Você está na página 1de 86

VASOS DO MEMBRO SUPERIOR

Marcos Vinicius da Silva


Doutorando do Departamento de Anatomia Humana
Instituto de Ciências Biomédicas III
Universidade São Paulo

São Paulo
2013
Não quero ouvir mais
nada!
1 - INTRODUÇÃO
ARTÉRIAS
2 - A. Subclávia
3 - A. Axilar
4 - A. Braquial
5 - A. Radial
6 - A. Ulnar

VEIAS
7 – Vv. Superficiais
8 – Vv. Profundas
9 – V. Subclávia
ARTÉRIAS DO MEMBRO SUPERIOR
A. SUBCLÁVIA DIREITA
A. SUBCLÁVIA ESQUERDA
A. SUBCLÁVIA
A. AXILAR

1
2

3
A. AXILAR
A. BRAQUIAL
A. RADIAL
A. RADIAL

Aa. metacarpais dorsais


Aa. digitais dorsais
A. RADIAL
A. ULNAR
A. ULNAR
6 - A. ULNAR
R. carpal palmar
R. carpal dorsal
R. palmar profundo
PULSOS
1) Axilar
2) Braquial-braço
3) Braquial-cotovelo
PULSOS
4) Radial-punho
5) Radial-TA
6) Ulnar
7) Arco palmar sup.
VEIAS DO MEMBRO SUPERIOR
VV. SUPERFICIAIS
Arco venoso palmar superficial
Vv. Metacarpais dorsais
Rede venosa dorsal da mão
V. basílica do antebraço
V. cefálica do antebraço
V. intermédia do antebraço
V. basílica
V. cefálica
VV. SUPERFICIAIS
Vv. Metacarpais dorsais
Rede venosa dorsal da mão
V. basílica do antebraço
V. cefálica do antebraço
VV. SUPERFICIAIS
V. basílica do antebraço
V. cefálica do antebraço
V. intermédia do antebraço
7 – VV. SUPERFICIAIS
QUAL IMPORTANCIA DISSO?
FOSSA CUBITAL
VV. SUPERFICIAIS
V. basílica
V. cefálica
VV. PROFUNDAS
Vv. digitais palmares
Vv. metacarpais palmares
Arco venoso palmar profundo
Vv. radiais
Vv. ulnares
Vv. interósseas
Vv. braquiais
V. axilar
8 – VV. PROFUNDAS
8.1 Vv. digitais palmares
8.2 Vv. metacarpais palmares
8.3 Arco venoso palmar profundo
8.4 Vv. radiais
8.5 Vv. ulnares
8.6 Vv. interósseas
8.7 Vv. braquiais
8.8 V. axilar
8 – VV. PROFUNDAS
8.7 Vv. Braquiais
8.8 V. axilar

7.7 V. basílica
7.8 V. cefálica
Anatomia Humana – Martini, Timmons & Tallitsch

Plexo Braquial
Anatomia Humana – Martini, Timmons & Tallitsch

Temas Abordados:

Definição de plexo;

Descrição do plexo Braquial;

Nervos espinais e sua constituição;

Trajeto dos nervos espinais;

Inervação dos músculos do membro superior ;

Aplicação clínica do plexo braquial.


Anatomia Humana – Martini, Timmons & Tallitsch

Qual a primeira impressão?


Anatomia Humana – Martini, Timmons & Tallitsch
Anatomia Humana – Martini, Timmons & Tallitsch
Anatomia Humana – Martini, Timmons & Tallitsch

O que é Plexo?

Plexus ( Latim) = Trançado ,


entrelançado.

Termos Atuais = Internet do Membro


Superior
Síndrome escalena decorrente do estreitamento do espaço
interescaleno
Anatomia Humana – Martini, Timmons & Tallitsch
Anatomia Humana – Martini, Timmons & Tallitsch
Anatomia Humana – Martini, Timmons & Tallitsch
Raízes
Tronco superior
Fascículo lateral
Fascículo medial
Fascículo medial e lateral
Fascículo posterior
Anatomia Humana – Martini, Timmons & Tallitsch

C6
Troncos

Divisões
C8
Fascículos
T1

N. Axilar
Divisões
Anteriores

Divisões
Ulnar Posteriores
Anatomia Humana – Martini, Timmons & Tallitsch

Fascículos
Anatomia Humana – Martini, Timmons & Tallitsch

Dragoeiro

O dragoeiro (Dracaena draco) é natural da península Ibérica, mas também pode ser encontrado em
abundância nas ilhas Canárias (Espanha) e em alguns pontos do arquipélago de Madeira e Açores
(Portugal).
Anatomia Humana – Martini, Timmons & Tallitsch

Plexo Braquial:

Constituição:

RaÍzes: C5,C6,C7,C8 e T1

T roncos: Superior . Médio e Inferior

Divisões : Cada tronco Tem divisões anteriores e posteriores

Fascículos: Lateral, Medial e Posterior

Nervos espinais...
Anatomia Humana – Martini, Timmons & Tallitsch

Dermátomos
(Área de cobertura)
Nervos:
Ramos Motores
Ramos Sensitivos
Nervo Tóraco
Dorsal
Fascículo Medial
Fascículo Lateral
Nervo Peitoral
Lateral

Nervo Peitoral
Medial
Nervo
Subescapular
Nervo Axilar
Nervo Radial
Nervo Ulnar
Nervo Mediano
Quais outras
possíveis patologias
relacionadas ao plexo
braquial?
Paralisia Obstétrica ?
Importância da Anatomia Fisiológica

Inflamação Lesão
Será que tem muitos assim?
Vamos Relembrar o que foi abordado.

Vamos Abrir a cabeça


Resumo
É triste ver-se o homem por dentro:
tudo arrumado, cerrado, dobrado
como objetos num armário.

A alma, não.

É triste ver-se o mapa das veias,


e esse pequeno mar que faz Trabalhar seus rios
como por obscuras aldeias
indo e vindo, a carregar vida, estranhos escravos.

Mas a alma?

É triste ver-se a elétrica floresta


dos nervos: para estrelas de olhos e lagrimas,
para a inquieta brisa da voz,
para esses ninhos contorcidos do pensamento.

E a alma?

É triste ver-se que de repente se imobiliza


esse sistema de enigmas,
de inexplicado exercício,
antes de termos encontrado a alma.
Anatomia
Pela alma choramos.
Cecília Meireles
Procuramos a alma.
Queríamos alma. O Estudante Empírico (1959-1964)
Força para as
próximas aulas