Você está na página 1de 282

10)

12)
11)
14)
13)
15)

fECATA - FEDERAÇÃO CATARINENSE DE TEATRO AMADOR


FUNOAOA Elo! 02/04/1976
fli"'\iI""!t~~. -f'I() -CU',Ó:l'W ~ lf~\fl'{} 4l-. 'tituk,,!: • O~w. h ~llIl ~ eflt~ - !lil~.~" ' 'SC. Il~> $ij, lWt\l ~...oo< 'lw. .;t"' •••• OS'OS/UV"
coe no. 1UlJ..$:6~/OOí>1~$Ç
.~ C 1,7 ,~
(; .•• <~ <;,,<':.., ... ~
t "" \ ..•.... ~t' A v''\ r ~ ....... ~
_" .•. ·4 A "'i.-"Sd_gP;.
&"1iJ~
artistas. Roese não gostava de se apresentar para uma platéia heterogênea, não
era discriminação, era o medo da crítica negativa a que não gostaria de ser
submetida. Viktor Gaertner, marido de Roese, era filho de uma irmã do Doutor
Uma nota no "Kolonie Zeitung"7, entre outras notícias, referindose ao Blumenau e veio com o tio em 1863 para auxiliá-lo na administração da
teatro, comentava o grande sucesso obtido durante a última apresentação. O Colônia. Algum tempo depois, estabeleceu-se com uma casa comercial num
autor da nota, Pastor Hesse, comentava: "as dificuldades do Grupo Teatral, prédio ao lado de sua residência na Alameda das Palmeiras. Viktor Gaertner foi
considerando os integrantes disponíveis numa Colônia que estava galgando Vice-Cônsul da Alemanha em Blumenau, desde julho de 1867 até 1888, quando
os primeiros degraus, e que não poderia satisfazer de imediato, ou faleceu. A sua casa foi o centro intelectual da Colônia. Roese, ao ficar viúva,
apresentar bons espetáculos ao público, apesar de envidar todos os assumiu a família, sendo auxiliada pela filha mais velha que era adjunta da
esforços possívels, na última apresentação çareou para o espetáculo escola de primeiras letras, regida por Apolônia von Buettner. Os três filhos mais
numeroso público, que lotou todo o espaço. E que o Grupo Teatral, além do velho~ foram para outros centros, o quarto filho auxiliou-a nos negócios, dOIS
trivial "Humoristische Studien" (Estudos Humorísticos), apresentou de freqüentavam a escola e a mais moça, Edith, não havia completado idade para
Kotzebue, "Der gerade Weg ist das beste" (O Caminho Reto é o Melhor). Na freqüentar a escola. Além de dirigir o pequeno negócio ao lado de sua casa,
primeira peça o trabalho de conjunto dos atores foi um sucesso notável, o agenciava ainda os pequenos vapores "Progresso" e "Blumenau", da Cia.
que também aconteceu com a segunda peça, considerando ainda o Fluvial. As grandes responsabilidades não a tizeram esquecer o "seu teatro", e
excelente conteúdo da mesma. Foi um bom espetáculo A crítica sobre estas
fI. mesmo confiando aos mais jovens os principais papéis nas peças teatrais, ela
peças feitas pelo Pastor Hesse dizia ainda o seguinte: "Notava-se durante toda cuidava para que nada faltasse no palco; selecionava e ensaiava as peças,
a apresentação nada de debu:' tantes de braços e pernas rígidas e sim Ulna caracterizava atores, servindo de ponto quando Karl Wilhelm Friedenreich era
notável naturalidade, onde cada ator mostrou sua capacidade, principalmente obrigado a faltar.
na comédia. Após o espetáculo, o baile prendeu associados e convidados até ao Roese era excelente amazona e não havia obstáculo que não saltasse.
amanhecer". Segundo o relato de uma parente, Roese era muito corajosa e o provou quando
É evidente que o sucesso obtido foi obra de Rosália Gaertner, ou Roese, teve que viajar para o interior da Colônia e o cocheiro embriagou-se. Roese
corno era carinhosamente tratada. Roese era apaixonada pelo teatro, fato que a puxou o cocheiro para o banco de trás, tomou as rédeas e voltou para casa
levou a fundar o Grupo Teatral que dirigiu com carinho e dedicação até a data guiando os cavalos. Preocupada com o cocheiro que poderia cair, dirigiu o carro
da sua morte. Corno os primeiros encontros do Grupo Teatral foram na casa de lentamente, chegando à Vila à meisnoite. Foi até a esquina onde morava Franz
Johann Thomas Reinhardt, o primeiro palco também foi improvisado na casa Lungershausen, proprietário do carro, tirou-o da cama, entregou o carro e o
de Reinhardt, passando posterionnente para a Sociedade de Atiradores, )lma conteúdo dizendo com raiva: "Tome, devolvo-lhe o seu belo cocheiro ".
construção simples com um palco rudimentar, onde eram encenadas peças Rosalie Julie Auguste Sametzki nasceu em Neder-Gerlachsheim bei
teatrais que atraíam a população total da Colônia, bem como das vizinhanças. Lauban-Schlesien - Alemanha, filha do Alferes Julius Sametzki, Voluntário da
As peças sob a direção de Roese eram bem representadas e Roese e Gustav Guerra do Paraguai e Auguste Becker Sametzki. A família veio para Blumenau
Salinger quase sempre faziam os principais papéis. Também a Rudolpf Krause em 24 de julho de 1859 e Roese tinha 17 anos de idade. Em 30 de junho de 1861,
foram atribuídos papéis de responsabilidade, quando ingressou na Sociedade o Pastor Hesse casou-a com o oficial prussiano von Leppepr, do qual foi
Teatral Blumenau. separada judicialmente no dia 23 de junho de 1865, pelo Juiz de Direito Dr.
Rudolph Krause fundou uma fábrica de caixinhas de madeira para Joaquim Antônio da Silva Barata. No dia 29 de junho de 1865, casou-se com
charutos na Barra do Rio, em Itajaí, e viajava duas vezes por semana com o Viktor Gaertner, natural de Hasselfelde - Braunschweig - Alemanha, nascido
vapor "Progresso" para participar dos ensaios. Os nossos amadores venceram no dia 14 de maio de 1832 e falecido no dia 6 de novembro de 1888. Roese
muitos obstáculos, e mais tarde, quando representaram pa- faleceu no dia
péis de maior gabarito e responsabilidade, se portaram como verdadeiros
16)
26 de dezembro de 1900 de decor~ç.ões de ambiente. Principalmente no ramo teatral, foi incansá-
moléstia no estômago, e foi vel atlv~dade e talento, dedicando todo o seu tempo disponfvel no de-
uma lamentável perda para senvo!vlmento da ~ultura artfstica e atividade teatral, conquistando
a família e amigos, tam.bem. ?r~ndes t~~unfos, quando atuava em peças, interpretando os
principalmente para a maIs difíceIS papels com muito bom desempenho. O Teatro "Frohsinn
Sociedade Teatral ", muito lhe deve, pois foi ela a mais ativa orientadora e eficaz
"Frohsinn" , que teve sustentáculo dessa sociedade cultural. "
dificuldades em encontrar
Roese gostava de pássaros, flores e da nossa mata ;i.irgem, pois numa
uma substituta.
carta que escreveu aos avós que residiam em Dresden-Sachsen Alemanha, ela
Inicialmente assumiu as
funções, a filha Else, que externa toda a sua sensibilidade às belezas e às coisas simples que adotou em
além de dirigir os sua nova Pátria. O conteúdo da carta datada de 15 de agosto de 1860 é o
espetáculos, tinha outros seguinte:
encargos sociais. Else foi "Queridos avós!
auxiliada por Gustav Espero que esta carta os encontre bem de saúde. Fico contente em saber
Salinger, que com a morte que agora estão bem de saúde. Aqui vivemos no meio da natureza e tu
de Roese foi eleito meu avô, certamente gostarias de viver aqui. O nosso lar, a casa onde
presidente, cargo que moramos é coberta de folhas de palmiteiras, sem janelas e sem assoalho,
ocupou até 1917, quando se e a uns trin~a passos da mesma está a mata virgem e a mais trinta, passa
retirou devido à avançada o rio. E uma delfcia passear no meio da mata virgem entre as mais belas
idade. Atualmente o Teatro flores e em volta das mesmas ver o beija-flor voando. O chão está
"Carlos coberto de baraços, nos quais muitas vezes corre-se o perigo de cair. Do
Gomes" remanescente Roese Gaertner topo das árvores, os baraços enviam seus cipós até o chão, sendo que
do "Frohsinn" não mais possui um Grupo Teatral que tàça jus às glórias do alguns deles são finos e outros chegam a ter a grossura de um braço.
passado. Deste cipó fazemos cordas que são mais fortes do que o sisal. Com estes
. O "Blume~uer Zeitung" nO 52, de 29 de dezembro de 1900, pu- cipós amarramos as paredes das casas. Que passarinhos de cores e
bhcou o necrológlco de Roese Gaertner, falecida no dia 26 de dezembro: formas inimagináveis! Tangerinas, pêssegos, mamões e outras frutai
para nos deleitannos no verão, que chega a 30 e 32°. Naturalmente para
"Dam~ inteligente, de coração generoso, exerceu importante papel na os que gostam de folgue dos, estes faltam. Mas também os ternos aqui.
s~cledade blumenauense; era muito estimada, respeitada e venerada Eu danço ao som de um violino e um harmônio, enquanto na Alemanha
amda por mui~as fa~nflias que de~~ sempre tiveram amparo e ajuda em se ouvem orquestras e coros. Cada terra com seus costumes. Nossos
todas a~ sztuaçoes, quer auxllzando-as pecuniariamente, quer trajes são muito simples: os homens usam camisa azul e a calça segura
dando-lhes sábl~S c?nselh~s e orientação certa na solução de proble- por um cinto no qual penduram um facão de dois palmos. Nós, mulheres,
mas com o~ quazs vm!Ulln a sua presença. Por muitos anos foi diretora vestimos saia e blusa e em geral andamos descalças ou calçamos
da A~ênc~a da C~mpanhia Fluvial, em cujo encargo demonstrou tamancos, e naturalmente somos alegres. Nos dias de festa vestimos
ex:rao~dmána c~paclda~e pelo que grangeou a gratidão e o respeito nossas roupas trazidas da Alemanha com as quais também vamos à
nao .so rU: refenda SocIedade Anônima, como também de todos os Igreja. Em nosso pasto ternos duas vacas, dois terneiros e meu cavalo
fun~lOn~nos ,e ~mpregados. da empresa. Por ocasião de realizações de Alazão que vale uma fortuna para mim, pois me leva nos domingos à
fest~J~~ publz.cos ou partIculares, sempre foi consultada e ouvida a Igreja que fica a uma hora de distância, ou quando vou até o Salto e não
sua oplnzao, pOIS demonstrava bom gosto nos arranjos destas festas e posso
ir de canoa até lá. Com o cavalo passo apenas por uma picada, ele é Lembranças de vosso neto Georg. "
muito seguro e me leva sem perigo. Os bugres, aqui ninguém precisa Roese e Viktor tiveram os seguintes filhos: Erich, Arnold, Felix,
temer, pois um tiro de espingarda os assusta logo. Porém, o que falta Helmuth, EIsa, Victor, Harry e Edith.8
aqui é a mão-de-obra qualificada ou pessoas que trabalhem. Um homem Edith, a filha mais moça, ao visitar a innã casada Else G. Seypel, em
recebe por mês dez a vinte mil réis. Uma empregada doméstica de oito a Rosário (Argentina), foi visitar também um médico que estivera em Blumenau
quatorze mil réis e além disso, difícil de conseguir alguém. Nós e se tornara amigo da família. Na casa deste médico Edith chegou a conhecer a
trouxemos uma de lá, porém dois meses depois ela se casou e agora grande Eleonora Duse no auge de sua carrei;a, tendo se impressionado tanto
estou sozinha. Minha mãe não pode trabalhar e o serviço, no início, que resolveu dedicar-se ao teatro. Os innãos de Edith resolveram financiar seus
principalmente a roupa me custava muito, mas agora já estou estudos na Escola de Arte Dramática de Berlin, escola de grande conceito no
acostumada, sou jovem e tenho força. Há cerca de duas semanas a mundo. Tenninado o curso de quatro anos, Edith passou a integrar elencos de
garganta da mamãe ficou inflamada e saiu muito pus. O médico disse vários grupos teatrais, representando nos mais afamados palcos alemães,
que passará com o tempo, ela precisa descansar. Da c!imatização os inclusive nos teatros de Mainz e de Leipzig. Atuou nos palcos alemães por uns
sinais são: pés inchados e coceira na pele que é muito irritante e eu sinto vinte anos, colhendo louros da crítica especializada. Entre os autores famosos
o mesmo que meus pais. Agora já temos carpinteiro, fazendo urna casa representou obras de Ibsen, Tolstoi, Goethe, Schiller, Shakespeare, Moliere e
bonita para nós. Eu estou contente porque ela tem janelas de vidro, outros. Representou "Ofélia" no Harnlet, "Julieta" no Romeu e Julieta, de
porta e assoalho. A comida é em geral feijão preto, farinha e carne seca. Shakespeare, "Margarida" no Fausto, de Goethe, "Inês" em J ohannisfeuer, de
Nós já procuramos modificá-Ia. Fabricamos açúcar e cachaça. A Sudermam1 e muitos outros, sendo muito aplaudida. Regressou a Blumenau em
maioria dos colonos fazem o mesmo, farinha e cachaça.' O nosso pão é 1924 para auxiliar seus innãos Erich e Arnold, sacrificando sua carreira. Edith
de milho e é muito gostoso. Ah! si vocês pudessem viver aqui conosco voltou para a Alemanha em 1928 para rever cidades e teatros onde colhera
para ver e provar do mesmo. Não se pode descrever como tudo é. Eu já tantos louros. Passou o inverno em Bedin assistindo a diversos concertos
podia ter casado várias vezes, mas ainda não tenho vontade. Aqui os sinfônicos sob a regência de Furtwengler. Visitou sua irmã Else em Rosário, e
moços são como pão fresco, logo têm saída. A morte do bom tio Bastos ao voltar isolou-se no seu jardim com os gatos e uns poucos amigos até o dia 15
me doeu tanto quanto para vocês, pobre da tia Alice, pena que eu não a de setembro de 1967, quando íàleceu.
conheça, rnas apesar de não conhecê-la gosto muito dos meus tios,
primos e vocês em primeiro lugar. Muitas vezes, por exemplo, penso e
sonho com a vinda do tio e família para cá e como isto seria bonito!
Lembranças em primeiro lugar à tia Lothe, que eu procuro sempre
imaginar como ela é, e também o tio Louis, tio Karl e todos eles. Se eu
voltasse para Dresden. iria pajear os filhos da tia Bertha e os filhos da A necessidade de um curso de "ballet" se fez sentir em 1936, quando da
tia Nillna. As crianças gostam de mim e trabalhar eu posso. Lembranças apresentação da ópera "Preciosa", de Cad Maria von Weber. Na ocasião, a
ao tio Hermann e sua jovem esposa lá em Lawenburg onde eu gostaria coreografia foi feita com as alunas da Associação Ginástica Blumenau, dirigida
de estar, porque lá existem florestas. A vocês meus bons avós desejo que por Mathilde Frischknecht, sendo solista a senhorita Leder. Apesar do interesse
fiquem com saúde e que Deus vos guarde durante uma longa vida. do Maestro Geyer no funcionamento de um curso de "ballet", somente em 1945
Adeus. o íàto se concretizou, quando foi realizada uma "Noitada de Bailados" , no dia
Deus guarde vocês, escrevam-me em breve. 30 de junho, com coreografia idealizada por Lisel Klostennann e orquestra, sob
a regência do Maestro Heinz Geyer. Participaram da apresentação as alunas
Queiram bem a vossa neta que muito vos ama Ellen
Roese Sametzki
17)
Renaux, Renate Wemer, Ivone Niemeyer e Suzana Horeyseck, que
dançaram a "Valsa Romântica" e "Pizzicato", de L. Delibes, "Danças
Medievais" (Minuito Burlesco), de Johann S. Bach-Martini-Couperin,
"Valsa do Imperador", de Johann Strauss, "Bonecas Levianas", de O.
Programa Lorenzo Fernândez e Savino Benedictis, "Modista da Viena Antiga", de
Johann Strauss, "Namoro em Viena", de Josef Lmmer, "Mazurka Clássica",
L PA.RTE «A~f1e~» de F. Chopin, "Tarantela", de St. Heller, "Dança Holandeza", de A. Lortzig,
Um dto cômico 'Com a pdrticiPdÇ~O de RitdScnddract Ruthc ~(un'1:Lr" MH:rJo Kid\>\'dgen, Caewno "Ióta", de L. Sopenna e "Dança Slava", de C. Friedemann. Os arrajos
Deeke FJsuein:do, Wje~~nd Siebert e iJ;f<OS til;: '. orno musicais para "ballet" estavam a cargo do Maestro Geyer e o guarda-roupa e
lI. PARTE cenários de Duja Gross. Com a criação do Conservatório de Música "Curt
Hering", o "ballet" passou a fazer parte do Conservatório. Gertrud Smolka
Suite de Ballet "i. _ •
-. •.••.• "
t1A,(,,(JV~» :Mwdctt d.
T&cha!kow$ky. substituiu aLiseI Klostermann, fazendo a coreografia e desenhando os
~ em um eUo' '" . costumes para as programações do Teatro "Carlos Gomes", até o dia 21 de
Orqueaira do Teatro -Cados Gomea-. sob a r.gencla do maestro HEÚml Geyer.
Coret>grafia: Mme. G. Smolka. abril de 1951, quando apresentou o seu último trabalho com os temas das
Dansada pelall alunall do ColUlerll'alQno -Curt Herlng-. músicas: "Suíte Oriental", de Popy, "Variação da Fada Açucarada",
Bailadoa pela ordem: "Mirlitons" e "Trepak", de Tschaikowsky, "Clair de Lune", de Debussy,
- T R Df!. DOr;; CONVfDr1DOS: Bailarinas c(lr de I, MARCHA "Sílvia Ballet", de L. Delibes, "Improp'u", Sinfonia Op. 66, de Chopin,
- Ei\T ~o;o: Bal~lurinas cór 'azul, Cltillesa~" Bail(!ti1!(l~
crir brtmca, Damas de H01lra, PrulÇ{'zas da" "Blanche et Noir", de Czibulka, "Borboletas" , de S. Translateur e a "Dança
l-lôres, PrÜ1C('Stl. . ." , das Horas", de Ponchielli.
2. V4.RItç,/Io DA FADA ASSUCARAOA, '.' .. Rulh I.Vmklcl'. No dia 18 de dezembro de 1951, o Conservatório de Música "Curt Hering"
TI?EjAK (Dallsa RIt,~saj - Rell!lfe OUe, ]:,,"1)' Abdú. ,!faria CfInstme Sceite,
S. J/aryaifl ,A b,tu, apresentou "Bailados", com coreografia e desenhos dos costumes de Inês
4 f) 4. .v •... ,A llRAHE - Maria Aldlta. Brmuftlo (/11 j'dga, Alzira ScJlIwider, Liam Poller, e a orquestra do Teatro "Carlos Gomes", sob a regência do Maestro
, •. Ofte Presa ,\ebeltmg. Geyer. A programação em duas partes apresentou na primeira, "Danças
SOLISTA: J/ilTgd !)()"i/ l1oops, ., '. ,
,~), LJ "',""S',A CH IN ESil - lhma RafJe, Milrliese Selta'''!,E, Slliulra n~1{ke~'t'c'~f1pt"tt' ,1" " Clássicas", com músicas de F. Kreisler e F. Chopino Na segunda parte,
MI'W" raM" BtJ1'ba, Kal'ill rristhkJtiJcht, NlttlC'j am os, Rúth ' p"itz$clte. "Danças do Mundo": a) Brasil - tillltasia do Brasil, de Ary Barroso; b)
l/ANDARIJ/: 1tka Roepck.e. . "
, lfll' Lf[ON5, . . Cmúl" ffass, Eldrítil fio//"", MOf'Íil Luis" S~heJlmg, Ailrttl América do Norte - Step de G. Boulanger; c) Espanha - minueto e
,)., . \ l'etersl1t,
farandolo, de G. Bizet; d) Itália - tarantela, de St. Heller; e) Holanda - dança
7, GRANDJ:.: V([L5íA D-1S FI;O!?!!~ÓR DE ROSA' Vera Deeke, N/mil,! Ta. holandeza, de A. Lortzing; t) Alemanha _ laendler, de O. Fetras; g) Áustria -
~;;·tf:·"k~{i;:~;;d Sei/er, Edit' Reinert, Veru Strattch, l.irsul" valsa vienense, de J. Strauss; h) Rússia - gopak, de M. Mussorgski; i) China
J\i'f?;d C. T
li !ll'ARI,VAS DE AZUL: ilfm·itIllScl"'titlt(J"~m" CClJ" ll;'"ç:és - pequena chinesa, de F. Lehar; j) Hungria - danças húngaras, de Brahms.
Coelho, Mar!;";! JJislt'l, Elkf' llering, [)Itrt$ lú;mra t,
I"'nrz J/oellmmm. . . II 11 k 1~4ILARJNAS DE BRANCO: [so/dl'
No dia 13 de novembro de 1952, o "ballet" marcou sua presença
jJ~Sel! ,':e S ."j/1..
f "loUe !'ra\'mt l/arita Dake. V"s/da 'ft!otileck, com uma programação de alto nível. Da ópera "Fausto", de Charles
Dons 01' 'I~:;II
Doris ·Std,.;'cn
ANCY JfoeUmmtll. ilJarlil'w
5clm'ar:: ~).4.\f:.jS DE HONR;l: Gtllti/a J~IlSS, gari" PeterwlI, El·. Gounod, foram apresentadas danças do Bailado (Margarethe) e Canção. O
àriia Koffke, Maria Luisll S,hâlmg.
Fl.ORE;S SOLISTAS: Cuda GÜrfuN', fita Prayon, PR
terceiro número foi "Capricho Italiano", de Tschaikowsky. Na segunda
hVCESA: Rulh li iltkler, parte, foi apresentada a pantomima de JosefBayer "A Fada das Bonecas" .
Rothschild, Eleonore Knoop, Ruth M. da Silva (que interpretaram No dia 17 de dezembro de 1953, o tema dos bailados foi "O Livro de
bailarinas de 1860), Helge Herrmann, Use M. da Silva, Uka e Ruth Contos". Com música de Franz Schubert foram apresentados: "A
Branca de Neve", "A Bela Adormecida", "Joãozinho e Ritinha" e "Final";
"Chapeuzinho Vermelho", com música de Bocherini, "c? Gato de Botas" com
música de A. Dvorak, "João Felpudo", com mÚSIca de Fr. Pracanlco,
"Cinderela", com música de Fritz Kreisler e "Juca e Chico", com música de
Smetana. Na segunda parte foram apresentadas: a) Valsa _ Capriccio, com
música de Bosco; b) Grande Valsa Vi~nense, de J. Strauss; c) Step, de Samy
Fain; d) Rapsódia Slava, de Fnedmaill1, Nos dias 16 e 17 de outubro de 1954,
foram apresentados: a) "Festa Galante à Noite" com música de Mozart; b)
"Dança ao Luar", com música de Lorenzo 'Fernandez; c) "Suite Egípcia", com
música de A. Luigini; d) "Polca", fantasia, com música de G. Merkling; d)
"Casório Camponês", com música de Franz Schubert. Bailados sob a direção de
Inês Poller, orquestra sob a regência do Maestro Geyer e perucas históricas a
cargo
de Ruth Koschel.
Pelo 750 aniversário da Cia. Hering, o "ballet" apresentou uma
programação especia} enfocando o p~río?o 185~-1955 em Blumenau, ~m oito
quadros: a) O Indio; b) Os Prlffierros ImIgrantes na Floresta V~gem"; c) A
Primeira Colheita; d) A Primeira Tecelagem (1880);. e) O Casalzinho da
Cidade; t) A Jovem Grã-Fina de 1900; g) As Cnan?as Veraneando à Margem
do Itajaí-Açu em 1910; h) Valsa Comemorativa
ao Jubileu,
Ainda em 1955, o programa "Bailado" apresentou, em ,~uatro
quadros, o tema "Um Passarinho Vive as Quatro Es~ções d~ Ano, com música
de Berlioz e Mendelssohn, com apresentaçao no dia 18 de dezembro para
adultos e dia 19, às 17 horas, para crianças.
O "ballet" do Conservatório de Músuca "Curt Hering" também
participou das apresentações da ópera "Anita Garibaldi" , pelo. Centenário de
Blumenau nos dias 2 4 e 6 de setembro de 1950, e nos dIas 7 e 9 de dezembro
de' 1956, cor;' a participação dos alunos Karin Frischknecht, Ludwig
Eschenbach, Gudrum Kalvelage, Mara Probst, Carmen Schroeder e Ely
Wachholz. Em 1957, na apresentação. e~ São P~ulo, atuaram cantores coral e
corpo de baile do Teatro MumcIpal de Sao Paulo, porém nos' dias 10, 3 e 6 de
junho de 1963, na reapresentação da ópera, sob a regência de Bruno Roccella,
participou o "ballet" do Conservató-
rio.
Em 1958, o tema dos "Bailados" das alunas do Conservatório, dirigidos
por Inês Poller, foi na primeira parte: "~lássico Divertissement", com músicas
de Delibes, Gounod e PonchIelh, apresentando. as cen~s "Ao Despertar da
Primavera", "Dança do Sol", "Dança da Prlffiavera , "Dança Alegre", "Sonho
na Primavera", "Rendez-vous", "Passatempo
Prima~eril" e ."Dan?a ao P?r do Sol> .Na segunda parte foram apresenta~s
RapsódIas Hungaras , com mUSIca de Franz Liszt. O tema da primeIra parte
do programa "Bailados", apresentado nos dias 4 e 5 de julho, no Teatro "Carlos
Gomes", foi "Suite de L'Arlisieme" com música de Bizet e as cenas "Prélude",
"Minuet" "Adagietto" "Carillon" e "Faran~ole". Na segunda parte foi
apresentada "A Fada das Bonecas", pantomlffia de Josef Bayer. Nos dias 17 e
18 de setembro de 1960 os alunos de "ballet" apresentaram os temas "Concerto
Clássico" com ~úsica de Johaill1 S. Bach; "A Moldávia", com músicas de
Sm~tana e "O Pequeno Bosque ?e Mara", com músicas de
Mendelssohn-Bartholdy (Sonho de uma NOIte de Verão).
Inês Poller apresentou o seu espetáculo de despedida no dia 9 de
setembro de 1962, com músicas de W. A. Mozart (Pequena Serenata Noturna)
e Pablo M. Sarasate (Festa das Flores). Foram ainda apresentados solos para
piano, CÍtara e violino, com a participação da orquestra sob a regência do
Maestro Geyer e cenários de Victor Hausmaill1.
Em "Viva o Ministro", opereta apresentada nos dias 5 e 6 de nove~bro
d~ 1965, o Corpo de Baile esteve a cargo de Zuleika Lauterjung e Ins Colmo
Mara Probst, ex-aluna de "ballet" do Conservatório de Música "Curt Hering" ,
foi para o Teatro Municipal de São Paulo para aperfeiçoar-se. Depois de dois
anos, Mara voltou para Blumenau como professora de "ballet" do
Conservatório e coreógrafa do teatro "Carlos Gomes", apresentando seu
primeiro espetáculo no dia 7 de dezembro de 1966 (Quadros Históricos do
Desenvolvimento do Brasil). A última apresentação de "ballet" coreografado
por Mara com a participação da batuta do Maestro Geyer foi no dia 20 de
dezembro de 1970, entretanto, o espetáculo de "ballet" coreografada por Mara,
tendo como regente o nosso saudoso Maestro Geyer, apresentado no dia 12 de
dezembro de 1969 (um ano antes), foi um espetáculo de alto nível e um dos
melhores espetáculos de "ballet" apresentados no Teatro "Carlos Gomes". Da
programação constava uma homenagem a J. S. Bach, interpretada pelas alunas
Estela Camargo, Eva M. Flesch, Jeane M. Probst, Lilian Ramers, Maria de F.
Honório, Siegrid Wamser, Úrsula Jonen e Mara Probst. De Gounod foram
apresentados Moderato-Maestoso e Valsa (allegretto). De A. Luigini foram
apresentados os quatro movimentos da Suite Egípcia.
Em agosto de 1972, Pauline Springer assumiu o "ballet", e Mara
continuou trabalhando até junho de 1973, quando foi dispensada, apesar da
longa folha de ótimos espetáculos artísticos apresentados. Pauline Springer,
primeira professora credenciada no Brasil pela "Royal Academy of Dancing",
de Londres, após desentendimentos com os dirigentes
do Teatro "Carlos Gomes" foi forçada a demitir-se em 1~76, ficando o teatro baseado em depoimentos falhos, pois o "ballet" de Blumenau não tem suas
alguns anos sem coreógrafo. Em 1979, Ingo Henng esteve e~ Augsburg - raízes na Associação Ginástica Blumenau. Esta, ministrava através de
Alemanha, quando foi apresentado a Pedro Da~t~~ ROdrlgues, entrando em professores especializados em Educação Física, a Ginástica Rítmica, método
entendimentos com o mesmo sobre a. posslbllldade de trabalho no teatro de educação muscular criado por Jaques Dalcroze "cuja finalidade é harmonizar
"Carlos Gomes" de Blumenau. Sohsta do teatro de Augsburg, o último trabalho os movimentos do corpo com os cornandos do cérebro", enqua~lto o "ballet" é um
de Pedro em Augsburg fo~ em setembro ~e 1979, quando foi contratado pela gênero independente de espetáculo, é dança cláSSIca com passos
direção ?O Teatro Carlos Gomes , com vantagens e regalias, porém elaborados em sistema, e empregados no ensino coreográfico.
desentendlffientos levaram Pedro a de- A Associação Ginástica Blumenau nunca funcionou como "Academia
mitir-se. de Ginástica e Dança" .
Pedro artista nato, não esmoreceu fundando o CIDAI (Centro In- Na década de sessenta, paralelamente ao "ballet" que funcionava no
ternacional de Danças e Artes Integradas), que foi inaugurado em 10 de agosto Teatro "Carlos Gomes", Valentina von Rogoschin lecionava "ballet" no salão
de 1982. Pedro, além de coreógrafo, é .artista plástico de grande sensibilidade do Grande Hotel Blumenau. Na gestão do professor José Ferreira da Silva,
comprovada pelas belas obras eXistentes no CIDAI. Pedro fez três anos 'de como presidente da Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes" , muitas
especialização de pintura acadêmica, escultura e modelagem em Veneza. vezes o teatro foi reservado para V alentina von Rogoschin apresentar seus
Artista internacional, Pedro, além de atuar no Teatro Municipal de São Paulo, belos espetáculos.
atuou também no Teatro Comunal de Bologna, Teatro Máximo de Palermo, Em 1986, surgiu o "ballet" de Câmara de Blumenau, que conta com um
Teatro Lafenice de Veneza, Teatro de We~tfália, Teatro de Oldenburg e grupo de bailarinos profissionais, tem seu registro no MEC e é de Utilidade
Augsburg. Em Augsburg to~ regente ?e classes de alunos excepcionais. Pública Municipal e Estadual. É cadastrado no MINC.
Apresentou-se na IugosláVIa, TurqUla, Grécia, Japão, Israel, Rússia, África do Com a demissão de Úrsula Jonen, em 1988, a Escola de "ballet"
Sul, Inglaterra, Portugal, Espanha e toda a América. Entre as coreografias dirigida por Beatriz Niemeyer passou a ser apoiada pela Pró-Dança.
criadas por Pedro, destacam-se "Dom Quixote", "Chariot of Fire",
"Movimentos de Mozart" e
"Raça Brasileira" . ,
Em 1978 Beatriz Niemeyer e Ursula Jonen fundaram o Corpo de
Dança "Maria de Caro", que sediado no Centro, C~1tural "25 de ,!ulho",
apresentou ao público blumenauense nas dependenclas do Teatro Carlos
Gomes", em 1980, de Prokofiev" "O Amor por Três Laranjas" e em 1982 de O Club Germânia foi fundado, segundo seus Estatutos, que foram
Haendel, "O Messias". Ursula Jonen, ex-aluna de Mara Prob~t e ~bém de registrados em 27 de fevereiro de 1911, "para contribuir para a vida sociável de
Pauline Springer, que a profissionalizou em 1974 como pnmeira bailarina no seus sócios". Os associados, logo após a fundação, adquiriram no dia 18
estado, conseguiu, com a demissão de Pedro Dantas Rodrigues, a direção do de março de 1911, o imóvel de Paul Hering com uma casa de alvenaria
"ballet" do Teatro "Carlos Gomes" de Blume- por trinta e cinco mil réis e o terreno por quinze mil réis, localizado à
nau que assumiu em julho de 1982. Rua 15 de Novembro. A área era de mais ou menos 400 m2 e foi
, Com Úrsula Jonen a escola de "ballet" do Teatro "Carlos Gomes" registrada no Registro de hnóveis do 10 Ofício, livro nO 3-A, fls. 108, sob nO
foi registrada no MEC, credenciaI).do-a a fornecer certificados. Do s~~ 5.643. O Club Germânia foi palco de grandes acontecimentos culturais,
trabalho frente ao "ballet" do Teatro "Carlos Gomes", em 1985, fOI montado o artísticos e sociais. Entre os destaques, a apresentação, no dia 27 de setembro
espetáculo "O Quebra-Nozes", de Tschaikowsky e em 1987, "Gisele", de de 1923, de "Uma Noite de Poesias", com Charlotte Schenke, que recitou
Adolph Adam, com coreografia de Jena Coralli e Jules Per- poesias de H. Lõns, C. F. Meyer, Rainer M. Milke, Goethe, Josef Winkler,
roL Gerret Engelke, Cristoph Wieprecht, Franz Werfel, Theodor Fontane, Lube
Em setembro de 1987, Úrsula Jonen publicou na revivsta "Blumenau von Strauss e Torney.
em Cadernos" um artigo sobre "ballet", destituído de fundamento e Apesar da bandeira alemã ainda ter a listra amarela, no dia 18 de
18)
janeiro de 1924, o "Tag der Reichsgrundung" foi festejado no Club Ger- I~ canto faz parte da vida do. blumenauense desde os primórdios, como
mânia. Em Blumenau como no Rio de Janeiro, os festejos foram realizados 'fator de progresso da Comumdade e harmonia social".
com a bandeira com as cores vermelha, preta e branca sem a listra amarela, O ca~to coral, como arte, teve início com o Pastor Hesse, quando em
por isso a data não foi festejada publicamente. Na história do povo alemão, 1863 ~Ol fundada a Sociedade de Canto Germânia De 1863 até 1872,
os dias 9 de novembro e 11 de agosto são datas negativas, porém o dia 18 de funCIOnavam em Blumenau quatro corais; em 1892 onze, e no dia 28 d~
janeiro, instituído por Bismark, era de elevação para um futuro melhor. outubro de 1900, quando foi realizada a I Festa de Cantores doze
coraIS. '
Participou da programação o Pastor Neumann, que falou sobre os
Habsburgos e H ohenzollern, esclarecendo pontos escuros sobre a dinastia. Em 1865, funcionava no Garcia o "Gesangverein Sãngerbund
Foram proferidos outros discursos e cantada a canção de Erhardt "Wir ~arcia".' ~ue apesa: de . dirigido, inicialmente, por I!ermann Ruediger,
tragen am Arme das Wickingerschiff, âm Kragen die Gardesterne. Wir nao partIcIpa~a dos festejOs das sociedades de canto. E provável que
tragen im Herzen die Heimat mit in der Zukunft dunkele Ferne". Além de esse I coral, postenormente, se tenha transfonnado no "Mãnner Chor
festejos, eram apresentadas noites literárias. Entre elas, no dia 27 de julho de Garcia \ I", com a participação ativa em todos os festivais de canto.
1925, com o professor Leonhardt. No dia 9 de abril de 1929, sobre Schiller e _ .Em 1915, as sociedades de canto cogitaram uma grande festa com ~
no mesmo ano, no dia 22 de junho, noite de entretenimento com danças, fmalIdade de fundar a "Sangerbund ltajahytal" (Liga Cultural e Recrea-
sapateadores e a banda Gauche. A escritora Anni Brumler convidou, através tI:,a Vale d? Itajaí), porém a Primeira Guerra Mundial impediu a realizaçao
do "Der UIWaldsbote", no dia 17 de julho de 1930, uma noite literária. As do fest~val que, no entanto, foi concretizado no dia 7 de março de 1920,
noites de arte eram freqüentes e no dia 1 ° de fevereiro de 1928, o cantor de reunmdo em concurso 16 sociedades de cantores em Itoupava Seca. A
ópera e câmara, Hans Edgar Oberstetter cantou árias, baladas e canções. "Sangerbund Itajahytal" influenciou o desenvolvimento cultural da região.
Ano após ano, o Club Germânia, ao lado do Teatro "Frohsinn", Em pouco tempo contava com mais de 20 sociedades inscritas com 426.
Sociedade de Atiradores, Associação Ginástica Blumenau e Josephhaus cantores. Além das festas realizadas em Blumenau, outras foram realIzadas
(Casa São José), promovia o entretenimento e a confraternização não só em Indaial, Nova Berlin, Timbó, Gaspar, Taquaras e Brusque. A Liga, que
entre os blumenauenses, pois mantinha intercâmbio com quase todas as tolhida em suas manifestações (1915) atuava em silêncio sob a presidência
sociedades congêneres do Estado de Santa Catarina e do Brasil. de Peter Christian Feddersen tendo como vice-presidente o cantor Otto
O desaparecimento do Club Germânia foi anunciado pelo "Der Baumeier, e dirigente do cor~l o professor Max Hmnpl (Coral Masculino
UIWalsbote" nO 39, de 19 de maio de 1939, com a publicação de que estava Teot6nia, de Itoupava Seca), culminou em 1920, com a Grande Festa de
à venda o prédio do Clube e que as propostas poderiam ser encaminhadas Cantores sob a presidência de Otto Abry.
para Rudolph (Rudi) Klein, em Itoupava Seca, ou Paul Koch, no "Der A partir de 1920, os festivais de canto realizavam-se todos os anos
UIWalsbote". No dia 7 de agosto de 1946, o Club Germânia, representado congraçando cantores de todo o Grande Vale do Itajaí, inclusive Brusque,
por Rudolph Klein e Paul Koch, foi vendido para Franz Hering, confonne Itajaí e da distante cidade de Rio do Sul, até que a Segunda Guerra Mundial
registro no Cartório de Títulos e Documentos Otto A bry, sob nO 217, livro os silenciou.
A, nO 5, fls. 72 a 73V, no dia 29 de junho de 1946, por Cr$ 50.000,00 Para avaliar a imponência com que se realizavam os íestivais ci-
(cinqüenta mil cruzeiros). Este dinheiro foi aplicado na formação do tamos o realizado no dia 19 de março de 1922, nas dependências da' So-
patrimônio da Sociedade Dramático-Musical "Cartos Gomes" . ciedade de Atiradores. No dia da festa, a EFSC colocou trens especiais que
partiram de Hansa às 6 horas da manhã, com regresso às 10 horas da noite.
A sede do Club Germânia se localizava ao lado do Edificio "Edel-
Os cantores, ao chegarem a Blumenau, eram festivamente recepcionados e
weiss". O prédio teve suas estruturas abaladas e desmoronou. No local, foi às 9 horas da manhã, marchavam com suas honrarias e bandeiras (bandeiras
construído novo prédio sob nO 828 (na Rua 15 de Novembro). confeccionadas e bordadas lindamente por Maria,
~posa do professor Max Humpl), da estação da EFSC até a Sociedade Tod (conto de fadas), com prólogo e três atos. II - Volkslieds-
e Atiradores, local da festa, onde, às 10 horas, além de apresentada a zenen: a) Es zogen drei Burschen; b) Zu Mantua in Banden. III - Schat-
rogramação, foi realizada uma grande reunião festiva, com a participaão tenspiele; a) Di~ Za~berpillen em três quadros; b) Die zwei beiden Quit-
de todos os corais. Nessa festa foi realizado um concurso, sendo os úmeros zow. A promoçao fOI encerrada com baile.
de canto sorteados de acordo com a capacidade de cada socieda- Motivados, talvez, pelos festejos do "Sangerbund Itajahytal", um
e de canto. As sociedades da Colônia cantaram "Sah ein Knab ein Rõs~in grupo de pessoas fundou em 1927, a Sociedade de Canto "Eintracht" que
stelm", e às do centro (cidade) coube a melodia de F. Abt "Die lbendglocken apesar de curta duração, elegeu em 19 de julho de 1932 sua nova di~ retoria
integrada por Franz Nietsche - Presidente, Christian Thomsen _
klingen", e para os corais em conjunto, "Brueder reicht ie Hand zum Bunde"
Vice-Presidente, Willy Lõhr - Secretário, Karl Fischer - 2 ° Secretário Fritz
e a canção em uIÚssono de Kõsporer "Sanger Ged'. Às 11 horas, foi Kretzschrnar - 1 ° Tesoureiro, Paul Frischknecht - 2° Tesoureiro ~ Hans
realizado o Concurso de Canções e às 3 horas da ude Canções de Concerto e Schõps - Encarregado do patrimônio. Nesse mesmo ano, a Sociedade de
música de coreto, com a participação da land~ Musical Lyra. Às 6 horas da Canto "Eintracht" festejou, no Teatro "Frohsilm" o seu 5° aniversário, com
tarde, entrega dos prêmios e às 8 hoas baile festivo na Sociedade de a participação de outros corais que apresentaram "Dur Junges Grüne" e
Atiradores e Teatro "Frohsinn". O anitrião foi o "Liederkranz", que preparou "Tanzlied", enquanto que Willy Lõhr apresentou uma m~s~ca do ~turo,
no salão da Sociedade de \tiradores tudo o que fosse necessário para agradar com o nome de "ANO 1.999". M. Merten, Niemeyer, Korug e HeInzle
os participantes. No lia da festa, os bares funcionaram das 9 horas da manhã apresentaram um "Quarteto Humorístico". Com a banda Breitkopf,
promoveram, no dia 25 de fevereiro de 1933, no Teatro "Frohsilm", "O
às 12 horas da loite, com comida, churrasco, bebidas, "chopp", etc. A
Encontro Cigano". No dia 15 de julho do mesmo ano festejou seu 6°
entrada para .0 . ocal da festa era grátis para os associados da Liga, enquanto aniversário no Teatro "Frohsinn", apresentando, entr~ outros números, a
os demaIS ~stavam sujeitos às taxas de 300 Rs. e para o baile 1$000 Rs .. Da valsa "Contos dos Bosques de Viena", com orquestra, encerrando com a
quinta 'esta de cantores realizada em Neu Berlin, no dia 11 de maio de 1924, peça cantada "Die Lore am Tore", em um ato. No dia 29 de julho do mesmo
Jarticiparam ·13 corais. Nessa festa foram instituído~ prêI~ios para os c~-ais ano foi apresentada "A Noite de Canções Populares", sob a regência de W.
masculinos: Kolonienvereine, Gehobene Koloruevereme, StadtvereIle e Kuhn. Do programa constaram "Die Waldquelle", "Steirischer Wullaza"
corais mistos. Foram premiados a Sociedade de Canto Ribeirão Ferro; seção (Valsa Pomerana), "Contos dos Bosques de Viena", com orquestra e a peça
de canto da Sociedade de Atiradores Eintracht do Ribeirão ja Areia; Teotônia cantada de C. Sieler, "Die Lore am Tore". Nos dias 20 e 21 de outubro de
1934, a Sociedade de Canto "Eintracht" , com grandes festejos, inaugurou
de Timbó e Liederkranz de Blumenau, que quase empatou com o número de
sua bandeira com a participação do Coral Masculino "Garcia I" e Sociedade
pontos dos corais de Brus~ue e Eintrac~t, ~e Altona. Um fato sensacional de Canto "Sãngerbund", de Joinville, no Teatro "Frohsinn". No dia 21, na
para a época e que abnlhantou os festejOs de 14 de maio de 1933, foi o avião Sociedade de Atiradores, o Pastor Scheerer inaugurou a bandeira,
da "Aero'Loyd" que sobrevoou o local da festa com faixas de saudação aos ressaltando as atividades dos cantores na nova pátria, o Brasil. No local da
participantes do evento. Na festa de 1934, Max Humpl, regente oticial de festa, abrilhantaram as festividades o "Musikklub Garcia" e Sociedade
corais, foi substituído por Heinz Geyer que no dia 22 de julho de 1936, Musical Lyra, enquanto que o baile foi animado pela orquestra Breitkopf.
formulou convite à Sociedade ~e Canto do Club Germânia, M. G. V. Em 1935, além dos festejos de aniversário realizados no dia 27 de julho, no
Liederkranz, M. G. V. ConcórdIa, M. G. V. Eintracht de Altona, M. G. V. dia 23 de novembro, a Sociedade de Canto "Eintracht" apresentou, entre
outros números, a peça cantada "Die schõne Postmeisterin". Emudeceu
Garcia I e seção de canto da Sociedade de Atiradores Neue Velha, para uma
com a nacionalização.
prova de canto para a qual deveriam levar notas. Com a Segunda Guerra, o
Outra sociedade de curta duração e que chegou a lançar a pedra
"Sangerbund Itajahytal" emudeceu, voltando em 1952. fundamental da sua sede no "Vorstadt", no dia 26 de dezembro de 1928, foi
Com o palco artisticamente adornado, o Coral Misto de Blumenau o Coral Masculino "Sãngerlust", primeira sede para atender a sociedade
apresentou no Teatro "Frohsinn", no dia 11 de maio de 1923, primeiro dia alemã. Essa sociedade promoveu, no dia 16 de junho de 1928,
de Pentecostes, "V 01kstÜl1l1icher", constando da programação: I Gevatter
no salão "Zwõlfer", a festa de aniversário com números de ~anto coral, solos mércio e indústria de Blumenau, numa demonstração da importância do evento que
números musicais, tercetos, duetos e a peça teatral "Dle Musterehe". No dia 15 de envolveu música, canto e a comunidade blumenauense. Inscreveram-se
novembro de 1929, às 8,30 da noite, no Teatro. "Frohsinn" Ano do Centenário da compositores de todas as idades e categorias sociais e dos mais diversos locais da
Imigração Alemã em Santa Catarma, em beneficio do Museu a ser fundado, o Coral nossa região. Após a seleção foram apresentadas 45 canções, sendo algumas
Masculino "Sangerlust" apresentou um programa variado de cançõe.s com defendidas pelos próprios autores, outras acompanhadas por conjuntos musicais e
acompanhamel~to m~,slcal, sendo o primeiro número" Stolz weht dle Flagge ainda outras interpretadas por cantores. Foram apresentadas canções dos seguintes
schwarz-welss-ro~ (Altaneira tremula a bandeira preta-branca-vermelha). Nesta autores: Horácio Braun (Revolução e Aqui jaz em paz Carlos da Silva Vaz), Vera
festa, fOI apresentada a poesia "Auswanderer", de Am~ Bru~~r. O interessante. da Maria Paladini (Aquele Olhar e Solidão), Juarez P. Araújo (Lamentos de Amor,
programação foi a saudação ao Brasil (HeI1 Brasl1len) ao so.m do Hl~~ Nacional Volta Amor e Se eu fosse um passarinho), Dalma de Oliveira (Sonhei, Um dia
da Alemanha. Também Rio do Sul, apesar de distante e Ja emancipada, participava encontrarás e Minha Oração), Mercides Pacheco (Canção de Amor), J. Eugenio
dos eventos culturais de Blumenau, mantendo as tradições da velha pátria, pois em Uriarte (Marcha junina(, Ari Nagel (Resignação, Vivo só para lhe amar e
1934, o P~stor Leonhard~ Grau fundou a Sociedade de Canto Masculino que mais Esperança, esperança), Irold Weigmann (Apaixonado estou há tanto tempo),
tarde transformou-se em Raymundo N. Figueiredo (Minha desilusão e Versos Tristes), WidmalU1 Müller
"Doppelquartett" - Rio do Sul. . (Verbo Amar), Gerson Pimentel Filho (Suprema Ilusão), Joel Gonçalves (Boêmio
Com a Segunda Guerra Mundial, a maior parte das socle?ades ~e canto Errante), Eduardo de Souza (Lágrimas Luminosas), Abelardo de Souza (Inspiração
emudeceram, entretanto, o Maestro Heinz Geyer c~nsegulU reun~~ músicos e e Mentirosa), Tânia Magnani (Por que ontem choveu), Antônio Castellain
cantores, apresentando espetáculos que não fenam a s~~cep~lbilidade de (Espere-me meu amor naquela praça, Quero dançar contigo e Eu fiz tudo pra você),
"nacionalizadores" e uma das alternativas foi a partIclpaçao do grande coral com Miguel A. Mello (A Garota dos meus Sonhos), A. Carlos Herédia (Vidraça), Micles
alunos do então G~násio e Escola ~ormal Pedro 11. Com o fim da Segunda Guerra Júnior (Raquel), José S. Camargo (Saudades da Favela e Pare de Falar), Raul
MundIal, Geyer reU?lU remanesc,el?tes dos antigos corais, formando o Grande Hartke (Sonho e Angústia e A Maria Voltou), Joacir Penaforte (Ó Maria e Em teu
C?ral da Sociedade Dramatlco: Louvor), Dionei J. de Souza (Triste Solidão), Helmuth Kulm (Festival da Cerveja
Musical "Carlos Gomes", que tantas glónas trouxe para Blumenau ate que em da GB), Áurea Hech (Canção a Blumenau), José Santa Rita (Seu Nome Nunca
1971, foi dissolvido com.a dem~ssã~ ~e Geyer, após as ho~.~na~ gens aos seus Direi), Nilo Imhof (Recordação), Fernando Silva (Casinha Bela), Souza Filho (Zé
cinqüenta anos dedicados a muslca em Blumenau. Muslcos e cantores de Nada) e Mercides Pacheco (pensando em Amor).
remanescentes passaram a atuar no Centro Cultural "25 de Para classificar as quatro melhores canções, foi convidado um júri
integrado por militantes nas artes em geral, discotecários e imprensa falada e
Julho" .
1968, numa promoção da "Spot TV Show Ltda", c~m a coordena- escrita da região. Foram convidados para julgar as músicas:
ção de Donato Ramos, foi realizado nas dependências da COEB Maestro Heinz Geyer, Leopoldo Kohlbach, José Acácio Santana, Maestro Krieger,
(PROEB) o I Festival da Canção do Vale. . , Rufino Régis, Werner Amold, Capitão Rutíno, Maestro Baumgart, Dário
"0 I Festival da Canção do Vale, InalS que tudo, e prova de arro- Deschamps, Edith Kormann, Karin Zadrozny e Mauro J. Amorim. Para julgar a
'o é marco glorioso de uma nova era, é afirmação daquilo que já é urna qualidade das letras foram convidados: Gervásio Luz, André Luiz Sada, Walmor
J
, I~ Siemann, Jair de Brito, Didier Deslands, Érico Max Müller, João Vieira, Professor
constante irretorquível em Blumenau - Progresso.
José Ferreira da Silva, Dr. Vinicius de Oliveira, Orlando Ferreira de Mello, David
No dia 6 de julho de 1968, às 15 horas, no Pavilhão da COEB,
teve início o I Festival da Canção do Vale. A promoção da "Spot TY
Show Ltda."
Coelho, Erickson J. Maes, Flávio de Almeida Coelho e Amilton Cordeito.
Como convidados especiais prestigiaram o I Festival da Canção do Vale,
teve a coordenação publicitária e jomalística da AgênCia Blumenauens~ de
Jair de Brito (membro do júri da Grande Chauseé do Paraná),
Notícias (ABN), o apoio do Prefeito Municipal, Dr. Carlos Curt Zadrozny,
imprensa falada, escrita e televisionada, e do co-
lidier Deslands (produtor e diretor de TV do Canal 6 do Paraná) e Anmes bém um show com as canções vencedoras do I Festival da Canção do Vale.
Severo, o Mestre de Cerimônias. O Maestro José Acácio Santana li Diretor A promoção que polarizou a atenção do mundo musical do Vale do
Musical da promoção, que juntamente com José Balhu de ouza, de Itajaí, Itajaí, impressionou Dirceu Graezer, Mestre de Cerimônias, cantor, produtor e
acompanharam musicalmente diversos concorrentes, lclusive nos ensaios que apresentador de diversos programas da TV Paraná - Canal 6 que colocou à
antecederam as apresentações. disposição da Agência Spot TV Show Ltda. promotora d~
0
Foram vencedores do Festival: 1 lugar - Helmuth Kuhn e sua ,anda evento, os horários da sua programação. '
0
Araújo Brusque; 2 lugar - Ary Nagel. A melodia foi defendida or Normélia A caravana musícal chefiada pelos jornalistas Donato Ramos e Souza
Maria Lentz e o Regional de Pedrinho, que foram a grande ~nsação do Festival; Filho, proprietários da Agência Spot TV Show Ltda, acompanharam os
0
3 o lugar - Antônio C. Herédia e 4 lugar - Vera 1aria Paladini. O melhor vencedores do I Festival da Canção do Vale (Helmuth Kulm e a Banda Araújo
conjunto intérprete do Festival foi "Os Robinons", de Brusque. Aos Brusque, Ary Nagel e o Regional de Pedrinho de Itajaí Antônio Carlos Herédia
classificados foram atribuídos, além do prêmio na época) de meio milhão de e Vera Maria Paladini de Blumenau), que saí~ ram de Brusque, Itajaí e
cruzeiros, oferta do Prefeito Municipal )r. Carlos Curt Zadrozny ao 1 0 colocado, Blumenau às 17 horas de sábado para se apresentarem no dia 18 de agosto, às
os troféus: Dr. Carlos Curt :adrozny, Prefeito Municipal de Blumenau; Antônio 10 horas da manhã, na TV Paraná Canal 6, em Curitiba. Ao chegarem a
Heil, Prefeito MuiÍcipal de Brusque; Deputado Evelásio Vieira; Oswaldo' Joinville foram recepcionados pelas Emissoras e Jornais locais, Clube Floresta,
Olinger; Cia. :atarinense - Crédito e Financiamento; Ipiranga - Crédito e onde se apresentaram, sendo homenageados com um jantar totalmente às
Financiaaento; Simplex do Brasil; D. Quixote (em fio de ouro); Pontinho; Spot expensas do Prefeito Municipal de Joinville, Dr. Nilson Bender, provando seu
. 'V Show Ltda.; Jornal Cidade de Blumenau; Casa Husadel (dois jogos le interesse pelo desenvolvimento cultural, social e musical de nossa terra. A
cristal) e outros. Os espectadores também concorreram a vários prêaios, entre caravana musical se apresentou por conta da Antarctica Paulista (filial de
eles uma Pianola Hering, oferta da Fábrica de Gaitas Alfre[o Hering S. A. Joinville), no Baile da Cerveja, realizado no Clube Floresta.
Além da Banda Araújo Brusque, Regional Pedrinho, Os Robin,ons e os Em Curitiba, na TV Paraná Canal 6, a convite do Diretor e Produtor de
cantores Antônio Carlos Herédia, Vera Maria Paladini e Nornélia Maria Lentz, TV, Didier Deslandes, os vencedores do Festival apresentaram um programa
também foram intérpretes os conjuntos musicais The )anger, Os Furacões e os especial, de duas horas consecutivas, apresentado por Dirceu Graezer, Donato
cantores Gerson P. Filho, Paulo P. Pires, ;liana dos Santos, Vitório Pfiffer, Ramos, Souza Filho, Maurício Nascimento e Cláudio Luiz. No programa
Sebastião Lamim, Joel de Almeida, :Jilberto Neves, Jacira Forbici, Juarez foram divulgadas mensagens dos prefeitos Dr. Carlos Curt Zadrozny, de
Araújo, Micles Junior e Herédia 2elso Quarteto. Blumenau, Antônio Heil, de Brusque, Dr. Nilson Bender, de Joinville e Carlos
Os festejos de encerramento e premiação estavam previstos para o fia de Paula Seára, de Itajaí. O I Festival da Canção do Vale, criado por Spot TV
13 de julho no Teatro "Carlos Gomes", porém, motivada pela imposübilidade Show Ltda., consagrou-se através do Canal 6 de Curitiba.
0 Em março de 1975, o "Universitário", órgão de divulgação da As-
de comparecer, a Banda Araújo Brusque, detentora do 1 lugar no Festival,
careou para Brusque grande caravana integrada por compositores, intérpretes e sociação dos Diretórios Acadêmicos da FURB, lançou as bases do I Festival
Comissão Organizadora, onde, com o apoio do Prefeito Murncipal Antôrno Universitário da Canção.
Heil e Comissão Municipal de Turismo de Brusque, a Spot TV Show Ltda. O I Festival Universitário da Canção nasceu em 1974, na mesa de um
realizou o Baile da Canção, no dia 3 de agosto de 1968, na Sociedade Caça e bar, onde se reuniam para conversar Oldemar Olsen Jr, Acari Amorim, Fred
Tiro Carlos Araújo Brusque, sendo os prêmios entregues no dia 4 Richter, Domingos Sávio Nunes e José Luiz Dias de Souza. Em 1975, com
(segunda-feira). Marcaram presença a Banda Araújo Brusque, Ary Nagel, Acari Amorim na presidência da Associação dos Diretórios Acadêmicos da
Normélia Maria Lentz, Vera Maria Paladini e Antônio Carlos Herédia. "Os FURB, Fred Richter, Marilu Ribas, José Roberto Fernandes, Oldemar Olsen
Robinsons" e "Os Bolas" abrilhantaram os festejos tocando ritmos para dançar, Jr., José Luiz Dias de Souza e Domingos Sávio Nunes, foi realizado o I Festival
apresentando tam- Universitário da Canção,
e apesar das dificuldades inerentes a eventos de tal m~nta, ele ch~gou aos dias . Os p~r:icipantes foram alojados no prédio de alojamento da Pre-
atuais. O primeiro festival contou com o apoiO da PrefeItura Municipal de feltu~a ~~clpal de B~~enau,. durante os dois dias de espetáculo, sendo
Blumenau, TV Coligadas Canal 3, Jornal de Santa Catarina e empresas locais. dlstnbmdas c~edenClalS p.ara intérpretes, autores e imprensa.
Para maior brilho do festival, foi convidado o compositor e cantor Ivan Lins, Esse Festival, o maiOr evento musical realizado em Blumenau desde
que cantou três números e foi embora, desapontando não só os organizadores e 1968, mostrou a garra e a capacidade da nossa gente. Senões existem em
sim todos os presentes. qualquer promoção, mormente de vulto, como foi o Festival, que envolveu toda
O festival foi realizado nos dias 30 e 31 de maio de 1975, em duas a comunidade. No II Festival, as responsabilidades foram divididas, .forma~s
etapas, nas dependências do Ginásio "Sebastião Cruz" (Galegão), com ilÚcio .c?missões, criado o logotipo e outras inovações que deram maiOr
credlbllldade ao evento, o que incentivou uma maior disputa pela premiação,
às 20 horas.
Cada autor inscreveu, no máximo, duas canções que deveriam ser atraindo universitários dos mais diversos pontos do país.
O III Festival, que deveria ser o melhor, não foi realizado, apesar da
inéditas tanto na música como na letra. Da inscrição deveriam constar o nome
estrutura econômica implantada. O compromisso com o FUC da empre~a
dos autores, endereço e nome dos intérpretes. Os autores deveriam estar
prom~tora do evento (TV Coligadas e Jornal de Santa Catarina), foi feIto
cursando escola superior, enquanto os intérpretes poderiam ser não univers
atraves de um contrato, assinado por estudantes, no qual a empresa impunha
itários.
Foram inscritas 63 canções, altamente criativas, numa demonstra- exclusividade no III FUC.
Na época, foi importante a participação de Roberto Schneider (Bebeto),
ção de quanto o Festival repercutiu no meio universitári~ do nosso estado, pois
que havia projetado o palco do II FUC e se encarregado de toda a parte
contou com uma platéia de cerca de duas mIl pessoas, qu~ pagaram pelo
artística. Lamentavelmente Roberto Scl1l1eider faleceu, sendo substituído por
ingresso Cr$ 10,00 (estudantes) e Cr$ 15,00 (geral). Na divulgação do Festival
GiancarIo Sartorelo (da empresa), inexperiente pois, apesar de ter mandado
foi solicitado ao público levar almofada para sentar.
Com a ficha de inscrição, que era gratuita e que foram aceitas até imprimir cartazes com o slogan "Música, a Nova Força" e faltando imprimir
apenas uma cor para a conclusão do mesmo a empresa se desinteressou pelo III
o dia 15 de maio, deveria ser remetida uma fita cassete contendo a música e
FUC. A empresa que através do co~trato vinculou o DCE à TV Coligadas .não
cinco cópias da letra de cada canção. O material foi devolvido após o Festival.
Para a fase final, a Comissão Julgadora selecionou 15 canções, possibilitou ao DCE outra promotora. Apesar da denúncia de Oldemar
OlsenJr., o III FUC (1977) não se realizou. O Festival Universitário da Canção
cinco das quais receberam o "Troféu Universitário". Além do troféu, as três
chega aos dias atuais, não mais com o entusiasmo dos primeiros.
canções que alcançaram o maior número de pontos receberam, pela ordem, Cr$
O Camerata Vocale, fundado em março de 1977 pelo Maestro Teimo
5.000,00; Cr$ 3.000,00 e Cr$ 2.000,00.
Locatelli, é formado por amadores apreciadores do canto coral de Blumenau e
A ordem de execução das composições foi estabelecida pela Comissão
região, partindo de um trabalho de pesquisa do folclore alemão, italiano,
Organizadora do festival, através de sorteio e que também marcou a data e local brasileiro e outros. Em janeiro de 1978, o Coral gravou um LP de músicas
para os ensaios. italianas para a "Festa Nacional da Uva", em Caxias do Sul/RS, e no final do
Das quinze composições apresentadas, a primeira colocação coube a mesmo ano, após uma série de apresentações, o segundo LP com canções
"Zezé Coisa Nossa", de Rubens Monteiro Jr, da UFSC; a segunda, "Minha folclóricas alemãs da região. Em 1979, gravou o terceiro LP com canções
Terra", de Ana Nilce Schiocchet, da FURE; a terceria "Quem Foi Que Disse", folclóricas brasileiras, e em fins de 1980, sob os auspícios da Prefeitura
de Nelson Russi Wagner, da UFSC e "Uma Canção Para Seguir", de Juraci Municipal de Blumenau e Casa Moellmann, o quarto LP com músicas natalinas
Carlini e "Pra Não Dizer Que Eu Falei", de Heloisa Soter Correia, da FUNC, de várias nações e do folclore internacional. Em setembro do mesmo ano,
obtiveram, respectivamente, a quarta e quinta colocação. excursionou para Montevidéu e Buenos Aires, e em novembro de 1983,
Foram apresentadores da grande festa final, Liane Wirth e Osmar realizou quatro apresentações em São Paulo numa promoção da Secretaria de
Laschewitz. Turismo de Blumenau e
.... Arte Surya. No final do ano de 1984, apresentou um con~e~o ~:~olistas Locais, o pastor Hesse teceu comentários sobre as palavras de Karl WI-
cantores da Orquestra Sinfônica de Porto ~legre, com ~le;eslieder", de helm Friedentreich "sobre a necessidade de ressuscitar as sociedades de
Brahms, para piano a quatro mãos, solistas ,e cor? misto. ) Camerata V ocale cantores como um fator de progresso da Comunidade e harmonia social".
conta com sopranos, contralt~s, tel:o~es e baixos.. , O "Kolonie Zeitung" (Joinville), que começou a circular no dia 20 de
Natural de Caxias do Sul, Telmo Locatelli pa~lclpoU d.e Semma'ios de dezembro de 1862, tornou-se até a data da circulação do "Blumenauer
Música de Blumenau como professor e concertlsta de plano e. cra. L' na Escola Zeitung", em 1 o de janeiro de 1881, o órgão de divulgação dos eventos
de Música de Blumenau nos cursos de plano, '10. eClOI~o~ de camA ara Em culturais, sociais e artísticos da Colônia B1umenau, para onde o Pastor Hesse
1974 ministrou aulas no Curso Interna-
'ravo e mUSlca ., - IL. mandava os seus artigos assinados com as iniciais "ROH".
;ional de Cravo de Marguerite Dreyfuss, no MASP de Sao Pau o. eclO- A nota do Pastor Hesse no "Kolonie Zeitung" de 3 de outubro de 1863
!lOU folclore na FURB. C . lnf; diz o seguinte: "o espiritual e a vida social já deram um passo em conjunto:
N á a infantil é digno de registro o I Encontro de orais an- uma sociedade de cantores, um grupo teatral, e umajá importante Sociedade
tis real~a;~ em novembro de 1980, no Teatro "Carlos Gomes" ,.com a de Atiradores. S6 a maçonaria ainda não encontrou ambiente para fixar-se. A
, .. - is de Curitiba/PR São Bento do Sul e Blumenau. Sociedade dos Cantores da Colônia Blumenau está por enquanto com mais ou
partlcl~;:~a~~ ~~:~oso ocorria nos idos de 1930, quando as ~l?SSaS esco- menos vinte associados. Os amantes de teatro, sob o apoio da firma Meyer &
- d' unham de material para ensinar canto, sendo utilIZados veras nao ISp - I C', Spierling, satisfazem também o público através dos seus espetáculos,
LUm exemplo sos em vernáculo adaptados à música de cançoes a e~~as. '.' . d H'
são os versos de autoria de Ferdinand Knoll, adaptados a mUSlca o 1ll? 'Principalmente por apresentarem reminiscências alemãs".
da Alemanha (1 a estrofe): No "Ko10nie Zeitung" de 2 de abril de 1864, o artigo assinado por
"ROH" diz o seguinte: "A vida em sociedade está cada vez mais fortificada.
"Bela Santa Catarina Além da Sociedade dos Cantores da Colônia Blumenau, ulna outra sociedade
terra minha és natal. surgiu no Alto [tajar, e como o nome já diz, "Geselliger Verein ", trata-se de
Entre 21 estrelas urna sociedade com tendências mais amplas. Segundo informações, a mesma
a mais linda, sem igual. sociedade sob a direção do Senhor Scheidemantel, já deu amplos resultados".
Uma jóia apreciada No dia 3 de agosto de 1864, a Sociedade dos Cantores da Colônia B1umenau
desta Confederação. festejou seu primeiro aniversário, e segundo "ROH", no "Kolonie Zeitung" de
Sua beleza eu canto 24 de setembro de 1864, foram feitas homenagens aos associados que dirigiam
a sociedade, entre eles Wilhelm Scheeffer, e aos jovens que ajudaram a
ama-te meu coração. "
mantê-Ia, principalmente Viktor Gaertner, secretário da sociedade.
O local da festa foi a sala de Karl Wilhelm Friedenreich, que foi
decorada com muito bom gosto. Tudo parecia feito por mãos de íàda que
SOCIEDADE DE CANTO maravilhosamente teceram dentro da sala uma gigantesca trepadeira.
"GERMÂNIA" DE BLUMENAU Medalhões com os nomes dos maiores compositores de canções alemãs
estavam pendurados em todas as partes. Logo na entrada, a frase do nosso
velho amigo Luthero: "Wer nicht liebt Weib, Wein und Gesang, der bleibt ein
No dia 3 de agosto de 1863, o Pastor Rudolph Os",Vald Hesse fun- Narr sein Leben lang" (Quem não ama mulher, vinho e canto, será um idiota
.' . dade de cantores com o nome de Sociedade dos Can- toda a vida). Estava escrito em letras garraíàis, e por detrás uma lira gigantesca.
dou a pnmerra SOCle . T ai d
tores da Colônia Blumenau. Esta sociedade e a Sociedade eatr. e Tudo foi elaborado para tocar o coração dos presentes. A sociedade, com
Blumenau, fundada no dia 24 de junh? de 1860, foram responsáveis pe- apenas um ano de existência, não poderia apresentar um coral grandemente
los grandes evento.s cult~rais"da Colôma. b d 1863 em Notícias artístico. Fez-se o possível, e isto os
No "Kolome Zeltung de 26 de setem ro e, .
~sociados terão que relevar em face dos esforços e dedicação dos interantes. críticas sobre os espetáculos apresentados pela Sociedade Teatral de Blumenau,
O programa foi o seguinte: e a n?~ d? dia 27 de maio de 1865 diz o seguinte: "depois de um prolongado
- A Charis, de Chr. Schulz ,. sllenclO, em março, o nosso Grupo Teatral, Grupo de Teatro Amador, Amantes
_ Ah, como isto é possível (Canção popular da TunngIa) do Teatro ou Sociedade Teatral?" foi a pergunta de ROR através do "Kolonie
_ Saudação do estudante, de Werner Zeitung", o que confirma que a Sociedade Teatral de Blumenau e a Sociedade
de Canto "Germânia" não eram vinculadas. A nota de ROR ainda continua:
- A Capela, de Kreuzer
"nos proporcionou uma noite divertida, na qual nos foi apresentada a peça "0
_ Pairam altos louros, de Blurn ,-
Príncipe Amaldiçoado", peça conhecida, e que nos foi apresentada
Serenata, de Schaeffer literalmente ". Entre outros comentários, ROR diz ainda ser a peça baseada nas
, _ Festa de sábado, de autor desconhecido
Fábulas das "Mil e Uma Noites", aparecendo também num atrama feliz de
, _ Irmãos deixe que sejamos alegres, de Marschner. .
Shakespeare, "A Princesa Subjugada". ROR encerra a nota com o seguinte co-
Os associados num total de mais ou menos 150 pessoas, depOIs le urna
mentário: "recomendo a alguns dos senhores atores um pouco mais de
discreta cei~ com música pelo quarteto de W~elm Sc~eeffer, :ntremeadas com
interesse na memorização do texto". Enquanto o Pastor Resse tecia críticas ao
canções improvisadas e discursos, Já ab?rreCIam os ,resentes, cujos pés
Grupo Teatral, elogiava o trabalho persistente da Sociedade de Canto
começaram a exigir Terpsichor~. O baile encerrou lS festividades. Foi uma
"Germânia" para se apresentarem condignamente nos festejos do segundo
festa que satisfez a todos, umndo todos.
aniversário da Sociedade.
A Sociedade dos Cantores da Colônia Blurnenau elaborou os seus
Os festejos do segundo aniversário da Sociedade foram realizados,
~statutos, cujo texto original contém .três capítulos, e treze ~arágra~os., e
segundo o "Kolonie Zeitung", no dia 3 de agosto de 1865, no salão de Karl
latado de 3 de agosto de 1863, aSSInado por W Ilhelm FnedenreIch )residente
Wilhelm Friedenreich, que estava superlotado e que foi ricamente decorado
Viktor Gaertner - secretário e Pastor Rudolph Oswald Re~se _ dirigent~
pelo incansável Viktor Gaertner,
musical. Seguem-se ainda vinte e sete assinaturas de SÓCIOS ltiVOS. Como
O Pastor Resse não media esforços em divulgar o progresso do
sócios passivos assinaram: Karl Rerm~ml Wendeburg, 3eorg Repsold, Gustav
espiritual e social da novel Colônia, dando ênfase especial aos acontecimentos
Spierling, Rans Breithaupt, Emil Odebrecht, Os~ald Zwicker Viktor von artísticas.
Gilsa, Karl Meyer, Dr. Bernhard Knoblauch, fulius Baumg~rten, Friedrich
No "Kolonie Zeitung" de 18 de novembro de 1865, o Pastor Resse
Loeschke, Rermann Willerding, Karl Sasse publicou um resumo dos quatro atos e do prólogo da peça dos anos 100,
~ Otto Kluge. C
A •
intitulada "Lustiges Trauerspiel" (Drama Alegre). Este foi o primeiro programa
Nas margens dos Estatutos da Sociedade dos Cantores da oloma publicado em jornal da Sociedade Teatral Blumenau.
Blurnenau, várias averbações provenientes das decisões t~madas P?ste- Em 1866, a Sociedade de Canto "Germânia" recebeu uma carta do
riormente em Assembléias Gerais. Uma das averbações dIZ o segumte:
Paraguai. Viktor Gaertner desdobrou a carta e leu: "Paraguai em 13 de junho
"Por resolução unânime da Assembléia Geral de 10 de agosto de 1.865, a
Sociedade de Canto da Colônia Blumenau recebeu o nome ,d~ So.c~e~de de 1866", antes porém de continuar a leitura da carta, foi feita uma saudação
de Canto "Germânia"." A Sociedade de Canto "Germâma , dlr~gIda pelo para a festa de fundação da sociedade. Em seguida, as notícias da carta - "Para
Pastor Resse, conforme o "Kolonie Zeitung" de 20 de abril de 1865 estava todos os associados da Sociedade de Canto "Germânia", as saudações dos
de parabéns, pois o Dr. Blumenau, segundo a nota, doara para 'a Sociedade sócios distantes que desejam os melhores e alegres votos para afesta da
de Canto "G~~ânia".' um harmô~o. A mesma ~ota cita ainda a sociedade. Algum tempo atrás, houve entre os alemães, principalmente entre
"Freundschaftsverem (SocIedade da AmIZade), sob a drreção do professor os blumenauenses, um mau humor conseqüente da divisão da turma em dois
Julius Scheidemantel, da escola de Ito~p~va, onde se canta e que também
solicitou ao Dr. Blumenau um ~armomo para, o seu coral, justamente navios. Felizmente estamos novamente juntos sobre uma ilha no meio do rio
quando o Dr. Blumenau concretIZava a sua viagem Paraguai, onde será construído pela marinha, um grande hospital que será
para a Alemanha há muito tempo projetada." . . " ocupado por nós. Sempre alimentamos esperanças de estarmos de volta para a
ROR não esquecia de remeter para o Kolome ZeItung as suas festa de
19) 21) Hermann Willerding, Karl Hinze e Friedrich Riemer.
fundaçãO da nossa sociedade, porém esta espera.nça se evap~ra. cada v:z A ca~ foi lida no dia 10 de agosto, no salão de Johann Schreepp, l~cal
mais quando se observa que a coisa não progrzde. Os braszlezros estao há que fOI decocrado com muito bom gosto para os associados da Soc1e~de de
três léguas de Humaitá. Entre os alemães grassou há algum tempo a febre Canto "Germânia" festejar com amigos o seu terceiro aniversáno de fundação.
fria e alguns sofreram muito, porém agora, graças.. a Deus, todos estão bem. O presidente da Sociedade de Canto "Germânia" afirmou no seu discurso
De Blumenau, até agora faleceram Chr. Multer, Lobeda,!, Kurz, público, os agradecimentos e o reconhecimento pelo esforço e dedicação dos
Küchendahl, W Kremer e Wilhelm Fischer10 do Garcia. Gostarza de escrever cantores. Na ocasião, segundo a nota os cantores apresentaram peças mais
ainda algumas linhas sobre o nosso ~ntigo comandante. e ainda sobre o seu difíceis, mostrando o grande progr~sso do c?ral. Os números apresentados
péssimo procedimento, porém tena que escr~ver ':lUltO mais assim também depois do "Bom Camarada" foram os segumtes : 12
chegará satisfatoriamente a Blumenau. Fntz Rzemer solicita dar lembranças 1 - Canção festiva de Methfessel: "O que soa e murmura"
aos seus pais, dizendo que na Diretoria da Colônia Blumenau se acha 2 - Canção popular: "Um jovem viu uma rosinha", de Werner 3 -
depositada a quantia de 20$000 réis. Também solicitamos saudar a todos os Canção noturna: "Sob ~odos os topos" , de Kuhlau; ,
nossos conhecidos. Ass. H. Willerding, F. 4 - "O fiel coração alemão", de Otto; .
Riemer e K. Hinzell." 5 - Dança, "Gesellenfahrten", de Otto;
Profundo silêncio reinou na sala durante a leitura. A carta foi ar- 6 - Canção popular: "Caçador e seu amor", de Poluenz; 7 -
quivada com os documentos da sociedade. . " "As nuvens noturnas", de R. Müller;
Então o dirigente ergueu a batuta dIZendo: . agora vamos sau&:r 8 - "O louvor das mulheres", de compositor desconhecido.
os nossos irmãos cantores que lutam no Paraguaz e aos que lá tombaram a O quarto aniversário da Sociedade de Canto "Germânia" realizado no
bonita canção do poeta alemão Ludwig Uhland e musicada por dia 7 de agosto de 1867, apesar da participação reduzida do público, apresentou
, Friedrich Silcher,
seu bem elaborado programa do qual constavam os números seguintes:
a canção do 'Bom Camarada '. " O Pastor Hesse tocou um suave prelúdio com o
1 - "Liberdade de Canto", poesia de Schnabel e música de M.
seu violino e a um
Marschner;
sinal entram as vo-
2 - "A Canção do Rei", de A. E. Marschner; 3 -
zes. E na calada da
"Saudade", de C. Berthold;
noite, a mata virgem
ouviu a comovente e 4 - "Desejos de Caçador", de C. S. Astholz; 5 -
harmoniosa canção a "Oração", de C. Hauer;
quatro vozes, can- 6 - "Sempre Mais" , de R. Seifert; 7 -
tada pel0 coral "O ABC" , de Zoellner;
masculino "Ger- 8 - "O Guarda Noturno" , de F. Müller.
mânia", a canção do Segundo o "Kolonie Zeitung" de 19 de outubro de 1867, o programa e a
"Bom Camara- apresentação da Sociedade de Canto "Germânia", agradaram até aos mais
20) Christian Müller,
exigentes. Os festejos foram realizados no dia 7 de agosto e, pela segunda vez,
Otto Lobedan,
no agradável e bem ornamentado salão de Johann Schreepp. A falta do público
Eugen Kurz, costumeiro motivou em setembro do mesmo ano uma Assembléia Geral, onde
Herrnann todos os assuntos fervilhavam em torno do salão de Karl Wilhelm
Küchendahl, Friedenreich. Discutido o assunto, foi vaticinado que para o progresso da
Wendelin Sociedade de Canto "Gennânia" não
Kraemer e
Wilhelm Fischer. 12) "Kolonie Zeitung" de 29/09/1866. \
deveriam interferir desavenças pessoais. . cultivo do mesmo não devia ser negligenciado por nenhuma Colônia Alemã.
A Assembléia Geral realizada em setembro de 1867, pratIcamente As associações corais das Colônias vizinhas deve?am ~~r-se numa grande
eliminou as desavenças pendentes, e os associados da Sociedade de C~n,~ to apresentação de canto coral, pois a apresentaçao umna todos os alemães no
"Germânia", juntamente com os associados do "Freun~schaftsver~m exterior, o que muito faz falta.
(Sociedade da Amizade), de Itoupava, resolveram ex~urslOnar no. dIa 6 de "No dia 8 de agosto de 186914, a Sociedade de Canto "Germânia"
maio de 1868 até o Morro dos Coqueiros. Os assocIados d~ SocIeda?e de Canto festejaria seu aniversário de fundação, porém a enchente obrigou a trans-
Germânia" reuniram-se em frente à casa de Karl WI1~elm Fnedenreich, ferên~ia das festividades. Apesar dos problemas causados pela enchente, a
cantaram uma canção, e às oito horas em ponto, segu.Iram p~ra Itoupava ao SocIeda~: de Canto "Germânia" elaborou um bom programa, que em face das
som de uma banda n:usical. ~m frente à hosped~r~~ de R~chard Stein dIfIculdades de certos números foi dividido em duas partes:
reuniram-se aos assocIados da Freundschaftsverem , segumdo até a base do I PARTE
morro dos Coqueiros, na taberna "Thueringer Hof" (mais tarde Hotel Sprengel),
em frent~ da :stação da E.F.S.C., em. ~alto Weissbach. O fato pitoresco, nessas 1 - "Canção dos Alemães em Blumenau", de Mendelssolm-Bartholdy
diversoes, eram os carros enfelta?OS e as bandeiras do Brasil e da Alemanha, (o texto foi adaptado pelo Pastor Hesse);
que faziam parte dos corteJ,o~. Escalaram o morro dos Coqueiros, e no cimo 2 - "Bem Ave ntu rança " , de C. F. Adam;
3 - "Despedida", de H. Schaeffer;
cantaram, tocaram m~sIcas, comeram e beberam e em segui~ desceram ..
4 - "Segunda-Feira Azul", de H. Schaeffer.
Houve uma desp,;d~da geral entre os dois grupos, e os assocIad~s da
Soc~edade ~e Canto Ge~mânia" rumaram para a casa de Karl WI1helm 11
FnedenreIch pa~a termInarem a festa com um baile. O mesmo fIZeram os
PARTE 5 - "Volta à Pátria", de H.
associados da "Freundschaftsverein", no salão Gustav Menche, em Bad~I~rt.
Segundo Hermann Sachtleben, que participou da excursão, os partIcIpan,tes Schaeffer;
ente~raram no topo do morro uma garrafa com uma mensagem escnta e aSSI- 6 - "Olhos da Primavera", de H. Schaeffer; 7 -
nada por todos os participantes, saudando a quem futuramente "Commerce", de J. Otto;
encontrasse a garrafa. ." A
8 - "Coral para 'Ballet', de J. Otto.
O quinto aniversário de fundação da SOCIedade de _Canto Germ.ania" . A Sociedade de Atiradores, onde foi festejado o evento, estava mUlto
foi festejado no dia 3 de setembro de 1868 13, no salao de ~arl_WI1helm bem ornamentada sob a direção de Viktor Gaertner. Só o baile teve ~lgU1lS
Friedenreich, que foi maravilhosamente decorado, s.ob a dIreçao de Viktor 1?roblemas. É o caso de se perguntar: "como se comporta o assoczado? E melhor
Gaertner. Os números apresentados foram os segumtes: não fazermos comentários ".
1 - "Elevai em alegres acordes" , de Maurer; "Como todos os anos, também no dia 3 de setembro de 1870, a
2 - "Cabaninha", de Voigt; Sociedade de Canto 'Germânia' festejou com brilhantismo a data da fundação
3 - "Quanto estou bem sereno" , de Adam; com um bom programa, sob a regência do Pastor Hesse" .
4 - "Como o coração fica feliz na floresta", de Riccius; 5 -
14) "Kolonie Zeitung" de 09/10/1869
"Ouves tu o poderoso tilintar", de A. E. Marschner; 6 -
"Integer vitae", de Flemming;
7 - "Como ele brilha no copo" , de Spazier; 8 -
"Amanhã nós marcharemos" , de Stern;
9 - "A senhorita na porta do céu" , de Schaeffer. .
A apresentação foi um verdadeiro sucesso, e mUltas peças foram

alvo dos .maiore~ aplausos de todos. Depois da apresentação de canto, houve


baile. O~ mtervalos foram preenchidos com canções e cenas burlescas.
Os.festeJos se prolongaram até ao amanhecer. Segundo os presentes, a
SOCIedade de Canto "Germânia", sob a direção do Pastor Hesse, teve.
realmente ~ notável progresso. Esperamos que o Pastor Hesse contmue por
mUltos anos na direção do nosso coral. A mesma referência foi feita aos
participantes do coral, que não se omitiram aos ensaios e partici~avam dos
mesmos, com tempo chuvoso e noites escuras. O coral masculIno, segundo a
nota no "Kolonie Zeitung", é um pedaço da vida alemã, da velha pátria, e o
"O oitavo aniversário da sociedade foi festejado no dia 3 de setembro de da ~ociedade de Can~o "G~rmânia", pela velha pátria e pelas pequenas
1871, no salão Baumgarten. Foram executados oito números de canto, sendo o socledades. A bandelra fOl entregue ao porta-bandeira, tendo ao lado dois
último "Die Wacht am Rhein" (Vigília no Rena). Hermann Ruediger preparou para dos I'nais antigos sócios da Sociedade de Canto "Gennânia" como
as festividades, variações para ílauta com acompanhamento do quarteto, números acompanhantes e, ao som da canção de Mozart "Herbei, herbei, du Trauter
muito aplaudidos e bem executados. Depois houve baile que durou, como sempre, Saengerkreis" (Por aqUl, por aqui, querido drculo de cantores), e com a
até o amanhecer. Todos cantaram e dançaram, não faltando os Bacos para música na frente, marcharam até a Sociedade de Atiradores. Toda a
acompanharem a música e declamar. " Sociedade de Atiradores, inclusive o salão, estavam décorados com
Enquanto o nono aniverário da Sociedade de Canto "Gennânia" foi parreiras, guirlandas suspensas sobre o caminho, bandeirolas com as
festejado no dia 11 de agosto de 1872 como de costume, para o décimo aniversário, cores da Alemanha em toda parte e também do Brasil. Sobre quatro dos
as festividades foram muito superiores. I'nais altos mastros, estavam os nomes das sociedades participantes. Duas
"Um céu cinzento, chuvoso e ameaçador saudou o dia 2 de se- das mais antigas sociedades foram solicitadas para ficarem' ao lado do
tembro de 187315, dia da memória do massacre de Sedan, e dia em que a palanque todo decorado, onde os cantores colocaram suas bandeiras. Em
Sociedade de Canto Germânia festejou seu décimo aniversário de funda- seguida, começaram as canções em conjunto. Dois cada sociedade
ção. Durante semanas, o tempo primaveril preconizou um belo dia para os apresentou o seu repertório. Os números foram muito aplaudi-
dez anos do "Germânia ", porém o mau tempo atrapalhou de certa forrna as os, pOlS ca sociedade apresentou o que tinha de melhor, e até o mais jovem
festividades, apesar de "Pluvius" não abrir suas I'nangue·iras sobre a tão cora(jJ 'concórdia, que tinha menos de um ano, agradou a todos. O Pastor
esperada e grande festa popular, estava fresco e a garoa abateu a poeira Hesse q!!!i ãúrante dez anos diriifu o coral com carinho e dedicação como se
para receber as sociedades de cando: "Freundschaftsverein" (Amizade), fosse mais um filho, apresentou ao público, numa pausa das apresentações, o
Garcia, Concórdia e Hannonie. Os preparativos estavam sendo feitos histórico dos dez anos da Sociedade de Canto "Germânia ", tecendo também
durante semanas, esperando-se a participação efetiva das sociedades comentários elogiosos sobre a atuação de Viktor Gaertner, presidente, que
convidadas, porém a Hannonie, de !ndaial, desculpou-se no último durante longos anos se dedicou e até com sacrifício para o bom
momento, o que foi lamentável, considerando as poucas festividades da funcionamento da sociedade. As palavras do Pastor Hesse foram aplaudidas
Colônia e a harmonia reinante entre as sociedades de canto. Às 13 horas, por todos. Assim se passou a tarde com canções, músicas, barracas de jogos
os associados da Sociedade de Canto "Germânia" reuniram-se no salão diversos, jogos de dados-:GãnUSse/,Dalanços, balões coloridos, foguetes,
Joliann Schreepp com as del'nais sociedades convidadas. Do oeste, fogos-:etc., qu.e-dáVam a dimensão exata de ul'na grande festa popular.
introdu.zida com música veio a Sociedade de Canto Garcia; do norte, Quando anoiteceu, apareceram os dançarinos de perto e de longe que
vieram as sociedades de canto Amizade e Concórdia. As sociedades ficaram encantados com a maravilhosa decoração do salão e palco da
convidadas apareceram com suas bandeiras, organizaram-se com a Sociedade de Atiradores. As plantas ornamentais, flores, palmeiras e
Sociedade de Canto "Germânia" e, cantando, se dirigiram para a casa do bambus foram fornecidas pelo jardim do Dr. Blumenau e de Viktor Gaertner.
presidente Viktor Gaertner, onde fonnaram um semi-GÍrculo. Em seguida, O salão estava ainda decorado com uma lira gigantesca, transparente,
apareceu o presidente com a nova bandeira da sociedade para ser medalhões pendurados com nomes de compositores e humoristas. No palco,
inaugurada. Neste momento, os corais cantaram "Uma Sólida Fortaleza ". num lado do proscénio uma homenagem: as fotografias (busto) dos
O presidente pronunciou um discurso para os cantores, explicando o duplo imperadores do Brasil e da Alemanha. O baile começou às oito horas, com
significado das festividades e o sentido do § 10 dos Estatutos da Sociedade: uma "polonaise ", e todos os pares dmiÇãvam hU/lflU1Ílosamente.CJ
"Der Verein ist gegruendet um durch den Gesang erheiternd und veredelnd repentino pipocar dos fogos
auf das gesellige Leben einzuwirken" (A Sociedade foi fundada para, e foguetes levou todos para fora para verificarem o que estava aconte-
através do canto, introduzir a cultura e o divertimento na cendo. É que a Sociedade de Canto "Germânia" entendeu que nada de-
vida social). O presidente solicitou aos presentes colaborarem na inau- veria faltar para abrilhantar os festejos, e através de Karl Wilhelm
guração da bandeira. Em seguida, foram feitas saudações pela grandeza
Friedenreich havia encomendado fogos de artiftcio que iluminaram o céu novem~ro de 1902, ~o concerto organizado em beneficio da Igreja da
escuro. Depois dos fogos, todos voltaram ao salão para dançar, e os Comul1l~a~e EvangélIca, sendo o coral dirigido pelo professor Karl Herte!.
cantores que durante a tarde mostraram afinação das vozes, mostraram PartICIpOU também das comemorações com as demais sociedades
também na dança a afinação dos pés. Também um bom copo de cerveja e blumenauenses da inauguração do monumento ao Doutor Blumenau no dia 31
vinho, bem como um gostoso petisco, colaboraram para um bom saldo para de maio de 1903, às 15 horas, domingo de Pentecostes. A Sociedade de Canto
a sociedade, o que tranqüilizou os homens que financiaram a festa e que "Gennânia" não mais festejou a data de fundação do seu coral, como no tempo
continuaram se divertindo. Na festa, até os associados passivos se do Pastor Hesse e Viktor Gaertner. Mais tarde a Sociedade de Canto
tornaram ativos, e as damas que não dançavam mantinham os pés em "Germânia" foi incorporada ao "Liederkkranz".
constante atividade e conforme a música, o que foi compreens(vel". Na
época, muitos dos sócios passivos não participavam dos ensaios e outras
reuniões, porque as esposas não o permitiam, alegando que as mesmas SOCIEDADE DE CANTO
reuniões e os ensaios eram pretextos para os maridos saírem sem as esposas, "LIEDERKRANZ" DE BLUMENAU
principalmente à noite. A festa terminou ao amanhecer e todos se
despediram com as palavras: "Wiedersehn beim naechsten jubel feste" (Até
a vista no próximo jubileu). Há uns bons anos atrás, os bailes de máscaras eram comuns nos salões
Esta festa foi o primeiro encontro de corais em Blumenau. durante o Carnaval, e os integrantes do futuro "Klub Unter Uns" também
Os festejos da Sociedade de Canto "Germânia" continuaram ano após promoveram o seu baile de máscaras no salão de Richard Holetz, animado pela
ano, até quando a notícia no "Kolonie Zeitung" de 17 de maio de 1879, "Musikkapelle Werner", premiando as melhores fantasias para homens e
justificou a ausência dos costumeiros artigos do Pastor Hesse, dizendo que a mulheres e ainda para a originalidade. O ponto alto do baile foi a entrada de
falta de notícias não era falta de assunto e sim dos muitos encargos e trabalhos Morno, que entrou no salão exatamente às 11 horas e 11 minutos. Foi logo após
na Colônia. Sabe-se, entretanto, que a falta dos artigos do Pastor Hesse foram este baile, em 1909, que um grupo de amantes do canto e da música se reuniram
motivados pela sua enfermidade, e que o levou à morte no dia 25 de novembro para formarem o "Klub Unter Uns". Em seguida, no salão de festas do então
de 1879, enlutando a Colônia e principalmente a Comunidade Evangélica. A Hotel de Samuel Katz, foi fundada a sociedade, sendo lavrada a ata no dia 26 de
nota do falecimento do Pastor Hesse foi publicada no "Kolonie Zeitung" nO 3, maio de 1909, por Rudolph Damm, conllecido poeta blumenauense. Foram
de 17 de janeiro de 1880. Apesar da morte do Pastor Hesse, as atividades da eleitos na ocasião, Richard Max Grothe como primeiro presidente da sociedade
Sociedade de Canto "Germânia" não pararam, e no dia 10 de maio de 1882, e como dirigente do coro Carl Flesch.
conferiu ao Dr. Alfredo d 'Escaragnole Taunay, o diploma de sócio honorário16. No "Blumenauer Zeitung" de 5 de junho de 1909, apareceu pela
No dia 3 de agosto de 1888, a Sociedade de Canto "Germânia" festejou primeira vez no jornal uma referência ao "Klub Unter Uns", que apresentou a
seus 25 anos de fundação, e foi a programação mais importante do ano. A festa sua primeira "Unterhaltungsabend" (Noite de Entretenimento) no dia 9 de
foi comemorada com torneio de canto, do qual participaram a Sociedade de junho de 1909, no salão de Richard Holetz. Os números musicais foram
Canto "Frohsinn", de Itoupava Norte, "Hannonie", de Encano, "Teutônia", de executados por uma banda musical composta de 30 homens. Do programa
Timbó, "Liederkranz", de Weissbach e "Concórdia", de Badenfurt. Os cantores constava ainda o seguinte:
das sociedades cantaram cada uma por si e também em conjunto. Ao todo 1 - Saudação aos hóspedes
foram quinze números de canto, com início às 19,30 horas, depois baile. Em 2 - Repare, isto ele não faz (cançoneta) 3 -
1888, a Sociedade de Canto "Germânia" perdeu também seu grande Histórias podres (cançoneta)
incentivador Viktor Gaertner. A Sociedade de Canto Germânia" continuou por 4 - Sub Oficial Schnuppe (soloszene) 5 -
muitos anos, e de Guitarra brasileira (trio)
vez em quando participava de promoções especiais como no dia 15 de 6 - A primeira viagem de trem de Bemmchen (soloszene)
7 - Cantores oscilantes (apresentação pelos associados) 8 eram feitas no
- Os Jesuítas (dueto satírico) último dia de ensaio de cada mês. Também os Estatutos deveriam ser
9 - Guitarra brasileira (trio) elaborados e apresentados na próxima reunião. Essa reunião foi encerrada
10 - Versos alegres sobre cerveja. às 11 horas e 15 minutos e foi assinada por Herbert Bier, secretário.
Modificações poderão ser feitas. Início às 8 horas e o baile às 10. O "Liederkranz", que cantou no grande espetáculo da Associação
Entrada 1$000. Venda de ingressos com os associados e Gerspach. Ginástica Blumenau no dia 12 de novembro de 1916 e que promovia
A partir deste programa, a sociedade esteve sempre em atividade, apresentações e bailes, apesar de ter adotado o nome de "Liederkranz", vez
pois no dia 24 de novembro do mesmo ano, o segundo concerto foi apre- por outra, aparecia com o nome de "K1ub Unter Uns", como no dia 10 de
sentado, e no dia 12 de março de 1910, já tinha realizado seis reuniões e dezembro de 1921, quando promoveu teatro e baile no salão Koschel.
onze concertos públicos. Heinz Geyer, que veio para Blumenau em janeiro de 1921, a pas-
No dia 10 de janeiro de 1910, o "K1ub Unter Uns", através do seio, e encontrando ambiente próprio começou a reger coros, bandas,
"B1umenauer Zeitung", deu uma chamada oficial nos associados da So- conjuntos musicais e ensinar música, assumiu, além da Sociedade Musical
ciedade de Atiradores de Itoupava, que também eram associados do "Klub Lyra e do Club Musical, a regência do "Liederkranz", que promoveu
Unter Uns" e que não propugnavam para o bem do clube dizendo que "se apresentações nos mais diversos locais, entre eles, a "Noite de Entreteni-
não pagassem suas ações e mensalidades, os nomes dos devedores seriam mento", na Associação Ginástica Blumenau17 e o "Lieder Abend" (Noite
publicados". Além das apresentações e bailes, os associados do "Klub Unte das Canções) onde, além do coral masculino, apresentou-se também o coral
r Uns" também promoviam excursões, e o "Blumenauet Zeitung" de 16 de misto. Geyer regeu o coral masculino que segundo a crítica "esteve muito
abril de 1910, noticiou uma excursão de carro, com música, até Gaspar bem, porém o coral misto, mais jovem, necessitava de mais escolaridade "19.
Pequeno, no salto de Frederico G. Busch, solicitando aos interessados que Presença constante em todos os grandes eventos, participou da "Noite
entrassem em contato com Gerspach, se desejassem participar da mesma. Colorida", em honra da presença alemã em Blumenau, no dia 26 de
As conseqüências da primeira guerra, também se fizeram sentir na atuação setembro de 1925, que se realizou no Teatro "Frohsinn".
do "K1ub Unter Uns", que cessou suas atividades, sendo reativado 1~0 dia 19 Em 1931, o "Liederkranz", em apresentação no Teatro "Frohsinn" ,
de março de 1916, data em que foi reestruturado com o nome de contou com a colaboração do Club Musical e Ginastas Femininas. Da
"Liederkranz", pois além do seu coral masculino, possuía há algum tempo programação constaram peças musicais de A. Thomas; F. Flemming; G.
em funcionamento um coral feminino. Os associados, na ocasião, Verdi; B. Godard; F. Hegar; O. Fetrás; F. Schubert; C. Kreutzer; S1, Seidl e
reuniram-se na casa de Gustav Otte. Os trabalhos para escolha dos números de ginástica. Depois da programação foi realizado um grande
dirigentes ficou a critério do competente professor Josef Teichmann, de baile.
Itoupava Norte, que dirigiu os trabalhos de acordo com os moldes de outras (Tendo como solistas Hermann Goennemann e Franz Brack, e com o
sociedades de canto. Foram eleitos, para presidente, Richard Max Grothe, repertório que incluiu peças musicais de F. Schubert, F. FlemmingGeyer;
Herbert Bier para secretário e Félix Landgraf para tesoureiro. Para C. Loewe; J. Rietz; R. Wagner; J. Braluns; J. Duerrner; Schumann e
vice-presidente e segundo secretário foram eleitos Richard Meyer e Alfred Zoellner, o coral masculino "Liederkranz" apresentou-se no Teatro
Brattig, respectivamente. Participaram da reunião: Josef Janesch, Oswald "Frohsinn", no dia 8 de outubro de 1932. No mesmo ano, o coral
Otte, Gustav Otte, Paul Forbici, Valentin Fischer, Felix Landgraf, Karl apresentou-se no salão Bock, de Neu Breslau (atual Presidente Getúlio), no
Frischknecht, Franz Gestwiki, Richard Max Grothe, Richard Meyer, dia 5 de novembro.
Rudolph Kausch, Richard Michel, Herbert Bier, Sebastian Fischer, Alfred No dia 23 de setembro de 1933, foi apresentada no Teatro "Froh-
Brattig, Max Riedl, Jolmill Gelhardt e Josef Wiederkehr. Ficou decidido sinn" uma grande programação, da qual participaram o "Liederkranz" e o
que os sócios ativos contribuiriam com 500 réis e os passivos com 1$000 Club Musical, sob a regência de Geyer; o coral feminino sob a regênciãCle
por mês. Os novos associados pagariam a jóia de 5$000 réis. Os dirigentes . FuChs e S. Enders, e ainda o qua eto de solos c.om Franz Brack, Willy
perceberiam inicialmente 6$000 réis e mais tarde 8$000 réis. As reuniões Lõhr, H. GÕlillemann e G. Bleicher. Foram apresentadas,
2.
1. entre outras peças musicais, R. Wagner, F. Schubert, F. Flemming, E.
Künecke e Fucik. "O Wandergesell", de Künecke, foi adaptado para o coral
masculino por Geyer e o texto por Feodor Axthelm.
O "Liederkranz", integrado por elementos alegres, promovia ainda
rl outros eventos, principalmente pelo Carnaval, sendo que no dia 10 de
l fevereiro de 1934, O tema abordado foi - "Todos precisam casar", quando a
bcltrllnuilt; 1909. partir das três l\oras da madrugada, foram teitos os divórcios previstos. O
Utl't r baile foi animado pela banda Breitkopf. Em 1935, o tema carnavalesco foi
"1\!l1"'" """'J"I"1r'lrl,,,.<l0lJlIl)"yUl <úl4~. }N>tlt<.lI ••• ~~"". "Auf der Reeperbalm". Em 1936, o "Liederkranz" assumiu o jorna1zinho
carnavalesco "Die Schnauze", que cessou suas publicações a partir desse
ano, com o número 17.
Sa.tXl~tag, den 8. Oktober 1932 Os eventos do "Liederkranz" eram constantes e os programas ava-
liam o ruve1 cultural da associação, entretanto, o maior evento ocorreu nos
abL;~:tlg 2.01/z l.Jnttím Theafêí' Frohsinn: dias 28,29 e 30 de abril de 1934, quando o "Liederkranz" festejou o seu 25 o
aniversário de fundação, com inauguração da bandeira confeccionada pela

\JokaI- und esposa de um dos cantores, concerto e grande festa popular.


No dia 29, às 9 horas da manhã, os convidados foram recepcionados
na E.F.S.C. e com suas bandeiras marcharam pela cidade até a Sociedade de

stmeRJal .. Atiradores, com a participação das bandas Lyra e Garcia. Às 10,30, pela
manhã começaram as solenidades de inauguração das bandeiras com a
seguinte programação: 1 - Apresentação da orquestra; 2 _ Saudação; 3 -

l{on Oração festiva; 4 - Inauguração; 5 - Honra e jubileu; 6 _ Apresentação das


bandeiras. À tarde, às três horas, concerto com a participação dos corais da
Liga Cultural e Recreativa Vale do Itajahy. A grande festa popular se

alI estendeu por todo o dia, encerrando com um grande baile festivo.

Seifert.
No dia 30, foi oferecido aos participantes uma chopada na varanda

Participaram do 25 o aniversário do "Liederkranz": Frohsinn, de Neu


Breslau; Teotônia, de Timbó; Pomerode, Eisenbach; Rio do Sul, Harmonie
A l"ende: e Coral Misto de Hammonia, Sociedade de Canto de Brusque, Seção de
.M.ãnnerl'~ang- Verebl;',1Íti~der~xH Canto da N.S.D.A.P. de Neu Bremen, Concórdia de B1umenau, Klub
Orçhester desTbeater.. mtd .M.usiknreJ;n "Frobsinnü Germânia, Neue Velha e Liedertafel da Velha, Garcia I, Gaspar e Eintracht

~:~~ ;=;ra~:nne$ •• , ~:~:::} de Altona. Além dessas sociedades de canto, participaram ainda a
Associação Ginástica Blumenau, o F.B.C. Blumenauense, o
Handwerkervereinigung de B1umenau, a Sociedade de Atiradores de
aalltnüS1:~lilllpeUe s ••. Blumenau, a Sociedade de Atiradores Hindenburg, a Sociedade
Gemütlichkeit, o Einigkeit da Velha, os clubes de futebol Brasil e Bom
Retiro, a Associação Frontkãmfer e o Clube Náutico América. As bandas
Lyra e Garcia foram regidas pelo Maestro Geyer. Pelo "Liederk-
3.
'anz", saudou os convidados o DI. Kasparek, e a oração oficial foi p:o'erida por SOCIEDADE RECREnv A E
Peter Christian Feddersen, que saudou a. todos COI~ um VIva 10 Brasil. Coube CULTURAL LYRA
a Ameli Becker ser a porta-bandeIra e ao Consul Otto R.ohkohlo ato de
inauguração. Foram homenageados os senhores Landg:af, Gestwicki,
Winterberg, Brattig, Grothe, Axthelm, St~nge e .~. Geyer. Felix Landgraf Em 1949, formou-se um quarteto de cantores regido por Karl
recebeu uma placa de ~rata por sua ativa partIcIpação na diretoria. Após ter Schuetzler, tendo como primeiro cantor inscrito, Oswald Buerger. Mais tarde, o
sido canta~o o hm? da Ale~a~a com um viva por Franz Becker, foi ca~tado o quarteto foi acrescido de mais quatro integrantes e em algumas semanas estava
no palco um bom coral masculino, que funcionava como seção da Sociedade de
H~~l~. NaciOnal Br~sl1mo,; Em se~ida, o Dr. Hans Pape, presIdente do
Atiradores Concórdia - Velha. No fInal do ano de 1949, o coral participou da
Sangerbund ItaJahytal , conc7deu à primeira das novas bandeiras, um prego de
festa de Natal no salão Duggen e pela primeira vez foram ali cantadas as velhas
honra, honrar~a ~xtensiva às demais bandeiras. Ao "Liederkranz",. coube 28
canções de Natal. Os músicos Max e Wilhelm Rabitz, Karl Schuetzler e Karl
pre~os. DIrigiram os corais: Rio do Sul - Dreer, Hammoma - Pott e SpI~",:eck,
Lindemann tocaram um potpourri de canções natalinas. Herma e Ruth, filhas de
Concórdia e Garcia I - Kuhn, Klub Germânia - H. Geyer, Teotorua de Timbó -
Karl Lindemann, cantaram em dueto "Noite Feliz" e Gertrud Scheltzke recitou a
Wollinger, Altona - Max Humpl, Neu Breslau - A. Geyer,
poesia "Uma vez por ano, as árvores de Natal vagam". A partir de então, vários
Neue Velha - Baumgart e Neu Bremen - Junker. . corais reativaram suas atividades' e outros surgiram no Vale do Itajaí. O coral
No dia 19 de outubro de 1935, com a participação do Club MUSIcal, o Lyra cresceu e os primeiros ensaios foram realizados na casa de Karl
"Liederkranz" apresentou, no Teatro "Frol:sinn", um conc~rto músico-vocal, Lindemann.
no qual, além de outros números, fOI apresentado o CIclo Alemanha para coral
Apesar da proibição das apresentações teatrais e canto em língua
masculino e orquestra com texto de L. Srodka, mu-
estrangeira, todos aguardavam a volta da Liga Cultural e Recreativa Vale do
sicada por H. GeyeI. . . ,.
Itajaí. Correspondências foram expedidas a todos os corais do Vale do Itajaí e,
No dia 16 de agosto de 1936, fOi realiZada .urna Asse~blela <!er~l para num domingo pela manhã, na casa de Karl Lindemann, compareceram para um
eleger nova diretoria e tratar da venda ~o antIgo Teatro FrohsInn, primeiro encontro os regentes de corais: Wollinger, Schmoelz, Bruehl,
para construir o atual Teatro" Carlos Gomes . " .". " Kemmelmaier, Marmein, Zirnnlermann e outros. Aos participantes foi
Durante o período de "Klub Unter Uns e depOis . LIederkranz , foram oferecida uma churrascada na casa de Karl Lindemann e o cantor Alfons
presidentes pela ordem: Richard Max. Grothe, RIC?~rd Me~e.r, Ludwig Schreiber foi encarregado de assá-Ia. Nessa reunião, todos os fatos importantes
Reinhardt e Franz Becker. C~~o SocIe.dad~, Dramatlco-M~~I~al "Frohsinn" e foram discutidos, inclusive a reativação da Liga Cultural e Recreativa Vale do
depois Sociedade Dramatlco-MuslCal Carlos Gomes foram dirigentes: Carl Itajaí, bem como a prinieira festa dos cantores que foi realizada no dia 18 de
Flesch, Josef Schwarz, Josef Teichmalill, Ernst maio de 1952, no salão da Sociedade Desportiva Vasto Verde da Velha, com a
Drawin, Kurt Boettner e Heinz Geyer. .. participação dos grupos de cantores filiados à Liga Cultural e Recreativa Vale
O "Liederkranz", que registrou seus Estatutos no dIa 29 de Julho de do Itajaí, sob o patrocínio dos cantores do Clube de Caça e Tiro Concórdia.
1909, no livro A-I, fls. 3, com o nome de "~lub Unter Un~,", em 1936 como O coral Lyra, que na ocasião ainda fazia parte da Sociedade de
"Liederkranz", foi incorporado à SocIedade Teatral Froh- Atiradores Concórdia, da Velha, foi muito aplaudido com a canção "Caçador
dos Alpes", resolveu tornar-se uma associação independente, o que ocorreu no
sinn". Em 1971, quando o Maestro Heinz Geyer ,f~i dispe~ad~, ~ re~ gência dia 17 de junho de 1952, quando no salão e bar "Paraíso", de Paulo Fischer,
do coral e orquestra da Sociedade Dramatlco-MuSlcal Carlos Gomes" o grande situado à Rua João Pessoa - Velha, reuniram-se Guilherme Max Rabitz,
coral e orquestra foi dispersado, entretanto, o Centro Cultural' "25 de Julho", Alfonso Eger, José Buerger, Carlos Guilherme Rabitz, Bertholdo Buerger,
fundado em 1951, convidou os rerr;an~scentes para continuarem suas Alfons Schreiber, Harry Müller, Horst Álvaro Schlupp, Ralf Lindemann e Rolf
atividades artísticas .~m s~s de~eI:dencIas! e o "Liederkranz" ressurgiu como Penzlien,
uma das marufestaçoes artistlcas maiS autênticas e tradicionais de Blumenau.
4. 0 0
para fundar a Sociedade Recr~a~iva e Cultural Ly~a, ~ue t~nha ~or fi~lidade a geral; Alfons Schreiber - 1 tesoureiro e Paulo Nascimento - 2 tesoureiro, na
prática do canto, mUSIca e teatro. A pnmeIra dIretona e.lelta foi a seguinte: festa popular realizada no dia 30 de abril de 1955, foi incluído pela primeira vez
Alfonso Eger - preside~te; Guilherme Max RabItz secretário' Bertholdo Buerger o tiro ao alvo para senhoras com eleição de uma rainha cada ano.
- tesoureIro. Os Estatutos foram aprovados no dia 28 de julho de 1952. No dia 23 A festa das atiradoras era realizada em maio e não com um "rei" dos
de janeiro de 1953, ~m Assembléia Extraordinária, foram admitidos os sócios: . atiradores e sim com uma "rainha de maio", que com pompa é conduzida da sua
Af0n:' o Slevert, Helmuth Pie, Arthur Meldola, Bertoldo Garbe, Hemz GI~seler, casa para o local da festa. Uma banda puxa o cortejo, tendo à frente a bandeira
Oswaldo Fiedler, Carlos Kreuzer, Rodolfo Buerger, P~ulo FIscher, Harry brasileira e a bandeira da sociedade. Moças vestidas de branco acompanham as
Schumacher e Henrique Fischer. Nesta assembléIa, for~~ designados, além da bandeiras até a casa da "rainha". Com música festiva e fogos de artifício o
nova diretoria eleita, Franz Baumg~~ para ding~nte técnico para canto, música e cortejo chega até a decorada casa, onde são recepcionados pela "rainha", com
teatro. O se~undo dmgente técmco para canto e teatro da juventude e orador fOl suas vestes festivas e manto real. O mestre de cerimônias assume o comando.
Karl Schuetzler. para guarda-músico foi indicado J osef Doerr e mestre de palco Os dois cavalheiros ou princesas vão ao encontro da "rainha", a ladeiam
~ugust Woestehoff. Para a diretoria foram eleitos: Alfonso Eger - pre~ldente~ continuando a festa protocolar que termina com convite para o "chopp",
Wilhelm F. August Wille - vice-presidente; Guilherme Max RabItz -- 1 sanduíches, etc. Em seguida, as canções, e entre elas, "Um maravilhoso dia
0
secretário' Alfredo Scheltzke - 2 o secretário; Karl Lindemallil - 1 tesoureiro; como hoje", "A pequena maravilha do grande barril", "Para você eu canto uma
0
Nfons Schreiber - 2 tesoureiro. Nesta assembléia foi ~ropos- . ta a nomeação de canção", "Nenhuma terra mais bela", etc. Rikobert Koering, com seu acordeon
Ingo Hering para presidente de honra da SOCIedade. Franz Baumgart e Karl acompanhava com freqüência os cantores. Da casa particular todos iam para a
Schuetzler eram remunera?os. O nú~ero ~e associados da Lyra crescia, tendo sede da sociedade, onde era realizado o novo concurso de tiro. Às 22 horas, na
entre eles o prefeIto Fr~denco Guilherme Í3usch Junior e outras pessoas de sede da sociedade era realizado o baile, ocasião em que o manto real era
destaque da Comumdade. transferido para a outra "rainha". A "polonaise" dava início ao baile, que se
A bandeira da Sociedade Recreativa e Cultural Lyra é uma lyra dourada estendia até a madrugada.
sobre fundo branco e como símbolo da amizade uma coroa de louros com laço Como em todas as sociedades, a Lyra também angariou recursos através
vermelho. O símbolo foi idealizado e confeccionado por Else Schreiber, Cilly de tômbolas. A extração da primeira tômbola da Lyra foi realizada no dia 23 de
Lindemallil, Irmgart Globig e Grete Scheltzke. julho de 1955. Também em 1955, a Lyra realizou o seu primeiro baile de
No dia 26 de setembro de 1953, a Sociedade Recreativa e Cultural Lyra Carnaval, que foi abrilhantado pelo" Quinteto Catarinense". Oswaldo Fiedler,
já havia adquirido o seu hannônio, que foi .~estiv~ente .inaugurado, porém, a que na ocasião integrava o "Quinteto Catarinense" e era também o presidente
pedido de Franz Baumgart, em reumao ?a dIreton~ de 2 de agosto de 1954, o da Lyra, em reunião da diretoria de 8 de setembro de 1955, ventilou a
mesmo foi alugado por cem c~eIros mens~ls para o "Studio Universal", com a possibilidade da aquisição de uma sede própria para a sociedade. Na
condição de que devena ser devolVIdo para a sociedade assim que ela oportunidade, Oswald Metzker doou um lote de terra na praia de Camboriú
0
necessitasse do mesmo, e em bom estado. Em reunião de 1 de fevereiro de para ser aproveitado numa tômbola. Metzker foi muito aplaudido pelo gesto,
1954, foi eleita uma comissão para se encarregar das diversões da sociedade, porém, em reunião de 5 de dezembro do mesmo ano, a sociedade resolveu
integrada por Alfred Kinderma~, Josef Doerr, Valentim Osowski, Henrique conservar a casa em Camboriú. Oswaldo Fiedler e Alfonso Eger foram
Lizette e Wal~emar Felski. Também foi eleita Iris Ramers para dirigir o coro encarregados de providenciar as necessárias reformas.
infantIl, entretan~o, ainda em 1954, foram indicados para substituir Iris Ramers Para melhor funcionamento da sociedade, em reunIão de 4 de outubro
no coro mfantil Carlos Guilherme Rabitz e Karl Lindemallil. de 1955, foi aprovada a indicação de um conselho deliberativo e teatral. O
, Na gestão da diretoria integrada por Oswaldo Fiedler - presidente' Conselho Deliberativo funcionaria até o término de cada gestão da diretoria ou
0
Wilhelm F. August Wille - vice-presidente; Waldemar Felski - 1 se~retário; quando sua ação fosse ineficiente. Por motivos imprevistos, a sociedade que
0
Heinz Fuchs - 2 secretário; Karl Lindemallil - tesoureiro funcionava no salão e bar "Paraíso", foi forçada
5.
a transferir sua sede, para a sede também provisória, no salão Duggen, na Hennann Globig, Alfons Schreiber, Grete Scheltzke, Heinz Hartmann
Velha, onde foram feitas as refonnas necessárias, a cargo de Guilherme Max Oswaldo Buerger e Arnold Seibel foi responsável pela organização & festa
Rabitz. Em setembro de 1957, a diretoria, devido aos constantes transtornos, e também do livreto.
resolveu mais uma vez adquirir uma propriedade. As propostas de Oswaldo Entre as atividades sociais, além da festa da "Rainha de Maio" a
Fied1er e Paulo Fischer em vender áreas de terra de quatrocentos mil e L~r~ promovia bailes em ocasiões festivas e no encerramento anual das
trezentos e setenta mil cruzeiros, respectivamente, em troca da propriedade atiVIdades.
em Camboriú, por cento e trinta mil cruzeiros, não foi aceita, porquanto o . . Ruth. Eskelsen foi a primeira "Rainha de Maio", e Dirce Rabitz a
saldo a ser pago pela sociedade era elevado, e as áreas muito pequenas, p~~elra rall1h~ da so.ciedade, ocasião (12/01157) em que o Prefeito Mu-
principalmente a de Paulo Fischer. No dia 2 de abril de 1958, com Amoldo rnclpal Fredenco GUilherme Busch Jr. prestigiou as festividades de co-
Seibel na presidência, a reunião da diretoria da Lyra foi realizada na roa?ão. Abrilhantavam as festividades da Lyra o "Studio Musical" regIdo
Sociedade Desportiva Vasto Verde. Nesta ocasião, foi elaborado um por Franz Baumgart.' o "Quinteto Catarinense", "Jazz Society" ~ o~tros. E~
contrato particular entre o Vasto Verde e a Lyra para cessão de suas 1957, os assocIados receberam carteira de identificação soCIal e em Julho
dependências. No ato, a Lyra foi representada por Amoldo Seibel e o Vasto do mesmo ano, pelo aniversário da sociedade foi tam-
Verde por Rodolfo Buerger. No contrato, foram acertados todos os detalhes bém incluído o jogo de boIão como atividade esportiva. '
para dotar a Sociedade Desportiva Vasto Verde de instalações necessárias A parte artística que esteve sob a direção de Franz Baumgart até 1960,
para o desenvolvimento da parte cultural, social e recreativa dos associados passou para Hans Kuhnov, porém a substituição não funcionou e Rikobert
da Lyra. No dia 8 de julho de . 1958, em reunião da diretoria, foi elaborado Doering foi encarregado de entrar em entendimentos com Franz Baumgart
um programa onde foi incluído a inauguração do palco. O programa para que ele prestigiasse a Noite de Natal com músicos do "Studio
apresentado em agosto, em três partes, teve como primeiro número a Universal", ficando ao seu encargo a partir de 6 de dezembro de 1961, a
inauguração solene do palco; em seguida foram apresentados números música e o canto nas festas natalinas. No decorrer do ano a Lyra oferecia aos
musicais e canto coral a cargo de Franz Baumgart. O encerramento foi com associados: tiro ao alvo para senhoras, festa no dia das mães, ani:ersário da
baile social. Em 1964, a Lyra adquiriu seu próprio terreno e em 1965 sociedade, baile caipira em homenagem ao colono, festa natalIna e outras
inaugurou sua sede. A sede não possui local apropriado para a prática do tiro, promoções artísticas e sociais.
e o mesmo é praticado num alvo dentro da sede com arma de pressão. Para No dia 30 de junho de 1960, na gestão de Waldemar Felski a So-
participar do Torneio Municipal dos Atiradores, praticavam em "stands" de ciedade Recreativa e Cultural Lyra recebeu a quitação da sua dívida para
outras sociedades. com a Cia. Hering.
Apesar dos contratempos por falta de uma sede definitiva, as ativi- A Sociedade Recreativa e Cultural Lyra, nos seus tempos áureos,
dades sociais e culturais da Lyra funcionavam ativamente. Na parte artís- era concorrente da Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes" e
tica, além da música e coral, no dia 29 de setembro de 1956 foi apresentada embora alguns não queiram admitir, muitas festas não eram programada~
a peça teatral "Noite Santa em Blumenau de 1856 e 20 Anos Depois". no Teatro "Carlos Gomes" se houvesse festa na Lyra. Fundadores da Lyra
Também foi apresentada a peça teatral, que foi reprisada em português, "Os afinnam que os bons tempos da Lyra terminaram com a morte de Manfred
Apuros de Lulu". A partir dessas apresentações, o teatro foi incentivado, ~ugenstein e o afastamento, por motivos particulares, de Rikobert Doenng.
tendo a diretoria em reunião de 1 o de outubro de 1956, atribuído a Heinz A Sociedade Recreativa e Cultural Lyra situa-se na Rua Benjamin
Fuchs e Waldemar Felski a responsabilidade dos ensaios. Em 10 de abril de Constante, 2469 - Vila Nova. Apesar da sua finalidade ser cultutal (canto,
1957, a Lyra foi convidada para participar das festividades da "Liga teatro e música) e recreativa, nos últimos anos nada mais resta do seu antigo
Cultural e Recreativa Vale do Itajaí", e durante a festa promovida pela Lyra, esplendor, pois até o tiro ao alvo para senhoras não mais é praticado.
no dia 20 de agosto de 1961, esta inaugurou a sua bandeira, sendo a Atualmente funcionam a bocha e o futebol de salão.
saudação proferida por Frei Brás Reuter, Vigário da Paróquia de Blumenau.
Uma comissão integrada por Karl Lindemann,
6.
LIGA CULTURAL E RECREATIVA . Fundado por Hermann Ruediger, funcionou ativamente, pois no
dia 11 de setembro de 1883, com muita alegria, festejou seus oito anos de
VALE DO IT AJ AÍ (Siingerbund existência. Mais tarde este coral mudou o nome para "Harmonie" e
Itajahytal) geralmente, funcionava no salão de Johann Schreepp. '
O "Sãngerbund" de Pomerode, fundado em 1890, festejou a data da
Desde os primórdios da Colônia até os nosso dias é impossível a sua fundação no dia 4 de outuQro do mesmo ano, com o seu primeiro
realização de qualquer manifestação sócio-cultural-artística em Blumenau, "Krãnzchen" (Pequeno círculo) no salão de Louis Abry com uma "polo-
sem canto. Mesmo que o canto não esteja incluído na programação, ele naise", num salão maravilhosamente decorado. Depois de vários números
surge espontaneamente em grupo ou isoladamente, principalmente quando de canto, Louis Abry discursou, solicitando aos presentes para se manterem
essas manifestações incluem música, dança e ... "chopp". O instinto natural unidos, pois "a união faz a força ". Em seguida, elogiou Deodoro da
dos nossos colonizadores em associar-se, dotaram Blumenau com inúmeras Fonseca, e todos brindaram à República. Apresentaram números de canto e
associações de canto coral, sendo a primeira a Sociedade de Canto no final um viva aos cantores. Com a Sociedade de Canto "Sãngerkreis"
Germânia, fundada pelo Pastor Hesse. Em 1864, o professor (Círculo de Cantores), de Alto Rio do Testo, que formulou convite para a
~cheidemanteP8, de Itoupava, fundou a segunda sociedade de canto, ini- festa de Páscoa21, Blumenau contava em 1892 com onze associações de
cialmente chamada de "Geselliger Verein", e segundo o Pastor Hesse, por canto: Sociedade de Canto Germânia (1863); "Freundschaftsverein"
ter atividades mais amplas. Esta sociedade, mais tarde, mudou o nome para (Sociedade da Amizade - 1864); "Hannonie", de Indaial (1871); "Eintracht"
"Freundschaftsverein" (Sociedade da Amizade). (Concórdia) de Badenfurt (1873); Garcia I (1873); "Frohsinn", de Itoupava
Depois de 1870, as sociedades de canto se multiplicaram pelo in- Norte (1875); "Urânia", depois "Harmonie", de Blumenau (1875);
Jerior da Colônia e algumas tiveram vida longa e muito ativa como a So- "Teutônia", de Timbó (1879); "Liederkranz" (Círculo de Canções) de
ciedade de Canto Teutônia, de Timbó, fundada em 1879 pelo professor Weissbach (1883)'''Sangerbund'', de Pomerode (1890); e "Sãngerkreis", de
Julius Scheidemante1, que foi transferido da escola de Itoupava para a de Alto Rio do Testo (1892).
Timbó em 1873. Em 187219, funcionavam ativamente em Blumenau quatro No dia 19 de maio de 1897, o Doutor Kraue1, embaixador alemão,
corais masculinos. Em 1871, foi fundada a Sociedade de Canto "Har- visitou Blmnenau, sendo homenageado pela "Freundschaftsverein" de
monie", de Indaial. Em 1873, a Sociedade de Canto "Eintracht" Itoupava, com o Hino Nacional da Alemanha, e em Warnow (Indaial), pela
(Concórdia), de Badenfurt e Coral Masculino Garcia. As sociedades de Sociedade de Canto "Harmonie".
canto "Freundschaftsverein", "Harmonie", "Eintracht" e Garcia foram Quando o embaixador alemão, Conde de Arco Valley, visitou ra-
convidadas para participar, em 1873, do décimo aniversário de fundação da pidamente Blumenau, chegando de surpresa no dia 17 de março de 1900, foi
Sociedade de Canto "Gennânia". Em maio de 1874, foi acrescentada mais homenageado pela Sociedade de Canto Harmonie de Blumenau, que na
uma sociedade de canto às já existentes na Colônia de uma forma ocasião festejava o aniversário de sua fundação com a apresentação de uma
interessante, pois a mesma só apareceu quando foram feitas coletas para peça teatral, canções e baile. O embaixador foi convidado de honra,
auxiliar os flagelados das enchentes no Rio Grande do Sul. Nesta coleta seguindo depois para Hansa e J oinville.
aparecbu a contribuição de mna sociedade de canto da região de Itoupava Além das Sociedades de Canto citadas, também funcionava em
que atJlava há algmn tempo silenciosamente, era a Sociedade de Canto Blumenau o Coral Misto da Comunidade Evangélica, que cantou com
"Frohsinn", de Itoupava Norte20, sob a regência de Karl Lingner. O ano de outros corais especialmente convidados, em homenagem ao casal Peter
1875, marcou a fundação do "Gemischter Chor Urânia" (Coral Misto Lukas pelas Bodas de Ferro (65 anos de casamento), no dia 19 de outubro de
Urânia) em que, pela primeira vez, num coral em B1umenau, participaram 1899. Na ocasião, o Pastor Faulhaber realizou um culto solene para o qual
mulheres. convidou parentes e amigos do casal, que foi um dos primeiros
colonizadores do Vale do Itajaí.
18) "Kolonie Zeitung" de 02/04/1864.
19) "Kolonie Zeitung" de 16/11/1872.
20) "Kolonie Zeitung" de 13/06/1874.
Um dos eventos importantes do ano de 1900, foi a festa de cantores concretizar a "Sãngerbund Itajallytal". Vinte sociedades com aproximada-
realizada no dia 28 de outubro para a qual foram convidadas as sociedades de mente trezentos cantores participaram, e a alegria e a vida voltaram, pois "onde
canto: Germânia e Harmonie de Blwnenau, Coral Masculino Garcia I, Coral o machado alemão ressoa, a canção alemã não deve emudecer".
Misto de Weissbach, Ribeirão da Cana, Indaial, Warnow, Timbó, Itoupava, Todos os preparativos foram feitos para a Primeira Festa de Cantores
Encano do Norte, Tatutiba e Vale do Selke. Serviu de "podium" para a grande em Altona. Os locais foram preparados para abrigar todos, inclusive em caso
festa, a cervejaria de Otto Jennrich. A anfitriã da festa foi a Sociedade de Canto de mau tempo. Diversos pratos frios e quentes, e bebidas sem álcool, também
"FrohsiIm", que com Karl Lingner, fundador e dirigente do coral desde 1875, foram preparados com antecedência. Pela manhã, bem cedo, afluíam os
festejava seus vinte e cinco anos. Na ocasião, Karl Lingner dirigiu o grande cantores, e quando os organizadores chegaram ao local da festa, também
coral, que cantou o Hino Nacional da Alemanha. chegou pontualmente o trem especial colocado pela E.F.S.C .. Com cartões de
As festas de cantores continuaram ano após ano, em diversos locais. ida e volta, com saída de Hansa às 6 horas da manhã e volta às 11 horas da
Muitos corais se fonnaram, outros se reestruturaram como o Coral Masculino noite, a E.F.S.C. atendeu às sociedades de canto, colocando ainda na
Garcia, que apesar de funcionar desde 1873, só registrou os Estatutos no dia 8 segunda-feira, dia 8, o trem especial nos mesmos horários. O trem trouxe
de março de 1913, como "Mãlmer Chor Garcia I". grande número de cantores, entre eles os da Sociedade Cruzeiro do Sul de
Quando, em 1915, se aventou de fundar a "Sãngerbund Itajahytal" (Liga "Südarm" (Rio do Sul), os que talvez percorreram o maior trajeto, mais de cem
de Cantores Vale do Itajaí), O Vale do Itajaí contava com aproximadamente quilômetros. Com música e bandeiras, os cantores se dirigiram para o salão
vinte associações de canto. Para fundar a Liga, no dia 20 de novembro de 1915, Teutôlúa, onde Abry saudou os irmãos cantores com o coral "Eintracht", que
reuniram-se no salão Teutôlúa de Altona (Itoupava), G. Arthur Koehler, Dr. cantou a canção de boas vindas "Gast grüsse dich" (Hóspede te saúdo). Em
Hans Pape, Louis Abry e delegados de dezesseis sociedades de canto, inclusive seguida apresentaram-se os nove corais que disputavam a premiação. Todos se
Brusque e Itajaí, para discutir sobre a planejada festa de cantores e também a apresentaram muito bem, apesar das interpretações diferirem, o que era muito
fundação da Liga. Com palavras eloqüentes, Louis Abry, que foi o primeiro natural. Para surpresa geral, apresentaram-se nos corais, bons tenores, uma
presidente, falou sobre o sentido da festa, financiamento da mesma e sobre os raridade, ao lado de bons baixos. Com a animada participação do público,
Estatutos da futura Liga. Tudo ficou resolvido, prevendo-se a festa com certeza, decorreram as apresentações pela disputa da premiação.
porém a Primeira Guerra Mundial interrompeu a programação. A festa só foi Um pouco antes das 12 horas (meio-dia), foi fundada com êxito a
realizada no dia 7 de março de 1920, data que passou para a história das So- "Sãngerbund Itajahytal".
ciedades de Canto com o nome de "Dia dos Cantores de Altona" . Depois do almoço, continuaram as apresentações, sendo constatado que
Nos quase dois anos em que o Brasil entrou na guerra, o canto alemão os corais simples agradaram mais do que os que se inscreveram para concorrer
emudeceu. Em alguns lugares era proibido faIar o alemão, havendo sérias aos prêmios. Foi bonita a apresentação dos brusquenses, dos "Neuberlinenses"
restrições se isto ocorresse. Não em Blwnenau! Falava-se o alemão, porém, o (Ibirama), das sociedades "Eintracht" de Altona e "Liederkranz" de Blumenau
canto emudeceu. Sabiam todos de antemão das exigências. e também das muitas pequenas sociedades que vieram da Colônia para
Só em Colônias distantes, onde ninguém aparecia que pudesse ser confraternizar com alegria.
ofendido, cantava-se uma canção. Foi muito penoso para os alemães o canto Ao anoitecer, Abry retomou a palavra para agradecer oficialmente os
emudecido, já que através do mesmo extravasavam suas alegrias e tristezas, convidados. Em resposta, o Delegado de Polícia, na ocasião Dr. Freitas Melro,
enfim tudo o que o coração sentia. Na época, uma rede de sociedades de canto com suas palavras simpáticas, deu um viva ao Brasil e ao Governador do
estendia-se sobre toda a Côlonia, e era gratificante depois de cada dia de árduo Estado, que ecoou forte em Blumenau. Com grande ansiedade, à noite, todos
trabalho encontrarem-se os velhos e os novos para juntos elevarem o espírito aguardavam as palavras da Comissão Julgadora integrada pelos dezesseis
através do canto. Quando as barreiras do estado de guerra caíram, em toda a dirigentes de corais. O prêmio de honra, oferta da Sociedade de Canto
parte os ensaios recomeçaram com grande vitalidade e a Sociedade de Canto "Eintracht", um "Trinkhorn" (corno para beber), trabalhado em prata, coube à
"Eintracht" de Itoupava, convi- Sociedade de Canto "Liederkranz", de Blu-
dou todas as sociedades innãs para a festa de cantores e também para
7.
menau, sob a regência do professor Boettner. O primeiro prêmio coube à da qual pa~iciparam seten~ pessoas, a "Sãngerbund Itajahytal" já contava
Sociedade de Canto de Brusque, regida por Luepke; o segundo, à seção de ~o~ trmta e duas SOCIedades de canto sob a presidência de Peter Chnstmn
canto da Sociedade Ginástica "Neu Berlin" (Ibirama), regida por Berthold; Feddersen. Para atender melhor a todas as sociedades de canto q~e eram
o terceiro, à Sociedade Lyra de Indaial, regida por Koch e o quarto prêmio m~itas, resolveram na reunião, promover apresentações pre~ mIadas nos
coube ao Coral Masculino Garcia I, regido pelo professor Hollenweger. dias 15, 16 e 17 de novembro em toda a região, e as sete melh~re~ se
Até tarde da noite entoava canto no local da festa, e somente ao apresentariam q~torze dias dep?is em Blumenau, fazendo jus a premlOS de
amanhecer os convidados rumaram para suas casas. O carinho pelas can- honra. O bornto desses festeJOs, além das apresentações de canto, é o
ções alemãs estimulou todos e o saldo do dia foi positivo. desfile das sociedades com suas suntuosas bandeiras, bem como a
Na ocasião, a Liga de Cantores Vale do Itajaí recebeu do Gover- cerimônia de inauguração das mesmas.
nador do Estado, Dr. Hercílio Luz, a quem a Liga enviara um convite, o No dia 17 de maio de 1931, no Teutônia (Altona), foi realizada a festa de
seguinte telegrama: "Eu agradeço à Liga de Cantores Vale do !tajaí, a saúdo inauguração das bandeiras da "Sãngerbund Itajahytal". Elas deveriam ter
desejando prosperidade. Cordiais Saudações. Hercílio Luz, governador". sido inauguradas na décima festa de cantores, porém por circunstsâncias
Altona não esperava tantos participantes, a expectativa foi ultra- diversas, algumas sociedades não puderam comparecer solicitaram então
passada. No final, Abry, presidente da Liga, agradeceu a todos pelo bom permissão para participar da inauguração na festa d~ dia 17 de maio. Eram
andamento dos festejos e pela maravilhosa festa. então quinze as associadas no desfile com suas bandeiras e dez que se
Para o dia da festa, um poeta escreveu: dirigiram para a casa do primeiro presidente para receberem suas bandeiras,
"Harmonia nos leva unidos, Harmonia nos une em sociedade traz idas por damas de honra ao local da festa. Após a mensagem festiva de
Harmonia no canto e na vida, Harmonia nos une em sociedade Viktor S chIe iff, Max Humpl discorreu sobre a história da bandeira e em
E que em todo maio floresça, a felicidade do homem, a Hannonia!" seguida a Sociedade de Canto "Liederkranz" de Blumenau, sob a regência
A partir da grande festa de cantores realizada no dia 7 de março de de Heinz Geyer, cantou maravilhosamente bem a canção de Mozart
1920, promovida pelo Coral Masculino "Eintracht" de Altona, a diretoria "Bênção das Canções". Na ocasião, o Pastor Scheerer discorreu sobre a
da "Sãngerbund Itajahytal" e os delegados das sociedades de canto do Vale concepção cultural das canções alemãs na nova pátria. Após a inauguração
do Itajaí se reuniam para promover o bom andamento da Liga. As reuniões das bandeiras, o Coral Masculino "Eintracht" de Altona, regido por Max
eram realizadas no salão do Teutônia de Itoupava Seca, Hotel Franke -e Humpl, saudou as bandeiras inauguracias com a canção de Abt "Weh auf du
também nos lugares onde eram realizadas as festas de cantores. No dia 29 Banner". Às palavras inflamáveis do presidente Peter Christian Feddersen,
seguiu-se a "Canção da Pátria". Como representante da Alemanha falou o
de setembro de 1920, Louis Abry, presidente da Liga, convocou os
Doutor Pamperrien, secretário da legação alemã no Rio de Janeiro, que
delegados das sociedades de canto para uma reunião no Teutônia, para
trouxe às festividades um "Viva" ao Brasil e Alemanha. Em seguida, o
discutir os assuntos pendentes da Liga, inclusive a elaboração dos
grande coral cantou em uníssono "Irmãos estendam a mão para a Liga".
Estatutos.
Com palavras a ca~ sociedade participante, foram distribuídos pregos para
As festas continuaram, e em maio de 1926, com um bom tempo, a
as bandeiras. A apresentadora das bandeiras, senhora Max Humpl, foram
"Sãngerbund Itajahytal" promoveu a sua festa em Gaspar. O ponto inte- dirigidas palavras de agradecimento pelo presidente da "Sãngerbund". Na
ressante na programação foi a divisão das sociedades de canto, em cate- parte da tarde, todos foram premiados com os concertos apresentados pelas
gorias, para efeito de premiação: colônia, arredores e centro., Nesta festa sociedades: "Liederkranz" de Blumenau, Coral Misto de Altona, e Coral
foram premiadas na categoria colônia a Sociedade de Canto Indios - Ri- Masculino "Eintracht" de Altona, Coral Misto de Itoupava Norte, Coral
beirão Ferro; arredores, Coral Masculino Garcia I, e centro, o Coral Misto "Liedetafel" Velha, Seção de Canto da Sociedade dos Atiradores
Masculino "Eintracht" de Altona. "Neue Velha", Coral Masculino Garcia I, Coral Masculino "Eintracht -
A atuação da "Sãngerbund Itajahytal" foi tão eficiente que no dia 11 Lyra", de Indaial, Sociedade de Canto Brusque, Coral Masculino de Rio do
de setembro de 1929, quando foi realizada no Teutônia uma reunião Sul e Coral Masculino de Gaspar. Os corais, Teutônia de
8.
Timbó e Concórdia de Blumenau, estavam presentes através de representantes. 9 horas: recepção na estação da Estrada de Ferro.
Ao todo estavam presentes aproximadamente duzentos e oitenta cantores e 9,30 horas: desfile festivo, partindo do negócio Enúlio Fischer, para o Estádio
cantoras. As apresentações atestaram o elevado Iúvel das sociedades de canto. "Curt Hering".
Com animado baile festivo, foram encerradas as 10 horas: homenagem à memória de todos os cantores falecidos.
festividades. Prólogo.
Ano de 1932, ano em que a sociedade blumenauense homenageou Saudação pelo Coro Misto Warnow.
a memória de JohaIID Wolfgang von Goethe pelo centenário de sua morte, a Discurso de saudação proferido por João Durval MülleI.
"Sangerbund Itajahytal" homenageou o grande poeta alemão, incluindo na Homenagem aos Jubilares.
programação, para avaliar o ruvel de interpretação de cada coral a canção "Sall lrucio do Canto dos Coros Religiosos (língua portuguesa e estrangeiras).
ein Knab ein Roslein stehn" ou "Heidenroslein" (Rosi~ha Silvestre). Ainda foi "Gott zum Gruss" - encerramento pelo Coro Concórdia.
cantada a canção de Fle~ing "Ein~racht und Liebe" e uma canção de livre 12 horas: almoço no local da festa.
escolha de cada socIedade para Julgar
o ruvel dos corais. 11 PARTE
Idealizada em 1915, por Louis Abry, G. Arthur Koehler e o DI. Às 13 horas: iIúcio dos coros em geral. Execução de canções populares de
Hans Pape, e concretizada em 1920, a "Sangerbund Itajallytal", apesar dos seus autores e compositores brasileiros. A seguir, canções em línguas estrangeiras.
integrantes silenciarem durante as duas guerras mundiais, chegou até os nossos
dias com suas marav~lhosas festas de cantores. ., 111 PARTE
As atividades que estavam paralIsadas em todo o Vale do ItaJaI foram Às 20 horas: baile, abrilhantado pelo Conjunto Musical "WolliIlger".
reativadas a partir do Natal de 1949, quando pela primeira vez depois da
Segunda Guerra foram cantadas as velhas canç~es de N~ta~ na festa realizada O interessante é que a programação conserva até hoje as características
pela seção de canto do Clube de Caça e TIro ConcordIa Velha, no salão Duggen. dos primeiros programas. A partir dessa data, anualmente se realizam as festas,
A partir dessa festa, vários corais reativaram suas atividades e outros surgiram, que já foram sediadas em diversos lugares como: Nova Bremen, Timbó,
porém, o que todos aguardavam era a reativação da "Sangerbund Itajahytal". Presidente Getúlio, Ibirama, Vila Itoupava, Taquaras, Massaranduba e Indaial.
Correspondências foram enviadas, e num domingo pela manhã, na casa de Karl Antes da Segunda Guerra participavam também das festas de cantores da
Lindemaml, reuniramse os regentes de corais, Joseph (Seppl) Wollinger, Martin "Sangerbund Itajallytal", as cidades de Gaspar e Brusque.
Schmoelz, Fritz Kemmelmaier Richard Marmein, Bruehl, Zin1mermann, A ação da Liga Cultural e Recreativa Vale do Itajaí é também
Schreiber e outros mais, para' reativar a "Sangerbund Itajahytal" e promover a muito eficiente, pois em 1965 contava com as seguintes filiadas:
primeira festa de cantores depois da Segunda Guerra Mundial. A "Sangerbund 9. Coro Masculino do Clube de Caça e Tiro Concórdia, Blumenau
Itajahytal" foi reativada com o nome. de "Liga Cultural .e Recreativa Vale do 10. Centro Cultural e Recreativo "25 de Julho", Blumenau
Itajaí" no dia 17 de fevereIro de 1952, sendo a PrImeira diretoria integrada por 11. Clube de Caça e Tiro Testo Salto, Testo Salto
Oswald Buerger - presidente; Arno Metzger - secretário, Karl Lindemann - 12. Sociedade de Canto de Itoupava Central, Itoupava Central
tesoureiro; Richard Marmein conselheiro e Francisco Baumgart - dirigente. Para 13. Sociedade Cultural "25 de Julho" de Massaranduba, Massaranduba
a primeira festa de cantores realizada no dia 18 de maio de 1952, foi elaborado 14. Sociedade Cultural e Recreativa Serrinha, Vila Itoupava
um livreto com toda a programação dividida em três partes: 15. Sociedade Cultural e Recreativa IndaiaL, Indaial
I PARTE 16. Coro Misto de Warnow, Warnow
17. Sociedade Recreativa Cultural de TiInbó, Timbó
Às 8 horas: depósito de coroas nos túmulos dos ex-presidentes da "Sangerbund
18. Sociedade Cultural de Ibirama, Ibirama
Itajallytal", DI. Hans Pape, Peter Christian Feddersen e G. Art-
hur Koehler.
11. Coro Misto de Uru, Presidente Getúlio saudou os visitantes em alemão e português, falando inclusive do significado
12. Sociedade Cultural Carajá, Rafae1 11, Ibirama do encontro de cantores. Para encerrar, os corais participantes prestaram sua
13. Coro Orfeônico "Cruzeiro", Presidente Getúlio homenagem aos anfitriões, principalmente ao presidente Ernil Ro~sm~k. O
14. Coro Misto da Igreja Protestante, Presidente Getúlio espírito festivo e a camaradagem se estenderam até quase meIa-nOIte, ~uando
15. Grupo de Cantores "Orfeônico Bela Aliança", Rio do Sul resolvera~ se recolher, pois deveriam estar dispostos para o torneIO de canto no
16. Sociedade Recreativa e Cultural Ribeirão da Onça, Presidente Getúlio dia seguinte às oito horas da manhã. No dia dezoito, às oito horas, formou-se o
17. Sociedade Cultural e Recreativa Salto do Norte, Blumenau grande desfIle das Sociedades de Canto com suas bandeiras, tendo à frente a
18. Sociedade Esportiva e Recreativa "Guarany", "Neu-Bremen", Ibirama Banda de Música. Participaram do desfile as seguintes sociedades de canto:
19. Sociedade Cultural "25 de Julho" de Itajaí, Itajaí República Argentina
20. Sociedade Recreativa e Cultural "Lyra", Blumenau - Coro Misto de "Monte Cada" - Missiones
21. Coro Misto Recreativo Mirador, Mirador, Presidente Getúlio República do Paraguai
22. Sociedade Cultural Mario Pinto Serva, Braço Trombudo, Trombudo
- Coro Masculino de "Independência"
Central São Paulo
23. Coro Misto de Dona Emma, Dona Emma, Presidente Getúlio
- Coro Misto da Sociedade Filarmônica "Lyra"
24. Coro Misto da Comunidade Luterana de Guaramirim, Guaramirim
25. Coro da Igreja Evangélica de Itoupava Central. Rio Grande do Sul
À Liga estão afetas as festas regionais de cantores, que se realizam às - Coral Misto da Prefeitura de Porto Alegre
expensas das sociedades de canto, dos próprios cantores e às vezes, com o - Coro Misto "Cruzeiro do Sul", de Porto Alegre
apoio do Governo de Santa Catarina, Secretaria de Esporte, Turismo e Cultura - Coro Misto "Elsenau", de Panambí
e Fundação Catarinense de Cultura. Com o tempo, mais difícil se torna Santa Catarina
sediá-Ias nos diversos municípios e geralmente quem as sedia é o Centro - Coral da Sociedade Cultural e Artística de Joaçaba
Cultural "25 de Julho" de Blumenau. - Coral da Sociedade Lyrica de Joinville
A partir de 1971, a sensibilidade do Prefeito Evelásio Vieira em apoiar do Vale do Itajaí
as nossas tradições, culminou com o I Encontro Internacional de Cantores, sob - Ribeirão Uru, Presidente Getúlio, Ibirama, Pomerode, Benedito Novo, Timbó,
o patrocínio da Comissão Municipal de Turismo. No governo de Antônio Warnow, Testo Salto
Cados Konder Reis, os encontros receberam patrocínio do Governo do Estado. de Blumenau
Participam também do Calendário Turístico do Estado e do Município. - Salto do Norte, Balança, DI. Blumenau, Lyra e o Coral Masculino
O primeiro encontro foi realizado nos dias 17 e 18 de julho de 1971, e "Liederkranz", do Centro Cultural "25 de Julho".
esteve a cargo do Centro Cultural "25 de Julho", cujo presidente Emil O desfile partiu da Praça DI. Blumenau, e pela Rua 15 de Novembro
Rossmark, com a colaboração do coral masculino "Liederkranz", diretoria e chegou até o Centro Cultural "25 de Julho", onde os integrantes foram
demais colaboradores, tornaram possível um encontro de tal monta. Esse recepcionados com foguetes e aplausos. As bandeiras foram colocadas no
evento cultural contou com a presença do Governador de Santa Catarina, decorado salão, colaborando para maior beleza do mesmo. Todos se
Co10mbo Machado Salles, e Evelásio Vieira, Prefeito Municipal de Blumenau. acomodaram no salão, aguardando a chegada do Governador do Estado,
Os corais participantes foram recepcionados no dia 17, dirigindo-se em seguida Colombo Machado Salles, que havia confIrmado a sua presença. O Coral
para os alojamentos. Às oito horas da noite, estavam todos no decorado salão Masculino "Liederkranz", do Centro Cultural "25 de Julho", estava no palco
do Centro Cultural "25 de Julho" para a confraternização. Após a canção de aguardando a chegado do Governador para saudá-Ia com uma canção. Pouco
boas vindas pelo Coral Masculino "Liederkranz" do Centro Cultural "25 de depois das nove horas, o espoucar dos foguetes anunciava a chegada do
Julho" de Blumenau, o orador da Liga Cultural e Recreativa Vale do Itajaí, Governador, que foi saudado pelas mil e quinhentas pessoas presentes. Assim
Josef Prachthãuser, que o Governador, acompanhado do Prefeito Eve1ásio Vieira, ocuparam os
seus lugares, o "Liederkranz", di-
:igido por Eugen Seelbach, cantou "Cid,ade Pal.ácio", ~ino da ci?~de de lide-
Blumenau com texto do professor Jose Ferrelra da Silva e muslca de Francisco' rada ~or, Emil Rossmark, seu presidente, e principalmente o bom tempo,
Correia. O Governador ficou comovido com a acolhida. Na )portunidade, o contnbUlram para que esse Encontro Cultural ficasse na lústória de Blumenau.
professor José Ferreira da ~ilva, g:-ande conhecedor da :listória de Blumenau, Outros encontros se sucederalu, porém, o segundo encontro realizado
fez uso da palavra citando fatos, entre eles, que desde os primórdios da nos dias 12 e 13 de agosto de 1972, marcou, porque além de contar com a
colonização, Blumenau ama a música e canto ;omo um fator de progresso da participação dos corais "Villa Ballester", da Província de Buenos Aires -:- Rep.
ComUlúdade e harmonia social, resultando a satisfação da Comunidade no Ar~~ntina; Co~al, "~nião e Desportivo Eldorado" - Rep. Argentllla; Coral
trabalho e o progresso cultural do Estado e da Nação. Voltou aos idos de 1863, Club de G1l1astlca Guatambu" de Monte CarJo - Rep. Argentina; Grupo Vocal
quando o grande Vale do [tajaí não tinha mais de quinhentos moradores e já "Mocana" de Posadas - Rep. Argentina; Coral de "Hohenau" - Rep. do
tinha a sua Sociedade de Canto. Os colOlúzadores que vieram com o Doutor Paraguai; e os corais do Rio Grande do Sul:
Blumenau trouxeram da sua velha pátria a tradição da música e do canto não só Coro da Juventude da Sociedade "25 de Julho", de Porto Alegre; Coro da
para relaxar das suas árduas tarefas diárias e sim para criar ânimo e Sociedade "Aliança" de Hamburgo Velho e Coro Masculino de "Igrejinha". De
perseverança neste lado do Atlântico, onde edificaram uma nova civilização. Curitiba, Param!, apresentou-se o coro do Círculo Brasil-Germânico. De Santa
Uma c~vilização que colocou Santa Catarina como potência em trabalho, Catarina apresentaram-se o Coro da Sociedade Artística Cultural de Joaçaba;
moral1dade e prestígio cultural entre os demais estados. 9uando em 1880 a Coro da Associação Coral de Florianópolis e demais coros do Vale do Itajaí e
independência política coroou o traball:o dos colon~~a~ore~, e quando cidade de Blumenau, contou talUbém com a participação de duas mulheres
surgiram as muitas cidades neste maraVilhoso Vale,.Ja ~nClOnaVal~ ,d~zenas regentes: a maestrina Ruth Ferreira Gebler, que regeu o Coro da Associação
de Sociedades de Canto instaladas por todo o ll1tenor do terntono Coral de Florianópolis, com cinqüenta figuras e a senhora Rettich, que regeu o
blumenauense. Para encerrar, o professor José Ferreira da Silva disse para o pequeno coral de Warnow. Muito aplaudido foi o grande coral de "Hohenau",
Governador que todos depositavalu es~eranças no seu projeto de da Rep. do Paraguai, regido por um jovem de dezoito anos de idade. Na
desenvolvimento para o Estado de Santa Catarnm. .' ocasião, o Coral Masculino "Liederkranz", do Centro Cultural "25 de Julho",
Pouco antes de se retirar, o governador, apesar das mUltas obnga- cantou a composição do Maestro Heinz Geyer, "Frau Musika". O coral que na
ções, não se furtou de ir ao palco e agradecer as manifes~ações de ap~eço época funcionava sob a regência de Eugen Seelbach com a colaboração do
recebidas bem como agradecer especialmente aos corais da Argentll1a, Maestro Heinz Geyer foi muito aplaudido pela belíssima atuação.
Paraguai: Rio Grande do Sul, São Paulo e demais cor~i.s ~ela participação em O I Encontro Internacional de Cantores foi realizado em 1971, o
evento cultural tão importante. O Governador fOI vlvament~ ovacionado e todos segundo em 1972, o terceiro em 1973, quando passaram a ser realizados
agradeceram a sua presença. Pouco depOIS, o governador despediu-se, bienalmente. Esses encontros reúnem em média setecentas pessoas, entre
enquanto que Evelásio Vieira, Prefeito Mmúci- cantores e cantoras. Os encontros são promovidos pelo Centro Cultural "25 de
paI, penuaneceu no local. .' ._ Julho" de Blumenau e se realizalll nas dependências do mesmo. Os encontros
O júri encarregado de julgar os corais teve mUltas dlÍlculdades, também contam com a colaboração do Governo do Estado de Santa Catarina e
pois todos se apresentaram muito bem. Pelas cinco horas da tarde, com palavras Prefeitura Municipal de Blumenau. O encontro de 1983 não se realizou devido
do Prefeito Evelásio Vieira, foram distribuídos os. p~êmios. Após o café, todos à grande enchente em Blumenau.
se reuniralu no salão. su~er .lotado. A COllllssao p~ra os visitantes tomou lugar Entre os participantes de Encontros Internacionais de cantores,
no palco para dlstnbUlr entre os mesmos, alem do prêmio, um belo ramalhete de Blumenau contou com a presença dos corais: "Bodensee-Madrigal-Chor" da
flores. O Prefeito Evelásio Vieira subiu ao palco e falou sobre os laços culturais Alemanha; Asociacion Coral "Alemana" de Montevideo - Rep. do Uruguai;
que envolv~n: esse~ encontros. Em seguida, foralu distribuídos os prêmios. As Centro Regional de Educacion de Encarnacion - Paraguai; Coral Cultura
~ehssllllas ll1te~r~tações a presença do Governador, o interesse da Prefeitura e Artística de Nova Friburgo - RI; Sociedade de Cantores "Aliança" de Marechal
da COllllssao para ~s visitantes, a organização do Centro Cultural "25 de Julho", Cândido Rondon - PR; Sociedade "Harmonia"
de Campinas - SP; Universidade Católica de Campinas - SP; Sociedade "Rio instituição da agulha data de 1926 e é preferida. Essa honraria é atribuída aos
Branco" de Curitiba - PR; Coral "lcotron" de Gravataí - RS; Coral Municipal cantores por decisão da diretoria ou associação numa ocasião especial ou
de Montenegro - RS; "Cocal" Coral de Canoas - RS; Sociedade de Canto durante os ensaios. Além dessas honrarias,' os jubilados terão seus nomes
"Lyra" de Estância Velha - RS; Associação Coral de CriciÚIlla - SC; publicados em jornal ou revista especializada. A diretoria da sociedade ou
Sociedade Coral "Harmonia" de Piratuba - SC; Associação Coral de São Bento associação coral poderá também dispor de outras alternativas de premiação.
do Sul - SC e outros. Tam~ém os dirigentes de corais que tiverem comprovados os seus 25 ou maiS
A Liga Cultural e Recreativa Vale do Itajaí, promoveu no dia 17 de anos de atuação farão jus à agulha com coroa de prata trabalhada em ouro. Para
junho de 1984, no Centro Cultural "25 de Julho" de Blumenau, 033° Encontro auferir esta honraria, o regente deverá comprovar que ainda está em atividade.
Regional de Corais, do qual participaram treze corais. De Blumenau Esta honraria foi instituída em 1954. Os pregos de ouro e prata nas bandeiras
participaram: o Coral Masculino "Liederkranz", Coral Misto e Coral Infantil do das Sociedades de Canto têm a mesma conotação honrosa. '
Centro Cultural "25 de Julho"; o Coral da Igreja Martin Luther o Coral Misto Uma honraria diferente - uma Pokal de prata brasileira, foi atribuída a
Texto Salto;, Camerata Vocale; Coral ARS Sa- Paul Hering no dia 12 de dezembro de 1933, por sua participação ativa em
cra e Coral da Sociedade Cultural Salto do Norte. corais durante cinqüenta anos. A honraria foi entregue pelas mãos do Dr. Hans
De outros municípios compareceram os corais: Associação Coral "VilaLobos", Pape, presidente da "Sangerbund Itaj allY tal " .
de Itajaí; "São Ludgero" de Ituporanga'Coral Masculino "Cruzeiro" e Coral A maior das honrarias coube a Oswald Buerger, que recebeu pelos seus
Misto "Cruzeiro" de Presidente Getúlio; Coral da Sociedade Recreativa é cinqüenta anos de dedicação às Sociedades de Canto, a agulha de ouro da
Cultural de Timbó; Coral da Sociedade Cultural de Ibirama. O evento contou D.S.B. da Alemanha, um Diploma de Honra, bem como uma passagem para
com a presença do maestro José Acácio Santana coordenador de corais em assistir à festa estadual de cantores na Alemanha. A homenagem foi realizada
Santa Catarina. O encontro teve o apoio d~ Governo do Estado de Santa na festa organizada pela Sociedade Recreativa e Cultural Lyra, nas
Catarina, Secretaria de Esporte, Turismo e Cultura e Fundação Catarinense de dependências do Centro Cultural "25 de Julho", nos dias 17 e 18 de maio de
Cultura. 1969.
A "Sangerbund Itajahytal" teve como primeiro presidente Louis Abry,
seguindo-se, Peter Christian Feddersen, Dr. Hans Pape e Ralph Gross. Fritz
Kretzschmar foi por muitos anos, o tesoureiro. O secretário, por muitos anos,
foi G. Arthur Koehler, que colocou o "Der Urwaldsbote" à disposição dos
eventos culturais. Aliás, no dia 18 de maio de 1958, foi publicado o programa
da Festa de Cantores realizada na sede social do "Cruzeiro" F. C., de Presidente O Grande Vale do Itajaí cresceu embalado pelas valsas, polcas,
Getúlio, num jornal totalmente dedicado à Liga Cultural e Recreativa Vale do marchas, schottisch, laendler, executadas pelas "Musikkapellen" (Conjuntos ou
Itajaí. Bandas Musicais), que caracterizam a música do Vale do Itajaí.
A "Sangerbund Itajahytal" teve por duas vezes suas atividades sustadas, A bandinha é uma das manifestações mais autênticas e culturais do Vale
ou seja, durante as duas guerras mundiais. Voltou a funcionar em 1952, com o do Itajaí.
nome de Liga Cultural e Recreativa Vale do Itajaí e teve os seguintes Desde os primórdios da colonização, os professores que vinham
presidentes: Oswald Buerger, Emil Rossmark e Manfredo Bubeck. contratados para lecionar Letras às crianças traziam conhecimentos em nível
Honrarias - Desde 1913 já se atribuíam honrarias a corais jubilados. Ao elevado e eram aptos para lecionar música, formar e reger bandas e corais, pois
cantor ou cantora que participar ativamente durante 25 anos, em coral, será na Alemanha a música tàz parte do currículo escolar, desde as primeiras letras.
atribuído diploma de honra, broche ou agulha trabalhada em prata. Para os 50 Além dos professores, aportaram também em Blumenau colonizadores com
grandes conhecimentos musicais e músicos for-
anos de participação ativa, o cantor ou cantora fará juz à agulha com coroa de
ouro. Para os cantores que atuarem 60 ou mais anos como ativos, será l mados em famosas escolas de música e que haviam atuado na Alemanha.
atribubída a agulha com coroa de ouro e laço. A
A partir de 1864, se apresentavam em Blumenau quartetos, solistas e bandinhas Nascinemtno de Antônio Carlos Gomes, com marcha dos escolares, pela
musicais. A primeira bandinha de Blumenau foi fundada por Hermann manhã, até a Praça "Carlos Gomes" hasteamento da Bandeira e Hino Nacional.
Ruediger e se caracterizava pelo estilo fanfarra. O contexto musical do Vale do Às doze horas, Brasilino d~ Carvalho pronunciou discurso, atra~és da R.ád~o
Itajaí inclui dezenas de bandinhas e centenas de músicos. As bandinhas CI?be de Blumenau, traçando a biografia do grande compOSItor brasIleIro. A
sofreram restrições durante as duas guerras mundiais, pois os músicos tarqe, foram projetados filmes sobre a natureza e retreta na Praça Pública. A
geralmente acompanhavam as músicas cantando em alemão. noite, foi apresentado um concerto de gala no Theater und Musikverein
Também marcam a música do Vale do Itajaí os tocadores de Ban- "Frohsinn", sob a batuta do Maestro Heinz Geyer, com o seguinte programa:
donion, sempre requisitados para festas. Hino Nacional Saudação pelo Dr. Hans Gaertner, com comentário sobre a vida
A música clássica em Blumenau atingiu o seu apogeu com o compositor de Ca~los Gomes, Hino a Carlos Gomes com texto do Dr. Oliveira e Silva e
e Maestro Heinz Geyer, entretanto, em 1918, sob a orientação do professor Max música de Heinz Geyer para coro, orquestra e solo. Na segunda parte, o Presi-
Humpl, um concerto de grande gabarito realizado no salão Holetz, no dia 20 de dente da Câmara de Vereadores, José Ferreira da Silva, falou sobre a data. De
fevereiro, marcou a cidade quando foram apresentados: autoria de Carlos Gomes, foram executadas as seguintes peças musicais:
1 - Abertura de Kéler Bela (orquestra); Fantasia da ópera "Escravo", "Senza tetto e cenza cuna" e a Abertura da ópera
2 - Le Reveil du Printemps de Bach (solo de violino, por Max Humpl); 3 - "O Guarani". O concerto foi o ponto alto das comemorações.
Concerto Fantasia de Ernst Koehler (solo de flauta, por Colin); Com a dispensa do Maestro Geyer em 1971, rompeu-se a tradicional
4 - L' Addio a N apoli de T. Coltra (canto, por Max Humpl); estrutura do grande coral e orquestra sinfônica formada por amadores. Em
5 - Rapsódia Húngara de Liszt (solo de piano, por Garbe);
6 - Melodia de Chiostri (solo de violino, por Max Humpl); 1981, formou-se a Orquestra de Câmara de Blumenau, com 70% de
7 - Abertura de Cyrill Kistler (orquestra); profissionais importados, e os nossos músicos passaram a atuar no Centro
8 - Abertura de Bodas de Fígaro, de Mozart (solo de flauta, por Colin); 9 - Cultural "25 de Julho" e outros locais. A Orquestra de Câmara de Blumenau é
Sou Solo Soletto, de Victor Avoni (canto, por Max Humpl); uma das melhores no gênero no país, com LPs gravados e apresentações nos
10 - Concerto de Violino, de Beriot, Op. 100 (solo de violino, por Max maiores centros urbanos do Brasil e exterior.
Humpl); Em 1949, foi fundado o Conservatório de Música "Curt Hering", atual
11 - Marcha de Lohengrin, de R. Wagner (orquestra). Escola Superior de Música.
Em 1921, chegou a Blumenau Heinz Geyer, músico formado, que sem No dia 4 de novembro de 1955, foi apresentado no Teatro" Carlos
interferir na beleza e tradição musical das bandinhas, é o ponto culminante na Gomes" uma "Grande Conferência-Concerto" sobre o tema, Nascimento e a
música, principalmente a clássica, no Vale do Itajaí. Heinz Geyer regeu, no dia Evolução da Música, com narração do escritor L. Romanowski e a participação
15 de setembro de 1923, um concerto com a seguinte programação: do tenor Felippo Baroni e o chansOlmier Roberval, que interpretaram, entre
1 - Canções Populares, potpourri de Roedel; 2 - outros números, Madrigal (século XVI), de Caccini; Sento dei Core (Séc.
Die -diebische Elster, Abertura de Rossini; 3 - XVII), de Scarlati; Bergerete (Séc. XVIII); M'Endormir Pres de Toi, de
Andante da I a Sinfonia de Beethoven; Baquete-Mailet; O DeI Mio Dolce Ardor de Gluck; Femmes de France de
4 - Intermezzo da Op. Cavalleria Rusticana de Mascaglú; Alstone; Serenata de Schubert; La Chanson de Paria de Jean Drejàc; Romansa
5 - Weltvergessen (valsa) de Alletter (incluída a pedido na programação); 6 - di Tarssilo de Kalmann; Pigalle de Ulmer, com acompanhamento ao piano pelo
Martha, Abertura de Flotow; professor Oleh Gabrussewycz, sob o patrocínio do Prefeito Municipal de
7 - Herzen und Blumen de Czibulka; Blumenau, Dr. Gerhard Neufert, comércio e indústrias de Blumenau.
8 - Dynamiden (valsa) de Josef Strauss; Na década de cinqüenta, e durante muitos anos, funcionou em
9 - Aparecimento dos Espíritos (marcha) de Heinz Geyer. Blumenau a Escola de Aperfeiçoamento e Interpretação de Acordeon
No dia 11 de julho de 1936, foi festejado em Blumenau o Centenário de
fundada por Rudy Beckhauser, que apresentou no dia 5 de setembro de 1959, Miragem, Rallo e Nirvana, que também se apresentavam em boates e festas
no Teatro "Carlos Gomes", como parte da programação da Semana da Pátria, particulares. O show Blumenália contou também com música sertanej.a
um grande festival infantil, no qual se apresentaram duzentos acordionistas. Na ~Zezinho e Valdoninho) e som de MPB, com Dorvalino, professor de vlOlao
época, o acordeon e as gaitas eram destaque e Rudy Beckhauser inaugurou no no Centro de Cultura, e outros artistas.
dia 2 de novembro de 1960, no andar térreo do Edifício Beckhauser, a "Casa Em 1980, Blumenau contou com o Projeto Pixinguinha, com apre-
das Gaitas e Palácio das Músicas". Compareceram à inauguração o Prefeito sentações no Teatro "Carlos Gomes" de grandes nomes da nossa Música
Municipal, autoridades e pessoas de projeção da sociedade local, sendo Popular Brasileira.
oferecido um coquetel e show com números musicais a cargo de Rudy . A~ ~presentações musicais visando arrecadar fundos para obras
Beckhauser. Além dessas apresentações eram comuns as "Noitadas de Arte", ~sslstenclals sempre mereceram destaque em Blumenau, e uma das mais
com alunos de Beckhauser. 1lllportantes foi realizada no dia 23 de setembro de 1987, quando foi realizada
Na mesma época, o músico Werner Arnold mantinha uma Academia de a Noite de Arte do pianista Angelin Loro e seu filho Rafael Loro de 11 anos, ao
Música no primeiro andar do Magazin Paulista (esquina da rua XV de violino. O concerto foi promovido pela Associação d~ Cegos do Vale do Itajaí,
Novembro com Padre Jacobs), com grande número de alunos. com apoio das Lojas Maçônicas de Blumenau liderada pela Loja Obreiros de
Na década de setenta, com o advento da televisão em Blumenau, Salomão N° 39. Na ocasião, proferiu pa~ lestra Frei Anselmo, defíciente visual.
programas musicais eram realizados ao vivo, principalmente no CÍne Busch, O espetáculo também contou com a participação do coral "Camerata Vocale".
onde o Canal 3, atual RBS, oportunizou a revelação de valores locais e A arrecadação foi em benefício da construção da sede, visando a habilitação do
formação de vários conjuntos musicais. cego no ensino profissional, inclusive uma escola de alfabetização pelo métido
Em 1974, numa promoção dos Diretórios Acadêmicos e Departamento Braille.
de Cultura da FURB, foi realizado no Teatro "Carlos Gomes" o show "Brasil, Além da Escola de Música do Teatro "Carlos Gomes", funcionam cursos
suas raízes musicais" . de música, dos mais diversos instrumentos, ministrados por particulares e
Em setembro de 1979, foi fundada em B1umenau a Pró-Música, sendo também no Conservatório de Música e Arte Sol Maior, onde são ministrados
a primeira diretoria integrada por Eutraclínio dos Santos - Presidente; Gertrud cursos de violão, pistão, sanfona e outros instrumentos.
Schroetter - Vice-Presidente, Comado Odebrecht - Secretário Geral, Ernesto
de Souza - 1 ° Secretário, Osmar da Silva - 2° Secretário, Rui Moreira da Costa
"MU8IKKAPELLEN',
- Tesoureiro Geral, Lolita Mello - 1 ° Tesoureiro, Rui Willecke - 2° Tesoureiro
e Neide Coelho - Diretora Artística. (Bandas de Música)
O Departamento de Cultura da Prefeitura Municipal de Blumenau,
promoveu em 1979 o show "Blumenália", um espetáculo de variedades, As "Musikkapellen" (conjuntos ou bandas musicais) tinham um papel
reunindo artistas locais nas áreas da música, poesia, canto, dança, teatro e importante na vida artística, social e cultural da Colônia. Abrilhantavam as
mágica. festas e alegravam os bailes, principalmente os bailes públicos. Hermann
O show Blumenália, além de apresentado no Teatro de Bolso e FURB, Ruediger fundou e dirigiu a primeira "Musikkapelle" da Colônia Blumenau.
também foi apresentado na rua, e em 1982, numa promoção de Guido Heuer e Ruediger regeu concertos no Teatro "Frohsinn", salão dos Atiradores, salão
Horácio Braun, num palco montado no meio do rio ItajaíAçu. Participaram dos Holetz, praças, salões e outros locais, durante as festas de Páscoa, Natal,
primeiros shows o Corpo de Dança "Maria de Caro", o poeta Lindolf Bell, o Pentecosstes, aniversário das sociedades, carnaval, comemorações e outras
grupo teatral "Ribalta" (mímica e humor), Roland Zwicker (mágica), Eduardo festividades. Em 1864, formou-se também o quarteto de Wilhelm Scheeffer,
Vidossich (piano), Roi Kellennann (canto), Camerata Vocale (coral) sob a que tocou no primeiro aniversário da Sociedade de Canto "Germânia", porém
regência de TeImo Locatelli e outros. O show Blumenália contou com os após essa apresentação nada mais consta sobre o referido quarteto. A
grupos musicais: Grifo ou Se- "Musikkapelle Ruediger" atuou em
mentes da Terra, Vlad V, Holocausto, A Folha, Q. G. da Paz, Blackout,
19.
Blumenau e adjacências por mais de cinqüenta anos, participando ativamente esquecidos durante os festejos
da vida da Comunidade. Quando a memória do Chanceler Otto von Bismark foi de Momo. A Sociedade de Atiradores, que era o centro social artístico e
homenageada no dia 14 de agosto de 1898, a "Musikkapelle Ruediger", ao lado cultural da Colônia, foi palco de centenas de bailes de másca;as. No salão de
do coral misto "Hannonie", abrilhantou as homenagens. Para angariar fundos Karl Wilhelm Friedenreich também eram realizados os bailes isto quando o
para a construção do monumento ao Doutor Blumenau a Comunidade salão da Sociedade de Atiradores era muito pequeno. O ':B1um~nauer
blumenauense promoveu no Teatro "Frohsinn", no pr~neiro dia de Pentecostes Zeitung" de 7 de fever~iro de 1885, publica convite para um baile de máscaras
de 1900, um cocnerto público regido por Ruediger. Também em benefício da na Casa dos AtIradores a ser realizado no dia 15 de fevereiro de 1885. A nota
Comunidade Evangélica o concerto da "Liebhaber Kapelle Ruediger" , diz o seguinte: "Será realizado o baile de móscaras no qual todos terão acesso. O
realizado no dia 15 de novembro de 1902, apresentou belíssimos números preço para as máscaras, inclusive o baile, é de 500 réis; os não mascarados
musicais. pagarão 300 réis e mais uma taxa para a música. Ninguém poderá dançar
Depois de Ruediger, outros conjuntos musicais foram surgindo, bem antes de tirar a máscara, e os mascarados não deverão ser molestados.
como verdadeiras bandas musicais, inclusive no interior da Colônia, ATENÇÃO: caso haja desfile, os cavalos e carros estarão à disposição. O
destacando-se a "Musikkapelle", de Karl Lingner ou "Lingnerkapelle". baile terá início às 8 horas e trinta minutos. As móscaras já chegaram e
Ruediger e Lingner tocavam muitas vezes em conjunto, princ~p~lmente nos poderão ser adquiridas com o senhor Franz Lungershausen ". O convite
bailes comemorativos (11 de novembro de 1883), quanfo 1m homenageado comprova que mesmo na Sociedade de Atiradores também se
Martin Luther. Todos os anos, no dia 2 de setembro, o Imperador do Brasil era promoviam bailes públicos.
homenageado com um concerto, porém em 1883, a homenagem incluiu um Em 1897, foi fundado o Clube Carnavalesco "Filhos do Inferno"
concerto às três horas da tarde. No segundo dia de Natal do mesmo ano, à tarde que festejava Momo com muita alegria, baile e desfile. '
e também à noite, no baile, a banda Ruediger se apresentou como Ruediger & Em 1909, foi fundado o "Club Unter Uns", que promoveu o seu baile de
Lingner. No concerto de Natal, apresentado no dia 20 de dezembro de 1884, a máscaras no salão Holetz, animado pela banda Werner, com prêmios para as
Lingnerkapelle apare- melhores fantasias para homens e mulheres e também para a originalidade,
ce como Ruediger & Lingnerschen Kapelle. . com entrada de Momo pontUalmente às 11 horas e 11 minutos.
Famosa na época foi a banda de Gustav Werner, barbeiro, Ofi- . Os festejos carnavalescos eram animadíssimos com cortejo que, a partir
cial de Justiça e grande pistonista que fundou, com seus filhos, o C~njunto das 4 horas da tarde, desfilava pela então Avenida Doutor Blumenau, onde era
Werner. As bandas de Ruediger e Werner tocav~ em e~tllo "fanfarra". A banda feita uma batalha de flores e um baile a fantasia no último dia de Carnaval no
Werner participou das festividades dos vmte e cmco anos do vapor "Progresso", salão do Teatro "Frohsinn"22. Também eram comuns pelo Carnaval os
entre Blumenau e o porto de Itajaí, no dia ~9 de dezembro de 1904. "Lumpenball" (Baile dos Andrajosos), que geralmente eram realizados no
Participavam da Banda Werner, além dos seus fIlhos, Oswald, Otto, August e salão dos Atiradores e também em outros locais como no Restaurante
August Werner Júnior, E~nst Kaestne~, Eugen Krepski, Otto Kaestner, Zwoelfer, que além dos "Lumpenball", promovia também "concertos
Hermaml Baumgarten, .Rlchard S~hnelder, Ernst Haupt, Ernúnio Moser, familiares com a banda Baumgart até às 12 horas da noite na parreira, sem
Hermann Schnelder e WIlhelm dança "23. Os nossos colonizadores marcaram presença com sua musicaJidade
Schneider. desde o alvorecer da Colônia em tudo, pois até nos banquetes, principalmente
As bandas musicais e os bailes promovidos pelas sociedades, esti- para visitantes ilustres, as bandinhas davam o seu toque mágico. No dia 18 de
mularam a construção de salões de bailes públicos na Colônia, geralmente por maio de 1901, Blumenau recebeu a visita do Dr. Felipe Schmidt e o ilustre
iniciativ~ de comerciantes. Eram democráticos, pois, confraternizavam ricos e visitante foi homenageado também pelas bandas Lingner e Graupner. Em
pobres, moços e velhos, patrões e empregados, com grande alegria e muita 1903, o Coronel Vidal
cerveja fabricada na Colônia. No início todos os bailes eram públicos, mais
tarde as sociedades promoviam bailes sociais além dos bailes públicos. Os 22) "Blumenauer Zeitung" de 02/03/1919.
23) "Blumenauer Zeitung" de 12/12/1926.
nossos colonizadores se divertiam muit~, e os bailes de máscaras não eram
20.
Ramos visitou Blumenau e a bandinha "Freitheit" (Liberdade) abrilhantou a concertos na Argentina, para onde mudou-se posteriormente com toda a
homenagem tocando no banquete. Também a Varanda Seifert programava às família. Bernhardt obteve grande sucesso, principalmente no exterior. O
sextas-feiras, a noite alegre musical com a banda "Bávara", de Walter Seifert24• "Blumenauer Zeitung" de 4 de outubro de 1913, em Notícias Locais, teceu
Um acontecimento que marcou Blumenau em 1909, e que continua comentários sobre a vinda da família Bernhardt e, segundo a nota, ele era um
marcando com sua presença todos os acontecimentos importantes da grande dirigente que, na Argentina, Uruguai e Chile, fez nome com o conjunto
Comunidade, foi o 55° Batalhão de Caçadores, hoje 23° B.1.. No dia 29 de abril musical fonnado somente por integrantes de sua família. Em Blumenau, a
de 1909, pouco depois das 20 horas, o vapor "Blumenau" apontou na curva do família Bernhardt apresentou o seu primeiro concerto no dia 7 de outubro de
rio, e em seguida atracou no porto do Jardim "Hercílio Luz", trazendo para 1913, concerto que lotou o Teatro "Frohsinn". Segundo a crítica, a
Blumenau o 55° B.C., com 30 músicos e 18 oficiais, ao todo 125 homens, entre Comunidade blumenauense "teve uma noite inesquecível que deve ter
soldados e graduados. A banda Werner tocou o Hino Nacional e a banda do agradado a todos os espectadores. O mais jovem dos integrantes, Udo, foi
batalhão, tendo como comandante Crispim Ferreira, ainda a bordo, tocou o sublime ao xilofone ". O primeiro concerto do "Damen Orchester"
Hino da Prússia. No dia 8 de maio, portanto oito dias após o desembarque em (Orquestra de Damas), da família Bernhardt foi realizado no dia 16 de
Blumenau, a banda de música do 55° B.C. tocou no Jardim Público das 4 às 6 outubro de 1913, no Teatro "Frohsinn", e a crítica elogiou a interpretação
horas da tarde de domingo as seguintes peças musicais: da "Orquestra de Damas", dizendo que "as partituras tiveram uma
excelente interpretação, e que além de trechos de operetas famosas,
13 Parte: 1 apresentaram peças musicais bem mais difíceis. A primeira violinista
- Minerva (marcha) tocou com suavidade e maestria. Todos esperam que concertos dessa
2 - Fausto (ária de pistão) natureza se repitam ". Do programa do dia 16 de outubro constaram
3 - Saudades de Nenem (valsa) 4 números como: Cavalaria Ligeira (ouverture), de Suppé; Serenata de
- 2 ° Regimento (dobrado) Schubert; O Trovador, de Verdi; a Sinfonia do Guarani, de Carlos Gomes;
5 - Quando o amor morre (valsa) O Barão dos Ciganos (potpourri) da Op. de J. Strauss; Cavalaria Rusticana
(fantasia) da Op. de Mascagni; Tannhaeuser' (marcha), de R. Wagner;
23 Parte: Huguenotes (fantasia) da Op. de Meyerbeer, entre outros. A família
6 - Stella Confidente (romanza) 7 Bernhardt apresentou-se no Teatro "FrohsiIm", Hotel Holetz, Teutónia,
- Saudosa (valsa)
hoje Ipiranga e também no salão Lueders, de Indaial. No dia 9 de
8 - Maxixe de ferro (tango) 9
novembro, o concerto da "Orquestra de Damas" da família Bernhardt foi
- La Marine (dobrado)
em benefício da Escola Nova, e do programa constaram números como: As
Bodas de Fígaro (ouverture) de Mozart; Sonho de Valsa, de Strauss;
10 - Gaúcho (tango)
Operetten Revue (potpourri(, de Fetras; Preciosa (fantasia), de Carl M. V.
Esta foi a primeira retreta da banda de música do 55° B.C. em
Weber; O Vendedor de Pássaros (potpourri), de Zeller; N onna (fantasia), da
Blumenau, e que a partir dessa data passou a integrar a vida artística, social e
Op. de Bellini; Orfeu no Inferno (abertura), de Offenbach; Rapsódia Húngara
cultural da Comunidade. Segundo o jornal "Der Urwaldsbote" de 5 de junho de
nO 2, de Liszt; O Estudante Mendigo, da Op. de Milloecker; Dança Húngara
1909, a banda de música do 55° Batalhão de Caçadores participou do desflle da
nO 5, de Brahms e outros. No dia 16 de novembro, no salão Holetz, a
festa dos Atiradores nos dias 31 de maio e 1 ° de junho de 1909, festa de
"Orquestra de Damas" colaborou com a Sociedade de Canto Hannonie, com a
Pentecostes. Os músicos militares tiveram atuação importante na Orquestra
peça musical "O Califa de Bagdad" (abertura), de Boeldieu e "Martha" (tanta-
Sinfônica do Teatro "Carlos Gomes", sob a batuta do Maestro Heinz Geyer.
sia), de Flotow. No dia 24 de dezembro de 1913, no primeiro e segundo dia de
A banda de Ernst Bernhardt ficou famosa por ser formada por onze
Natal, a "Orquestra de Damas" da família Bernhardt apresentou o
membros de sua família. Bernhardt percorreu vários estados brasileiros, deu
seu último concerto com números musicais de Flotow, Offenbach, Lehar, mitos e bosque sombreado com muitos bancos. A cachoeira de Dittrich e o
Jeffel Suppé, Donizetti, Schubert, Mydleton, Hérold, Gounod, Bizet, Thomas, "Wolfsschlucht" (Vale do Lobo) em Altona, também eram locais muito
C. Gomes, Lincke, Leoncavallo, Verdi e outros. Foi uma verdadeira procurados para excursões, e os blumenauenses as programavam com
consagração, freqüência com banda de música, cantos, cenas cômicas e danças. Os as-
Ernst Bernhardt ficou no Uruguai, quando a sua "Musikkapelle" visitou sociados da Sociedade Musical Lyra excursionavam com freqüência até a
Blumenau, porém em 1919 veio visitar Blumenau, ocasião em que convidou os cachoeira de Dittrich e também até o "Wolfsschlucht". Os convites para
blumenauenses interessados em formar uma banda, para no Teatro "Frohsinn" excursões continham sempre a observação: "se não chover "25.
participarem da reunião, que resultou na fundação da Sociedade Musical Lyra, O "Jazzband Kapelle" apareceu sob a regência do Maestro Heinz Geyer,
que reunida posteriormente ao Club Musical, sob a batuta do Maestro Heinz e se apresentou pela primeira vez no baile a íàntasia, realizado no Teatro
Geyer, formou mais tarde a grande Orquestra Sinfônica do Teatro "Carlos "Frohsirm", no dia 27 de fevereiro de 1927.
Gomes" . As músicas de dança foram tacadas por dezenas de bandinhas e em
Havia no bairro da Velha, por volta de 1915, uma Sociedade de outros tantos salões, e as danças mais solicitadas eram as polcas, schottisch,
Quadrilha, que promoveu no dia 15 de maio de 1915, no salão Ehrhardt, um rheinlaender, laendler, quadrilha sueca, valsas. Os grandes bailes, geralmente,
"Kraenzchen", para o qual foram convidados, além dos associados do salão começavam com a "polonaise" e eram os instrumentos de sopro,
Michels, todos os amantes de quadrilha para participarem da promoção. O principalmente a trombeta, que a marcava. Apesar do grande número de
convite foi fonnulado pelo professor de quadrilha Hermann Schneider, tendo bandinhas e conjuntos musicais, as festas e os bailes também eram animados
na parte musical a banda Sclmeider e seus fIlhos. Quanto aos ingressos, os com o som bonito do "bandônion", que às vezes, também fazia parte do
cavalheiros pagaram 1$000 réis e as damas 200 réis. conjunto musical. Os "bandônions" eram muito requisitados, principalmente
A "Zigeunerkapelle" (Conjunto Musical Cigano), não foi esquecida, e nas festas de casamento.
na grande festa realizada no dia 22 de outubro de 1916, na Sociedade de Os bailes eram muito concorridos e os amantes de "Terpsícore" faziam
Atiradores, com barraquinhas, café, rifas, etc., com música no local, aparece longas caminhadas e viagens para participar dos mesmos. Depois do baile, era
pela primeira v..ez no salão, a "Zigeunerkapelle" com suas alegres "Weisen" comum muitos dos participantes acompanharem os músicos pelas ruas da
(canções). A noite, na sala do Teatro, música, quadros vivos, números de cidade, cantando. Alguns bailes eram divertidíssimos, principalmente quando
ginástica, baile e canções. O trem da E.F.S.C. fez horário especial. A eram intercaladas certas brincadeiras como a dança da vassoura: um dançarino
"Zigeunerkapelle" se apresentou por longos anos em Blumenau, participando ou dançarina dançava com a vassoura, porém ao som da batida forte da
também da grande festa da Sociedade de Atiradores, no dia 5 de maio de 1929. vassoura no assoalho, os dançarinos trocavam de par, e aquele que ficasse sem
Para esta festa foram programadas todas as diversões costumeiras. Do par era obrigado a dançar com a vassoura. Nos convites formulados para os
concerto, à tarde, participaram a Sociedade Musical Lyra, sob a regência do bailes, tanto sociais como públicos, sempre eram anunciadas as bandinhas e os
Maestro Heinz Geyer, a banda Wollinger, a Orquestra de Cordas da banda Boa respectivos salões onde os bailes eram realizados, através dos jornais da época.
Vista e a banda de Músicas Ciganas. Tudo foi organizado em beneficio do Além do salão dos Atiradores, Teatro "Frohsirm" e Hotel Holetz, inúmeros
fundo para o órgão da Igreja Evangélica e Sociedade de Senhoras Evangélicas foram os salões, as bandinhas e as respectivas localidades que realizavam
de Blumenau. regularmente os bailes, principalmente os bailes públicos, que marcaram a vida
As bandas tinham sempre o seu lugar de destaque e até nos piqueniques social de Blumenau. As bandinhas se revezavam entre os diversos salões das
eram solicitadas. A banda Werner animou o piquenique organizado por Emil mais diversas localidades. Além das bandas Ruediger, Lingner, Werner,
Marx na propriedade de Heinrich Reif, em Salto Weissbach, no dia 9 de março Freiheit, Lyra, Zigeunerkapelle, Boa Vista, Wollinger, Schl1eider, já citadas,
de 1919. A propriedade de Heinrich Reif, inaugurada no dia 9 de fevereiro de funcionaram ainda em Blumenau (Vale do Itajaí) as bandiIlhas: Sperber,
1919, era um local de recreio para as farrúlias, com churrasco, música, dança Geloscheck, Stadnik, Weingaertner, Ritzke, Bohmalli1,
dentro de um alpendre de pal-
Geyer & Gutz, Bork, Froehlich, Jensen & Bruch, Penzlien, Zandere, Gessner & dos antigos salões, são raros os atuantes, talvez alguns salões de sociedades como
Gelouscheck, Ladwig, SelbmaIm, A. Gauche, Bávara, Deutsche Kapelle (banda dos Clubes de Caça e Tiro, porém, outros surgiram e, mesmo durante as duas
alemã), Radloff, Liskow, Klueger, Engelmann, Koester, Novasky, Kuersten, guerras mundiais, apesar das restrições impostas pela nacionalização e do
Hauskapelle (banda da casa), Persuhn.& Irmãos, Blum & Werner, Walter Baumgart, policiamento, os salões funcionavam e os dançarinos se divertiam.
Franz Baumgart, Harmome, Seiler, Seelbach, Knaesel, Alegria, Ideal, Ramos, Os Clubes de Caça e Tiro que com a nacionalização se retraíram e estavam
Avahy, Corrêa, Prada e Concórdia. A banda da Empresa Industrial Garcia, que em fase de extinção, com o apoio do governo municipal, na década de setenta, por
festejou seus vinte e cinco anos nos dias 5 e 6 de setembro de 1931, no Club Garcia, iniciativa do então Prefeito Municipal Evelásio V ieira, muitos reativaram as suas
ainda funcionava ativamente em 1940, quando se apresentou no salão Persulm, de atividades. Os Clubes de Caça e Tiro desfilam na Semana de Blumenau, tendo à
Itoupava Seca, como "Jazzband Garcia". A banda fundada por Karl Lingner festejou frente as bandinhas, e se reúnem anualmente no "Grande Baile" das sociedades
seus 60 anos no dia 28 de julho de 1934,. sob a regência do filho Karl, que atuava na realizado sob os auspícios da municipalidade.
banda 48 anos, sendo WIlhelm Reif o mais velho integrante da banda (54 anos). As "Musikkapellen", que sempre alegravam as festividades desde os
Os salões, que geralmente funcionava.m junto às casas com~rciai~, bem primórdios da Colônia, durante a Segunda Guerra Mundial sofreram uma série de
como as sedes dos Clubes de Caça e Tiro, estavam sempre dIspomveis para restrições, principalmente no interior, onde os músico, quando "meio altos",
qualquer manifestação social, artística, cultural e .até polí.tica, pois além dos bailes cantavam em alemão. Sabe-se que muitas festas particulares, inclusive de
serviam para apresentar peç.as teatraIs.' ~ágICOS, cantores, músicos, corais, casamentos, sofreram incursões de "nacionalizadores", e que muitos noivos (a
sessões de cinema e reumões as maIS dIversas. noiva em traje de noiva) e todos os convivas do casamento foram levados para a
O elevado número de salões existentes em Blumenau e arredores nos dá cadeia pública do município, que funcionava no andar térreo da antiga Prefeitura
uma visão do alegre espírito da nossa gente. Municipal. Da ponte "Desembargador Pedra Silva", sobre o ribeirão Garcia,
Os filmes levados para os arredores de Blumenau eram exibidos nos salões podia-se ouvir os noivos e convivas presos tocanto e cantando em alemão com a
Hardt, de Indaial, Koehler, de Encano, Hofsess, de Warnow, Ralm, de Timbó, DoeU, maior naturalidade.
de Passo Manso, Kirsten, de Salto Weissbach, Jensen de Itoupava, Heidorn, de Entre todos os festejos, os de casamento eram os mais importantes e
Pomerode, Wehmuth, de Gaspar, Müller d; Timbó e outros. Geralmente os filmes, divertidos da Comunidade, e como as festas dos Atiradores, geralmente duravam
apesar do "Cinemaropho~" ter aparecido em Blumenau em julho de 1908, eram três dias. Os preparativos para essas festas eram feitos com muita antecedência e
mudos e animados por conjuntos musicais ou bandônions até 1930 quando do ad- tanto o noivo como a noiva faziam a sua tradicional despedida de solteiro ("Polter
vento do cinema falado em Blumenau. No salão Teutônia (Itoupava Seca), tanto as Abend"). Quando os noivos não promoviam o "Polter Abend", era comum os
exibições ci~1ema:ográficas como ,o~tros festejo~ eram animados pelo conjunto vizinhos jogarem os cacos de vidro, ou louça, dentro da casa da noiva. O bonito
musIcal fonnado pelos mUSICOS Kurt W111ckler ao piano e os irmãos Walter e dessas festas era o cortejo nupcial que em lugares sem estradas era feito a cavalo,
Eugen Seelbach, violino. No salão Hinkeldey, onde funcionava o Cine Garcia, Harry especialmente ajaezado para a ocasião. Quando o cortejo era feito com carroças, ou
Gauche animava as sessões carros de mola ("Kutsche"), tanto as carroças como os carros de mola eram
cinematográficas com o seu bandônion. .' enfeitados com palmitos e flores. O assento para os noivos era forrado com uma
Por volta de 1940, apesar da Segunda Guerra Mundial, cont111ua- toalha ou colcha branca, geralmente rendada ou bordada e até os cavalos eram
vam em plena atividade os restaurantes com pista de dança e música. ao vivo, enfeitados. Não faltavam os tradicionais·foguetes, os músicos e os cantores que
principalmente por conjuntos musicais, como a Varanda Toenjes, exibiam o seu talento e alegria com muita cerveja, tanto na ida para a Igreja como
na volta ao local da festa que, às vezes, de acordo com a posse dos noivos, era
famosa pela sua confeitaria e churrascadas. .'
festejada no salão dos Atiradores ou em outro salão. Além do banquete havia
Nas cidades do Vale do Itajaí, sempre se promoviam e amda se promovem
também o tradicional
bailes sociais e públicos animados por bandinh~s ou conjuntos musicais que têm
sua origem no alvorecer da Colônia. E evidente que
lile que geralmente se prolongava até o sol nascer. Nos bailes de ~asalento o disp~nsáveis à s~ f~nnação cultural, ministrados nas escolas da velha pátna
desde as pnmeIras letras.
momento aguardado com ansiedade pelas moças casadOlras, :>s p;imórdios
da Colônia, era o tradicional. "!~ngfern~anz" (Coroa 'upcial), e mais tarde Em 1962, o ilustre Prefeito Municipal de Blumenau H T ?eeke, cultor das
outras danças que pOSSIbIlItavam as mesmas de nossas tradições, cônscio da necessidade de ~s m~:%~~ se:em preservadas,
~anharem o buquê da noiva, ou um pedaço do véu. " a~r~vés do Decreto nO 412, de 21 de março de 1962 cnou a Banda MUlllcIpal
de Biumenau, sendo seu primeiro t ' Fra~ Baumgart. Pela Lei nO 1352, de 16 de
No "Jungfernkranz", à meia-noite, as m~ças casadOIras tonnava:n ma
dezembro de 1965, ~f~so~~ cedIdo aos compo-?-entes da Banda Municipal,
roda com a noiva no centro. Com a roda gIrando cantavam a cançao
por ensaio a que comparecess~~ .uma gratIfica.ç~o de meio salário mínimo
Jungfernkranz" e a noiva, de olhos vendados, es~olhia uma das moça~,
diário vigente no ~Ull1:I~IO, e uma gratIfIcação mensal ao maestro da banda
olocando sobre a cabeça da mesma a coroa nupcIal, e segundo a tradIão seria a
de meio saláno llllrumO. A banda é dirigida pelo músico Marc.íIio Pereira.
próxima a casar-se. Outro costwne er~ a noiva .dançar com os apazes e o
noivo dançar com as moças, em seg~.1lda .era feIta uma gran?e oda com os Anos se passaram e ~ :spírito das "MusikkapeIlen", apesar dos rev:zes e
.duas ?~rras mundIaIs, continua vivo como uma das manifestaçoes maIS
noivos no centro, cantavam e o nOIVO tlrava a coroa nupcIal ia noiva. A autentIcas e culturais da nossa Comunidade.
noiva jogava bem alto o seu buquê, que era muito disputado
leias solteiras. . . Em. setembro de 1962, começou a funcionar em Biumenau a Delag~cI.a
Dançar com a noiva, cortar um pedaço do ~éu, da!lç~r com ~ no~'o, RegIOnal da Ordem dos Músicos do Brasil, sendo o professor de vIOIlllO
cortar um pedaço da gravata, colocando certa llnportancIa em dlll~leI'0 numa Leopoldo Kohl.bach, o pru.neiro Delegado, que a dirigiu até maio de 1979. U~a
caixinha para que os noivos tivessem wn bom começo de vIda, ,ão, entre das ~~IOres conqUlstas dos músicos, através do professor Koh1bach, ~Ol o
outros, alguns costumes que ainda hoje persistem em alguns ocais bem como o hora~IO de cinco horas de trabalho e o registro dos músicos no InstItuto
.NacIO~al de Previdência Social (INPS), como autônomos. A DelegacIa
hábito entre os pomeranos de os noivos, ao chega'em e~ casa, encontrarem pão
~egIOnal da Ordem dos Músicos de Blwnenau atende a todo o. Vale do Itajaí.
e sal sobre a mesa, para que, segundo a radição, nunca lhes tàltasse.
Esses costumes ou tradições pouco a pouco estão desaparecendo. E as Estão inscritos na Ordem dos Músicos os seguilltes C011Juntos e bandas
serenatas? Entre os amantes da serenata, além dos músicos :J.ue ao tenninar o musicais: "Banda Musical Cavalllho Branco Ltda., O~ Montanari, Erinho e sua
baile continuavam toca~do pelas ruas saudando ~ amanhecer era muito Orquestra, Conjunto de Ritmo Society, Amen~a~ Band, Bandinha ~andeirantes,
conhecido Arthur RuedIger que tocava flauta e tlllha o hábito de reunir em sua Os Vilanenses, Grupo Musical ~ermall1co, .Grupo MU~Ical Cruzeiro,
casa músicos e amigos para a serenata. Entre outros, participavam da reunião Conjunto Os PistOlústas, MoaCIr e seu C011Junto, Bandínha Estrela do Vale,
José Martins, Vando, ~ri~o, e Chiquito. os Azes, e outros.
O que fascina nesses cOI~untos ou bandas mUSIcaIS e, o fato de que . Em geral: os músic~s que integram as bandas ou co~untos musi-
quase todos os nossos músicos tocavam e tocam por ~nor.a arte. Segundo o caIs~ tocam ~aIs de um lllstrumento. Gustav Froehlich, fundador do ~o11Junto
Maestro Geyer - "não há diferença entre profiSSIOnaiS ~ amadore~, a diferença está MUSIcal "OS AZES", toca há cinqüenta e cinco anos todos os lllStrumentos de
entre bons e maus músicos ". Os noss~s :onjuntos mUSIcais ou bandas contam sopro e também bandÔnion. Seu conjunto musical foi fundado em 1929. Gustav
com elementos de todas as proflssoes. Para exemplificar, procuramos o Froehlich tocou sob a batura de Geyer e foi c?lega de Fra~ Baumgart, que o
dirigente do Grupo Musical Cruz:iro, de Itoupa~a Alta. Esperamos horas auxiliou na formação do co~unto muSIcal. Pelas maos de Gustav FroehIich
defronte a sua bela casa de enxa~:l que pareCIa deserta, entretanto, às 12 horas passaram uma centena de músicos, aos quais ele. ensinou a tocar os
em ponto, apareceu Helllflch Rohtbarth acompanhado de familiares, todos illstrumentos musicais que domina. ~~lmente o cO~junto é fonnado por sete
enlame~dos, estaVAal,? col~lendo ~rroz. Engelbert Seiler, dirigente do Grupo elementos: Gustav Froehlich, dingente, toca o llls~rumento ~usical, requisitado
MUSIcal Gennamco, e. pedreIro, e pelas suas mãos foi construída a sede do pela partitura, para entrosar com os demaIS do c011Junto. Gustav Froehlich
Sindicato. dos MÚSICOS de ~lumenau. Essa garra vem da primeva Biumenau, Filho toca sax-tenor;. Hélio N?vaski, acordeon; Elmo Benner, pistão'Helmu;h
pOIS os nossos ~Ol?lll~adores trouxeraln em sua bagagem os conhecimentos Schwanke, clanneta; Relllwald Hausmanll, bateria e João Alves Rodrigues,
mUSIcaIS lll- contra-
baixo e guitarra. O repertório é de músicas típicas e regionais. O Conjunto alemãs, em todo o Vale do Itajaí e outras cidades do nosso estado. Gra-
Musical "OS AZES" se apresentou em todo o Vale .do Itaja~ e cidades varam. quatr,? LPs e tem sua sede em Itoupava Central. (Knaesel integrou o
vizinhas em bailes, festas dos Clubes de Caça e Tiro, socIedades, Coruunto Kameratschaft" até 1944).
casamentos, etc. ".Banda Musical Cavalinho Branco Ltda." foi fundada em 1976 por
"Erinho e sua Orquestra" foi fundada em agosto de 1951, e desde essa eX-llltegrantes d~ Estúdio Mu~ical 1!~versal e Rigo e seu Conjunto.
data com sua excelente orquestra, tocando sempre os sucessos da atualidad~, I~tegram ~ banda: RIkobert D~enng (~ITlgente), Marcos Doering, Marclel
tornou-se famosa não só em todo o estado de Santa Catarina onde abrilhanta poenng, Marcos Novaski, PerfeIto de Aguiar e Luiz Carlos de AguIar. PO:
bailes de gala, formaturas, aniversários, carnavais, et~. mas também em ser banda típica é muito requisitada. Toca todos os anos durante dez dIas no
vários estados do Brasil. No R.io de Janeiro, tocou no Hotel Glória, na sede Othon Palace Hotel de Belo Horizonte/MG. Tocou ain~a no Pampulha Iate
do Fluminense Futebol Clube e Clube Sírio Libanês. Tocou em Curitiba, Foz .Clube na "N?ite na Baviera" e "Noite nos Alpes", t~mbém em Belo
do Iguaçu, Ponta Grossa, Cascavel e em quase todas as cidades do norte e Honzonte. No RIO de Janeiro, tocou no Hotel Intercontlllental, na "Festa do
sudoeste do ~araná. Tam?ém tocou em Passo Fundo, Vacaria, Carazinho e Queijo e Vinho" e no Clube Gennânia na "Oktoberfest". Em Volta
outras CIdades do RIO Grande do Sul. Tocou ainda em São Paulo, Mato Redonda/RI, na "Festa da Primavera" nos salões da Cas~ da Amizade. Em
Grosso do Sul e outros estados do Brasil. O dirigente da orquestra é Erich São Paulo, na "Festa da Colônia Helvethia". Em IndaIatuba, no Pavilhão de
Riedel, e a base da orquestra está nos músicos: Werner Arnold, Lupércio Esportes Cândido Mota e na "Noite de Munique", no Clube dos Oficiais da
Lobo, Paulo Aristides de Oliveira, Rogério Ângelo, Aristides Pedro da Silva, Polícia Militar. No Rio Grande do Sul em Giruá, Agudo e Vila Sírio Santo
Eurídice de Souza, José Sidnei Novaes, Cláudio Renato Baumann, Clóvis Cristo. Em Salvador, na Bahia to~ cou no Iate Clube da Bahia. Em Pousada
Leopoldino de . Souza e Odinei Cunha. Participam também do conjunto as do Rio Quente - Caldas No~as Goiás, na "Semana Germânica". Em
cantoras Susana Riedel e Vera Lúcia Garcia. Laranjeiras do Sul Paraná no Clu~ be Pinheiros. A banda já se apresentou
O "Conjunto de Ritmo Society" foi fundado no dia 14 de junho de em quase tod~s as cidades de Santa Catarina, em bailes, festas típicas e onde
1958 com o nome de Bandinha Jazz Society. Além do dirigente Max se fizer necessária a banda típica para abrilhantar festejos. A banda já lançou
Lindner: participam do cOl1iunto os músicos: Heinz Liermann, Ethenir quatro LPs. É contratada da Gravadora "Chantecler", de São Paulo.
Nascimento, José Oliveira Dias, Norberto Schmidt, Flávio Leite, Osni A Orquestra "Os Montanari" foi fundada em 1958 em Conc6r-
Erhard e Almir Lindner. Com bom a variado repertório musical, o conjunto d.ia/SC, por. Bruno. Montanari, que dirige a orquestra e é taI~bém compo-
tocou em quase todas as cidades do estado de Santa Ca~arina, no Rio de s~tor de maIS de. clllqüenta peças musicais que fazem parte dos dezenove
Janeiro Curitiba e diversas cidades do Paraná. O Conjunto tem duas faixas dISCOS gravados. O título do décimo nono disco é "Os Montanari - 25
gra'vadas no disco "Salve a Banda" e duas no disco "Antigamente era Anos". A orquestra veio para Blumenau em 1977, e além da extensa folha
assim". de apresentações em Santa Catarina e também pelo Brasil, inclui
O "American Band" tem sua sede em Itoupava Central e foi fundado apre~entaç_ões I~O exterior como na Argentina e Paraguai. As gravações
em janeiro de 1980. O conjunto é dirigido por Efron Harbs, que com os elétncas sao feItas em São Paulo, com vários selos: Continental, Chantecler,
demais integrantes: Edemar Coelho, Orlando Loes, Almirio dos Santos, Musicolor e Alvorada. O repertório inclui cinqüenta por cento de músicas
Suetonio Finardi, Jair Guedes e Rodolfo Rocsher, tocam boa música germânicas e o restante música variada. A orquestra é formada pelos
variada, atuando em quase todas as cidades do estado de Santa Catarina, e músicos: Darci, Genésio, Nadir Antônio e Moacir José, fIlhos de BrUl~o
em diversas cidades do Paraná e Rio Grande do Sul. Montanari e ainda, Henrique Jacó Bento, Hélio Ricardo Som1tag, Rem
A "Bandinha Bandeirantes" foi fundada no dia 4 de agosto de 1945. Saptkamp, Mercy Adelar Falk e Valdique Wilson dos Santos. Vivem da
Integram a bandinha, Wilhelm Knaesel - dirigente, Udo Kuehnen, Fides música e com o 19° disco lançado, festejaram em 1983 o seu 25° aniversário
Maul Walter Otto, Guido Piske, Robert Lelm, Amo Pylarate e Getúlio de fundação.
Je~en. Com clarineta, saxofone, trombone, tuba, gaita, bateria e dois O "Grupo Musical Cruzeiro" foi fundado no dia 7 de setembro de
pistões, alegram os locais onde tocam, principalmetne músicas 1939, como "Jazz Cruzeiro", por Heinrich Rohtbarth, Haroldo Bruch
e Walter Fritzke. O conjunto foi aumentado com a admissão, inicialmente, de que tocou no Conjunto Oriental, dezoito anos. Engelbert Seiler tocou no Jazz
Amo Fritzke, irmão de Walter, depois ~artin Mahnke, que t?cava trombone, Guarani, quinze anos. Walfrid e Harri Voigt também tocaram no Jazz Guarani.
Jacob Froehlich, pistão e AMor Teske, c~.ntrabalxo. Alguns desses não mais Reno Voigt tocou no Conjunto Guanabara de Indaial e Reinaldo Tiedt, doze
vivem, entretanto, transformaram o . Jazz C/~zeiro" em "Grupo Musical anos no Conjunto Estrela do Vale.
Cruzeiro", que conta com os s~gumtes rr.'-USIcos: Heinrich Rohtbarth "Moacir e seu Conjunto" - Moacir Coutinho começou em 1958, no
(bandônion), Bemhard Otto (clanneta), Wil~on Schaade (gaita e órgão), Renato Conjunto "Jazz Society", com Max Lindner. Na ocasião, o conjunto era
Rohtbarth (sax-tenor), N~rbert Behl1~g (sax-alto), Osnir Karl (pistão), Sido formado por oito elementos. No LP "Antigamente era assim", o conjunto
Li~ (trombone), Ren~l~o Correa (contrabaixo e canto) e Ivo Hass (batena). O gravou duas faixas: "Em Forma", dobrado de Franz Baumgart e o maxixe
grupo toca prmclpalmente músicas alemãs, e além de tocar em Blumenau, "Havanera", de R. Rockstroh, antigo compositor nascido em Brusque. Os
apresentou-se em quase todas as cidades de Santa Catarina. É um dos mais arranjos para o LP foram feitos por Rikobert Doering. No dia 15 de janeiro de
antigos conjuntos musicais de Blumenau e tem sua sede em Itoupava Alta. 1966, Moacir Coutinho fundou o seu próprio conjunto com sete elementos:
O conjunto "Os Pistonistas" foi fundado no dia. ~ de outub.ro de 1981 Moacir Coutinho (guitarra, bateria e contrabaixo), Osni Coutinho (órgão,
no bairro de Salto do Norte, em Blumenau. Dmge o conjunto, Milt~n Bennertz acordeon, piano e bateria), Pedro Paulo Silva (bateria), Nelson Ewald
que toca pistão, Gerson Beck (pistão), Carlos Beck (trombone), Nelson Beck (sax-tenor), Oswaldo Hostins e Efron Harbs (pistão), e Vilmar Degan
(acordeon), Raul.Doeringer .(sax-alto), .Max Ricardo Duwe (bateria) e Odílio (contrabaixo). Em 1977, "Moacir e seu Conjunto" tocou na abertura do
Sílvio LenOlr (contrabalxo) .. ~ ~onJu~t.o toca na maioria músicas típicas. "Fantástico, o Show da Vida", a música "Blumenau", que foi gravada quando a
Tocam em Blumenau e mUl1lClplOS VIZl- Sociedade de Caça e Tiro Ribeirão Itoupava festejou seu centenário .. No LP
"Salve a Banda", Moacir e seu Conjunto participa, interpretando, com arranjos
nhos.
O conjunto "Os Vilanenses" foi fundado no dia 26 ~e out~bro de de sua autoria as faixas "No Céu Azul de Blumenau" e "Lembranças de
1974, por Valdemar Dix, Udo Ueckert, Ar~o Ueckert, Alcldo Milbratz, Renato Pirabeiraba".
J ensen, Charles Ulrich e Eduard Ulnch. Em .1978, entrou ~ara o conjunto "Bandinha Estrela do Vale" - O "Conjunto Passo Manso", com os
Valfrido Loes. Em 1980, Udo Ueckert des~lgou-se ~o conJ~?to, sendo componentes Rolf Nass (violão), Harald Nass (bateria) e Heliodor Wellwok
substituído por Osmar Kaestner. O repertóno é. vanado e Ja se apresentaram em (acordeon) tocavam em festinhas, casamentos, aniversários, etc.
quase todo o Estado de Santa Catanna ~ Paraná. O conjunto tem sua sede em Posteriormente Rolf Nass passou a ser baterista do "Busch e seu Conjunto",
Vila Itoupava, Blumenau. O conjunto lançou um LP com o nome de "So Sind que se compunha ainda de Alex Busch (bandônion), Alfred Busch (sax-tenor),
Wir" (Assim Somos Nós). Egon Schwanz (acordeon), Heinz Busch e Harri Schwanz (clarineta). Em
O Grupo Musical "Germânico" de Testo Sal~o foi .~ndado no dia 6 de 1964, Harri Schwanz, Egon Schwanz e Rolf Nass passaram a integrar o "Jazz
janeiro de 1979 pelos músicos Engelberrt Seller (dmgel~e qU(~ toca Guarani", ao qual se juntaram os músicos Fridolino Schwanz, Harri Glatz,
contrabaixo, tuba e corda), Amo Kellermallli (acordeon e órgao) e e o Udimar Resner e Arani Boeringer. Com a admissão de mais alguns músicos,
encarregado dos ensaios, Reno Voigt (sax-alto),. Eralf Ittner (~ax:tenor) , Harri formou-se a bandinha "Guarani", integrada por Harri Glatz, Reno Voigt,
Voigt (primeiro pistão), Heinz Hinschl~g (segul~do plstao), Walfrido Voigt Walfried Voigt, Harri Voigt, Engelberto Seiler, Harri Schwanz, Egon Schwanz
(trombone e clarineta) e Adelino Stelck (batena): Em ~utubro de 1981, Reinaldo e Rolf Nass. Da bandinha "Guarani" formaram-se o "Grupo Musical
Tiedt substituiu o baterista. O repertóno é pr1l1cipalmente de músicas alemãs. Germânico" e o "Grupo Musical Guarani". Rolf Nass, Egon Schwanz e Harri
Apresent~ran~-se, alé~~ de Blumenau, em diversas cidades de Santa Catarina. Schwanz formaram a "Bandinha Estrela do Vale", no dia 14 de fevereiro de
O pnmerro LP fOl gravado em fe~ereiro de 1980, com o nome de "Unser lieber 1981, com mais os seguintes integrantes: Harri Schwanz (sax-tenor e maestro),
Blumenau" (Noss~ que~lda Blumenau), e o segundo gravado em 1981, c0rr.'- o Egon Schwanz (acordeon), Rolf Nass (guitarra, baixo e empresário),
nome. de Lust:g~r Bass" (O Baixo Alegre). Alguns músicos do Conjunto Claudemir Machado da Silva (guitarra), Hélcio Fritzke (trombone de vara),
MU~lcal ~erm~11lco são oriundos de outros conjuntos musicais, como Hemz Helmuth Schwanke (clarineta), Udo Otto (pistão) e Osni Mathes (bateria).
H1l1sch1l1g, Tocam em bailes, casamentos, festas nos Clubes de Caça e
Tiro e outros locais. Tocaram em quase todo o estado de Santa Catarina e 1964 ingressou no conjunto o baterista Reno Fischer e logo após o saxt~nor
também no Paraná. Celito Kienolt. Sérgio Krause se revezava no acordeon trombone e pIstão. Lo?o
Os músicos, para se associarem à Ordem dos Músicos do Brasil e _depois o c?~unto passou a contar com Hans' José Lindemann no pIsta~
receberem a Carteira Profissional, devem se submeter a exame e muitos e.b~ndohm. !ratando-se de um conjunto fonnado por jovens, as substItUlçoes
músicos das nossas bandas e conjuntos musicais tiveram que estudar para ?COrrIam com freqüência, e as desistências também. Em 19~8,_ o cO~lJ~nto
preencher os requisitos, entre eles, Rolf Nass, que estudou alguns meses com o compunh~-se de Sérgio Krause (acordeon, trombone ~ plstao), SIlvIO Krause
Sargento João Tizotte Penteado (1969). (guItarra-base), Silvério Krause (sax~lto), ~érglO Passo~d (sax-tenor), Hans José
Além das bandas e conjuntos musicais filiados à Ordem, muitos outros Lindemann (pistão e bandolu:n), Alvaro ~. Klenolt (contrabaixo), Flávio Kienolt
funcionaram e ainda funcionam no Vale do Itajaí. As bandas ou conjuntos (violino) e Reno Ftscher (batena). Pelo conjunto passaram vários músicos e, em
musicais não têm uma estrutura fixa. Muitos começam, tocam um determinado 1978 compunha-se ?e ,S~rgio Krause (pistão e trombone), Sílvio Krause (gui~
tempo, se desintegram, e os músicos geralmente participam de outros tar~a-base), Sl1veno Krause (sax-tenor e sax-alto), Pituia (bateria), Joel
conjuntos, ou fonnam novos. Do antigo "Jazz Catarinense" e "Jazz Aurora" (guItarra-solo), Sarnmy (contrabaixo) e Cluser (órgão). Tinham sua sede na Rua
formou-se o "Quinteto Catarinense", do qual participaram: Carlos M. Rabitz Gustavo Budag nO 187, no bairro da Velha. "Os Brasileirinhos" eram convidados
(contrabaixo), Lindolfo Erdmann (bateria), Gennano Kreutzfeld (bandônion), com freqüência para ahrilhantar festividades. No dia 9 de outubro de 1965, "Os
Guilherme M. Rabitz (violino e regente), e Oswald Fiedler (pistão, acordeon e Brasileirinhos" se apresentaram em Curitiba, na promoção da Associação
trombone). Este quinteto deu origem à famosa "Erinho e sua Orquestra" e Prosdócimo, "Uma Noite de Primavera". Os cinco garotos: Sérgio, Sílvio,
também de "Lindolfo e seu Conjunto". De "Baumgart e seu Conjunto" (Studio Silvério, Flávio e Álvaro, conforme a nota Il;0 jornal, foram impecáveis na "Valsa
Universal) e "Rigo e seu Conjunto" originou-se a "Banda Musical Cavalinho da Primavera". A orquestra minm de B1wnenau foi muito aplaudida. No dia 25
Branco Ltda.", que tanto alegra a nossa cidade e outros locais com seu alegre de outubro de 1968 "Os Brasileirinhos" tocaram na festa da Igreja "Cristo Rei",
repertório. Outros conjuntos ou bandas ainda hoje são lembrados, como da Velha e ~ inclusão de um bandolim elétrico no conjunto e também o novo
"Nandinho e seu Conjunto", com cinco componentes: Nandinho na guitarra, unif~rme foi notícia. Tocaram ainda, entre outros locais, no Salão Paroquial de
José Martins na bateria, Mário Santos no acordeon, Vando Cunha no Ascurra, em Clubes de Caça e Tiro do Vale do Itajaí, na inauguração do Centro da
contrabaixo e Dalmo Juarez, cantor. Tocavam música variada em todo o Juventude "Porta Aberta", de Blumenau, no dia 17 de agosto de 1969' na festa do
estado, e no Rio de Janeiro tocaram no Fluminense. O conjunto que iniciou
Imigrante, nos dias 26 e 27 de julho de 1969, em Presidente Getú~ lio; no 20
suas atividades por volta de 1951, desintegrou-se depois de dez anos de grande
Festival da Juventude, em Timb6; no 30 Festival da Juventude realizado em
sucesso. Também foi grande sucesso o "Jazz Garda", com Afonso Moreira no
Brusque, e muitas outras apresentações que marcaram a passagem dos garotos
sax, Marcelino de Aguiar no trombone, Chiquito no sax-tenor, Franz Baumgart
com sua maravilhosa música. "Os Brasileirinhos" receberam vários troféus e
no contrabaixo, Lauro Pereira (Lalinho) na bateria, Abílio Coelho no pistão e
também homenagens, entre elas a do Grêmio Esportivo Dr. Blumenau, que
Eugen Seelbach (participava da Orquestra do Teatro "Carlos Gomes") no
conferiu ao conjunto, pela sua "capacidade e exemplar apresentação", o título de
violino.
"Honra ao Mérito", relacionado no mesmo título os nomes, idade e instrumentos
Um conjunto que marcou época em Blumenau por ser integrado por
jovens com idade que variava entre 7 e 16 anos e que foram um grande sucesso, tocados por cada componente. "Atualidades Show" conferiu ao conjunto, em 1 o
foi o conjunto "Os Brasileirinhos", que foi fundado no dia 1 o de novembro de de dezembro de 1968, um belíssimo troféu, o de melhor conjunto de 1968. a
1961 pelos innãos Krause. Sérgio (11 anos) no acordeon, Sílvio (9 anos) no "Revista do Rádio" conferiu ao co~unto o troféu de "Conjunto mais Popular"- 1 o
violino e Silvério (7 anos) na flauta doce. Após um ano mais ou menos, lugar em 1970. A Câmara Municipal de Blumenau homenageou o conjunto com
Silvério passou a tocar sax-alto. Tocavam mais por amor à arte do que pelos uma placa de prata com os seguintes dizeres: "Esta homenagem é oferecida ao
contratos remunerados. Em 1963, o número de componentes passou para conjunto 'Os Brasileirinhos' que por 15 anos traz alegria à população através da
cinco, com a inclusão dos irmãos Kienolt. Álvaro (9 anos) no acordeon e Flávio música. 10 de novembro de 1961 -10 de novembro de 1976. Câmara
(7 anos) no violino. Em
Municipal de Blumenau". "Os Brasileirinhos" tocaram ainda por algum arranjo de Amário Pokrewiecki. A "Banda Cavalinho Branco" de Blumenau,
tempo, depois o grupo se desfez. com os arranjos de Rikobert Doering, "Liechtensteiner 'Polka" e o potpourri
Os instrumentos musicais tocados pelos componentes das bandas, sobre as músicas "Salzkarnrnergut", "Waldeslust" e "O Du Liebe Augustin".
variam de um para outro grupo. Enquanto que "Os Alucinantes", grupo Bandinha "Verde Vale", de Pomerode, regida por Wolfgang M. Krueger, com
formado no dia 3 de março de 1983, com sede em Badenfurt, integrado por José "16 de Agosto", de Wolfgang M. Krueger e "Luar sobre Pomerode", de Alwin
Neri Weber (bateria), Osmar Walzeit (guitarra), Udo Otto (pistão), Harry Porath. O Conjunto de "Ritmo Society", com os arranjos de Max Lindner,
Benjamim Alves (contrabaixo), Afonso Oeschler (acordeon), Herbert Lach "Contos dos Bosques de Viena" e "Férias na Suíça".
(trombone), Conrado Will (sax-tenor), Roland Lach (saxalto), a bandinha Também gravaram LP as bandas: Cavalinho Branco, Bandinha
"Penzlien", integrada por Heinrich Penzlien Sênior (bumbo), Wilhelm Penzlien Bandeirantes, Os Montanari, Os vilanenses, Grupo Musical Germânico e
(trombone), Amoldo Penzlien (bombardino) e Heinrich Wilhelm Bernhardt outras. Uma gravação muito bonita é o LP "Blumenau Bandoneon Duo", de
(pistão), alegrava os moradores das margens do rio Itajaí-Açu, quando subiam Radloff e Weise.
pelo vapor Blumenau I, comandado por Hacklaender, que em certa ocasião No dia 7 de janeiro de 1980, foi fundada a Associação Profissional dos
disse: "Nunca tive a bordo uma famaia tão alegre". Heinrich Penzl ien era Músicos Profissionais do Vale do Itajaí - Blumenau/SC, que tinha sua sede na
natural da Alemanha, da região de Badenstadt, distrito de Zeven. Rua Luiz Altemburg Sênior, nO 37 e que foi registrada na Delegacia Regional
Acompanhado da família, em 1923, estava em Blumenau, alegrando a todos do Trabalho do Estado de Santa Catarina sob nO 421, no livro nO 4, fls. 10, em
com sua música, apresentando-se em festas de casamento, bailes, paradas e em 17 de dezembro de 1980, conforme o artigo 558 e seus parágrafos, da
diversos locais como Timbó, Baú, Gaspar (Hotel Silva), Belchior, Velha (Salão Consolidação das Leis do Trabalho.
Wolfram e Salão Brueckheimer), Fidelis, Salão Gresser, Salão ZimmermaIll, Max Lindner, responsável pela Associação, conseguiu com dedicação e
Fortaleza (Salão Tribess) e outros mais. trabalho que a mesma fosse reconhecida sob a denominação de Sindicato dos
Muitas das nossas bandinhas têm as suas bonitas interpretações Músicos Profissionais de Blumenau, conforme Carta do Ministro do Trabalho,
gravadas em disco. O primeiro LP foi "Antigamente era assim", e dela Doutor Murillo Macedo, datada de 3 de outubro de 1983 e publicada no Diário
paraticiparam, entre outros conjuntos musicais, o "Jazz Society", fundado por Oficial de 6 de outubro de 1983 - Seção I, 17119 - Brasília/DF. A Carta
Max Lindner e Moacir Coutinho, com as faixas "Em Forma", dobrado de F. continha os seguintes dizeres: "O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO -
Baumgart e o maxixe "Havanera", de R. Rockstroh (antigo maestro de FAZ SABER a quantos esta CARTA virem que, atendendo ao que requereu a
Brusque). A banda da Sociedade Recreativa e Cultural Timbó, com as faixas 'Associação Profissional dos Músicos Profissionais do Vale do itajaf', com
"Sete de Setembro", de autoria do maestro João Müller e a marcha dobrado sede em Blumenau, no Estado de Santa Catarina, resolve aprovar o respectivo
"Recordação", de Niel Niel.. A banda do Club Musical São Pedro, de Gaspar, Estatuto, e reconhecê-la, sob a denominaçdo de SINDICATO dos Músicos
com a valsa "Neide", de Francisco Prada e a marcha dobrado "N° 12", de antigo Profissionais de Blumenau, código 010.185.0/705-0 como sindicato repre-
compositor catarinense. O conjunto Real Catarinense, de Blumenau, formado sentativo da Categoria Profissional - Músicos Profissionais - Integrante do 2 o
na ocasião por sete músicos, sob a regência de Egon Kaestner, gravou no LP a Grupo - Trabalhadores em Empresas de Difusão Cultural e Artística - do
polka "Brisa" e a valsa "Trivali", ambas de Niel Niel. O conjunto musical Plano da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos
Alvorada, de Blumenau, fundado em fins de 1961, regido por Amo Metzger, de Educação e Cultura, na base territorial dos municípios de Blumenau,
formado por seis músicos (acordeon, bombardino, pistão, trombone, Itajaí, Gaspar, Brusque, Botuverá, Guabiruba, Rodeio, Ascurra, Timbó,
contrabaixo e bateria), participa do LP com as composições de Johann Brussig, Benedito Novo, Rio dos Cedros, Massaranduba, Pomerode, Indaial,
"Mensageiros do Amor" e "Concórdia". Jaraguá do Sul, Navegantes, Penha, Piçarras, Luiz Alves, Ilhota,
Do LP "Salve a Banda" participaram as seguintes bandinhas do Vale do Balneário de Camboriú, Itapema, Porto Belo, Camboriú, Rio do Sul,
Itajaí: "Os Bandeirantes", de Lontras, regida por Amário Pokrewiecki, Lontras, Presidente Getúlio, Ibirarna, Dona Emma, Witrnarsum, Salete,
partidipa do LP com a "Valsa dos Bandeirantes" e "Chorema", Rio do Oeste, Pouso Redondo, Agrolândia, Agronômica, Aurora,
21.
Atalanta, Presidente Nereu, Vidal Ramos, Imbuia, Ituporanga, Rio do Campo, conquista do reconhecimento oficial do Sindicato dos Músicos Profissionais de
Tai6, Laurentino e Trombudo Central, com sede em Blumenau no Estado de Blumenau.
Santa Catarina de acordo com disposições da CONSOLIDAÇÃO'DAS LEIS O Sindicato possui sede própria à Rua Luiza Lukas, 172, em Salto do
DO TRABALHO. - Brasília, 03 de outubro de 1983. Ass. Murillo Macedo ". Norte.
Com despacho da Carta, veio a eleição (Cédula Única) da primeira
diretoria, que ficou assim constituída:
Diretoria
Efetivos: Max Lindner, Oswaldo Hostins, Alibert Rausch
Suplentes: Efrom Harbs, Charles Félix Ullrich e Paulo Henrique Techentin
Conselho Fiscal
Efetivos: Rikobert Doering, Heins Hinsching, Raul Deringer
Suplentes: Valdir dos Santos, Milton Bernhardt, Ivo Altamiro Espindola
Delegados Representantes
Efetivos: Max Lindner e Alibert Rausch
Suplentes: Oswaldo Hostins e Efrom Harbs.
Com "chopp" e muita música, no dia 20 de fevereiro de 1984, foi empossada
a primeira diretoria do Sindicato, com a presença de Yedo Albino Jaques,
representante da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Educação e Cultura;
Hardy Zedana, presidente do Sindicato dos Músicos Profissionais de Porto Alegre;
Jaime Luiz Coelho, representante do SIPEDECA; Carlos Antonio Gerlach,
presidente do Conselho da Ordem dos Músicos do Brasil - Seção de Santa Catarina.
Estavam ainda presentes, entre outros, o prefeito Dalto dos Reis, o vereador Ivo
Hadlich, o assessor jurídico do Sindicato, Dr. Sílvio Borges de Jesus e a professora
Edith KOrmaIU1. Max Lindner, pelo trabalho realizado, recebeu muitas
congratulações, entre elas, da Assembléia Legislativa do Estado de Santa Catarina,
da qual recebeu o seguinte telegrama: "Ao tornar conhecimento Senhor Ministro
do Trabalho assinou Carta Sindical vg reconhecendo et aprovando Sindicato
dos Músicos Profissionais Blumenau vg pioneiro em Santa Catarina nessa
categoria vg Assembléia Legislativa vg por proposição deputado Álvaro
Correia vg tem a honra et a satisfàção cumprimentar intermédio V. sa
diretoria e associados novel entidade pelo significativo evento pt Ao destacar
trabalho et esforço Vossa Senhoria pelo objetivo alcançado vg manifestamos
certeza doravante músicos 45 municípios filiados novo Sindicato terão devido
amparo et garantia em sua nobre atividade pt Saudações - Deputado Lauro Hermann Ruediger, filho de Friedrich e Magdalene Rau Ruediger, nasceu
André da Silva, 10 Secretário - Sala das Sessões em 10 de setembro de 1983 - no dia 19 de dezembro de 1843, na Saxônia - Alemanha. Veio para o Brasil em
asso Álvaro Correia -Deputado". 1862 e no dia 30 de outubro de 1864, casou-se com Frederike filha de Caroline
Também a Câmara Municipal de Blumenau enviou correspondência datada Malmke e David Seibe.
de 17110/1983, com o conteúdo do requerimento nO 308/83, de autoria do Músico 'notável tocava mais de seis instrumentos musicais. Fundou e
vereador Vitório Pfiffer, aprovado opor unanimidade pelos Edis, no qual apresenta dirigiu o primei~o conjunto musical da Colônia Blumenau (Musikkapelle),
as congratulações do Poder Legislativo a Max Lindner, pelo seu trabalho na conjunto que tomou parte na festa e na procissão de São Paulo
em 1865. A procissão fez o trajeto entre a Igreja e o porto de Blumenau. dia 3 de maio de 1900, a comissão dos festejos em Blumenau, integrada pelos
Ruediger foi músico e dirigente de corais na Alemanha e com sua ex- deputados estaduais, Peter Christian Feddersen, Francisco Margarida, Louis
traordinária versatilidade e capacidade musical alegrou o alvorecer da Colônia, Abry, coletor Francisco da Cunha Silveira, superintendente José Bonifácio da
ensinando música e regendo corais. Cunha e do comerciante Rudolph Altenburg, incluiu um concerto no Teatro
N o dia 3 de setembro de 1871, quando a Sociedade de Canto "Frohsinn", regido pelo Maestro Ruediger. Na ocasião, foram realizados bailes
"Germânia" festejou seu aniversário no salão Baumgarten, além dos oito no Teatro "Frohsinn", Sociedade de Atiradores e salão de Richard Holetz. No
números de canto executados pela sociedade de canto, Ruediger preparou para dia 18 de maio de 1901, Ruediger apresentou um concerto em homenagem ao
as festividades variações para flauta com acompanhamento de quarteto, Dr. Felippe Schmidt, que visitava Blumenau. Ruediger também apresentava o
números que foram muito bem executados e aplaudidos. Em seguida, o baile seu aplaudido Coral "Harmonie" em festas beneficentes, participando
que durou até o amanhecer. inclusive de extensa programação no dia 15 de dezembro de 1902, no Teatro
Ruediger fundou em 1875, a "Urânia", primeira sociedade mista de "Frohsinn", para angariar fundos para a Igreja Evangélica. As apresentações
cantores (homens e mulheres), depois chamada de "Hannonie", que no dia 11 conjuntas com a Sociedade Teatral que funcionava no salão de Johann
de setembro de 1883, no salão Baumgarten, festejou com muita alegria os seus Schreepp desde 1872, eram freqüentes. Ruediger fundou em 1898 o "Club
oito anos de existência. A mais importante e primeira banda musical da época Musical" , que realizou no dia 25 de abril de 1903 uma grande festa no jardim
foi a "Musikkapelle Ruediger". Os concertos de Ruediger eram realizados pelo do Teatro "Frohsinn". O concerto apresentado das 6 às 8 horas da tarde teve a
Natal, Páscoa, Pentecostes e em todas as comemorações importantes da participação do Coral "Harmonie". Em seguida começaram as apresentações e
Comunidade. O conjunto Ruediger estava sempre a postos e nos bailes dos entre elas "Os Dois Vagabundos", valsa humorísticadueto de A. Knoche, e
Atiradores, às 19,30 horas em ponto, convidava com fortíssimo toque de ainda "Guilherme, Por Que Não?", quarteto duplo, de C. Kuntze e muitos
trombeta os presentes para formarem para a "polonaise". Depois de Ruediger, outros números divertidíssimos. O "Gesangverein Harmonie" fazia suas
outros conjuntos musicais foram surgindo, bem como verdadeiras bandas apresentações no Teatro "Frohsmn" .
musicais, inclusive no interior da Colônia. Das bandas destacou-se a de Karl Em 1905, Ruediger programou uma apresentação da Sociedade de
Lingner, ou Lingner Kapelle, que se uniu a Ruediger, formando a Banda Canto "Harmonie", no dia 8 de julho, quando apresentou números de canto
Ruediger & Lingner, que estava sempre presente nas comemorações mais pelo coral misto e também feminino. Como último número da primeira parte
importantes da Comunidade. O terceiro concerto da Banda Ruediger & foi apresentado um sexteto com cenas humorísticas acompanhado de um
Lingner, conforme o "Blumenauer Zeitung" de 27 de setembro de 1884, foi terceto, "O Aniversário do Rei (Kaiser) na Caserna". Depois de uma pausa de
realizado à noite, alegrando muito os presentes que solicitaram outros 15 minutos, foi apresentado o número de canto "Zigeunerlager"
concertos a noite. As peças foram muito aplaudidas, principalmente a fantasia (Acampamento Cigano), da ópera "Preciosa" de Carl M. von Weber. A
para flauta e os "echo scherzo". O concerto de Natal foi noticiado no "Blume- Sociedade de Canto "Harmonie", que fazia suas apresentações no Teatro
nauer Zeitung" de 20 de dezembro de 1884, como "Konzert der Ruediger & "Frohsinn", no primeiro dia de Pentecostes de 1912, apresentou uma grande
Lingnerschen Kapelle". O convite formulado foi o seguinte: "Am ersten programação no salão de Richard Holetz. Foram apresentados: "A Vingança do
Weinachtsfeiertage 3 112 Uhr, Konzert der Ruediger & Lingnerschen Kapelle Mímico", peça em dois atos com canto de A. Guenther; "O Rato", comédia em
bei dem Unterzeichneten und wird dazu mit dem Bemerken eingeladen dass das um ato de Paul R. Lehnhard, para seis damas; "Adeus", canção para coral misto
Konzert im Freien auf einem dezu besonders mit Zelten Baenken und Tischen de J. Klein; "Hans Taps com o Professor de Dança", de Emil Winter, cena
und hergerichteten Platze stattfindet. Fuer gute Getraenke, gute Bedienung und humorística com canto e dança para dois cavalheiros e uma dama; "A Noiva
wuerd bestens gesorgt. Blumenau den 17 december 1884. Theodor Lueders ". Ginasta" , de Robert Hertwig, cena humorística com canto para três damas. Na
Era um convite para um concerto ao ar livre com bancos, mesas, boas mesma noite, a Sociedade de Canto "Harmonie" convidou os presentes para, no
bebidas e bom atendimento. A "Ruediger & Lingnerschen Kapelle" dia 12 de julho de 1912, assistirem nova programação com "Kraenz-
espalhava alegria onde atuava.
Para o IV Centenário do Descobrimento do Brasil, festejado no
chen". As apresentações continuam e no dia 25 de agosto de 1912, a Ruediger, além de músico, regente de bandas, corais e dirigente de
apresentação constava dos seguintes números: "Golpe Pitoresco", comédia teatro, também era negociante e, no dia 10 de julho de 1883 instalou um
em um ato; "Papai consentiu", musical em um ato de G. Moser e A. negócio de secos e molhados, relojoaria, fábrica de objetos de ouro e prata e
L'Arronge; "Quem carregará a Frigideira?", de Ernst Simon, segundo uma venda de instrumentos musicais, à Rua 15 de Novembro, esquina com
poesia de Fritz Reuter, terceto humorístico para três vozes (dois cavalheiros Amadeu da Luz. O negócio girava sob a firma comercial Hermann
e uma dama); "Na Armada, uma Hora de Instrução para Mulheres", de M. Ruediger & Filhos. Em 10 de março de 1906, a firma passou a chamarse
Boehm, jogo dramático em um ato para três cavalheiros e seis damas. Para Hermann Ruediger & Cia., fazendo parte o pai Hermann Ruediger Senhor e
o Natal, Ruediger apresentou no salão de Richard Holetz um programa em seu filho Oskar. Com o falecimento de Oskar, assumiu os negócios, Arthur
suas partes. Na primeira para o coro misto cantou de J. C. Willi "Quem que faleceu moço. O prédio que pertencia à família Ruediger foi demolido
Descobriu a Primeira Canção". Em seguida, em um ato, de L. Berthold, foi em 1962 para dar espaço ao Edifício Impala. Toda a quadra pertencia à
apresentada a cena "Ele Esqueceu Algo" e "O Míope", uma divertida família Ruediger. No jornal "Der Urwaldsbote" nO 38, do dia 9 de
cançoneta. Na segunda parte, o coro misto cantou "Na montanha não há novembro de 1926, está inserida a nota de falecimento de Hermann
inundação", de C. Simon. Foi ainda apresentado o jogo dramático em um Ruediger Senhor, que faleceu de derrame cerebral no dia 4 de novembro de
ato de W. Lorenz "Um Criado Formado" e a cena humorística "Rommel e o 1926, às 4 horas da manhã, aos 83 anos de idade.
Grande Tambor". Ruediger foi atendido ainda em vida pelo Dr. Küebel e pelo Pastor
19[3, Ruediger chega à casa dos setenta anos de idade, porém Schroeder que o homenageou na sepultura com cantos e orações.
continua dirigindo a Sociedade de Canto "Harmonie" que ele fundara, Teve quatorze filhos, dos quais sete já haviam falecido. Deixou
apresentando noites de arte com a inclusão de peças teatrais. No dia 22 de ainda quarenta e oito netos e trinta e dois bisnetos. Entre os bisnetos está
junho de 1913, apresentou com o coral misto "Despedida Amarga" e a peça Ramiro Ruediger, que foi vice-prefeito e prefeito de Blumenau, presidindo,
teatral "Anos de Servidão", comédia em um ato, de C. Milchert e ainda, também, por muitos anos, a CME (Comissão Municipal de Esportes) de
"Em Maios" , de Brambach, pelo coral feminino. Na segunda parte foram Blumenau.
apresentadas a peça cômica de Paul Perron "Eu e Minha Sogra" e "Meu
Maior Desejo é Cantar", de C. Willi, com o coral misto. Para o dia 17 de
novembro de 1913, Ruediger elaborou a programação da noite artística da
qual faziam parte: "Primavera", de P. Trautenfels; "No Quarto das
Crianças", comédia em um ato, de Oscar Justinus; "O Fiel Coração
Alemão", de J. Otto e "A Chave da Casa", comédia em um ato, de E. Franz Baumagart, o músico, o regente, o improvisador que, sem
Hirthe. formação acadêmica, ensinou tudo o que sabia e o que era necessário para
Ruediger não esmorecia, apresentava concertos, teatros, etc., porém formar conjuntos ou bandas musicais. Que com o seu surrado terno preto, a
no dia 17 de novembro de 1913, a Sociedade de Canto "Hannonie", contou gravata borboleta mal afixada, que deixava de comer para comprar papel
com a colaboração de Ernst Bernhardt na parte musical. Bernhardt pautado para escrever músicas para seus alunos, amigos músicos e
apresentou a abertura de Boeldieu "O Calità de Bagdad" , pela sua banda dirigentes de "Musikkapellen", se transfigurava quando regia e, quando à
musical, apresentou ainda a fantasia da ópera "Martha", de Flotow. A frente da Banda Musical, desfilava com um garbo indescritível, alegrando o
Sociedade de Canto "Harmonie" apresentou a comédia em um ato de E. Vale do Itajaí com suas apresentações, faleceu pobre, sem alarde, e sua
Hirthe "A Chave da Casa" e de Trautenfels, "Primavera". Da programação passagem pelo nosso Verde Vale foi brilhante como se pode constatar pelo
fazia ainda parte a apresentação dos patinadores Ericino Berdino e sua elevado número de músicos que passaram pelas suas mãos. Temperamental
esposa Eulália, que promoveram uma corrida de patins. Ruediger como todo artista, CHICO, como alguns o chamavam carinhosamente, foi o
continuava em atividade pois no dia 31 de outubro de 1919, aos setenta e músico do povo.
seis anos de idade, convocou a Sociedade de Canto "Harmonie" para uma Francisco Baumgart nasceu na Alemanha (Berlin), no dia 6 de no-
assembléia geral em sua residência. Com idade avançada, Rue-
diger presenteou o Maestro Geyer com a sua batuta.
22.
vembro de 1887. Estudou no "Conservatório de Música Petersen" até os 12 anos
de idade. Aos 16 anos, acompanhado de seus pais Errúlio e Pauline Baumgart e
do irmão Otto, embarcou no vapor "Argentin~", que aportou no Brasil no dia 19
de fevereiro de 1904, sendo encaminhados para a ilha das "Flores". Um ano
depois, seu ir,rnãO ~tto volt.ou para.a Alemanha e Franz, com seus pais, foi
para Arutápohs. DepOIS de dOIS anos resolveram ir para Ibirama (Hammonia),
onde adquiriram, em Rio Rafa~l terras. Trabalhavam na lavoura e fabricavam
tamancos. Rio Rafael, na época era um lugar tão desolado que os colonos ~ue .lá
se fixaram o batizaram com o nome de "Neu Elend" (Nova Mlséna). Franz, que
estudara música na Alemanha, além de trabalhar na lavoura teve oportunidade
de participar do Conjunto Musical Sperber e SeltmmID. No dia 11 de dezembro
de 1918, Francisco Baumgart casou-se com Anna Koglin, nascida em Rio Sellin
(Ibirama), no dia 24 de março de 1898. O casal teve quatro filhos: Edith,
Marcolino Alfredo, Werner e Use q~e faleceu em Ribeirão Ferro. Mais tarde,
Franz exerceu o cargo de professor de uma escola particular em "Eisenbach"
(Ribeirão Ferro). Na époc~, ~s candidatos ao cargo de professor tinha que se
submeter a exame, pnncIpalmente de português, e Franz submeteu-se, o que não
foi fácil para quem só falava o alemão, e ele não conseguiu cont.inuar no carg?
Franz prestou exame em Blumenau com Carlos Techentm, que era. drretor de
Grupo Escolar. Em Ribeirão Ferro, Franz formou uma bandlnha e uma
sociedade de cantores, que tirou o primeiro lugar, por três vezes, em festa de
cantores. A bandinha participava também de festas de Atiradores, casamentos e que formara o "Jazz Garcia" o convidou para participar do mesmo. Franz t1cou
outras festividades. Franz participou do conjunto musical que tocou na apreensivo, pois era alemão e não tinha salvo-conduto, caso surgissem
inauguração do Salão dos Atiradores de Dona Emma. apresentações em outras cidades. Afonso Moreira resolveu deixar tudo e ir para
Em 1925 mudou-se para Blumenau, no bairro da Velha, onde trabalhou o Rio de Janeiro, onde a remuneração era melhor. De 1945 até 1946, Franz
como sa~ateiro e também como músico. Alguns meses depois, foi trabalhar na tocou no conjunto de Carl Zechner, até que este caiu do palco quebrando todas
Empresa Industria Garcia, e como era músico, foi indicad.o para dirigir a banda as costelas, incapacitando-o para tocar bandônion. Franz tocou violino com
da Empresa Industrial .Garcial, que f?i. fundada e dlrígida por Heinrich Manoel C. S. Krieger e com Eugen Seelbach tocou trombone. Tocou sob a
Schreiber (Koester fOI o segundo dmgente). Franz fonnou também um batuta do Maestro Heinz Geyer na Orquestra do Teatro "Carlos Gomes" e deu
conjunto com Curt Winkler e Eugen Seelbach e tocavam no antigo Teatro aulas de música no Conservatório de Música "Curt Hering". No dia 23 de
"Frohsinn", e quando este foi demolido, foram tocar no Hotel Seifert (onde hoje janeiro de 1953, foi indicado para dirigente técnico para canto, música e teatro
se localiza o Edifício Catarinense). Um pouco antes da segunda guerra, Franz da Sociedade Recreativa e Cultural Lyra. Fundou o Studio Musical Universal e
era dono de um bar na R~ São Paulo (hoje Bar Rainha), quando foi convidado com os alunos do mesmo formou inicialmente a Orquestra da Juventude. Em
por Gustav Froehllch, de Itoupava, para auxiliá-lo na banda. Os ensaios eram 1955, o Conjunto do Studio Musical do qual participaram, Rikobert Doering,
realizados no bar, porém com o rompimento das relações entre Brasil e Domenico Junkes, Heinrich SchlingmalID, Alfred Bawngart (filho de Franz),
Alemanha, Franz fechou o bar. Ficou em grandes dificuldades financeiras, até Claudionor Lorenzo, A. Karsten e Kaltenbach, funcionava numa velha casa na
que Afonso Moreira, que tocara com Franz na banda da Empresa Industrial Rua Paraíba, onde Franz reunia amigos para assistirem às apresentações,
Garcia e principalmente os pais dos alunos. O Conjunto do Studio Musical Universal e a
Orquestra da Juventude, regidos
por Baumgart, se apresentaram ~a cidade .de Blu~enau ~ adjacências. Mais em casamentos, aniversários, festas de Atiradores, etc. Em 1 ° de setembro
tarde participaram do Conjunto Studio MUSIcal Um~ersal, Penzlien Struck de 1941 veio para Blumenau, onde trabalhou 11 meses na ElectroAço
e Waldemar Felski. Franz também era composItor e uma de sua~ Altona e 6 anos na Cremer. Krieger, músico capacitado e sensível, pois
composições "Em Forma" faz parte do LP "Antigamente era. assim ... ". Em apesar das poucas aulas de música que teve, deixou um acervo respeitável
1962, o então Prefeito Municipal Hercílio Deeke conVIdou Franz de composições que são tocadas por bandas e conjuntos musicais, inclusive
Baumgart para formar e dirigir a Banda Municipal de Blumenau. a Banda Municipal de Blumenau. Krieger transpôs as suas músicas para
Franz Baumgart faleceu no dia 28 de agosto de 1977. instrumentos musicais de acordo com as necessidades das bandas ou
conjuntos. Krieger era carpinteiro, o que não o impediu de fabricar um
perfeito violino.
Durante a Segunda Guerra, os músicos eram pouco solicitados,
porém em 1946, Krieger recomeçou, fazendo parte de um conjunto musical
do qual participavam, além de Krieger, Heinrich, Arno1d e Bernhard
Penzlien; Reinhold e Ernst Espig. Por volta de 1959, fez parte do Conjunto
de Ritmos Elite com sete figuras: Anselmo Witte, Ewald Metzner, Ernst
Espig, Werner Boehm, Lindolfo Erdmann e Aparício A. Bento. Em 1960,
começou a trabalhar por conta própria, aposentando-se como carpinteiro
em 1978. Depois de aposentado, Krieger dedicou-se mais a compor do que
participar de festividades. Por volta de 1976, Krieger participou do Jazz
Típico Bavária, substituindo Alfredo Kormann, que adoecera, falecendo
em seguida. Do Jazz participaram ainda, entre outros, Ingo Padaratz,
Walter Kaucher e Berthold Wollinger.
N o decorrer dos seus quase cinqüenta anos como compositor e to-
cador de bandônion, Krieger recebeu três medalhas:
a) 13° Festival de Conjuntos e Bandinhas de Pomerode (16/05/1982);
b) 7° Aniversário de Salve a Banda, em Timbó (16/07/1978);
c)Bandônion - 1 a FEMURB (1 a Feira Musical de Rio Bonito) - Joinvil1e
(14/08/1977.
Recebeu diploma de "Honra ao Mérito" como participante do Jazz
Elite, no dia 7 de setembro de 1959, outorgado pelo 23° B.I. e Prefeitura
Municipal de B1umenau. Krieger também recebeu o "Alfinete de Ouro",
que lhe foi presenteado pelo relojoeiro Arlindo Galz (05/02/1961),
A primeira composição de Krieger, a valsa "Sobre os Montes", foi
Manoel Carios Samuel Krieger nasceu no dia 4 de fevereiro de 1918, composta em 1940. Antes desta valsa, Krieger já compunha pequenas peças
em Ribeirão Máximo - Luiz Alves/SC. Trabalhou como agricultor e aos 16 musicais. Entre 1960/1969, Krieger compôs a valsa "Vozes do Bandônion",
anos já trabalhava numa serraria, época em que aprendeu a tocar violino e e em 1974, a valsa "No Tempo da Alegria".
também as primeiras notas musicais com Heinrich Luedke, que esteve A "Banda Cavalinho Branco", de Blumenau, e a "Bandinha Ale-
alguns anos em São Paulo, onde aprendeu música. Aos 18 anos, Krieger gria", de Vila Itoupava, gravaram algumas músicas de Manoel C. S.
comprou um bandônion e começou a estudar, sem professor no livro "Aulas Krieger.
de Bandônion", que lhe foi emprestado por Otto Daclcer consertador de A "Banda Cavalinho Branco" gravou: "Um Passeio em Blume-
bandônions.
, Inicialmente Krieger tocou muito
23.
nau", marcha composta em 25/11/1979; "Nas Colinas de Santa Catarina",
rancheira composta em 17/0111980; "Noites no Cavalinho Branco", marcha
composta em 31/01/1981, no LP número três. "Festa Alegre", marcha
composta em 03/0411979 e a valsa "Saudades da Típica Blumenau", no dia
30/05/1981, no LP número quatro.
A "Bandinha Alegria", de Vila Itoupava, gravou a valsa "Lembranças
dos Bons Tempos", composta em 30/03/1979; "Na Festa das Bandinhas",
mazurca, composta em 20/05/1979; "Lembranças de Luiz Alves", marcha
composta em 10/05/1980, no LP "Festa das Bandinhas". "O Viajante Alegre",
composta em 04/0711981, foi gravado no LP "Sob as Palmeiras" .
Além dessas músicas gravadas, Krieger compôs ainda as marchas:
"Bonecas de Neve" (31/05/1979), "No Dia do Papai" (12/0811979), "Festa dos
Atiradores" (25/07/1981), "Reconstruir" (16/0711983); "Despertar"
(15/09/1983). As valsas "Lembranças de Vila Itoupava" (23/09/1979),
"Pomerode, Verde Vale de Paz e de Encanto" (11/11/1979); "Tudo Bom"
(2611211980), "Piquenique no Morro Azul" (28/0611981), "Noite Alegre"
(09/0811981), "A Visita Chegou" (08/08/1982), "Valsa da Felicidade"
(23/09/1983). As polcas "Bom Dia, Gente Alegre" (1611111979), "Os Alegres
Clarinetistas" (2311111979), "Flores de Aniversário" (25/01/1981). As
mazurcas "No Tempo dos Avós" (14110/1979), "O Alegre Namorado" O disco "Blumenau Bandoneon Duo" , mostra a capacidade e sen-
(27/0511981). No dia 14/06/1979, Krieger compôs "O Tango". No dia sibilidade artística de Alfredo Radloff, que desde os 7 anos de idade inte-
14/0311979, o sambamaxixe "Alô Maxixe". Compôs os Reinlaendler "Dançar ressou-se pelo bandônion. Seu pai, August Radloff, desbravador do Vale do
Alegre" (20/04/1979) e "Quando Amigos se Reencontram" (12/02/1980). Os Itajaí, além de colono era professor de bandônion que ministrava as aulas aos
sambas "Já Vem o Samba" (16/0511979) e "Samba Alegre" (07/0811979). O seus alunos pela manhã, ao meio-dia e à noite, em troca do auxílio dos mesmos
baião "Na Praia de Armação" (21/0611979). O fox "Nós em Blumenau" em sua lavoura. Alfredo observava as aulas ministradas pelo pai aos alunos, e
(07/06/1979) e "Quando Estou Solitário Faço a Minha Música", fox compostso quando os mesmos se dirigiam para a lavoura, repetia as aulas no bandônion. O
0 0
em 13/0911979. No dia 1 de julho de 1979, o calipso "1 de julho" . seu talento para a música fez com que ele, em pouco tempo, executasse as
Anos se passaram desde a participação de Krieger em conjuntos como o primeiras valsas e marchas. e aos 12 anos já colaborasse com o pai nas aulas e
"Conjunto de Ritmos Elite", a bandinha da Sociedade Recreativa e Cultural também nos bailes. Alfredo comprou também um violino e como não sabia
Lyra e outras mais. Nos últimos anos, Krieger tocou pouco, dedicou-se mais a afiná-lo, comprou um método para violino. Um violinista que ouviu Alfredo,
compor músicas para bandônion. A grande mágoa de Krieger foi ter enviado, ficou admirado do seu aprendizado sem mestre.
através do músico Marcílio Pereira, composição de sua autoria para um Alfredo transpôs músicas para acordeon, bandônion e violão.
concurso nacional de música de banda, sem nunca ter sido informado do Compôs, entre outras músicas, a "Marcha de Abertura" ou "Marcha do Clube
resultado oficial do concurso. de Caça e Tiro Passo Manso", escrita para 1 o, 2 o e 3 o acordeons;
Casado com Selma Krieger desde 2 de janeiro de 1943, o casal teve três
filhas: Ingrid, Iris e Imilda. Faleceu no dia 13 de dezembro de 1990.
Conjunto de Ritmos Elite (o 29 à esquerda da foto _ Manoel C. S.
Krleger)
a valsa" Ao Pôr do Sol" e a marcha "Cidade Jardim". August Radlof!', pai de RIKOBERT DOERlNG
Alfredo, fundou a "Bandinha R~dloff".' co~ cinco e às veze.s seIS
elementos, da qual participavam seus filhos, mcluslve Alfredo. MaIs tarde a (Rigo)
"Bandinha Radloff" passou a ser dirigida por Alfredo e compunhase' dos
músicos: Max Eckardt (baterista), Rudolfo Radloff (baixo), Alfredo Radloff
(acordeon e bandônion), Walter Weise (bandônion) e Max Fischer (pistão). Rikobert Doering nasceu em Mulde Central - Timbó/SC no dia 5 de
Alfredo Radloffparticipou em Pomerode, onde recebeu medalhas, nos julho de 1932, filho de Hermann e Ida Doering. Rigo manifestou seu
festivais de bandinhas dos anos 1979, 1982, .19~3 e 1984. Participou interesse pela música quando, aos dezesseis anos, trocou uma bicicleta por
também da J3 FEMURB _ Rio Bonito, em Jomville. Possui também várias um acordeon. Estudou música com Franz Baumgart no Conservatório de
medalhas conseguidas em festas de Atiradores, nas quais foi rei quatro Música "Curt Hering", que funcionava no teatro "Cartos Gomes" de
vezes. Formou o C::h~b~ do Acor~eon, em Salto Weissbach, e no dia 24 de Blumenau. Franz Baumgart saiu do Conservatório, fundando o Studio
abril de 1956, ImClOU os ensalOs no Clube de Caça e Tiro .Passo Manso. Universal que funcionava no sobrado da Casa Willy Sievert. Do Studio
Eram estudantes do Clube de Acordeon: Geraldo Bauler Heliodor Vellwock, Universal formou-se o Conjunto Musical do Studio Universal, que fez a
Raul Henschel, llton Wagenknecht, Senhora Else' Maas, Amo Stark, sua primeira apresentação no dia 8 de janeiro de 1955, no baile da Socie-
Eleonore Kluge, Mario Maul, Helio Isleb, Edwin Weigmann e Reinaldo dade Recreativa e Cultural Lyra, no Salão Paulo Fischer. Rigo começou
Scharf. No dia 11 dê ago~to ~e 195.6, foi realizada, no Clube de Caça e Tiro tocando num acordeon marca "Scandalli" (1955) e em 1961, participou,
Passo Manso, a pnmerra nOIte cultural-artística com grande número de entre outros músicos, do conjunto musical formado por Baumgart. No dia
visitantes. A segunda apresentação foi em Ribeirão Itoupava (Campo da 18 de abril de 1965, Rigo estreou com o conjunto musical "Rigo e seu
Aviação), no dia 25 de agosto de 1956 e ainda no Salão Müller, no dia 24 de Conjunto" (Baumgart já havia saído do conjunto). Na ocasião, faziam parte
agosto de 1957. "Uma Noite de Natal" foi realizada no Clube de Caça e Tiro do conjunto Sérgio Max Rabitz, Domenicos Junkes, Esnard Oliveira, Abel
Passo Manso no dia 22 de dezembro de 1956. O Clube de Acordeon Evaristo, Luiz Berti Neto e Perfeito de Aguiar. Em 10 de maio de 1967,
funcionou até 1958. Apesar de no Clube de Caça e Tiro Passo Manso Rigo comprou um acordeon com 120 baixos, marca "Frascatti", que na
funcionarem a~~lmente só festas de tiro, bocha e futebol de salão, a parte época custou 300,00 cruzeiros novos, em dez pagamentos, de Osni Sievert.
cultural Ja esteve bem desenvolvida, tendo inclusive um Grupo Teatral que Em março de 1969, "Rigo e seu Conjunto" adquiriram um tremendão
de quando em vez montava espetáculos, entre elas as peças "Só Dez Gianini e a partir de 2 de julho de 1969 passaram a tocar no Restaurante
Centímetros" e "O Genro Mudo". O primeiro prefeito que participou dos "Frohsinn", e das tocatas no mesmo originou-se o Quarteto "Frohsinn",
festejos do Clube de Caça e Tiro Passo Manso foi Evelásio Vieira. Alfredo integrado por Rigo, Franz Baumgart (que voltara), Sérgio Rabitz e Perfeito
Radloff nasceu em Blumenau, no dia 15 de setembro de 1910, filho de de Aguiar. Em agosto de 1969, Franz Baumgart se afastou definitivamente,
August Radloff e Paulo Koehler Radloff. Foi casado com Sidônia Sprengel sendo substituído por Luiz Berti Neto. Em fevereiro de 1971, o Restaurante
Radloff. Está inscrito na Ordem dos Músicos do Brasil. Aposentado, ainda "Frohsinn" contratou o cantor Vilmar, que também era seresteiro e
leciona acordeon. No sétimo aniversário do programa "Salve a Banda", em violonista e que se integrou ao "quarteto". Nessa época, cada figura do
16 conjunto recebia, por apresentação, 450,00 cruzeiros. O "Quarteto
de julho de 1978, Radloff foi premiado com uma medalha. . 'Frohsinn'''cessou suas apresentações no restaurante no dia 30 de março de
Walter Weise, que tocava na bandinha Radloff, também era fllho de 1973 . Entre as apresentações de Rigo com o quarteto no Restaurante
colonos e aos 12 anos começou a estudar bandônion com seu próprio pai. "Frohsinn", era famoso o "Show do Cachorro". Neste show, os músicos
Aos 19 anos conheceu Alfredo Radloff, que já era famoso tocador de entravam no recinto com as luzes apagadas tocando "El Silêncio" e, por
bandônion. Em 1933, com mais três músicos, Alfredo e Walter formaram incrível que pareça, um cachorro preto peludo, ao ouvir a música, subia no
uma bandinha que abrilhantou bailes, festas e outros eventos. Em 1941, a palco e aguardava a sua vez. Quando terminava "El Silêncio" e os músicos
bandinha se desfez por motivos os mais diversos. tocavam "Curro Cuchare", de Metallo, o cachorro colocava as patas sobre o
corrimão e na hora do "Alegro", dava o seu "show", que era muito aplaudido. O Club Musical foi fundado em 1898, por Hermann Ruediger, e que no
No dia 1 o de abril de 1973, o conjunto passou a tocar no "Restaurante dia 21 de outubro de 1899, festejou seu primeiro aniversário com uma festa e
Cavalinho Branco", e no dia 1 O de julho de 1978, lançou o LP "No Cavalinho bom repertório, no salão de Ernst Bernhardt.
Branco". A partir de 3 de novembro de 1979, a banda começou a tocar na Casa O Club Musical se apresentava regularmente, e na grande festa
Moellmann. No dia 21 de março de 1981, apesar de cessarem as apresentações realizada no Teatro "Frohsinn", no dia 25 de abril de 1903, apresentou um
no "Restaurante Cavalinho Branco", o conjunto adotou o nome de "Banda concerto no jardim do teatro das 6 às 8 horas da noite. Também no salão de
Musical Cavalinho Branco Ltda", com a participação, entre outros, de Marcos Max Schoenau, onde funcionava um carrosse1, churrascaria e salão de baile, o
Novaski, que saíra do conjunto em 1979. Participam da "Banda Musical Club Musical apresentou-se, de tarde, no concerto com churrascada e de noite,
Cavalinho Branco Ltda", Rigo, Marcos Doering, Marciel Doering, Marcos no baile (20104/1913).
Novaski e Luiz C. de Aguiar, que participava do conjunto desde agosto de O nível artístico e o bom gosto na escolha do repertório era evidente, e
1978, e que em outubro de 1983 foi substituído por Silvio Luiz Capelani. A para documentá-10, transcrevemos o conteúdo de alguns programas com data e
banda gravou quatro LPs: "No Cavalinho Branco", "Conjunto típico Cavalinho local da apresentação. No dia 14 de setembro de 1919, no Teatro "Frohsinn",
Branco" e dois com o título de "Banda Cavalinho Branco". Nesses LPs, além de foi programada uma grande noite de entretenimento musical com baile para
interpretar músicas de outros compositores, o conjunto incluiu no primeiro LP encerrar a noitada. O programa apresentado constava de quatro partes, sendo
o baião de autoria de Rigo, "5 de Julho" e os arranjos sobre "See Rosen"; no que na primeira parte foram apresentados os seguintes números musicais:
segundo, incluiu a marcha "Rigo's Marsch" e o arrajo "Mus I Denn" e "Auch I PARTE
wieder Zeenn"; no terceiro, a marcha de autoria de Rigo "A Banda já Chegou";
1 - Freikugeln - marcha - de O. Fetrás
no quarto LP, "Eu Sou de Blumenau" e "Cheguei", ritmo jovem e os arranjos de
Rigo sobre a valsa "São Paulo" e "Não V amos para Casa". No disco 2 - Pique- Dame - abertura - de F. von Suppé 3 -
"Antigamente era assim ... ", lançado em 1958, Rigo fez os arranjos das Luna Walzer - de Paul Linke
músicas "Em Forma", de Franz Baumgart, e "Havanera", de Rockstroh, para o 4 - Mumb1in-Moss- Two-Step - de Thurban
Jazz Society. No disco "Salve a Banda", Rigo com sua banda tocou 11 PARTE
"Lichtensteiner Polka" e um potpourri de músicas alemãs. Rigo dirigiu o Coro 5 - Czardas - solo de violino com piano
Misto da Sociedade Recreativa e Cultural Lyra, o Coral Masculino e Infantil do 6 - Tam1l1auser - marcha - de Richard Wagner 7 -
Clube de Caça e Tiro Concórdia e o Coral Misto da Água Verde. Todos Blumelllied - de G. Lange
deixaram de funcionar com a saída de Rigo e, apesar das tentativas de
8 - Trovador - potpourri de Verdi
contiuidade com outros dirigentes, os grupos se dispersaram. Quando dirigente
de corais, Rigo fez um curso de regência de corais em Linha Brasil - Nova 111 PARTE
Petrópolis/RS, patrocinado e promovido pelos "Centros Culturais '25 de 9 - Solo de xilofone com acompanhamento de orquestra
Julho'''. Rigo também foi contra-mestre da Banda Musical Municipal de
Blumenau, fundada por Franz Baumgart. Rigo ensina música, menos piano IV PARTE
(instrumentos musicais necessários para tocar música popular) em sua casa, 10 - Blumenauer Marsch
tendo em determinada época até 65 alunos por mês. 11 - Guarani - de Carlos Gomes
Com "Inspiração", fox com letra de Grete Scheltzke, Rigo foi ho- 12 - Serenata dos Anjos - de Braga
menageado pelas suas Bodas de Prata. 13 - Fox-Trot de Ias Campanas - de Pastallé 14 -
Rigo é Delegado da Ordem dos Músicos do Brasil, em Blumenau, com Música humorística da Bauermusik.
jurisdição de Ilhota até Subida. É também presidente do Conselho Fiscal do
Sindicato dos Músicos Profissionais de Blumenau.
Os ingressos podiam ser adquiridos com Rudolph Klein por 2$000 as lU PARTE
numeradas, e 1$000 bancos ou em pé. 8 - Guarani de Carlos Gomes - abertura 9 -
No dia 3 de novembro de 1919, o Club Musical deslocou-se para a Chuva de Ouro - valsa de Waldteufel
Sociedade Teutônia, onde apresentou um concerto em quatro partes. 10 - Potpourri da ópera "Martha" - de Flotow
I PARTE 11 - Cavalaria Ligeira - abertura de F. von Suppé 12 -
1 - Freikugeln - marcha de O. Fetrás Despedida - serenata mexicana de Tellier.
2 - Pique-Dame - abertura de F. von Suppé 3 - Em janeiro de 192p6, Heinz Geyer, jovem músico, formado na
Despedida - serenata mexicana de Tellier Alemanha, chegou ao Brasil e sete meses depois já regia o Club Musical no
4 - Canção do assovio, da obra "Ares da Primavera" - de Strauss concerto do dia 20 de agosto de 1921, no Teatro "Frohsinn".
11 PARTE A essa orquestra, posteriormente; juntaram-se bons músicos como
Abelardo Bezerra, João Meirelles Jr., Gustav Thomsen, Erwin Schneider e
5 - Potpourri da Filha do Regimento - quarteto escolar 6 - Franz Runze.
Solo de xilofone com acompanhamento de orquestra O segundo concerto do Club Musical, sob a regência de Geyer, foi no
111 PARTE primeiro dia de Natal de 1921, no Teatro "Frohsinn", quando o professor
7 - Guarani - abertura de Carlos Gomes Heinrich Koehler se prontificou a enriquecer o programa com dois números de
piano. Do programa constaram músicas de F. V. Blon, Flotow, Ischpold,
8 - Sonho de amor depois do baile - valsa de Czibulka 9 -
Pilgerchor de Tannhãuser - de Wagner Czibulka, S. Jones, Aletter e Eilenberg. No dia 20 de junho de 1922, o Club
10 - The Brooklyn - de Thurban Musical apresentou no Teatro "Frohsinn" um concerto com instsrumentos de
corda para a aquisição de um harmônio e, segundo a crítica, o sucesso foi algo
IV PARTE de novo. O sucesso da orquestra de cordas fez com que a mesma se
11 - Poeta e Camponês - abertura de F. von Suppé 12 - apresentasse novamente no dia 25 de novembro de 1922, ocasião em que Geyer
Ganz allerliebst - valsa de Waldteufel incluiu na programação a marcha de sua autoria "Rio de Janeiro". O Club
13 - Serenata - de B. Umlauf Musical, sob a regência de Geyer, se apresentou ininterruptamente sempre com
14 - San Lorenzo - marcha de A. Silva. programa selecionado não só em Blumenau e sim em diversas cidades do nosso
Estado.
Ainda em 1919, no dia 18 de dezembro, o "Musikalischen Klub" (Club É evidente que o Club Musical sob a regência de Geyer deu um
Musical) apresentou no Teatro "Frohsinn" um grande concerto e o programa novo impulso à vida artísstica de Blumenau e cidades vizinhas, sendo
em três partes apresentou os seguintes números musicais: elogiado pelo "Der Urwalsdbote" após o concerto do dia 21 de abril de
I PARTE 1924, por "enaltecer a vida artística de Blumenau". O "Der
Urwaldsbote" em julho de 1924, publicou ainda a seguinte nota: "0
1 - O Mestre Alemão do Regimento - de Ertl 2 - Club Musical sob a regência do maestro Geyer, através dos seus
A Dama Branca - abertura de Boildieu concertos, tem desempenhado papel importante na vida da
3 - O Trem Rosa do Casamento - de Fessel Comunidade, apesar dos participantes da orquestra serem apenas
4 - Fantasia da Ópera de Wagner - amu~o de Ernst Bernhardt
arnadores, aliás, de grande gabarito, pois até visitantes louvam a
11 PARTE atuação do maestro Geyer à frente da orquestra de cordas. A
5 - Xilofone e Música de Sinos - solo 6 - orquestra uniu todos os músicos. A nota continua dizendo 'que para
Quarteto e Solo de Violino formar uma grande orquestra há necessidade de
7 - Einlage - canto
instrumentos musicais de sopro, madeira, bateria, etc. e também um certo instrumental apresentado no Teatro "Frohsinn", o Club Musical
harmônio e notas musicais que custam caro". Como a jovem Sociedade conseguiu, com o bom programa sob a regência de Geyer, um belo sucesso.
Musical não tem os recursos necessários, as esposas dos músicos visitarão Uma das composições de Geyer, 'Serenata', foi calorosamente aplaudida e
as farmlias com listas a fim de conseguirem os necessários recursos". reprisada a pedido. Heinz Geyer é um excelente compositor e ótimo
No dia 4 de maio de 1924, o Club Musical apresentou-se em Brusque. E regente. Os concertos do Club Musical são sempre o ponto alto para os
no dia 16 de agosto do mesmo ano, apresentou um grande concerto na apreciadores da boa Música". Na Escola Nova (Neue Schule), eram
Sociedade de Atiradores, quando também foram apresentadas as peças freqüentes as festas culturais artísticas que muitas vezes incluiam a
musicais de Geyer "Intermezzo" e "Aparecimento dos Espíritos" . colaboração do Club Musical, gentilmente.
Paulatinamente Geyer foi reunindo os músicos até formar uma só Nos festejos do cinqüentenário do Colégio Santo Antônio de Blumenau,
orquestra. No dia 13 de abril de 1925, após o concerto apresentado no Teatro nos dias 13, 14 e 15 de agosto de 1927, além das festividades próprias em tais
"Frohsinn", a crítica foi unânime, "sob a regência de Geyer, o Club Musical eventos, participou também a "excelente orquestra do Club Musical", sob a
está realmente apresentando boa música". regência de Geyer. O ingresso para as festividades era uma medalha
O dia primeiro de agosto de 1925 foi um dia de festa para o Club comemorativa ao cinqüentenário pelo preço de 1$000 réis.
Musical. No Teatro "Frohsinn", com um grande concerto, foi inaugurado o N o dia primeiro de outubro de 1927, na festa em homenagem a
novo harmônio. Sob a batuta de Geyer, foram apresentadas músicas de W. A. Hindenburg, realizada no salão dos Atiradores, participaram, além do Club
Mozart, A. Schreiner, E. Nevin, Fr. Liszt, Carl Friedemann, Zeller, Ischpold e Musical, o Club Germânia e o Liederkranz. A direção artística esteve a cargo do
E. Urbach. O Club Musical também participou da "Noite Colorida", no Teatro Maestro Geyer. A programação dividida em duas partes foi muito bem
"Frohsinn", no dia 26 de setembro de 1925, em honra da presença da Colônia executada por todas as entidades participantes. O lucro foi em beneficio do
Alemã em Blumenau. No dia 14 de abril de 1926, à frente do Club Musical, "Hindenburgspende". O convite foi formulado pelo cônsul alemão Otto
Geyer dirigiu um grande concerto no Teatro "Frohsinn", concerto que foi Rohkohl e pelo presidente da Sociedade de Atiradores, G. Arthur Koehler.
reprisado com algumas alterações no dia 13 de maio também no Teatro Quando S. M. o Rei da Saxônia, Friedrich August, visitou Blumenau no dia 14
"Frohsinn", em beneficio da Igreja Matriz. Do programa constaram os de julho de 1928, o Club Musical participou das homenagens, bem como a
seguintes números musicais: Sociedade de Canto Masculino "Eintracht" , a Associação Ginástica Blumenau
1 - Hino Nacional Brasileiro, de Francisco Manoel da e a secção de cantores do Club Germânia. Na ocasião, os cantores do Club
Silva; 2 - Abertura Solene, de Chr. Bach; Germânia e os músicos do Club Musical foram regidos pelo Maestro Geyer. A
3 - Fantasia sobre o Rigolleto, de Verdi; segunda parte, a lmmorística, esteve sob a direção de OUo Arendt, que foi
muito aplaudido. Os números de ginástica rítmica foram apresentados pelas
4 - Air Varie Par, de Henri Vieuxtemps (solo de violino por Abelardo
moças, e os de ginástica em barras pelos ginastas da Associação Ginástica
Bezerra);
Blumenau. Foi cantado o Hino Nacional Brasileiro e depois uma canção da
5 - Abertura "Uma Manhã, Uma Tarde, Uma Noite em Viena" ,
velha pátria, "Aus blauen Wogen steigt ein Land" (Das Vagas Azuis asc~n~e
de F. v. Suppé;
um País). Com o concerto de 7 de julho de 1928 e os números mUSIcaIS
6 - Potpourri "O Estudante Mendigo" , de C. Millocker; 7 -
apresentados: Beethoven, Tschaikowski, Bizet, O. Nicolai, Fr. Popry, e a
"Intermezzo, de H. Geyer;
pedido, "Em Memória de TamIDãuser de Richard Wagner", de O. Hohmaml,
8 - Comédia Húngara, de Kéler Béla.
Geyer foi muito aplaudido consolidando a sua atuação co.mo regente em
Os ingressos foram vendidos no Teatro. Depois desse concerto não Blumenau. Pela morte de Franz Schubert, o Club MUSIcal prestou significativa
houve baile. Também o concerto do dia 13 de novembro, no Teatro "Frohsinn", homenagem ao maior compositor de "~ieder": da Alemal1ha. O Club Musical
foi muito bem executado pelo Club Musical, dirigido por Geyer, merecendo do também teve participação espeCial na festa natalina de 15 de dezembro de
"Der Urwaldsbote a seguinte crítica: "Com o con- 1928, promovida pela Escola Nova. A
festa envolvia, além do concerto, a apresentação da peça teatral "Rotkopf SOCIEDADE MUSICAL "L YRA"
Jorge", conto de fadas de Natal para gente grande e pequena, segundo o convite
formulado pela escola. Em 1929, o Club Musical deslocou-se duas vezes para DEBLUMENAU
Hansa - Hammonia, apresentando um concerto na Igreja, e de noite durante os
festejos, no salão Becker (07/09/1929) .
No dia 26 de dezembro de 1929, a grande novidade do concerto foi a
apresentação do Club Musical em conjunto com o "Liederkranz", que desde A Sociedade Musical "Lyra" foi fundada por Ernst Bernhardt no dia 23.
1922 já atuava frequentemente sob a regência de Geyer, possibilitando as e™!evereiro de 1919. Bernhardt, que fez sucesso no Brasil e que
grandes programações músico-vocais. O Club Musical, que sob a batuta de post~rlOrmente mu.dou-s~ para a Argentina, onde o sucesso se repetiu in-
Geyer funcionava no Teatro "Frohsilm", passou a chamar-se Orquestra da clusIve no UruguaI e ChIle, ficou no Uruguai quando em 1913 a orquestra
Sociedade Teatral "Frohsinn". formada por membros de sua família apresentou-se em Blumenau. Bernhardt
Sob a batuta de Geyer, foi apresentado na Igreja da Comunidade só voltou a Blumenau em 1919, e o "Jornal do Commercio" de Blumenau
Evangélica de Blumenau um belíssimo concerto em memória dos mortos da comentou que Ernst Bernhardt fundara uma Sociedade Musical em B1umen~u
Primeira Guerra Mundial, no dia 21 de fevereiro de 1932. qu~ realizou concertos públicos. A nota no jornal, ?~~da. de 18 de. fevereIrO
Com o tema "Nordischer Abend", tendo como primeiro número do de 1919, desejou êxito a Ernst Bernhardt pela mlcIatlVa, convIdando os
programa a palestra do Dr. Ludwig Sroka sobre música escandinava, foi blumenauenses interessados para uma reunião no Teatro "Frohsinn" no dia 23
apresentado no Teatro "FrohsiIm", no dia 6 de outubro de 1934, um concerto de fevereiro, às três horas da tarde. A "Gazeta de Blumenau" de 19 de fevereiro
com músicas de F. Pacino, E. Grieg, Johann Svendson, Kurt Atterberg e Jean de 1919, também teceu comentários elogiosos a Ernst Bernhardt pela grande
Sibelius. iniciatao fundar a Sociedade Musical "Lyra", e também pelo bom gosto do seu
Faziam parte do repertório da Orquestra da Sociedade Teatral repertório. Da programação apresentada no primeiro concerto da Sociedade
"Frohsüm": La Tosca (fantasia) de Puccini; Dança Macabra de C. Saint Saens; Musical "Lyra" no jardim público, no dia 15 de novembro de 1919, além da
Semiramis de G. Rossini; Liebesgruss (intermezzo) de E. EIgar; Die alvorada às seis horas da manhã com o Hino Nacional, às quatro horas da tarde
Fledennaus (potpourri) de J. Strauss, Marinarella (ouverture) de 1. Fucik; foi apresentado o concerto com os seguintes números musicais:
Bryllupsdaag para Troldhanger de E. Grieg; Margarethe (fantasia da ópera de
Fausto) de Charles Gounod-Artok; Dança da Ondina (da ópera Loreley) de A. 1 - Hino Nacional;
Catalani; Rapsódia nO 1 em C de Friedmann. Também faziam parte do 2 - Saudades da minha terra (dobrado); 3 -
repertório duas figuras de dança de Heinz Geyer: Parademarsch, de Schwenke;
Gavotte a Ia Fantasia e Menuett. 4 - Nabucodonosor, de Verdi (abertura) 5 -
Compunham a orquestra do Club Musical em 1929 os músicos: San Lorenzo, de Silva (marcha);
Udo Schadrack, Walter Meyer, Edith Pawlowsky, Richard Gross, Kurt 6 - Chuva de ouro, de Waldteufel (valsa); 7 -
Boettner, Ludwig Reinhardt, Franz Runze, Rudolph Klein, Julius Baumgarten, Die Wachtparade kommt, de Eilenberg;
Felix Hering, Bruno Hidlmeyer, Heinrich Weber, Franz Hering, Frida 8 - Das haben die Maedchen so gerne, de Gilbert; 9 -
Baumgarten, Meyer Degen, Gertrud Boettner, Hildegard Gross, Hertha Meyer Velhos Camaradas, de Zelke (marcha.
Altenburg e Senhora Doutor Capella, sob a regência do Maestro Geyer.
Em 1936, a Orquestra da Sociedade Teatral "FrohsiIm" incorporou a Bernhardt, além de músico e regente, fazia arraqjos, entre eles, da
Sociedade de Canto "Liederkranz", possibilitando assim a encenação da ópera fantasia da ópera de Richard Wagner, que foi muito tacada. No dia 28 de
"Preciosa", de Carl Maria von Weber.
24.
fevereiro de 1920, a Sociedade Musical "Lyra" festejou o seu primeiro
aniversário com a publicação do jornal "Die Schnauze" (focinho ou boca
grande). A Sociedade Musical "Lyra" não se limitava a dar concertos só em
Blumenau. De quando em vez a banda fazia suas apresentações na periferia da
cidade e também nas cidades vizinhas. No dia 25 de julho de 1920, a banda
"Lyra" participou da festa realizada no salão Krause, de Nova Bremen,
apresentando um concerto com bem escolhido repertório. Na ocasião, o grupo
teatral local apresentou a peça teatral "Branca de Neve", Também companhias
ou artistas famosos que prestigiavam Blumenau com seus espetáculos
encontravam na "Lyra" uma banda capaz para se entras ar com os mais variados
espetáculos. O artista Heinrich Heinz, do Teatro Municipal de Viena,
apresentou-se em Blumenau nos dias 28 de agosto e 8 de setembro de 1920, no
Teatro "Frohsinn", com números alegres e sérios, de diversos autores, entre
eles "Judith Simon" , de Risz, "Os Cavadores de Ouro", de Seibel, "Guilherme
Tell", de Shiller e ainda números de Baumbach, Goethe, Wildgans e
Wildenbruch. Entre as cenas humorísticas apresentou: A Herança, Uma Carta
Comercial do Céu, Caridade, Uma Paródia Operística (musical), A Prédica de
Madalena, Dor de Pai, A Dor de Dente, O Cabaret Grazer, Lord Spleen e
"Dus-Spiel" em um ato, de Gruendbaum. Heinrich Heinz se apresentou em
esquerda, o Maestro Geyer de batuta na mão
todo o Vale do Itajaí, e em 9 de outubro, se apresentou no Teatro "Frohsinn",
em caráter beneficente, para as crianças mineiras e carentes de Viena. Em todos Hin.dlm~yer, ~einz Sachtleben, Lorenz BOl1l1emaSSou, Phillip Brandes,
os espetáculos a banda "Lyra" estava presente. EmI1 ~elbt, Julms Bawngarten. Waldemar Gropp, Edward Gropp, Erwin
Em 29 de outubro de 1921, a banda "Lyra" se apresentou no salão Otto Schnelder, Feodor Axthelm e Karl Franz Geyer, irmão do maestro Geyer.
Jensen, de Itoupava, em concerto e depois baile. A "Noite Familiar" era promovida com freqüência pela Sociedade
Em 1922, pelo Centenário da Independência do Brasil, a Sociedade Musical "Lyra". Constava de concertos, às vezes peças teatrais, tinalizando
Musical "Lyra" já atuava sob a batuta de Geyer, que reuniu todos os bons sempre com animado baile. Geralmente era realizado nas dependências do
músicos de Blumenau para atuarem na "Musikkapelle Lyra", que desfilou no Teatro "Frohsinn" e Sociedade de Atiradores. A Sociedade Musical "Lyra",
dia 7 de setembro de 1822, em homenagem à Independência do Brasil. Foi realizava também os seus bailes sociais, principalmente para festejar a data da
durante os ensaios da banda da Sociedade Musical "Lyra" que Geyer, na falta sua fundação, e no dia 15 de março de 1924, três bandas abrilhantaram o baile,
de uma batuta, recorreu a um pedaço de vegetação. O Capitão Antônio Brício onde o traje exigido era o de contos de fadas. No dia 21 de setembro de 1924, a
Guilhon, vendo o fato, presenteou Geyer com uma batuta. Foi a primeira batuta Sociedade Musical "Lyra" apresentou um concerto de despedida em praça
de Geyer. pública ao seu fundador, Ernst Bernhardt, que se radicara detinitivamente na
No dia 16 de setembro de 1923, a banda "Lyra" excursionou até Argentina.
Warnow, onde apresentou um concerto e depois abrilhantou o baile. As festas de fundação da Sociedade Musical "Lyra" sempre tinham um
A nota interessante sobre essa excursão é a menção feita ao horário e toque de magia. No dia 14 de fevereiro de 1925, além da exigência do uso de
preço do trem: ida 7,10 e volta às 4,33 pelo preço de 2$400 réis. trajes exóticos para as testividades, foi apresentada antes do baile a peça teatral
A foto mostra integrantes da banda "Lyra", no dia 7 de setembro de "Na Sala de Espera 43 Classe". Ano após ano, as festas se repetiam sempre
1923, numa manifestação patriótica. À esquerda, de batuta na mão, está Geyer. animadas e com um toque diterente.
Entre outros integrantes da Lyra, na foto, estão: Bruno
A Banda Lyra em 7 de setembro de 1923. À
No dia 11 de fevereiro de 1928, o baile à fantasia foi animado pela banda de nistravam aulas para os futuros integrantes da Orquestra Sinfônica da So-
damas do Rio de Janeiro, "The Modero Girls". Já no dia 22 de fevereiro de ciedade eram pagos através do "Fundo", e quando o "Fundo" era insufi-
1930, o cenário para festejos da fundação da Sociedade Musical "Lyra" foi ciente para pagar os professores, entravam em jogo as contribuições
uma "Noite Turca", com trajes, damas do harém, pachás, eunucos, etc. A mensais dos associados. Os professores de piano e a professora de "ballet"
festa foi realizada no Teatro "Frohsinn". No dia 7 de fevereiro de 1931, recebiam as importâncias pagas pelos alunos pelas aulas ministradas, com
animada com três bandas, a Sociedade Musical "Lyra" promoveu, no exceção da professora Maria Eugênia Tavares (Dona Geninha), que recebia
Teatro "Frohsinn", a noite "Japonesa-Chinesa". Em 1932 além do seu baile como funcionária da Cia. Hering. O Maestro Geyer, professor catedrático
carnavalesco, a Sociedade Musical "Lyra" promove~ com o "Liederkranz", de música e canto orfeônico da então Escola Normal Pedro 11, pelo Decreto
no dia 8 de maio, uma excursão a pé, com saída de Blumenau às nove horas de 21 de julho de 1962, foi posto à disposição do Conservatório de Música
da manhã, até Gaspar, voltando, com saída às cinco horas da tarde, com o "Curt Hering" de Blumenau, que já dirigia desde 1949, data da sua
vapor Blumenau. Com o tema "Uma Noite na Floresta" , no dia 18 de fundação. Os Certificados de Freqüência eram fornecidos em nome do
fevereiro de 1933, realizou o seu baile à fantasia. Professor Guilhenne Halfeld Fontainha. A eficiência dos professores, entre
Com a incorporação dos músicos ao Club Musical pela batuta do eles, Lubo Maciuk, Heinrich Webel, Ludwig Seyer, foi comprovada com a
Maestro Geyer, a Sociedade Musical "Lyra" desapareceu. audição dos alunos: Doris Gropp, V. Bona, G. Keunecke, M. Schneider, F.
Ernst Bernhardt, fundador da Sociedade Musical "Lyra", era casado Lutzenberger (canto); H. Geyer, FI. Franzke, H. Deeke, A. Butzke, V.
com Luiza filha do músico e regente de banda (na Alemanha) Carl Gottlieb KottmarID e I. Muetze (violino); G. Meyer, I. Colin, L. Busch (piano); A.
Schn~ider, que veio para o Brasil em 1854. Era avô do músico Hermann Butzke (viola) e J. P. Brueckheimer (cello), realizada no dia 24 de
Schneider, participante da banda Werner, fundador e professor da novembro de 1950. A avaliação dos alunos era feita anualmente e no dia 28
Sociedade de Quadrilha que funcionava no bairro da Velha. de novembro de 1952, foi realizada, com a colaboração da Sociedade
Dramático-Musical "Carlos Gomes", no salão de concertos da sociedade.
Em 1953, o curso de canto não mais foi oferecido, em compensação foi
oferecido composição. Apesar de oferecer várias opções na área da música,
CONSERVATÓRIO DE MÚSICA a finalidade principal era fonnar músicos para a Orquestra Sinfônica. No
decorrer dos anos em que funcionou, o Conservatório contou com diversos
"CURT HERING" professores, entre eles: Use Oberstetter, Max Demmleitner, Maria Eugênia
Tavares, Franz Runze, Gertrud Petz1, Oleh Gabrussewycz, Louri
Kahrbeck, Leopoldo Kohlbach, Hubert Geyer, Jorge Hartke, Karin Testoni,
Em 1949, para suprir as necessidades da Orquestra Sinfônica, foi EUi Schwartz, Elisabeth Kaestner, Christa Grempel, Iris Colin Ramers. O
fundado o Conservatório de Música "Curt Hering" , idealizado por Heinz Conservatório contou também com a eficiência e dedicação da secretária
Geyer e Curt Hering. Para que o mesmo funcionasse, a Sociedade Dra- Edazima Onken Gaertner (Dona Eda), que caminhou lado a lado do mesmo,
mático-Musical "Carlos Gomes", na época, pôs à disposição do Con- e apesar das pressões para dispensá-Ia, quando o Conservatório passou a
servatório algumas dependências do Teatro "Carlos Gomes" , funcionando, funcionar com o nome de Escola Superior de Música, com secretária e
portanto, graciosamente, nas dependências do Teatro desde 1949. O professores importados, pois dos antigos e dedicados mestres somente
Conservatório de Música "Curt Hering" era mantido pela Comunidade, ou continuaram a lecionar Leopoldo Kohlbach e Hubert Geyer, Dona Eda
seja, por finnas comerciais, verbas municipais, indústrias e alguns continuou trabalhando até ser obrigada a afastar-se por motivos de saúde,
particulares, através de um fundo chamado "Fundo Pró-Manutenção falecendo em seguida.
Orquestra Sinfônica". Havia também algumas ações da Fábrica de Papel - Coordenado por Oscar Zander, no período de 25 de julho a 3 de agosto
Itajaí, que Curt Hering doou para o Conservatório, porém, el? nada de 1969, foi realizado no Teatro "Carlos Gomes" o Primeiro Seminário de
contribuíram, para a autonomia do mesmo. Os professores que mr- Música. Oscar Zander substituiu o Maestro Geyer, quando
25.
este foi dispensado da direção do Conservatório de Música e da regência da
orquestra e coral da Sociedade.
Sucederam a Oscar Zander o Maestro Roberto Schnorrenberg e a
pianista Lina Maria Lobo Kubala, que posterionnente foram substituídos por
Neide Coelho e Noemi Kellennann.
A Escola de Música, além de ministrar regularmente aulas de música,
promoveu entre outras atividades, um curso de Técnica Vocal e Regência, do
qual participaram professores e alunos de diversos locais do nosso Estado.
Promoveu também um "Ciclo de Violão", o projeto "Vila Lobos para Jovens",
Concertos Matinais, Música para as Escolas e outros.
Em 1981, foi fundada a Orquestra de Câmara de Blumenau, da qual
participam alguns alunos e proíessores da Escola Superior de Música
(ex-Conservatório de Música). A maioria dos músicos da Orquestra de Câmara
de Blwnenau são profissionais de outros estados. Desde sua fundação, a
0
Orquestra foi regida por Norton Morozowicz, natural de Curitiba e 1 t1autista
da Orquestra Sinfônica Brasileira.
A Orquestra de Câmara de Blumenau é considerada um dos melhores
conjuntos do gênero no país, e a única Orquestra de Câmara profissional de
Santa Catarina.
A música é uma das tradições mais antigas traz idas pelos imigrantes
alemães que após o teatro (1860) e o canto (1863) se manifestou em concertos
Strauss, Geyer percOrreu todas as cidades da Alemanha. foram contem-
(quarteto) a partir de 1864.
porâneos de Geyer, Richard Strauss, Arthur Nikisch, Thomas Moeller e
grandes expressões musicais da época. Com esta formação musical, Geyer
poderia ter sido uma das maiores expressões musicais do mundo e ter
HEINZ GEYER concretizado o augúrio dos seus mestres: "Umfuturo brilhante e promissor",
(Maestro Geyer) conforme o Certificado de Maturidade Musical que obteve aos 16 anos de
idade. Mas adotou Blumenau, dedicando toda a sua vida à formação musical de
amadores para atuarem na sua maravilhosa orquestra sinfônica e no seu coral.
Heinz Heinrich Geyer, filho de Karl Heimich G. Geyer e Gertrud Geyer, Geyer participou ativamente da Primeira Guerra Mundial servindo na
natural de Muehlheim, Ruhr, Alemanha, nasceu aos 27 de junho de 1897. Po1ônia. Voltou para a Alemanha por ter sido ferido em combate, recebendo a
Fonnou-se no Conservatório Estadual de Música de Duisburg, Cruz de Ferro, condecoração por bravura.
Alemanha, aos 16 anos de idade, sendo sua principal formação a flauta Conseqüência do longo tempo nas trincheiras, exposto às intempéries,
transversal, porém, como artista capacitado que era, aprendeu também violino Geyer contraiu reumatismo, sendo aconselhado por seu médico a emigrar para
e piano, sendo respeitado e considerado pelos seus mestres e pela direção do um clima tropical para curar-se. Por essa época, Geyer conheceu em
Conservatório que lhe desejaram um futuro brilhante e promissor. Mais tarde, Hamburgo, Alemanha, Paul Gresser, tornando-se amigos e Gresser insistiu
Geyer ingressou na Escola de Composição do Professor Poalid e na do para que Geyer viesse para o Brasil. Geyer chegou ao Brasil no dia 27 de
Professor Moeller. Geyer era excelente solista de t1auta, atuando na orquestra janeiro de 1921, desembarcando em São Francisco do Sul. Geyer não pretendia
de Duisburg. Sob a batuta de Richard ficar no Brasil, os seus planos incluíam a
Maestro Geyer
viagem para a Argentina, onde tinha amigos. Ficou, porém, em Blumenau, Geyer abrilhantaram efemérides que marcaram a vida social, artística e
onde todos faziam música, teatro, cantavam, dançavam e viviam como uma cultural da Comunidade blumenauense.
grande família. Geyer fez muitos amigos, que ao descobrirem a sua formação As primeiras músicas de Geyer foram compostas na Alemanha, ele não
musical envidaram todos os esforços para que o jovem e simpático músico as trouxe porque pretendia retornar. Na Alemanha, em Blumenau e até em
pennanecesse em Blumenau e, no dia 20 de agosto de 1921, o "Der viagem, Geyer compôs músicas para amigos graciosamente. Geyer musicava
Urwaldsbote" publicou um programa onde destaca a marcha "Ernesto tudo o que lhe vinha às mãos, e segundo o protessor José Ferreira da Silva, seu
Czerniewicz", de autoria de H. Geyer. Em 1921, ano de sua chegada a amigo pessoal, "Geyer era dotado de capacidade mental criadora excepcional,
Blumenau, Geyer já tinha sob sua batuta wna orquestra que se compunha dos o seu admirável e harmonioso estilo, o doce encantamento dos seus arranjos, e
seguintes músicos: elevado padrão artístico de toda a sua música, tornaram Geyer uma das
Violinos: expressões máximas dessa arte ". Geyer compôs: "Ernst Czerniewicz", marcha
Frieda Baumgarten, Ernst Czerniewicz, Jorge Ternes e Frieda em homenagem ao seu grande amigo e violonista (20/0811921); "Rio de
Hindlmeyer Janeiro", marcha (25111/1922); "Aparecimento dos Espíritos", marcha
Violas: (12/05/1923); "Intermezzo" (16/0811924); "Despedida", marcha romântica
Richard Gross, Rudolph KIein (19/03/1927). No dia 13 de novembro de 1937, em homenagem à filha do Dr.
Blumenau, fundador da Colônia, foi apresentado o ciclo musical "25 de Julho",
Violoncelos:
mais tarde apresentado com o nome de "O Imigrante". "Suite Brasil", poema
Kurt Boettner, Karl Otto Schlenun
sinfônico, foi composto em 1936. Também em 1936, Geyer compôs o hino a
Piano:
"Carlos Gomes", por ocasião dos festejos alusivos ao centenário de nascimento
Gertrud Boettner
do grande compositor brasileiro (letra do Dr. Oliveira e Silva). Geyer musicou,
Flauta:
de Casimiro de Abreu, "Minha Mãe", e fez arranjos para grande coral a oito
Hennann Ruediger (fundador da 1 a banda de Blumenau)
vozes e orquestra do Hino Nacional Brasileiro. "Despedida", marcha
Contrabaixos:
romântica, deu origem à "Suite Romântique", com peças musicais: "Serenata",
Felix Hering, Hermann Hering (não pertence à família da Cia. Hering)
"Valsa" e "Despedida". Geyer escreveu e compilou uma série de ciclos
Trombone:
musicais:
Julius Baumgarten
"Meu Brasil", pelo centenário de nascimento de Ruy Barbosa (05/11/1949);
Clarineta:
"MilUlesang" (07/1211955); "Reminiscências da Infância" (ciclo nO 7 - 1
Franz Hering
%7/1962); "Alma Brasileira" (ciclo nO 8 - 23/05/1964); "Acordai Vós
Trompete:
Pastores" (ciclo natalino - 08/1011967); "Canções dos Mestres Alemães"
Ernst Bernhardt (fundador da Lyra).
(13/12/1970). Geyer também musicou "Quadros da Vida de Jesus"
A partir de 20 de agosto de 1921, Geyer passou a reger todos os (10/04/1963); "Quadros Históricos do Desenvolvimento do Brasil"
concertos da orquestra de cordas do Club Musical. Os concertos se sucediam e (07/12/1966). Geyer compôs a ópera "Tilo", inédita, com tema amoroso
Geyer participava ativamente de tudo, regendo orquestra de cordas, bandas, baseado na Primeira Guerra Mundial. O texto foi escrito por Feodor Axthelm.
conjuntos musicais, corais e acompanhando artistas de passagem por Da opere ta "O Mundo Distante", inédita, só foi a público a Canção da Lamita,
Blumenau. Em pouco tempo, Geyer conseguiu preparar e capacitar músicos "Sempre Ansiei por Ti", do 1 ° ato, interpretada por Elisa Lindholm, em 24 de
amadores de Blumenau, principalmente da banda Lyra, para destilarem no dia abril de 1948. A opereta "Valéria", com texto e música de H. Geyer, também
7 setembro de 1922, dia do Centenário da Independência do Brasil. Consultado está inédita. Além das composições, Geyer fez arranjos para a orquestra,
se também usaria no destile o uniforme do então Tiro de Guerra 475, Geyer suprindo a falta de instrwnentos musicais e arranjos especiais para o "ballet".
respondeu: "Sentir-me-ei honrado em vestir o unifonne de soldado brasileiro". Os arranjos para órgão foram fantásticos, entre eles o "Largo", de Haendel,
Os concertos de para o
qual ele escreveu o texto, e ainda fez o arranjo para o coro a 5 vozes. T~bé~ Canta", "Nossos ~ais Cantavam ~ss~" e "Natal". Geyer tambem fOI
Apesar das belíssimas composições musicais de Geyer, algumas de presenteado com tres batutas: a pnmelra lhe foi presenteada pelo Ca~itão
sucesso, a sua obra prima é "Anita Garibaldi", baseada na heroína de Laguna. A Antônio Brício Guilhon, a segunda por HermalUl Ruediger, primelrO regente
ópera saiu graças aos incentivos do professor José Ferreira da Silva, de de Blrunenau e a terceira, runa batuta de honra com uma placa de ouro, que lhe
temperamento artístico, que escrevia os poemas para a genialidade de Geyer foi presenteada pelo Comandante do 23 o B. L. Quando da apresentação do
musicar. O professor José Ferreira da Silva, que na época era prefeito concerto em Florianópolis em homenagem à Semana da Marinha, Geyer foi
municipal de Blumenau, não foi só o libretista, e sim o homem de pr~senteado com uma "pokal" pelo vicepresidente da República Rademacker.
extraordinária cultura que possibilitou por todos os meios facilitar o trabalho de Geyer viveu um momento de grande emoção quando, durante um ensaio, dia
Geyer. Em fins de 1939, a ópera estava pronta e trechos esparsos são cantados e do seu aniversário, o coral e orquestra o homenagearam devolvendo-lhe a
ílauta de prata que havia vendido.
tocados em vários concertos com sucesso, porém, somente em 1950, ano do
Entre as muitas homenagens recebidas, a que marcou os últimos anos
centenário de Blumenau, a ópera estreou e foi um sucesso. Blumenau aplaudiu
de Geyer foi a do seu "Jubileu de Ouro", no dia 8 de maio de 1971 data em que
de pé os autores, solistas, orquestra e coro, bem como a equipe técnica, nos dias
também sofreu a maior injustiça da sua vida ao ser informa~ do de que
2, 4 e 6 de setembro. A ópera foi reapresentada nos dias 7 e 9 de dezembro de
apresentara o seu último concert027• Aposentado compulsoriamente, para
1956 e nos dias 10 e 6 de junho de 1963, em Blumenau, no Teatro "Carlos
receber sua minguada aposentadoria fazia diversas viagens, por mês, de
Gomes". N o dia 25 de novembro de 1957, a ópera foi apresentada no Teatro
Navegantes a Blumenau, fato que muito contribuiu para o seu declínio quando
Municipal de São Paulo, onde o púlbico aplaudiu demoradamente o talentoso
ainda podia reger, compor e dar muito de si para a Comunidade blumenauense,
maestro "catarinense". Pelo requerimento nO 3-100-57, da Câmara Municipal
a quem se dedicou durante cinqüenta longos anos.
de São Paulo, foi consignado um voto de congratulações e de aplausos os mais
A festa do seu "Jubileu de Ouro" transformou-se em concerto da
efusivos e entusiásticos, ao Maestro Heinz Geyer, autor da ópera "Anita
'Despedida". Destituído das funções, Geyer afastou-se e praticamente
Garibaldi", apresentada em São Paulo com largo e merecido êxito. Com as
enclausurou-se em sua casa de Navegantes, onde construiu runa oficina,
apresentações em São Paulo, Geyer chegou ao topo da fama e da glória e nada
continuando com o seu passatempo favorito: a mecâ,úca e a eletricidade28.
mais, pois financeiramente as apresentações e~ São Paulo não lhe
Geyer inventou e construiu: máquina para endereçar correspondência, fazer
proporcionaram nem o dinheiro necessário para a Viagem de volta. Geyer,
envelopes, escrever vários tipos de notas musicais, dispositivo para virar as
desgostoso resolveu vender a sua obra prima, que foi adquirida pelo seu grande
páginas das partituras, acionado pelo pé, dispositivo na máquina de cortar
admirador, amigo e antigo participante da Orquestra Sinfônica do Teatro
grama para enrolar e desenrolar o cabo elétrico automaticamente. Inventou um
"Carlos Gomes", Fred Hering, no dia 31 de dezembro de 1957. Geyer também
interruptor para evitar o vazamento das caixas d'água, máquina para afiar
compôs a opereta "Viva o Minist.ro", que fez muito sucesso e que foi
objetos cortantes e muitas outras pequenas invenções, segundo Geyer, de
apresentada nos dias 14,15 e 17 de Julho de 1965. A opere ta foi reapresentada
menos importância.
no dia 24 de outubro de 1965.
Alguns fatos dignos de nota marcaram a vida artística de Geyer.
Além de compositor e regente da Orquestra Sinfônica e Coral da
Um deles foi durante um concerto em homenagem ao Governador do Estado
Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes", desde 7 de março de 1947,
Irineu Bornhausen, quando o músico Jorge Ternes tombou para o lado.
data da sua nomeação, Geyer foi professor catedrático de música e canto
Retiraram-no do palco sem alarde e só após o concerto é que os demais
orfeônico da então Escola Normal "Pedro lI", tendo assumido as funções no dia
souberam que Jorge Ternes tinha sido levado para o hospital e que falecera no
11 de março de 1947. Pelo decreto de 21 de julho de 1962, foi posto à
palco. A excursão para São Paulo e Rio de Janeiro, em 1941, foi marcada pela
disposição do Conservatório de Música "Curt Hering" de Blumenau, que já
morte de Willy Lõhr, integrante do coral, de colapso
dirigia desde 1949, data da sua fundação.
A Orquestra e Coral da Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes", 27) "O Maestro Geyer" - Edith Korma1U1 ~ Imprensa Acadêmica - 1985.
28) "O Maestro Geyer" - Edith Korma1U1 - Imprensa Acadêmica - 1985, pág. 49.
sob a regência de Geyer, gravaram três discos: "Blumenau
cardíaco, sendo sepultado no Rio de janeiro. Nessa excursão, os componentes Menino Jesus, montado num burrinho, trazendo
da Orquestra e Coral apresentaram-se na Rádio Tupi de São Paulo, e por presentes para as crianças", que eram colocados em
incrível que pareça, quando a orquestra tocava mais baixo, dois locutores da pratinhos dispostos na soleira da casa, onde
rádio aproveitavam para fazer propaganda da Cerveja Tirolesa. Geyer, ao previamente se colocara sal para o burrinho comer.
perceber, olhou exatamente no momento em que um deles ia fazer novamente a Os homens e as mulheres passavam a noite rezando.
propaganda e eles se calaram. Na ocasião, os componentes da orquestra e coral A festa se prolongava por três dias, sendo um em
foram convidados para um "cocktail" na Cervejaria Tirolesa. Um fato que casa e dois em visitas a parentes e amigos. A árvore
irritou Geyer, foi o solo de tlauta tocado pelo regente da banda do 32 o B. C., de Natal era iluminada com lamparina a óleo e sobre
que num dia de concerto havia bebido demais. Geyer, preocupado, tirou as a mesa a comida italiana e cerveja espumante feita
partituras musicais da estante para impedir que ele tocasse, foi quando ele, sem em casa. Cantando "La Santa Notte", à entrada
as paltituras, improvisou um solo de flauta que nada tÍnha a ver com o principal da casa, os cantores levavam uma grande
concerto. Muitos fatos devem ter ocorrido durante os concertos, considerando estrela iluminada e um pequeno presépio portátil. A
ser a orquestra e coral a soma de todas as classes sociais. canção conta com a saudação, narração histórica e
Geyer casou-se com Hedwig Hindlmeyer no dia 10 de fevereiro de
despedida:
1923, e no dia 14 de setembro de 1928, nasceu o seu único filho Heinz. PRIMEIRA PARTE
Geyer faleceu no dia 13 de junho de 1982, às 18,30 horas, no Hospital Ó lá di casa, signori patroni
Santa Isabel, deixando a esposa Hedwig, o tílho Heinz Geyer Júnior, nora il cielo vi doni la pace e la sanità.
Eunice e os três netos: Gilson, Gerson e Heinz Geyer Neto.
SEGUNDA PARTE
[n questa santa notte dell'Oriente e
OS ITALIANOS NO CANTO, comparso una lucenta stella.
MÚSICA E TEATRO [tre Ree Maggi di continuamente
dodici giorni seguitando quella,
Senza saper ne di uno ne di l' altro niente si
Em 1875, quando Blumenau testejava suas bodas de prata, apartaram ritrovarono in una strada bella.
em Blumenau os primeiros imigrantes italianos que deram origem à Colônia
Italiana (Rio dos Cedros, Ascurra, Apiúna e Rodeio) no Vale do Itajaí. Segundo
[n una strada bela e grande signoria se
ne andarono tutti tre in compagnia.
o Protessor José Ferreira da Silva, na História de Blumenau, "Os colonos
[n compagnia cosi se ne andarono
italianos eram bem diferentes dos alemães, eram menos pacientes, mais exigentes" ...
a Gerusaleme furono arrivati, finche
"Criaram muitos problemas para () Doutor Blumenau, porém, era gente ativa e
trabalhadora". Portadores de pendores musicais e belas vozes, trouxeram em Dentro di un bel palazzo si alogiarono
sua bagagem cultural um rico cancioneiro, pois cantavam, e cantavam muito, e come signori declemensionati.
segundo o Padre Vicenzi, em "Melodias Trentinas", ao som do machado, do
Após terminar as vinte e sete esstrofes da segunda parte da história do
serrote e onde estavam. O seu folclore é rico em melodias trentinas. No Cancio-
Natal, o coral era convidado a entrar na casa, onde eram servidas bebidas
neiro do Imigrante Italiano, compilado por Victorino Ledra, encontramos
próprias para a ocasião, como o "bonecamp". Augurando um Feliz Natal, o
canções marcadas de tristeza, alegria, mar, campo, céu, amor e principalmente
coro se retirava cantando a terceira parte:
nostalgia.
o Natal é festejado no meio italiano desde a TERCEIRA PARTE
colonização com cantos, inclusive sacros litúrgicos a Buona sera che l'e il natale
mais vozes. Nos estábulos muito limpos ardem velas che l' e il natale di nostro Signor.
e o caminho público até a casa de cada um era
iluminado, pois era o caminho por onde "passaria o
banda do colégio. Cultivam o canto coral e o teatro, pois educam os dotes
vocais e a declamação, além de divertir e educar o bom gosto. O público
tem acesso aos espetáculos que também são apresentados em outras
cidades. Da programação constam declamações, mú-
sica instrumental, cantos, operetas, comédias, dramas, etc. Com música do
Em junho de 1885, chegou à Colônia Blumenau, Giuseppe De- Padre Vicente Cimatti e letra do Padre A. Burlando, no dia 7 de outubro de
march, sapateiro, natural de Belluno - Itália, que possuía pendores espe- 1967, foi encenada em Ascurra a opereta em três atos "Raios de Sol" .
ciais· para a música e que na Itália, quando jovem, estudou música, Em Rodeio, em 1892, Frei Lucinius Korte, além de administrar a
ingressando no coral Di Belluno, sobressaindo-se pela voz de tenor-baixo. Paróquia, traçar plantas para capelas e conventos, compunha músicas, regia
Após várias tentativas, Demarch conseguiu organizar um grupo de cantores a banda de música, tocava órgão e traduzia peças de teatro. Prestou, durante
que ficou conhecido como "I Cantore". Os "I Cantore" cantavam nas cinqüenta anos, inestimáveis serviços à Comunidade de Rodeio
missas e nos enterros de "corpo presente", sendo mais tarde contratados (15/0311892 - 19/0611942).
para abrilhantar festas de casamento e outras, com cantos profanos ou Em 1906, o DI. Flesch, formado em Filosofia, que tinha um filho
canções italianas dos "paeselli", de onde provinham os integrantes do coral sacerdote franciscano, doou um órgão para a Matriz de Rodeio. Para
(as músicas sacras incluiam missas solenes para as festas religiosas e o montá-lo, veio da Alemanha o fIlho do doador, Karl Flesch, que foi au-
Réquiem para enterros). O primeiro coral era constituído de oito cantores" xiliado por seu irmão José Maria Flesch, que posteriormente se estabeleceu
Giuseppe Demarch - tenor-baixo e maestro, Giovamli Poltronieri - baixo, em Blumenau.
Luiz Isolani - tenor, Giovanni Demarch - tenor, Felice Fachini - tenor, Referindo-se aos italianos de Rodeio, disse o Professor José Ferreira
Nicola Badalotti - 2 o tenor, Gotardo Possamai - 2 o tenor e Alessandro da Silva que lá exercera as funções de Juiz de Paz, "Com que entusiasmo,
Zonta - baixo. Com o falecimento de Giuseppe Demarch em 1929, e outros com que encantamento, com que singular e santa unção aqueles velhos
que lhe seguiram, o coral passou a ser dirigido por Gregório Demarch, filho devotos cantavam, com toda a força dos seus pulmões, as glórias de Deus,
do fundador do coral que integrava ainda Giovarnli Demarch, Ambrosio num tom de voz maravilhoso, que só os italianos sabem achar".
Fachini, Júlio Bertelli, Ennínio Poffo, Alessandro Passero, Arcângelo
A religiosidade do povo de Rodeio se expressa através do teatro nas
Poffo, Paulo Maiola e Graciano Demarcho Com o falecimento de uns e
outros, o coral dissolveu-se e as belas canções italianas: Lieto Giorno, encenações de "O Milagre do Calvário" , escrita por Eduardo de Castro e
Santa Lucia, La Rosa é un bel Fiore, Nineta, Ciau Morentina, Là in mezzo apresentada tradicionalmente na Semana Santa desde 1952. São realizadas
anualmente com a colaboração de mais ou menos 65 pessoas das mais
aI mare, I Chiuchetoni e outras, não mais são executadas como o foram nos
tempos iniciais da Colônia. Giuseppe Demarch, inicialmente radicado em diversas profissões da Comunidade rodeiense.
Guaricanas, posteriormente mudou-se para Ascurra. Segundo o Padre Victor Vicenzi, o canto "Noi siam partiti" foi
composto com a participação dos riocedrenses e do músico Batista Ra-
O Colégio São Paulo, de Ascurra, da Congregação Salesiana hllldada
por Dom Bosco, iniciou suas atividades em Santa Catarina em dezembro de faelli.
1916. Nesse colégio, os alunos estudam música, pois segundo Dom Bosco, Os italianos não fonnavam associações c.omo os alemães, entre-
"Casa sem música é corpo sem alma". Em 1925 foi fundada em Ascurra a tanto, em Ascurra, funcionou em 1915, a Sociedade Helvetia.
CARV ALHO, Brasilino de. Blumenau suas raízes e sua fama - São Paulo, BIPA
Editora, 1979.
KORMANN, Edith. O Maestro Geyer - BImnenau, Impressora Acadêmica Uda.,
1985.
PETRY, Sueli M. V. Os Clubes de Caça e Tiro da região de BImnenau Fundação
"Casa DI. Blumenau", 1982.
RIBAS, Antônio Lara. O punhal nazista no coração do Brasil - Florianópolis,
Imprensa Oficial do Estado de Santa Catarina, 1945.
SACHET, Celestino. A Literatura de Santa Catarina - Editora Lunardelli, 1979.
SILVA, José Feneira da. A Imprensa em BIumenau - Florianópolis, Imprensa
Oficial do Estado de Santa Catarina, 1977.
SILV A, José Feneira da.História de Blumenau - Florianópolis, Edeme, 1972.
SILVA, José Feneira da.O Doutor Blumenau - Rio de Janeiro, Apollo, 1933.
SILV A, José Feneira da. Fritz Müller - Rio de Janeiro, Alba, 1931.

10 Centenário da Commúdade Evangélica de Blumenau (1859-1959).


10 Centenário da Comunidade Evangélica de Badenfurt, Blmnenau (18841984).
800 Aniversário da Associação Evangélica de Senhoras, BIumenau (1907-
1987).
Festas de Cantores em Blumenau (1952-1981). Estatutos
da S. D. M. "Carlos Gomes" de Blumenau. Cremer S/A
Produtos Têxteis e Cirúrgicos, BJmnenau. Companhia
Hemmer Indústria e Comércio, Blumenau.
Relatório do Colégio das Innãs da Divina Providência de Blwnenau. Relatórios
da Escola Nova de Blumenau: 1910, 1911, 1912, 1913 e 1929. Relatórios de
Prefeitos Municipais de Blumenau.
SILV A, José Feneira da. Suplemento de Blmnenau em Cadernos - Paróquia de São
Paulo Apóstolo, Blumenau, julho de 1973.
Suplemento Especial do Centenário do Colégio Franciscano Santo Antônio de Clube de Santa Catarina - Blumenau, SC.
Blumenau, JSC, 1977. FURB (Relação de Faculdades e Reitores) - Blumenau, SC.
Tópicos da vida de um homem. Adolfo Kolping, adaptação do Pe. Arsênio J. Histórico do Spitzkopf (folhetos e entrevistas com J. Itten - março de 1980)
Schmitz, de Rio do Sul, SC. no Garcia - Blumenau, SC.
Liga Cultural e Recreativa Vale do Itajaí - Blumenau, SC. Obra
Kolping do Brasil - Cartilha do Sócio.
Programas e Infonnações fornecidas por empresas blumenauenses.
Blumenau .e~ Cadernos (novembro de 1957/dezembro de 1985) - Artigos espewus
de Oswaldo Furlan (1972 e 1973); José E. Finardi (1978); Frei Tillesen SENAI e SENAC.
(1985) e Walmor Belz (1968). SESC e SESI.
Der Urwaldsbote Kalender - Blumenau, 1900. Sindicato dos Músicos Profissionais de Blumenau, SC.
Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Itoupava Central - Blumenau, SC.
Sociedade Dramático Musical "Carlos Gomes" - Blumenau, SC. Sociedade
Recreativa e Cultural Lyra - Blumenau, SC.
KolOlúe Zeitung (1862-1880) -Joinville, SC.
Blumenauer Zeitung (1881-1938) - Blmnenau, SC. Der
Urwaldsbote (1893-1941) - Blumenau, SC.
BUDAG, Alex - Aero Clube de Blumenau, fevereiro de 1982.
A Cidade e Cidade de Blumenau (1924-1962).
DANKER, Helhnuth - Arte e Cultura de Vila Itoupava - março de 1982.
Volkszeitung (1930-1931) - Blumenau, SC. GAERTNER, Edazima - Conservatório de Música Curt Hering - Blmne-
A Nação (1943-1965) - Blumenau, SC. nau, maio de 1978.
O Lume (1942-1970) - Blumenau, SC. GARNI, Werner - Tabajara TêlÚS Clube - Blumenau, março de 1983.
Jornal de Ibirama (12.02.1955) - Ibirama, SC. Hering, Carlos (C ao) - Cartunista - Blumenau, abril de 1985.
O Universitário (março de 1975) - FURB de Blumenau, SC. O JENSEN, Use - Arte e Cultura de Vila Itoupava - Blumenau, março de
Colored (1962-1963) - Blumenau, SC. 1982.
Jornal de Santa Catarina (1971-1983) - Blumenau, SC. ODEBRECHT, Marlore - SESI - Blumenau, novembro de 1985.
PETRY, Inês - SESC - Blumenau, dezembro de 1985.
POKRYWIECKI, Eduardo - Colégio Santo Antônio - Blmnenau, novembro
de 1984.
Arquivo Histórico de Joinville - Joinville, SC. RABE, Afonso - Hospital Santo Antônio e Saúde Pública, outubro de 1979.
Arquivo Histórico Prof. José Ferreira da Silva - Blumenau, SC. RIGHETTO, Ivan - Blmnenau Esporte Clube, agosto de 1984. STRASSBURGER,
ABART - Associação Blumenauense de Artesãos. Frederico - Hospital Misericórdia de Vila Itoupava -
ABT A - Associação Blumenauense de Teatro Anlador. Blumenau, setembro de 1985.
ARTEX SI A - Fábrica de Artefatos Têxteis - Blumenau, SC. BEC SCHOENING, Almiro - SESI - Blmnenau, novembro de 1985. CINEASTAS e
- Blumenau Esporte Clube. Cinegrafistas: .Willy Sievert, Johatm E. W. Mogk, familiares de José Julianelli,
BLUAP - Associação dos Artistas Plásticos de Blumenau, SC. Alfred Baumgarten, Innãos Holzwarth e Hinkeldey, Herbert Holetz e Reinaldo
Olegário - Blumenau, fevereiro a abril de 1979.
Cristais Hering SI A - Blmnenau, SC.

Escola Auxiliar de Enfermagem - Blumenau, SC. Foto


REGENTES E BANDINHAS: familiares de Hermann Ruediger e Franz Baumgart,
Manoel C. S. Krieger, Alfredo Radloff, Rikobert Doering, Max Lindner e
outros - Blumenau, setembro a novembro de 1980.

INFORMAÇÕES
(obtidas através de entrevistas telefônicas, cartas e livros de atas)

BELA VISTA COUNTRY CLUB - Gaspar, 1983.


CASA SÃO JOSÉ de Vila Itoupava - Blumenau, 1981.
CENTRO CULTURAL "25 DE JULHO" -Blumenau, 1979. ENFERMEIRA IRMÃ
LETÍCIA - Hospital Santa Isabel - Blumenau, junho
de 1985.
ENFERMEIRA SOLANGE - Hospital Santa Catarina - Blwnenau, junho de 1985.
FOTÓGRAFOS: Hehna Axthelm (Hoeschl), familiares de Wilhelm Scholz, Fritz
Schmurr e Hugo Schrikte, Alfredo Wilhelm, Hans Raun, Rubens Heusi,
Mário Ho1etz, Günther Schroeder, Sidney Luiz Saut, Walter R. Momm,
Guilherme J. Bauer e Jorge Holetz - Blumenau, maio a julho de 1981.
SACERDOTES, pastores, dirigentes de entidades religiosas e assistenciais -
Blumenau, abril a junho de 1983.

PROGRAMAS
(de atividades culturais, altísticas e sociais)
ARTES PLÁSTICAS, Artesanato, Cartuns e Fotos.
LANÇAMENTOS de livros, Concertos Musicais, Peças Teatrais, Balé e outros.

CARTÓRIOS: Roberto Bayer, Benjamim Margarida e Getúlio Vi eira Braga . -


B1umenau.

Adquiridas de: Guilherme Jensen Bauer, Arquivo Histórico de Blumenau e


particulares.
27.
26.
28.

EDITH KORMANN, (20-03-1921),


nntural de Brusque-SC, professora de
letras, diretora de estabelecimentos
de ensino, inspetora escolar,
professora de educação física e
professora utliversitária (FURE).
Bacharel em Direção Teatral, Licen-
ciada em Arte Dramática pela
URG8.. Fez curso de Técnica Vocal
(Charlote Kahle - Alemanha),
Técnicas Dramá': ticas Aplicadas ao Ensino,
Cultura . Cinematográfica, O Barroco no
Bra- . sil, O Homem e a Arte Medieval, Ten-
dência do Espetáculo Contemporâneo, Canto, Mfmica (Rolf Charre - Alemanha),
Expressão Corporal (Maria Fux. -Buenos Aires) e outros.
Participou e promoveu festivais de teatro, seminários e encontros de arte. Participou
ainda de diversos congressos no Estado, Brasil e exterior. Foi atriz e dirigiu
espetáculos teatrais. Com estudantes da FURE, fundou o Grupo Teatral PHOENIX
(06-03-1974). Fundou com os grupos teatrais do Estado a Federação Catarinense de
Teatro Amador (FECATA) que presidiu por dois anos· (1978-1980). Atualmente é
Presidente de Honra.
Foi homenngeada pelos alunos do Curso de Educação Artfstica da FURE com uma
placa de prata (1982); no mesmo ano foi homenngeada pela SEE de Santa Catarina
com a seleção do livro "Teatro na Educação Artfstica", distribufdo na rede estadual
de ensino.
Premida em 1978, no Concurso de Contos da FURE, é autora dos liw :
"Teatro na Educação Artfstica" (esgotado), "0 Maestro Geyer" e "Destinos (contos).
I

Participa de várias Antologias. Colaborou com a revista "Blumenau em Cadernos".


Escreve desde os 15 anos e em 1949 o soneto "0 cego de nascimento" foi premiado.
Faz parte da União Brasileira de Escritores.
Participou do Conselho Municipal de Cultura (1981-1983). De sua autoria possui
quadros a lápis, crayon, aquarela e trabalhos de tapeçar.ia. Eshu/ry' teoria, solfejo e
composição com o Maestro Geyer, sendo solista sob (
ta do mesmo no Teatro "Carlos Gomes". Desenho, aquarela e cr{l"
Professor Humberto Hoffmann e Ludwig Emmerich. Pesqui
do Itajaf desde 1978.
No dia 28 de outubro de 1993, a Câmara Municipal de BlumL riu o
tftulo de "Cidadã Blumenauense".
2.
1.
4.
3.

BLUMENAU
arte, cultura e as histórias de sua gente
(1850 - 1985)
EDITH KORMANN
6.
5.
8.
7.

BLUMENAU
:arte, cultura e as histórias de sua gente
(1850 - 1985)
EDITH KORMANN

Blumenau axtE, cul~ura e aE hi


stor ias de sua gente ( 18.50-198 .
5)
981 .• E42/K84br/CG
10.
9.
"Somente é feliz um povo que sabe perpetuar na posteridade as
tradições e os costumes recebidos dos seus antepassados!"
Pedra Calmon

Capa;
Telomar Florêncio 13 03/ q 5 C Os colonizadores do Vale do Itajaí, além das esperanças de um futura melhor
Digitação/Editoração Eletrônica: .
na pátria adotiva, trouxeram em sua bagagem o instinto natural de associar-se, sua
Celina Helena dos Santós )
1f '! cultura e seus maravilhosos pendores artísticos. Blumenau e todo o Vale do Itajaí
,(>{I,)
cresceram embalados pelas saudosas canções da pátria distante, pelas alegres peças
A/r~Jh} (;:, Revisão:
Alfredo Scottini e Vilson Nascimento
teatrais, seu folclore, poesias e cenas burlescas e ao sabor dos concertos dos
conjuntos musicais (bandinhas) que alegravam os eventos da Comunidade.
!

No decorrer do histórico é comum apareceram nomes alemães


alterados e também abrasileirados: Louis - Luiz - Luis; Karl - Carl -
981.642 Kormann, Edith Carlos; Wilhelm - Guilherme; Ku'1- - Curt; Hermann - Germano e muitos
K84b Blumenau: arte, cultura e as histórias de sua gente outros, fato oriundo, geralmente, do envolvimento das pessoas com cargos
(1850-1985) / Edith Kormann. --
públicos, e a nacionalização/Blumenau.

1. Blumenau-História 2. Cultura Blumenauense 3. Arte


Blumenauense L Título 11. Série.

APOIO:
FUNDAÇÃO CATARINENSE DE CULTURA Av.
Rio Branco, 387 -4°,5° e 6° andar CEP 88015-201 -
Florianópolis - SC
SUMÁRIO
VOLUME I
Doutor Blumenau ....................................................................................... 13
Histórico de Blumenau ............................................................................... 31
- O Vale do Garcia ..........................................................................................160
- O Grande Vale das Itoupavas ...................•••......................... 191
- O Vale da Velha ............................................................................................ 242
- O Vale do Testo e Outros .............................................................................. 252
- Bom Retiro ................................................................................................... 261

Os Templos de Oração ............................................................................... 13


Os Nosocômios (Saúde Pública) ................................................................ 75
O Ensino em Blumenau ........................................................................... 100
- Colégio Franciscano Santo Antônio ............................................................. 115
- Conjunto Educacional Pedro 11 .................................................................. 133
- Colégio das Irmãs da Divina Providência ..................................................... 153
- SEN AI ......................................................................................................... 159
- SENAC ......................................................................................................... 161
- Pontinho Estudantil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . .. 162
- Cursos "Dr. Blurnenau" ................................................................................163
- Festas Escolares.... . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .
. . . . . . . .. 165
- Festa das Crianças ........................................................................................ 171
- Escotismo ..................................................................................................... 175
Navegação Fluvial. .................................................................................... 176
- Estrada de Ferro Santa Catarina ................................................................... 190
- A Tenacidade dos Constmtores das Rodovias .............................................. 205
- Aviação e o Aero Clube de Blumenau .......................................................... 211

Literatura
Teatro
- S.D.M. Carlos Gomes. Balé. Clube Germânia
-Canto
11.
Sociedade de Canto Germânia
Sociedade de Canto Liederkranz de Blumenau
Sociedade Recreativa e Cultural Lyra
Liga Cultural e Recreativa Vale do Itajaí
-Música
"Musikkapellen" (bandas de música) O
Club Musical
Sociedade Musical Lyra de Blumenau
Conservatório de Música "Curt Hering"
- Os Italianos no Canto, Música e Teatro

Artes Plásticas
- Artesanato
- Fotografia
- Cinema
- Folclore
- Os nossos Indígenas
- As Cartas dos Imigrantes (Filatelia)
- As Edificações no Contexto Histórico
- Centro Cultural "25 de Julho"
- Praça Governador "Hercílio Luz"
- Fundação Casa "Dr. Blumenau"
Esportes
- Tabajara Tênis Clube
- Sk:at
- Associação Ginástica Blumenau
- O Futebol
- Clube Náutico América
- Clube de Aviação sem Motor Blumenau
- Bela Vista "Country Club"
- SESC e SESI
Guarnições Militares -
Nacionalização
12.

13.
14.

A literatura em Blumenau, desde os primórdios, contou com obras


escritas por visitantes e viajantes, abordando, principalmente, aspectos da
colonização, e obras escritas pelos colonizadores que na realidade eram
"Colonos sábios e sábios Colonos", considerando sua formação cultural, a
começar pelo Doutor Blumenau, o fundador, que deixou várias obras, quase
todas vinculadas à vida da Colônia Blumenau.
A primeira obra do Doutor Blumenau, "Emigração e Colonização
Alemãs", foi editada em 1846 e publicada pelo geógrafo J. E. Wappaus em
Leipzig - Alemanha, pouco antes de emigrar para o Brasil. A tese de sua
doutoração sobre o tema, "Os alcalóides e as bases salinas afIns em suas
relações e correlações gerais", não foi publicada. Foram impressos nas
oficinas de G. Froebel-Rudollstadt - Alemanha, em 1851, "Leitende
Anweisungen fur Auswanderer nach der Provinz Santa Catharina in
Südbrasilien" (Diretrizes e Instruções para Emigrantes para a Província de
Santa Catarina no Sul do Brasil), e em 1856, "Deutsche Kolonie Blumenau in
der Provinz Santa Catharina in Südbrasilien" (Blumenau, a Colônia Alemã na
Província de Santa Catarina no Sul do Brasil). Este último, conta com 60
páginas e um mapa, e o conteúdo abrange: "A Colônia Blumenau, sua
fundação e o seu desenvolvimento; O Brasil e os seus inimigos; O progresso
do Brasil nos seus primeiros anos; Interesse do Governo Brasileiro nos
problemas da colonização; O contrato de colonização entre o Governo
Brasileiro e o autor; Estatutos da Colônia Blumenau; Conselhos práticos aos
que quiserem emigrar para Blumenau". Além de dados estatísticos e outras
informações, o livro é uma defesa do Brasil contra a difamação de agentes
interessados em desviar emigrantes destinados ao Brasil para outros locais.
Em 1857, Robert Kittler, de Hamburgo, editou "Jahresbericht über die
Ereignisse und Fortschritte der Deutschen Kolonie Blumenau In Jahre 1856"
(Anuário sobre os Acontecimentos e o Progresso da Colônia Blumenau, no
ano de 1856), com 16 páginas, trazendo interessantes subsídios para a história
de Blumenau. Nesta obra, o Doutor Blumenau anexou cartas de Colonos e
moradores às margens do rio Itajaí que as mandaram aos parentes na
Alemanha. As cartas enaltecem o trabalho do Doutor Blumenau. Para divulgar
a sua obra colonizadora, o Doutor Blumenau escreveu vários relatórios, cartas
e informações diversas, inclusive sobre clima, solo e fatos interessantes
ocorridos com os imigrantes nos primeiros anos na mata virgem. As
publicações do Doutor Blumenau eram em idioma alemão,
pois, apesar de dominar o português, empregava termos inadequados por mais de 25. anos na escola particular de Salto Weissbach. Faleceu em
principalmente verbos. ' 1904, aos 78 anos de idade.
De autoria da tilha do Doutor Blumenau, Christine, foi publicado o Entre os colonos escritores, destaca-se Karl KIeine, nascido na Silésia
artigo "Um colonizador alemão no Brasil", no livro "Auswanderer" j (Alemanha) em fevereiro de 1849, e que emigrou para o Brasil em 1856.
(Emigrantes), de Hermann von Freeden e Georg Smolka. Christine também O pai, Theodor, trabalhou inicialmente numa olaria e depois como auxiliar
descreveu a casa da sua falIÚlia no artigo datilografado "Das Heim in no escritório da direção da Colônia. Os filhos mais velhos, Theodor e Karl,
Blumenau" (O lar em Blumenau), que se encontra no Arquivo Histórico começaram a trabalhar numa fábrica de cigarrilhos e depois sob as ordens
Professor "José Ferreira da Silva", em Blumenau. do engenheiro Emil Odebrecht, Theodor como agrimensor e Karl como
~' radicou-se em li!umenau o Dr. Fritz Müller, que apesar das suas chefe de turma. Karl tornou-se mais tarde professor primário, destacando-se
descobertas e observações no campo das ciências naturais e os seus pelo grande número de novelas, contos e crônicas que deixou espalhados
trabalhos esparsos em jornais, revistas e cartas a grande número de parentes por jornais e almanaques do tempo. Os ro_mances, que devido ao alto custo,
e amigos e a diversos cientistas da Europa da América do Norte, deixou um o autor não pôde publicar,
único livro publicado, o célebre "Für Darwin", no qual apóia teorias desapareceram~
expostas por Charles Darwin que revolucionaram o mundo científico. O A "Federação dos Centros Culturais 25 de Julho" tomou a iniciativa
livro foi mandado traduzir para o inglês pelo sábio Charles Darwin, autor da de publicar, em folheto de 24 páginas, com ilustrações de Theo Kleine,
obra "Origem das Espécies", que a distribuiu entre os maiores cientistas do sobrinho-neto de Karl Kleine, impresso na tipografia de Rotermund & Cia.,
mundo. O DI. Fritz MüIler foi grande amigo de Charles Darwin, com quem de São Leopoldo/RS, o conto "O sino de prata de Vila Rica", onde o autor
se correspondia, sendo suas cartas repletas de ensinamentos muito narra a aventura de dois Colonos em busca de um tesouro escondido no
interessantes. O Dr. Fritz MüIler, além de sábio, "naturalista honesto e meio da floresta, guardado pelos indígenas' desconfiados e astuciosos. Karl
profundo, foi emérito desenhista", autor da maior parte das muitas ilustrações e KIeine tem um estilo simples e claro e suas narrativas prendem o leitor do
gravuras que constam nos cinco volumes da obra "Fritz MüIler's Werke, princípio ao fim pela fértil imaginação e elegante estilo. Karl KIeine
Briefe und Leben" (Obras de Fritz MüIler, Cartas e Vida), coletadas pelo DI. faleceu em 1922, aos 73 anos de idade e solteiro.
Alfred MõIler, sobrinho do Dr. Fritz MüIleI. Contém trabalhos do sábio, ) Em 1857, com a vinda do Pastor Hesse, Blumenau contou com ~ um dos
esparsos por revistas e jornais, quase todos escritos no Vale do Itajaí. Como maiores intelectuais da Colônia, pois além dos sermões, escrevia para o
professor, o DI. Fritz Müller procurava incutir nos seus alunos o interesse "Ko1onie Zeitung", de Joinville, e também para periódicos alemães.
pela natureza, e com a falta de livros didáticos, escreveu algumas poesias '-Com a assinatura ROH, o Pastor Hesse escrevia crônicas sobre a vida da
relacionadas com suas observações, entre elas "Jararaca". Em 1892, foi Colônia e suas críticas sobre artes, principalmente teatro, eram sagazes.
publicada por Sie~d Guenther-Stuttgart a autobiografia. do Dr:--nilzMüIler, Segundo o Professor José Ferreira da Silva, o Pastor Hesse escrevia " ...
intitulada "Aus demLeben eines Deutschen Ko10nisators und sempre, num estilo bem humorado, enérgico às vezes e constitui verdadeiras
Naturforschers" (Da Vida de um Colono e Botânico Alemão). Faleceu em peças literárias pela clareza e pureza da linguagem". No dia 8 de agosto de
1897. 1869, quando a Sociedade de Canto Germânia festejou aniversário, o
) Muito importantes para o conhecimento dos Colonos, foram as Pastor Hesse incluiu, de sua autoria, como primeiro número do programa a
iraduções do português para o alemão dos dois volumes, "Consolidação das ser executado pelo seu coral, a "Canção dos alemães em Blumenau", com
Leis Civis do Império do Brasil" e o "Código Criminal", além de outras música de Mende1sso1m-Bertho1dy. Entre as crônicas, destaca-se a
leis, por August Müller, que antes de emigrar (1852) para o Bra- publicada no dia 2 de abril de 1864, no "Kolonie Zeitung", pelas
""--sil, se dedicara a estudos teológicos e posteriormente à agricultura, ad- importantes informações sobre a Colônia B1umenau - "Um retros-. pecto do
quirindo com seu innão, o DI. Fritz Müller, um dos primeiros lotes de terra ano de 1863 demonstra a situação da nossa Colónia em lento e constante
vendidos pelo Doutor Blumenau às margens do ribeirão Garcia. Além de progresso. As tabelas estatísticas o provam pelo menos em relação à
ativo agricultor, participou de empreendimentos importantes para o Comunidade Evangélica, pois, para 78 nascimentos, apresenta
desenvolvimento da Comunidade. Exerceu o cargo de professor
apenas 27 falecimentos. A principal deficiência, constitufda pela falta de
meios de comunicação, tende a desaparecer com a construção contfnua de
pontes e estradas. Sobretudo podemos, enfim, nos alegrar com o término da
majestosa ponte sobre o Garcia e dentro em breve se poderá ir comodamente
r Duas décadas após a fundação, livros e trabalhos jornalísticos de brasileiros e
alemães apareceram no Brasil e Alemanha sobre a colonização do Vale do
Itajaí e, apesar da pouca literatura dos blumenauenses na época, as querelas
entre Johann Jakob Sturtz, Henry Lange e o Dou-
de carro, do centro até o Rio do Testo e mais além. Do mesmo modo, a tor Blumenau, muito contribuíram para esclarecer a situação dos colonos no
comunicação do Interior com a Barra progride tão rapidamente quanto o Vale do Itajaí e, também, para a história da emigração alemã para o Brasil.
permitem os meios disponfveis ". "Blumenau não tinha imprensa própria. "(1) Os acontecimentos im-
Johann August Preslien, proprietário de um sítio em FortalezaCarolina, portantes da Colônia eram publicados no "Kolonie Zeitung" de Joinville, ou
publicou em 1859, "Das Ansiedlerleben in der Kolonie Blumenau". O livro nos jornais do Desterro. Como eventos marcantes da Comunidade
traça um esboço da vida dos colonizadores de Blumenau, contendo J deixassem de ser registrados, reuniram-se alguns homens que depois de vários
recomendações e informações a futuros emigrantes sobre plantas cultivadas e contratempos publicaram o "Blumenauer Zeitung" (Gazeta Blume-
outros assuntos, elogiando ainda a atuação do Doutor Blumenau na direção da nauense), cujo primeiro número surgiu no dia 1 0 de janeiro de 1881. A
Colônia. O livro foi impresso em 1859 em Rudollstadt - Alemanha. Em 15 de /
dezembro de 1866, quando o Doutor Blumenau ainda estava na Alemanha, partir dessa data, as atividades literárias de Blumenau tiveram grande impulso.
Preslien escreveu uma longa carta comunicando os revezes que estavam Seu diretor, Hermann Baumgarten, conservador, prestou enormes serviços à
\cultura e ao desenvolvimento de Blumenau.
passando os colonos com as fortes geadas de 23 de junho, que destruíram toda
a plantação, prejudicando a colheita do café. Finalizou a carta dizendo estarem Em 1880, Blwnenau passou a município, porém só foi instalado em 1883, devido
com saudades do Doutor Blumenau e que aguardavam a sua volta com alegria, aos prejuízos causados pela grande enchente de 1880, cujos detalhes foram
desejando feliz travessia pelo Atlântico. publicados por um jornal do Desterro, e que trouxeram para Blumenau wna
É evidente que numa Colônia que galgava os primeiros degraus, comissão de engenheiros chetiada pelo Dr. J oaquim Rodrigues Antunes. Os
~ue quase toda literatura se voltasse para as ocorrências locais. Muitas opiniões incidentes desagradáveis provocados por essa comissão e que deram origem a
e artigos publicados em livros e jornais, deve-se a viajantes e visitantes, entre vários inquéritos policiais, fez com que o "Blumenauer Zeitung" atuasse em
eles, Van Lede, que em 1845 cita o Vale do Itajaí em seu livro "De Ia favor dos Colonos prejudicados com a colaboração de intelectuais
Coloci"Sãfiõn-au Brésil", publicado em Bruxelas. Josef Hoermeyer, que em importantes da Comunidade. O Dr. Joaquim Rodrigues Antunes, que se
1857 publicou" Südbrasilien", com mapa, após ter viajado por todo o sul do casara com uma tilha de Karl Wilhelm Friedenreich, reuniu os membros da
Brasil, fornecendo importantes infonnações para emigrantes. Dr. Robert Avé sua comissão e alguns funcionários nomeados em conseqüência da criação do
Lallement, médico alemão, que viajou pelo sul do Brasil passando vários dias município, e conseguiu que Bernhard Scheidemantel, fotógrafo, e que em
em Blumenau, publicou em 1859, "Reise durch Südbrasilien im Jahre 1858". 1876 montou uma litografia com tipogratia anexa, publicasse outro semanário
A obra traz interessantes informações sobre Santa Catarina e o Vale do Itajaí para defender o governo e a comissão chetiada pelo Dr. Joaquim Rodrigues
em 1858, tendo no 11 volwne narrado sua visita a Blumenau. A obra é tão Antunes, partidário dos liberais que tinham assumido há pouco tempo o
importante quanto a de Saint 'Hilaire sobre Santa Catarina no início e meados governo federal. O jornal, para defender esses interesses foi o "Immigrant",
do século XIX. publicado no dia 5 de abril de 1883, tendo como principais colaboradores
Karl Wilhelm Friedenreich e Paul Schwartzer. Os dois jornais entraram em
Em 1860, o ilustre viajante Johann Jakob von Tschudi, em sua obra, em
discussões políticas acirradas e o Dr. Fritz Müller teve grande participação
cinco volumes, "Reisen durch Südamerika", ricamente ilustrada com
nessa batalha jornalística. Da política os dois jornais passaram a ataques
xilogravuras e mapa, impresso por F. A. Brockhaus-Leipzig em 1867, no
terceiro volume narra sua viagem a Santa Catarina e às Colônias Alemãs com pessoais, descambando para a área religiosa, e a adaptação dos Estatutos às
referências sobre a vida blumenauense em 1861 e ilustrações de Josef novas diretrizes do Conselho Supremo da Igreja da Prússia, originaram
Brüggemanl1. discussões que envolveram Wilhelm Scheeffer e o Dr. Fritz
Milller, este carregava as suas dIscussões de ironia e ceticismo. Apesar das Além do jornal, o "Blumenauer Zeitung" imprimia livros, revistas, etc.
discussões primarem pela educação e seriedade, quando intrigas políticas Em 1914, publicou em edição única o "Blumenau's Illustrierte Familien -
locais ameaçaram a independência do "Immigrant", Scheidemantel publicou Kalender". O almanaque traz, além de informações cronológicas sobre o tempo
no dia 6 de abril de 1891 a "Nota de falecimento do Immigrant", com o e informações úteis à agricultura, indicações sobre o sistema métrico, câmbio,
seguinte necrológio" - "Para poupá-Ia (jornal) da iminente ignomfnia, eu mesmo lhe tarifas postais e artigos como "Etwas von Doktor "Fritz Müller", "Die Kolonie
dou o tiro de misericórdia, não obstante dos grandes sacriftcios pessoais e pecuniários Hansa", "Blumenau und seine Zukunft", além de anedotas, contos, poesias e
que não poupei para o criar e manter. Quem tiver vontade, que o ressuscite". curiosidades. Em 1 o de janeiro de 1918, o "Blumenauer Zeitung" imprimiu
Scheidemantel, de humor imperturbável, agradeceu aos colaboradores dizendo também, inicialmente, "O Nacional", portador de ódio indiscriminado contra a
ainda que os leitores o guardassem em boa memória, pois o "Immigrant" Alemanha e naturalmente contra alemães e seus descendentes. Gerido por
jamais serviria a interesses pessoais ou particulares e nem a manobras escusas. Ildefonso Teixeira, o jornal ofendia a raça germânica e teve que ser impresso
O mais importante dessas discussões foram as revelações que contribuíram na tipografia "Novidades", de ltajaí, de propriedade dos irmãos Konder. (O
para a história do município. Scheidemantel faleceu em 20 de outubro de 1908. afundamento do navio mercante "Macau", no golfo de Biscaia, e o apri-
Numa Comunidade fundada por elementos germânicos e mesmo que o sionamento do seu Comandante foram as causas da declaração de guerra do
Doutor Blumenau, dirigente da Colônia, tivesse envidado todos os esforços Brasil contra a Alemanha. Leia Nacionalização - 4 o volume).
para implantar o vernáculo, é evidente que na literatura predominasse o idioma Em outubro de 1892, apareceu "O Município", em português e alemão,
germânico, entretanto em 1887, o "Blumenauer Zeitung" publicava sonetos e órgão oficial da municipalidade, de curta duração, que foi substituído pelo
poesias em português de A. Ferraz. No dia 2 de janeiro de 1887, o "Immigrant 11".
"Blumenauer Zeitung" publicou em três quadras a poesia: Em 1889, chegou a Blumenau o Pastor Hermann Faulhaber, que pouco
depois assumiu a direção da Escola Nova. Homem de vasta cultura,
"Convite à Dulacia personalidade marcante, grandes iniciativas e amor à Comunidade em que se
Vem, e verás dos bosques a suave tranqüilidade integrou pelo casamento com uma b1umenauense, adquiriu a tipografia do "11
Doce paz surgir por entre verdes ramagens! Vem e Immigrant", que substituiu o jornal "O Município" e servira à causa dos
federalistas, para divulgar os interesses da Comunidade Evangélica e negócios
verás fontes e regatos cristalinos
administrativos e sociais do município. O semanário, com o nome de "Der
- Por toda a parte deslumbrantes paisagens -!
Urwaldsbote", foi fundado pela Conferência Pastoral Evangélica para Santa
Vem, e verás as aves em traços amorosos Catarina, sendo redator responsável o Pastor Hennann Faulhaber, e o seu pri-
Beijarem-se e romperem em terna melodia! meiro número que veio à luz no dia 16 de julho de 1893, foi o mensageiro das
Verás agrestes jardins de flores variadas aspirações e sentimentos dos elementos de origem germânica não só de Santa
E ao vê-Ias sentirás logo estranha alegria! Catarina e sim também do Brasil. Com o Pastor Faulhaber, a literatura
Vem, e verás as árvores de flores ornadas blumenauense ganhou um grande impulso. Como diretor da Escola Nova,
E por baixo de suas copas os leitos das fadas! Goethe e Schiller e outros grandes nomes da literatura eram estudados e, nas
Vem, Deusa de meus anelos e agrados festas, os recitais de poesias faziam parte obrigatória dos programas.
- Vamos admirar, os bosques e os prados!" Maria Faulhaber, esposa do Pastor Faulhaber, escreveu "Aschenbrõdel"
(Gata Borralheira); "Weinachtsmãrchen" (Contos de Natal); "Ein Schlechter
Presume-se que o autor tenha sido Antônio Ferraz da Motta Pedreira, Tausch" (Uma troca ruim) e outros para as crianças da Comunidade.
Juiz da Comarca de Itajaí, que em 1886 escolheu a vila de Blumenau para No dia 1 o de novembro de 1898, o Pastor Faulhaber afastou-se do
residir.
cargo de redator e o jornal afastou-se também da feição confessional, porém, o dante), que publicou um artigo sob o título "O Jogo da Guerra", baseado num
semanário continuou nas mãos da Conferência Pastoral Evangélica até 1900. trabalho de H. Seligmarnl, do exército francês. Também colaboraram Itacotiara
Adquirido por políticos e empresários que entregaram a edição a G. A. de Sellila, Alcebíades Brasil e Jonathas Rocha. Suspendeu a publicação no dia
Koehler, que se tornou proprietário do jornal, e a redação a Eugen Fouquet, 30 de agosto de 1914.
intelectual de grande gabarito, o jornal tornou-se um dos mais importantes e Em 1900, foi organizado pelo Pastor Faulhaber o primeiro almanaque
discutidos periódicos de Santa Catarina e do Brasil. O jornal, que em maio de blumenauense, com o título "Der Urwaldsbote Kalender Für die Deutschen in
1914 transferiu suas instalações para uma casa própria e em 3 de julho de 1917 Südbrasilien", editado pelo cinqüentenário da Colônia Blumenau e impresso
festejou seus vinte e cinco anos, tornouse também o mensageiro da pelo Christlichen Zeitschriftverein de Berlin. É obra rara. Publica em suas
"Volksverein" (Associação Popular), fundada para resguardar os interesses páginas, além de passagens sobre a fundação de Blumenau, Comunidade
dos colonos, e que em maio de 1901 constituiu-se em "Volkspartei" (Partido Evangélica e fundação da Escola Nova, poesias de sua autoria e também de
Popular). outros escritores. Transcreveu também para o almanaque a ata de grande valor
O "Der Urwaldsbote", além de sua publicação normal, publicava histórico datada de 1868, e que está encerrada na pedra fundamental da Igreja
também suplementos de grande valor, alguns impressos em oficina própria, Evangélica de Blumenau (centro), colaborou com o Pastor Faulhaber, Richard
outros em editoras diferentes, inclusive na Alemanha. Foram publicados Hinsch. Depois de fundar o Christenbote, jornal sectário de pequeno formato,
"Kolonie, Haus und Hof", dedicado exclusivamente a problemas em 1903 o Pastor Faulhaber escreveu "Leitfaden für den Unterricht der
agropecuários. Com o número trinta e oito do "Der Urwaldsbote" foi Geschichte von Brasilien" (Compêndio para as aulas de História do Brasil). O
distribuído "Der Paraguay Krieg", uma transcrição do artigo que o Pastor livro, impresso em Bremen, Alemanha, muito contribuiu para o ensino da nossa
Strothmann publicara no "Mitteilungen des Deutschen Schulvereins Für Santa história às crianças das escolas teuto-brasileiras. Traduziu, de Afonso Celso,
Catharina". De janeiro de 1911 até meados de 1914, circulou o suplemento "Por que me orgulho do meu País" (Warum bin ich stolz auf mein Vaterland),
"Der Jugendfreund", impresso em Berlin. O "Pfingsbeilage", que começou a com 200 páginas.
ap;;lrecer em 1913, era distribuído pelas festas de Pentecostes. A partir de O Pastor Faulhaber tinha um carinho especial pelo Brasil e o seu
1906, o número de Natal do "Der Urwaldsbote" tinha como suplemento o pronunciamento na abertura do Congresso realizado em Berlin, no dia 6 de
"Christnacht", fartamente ilustrado. Anexo aos números das quartas-feiras, setembro de 1912, pela Sociedade Alemã Sul Americana, quando foi
apareceu em 1909 com muitas ilustrações o suplemento literário "Welt und vice-presidente do congresso, pois foi um dos seus idealizadores, foi um
Haus", que foi substituídl' por "Zur Unterhaltung und Belehrung", que fazia verdadeiro hino ao Brasil. O congresso presidido pelo Dr. Itibirê da Cunha,
parte da terceira pagina do "Der Urwaldsbote". Também acompanhou às Ministro Plenipotenciário do Brasil na Alemanha, visava, através de
quartas-feiras o "Der Urwaldsbote", durante vários anos, "Feier Stunden", e no pronunciamentos de cada participante, a demonstrar a vida dos alemães no
período de 1912 a 1914, o "I11ustrierte Familien Freund". Brasil. O Pastor Faulhaber relembrou sua estada em Blumenau, onde
Paralelamente ao "Der Urwaldsbote" redigido em alemão, a partir do constituíra família e onde passara os melhores dias de sua vida. Na ocasião,
dia 5 de setembro de 1909, aparecia uma vez por sémana um suplemento foram executadas músicas do Dr. Itibirê da Cunha pelas senhoras Vitalina de
totalmente redigido em português redatoriado pelo Professor G. A. Buechler. Queirós e Eppstein. No palco, em local de honra, estavam entre flores as
Influência lógica da Guarnição Militar que se sediara em Blumenau, o bandeiras do Brasil e Alemanha e os bustos do Kaiser Wilhelm e Marechal
primeiro número apareceu com a poesia "Sete de Setembro", de Casimiro de Hennes. No dia 7 de setembro foi realizada pelo Ministro Dr. Itibirê da Cunha
Abreu, na primeira página, seguida de explicações dos motivos da edição em uma recepção de gala na sede da Representação Brasileira em Berlin.
português. O primeiro trabalho em vernáculo foi "A Cadeia de Ouro Preto", A poesia a seguir, com rima e métrica perfeita, no original alemão, é
excerto de "Por Montes e Vales" de Coelho Neto. Nos primeiros números realmente um hino ao Brasil.
aparecem colaborações de oficiais do 55° B.C., entre os quais o
Tenente-Coronel Crispim Ferreira (Coman-
Tag des Herrn, der stille Ruhe senk
O Brasilien, mein Brasilien, Sch6ner Teil
auf Feld und Wald, Dann der ater mit
den Seinen Feierlich zur Kirche
von Gottes Welt; Durch des reichen
SchOpfers Walten Paradiesich hingestellt.
Wallt!
Heiter w61bet sich der Himmel Da erst schwillt das Herz uns allen ln
Über dir im reinsten Blau, Doch der Luft so frísch und rein,
zur rechten Stunde trãnket Milder Wenn durch Palmenkronen flimmert
Regen Wald und Au. Goldner Morgensonnenschein.
Prãchtig fliessen deine Str6me Neu getrãnkt aus Gottes Brunnen,
Breit und tief ins weite Meer Neu gestãrkt von seiner Hand, Zie
SchifJe ziehn auf ihren Fluten ich froh nach meinen trauten
Froh nach deinen Schãtzen her! Hüttchen an des Waldes Rand.
An der Str6me kühlem Ufer Prangt Führ ich nicht ein glücklich Leben
des Waldes hehre Pracht, Und das Hier an stiller Einsamkeit
Leben tausendfiiltig Waltet dort in Fern von Hassen, fern von Neiden,
stiller Nacht. Fern von wilden kampfund Streit?
Apfelsinen auch die Fülle, O Brasilien, mein Brasilien,
Trauben, Feigen gross und klein, Edler Teil von Gottes Welt; Wo
Und die Ananás, die edle, es in dem stillen Walde lmmer
Reifet dort im Sonnenschein. besser mir gefãllt.
Liblich duftets aus dem Dunkel Zãrt Com o Pastor Faulhaber, que assumiu a direção da Escola Nova em 19
und würzig, stark und fein Von den de janeiro de 1890, o IÚvel da escola elevou-se, considerando os professores
Büschen, von der Bãumen Von den de alto gabarito enviados da Alemanha, entre os quais, alguns que tiveram
Blumen gross und klein! grande destaque na literatura e na formação de muitos catarinenses.
Lustig brüllt der Chor der Affen Rudolph Damm, um dos maiores nomes da literatura teuto-brasi!eira,
Lieblich singt der Sabiá. nasceu em Dresden - Alemanha, em 1858. Estudou Filosofia em München,
Zum Geschrei der Papagaien, porém, teve que interromper os estudos tornando-se professor primário. Em
Pfeift der bunte Juruguá! 1888, emigrou para o Brasil, tendo lecionado em Joinville e Desterro, fixando
An dem silberhellen Bache residência em Blumenau, onde faleceu em 18 de janeiro de 1915. Lente da
Escola Nova era aprimorado nos idiomas alemão e português, tendo publicado
1st mein Hüttschen aufgestellt Und
o livro "Lehrbuch der Portugiesischen Sprache" (Livro Didático da Língua
da find ich es am schoensten Und
Portuguesa), destinado ao ensino da língua portuguesa nas escolas da Colônia,
am besten auf der Welt.
cujos professores não eram firmes no manejo do nosso vernáculo,
Weiden auch nicht grosse Herden principalmente a pronúncia, apesar de conhecerem a ortografia e regras
Auf der Weide um mich her. Konnt gramaticais. Foi publicado em 1901 pela Tipografia de H. Baumgarten. Além
ich doch nicht froher leben, Wenn de contos e novelas, es~reveu muitas poesias, exaltando, principalmente, as
ich auch ein Kaiser wãr! belezas do Brasil,
Wenn
der
entre elas "Mein Vaterhaus" (Minha Casa Paterna), publicada em jornais da belde" de Ingles de Souza e muitos outros, publicando-os em folhetos e jornais.
época e no "Brasilianischer Heimat-Kalender" em 1966. A poesia foi musicada Na poesia, traduziu para o alemão, Casimiro de Abreu, Castro Alves, Olavo
pelo Maestro Heinz Geyer. Bilac, Pagundes Varella, Guerra Junqueira, e sua tradução da "A Canção do
Exílio", de Gonçalves Dias, é uma obra de arte, tendo sido destaque em livros
"MEIN VATERHAUS" didáticos na Alemanha e em periódicos de língua alemã publicados no Brasil.
Aus blauen Wogen steigt ein Land,
An SchOnheil, Glanz und Anmut reich;
Der Urwald ist sein Prachtgewand; Auf
Erden ist kein Land ihm gle,ich, Aus dern Minha terra tem palmeiras Meiner Heimat Schmuck sind Palmen
Orangenhain heraus Onde canta o sabiá, Wo in Hain die Drossel singt; SchOner
Schut hier rnein liebes Vaterhaus. As aves que aqui gorjeiam singt, als alie V6gel,
Hier fand des Nordens blonder Sohn Não gorjeiam como lá. Deren Stimme hier erklingt.
Ein neues Heirn auf grüner Flud. Hier Nosso céu tem mais estrelas Heller funkeln unsre Sterne,
spelldet ihm verdienten Lohn Die ewig Nossas várzeas têm mais flores Blumiger ist unsre Flur;
schaffende Natur. Nossos bosques têm mais vida, Reicher unser Wald an Leben,
Und vie in einen Blütenstrauss Nossa vida mais amores. Und an Liebe die Natur.
Versteckt liegt hier mein Vaterhaus.
Em cismar sozinho à noite, Glücklich bin ich, wenn in stiller Nacht
Früh bei der Sonne ersten Strahl Mais prazer encontro eu lá; mein Geist ins Weite dringt; Meiner
Grüsst Vogelsang denjungen Tag. Minha terra tem palmeiras Heimat Schmuck sind Palmen, Wo im
Weithin schon durch das stille Tal Onde canta o sabiá. Hain die Drossel singt.
Erklingt von Wald der AXte Schlag. Kann die Frelnde mir ersetzen,
Minha terra tem primores,
Und in die Morgenpracht hinaus Was das Heirnatland mir bringt?
Que tais não encontro eu cá;
Tret'ich aus meinem Vaterhaus. Em cismar, sozinho à noite Glücklich bin ich, wenn in stiller
Flink regt die Hiinde jung und alt Mais prazer encontro eu lá; Nacht mein Geist ins Weite dringt;
Und schafft rnil nirnrnerrnüden Fleiss Minha terra tem palmeiras Meiner Heimat Schmuck sind Palmen,
In Flur und Feld, in Wies und Wald Und Onde canta o sabiá. Wo im Hain die Drossel singt
wohlgernut, trotz saurem Schweiss, Bis Não permita Deus que eu morra, Lass, Herr, noch den Tag mich Schauen,
abends süsser Ruhe Glück Sem que volte para lá. Der mich in die Heimat bringt.
Sie winkt ins Vaterhaus zuTÜck.
Sem que desfrute os primores In die Heimat, deren ZLluber
Klar weht der Bach, lind weht die Luft
Que não encontro por cá; In des Herzens Tieje dringtf
Und Früchte reifen ohne Zahl. Lass mich schaun das Land der Palmen.
Minha terra tem palmeiras
Rings Sonnenschein, rings Blumenduft Hier Onde canta o sabiá. Wo im Hain die Drossel singt.
kennt das Herz nicht Sorg und Qual. Wo ist
ein Heirn, landein, landaus, Escreveu ainda os poemas "Os Pioneiros" e "Palavras Alemãs,
So sch6n wie hier mein Vaferhaus? Melodias Alemãs" .
Rudolph Damm viveu modestamente como professor e serventuário da
Rudolph Damm foi um dos melhores tradutores dos nossos escritores
justiça. Colaborou intensamente com o "Blumenauer Zeitung" e o "Der
românticos. Entre os romances traduziu para o alemão "Inocência", de Taunay;
"Ubirajara", "Iracema" e outros de José de Alencar; "O Re- Urwaldsbote". Adaptam-se a Rudolph Damm as palavras do Professor José
Perreira da Silva: " ... todos trazem do berço, a habilidade
com que se distinguem nos empregos e nas artes, e o poeta não escapa à de exploração do Vale do Testo e Benedito" (O manuscrito faz parte do
regra. Há muita gente que faz versos e muito mais gente ainda que faz Arquivo Histórico de Blumenau). Em 1864, além dos jornais (em língua
versos modernos, em que não há necessidade, nem de inspiração, nem de alemã), apareceu em Santa Catarina o "Volkskalender" e em 1867 o Baron
métrica, nem de rima, e muitas vezes, nem de gramática. Mas, poetas du Penedo publicou em Paris, "Bresil - La Colonie Blumenau" (Biblioteca
mesmo, de verdade, há poucos. Raros e, geralmente, vivem por af, es- Nacional do Rio de Janeiro). Em Blumenau, a partir de 1886, o
quecidos e modestos. São os tangarás artistas, de que nos fala Crispim "B1umenauer Zeitung" trazia semanalmente o Suplemento Literário "Der
Mira, arredios, singelos, obscuros, mas magníficos na sua arte. E o Erzãhler" (O Narrador).
mundo, infelizmente, é dos pardais. Prosas, fanfarrões, chochos e meti- Georg Knoll, nascido na Alemanha em 1861, em 1880 está em Blumenau e
diços". em 1884 colabora com jornais. Traduz para o alemão obras de Alencar e
Também deixou obra impressa o professor da Escola Nova, Carl Monteiro Lobato. Escreve contos e poesias que publica no "Kalender für die
Juergens, autor de "Bilder aus dem Naturleben" (Imagens da Natureza), Deutschen in Brasilien" - São Leopoldo/RS. Escreveu: "Eine Begegnung im
publicada em 1906, para ser adotada nas escolas; foi muito criticada, apesar Urwald" (Um encontro na Mata Virgem), conto, em 1887. "Am Lagerfeuer
do seu valor. im Urwald" (A Fogueira na Mata Virgem), conto, em 1889. "Gesucht"
Entre os professores da Escola Nova merece destaque Georg August (Procurado) conto, em 1893. "Die Beiden Nachbar" (Os dois vizinhos),
Buechler, que em 1914 publicou "Portugiesisches Sprachbuch rur conto, em 1896. "Fernando de Noronha", um conto sobre a escravatura no
Ko10nieschulen". Ilustrado por Erich Zimmermann, foi publicado pela Brasil. "Das Hochland von Lajes" ( O Planalto de Lages), em 1904, e ainda
Sociedade Escolar Alemã para Santa Catarina e impresso por G. A. "Der Pfarrer von S. Ângelo" ( O Se'nhor Vigário de Santo Ângelo).
Koehler. O manual foi de grande valia para o ensino da língua portuguesa, "Erinnerung" (Recordação). "Am Rande Wasserfall" (À Beira da Catarata).
porquanto a maioria das crianças das escolas primárias da Colônia "Gesühnt" (Expiação) foi publicado na Südamericanischelitteratur", São
desconhecia o idioma nacional. Publicou ainda "O Melhor Método de Leopoldo/RS, Em 1903 atua como advogado.
Desenvolver o Ensino Primário no Brasil", em colaboração com Pedro D. Na época foram publicadas obras de real valor, inclusive na área
Morais, em 1923, e "Guia de Conjugação", em 1924, ambos pela da economia, quando Karl von Kaerger, em 1889, publicou "Brasilianische
Melhoramentos Pamista. "Quadros da Conjugação", em 1935, pela Lito- Wirtschaftsbilder" (Aspectos da Economia Brasileira), principalmente das
grafia Nietsche & Hoemke - Blumenau, e a "Conjugação em Português", Colôlúas alemãs de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, com
em 1935, pela tipografia de G. A. Koehler. Georg August Buechler, que era referências a Blumenau e Brusque. Em ciências, é importante a obra de
grande matemático, publicou em três volumes, "Aritmética Elementar" e o Alfred Müller, que esteve em Blumenau em 1892, onde realizou suas
opúsculo "Das Grosse Fermatesche Problem". Em 1917 foi para São Paulo pesquisas escrevendo o livro "Die Pilzgarten einiger Südamerikanischer
trabalhar na Editora "Weissflog" (Melhoramentos - Paulista), sendo Ameisen" (Jardins de Fungos (cogumelos) de algumas
substituído pelo Dr. Herbert Koch, de Jena Alemanha, que atuou na Escola formigas sul-americanas).
Nova até 1919, e publicou "Ein Urteil über die Kolonie Blumenau aus dem Fritz Müller é assunto vasto por parte de cientistas e escritores.
Jahre 1852", que foi publicado na revista trimestral "Südamerica", de Em março de 1891, o Dr. W. Wettecamp escreveu na revista "Die Natur",
Buenos Aires - Argentina, em idioma alemão, nos números de janeiro e de Halle - Alemanha, "Fritz Müller", e Hermann von Ihering publicou na
março de 1963. O Dr. Herbert Koch, posteriormente, foi diretor da Escola revista do Museu Paulista (volume 3, São Paulo), em 1893, "Fritz Müller -
Alemã de São Paulo e cofundador da "Sociedade rur Wissenschaft und Necrológico". Karl von der Steinen publicou em 1894, em Berlin, notas
Kunst", antecessora do Instituto Hans Staden. sobre Fritz Müller e Blumenau em "Unter den Naturvõlkern Zentral
A Literatura Teuto-Brasileira é fundamental no contexto literário Brasiliens" (2a expedição ao Xingú, 18887/1888). Na revista
universal, considerando que na primeira década de 1900, Oskar Constatt "Naturwissenschaftliche" - Alemanha, Alfred Mõller publicou em 1895,
publicou uma crítica sobre a Literatura Teuto-Brasileira em Berlin, pois em "Aus Santa Catharina" (De Santa Catarina). Em maio de 1897, Carus Sterne
1863, August Wunderwald escreveu a "Descrição da viagem publicou "Erinnerung an Fritz Müller" (Recordações de
Fritz Müller), suplemento dominical do Vossischen Zeitung - Alemanha. No sal Wendlingen, pois os restos mortais da Baronesa Wendlingen jaziam no
mesmo ano, na revista "Botanisches Zentral - Blatt de Gratz - Alemanha, H. antigo cemitério católico sob a lápide de mármore branco, que trazia a
Ludwic publica "Fritz Müller aIs Botaniker". inscrição em letras góticas douradas: "Aqui descansa no Senhor, Leontina
Karl von Koseritz publicou, em 1897, "RatschUige für Auswanderer Baronesa de Wendlingen, nata Condessa Palackzy". Therese descreve o amor de
nach Südbrasilien". Leontina e o jovem Tenente de Wendlingen, que acompanharam após o
Gustav Stutzer, que adquiriu as terras do Doutor Blumenau da Ponta Aguda e casamento, o Duque Maximiliano da Áustria escolhido por Napoleão para
da Velha, era pastor protestante e culto. Publicou várias obras, entre elas "Das Imperador do México. A-coragem de Leontina, ante a revolta e a catástrofe, a
Itajahytal und das Municipimn Blmnenau in SüdBrasilien" (O Vale do Itajaí e o fez arrojar-se em prantos aos pés de Juarez para salvar seu marido e o
Município de Blumenau no Sul do Brasil), com 144 páginas e um mapa, Imperador. O Imperador Maximiliano foi fuzilado, Leontina, Wendlingen e o
publicado em 1891, em Gos1ar-Harz, Alemanha. "Meine Therese" (Minha filhinho viajaram para o Rio de Janeiro, onde o Tenente Wendlingen tinha
Thereza) que até 1929, na Alemanha, atingiu 26 edições. "In Deutschland und esperanças de ser admitido como Oficial. Jóias e objetos foram vendidos até
Brasilien", com fotos do autor publicado em 1930, em Braunschweig, que resolveram vir para Blwnenau, porém Leontina, com a saúde abalado, pois
Alemanha. "Reiseeril1l1erung eines Altes Mannes", de 1909 até 1914, com não lhe saía da mente a cena em Quaretaro, no México, definhava e pouco
referências sobre Blumenau. "Segredos da vida psíquica" em 1925. "Segredos depois falecia. Wendlingen embarcou o filho para a Áustria para ser educado
do sonho" em 1917. "A Igreja Otícial Anglicana e sua significação para o por familiares, enquanto ele permaneceu em Blumenau lecionando para alunos
poderio mundial da Inglaterra", em 1918, e entre os contos, "A Mão Suave", em de primeiro grau. Saudoso, visitava todas as tardes o tÚillulo da esposa.
1921. Robert Gernhard, que na primeira década de 1900 viajou pelo Brasil,
Do livro "In Deutschland und Brasilien", Christiana Deeke Barreto traduziu sob publicou em 1900, "Reise Bilder aus Brasilien" (Impressões de uma viagem
o título "Dois homens e duas ideologias", o encontro do Pastor Stutzer com o pelo Brasil), com informações sobre Blumenau a partir da página 259. Com
Dr. Fritz Müller, onde este aconselha o Pastor Stutzer a ter medo do Doutor 416 páginas, foi impresso em Breslau - Alemanha. Também foi impresso em
Blmnenau e que devia ter ficado na Alemanha, dizendo ainda não gostar de 1901 em Breslau, "Dona Francisca, Ransa e Blwnenau", e pelo jubileu de ouro
ortodoxos, que tudo é matéria e que os sacerdotes são inimigos do povo. Apesar da colonização alemã em Santa Catarina, Robert Gernhard publicou, com
do ateísmo do Dr. Fritz Müller, wna de suas filhas, que nascera aleijada, após a ilustrações, em 1903, no jornal alemão "Vom Fels zwn Meer, Fünfzigjãhriges
morte da mãe, foi confiada às Innãs da Divina Providência, convertendo-se ao Jubilãum Deutscher Siedlungen im Süd- Brasilianischen State Santa
catolicismo. Viveu e foi tratada pelas Irmãs até a morte. A outra passagem Catharina", referindo-se a Blwnenau e J oinville.
refere-se à visita recebida pelo Pastor Stutzer, do Padre Jacobs, que lhe fez Em 1900, era Superintendente Municipal o Dr. Bonifácio Cunha, com
revelações sobre suas convicções religiosas e sua solidão. Ao regressar para a quem começaram os relatórios administrativos municipais com informações
Alemanha, o Pastor Stutzer presenteou o Padre Jacobs com uma caixa de livros, muito importantes sobre a vida do município. O Dr. Bonitacio Cunha não era
onde no fundo colocou mna seleção de obras de Martin Luther. afeto à literatura, pois só escrevera alguns artigos de cunho político. A sua
Lamentavelmente, o Pastor Stutzer (1875-1931) se indispôs com o Doutor participação na literatura blumenauense é devido à orgalUzação da poliantéia
Blumenau, por questões de terras, retirando-se magoado de Blwnenau. pelo 50° aniversário da fundação de Blumenau, que deveria ser publicada em
Therese Stutzer (1841-1916), esposa do Pastor Stutzer, escreveu "Ein setembro de 1900, o que não ocorreu devido ao atraso do serviço tipográfico e
Jahr in der Heide" (Um ano na Mata), publicado na Alemanha em 1925 e, com da clicheria. A poliantéia, em formato grande, ótimo papel, com muitas e belas
cinco contos, com enredos passados no Vale do Itajaí, "Am Rande des ilustrações, e com textos em três idiomas: português, alemão e italiano, teve
Brasilianischen Urwaldes" (Na orla da mata virgem brasileira), publicado em como colaboradores o Dr. Hugo Gensch, Dr. Giovanni Rossi, Dr. Bonifácio
Braunschweig - Alemanha, em 1924. Cunha, Santos Lostada e os professores que trabalhavam na zona de colOlUza-
Therese Stutzer baseou um deu seus contos no fato verídico do ca-
ção italiana Pedro Trentini e Giuseppi Zanluca. A edição custou, na época, jornais e revistas trabalhos literários e científicos.
6:263$050 Rs., tendo a Câmara pago a metade e a outra metade foi paga pelo Dr. Eugen Fouquet, natural da Pomerânia, filho de um médico abastado,
Bonifácio Cunha, do seu bolso. O exemplar da brochura custava 5$000 Rs. e 7$000 estudou Direito na Universidade de Tübingen e de Berlin, cursou Filosofia,
Rs. Entre os textQs publicados, é muito interessante a poesia do professor Trentini, História e Literatura, porém, não conseguiu atuar no serviço público prussiano por
intituiada "Ai botocudi", que traduz os sentimentos de um professor da Colônia, ter aderido à doutrina socialista. Veio para Blumenau em 1893, onde residia
chegado com as levas de italianos no período de 1875/1876. Trentini era Richard Hinsch, seu ex-colega de estudos, estabelecido com uma fábrica de
inteligente, católico e de regular cultura, o que expressa no soneto a seguir: vinagre de frutas para quem Fouquet tornou-se vendedor. Numa dessas viagens,
Fouquet conheceu, em Brusque, G. A. Koehler, que durante toda a sua vida foi seu
"AI BOTOCUDI" colega de imprensa. Redator do "Der Urwaldsbote", além de publicações que
geraram grande celeuma em todo o país, principalmente na questão indígena, pois
Autentici selvaggi, oh botocudi Fouquet defendia veladamente os colonos, apesar dos fatos demonstrarem que os
Che andate errando nei vicini monti assaltos aos colonos, na maior parte, eram praticados por índios "coroados",
Quanti potremmo far strani confronti Fra semi-civilizados e caboclos disfarçados de indígenas, vindos do Paraná. Grande
noi, vestiti, e voi selvaggi nudi! celeuma foi travada na época, quando o médico Dr. Hugo Gensch denunciou,
Sfruttati e sfruttatori, iloti e arconti, através do "Blumenauer Zeitung", a maneira vergonhosa, brutal e desumana
Traficante di donne a suon di scudi, Di empregada pelos "bugreiros", quando expunham, mediante pagamento, mulheres
Mercurio e di Marte sacri iludi Questa Ia indígenas nuas para servirem de chacota. Fatos como este depuseram contra o "Der
civiltá, in fin dei cOllti. Urwaldsbote" e principalmente contra Fouquet, que apesar de jornalista sincero e
Qual vostra, non so. Ma fin che um giorno corajoso, sofreu violentas campanhas.
Giustizia e Libertá non siam palesi, Cabe a Fouquet a iniciativa de fundar a "Volksverein", através de reunião
Oh botocudi, non andate attorno convocada em 16 de junho de 1898, em Passo Manso, incentivando, através do
"Der Urwaldsbote", a fundação de sociedades idênticas em todo o Estado que
Per questi civilissimi paesi,
carearam grande massa de eleitores para as eleições de deputado estadual em 2 de
Dove Ia veritá non vale um corno, E
dezembro de 1900. Imitaram Blumenau: Brusque, Joinville, São Pedro de
dove impera sol Ia catechesi.
Alcântara, Palhoça, São Bento do Sul, Imaruí, Tubarão, Laguna e Araranguá. A
O Dr. Hugo Gensch, médico, que colaborou com a poliantéia em 1900, publicando "Volksverein" constituiu-se em "Volkspartei", após as reuniões de 26 e 27 de maio
"Zur Kolonisationsfrage in Santa Catharina" (pelo Problema da Colonização em de 1901, em Passo Manso, com representantes de todas as "Volksverein". Nessa
Santa Catarina) e "Dem Andenken des Dr. Fritz MüIler" (À Memória do Dr. Fritz reunião, Fouquet criticou os órgãos da república com sua oligarquia,
MüIler), escreveu muito no "Blumenauer Zeitung" sobre os métodos usados na apadrinhamento nos empregos públicos e fraudes eleitorais. O "Volkspartei"
defesa dos Colonos contra os indígenas. Em 1908, publicou com fotografias "Die elegeu Alwin Schrader para Superintendente em 1902, reelegendo-o em 1906 e
Erziehung eines Indianerkindes" (A Educação de uma Criança Indígena), tese 1910, porém em 1914 perdeu as eleições, porque Alwin Schrader desistiu de
apresentafla em Viena ao Congresso Internacional Americanista. O livro fala sobre candidatar-se.
a educação de uma menina indígena sob seus cuidados, que adotou como filha e Eugen Fouquet, o maior jornalista teuto-brasileiro, que recebeu do Ministro
com a qual elaborou um vocabulário Kaigang. Publicou no "Der Volksbote Epitácio Pessoa a sua carta de cidadania brasileira em 1901, foi secretário da
Kalender", de Joinville, em 1902, "Skizzen aus Südamerika" (Esboços da América Câmara Municipal e Conselheiro. Apesar de combatido por nativistas por pugnar
do Sul) e na revista "Zeitschrift für Ethnologie", publicou em separata pela conservação do idioma e tradições nas famílias germânicas, seus filhos
"Woerterverzeichnis der Bugres von Santa Catharina" (Dicionário dos Bugres de aprenderam corretamente o vernáculo, por consi-
Santa Catarina). Publicou ainda em
derar tais conhecimentos uma vantagem e enriquecimento cultural. O mais história de Blumenau.
polêmico jornalista da época publicou: "Dr. Fritz Müller zu seinem As escolas e comunidades escolares do sul do Brasil encontraram em
Hundertsten Geburtstage", publicado no "Der Urwaldsbote" de 31 de março e 4 Robert Jannasch a sua divulgação, através da obra "Deutsche Schulen und
de abril de 1922; "Die Konferenz in Roten" em 28 de abril de 1922; "Die Schulgemeinden in Südbrasilien", publicado em Berlin em 1903. Enquanto
Konferenz in Stadium der Versumpfung" em 5 de maio de 1922. Fouquet isso, continuavam publicações as mais diversas sobre Blumenau, inclusive no
faleceu em 9 de janeiro de 1937, aos 71 anos de idade, tendo seu companheiro Calendário "Der Volksbote", publicado por Hermann Leyser, de Joinville, em
G. A. Koehler publicado em 12 de janeiro extenso necrológio e o poeta Victor 1903, impresso na Tipografia de C. W. Boehme.
Schleiff lhe dedicado o poema" A luta terminou". Com importantes obras sobre Blumenau, o Dr. Paul Aldinger, pastor,
Os dois jornais que marcaram presença na literatura blumenauense professor e inspetor de escolas particulares da região de Hansa, publicou em
durante a Primeira Guerra Mundial, para poderem circular apareceram em "Südamerikanische Rundschau", de setembro e outubro de 1904, "Die
português no período de 1917 a 1919. O "Blumenauer Zeitung" como "Gazeta Methode der Bãuerlichen Waldgebirgskolonisation in Süd-Brasilien"
Blumenauense" e o "Der Urwaldsbote" como "Commercio de Blumenau". (Métodos de colonização da mata virgem no sul do Brasil); "Das Itajahytal" ( O
Durante a Segunda Guerra Mundial, o "Blumenauer Zeitung", em 2 de Vale do Itajaí) em 1909 em Hamburg; "Die Kolonie Hansa" (A Colônia Hansa)
dezembro de 1938, encerrou suas atividades, enquanto o "Der Urwaldsbote", em Potsdam; "Die Kolonieschule" (A escola da Colônia) em "Kalender für die
que publicou no seu primeiro número a quadra: Deutschen in Brasilien", São Leopoldo/RS em 1915; "Dr. Lauro Müller" der
"Gerader Weg, gerades Wort deutschbuertige Staatsmann Brasiliens, no "Kalender für die Deutschen in
So will's dem Mann gebühren Wer Brasilien" (reproduzido no "Der Urwaldsbote", em 1938. No Instituto Hans
Ehre sich erwahZt zum Rort, Den Staden, em São Paulo, encontra-se o manuscrito "Kirchen und Schulbericht" e
kann kein SchaZk ver.führen. 1/ trata do distrito Itajaí-Hercílio do ano de 1914. Em Hammonia (Ibirama), o Dr.
Aldinger escreveu o livro "Deutsche Mitarbeit in Brasilien" (Colaboração do
(Caminho reto, palavras certas
trabalho dos alemães no Brasil), editado em Curitiba por Theodoro Locher, em
Deve ser de um homem a meta.
1923. No livro de leitura "In Heimat", publicado em São Leopoldo/RS e
Para quem a honestidade é bem supremo
também no "Kalender für die Deutschen in Brasilien", publicou "Wie die
Não há mau conselheiro que seduza.), Kaigangs den Mais Erhielten" (Como os Kaigangs conservavam o milho), em
encerrou suas atividades com o número 18, em 29 de agosto de 1941, apesar de 1915. No "Blumenauer Zeitung" de janeiro de 1923, publicou "Zur Geschichte
ainda aparecerem os números 19 a 27, como ex-"Der Urwaldsbote", "Correio der Kolonisation mit Deutschen am Unteren Itajahy" (Para o histórico da
da Mata" e "Mensageiro da Mata". colonização dos alemães no Baixo-Itajaí). Escreveu ainda artigos sobre os
festejos do Centenário da Independência do Brasil em 1922. E no mesmo ano:
Rudolf Hollenweger, professor da escola Garcia Alto, colaborou com os
"Die Serra aIs Hõhenkurort" (Uma estação de repouso nas montanhas); "Die
jornais de Blumenau, tratando de temas os mais diversos, principalmente
Bedeutung der Kolonie Hansa in der Geschichte der Deutschen Auswanderung
educação e história. O jornal "Mitteilungen", lançado em 1906 como órgão
nach Brasilien" (O significado da Colônia Hansa na história da emigração
oficial da Federação das Escolas Alemãs de Santa Catarina e editado até 1916,
alemã para o Brasil); "Unterstütze Einwanderung nach Brasilien" (Emigração
teve a colaboração ativa de Hollenweger, que assinava artigos sobre Pedagogia
subvencionada para o Brasil). Pelo 25 o aniversário de Hammonia publicou a
e Ciências Naturais, publicando ainda o artigo "Aus dem Kolonistenleben".
poesia "8 de Novembro".
Com a colaboração de Frei Stanislau Schaette, publicou, em 1930, um Manual
para as escolas particulares e públicas de Blumenau, no qual, além de dar O Dr. Paul Aldinger é destaque, principalmente pelo conceito e o amor
noções de aritmética, gramática, etc., registra passagens importantes sobre a à nova pátria que louva através da poesia no original alemão:
.ferrovia elétrica, e em fevereiro de 1905, das homenagens ao Kaiser Wilhelm, onde
"Num singt dem neuen Heimatland "Nun
também estavam presentes o Senador Hercílio Luz e o Embaixador da Alemanha,
singt dem neuen Heimatland Barão von Wangenheim e outras personalidades da época. Voltando para servir na
Brasilien zu Ehren, Alemanha, foi ferido e aprisionado pelos francesas durante a Primeira Guerra
Wir wolIen ilun mit herz und Hand In Mundial.
Zukunft angehOren. Em 1912, veio para Blumenau, a pedido de Peter Christian Feddersen e
Louis Abry, o Professor Max Humpl, 'para lecionar na escola de Altona. Era
Du alte Heimat lebe wohl! músico, artista plástico e fazia teatro. Foi um dos fundadores da Liga Cultural e
Wir denken dein in Treu! Recreativa Vale do Itajaí (2011111915). A Sociedade de Canto Coral Masculino
Und bringen Ul1Sres Fleisses Zoll "Eintracht", de Altona, sob sua regência, foi um dos melhores corais da época.
Brasilien, dir du neue! Lecionou durante 24 anos para as crianças blumenauenses, ministrando ainda aulas
O mochte doch ein freundlich Band Un particulares de piano, violino e canto. Escreveu crônicas sobre a cidade de Blu-
beide stets sich schlingen! menau, ilustradas com belíssimos desenhos de sua autoria (Spitzkopt). Max Humpl
Dem Alt und neuen Vaterland elaborou a "Crônica de Altona", que as chamas destruíram em 1958, no grande
Ein Lebehoch wir bringen. " incêndio da Prefeitura Municipal. O livro, com capa de pano grosso e enfeitado de
taxas decorativas de altas cabeças quadradas, foi confeccionado em ótimo papel
Conta-se que durante suas andanças diárias, o Dr. Paul Aldinger, para importado e adquirido por Peter Christian Feddersen, personagem de grande
atravessar um córrego, utilizou-se de um bambu para servir de alavanca e que ao destaque em Altona. Foi escrito por Max Humpl com a colaboração e relatos de
alcançar o lado oposto, estava com uma jararaca presa nas suas vestes. moradores antigos e também de Theodor Lueders, funcionário do arquivo da
Giácomo Vicenzi, Cônego do Cabido Metropolitano do Rio de Janeiro, Prefeitura Municipal e historiador. A transcrição do livro foi feita pela Professora
escreveu e publicou em 1905 "Uma viagem ao Estado de Santa Catarina". Foi o Maria Wehmuth, que se tornou esposa de Max Humpl, à mão, em caligrafia
primeiro livrinho escrito em português sobre Blumenau no começo deste século. clássica, com as letras iniciais dos capítulos pintados à aquarela, simbolizando o
Suscitou controvérsias, pois fazia referência~ quanto ao espírito de brasilidade dos assunto. Abrangia todos os setores da vida de Altona de 1850 até 1918. Por motivos
padres franciscanos. de saúde, Max Humpl, natural da Alemanha, regressou à sua terra natal, onde
Uma obra que suscitou a revolta dos blumenauenses foi "Brasilien und die faleceu em 15 de abril de 1964, aos 87 anos de idade.
Deutsch-Brasilianische Kolonie Blumenau". escrita pelo Tenente Karl Alexander Max Humpl, como Paul Schwartzer que elaborou seu Diário entre
von Wettstein, em 1909. O livro, act'ito pelo "Der Urwaldsbote" foi severamente 1862/1864, também elaborou seu Diário, ambos contendo, em épocas diversas,
criticado pelo "Blumenauer Zeitung", pois além de conter muitas tolices sobre importantes informações para a história de Blumenau.
Blumenau e os blumenauel1Ses, contém ainda verdadeiros disparates. No seu A história do Vale do Itajaí deve e muito aos nossos pastores e sacerdotes.
trabalho, o Rio de Janeiro não é porto brasileiro, e sim Assunção, Montevidéu e Além dos já citados, surge a personalidade inconfundível de Frei Stanislau
Corrientes. Wettstein reagiu através de uma circular, porém o "Blumenauer Schaette, principalmente na área educacional, quando dispensou atenção especial,
Zeitung" de novembro de 1909, advertiu-o de que sua descol1Sideração por sem distinção de credo, aos professores da Associação de Professores das Escolas
Blumenau e blumenauel1Ses seria resolvida por um tribunal alemão, dando o caso Particulares Alemãs de Santa Catarina, desarvorados com as medidas de
por encerrado. Wettstein também publicou "Mit Jungen Deutschen Kolonisten nacionalização impostas durante a Primeira Guerra Mundial. Frei Stanislau
durch den Brasilianischen Urwald" (Com jovel1S colonos alemães através da mata Schaette, que atuou durante as primeiras décadas de 1900 no Colégio Franciscano
virgem brasileira), onde conta as aventuras vividas com seus amigos de excursão Santo Antônio, de Blumenau, colaborou com importantes artigos não só na área
pelas florestas entre o rio Negro e rio Hercílio, contendo ilustrações e um mapa. religiosa
Em 1904, Wettstein participou com o Dr. Paul Aldinger e Fritz Kühne dos estudos
para implantação de uma
como também fornecendo subsídios para a história de Blumenau. Para o por Gustav Salinger, senhoras Lungershausen, Poethig e Mililer, e ainda
livro "Centenário de Blumenau" - 1950, escreveu "Vida Católica em Bruno Hering, Paul Hering, Herbert Bier e Otto Rohkohl.
Blumenau". Muitas poesias e prólogos apresentados nas festas do "Frohsinn",
Frei Lucinius Korte, fundador e dirigente do jornal L'Amico apesar de aparecerem sem assinatura, têm todas as caraterísticas da obra
(190411917) de Rodeio, escreveu sobre a vida dos povoadores da região, literária de Feodor Axthelm, que foi o redator do mais temido jornal car-
em língua italiana. navalesco, "Die Schnauze". Tecia críticas com humor, comentando
Frei Solanus Schmitt, publicou em 1913 no "Der Familienfreund" acontecimentos sociais, sempre mexendo com alguém, sem atacar as
(Anuário Católico), "Die Überschwemmung in Blumenau" (A enchente de pessoas diretamente, o que, entretanto, não poupou o editor de processos
1911 em Blumenau). Também publicou suas reminiscências dos sertões do judiciais e intervenções da polícia. "Die Schnauze" também criticava os
Paraná e Santa Catarina. "Lose Blãtter aus der Mappe eines poderes constituídos e a administração municipal: - "Estat(stica. No Mu-
Missionsveteranen" (Folhetos de Arquivo de um Veterano Missionário), nidpio de Blumenau são fabricados anualmente, 1.485.923 tijolos. Sobre a
em 1937. cabeça de cada blumenauense caem exatamente, 23 e meio tijolos por
Frei Petrus Sinzig escreveu "Nach 30 Jahren" - Viene Chronik ano". O jornalzinho também atacava grandes e pequenas indústrias:
(1915/1921). Informes sobre a atuação dos franciscanos nos conventos do "Se eu soubesse, disse um fabricante de cerveja aos seus amigos em redor
Vale do Itajaí. de uma cervejada, que aqui em Blumenau se bebia urna porcaria como
Walther Mummelthey, pastor evangélico, escreveu "Die Kultur- esta, eu teria vindo para cá há dez anos atrás". Parou de circular em 17 de
bedeutung der Deutschen Evangelischen Kirche in Brasilien", publicado fevereiro de 1936. Feodor Axthelm escreveu "Uhland's Ballade" -
em Leipzig, em 1921. E o Pastor Fritz von Dietz, missionário em Blu- Schwãbische Kunde" (Baladas de Uhland - Notícias da Suábia). Contém
menau, publicou "Zaun am Abgrund" - Ein Ruf an die Mannesjugend poesias e acontecimentos relacionados com pessoas de Blumenau.
(Cerca no Abismo). O seu trabalho trata de problemas sexuais entre ra- José Deeke, o engenheiro que foi, por muitos anos diretor das
pazes. Colônias Hanseáticas, deixou importantes obras sobre o Vale do Itajaí.
Otto Werner teve o seu conto "Auf einer Holzschneidemüh1e im Escreveu "Das Munizip Blumenau und seine Entwicklungsgeschichte" (O
Brasilianischen Urwald" (Numa serraria na mata virgem do Brasil), pu- Município Blumenau e a história do seu desenvolvimento), em três
blicado em Kosmos e reproduzido em Mitteilungen, órgão de Deutschen volumes. No primeiro, aborda "Das Heutige Blumenau"; no segundo "Die
Schulvereins fUr Santa Catharina em 1916. Emanzipation der Kolonie Blumenau"; e no terceiro "Nach der Re-
O Vale do ltajaí, durante a Primeira Guerra Mundial, foi tema fa- volution". Com muitas ilustrações, mapas e gráficos, foi impresso em 1917
vorito de muitos escritores e jornalistas, e Manuel Duarte publicou uma pela Editora Rotermund & Cia., de São Leopoldo/RS. A obra é de grande
série de artigos sobre os imigrantes tedescos no Jornal do Comércio do Rio valor por conter informações colhidas pelo próprio Deeke em entrevistas
de Janeiro, que foram divulgados em nosso Estado. Também Crispim Mira com pessoas que participaram pessoalmente dos fatos, principalmente os
citou Blumenau, quando escreveu sobre "Os Alemães no Brasil", com relacionados com a revolução de 1893 ea pacificação dos indígenas no vale
referências especiais sobre as virtudes do colono alemão, publicado em do Itajaí. Nessa obra, José Deeke reproduziu o artigo publicado em 1903,
1916 no Rio de Janeiro. no "Der Volksbote", - "Plaudereien eines Alten Blumenauer Kolonisten".
Feodor Axthelm, poeta e chefe das oficinas do "Der Urwaldsbote", No artigo, o velho colono fornece informes interessantes sobre a vida de
deixou, além de trabalhos esparsos, um livro de poesias retratando homens Blumenau nos primeiros anos da Colônia. Escreveu "Em defesa do
e fatos da vida blumenauense nas primeiras décadas deste século. Escreveu Patrimônio Brasileiro" e pelo 25° aniversário de fundação de Hammonia
peças teatrais, entre elas o texto da ópera "Tilo", que foi parcialmente (Ibirama), escreveu "Die Kolonie Hammonia", com dados históricos e
musicada pelo Maestro Geyer. "Tilo" se refere a fatos ocorridos durante a estatísticos de Hammonia, e impresso na Tipografia Baumgarten, de
Primeira Guerra Mundial, e está incompleta e inédita. Axthelm participou Blumenau, em 1922. Publicou no "Blumenauer Zeitung" nO 8, de 26 de
de um divertido "Prólogo", por ocasião do baile de máscaras, no dia 14 de janeiro de 1922, "Zur Geschichte der Kolonisa-
janeiro de 1914, interpretado, além de Axthelm,
tion mit Deutschen am Unteren Itajaí" (Para a história da colonização alemã no sobre a terra e gente de Santa Catarina. Foi impresso no "Blumenauer
Baixo-Itajaí). Na Poliantéia do Colégio Santo Antônio, de Blumenau, "Aus Zeitung", em 1918.
meinet Schulzeit" (Do meu tempo escolar). Publicou as novelas "Auf dem 1914/1918, Primeira Guerra Mundial e o afundamento do navio
Wege der Politik" (No caminho da política); "Die Freundschaft" ( A amizade); mercante Macau, provocou em alguns nativistas um ódio violento contra
"Albert Kornfeld", publicadas no "Kalender für Deutschen in Brasilien". alemães e descendentes, ódio esse expresso no jornal "O Nacional", gerido por
Publicou ainda pequenas histórias no "Hausfreund" (Amigo do Lar) e "Neue IIdefonso Teixeira. Felizmente "O Nacional", impresso inicialmente nas
Heimat" (Nova Pátria). Escreveu para vários jornais, artigos sobre oficinas do "Blumenauer Zeitung", depois nas oficinas do jornal "Novidades",
agropecuária. Participou da organização do "Zur Jahrhundert-Feier" (A Festa em Itajaí. e posteriormente em pequena oficina própria, em Blumenau,
do Centenário) em 1929, com G. A. Koehler e Victor Schleiff. adquirida pelo advogado Alfredo Luz, circulou até 13 de abril de 1919, quando
Emma Deeke, esposa de José Deeke, além de escrever o romance a Gazeta Blumenauense ("Blumenauer Zeitung") lhe dedicou o seguinte
"Liebe und Ptlicht" (Amor e Dever), publicado no "Kalender für Deutschen in necrológio:
Brasilien", editado por Rotermund, de São Leopoldo/RS, publicou poesias e "O Nacional" morreu. E no transe de moribundo colocou, mais uma vez, o seu
contos no "Der Urwaldsbote", de B1umenau. canhão de grosso calibre, carregado com munição "patriotismo" contra a
A romancista alemã, Anni Brunner, veio para Blumenau em 1918, onde "Gazeta". Mas essa munição da marca "O Nacional" já é muito estragada e a
fundou a Editora "Krystall-Verlag", na qual publicou trabalhos literários. explosão não tem nenhum efeito, se não significa uma "declaração de honra
Publicou mais de doze romances, contos, peças teatrais, etc. Fundou a revista ". O patriotismo dos nossos adversários é bem conhecido; cada um pode
"Deutsch Brasilianische Jugend Zeitung" , impressa na Tipografia comprá-lo, até mesmo o pan-germanista. As provas não são raras. Adeus. "
Baumgarten, sendo redatora a escritora e professora Alice von Moers. O Entretanto, "O Nacional" foi substituído pelo "Brazil", a partir do dia 7
primeiro número apareceu em agosto de 1935, trazendo muitas poesias, de junho de 1919, sob a orientação de Alfredo Luz, Edgar Barreto e o ferrenho
contos, conselhos, anedotas e variedades. Foi editada mensalmente até julho inimigo dos alemães e descendentes, IIdefonso Teixeira. Destacam-se no
de 1936. Entre suas obras escritas em Blwnenau destacam-se: "Der Fluch einer "Brazil" os eruditos artigos escritos por Edgar Barreto, sobre Filosofia e
Unseligen Stunde" (A maldição de uma hora infeliz), publicado e impresso em Lingüística, criticando gramáticas para o ensino do português e as biogratIas
B1umenau por G. A. Koehler, "Heimaterde" (Terra Natal), publicado em de vultos nacionais assinadas por Antônio Gomes Winter. Depois de polêmicas
Würzburg - Alemanha; "Der Edelfalke - Welterneuerung" (O Falcão nobre - violentas e ataques pessoais, o "Brazil" saiu de circulação em 26 de fevereiro
Renovação do mundo), contos reunidos em volwne. Impresso na tipografia de 1922.
Baumgarten; "Der Weisse Palast" (O Palácio Branco). Impresso por G. A. Na época, funcionava em Blumenau o Centro de Propaganda para
Koehler; "Wir wollen Vertrauen zueinander haben" (Nós queremos ter Assuntos Brasileiros, que lançou no dia 19 de novembro de 1923, a revista "O
confiança mútua) publicado em Würzburg - Alemanha. Através de convites Brasiliense", publicada pela Tipografia Baumgarten. Publicava contos, poesias
promovia em Blumenau "Noites Literárias". e notícias diversas, 'contando ainda com a colaboração de Autran Dourado,
Richard Hinsch, colega de estudos de Eugen Fouquet na Alemanha, chefe da fiscalização da Estrada de Ferro Santa Catari na.
dono de uma fazenda em Salto Weissbach, publicou na imprensa artigos Apesar de todas as represálias durante a Primeira Guerra, Alfred W.
políticos e técnicos agropecuários, enquanto Eugen Kieser publicou Sellin publicou em Berlin, em 1918, "2ur Geschichte der Deutschtum in
"Zukunftsfragen für die Molkereimaschinen Industrie und Zugehorige Brasilien" .
Gewerbe in Süd-Brasilien" (Indagações de futuro a respeito de máquinas para As poesias nem sempre primavam pela perfeição, bom gosto e su-
laticínios, indústrias e ofícios inerentes, no sul do Brasil). O autor dividiu o tilidade, principalmente as que se publicavam em jornaizinhos carnavalescos
trabalho em três partes: a primeira trata do histórico, fundação e fracasso da como o "Kiriri", que publicou no dia 14 de fevereiro de 1920 os seguintes
Companhia Blumenauense de Laticínios; a segunda, sobre a proteção da versos:
Indústria de Laticínios no sul do Brasil e a terceira
"Olhando sempre pro chão Do cativeiro em que a penar vivia,
No meu passo vagaroso Batendo as asas, num revoar incerto,
Tropeço às vezes em vão Em gorjeios traduz sua alegria
Pensando no bem ditoso. Também tu, pobre coração desperto
Ó que graça, que delícia Do silêncio mortal que te angustia,
Naquele olhar piedoso! Ergue-te e deixa o cárcere deserto, Foge
Que palidez tão sublime a essa estância lóbrega sombria!
No seu rosto tão sedoso." Faz-te senhor em vez de ser cativo!
Desfere e aos céus altíssimos levanta,
Entretanto, Octaviano Ramos, agente postal-telegráfico, natural de São Um canto varonil, claro e festivo!
José, porém blumenauense por adoção, pois constituíra família ~m Blumenau, O vôo alça, num místico transporte,
era um poeta cheio de entusiasmo, ternura e alegria pela vida. Com José E no afago da luz unge-te e canta! Canta a
Ferreira da Silva fundou o jornal "A Cidade", utilizando-se do material glória e a alegria de ser farteI"
tipográfico que fora do jornal "O Nacional" e o "Brazil". No primeiro número
que apareceu no dia 21 de setembro de 1926, na primeira página foi impresso Publicou, também, poesias no Calendário Blumenauense organizado
cercado de vinhetas, o soneto de Octaviano Ramos, "Fatal Sorriso": em 1934 por seu amigo José Ferreira da Silva.
José Ferreira da Silva nasceu em 1897, em Tijucas. Foi professor em
Como aranha que estende a leve teia Canoinhas, onde também exerceu o cargo de Tabelião Interino. Colaborou
Com cautela e artifícios inauditos com o jornal "Timoneiro do Norte", com artigos sobre a história do município
E logo nela, insidiosa, enleia e do movimento dos fanáticos. De Canoinhas, onde trabalhou até 1919, foi
Os vis insetos, pávidos e aflitos transferido, a pedido, para Bom Retiro (Luzerna). Em 1920, após concurso,
O teu sorriso, pérfida sereia Armas assumiu o cargo de Escrivão de Paz e Tabelião no então 7° Distrito de
aos sonhadores imperitos Para Blumenau, atual Rodeio, onde fundou o semanário "O Escudo", que dirigiu até
inferná-los em sutil cadeia De 1924, quando foi transferido como titular do Cartório do Crime, Civil e
promessas e encantos infinitos. Comercial, sendo Juiz de Direito o Dr. Amadeu Felipe da Luz. Em 1926
fundou, com o poeta Octaviano Ramos, o jornal "A Cidade", passando a
Quando afinal os tens no rude acume desenvolver intensa atividade intelectual. Montou escritório de advocacia
Do sofrimento, loucos de ciúme como solicitador após concurso perante o Tribunal de Justiça do Estado,
De insatisfeito amor, nessa hora, então associando-se ao Desembargador Pedro e Silva, aposentado, e a Max Mayr,
Ris das ânsias que os vão tantalizando advogado provisionado. Foi Inspetor de Ensino Secundário e Prefeito
Como rirá Satã decerto quando Municipal de Blumenau no período de 1938/1941, dotando Blumenau de
As almas leva à eterna danação. vários melhoramentos. Permaneceu vários anos fora de Blumenau (Rio de
Janeiro, Curitiba e Goiás), e quando residia em Curitiba, fundou a revista "Blu-
Desde então, a poesia de Octaviano Ramos fazia parte semanalmente de menau em Cadernos". Em 1962, voltou a Blumenau a convite do Prefeito
cada número de "A Cidade", até agosto de 1930, quando o jornal passou para as Hercílio Deeke para organizar e dirigir a Biblioteca "Dr. Fritz Müller",
mãos de Comado Balsini. É de autoria de Octaviano Ramos, "Ascensão": oficializada por lei que na sua gestão passou a contar com 50 mil volumes, a
"Como o canoro pássaro liberto maior do Estado. Com o apoio dos prefeitos que se se-
guiram, dotou a Biblioteca de encadernação, tipografia, seção Braille, queno guia turístico, 1968 (cinco edições); "Octaviano Ramos", biografia de
discoteca e outros setores inerentes a uma biblioteca de grande porte. Nessa um poeta (Ed. do autor, Blumenau, 1971); "História de Blumenau"
época, recebeu o título de Cidadão Blumenauense, concedido pela Câmara (Florianópolis, Edeme, 1972).
Municipal de Blumenau. Pelos serviços prestados em prol do estreitamento das Ao falecer em 30 de dezembro de 1973, deixou inéditos: Descendo o
relações entre Blumenau e Alemanha, José Ferreira da Silva foi convidado para São Francisco, Os Monumentos de B1umenau, Chega de Enchentes e a
visitar a Alemanha; também lhe foi conferido por decreto de 15 de abril de Imprensa em Blumenau, que foi publicada pelo Governo do Estado em 1977.
1970, a Comenda da Ordem de Mérito no grau de Grande Oficial, que lhe foi Escreveu a letra do "Hino a Blumenau", musicada pelo Professor Francisco C.
entregue em grande solenidade por Roland Zimmennann, Cônsul Geral da Corrêa, em 1957.
República Federal da Alemanha em Curitiba. Foi eleito para o Instituto Fundou e dirigiu os seguintes órgãos de Imprensa: "O Escudo", em
Histórico e Geográfico de Santa Catarina, e em 1970, com merecimento, para a Rodeio, 1920; "A Cidade", de parceria com J. Octaviano Ramos, 1926;
cadeira nO 4 da Academia Catarinense de Letras. Pelo seu trabalho com a "Correio de Blumenau" , de parceria com Geysa Bôscoli e Abelardo Fonseca,
publicação da revista "Blumenau em Cadernos", a Secretaria do Governo, 1932; "Alvorada" - semanário, Blumenau, 1936. Fundou a revista
Departamento de Cultura, lhe conferiu Diploma de Reconhecimento. "BLUMENAU EM CADERNOS".
José Ferreira da Silva foi sócio honorário da Sociedade Dramáti- Victor Schleiff, nasceu na Alemanha em 1869. Colaborador assíduo do "Der
co-Musical "CarIos Gomes", de Blumenau, Círculo de Orquidófilos e outras Urwaldsbote", tornou-se depois redator do mesmo, deixando grande
associações. Foi o primeiro locutor da PRC-4, Rádio Clube de Blumenau, a colaboração à literatura regional, principalmente nas poesias tecnicamente
pioneira em Rádio-Difusão em Santa Catarina. perfeitas, inspiradas, algumas carregadas de humor e sobre os mais diversos
Escreveu e publicou contos, poesias, crônicas, comentários, críticas temas, que enfeixadas dariam apreciável volume. Durante os festejos do
esparsas, estudos históricos, biografias e traduções (" Dança Macabra" e Centenário da lmigra;ão Alemã em Santa Catarina. realizados no dia 17 de
"Viagens pelas Colônias Alemãs da Província de Santa Catarina"). novembro de 1929, apresentou no pátio da escola de Neu Breslau, a peça teatral
Obras: "O Padre Jacobs" (Blumenau, Tipografia CarI Wahle, 1928); "A de sua autoria "1m Urwald" (Na Floresta). Com 16 páginas, publicou em 1929,
Colonização do Vale do Itajaí" (Tipografia do "Correio de Blumenau" , 1931); pela TipografIa do "Der Urwaldsbote", "Festschrift zum 25 Jahrigen Bestehen
"Fritz Müller" (Editora Alba, Rio de Janeiro, 1931); "Entre a Enxada e o des Stadtplatzes und der Schule Neu Breslau" (Publicação do 25° aniversário de
Microscópio". "O Colono Fritz Müller" (Ed. do autor, Blumenau, 1971); "O fundação da cidade e da escola de Nova Breslau). Colaboração em poesia e
Doutor Blumenau" (Editora L. Fernandes e Irmão, Rio de Janeiro, 1933), sendo prosa, comemorativa do evento, de Victor Schleiff, Heinrich Blaul, Ernst
a 23 edição impressa pela Casa Dr. Blumenau em 1978. Também publicou Auringer e ainda dados históricos. No mesmo suplemento foi publicado ainda:
"Doktor Blumenau", em alemão, pela Tipografia Blumenauense; "Calendário "Neu Breslau, 1904/1929"; "Alte und Neue Heimat"; "Letzer Wunsch" (poesias)
Blumenauense" 1934/1935; "Blumenau, Notícia Estatístico-Descritiva do e :'Aus dem Kolonisten Leben". Publicou ainda "Die SchuetzengeselIschaft
Município (Florianópolis, Departamento Estadual de Estatística, 1939); "O Blumenau feiert ihr 75 Jabriges Bestehen" (A Sociedade de Atiradores de
Catolicismo em Blumenau", in Primeiro Congresso Católico de Blwnenau, Blumenau festeja seus 75 anos de fundação), no Almanaque "Volk und Heimat"
1933; "Anita Garibaldi", libreto da ópera musicada pelo Maestro Heinz Geyer, - São Paulo; "Unser ist lleute der Tag" (O dia de hoje é nosso), livrinho
1940; "História de Blwnenau", in Livro do Centenário de Blumenau, com se- comemorativo do Dia do Colono, em julho de 1937, foi impresso pela
parata impressa na Tipografia Blumenauense, 1950; "História do Município da
Tipografia G. A. Koehler de Blumenau; "Zur Geschichte Neu Breslau",
Penha" (Curitiba, A Imprensa, 1959); "As Terras do Itajaí e VasconcelIos
publicado no "Blumenauer Volkskalender, em 1933. No livro do Centenário de
Drwnmond", in Blumenau em Cadernos, 1963; "Terra Catarinense, Anuários
Blumenau, publicou a poesia "Die ersten Einwanderer" (Os primeiros
relativos a 1967 e 1968"; "Itajaí, a Fundação e o Fundador", in Blwnenau em
imigrantes). Traduziu, entre outros, os poemas "O Ipiranga" e "Sete de
Cadernos, 1967; "Cronografia do Doutor Blumenau" (Tipografia
Setembro", de Bernardo Guimarães. No dia 22 de março de 1932, em
Blumenauense, 1964 e a 23 edição em 1971; "A
homenagem ao centenário da
Bandeira do Brasil" (Tipografia Blumenauense, 1967); "Blumenau"- pe-
morte de Goethe, apresentou uma de suas poesias no Teatro "Carlos Gomes". nea de quatro contos: "Elise Lingnen", "Ein Stiefkind der Natur, Mutter
Colaborou com G. A. Koehler e José Deeke na elaboração do "Zur Jahrhundert Wantken" e "Das Krõnlein", pela Tipografia de G. A. Koehler; "Der Weg der
Feier" (Festa do Centenário, 1900), onde vários autores registraram fatos Frau Agnes Bach" (A Caminhada da Senhora Agnes Bach), em 1954, em
importantes sobre Blumenau e blumenauenses. É de autoria de Victor Schleiff Curitiba; "Der Sonnenhof" (A Fazenda do Sol), Tipografia Blumenauense, em
a quadra seguinte: 1967; "Neue Wege" (Caminhos Novos), baseado na emigração, Tipografia
"Nicht soUt ihr faulend behaglich am Herd ruhn auf der Biirenhaut! Blumenauense; "Gratwanderer" e "Wenn der Wind darüber geht. .. "
SeM, Enkel, der Viiter, der Ahnen wert, in dem ihr GriJsseres baut! Und (Peregrinação pela Cumieira e Quando o Vento Passa por Cima), baseado
was wià selber nicht haben geschajft, numa família blumenauense, pela Tipografia Blumenauense, em 1957; "Und
was unsrem Arm sich entwand, dann kam die Lõsung" (E então veio a solução), Tipografia Blumenauense, em
den Weihet dem witmet die ganze Kraft des Herzens 1961. Publicou no "Der Urwaldsbote" e na revista alemã "Deutsche Welt" _ "A
des Hirnes, der Handl". União Faz a Força". Publicou outros contos e a peça teatral "Die Verbammng
Faleceu em Blumenau, em 1953. des Mãrschens" (O Exílio da Lenda), apresentada no Teatro "Frohsim1", em
1936. Faleceu em Blumenau em 1968.
Marcos Konder nasceu em Itajaí, em 1882. Atuou inicialmente no comércio, foi Francisco de Oliveira e Silva, nasceu em Recife, em 1897. Em 1921,
vereador, prefeito e deputado estadual. Autor do livro "Minha Pequena Pátria" estava em Santa Catarina e no período de 1925/1928 foi Promotor Público em
(História de Itajaí), 1920. A partir da 23 edição, em 1957, o título do livro foi Florianópolis. De 1928 a 1938, exerceu a advocacia em Blumenau. Durante
alterado para "A Pequena Pátria". Publicou em 1935 "Demokratie, sua estada em Blwnenau, publicou entre outras a poesia " O Vôo Interrompido"
Integralismus, Kommunismus" (Democracia, Integralismo, Comunismo), pela em 1930, e na prosa "Gota d'Água", pensamentos, em 1932, e em 1935 o conto
Tipografia de G. A. Koehler, de Blumenau, Em 1954, publicou em Porto "A Máquina da Felicidade", além de outros.
Alegre/RS "Der Nationalismus aIs Falscher Patriotismus" (O nacionalismo Frei Cletus Espey, veio para Blumenau em 1895, para atuar no Colégio
como falso patriotismo). O livro enfeixa conferências sobre imigração e Franciscano Santo Antônio. Publicou em 1929 wn folheto comemorativo do
colonização alemã no sul do Brasil. Escreveu, em alemão, em 1955, "A Jubileu de Prata dos Franciscanos de Blumenau, Rodeio e no sul do Brasil. Em
colonização em Santa Catarina". "Colonização e Nacionalização", pela 1938 (Apud - Vita Franciscana), publicou "Unter den Botokuden in
Tipografia Blumenauense. "O nacionalismo não criaria Lauro Mililer". Com Südbrasilien", onde narra fatos interessantes sobre assaltos de indígenas aos
"Lauro Mül1er", impresso em 1926 pela Imprensa Oficial de Florianópolis, colonos de Blumenau. Também Hermann UIlmann referiu-se ao Posto Duque
recebeu o prêmio "Hélio Lobo", da Academia Brasileira de Letras - Rio de de Caxias e Vale do Itajaí, na sua obra "Brasilianischer Sommer" (Verão
3
Janeiro. A 23 edição foi publicada em 1953 e a 3 em 1957, pela Imprensa brasileiro), publicada em Berlin e Stuttgart. Günther Pliischow, que esteve em
Oficial de Florianópolis. Apesar de responsável pelo projeto que obrigava o Blumenau no Posto Duque de Caxias em 1936, além de publicar "Silberkondor
ensino da língua portuguesa nas escolas particulares, condenava a maneira über Feuerland", pois esteve na Terra do Fogo, publicou "Bei den Botokuden"
drástica e vergonhosa como era imposta a nacionalização. Fazia parte da (Com os botocudos), enquanto os indígenas Kaigangs serviram de tema para o
Academia Catarinense de Letras (1927). Faleceu em Blumenau em 1962. livro de Henry Jules, "Os índios Kaigangs de Santa Catarina".
O Ministro Victor Konder, que passou sobre Blumenau em 1927, no C. W. Grothe, dono de uma tipografia em Indaial, publicou em 1926, no
hidroplano "Atlântico", e que fazia parte da Academia Catarinense de Letras "Landwirtschaftliche Zeitung rur Deutschen Kolonisten in Brasilien" (Jornal
(1924), escreveu em 1935 "O Municipal Nacionalismo na Palavra de um Agrícola para Colonos Alemães no Brasil), "Ecos do 75° aniversário da
Idealizador - Blumenau" . fundação de Blumenau", além de uma poesia de M. J. Ganswridt "Der
Gertrud H. Gross, nasceu na Alemanha em 1879. Em 1922, publicou Glücklichste" (O mais teliz), que fala sobre as belezas da vida do colono. C. W.
"Durch Irrtum zur Wahrheit" (Do Erro à Verdade), pela Tipografia de G. A. Grothe também publicou em 1926 o "Land-
Koehler; "Aus Kindern werden Leute" (Crianças Tornam-se Adultos), em
1934, e "Frauenschiksale" (Destinos de Mulheres), coletâ-
wirtschaftlicher Kalender fur Brasilien" (Anuário Agrícola para o Brasil). No de São Paulo (1870), contratado pelo Governo do Estado para tratar da reforma
mesmo ano, earl Wahle, proprietário da Tipografia Carl Wahle de Blumenau, do ensino em Santa Catarina. Durante sua estada em Blumenau, publicou pela
publicou no "Kalender rur die Deutschen in Brasilien", "Das Munizip Tipografia de Carl Wahle, "Nacionalizaçãu do Ensino Primário". Faleceu em
Blumenau". Alfred Funke, no seu livro sobre "Brasilien im 20 Jahrhundert" (O Florianópolis, em 1931.
Brasil no século XX), publicado em Berlin em 1927, faz referências à Em 1930, G. Eilers publicou o livro didático "Brasileiro", para o ensino
Blumenau e Vale do Itajaí. Wilhelm von Steiner publicou em MÜllchen, em do português, no qual uma das lições faz referências ao Vale do Itajaí e
1928, "Brasilianisches Bilderbuch" (Livro Ilustrado Brasileiro), no qual Blumenau. Entretanto, a nacionalização foi mesmo implantada em 1938,
descreve uma viagem ao Brasil, inclusive a Blumenau, e ao Vale do Itajaí. através do Decreto-Lei nO 88, de 31 de março de 1938, proibindo o idioma
Theodor Breithaupt publicou em 1929 "Chronik der Familie Breithaupt". F. alemão, discursos, etc. A lei propugnava também que somente brasileiros natos
Lange, em 1930, publicou pela Tipografia Carl Wahle, de Blumenau, "Eine poderiam responder por jornais e outros, fazendo com que muitas publicações,
Ratschlage zur Ansiedlung der Deutschrussenf1üchtlinge in der Hansa" apesar de tentarem sobreviver em idioma nacional, soçobrassem. Entre eles, o
(Alguns conselhos aos núcleos dos fugitivos teuto-russos na Hansa). "Der Christenbote", que passou, a partir de 1938, a ser redatoriado por Emma
Enquanto em Weimar - Alemanha foi publicado em 1930, "Deutsches Deeke.
Volkstum in der Welt" (Peculiaridades étnicas alemãs no mundo), com fotos e O "Der Christenbote", que iniciou em 1 o de janeiro com 1.200
referências a Blumenau e ao Vale do Itajaí, também publicaram obras sobre exemplares chegando a 3.700 entre a Comunidade Evangélica, foi extinto em
Blumenau, Rudolf Kraft, "Kolonisator in Brasilien - Hermarm Blmnenau - In fevereiro de 1942. O "Christenbote" manteve também, a partir de 1935, o
diener einer Idee", compilado por Curt Sclmeider em Muenster - Alemanha. suplemento mensal "Der Bote".
Hans Gehse, "Die Deutsche Presse in Brasilien, 1852/1931" (A Imprensa Com a Segunda Guerra Mundial (1939/1945), a nacionalização passou
Alemã no Brasil); W. Scheerer, em 1932, "Festschrift der Evangelischen a ser agressiva, principalmente por parte de pessoas inescrupulo.'Ias e o
Kirchengemeinde"; Albert Ax, em 1933, no "Volkskalender" - "Die blumenauense foi desrespeitado apesar da sua longa folha de bons serviços
Entwicklung der Kolonie Dona Emma in 12 Jahren"; G. A. Koehler, em 1937, prestados à nação brasileira.
"Dr. Hennalm Blumenau" - Eine Würdigung, separata VDA - Jahrbuch - A contribuição alemã para a edificação da nação brasileira está impressa
Berlin; Siegfried Endress, em 1938, "Blmnenau Werden und Wesen einer no livro de Karl Heinrich Oberacker Jr., publicado em 1955 pela Herder
Deutschbrasilianischen Landschaft" (Desenvolvimento e sistema de uma Editora de São Paulo com o título de "Der Deutschebeitrag zum aufbau der
região teuto-brasileira), com 3 mapas e 16 fotos, pelo Instituto Stuttgart - livro Brasilianischen Nation" (traz referências ao Vale do Itajaí, Doutor Blumenau,
nO 5. E no mesmo ano, "Geschichte der Besiedlung des Itajahygebirtes" innãos Konder, Fritz Müller e outros). O mesmo autor publicou em 1939, em
(História da colonização da região do Itajaí), pela Tipografia do "Der Stuttgart - Alemanha, "Hennann Blumenau" .
Urwaldsbote", de Blumenau. Hugo Grothe, em 1935, em Berlin, após visitar as Curioso é que em 1906, alguns nativistas odiavam a colonização alemã
Colônias alemãs do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, publicou mn no sul do Brasil, entre eles Sílvio Romero, que na época publicou o livro "O
livro com informações interessantes sobre Blumenau, Hammonia, Witmarsun e alemanismo no sul do Brasil, seus perigos e meios de os conjurar". O fato é que
outras, intitulado "1m Kamp und Urwald Südbrasiliens" (No campo e na mata as colonizações alemãs só engrandecem o Brasil, e seus descendentes pugnam
virgem do sul do Brasil), com 82 fotos, 11 mapas e gráficos. Georg Smolka através do trabalho e honestidade o seu engrandecimento.
publicou em Leipzig, em 1937, "Auswanderer" (Emigrante). A nacionalização e o nazismo suscitaram o aparecimento de algumas
Como conseqüência da nacionalização, que teve início durante a obras, entre as quais: "A obra nacionalizadora do Estado Novo" , escrita pelo
Primeira Guerra Mundial, surgiram algumas obras em português e bilíngües, Dr. Nereu Ramos e publicada pela Imprensa Oficial de Florianópolis em 1939.
um pouco tímidas, considerando o elevado número de obras escritas em Aurélio da Silva Py publicou, em 1942, pela Editora Globo de Porto Alegre, "A
alemão. 5a Coluna no Brasil". De autoria de
Em 1929, estava em Blumenau o Professor Orestes Guimarães, natural
Antonio Lara Ribas, "O Punhal Nazista no Coração do Brasil", baseado na ografia da verdadeira história de Hans Staden" (1945); "O prisioneiro de
campanha contra o nazismo, foi publicado pela Imprensa Oficial de Ubatuba" (1948); "A família Stutzer no Brasil" (1948); "O ramo brasileiro
FlorianópoIis em 1 a edição em 1943, e em 2a edição em 1944. Militares da Família do Dr. Fritz Müller - sábio decifrador da natureza no Brasil"
sediados em zonas de nacionalização também escreveram sobre a situação (1947); "Hermaml Blumenau - Eine Erinnerung, 1850-1950", publicado
social, política e econômica de Blumenau, entre eles Rui de Alencar em edição especial no "Sena-Post Kalenders", de Ijuí, em 1950 (artigo
Nogueira, que publicou no Rio de Janeiro, em 1947, "A Nacionalização do comemorativo do Centenário de Blumenau); "Doctor Blumenau", separata
Vale do Itajaí". Também escreveram sobre o mesmo tema, Hugo Bethlem, do "Jahrweiser rur die Evangelischen Gemeinden in Brasilien", 1950.
Celso Bayma e outros. Impresso em São Leopolso/RS; "Die grosse und kleine Kolonisation Dr.
Theobaldo Costa Jamundá nasceu em Recife, em 1914. Em 1939 BIumenau", 1846/50, publicado no "Deutsche Nachrichten Brasil
está no Vale do Itajaí e mais tarde em Florianópolis. Estudioso dos assuntos Almanach", 1957, de São Paulo; "Deutsch-Brasilianische Bibliographie",
históricos e etnográficos destacam-se: "Recensão crítica de Emílio vários artigos em Staden - Jahrbuch - São Paulo. Nessa mesma revista foi
Willems: A aculturação dos alemães no Brasil" (1950); "Presença do publicado, em 1966, "Der von der Heydt'sche erlass vom Jahre 1859" e
palmito na sociedade teuto-brasileira" (1951); "História Econômica do "Wappaus und seine Mitarbeiter 1846: BIumenau? Phillipi? BrOlnme? em
Vale do Itajaí" (1951); "Cigarro, cachimbo, cigarro de palha e cerveja na 1970". O artigo também foi publicado em "Conder", de Santiago do Chile;
sociedade teuto-brasileira" (1952); "Notas sobre a sociedade da Bacia do "Deutscher Sprachunterricht an Brasilianischen Schulen" (Aula de alemão
Itajaí" (1958); "Bibliografia do Padre João Alfredo Rohr" (1977). Obras nas escolas brasileiras), publicado no "Auslands Kurier", em 1967, em
publicadas: "Indaial" (1943); "O Itajaí e outras águas" (1945); Frankfurt a/M; "Dr. BIumenau, erste Reise nach Brasilien", publicado no
"Interpretação Regional do Município de Rodeio" (1948); "Anotação da "Brazil Post" de São Paulo em 1969. Em 1969 pronunciou a conferência
paisagem rural" (1953); "Sobre associativismo rural" (1964); Professor, "Kulturelle Vereinigungen im Brasilianisch-Deutsch-Bereich", em
aqui está seu quadro para giz" (1966); "Um alemão brasileiríssimo - o Dr. Rolândia/PR, publicada pelo Instituto Hans Staden. Publicou na "Folha
Blumenau" (1966); "Nereu Ramos - o da hora da integração nacional" Dominical de São Leopoldo/RS, no "Deutsche Nachrichten" e no "Brazil
(1968). Colaborou com a História de Santa Catarina, publicada pela Post", de São Paulo, em 1971, "Pastor Begrich zum Gedachtniss" (À
Grafipar, de Curitiba, em 1970, escrevendo "Catarinenses Ilustres e Pes- memória do Pastor Begrich).
soas ilustres ligadas a Santa Catarina". Em colaboração com Jali Meirinho, Em 1959, Karl Fouquet teve publicado pelo Instituto Hans Staden,
publicado pela Edeme - Florianópolis, em 1972, "Nomes que ajudaram a São Paulo, "Alexander von Humbolt", e em 1974, "O imigrante alemão e
fazer Santa Catarina". Catarinensismos", escrito e publicado em seus descendentes no Brasil, 1808/1824". No livro do Centenário de
Florianópolis pela Edeme/UDESC, em 1974. "Theagá", pela Editora Blumenau, publicado em 1950, Karl Fouquet escreveu um dos estudos
Signo/ACL - Florianópolis, em 1977. Em 1980, organizou Contos e mais completos sobre a vida do fundador de Blumenau. Sobre Karl Fou-
Poemas, publicado pela FCC. Estudos biográficos sobre Altino Flores e quet, o Professor José Ferreira da Silva escreveu: "sua atuação no campo
Carlos da Costa Pereira, edição do autor em 1985. Foi presidente do histórico é assinalada por trabalhos verdadeiramente magistrais ".
Conselho Estadual de Cultura no período de 1974/1978, quando incentivou José E. Finardi nasceu em Ascurra, em 1913. É professor e jor-
a divulgação do livro catarinense. nalista. Além de poeta, novelista e contista, é pesquisador da colonização
Karl Fouquet nasceu em Blumenau em 1897. Estudou e lecionou em italiana. Publicou "Enquanto houver Saudade" (novela), em 1945; "E a
Hamburgo - Alemanha. Apesar de residir em São Paulo, escreveu várias Vida Continua" (crônica), em 1946; e "Angústia Infinita" (poesia), em
obras sobre imigração e colonização. Descendente do jornalista Eugen 1947. Em 1976 publicou "Colonização Italiana de Ascurra", 1876/1976.
Fouquet, tem seu lugar de destaque na literatura blumenauense como autor Todos publicados em BIumenau - edição do autor. Colabora com a revista
de várias obras de valor, inclusive em português, entre elas: "Blumenau em Cadernos".
"A Família Lindenberg na Alemanha e no Brasil" (1940); "Hans Staden, Henrique Hacker, engenheiro, publicou pela Tipografia e Livraria
duas viagens ao Brasil" (1942); "Origem da Família A vé Lallement e sua Blumenauense, em 1948, "Mehr Licht" (Mais Luz), tendo como subtítulo
Expansão no Brasil" (1941); "O cerco de Igaraçu, 1549" (1943); "Bibli- "Worte rur denkende Menschen" (palavras para gente que pensa) e
e assuntos religiosos e filosóficos. Celso Liberato publicou, em 1948, no Vale uma vaga "Serra dos Martírios", de que tropeiros ambulantes e passantes sem
do Itajaí, "Coronel Pedro C. Feddersen" (peter Christian Feddersen). pouso falaram a seu pai nos acampamentos de Lages e Campos Novos, em fins
Paulo Malta Ferraz nasceu em Maceió em 1916. Advogado, jornalista e do século passado, e que ela julgava, agora, possível identificar com Serra
professor, escreveu em 1949 "Pequena História da Colonização de Blumenau", Pelada. A outra, a que mais a toca, é a Korikrah - ou Coricrá - adulta; a
publicado pela Casa Dr. Blumenau. Um resumo desse trabalho com uma foto história de Maria Gensch, a menina índia criada pelo casal Dr. Hugo Gensch, e
do Dr. Blumenau foi publicado no "Kalender für Südamerika" , de Buenos seus dilemas depois de moça feita, pela qual Eduardo de Lima e Silva
Aires, em 1950. Publicou ainda "Apontamentos para a História da Colonização Hoerhann se apaixonou, em vão, perdidamente ". Em 1972, o professor José
de Blumenau, 1850/1860", pelo Instituto Hans Staden, de São Paulo, em 1949. Ferreira da Silva, na dedicatória que formulou (lara Dona Crista no seu livro
"Anais do Primeiro Congresso de História Catarinense", impresso na Imprensa "História de Blumenau", escreveu: " ... A Da Christiana Deeke Barreto, com
Oficial do Estado de Santa Catarina em 1950. "A Contribuição do Governo e do quem muito aprendi da história de Blumenau ". Dona Crista, com sua cultura,
Elemento Nacional na Colonização de Blumenau" e "Como Viveram os poderia ter publicado livros, porém preferiu continuar como os tangarás artistas,
Primeiros Colonos", publicado no álbum do Centenário de Blumenau em 1950. de que nos fala Crispim Mira: "arredios, singelos, obscuros, rnas magníficos na
Christiana Elisa Deeke Barreto (Dona Crista), nasceu em Blumenau em sua arte. E o mundo, infelizmente, é dos pardais. Prosas, fanfarrões, chôchos e
1905, filha de José e Emma Deeke. Pesquisadora, trabalhou ao lado do arquivista metidiços ".
municipal Theodor Lüders. Em 1948, passou a . exercer atividades na secretaria 1950, Centenário de Blumenau.
da Câmara Municipal, da qual Hercílio Deeke, seu irmão, era presidente. A Para o Centenário de Blumenau, foi impresso e composto na Tipografia
aproximação do Centenário de Blumenau careou Dona Crista, pelo então e Livraria Blumenauense S.A., de Blumenau, com revisão de Frei Capistrano
Prefeito Municipal Frederico G. Busch Jr., para organizar o Arquivo Histórico'de Binder, o "LIVRO DO CENTENÁRIO". Participaram do livro:
Blumenau com a colaboração de Frei Ernesto Emmendoerfer OFM, professor José Ferreira da Silva - (O Escudo d' Armas do Município de Blumenau;
José Ferreira da Silva, Dr. Malta Ferraz e Frederico Kilian, cultores da história de História de Blumenau; Alguns aspectos do Sistema de Colonização do Dr.
Blumenau que preparavam o livro do "Centenário de Blumenau". Escreveu Blumenau; Fritz Müller, o sábio colono);
durante anos a coluna "Aconteceu", na revista "Blumenau em Cadernos", que Karl Fouquet - (Vida e Obra do Dr. Blumenau; Bibliografia sobre o Vale do
continua a ser publicada na mesma concepção. Correspondiase com Karl Itajaí);
Fouquet, do Instituto Hans Staden, de São Paulo, através do qual conheceu o Vitor Antonio Peluso - (A Bacia do Itajaí);
Coronel Salvador de Moya, diretor-chefe da Revista de Genealogia Latina, Aiga Deeke Barreto - (Enchentes no Vale do Itajaí); Carl
editada no Rio de Janeiro, colaborando com os mesmos, fornecendo subsídios Wahle - (Povoamento da Colônia de Blumenau);
genealógicos para a Revista de Subsídios Genealógicos editada em São Paulo. Paulo Malta Ferraz - (A Contribuição do Governo e do Elemento Nacional na
Nessa revista, o nome de Dona Crista encontra-se adulterado, falha que foi Colonização de Blumenau, Como Viveram os Primeiros Colonos); Theobaldo
corrigida após o falecimento do Coronel Moya, em 1973, quando o seu lugar foi C. Jamundá - (Agricultura e Pecuário em Terras do Itajaí); Theo Kleine -
ocupado por Ely e Rosa Herkenhoff, para dar continuidade às edições. Como (Desenvolvimento do Comércio em Blumenau);
colaboradora assídua da revista "Blumenau em Cadernos", onde escreveu Arthur Fouquet - (O Desenvolvimento do Crédito em Blumenau);
passagens históricas, contos e muitos artigos de importância relevante para a Luis de Freitas Melro - (Empresa Força e Luz de Santa Catharina S.A.);
história de Blumenau. Escreveu: "Imprudência ou Destino?"; "O Caminho Guilherme Jensen, Pedro J. Zimmermann e Frei Ernesto Emmendoerfer -
ve Velho"; "Por um Tiro de Sal"; "Excentricidades de um Sábio" (sobre o Dr. Fritz (Exportação e Importação);
rs Müller); "A Grande Enchente deste Ano" (1961); "Memorável Jubileu" Eduardo Neitzel, Carl Wahle e Frei Ernesto Emmendoerfer - (Meios de
a (Hospital Santa Isabel), e outros. Segundo sua filha Aiga, Dona Crista só Comunicação);
so
deixou para trás uma ou duas histórias a serem contadas: "A primeira se refere a
br
Frei Stanislau Schaette - (Os Primórdios do Catolicismo em Blumenau); nomeado por concurso para o cargo, onde permaneceu até 1953, quando foi
Frei Ernesto Emmendoerfer - (Blumenau na Força Expedicionária Brasileira; aposentado. Em Massaranduba dedicou-se ao jornalismo e pesquisas
Voluntários da Pátria de Blumenau; O Ensino Particular em Blumenau; Dados históricas, sendo correspondente do "Der UIWaldsbote". Colaborou com a
Referentes a Paróquias no Território do Antigo Município de Blumenau; O revista "B1umenau em Cadernos" desde a sua fundação, em 1957, pelo
Colégio Santo Antônio); professor José Ferreira da Silva, que residia em Curitiba, onde foram impressos
Pastor Hans Methner - (A Comunidade Evangélica de Blumenau); os primeiros números. Publicou traduções e artigos sobre Blumenau, inclusive
Frederico Kilian - (Sociedades e Associações de Blumenau; Afonso no "Brazil Post". Em 1956, participou do corpo redatorial do jornal "Lume".
Balsini - (Obras Assistenciais); Com Frei Ernesto Emmendoerfer, era responsável pelo periódico
Frei Capistrano Binder - (Imprensa e Publicidade); "Correspondência", da Sociedade dos Amigos de Blumenau, que apareceu em
Nanny Poethig - (A Sociedade Teatral "Frohsinn"); julho de 1953, cessando em 1956. Continha valiosas informações sobre
Max Tavares d' Amaral - (Assimilação e Aculturação dos Estrangeiros e seus Blumenau. Publicou pela Fundação Casa Dr. Blumenau, em 1978, a tradução
Descendentes no Vale do Itajaí); de "Paul Hering Memórias, Anotações e Aventuras". Em 1980, "Genealogia da
Raul Deeke - (Folclore em Blumenau); Família Hering" .
Custódio F. de Campos - (Falares Blumenauenses); Curt Carl Buechele Jr. publicou em 1952 "A Bacia do Itajaí", pelo Conselho
Hering - (O 28 de julho de 1893). Regional de Geografia. A obra analisa o aspecto físico, povoamento e
Do livro consta ainda o nome de logo Hering, que escreveu sobre o atividades econômicas, concluindo que as mudanças se processam em face do
desenvolvimento da Indústria Blumenauense e Rolf Gutz, sobre as indústrias trabalho do elemento povoador.
de Itoupava Norte. O livro contém o histórico da Electro-Aço Altona, Cia. Orlando Ferreira de Mello, no seu trabalho "A Educação em Santa
Hering, Porcelana Schmidt, Fábrica de Gaitas "Alfredo Hering", Fábrica de Catarina" (Blumenau - edição do autor em 1955), refuta as conclusões de João
Artefatos Têxteis Artex, Fábrica de Gazes Medicinais Cremer, Indústrias R. Moreira, pois a Escola Nova em Santa Catarinajá estava em funcionamento
Lorenz, Empresa Industrial Garcia, Ginásio Sagrada Família, Aeroclube, desde 1944. Escreveu ainda "A Alfabetização no curso primário e outros
Spitzkopf, Caça e Pesca do Município de Blumenau, Jardim Zoológico de Rio estudos" (Florianópolis - Centro de Estudos Pedagógicos).
do Texto e Biografias de Blumenauenses Ilustres. W. Butzke escreveu no "Brazil Post", em 1954, "Ein Alter Pom-
Max Tavares d' Amaral nasceu em Itajaí, em 1906. Foi Deputado merscher Kolonist erzãhlt aus seinem Leben" .
Federal e Constituinte de 1946. Defendeu a reintegração do oeste (Iguaçu) ao G. A. Koehler, que em 1900 abriu uma livraria ao lado de sua ti-
território de Santa Catarina. Publicou" Assimilação e Aculturação dos pografia, a mais importante do município de Blumenau, publicou em 1957 uma
Estrangeiros e seus Descendentes ao Vale do Itajaí" (livro do Centenário de interessante biografia do "Dr. Blumenau".
B1umenau, 1950); "Contribuição à História da Colonização no Vale do Itajaí" Hermann Stoer publicou, para comemorar os cinqüenta anos da
(Florianópolis - Anais do I Congresso de História Catarinense, 1950). Comunidade Evangélica de Rio do Sul, "Crônica da Paróquia Evangélica de
Frederico Kilian nasceu em Palhoça em 1898. Em 1920, sua tàmília Rio do Sul" (Rio do Sul, 1958), e também a "Crônica da Comunidade
transferiu-se para Florianópolis. Entretanto, em 1911, Kilian veio para Evangélica de Timbó" (Blumenau, Gráfica 43, 1969). O livro que foi
Blumenau para continuar os estudos na Escola Nova, onde concluiu O curso publicado pelo centenário de Timbó contém, em ordem cronológica, fatos
"Selecta". Foi professor em Indaial até o fechamento da escola durante a religiosos e depoimentos dos primeiros imigrantes da Comunidade.
Primeira Guerra Mundial. Após concurso em Florianópolis, foi nomeado para Até a Segunda Guerra Mundial, a literatura dos blumenauenses e dos
Salto Weissbach, passando a trabalhar posteriormente como escrevente no visitantes quando se referiam a Blumenau, era totalmente voltada aos
cartório de Frederico Müller, no qual permaneceu até 1922, quando foi problemas sociológicos. Na década de vinte, após a Primeira Guerra Mundial,
convidado por Victor Konder para o cargo de escri- iniciou-se a nacionalização, aparecendo algumas obras em por-
vão em Massaranduba. Com a aposentadoria de Francisco Margarida, foi
tuguês. Nas décadas de quarenta e cinqüenta, os temas envolviam nazismo e Publicou: "Os Póstumos e as Profecias" (1962) e "Os Ciclos"
nacionalização, desaparecendo paulatinamente as obras escritas em alemão, (1964), ambos pela Editora Massao Ohno, de São Paulo; "Convocação"
consolidando-se na década de sessenta a literatura em português através da (SP, Brasil Editora, 1965). Em 1966, escreveu a narrativa "Curta Prima-
poesia, romance, contos e obras de ficção. Também apareceram algumas vera" (SP, Editora Brusco, 1960); "A Tarefa" (SP, Papyrus, 1966);
obras sobre os temas das primeiras décadas, porém em português ou "Antologia Poética de Lindo1fo Bell" (SP, Dif. e Distribuidora União,
bilíngüe, raramente em alemão. 1967); "As Annamárias" (SP, Papyrus, 1971), sendo a 2a edição publicada
Pastor Max H. Fios, sob o patrocínio do Sínodo Evangélico de Santa em São Paulo, por Massao Ohno, em 1979, com ilustrações de Elke Hering;
Catarina e ParaDá, publicou em São Leopo1do/RS o livro "Unsere Vãter" "Incorporação" (SP, Quiron, 1974); "As Vivências Elementares" (SP,
(Nossos Pais). Contém artigos sobre a colonização alemã no ParaDá, Santa Massao Ohno - Roswitha Kempf, 1980); "O Código das Águas" (SP,
Catarina e Rio Grande do Sul, com destaque para o Vale do Itajaí e Global, 1984). Em 1981, obteve o prêmio "Miguel de Cervantes" em São
Blumenau em 1961. Redigido em alemão e português, a capa reproduz um Paulo. Em 1982, o prêmio "Cidade de Ribeirão Preto", e em 1984, no Rio
desenho de J. J. Tschudi datado de 1861 e feito no Vale do Itajaí. Foi de Janeiro, recebeu o prêmio "Raimundo Correia" de poesia. Em
editado em comemoração dos cinqüenta anos do Sínodo Evangélico de Florianópolis, publicou "Setenário" (Edições Sanfona, 1985). Participou da
Santa Catarina, que foi fundado em 1911. Consta do mesmo o documento "A Novíssima Poesia Brasileira", organizada por Walmir Ayala (RJ,
(cópia) que foi colocado na pedra fundamental da Igreja Evangélica. Cadernos Brasileiros, 1965); "Antologia da Catequese Poética" (SP,
Lindolf Bell nasceu em Timbó em 1938. Cursou Ciências Sociais no Editora Italo-Latino-Americana, 1968); "Poetas do Modernismo" (vol. 6),
Rio de Janeiro e Dramaturgia em São Paulo. Publicou seus primeiros poemas apresentação e organização de Leodegário A. de Azevedo Filho (Brasília,
em Blumenau. Com o livro "Os Póstumos e as Profecias", lançado em 1962, INL, 1972); "Círculo 17" (SP, Editora do Escritor, 1975). Participou da
Lindolf faz parte da geração dos "Poetas Novíssimos". Em 1963 recebeu o "Antologia de Autores Catarinenses"; "Assim Escrevem os Catarinenses";
prêmio Governador do Estado de São Paulo. Durante a exposição de Novos "Contos e Poemas" e "Presença da Poesia em Santa Catarina". Tem poemas
Poetas na Biblioteca de São Paulo, expôs Poemas Murais. Em maio de 1964, na traduzidos na Alemanha, França, Itália, Bélgica, Hungria, Estados Unidos e
boite "Ela, Cravo e Canela", em São Paulo, Lindolf, acompanhado por uma Angola.
coreógrafa e uma declamadora, recita os versos de "Os Convites". Continua É considerado pela crítica um dos ativadores culturais no país;
com suas apresentações no Teatro Oficina e Arena, faz conferências~ recitais, luta pela "descentralização e integração cultural brasileira". Lindolf
etc. Em janeiro de 1965, apresentou na Guanabara declamação e dança, Bell preocupa-se em não perder suas raízes. Do livro "O Código das
valorizando o poema e a comunicação. Em 1968/1969, está nos Estados Unidos Águas", é o poema seguinte:
participando do International Writing Programo Em 1970 está em Blumenau e
funda, com Elke Hering, Péricles Prade e Arminda Prade, a Galeria Açu-Açu "Este rio tem nome secreto e
para divulgar as artes plásticas catarinenses. Em 1973 apareceu o "corpoema" e não
a "camiseta-poema". Em 1978, vence o concurso "Luis Delfino" de poesia em E corpo de rio
Santa Catarina. Pela União Brasileira de Escritores, conquistou Menção onde outros rios se vão
Especial "Fernando Chinaglia" de Poesia. Na década de oitenta, aparece com Porque o rio
"poema exposto", criando a Praça do Poema em Blumenau, que foi inaugurada é como o homem:
na Avenida Castelo Branco (Beira Rio) pelo prefeito Renato Vianna em 3 de sem nome
setembro de 1981. Com sua obra "Código das Águas", foi escolhido pela mora no esquecimento,
Associação Paulista de Críticos de Artes como o "Melhor Poeta do País". Como sem corpo
membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte, em 1978 foi indicado é árvore cortada. é
para o Conselho Es- menos que nada
tadual de Cultura.
Ah! Não fosse o amor sempre e de novo a (Florianópolis, Editora Roteiro, 1963); "Sereia e Castiçal" (F10rianópolis,
estação sem fim Editora Roteiro, 1964); "Nos Limites do Fogo"; pela Editora do Escritor,
Esta eterna duração em 1967, e a 23 edição pela Massao Olmo, em 1979, ambas em São Paulo.
onde, quem passa, não passa, "Os Faróis Invisíveis" (SP, Massao 0000, 1980). Como contista publicou
floresce fácil, "Os Milagres do Cão Jerônimo", em Porto Alegre, pela Editora Flama, em
flui 1970; a 23 e a 33 edição pela Editora do Escritor, em 1972 e 1976,
Ah! Não fosse este rio chamado amor de respectivamente, e a 43 edição pela Global Editora, em 1986. No exterior,
peso feito, medida e saudade infinita Não foram publicadas: "I Miracoli deI Cani Geronimo" (Salvator d' Am1a,
teria o homem medida LL.A., Palma, Palenno - Itália); "Miracles of the Dog Jeronimo" (Alexis
de sua própria medida finita. " Levitin, Mundus Artium, International Short Fiction, Dallas, Texas, USA);
"Devil Dog Doings" (Joe F. Randolf, New Yord, USA). "Alçapão para
Carlos Braga Müller, nasceu em Blumenau em 1939. Convidado Gigantes" (SP, Alta Ômega, 1980). Participou das antologias "Novíssima
pelo professor José Ferreira da Silva para escrever a coluna "Estante Ca- Poesia Brasileira", organizada e apresentada por Walmir Aya1a (RI,
tarinense" na revista "Blumenau em Cadernos", deu continuidade ao tra- Cadernos Brasileiros, 1965); "A Poesia Pede Passagem" (SP, Editora do
balho iniciado pelo professor José Ferreira da Silva até a década de oitenta. Escritor, 1972); "Círculo 17" - Contos (SP, Editora do Escritor, 1975);
Participa das antologias: "Contistas e Cronistas Catarinenses" e "Contistas "Sopoesia" (SP, Editora do Escritor, 1976); "Contos Solidários" (SP,
de Blumenau".
Editora do Escritor, 1980); "Panorama do Conto Catarinense" e "Presença
Em 1962, com Alvacyr Ávila dos Santos, iniciou suas atividades da Literatura em Santa Catarina". Faz parte da Academia Catarinense de
cinematográficas no "Vasto Verde" (bairro da Velha), continuando com Letras. Em 1961, participou da fundação do Grupo dos Novos Poetas de
cinema ambulante pela periferia, cujas salas de projeção foram desativadas Santa Catarina, com Lindolf Bell, Rodrigo de Haro, Osmar Pisani e Edson
com o advento da TV. Reativaram o cinema em Ilhota, e na residência de N. Ubaldo. Em Literatura Jurídica publicou "Ação Popular"; "Teoria da
Alvacyr instalaram o Cine Carlitos, que funcionou no Teatro Carlos Solidariedade Social de Dugnit". "Os poemas de Péricles Prade desestruturam
Gomes, enquanto o Cine Carlitos II funcionou na Rua Nereu Ramos. Carlos
o real, penetrando no emaranhado do homem e as parábolas bíblicas são
Braga Müller foi Assessor de Imprensa do Teatro Carlos Gomes. Escrevia
arquétipos de um mundo onde tudo é válido".
sobre cinema, em dias alternados, no Jornal de Santa Catarina.
José Curi nasceu em Rio dos Cedros em 1931. Professor de Lin-
Henrique Oscar Wiederspahn escreveu "Blumenau na História
güística e de Filologia Romântica na UFSC. Realizou estudos em Bolonha
Militar do Brasil", publicado em separata na revista "Blumenau em Ca-
e Pádua. Foi premiado no III Concurso de Contos da FURB. Escreveu os
dernos" de 1962.
livros de poemas "Um Sol Maior" (Florianópolis, edição do autor, 1963);
Adolf Weidmann, natural da Alemanha, um dos fundadores de Nova "Traze-me o Girassol" (UFSC, 1982) e "Juca Jacu e Cia." (Florianópolis,
Esperança, escreveu aos 87 anos de idade a bela obra "Bericht von den Lunardelli/UDESC, 1979); "Cassoga, Capital Cassoga" (Florianópolis,
Kaukasischen Flüchtlingen in Brasilien" (Relato sobre os Refugiados FCC, 1982). Participa da Antologia Contistas e Cronistas Catarinenses. Faz
Caucasianos no Brasil). O livro abrange também o histórico de Dona parte da Academia Catarinense de Letras. Escreveu a letra do hino do
Emma. Foi impresso na Gráfica Elite Ltda. de Curitiba/PR em 1968. Centenário de Rio dos Cedros, musicada por Olivo Pedron.
Péricles de Medeiros Prade nasceu em Timbó em 1942. Formado. Ottomar Garbrecht escreveu e publicou em Horizontina, em 1963,
em Direito, foi professor universitário em Blumenau e Florianópolis. JUIZ "Impressões de uma Viagem ao Vale do Itajaí". E no mesmo ano, Hubert
Federal em Santa Catarina, foi posteriormente transferido para São Paulo, Krõning escreveu "Kontinent Brasiliens". O livro contém notas e recorda-
onde advogou. Em 1980, presidiu a UBE. É poeta, contista, autor de ensaios ções de viagem; refere-se a Blumenau. Contém críticas irônicas e até ofen-
sobre Artes Plásticas, Crítica Literária, Sociologia, Filosofia e Cultura.
Entre suas poesias, destacam-se "A Lâmina" (SP, Editora Li-

teratura Contemporânea, 1963); "Este Interior de Serpentes Alegres"


sivas de cunho comunista. Foi publicado em Leipzig, Alemanha. mistério indefinido".
Erico Max Müller, que com um grupo de poetas jovens de Blumenau Percy Ernst Schramm publicou, em 1967, em Kéiln-Grass, "Hermann
utilizou-se do Acadêmico para divulgar seus poemas, nasceu em Santa Cruz do Blumenau, der Gruender der SiedlungskolOIúe Blumenau" (Hermann
Rio Pardo, em São Paulo, em 1943. Terminou seu curso de Direito em Santa Blumenau, o Fundador da Colônia Blumenau) seine anfange in Brasilien nach
Catarina. Cultor do realismo mágico, expôs e leu poemas em colégios e clubes Briefen an Seine Famílie 184611850, no "Jahrsbuch für Geschichte von Staat -
em Blumenau e Florianópolis. Escreveu a trilogia, porém incompleta, "Os Wirtschaft und Gesellschaft Lateinamerikas" _ Livro 4.
guardiões e os Guardados", que teve início com "Um Anjo Morto na Encosta", Afonso Rabe nasceu em Blumenau em 1906. Foi médico, prefeito
e deveria completar-se com "Anotações de Daniel, o Primogênito". O municipal de Blumenau (1941/1944) e em 1949 nomeado lente catedrático de
interessante é que os guardiões são árvores, rios, os mais fortes, enquanto os Higiene, Educação Sanitária e Puericultura da Escola Normal Pedro 11. Em
guardados são os mais fracos, como os animais e plantas, sendo sua relação 1968, publicou "Noções de Higiene, Educação Sanitária e Puericultura",
cíclica e alternada; publicada em Blumenau pela Editora Ultra, em 1964. impresso pela hnprensa da UFSC (2.500 exemplares). Colaborou com a revista
Publicou "Ao Corpo Circunscrito" (Florianópolis, Livros da Ilha, 1966). "Blumenau em Cadernos", onde publicou artigo sobre o Hospital Santo
Participa da antologia, "A Novíssima Poesia Brasileira", organizada por Antôlúo, poesias e outros.
Walmir Ayala (RJ, Cadernos Brasileiros, 1965); "Antologia da Catequese Nestor Seara Heusi nasceu em ltajaí, em 1903. Além de publicar pela
Poética" (SP, ILA - Palma, 1968). É tradutor de Rainer e Maria Rilke, e sua Casa "Dr. Blumenau", em 1983, "Blumenau de Ontem e de Hoje" e "Cabine
obra é marcada por vibrações rilkeanas. B-73", diário de um turista (Blumenau, edição do autor, 1968), publicou
Sílvio Back nasceu em Blumenau em 1937. Jornalista, crítico e poesias, entre elas: "Dia da Criança"; "Mãe", "Pátria"; "Felicidade";
cineasta, realizou inicialmente alguns curta-metragens (As Moradas, 1964 e Reminiscências"; "Filosofando"; "Ode ao Amor e à Paz", e outras. Em edição
Os bnigrantes) e documentários, estreando em 1968 com "Lance Maior". Em do autor, publicou em 1979 "Um Pouco de Mim da Minha Vida e do Meu
1970, adaptou a obra de Guido Wilmar Sasse "Geração do Deserto", com o Trabalho", no qual dedicou o último capítulo às suas atividades na EFSC e Cia.
título de "A Guerra dos Pelados", tema sobre o Contestado. Em 1977, o tema Hering. Na revista "Blumenau em Cadernos", de novembro de 1976, publicou
"nazismo" apareceu no filme "Aleluia, Gretchen". Filmou também "Vida e "Comunicações, Blumenau:
Sangue de Polaco" e a "Revolução de 30". O tema Índio-Igreja fllmado em Pioneirismo e Liderança" .
1983 é o tema de "República Guarani". Publicou os roteiros de "Lance Maior" Um trabalho sobre "Arqueologia do V ale do Itajaí" foi publicado por
e "Aleluia, Gretchen", Fundação Cultural de Curitiba, 1976 e Editora Walter F. Piazza, com a colaboração de Alroino Eble, em 1968, na revista
Movimento, Porto Alegre/RS, 1978, respectivamente. O roteiro de "República "Blumenau em Cadernos" .
Guarani" foi publicado em 1983, pela Editora Paz e Terra, Rio de Janeiro. É Frederico Gembala escreveu "E a Felicidade Voltará", publicada em
co-autor do livro de contos publicado em 1964 "7 Anos de Violência". Trombudo Central, em edição do autor, em 1969, e versa sobre os valores
Geraldo Luz, professor de História, que em 1965 participou da morais da família. No mesmo ano, Gelindo Buzzi publicou pela Gráfica 43, de
fundação do jornalzinho "A Opinião", que publicava poesias, contos e Blumenau, "Centenário de Timbó", enquanto Benvindo Destefani escreveu
noticiário do movimento literário e jornalístico catarinense, nasceu em Gaspar "Notícias sobre a História de Rodeio".
em 1935. Foi jornalista, diretor proprietário do jornal "Blumenau Hoje" e A movimentação literária itúciada na década de sessenta eclodiu na
colunista do jornal "A Cidade", no qual criticava ocorrências comunitárias. Em década de setenta, quando foram publicadas antologias, livros (nas mais
1975, publicou pela Fundação Casa "Dr. Blumenau", "Os Pecados Imortais" variadas áreas do conhecimento humano) e realizados lançamentos que
(19 poemas). Publicou poemas na Antologia "Poetas de Blumenau", edição da colocaram o escritor da "Grande Blumenau" em destaque.
Fundação Casa "Dr. Blumenau". Foi incluído no livro "Presença da Poesia em Maria Odete Onório Olsen nasceu em Indaial, em 1953. Jornalista de
Santa Catarina", em 1980. Em 1988, publicou "A Liberdade Oculta". Segundo televisão, publicou seus primeiros poemas no jornal "Acadêmico", em 1970.
o crítico Lauro Junkes, Em 1975 foi premiada no I Concurso de Contos para
Geraldo Luz "Dilui as fronteiras entre o concreto e o abstrato, ressaltando o
Universitários Catarinenses. Em 1979, recebeu Menção Honrosa no II Salão de inverno em Dona Emma.
Poesia Luso-Brasileira de Minas Gerais. Participa das Antologias "Contistas de Enéas Athanázio, que segundo Nereu Corrêa "é um escritor que recria o
Blumenau 11"; "Contistas e Cronistas Catarinenses"; "Os Contos da FURB"; dialeto regional ao n{vel da linguagem literária sem incidir nos exageros do léxico
"Contos e Poemas"; "A Literatura de Santa Catarina"; "Outros Catarinenses nativo e no excesso de esti/ização" - nasceu em Campos Novos, em 1935.
Escrevem Assim" e "Poetas de Blumenau". Em 1974, foi premiada no Promotor Público em várias comarcas do estado, em Blumenau fixou-se até a
Concurso de Contos da FURB com o conto "Sem Rima e Sem Razão" e "O sua aposentadoria. Coordena o núcleo de escritores do Vale do Itajaí. Em 23 de
Elo", no Concurso Virgílio Várzea, em 1979. setembro de 1982, trouxe para Blumenau a "Mostra Iconográfica de Lima
Artur José Poerner nasceu em B1umenau em 1940. Jornalista, escritor, Barreto", com material de Nelson Bravo, que no dia 22 do mesmo mês realizou
prestou serviços entre 1970/1979 na "A Voz da Alemanha". Escreveu "O Poder uma palestra na FURB sobre "Lima Barreto e o Teatro" e "Aspectos da Vida e
Jovem" (RJ, Civilização Brasileira, 1970), baseado na participação política dos Obra de Lima Barreto", integrando a Semana de Letras da FURB. Com a publi-
estudantes brasileiros, tendo publicado a 23 edição em 1979. O romance "Nas cação de "3 Dimensões de Lobato" (1975), "Monteiro Lobato", "Promotor
Profundas do Inferno" foi publicado no Rio de Janeiro, pela CODECRI - Público" (1976) e "O Advogado Monteiro Lobato" (1977), Enéas Athanázio
Pasquim, em 1979, e premiado em Lorenzon - Itália, com o prêmio Verrina. tornou-se a maior autoridade em "Monteiro Lobato". Publicou: "O Peão
Também foi publicado na Espanha. Negro"- contos (1973); "O Azul da Montanha" - contos (1976); "Godofredo
A bacia do Itajaí foi tema para os trabalhos de Francisco K. Takeda, Rangel" - biografia (1977); "O Promotor Público na Justiça Eleitoral" - jurídico
"Esboço Geológico da Bacia do Itajaí"; Luiz F. Scheibe e Victor H. Teixeira, (1978); "Meu Chão" - contos (1980); "O Mulato de Todos os Santos" - ensaios
em recursos naturais, "As Rochas dos Municípios do Vale Médio do Itajaí" e (1982); "Tapete Verde" - contos (1983); "Figuras e Lugares" - ensaios (1983);
Hélio Romito de Almeida, "Notas sobre a Geomorfo10gia da Mediana e Baixa "A Pátina do Tempo" ensaios (1984); "Falando de Gilberto Amado" - ensaios
Bacia do Itajaí-Açu" (UFSC, 1971). (1985); "Presença de Inojosa" - ensaios (1985); "Erva Mãe" - contos (1986);
Beatriz Niemeyer nasceu em Blumenau em 1957. Advogada e "Meu Amigo Hélio Bruma" - ensaios (1987); "Tempo Frio" - contos (1988);
professora de dança e inglês. Escreve poesias desde 1972. Em 1977, com "Joaquim Inojosa e a Pregação Modernista" - separata (1983); "Martinho
Lindo1f Bell, integrou a Catequese Poética. Escreveu "Conjugação"- Poemas Bugreiro, Criminoso ou Herói?" - separata (1984) e "Sete Causos Nanicos" -
(B1umenau, Edição do autor, 1973), com apresentação de Lindolf Bell. sanfona (1985). Participa com 18 números de "Em Revista" (1976/1988); 12
Participa das Antologias, Outros Catarinenses Escrevem Assim; A Literatura Coletâneas de Contos (1975/1988) e trabalhos publicados na imprensa de
em Santa Catarina, Poetas de Blumenau e Presença da Poesia em Santa diversos estados e no exterior. Do Governo do estado recebeu a Medalha do
Catarina. Mérito "Anita Garibaldi", pelos serviços prestados à cultura.
Arcângelo R. Buzzi nasceu em Rodeio em 1930. É doutor em Filosofia Lauro Junkes, referindo-se ao trabalho de Enéas Athanázio sobre
e professor no Instituto Filosófico e Teológico de Petrópolis. Atua na Editora Monteiro Lobato e Lima Barreto, escreveu em "Blumenau em Cadernos", de
Vozes e na revista do Serviço de Documentação Católica. Publicou pela novembro/dezembro de 1984: "Quem dera pudéssemos encontrar entre nossos
Editora Vozes - Petrópolis, em 1972, "Introdução ao Pensar" (O Ser, o professores universitários ou entre os cr{ticos literários alguma parcela desse
Conhecer, a Linguagem) e "Clínica do Humano". entusiasmo e dessa dedicação que Enéas devota a esses escritores brasileiros, bem
Dona Emma faz parte da "Grande Blumenau", e foi em Dona Emma que como a tantos autores catarinenses, que constantemente comenta e divulga.
Alexander Lenard escreveu "Die Kuh auf den Bast" , publicado em Stuttgart, Arrogo-me, pois, o direito de instituir uma "Medalha de Mérito Limano-Lobatiana", e
em 1963. Também escreveu "Ein Tag im Unsichtbaren Haus" (Um Dia na Casa confer{-la a Enéas Athanázio, pelos incontáveis benef{cios que seus estudos têm
Invisível), publicado em 1972, em München - Alemanha. Alexander Lenard proporcionado ". Disse ainda Lauro Junlces: "Enéas é um autêntico leitor-mar, um
nasceu em Budapest - Hungria, em 1910, e faleceu em 1972, em Dona Emma, lúcido mediador, uma inteligência privilegiada a serviço da causa alheia. É
onde repousam seus restos mortais. Exímio pianista, dava um toque mágico à
enluaradas noites de
esse o mérito". As críticas sobre a obra de Enéas Athanázio, publicadas critor, 1974); "Antologia de Autores Catarinenses"; "Outros Catarinenses
nos mais importantes jornais do país, o prestigiam pelo discernimento Escrevem Assim" e "Presença da Poesia em Santa Catarina". Usa o
com que trata da obra literária de escritos alheios". Escreve a coluna pseudônimo de Cícero Ramalho. Do "Poema", da antologia "Vôo Vetor", são
"Autores Catarinenses", na revista "Blumenau em Cadernos". os versos seguintes:
Hilário Cristofolini nasceu em Rio do Sul em 1936. Vítima de acidente
"Que guardas das plantas
automobilístico, atua na comunidade em cadeira de rodas, realizando
sem orvalho e
conferências e atendendo doentes e marginalizados. Publicou "Cartão
da infância vã?"
Amarelo" (SP, Editora Shalon, 1975); "Seqüestro e Resgate de um Cão" (SP,
Editora Shalon); "Deus Mora na Contra-Mão" (SP, Edições Paulinas, 2a edição Oldemar Olsen Jr nasceu em Chapecó em 1955. Fundou e dirigiu o
em 1984); "Eu fiz Treze Pontos" (SP, Edições Paulinas); "Não há Vaga para jornal "Acadêmico" e a Editora Acadêmica em Blumenau. Atua na Imprensa,
um Outro Cristo" (SP, Edições Paulinas); e "Meu Cristo tem 4.000 Anos" (SP, Artes Gráficas, Literatura, Artes Plásticas e Cultura em geral. Integra a
O Recado, 1979), foi publicada 2a edição. É sacerdote da Congregação Instituto antologia de Literatura Contemporânea do Brasil, organizada pela Editora Mud
Missões Consolata. Born, de Santa Bárbara, Califórnia, USA. Recebeu Menção Honrosa - Prêmio
Vilson do Nascimento nasceu em Blumenau em 1943. Poeta e contista Parker de Jornalismo Universitário em 1975. Em 1977, foi premiado no
surreal, iniciou suas atividades publicando trabalhos no "Lume" e "A Cidade de concurso "Luiz Delfino", de poesia. Participa das antologias: "Os Contos da
Blumenau". Em 1963, com Bráulio M. Schloegel, criou o movimento FURB"; "O Canto Ainda Existe"; "Contistas de Blumenau n"; "Contistas e
zendualista. Aliados ao professor José Ferreira da Silva, os dois zendualistas Cronistas Catarinenses"; "Outros Catarinenses Escrevem Assim"; "Poetas de
fundaram o I Salão Blumenauense de Belas Artes. Vilson foi Diretor do Blumenau"; "Poetas e Poemas" e "21 Dedos de Prosa".
Departamento de Cultura e Assessor de Imprensa da FURB. Escreveu a coluna Hausi Thiede publicou em 1975, em Blumenau, "Solo em Nó Maior".
"Arte/Painel", no Jornal de Santa Catarina, como crítico de Artes Plásticas e José Gonçalves nasceu em Indaial em 1919. Em 1951 participou, com
Literatura. Participa das Antologias: Evelásio Vieira, do Esporte Jornal e da seção esportiva do "Lume". Como
"Vôo Vetor" (SP, Editora do Escritor, 1974); "Antologia de Autores Ca- diretor Executivo da Fundação Casa "DI. Blumenau", foi responsável pela
tarinenses"; "Contistas e Cronistas Catarinenses"; "Contistas de Blumenau I e edição da revista "Blumenau em Cadernos". Publicou "Ele Sobreviveu"
n" ; "Outros Catarinenses Escrevem Assim"; "Poetas de Blumenau" e (Edição do autor, 1976); "Dico, o Sertanejo Herói" (Editora Lunardelli,
"Presença da Poesia em Santa Catarina. O conto de sua autoria, "A Florianópolis, 1978); "O Cidadão de Três Pátrias" (1982); "Espelhos da Alma"
Surda-Muda", foi publicado em cadernos especiais da revista "Planeta", (1983) e "O Piloto e a Rainha", editados pela Fundação Casa "DI. Blumenau".
denominado "Contos Fantásticos Brasileiros". Possui contos, poemas e críticas Participa das antologias: "Contistas e Cronistas Catarinenses"; "Contistas de
publicadas no "Caderno de Sábado" do "Correio do Povo". Usa o pseudônimo Blumenau I e 11".
Karo H. Torres. Da poesia "As Freiras Lúbricas", da Antologia "Vôo Vetor", é Márcio Tavares d' Amaral nasceu em Blumenau em 1947. Formado em
o terceto seguinte: Direito, Doutor em Filosofia e Mestre em Comunicação. Publicou artigos em
"Nos labirintos encurvados de meus dedos revistas nacionais sobre Comunicação, Linguagem e Filosofia Geral. Publicou
algumas freiras divertem-se "Filosofia da Comunicação e da Linguagem" (RJ, Civilização Brasileiro/MEC,
jogando delicadas criancinhas no rio" 1977); "O Barro e a Nuvem" (RI, Tempo Brasileiro, 1980); "Filosofia e
História", "Tarefas do Pensamento no Século XX" (RI, Tempo Brasileiro,
Bráulio Maria Schloegel nasceu em Blumenau em 1943. Fonnado em 1982); "Arte e Sociedade" (RJ, Antares/Pró-Memória/INL, 1984). Escreveu
Direito, cursou Biblioteconomia e Museologia, sendo Diretor da Biblioteca ainda a "Vida de Rui Barbosa"; "Vida do Marechal Deodoro"; "Vida do Barão
Central da FURB. Foi Vice-Reitor da FURB no período de 198211986. Com do Rio Branco" e "Vida de Rodrigues Alves", todos pela Editora Três, São
Vilson do Nascimento, criou o movimento zendualista. Colaborou com jornais Paulo,
de Blumenau e Florianópolis. Participou de salões de Artes Plásticas e das
Antologias: "Vôo Vetor" (SP, Editora do Es-
1974. Aparece na poesia com "A Casa" (RI, Artenova, 1977). contos premiados no Concurso Unibanco de Literatura (1978). Os melhores
Moacir Gadotti nasceu em Rodeio em 1941. Doutorou-se em 1977 em contos do I Concurso Nacional de Contos Infantis (Santo Alberto Editora -
Educação pela Universidade de Genebra. É professor na USP e em Campinas. 1979, SP).
Escreveu em três volumes, "Textos Básicos de História da Educação" (SP, Martinho Brunning, formado em Filosofia, nasceu em Tubarão em
Publicações Universitárias Leonel Franca, 1971); "Comunicação Docente" 1921. Radicado em Blwnenau, publicou "O Mesmo Canto Natural e Outros
(SP, Editora Loyola, 1975). A tese de doutorado em Genebra em 1977, versou Poemas" (1980); "Folha e Flor do Campo" (hai-kais - 1981); "Novos Poemas e
sobre "L'éducation contre l'éducation"; Educação do Poder - Introdução à Outros Hai-Kais" (1982); "Meditações quase Poemas" (1983); "Um Tempo
Pedagogia do Contlito (SP, Cortez Editora Autores Associados, 1980). para o Coração" (1984); "Flor e o Cosmos" (1985); "Hai-Kais Escolhidos"
Mário Bonatti, natural de Rio dos Cedros, escreveu "A Vida tem a Cor (1985); Micropoemas" (1986); "Verso e Reverso" e "Rastreamento" (1988).
que Você Pinta" (SP, Editora Dom Bosco, 1978). Sacerdote salesiano com Seus micropoemas são pensamentos carregados de filosofia:
larga experiência junto aos jovens. Enquanto Antônio Moser, natural de
"se o absoluto existe
Gaspar, sacerdote franciscano, aborda os temas "A Maternidade Responsável
ele aparecerá. "
Face a uma Mentalidade Contraceptiva"; "Mudanças na Moral do Povo
Brasileiro" e "O Problema Ecológico e suas Implicações Éticas" . José Roberto Rodrigues nasceu em Blumenau em 1953. Seu livro
Roberto M. Klein, doutor em Ciências, botânico e ecólogo, escreveu "Poliedro", editado em Florianópolis em 1980, pela FCC, consta de quatro
sobre a "Preservação do Meio Ambiente e sua Importância sobre a blocos com os temas: "Poemas para Caty" - o amor; "Os Noturnos" - a solidão;
Minimização das Enchentes" (Blumenau, Secretaria do Meio Ambiente, "As Memórias" - a descoberta do ser; "Poemas do Ofício" - o poeta. Participa
1978). Colaborou com o Padre Raulino Reitz em 1963, na obra "O Reino das Antologias: Contistas de Blumenau I e 11; Contistas e Cronistas
Vegetal de Rio do Sul" . Catarinenses; Os Contos da FURB; Contos e Poemas; A Literatura de Santa
Urda Alice Klueger nasceu em Blumenau em 1952. Publicou seu Catarina; Poetas de Blumenau e Presença da Poesia em Santa Catarina. Foi
primeiro romance "Verde Vale" em 1979 (Editora Lunardelli, Florianópolis) e editor do Suplemento Literário do Jornal de Santa Catarina.
a 23 edição em 1984. Seguem "As Brumas Dançam sobre o Espelho do Rio" Marita Deeke Sasse nasceu em Florianópolis. Em 1980, publicou
(Editora LunardellilTV Eldorado, 1982) e "No Tempo das Tangerinas" (1 3 "Blumenau, sua História", pela Editora Lunardelli. Ensaísta e contista,
edição em 1983 e a 23 em 1984, pela Editora Lunardelli), que formam uma publicou trabalhos de pesquisa e crítica na Revista da FURB. Professora da
trilogia onde o Cosmos, a Natureza e o Homem se integram. Publicou ainda FURB, sua tese de mestrado versou sobre Virgílio Várzea. Sua tese de
"Te Levanta e Voa" e "Vem, Vamos Remar". Em 1988, publicou o álbum doutorado na UFRJ, sobre Literatura, envolve autores nacionais (Lindolf Bell,
"Blumenau - A Loira Cidade do Sul", edição trilingüe (português, alemão e Guido W. Sassi e Werner Zotz).
inglês), pela Livraria Alemã Ltda., com ilustrações fotográficas. Participa de Nemésio Heusi nasceu em Itajaí em 1909. Fundou o jornal "O
"Contistas de Blumenau I e 11 e Contistas e Cronistas Catarinenses". Futurista", colaborando durante anos com o jornal "Povo". Escreveu a
Roberto Gomes nasceu em Blumenau em 1944. Publicou os romances "História Romanceada de Blwnenau e do seu Fundador" (1981) e "A Fundação
"Alegres Memórias de um Cadáver" e "Antes que o Teto Desabe". Publicou de Itajaí, sua História, seu Romance" (1983), ambos publicados pela Fundação
ainda "Sabrina de Trotoir e de Tacape" (contos) e "O Demolidor de Miragens" Casa Dr. Blwnenau. Nemésio Heusi recebeu, em 1954, a insígnia da "Ordem da
(crônicas). Na literatura infanto-juvenil, escreveu "O Menino que Descobriu o Árvore", no grau de Comendador, do Instituto Nacional do Pinho. Colabora
3 com a revista "Blumenau em Cadernos" .
Sol" em 1982 e a 2 Edição em 1983, como parte da coleção" Ciranda de
Livros". Escreveu o ensaio filosófico "Crítica da Razão Tupiniquim" em 1977 Eulália Radtke nasceu em Gaspar em 1949. Em 1977, participou da
(Editora Movimento e URGS). Participou da Antologia "Assim Escrevem os Catequese Poética de Lindolf Bell. Em 1979, realizou, na FURB, a exposição
Paranaenses", 1977. Os Foto-Poemas, com o fotógrafo Ingo Penz. Escreveu "Espiral"
_ poemas (Florianópolis, FCC, 1981). Participa das Antologias: Contistas de de poesias" Arauto à Moda Antiga".
Blumenau lI; Contistas e Cronistas Catarinenses; Contos e Poemas; A Anamaria Ková~s, natural do Rio de Janeiro (1948), reside em
Literatura de Santa Catarina; Outros Catarinenses Escrevem Assim; Poetas de Blumenau desde 1976. E doutora em Lingüística e Mestre em Comunicação.
Blumenau e Presença da Poesia em Santa Catarina. Eulália, lavradora e Jornalista e professora na FURB, é responsável pela edição da revista
fiandeira, foi considerada a revelação da poesia catarinense em 1980. "Abertura". Escreveu "Entre a Terra e o Infmito" - contos de ficção científica
Roberto Diniz Saut nasceu em Indaial, em 1946. Advogado e jornalista, (RJ, Shogun Editora e Artes, 1985). Participa das Antologias editadas pela
colabora com vários jornais do Estado. Em 1968, foi premiado no concurso de Fundação Casa Dr. Blumenau, Poetas de Blumenau (1982) e "Contistas de
contos promovido pelo jornal "Imprensa Nova", de Florianópolis, com o conto Blumenau lI".
"O Negrinho". Escreveu "Resistência" poemas (1982) e "Ao Silêncio da Luz" Harry Wiese nasceu em Presidente Getúlio em 1948, e em 1984
(1987), ambos pela Fundação Casa Dr. Blumenau. Participa das Antologias: publicou "Meu Canto Amar" e "Girata de Espanto" (contos), pela Fundação
Contistas de Blumenau I e II; Contistas e Cronistas Catarinenses; Poetas de Casa Dr. Blumenau.
Blumenau e Poetas da FURB. É diretor da Câmara Municipal de Vereadores. Em 1985, o Padre Victor Vicenzi publicou, pela Fundação Casa Dr.
Em fins de 1988, publicou "Circo Aparente da Vida Real", pela Gráfica 43 S/A. Blumenau, a "História e Imigração Italiana de Rio dos Cedros".
Em "Resistência" , Saut escreveu os versos: Beatriz Pellizzetti, livre docente em História do Brasil, Museóloga e
bolsista do CNPq, publicou em 1986, pela Fundação Casa Dr. Blumenau e
"Por que corrompes a pureza da democracia de manifestação e Gráfica 43 S/A, "Um Banco de Imigrantes em Santa Catarina".
sufocas teus filhos ao trilho da submissão, Haroldo Pabst nasceu em Presidente Getúlio em 1942. Como Juiz da 1 a
oh, gente pequena brasileira!? Vara Civil de Blumenau, aposentou-se em 1985. Exerce a advocacia junto a
Oh, elitismo crasso de algibeiras!" empresas. É professor de Direito Processual Civil na Faculdade de Direito da
Sueli Maria Vanzuita Petry nasceu em Indaial em 1949. Fonnada em FURB. É membro da Sociedade de Estudos Jurídicos Brasil-Alemanha. Fez
História pela FEPEVI, defendeu tese em História pela UFSC. É responsável estágio na Ederhard-Karls Universitãt, em Tübingen, Alemanha. Publicou
pelo Arquivo Histórico "Professor José Ferreira da Silva" e sócia do Instituto "Natureza Jurídica dos Embargos do Devedor" (Editora dos Tribunais, SP,
Histórico e Geográfico de Santa Catarina. Participa e colabora no Encontro 1986), baseado em pesquisas. Publicou também a monografia "O Crédito
Municipal de Atiradores. Publicou "Os Clubes de Caça e Tiro na Re~ião de Hipotecário na Execução Movida por Terceiros" , pela mesma editora.
Blumenau - 1859-1981" (Fundação Casa Dr. Blumenau, 1982). E professora de José Endoença Martins nasceu em Blumenau em 1948. Além de
História na FURB. professor e escritor, colabora com diversos jornais do estado. Fugindo da
Altair Carlos Pimpão nasceu em Curitiba em 1939. Além de trabalhar composição poética tradicional, José Endoença Martins publicou "Me Pagam
com Evelásio Vieira na Rádio Nereu Ramos, em Blumenau, escrevia para os pra Kaput", que foi lançado em 1986, precedido de recital, leitura dramatizada
jornais "Ronda", "A Nação", e para o Jornal de Santa Catarina, onde exerceu a e poemas coreografados. Em 1987, "Me Tomam pra Doril" e em 1988 "Me
função de Superintendente. Em 1964, foi convidado para atuar na "Voz da Vestem pra Dujon". José Endoença Martins, que desde 1'974 publica poemas,
Alemanha" , atuando também como correspondente do Correio da Manhã e contos, ensaios e artigos na imprensa, participa das antologias Contistas e
posteriormente da Folha de São Paulo e outros jornais brasileiros. É membro da Cronistas Catarinenses, Outros Catarinenses Escrevem Assim e Poetas de
Associação Mundial de Imprensa. Publicou, por ocasião do Sesquicentenário Blumenau.
da Imigração Alemã em 1974 "Vieram em Busca da Felicidade" e em 1982 pela Apolônia Gastaldi, nascida em Indaial, possui cursos de Psicologia,
Fundação Casa Dr. Blumenau, "A Alemanha que eu Vivi". Metodologia do Ensino, Sociologia e Administração. Lecionou na FURJ,
Para levar ao questionamento os mais variados temas, Álvaro Luiz de FURB e ACE. Com a poesia "Símbolos", conquistou prêmio nacional. Em
Aguiar, nascido em Blumenau em 1964, publicou em 1982 1987 publicou o romance "A Força do Berço".
"Um Livro sem Nome e Cem Frases". Nelo Osti publicou a "História de
Blumenau em Quadrinhos" e Lúcia H. Pereira (cega) lançou em 1983 o seu livro
Edeltraud Zimmermann Fonseca nasceu em Ilhota. Fixou residência "Poetas Independentes", publicada pela Fundação Casa Dr.
em Indaial após regressar de São Paulo. Em 1981, publicou a novela "Jornada Blumenau.
de Amor"; em 1982, "Quando o Outono Chegar" (contos e poemas). Em 1983, No dia 11 de fevereiro de 1988, foi lançado na Bibl ioteca Dr.
com apoio das Edições Paulinas, SP, publicou "Portas que se Abrem" e em Fritz Müller o livro dos Poetas Independentes, com poesias de Ana Bacca,
1988, "Quero Estar com Você Agora" (poemas), este último pela Fundação Carlos Alberto Peixer Vinci, Carlos Crescêncio, Eliana Wobeto, Raquel
Casa Dr. Blumenau. Furtado, Salete Delourdes, Tânia Rodrigues e Rosane Magaly Martins.
Heinz Schiitz nasceu em Timbó em 1933. Médico, publicou trabalhos Os grandes eventos literários blumenauenses aconteceram a partir da
literários, entre eles "Acamed, Senecta". Em 1988, publicou "Esses Homens ... década de setenta, quando além de lançamentos de livros e outras promoções,
e suas Histórias" (contos). foram lançadas as antologias "Os Contos da FURB", que engloba os contos
Ivo Hadlich, blumenauense, publicou contos e poemas nas antologias premiados nos anos de 1975, 1976 e 1978, e "Outros Catarinenses Escreveram
Contistas de Blumenau 11; Poetas de Blumenau e Antologia Editsul. Escreveu Assim", em 1979, atnbas pela Editora Acadêmica. Em co-edição, a Lunardelli e
textos teatrais para o Grupo Teatral Ribalta, sob sua direção. Fundação Casa Dr. Blumenau publicaram "Contistas de Blwnenau I (1979) e
Dinaê dos Santos Gelhardt, blumenauense, professora, pós-graduada "Contistas de Blumenau 11" (1980). Em 1982, foi publicada pela Fundação
em Literatura Brasileira, participa da Coletânea Poetas de Blwnenau. Possui Casa Df. Blumenau, "Poetas de Blumenau". Além destas, foi publicada pela
poemas publicados em jornais e revistas. Editora Lunardelli de Florianópolis "Contistas e Cronistas Catarinenses"
Sérgio Antônio do Nascimento nasceu em Blumenau em 1963. (1979), da qual participam grande número de escritores blumenauenses.
Em 1982, participou da Antologia Poetas de Blumenau. É desenhista Sobre a Antologia "Contistas de Blwnenau 1'; o "Jomal do Piauí", de
profissional. Teresina, na coluna Caderno de Anotações, assinada pelo crítico A. Tito Filho,
Irineu Voigtlaender, natural de Pomerode, fonnado em Letras pela publicou um extenso comentário, finalizando com o seguinte parágrafo:
FURB, publicou o livro "Dementes e de Mitos". "Blumenau está de parabéns. Ganhou de presente uma coleção de arte ver-
Carlos de Freitas, jornalista, publicou "Quarenta Dias e Quarenta dadeira, em que a tragicidade dos casos se harmoniza com o aplaudido critério
Noites" . narrativo de cada um. Livro de talentos novos para incorporação à Santa
Evaldo Trierweiler escreveu e publicou, em 1988, pela Grática 43, Catarina, e especialmente à comunidade blwnenauense de bonitas páginas
"Odisséia no Contestado". literárias vestidas da boa língua portuguesa".
Funcionários do Banco do Brasil de Santa Catarina (Nelson Nones - Participaram da Antologia "Contistas de Blllmenall I": Enéas
Antonio Juraci Carlini e outros), publicaram em 1988 a antologia "Poesia: Athanázio, Herculano Domício, Otto Jaime Ferreira, José Gonçalves, Urda
Lucidez ou Fantasia?". Alice Klueger, Edith Konnann, CarJos Braga Müller, Vilson Nascimento, José
Wilmar Marcos Harbs, natural de Indaial, publicou em 1987 "Meu Roberto Rodrigues, Roberto Diniz Saut e Rogério Neri de Souza.
Mundo está em paz" (poemas), pela Fundação Casa Dr. Blwnenau. No dia 26 de setembro de 1986, foi instalada no plenário da Câmara
Ralf Kraft, estudante, natural de Seára, publicou em 1988 " Ave de Municipal de Blumenau, a "Delegacia Regional da Associação Profissional de
Rapina" (contos e poemas), pela fundação Casa Dr. Blumenau. Escritores de Santa Catarina", sendo indicado por unanimidade para a
Tânia Rodriglles, nascida em B lume nau , cursou a Faculdade de presidência o escritor Df. Enéas Athanázio.
Direito da FURB. Foi premiada no "Concurso de Poesias" para universitários Blumenau também contou com a literatura de cronistas esportivos,
em 1982. Participa da antologia Poetas de Blwnenau. Foi jornalista do Jornal músicos, cantores, religiosos e outros.
de Santa Catarina. Entre os cronistas esportivos destaca-se João Vieira, nascido em
Rosane Magaly Martins, blumenauense, foi jornalista do Jornal de Tijucas em 1917 e que em 1934 fixou residência em Blumenau como
Santa Catarina. Fundadora e Presidente da APEI - Associação dos Poetas e funcionário da EFSC. Entrou para o jornalismo escrevendo a crônica
Escritores Independentes de Blumenau, organizou em 1987 a Antologia "Espiando a Maré". Enfocando aspectos da comunidade, criou os tipos
Indulgência Plenária, Fócrates, Tijuquino, Epaminondas, o austero, e Fócrino, programação musical do Teatro Carlos Gomes até 1941, quando
o garoto metidiço. Participou do primeiro jornal blumenauense dedicado aos faleceu no Rio de Janeiro e onde está sepultado. Participou da excursão "Torrão
esportes, "Cidade de Blumenau" - Edição Esportiva. Sob o pseudônimo de e Pátria" para o Rio de Janeiro e São Paulo e não mais voltou. No programa de
"Mano Jango", assinava a crônica com o nome de "Bolas Quadradas". 31 de outubro de 1932 - "V on J ohann Sebastian Bach bis Richard Wagner"
Referindo-se a Artur Laux, do Brasil F. C., João Vieira publicou: consta o seguinte: "Em memória aos nossos maiores mestres em música e poesia,
trabalho e texto de Willy LOhr e música de Heinz Geyer". Faleceu aos 45 anos de
"Reúmatismo no Pimenta Não idade.
maltrata nem um pingo Na Erika Martins Flesch nasceu na Ucrânia - Rússia, em 1925, filha do
segunda se apresenta professor Heinrich Martins e esposa Alma. Chegou ao Brasil em fevereiro de
E se some no domingo". 1930. Viveu 4 anos em Witmarsun/SC, fundada por imigrantes teuto-russos e
No dia 4 de setembro de 1980, o "Mano Jango" foi homenageado com a em 1935 veio para Blumenau. Estudou violino desde os 9 anos de idade, atuou
denominação de uma praça na rua Pedro Krauss - "Praça Jornalista João sob a batuta do Maestro Geyer até 1950, quando casou com Alfonso Maria
Vieira". Faleceu em março de 1980. Flesch. Fez incursões pela música, desenho e poesia. Escreveu "Viver é Lutar",
Entre os músicos e cantores, Heinz Geyer escreveu, entre outros publicado em 1945. Tem livros infantis publicados pelo Moravia Verlag de
textos, o "Largo" , de Haendel. Viena - Áustria. Traduziu e adaptou poesias e textos, entre eles "O hnigrante",
Franz Runze (Francisco Alberto Victar Runze) , músico de banda na "Viva o Ministro" e "Valéria" obra inacabada de Heinz Geyer, e ainda várias
Alemanha, nasceu em 1888, em Schlemmin, Alemanha. Chegou ao Brasil em composições isoladas. Colaborou até 1956 com o "Luzeiro Mariano" e
1912. Trabalhou na EFSC e em 1923 era integrante da Orquestra regida pelo programa radiofônico "Os Sinos Anunciam", com crônicas semanais.
Maestro Geyer. Escreveu peças teatrais, entre elas "Viva o Ministro" , opereta Co-fundadora do Movimento Social e Educacional Feminino de Blumenau,
de grande sucesso musicada pelo Maestro Geyer. Entre suas poesias publicou que deu origem à implantação dos Centros Sociais do Município. Integra o
"Die Chorstunde" (A Hora do Coral): Coral Misto do Centro Cultural "25 de Julho". Participa da Associação
"Wenn im Morgentau gltinzen Feld und Au, Feminina de Blumenau (AFEBLU). Possui medalhas conquistadas em diversas
früh das ernste Tagewerk beginnt, modalidades esportivas. (Heinrich Martins foi pastor, menonita e um dos
Wenn der Tag sich neigt, fundadores de Witmarsum).
Wenn die Arbeit schweigt Margarete Gertrud Busse Scheltzke (Grete Scheltzke) escreveu ... "Elas
voavam pelo imenso vão da igreja para cá e para lá, para cá e para lá, e a sonoridade
und ihr Abendlied die Drossel singt".
das suas vozes ecoava como música. De repente fez-se silêncio. O sacerdote ergueu as
Estes versos mostram a sensibilidade de Franz Runze, que no dia 19 de
mãos abençoando o casal. Profunda vigflia. O órgão tocou suavemente "Então
junho de 1973, ao completar 50 anos de atividades na Orquestra do Teatro
torna as minhas mãos ", e como se participassem, nenhuma andorinha se
"Carlos Gomes" e como professor de flauta na Escola de Música do Teatro moveu, porém quando a música do órgão ficou rnais forte elas estavam
Carlos Gomes, escreveu as seguintes palavras, que seriam lidas no dia da presentes, e o seu canto se misturou como júbilo na sonoridade turbulenta da
homenagem se, emocionado, ele não falecesse na véspera: canção do órgão ... ".
"Profundamente emocionado pela homenagem dedicada a mim Este excerto do artigo "Schwalben" (Andorinhas), publicado no "Brazil
por ter completado 50 anos de atividades na Orquestra "Carlos Post" de 2 de outubro de 1976, mostra a sensibilidade artística de Grete
Gomes" corno Flautista - Muito agradeço. Scheltzke, que nasceu em Joinville em 1913. A família Scheltzke veio para
Quem vê 50 anos na sua frente, acha que é uma imensidade de Blumenau em 1949. Grete Scheltzke ensaiou e escreveu peças teatrais sobre
tempo, quem os olha de trás, nota corno voaram os dias, os temas natalinos, odisséia sobre a imigração, festas juninas e outras que foram
meses, os anos, o tempo passou voando. Mas o que fica e sempre apresentadas na Sociedade Desportiva Vasto Verde, Sociedade Recreativa e
viverá é o amor, o amor à Divina Música ". Cultural Lyra e outras. Embora sua deficiência visual não lhe permitisse
Willy Lõhr nasceu em 1896 em Bielefeld, Alemanha. Aparece em toda escrever notas, não deixou de compor inúmeras
15.
menau Cidade Jardim", em homenagem aos 125 anos de Blumenau. Em 1980, saudade, muita saudade.
compôs o hino "Blumenau Cidade Jardim", que foi entregue ao prefeito de Grete leciona o idioma alemão desde 1954, mantendo ainda um curso
Blumenau, dr. Renato de Mello Vianna, no dia 3 de maio de 1980, para de datilografia, que já formou centenas de alunos. Com os mesmos organizou
16. homenagear os 130 anos de Blumenau. O hino foi lançado na casa de Grete com passeios, apresentações e festas.
a presença do prefeito e a banda do 23 o Batalhão de Infantaria, que executou o Entre os anos sessenta e setenta, enquanto o filho Claus Dieter, que
hino. O hino faz parte do repertório do "Camerata Vocale", que além de também sofre de cegueira, escrevia a crônica "No Jardim do Pai Celeste",
cantá-Io nas solenidades de 2 de setembro de 1983, no Mausoléu "Doutor Grete, apoiada pelo marido e filhos, por muitos anos apresentou na Sociedade
Blumenau", inclui o mesmo em solenidades as mais diversas. Foi executado no Difusora Vale do Itajaí um programa de rádio chamado "Saudação Dominical",
Teatro "Carlos Gomes" e no calçadão da Igreja Matriz, e faz parte do repertório em idioma alemão, tendo na locução a filha Gertrudes e o sobrinho Peter
da Banca Municipal de Blumenau. Grete acha que o hino deveria ser cantado HermalID na resenha dos acontecimentos semanais.
pela juventude blumenauense. Toda a sensibilidade artística e criativa de Grete está impressa nas suas
A "Marcha dos Atiradores", de autoria de Grete, foi gravada em LP pela poesias, contos, crônicas, peças teatrais e música. Ela, que vive há anos sem ver
Banda Musical "Cavalinho Branco". Das suas composições foram feitos vários a luz, ilumina tudo que a cerca. Um exemplo de perseverança e indescritível
arranjos. força de luta e vida.
Muitas reportagens sobre acontecimentos da cidade e trabalhos li- Emil Rossmark, Hermann Globig, Curt Latzke e Grete Scheltzke
terários de sua lavra foram publicados no jornal "Brazil Post", editado em escreveram poesias e vários artigos nas revistas das Festas de Cantores. Do
língua alemã, em São Paulo, e para o qual Grete manda sua colaboração há mais poema "Es zogen die Ahnen", de Emil Rossmark, é a quadra seguinte:
de quinze anos. "Es zogen die Ahnen einst weit übers Meer, zu
Em homenagem ao dia 2 de novembro, Grete escreveu: suchen eine Heimat, die fallden sie hier im
Itajahytal auf sonnigen Hohn.
No Jardim da Saudade De Es fand sich die Bleibe me machten sie schOn. "
lágrimas feito, um belo colar
Juraci Carlini (Antônio Juraci Carlini) nasceu em Benedito Novo em
canç. envolve a rosa mais linda. 1952. Formado em Direito e licenciado em Letras Anglo-Latinas pela FURB,
ões. Duas mãos pequeninas a emoldurar pós-graduou-se em Lingüística pela UFSC. Com diversos cursos de
Em um mais belo quadro ainda. aperfeiçoamento e especialização, Carlini marca sua participação em diversos
1975, Algumas lindas mimosas em flor jornais e revistas do país e exterior. Participa das Antologias: Os Contos da
escre e saudade, muita saudade. FURB; Outros Catarinenses Escrevem Assim; Contistas e Cronistas
veu a Rósea, branca, multicor, Catarinenses; Contos e Poemas; O Canto Ainda Existe; I Concurso de Contos
cançã saudade, muita saudade. de São Bernardo do Campo (SP); Destaques Literários Brasileiros de 1987 -
o em Bauru (SP) e a poesia "Lucidez ou Fantasia" (Fundação Casa DI. Blumenau).
Senti ao ver a jovem assim,
temp Foi professor de Canto Orfeônico e Iniciação Musical. Compôs o hino do
o de que existe algo mais forte.
Grêmio Literário "Ruy Barbosa", de Timbó. Adaptou trechos de música
valsa Maior que a vida, eterno, sem fim,
clássica para canto na escola, compondo letras de fácil assimilação. Dirigiu
"Blu que não morre nem com a morte!
corais, chegando a apresentar-se na televisão (1978/1980). Presidente e
Falou-me seu pranto, de um grande amor, de sócio-fundador da Juventude "Mensageiros da Esperança", grupo destinado a
saudade, muita saudade. divulgar o folclore, teatro amador e valores culturais em Benedito Novo. Foi
N os olhos trazia tristeza e dor e 0
classificado em 4 lugar no I Festival Universitário da Canção, com a compo-
18.
17.
Herbert Koch, professores da Escola Nova, professor Fuhrmann, de Itoupava
sição "Uma Canção para Seguir". Tem mais de dez composições inéditas.
Central, Rudolf Damm, Rudolpg Hollenweger e outr~s. O número de 10 de
Victor Vicenzi e Venício Bona publicaram, em 1974, a coleção de
setembro de 1912, data da reunião geral da ASSOCiação dos Professores
Canções Populares Tradicionais da Imigração Italiana em Rio dos Cedros, e em
apareceu com uma paisagem banhada de sol nascente, sobrevoada por ~a águia
1975, Vitório Ledra publicou o Cancioneiro do Imigrante Italiano.
e a inscrição "Bildung macht Frei" (Instrução
Eduardo Vidossich nasceu na Itália. Estudou em vários países da
Europa, aperfeiçoando-se em Letras Francesas na Universidade de Grenoble, Torna Livre).
França. Durante a Segunda Guerra Mundial exerceu funções burocráticas. Nesse número foram homenageados com seus retratos publicados
Emigrou em 1953, estabelecendo-se inicialmente em São Paulo, onde os mais antigos professores: Ferdinand Hackbarth, Carl Günther, Conrad Glau
participou de exibições e programas culturais com vários cqjuntos de Jazz de Friedrich Schümann e Alwin Uimmel.
São Paulo (1955-1976). Reside em Blumenau desde 1976, tendo participado O' "Correio de Blumenau" veio à luz em maio de 1932, tendo como diretores e
como pianista e ~onferencista em espetáculos os mais diversos. Apresentou em redatores o Dr. Geysa Bôscoli, então Promotor Público de Blumenau e José
Curitiba, em 1977, um ciclo de palestras e recital de piano sobre o tema "O Jazz Ferreira da Silva, que informava aos leitores da sua imparcialidade
através dos Tempos". Publicou artigos em revistas e jornais nacionais e independência e honestidade. Colaboraram o Dr. Am~deu da Luz Àfonso Rabe,
estrangeiros (São Paulo, Rio de Janeiro, Milano (Itália), Lugano (Suíça), etc.), e Edgar Barreto, Oliveira e Silva, Dom PlO Freitas Ha~s Gaertner e outros. Geysa
quatro livros sobre a música afro-americana, sendo o último "Sincretismos na Bôscoli, hábil no manejo do lápis, n; primeiro número apresentou as caricaturas
Música AfroAmericana", em co-edição com o Ministério da Educação e Cultura de Get~lio Varg~s, Oswaldo Aranha, José Américo, Arthur Bernardes,
do Brasil. Possui obras inéditas, entre elas um vocabulário prático em seis Washll1gto~ ~u.lZ, Borges de Medeiros e Assis Brasil. O jornal atuou dentro.
idiomas. dos prll1CIP~OS e Geysa Bôscoli foi removido para Mafra, quando pe~lU
Na literatura religiosa, é destaque especial Ismael dos Santos, nascido em exoneraça~, voltando tempos depois para o Rio de Janeiro, onde contll1UOU
Blumenau em 1965. Bacharel em Administração de Empresas e formado em como bnlhante intelectual e homem de teatro de grande conceito. Ao lado de
Letras (FURB). Redator do jornal evangélico "Sha10m" (Boletim informativo José Ferreira da Silva, assumiu o Dr. Abelardo Schneider da Fonseca. Em maio
bimensal das Assembléias de Deus em Blumenau). Ismael dos Santos publicou, de 1933, o jornal fundiu-se com o jornal "A Cida?e", co~. o nome de "Cidade de
em 1986, pela Editora Casa Publicadora das Assembléias de Deus (RI), o livro Blumenau', que foi uma das folhas maIs prestl~iadas do estado. Distribuía todas
"Adoração em Chamas", uma abordagem sobre o conhecimento dinâmico de as semanas um Suplementos Ilustrado, 1ffipresso
Deus, com 146 páginas e tiragem de quinze mil exemplares. Escreveu também, no Rio de Janeiro.
com 130 páginas, o devocional sobre as relações fraternas nas comunidades cristãs Adquirido por Aquiles Balsini, a diretoria do jornal "~idade ~e
"Para que Todos Sejam Um" . Blumenau" não esmoreceu por ter tomado partido contra a desmtegraçao de
Desde os primórdios, Blumenau conta com intelectuais de mérito que Blumenau, lançando em pequeno formato o jornal "Por Blumenau Unido", cujo
marcam jornais e revistas. Colégios que mantém academias literárias, cujos único número apareceu em 3 de março de 1934;, ~?~o. ~m seguida, apareceu
participantes produzem poesias, contos, peças teatrais e participam de debates, "O Tinhoso", com o título em ven~:lho, o. O lmclal com cara de diabo,
recitais, concursos, etc. encimado por um forcado em poslçao)10rlZo~tal, ~endo como diretor Anibal
Entre os jornais merece destaque especial o "Mitteilungen des Deutschen Sonso. Do expediente consta: "Orgão dzabóllco, brincalhão. Só sai aos
Schulvereins Für Santa Catharina", cujo primeiro número apareceu em janeiro domingos. A responsabilidade vai por conta do
de 1906, editado pela Tipografia "Der Urwaldsbote". Apareceu regularmente diabo". Foi proibido pela polícia. .
até 1917. quando encerrou suas atividades em face da Primeira Guerra "A Nação", fundada por Honorato Tome~i~1,. aparece~ em ma~o. d.e
Mundial. Publicava matéria especial em 1943 e em 1944 passou a integrar a rede ?os Dlano~ ASSOCiados, dmglda por
Educação e tinha como redatores o reitor Strothmann, Georg A. Buechler e Assis Chateaubriand, tendo com dlretor-presldent~ Alfredo C~:npos e
Honorato Tomelin como diretor-gerente. Em malO de 1953, A
Nação" passa a tlgurar com o subtítulo "O Mensageiro das Selvas", para manter Quanta verdade e experiência luminosa nessas frases ou pensamentos de
a tradição do velho "Der Urwaldsbote", de quem havia adquirido a impressora. grande profundidade, .fina psicologia e tessitura feliz!
Honorato Tomelin também fundou, em 1949, o "Lume", que teve como Eu vinha desde Blumenau com o espírito a tumultuar de recordações íntimas,
dirigentes Aléssio Tomelin e Manoel Pereira Júnior, tendo como gratas e suaves da minha meninice venturosa, passada, durante três anos, sôbre
colaboradores, a partir de 1956, Frei Odorico Durieux e Frederico Kilian. O as águas e entre as paisagens do 1tajaí, na parte do seu curso que vai da fóz
jornal também teve a colaboração do intelectual Enéas M. de Barros. Em 1969, àquela cidade, mas especialmente no pitoresco trecho de Blumenau a Caspar,
Bráulio M. Schloegel e Vilson do Nascimento escreveram no "Lume" sobre onde mais vivi e me expandi, por esse tempo, em folganças e arteirices sem.tim,
Arte e Literatura. volvendo ainda ali a minha adolescência e começos da mocidade, e por ali
Entre as revistas, merece destaque especial por publicar documentos e passando penultimamente - fazia dez anos - acompanhado de Diniz Júnior,
fatos, ligados principalmente ao passado blumenauense: "Blumenau em camarada querido e excelente colega de há um lustro para cá, na inspeção de
Cadernos", fundada em novembro de 195'/ pelo professor José Ferreira da ensino do Distrito Federal. De sorte que, nesta nova excursão, ao deixar, ao
Silva. Muitos documentos originais, inclusive relatórios do Doutor Blumenau apartar-me - talvez para sempre, quem sabe! - das sugestivas e amadas ribas do
que se perderam no incêndio da Prefeitura Municipal foram preservados 1tajaí, exploradas e devassadas inicialmente pela "bandeira" do Vicentista José
devido a sua publicação em "Blumenau em Cadernos", e hoje servem como 1
Pires Monteiro , que fora, em 1653, atrás das antigas jazidas de ouro do morro
fonte de pesquisa sobre a colonização do Vale do Itajaí. A revista publica do Taió às cabeceiras desse rio - eu recordava ou evocova ainda,
documentos inéditos de posse de particulares e existentes no Arquivo Histórico emocionalmente, a cada instante, outras cenas indeléveis dessas estâncias de
de Blumenau, entrevistas, a coluna "Autores Catarinenses" e outros. toda a minha vida.
Dos artigos publicados em "Blumenau em Cadernos", entre outros, E dentre tais cenas, esta destacava vivamente:
merece destaque especial o escrito em alemão por Otto Stange e traduzido por Era num dia remoto do ano de 1875, a bordo do "São Lourenço" ao an-
Frederico Kilian, publicado em 1960, sob o título "A Vida de Blumenau há 60 coradouro do Caspar.
Anos" . Chovera torrencialmente tôda a semana até a antevéspera. O rio ia
"Blwnenau em Cadernos" também publicou no Tomo VI, nO 1, o artigo ameaçadora e medonhamente correntoso e avolumara extraordinàriamente as
escrito por Virgílio Várzea, publicado em 1919 no "Correio Paulistano" (SP): suas águas, subindo do nível cerw de dez metros.
"Através da Terra Catarinense", que transcrevemos a seguir por tratar-se de Toda a sua supeifície comumente escura, mas de uma transparência cristalina
tàto importante e de grande repercussão na época relacionado com a história de aos baixíos e coroas, apresentava-se toldada, turva, barrenta, de uma cor de
ocre sujo. A graciosa ilhota da Figueira Crande desaparecera sob a
Blumenau:
entumescida e sinuosa faixa fluvial, deixando, apenas, de fora o imenso
"Vive-se de lembranças e recordações, sejam elas alegres, tristes, funerárias.
simbório rendilhado de sua velhn árvore, que eu vira dantes basílica soberba de
Mas vive-se. Tôda a humanidade, desde o homem mais culto e mundano ao
verdura! - elevando triuntalmente, festivamente, ao Azul os cânticos e hinos
mineiro e camponês mais simples e rude, vive dessas notações, cenas, quadros,
arrebatadores dos passarinhos felizes, mas ainda assim náufraga semi-morta,
.filmes, que se vão acumulando em séries várias e infindas, na sua alma e no seu
sem assistência e socorro possíveis, mas ainda assim amada e beijada
cérebro, pelo desenrolar sensitivo e emotivo da sua existência.
marulhos({/nente pelas espumantes e ro/adoras ondinhas do rio. As barrancas
Sobretudo os artistas das letras, do pincel e do buril, màximamente os
de um e outro lado pareciam sumidas, enterradas, afogadas na longa toalha
primeiros, vivem os dias, meses e anos, desde a puerícia à mais extrema
líquida, como um vasto e pel.feito
longevidade, inteira, profunda e imutàvelmente assim.
John Stuart Mill, o grande .filósofo inglês, disse que lia vida é llma série de curso de planície. .
preocupações, assentes sobre as impressões do passado, relembradas nítida e A água, felizmente, para de subir a noite anterior, tranqüilizando assim as
ininterruptwnente a todo instante e sempre "; Joseph Méry, o delicado idealista, pobres populações ribeirinhas, já em sobressalto e angústia no terror de uma
impressionista e verboso escritor da mais bela e fecunda fase do Romantismo, o daquelas inundações que de longe em longe, flagelam e devastam
encantador e sútil psicólogo das "Scénes aniquiladoramente vida\" e plantações, em todo esse rico e fecundo vale
de Ia vie italienne", "Heva" e "La F/oride" disse que lia vida é llma longa saudade da do 1tajaí.
véspera". Aproveitando uma tal circunstância, que só sucedia de anos a anos, ra-
rissimamente, Luis Altenburg e outros negociantes, de combinação com o o rio ocultava então sob a sua enorme cheia, os baixíos arenosos e os
comandante, resolveram subir, ao alvorecer daquele dia, até Blumenau, escuros cachopos, bem assim o lindo ilhéo das palmeiras - tristes náufragos
onde jamais fora e se vira navio de tamanho porte e lotação. fluviais! - cujas frondes mal se viam esfrolando à correnteza. Duas horas
Por isso, expedira-se muito cedo, para aquela cidade, um emissário a depois Blumenau surgia à proa, tôda embaideirada e garrida como o
comunicar a boa nova. próprio "S. Lourenço", e tendo a ampla e longa aléa de pôrto literalmente
E às 6 horas da manhã êle e seus companheiros chegavam a bordo, onde já coalhada de povo. O vapor desmanchava-se em foguetes, a charanga
tudo e todos estavam preparados e a postos, com barco pronto a suspender. tocava efusivamente e a gente do Gaspar como a maruja entusiástica do
Como se sabe, o único impasse ou obstáculo à navegação de grandes navios paquete expandia-se numa gritaria a êsses "vivas" e "hurrahs", enquanto
até Blumenau - essa pequenina Colônia ou Strassburgo catarinense - é o pelas antenas e cordoalhas de suas embarcações as bandeiras e
estreiro e raso canal de Belchior, acessível apenas a iates, lanchões, lanchas galhardetes multicolôres palpitavam vitoriosamente no ar, à margem
e canoas. Mas agora, com aquela cheia excepcional do rio, podia bem fresca e aromal do rio.
passar ali um transatlântico ou um grande couraçado. Pelo que o Em terra, por sua vez, os foguetes subiam ao céu seguidamente, profusa-
comandante, João Esteves Várzea2 não vacilara em prolongar o seu mente, em estouros de alegria e triunfo, e bandas alemãs estrugiam so-
itinerário para fazer aquela recreativa e curiosa viagem. E também porque noramente nos seus repertórios clássicos, em que tinham primazia os
a barra do Itajaí, embravecida e revoltada pela lestada dominante e as trechos de Wagner e Kulach, explodindo em sinfonias j7amantes, guerrei-
grossas águas do monte, não dava saída, nem entrada, nesse dia, a nenhuma ras, atroadoras.
embarcação. Daí a instantes, o vapor atracava ao cais e o presidente da municipalidade
O "S. Lourenço" arrancou rio acima, com as suas oito milhas horárias, às 6 com seus vereadores, seguido das autoridades e dos notáveis da cidade,
horas e um quarto. Ia todo embandeirado em arco, porque a excursão era de assim como, famílias e pessoas do povo, invadiam o navio por bombordo e
júbilo e se estava a 24 de dezembro, véspera de Natal, a grande festa da subiam ao passadiço e à tolda a cumprimentar e abraçar o comandante
cristandade. como a Luiz Altenburg, por aquêle acontecimento que tanto honrava
Quase todos os excursionistas tinham-se feito acompanhar das respectivas Blumenau.
famílias, de uma pequena charanga e de uma boa provisão de foguetes ao Já a êsse tempo a Sociedade dos Atiradores composta talvez de dois mil
ar. Assim pela câmara, convés e tolda do paquete havia uma verdadeira homens estendia em linha pela aléa do cais e dava várias descargas de
festa vivamente animada pela algazarra alegre dos homens, mulheres e saudação ao "S. Lourenço", ao som do hino catarinense e hino nacional. O
crianças, pelas variadas e contínuas execuções musicais e pelo espoucar imediato de bordo, que já estava preparado para isso, fêz disparar diversas
espaçado e ruidodo dos foguetes manchando de flocos de fumo o céu azul vêzes o pequeno canhão do paquete, chamado "cachorro" e destinado a
imaculado de onde o sol, surgindo a leste, envolvia águas e campos num sinal de socorro em caso de naufrágio na costa, correspondendo às salvas e
polvilhamento de ouro. boas-vindas dos garbosos atiradores blumenauenses.
De vez em quando sUbitamente, a "sereia" de bordo rompia em prolongados Em seguida todos desembarcaram com o comandante Várzea àfrente, no
e aglidíssimos silvos, a cada volta do rio, e o gado, que a um lado e outro meio do imenso e febril movimento de júbilo em que se agitava à plenitude a
pastava serenamente, colhido de chofre por semelhante estridência e pelo formosa Blumenau.
"schlôp-schlôp" das rodas do "S. Lourenço ", deitava a fugir loucamente, em E enquanto Altenburg e os demais de Gaspar seguiam com suas famílias, os
debandada de pânico, para as matas interiores. numerosos amigos que os tinham ido receber, o comandante com os seus
Ambas as margens e àfrente das habitações rurais que as povoam de espaço oficiais - em cuja companhia eu me achava também - a convite do chefe da
a espaço, os habitantes se aglomeravam, em atitudes de surprêsa e pasmo, municipalidade, subiram para dois belos carros de passeio, a percorrer a
ante o singrar do vapor. Os de bordo acenavam-lhes então alegremente da cidade e seus arrabaldes.
tolda, adeuses e saudações, e êles correspondiam de mãos ao ar, abanando. Foi a primeira vez que visitei Blumenau e, se não conhecesse então per-
No Belchior, onde a maior parte da população, já sabedora da viagem, feitamente Joinville, onde estivera já muitas vêzes e fizera até então "se-
acudira alvoroçada e curiosa à aventura do rio e ao pequeno embarca- jours" demoradas, a minha impressão teria sido verdadeiramente
douro, houve como um festivo e entusiástico desafio e despique de cum- surpreendente, extraodrinária. Ainda assim ela foi excelente e por isso eu a
primentos e foguetes, partindo de um lado e de outro. registro aqui com satisfação, como procedera em 1887, no "Mercantil"
E o "S. Lourenço" passou rápido e intrepidamente êsse ponto perigoso, onde (primitivamente "Diário Mercantil") de São Paulo, nessa época o
jornal mais literário e brilhante de todo o Brasil, dirigido pelo grande e gritou estentoricamente:
admirável espírito de Eduardo SaIam onde, jornal onde publiquei um longo - Imediato! Mande dar uma espia àquela árvore e, feita a volta ao tronco,
trabalho intitulado "Um grande pensador", trabalho em que estudava, e mande virar o molinete, e alar! Alar afio, e de vez! ...
estudo, a ínclica personalidade do dr. Cama Rosa, como ,filósofo, so- A manobra realizou-se como fôra ordenada. O paquete "fêz cabeça", virou
ciólogo, estadista e político. de pronto e suavemente como um pássaro. E voou, rio abaixo, agora a 12
Percorrida a cidade, o presidente da Sociedade dos Atiradores ofereceu um milhas de marcha pela fôrça da corrente.
almôço ao comandante Várzea, na sede dessa associação, ao qual se seguiu A população de Blumenau, que assistira do cais a manobra, aplaudiu o
safamento do vapor com uma salva de palmas.
um torneio de tiro ao alvo, a mil e poucos metros de distância com fuzis
Em resposta, o pavilhão nacional à popa do "S. Lourenço" subia e descia
"Mauser" do exército alemão, no torneio aquêle comandante que era um
na haste, em saudação de despedida.
peifeito "shooter" manteve-se à linha dos militares germânicos então ali a
Em minutos alcançamos o Belchior onde dois carros nos esperavam para a
passeio e que lhe deram um pequeno mino, como lembrança. volta a Blumenau.
Após essa e outras ligeiras recepções em clubes e casas importantes, os Mas o comandante não estava mais por isso, escarmentado com a "enta-
maiorais de Blumenau instaram com o velho chefe marujo para que se ladela" do Carcia, e tocou-se para o Caspar.
passasse ali a noite, regressando ao Caspar no dia seguinte. Altenburg e seus companheiros, com as respectivas famílias, regressaram
E o comandante, encantado pela cidade como por tudo que o cercava, já se aos lares por terra, pela madrugada.
dispunha a isso, quando, pelas 3 hora~ da tarde, apareceu o "prático" a E o extraordinário caso da ida do "S. Lourenço" a Blumenaufoi celebrado
dizer-lhe, apreensivamente, que, segundo observara, as águas do rio com grande admiração não só pelas fôlhas locais, como pelas da capital
baixavam mais de um centímetro por hora. catarinense e as do Rio e São Paulo, sendo também noticiado com
O velho nauta ficou alarmado e subitamente tomou o caminho de bordo, entusiasmo pelos jornais de Berlin e principais cidades da Alemanha.
acompanhado sempre dos principais cavalheiros de Blumenau, a quem
prometeu voltar, apenas passa~se o Belchior e aí fundeasse o vapor, pois nesse
1) Filho de Francisco Dias Velho Monteiro, primeiro povoador e civilizador da Ilha <!e
instante a sua única preocupação era livrar o "S. Lourenço" de uma prisão, Santa Catarina e que para ela se transferiu, vindo de São Vicente, em 1851. Este grande
senão eterna, pelo menos de anos e anos no pôrto de Blwnenau, pois o navio só paulista foi o fundador do povoado do Destêrro, depois capital da antiga província e hoje
poderia safar com uma nova enchente. do Estado, com o nome de Florianópolis.
2) Pai de Virgílio Várzea."
Efetivamente, ao chegarmos a bordo, verificou-se pelas margens do rio,
que as águas tinham baixado quase dois metros.
Como o vapor estava apenas de fogos abafados, o comandante mandou de
pronto "puxá-los" e, daí a instante, ferro a pique, punha mftquinas adiante.
Mas como a correnteza era ainda de quase três milhas por hora, quando o
paquete, para "virar ", meteu a proa à foz do Carcia, que atravessa a
cidade, a mesma correnteza, engrossada consideràvelmente pelas águas Em agosto de 1986, sob a gestão do Reitor Professor Arlindo Ber-
dêsse ribeirão, creando um remanso contra a margem direita, impeliu para nart, começou a funcionar oficialmente a Editora da FURB sob a res-
aí o navio, que "mentiu" a virar. ponsabilidade de um Conselho Editorial e uma Diretoria Executiva.
Foi então uma rascada de mil demônios, em que a~ vozes de comando Integram o Conselho Editorial desde a fundação os professores Olivo
(transmitida pelo antigo porta-voz, pois não havia ainda o telégrafo das Pedron, Aloir Amo Spengler, Bráulio Maria Schloegel, Anamaria Kovács
máquinas), eram repetidas freneticamente, num lufar de manobra~: e, posterionnente, José Endoença Martins. O primeiro diretor executivo foi
- Adiante! Atrás! Carrega o leme a bombordo! Carrega todo ... mais ... Oldemar Olsen Jr., seguido do professor Sálvio Alexandre Müller, e
mais! Larga a bujarrona para ajudar a virar! Caça! Caça a beijar ...
Sandra Heck.
E o "S. Lourenço ", nada! Parecia não querer deixar Blumenau.
Mas para êsse consumado mestre de mar que era o comandante, a arte N o decorrer de quatro anos, a Editora da FURB publicou vinte e duas
náutica não tinha segredos, nem esgotavam jamais seus recursos. obras, entre elas, algumas de renomados professores. Foram publicadas:
E, alto, forte, de ossatura e músculos desmesurados, olhando um instante "Algebra - Brincando- Redescobrindo-Compreendendo" de Vilmar
em tôrno, ,com o rosto rapado, em brasa, muito queimado pelo sol,
19.
Zermiani; "0 Cancioneiro do Imigrante Italiano" de Victario Ledra; respectiva Câmara Municipal,
"Colonização e Indústria no V ale do Itajaí" de Maria Luiz Renaux Hering; que se acha reunida em Sessão
"Comércio Interamericano" e "Negociações em Mercados Internacionais" de Extraordinária, e presidida
Dalton Dalmon; "Como Ensinar e Aprender Inglês" de José Ricardo; "Os pelo seu Presidente o Cidadão
Contos da FURB" - Maria Odete Olsen et alii; "Os Contos Premiados da Tenente Coronel José Maria do
FURB" - Roberto C. Belli et alii; "Controle de Produção Unificado e o Valle, sendo presente o Doutor
Computador" e "Engenharia de Custos" de Franz Allora; "O Controle dos Atos Frederico Müller, estabelecido
Administrativos pelo Ministério Público" de Raulino Jaco Bruning; "Ficção e na Colônia Blumenau, pedindo
Realidade em São Bernardo" de Godofredo de Oliveira Neto; "Opressão e no Requerimento retro que por
Depredação" de Sálvio Alexandre Müller; "Pacto Social" de Ricardo L. virtude do Decreto nO 808 de
Hoffinann; "Os Pecados Imortais Batizados e Novamente Modulados" de 16 de junho de 1855, eu lhe
Geraldo Luz; "Pedagogia do Silêncio" de Victor Tomelin (esgotado); "Peixes tomasse por termo a seguinte
do Estado de Santa Catarina" de M. P. Godoy; "Quanto Vale uma Semente de Declaração, que sendo aceita
Árvore Nativa?" de Wigold Schaeffer; "Receitas: Peixe e Marreco", resolve a mesma Câmara, pelo
selecionadas por Peter Garadi e P. Bertelli; "A Sociedade Colonizadora Dispacho que se vê proferido
Hanseática de 1897" de Klaus Richter; "Sonhos de Criança" de Anamaria no mesmo Requerimento, que
Kovács; e "Um Deus sem Dogma" de Tadeu Mikowski. se lavra P. tenno no respectivo
A FURB publica também a "Revista de Divulgação Cultural da FURB", livro, do qual se extrahisse
coordenada pelo professor José Endoença Martins. copia para servir ao
peticionario na sua pretenção -
Declaração - Que o
Supplicante
quer ser cidadão brasileiro, e
fixar seu domicílio neste Imperio deixando de pertencer à Alemanha, isto é,
Johann Friedrich Theodor Müller, o "Príncipe dos Observadores deixando de ser cidadão alemão. Que a sua religião é a protestante. Que é
iã Natureiado Brasil"~o foi chamado por Chailes DarWÍn, nasceu em casado com Alemã e de seu matrimonio tem trez filhos. Que o lugar do seu
Windischolzhausen, perto de Erfurt, no dia 31 de n1ãrçode 1822, filho nascimento na Alemanha é Saxonia, e que é filho ligitimo de João Müller e de
do Pastor Johann Friedrich MülleI. Em 1828, mudou-se com áS pais Carolina Premmdorff - E desta maneira tendo feito a sua Declaração como se
para Mueh1berg, e em 1852 veio para o Brasil com3_eJo<;posa~e uma vê do Requerimento retro, se lavrou o presente Termo que assignou a mesma
filhil1ha. Em 1856, naturalizou-se brasileiro •.. conforme a seguinte Carta Câmara e o peticionário - E eu Manoei Joaquim de Almeida Coelho,
de Naturalização: (ortografia da1poca): Secretario da Câmara que o escrevi." asso O Presidente Tte. Coronel José
Maria do Valle -1856; Dr. Frederico Müller. ".
Termo de Declaração que faz o Dr. Frederico Müller, com o Professor por vários anos no Liceu Provincial de Desterro (Floria-
fim de obter Carta de Naturalização como abaixo se nÔpolis), emBlumenau, no seu lar, o DI. Fritz Muller, alem _e se Cíeêficar ao
declara: ensino das primeiras letras e demais matérias às suas filhas, 'procuravâ
despertar nas mesmas 0_ interesse para ~s belezas natt!!'ais _e faJ1lbém..os
"Aos nove dias do mez de Agosto do anno do Nascimento de Nosso perigos do ambiente em que viviam. Com~ falta de livros did~ticos,
Senhor Jezus Christo de mil oito centos e cincoenta e seis, nesta Cidade do experimentou escrever algumas poesias baseadas em fatos e o -
Desterro Capital da Província de Santa Catharina em o Paço da
servações daí'rópria natureza. Através da poesia "JARARACA", o Dr. Fritz E veja lá, no caminho espreguiçada
Müller transmitiu às fIlhas o que deveriam saber sobre a jararaca. Umajararacuçu está deitada
"Wie ist es doch im Hause so schwüll, Ao sol - de seu modo acostumado -
In der Laube, da ist es schattig und kühl, Anelada em círculo apertado.
Und süsse Früchte bietet mir da "Meu pai diz: "Só quando irritada A
Zur Labe die koestliche Maracujá má jararaca dá sua picada ".
Gesagt, getan, mit leichtem Sinn "Por isso vou passar quieto sem a molestar,
Eilet der Knabe zur Laube hin; Assim nenhum mal ela me vai causar".
Und wie er geht, dafolgt ihm sclmell E imóvel ajararaca continua a balançar, Mal
Sein Hündchen mit Springen und munderm Gebell! levantando a cabeça a balançar,
Und sieh, am Weg in guter Ruh Só sibilando, como que quisesse alertar:
liegt eine Jararacassu, "Muito perto de mim não deves tu chegar!"
und sonnt sich - nach ihrer Weise - Oh, cãozinho, terias tu seguido o teu patrão!
Geringelt in dichte Kreise. Porém o intrometido não deixa a provocação,
"Nicht ungereizt", der Vater spricht, Late contra a cobra muito valente:
"Die boese Jararaca sticht", "Sai daqui, tu monstro indecente ".
"Drum will ich still vorübergehn, E o menino chama seu cachorrinho em vão; Já
So wírd mir ja kein Leid geschehn". Und se prepara para o bote a serpente
stille bleibt die Schlange liegen, Kaum E abre a boca e se lança contra o cão,
faengt sie an ihr Haupt zu wiegen Und Abrindo a ferida mortal com picada peçonhente.
züngelt, ais wollte sie sagen: O Dr. Fritz Müller era modesto e de hábitos simples, trajava-se sem
"Zu nah darfst Du Dich nicht wagen!" preocupação e geralmente andava descalço, bem diferente do cidadão de botas
O Hündchen, folgtest Du deinem Herm! e indumentária, retratado na estátua da praça que tem o seu nome. Lecionou
Doch der Vorwitz laesst das Necken nicht gem, Er Matemática e Ciências Naturais, no Liceu Provincial de Desterro durante 11
bellt nach der Schlange mit Ungestüm: anos, época em que realizou importantes pesquisas &:Qbre mo1uscos e
"Gehfort, Du garstiges Ungetüm". crustáceos nos costões e praias da ilha de Santa Catarina.
Umsonst ruft das Hündchen der Junge, Schon Pela sua maneira de "ser", certa ocasião foi alvo de chacota de uma
hebt sich die Schlange zum Sprunge, moça quando descalço passava pela estrada principal da então Colônia (atual
Und oeffnet den Rachen undfaehrt nach dem Hunde, Rua XV). Pessoas revoltadas com a falta de respeito publicaram no jornal
Und schlaegt ihm die toetliche Wunde. "Immigrant" a seguinte nota:

"A.qui dentro de casa, oh que calor sufocante, NIJ "Besser ist's barfuss in Ehren,
caramanchão há sombra refrescante Ais gestiefelt in Schande zu gehen. "
lk deliciosos frutos me oferece lá, (Mais vale andar descalço e honrado que desonesto e de botinas.)
Para meu deleite, o pé de maracujá!"
Em outra ocasião, o Dr. Fritz Müller foi vítima de outra grosseria
Dito e feito, e sem muita reflexão,
por um elemento masculino da juventude brasileira do século passado. Após
Corre o menino ao abrigo do caramanchão; E
dias de chuva, na primeira estiagem e numa noite escura, o Dr.
assim que vai, lhe segue sem tardar
Seu cãolinho, aos pulos e vivo ladrar!
Fritz Müller saiu para realizar suas pesquisas munido de uma lanterna. Dois te com Charles DalWin, pois em carta datada de 9 de setembro de 1868
irmãos, aborrecidos da monotonia dos dias de chuva, ao divisarem a luz de uma escreveu para DalWin dizendo que o inverno de 1866 no Vale do Itajaf foi tão
lanterna na esquina da Igreja Católica e reconhecerem o Dr. Fritz Müller, rigoroso que as jacutingas (penelope pipile) desceram das serras e queem poucas
comentaram que ele talvez iria observar os fonnigueiros para estudar a reação semanas foram abatidas cerca de cinqüenta mil.
das formigas à infiltração das chuvas prolongadas nos seus ninhos. Um dos Simples e modesto, o Dr. Fritz Müller chamava pouco a atenção da
irmãos comentou ainda o trabalho delicado do sábio, porém o outro respondeu população. Entretanto, devido à sua capacidade de observação e contribuição à
que achava o Dr. Fritz Müller um idiota e que iria mostrar como o faria ficar ciência, ocupou lugar de destaque entre os maiores pesquisadores da época. Do
desorientado. a rapaz sumiu nos fundos da casa e reapareceu na rua em direção seu círculo de amizades faziam parte os que se interessavam por suas pesquisas,
ao Dr. Fritz Müller, esbarrando no mesmo que, assustado, estatelou-se na lama. portanto, era pouco visto em sociedade. Não se envolvia em política, entretanto
Todos da casa acorreram ao grito do sábio ajudando-o e tentando convencê-l o interferiu na polêmica sobre a Comissão Joaquim Antunes e também quando
a não expor-se às intempéries. a Dr. Fritz Müller contou que alguém o defendeu a monarquia. A falta de apoio no lar o levou a desfazer-se da sua casa
derrubara ou escorregara, ofuscado talvez pela luz da lanterna e que saíra e ir morar com a filha (Senhora Brockes), fato que muito o abalou por não poder
correndo após o acidente. a Dr. Fritz Müller agradeceu a ajuda e o causador do dedicarse às ocupações habituais. Com o ânimo abalado, o Dr. Fritz Müller veio
acidente, que fora repreendido pelo irmão, envergonhado, nunca mais jogou a falecer no dia 21 de maio de 1897, às 10 horas da manhã. Na beira do túmulo,
alguém na lama. os sócios da Sociedade de Canto "Germânia" o homenagearam com canto
_Entre outras funções, o Dr. Fritz Müller também exerceu a d~ Inspetor fúnebre e seu amigo Paul Schwartzer proferiu o seguinte necrológio:
Escolar da Colônia Blumenau, sendo substituído pór Cesar dos Reis Pereira "Encontramo-nos hoje à beira dum túmulo em que teve seu remate uma vida
Cardoso no dia 5 de março de 1881. tão rica em trabalho, sucesso, honra e fama, como rarissimas vezes terá
Em 1883, o Dr. Fritz Müller foi acusado pelo jornal "Immigrant" de sid.o concedida a qualquer mortal. A notícia consternadora do passamento
"transformar o paraíso que era a Colónia num inferno". Ele defendia os do amigo tão reverenciado corre hoje por todas as partes habitadas da
colonos contra as arbitrariedades da Comissão Joaquim Antunes, acusada pelos terra, até onde chega a faísca elétrica, pois seu nome é conhecido em todos
colonos de lográ-los nos salários, indenizações, etc. a que tinham direito os lugares em que viceja a ciência, onde quer que exista um representante
durante a reconstrução de Blumenau, após a enchente de 1880. Joaquim da mesma. Quanta gente, meus caros ouvintes, nos inveja pela felicidade
Rodrigues Antunes, que se casara com a filha de Karl Wilhelm Friedenreich, de, por tantos anos, termos tido em nosso meio um homem no qual tudo era
conseguiu adeptos através do sogro, porém o Dr. Fritz Müller foi apoiado por digno de admiração, a começar pelos conhecimentos extensos e pelo êxito
elementos de destaque da Comunidade, que publicaram no "Blumenauer notável de suas pesquisas, que o habilitaram a transfonnar-se no
Zeitung" de 2 de junho de 1883, a seguinte declaração: colaborador e conselheiro das maiores sumidades da ciência. Mas, o que
"A fim de esclarecer os que pela leitura dos jornais acompanham a vida sem dúvida o torna mais digno de admiração foi sua infinita modéstia, que
local, declaramos que é uma irifustiça atribuir ao nosso respeitável con- não lhe permitiu tornar conhecidos seus sucessos, a fim de colher a fama
cidadão, Dr. Fritz Müller, a perturbação da paz da família blumenauense. bem merecida. Só mesmo homens como Agassis, Darwin e outros deixaram
Os perturbadores do "eden blumenauense" devem ser procurados em outra claro em suas obras quanto devem à colaboração do Dr. Fritz Müller, que
direção. Blumenau, 31 de maio de 1883. (ass) H. Probst, Viktor Gaertner, através de suas pesquisas, por exemplo, já havia elaborado parte das
Dr. W Eberhard, Julius Baumgarten, Louis Sachtleben, H. Avé Lallement, teorias de Darwin, antes que este mesmo tivesse fixado seus contornos. Foi
Dr. Herrnann Blumenau, Sametzki, F. Schrader, Friedrich Deeke, principalmente o reconhecimento e a gratidão de Darwin, manifestadas
Friedrich van Ockel, Bernhard Hoeppner, Hermann Baumgarten, Peter com toda a franqueza e lealdade em suas obras, que na época constituíram
Hartmann, F. Faust, Heinrich Froehner, Guid.o von Seckendorf, Dr. um acontecimento de repercussão mundial, que fizeram com que, de
Francisco Volloton, H. Watson.". repente, todo o mundo cientfjico tivesse suas atenções despertadas para um
a Dr. Fritz Müller mantinha farta homem que,
correspondência, principalmen-
juntamente com seu irmão, senhor August Müller, se fixou aqui, em 1852, to-
no início da colonização, para escapar às perseguições políticas que na dos os pa{ses do mundo enviaram suas fotografias. Essa distinção, em-
pátria alemã atingiam todos aqueles que já então se entusiasmaram por bufda de um sentimento profundo e acompanhado de muitas outras felici-
uma Alemanha grande e unida. " tações, contribuiu bastante para embelezar os últimos anos de sua vida.
Nosso finado amigo obteve o grau de doutor em 1844, na Univer- Assim acabamos de apresentar, diante dos olhos do espfrito, o
sidade de Berlin. amigo tão estimado, cujo corpo acaba de baixar ao túmulo. Mas o mesmo
Depois de urna permanência de dois anos em nossa Colónia, então continuará a viver na memória de todos, da mesma forrna que tantas vezes
recém fundada, mudou-se para Desterro, juntamente com a esposa, que já o o vimos, nas singelas vestes do trabalho do colono, de pés descalços e
precedeu na morte, e lá exerceu durante cerca de doze anos a função de segurando um bastão tal qual foi perpetuado há alguns anos pela revista
professor nos estabelecimentos de ensino mais graduados. Nesses anos, "GARTENLA UBE" - a imagem da maior simplicidade e modéstia
gastava quase todas as horas livres em observar, na mata ou à beira-mar, a imagináveis, aliada à nobreza principesca do esp{rito. Já agora, depois
atuação maravilhosa da natureza e de seus entes e em investigar a origem duma longa e laboriosa vida de setenta e cinco anos, havemos de reco-
da evolução dos mesmos. nhecer-lhe o direito ao repouso tão merecido.
No ano de 1876, foi nomeado para o cargo de Naturalista Viajante, Durma em paz, querido amigo, que a imortalidade é sua. " (O ne-
do Museu do Rio de Janeiro, para o qual trabalhou por muitos anos. Nesse crológio foi traduzido pelo Dr. Richard Paul Neto, bisneto do Dr. Fritz Müller)
estabelecimento estão guardados até hoje os fmtos de sua longa atividade, à Três décadas após o Dr. José Bonifácio da Cunha ter sugerido uma
espera talvez de uma mão predestinada, capaz de colher os. tesouros subscrição popular e solicitado auxílio governamental através de deputados
científicos ali escondidos e dar-lhes o merecido valor. A pátria adotiva não estaduais para perpetuar a memória do "Príncipe dos Observadores" num
lhe dedicou a gratidão a que fazia jus pela ação meritória, mas esta gratidão monumento, no dia 20 de maio de 1929, às 9 horas, foi inaugurada a estátua do Dr.
lhe foi dispensada pela pátria de origem. Já no ano de 1868, obteve uma Fritz Müller. A escultura, de autoria de AIberto Freyhoffer, só foi possível após
honraria que só costurna ser dispensada às maiores sumidades do mundo anos de campanha. Idealizada por José Boiteux, liderada por Victor Konder,
das ciências ou a pessoas beneméritas de elevada categoria. A Universidade Eugênio Fouquet, Dr. Amadeu da Luz e outros, foi inaugurada envolta na bandeira
de Bonn concedeu-lhe, juntamente com o príncipe herdeiro da Prússia, que nacional e descerrada por uma filha do prefeito em exercício, Otto Hennings,
posteriormente viria a ser o Imperador Frederico 111, e o célebre médico e sobrinho do Dr. Fritz Müller. Pela ordem, foram oradores o Dr. Amadeu da Luz,
cientista Pasteur, o título de "Doutor Honoris Causa". A Universidade de presidente da Comissão Promotora do Monumento; Otto Hennings, prefeito;
Tübingen e a Academia LeopoldinoCarolfngia enviaram-lhe diplomas de Francisco Weber, da comissão que discursou em alemão; Dr. Roquette Pinto,
"Doutor Honoris Causa", e por ocasião do seu jubileu dos cinqüenta anos, a diretor do Museu Nacional e o Desembargador José Boiteux, presidente de honra
Universidade de Berlin o nomeou "Doutor Honoris Causa" em Filosofia e da comissão.
Artes Liberais. Foi nomeado Membro Honorário da Sociedade Botânica da O discurdo do Dr. Roquette Pinto, mais tarde enfeixado em folheto sob o
Provfncia de Brandenburg e da Sociedade de Ciências Naturais de título "Uma Glória sem Rumor", foi o mais aplaudido e, segundo o jornal "A
Hamburg - Altona, e sócio correspondente da Sociedade de Pesquisas Cidade", foi "freneticamente ovacionado", o que se justifica, pois o discurso é uma
Naturais de Senckenberg e da Academia de Ciências da Argentina. Muitas das mais belas páginas escritas sobre o sábio Dr. Fritz Müller. A inauguração
foram as honras e dignidades derramadas sobre ele, rnas até mesmo seus repercutiu em todo o Brasil, mormente na capital da República, através dos jornais.
amigos mais chegados mal tiveram conhecimento disso, pois sua modéstia No Senado, o Senador Celso Bayma falou sobre a ocorrência em Blumenau,
irifínita não permitiu que tais distinções se tornassem conhecidas. No seu pedindo a inclusão do discurso de Roquette Pinto nos Anais da casa, sendo
septuagésimo aniversário, transcorrido no dia 31 de rnarço, há cinco anos, aprovado por unanimidade. O discurso também foi publicado em alemão no "Der
teve uma grande alegria. Em Berlin, foi constitu{do um comitê formado Urwaldsbote" e no jornal" A Cidade", em português.
pelas maiores sumidades da Ciência, que doaram um gigantesco álbum Em 1979, no cinqüentenário da inauguração do monumento, o
artisticamente trabalhado, para o qual os sábios e pesquisadores de quase
Departamento de Ciências Naturais da FURB depositou no pedestal da estátua Como todo sábio, o Dr. Fritz Müller valorizava tudo o que contribuísse
uma coroa de flores. para a ciência, e quando o Engenheiro Odebrecht, nas suas andanças, descobriu
No dia 21 de maio de 1987, foi prestada homenagem póstuma pela uma espécie de caranguejo que habitava os regatos afluentes do Marombas de
Fundação Casa "Dr. Bluemenau", no tÚInulo do Dr. Fritz Müller, com Lages, o Dr. Fritz Müller, após verificar tratar-se de uma espécie nova do
deposição de flores e presença de descendentes, representantes do Governo gênero Aeglea, só encontrada nas costas sul-americanas do Pacífico, batizou-a
Municipal, estudantes e admiradores de sua obra. Após as palavras do Dr. de Aeglea Odebrecht lI.
Affonso Rabe, Presidente do Conselho Curador da Fundação, e discursos dos
dirigentes da ACAPRENA e AEMA, da Prefeitura Municipal, o historiador
Frederico Kilian distribuiu aos presentes exemplares do fascículo "Dr. Fritz
Müller - Desterro", contendo o necro~ógio publicado na Alemanha, no
"Jenaische Zeitschrift", pelo seu amigo contemporâneo e conterrâneo, Dr. Ernst
Haeckel. Consta também do fascículo a notícia de seu falecimento, publicada A primeira manifestação artística em Blumenau foi o TEA TRü, pois
no "Blumenauer Zei~ng" de 22 de maio de 1897, ambos traduzidos para o no dia 24 de junho de 1860, na festa da Sociedade de Atiradores, um grupo de
vernáculo pelo bisneto do Dr. Fritz Müller, Dr. Richard Paul Neto. amadores apresentou pela primeira vez "teatro". Este teatro deu origem à
Sociedade Teatral Blumenau, posterionnente Sociedade Teatral "Frohsinn" e,
O tàlecimento do Dr. Fritz Müller foi noticiado pela imprensa alemã da
atualmente, Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes" Porém, o teatro
cidade de Greifswald, onde o professor G. W. Müller, irmão do Dr. Fritz
não se limitava às apresentações da Sociedade Teatral de Blumenau ou
Müller, era professor. O texto publicado no original é o seguinte: "Am 21 Mai
"Frohsinn", tàzia-se teatro nas escolas, salões, sociedades, bairros e em todo o
starb in Blumenau, Brasilien, mein teurer Bruder Dr. Fritz Müller im Alter von
Vale do Itajaí e locais onde era apreciada a "MARAVILHOSA ARTE DE
75 Jahren - Prof G. W Müller - Greifswald im Mai 1897".
FAZER RIR E CHORAR JUNTO OS HOMENS".
Na casa onde nasceu o Dr. Fritz Müller, em Windischholzhausen
Enquanto que a Sociedade Teatral "Frohsinn", escolas e outras so-
(Alemanha), está afixada uma placa de bronze com os dizeres: "In diesem
ciedades montavam espetáculos em idioma alemão, a Sociedade Teatral União
Hause wurde am 31 Maerz 1822 geboren der Zoologe Dr. Friedrich Müller -
de S. José, em 1906, apresentou, pela primeira vez, espetáculos teatrais em
Prof in Desterro, Brasilien". A casa está situada no tinal da rua "Dr. Müller -
português e alemã02. A Sociedade Teatral União de S. José tinha sua sede no
Desterro Strasse.
"Josephshaus" (Casa S. José), que funcionava também como rodoviária e hotel.
Apesar das suas pesquisas e tàrta correspondência, o Dr. Fritz Müller O hotel tinha um grande salão com palco, onde se apresentavam cinegrafistas,
publicou somente um livro - "Fuer Darwin", no qual abona as teori~s de corais, cantores, concertos, espetáculos teatrais, mágicos, etc.
Darwin sobre a Evolução das Espécies pela Seleção, e que foi publIcado em A "CASA SÃO JOSÉ", que marcou a vida social religiosa e artística de
1864, na Alemanha. Os argumentos do Dr. Fritz Müller eram tão importantes Blumenau, teve sua origem na "S. Joseph Manner-Verein" (Sociedade de
para Charles Darwin, que este mandou traduzi-Ia para o inglês por M. Dallas, Homens S. José), que foi fundada no dia 7 de setembro de 1884, data em que o
sob o título, sugerido por Sir C. Lyell, de "Facts and Arguments for Darwin" e vigário de São Paulo Apóstolo de Blumenau reuniu um grupo de cidadãos e leu
que foi publicado em 1869, colocando o Brasil como o primeiro país do mundo os Estatutos da Sociedade Beneficente que se destinava a "auxiliar os sócios
a se manitestar, através do Dr. Fritz Müller, sobre a Evolução das espécies. nas suas dificuldades e enfermidades, proporcionando-lhes pensão na velhice
Um fato curioso na vida do Dr. Fritz Müller foi a sua adesão ao e montepio aos herdeiros e auxílio funeral". Na ocasião, com 29 votos, foi
"Volapuk", inventado em 1879 pelo sábio alemão, Abade Johann Martin eleito presidente Michel Sc1unitz. Jacob Sc1unidt obteve 15 votos. Augusto
Schleyer. A língua artiticial "Volapuk", fonnada de "World" e "Speack", teve Sutter e Henrique Reuter foram eleitos vice-presidentes; Jacob Weiss e José
em Blumenau os representantes: Dr. Fritz Müller, Dr. Wiegand Engelke, Padre Wamser, se-
José Maria Jacobs e Benjamin Carvalho de Oliveira.
cretários; João Kluge e H. Zimmermann, tesoureiros. Do conselho que era com outra da Paróquia, porém, em reunião de 18 de março de 1894, foi
permamente, faziam parte Carl Weege, Adão Heckmann, Alex Tarnowslcy, resolvido dissolver a Sociedade e, dos fundos existentes em caixa, 50$000
João Hostert, Valentim Vogel, Miguel Anesi, Sebastião Treis e Jacob Theis. Na foram destinados a rezar uma missa anual durante cinqüenta anos seguidos em
segunda reunião, realizada no dia 5 de outubro do mesmo ano, foi eleita uma intenção dos sócios vivos e falecidos; 18$000 para nove missas em nove dias
diretoria definitiva com Jacob Schmidt para presidente; Augusto Sutter para consecutivos no altar de São José, em intenção dos sócios e os restantes
vice-presidente; João Schmitz e José Wamser como primeiro e segundo 122$000 foram destinados à construção da Igreja de Indaial. O armário da
secretários; H. Zimmermann como tesoureiro e, como conselheiros, Valentim sociedade foi doado à Escola São Paulo e a banderia social ficaria na Igreja
Vogel, Henrique Reuter, Adão Heckmann e João Hostert. Na ocasião, foram Matriz. A sociedade que nasceu com tanto entusiasmo e esperanças,
realizadas grandes modificações, sendo estipulada a mensalidade de 200Rs. e o desapareceu, e alguém escreveu, à guisa de crítica, no final da última ata:
auxílio funeral 20$000. Era uma sociedade religiosa de caráter beneficente, que "Moral da História: Todo o começo éfácil".
entre outras punições cobrava dos seus associados, arbitrariamente, a não O trabalho dos franciscanos se desenvolvia em todo o município e
participação na procissão de 25 de janeiro, festa de São Paulo Apóstolo e aos domingos compareciam pessoas de todas as partes da Colônia, de
comunhões mensais. Fiscalizava ainda o comportamento dos associados, carroça, a cavalo e com dificuldades para estacionar seus veículos e
punindo com multa os que atrasassem as contribuições. Em janeiro de 1885, alimentar-se, surgindo a idéia de reerguer a Sociedade com finalidades
em Assembléia Geral, a diretoria foi confirmada para mais um período e re- mais amplas e atuais, incluindo, além do lado beneticente, uma sede
solvido confeccionar uma bandeira para a sociedade, nomeando-se porta- para hospedar os colonos católicos que vinham assistir aos atos
estandarte Carl Weege e assistentes Alexandre Tarnowsky e Francisco Reuter. religiosos.
Como em todas as associações, a "S. Joseph Manner-Verein", também, foi alvo Em 1905, com Frei Crisólogo Kampmann, a Associação foi estruturada,
de críticas e que resultaram na expulsão do associado Mathias Gotselig, que sendo eleito presidente o Dr. Wiegand Engelke, médico, que residia em Salto
falou mal da sociedade e da religião. No dia 2 de maio de 1886, o presidente Weissbach. Na época ainda existia, no começo da Rua das Palmeiras (atual
exonerou-se a pedido, sendo substituído por João Kluge. Apesar das Duque de Caxias) o velho Barracão de Imigrantes, desativado, depois de ter
dificuldades, o movimento financeiro não devia ser dos piores, pois a proposta servido por anos e anos de abrigo provisório aos imigrandes recém-chegados.
de alguns sócios de emprestar dinheiro da sociedade a juros módicos para O Barracão pertencia ao Estado, que pretendia desfazer-se do mesmo e, apesar
pessoas de confiança que o devolvessem, quando solicitado, foi aprovado pela da Comunidade Evangélica ter entrado em concorrência para adquiri-Ia, Frei
diretoria. O Padre Jacobs comparecia com freqüência às reuniões, para tratar de Beda Koch, amigo pessoal do Coronel Vidal Ramos, Governador do Estado,
assuntos religiosos, e na reunião de 2 de outubro de 1887, fez um relato sobre interferiu para que o Barracão fosse vendido para a Associação de São José,
as atividades da maçonaria contra a igreja católica e, em julho de 1890, chamou que o demoliu, aproveitando o material na construção dà sua sede em terreno
a atenção dos associados para o perigo das leis republicanas à religião. As cedi~o pela Paróquia, em frente ao convento franciscano, com fundos para o no
inovações do regime político o preocupavam e ele se insurgiu contra as Itajaí-Açu. A Associação pagou ao Estado, através da Coletona local, a
mesmas desde o começo, fato que lhe causou mais tarde sérios dissabores, pois importância de 1 :220$000 pelo barracão. . .
incitava os paroquianos a repelir a nova ordem, lendo o manifesto dos católicos No dia 31 de agosto de 1905, foi aproveitada a visita do bISpO ?~o-
do Rio Grande do Sul, através do "Deutsches Volksblat" (Folha Alemã). Em cesano de Curitiba, D. Duarte Leopoldo e Silva, que estava em VISIta pastoral
fins de 1892, os associados resolveram fazer quatro reuniões por ano, sendo a pelo estado para lançar a pedra fundamental da ':Casa S. José". Do ato,
primeira no dia 25 de janeiro, festa de São Paulo; a segunda no dia da realizado com solenidade, foi lavrada ata que fOI encerrada nos alicerces: "No
comunhão geral; a terceira no dia da Ascensão e a última no dia 1 o de ano da graça de 1905, no dia 8 de dezembro, na data da Natividade de Nossa
novembro, dia de Todos os Santos. Nesta época, o Padre Jacobs já havia Senhora, no pontificado do Papa Pio X, gloriosamente reinante, sendo Bispo da
transferido a Paróquia aos Padres Franciscanos e falecido de febre amarela no Diocese de Curitiba Dom Duarte Leopolso e Silva, sendo Presidente da República
Hospital da Gamboa, no Rio dos Estados Unidos do Brasil
de Janeiro. Frei Zeno Wallbrodl1, novo vigário, propôs a fusão da sociedade
o Conselheiro Rodrigues Alves, sendo Governador do Estado de Santa Bertram, e a segunda "Wurst wider Wurst" (Lingüiça, outra vez Lingüiça),
Catarina o Coronel Vidal Ramos Junior, sendo Guardião do Convento de em cinco atos, de Josef Becks, com início às 8,30 horas da noite. No dia 9
Santo Antônio em Blumenau e Vigário da Paróquia de São Paulo Ap6stolo de agosto de 1908, às 7,30 horas da noite, foi apresentado o drama com
e diretor da Associação de São José o Padre Cris6logo Kampmann OFM, canto em sete quadros de Ch. von Schmid, "Rosa von Tannenburg". No dia
sendo Juiz de Direito desta Comarca o Dr. Aires d'Albuquerque Gama e 2 de maio de 1909, às 8 horas da noite, a peça em oito quadros "Nichts aIs
Superintendente Municipal Alwin Schrader, presentes a Diretoria e Hindernisse" (Nada mais que Impedimentos). Foi no salão do "J
membros da Associação de São José, foi lançada a primeira pedra e benta osephshaus" que José Julianelli estreou no dia 28 de agosto de 1909, o seu
pelo Exmo. e Revmo. Dr. Bispo desta Diocese de Curitiba, Dom Duarte cinema com o convite formulado em alemão e português:
Leopoldo e Silva, do edifício destinado aos fins da Associação de São José. "Todos ao Teatro São José"! "Ver para Crer!". No dia 27 de novembro de
Em fé do que se lavrou esta, na presença das pessoas abaixo assinadas. 1920, foi apresentado o drama "O Filho Generoso" e ainda as comédias "O
(Assinados) Dom Duarte, Bispo Diocesano, Frei Cris6logo Kampmann Aniversário da Noiva" e "Ladrões de Albergue". Já no dia 8 de julho de
OFM, Frei Herculano Limpinsel OFM, exMinister Provo Frei Marcelus 1922, sábado, foi apresentado o drama em três atos "A Cruz de Madeira" e
Baumeister OFM, Dr. Wiegand Engelke, presidente, Jacob Schmidt, a comédia "Nho Manduca". Estes espetáculos foram apresentados em
vice-presidente, Rodolfo Bogado, 10 secretário, o coletor Francisco da português por um grupo de amadores de Blumenau.
Cunha Silveira, Pedro Kieser, 20 secretário, Rodolfo Ferraz, José M. 1922, ano do Centenário da Independência do Brasil, e o salão da
Marsch, Henrique Herkenhoff, Johann Koehler, Karl Ostmann e duas Casa São José serviu de palco para o "Sangerbund Itajahytal" homenagear
outras ilegfveis ". a data com apresentações que estavam a cargo das Sociedades de Canto,
O prédio foi inaugurado no dia 1 o de novembro de 1906, e o "Eintracht" de Altona e "Liederkranz" de Blumenau, com üúcio às oito
"Blumenauer Zeitung", na ocasião, publicou o seguinte anúncio: horas da noite. O convite para as apresentações foi publicado no
"União de São José - Quinta-feira, 1° de novembro de 1906. "Blumenauer Zeitung" de 17 de agosto de 1922, e dizia no final: "Convi-
Às 11 hjoras, inauguração da sede da Sociedade e às 19 horas, no mesmo da-se todos ". Com o decorrer do tempo, os programas não mencionavam
local, Teatro, com peças em alemão e português. Entrada 1$000 e para os mais o nome de Sociedade Teatral União de São José, concluindo-se que,
s6cios 500$s ". apesar dos espetáculos serem apresentados em português que o grupo
A cerimônia constou de missa solene, bênção do prédio e comes e teatral se tenha dispersado. No dia 29 de junho de 1929, o espetáculo,
bebes. Às sete horas da noite, a Sociedade Teatral União de São José apresentado na Casa São José, foi em benefício da colônia de férias para
apresentou "Der Turmgeist von Graunburg" (O Espírito da Torre de crianças estrangeiras por um grupo de amadores de Blumenau. A peça
Graunburg), em cinco atos, de Heinrich Hoube. Complementando a pro- apresentada "Fé e Pátria", de autoria de Carl Schoenherr, é também co-
gramação, foram apresentadas as cenas cômicas de rua "Das geprelkte nhecida como "A Tragédia de um Povo" .
Marktwei" (A Inauguração do Mercado dos Sonhos); foi também apre- Após inaugurada, a Casa São José passou a ser administrada por um
sentada a peça "Eine fidele Schulpruefung" (Um Divertido Exame Escolar). ecônomo que atendia os associados do interior. O ecônomo pagava aluguel
Esta última, representando uma escola pública no começo do Século XIX. e recebia parte dos lucros. O primeiro ecônomo foi Henrique Wallbroehl;
As apresentações foram feitas em alemão e em seguida em português e José M. Flesch foi ecônomo até 1909; Wloch até 1911; Scharff até 1912;
também reprisadas. Ainda no ano de 1906, ou seja, no dia 25 de novembro, Jean Michel até 1917 e por últüno, Richard Buerger até 1927.
Heinrich Wallbroehl apresentou uma noite teatral pública, com a seguinte Com o progresso da cidade e a decadência da Sociedade, esta foi
programação: 1) "Die Zigeunerin" (A Cigana); 2) "Dorf und Stadt" (Vila e dissolvida e a Casa São José foi vendida para Henrique Michels, que a
Cidade), dueto humorístico; 3) "Von Gottes Gnaden" (A Graça de Deus), dirigiu até 1952, quando a Lei Municipal nO 318, de 19 de março, a de-
apresentação com canto. Entre os espetáculos, a Sociedade Teatral União de clarou de utilidade pública para fins de desapropriação parte do terreno e
São José apresentou, no dia 12 de maio de 1907, domingo, duas peças prédio. Pela Lei nO 386, de 21 de outubro de 1952, a desapropriação foi
teatrais, sendo a primeira "Dein Sohn wird mein Racher seih" (Teu Filho me autorizada por 500 mil cruzeiros, sendo o pagamento feito em partes de
Vingará), em três atos, de Richard
200 mil em apólices da Dívida Pública Municipal e os restantes 300 mil em três mão!! !", o jornal "Cidade de Blumenau" comentou o espetáculo "Feitiço", comédia
prestações, sendo demolido, naquele mesmo ano, para dar lugar ao acesso à ponte em sete quadros, de Oduvaldo Vianna, encenada pela Associação, que fez todos
Governador "Adolpho Konder", que liga a cidade à Ponta Aguda. rirem a valer, e segundo a nota - "os amadores, verdadeiros artistas, que apesar
Em 1931, na gestão do prefeito provisósio Antônio Cândido de Figueiredo, de pisarem em palco pela primeira vez, parecem já estarem ambientados com o
foram instituídas taxas sobre as apresentações de espetáculos, contribuindo para palco e público" . Participaram do espetáculo: Almeida Lara, Yara Otero, Márcia
diminuir o interesse pelas montagens teatrais. Miranda, Raquel de Azevedo, Heleninha Silveira, Mauro Magalhães, Célio Vidal,
As apresentações teatrais não se restringiam à Casa São José e ao antigo Paulo Camargo e Lili Junqueira. A apresentação foi realizada no Teatro "Carlos
Teatro "Frohsinn" (onde funciona a CELESC), pois eram apresentadas também em Gomes", que esteve totalmente lotado. O espetáculo, segundo a nota, seria o iIúcio
escolas, sociedades, salões, etc., geralmente com programação especial como a da de uma série de outros que serviriam à campanha de "nacionalização". A
"Handwerkerverein", que no dia 9 de fevereiro de 1935, realizou uma noite teatral Associação teve o apoio do Governador Nereu Ramos, por intermédio do
pública em benefício da "Gewerbeschule", da "Handwerkerverein" (Sociedade de Departamento Estadual de Imprensa e Propaganda, que aprovou as apresentações,
Formação de Mão-de-Obra - H.W.V.). Participaram da promoção a Sociedade de apoiou as excursões artísticas e o direito de usar em seus programas a frase: "sob os
Cítaras "Gut Klang", a "Gewerbeschule" e o grupo teatral da H. W. V .. Da auspícios do D.E.I.P.A. ". A Associação, que nasceu nos estúdios da PRC-4,
programação constaram números musicais, saudações e a peça teatral "Das Fest der cumpria a sua missão de difundir a arte nacional não só na região e sim em todo o
Handwerker", pelo grupo da H. W. V .. Após as apresentações, foi realizado o baile. estado de Santa Catarina. Nos primeiros dias de abril, a Associação excursionou
A programação foi realizada no Teatro "Frohsinn" . para JoinvilIe, apresentando-se duas vezes na Sociedade Harmonia Lyra e, em
Excetuando a Sociedade Teatral União de São José, os demais espetáculos Itajaí, na Sociedade Guarany, sempre com êxito. No dia 11 de junho, o grupo
teatrais em Blumenau eram apresentados em língua alemã, que silenciaram durante apresentou com estrondoso sucesso a comédia de Armando Gonzaga, "Cala a Boca
a Primeira Guerra Mundial, na Segunda Guerra e com a nacionalização até que, Etelvina", mais luxuosa do que "Feitiço". O grupo se apresentou em várias cidades
através do microfone da PRC-4 de Blumenau, em 1940, começaram a atuar do estado, inclusive Florianópolis e São Francisco do Sul. No dia 7 de julho de
amadores teatrais em língua vernácuIa, que se organizaram fundando a 1943, o grupo anunciou a peça de Armando Gonzaga "O Maluco nO 4", e no dia 18
"Associação de Amadores Teatrais de Blumenau", em abril de 1942. Através do de setembro do mesmo ano, a peça de Aristides Abranches, "Que Trapalhada". Os
jornal "Cidade de Blumenau, de 14 de agosto de 1943, ~ Associação fez um apelo à ensaios estavam a cargo de Francisco W eber. A peça "A Voz do Sangue", comédia
comunidade, solicitando apoio, não só comprando ingressos mas também de Eduardo Garrido, em benefício do Hospital Municipal, foi apresentada no dia 11
colaborando com elementos para o elenco. A Associação tinha sua sede na de dezembro de 1943. Nos intervalos desse espetáculo foram apresentados números
Travessa 4 de fereveiro, nO 7. de canto por Ivone Silveira e Roberto Henrique, e ainda gravações selecionadas por
A Associação de Amadores Teatrais de Blumenau, fundada em 4 de abril de Willy Sievert. Em dezembro de 1943, a Associação foi elogiada por Tito Carvalho,
1942, e que publicou seus Estatutos no jornal "Cidade de Blumenau" no dia 18 de diretor do D.E.I.P., pelo magnífico trabalho de brasilidade.
setembro de 1943, foram assinados por José Schubert Júnior, Ayres Carlos de Em 1945, houve uma tentativa de fundar uma Escola de Arte Dramática em
Souza, Osmar Garrosi, Álvaro Martins da Silveira, I1ca Struck, Milda Luz, Ventina Blumenau, que foi apoiada pelo Dr. José Ribeiro de Carvalho, Promotor Público,
Schubert, Manoel Pereira Júnior, Emílio Alcântara Viana e Capitão Euclides de
que estava à testa da Sociedade Dramático- Musical "Carlos Gomes", e que pôs à
Castro. Eram objetivos da Associação, "constituída para fins de recreio de seus
disposição da escola as dependências do teatro. O grupo, interessado em fundar a
associados e especialmente para o desenvolvimento cultural dos amadores escola, apresentou as comédias "Aventuras de um Rapaz Feio", "Simplício Pacato"
teatrais que a ela se incorporarem, bem como a difusão da arte de
e "A Feia", todas de autoria de Paulo Magalhães. A peça "A Feia" foi apresentada
representar".
no dia 6 de julho de 1945.
No dia 16 de janeiro de 1943, com a manchete "Apertem o li-
Em 1945, um grupo de associados da Sociedade Dramático-Musical ciedade, e que todo e qualquer auxílio concedido pelo povo blumenauense,
"Carlos Gomes", integrado por Mário Kielwagen, Carlos L. Horn, Werner será empregado exclusivamente para prestigiar os participantes do IV
Júlio Klein, Egon C. Wojeikiewicz, Wiegand Siebert, Herbert Berndt, Hélio Festival, pois, como já é do conhecimento de todos, os espetáculos que serão
Vieira, Ludwig Carl, Heddy Zschiedrich, Ruth Grmmer, Zenor Vieira, Waldir apresentados são franqueados ao público. É objetivo da comissão incentivar a
Estevão e Gerold Eltennann, fez voltar ao palco do teatro espetáculos com arte cênica em nossa cidade. Vamos prestigiar o IV Festival de Teatro
bons textos em português e a Associação des integrou-se. Amador! Vamos ao Teatro!".
Com o espetáculo "Os Filhos de Eduardo", montado com a colaboração Após dirigir correspondência e fichas de inscrição às Preteituras do
de Berta Slemer, e apresentado no Teatro" Carlos Gomes" no dia 3 de nosso Estado, solicitando a colaboração elos senhores prefeitos, indicando
novembro ele 1956 e reprisado em 24 de novembro elo mesmo ano, voltaram grupos de sua cidade para participarem do Festival, foi remetida correspon-
os espetáculos em ielioma alemão ao palco do Teatro "Carlos Gomes" e que dência às tinnas de Blumenau solicitando colaboração tínanceira.
cessaram, em 1971, com a posse da nova diretoria, em 2 de janeiro de 1969. Inscreveram-se: Brusque: Teatro Amador de Brusque, com a comédia
A partir de 1976, com a peça "Minha Sobrinha, tua Sobrinha", o Centro de Jorge Andrade, "Os Ossos do Barão", Centro de Artes "Honório Miranda",
Cultural "25 de Julho", local onde os amadores teatrais em língua alemã com a sátira de Carlo Goldoni, "Mirandolina". Joinville:
passaram a atuar, revive as glórias do teatro em Blumenau, montanelo Teatro Jovem Joinvillense, com o melodrama de Aurimar Rocha, "Os
espetáculos no idioma de Goethe e Schil1er. elegantes". Conjunto Teatral Joinvillense com o drama de Álvaro Peres, "O
Em 1967, o Grupo Teatral da S. D. M. "Carlos Gomes" montou a peça Mundo não me Quis"; Grupo Renascença de Teatro Amador, com o espetáculo
"Grande Marido", de Eurico Silva, e a convite, participou do III Festival de sócio-tragi-cômico de Miraci Deretti, "Os Palhaços"; Florianópolis: Grupo de
Teatro Amador realizado em CriciÚIna, no período ele 3 a 9 de dezembro de Teatro Universitário de Santa Catarina, com a comédia de Joaquim Manoel de
1967, c1ass ificando-se em primeiro lugar, trouxe para Blumenau o IV Macedo "O Macaco da Vizinha", o Grupo Experimental de Teatro com a
Festival de Teatro Amador de Santa Catarina, que foi realizado no período de 8 comédia de Pedro Bloch "Os Inimigos não Mandam Flores"; Grupo elos Sete
a 29 de setembro de 1968, em dias alternados, conforme disponibilidade do com a comédia de Jules Renard "Pega Fogo"; Rio Negrinho: Sociedade Teatral
teatro. Rio Negrinho com o drama de João Diniz "O Louco da Aldeia" ou "Um Erro
No relatório elaboraelo sobre o Festival, consta que a Diretoria da S. D. Judiciário"; Gaspar: Grupo Colegial ele Gaspar, com o monólogo de Pedro
M. "Carlos Gomes", em reunião, nomeou uma comissão para organizar e Bloch "Esta Noite Choveu Prata". São Francisco do Sul: Grupo Experimental
realizar o Festival, integrada por José Ferreira da Silva - presidente; Bonifácio do "Teatro do Negro", com a peça "O Emparedado", que cancelou a inscrição.
M. Espíndola - vice-presidente; Edith Kormann secretária e tesoureira; Luiz A. Blumenau: Teatro Amador Santa Cecília, com o drama de Romano Coutinho
Quintanilha - representante da S. D. M. "Carlos Gomes"; André L. Sada - "Honrarás tua Mãe"; Grupo Revolução com o monólogo de Apolinário Temes
representante da Prefeitura Municipal; Etevaldo da Silva - representante da "A Última Esperança;Grupo Teatral II do Teatro "CarJos Gomes", com o
Comissão Municipal de Turismo; Luiz Adão Quintanilha e Mara Probst - drama de Jean Jacques Bernard, "Fogo sem Chama"; Grêmio Estudantil José
comissão de propaganda; Antônio Pacheco - comissão de recepção e Antônio Vieira Côrte, com o drama de Aparecida Cesal' e Guiomar Pimenta "Maria
Reinert - diretor social. Essa comissão ficou reduzida a Bonifácio M. Helena": Grupo Os Corujões da Faculdade de Filosofia de Blumenau, com o
Espíndola e Edith Kormann, respaldados pelo presidente José Ferreira da Silva monólogo de Nelson Rodrigues "Valsa N° 6"; Grêmio Juventude Artex, com a
que, também, era presielente da S. D. M. "Carlos Gomes". comédia de Gastão Tojeiro "Se o Anacleto Soubesse", que obteve entre outros
No dia 21 de julho de 1968, o jornal "Cidade de Blumenau" publicou troteus, o de melhor grupo.
uma carta de Edith Kormann, informando que ... "A fim de dissipar algumas Não se apresentaram o Grupo Colegial de Gaspar, Grupo dos Sete de
dúvidas, queremos esclarecer que o Festival, apesar de ser patrocinado pelo Florianópolis e o Grupo Teatral li do Teatro "Carlos Gomes".
Departamento Teatral da Sociedade Dramático-Musical Para liberar o Festival, Edith Konnann viajou para o Rio de Janeiro,
"Carlos Gomes", tem uma comissão organizadora independente da so- pagando para a Sociedade Brasileira de Autores Teatrais NCr$ 20,00
por espetáculo. Na ocasião, comentou com Eurico Silva, autor da peça teatral 9.Se Ela Perguntar - Dilermando Reis, com Rufino Régis ao violão;
1O.Senza Nessuno - Curtiss (canto);
"Grande Marido", o III Festival de Teatro Amador realizado em Criciúma.
Edith Kormann também foi a Fiorianópolis liberar o Festival junto à Censura I1.Marcha dos Marinheiros - Américo Jacomino, com Rufino Régis ao violão.
Federal. Das peças inscritas, "Os Palhaços", de Miraci Deretti, exigiu Aos melhores participantes foram atribuídos troféus, medalhas e
autorização especial, por ser inédita, sendo liberada pelo Dr. Péricles Prade, brindes. Cada grupo levou como lembrança um caneco especialmente
Juiz Federal, que também prestigiou o Festival com sua presença. confeccionado para o Festival. A comissão organizadora também atribuiu
Para custear as despesas com alojamento, refeições e outras despesas do medalha de prata aos autores catarinenses Apolinário Temes e Miraci Deretti,
Festival, a comissão recebeu da Comissão Municipal de Turismo e Relações como incentivo à dramaturgia catarinense. Coube a Victor Hausmann a
Públicas da Prefeitura Municipal de Blumenau a importância de NCr$ 500,00; cenografia e os cenários.
a Indústria e Comércio local colaboraram com NCr$ 1.400,00 e o Pelo sucesso do Festival, a Comissão Organizadora recebeu con-
Departamento de Cultura do Estado colaborou com NCr$ 400,00, importância gratulações de vários setores da comunidade blumenauense e do Estado.
que foi entregue pessoalmente à comissão pelo professor Humberto Bragaglia, Após a realização do Festival, Souza Filho escreveu no jornal "Cidade
Diretor do Departamento de Cultura do Estado e que também prestigiou o de Blumenau", de 15 de novembro de 1968, " ... nós vimos - o que foi o árduo
Festival com sua presença. Para pagar o saldo das despesas do Festival, foi trabalho encetado pela comissão responsável pela organização daquele festival.
solicitado auxílio ao Governo do Estado, que colaborou com a importância de Trabalho que, para nossa alegria, foi coroado do mais pleno êxito, sem nenhum
NCr$ 1.000,00. A comissão pagou as despesas com limpeza aos funcionários senão a embaçar-lhe o brilho".
do Teatro, pagou também o cenografista, ilwninador e todas as despesas A churrascada de confraternização foi realizada na Churrascaria
decorrentes do Festival. Palmital (Rua Nereu Ramos, ao lado da Casa Meyer).
A freqüência aos espetáculos ultrapassou todas as expectativas, Com a implantação do Curso de Educação Artística na Fundação
tornando-se necessária a proibição do ingresso de menores de 16 anos, bem Universidade Regional de Blwnenau em 1973, as Artes Cênicas tiveram grande
como a colaboração de comissários de menores e elementos da Companhia de destaque, pois todas as aulas (de Artes Cênicas) tinham como base a encenação
Policiamento Urbano da Polícia Militar do Estado, para evitar o excesso de de uma peça teatral que era apresentada ao público na formatura de cada tunna.
lotação. Foram encenadas: "Josefina e o Ladrão" (1974) e "O Casaco Encantado"
Com os mestres de cerimônia Donato Ramos e Lauro Lara, foi (1976), ambas de Lúc ia Benedetti; "Putz, a Menina que Buscava o Sol" (1977),
encerrado o N Festival com programação especial, constando da primeira "O Jogo da Caça ao Pássaro" (1980), "As Aventuras de um Diabo Malandro"
parte: (1981), "Joãozinho Petleco" (1983), de Maria H. Kuehner; "O Cavalino Azul"
20. Rondó KV 311 - Volfgang A. Mozart, com Jorge Hartke ao piano; (1978) e "A Volta do Camaleão Alface" (1979), de Maria C. Machado e "O
21. Romance de Amor - Antônio Rovira, com Rufino Régis ao violão; Que é o Que é" (1982), de Maria F. S. Aguiar. As apresentações careavam para
22. Perpétuo Móbile - C. Bohn, com Hubert Geyer ao violino e Christa os espetáculos não só escolares e sim toda a comunidade local, entretanto, O
Grempel ao piano; mais gratificante nessas apresentações era a participação ativa das crianças. Às
23. Béla Bartók - Dança em Ritmo Búlgaro, com Jorge Hartke ao piano; vezes, a tunna era surpreendida com wn gostoso lanche oferecido pela escola
24. BaIlet - Valsa de Chopin, com Adélia de Almeida, Eva Flesch, Lilian ou comunidade. As encenações cessaram, quando a professora Edith Konnann
Ramers, Heloisa Schaefer e Jeane Probst; ao piano C. Grempel; se afastou por motivos de saúde.
25. Dança Brasileira - C. Guarnieri, com Mara Probst. No dia 6 de março de 1974, com os estudantes Sérgio Ivan WoIlstein,
Reynaldo Wilmar Pfau, Renato Fenilli, Cláudio Viebrantz, Griseldis Metzger,
Segunda parte: Carmen Coimbra, Ana Use Michels, Ingelore Liesenberg, Dorival UIler,
7. Ave Maria - Bach Gounod, com Rufino Régis ao violão e Hubert Geyer ao Roberto Severiano Felsk.i, Eliane Wiederkehr, Plinio Ve-
violino;
8. Marenariello - S. GambardeIla (canto);
rani Jr., Norma Schrickte e a professora de Artes Cênicas da FURB, Edith Teatro Amador de Santa Catarina, classificando-se em primeiro lugar (troféu
Konl\ann, foi fundado o Grupo Teatral "Phoenix", da FURB, que em Senadinho). A partir de então, foram montados os seguintes espetáculos
Assembléia Geral de 15 de maio do mesmo ano, elaborou seu Regimento (estréias):
Interno. Os Estatutos elaborados e aprovados em 20 de agosto de 1974, estão 25/0811974 -- "Comuna de Bravos", do professor José Ferreira da Silva;
registrados no Cartório de Registro de Títulos e Documentos de Getúlio Vieira 19/12/1974 - "Prólogo de "O Homem do Princípio ao Fim", de Millôr
Braga, sob o nO 001, livro A-7 e 11s. 290V, de 11 de fevereiro de 1976. O Fernandes (as apresentações continuaram durante todo o ano de
Grupo está registrado na Fundação Catarinense de Culitura sob o nO 79, de 7 de 1975);
dezembro de 1977, e na FECATA, sob o nO 01, de 8 de abril de 1978. 15/05/1976 -- "Viúva, porém Honesta", de Nelson Rodrigues;
Em 10 de março de 1978, a Fundação Educacional da Região de 12/08/1977 - "Os Loucos", de Roberto S. Felski;
Blumenau firmou um convênio com o Grupo Teatral "Phoellix", da FURB, no 26/05/1978 -- "Os Sete Gatinhos", de Nelson Rodri!"rues;
qual se compromete, conforme Cláusula Primeira, a cooperar dentro das 1811111979 - "A Menina e o Vento" , de Maria C. Machado; 07/07/1980 --
possibilidades: "Comuna de Bravos", do professor José Ferreira da Silva
a) nas despesas de transporte do Grupo Teatral "Phoenix", quando da (120 anos de Teatro em Blumenau);
realização de espetáculos; 19/0611981 -- "Prólogo de "O Homem do Princípio ao Fim", de Millôr
b) na divulgação dos espetáculos e promoções do Grupo; Fernandes (montagem musical);
c) no pagamento da taxa de Direitos Autorais, quando a receita do espe- . táculo 30110/1982 -- "A Mulher sem Pecado", de Nelson Rodrigues;
for insuficiente; 25110/1983 -- "Mestre Pedro Pathelin", autor desconhecido;
d) para intercâmbio com outras instituições de ensino, que tenham atividades 031111]984 -- "As Aventuras de um Diabo Malandro", de Maria H.
análogas às do Grupo; Kuelmer;
e) junto às autoridades competentes e outras entidades, reivindicando verbas 0411111985 - "Putz, a Melúna que Buscava o Sol", de Maria H. Kuehner. Essa
para financiamento dos espetáculos e outras promoções teatrais. peça, além de ser apresentada em teatros, praças e escolas,
Confonne Cláusula Segunda, compete ao Grupo Teatral "Phoenix" : continuou a ser encenada até 1986, quando foi apresentada nos
a) apresentar espetáculos teatrais, divulgando artística e culturalmente o nome trinta centros sociais da Prefeitura Municipal de Blumenau;
da FURB; 15110/1987 -- "Uma Boneca sem Cabeça", de Nilson Mello.
b) efetuar a escrituração contábil, fornecendo no final do exercício uma cópia O Grupo "Phoenix" tem apresentado seus espetáculos em Blumenau e
do balanço e relatório anual de atividades à FURB; todo o Vale do Itajaí, e ainda nos mais distantes rincões do nosso estado
c) colaborar, dentro das possibilidades, com todas as promoções artísticas e (Concórdia, Coronel Freitas, Joaçaba, FlorianópoJis, Lages, JoinviIJe, Lauro
culturais que a FURB realizar; MüIJer, Jtajaí, Brusque e outras cidades).
d) reivindicar junto às autoridades competentes e outras entidades, verbas para O ano de 1984 marcou o Grupo Teatral "Phoenix" com o falecimento de
financiamento dos espetáculos e outras promoções teatrais. Antôlúo Dubiel, que participava do Grupo desde 1978, e fazia parte do elenco
O convênio em três vias foi assinado pelo professor Ignácio Ricken, da peça "Mestre Pedro Pathelin", com apresentações marcadas em várias
reitor da FURB, e pela professora Edith Konnann, presidente do Grupo Teatral cidades do estado e em Blumenau, e que tiveram que ser canceladas. No
"Phoenix", sendo testemunhas o professor José Tafner e o vice-presidente do mesmo ano, o Grupo montou a peça "As Aventuras de um Diabo Malandro",
Grupo Teatral "Phoenix", Sérgio lvan Wollstein. que além de apresentada em teatros, escolas, salões, calçadão, apresentou-se no
Pela Lei nO 2.364, de 14 de junho de 1978, a Câmara Municipal de tablado armado defronte ao Centro de Cultura no grande espetáculo "Encontros
Blumenau aprovou o projeto de lei do vereador Almerindo Brancher, na Praça", onde no dia 7 de dezembro de 1984, recebeu o troféu de participação
declarando de Utilidade Pública o Grupo Teatral "Phoelúx", da FURB. no X EMOBRESC,
O primeiro espetáculo apresentado pelo Grupo foi "Quem Casa Quer
Casa", de Martins Penna, no dia 27 de maio de 1974, durante o VIII Festival de
realizado em Criciúma, sendo vivamente aplaudido. A peça "As Aventuras de após elaborado o roteiro das apresentações, colocou à disposição do Grupo
um Diabo Malandro" foi encenada em homenagem a Antônio Dubiel, que uma Kombi, fornecendo almoço quando as apresentações envolviam os
sempre desejou participar de uma montagem infantil e que na ocasião do seu domingos pela manhã e à tarde, e um lanche aos sábados à tarde. Numa das
falecimento participava dos ensaios da peça "Tambores dentro da Noite", de apresentações de "Putz, a Menina que Buscava o Sol" as crianças interpeladas
Bertold Brecht (o Grupo decidiu não completar a montagem). se Putz encontrara o sol que buscava uma pequ~nina cabeça loura, olhou
Em 1986, o Grur!) recebeu convite para se apresentar no XV Festival de pensativa para a professora Edith Konnarul dizendo: " ... O Sol é a senhora, que
Arte, a ser realizado na cidade histórica de São Cristóvão, em Sergipe, porém o trouxe um teatro tão lindo para nós!".
custo com transporte inviabiblizou o convite formulado pela Universidade O que marcou o Grupo, alguns anos atrás, foi o FURBÃO, um velho
Federal de Sergipe. ônibus da FURB, que geralmente estava em conserto, ou quebrava durante a
Ao iniciar suas atividades, o Grupo Teatral "Phoenix" contou com a viagem, pois nwna apresentação marcada para as 8 horas da noite em Içara, o
eficiente e dedicada colaboração de Sérgio I. Wollstein, vice-presidente do Grupo chegou de madrugada. Numa viagem para Joaçaba, a Polícia Rodoviária
Grupo, que foi incansável e responsável pelo bom funcionamento do Grupo interceptou o ônibus sob a alegação de que o mesmo não estava mais em
durante longos anos. O Grupo com;m também com a colaboração do D.C.E. da condições de trafegar nwna BR, sendo liberado porque levava o Grupo Teatral
FURB e do jornal "O Acadêmico", quando este era dirigido por Acari Amorim. para uma apresentação. Em certa ocasião, o professor Ignácio Ricken, reitor da
Na época, o Grupo recebeu do D.C.E. o auxílio de cem cruzeiros, que retribuiu FURB, fretou um ônibus da Auto Viação Catarinense, em cima da hora, porque
em fonna de aval na documentação enviada ao MEC para o D.C.E. receber o FURBÃO estava no conserto. Passagens como estas eram comuns na vida do
verba para a realização do I Festival Universitário da Canção. O D.C.E., atuante Grupo Teatral "Phoenix".
na área cultural, pôs à disposição do Grupo uma sala anexa à cantina para As montagens do Grupo Teatral Phoenix geravam polêmica, prin-
guardar o material cênico, sala esta que foi posteriormente ocupada por alunos cipalmente pelo uso de malhas pretas (Comuna de Bravos). As malhas cor da
da Faculdade de Engenharia, após ter sido arrombada e o material do Grupo pele, tendo como acessórios folhas de parreira, na peça "Prólogo de O Homem
jogado às intempéries. O Grupo reuniu o material aproveitável, levando-o para do Princípio ao Fim" e a montagem brechtiana de "Os Loucos", taxaram a
o Edifício Kander, onde funcionava o Curso de Educação Artística. Nesse professora Edith Konnann de louca. Cabe ao Phoenix a introdução de trainéis
local, a sala também foi arrombada, sendo roubado o annário doado pelo dobráveis e revestidos de tecido preto para uso em locais desprovidos de palco.
D.C.E., o gravador, uma máscara de macaco (planeta dos macacos importada), O forte do Phoenix era a comédia. Herculano Domício, wn dos integrandes do
maquiagem e outros pertences do Grupo. Com o funcionamento da área de Phoenix, disse nwna entrevista ao jornal universitário da FUBR, em setembro
Artes Cênicas do Curso de Educação Artística no Centro de Cultura, onde a de 1975, que "Fazer teatro é uma loucura! ".
FURB refonnou uma sala que foi acarpetada e própria para exercícios teatrais O Grupo Teatral "Phoenix", integrado por estudantes e ex-estudantes
(técnica vocal, expressão corporal, etc.), o Grupo passou a desenvolver suas (formados) da FURB, sofria restrições por parte de terceiros, pois até nos
atividades no local, pois recebeu do Executivo Municipal (Renato Vianna e Festivais Universitários de Teatro de Blwnenau os organizadores boicotaram
Ramiro Ruediger) wna sala para guardar o material. Entretanto, com a nova de todas as formas a participação do Grupo Teatral "Phoenix". Para esclarecer
administração municipal e as constantes incursões de terceiros, principalmente a comunidade da ocorrência, foi distribuída para a imprensa, participantes e
na sala onde guardava o material, o Grupo foi obrigado a providenciar outro público a seguinte mensagem: "Amigo Universitário! Qual seria sua reação se o seu
local. Grupo Teatral montasse, durante 15 anos, dois espetáculos por ano (infantil e adulto),
Apesar do Grupo, geralmente, não cobrar ingressos e o deslocamento e no Festival Universitário de Teatro, a Comissão Organizadora selecionasse um
implicar em condução e refeições, o Grupo cumpria seus compromissos. grupo que nada tem a ver com a sua Universidade? Gente, "Há algo podre no reino da
Geralmente os interessados nas apresentações forneciam condução e refeições. Dinarnarca ", sim, há, algo de podre - é a Comissão Organizadora do Festival, que
Nas apresentações nos Centros Sociais da Prefeitura Municipal de Blumenau, a selecionou para representar a FURB, o Grupo Te-
eficiência da Assistente Social Nina Wolff,
26.
bas, dirigido por um dos membros da Comissão e que, sob pressão, conseguiu reprisadas: "Lição para Gazeadores" e "Profissão Palhaço". Também
o credenciamento, usurpando os direitos adquiridos do Grupo Teatral a peça "Se o AnacIeto Soubesse", de Gastão Tojeiro, foi remontada
"Phoenix"da FURB que, desde março de 1974, funciona com excelente ficha sob a direção de Ivanildo João de Souza.
de apresentações em todo o Estado, tendo montado para o Festival o 1988 - "O Coati Papa Ovo", de Jorge Amado da Silva, apresentada no T
monólogo "Uma Boneca sem Cabeça ", de Nilson Mello, autor catarinense. O Encontro de Teatro Amador de Timbó (ENTEATI), realizado no
Festival deixa de ser universitário quando outros grupos se infiltram. A período de 8 a 10 de julho. Os espetáculos, além de apresentados em
sujeição nos bastidores do Festival remonta ao ano de 1987, onde o Grupo BIumenau, foram também em Brusque, Florianópolis, Taió, Lages,
Teatral "Phoenix" também não participou por ser dirigido, evidentemente, Navegantes e outros locais.
pela professora Edith Korrnann, que moveu céus e terras para impedir que o O Grupo Teatral Ribalta representou BIwnenau em diversos encontros
Teatro "Carlos Gomes" fosse transforrnado em clube vulgar para urna do EMOBRESC, careando para a nossa cidade, do quinto encontro, realizado
0
minoria elitizada, brigando pela preservação do pouco que nos resta de em Xanxerê, o troféu de 1 lugar em mágica (Charadin Roland); 3 o lugar em
patrimônio histórico ". hwnorismo (Ribalta) e oratória (Ivo Hadlich) e o 40 lugar em teatro. NO VI
Com Teresinha HeimarID, coordenadora de eventos culturais da FURE, EMOBRESC, realizado em Brusque nos dias 26, 27 e 28 de setembro de 1980,
e o professor de Artes Cênicas da FURE, Mallet, o Phoenix passou a participar o Ribalda participou com a peça de Eurico Silva, "Grande Marido".
do Festival Universitário de Teatro.
No dia 13 de setembro de 1978, foi fundado o Grupo Teatral Ribalta,
resultado do idealismo de um grupo de funcionários da Prefeitura Municipal de N o dia 10 de maio de 1980, o Ribalta apresentou no Teatro de Bolso o
Blumenau, que já se apresentava com freqüência em shows nas Escolas
Municipais. Incentivados pelo prefeito Renato ViarIDa, o Grupo elegou sua
primeira diretoria integrada por Augustinho Lang, presidente; leso Cava,
vice-presidente; Vera Lúcia Gonçalves, 1 a secretária; Emília Inês de Oliveira,
2a secretária, Eliane Raquel Gastaldi, 1 a tesoureira; Osmar Borges, 20
tesoureiro; Paris Leonardo Ramos e Denise de Souza, relações públicas; Ivo
Hadlich e Mirtes Macedo, diretores artísticos. A Diretoria tomou posse no dia 6
de outubro, com um coquetel oferecido a convidados especiais na Galeria
Municipal de Artes.
A primeira peça teatral encenada pelo Grupo foi a comédia de Gastão
Tojeiro, "Se o Anacleto Soubesse", que foi apresentada no Teatro de Bolso, no
dia 22 de setembro de 1979, quando foi realizada a I Mostra de Teatro Amador
de BIumenau. Seguiram-se:
1980 - "Grande Marido", de Eurico Silva. Espetáculo de Variedades (20
quadros) e as peças iníàntis "Lição para Gazeadores" e "Profissão
Palhaço", de autoria de Ivo Hadlich.
1981 - "Santa Albertina", de autoria de Ivo Hadlich, baseada em pesquisas
realizadas em S. Martinho sobre um fato verídico. Foi apresentada "Espetáculo Variedades", escrito por Ivo Hadlich, em homenagem ao Dia das
nos dias 28 e 29 de agosto, no Teatro de Bolso "Prof. Rudolfo Mães. Também participou com mímicas, cenas humorísticas, etc do
Gerlach" , na Rua Itajaí. "BIwnenália lI", que foi apresentado no Teatro de Bolso nos
1985 - "Piquenique no Front", de Arrabal (Projeto nas Escolas). Com a peça de
autoria de Ivo Hadlich "Alegria do Circo", no dia 12 de outubro
foram homenageadas as crianças blumenauenses na
sede da Associação Atlética Banco do Brasil. Em 1985 foram
dias 13 e 14 de maio de 1980, e reprisado no dia 16 de junho para os alunos da Carlos Jardim e "Chapeuzinho Vermelho" e "Pluft, o Fantasminha", dirigas por
FURB. Colaborou com a "Semana do Sentenciado", apresentando-se no dia 26 Valém Rodrigo. A partir de 1984, as peças encenadas pelo GATE são dirigidas
de julho de 1980, na Penitenciária Estadual de F1orianópolis com um por S. Elias Gomes. Com a peça "Joãozinho andapra-trás", de Lúcia Benedetti,
espetáculo de mágicas, declamações, piadas, etc. O Ribalta, além dos o GATE classificou-se em 2° lugar na Mostra de Teatro Amador de Blumenau,
espetáculos apresentados em palco, leva o teatro às praças, ruas e pátios realizada em 1984. Em 1985, foi encenada "Maria Minhoca" (musical), de
escolares (3 a Coletiva Nacional de Arte de Rua). Enquanto Ivo Hadlich, Maria Clara Machado. Com a peça teatral "2 - 1 são 3, Sonhei Outra Vez", de
vereador e autor da maior parte dos textos apresentados é diretor artístico do autoria de S. Elias Gomes, o GATE representou Blumenau no I Festival
Ribalta, a auxiliar de direção Neuma Zinke promove a participação dos Catarinense de Teatro Infantil, realizado em Florianópolis em 1986,
integrantes do Grupo em cursos, eventos e realizações em Artes Cênicas. O classificando-se com o melhor figurino. Em 1987, foi encenada "FEEL", de
Ribalta, apesar de congregar funcionários da Preteitura Municipal de autoria de Roberto C. Murffi.
Blumenau, sobrevive pela persistência e idealismo dos seus componentes. A Equipe de Mímica iniciou suas atividades em maio de 1982, após
No "Jornal de Santa Catarina" de 27 de agosto de i980, Gervásio Luz entendimentos entre o Presidente da Associação Desportiva e Recreativa Sul
escreveu: " ... Luzes Pro Ribalta. Com as peças "Se o Anacleto Soubesse", de Fabril, Luiz Cesar de Souza e Wilfried Krambeck. Participaram da primeira
Gastão Tojeiro, "Mestiça", de Gilda de Abreu e."Lição para Gazeadores ", equipe Martinha Moresco, Noeli Peixer, Iraci Potrikus, Zenaide Andrade,
peça infantil de Ivo Hadlich, diretor artístico do Grupo, o Grupo Teatral Eliana Pinheiro, Rute Blasius, Maurício Marti da Rita, Moacir Curbani e
Ribalta composto por funcionários da Prefeitura,Municipal de Blumenau, fez, Wilfried Krambeck. Na ocasião, Wilfried Krambeck preparou uma equipe para
está fazendo e está pronto pra fàzer ainda mais sucesso". apresentar a mímica "Deixe Viver", que não chegou a ser apresentada. Em abril
Grupos teatrais se formam nas indústrias, escolas, sociedades, etc., de 1983, Wilfried Krambeck escreveu no Radar Sul Fabril o primeiro artigo
visando somente a arte e a cultura, porém a rotatividade dos seus integrantes, sobre a Equipe de Mímica e em agosto apresentou a mímica "De Louco Todos
devido às suas profissões, esses grupos geralmente são efêmeros. Marcaram Temos um Pouco" , que foi reprisada no Colégio Santo Antônio, de Blumenau,
presença o TADAC, RAÇA, TU VÃO, SOL, ARTEX, PAZ E BEM, TEBAS, e em Rio do Sul. Em novembro a Equipe de Mímica transformou-se em
TEATRHERING, GATE, EQUIPE DE MÍMICA e outros. Destes, o Grupo atividade regular da ADR, e em dezembro de 1983, com integrantes do GATE,
GATE e a Equipe de Mímica, ambos da Associação Desportiva e Recreativa foram realizadas apresentações em Ascurra, Blumenau e arredores, sendo
Sul Fabril, funcionam desde que foram fundados. notícia no Radar Sul Fabril de abril de 1984. A apresentação do espetáculo "De
O Grupo de Artes Teatrais da Sul Fabril, cujo histórico remonta aos idos Louco Todos Temos um Pouco" careou para o Grupo simpatizantes não
de 1967 com pequenas cenas teatrais e a montagem da peça "Maria Cachucha", funcionários da Sul Fabril, e no dia 4 de setembro do mesmo ano, Wilfried
dirigida por Carlos Jardim, premiada na Mostra de Teatro Amador, realizada Krambeck inscreveu seis quadros da mímica "De Louco Todos Temos um
em Joinville, funcionou até 1969, quando se desfez. Em 1977, por iniciativa de Pouco", na SBAT. Em 1984, foi apresentado o texto em duas partes, de autoria
alguns funcionários, inclusive Carlos Jardim, que juntamente com a diretoria de Wilfried Krambeck, "Viva a Vida". A segunda parte do texto "O Circo", foi
da ADR levaram ao conhecimento da empresa a importância de um Grupo apresentado em outubro no 11 Salão Catarinense da Criança e III Salão
Teatral, o Grupo de Artes Teatrais foi reativado com a colaboração de Blumenauense da Criança. O texto integral de "Viva a Vida" ("Os Antigos e
funcionários, fazendo sucesso que surpreendeu a classe teatral. Desde então, o Modernos Jogos Olímpicos" e "O Circo") foi apresentado em 28 de outubro em
Grupo continua em constantes atividades. Em 1983, Elias Gomes filiou o Rio do Sul, em 3 de novembro em Ascurra, em 11 de novembro em Joinville e
Grupo à Federação Catarinense de Teatro Amador (FECATA) e em 1984, à em 18 de novembro, duas apresentações no Teatro "Carlos Gomes", em
Associação Blumenauense de Teatro Amador (ABT A). Blumenau. A equipe participou, diariamente, do projeto "Hoje tem Teatro",
Seguiram-se a "Maria Cachucha" as peças de autoria de Maria realizado no Teatro "Carlos Gomes" , no período de 1 O a 14 de dezembro
Clara Machado, "Tribobó Cíty" e "A Bruxinha que era Boa", dirigidas por
de 1984, com três quadros: "Goma de Mascar", com Wilfried Krambeck, "O Nas dependências do Teatro "Carlos Gomes" sediam-se a Equipe Vira
Cão", com Diogo F. Junkes e "O Restaurante", com Cesar Reis e Wilfried Lata e o NUTE.
Krambeck. Além das apresentações realizadas no bairro da Água Verde e no Com o espetáculo "Ripão ... Pão ... Pão ... e a Bolota", em julho de 1978,
Bude, participou do espetáculo "Blumenália", realizado na FURB, numa foi fundada a Equipe Vira Lata. Em 1979, a Equipe montou o "Rapto das
promoção do Departamento de Cultura da Prefeitura Municipal de BlwIJenau. Cebolinhas", que foi apresentado em 89 municipios ele Santa Catarina.
Em dezembro, Wilfried Krambeck montou um curso de mímica, através do Seguiram-se, em 1980, "O Menino e o Palhaço", que participou da I Mostra de
Nute (Núcleo de Teatro). Nos dias 10 e 17 de junho de 1986, a equipe Teatro Infantil de Blumenau. Em 1981, "Camaleão e as Batatas Mágicas" e
participou elo projero "3 Terças tem Teatro" , do Núcleo de Teatro do Teatro" com o Vira Lata Júnior, a peça "O Assalto", que participou da Mostra de Teatro
Carlos Gomes", apresentando Pantomimas e Comunicação Gestual com o Amador de Blumenau. Em 1982, "Rei Solimão e a Rainha de Jabá"; 1983, "A
Público, criação de Wilfried Krambeck. Em agosto, o espetáculo "Dia de Zé Bruxinha que era Boa"; 1984, "A Revolta dos Brinquedos". Em 1985, a Equipe
Brasil" foi indicado pela ABT A para representar Blumenau no II Festival remontou o espetáculo "Camaleão e as Batatas Mágicas". Seguiram-se, em
Catarinen.se de Teatro Amador, realizado em Florianópolis (na realidade, foi o 1986, "Leão Epaminondas e o Palhaço Lagartixa"; 1987, "A Cantora Rufina";
XIX Festival). "Dia de Zé Brasil", além de apresentado em Blumenau, foi 1988, ,"O Sapo Zolhudo". Os espetáculos acima citados foram apresentados em
apresentado também em Ascurra, Gaspar e Rio do Sul. Em outubro de 1986, a diversas cidades do estado. A Equipe montou ainda "O Aprendiz de Feiticeiro"
Equipe de Mímica apresentou Comunicação e Improvisação no espetáculo e "O Boi e o Burro a Caminho de Belém", apresentadas somente em Blumenau.
"Classe Glacê", montado pelo NUTE. O XIX Festival de Teatro Amador foi Os integrantes da Equipe, caracterizados de palhaços se apresentam em festas
realizado em Florianópolis, no período de 31 de outubro a 2 de novembro, e a infantis e também nas testas de Natal vestidos de Papai Noel. Como todos os
Equipe de Mímica apresentou o espetáculo "Dia de Zé Brasil" , considerado de Grupos Teatrais que se propõem a levar o teatro aos mais distantes locais do
nivel médio pela critica especializada. nosso estado, é natural que a Equipe Vira Lata também sofre os dissabores
A Artex S.A. marcou presença no IV Festival de Teatro Amador inerentes à difícil arte de representar.
realizado em 1968, através do Grêmio Juventude Artex, com o premiado Criado e dirigido por Alexandre Venera dos Santos, o NUTE começou a
espetáculo "Se o Anacleto Soubesse ... ". A Associação Atlética Cultural Têxtil funcionar no Teatro "Carlos Gomes", a partir de 4 de setembro de 1984, com o
Hering marcou com o Grupo Vale do Sol, que apresentou "O Circo Rataplan" nome de Núcleo de Teatro Experimental, que no período de 10 a 14 de
na I Mostra de Teatro Infantil realizada no período de 4 a 7 de setembro de dezembro de 1984, apresentou seu primeiro espetáculo como parte do projeto
1980, no Teatro "Carl os Gomes", e em 23 de novembro de 1981, na Praça Dr. "Hoje tem Teatro", com a encenação de peças curtas apresentadas num só
Blumenau, com a peça" O Consertador de Brinquedos". Na Mostra de 1987, a programa. Foram encenadas: "Nariz Novo", de Robert Thomas (tradução de
Associação Atlética Cultural Têxtil Hering foi representada pelo Grupo Caminha Junqueira); "Reencontro", de Rubem Fonseca e "A Dama de Copas e
Teatrhering, com a peça "Comunismo / Filho / A Doença do Papagaio / o Rei de Cuba", de Timochenco Wehbi. Para encerrar a programação,
Aposta". apresentou-se como convidada, a Equipe de Mímica da ADR da Sul Fabril,
O Grupo Teatral "paz e Bem", sob a direção de Sebastião Pereira, dirigida por Wilfried Krambeck. Após esta experiência foram programados
apresentou no dia 22 de setembro de 1979, no Centro Social Urbano do Garcia, para ocupar os espaços ociosos do Teatro "Carlos Gomes": "Pantomirnas", "3
a peça "Caim e Abel", que com a peça "Dois é Bom, Três é Muito e Quatro é Terças tem Teatro"; "Classe Glacê", "O Mendigo e o Cão Morto", "Veias
Demais" participou em 1979 da I Mostra de Teatro Amador de Blumenau. Em Cativas", "21 Cadeiras" e o "Túnel"; entretanto, o mais polêmico dos
1981, o Grupo Teatral "Paz e Bem" encenou "A Farsa do Advogado Pathelin". espetáculos, "O Homem do Capote e Outros Seres" , e que foi apresentado no
Os Grupos TADAC e TEBAS, apareceram na Mostra de Teatro Festival Catarinense de Teatro Amador em 1987, foi apontado como
realizada de 23 a 28 de novembro de 1981. O TADAC com a peça "A Gatinha "desrespeitoso" pela crítica especializada.
Detetive", na Praça DI. Blumenau, e o TEBAS com a peça "Sho-Cante" no O NUTE pretende ser uma escola e formar atores sem pretensões
Teatro de Bolso.
lcadêmicas, entretanto, objetiva uma didática para encenação de textos ;em a (Vira Lata); Ce~ar Corr~a (Paz e .Bem) e Valentim Schmoeller (GATE). Para
p~rticipação de professores especializados nas diversas áreas qu~ ;aractenzam suplentes í5)fam eleItos ClÓVIS Back (Ribalta); Paulo Koelúg (C. C. 25 de Julho) e
uma Escola de Teatro. A iniciativa de Alexandre Venera ios Santos à frente do Alvaro A. Andrade (TADAC). Nessa reunião foi discutido o. problema das salas do
NUTE é meritória, principalmente na encenação ie peças curtas, nas quais o Teatro "Carlos Gomes" para ensaios. Em reumões subseqüentes foram debatidos
espectador capta o climax das peças através ios seus criativos cenários. assuntos referentes aos Estatutos da Associa?ão, rr:ensalidades, carteirinhas para
Em, 1979, Guido Heuer, quando Diretor do Departamento de 2ultura da associados e arrecadação de verbas Junto as empresas. Os Estatutos que seriam
Prefeitura Municipal de Blumenau, promoveu a I Mostra de featro Amador de elaborados mediante modelo da FECAT A foram discutidos em Assembléia Geral
Blumenau, com a apresentação de nove espetáculos teatrais. Foram apresentados de mar~o de 1982, porém, foram substituídos pelos Estatutos da Federação 'SantIsta
"Se o Anacleto Soubesse ... " e "Lição para Gazeadores", pelo Grupo Teatral de Teatro para serem aprovados em reunião de 17 de março de 1982. Os Estatutos
Ribalta; "Caim e Abel" e "Dois é Bom, Três é Muito e Quatro é Demais" , pelo que foram publicados no D. O. do Estado do dia 4 de agosto de 1982, foram
Grupo Teatral paz e Bem; "Os Sete Gatinhos" e "A Menina e o Vento", pelo Grupo reformulados de acordo com os da FECATA, em 1986. Apesar de constarem em
Teatral Phoenix da FURB; "A Dama da Madrugada" e "Joãozinho Peteleco" pelo ata, o pagamento da mensalidade de cem cruzeiros por integrante de Grupo Teatral,
Grupo Teatral do Colégio Franciscano Santo Antônio. Em 1980, foi realizada a I a confecção de carteirinhas para o abatimento de 50% nos ingressos de
Mostra Blumenauense de Teatro Infantil, com os seguintes espetáculos: espetácuclos e a formação de uma biblioteca teatral, não foram concretizados. No
"Profissão: Palhaço", pelo Grupo Teatral Ribalta; "O Circo Rataplan", pelo Grupo dia 25 de m~io de 1982, foi realizada uma reunião para tratar da I Mostra de Teatro
Vale do Sol; "A Bruxinha que era Boa", pelo Gate da Sul Fabril; "O Menino e o na PROEB, para selecionar o Grupo que representaria Blumenau na M~stra
Palhaço", pela Equipe Vira Lata e "O Jogo da Caça ao Pássaro", pelo Curso de Estadual. Nessa reunião foi discutida a confecção do emblema da ABT A,
Educação Artística da FURB. elaborado por Edson Müller, que inicialmente tinha as seguintes características:
Em 1985, Guido Heuer reuniu representantes de Grupos Teatrais com a sobre um retângulo branco, três máscaras, sendo a da surpresa em vermelho e as da
finalidade de implantar o projeto "Teatro nas Escolas", que teve ilúcio em abril de comédia e drama em cor preta. A disposição das máscaras no retângulo seria de um
1985, estendendo-se até o fim do ano. Também foi aventada a possibilidade de triângulo com a vennelha sobre as duas pretas e logo abaixo, em posição horizontal,
estender o projeto ao 2° grau, com a participação da 4a UCRE, entretanto, a falta de dois retângulos separados em cor preta, contendo as letras em vennelho da
entrosamento inviabilizou o projeto. Os alunos do Curso de Educação Artística da Associação (ABTA). Posterionnente o emblema foi modificado, sendo que as três
FURB, sem participar de projetos, apresentavam "Teatro nas Escolas", desde 1974, másc.aras seriam de cor preta e somente um retângulo seria posicionado debaIXO
além de encenar com os alunos de diversos estabelecimentos de ensino, pequenos das máscaras com as letras da associação. Na reurúão de 19 de junho de 1982, foi
textos com as técnicas dramáticas aplicadas ao ensino. aventada a possibilidade da realização de um baile para a escolha da rainha da ABT
No dia 21 de janeiro de 1982, foi novamente fundada uma Associação A, e que se realizou no dia 25 de setembro do mesmo ano, nas dependências do C. e.
Blumenauense de Teatro Amador. Da reunião de constituição participaram os "25 de julho". Após o baile, a ABTA reuniu-se para a prestação de contas no dia 12
Grupos Teatrais: Vira Lata, C.C. 25 de Julho Ribalta Tebas, Paz e Bem e Tadac. A de março de 1983, voltando a se reunir somente no dia 18 de março de 1985 quando
prilneira diretoria integrava A'ntôIúo d~ Souza Coutinho (Tebas), - presidente; ,foi eleita uma diretoria integrada por Rosane Wersd6rfer - presi~ dente; Alvaro
Sebastião Pereira (Paz e Bem) vice-presidente; Friedrich Idecker (C.e. 25 de Julho) Andrade - vice-presidente; Alcino Cesar da Silva - secretário geral; Carlos A.
- secretário geral; Noêmia Bolm (Ribalta) - secretária, Ângela W. Westphal (Vira Rodrigues - 1 ° secretário e Tânia Gallindo tesoureira. Antes da eleição dessa
Lata) tesoureira. Para completar o quadro da diretoria da Associação, foi realizada diretoria, Antôlúo Coutinho fez constar em ata de 8 de janeiro de 1985 - "A partir
nova reurúão no dia 28 do mesmo mês, sendo eleitos para 2 a tesoureira - Elisiane desta data, a ABT A deixou de reunir os seus diretores para atividades e planos de
Cunha (Tadac); 2a secretária Teresinha Simon (Tebas). Para o Conselho Fiscal ação devido à falta de interesse dos mesmos. Diante disso, o Presidente levou
foram eleitos membros efetivos: Aldo Serpa avante a
finalidade da ABT A, mantendo contato pennanente com os Grupos de Teatro Phoenix e Teatrhering, para deliberarem sobre a participação de grupos na
de Blumenau, Centro de Cultura e Federação Catarinense de Teatro Amador - Mostra de Teatro Amador de Santa Catarina, ficando acertado que Blumenau
FECAT A. De julho de 1983, desde a época das enchentes até dezembro de seria representada pelos dois grupos da Sul Fabril. No dia 5 de junho de 1987,
1984, a ABTA, sem ter respaldo da Comunidade Teatral, foi representada pelo em Assembléia Geral Ordinária, foi eleita a nova diretoria da ABT A, sendo
1 ° Presidente, articulando com os grupos a necessidade de unificação da classe. eleito presidente Wilfried Krambeckl; vice-presidente Otto MüIler Alexandre;
Ainda em 1984, no mês de novembro, o seu Presidente, juntamente com a Rosane M. Martins, secretária e Luiz M. A. Mendes, tesoureiro. Com Wilfried
FECATA e o Centro de Cultura de Blumenau, organizou a realização da I Krambeck na presidência da ABTA, foram realizados cursos de teatro e a
Mostra de Teatro do Vale do Itajaí nos dias 02, 03 e 04 de novembro de 1984, Mostra de Teatro para classificar o grupo que provavelmente se apresentaria no
no Pavilhão A da PROEB. Após longo trabalho de conscientização, o I Festival Universitário de Teatro de Blumenau, entretanto, ninguém se
Presidente convoca os Grupos de Teatro para uma reunião no dia 9 de janeiro apresentou por ficar estabelecido que grupos locais não concorreriam com os
de 1985, para tomada de decisão, onde deverá esclarecer a atual situação da visitantes.
ABTA, além de passar a todos todas as informações da última Assembléia da
FECATA realizada nos dias 5 e 6 de janeiro, no CIC, em Florianópolis, além
dos informes sobre o IV Congresso Brasileiro de Teatro da CONFENATA, a
ser realizado em Vitória/ES, e sobre o III Seminário Nacional de Artes Cênicas, SOCIEDADE DRAMÁTICO-MUSICAL
a realizar-se, respectivamente, de 17 a 20 e de 21 a 28 de janeiro, sendo o último "CARLOS GOMES" ("Sociedade Teatral
na cidade do Rio de Janeiro. Blumenau, 08 de Janeiro de 1985. (ass.) A. Frohsinn")
Coutinho." A partir do dia 31 de outubro de 1985, as Assembléias e reuniões
passaram a ser realizadas nas dependências do Centro Integrado de Cultura;
nesta data, também foi realizada uma reunião conjunta da FECA T A (setor As cenas humorísticas, os "couplets" e pequenas cenas teatrais que no
Vale do Itajaí) e ABTA, da qual participaram os Grupos Teatrais: TADAC, início da colonização eram apresentadas nas reuniões familiares e festas da
GATE, Teatrhering, Ribalta, Vira Lata, Phoenix, da FURB e representantes do comunidade deram origem a um pequeno grupo que se dedicou ao teatro e ao
Grupo Tu Vão. Na ocasião, foram tratados de assuntos referentes ao Festival de canto. Os primeiros encontros do grupo teatral forarnJla casa de Johann
Teatro Amador de Santa Catarina, do qual não participaram os grupos Phoenix Thomas Reinhardt (Rua 15 de Novembro, imediações das Lojas Alfred).
e Ribalta, por terem compromisso com o EMOBRESC. Posteriormente, o grupo teatral passou a fazer parte da Sociedade de Atiradores
Em 1985, o Vale do Itajaí tornou-se sub-sede da FECAT A. Em 1986, (Schuetzenverein), que foi fundada no dia 2 de dezembro de 1859, feriado
foi lançado pela FECATA um edital sobre a realização do 11 Congresso nacional, data do aniversário de S. M. o Imperador do Brasil, D. Pedro 11.
Catarinense de Teatro Amador, e a sub-sede do Vale do Itajaí seria Foram fundadores da Sociedade de Atiradores o Pastor Rudolph Oswald Hesse,
representada por dois elementos de cada grupo, dois representantes da ABT A Karl Wilhelm Friedenreich, Vilctor von Gilsa, Viktor Gaertner, Jayme
e dois da sub-sede regional da FECAT A (Edital de abril de 1986 da FECATA). Dettmer, Jacob Louis Zimmermann e Heinrich Petennann. O primeiro
No dia 8 de maio de 1986, em Assembléia Geral, foi eleita a nova diretoria da presidente da Sociedade de j\tiradores foi Karl Wilhelm Friedenreich.
ABT A, que ficou assim constituída: RosaJ1(~ Wersdorfer - presidente, Neuma As festas dos Atiradores eram acontecimentos marcantes na vida da
Zink:e - vice-presidente, Alcino Cesar Filho - secretário geral, Vinícius Wolff - Colônia e realizavam-se pela Páscoa, Pentecostes e data natalícia de S. M. o
1 ° secretário. Alexamdre V. dos Santos - tesoureiro e os suplentes Gabriel Imperador D. Pedro 11.
Corrêa, Sandra Cardoso e Raulino Ferreira como 1°, 2° e 3°, respectivamente. Em 1862, os associados da Sociedade de Atiradores elaboraram os
A partir de 1986, as reuniões da ABT A eram feiras conjuntamente com a Estatutos Sociais, que foram aprovados, com algumas recomendações, pelo
sub-sede do Vale do Itajaí da FECATA. Na reunião de 22 de setembro de 1986, presidente da Província de Santa Catarina, Pedro Leitão da Cunha, no dia 13 de
reuniram- julho de 1863.
se os grupos Vira Lata, GATE, Ribalta, Equipe de Mímica da Sul Fabril,
27.
No dia 24 de junho de 1860, um ano depois da fundação da Sociedade de
Atiradores, após uma apresentação teatral, foi fundado o "Theater-Verein
Blumenau" (Sociedade Teatral Blumenau), que funcionava anexo à Sociedade de
Atiradores e era dirigido por Roese Gaertner, esposa do negociante e cônsul alemão
Viktor Gaertner. A Sociedade Teatral Blumenau era apoiada financeiramente pela
firma comercial Meyer & Spierling. Acre_dita-se não ter sido fácil a montagem de
uma peça teatral com elementos "disponíveis numa Colônia que estava galgando os
primeiros degraus". Presume-se, entretanto, que as cenas humorísticas
(Humoristische Studien) foram o caminho para as primeiras montagens, pois em
1864, além das triviais cenas humorísticas, o grupo teatral apresentou o seu
primneiro espetáculo "Der gerade Weg ist das beste" (O Caminho Certo é o
Melhor), de Kotzebue. Nesta primeira peça, o trabalho de conjunto dos atores,
segundo o Pastor Hesse, "foi um sucesso".
Os atores não pareciam debutantes, todos trabalharam com uma notável
naturalidade, mostrando sua capacidade, principalmente para a comédia. Em março
de 1865, o grupo teatral apresentou "Verwunschenen Prinzen" (Príncipe
Amildiçoado). Nesta peça, o Pastor Hesse criticou alguns atores que não estavam
firmes no texto, aconselhando que o memorizassem melhor. Em novembro de
1865, o grupo teatral apresentou a peça medieval "Lustiges Trauerspiel" (Drama
Alegre), em quatro atos e um prólogo. O programa da peça foi pela primeira vez Schra~ der, Helene Hosang, Peter Hartmatm, Peter Cardoso Heinrich Clasen
publicado no "Kolonie Zeitung" de 18 de novembro de 1865. Fernan~ Hackradt, ~arl Meyer e esposa, August MüÚer, Cristoph Bau~ che,
No dia 2 de dezembro de 1869, a Sociedade de Atiradores festejou seus dez WJ1helm Schr~lber, P~ul Stahl, Gustav Spierling e esposa, Heinrich Prob~t., AI~ed
anos de fundação e a diretoria, na ocasião, elaborou uma programação especial. Beuns, Wilhelm Tiedt, Wilhelmine Brandes Friedrich Gottfned Rlchter, Ernst Wahl,
Desta programação, além da banda, canto, etc., foram apresentadas cenas cômicas Felix Gustav Emil Kirchbacll Mathias BrandI, ~rnold Gustav ,E?er:t, L~dwig
que arrancaram gargalhadas da platéia. Em 1870, os associados da Sociedade de
August Beyer, Ballehr ~ Kumml~hn. O aurr:ento no predlo mclUIu local destinado ao
Atiradores e a Sociedade Teatral Blumenau construíram um prédio dotado de um
palco e ao vestiáno. ~ ~ocledade Teatral Blumenau, que vinha apresentando cenas
palco. Com o decorrer dos anos, houve necessidade de ampliar o prédio da
humonstlcas, em 1874, na festa dos Atiradores, para alegria de todos apresentou uma
Sociedade de Atiradores de Blumenau, o que aconteceu em 1872. Os fundos
n0.va peça teatral e em 1876, no dia 9 de julho com u~ programa t;I~n~scnto de
necessários para a ampliação foram levantados com a venda de ações a 500 réis
cada, e Roese Gaertner foi de casa em casa levantar os fundos. Foram acionistas: número 21, divulgou os espetáculos: ,,'Cem thalers de Salano , peça com canto e um
Hermann Otto Bruno Blumenau (fundador da Colônia), Karl Wilhelm ato de H. Salingre e "A Espada de
Damocles" também em t d G Pu . .
Friedenreich, Charlotte Kegel, Louis Altenburg, Franz Lungershausen, Hans . ' ~m a o, e . thtz, CUJos personagens foram
Breithaupt, Franz Faust, João Marques da Silva, Wilhelm Scheeffer, Wilhelm lllterp~etados por Karl Wllhelm Friedenreich, Hennann Ruediger, Anton
Eberhard, Viktor Gaertner e esposa Roese, Hermmm Wendeburg, August Gloeden, Hart~lg c~n ~artent~hl e esposa, Rudolph Krause, Otto Meyer, A. Kretzsclunar ~
Karl Rischbieter, Heinrich Avé Lallement, Karl Külps, Gustav Persuhn, Emil s~nhont~s Kumlelm, Bertha Brandes e Clara Breithaupt.
Odebrecht, Gotthilf Grahl, Wilhelm Roedl, Bruno Hindlmeyer, Gustav Bichels, Para o~ vmte e ClllCO anos de Blumenau, a Sociedade Teatral preparou o
Heinrich Krohber- espetaculo "Preciosa", que foi apresentado no dia 31 de dezembro de 1877, tendo
Antigo Teatro Frohsinn ge~, ~einric.? Grewsmue!ll, Julius Sametzky, Bernhard sido prestigiado pela filha Luize e esposa do
Scheidemantel Fnednch Muller (Dr. Fntz Müller), Rudolph Krause, Ferdinand
professor August Müller (irmão do Dr. Johann Friedrich Theodor Müller ou Dr. gu~t Gloe.den; senhoritas Wendeburg, Clara e Marie Breithaupt, Meta
Fritz Müller), que moravam em Salto Weissbach e que foram a cavalo assistir à Fnedenrelch, Bertha Brandes, Clara Schreepp e Ida Peters; Rudolph Kra~~~,
apresentação. A peça "Preciosa" também foi assistida pelo Presidente da Henn~ill1 R~ediger~ Heinrich FroelU1er, August Blomeyer, Chnstlan
Província de Santa Catarina, Dr. Lourenço Cavalcanti de Albuquerque, quando Sc1llntdt, Altred Bellns, Otto Freygang, Ernst Hertel e esposa ~eopold Hoeschl,
este visitou a Colônia no dia 14 de junho de 1878. Theodor Lueders, Schott, Paul Schwarzer, Gustav Sa~ lmger, Karl Wilhelm
Em 1880, a enchente do dia 22 para 23 de setembro destruiu_grande Friedentreich, Willlelm Roedel e Franz Lungershause~l; Este grupo t:~balhava
parte dos cenários e livros pertencentes à Sociedade Teatral Blumenau, porém, a em equipe (ensaios, roupas, cenários, luz, ~aqU11agem e. aces~onos), sendo os
sociedade se refez e no dia 3 de abril de 1881 apresentou a comédia em quatro maiC2!:.es animadores de tudaS-..as ativI~des teatrals,-y!ktor Gaertner e
atos "Der beste Ton" (O Melhor Tom). No ano de 1883, a Sociedade Teatral esposa Roese. Da primeira diretoria eleita constavam .os nomes de Gustav
Blumenau encenou sete peças, as duas primeiras nos festejos da Sociedade de Salinger - presidente, Viktor Gaertner - tesourelfO e Roese Gaertner - diretora.
Atiradores, nos dias 14 e 15 de maio, sendo a primeira, "Die Kaffeesiederin" (A " No .d~a 1~ de abril de 1885, depois dos espetáculos "Der Gefangene (O
Coadora de Café) e a segunda "Das erste Weinachtsgeschenk" (O Primeiro Pr~slOnelro), de Kotzebue e "Heimlich" (Secreto), peças em um ato, a
Presente de Natal), ambas em um ato, de C. TalU1enhofer, com ilúcio às sete SOCiedade Teatral B!U1nenau resolveu adotar o nome de "Sociedade Teatral
horas da noite. As demais apresentações do ano de 1883 foram: dia 29 de julho, ~r04sitU1", funcionando como padrinhos a senhora Emil Odebrec~lt e Vlktor
a comédia em cinco atos de Louis Angely "Die Reise" (A Viagem); dia 21 de Gaertner.' A Sociedade Teatral "FrohsiniL' apresentou, no dia 12 d~, setembro
outubro as duas comédias em um ato "Der Weg durchs Fenster" (O Caminho de 1866, a peça popular em cinco atos, de S. H. Mosenthal,. ~er SOlU1wendhof"
Através da Janela), de Scribe-Lemoine e "Das Ganschen von Buchenau" (A (O Pátio do Solstício). Neste espetácu10~ pela pnmelr~ vez, foram cobrados
GallSinha de Buchenau), de W. Friedrich; dia 31 de dezembro as peças "Junge ingressos, pois até esta data, no roâapé dos conVites, constava o seguinte:
Manner Uild alte Weiber" (HomellS Jovens e Mulheres Vell1as), comédia em "entrada com os conhecidos ". Aco~tece aue ~ espetáculo do dia 12 de setembro foi
dois atos, de Theodor Apel e "Wie man sich irren kann" (Como a Gente Pode apresentado em beneficlO d.a Igreja Evangélica para aquisição do relógio da
Enganar-se), em um ato, de Ernst Schonfeld. Em 1884, no dia 14 de abril, o mesma. Os ingressos foram c.obrados à razão de 1$000 para cavalheiros, 500
réis para as ~amas, e cnanças at~ 12 anos 320 réis. Para aquisição do relógio,
blumenauense foi convidado para a apre· sentação da comédia em três atos "Ein
mais uma peça teatral fOI apresentada, e desta vez foi a comédia em três a~os, de
Schlechter Mensch" (Um Mau Sujeito), de Julius Rosen, e logo em seguida, no
C. A. Gorner, "Tantchen Unverzagt" (Tiazinha Intrépida), no dia 26 de
dia 24 de maio, durante os festejos de Pentecostes, as comédias, em um ato, de
dezembro de 1887. A diretoria pediu o comparecimento de todos ao espetáculo,
Giovan Moser "Crise Hipoteka" (Hipoteca em Crise) e "Das war ich" (Isto Fui
con~iderando os objetivos do mesmo. Os preços foram. os mes~os do dia 12 de
Eu), de 1. Hutt. As comédias apresentadas no dia 19 de outubro "Ein moderner
setembro de 188ó. O espetáculo foi repnsado no dJa 15 de janeiro de 1888.
Barbar" (Um Bárbaro Moderno), de Giovan Moser e "Eigensinn" (Obstinação),
de R. Benedix, ambas em um ato, foram também apresentadas durante os No dia 28 de março de 1891, segundo dia de Páscoa, foi realizado na
festejos dos vinte e cinco anos da Sociedade de Atiradores nos dias 10, 2 e 3 de Sociedade de Atiradores um concerto de tarde e à noite .haile, entretanto, no
dezembro de 1884. mesmo ano, nos dias 18 e 19 de maio, além das atrações como a busca do rei,
Em 1885, o "Blumenauer Zeitung" de 10 de janeiro convidou para uma tiro ao pássaro, música de concerto e outras festividades ho~ve uma
apresentação teatral em beneficio da "caixa" da Sociedade d~ Atlfadores. A
reunião geral no dia 18 de janeiro, às 15 horas, na Sociedade de Atiradores, onde
peça apresentada foi "Der Herrgottschnitzer von Ammergau" ~O Esculto~
entre outros itens da ordem do dia constava o item nO 5 - "A posição da
Sacro de Anllnergau); peça popular em cinco atos, de ~udwIg Ganghofer e
Sociedade de Atiradores para com o teatro". Não se tem notícias sobre o
Hans Neuert. Os festejos continuaram no dia 19 e foram encerrados com o
questionamento do "item 5", sabe-se, entretanto, que o corpo cênico contava
grande Baile dos Atiradores.
com os seguintes amadores: Viktor Gaertner e esposa Roese, Anton von
Hartentahl e esposa, senhoras Karl Meyer e Au- Em 1894, os associados da Sociedade Teatral "Frohsinn" e Socie-
28.
dade de Atiradores lançaram a idéia de construir um Clube para funcionar em conjunto as sociedades
"Frohsiml" e Atiradores. Desentendimentos impediram que a idéia se concretizasse. É que durante as
apresentações de teatro quase sempre havia tumulto por parte de alguns associados dos Atiradores, que
se excediam na bebida. A Sociedade Teatral "Frohsinn" resolveu, então, construir o seu próprio teatro,
adquirindo o terreno da finna Meyer & Spierling, onde funcionou a fábrica de conservas Asseburg e
que, pouco antes, fora destruída por um incêndio. O terreno adquirido localiza-se onde hoje está a
CELESC, na antiga Rua das Palmeiras, atual Alameda Duque de Caxias, e foi um grande passo para a
construção do próprio teatro. A última apresentação da Sociedade Teatral "Frohsinn" no palco da
Sociedade de Atiradores, foi no dia 16 de fevereiro de 1895, com a comédia em cinco atos de Giovan
Moser, "ÚLTIMO" e o programa alusivo à última apresentação define bem o espírito dos nossos atores
da época. A Sociedade Teatral "Frohsiml" construiu o seu próprio teatro com dinheiro emprestado e no
dia 26 de outubro de 1895, o inauguraram com a peça de Karl Laufs, em quatro atos, "Ein toller
Einfall" (Uma Idéia Maluca). A peça foi reprisada no dia 10 de novembro do mesmo ano, com
ingressos a 1$000. Depois' do espetáculo, o tradicional baile. O horário, com raras exceções, era
sempre às oito horas da noite. Quanto aos ingressos, subiam de acordo com a inflação.
O teatro foi concluído em princípios de 1896 e André Roenicke foi o construtor do mesmo. No
dia 12 de setembro de 1897, foi apresentada no "THEATER FROHSINN" a peça popular em cinco
atos, de A. Larronge, "Mein Leopold" (Meu Leopoldo).
A morte de Roese Gaertner, ocorrida no dia 26 de dezembro de 1900, não só enlutou a
Sociedade Teatral "FrohsiIm", e sim toda a Comunidade Blumenauense. Roese foi a fundadora e
principal impulsionadora da arte teatral em Blumenau e, apesar do seu faleciInento, a Sociedade
Teatral "Frohsinn" não esmoreceu, encenando anualmente de duas a cinco peças teatrais, colocando o
Teatro "FrohsiIm" como centro irradiador da arte teatral na região, atraindo grupos e companhias de
outros pontos do país e até do exterior. Com o falecimento de Roese, foi eleito dirigente da sociedade
Gustav Sal inger , que ocupou o cargo até 1917, quando se retirou devido à avançada idade. Else, filha
de Roese, substituiu a mãe em tudo o que se referisse à encenação teatral. Quando Gustav Salinger foi
para a Europa, Nanny Poethig assumiu a direção dos espetáculos. No dia 26 de maio de 1901,
primeiro dia de Pentecostes, exatamente cinco meses após o falecimento de Roese, a Sociedade Tea-
tral "Frohsinn" apresentou a comédia em três atos, de Oskar BlumentaJl1
e Gustav K.adelburg, "1m Weissen Rõssl" (No Cavalinho branco). Os in- elétrica participou de todos os eventos realiza-
gressos subiram, cavalheiros 2$000 e damas 1$000. Para o primeiro dia de dos no Teatro "Frohsinn". Ainda em 1908, a peça "Der Hochzeitstag" (O dia do
Pentecostes de 1902, dia 18 de maio, foi apresentado o espetáculo cantado em CasaInento), em quatro atos, de Wilhelm Wolters e Koenigsbrun-Schaup, foi
três atos, de Rudolph Hahn "Er ist Baron" (Ele é Barão), e os ingressos apresentada no dia 8 de novembro.
voltaram a ser cobrados à razão de 1$000. Os espetáculos eram sempre Em 1909, foram apresentados os seguintes espetáculos: dia 18 de abril
apresentados para associados e convidados, porém no dia 14 de dezembro de as pe.ças em um ato, "Es spukt" (Andam Duendes), de KominskiWeiss, e "Die
1902, houve uma apresentação pública e a peça apresentada foi "Die 'Schulreiterin" (A Amazona da Escola), de Emile PohI. Dia 15 de agosto, a peça
WunderquelIe" (A Fonte Milagrosa), em três atos, de Felix Philippi. A partir "Die Reise auf gemeinschaftliche Kosten" (A Viagem ·sob Expensas da
desse espetáculo, havia sempre apresentações públicas e a peça "Frau Müller", Comunidade), quadros cômicos em cinco atos, de L. Angely.
em três atos, de Giovan Moser, foi apresentada ao público, a pedido, no dia 3 de Pelos éinqüenta anos da Sociedade de Atiradores de Blumenau, a
abril de 1904. Pela seqüência com que eram apresentadas as peças teatrais, Sociedade Teatral "Frohsinn" apresentou, no dia 2 de dezembro de 1909, duas
deduz-se a intensa atividade dos nossos amadores, pois logo após "Senhora peças em um ato, sendo a primeira "Das schwache Geschlecht" (O Sexo Fraco),
MulIer", no dia 10 de julho, apresentaram "Wenn man in Dunkeln Küst" de Gustav Kadelburg, e a segunda "Onkel Bollinger" (Tio Bollinger), de Ernst
(Quando se Beija no Escuro), em três atos, de E. Mallachow e D. Elsner. E Hallenstein.
ainda em 1904, precisamente no dia 25 de dezembro, foram apresentadas duas Em 1910 a Sociedade Teatral "Frohsirm" deveria testejar o seu Jubileu
peças em um ato, "Lord BeumaIm in Behandlung" (Lord Neumann em de Prata: o que não ocorreu devido a morte de Paul Schwarzer e Mllllla Hering,
Tratamento), de M. Kominski-Weiss e "Ein Don Juan aus e também devido à ausência de Gustav Salinger, que viajara para a Europa, em
Familienruecksichten" (Um Dom Juan de Respeitável Família), ele R. Hahn. 1904, em tratamento de saúde. Com o afastamento de Gustav Salinger, assumiu
Em 1903, toda a Comunidaele blumenauense estava voltada para uma a presidência da sociedade, no dia 3 de 'junho de 1907, Nanny Poethig, que
grande solenidaele - "inauguração do monumento ao Doutor Blumenau", no dia convocou uma assembléia, na qual foi eleito August Zittlow para presidente e
31 de maio de 1903, e a Sociedade Teatral "Frohsinn" colaborou apresentando que exerceu o cargo por vinte e três anos, A diretoria contava ainda com OUo
um grande espetáculo teatral, "O Rapto das Sabinas" , em quatro atos, de Paul e Rohkohl como secretário; Rudolph Klein como tesoureiro; Narmy Poethig,
Franz Schoentahn. diretora e Maria Lungershausen, decoradora. Em 1910, o grupo teatral encenou
Em 1905, a equipe teatral elo Teatro "Frohsirm" reprisou um grande quatro peças teatrais, e no dia 9 de abril de 1910, o "Blumenauer Zeitung"
sucesso de setembro ele 1886, "O Pátio do Solstício", que foi apresentado no notic,iou a apresentação do dia 24 de abril, que constava de d~s peças em wn
dia 11 de junho, 10 dia de Pentecostes. ato, a primeira, comédia de Giovan Moser "Er soll dem Herr sein" (Ele será teu
Em 1906, foram apresentadas duas peças teatrais de Giovan V. Senhor), a segunda, uma farsa de Louis Noetel "Der Herr Hofschauspieler" (O
Moser. No dia 10 de abril, em três atos, "Eine Kranke FaInílie" (Uma Família Senhor Ator de Pátio). Dia 19 de junho foi apresentada a peça em três atos, de
Doente), e no dia 25 ele dezembro "A Amazona". Em 1907, no dia 19 ele maio, Blumentahl e Kadelburg "Hans Huck.ebein". No "Blumenauer Zeitung" de 27
foi apresentada a comédia, em três quaelros, ele Roelerich Benedix, "Der de agosto de 1910, pela primeira vez, a Sociedade Teatral "Frohsim1" não
Vetter" (O Primo). fonnulou convite para o espetáculo em letras góticas. O espetáculo foi
O Teatro "Frohsinn"-,-que fazia suas apresentações a lampião d~ anunciado para o dia 11 de setembro do mesmo ano, com a peça popular em
querose11e, no dia 26..de julho de 1908, foi beneficiado com luz elétrica cinco atos, de Ganghofer e Neuert, "Der Herrgottschnitzer von Armnergau" (O
fornecida por Frederico .. :.G. Busch. O evento foi comemorado com a Escultor Sacro de Almnergau).
apresentação ele duas peças teatrais em um ato, sendo a primeira "Der Mann No dia 14 de maio de 1911, foi realizado um grande espetáculo no
mit den drei Frauen" (O Homem com as Três Mulheres), de M. Reichardt, e a Teatro "Frohsirm", constando da programação uma apresentação cinema-
se.!:,l1Jinte "Ein Berliner in Wien" (Um Berlinense em Viena), de A. Langer e tográfica e a peça teatral em três atos de Sudennal1l1, "Die Ehre" (A Honra).
D. Kalisch, com música de A. Konradi. A partir desses espetáculos, a luz
Em 1912, foram apresentadas as peças "Gut gibt Mut" (Bom dá ânimo), maio, a divertida comédia em quatro atos, de Franz Schoentahn e Gustav
comédia em três atos, no dia 28 de abril. No dia 13 de julho, foi apresentada a Kadelburg "Zwei Glückliche Tage" (Dois Dias Felizes), beneficiou os
peça "Die Verrãterin" (A Delatora), em três atos, de Nordisk. necessitados do "Erzgebirge", com a metade do lucro líquido. O espetáculo foi
Em 1913 foram apresentados dois espetáculos, o primeiro no dia 20 de reprisado no dia 4 de setembro, e as críticas foram as mais elogiosas. As peças
abril com a peça em cinco quadros de Hermann v. Sclnnid "Die Z'widerwurs'n" em um ato "Tante Dalles" (Tia Dalles), de D. Richter e "Das war ich" (Isto fui
(O Espírito de Contradição). Os quadros apresentaram características rurais. No eu), de J. Hutt, foram apresentadas ao público no dia 26 de dezembro.
dia 19 de outubro, duas peças em um ato foram apresentadas, a primeira, um Com a chegada do Maestro Heinz Geyer, em 1921, as programações
espetáculo musicado de D. Richter, "Am Brullllen vor dem Tore" (Na Fonte musicais eram freqüentes e o Teatro "Frohsillll" serviu também para os ensaios
Defronte o Portal) e a segunda também de D. Richter, "Wir brauchen keine dos músicos da Sociedade MusicaLLyrª-, que Geyer assumiu quando Ernst
Mãlmer mehr" (Nós não precisamos mais de homens). Bernhardt regressou para a Argentina, onde fixara residência. A competência
Em 1914 começaram os concertos, festas e apresentações teatrais em de Geyer levou-o também a dirigir G. Club Musical, e sob a sua batuta, os
beneficio da Cruz Vermelha, e no dia 14 de novembro, a equipe do Teatro músicos do Club Musical, que faziam seus ensaios no Hotel Gross, passaram
"Frohsinn" apresentou a comédia em quatro atos, de Heinrich Stobitzer, "Die também a utilizar o Teatro "Frohsillll". A Sociedade Musical Lyra e o Club
Barbaren" (Os Bárbaros). A peça tem como cenário a França de 1870. Musical formaram, no Teatro "Frohsillll" , a Orquestra da Sociedade Teatral
Em Notícias Locais do "Blumenauer Zeitung" de 22 de janeiro de 1915, "Frohsinn".
o consulado alemão, através do Cônsul Otto Rohkohl, comunicou que o Apesar de acolher a orquestra, a equipe teatral do Teatro "Frohsillll"
aniversário do Kaiser, no dia 27 de janeiro, só fosse lembrado nas escolas e continuou com suas atividades normais e no ano de 1921, apresentou cinco
igrejas, dizendo ainda que os festejos comumente realizados no Teatro peças teatrais, em quatro espetáculos. No dia 27 de março apresentou a
"Frohsillll" estavam suspensos. E, em 1915, não houve apresentações teatrais, comédia em três atos de Heinrich Heinemallll "Der Schriftstellertag" (O Dia do
entretanto, em 1916 e 1917, foram apresentados quatro espetáculos teatrais. Escritor). No dia 8 de maio, duas peças em um ato foram apresentadas, a
Nos dias 10 e 11 de junho de 1916, foram apresentadas as peças em um primeira de R. Halm "1m Vorzinnner seiner Excellenz" (Na Antecâmara de
ato de Wilhelm Lange "Einquartierung" (No Alojamento), e de Alex Hoffmallll Sua Exceleência) e "Suschen Tagebuch" (O Diário de Susaninha), de G.
"Onkel Schoenleins Vermãchtnis" (O Testamento do Tio Schoenleins). No dia Braune. No dia 29 de outubro, foi apresentada a comédia em cinco atos de
25 de dezembro foi apresentada ao público a peça em três atos, com canto, de A. Giovan Moser, "Die Leibrente" (O Foro da Gleba). O espetáculo foi reprisado
L'Arronge e Giovan Moser, "Der Registrator auf Reisen" (O Registrador em no dia 30 do mesmo mês. Ainda em 1921, foram apresentados, no dia 30 de
Viagem). julho, "DI. Claus" e no dia 4 de dezembro, "Othelos Erfolg" (O Sucesso de
Em benefício do Hospital "Elisabeth", foram apresentadas 110 dia 11 de Othelo).
fevereiro de 1917 duas peças teatrais, "Elisabeth, Landgrafin von Thüringen" Em 1922, a equipe teatral do Teatro "FrohsÍlm", ~resentou dez peças
(Elisabeth, Condessa da Turíngia) e "Stadt und Dorf" (Aldeia e Cidade), em teatrais. A primeira, no dia 11 de fevereiro, "Die Silberne Hochzeit" (As Bodas
cinco atos, de Charlotte Birch-Pfeiffer. Ainda em 1917, no dia 14 de outubro, a de Prata), em um ato, e ainda no dia 11, "Das Schwache Geschlecht" (O Sexo
equipe do Teatro "Frohsinn" apresentou a peça popular com canto, em três atos, Fraco), também em um ato. Dia 16 de abril, primeiro dia de Páscoa, foi
de Ludwig Anzengruber, "Der Meineidbauer" (O Aldeão Perjuro). Apesar das apresentada a comédia em quatro atos de Oskar Blurnentahl e Gustav
apresentações de 1916 e 1917, durante a Primeira Guerra, em 1918 e 1919, as Kadelburg "Die Grosstadtluft" (Ares da Metrópole). Dia 9 de julho, a peça
mesmas foram novamente suspensas. baseada no romande de Ganghofer "Der Dorfapostel" (O Apóstolo da Aldeia).
Em 1920, faleceu Gustav Salinger, que durante duas décadas esteve à Dia 13 de agosto, "Der Schwarze Ritter" (O Cavaleiro Negro), em cinco atos.
testa de todos os eventos importantes da Sociedade Teatral "Froh- Dia 26 de setembro, duas peças em um ato "Seine einzige Tochter" (Sua Única
Filha) e "ln der
Em 1920, os espetáculos foram reativados e o apresentado no dia 8 de
Kinderstube" (Na Sala das Crianças). No dia 4 de novembro, "Die Goldene apresentada a peça em quatro atos, de Ludwig Anzengruber, "Der ledige Hof"
Eva~' (A Eva Dourada), peça em três atos de Franz Schoenthan e Kopel Ellfeld. (O Pátio Livre), somente para associados. No dia 12 de abril foram
No dia 26 de dezembro foram apresentadas duas peças teatrais em um ato, apresentadas, em um ato, "Der Kassenschluessel" (A Chave do Cofre),
"Maedel sei schlau" (Menina Seja Esperta), de Julius Keller e "Der Bergfex" (O comédia de Roderich Benedix e o musical de D. Richter "1m Krug zum
Gnomo da Floresta), de A. Dreher. gruenen Kranze" (Na Taberna da Coroa Verde). No dia 31 de maio, o
Em 1923 foram apresentadas, de Oskar Blumentahl e Gustav Ka- espetáculo foi público, e a peça apresentada foi "Pension Schoeller", em três
delburg, no dia 24 de março, a peça em quatro atos, "Zwei Wappen" (Dois atos, de Karl Laufs. No dia 29 de agosto foi apresentada para os associados a
Escudos). Dia 8 de julho, a comédia em quatro atos "Die Zeisige" (Os comédia de Max Reimann e Otto Schwartz, em três atos, "WilIy's Frau" (A
Pintassilgos), história de um fabricante de sabão. Dia 2 de setembro, grande Mulher de WilIy), e para o público em geral, no dia 5 de setembro. No dia 26 de
apresentação com o prólogo "Der Rosenkranzwirt" (O Taberneiro do Rosário) dezembro, a peça em três atos de F. Impekoven e C. Mathern
e depois "Die Ammergauer Lise" (Lise de Ammergau), que se passa 15 anos "Junggesellendaemmerung" (Crepúsculo dos Solteirões) foi apresentada para o
após o prólogo. No dia 3 de novembro, "Die Kinder seiner ExcelIenz" (Os público em geral, e no dia 27 de dezembro para associados.
Filhos de Sua Excelêp.cia) e no dia 25 de dezembro, em cinco atos, de Em 1926, foram feitas cinco montagens. No dia 15 de maio, a peça em
Charlotte Birch-Pfeiffer, "Dorf und Stadt" (Aldeia e Cidade). três atos de Blumentahl e Kadelburg, "Ais ich wiederkam ... " (Quando eu
Em 1924, foram apresentadas "Die Wilde Jags" (A Caça Selvagem), no voltei ... ); dia 23, foi apresentada ao público em geral. No dia 11 de setembro
dia 8 de março. "Ais ich noch im Fluegelk1eide" (Quando eu ainda era melúna) foi apresentada para associados, em três atos, a comédia de Max Dreyer, "1m
de Albert Kehme e Martin Frehse, em quatro atos, peça divertida e segundo a Behandlung" (Em Tratamento). A comédia em um ato, baseada em Haus
crítica, muito bem apresentada. No dia 8 de junho, "Die Z'widerwurz'n" (O Arnold'schen, dramatização humorítsica de Constantin BelIa, "Ein neuer
Espírito de Contradição), em cinco quadros. Segundo a crítica, quadros de Hausartz" (Um Novo Médico da Família) e "Das alte Lied" (A Velha Canção),
costumes da terra, mesmo com bons atores, esse tipo de espetáculo perde uma comédia Biedenneier de Helene e Erich Fischer, com música de W. A.
muito, quando os atores não dominal o dialeto usado pelo povo da terra. No dia Mozart, foram apresentadas no dia 27 de novembro. No dia 25 de dezembro,
30 de agosto foi apresentada a comédia de Francis Stahl, em quatro atos, uma comédia de Max Reimann e Otto Schwartz "Der Sprung in die Ehe" (O
"Tilli". A comédia "O Foro da Gleba", de G. Moser, apresentada em outubro de Casamento), foi apresentada para o público em geral.
1921, voltou à cena no dia 5 de outubro. No dia 29 de novembro, a equipe No dia 27 de fevereiro de 1927, a Sociedade Teatral "Frohsirnl"
teatral do Teatro "FrohsÍlm" apresentou wna extensa programação em três apresentou um "FastnachtspieJ" (peça sobre Carnaval), de Elis Trenk1erSieler,
partes. Na primeira parte foi apresentada a peça em um ato "Ein Testament mit "Karnevalzauber" (Magia do Carnaval).
HÍlldernissen" (Um Testamento com Impedimentos); de P. Hubner. Na No final de todos os espetáculos havia sempre o tradicional baile com
segunda parte foram apresentadas: a) "Der Luftballon" (O Balão de Gás); b) aS"Musikkapellen" Ruediger, Werner, Schneider e outras, nesse dia porém, o
"Pieske auf der Kohlensuche" (Pieske procurando carvão); c) "In 500 Jahr, ist baile à fantasia para sócios, foi abrilhantado pelo "JazzbandkapelJe", sob a
alIes vorbei" (Em 500 anos, tudo passou). Na terceira parte foi apresentada a regência do Maestro Heinz Geyer. Dia 9 de abril para sócios e dia 17 de abril
peça "Nach Brasilien" (para o Brasil), de Paul Jescheck. Em 1924, a Sociedade para o público foi apresentada a peça em três atos, de Wilhelm Wolters, "Sein
Teatral "FrohsiIm" encerrou suas atividades no dia 25 de dezembro com a peça Alibi" (Seu Álibi). A peça, em cinco atos, de Oskar von Redwitz-Elbe, "Der
teatral "Die Anne Liese", comédia histórica com o enredo baseado na Zunftmeister von Nuernberg" (O Mestre Sindical de Nurenberg), peça
possibilidade de casamento de Leopoldo I. A peça foi muito bem apresentada. histórica, lotou as dependências do Teatro "Frohsinn" nos dias 5 de junho para
O interessante das apresentações eram as datas diferentes para as- o público em geral, e dia 11 de junho para associados. Os atores foram muito
sociados e público em geral, e algumas apresentações somente para associados. aplaudidos pelo seu desempenho. Houve reprise no dia 26 de junho para
Em. 1925, foram feitas seis montageDS. No dia 28 de março, foi crianças que até 12
anos pagaram meio ingresso. A Estrada de Ferro Santa Catarina pôs trem duas partes. Na pnmerra parte foi apresentada a peça teatral de Hermann
especial para escolares da Colônia. Ainda em 1927, foi apresentada a peça "1m Streiter, em três atos, "Deutschland erwache" (Alemanha desperta), e na
Foersterhause" (Na Casa da Floresta), de R. SkowrOlmek, em comemoração ao segunda parte, conferência e apresentações musicais,
dia de Natal, no dia 25 de dezembro. !?a atuação do Maestro Heinz Geyer como dirigente do Club Musical, da
Em 1928, a comédia em três atos de Gustav Davis "Maedel von Heute" realização dos ensaios e apresentações no Teatro "Frohsilm" foi convocada uma
(Moças de Hoje), apresentada no dia 21 de janeiro, foi dirigida por Hans Assembléia Geral Extraordinária, realizada no dia 15 de março de 1932, para
Starkmalm, que esteve visitando Blumenau. "Alt Heidelberg" (Velha tratar da junção da Sociedade Teatral "Frohsinn" e Club Musical. Na
Heidelberg) foi apresentada nos dias 8, 15 e 21 de abril. "Der Weg zur Hoelle" oportunidade foi eleita a nova diretoria e elaborados os Estatutos do "Musik und
(O Caminho para o Inferno), em três atos, de G. Kadelburg, foi apresentada no Theaterverein 'Frohsinn'" (Sociedade Musical e Teatral "Frohsiml"), A diretoria
dia 27 de maio. A peça em três atos, de Max Reimann e Otto Schwartz "Der eleita e responsável pela elaboração dos Estatutos foi a seguinte: August
Sprung in die Ehe" (O Casamento) foi apresentada no dia 22 de setembro. Zittlow, presidente; Walter Werner, vice-presidente; Otto Rohkohl, secretário;
"Asra", de Felix Philippi, em três atos, foi apresentada no dia 3 de novembro. Julius Baumgarten, 2 o .secretário; Rudolph Klein, tesoureiro; Franz Hering, 2 o
"Die Frau Kaffeesiederin" (As Coadoras de Café), histórico da época de tesoureiro; Helnz Geyer, dirigente da orquestra; Heinrich Webel, substituto do
Schubert, passado em Viena, e "Die drei Wuensche" (Os três desejos), peça dirigente; Nalmy Poetl1ig, diretor de cena; Franz Nietsche, 20 diretor de cena;
cantada, foram apresentadas no dia 26 de dezembro. Arthur Lindholm e Heinrich Sachtleben, consultores. Nos Estatudos datados de
Em 1929, foram apresentadas, no dia 1 o de abril, a comédia em três atos 13 de junho de 1932, a sociedade tinha por objetivo _ ''proporcionar aos seus
de Schoenthan e Kadelburg "Herr Senator" (Senhor Senador)." Dia 19 de maio associados entretenimento e diversões, notadamente por via da arte teatral e
0
foi apresentada a peça em três atos, de Brandon Thomas "Charley's Tante" (Tia musical". O artigo 2 dos mesmos Estatutos diz o seguinte: "Para a consecução
de Charles). Esses dois espetáculos foram dirigidos por Willy Jungmichel, que desses fins, anualmente, dever-se-ão realizar, no mínimo, 6 (seis)
esteve em Blumenau. "Glaube und Heimat" (Pátria e Fé) foi apresentada no dia representações teatrais ou musicais, reuniões dançantes ou outros espetáculos,
29 de junho. Foram ainda apresentadas em 1928, as peças "Die Orientreise" (A aos quais poderão assistir os sócios, com direito de introduzir membros de suas
Viagem ao Oriente) em três atos, de Blumenthal e Kadelburg, no dia 6 de famílias ", No Capítulo lI, Secção I, o artigo 4 o diz ainda que "0 Conselho
junho; "Weinacht in der Pecherhuette" (Natal na Cabana do Fabricante de Administrativo será eleito pela Assembléia Geral da seguinte forrna: seis
Piche), em dois atos, de Peter Rosegger e dramatizada por Heinrich Lindau, no membros dentre sócios afeiçoados da arte musical ou efetivamente militantes, e
dia 25 de dezembro; e na mesma noite, o conto alegre com música e dança outros seis dentre os sócios ativamente dados à arte teatral". Os Estatutos
escrito por A. Holst e composição de G. Winter "Heinzelmaennlein". No dia 26 foram registrados no dia 16 de junho de 1932, no Livro nO 4, fls. 1, no
de dezembro, Heinz Geyer acompanhou o "Liederkranz" com a orquestra no Cartório Getúlio Vieira Braga, como "Sociedade Dramático-Musical
concerto de Natal. Inovação que lhe valeu os maiores aplausos. "Frohsinn" .
Em 1930, foram apresentados os espetáculos "Wer fuehrt die Braut No dia 22 de março de 1932, às 8,30 horas da noite, no Teatro
Heim?" (Quem vai casar com a noiva?), comédia em dois atos, de Julia Jobst, "Frohsinn", o blumenauense prestou significativa homenagem à memória de
no dia 22 de março; "Er ist Baron" (Ele é Barão), em três atos, de Rudolph Johalm Wol{gang von Goethe pelo centenário de sua morte. Do programa
Hahn e música de L. Hauptner, no dia 20 de abril; "Der Jubilaeumsbrunnen" (O elaborado em três partes, constava da prilneira parte, sob a regência de Heinz
Poço do Jubileu), drama em quatro atos, de Wa1ter Bloem, no dia 23 de agosto. Geyer, uma peça musical e a "ouverture" de "Egmont". As cenas de "Egmont" e
Em 1931, a Sociedade Teatral "Frohsum", montou o espetáculo "Der o monólogo "ltigênia de Taurus", foram apresentadas pelos alunos da Escola
Sturm un Wasserglase" (Tempestade num copo d'água), comédia em três atos, Nova. A cOlú'erência sobre Goethe foi proferida pelo professor e diretor da
de Bruno Frank, no dia 19 de dezembro, te'ndo sido reprisada várias vezes. Escola Nova, Hans Saettler. Na segunda parte foi apresentada a peça teatral de
Além desse espetáculo, o NSDAP-Blumenau apresen- Goethe, "Os Irmãos", tendo como
t~u no dia 15 de agosto, n~ pa~co do Teatro "Frohsinn", urna programaçao em
participantes na encenação os blu~enauenses Franz N~etsche, He~a Meyer, ro de 1933, "Winzerliesel" foi apresentada pela terceira vez e foi muito
Victor Hering, Hubert WeIe!S e"Werner .S~he1l1l1g. Na terceIra parte foram elogiada, principalmente a atuação de Heinz Geyer, integrantes do Club
apresentadas ~s can~oes ~rlkoemg , de ~ch~~ert, P?r Felix Hering, e as canções Musical, do coral e os duetos interpretados pela senhorita Amely Becker e
As V101etas , de Mozart, Rosml:a S.llvestre" e "Canção do Viajante Noturno", Siegfried Endress, e a comicidade de Willy L6hr.
de Schubert, por Addl KheSchlei. Também foi apresentada uma poesia escrita e Em 1933, apesar da difusão da ideologia nazista, a Sociedade
declamada por Dramático-Musical "FrohsiI111" continuou com sua programação nonnal
V~S~~ " montando quatro peças teatrais, promovendo ainda no dia 11 de março de 1933,
No dia 9 de abril, a Sociedade Teatral "Frohsinn" apresentou Er a noite clássica de "Helge Hofstadt", nova peça vienense e teatro berlinense,
und Sie" (Ele e Ela). No dia 15 de maio, 1 0 dia de Pentecostes, a orquestra da com a participação de Emmi Isebarn, Else Nietsche, Jutty Baumgarten, Amely
Sociedade Dramático-Musical "Frohsinn" ~presentou um grande concerto com Becker, Heinz Geyer, Willy Lühr e Franz Brack. Foram apresentados: 1 -
o seguinte programa:, 1 - 9". Verdl - ab~rt~~.a da ópera Traviata; 2 - J. Bruell - Fausto: a) o grande monólogo; b) cena do envenenamento; 2 - Hamlet -
0 0
abertura da opera A Cruz Dourada , 3 : monólogo, 2a cena do 1 ato; b) 5a cena do 1 ato; c) 2a cena do 2 o ato; d) "Ser
Gounod-Artok - tantas ia de Fausto; 4 - Johann Strauss - No Belo Danubio Azul ou não ser" e a cena entre Hamlet e Ophélia. PAUSA 3 - Iphigenia - 30 ato
- valsa. PAUSA 5 - Fr. Popy - Suite Oriental: a) Les Bayadéres; b) Au bord du inteiro. Foram encenadas ainda as peças teatrais "Die Journalisten", comédia
Gange; c) Les Almeês; d) Patronille; 6 - M. Schmeling - Uma noite em Toledo: em quatro atos, de Gustav Freytag, nos dias 16 e 17 de abril, sob a direção de
a) Serenata; b) pan~a espanho~a; 7 Antônio C. Gomes - abertura do Guarany. Franz Nietsche; "Junggesellendaemerung" (Crepúsculo dos Solteirões), de
0
DepOiS baIle. A SocIedad~ Teatral "Frohsinn" e o Club Musical apresentaram Toni Impekoven e K. Mathern, em três atos, no dia 1 de julho; e no dia 8 de
no dia 9 de julho, a peça musicada de H. Sohnrey "Die Dorfmusikanten" (Os julho, em beneficio da Escola Evangélica Feminina; "Die Herren Eltern" (Os
Músicos da ~deia). Peça popular e alegre, com canto e mús.ica dirigi?a por Hemz Senhores Pais), mn retrato da vida em três atos, de HermaIm Herschel, no dia
0
Geyer. Foi reprisada várias vezes e muito aplaudld~. No dia 1 de outubro, foi 16 de setembro. "Meine Herzenskoenigin" (Rainha do meu Coração), opereta
apresentada a peça de Albert Kehm e Mart.m Frebse, e~ quatro atos, "Ais ich em três atos, com texto e música de G. Mielke, nos dias 10 e 2 de dezembro.
noch im Fluegelkleide" (Quando e~ amda e~a l~~el11na). No dia 31 de outubro, Essa opereta foi reprisada no dia 30 de dezembro em beneficio do Maestro
foi apresentada a programaçao especial De Johann Sebastian Bach até Richard Heinz Geyer. Para encerrar o ano de 1933, nos dias 25 e 26 de dezembro foram
Wagner", em memória dos maiores me,st~es da música e poesia da Alemanha. A encenadas "Maerchenbilder" (Contos da Carochinha) .
programação em ordem cronologIca abrangeu Bach de 1685/1750 e Bach - Em 1934, foi remontada a comédia em três atos de Franz Schoenthan e
Friedemann de 171011784, passando por Haydn de 1732/1809; Mozart de Koppel Ellfeld, "Die Goldene Eva" (A Eva Dourada), nos dias 10 e 14 de abril.
1756/1791; Beethoven de 177011827; Carl Maria v. Weber de 1786/1826; Franz A apresentação, em beneficio da "Caixa de Auxílio aos Enfennos e Morte" dos
Schubert de 1797/1828; Schumann de 1810/1850; Brahms de 183311897 e associados trabalhadores de B1umenau, foi dirigida por Willy Lühr; a peça, em
W~~ner de 1813/1883. Participaram da programação, Heinz Geyer como três atos, "Der Meister boxer" (O Mestre Pugilista), foi apresentada no dia 20
dIrIgente, o coral masculino, o coral misto e os solistas Margarethe Schumann- de maio para o público e no dia 9 de junho para associados. O baile do dia 20,
Hoeppner, Friedrich Sclunidt e Franz Brack. Os textos f~ram apresentados por foi abrilhantado pela Banda Breithaupt. "Schlageter", de Hans Johst, em quatro
Heribert Müller. Ainda em 1932, a Socledade~, T~atral "Frohsilm" apresentou atos e mn prólogo, foi apresentado no dia 22 de setembro para o público em
nos dias 25 e 26 de dezembro a o~e~eta WInzerliesel" (Liesel da vindilna), geral, e no dia 23 para crianças e adolescentes. Para recepcionar o Dr. Sclunidt-
opereta em três atos, com muslc.a e. t~xto de Georg Mielte. Participaram da Elskop, em Blumenau foi promovida uma noite colorida no Teatro "FrohsiIm",
encenação, August Noch, SIe~tned .~ndress, Kaethe Werner, Lorenz no dia 16 de novembro. Ao Maestro Geyer coube a parte artística, e ele incluiu
Broderesen, Amely Be~ker~ WI1ly. Lohr, Lore Müller-Hering, Walter Werner, entre as peças para coral e orquestra, "Amor e Concórdia", Ouverture de "O
Franz Brack. Dlreçao musI~al d.e HeilIz Geyer e teatral de NaImy Poethig. Guarany" e a Op. 31 de Grieg. Participa-
Depois baile. No dia 3 de JaneI-
ram o coral masculino e orquestra, o "Liederkranz" e Club Musical. Foram fundamental, a programação foi a seguinte: 1 - Hino Nacional Brasileiro; 2 -
apresentados números de ginástica pela Associação Ginástica Blumenau, ~presentação do coral; 3 - Saudação; 4 - Amor e concórdia, pela SocI~dade de
encerrando com "Das Vagas Azuis Ascende um País". O ano de 1934 marcou Ca~to; 5 - Oração festiva; 6 - Das vagas azuis ascende um paIS, pel~ SocIedade
também os 25 anos do Maenner Gesang Verein "Liederkranz", que foram de Canto; 7 - Lançamento da pedra fundamental; 8 - Hmo da. ~Iema~a .. No dia
festejados nos dias 28, 29 e 30 de abril, com a participação do Club Musical, do lançamento da pedra fundamental, na AssocIaçao Gmá.stlca Blumenau, o
Sociedade Musical "Lyra" e outras sociedades, com um grande concerto, Blumenau -Eworte Cl~be. romoveu um grande tornelO d~futebol CQm~~ela
inauguração da bandeira e grande festa popular para angariar fundos para a pnmerra vez em Blumenau. A metade da renda- foi em benefício cia construção
construção do novo teatro. Na ocasião, a orquestra da Sociedade do nov.o teat~o. O resultado da tômbola, lançada no dia 2 de junho (de 1935),
Dramático-Musical "Frohsinn", o coral feminino, a cantora Margarethe fOI publIcado no Teatro "Frohsüm", no dia 13 de novembro O conto de fadas de
Schumann-Hoeppner e o barítono Franz Brack, sob a regência de Heinz Geyer, Grimm, "Branca de Neve e Rosa Vermelha", foi apresentado no Teatro
homenagearam o "Liederkranz" pelo evento. "Frohsinn" no dia 21 de dezembro, encerrando o ano de 1935.
Em 1935, a primeira apresentação da Sociedade Teatral "Frohsinn" foi O ano de 1936 marcou a Sociedade Dramático-Musical "Frohsinn", com a
"Um Pai de Família Feliz", peça em três atos, de Gerhard Schaetzler Perasini, dia encenação, nos dias 30 e 31 de maio~-àa--épera-"Preciosa" de Carll\1aria v.
23 de março para associados, e dia 9 de junho para o público em geral. Apesar de Weber, fato que suscitou grande repercussão nos meio~ artísticos .e sociais do
ser fundada no dia 24 d~jtmho de 1860, a Sociedade Teatral BJumenau adotou o Vale do Itajaí e também do Estado, principalmente por ter SIdo encenada com
nome de Socied~de Teatral "Frohsinn", no dia 18 de abril de 1885, festejando no amadores. Heinz Geyere foi o responsável pelo sucesso do espetáculo, tendo ao
ano de 1935, o . seu quinquagésimo aniversário no dia 2 de junho, no terreno lado, como auxiliares, Willy L6hr e Lorenz Kreuzer, responsáveis pela
onde está atualmente o Teatro "Carlos Gomes". Na ocasião também foi colocada "mise-en-scene". O perfeito funcionamento do espetáculo atribuiu-se à grande
à venda uma tômbola para possibilitar a aquisição de verba para a construção do capacidade de Willy L6hr e ~o talento do pintor Hans Wirth. O espetáculo foi
teatro. Também a apresentação teatral realiz.ada no dia 3 de agosto, "Minna de reprisado no dia 13 de junho para o público em geral.
Barnhelm", de G. B. Lessing, comédia em cinco atos, foi apresentada em Referindo-se à atuação do regente e componentes da seção musical do Teatro
homenagem aos 50 anos do "Frohsinn". Após o espetáculo foi realizado um "Frohsinn", Frei Ernesto Emmendoerfer escreveu "o regente e os componentes
baile, abrilhantado pelo Quinteto Riograndense; este quinteto tocou no baile do da seção musical do Teatro 'Frohsinn' são cônscios de que são continuadores
dia 6 de setembro, no Teatro "Frohsinn". Com o <»'resciment da C(}ffiunidade, o de uma tradição cultural. Os músicos e cantores não podem ficar parados, não
tradicional T~ro "Frohsinn" tornou-se acanhado, o que le\'ou os associados e se conformariam, dariam um último concerto .que tenninaria ~01l1 o 'canto do
outros a idealizarem um novo tea ro. No itúcio houve divergências quanto ao cisne' e urna marcha fúnebre, procuranam Ulna sombna margem do rio, e
local, pois NaImy Poethig defendia o seu ponto de vista de que o novo teatro como os israelitas no cativeiro da Babilônia, suspenderiam seus alaúdes
deveria ser construído no mesmo local (onde hoje se localiza a CELESC), porém nos salgueiros chorões, e cantariam a sua tristeza para as águas dn ftaja[,
a maioria venceu. que as levaria ao mar, para o mar... Há perigo que tal aconteça. Olhai a
Dia 10 de novembro de 1935, lançamento festivo da pedra fundamental turma de veteranos do Teatro 'Frohsinn", Franz Runze, Erwin Lemke,
do novo teatro. Hertha Deeke, Alfredo Lohr, Franz Becker, fngo Hering, Fritz Wohlgemuth,
No dia 9 de novembro, teve lugar um concerto onde foram apresentadas Rudolph Wuensch, Rudolph Klein, frene Fuchs, Heddy Geyer, Sibilla e
músicas de Haendel e Wagner, sob a regência de Heinz Geyer e solos de Franz Wally Gropp, Annemarie Asseburg. A causa é de Blumenau. É nossa!"
Brack. Também foi apresentada a peça teatral "Sob quatro olhos". Depois o Além do grande espetáculo "Preciosa", ainda foram apresentados no
tradicional baile. Na oportunidade foram distribuídas listas para aquisição de teatro "Frohsinn", a comédia em três atos, "Schweine schlachten" (Matar
donativos par~ a construção do novo teatro que estavam dispOlúveis no teatro e porcos), no dia 8 de agosto. No dia 10 de outubro, grande con-
também com Rudolph Klein, Heinrich Webel e Cia. Salitlger S.A .. Para o dia
10, lançamento da pedra
29.
certo, quando foi apresentado, entre outros números, o canto coral do "Die definitiva do terreno.
Schoepfung", do Oratorium de Josef Haydn, e no dia 20 de dezembro, um A última a resentação no velho Teatro "Frohsinn" foi realizada em
concerto para angariar fundos para minorar o inverno dos necessitados na 27 de ma.rç.o...ile 1937, para associados, e dia 28 para o público em geral.
Alemanha. O programa incluiu, além do Hino Nacional Brasileiro, músicas A-.pe.ç<Lap.resentada foi "Die Dorfmusikanten" (Os músicos da aldeia),
de Georg Fuerst, Mozart, Haydn, Sibelius, C. M. v. Weber, Schubert, grande espetáculo popular com música, canto e dança, em três
Schumann, Brahms e Wagner. ~e H. Solmrey.
O ue muito contribuiu para concretizaLQ.Ji.9nho que a Sociedade No dia 25 de maio de 1937, a Sociedade Dramático-Musical
Dramático-Musical "Frohsinn" vinha acalentando desde 1928 (a construção "Frohsiml" publicou no "Blumenauer Zeitung", concorrência para aqui-
do novo teatro), foi a incorporação do Coral Masculino "Liederkranz", no dia ~ição de madeira para o novo teatro. As propostas deviam ser encami-
30 de maio de 1936. No dia 16 de agosto de 1936, foi eleita a nova diretoria nhadas ao Senhor Heinrich, na Casa Hoepcke.
da sociedade, que ticou assim constituída: Curt Hering, presidente; Rudolph Após a venda do Teatro "Frohsinn", os espetáculos teatrais, con-
Klein, tesoureiro; Paul Koch, secretário; Narmy Poethig, diretora teatral e certos, bailes e outras promoções da sociedade, passaram a ser realizadas
Heinz Geyer, maestro. Representaram o Grupo Teatral: Franz Nietsche, nas. dependências da Sociedade de Atiradores. No dia 27 de junho de 1937,
Walter Werner, Richard Kaulich, Willy L6hr e Lorenz Kreuzer. foi realizado um grande espetáculo músico-vocal, sob a regênda do
Representantes do coral: Franz Becker, Plinio Lenz, Wilhelm Froeshlin, Maestro Geyer, e no dia 6 de novembro, foi apresentada a comédia, em três
Heinrich Webel, Franz Hering e Julius Baumgarten. Reuniões e assembléias atos, "Die Logenbrueder" (Os Maçons). Reprisada no dia 25 de dezembro,
foram realizadas. Venderam o imóvel da . Sociedade Teatral foi o último espetáculo apresentado pelo Grupo Teatral "FrohsÍlUl", pois
"Frohsim~egund~ Maestro Geyer, po~ta contos de réis, para adquirirem o c.om as leis de nacionalização proibindo o idioma de Goethe, cessaram as
terreno para a construção do novo teatro. Entraram em entendimentos com atividades teatrais.
Adhur Rabe, que solicitou~do o Maestro Geyer, 160 contos de réis pelo Com a nacionalização continuaram os concertos, porém, a cultura
terreno. Geyer intercedeu e Arthur Rabe cedeu o terreno por 145 contos de teatral desapareceu por alguns anos. Após o baile de S. Silvestre, os as-
réis. Os assocjados da Sociedade Dramático-MusicaL "Prohsinn" resolveram sociados da S. D. M. "Frohsinn", voltaram-se com afinco à construção da
arrecadaL0S-145 contos de réis, e por outro lado, a Cia. Hering deveria sua nova sede, sem descurar da parte artística, pois no dia 12 de março de
arrecadar idêntica importância. 1938, a orquestra da S. D. M. "Frohsinn", sob a regência de Geyer,
No dia 23 de março.ill0937, a Empresa Força e Luz de S~tarina S.A. apresentou um concerto no jardim da Sociedade de Atiradores.
adquiriu o teatro "Frohsinn", conforme registro no tabelionafo João Gomes O "Der Urwaldsbote" na 89, de 6 de maio de 1938, publicou com
da N6brega, no Livro na 22, tls. 60 V, e registro no 1 ° Ofício de Registro de data de 12 de abril de 1937, os Estatutos da S. D. M. "Frohsinn" (fundada
Imóveis de Blumenau, no Livro na 3, tls. 186, sob na 11.065, em 7 de abril em 24 de junho de 1860 como Sociedade Teatral Blumenau, e em 18 de
de 1937. Henrique Probst foi procurador dos outorgantes vendedores abril de 1885, passou a chamar-se Sociedade Teatral "Frohsinn"), fundada
Guilhenne Asseburg e sua mulher Aninha Asseburg. Como presidente da em 15 de março de 1932, pela fusão da Sociedade Teatral "FrohsiIm" e o
Sociedade Dramático-Musical "Frohsinn", assinou Gustav Salinger. Os Club Musical. Os Estatutos foram registrados no dia 16 de junho de 1932,
terrenos para a construção do novo teatro foram adquiridos de Arthur Rabe no L-4, folhas 01. No dia 16 de agosto de 1938, a Sociedade de Cantores
e esposa, Frederico Rabe, Leopoldo Weise e esposa, Ernesto Nienstaedt, "Liederkranz" (fundada em 26 de maio de 1909), associou-se à S. D. M.
Clara Nienstaedt e Use Weise. A documentação se concretizou através do "Frohsinn". Os Estatutos foram registrados no 1 ° Tabelionato Otto Abry,
Tabelionato Otto Abry no dia 3 de abril de 1937, e registro no Livro na 59, no dia 2 de junho de 1938, no L-4. folhas 63V, com a denominação de
folhas 290 V à 293 e registro no 1 ° Ofício de Registro de Imóveis de Sociedade Teatral e Musical "Froli::-Í1m". Os Estatutos foram assinados
Blumenau, no Livro na 3-L, folhas 187, sob na 11.080, em 12 de abril de por Curt Hering, Narmy Poethig, Franz Gestwiky, Wilhelm Froeshlin,
1937. Segundo as escrituras, os terrenos foram adquiridos por cinqüenta Arthur Lindholm, Heinz Geyer, Willy L6hr, Richard Kaulich, Walter
contos de réis. A pedra Werner, Heinrich Webel, Hans Niemeyer,
fundamental foi lançada dois anos antes de receberem a escritura
Franz Runze, Franz Hering, Lorenz Kreuzer, Franz Becker, Emil Rossmark, robe", as instalações para o ecônomo e o restaurante, já mostravam a
Paul Scheidemantel, Paul Koch e Rudolph Klein. Para atender às leis de imponência do novo teatro. Faltava concluir a 'parte interna e a mai', importante
nacionalização, a S. D. M. "Frohsinn" convocou uma Assembléia Geral de.J.odas, o g~e audit no e o palco~ ... e também o jardim, para que o belo
Extraordinária, no dia 24 de julho de 1938, para reformar os Estatutos (a templo cultural de Blumenau se-apresentasse com a distinção que lhe era
convocação foi publicada em português e alemão), que foram registrados no devida.
Tabelionato Abry em 3 de agosto de 1938, no L-4, folhas 68V, e publicados no Construído em betom, foi edificado para servir às gerações futuras por
"Der Urwaldsbote" nO 12, de 9 de agosto de 1938. uns cem anos, evitan~o assim futuros acréscimos na cOflStrução original. Na
A nacionalização se fazia presente em todos os setores da vida ocasião, segundo projeto registrado na Diretoria d.e.Obras da Prefeitura
b1umenauense, principalmente na área cultural artística. O teatro emudeceu, e a Municipal de BIumenau, sob nO 8, no dia 19 de fevereiro de 1937 a área
2
programação musical, que sempre incluía as maiores expressões da música edificada seria de 2.090 m , tntretanta, em-outro documento, nos ~rquivos da
alemã, na programação Noite Musical Literária, promovida pela S. D. M. sociedade, consta a área construída com 2.321,70 m2. Na gestão da diretoria sob
"Frohsinn", e apresentada no dia 2 de julho de 1937, no palco da Sociedade de a presidência do professor José Perreira da Silva, as atividades sócio-culturais
Atiradores, excetuando a peça musical "Entrada dos Hóspedes no Wartburg", artísticas ocupavam toda a agenda do teatro. e para evitar choques com ensaios
da ópera Tannhauser, de R. Wagner, que foi executada a pedido, foram da Orquestra Sinfônica, coral, teatro, "baIlet" e demais atividades artísticas,
apresentadas as músicas, abertura da ópera "Ruslan e LudmilIa", de M. J. houve necessidade de ser construído o pequeno auditório que,
Glinka; "O Sarafan Vermelho", canção russa de Warlamoff; "Suite lamentavelmente, o professor José Ferreira da'Silva não conseguiu concluir,
Caucasiana", de M. Ipolitow-Iwanow; "Suite. Oriental" , de Francis Popy. por terminar o seu mandato. Cama construção do pequeno audit6l:ia....a atual
2
Foram executados o Hino Nacional Brasileiro de Francisco Manuel da Silva e o área edificada é de 2.582,15 m , num terreno de 9.960,50 m2, pois da antiga
Hino da Bandeira, de Francisco Braga. Foram também apresentadas as poesias, área (terreno) de 10.630 m , foram doados 669,50 m2 para a abertura da Rua
2

de Olavo Bilac, "Brasil", e "As Índias", e ainda a novela caucasiana de Grigo1 Presidente Kennedy.
Robakidse. O prQiet~~trução do Teatro "Carlos Gomes", registrado na Diretoria de
No dia 12 de fevereiro de 1939, aS. D. M. "Frohsinn", convocou uma Obras da Prefeitura Municipal de BIumenau, está assinado por E. Brunner, que
Assembléia Geral Extraordinária, assinada pelo Dr. Afonso Rabe, que foi também construiu o teatro, porém docUl~os comprovam que o projeto,
realizada às 10 horas da manhã, nas dependências do Club Germânia, para inclusive o palco giratório, foi concebido por Franz von Knoblauch, engenheiro
mudar o nome da Sociedade, que foi reestruturada sob a denominação de fonnado pela Escola Superior de Engenharia de Rendsburg, Alemanha. O
Sociedade Dramático-Musical "CarIos Gomes" . projeto de Franz von Knoblauch foi levado para a Alemanha por Max Hering,
1939. Com grande euforia, a Comunidade blumenauense viu seus para ser testado quanto à acústi,ca e outras adaptações necessárias para o bom
esforços coroados de êxito, quando no dia 1 ° de julho de 1939, com grande funcionamento do teatro. Por motivos internos da então comissão responsável
concerto e baile festivo, foi inaugurada a nova sede da Sociedade pela construção do teatro, Knoblauch vendeu seu projeto original para a
Dramático-Musical "CarIos Gomes". Na época, apesar de concluída somente a Sociedade Dramático-Musical "Frohsinn" (atual S. D. M. "CarIos Gomes~'). E.
parte externa, o grande salão de festas e o restaurante, a maravilhosa fachada Brunner era construtor lit:enciado pela 8a Região.
falava por si, com suas linhas arquitetônicas subindo silenciosas para o infinito, O concerto de inauguração da sede social do Teatro "Carlos Gomes" foi
mostrando o que seria futuramente o teatro um grande empreendimento que realizado no grande salão de festas, que foi adaptado para a ocasião, mostrando
demonstrava a força artística de uma Comunidade, onde música, teatro e canto que a tradição artística não sofrera solução de continuidade, apesar do auditório
eram culUvadus com carinho e que, apesar da nacionalização, tinham e palco não estarem concluídos. Ensaios foram realizados para o concerto
esperanças de que um dia a palavra falada voltasse (teatro), como nos gloriosos inaugural e convites foram distribuídos aos mais distantes locais. A noite
tempos do velho Teatro "Frohsinn". festiva reuniu uma ilustre platéia, pois contou com a presença do Dr. N~reu
Com suas janelas e portas enormes, os terraços, as escadarias, o grande Ramos, Interventor Federal em Santa Catarina, e os secretários de Estado, Dr.
salão de festas, a sala de ensaios da orquestra e canto, o "garde- Altamiro Guimarães, Dr.
Ivo d' Aquino e Dr. Ivens de Araújo, acompanhados de suas esposas; o 30. 33.
32.
31.
Comandante Major Nilo Guerreiro e oficiais do 32° B. C.; o Tenente Coronel
Niemeyer, Comandante do 13° B. C. de Joinville; representantes das três Forças
Armadas sediadas em Florianópolis e outras pessoas ilustres e importantes do Soeiedade Dramatioo-Musicat "Carlos Gomes"
nosso Estado. BLLMEN:\U rI
A abertura do concerto foi com o Hino da Independência, regido pelo Maestro
Geyer, que naquela noite festiva contou também com a participação de músicos da
Sociedade Harmonie-Lyra de Joinville. Os músicos, solistas e o coral, brindaram a
platéia com uma noite artística de alto lúvel. Na ocasião, o Dr. Edgar Barreto,
usando da palavra, saudou os presentes, enaltecendo a participação de todos num
evento tão importante, dizendo ainda da honra em ter a sociedade adotado o nome da nova séde, em 10 de Julho de 1030 as 20.'°
do grande compositor brasileiro Carlos Gomes. Como orador oficial da sociedade, o
Dr. Freitas Melro discorreu sobre o histórico da sociedade, destacando a atuação do hOf.ls
velho "FrohsÍlm", que seria sempre lembrado, e que somente o nome de um grande
compositor como Carlos Gomes, o substituiria na sua grandeza. Mais de mil
espectadores ouviram as palavras do orador, que também elogiou o trabalho Programa
incansável do Maestro Geyer e do então presidente Curt Hering. Após a Sinfonia do
"lI Guarany", de Carlos Gomes, usou da palavra o Comandante do 32° B. C., Major
Nilo Guerreiro, que falou rapidamente sobre o Presidente Getúlio Vargas, cuja foto J:1i.no da Iudepeudeucia - por D. Pedro 1. - Orquestra. A Bandeira
foi inaugurada. Em seguida, o coral da S. D. M. "Carlos Gomes", cantou o Hino - 3J parte d.l "Suíte BraSI!". Solos, .:oro cor· questra, por HeinL
Nacioual a oito vozes, arranjo do Maestro Geyer, que foi o ponto alto. O concerto no Gever.
grande salão de festas terminou dando lugar ao espaço para o baile de gala, que se Saudação. (Or. E. Barreto).
prolongou até altas horas da madrugada. O concerto de inauguração foi reprisado no
Hino a C~r1?S G01~es - Solos, côro e orquestra. Letra de
dia 15 de julho, para o qual at1uíram amantes das artes de Brusque, ltajaí, Rio do OltvCH:t e SIlva, musíca de HCll17. Gever.
Sul e outros locais. O coral de Badenfurt esteve presente, bem como Karl Discurso ohcial. (Dr. FreltilS Melro) ..
Schuetzler, que solicitou a presença de todos para o evento cultural. Após a
inauguraçõa, o grande salão de festas era palco constante de grandes eventos Finale da 9" Sinfonia - Córo e orquestra por L. van
Beethoven.
sociais. Durante a Semana de Caxias, de 21 a 28 de agosto de 1939, além das várias :.llu. parte
modalidades esportivas e horas cívicas realizadas, o Comandante do 32° B. C., "Fosca" - r;1l1tasla para orquestra. Carlos Gomes.
Major Nilo Guerreiro, ofereceu à sociedade blurnenauense no salão de festas do
"U Guarany" - Fautas!.} para orquestra. Car!os Gomes. "TI
Teatro "Carlos Gomes", no dia 26, wn baile de gala. O alto nível artístico da S. D.
Guarauy" - Sinfonia para orquestra. CHIos Gomes. Brinde de
M. "Carlos Gomes" fez com que o Dr. Nereu Ramos, Interventor Federal em Santa
Catarina, a convidasse frequentemente para apresentar-se no Teatro "Álvaro de honra e inauguração do retrato de S. Exia.
Carvalho", em Florianópolis. Entre outras apresentações, o programa para o dia 6 de o Sur. Presidente da Republica.
Hino Nacional de Fr. hIanoel par.} grilnde coro e orques
setembro de 1939, elaborado em três partes pelo Maestro Geyer, constou dos tra, arranjo de Heinz Geyer. '
seguintes números: I parte: a)
- Baile -
Hino da Independência; b) Suite Brasil, dividida em três partes: Minha Terra, A ganda da festa popular para auxiliar a caixa da sociedade. Foram realizadas
Bandeira e O :rropeiro. Na segunda e terceira parte do programa, foram toda a sorte de diversões para adultos e crianças. Tômbola, dança com
~presentados a Reverie de Burmester, Serenata de G. Braga, Sanctus de "Schrammelmusik", etc. A festa popular rendeu vir\te e quatro con· tos de réis,
Schubert, Minha Mãe (arranjo de H. Geyer), Abertura de Semiramis entretanto, a sociedade, até o dia da Assembléia Geral Ordinária de 16 de março
de'Rossini, Fantasia do "Il Guarany" de Carlos Gomes, a Marcha 'Pannhauser de 1940, já empregara setecentos e cinqüenta contos de réis na construção,
de R. Wagner e o Hin9 Nacional. havendo ainda em caixa trinta e sete contos de réis à disposição. A caixa do
As Qromoções artísticas ~ontinu~ a ser realizadas no grande salão de bazar dispunha aineÍa de treze .contos de réis para aplicar na construção do
festas, porém iJo dia 29 de Qutubro de 1939, foi realizada uma Assembléia jardim e melhoramentos interno~. Na Assembléia Geral Ordinária de 16 de
Geral Extraordinária para discutir a conclusão do prédio e a aprovação de um março de 1940, entre outros assuntos relevantes, por propostsa da diretoria, foi
plano de financiamento apresentado pela diretoria. Entre a~ propostas resolvido baixar a jóia para jovens solteiros, fixar a taxa e estipular prazo para a
apresentadas pela diretoria foi resolvido autorizar a amortização das dívidas emissão de bilhetes transitórios. também foram reeleitos, por unanimidade,
ainda pendentes e pôr à disposição das obras do teatro a necessár'ia verba para a para a Diretorja Técnica do Teatro, Walter Werner, José Ferreira da Silva,'
conclusão do prédio. Foram discutidas várias propostas, entre elas, a de Heinrich Webel e Franz Becker.
empréstimo sob hipoteca da quantia de cento e cinqüenta contos de réis, com AS. D. M. "Carlos Gomes", além de promover festas populares e
juros de 7,5 % ou o empréstimo de até duzentos contos de réis, cotas com juros promoções artísticas para angariar fundos, também abria suas portas para que
de 6% e que possivelmente seriam colocadas entre os associados. outras entidades o fizessem e assim, no dia 20 de novembro de 1939, foi
Posterionnente, a diretoria emitiu cautelas inalienáveis, sem juros, não realizado, em benefício do Preventório para os filhos dos Lázaros, e em
0
reembolsáveis, e aumentou a mensalidade a partir de 1 de novembro, de comemoração ao Cinqüentenário da República, um concerto, que além do Hino
3$000 para 5$000. Reuniões e mais reuniões foram realizadas, para angariar da Proclamação da República, contou com peças selecionadas de Bach,
verba para dotar Blumeaau do atual Teatro "Carlos Gomes". No dia 19 de Gounod, Sibelius, Schubert, Haydn, Carlos Gomes e Heinz Geyer (Mãe -letra
novembro, um quarto de folha do "Der Urwaldsbote", com letreiros enonnes, de Casimira de Abreu e música de H. Geyer). Na ocasião, saudou os presentes o
trazia uma propa- então Prefeito Municipal José Ferreira da Silva, e a alocução à data foi feita
pelo Dr. Edgar Barreto. O encerramento foi com o Hino Nacional.
O fato mais importante ocorrido em Blumenau em 1940 foi, sem
dúvida, a visita de Getúlio Vargas, no dia 10 de março, e a quem foram
prestadas homenagens no grande salão de festas do Teatro "Carlos Gomes".
Getúlio Vargas, em visita oficial a Blumenau, passando por Pomerode, foi
saudado por uma menina. Na ponte do Salto, Getúlio Vargas foi recepcionado
por uma caravana de motociclistas que o introduziu até o centro. Na Praça
"Carlos Gomes", uma multidão o aguardava, e um representante do Partido
Trabalhista saudou o ilustre visitante. Sob o toque de sinos, a grande comitiva
seguiu a pé até o Teatro "Carlos Gomes", ornamentado com bandeiras. Getúlio
0
Vargas subiu ao palanque de honra e assistiu à parada do 32 B. C. da juventude
e povo em geral. Ao entrar no "hall" do Teatro "Carlos Gomes", uma
homenagem especial foi prestada ao insigne hóspede; o Maestro Heir1Z Geyer
havia reunido em torno de si os seus fiéis, apresentando ao chefe da nação o
Hino Nacional num coro a capela, em forma que por certo ainda não lhe fora
apresentado; também aqui a reprodução a oito vozes não falhou o seu efeito. O com orquestra do Lira Tênis Clube de Florianópolis; baile onde foi feita a
Interventor Federal do Estado, Dr. Nereu Ramos, apresentou pessoalmente o distribuição dos prêmios da grande tômbola, no dia 15 de novembro' ba~le d~ S.
Maestro Heinz Geyer ao distinto visitante, honrando dest'arte também seus Silvestre e também promoções artísticas, entre elas, log~ apos a mau~ração, ?
colaboradores, os músicos, cantores e cantoras. Coro Russo Ukraino "Zaporo Jez", que se apresentou no dIa 29 de Julho de
Poucos minutos depois, o ilustre hóspede e sua comitiva foram ao salão 1939, com um programa variado em três partes, com canções russas e ukrainas,
de festas, enfeitado de flores, no primeiro andar. Estava preparada a mesa para coro, solo de violino, danças, enc~rr~ndo cOI~ ~aile abrill~antado pela
600 pessoas. As fileiras de mesas pareciam não ter fIm. Para o chefe do orquestra de balalaikas. Qgrallde. pmmsta brasIleIro Ernam Braga,
governo federal, preparara-se uma mesa redonda de cinco metros de diâmetro apresentou-se no dia 11 de maio de T92J1í," tendo como colaboradores o Orfeão da
em lugar destacado do salão. Mãos femininas de senso artístico Escola Pedro II e·~ Curso Comercia1 anexo. Nessa época, os estudantes
transfonnaram-na em grandioso adorno. Rivalizaram aqui originalidade e fino participavam ativamente das promoções culturais. Neste concerto, além dos
gosto, e em quaisquer lugares esta mesa sempre seria uma atração. Sem igual, compositores Chopin, Schumaml, Lizst, Villa Lobos, executados ao piano por
se apresentava uma espécie de concha gigantesca no meio da mesa redonda, Ernani Braga, foram apresentadas as canções brasileiras para coros, Viva a
contendo uma coleção de "labiatas" gigantes, que se rivalizavam na beleza das Nossa Terra (2 vozes); Ogundê-Xangodê (3 vozes - canto religioso africano);
fonnas e na riqueza das cores. Um morador da Barra do Rio, oriundo de São João da-ra-rão (4 vozes - folclore do Piauí); Desafio (3 vozes); Luar do
Blumenau, colhera para este fim todas as flores do seu orquidiário. Durante o Sertão (4 vozes - Catulo da Paixão Cearense); e Engenho Novo (3 vozes -
almoço, tocou a banda do 32° B. C .. Terminado o banquete, usou da palavra o folclore do Rio Grande do Norte).
professor José Ferreira da Silva, Prefeito Municipal, como único orador oficial A nacionalização imposta é evidente no grande concerto músicovocal
que falou da importância da visita, sendo muito aplaudido. Em seguida, realizado no dia 26 de abril de 1941, onde aparecem no programa o Hino da
levantou-se Getúlio Vargas, que improvisou um discurso vibrante, enaltecendo Independência, de D. Pedro II; À Bandeira, da Suite Brasil, de Heinz Geyer;
Blumenau e sua gente, sendo muito aplaudido. Na ocasião, Getúlio Vargas foi Hino a Carlos Gomes, de Heinz Geyer e letra de Oliveira e Silva; Adeus, de
presenteado com um bronze que simboliza a indústria e o comércio e onde foi Carlos Gomes e o ciclo" Aluta Garibaldi" (trechos da ópera) de autoria de José
gravada, em ouro, uma dedicatória. Também foi instituído um livro de Ferreira da Silva e música de Heinz Geyer, ,sendo solistas Gussy Delitsch (de
hóspedes, que foi aberto pelo chefe da Nação, seguido do Dr. Nereu Ramos. Curitiba), Heddy Geyer e Franz Brack, tendo como locutor José Brack. A
Getúlio Vargas era aplaudido por onde passava e desde sua entrada em programação foi encerrada com o Hino Nacional Brasileiro. A mesma
Blumenau pelo Vale do Testo, não lhe escapou a grande "sinfonia do trabalho programação foi reprisada em Florianópolis, pelos seis anos de governo de
humano", realizado pelos agricultores, única classe trabalhadora não Nereu Ramos, no dia 30 de abril de 1941, no Teatro Álvaro de Carvalho.
representada na grande parada em sua homenagem. Também não lhe deve ter Em 1941, os integsantes do coral e orquestra da S. D. M. "Carlos
passado despercebido os olhos azuis, os cabelos loiros, o progresso e trabalho Gomes" foram convidados por Assis Chateaubriand para se apresenta li em São
da gente ordeira de Blumenau e também da responsabilidade do governo se o Paulo e Rio de Janeiro durante a Semãilã da átria. Chateaubriand ofe;eceu, na
português não foi ensinado nas escolas, pois desde o início da colonização, o época, vinte e cinco contos de réis e todas as despesas pagas. Sob o lema
Dr. Blumenau pedia escolas e estradas, não sendo atendido, porque não "Torrão e Pátria", os músicos e cantores, em quatro grandes ônibus partiram
careava impostos para os cofres públicos. Na época, todos achavam que para São Paulo. Uma das exigências de Chateaubriand, ao convidar o coral e
Blumenau teria o apoio que merecia, porém a nacionalização provou o orquestra para apresentar-se em São Paulo, foi a apresentação na Hora do
contrário. Brasil. A primeira audição, no Estúdio da Rádio Tupi de São Paulo, foi às 8
No seu grande salão de festas, a S. D. M. "Carlos Gomes" promoveu horas da noite, tendo como solistas Gussy Delitsch e Franz Brack. Em virtude
bailes de carnaval, domingueiras com bebidas, doces e café; bab les de problemas técnicos, o concerto que deveria ser apresentado no Teatro
benefIcent~s, como o grande baile do Champanha, realizado no dia 19 de Municipal foi apresentado no Teatro Sant' Ana, no dia 3 de setembro, em
outubro, em benefício do Preventório para os fIlhos dos Lázaros, homenagem
!lO Interventorde São Paulo, Fernando Costa, ex-Ministro da Agricultura. No Segundo o jornal "Cidade de Blwnenau", de julho de 1942 "A majestosa
Teatro Sant'Ana, quando o pano de boca subiu, uma salva de palmas saudou o sede da Sociedade Dramático-Musical 'Carlos Gomes' é, ~ela sua
coral e orquestra e se tornou vibrante quando entrou o Maestro Heinz Geyer. grandiosidade e pela sua imponência, um dos edifícios mais deslumbrantes
Assistiram às audições altas autoridades. A Rádio Tupi também transmitiu a de Santa Catarina. Local de atração para todos os que nos visitam, é para
taceira audição, às 10,30 horas da noite, realizada na Feira de Amostras do Blumenau e particulannente para a sociedade que o edificou, motivo de
Parque Água Branca com os maiores aplausos. A imprensa de São Paulo grande orgulho e imensa satisfação. A sala de teatro, verdadeira jóia
divulgou amplamente o acontecimento, e o Diário de São Paulo de 4 de incrustada no magnífico edifício. Blumenau apresenta ao estado. e ao
setembro deu ênfase especial ao evento - "Empolgante noite de arte brasileira Brasil um dos mais extraordinários edifícios culturais que poSSUI. O palco,
significou a audição de gala de ontem do grande conjunto coral de Blwnenau. com 17 metros de largura, 17 metros de comprimento e 16 metros de altura.
Foram destaques as peças musicais de Geyer 'não só pela sua fina O palco giratório com 12 metros de diâmetro. Além disso, tem a parte atrás,
musicâliZlãde, como pelo sentidiJ eminentemente patriótico '. Vibrantes com 7 metros de comprimento e 17 metros de largura, para cenários
paltnas para a -Suite Brasil" e trechos da ópera 'Anita Garibaldi', e especiais. Salas ao lado do palco são com paredes estofadas à prova de som
principalmente o Hino Nacional, a oito vozes, que foi bisado ". Receberam para os ensaios, salas para artistas e demais dependências. Até 1942, as
corbelhas de tI ores que se misturavam aos aplausos. Na ocasião, Geyer foi obras custaram um milhão e trezentos mil cruzeiros. De doações foram
apresentado a Ary Barroso pelo Dr. Rizzini, e Ary Barroso disse para Geyer: recebidos cerca de oitocentos mil cruzeiros ".
"que na Alemanha havia urna sociedade de canto coral em quase toda Contribuíram famílias e tirmas importantes do nosso Estado, entre elas,
cidade, por menor que fosse ", concluindo: "é nisso que reside o segredo da Renaux, Hoepcke, Konder, Stolz, VilJer, Truppel e outras. A família Renaux foi
dis: ciplina alemã, que não é uma disciplina militar, mas uma disciplina a que mais contribuiu para a fonnação do nosso patrimônio. Na época, somente
conseguida pela música ". De São Paulo para o Rio de Janeiro, viajaram em o Cônsul Car10s Renaux doou setenta e cinco
carros da E. F. Central do Brasil (no dia 5 de setembro), excursionando de
·ônibus através da Avenida Niemeyer para Cascatinha, assistiram ao destIle
em homenagem ao Dia da Independência do Brasil. No Rio de Janeiro,
apresentaram-se na Rádio Tupi, no Tijuca Tênis Clube e no Automóvel
Clube, onde cantaram na recepção aos cadetes paraguaios. Infelizmente, a
alegria foi quebrada pela morte de Willy Lohr, vítima de um ataque
cardíaco aos 45 anos de idade. Foi sepultado no Rio de Janeiro.
Despediram-se do Rio de Janeiro no dia 11 de setembro e de São Paulo no
dia 12.
No dia 10 de julho de 1939, estavam concluídas as obras externas, o
grande salão de festas e o restaurante, e no dia 5 de dezembro de 1942, após três
anos, estavam concluídas as obras da sala de espetáculos, palco e coxias. Para
que essas obras fossem concluídas, muitas assembléias gerais extraordinárias
foram real izadas e wna das mais importantes foi a realizada no dia 25 de
outubro de 1942, para aprovação dos gastos ordenados pela diretoria para
conclusão das obras da sede social, e a autorização à diretoria para promover
uma operação de crédito garantida por uma terceira hipoteca dos bens sociais
(imóveis), a fim de poder fazer face a compromissos oriundos da construção da
sede e dos seus melhoramentos.
contos de réis, fora as importâncias doadas pelos demais membros da família tando três can
Renaux. As importâncias doadas pela família Renaux foram tão vultosas que a ções, e às 22 horas
diretoria da sociedade homenageou o Cônsul Carlos Rennaux com um busto, Sociedade Dlamãtlco-Musical .. Carlos Gomes foi realizado um
que está no Teatro "Carlos Gomes", ao lado do busto de Curt Hering, que SLUM€IIIAV grande baile de gala.
também não mediu esforços para que a construção do novo teatro se ~~ No dia 6, com início
concretizasse. Também as grandes finnas alemãs da época doaram somas Concerto às 16 horas, foi
vultosas para a construção do nosso teatro, entre elas: Otto Ernst Meyer ;Jr~aHtttrc<'$f'SAhJ do. 5 d r O {~ 1, l;~ tIl b ) d{l l ~q po, realizado um jantar
(fundador da Varig) e Renner do Rio Grande do Sul, Soensken de São Paulo e nta,râo ,tn dançante (traje de
outras, pois não houve firma alemã que não colaborasse. Foram utilizados todos Inauguração passeio). Para a
os meios para angariar fundos para a construção do atual patrimônio, e uma do seu novo Teatro inauguração foram
assembléia geral foi realizada, onde Curt Hering e Rudolph Klein sentaram-se à expedidos convites
uma mesa inquirindo os presentes sobre suas posses, atribuindo a cada um, especiais para
determinada importância, com que deveria colaborar. Alguns dos presentes não Nino Nadonal - I", .. v.", , Nereu Ramos, lu-
La rfJr) ~ }< Hm wd
concordaram, porém, Curt Hering não, ponderou, respondendo que poderiam terventor Federal
OUI'f'rflll'a "ErlIlWtd" - I 1"J t •• !
pagar em prestações. O patrimônio, segundo Geyer, foi adquirido e construído f';'1rn dal~"'inrofti..rr
("'17'(' Si mmOT
em Santa Catarina
pela comunidade e, apesar de as escrituras rezarem que os terrenos foram (que por motivos
doados pela Companhia Hering, na realidade eles fóram adquiridos com imperiosos não
hn "wmnri;l \\,,,,o\,,\hmJt((21 I 17';1;·
dinheiro da Comunidade, e a palavra "doação" foi empregada para facilitar a ti) OW"I/m'fI . .,1'ilu8"
compareceu), e
tramitação dos documentos. No dia 7 de agosto de 1946, o Club Germânia, !Jj J/ctllff'fo da 8illlOlli,( em Jl1 v} todo o seu secreta-
representado por Rudolph Klein e Paul Koch, foi vendido para Franz Hering, e Jlarelw afia Ti/ri'a riado. Para os Co-
o produto da venda foi incorporado ao patrimônio da S. D. M. "Carlos Gomes". mandantes da 5 a
Além das doações, foram feitas rifas, quermesses, bingos, etc., para angariar Região Militar, do
aj (JlflllulfJ (,olllu () !'tiSWIt'() ,. T'I>
fundos para construir e equipar o novo teatro, e cada um dos cantores, músicos 14 o B. C. de Flo-
b} .'>CI'('lUlltt (O filar ua mil h" lerr~1 ,,", ,
e atores, foram forçados a doarem uma ou mais poltronas para o grande audi- (') QUem. sahe P J rui
(;'-'fl;f 'O
rianópolis; 130 B.
tório. O Maestro Heinz Geyer colaborou com dez poltronas. O teatro possui C. de Joinville;
excelente sala de espetáculos, com capacidade para quase mil espectadores, Base Naval de
porém, a construção do poço para a orquestra (no proscênio) exigiu a retirada de Florianópolis; Ca-
algumas tilas de poltronas e esta medida afetou também a utilização do palco pitão dos Portos de
giratório. A excelente caixa de teatro possui, além do palco e coxias, seis Florianópolis;
camarins, sendo quatro pequenos para os artistas, e dois maiores para o coral, Diretor do D.I.P.
corpo de baile e músicos, inclusive instalações sanitárias. As coxias permitem Estadual e muitos
amplo movimento de cenários devido à sua altura e profundidade. A construção outros. Na ocasião, falou em nome da sociedade o Dr. José Ribeiro de
é sólida, possuindo ainda várias salas destinadas aos ensaios individuais, C~rval:lO .. O baile foi abrilhantado por dois conjuntos musicais (Jazz) do
guarda-roupa de teatro, oficina de costura, confecção de cenários, etc. L~ra Tel11s .Clube de Florianópolis. O teatro contou com a colaboração de
O teatro foi inaugurado no dia 5 de dezembro de 1252, às 20 horas, com Vlctor Henng na sua organização.
um grande concerto dirigido pelo Maestro Heinz Geyer, tendo participado do As constantes insinuações de que o Teatro "Carlos Gomes" foi
mesmo, a soprano Gussi Delitsch, de Curitiba, can- const~ído para abrigar a Juventude Hitlerista são infundadas. Em 1933, o
nazismo estava em Blumenau, definido como Instituição Cultural (1936),
infiltrado nas Associações chamadas Teuto-Brasileiras, que em
1937 pretenderam criar uma Liga de Sociedades para filiá-la à Liga das em ll11~ vernacula por longo tempo, participando inclusive de ~randes
Sociedades Alemãs no Exterior. Sendo a Sociedade Dnunático-Musical promoçoes. O programa "Festividades", apresentado no dia 2 de Julh~ d~ 1948,
"FrohsÍlm" a mais poderosa no seu gênero em todo o Estado de Santa Catarina, em duas partes, teve na primeira parte, orquestra e solos de pIstao executados
por Curt Hohenberger, de fama mundial, e na segunda part~, ~ peç.a teatral
foi pressionada até os associados sentirem receio das represálias drásticas do
"Apuros de wn Coronel", comédia em dois atos, de TelxeIra Pll1to, pelo grupo
Partido Nazista. Houve atritos, dissenções que provocaram várias negociações e
teatral da sociedade.
entendimentos com o chefe nazista, e após várias sessões realizadas por
representantes de quatorze sociedades blumenauenses, foi proposto ao chete Os concer:t0s da orquestra da Sociedade Dramático-Musical "Carlos
nazista do Círculo, Otto Schinke, um armistício com a finalidade de hannonizar .Gomes.", regI?o.s por Geyer, abrilhantaram etemérides que marcaram a VIda
a situação e pôr wn tim à luta que se esboçara. O Maestro Geyer afinnava ser a SOCIal, artIstlca e cultural da Comunidade blumenauense. Concertos fo.ram
arte universal, não pennitindo que lhe impuzessem os conteúdos progrmnáticos, r~alizados em benetIcio dos flagelados da Segunda Guerra MundIal, Asl10 dos
incluindo peças brasileiras nos concertos por ele dirigidos, apesar de ser Velhos, Hospital Municipal e muitas outras entidades, visando angariar fundos
remunerado pela Sociedade Dramático-Musical "Frohsinn", o que ticou necessários para a continuidade de funcioname~to. Foram homenageados com
patenteado, quando foi convidado pelo presidente do Lnstituto Goethe para reger concertos: Nereu Ramos, no dia 3 de maIO de 1945; Luiz GaIlotti, no dia 26 de
um concerto com a finalidade de arrecadar fundos para os tlagelados da gWlerra janeiro de 1946 e Udo Deeke, no dia 28 de setembro de 1946, sendo que Udo
(o Brasil ainda não rompera relações com o Eixo). Apesar da in~lstência do Deeke teve sua homeI~ag~m acresc!da. das homenagens especiais da Preteitura
presidente do Instituto Goethe em elaborar o progrmna do· concerto, Geyer o MunicipaL e Industna e. Co~nerclO de Blwnenau, e o concerto constou de duas
rejeitou e elaborou o seu próprio progrmna, que após a apresentação foi muito partes, sendo a ~r~neIra.a cargo do Maestro Geyer e a segunda a cargo da can-
aplaudido e, principalmente pelo próprio presidente do Instituto Goethe. Esses tora ~atncla NazIra Mansur, acompanhada ao piano por Ludwig Seyer. Os tres
fatos, à primeira vista levariam a crer que o atual Teatro "CarJos Gomes" teria homenageados formn Interventores Federais de Santa Catarina. A presenç~ do
sido construído para abrigar a Juventude Hitlerista, possibilidade remota, Interventor FederaL Nereu Ramos era freqüente em BJumenau, pOIS como
porquanto todas as dependências do teatro foram concebidas e são necessárias homem culto, não regateava aplausos aos concertos, e que comwnente eram
para o bom funcionamento de wn teatro de primeira categoria, portanto, o apresentados em sua homenagem.
conceito de ser construído para o nazismo é descabíveJ. Para evitar que durante a . _ Em 1948, o TeatrQ "CarJos Gomes" tez uma campanha para aquisIçao de
Segunda Guerra Mundial, a Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes" so- novos cenários e móveis, e a campanha contou com a colaboração do concerto
fresse represálias, devido o armistício com os nazistas, o Dr. José Ribeiro de realizado no dia 26 de junho de 1948, e os preços cobrados para o mesmo
Carvalho, Promotor Público em Blwnenau, associado da Sociedade foram elevados para a época, sendo Cr$ 10 00
Dramático-Musical "Carlos Gomes", asswniu a presidência da sociedade, para os sócios, e para os não sócios Cr$ 20,00. '
destituindo Curt Hering no dia 17 de maio de 1942. O Dr. José Ribeiro de Como hlzia desde os primórdios o Teatro "FrohsÍlm", o Teatro "Carlos
Carvalho foi assessorado por João Gomes da Nóbrega e Curt Hering até 7 de Gomes" abriu suas portas aos espetáculos visitantes, que o blumenauense
outubro de 1945. De 13 de outubro de 1945 até 18 de abril de 1950, a sociedade prestigiava com carinho, e assim, no dia 25 de junho de 1947, se apresentaram
foi presidida pelo Dr. José Ribeiro de Carvalho. no Teatro "Carlos Gomes" os célebres "Meninos Cantores de Viena", em
Com o majestoso teatro inaubrurado, as apresentações do coral e "tournée" pela América do Sul. Outros espetáculos e artistas de sucesso,
orquestra se sucediam, e a "palavra falada", como nos tempos do \Lelho inclusive de renome internacional, tmnbém se apresentaram no Teatro "Carlos
"Frohsinn", em 1945, voltou ao palco do nosso teatro, através do grupo de Gomes".
associados: Mário Kielwagen, Carlos Luiz Horn, Werner Júlio Klein, Egon A orquestra da Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes" era
CarJos Wojeikiewicz, Wiegand Siebert, Herbert Berndt, Hélio Vieira, Ludwig composta normalmente de trinta homens, a sonoridade, porém, parecia s~r de
Carl, Heddy Zschiedrich, Ruth Grunner, Zenor Vieira, cem homens, devido aos arranjos teitos pelo Maestro Geyer, prinCIpalmente
para órgão. O órgão da Sociedade Dramático-Musical "Car-
'Yaldir Este~ão e Gerol? Eltermann, que montaram e apresentaram espetaculos
los Gomes" foi importado dos Estados Unidos, através de uma firma de São Dramático-Musical "Carlos Gomes", que contou com elementos da Orquestra
Paulo, cujo dono era brusquense e tocava muito bem violino. Para angariar Sinfônica de Joinville. A alocução sobre a data foi feira pelo Dr. Max Tavares
fundos para comprar o órgão, também foram realizadas várias apresentações, d' Amaral, e as poesias de Goetbe traduzidas para o português pelo Dr. Paulo
entretanto, foi Nanny Poethig, sócia benemérida da sociedade, que doou vultosa Malta Ferraz foram declamadas por Dilma Dutra, e as demais declamações
soma em dinheiro, possibilitando assim a compra do mesmo. O órgão foi foram feitas por Lisi Gulach Schneider. A soprano Leonor Lydia Fuchs cantou
inaugurado no dia 6 de dezembro de 194}, por Ângelo Camin, um dos maiores "Margarida na Roca de Fiar", de Schubert, e "Zuleika", de Mendelssolm. Na
organistas do Brasil. Em 1950, Angelo Camin retomou a Blumenau para segunda parte do programa foi executada a Quinta Sinfonia de Ludwig van
participar do concerto no dia 10 de abril, concerto este em duas partes, sendo a Beethoven.
primeira sob a regênciaA de Geyer, com músicas de Grieg e Beetboven, e a Pelo centenário de nascimento de Ruy Barbosa, foi realizada sessão
segunda a cargo de Angelo Camin, com números de Bach, Rameau, Couperjn, solene no dia 5 de novembro de 1949, promovida pela Sociedade
Haendel, Pierné, Remondi, Debussy, Tschaikowsky e Gershwin. Angelo Camin Dramático-Musical "Carlos Gomes", com a participação do Orfeão da Escola
não participava de óperas, tocava mais em concertos de Bach e outros temas Normal Pedro n. Foram apresentadas as músicas "Intermezzo", de Mascagni e
musicais, onde o órgão tem um papel preponderante. A orquestra da Sociedade "Abertura", de Suppée, e o ciclo de peças folclóricas para coro, solos, duetos,
Dramático-Musical "Carlos Gomes" tinha orquestra de câmara, quarteto e legendas e orquestra: a) Meu Brasil e b) Apoteose. As legendas estavam a
quinteto; estes conjuntos eram formados por elementos da grande orquestra. cargo da professora Déspina Nicolau Spyrides e os solos, Editb Kormann,
Grandes peças musicais foram apresentadas com o . quarteto e também com o Maria Ellen Blum, Wanda Maria Brandão da Veiga e Mercedes Bértoli.
quinteto, como a "Truta" (Forellenquintett), de Schubert, que teve como solista o 1950, Blumenau engalanou-se para festejar -o-seu-centenário, e o
renomado pianista Henry Jolles. Participavam da orquestra da Sociedade Teatro_ "Carlos Gomes" encenou a obra prima do Maestro Heinz Geyer, com
Dramático-Musical "Carlos Gomes", músicos militares; Geyer os tinha em libreto de JosLEerreira da_Silva, "Anita Garibaldi". A premiêre da ópera foi
grande conceito, porque eram bons músicos e indispensáveis à orquestra da um sucesso. Blumenau aplaudiu de pé os autores, solistas, orquestra, coro e
sociedade, pois os alunos do Conservatório de Música não supriam as equipe técnica3. Na programação de natal de 1950, Geraldo Keunecke cantou
necessidades de uma orquestra. Todos os integrantes da orquestra, coral, teatro e "Eu Penso em Ti, Minha Bela" e Mercedes Schneider "Quão Distante Estás" ,
"baIlet" viviam como uma grande família. árias da ópera "Anita Garibaldi" .
Em-romemoração -aiuetorno dp Brasil ao regime-demo.c.rátic.<4-Q Em 1951, a S. D. M. "Carlos Gomes" reformou seus Estatutos, que
Governo Municipal de Blumenau, com a colaboração das autoridades civis e foram registrados no Cartório de Getúlio Vieira Braga no dia 31 de agosto de
militares e Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes" elaboraram urna 1951, no Livro A -6, folhas 51.
programação com o nome de "Semana da Democracia", com orquestra, Irineu Bornhausen, Governador de Santa Catarina, visitou Blumenau
declamações e orações alusivas ao evento no dia 29 de outubro de 1948. em 21 de setembro de 1951, quando foi homenageado com urna programação
No dia 14 de maio de 1949, a Sociedade Dramático-Musical "Carlos especial, da qual participaram a Orquestra Sinfônica do Teatro "Carlos Gomes"
Gomes" prestou significativa homenagem à memória de Curt Hering, grande e o Orfeão da Escola Normal PedrQ fi, sendo a saudação proferida pelo
benfeitor da sociedade, com o "Coro dos Peregrinos", de Richard Wagner, professor Orlando Ferreira de Mello, representando a S. D. M. "Carlos
falando na oportunidade em nome da sociedade o Dr. Oscar Leitão. Gomes".
Em 1949, para suprir as necessidades da Orquestra Sinfônica, foi / N o dia 16 de agosto de 1952, Lubo Maciuk (interpretou Garibaldi
fundado o Conservatório de Música "Curt Hering". em 1950) e a esposa Ya, reviveram as mais belas árias da ópera "Anita
O bicenteDário de nascimento de J ohann W olfgang von Goethe foi Garibaldi" , com a participação do coral e orquestra, quando foram apre-
comemorado solenemente no Teatro "Carlos Gomes", no dia 27 de agos- sentadas "Quão distante Estás" (Canção da Laguna) e "Nunca te Esque-
to de 1949, com um concerto pela Orquestra Sinfônica da Sociedade
cerei", solo para soprano; "Anita, oh Doce Anita" e "Dar à Pátria Imensa", para "25 de Julho", compunha-se de quatro partes: a) despedida da velha pátria
solo e dueto; "Este Luar tão Doce" e "Salve Regina", para solo e coro; "Remar (Alemanha); b) em alto mar; c) nova pátria (no Brasil, testa da colheita); d)
os Mares" , para coro (marinheiros e povo). E no dia 25 de setembro de 1952, o graças. Este ciclo compilado por Heinz Geyer e Willy Lõhr foi apresentado no
grupo teatral da sociedade apresentou o espetáculo "Um Galã que não faz dia 13 de novembro de 1937, em homenagem à filha do Doutor Blumenau,
Fitas". fundador da Colônia. Além do ciclo "25 de Julho", também foi apresentada a
A memória dos grandes compositores era reverenciada pela orquestra e peça musical "Suite Brasil" para solo, orquestra e coral com "Saudades", "O
coral da S. D. M. "Carlos Gomes" com concertos, entre eles, Ludwig van Tropeiro" e "A Bandeira", tendo como solistas Irene Fuchs e Franz Brack. A
Beethoven, no dia 31 de maio de 1952, pelos 125 anos de falecimento; Antônio "Suite Brasil" foi incluída no concerto do dia 5 de abril de 1952, com
Carlos Gomes, no dia 11 de julho de 1953, pelo 117° aniversário de nascimento; comentário de Orlando Ferreira de Mello. O ciclo "24 de Julho" foi apresentado
Franz Schubert, no dia 27 de novembro de 1953, pelos 125 anos de falecimento. diversas vezes, porém na programação da "Caravana Governador Jorge
No concerto em memória a Franz Schubert, a programação em três partes teve, Lacerda" de 21 a 28 de julho de 1956, o ciclo foi apresentado com o nome de
na primeira parte, as músicas "Sanctus" e "Sinfonia Inacabada", e na segunda e "O Imigrante", sendo apresentado em Lages no dia 21; em Novo Hamburgo no
terceira, a participação do pianista Henry Jolles; no dia 27 de janeiro de 1956, o dia 23; em São Leopoldo no dia 24; nos dias 25 e 26 em Porto Alegre, na
bicentenário de nascimento de Woltgang A. Mozart; no dia 29 de julho de 1956, Pontificia Universidade Católica, prestando homenagem ao Governador do
o centenário da morte de Robert Schumann. Estado lido Meneghetti; dia 28 em Caxias do Sul. Foi apresentado no Teatro
No dia 13 de junho de 1953, o programa apresentado em duas partes, "Carlos Gomes" no dia 22 de julho de 1961 como "O Imigrante" em nova
teve na primeira parte a orquestra do Teatro "Carlos Gomes", e na segunda a versão ou "Uma Epopéia dos Imigrantes", obra dramático-musical em três
apresentação do grupo teatral da sociedade, com a comédia em um ato, de quadros, de Heinz Geyer, com letra ampliada de Franz Runze. O primeiro e o
Oswaldo Rosas, "Inimigo das Mulheres". Participaram da apresentação Nonna segundo quadro passam-se em 1850 e o terceiro alguns anos depois. 1 ° quadro:
WoestehOff, Carlos Luiz Horn, Ruth Grulllier, Mário Kielwagen, Egon Carlos Despedida; 2° quadro: No Navio (tempestade); 3° quadro: No Brasil (folclore).
Wojeikiewicz e Zenor Vieira. A direção esteve a cargo de Mário Kielwagen, No dia 18 de outubro de 1961, o terceiro quadro do "O Imigrante", em forma de
com supervisão de Carlos Horn, tendo como contra-regra Werner Júlio Klein. O ciclo musical, foi apresentado em homenagem à Embaixada da Escola Superior
ponto que na época ainda era usado esteve a cargo de A. F. Fischer. A peça foi de Guerra do Rio de Janeiro. Também foi apresentado em homenagem aos
um sucesso. Voltou novamente à cena no dia 28 de maio de 1955. rotarianos que visitaram Blumenau, no dia 30 de março de 1962, com as
No dia 10 de julho de 1954, além de outros concertos, a Orquestra músicas: Despertar do Bosque, O Café, Balaio, Valsinha, Chimarrão e
Sinfônica do Teatro" Carlos Gomes" acompanhou o solista de bandolim, Jacob Cantochão.
Tomas, de renome internacional. Atendendo ao-convite de Kiranda Lacerda, o coral e orquestra se
As apresentações, com a participação da banda musical do 23 ° R. 1., apresentaram no Teatro Álvaro de Carvalho, na "Campanha do Cobertor", no
eram freqüentes, entre elas a apresentação do dia 11 de setembro de 1954, onde dia 20 de maio de 1956. Os integrantes do coral e orquestra sempre foram
a primeira parte esteve a cargo do coral e orquestra da S. D. M. "Carlos Gomes", calorosamente aplaudidos em todas as cidades onde se apresentaram, inclusive
sob a regência do Maestro Heinz Geyer e a segunda, a cargo da banda do 23 ° através da imprensa.
R.!., sob a regência do Maestro José Coutinho de Almeida. Em 1956..- a Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes" refor/ mau seus
Os setenta e cinco anos da Cia. Hering foram testejados no dia 1 ° de Estatutos, que foram registrados no Cartório de Getúlio Vieira Braga, no dia 26 de
julho de 1955, com um concerto no Teatro "Carlos Gomes". Foram maio de 1956, no Livro A-6, folhas 321.
apresentados pela orquestra e coral da sociedade o "Largo", de Haendel, e o No dia 3 de novembro de 1956, o grupo teatral da sociedade, com a
ciclo sinfônico "O Imigrante". O ciclo sinfônico "O 1m igrante" foi encenado colaboração de Berta Slemer, encenou a peça teatral "Os Filhos de Eduardo", e
pela primeira vez como peça musicada em 1926, com o nome no dia 24 de novembro, o espetáculo foi reprisado em idioma alemão.
"Anita Garibaldi", a obra prima do Maestro Heinz Geyer, sobe Maestro Geyer. O concerto, apresentado no dia 11 de agosto de 1958, contou
novamente à cena no Teatro "Carlos Gomes", sob a regência do compo- com a participação da orquestra e grande coral da Sociedade Dra-
sitor-maestro nos dias 7 e 9 de dezembro de 1956 com os seguintes intérpretes: mático-Musical "Carlos Gomes".
Maria Sá Earp (Anita), Manrico Patassini (Garibaldi), José Perrota (Cel. N o dia 30 de maio de 1959, Blumenau prestou homenagem a D.
Albuquerque), Diva Allegrucci (Maria da Glória), Victor Bona (João), José Gregório Warmeling, no Teatro "Carlos Gomes", com um concerto mú-
Perrota (Rosetti), Ernesto Wassermann (Pedro), HercHio Jaeger (Vicente), sico-vocal ao qual compareceu numerosa assistência. O concerto teve início
Victor Bona (Horácio). Bailados com Karin Frischknecht, Ludwig Eschenbach, com o Hino a Carlos Gomes para solo, coro e orquestra de Heinz Geyer; foram
Gudrum Kalwelage, Mara Probst, Carmen Schroeder e Ely Wachholz. também apresentadas músicas de Haydn, Beethoven e Haendel, atuando como
Orquestra ~infônica e Coral da Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes". solistas Rita Schwabe e Antônio Van Dall. Na mesma noite, a diretoria da
Solistas do Teatro Municipal de São Paulo e do Rio de Janeiro. Na temporada Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes" fez entrega de diplomas aos
lírica de 1957 em São Paulo, foi incluída a ópera "Anita Garibaldi", do Maestro sócios honorários que colaboraram por mais de vinte e cinco anos no coro
Geyer, cuja estréia, no dia 25 de novembro, foi vivamente aguardada pelos pau- orfeônico: Franz Becker, Fritz Vohlmuth, Julius Will, Alfred Wuensch,
listas, isto, por tratar-se de uma ópera nova. Os principais intérpretes de "Anita Rudolph Klein, Max Schlereth, Heddy Geyer, Irene Fuchs, Sibila e Wally
Garibaldi" em São Paulo foram a soprano Maria Sá Earp, o tenor Manrico Gropp, Anamaria Flesch, Annemarie Asseburg; na orquestra sinfônica: Herta
Patassini, o barítono Paulo Fortes, o baixo José Perrota, soprano Glória Queiroz Deeke, Ingo Hering, Franz Runze, Arthur Lindholm e Alfred Lõhr.
e Marino Terranova. Coro e corpo de baile do Teatro Municipal, Maestro do O bicentenário de nascimento de Friedrich von Schiller foi comemorado
coro, Sisto Mechetti; Regisseur Rugero Jacobi; Coreografia, Vaslav Veltchek; no Teatro "Carlos Gomes", no dia 10 de novembro de 1959, com o grupo teatral
Cenário, Francisco Giaccheri; Coordenador Geral, Mário Sávio; Regente, da sociedade, alunas de "balle!" do Conservatório de Música "Curt Hering",
Heinz Geyer; libreto, José Ferreira da Silva. Segundo a crítica, "o público sob a direção de Inês Poller e coral e orquestra da sociedade sob a direção do
aplaudiu demoradamente o talentoso maestro catarinense, Heinz Geyer, que Maestro Geyer. A apresentação foi feita por Willy Unger, os cenários por Paul
dirigiu a orquestra, e os principais intérpretes, muito em especial a cantora Scheeffer e o guarda-roupa por Lili ZimmeI. O coral e orquestra apresentaram
patrícia Maria Sá Earp ". Ainda em 1957, foi encenada pelo grupo teatral da músicas de Mozart, Chr. W. Gluck e Ludwig van Beethoven. Foram recitadas
sociedade a peça teatral infantil "Pluft, o Fantasminha", no dia 16 de junho, sob poesias e apresentadas cenas de "Guilherme Tell", "Intriga e Amor", "Maria
a direção de Berta Slemer. Stuart", "Wallenstein" e "Don Carlos", de autoria do maior poeta alemão,
"Jedennann" (Cada Qual), a famosa peça ou auto da "Morte do Homem dirigidas por Berta Slemer.
Rico", de Hugo von Hoffmannstahl, foi encenada no Teatro "Carlos Gomes", A Sociedade "Amigos de B1umenau" prestigiava todos os eventos
sob a direção de Berta Slemer, que contou com a colaboração de Inês Poller, culturais de Blumenau, principalmente as artísticas que se realizavam no Teatro
dirigente do "ballet" do Conservatório de Música "Curt Hering" e do corpo "Carlos Gomes". No concerto músico-vocal do dia 20 de agosto de 1960,
cênico do teatro. Inês Poller fez o papel da cortesã do homem rico, executando quando foram apresentadas as peças musicais, abertura de "Sonho de Uma
com seu parceiro Ludwig Eschenbach os bailados na casa do mesmo. O Noite de Verão", Op. 21, de Mendelssohn; "Dança Macabra" e "O Cisne", de C.
espetáculo foi apresentado no dia 14 de agosto de 1958, e reprisado no dia 13 de Saint Saens; "Moto Perpétuo", de Mayseder-Helmesberger; "Der
setembro. No mesmo ano, o grupo teatral da sociedade apresentou a peça teatral Lindenbaum", de FI. Schubert; Marcha
"Parkstrasse 13" (Rua do Parque 13), no dia 26 de dezembro. Os dois \ "Tannhauser", de Richard Wagner, encerrando com o Hino Nacional.
espetáculos foram reprisados várias vezes com sucesso. Frei Ernesto, OFM, presidente da Sociedade "Amigos de Blumenau", proferiu
O Teat~o "Carlos Gomes" também possuía o seu coral infantil que se discurso enaltecendo a orquestra, corais e Maestro Geyer. Em 1961, além das
apresentou na programação organizada para a III Concentração de Rádio homenagens prestadas a Dom Armando Lombardi, Núncio Apostólico e Dom
Amadores da 5a Região. Na apresentação, foi cantada pela primeira Quirino Schmitz, bispo de Teófilo Otoni, de Mi-
vez a peça musical para coral infantil "Vamos Cantar", um arranjo do
nas Gerais, no dia 26 de abril, a P..reftútura Municipal de Blumenau, SDciedade Gomes" se apresentavam com freqüência, e diversas vezes contaram com a
Dramático-Musical "Carlos Gomes" e o Conservatório de Música "Curt Hering" participação de Henry J olles nos anos de 1962 e 1963.
homenagearam o Governador Celso Ramos, no diâz de setembro do mesmo ano, As apresentações de cunho eminentemente religioso também faziam
com a "Noite de Arte". O programa, em duas partes, apresentou na primeira parte parte das apresentações no Teatro "Carlos Gomes", e no dia 10 de abril de
a Saudação, pelo DI. João de Borba, o Hino Nacional pelo coral e orquestra e os 1963, com reprise no dia 14, foi apresentado o espetáculo "Jesus", quadros
bailados: A Vida, o Amor e a Morte, com músicas de FI. Schubert, FI. Liszt e C. vivos sobre o Antigo e Novo Testamento com o coral e orquestra, solos e corpo
Saint Saens, coreografados por Inês Poller e interpretados por Nadja Scussel, cênico do teatro, sob a regência do Maestro Geyer. No mesmo ano, no dia 30 de
Ivete Laux, Carmen Metzger, Christa Riebau, Tamara Greuel, Vera Fischer, novembro, as bodas de prata sacerdotais de Frei Brás Reuter e Frei Fulgêncio
Gudrun Kalvelage, Ludwig Eschenbach, Rosa Mosimann, Uta Kalvelage, Mara Kaup, foram comemoradas no Teatro "Carlos Gomes", onde receberam várias
Probst, Célia Fausto de Souza, Neda São Thiago Mel10. Na segunda parte, foi manifestações de carinho e o título de "Cidadão Honorário". Participaram o
apresentada a obra dramático-musical em três quadros, de Heinz Geyer, e letra coral e orquestra da Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes".
ampliada de Franz Runze "O Imigrante", com três quadros: a) Despedida, b) No Sob a regência de Bruno Roccella, a Sociedade Dramático-Musical
Navio (tempestade) e no Brasil (folclore). Colaboraram na apresentação, Inês "Carlos Gomes" apresentou um concerto no dia 22 de maio de 1963, com as
Poller como "regisseur", Rita Schwabe e Antônio Van Dall como solistas, locutor sopranos Hercília Block e Rita Schwabe, o tenor Felippo Barani e o baixo José
Ewaldo Ouriques e os atores: Hans Raun, Gerda Hofschulte, Hermann Hofsch~l- Perrota. Logo a seguir, nos dias 1 0, 3 e 6 de junho do mesmo ano, Bruno
. te, Gunter Zinkhahn, Toni Terhardt, Franz Pult, Hugo Petersen, Helnz Ramers, Roccella regeu a ópera heróica, em três atos e quatro quadros, "Anita
Willy Unger, Karl Marschhofer, Janina Schulz, Ingomar Schulz, Hans Garibaldi", com libreto de José Ferreira da Silva e música do Maestro Heinz
Spethmann, Georg Kahrbeck, Benno Hofschulte, Orquestra Sinfônica, coro, coro GeyeI. Participaram nestas apresentações, além de Hercília Block, Felippo
juvenil, povo, etc. O coro juvenil que se apresentou pela primeira vez no concerto Barani, José Perrota, Rita Schwabe, Victor Bona, Heitor Müller, Wigand
músico-vocal de 20 de dezembro de 1958 com as canções: a) Velha Gaita; b) A Siebert e Antônio Van Dall, a orquestra e coral da Sociedade
Gaivota; c) Meu Boi Barroso' d) Nesta Rua tem um Bosque; apresentou-se Dramático-Musical "Carlos Gomes" e o corpo de baile do Conservatório de
também no dia 1 ° de ju~ho de 1962, no concerto que homenageou o Embaixador Música "Curt Hering". A coordenação esteve a cargo de Felippo Barani, que já
da República Federal da Alemanha, Gerhard Seelos, em visita ofícial a se apresentara num recital de canto no Teatro "Carlos Gomes" no dia 30 de
Blumenau. O programa em duas partes, teve como abertur.a o J:I~no Nacional da março de 1963.
fto'lemanha e o Hino Nacional do Brasil. Em seguIda, fOI apresentado o CIclo No dia 8 de dezembro de 1963, a Sociedade Dramático-Musical "Carlos
Musical nO 7 para coro juvenil e orquestra "Música, oh! Eterna Música! " de Gomes" engalanou-se para o lançamento do LP "Blumenau Também Canta".
Heinz Geyer. Também foram apresentadas músicas do folclore Com a presença do Governador do Estado, Celso Ramos, do Prefeit~
port~guêS-brasileiro e ainda músicas de Mozart, Haydn, Boieldieu e Sarasate. Municipal, Hercílio Deeke e Secretário da Educação e Cultura do Estado,
Um concerto músico-vocal foi apresentado para homenagear o Governador Elpídio Barbosa, foi apresentado o grande concerto músico-vocal com músicas
Celso Ramos e esposa e também prestar homenagem póstuma ao grande de Suppé, C. Saint Saens, Helmsberger-Maysed~r, Sarasate, Liszt e Heinz
estadista Nereu Ramos, no dia 27 de julho de 1962. Neste concerto, foi Geyer. O Governador e comiti,::a foram saudados pelo Dr. João de Borba,
apresentada, entre outras músicas, "Salve Regina", da ópera "Anita Garibaldi", orador oficial da sociedade. As 20,30 horas, foi oferecido o primeiro disco
com solo, orquestra e coro. A alocução foi feita por José Ferreira da Silva e a autografado pelo Maestro Geyer,
saudação otícial ao Governador pelo Dr. João de Borba. \ componentes da orquestra e coro da sociedade ao Governador do Estado,
O grupo teatral da sociedade apresentou, no dia 9 de junho de 1962, Prefeito Municipal e Secretário da Educação e Cul~ura. ,.
"Der Lampenschirm" (O Abajur), e no dia 25 de julho do mesmo A Prefeitura Municipal de Blumenau e SocIedade Dramatlco-M~sical
ano "DI. Blumenau". O quarteto e o quinteto de cordas do Teatro "Carlos "Carlos Gomes" formularam convite à população de Blumenau e CIdades
vizinhas para prestigiarem o concerto músico-vocal em
homena~em ao Emb~ixador dos Estados Unidos, Lincoln Gordon e esposa, no resentou com sucesso no dIa 9 de Julho de 1966, a peça "Der Keuche Le-
dIa 29 de abnl de 1964, no Teatro "C<lrlOS Gomes". Na ocasião, for~m bemann" (O Galã Pudico), a equipe de teatro em português ensaiava com
afinco a comédia "Grande Marido" , para estrear no dia 25 de novembro. A
executados o Hino Americano e o Hino Nacional Brasileiro e profenda a
~eça foi apres~ntada nos dias 25 e 26 de novembro, participando inclusiVe do
saudação aos homenageados. No concerto, foram executadas músicas de Bach,
III Festlval de Teatro Amador de Santa Catarina realizado em CriciÚlTIa, no
Schubert, Brahms, Haendel e a canção de Foster, "Old Folks at Home", e ainda
período de 3 a 9 de dezembro de 1967, classificando-se em
três peças populares brasileiras.
~ lugar, trazendo para Blumenau o IV Festival de T~ue foi realizado no
Ney Braga, Governador do Paraná, assessorado pelo Secretário de
pimodõ1te8-a 2~ 1968, sendo considerado o festival de maior sucesso já
Educação e Cultura, Véspero Mendes, desenvolveu no seu estado um excelente
realizado em Blumenau. O festival foi realizado nas dependências do Teatro
programa de cultura popular, e deste programa participou a Orquestra
"Carlos Gomes". Para o V Festival de Teatro realizado em Joinville, em
Sinfônica e Coral da Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes", no dia 6
1969, o grupo teatral da sociedade encenou a peça "C! Cupim". Nos dias 16 e
de junho de 1964, no grande auditório do Teatro "Guaíra" .
18 de junho de 1967, a equipe de teatro da socledade, em língua alemã,
AngeliILLoro, o pianista cego, marcou presença em Blumenau,
encenou a peça "Die Spanische Fliege" (A Mariposa Espanhola).
apresentando-se como solista no concerto músico-vocal regido pelo Maestro
No dia 14 de novembro de 1967, autoridades do MEC visitaram
Geyer no dia 5 de dezembro de 1964, numa promoção do Rotary Club
Blumenau para estudarem a implantação de novas Escolas Superiores. A
B1umenau Norte e Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes". Angelin
Prefeitura Municipal de Blumenau, através do Prefeito Evelásio Vieira e
Loro apresentou-se também no concerto músico-vocal de 24 de outubro de
assessores, programou um coquetel nos salões da Sociedade Dramático-
1965, quando tocou o concerto para piano nO 3 em Dó Maior, de Beethoven, Musical "Carlos Gomes". Após a saudação aos visitantes pelo protessor José
sendo vivamente aplaudid04• Ferreira da Silva, presidente da Sociedade, seguiu programa elaborado para a
No dia 8 de agosto de 1964, o grupo teatral da sociedade apresentou a ocasião com a Orquestra Sinfônica e coral, sob a batuta do Maestro Geyer, e o
peça "Krach und Jolanthe" e em 1965, mais uma vez sobe à cena o teatro corpo de baile dirigido por Mara Probst Schloegel. O espetáculo mereceu
cantado, com a apresentação da comédia musicada "Viva o Ministro" . calorosos aplausos de todos os presentes.
Nos dias 14, 15 e 17 de julho de 1965, Blwnenau mais uma vez, através ~ Em 19~V Caoa16 d~ritiba, a Orquestra Sinfc)nica e Coral se
da orquestra e coral, sob a regência do Maestro Geyer, cenas teatrais sob a 0
apresentar~ .... korrh~ucesso no dia 1 de setembro, com programa
direção artística de Hans Raun, bailados do Conservatório de Música "Curt -especialmente elaborado; apresentaram-se tarnbéJ11nã'V Feira de Amostras de
Hering" e equipe técnica do Teatro "Carlos Gomes", mostrou magistralmente Santa Catarina, na Noite de Arte, realizada no dia 10 de novembro. Quando o
encenada, em três atos, a comédia musicada "Viva o Ministro". Participaram da Governo do Estado promoveu a "Semana Catarinense", no período de 18 a
encenação: Luiz Adão Quintanilha Rita Schwabe, Herbert Berndt, Benito 25 de novembro de 1968, a Orquestra Sinfônica, coral e "ballet"
Maresca, Heitor Müller, Alfons~ M. Flesch, Otília Kohlbach, Valmor Estevão, participaram das comemorações, a convite do Departamento de Intercâmbio
Hedy Zschiedrich, Carlos M. Flesch, Augustinho Schramm, Franz Pult. Martin e Cultura, órgão f.iliado à Secretaria de Educação do Governo de Santa
Schwertel, Hans Lenz e Alfred Wuensch. Os cenários foram elaborados por Catarina, apresentando-se no Teatro Álvaro de Carvalho, de Florianópolis.
Luiz Adão Quintanilha e Victor Hausmaml e o "ponto" a cargo de Lurdes Johann S. Bach foi homenageado no dia 12 de dezembro de 1969, pela
Wiederkehr. Prestigiaram o evento destacadas personalidades do mundo social orquestra, coral e corpo de baile da Sociedade Dramático-
e político do nosso município e estado, inclusive do clero, na pessoa do Bispo \ Musical "Carlos Gomes". Foram interpretadas danças com as músicas Moderato
Diocesano de Joinville. O espetáculo foi reprisado nos dias 5 e 6 de novembro Maestoso e Valsa (allegretto), de Gounod, e a Suite Egípcia, de A. Luigini. A
do mesmo anos. coreografia foi de Mara Probst Schloegel e a orquestra sob a regência do
4) "O Maestro Geyer" - Edith Konnann - Imprensa Acadêmi ~a - 1985, Blumenau. Maestro Geyer. Em 1969, o aniversário da Sociedade Dramático-Musical
5) "O Maestro Geyer" - Edith Kormann - Imprensa Acadêmi ca - 1985, Blumenau. "Carlos Gomes" foi comemorado com wna progra-
Enquanto a equipe ~e teatr~, que encenava em idioma alemão, ap-
mação especial em três partes, sendo a primeira com a orquestra, coral e clássico e folclórico e de teatro; b) Orquestra Sinfônica e
solistas; a segunda com o corpo de baile e a terceira com a comédia em um ato, Coro.Orjeônico;. c) Grupos Teatrais; d) Academia de Escultura, Anes
de Silveira Sampaio "Treco nos Cabos", com Raulino Buzarello, Tereza Plástlcas e de Pmtura; e) Cursos de Literatura, Oratória, Poesia e Dec-
Schreiber e Sílvio Schaeffer, atuando como contra-regra Valentino Caresia e na lamação.
direção Georg N. R. Kalrrbeck. Nessa noite, atuaram como solistas Franz A. § 3.° - A ASoc~edade também manterá,
Brack, Antônio Van Dall, Rita Schwabe e Willibert Scheidemantel. Além da sempre que possfvel, con-
programação citada, Geyer, sua orquestra e coral, estavam sempre presentes. venl?s de mterca.mblO cultural com entidades congêneres, públicas ou
Centenas de concertos foram realizados, entre eles os Concertos de Natal, partlculares, naclOnais ou estrangeirias. "
Semana da Pátria, Estagiários da Escola Superior de Guerra, quando visitavam CQl1l-ª.Eeiç;!a..da nova diretoria, a Sociedade Dramático-Musical
B1umenau, Centro Cultural "25 de Julho", etc., inclusive em outras cidades "Carlos Gomes" sofreu alterações prº-fun~m suas estruturas.
como Joinville, Itajaí, Indaial, Florianópolis, Brusque, Gaspar, Rio do Sul, e O Maestro Geyer, responsável pelos maiores eventos musicais da
ainda em outros estados, levando seus maravilhosos concertos. A orquest~e o Sociedade, foi o primeiro a s~er-ªs conseqüências pois, no dia 8 de maio de
c.Q!:~da Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes", sob a -.regência do 191.l, data em que regeu o concerto do seu "Jubileu de Ouro", foi apose!!!..ado
Maestro Geyer, gravaram três discos: "B1urriel1aí.iTambém Canta", "Nossos compulsoriamente. Sem a batuta do Maestro Ge:~r, o Coral e Orquestra
Pais Cantavam A 'sim" e "NAtal". Sinfônica encerraram suas atividades. MUSICO.S ~ cantores com mais de
O teatro, paraleJamenteaos concertos músico-vocais e o "ballet", trinta anos de colaboração gratuita foram mtnnados a pagar mensalidades, sob
colocaram B1umenau em destaque a Iúvel nacional. Do nazismo e nacio- pena de serem excluídos da Sociedade.6
nalização, de triste memória para os blumenauenses, o povo se refez, e as mais Apesar de, na época, não pertencer ao quadro de associados da
nobres tradições artísticas da Comunidade voltaram em todo o seu esplendor. Soci~dade Dram~tico-M~sical ."Carlos Gomes", Dieter HeriggJoi eleito
Com Berta Slemer e a peça teatral "Os Filhos de Eduardo", voltou à cena o preSIdente da SOCIedade, mcluslve por procurações. Filiou-se à Sociedade
teatro no idioma de Goethe e Schiller, teatro este que, com a diretoria eleita em Dramático-Musical "Carlos Gom~s" o dia 2 de janeiro de 1969 e a quem coube
1968, cessou dentro do nosso teatro, porém, continna até hoje no Centro o mérito do projeto de transformação do Teatro "Carlos Gomes".
Cultural "25 de Julho", tendo sido laureado não só no Brasil como também no A divulgação do projeto de transformação através do Jornal de Santa
exterior. Catarina de 21 e 22 de dezembro de 1980, foi o alerta que levou segmentos da
Na gestão do escritor e professor José Ferreira da Silva, em Assembléia Comunidade a contestarem a atuação do presidente da sociedade.
Geral Extraordinária realizada em 5 de dezembro de 1968, foram aprovados os Edith Kormann expediu correspondência para os-órgãos culturais mais
Estatutos da S.D.M. "Carlos Gomes", que foram registrados no Cartório de importantes do país e no V C_ongresso Nacional de Escritores, realizado em
Getúlio Vieira Braga, no dia 13 de fevereiro de 1969, no Livro A-7, folhas Florianópolis, os participantes do mesmo assinaram no dia 23 de outubro de
138V, sob na 642. No Capítulo I, o Art. 50 dos Estatutos tem a seguinte 1981, um documento solicitando a preservação do teatro. Os participantes da
redação: "A Sociedade tem por objetivo incentivar, por todos os meios, a XV Mostra de Teatro Amador de Santa Catarina no dia 12 de dezembro de
prática e o desenvolvimento da Cultura e das Artes em todas as suas formas de 1981, também assinaram docmnento no me~mo sentido.
expressão, podendo estender suas atividades a todo território nacional. A polêmica em torno do assunto foi grande e o presidente da Sociedade
§ 1 ° - A Sociedade também prestará serviços gratuitos de assistência Dramático-Musical "Carlos Gomes", tentou justificar através da imprensa
cultural ou de arte dramática às pessoas estranhas ao seu quadro social. falada e escrita o "verdadeiro sentido das transformações do ~Carlos Gomes"
§ 2° - Para a consecução destes objetivos, manterá a Sociedade, entre (JSC de 02/07/1981)". Na justificativa foram abordados cinco pontos que,
outros, especialmente: a) Cursos teóricos e práticos de música, canto, bailado analisados à luz da história, mostram a omissão da di-
retoria com relação à preservação do patrimônio histórico. . N o dia 27 de abril de 1982, Edith Kormann encaminhou documentação
Desde 1974, o j)atrimônio histórico estava correndo ~eng~, o que foi para o Conselho Municipal de Cultura para que o mesmo estudasse a
confirmado com a publicação do artigo assinado pela diretona, confinnando a possibilidade de tombá-l o como patrimônio histórico. A análise dos
venda de parte do imóvel para saldar compromissos. documentos e a discussão sobre o valor histórico do teatro se prolongaram até o
Segundo o Art. 15 dos Estatutos Sociais, "Será eliminad~ do quadro social dia 10 de agosto de 1982, quando o pedido de tombamento foi posto em
o sócio que: a) por seu c?mportamento, provocar escanda,10 ou ofender os hons votação. Dos doze conselheiros presentes, cinco votaram a favor, e sete contra.
costumes; h) prejudicar de qualquer forma, o Patrlmânio Social; c) interromper Estavam presentes: DI. Enéas Athanázio, Sueli V. Petry, Oldemar Olsen Jr.,
ou prejudicar de qualquer forma as providências relacionadas com os ohjetivos Vilson Nascimento, Lauro Bacca, Frei Odoricp Durieux, Dr. Clotar Schroetter,
Gervásio Luz, Dr. Carlos Goffergé, Ursula Jonen, Neide Coelho e Edith
sociais ".
Konnaiill. Apesar do resultado da votação, o Conselho Municipal de Cultura
considerou o Teatro "Carlos Gomes" de inegável valor histórico, que deve ser
preservado. O Teatro "Carlos Gomes" sempre acolheu todos os grandes
eventos da Comunidade, sem necessidade de transformações, pois com as
mesmas, o imponente e belo teatro perderia suas características. É
completamente destituída de lógica a afirmação de que a administração do
Teatro "Carlos Gomes" pretende preservar o patrimônio histórico e cultural se
ao mesmo tempo afirma que o teatro precisa adequar-se aos dias atuais, tor-
nando-se entidade contemporânea.
Atualmente nada mais resta do esplendor dos espetáculos que deram
origem ao Teatro" Carlos Gomes" .
Apesar das ocorrências negativas, funcionou por algum tempQ..no
Teatro "Carlos Gomes", sob a direção de Jorge Preis, um bom conjunto de
música antiga. Funciona também a Orquesstra de Câmara, que conta com 70%
(setenta porcento) de músicos profissionais importados pagos e que
apresentam, como é natural, excelentes concertos.
Com o decorrer dos anos, houve uma conscientização e parte dos
projetos de transformação (piscina térmica, sauna, instituto de beleza, etc)
foram abandonados. Visando ao cinqüentenário (1989) da-sede da Sociedade
Dramático-Musical "Carlos Gomes", foram realizadas obras de reformas com
investimento cultural de diversas empres-as.
Presidiram a Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes" após o
ténnino do mandato do Dr. José Ribeiro de Carvalho, Leopoldo Colin
(18/04/1950 até 15/05/1956), Willy Sievert (16/05/1956 até 17/04/1962),
Wilmar B. da Luz (17/04/1962 até 04/04/1964), José Fer-
\ reira da Silva (04/04/1964 até 01/01/1969) e Dieter Hering a partir de 2 de
janeiro de 1969.
O imóvel da Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes" está
registrado no Cartório de Roberto Baier (Registro de Imóveis), 1 ° Ofício, Livro
Na ocasião, foram distribuídas notas através da imprensa, panfletos e cartazes 3-L, folhas 187, sob nO 11080.
em defesa do teatro, patrimônio histórico da cidade.
34.
É de Utilidade Pública, Municipal pela Lei nO 888, de 31 de c, a"aixo s;sllinados, ;~t'ticixmntM en 1[ç Congresso Xnci<.>na1
de realizMo em l"1o:-i~nól:'olill.$t>1icitalll aos poderes PlÍ.
maio fe 1959; Lei Estadual nO 2728, de 16 de junho de 1961 e Lei
1:111<:·0:; > e:;{;a(l\<ai:; & rntnb::il:'ll:t$ ao povo em geral,
Federal nO envidat os :;sfor~os para a pves Teatro Carlos Go-
70602, de 23 de maio de 1972. llles de como catJll. d~ c1D.t,,:ra j pat:l'1mónl0 histérico e •. rtíg
Registro no Conselho Estadual de Cultura nO 01/69 e no Conselho tiCO,_ '" ~ sua histeria, que remonta aos pdmó!'dlo~ da ec1-ll
nizaçnc,,(ia regiao;'! ou :;e.la •• l21 anes de tradição eultul'al e ll.l'tíst1ca.
Nacional do Serviço Social sob nO 276759/69.
As insinuações de que o Teatro "Carlos Gomes" foi construído
para abrigar o nazismo são destituídas de fundamento.
Todos os povos constroem seus teatros, procuram preservá-Ios e
restaurá-Ios, e o Teatro "Carlos Gomes", com história que remonta aos
primórdios da colonização, estava na iminência de transformar-se em clube
vulgar, contrariando o teor do Art. 180 da Constituição Federal e Art. 169 da
Constituição do Estado de Santa Catarina:
"_ ter como prioridade, a preservação dos bens históricos-cultu-
rais do municfpio;
_ procurar reconhecer, no passado histórico e presente as mani-
festações culturais, em forma de fole lore regional;
_ atender aos anseias art(sticos culturais, promovendo criação .de
órgãos de cultura, tais corno grupos folclóricos, teatrais, corais, musi-
cais e literários". '
• Teatros não se reformam, se restauram, entretanto, entre as refor-
mas do Teatro "Carlos Gomes", o grande pãiliêl do salão Centenário foi
coberto com tinta branca, sob a alegação de estar manchado devido à
umidade!
A Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes" sempre foi a
mais importante sociedade catarinense, principalmente pela sua imponente sede,
que abriga, além do seu teatro, amplos salões, que se engalanavam para os
bailes das debutantes, com repercussão estadual pelo alto nível e que
alcançaram o apogeu com o diretor social Antônio Reinert. A sociedade
promovia pelo carnaval o baile e a domingueira infantil, ambos à fantasia.
Festejava a passagem do ano com o baile de S. Silvestre e o aniversário da
sede com apresentações do coral, orquestra, balé e baile. Os bailes da
Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes" marcaram a sociedade
blumenauense até 1981 , principalmente os de debutantes, introduzidos por
Antônio Reinert em 1952, abrilhantados por boas orquestras (Valdir Calmon,
do Rio de Janeiro, Erinho e sua Orquestra, de Blumenau, e outras), e
apresentadores de renome (Herval
Rossano, Sérgio Chapelin e outros).
36.
35.
37.
\- -;).1
'- J :>

-1
(\;
,;
V'> '-\-
~
(i,.
,fi 1/,
~
~ v0
(

x ,;
"v c,
"
" "
t
'"

,
1
"-

f-
tA

'"*

'\ " "-


'<
'" ') ~,

'\')
10)
12)
11)
14)
13)
15)

fECATA - FEDERAÇÃO CATARINENSE DE TEATRO AMADOR


FUNOAOA Elo! 02/04/1976
fli"'\iI""!t~~. -f'I() -CU',Ó:l'W ~ lf~\fl'{} 4l-. 'tituk,,!: • O~w. h ~llIl ~ eflt~ - !lil~.~" ' 'SC. Il~> $ij, lWt\l ~...oo< 'lw. .;t"' •••• OS'OS/UV"
coe no. 1UlJ..$:6~/OOí>1~$Ç
.~ C 1,7 ,~
(; .•• <~ <;,,<':.., ... ~
t "" \ ..•.... ~t' A v''\ r ~ ....... ~
_" .•. ·4 A "'i.-"Sd_gP;.
&"1iJ~
artistas. Roese não gostava de se apresentar para uma platéia heterogênea, não
era discriminação, era o medo da crítica negativa a que não gostaria de ser
submetida. Viktor Gaertner, marido de Roese, era filho de uma irmã do Doutor
Uma nota no "Kolonie Zeitung"7, entre outras notícias, referindose ao Blumenau e veio com o tio em 1863 para auxiliá-lo na administração da
teatro, comentava o grande sucesso obtido durante a última apresentação. O Colônia. Algum tempo depois, estabeleceu-se com uma casa comercial num
autor da nota, Pastor Hesse, comentava: "as dificuldades do Grupo Teatral, prédio ao lado de sua residência na Alameda das Palmeiras. Viktor Gaertner foi
considerando os integrantes disponíveis numa Colônia que estava galgando Vice-Cônsul da Alemanha em Blumenau, desde julho de 1867 até 1888, quando
os primeiros degraus, e que não poderia satisfazer de imediato, ou faleceu. A sua casa foi o centro intelectual da Colônia. Roese, ao ficar viúva,
apresentar bons espetáculos ao público, apesar de envidar todos os assumiu a família, sendo auxiliada pela filha mais velha que era adjunta da
esforços possívels, na última apresentação çareou para o espetáculo escola de primeiras letras, regida por Apolônia von Buettner. Os três filhos mais
numeroso público, que lotou todo o espaço. E que o Grupo Teatral, além do velho~ foram para outros centros, o quarto filho auxiliou-a nos negócios, dOIS
trivial "Humoristische Studien" (Estudos Humorísticos), apresentou de freqüentavam a escola e a mais moça, Edith, não havia completado idade para
Kotzebue, "Der gerade Weg ist das beste" (O Caminho Reto é o Melhor). Na freqüentar a escola. Além de dirigir o pequeno negócio ao lado de sua casa,
primeira peça o trabalho de conjunto dos atores foi um sucesso notável, o agenciava ainda os pequenos vapores "Progresso" e "Blumenau", da Cia.
que também aconteceu com a segunda peça, considerando ainda o Fluvial. As grandes responsabilidades não a tizeram esquecer o "seu teatro", e
excelente conteúdo da mesma. Foi um bom espetáculo A crítica sobre estas
fI. mesmo confiando aos mais jovens os principais papéis nas peças teatrais, ela
peças feitas pelo Pastor Hesse dizia ainda o seguinte: "Notava-se durante toda cuidava para que nada faltasse no palco; selecionava e ensaiava as peças,
a apresentação nada de debu:' tantes de braços e pernas rígidas e sim Ulna caracterizava atores, servindo de ponto quando Karl Wilhelm Friedenreich era
notável naturalidade, onde cada ator mostrou sua capacidade, principalmente obrigado a faltar.
na comédia. Após o espetáculo, o baile prendeu associados e convidados até ao Roese era excelente amazona e não havia obstáculo que não saltasse.
amanhecer". Segundo o relato de uma parente, Roese era muito corajosa e o provou quando
É evidente que o sucesso obtido foi obra de Rosália Gaertner, ou Roese, teve que viajar para o interior da Colônia e o cocheiro embriagou-se. Roese
corno era carinhosamente tratada. Roese era apaixonada pelo teatro, fato que a puxou o cocheiro para o banco de trás, tomou as rédeas e voltou para casa
levou a fundar o Grupo Teatral que dirigiu com carinho e dedicação até a data guiando os cavalos. Preocupada com o cocheiro que poderia cair, dirigiu o carro
da sua morte. Corno os primeiros encontros do Grupo Teatral foram na casa de lentamente, chegando à Vila à meisnoite. Foi até a esquina onde morava Franz
Johann Thomas Reinhardt, o primeiro palco também foi improvisado na casa Lungershausen, proprietário do carro, tirou-o da cama, entregou o carro e o
de Reinhardt, passando posterionnente para a Sociedade de Atiradores, )lma conteúdo dizendo com raiva: "Tome, devolvo-lhe o seu belo cocheiro ".
construção simples com um palco rudimentar, onde eram encenadas peças Rosalie Julie Auguste Sametzki nasceu em Neder-Gerlachsheim bei
teatrais que atraíam a população total da Colônia, bem como das vizinhanças. Lauban-Schlesien - Alemanha, filha do Alferes Julius Sametzki, Voluntário da
As peças sob a direção de Roese eram bem representadas e Roese e Gustav Guerra do Paraguai e Auguste Becker Sametzki. A família veio para Blumenau
Salinger quase sempre faziam os principais papéis. Também a Rudolpf Krause em 24 de julho de 1859 e Roese tinha 17 anos de idade. Em 30 de junho de 1861,
foram atribuídos papéis de responsabilidade, quando ingressou na Sociedade o Pastor Hesse casou-a com o oficial prussiano von Leppepr, do qual foi
Teatral Blumenau. separada judicialmente no dia 23 de junho de 1865, pelo Juiz de Direito Dr.
Rudolph Krause fundou uma fábrica de caixinhas de madeira para Joaquim Antônio da Silva Barata. No dia 29 de junho de 1865, casou-se com
charutos na Barra do Rio, em Itajaí, e viajava duas vezes por semana com o Viktor Gaertner, natural de Hasselfelde - Braunschweig - Alemanha, nascido
vapor "Progresso" para participar dos ensaios. Os nossos amadores venceram no dia 14 de maio de 1832 e falecido no dia 6 de novembro de 1888. Roese
muitos obstáculos, e mais tarde, quando representaram pa- faleceu no dia
péis de maior gabarito e responsabilidade, se portaram como verdadeiros
16)
26 de dezembro de 1900 de decor~ç.ões de ambiente. Principalmente no ramo teatral, foi incansá-
moléstia no estômago, e foi vel atlv~dade e talento, dedicando todo o seu tempo disponfvel no de-
uma lamentável perda para senvo!vlmento da ~ultura artfstica e atividade teatral, conquistando
a família e amigos, tam.bem. ?r~ndes t~~unfos, quando atuava em peças, interpretando os
principalmente para a maIs difíceIS papels com muito bom desempenho. O Teatro "Frohsinn
Sociedade Teatral ", muito lhe deve, pois foi ela a mais ativa orientadora e eficaz
"Frohsinn" , que teve sustentáculo dessa sociedade cultural. "
dificuldades em encontrar
Roese gostava de pássaros, flores e da nossa mata ;i.irgem, pois numa
uma substituta.
carta que escreveu aos avós que residiam em Dresden-Sachsen Alemanha, ela
Inicialmente assumiu as
funções, a filha Else, que externa toda a sua sensibilidade às belezas e às coisas simples que adotou em
além de dirigir os sua nova Pátria. O conteúdo da carta datada de 15 de agosto de 1860 é o
espetáculos, tinha outros seguinte:
encargos sociais. Else foi "Queridos avós!
auxiliada por Gustav Espero que esta carta os encontre bem de saúde. Fico contente em saber
Salinger, que com a morte que agora estão bem de saúde. Aqui vivemos no meio da natureza e tu
de Roese foi eleito meu avô, certamente gostarias de viver aqui. O nosso lar, a casa onde
presidente, cargo que moramos é coberta de folhas de palmiteiras, sem janelas e sem assoalho,
ocupou até 1917, quando se e a uns trin~a passos da mesma está a mata virgem e a mais trinta, passa
retirou devido à avançada o rio. E uma delfcia passear no meio da mata virgem entre as mais belas
idade. Atualmente o Teatro flores e em volta das mesmas ver o beija-flor voando. O chão está
"Carlos coberto de baraços, nos quais muitas vezes corre-se o perigo de cair. Do
Gomes" remanescente Roese Gaertner topo das árvores, os baraços enviam seus cipós até o chão, sendo que
do "Frohsinn" não mais possui um Grupo Teatral que tàça jus às glórias do alguns deles são finos e outros chegam a ter a grossura de um braço.
passado. Deste cipó fazemos cordas que são mais fortes do que o sisal. Com estes
. O "Blume~uer Zeitung" nO 52, de 29 de dezembro de 1900, pu- cipós amarramos as paredes das casas. Que passarinhos de cores e
bhcou o necrológlco de Roese Gaertner, falecida no dia 26 de dezembro: formas inimagináveis! Tangerinas, pêssegos, mamões e outras frutai
para nos deleitannos no verão, que chega a 30 e 32°. Naturalmente para
"Dam~ inteligente, de coração generoso, exerceu importante papel na os que gostam de folgue dos, estes faltam. Mas também os ternos aqui.
s~cledade blumenauense; era muito estimada, respeitada e venerada Eu danço ao som de um violino e um harmônio, enquanto na Alemanha
amda por mui~as fa~nflias que de~~ sempre tiveram amparo e ajuda em se ouvem orquestras e coros. Cada terra com seus costumes. Nossos
todas a~ sztuaçoes, quer auxllzando-as pecuniariamente, quer trajes são muito simples: os homens usam camisa azul e a calça segura
dando-lhes sábl~S c?nselh~s e orientação certa na solução de proble- por um cinto no qual penduram um facão de dois palmos. Nós, mulheres,
mas com o~ quazs vm!Ulln a sua presença. Por muitos anos foi diretora vestimos saia e blusa e em geral andamos descalças ou calçamos
da A~ênc~a da C~mpanhia Fluvial, em cujo encargo demonstrou tamancos, e naturalmente somos alegres. Nos dias de festa vestimos
ex:rao~dmána c~paclda~e pelo que grangeou a gratidão e o respeito nossas roupas trazidas da Alemanha com as quais também vamos à
nao .so rU: refenda SocIedade Anônima, como também de todos os Igreja. Em nosso pasto ternos duas vacas, dois terneiros e meu cavalo
fun~lOn~nos ,e ~mpregados. da empresa. Por ocasião de realizações de Alazão que vale uma fortuna para mim, pois me leva nos domingos à
fest~J~~ publz.cos ou partIculares, sempre foi consultada e ouvida a Igreja que fica a uma hora de distância, ou quando vou até o Salto e não
sua oplnzao, pOIS demonstrava bom gosto nos arranjos destas festas e posso
ir de canoa até lá. Com o cavalo passo apenas por uma picada, ele é Lembranças de vosso neto Georg. "
muito seguro e me leva sem perigo. Os bugres, aqui ninguém precisa Roese e Viktor tiveram os seguintes filhos: Erich, Arnold, Felix,
temer, pois um tiro de espingarda os assusta logo. Porém, o que falta Helmuth, EIsa, Victor, Harry e Edith.8
aqui é a mão-de-obra qualificada ou pessoas que trabalhem. Um homem Edith, a filha mais moça, ao visitar a innã casada Else G. Seypel, em
recebe por mês dez a vinte mil réis. Uma empregada doméstica de oito a Rosário (Argentina), foi visitar também um médico que estivera em Blumenau
quatorze mil réis e além disso, difícil de conseguir alguém. Nós e se tornara amigo da família. Na casa deste médico Edith chegou a conhecer a
trouxemos uma de lá, porém dois meses depois ela se casou e agora grande Eleonora Duse no auge de sua carrei;a, tendo se impressionado tanto
estou sozinha. Minha mãe não pode trabalhar e o serviço, no início, que resolveu dedicar-se ao teatro. Os innãos de Edith resolveram financiar seus
principalmente a roupa me custava muito, mas agora já estou estudos na Escola de Arte Dramática de Berlin, escola de grande conceito no
acostumada, sou jovem e tenho força. Há cerca de duas semanas a mundo. Tenninado o curso de quatro anos, Edith passou a integrar elencos de
garganta da mamãe ficou inflamada e saiu muito pus. O médico disse vários grupos teatrais, representando nos mais afamados palcos alemães,
que passará com o tempo, ela precisa descansar. Da c!imatização os inclusive nos teatros de Mainz e de Leipzig. Atuou nos palcos alemães por uns
sinais são: pés inchados e coceira na pele que é muito irritante e eu sinto vinte anos, colhendo louros da crítica especializada. Entre os autores famosos
o mesmo que meus pais. Agora já temos carpinteiro, fazendo urna casa representou obras de Ibsen, Tolstoi, Goethe, Schiller, Shakespeare, Moliere e
bonita para nós. Eu estou contente porque ela tem janelas de vidro, outros. Representou "Ofélia" no Harnlet, "Julieta" no Romeu e Julieta, de
porta e assoalho. A comida é em geral feijão preto, farinha e carne seca. Shakespeare, "Margarida" no Fausto, de Goethe, "Inês" em J ohannisfeuer, de
Nós já procuramos modificá-Ia. Fabricamos açúcar e cachaça. A Sudermam1 e muitos outros, sendo muito aplaudida. Regressou a Blumenau em
maioria dos colonos fazem o mesmo, farinha e cachaça.' O nosso pão é 1924 para auxiliar seus innãos Erich e Arnold, sacrificando sua carreira. Edith
de milho e é muito gostoso. Ah! si vocês pudessem viver aqui conosco voltou para a Alemanha em 1928 para rever cidades e teatros onde colhera
para ver e provar do mesmo. Não se pode descrever como tudo é. Eu já tantos louros. Passou o inverno em Bedin assistindo a diversos concertos
podia ter casado várias vezes, mas ainda não tenho vontade. Aqui os sinfônicos sob a regência de Furtwengler. Visitou sua irmã Else em Rosário, e
moços são como pão fresco, logo têm saída. A morte do bom tio Bastos ao voltar isolou-se no seu jardim com os gatos e uns poucos amigos até o dia 15
me doeu tanto quanto para vocês, pobre da tia Alice, pena que eu não a de setembro de 1967, quando íàleceu.
conheça, rnas apesar de não conhecê-la gosto muito dos meus tios,
primos e vocês em primeiro lugar. Muitas vezes, por exemplo, penso e
sonho com a vinda do tio e família para cá e como isto seria bonito!
Lembranças em primeiro lugar à tia Lothe, que eu procuro sempre
imaginar como ela é, e também o tio Louis, tio Karl e todos eles. Se eu
voltasse para Dresden. iria pajear os filhos da tia Bertha e os filhos da A necessidade de um curso de "ballet" se fez sentir em 1936, quando da
tia Nillna. As crianças gostam de mim e trabalhar eu posso. Lembranças apresentação da ópera "Preciosa", de Cad Maria von Weber. Na ocasião, a
ao tio Hermann e sua jovem esposa lá em Lawenburg onde eu gostaria coreografia foi feita com as alunas da Associação Ginástica Blumenau, dirigida
de estar, porque lá existem florestas. A vocês meus bons avós desejo que por Mathilde Frischknecht, sendo solista a senhorita Leder. Apesar do interesse
fiquem com saúde e que Deus vos guarde durante uma longa vida. do Maestro Geyer no funcionamento de um curso de "ballet", somente em 1945
Adeus. o íàto se concretizou, quando foi realizada uma "Noitada de Bailados" , no dia
Deus guarde vocês, escrevam-me em breve. 30 de junho, com coreografia idealizada por Lisel Klostennann e orquestra, sob
a regência do Maestro Heinz Geyer. Participaram da apresentação as alunas
Queiram bem a vossa neta que muito vos ama Ellen
Roese Sametzki
17)
Renaux, Renate Wemer, Ivone Niemeyer e Suzana Horeyseck, que
dançaram a "Valsa Romântica" e "Pizzicato", de L. Delibes, "Danças
Medievais" (Minuito Burlesco), de Johann S. Bach-Martini-Couperin,
"Valsa do Imperador", de Johann Strauss, "Bonecas Levianas", de O.
Programa Lorenzo Fernândez e Savino Benedictis, "Modista da Viena Antiga", de
Johann Strauss, "Namoro em Viena", de Josef Lmmer, "Mazurka Clássica",
L PA.RTE «A~f1e~» de F. Chopin, "Tarantela", de St. Heller, "Dança Holandeza", de A. Lortzig,
Um dto cômico 'Com a pdrticiPdÇ~O de RitdScnddract Ruthc ~(un'1:Lr" MH:rJo Kid\>\'dgen, Caewno "Ióta", de L. Sopenna e "Dança Slava", de C. Friedemann. Os arrajos
Deeke FJsuein:do, Wje~~nd Siebert e iJ;f<OS til;: '. orno musicais para "ballet" estavam a cargo do Maestro Geyer e o guarda-roupa e
lI. PARTE cenários de Duja Gross. Com a criação do Conservatório de Música "Curt
Hering", o "ballet" passou a fazer parte do Conservatório. Gertrud Smolka
Suite de Ballet "i. _ •
-. •.••.• "
t1A,(,,(JV~» :Mwdctt d.
T&cha!kow$ky. substituiu aLiseI Klostermann, fazendo a coreografia e desenhando os
~ em um eUo' '" . costumes para as programações do Teatro "Carlos Gomes", até o dia 21 de
Orqueaira do Teatro -Cados Gomea-. sob a r.gencla do maestro HEÚml Geyer.
Coret>grafia: Mme. G. Smolka. abril de 1951, quando apresentou o seu último trabalho com os temas das
Dansada pelall alunall do ColUlerll'alQno -Curt Herlng-. músicas: "Suíte Oriental", de Popy, "Variação da Fada Açucarada",
Bailadoa pela ordem: "Mirlitons" e "Trepak", de Tschaikowsky, "Clair de Lune", de Debussy,
- T R Df!. DOr;; CONVfDr1DOS: Bailarinas c(lr de I, MARCHA "Sílvia Ballet", de L. Delibes, "Improp'u", Sinfonia Op. 66, de Chopin,
- Ei\T ~o;o: Bal~lurinas cór 'azul, Cltillesa~" Bail(!ti1!(l~
crir brtmca, Damas de H01lra, PrulÇ{'zas da" "Blanche et Noir", de Czibulka, "Borboletas" , de S. Translateur e a "Dança
l-lôres, PrÜ1C('Stl. . ." , das Horas", de Ponchielli.
2. V4.RItç,/Io DA FADA ASSUCARAOA, '.' .. Rulh I.Vmklcl'. No dia 18 de dezembro de 1951, o Conservatório de Música "Curt Hering"
TI?EjAK (Dallsa RIt,~saj - Rell!lfe OUe, ]:,,"1)' Abdú. ,!faria CfInstme Sceite,
S. J/aryaifl ,A b,tu, apresentou "Bailados", com coreografia e desenhos dos costumes de Inês
4 f) 4. .v •... ,A llRAHE - Maria Aldlta. Brmuftlo (/11 j'dga, Alzira ScJlIwider, Liam Poller, e a orquestra do Teatro "Carlos Gomes", sob a regência do Maestro
, •. Ofte Presa ,\ebeltmg. Geyer. A programação em duas partes apresentou na primeira, "Danças
SOLISTA: J/ilTgd !)()"i/ l1oops, ., '. ,
,~), LJ "',""S',A CH IN ESil - lhma RafJe, Milrliese Selta'''!,E, Slliulra n~1{ke~'t'c'~f1pt"tt' ,1" " Clássicas", com músicas de F. Kreisler e F. Chopino Na segunda parte,
MI'W" raM" BtJ1'ba, Kal'ill rristhkJtiJcht, NlttlC'j am os, Rúth ' p"itz$clte. "Danças do Mundo": a) Brasil - tillltasia do Brasil, de Ary Barroso; b)
l/ANDARIJ/: 1tka Roepck.e. . "
, lfll' Lf[ON5, . . Cmúl" ffass, Eldrítil fio//"", MOf'Íil Luis" S~heJlmg, Ailrttl América do Norte - Step de G. Boulanger; c) Espanha - minueto e
,)., . \ l'etersl1t,
farandolo, de G. Bizet; d) Itália - tarantela, de St. Heller; e) Holanda - dança
7, GRANDJ:.: V([L5íA D-1S FI;O!?!!~ÓR DE ROSA' Vera Deeke, N/mil,! Ta. holandeza, de A. Lortzing; t) Alemanha _ laendler, de O. Fetras; g) Áustria -
~;;·tf:·"k~{i;:~;;d Sei/er, Edit' Reinert, Veru Strattch, l.irsul" valsa vienense, de J. Strauss; h) Rússia - gopak, de M. Mussorgski; i) China
J\i'f?;d C. T
li !ll'ARI,VAS DE AZUL: ilfm·itIllScl"'titlt(J"~m" CClJ" ll;'"ç:és - pequena chinesa, de F. Lehar; j) Hungria - danças húngaras, de Brahms.
Coelho, Mar!;";! JJislt'l, Elkf' llering, [)Itrt$ lú;mra t,
I"'nrz J/oellmmm. . . II 11 k 1~4ILARJNAS DE BRANCO: [so/dl'
No dia 13 de novembro de 1952, o "ballet" marcou sua presença
jJ~Sel! ,':e S ."j/1..
f "loUe !'ra\'mt l/arita Dake. V"s/da 'ft!otileck, com uma programação de alto nível. Da ópera "Fausto", de Charles
Dons 01' 'I~:;II
Doris ·Std,.;'cn
ANCY JfoeUmmtll. ilJarlil'w
5clm'ar:: ~).4.\f:.jS DE HONR;l: Gtllti/a J~IlSS, gari" PeterwlI, El·. Gounod, foram apresentadas danças do Bailado (Margarethe) e Canção. O
àriia Koffke, Maria Luisll S,hâlmg.
Fl.ORE;S SOLISTAS: Cuda GÜrfuN', fita Prayon, PR
terceiro número foi "Capricho Italiano", de Tschaikowsky. Na segunda
hVCESA: Rulh li iltkler, parte, foi apresentada a pantomima de JosefBayer "A Fada das Bonecas" .
Rothschild, Eleonore Knoop, Ruth M. da Silva (que interpretaram No dia 17 de dezembro de 1953, o tema dos bailados foi "O Livro de
bailarinas de 1860), Helge Herrmann, Use M. da Silva, Uka e Ruth Contos". Com música de Franz Schubert foram apresentados: "A
Branca de Neve", "A Bela Adormecida", "Joãozinho e Ritinha" e "Final";
"Chapeuzinho Vermelho", com música de Bocherini, "c? Gato de Botas" com
música de A. Dvorak, "João Felpudo", com mÚSIca de Fr. Pracanlco,
"Cinderela", com música de Fritz Kreisler e "Juca e Chico", com música de
Smetana. Na segunda parte foram apresentadas: a) Valsa _ Capriccio, com
música de Bosco; b) Grande Valsa Vi~nense, de J. Strauss; c) Step, de Samy
Fain; d) Rapsódia Slava, de Fnedmaill1, Nos dias 16 e 17 de outubro de 1954,
foram apresentados: a) "Festa Galante à Noite" com música de Mozart; b)
"Dança ao Luar", com música de Lorenzo 'Fernandez; c) "Suite Egípcia", com
música de A. Luigini; d) "Polca", fantasia, com música de G. Merkling; d)
"Casório Camponês", com música de Franz Schubert. Bailados sob a direção de
Inês Poller, orquestra sob a regência do Maestro Geyer e perucas históricas a
cargo
de Ruth Koschel.
Pelo 750 aniversário da Cia. Hering, o "ballet" apresentou uma
programação especia} enfocando o p~río?o 185~-1955 em Blumenau, ~m oito
quadros: a) O Indio; b) Os Prlffierros ImIgrantes na Floresta V~gem"; c) A
Primeira Colheita; d) A Primeira Tecelagem (1880);. e) O Casalzinho da
Cidade; t) A Jovem Grã-Fina de 1900; g) As Cnan?as Veraneando à Margem
do Itajaí-Açu em 1910; h) Valsa Comemorativa
ao Jubileu,
Ainda em 1955, o programa "Bailado" apresentou, em ,~uatro
quadros, o tema "Um Passarinho Vive as Quatro Es~ções d~ Ano, com música
de Berlioz e Mendelssohn, com apresentaçao no dia 18 de dezembro para
adultos e dia 19, às 17 horas, para crianças.
O "ballet" do Conservatório de Músuca "Curt Hering" também
participou das apresentações da ópera "Anita Garibaldi" , pelo. Centenário de
Blumenau nos dias 2 4 e 6 de setembro de 1950, e nos dIas 7 e 9 de dezembro
de' 1956, cor;' a participação dos alunos Karin Frischknecht, Ludwig
Eschenbach, Gudrum Kalvelage, Mara Probst, Carmen Schroeder e Ely
Wachholz. Em 1957, na apresentação. e~ São P~ulo, atuaram cantores coral e
corpo de baile do Teatro MumcIpal de Sao Paulo, porém nos' dias 10, 3 e 6 de
junho de 1963, na reapresentação da ópera, sob a regência de Bruno Roccella,
participou o "ballet" do Conservató-
rio.
Em 1958, o tema dos "Bailados" das alunas do Conservatório, dirigidos
por Inês Poller, foi na primeira parte: "~lássico Divertissement", com músicas
de Delibes, Gounod e PonchIelh, apresentando. as cen~s "Ao Despertar da
Primavera", "Dança do Sol", "Dança da Prlffiavera , "Dança Alegre", "Sonho
na Primavera", "Rendez-vous", "Passatempo
Prima~eril" e ."Dan?a ao P?r do Sol> .Na segunda parte foram apresenta~s
RapsódIas Hungaras , com mUSIca de Franz Liszt. O tema da primeIra parte
do programa "Bailados", apresentado nos dias 4 e 5 de julho, no Teatro "Carlos
Gomes", foi "Suite de L'Arlisieme" com música de Bizet e as cenas "Prélude",
"Minuet" "Adagietto" "Carillon" e "Faran~ole". Na segunda parte foi
apresentada "A Fada das Bonecas", pantomlffia de Josef Bayer. Nos dias 17 e
18 de setembro de 1960 os alunos de "ballet" apresentaram os temas "Concerto
Clássico" com ~úsica de Johaill1 S. Bach; "A Moldávia", com músicas de
Sm~tana e "O Pequeno Bosque ?e Mara", com músicas de
Mendelssohn-Bartholdy (Sonho de uma NOIte de Verão).
Inês Poller apresentou o seu espetáculo de despedida no dia 9 de
setembro de 1962, com músicas de W. A. Mozart (Pequena Serenata Noturna)
e Pablo M. Sarasate (Festa das Flores). Foram ainda apresentados solos para
piano, CÍtara e violino, com a participação da orquestra sob a regência do
Maestro Geyer e cenários de Victor Hausmaill1.
Em "Viva o Ministro", opereta apresentada nos dias 5 e 6 de nove~bro
d~ 1965, o Corpo de Baile esteve a cargo de Zuleika Lauterjung e Ins Colmo
Mara Probst, ex-aluna de "ballet" do Conservatório de Música "Curt Hering" ,
foi para o Teatro Municipal de São Paulo para aperfeiçoar-se. Depois de dois
anos, Mara voltou para Blumenau como professora de "ballet" do
Conservatório e coreógrafa do teatro "Carlos Gomes", apresentando seu
primeiro espetáculo no dia 7 de dezembro de 1966 (Quadros Históricos do
Desenvolvimento do Brasil). A última apresentação de "ballet" coreografado
por Mara com a participação da batuta do Maestro Geyer foi no dia 20 de
dezembro de 1970, entretanto, o espetáculo de "ballet" coreografada por Mara,
tendo como regente o nosso saudoso Maestro Geyer, apresentado no dia 12 de
dezembro de 1969 (um ano antes), foi um espetáculo de alto nível e um dos
melhores espetáculos de "ballet" apresentados no Teatro "Carlos Gomes". Da
programação constava uma homenagem a J. S. Bach, interpretada pelas alunas
Estela Camargo, Eva M. Flesch, Jeane M. Probst, Lilian Ramers, Maria de F.
Honório, Siegrid Wamser, Úrsula Jonen e Mara Probst. De Gounod foram
apresentados Moderato-Maestoso e Valsa (allegretto). De A. Luigini foram
apresentados os quatro movimentos da Suite Egípcia.
Em agosto de 1972, Pauline Springer assumiu o "ballet", e Mara
continuou trabalhando até junho de 1973, quando foi dispensada, apesar da
longa folha de ótimos espetáculos artísticos apresentados. Pauline Springer,
primeira professora credenciada no Brasil pela "Royal Academy of Dancing",
de Londres, após desentendimentos com os dirigentes
do Teatro "Carlos Gomes" foi forçada a demitir-se em 1~76, ficando o teatro baseado em depoimentos falhos, pois o "ballet" de Blumenau não tem suas
alguns anos sem coreógrafo. Em 1979, Ingo Henng esteve e~ Augsburg - raízes na Associação Ginástica Blumenau. Esta, ministrava através de
Alemanha, quando foi apresentado a Pedro Da~t~~ ROdrlgues, entrando em professores especializados em Educação Física, a Ginástica Rítmica, método
entendimentos com o mesmo sobre a. posslbllldade de trabalho no teatro de educação muscular criado por Jaques Dalcroze "cuja finalidade é harmonizar
"Carlos Gomes" de Blumenau. Sohsta do teatro de Augsburg, o último trabalho os movimentos do corpo com os cornandos do cérebro", enqua~lto o "ballet" é um
de Pedro em Augsburg fo~ em setembro ~e 1979, quando foi contratado pela gênero independente de espetáculo, é dança cláSSIca com passos
direção ?O Teatro Carlos Gomes , com vantagens e regalias, porém elaborados em sistema, e empregados no ensino coreográfico.
desentendlffientos levaram Pedro a de- A Associação Ginástica Blumenau nunca funcionou como "Academia
mitir-se. de Ginástica e Dança" .
Pedro artista nato, não esmoreceu fundando o CIDAI (Centro In- Na década de sessenta, paralelamente ao "ballet" que funcionava no
ternacional de Danças e Artes Integradas), que foi inaugurado em 10 de agosto Teatro "Carlos Gomes", Valentina von Rogoschin lecionava "ballet" no salão
de 1982. Pedro, além de coreógrafo, é .artista plástico de grande sensibilidade do Grande Hotel Blumenau. Na gestão do professor José Ferreira da Silva,
comprovada pelas belas obras eXistentes no CIDAI. Pedro fez três anos 'de como presidente da Sociedade Dramático-Musical "Carlos Gomes" , muitas
especialização de pintura acadêmica, escultura e modelagem em Veneza. vezes o teatro foi reservado para V alentina von Rogoschin apresentar seus
Artista internacional, Pedro, além de atuar no Teatro Municipal de São Paulo, belos espetáculos.
atuou também no Teatro Comunal de Bologna, Teatro Máximo de Palermo, Em 1986, surgiu o "ballet" de Câmara de Blumenau, que conta com um
Teatro Lafenice de Veneza, Teatro de We~tfália, Teatro de Oldenburg e grupo de bailarinos profissionais, tem seu registro no MEC e é de Utilidade
Augsburg. Em Augsburg to~ regente ?e classes de aluno