Você está na página 1de 59

MANUAL

Escoramento
Versão Julho/2008
Página de 57

MANUAL
Escoramentos
Versão Junho/2008
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 1 de 57

Sumário
1.0 Cargas..........................................................................................2
1.1 Carga na laje...........................................................................3
1.2 Carga na Viga..........................................................................4

2.0 Cimbramento...............................................................................6
2.1 Perfil C Metálico.........................................................................6
2.2 Viga em Madeira SH20............................................................. 8
2.3 Perfil de Alumínio AL15...........................................................15

3.0 Escoras e acessórios...............................................................17


3.1 Prolongador de escora............................................................20
3.2 Acessórios...............................................................................22

4.0 Torre de carga LTT...................................................................23

5.0 Escoramento de viga................................................................29


5.1 Escoramento de Viga com Escoras.......................................29
5.2 Escoramento de vigas com Torres de Carga......................... 33

6.0 Escoramento de laje.................................................................40


6.1 Cálculo para escoramento da laje...........................................41

7.0 Contraventamento das torres..................................................48

8.0 Escoramento em balanço........................................................49

9.0 Escoramento de estruturas Inclinadas.................................. 51

10.0 Cálculo do fundo de viga estruturado..................................55


MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 2 de 57

1.0 Cargas

Para o dimensionamento do escoramento é importante saber as considerações de


cargas, e principalmente saber analisar a distribuição de cargas que estará caindo sobre
os equipamentos.

O peso do concreto normal é de 2,50 tf/m 3. Para os cálculos de escoramentos,


diferenciamos os valores adotados para a laje e para a viga.

1.1 Carga na laje

Para o cálculo do peso na laje consideramos o peso próprio do concreto de 2,5


tf/m³, e adotado valores diferenciado de sobrecarga para o cálculo pelo Momento
admissível e para o cálculo pela Flexa.

Valores da sobrecarga para laje:


Cálculos pelo Momento admissível ● Mais 0,20 tf/m²
● Mais 10% do valor do peso próprio
Cálculo pela Flexa
(2,75 tf/m3)

Por que tem duas considerações para cálculo de laje?

O cálculo pelo momento verifica se as peças não quebram. Na laje, a carga é


relativamente baixa. O peso de homens trabalhando, dos equipamentos como vibradores
e ferramentais, devem ser considerados, por isso, adotamos uma sobrecarga de 200
Kgf/m².

O cálculo pela flexa verifica se a fôrma apresenta uma flexa menor do que a admissível
(geralmente L/300). Uma sobrecarga maior, que somente atua por curto período de
tempo (homens trabalhando) não provoca uma flexa no concreto pronto, pois o
escoramento volta para o lugar assim que a carga para de atuar.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 3 de 57

Exemplo:
1) Calcular o peso de uma laje de 15cm para o cálculo pelo Momento admissível e para a
Flexa.

● Peso da laje por m² para cálculo do Momento admissível

Q = (espessura da laje x peso próprio do concreto) + sobrecarga de 0,20 tf/m²


Q = (0,15m) x 2,5 (tf/m³) + 0,20 (tf/m²)
Q = 0,575 tf/m²

Para o cálculo da carga atuante nos postes/escoras/cornetas do escoramento de laje,


deverá ser utilizado o mesmo valor do peso para o cálculo do momento admissível.

● Peso da laje por m² para cálculo da Flexa

q = espessura da laje x (peso próprio do concreto + 10% de sobrecarga)


q = 0,15 (m) x 2,75 (tf/m³)
q = 0, 413 tf/m²

2) Calcular o peso de uma laje de 50cm para o cálculo pelo Momento admissível e para a
Flexa.

● Peso da laje por m² para cálculo do Momento admissível

Q = (espessura da laje x peso próprio do concreto) + sobrecarga de 0,20 tf/m²


Q = (0,50m) x 2,5 (tf/m³) + 0,20 (tf/m²)=
Q = 1,45 tf/m²

● Peso da laje por m² para cálculo da Flexa

q = espessura da laje x (peso próprio do concreto + 10% de sobrecarga)


q = 0,50 (m) x 2,75 (tf/m³)
q = 1,375 tf/m²
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 4 de 57

1.2 Carga na Viga

Para o cálculo do peso da viga é considerado o valor de 2,5 tf/m³, mais a


sobrecarga de 10% do peso próprio do concreto.

Valores da sobrecarga para viga:


● Mais 10% do valor do peso próprio
Cálculo para peso da viga por metro
(2,75 tf/m3)

Caso a laje (ou parte dela) se apóie na viga, o peso (e a sobrecarga) das faixas
dessas lajes devem ser consideradas.

Exemplos:

1) Calcular o peso de uma viga de 20cm de largura e 60cm de altura. Sem influência de
laje.

● Peso da viga por metro

P = largura x altura x (peso próprio do concreto + 10% de sobrecarga)


P = 0,20 (m) x 0,60 (m) x 2,75 (tf/m³)
P = 0, 330 tf/m

Para o cálculo da carga atuante nos postes/escoras/cornetas do escoramento das vigas,


deverá ser utilizado este valor.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 5 de 57

2) Sabendo que cairá no escoramento da viga a influência da laje (ambos os lados).


Calcular o peso, por metro, da viga representada abaixo.

● Peso da laje

Q = (espessura da laje x peso próprio do concreto) + sobrecarga de 0,20 tf/m²


Q = 0,12m x 2,5 (tf/m³) + 0,20 (tf/m²)
Q = 0,50 tf/m²

Faixa de influência da laje = 0,50 m +0,60 m = 1,10m


Peso da laje sobre a viga = 1,10 m x 0,50 tf/m² = 0,55 tf/m

● Peso da viga por metro

P = largura x altura x (peso próprio do concreto + 10% de sobrecarga)


P = 0,40 (m) x 0,70 (m) x 2,75 (tf/m³)
P = 0, 770 tf/m

● Peso total, por metro da viga, para dimensionamento do escoramento;

Pt = 0, 770 tf/m + 0,55 tf/m


Pt = 1,32 tf/m
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 6 de 57

2.0 Cimbramento

2.1 Perfil C Metálico

Existem quadro tipos de perfil C metálicos:

● C05 e C7,5 são usados como perfis


secundários. Servem para
barroteamento do fundo das vigas e
compensado das lajes.

● C12 e C18 são usados como


primário. Servem como guias para o
apoio dos perfis secundários.

Em caso de lajes ou vigas leves, o perfil


C7,5 também poderá ser usado como
primário.

Dados técnicos dos perfis:

Perfil C 05 C 7,5 C 12 C18


Altura (cm) 5 7,5 12 18

Largura (cm) 7,5 7,5 7,5 7,5

Peso por metro linear ( kgf) 6,20 6,50 10,20 13,30

Momento Admissível M ( tf.m) 0,133 0,206 0,556 0,943

Momento de Inércia J (cm4) 23,76 55,33 252,28 606,19

Módulo de Elasticidade ( kg / cm2) 2,1 x 106 kg / cm2

Área da seção (cm2) 6,48 7,14 10,68 14,28

Inércia do perfil deitado (cm4) 36 28 44 51

Momento do perfil deitado (tf.m) 0,13 0,10 0,16 0,19


MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 7 de 57

Observações sobre perfis:

Os perfis metálicos são compostos


pela união de 2 bandas de perfil C, feitas
de chapas perfiladas, podendo ou não ter
enchimento em madeira(alma de
madeira).

O perfil secundário sempre deve ter


alma de madeira, para pregar o
compensado da fôrma. Para o perfil
primário, isto não é obrigatório, porém a
possibilidade de pregar é bastante útil em
muitos casos.

Os perfis devem ser presos com


cunhas nos forcados, para evitar o risco
de tombar.

Apoiar os perfis secundários, de forma


que as cargas fiquem centralizadas sobre
o eixo do perfil primário, evitando assim,
que toda carga se apóie numa única
banda.
Certo Errado

Cuidado com a flexa de perfis em


balanço!

O tamanho dos perfis, sempre deve


permitir transpasse sobre os apoios. Por
exemplo, em um vão com 2,00m entre
apoios, não pode se posicionado um
perfil de 2,00m. O transpasse mínimo
recomendado é de 10 cm de cada lado.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 8 de 57

2.2 Viga em Madeira SH20

O sistema Viga SH20 é bem similar à solução convencional com perfil C12/C7,5.
Vigas de aço, como por exemplo os perfil C metálicos, não estão sendo mais usado em
outros países em função do alto peso. A viga de madeira industrializada hoje é o sistema
predominante mundialmente.

As vigas, inicialmente, estão destinadas para cimbramento das fôrmas de lajes.


Também podem ser muito úteis para vigas e paredes, porém, ainda estão em
desenvolvimento os componentes necessários para aumentar o uso nestas situações.
Geralmente, a viga em madeira SH20, está sendo usada como viga primária e
secundária, não tem necessidade de dois tipos diferentes de vigas.

Dados técnicos:
Momento admissível 0,50 tf.m
Momento admissível (perfil deitado) 0,10 tf.m
Cortante máximo 1,10 tf
Módulo de Elasticidade E 107.000 kgf/cm²
Momento de Inércia J 4.673 cm4
E x J: 500 kNm² = 500.000.000 kgfcm²
Altura da viga: 200 mm
Largura da Viga: 80 mm
Comprimentos: 2,45 / 3,30 / 3,90 / 4,50 / 5,90 m
Comprimentos: Seção:
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 9 de 57

2.2.1 Vantagens do sistema:

• Peso: A Viga pesa a metade do C12 e 23% menos do que C7,5. Um Viga de
590cm de comprimento pesa menos de 30 kg e pode ser manuseada com
facilidade. Isto significa aumento de produtividade, vigas maiores e em
conseqüência menos vigas e menos transpasse.
• Tipo único: Embora existam outros tipos no mercado (16 e 24cm), a viga de 20cm
é indicado como primária e secundária. Isto facilita a administração do estoque na
SH e na obra.
• Custo de reposição menor: A vida útil é menor do que de perfis de aço, por isto o
valor de locação é maior em relação aos perfis C. Mas em caso de peças
danificadas ou faltantes, o valor de indenização é menor.
• Vão maior da secundária: Obra com mais facilidade de movimentação.

• Menor deformação: A rigidez alta da viga reduz a deformação, o critério L/500 é


facilmente alcançável.
• Forcado sem cunha: A geometria da viga permite o apoio da aba superior no
forcado. O desenho do forcado permite transpasse e colocação de uma viga única
sem necessidade de cunhas de madeira
• Montagem do nível inferior: Similar ao Topec® as vigas SH20 podem ser
montadas do piso. Somente a colocação do compensado deve ser feito de cima.
• Largura maior: Com 8,0cm de largura tem muita facilidade de pregar o
compensado, comparado com 2,5cm do sarrafo do Perfil C.
• Sistema sem compensado: O cliente administra o compensado e tem controle
sobre a qualidade e custo. Fica mais econômico em casos onde tem muito
reaproveitamento do compensado.

Resumo:
O sistema é indicado para obras residenciais onde o uso de Topec® não é indicado, por
exemplo, por ter muita quantidade de arremates, ou onde o cliente quer ganhar
produtividade em relação ao sistema pesado de perfis C e onde o custo mais alto pode
ser compensado por ganhos de produtividade.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 10 de 57

2.2.2 Componentes do Sistema:

Forcado SH20 Ambos os forcados do sistema Garfo montagem


SH20 podem ser encaixadas em SH20
escoras Standard, Plus e Extra. Não
funcionam com escora Light.

Para manter os forcados acoplados


às escoras, pode ser usado o pino
Topec® ou pino LTT. Isto, é uma
opção para evitar a queda dos
forcados durante a movimentação.

Nos transpasses e nas extremidades


das vigas SH20 é necessário o uso do
forcado SH20.
Forcado simples SH20
Para quebrar o vão das vigas SH20,
poderá ser usado o forcado simples
SH20.

O garfo de montagem SH20 auxilia


na movimentação e no
posicionamento das vigas no
momento da montagem do
escoramento.

2.2.3 Tabela dos pesos das peças:

Descrição Peso
Viga SH20-245 12,25 kg
Viga SH20-330 16,50 kg
Viga SH20-390 19,50 kg
Viga SH20-450 22,50 kg
Viga SH20-590 29,50 kg
Forcado SH20 3,25 kg
Forcado simples SH20 1,23 kg
Garfo montagem SH20 3,15 kg
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 11 de 57

2.2.4 Montagem

Atenção:

• Para dar estabilidade durante a montagem, devem ser usados tripés ou escoras
mescladas com LTT. O forcado da SH20 não funciona com LTT, neste caso deve ser
usado forcado regulável, cunhado com madeira.

• Para uma equipe de montagem, são recomendados dois garfos para facilitar a
colocação das vigas.

• A viga não deve ser cortada. Em caso de corte na obra, a viga deve ser integralmente
indenizada.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 12 de 57

2.3.4 Cálculos das vigas SH20

É necessário atenção especial no momento do dimensionamento e aplicação das


vigas SH20. Atentar para os seguintes itens:

a) Espaçamento entre vigas secundárias

Depende do compensado. Como a resistência da Viga SH20 é muito alta, é


interessante usar um compensado com espessura maior, assim aproveita-se bem a viga
e reduz-se o custo.

b) Vão máximo das vigas secundárias

Observar:

• Momento não pode ultrapassar o momento admissível→ 5 kNm = 0,500 tfm

• Flexa limitada em L/300 deve ser verificada, mas na maioria dos casos não vai ser
o limitador do vão em função da alta rigidez da viga SH20.

• Força cortante, a carga nos pontos de apoio não pode ultrapassar o valor
admissível de 11 kN = 1,1 tf em cada lado.

• O vão livre não deve passar de 3,00m (este critério está sendo avaliado, e
posteriormente, com mais experiência em obra, talvez será liberado para vãos
maiores).

• O balanço vai ser limitado a 20% do vão calculado entre os apoios. Ex: se o vão
entre apoio ficou limitado a 2,00m, o limite do balanço será de 20% deste valor, no
caso 0,40m.

c) Vão máximo das vigas primárias

Observar:

• Momento não pode ultrapassar o momento admissível→ 5 kNm = 0,500 tfm

• Flexa limitada em L/300 deve ser verificada, mas na maioria dos casos não vai ser
o limitador do vão em função da alta rigidez da viga SH20.

• Força cortante, a carga nos pontos de apoio não pode ultrapassar o valor
admissível de 11 kN = 1,1 tf em cada lado. Com isto, o limite de carga para a
escora é de 2 x 1,1 tf = 2,2 tf
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 13 de 57

• O vão livre não deve passar de 3,00m (este critério está sendo avaliado, e
posteriormente, com mais experiência em obra, talvez será liberado para vãos
maiores)

• O balanço vai ser limitado a 20% do vão calculado entre os apoios.

Observação: Como as vigas são compridas e o espaçamento de escoras está limitado,


pode ser interessante fazer um cálculo hiperestático.

d) Carga nas escoras e/ou poste

Além da carga admissível da escora ou da torre, devemos considerar a força


cortante na viga. Nunca pode passar de 2,2 tf.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 14 de 57

2.3 Perfil de Alumínio AL15

O perfil de alumínio AL15 pode ser usado para escoramentos convencionais, assim
como os perfil da aço (C12/C7,5) ou as vigas de madeira SH20.

As vantagens do perfil de alumínio em comparação aos perfis de aço, é o peso


muito menor, e em comparação às vigas SH20 a vida útil é bem maior.

Geralmente, este perfil está sendo usado para cimbramento primário e secundário,
não necessitando de dois tipos diferentes de perfis.

Dado técnicos:

Momento admissível: 0,55 tf.m Seção:

Módulo de Elasticidade E 700.000 kgf/cm²

Momento de Inércia J 328,57 cm4

E x J: 230 kNm² = 230.000.000 kgfcm²

Altura da viga: 150 mm

Largura da Viga: 75 mm

Largura da alma de 40 mm
madeira:
Comprimentos: 1,50 / 2,50 / 3,00 / 3,50 / 4,00 /
4,50 / 5,00 / 5,50 / 6,00 m
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 15 de 57

2.3.1 Vantagens dos perfis AL15:

• Peso: O perfil AL15 tem peso inferior à viga SH20, menos do que a metade do
C12 e 25% menos do que C7,5. Um Perfil de 600cm de comprimento pesa
somente 27kg e pode ser manuseado com facilidade. Isto significa aumento de
produtividade, e menos transpasse.

• Tipo único: O perfil de alumínio tem 15cm de altura e é indicado como primário e
secundário. Isto facilita a administração do estoque na SH e na obra.

• Custo de reposição: Embora o custo da aquisição seja bem acima do custo da


SH20, no fim da vida útil o AL15 pode ser reciclado.

• Meio ambiente: O perfil AL15 é reciclável e não gera resíduos.

• Vão maior da secundária: Obra com mais facilidade de movimentação

• Sistema sem compensado: O cliente administra o compensado e tem controle


sobre a qualidade e custo. Fica mais econômico em casos onde tem muito
reaproveitamento do compensado.

Resumo:

O sistema é indicado para obras residenciais leves. O peso ajuda a ganhar


produtividade na montagem e na movimentação.

Sistema misto: primário AL 15 e


secundário C7,5

Primário e secundário AL 15 e
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 16 de 57

3.0 Escoras e acessórios

A SH tem 5 tipos diferentes de escoras. Sendo, 4 destinadas a


locação e 01 exclusiva para venda, a SH 350 L.

Dados técnicos:
Escora Escora
Escora Escora Escora
Standard Extra
Light SH Plus SH SH 350L
Hünebeck Hünebeck
Peso 8,84 kg 16,40 kg 17,30 kg 20,50 kg 11,50 kg
Abertura
2,00 m 1,80 m 2,00 m 2,40 m 2,00 m
Mínima
Abertura
3,20 m 2,80 m 3,20 m 4,15 m 3,50 m
Máxima

Abertura
Carga máxima Axial em KN (10kN = 1tf)
em Metros
1,80 18,0 25,0 25,0
1,90 18,0 25,0 25,0
2,00 18,0 25,0 25,0 15,0
2,10 18,0 25,0 25,0 14,0
2,20 17,0 25,0 25,0 14,0
2,30 16,0 25,0 25,0 14,0
2,40 15,0 24,0 24,0 25,0 14,0
2,50 14,0 22,5 22,5 25,0 14,0
2,60 13,0 21,0 21,0 25,0 12,0
2,70 12,0 19,5 19,5 25,0 12,0
2,80 11,0 18,0 18,0 24,0 12,0
2,90 10,0 16,5 23,0 12,0
3,00 9,0 15,0 21,5 12,0
3,10 8,0 13,5 20,0 10,0
3,20 7,0 12,0 18,5 10,0
3,30 17,0 10,0
3,40 15,5 10,0
3,50 14,0 10,0
3,60 12,5
3,70 11,0
3,80 10,0
3,90 9,0
4,00 8,0
4,10 7,0
4,15 6,0
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 17 de 57

Observações:

● As escoras são compostas pelo encaixe das peças macho e fêmea. Sendo o
macho o tubo de menor diâmetro e que se encaixa no tubo de maior diâmetro, a
fêmea.

● Os machos das escoras apresentam furações a cada 8 cm para a fixação do pino


que regulará a altura, além dessa fixação a escora apresenta regulagem
milimétrica, sendo possível, devido a movimentação milimétrica do estojo e copo
da escora.

● Antes da retirada da escora, o copo da escora deve ser usado para afrouxar a
escora. Retirar a escora, batendo no pé causa danos, mesmo com reforço das
escoras.

● Nas escoras Light não é possível o uso do suporte de painel e do drophead. No


caso do uso com forcado de escora e triângulo, estes devem ser selecionados e
apresentarem os tubos que se encaixam na escora de no máximo 32mm.

● As escoras podem ser usadas de cabeça para baixo sem problemas. Atentar que o
triângulo novo somente se encaixa no macho.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 18 de 57

Não pode ser usada corneta na fêmea, pois está apresentará folga demais,
prejudicando a segurança em obra. Mesmo no macho, o uso da corneta
não é recomendável.

● A melhor solução para prolongar as escoras é o uso dos


prolongadores. Outra opção é o uso de dois machos, mas a solução
certa e segura é o uso de poste Modex® de 1,00m. O poste pode ser
fixado na escora com dois parafusos de 1/2" ou usado sem fixação.
A altura da escora aumenta em 83cm com poste de 1,00m.
Cuidar, pois a escora prolongada com dois machos ou poste Modex
não agüenta muita carga, podemos usar o valor de flambagem de
um tubo 48 com mesmo comprimento.

● No caso de prolongar com poste Modex de 1,50m é recomendável


uma linha de amarração com travessa Modex ou tubo e braçadeira.

● O prumo perfeito das escoras é fundamental para obter as cargas admissíveis


indicadas nos dados técnicos acima.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 19 de 57

3.1 Prolongador de escora

O Prolongador de Escora permite o uso da Escora Standard em


substituição à Escora Extra. As cargas admissíveis do conjunto
são iguais as cargas da Escora Extra.

Também pode ser usado com a Escora Extra para alcançar


alturas de até 5,50m, sempre com contraventamento, reduzindo
as alturas de flambagem.

A carga admissível para a Escora Extra com o Prolongador de


Escora, com contraventamento em dois sentidos, está limitado
em 5KN→0,5tf.

O prolongador tem altura total de 1,35m. Sendo 0,68cm na parte


inferior (tubo Ø60,3mm) e 0,67m na parte superior (tubo
Ø48,3mm)

Atenção:

● O prolongador não deve ser montado no macho.

●.O prolongador é fixado nas escoras através de dois parafusos


1/2”x2”.

●Para evitar que o copo da escora fique muito alto, e de acesso


difícil, a escora pode ser montada com macho para baixo.

● Nas escoras Ligth e SH 350 L, não é possível o uso do


prolongado de escora, devido as bases de fixação não se
encaixarem.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 20 de 57

Abaixo segue exemplo com a variação das alturas da Escora Standard com
prolongador:

Escora prolongador prolongador


Standard com 67cm com 135cm

Na parte superior podem ser acoplados todos os acessórios das escoras. Em casos de
necessidade da base do macho, como por exemplo para reescoramento deve ser usada
uma base FS.

Triângulo Forcado de escora Suporte de painel Drophead Base FS Prolongador puro


MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 21 de 57

3.2 Acessórios

3.2.1 Acessórios para laje

Grampo de Contraventamento

Os grampos de contraventamento servem somente para dar


mais estabilidade e segurança durante a montagem. Estes
grampos não servem para reduzir o comprimento para efeito de
flambagem e aumento da carga.

Tripé

O tripé serve como auxílio para a montagem, não aumenta a


carga admissível da escora. Após auxiliar a montagem de um
trecho de laje, poderá ser remanejado para os outros trechos.

Forcado de Escora

O Forcado de escora permite o transpasse de dois perfis, mas


deve-se tomar muito cuidado com a estabilidade deste
transpasse. Quando possível, melhor é transpassar perfis nos
forcados das torres.

3.2.2 Acessórios vigas

Triângulo

O triângulo serve para fazer a mão francesa da fôrma de viga.


Sobre o triângulo é necessário a fixação de uma madeira 3”x3”,
a cargo do cliente.

Cuidar na obra: Madeira muito comprida, usado como “andaime


de serviço”, induz um momento na escora que favorece a
flambagem. Se houver necessidade de andaime, melhor usar
torre apropriada ou criar uma segunda linha de escoras.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 22 de 57

4.0 Torre de carga LTT

Quadro LTT 200

Quadro LTT 136


Quadro LTT e Quadro LTT - 2

Todos os quadros LTT resistem até 3.000kgf por


poste.

Os quadros apresentam duas dimensões de


altura: quadros de 2,00m e quadros de 1,36m. As
alturas das torres devem ser compostas por esses
dois tipos de quadros.

A distância entre as berimbelas, peças que fixam


Quadro LTT 200-2
as cruzetas, é igual para todos os quadros, assim
Quadro LTT 136-2 todas cruzetas funcionam com todos os quadros.
Atentar para o uso da cruzeta 125 em conjunto com
quadro 136, pois pode dificultar o acionamento do
forcado regulável.

Caso tenha dois tipos de quadros em uma torre,


o Quadro de 136 deve ser montado por baixo.

Cruzetas

As cruzetas fixam os quadros LTT de forma a criar


um só conjunto rígido, e portanto, é uma peça
fundamental para a montagem de cada torre.

As cruzetas podem ser encontradas em 4 tamanhos,


que permite a montagem de torres com 8 comprimentos
diferentes, conforme esquema ao lado.
Ex: Usando as cruzetas fixas na berimbela no primeiro
furo (furo externo), é possível fazer torres com, medidas
de: 1,00m, 1,55m, 2,00m e 2,50m. Usando no segundo
furo (furo interno) é possível torres de 0,75m, 1,25m,
1,75m e 2,25m.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 23 de 57

Forcado regulável

O forcado regulável é utilizado sobre os postes dos Quadros LTT, e


servem para apoio do perfil primário do escoramento.
A regulagem do forcado pode ser entre 10cm e 25cm. Não é
recomendado deixar o forcado nos limites das aberturas, ideal é a
abertura de 15cm a 20cm. Alturas menores de 10cm podem
impossibilitar a desforma.
Atenção: todos os forcados devem ter um reforço (chapinha) soldado
por baixo da aba do U.

Conector

O conector é usado para acoplar os quadros na vertical. Ele não


recebe carga, mas a falta de um conector é um grande risco de
acidente.

Corneta Carga admissíveis


na corneta
A corneta é usada como base de apoio das Abertura Carga
Últil (cm) KN
torres LTT, ou outros tipos de torres. Possui 0 30,0
regulagem de 8 em 8cm para nivelamento das 3 30,0
torres. 11 30,0
A carga admissível da corneta depende da 19 28,5
altura de abertura, que poderá ser verificada na 27 27,0
tabela ao lado. Atenção: geralmente a corneta é 35 25,5
43 24,0
um ponto fraco. Se necessário, deve ser
51 22,5
substituído por base regulável. 59 21,0

Pino

O pino deve ser de aço 1045, é o mesmo pino


que está sendo usado na escora. Aço comum 1008
(vergalhão) não tem resistência suficiente.
Na obra nunca pode ser substituído o pino por
vergalhão.
O pino deve ser posicionado no furo do quadro e
nunca no furo abaixo do quandro
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 24 de 57

Base regulável tubular

A base regulável tubular é utilizada para ajudar no


nivelamento das torres em terrenos irregulares ou para fazer um
ajuste fino na altura das torres. Pode ser usada em substituição
a corneta.

A faixa de regulagem vai de 10 a


40cm.

Quando utilizada com poste


Modex precisa ser adaptado
A carga admissível por base é de um tubo 48 para melhorar o
4,5 toneladas. apoio na porca.

Base regulável

A Base regulável tem a mesma função que a base regulável


tubular e também pode ser usada para substituir a corneta.

A faixa de regulagem vai de 05 a 20cm.

A carga admissível por base é de 4,5 Toneladas.

Quando utilizada com poste Modex, não precisa de


complemento com tubo.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 25 de 57

Base Dupla

A Base dupla serve para criar um apoio para o perfil


primário do escoramento de laje, acima do
barroteamento da viga. E necessário colocar um perfil
adicional no barroteamento da viga para o encaixe da
base dupla.

Esta solução é bem econômica, segura e fácil de


montar.

Quando a altura da base dupla não for suficiente


para apoio do perfil, poderá ser prolongada com o uso
de tubo com luva. Neste caso, recomenda-se o uso
de uma linha de tubo e braçadeira para amarração.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 26 de 57

Montagem da torre LTT


MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 27 de 57

Segurança no escoramento

• Torres de Carga e escoras devem estar niveladas e no prumo.

• Todos os nível de Quadros precisam de cruzeta. A montagem de torres com número


insuficiente de cruzetas pode causar acidentes.

• A partir de quatro metros de altura as torres devem ser contraventadas em grupos de


quatro torres com tubo e braçadeira. Os contraventamentos serão repetidos a cada 4
metros.

• Os perfis devem ser sempre cunhados nos forcados.

• É necessário a distribuição da carga para o terreno, através de pranchão de madeira


P
ou sapata de concreto com a área mínima S = , onde P = Carga no Poste e σ =
σ
Taxa Admissível do Terreno.

Situação insegura !
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 28 de 57

5.0 Escoramento de viga

5.1 Escoramento de Viga com Escoras

O escoramento com escora e triângulo é a forma mais simples, mas devem ser
observadas algumas limitações.

Limitações para o uso da escora com triângulo:


Largura do fundo da viga máxima de: 25 cm
com treliças apoiadas na fôrma : 20 cm
Altura total da viga máxima: 70 cm
Espaçamento máximo entre duas escoras: 120 cm
Espaço da primeira escora até o pilar 60 cm
(se o pilar estiver com fôrma montada)
Espaço da primeira escora até o pilar 10 cm
(se o pilar já estiver desformado)
Vigas com comprimentos entre os pilares maiores de 6m, precisam de uma torre no
meio do vão para dar mais estabilidade e facilitar o alinhamento da forma.
Usar grampo de contraventamento nas vigas da periferia, para travar as escoras.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 29 de 57

Viga junto ao vizinho: não é possível usar triângulo; acima da escora será pregada
madeira 3”x3” e se usará mão francesa de madeira e grampo de contraventamento.

5.1.1 Cálculo da viga com Escora e Triângulo

Somente precisa comparar o peso da viga, multiplicado pelo espaçamento das


escoras, com a carga admissível da escora em função da altura.

Exemplo:

1) Em uma viga com dimensões de 20x70cm, verificar se a escora extra, que está com
abertura de 3,70m, e espaçada a cada 105 cm, suporta a carga da viga.
Não há área de influência de laje nesta viga.

● Peso da viga por metro

P = largura x altura x (peso próprio do concreto + 10% de sobrecarga)


P = 0,20 (m) x 0,70 (m) x 2,75 (tf/m³)
P = 0, 385 tf/m

Se as escoras estão espaçadas a 1,05 m, então o peso em cada escora será:

Pesc= 0,385 tf/m x 1,05 m


Pesc= 0,404 tf

Verificar na tabela (item3.1) se o peso atuante na escora é menor que o peso admissível
da escora:
Peso admissível da escora para abertura de 3,70 m = 11kN ou 1,1 tf
Pesc < Padm
0,404 tf < 1,1tf → Situação OK!
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 30 de 57

Para vigas mais largas, o escoramento com escora dupla é uma solução mais fácil
e econômica.

Limitações para o uso da escora dupla:


Largura do fundo da viga máxima de: 45 cm
com treliças apoiadas na fôrma: 20 cm
Altura total da viga máxima 80 cm
Espaçamento máximo entre escora dupla 120 cm
Espaço da primeira escora dupla até o pilar 60 cm
(se o pilar estiver com fôrma montada)
Espaço da primeira escora dupla até o pilar 10 cm
(se o pilar já estiver desformado)
Não usar triângulos nem forcados de escoras. Acima das escoras será fixada madeira
3”x3” com pregos.
Vigas com comprimentos entre os pilares maiores de 6m, precisam de uma torre no
meio do vão para dar mais estabilidade e facilitar o alinhamento da forma
Usar um grampo de contraventamento por escora, para unir as escoras duplas.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 31 de 57

5.1.2 Cálculo da viga com Escora Dupla

Precisa comparar o peso da viga, multiplicado pelo espaçamento das escoras, com
a carga admissível de duas escoras em função da altura.

Exemplo:

1) Em uma viga com dimensões de 45x80, verificar se a escora Plus dupla, que está com
abertura de 3,00m, e espaçada a cada 90 cm, suporta a carga da viga.
A área de influência de laje de 15 cm nesta viga é de 30 cm de cada lado.

● Peso da laje

Q = (espessura da laje x peso próprio do concreto) + sobrecarga de 0,20 tf/m²


Q = 0,15(m) x 2,5 (tf/m³) + 0,20 (tf/m²)=
Q = 0,575 tf/m²

Faixa de influência da laje = 0,30 m +0,30 m = 0.6 m


Peso da laje sobre a viga = 0,6 m x 0,575 tf/m² = 0,345 tf/m

● Peso da viga por metro

P = largura x altura x (peso próprio do concreto + 10% de sobrecarga)


P = 0,45 (m) x 0,80 (m) x 2,75 (tf/m³)
P = 0, 990 tf/m

● Peso total por metro da viga, para dimensionamento do escoramento;

Pt = 0, 990 tf/m + 0,345 tf/m


Pt = 1,335 tf/m

Se as escoras estão espaçadas a 0,90 m, então o peso em cada escora será:

Pesc= 1,335 tf/m x 0,9 m


Pesc= 1,202 tf
Como as escoras são duplas o peso em cada escora será: Pesc= 1,202 tf / 2 = 0,601 tf

Verificar na tabela (item3.1) se o peso atuante na escora é menor que o peso admissível
da escora:
Peso admissível da escora Plus para abertura de 3,00 m = 15kN ou 1,5 tf
Pesc < Padm
0,601 tf < 1,5tf → Situação OK!
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 32 de 57

5.2 Escoramento de vigas com Torres de Carga

Para vigas maiores ou com pé direito alto, o escoramento com torres de carga e
perfis é a solução indicada.

Em função do pé direito, também é possível mesclar


escoras com as torres. Nesta solução, nas escoras deve ser
previsto tripés, e o transpasse de perfil sobre as escoras, se
possível, deve ser evitado. Não é necessário o uso de
grampos de contraventamento nestas escoras.

Para escoramento com torre, pode ser usado a torre LTT e


LTT-2 ou a torre Modex®. Importante lembrar, que a partir de
4,0 m de altura, as torres devem ser contraventadas com
tubos e braçadeiras.

5.2.1 Cálculo no escoramento de viga com Torre e Perfil

O cálculo segue os seguintes passos:

• Definir comprimento do perfil secundário


• Calcular carga atuante (peso da viga)
• Espaçamento e quantidade de perfis secundários
• Vão máximo dos perfis primários
• Cargas nos postes e escoras
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 33 de 57

a) DEFINIR COMPRIMENTO DO PERFIL SECUNDÁRIO

O perfil secundário precisa ter o comprimento suficiente para apoio da mão


francesa nos dois lados da viga. Geralmente, é adotado um comprimento de 60% de
altura da viga em ângulo de 45° para cada lado.

Em fórmula:

Comprimento do perfil secundário = Altura de viga x 0,6 x 2 + Largura da viga

O balanço máximo permitido do perfil secundário é de 50cm.(Com largura da torre


de 1,00m, pode ser usado perfil de 1,50 ou de 2,00m de comprimento).

Exemplo:
1) Qual o tamanho adequado do perfil secundário para execução de uma viga com 1,10m
de altura e 0,40 m de largura?

Comprimento do perfil secundário = Altura de viga x 0,6 x 2 + Largura da viga


Comprimento do perfil secundário = 1,10 m x 0,6 x 2 + 0,40 m
Comprimento do perfil secundário = 1,72 m

Adotar perfil de 2,00m

b) CALCULAR O PESO DA VIGA

O cálculo da viga segue orientação conforme item 1.2 desta apostila.


Neste cálculo é considerado o peso da viga (inclusive peso da laje apoiada nas laterais da
viga e sobrecarga), por metro linear da viga, e não o peso total da viga.

Exemplo:
1) Calcular o peso da viga, por metro linear, para uma viga com 1,10m de altura e 0,40m
de largura. Influência da laje de 0,35cm de cada lado, laje com 10cm de espessura,

● Peso da laje

Q = (espessura da laje x peso próprio do concreto) + sobrecarga de 0,20 tf/m²


Q = (0,10m) x 2,5 (tf/m³) + 0,20 (tf/m²)=
Q = 0,450 tf/m²

Faixa de influência da laje = 0,35 m +0,35 m = 0,70 m


Peso da laje sobre a viga = 0,70 m x 0,450 tf/m² = 0,315 tf/m
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 34 de 57

● Peso da viga por metro

P = largura x altura x (peso próprio do concreto + 10% de sobrecarga)


P = 0,40 (m) x 1,10 (m) x 2,75 (tf/m³)
P = 1,21 tf/m

● Peso total por metro da viga, para dimensionamento do escoramento;

Pt = 1,21 tf/m + 0,315 tf/m


Pt = 1,525 tf/m

c) ESPAÇAMENTO E QUANTIDADE DE PERFIS SECUNDÁRIOS

O critério para o dimensionamento dos perfis secundários é o momento admissível


dos perfis. Não é necessário calcular pela flexa.

Como perfil secundário poderá ser usado os perfis C metálicos, os perfis de


alumínio AL15 e as vigas de madeira SH20.

O peso da viga, na maioria dos casos, pode ser considerada como carga
concentrada no perfil.

O espaçamento poderá ser cálculo com a seguinte


fórmula:
q [tf/m]
4xM
Espaçamento =
Pt x L

Onde: L [m]
Pt = peso da viga por metro [tf/m]
L = vão livre do Perfil secundário [m]
M = Momento admissível do Perfil secundário[tfm]
Está fórmula é válida para cargas concentradas no perfil, Outras situações poderão ser
consultadas na tabela do item 4.3 da Apostila de Resistência dos Materiais.

Exemplo:
1)Calcular o espaçamentos do perfil secundário sobre uma torre de 1,00m, considerando
peso da viga total, por metro linear, de 1,525 tf. Fazer a comparação dos cálculos para
perfil metálico C7,5, perfil AL15 e SH20.

Dados:
Pt = 1,525 tf/m M AL15 = 0,550 tf.m
M C7,5 = 0,206 tf.m M SH20 = 0,50 tf/m
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 35 de 57

Espaçamento C7,5 Espaçamento AL15 Espaçamento SH20


4xM 4xM 4xM
Espaçamento = Espaçamento = Espaçamento =
Pt x L Pt x L Pt x L
4 x 0,206 4 x 0,55 4 x 0,50
Espaç. = Espaç. = Espaç. =
1,525 x 1,0 1,525 x 1,0 1,525 x 1,0
Espaç. = 0,54 m Espaç. = 1,44 m Espaç. = 1,31 m

d) VÃO MÁXIMO DOS PERFIS PRIMÁRIOS

Calcular pelo Momento admissível e pela Flexa admissível, considerando a carga


distribuída. O menor valor dos dois cálculos é o que valerá para o máximo espaçamento
entre vãos.

Como perfil primário poderá ser usado os perfis C metálicos, os perfis de alumínio
AL15 e as vigas de madeira SH20.

Fórmulas para cálculo do vão máximo do perfil primário

q [tf/m] = peso da viga total


M [tfm] = Momento adm. do perfil

Pelo momento:
2 *8* M
Lmax =
q
Pela flexa (L/300):
2 * 0,256 * E * J
Lmax = 3
q
Observação: O fator dois na fórmula, é para considerar que tem duas linhas de perfis
primários. Caso, a torre esteja descentralizada, com todo os peso da viga caindo em
apenas um perfil primário, como por exemplo nas vigas de periferia, este fator deverá ser
desconsiderados. Ficando as fórmulas:
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 36 de 57

Pelo Momento: Pela Flexa (L/300):

Exemplo:
1) Calcular o espaçamentos do perfil primário, considerando peso da viga total, por metro
linear, de 1,525 tf. Fazer a comparação dos cálculos para perfil metálico C12, perfil AL15
e SH20. Considerar a torre centralizada na viga.

Dados:

q = 1,525 tf/m = 0,01525 tf/cm


Perfil Metálico: M C12 = 55,6 tf.cm E x J C12 = 529.788 tf cm²
Perfil Alumínio: M AL15 = 55,0 tf.cm E x J AL15 = 230.000 tf cm²
Viga Madeira: M SH20 = 50,0 tf.cm E x J SH20 = 500.000 tf cm²

● Vão máximo do perfil Primário C12

Pelo Momento: Pela Flexa:

Lmax =
 2x8xM
q 
Lmax = 3
2 x 0.256 x E x J
q

Lmax =

2 x 8 x 55,6 tfcm
0,01525 tf / cm
Lmax = 241 cm → 2,41 m

Lmax = 3
2 x 0.256 x 529.788 tfcm²
0,01525 tf / cm
Lmax = 261 cm → 2,61 m

Adotar o menor valor: 2,41m


MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 37 de 57

● Vão máximo do perfil Primário AL15

Pelo Momento: Pela Flexa:

Lmax =
 2x8xM
q 
Lmax = 3
2 x 0.256 x E x J
q

Lmax =

2 x 8 x 55,0 tfcm
0,01525 tf / cm
Lmax = 240 cm → 2,40 m

Lmax = 3
2 x 0.256 x 230.000 tfcm²
0,01525 tf / cm
Lmax = 197 cm → 1,97 m
Adotar o menor valor: 1,97 m

● Vão máximo do perfil Primário SH 20

Pelo Momento: Pela Flexa:

Lmax =
 2x8xM
q 
Lmax = 3
2 x 0.256 x E x J
q

Lmax =

2 x 8 x 50,0 tfcm
0,01525 tf / cm
Lmax = 229 cm → 2,29 m

Lmax = 3
2 x 0.256 x 500.000 tfcm²
0,01525 tf / cm
Lmax = 256 cm → 2,56 m
Adotar o menor valor: 2,29m

e) CARGAS NOS POSTES E ESCORAS

Para encontrar a carga atuante nos postes e escoras é necessário encontrar a área
de influência sobre estes poste e escora e multiplicar pelo peso da viga.

Encontrando a carga atuante é só comparar as cargas admissíveis da corneta, ou


da escora.(ver tabela de corneta e escora)

Exemplo:
1) Calcular a carga atuante no poste da torre e na escora, conforme espaçamentos
representados no esquema baixo, considerando o peso da viga total, por metro linear, de
1,525 tf.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 38 de 57

● Área de influência no poste:


(1,55m + 1,85m )/2 = 1,70 m

● Carga atuante no poste:


(1,70 m x 1,525 tf/m) / 2 = 1,30 tf

● Área de influência na escora:


(1,85m + 1,85m )/2 = 1,85 m

● Carga atuante na escora:


(1,85 m x 1,525 tf/m) / 2 = 1,41 tf

Encontrada as cargas atuantes, comparar com as cargas admissíveis do equipamento.

Em todo escoramento é necessário a distribuição da carga para o terreno, através de


P
pranchão de madeira ou sapata de concreto com a área mínima , S = onde: P =

Carga no Poste e σ = Taxa Admissível do Terreno.

Exemplo: Dimensionar a área do pranchão de 1” de espessura, que deverá ser colocado


sob a corneta, considerando:

Peso na corneta = 2,0 (tf) (valor calculado conforme dimensionamento do projetos)


Taxa admissível do terrenos = 4 (valor passado pelo cliente)

P 2.000 kgf
S= → S= → S = 500 cm² = 0,05 m²
 4 kg / cm²

Um pranchão com 0,05 m² eqüivale a prancha de 0,25cm x 0,25cm.


MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 39 de 57

6.0 Escoramento de laje

A forma mais comum de escoramento de laje é de usar compensado, apoiado em


perfis secundários (barroteamento) sobre perfis primários (guias) acima de escoras ou
torres.

Importante:
• Quanto mais torres no escoramento, mais estável fica o conjunto, mas também
aumenta o custo.

• Quando o pé direito permitir, o sistema de escoramento mesclando torre com escora é


a solução mais econômica.

• Os perfis secundários podem ser apoiados em guias de


madeira nas laterais das vigas. Desta forma, a lateral da viga
fica presa até a desforma da laje, somente podemos usar este
recurso caso o cliente aceite. Está solução permite a economia
no perfil primário o no escoramento. Não é aconselhável usar o
perfil primário apoiado em guias na viga, por que a carga é
muito alta e o apoio na guia não é confiável.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 40 de 57

6.1 Cálculo para escoramento da laje

O cálculo no escoramento de laje independe, se o escoramento for com escoras,


tores ou misto, os cálculos seguem o mesmo padrão. Devem ser realizados de cima para
baixo, começando no concreto e descendo até o apoio no chão, nos seguintes passos:

• Peso da laje com sobrecarga.


• Vão máximo do compensado
• Espaçamento dos perfis secundários
• Vão máximo do perfis secundário
• Vão máximo do perfil primário
• Carga nos postes e/ou escoras

a) PESO DA LAJE COM SOBRECARGA


Consideramos o peso próprio do concreto de 2,5 tf/m³ . Para o peso da laje, os
valores de sobrecarga são diferentes para o cálculo pelo Momento admissível e para o
cálculo pela Flexa.

Valores da sobrecarga para laje:


Cálculos pelo Momento ● Mais 0,20 tf/m²
● Mais 10% do valor do peso próprio
Cálculo pela Flexa
(2,75 tf/m3)

Para o cálculo da carga atuante nos postes e nas escoras, considerar os valores
de sobrecarga igual ao considerado para o Momento, ou seja, sobrecarga de 0,20 tf/m².

Atenção: O valor mínimo do peso da laje para os cálculos dos equipamentos é de


400Kg/m². Caso o peso da laje seja menor que este valor, sempre deve ser considerado
no mínimo 400Kg/m².

Exemplo:
1) Calcular o peso de uma laje de 18cm de espessura, para aplicação nos cálculos do
Momento e da Flexa.

● Peso da laje pelo Momento


Q = (espessura da laje x peso próprio do concreto) + sobrecarga de 0,20 tf/m²
Q = (0,18m) x 2,5 (tf/m³) + 0,20 (tf/m²)=
Q = 0,650 tf/m²

● Peso da laje pela Flexa


Q = espessura da laje x (peso próprio do concreto + 10% de sobrecarga)
Q = 0,18m x 2,75 (tf/m³)
Q = 0,495 tf/m²
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 41 de 57

b) VÃO MÁXIMO DO COMPENSADO

O vão máximo do compensado deve ser calculado pela flexa L/300. Atentar para
as unidade usadas, se necessário transformar tudo para cm ou para m (para kgf ou para
tf) e atenção especial em escolher a largura da faixa para o cálculo. Pode ser qualquer
valor, recomendável é de usar 1 cm ou 1 m.

O vão livre máximo do compensado calcula-se com a seguinte fórmula:


0,256 * E * J
Lmax = 3
q
Onde:

• E = 70.000 kgf/cm² - Módulo de elasticidade do compensado de boa qualidade.


Melhor seria conseguir o dado do compensado com o cliente.
Unidade alternativa: E = 700.000 tf/m²

• J - Momento de inércia do compensado, é calculado através da fórmula:


b x h³
J= onde : b é a largura da faixa
12

• q - Carga distribuída → peso da laje multiplicado pela largura da faixa atuante(igual b


no cálculo anterior). Pode ser qualquer valor, porém, o recomendável é de usar 1m ou
1 cm.

Exemplo:
1) Calcular o vão máximo que um compensado de 15mm suporta. Considerando laje de
18 cm de espessura. (unidades em tf e m)

Onde:

Lmax comp = 3
0,256 x E x J
q E = 700.000 tf/m²

b x h³
J=
Lmax comp =
0,256 x 700.000 tf / m² x 2,812 x 10−7 m 4 
3

0,495 tf / m²
12

1 m x 0,015 m  ³
J=
Lmax comp = 0,47 m 12
−7 4
J = 2,812 x 10 m
Vão máximo = 0,47m
q = peso da laje de 18 cm
0,495 tf/m²
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 42 de 57

c) ESPAÇAMENTO DOS PERFIS SECUNDÁRIOS

O espaçamento dos perfis secundários (Dsec) deve


atender duas condições:

a) o vão livre entre os perfis deve ser menor que ao Lmax


calculado no passo anterior;

b) o espaçamento deve ser um valor que consta na tabela


de espaçamento padrão de perfis, para garantir que
sempre tenha um perfil na emenda das chapas de
compensado.

No valor do Lmax poderá ser acrescido o valor da espessura do perfil. No caso de


perfil metálico C e perfil AL15 será de 7,50cm, e com SH20 será de 8,o cm.

Tabela de espaçamento padrão dos perfis:


Chapa 1,10m x 2,20m 0,733 0,550 0,440 0,367 0,314
Chapa 1,22m x 2,44m
0,813 0,610 0,488 0,407 0,349

Os valores da tabela acima são obtidos dividindo a chapa em tamanhos iguais,


sempre considerando um perfil na emenda das chapas.

Exemplo:
1) Considerando o barroteamento com perfil metálico C e vão máximo do compensado
(1,10m x2,20m) com 0,47m. Qual a espaçamento do perfil secundário que deve ser
adotado?

Vão máximo: Lmax = 0,47m


Espaçamento entre perfis: (Dsec)= 0,47 m + 0,075m = 0,545 m
Espaçamento adotado da tabela : 0,44 m

d) VÃO MÁXIMO DO PERFIL SECUNDÁRIO

O espaçamento dos perfis secundários, mostrado no cálculo anterior, define a carga


atuante nos perfis para o cálculo pela flexa e pelo momento.

Pela Flexa: Pelo Momento


Lmax = 3
0,256 x E x J
q
L max =
 8 xM
q
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 43 de 57

Onde:

• E = 2.100.000 kgf/cm² - Módulo de elasticidade do aço.


Unidade alternativa: E = 21.000.000 tf/m²

• J - Momento de inércia do perfil (consultar tabela)

• q - Carga distribuída no perfil - o peso da laje multiplicado pela largura da faixa


atuante (igual ao espaçamento adotado na tabela do perfil secundário. ).

Embora o calculo do balanço seja importante, recomenda-se não usar este


balanço, pois assim aumenta a segurança durante a montagem.

Cálculo do balanço do perfil:

Pela Flexa: Pelo Momento

Lmax = 3
8* E * J
300 * q
L max =
 2 xM
q

Exemplo:
1) Calcular o vão máximo permitido para perfil secundário, considerando uma laje de 18
cm de espessura, sabendo que o espaçamento entre o perfis metálicos C7,5 é de 0,44m.

● Pela Flexa: Onde:


E = 2.100.000 Kgf/cm²
Lmax sec = 3
 0,256 x E x J
q
J = 55,33 cm4 (tabelado)


4
0,256 x 2.100.000 Kgf / cm² x 55,33 cm
3
Lmax sec =
2,178 Kgf /cm q flexa = peso da laje de 18 cm X
Lmax sec = 239 cm espaçamento entre secundários
q = 0,0495 Kgf/cm² x 44 cm
q = 2,178 kgf/cm
● Pelo momento:
q momento = peso da laje de 18 cm X
Lmax sec =
q
8xM
espaçamento entre secundários
q = 0,0650 Kgf/cm² x 44 cm
Lmax sec =

8 x 20.600 kg.cm
2,86 Kgf /cm²
Lmax sec = 240 cm
q = 2,86 kgf/cm

M= 206 kg.m = 20.600 Kg.cm

Considerar o menor dos dois valores:


Vão máximo do secundário = 2,39 m
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 44 de 57

e) VÃO MÁXIMO DO PERFIL PRIMÁRIO

Da mesma forma que calcula-se o vão do perfil secundário, o vão máximo do perfil
primário é calculado. As fórmulas são as mesmas, somente, é preciso atentar para a
alteração das características dos materiais e a faixa de carga atuante no perfil primário.

Exemplo:

1) Calcular o vão máximo permitido para perfil primário C12, considerando uma laje de
18 cm de espessura, sabendo que o vão máximo permitido entre o perfis metálicos C7,5
é de 2,39m.

● Pela Flexa: Onde:


E = 2.100.000 Kgf/cm²

Lmax sec = 3
 0,256 x E x J
q
J = 252,28 cm4 (tabelado)

q flexa = peso da laje de 18 cm X


vão máx. do perfil secundários

4
3 0,256 x 2.100.000 Kgf / cm² x 252,28 cm
Lmax sec = q = 0,0495 Kgf/cm² x 239 cm
11,83 Kgf / cm
q = 11,83 kgf/cm

Lmax sec = 225 cm


q momento=peso da laje de 18 cm X
vão máx. do perfil secundários
● Pelo momento: q = 0,0650 Kgf/cm² x 239 cm
q = 15,53 kgf/cm

Lmax sec =
 8xM
q
M= 556 kg.m = 55.600 Kg.cm

Lmax sec =

8 x 55.600 kg.cm
15,53 Kgf /cm²
Lmax sec = 169 cm

Considerar o menor dos dois valores:


Vão máximo do primário = 1,69 m

Atenção: Para o cálculo do perfil primário foi utilizado o valor do vão máximo do
secundário de 2,39m, como faixa de influência, o que resultou em um vão para o primário
relativamente pequeno, de 1,65m. Para encontrar o vão do perfil primário mais exato
deverá ser utilizado as reais dimensões encontrada na disposição dos equipamentos no
projeto (faixa de influência real do projeto).
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 45 de 57

f) CARGA NOS POSTES E/OU ESCORAS

Para encontrar a carga atuante nos postes e escoras é necessário encontrar a área
de influência sobre estes pontos e multiplicar pelo peso da laje.
Encontrando a carga atuante é só comparar as cargas admissíveis da corneta, ou
da escora(ver tabela das cargas).

Exemplo:
1) Calcular a carga atuante no poste da torre e na escora, conforme espaçamentos
representados no esquema baixo, considerando o peso da laje de 18 cm.

Peso da laje

Q = (espessura da laje x peso próprio do concreto) + sobrecarga de 0,20 tf/m²


Q = (0,18m) x 2,5 (tf/m³) + 0,20 (tf/m²)=
Q = 0,650 tf/m²

Área de influência no poste: (área verde) Área de influência na escora: (área rosa)
(1,55m + 1,85m ) x (2,16 +1,00) = 2,686 m² (1,85m + 1,85m ) x (2,16 +1,00) = 2,923 m²
2 2 2 2

Carga atuante no poste: Carga atuante na escora:


2,686 m² x 0,650 tf/m² = 1,75 tf (2,923 m² x 0,650 tf/m² = 1,90 tf

Encontrada as cargas atuantes, comparar com as cargas admissíveis dos equipamentos.


MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 46 de 57

Detalhe esquemático
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 47 de 57

7.0 Contraventamento das torres

O contraventamento tem a função de combater a flambagem e o deslocamento das


torres, caso venha incidir esforços horizontais na estrutura de escoramento.

No contraventamento atentar para os seguintes itens:

● O contraventamento deve ser feito a cada 4m de altura com tubos horizontais


fixados com braçadeiras. Os contraventamentos devem se repetir a cada 4
metros de altura. Ex: para uma torre de 13 metros de altura será necessário 3
linhas de tubos para contraventamento.

● O contraventamento, em lajes, pode unir grupos de 4 ou 6 torres, neste caso, o


tubo não precisa ser preso em dois postes de uma torre.

● Para o contraventamento das vigas é necessário tubo nos dois lados da torre.

● Não é recomendável o uso de grampo de alinhamento e sarrafo de madeira para


contraventamento das torres.

Exemplos:
Conjunto de 4 torres Conjunto de 6 torres

No contraventamento das viga também é importante criar conjuntos de amarração entre


as torres da laje e as da viga.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 48 de 57

8.0 Escoramento em balanço

O escoramento em balanço pode ser feito


com perfil C em balanço, preso com grampos
na laje inferior (ver desenho ao lado).Os
grampos podem ser substituídos por
estroncamento (se a laje superior estiver
pronta) ou barra de ancoragem (se for possível
furar a laje.

Atentar:

• O posicionamento dos grampos tem que ser


indicado no projeto da laje inferior

• Se o momento do perfil C não for suficiente


para suportar a carga, reforçar com mão
francesa por baixo

• O perfil deverá ficar no mínimo 1,70m para


dentro do apoio.

• Para cálculo, é considerado somente um


grampo (o mais distante do balanço). Mas é
de grande importância o uso dos 2 grampos
para garantir estabilidade ao perfil e evitar
sua rotação.

• O segundo grampo pode ser fixado a


qualquer distância do primeiro, aconselha-se
a usar a 50cm.

• Quando possível, usar forcado regulável ou


forcado de escora invertido no pé da torre
ou escora, para encaixar no perfil C
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 49 de 57

Cálculos:

• Calcular o momento máximo atuante no perfil e comparar com Momento admissível do


equipamento

M max = P 1 *b1 + P2 * b2
• Calcular a carga no grampo:

P1 * b1 + P2 * b2
R=
a2
• Calcular o diâmetro do grampo [cm] (preso nos dois lados):

2 * R[ t ]
d [ cm] = ou (simplificado): d [ cm] = 0,68 * R[ t ]
1,4 * π
Atenção: o valor de R deve ser em toneladas.

Verificar o Vergalhão necessário na tabela abaixo:(em polegadas)


1/4” 5/16” 3/8” 7/16” 1/2”
0,635 cm 0,794 cm 0,952 cm 1,111 cm 1,270 cm
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 50 de 57

9.0 Escoramento de estruturas Inclinadas

As estruturas inclinadas, em relação as linhas do horizonte, quando concretadas


geram esforços horizontais e verticais.
Para combater esses esforços horizontais é necessário a colocação de tirantes ou
amarração com tubos e braçadeiras, fixado em pontos externos a essa estrutura, assim
transmitindo os esforços.

Para exemplificar os cálculo, vamos utilizar uma estrutura de laje inclinada com
espessura de 15cm e ângulo de inclinação de 30º, conforme croqui abaixo:

Para o cálculo do peso da laje deverá ser utilizada a espessura do trecho AB, que
poderá ser obtida através do cálculo trigonométrico:

Como o triangulo ABC é um triângulo


retângulo, o ângulo  é igual a 30º, com isso:

cos 30º = AC
AB

cos 30º = 15 cm
AB
AB = 17,32 cm

O peso da laje então será:

P = 0,1732 m x 2500 Kgf/m² + 200


P = 633 kgf/m²
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 51 de 57

Para escoramento de estruturas inclinadas pode ser considerado duas situações:

Sem atrito Com atrito

No caso do concreto não encontrar atrito, o No momento da concretagem o


peso da laje sofrerá decomposição de compensado, perfis, cunhas, e o
esforços: escoramento podem apresentar atrito.
Neste caso, o peso da laje cairá
verticalmente no escoramento.
Onde: Onde:

N = P cos 30º N=P

A = P sen 30º A=0

Para encontrar a carga horizontal, e a carga


vertical que cairá no escoramento é
necessário nova decomposição:
Onde:

C = N cos 30º

H = N sen 30º
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 52 de 57

Para efeito de cálculo de laje inclinada, como não temos controle sobre o atrito
entre o concreto, a fôrma e o escoramento, adotaremos as piores condições das
situações apresentada:

N=P H = P sen30º

Para encontrar os espaçamentos, vão A fôrça (H) é a carga que deve ser absorvida
máximo dos perfis e a carga no poste, pelo tirante ou pela amarração de tubo e
deverá ser utilizado o valor da fôrça peso braçadeira.
( P) no cálculos. Os cálculos seguem o
mesmo roteiro apresentado no item 6.1.

Voltando ao nosso exemplo anterior:


● cálculo do escoramento será utilizado a carga:

N=P
P = 633 kgf/m²

● Cálculo da fôrça horizontal:

H = P x sen30º
H = 633 x sen30º
H = 316,5 kgf/m²
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 53 de 57

Atenção:

● As cunhas devem ser bem fixadas nos perfis primários.

● Para cimbramento das lajes e vigas inclinadas, é importante que os perfis C


metálicos primários e secundários estejam preenchidos com madeira no meio das
bandas (perfil cheio).

● Se necessário, utilizar cunhas no perfil secundário para evitar deslocamento.

● É necessário que os tubos e braçadeiras sejam fixados à estruturas externas,


como por exemplo os pilares. No caso de tirantes, é recomendável amarração no
piso.

Exemplo do contraventamento em estruturas inclinadas.


MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 54 de 57

10.0 Cálculo do fundo de viga estruturado

Sempre é um risco dimensionar material que não é da SH. É importante especificar


nos projetos, que a resistência e as características da madeira variam e, a SH não tem
responsabilidade e nem controle desses fatores. O dimensionamento da fôrma de lateral
e fundo da viga é de inteira responsabilidade do cliente.

Apesar da fôrma do fundo de viga ser a cargo do cliente, é importante se ter uma
noção do espaçamento que esse fundo pode suporta para a segurança no
dimensionamento do perfil secundário.

Abaixo será apresentado o cálculo do espaçamento máximo permitido para uma


estrutura conforme croqui:

No caso de fundo de viga com compensado estruturado deverá ser calculado:

a) o vão máximo do compensado, onde será determinado o espaçamento dos sarrafos


de estruturação.

b) o vão máximo do fundo estruturado para determinar o espaçamento entre os apoios.

Como a ligação entre os componentes das fôrmas será executada pelo cliente, e
não temos controle sobre essa execução, por segurança, será considerado a somatória
dos elementos para o cálculo do máximo vão.
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 55 de 57

a) VÃO MÁXIMO DO COMPENSADO

Deverá ser calculado pela flexa e pelo Momento e adotado o menor dos valores.

● Peso da viga por metro

P = largura x altura x (peso próprio do concreto + 10% de sobrecarga)


P = 0,25 x 0,60 x 2,75
P = 0,413 tf/m = 4,13 Kgf/cm

Cálculo pela Flexa

● Momento de inércia do compensado (cm)

b x h³ 100 cm x 1,5 cm ³ J = 28,12 cm 4


J= → J= →
12 12

● Cálculo do espaçamento do compensado pela Flecha (admite-se para flecha


L/300):

Lmax comp = 3
 0,256 x E x J
P

Lmax comp =

3 0,256 x 70.000 Kgf /cm² x 28,12 cm 4 
4,13 Kgf / cm

Lmax comp = 49 cm

Cálculo pelo momento

● Módulo de resistência do compensado: (para faixa de 25 cm)

b x h² 25cm x 1,5 cm ² 3


W= → W= → W = 9,375 cm
6 6

● Momento admissível do compensado :

Mc = σflexão x W
Mc = 68 kgf/cm² x 9,375 cm³
Mc = 637,5 kgf.cm
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 56 de 57

● Cálculo do espaçamento do compensado pelo Momento

Lmax comp =
 8xM
P

Lmax comp =
 8 x 637,5 kg.cm
4,13 Kgf / cm²

Lmax comp = 35 cm

Conclusão: O compensado do fundo da fôrmas para uma viga de 25x60cm permite um


abertura entre vãos de apoio de até 35cm.
Na fôrma de viga apresentada acima o vão é de 15cm – Situação OK!

b) VÃO MÁXIMO DO SARRAFO

Cálculo pela Flexa

● Momento de inércia do sarrafo 2”x3”:

b x h³ 5 x 7,5³
J= → J= → J = 175,78 cm4
12 12

Como serão utilizados 2 sarrafos no fundo:

J = 2 x 175,78 cm4 = 351,56 cm4

Momento de inércia do compensado estruturado com 2 sarrafos: (para faixa de 25 cm de


compensado)

J comp. + Jsar = (28,12 cm4 x 0,25) + 351,56 cm4 = 358,59 cm4

● Cálculo do espaçamento do fundo estruturado pela Flecha (admite-se para flecha


L/300):

Considerar, para o conjunto, o menor valor do módulo de elasticidade, no caso, o do


compensado : E = 70.000 kgf/cm²
MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 57 de 57


Lmax sar = 3
0,256 x E x J
P


4
30,256 x 70.000 Kgf / cm² x 358,59 cm → Lmax sar = 115 cm
Lmax sar =
4,13 kgf / cm

Cálculo pelo Momento

● Módulo de resistência sarrafo 2”x3”:

b x h² 2,5 x 7,5²
W= → W= → W = 23,43 cm³
6 6

● Momento admissível do sarrafo :

Ms= σflexão x W
Ms = 87 kgf/cm² x 23,43 cm³ = 2038,41 kgf*cm

Utilizando dois sarrafos: M = 2 x 2038,41 kgf*cm = 4076,82 kgf*cm

● Momento admissível do compensado :

Mc = σflexão x W
Mc = 68 kgf/cm² x 9,375 cm³ = 637,50 kgf*cm

● Momento admissível do conjunto compensado estruturado:

Mconj = Mc + Ms = 637,5 kgf.cm + 4076,82 kgf.cm = 4714,32 kgf.cm

● Espaçamento máximo do conjunto

Lmax conj =
 8xM
P

Lmax conj =
 8 x 4714,32 kgf.cm
4,13 Kgf /cm
→ Lmax conj = 95,56 cm

Conclusão: O espaçamento do apoio para o fundo poderá ser no máximo de 95 cm.


MANUAL
Escoramento
Versão Julho/2008
Página 58 de 57

11.0 Exercício

Aguardando exercícios das unidades....

Você também pode gostar