.

4.8. Calcule o valor de k para que o produto das raı́zes da equac¸ão 2x 2 − 3x + k − 2 = 0 seja igual a 1.

4.9. Determine o valor de m para que a soma das raı́zes da equac¸ão 4x 2 − mx + 2 seja 5.
81
Fundamentos da Matemática I

4.10. Para quais valores de x o trinômio −x 2 + 3x − 4 é negativo? E positivo?

4.11. Resolva as seguintes inequac¸ões em R.

(a) x 2 − 3x + 2 > 0 (e) 4x 2 − 4x + 1 > 0 (i) (x 2 − 2x + 8)(x 2 − 5x + 6)(x 2 − 16) < 0

(b) −x 2 + x + 6 > 0 (f) x 2 − 6x − 9 > 0 (j) (x 2 − x + 6)(−x 2 − 2x + 3) ≥ 0

(c) −3x 2 − 8x + 3 ≤ 0 (g) (1−4x 2)(2x 2 +3x ) > 0 (l) 8x 2 − 14x + 3 ≤ 0


2 − 3x x 2 + 2x 2x 2 + 4x + 5
(d) <0 (h) ≤0 (m) < −5
2x 2 + 3x − 2 x 2 + 5x − 2 3x 2 + 7x + 2
4.12. Dados os conjuntos A = {1, 3, 4}, B = {−2, 1} e C = {−1, 0, 2}, liste os seguintes conjuntos, em
seguida represente-os graficamente no plano cartesiano.
(a) A × B (c) A × C (e) A2 (g) C 2

(b) B × A (d) C × A (f) B 2 (h) B × C

4.13. Represente graficamente os produtos A × B , A × C , B × C , C × B , A2 e C 2 , em que


A = {x ∈ R; 1 ≤ x ≤ 3}, B = {x ∈ R}; −2 ≤ x ≤ 2} e C = {x ∈ R; −4 < x ≤ 1}.

4.14. Represente graficamente os produtos A × B e B × A, em que A = {1, 2, 3, 4}, B = {x ∈ R; 1 ≤ x ≤ 4}.

4.15. Sabendo que {(1, 2), (4, 2)} ⊂ A2 e n(A2 ) = 9, determine o conjunto A e A2 .

4.16. Sabendo que A ⊂ B , {(0, 5), (−1, 2), (2, −1)} ⊂ A × B e n(A × B ) = 12, represente A × B pelos seu
elementos.

4.17. Sejam A = {a, b }, B = {2, 3} e C = {3, 4}. Determine:


(a) A × (B ∪ C ) (c) A × (B ∩ C )

(b) (A × B ) ∪ (A × C ) (d) (A × B ) ∩ (A × C )

4.18. Compare (a) com (b) na questão anterior e diga o que aconteceu. Fac¸ a o mesmo para (c) e (d).

4.19. Prove que: (lembre-se: X = Y ⇔ X ⊂ Y e Y ⊂ X )

(a) A × (B ∪ C ) = (A × B ) ∪ (A × C ) (b) A × (B ∩ C ) = (A × B ) ∩ (A × C )

4.20. Sejam A = {a, b , c } e B = {1, 0}. Decida quantas func¸ões diferentes existem de A em B . Escreva-as.

4.21. Redefina as seguintes func¸ões usando um fórmula.

(a) A cada número real, f faz corresponder seu quadrado mais três;

(b) A cada número real, g faz corresponder o número mais o seu valor absoluto;

(c) A cada número real, h faz corresponder um terc¸ o do número menos a raiz quadrada desse número.

4.22. Seja V = {1, 2, 3, 4}. Decida, justificando, quais (ou qual) relac¸ões a seguir definem func¸ão de V em
V.
(a) R1 = {(2, 3), (1, 4), (2, 1), (3, 2), (4, 4)} (c) R3 = {(2, 1), (3, 4), (1, 4), (2, 1), (4, 4)}

(b) R2 = {(3, 1), (4, 2), (1, 1)} (d) R4 = {(2, 3), (1, 6), (4, 2), (3, 4)}

4.23. Decida justificando quais (ou qual) dos gráficos a seguir podem representar gráfico de uma func¸ão.
82
y y y y
2

x x x x

(a) (b) (c) (d)

4.24. Esboce, sombreando a área adequada, para cada um dos seguintes conjuntos no plano coordenado
R2 .
(a) [−3, 3] × [−1, 2] (c) [−3, 1] × (−∞, 2)

(b) (−2, 3] × [−3, +∞) (d) [−3, 1] × (−2, 2]

4.25. Seja a func¸ão f definida de R em R dada por f (x ) = 2x − 1. Decida, sem construir o gráfico dessa
func¸ão, se os seguintes pares ordenados fazem parte do gráfico desta func¸ão.
(a) (3, 5) (c)(−4, −7) (e) (−3, −5)

(b) (−2, −5) (d) (8, 17) (f) (0, 0)

4.26. Qual (quais) dos pares ordenados podem pertencer ao gráfico de uma func¸ão definida de Z em Z.

(a) (2, 0) (c) (1, π) (e) (13, 2)
√ 1
(b) (0, 2) (d) (2 − 2, 2) (f) , −1
2


4.27. Estabelec¸ a o domı́nio das seguintes func¸


ões a seguir, representando-os graficamente na reta real.
(a) f (x ) = 3x + 2 1
(e) m(x ) = √
x +1
1
(b) g (x ) =
x +1 8 3
(f) n(x ) =
x −2 x −4
(c) h(x ) = √
x2 − 2 (g) p (x ) = x − 3

x +2 x −2
(d) d (x ) = (h) h(x ) =
x −2 x3 − 8


x −1 x −1
4.28. As expressões f (x ) = e g (x ) = √ podem definir func¸ões iguais? Justifique.
x +1 x +1

x2 − 1
4.29. As func¸ões f (x ) = x + 1 e g (x ) = são iguais? Justifique.
x −1
83
Fundamentos da Matemática I

Gabarito
9 25 9 25 121 1 1 7
Questão 4.1. (a) −4 (b) − (c) (d) − (e) (f) − (g) (h) − (i) Questão 4.2. m = 2. Questão 4.3.
4 16 8 4 36 36 4 4
Quadrado de lado 5 cm. Questão 4.4. 100 m e 200 m. Questão 4.5. Ambos possuem a mesma area ´ de 1.200 cm2 .
As dimensões do primeiro são 40 cm × 30 cm e do segundo 50 cm × 24 cm. Questão 4.6. p = 10. Questão
4.7. m < 12. Questão 4.8. k = 4. Questão 4.9. m = 20. Questão 4.10. ∀ x ∈ R o trinômio e´ nega-
1
tivo. Questão 4.11. (a) {x ∈ R; x < 1 ou x > 2} (b) {x ∈ R; −2 < x < 3} (c) x ∈ R; x ≤ −3 ou x ≥ 
(d)
3
1 2 1 √ √ 3
x ∈ R; −2 < x < ou x >  (e) x ∈ R; x 6=  (f) {x ∈ R; x < 3 − 3 2 ou x > 3 + 3 2} (g) {x ∈ R; − < x <
2 3 √ 2 √ 2
1 1 −5 − 33 −5 + 33
− ou 0 < x < } (h) x ∈ R; < x ≤ −2 ou 0 ≤ x < (i) {x ∈ R; −4 < x < 2 ou 3 < x < 4}
2 2 2 2


√ √
1 3 −36 − 501 −36 + 501 1
(j) {x ∈ R; −3 ≤ x ≤ 1} (l) {x ∈ R; ≤ x ≤ } (m) x ∈ R; <x < ou − 2 < x < −
4 2 34 34 3


Questão 4.12. (a) A × B = {(1, −2); (1, 1); (3, 1); (4, −2); (4, 1)} (b) B × A = {(−2, 1); (−2, 3); (−2, 4); (1, 1); (1, 3); (1, 4)}
(c) A × C = {(1, −1); (1, 0); (1, 2); (3, −1); (3, 0); (3, 2); (4, −1); (4, 0); (4, 2)} (d) C × A =
{(−1, 1); (−1, 3), (−1, 4); (0, 1); (0, 3); (0, 4); (2, 1); (2, 3); (2, 4)} (e) A 2 = {(1, 1); (1, 3); (1, 4); (3, 1); (3, 4); (4, 1); (4, 3); (4, 4)}
(f) B 2 = {(−2, 2); (−2, 1); (1, −2); (1, 1)} (g) C 2 = {(−1, −1); (−1, 0); (−1, 2); (0, −1); (0, 0); (0, 2); (2, −1); (2, 0); (2, 2)} (h)
B × C = {(−2, −1); (−2, 0); (−2, 2); (1, −1); (1, 0); (1, 2)}
Questão 4.15. A = {1, 2, 4} A2 = {(1, 1); (1, 2); (1, 4); (2, 1); (2, 2); (2, 4); (4, 1); (4, 2); (4, 4)}
Questão 4.16. A × B = {(−1, −1); (−1, 0); (−1, 2); (−1, 5); (0, −1); (0, 0); (0, 2); (0, 5); (2, −1); (2, 0); (2, 2); (2, 5)}. Quest ão 4.17.
(a) A × (B ∪ C ) = {(a, 2); (a, 3); (a, 4); (b , 2); (b , 3); (b , 4)} (b) (A × B ) ∪ (A × C ) = {(a, 2); (a, 3); (a, 4); (b , 2); (b , 3); (b , 4)} (c)
A × (B ∩ C ) = {(a, 3); (b , 3)} (d) (A × B ) ∩ (A × C ) = {(a, 3); (b , 3)} Quest ão 4.18. A × (B ∪ C ) = (A × B ) ∪ (A × C ) e
A × (B ∩ C ) = (A × B ) ∩ (A × C ) Questão 4.19. (a) Note que A × (B ∪ C ) ⊂ (A × B ) ∪ (A × C ), pois dado (a, d ) ∈ A × (B ∪ C ),
temos que a ∈ A e d ∈ (B ∪ C ). Mas d ∈ (B ∪ C ) ⇒ d ∈ B ou d ∈ C . Deste modo, (a, d ) ∈ A × B ou (a, d ) ∈ A × C . Assim,
(a, d ) ∈ (A × B ) ∪ (A × C ). O outro sentido da inclusão, isto é, (A × B ) ∪ (A × C ) ⊂ A × (B ∪ C ), é análogo. Portanto A × (B ∪ C ) =
(A × B ) ∪ (A × C ). (b) Procedimento análogo ao item (a). Questão 4.20. 8. f1 = {(a, 1); (b , 1); (c , 1)}, f2 = {(a, 0); (b , 0); (c , 0)},
f3 = {(a, 1); (b , 1); (c , 0)}, f4 = {(a, 0); (b , 0); (c , 1)}, f5 = {(a, 0); (b , 1); (c , 1)}, f6 = {(a, 0); (b , 1); (c , 0)}, f7 = {(a, 1); (b , 0); (c , 1)},
x √
f8 = {(a, 1); (b , 0); (c , 0)}. Questão 4.21. (a) f (x ) = x 2 + 3 (b) g (x ) = x + |x | (c) h(x ) = − x Questão 4.22. Somente (c) e´
3
func¸ão. (a) 2 tem duas imagens distintas, (b) 2 não tem imagem, (d) 6 6∈ V Questão 4.23. (c) e (d) Questão 4.25. (a) e (b) Questão
4.26. (a) e (b) Questão 4.27. (a) R (b) R − {1} (c) R − {±2} (d) {x ∈ R; x ≥ −2 e x 6= 2} (e) {x ∈ R; x > −1} (f) R − {4} (g)
{x ∈ R; x ≥ 3} (h) R − {2} Questão 4.28. Sim, depende do dom´ınio. Por exemplo, se o dom´ınio das func ˜¸ for {x ∈ R; x > 1},
oes
então f (x ) = g (x ). Se o dom´ınio, de cada, for o maior subconjunto de R, ent̃ ao não serão iguais. Questão 4.29. Não, uma vez que o
dom´ınio de f (x )´ e R e o de g (x ) é R − {1}.

84
Atividade Orientada

5.1 Etapa 1

Questão 5.1.1. Considere dois números naturais, cada um deles com três algarismos diferentes. O
maior deles só tem algarismos pares e o menor só tem algarismos ı́mpares. Se a diferenc¸ a entre elesé a
maior possı́vel, qual é essa diferenc¸ a?
n 7
Questão 5.1.2. Quantas frac¸ões da forma são menores do que , sabendo que n é um número
n+1 9
inteiro positivo?

Questão 5.1.3. Se 0 < y < x e z 6= 0, então a única opc¸ão errada é:


x y
(a) x + z > y + z (b) x − z > y − z (c) xz > y z (d) 2 > 2 (e) xz 2 > y z 2
z z
N N N N N
Questão 5.1.4. Qual é o menor número inteiro positivo N tal que , , , e são números inteiros?
3 4 5 6 7
(a) 420 (b) 350 (c) 210 (d) 300 (e) 280

Questão 5.1.5. Na sec¸ão 1.6 (notas sobre uma demonstrac¸ão), vimos que exibir alguns exemplos
não é o suficiente para provar uma dada proposic¸ão. No entanto, um simples contra exemplo pode ser
exibido para invalidar uma dada proposic¸ão. Assim, para os ı́tens (d), (f), (j) e (m), da questão 1.12 (página
23), reproduzidas abaixo, exiba, quando possı́vel, um contra exemplo para mostrar a não validade de uma
proposic¸ão, ou fac¸ a, analogamente,à prova que a soma entre dois inteiros pares é um inteiro par, exibida
nesta mesma sec¸ão.

(d) Se a e b são inteiros ı́mpares, então o produto ab é um inteiro ı́mpar.


(f) Se m é um múltiplo de 5, então m é um divisor de 25.
(j) Se x é um número real tal que x 2 = 4, então x = 2.

(m) Se x é um número real, então x 2 = x .
Questão 5.1.6. Uma populac¸ão consome três marcas de cervejas: A, B e S . Feita uma pesquisa de
mercado nesta populac¸ão, colheram-se os seguintes dados:

Marca A B S AeB B eS AeS as três não bebem cerveja


número de consumidores 109 203 162 25 41 28 5 115

Determine:

(a) o número de pessoas consultadas;

(b) o número de pessoas que só bebem a marca A;

(c) o número de pessoas que não bebem as marcas A ou S ;

(d) o número de pessoas que consomem ao menos duas marcas.

Questão 5.1.7. Numa certa comunidade só existem indivı́duos de três rac¸ as: branca, preta ou amarela.
Sabendo que 70 são brancos, 350 são não pretos e 50% são amarelas, responda quantos indivı́duos tem
essa comunidade.
85
Fundamentos da Matemática I

5.2 Etapa 2

Questão 5.2.1. Na sec¸ão Sistema de Equac¸ões de Primeiro Grau, exibimos três métodos para a
resoluc¸ão de uma dado sistema. No entanto, observamos que seja possı́vel a não existência dessa
soluc¸ão. Resolva, utilizando os três métodos, os seguintes sistemas:

3x − 2y = −1 x −y = 1 4x + 5y = 2 2x + 5y = 0
(a) (b) (c) (d)
2x + 5y = 12 x +y = 5 8x + 10y = 4 3x − 2y = 0

Questão 5.2.2. Admitindo que

(a) Toda potência de base real e expoente ı́mpar conserva o sinal da base;

(b) Toda potência de base real e expoente par é um número não negativo.

Resolva as inequac¸ões a seguir.

i. (2x − 4)3 > 0


2
4
ii. 4x − >0
3


iii. (4x − 2)4 < 0

iv. (7x + 15)17 ≤ 0

Questão 5.2.3. Considere a desigualdade


2x − 4
> 1.
x +1

(a) x = −2 é soluc¸ão da desigualdade?

(b) Encontre o erro na resoluc¸ão abaixo e mostre a soluc¸ão correta.

Multiplicando-se os dois membros da desigualdade por x + 1 obtemos:

2x − 4 > x + 1.

Somando-se 4 aos dois membros temos:

2x > x + 5.

Finalmente, temos que:


x > 5.

1
Questão 5.2.4. Quais os valores de x que satisfazem < 4?
x −2

5.3 Etapa 3

1
Questão 5.3.1. A sexta parte dos alunos de uma classe usam óculos. Dentre os que usam óculos,
3
são meninas; além disso, 4 meninos usam óculos. Quantos são os alunos dessa classe?
86
Questão 5.3.2. Um artesão comec¸ a a trabalharàs 8h e produz 6 braceletes a cada 20 minutos; já seu
auxiliar comec¸ a a trabalhar 1 hora depois e produz braceletes do mesmo tipo a cada meia hora. O artesão
pára de trabalhar às 12h, mas avisa ao seu auxiliar que este deverá continuar trabalhando até produzir o
mesmo que ele. A que horas o auxiliar irá parar?

Questão 5.3.3. Um litro de álcool custa R $0, 75. O carro de Maria percorre 25km com 3 litros de álcool.
Quantos reais Maria gastará com álcool para percorrer 600km?

Questão 5.3.4. Você já viu um truque numérico? Aqui vão os passos de um truque numérico:

(I) Escolha um número qualquer.

(II) Multiplique-o por 6.

(III) Do resultado subtraia 21.

(IV) Divida agora este novo resultado por 3.

(V) Deste último resultado subtraia o dobro do número que você escolheu.

(a) Experimente fazer esses cinco passos três vezes, iniciando cada vez com um número diferente.
Qual foi o resultado de seu experimento?

(b) A seguir, usando a letra para representar o número que você pensou, mostre por que os resultados
do item (a) não são apenas uma coincidência, mas sim um fato matemático.

Questão 5.3.5. Uma parede de tijolos será usada como um dos lados de um curral retangular. Para os
outros lados iremos usar 400 metros de tela de arame, de modo a produzir área máxima. Determine as
dimensões desta área, sob estas condic¸ões.

Questão 5.3.6. Se 3 e o seu inverso multiplicativo são as raı́zes da equac¸ão ax 2 − 6x + c = 0, qual o


valor de a + c ?

Questão 5.3.7. A maior raiz da equac¸ão (x − 37)2 − 169 = 0 é:

A) 39 B) 43 C) 47 D) 50 E) 53

Questão 5.3.8. Represente graficamente o que se pede, sabendo-se que A = [1, 3], B = [−2, 2] e
C = (−4, 1].

(a) A × (B ∪ C )

(b) (A × B ) ∪ (A × C )

(c) A × (B ∩ C )

(d) (A × B ) ∩ (A × C )

87
Fundamentos da Matemática I

Glossário

Ábaco: Calculador manual para aritmética, formado de um quadro com vários fios paralelos em que
deslizam botões ou bolas móveis;

Conjuntos disjuntos: Dois conjuntos são disjuntos se a interseção entre eles é vazia.

Contı́nuo: Em que não há interrupção; seguido, sucessivo.

Discreto: [1.] Relativo a, ou que envolve objetos, elementos, valores, etc. não contı́nuos;
[2.] Que não está em continuidade com a vizinhança; separado, distinto.

Escrita Cuneiforme: Sistema de escrita provavelmente inventado pelos sumérios e depois adotado por
babilônios e assı́rios, constituı́do de sinais em forma de cunha, produzidos pela impressão sobre
argila.

88
Referências Bibliográficas
[1] AABOE, Asger. Episódios da História Antiga da Matemática – Coleção Fundamentos da
Matemática Elementar. 2a edição. Rio de Janeiro: SBM, 2.002.

[2] ALENCAR FILHO, Edgard de. Iniciação à Lógica Matemática. São Paulo: Nobel, 1.995.

[3] EVES, Howard. Introdução à História da Matemática. 3a edição. Campinas: Editora da UNICAMP,
2.002.

[4] FIGUEIREDO, Djairo Guedes. Números Irracionais e Transcendentes – Coleção Fundamentos


da Matemática Elementar. Rio de Janeiro: SBM, 1.980.

[5] GIOVANNI, José Ruy. A Conquista da Matemática: Teoria e Aplicação. São Paulo: Editora Reno-
vada, 1.992.

[6] HEFEZ, Abramo. Elementos de Aritmética – Textos Universitários. Rio de Janeiro: SBM, 2.005.

[7] IEZZI, Gelson; MURAKAMI, Carlos. Fundamentos de Matemática Elementar – Conjuntos e


Funções – Vol. 1. 8a edição. São Paulo: Atual Editora Ltda, 2.004.

[8] JANESCH, Oscar R.; TANEJA, Inder Jeet. Tópicos Especiais em Matemática I: Conjuntos
Numéricos e Contagem. Florianópolis: UFSC, 2.002.

[9] LIMA, Elon Lages e outros. A Matemática do Ensino Médio – Coleção do Professor de
Matemática. Rio de Janeiro: SBM, 1.998.

[10] LIMA, Elon Lages e outros. Matemática e Ensino – Coleção do Professor de Matemática. 2a
edição. Rio de Janeiro: SBM, 2.003.

[11] LIPSCHUTZ, Seymour. Teoria dos Conjuntos. São Paulo: McGraw-Hill Editora, 1.972.

[12] MILIES, César Polcino; COELHO, Sônia Pitta. Números: Uma Introdução à Matemática. 3a edição.
São Paulo: USP, 2.001.

[13] RIBENBOIM, Paulo. Números Primos: Mistérios e Recordes – Coleção Matemática Universitária.
. Rio de Janeiro: IMPA, 2.001.

[14] SODRÉ, Ulysses. Matemática Essencial: Ensino Fundamental, Médio e Superior.


URL: <http://pessoal.sercomtel.com.br/matematica>

[15] PAULO, Marques. Matemática do Cientı́fico ao Vestibular.


URL: <http://www.terra.com.br/matematica>

89
www.ead.ftc.br