Você está na página 1de 1

Semiótica e

Pragmática
Jurídica

Primária
Secundária
Normas Primárias trazem sanção Hans
Kelsen
Normas Secundárias trazem preceitos
Obrigação Primária

Problema do caráter estático Câmbio


Hebert Hart Quanto à relevância
Problema da inefeciência Adjudicação Secundária

Problema da incerteza Reconhecimento Posições

Endonorma
Carlos Cossio
Perinorma
Normas de Organização (Reale) Normas de competência
Alf Ross e Miguel Reale
Normas de conduta Classificação Sintática:

Norma Fundamental
Norma-origem
Constituição Quanto à subordinação
Norma-derivada
Para Kelsen é a norma que trás em si a sanção Autônomas

Depende da sanção que está em outra norma Dependentes

Autônoma: esgota as possibilidades jurídicas


Tércio Sampaio (contra Kelsen)
Dependente: depende de outras normas para sua definição Quanto à estrutura
Lex plus quam perfectae
Posições
Lex perfectae
Maria Helena Diniz
Lex minus quam perfectae
Lex impefectae
Gerais
Individuais Tércio Sampaio
Quanto ao destinatário da norma
Individual: em abstrato.
Kelsen Posições
Individualizada: em concreto.
Normas gerais-abstratas
Normas especiais Quanto à matéria (facti speciae)
Normas excepcionais
Federal
Norma federal de conteúdo federal Nacional
Publicistas
Norma federal de conteúdo nacional Quanto ao espaço Classificação Semântica:
Estadual
Municipal
Permanentes
Quanto à extensão
Temporárias
Vigência
Irretroativas
Vigor Quanto à retroatividade Quanto ao tempo Classificações da Norma Jurídica
Retroativas
Mediata
Quanto à incidência
Imediata

Cogentes ou Injuntivas Quanto ao grau de impositividade


(Força de Incidência):
Dispositivas
Comportamento ou Conduta
Quanto à finalidade
Normas-Objetivo (Eros Grau) Programáticas
Classificação Pragmática:
Preceptivas
Hans Kelsen
Proibitivas Quanto ao Funtor
Aporte interpretativo para
Permissivas Sentido compreender algo
a)Normas Jurídicas Nacionais
a)Quanto ao Sistema a que pertencem; Conceito: "Norma jurídica é um sentido de Sein und Sollen
b)Normas Jurídicas Estrangeiras:
Conceito Lógico Dever-ser
dever-ser objetivo de um ato vontade." Determinar comportamentos
a)Normas Jurídicas Legislativas
b)Normas Jurídicas Consuetudinárias b)Quanto a Fonte; Objetivo Exclui a subjetividade
c)Normas Jurídicas Jurisprudenciais
Ato de vontade A norma não é ato de conhecimento
Direito Geral a)Normas Jurídicas de Âmbito Geral:
1ª)Normas Jurídicas de Âmbito Espacial: "A dogmática analítica capta a norma jurídica como um
Direito Particular b)Normas Jurídicas de Âmbito Local:
Tércio Sampaio imperativo despsicologizado"
Conceito Dogmático de Norma Jurídica
a) Normas de Vigência por Prazo Indeterminado
2ª)Normas Jurídicas de Âmbito Temporal: Conceito: "Diretivo vinculante, coercivo, no
b) Normas de Vigência por Prazo Determinado Imperativo
sentido de institucionalizado, bilateral, que
Constitucionais estatui uma hipótese normativa (facti species) Diretivo Vinculante: Despsicologizado
Administrativas à qual imputa uma conseqüência jurídica (que Institucionalidade Noberto Bobbio
Penais a) Normas de Direito Público c)Quanto aos Diversos Âmbitos de Validez; pode ser ou não uma sanção), e que funciona
Processuais
Conceito Analítico como um critério para a tomada de decisão Coercitivo: Obrigatoriedade garantida pelo Estado
3ª)Normas Jurídicas de Âmbito Material:
Internacionais
(decidibilidade).”
Bilateral
Civis Facti species: Hipótese fática, mas abstrata
b) Normas de Direito Privado:
Mercantis
Sanção
a)Normas Genéricas:
4ª)Normas Jurídicas de Âmbito Pessoal: Teoria da Norma Critério decisional: Decidibilidade
b)Normas Individualizadas:
Eduardo Garcia Maynez
Jurídica
a)Normas Constitucionais:
b)Normas Ordinárias:
d)Quanto a Hierarquia;
c)Normas Regulamentares: Se A = Fato Hipotético
d)Normas Individualizadas:
Deve ser B = Preceito
a)Norma Perfeitas (leges perfectae)
Se A, deve ser B, se não B, deve ser C Se não B = Ato Ilícito
b)Norma Mais do que Perfeita (leges plus quan perfectae)
e)Quanto à Sanção; Deve ser C = Sanção
c)Norma Menos do que Perfeita (leges minus quan perfectae)
d)Norma Imperfeita (leges imperfectae) Se é A, deve ser B. Dado A deve ser B.
Ou ainda
a)Normas Positivas ou Permissivas
f)Quanto à Qualidade; Norma jurídica: "Se aplicará a pena de
b)Normas Negativas ou Proibitivas prisão ou reclusão de seis a vinte anos,
Exemplo: Art. 121, do Código Penal brasileiro: àquele que matar outrem".
I. Normas Primárias
"Homicídio simples – Matar alguém: Pena – Proposição jurídica"No direito penal
a)Normas de Iniciação, Duração e Estrutura da Norma Jurídica reclusão, de seis a vinte anos". brasileiro, o homicídio simples é
Extinção da Vigência;
reprimido com a pena de reclusão ou
b)Normas Declarativas ou Explicativas; g)Quanto às Relações de Complementação; prisão de seis a vinte anos".
c)Normas Permissivas; II. Normas Secundárias Norma jurídica: "Se usurpar o exercício de
d)Normas Interpretativas; função pública, deve ser condenado com
detenção de 3 meses a 2 anos, e multa"
e)Normas Sancionadoras. Norma Jurídica e Proposição Jurídica
Exemplo: Art. 328 do Código Penal Proposição jurídica "A punição se dá
h)Quanto às Relações com a Vontade das pátrio : "Usurpar o exercício de função quando alguém toma para si,
a)Normas Taxativas ou Cogentes
Partes. pública: Pena – detenção, de 3 meses a indevidamente, uma função pública
b)Normas Dispositivas 2 anos, e multa" alheia, praticando algum ato ou
vontade correspondente, entretanto, a
função usurpada há de ser absoluta-
mente estranha ao usurpador para a
configuração do crime."
Occasio legis / Ratio legis
Civil Law através da Lei
Common Law através dos Abstração
precedentes, Princípio do stare
decisis (Ratio Decidendi)
Destinatários da norma.
Generalidade
“Devo por que devo”. Categórico

Para Kant todos os imperativos


jurídicos são hipotéticos
Del Vecchio diz que algumas Hipotético Imperatividade
normas são imperativos absolutos
Imperativos Morais
Experiência empírica da norma. Cristianus Thomasius ≠ Externalidade
≠ Autonomia Heteronomia

Mata-Machado

Real Coercitividade:

Possibilidade de uso da força Coercivelmente:

Não é reconhecida pelo Direito


Vício do Negócio Jurídico Ex: como legítima
Coação
Coação Social
Legítima Variações terminológicas
Coerção em Ato
Coerção em Potência
Sanção é uma conseqüência jurídica Coerção
Ex: Multa contratual é sanção prevista pela norma jurídica
Sanção e coação (Sic)
Características da Norma Jurídica
Coação (Sic) é sua aplicação não se confundem Maria Helena Diniz
Ex: Cobrança judicial da multa é coação efetiva, segundo processos legais
Coercibilidade
Institucionalidade
Civil
Penal
Tipos
Administrativa
Política
“Se A, pode ser X”.
Direito Sujeito
Sanção Premial
Sanção Jurídica
Obrigação Estado

Nulidade
Anulabilidade
Reparação
Restrição de direitos Exemplo de Efeitos
Dar
Fazer Obrigações
Não-fazer

Miguel Reale
Apenas bilateralidade Neo- kantianos

Alteridade
Para Miguel Reale nenhuma Bilateralidade
norma é unilateral Unilateralidade

Nota característica do direito Bilateralidade-atributiva


Atributividade
A atributividade é um valor jurídico atribuído como bem
A norma aqui é prévia, objetiva e proporcional
Goffredo Telles Júnior "Autorizamento"
Maria Helena Diniz