Você está na página 1de 181

BIBLIOTECA PARA O CURSO DE

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ESTATÍSTICA

Selecionamos para você uma série de artigos, livros e endereços na Internet


onde poderão ser realizadas consultas e encontradas as referências necessárias
para a realização de seus trabalhos científicos, bem como, uma lista de sugestões
de temas para futuras pesquisas na área.
Primeiramente, relacionamos sites de primeira ordem, como:
www.scielo.br
www.anped.org.br
www.dominiopublico.gov.br

SUGESTÕES DE TEMAS

1. INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

2. MERCADO FINANCEIRO BRASILEIRO

3. INFLAÇÃO, CORREÇÃO MONETÁRIA E INDEXADORES

4. POLÍTICAS ECONÔMICAS

5. TAXAS DE JUROS

6. OPERAÇÕES REALIZADAS NO MERCADO

7. CARGA TRIBUTÁRIA

8. MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA FÁCIL.

9. ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA: princípios, fundamentos e práticas


brasileiras

10. MATEMÁTICA FINANCEIRA OBJETIVA E APLICADA

11. POLITIZAR AS NOVAS TECNOLOGIAS: o impacto sócio-técnico da


informação digital e genética

12. MATEMÁTICA FINANCEIRA COM ÊNFASE EM PRODUTOS BANCÁRIOS

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
13. INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA COM EXCEL

14. EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA NO ENSINO BÁSICO: uma exigência do mundo


do trabalho

15. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A MATEMÁTICA E SUA PRESENÇA


NO CURRÍCULO DE ENSINO MÉDIO

16. ESTATÍSTICA FÁCIL

17. A ESTATÍSTICA E A PROBABILIDADE ATRAVÉS DAS ATIVIDADES


PROPOSTAS EM ALGUNS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS
RECOMENDADOS PARA O ENSINO FUNDAMENTAL

18. GRUPO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

19. MATEMÁTICA FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

20. A LINGUAGEM DA MATEMÁTICA FINANCEIRA

21. PORCENTAGEM

22. IDENTIFICANDO DOIS TIPOS DE JURO

23. FÓRMULA PARA CALCULAR JUROS SIMPLES

24. FÓRMULA PARA CALCULAR JUROS COMPOSTOS

25. NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

26. ACRÉSCIMOS E DESCONTOS SUCESSIVOS

27. A FÓRMULA DO MONTANTE

28. USANDO LOGARITMO NO CÁLCULO DE JURO COMPOSTO

29. VALOR ATUAL E VALOR FUTURO (USANDO A CALCULADORA)

30. PESQUISAR PROJETOS PEDAGÓGICOS DE CURSOS DE MATEMÁTICA

31. IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA MATEMÁTICA FINANCEIRA

32. RESULTADOS DE ESTUDOS REALIZADOS NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO


EM MATEMÁTICA FINANCEIRA

33. A COMPREENSÃO DO ENSINO E DA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA


FINANCEIRA

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 2
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
34. A ABORDAGEM DA MATEMÁTICA FINANCEIRA NOS PCN DO ENSINO
BÁSICO

35. TRABALHANDO MATEMÁTICA FINANCEIRA EM UMA SALA DE AULA DO


ENSINO MÉDIO DA ESCOLA PÚBLICA

36. A PRÁTICA DO ENSINO CONTÁBIL NO ESTADO DO RIO GRANDE DO


SUL:

37. UMA ANÁLISE DA GRADE CURRICULAR FRENTE ÀS EXIGÊNCIAS


LEGAIS E NECESSIDADES ACADÊMICAS

38. A INFLUÊNCIA DA EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS DECISÕES DE


CONSUMO E INVESTIMENTO DOS INDIVÍDUOS

39. VALIDAÇÃO E MELHORIA DE COMPOSIÇÃO DE ÍNDICES POR


REGRESSÃO MÚLTIPLA ATRAVÉS DA MATEMÁTICA NEBULOSA

40. TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO NO ENSINO FUNDAMENTAL: propostas


curriculares e livros didáticos

41. CIDADANIA ATIVA X CIDADANIA PASSIVA EM ESTUDO REALIZADO


ACERCA DAS COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM MATEMÁTICA

42. EDUCAÇÃO MATEMÁTICA FINANCEIRA: conhecimentos financeiros para a


cidadania e inclusão

43. DECISOES FINANCEIRAS-FERRAMENTAS PARA LOGISTICA

44. INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTERVALAR: análise


intervalar de investimentos

45. O ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA NA GRADUAÇÃO COM A


UTILIZAÇÃO DA PLANILHA E DA CALCULADORA: uma investigação
comparativa

46. MATEMATICA BASICA

47. INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA COMERCIAL E FINANCEIRA

48. O ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM


TECNOLOGIAS INFORMÁTICAS: opiniões de professores

49. A MATEMÁTICA QUE FAZ BEM À SOCIEDADE

50. CALCULADORA FINANCEIRA HP-12C COMO FERRAMENTA NA PRÁTICA


PEDAGÓGICA DO ENSINO DE ESTATÍSTICA
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 3
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
51. O ENSINO DA MATEMÁTICA ALIADO À PRÁTICA DA CIDADANIA

52. UM ENFOQUE MATEMÁTICO E ESTATÍSTICO PARA A ANÁLISE DO


CUSTO-VOLUME-LUCRO E SUAS HIPÓTESES SIMPLIFICADORAS

53. A RELEVÂNCIA DA MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO

54. INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTERVALAR: análise


intervalar de investimentos

55. MATEMÁTICA FINANCEIRA E SUAS APLICAÇÕES

56. FUNDAMENTOS E TÉCNICAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

57. TÉCNICAS DE AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS: uma breve revisão da


literatura

58. AVALIAÇÃO DE INVESTIMENTOS

59. FINANÇAS PARA EXECUTIVOS NÃO FINANCEIROS

60. DECISÕES DE INVESTIMENTOS DA EMPRESA

61. A ARITMÉTICA INTERVALAR COMO FERRAMENTA PARA SOLUÇÃO DE


PROBLEMAS DE OTIMIZAÇÃO

62. ANÁLISE CUSTO/VOLUME/LUCRO APLICADA AO COMÉRCIO DE


PESCADOS

63. MATEMÁTICA FINANCEIRA COM APLICAÇÕES EM EXCEL

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 4
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
ARTIGOS PARA LEITURA, ANÁLISE E UTILIZAÇÃO COMO FONTE
OU REFERENCIA

_________________________________________________________________
INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA

Alzira Maria Liedtke

1. Origem da moeda
Quando o homem se fixou à terra, passou a permutar o excedente que produzia,
fazendo com que surgisse a primeira manifestação de comércio: o escambo,
consistindo na troca direta de mercadorias, sem equivalência de valor. Nessa troca,
algumas mercadorias passaram a ser mais procuradas que outras, assumindo a
função de moeda-mercadoria (sal, gado, pau-brasil, açúcar, cacau, tabaco e pano).
O sal deu origem à palavra salário, assim como a palavra gado, em latim pecus, ao
termo pecúlio.
A permuta de algumas mercadorias nem sempre era vantajosa devido à distância,
ao estado perecível, às condições precárias das estradas, à ação de salteadores,
lembrando que naquela época a cobrança de pedágio já existia.
Com o descobrimento do metal, o homem passou a utilizá-lo na confecção de
utensílios, tornando seu uso vantajoso e eleito como o principal padrão de valor
monetário. As primeiras moedas apresentaram alguns formatos como chave e faca.
Posteriormente, passaram a ser cunhadas a martelo, em metais como ouro, prata e
cobre, ressaltando atributos de beleza e expressão cultural da época em que
surgiram.
Pela necessidade de guardar as moedas com segurança, os negociantes, que já
possuíam cofres e guardas, aceitaram cuidar do dinheiro de seus clientes,
fornecendo recibos escritos pelas quantias guardadas. Esses recibos deram origem
à moeda-papel, e a guarda de valores fez surgirem as instituições bancárias. Os
primeiros bancos oficiais foram criados na Inglaterra, sendo a palavra "banco"
originária da peça de madeira que os comerciantes de valores italianos e londrinos
usavam para operar seus negócios no mercado público.
No Brasil, as primeiras cédulas surgiram em 1810 e com o tempo, o governo passou
a gerenciar a emissão dessas cédulas e também das moedas, para evitar
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 5
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
falsificações. Atualmente, em quase todos os países, essa atividade de
gerenciamento é realizada pelos bancos centrais.
As diferentes moedas surgiram da necessidade do homem em adequar o
instrumento monetário à realidade econômica. O uso de cheques, pelo qual se
determina o pagamento de certa quantia ao seu portador ou à pessoa nele citada, é
uma necessidade atual.

2. Mercado Financeiro Brasileiro


O mercado financeiro brasileiro é o local onde interagem vários agentes financeiros:
superavitários, deficitários e intermediários, sendo os agentes superavitários os que
possuem recursos excedentes; os agentes intermediários, os que canalizam esses
recursos para os agentes deficitários. Essa interação é realizada com a regulação e
fiscalização do governo através das políticas econômicas e também por outros
organismos. O mercado não possui um local físico, mas é representado por
transações que podem ocorrer via telefone, virtualmente, etc.
Com o desenvolvimento das tecnologias de informação, o sistema financeiro
internacional se transferiu para o ciberespaço, ambiente virtual originado a partir de
uma rede de computadores, através da comercialização dos derivativos – produtos
financeiros vendidos no mercado futuro – por bancos e corretoras, entre outros. Um
dos indícios que comprovam essa transferência, comentado por SANTOS é o
desinteresse pela produção material e desistência do investimento produtivo: em
cada 70 dólares que trocam de mãos nos mercados cambiais globais, só um paga
por um comércio de bens e serviços; muitas das maiores transações são
especulativas: é que os investidores tentam tirar vantagem de pequenas diferenças
nas taxas de câmbio ou de pequenos diferenciais nas taxas de juros, medidos em
frações de percentagem (2003, p. 115).

3. Inflação, Correção Monetária e Indexadores


Quando ocorrem aumentos persistentes e generalizados dos valores monetários -
preços de bens e serviços, salários, financiamentos, empréstimos, aplicações,
impostos, etc. - surge a inflação; o processo inverso é chamado deflação. Inflação
elevada é sinal de instabilidade na economia, efeito minimizado pela correção
monetária onde os valores podem ser reajustados com indexadores, levando-se em
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 6
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
conta a inflação medida no período anterior. Com a criação de vários indexadores
desde 1964, foram adotados planos econômicos como o cruzado, o verão e o atual
plano real.
Na divulgação dos índices que medem a inflação - Índice de Preços ao Consumidor
(IPC) - alguns veículos de comunicação explicam a metodologia utilizada para o seu
cálculo, bem como sua abrangência. Para a análise do custo de vida, o índice
utilizado determina o nível de consumo e reflete a variação de preços médios da
cesta de famílias com faixas de renda situadas entre 01 e 40 salários mínimos,
medido em nove regiões metropolitanas do país - Porto Alegre, Curitiba, São Paulo,
Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Belém, Fortaleza, Recife e Salvador, além do
município de Goiânia e o Distrito Federal. Esse nível de consumo da população é
classificado em grupos de produtos/serviços tais como:
- alimentos e bebidas;
- habitação;
- artigos de residência;
- transporte e comunicação;
- vestuário;
- saúde e cuidados pessoais;
- despesas pessoais.
Além desse índice, existem outros indexadores como a Taxa Referencial (TR) que
corrige a poupança e o Índice Geral de Preços de Mercado (IGP-M), calculados por
entidades credenciadas como a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Instituto
Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Instituto Paranaense de
Desenvolvimento Econômico e Social (IPARDES), entre outras.

4. Políticas Econômicas
As políticas econômicas se referem às ações e medidas do governo para regular e
controlar a atividade econômica, ou seja, princípios político-administrativos que
refletem a ideologia dominante e as metas a serem atingidas. De acordo com
algumas medidas, temos a seguinte divisão:
• Política Monetária: controla o volume de moeda em circulação e o montante de
crédito disponível entre outras medidas;

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 7
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
• Política Fiscal: decisões governamentais referentes à tributação, como o Imposto
sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS);
• Política Cambial: ações reguladoras da taxa de câmbio e das condições de entrada
e saída de capitais externos no país;
• Política de Rendas: medidas que regulamentam o salário mínimo garantindo renda
mínima aos trabalhadores e aos aposentados, subsídios e incentivos fiscais, para
fortalecer o consumo e a produção de certos produtos (LEMES JÚNIOR; RIGO;
CHEROBIM, 2002).

5. Taxas de Juros
O Comitê de Política Monetária (COPOM) reúne-se mensalmente com o objetivo de
estabelecer as diretrizes da política monetária e divulgar o percentual da taxa Selic e
seu viés. A Selic é a taxa básica da economia, originada das taxas de juros
efetivamente observadas no mercado, sendo que o viés de alta, de baixa ou neutro
é a tendência que a taxa de juros seguirá até a próxima reunião do Copom. A
divulgação da taxa, sem viés, significa que até a próxima reunião, seu valor não
poderá ser alterado pelo Banco Central.
A Selic serve como referência para as negociações interbancárias, ou seja, para os
empréstimos de um dia entre os bancos, também incidindo sobre as quotas relativas
ao parcelamento do Imposto de Renda da Pessoa Física, que será analisado
posteriormente.
Embora tenha esse nome, a taxa Selic não é resultante das operações realizadas
pelo Sistema Especial de Liquidação e Custódia (SELIC), que eletronicamente
processa o registro, a custódia e a liquidação das operações com títulos públicos.
As taxas de juros relativas às operações financeiras refletem, basicamente, as
condições instantâneas de liquidez - oferta X demanda de recursos - no mercado
monetário; a taxa Selic, acumulada para determinados períodos de tempo,
correlaciona-se positivamente com a taxa de inflação, sendo os juros praticados no
Brasil, os mais altos do mundo.
Na Idade Média, emprestar dinheiro a juros era usura, pela lei da Cristandade.
Esta mesma potência, a Igreja, os próprios bispos “tomavam empréstimos, ou os
faziam, a juros – exatamente quando combatiam outros usuários!“ (HUBERMAN,
1985: p. 48).
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 8
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
6. Operações Realizadas no Mercado
Entre as operações realizadas no mercado financeiro brasileiro, existe uma
variedade de investimentos que garantem ao investidor certo rendimento: de Renda
Fixa, determinada no momento da aplicação ou no final da mesma e de Renda
Variável. Como exemplos de títulos de renda fixa destacam-se os fundos de
investimento, a poupança, o CDB e os títulos públicos; de renda variável, as ações e
o ouro. Também existem as operações de empréstimos e financiamentos, feitas com
recursos captados pelos bancos ou repassados por órgãos governamentais ou
bancos estrangeiros. Pontuam-se a aquisição da casa própria e o financiamento
estudantil.
Antigamente não era possível financiar a casa própria, sendo essa aquisição
privilégio de poucos. Assim, em 1964 surgiram alguns mecanismos para que esse
sonho se realizasse: o Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e a
Caderneta de Poupança. As empresas passariam a depositar o FGTS na conta dos
empregados, para ser resgatado e utilizado no momento de seu desligamento das
mesmas. A Caderneta de Poupança visaria à captação de recursos das poupanças
populares, através de um conjunto de empresas - entidades financeiras públicas e
privadas - que, em suas atividades, se dedicariam a esse segmento, para financiar a
casa própria.
Atualmente, a caderneta de poupança é a aplicação mais popular que existe no
Brasil, porque costuma ter um limite mínimo menor para depósito.Seu rendimento é
muito pequeno, corrigido pela TR mais uma taxa de juros determinada, pago se o
dinheiro ficar parado nessa conta entre duas datas mensais iguais e consecutivas,
chamada aniversário. Sua rentabilidade é do tipo pós-fixada, sendo informada
diariamente pelo Banco Central do Brasil (BACEN), que é a maior autoridade
monetária do país. Quanto maior a rentabilidade das aplicações, maior o risco. No
caso da poupança, ela é a mais segura.
O financiamento destinado à aquisição de alguns bens duráveis (veículos,
eletrodomésticos, eletroeletrônicos, equipamentos profissionais, vestuário, material
para construção) e serviços (viagens, assistência técnica, manutenção, etc.) é obtido
em bancos, financeiras e lojas, que vendem produtos financiáveis pelo Crédito
Direto ao Consumidor.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 9
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Com a proliferação das relações de consumo, surgiram novas entidades de proteção
ao consumidor: os PROCONs estaduais e municipais - o do estado de São Paulo,
desde 1976. Informações sobre o PROCON/PR, criado em 1991, podem ser obtidas
consultando-se o sítio www.pr.gov.br/proconpr. Essas entidades há mais de uma
década contam com um instrumento poderoso, o Código de Defesa do Consumidor,
com o objetivo de defender o consumidor brasileiro, definido no artigo II, como “toda
a pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como
destinatário final”. Segundo o diretor Ricardo Morishita, do Departamento de
Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça, em entrevista publicada
no boletim eletrônico Em Questão, número 19, 16 de setembro de 2005.
O Ministério da Justiça fez uma pesquisa e constatamos que pouquíssimos
municípios brasileiros, cerca de 10% apenas, têm Procons. Isso está longe de ser o
ideal. O cidadão precisa ser protegido onde ele mora porque às vezes o
deslocamento é difícil ou caro para o consumidor. Além disso, no dia-a-dia das
cidades do interior, os Procons funcionam como um pronto-socorro da cidadania.
Registros históricos revelam que, na Babilônia, durante o século XVIII a.C., já
existiam regras protegendo questões familiares, patrimoniais, de preços, obrigações
profissionais e que, a legislação brasileira, desde 1840, vem contemplando o
consumidor. O código atual estabelece normas de interesse social e de ordem
pública ao determinar como direitos básicos dos consumidores “a proteção da vida,
saúde e segurança contra os riscos provocados por práticas no fornecimento de
produtos e serviços considerados perigosos ou nocivos”. Entre as determinações do
código encontra-se a obrigação dos estabelecimentos de informar com exatidão os
juros cobrados do cliente; o veto à prática abusiva do fornecedor que se aproveita da
fraqueza do consumidor, pela idade, debilidade de saúde, condição social ou falta de
conhecimento, na tentativa de obrigá-lo a aceitar seus produtos ou serviços; a
constituição de crime com pena de detenção de três meses a um ano e multa, pela
exposição do consumidor, injustificadamente, a procedimentos ameaçadores,
constrangimento, afirmações enganosas entre outros, ao cobrar dívidas, interferindo
no seu trabalho, lazer ou horário de descanso.
Outra forma de financiamento pode ser obtida através do Programa de
Financiamento Estudantil (FIES), que foi criado em 1999, pelo Governo Brasileiro ao
substituir o Programa de Crédito Educativo, com o objetivo de financiar a graduação
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 10
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
no Ensino Superior, de estudantes em situação econômica menos privilegiada.
Atualmente o FIES reduziu sua abrangência em função do Programa Universidade
para Todos (ProUni), que concede bolsas de estudo integrais ou parciais para
cursos de graduação e seqüenciais de formação específica, em instituições privadas
de ensino superior.
As instituições ganham isenção fiscal em troca de bolsas. Segundo dados do
governo federal, apenas 9% dos jovens brasileiros, com idade entre 18 e 24 anos,
estão matriculados na universidade. No Chile esse percentual aumenta para 27% e
na Argentina, para 39%.

7. Carga Tributária
Sobre as operações incidem contribuições ou tributos federais e estaduais, como o
Imposto de Renda (IR), conforme instruções fornecidas pela Receita Federal do
Ministério da Fazenda, com altas alíquotas de contribuição, de acordo com o
rendimento anual proveniente do trabalho, 13o salário e outros. O IR permite que
vários itens sejam deduzidos; entre as exceções, destacam-se os cursos de línguas
e os preparatórios para vestibular, estes, às vezes, necessários ao aluno oriundo da
escola pública que pretende ingressar no ensino superior público – tão concorrido.
Para o pagamento do IR parcelado incide a taxa Selic; a poupança não paga
Imposto de Renda.
Existe também a Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF),
que incide sobre movimentação de recursos em instituições financeiras no Brasil,
criada em 1996, como diz o nome, provisoriamente e, em vigor até hoje. Sobre a
movimentação do salário que é depositado em banco, incide a CPMF; quando do
salário também é descontado o IR, com a dedução da CPMF há uma bi-tributação.
O Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) é cobrado sobre os rendimentos das
aplicações de curto prazo. Quanto mais tempo o investidor deixar o dinheiro
aplicado, menos IOF irá pagar.
As taxas se elevam quando há pouca liquidez no sistema, ou seja, diminuição dos
recursos disponíveis para serem emprestados. Portanto é mais interessante realizar
aplicações financeiras do que obter empréstimos, quando as taxas de juros estão
elevadas. Os governos lançam mão do aumento de tributos, quando querem
aumentar a arrecadação, sendo que as piores mordidas no bolso do consumidor são
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 11
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
as do famoso leão (IR) e o percentual de tributos sobre o preço final de todos os
bens e serviços.
De acordo com a revista Veja, 28 de julho de 2004, segundo os dados publicados
pelo Banco Mundial e FMI “A carga tributária brasileira se compara a de países ricos.
No Canadá e na Alemanha, por exemplo, os altos impostos custeiam integralmente
gastos com saúde, educação e segurança. No Brasil paga-se muito, mas os serviços
estatais são inexistentes ou precários.“

REFERÊNCIAS
CRESPO, Antônio Arnot. Matemática comercial e financeira fácil. São Paulo:
Saraiva, 1994.

GAIA, Rossana Viana. Educomunicação & mídias. Maceió: EDUFAL, 2001.

HUBERMANN, Leo. História da riqueza do homem. Rio de Janeiro: ZAHAR, 1985.

LEMES JÚNIOR, A. B., RIGO, C. M, CHEROBIM, A. P. M. S. Administração


financeira: princípios, fundamentos e práticas brasileiras. Rio de Janeiro:
Campus, 2002.

PUCCINI, Abelardo de Lima. Matemática financeira objetiva e aplicada. São


Paulo: Saraiva, 2002.

SANTOS, Laymert Garcia dos. Politizar as novas tecnologias: o impacto sócio-


técnico da informação digital e genética. São Paulo: Ed. 34, 2003.

SILVA, Chrystiane. CABRAL, Otávio. Revista Veja, 28 jul. 2004, ano 37, n. 30, ed.
1864, Sobra pouco dinheiro..., p 42-49.

TOSI, Armando José. Matemática financeira com ênfase em produtos bancários.


São Paulo: Atlas, 2003.

VIEIRA SOBRINHO, José Dutra. Matemática financeira. São Paulo: Atlas, 2000.

Sítios consultados
Cálculo do Custo de Vida <http://www.pr.gov.br/ipardes>.
Código de Defesa do Consumidor
< http://www.mj.gov.br/DPDC/servicos/legislacao/cdc.htm >
Glossário de Economia <http://www.estadao.com.br/ext/financas/glossario/>
Origem da Moeda <http:// http://www.bcb.gov.br/?MORIGEMOEDA>
PROCON/SP. Histórico da Instituição <http://www.procon.sp.gov.br>
Reforma universitária <http: //www.portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/reforma1.pdf>
Boletim eletrônico Em Questão <http://www.brasil.gov.br/emquestao/>

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 12
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA COM EXCEL

Denis F. da Silva* Makswell S. Kawashima** Jamielli T.Pereira


Aline R. Monteiro Marili Rossi
Depto de Matemática, UNESP, IBILCE

RESUMO
As operações financeiras são parte de nosso cotidiano. Entender como tais
operações funcionam são objeto de estudo da matemática financeira. Planilhas
eletrônicas podem ser usadas como ferramenta nesse estudo. Com o auxílio desta e
de funções da matemática financeira podemos, por exemplo, avaliar e decidir
sobre alternativas de investimentos e aplicações financeiras.
Nesse minicurso são abordados os conceitos de juros compostos (capitalização e
descontos), taxa de juros (conceitos e definições), pagamentos uniformes
(prestações iguais em financiamentos ou em capitalizações para atingir certos
valores futuros), valor presente líquido e equivalência de fluxos de caixa.
O objetivo principal é habilitar o aluno a resolver problemas envolvendo juros
compostos e manipular e analisar fluxos de caixa utilizando planilhas eletrônicas.
Palavras-chave: Matemática Financeira, Introdução à Matemática Financeira,
Otimização e Controle.

Referências
[1] Puccini, A., “Matemática Financeira: Objetiva e Aplicada”, Editora Saraiva, 7ª
Ed., 2004.

[2] Hazzan, S. Pompeio, J.N., “Matemática Financeira”, Editora Atual, 4ª Ed., 1993.

[3] Faro, C., “Matemática Financeira”, Editora Atlas, 9ª Ed., 1982.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 13
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
EDUCAÇÃO ESTATÍSTICA NO ENSINO BÁSICO: uma exigência do
mundo do trabalho

Hélio Rosetti Júnior


Coordenadoria de Matemática do Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo

RESUMO
Aborda a importância de Educação Estatística no mundo moderno, diante das
novas exigências de leitura dos códigos e linguagens nos meios de comunicação e
no cotidiano das organizações. Enfatiza a necessidade dos sistemas escolares
valorizarem o ensino de Estatística como mais um fator de implemento da cidadania
plena.
Palavras-chave: Estatística. Estatística aplicada. História da estatística.
Linguagem. Relações estatísticas. Leitura.

Introdução
A inclusão da Estatística nos currículos do ensino básico vem se tornando uma
realidade nas escolas e redes escolares preocupadas com um ensino de qualidade,
tendo em vista as necessidades dos conhecimentos de Estatística em nosso
cotidiano. Os principais livros didáticos de matemática básica* já destinam capítulos
aos conteúdos de Estatística, num processo de adequação dessas obras às
demandas por conhecimentos estatísticos. (1)
Nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN‟s), o ensino da Probabilidade e da
Estatística surge no contexto do bloco de conteúdos com nome de “Tratamento das
Informações”, tendo como justificativa a demanda social e o freqüente uso na
sociedade contemporânea, pela necessidade de o indivíduo compreender as
informações divulgadas, tomar decisões e fazer previsões que influenciam sua vida
pessoal e em comunidade. Os PCN‟s ressaltam que a Estatística possibilita o
desenvolvimento de formas específicas de pensamento e raciocínio, envolvendo
fenômenos aleatórios, interpretando amostras, fazendo inferências e comunicando
resultados por meio da linguagem própria quantitativa.
Atualmente, quase todos os meios de comunicação, como jornais, revistas, rádio,
televisão e Internet lançam mão de modelos estatísticos como gráficos, diagramas,

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 14
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
pictogramas, tabelas e pesquisas para integrar e enriquecer seus conjuntos de
informações a serem divulgadas para a população. Grande parte desse público
acaba não decifrando essa nova linguagem.

ESTATÍSTICA E HISTÓRICO
A Estatística é um segmento da matemática aplicada surgida nas questões de
estado e governo. Daí o nome Estatística ser originário do termo latinostatus.
Situações ocasionais como número de habitantes, quantidade de óbitos e
nascimentos, quantidades produzidas e quantitativos das riquezas formaram os
primórdios dos problemas que deram início ao pensamento estatístico.
Inicialmente, no século XVI, pensada pelos ingleses como uma ciência política,
destinava-se a descrever características de um país, tais como população, área,
riquezas e recursos naturais. Deste papel histórico, origina-se a sua função de
caracterização numérica de uma série de informações populacionais. Com esta
abordagem, o termo é utilizado no plural, como as “estatísticas de saúde”, as
“estatísticas de mortalidade”, as “estatísticas do registro civil”, entre outras. (2)
A Estatística vista enquanto ciência só ocorreu a partir do século XVIII, nos
registros do alemão Godofredo Achenwall**, ainda como catalogação não regular de
dado.(3)
Os modelos estatísticos, enquanto modelos matemáticos aplicados, reúnem
características de precisão na linguagem, adequados ao ambiente de informações
rápidas.
A necessidade de expressar o grau de incerteza na ocorrência dos experimentos e
de explicar o fato de duas experiências iguais poderem ter resultados diferentes leva
ao reconhecimento da racionalidade probabilística em eventos da natureza. A
pesquisa em probabilidade no século XVIII culmina com o notável trabalho de Pierre-
Simon de Laplace, “Theorie Analitique de Probabilités”.
À luz da concepção do cientificismo, rapidamente amplia-se o domínio de
abrangência do cálculo probabilístico. Este se torna indispensável para lidar com
dados relativos a temas de interesse social e econômico, como administração das
finanças públicas, saúde coletiva, conduta de eleições e seguro de vida. Surgem as
primeiras idéias do positivismo e Condorcet propõe uma “ciência natural da

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 15
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
sociedade”, isto é, uma “matemática social” baseada no cálculo das
probabilidades.(2)
Ao abrirmos uma revista ou um jornal é quase impossível não encontrarmos alguma
representação Estatística/matemática complementar aos textos, ilustrando ou
sintetizando a comunicação, tornando a leitura mais atrativa e objetiva. Em muitos
casos, os modelos estatísticos/matemáticos assumem a importância maior, ficando o
texto como complemento ou restrito a observações.

ESTATÍSTICA E LINGUAGEM
Vale destacar que a simbologia matemática foi, e ainda é, um fator de evolução das
idéias matemáticas que se desenvolveram lentamente ao longo de séculos. Essa
evolução tomou por base dois objetivos permanentes:
1. tornar possível a comunicação matemática entre as pessoas, independentemente
das nacionalidades e culturas;
2. simplificar a expressão das idéias e pensamentos matemáticos. Assim, a
matemática, como nenhuma outra ciência, conseguiu construir um conjunto
universal de signos, moldando uma linguagem com códigos que atravessam idiomas
e culturas. Dessa forma é possível, por exemplo, um matemático chinês escrever
equações ou proposições que um matemático brasileiro entenderá com facilidade.
Essa propriedade é utilizada pela Estatística e passa a ser apropriada largamente
pela informática, permeando as comunicações no mundo cibernético.
A evolução da matemática fez surgir aplicações específicas, com linguagens e
símbolos próprios, como foi o caso da matemática financeira, com sua constante
evolução, e também da Estatística.
Com o avanço tecnológico, as exigências de sofisticadas competências para o
mundo do trabalho e a facilidade oferecida pela informática, as pesquisas deixaram
de acontecer apenas em ocasiões para se tornarem parte integrante e inseparável
de nossas vidas em todos os instantes.
A partir dos anos 40, a pesquisa Estatística se volta para solucionar problemas
envolvendo variados aspectos da inferência, cada um tendo a sua aplicação a
situações específicas. Os testes de hipóteses para médias, variâncias e proporções,
a teoria dos testes uniformemente mais poderosos, o processo de inclusão

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 16
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
(exclusão) de variáveis nos modelos de regressão são algumas das formas de
inferência de uso consagrado. (2)
O mundo corporativo*** passou a adotar a linguagem Estatística em suas rotinas
operacionais exigindo dos profissionais conhecimentos e competências numéricas
para o correto entendimento e produção de relatórios, tabelas, gráficos, diagramas e
fluxogramas.
Na comunicação de massa, os programas de televisão com maior índice de
audiência, além de serem totalmente direcionados a institutos de pesquisa,
passaram a ter obrigatoriamente pesquisas interativas em suas pautas, na busca de
uma permanente aproximação com o público. Contudo, diante desse ambiente
saturado de informações, poucas pessoas questionam a forma como esses dados
foram coletados, tratados e trabalhados até chegarem no formato “acabado” em que
são apresentados. Isto é, o público tem sido consumidor de resultados de pesquisas
da forma como se apresentam, sem a devida interpretação crítica e um
entendimento do que se está “consumindo”.
Os meios de comunicação refletem também a facilidade que os modelos estatísticos
oferecem para sintetização de informações. Por exemplo: uma medida de tendência
central pode representar bem o perfil de uma população, ou um histograma pode
melhor apresentar um universo de dados. Existe um ditado em matemática que diz:
“Um gráfico bem construído equivale a mil palavras”. Essa nova linguagem passa a
demandar das pessoas o entendimento e o domínio de novos códigos diferentes do
“ler e escrever” tradicionais****. É nessa perspectiva que o mundo moderno
caminha, com tecnologias voláteis, otimizando espaços, tempo, recursos, e fazendo
uso intenso dos argumentos estatísticos.
Nesse contexto, a escola não pode ignorar essas novas linguagens tão presentes no
mundo dos educandos.
Os Parâmetros Curriculares Nacionais recomendam o trabalho com Estatística
(grifo do autor) com a finalidade de que o estudante construa procedimentos para
coletar, organizar, comunicar e interpretar dados, utilizando tabelas, gráficos e
representações, e que seja capaz de descrever e interpretar sua realidade, usando
conhecimentos matemáticos. (4)
É fundamental que as práticas e os conteúdos ministrados em aula estejam em
sintonia com as novas exigências do mundo em que vivemos, para que a educação
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 17
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
não seja algo distante da vida dos alunos, mas, ao contrário, seja parte integrante de
suas experiências para uma existência melhor.

ALÉM DAS FÓRMULAS


Desmistificar as pesquisas, estimulando a capacidade de leitura e interpretação dos
fatos, é função do trabalho escolar na busca da formação de um cidadão pleno.
Assim, o ensino e o uso dos modelos estatísticos/matemáticos em sala de aula
devem estar em consonância com as necessidades, os interesses e as experiências
de vida dos alunos. As ininteligíveis fórmulas prontas e os modelos acabados, com
poucos atrativos para os educandos, devem ceder lugar aos modelos construídos a
partir de suas vivências, na busca de soluções dos problemas que fazem parte de
suas relações na sociedade.
Dessa maneira, o ensino de Estatística deve ser disseminado em toda a nossa
estrutura escolar, em todos os níveis de ensino, buscando levar aos jovens uma
compreensão mais completa de suas realidades.
As comunicações corporativas e as publicações científicas/tecnológicas optam pela
significativa objetividade que a utilidade desses modelos estatísticos e/ou
matemáticos proporcionam para implementar as informações, compactando textos e
condensando frases. Essa linguagem exata passa a demandar das pessoas o
entendimento e o domínio dos novos códigos mais refinados, exigindo habilidades e
competências quantitativas. Assim, o mundo do trabalho evolui, em sintonia com as
necessidades das organizações empresariais.
Antigamente, o cidadão completamente alfabetizado precisava apenas de saber ler
e escrever. Hoje, a alfabetização plena passa pela leitura e escrita, adicionada às
noções de informática/tecnologia e conhecimentos de Estatística.

REFERÊNCIAS

(1) CRUZ, Donizete Gonçalves da; LONGARETTI, Mirian. algumas considerações


sobre a matemática e sua presença no currículo de ensino médio. Paraná
(Estado)-Secretaria de Estado da Educação. Disponível em
http://www.matematica.pr.gov.br/matematica/arqui-vos/file/pdf.>Acesso em
06/06/2006.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 18
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
(2) SZWARCWALD, Celia L.; CASTILHO, Euclides A. de. The paths of statistics and
its incursions through epidemiology. cadernos saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 8,
n. 1, p. 5-21. jan./mar.1992. ISSN 0102-311X.

(3) CRESPO, Antônio Arnot. Estatística fácil. São Paulo: Saraiva, 2002.

(4) LOPES, Celi Aparecida Espasandin; MORAN, Regina Célia Carvalho Pinto. A
estatística e a probabilidade através das atividades propostas em alguns livros
didáticos brasileiros recomendados para o ensino fundamental. In: CONFERÊNCIA
INTERNACIONAL, EXPERIÊNCIAS E PERSPECTIVAS DO ENSINO DA
ESTATÍSTICA : DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI, 1, 1999, Florianópolis. anais...
Florianópolis: UFSC/PRESTA/IASE,1999. p. 167-174.

**** Referência à leitura escrita somente sem levar em conta o atendimento dos
signos matemáticos e estatísticos.
Educação Estatística no ensino...
Revista Capixaba de Ciência e Tecnologia, Vitória, n. 2, p. 35-37, 1. sem. 2007

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 19
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
GRUPO DE ESTUDOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

Professores
Nilton José Neves Cordeiro/Luzitelma Maria Barbosa de Castro

Apresentação
O GEMaFi (Grupo de Estudos de Matemática Financeira) constitui-se numa
iniciativa do Curso de Licenciatura em Matemática/UVA, na perspectiva de criarmos
um espaço de diálogo, estudos, debate e produção científica inicial, buscando
encontrar caminhos pedagógicos e educacionais, que permitam aos alunos e
professores envolvidos, uma melhor percepção do ensino-aprendizagem da
Matemática Financeira na educação básica, à luz dos PCN's e das experiências
Educacionais existentes, a fim de tornar estes conteúdos curriculares mais
significativos na prática docente, além de contribuir no preenchimento de uma
lacuna no item “Pesquisa” das atividades complementares do nosso curso.

Justificativa
LELLIS e IMENES (2001) afirmam que as Diretrizes Curriculares Nacionais para o
Ensino Médio (DCNEM) e os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino
Médio (PCNEM) merecem elogios. Explicitam que seria proveitoso e necessário que
os professores responsáveis em ensinar matemática no ensino básico buscassem o
seu ensino através de uma contextualização e tratamento interdisciplinar, o que é
defendido pelo PCNEM.
Almeida (2004) afirma que outro aspecto tratado como essencial para a Reforma do
Ensino Médio, e também abordado pelos PCNs, refere-se à necessidade de
reorganização do currículo das várias áreas de conhecimento. Tratando-se
especificamente da Matemática, aponta a orientação abaixo como exemplo de tal
preocupação:
[...] o currículo a ser elaborado deve corresponder a uma boa seleção, deve
contemplar aspectos dos conteúdos e práticas que precisam ser enfatizados. Outros
aspectos merecem menor ênfase e devem mesmo ser abandonados por parte
dosorganizadores de currículos e professores. Essa organização terá de cuidar dos
conteúdos da Base Nacional Comum, assim como fazer algumas indicações sobre
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 20
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
possíveis temas que podem compor a parte flexível, a ser organizado em cada
unidade escolar, podendo ser de aprofundamento ou direcionar-se para as
necessidades e interesses da escola e da comunidade em que ela está inserida.
(BRASIL, 1999: 255).
Desta forma, LELLIS e IMENES (2001) dizem: Admitindo que há um amplo leque de
conteúdos e que temos a possibilidade de escolha, podemos pensar na seleção.
Segundo o PCNEM o critério central para isso "é o da contextualização e da
interdisciplinaridade, ou seja, é o potencial de um tema permitir conexões entre
diversos conceitos matemáticos e entre diferentes formas de pensamento
matemático, ou, ainda, a relevância cultural do tema, tanto no que diz respeito a
suas aplicações dentro ou fora da Matemática, como a sua importância histórica
dentro do desenvolvimento da própria ciência".
Ainda, Lellis e Imenes prosseguem sinalizando uma proposta de trabalho com
alguns conteúdos matemáticos considerados por eles como facilitadores para a
construção da cidadania: [Almeida 2004]
Quando se considera Matemática essencial para o dia-a-dia do cidadão educado,
são citados os seguintes tópicos: Matemática Financeira, Probabilidades e
Estatística. Na Matemática Financeira, seria conveniente tratar de juros compostos
e amortizações [...]. (LELLIS e IMENES, 2001: 45)
Continuam dizendo que seria conveniente, na Matemática Financeira, tratar de
juros compostos e amortizações.
Por fim ALMEIDA (2004) diz ter feito uma análise de livros do Ensino Médio editados
anteriormente ao PCNEM (em 1999) e afirma que praticamente o assunto
Matemática Financeira não era contemplado, citando dois autores que tratam do
tema em questão após 1999.
Dada a contextualização acima, analisamos o conteúdo do tema em relevância em
duas obras:
SMOLE e DINIZ (2005), que trás em seu sumário:
Unidade 1 – Noções de Matemática financeira
• Introdução
• A linguagem da Matemática financeira
• Porcentagem
• Identificando dois tipos de juro
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 21
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
• Fórmula para calcular juros simples
• Fórmula para calcular juros compotos
Já em GIOVANNI e BONJORNO (2005):
Noções de Matemática Financeira
• Porcentagem
• Lucro e Prejuízo
• Acréscimos e descontos sucessivos
• Juro simples
• Juro compostos
• A fórmula do montante
• Usando logaritmo no cálculo de juro composto
• Valor atual e valor futuro (Usando a calculadora)
Percebemos que há alguma diferença entre os conteúdos abordados nessas duas
obras, por exemplo. Mais, a obra de Smole e Diniz é abordada na 3a. série do
Ensino Médio, já a de Giovanni e Bonjorno é na 1ª. série.
Com base nesse cenário e por fazermos parte de um Curso que se preocupa com a
formação de professores em Matemática para atuar, principalmente, no Ensino
Fundamental e Médio, propomos a criação de um grupo de estudos para pesquisar
tendências e inovações no ensino de Matemática Financeira.
A finalidade principal é congregar interessados em Matemática Financeira que
queiram discutir e produzir sobre a prática docente; despertar e estimular no futuro
professor do ensino básico, um interesse ativo por esta área e suas aplicações;
incentivar a pesquisa; mantendo-o atualizado das novas tendências, como dito
acima.

Objetivos
• Pesquisar Projetos Pedagógicos de Cursos de Matemática de outras instituições
de ensino superior para verificar como aqueles tratam acerca do ensino de
Matemática Financeira;
• Visibilizar a atualidade e importância do ensino da Matemática Financeira;
• Divulgar resultados de estudos realizados no âmbito da Educação em Matemática
Financeira;

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 22
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
• Aprofundar a compreensão do ensino e da aprendizagem da Matemática
Financeira;
• Contribuir para o desenvolvimento profissional de professores;
• Estudar a abordagem da Matemática Financeira nos PCN's do Ensino Básico;
• Realizar estudos, a partir de observação direta e questionários, sobre o ensino de
Matemática Financeira na Escola Pública.

Metodologia
Após a formação do grupo, propomos o desenvolvimento de uma metodologia da
forma:
1. Levantamento dos programas das disciplinas relacionadas a Matemática
Financeira nos Projetos Pedagógicos disponíveis;
2. Estudo dos programas citados anteriormente em paralelo com artigos e
publicações indicativas das tendências do ensino-aprendizagem na área em
questão;
3. Discussão das pré-conclusões acerca dos estudos realizados;
4. Realização de fóruns, debates, etc., divulgando para toda a área acadêmica os
resultados e conclusões obtidos.

Referências
ALMEIDA, A. C. Trabalhando Matemática Financeira em uma Sala de Aula do
Ensino Médio da Escola Pública. Dissertação de Mestrado, UNICAMP, Campinas-
SP, 2004.

BRASIL, Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino


Médio. Brasília: Ministério da Educação, 1999.

GIOVANNI, J. R. e BONJORNO, J. R. Matemática Completa. Vol. 1. São Paulo: Ed.


FTD, 2005.

LELLIS, M. e IMENES, M.L. A Matemática e o Novo Ensino Médio. In Educação


Matemática em Revista. SBEM. Ano 8 nº9/10. Abril de 2001.

SMOLE, K. S. e DINIZ, M. I. Matemática – Ensino Médio. Vol. 3. São Paulo: Ed.


Saraiva, 2005.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 23
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
A PRÁTICA DO ENSINO CONTÁBIL NO ESTADO DO RIO GRANDE
DO SUL: Uma análise da grade curricular frente às exigências
legais e necessidades acadêmicas

Maristela Capacchi
Mestre em contabilidade e professora da Universidade de Passo Fundo
Cleide Fátima Moretto
Doutora em economia e professora da Universidade de Passo Fundo
Valmor Vancin
Mestre em contabilidade e professor da Universidade Regional Integrada campus de Erechim
Fábio Antônio Rezende Padilha
Especialista em controladoria e Consultor tributário

RESUMO
O objetivo do presente artigo é analisar a estrutura curricular e os atuais desafios
que se colocam na formação e na prática do bacharel em ciências contábeis. Busca
contribuir com o debate apresentando os resultados de uma pesquisa baseada em
dados coletados junto às instituições de ensino superior do estado Rio Grande do
Sul que possuem o curso de bacharel em ciências contábeis e que, ao mesmo
tempo, disponibilizam publicamente sua grade curricular. O estudo justifica-se por
tentar buscar uma resposta à insegurança apresentada pelos alunos formandos que
devem ingressar no mercado de trabalho e por tentar evidenciar o contexto da
grande evasão e desistência observados. Os dados encontrados indicam que os
cursos de graduação pesquisados contemplam um número limitado de disciplinas
específicas da área das ciências contábeis, o que sugere a formação de
profissionais generalistas e não especialistas, o que fragiliza o seu processo de
ingresso no mercado de trabalho.

1 INTRODUÇÃO
O número de cursos ligados à formação do profissional na área contábil, sobretudo
do bacharel em Ciências Contábeis, vem crescendo significativamente no país.
Acompanhando a expansão observada tanto na oferta quanto na demanda de
cursos de graduação, essa formação normalmente conta com a facilidade de
implementação do curso, de baixo custo, e a facilidade de ingresso, devido à baixa
concorrência. No ano de 2005 foram oferecidos 816 cursos e 81.143 vagas na área
de contabilidade e tributação1 em todo o país. Do total desses cursos, 83,0% foram

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 24
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
oferecidos por instituições de ensino superior privadas2. Enquanto o número total de
cursos de graduação no país quase triplicou (elevação de 233,8%) de 1995 a 2005,
passando de 6.252 para 20.407 nas diferentes instituições de ensino superior, no
mesmo período, o número de cursos de graduação associados à área da
contabilidade1 passou de 352 a 816, um aumento de 131,8%3 (BRASIL, 2006).
Dados da mesma fonte indicam que, em 2005, 171.022 alunos estavam
matriculados e 28.580 concluíam o curso de ciências contábeis no país. A baixa
relação entre concluintes/matriculados caracteriza o processo de evasão
característico do sistema de ensino superior brasileiro, majoritariamente pago e
noturno (SAMPAIO, 2000).
Para se ter idéia da importância desse eixo formativo, basta observar que se trata da
realidade de mais de 170 mil graduandos e do futuro de aproximadamente 30.000
concluintes em cursos da área da contabilidade por ano. Ainda que a formação no
ensino superior ultrapasse a visão tecnicista e da prática profissional, envolvendo a
questão da cidadania, da responsabilidade social, do espaço reflexivo e de
construção do conhecimento, estamos diante de um desafio no âmbito da interação
entre a estrutura formativa e a possibilidade de atuação.
(FRIGOTTO, 1998, GENTILI, 1998). Novos paradigmas produtivos justificam a
necessidade de um repensar constante nos conteúdos curriculares e nas práticas
pedagógicas dos cursos.
Nesse sentido, é importante destacar que a maior parte do emprego no país está
sendo gerada formal e informalmente em empresas com menos do que dez
funcionários. Além disso, um grande número de pessoas sobrevive de um modelo
de produção agrícola ou da atividade informal. Dessa forma, o modelo ideal, da
grande empresa, sistematizada, formalizada, nem sempre é apropriado para
enquadrar a realidade das empresas em que os profissionais irão atuar. Todos
esses mecanismos, voltados em grande parte à realidade das grandes empresas,
que são adotados nas práticas de ensino, são fundamentais para o desenvolvimento
intelectual dos alunos, mas é preciso repensar o compasso entre os avanços das
tecnologias e a dinâmica produtiva atual, marcada pelo pós-industrialismo, a
economia de serviços e a sociedade informacional e as suas capacitações
(MORETTO et al., 2005). O presente estudo dá continuidade a um projeto mais
amplo que discute a relação formação contábil e estrutura produtiva. O objetivo aqui
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 25
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
é examinar a estrutura curricular dos cursos de bacharel em ciências contábeis no
estado do Rio Grande do Sul, identificando a pertinência das disciplinas oferecidas e
as áreas de atuação do contador.
O texto apresentado subdivide-se em quatro etapas. A primeira trata do perfil do
profissional e dos diferentes campos de atuação do contador, seguida pela
discussão sobre a tendência atual do ensino da contabilidade. Num terceiro
momento são apresentados os resultados da verificação empírica realizada com os
currículos. Por fim, são apresentadas algumas considerações finais.

2 PERFIL DO PROFISSIONAL E CAMPOS DE ATUAÇÃO


Novas perspectivas de atuação se abrem para o bacharel em ciências contábeis.
Durante muito tempo, o papel do profissional de contabilidade no Brasil restringiu-se
exclusivamente aos registros dos atos e fatos contábeis e de documentos legais e
fiscais exigidos pelos órgãos públicos, tanto em nível federal, como em nível
estadual e municipal.
Entretanto, a ciência contábil passou e está passando por uma série de
transformações, seguindo a própria dinâmica socioeconômica, que cria segundo
Figueiredo e Fabri (2000) a necessidade de se reavaliar os seus objetivos numa
perspectiva mais ampla.
Nessa nova dinâmica socioeconômica identificam-se mudanças ocasionadas por
diversos fatores, tais como, a ampliação das relações econômicas dos países, que
implica não somente no aumento das negociações internas e externas mas de um
número crescente de empresas transnacionais que se instalam no país, o aumento
das exigibilidades legais inseridas com o novo código civil, da aprovação da nova lei
de concordatas e falências e da necessidade, cada vez maior, de prestação de
contas, não somente para os sócios e investidores, mas para a comunidade como
um todo. Dessa forma, nas palavras de Figueiredo e Fabri (2000, p. 35), “muito do
que hoje é aceito como contabilidade não era reconhecido há 50 anos, e,
seguramente, daqui a 50 anos a contabilidade se modificará profundamente em
relação ao que é hoje”. O cenário no qual a contabilidade atua, na visão dos autores,
incorpora mudanças nas atitudes sociais, o progresso da tecnologia da informação e
a utilização dos novos métodos, como os quantitativos e os das ciências sociais. Por
isso, a contabilidade estaria migrando de sua base tradicional direcionada à
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 26
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
escrituração, preparação de demonstrações e orçamentos, para um papel mais
voltado ao gerenciamento, enfatizando sua importância social. As áreas de atuação
do contador, segundo Iudícibus e Marion (2000) vão desde a coleta de dados,
passando pelo registro dos dados e processamento, que resultam em relatórios que
satisfazem a administração, os investidores, os bancos, o governo e outros
interessados. Pode-se dizer que a imagem do profissional contábil, que trabalha
sozinho, distante da realidade das empresas e preso à tarefa de registrar
contabilmente os fatos ou de simplesmente fornecer informações para outros
profissionais tomarem decisões está ultrapassada. “O profissional de hoje e do
futuro em Contabilidade é aquele que faz parte da decisão, que auxilia outros a
tomarem decisões, o que significa trabalhar juntamente com uma gama variada de
outros profissionais”. (SERRA NEGRA, 2004, p.12).
A formação obtida por meio do ensino superior, combinada com suas qualidades
pessoais e de inter-relacionamento, permite que o graduado em ciências contábeis
escolha e se direcione para mais de uma área de atuação profissional. De acordo
com o estabelecido na legislação específica2, o contabilista poderá exercer, seja
como empregado, empregador ou de forma autônoma, as funções de analista,
assessor, assistente, auditor, interno ou externo, conselheiro, consultor, controlador
de arrecadação, controller, educador, escritor ou articulista técnico, escriturador
contábil ou fiscal, executor subordinado, fiscal de tributos, legislador, organizador,
perito, pesquisador, planejador, professor ou conferencista, redator, revisor.
Para que possa otimizar o desempenho profissional da área contábil são cada vez
mais necessários a especialização e o aprofundamento científico cultural,
promotores da eficiência e da eficácia das suas atividades (FIGUEIREDO; FABRI,
2000, KRAEMER, 2000). Além disso, como defende Berti (2001), os conhecimentos
em contabilidade necessitam abranger informações sobre economia, administração,
direito, análise de sistemas, dentre outras, o que demonstra a importância da prática
da interdisciplinaridade na estrutura de formação. O autor esclarece, ainda, que o
processo decisório ocorre mediante um contínuo conhecimento científico e técnico,
indo desde o planejamento estratégico até a execução e o controle dos resultados.
Tendo em vista que não existe ainda uma teoria adequada aos processos de
decisão, Berti enfatiza que cada empresa é responsável pela construção de seu
próprio modelo. E essa construção é influenciada pela formação profissional de cada
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 27
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
indivíduo, destacando-se as experiências acumuladas ao longo dos anos e aos
conhecimentos obtidos.
Portanto, o cenário que se vislumbra indica o crescimento e a valorização da
profissão contábil e um imenso desafio pela frente: o de procurar preservar o
mercado profissional.

3 A TENDÊNCIA ATUAL DO ENSINO DA CONTABILIDADE


O grande desafio do ensino superior é produzir conhecimento. Na área de ciências
contábeis essa produção passa pela discussão e pela descoberta de novas
tecnologias de informação e de gestão. O processo de ensino-aprendizagem, para
alcançar esse fim, requer um ambiente que estimule o espírito crítico e criativo, os
novos questionamentos e proposições. O papel de uma “educação” superior é
avançar na estrutura do conhecimento científico, no qual a pesquisa desempenha
um instrumental imprescindível (MARION, MARION, 1999) Em alguns cursos esse
processo científico é natural, a escolha dos universitários já está baseada no âmbito
científico ou da pesquisa. No caso do curso de ciências contábeis, essa pré-
concepção enseja um ambiente mais tecnicista, mais objetivo.
Oliveira (2003 p.30) ressalta que o “ensino da contabilidade deve ter como propósito
prover a tomada de decisão considerando os recursos escassos”. Argumenta, ainda,
que esse ensino deve incluir a “identificação de decisões cruciais das áreas e a
determinação de objetivos e metas; fornecer subsídios à direção e o controle efetivo
de recursos humanos, e materiais”. Tais conhecimentos devem orientar o aluno para
que ele seja capaz de “prover relatórios gerenciais sobre o custo dos recursos com
identificação dos pontos críticos e oportunidades de melhoria; facilitar o controle e a
função social”. Tornar a pesquisa uma ferramenta acessível e envolvente na busca
de novos conhecimentos na área contábil é um dos desafios que o processo de
formação encontra.
Nesse sentido, chama a atenção o direcionamento que devemos dar em nossos
planos pedagógicos. Algumas instituições de ensino superior incluem em seu
currículo um ou dois semestres de aulas em laboratórios, algo a ser considerado
excelente, mas será que é o suficiente para formarmos profissionais capazes de
atuar como contabilistas? Os planos pedagógicos, em sua maioria, são elaborados
seguindo apenas as diretrizes ministeriais em termos do conteúdo mínimo a ser
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 28
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
cursado em cada período letivo. A primeira objeção que identificamos é que não
podemos ter um currículo com o mesmo formato em regiões distintas de um país
com tantas diversidades econômicas. A segunda diz respeito ao grande número de
disciplinas de outras áreas, necessárias é claro, mas que se apresentam em volume
muito expressivo em detrimento à disciplinas específicas da área contábil.
Talvez seja justamente esse fato que explique o grande hiato observado, não só na
área contábil, entre a estrutura formativa e as possibilidades de atuação dos
profissionais egressos do ensino superior. Tal fato é destacado por Oliveira (2003,
p.30), que chama a atenção: “mudanças no ambiente econômico e na tecnologia
têm superado a educação contábil e levado ao aumento da lacuna entre as
necessidades atuais e o ensinamento contábil”. Na mesma direção, Serra Negra
(2004, p.13) complementa: “sociedades diferentes exigem comportamentos
diferentes. Portanto, a educação contábil em cada instituição tem que levar em
consideração os conjuntos de valores de cada lugar”.
Muitos cursos são direcionados para focalizar a prática profissional, e não somente a
científica, como é o caso dos cursos de Agronomia, Medicina, Fisioterapia, Medicina
Veterinária, Direito, licenciaturas, dentre outros. Nesses cursos os alunos iniciam a
prática profissional já nos primeiros semestres. Na maior parte dos cursos de
ciências contábeis, a prática, quando existe, limita-se a um ou dois semestres em
um laboratório de informática, ou para alguns alunos, com mais disponibilidade de
tempo, a possibilidade, em alguns casos, de participarem da Empresa Júnior.
De outra parte, temos que atentar para outro problema tradicional no sistema de
ensino superior do país. Serra Negra (2004) comenta que, “segundo inúmeras
pesquisas do ensino contábil, o perfil do discente do Curso Superior de Ciências
Contábeis no Brasil aponta, em sua maioria absoluta, para adultos na faixa de 23
anos que estudam no turno noturno em virtude de trabalharem durante o dia”. O
autor complementa que, “dessa forma, o processo de formação dos alunos de
Ciências Contábeis pressupõe a utilização de metodologias ativas de ensino-
aprendizagem que coloquem o professor como facilitador e orientador desse
processo” (p.11). Uma das críticas recebidas, tanto por educadores quanto por
educandos, é que o ensino universitário de ciências contábeis costuma ter um
caráter excessivamente teórico.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 29
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
A maioria dos alunos formandos não se sente preparada tecnicamente para
enfrentar o mercado de trabalho. Como educadores, sabemos que essa é uma
sensação normal entre os formandos de qualquer curso superior. Porém, no caso
específico do Curso de Ciências Contábeis, no qual os conhecimentos técnicos e
científicos da Contabilidade estão fortemente ligados, enfatiza-se muito o ensino da
legislação fiscal, que altera quase que diariamente, e a sensação de desatualização
e impotência frente ao trabalho contábil torna-se mais acentuado. (SERRA NEGRA,
2004, p.12).
Nesse sentido, ressalta-se a importância das aulas teórico-práticas como elemento
facilitador do aprendizado. Sabe-se que os cursos de ciências contábeis sempre
foram, nas mais diversas instituições de ensino superior, cursos superavitários
devido ao baixo investimento necessário para sua instalação. Cabe aos
contabilistas, professores e alunos, encontrarem espaço para solidificar estruturas
que possibilitem a formação prática da contabilidade, e não somente teórica. Aliado
a isso, é claro, não se pode descuidar do fato de que os professores devem estar
capacitados para essa nova modalidade de ensino. A maior flexibilidade curricular,
por sua vez, viria suprir a lacuna entre cada curso e a realidade regional onde está
inserido, com a instituição, por exemplo, de disciplinas que sejam direcionadas ao
gerenciamento e controle das principais atividades econômicas encontradas na
região.
Na percepção de Oliveira (2003 p.30), o “desafio é captar as mudanças no mercado
para que se tenha eficácia no ensino da Contabilidade”. Conforme alerta o autor,
“entre os fatores a considerar está o de que o número e a qualidade dos estudantes
em Contabilidade tem diminuído sensivelmente, conforme tendência constatada em
pesquisa realizada nos Estados Unidos. No Brasil, há indícios de estar ocorrendo o
mesmo fenômeno”. O que pode ser explicado pelo fato de que “a tecnologia modifica
não apenas os meios para se gerar a informação, como também a própria
economia, os mercados, os produtos e as decisões a serem tomadas”. Nessa
mesma linha, Serra Negra (2004, p.12) enfatiza que “o conhecimento contábil,
apesar de datar de milhares de anos, não é um conhecimento estático. A cada dia
novos métodos, novas técnicas e novas metodologias são incrementadas nos
Sistemas de Informações Contábeis de quaisquer organizações para melhor gerir
seus patrimônios”.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 30
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Atualmente, como argumenta Oliveira (2003), “é necessário que esses profissionais
rompam esses limites, de forma a atuar como gestores de todas informações das
organizações, incluindo as relações com fornecedores, clientes, funcionários, com a
sociedade e com os processos internos” (p.31). Essas novas formas de atuação, o
autor chama de condições necessárias, pois acredita que as mesmas são essenciais
para obter consistência nos resultados financeiros.

4 UMA VERIFICAÇÃO EMPÍRICA JUNTO AOS CURSOS DE CIÊNCIAS


CONTÁBEIS OFERECIDOS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL
Dando continuidade a um projeto mais amplo, que analisou a relação entre as
principais atividades observadas no campo de atuação do bacharel em ciências
contábeis, e do técnico em contabilidade, e as diferentes possibilidades de atuação
evidenciadas no setor produtivo, buscou-se, no presente estudo, examinar a
estrutura de formação do ensino dos cursos de Ciências Contábeis oferecidos no
estado do Rio Grande do Sul. O foco principal de análise é verificar na estrutura
curricular dos cursos a presença de disciplinas que contemplem, além das
tradicionais disciplinas teóricas de formação, a prática contábil, e a as peculiaridades
das diferentes atividades econômicas encontradas no estado. A pesquisa
caracteriza-se como uma pesquisa quantitativa, em nível descritivo e utiliza como
técnica principal a coleta de dados secundários.
A coleta de dados secundários, realizada no segundo semestre de 2005, tomou
como base o cadastro do INEP (2005), onde consta a listagem de todos os cursos
de Ciências Contábeis em funcionamento no estado do Rio Grande do Sul. De
posse dessas informações, foram consultados os websites de 58 cursos de
graduação em ciências contábeis no estado do Rio Grande do Sul, identificando a
estrutura curricular adotada. Considerando que muitos cursos de graduação são
oferecidos por estruturas universitárias multicampi, utilizou-se apenas as estruturas
curriculares do campus-sede e aquelas que estavam disponíveis publicamente. A
amostra da pesquisa aplicada constitui-se, assim, de 25 grades curriculares.
Para fins de análise, foram processadas todas as disciplinas elencadas,
independentemente de serem obrigatórias ou opcionais. A análise foi feita por meio
de freqüência absoluta e relativa a partir das informações da planilha eletrônica do
Excel. Dos 25 cursos analisados o número total de disciplinas oferecidas ficou em
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 31
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
1.116, salienta-se que não foi levada em consideração a carga horária de cada
disciplina e nem a ementa das mesmas visto que a maioria dos cursos não
disponibiliza esses dados na internet. Num segundo momento, foram agrupadas as
diferentes disciplinas em 47 grandes grupos por área de afinidade.
Para análise das disciplinas tabuladas, foram consideradas as Diretrizes Curriculares
Nacionais instituídas pelo parecer CES/CNE 0146/2002, aprovado em 03 de abril de
2002 e publicado no Diário Oficial da União n° 90 de 35/05/2002. Este, na seção 1,
no que tange aos cursos de ciências contábeis estabelece, em seu artigo 10, que
deverá contemplar em seus planos pedagógicos e em sua organização curricular
conteúdos que atendam aos seguintes eixos interligados de formação:
− Formação Básica: compreende estudos relacionados com outras áreas do
conhecimento, tais como a administração, a economia, o direito, os métodos
quantitativos, a matemática e a estatística;
− Formação Profissional: abrange estudos específicos relacionados às teorias da
Contabilidade, além de suas relações com a ciência atuarial e a auditoria, a
controladoria e suas aplicações ao setor público e privado;
− Formação Teórico-prática: compreende o estágio curricular supervisionado, as
atividades complementares, os estudos independentes, os conteúdos optativos,
práticas em laboratório de informática com a utilização de softwares atualizados para
contabilidade.
No que diz respeito à carga horária total dos cursos, observou-se que essa variou
entre 2.520 horas e 3.270 horas (incluindo as disciplinas optativas). Percebe-se que
a maioria dos cursos está estruturada pela diretriz que instituía um mínimo de 2.700
horas para o curso de Ciências Contábeis.

4.1 Os conteúdos de formação básica


Apresenta-se a seguir as análises das disciplinas consideradas como de formação
básica, que incluem as disciplinas referentes da área da administração, da
economia, do direito, de métodos quantitativos, da matemática e da estatística,
respectivamente.
Trinta e seis disciplinas puderam ser agrupadas como pertencentes ao grupo da
área da Administração Geral, representando 3,23% da amostra de 1.116 disciplinas.
Pelo número encontrado verificou-se que 11 instituições possuem em sua grade
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 32
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
curricular dois semestres com disciplinas da área administrativa geral. Entre as
disciplinas encontradas identificam-se as disciplinas denominadas de Administração
Contemporânea, Administração Empreendedora, Teoria de Sistemas que, as quais
sugerem estar direcionadas às novas concepções e técnicas administrativas. A
disciplina Teoria Geral da Administração continua sendo a mais adotada na maior
parte dos currículos analisados.
Especificamente na área de Administração de Pessoal, foram computadas
disciplinas, representando 0,72% do total da amostra. Esses números demonstram a
tendência de redução na inserção dessa disciplina nos currículos dos cursos. No
que tange à Administração Financeira, foram encontradas 28 disciplinas. Logo,
observa-se que em cada curso existe uma disciplina direcionada para essa área, e
que, em alguns casos, a disciplina apresenta-se em mais de um semestre. Observa-
se, pela nomenclatura, que em três casos a disciplina de administração financeira,
contempla também a elaboração de orçamentos. Nos currículos analisados foram
encontradas 7 disciplinas que dizem respeito à logística e ao empreendedorismo,
considerando que cada disciplina se encontra em um dos currículos, poderia afirmar
que 28,00% dos 25 currículos analisados estão inserindo essa disciplina na
formação do bacharel em ciências contábeis.
Foram computadas 6 disciplinas que dizem respeito à Estratégia Empresarial e ao
Planejamento Estratégico ou que possuem relação com a gestão das empresas. No
que se refere à gestão da qualidade ou gestão de operações nas empresas,
encontramos na tabulação apenas 3 ocorrências. A mesma quantidade ocorreu com
disciplinas relacionadas à área de marketing em serviços.
Somando todas as disciplinas pertencentes à área da administração, verifica-se que
no total foram encontradas 91 disciplinas representando 8,15 % da amostra.
Dividindo essa soma pelo número de cursos analisados, pode-se dizer que, em um
contexto geral, essas disciplinas estão distribuídas em 3 semestres e que em 16
cursos elas se encontram distribuídas em quatro semestres letivos.
Na área da economia foram encontradas 65 disciplinas com nomenclaturas
diversificadas, as quais abrangem 5,82% da amostra. As disciplinas identificadas
foram Atualidade econômica latino-americana, Conjuntura econômica brasileira e
internacional, Finanças corporativas, Mercado de capitais, Mercado financeiro e
Sistema financeiro e mercado de capitais. Com exceção de Finanças corporativas
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 33
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
que apresentou duas ocorrências e de Mercado de capitais que apresentou três, as
outras apresentaram somente uma ocorrência. Além delas foram encontradas duas
disciplinas que dizem respeito à análise e alternativas de investimento, que podem
ser consideradas inovadoras no curso de ciências contábeis. Considerando o total
de currículos analisados, pode-se concluir que cada currículo apresentou disciplinas
da área econômica, no mínimo em dois semestres, e que em alguns cursos (15),
mais da metade da amostra, ela é distribuída em três semestres.
Na área do direito, em razão da diversidade das especialidades, optou-se por
separar em quatro grupos: Direito comercial e societário, Direito do trabalho e
legislação social, Direito público e privado, e Direito tributário. Na soma total foram
encontradas 92 disciplinas de direito nos cursos de ciências contábeis analisados.
As disciplinas de direito foram diluídas em no mínimo três semestres, e em 17
cursos, isso é, em mais da metade da amostra, elas estão distribuídas em 4
semestres. Na área do Direito do Trabalho e Legislação Social foram tabuladas 29
disciplinas, indicando que em cada curso essa disciplina é oferecida em um
semestre e que em 3 cursos ela se divide em dois semestres. Observou-se que
apenas 19 cursos disponibilizam a disciplina de Direito Público e Privado, enquanto
a disciplina de Direito Tributário é oferecida em 21 cursos. Observou-se que em
muitos cursos existe a oferta dessa disciplina na forma de Contabilidade Tributária.
No que tange a área de Métodos Quantitativos e Matemática, formaram-se dois
grupos de disciplinas: um mais focalizado na Estatística e outro agrupando a
Matemática aplicada às Ciências Contábeis e a Matemática Financeira. No total
das duas tabelas foram encontradas 102 disciplinas oferecidas nos 25 cursos,
representando, no total, 9,14% da amostra. Observa-se que na maioria dos cursos
essas disciplinas são distribuídas em até 4 semestres. As disciplinas relacionadas à
Estatística apresentaram trinta e oito ocorrências. Esta é oferecida em um semestre
na maioria dos cursos; em treze cursos é oferecida em dois semestres. No grupo
das outras disciplinas da Matemática foram registradas 64 ocorrências. Com isso
pode-se inferir que essas disciplinas estão sendo oferecidas em 2 semestres em 14
cursos. Das disciplinas tabuladas, percebeu-se que apenas um (1) curso oferece a
disciplina de Cálculo atuarial e um (1) curso trabalha com Álgebra linear e Geometria
analítica.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 34
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Como conteúdos de “formação básica”, foram enquadradas também as disciplinas
da área da informática, português e línguas estrangeiras, psicologia, sociologia.
Além delas foi criado um grupo denominado de disciplinas diversas, que reúne
aquelas que não puderam ser enquadradas em nenhum dos outros grupos.
Na análise das disciplinas relacionadas à língua portuguesa, redação e interpretação
de textos, foram tabuladas vinte e oito ocorrências. Já no que tange ao ensino de
línguas estrangeiras foram registradas 8 ocorrências. Deve-se observar que em três
currículos ela está aparecendo em dois semestres, logo, conclui-se que apenas
cinco instituições estão exigindo língua estrangeira em seus currículos como
obrigatória.
Foram registradas dez ocorrências de disciplinas relacionadas à área da psicologia e
dezesseis relacionadas à área da sociologia. Enquanto disciplinas de educação
física foram registradas quatro ocorrências nos vinte cinco currículos em estudo.
Como disciplinas da área de conhecimentos de informática foram registradas vinte
ocorrências.
No grupo denominado disciplinas de áreas diversas foram registradas trinta e nove
disciplinas que dizem respeito aos estudos sobre a realidade brasileira (7),
antropologia (3), filosofia (11), religião (7), dentre outras que se relacionam à cultura
geral como um todo (11).

4.2 Conteúdos de formação profissional


As diretrizes curriculares apresentam como conteúdos de formação profissional para
o bacharel em Ciências Contábeis os “estudos específicos atinentes as Teorias da
Contabilidade, além de suas relações com a Atuaria, e da auditoria, da Controladoria
e suas aplicações peculiares ao setor publico e privado”.
Com relação à História da contabilidade, observou-se 27 disciplinas oferecidas,
pode-se inferir que em 2 cursos ela está dividida em dois semestres. Foram
encontradas 37 disciplinas relacionadas à Análise das demonstrações contábeis o
que representa que em doze instituições ela está sendo oferecida em dois
semestres.
Na área de custos foram tabuladas 60 disciplinas. Pode-se inferir que em todos os
cursos ela está distribuída em pelo menos dois semestres e que em 10 cursos ela é
ofertada em três semestres. É importante esse aprofundamento nessa área do
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 35
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
conhecimento, pois com o grande número de pequenas e médias empresas do país,
a demanda por trabalhos técnicos nessa área será sempre uma constante.
Observou-se a oferta de 15 disciplinas que se referem à Constituição e organização
de empresas, representando 60,00% dos vinte cinco cursos. Nos cursos analisados,
identificou-se que 46 disciplinas dizem respeito à auditoria contábil, pode-se inferir
que em 21 cursos ela está sendo oferecida em dois semestres.
No que tange à Contabilidade geral foram registradas 103 ocorrências, observou-se
que ela está sendo oferecida na maior parte dos cursos em 4 semestres sob
diversas variações de nomenclatura.
A disciplina de Contabilidade gerencial foi registrada 17 vezes, como se pôde
observar em um curso ela está subdividida em 3 semestres, e em outro em dois
semestres, por isso conclui-se que ela continua sendo ofertada em 14 cursos.
A Contabilidade de empresas diversas registrou 8 ocorrências. Verificou-se que ela
está sendo ofertada em seis cursos, pois houve duas ocorrências com a
nomenclatura de Contabilidade de empresas diversas II.
Apesar da crescente globalização observada na economia e com uma realidade que
mostra o grande número de empresas estrangeiras atuando no país, foram
identificadas apenas 4 ocorrências da disciplina de Contabilidade Internacional.
A contabilidade voltada para o agronegócio está sendo ofertada em apenas 8
cursos.
Esse fato causa surpresa, tendo em vista que o Brasil, e em especial o Rio Grande
do Sul, há uma presença marcante de atividades ligadas ao setor e que, certamente,
representam uma fonte potencial de trabalhos na área contábil.
A Contabilidade bancária ou de instituições financeiras está sendo oferecida em
apenas 5 dos cursos pesquisados. Já as disciplinas que se referem à ética e à
legislação profissional apresentaram 23 ocorrências; dois cursos pertencentes à
amostra não estão oferecendo a referida disciplina.
As disciplinas voltadas à Contabilidade e/ou Orçamento público representaram 34
ocorrências. Pode-se observar que nove instituições estão oferecendo a disciplina
em dois semestres.
Na área da Contabilidade fiscal e/ou tributária, os 25 cursos apresentaram 33
ocorrências, observa-se que em oito cursos ela está sendo distribuída em dois
semestres.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 36
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Deve-se ressaltar que há duas disciplinas com o nome voltado à legislação tributária
e fiscal.
Apesar de serem muito importantes para o planejamento empresarial, as disciplinas
voltadas para o planejamento financeiro e empresarial revelaram apenas 20
ocorrências, o que leva concluir que em cinco instituições pertencentes à amostra
elas não estão sendo ofertadas.
No que tange à Controladoria, foram obtidas 14 ocorrências. Como em uma
instituição a disciplina está sendo ofertada em dois semestres, observa-se que ela
está sendo ofertada em 13 instituições de ensino. Se somada com a disciplina de
Contabilidade Gerencial, pode-se inferir que todas as instituições analisadas na
amostra, possuem pelo menos uma disciplina voltada ao gerenciamento e controle
das operações das empresas.
As disciplinas voltadas para a Perícia contábil foram encontradas em 23 instituições
de ensino. Duas instituições pertencentes à amostra não estão ofertando disciplinas
voltadas para esta área dos trabalhos contábeis.
Por último, como disciplinas pertencentes aos conteúdos de formação profissional,
foram registradas 18 ocorrências de disciplinas voltadas para Sistemas de
informações contábeis e/ou gerenciais.

4.3 Conteúdos de formação teórico-prática


A seção três do parecer do CNE/CNE 046/2002 trata da Formação Teórico-prática
dos cursos de bacharel em ciências contábeis e relaciona os conteúdos: “Estágio
Curricular Supervisionado, Atividades Complementares, Estudos Independentes,
Conteúdos Optativos, Prática em Laboratório de informática utilizando softwares
atualizados para contabilidade”.
Conforme apresentado na Tabela 1, foram registradas vinte nove disciplinas
voltadas à prática contábil, o que representa 2,60% da amostra. Como, dessas vinte
nove ocorrências, oito eram do segundo ou terceiro nível, conclui-se que apenas 21
instituições estão disponibilizando disciplinas voltadas à prática profissional apesar
de ser uma das maiores reivindicações dos alunos.
Os seminários e tópicos especiais contábeis também são enquadrados como
disciplinas de formação prática. Nessa área foram registradas 21 ocorrências sendo
que uma delas é de segundo nível; por isso, observa-se que apenas 20 instituições
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 37
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
estão disponibilizando esse tipo de prática. A disciplina que chamou a atenção foi a
de Seminários avançados de contabilidade de micro, pequeno e médio
empreendimentos, pois entende-se que é muito pertinente ao estudo da realidade
das empresas brasileiras.
Tabela 1 Distribuição das disciplinas com conteúdo teórico-prático
Freqüência absoluta
% do Total
% das 1.116 disciplinas
Contabilidade informatizada
2
6,90
0,18
Exercício profissional em contabilidade I
1
3,45
0,09
Exercício profissional em contabilidade II
1
3,45
0,09
Exercício profissional em contabilidade III
1
3,45
0,09
Introdução contábil informatizada
1
3,45
0,09
Jogos de empresas
2
6,90
0,18
Laboratório
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 38
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
2
6,90
0,18
Laboratório contábil
3
10,34
0,27
Laboratório contábil II
2
6,90
0,18
Laboratório de prática em custos
1
3,45
0,09
Laboratório de prática em escrituração contábil e fiscal
1
3,45
0,09
Laboratório II
1
3,45
0,09
Prática contábil
1
3,45
0,09
Prática contábil e tributária
1
3,45
0,09
Prática contábil e tributária II
1
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 39
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
3,45
0,09
Prática contábil II
1
3,45
0,09
Prática de contabilidade
1
3,45
0,09
Prática profissional
1
3,45
0,09
Prática profissional contabilidade
1
3,45
0,09
Prática profissional em ciências contábeis
1
3,45
0,09
Prática profissional em ciências contábeis II
1
3,45
0,09
Prática profissional II
1
3,45
0,09
Prática trabalhista e previdenciária
1
3,45
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 40
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
0,09
Total
29
100,00
2,60
Fonte: primária.

No que tange as disciplinas voltadas à orientação da pesquisa na área contábil


foram registradas 27 ocorrências. Como duas disciplinas são de nível dois, pode-se
inferir que todos os cursos pertencentes à amostra estão ofertando a disciplina,
como orienta a diretriz ministerial; em apenas dois cursos ela se apresenta em dois
semestres.
Tabela 2 Distribuição das disciplinas relacionadas ao trabalho final de curso
Freqüência absoluta
% do Total
% das 1116 disciplinas
Estágio em contabilidade
1
2,50
0,09
Estágio em contabilidade II
1
2,50
0,09
Estágio supervisionado
9
22,50
0,81
Estágio supervisionado II
6
15,00
0,54
Estágio supervisionado III
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 41
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
2
5,00
0,18
Estágio supervisionado IV
2
5,00
0,18
Monografia
2
5,00
0,18
Monografia II
1
2,50
0,09
Monografia III
1
2,50
0,09
Trabalho de conclusão
3
7,50
0,27
Trabalho de conclusão de curso
6
15,00
0,54
Trabalho de conclusão de curso – b
2
5,00
0,18
Trabalho de contabilidade – a
1
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 42
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
2,50
0,09
Trabalho de contabilidade – b
1
2,50
0,09
Trabalho final de graduação
1
2,50
0,09
Trabalho final de graduação II
1
2,50
0,09
Total
40
100,00
3,58
Fonte: primária.

Como era de se esperar, pela lacuna que pode ser percebida na legislação, no que
se refere ao trabalho final de curso (Tabela 2), encontra-se uma grande variação de
nomenclaturas e de modalidades de trabalhos diferentes. Foram registradas 40
ocorrências, porém, como se sabe, a carga horária dessas disciplinas é particular, o
que não possibilita fazer qualquer tipo de análise.
Como disciplinas optativas registraram-se 25 ocorrências. Como 11 delas eram de
segundo, terceiro ou quarto nível, conclui-se que 14 cursos estão disponibilizando
disciplinas optativas para seus alunos.

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Ao finalizar a presente exposição e análise, pretende-se contribuir com algumas
considerações no sentido de poder dar continuidade, ou pelo menos sugerir, ao
necessário processo de autoconhecimento e reflexão sobre a formação do contador.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 43
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Pode-se evidenciar que o profissional contábil está ganhando e poderá ganhar um
papel cada vez maior no contexto de rápidas transformações tecnológicas e na
estrutura produtiva e social. Seu horizonte de atuação se amplia na mesma medida
em que se ampliam as capacitações necessárias para enfrentar tal dinâmica. Por
isso é fundamental que sejam incluídas, seja nas estruturas curriculares, seja nas
práticas pedagógicas dos cursos de ciências contábeis, uma formação sólida,
diversificada, interdisciplinar, consoante com a realidade mais ampla e local, e,
sobretudo, responsável socialmente.
De modo geral os cursos apresentam 42,65% das disciplinas direcionadas às
disciplinas de apoio à área contábil (Apêndice A). Apenas 57,35% das disciplinas
dos cursos de ciências contábeis pesquisados estão diretamente relacionadas à
prática contábil (Apêndice B). Essa realidade leva a refletir sobre as reivindicações
dos alunos solicitando mais disciplinas específicas e, principalmente, mais
disciplinas práticas direcionadas à área de atuação.
As disciplinas de áreas afins e complementares à educação contábil são
importantes.
Toda a contabilidade possui inter-relações com as ciências econômicas,
matemáticas administrativas e muitas outras. O que se pode questionar é se os
currículos não estão muito interdisciplinares e pouco especialistas. Cabe refletir se
não se está formando pessoas muito generalistas, que na realidade sabem um
pouco de tudo e nada com profundidade frente ao profissionalismo que é tão
esperado pelos empresários.
Os profissionais da área contábil são profissionais que gerenciam e registram
sonhos, bens direitos e obrigações. São profissionais que tem como um dos deveres
principais, orientar e acompanhar empresas que nasceram do sonho e da ambição
de pessoas que como os alunos, buscaram em algum momento de suas vidas
perspectivas de crescimento com algum investimento.
A realidade que se apresenta vem reiterar e justificar a preocupação exposta por
Serra Negra (2004) quando dizia que a maior parte dos alunos que se formam
principalmente nos cursos de ciências contábeis não se sentem preparados
tecnicamente para enfrentar o mercado de trabalho.
Um dos intuitos para o desenvolvimento do presente estudo foi tentar identificar o
contexto dos dados registrados no Inep que evidenciam uma grande evasão em
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 44
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
nossos cursos acompanhada de um número de concluintes muito abaixo do número
dos inscritos inicialmente, paralelamente ao grande número de novos cursos se
propagando em todo território nacional. A análise dos currículos evidenciou um
número muito pequeno de disciplinas específicas da área, confirmando pesquisas
realizadas pelos autores que vêm expondo a preocupação e a insatisfação de
muitos alunos com relação à sua formação final.
Tais lacunas não deveriam ocorrer, nem serem aceitas, seja pelas instituições de
ensino, seja pelos professores, pesquisadores, seja pelos profissionais, sob pena
continuarem igualmente impotentes, não apenas diante do mercado de trabalho,
mas diante de toda a sociedade.

REFERÊNCIAS
BERTI, Anélio. Diagnóstico empresarial: teoria e prática. São Paulo: Ícone, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas


Educacionais –INEP. Dados Estatísticos. Sinopses estatísticas da educação
superior – graduação, 1997 a 2005. Disponível
em:<http://www.inep.gov.br/superior/censosuperior/sinopse/default.asp>
Acesso em: 06 jan. 2007.

INEP. Educação Superior. Cadastro das instituições de educação superior. Tipos de


cursos. Busca por cursos. Consulta por unidade da federação. Ciências Contábeis.
Disponível em:<http://www.educacaosuperior.inep.gov.br/funcional/lista_cursos.asp>
Acesso em: 21 abr. 2005.

IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos. Introdução à teoria da contabilidade:


para o nível de graduação. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2000.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego - MTE. Pesquisador. Estatísticas do


Mercado de Trabalho. Bases Estatísticas Rais/Caged - Acesso On line. Brasília.
Disponível em:
<http://mte.gov.br/EstudiososPesquisadores/PDET/Acesso/RaisOnLine.asp>.
Acesso em: 10 dez. 2004.

FIGUEIREDO, Sandra. FABRI, Pedro Ernesto. Gestão de empresas contábeis. São


Paulo: Atlas, 2000.

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação, crise do trabalho assalariado e do


desenvolvimento: teorias em conflito. In: FRIGOTTO, G. (org.) et al. Educação e
Crise do trabalho: perspectivas de final de século. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 25-54.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 45
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
GENTILI, Pablo. Educar para o desemprego: a desintegração da promessa
integradora. In: FRIGOTTO, G., (org.), et al. Educação e Crise do trabalho:
perspectivas de final de século. Petrópolis: Vozes, 1998. p. 76-99.

KRAEMER, Maria E. Pereira. O papel do profissional contábil no contexto


organizacional. Revista Brasileira de Contabilidade, Brasília, n.121, ano XXIX, p. 82-
93, jan./fev. 2000.

MARION, José Carlos. Preparando-se para a profissão do futuro. Disponível em:


<http://www.uneb.org.br/contabilidade/profissão do futuro.htm>. Acesso em: 23 out.
2002.

MARION, José Carlos; MARION, Márcia Maria Costa. A importância da pesquisa no


ensino da contabilidade. Revista de Contabilidade do Conselho Regional de
Contabilidade de São Paulo, n. 7, 1999. Disponível em:
http://www.fipecafi.com.br/public_artigos/marion/import.pdf Acesso: 02 jan. 2007.

MORETTO, C. F.; CAPACCHI, Maristela ; ZORNITA, Sandra Sebben ; TOGNON,


Ivanir Vitor ; PADILHA, Fábio Antonio Rezende . A Prática do Ensino Contábil e a
Dinâmica Socioeconômica: uma aproximação empírica. Teoria e Evidência
Econômica, Passo Fundo, v. 13, n. 25, p. 155-174, 2005.

OLIVEIRA, Antonio Benedito Silva (coord.). Métodos e Técnicas de Pesquisa em


Contabilidade. São Paulo: Saraiva, 2003.

SAMPAIO, Helena Maria Sant'Ana. O ensino superior no Brasil: o setor privado. São
Paulo: Hucitec; Fapesp, 2000. 392p. (Estudos Brasileiros 34)

SERRA NEGRA, Carlos Alberto. Reflexões sobre os quatro pilares da educação no


ensino superior de ciências contábeis. Revista do Conselho Regional de
Contabilidade do Rio Grande do Sul, n.118, Porto Alegre, p.6-14, out.2004.

Apêndices
Apêndice A - Distribuição das disciplinas de apoio nas estruturas curriculares
pesquisadas
Freqüência absoluta
% das 1.116 disciplinas
Áreas diversas
39
3,49
Área de informática
20
1,79
Área de português
28
2,51
Educação física
5
0,45
Área de línguas estrangeiras
8
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 46
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
0,72
Área de psicologia
10
0,90
Área de sociologia
16
1,43
Diversas de apoio
126
11,29
Área de direito comercial e societário
23
2,06
Área de direito do trabalho e legislação social
29
2,60
Área de direito publico e privado
19
1,70
Área de direito tributário
21
1,88
Direito
92
8,24
Área de estatística aplicada a contabilidade
38
3,41
Área de matemática
64
5,73
Matemática
102
9,14
Área administração geral
36
3,23
Área administração de pessoal
8
0,72
Área de logística e empreendedorismo
7
0,63
Área de estratégia empresarial
6
0,54
Área de gestão da qualidade
3
0,27
Área contabilidade e administração financeira
28
2,51
Área de marketing
3
0,27
Administração
91
8,15
Área de analise de investimentos
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 47
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
2
0,18
Área econômica
56
5,02
Área de mercados de capitais
7
0,63
Economia
65
5,82
Total geral das disciplinas de apoio
476
42,65
Fonte: primária.

Apêndice B – Distribuição das disciplinas pesquisadas por área de concentração


Freqüência absoluta
% das 1.116 disciplinas
Área história contábil
27
2,42
Área analise das demonstrações contábeis
37
3,32
Área de custos
60
5,38
Área de sistemas de informações
18
1,61
Área de auditoria
46
4,12
Área de constituição e organização das empresas
15
1,34
Área de conhecimentos contábeis
103
9,23
Área de contabilidade gerencial
17
1,52
Área de contabilidade empresas diversas
8
0,72
Área de contabilidade internacional
4
0,36
Área de contabilidade agropecuária
9
0,81
Área de contabilidade bancária
5
0,45
Área de contabilidade e ética profissional
23
2,06
Área de contabilidade pública
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 48
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
34
3,05
Área de contabilidade e legislação fiscal
33
2,96
Área de prática contábil
29
2,60
Área de orçamento e planejamento empresarial
20
1,79
Diversos da área contábil
2
0,18
Área de controladoria
14
1,25
Área de disciplinas optativas
25
2,24
Área de técnicas e métodos de pesquisa
27
2,42
Área de perícia
23
2,06
Área de estgio e/ou monografia
40
3,58
Área de seminários e tópicos especiais
21
1,88
Total geral das disciplinas contábeis
640
57,35
Fonte: primária.

Notas
1 Incluem-se as graduações em “Contabilidade e Tributação”, “Ciências Contábeis”, “Auditoria”,
“Contabilidade”, “Tributação” e “Ciências Atuariais”.
2 A atuação profissional em contabilidade está delimitada pela Resolução Conselho Federal de
Contabilidade n° 560, de 28 de outubro de 1983, que dispõe sobre as prerrogativas profissionais de
que trata o artigo 25 do decreto lei n° 0.295, de 27 de maio de 1946. “Art. 2º
O contabilista pode exercer as suas atividades na condição de profissional liberal ou autônomo, de
empregado regido pela CLT, de servidor público, de militar, de sócio de qualquer tipo de sociedade,
de diretor ou de Conselheiro de quaisquer entidades, ou, em qualquer outra situação jurídica definida
pela legislação, exercendo qualquer tipo de função”.]

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 49
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
A INFLUÊNCIA DA EDUCAÇÃO FINANCEIRA NAS DECISÕES DE
CONSUMO E INVESTIMENTO DOS INDIVÍDUOS

CINTIA RETZ LUCCI


Universidade de São Paulo
SABRINA ARRUDA ZERRENNER
FEA - Faculdade de Economia e Administração
MARCO ANTONIO GUIMARÃES VERRONE
FEA - Faculdade de Economia e Administração
SÉRGIO CIPRIANO DOS SANTOS
Universidade de São Paulo

Em um mundo de numerosos e variados produtos financeiros, as pessoas devem


estar preparadas para lidar com situações cada vez mais complexas ao desejarem
adquirir um bem ou serviço. As decisões de investimento são simples e as
alternativas à poupança tornam-se de difícil acesso à população em geral. A questão
é se a formação financeira influencia nas decisões de consumo e investimento. O
problema de pesquisa relaciona-se à qualidade da tomada de decisões dos
indivíduos no tocante a aspectos financeiros e, também, se a deficiência de
conhecimentos seria o fator responsável pela tomada de decisões não otimizadas. A
pesquisa foi feita com alunos dos cursos de graduação em Administração e Ciências
Contábeis. O questionário requer conhecimento em conceitos de fluxo de caixa,
valor do dinheiro no tempo, custo de oportunidade e risco. Trata-se de tema de
estudo relativamente comum em países de economia mais desenvolvida,
destacando-se a preocupação em conscientizar as pessoas sobre a necessidade de
formação de poupança para a aposentadoria. Como resultado geral, o conhecimento
em conceito sobre finanças aprendidos na universidade influenciou positivamente a
qualidade da tomada de decisões financeiras, mesmo sem uma avaliação da
qualidade do ensino.
Palavras-chave: educação, qualidade das decisões financeiras, aprendizagem.

1. Introdução
Em um mundo de numerosos e variados produtos financeiros (cheque especial,
cartão de crédito, financiamentos e leasing, crédito direto ao consumidor, poupança,

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 50
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
fundos de investimentos, etc), as pessoas devem estar preparadas para lidar com
situações cada vez mais complexas ao desejarem adquirir um bem ou serviço.
Além das diversas opções de pagamento, as decisões de investimento tampouco
são simples. Taxas de retorno, quantia inicial mínima e períodos de carência são
alguns dos fatores que tornam as alternativas à poupança de difícil acesso à
população em geral. Mas, então, quem tem acesso a esses produtos? Quem tem
nível universitário enfrenta menos dificuldade? E quem tem nível universitário em
cursos mais especificamente relacionados ao tema, como Administração e
Contabilidade, está mais bem preparado para lidar com essas situações? Essas
perguntam fazem sentido uma vez que esses cursos têm em suas estruturas
curriculares disciplinas de finanças e cálculo.
Dessa forma, a questão é se a formação financeira influencia nas decisões de
consumo e investimento. O problema de pesquisa relaciona-se à qualidade da
tomada de decisões dos indivíduos no tocante a aspectos financeiros e, também, se
a deficiência de conhecimentos seria a responsável pela tomada de decisões não
otimizadas.
O presente trabalho aborda, portanto, o tema educação. O objetivo é verificar se os
conhecimentos aprendidos de administração financeira fazem com que os
indivíduos se tornem mais conscientes sobre suas decisões financeiras; e,
principalmente, se isso se traduz em suas atitudes.
Essa verificação será feita por meio de questões que requerem conhecimento em
conceitos de fluxo de caixa, valor do dinheiro no tempo, custo de oportunidade e
risco. Haverá, ainda, questões sobre o comportamento dos respondentes num
contexto prático e, por último, questões sobre o perfil destes.
A abordagem multidisciplinar que baseia este trabalho é uma tentativa de
compreender a relação entre a formação universitária do aluno e sua atitude efetiva
em relação a assuntos financeiros.
Trata-se de tema de estudo relativamente comum em países de economia mais
desenvolvida. Destaca-se a preocupação em conscientizar as pessoas sobre a
necessidade de formação de poupança para a aposentadoria.
Este trabalho trata da importância da educação financeira, porém extrapolando a
análise da grade curricular dos cursos de Administração e Contabilidade; busca-se

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 51
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
saber se os alunos utilizam esses conhecimentos em situações triviais no campo
pessoal.
O tema apresenta grande relevância, posto que as pessoas têm suas vidas afetadas
pelas decisões de natureza financeira que tomam. Ao optarem por investimentos
lucrativos, porém arriscados, ao invés de investimentos seguros, mas de baixa
rentabilidade, os indivíduos realizam escolhas de natureza financeira. Também o
fazem ao optar por consumir no presente ao invés de poupar, ou, ainda, ao
antecipar o consumo futuro mediante a contratação de financiamentos.
Sobre ações dessa natureza, cabe perguntar quão conscientes estão dos riscos
envolvidos, se efetivamente avaliaram a relação custo-benefício de suas decisões,
quais as implicações financeiras de suas decisões.
Além disso, também é importante compreender a forma como ocorreu a avaliação,
se e quais os conceitos que as pessoas detêm para essa tomada de decisão e,
principalmente, se e como a educação financeira colabora na qualidade de suas
ações. Sintetizando, questiona-se se e como a formação formal em disciplinas
ligadas a finanças tem efeitos práticos na forma pela qual as pessoas tomam suas
decisões de consumir e poupar.
Durante o artigo utiliza-se o termo „educação financeira‟, que os autores norte-
americanos utilizam como “financial literacy”. Segundo Berverly e Burkhalter (2005:
pg. 121), “refere-se ao conhecimento e habilidades dos indivíduos relacionadas ao
gerenciamento do dinheiro.”

2. Revisão Bibliográfica
2.1 Educação Financeira
Em Jacob et al (2000, p.8), o termo financeira “aplica-se a uma vasta escala de
atividades relacionadas ao dinheiro nas nossas vidas diárias, desde o controle do
cheque até o gerenciamento de um cartão de crédito, desde a preparação de um
orçamento mensal até a tomada de um empréstimo, compra de um seguro, ou um
investimento.”
Enquanto que, educação “implica o conhecimento de termos, práticas, direitos,
normas sociais, e atitudes necessárias ao entendimento e funcionamento destas
tarefas financeiras vitais. Isto também inclui o fato de ser capaz de ler e aplicar
habilidades matemáticas básicas para fazer escolhas financeiras sábias.”
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 52
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Neste artigo, será considerado que o indivíduo teve educação financeira, do ponto
de vista formal, se o mesmo cursou disciplinas correlatas na graduação, como
Matemática Financeira e Administração Financeira e Orçamentária e/ou Mercado
Financeiro e de Capitais, formando base teórica que o capacite a decisões de
melhor qualidade. O pressuposto é que quanto mais avançado no curso de
graduação estiver o aluno, portanto quanto mais disciplinas correlatas à área
financeira o mesmo houver cursado, maior será o seu nível formal de educação
financeira.
A importância da educação financeira pode ser vista sob diversas perspectivas: sob
a perspectiva de bem estar pessoal, jovens e adultos podem tomar decisões que
comprometerão seu futuro; as conseqüências vão desde desorganização das contas
domésticas até a inclusão do nome em sistemas como SPC/ SERASA (Serviço de
Proteção ao Crédito), que prejudicam não só o consumo como, em muitos casos, na
carreira profissional. Outra perspectiva, de conseqüências mais graves, é a do bem
estar da sociedade. Em casos extremos, pode culminar no sobrecarregamento dos
já precários sistemas públicos, ou ocasionando políticas públicas de correção;
alguns exemplos seriam o aumento ou a mera existência de impostos e
contribuições com a finalidade de, mediante programas compensatórios, equilibrar
orçamentos deficientes de indivíduos não necessariamente pobres, ou ainda, o
aumento da taxa básica de juros para conter consumo e diminuir taxa de inflação,
bem como a dependência total de sistemas como SUS e INSS.
Segundo Braunstein e Welch (2002), em um artigo do boletim do Federal Reserve, a
administração ineficiente do dinheiro deixa os consumidores vulneráveis a crises
financeiras mais graves. Sobre a perspectiva mais ampla, as autoras colocam que
as operações de mercado e as forças competitivas ficam comprometidas quando
consumidores não têm habilidade para administrar efetivamente suas finanças.
Quando os agentes são bem informados, o mercado se torna mais competitivo e
mais eficiente.
Há uma grande e variada oferta de produtos financeiros disponível no mercado.
Além do avanço da tecnologia em geral, a Internet é especialmente responsável pela
expansão e sofisticação dessa oferta. Juntamente com novos produtos, essas
inovações também tornaram maior a disponibilidade e acessibilidade a informações.
Contudo, de acordo com Braunstein e Welch (ibid), para se beneficiar dessas
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 53
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
inovações os consumidores precisam de um nível básico de conhecimento sobre
finanças não somente para identificar e acessar as informações que lhe são
pertinentes, como também para saber avaliar a fonte dessas informações.
Nos Estados Unidos, a preocupação com educação financeira é crescente. Tendo
em vista o grande número de inadimplências, falências e conseqüências da má
administração das finanças domésticas na economia, instituições públicas e
privadas vêm estudando essa situação e maneiras de implementar programas
educativos para a população, iniciando nas escolas primárias.
Conforme apresentado no trabalho do Federal Reserve (Braunstein e Welch, 2002),
os objetivos são encontrar as melhores práticas de ensino, os locais de maior
abrangência, o público-alvo.
Assim, é possível encontrar diversos estudos e pesquisas sobre o assunto (como os
apresentados a seguir).
Em pesquisa realizada na Universidade Texas A&M University-Commerce (AVARD
ET al., 2005) com alunos do primeiro ano da graduação, aplicou-se um questionário
com 20 questões sobre finanças. Verificou-se que dos 407 respondentes, 92% dos
alunos tiveram um aproveitamento abaixo de 60%; o melhor aluno acertou 80% das
questões e a média de acerto foi de 34,8%.
Segundo os autores, os testes validam a idéia de que o ensino de nível médio não
provê conhecimentos sobre finanças e talvez as universidades poderiam suprir esta
necessidade incluindo os conhecimentos de finanças como parte integrante do
programa geral de educação e tornando obrigatório um curso de finanças pessoais
para todos os alunos.
Em outra pesquisa de maior abrangência, realizada nos Estados Unidos, Chen e
Volpe (1998) verificaram que os alunos das 924 faculdades pesquisadas
responderam corretamente, em média, 53% das questões. O principal ponto de
dificuldade parece ser em relação às decisões de investimento; os alunos acertaram,
em média, somente 40% das questões.
Os autores, então, baseando-se nos resultados da pesquisa e em estudos
realizados nas três últimas décadas, chegaram à conclusão de que existe uma falha
no sistema educacional do país em relação à educação financeira, que pode afetar
as decisões financeiras destes alunos.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 54
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Enfim, a conscientização da população é necessária e a educação financeira pode
ajudar as pessoas a terem consciência de todas as variáveis envolvidas numa
decisão e fornecer instrumentos para uma tomada de decisão eficiente.
Porém, ainda que conhecendo os conceitos corretos, sabe-se que há outros fatores
que afetam os indivíduos. Autores, como Vitt (2004), acreditam que a decisão de
consumo é afetada por aspectos psicológicos, físicos, e por valores sociais que
estão baseados em sentimentos e emoções.
Para a avaliação das respostas do questionário, foram utilizadas como parâmetro as
respostas mais eficientes dentro da abordagem de finanças e matemática
financeira. Nas perguntas sobre comportamento, se o indivíduo responde
corretamente ao conceito, mas nas perguntas práticas toma decisões ineficientes do
ponto de vista econômico tradicional, talvez a explicação possa ser encontrada nos
aspectos citados por Vitt.

3. Metodologia
Realizou-se uma pesquisa exploratória qualitativa, com aplicação de survey, com
alunos dos cursos de graduação em Administração e em Ciências Contábeis, na
Faculdade Independente Butantã. Buscou-se detectar as habilidades em reconhecer
e manipular conceitos chave em finanças, bem como as atitudes em relação ao risco
e ao consumo, além das características sócio-econômicas da população
pesquisada. Com base nessas informações, efetuou-se a comparação dos
resultados por ano do curso.
Trata-se de uma amostra não probabilística, selecionada por conveniência devido à
presença de um dos autores dentro da Faculdade Independente Butantã. A amostra
total foi de 122 alunos; sendo 67 destes do curso de graduação em Administração,
distribuídos no 3º (19 alunos), 4º (39 alunos) e 8º (9 alunos) semestres; e 55 alunos
do curso de Ciências Contábeis, sendo 39 cursando o 4º semestre e 16, o 6º
semestre.
A coleta de dados é estruturada, não disfarçada, aplicada pessoalmente. O
questionário apresenta 23 perguntas, versando sobre conceitos de finanças, nível de
conhecimento, perfil do respondente e decisões de consumo e investimento dos
respondentes.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 55
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
A análise dos dados foi feita por meio de avaliação estatística com base no
software SPSS, comparando os resultados por alunos nos diferentes estágios do
curso de graduação, de acordo com as variáveis propostas a seguir.
As decisões de consumo e poupança são influenciadas por diversos fatores, neste
trabalho serão focadas as seguintes variáveis:
• Nível de conhecimento sobre educação financeira: trata-se de conhecimentos
básicos como liquidez de ativos, valor do dinheiro no tempo, efeito da incidência de
juros compostos, custo de financiamento, fluxo de caixa, orçamento e risco. Estes
conceitos serão mensurados por meio de questões objetivas;
• Atitude dos indivíduos em relação às decisões financeiras: trata-se das reações
dos indivíduos em sua vida prática. Esta variável tem por objetivo avaliar se há
outros fatores que influenciam as decisões de consumo e poupança; ou seja, se
apesar dos conhecimentos em finanças, os indivíduos tomam decisões não
necessariamente eficientes.
Complementarmente, busca-se conhecer também o perfil dos indivíduos (o
entendimento da situação financeira não só do pesquisado, como também de sua
família, além do nível de educação de seus pais). O mapeamento do perfil pode
ajudar a complementar a explicação sobre as atitudes e também sobre o próprio
nível de educação financeira dos indivíduos.
A seguir, será definido o que será médio nas questões sobre conceitos e
comportamento dos respondentes ao aplicarem estes conceitos em suas vidas
práticas:
A questão número 1 aborda a auto-percepção dos entrevistados quanto ao seu nível
de conhecimentos sobre educação financeira, bem como seu grau de segurança
para a tomada de decisões sobre o assunto.
A questão número 2 busca apurar de que forma foram adquiridos os conhecimentos
dos pesquisados sobre o assunto, reconhecendo que tal aprendizado não se dá a
partir de uma única fonte, mas de diversas experiências ao longo da vida.
As questões que buscam testar os conceitos aprendidos pelos respondentes são as
de número 3, 5, 7, 9 e 11.
No caso da questão 3, busca-se apurar se as pessoas têm consciência de que
investimentos têm níveis diferenciados de liquidez. A resposta esperada é a
alternativa que indica bens móveis e imóveis como os menos líquidos, já que as
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 56
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
demais alternativas indicam ativos de natureza financeira que, em condições
normais, são mais líquidos que bens materiais.
A questão 5 verifica a aplicação prática de um conceito fundamental em finanças,
que é o valor do dinheiro no tempo. A resposta correta é a alternativa “c”, na qual o
respondente reconhece que somas monetariamente iguais de recursos, mas
aplicadas em momentos distintos, geram resultados distintos.
A questão de número 7 busca compreender se os pesquisados têm a percepção de
que dívidas têm custos financeiros (sendo a resposta correta a alternativa “d”), na
qual o respondente reconhece que dívidas “roladas” representam custos financeiros
mais elevados.
Já a questão 9 avalia se o pesquisado tem a noção de que a antecipação de
consumo está associada a um ônus (juros), na qual a resposta correta é dada pela
alternativa “a”.
Por último, a questão 11 busca determinar se o pesquisado tem a noção de
planejamento financeiro e poupança, cuja resposta correta é dada pelo item “b”.
As questões de número 4, 6, 8, 10, 12 e 23 compõem o grupo de testes sobre a
atitude dos pesquisados.
No caso da questão 4, busca-se medir sua propensão ao risco.
A sexta questão verifica a atitude dos respondentes no que se refere à propensão a
poupança. As respostas apresentam-se em ordem decrescente de tendência a
guardar recursos, sendo a alternativa “a” a resposta esperada dos mais propensos à
prevenção, enquanto a alternativa “d” seria a opção esperada para os mais
consumistas.
A questão 8 avalia a atitude do pesquisado em face do problema prático
apresentado na questão 7, isto é, da percepção de que dívidas têm custos
financeiros.
A questão 10 busca verificar a posição que o pesquisado adotaria em face de uma
situação como a apresentada na questão 9, ou seja, se o pesquisado tem a noção
de que a antecipação de consumo está associada a um ônus (juros).
A questão 12 avalia qual a noção que pesquisado tem de ativo que oferece maior
segurança.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 57
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Das questões relacionadas à atitude dos pesquisados, a questão 23 busca avaliar a
atitude frente ao endividamento, indo da aversão às dividas ao endividamento
irresponsável, passando pelo endividamento responsável.
Por fim, as questões 13 a 22 visam determinar o perfil sócio-econômico do
pesquisado.

4. Análise dos Resultados


Para a primeira das variáveis pesquisadas, nível de conhecimento sobre educação
financeira, utilizou-se como indicador o número de disciplinas semestrais cursadas
que estivessem ligadas à área de finanças ao longo do curso de graduação.
Assim, no caso dos alunos do curso de Administração, os alunos do 3º semestre não
cursaram nenhum semestre completo de disciplinas correlatas a finanças; os alunos
do 4º semestre cursaram um semestre completo (Matemática Financeira),
enquanto os alunos do 8º semestre cursaram quatro semestres completos em
disciplinas ligadas à área financeira (dois semestres de Matemática Financeira e
dois de Administração Financeira e Orçamentária).
Já no curso de Ciências Contábeis, os alunos do 4º semestre cursaram apenas um
semestre completo em disciplina relacionada à área financeira (Matemática
Financeira), enquanto os do 6º semestre cursaram três semestres completos
(Matemática Financeira, Administração Financeira e Orçamentária e Mercado
Financeiro e de Capitais). Foram desconsideradas as disciplinas cujo semestre
estivesse em andamento.
A análise preliminar dos dados indica que o nível de compreensão dos conceitos
financeiros é de fato diretamente proporcional ao nível de educação financeira,
medida pelo número de disciplinas correlatas cursadas, conforme a análise de cada
uma das questões (demonstrada a seguir).
Na questão 3, que explora o conceito de liquidez dos ativos, os grupos que tiveram 3
ou 4 disciplinas de finanças acertaram, respectivamente, 55,6 e 68,8%. Já os grupos
que tiveram 1 ou nenhuma disciplina correlata, apresentaram acerto relativamente
próximo de 45,0 e 40,3%.
A questão 5, que trata do valor do dinheiro no tempo, também indica uma correlação
positiva entre a compreensão do conceito e o nível de disciplinas cursadas,
apresentando um nível de acerto crescente: 50,0% para 0 disciplinas cursadas;
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 58
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
75,3% para 1 disciplina; 68,8% para 3 disciplinas e 88,9% para 4 disciplinas. O
elevado nível de acerto para o grupo que cursou apenas uma única disciplina pode
ser explicado pelo fato de tratar-se justamente da disciplina de matemática
financeira, na qual o conceito em questão é apresentado e explorado em
profundidade, e justamente no semestre letivo imediatamente anterior à pesquisa. O
salto percentual no nível de acerto, de 50% para 75,3%, indica um impacto
significativo da educação financeira na compreensão do conceito em questão.
A questão 7, que avalia se os pesquisados têm a percepção de que dívidas têm
custos financeiros, apresenta resultados levemente crescentes de acerto em relação
ao nível de disciplinas cursadas (70,0% – 0 disciplinas; 75,3% - 1 disciplina; 87,5% -
3 disciplinas; 77,8% - 4 disciplinas), corroborando com os resultados obtidos nas
questões anteriores, ainda que de maneira menos incisiva. É possível notar que o
resultado dos que cursaram 4 disciplinas, apesar de representar um decréscimo em
relação ao grupo anterior (de 3 disciplinas cursadas), ainda assim é superior aos que
cursaram apenas uma ou nenhuma disciplina.
A mesma situação pôde ser encontrada nas respostas à questão 11, que avalia a
noção de planejamento financeiro dos pesquisado, em que os resultados corretos
também crescem em função do número de disciplinas cursadas (55,0% – 0
disciplinas; 74,0% - 1 disciplina; 93,8% - 3 disciplinas; 77,8% - 4 disciplinas); também
corrobora com os resultados obtidos nas questões anteriores. Note que o resultado
dos que cursaram 4 disciplinas, a exemplo da questão 7, apesar de representar um
decréscimo em relação ao grupo anterior (3 disciplinas), ainda assim é superior aos
que cursaram apenas uma ou nenhuma disciplina.
Finalmente, os resultados da questão 9 foram os únicos em que a tendência inversa
foi parcialmente observada: 85% dos que cursaram zero disciplina acertaram a
questão, enquanto os demais alunos acertaram em torno de 60%, sem uma
tendência clara quanto à influência das disciplinas cursadas. Um retorno ao campo
apresentou indícios de que a forma de redação da questão induziu à resposta
errada, apesar do raciocínio correto por parte do respondente. Além disso, alguns
respondentes teriam entendido a questão 9 como sendo uma pergunta sobre que
atitude tomariam, já que a questão anterior era de natureza semelhante, o que
também explicaria os resultados. Por essas razões, não foi possível considerar o
nível de acertos da questão 9 na análise; o que não compromete os resultados da
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 59
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
pesquisa, já que as quatro outras questões fornecem altos indícios de que quanto
maior o nível de educação financeira, maior o domínio dos conceitos fundamentais
de finanças.
Para a segunda das variáveis pesquisadas, a atitude dos indivíduos em relação às
decisões financeiras, busca-se verificar se o nível de conhecimento influencia na
qualidade das decisões financeiras tomadas pelas pessoas, ou seja, na prática
como aplicam a teoria.
Para avaliar essa variável, buscou-se mapear qual a atitude dos respondentes que
acertaram as questões conceituais e se há diferenças para os que erraram.
Preliminarmente, verificou-se o nível de segurança dos respondentes em relação às
questões financeiras, bem como seu apetite por risco.
No que se refere à segurança para lidar com questões financeiras, 42,6% dos
respondentes se consideram razoavelmente ou muito seguro, enquanto que 54,3%
manifestaram-se como não muito ou nada seguros sobre o tema. Os demais, 2,5%,
não responderam.
No que tange ao perfil de risco, 15,6% disseram ter um apetite significativo por
riscos, enquanto 34,4% até aceitam algum risco em troca de um maior retorno. Já 32
% são conservadores e priorizam a segurança em detrimento da rentabilidade,
enquanto 18% apresentaram-se como extremamente avessos ao risco.
Curiosamente, ao cruzar o perfil de risco com a auto-avaliação, não se percebe
nenhuma tendência indicando que quanto maior o nível de conhecimento (auto-
avaliado), maior o apetite por risco; ao contrário, os dois aspectos parecem não se
correlacionar.
Na questão 5, o conceito avaliado estava ligado à vantagem financeira da
antecipação na formação de poupança para fins de aposentadoria. Já a atitude
prática em relação ao assunto era verificada na questão seguinte. Acertaram a
questão 71,3% dos respondentes; destes, 75,8% ou já tem plano de aposentadoria
(28,7%) ou pretendem começar (47,1%), denotando atitudes razoáveis em relação
ao conceito avaliado. Entretanto, dentre os que erraram a questão, 67,7% dos
respondentes ou já tem plano de aposentadoria (35,3%) ou pretendem começar
(32,4%).
Esses dados parecem indicar que o domínio do conceito faz diferença na intenção
de iniciar a poupança para aposentadoria (47,1% contra 32,4%), mas isso não
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 60
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
necessariamente faz diferença na hora de levar a intenção à prática (28,7% contra
35,3%), principalmente considerando que não há diferenças relevantes nas faixas
etárias dos dois grupos.
Na questão 7, que trata conceitualmente dos efeitos financeiros da rolagem de
dívidas (no caso, de cartão de crédito), tem-se que 76,2% optaram pela resposta
correta. Na questão 8, que avalia qual a atitude efetivamente adotada pelo
pesquisado sobre o assunto, apurou-se que 76,3% dos que responderam
corretamente à anterior têm como atitude procurar pagar sempre o saldo devedor
total, evitando entrar no crédito rotativo. Desse modo, pode-se afirmar que há sim
coerência entre o domínio do conceito e sua aplicação prática.
Dentre os que erraram a questão anterior, apenas 62,1% evitam entrar no crédito
rotativo, o que denota que a deficiência no conceito piora, ainda que pouco, a
qualidade da decisão.
Por fim, na questão 9, na qual foi testada a ciência quanto ao custo de comprar
financiado de imediato contrapondo-se ao benefício financeiro de poupar para
comprar no futuro, têm-se que, pela existência de indícios de que parte relevante
dos erros pode ter sido causada pela redação da questão, conforme explicitado
anteriormente, optou-se pela utilização apenas os dados dos que acertaram a
resposta (63,1%) e, ainda assim, apenas para fins de cruzamento com questão 10.
Nessa questão buscou-se aferir a atitude efetiva dos respondentes frente ao
consumo financiado.
Para os que acertaram a questão 9, temos que 63,6% dos respondentes à questão
10 entendem como sendo a melhor alternativa poupar integralmente antes de
adquirir o bem, enquanto 28,6% acham razoável o meio termo: poupar por algum
tempo, para diminuir o financiamento, mas sem adiar demais o consumo.
O cruzamento, no entanto, dos dados das questões 10 e 23, percebe-se que apenas
26,9% dos que indicaram que poupar seria a melhor alternativa não têm, de fato,
dívidas. Ou seja, os demais têm algum tipo de endividamento, ainda que planejado
e/ou de longo prazo (56,4%), o que denota que a consciência quanto ao custo de
comprar financiado não leva necessariamente a uma atitude avessa ao
endividamento, e ainda evita o endividamento irresponsável – já que apenas 12,8%
declararam ter dívidas que não sabem como irão pagar.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 61
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
5. Conclusões
A análise dos dados indica que o nível de conhecimento dos conceitos financeiros é
diretamente proporcional ao nível de educação financeira, no que tange somente o
número de disciplinas ligadas à área de finanças cursadas na graduação.
Sobre atitude, pode-se confirmar, como era esperado, que o nível de conhecimento
influencia a qualidade das decisões financeiras tomadas pelas pessoas. Percebe-se
que as respostas são coerentes com os conceitos; ou seja, como regra geral, os
respondentes não apenas dominam os conceitos mínimos, mas também os aplicam
de maneira razoável. Em alguns casos, como no exemplo da poupança para
aposentadoria, o domínio do conceito não implica necessariamente em sua
aplicação prática, mas pelo menos em uma consciência quanto à necessidade de
prevenção.
No que se refere à rolagem de dívidas de cartão de crédito, a aplicação prática é
coerente com o conceito correto. Além disso, a maioria mostrou-se consciente sobre
a existência de custos em uma dívida, além do valor devido em si.
Já em relação a endividamento, a atitude prática mostrou-se diferente do conceito
(69,3% dos que disseram que seria melhor poupar antes de consumir, disseram
estar endividados).
Contudo, desses, a maioria declarou-se com dívidas planejadas, e/ou de longo
prazo, e em dia.
Portanto, para essa amostra, o conhecimento em conceito sobre finanças
aprendidos na universidade influencia positivamente na qualidade da tomada de
decisões financeiras, mesmo sem uma avaliação da qualidade do ensino.
Uma limitação do trabalho é a dificuldade em se mensurar, seja por meio de
questões, seja com os resultados já obtidos, a fração da educação financeira não
decorrente das disciplinas cursadas na graduação; ou seja, o quanto do nível de
conhecimento decorre da educação financeira obtida em outras fontes além da
universidade. Por isso, apesar do reconhecimento da existência dessas outras
fontes, só foi possível detectar a relação conhecimento versus número de disciplinas
cursadas.
Os resultados apresentados neste trabalho são preliminares e, servirão para balizar
a segunda fase de análises, cujo foco principal será buscar elementos referentes a

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 62
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
outros fatores que influenciam as decisões financeiras, além do conhecimento
específico.

6. Referências Bibliográficas
AVARD, Stephen et al. The financial knowledge of College Freshmen. College
Student Journal, Jun 2005.

BERVERLY, Sondra G. e BURKHALTER, Emily K. Improving the Financial


Literacy and Practices of Youths. Children & Schools, Vol. 27. n. 2, Abr/2005.

BRAUNSTEIN, Sandra e WELCH,Carolyn. Financial Literacy: An Overview of


Practice, Research, and Policy. Federal Reserve Bulletin. Nov, 2002.

CHEN, Haiyang eVOLPE, Ronald P. An analysis of personal financial literacy


among college students. Financial Services Review; 1998;

JACOB, Katy et al. Tools for survival: An analysis of financial literacy programs fo
lower-income families. Chicago: Woodstok Institute, Jan/2000.

VITT, Lois A. Consumers' Financial Decisions and the Psychology of Values.


Journal of Financial Service Professionals, Nov/2004.

ANEXO I
QUESTIONÁRIO DE PESQUISA
1.Como você sente a respeito dos seus conhecimentos para gerenciar seu próprio
dinheiro?
a. Nada seguro – Eu gostaria de possuir um nível muito melhor de educação
financeira
b. Não muito seguro – Eu gostaria de saber um pouco mais sobre finanças
c. Razoavelmente seguro – Eu conheço a maioria das coisas que eu precisaria
saber sobre o assunto
d. Muito seguro – Eu possuo conhecimentos bastante amplos sobre finanças
2. Onde você adquiriu a maior parte dos seus conhecimentos para gerir o seu
dinheiro? Preencha as lacunas por ordem decrescente de importância (1 – mais
importante, 2- importância média-alta, 3- importância média...).
___ Em casa com a família ___ De conversas com amigos
___ Em aulas na faculdade
___ De revistas, livros, TV e o rádio ___ De minha experiência prática
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 63
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
3. Muitas pessoas guardam dinheiro para despesas inesperadas. Se Susana e Júlio
César têm guardado algum dinheiro para emergências, qual das seguintes formas
seria a menos eficiente para o caso deles precisarem do recurso com urgência?
a. Poupança ou Fundos de Investimento b. Ações ou Dólar c. Conta-corrente d.
Bens (Carro, moto, imóvel...)
4. Se você tivesse recursos para investir, sem ter um prazo definido para resgatar,
com qual das alternativas abaixo você mais se identificaria como aplicador?
a. Ações, pois agrada-me a possibilidade altos ganhos, mesmo sabendo do risco
elevado de perdas
b. Fundos de investimento de risco médio, pois quero um rendimento razoável, ainda
que com algum risco
c. Poupança, pois priorizo a segurança em relação ao rendimento d. Bens (Carro,
moto, imóvel...), pois a segurança para mim é a coisa mais importante.
5. Ronaldo e Daniela têm a mesma idade. Aos 25 anos, ela começou a aplicar R$
1.000,00 por ano, enquanto o Ronaldo não guardava nada. Aos 50, Ronaldo
percebeu que precisava de dinheiro para sua aposentadoria e começou a aplicar R$
2.000,00 por ano, enquanto Daniela continuou poupando seus R$ 1.000,00. Agora
eles têm 75 anos. Quem tem mais dinheiro para sua aposentadoria, se ambos
fizeram o mesmo tipo de investimento?
a. Eles teriam o mesmo valor, já que na prática guardaram as mesmas somas
b. Ronaldo, porque poupou mais a cada ano
c. Daniela, porque seu dinheiro rendeu por mais tempo a juros compostos.
6. Em relação à sua aposentadoria, qual das alternativas abaixo melhor representa
sua situação?
a. Não me preocupei com isso ainda
b. Pretendo ter apenas a aposentadoria do governo
c. Faço um plano de previdência/poupança própria para aposentadoria
d. Tenho planos de começar a poupar para isso
e. Não vejo necessidade de poupar para minha aposentadoria
7. Qual das pessoas pagaria mais em despesas financeiras por ano se elas
gastassem a mesma quantia por ano em seus cartões de créditos?
a. Ellen, que sempre paga todo o saldo do cartão de crédito no vencimento.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 64
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
b. Pedro, que geralmente paga todo o saldo do cartão de crédito no vencimento,
mas ocasionalmente paga só o mínimo, quando está sem dinheiro.
c. Luís, que paga pelo menos o mínimo todo mês e um pouco mais quando tem
alguma folga.
d. Nanci, que sempre paga o mínimo
8. Como você acha que agiria?
a. Penso que minha atitude seria mais parecida com a de Ellen
b. Penso que minha atitude seria mais parecida com a de Pedro
c. Penso que minha atitude seria mais parecida com a de Luis
d. Penso que minha atitude seria mais parecida com a de Nanci
9. Dirceu e Roberto são jovens que têm o mesmo salário. Ambos desejam comprar
um carro no valor de R$ 10.000,00. Quem pagou mais pelo bem?
a. Dirceu, que comprou hoje, financiando o saldo devedor por 24 meses
b. Roberto, que preferiu poupar por 15 meses, mas comprou o carro à vista
10. Se tivesse que tomar a mesma decisão, qual a melhor alternativa na sua visão?
a. Ter o carro imediatamente e pagar por ele durante 24 meses, como fez Dirceu
b. Poupar por 15 meses para comprá-lo à vista, sem dívida, como fez Roberto
c. Ficar no meio termo, guardando dinheiro por uns 8 meses e financiando o resto
em 8 prestações.
11. José ganha R$ 1.000,00 por mês. Paga R$ 300,00 de aluguel e mais R$ 200,00
de alimentação todo mês. Gasta ainda R$ 100,00 em transportes, R$ 50,00 em
roupas, R$ 50,00 em remédios e mais R$ 100,00 em pequenas despesas extras.
Pretende comprar uma TV que custa R$ 800,00. Quanto tempo ele levará
guardando recursos para comprar a TV?
a. 2 meses
b. 4 meses
c. 6 meses
d. 8 meses
12. Qual dos investimentos abaixo você julga que melhor protegeriam uma família
em caso de desemprego?
a. Depósito em conta-corrente
b. Uma aplicação financeira, como por exemplo um fundo de investimentos
c. Aplicações em bens como carro ou imóvel
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 65
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
13. Qual ano da faculdade você está cursando? a. Primeiro ano b. Segundo c.
Terceiro d. Quarto
14. Sexo
a. Masculino
b. Feminino
15. Idade a. Até 20 anos b. De 21 a 30 anos c. De 31 a 40 anos d. Acima de 40 anos
16. Estado Civil
a. Solteiro b. Casado/União Estável
c.Separado/Divorciado d.Outros
17. Qual a sua faixa de renda mensal líquida pessoal?
a. Até R$ 500,00
b. R$ 500,01 até R$ 1.000,00
c.R$ 1.000,01 até R$ 1.500,00
d. R$ 1.500,01 até R$ 2.500,00
e. Acima de R$ 2.500,00
18. Qual sua faixa de renda mensal líquida familiar?
a. Até R$ 500,00
b. R$ 500,01 até R$ 1.000,00
c. R$ 1.000,01 até R$ 1.500,00
d. R$ 1.500,01 até R$ 2.500,00 e. R$ 2.500,01 até R$ 4.000,00 f. Acima de R$
4.000,00
19. Qual o percentual da sua renda pessoal que você destina para os seguintes
itens? Assinale as lacunas com o percentual
aproximado destinado a cada item.
___ Despesas Gerais (alimentação, água, luz, telefone, moradia, plano de saúde,
etc.)
___ Despesas Pessoais (lazer, vestuário, etc.)
___ Poupança e Investimento
___ Financiamento e prestações para aquisição de bens
___ Complemento do orçamento familiar (se você não é a principal fonte de renda,
mas ainda assim ajuda em casa)
___ Outros. Cite: _________________
20. Qual sua fonte principal de renda?
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 66
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
a. Emprego Formal
b.Emprego Informal c.Não trabalha d.Outros. Cite: _________________
21. Assinale quais as pessoas que residem com você? Marque mais de uma
resposta se for o caso.
___ Pais
___ Cônjuge/Companheiro(a)
___ Filhos
___ Outros
22. Qual o maior grau de escolaridade dos seus pais?
a. Ensino Fundamental Incompleto
b. Ensino Fundamental Completo
c. Ensino Médio Incompleto
d. Ensino Médio Completo
e. Ensino Superior Incompleto
f. Ensino Superior Completo
g. Pós-graduação Completo ou Incompleto
23. Você tem algum tipo de dívida (empréstimos, financiamentos, rotativo do
cartão)?
a. Sim, tenho, mas trata-se de financiamento de longo prazo, cuja prestação eu
sempre procuro pagar em dia
b. Sim, tenho, mas não sei bem quando nem como irei pagá-las
c. Sim, mas vou pagá-las em pouco tempo, já que tomei o cuidado de calcular na
ponta do lápis como e quando iria quitá-las
d. Não, não tenho dívidas pessoais. Sempre faço o planejamento necessário para
comprar à vista e com desconto.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 67
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA INTERVALAR: análise
intervalar de investimentos

Gabriella do Carmo Pantoja Duarte


Depto de Informática e Matemática Aplicada, CCET, UFRN

Resumo:
O seguinte trabalho apresenta um estudo de como aplicar os conceitos da
matemática intervalar, uma teoria cujo foco é o tratamento de imprecisões, a alguns
conceitos de análise de investimento da matemática financeira tradicional. Aborda
as razões pelas quais a matemática intervalar é considerada tão importante, bem
como suas características e definições, além de mostrar como sua aderência aos
conceitos financeiros pode servir para o aprimoramento de resultados empresariais.
Palavras-chave: matemática financeira intervalar, análise intervalar de
investimentos, matemática intervalar, matemática financeira.

1 Introdução
O sucesso de um processo de tomada de decisão consiste na capacidade de
antecipar os acontecimentos futuros. Tal processo reflete a essência da dinâmica
empresarial, na qual o êxito de qualquer negócio depende da qualidade das
decisões tomadas por seus administradores. Estas são embasadas em dados e
informações levantados a partir do comportamento do mercado e do desempenho
interno da empresa. Entretanto, esse processo decisório assume certas
complexidades e riscos, uma vez que vigora em um ambiente de incertezas.
Desequilíbrios nas taxas de juros, competitividade acirrada, desajustes de mercado,
dentre outros fatores exigem uma maior capacidade analítica das unidades
decisórias com relação aos riscos que corre uma empresa.
Tem-se a matemática financeira como uma forte aliada no auxílio da maximização
e qualificação de resultados empresariais. No entanto, apurar de modo exato e,
conseqüentemente, seguro os custos de uma empresa torna-se uma tarefa difícil,
devido à imprecisão e variabilidade dos fatores necessários para tal.
Tradicionalmente, a incerteza na economia e nas finanças é descrita por modelos
estatísticos. Essa descrição é a base da matemática financeira atual.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 68
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Contudo, em muitos casos seria mais viável obter uma solução contida em um
intervalo, uma vez que nem sempre é possível se ter conhecimento do valor exato
com o qual se deve trabalhar.
Assim, uma solução seria aplicar os conceitos da matemática intervalar, uma teoria
cujo foco é o tratamento de imprecisões, aos conceitos da matemática financeira,
ferramenta imprescindível na análise de gestão empresarial.

2 Matemática Intervalar
A matemática intervalar surgiu no final da década de 50 com Ramon E. Moore [13]
visando dar suporte a problemas que lidam com a incerteza. Os números
representados como intervalos servem como controladores da propagação do erro,
uma vez que garantem que a resposta correta de determinado problema pertence ao
intervalo obtido. Desse modo, pode-se afirmar que sua utilização consiste no
controle rigoroso da propagação dos erros dos dados e parâmetros iniciais ao longo
do processo computacional provocada por sucessivos erros de arredondamentos
e/ou truncamentos.
O sistema de ponto flutuante dos computadores atuais não é capaz de representar
exatamente os números reais, tampouco os resultados de operações com esses
números. Esse tipo de representação apresenta diversas desvantagens, dentre elas
[12]:
a. Ausência de controle de erros nas computações numéricas, fato que, muitas
vezes, proporciona resultados errôneos com a aparência de serem corretos. Isto é, o
procedimento é realizado corretamente, entretanto o resultado perde o significado
em virtude da inexatidão da representação numérica e de arredondamentos e/ou
truncamentos aplicados nas operações;
b. Ausência de métodos responsáveis por julgar ou estabelecer a qualidade dos
resultados gerados por operações em ponto flutuante;
c. A variedade de sistemas existentes em ponto flutuante disponível no mercado, o
que acarreta o fato de que cálculos efetuados em máquinas distintas proporcionam
resultados distintos.
Atualmente, os computadores modernos desempenham as operações básicas em
ponto flutuante com um alto grau de exatidão, no entanto os resultados de algumas
computações podem se apresentar de maneira demasiadamente errônea.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 69
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Esse tipo de exemplo nos leva a crer que a computação em ponto flutuante pode ser
extremamente perigosa, principalmente se for considerado que vidas podem
depender de aplicações computacionais que levam a resultados incorretos. O Míssil
Patriot (1991), o acidente na plataforma Sleipner (1991) e a explosão do foguete
Ariane5 (1996) são exemplos marcantes de problemas de representação. Tais
catástrofes são resultado da limitação da máquina em não conseguir tratar os
números em toda a sua extensão, visto que a representação do número real não
pode ser feita de forma finita. Com isso, o uso da matemática intervalar torna-se
uma forte alternativa na resolução de problemas caracterizados pela falta de
exatidão.

2.1 Definições Básicas da Matemática Intervalar


2.1.1 Intervalo de Números Reais
Um intervalo de reais é uma representação da forma A = [a; b], em que a e b
pertencem ao conjunto dos números reais R, e tal que a ≤ b. Logo, o conjunto {x ∈ R
/ a ≤ x ≤ b} é um intervalo de números reais ou simplesmente um intervalo.
A = [a; b] = {x ∈ R / a ≤ x ≤ b}
Sabendo-se que um intervalo é representado por um par de elementos em que o
primeiro elemento do par representa o limite inferior e o segundo, o limite superior,
quando esses dois extremos são iguais, o intervalo é dito degenerado. Dessa
forma, o intervalo [2; 2] apenas representa o número real 2, uma vez que o único
elemento desse intervalo é o próprio número 2.
2.1.2 Conjunto IR
Define-se o conjunto IR como sendo o conjunto de todos os intervalos reais, ou
seja: IR = {[a; b] / a, b ∈ R, a ≤ b}
Assim, vale a seguinte cadeia de inclusões: N ⊆ Z ⊆ Q ⊆ R ⊆ IR.

2.2 Operações Aritméticas em IR


Sejam A = [a1; a2] e B = [b1; b2] ∈ IR, as operações aritméticas com intervalos são
executadas sobre os extremos de seus intervalos. Assim, as operações de soma,
subtração, multiplicação e divisão em IR são definidas por: A ⊕ B = {a ⊕ b/ a ∈ A ∧
b ∈ B}, em que ⊕ ∈ {+, -, /, *}. No caso da divisão, assume-se que 0 ∉ B para que a

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 70
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
operação seja bem definida. Assim, as operações entre os intervalos A e B são
dadas a seguir:
Soma Intervalar:
A + B = [(a1 + b1); (a2 + b2)]
Subtração Intervalar:
A – B = [(a1 – b2); (a2 – b1)]
Multiplicação Intervalar:
A * B = [min(a1 * b1, a1 * b2, a2 * b1, a2 * b2 ); max(a1 * b1, a1 * b2, a2 * b1, , a2 *
b2 )]
Divisão Intervalar:
B
A

2.3 Função Intervalar


Seja f: X → Y uma função.
X → F(X)
Se X = Dom(f) ⊆ IR e Y = CD(f) ⊆ IR, então diz-se que f é uma função intervalar de
uma variável intervalar.
2.3.1 Inclusão Monotônica
A inclusão monotônica é definida da seguinte forma [17]: sejam A e B dois
intervalos de números reais ∈ IR, se A ⊆ B, então F(A) ⊆ F(B). Tal propriedade é
importante, uma vez que admite que quanto menor for o erro nos dados de entrada,
menor será o erro do intervalo resultante.
2.3.2 Representação Intervalar
A representação intervalar (ou corretude) é definida da seguinte maneira [17]: uma
função intervalar F é correta com respeito a uma função real f se satisfaz a seguinte
propriedade: x ∈ [a; b]⇒ f(x) ∈ F([a; b]).
2.3.2.1 Representação Canônica Intervalar
Enquanto que a representação intervalar diz respeito à propriedade da corretude, a
representação canônica intervalar (CIR), além da corretude, diz respeito à
otimalidade, uma vez que sempre retorna o melhor intervalo contendo a imagem de
f.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 71
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Teorema 2.3.2.1.1 [10]: Seja f: R → R uma função real. Se f é uma função real não-
assintótica, então a função intervalar: CIR(f)([a; b]) = [min f([a; b]); max f([a; b])] é
bem definida e é uma representação intervalar chamada representação canônica
intervalar para f.
obs.: Uma função é dita assintótica se para qualquer intervalo [a; b], o conjunto {f(x) /
a≤x≤
b} ou não tem supremum ou não tem infimum.
2.3.3 Algumas Funções Intervalares Básicas
2.3.3.1 Função Quadrado Intervalar
Seja um intervalo de números reais A ∈ IR, em que A = [a; b]. Define-se o quadrado
de A como sendo: A² = {x² / x ∈ A}. E o quadrado do intervalo A é dado por [14]:
F: IR→ IR
A → F(A) em que:
F(A) = A² = [a; b]² =
2.3.3.2 Função Potência Intervalar
Seja um intervalo de números reais A ∈ IR, em que A = [a; b]. Define-se a função
potência intervalar de A como sendo: An = { xn / x ∈ A}.E é dada por [14]:
F: IR → IR
A → F(A) em que:
F(A) = An =
0 e par é se ],

3 - Matemática Financeira: Análise de Investimentos


Diariamente, diretores, gestores e controladores têm a tarefa de tomar decisões a
respeito de aspectos relacionados à empresa que dirigem. É imprescindível que uma
tomada de decisão de investimento empresarial passe previamente por uma análise
econômica, a qual deve ser idônea de definir, entre vários projetos, o mais rentável.
Assim, a análise de investimentos visa a permitir que o administrador financeiro tome
a decisão ótima, isto é, aquela que maximiza a riqueza do investidor, considerando a
vida útil do projeto envolvido.
Alguns métodos são utilizados para que seja feita essa análise de investimentos,
sendo os mais utilizados o Valor Presente Líquido (VPL) , a Taxa Interna de Retorno
(TIR) e a Análise Custo/Volume/Lucro (CVL).
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 72
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
3.1 Valor Presente Líquido
O método do Valor Presente Líquido (VPL) para análise de fluxos de caixa é obtido
através da diferença entre o valor presente dos benefícios (ou pagamentos)
previstos de caixa e o valor presente do fluxo de caixa inicial (valor do investimento).
O cálculo do VPL é expresso da seguinte forma [1]: em que FCj representa o valor
de entrada de caixa previsto para cada intervalo de tempo e FC0 é o fluxo de caixa
verificado no momento inicial.
Podem-se ter as seguintes possibilidades para o Valor Presente Líquido (VPL) de
um projeto de investimento:
• VPL>0: Significa que o investimento é economicamente atrativo, pois o valor
presente das entradas de caixa é maior que o valor presente das saídas de caixa;
• VPL = 0: O investimento é indiferente;
• VPL<0: Indica que o investimento não é economicamente viável.
Exemplo: Uma empresa está avaliando um investimento no valor de R$750.000,00
do qual se esperam benefícios anuais de caixa de R$250.000,00 no primeiro ano,
R$320.000,00 no segundo ano e R$380.000,00 no terceiro ano. A empresa definiu
que a taxa de desconto a ser aplicada aos fluxos de caixa do investimento é de 20%.
Assim, i = 0,2 e FC0 = R$750.000,00.
750.000 3 (1,2)
380.000 2 (1,2)
320.000 1 (1,2)
250.000
Como o valor do VPL é negativo, o investimento é considerado inviável.

3.2 Taxa Interna de Retorno


A Taxa Interna de Retorno (TIR) é a taxa de juros (desconto) a qual iguala, em
determinado momento do tempo, o valor presente das entradas (recebimentos) com
o das saídas (pagamento) previstas de caixa [1]. A Taxa Interna de Retorno (TIR)
pode ser calculada através da seguinte expressão [1]: em que FC0 é o valor do
investimento inicial, FCj são fluxos previstos de entradas de caixa em cada período
de tempo e i é a taxa de desconto que iguala, em determinada data, as entradas
com as saídas de caixa previstas. Em outras palavras, i representa a TIR.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 73
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
A Taxa Interna de Retorno de um investimento pode ser comparada com a Taxa
Mínima de Atratividade:
• TIR > TMA: Significa que o investimento é economicamente viável;
• TIR = TMA: O investimento está em uma situação econômica de indiferença;
• TIR < TMA: O investimento não é economicamente atrativo.
Exemplo: Uma empresa está avaliando um investimento de R$70.000,00 com
expectativa de benefícios de caixa de R$20.000,00 no primeiro ano, R$40.000,00 no
segundo ano, R$45.000,00 no terceiro ano e R$30.000,00 no quarto ano. Para
apurar a Taxa Interna de Retorno:
FC0 = R$70.000,00
4 3 2 1 i) (1 30.000 i)
(1 45.000 i)
(1 40.000 i)
(1 20.000 70.000)

Efetuando esse cálculo, apura-se uma Taxa Interna de Retorno i = 30% ao ano. Isso
quer dizer que ao se descontarem os vários fluxos previstos de caixa pela TIR
calculada, o valor atualizado será exatamente igual ao montante do investimento de
R$70.000,00.

3.3 Análise Custo/Volume/Lucro (CVL)


A Análise Custo/Volume/Lucro permite que seja examinado o comportamento das
receitas e custos totais, dos resultados de operações decorrentes de mudanças
ocorridas nos níveis de saída (vendas), de preços de vendas, custos variáveis por
unidade ou custos fixos, dentre outros. Os administradores utilizam esse tipo de
análise como um auxílio para responder questões que envolvam expectativas
quanto ao que acontecerá com o lucro caso haja modificações nos preços de venda,
nos custos e no volume vendido.
Segundo [2], custos fixos equivalem aos custos que permanecem constantes dentro
de certo intervalo de tempo, independentemente das variações ocorridas no volume
de produções e vendas durante esse período, como por exemplo, aluguel, luz,
telefone, dentre outros.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 74
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Custos variáveis, por sua vez, são aqueles cujo valor total aumenta ou diminui direta
e proporcionalmente com as flutuações ocorridas na produção e vendas [2]. Quando
certa empresa vende mil unidades de determinado produto, ela terá custos com a
matéria-prima envolvida, com as comissões pagas aos vendedores, etc.
Existe ainda uma terceira categoria de custos: os custos semi-fixos, os quais contêm
elementos fixos e variáveis. A Análise Custo/Volume/Lucro requer a separação
desses elementos de modo a agregá-los, de uma forma claramente definida, nas
duas categorias anteriores. Embora uma grande gama dos custos se comporte de
forma semi-fixa, deve-se procurar desmembrar o seu comportamento em uma parte
fixa e uma variável a fim de que a análise torne-se válida.
A Análise Custo/Volume/Lucro abrange os conceitos de Margem de Contribuição e
de Ponto de Equilíbrio, explicitados a seguir.
3.3.1 Margem de Contribuição (MC)
A Margem de Contribuição representa o valor com que cada unidade de um produto
fabricado e comercializado contribui para cobrir os custos de operação da empresa e
gerar lucros. Em outras palavras, ela é o montante disponível para cobrir as
despesas fixas e, em seguida, prover os lucros [7]. A Margem de Contribuição (MC)
pode ser obtida através do seguinte cálculo:
MC = RT – (CV + DV)
em que:
RT = Receita Total, ou seja, o valor das vendas;
CV = Custos Variáveis;
DV = Despesas Variáveis.
Quando o valor da Margem de Contribuição for superior ao valor total das despesas
fixas, a empresa estará gerando lucro. Quando for inferior, o resultado será
entendido como prejuízo.
Exemplo: Supondo que o preço de venda de um determinado produto seja
R$100,00, o custo variável unitário deste produto seja R$ 50,00 e a despesa variável
tenha o valor de R$ 10,00 (10% do preço de venda), a Margem de Contribuição será
de R$ 40,00 (R$ 100,00 – (R$ 50,00 +R$10,00)). Nesse caso, o produto vendido
“está contribuindo” com R$ 40,00 para ajudar a pagar os custos fixos e depois
formar o lucro líquido da empresa.
3.3.2 Ponto de Equilíbrio (PE)
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 75
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Segundo [16], Ponto de Equilíbrio equivale ao nível de atividade no qual o valor das
vendas totais iguala os custos totais e a entidade não forma lucro e nem sofre
prejuízos. O Ponto de Equilíbrio é, portanto, o volume de operações que gera um
crédito nulo.
Dependendo da necessidade da empresa ou do gestor, o Ponto de Equilíbrio pode
ser adaptado a fim de suprir a carência de certas informações gerenciais. Tal
adaptação origina tipos de Ponto de Equilíbrio distintos, os quais são utilizados em
diversas situações de planejamento das atividades empresariais.
No caso de querer se obter o Ponto de Equilíbrio em quantidade, ou seja, o quanto
(em unidades) deve ser produzido e vendido para que a empresa alcance o
equilíbrio entre custos e receitas, tem-se o seguinte cálculo:
( CV P CF PE −) = ou MCu CF PE =
Uma vez que a Margem de Contribuição Unitária (MCu) é igual a P – CV, sendo:
PE = Ponto de Equilíbrio;
CF = Custos Fixos;
P = Preço unitário de venda do produto;
CV = Custo variável por unidade.
O Ponto de Equilíbrio também pode ser calculado em valor. De acordo com [2], em
determinadas situações, quando o leque de produtos é muito grande e há
dificuldade de se obter o mix de produtos ideal e suas quantidades no Ponto de
Equilíbrio, ou quando existem dificuldades na identificação de custos e despesas
fixas para cada produto, deve-se obter uma informação de caráter global expressa
monetariamente. Dessa forma, traduz-se o Ponto de Equilíbrio em valor de vendas,
isto é, o valor mínimo que deve ser vendido a fim de que a empresa não tenha
prejuízo e nem lucro. Esse tipo de Ponto de Equilíbrio pode ser obtido pela divisão
dos custos fixos (em R$) pela Margem de Contribuição Unitária (em %).
Os dois tipos mencionados (quantidade e valor) são conhecidos como Ponto de
Equilíbrio Contábil e podem ser adaptados para a obtenção de outros tipos de
informações, como o Ponto de Equilíbrio Financeiro e o Ponto de Equilíbrio
Econômico [15]. O primeiro leva em consideração todos os custos fixos contábeis
relacionados com o funcionamento da empresa, bem como todos os custos de
oportunidade. O segundo, por sua vez, leva em consideração apenas os custos que

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 76
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
serão efetivamente desembolsados no período de análise, ou seja, aqueles que
onerarão financeiramente a empresa.
Figura 3.1: Ponto de Equilíbrio entre custos e receitas. (VER SITE DO ARTIGO).
De acordo com a figura 3.1 é possível observar que qualquer produção inferior a Q0
irá resultar em prejuízo. Em contrapartida, qualquer produção superior a Q0 irá
resultar em um custo inferior à receita, ou seja, lucro. O Ponto de Equilíbrio, por sua
vez, irá corresponder à quantidade de produção necessária para que os custos se
igualem às receitas. Isto é, corresponde ao ponto em que não há nem lucro, nem
prejuízo.
Exemplo: Supondo que os custos fixos mensais de uma empresa sejam de
R$4.000,00 e a Margem de Contribuição de cada produto seja de R$50,00, a
empresa teria que produzir e vender 80 unidades R$50,00
R$4.000,00 para atingir o seu Ponto de Equilíbrio.

3.4 Dificuldades na Análise de Investimentos


A principal dificuldade na análise de investimentos é a obtenção de dados
confiáveis, principalmente as projeções de entradas de caixa. Estas se originam,
basicamente, das estimativas de vendas. Entretanto, a precisão nunca chega a ser
máxima e uma análise, para ser eficaz, deve estar fundamentada em projeções
corretas.
Na prática, decisões financeiras não são tomadas em ambiente de total certeza com
relação a seus resultados. Como essas decisões estão fundamentalmente voltadas
para o futuro, a incerteza torna-se um dos mais significativos aspectos do estudo
das operações do mercado financeiro e das finanças corporativas.
Os métodos de análise de investimentos vistos anteriormente são comumente
enriquecidos com algumas técnicas mais sofisticadas, como árvores de decisão [3],
análise de Monte Carlo [3], análise de sensibilidade [3], método de Hertz [6], método
de Hillier [6], regra de Hurwicz [3], dentre outras. No presente trabalho, no entanto,
serão utilizados os conceitos intervalares para lidar com o risco e a incerteza
relacionados com os dados de projetos empresariais. A principal vantagem de se
utilizar este método em relação aos demais é que o resultado obtido na forma de um
intervalo conterá, seguramente, a solução real. Destarte, a tomada de decisão pode

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 77
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
ocorrer de forma mais segura, visto que o risco é conhecido quando se tem a ciência
do melhor e do pior caso.

4 Análise Intervalar de Investimentos


4.1 Metodologia
Utilizando-se os fundamentos de matemática intervalar a fim de se maximizar a
qualidade dos resultados empresariais, tem-se que uma variável cuja determinação
não possa ser feita de modo preciso irá ser representada por um intervalo, no qual
ela ocorra com determinada margem de segurança. Variáveis que não se encaixam
nesse perfil, ou seja, portadoras de valores pontuais, terão tais valores
transformados em intervalos degenerados.
Outra observação é que para os intervalos obtidos será considerada uma precisão
de duas casas decimais, uma vez que se está lidando com valores monetários. Para
isso, será usado arredondamento direcionado, a fim de que se garanta a corretude
do intervalo, ou seja, a obtenção do melhor intervalo possível em termos de
extensão, o qual, seguramente, contenha a solução real. Nesse tipo de
arredondamento, dado um intervalo [a; b], o limite inferior do intervalo é arredondado
para o maior número representável menor do que a e, por sua vez, o limite superior
é arredondado para o maior número representável maior do que b. Por exemplo,
seja o intervalo [0,178654; 0,588754]. A fim de se obter um intervalo com uma
precisão de duas casas decimais e utilizando o arredondamento direcionado, tem-se
o novo intervalo [0,17; 0,59].

4.2 Métodos de Análise Intervalar de Investimentos


4.2.1 Valor Presente Líquido Intervalar
No VPL, a determinação de fluxos de caixa futuros compreende uma das grandes
dificuldades na análise de investimentos, visto que são embasados em estimativas e
especulações. Dessa forma, fluxos de caixa futuros serão tratados como intervalos.
As demais variáveis que constituem o cálculo do VPL: taxa de retorno, investimento
inicial e períodos, serão tidas, no exemplo, como pontuais. Para que sejam feitas as
operações aritméticas intervalares adequadamente, tais valores serão,
posteriormente, transformados em intervalos degenerados.
A fórmula do VPL Intervalar é dada a seguir:
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 78
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
VPLI = CIR(VPL) =
em que jEC e jEC representam, respectivamente, o limite inferior e o limite superior
do intervalo correspondente às entradas de caixa no período j; lSC e Lsc
representam, respectivamente, o limite inferior e o limite superior do intervalo
correspondente às saídas de caixa no período l; I e I representam, respectivamente,
o limite inferior e o limite superior do intervalo correspondente à taxa de retorno e 0I
e 0I representam, respectivamente, o limite inferior e o limite superior do intervalo
equivalente ao investimento inicial.
A fórmula do VPL Intervalar foi obtida a partir da aplicação dos conceitos intervalares
à fórmula do VPL Tradicional, de modo que o cálculo do intervalo foi organizado
para que os limites inferior e superior sejam o menor e o maior possível,
respectivamente. Por exemplo, no cálculo do primeiro somatório do limite inferior,
utiliza-se o menor valor de entrada de caixa e o maior valor da taxa de retorno, visto
que o resultado da divisão deve ser o menor possível.
Todavia, isso só ocorre se ambos, divisor e dividendo, forem positivos. No segundo
somatório, como a saída de caixa constitui um número negativo, deve-se obter o
menor valor de taxa de retorno para que se chegue ao menor resultado possível, o
qual será negativo.
É imprescindível mencionar que a fórmula do VPLI sempre emitirá o melhor intervalo
possível, em termos de corretude e otimalidade, pois retorna a representação
canônica intervalar (CIR) da função. Assim, tem-se como resultado um intervalo com
a menor extensão possível, o qual contém, seguramente, o valor real do VPL.
Exemplo: Uma empresa está avaliando uma proposta de projeto, cujas informações
estão descritas a seguir:
Projeto A
I0 (R$) 150.000,00
Anos
Fluxos Esperados de Caixa (A) em R$
1
[75.000,00; 81.100,00]
2
[67.000,00; 71.000,00]
3
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 79
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
[-6.000,00; -5.500,00]
Tabela 4.1: exemplo VPL Intervalar

A taxa de desconto mínima aceitável é de 20%, representada pelo intervalo


degenerado [0,20; 0,20]. Dessa forma, o cálculo do VPL Intervalar do projeto A é
dado da seguinte maneira:
= A VPLI ]
Inicial Invest.
0.000 150.000;15
[3])
[0,20;0,20([1;1]]
1 SC 5.500
- 6.000;
-[ 2 ]) [0,20;0,20 ([1;1]]
2 EC 71.000 67.000;
[1]) [0,20;0,20 ([1;1]]
1 EC 81.100 75.000;
[44 8 44 7 6 44 8 44 6 44 8 44 7 6 48 0,20])
caem no mesmo caso da Função Potência Intervalar:
F(A) = An =
A0 epar é se ],|)||,(|, em que A ∈ IR.
Ou seja, como é inerente da função somar o valor da taxa de desconto com o
número um, sempre se obterá um valor resultante maior do que zero, tanto para o
limite inferior quanto para o limite superior do intervalo, visto que a taxa de retorno
nunca portará valor negativo.
Como no intervalo obtido tanto o valor do limite inferior quanto o valor do limite
superior são menores do que zero, tem-se que o investimento não é
economicamente viável.
Dessa forma, quando se obtém um intervalo cujos limites inferior e superior estão
acima de zero, o investimento é viável. Quando esses limites aparecem, ambos
inferiores a zero, o investimento já não é economicamente atrativo. Nesses dois
casos, não se sabe com exatidão quanto é o valor do VPL, mas sim um intervalo no
qual ele seguramente se encontra.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 80
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Além dos dois casos descritos, há a situação em que o intervalo pode apresentar
limite inferior negativo e limite superior positivo. Como, por exemplo, em [-3.000,00;
1.000,00].
Nesse caso, além de não se ter certeza do valor real do VPL, mas apenas um
intervalo em que este se encontra, também não haverá certeza se o investimento
será viável ou não. Logo, cabe ao investidor analisar as conseqüências do resultado
de acordo com a sua situação. Por exemplo, se o investimento aparentar ser
promissor e a perda de R$1.000,00 não implicar forte prejuízo, o investidor pode
optar por correr o risco ou, caso contrário, decidir não investir. Todavia, é importante
mencionar que no caso descrito o método não garantirá nem sucesso, nem
insucesso.
Essa talvez seja a principal desvantagem da aplicação da matemática intervalar na
análise de investimentos. Uma solução seria, portanto, a aplicação de outro método
capaz de apresentar um resultado menos vago.
4.2.2 Taxa Interna de Retorno Intervalar
Assim como ocorre no VPL, os fluxos de caixa futuros de projeto são obtidos através
de estimativas, não podendo ser afirmados com total precisão. Dessa forma, fluxos
de caixa futuros serão tratados como intervalos, ao passo que as demais variáveis
do cálculo da TIR: investimento inicial e períodos de tempo, serão tidas, no exemplo,
como valores pontuais, posteriormente transformados em intervalos degenerados.
Da mesma forma que o VPL Intervalar, a fórmula da TIR Intervalar foi obtida
aplicando-se os conceitos de matemática intervalar à fórmula da Taxa Interna de
Retorno Tradicional: representam os extremos do intervalo equivalente ao
investimento inicial, jEC e jEC representam os extremos do intervalo correspondente
às entradas de caixa no período j; lSC e lSC representam os extremos do intervalo
correspondente às saídas de caixa no período l e 1 i e 2 i representam os extremos
do intervalo correspondente à Taxa Interna de Retorno.
É importante mencionar que a fórmula da TIR Intervalar sempre emitirá o melhor
intervalo possível, em termos de corretude e otimalidade, visto que retorna a
representação canônica intervalar (CIR) da função. Assim, tem-se como resultado
um intervalo com a menor extensão possível, o qual contém, seguramente, o valor
real do TIR.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 81
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Exemplo: Uma empresa está avaliando uma proposta de projeto, cujas informações
estão
descritas a seguir:
Projeto
A
I0 (R$) 5.400,00
Anos
Entradas Esperadas de Caixa (A) em R$
1
[10.050,00; 10.700,00]
2
[-4.000,00; -3.600,00]
Tabela 4.2: exemplo TIR Intervalar
Desse modo, a TIR Intervalar do projeto A é [0,2843816; 0,5519007]. Utilizando
arredondamento direcionado com precisão de duas casas decimais, tem-se o novo
intervalo [0,28; 0,56]. Isso significa dizer que o valor real da TIR estará,
provavelmente, de acordo com as estimativas realizadas, dentro do intervalo obtido
como solução.
4.2.3 Análise Custo/Volume/Lucro Intervalar
Como visto, a Análise Custo/Volume/Lucro permite que a empresa seja capaz de
determinar o nível de operações necessárias para cobrir todos os custos
operacionais e avaliar a lucratividade associada aos vários níveis de venda. Sabe-
se, além disso, que tal análise abrange os conceitos de Margem de Contribuição, a
qual representa o montante disponível para que sejam cobertas as despesas fixas e,
em seguida, prover os lucros e o Ponto de Equilíbrio, o qual corresponde ao volume
de operações que não geram nem lucro, nem prejuízo.
Para um melhor entendimento de como os conceitos intervalares podem ser
aderidos a esses conceitos da análise CVL, segue um pequeno exemplo adaptado
de [9].
Exemplo: Um investidor deseja montar uma pequena oficina voltada para
serralheria artística.
Ele deseja montar seu negócio alugando um salão de 30m² de área útil em uma
área residencial com aluguel de R$400,00 por mês. Inicialmente, ele faz o
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 82
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
planejamento de quanto deverá desembolsar para a partida de seu negócio,
considerando os seguintes quesitos:
INVESTIMENTO INICIAL
Aluguel mensal (considera-se o pagamento de calção ou depósito de 3 vezes o valor
do aluguel)
[R$400,00; R$400,00] * [3; 3] = [R$1.200,00; R$1.200,00]
Aquisição de máquinas e equipamentos para a serralheria
[R$3.000,00; R$3.600,00]
Folha de pagamento (3 funcionários)
[R$1.638,40; R$1.638,40]
Capital de giro
[R$3.300,00; R$3.800,00]
Custo do material
[R$360,00; R$390,00]
Veículo para transporte de mercadorias
[R$18.000,00; R$20.000,00]
Cadeira de escritório (2 unidades)
[R$100,00; R$130,00] * [2; 2] =
[R$200,00; R$260,00]
Mesa para escritório (1 unidade)
[R$220,00; R$250,00]
TOTAL
[27.918,40; 31.138,40]
Tabela 4.3: Investimento Inicial - Serralheria

É importante mencionar que no planejamento inicial alguns dos valores foram tidos
como pontuais, como por exemplo, o valor do aluguel. Isso se deve ao fato de ter
sido considerado que o investidor já teria feito uma pesquisa de mercado sobre eles
e saberia o quanto desembolsar, realmente, para sua aquisição.
A seguir, são estimados os custos fixos mensais, os quais independem das
variações ocorridas no volume de vendas:
CUSTOS FIXOS MENSAIS
Aluguel mensal
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 83
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
[R$400,00; R$400,00]
Folha de pagamento (Tabela 4.6)
[R$1.638,40; R$1.638,40]
Custos administrativos (Tabela 4.5)
[R$670,00; R$865,00]
Tributos diversos (IPTU, IPVA, etc.)
[R$198,60; R$198,60]
Depreciação de máquinas e equipamentos
[R$20,00; R$25,00]
Material de expediente (tinta de impressora, grampeador, folha de papel, canetas,
etc.)
[R$75,00; R$110,00]
Material de limpeza
[R$30,00; R$48,00]
TOTAL
[R$3.032,00; R$3.285,00]
Tabela 4.4: cálculo dos custos fixos mensais – Serralheria

CUSTOS ADMINISTRATIVOS
Água
[R$70,00; R$95,00]
Energia
[R$250,00; R$320,00]
Telefone
[R$80,00; R$100,00]
Combustível [R$270,00; R$350,00]
TOTAL
[R$670,00; R$865,00]
Tabela 4.5: custos administrativos da Serralheria

QUADRO DE SALÁRIOS
1 Serralheiro [R$640,00; R$640,00]
1 Ajudante [R$486,40; R$486,40]
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 84
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
1 Secretária [R$512,00; R$512,00]
TOTAL
[R$1.638,40; R$1.638,40]
Tabela 4.6: quadro de salários dos funcionários da Serralheria (já incluem os
encargos sociais)
Nesse cálculo, qualquer variável cuja determinação não possa ser feita com total
precisão será representada por um intervalo, como por exemplo, o valor da conta de
água, o qual pode variar a cada mês dependendo do consumo. O item que
apresentar valor pontual será representado por um intervalo degenerado, como é o
caso do salário do serralheiro.
Gastos relacionados aos tributos diversos, como IPVA e IPTU, são gastos anuais
arcados pela empresa e foram divididos pelo período de utilização ou de geração de
benefícios (doze meses).
Além dos custos fixos mensais, será calculado também o custo variável para a
produção de um metro quadrado de grade simples. Para efetuar esse cálculo,
primeiramente deve-se calcular o peso do material necessário para essa produção:
PESO DO MATERIAL PARA PRODUÇÃO DE 1m² DE GRADE SIMPLES
8 ferros redondos de ½”
[8; 8] * [1,05kg; 1,05kg] = [8,4kg; 8,4kg]
3 ferros chatos de ¼”
[3; 3] * [1,20kg; 1,20kg] = [3,6kg; 3,6kg]
2 tubos quadrados 4”
[2; 2] * [6,4kg; 6,4kg] = [12,8kg; 12,8kg]
1 cantoneira
[1; 1] * [1,4kg; 1,4kg] = [1,4kg; 1,4kg]
TOTAL [26,2kg; 26,2kg]

Tabela 4.7: cálculo do peso do material necessário para produzir 1m² de grade
simples Outro fator que influencia o cálculo do custo variável para a produção de
1m² de grade simples é o valor da mão de obra dos funcionários produtivos, o qual é
obtido através da seguinte fórmula:
ValorHora = mês trabalhada
Levando em consideração os salários de um serralheiro (R$640,00) e seu ajudante
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 85
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
(R$486,40) e que eles trabalham oito horas por dia durante 22 dias úteis de um mês
de 30 dias, tem-se que:
ValorHora = 176] [176;
R$486,40]
[R$486,40;
R$640,00]
[R$640,00;
= [R$6,40; R$6,40]
Feito isso, calcula-se o tempo necessário para a produção de 1m² de grade simples:
QUANTIDADE DE HORAS PARA PRODUZIR 1m² DE GRADE SIMPLES
Tempo de medição e corte
[0,25h; 0,4h]
Tempo de montagem
[0,75h; 0,9h]
Tempo de usinagem
[0,25h; 0,4h]
Tempo de acabamento
[0,75h; 1,0h]
TOTAL [2,0h; 2,7h]
Tabela 4.8: tempo necessário para a produção de 1m² de grade simples

O tempo para efetivação de cada etapa da produção é estimado em um intervalo,


uma vez que esse tempo pode variar de acordo com outros fatores, como por
exemplo, fadiga. Tratar o tempo como intervalo implicará um número total de horas
mais seguro em relação a valores pontuais.
Agora, pode-se efetuar o cálculo do custo variável para 1m² de grade simples:
CUSTO VARIÁVEL PARA PRODUÇÃO DE 1m² DE GRADE SIMPLES
Custo do material (peso do ferro por m² x preço médio do quilo do ferro)
[26,2kg; 26,2kg] * [R$1,20; R$1,20] = [R$31,44; R$31,44]
Mão de obra direta
[R$6,40; R$6,40] * [2,0h; 2,7h] = [R$12,80; R$17,28]
Materiais consumíveis
[R$2,20; R$2,90]
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 86
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Desperdício
[R$1,80; R$2,20]
Preço do custo
[R$48,24; R$53,82]
Impostos: supondo-se um percentual de 5% sobre o produto para empresas com
esse nível de faturamento.
[0,05; 0,05] * [R$48,24; R$53,82] = [R$2,412; R$2,691]
Total de custos + impostos
[R$50,65; R$56,52]
Tabela 4.9: cálculo do custo variável para a produção de 1m² de grade simples

Após terem sido calculados todos os custos fixos e variáveis para a produção de
1m² de grade simples, deve-se, então, estipular o seu preço de venda. Esse preço
deve tornar o produto competitivo e compatível com seu mercado consumidor.
Nesse caso, o investidor optou pelo preço de R$90,00, o qual, hipoteticamente,
equivale ao preço médio praticado pelo mercado.
Depois de definido o seu preço, deverá ser efetuado o cálculo do Ponto de Equilíbrio
Intervalar, o qual corresponde a um intervalo que contém, provavelmente, de acordo
com as estimativas feitas, a quantidade real de peças que devem ser vendidas para
que a empresa não tenha nem lucro, nem prejuízo.
Para se calcular o Ponto de Equilíbrio Intervalar é necessário que, primeiramente, se
calcule a Margem de Contribuição Intervalar. Como se está lidando apenas com um
tipo de produto - grade simples -, essa margem será a Margem de Contribuição
Unitária Intervalar correspondente à grade simples.
Na matemática financeira tradicional, é sabido que a Margem de Contribuição
Unitária é dada pelo preço unitário do produto menos os custos variáveis para sua
produção.
Dessa forma, tem-se que a Margem de Contribuição Unitária Intervalar para a
produção de 1m² de grade simples é a seguinte:
[ Pu; Pu] = [R$90,00; R$90,00]
[Cv ;Cv ] = [R$50,65; R$56,52]
MCIu = [(R$90,00–R$56,52); (R$90,00–R$50,65)]
MCIu = [R$33,48; R$39,35]
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 87
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Calculada a Margem de Contribuição Unitária Intervalar referente ao metro quadrado
de grade simples, pode-se calcular o Ponto de Equilíbrio Intervalar através da
seguinte fórmula: em queCF e CF representam, respectivamente, o limite inferior e o
limite superior do intervalo correspondente aos custos fixos, ao passo que MCIu e
MCIu representam, respectivamente, o limite inferior e o limite superior do intervalo
correspondente à Margem de Contribuição Unitária Intervalar.
Dessa forma, tem-se que o cálculo do Ponto de Equilíbrio Intervalar para o exemplo
da Serralheria é dado a seguir:
[CF ;CF ] = [R$3.032,00; R$3.285,00]
[ MCIu; MCIu] = [R$33,48; R$39,35] =
33,48
3.285,00;
39,35
3.032,00
PEI[ ] 98,118279
77,052096; = PEI
Utilizando arredondamento direcionado, tem-se o novo intervalo [77,05; 98,12].
98,12 77,05;
= PEI m²
Através desse cálculo é possível observar que uma pequena serralheria que possui
três funcionários com custos fixos mensais entre R$3.032,00 e R$3.285,00 e preço
de venda de R$90,00 para seu produto, certamente terá prejuízo se sua produção
for abaixo de 77,05m² e obterá um lucro certo se a produção for acima de 98,12m².
No intervalo entre 77,05m² e 98,12m², entretanto, não se sabe com certeza o valor
real do Ponto de Equilíbrio, mas sabe-se que tal intervalo contém, de acordo com as
estimativas realizadas, esse valor.

5 Conclusão
Na matemática financeira atual são usadas técnicas de estatística para que seja
minimizada a incerteza de dados empresariais. A experiência anterior também é
uma forte aliada. Entretanto, apesar de existirem tais subsídios, decisões erradas
ainda são tomadas constantemente. A qualidade das informações é a diretriz para a

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 88
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
qualidade da decisão a ser tomada. Dados errados, desatualizados ou mal
interpretados acarretam decisões equivocadas.
Além disso, nem sempre é possível saber o valor exato com o qual se deve
trabalhar.
Nesse caso, aproximações podem levar a resultados desastrosos e implicar uma
decisão errônea.
Assim, em muitos casos é mais viável obter uma solução contida em um intervalo,
como foi visto no caso do VPL Intervalar, da TIR Intervalar e da Análise CVL
Intervalar.
De acordo com [18], tratar custos imprecisos através de intervalos não torna o
resultado final do custo mais exato, mas permite conhecer o tamanho da incerteza.
Isso traz ganhos no momento de se tomar decisões baseadas nesses custos. Essa
informação certamente será útil para que o gestor da empresa tome suas decisões
com um maior embasamento, o que se poderá traduzir em melhores decisões para a
empresa.
Ao se utilizar os custos como intervalos, após serem feitas as operações tem-se a
garantia de que o valor real estará dentro do intervalo dado como solução. Destarte,
a tomada de decisão pode ser considerada mais segura, pois o risco que se está
correndo é conhecido, uma vez que se têm o melhor e o pior caso.
Ainda, a fim de se dar um maior aprimoramento aos resultados empresariais
intervalares, outros métodos, como os citados na seção 3.4, podem ser utilizados
como auxílio para indicar se a solução tem maior tendência para o limite inferior ou
para o superior, aperfeiçoando, pois, o processo de tomada de decisão.

Referências
[1] ASSAF, Alexandre. Matemática Financeira e Suas Aplicações. 9 ed. São Paulo
: Atlas, 2006.

[2] BRAGA, Roberto. Fundamentos e Técnicas de Administração Financeira. São


Paulo: Atlas, 2001.

[3] BRUNI, Adriano Leal; FONSECA, Yonara Daltro da. Técnicas de Avaliação de
Investimentos: uma Breve Revisão da Literatura. Cadernos de Análise Regional:
São Paulo, 2003, v. 1, p. 40-54.

[4] DAMODARAN, Aswath. Avaliação de Investimentos. Rio de Janeiro:


Qualitymark, 1997.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 89
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
[5] DROMS, Williams; PROCIANOY, Jairo. Finanças para Executivos não
Financeiros. Porto Alegre: Bookman, 2002.

[6] GALESNE, Alain; FENSTERSEIFER, Jaime; LAMB, Roberto. Decisões de


Investimentos da Empresa. São Paulo: Atlas, 1999.
[7] GARRISON, Ray; NOREEN, Eric. Contabilidade Gerencial. Rio de Janeiro:
LTC, 2001.

[8] GARROZI, Cícero; ALBUQUERQUE, Jones. A Aritmética Intervalar como


Ferramenta para Solução de Problemas de Otimização. Revista Eletrônica de
Iniciação Científica da SBC. 01 junho de 2002.

[9] GIMENES, Jesus et al. Manual do Pequeno Empreendedor para área de


Soldagem. Disponível em: http://www.infosolda.com.br/nucleo/downloads/pp.pdf.
Acesso em 12 de setembro de 2007.

[10] GITMAN, Lawrence Jeffrey. Princípios da Administração Financeira. 10. ed.


New York: Prentice Hall, 2003.

[11] HICKEY, Timothy; EMDEN, Maarten H. Van. Interval Arithmetic: From Principles
to Implementation. Journal of the ACM. v.48, n.5, p.1038-1068, setembro de 2001.

[12] HOLBIG, Carlos Amaral; DIVERIO, Tiaraju Asmuz. Sistema de Ponto


Flutuante e o Padrão IEEE-754. (Relatório de Pesquisa) - Porto Alegre: Instituto de
Informática - UFRGS, 1994.

[13] MOORE, Ramon Edgar. Interval Analysis. New Jersey : Prentice Hall, 1966.

[14] MORAES, DALCIDIO et al. Introdução a Teoria dos Intervalos. In: ROQUE,
Waldir L. (Org.). EIMAC'96 - Escola de Inverno de Matemática Aplicada e
Computacional. Porto Alegre: UFRGS, 1996, v.1, p. 215-244.

[15] MORAES, Lívia; WERNKE, Rodney. Análise Custo/Volume/Lucro Aplicada ao


Comércio de Pescados. Revista Contemporânea de Contabilidade. v.1, n.6, p. 81-
101, 2006.

[16] ROCCHI, Carlos Antônio de. Aspectos Atuais dos Enfoques Lineares para
Análise Custo-Volume-Crédito. Revista do CRCRS. Porto Alegre. v. 26, n.89, p.15-
27, 1997.

[17] SANTIAGO, Regivan Hugo Nunes; BEDREGAL, Benjamin R. Callejas; ACIÓLY,


Benedito Melo . Formal Aspects of Correctness and Optimality of Interval
Computations. Journal Formal Aspects of Computing. New York : Berlin-
Heildelberg, 2006. v. 18, p. 231-243.

[18] SILVA, Ivanosca Andrade da et al. An Interval Approach for Imprecise Cost.
Artigosubmetido ao Elsevier Science em março de 2007.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 90
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Matemática Financeira com Aplicações em Excel e R

Pedro Cosme da Costa Vieira

Preâmbulo
Por definição, a Matemática Financeira propõe modelos matemáticos necessários
à Economia Financeira, i.e., modeliza os instrumentos financeiros e o cálculo
actuarial, http://en.wikipedia.org/wiki/Mathematical_finance. A Informática de Gestão
concentra-se nas aplicações informáticas e computacionais que auxiliam na tomada
de decisão empresarial abordando as folhas de cálculo, o processamento de dados,
e ferramentas que exijam um raciocínio algorítmico. Por exemplo, na Universidade
de Stanford, “Financial Mathematics (…) provides (…) education in applied and
computational mathematics, statistics and financial applications”.
Neste texto, tendo em mente uma disciplina com 36 horas lectivas, em termos de
modelos financeiros vou considerar os instrumentos simples (que se opõem aos
instrumentos derivados): depósitos bancários, obrigações e acções. Em termos de
informática de gestão, vou apresentar a folha de cálculo Excel (implementando
modelos dos instrumentos financeiros e consequente tomada de decisão dentro de
um processo de optimização e fazendo uma sucinta apresentação do conceito de
normalização de dados) e a linguagem R.
Na primeira parte deste texto abordo os instrumentos financeiros denominados sem
risco, i.e., os depósitos, os créditos bancários e as obrigações. Considero a
transformação de stocks financeiros em fluxos financeiros (i.e., obrigações e a
amortização de créditos).
Considero ainda três medidas de desempenho de um investimento (o Valor Actual
Líquido, VAL, a Taxa Interna de Rentabilidade, TIR, e o q de Tobin). Como a inflação
é uma componente importante da taxa de juro, considero ainda o conceito de preços
correntes e preços constantes. Projecto a utilização neste ponto programático de
metade do tempo lectivo.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 91
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Na segunda parte do texto introduzo instrumentos financeiros com risco. Considero
que a rentabilidade futura do activo é desconhecida e, por isso, modelizada com
recurso a modelos estatísticos. Considero os seguros, acções e a composição de
activos com risco e rentabilidade diferentes (diversificação e alavancagem). Projecto
a utilização neste ponto programático de um quarto do tempo lectivo.
Na terceira parte do texto introduzo a programação em R e apresento algumas
aplicações retiradas das primeira e segunda partes do texto. A aprendizagem de
uma linguagem de programação, algoritmia, além de ser útil como treino na
resolução de problemas complexos, é uma poderosa ferramenta na modelização
dos problemas da Matemática Financeira. Projecto a utilização neste ponto
programático do restante tempo lectivo.
Na quarta parte do texto apresento uma explicação sucinta das ferramentas da folha
de cálculo Excel. Apesar da generalidade dos alunos iniciar esta matéria com
razoáveis conhecimentos de informática, a capacidade de utilizar uma folha de
cálculo é muito reduzida.
O aluno terá a responsabilidade de estudar e compreender este ponto programático
por si porque não está planeado o uso de tempo lectivo nesse ponto. No entanto, na
apresentação dos exemplos, será intercalada uma pequena explicação da folha de
cálculo.
No meu entendimento, o retomar (nas segunda e terceira partes) dos conceitos
básicos da matemática financeira (desconto, capitalização, risco, preços nominais
e constantes) apresentados na primeira parte é uma estratégia pedagógica
ganhadora porque o aluno tem tempo para consolidar esses conceitos fundamentais
da matemática financeira.
A compreensão dos modelos de risco necessita de conceitos das disciplinas de
Estatística que são leccionadas em anos posteriores. No entanto, sendo a gestão
de risco a mais importante e complexa competência que o gestor tem que
desenvolver, considero obrigatório dar este passo.
Este texto deve muito às reflexões e conselhos dos colegas Alípio Jorge, Joaquim
Carmona, João Couto, José Miguel Oliveira e Vítor Matos que leccionaram comigo a
disciplina de Matemática financeira e Informática de Gestão, sem a ordem revelar a
importância individual. Também tem o contributo dos alunos que, colocando dúvidas,
permitiram evoluir o texto no sentido de uma escrita mais clara e correcta. Agradeço
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 92
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
penhorado a todos estando consciente que o conteúdo programático de uma
disciplina é um processo em evolução sempre com margem para melhorar. Qualquer
erro ou omissão é de minha inteira responsabilidade.
Agradeço penhorado ao Grupo de Gestão da Faculdade de Economia do Porto ter-
me confiado a condução da disciplina de Matemática Financeira e Informática de
Gestão nos anos lectivos de 2008/9 e 2009/10.
Apesar de poder ter mais leitores se tivesse publicado este texto em inglês, é uma
obrigação de cada falante fazer um contributo para que a sua língua materna se
afirme na rede global que é a Internet.
Um ficheiro Excel com os exercícios está disponível para descarregar em
www.fep.up.pt/docentes/pcosme/mf2010.xls.

Índice
Capítulo 1. Taxa de juro, capitalização e desconto 7
1.1. Taxa de juro 7
Componentes da taxa de juro
Remuneração real
Taxa de inflação
Compensação de potenciais perdas - o risco
1.2. Capitalização – Valor Futuro 19
Capitalização simples
Capitalização composta
1.3. Desconto – Valor Actual ou Valor Presente 24
1.4. Pagamento da dívida – Rendas 27
Renda perpétua
Renda de duração limitada
TAEG implícita num contrato
1.5. Preços correntes e preços constantes 38
Taxa de inflação
Compatibilização de tramos da série com diferentes bases
1.6. Análise de investimentos 48
Valor actual líquido do investimento
Taxa interna de rentabilidade
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 93
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Q de Tobin
1.7. Contrato de Mútuo – Enquadramento legal 54
Capítulo 2. Modelização e gestão do risco 57
2.1. Conceitos estatísticos básicos 59
Noção de variável aleatória e de probabilidade
Caracterização da variável aleatória
População dividida em cenários (i.e., em classes ou intervalos)
Função de distribuição
2.2.Operações algébricas com uma variável aleatória 73
i) Operações algébricas simples
Valor médio
Desvio padrão
ii) Operações algébricas não simples
Cálculo expedito
Divisão em cenários
Método de Monte Carlo, MMC
2.3. Diversificação do risco 78
Divisão das variáveis em cenários
Coeficiente de correlação linear de Pearson
Diversificação de risco e avaliação de projectos
Alavancagem
Capítulo 3. Programação – Introdução à linguagem R 90
3.1. Objectos 91
Constantes
Expressões
Vectores
3.2. Operações com vectores 92
Reciclagem
Sequências
Sequências de números aleatórios
Indexação - Acesso a elementos do vector
Filtragem de vectores
3.3. Funções 97
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 94
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Execução repetida – comando for( )
Método de Monte Carlo – Controlo do erro de cálculo
Método de Monte Carlo – geração de variáveis aleatórias correlacionadas
Capítulo 4. Folha de Cálculo – Potencialidades básicas 105
Expressões
Referências (fixar)
Ferramenta + Atingir Objectivo
Ferramenta + Solver
Função condição
Função de procurar vertical
Comando Data + Table
Bibliografia 115

Capítulo 1. Taxa de juro, capitalização e desconto


1.1 Taxa de juro
O juro, do lado de quem empresta, é a recompensa que recebe por adiar o
consumo.
Do lado de quem pede emprestado, o juro é o preço a pagar por se poder antecipar
o consumo.
Assim, o juro é o preço do crédito. Em termos relativos, obtemos a taxa de juro
dividindo os juros pelo montante emprestado, (e.g., se paguei 100€ por um
empréstimo de 2000€, então a taxa de juro foi de 5%). Normalmente, a taxa de juro
refere-se a um período de tempo, e.g., 5% por ano.
A taxa de juro não é uma realidade apenas financeira podendo também referir-se a
bens e serviços (até porque é uma grandeza sem dimensões). A remuneração da
utilização durante um período de tempo, é uma taxa de juro se o bem emprestado é
fungível (i.e., indistinto de outras unidades, e.g., trigo duro), senão é uma renda
(bem imóvel) ou um aluguer (bem móvel). Por exemplo, se um lavrador empresta ao
vizinho 100kg de milho que, no fim do trimestre, entregará 101kg de milho de volta
(mas serão outros grãos de milho) então teremos 1 kg de milho referente aos juros
(uma taxa de juro de 1% por trimestre).
Ex.1.1. Eu empresto 10 galinhas a um vizinho que me dá 11 galinhas daqui a um
ano.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 95
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
i) Determine a taxa de juro anual ii) Determine quanto receberia se, à mesma taxa
de juro, emprestasse 20 galinhas.
R. i) Sendo Vi o capital inicial, Vf o capital final e r a taxa de juro anual, teremos a
relação Vf = Vi + Vi × r = Vi × (1 + r). No exemplo, a taxa de juro resolve 11 = 10×(1
+ r) ⇒ r = 10%/ano. ii) Assumida a taxa de juro de 10%/ano, receberia 20 × (1 +
10%) = 22 galinhas.
Se eu entregasse as galinhas para o vizinho produzir ovos com o encargo de me
devolver as mesmas galinhas, então seria um aluguer (em termos anglo-saxónicos,
seria um contrato de leasing ou de renting).
A principal motivação para haver poupança é o ciclo de vida humana: o indivíduo
tem necessidade de consumir durante todos os, aproximadamente, 80 anos da sua
vida mas apenas é produtivo entre os 25 anos e os 65 anos de idade (ver, fig. 1.1).
Fig. 1.1 – Relação entre o rendimento e o consumo ao longo da vida
Na infância e juventude o indivíduo endivida-se para poder consumir e estudar pois
não tem rendimentos (i.e., não produz bens ou serviços). Na meia-idade o indivíduo
é produtivo pelo que amortiza a dívida contraída na infância e juventude, consome e
constitui uma poupança (i.e., empresta a outras crianças e jovens) para a reforma
em que consome a poupança constituída durante a meia-idade (i.e., gasta o que
poupou), (ver, fig. 1.2).
Fig. 1.2 – Rendimento, consumo, endividamento e poupança ao longo da vida
Olhando de novo para a Fig. 1.2, podemos imaginar que a criança e jovem pede
emprestados 75000€ (aos pais) para gastar em consumo e investir no
desenvolvimento da sua capacidade produtiva (principalmente na escolarização); na
meia-idade trabalha para consumir, pagar a dívida contraída em criança e jovem
mais os juros (aos pais) e poupar 100000 Euros (e.g., emprestar aos filhos); e que,
quando se reforma, recebe (dos filhos) o dinheiro poupado na meia-idade mais os
juros para gastar em consumo.
Outra motivação importante para haver poupança é o indivíduo precaver-se face ao
risco quer da diminuição do rendimento (e.g., por ficar desemprego) quer do
aumento da despesa (e.g., por ter um acidente automóvel). O indivíduo pode poupar
10% do seu rendimento que empresta a alguém de confiança e, em caso de ter um
azar, recupera essas poupanças.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 96
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
As duas motivações referidas também justificam a absorção de poupanças (e.g., ser
criança ou ter ficado desempregado) a que acresce o facto económico de o
aumento do stock de capital (máquinas, estradas, escolaridade, etc.) aumentar a
produtividade do trabalho (e de outros factores de produção). Por exemplo, como a
escolaridade induz um aumento no meu salário futuro, será positivo eu aplicar
recursos agora a estudar porque assim o meu salário virá aumentado no futuro.
Também se tenho um terreno que me rende 100€/ano e, fazendo um investimento
em canais de irrigação de 1000€, passo a ter 200€/ano de rendimento então, é
lucrativo investir recursos agora pois induz um aumento o meu rendimento futuro.
Também existe poupança (de recursos) quando se adquirem bens que duram vários
períodos, e.g., uma máquina de lavar louça ou um frigorífico.
Como vivemos numa economia com moeda, os empréstimos são principalmente
feitos em numerário. No exemplo, o agricultor vende as 10 galinhas (a 2€ cada) e
emprestava os 20€ ao vizinho que lhos devolve no futuro acrescidos de 10% de
juros (i.e., 22€) com os quais o agricultor adquirirá 11 galinhas.
O credor ao emprestar está a poupar recursos mas, no agregado, poderá não existir
poupança se o devedor consumir em vez de investir esses recursos. Assim, a
poupança financeira individual não tem necessariamente efeito económico
agregado se o que uns poupam é consumido por outros havendo apenas uma
redistribuição dos rendimentos disponíveis.
Supondo que no instante 0 e 1 estão disponíveis na economia um total de bens e
serviços Y0 e Y1, respectivamente, em que, sem crédito temos Y0 = Yc0 + Yd0 e Y1
= Yc1 + Yd1.
Com crédito V0 à taxa de juro r, os credores passam a ter disponível no presente
(Yc0 – V0) e os devedores (Yd0 + V0) mantendo-se Y0 = (Yc0 – V0) + (Yd0 + V0) =
Yc0 + Yd0. No futuro os credores terão rendimento disponível aumentado, [Yc1 + V0
(1+r)], e o devedores diminuído, [Yd0 – V0 (1+r)], mas mantendo-se Y1 = [Yc1 + V0
(1+r)] + [Yd0 – V0 (1+r)] = Yc1 + Yd1.
Apenas haverá impacto económico se a poupança for encaminhada para
investimento que induza um aumento do produto futuro, Y1.
De qualquer forma, em termos agregados, no futuro apenas serão consumidos os
recursos disponíveis nesse instante de tempo independentemente do valor nominal
da poupança financeira existente: Se houver mais activos (em termos nominais)
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 97
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
que bens e serviços disponíveis então, o valor nominal dos activos diminui. É
importante esta visão quando actualmente se observa que os fundos de pensões
privados e sistemas de segurança social soberanos (i.e., geridos e garantidos pelo
Estado) estão a reduzir o valor das pensões.
Intermediários financeiros. Em termos de economia desenvolvida, existem
intermediários financeiros (bancos, seguradoras, gestores de património, etc.) que
captam os nossos recursos financeiros que emprestam a agentes económicos que
desconhecemos, dando um grau de garantia de que os recursos poupados nos
serão devolvidos. A maior escala do intermediário financeiro faz com que sejam mais
eficientes na avaliação do risco dos devedores, na cobrança coerciva dos créditos e
na diversificação do risco (ponto a tratar).
Nas economias desenvolvidas os créditos são em dinheiro que não é um bem de
consumo. No entanto, mantém-se que quem empresta dinheiro está a prejudicar o
seu consumo presente (pois poderia adquirir e consumir bens ou serviços e não o
faz) e a favorecer o seu consumo futuro (vai adquirir e consumir de bens e serviços
com o dinheiro devolvido mais os juros) e quem pede dinheiro emprestado favorece
o consumo presente (adquire e consume bens e serviços que não poderia adquirir)
mas prejudica o seu consumo futuro (para pagar a dívida, não poderá consumir no
futuro).
No sentido de aumentar a capacidade produtiva do país, até aos anos 1980 os
bancos estavam limitados no crédito concedido às famílias (crédito para aquisição
de bens de consumo, automóveis, imóveis habitacionais, férias, etc.). Depois da
liberalização da actividade bancária, o crédito às famílias tornou-se a principal fatia
do negócio dos bancos comerciais.
Componentes da taxa de juro
Quando o empréstimo é em numerário - dinheiro, denomina-se a taxa de juro por
taxa de juro nominal. Por exemplo, ao emprestando 25mil€ durante um ano com
uma taxa de juro nominal de 4% ao ano, no fim do prazo contratado receberei
26mil€. Em termos económicos, a taxa nominal engloba três componentes. Quando
falarmos da taxa de juro efectiva veremos que a taxa de juro nominal também tem
outro significado.
i) Remuneração real. A taxa de juro real quantifica a variação no poder aquisitivo do

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 98
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
activo que se empresta. Assim, traduz, em percentagem, quanto vai aumentar (no
futuro e relativamente ao que poderia comprar no presente) o recheio do cabaz do
credor. Denomina-se por taxa de juro real porque quantifica a variação de
quantidades reais (i.e., com importância económica real). A existência da
componente real tem, principalmente, 3 origens:
a) Ser preferível consumir hoje a consumir no futuro. Na microeconomia, quando
estudamos a influência da taxa de juro na poupança, é aceite o princípio de que o
ser humano prefere consumir no presente. Então, o agente económico para adiar o
consumo vai exigir no futuro o reembolso de uma quantidade de dinheiro que lhe
permita consumir um cabaz melhor que o que poderia consumir no presente. Este
princípio tem como efeito que a taxa de juro real seja positiva.
b) O capital ser produtivo. O capital é um conjunto de bens que tornam o factor
trabalho (e demais factores) mais produtivo. Por exemplo, um agricultor se utilizar
uma enxada em vez das mãos consegue cultivar mais terra e produzir mais bens.
Assim, quem pedir emprestado dinheiro para comprar bens de capital, pode devolver
o dinheiro acrescido de uma parcela e ainda ter uma vantagem. Este princípio tem
como efeito que os investidores remunerem a poupança com uma taxa de juro real
positiva.
c) O produto agregado aumentar ao longo do tempo. Motivado pelo progresso
tecnológico e acumulação de capital, no futuro cada indivíduo será mais produtivo do
que nós somos agora, i.e., há ganhos de produtividade ao longo do tempo. Nos
últimos 100 anos, os ganhos de produtividade por trabalhador foram cerca de
1.5%/ano. Como haverá no futuro maior abundância de bens e serviços, quem
antecipa o consumo está disponível para devolver uma quantidade maior de bens e
serviços. Este princípio justifica uma tendência secular positiva para taxa de juro
real. No entanto, este princípio faz com que em períodos em que se prevê uma
diminuição do produto, a taxa de juro real seja negativa (e.g., quando há períodos de
guerra).
ii) Taxa de inflação. Os preços dos bens e serviços variam ao longo do tempo, uns
aumentando e outros diminuindo. O aumento do preço médio (que se traduz num
aumento do Nível Geral de Preços) denomina-se por inflação e quantifica-se como
uma taxa anual. Se, por exemplo, a taxa de inflação prevista para o próximo ano for

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 99
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
de 2.8%/ano, se eu adquiro hoje um cabaz por 100€, para poder comprar o mesmo
cabaz daqui a um ano terei que desembolsar 102.80€.
Tendo eu uma soma de dinheiro que permite comprar um cabaz de bens e serviços,
se eu emprestar essa soma, havendo inflação, quando for reembolsado, preciso de
uma soma maior para poder comprar esse mesmo cabaz. Então a taxa de juro terá
que incorporar a taxa de inflação para corrigir a desvalorização monetária.
A teoria económica e a evidência empírica afiançam que a componente da taxa de
juro que corrige a subida média dos preços (i.e., a inflação) não tem relevância na
afectação dos recursos escassos o que justifica que as políticas monetárias da Zona
Euro sejam no sentido de, em média, haver um aumento do nível geral dos preços
de 2.0%/ano.
iii) Compensação de potenciais perdas - o risco. A taxa de juro também
compensa não existir conhecimento público e perfeito do que vai acontecer no
futuro. Então, o agente económico tem que acautelar as contingências futuras. Por
exemplo, os automóveis têm 5 rodas porque existe uma probabilidade razoável de
acontecer um furo num pneu.
a) Incumprimento do devedor. Quem empresta tem a convicção de que o devedor
respeita as obrigações assumidas. Isto é, que o dinheiro emprestado no presente
será devolvido no futuro acrescido dos juros. No entanto, nem sempre isso acontece
(e.g., mesmo que o devedor seja sério, quando o seu principal activo é o trabalho, se
morrer ou ficar inválido não pode cumprir as suas obrigações).
Em termos simples, podemos modelizar o risco como a probabilidade de o capital
mais os juros nunca serem devolvidos. Neste modelo “tudo ou nada” que é
denominado na teoria económica por lotaria, existe a probabilidade p de o devedor
não cumprir o acordo (havendo perda total) e a probabilidade complementar (1–p)
de o cumprir. Sendo que se pretendemos uma taxa de juro sem risco de r, teremos
que emprestar o capital Vi à taxa de juro R de forma a recebermos, em média (em
termos esperados), a quantidade Vf:
Supondo que queremos receber não só o capital emprestado como a taxa de juro
real e a taxa de inflação, então, R será acrescido de uma componente de forma a
que o capital recebido Vf seja igual ao que receberíamos sem risco, Vi (1 +r). No
caso de haver o risco p de incumprimento total teremos:

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 100
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Por exemplo, se pretendermos uma taxa de juro nominal sem risco de 2%/ano e
houver uma probabilidade de 2.5%/ano de o dinheiro (e juros) não ser devolvido, a
taxa de juro para cobrir este risco terá que ser 4.615%/ano. Em termos correntes
falaríamos de um Spread de 2.615 pontos percentuais. Como os agentes
económicos são avessos ao risco, a componente da taxa de juro que cobre o risco
terá que ser ainda superior a 2.615p.p.
Vejamos outro exemplo. Um indivíduo empresta 1€ e, decorrido um mês, recebe
uma determinada soma de dinheiro que antecipa só ser paga se uma carta retirada
do baralho for um Rei. Como a probabilidade de não sair esse tipo de carta é 12/13
= 92.31%, a taxa de juro acordada resolve %)31.921() 1(%31.920 – R A A ⇔ 1
%)31.921/(1 – R pelo que terá que ser 1300%/mês (i.e., no contrato estar previsto
receber, em caso de sucesso, 13€).
b) Erro na previsão da inflação. Quando num contrato é prevista uma taxa de juro
nominal, apesar de apenas a componente real ter relevância económica, existe erro
na previsão da taxa de inflação que é tanto maior quanto maior for a taxa de inflação
(é uma evidência empírica). Então, existe o risco de a taxa de juro real ser diferente
da antecipada.
Esta é a principal razão para que os bancos centrais tenham como mandato a
estabilização do nível de preços (i.e., uma taxa de inflação baixa, próxima dos
2%/ano).
Uma forma de ultrapassar o risco de previsão da taxa de inflação é a taxa de juro
contratada ser variável. Por exemplo, contrata-se a taxa de juro real (e a taxa de
risco) e deixa-se para o fim do contrato a determinação da “correcção monetária” (o
que foi usado durante muitos anos no Brasil). Como as condições de mercado
podem obrigar a alterações na taxa de juro real, outra modalidade muito seguida em
Portugal é a taxa de juro ser a EURIBOR (que inclui a taxa de inflação e a taxa de
juro real sem risco) média do período anterior mais um Spread que traduz a taxa de
risco do cliente (normalmente indicada em pontos percentuais acima da EURIBOR).
http://www.euribor.org/default.htm.
Taxa EURIBOR. É uma sigla que representa a taxa de juro a que os bancos sem
risco (first class credit standing) emprestam euros entre si (também denominado por
cedência de liquidez). A informação é recolhida (pelas 10h45) por um painel de 44
bancos representativos do mercado do Euro sendo a Caixa Geral de Depósitos
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 101
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
membro desse painel. Apesar de o prazo dos empréstimos interbancários ser de 1, 2
ou 3 semanas, 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10, 11 ou 12 meses, a EURIBOR é uma taxa
anualizada (i.e., x% ao ano), havendo uma para cada prazo. A título ilustrativo,
apresento na Fig 1.3 a evolução da EURIBOR média diária para o prazo de 6
meses, anualizada, entre 1 de Janeiro de 2008 e 30 de Abril de 2010. Apresento na
Fig. 1.4 a evolução da EURIBOR com o prazo dos empréstimos (nos dias 30-6-2008
e 30-4-2010). A variação da taxa EURIBOR com o prazo tem a ver com a
antecipação que os agentes económicos fazem da evolução do mercado (pois
aquela taxa de juro vai perdurar durante a vigência do contrato, e.g., durante seis
meses).
Como a EURIBOR quantifica a taxa de juro de empréstimos entre instituições sem
risco, esta taxa apenas incorpora a taxa de inflação prevista pelos agentes
económicos e a taxa de juro real de mercado razão pela qual nos contratos
indexados à EURIBOR com agentes económicos com risco, é acrescentada à
EURIBOR uma parcela para cobertura do risco, i.e., um Spread, e.g., 1.25 pontos
percentuais. Para valores pequenos de Spread temos os pontos base como partes
por 10000, e.g., dizer que o Spread é 75 pontos base é equivalente a dizer que é
0.75 pontos percentuais.
Fig. 1.4 – Evolução da EURIBOR dos dias 30-6-2008 (escala da esquerda) e 30-4-
2010 (escala da direita) com o prazo do contrato
Taxa de desconto do banco central. A quantidade de moeda em circulação, e a
sua taxa anual de aumento, é uma decisão política. Quando aumenta a quantidade
de moeda em circulação não existe nenhum efeito positivo na economia mas apenas
um aumento dos preços, i.e., ocorre inflação.
Teoria Quantitativa da Moeda: referente a um ano, a quantidade de bens e
serviços produzidos, Y, vezes o preço, P, (i.e., o produto nominal Y.P) é igual à
quantidade de moeda em circulação, M, vezes a velocidade média de circulação da
moeda, V, (i.e., em quantas transacções entra cada nota nesse ano):
Y.P = M.V
Na Zona Euro, em Março 2010 a quantidade de euros em circulação é de 818.2G€
correspondendo a 36.34% do PIB nominal), www.ecb.int, pelo que a velocidade de
circulação do Euro é cerca de 3 transacções por ano.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 102
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Resulta directamente da teoria quantitativa da moeda que a taxa de inflação é igual
à taxa de crescimento da quantidade de moeda, ∆M/M, mais a taxa de crescimento
da velocidade de circulação, ∆V/V, menos a taxa de crescimento do produto real,
∆Y/Y: Y Y V V M M P P ∆ − ∆ ∆
Esta relação obtêm-se diferenciando e dividindo Y.P = M.V:
VM
VMVM
YP
YPPY
VMVM
YPPY
VM
PY
A velocidade de circulação da moeda é, a médio/longo prazo, estável. Assim, para
haver estabilidade de preços, a quantidade de moeda em circulação deve aumentar
na proporção do aumento do produto mais a taxa de inflação objectivo. Se, por
exemplo, a taxa de crescimento do produto é de 3%/ano e se se pretende uma taxa
de inflação próxima de 2%/ano então, o banco central emite 5.06% de moeda nova
por ano. A moeda emitida tem um custo de produção que é relativamente pequeno
obtendo o banco central um lucro (que se denomina por direito de senhoriagem).
Em termos teóricos e empíricos é certo que a alteração da quantidade de moeda em
circulação apenas altera proporcionalmente os preços e induz um aumento do
produto nominal mas não é claro como o faz em termos microeconómicos. Como um
aparte, o conceito keynesiano de multiplicador do investimento autónomo, abre um
caminho para a ideia, actualmente associada com a esquerda, de que o aumento da
quantidade de moeda em circulação também possa induzir um aumento do produto
real. O raciocínio keynesiano preconiza que o ajustamento dos preços induzido pelo
aumento do rendimento nominal é lento de forma que a cadeia de transacções faz
com que um aumento da quantidade de moeda induza efeitos reais na economia.
Apresento na figura 1.5 o trajecto da taxa de inflação portuguesa na passagem de
uma taxa média de 22.3%/ano (década 1975-1985) para um objectivo de 2%/ano.
Na década 1985-1995 (governação do Prof. Cavaco Silva), a trajectória de

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 103
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
desinflação induz a ideia de que o objectivo traçado foi a taxa de inflação diminuir,
em média, a uma taxa de 20% por ano (linha a amarelo).
Depois de um período de taxa de inflação elevada os agentes económicos não
acreditam que o Banco Central, BC, tenha força política suficiente para garantir a
anunciada diminuição da taxa de inflação (principalmente os sindicatos) pelo que, o
BC terá que, parcialmente, acomodação a taxa de inflação do ano anterior para
neutralizar os aumentos nominais dos salários. A não acomodação levaria a um
aumento incomportável do salário real e a uma queda abrupta de liquidez na
economia o que teria efeitos negativos no emprego e no produto. Quando ocorrem
mudanças da denominação da moeda a diminuição da taxa de inflação pode ser
mais rápida como, e.g., no Brasil que passou de 29.3%/mês em 1994 para
1.2%/mês em 1996 mantendo-se desde então inferior a 0.5%/mês (dados da Banco
Mundial).
Em termos de controlo da liquidez no curto prazo, tornam-se necessários
instrumentos mais rápidos que a emissão de moeda. Assim, o banco central da zona
monetária (por exemplo, o BCE para a Zona Euro) pode absorver liquidez (i.e.,
aceitar depósitos) ou ceder liquidez (i.e., emprestar dinheiro) aos bancos comerciais
que, como intermediários, a transmitem a toda a economia. Para desincentivar os
bancos de recorrer ao BCE como fonte de financiamento de longo prazo (e não por
ser um spread para cobrir o risco), o BCE tem uma janela de desconto com um
spread de 1 ponto percentual (podendo ser ligeiramente menor): se, por exemplo, o
BCE fixar a taxa de juro (que denomina como taxa de desconto) em 4%/ano, então
aceita depósitos à taxa de 3.5%/ano e empresta dinheiro à taxa de 4.5%/ano
garantido por “activos bons” (os activos usados como colaterais terão que ter pelo
menos A de rating). Além disso, os bancos não podem usar sistematicamente o BCE
para a obtenção de liquidez porque, num sistema LIFO (last in, first out) de
contabilização dos créditos, ao fim de um determinado prazo, a taxa de juro
aumenta. Somando estas duas razões (a necessidade de dar garantias boas e a
taxa de juro ser crescente com o prazo), a taxa de juro do BC é normalmente inferior
à EURIBOR não sendo usado como indexador do mercado de crédito.
0,0
1,0
2,0
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 104
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
3,0
4,0
5,0
01-01-2007
01-01-2008
31-12-2008
31-12-2009
pp
Data
EURIBOR-6m
BCE+
BCE-
Fig. 1.6 – Evolução da janela de desconto do BCE entre 1-01-2007 e 30-04-2010
Em vez de mudar a taxa de juro e esperar que os bancos aceitem ou cedam
liquidez, o BC pode ainda fazer operações de mercado aberto (open market) em
que, para aumentar a liquidez da economia, leiloa a compra de obrigações (de
dívida pública com rating superior a A) “vendendo” euros e, para diminuir a liquidez,
leiloa a venda de obrigações “comprando” euros.
Apesar de a taxa de inflação ter sido tendencialmente negativa nos séculos em que
o ouro foi a moeda em circulação, tal não é aconselhável porque torna a dinâmica
dos preços errática. Isto acontece porque nos períodos de inflação negativa há um
entesouramento da moeda que induz oscilações rápidas na sua velocidade de
circulação e, consequentemente, no nível de preços. Por esta razão, o mandato do
BCE é manter a taxa de inflação estável em redor dos 2%/ano.
Ex.1.2. Determine a taxa de juro a cobrar quando a taxa de juro real pretendida é de
1.80%/ano, a taxa de inflação prevista é de 2.80%/ano, e a probabilidade de
incumprimento prevista é de 3.50%/ano.
R. Seria aproximadamente 1.80%/ano + 2.80%/ano + 3.50%/ano = 8.100%/ano e,
em temos exactos, (1 + 1.80%/ano) . (1 + 2.80%/ano) / (1 – 3.50%/ano) – 1 =
8.446%/ano.
Quando somamos taxas de juro, falamos em termos de pontos percentuais. Neste

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 105
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
exemplo, a taxa de juro real é 1.800 por cento ao ano a que se acrescentam 2.850
pontos percentuais para corrigir a inflação e um Spread de 3.796 pontos percentuais
por precaução face ao risco.
Ex.1.3. Uma determinada instituição de crédito usa a técnica de Credit Scoring na
determinar da probabilidade de incumprimento. Somando o efeito das três variáveis
relevantes (ver tabela), se o score ≤ 80, o spread será de 0.75 p.p. (i.e., pontos
percentuais), se 80 < score ≤ 120, o spread será de 1.75 p.p. enquanto que se score
> 130, o banco não concede crédito. Determine o spread para um casal que ganha
2000€/mês, tem um patrimônio de 100M€, um tem 26 anos e outro 30 anos, e
pretende pedir 175M€ para comprar uma casa avaliada em 250M€ (que custa
225M€). Assume-se uma prestação mensal de 6€ por cada mil€ de empréstimo.
PJA: Proporção dos juros e amortizações no rendimento mensal p = 100PJA
PDP: Proporção das dívidas no património
p = 25PDP
IM: Idade média do casal
p = IM
R. Como o Score p = 100x6x175/2000 + 25.[175/(50 + 250)] + 28 = 95.1 está no
intervalo ]80, 130], o Spread será de 1.75p.p.
A personalização das condições do crédito (usando um spread diferente para cada
cliente em função do seu scoring) é um instrumento de gestão de risco muito
utilizada nos contratos de crédito.

1.2 Capitalização
As taxas de variação de que a taxa de juro é um exemplo são referidas a uma
unidade de tempo, normalmente um ano. Por exemplo, uma taxa de juro nominal de
5%/ano. Se a duração do contrato for de vários anos mas os juros forem pagos no
final de cada ano, como estamos sempre a voltar à situação inicial, não há qualquer
problema algébrico. Esta é a situação dita normal.
Se os juros são pagos apenas no fim do contrato, no fim de cada ano o devedor
passará a acrescer à sua dívida os juros que não são pagos, capitalizando-os. Neste
caso, ao fim de cada ano, acrescentam-se os juros ao capital em dívida, pelo que
haverá lugar ao pagamento de juros dos juros vencidos. Estamos em presença da
situação dita capitalizada.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 106
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
i) Capitalização simples
Na capitalização simples, apesar de os juros irem ficando em dívida, não se
consideram os juros sobre os juros vencidos no fim de cada ano. É uma situação
intermédia entre a situação dita normal e a situação dita capitalizada. Apesar de ser
uma aproximação, faz sentido a sua utilização por ser simples de calcular e, para
taxas de juro pequenas e prazos pequenas, fazer uma diferença diminuta para a
correcta capitalização composta.
Sendo que é acordado um empréstimo de V unidades monetárias durante n
períodos a uma taxa de juro r (por cento) por cada período, com capitalização
simples apenas no fim do tempo contratado é que se calculam os juros multiplicando
o número de anos pela taxa de juro anual: j = n.r. No final do prazo a dívida será,
V.(1 + n.r).
Ano Capital inicial Juros do ano
Capital final 1
V V.r
V + V.r = V.(1 + r)
2 V.(1+r)
V.r
V.(1+r) + V.r= V.(1 + 2.r)
3 V.(1 + 2.r)
V.r
V.(1 + 2.r)+ V.r = V.(1 + 3.r)
N V.(1+(n–1).r)
V.r = V.(1 + n.r)
Tabela 1.2. – Capitalização dita simples
Ex.1.4. Foi acordado um empréstimo de 10k€, dez mil, a 3 anos à taxa média
EURIBOR a 3 meses acrescida de um spread de 2 pontos percentuais e que os
juros seriam pagos no fim do prazo acordado, capitalizados de forma simples. Sendo
que durante a vigência do contrato a média da EURIBOR foi 3.754%/ano;
4.217%/ano e 4.765%/ano, respectivamente, determine qual a quantia a pagar no
fim do contrato.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 107
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
R. Os juros serão 10k€(5.754% + 6.217% + 6.765%) = 1873.60€ e o total será
11873.60€.
Ex.1.5. Foi acordado um empréstimo de 25k€ a 3 meses à taxa de 3.760%/ano,
capitalização simples, determine qual a quantia a pagar no fim do contrato.
R. Os juros serão
€235 4
%76.3
25000 e o total será 25235.00€.
ii) Capitalização composta
Esta é a forma correcta de calcular os juros. Sendo que o contrato prevê que os
juros apenas são pagos no final do período do contrato, então o cálculo dos juros
deve incluir os juros dos juros que entretanto passaram a estar em dívida (e que
passaram a ser capital). Se é acordado um empréstimo de V euros que será
devolvido ao fim de n períodos acrescido de um juro à taxa de r (por cento) por cada
ano, então o capital em dívida aumenta a cada ano. Para o caso da taxa de juro ser
igual em todos os anos, teremos:
Ano Capital inicial Juros do ano
Capital final
Taxa de juro acumulada
1 V + V.r = V.(1+ .r)
(1+ r) – 1 2 V.(1 + r)
+ V.(1 + r).r = V.(1 + .r).(1 + .r)
(1 + r) 2 – 1 3
V.(1 + r) 2 + V.(1 + r)
2 .r = V.(1 + r).(1 + r) .(1 + r). (1 + r)
3–1
N = V.(1 + r)
N (1 + r)
N–1
Tabela 1.3 – Capitalização composta com taxa de juro anual constante
Ex.1.6. Calcule o total a pagar num empréstimo a 5 anos em que o capital
emprestado é de 25k€, a 5%/ano, juros a pagar no fim do período com capitalização

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 108
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
composta. Determine a taxa de juro dos 5 anos e compare com a capitalização
simples.
R. O valor final a pagar será de 25000.(1 + 5%)
5 = 31907,04€. A taxa de juro da duração total do contrato será (1+5%)
5 –1 = 27,628% enquanto que com capitalização simples seria 55% = 25% e o total
a pagar seria 31250€.
Ex.1.7. Calcule, com o auxílio do Excel, o Ex.1.4 com capitalização composta.
R. O valor final a pagar será de 11992.78€. Vou fazer uma conta corrente em que
acrescento no fim de cada ano os juros à divida. Na resolução deste problema
escrevíamos as fórmulas D2: =B2*C2; E2: =B2+D2; B3: =E2 e depois copiávamos
em coluna:
Obteria o mesmo resultado se capitalizasse a soma de dinheiro directamente,
=10000*(1+0.05754)*(1+0.06217)*(1+0.06765)
No caso de termos mais que uma parcela será equivalente usar uma conta corrente
onde vamos calculando o saldo no início e fim de cada período ou capitalizar cada
parcela e somar todas as parcelas capitalizadas.
Ex.1.8. Durante o ano, um indivíduo no início de cada mês fez os seguintes
movimento bancário: +250; +100; –50; +125;– 150; +250; –350; –25; –10; +50; 0; –
200. Para uma taxa de juro constante de 0.165%/mês, determine o saldo da conta
no fim do ano.
R. Lançava os movimentos numa folha de Excel (coluna B) e construía uma conta
corrente onde calculava os juros mês a mês (colunas C, D e E) ou capitalizava cada
movimento ao fim do ano (coluna F) e somava todos os valores capitalizados (célula
F16). O resultado seria o mesmo, 395.60€.
Anualizo a taxa de juro mensal capitalizando-a 12 meses, B1: =(1+B2)^12-1;
Conta corrente:
C4: =B4; D4: =C2*B$2; E4: =C4+D4 e copiava até D15 e E15;
C5: = B5+E4 e copiava até C15; O resultado está em E15
Capitalização:
F4: = =B4*(1+B$2)^(13-A4) e copiava até F15; O resultado está em F16:
=sum(F4:F15).

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 109
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Ex.1.9. Um indivíduo emprestou 1000€ no início do ano 1 e 1000€ no início do ano 3
e recebeu 2500€ no fim do ano 10 (i.e., início do ano 11). Calcule, com o auxílio do
Excel, qual a taxa de juro implícita no contrato (capitalização composta).
R. Em termos capitalizados, resolvo {r: 1000*(1+r)
10 + 1000*(1+r)
8 = 2500} que não é explicitável. No Excel escrevo a fórmula C2: =B2*(1+E$1)^(11-
A2) e copio-a para C3;
C2: = SUM(C2:C3) e uso a ferramenta Goal Seek para fazer a célula C4 igual ao
valor 2500 pela alteração da célula E1, onde coloco inicialmente uma taxa de juro
qualquer. Resulta 2.507%/ano como taxa de juro implícita no contrato.
Ex.1.10. Num plano de poupança a 5 anos, um indivíduo deposita 2500€ no
momento de abertura da conta e 250€ no início de cada um dos 59 meses
seguintes. Para uma taxa de juro de 0.25%/mês, determine numa conta corrente o
saldo no final dos 5 anos.
Preenchia A com edit+prencher+serie
B2: 0.250%
B1: =(1+B2)^12-1;
C4: =B4; C5: = B5+E4;
D4: =E2*B$2; E4: =C4+D4
Período de tempo fraccionário. Na tabela 1.2 usada para obter a expressão da
taxa de juro acumulada de forma composta, o número de anos é inteiro. No entanto,
como a função potência é uma função real de variável real, em termos matemáticos,
podemos extrapolar o conceito de capitalização de n anos para apenas uma fracção
do ano. Por exemplo, sendo a taxa de juro de 5%/ano, se o empréstimo durar
apenas 3 meses, a taxa de juro do contrato será (1 + 5%) 0.25 – 1 = 1.227%
(supondo que 3 meses correspondem a 0.25 anos).
Ex.1.11. Num empréstimo de 100k€ foi acordado o pagamento mensal de juros à
taxa média do último mês da EURIBOR a 3 meses e o capital apenas no fim do
prazo acordado.
Supondo um mês em que a taxa de juro foi de 5.735%/ano, quanto foi pago de
juros?
R. A taxa mensal será (1 + 5.735%)
1/12 – 1 = 0.4658% ⇒ 465.80€ de juros.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 110
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Ex.1.12. Num empréstimo a 5 anos, foi acordada uma taxa de juro total de 25%.
Supondo que os juros são pagos trimestralmente, qual será a taxa de juro trimestral?
R. Um trimestre será 1/20 do período total do contrato pelo que a taxa de juro
trimestral será dada por (1 + 25%) 1/20 – 1 = 1.122%/trimestre.
Valor Futuro = Valor capitalizado. Quando se empresta uma soma a uma
determinada taxa de juro anual (e.g., 1000€ a 4% ao ano), no futuro (e.g., daqui a 10
anos), essa soma estará maior (no caso, 1000(1+4%) 10 = 1480.24€).
Denominamos essa soma maior que resulta de capitalizar os juros como o Valor
Futuro dos 1000€. O Valor Futuro, para taxas de juro positivas, será maior que o
valor actual.
Como os recursos financeiros disponibilizados em períodos diferentes não são
comparáveis directamente, o conceito de Valor Futuro é muito importante porque
permite referir todos os recursos a um mesmo instante de tempo. Assim, é possível
comparar e até somar quantidades de dinheiro disponíveis em instantes diferentes
capitalizando-as a um mesmo instante de tempo futuro (rever o Ex.1.9).
Ex.1.13. Uma tias propõem-se a dar-vos agora 1000€ ou 1200€ quando acabarem a
licenciatura. Supondo uma taxa de juro de 10%/ano, qual a soma de dinheiro mais
apetecível?
R. O valor futuro dos actuais 1000€ daqui a 3 anos será 1000(1+10%) 3
= 1331€ que é maior que os 1200€ que então receberão. Então será melhor receber
os 1000€ já.
Ex.1.14. Foram colocadas à venda obrigações do SCP de valor nominal de 5.00€
que no mercado foram adquiridas por 4.05€. Supondo que o SCP resgata a
obrigação ao par (i.e., paga os 5€) daqui a 3 anos não pagando mais qualquer
importância (i.e., o cupão é zero), qual é a taxa de juro desta aplicação?
R. Os agentes no mercado assumem uma equivalência entre o valor futuro dos
4.05€ e os 5€ que serão recebidos daqui a 3 anos. Então a taxa de juro resolverá
ano r /%277.7
1 234568 .1
)1.(05.45: 3/1
3

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 111
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Ex.1.15. No sentido de comprar um apartamento daqui a 5 anos, um indivíduo fez
hoje um plano de poupança em que deposita no início de cada mês 1000€ durante
60 meses.
Supondo que a taxa de juro é de 4%/ano, determine o valor futuro daqui a 5 anos
deste plano de poupança (i.e., quanto dinheiro terá no fim dos 60 meses)?
R. Vou no Excel calcular o valor futuro (i.e.,
capitalizado) de cada entrega e depois somo as entregas todas.
Inserir a série dos meses na coluna A escrevendo 1 em A4, seleccionar A4 e usando
o comando Editar, Preencher, Série, Série nas colunas, tipo linear, incremento 1,
limite 60. B1: = 4%
B2: =(1+B1)^(1/12)-1
C4: =B2*(1+B$2)^(61-A4) e copiar em coluna;
C62: =Soma(B4:B63)
Se fizer uma conta corrente, resultará o mesmo valor final.
1.3 Desconto – Valor Actual ou Valor Presente
Na apresentação da capitalização composta (i.e., no cálculo do Valor Futuro de uma
soma de dinheiro) está implícito que o número de períodos do contrato de
empréstimo pode ser um número real qualquer. Então, podemos ter um número
negativo de períodos. Neste ponto vamos ver qual o significado económico de o
período de tempo ser negativo.
Quando o n é positivo, representa a distância temporal entre o instante presente
em que é feito o empréstimo/depósito e o instante futuro em que é pago o reembolso
do capital mais os juros. Se, e.g., emprestamos 100€ em 1-Jan-2009 a uma taxa de
juro 5%/ano, em 1- Jan-2029, temos n igual a 20 pelo que vamos receber 1001.05
20 = 265.33€. Se, e.g., emprestamos 500€ em 1-Jan-2010 a uma taxa de juro 4% ao
ano, em 1-Abr-2011, temos n igual a 1.25 pelo que vamos receber 5001.04 1.25 =
525.12€.
Quando o n é negativo, representa a distância temporal entre o presente (em que é
pago o reembolso do capital mais os juros) e o instante passado em que foi feito o
empréstimo. Por exemplo, se receber 100€ em 1-Jan-2011, a uma taxa de desconto
de 5% ao ano, tive que depositar no ano de 1991 o montante 1001.05–20 =
37.69€. Em termos algébricos, em vez de um número negativo de períodos posso
dividir pela taxa de juro: 100 /1.05 20 = 37.69€.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 112
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Quando tenho tempo negativo é normal denominar a taxa de juro (ou taxa de
capitalização) por taxa de desconto (por a soma vem mais pequena).
O n negativo também permite encontrar uma equivalência entre o capital que vou ter
disponível no futuro e o que teria que ter no tempo presente para ficar indiferente
entre as duas situações. Por exemplo, no meu emprego, vou receber daqui a dez
anos 100€ de prémio de bom desempenho pelo que, para uma taxa de desconto de
6% ao ano, em termos de valor presente, esses 100€ são equivalente a ter agora
100€ 1.06–10 = 55.84€. Se eu depositasse 55.84€ agora e os capitalizasse à
taxa de 6%/ano, daqui a 10 anos terei 100€.
O Valor Actual (ou presente) tem a mesma potencialidade que o Valor Futuro quanto
à comparação de valores que estão disponíveis em instantes de tempo diferentes.
Ex.1.16. Um estudante, quando terminar o curso, vai receber de umas tias um
prémio de 10k€. Supondo que pensa terminar o curso daqui a 30 anos e que a taxa
de desconto é de
5%/ano, qual será o valor actual (i.e., o valor descontado ao presente) dessa soma
de dinheiro?
R. Os 10000€ valem no presente 30%)51.(10000 – VP = 2313.77€.
Ex.1.17. Deram-me a escolher receber 1000€ agora ou receber 650€ daqui a 3 anos
mais 600€ daqui a 10 anos. Para uma taxa de juro de 5%/ano, o que será preferível?
R. Para comparar as verbas tenho que as colocar no mesmo instante de tempo, e.g.,
calcular o valor actual das duas parcelas que é 650(1+5%) –3 + 650(1+5%)
–10 = 960€. Como 960 é menor que 1000, será preferível receber os 1000€ agora.
Ex.1.18. Um sortudo ganhou numa lotaria um prémio e deram-lhe a escolher receber
350k€ agora ou 1000€ no fim de cada mês dos próximos 50 anos. Determine a taxa
de juro implícita nesta opção.
R. Vou descontar cada um dos 1000€ ao presente (também podia fazer uma conta
corrente), somá-las e aplicar a ferramenta atingir objectivo.
B2: =(1+B1)^(1/12)-1; B6: =B$3; C6: =B6*(1+B$2)^-A6; C4: =SOMA(C6:C605)
O resultado é 2.415%/ano. Se adoptasse outro instante de tempo qualquer e
descontasse/capitalizasse cada uma das parcelas a esse instante de tempo
(incluindo a capitalização/desconto dos 350k€), o resultado seria o mesmo.
Em termos conceptuais, a capitalização e o desconto são economicamente
idênticos. A diferença é que na capitalização andamos para a frente no tempo
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 113
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
enquanto que no desconto andamos para trás no tempo. Assim, trata-se da mesma
expressão da capitalização composta mas explicitada em ordem ao capital inicial:
Ex.1.19. Uma vítima do regímen nazi depositou em 1940 todo o capital que tinha
num banco. Sendo que esse banco foi obrigado a devolver o capital depositado
acrescido de juros à taxa de 3.5%/ano e a família recebeu 1M€ em 2008, qual terá
sido o capital depositado?
R. Descontando 1M€ de 2008 para 1940, n = –68, vem 68%)5.31.(1000000−Vi=
96395.38€.
Ex.1.20. Introduzo aqui a ideia (a desenvolver) de que, como existe inflação positiva,
os preços actuais nominais não são directamente comparáveis com os preços
nominais do passado. Em 2010 um café custa 075€. Sendo que neste últimos 36
anos a taxa de inflação média foi de 10%/ano, quanto teria que custar em 1974 para
corrigir o efeito da inflação?
R. Não sabemos a que dia do ano são referidos os preços mas considerando o
mesmo dia teremos n = –36 vindo P1974 = 0.75(1+10%)^–36 = 0.0243€=4$86.
1.4 Pagamento da dívida – Rendas
Já considerei duas possibilidades para o pagamento de uma dívida. Primeiro,
considerei que são pagas prestações periódicas correspondentes aos juros de cada
fracção de tempo combinada (e.g., empresto 10000€ a 3% ao ano, recebendo
74.17€/trimeste) e o capital é pago no fim do prazo contrato. Segundo, considerei
que o capital mais os juros são pagos apenas no final do prazo contrato (e.g.,
empresto 10000€ a 3% ao ano, recebendo 11592.74€ ao fim de 5 anos). Vou agora
considerar outra possibilidade: que são entregues prestações ao longo do tempo
que correspondem aos juros da fracção de tempo e a uma amortização do capital de
forma que no final do prazo não sobre nenhum capital para pagar. Este tipo de
pagamento denomina-se por renda. Amortização também é um termo adequado.
Em termos económicos estilizados, uma renda transforma um determinado stock de
dinheiro (o capital inicial) num rendimento (as prestações). As prestações podem ser
constantes ou variáveis no valor, regulares ou irregulares no tempo, podem começar
a ser pagas imediatamente ou haver diferimento de alguns períodos, podem ter
duração limitada ou serem perpétua (a expressão matemática desta renda tem
interesse na determinação da expressão de cálculo das rendas de duração limitada).

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 114
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Por exemplo, O Jardel aos 26 anos de idade ganhava muito dinheiro. Então,
poderia ter constituído um depósito de 1.5 milhões de euros e receber em
pagamento, a partir dos 35 anos, 600 prestações mensais de 5000€ cada (a taxa de
juro seria de 2.20%/ano).
Podemos emprestar um capital que recuperamos na forma de uma renda (e.g., saiu-
nos a lotaria); pedir um capital que pagamos na forma de uma renda (e.g., um
empréstimo para comprar casa); pagar prestações que recebemos no final na forma
de um capital (e.g., para comprar um barco a pronto pagamento); receber
prestações que pagamos no fim na forma de um capital (para podermos viver à
custa de uma herança que vamos receber no futuro); ou receber prestações que
depois pagamos na forma de prestações (e.g., para financiar os estudos).
Em termos conceptuais, para compararmos activos temos que referir todos os
valores ao mesmo instante de tempo. Assim, para determinar o valor da renda
temos que identificar um instante qualquer de referência podendo ter que capitalizar
umas parcelas e descontar outras parcelas.
Temos que distinguir períodos de tempo com instantes de tempo. Existe a escala do
tempo que é uma linha contínua em que cada ponto é um instante de tempo, e.g., às
12h00 do dia 15 de Janeiro de 2010. Um intervalo de tempo é o segmento que
medeia dois instantes de tempo, e.g., o semestre que medeia entre as 12h00 do dia
15 de Janeiro de 2010 e as 12h00 do dia 15 de Julho de 2010. O instante final de
um período é sempre o instante inicial do período seguinte. Por exemplo, pagar no
fim de 2010 é igual a pagar no início de 2011.
Fig. 1.7 – Contabilização do Tempo
Se a prestação é paga no início de cada período, denomina-se a renda por
antecipada.
Se é paga no fim do período denomina-se a renda por postcipada. A existência de
classificação quando a prestação é paga no início ou no fim do período indicia que
não sendo nada dito, a prestação será paga no meio do período.
Ex.1.21. No sentido de se licenciar, um estudante necessita uma renda antecipada
cuja prestação mensal é de 300€/mês e a duração de 36 meses. Supondo uma taxa
de juro de 5%/ano, utilize o Excel para calcular o valor actual da renda.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 115
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
R. Vou referir todos os recebimentos ao instante temporal zero (início do período 1).
Por exemplo, a prestação do 3º mês, por ser antecipada, precisa ser descontada 2
meses.
B4: =B$2 C4: =B4*(1+B$1)^-((A4-1)/12) e copiava até C39; C40: =SUM(C2:C37).
Reparar que em vez de calcular a renda mensal, utilizei partes fraccionadas nos
anos, (A4-1)/12.
Ex.1.22. Peguemos no exemplo da hipotética renda diferida do Jardel que já
sabemos o valor actual ser 1.5milhões€ e apliquemos o Excel para determinar a taxa
de juro implícita.
R. Haverá uma entrega positiva (+1500M€) e 600 entregas negativas (–5M€).
Vamos calcular o valor presente (no instante zero) de cada parcela e a sua soma, o
saldo na célula F3, que terá que ser zero. Na folha de cálculo adopto que as
entregas (e recebimentos) acontecem no princípio de cada mês (dai, considerar o
início de 421 em vez do fim do mês 420).
F2: =(1+F1)^(1/12)-1
C2: =B2*(1+$F$2)^-(A2-A$2) e copiava até C602;
F3: =Soma(C2:C602).
Usamos a ferramenta “atingir objectivo” definindo F3 para atingir o valor 0 por
alteração da célula F1. A taxa de juro implícita é 2.204%/ano.
Ex.1.23. Uma família adquiriu uma habitação mediante um empréstimo bancário de
150mil€ à taxa de juro de 5.5% anual a 50 anos. Supondo prestações iguais
postecipadas (pagas no fim de cada período), qual a prestação mensal a pagar?
R. Como o capital é recebido no início do 1.º mês e a renda e a primeira prestação é
paga no fim do 1.º mês (a renda é postecipada) vou considerar que o capital é
recebido no fim do período zero.
B3: =E$3; C2: =B2*(1+E$1)^-A2 e copiamos ambas em coluna até à linha 602.
C603: =SUM(C2:C602);
E1: =(1+E2)^(1/12)–1.
Uso a ferramenta “atingir objectivo” definindo C603 para atingir o valor 0 por
alteração da célula E3.
Resulta que a prestação é de 720.29€/mês.
Ex.1.24. Vou agora fazer uma conta corrente com uma prestação que vai
aumentando ao longo do tempo. Uma empresa investiu 1M€ que tem que amortizar
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 116
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
em prestações trimestrais ao longo de 10 anos. Porque se prevê que no início a
empresa tenha mais dificuldades financeiras, as prestações vão aumentando
1%/trimestre. Para uma taxa de juro de 7%/ano, construa uma conta corrente que
permita determinar as prestações trimestrais a pagar.
R. Como o capital é recebido no início do 1.º trimestre e a amortização é paga no fim
dos trimestres (a renda é postecipada) vou considerar que o capital é recebido no
fim do trimestre zero/início do trimestre 1.
E2: 1000000; H2: = (1+H1)^(1/4)-1; colocava um valor em H3; B3: =H3; C3:= E2; D3:
= C3*H$2; E3: =B3+C3+D3 e copiamos em coluna até à linha 42.
B4: = B3*(1+H$4) e copiamos em coluna até à linha 42
Uso a ferramenta “atingir objectivo” definindo E42 para atingir o valor 0 por alteração
da célula H3. Resulta que a prestação inicial é de 29031.04€ e a final de 42795.31€.
Ex.1.25. Vou referir cada prestação a um instante de tempo (e não ao início ou fim
de um período) e utilizar a função condição, se(condição; sim; não). Uns
comerciantes de frutas e legumes numas alturas podem poupar e noutras não.
Como, em média, conseguem poupar 325€/mês, quando o filho fez 15 anos,
pensando que precisará de 750€/mês quando for para a universidade, decidiram
constituir uma conta poupança. Numa folha de Excel lancei a data e os movimentos
(colunas A e B). A taxa de juro quando o saldo é negativo (taxa de juro activa) é de
5%/ano e quando os saldo é positivo (taxa de juro passiva) é de 2%/ano.
C2: =B2; D2: =(A3-A2)/365; E2: =C2*((1+SE(C2>0;J$3;J$2))^D2-1); F2: =C2+E2
C3: =B3+F2 e copiava em coluna até à linho 83; B84=-F2
Agora que está compreendido como podemos capitalizar/descontar as várias
prestações de forma a podermos compará-las ou somá-las, vou apresentar algumas
expressões analíticas que permitem determinar o valor actual de uma renda (no
instante 0).
i) Renda perpétua.
Se a renda durar para todo sempre (i.e., recebem-se sempre prestações mas nunca
mais se recebe o capital), então em qualquer período, a renda vale sempre o mesmo
(pois receberemos sempre o mesmo número de pagamentos futuros, infinito). Então,
em termos algébricos, estamos numa situação idêntica a um empréstimo em que, no
fim de cada período (i.e., postecipada), são pagos apenas os juros. Se a

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 117
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
prestação anual é P, o capital (i.e., o valor actual da renda) é V e a taxa de juro r,
teremos: r P V VP ⇔
Podemos confirmar este resultado descontando as infinitas prestações ao presente
que é uma série geométrica de razão (1 + r):
...)1.( )1.(21− − r P r PV
Podemos fazer um cálculo aproximado no Excel. Por exemplo, para uma prestação
mensal de 100€, uma taxa de juro de 0.25%/mês e uma duração de 2400 meses
(200 anos), o valor actual da soma de todas as prestações é de 39900.10€ enquanto
que o valor teórico da renda de duração infinita é de 4000.00€.
C3: =B3*(1+$B$1)^-A3 e copiava em coluna
E1: =B3/B1 E2: = Soma(C3:C2402)
Também podemos pensar na renda perpétua como um capital que paga uma
prestação a cada intervalo de tempo e que ao fim de um determinado prazo, e.g., 10
anos, devolve exactamente o mesmo capital.
Se a prestação for antecipada, teremos que somar a prestação inicial: )1()1(r Vpost
R r P r PrP r P P post P Vant
Ex.1.26. Um agricultor arrendou um terreno por 50€/mês para sempre, postecipado.
Supondo uma taxa de juro de 5%/ano, qual será o valor presente do terreno? E se a
prestação for antecipada?
R. Calculo a taxa de juro mensal, (1+5%)^(1/12)–1 = 0.407%/mês, e aplico essa taxa
na expressão da renda perpétua postecipada: Vp = 50/0.407% = 12278.58€. Se for
antecipada teremos um pouco mais: Va = 50/0.407%(1 + 0.407%) = 12322.58€.
Ex.1.27. Um eucaliptal produz, a cada 10 anos, 12kg/m2 de madeira. Supondo um
preço de 0.03€/kg de madeira e uma taxa de juro de 3%/ano, qual será o valor
actual do eucaliptal?
R. Calculo a taxa de juro por 10 anos, (1+3%)^10–1= 34.392%, e aplico essa taxa na
expressão da renda perpétua postecipada: V = (120.03)/34.392% = 1.05€/m 2.
Se a prestação for diferida, como a expressão da renda se refere ao valor
actualizado ao início do primeiro período de recebimento de prestações, teremos
que descontar a expressão o número de períodos de deferimento: n r Vpost n Vdef −
)1( )(
Se a prestação for paga no meio do período, relativamente à renda postecipada,
é necessário antecipá-la meio período:
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 118
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
5.0 )1(r r P Vmeio
Ex.1.28. Um investimento de 1000€ retorna uma renda perpétua de 50€/ano a
começar decorridos 10 anos de realizado. Qual é a taxa de juro desta renda?
R. O valor actual da renda infinita no início do 10º ano será 50/r (1 +r) que temos
que descontar para o presente, 1000 = 50/r (1 +r) (1 +r) –10 ⇔r = 3.628%
(calculei r no
Excel com a ferramenta atingir objectivo).
O conceito de renda perpétua parece não ter aplicação directa ao cálculo da
amortização de empréstimos. No entanto é aplicável quando no fim do prazo
contratado é devolvido o capital inicial e simplifica a determinação da expressão
analítica da renda de duração limitada.
Ex.1.29. Uma obrigação com o valor nominal de 100€ paga trimestralmente 1€ de
cupão e o par (i.e., os 100€) mais o cupão do trimestre final ao fim de 10 anos.
Determine a taxa de juro desta obrigação.
R. Como no fim do prazo recebemos o par, aplicamos simplesmente V = P/r ⇔ r =
P/V = 1/100 = 1%/trimestre ⇒ (1 + 1%)^4-1 = 4.06%/ano.
ii) Renda de duração limitada.
Com o conhecimento da expressão da renda perpétua podemos agora determinar o
valor de uma renda de duração limitada compondo duas rendas perpétuas, uma a
somar e outra (diferida os períodos de duração da renda) a subtrair. Supondo que
recebemos a renda postecipada (i.e., no fim de cada período) entre o presente e o
período N então, o resultado é equivalente a receber uma renda perpétua a começar
no período actual, V1 = P / r, e pagar uma renda perpétua diferida N períodos,
descontada ao presente V2 = P / r (1 +r) –N . O valor actual (i.e., no instante 0)
da renda postecipada que dura N períodos (i.e., recebe-se N prestações) será dada
por: N VVV −)1(1 )1( 2 1
Ex.1.30. Um agricultor arrendou um terreno por 50€/mês, pago no fim do mês
(postecipado), até que o TGV lhe destrua o terreno (i.e., daqui a 25 anos). Supondo
uma taxa de juro de 5%/ano, qual será o valor actual do terreno?
R. Taxa de juro mensal = (1+5%)^(1/12)–1 = 0.407%/mês
V = 50/0.407% (1– 1.00407 –300) = 12278.58€ x 0.7047 = 8648.45€

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 119
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Se a renda for paga no princípio do período (i.e., antecipada), teremos que somar
a prestação inicial e subtrair a prestação final que é equivalente a capitalizar um
período, i.e., multiplicar por (1 + r): )1()1(1 )1()1()1(1)1()1(rrrPrrrPrrPPVNNN−
Ex.1.31. Suponha que o Figo, entre os 25 e os 35 anos, depositou 100mil€ no início
de cada mês (i.e., 120 prestações, antecipadas). Para uma taxa de juro de 3%/ano,
i) qual o valor que terá na conta aos 35 anos? ii) Suponha que o Figo, com essa
poupança, pretende receber uma reforma de prestações iguais entre os 35 anos e
os 85 anos (600 prestações postecipadas e diferidas 10 anos), de quanto vai ser a
prestação?
R. Vamos calcular o valor presente da renda e depois determinar o seu valor futuro
daqui a 10 anos (capitalizá-la). Sendo r = 1.03^(1/12) – 1 = 0.2466%/mês, vem
ii) Se fizermos a conta em relação ao instante actual, teremos:
k/€44665 89.232 10402 0 03.1
03.11 %247.0
10402 10
50 ⇔
Se fizermos em relação ao instante em que começa a aposentação, teremos o
mesmo resultado 44665 98.312 13979 0 03.11 %247.0
Ex.1.32. Um aforrador deposita no início de cada mês uma quantia numa conta que
remunera a poupança à taxa de juro fixa de 2%/ano.
i) Suponha que já depositou 250€/mês durante 120 meses, quanto dinheiro tem
capitalizado na conta?
ii) Fazendo mais 120 depósitos de 300€/mês quanto ficará capitalizado?
iii) Para dividir o valor capitalizado numa renda antecipada com duração de 180
meses, qual a prestação mensal que receberá?
R. i) Calculo a taxa de juro mensal %165.01)12/1(%)^21(−r e aplico a expressão do
valor actual da renda antecipada com a taxa fixa 81.
27238 %) 165.01(%)
165.01(1 %165.0
250 )1()1(1 120
ii) Aplico o mesmo raciocínio mais 120 meses e somo o capital que já tinha.
80950%)
165.01(%)
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 120
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
165.01(%)
165.01(1%165.0
300 95.
Recordar que a expressão da renda faz o cálculo do seu valor actualizado ao início
do período em que se começam a receber as prestações. Neste caso, esse período
é o início do 121º mês.
iii) Vou fazer o cálculo no instante em que começa a reforma 39.519

Obrigações a taxa fixa


Uma obrigação consiste num activo que condensa uma entrega inicial (o preços de
aquisição) e um ou vários recebimentos futuros. Normalmente uma obrigação tem
um valor nominal (denominado o par), um prazo, paga prestações (o cupão) e findo
o prazo devolve o par (a remissão). O preço da obrigação pode ser maior ou menor
que o par, dependendo da taxa de juro de mercado, do risco da entidade emissora e
do valor do cupão.
Denomina-se por “imparidade” quando o valor da obrigação cai abaixo do par.
A remissão da obrigação ocorre com o pagamento, normalmente, do par, e pode
acontecer em data certa ou em data sorteada. Quando a data de remissão é
sorteada, a estabilidade da rentabilidade da obrigação obriga ao pagamento de um
cupão. As condições do sorteio são descritas no contrato, por exemplo, que são
emitidas 1milhão de obrigações e que no fim de cada trimestre são sorteadas 50mil
obrigações que serão remidas ao par no dia do pagamento do cupão. O sorteio
facilita à entidade emissora ir amortizando as obrigações em dívida sem a
complexidade de ter emissões com prazos de maturidade diferentes.
Apesar de no momento em que se faz a entrega inicial serem conhecidas todas as
características do contrato, o preço da obrigação altera-se no decurso do tempo. As
principais razões para a alteração do preço da obrigação são i) uma valorização por
o tempo ir decorrendo (equivalente à capitalização dos juros); ii) uma desvalorização
pelos recebimentos que aconteçam (o cupão); iii) (no caso da taxa contratada ser
fixa) uma valorização (ou desvalorização) por a taxa de juro de mercado para o
remanescente do prazo contratado diminuir (ou aumentar); e iv) uma valorização (ou
desvalorização) pela diminuição (ou aumento) do risco de incumprimento (i.e.,
falência) da entidade emitente das obrigações.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 121
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Notar que, contrariamente à generalidade dos depósitos a prazo em que o Banco
Comercial permite levantar o dinheiro antes do prazo contratado (com ou sem
penalização), nas obrigações não se pode obter do emissor o dinheiro antes da
maturidade. No entanto, existe a possibilidade de vender a obrigação a outra pessoa
(mercado secundário de obrigações) pelo preço que der.
Ex.1.33. Uma obrigação a 10 anos de valor nominal de 100€ reembolsável ao par
(i.e., serão pagos 100€ daqui a 10 anos) vai ser vendida em leilão. Não há
pagamento de cupão.
i) Supondo um investidor que quer ser remunerado a uma taxa média para este
prazo e risco da empresa de 7.5%/ano, determine o preço máximo que o investidor
está disponível para pagar pela obrigação.
ii) Passados 5 anos, qual será o valor da obrigação?
iii) Se o mercado justificar um aumento da taxa de juro em um ponto percentual,
qual a desvalorização da obrigação?
iv) Se o investidor adquiriu a obrigação a 45€, qual a taxa de juro que pensava
receber e qual receberá se vender a obrigação depois da desvalorização?
R. i) Vamos descontar os 100€ ao presente:
€52.48
075.1
100
10 − V. A pessoa, no máximo, estará disponível a pagar 48.52€.
ii) Decorridos 5 anos, só faltam outros 5 anos para o recebimento pelo que a
obrigação valerá os 100€ descontados apenas 5 anos:
€66.69
075.1
100
5−V.
iii) A taxa de juro passa a ser 8.5% pelo que o aumento da taxa de juro de mercado
desvaloriza a obrigação em 4.5%, passando de 69.66€ para
€50.66
085.1
100
5 − V.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 122
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
iv) A taxa de juro seria
%31.8
€45 )1(100 10⇔−rrV e passa a ser ligeiramente inferior:
%13.8 €45 )1(50.66 5⇔− iiV.
Ex.1.34. Uma obrigação soberana (i.e., emitida por um Estado) a 50 anos emitida
em 2010 cujo par é 1000€ paga um cupão de 25€ no fim de cada ano e o par mais o
cupão no fim do prazo. Qual a taxa de juro da obrigação se for adquirida ao par?
R. A expressão será 1000 1 1000)1(1
25 50 50−
Com a ferramenta atingir objectivo do Excel fazemos A2: =25/A1*(1-(1+A1)^-
50)+1000*(1+A1)^-50 igual a 1000 por alteração de A1) resultando r = 2.500%/ano.
Também podíamos ter simplificado a expressão obtendo uma renda perpétua (como
no Ex.1.29): 1000
25)1(11000)1(1
25 50 50⇔r
iii) TAEG implícita no contrato
TAEG: Taxa de juro anual efectiva global
Normalmente, nos contratos de compra a crédito (e.g., de electrodomésticos, carros
e férias) é acordado não tanto o preço do bem ou a taxa de juro mas qual o plano de
pagamento das prestações e de outros custos. No sentido de informar o cliente, o
vendedor tem que obrigatoriamente afixar, além do valor das prestações, o preço a
pronto pagamento e a taxa de juro implícita no contrato incluídas todas as despesas
que o comprador irá ter (prestações + comissões + taxas + etc.).
Poderá haver diferenças subtis entre pagamento a dinheiro, pagamento à vista e
a pronto pagamento. Pagamento a dinheiro (ou a contado) é em simultâneo com a
transacção e em moeda. Pagamento à vista poderá ir até 3 dias desde a data da
transacção. A pronto pagamento quer dizer que é pago de uma só vez (em oposição
ao pagamento em prestações) e, geralmente, é pago na hora mas pode haver um
pequeno prazo, e.g., 10 dias (será a pronto pagamento mas diferido). Normalmente,
pronto pagamento é pago na hora excepto no caso de se usar cheque que será a 3
dias.
A taxa de juro efectiva opõe-se a taxa de juro nominal (não no sentido que já vimos
mas) no sentido de que não corresponde verdadeiramente à taxa de juro que
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 123
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
efectivamente é paga. A diferença prende-se com usar-se capitalização simples. Por
exemplo, se pagamos mensalmente 0.5%/mês de juros, em termos nominais (i.e.,
usando capitalização simples), a taxa de juro será 0.5%/mês12meses = 6%/ano
mas, em termos efectivos (i.e., usando capitalização composta), será (1 + 0.5%)^12–
1 = 6.17%/ano.
Ex.1.35. Um televisor Tal-Tal tem o preço a pronto pagamento de 1190 Euros mas o
comprador pode comprar a crédito “pagando 119€ na entrega do bem mais 12
prestações trimestrais de 100€. Ocorrerá uma verificação do cumprimento do
contrato ao fim do primeiro ano que importa no pagamento de 50€”. i) Determine a
TAEG deste contrato de crédito. ii) Se a taxa EURIBOR for de 5.5%/ano, qual é a
probabilidade de incumprimento implícita no contrato de crédito?
R. Podemos resolver este problema no Excel.
Primeiro, construímos o modelo à direita
B2: = 1190-119; B3: 100; B6: -150
C2: =B2*(1+E$2)^(-A2) e copiar em coluna.
C15: =Soma (C2:C14)
Depois, com a ferramenta “atingir objectivo”, definimos a célula C15 para o valor 0
alterando E2. Resulta que a TAEG é 10.386%/ano.
ii) A probabilidade implícita de incumprimento resolve a diferença entre a taxa
contratada e o EURIBOR: ano pVp /%427.4%)
386.101/(%)5.51(1%)
386.101/(%)5.51() 1(%)5.51() 1(%)
386.101(0−⇔
Ex.1.36. Um anúncio dizia “Telefone que lhe emprestamos 5000€ por apenas 150€
mensais (durante 60 meses, TAEG=29.28%/ano)”. Confirme a TAEG.
R. A TAEG é 29.46%/ano. A norma das compras a crédito é que a prestação seja
paga no fim do mês pelo que usamos a expressão da renda postecipada que
resolvemos no Excel com a ferramenta atingir objectivo: r = 2.175%/mês ⇔r =
29.46%/ano
A1: 5%; A2: =150/A1*(1-(1+A1)^-60), fazer A2 igual a 5000 pela mudança de A1.
1.5 Preços correntes e preços constantes
Como afiança a teoria económica, a inflação (i.e., a subida generalizada dos preços
e dos salários) não tem consequência significativa na afectação dos recursos
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 124
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
escassos, que apenas sofre alteração se ocorrerem mudanças nos preços relativos
dos recursos. Então, interessará retirar a inflação (uma previsão, se o estudo for
feita para o futuro) dos preços e dos rendimentos para que a análise dos activos
disponíveis em instantes de tempo diferentes tenha em consideração o seu poder
aquisitivo real. Por exemplo, sabermos qual o poder aquisitivo dos 44665€ mensais
que o Figo terá disponível na sua reforma (ver Ex. 1.31) quando atingir os 85 anos
de idade.
Os preços dos bens ou serviços observados no dia a dia denominam-se de preços
corrente ou preços nominais e variam ao longo do tempo. Por exemplo, os
combustíveis mudam de preço quase todas as semanas. Apesar de haver
alterações nos preços relativos, podemos calcular um “preço médio” dos bens e
serviços e utilizá-lo para calcular a taxa de inflação que quantifica a subida média
percentual dos preços em cada período de tempo, normalmente um ano. Ao preço
médio chama-se nível geral de preço. Como não existe um bem médio, o nível geral
de preços no consumidor refere-se à despesa que uma família incorre na aquisição
de um cabaz médio de bens e serviços. O cabaz é obtido por inquéritos às famílias a
intervalos de aproximadamente 10 anos denominando-se o ano do inquérito por ano
base e a despesa (i.e., o nível geral de preços) fica normalizada a esse ano base
com o valor 100. Nas famílias o preço médio denomina-se por Índice de Preços no
Consumo, IPC.
Apresento na figura 1.8 um exemplo de construção no Excel de um IPC que segue a
metodologia de Laspeyres (i.e., cabaz fixo) em que o ano base é 2005.
Fig. 1.8 – Exemplo da construção de um índice Laspeyres de preços
C10: =$B3*C3+$B4*C4+$B5*C5+$B6*C6+$B7*C7+$B8*C8+$B9*C9
C11: =C10/$C$10*100
Quando retiramos ao preço corrente a subida média dos preços (i.e., a inflação)
obtemos o preço em termos reais do bem ou serviço em análise (ou o rendimento
real) que também se denomina por preço em termos constante.
Para transformar preços correntes em preços reais utilizamos o índice de preços
como deflator. Se precisarmos de transformar os preços correntes do período J, P.J,
em preços reais com base no ano T, PTJ, teremos que multiplicar o preço corrente
pelo índice de preços do período T, IP.T, e dividir pelo índice de preços do período J,
IP.J, (não interessa qual o ano base do IP):
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 125
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
JIP TIP JPJP T.
Ex.1.37. O preço de um frigorífico era 178.50€ em 2006 e 169.90€ em 2010. Em
referência ao IPC da figura 1.8, qual foi a variação em termos nominais e reais do
preço?
R. Em termos nominais temos (169.90 – 178.50)/178.50 = 169.90/178.50–1 = –
4.77%.
Em termos reais, como o IP aumenta de IP.2006 = 101.61 para IP.2010 = 102.86, o
preço de 2006 na base 2010 aumentará de 178.50€ para 180.70€ =
178.50101.61/102.86, tendo a variação total sido –5.98% = 180.70/169.90 –1 a
que corresponde uma variação média anual de –1.53%/ano = (1–5.98%)^(1/4) –1.
Ex.1.38. O salário mínimo em 1974 era de 16,46€/mês e em 2010 é de
475,00€/mês.
Supondo que o índice de preços no consumidor era IP20001975 =4.003 (i.e., em
1975 sendo 2000 o ano base e igual a 100) e IP20002010 = 126.62, compare, em
termos reais, o poder aquisitivos do SM nesses dois anos e a taxa de variação anual
em termos nominais e reais.
R. A comparação terá que ser feita referindo os valores ao mesmo ano. O
SM20101974 = €65.520 003.4 62.126 46.16
(os 16.46€ do SM de 1974 valeriam 520.65€ em 2010) é maior que os 475€ do
SM.2010 pelo que o SM diminuiu em termos reais. Relativamente a 1974 obteríamos
a mesma conclusão pois SM10742010 = €02.15
16.125 003.4 475 que é menor que os 16.46€ do SM.1974. Relativamente à taxa de
variação, em média, em termos nominais o SM aumentou (475/16.46)^(1/36)–1 =
9,79%/ano e, em termos reais, diminuiu, (15.02/16.46)^(1/36) –1 = –0,25%/ano.
A taxa de inflação é calculada com base no índice de preços (no consumidor) que,
como referido, traduz um preço médio de um cabaz de bens e serviços
representativo das compras dos consumidores (índice de cabaz fixo, Laspeyres). O
índice de preços no consumo é calculado pelo Instituto Nacional de Estatística, INE,
com periodicidade mensal.
A taxa de inflação homóloga é a variação percentual entre o IPC no mês corrente
do ano passado e o IPC no mês igual deste ano.
A taxa de inflação média anual é a média das 12 taxas de inflação homóloga.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 126
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
A taxa de inflação acumulada é a variação percentual entre o IPC de Dezembro do
ano anterior e o IPC do mês em referência do ano actual.
A taxa de inflação mensal anualizada é a variação percentual entre o IPC no mês
anterior e o IPC no mês actual.
A taxa de inflação em cadeia é a taxa de inflação mensal (ou trimestral) mas sem
anualizar.
Em termos formais, denominando IPT e, IPT+1 os índices de preços no início dos
períodos T e T+1, respectivamente, calculamos a taxa de inflação homóloga durante
o período T, T, por: 1 1 1 – IP IP IP
Se, por exemplo, em Janeiro de 2005 o IPC valia 128.72 e em Janeiro 2006 passou
a valer 131.43, então a taxa de inflação homóloga de Janeiro de 2006 é
131.43/128.72 – 1 = 2.11%/ano.
Ex.1.39. Conhecido o índice de preços no consumo mensal entre Janeiro de 2009 e
Dezembro de 2010, determine a taxa de inflação homóloga, acumulada, mensal em
cadeia e mensal anualizada para todos os meses de 2010. Determine ainda o IPC
para 2009, 2010 e a taxa de inflação média no ano de 2010.
R. Apresento na figura seguinte a construção no Excel onde usei o artifício gráfico
(impossível de fazer na folha) de apresentar dois cortes.
C2: = AVERAGE (B2:B13) C14: = AVERAGE (B14:B25)
C26: =C14/C2-1
D14: =B14/B2-1
E14: =B14/B$13-1 F14: =B14/B13-1 G14: =(B14/B13)^12-1
D26: =AVERAGE(D14:D25)
O índice de preços em referência a um ano é obtido como a média dos índices de
preços mensais. Desta forma, podemos obter a taxa de inflação média usando os
IPC na referência anual (aproximadamente) sendo a diferença, para taxas de
inflação até 5%/ano, menor que 0.01 pontos percentuais (no Ex.1.39 a diferença é
de 0.33 pontos base).
Ex.1.40. o IPC2005 vale 79.41 em 2000 e vale 107.93 em 2010. Determine a taxa
de inflação média anual na década de 2000, nos primeiros 5 anos e nos últimos 5
anos.
R. Sabemos que o IPC2005 vale 100 em 2005 pelo que teremos
Tx.Inflação(2000-2010) = (107.93/79.41)^(1/10)–1 = 3.12%/ano
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 127
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Tx.Inflação(2000-2005) = (100/79.41)^(1/5)–1 = 4.72%/ano
Tx.Inflação(2005-2010) = (107.93/100)^(1/5)–1 = 1.54%/ano
Como a taxa de inflação é calculada com o índice de preços, também podemos
utilizá-la na transformação de preços correntes em preços reais capitalizando ou
descontando os preços (rever Ex.1.20). Sendo que o preço corrente do ano 2005 de
um bem é p.2005 e passa a ser p.2006 em 2006, podemos retirar o aumento
generalizado dos preços descontando p.2006 um período usando a taxa de inflação
como taxa de desconto: 2006.
Por exemplo, em termos correntes temos p.2005 = 1.25€ e p.2006 = 1.30€ e a taxa
de inflação em 2006 foi 2.10%/ano. O preço de 2006 na base de 2005 valeria:
€273.1%10.21 30.1 2006
1 2005
Em 2006 o preço aumentou, em termos nominais, 1.30/1.25–1 = 4.00%/ano e em
termos reais 1.273/1.25–1 = 1.86%/ano. Notar que a taxa de crescimento real é a
taxa de crescimento nominal menos a taxa de inflação
(1+4.00%/ano)/(1+2.10%/ano) –1 = 1.86%/ano ≈4.00%/ano – 2.1%/ano.
Para transformar preços correntes do período T+n, P.(T + n), em preços constantes
da base T, PT(T + n), descontamos a taxa de inflação de cada um dos n–1 períodos:
NT T
nTp
Se o ano base for mais no futuro que o ano em consideração, então capitalizamos o
preço. Para ter o preço do período T na base T+1, teremos:
T TpTp1 e para ter o preço do período T na base T+n capitalizamos a taxa de
inflação de cada um dos n–1 períodos: NT T
T NT TpTp
21
Interessa fixar (porque a inflação é por regra positiva) que fazer um preço constante
em referência a um instante de tempo futuro aumenta o preço e vice-versa.
Ex.1.41. Supondo que a taxa de inflação média nos últimos 30 anos foi de 10%/ano
e que em 1980 um professor universitário ganhava 100€/mês (i.e., 20 contos/mês)
se, em termos reais, o salário se mantivesse constante, quanto seria em 2010 em
termos nominais?
R. Se era 100€, agora teria que ser 100(1+10%)^30 = 1745.94€ (i.e., 349contos).
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 128
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Apresento agora um exemplo de transformação do Salário Mínimo Nacional de
preços nominais (correntes), SMN, em preços reais (constantes) de 1974 (Escudos)
e de 2010 (Euros).
(fonte: http://www.dgert.mtss.gov.pt/Trabalho/rendimentos/evolucao_smn.htm).
Calculei o IPC com uma série do Banco Mundial, WB-CD2009 e do INE. No cálculo
do valor do SM em relação ao PIBpc a preços correntes, considerei 14 meses e
calculei o PIBpc dividindo o “GDPpc (corrente LCU)” pela “Population, total” do WB-
CD2009 e extrapolando para 2009 e 2010.
Recordo que inicialmente o salário mínimo nacional era pago 12 meses/anos e não
se aplicava à agricultura nem aos serviços domésticos (que nos anos 1970 tinham
um peso considerável) nem aos menores de 20 anos de idade.
Preços correntes
Preços constantes 2 Ano IPC2000
Escudos
Euros
PIBpc€ SM/PIBpc $ de 1974 € de 2010 PIBpc€2010
3 1974 4,003
3300 16,46 €
242,39 €
95,07%
3300 520,66 €
7.667 €
4 1975
4,819
3300
16,46 €
259,43 €
88,83%
2741 432,50 €
6.817 €
5 1976
5,699
4000
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 129
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
19,95 €
313,44 €
89,12%
2810 443,29 €
6.964 €
6 1977
7,249
4500
22,45 €
413,95 €
75,91%
2485 392,07 €
10700 53,37 € 1.167,57 €
Tabela 1.4. - Salário Mínimo Nacional a preços correntes e a preços constantes (de
2008)
D3: =C3/200,482; F3: =D3*14/E3; G3: =C3*B3/B$3; H3: D3*B$39/B3; H3:
=F3*$C$39/$C3 e copiava em coluna. Existe uma alteração entre as colunas C e D.
Ex.1.42. No exercício 1.31, vimos que o planeamento da reforma do Figo se traduz
num recebimento a preços correntes de 44665€/mês entre os 35 e os 85 anos de
idade.
Prevendo-se uma taxa de inflação de 2%/ano e uma taxa de juro nominal de
3%/ano, i) determine a preços reais de agora, qual será o valor desse renda (faltam
50 anos). ii) Supondo as mesmas entregas, determine um plano de reforma a
preços constantes de agora.
R. i) Vamos descontar esse valor ao presente com a taxa de inflação como taxa de
desconto: € 16594 %)21(44665 50 − R. ii) Vimos no ex.1.31 que o Figo tem
actualmente na conta bancária 13979k€. Vamos usar o Excel para calcular as
prestações a receber a preços correntes (que serão crescentes).
Partindo de uma prestação em termos reais qualquer (colocada em E1), constrói-se
um modelo no Excel em que a prestação em termos correntes vai aumentando à
taxa de 2% ao ano (0.16516%/mês). Descontamos cada uma das prestações a
preços correntes ao presente (coluna C) e a soma do dinheiro que lá temos com as
prestações tem que dar zero. A prestação em termos reais a preços do instante zero
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 130
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
será de 29.502/(1+0.165%) = 29453 €/mês e em termos correntes, começa em
29502€ e atinge no último mês 79275€.
B3: =F5
B4: =B3*(1+F$4) C2: =B2*(1+F$2)^-A2 e depois copio em coluna C603:
=Soma(C2:C602) e uso a ferramenta “Atingir objectivo”.
No ficheiro Excel com os exercícios também resolvi este exercício com uma conta
corrente.
Nota Importante: Podia também fazer a análise a preços reais retirando a taxa de
inflação da taxa de juro nominal. A taxa de juro real mensal será:
%0813.01%)21/(%)31(12/1−/mês.
Então, a preços constantes, resolve-se:
€05, 29453 000813 .11
000813
Dá exactamente o mesmo valor para a reforma em termos reais.
Ex.1.43. O sistema de reformas tem como filosofia a solidariedade entre os que
estão a trabalhar e os que estão reformados: Quem trabalha hoje contribui com uma
percentagem do seu salário que é encaminhada directamente para os que estão
reformados hoje. No entanto, em termos individuais é como se fosse um sistema de
capitalização em que as contribuições são capitalizadas a uma determinada taxa de
juro. A teoria económica diz que, no longo prazo, um sistema de solidariedade
equilibrado obriga a que a taxa de capitalização das contribuições (i.e., a taxa de
juro real) seja igual à taxa de crescimento do produto.
Na fig. 1.9 mostro a evolução da taxa de crescimento do produto interno bruto
português de 1960-2010 em termos reais (dados do banco mundial 1961-2008, INE
para 2008-9 e estimativa para 2010) a que ajustei pelo método dos mínimos
quadrados a função exponencial negativa, 1960 (%)^ 83.21(%56.6ˆ−Ano r. A
tendência dos últimos 50 anos é uma diminuição de um crescimento do PIB de
6.5%/ano para 1.6%/ano. A taxa de crescimento média foi no período 1960-80 de
5.5%/ano, no período 1980-2000 de 3.1%/ano e na última década de apenas
0.5%/ano (degraus a verde).
-5% 0%
5%
10%
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 131
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
1960
1970
1980
1990
2000
2010 Ano
1.6%
6.5%
5.5%
3.1%
0.5%
Fig. 1.9 – Taxa de crescimento do PIB (WDI2009) e tendência de evolução
O sistema de pensões português tem, em termos históricos, sido optimista quanto à
evolução do PIB o que implica recorrentes situações de insolvência do sistema que
obrigam a
alterações das formulas de cálculo no sentido da diminuição dos montantes das
pensões futuras a pagar e um reforço das contribuições. Actualmente aponta para
40 anos de descontos para obter aos 65 anos de idade uma reforma igual a 80% do
salário real médio (i.e., corrigido da inflação) de todo o período contributivo.
Conduzi uma simulação no Excel em que fui alterando a taxa de juro real e, com a
ferramenta Atingir Objectivo, determinei a correspondente percentagem possível da
reforma que equilibra o sistema (que copiei para a coluna J). Assumi que o
trabalhador inicia as contribuições aos 25 anos, que contribui durante 40 anos, que
os salários aumentam à taxa de 80% da taxa de crescimento do PIB e que se
reforma aos 65 anos. Equilibro o “sistema” (i.e., faço F8 igual a zero) podendo alterar
qualquer uma das variáveis de F2:F4.
A regra actual, para uma idade média de morte de 78 anos, corresponderá a uma
taxa real de capitalização dos descontos próxima de 1.75%/ano mas a tendência da
evolução da taxa de crescimento do PIB (ver, Fig. 1.9) sugere que não será
sustentável essa percentagem por o PIB ter um crescimento débil e a esperança de
vida estar a aumentar (o que já está salvaguardado na formula de cálculo). Para um
crescimento do PIB na casa do 1%/ano e 85 anos de idade média de morte a
reforma só poderá ficar nos 50% do salário médio.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 132
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
F1: =0,8*F2; B3: =B2*(1+$F$1) e copiei até B41 (onde o trabalhador faz 65 anos)
C2: = F$3*B2*(1+F$2)^-(A2-A$2)*(SE(A2>F$6;0;1)) onde a condição serve para ter
a idade de morte como variável do modelo; F5: = Average(B2:B62).
Fazer a célula F7 igual a 0 pela alteração da célula F2.
Ex.1.44. Na decisão de aquisição de uma habitação tem-se em conta se o capital é
próprio, os impostos e custos de manutenção e o valor residual do imóvel.
Consideremos uma habitação cujo preço são 250k€, que em termos reais os
impostos e despesas de manutenção são 1%/ano do preço do imóvel e que o valor
residual ao fim de 50 anos é 30% do preço do imóvel. Faça uma análise a preços
constantes do custo mensal da habitação i) assumindo que o capital é próprio e que
tem aplicação alternativa à taxa de juro real de 1%/ano. ii) assumindo o que o capital
é pedido emprestado com uma TAEG real de 2.5%/ano.
R. i) Temos uma renda descontada à taxa de ≈2%/ano que dura 50 anos (600
meses) mais 30% do preço que terá que ser descontado ao presente. Considerei
que a prestação é contabilizada no meio do mês, resultando num custo de
583.28€/mês.
Se fizesse a análise em termos anuais (prestação no meio do ano) e dividisse por 12
meses, a diferença era de apenas 0.60€/mês.
ii) Assumindo uma TAEG real de 2.5%/ano, com o custo de manutenção fica
≈3.5%/ano, vindo o custo da fruição da habitação 826.61€/mês.
Se, por exemplo, houvesse a possibilidade de arrendar a casa por 750€/mês, seria
uma má opção para quem tivesse o dinheiro e uma boa opção para quem
precisasse de recorrer ao crédito.
Podem persistir dúvidas se, por a análise ser em termos reais, é necessário
descontar os 30% do valor residual ao presente. Verifiquemos que sim construindo
uma conta corrente.
B2: -250
B3: =D2+F$3
C2: =A3-A2
D2: =B2*(1+F$2)^C2
B603: =D602-30%*B2
F2: =(1+F1)^(1/12)-1
Compatibilização de tramos da série com diferentes bases
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 133
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Com o acesso a diferentes fontes de informação e com o decorrer do tempo, as
séries de preços mudam de base. Nas mudanças, o índice sofre uma quebra porque
salta do valor do antigo tramo da série para 100 e são alterados os pesos relativos
dos grupos agregados no índice (a importância de cada grupo de bens e serviços na
despesa das famílias).
Quando é preciso utilizar o número índice ao longo de todos os períodos, torna-se
necessário compatibilizar os vários tramos da série à mesma base. A redução não é
verdadeiramente uma mudança para a mesma base porque não se tem em
consideração que existem alterações dos ponderadores dos preços (i.e., da
composição do cabaz) mas permite fazer uma transição suave entre os vários
tramos da série.
No sentido de tornar possível a compatibilização dos tramos, estes sobrepõem-se
(pelo menos) durante um período. Temos que usar o período de sobreposição para
calcular o valor do salto em termos relativo entre as séries e reduzi-lo a zero. Temos
que considerar o salto relativo para que a taxa de inflação (em termos genéricos, a
taxa de variação da série) se mantenha consistente com os dois tramos. Isto porque
a teoria económica e a evidência empírica é no sentido de que as variações relativas
das séries económicas são mais relevante que a variação absoluta.
Ex.1.45. Temos uma série com dois tramos: o tramo 1 tem como base o ano 2000 e
é calculado até ao ano 2005 e o tramo 2 tem como base o ano 2005 e é calculado
entre o ano 2005 e o ano 2010 (existe sobreposição no ano 2005). Pretende-se
construir uma série que tenha por base o ano 2000.
R. Vamos “corrigir” a mudança de base multiplicando o Tramo 2 pelo rácio da
descontinuidade do ano sobreposto (que salta de 124,86 para 100) e corrige-se o
tramo 2 multiplicando todos os valores por 1,246.
B4: =B2 e copiava até G4
H4: =H3*$G$2/$G$3 e copiava até L4
Podemos mudar o ano a que corresponde o valor 100 (sem alterar os pesos para a
nova base) dividindo toda a série pelo valor que o índice tem no ano pretendido (e
multiplicando pelo valor que se pretende como base, e.g. 100).
Ex.1.46. A série do índice de preços no consumidor do Banco Mundial WB2009 (que
tem como base o ano 2000) vale 4.00 para 1974 e 108.10 para 2002, e outra série
de preços (que tem como base o ano 2002) vale 117.93 para 2010. Compare, em
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 134
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
termos reais, o Salário Mínimo Nacional de 1974 (16.46€/mês) com o SM em 2010
(475.00€/mês).
R. Há uma salto em 2002 entre as séries pelo que o valor da série do INE,
108.10/100, compatibilizado ao da série do Banco Mundial será 117.93108.10/100
= 127.48. O valor a preços de 2010 dos 16.46€/mês será 16.46127.48/4.00 =
524.59€/mês que é 10% maior que o valor para 2010.
1.6 Análise de investimentos
Neste capítulo aplico os conceitos já apresentado (desconto e capitalização) na
construção de medidas agregadas que permitam avaliar e comparar investimentos
alternativos.
Em termos abstractos, um investimento compreende a entrega de recursos
escassos em instantes mais próximos do presente o que permite ter recebimentos
em instantes mais afastados para o futuro. Para podermos comparar as diversas
somas financeiras, conceptualmente já sabemos que temos que referir (descontar
ou capitalizar) todas as prestações a um mesmo instante, e.g., ao instante actual.
Por exemplo, fazemos uma conta corrente que contabiliza as entregas e os
recebimentos (em que as entregas têm sinal negativo e os recebimentos têm sinal
positivo) e calculamos o saldo da conta (capitalizando os saldos intermédios). Em
termos de indicadores de performance do investimento vou apresentar três medidas:
i) o Valor Actual Líquido, VAL, obtido pela soma de todos os saldos líquidos
descontados ao presente e que é uma medida absoluta ii) a Taxa Interna de
Rentabilidade obtida como a taxa de juro implícita na renda que torna o VAL zero e
que é uma medida relativa e ii) o q de Tobin que é uma medida relativa.
Sendo que a análise é financeira, interessa saber as entregas e os recebimentos
em dinheiro (i.e., saber o cash-flow). Chamamos à atenção que as medidas de
avaliação que vamos utilizar não têm em conta o “valor de liquidação” nem o “valor
contabilístico” do investimento mas o “valor de continuar em operação”
(previsional).
Valor Actual Líquido do investimento - VAL
Como o valor do investimento é uma agregação de entregas e recebimentos que se
verificam em instantes diferentes do tempo, temos que os referir todos ao mesmo
instante temporal usando capitalização (do presente para o futuro) ou desconto (do
futuro para o presente). Calculando o saldo líquido em cada instante e descontando
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 135
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
e somando todos os saldos ao presente, obtemos o Valor Actual Líquido do
investimento. Denomina-se como líquido porque se consideram a amortização e
depreciação dos activos.
Ex.1.47. O investimento hoje de 1000€ permite receber 120€/ano durante 20 anos a
começar de hoje a 5 anos. Para uma taxa de juro de 5%/ano, determine o VAL deste
investimento.
R. Temos que calcular o valor actual da renda antecipada diferida 5 anos com 20
prestações de 120€ e retirar-lhe os 1000€ que entregamos agora vindo o VAL =
230.32€: 32.230
1000 5^%51
%51 20 %)^51(1
%5 120
− VAL €
Ex.1.48. Cada 1000€ que investir numa máquina permite receber 120€/ano durante
20 anos a começar de hoje a 5 anos. Supondo ainda que a máquina se
amortiza/deprecia em 20 anos (5%/ano), que o imposto sobre os lucros é 30% e que
existe solidariedade total entre os exercícios. Para uma taxa de juro de 5%/ano,
determine o VAL deste investimento.
R. Teremos que construir um modelo numa folha de Excel. Na folha de cálculo
adopto que todas as entregas e recebimentos acontecem no fim de cada período
(daí ter introduzido o período zero). O VAL são 38.89€ por cada 1000€ investidos.
C6: =$B4/20
C7: =C5-C6
C8: =SOMA(C7:$C7)
C9: =SE(C8>0;MÍNIMO(C7;C8)*$B2;0)
C10: =C7-C9+C6
C11: =C10*(1+$B1)^-C3 B12: =SOMA(B11:Z11)
Em termos formais, dividido o tempo em períodos, sendo que no fim de cada
período de tempo são feitas entregas, Et, e recebimentos, Ft, e existe uma taxa de
juro (de desconto) para todos os períodos igual a r por período, então podemos
agregar todos os saldos líquidos Ft–Et no início do período 1 (instante t0)
descontando-os ao presente:

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 136
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Nesta expressão considero que o investimento dura para sempre (um horizonte
temporal infinito, tipo renda infinita). No entanto, o risco aconselha a limitar a análise
a um máximo de 10 anos, sendo excepção os grandes investimentos como, por
exemplo, barragens hidroeléctricas.
Ex.1.49. A EDP pretende investir 354Milhões€ na Barragem do Baixo Sabor que terá
uma potência instalada de 170MW com 33.5% de factor de carga médio (dado
estimado).
Supondo um horizonte temporal de 50 anos (45 em funcionamento), uma taxa de
juro de 3%/ano, uma margem de venda da electricidade de 40€/MWh e que demora
5 anos a construir a barragem, qual o valor actual líquido do investimento?
R. Multiplicando a potência instalada pelo número de horas anuais e pelo factor de
carga médio, obtemos a produção média anual: 1702436533.5% =
500GWh/ano. O resultado médio anual da margem das vendas será de
405001000 € = 20M€/ano que é aprestação que amortiza o investimento (que
assumo que é realizado no início do ano 1): 69 03.1)
03.11(03.0 20 354 5 45 VAL Milhões€.
1Giga = 1000Mega, 1Mega = 1000Kilo e 1Kilo = 1000unidades
O factor de carga de um aproveitamento hidroeléctrico depende da i) variabilidade
do caudal do rio, da ii) capacidade de armazenamento da albufeira (que o regulariza)
e de iii) como a altura turbinada varia com o nível da barragem. Apresento na fig.
1.10 a evolução do caudal do rio Sabor (estação hidrométrica Quinta das
Laranjeiras, 41.20ºN;7.05W) ao longo do ano (média dos caudais médios diários no
período 1/10/1942-30/9/2006, http://snirh.pt).
No período em análise, o caudal instantâneo máximo foi de 3170m3 /s, o caudal
médio diário em termos médios anuais foi de 28.8 m3 /s atingindo 85.1m3/s na 2.ª
quinzena de Fevereiro e apenas 0.36 m3/s na 2.ª quinzena de Agosto. Para se ter
uma ideia da importância da regularização do caudal, só em 20% dos dias é que o
caudal é maior que o caudal médio.
J1 J2 F1 F2 M1 M2 A1 A2 M1 M2 J1 J2 J1 J2 A1 A2 S1 S2 O1 O2 N1 N2 D1 D2
Quinzena m3/s
Fig.1.10 – Caudal médio diário no rio Sabor (dados: http://snirh.pt)
Um horizonte temporal muito dilatado potencia os erros de previsão (da taxa de
desconto e das entregas e recebimentos futuros). Como o factor de desconto (i.e., a
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 137
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
taxa de juro) inclui uma parcela para o risco, não será de excluir o uso de uma taxa
de desconto crescente com a distância temporal.
Depois de “conhecermos” todas as entregas e recebimentos futuros, podemos usar
uma folha de cálculo e descontar o saldo de cada período para o presente. Como o
futuro não é de facto conhecido, a análise que fazemos é previsional.
Ex.1.50. Sobre um negócio são previstas as seguintes entregas e recebimentos (k€):
Ano 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10
Entregas 100 50 25 20 10
Recebimentos 15 25 35 45 55 65 75 65
i) Somando as entregas e os recebimentos qual o saldo do investimento? ii)
Determine, para uma taxa de remuneração do capital de 10%/ano, qual será o VAL
deste investimento.
R: i) Os recebimentos excedem as entregas em 175 mil €.
ii) Vou usar o Excel para calcular o VAL que é positivo (VAL = 2921€).
B5: =B4-B3 B6: =B5*(1+$B$1)^-B2 e depois copiar em linha B7: =Soma(B6:L6).
As taxas de juro usada no desconto dos valores futuros são tanto mais elevadas
quanto mais incertos forem os recebimentos e entregas futuros. Usando a taxa de
juro para compensar o risco do negócio, o VAL do investimento é comparável a um
activo sem risco (e.g., certificados de aforro). A taxa de desconto incorpora as
características e expectativas do investidor em relação ao risco, inflação, etc.,
podendo ser diferente de investidor para investidor. Para o mesmo investidor, como
os investimentos têm risco diferente, então a taxa de juro utilizada será própria de
cada investimento. A principal limitação do uso do VAL é que, por ser uma medida
absoluta, não dá informação sobre o volume do investimento nem da rentabilidade
percentual, e.g., se quando se investe 1000€, o VAL é 25€ é muito diferente de obter
esse VAL investindo 10000€.
Taxa interna de rentabilidade - TIR
No geral, num investimento as entregas são feitas mais próximas do presente e os
recebimentos verificam-se mais afastados no futuro. Assim sendo, o VAL do
investimento decresce (de forma monótona) com o aumento da taxa de
juro/desconto. Desta forma, existe uma taxa de juro denominada por Taxa Interna de
Rentabilidade, TIR, que torna nulo o VAL do investimento. Em termos conceptuais é
o mesmo que a taxa de juro implícita no contrato de financiamento que já foi tratado.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 138
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Ex.1.51. Determinar a TIR do investimento do Ex. 1.48.
R. Aplico a ferramenta “Atingir objectivo” ao modelo e resulta a TIR = 5.33%/ano:
Ex.1.52. Para o investimento da Barragem do Baixo Sabor com os parâmetros do
Ex.1.49, determine a TIR.
R. Teremos que explicitar 5 45) 1()) 1(1(203540−TIR
TIR que resolvendo no Excel resulta TIR = 3.816%/ano.
A Taxa Interna de Rentabilidade tem como principal limitação não explicitar qual é o
risco do negócio de forma que terá que ser subtraído o spread de cobertura de risco
de cada negócio para poder ser utilizada na comparação dos investimentos. Por
outro lado, não dá uma ideia da dimensão do negócio.
Q de Tobin
O q de Tobin é uma medida relativa que incorpora o risco de cada investimento.
O q de Tobin calcula-se pelo quociente entre o valor actual dos recebimentos e o
valor actual dos investimentos. Assim, calcula-se o total dos valores actualizados
dos investimentos feitos ao longo do tempo e o total dos recebimentos (líquidos dos
custos das vendas) e determina-se o rácio. Em termos numéricos, quando o q de
Tobin é igual à unidade, então o VAL é igual a zero e a TIR é igual à taxa de
desconto usada na actualização dos investimentos e dos recebimentos. Desta
forma, apenas será de considerar investimentos com um q de Tobin superior à
unidade. Em termos financeiros o q de Tobin deve ser lido como o valor de cada
euro investido, e.g., um q = 0.95 traduz que, em termos actualizados, por cada euro
investido só se recuperam 0.95euros (i.e., seria um investimento ruinoso).
Ex.1.53. No investimento do TGV, a preços constantes, está previsto um
investimento faseado ao longo de 10 anos de 900M€/ano e uma amortização em 40
anos. Supondo que cada viagem de TGV vai custar 60€ (o custo actual do Alfa
Pendular em 1.ª classe é 40€), que a margem liquida das vendas é 60% e que o
tráfego aumenta 1%/ano, determine, para uma taxa de juro real de 3%/ano, quantos
passageiros terão que viajar por ano no TGV para que o q de Tobin seja 1.
R. Vou fazer um modelo no Excel e usar a ferramenta atingir objectivo:
E2: =B2*(1+$H$4)^-A2
F2: =D2*(1+$H$4)^-A2 e copiar em coluna
C11: =H1
C12: =C12*(1+$H$3)
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 139
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
D12: =C12*$H$7 e copiava em coluna
H9: =SUM(E2:E11) H10: =SUM(F12:F51)
H11: =H10/H9
Para atingir o limiar mínimo de rentabilidade (i.e., q = 1) terá que haver 10.5 milhões
de passageiros por ano (29mil/dia), aumentando regularmente até atingir 15,5
milhões de viagens no fim dos 40 anos da amortização (42.5mil/dia). Actualmente a
CP vende cerca de 5 mil viagens por dia no Alfa Pendular (não consegui arranjar
estatísticas fiáveis). Se a taxa de juro aumentar 1pp. terá que haver mais 24% de
passageiros (36k/dia).
Concluindo, na análise de um investimento será necessário olhar em simultâneo
para o volume do investimento, o VAL, a TIR corrigida do risco e o q de Tobin. No
capítulo 2, mostro ainda que é necessário analisa a correlação do risco com as
outras actividades do investidor (por causa da diversificação do risco).
1.7 Contrato de Mútuo – Enquadramento legal
Relativamente ao contrato de empréstimo entre particulares (o credor empresta e
devedor pede emprestado), existe um enquadramento legal que interessa um gestor
conhecer pelo menos sucintamente. A esse tipo de contrato chama-se Contrato de
Mútuo e está regulado pelo capítulo VII, art.º 1142 até art.º 1151 do Código Civil. O
credor (i.e., quem empresta) denomina-se por Mutuante e o devedor (i.e., quem
pede emprestado) denomina-se por mutuário. O mutuário (i.e., o devedor) pode ter
fiadores que são solidários no cumprimento do contrato (i.e., no pagamento da
dívida e juros). Como o contrato apenas impõe obrigações ao mutuário e aos
fiadores (de devolver o capital e pagar os juros), o documento fica com o mutuante
que pode dar fotocópia ao mutuado e aos fiadores.
O mútuo pode ser de dinheiro ou de outra coisa fungível ficando o mutuário obrigado
a restituir outro tanto do mesmo género e qualidade (art.º 1142) da coisa
emprestada.
Em termos formais, para valores elevados (>25000€) é necessário uma escritura
pública ou documento particular autenticado, para valores médios (>2500€ e
≤25000€) é necessário um documento escrito e assinado pelo devedor. Cumprida a
forma legal exigida (cujos valores limite são actualizados ao longo dos anos), o
contrato de mútuo é um título executivo, podendo o credor passar à execução dos

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 140
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
activos do devedor (e dos fiadores) sem necessidade de uma prévia acção
declarativa (de dívida).
Apesar da lei não o abrigar para contratos de valor inferior a 25000€ convém que o
documento particular tenha as assinaturas reconhecidas presencialmente num
notário (i.e., o documento seja autenticado) porque faz prova plena quanto ao
declarado no documento (art. 376º do CC) invertendo-se o ónus da prova (art. 375º
do CC). Quando alguém alega em juízo um facto (e.g., que alguém nos deve
dinheiro) tem que fazer prova disso (art. 342º do CC), e.g., com fotocópia do cheque
e testemunhas. Havendo inversão do ónus da prova, a outra parte é que tem que
fazer prova de que o facto não é verdadeiro (e.g., mostrar um cheque nosso sem
cobertura daquele valor e naquela data, um recibo de pagamento ou testemunhas
em como já pagou, etc.)
Nos contratos com vários mutuários solidários, qualquer um deles pode ser
demandado pelo mutuante a pagar a totalidade da dívida (art.ºs 519 e 520 do CC).
Também pode haver fiadores que garantem o cumprimento da dívida (art. 627º do
CC) tendo a finança que ter a forma prevista para o contrato de mútuo, i.e.,
assumida por escrito (art. 628º do CC). É conveniente que fique claro no documento
que o fiador tem consciência de que está a assumir uma responsabilidade para
depois não poder alegar vícios da vontade.
Podem ser acordados juros (art. 1145) mas nunca poderão ser superiores em 3%
(se houver garantia legal) ou em 5% (se não houver) ao juro máximo legal (art.
1145).
Se o empréstimo for sem juros e sem prazo, o Mutuante é devedor de juros à taxa
de juro legal desde a data em que lhe for exigida a devolução do objecto do contrato
(i.e., entra em mora), havendo necessidade de fazer prova em como o objecto foi
pedido (e.g., com testemunhas). No caso de haver prazo, o devedor entra em mora
no fim do prazo acordado.
No caso de haver nulidade do contrato de mútuo por falta de forma, o mutuante tem
que entregar a coisa emprestada ao mutuário (art. 289º/1 do CC).
Os mutuários podem entregar um bem móvel como penhor (art. 669º do CC) que
confere ao mutuante o direito à satisfação do seu crédito com preferência sobre os
demais credores (art. 666º do CC). Pode também constituir uma hipoteca voluntária
sobre um bem imóvel (art. 712º do CC) que terá que ser constituída por escritura
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 141
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
pública (art. 714º do CC) e ser obrigatoriamente registada (art. 687º do CC)
passando a conferir ao credor o direito de ser pago com preferência sobre os demais
credores que não gozem de privilégio especial ou de prioridade de registo (art. 686º
do CC).
====================CONTRATO DE MÚTUO====================
Mutuante: João das Regras, Solteiro, Maior, NIF 111111111, NBI 6666666 –
Lisboa válido até 17-03-2015, morador na R. Santos da Casa, 345, 2ºEsq, V.N. de
Gaia. ===========
Mutuários: Américo Vespaniano e Amélia dos Olhos, casados entre si em
comunhão de adquiridos, NIF 2222222 e 33333333, NBI 7777777 – Lisboa valido
até 11-07-2012 e 8888888 – Lisboa válido até 03-09-2011, respectivamente, ambos
moradores na R. Espeto de Pau, 254, 3.º Drt, Póvoa do Rio.
====================================================
Fiador: Joaquim Furriel da Silva, NIF 444444444, NBI 999999999 – Lisboa válido
até 30-11-2017, morador na R. Torre e Espada, 30, 1º, Terracota de Baixo.
=================
O Mutuante entrega aos Mutuários nesta data pelo cheque n.º 54738 da conta
45833345320 do BPT em que o Mutuante é titular 30000€ (trinta mil Euros) como
empréstimo pelo prazo de 5 anos a uma taxa de juro anual de 3% ao ano em que os
juros vencidos terão que ser pagos até ao dia 30 de Maio de cada ano. Os Mutuários
aceitam os 30000€ nas condições do presente contrato.
============================================================
O fiador está consciente e aceita que, em caso de incumprimento dos Mutuários,
passa a ter a obrigação de pagar os juros e o capital em dívida.
===============================
Vila Nova de Gaia, 25 de Maio de 2009 ==================================
Assinatura do Mutuante
Assinatura dos Mutuários
Assinatura do Fiador
Todas as assinaturas reconhecidas presencialmente num cartório notarial

Capítulo 2. Modelização e gestão do risco

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 142
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
No planeamento financeiro tem muita importância o que vai acontecer no futuro
porque as decisões tomadas num instante têm repercussões que perduram no
tempo. Se somarmos o facto de não existir conhecimento perfeito sobre o
comportamento futuro das variáveis económicas relevantes à nossa decisão então,
existe um risco de o desempenho do nosso investimento ser pior que o antecipado.
Por exemplo, quando emprestamos um capital temos a previsão de que não vamos
precisar dele durante a vigência do prazo contratado e que vamos receber no fim do
prazo contratado o capital emprestado acrescido dos juros que em termos reais
depende da taxa de inflação. No entanto, existe o risco de não acontecer o que
antecipamos, e.g., termos um acidente e precisarmos do capital (teremos que
contrair um empréstimo a taxa de juro mais elevada), a taxa de inflação ser maior
que o antecipado ou o devedor incumprir o contrato. O risco é da maior importância
na formação de um gestor porque os seus efeitos, se não controlados, tornam-se
catastróficos na vida das empresas, transformando, de um momento para o outro,
empresas economicamente saudáveis em empresas falidas.
Qualquer análise de um investimento, porque é baseada em previsões quanto ao
desempenho futuro do negócio (e.g., preços dos inputs, preços e quantidades dos
outputs, depreciação do capital, falhas e descobertas tecnológicas) que têm
associados erros de previsão, as medidas calculadas a priori na avaliação da
performance (o VAL, a TIR ou o q de Tobin) podem, a posteriori, vir a concretizar-se
de forma menos (ou mais) favorável que o previsto.
Um exemplo económico de gestão de risco é o seguro de vida. Se a seguradora
soubesse a priori quantos anos faltavam para o segurado morrer e a taxa de juro,
calculava facilmente o preço anual da cobertura do risco (i.e., o prémio) que lhe
permitisse ter a indemnização capitalizada no momento da morte do segurado (mais
um lucro normal). O problema é que, no momento da assinatura do contrato, é
desconhecida a longevidade do indivíduo (se fosse conhecida o cliente não quereria
um seguro de vida).
Ex.2.1. Um indivíduo com 40 anos de idade pretende fazer um seguro de vida em
que, quando ele morrer, a viúva recebe uma determinada indemnização, I. No
negócio dos seguros, a seguradora capitaliza os prémios pagos pelo segurado de
forma a ter reservas suficientes para pagar a indemnização quando a morte do

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 143
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
segurado acontecer. Sendo que a seguradora pretende uma margem das vendas de
10%, qual deverá ser o prémio anual por cada 1000€ de indemnização?
R. Se se soubesse a duração do indivíduo, N, e a taxa de capitalização, r, poder-se-
ia calcular o prémio anual: 1 )1()1(1)1()1()1(1−⇔ N r I P r P I
Para N = 40 anos e r =2%/ano, teríamos (com os 10% de margem) 17.86€/ano por
cada 1000€ de indemnização: €23.16
02.1 02.11
02.0 1000
41 40 − P
Como a seguradora não conhece a taxa de capitalização nem quando o segurado
vai morrer, o máximo que pode fazer é construir uns cenários (e.g., Muito Mau, Mau,
Médio, Bom, Muito Bom) e determinar quanto deveria ser o prémio anual em cada
um dos cenários:
F5: =$C$1*$E6/((1-(1+$E6)^-F$5)*(1+$E6)^(F$5+1))*(1+$C$2) e copiava em linha e
em coluna. Fiz uma formatação condicional para colocar a vermelho os cenários em
que a seguradora teria prejuízo se fixasse o prémio em 17.86€/ano por cada 1000€
de indemnização À falta de melhor informação, o melhor é usar nas expressões o
valor médio do cenário.
E5: =(C5+D5)/2 e copiava em coluna
F5: =(F3+F4)/2 e copiava em linha
Com os cenários conseguimos avaliar as potenciais perdas e ganhos mas ainda não
construímos um modelo suficiente para nos ajudar quantitativamente na tomada de
decisão.
Para podermos avançar na modelização do risco precisamos da Estatística para
responder qual será, para cada prémio considerado, o valor médio e a variabilidade
da margem e a probabilidade de a margem ser negativa (i.e., as reservas não serem
suficientes para pagar as indemnizações).
2.1 Conceitos estatísticos básicos
A Estatística é um capítulo da matemática que permite descrever, organizar e
relacionar objectos e fenómenos demasiado difíceis (e mesmo impossíveis) de
apreender com as ferramentas conceptuais da matemática clássica (i.e., com
funções reais de variáveis reais).

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 144
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Porque na descrição perfeita do fenómeno seria necessário identificar e avaliar
muitas variáveis para as quais não existe informação, a estatística vai reduzir a
dimensão do fenómeno considerando apenas as variáveis mais importantes que
caracteriza de forma incompleta a partir de informação parcelar.
Nas aplicação a problemas localizados no futuro, a estatística parte de 1)
informação recolhida no passado que é 2) utilizada na construção de uma previsão
do que acontecerá no futuro de forma a 3) quantificar os efeitos financeiros (em
termos de probabilidade) da acção a implementar.
Vejamos um exemplo das potencialidades da Estatística. Quando se constrói um
avião, é necessário colocar bancos adequados para acomodar os passageiros com
necessidades especiais, PNE, (obesos, com cadeira de rodas, etc.). No entanto,
como não é possível saber a priori para cada voo futuro quantos PNE haverá, a
estatística permite 1) usar uma amostra de viajantes do passado ou a opinião de
peritos para determinar a percentagem na população total de viajantes que são
PNE, 2) sob o pressuposto da estabilidade do fenómeno, utilizar essa informação na
construção de uma estimativa das necessidades futuras e 3) determinar qual a
probabilidade de a solução adoptada não responder às necessidades. Supondo que
nos passageiros que fizeram marcações de viagens no período 2000-2008, 3% eram
PNE, com esta percentagem a Estatística permite-nos calcular a probabilidade de
ser necessário acomodar um determinado número de PNE numa viagem de um
avião com 200 lugares (distribuição de Poisson com média 3%200 = 6) então, se o
avião tiver 10 lugares adequados às PNE, a probabilidade de serem suficientes é
95.7% (ver Fig. 2.1). Obtive essa probabilidade no Excel com o comando
=POISSON(10;6;VERDADEIRO).
Fig. 2.1 – Probabilidade de numa viagem haver N pessoas com necessidades
especiais
Noção de variável aleatória e de probabilidade
Identificadas as variáveis mais relevantes na caracterização do problema, o risco
deriva de no momento da tomada de decisão ainda não conhecermos que valores
vão assumir essas variáveis. Por exemplo, quando se compra uma casa a crédito
com taxa de juro indexada à EURIBOR a 6 meses, não se sabe qual o seu valor
daqui a 10 anos. Se, e.g., quisermos saber o esforço financeiro (i.e.,

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 145
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
prestação/rendimento disponível) da família temos ainda que acrescentar o
desconhecimento quanto ao rendimento disponível.
Em termos conceptuais vou preencher a falta de informação relativamente ao
número que vai ser observado no futuro assumindo que é um valor aleatório que
pertence a uma distribuição da qual eu conheço alguma informação (e.g., o valor
médio e a dispersão em torno do valor médio). Em termos materiais é como se o
número fosse um indivíduo (e.g., a sua altura) que vai ser escolhido aleatória de
uma população a que pertence (e.g., os portugueses) e da qual sei alguma
informação agregada (e.g., que a altura média é 1.76m e a dispersão em torno do
valor médio é 0.12m).
Assim, em termos conceptuais, o uso de uma variável aleatória é igual a ter uma
população de papelinhos com números numa saca de onde retiramos um papelinho
aleatoriamente para preencher a falta de informação que temos.
Entende-se que ocorre uma extracção aleatória quando a escolha do indivíduo é
feita de forma independente das suas características relevantes. Por exemplo, na
escolha de um número do Euro-Milhões é escolhida uma bola sem ter em atenção
nenhuma das suas características (i.e., o seu número).
O conceito de probabilidade p de ocorrer x tem duas perspectivas, a clássica e a
bayesiana. Na perspectiva clássica, a probabilidade é a proporção de vezes que eu
observo x se retirar repetidamente, de forma aleatoriamente e independente
indivíduos de uma população. Essa população pode existir teoricamente e permitir
um número infinito de réplicas nas mesmas condições (e.g., lançamento de um
dado) ou ser limitada mas permitir a extracção com reposição (e.g., papelinhos
dentro de um saco que, depois de cada extracção, se volta a colocar o papelinho
dentro do saco). Na perspectiva bayesiana a probabilidade é uma conjectura
construída por “peritos” relativamente ao desconhecido com base na opinião e
informação disponível que pode usar métodos não explicitados.
Em termos práticos a perspectiva bayesiana é mais flexível mas não tem tanto
suporte teórico.
A probabilidade não garante qual o valor que se vai obter no concreto (e.g., eu saber
que a probabilidade de numa viagem haver 6 PNE é de 15.8%, ver Fig.2.1, não
permite saber qual o número exacto de PNE numa viagem específica) mas contém

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 146
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
um certo grau de informação que me ajuda a avaliar a importância relativa dos
cenários construídos.
A soma da probabilidade de todos os cenários considerados é sempre um.
Ex.2.3. Quando se atira um dado de seis faces ao ar, qual é a probabilidade de sair
um 3? ii) E caso se atirem dois dados, qual é a probabilidade de somarem 3 pontos?
R. Trata-se de uma “população teoricamente conhecida” da qual se pode replicar a
extracção um número infinito de vezes: existem 6 casos possíveis e uma
possibilidade de sair 3 pelo que a probabilidade é 1/6.
ii) Existem 36 casos possíveis, (1;1), (1;2), (1;3), (1;4), (1;5), (1;6), (2;1), (2;2), … e
duas possibilidades de somar 3 pontos, (1;2) e (2;1), pelo que a probabilidade é 2/36
= 1/18.
Ex.2.4. Foram identificados 8 cenários possíveis quanto ao comportamento do preço
do Brent em dólares daqui a 10 anos e inquirida a opinião de 100 pessoas, numa
escala de 0 a 10, da viabilidade relativa de ocorrência de cada cenário. Com base na
soma dos pontos atribuídos por todas as pessoas, determine a probabilidade
assumida para que cada um dos cenários possa vir a acontecer.
B5: =B4/$J4
J4: =Soma(B4:I4)
Caracterização da variável aleatória.
Apesar de não haver informação sobre o valor concreto que vai ser observado no
futuro, a Estatística desenvolveu metodologias que nos permitem (sob o
pressuposto de que os acontecimentos futuros são em certa medida repetições do
passado), usar informação disponível no presente na atribuição de uma
probabilidade a cada um dos cenários possíveis de acontecer no futuro. Desta
forma, não sendo possível conhecer exactamente o futuro, será possível ter alguma
informação sobre as implicações das decisões tomadas.
a) População dividida em cenários (i.e., em classes ou intervalos)
Podemos ter variáveis discretas com poucos valores possíveis (e.g., os dados),
muitos valores possíveis mas em que a maior parte é improvável (e.g., o número de
filhos de uma mulher) ou variáveis contínuas em que dividimos os valores possíveis
nos intervalos que acumulam a quase totalidade da probabilidade (e.g., a
longevidade de uma pessoa dividida nos intervalos [0, 30]; ]30,60]; ]60,90] e ]90,
120]). Estando o domínio dividido em cenários, posso caracterizar a variável
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 147
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
aleatória imputando uma probabilidade de ocorrência a cada um dos cenários. Por
exemplo, caracterizo a população portuguesa dizendo que, extraindo aleatoriamente
um português, existe a probabilidade de 47% de ser um homem e 53% de ser uma
mulher.
Sendo que eu tenho um modelo de cálculo das implicações financeiras da minha
decisão (no Ex.2.1 calculo o prémio de um seguro de vida em função da longevidade
do indivíduo e da taxa de juro) onde me falta a informação sobre o cenário concreto
que se vai realizar, o melhor que posso fazer é substituir o valor futuro desconhecido
por uma (ou várias) variável aleatória de que eu tenho informação quanto à
probabilidade de cada cenário se vir a concretizar. Esta substituição (do cenário
futuro desconhecido pela variável aleatória) implica que tenha como resultado não
um valor mas também uma variável aleatória (como se fosse toda uma população de
resultados).
Ex.2.5. Retomando o Ex.2.1, calcule a probabilidade da seguradora ter uma margem
das vendas abaixo dos 10% pretendidos se com informação passada e a opinião de
um painel de peritos sobre a longevidade das pessoas e do comportamento da taxa
de juro, a seguradora consegue calcular uma probabilidade para cada um dos
cenários considerados mostrada na figura seguinte:
R. Como tenho informação quanto à probabilidade de cada um dos cenários poder
ocorrer, olhando para o resultado de cada cenário (apresentado no Ex. 2.1) posso
somar a probabilidade dos cenários em que o prémio deveria ser maior que o
adoptado (17.86€/ano por cada 1000€ de indemnização), resultando uma
probabilidade de 57.78% da seguradora ter uma margem das vendas abaixo dos
10% pretendidos.
Apresento na tabela seguinte a estimativa do Instituto Nacional de Estatística da
probabilidade (em partes por 100000) de um indivíduo nascido no período 2006/8
atingir determinada idade. Os últimos 4 anos da tabela são uma extrapolação feita
por minha.
Fig. 2.2 – Tabela de sobrevivência, Portugal (fonte: www.ine.pt)
Uma seguradora tem que ter activos que, em comparação com o risco assumido,
garantam que pode pagar as indemnizações contratadas (i.e., garanta a sua
solvabilidade).

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 148
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Esta questão não é menor se nos lembrarmos que uma das maiores seguradoras do
mundo, a AIG - American International Group, faliu em 2008. No entanto, nos
exercícios que fazemos com seguros assumimos que essa questão está
salvaguardada e que a seguradora apenas constitui reservas que capitalizam as
indemnizações prometidas. Desta forma, em termos contabilísticos, o lucro anual da
seguradora será a diferença entre o prémio cobrado e as reservas necessárias para
capitalizar a indemnização a pagar quando acontecer o acidente.
Ex.2.6. Uma empresa contrata um financiamento de 10M€ com um período de
deferimento de 3 anos (em que a TAE é 5%/ano) e amortizado nos restantes em 7
anos em pagamentos trimestrais postecipados (em que a TAE será a média do
trimestre anterior da EURIBOR a 6 meses mais um spread de 2.5 p.p.). Usando um
quadro de probabilidades construído pela empresa, determine a prestação a pagar
para cada um dos cenários possíveis e qual a probabilidade de a prestação ser
maior que 750k€.
R. Primeiro, calculo a dívida ao fim dos 3 anos B3: =B2*(1+B1)^3.
Segundo, calculo a prestação para cada um dos cenários:
D6: =(A6+B6)/2
E6: = =D6+E$1
F6: =B$3*E6/(1-(1+E6)^-E$2)
Terceiro, somo a probabilidade de todos os cenários em que a com prestação é
maior que 750k€, E3: =SOMA(D10:D18).
Ex.2.7. Uma família pretende adquirir uma habitação a crédito de 150k€ amortizada
num prazo de 40 anos com prestações mensais iguais em termos reais,
antecipadas. Calcule, prevendo vários cenários possíveis, o esforço financeiro que a
família vai incorrer. Supondo que a informação dos peritos se materializa nas
probabilidades localizadas em E5:H9, calcule a probabilidade de o esforço financeiro
da família com a habitação ser superior a 40%.
R. i) Vamos fazer a análise a preços constantes que evita termos que prever a taxa
de inflação, e calcular a prestação anual paga no meio do ano da renda cujo valor
actual é 150k€: 5.0
40 5.0 40 )1()1(1150000 )1()1(1150000r P r P− ⇔
O esforço financeiro será P/rendimento anual.
J5: =$B$1*$D5/(1-(1+$D5)^-$B$2)/(1+$D5)^0,5/E$4
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 149
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
ii) A probabilidade de o esforço financeiro da família com a habitação ser superior a
40% é 57.4%.
O5: =SE(J5>$P$2;E5;0)
P3: =1-(H5+H6).
Valor médio
Na tomada de decisão é conveniente agregar todos os cenários em apenas algumas
medidas. Em termos económicos, o valor médio é a medida que contém mais
informação pelo que, se tivermos que atribuir apenas um valor ao acontecimento
futuro, será esta medida a que deve ser utilizada (ou outra medida de tendência
central como, por exemplo, a mediana) que quantifica a “componente sem risco” do
fenómeno que estamos a analisar.
O valor médio também se designa por valor esperado ou esperança matemática.
Obtemos o valor médio, somando os resultados calculados para cada cenário mas
ponderados pela probabilidade do cenário se vir a concretizar. Isto porque a
probabilidade é uma indicação da importância relativa de cada cenário. Havendo n
cenários calcula-se o valor médio dos resultados pelo somatório ponderado pelas
probabilidades (cuja soma é 1):
Ex.2.8. Um empresa vai fornecer comida a aviões. Confecciona as refeições durante
a noite para responder às solicitações do dia que são incertas. Por cada refeição
que fornecer recebe 15€ (com um custo de produção de 5€) e tem uma penalização
de 15€ por cada refeição que seja pedida e não possa ser fornecida. As refeições
que sobram são destruídas no fim do dia. i) Determine, em média, a rentabilidade do
fornecimento em função do número de refeições confeccionadas. ii) Determine o
número de refeições que maximiza a rentabilidade média.
R. A empresa constrói cenários em que a variável desconhecida é o número de
refeições encomendadas e calcula para cada dia, com base na sua experiência, a
probabilidade de cada um dos cenários se verificar. Com essas probabilidades, a
empresa determina o resultado médio do dia em função do número de refeições
confeccionadas (que é a variável de decisão).
E6: =MÍNIMO(C6;$D$1) F6: =C6-E6
G6: =E6*E$4-D$1*D$2+F6*F$4
H6: =D6*G6
H15: =SOMA(H6:H14)
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 150
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Experimento diversos valores em D1 e copio o resultado (com colar
especial+valores) para a coluna K.
ii) O Excel tem a ferramenta Solver (que é um suplemento) que determina o valor de
uma célula (ou mais células) que maximiza ou minimiza o resultado de um modelo.
Podemos aplicar restrições ao domínio das variáveis. No exercício, aplicando o
Solver obtínhamos como melhor decisão confeccionar nesse dia 3375 refeições:
Desvio padrão.
Ao agregarmos os cenários no valor médio, ficamos sem nenhuma medida do risco.
Então, juntamente com o valor médio, temos que agregar os cenários numa
segunda grandeza que traduza a variabilidade dos resultados em torno do valor
médio. Uma medida possível é a raiz quadrada da média dos desvios ao quadrado
que se denomina por desvio padrão. Outra medida poderia ser o desvio absoluto
médio.
A vantagem do desvio padrão é ser uma expressão algebricamente derivável e ter
interpretação física: Se, e.g., uma população se agrega no valor médio 25€/dia e no
desvio padrão 5€/dia, em termos físicos é como se tivesse metade dos casos em
20€/dia e outra metade em 30€/dia.
Para calcular o desvio padrão, primeiro calculo o valor médio, , depois calculo os
desvios relativamente ao valor médio ao quadrado e finalmente, calculo o valor
médio dos desvios ao quadrado. Havendo n cenários, o desvio padrão dos
resultados, , obtém-se pelo somatório seguinte (em que a soma das probabilidade
é um): n n p x p x p x .)(....)(.)(2222121−
Ex.2.9. Uma empresa pretende internacionalizar-se e traçou vários cenários
possíveis.
Determine o valor médio e o desvio padrão do resultado financeiro que resulta da
internacionalização.
D2: =$B2*C2
D10: =SOMA(D2:D9)
E2: =(D2-$D$10)^2 F2: =$B2*E2
F10: =SOMA(D2:D9)
F11: =F10^0,5

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 151
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Ex.2.10. Supondo que nos baralhos de 52 cartas uma figura vale 10 pontos.
Determine o valor médio e o desvio padrão dos pontos de uma carta retirada
aleatoriamente.
R. Nesta população eu posso somar todos os indivíduos que são 4 repetições de
naipes de 13 cartas cujo valor médio será:
538.6
13
85
13
104987654321 pontos
O desvio padrão será: 3.153 pontos
Ex.2.11. Relativamente ao Ex. 2.7, determine o desvio padrão dos resultados.
Acrescentei as colunas I e J à folha de cálculo do Ex.2.7 e copiei os resultados para
NI6: =(H6-$H$15)^2 J6: =I6*D6 J15: =SOMA(J6:J14)
J16: =J15^0,5
Observa-se neste problema que o valor médio não pode ser a única medida usada
na tomada de decisão porque o risco (medido pelo desvio padrão) aumenta com o
resultado financeiro médio. Veremos que há necessidade de considerar o desvio
padrão na tomada de decisão.
b) Função de distribuição
Quando a variável é contínua podemos partir o domínio em intervalos, cenários, e
apontar uma probabilidade de o acontecimento vir a pertencer a cada um dos
cenários.
Relativamente a cada cenário adoptamos como valor representativo o meio do
intervalo.
É aceitável pensar que os cenários vizinhos devem ter associadas probabilidade
semelhantes. A Estatística propõe que, havendo pouca informação, em vez de
atribuir uma probabilidade a cada intervalo, é preferível utilizar uma função F(x)
contínua que quantifica a probabilidade de ser observado um valor menor que ou
igual a dada valor x e que é caracterizada por apenas alguns parâmetros. Em função
do fenómeno em estudo, a Estatística indica qual deve ser a distribuição a utilizar.
Por exemplo, no ex.2.1, usamos a Distribuição de Poisson que se caracteriza por
um parâmetro (o valor médio que é igual ao desvio padrão).
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 152
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Uma distribuição de grande aplicabilidade é a Distribuição Normal que é
caracterizada por dois parâmetros, o valor médio e o desvio padrão.
Distribuição Normal. Apesar de a sua expressão analítica ser complicada, é uma
distribuição muito importante porque é “a distribuição limite” que resulta de
somarmos acontecimentos estatisticamente pouco dependentes (depois veremos o
que o conceito de independência representa). É caracterizada por dois parâmetros,
o valor médio, , e o desvio padrão, e tem um aspecto em S simétrico.
0% 20% 40% 60% 80% 100%
-3 -2 -1 0
123
P(x<k) k
Fig.2.3 – Distribuição N(0, 1), i.e., normal com média zero e desvio padrão unitário
–; + ] é de
Na distribuição normal a probabilidade de acontecer o cenário ]
68.3% ≈2/3; o cenário ]
– 2; +2] é de 95.5% ≈19/20 e o cenário ]

3; +3] é de
99.7% ≈997/1000. Por exemplo, o coeficiente de inteligência é
uma variável aleatória com distribuição normal com média 100 e desvio padrão 15
pelo que a probabilidade de encontrar aleatoriamente um indivíduo com QI superior
a 145 é 0.13% (i.e., uma em cada 740 pessoas).
No Excel faço =1-DIST.NORM(145;100;15;VERDADEIRO)
Se dividirmos o domínio da variável em cenários verificamos que a distribuição
normal aponta como mais prováveis os cenários próximos do valor médio e que é
simétrica.
Na figura seguinte considero o subdomínio [–3.25; –3.25] que acumula 99.94%
da probabilidade da função distribuição normal e divido-o em treze intervalos com
0.5deamplitude.
0%
5%
10%
15%
20%
-3
-2,5
-2
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 153
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
-1,5
-1
-0,5
0
0,5
1
1,5
2
2,5
3
P(x = k )
k
Fig.2.4 – Divisão de uma variável N(0, 1) em 13 cenários
Calculei a probabilidade, e.g., do cenário [-3.25; -2.75], que indico como -3, com a
expressão: = DIST.NORM(-2,75; 0; 1; VERDADEIRO) - DIST.NORM(-3,25; 0; 1;
VERDADEIRO).
Ex.2.12. Uma seguradora emitiu obrigações a 25 anos à taxa de juro nominal fixa de
4%/ano, sem possibilidade de mobilização antecipada. Supondo que a taxa de
inflação média nesses 25 anos se prevê seguir distribuição N(0.02, 0.01)/ano,
determine, em termos reais, o valor a receber no fim do prazo de aplicar 10000€ e a
probabilidade de esse valor se menor que a quantia aplicada.
R. Vou dividir o domínio da taxa de inflação em cenários, calcular o valor
capitalizado para cada cenário e determinar o valor médio e o desvio padrão do V.F.
em termos reais e a probabilidade de vir a ser recebido uma quantia menor que a
aplicada.
A7: =G1-4,25*G2
B7: =A7+$G$2/2
A8: =B7
D7: =(A7+B7)/2
C7: = DIST. NORM (B7; G$1; G$2; VERDADEIRO) -DIST. NORM (A7; G$1; G$2;
VERDADEIRO)
E7: =(1+C$1)/(1+D7)-1
F7: =C$2*(1+E7)^C$3
G7: =F7*C7 H7: =(F7-G$25)
I7: =H7^2*C7
C24: =SOMA (C7:C23)
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 154
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
G25: =SOMA (G7:G22)/C24
I24: =SOMA (I7:I22)/C24
I25: =H24^0,5 I26: =DIST. NORM (C2;G25;I25; VERDADEIRO)
Ex.2.12. Uma família contraiu uma dívida de 150k€ amortizável em 50 anos,
prestação mensal antecipada. Para um rendimento de 25k€/ano, se a taxa de juro
nominal evoluir segundo a distribuição N(0.04, 0.01)/ano, determine qual será o
esforço de amortizar a dívida e a probabilidade de ser maior que 30%.
R. A prestação vem dada por 150000
12/1 600
Agora divido o domínio de variação da taxa de juro nominal em vários cenários,
calculo a probabilidade e o esforço em cada cenário (vou escrever as funções em
inglês):
C7: = NORMDIST (B7;G$1;G$2;TRUE)-NORMDIST(A7;G$1;G$2;TRUE)
D7: =(A7+B7)/2
E7: =(1+D7)^(1/12)-1
F7: =C$2*E7/(1-(1+E7)^-C$3)/(1+E7)
G7: =F7*12/C$1
H7: =G7*C7
I7: =(G7-H$24)
J7: =I7^2*C7
C23: =SUM(C7:C22)
H24:=SUM(H7:H22)/C23 J23: =SUM(J7:J22)/C23
J24: =J23^0,5
J25: =1-NORMDIST(G3;H24;J24;TRUE)
Quando o parecer de um perito refere que, e.g., “a remuneração do capital é
provável que venha a ser entre 1%/ano e 4%/ano”, é prudente aceitar estes valores
como –e + .
Desta forma, teremos = (1% + 4%)/2 = 2.5%/ano e = (4%– 1%)/2 = 1.5%/ano.
Quando o perito refere que “a remuneração do capital é quase certo que esteja
entre 1%/ano e 4%/ano”, é cauteloso aceitar estes valores como –2e +
2. Desta forma, mantém-se o valor médio e podemos adoptar um desvio padrão
menor: = (4%– 1%)/4 = 0.75%/ano.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 155
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Distribuição Uniforme. Traduz que todos os valores dentro de um intervalo são
igualmente prováveis. Assim sendo, tem uma expressão analítica simples. É
caracterizada por dois parâmetros, o valor máximo, Vmax, e o valor mínimo, Vmin.
Também pode ser caracterizada pelo valor médio, = (Vmax+ Vmin)/2, e pelo
desvio padrão, =0.2887(Vmax–Vmin). Por exemplo, se a amplitude for 100€, o
desvio padrão será 28.87€.
Pelo contrário, se tivermos o valor médio, , e o desvio padrão, , então Vmin =

– 1.732eVmax = + 1.732.
Por exemplo, quando um perito opina que “nos próximos 5 anos a taxa de câmbio do
Dólar Americano será em média 0.825€/$ com desvio padrão 0.075€/$”, para uma
distribuição uniforme teremos Vmax = 0.825 + 0.0751.732 = 0.955€/$ e Vmin =
0.825– 0.0751.732 = 0.695€/$.
A probabilidade de cada cenário é a sua proporção na amplitude. Por exemplo, na
distribuição U(5; 10), a probabilidade de [5; 6] é 1/5.
Ex.2.13. Uma clínica privada fez uma parceria com o Estado para responder às
necessidades médicas de uma comunidade. Decidida a capacidade (em termos de
consultas possíveis no ano), a clínica recebe 10€ por cada consulta possível mais
90€ por consulta efectuado, e indemniza o Estado em 100€ por cada consulta
recusada (por ultrapassar a sua capacidade). Suponha ainda que o custo de
produção é 45€/consulta possível mais 5€/consulta realizada, que os estudos
apontam para uma necessidade de 2500 consultas/ano com um desvio padrão de
750consultas/ano. Se a clínica quiser maximizar o seu lucro médio menos o desvio
padrão do lucro, qual deverá ser a sua capacidade instalada? i) Assuma distribuição
Normal ii) assuma distribuição Uniforme.
R. Dividindo o domínio das consultas em 18 cenários e com distribuição Normal
(Ferramentas+Solver, célula de destino C6, Maximizar, por alteração da célula C5) a
capacidade óptima é 2843.
Adoptei como função objectivo X = – porque garante um lucro médio positivo
e controla a probabilidade de o lucro ser negativo (na distribuição normal será 16%).
Se maximizar o lucro médio, a probabilidade de o lucro ser negativo é 50%.
No mesmo modelo alterando a distribuição para a Uniforme, a capacidade óptima é
2835 (diferença inferior a 0.3%):

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 156
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Não apresento as expressões do Excel deste exercício por serem muitas e por o
leitor, nesta altura, ter obrigação de conseguir implementar o modelo pretendido.
A função distribuição não é conhecida sendo uma proposta da Teoria. O Ex 2.13
indica que, para problemas aceitavelmente simétricos (em que a probabilidade de
ocorrência abaixo da média é semelhante à acima da média), em termos
económicos a função distribuição não é um factor crítico na tomada de decisão.
Considerar uma função distribuição normal é quase idêntico a considerar uma
função de distribuição uniforme (com os mesmos valor médio e desvio padrão).
Distribuições não simétricas. Há problemas em que a probabilidade de um lado da
distribuição (relativamente ao valor médio) é muito maior do que o outro lado.
Nesses casos a distribuição normal não é adequada.
Por exemplo, o rio Sabor (Ex.1.49) tem caudal médio durante um dia com valor
médio de 28.77 m3/s e desvio padrão de 88.51 m3/s, concentrando 80.6% dos dias
com um caudal entre zero é a média e em 1.2% dos dias um caudal é maior que
+ 4. A distribuição
Normal prevê que em 50% dos dias o caudal é menor ou igual à média e que
apenas em 0.003% dos dias o caudal é maior que + 4. No álculo
c de prémios
de seguros por inundação das infra-estruturas nos rios e nas suas proximidades são
muito importantes os caudais raros mas muito elevados (i.e., os que ocorrem com
frequência menor que um dia em cada 100 anos) porque têm grande poder
destrutivo. No Rio Sabor, nos últimos 65 anos houve 3 dias em que o caudal foi
superior a + 20e um dia em que ultrapassou + 30.
0%
10%
20%
30%
40%
10
Média Caudal
Probabilidade
Fig.2.5 – Função distribuição típica do caudal de um rio (rio Sabor)
2.2 Operações algébricas com uma variável aleatória

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 157
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Na generalidade das situações apresentadas nos exercícios, existem variáveis
relevantes de que desconhecemos o valor particular que será observado no futuro,
e.g., a taxa de juro, que substituímos por funções distribuição caracterizadas pelo
valor médio e pelo desvio padrão. Na tomada de decisão é necessário realizar
cálculos com as variáveis aleatórias que resolvi construindo modelos com cenários
na folha de cálculo. No entanto, certas operações algébricas são possíveis resolver
de forma analítica o que é importante por nos indicar resultados teóricos gerais
importantes na gestão do risco, como seja a necessidade de diversificar o risco.
i) Operações algébricas simples
Se multiplicarmos, dividirmos, somarmos ou subtrairmos constantes a uma variável
aleatória que segue determinada função distribuição (com valor médio e desvio
padrão), continuaremos a ter uma função distribuição do mesmo tipo (e.g., se era
normal, continua normal) mas com os paramentos alterados. Então, temos que
estudar como se alteram o valor médio e o desvio padrão.
Propriedades do valor médio
a) O valor médio do produto de uma constante a por uma variável aleatória X é igual
ao produto da constante pelo valor médio da variável (corresponde a uma mudança
de escala): )()()()(111111XapxpapxpapxapXaniiNiiin
O valor médio da soma da constante a com a variável aleatória X é igual à soma da
constante com o valor médio: )() ()()(111111apxpappxpap
pxap
Ex.2.14. Um marceneiro tem 1000€/mês de despesas fixas e tem de margem das
vendas, em média, 15€ por cada móvel que produz. Supondo que projecta produzir
este mês 100 móveis, qual será a sua remuneração em termos médios?
– 1000. Atendendo às propriedades, teremos 10015– 1000
R. Temos 100
= 500€
Propriedades do desvio padrão
a) O desvio padrão do produto da constante a pela variável aleatória X é igual ao
produto do valor absoluto (o DV ≥0) da constante pelo desvio padrão da variável:
b) O desvio padrão da soma de uma constante com uma variável aleatória X é igual
ao desvio padrão da variável X.
Ex.2.15. Um empresário está a avaliar a possibilidade de alugar um barco de pesca
pelo qual paga 3mil€/dia. Suponha ainda que demora um dia de viagem para cada
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 158
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
lado e que pesca, durante 5 dias, 2500kg/dia cujo preço de venda prevê que segue
distribuição normal com preço médio de 2€/kg e desvio padrão de 1€/kg. Quanto
prevê que seja o lucro? Qual a probabilidade de ter prejuízo?
R. Prevê como lucro 52500N(2; 1)– 30007 =12500N(2; 1)– 21000 =
= N(25000; 12500) – 21000 = N(4000; 12500)
O lucro será em média 4mil€ com desvio padrão de 12.5mil€. A probabilidade de ter
prejuízo será 37.45%, obtido no Excel com =NORMDIST(0;4000;12500;TRUE).
Ex.2.16. O empresário A fez uma descoberta que lhe permite desenvolver um
negócio cujo q de Tobin é N(1.5, 0.25) e onde é necessário investir 1M€. Supondo
que o empresário A vendeu ao empresário B metade do negócio por 625k€, qual
será o q de Tobin de A e de B?
R. A investe 375k€ que terá um )333.0,2(375.0)25.0,5.1(5.0.NNINVEST
RECE q B investe 625k€ que terá um
)2.0,2.1(625.0)25.0,5.1(5.0
O Ex.2.16 ilustra porque é vantajoso o empreendedor emitir acções da sua empresa.
Uma acção é uma parte do capital próprio da empresa tendo, em termos
contabilísticos, um certo valor nominal, normalmente 1€. Por exemplo, uma empresa
com um capital social de 10M€ divide-se em 10M de acções com valor nominal de
1€ cada. Além de dar direitos de voto na condução dos destinos da empresa, a
acção é remunerada com uma parte dos lucros, o dividendo, que é incerto.
As acções têm maior risco que as obrigações porque, em caso de insolvência, os
activos da empresa pagam primeiro as obrigações e apenas o que sobrar (i.e., nada)
é que é dividido pelas acções. Além disso, no contrato de emissão o resultado das
obrigações é conhecido (o cupão e o valor de remissão) enquanto que o lucro da
empresa é variável.
Interessa ao empresário dispersar o capital da empresa porque, normalmente, a
empresa emite as acções, numa operação denominada por OPV (mercado
primário), a um preço superior ao valor contabilístico. As acções são depois
transaccionadas entre investidores (mercado secundário) sendo o seu preço,
denominado por cotação, determinado pela expectativa que os agentes económicos
têm da evolução futura do negócio (i.e., dos dividendos e da cotação).
ii) Operações algébricas não simples

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 159
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Se tivermos uma variável aleatória e utilizarmos operações algébricas que não
somas e multiplicações por constantes, não conseguimos obter algebricamente a
função distribuição resultante nem os seus parâmetros (i.e., o valor médio e o desvio
padrão).
Podemos usar três métodos na resolução (aproximada) deste problema.
1.º Cálculo expedito. Determina-se o resultado para os dois valores notáveis da
variável, g(–) e g(+), fazendo uma avaliação rápida dos parâmetros do
resultado com estes dois pontos. O valor médio é aproximado por [g(+) +g(–
)]/2 e o desvio padrão será aproximado por, |g(+)– g(–)|/2. A potencialidade
deste método é poder ser realizado com apenas uma máquina de calcular.
Ex.2.17. Conhecida a taxa de juro r = 2%/ano, num seguro de vida em que se prevê
que a longevidade do segurado é L ~ N(50, 10), por cada 1000€ de indemnização i)
determine qual devem ser as reservas (antecipadas)de forma a resolver (P) – (P)
= 0. ii) Se a seguradora propõe um prémio antecipado de 15€/ano por cada 1000€
seguros, qual será o seu lucro?
R. As reservas terão que ser )1)()1(1()1(:rrr1)()1(1(LrrrVP.
Então, as reservas necessárias para 40 anos e 60 anos são: P(40) = 16.23€/ano;
P(60) = 8.60€/ano. Para uma longevidade N(50,10), a seguradora precisará reservas
com médias (16.23+8.60)/2 = 12.42€/ano e desvio padrão |6.40+1.23|/2 = 3.82€/ano
aconselhando a precaução a que as reservas sejam 12.42+3.82 = 16.23€/ano.
ii) Conhecendo as reservas necessárias para 40 anos e 60 anos determino o lucro:
Lucro (40) = 15–16.23 = –1.23€/ano; Lucro (60) = 15–8.60 = 6.40€/ano. Para uma
longevidade genérica, o lucro do seguro terá valor médio (–1.23 + 6.40)/2 =
2.59€/ano e desvio padrão |–1.23 – 6.40|/2 = 3.82€/ano.
2.º Divisão em cenários. Divide-se o domínio da variável em cenários sendo
conveniente utilizar a folha de cálculo, o que já foi feito repetidamente no Excel.
Neste método, ao considerarmos intervalos mais pequenos, estamos a diminuir o
erro do cálculo.
Para o Ex.2.17 considerei cenários com 2 anos de amplitude, resultando num lucro
médio de 2.73€ com um desvio padrão de 4.32€ por cada 1000€ de indemnização
contratada.
C7: =NORMDIST(B7;C$2;C$3;TRUE)- NORMDIST(A7;C$2;C$3;TRUE)
D7: =(A7+B7)/2+0,5
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 160
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
E7: =F$1-H$1*F$2/(1-(1+F$2)^-D7)/(1+F$2)^(D7+1)
E7: =C7*E7
F7: =E7-F$40
G7: =G7^2*C7
C39: =SUM(C7:C38)
F40: =SUM(F7:F38)/$C39 H39: =SUM(H7:H38)/$C39
H40: =H39^0,5
Como, e.g., se a longevidade for entre 18 e 19 anos o segurado paga 19 vezes o
prémio (porque é antecipado), o valor do meio do intervalo ]18; 20] será (19+20)/2 =
19.5 anos. No Ex.2.1 e Ex.2.5 não considerei esta nuance para não complicar o
raciocínio.

SITES E LIVROS PARA CONSULTAS

Nota do Editor
RPC Leal - Revista Brasileira de Finanças, 2010 - virtualbib.fgv.br
... Bessada era funcionário do Banco Central do Brasil, autor de diversos livros
(alguns
deles referência até hoje em vários cursos de economia e finanças), professor de
matemática financeira, derivativos, renda variável e estatística. ...
Em cache - Todas as 2 versões

[DOC] A GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS NA UNIVERSIDADE FEDERAL


DO RIO GRANDE–FURG: FORMAÇÃO VERSUS EXIGÊNCIAS DO MERCADO …
[DOC] de furg.brDG Machado, FF Herrmann… - ceamecim.furg.br
... Administração; Economia Política. Matemática Financeira; Ciências das
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 161
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Finanças;
Estatística Matemática e Demográfica; Organização e Contabilidade Industrial e
Agrícola;
Instituição de Direito Público. Matemática Atuarial; Organização ...
Artigos relacionados - Ver em HTML

[PDF] Pesquisa em diferentes áreas de conhecimento


[PDF] de 143.54.226.61V Hummes - 143.54.226.61
... engenharia, programação linear, otimização, modelagem contínua, bio-
matemática e bio-
informática, teoria da informação, teoria dos jogos, probabilidade e estatística,
matemática
financeira, criptografia, combinatória e até mesmo geometria finita até certo ponto,
teoria de ...

Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 2 versões

[PDF] VALIDAÇÃO E MELHORIA DE COMPOSIÇÃO DE ÍNDICES POR


REGRESSÃO MÚLTIPLA ATRAVÉS DA MATEMÁTICA NEBULOSA
[PDF] de fipecafi.orgR BRINCKMANN - congressousp.fipecafi.org
... de aplicação, na qual se desenvolve o emprego de metodologia matemática atual
e ... compostas pela combinação de dois ou mais índices extraídos das
demonstrações financeiras. ... consideravelmente o poder de análise, porque
utilizam a técnica estatística da regressão linear ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 3 versões

[PDF] E FACULDADE DE ECONOMIA ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE


RIBEIRÃO PRETO
[PDF] de usp.brRB FERREIRA, AEDEDE PREVISÃO… - ffclrp.usp.br
... realizado, meus sinceros agradecimentos. Page 4. RESUMO Os modelos
matemático–estatísticos de previsão de insolvência financeira têm tido
importância cada vez maior para as instituições financeiras que ofertam crédito
tanto para ...
Artigos relacionados - Ver em HTML

[PDF] Curso de Administração


[PDF] de suesc.com.brEDEVEE FINANCEIRA, PAI DE, UMAEPDES DE… -
Economia, 1922 - web.suesc.com.br
... Contabilidade de Custos Gerencial 03/05 07/06 21/06 05/07 Antropologia 26/04
07/06 21/06 05/07 Matemática Financeira 30/04 11/06 25/06 09/07 Estatística
Aplicada 28/04 09/06 23/06 07/07 Organização, Sistemas e Métodos 29/04 10/06
24/06 08/07 Psicologia Aplicada 04 ...
Ver em HTML - Todas as 7 versões

[PDF] Tratamento da Informação no Ensino Fundamental: propostas curriculares e


livros didáticos
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 162
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
[PDF] de utfpr.edu.brLBC Pereira… - pg.utfpr.edu.br
... finais do Ensino Fundamental também definem quatro conteúdos básicos para o
bloco Tratamento da Informação: noções de probabilidade, estatística, matemática
financeira e noções de análise combinatória. No 6º ano o ensino centra-se em
coletar dados, construir ... Ver em HTML

[DOC] CRONOGRAMA DOS EXAMES DE DISPENSA DE


[DOC] de fgvsp.brD INSTRUMENTAIS - eaesp.fgvsp.br
... Contabilidade. Habilidades Computacionais. Matemática Financeira. Os.
candidatos ... CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DOS EXAMES DE DISPENSA.
ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS (ESTATÍSTICA). Duração do exame:
1h45min. Permitido ... Artigos relacionados - Ver em HTML

[CITAÇÃO] 1-Cidadania ativa x cidadania passiva Em estudo realizado (KESSLER,


1997) acerca das competências básicas em matemática para o exercício de uma …
MC Kessler Artigos relacionados

[PDF] Departamento de Matemática Curso-Licenciatura em Matemáticas


Financeiras Disciplina-Estatística Aplicada Ano: Lectivo-2004/2005 Ano: 3º-
Semestre: 1º …

[PDF] de utad.ptD Responsável… - utad.pt


Page 1. Departamento de Matemática Curso- Licenciatura em Matemáticas
Financeiras Disciplina- Estatística Aplicada Ano: Lectivo- 2004/2005 Ano: 3º -
Semestre: 1º Carga Horária Semanal: T-3h e TP-1h30m Docente Responsável:
Irene Cristina Salgueiro Oliveira ... Artigos relacionados - Ver em HTML

CITAÇÃO] MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO


JOÃO DEL-REI PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO
DE … AA da Silva
Artigos relacionados

[DOC] OBJETIVOS: GERAL


[DOC] de facensa.com.brR Antonini - facensa.com.br
... serão utilizados meios de interdisciplinaridade, propiciando aos alunos o
compartilhamento de idéias, ações e reflexos, com as disciplinas de Matemática
Financeira, Economia e Conhecimento da Realidade Brasileira, Contabilidade e
Custos, Estatística e Informática, bem ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 3 versões

[PDF] DISSERTACAO APRESENTADA AO INSTITUTO DE MATEMATICA E


ESTATÍSTICA DA UNIVERSIDADE DE SAO PAULO
[PDF] de usp.brDCB Costa - teses.usp.br
... E ESTATÍSTICA DA UNIVERSIDADE DE S˜AO PAULO PARA OBTENC˜AO DO
GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS ´Area de concentraç˜ao: Matemática

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 163
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Orientadora: Profa. Dra. Mary Lilian Lourenço Durante a elaboraç˜ao deste trabalho,
a autora recebeu apoio financeiro da ... Artigos relacionados

[PDF] Educação matemática financeira: conhecimentos financeiros para a


cidadania e inclusão.
[PDF] de interscienceplace.orgHR Júnior, J Schimiguel… - interscienceplace.org
... A evolução da matemática fez surgir aplicações específicas, com linguagens e
símbolos próprios, como foi o caso da Matemática Comercial e Financeira, com sua
constante evolução, e também da estatística, ramo da matemática aplicada surgida
nas questões de estado. ... Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 2
versões

[CITAÇÃO] NOÇÕES DE ATIVIDADES ATUARIAIS NO NOVO CURRÍCULO DO


CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS À LUZ DA RESOLUÇÃO CNE Nº 10/2004, DE
…JH Adabo
Artigos relacionados

[PDF] MARKETING EDUCACIONAL


[PDF] de furb.brV CAPÍTULO - proxy.furb.br
... J'KATICADESPORTIVA Ш 3 01 15 ■ AD020 TEORIA GEH AL DA ADM
1N1STRAÇÃO II 4 04 60 AD0I9 ADÜ22 ESTATÍSTICA APLICADA A
ÃDMLNISTRAÇÃO 11 4 04 60 AD021 AD026 ANALISE DE BALANÇO 4 04 60
ADÛ13/0 14 AD018 MATEMATICA FINANCEIRA 4 04 60 ...
Todas as 2 versões

[CITAÇÃO] 3–RELAÇÕES INTERDISCIPLINARES


C Weber
Artigos relacionados - Todas as 4 versões

[CITAÇÃO] DECISOES FINANCEIRAS-FERRAMENTAS PARA LOGISTICA


AO CAVANHA FILHO - QUALITYMARK
Artigos relacionados

[PDF] Colegiado do curso de Matemática-Licenciatura


[PDF] de ufal.brL do Campus Arapiraca… - sites2.ufal.br
... MTMA PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA ... Disciplinas Eletivas: FILOSOFIA DA
MATEMÁTICA; MATEMÁTICA FINANCEIRA; HISTÓRIA DA MATEMÁTICA;
MODELAGEM MATEMÁTICA; ESPAÇOS MÉTRICOS; ÁLGEBRA LINEAR 2;
MATEMÁTICA DISCRETA; CÁLCULO ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 4 versões

[PDF] Introdução à Matemática Financeira Intervalar: Análise Intervalar de


Investimentos
[PDF] de uerj.brGCP Duarte… - ime.uerj.br
... Tradicionalmente, a incerteza na economia e nas finanças é descrita por modelos
estatísticos. Essa descrição é a base da matemática financeira atual. Contudo,
em muitos casos seria mais viável obter uma solução contida em um intervalo, uma
... Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 2 versões

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 164
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
PDF] Apresentações conjuntas do curso de Marketing
[PDF] de ipleiria.ptPC de Curso… - ww2.estg.ipleiria.pt
... Canadas, N. (1998), A Matemática do Financiamento e das Aplicações de
Capital, Plátano Editora •
Neves, J. (2004), Análise Financeira, Vol. ... Ross, S., Westerfield, R. e Jordon, B.
(2008), Administração Financeira, McGraw-Hill Page 14. 14 ... Estatística Aplicada
ao Marketing ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 4 versões

[CITAÇÃO] MUTO, CA, MUTO, TS, ARAUJO, VC de, NEVES


P WONNACOTT, R WONNACOTT…
Artigos relacionados - Todas as 2 versões

[PDF] O ensino de matemática financeira na graduação com a utilização da


planilha e da calculadora: uma investigação comparativa
[PDF] de pucrs.brAB Feijó - 2007 - tede.pucrs.br
... Apesar da citação acima se referir a estatística é válida também para outras
áreas como a Matemática Financeira, pois em suma ambas usam a Matemática.
Outra razão que justifica o presente projeto é que muitos alunos têm ...
Ver em HTML - Todas as 4 versões

[CITAÇÃO] MATEMATICA BASICA: TEORIA E MAIS DE 800 QUESTOES


B CESAR… - Elsevier Brazil
[PDF] PROCESSO SELETIVO PÚBLICO
[PDF] de seletivapublica.com.brL PORTUGUESA - seletivapublica.com.br
... Aplicações. 1.4. Introdução à Matemática financeira: juros simples e juros
compostos. Descontos simples. ... 3.4. Trigonometria: razões trigonométricas no
triângulo retângulo. Aplicações. 4. Estatística: 4.1. Noções de estatística descritiva:
levantamento de dados, tabelas. ...
Artigos relacionados - Ver em HTML

[PDF] I-OBJETIVOS
[PDF] de ufsc.brEA Menezes - teses.eps.ufsc.br
... II – PRÉ – REQUISITOS : Uso da planilha Excel, matemática financeira,
estatística e contabilidade básicas. III - METODOLOGIA O curso será desenvolvido
através de aulas expositivas, muitasvezes com o uso de planilhas eletrônicas e de
banco de dados como Economática. ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 12 versões

[HTML] Sítio: Universidade Aberta Unidade curricular: Workshop Estatística,


Matemática e Computação (EMC) Glossário: Comunicações 2006
[HTML] de univ-ab.ptFM Dionísio, P Lopes - Computer, 1996 - moodle.univ-ab.pt
... João Tiago Mexia jtm@fct.unl.pt Departamento de Matemática, Faculdade de
Ciências e ... Neste trabalho o objecto de estudo foi uma Instituição Financeira em
que se ... Palavras-chave: Estatística não Paramétrica, Qui-Quadrado, Mann-
Whitney, Kruskal-Wallis, Acções de ...
Em cache

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 165
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
[PDF] Matemática Financeira com Aplicações em Excel e R
[PDF] de uni-muenchen.dePC da Costa Vieira - 2010 - mpra.ub.uni-muenchen.de
... tempo para consolidar esses conceitos fundamentais da matemática financeira.
A compreensão dos modelos de risco necessita de conceitos das disciplinas de
Estatística que são leccionadas em anos posteriores. No entanto, sendo a gestão
de risco a ...
Ver em HTML - Todas as 2 versões

[CITAÇÃO] Mensuração e análise da recuperação de crédito: o novo desafio do


risco de crédito
EI Altman, A Resti… - 2007 - Livraria Tempo Real Inform
Artigos relacionados

[PDF] ESTUDOS QUANTITATIVOS


[PDF] de anhanguera.comEP Hiane - anhanguera.com
Page 1. Módulo Professor Esp. Pedro Hiane ESTUDOS QUANTITATIVOS Unidade
Didática – Matemática Aplicada à Administração UNI 1.indd 1 11/16/09 3:08:43 PM
Page 2. ... 11/16/09 3:08:43 PM Page 3. 3 Unidade Didática – Matemática Aplicada
à Administração AULA 1 ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 2 versões

Introdução à matemática comercial e financeira


[PDF] de 200.143.198.43CA Fontes - Outras Publicações, 2010 - 200.143.198.43
... [...] PITON-GONÇALVES, 2005, p. 1). Referências IEZZI, G.; HAZZAN, S.;
DEGENSZAJN, D. Fundamentos de matemática elementar: matemática comercial,
matemática financeira, estatística descritiva. V. 11. São Paulo: Atual, 2004. ...

[DOC] MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO


DEL-REI PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO DE …
[DOC] de usp.brMAC RAMOS - ime.usp.br
... MARIA ANÁLIA CATIZANE RAMOS. Diretora da Divisão de Recursos Humanos.
DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA, ESTATÍSTICA E CIÊNCIAS DA
COMPUTAÇÃO – DMATE. ... Noções de matemática financeira. Transformações
Lineares. Autovalores e autovetores. ...
Artigos relacionados - Ver em HTML

[PDF] PROCESSO SELETIVO ALFA PROGRAMA DE MATEMÁTICA


[PDF] de alfa.brFA FARIA - alfa.br
... Matemática financeira: noções de juros, capitalização e descontos, taxas e
períodos, 1.6.
Contagem e probabilidade 1.7. Noções de Estatística: objeto da estatística,
população e amostra, dados, tabelas e gráficos 2. Geometria e números complexos
2.1. ...
Artigos relacionados - Todas as 7 versões

[PDF] Matemática Financeira com aplicações em Excel e R


[PDF] de uni-muenchen.dePCC Vieira - 2010 - mpra.ub.uni-muenchen.de
... tempo para consolidar esses conceitos fundamentais da matemática financeira.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 166
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
A compreensão dos modelos de risco necessita de conceitos das disciplinas de
Estatística que são leccionadas em anos posteriores. No entanto, sendo a gestão
de risco a ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 3 versões

[CITAÇÃO] RACIOCINIO LOGICO-QUANTITATIVO


B CESAR… - Elsevier Brazil
[LIVRO] ANALISE DE INVESTIMENTOS E DEMONSTRATIVOS: FINANCEIROS
C CAMARGO - books.google.com
... Em vista disso, esse estudo exige conhecimentos de matemática finan- ceira, de
teorias da decisão e de estatística, bem como o acompanhamento do mercado
financeiro, que determina as taxas de juros para investimen- tos e financiamentos.
...

[PDF] Matemática Financeira


[PDF] de professorleo.com.brL Estevam - professorleo.com.br
... 28 ESTATÍSTICA ..... 28 ... Capital: em Matemática Financeira, entendemos por
capital, qualquer valor expresso em moeda e disponível em certa época. ...
Ver em HTML

[PDF] CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CENTRO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS


[PDF] de unifor.brUIIPDOG DAS, MSUIIIA DA ÁREA… - neowww.unifor.br
... McCLAVE, James T. BENSON, PG SINCICH, Terry. Estatística para
Administração e Economia.
São ... Análise de Investimentos: Matemática Financeira, Engenharia Econômica,
Tomada de Decisão, Estratégia Empresarial. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2000. ...
Artigos relacionados - Ver em HTML

[PDF] PROCESSO № 2304/2003-FCA


[PDF] de unesp.brNLAS JUNIOR - unesp.br
... 723p. MATÍAS, WF Matemática financeira. São Paulo: Atlas, 1993. 455p.
MENDONÇA, R. Quattro
Pro for Windows. São Paulo: Erica, 1993. 248p. MEYER, PL Probabilidade:
aplicações à estatística. 2 ed. São Paulo: Livros Técnicos e Científicos, 1983. 426p.
...
Artigos relacionados

[CITAÇÃO] Sessão Matemática III (Oral) Data: 05/10/2004 Hora: 9h às 12h Local:
Centro de Tecnologia–CT–Bloco C–Sala C-116 Coordenação: Ivo Fernandez …
T da Cruz Pereira…
Artigos relacionados

DOC] 4CCSADFCMT01-P
[DOC] de ufpb.brA Cesar Filho, MV da Fonseca, KKN de Almeida… - prac.ufpb.br
... Dentre os conhecimentos que o aluno deve se dedicar, o item selecionado para
discussão neste estudo foi o de métodos quantitativos, com ênfase em matemática
financeira, o que engloba além desta, o ensino de Matemática e Estatística. ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 2 versões
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 167
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
[PDF] O ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM
TECNOLOGIAS INFORMÁTICAS: OPINIÕES DE PROFESSORES
PARTICIPANTES DE UM …
[PDF] de unifra.brMF Caramori - sites.unifra.br
... O ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM
TECNOLOGIAS INFORMÁTICAS: OPINIÕES DE PROFESSORES
PARTICIPANTES DE UM ... Page 2. Merielen Fátima Caramori
O ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA COM TECNOLOGIAS
... Ver em HTML

[PDF] A Matemática que faz bem à Sociedade


[PDF] de unioeste.brFDM Neto - inf.unioeste.br
... Ao mesmo tempo, a matemática se expandiu em uma coleção de ciências
matemáticas que atualmente incluem, além das tradicionais matemáticas pura e
aplicada, assuntos como estatística, matemática financeira, ciência da
computação teórica, pesquisa operacional (a ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 3 versões

[PDF] CALCULADORA FINANCEIRA HP-12C COMO FERRAMENTA NA PRÁTICA


PEDAGÓGICA DO ENSINO DE ESTATÍSTICA
[PDF] de cefetpr.brRFF Contri… - pg.cefetpr.br
... calculadora pode também ser utilizada para a disciplina de Estatística
demonstrando os mesmos resultados que seriam obtidos com o auxílio de outra
calculadora. Referências Branco, ACC Matemática Financeira Aplicada, Método
Algébrico, Hp-12c, Microsoft Excel. São ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 2 versões

[PDF] ERNESTO FERNANDO RODRIGUES VICENTE


[PDF] de cepefin.org.brA CANDIDO - CEP - cepefin.org.br
... Matemática Financeira Cap. 6 Parte III Cap. 4 Cap. 5 Cap. 4/5 Informática-
Softwares Estatísticos e Matemática Financeira -x- -x- -x- -x- -x- Estatística -x- -x-
v Apêndice 1 v Informática-Sistemas de Informação (ERP) -x- -x- -x- -x- -x-
Economia Microeconomia -x- -x- v -x- v ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 2 versões

[DOC] CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS


[DOC] de ufrr.brPP DO - ufrr.br
... i) a trabalhar em instituições governamentais e educacionais, podendo ministrar
aulas não apenas em cadeiras de Economia, Matemática Financeira, bem como
nas de Estatística em qualquer ramo do ensino técnico ou superior (art. 5 o , Lei
1.411, de 13 de agosto de 1951); ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 4 versões

[PDF] A MOTIVAÇÃO COMO FATOR DIFERENCIAL E COMPETITIVO NAS


ORGANIZAÇÕES
[PDF] de falnatal.com.brN PESSOA FILHO… - webserver.falnatal.com.br
... Aluno de Graduação do Curso de Estatística da UFRN. Professor de
Matemática, Matemática Financeira e Estatística dos Cursos de Administração,
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 168
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Ciências Contábeis e Tecnologia em Gestão de Segurança Pessoal e Patrimonial da
Faculdade de Natal (FAL). ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 3 versões

ANEXO III PROGRAMAS DAS PROVAS As referências bibliográficas indicadas


neste anexo, não limita a consulta a outros autores, podendo ser consultada outra …
EM COMPLETO, PDEPCA TODOS, OS CARGOS… - iconcurso.com.br
... Aplicações. 1.4. Introdução à Matemática financeira: juros simples e juros
compostos. Descontos simples. ... 3.4. Trigonometria: razões trigonométricas no
triângulo retângulo. Aplicações. 4. Estatística: 4.1. Noções de estatística descritiva:
levantamento de dados, tabelas. ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 5 versões

[DOC] MANUAL DOS EXAMES DE DISPENSA DISCIPLINAS INSTRUMENTAIS


Para ingresso em Agosto/2007
[DOC] de fgv.brCDOSEDED DE - eaesp.fgv.br
... O exame de dispensa deve ser solicitado e realizado no 1º semestre do curso,
quando o aluno pode escolher as provas que deseja fazer: Análise Exploratória de
Dados, Contabilidade, Epidemiologia e Estatística Vital, Habilidades
Computacionais e Matemática Financeira. ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 4 versões

[PDF] WAGNER CARDOZO


[PDF] de fipecafi.orgGD BATISTA, JA DEMUNER… - congressousp.fipecafi.org
... Métodos Quantitativos foi a denominação utilizada no Currículo do Contador do
Global (ONU, 2003) que reuniu as disciplinas Matemática, Matemática Financeira
e Estatística a fim de promover um direcionamento curricular para os cursos de
Ciências Contábeis em todo o ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 3 versões

[PDF] O Ensino da Matemática aliado à prática da Cidadania


[PDF] de pr.gov.brÂR da Silva Santos, TMR Garcia - diaadiaeducacao.pr.gov.br
... destinada à Matemática faz alusão à matemática financeira quando menciona:
Uma das formas significativas para dominar a Matemática é entendê-la aplicada na
análise de índices econômicos e estatísticos, nas projeções políticas ou na
estimativa da taxa de juros ...
Artigos relacionados - Ver em HTML

Um enfoque Matemático e Estatístico para a Análise do Custo-Volume-Lucro e


suas Hipóteses Simplificadoras
[PDF] de ufmg.brRJG Leone… - Contabilidade Vista & Revista, 2009 - face.ufmg.br
... 2008. 141 Um enfoque Matemático e Estatístico para a Análise do Custo-
Volume-Lucro e suas Hipóteses Simplificadoras ... De fato, da equação que
relaciona valor presente, valor dos pagamentos, taxa e número de pagamentos, na
Matemática Financeira, tem-se, ...
Artigos relacionados - Todas as 5 versões

[PDF] 4.5 Ementário de Disciplinas e Referências


Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 169
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
[PDF] de unices.com.brEDOCS DE ADMINISTRAÇÃO - unices.com.br
... MATHIAS, Washington Franco. Matemática financeira. São Paulo: Atlas, 1993.
Disciplina: Comunicação Empresarial CH 80 Ementa: ... MORGAN, G. Imagens da
organização. São Paulo: Atlas, 1996. Disciplina: Estatística Aplicada à
Administração CH 80 Ementa: ...
Artigos relacionados - Ver em HTML

[DOC] EDITAL Nº. 004/2007 “ADITIVO AOS EDITAIS Nºs. 001/2007, 002/2007 e
003/2007”“CONCURSO PÚBLICO MUNICIPAL”
[DOC] de seletivapublica.com.brWF de Moura - seletivapublica.com.br
... Aplicações. 1.4. Introdução à Matemática financeira: juros simples e juros
compostos. Descontos simples. ... 3.4. Trigonometria: razões trigonométricas no
triângulo retângulo. Aplicações. 4. Estatística: 4.1. Noções de estatística descritiva:
levantamento de dados, tabelas. ...
Artigos relacionados - Ver em HTML

[PDF] CURRÍCULO RESUMIDO I–DADOS PESSOAIS


[PDF] de uemgfrutal.org.brIIQ PROFISSIONAL, F ÁREA… - Acta …, 2010 -
uemgfrutal.org.br
... DISCIPLINAS LECIONADAS GR/PG INSTITUIÇÃO PERÍODO Economia,
Estatística, Bioestatística, Matemática Financeira, Empreendedorismo. GR =
Economia, Matemática, Educação Física, Administração, Ciências Econômicas,
Psicologia. PG= Enfermagem ...
Ver em HTML

Uso de planilhas eletrônicas no ensino de tomada de decisão em cursos superiores


[PDF] de uninove.brR Shitsuka, C Boghi, DM Shitsuka, RICM Shitsuka… -
uninove.br
... Sistemas de Informação, Pesquisa Operacional, Logística, Administração de
Sistemas de Informação, Análise de Sistemas, Administração de CPD, Análise e
Projeto de Sistemas, Lógica de Programação e Algoritmos, Estatística, Matemática
Financeira, Tópicos Avançados de ...
Artigos relacionados - Todas as 6 versões

[DOC] A UTILIZAÇÃO DA PLANILHA ELETRÔNICA GRATUITA COMO


FERRAMENTA PARA A APRENDIZAGEM DA ESTATÍSTICA EM CURSOS
TÉCNICOS E DE …
[DOC] de sbem.com.brOLT de Rezende… - sbem.com.br
... A inserção da Estatística como componente curricular dos cursos de formação
profissional em nível técnico é bastante recente. ... em Transportes e Segurança no
Trabalho, que mantinham essa disciplina em sua estrutura curricular, juntamente
com a Matemática Financeira. ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 2 versões

[PDF] A RELEVÂNCIA DA MATEMÁTICA FINANCEIRA NO ENSINO MÉDIO


[PDF] de ucb.brRK Azevedo - administracao.ucb.br
... 3. A MATEMÁTICA FINANCEIRA E OS PARÂMETROS CURRICULARES
NACIONAIS DO ENSINO MÉDIO Assim como a Estatística e a Probabilidade, a
Matemática Financeira é subárea da matemática aplicada, especialmente ligada
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 170
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
às aplicações. ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 3 versões

[DOC] I TITULO I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO INDUSTRIAL:


PRODUÇÃO E MANUTENÇÃO PÚBLICO ALVO
[DOC] de cefetpr.brDET DE FUNCIONAMENTO - pg.cefetpr.br
... F. Introdução à estatística. 7ª edição. ENGENHARIA ECONÔMICA.
Responsável: Prof. Phd. Kazuo Hatakeyama. Carga Horária: 45 horas. Ementa:
Tópicos de análise econômica: teoria da oferta
e da procura. Teoria do consumidor. Teoria da produção. Matemática financeira e
... Artigos relacionados - Ver em HTML

[CITAÇÃO] Elementos de matemática financeira: operações a curto e longo prazo


LAF Cavalheiro - 1970 –
Fundação Getúlio Vargas, Serviço …

PDF] Grupo de Estudos de Matemática Financeira


[PDF] de matematicauva.orgNJN Cordeiro… - matematicauva.org
... [Almeida 2004] Quando se considera Matemática essencial para o dia-a-dia do
cidadão educado, são citados os seguintes tópicos: Matemática Financeira,
Probabilidades e Estatística. Na Matemática Financeira, seria conveniente tratar
de juros compostos e amortizações[...] ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 2 versões

[CITAÇÃO] Disciplinas CT CHT CP CHP Pré-requisitos


…, II Fundamentos de Economia, I à Estatística… - UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE

Todas as 2 versões

[PDF] Educação Estatística no Ensino básico: uma Exigência do mundo do trabalho


[PDF] de cefetes.brSEINB EDUCATION… - recitec.cefetes.br
... mundo cibernético. A evolução da matemática fez surgir aplicações es- pecíficas,
com linguagens e símbolos próprios, como foi o caso da matemática financeira,
com sua constante evolução, e também da Estatística. Com o ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 2 versões

[PDF] MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE


DO NORTE DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS
[PDF] de ufrn.brCO CO… - CEP - prh.ufrn.br
... Page 2. 1. Matemática Financeira (Capitalização Simples e Composta); 2.
Amostragem e suas Aplicações em Contabilidade; 3. Inferência Estatística e
aplicações na Contabilidade; 4. Teste Qui-Quadrado e Outras Provas Não-
Paramétricas com Aplicações em Contabilidade; 5 ...
Artigos relacionados - Ver em HTML

[PDF] Introdução à matemática financeira

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 171
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
[PDF] de usp.brEM de Oliveira, SRL Garcia… - ime.usp.br
... e Estatística da Universidade de São Paulo (IME-USP), Brazil
estelaime@hotmail.com 2 Instituto
de Matemática e Estatística da Universidade ... Neste trabalho vamos discutir
alguns pontos de ma- temática financeira, tais como a diferença entre juros simples
e juros compostos ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 2 versões

Introdução à Matemática Financeira com EXCEL


DF da Silva, MS Kawashima, JT Pereira… - mat.ibilce.unesp.br
... de Computação e Estatística, IBILCE, UNESP 15.054-000, São José do Rio
Preto, SP E-mail:
gsilva@sjrp.unesp.br RESUMO As operações financeiras são parte de nosso
cotidiano. Entender como tais operações funcionam são objeto de estudo da
matemática financeira. ...
Artigos relacionados - Ver em HTML

Educação matemática financeira: conhecimentos financeiros para a cidadania e


inclusão
[PDF] de interscienceplace.orgH Rosetti Júnior… - Inter Science Place, 2010 -
interscienceplace.org
... A evolução da matemática fez surgir aplicações específicas, com linguagens e
símbolos próprios, como foi o caso da Matemática Comercial e Financeira, com sua
constante evolução, e também da estatística, ramo da matemática aplicada surgida
nas questões de estado. ...
Artigos relacionados - Todas as 2 versões
[PDF] INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA
[PDF] de pr.gov.brAM Liedtke - seed.pr.gov.br
... entidades credenciadas como a Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Instituto
Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Instituto Paranaense de
Desenvolvimento ... 2002. PUCCINI,
Abelardo de Lima. Matemática financeira objetiva e aplicada. São Paulo: Saraiva,
2002. ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 3 versões

[PDF] Apresentações conjuntas 1º ano Diurno 2ºsemestre–2009/2010


[PDF] de ipleiria.ptC de Curso… - ww2.estg.ipleiria.pt
... Silva, J., “Princípios de Análise Matemática Aplicada”, McGraw Hill, 1994. Page
14. ... Borges, António, Rodrigues, Azevedo e outros, As Novas Demonstrações
Financeiras de acordo com as Normas Internacionais de Contabilidade, Áreas
Editora ... Estatística Aplicada ECTS: 6 ...
Artigos relacionados - Ver em HTML - Todas as 4 versões

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 172
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
ORIENTAÇÕES PARA BUSCA DE ARTIGOS CIENTÍFICOS NO
SCIELO

Após a escolha do tema do TCC, pertinente ao seu curso de Pós-graduação,


você deverá fazer a busca por artigos científicos da área, em sites especializados,
para a redação do seu próprio artigo científico. O suporte bibliográfico se faz
necessário porque toda informação fornecida no seu artigo deverá ser retirada de
outras obras já publicadas anteriormente. Para isso, deve-se observar os tipos de
citações (indiretas e diretas) descritas nesta apostila e a maneira como elas devem
ser indicadas no seu texto.
Lembre-se que os artigos que devem ser consultados são artigos científicos,
publicados em revistas científicas. Sendo assim, as consultas em revistas de ampla
circulação (compradas em bancas) não são permitidas, mesmo se ela estiver
relatando resultados de estudos publicados como artigos científicos sobre aquele
assunto. Revistas como: Veja, Isto é, Época, etc., são meios de comunicação
jornalísticos e não científicos.
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 173
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Os artigos científicos são publicados em revistas que circulam apenas no
meio acadêmico (Instituições de Ensino Superior). Essas revistas são denominadas
periódicos. Cada periódico têm sua circulação própria, isto é, alguns são publicados
impressos mensalmente, outros trimestralmente e assim por diante. Alguns
periódicos também podem ser encontrados facilmente na internet e os artigos neles
contidos estão disponíveis para consulta e/ou download.
Os principais sites de buscas por artigos são, entre outros:
SciELO: www.scielo.org
Periódicos Capes: www.periodicos.capes.gov.br
Bireme: www.bireme.br
PubMed: www.pubmed.com.br
A seguir, temos um exemplo de busca por artigos no site do SciELO.
Lembrando que em todos os sites, embora eles sejam diferentes, o método de
busca não difere muito. Deve-se ter em mente o assunto e as palavras-chave que o
levarão à procura pelos artigos. Bons estudos!

Siga os passos indicados:


Para iniciar sua pesquisa, digite o site do SciELO no campo endereço da
internet e, depois de aberta a página, observe os principais pontos de pesquisa: por
artigos; por periódicos e periódicos por assunto (marcações em círculo).

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 174
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Ao optar pela pesquisa por artigos, no campo método (indicado abaixo),
escolha se a busca será feita por palavra-chave, por palavras próximas à forma que
você escreveu, pelo site Google Acadêmico ou por relevância das palavras.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 175
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Em seguida, deve-se escolher onde será feita a procura e quais as palavras-
chave deverão ser procuradas, de acordo com assunto do seu TCC (não utilizar “e”,
“ou”, “de”, “a”, pois ele procurará por estas palavras também). Clicar em pesquisar.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 176
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Lembre-se de que as palavras-chave dirigirão a pesquisa, portanto, escolha-
as com atenção. Várias podem ser testadas. Quanto mais próximas ao tema
escolhido, mais refinada será sua busca. Por exemplo, se o tema escolhido for
relacionado à degradação ambiental na cidade de Ipatinga, as palavras-chave
poderiam ser: degradação; ambiental; Ipatinga. Ou algo mais detalhado. Se nada
aparecer, tente outras palavras.
Isso feito, uma nova página aparecerá, com os resultados da pesquisa para
aquelas palavras que você forneceu. Observe o número de referências às palavras
fornecidas e o número de páginas em que elas se encontram (indicado abaixo).

A seguir, estará a lista com os títulos dos artigos encontrados, onde constam:
nome dos autores (Sobrenome, nome), título, nome do periódico, ano de publicação,
volume, número, páginas e número de indexação. Logo abaixo, têm-se as opções
de visualização do resumo do artigo em português/inglês e do artigo na íntegra, em
português. Avalie os títulos e leia o resumo primeiro, para ver se vale à pena ler todo
o artigo.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 177
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Ao abrir o resumo, tem-se o nome dos autores bem evidente, no início da
página (indicado abaixo). No final, tem-se, ainda, a opção de obter o arquivo do
artigo em PDF, que é um tipo de arquivo compactado e, por isso, mais leve, Caso
queria, você pode fazer download e salvá-lo em seu computador.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 178
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 179
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
Busca por periódicos

Caso você já possua a referência de um artigo e quer achá-lo em um


periódico, deve-se procurar na lista de periódicos, digitando-se o nome ou
procurando na lista, por ordem alfabética ou assunto. Em seguida, é só procurar
pelo autor, ano de publicação, volume e/ou número.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 180
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br
É preciso ressaltar que você deve apenas consultar as bases de dados e os
artigos, sendo proibida a cópia de trechos, sem a devida indicação do nome do
autor do texto original (ver na apostila tipos de citação) e/ou o texto na íntegra.
Tais atitudes podem ser facilmente verificadas por nossos professores, que
farão a correção do artigo.

Rua Dr. Moacir Birro, 663 – Centro – Cel. Fabriciano – MG CEP: 35.170-002 181
Site: www.ucamprominas.com.br e-mail: diretoria@institutoprominas.com.br