Você está na página 1de 11

Interpretações

fisiopsicológicas
as diferentes interpretações arquitetônicas, entre elas, a fisiopsicoló-
gicas, fazem referência ao livro “saber ver a arquitetura” (1948), escri-
to pelo arquiteto e urbanista italiano, bruno zevi.
Bruno Zevi, nasceu e morreu em
roma, e veio de uma família ju-
dia italiana. Durante sua vida,
Universidade Católica de Brasília - UCB sofreu muito com o antissemi-
CAU - Teoria e História da Arquitetura V tismo da época, o que o levou a
Professora: Aline Zim se mudar para Londres e depois
Alunos: para os estados unidos, onde se
formou na escola de gradução
Amanda Mendes em design, coordenada por Wa-
Bárbara Tavares ter Gropius.
Douglas vieira
João do Nascimento
Foi fortemente influenciado pela com livros como “Saber ver a ar-
arquitetura orgânica, liderada por quitetura” e “A linguagem moder-
Frank Lloyd Wright e posterior- na da arquitetura”. Ele defendia a
mente virou um grande defensor assimetria e dissonância do mo-
de tal. Zevi fez seu nome como dernismo e criticava as tendên-
crítico da arquitetura moderna, cias classicistas no movimento.

2/11
Interpretações
fisiopsicológicas
se relacionam com: processos histórico críticos:
“O mundo figurativo e estético, o conjunto das
questões psicológicas; concepções e interpretações da arte e o vocabulá-
associações do subconsciente; rio figurativo” -Bruno Zevi, Saber ver a arquitetura,
Capítulo 4, página 54.
criação de significado arquitetônico.
“O único privilégio da arquitetura, entre todas as
artes (...), não é hospedar uma cavidade cômoda
e rodeá-la de defesas, mas construir um mundo
interior” -Bruno Zevi, Saber ver a arquitetura, Ca-
formas e espaços arquitetônicos pítulo 5, página 138.

leis da geometria,
mundo
reações físicas e psíquicas interior mecânica e óptica

dos usuários 3/11


Interpretações
fisiopsicológicas ascensão
calma medo
“São genéricas evocações literárias de ‘estados
de espírito’ produzidas pelos ‘estilos’ arquite-
tônicos” -Bruno Zevi, Saber ver a arquitetura, vs
Capítulo 5, página 152.

egito - idade do medo


Faraós buscavam a ascensão de suas almas e
a reencarnação de seus corpos.
roma - idade da força
Imperadores queriam mostrar sua força, rigidez e
soberania.

Panteão Romano
- Itália, Roma
- 118-128
- Arquiteto: Públio Élio
Adriano

Pirâmide de Gizé - 2 570 a.C. - 1 300 a.C


- Gizé, Egito - Arquiteto: Hemiunu
4/11
Interpretações
renascença - idade da elegância e sabedoria
fisiopsicológicas Transição do feudalismo para o capitalismo (demonstração de
poder). Mudança da Idade das Trevas para o Iluminismo (sabe-
menos divino doria)

infinito, emoção Basílica de São Pedro


- Vaticano, Roma
- 1506-1626
vs - Arquiteto: Donato Bra-
mante
racional, intelectual
mais “homem”
Coliseu
- Itália, Roma
- 68-79 d.C. ornamentos = elegância
- Arquiteto: Tito Vespaciano
geometria complexa

ritmo complexo = sabedoria


5/11
teorias e infinito, emoção
filosofias racional, intelectual
Semântica de einfuhlung; decisão, rigidez
e força
arquitetura sensorial; hesitação, flexibilidade,
gestalt; decorativo equilíbrio,
controle
filosofia da simpatia;
- Semântica de einfuhlung integridade
Trata-se das sensações que as formas
e linhas transmitem para o observador
e como causam uma emoção artística, móvel e irrequieta
nos trazendo uma simpatia simbólica. estresse, angústia
Causam reações em nosso corpo e es-
pírito. A arquitetura seria uma máqui- ascender, despren-
na que produz reações humanas pla-
nejadas. perfeição, lei final, dimento, libertação
conclusão da matéria terrena
“reduzir a arte à uma ciência”
6/11
teorias e Características
filosofias
Extensão do próprio ego
Proporção
Ritmo
- Semântica de einfuhlung Simetria
Eurritmia
A palavra alemã einfühlung - iden- Contraste
tificar-se com experiência de outro
ser humano e sentir o mundo da
mesma forma que esse outro ser
humano.

Funcionam em conjunto
para evocar pensamentos
de contos de fadas e so-
nhos fantasmáticos.

Casa Batlló
Arquitetos: Antoni Gaudí
- Barcelona, Espanha
- 1906 7/11
teorias e iluminação, cores, elementos físicos.
texturas ‘frias’. paredes de zinco
projeto atmosfera
filosofias pouca ventilação;
paredes altas
- Arquitetura Sensorial
A exploração e projeto de todos os senti-
dos do homem para que a obra arquitetô-
nica tenha o resultado de impacto em seus
observadores que foi planejado pelo proje-
tista.
medo

opressão prisão
Museu Judaico
rostos de barro que fa-
- Berlim, Alemanha zem barulho ao pisar
- 1999
- Arquiteto: Daniel Libenskind 8/11
teorias e 8 princípios
filosofias PERCEPÇÃO unidade segregaçã0

- gestalt
É uma teoria que estuda como nós perce-
bemos as coisas. Ela aborda os princípios
unificação fechamento
que determinam que a nossa percepção não
se dá por “pontos isolados”, mas sim, pela
compreensão do “todo”. Ver-se relações e
não partes isoladas, uma parte depende da
outra.
x
continuidade proximidade

semelhança pregnância
Rolex Learning Center
- Lausanne, Suíça
- Inauguração: 2010
- Arquitetos: SANNA 9/11
teorias e Interpretação geométrico-matemática

filosofias
Uma análise mais profunda da geometria, com estudos profundos de
proporções e regras matemáticas. Em nome das “harmonias espaciais
cósmicas e nucleares”

- Filosofia da simpatia Estudos da geome-


Diferente da “ciência do belo” falada acima, tria de Mont-Blanc
é uma “regra do belo” e se divide em três - Arquiteto: Viollet
interpretações: le-duc
Interpretação das proporções:
Escalas musicais que se adequam à fisiolo-
gia do homem, e proporções matemáticas
belas por sí só.

Interpretação antropomórfica
Iniciada por Vitruvius, faz referência à teoria aristotélica da Mimese, a
qual diz que as ordens arquitetônicas se baseavam no corpo humano.

Santa Maria Novella


- Florença, Itália
- 1246 - 1360
- Arquiteto: Leon Alberti 10/11
teorias e -
-
Concreto Armado
Joaquim Cardozo
Referências:
- Saber ver a arquitetura, (1948) Bruno

filosofias
- Verticalidade Zevi
- Geométrico - matemático - Arquitetura Sensorial, (2017) Juliana
- Igreja La Milagrosa, por Felix Candela Neves
- Filosofia da simpatia -
-
Interpretação antropomórfica
Surpresa visual.
- TEORIA DA GESTALT: UMA APLICAÇÃO
DE CONCEITOS NA ARQUITETURA , LIMA,
Gabriela Giehl
- Laje circular e planta circular.

Clássicos da Arquitetura: Museu Judaico


de Berlim / Daniel Libenskind < https://
www.archdaily.com.br/br/799056/clas-
sicos-da-arquitetura-museu-judaico-de-
-berlim-daniel-libenskind >

Clássicos da Arquitetura: Catedral de Bra-


sília / Oscar Niemeyer < https://www.
archdaily.com.br/br/01-14553/classi-
Catedral de Brasília, Brasília - Brasil cos-da-arquitetura-catedral-de-brasilia-
- Oscar Niemeyer -oscar-niemeyer >
- 1958 – 1987
Rolex Learning Center / SANAA < ht-
- Vitrais por Marianne Peretti “Entrai pela porta estreita (larga é a por- tps://www.archdaily.com.br/br/01-
ta, e espaçoso, o caminho que conduz 39985/rolex-learning-center-sanaa>
para a perdição, e são muitos os que
entram por ela), porque estreita é a por- AD Classics: AD Classics: Casa Batlló /
Antoni Gaudí < https://www.archdaily.
ta, e apertado, o caminho que conduz com/90689/ad-classics-casa-batllo-an-
para a vida, e são poucos os que acer-
tam com ela” Mt 7:13-14
toni-gaudi>
11/11