Você está na página 1de 361

~ '~'r-____.________________________________________________________~.

r
l-'ET/7490

6/~ rff~ Q#edwa/ .. _.

PP
AU
'mID3 ,U~(ffill1~1I ~

IR

AR
Com 5 Volumes

L
f
VOl.5

DE
......... -- . t
,.

:34 AN
-_.
". f

:46 C
~
, '.'
'>

14 E S Sigiloso ~.:. ,, ".


<._' .. --~ --- I
8 - IN
"'
_. _.. - - - ___
01 OL

--'---~-."-- . _~._

PETiÇÃO
0/2 AR
9/1 - C

... ----- •• _-------- ----~---......-----"


: 1 30
Em 8579
11

,
65

. ..•.
PETIÇÃO 74.90
r: 0

l'~\,)CEn. JJr8T?_I':\~' ?EDf,E,"().-;... ;-;:;::,'~_-.~:IF:'lJ:T


':lErcm·) . .. J.,')(j'J '::' o·; G17 Jti"2 O:.: ":":1-; -(\l:':.tJ ~~~T'f:~!(;. :;! ..;)?; . J':.':'; .i; E;)S'::;:f.d..
po

kEÇ.:T3. (S: SOB S::-.GI!:J::i


l'''.c<.... (]:!S) (E;B) SOE: ::;::Gr::,,~;
sso
pre
Im

I
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

P
UP
RA
822

RI
PROCURADORIA GERAL DA REPUBLlCA

LA
CRIMINAL

DE
Data de Autuação: 26/01/2017

:34 AN
Procedimento Preparatório - PGR - PP-PGR

C '·,'
I

:46 C
1.00.000.001718/2017-14
~ , r" ; 14 E S
I Confidencial Supremo Tribunal FfderaJ STFDJgUat
8 - IN
Pet 0007490 ' 20/'J2/2018 13:11
0016188-52 2011; 1.00.0000
Volume IV
01 OL

1111111111111111111 11111111111111111111111 11111 11111111111111111111 11111111


Capa:
0/2 AR

Proposta de colaboração premiada formulada por Alan Ayoud Malouf, no âmbito da Operação Rêmora.
9/1 - C

Distribuição:
PGR - 26/01/2017 - PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA: CRIMINAUSTF
: 1 30

Grupo temático principal:


Em 8579

Administrativo

,
Tema:
,
930004 - Acompanhamento de Feitos Judiciais/Administrativos (GESTÃO POLlTICA E
I _ .

C'
,;,....~. ,->--"
11

.- , , ADMINISTRATIVA/ADMINISTRATIVO DO MP (ÁREA-MEIO))

-
65
r: 0
po
s so
pre
Im

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL


823

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL
PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA

AU
SUBSECRETARIA DE GESTÃO DOCUMENTAL E PROCESSUAL
DIVISÃO DE CONTROLE EXTRAJUDICIAL

IR
L AR
DE
:34 AN
TERMO DE ABERTURA DE VOLUME

• :46 C
14 E S


8 - IN
01 OL

Aos vinte e seis dias do mês de janeiro do ano de dois mil e dezoito, nesta
0/2 AR

Divisão de Controle Extrajudicial - DCE/SUBGDPlPGRN, procedi à abertura do presente


volume IV do Procedimento Preparatório - PGR - PP-PGR 1.00.000.001718/2017-14. à fi.
9/1 - C

751.
: 1 30

Para constar, lavrei o presente termo, que vai devidamente assinado .


Em 579

••
18
51

DA~0tuTRAN
06


r:

Técnico Administrativo
po
sso
pre
Im

Termo de Abertura c Encerramento de Volume 1/20 In. Versão 2, de 30/07/2015.


GAB/PGR. >GR-o",qS;oIo(1 S1201g
.2 ') 1 ê> í 12011?
FIsIJ00751
ô24
OENDEL ROLIM, ADV

PP
AU
EXCELENTÍSSIMA PROCURADORA GERAL DA REPÚBLICA, RAQUEL
DODGE,

IR
AR
SIGILOSO

L
DE
:34 AN
• :46 C
14 E S
ALAN AYOUB MALOUF, já qualificado nos autos em
epígrafe, representado por seu advogado, requerer a juntada de novos documentos,
8 - IN
• especificamente a DENÚNCIA CRIMINAL ofertada contra deputado Estadual já
01 OL

citado em depoimento espontâneo do Peticionário. Ressalta-se que, inclusive, o


0/2 AR

Peticionário foi arrolado como testemunha de acusação no referido feito.


9/1 - C

Assim, reitera as narrativas e apresenta documentos de


: 1 30

corroboração do Anexo VIII para a análise de Vossa Excelência.


Em 8579

. Cuiabá, 29 de novembro de 2017.


11

'
65


r: 0
po
s so
pre

F
Im

6521274717
Avenida das Flores. 945, SB Medicai Center, si 802. 78 043 172. Cuiabá, MT
contato0huendelrolim.com.br www.huendelrolim.com.br (D@
GAB/PG'R
Fls. 000752

I.C=f.j~
, Ir} "N' fi' I
,l+i
~:~.:. ..::.~~~.~
°it!-
~.,(, 625

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
EXCELENTíSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR RONDON BASSIL DOWER

AR
FILHO - RELATOR DO INQUÉRITO POLICIAL N. 166822/2016 - TRIBUNAL
PLENO

L
!12866@-39.2017.811.G800

DE
lrotOCDlc Gera! - TJMT
JUDICIARIA
'.ta' lD/ltliZQI7 16,4S"",1'
1.. *.· 14cnl

:34 AN
',.. ·1?Afi,F..R/?(Ito· ...

• Inquérito Policial n. 0166822-


40.2016.8.11.0000/TJ/MT
:46 C
14 E S
8 - IN
01 OL

Ref. Operação Rêmora


0/2 AR
9/1 - C
: 1 30
Em 8579


11
65


o MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE ~TO GROSSO, por seus
r: 0

Promotores de Justiça in fine assinados, no uso de suas


po

atribuições institucionais, com base no inquérito policial em


epígrafe, em razão dos fatos delituosos a seguir expostos, vem
so

oferecer DENÚNCIA em face de:


s
pre
Im

-----,- . '--78/t-
ua ona ça.
V
- F'OClIf8 fB U5 ula
CEP Fooe/!aX 361l.l!22116281 . ..4._._j
/~ ~
PágÍna 1 de 113
,..~ c .
.'
..

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
1. GUILHERME ANTÔNIO MALUF, brasileiro, casado,

RI
Deputado Estadual em Mato Grosso, filho de

LA
Janette Mutran Maluf e de José Mikai1 Maluf,

DE
portador da cédula de identidade n. 0008504-3
expedida pela SSP/MT, inscrito no Cadastro de

:34 AN
Pessoas Físicas do Ministério da Fazenda sob o

:46 C
n. 314.450.471-87, residente na Rua Adel Maluf,

14 E S
n. 109, Bairro Jardim Mariana, Cuiabá/MT;


8 - IN
2. MiLTON FLÁVIO DE BRITO ARRUDA, brasileiro,
01 OL

casado, filho de Mari1za de Brito Arruda e de


Milton Campos de Arruda, natural de Cuiabá/MT,
0/2 AR

port'ador do documento de identidade n. 11142634


9/1 - C

expedido pela SJ /MT, inseri to no Cadastro de


Pessoas Físicas do Ministério da Fazenda sob o
: 1 30

n. 694.082.971-72, residente na Av. Florais, n.


Em 8579

875, Condomínio Village do Bosque, Bairro


Ribeirão do Lipa, Cuiabá/MT.


11

ÍNDICE
65

PRÓLOGO " . _ •.......•...••••••.•.•...••••••.••••••••..••.••.....•.•••••....•••••••••.... fl. 03


FATO 1: ORGANIZAc;Ao CRIMINOSA _ .•.••..••••••••..•••.•..•.••••••..•....•.••••••.•• ____ .... El. 05
r: 0

FATO 2: CORRupÇAo PASSIVA - Empreiteiro José Carlos Pena da Silva ....................... fl. 32
FATO 3: CORRUPçAQ PASSIVA - Emp~eiteiro Josê Carlos Pena da Silva - quatro fatos em continuidade
po

delitiva ....... _ ..... _.......................................................... _...... fl. 35


FATO 4: CORROPÇAo PASSIVA - Empreiteiro José Carlos Pena da Silva ............•.......... f1. 38
FATO 5: CORRU~O PASSIVA - Empreiteiro JOsé Carlos Pcn~ da Silva ...........•........... fl. 41
sso

FATO 6: CORRupçAo PASSIVA - Empreiteiro José Carlos Pena da Silva .........•......•.•.... fl. 45
FATO 7: CORRUpÇAO PASSIVA - Empreiteiro Ricardo Augusto squarezi - dois fatos em continuidade
pre

delitivo'l .•..•..•..................•..........•.........•.........................•..•... fl. 47


FATO B: CORRUPÇ~O PASSIVA - Empreiteiro Ricardo Augusto Sguarezi ....•••....•.•..•...•... fl. 51
FATO 9: CORRUPÇ~O PASSIVA - Empreiteiro Ricardo Augusto Sguarezi .......• fl. 55
Im

FATO 10: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiro Oilermano Sérgio Chaves ..•........••••. fl. 57

ua
~-::J: ti
-~agina- .2. ,--de 113
.. Fls.
GAS/PGR
OUO753
1
t

G "'~-d

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
626
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
FATO 11: CQRRUPÇ~O PASSIVA - Empreiteiro Leonardo GuimarAes Rodr.igues - dois tatos em

AR
continuidade delitiva ........................... _____ . _ ................................. fl. 60
FATO 12: CORRupçAo PASSIVA - Empreiteira Clarice Maria da Rocha ......................... fI. 65
FATO 13: CORRupçAo PASSIVA - Empreiteiro Eder Alberto Francisco Meciano ................. fl. 69

L
FATO 14: CORRUPçAo PASSlvA - Empreiteiro José Eduardo Nascimento da Silva ............... fl. 72

DE
FATO 15: CORRUPÇ~O PASSIVA - Empreiteiro Sylvio piva - Tentativa ........................ fl. 17
FATO 1~: CORRUPÇÂO PASSIVA - Empreiteiro Mário LOurenço Salem ........................... fl. 80

:34 AN
FA'l'O 17: CORRUPÇÂO PASSIVA - Empreitei ro r.eonardo Botelho Leite ......................... fl. 83

'.
FATO 18: CORRUPÇ~O PASSIVA - Empreiteiros Luiz Fernando da Costa Rondon e Esper Haddad Neto -

:46 C
três fatos, dois deles em concurso formal imprOprio ...................................... fl, 87
FATO 19: CORROPçAO PASSIVA - Empreiteiro Luiz Carlos da Silva ............................ fl. 94

14 E S
FATO 20: CORRUPÇÃO PASSIVA - dois fatos em continuidade deliti,va ...................... , ,.n. 97
FATO 2::'; CORRUPÇÃO PASSIVA. '" ........... .................................... ' ........ .. fI. 101


8 - IN
FATO 22: EMBARAÇAMENTO DA INVES'TIGACAo ~ atuação sobre Wandcr Luiz dos Rei.s ........ , .... fl. 104
FATO 23: EMBARAÇAMENTO DA lNVESTIGAçAo - atuaç~o sobre Giovani Belatto Guizardi .... : .... fl. 108
01 OL
0/2 AR

PRÓLOGO
9/1 - C

Na data de 17 de agosto do ano de 2015, o Grupo de


: 1 30

Atuação Especial contra o Crime Organizado - GAECO instaurou o


Procedimento Investigatório Criminal - PIC n. ° 07/2015/GAECO,
Em 8579

que tem por obj eto a apuração da existência, em tese, de urna

• organização criminosa composta por particulares e agentes


11

públicos destinada à obtenção, em razão de função pública, de


vantagens indevidas, a qual atua, a princípio, sobre contratos
65


da Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato
r: 0

Grosso - SEDUC/MT, bem corno a fraudar licitações, a princípio,


po

da SEDUC/MT.
so

Ao final da primeira etapa das investigações, na data de


s

17/05/2016 foi oferecida denúncia contra 22 pessoas, na qual


pre

foram narrados 28 fatos criminosos com subsunção nos artigos 4°,


lI, ·a H e ·c H , da Lei n. 8.137/90 (cartel), c.c.
Im
.'

~ ~p
/
;'~t"
"-'
..,

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
seu § 4°, 11, ambos da Lei n.o 12.850/2013 (organização

RI
criminosa), art. 317, caput, c.c. art. 327, § 2°, do Código Penal

LA
(corrupção passiva) e art. 90, caput, c.c. art. 84, § 2°, ambos

DE
da Lei n. 8.666/93 (fraude ou frustração do caráter competitivo
da licitação), peça acusatória que deu origem à ação penal n.

:34 AN
12930-82.2016.811.0042 (código 436618), que tramita perante o
juízo
encerramento
da Sétima
da
Vara
segunda
Criminal

:46 C
14 E S
fase da
da Capital,
investigação,
(6 a f.) foi ofertado aditamento à denúncia para inclusão de dois
na qual, após
em 29/07/2016
o



8 - IN
réus e de dois crimes de corrupção passiva (art. 317, caput,
01 OL

c.c. art. 327, § 2°, do Código Penal). É de se registrar também


que a aludida ação penal foi desmembrada dando origem ao processo
0/2 AR

n. 26715-14.2016.811.0042 (código 449660). Além destas ações, há


9/1 - C

ainda denúncias oferecidas perante o juizo da Sétima Vara


Criminal da Comarca de Cuiabá nas datas de 19/12/2016 (2 a f.),
: 1 30

dando origem ao processo n. 37299-43.2016.811.0042 (código


459808), e de 15/02/2017 (4 a f.), que desencadeou o processo n.
Em 8579

5368-85.2017.811.0042 (código 465469).


11

É certo que durante as investigações surgiram provas da


65

concorrência de autoridade com prerrogativa de foro perante o


Tribunal de Justiça de Mato Grosso para as condutas criminosas


r: 0

realizadas pela organização criminosa, razão pela qual se


po

requereu a remessa do Procedimento Investigatório Criminal n.


07/2015/GAECO para esta egrégia Corte, oportunidade em que foi
sso

requerido o desmembramento das investigações de modo a mantê-


las perante o Tribunal apenas em relação a GUILHERME ANTÔNIO
pre

MALUF e a MILTON FLÁVIO DE BRITO AlUlODA, o q rido pelo


Im

Excelentíssimo Desemb:a:rg~a~d~o~r~ff~~~ Dower


-. GAB I PG"it.-
Fls. 000754

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
627

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
Filho, dando origem ao incluso inquérito n. 0166822-

RI
40.2016.8.11.0000.

LA
DE
Assim, embora apareçam na narrativa a seguir, as pessoas
de ALAN AYOUB MALOUF, PERMINIO PINTO FILHO, FABIO FRIGERI, WANDER

:34 AN
LUIZ DOS REIS, MOISÉS DIAS DA SILVA, GIOVANI BELATTO GUIZARDI,

:46 C
JULIANO JORGE HADDAD, LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON, LEONARDO

14 E S
GUIMARAES RODRIGUES, MOISES FELTRIN, JOEL DE BARROS FAGUNDES
FILHO, ESPER HADDAD NETO, JOSE EDUARDO NASCIMENTO DA SILVA, LUIZ


8 - IN
CARLOS IORIS, CELSO CUNHA FERRAZ, CLARICE MARIA DA ROCHA, EDER
01 OL

ALBERTO FRANCISCO MECIANO, DILERMANO SERGIO CHAVES, FLAVIO


GERALDO DE AZEVEDO, JULIO HIROCHI YAMAMOTO FILHO, SYLVIO PIVA,
0/2 AR

MÁRIO LOURENÇO SALEM, LEONARDO BOTELHO LEITE, BENEDITO SÉRGIO


9/1 - C

ASSUNÇAo SANTOS e ALEXANDRE DA COSTA RONDON não são denunciados


na presente peça acusatória por que já figurarem como réus, pelos
: 1 30

mesmos fatos, nas ações penais alhures citadas em trâmite em


Em 8579

primeiro grau de jurisdição.

FATO 1: ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA


11
65

Consta nos autos do incluso inquérito que em data não


r: 0

definida, em momento anterior ao mês de setembro do ano de 2015,


no Município de Cuiabá, Estado de Mato Grosso, GUILHERME ANTÔNIO
po

~UF, ALAN AYOUB MALOUF, PERMINIO PINTO FILHO, FABIO FRIGERI,


WANDER LUIZ DOS REIS, MOISÉS DIAS DA SILVA, GIOVANI BELATTO
sso

GUIZARDI, JULIANO JORGE HADDAD, LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON,


pre

LEONARDO GUIMARAES RODRIGUES, MOISES FELTRIN, JOEL DE BARROS


FAGUNDES FILHO, ESPER HADDAD NETO, ~J~O~S=E-=E~D~AR~F-~~~~~~D~A
Im

SILVA, LUIZ CARLOS IORIS, CELS DA

ua
.. -.~5de113
tJ
--

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
ROCHA, EDER ALBERTO FRANCISCO MECIANO, DILERMANO SERGIO CHAVES,

RI
FLAVIO GERALDO DE AZEVEDO, JULIO HIROCHI YAMAMOTO FILHO, SYLVIO

LA
PIVA, MÁRIO LOURENÇO SALEM, LEONARDO BOTELHO LEITE, BENEDITO

DE
SÉRGIO ASSUNÇÃO SANTOS e ALEXANDRE DA COSTA RONDON,
voluntariamente, constituíram e desde então passaram a integrar

:34 AN
pessoalmente organização criminosa, para a qual concorriam

:46 C
funcionários públicos, condição esta (exercicio da função

14 E S
pública) de que se valia a organização criminosa para a prática
de infrações penais.


8 - IN
01 OL

De acordo com o que restou apurado, PERMíNIO PINTO FILHO,


ante o teor do ato n. 013/2015, publicado no Diário Oficial de
0/2 AR

Mato Grosso em 02/01/2015 (n. 26447), ocupava, à época dos fatos,


9/1 - C

o cargo de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de


Mato Grosso.
: 1 30
Em 8579

Por seu turno, FABIO FRIGERI, por força do ato n. o


130/2015, publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em
12/01/2015, ocupava, à época dos fatos, o cargo de Assessor
11

Especial I, Nível DGA-2, da SEDUC/MT, prestando assessoria


65

direta na Secretaria de Estado de Educação desde 02 de janeiro


de 2015 (vide anexo I, do Decreto n. 2.398/2014 e Decreto


r: 0

Estadual n. 233/2015).
po

O denunciado WANDER LUIZ DOS REIS, por força dos atos n.


sso

563/2015 e 7.691/2015, publicados no Diário Oficial de Mato


Grosso em 28/01/2015 e 13/11/2015, à época dos fatos ocupou o
pre

cargo em comissão de Direção Geral e Assessoramento, Nive1 DGA-


Im

4, de Superintendente de Aco anhamento da


GABIPG1
fls. 1)(10755

=1

PP
s.:.. r; : '
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO V i .... tJ

Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
Estrutura Escolar, da Secretaria de Estado de Educação, Esporte

AR
e Lazer - SEDUC desde 28 de janeiro de 2015 até 13 de novembro
de 2015.

L
DE
o mesmo cargo em comissão de Direção Geral e

:34 AN
Assessoramento, Nível DGA-4, de Superintendente àe
Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da

:46 C
14 E S
Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC foi
ocupado também por MOISÉS DIAS DA SILVA, desde 17 de novembro de


8 - IN
2015 até 02 de março de 2016 por força dos atos n. 7.778/2015,
01 OL

publicado em 17/11/2015 no Diário Oficial de Mato Grosso, e


9.186/2016, publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em
0/2 AR

02/0312016.
9/1 - C

Segundo consta, após ter sido substituído por MOISÉS no


: 1 30

cargo de Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da


Em 8579

Estrutura Escolar, WANDER LUIZ DOS REIS - ocupante do cargo de


provimento efetivo de Professor da Educação Básica na Secretaria

• de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso, conforme


11

Decreto Estadual n. 1.150, de 07 de fevereiro de 2000, publicado


65

em 07/02/2000 no Diário Oficial do Estado de Mato Grosso -, pelas


o
Portarias SEDUC/00059/2016 (Diário Oficial n. 26715, fls. 46 e
r: 0

52) e SEDUC/00066/2016 (Diário Oficial n. o 26716, fls. 67/68)


po

publicadas em 11/02/2016 e 12/02/2016, respectivamente, foi


lotado na Superintendência de Acompanhamento e Monitoramento da
so

Estrutura Escolar da SEDUC/MT, sendo então mantido no círculo de


s

atuação que a seguir será relatado.


pre

-. ( .1
Im

ifloia Anexo I - Procura • I de 'us ça. • ~


CEP7e049.921-FOI!!Ifa~-=:::; --'--=P-'-ã-gm:--'-a: 7 de 113

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
Apenas para fins de esclarecimento, é de se evidenciar

AR
que, nos termos do Regimento Interno da Secretaria de Estado de
Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso - SEDUC/MT, aprovado e

L
DE
corporificado no Decreto Estadual n. 570/2011, a
Superintendência da Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura

:34 AN
Escolar é órgão da SEDUC/MT cuja competência ê definida no art.
49 nos seguintes termos:

Arta 49 A
:46 C
14 E S
Superintendênci~ de Acornoanhamento e •

Monitoramento da Estrutura Escolar tem corno missão gerir
8 - IN
as ações referentes à alimentação escolar, transporte
escolar, obras e manutenção escolar, contribuindo par.a a
01 OL

estruturação escolar na busca da melhoria na qualidade do


ensino relativas à Estrutura, competindo-lhe:
0/2 AR

I - gerir os processos relati vos ao acompanhamento e


monitoramento da estrutura escolar no Estado de Mato
Grosso;
9/1 - C

11 - gerir os processos de adequação dos espaços flsicos


atendendo as diversidades dos projetos educacionais;
II1 avaliar as ações das coordenadorias através de
relatórios gerenciais:
: 1 30

IV - acompanhar o processo das mudanças estruturais e /


ou operacionais definidas pela SEDUC;
Em 579

V - coordenar a vigência dos convênios com os entes


federados para construção e adequação das estruturas
fisicas das instituições educacionais públicas;
18

VI - atestar a conformidade de seus processos.


51

Sendo órgão de nível de execução programática da


06

SEDUC/MT, a Superintendência da Acompanhamento e Monitoramento


da Estrutura Escolar possui em sua estrutura, dentre outros, •
r:

órgãos que lhes são hierarquicamente subordinados e que guardam


po

estreita relação com o fato em questão, a saber, a Coordenadoria


sso

de Obras e Manutenção Escolar, que se desdobra em Gerência de


Projetos da Rede Física Escolar e Gerência de Fiscalização de
pre

Obras, cujas competências são assim definidas no Regimento


Interno da SEDUC/MT:
Im

ua $In •
GABIPGR
Fls.
000756
- " ..==.J

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
" "9
t.:.
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
Subseção 111
Da Coordenadoria de Obras e Manutenção Escolar

AR
Art. 53 A Coordenadoria de Obras e Manutenção Escolar tem
como missão gerenciar os projetos de construções,

L
ampliações, reformas e manutenção da Rede Fisica Escolar,
competindo-lhe:

DE
I acompanhar, monitorar e avaliar a elaborarão e
execução do Projeto Bãsico e EXQcutivo das Unidades

:34 AN
Escolares e demais Unidades da SEDUC;
11 - atestar a conclusão das obras em consonância com o
Projeto Básico, Executivo e Planilha Orçamentária;

• lI! -

:46 C
acompanhar, monitorar e avaliar'
serviço de obras conveniadas junto às Prefeituras

14 E S
a

Municipais em consonancia com o Projeto Básico, Executivo


e Planilha Orçamentária;
IV - organizar e disponibilizar relatórios gerenciais:
prestação de


8 - IN
V acompanhar o processo de execução das obras
conveniadas ou contratad~s, em consonância com o projeto
01 OL

Básico e Executivo;
VI - coordenar a vigência dos convênios com os entes
federados para construção e adequação das estruturas
0/2 AR

físicas das instituições educacionais _.pública;


VII - coordenar a vigência dos contratos para construção
e adeguaçAo das estruturas fisicas das instituiçôes
9/1 - C

educacionais públicas.

Da Gerência de Projetos da Rede Física Escolar


: 1 30

Art. 54 A Gerência de Projetos da Rede Física Escolar tem


como ...!!lissão receber e encaminhar as demandas de projetos
Em 8579

de construção, ampliacões e reformas da rede físi.ca


escolar, competindo-lhe;
r - efetuar levantamento técnico in loce para elaboração
do projeto;
rI - elaborar projeto básico / executivo conside=ando o
11

programa de necessidade escolar obedecendo à legislação


pertinente;
65

III - elaborar orçamento de obra, memorial descritivo e


cronograma fisico e financeiro i
r: 0

IV acompanhar e monitorar os pareceres técnicos


apresentados pela equipe;
V - elaborar caderno de especificações técnicas;
po

VI - apresentar relatório de andamento dos Projetos à


Ccordenadoria de Obras e Manutenção Escolar.
so

Da Gerência de Fiscalizaç.3o de Obras


Art. 55 A Gerência de Fiscalização de Obras tem como missão
s

acompanhar e fiscalizar o andamento das obras em


pre

consonância com o projeto e a legislação vigente l

competindo-lhe:
I - fiBcal~·~~êo. .uu~~nt~er~~
Im

com o prOjet.~o~;~~~~~~~~-

n,
PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
11 avaliar e atestar a conformidade das medições
apresentadas pela empresa ou Prefeitura;

AR
lI! - notificar as empresas contratadas ou prefeituras
qt;ando não executarem a obra de acordo com O proj eto

L
licitado ou conveniado;
IV - sugerir adequações ao projeto, quando necessário

DE
durante a execução dos serviços de acordo com as normas
técnicas:

:34 AN
V - solicitar aditivo de prazo e de valor de acordo com a
legislação vigente, conforme alterações de pr.ojetos;
VI - gerenciar a vigência dos convênios com os entes

:46 C
federados para construcão e adequação das estruturas
fisicas das institcições educacionais públicas;

14 E S
VIr gerenciar a vigência dos contratos para construçao
e adeguaç.1o das estruturas fisicas das instituições
educacionais públicas;


8 - IN
VIII - atestar a conformidade de seus processos.
01 OL

Nesta linha de análise importa destacar também as


0/2 AR

atribuições dos cargos de Superintendente e de Assessor ocupados


pelos denunciados, WANDER LUIZ DOS REIS, MOISÉS DIAS DA SILVA e
9/1 - C

FÁBIO FRIGERI.
: 1 30

Seção rII
Dos Superintendentes
Em 8579

Art. 61 Constituem atribuJ.ções básicas dos


Superintendentes:


I - auxiliar o Secretário de Estado de Educação, bem como
o Secretário Adjunto ao qua1 está subordinado, na tomada
de decisões, em matéria dG!I competência da sua árQa, de
11

acordo oom o plano estrat9qico da Secretaria;


I I - apresentar, quando solicitado, relatório de suas
65

atividades;


lI! - promover reuniões periódicas com os servidores que
r: 0

lhe s~o subordinados;


IV - formular a Proposta Orçamentária de forma a assegurar
recursos para atingir suas metas;
po

V - garantir a Gestao Pública no planejamento, execução e


aval~açao das ações;
VI - planejar, Drograrnar, organizar, dirigir, coordenar,
so

supervisionar e controlar as atividades das áreas que lhe


são subordinadas;
s

VII - emitir pareceres, prOferir despachos, quando for o


pre

caso, nos processos submetidos à sua apreciação.

CAPtTULO II
DAS ATRIBUIÇÕ~~~~~~~~SSESS
Im

Seção I

Página 10 de 113
GAB'PGRl
ê
fls. U00757'

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO 830

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
Dos Assessores

RI
Art. 62 Os Assessores, em dependência de sua área de
formação e experiência profissional, possuem as seguintes

LA
atribuições básicas:
§ l° Quando nomeado no cargo de Assessor Especia~:
I - prestar informações e orientações aos demais órgãos e

DE
às entidades componentes da Administração Pública
Estadual, no que diz respeito a assuntos de competência

:34 AN
da Secretaria de Estado de Educaçao - SEDUC;
11 elaborar relatórios, a partir das informações
produzidas pelas unidades administrativas da Secretaria

:46 C
de Estado de Educação SEDUC;
rIl - coletar informações, analisar e estruturá-las em

14 E S
documentos - Relatórios e Informações para outros entes,
poderes. órgãos, entidades e sociedade em geral, visando
atender solicitação da alta administração;


8 - IN
IV - participar de grupos de trabalho e/ou comissões
mediante designaçao superior;
01 OL

V - desempenhar outras funções compativeis com suas


atribuições face à determinação superior.
0/2 AR

É de se registrar também que tanto os ocupantes do cargo


9/1 - C

de Assessor Especial quanto os do cargo de Superintendente de


Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar guardam
: 1 30

relação de subordinação imediata frente ao titular do cargo de


Em 8579

Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer e, portanto,

.. os relacionamentos profissionais concretos existentes entre os


ocupantes dos cargos subalternos e o titular do cargo superior
11

são estreitos, muito próximos, já que exigem trato direto.


65


r: 0

Neste diapasão, o exame das disposições legais acima


revela que FÁBIO FRIGERI, WANDER LUIZ DOS REIS e MOISÉS DIAS DA
po

SILVA ocuparam cargos em comissão estratégicos dentro do Poder


Executivo Estadual, cujas atribuições permitiam que eles
sso

tivessem fácil acesso e até mesmo o controle de informações


relativas a realização de licitações para a formulação
pre

contratos administrativos cujo objeto são


Im

relacionadas à Secretaria de Estado de Educação,

Página 11 de 113
P
MINIST~RIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originãrias - NACO

RA
de Mato Grosso - SEDUC/MT, bem como que tivessem domínio sobre

RI
a fiscalização da execução de contratos administrativos de obras

LA
públicas e sobre a prática de atos administrativos que

DE
condicionam a efetivação de pagamentos decorrentes da execução
dos contratos pelo Estado de Mato Grosso a empresas ou pessoas

:34 AN
físicas contratadas.

:46 C
14 E S
Este acesso pleno, irrestrito, às informações e dominio
sobre atividades cruciais atinentes ao planejamento, execução, •

8 - IN
fiscalização e pagamentos ligados a obras públicas sob a
01 OL

responsabilidade da SEDUC/MT era garantido, coordenado,


fiscalizado e comandado por PERMíNIO PINTO FILHO, autoridade
0/2 AR

máxima dentro da hierarquia da pasta.


9/1 - C

É de se concluir então que em razão das atribuições dos


: 1 30

cargos que ocupavam, PERMíNIO PINTO FILHO, FABIO FRIGERI, WANDER


Em 8579

LUIZ DOS REIS e MOISÉS DIAS DA SILVA eram os próprios agentes


responsáveis pela formulação e implementação de políticas
públicas relacionadas a obras públicas sob a responsabilidade da


11

Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso,


65

o que lhes garantia o domínio total de todas as atividades


relacionadas a tais políticas, desde o poder de decidir a


r: 0

respeito de quais obras seriam realizadas, onde seriam


po

executadas, passando pelo controle dos procedimentos


administrativos internos dos quais resultam a realização de
sso

licitações ou a contratação direta para a execução de tais obras,


e, por fim, tendo o controle sobre as atividades relacionadas à
pre

fiscalização do as
Im

ri
e os respetivos

- roeu

~ruu> 12 de 113
GAB/PGR'l
1
~->~t
~ FIs-U[J 1l758

~
_t:'"'-':' .~
';"f::'~:-~
L=--~:o--_d
"';o~:.<J

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO 831

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
Com efeito, as investigações esclarecem que em razão

RI
deste domínio de informações sobre as atividades materiais

LA
relati vas ao planej amento e do absoluto cont:role sobre a

DE
fiscalização e execução de obras públicas relacionadas à
Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso

:34 AN
SEDUC/MT, proporcionados pelas atribuições dos cargos que
ocuparam, PERMÍNIO PINTO FILHO, FABIO FRIGERI, WANDER LUIZ DOS

:46 C
14 E S
REIS e MOISES DIAS DA SILVA, tendo o domínio funcional do fato,
agiam em conluio com empreiteiros numa via de mão dupla .


8 - IN
01 OL

Apurou-se que o domínio sobre as informações relativas


a projetos de obras públicas da SEDUC/MT propiciava que FABIO
0/2 AR

FRIGERI, WANDER LUIZ DOS REIS e MOISES DIAS DA SILVA, sob a


9/1 - C

regência de PERMíNIO PINTO FILHO, tivessem acesso direto e


privilegiado a informações relativas à cogitação, preparação e
: 1 30

realização de licitações das obras públicas, informações essas


Em 8579

que indevidamente repassavam a construtores em troca de vantagem

.. pecuniária .
11

Além disso, os ocupantes dos cargos de Assessor Especial,


65

de Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da

• Estrutura Escolar, principalmente, e, consequentemente, de


r: 0

Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer, têm a seu


po

dispor todo o aparato relacionado ao planejamento, execução e


fiscalização de obras públicas relacionadas à SEDUC/MT e que,
sso

dentro do sistema burocrático de administraçãO adotado para a


Administração Pública no Brasil, dá azo à prática de atos que
pre

antecedem e se fazem necessári amentos


Im

~- ---
Pagina 13 de 113
P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
execução dos contratos administrativos por parte do Estado de

RI
Mato Grosso.

LA
DE
Isso dava a PERMíNIO PINTO FILHO, FABIO FRIGERI, WANDER
LUIZ DOS REIS e MOISES DIAS DA SILVA o absoluto controle sobre

:34 AN
a fiscalização e execução de obras públicas relacionadas à
SEDUC/MT, dominio este que:

:46 C
14 E S
1. permitia que eles influenciassem nos resultados das •

8 - IN
licitações para garantir que elas fossem vencidas pelos
01 OL

empreiteiros que com eles se mantinham conluiados;


0/2 AR

2. viabilizava um eficaz mecanismo de controle sobre o


9/1 - C

recebimento da vantagem pecuniária ilícita devida pelos


empreiteiros, já que, na fase de execução dos contratos,
: 1 30

os pagamentos às empresas somente ocorriam se a propina


Em 8579

fosse regularmente paga aos agentes públicos, caso


contrário eram estagnados os atos necessários à
realização dos pagamentos pelo Estado.


11
65

A respeito da influência nos resultados dos certames


licitat6rios, o grêmio delituoso contava com um funcionário


r: 0

público específico, a saber, JULIANO JORGE HADDAD,


po

explicitamente plantado na comissão permanente de licitações da


SEDUC/MT para servir ao grupo cumprindo as ordens provenientes
sso

de PERMíNIO PINTO FILHO, as quais eram canalizadas através de


sua assessoria (FÁBIO FRIGERI) e da Superintendência de
pre

Acompanhamento e Monitoramento da
SILV-------1~--~/
Im

DOS REIS e MOISÉS DIAS DA

n. o
GABIPG"Rl
Fls. 000759 I,
------.cj

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
É de se notar que JULIANO JORGE HADDAD possui vínculo de

RI
parentesco estreito com dois dos três líderes do núcleo de

LA
empreiteiros que será descrito adiante. Com efeito, JULIANO é

DE
primo da esposa de LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON, a qual é filha
de ESPER HADDAD NETO.

:34 AN
• :46 C
Urna vez que JULIANO JORGE HADDAD tem conhecimento técnico

14 E S
na área de engenharia civil, já que possui título de curso
superior na área, e em razão do parentesco e compromisso com os


8 - IN
negócios de LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON e ESPER HADDAD NETO,
01 OL

predicados essenciais para o desempenho da função de direcionar


licitações de acordo com os interesses da organização criminosa,
0/2 AR

com aval de PERMíNIO PINTO FILHO, JULIANO foi contratado pela


9/1 - C

Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso


- SEDUC/MT a título precário em regime de necessidade temporária
: 1 30

de excepcional interesse público para exercer a função de


Em 8579

Analista de Desenvolvimento Econômico Social na Superintendência


de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar no

• periodo de 27/1012015 a 31/12/2015, vinculo contratual


11

administrativo formalizado pelo contrato n. 266074/1, cuja


65

publicidade se deu em 09/11/2015, pela publicação do Diário

• Oficial do Estado de Mato Grosso de n. 26655.


r: 0
po

É de se ressaltar o termo do efetivo inicio da vigência


do contrato, 27/10/2015, apenas dezoito dias após a realização
sso

de urna reunião entre os integrantes do núcleo de empreiteiros em


que estes distribuíram as licitações da SEDUC/MT conforme será
pre

adiante descrito, ocorrida.~e=m~0~9~/~~~~~


Im

o ....
Págma 15 de 113
~

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
Nesta linha, apenas vinte e dois dias após <iI data de

RI
início da vigência do contrato, 27/10/2015, na data de

LA
18/11/2015, JULIANO JORGE HADDAD, pela port'aria n.

DE
447 /2015/GS/SEDUC/MT, publicada na edição n.
26663 do Diário
,
Oficial do Estado de Mato Grosso de 19/11/2015, foi ,designado

:34 AN
para compor a Comissão Permanente de Licitação da SEDUC/MT.

:46 C
14 E S
Nos procedimentos licitat6rios JULIANO HADDDAp tinha a
incumbência de dar subsidio técnico às decisões da comissão, •

8 - IN
fosse emitindo pareceres a respeito das propostas e preços
01 OL

ofertados por cada um dos licitantes, fosse orientando


informalmente os demais componentes da comissão sobre tais
0/2 AR

objetos.
9/1 - C

Com efeito, JULIANO HADDAD tinha o pleno controle das


: 1 30

questões técnicas sobre as quais se escoravam as decisões da


Em 8579

comissão de licitação que habilitavam ou não os licitantes e/ou


suas propostas, de modo que, de fato, era ele quem acabava por
direcionar os vencedores das licitações.


11
65

Por outro lado, o anunciado controle sobre a fiscalização


e execução de obras públicas relacionadas à SEDUC/MT, enquanto


r: 0

mecanismo de dominio sobre o recebimento da vantagem pecuniária


po

ilícita devida pelos empreiteiros, dava azo a atos de corrupção


passiva que serão narrados adiante, pois, como se verá, os
sso

integrantes do núcleo de funcionários públicos, por ihtermédio


de GIOVANI BELATTO GUIZARDI, em razão dos cargos públicos que
pre

ocupam, solicitavam aos empreiteiros e deles


Im

pecuniária indevida como


GAB/PGk
Fls. 000760
~~"
Ir~.~' :
<I ....... '
~f'"~,~
".:.:..•. ~:,..::.

P
MINIST~RIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça &33
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
pagamentos relativos às medições ocorridas na fiscalização da

RI
execução dos contratos administrativos de obras públicas da

LA
SEDUC/MT que os construtores mantém com o Estado de Mato Grosso.

DE
Nesta dinâmica em que os servidores públicos cobravam e

:34 AN
recebiam a propina por intermédio de GIOVANI BELATTO GQIZARDI se

• :46 C
evidencia a concorrência da pessoa de ALAN AYOUB MALOU'E" para as

14 E S
atividades do grêmio criminoso, empresário não pertencente ao
ramo da construção civil que, por integrar o núcleo de liderança


8 - IN
da organização criminosa, também se beneficia diretàmente da
01 OL

propina arrecadada por participar do rateio dela feito entre os


integrantes do grupo delituoso, além de fazer as articulações
0/2 AR

necessárias para o desenvolvimento dos esquemas criminosos


9/1 - C

engenhados para cobrar e receber propina.


: 1 30

Revelam os autos que GUILHERME ANTÔNIO MALUF concorre


Em 8579

para as atividades da organização criminosa no mesmo modelo em


que se dá a concorrência de ALAN MALOUF, pois exercendo mandato

• de Deputado Estadual em Mato Grosso na atual 18" legislatura


11

(2015-2019), sendo certo que também o exerceu na 16' (2007-2011)


65

e 17" (2011-2015) legislaturas, integra o núcleo de liderança da

• organização criminosa, sendo beneficiário direto de parcela da


r: 0

propina arrecadada, além de, valendo-se dos enlaces políticos


po

proporcionados pelo cargo eletivo por ele ocupado, fazer as


articulações necessárias para o desenvolvimento dos esquemas
sso

criminosos engenhados para solicitar e receber propina,


pre

De acordo com o que se apurou


Im

DA COSTA RONDON, =L=E~O~N~A~R~D~O~~~~~~~~~~~

ua CO exo- deJ , u
_ _ _ _---"C""i!P::...7""SOC9.,9:t1 - F 28
PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
JOEL DE BARROS FAGUNDES FILHO, ESPER HADDAD NETO, JOSE EDUARDO

AR
NASCIMENTO DA SILVA, LUIZ CARLOS IORIS, CELSO CUNHA FERRAZ,
CLARICE MARIA DA ROCHA, EDER ALBERTO FRANCISCO MECIANO,

L
DE
DILERMANO SERGIO CHAVES, FLAVIO GERALDO DE AZEVEDO, JULIO
HIROCHI YAMAMOTO FILHO, SYLVIO PIVA, MÁRIO LOURENÇO SALEM,

:34 AN
LEONARDO BOTELHO LEITE, BENEDITO SÉRGIO ASSUNÇAO SANTOS,
ALEXANDRE
identificadas
DA COSTA
são

:46 C
RONDON

14 E S
empresários
e
do
outras
ramo
representantes ou sócios de empreiteiras que mantém contratos
da
pessoas
construção
ainda não
civil,


8 - IN
administrativos com o Estado de Mato Grosso para construção e
01 OL

reforma de prédios públicos.


0/2 AR

Neste sentido, tem-se que LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON


9/1 - C

integra o quadro societário da empresa LUMA CONSTRUTORA LTDA.;


LEONARDO GUIMARAES RODRIGUES é procurador da empresa JER
: 1 30

ENGENHARIA ELETRICA E CIVIL LTDA EPP, que tem em seu quadro


Em 579

societário a esposa e o irmão de Leonardo; MOISES FELTRIN, é o


representante de fato da empresa TIRANTE CONSTRUTORA E


18

CONSULTORIA LTDA.; JOEL DE BARROS FAGUNDES FILHO compõe o quadro


societário da empresa ESTEIO CONSTRUÇÕES LTDA.; ESPER HADDAD
51

NETO faz parte do quadro societário da empresa CONSTRUTORA


06

PANAMERICANA EIRELI ME; JOSE EDUARDO NASCIMENTO DA SILVA integra


r:

o quadro societário da empresa APICE CONSTRUTORA INCORPORADORA


po

E IMOBILIARIA EIRELI; LUIZ CARLOS IORIS compõe o quadro


societário da empresa POLI ENGENHARIA E COMÉRCIO LTDA.; CELSO
sso

CUNHA FERRAZ faz parte do quadro societário da empresa AMPLA


ENGENHARIA E CONSTRUcAo LTDA EPP.; CLARICE MARIA DA ROCHA compõe
pre

o quadro societário da empresa CONSTRUTORA ROCHA LTDA.;


Im

ALBERTO FRANCISCO MECIANO faz parte

18 de 113
GABI PGRl
Fls·OUU761 I
. ,
.:=J

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
empresa GEOTOP CONSTRUÇOES E TERRAPLANAGEM LTDA. EPP; DILERMANO

AR
SERGIO CHAVES integra o quadro societário da empresa E-TAG
CONSTRUÇÕES E COMÉRCIO LTDA. EPP; FLAVIO GERALDO DE AZEVEDO

L
DE
compõe o quadro societário da empresa ANAMIL CONSTRUÇOES LTDA.;
JULIO HIROCHI YAMAMOTO FILHO faz parte do quadro societário da

:34 AN
empresa APOLUS ENGENHARIA LTDA EPP; SYLVIO PIVA integra o quadro

• :46 C
societário da empresa SÃO BENEDITO CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA. EPP;

14 E S
MÁRIO LOURENÇO SALEM compõe o quadro societário da empresa
SANEPAVI - SANEAMENTO E PAVIMENTACAO EIRELI - EPP; LEONARDO


8 - IN
BOTELHO LEITE faz parte do quadro societário da empresa INSAAT
01 OL

CONSTRUTORA LTDA.; ALEXANDRE DA COSTA RONDON é o representante


de fato da empresa LUMA CONSTRUTORA LTDA. EPP e irmão de LUIZ
0/2 AR

FERNANDO DA COSTA RONDON; BENEDITO SÉRGIO ASSUNÇÃO SANTOS é o


9/1 - C

representante de fato da empresa E-TAG CONSTRUÇOES E COMÉRCIO


LTDA. EPP EPP e irmão de DILERMANO SERGIO CHAVES.
: 1 30
Em 8579

A investigação demonstra que eles têm o acesso para a


assinatura dos contratos facilitado em troca do pagamento de

• propina a funcionários públicos, que se valendo das atribuições


11

de seus cargos vazam aos empresários informações privilegiadas


65

sobre obras públicas, bem como atuam para garantir que eles sejam

• vencedores das licitações de que tomam parte .


r: 0
po

As provas até aqui colhidas revelam que, com o


conhecimento privilegiado, proporcionado por FABIO FRIGERI,
so

WANDER LUIZ DOS REIS e MOISES DIAS DA SILVA, sob a regência de


s

PERMíNIO PINTO FILHO, com a concorrência de GIOVANI BELATTO


pre

GUIZARDI, sobre as licitações da Secretaria


Im

Educação, Esporte e Lazer ~so

ua

Págma 19 de 113
P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
FERNANDO DA COSTA RONDON, LEONARDO GUIMARÃES RODRIGUES, MOISES

RI
FELTRIN, JOEL DE BARROS FAGUNDES FILHO, ESPER HADDAD NETO, JOSE

LA
EDUARDO NASCIMENTO DA SILVA, LUIZ CARLOS IORIS, CELSO CUNHA

DE
FERRAZ, CLARICE MARIA DA ROCHA, EDER ALBERTO FRANCISCO MECIANO,
DILERMANO SERGIO CHAVES, FLAVIO GERALDO DE AZEVEDO, JULIO

:34 AN
HIROCHI YAMAMOTO FILHO, SYLVIO PIVA, MÁRIO LOURENÇO SALEM,


LEONARDO BOTELHO LEITE, BENEDITO SÉRGIO ASSUNÇÃO SANTOS,

:46 C
14 E S
ALEXANDRE DA COSTA RONDON e outras pessoas aindi;l não
identificadas, em momento anterior à realização das licitações,


8 - IN
inclusive, por vezes, antes da publicação dos editais de abertura
01 OL

dos certames, combinam os vencedores de cada uma das licitações,


distribuindo-as entre si, bem como pactuam a forma pela qual uns
0/2 AR

dão suporte aos outros, seja apresentando propostas ajustadas,


9/1 - C

seja deixando de participar dos procedimentos licitat6rios.


: 1 30

De acordo com acervo probat6rio constante no Inquérito


Em 8579

Policial n. 0166822-40.2016.8.11.0000/TJ/MT, LUIZ FERNANDO DA


COSTA RONDON, LEONARDO GUIMARÃES RODRIGUES, MOISES FELTRIN, JOEL
DE BARROS FAGUNDES FILHO, ESPER HADDAD NETO, JOSE EDUARDO


11

NASCIMENTO DA SILVA, LUIZ CARLOS IORIS, CELSO CUNHA FERRAZ,


65

CLARICE MARIA DA ROCHA, EDER ALBERTO FRANCISCO MECIANO,


DILERMANO SERGIO CHAVES, FLAVIO GERALDO DE AZEVEDO, JULIO


r: 0

HIROCHI YAMAMOTO FILHO, SYLVIO PIVA, MÁRIO LOURENÇO SALEM,


po

LEONARDO BOTELHO LEITE, BENEDITO SÉRGIO ASSUNçAO SANTOS,


ALEXANDRE DA COSTA RONDON e outras pessoas ainda não
sso

identificadas, com a concorrência de FABIO FRIGERI, WANDER LUIZ


DOS REIS, MOISES DIAS DA SILVA e JULIANO JORGE HADDAD, sob a
pre

capitania de PERMíNIO PINTO FILHO, num jogo de cart


Im

fraudam o caráter competitivo das lici


GAB/PGR.
fls. 000752

P
MINIST~RIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça o3 5
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
os respectivos contratos administrativos e executam as obras

RI
contratadas, sendo que na fase de execução das obras, por ocasião

LA
dos recebimentos dos pagamentos a serem efetuados pela

DE
Administração Pública, pagam propina a PERMíNIO PINTO FILHO,
FABIO FRIGERI, WANDER LUIZ DOS REIS e MOISES DIAS DA SILVA em

:34 AN
troca do apoio por eles prestado que leva à assinatura dos

• :46 C
contratos, recebimentos ilicitos que têm parcela destinada a

14 E S
ALAN AYOUB MALOUF e a GUl:LHElU!IE ANTÔNl:O MALUF, os quais concorrem
para a arrecadação da propina promovendo as articulações


8 - IN
necessárias para garantia e desenvolvimento do esquema .
01 OL

Consta também no caderno investigativo que GIOVANI


0/2 AR

BELATTO GUIZARDI, empresário do ramo da construção civil, é o


9/1 - C

particular interposto pelo qual PERMíNIO PINTO FILHO, FABIO


FRIGERI, WANDER LUIZ DOS REIS e MOISES DIAS DA SILVA solicitam
: 1 30

e recebem a vantagem indevida, que tem parcela destinada a ALAN


Em 8579

AYOUB MALOUF e a GUl:LHERME ANTÔNl:O MALUF, a qual os empreiteiros


se dispõem a pagar em troca das informações privilegiadas e do

• apoio para vencerem as licitações.


11
65

As investigações demonstram que GIOVANI BELATTO GUIZARDI

• é o "testa de ferro" dos aludidos servidores públicos, bem como


r: 0

de ALAN MALOUF e de GUl:LHERME ANTÔNl:O MALUF, é a pessoa quem faz


po

o trabalho sujo a fim de ocultar a identidade dos verdadeiros


solicitantes/recebedores da propina.
sso

Conforme se apurou, é GIOVANI BELATTO GUIZARDI quem opera


pre

a solicitação e o recebimento da propina, 1


Im

por colher as reclamações s


PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
burocráticas relativas ao acompanhamento e fiscalização da

AR
execução dos contratos administrativos ligados à SEDUC/MT, bem
como por, não obstante não fazer parte do staff da Secretaria de

L
DE
Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso, solucioná-
las, mormente no que diz respeito a atos indispensáveis ao

:34 AN
desenrolar dos procedimentos administrativos que culminam em
pagamentos
construtoras
por parte

:46 C
do

14 E S
Estado
em decorrência da execução total
objeto dos contratos mantidos entre eles.
de Mato Grosso a
ou parcial
empresas
do


8 - IN
01 OL

No exercício destas funções de trato direto com os


empreiteiros, GIOVANI BELATTO GUIZARDI solicita e recebe
0/2 AR

diretamente destes a propina em nome de PERMíNIO PINTO FILHO,


9/1 - C

FABIO FRIGERI, WANDER LUIZ DOS REIS e MOISES DIAS DA SILVA,


prestando contas de suas atividades a estes, repassando-lhes as
: 1 30

receitas ilícitas, bem como a ALAN MALOUF e a GUILHERME ANTÔNIO


Em 8579

MALUF.

A investigação revela que toda essa engrenagem criminosa


11

tem sua dinâmica garantida por ALAN AYOUB MALOUF e por GUILHERME
65

ANTÔNIO MALUF, pessoas que se encarregam das tratativas


necessárias ao funcionamento do esquema ilícito.


r: 0
po

Neste sentido, ALAN MALOUF articulou junto a PERMíNIO


PINTO FILHO, à época Secretário de Estado de Educação, Esporte
so

e Lazer de Mato Grosso, para inserção de GIOVANI BELATTO


s

- GUIZARDI, pessoa de sua confiança com quem guarda parentesco, na


pre

condição de operador de cobrança e recebimento d


Im

ilícitas relacionadas

ua cio kO - roeu o
._ .CEP 78049·921 - FOIlal:" 381,,-3-,,1'T'~~q,--\:.J. ,,=-,"-:;c=--~~
-- - - - - - ---------------------,

-· ·
E
GA ~

I
r.; I .',

FI, "111
t-i;;.i'(

761
::::J

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
assim o pleno controle sobre as atividades ilícitas do grupo

RI
delituoso.

LA
DE
Da mesma forma, foram as tratativas coordenadas de ALAN
AYOUB MALOUF e de GUILIIElIME ANTÔNIO MlU.UIi' que garantiram a

:34 AN
"circunscrição" sobre o cargo de Superintendente de

• :46 C
Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar - posto

14 E S
estratégico dentro da SEDUC/MT que garante o mecanismo de pressão
sobre os empreiteiros para pagamento da propina, bem como de


8 - IN
controle sobre tais pagamentos - em relação às nomeações tanto
01 OL

de WANDER LUIZ DOS REIS quanto de MOISES DIAS DA SILVA.


0/2 AR

Com efeito, o grupo criminoso se organiza em camadas, de


9/1 - C

maneira que uma encobre a outra a fim de ocultá-la. Neste


sentido, a primeira camada tem funções de execução e é ocupada
: 1 30

por GIOVANI BELATTO GUIZARDI, que era a pessoa que diretamente


Em 8579

tratava com os empreiteiros efetivando a cobrança e o recebimento


da propina. Uma segunda camada, também com funções executivas,

• era formada por FABIO FRIGERI, WANDER LUIZ DOS REIS, MOISES DIAS
11

DAS SILVA e JULIANO JORGE HADDAD, que se encarregavam de


65

encaminhar os empreiteiros para GIOVANI GUIZARDI para que este

• pudesse solicitar e receber as vantagens indevidas, bem como de


r: 0

praticar os atos materiais necessários a garantir que os


po

licitantes do núcleo de empreiteiros fossem os vencedores das


licitações fraudadas. A terceira e última camada abarca o centro
sso

de comando da organização criminosa e é ocupada por PERMINIO


PINTO FILHO, que dá a GIOVANI GUIZARDI os poderes de "Secretário
pre

de fato" para efetuar medidas necessárias à


solicitação da propina, mas tam~~rY",,~~~~r-~ seu
Im

co xo-
6)

P
MINISTt:RIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
principalmente pelo atraso deliberado de pagamentos aos

RI
empreiteiros, bem como por ALAN AYOUB MALOUF e por GUILHERME

LA
ANTÔNIO MALUF, que efetuam as articulações politicas necessárias

DE
ao funcionamento de toda a estrutura criminosa, sendo que todos
se beneficiavam diretamente das vantagens pecuniárias ilícitas

:34 AN
solicitadas e arrecadadas.

:46 C
14 E S
Neste sentido, GIOVANI BELATTO GUIZARDI e JULIANO JORGE
HADDAD encobriam a atuação de FABIO FRIGERI, WANDER LUIZ DOS •

8 - IN
REIS e de MOISES DIAS DAS SILVA, os quais, por sua vez, cobriam
01 OL

a atuação de PERMÍNIO PINTO FILHO, que, por seu turno, ocultava


as figuras de ALAN MALOUF e de GUILHERME ANTÔNIO MALUF, de modo
0/2 AR

que os três últimos emanesciam nas sombras, estes em maior grau


9/1 - C

de obscuridade que aquele, comandando e agindo por pessoas


interpostas que se encontravam nas demais camadas.
: 1 30
Em 8579

Denota a investigação que enquanto GIOVANI BELATTO


GUIZARDI era o executor dos funcionários públicos, de ALAN AYOUB
MALOUF e de GUILHERME ANTÔNIO MALUF, LUIZ FERNANDO DA COSTA


11

RONDON e LEONARDO GUIMARAES RODRIGUES, além de participarem dos


65

rateios das licitações e da frustração do caráter competitivo


dos certames licitatórios, são os operadores dos empreiteiros


r: 0

frente aos servidores públicos.


po

Segundo consta, LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON e LEONARDO


sso

GUIMARÃES RODRIGUES são os responsáveis por tratar diretamente


com os funcionários públicos e com o seu operador GIOVANI
pre

GUIZARDI, sendo os receptores das informações


Im

posteriormente são compartilhadas

co o-ocurao
CemQ4~~ 361316221162l! _n_::J
~d--7 Página 24 de 113
GAB/PGRl
fls. OOO7 6 4. • l
ê .. --~--=I

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça C·, .... .,
o .;) I
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
Com efeito, os autos revelam que LUIZ FERNANDO DA COSTA

RI
RONDON, LEONARDO GUIMARÃES RODRIGUES e ESPER HADDAD NETO são

LA
verdadeiros líderes dos empresários da construção civil.

DE
Neste cenário, LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON e LEONARDO

:34 AN
GUIMARÃES RODRIGUES atuam dentro da organização criminosa como

• :46 C
gerentes de um dos departamentos da estrutura organizada, que

14 E S
representam seu setor perante o departamento dos funcionários
públicos, negociando os interesses de sua unidade. Como exemplo


8 - IN
do exercício desta função, cite-se a negociação relatada por que
01 OL

LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON realizada por ele, em nome dos


empreiteiros, com servidores públicos da SEDUC/MT, a qual teve
0/2 AR

por objeto a alteração do valor percentual da propina paga por


9/1 - C

aqueles a estes, do que resultou a redução de 5% para 3%,


conforme consta no relatório da gravação ambiental da reunião
: 1 30

dos empresários. (Autos Judiciais de Ação Controlada, Relat6rio


Em 8579

de Informações n.o 183/2015/Coord.Op./GAECO)

• O acervo probat6rio produzido até então revela também


11

que, além de falarem em nome do seu departamento, LUIZ FERNANDO


65

DA COSTA RONDON e LEONARDO GUIMARÃES RODRIGUES, com a atuação

• direta e contundente de ESPER HADDAD NETO, o gerenciam,


r: 0

organizando e presidindo as reuniões, bem como conduzindo a


po

distribuição das licitações entre os construtores.


sso

É de se destacar que as provas angariadas na investigação


revelam o caráter duradouro da associação entre os denunciados,
pre

já que a união se inicia em~~~~~~~~~ ao mês de outu o


Im

xo -
PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
do ano de 2015 e se protrai até os dias hodiernos, ou seja, a

AR
associação se mantém por pelo menos seis meses.

L
DE
Esta é a projeção mínima que se pode fazer do período de
duração da associação, todavia, não há dúvida de que a sociedade

:34 AN
vem de longa data, o que resta evidenciado no relatório da

Controlada,

:46 C
gravação ambiental da reunião dos empresários

14 E S
Relatório de
183!2015!Coord.Op./GAECOI, no qual constam revelações a respeito
(Autos de Ação
Informações n. o



8 - IN
de certames licitat6rios passados, bem como sobre o caráter
01 OL

contínuo e antigo dos pagamentos de propina. Neste sentido,


registre-se, ainda, que há informações nos autos que revelam que
0/2 AR

o esquema de pagamento de propina existe dentro da SEDUC!MT desde


9/1 - C

o ano de 2014 (vide Termo de Declaração de José Henrique Marinon


Stephanl .
: 1 30
Em 8579

Deveras, a investigação aponta para uma organização


criminosa estruturalmente organizada em modelo tipicamente
gerencial de administração, já que é formada por quatro núcleos


11

que ostentam, ao mesmo tempo, autonomia e interdependência


65

recíproca, cuja soma de atividades proporciona o funcionamento


r: 0

da engrenagem criminosa, haja vista que ambos os centros se


completam para manifestar a vontade da organização criminosa
po

corno ocorre, mutatis mutandis, nos atos administrátivos


complexos.
s so

Neste sentido, por ora é possível vislumbrar os seguintes


pre

núcleos:
Im

Rua 04 Sffi6,
_____"'ce.,p 7~9-921 - F
Página 26 de 113

GAB/PGRl

Fls. 000765 .
1=----=0-__
_::11

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
í .. , n.
0.:J6
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
• NÚCLEO DE L1DERANÇA: é integrado por GUILHERME

RI
ANTÔNIO MIUoUE', ALAN AYOUB MALOUF, PERMÍNIO PINTO

LA
FILHO e outras pessoas ainda não individualizadas.

DE
Sob a responsabilidade deste núcleo está a
formulação, aprovação e a garantia de implementação

:34 AN
e desenvolvimento de esquemas criminosos dentro da

• de Mato

:46 C
Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer

14 E S
Gro<,:so, além de,
órgãos, os qu.ais se desenvolvem sob as ordens dos
possivelmente, outros


8 - IN
integrantes desta cúpula. Para tanto, seus
01 OL

componentes se valem do poder pOlítico-funcional,


relacionado às funções legais atribuídas aos cargos
0/2 AR

públicos em c;:ue são ou foram investidos, bem como


9/1 - C

do poder pOlítico-econômico, atinente ao


financiamento de campanhas politicas, divida dos
: 1 30

financiados paga pela aceitação da ingerência na


Em 8579

utilização das prerrogativas dos cargos/mandatos em


que são inve<,:tidos. Os elementos deste núcleo são

• os destinatários da maior porção da propina


11

arrecadada pelos agentes públicos através do


65

operador GIOVANI BELATTO GUIZARDI;


r: 0

• NÚCLEO DE AGm~S PÚBLICOS: dele fazem parte WANDER


po

LUIZ DOS REIS, FABIO FRIGERI, MOISES DIAS DA SILVA


e JULIANO JOi<GE HADDAD, funcionários públicos da
sso

Secretaria Estadual de Educação, Esporte e Lazer de


pre

Mato Grosso .- SEDUC/MT, e, possivelmente, outros


servidores do mesmo órgão e
Im

não identificados. Este é o centro r

~JI>CII~ CUiãii3~nl-,----"=--.',r/
~'--:~~
Rü. õ4 81ft', Edific/o Aliêxo ça,

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
dar fácil acesso aos empreiteiros a contratos

AR
adrninist'rativos com a SEDUC/MT, através da
colocação de informações sobre licitações, cujo

L
DE
edital de abertura por vezes sequer foi publicado,
ao dispor deles. Além disso, com a concorrência de

:34 AN
outras pessoas ainda não identificadas, os

:46 C
componentes deste grupo também agem internamente

14 E S
interferindo nos certames licitat6rios a fim de
• I

assegurar que os empresários ligados ao grupo se


8 - IN
sagrem vencedores. É certo que tais atuações se dão
01 OL

sob a liderança de PERMíNIO PINTO FILHO, que, por


de trás das cortinas, comanda toda a atividade de
0/2 AR

seus atores. Estas ações sâo remuneradas por


9/1 - C

propina paga pelo centro de empresários.


: 1 30

• NÚCLEO DE OPERAÇÃO: é composto por GIOVANI BELATTO


Em 579

GUIZARDI, LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON e LEONARDO


GUIMARAES RODRIGUES. Os integrantes deste núcleo


18

são os grandes executores de todo o esquema. Atuam


como "longa ma nus" de cada um dos núcleos, são os
51

mandatários de cada um dos centros. Neste compasso,


06

GIOVANI GUIZARDI, embora não seja servidor, age em


r:

nome dos agentes públicos e dos integrantes do


po

núcleo de liderança para que estes não apareçam nas


cobranças/recebimentos espúrios de vantagens
sso

pecuniárias pagas pelos componentes do núcleo de


emprei teiros, dificultando a percepção de que os
pre

destinatários das vantagens


__--t"I=---.,
Im

servidores públicos que a em

p
,.
GAB'PGRl
fls. 000766.'
I
. ::::.J

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça 839

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
em raz80 dos cargos públicos que exercem. Por sua

AR
vez, LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON e LEONARDO
GUIMARAES RODRIGUES s80 os mandatários do centro

L
DE
dos empresários, já que em nome destes negociam com
o núcleo de agentes públicos as prestações e

:34 AN
contraprestações ilícitas que beneficiam a ambos os

• :46 C
grupos;

• NÚCLEO DE 14 E S
EMPREITEIROS: é integrado por LUIZ


8 - IN
FERNANDO DA COSTA RONDON, LEONARDO GUIMARAES
01 OL

RODRIGUES, MOISES FELTRIN, JOEL DE BARROS FAGUNDES


FILHO, ESPER HADDAD NETO, JOSE EDUARDO NASCIMENTO
0/2 AR

DA SILVA, LUIZ CARLOS IORIS, CELSO CUNHA FERRAZ,


9/1 - C

CLARICE MARIA DA ROCHA, EDER ALBERTO FRANCISCO


MECIANO, DILERMANO SERGIO CHAVES, FLAVIO GERALDO DE
: 1 30

AZEVEDO, JULIO HIROCHI YAMAMOTO FILHO, SYLVIO PIVA,


Em 8579

MÁRIO LOURENÇO SALEM, LEONARDO BOTELHO LEITE,


BENEDITO SÉRGIO ASSUNÇÃO SANTOS, ALEXANDRE DA COSTA

• RONDON, além de outras pessoas ainda nào


11

identificadas. Os componentes deste grupo são os


65

grandes beneficiários do esquema criminoso que


r: 0

mantém viva a organização criminosa, já que, em


prejuízo do Estado de Mato Grosso, firmam contratos
po

administrativos sem base na proposta mais vantajosa


para a Administração e valendo-se das informações
so

privilegiadas e com as ações materiais de apoio


s
pre

efetivadas pelo núcleo de servidores públicos,


distribuem entre si, atendendo
Im

individuais dos seus mT"Jõ"'-, as


.,

~
w

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
.,
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
com o Estado de Mato Grosso, de modo a frustrar o

RI
caráter competitivo das licitações do Estado,

LA
mantendo o seu "nicho do mercado de consumo" a salvo

DE
de outros concorrentes que poderiam ofertar
propostas mais vantajosas à Administração Pública.

:34 AN
Em troca do apoio necessário recebido do núcleo de

:46 C

agentes públicos, pagam propina a estes durante a

14 E S
execução dos contratos administrativos oriundos das
licitações maquiadas, por ocasião dos pagamentos


8 - IN
efetuados pelo Estado. Com efeito, LUIZ FERNANDO DA
01 OL

COSTA RONDON, LEONARDO GUIMARÃES RODRIGUES e ESPER


HADDAD NETO são os líderes núcleo de empresários,
0/2 AR

pois LUIZ FERNANDO e LEONARDO GUIMARÃES exercem o


9/1 - C

papel de mandatários do grupo tomando decisões em


nome destes, além de, com a atuação categórica de
: 1 30

ESPER, coordenarem os passos do núcleo no


Em 8579

assentamento dos interesses pessoais de seus


integrantes.


11

Como se pode ver, os quatro núcleos têm ações engrenadas


65

e se alimentam um do outro garantindo a saúde e a atividade do


organismo criminoso, cuja estruturação organizacional pode ser


r: 0

representada pelo organograma que segue:


po
sso
pre
Im

ua •
• GAB/PG-1
Fls. 000767

.=J

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
_.

RI
1---6

LA
SCX!aT_Clo f
REC!Ol>e<TOoe

DE
FCRM.UçÃO.APROVAÇloECA!tAN'llAk~AC:ÀO EOESEI'lIO.YDENft)
ATJ\IIDADS n1crTAS VAL&'CX).5E 00 PCtISt ~CO~ JIS..ACICtW)()

:34 AN
i.fG,tJ$ ÂTRJaIbAs AOS CAAGOS Mucos EM ~ ou FORA.'" it'MStIDOS,
DO POOfR POLtnco-ea::rôttCO, IIllIENrE AO f'INANCW&.'fO DE CA"f'ANiAS PO...fTrcAS.
~DA,PAlmD.\FRCf1iJNA.

• li :46 C .. i
NÚCLEO DE AGENTES PÚBUCOS

14 E S ,-....., .& ~4ÇÍCf


.,a."",,,'"


"'.,,,,'" "">cP""·
8 - IN
w,"",,-unz
LUANO ""'" 005_ IlASn.V4
""'"'" ,.,.k
01 OL

"ucrr~
I

-
NÚCLEO DE OPERAÇÕES
0/2 AR

.i ~.i~ .i .1
9/1 - C

sruJtf.
WI2I'EiUWCODA
."""""
COSfA RON)GtoI
GlO't'Atil GUIlARDJ
" .,.
~L
: 1 30

ASl~
Em 8579

NÚCLEO DE EMPRESÁRIOS • FORMAÇÃO DE CARTEL

• l. •. . .
lEO<AADO_ li
11

Wl2" .....,.",.. GravAM GUlZ.IIUn


alSfA RCN)C»iI
.""""'"
65

.i .i


,.....
. .
"'" """"'"
,.....,.,.PUHO
""""''''''"'' tUllCARLOS
"'''''''"''
r: 0

I'«)I2SFn7IüN NASCIJoeITOOA SD.!'A


"""
.i flÁ~L ~roL
po

<lAAISSEMNUA
'AO""" """"""""
FRANCISCO """'" """""""
SSlC!O OiAVES DE Á2E\'EDO YAMAMOTO flLHO


sso

i. .r. .. .i
'"""""""" ~~=
"""""'"
S'fI.\'lOPNA
",",o """"""
""'"
pre

os!...
g ""'"I
I

I
T_ aJ..,
~
I csw

I
I .,,(..,
I 1
I
I
""'"
I
tji
Im

""""""'"
fiJ ~
ai"" ~
"""

a31de~
----_
8ARP.ADO fMSP.fSft'(f
.. •.. _-~
"""""'" """"'"

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
Por fim, insta relatar que o conteúdo do inquérito

AR
policial aponta que, para auferir as vantagens de natureza
diversificada por ela buscadas, a organização criminosa, formada

L
DE
por mais de vinte e seis membros, executava crimes diversos para
garantir a saúde do organismo, tais como o crime de corrupção

:34 AN
passiva, cuja pena privativa de liberdade máxima pode chegar a

:46 C

doze anos de reclusão, como se verá adiante.

14 E S
FATO 2: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiro José


8 - IN
Carlos Pena da Silva
01 OL
0/2 AR

Consta nos autos do inquérito que no periodo matutino de


dia não precisado, compreendido na primeira quinzena do mês de
9/1 - C

abril do ano de 2015, no Municipio de Cuiabá, Estado de Mato


: 1 30

Grosso, PERMíNIO PINTO FILHO, à época ocupante do cargo de


Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso,
Em 8579

FABIO FRIGERI, à época ocupante do cargo em comissão de Assessor


Especial I, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, e WANDER
11

LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo em comissão de


Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura
65

Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio do particular GIOVANI


r: 0

BELATTO GUIZARDI, em razão dos cargos públicos que ocupavam, •


previamente ajustados, voluntariamente e tendo o dominio
po

funcional do fato, com a concorrência de ALAN AYOUB MALOUF e de


so

GUILHERME ANTÔNIO ~UF, solicitaram, para si ou para outrem,


s

vantagem indevida de José Carlos Pena da Silva.


pre
Im
.. ,:::;;:q

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO .. = J

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO 641

RA
Conforme já narrado alhures, à época do fato, PERMíNIO

RI
PINTO FILHO, ante o teor do ato n. 013/2015, publicado no Diário

LA
Oficial de Mato Grosso em 02/01/2015 (n. 26447), ocupava o cargo

DE
de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato
Grosso, ao passo que FABIO FRIGERI, por força do ato n.O

:34 AN
130/2015, publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em

• :46 C
12/01/2015, ocupava o cargo de Assessor Especial I, Nível DGA-

14 E S
2, da SEDUC/MT, prestando assessoria direta na Secretaria de
Estado de Educação desde 02 de janeiro de 2015 (vide anexo I, do


8 - IN
Decreto n. 2.398/2014 e Decreto Estadual n. 233/2015), da mesma
01 OL

forma que WANDER LUIZ DOS REIS, por força do ato n. 563/2015,
publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em 28/01/2015, ocupava
0/2 AR

o cargo em comissão de Direção Geral e Assessoramento, Nível


9/1 - C

DGA-4, de Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da


Estrutura Escolar, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC
: 1 30

desde 28 de janeiro de 2015.


Em 8579

De acordo com a investigação, no ano de 2015 a empresa

• BRP Construtora Ltda., da qual José Carlos Pena da Si1 va é


11

proprietário, possuía contrato administrativo de obra pública


65

(aqui entendida em sentido amplo) firmado com o Estado de Mato

• Grosso e atrelado à Secretaria de Estado de Educação, ó qual se


r: 0

encontrava em fase de execução.


po

Segundo se apurou, em dia não precisado compreendido na


sso

primeira quinzena do mês de abril do ano de 2015, com o


conhecimento e o aval de PERMíNIO PINTO FILHO, José Carlos Pena
pre

da Silva foi contatado por telefone


Im

LUIZ DOS REIS, a qual. em nome~~~~


o'.

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
reunião na sede da SEDUC/MT no dia seguinte, chamamento que foi

AR
atendido por José Carlos.

L
DE
De acordo com os autos, no dia e hora marcada, ao chegar
na recepção da Superintendência de Acompanhamento e

:34 AN
Monitoramento da Estrutura Escolar da SEDUC/MT, José Carlos foi

:46 C

conduzido pela secretária para conversar, reservadamente, com

14 E S
FÁBIO FRIGERI. Neste diapasão, durante a conversa, com a plena
ciência, aquiescência e comando de PERMíNIO PINTO FILHO, FABIO


8 - IN
anotou o nome de GIOVANI da DíNAMO CONSTRUTORA e um número de
01 OL

telefone num pedaço de papel e entregou a anotação a José Carlos,


dizendo que GIOVANI resolveria todos os problemas referentes a
0/2 AR

medição, projetos e pagamentos dentro da SEDUC/MT, não obstante


9/1 - C

não fizesse parte do quadro de servidores daquela Secretaria.


: 1 30

Conforme consta nos autos, José Carlos acatou a


Em 8579

orientação dada por FÁBIO FRIGERI e, imediatamente após a


conversa, contatou GIOVANI BELATTO GUIZARDI, que o convidou para
um encontro na sede da sua empresa (DíNAMO CONSTRUTORA) para,


11

segundo ele, tratar de interesses de José Carlos. Tendo este


65

comparecido no local, no dia não precisado compreendido na


r: 0

primeira quinzena do mês de abril de 2015 e hora marcada, com o


pleno conhecimento, aprovação e ordem de PERMíNIO PINTO FILHO,
po

GIOVANI BELATTO GUIZARDI começou a sondá-lo afirmando que sabia


que José Carlos tinha algumas medições para receber da SEDUC/MT,
so

citando inclusive os valores, e que poderia agilizar o


s

recebimento dos pagamentos, desde que José Carlos pagasse a ele


pre

o valor percentual de 5%
Im

monetário que tinha


GAS/PGKl
, FI •. IjU 1i 759"
,
lco---::==C-"-':-::=]

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça &42
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
Revela a investigação que a atuação de GIOVANI BELATTO

RI
GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de AtANAYOUB

LA
MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMíNIO

DE
PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer
de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVANI como

:34 AN
operador do esquema ilicito em desenvolvimento dentro da

• :46 C
SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens indevidas em

14 E S
razão dos cargos públicos ocupados por PERMíNIO, FÁBIO FRIGERI,
e WANDER LUIZ DOS REIS, sendo certo também que ALAN MALOUF seria


8 - IN
destinatário de farta fatia da propina eventualmente recebida .
01 OL

Os autos apontam, ainda, que em atuação similar à de


0/2 AR

ALAN MALOUF, GUILHERME ANTÔNIO MALUF além de ter garantido a


9/1 - C

colocação de WANDER LUIZ DOS REIS no cargo de Superintendente de


Acompanhamento e Moni toramento da Estrutura Escolar, da
: 1 30

Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas


Em 8579

atribuições, conforme já narrado, serviam à engrenagem de


solicitação e recebimento de propina, seria destinatário de

• farta fatia da propina eventualmente recebida.


11
65

FATO 3: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiro José


r: 0

Carlos Pena da Silva - quatro fatos em


po

continuidade delitiva
sso

Consta nos autos do inquérito que em datas não precisadas


compreendidas entre o mês de julho de 2015 e a data de 19 de
pre

setembro de 2015, no Municipio


Im

dentro das mesmas condições de

----11*--- ,-W
r-~Io~o~~Ui' _ _ _ _-"C""E~_?M4.~,a,,2;=__7"=....3;:<!!.'62211628 :\:-z-----=-_=_

---- 1 u P'àtina 35 de 113


PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
execução, PERM1NIO PINTO FILHO, à época ocupante do cargo de

AR
Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mat·o Grosso,
FÁBIO FRIGERI, à época ocupante do cargo em comissão de Assessor

L
DE
Especial I, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, e WANDER
LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo em comissão de

:34 AN
Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura

:46 C

Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio do particular GIOVANI

14 E S
BELATTO GUIZARDI, em razão dos cargos. públicos que ocupavam,
previamente ajustados, voluntariamente e tendo o domínio


8 - IN
funcional do fato, com a concorrência de ALAN AYOUB MALOUF e de
01 OL

GUILHERME ANTÔNIO MALUF, por quatro vezes solicitaram, para si


ou para outrem, vantagem indevida de José Carlos Pena da Silva.
0/2 AR
9/1 - C

Conforme restou consignado nos autos, na ocasião narrada


no "fato 2", ao receber a solicitação de pagamento de vantagem
: 1 30

indevida, José Carlos Pena da Silva não cedeu ao pedido naquela


Em 8579

oportunidade, tendo justificado a GIOVANI BELATTO GUIZARDI que


possuía duas medições para receber e que o pagamento atinente a
elas já estava em andamento, todavia, afirmou que em outra


11

oportunidade atenderia ao pedido.


65

Assim, em datas não precisadas do mês de julho de 2015,


r: 0

José Carlos recebeu pagamentos do Estado de Mato Grosso


po

relacionados à execução parcial de contrato administrativo


atinentes a medições ulteriores.
s so

Segundo consta, logo após a ocorrência de tais


pre

recebimentos, em data anterior a dezenove


Im

GIOVANI BELATTO GUIZARDI ligou ara Jo

o
GAB/PG-Rl

t:';;'.'~'
~:;::,. Fls·OU0770
.... ",'
:; ''';'=.
.=J
~-.'l>-;";";"'()~'"
""~

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça o,-. .., 3

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
pagamento da vantagem indevida a que este havia se comprometido

AR
dizendo "vamos tomar um cafezinho?", ao que José Carlos disse
que o procuraria.

L
DE
Consta também dos autos que dias depois, entre o mês de

:34 AN
julho de 2015 e a data de dezenove de setembro de 2015, GIOVANI

• :46 C
BELATTO GUIZARDI ligou novamente para José Carlos e solicitou o

14 E S
pagamento da vantagem indevida a que este havia se comprometido
dizendo "precisamos conversar", ao que José Carlos disse-lhe que


8 - IN
assim que pudesse levaria a propina .
01 OL

Neste diapasão, tendo em vista que José Carlos não foi


0/2 AR

de pronto ao encontro de GIOVANI BELATTO GUIZARDI para entregar-


9/1 - C

lhe a propina, este ligou mais uma vez para José Carlos em data
não precisada compreendida entre o mês de julho de 2015 e o dia
: 1 30

dezenove de setembro do mesmo ano solicitando-lhe o pagamento da


Em 8579

vantagem indevida dizendo "vamos tomar aquele cafezinho?"

• Registrado está nos autos, ainda, que em 19 de setembro


11

de 2015, GIOVANI BELATTO GUIZARDI ligou para José Carlos Pena da


65

Silva e novamente solicitou-lhe o pagamento de vantagem indevida

• dizendo "você não vai vir trazer o combinado?".


r: 0
po

Revela a investigação que a atuação de GIOVANI BELATTO


GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALAN AYOUB
so

MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMíNIO


s

PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer


pre

de Mato Grosso à época do fato, de inserção


Im

operador do esquema ilícito senvolviment

Rua 04 sinO,
[-- 2/1628
PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens indevidas em

AR
razão dos cargos públicos ocupados por PERMíNIO. FÁBIO FRIGERI
e WANDER LUIZ DOS REIS, sendo certo também que ALAN MALOUF seria

L
DE
destinatário de farta fatia da propina eventualmente recebida.

:34 AN
Os autos apontam, ainda, que em atuação similar à de
ALAN MALOUF,

Acompanhamento e
:46 C
GU:ILHERME ANTÔNIO MALOF além de ter garantido a

14 E S
colocação de WANDER LUIZ DOS REIS no cargo de Superintendente de
Monitoramento da Estrutura Escolar, da •

8 - IN
Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas
01 OL

atribuições, conforme já narrado, serviam à engrenagem de


solicitação e recebimento de propina, seria destinatário de
0/2 AR

farta fatia da propina eventualmente recebida.


9/1 - C

FATO 4: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiro José


: 1 30

Carlos Pena da Silva


Em 579

Consta nos autos do inquérito anexo que por volta do dia


18

27 de outubro de 2015, no Municipio de Cuiabá, Estado de Mato


51

Grosso, PERMíNIO PINTO FILHO, à época ocupante do cargo de


06

Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso,


FÁBIO FRIGERI, à época ocupante do cargo em comissão de Assessor •
r:
po

Especial I, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, e WANDER


LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo em comissão de
sso

Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura


Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio do particular GIOVANI
pre

BELATTO GUIZARDI, em razão ~~~~~~~~~'cos que ocupavam.


previamente ajustados,
Im

'--l..- - Rua ~~;;;;;;-r=lI~~~~<g~~


iiõõ1l
GAB/PGkl
Fls. /) uO77 1 .'
,
==.!

P
MINIST~RIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça 84.4
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
funcional do fato, com a concorrência de ALAN AYOUB MALOUF e de

RI
GUILHERME ANTÔNIO MALUF, solicitaram, para si ou para outrem,

LA
vantagem indevida de José Carlos Pena da Silva.

DE
As provas colacionadas ao inquérito anexo demonstram que

:34 AN
por volta do dia 27 de outubro de 2015, após as ocorrências

• narradas acima

:46 C
(convocação de José Carlos por WANDER LUIZ DOS

14 E S
REIS, encaminhamento de José Carlos para se encontrar com GIOVANI
BELATTO GUIZARDI dado por FABIO FRIGERI e cobranças de propina


8 - IN
por GIOVANI GUIZARDI - fatos 02 e 03 -, tudo ocorrido com o
01 OL

conhecimento e o aval, bem como sob o comando de PERMÍNIO PINTO


FILHO), José Carlos Pena da Silva recebeu uma ligação de GIOVANI
0/2 AR

BELATTO GUIZARDI, que o convocou a encontrá-lo na Secretaria de


9/1 - C

Estado de Infraestrutura e Logística de Mato Grosso - SINFRA/MT.


: 1 30

Neste sentido, atendendo ao convite, por volta do dia


Em 8579

vinte e oito de outubro de 2015 José Carlos compareceu no aludido


órgão, oportunidade em que, após se identificar, foi conduzido

• por uma recepcionista até uma escada dentro do órgão (SINFRA)


11

onde GIOVANI GUIZARDI o aguardava.


65

• Segundo consta, assim que se encontraram, José Carlos


r: 0

foi imediatamente conduzido por GIOVANI BELATTO GUIZARDI até o


po

veículo utilizado por este, que se encontrava estacionado no


estacionamento da SINFRA/MT. Então, ao entrarem no carro, após
sso

ter ligado o condicionador de ar do veículo na potência máxima,


produzindo-se ruido quase no mesmo volume em que ambos mantinham
pre

diálogo e empunhar um aparelho semelhante a um


Im

misturador de sons, GIOVANI BEL O

n, 11; D xo- •
Página 39 de 13
~ ~~----- ------------------------~

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
ciência, aquiescência e comando de PERMíNIO PINTO FILHO, cobrou

RI
de José Carlos o pagamento dos valores percentuais (equivalentes

LA
a cinco por cento) sobre os montantes monetários recebidos do

DE
Estado de Mato Grosso pela empresa de José Carlos (BRP)
relacionados à execução de contrato administrativo de obra

:34 AN
pública da SEDUC/MT outrora combinado, ou seja, da propina em
atraso.

:46 C
14 E S
Revela a investigação que a atuação de GIOVANI BELATTO •

8 - IN
GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALAN AYOUB
01 OL

MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMíNIO


PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer
0/2 AR

de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVANI como


9/1 - C

operador do esquema ilícito em desenvolvimento dentro da


SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens indevidas em
: 1 30

razão dos cargos públicos ocupados por PERMíNIO, FÁBIO FRIGERI


Em 8579

e WANDER LUIZ DOS REIS, sendo certo também que ALAN MALOUF seria
destinatário de farta fatia da propina eventualmente recebida.


11

Os autos apontam, ainda, que em atuação similar à de


65

ALAN MALOUF, GUILHERME ANTÔNIO MALUF além de ter garantido a


colocação de WANDER LUIZ DOS REIS no cargo de Superintendente de


r: 0

Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da


po

Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas


atribuições, conforme já narrado, serviam à engrenagem de
sso

solicitação e recebimento de propina, seria destinatário de


farta fatia da propina eventu~Uw~~~eeebfQ~
pre
Im

,
GAB/PGR
Fls. 000772
--=---' .::1

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
FATO 5: CORRUPÇÃO PASSrvA - Empreiteiro José

AR
Carlos Pena da Silva

L
DE
Consta nos autos do inquérito anexo que no dia 30 de

:34 AN
novembro de 2015, no Município de Cuiabá, Estado de Mato Grosso,


PERMíNIO PINTO FILHO, à época ocupante do cargo de Secretário de

:46 C
Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso, FÁBIO
FRIGERI, à época
14 E S
ocupante do cargo em comissão de Assessor


8 - IN
Especial I, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, WANDER
LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo de provimento efetivo
01 OL

de Professor da Educação Básica e lotado na Superintendência de


0/2 AR

Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, e MOISÉS


DIAS DA SILVA, à época ocupante do cargo em comissão de
9/1 - C

Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura


: 1 30

Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio do particular GIOVANI


BELATTO GUIZARDI, em razão dos cargos públicos que ocupavam,
Em 8579

previamente ajustados, voluntariamente e tendo o domínio


funcional do fato, com a concorrência de ALAN AYOUB MALOUF e de
11

GUILHERME ANTÔNIO ~UF, solicitaram, para si ou para outrem,


vantagem indevida de José Carlos Pena da Silva .
65


r: 0

As provas colacionadas ao inquérito anexo revelam que em


09 de outubro do ano de 2015 o núcleo de empreiteiros da
po

organização criminosa se reuniu para distribuir as licitações da


so

SEDUC/MT que ocorreriam naquele ano, bem como para discutir


s

questões do interesse daquele departamento frente ao núcleo de


pre

servidores públicos, sendo que em meio às considerações restou


revelado o descontentamento c a
Im
&.",'
W

PP
MINISTéRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
. Procuradoria Geral de Justiça 1-

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACb

SEDU~/M

IR
REIS na defesa dos .interesses do. grupo dentro da , 'bem

AR
como o desejo de' substitui-lo no cargo de superinte!deAte de
. I I
Acompanhamento e Moni·torament·o da Estrutura EscQlar,
j da

L
DE
Secretaria de Estad9 de Educação,

:34 AN
De acordo com os autos, dias ma,is tarde, por vo ta do
e~contro' e tr~ José

:46 C
dia 27 de outubro de 2015, na ocasião do
Carlos Pena da .Silva e GIOVANI BELATTO GUIZARD~ ~a$ depLnd~ncias
14 E S
da Secretaria de Estado de Infraestrutura e L09isticJ d~ Mato
- I I


8 - IN
Grosso - SINFRA/MT, o segundo prenunciou ao primeiro qhe WANDER
substituid~ ~A
01 OL

LUIZ DOS REIS. seria por .MOISÉS DIAS SILtA. .

~ permu~l
0/2 AR

Neste sentido, apurou-se nos autos que exigida


9/1 - C

pelo núcleo de empresários na reunião e predita poJ GtOVANI


GUIZARDI de fato ocorreu, pois no dia 13/11/2015 WANDEJLukz DOS
. . I I
: 1 30

REIS foi exonerado do cargo de Superintendente de Acompànhamento


e Monitoramento da ES,trutura Escolar da SEDUC/MT (Autok d! ação
Em 8579

controlada .. Diári9 Oficial n.O"26659), ao


.
passo-~ue
. ,
em 1~l1i/2015
I I


' .....
MOISÉS. DIAS DA SILVA foi nomeado para. o, cargo, assumindo,
11

portanto, não apenas as atribuições legais do barJo de


fu~çõFs
65

Superintendente, mas também <;! principalmente, as de


WANDER LUIZ, DOS ,REIS frente ao ,núcleo. de empresários, inClusive
r: 0

no que se refere ao r~fere~do ~o's atos de G~OVANII B~LATTO


::::::~~i::s~olicitação inde~idts
po

e recebimento de vantagens dos


so
s

Segundo consta, a manobra não afastou WANDER LuJz DOS


pre

REIS das ativi~ades ilicitas, mas consistiu em mer alranj


Im

fei to para satisfazer as recla o pres ribs.1 1st

EP B
Páginal42 (te
. 11--
GAB/PGRl
l
e Fls·00077.3
=i

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça I
846
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NAC:O

RA
!
BELATTO GUIZARDI solicitou a José Carlos o pagamento de vantagem

RI
indevida dizendo que para a solução dos problemas apresentados

LA
ele precisava pagar o combinado.

DE
Revela a investigação que a atuação de GIOVANI B~LATTO

:34 AN
GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALAN AYOUB

• :46 C
MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMíNIO

14 E S
PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer
de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVANI como


8 - IN
operador do esquema ilícito em desenvolvimento dentro da
01 OL

SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens indevidas em


razão dos cargos públicos ocupados por PERMíNIO, FÁBIO FRIGERI,
0/2 AR

WANDER LUIZ DOS REIS e MOISES DIAS DA SILVA, sendo certo também
9/1 - C

que ALAN MALOUF seria destinatário de farta fatia da propina


eventualmente recebida.
: 1 30
Em 8579

Os autos apontam, ainda, que em atuação similar à de


ALAN MALOUF, GUrLHERMI!: ANTÔNrO HALUF além de ter garantido a

• colocação de WANDER LUIZ DOS REIS, bem como de MOISES DIAS DA


11

SILVA, no cargo de Superintendente de Acompanhamento e


. i
65

Monltoramento da Estrutura Escolar, da Secretaria de Estado de

• Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas atribuições, Iconforme


r: 0

já narrado, serviam à engrenagem de solicitação e recebimento de


po

propina, seria destinatário de farta fatia da propina


eventualmente recebida.
sso
pre
Im

Página 44 de 113
P
MINISTtRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
FATO 6: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiro José

RI
Carlos Pena da Silva

LA
DE
Consta nos autos do inquérito anexo que no dia 02 de

:34 AN
dezembro de 2015, no Municipio de Cuiabá, Estado de Mato Grosso,


PERMíNIO PINTO FILHO, à época ocupante do cargo de Secretário de

:46 C
Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso, FÁBIO
FRIGERI, à época 14 E S
ocupante do cargo em comissão de Assessor


8 - IN
Especial I, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, -WANDER
01 OL

LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo de provimento efetivo


de Professor da Educação Básica e lotado na Superintendência de
0/2 AR

Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, e MOISÉS


DIAS DA SILVA, à época ocupante do cargo em comissão de
9/1 - C

Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura


: 1 30

Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio do particular GIOVANI


BELATTO GUIZARDI, em razão dos cargos públicos que ocupavam,
Em 8579

previamente ajustados, voluntariamente e tendo o dominio


funcional do fato, com a concorrência de ALAN AYOUB MAL0UF e de
11

GUILHEJUa: ANTÔNIO MJlLUF, receberam, para si ou para outrem,


vantagem indevida de José Carlos Pena da Silva.
65
r: 0

De acordo com o que se apurou na investigação, na •


po

circunstãncia narrada no acima (fato 05), após solicitar propina


a José Carlos Pena da Silva, GIOVANI BELATTO GUIZARDI o colocou
sso

em sobreaviso dizendo que entraria em contato para informar o


dia, hora e local da entrega vantagem indevida.
pre
Im

Página 45 de 113
GAB/PGRl
Fls. OOO7 74
1
l::----=::----,::.::=J

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
Neste sentido, no dia seguinte, 01 de dezembro de 2015,

AR
em contato telefônico restou combinada a data de 02 de dezembro
de 2015 para a entrega da vantagem ilícita, dia em que José

L
DE
Carlos se deslocou até a sede da empresa DíNAMO CONSTRUTORA LTDA
onde se encontrou com GIOVANI BELATTO GUIZARDI, que, com o pleno

:34 AN
conhecimento, aprovação e ordem de PERMfNIO PINTO FILHO, recebeu

• de José Carlos a quantia de R$ 4.000,00

:46 C
14 E S
(quatro mil reais)
título de pagamento da propina outrora solicitada por GIOVANI.
a


8 - IN
Revela a investigação que atuação a de GIOVANI BELATTO
01 OL

GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALAN AYOUB


MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMíNIO
0/2 AR

PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer


9/1 - C

de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVANI como


operador do esquema ilicito em desenvolvimento dentro da
: 1 30

SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens indevidas em


Em 579

razão dos cargos públicos ocupados por PERMíNIO, FABIO FRIGERI,


WANDER LUIZ DOS REIS e MOISES DIAS DA SILVA, sendo certo também


18

que ALAN MALOUF foi destinatário de farta fatia da propina


recebida.
51
06

• Os autos apontam,
ALAN MALOUF,
ainda, que em atuação similar à
GUILHERME ANTÔNIO HALUF além de ter garantido a
de
r:
po

colocação de WANDER LUIZ DOS REIS, bem como de MOISES DIAS DA


SILVA, no cargo de Superintendente de Acompanhamento e
sso

Monitoramento da Estrutura Escolar, da Secretaria de Estado de


Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas atribuições, conforme
pre

já narrado, serviam à engrenagem de


Im

propina, foi destinatário de farta

Página 46 de 113
PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
FATO 7: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiro Ricardo

AR
Augusto Sguarezi - dois fatos em continuidade

L
delitiva

DE
Consta nos autos do inquérito anexo que em data não

:34 AN
precisada entre fevereiro e abril de 2015, no Município de
Cuiabá,

:46 C
Estado de Mato Grosso, nas mesmas condições de tempo,

14 E S
lugar e modo de execução, PERM!NIO PINTO FILHO, à época ocupante
do cargo de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de •

8 - IN
Mato Grosso, FABIO FRIGERI, à época ocupante do cargo em comissão
01 OL

de Assessor Especial I, da Secretaria de Estado de Educação -


SEDUC, e WANDER LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo em
0/2 AR

comissão de Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da


9/1 - C

Estrutura Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio do particular


GIOVANI BELATTO GUIZARDI, em razão dos cargos públicos que
: 1 30

ocupavam, previamente ajustados, voluntariamente e tendo o


Em 8579

domínio funcional do fato, com a concorrência de ALAN AYOUB


MALOUF e de GUILHERME ANTÔNIO ~UF, por duas vezes solicitaram,
para si ou para outrem, vantagem indevida de Ricardo Augusto
-I
11

Sguarezi.
65

Conforme já narrado alhures, à época do fato PERM!NIO


r: 0

PINTO FILHO, ante o teor do ato n. 013/2015, publicado no Diário


po

Oficial de Mato Grosso em 02/01/2015 (n. 26441), ocupava o cargo


de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato
so

Grosso, ao passo que FABIO FRIGERI, por força do ato n.·


s

130/2015, publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em


pre

12/01/2015, ocupava o cargo de Assessor Especial I, da SEDUC/MT,


se~e:::;:do
Im

prestando assessoria direta na

D _ __r-+----,
Página 47 de 113
GA6/PGRl
Fls. ú DO 77 5
I
1.=:-:-::::==..".,
.. = I

PP
MINISTI::RIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
desde 02 de janeiro de 2015 (vide anexo I, do Decreto n.

AR
2.398/2014 e Decreto Estadual n. 233/2015), da mesma forma que
WANDER LUIZ DOS REIS, por força do ato n. 563/2015, publicado no

L
DE
Diário Oficial de Mato Grosso em 28/01/2015, ocupava o cargo em
comissão de Direção Geral e Assessoramento, de Superintendente

:34 AN
de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da
Secretaria de Estado de Educação - SEDUC desde 28 de janeiro de

:46 C
14 E S
2015.


8 - IN
De acordo com investigação, no ano de 2015 a empresa
01 OL

AROEIRA CONSTRUÇÕES LTDA., de propriedade de Ricardo Augusto


Sguarezi, possuia contrato administrativo de obra pública (aqui
0/2 AR

entendida em sentido amplo) firmado com o Estado de Mato Grosso


9/1 - C

e atrelado à Secretaria de Estado de Educação, o qual se


encontrava em fase de execução.
: 1 30
Em 8579

Assim, em razão da finalização de parte da obra


contratada, em data indefinida entre fevereiro e março do ano de

• 2015, Ricardo Augusto Sguarezi se dirigiu a FÁBIO FRIGERI à fim


11

de solicitar a este que fosse realizada pela Secretaria de


65

Educação a fiscalização da parcela da obra que havia sido

• executada para que se pudesse proceder à meGição da obra e assim


r: 0

receber a contraprestação pecuniária do Estado de Mato Grosso,


po

oportunidade em que FABIO FRIGERI, com o conhecimento e o aval


de PERMÍNIO PINTO FILHO, determinou que ele procurasse pela
so

pessoa de GIOVANI BELATTO GUIZARDI para tratar do assunto .


s

;1J
pre

Segundo consta, inconforma"d~o~,~~~~~~. . gUçrezi


Im

foi até WANDER LUIZ DOS

n. xo - ocura
G

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradorià Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
situação, ocasião em que WANDER, com a plena ciência,

AR
aquiescência e comando de PERMíNIO PINTO FILHO, confirmou a
determinação de FÁBIO FRIGERI dizendo que o recebimento das

L
DE
mediçôes deveria ser tratado com GIOVANI BELATTO GUIZARDI.
Diante de tal direcionamento, Ricardo Augusto Sguarezi

:34 AN
recebeu de FÁBIO FRIGERI o número do telefone para o qual deveria


ligar para entrar em contato com GIOVANI GUIZARDI. Ao estabelecer

:46 C
14 E S
o contato telefônico com GIOVANI, Ricardo Augusto Sguarezi foi
convidado por ele a comparecer na sede da empresa dele, a DíNAMO


8 - IN
CONSTRUTORA.
01 OL

De acordo com os autos, cerca de um mês após o contato


0/2 AR

telefônico, em data não precisada entre fevereiro e abril de


9/1 - C

2015, Ricardo Augusto sguarezi foi até a sede da empresa DíNAMO


CONSTRUTORA para conversar com GIOVANI BELATTO GUIZARDI e foi
: 1 30

por ele atendido. Na ocasião, com o pleno conhecimento, aprovação


Em 8579

e ordem de PERMíNIO PINTO FILHO, GIOVANI se apresentou como o


"Secretário de fato" dizendo que era o novo "chefe" para
determinar os pagamentos relativos a obras na SEDUC/MT,e então


11

solicitou de Ricardo vantagem pecuniária indevida consistente


65

numa "comissão" de 5% (cinco por cento) sobre o valor da medição,


crédi~o
para que a empresa de Ricardo pudesse receber seu junto


r: 0

ao Estado de Mato Grosso. II


po

I
I

Conforme consignado na investigação, no momento da


so

solicitação da propina GIOVANI ostentava o poder de fato que


s

tinha dentro da SEDUC/MT, mostrando a Ricardo Sguarezi um


pre

relatório contendo todas as


Im

deste tinha com a Secretaria de

ua n. nexo - rocura
GAB/PGRl

fi) Fls. f) (] /! 7 76 .

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO c, ! ",J
U ~oIi

IR
Está consignado nos autos do inquérito que após o

AR
encontro com GIOVANI GUIZARDI, Ricardo Augusto Sguarezi reclamou
;
da cobrança da propina com WANDER LUIZ DOS REIS e cdm FÁBIO

L
DE
FRIGERI por diversas vezes, todavia, os dois últimos, coJ a plena
I
ciência, aquiescência e comando de PERMíNIO PINTO: FILHO,

:34 AN
mantiveram o direcionamento anteriormente dado dizendotlhe que

• a questão deveria ser tratada GIOVANI GUIZARDI.

Neste contexto,
:46 C
14 E S
diante da irredutibilidade de . FÁBIO e


8 - IN
WANDER, em data não precisada entre fevereiro e abril de 2015,
01 OL

Ricardo novamente foi ao encontro de GIOVANI GUIZARDI na sede de


empresa DíNAMO e, ao ser atendido por ele, GIOVANI BELATTO
0/2 AR

GUIZARDI, com o pleno conhecimento, aprovação e ordem de PERMíNIO


9/1 - C

PINTO, FILHO, novamente solicitou-lhe propina dizendo que se ele


quisesse receber os valores a que tinha direito em razão da
: 1 30

execução de contratos administrativos com a SEDUC/MT teria que


Em 579

pagar uma "comissão" de 5% (cinco por cento) .


18

Revela a investigação que a atuação de GIOVANI BELATTO


GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALAN AYOUB
51

MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMíNIO


06

PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer


r:

de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVANI como


po

operador do esquema ilicito em desenvolvimento dentro da


SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens indevidas em
sso

razão dos cargos públicos ocupados por PERMíNI·O, FÁBIO FRIGERI,


WANDER LUIZ DOS REIS e MOISES DIAS DA SILVA, sendo certo também
pre

que ALAN MALOUF seria destinatári..'Q--d:enfti.rrcr--$.atia


Im

eventualmente recebida.

ua o - roeu ora nn ;a, ua

Página 50 de 113
PP
MINIST~RIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
Os autos apontam, ainda, que em atuação simitar à de

AR
ALAN MALOUF, GUILHERME ANTÔNIO MALUF além de ter garantido a
colocação de WANDER LUIZ DOS REIS no cargo de Superintendente de

L
DE
Acompanhamento e Moni toramento da Estrutura Escolar, da
Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas

:34 AN
atribuições, conforme já narrado, serviam à engren'agem de
solicitação e recebimento de

:46 C
14 E S
propina,
farta fatia da propina eventualmente recebida.
8 - IN
FATO 8: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiro RICARDO
01 OL seria destinatário de



AUGUSTO SGUAREZI
0/2 AR

Consta noS autos do inquérito anexo que em data não


9/1 - C

precisada no segundo semestre do ano de 2015, no Município de


: 1 30

Cuiabá, Estado de Mato Grosso, PERMíNIO PINTO FILHO, lá é[.>oca


ocupante do cargo de Secretário de Estado de Educação, Esporte
Em 8579

e Lazer de Mato Grosso, MOISÉS DIAS DA SILVA, á época ocupante


do cargo em comissão de Superintendente de Acompanhamento e
11

Moni toramento da Estrutura Escolar, da SEDUC/MT, com a


concorrência de FABIO FRIGERI, à época ocupante do 9argo em
65

comissão de Assessor Especial I, da Secretaria de Estado de


r: 0

Educação - SEDUC, WANDER LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo •


po

de provimento efetivo de Professor da Educação Básica e lotado


na Superintendência de Acompanhamento e Monitoramento da
so

Estrutura Escolar, e do particular GIOVANI BELATTO GUIZARDr, em


s

razão dos cargos públicos que ocupavam, previamente ajJstados,


pre

voluntariamente e tendo todos o domínio funcional do fato, em


razão das funções públicas que desem ava
Im

ua s/n • 10 o - roeu ria J;al


CEP7804g.921-~
GAB/PGRl
fls. OO[I 7 77
b---::-:=--=.f

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO
85Q

IR
de ALAN AYOUB MALOUF e de GUILHERME ANTÔNIO ~UF, solicitaram,

AR
para si ou para outrem, vantagem indevida de Ricardo Augusto
Sguarezi.

L
DE
Já foi narrado que no ano de 2015 a empresa AROEIRA

:34 AN
CONSTRUÇÕES LTDA., de propriedade de Ricardo Augusto Sguarezi,

• :46 C
possuía contrato administrativo de obra pública (aqui entendida

14 E S
em sentido amplo) firmado com o Estado de Mato Grosso e atrelado
à Secretaria de Estado de Educaçâo, o qual se encontrava em fase


8 - IN
de execução.
01 OL

Conforme alhures exposto, por força dos atos n.


0/2 AR

7.778/2015, publicado em 17/11/2015 no Diário Oficial de Mato


9/1 - C

Grosso, e 9.186/2016, publicado no Diário Oficial de Mato Grosso


em 02/03/2016, MOISÉS DIAS DA SILVA ocupou o cargo em comissâo
: 1 30

Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura


Em 579

Escolar, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC no período


de 17 de novembro de 2015 a 02 de março de 2016.


18
51

Foi também descrito que MOISÉS passou a ocupar o cargo


em substituição a WANDER LUIZ DOS REIS depois das reclamações
06

• feitas pelo núcleo de empresários da organização ctiminosa


r:

relatada nesta denúncia.


po

Neste contexto, sob o comando e coordenação de PERMíNIO


sso

PINTO FILHO, MOISÉS DIAS DA SILVA recebeu a incumbência de dar


continuidade à atividade espúria de WANDER em sintonia cOm FABIO
pre

FRIGERI, consistente na garantia de vantagens aos em


Im

relativas a obras públicas da SEDUC


PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
cobrança de propina em detrimento dos empresários como

AR
contraprestação.

L
DE
Segundo consta, a manobra não afastou WANDER LUIZ DOS
REIS das atividades ilícitas, mas consistiu em mero rearranjo

:34 AN
feito pelo núcleo de agentes públicos sob a direção de PERMíNIO

:46 C
PINTO FILHO para satisfazer as reclamações dos empresários. Isto

14 E S
porque após ter sido substituído por MOISÉS DIAS DA SILVA no
cargo de Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da


8 - IN
Estrutura Escolar, WANDER LUIZ DOS REIS - ocupante do cargo de
01 OL

provimento efetivo de Professor da Educação Básica na Secretaria


de Estado de Educação de Mato Grosso, conforme Decreto Estadual
0/2 AR

n. 1.150, de 07 de fevereiro de 2000, publicado em 07/02/2000 no


9/1 - C

Diário Ofícial do Estado de Mato Grosso -, pelas Portarias


SEDUC/00059/2016 (Diário Oficial n. o 26715, fls. 46 e 52) e
: 1 30

SEDUC/00066/2016 (Diário Oficial n. o 26716, fls. 67/68 )


Em 579

publicadas em 11/02/2016 e 12/02/2016, respectivamente, foi


lotado na Superintendência de Acompanhamento e Monitoramento da


18

Estrutura Escolar da SEDUC/MT, sendo então mantido no círculo de


atuação.
51
06

Neste enredo, as investigações revelam que após a


r:

substi tuição de WANDER no cargo de Superintendente de


po

Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, surgiram


novas medições que deveriam ser feitas para que novos pagamentos
sso

por parte do Estado de Mato Grosso fossem efetivados à empresa


pre

de Ricardo Augusto Sguarezí.


Im
GAB/PGR --1
FIS.U00778.
l=-==--.=J

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
651
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
Assim, no segundo semestre do ano de 2015, Ricardo

AR
Augusto Sguarezi foi até o novo superintendente MOISÉS DIAS DA
SILVA para tratar do assunto das medições e do pagamento por

L
DE
parte do Estado.

:34 AN
Na ocasião, com a plena ciência, aquiescência e comando

• vantagem pecuniária
procurar GIOVANI BELATTO
:46 C
de PERMÍNIO PINTO FILHO, MOISÉS solicitou de Ricardo o pagamento
de
14 E S
indevida
GUIZARDI
dizendo-lhe
e pagar
que
a
ele
ele o
deveria
valor


8 - IN
percentual de 5% (cinco por cento) sobre o montante monetário
01 OL

das medições que Ricardo já havia recebido, ou seja, propina que


estava "em atraso".
0/2 AR
9/1 - C

Revela a investigação que a atuação de GIOVANI BELATTO


GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALAN AYOUB
: 1 30

MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a ~ERMÍNIO


Em 579

PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer


de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVANI corno


18

operador do esquema ilícito em desenvolvimento dentro da


SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens indeyidas em
51

razão dos cargos públicos ocupados por PERMÍNIO, FÁBIO FRIGERI,


06

WANDER LUIZ DOS REIS e MOISES DIAS DA SILVA, sendo certo também
r:

que ALAN MALOUF seria destinatário de farta fatia da propina


po

eventualmente recebida.
sso

Os autos apontam, ainda, que em atuação similar à de


ALAN MALOUF, GUILHERME ANTÔNIO MALUF além de ter garantido a
pre

colocação de WANDER LUIZ DOS REIS, bem como


Im

SILVA, no cargo de SUP~de

n. o - u
ê
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
.-

P
., Procuradoria Geral de Justiça d

UP
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NAC

RA
Monitoramento da Estrutura Escolar, da Secretaria de Estado de

RI
Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas atribuições, conforme
já narrado, serviam à engrenagem de solicitação e recebimento de

LA
propina, seria destinatário de farta fatia da propina

DE
eventualmente recebida.

:34 AN
FATO 9: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiro RICARDO

:46 C
14 E S
AUGUSTO SGUAREZI I


8 - IN
Está nos autos do inquérito anexo que em data não
01 OL

precisada no segundo semestre do ano de 2015, no Município de


Cuiabá, Estado de Mato Grosso, PERMÍNIO PINTO FILHO, à época
0/2 AR

ocupante do cargo de Secretário de Estado de Educação, Esporte


9/1 - C

e Lazer de Mato Grosso, FÁBIO FRIGERI, à época ocupante do cargo


em comissão de Assessor Especial I, da Secretaria de Estado de
: 1 30

Educação - SEDUC, MOISÉS DIAS DA SILVA, à época ocupante ~o cargo


Monit~ramento
Em 8579

em comissão de Superintendente de Acompanhamento e


da Estrutura Escolar, da SEDUC/MT, e WANDER LUIZ DOS 'REIS, à
época ocupante do cargo de provimento efetivo de Professor da


11

Educação Básica da SEDUC/MT e lotado na Superintendência de


65

Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, por


intermédio do particular GIOVANI BELATTO GUIZARDI, em razão dos


r: 0

cargos públicos que ocupavam, previamente ajustados,


po

voluntariamente e tendo o domínio funcional do' fato, em razão


das funções públicas que desempenhavam, com a concorrência de
sso

~UF,
'"0'"'::;;5("0
ALAN AYOUB MALOUF e de GUILHERME ANTÔNIO soliditaram,

:;::'::1.
I
pre

ou pO'a ou'<=. Augu",o


Im

n,
(!) H'":::;~;l

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GR:OOse==--=1
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
De acordo com a investigação, dentro do cenário descrito

AR
no "fato 8" acima, em que MOISÉS DIAS DA SILVA, WANDER LUIZ DOS
REIS, FÁBIO FRIGERI e GIOVANI BELATTO GUIZARDI, sob a batuta de

L
DE
PERMíNIO PINTO FILHO, somaram esforços para cobrar propina dos
empresários da construção civil que mantinham contratos com a

:34 AN
Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso - S:EDUC/MT,
, após


MOISÉS DIAS DA SILVA, com a plena ciência, aquiescência e' comando

:46 C
14 E S
de PERMíNIO PINTO FILHO, ter solicitado a Ricardo Augusto
Sguarezi que procurasse por GIOVANI BELATTO GUIZARDI e pagasse


8 - IN
a ele o valor percentual de 5% (cinco por cento) sobre os
01 OL

montantes monetários das medições anteriores já recebidas por


Ricardo, no segundo semestre do ano de 2015 Ricardo Augusto
0/2 AR

Sguarezi seguiu a determinação de MOISÉS e foi ao encontro de


9/1 - C

GIOVANI GUIZARDI'na sede da empresa DíNAMO de propriedadf deste.


I
I
: 1 30

Neste diapasão, consta que GIOVANI BELATTO GUIZARDI, em


Em 579

consonãncia com o que MOISES DIAS DA SILVA havia dito a Ricardo


Sguarezi (fato 8) e com o pleno conhecimento, aprovação e ordem


18

de PERMíNIO PINTO FILHO, solicitou vantagem indevida a Ricardo


dizendo que havia autorizado os pagamentos por parte do Estado
51

efetuados a Ricardo relativos às medições atinentes às obras da


06

• SEDUC/MT ocorridas até aquele momento e que, por esta, razão,


I
r:

Ricardo deveria pagar a ele o valor percentual de 5% (c1nco por


I
po

cento) sobre a quantia monetária das medições que Ricardo já


havia recebido, ou seja, propina que estava "em atraso".
sso

Revela a investigação que a atuação de GIOVANI BELATTO


pre

GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de


Im

MALOUF, que foi o responsável pela trat


PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer

AR
de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVANI como
operador do esquema ilicito em desenvolvimento dentro da

L
DE
SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens indevidas em
razão dos cargos públicos ocupados por PERM1NIO, FÁBIO FRIGERI,

:34 AN
WANDER LUIZ DOS REIS e MOISES DIAS DA SILVA, sendo certo também

:46 C
que ALAN MALOUF seria destinatário de farta fatia da propina
eventualmente recebida.
14 E S •

8 - IN
Os autos apontam, ainda, que em atuação similar à de
01 OL

ALAN MALOUF, GUILHERME ANTÔNIO MALOF além de ter garantido a


colocação de WANDER LUIZ DOS REIS, bem como de MOISES DIAS DA
0/2 AR

SILVA, no cargo de Superintendente de Acompanhamento e


9/1 - C

Monitoramento da Estrutura Escolar, da Secretaria de Estado de


Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas atribuições, conforme
: 1 30

já narrado, serviam à engrenagem de solicitação e recebimento de


Em 8579

propina, seria destinatário de farta fatia da propina


eventualmente recebida.


11

FATO 10: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiro


65

Dilermano Sérgio Chaves


r: 0

Consta nos autos do inquérito anexo que em dia não


po

precisado compreendido entre os meses de abril e maio do ano de


so

2015, no Municipio de Cuiabá, Estado de Mato Grosso, PERMíNIO


s

PINTO FILHO, à época ocupante do cargo de Secretário de Estado


pre

de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso, FÁBIO FRIGERI, à


época ocupante do cargo em comiss a
Im

P'gm. " 11-(6


de
~~
GABI PGt<
Fls, IJUiJ780
1
MINIST~RIO GRI=-O-SS"~=-=J1 6::>3

P
PÚBLICO ! : ! O O DE MATO

UP
Procuradoria Geral de Justiça ,
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, e WANDER LUIZ DOS REIS,

RI
à época ocupante do cargo em comissão de Superintendente de

LA
Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da

DE
SEDUC/MT, por intermédio do particular GIOVANI BELATTO GOIZARDI,
em razão dos cargos públicos que ocupavam, previamente

:34 AN
ajustados, voluntariamente e tendo o domínio funcional do fato,

• :46 C
com a concorrência de ALAN AYOUB MALOOF e de GUILHERME ANTÔNIO

14 E S
MALUF, solicitaram, para si ou para outrem, vantagem indevida de
Dilermano Sérgio Chaves .


8 - IN
01 OL

Conforme já narrado alhures, à época do fato li'ERMíNIO


PINTO FILHO, ante o teor do ato n. 013/2015, publicado nt' Diário
0/2 AR

Oficial de Mato Grosso em 02/01/2015 (n. 26447), ocupava o cargo


9/1 - C

de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer 'de Mato


Grosso, ao passo que FABIO FRIGERI, por força do ato n.o
: 1 30

130/2015, publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em


Em 8579

12/01/2015, ocupava o cargo de Assessor Especial I, da SEDUC/MT,


prestando assessoria direta na Secretaria de Estado de Educação

• desde 02 de janeiro de 2015 (vide anexo I, do Decreto n.


11

2.398/2014 e Decreto Estadual n. 233/2015), da mesma forma que


65

WANDER LUIZ DOS REIS, por força do ato n. 563/2015, publicado no


r: 0

Diário Oficial de Mato Grosso em 28/01/2015, ocupava o cargo em


comissão de Direção Geral e Assessoramento, de Superintendente
po

de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da


Secretaria de Estado de Educação - SEDUC desde 28 de janeiro de
sso

2015.
pre

Neste sentido, revela


Im

movimentação da engrenagem de c
PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSb
Procuradoria Geral de Justiça

AU
l
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
conforme narrado alhures, por FÁBIO FRIGERI, WANDER LUIZ DOS

AR
REIS e GIOVANI BELATTO GUIZARDI, sob a regência de PERMÍNtO PINTO
FILHO, em dia não precisado compreendido entre os meses de abril

L
DE
e maio do ano de 2015, o empresário Dilermano Sérgio Chaves,
proprietário da empresa ETAG Construções e Comércio LTDA. EPP,

:34 AN
que mantinha contrato administrativo com Estado de Mato Grosso

:46 C
relativo a obras públicas da SEDUC/MT, foi contatado por Telefone •

14 E S
por uma pessoa não identificada em nome da Secretaria d~ Estado
de Educação de Mato Grosso a qual o convocou para urna reunião na


8 - IN
sede da SEDUC/MT, chamamento que foi atendido por Dilermano.
01 OL

De acordo com os autos, no dia e hora marcada, ao chegar


0/2 AR

na SEDUC/MT, Dilermano foi atendido por FÁBIO FRIGERI. Nesta


9/1 - C

esteira, durante a conversa, FABIO, agindo com o conhecimento e


o aval de PERMíNIO PINTO FILHO, anotou um número de telefone num
: 1 30

pedaço de papel e entregou a anotação a Dilermano pedindo que


Em 8579

ele ligasse para aquele terminal telefônico. I,

Conforme consta, Dilermano acatou o pedido de FÁSIO


11

FRIGERI e ligou para o número que deste recebeu, sendo que a


65

ligação foi atendida por GIOVANI BELATTO GUIZARDI, que convidou


Dilermano para um encontro na sede da sua empresa (DiNAMO


r: 0

CONSTRUTORA) .
po

Assim, tendo Dilermano comparecido no local, n0 dia não


so

precisado compreendido entre os meses de abril e maio d ano de


1
s

2015 e hora marcada, GIOVANI BELATTO GUIZARDI, ostentando o poder


pre

de fato que tinha dentro da SEDUC/MT ao deixar


Im

conhecimento de que a empresa de ~D~~~'l~e~r~!~~~~~~~~~


GAB/PGR
.. Fls. rJOIJ781

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO 6;)4

RA
receber daquela Secretaria, atuando com a plena ciência,

RI
aquiescência e comando de PERMÍNIO PINTO FILHO, solicitou

LA
propina a Dilermano dizendo "E ai? Não tem nada?".

DE
Revela a investigação que a atuação de GIOVANI BELATTO

:34 AN
GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALAN AYOUB

• de Mato Grosso à época do fato,


:46 C
MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMÍNIO

14 E S
PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer
de inserção de GIOVANI como


8 - IN
operador do esquema ilicito em desenvolvimento dentro da
01 OL

SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens inde idas em


razão dos cargos públicos ocupados por PERMÍNIO, FÁBIO FRIGERI
0/2 AR

e WANDER LUIZ DOS REIS, sendo certo também que ALAN MALO F seria
9/1 - C

destinatário de farta fatia da propina eventualmente reJebida.


i
: 1 30

Os autos apontam, ainda, que em atuação similar 'à de


Em 8579

ALAN MALOUF, GUILHERME ANTÔNIO MALUF além de ter garantido a


colocação de WANDER LUIZ DOS REIS no cargo de Superintendente de

• Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da


11

Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas


65

atribuições, conforme já narrado, serviam à engrenagem de


r: 0

solicitação e recebimento de propina, seria destinatário de


farta fatia da propina eventualmente recebida.
po

FATO 11: CORRUPÇÃO PASSIVA Empreiteiro


so

Leonardo Guimarães Rodrigues dois fatos em


s
pre

continu,=i~d~a~dHL~~~~,a
Im

ua • Il8X - o a Gera
.......... _CEP 18!U9-921 -Fqnellax ~~~2j ..

~
~
"

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
Consta nos autos do inquérito anexo que em data não

AR
precisada compreendida entre o final do primeiro semestre e o
inicio do segundo semestre do ano de 2015, no Municipio de

L
DE
Cuiabá, Estado de Mato Grosso, nas mesmas condições de tempo,
lugar e modo de execução, PERMíNIO PINTO FILHO, à época ocupante

:34 AN
do cargo de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de

:46 C

Mato Grosso, FABIO FRIGERI, à época ocupante do cargo em comissão

14 E S
de Assessor Especial I, da Secretaria de Estado de Educação -
SEDUC, e WANDER LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo em


8 - IN
comissão de Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da
01 OL

Estrutura Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio do particular


GIOVANI BELATTO GUIZARDI, em razão dos cargos públicos que
0/2 AR

ocupavam, previamente ajustados, voluntariamente e tendo o


9/1 - C

domínio funcional do fato, com a concorrência de ALAN AYOUB


MALOUF e de GUILHERME ANTÔNIO ~UF, por duas vezes solicitaram,
: 1 30

para si ou para outrem, vantagem indevida de Leonardo Guimarães


Em 8579

Rodrigues.

De acordo com a investigação, no ano de 2015 a empresa


11

JER ENGENHARIA ELÉTRICA E CIVIL LTDA., da qual Leonardo Guimarães


65

Rodrigues é procurador, possuía contrato administrativo de obra


pública (aqui entendida em sentido amplo) firmado com o Estado


r: 0

de Mato Grosso e atrelado à Secretaria de Estado de Educação, o


po

qual se encontrava em fase de execução.


so

Conforme já narrado alhures, à época do fato PERMíNIO


s

PINTO FILHO, ante o teor do ato n. 013/2015, publicado no Diário


pre

Oficial de Mato Grosso em 02/01/2015 (n. 26447),


Im

de Secretário de Estado de Educaçã


GAB/PGRl
Fls. U00782

b--==_:=:::,,:=J

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
Grosso, ao passo que FABIO FRIGERI, por força do ato n.·

RI
130/2015, publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em

LA
12/01/2015, ocupava o cargo de Assessor Especial I, da SEDUC/MT,

DE
prestando assessoria direta na Secretaria de Estado de Educação
desde 02 de janeiro de 2015 (vide anexo I, do Decreto n.

:34 AN
2.398/2014 e Decreto Estadual n. 233/2015), da mesma forma que


WANDER LUIZ DOS REIS, por força do ato n. 563/2015, publicado no

:46 C
14 E S
Diário Oficial de Mato Grosso em 28101/2015, ocupava o cargo em
comissão de Direção Geral e Assessoramento, de Superintendente


8 - IN
de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da
01 OL

Secretaria de Estado de Educação - SEDUC desde 28 de janeiro de


2015.
0/2 AR
9/1 - C

Neste diapasão, revela a investigação que, na


movimentação da engrenagem de cobrança de propina movida,
: 1 30

conforme narrado alhures, por FABIO FRIGERI, WANDER LUIZ DOS


REIS e GIOVANI BELATTO GUIZARDI, sob a condução de PERMíNIO PINTO
Em 8579

FILHO, em dia não precisado compreendido entre os meses de junho

• e julho do ano de 2015, o empresário Leonardo Guimarães Rodrigues


11

se encontrava no prédio da SEDUC/MT, onde, com O conhecimento e


65

o aval de PERMíNIO PINTO FILHO, recebeu das mãos de FABIO FRIGERI

• e de WANDER LUIZ OOS REIS um bilhete contendo um número de


r: 0

telefone e o nome de GIOVANI, sendo que pediram que Leonardo


po

ligasse para GIOVANI.


so

De acordo com a investigação. Leonardo não acatou de


s

pronto o pedido, razão por que cerca de uma semana depois, com
pre

a plena ciência, aquiescência e com:a~n~d~o~~~P~E~RM~í~N;rIO~7P~IN~T~O~F~I~L1H~O,


Im

- ... __.'
.
Página 62 de 113
a

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
FABIO FRIGERI o pressionou interpelando-o sobre a razlio pela

AR
qual ele não havia ligado para GIOVANI.

L
DE
Diante da insistência de FABIO, Leonardo Guimarães
Rodrigues efetuou ligação para o terminal telefônico constante

:34 AN
no bilhete, ao que foi atendido por GIOVANI BELATTO GUIZARDI,


que convidou Leonardo para um encontro na sede da sua empresa

:46 C
14 E S
(DíNAMO CONSTRUTORA) .


8 - IN
Assim, tendo Leonardo comparecido no local, no dia não
01 OL

precisado compreendido entre os meses de junho e julho dó ano de


2015 e hora marcada, GIOVANI BELATTO GUIZARDI se mostrou como O
0/2 AR

"Secretário de fato" ao dizer que, daquele momento em diante, os


9/1 - C

assuntos relacionados à execução dos contratos administrativos


de obras públicas com a SEDUC/MT, tais como aditivos, reajustes
: 1 30

e, principalmente, pagamentos, deveriam ser tratados com ele.


Em 579

Em continuidade, com o pleno conhecimento, aprovação e


18

ordem de PERMíNIO PINTO FILHO, GIOVANI GUIZARDI solicitou


propina a Leonardo Guimarães Rodrigues dizendo a ele que para a
51

solução de tais assuntos ele deveria pagar a GIOVANI o valor


06

percentual de 5% (cinco por cento) sobre as quantias monetárias


r:

recebidas, integralmente ou de forma parcelada, do Estado de


po

Mato Grosso relativos à execução de contratos administrativos de


obras públicas relacionados à SEDUC/MT.
sso

Segundo consta, Leonardo não concordou com o pagamento,


pre

ao que GIOVANI, atuando sob o comando de ~P~E~RM~í~N~I~O~~~~~~


Im

o advertiu de que as questões burocráticas dentr

Página 63 de
GAB/PGR1
Fls. OOI] 7 8 3 .
'. ,
L=--==---::·:::J

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO
oSG

RA
tornar-se-iam complicadas e que os pagamentos dos créditos a que

RI
a empresa ENGENHARIA ELÉTRICA E CIVIL LTDA. teria direfto pela

LA
execução de contratos administrativos de obras públicas junto à

DE
SEDUC/MT não seriam efetuados.

:34 AN
De acordo com o que se apurou, após a negativa de

• Leonardo de efetuar o pagamento da propina, os pagamentos devidos

:46 C
14 E S
pelo Estado de Mato Grosso à empresa JER ENGENHARIA ELÉTRICA E
CIVIL LTDA. em razão da execução de contratos administrativos de


8 - IN
obras públicas da SEDUC/MT começaram a atrasar, sendo que em uma
01 OL

das ocasiões a documentação ficou retida por WANDER LUIZ DOS


REIS por cerca de trinta dias sem qualquer providência.
0/2 AR
9/1 - C

A investigação revela que em outra oportunidade, em data


não precisada compreendida entre o final do primeiro semestre e
: 1 30

o inicio do segundo semestre do ano de 2015, houve novo encontro


Em 8579

entre Leonardo Guimarães Rodrigues e GIOVANI BELATTO GUIZARDI,


circunstância em que este demonstrou seu poder de fato dentro da

• SEDUc/MT ao apresentar àquele uma planilha em que constavam todos


11

os valores que a empresa JER ENGENHARIA ELÉTRICA E CIVIL LTDA.


65

havia recebido do Estado de Mato Grosso relativos a contratos

• administrativos de obras públicas atreladas à SEDUC/MT e, em


r: 0

seguida, com a plena ciência, aquiescência e comando de PERMíNIO


po

PINTO FILHO, solicitou que Leonardo pagasse a ele o valor


percentual de 5% (cinco por cento) sobre o valor total constante
so

na planilha.
s
pre

Revela a investigação que a atuação


Im

GUIZARDI foi propiciada e se deu

lIO-
a .-

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMíNIO

AR
PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer
de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVANI como

L
DE
operador do esquema ilícito em desenvolvimento dentro da
SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens indevidas em

:34 AN
razão dos cargos públicos ocupados por PERMíNIO, FÁBIO FRIGERI,


WANDER LUIZ DOS REIS e MOISES DIAS DA SILVA, sendo certo também

:46 C
14 E S
que ALAN MALOUF seria destinatário de farta fatia da propina
eventualmente recebida.


8 - IN
01 OL

Os autos apontam, ainda, que em atuação similar à de


ALAN MALOUF, GUILHERME ANTÔNIO MALUF além de ter garantido a
0/2 AR

colocação de WANDER LUIZ DOS REIS no cargo de Superintendente de


9/1 - C

Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da


Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas
: 1 30

atribuições, conforme já narrado, serviam à engrenagem de


Em 8579

solicitação e recebimento de propina, seria destinatário de


farta fatia da propina eventualmente recebida.


11

FATO 12: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteira


65

Clarice Maria da Rocha


r: 0

Consta nos autos do inquérito incluso que em tHa não


po

precisado no ano de 2015, no Município de Cuiabá, Estado de Mato


so

Grosso, PERMíNIO PINTO FILHO, à época ocupante do cargo de


s

Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso,


pre

FÁBIO FRIGERI, à época ocupante do cargo


Especial I, da Secretaria de Estado de~~~~~~
Im

o -

Página 6S de 13
GAB/PGRl
fls. 000784
"

1.=--===--=:1

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO c. t: 1"'1
üu(
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo em comi$são de

AR
Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura
Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio do particular GIOVANI

L
DE
BELATTO GUIZARDI, em razão dos cargos públicos que ocupavam,
previamente ajustados, voluntariamente e tendo o domínio

:34 AN
funcional do fato, com a concorrência de ALAN AYOUB MALOUF e de

• GUILHERME ANTÔNIO MALUF, solicitaram,

:46 C
14 E S
vantagem indevida de Clarice Maria da Rocha.
para si ou para ,outrem,


8 - IN
De acordo com investigação, no ano de 2015 a iempresa
I
01 OL

CONSTRUTORA ROCHA LTDA., da qual Clarice Maria da tocha é


proprietária, possuia contrato administrativo de obra pública
0/2 AR

L
(aqui entendida em sentido amplo) firmado com o Estado de Mato
9/1 - C

Grosso e atrelado à Secretaria de Estado de Educação, o Iqual se


encontrava em fase de execução.
: 1 30
Em 8579

Conforme já narrado alhures, à época do fato ERM1NIO


PINTO FILHO, ante o teor do ato n. 013/2015, publicado nJ Diário

• Oficial de Mato Grosso em 02/01/2015 {no 26447), ocupavalo cargo


11

de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer re Mato


65

Grosso, ao passo que FABIO FRIGERI, por força do ato n.o

• 130/2015, publicado no Diário Oficial de Mato GrJsso em


r: 0

12/01/2015, ocupava o cargo de Assessor Especial I, da SJDUC/MT,


I
po

prestando assessoria direta na Secretaria de Estado de Educação


desde 02 de janeiro de 2015 (vide anexo I, do Decreto n.
so

2.398/2014 e Decreto Estadual n. 233/2015), da mesma forma que


!
s

WANDER LUIZ DOS REIS, por força do ato n. 563/2015, publ~cado no


pre

Diário Oficial de Mato Grosso em 28/01/2015, ocupava


Im

comissão de Direção Geral e Assess


a

,-

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura

AR
Escolar, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC desde 28 de
janeiro de 2015.

L
DE
As provas colhidas no inquérito anexo informam que a

:34 AN
empresa CONSTRUTORA ROCHA LTDA. estava enfrentando dificuldade


no recebimento por parte do Estado de Mato Grosso dos valores a

:46 C
14 E S
que tinha direito em razão da execução de contrato administrativo
de obra pública atrelada à SEDUC/MT, razão por que Clarice Maria


8 - IN
da Rocha efetuou reiteradas cobranças junto àquela Secretaria .
01 OL

Neste diapasão, revela a investigação que, na


0/2 AR

movimentação da engrenagem de cobrança de propina movida,


9/1 - C

conforme narrado alhures, por FÁBIO FRIGERI, WANDER LUIZ DOS


REIS e GIOVANI BELATTO GUIZARDI, sob a direção de PERMíNtO PINTO
: 1 30

FILHO, em dia não precisado no ano de 2015, a empresária Clarice


Maria da Rocha, foi contatada por telefone por uma pessoa não
Em 8579

identificada em nome da Secretaria de Estado de Educação de Mato


Grosso a qual a convocou para uma reunião com FÁBIO FRIGERI na


11

sede da SEDUC/MT, chamamento que foi atendido por Clarice.


65

De acordo com os autos, Clarice se reuniu com FÁBIO


r: 0

FRIGERI na sede da SEDUC/MT, oportunidade em que este, com o


po

conhecimento e o aval de PERMíNIO PINTO FILHO, a orientou a


procurar pela pessoa de GIOVANI BELATTO GUIZARDI a fim de
so

resolver o problema relativo ao recebimento de valores que sua


s

empresa vinha enfrentando junto à Secretaria. Neste rumo,


pre

Clarice Maria da Rocha e GIOVANI ajusta~r~~~~


Im

da empresa deste (DíNAMO CONSTRUTO


GAB/PGRl
•• Fls, ooo7 8 5
~
l=---,==,=l

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça " "8
C0

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
Assim, tendo Clarice Maria da Rocha comparecido no local,

AR
no dia não precisado do ano de 2015 e hora marcada, GIOVANI
BELATTO GUIZARDI, com a plena ciência, aquiescência e comando de

L
DE
PERMíNIO PINTO FILHO, solicitou-lhe o pagamento de propina
dizendo que poderia resolver o problema que a empresa dela vinha

:34 AN
enfrentando na SEDUC/MT, relativo ao atraso nos pagamentos pelo

• Estado de Mato Grosso

:46 C
atinentes

14 E S
administrativo de obra pública, mas que para tanto ela deveria
efetuar o pagamento do valor percentual de 5% (cinco por cento)
à execução do contrato


8 - IN
sobre o valor do crédito que sua empresa possuída j unto ao
01 OL

Estado, pois, do contrário, os pagamentos ficariam estagnados na


Secretaria.
0/2 AR
9/1 - C

Consta nos autos que Clarice Maria da Rocha não efetuou


de pronto o pagamento da propina e que os pagamentos P9r parte
: 1 30

I
do Estado de Mato Grosso à sua empresa atrasaram por c:erca de
Em 8579

oitenta dias, período dentro do qual GIOVANI BELATTO GdIZARDI,


com o pleno conhecimento, aprovação e ordem de PERMíNr'O PINTO

• FILHO, através de mensagens de texto, por várias vezes tentou


11

entrar em contato com Clarice.


65

• Revela a investigação que a atuação de GIOVANI SELATTO


r: 0

GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALAN AYOUB


po

MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMíNIO


PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer
so

de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVANI como


s

operador do esquema ilícito em desenvolvimento dentro da


pre

SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens i


Im

razão dos cargos públicos ocupados po~r~~~~~~~F~~~~~~


Rua 04 SIno. EdlfiêfO Anexo 1- Pf'ôcuradoria
, , C,I;.P.!~1lID21 - Fonelfax 3613
------ --------------------------------------------------------------------

.... ,

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias --- NACO

RA
I
e WANDER LUIZ DOS REIS, sendo certo também que ALAN MALOUF seria

RI
destinatário de farta fatia da propina eventualmente recebida.

LA
DE
Os autos apontam, ainda, que em atuação similar à de
ALAN MALOUF, GUILHElIME AN'.rÔNIO MALUF além de ter garJntido a

:34 AN
colocação de WANDER LUIZ DOS REIS no cargo de Superintendente de
Acompanhamento

atribuições,
e

conforme
:46 C
Monitoramento

14 E S
da
Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas
já narrado,
Estrutura

serviam à
Escolar,

engrenagem
da

de


I
8 - IN
solici tação e recebimento de propina, seria destinatário de
01 OL

farta fatia da propina eventualmente recebida.


0/2 AR

FATO 13: CORRUPÇÃO PASSIVA --- Empreiteiro Eder


I
9/1 - C

Alberto Francisco Meciano


: 1 30

Consta nos autos do inquérito incluso que em data não


Em 8579

precisada compreendida, possivelmente, entre os meses de, janeiro


e agosto do ano de 2015, no Município de Cuiabá, Estadoi de Mato
11

Grosso, PERMíNIO PINTO FILHO, à época ocupante do cargo de •


Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso,
65


FÁBIO FRIGERI, à época ocupante do cargo em comissão de Assessor
r: 0

Especial I, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, le WANDER


po

LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo em comissão de


Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura
sso

Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio do particular GIOVANI


BELATTO GUIZARDI, em razão dos cargos públicos que ocupavam,
pre

previamente ajustados, voluntariamente e tendo o I domínio


funcional do fato, com a concorrênciai~d~~~~~~~~~~f
Im

ua
GAB/PGi< 'l
'. Fls,OU0786
l=--==---.=J
I

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
GUILHERME ANTÔNIO ~UF, solicitaram, para si ou para outrem,

RI
vantagem indevida de Eder Alberto Francisco Meciano.

LA
De acor~o com investigação,

DE
no ano de 2015 a lempresa
GEOTOP CONSTRUÇOES E TERRAPLANAGEM LTDA., da qual Eder 'Alberto

:34 AN
Francisco Meciano é proprietário, possuía contrato

• administrativo de obra pública (aqui entendida em sentido amplo)

:46 C
14 E S
firmado com o Estado de Mato Grosso e atrelado à Secretaria de
Estado de Educação, o qual se encontrava em fase de exectução.


8 - IN
01 OL

Conforme já narrado alhures, à época do fato PERM!NIO


PINTO FILHO, ante o teor do ato n. 013/2015, publicado no Diário
0/2 AR

Oficial de Mato Grosso em 02/01/2015 (n. 26447), ocupavaio cargo


Esporte e Lazer ~e Mato
9/1 - C

de Secretário de Estado de Educação,


Grosso, ao passo que FABIO FRIGERI, por força do ato n.o
: 1 30

130/2015, publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em


Em 8579

12/01/2015, ocupava o cargo de Assessor Especial I, da SEDUC/MT,


prestando assessoria direta na Secretaria de Estado de ~ducação

• desde 02 de janeiro de 2015 (vide anexo I, do Decreto n.


11

2.398/2014 e Decreto Estadual n. 233/2015), da mesma forma que


65

WANDER LUIZ DOS REIS, por força do ato n. 563/2015, publicado no

• Diário Oficial de Mato Grosso em 28/01/2015, ocupava o largo em


r: 0

comissão de Superintendente de Acompanhamento e Monitoraiento da


po

Estrutura Escolar, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC


desde 28 de janeiro de 2015.
so
s

Neste diapasão, revela a investigação q~e, na


pre

movimentação da engrenagem de cobrança de propina movida


Im

conforme narrado alhures, por FÁBIO F IGERI,

tia co ][0-
o·,

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
REIS e GIOVANI BELATTO GUIZARDI, sob o governo de PERMíNIO PINTO

AR
FILHO, em dia não precisado, possivelmente, entre os meses de
janeiro e agosto do ano de 2015, o empresário Eder Alberto

L
DE
Francisco Meciano se encontrava no prédio da SEDUC/MT, onde
recebeu das mãos de FABIO FRIGERI um bilhete contendo um número

:34 AN
de telefone e o nome de GIOVANI, sendo que FABIO, com o


conhecimento e o aval de PERMíNIO PINTO FILHO, pediu que Eder

:46 C
14 E S
ligasse para GIOVANI.


8 - IN
De acordo com a investigação, Eder não acatou de pronto
01 OL

o pedido, razão por que cerca de quinze dias depois, percebendo


que os pagamentos devidos a sua empresa por parte do Estado de
0/2 AR

Mato Grosso em decorrência da execução do contrato


9/1 - C

administrativo atrelado à SEDUC/MT começaram a atrasar, efetuou


ligação para o terminal telefônico constante no bilhete, ao que
: 1 30

foi atendido por GIOVANI BELATTO GUIZARDI, que convidou Eder


Meciano para um encontro na sede da sua empresa (DíNAMO
Em 8579

CONSTRUTORA) .


11

Assim, tendo Eder Meciano comparecido no local, no dia


65

não precisado entre janeiro e agosto do ano de 2015 e hora


marcada, GIOVANI BELATTO GUIZARDI, com a plena ciência,


r: 0

aquiescência e comando de PERMÍNIO PINTO FILHO, apresentou a ele


po

uma planilha contendo todas as informações a respeito do contrato


administrativo de obra pública da SEDUc/MT que a empresa GEOTOP
so

CONSTRUÇOES E TERRAPLANAGEM LTDA. mantinha com o Estado de Mato


s

Grosso, inclusive com os valores dos créditos da empresa junto


pre

ao Estado, e solicitou-lhe o pagamento de


Im

percentual de 5% (cinco por cento)


GA 1PGRl
Fls.ÚOll787 .
1=---====--0::,0

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça oGO
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
que Eder viesse a receber, para fins de agilizar a efetivação

RI
dos pagamentos pelo Estado.

LA
DE
Revela a investigação que a atuação de GIOVANI BELATTO
GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALAN AYOUB

:34 AN
MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMíNIO

• :46 C
PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer

14 E S
de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVANI como
operador do esquema ilicito em desenvolvimento dentro da


8 - IN
SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens indevidas em
01 OL

razão dos cargos públicos ocupados por PERMíNIO, FÁBIO FRIGERI


e WANDER LUIZ DOS REIS, sendo certo também que ALAN MALOUF seria
0/2 AR

destinatário de farta fatia da propina eventualmente recebida.


9/1 - C

Os autos apontam, ainda, que em atuação similar à de


: 1 30

ALAN MALOUF, GUILBElUa: ANTôNIO. MALUF além de ter garantido a


Em 8579

colocação de WANDER LUIZ DOS REIS no cargo de Superintendente de


Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da

• Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas


11

atribuições, conforme já narrado, serviam à engrenagem de


65

solici tação e recebimento de propina, seria destinatário de

• farta fatia da propina eventualmente recebida .


r: 0
po

FATO 14: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiro José


sso

Eduardo Nascimento da Silva


pre

Consta nos autos do inquérito que no meado do ano de


2015, antes, porém, de 17 de novembr~o:::j~~~~~
Im

ua UI.
(,l<~
.~
W;/_: , •

.
~~

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
de Cuiabá, Estado de Mato Grosso, PERMíNIO PINTO FILHO, à época

AR
ocupante do cargo de Secretário de Estado de Educação, Esporte
e Lazer de Mato Grosso, FÁBIO FRIGERI, à época ocupante do cargo

L
DE
em comissão de Assessor Especial I, da Secretaria de Estado de
Educação - SEDUC, e WANDER LUIZ DOS REIS, à época ocupante do

:34 AN
cargo em comissão de Superintendente de Acompanhamento e

particular GIOVANI

:46 C
Monitoramento da Estrutura Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio
do
14 E S
BELATTO GUIZARDI,
públicos que ocupavam, previamente ajustados, voluntariamente e
em razão dos cargos


8 - IN
tendo o dominio funcional do fato, com a concorrência de ALAN
01 OL

AYOUB MALOUF e de GUILHERME ANTÔNIO MALUF, solicitaram, para si


ou para outrem, vantagem indevida de José Eduardo Nascimento da
0/2 AR

Silva.
9/1 - C

De acordo com investigação, no ano de 2015 a empresa


: 1 30

ÁPICE CONSTRUTORA, INCORPORADORA E IMOBILIÁRIA EIRELI,. da qual


Em 8579

José Eduardo Nascimento da Silva é proprietário, possuía


contrato administrativo de obra pública (aqui entendida em
sentido amplo) firmado com o Estado de Mato Grosso e atrelado à


11

Secretaria de Estado de Educação, o qual se encontrava em fase


65

de execução e cujos pagamentos estavam suspensos, razão pela


qual José Eduardo foi até a SEDUC/MT por várias vezes para cobrar


r: 0

os pagamentos, tratando do assunto com WANDER LUIZ DOS REIS.


po

Conforme já narrado alhures, à época do fato PERMíNIO


so

PINTO FILHO, ante o teor do ato n. 013/2015, publicado no Diário


s

Oficial de Mato Grosso em 02/01/2015 (n. 26447), ocupava o cargo


pre

de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de


Im

Grosso, ao passo que FABIO FRIGERI,


GAB/PGRl
fls. 00/1788,

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça êGl
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
130/2015, publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em

RI
12/01/2015, ocupava o cargo de Assessor Especial I, da SEDUC/MT,

LA
prestando assessoria direta na Secretaria de Estado de Educação

DE
desde 02 de janeiro de 2015 (vide anexo I, do Decreto n.
2.398/2014 e Decreto Estadual n. 233/2015), da mesma forma que

:34 AN
WANDER LUIZ DOS REIS, por força do ato n. 563/2015, publicado no

• :46 C
Diário Oficial de Mato Grosso em 28/01/2015, ocupava o cargo em

14 E S
comissão de Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da
Estrutura Escolar, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC


8 - IN
desde 28 de janeiro de 2015 .
01 OL

Neste diapasão, revela a investigação que, na


0/2 AR

movimentação da engrenagem de cobrança de propina movida,


9/1 - C

conforme narrado alhures, por FÁBIO FRIGERI, WANDER LUIZ DOS


REIS e GIOVANI BELATTO GUIZARDI, sob a administração de PERMíNIO
: 1 30

PINTO FILHO, em dia não precisado, no meado do ano de 2015,


Em 8579

antes, porém, de 17 de novembro do mesmo ano, numa das tentativas


de cobrança acima relatadas, em reunião com WANDER LUIZ DOS REIS,

• este, com o conhecimento e o aval de PERMíNIO PINTO FILHO, disse


11

que os pagamentos estariam sendo providenciados, mas que José


65

Eduardo deveria procurar a pessoa de GIOVANI BELATTO GUIZARDI,

• fornecendo-lhe o número do telefone de GIOVANI .


r: 0
po

De acordo com a investigação, José Eduardo entrou em


contato com GIOVANI GUIZARDI pelo número telefônico fornecido
sso

por WANDER, de modo que restou acertada uma reunião com GIOVANI
na sede da empresa dele (DíNAMO CONSTRUTORA) .
pre
Im

0_ -
Página 74 de 113
.-

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
Assim, tendo José Eduardo comparecido no local, no dia

AR
e hora marcada, GIOVANI BELATTO GUIZARDI, agindo COI!I! a plena
ciência, aquiescência e comando de PERMíNIO PINTO FILHO, afirmou

L
DE
que poderia ajudar no recebimento dos créditos que a empresa
ÁPICE CONSTRUTORA, INCORPORADORA E IMOBILIÁRIA EIRELI, tinha

:34 AN
junto ao Estado relativos à execução de contratos

:46 C
administrativos de obras públicas da SEDUC/MT, mas que precisava

14 E S
fazer um levantamento da situação da empresa junto à aludida
Secretaria.


8 - IN
01 OL

Conforme consta nos autos, cerca de um mês após o


encontro com GIOVANI GUIZARDI, José Eduardo voltou à ,SEDUC/MT
0/2 AR

para tratar de questões relativas ao recebimento dos créditos


9/1 - C

pela sua empresa, oportunidade em que mais uma vez se ncontrou


com WANDER LUIZ DOS REIS, que, sob a direção de PERMí 10 PINTO
: 1 30

FILHO, lhe determinou que ligasse para GIOVANI GUrzJRDI pois


Em 579

este queria falar com ele, determinação acatada por JOSélEduardo,


de modo que um novo encontro com GIOVANI na sede da empresa


18

DíNAMO foi marcado.


51

Neste sentido, tendo José Eduardo comparecido no local,


06

no dia não precisado compreendido no meado do ano de 2015, antes,


r:

porém, de 17 de novembro do mesmo ano, na hora marcada, GIOVANI


po

BELATTO GUIZARDI afirmou-lhe que a situação da empresa dele junto


à SEDUC/MT estava regular e que ela teria direito a receber um
sso

reajuste.
pre

Em seguida GIOVANI GUIZARDI, com o pleno conhecime

:P:E:RM:í:N:I:O~:P:I:N:T:O~;;~i~~;~~s~~~
Im

aprovação e ordem de

Página 75 de 113
·. GAB/PGRl
Fls. U00789
__ .=1

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
dizendo que, para o recebimento do reajuste, José Eduardo deveria

RI
dar entrada no procedimento administrativo junto a SEDUC/MT e

LA
que GIOVANI agilizaria o andamento do procedimento dentro da

DE
Secretaria, bem como o pagamento à empresa de José Eduardo, desde
que este lhe pagasse o valor percentual de 40% (quarenta por

:34 AN
cento) sobre a quantia monetária que fosse recebida .

• :46 C
14 E S
Revela a investigação que a atuação de GIOVANI BELATTO
GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALAN AYOUB


8 - IN
MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMíNIO
01 OL

PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer


de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVf'NI como
0/2 AR

operador do esquema ilicito em desenvolvimento djntro da


9/1 - C

SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens ind vidas em


razão dos cargos públicos ocupados por PERMíNIO, FÁBIO FRIGERI
: 1 30

e WANDER LUIZ DOS REIS, sendo certo também que ALAN MALbuF seria
destinatário de farta fatia da propina eventualmente rJcebida.
Em 8579

• Os autos apontam, ainda, que em atuação similar à de


11

ALAN MALOUF, GUILHERME ANTÔNIO MALUF além de ter garantido a


65

colocação de WANDER LUIZ DOS REIS no cargo de Superintendente de

• Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da


r: 0

Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas


po

atribuições, conforme já narrado, serviam à engrenagem de


solicitação e recebimento de propina, seria destinatário de
sso

farta fatia da propina eventualmente recebida.


pre
Im

ua co X rB~.
CEP 7804g.921_FoneI~_ _ .. _ ...
Pâ'
.-

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
FATO 15: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiro Sylvio

AR
Piva - Tentativa

L
DE
Consta nos autos do inquérito anexo que em data não

:34 AN
precisada, no início do segundo semestre do ano de 2015, antes,
porém, de 17 de novembro do mesmo ano, no Município de Cuiabá,

:46 C
Estado de Mato Grosso, PERMíNIO PINTO FILHO, à época ocupante do 4It
14 E S
cargo de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de


8 - IN
Mato Grosso, FÁBIO FRIGERI, à época ocupante do cargo em comissão
de Assessor Especial I, da Secretaria de Estado de Educação ~
01 OL

SEDUC, e WANDER LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo em


0/2 AR

comissão de Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da


Estrutura Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio do particular
9/1 - C

GIOVANI BELATTO GUIZARDI, em razão dos cargos públicos que


: 1 30

ocupavam, previamente ajustados, voluntariamente e tendo o


domínio funcional do fato, com a concorrência de ALAN AYOUB
Em 579

MALOUF e de GUILHERME ANTÔNIO MALUF , tentaram solicitar, para


si ou para outrem, vantagem indevida de Sylvio Piva, não
18

consumando o crime em razão de circunstâncias alheias às suas 4It


51

vontades.
06

De acordo com investigação, no ano de 2015 a empresa sAo •


r:
po

BENEDITO CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA. EPP., da qual Sylvio Piva é


procurador, possuía contrato administrativo de obra pública
sso

(aqui entendida em sentido amplo) firmado com o Estado de Mato


Grosso e atrelado à Secretaria de Estado de Educação, o qual se
pre

encontrava em fase de execução, razão pela qual Sylvio Piva


Im

U8 xo - us ça,

Página 77 de 113
GAB/PGR-l
Fls. 000790

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça .' 3
at"
~

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
costumeiramente ia até a SEDUC/MT para tratar de assuntos

AR
relacionados aos contratos.

L
DE
Conforme já narrado alhures, à época do fato PERMÍNIO
PINTO FILHO, ante o teor do ato n. 013/2015, publicado no Diário

:34 AN
Oficial de Mato Grosso em 02/01/2015 (n. 26447), ocupava o cargo

• :46 C
de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato

14 E S
Grosso, ao passo que FABIO FRIGERI, por força do ato n.o
130/2015, publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em


8 - IN
12/01/2015, ocupava o cargo de Assessor Especial I, da SEDUC/MT,
01 OL

prestando assessoria direta na Secretaria de Estado de Educação


desde 02 de janeiro de 2015 (vide anexo I, do Decreto n.
0/2 AR

2.398/2014 e Decreto Estadual n. 233/2015), da mesma forma que


9/1 - C

WANDER LUIZ DOS REIS, por força do ato n. 563/2015, publicado no


Diário Oficial de Mato Grosso em 28/01/2015, ocupava o cargo em
: 1 30

comissão de Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da


Em 579

Estrutura Escolar, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC


desde 28 de janeiro de 2015 .


18

Neste diapasão, revela a investigação que, na


51

movimentação da engrenagem de cobrança de propina I movida,


06

• conforme narrado alhures, por FÁBIO FRIGERI, WANDER \LUIZ DOS


r:

REIS e GIOVANI BELATTO GUIZARDI, sob a coordenação de PERMÍNIO


po

PINTO FILHO, em dia não precisado, no inicio do segundo semestre


do ano de 2015, antes, porém, de 17 de novembro do m smo ano,
sso

tendo comparecido à SEDUC/MT, em conversa com FÁBIO FRIGERI,


Sylvio Piva recebeu das mãos deste um bilhete contendo m número
pre

de telefone e o nome de ~Gc!:I!::O~V!:lA~N~Ic...!B~E~~~:=:!:~I~Z~A~R~D':!.I!:.,


Im

ua 10.0- U 8 usça, a
CEP78049.921-Fon~/
·.

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
FÁBIO, com a plena ciência, aquiescência e comando de PERMíNIO

AR
PINTO FILHO, determinou que Sylvio ligasse para GIOVANI.

L
DE
Todavia, Sylvio Piva não acatou a orientação e não
efetuou o contato telefônico.

:34 AN
:46 C
Diante da inércia inusitada de Sylvio Piva, dias depois

14 E S
da conversa entre este e FÁBIO FRIGERI, GIOVANI BELATTO GUIZARDI,
com o pleno conhecimento, aprovação e ordem de PERMíNIO PINTO •

8 - IN
FILHO, entrou em contato com Sylvio por telefone e o convocou
01 OL

para comparecer em seu escritório, a fim de consumar a


solicitação da propina, conforme sistematicamente vinha fazendo
0/2 AR

com os demais empresários da construção civil que tinham


9/1 - C

contratos administrativos com o Estado de Mato Grosso relativos


a obras públicas da Secretaria de Estado de Educação.
: 1 30
Em 579

Entretanto, Sylvio Piva não compareceu ao encontro


marcado, frustrando, assim, por circunstâncias alheias às


18

vontades de FABIO FRIGERI, WANDER LUIZ DOS REIS e GIOVANI BELATTO


GUIZARDI, a consumação da solicitação da propina.
51
06

Revela a investigação que a atuação de GIOVANI BELATTO


r:

GUrZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALAN AYOUB


po

MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMíNIO


PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer
sso

de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVANI como


operador do esquema ilícito em desenvolvimento dentro da
pre

SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens indevidas em


Im

razão dos cargos públicos ocupados

o nexo -
GAB/PGR.
FI·000791
"

l=!--..,==-..-' ='

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO ob4

UP
Procuradoria Geral de Justiça I
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACb

RA
I
e WANDER LUIZ DOS REIS, sendo certo também que ALAN MALOUF seria

RI
destinatário de farta fatia da propina eventualmente recebida.

LA
DE
Os autos apontam, ainda, que em atuação similar à de
ALAN MALOUF, GUILHERME ANTÔNIO MALUF além de ter garantido a

:34 AN
colocação de WANDER LUIZ DOS REIS no cargo de Superintendente de


Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da

:46 C
14 E S
Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas
atribuições, conforme já narrado, serviam à engrenagem de


8 - IN
solicitação e recebimento de propina, seria destinatário de
01 OL

farta fatia da propina eventualmente recebida.


0/2 AR

FATO 16: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiro Mário


9/1 - C

Lourenço Salem
: 1 30

Consta nos autos do inquérito anexo que em ,data não


Em 8579

precisada do mês de junho do ano de 2015, no Município de Cuiabá,


Estado de Mato Grosso, PERMíNIO PINTO FILHO, à época ocvpante do
11

cargo de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de


Mato Grosso, FÁBIO FRIGERI, à época ocupante do cargo em comissão
65


de Assessor Especial I, da Secretaria de Estado de Educação -
r: 0

SEDUC, e WANDER LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo em


comissão de Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da
po

Estrutura Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio do particular


sso

GIOVANI BELATTO GUIZARDI e com o auxilio do também particular


LUIS FERNANDO DA COSTA RONDON, em razão dos cargos públicos que
pre

ocupavam, previamente ajustados, voluntariamente e tendo o


domínio funcional do fato, com a ,.f;:~~~~~~ de
Im

u
,-

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
MALOUF e GUILHERME AN'.rÔNIO MALUF, indiretamente solicitaram,

AR
para si ou para outrem, vantagem indevida de Mário Lourenço
Salem.

L
DE
De acordo com investigação, no ano de 2015 a empresa

:34 AN
SANEPAVI - SANEAMENTO E PAVIMENTACAO EIRELI - EPP, de propriedade

:46 C
de Mário Lourenço Salem e da qual José Henrique Marinon Stepahn

14 E S
era funcionário, possuía contrato administrativo de obra pqblica
(aqui entendida em sentido amplo) firmado com o Estado de Mato •

8 - IN
Grosso e atrelado à Secretaria de Estado de Educação, o qual se
01 OL

encontrava em fase de execução. ,;


I
I
0/2 AR

Conforme j á narrado alhures, à época do fato I PERMíNIO


9/1 - C

PINTO FILHO, ante o teor do ato n. 013/2015, publicado no Diário


Oficial de Mato Grosso em 02/01/2015 (n. 26447), ocupav l o cargo
: 1 30

de Secretário de Estado de Educação, Esporte e LazerÍ de Mato


Em 8579

Grosso, ao passo que FABIO FRIGERI, por força do' ato n.o
130/2015, publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em
12/01/2015, ocupava o cargo de Assessor Especial l, da SEDUC/MT,


11

prestando assessoria direta na Secretaria de Estado de Educação


65

desde 02 de janeiro de 2015 (vide anexo l, do Decreto n.


2.398/2014 e Decreto Estadual n. 233/2015), da mesma forma que


r: 0

WANDER LUIZ DOS REIS, por força do ato n. 563/2015, publicado no


po

Diário Oficial de Mato Grosso em 28/01/2015, ocupava o cargo em


comissão de Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da
so

Estrutura Escolar, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC


s

desde 28 de janeiro de 2015.


pre
Im

\lO n, ..
\
Páginà"il de
GAB~PGR ..
UII O: 79 2
~'J.!
..-:;]Q. Fls.

ff --:,"
n.~~:"::':.~
'~.~'

P
M1NIST~RI0 PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça êS5
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
Neste diapasão, revela a investigação que, na

RI
movimentação da engrenagem de cobrança de propina movida,

LA
conforme narrado alhures, por FABIO FRIGERI, WANDER LUIZ DOS

DE
REIS e GIOVANI BELATTO GUIZARDI, sob a capitania de PERMÍNIO
PINTO FILHO, em dia não precisado no mês de junho do ano de 2015,

:34 AN
LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON, agindo como longa manus de FABIO

• :46 C
FRIGERI e de WANDER LUIZ DOS REIS, ligou para Mário Lourenço

14 E S
Salem convocando-o a comparecer na empresa DÍNAMO, de GIOVANI
BELATTO GUIZARDI, para reunir-se com este, tudo. com o


8 - IN
conhecimento e o aval de PERMÍNIO PINTO FILHO .
01 OL

Segundo consta, na data aprazada, dia não precisado do


0/2 AR

mês de junho do ano de 2015, em nome de Mário Lourenço Salem,


9/1 - C

José Henrique Marinon Stepahn compareceu na sede da empresa


DÍNAMO onde se reuniu com GIOVANI BELATTO GUIZARDI. e LUIZ
: 1 30

FERNANDO DA COSTA RONDON. Na ocasião, com a plena ciência,


Em 8579

aquiescência e comando de PERMíNIO PINTO FILHO, GIOVANI BELATTO


GUIZARDI mostrou a José Henrique uma lista contendo informações

• a respeito do contrato administrativo de obra pública da SEDUC/MT


11

que a empresa SANEPAVI - SANEAMENTO E PAVIMENTACAO EIRELI - EPP


65

mantinha com o Estado de Mato Grosso, especificamente os valores

• dos créditos da empresa junto ao Estado, e solicitou o pagamento


r: 0

de propina dizendo que o patrão de José Henrique, senhor Mário


po

Henrique Salem, deveria pagar o valor percentual de 5% (cinco


por cento) sobre as quantias monetárias correspondentes a cada
sso

medição que a empresa SANEPAVI - SANEAMENTO E PAVIMENTACAO EIRELI


- EPP viesse a receber.
pre
Im

r---~~~~~~~~~u:a:p~á~L.~~·2~·~~
I
I
PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
Revela a investigação que a atuação de GIOVANI BELATTO

AR
GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de A4AN AYOUB
MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMÍNIO

L
DE
PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer
de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIO~ANI como

:34 AN
operador do esquema ilícito em desenvolvimento d~ntro da
ind~vidas

:46 C
SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens em
i 4It
14 E S
razão dos cargos públicos ocupados por PERMÍNIO, FÁBIO FRIGERI,
WANDER LUIZ DOS REIS e MOISES DIAS DA SILVA, sendo certo também


8 - IN
que ALAN MALOUF seria destinatário de farta fatia da propina
01 OL

eventualmente recebida.
0/2 AR

Os autos apontam, ainda, que em atuação similar à de


9/1 - C

ALAN MALOUF, GUILBEBMB ANTÔNIO MALUF além de ter garantido a


colocação de WANDER LUIZ DOS REIS no cargo de Superintendente de
: 1 30

Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da


Em 8579

Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SED~C, cujas


atribuições, conforme já narrado, serviam à engrenagem de
solicitação e recebimento de propina, seria destinatário de
4It
11

farta fatia da propina eventualmente recebida.


65


r: 0

FATO 17: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiro


Leonardo Bote~ho Leite
po
so

Consta nos autos do inquérito anexo que em data não


s

precisada compreendida entre os meses de junho e julho do ano de


pre

2015, no Município de Cuiabá, Estado de Mato


PINTO FILHO, à época ocupante do cargo
Im

ura
GAB/PGRl
. v FIS}00793
~ i ~

D~";,~~TADO

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DE MATO GROSbO - - =l

UP
Procuradoria Geral de Justiça I
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACb

RA
de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso, FÁBIO FlIGERI, à

RI
época ocupante do cargo em comissão de Assessor Especial I, da

LA
Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, e WANDER LUIZ POS REIS,

DE
à época ocupante do cargo em comissão de Superintendente de
Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da

:34 AN
SEDUC/MT, por intermédio do particular GIOVANI BELATTO GUIZARDI,

• em razão dos cargos

:46 C
14 E S
públicos
ajustados, voluntariamente e tendo o dominio funcional do fato,
com a concorrência de ALAN AYOUB MALOUF e de GUILHERME ANTÔNIO
que ocupavam, previamente


8 - IN
~OF, solicitaram, para si ou para outrem, vantagem indevida de
01 OL

Leonardo Botelho Leite.


0/2 AR

De acordo com a investigação, no ano de 2015 a empresa


9/1 - C

INSAAT CONSTRUTORA LTDA., da qual Leonardo Botelho Lei te é


proprietário, possuía contrato administrativo de obra pública
: 1 30

(aqui entendida em sentido amplo) firmado com o Estado de Mato


Em 8579

Grosso e atrelado à Secretaria de Estado de Educação, o qual se


encontrava em fase de execução .


11

Conforme já narrado alhures, à época do fato PERMíNIO


65

PINTO FILHO, ante o teor do ato n. 013/2015, publicado o Diário

• Oficial de Mato Grosso em 02/01/2015 (n. 26447), ocupava cargo


r: 0

de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato


po

Grosso, ao pa s s o qu e .:.F:.;A:::B",I",O,--;:.F:.;R",I..::G:::E:!.R:.::.I , por força do lato n.o


130/2015, publicado no Diário Oficial de Mato Gnosso em
sso

12/01/2015, ocupava o cargo de Assessor Especial I, da SEDUC/MT,


prestando assessoria direta na Secretaria de Estado de Educação
pre

desde 02 de janeiro de 2015 (vide anexo I, do Decreto


Im

2.398/2014 e Decreto Estadual n. 23

[--
PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
WANDER LUIZ DOS REIS, por força do ato n. 563/2015, pubRicado no

AR
Diário Oficial de Mato Grosso em 28/01/2015, ocupava o cargo em
comissão de Direção Geral e Assessoramento, de Superintendente

L
DE
de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da
Secretaria de Estado de Educação - SEDUC desde 28 de janeiro de

:34 AN
2015.

Neste
movimentação
diapasão,
da engrenagem
:46 C
14 E S
revela
de
a
cobrança
investigação
de
I ue,
proPina! movida,
na


I
8 - IN
conforme narrado alhures, por FÁBIO FRIGERI, WANDER :LUIZ DOS
01 OL

REIS e GIOVANI BELATTO GUIZARDI, sob o controle de PERMÍNIO PINTO


FILHO, em data não precisada compreendida entre os meses de junho
0/2 AR

e julho do ano de 2015, o construtor Leonardo Botelho Leite se


9/1 - C

encontrava no prédio da SEDUC/MT, onde recebeu das mãos de FÁBIO


FRIGERI um bilhete contendo um número de telefone e q nome de
: 1 30

GIOVANI, sendo que FÁBIO pediu que Leonardo ligasse para GIOVANI,
Em 8579

tudo com O conhecimento e o aval de PERMíNIO PINTO FILHO.

Segundo consta, Leonardo Botelho Leite efetuou ligação


11

para o terminal telefônico constante no bilhete, ao que foi


65

atendido por GIOVANI BELATTO GOIZARDI, que convidou Leonardo


para um encontro na sede da sua empresa (DÍNAMO CONSTROTORA) .


r: 0
po

Assim, tendo Leonardo comparecido no local, nJ dia não


precisado compreendido entre os meses de junho e julho ~o ano de
so

2015, na hora marcada, GIOVANI BELATTO GUIZARDI se mostrou como


s

o "Secretário de fato" ao dizer que, daquele momento em diante,


pre

os assuntos relacionados à execução dos contratos


Im

actrninistrati vos de obras públicas co


GAB/PGRl
·, Fls. 001)794
I
l=--"=--._=J

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça óGG
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
aditivos, reajustes e, principalmente, pagamentos, deveriam ser

RI
tratados com ele.

LA
DE
Em continuidade, com a plena ciência, aquiescência e
comando de PERMíNIO PINTO FILHO, GIOVANI GUIZARDI solicitou

:34 AN
propina a Leonardo Botelho Leite dizendo a ele que para a solução

• :46 C
de tais assuntos ele deveria pagar a GIOVANI o valor percentual

14 E S
de 5% (cinco por cento) sobre as quantias monetárias recebidas
do Estado de Mato Grosso relativos à execução de contratos


8 - IN
administrativos de obras públicas relacionados à SEDUC/MT.
01 OL

Segundo consta, Leonardo não concordou de pronto com o


0/2 AR

pagamento, ao que GIOVANI o advertiu de que as questões


9/1 - C

burocráticas dentro da SEDUC/MT tornar-se-iam complicadas e que


os pagamentos dos créditos a que a empresa INSAAT CONSTRUTORA
: 1 30

LTDA. teria direito pela execução de contratos administrativos


Em 8579

de obras públicas junto à SEDUC/MT não seriam efetuados.

• De acordo com o que se apurou, após a negativa de


11

Leonardo de efetuar o pagamento da propina, os pagamentos devidos


65

pelo Estado de Mato Grosso à empresa INSAAT CONSTRUTORA LTDA. em

• razão da execução de contratos administrativos de obras públicas


r: 0

da SEDUC/MT começaram a atrasar.


po

Revela a investigação que a atuação de GIOVANI BELATTO


sso

GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALAN AYOUB


MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMíNIO
pre

PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer


Im

de Mato Grosso à época do fato, de

10 ex -
..

..

P
MINISTÉRIO PÚBLICO ,!ADO DE MATO GRoi

UP
•• Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
operador do esquema ilicito em desenvolvimento dentro da

RI
SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens indevidas em

LA
razão dos cargos públicos ocupados por PERMíNIO, FABIO FRIGERI

DE
e WANDER LUIZ DOS REIS, sendo certo também que ALAN MALOUF seria
destinatário de farta fatia da propina eventualmente recebida.

:34 AN
Os autos apontam,
ALAN MALOUF,

:46 C
14 E S
ainda,
GUILSEma!: ANTÔNIO HALO!' além de
que em atuação Simiiar à de

colocação de WANDER LUIZ DOS REIS no cargo de Superinte dente de


ter ga antido a


8 - IN
Acompanhamento e Moni toramento da Estrutura Escolar, da
01 OL

Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas


atribuições, conforme já narrado, serviam à engrenagem de
0/2 AR

solicitação e recebimento de propina, seria destina;tário de


9/1 - C

farta fatia da propina eventualmente recebida.


: 1 30

FATO 18: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiros Luiz


Em 8579

Fernando da Costa Rondon e Esper Haddad Neto ~ três

fa:~~,~:~, :":::: =~: ::::, '::J:~r,odO •


11
65

compreendido entre o final do primeiro semestre e O mês de


r: 0

dezembro do ano de 2015, no Municipio de Cuiabá, Estado de Mato •


Grosso, PERMíNIO PINTO FILHO, à época ocupante do cargo de
po

Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso,


sso

FÁBIO FRIGERI, à época ocupante do cargo em comissào de Assessor


Especial 1, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, WANDER
pre

LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo em comissão de


Superintendente de Acompanhamento e
Im

co )Co - roeu ra Justk;a. Cu ;'


_ _--'C'SE!:.P!.!7Q04~_~~~_"F~ - I.

PÁgma!87 dêi13
·. GjB/PGR
Fls. O,,OO7 9 5
·i

P
MINIST~RIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça 8G7
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
Escolar, da SEDUC/MT, e MOISÉS DIAS DA SILVA, à época ocupante

RI
do cargo em comissão de Superintendente de Acompanhamento e

LA
Monitoramento da Estrutura Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio

DE
do particular GIOVANI BELATTO GUIZARDI, em razão dos cargos
públicos que ocupavam, previamente ajustados, voluntariamente e

:34 AN
tendo o dominio funcional do fato, com a concorrência de ALAN


AYOUB MALOUF e de GUILHERME ANTÔNIO ~OF, solicitaram de Esper

:46 C
14 E S
Haddad Neto e de Luiz Fernando da Costa Rondon, bem como,
posteriormente, receberam deste último, para si ou para outrem,


8 - IN
vantagem indevida.
01 OL

Conforme já narrado alhures, à época do fato, PERMíNIO


0/2 AR

PINTO FILHO, ante o teor do ato n. 013/2015, publicado no Diário


9/1 - C

Oficial de Mato Grosso em 02/01/2015 (n. 26447), ocupava o cargo


de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato
: 1 30

Grosso, ao passo que FABIO FRIGERI, por força do ato n. o


Em 8579

130/2015, publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em


12/01/2015, ocupava O cargo de Assessor Especial I, Nível DGA-


2, da SEDUC/MT, prestando assessoria direta na Secretaria de
11

Estado de Educação desde 02 de janeiro de 2015 (vide anexo I, do


65

Decreto n. 2.398/2014 e Decreto Estadual n. 233/2015), da mesma


forma que WANDER LUIZ DOS REIS, por força dos atos n. 563/2015
r: 0

e 7.691/2015, publícado no Diário Oficial de Mato Grosso,


po

respectivamente, em 28/01/2015 e 13/11/2015, ocupou o cargo em


comissão de Direção Geral e Assessoramento, Nivel DGA-4, de
so

Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura


s

Escolar, da Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer -


pre

SEDUC desde 28 de janeiro de 20Lá~~~~rcte-~vembro


,.
Im

ano.

uaal.onexo- ,u
CEP78049.921-F~~
'. 7Ç? Págma 88 d/il3
\
·.

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROS~O

UP
Procuradoria Geral de Justiça I
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
Conforme alhures exposto, por força dos atos n.

RI
7.778/2015, publicado em 17/11/2015 no Diário Oficia~ de Mato

LA
Grosso, e 9.186/2016, publicado no Diário Oficial de Mato Grosso

DE
em 02/03/2016, MOISÉS DIAS DA SILVA ocupou o cargo em comissão
"" . Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura

:34 AN
Escolar, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC nb período
de 17 de novembro de 2015 a 02 de março de 2016.

:46 C
14 E S
Foi também descrito que MOISÉS passou a ocupat o cargo


8 - IN
em substituição a WANDER LUIZ DOS REIS depois das reclamaç6es
01 OL

feitas pelo núcleo de empresários da organização criminosa


relatada nesta denúncia.
0/2 AR
9/1 - C

Neste contexto, sob o comando e coordenação de PERMÍNIO


PINTO FILHO, MOISÉS DIAS DA SILVA recebeu a incumbência de dar
: 1 30

continuidade à atividade espúria de WANDER em sintonia fom FÁBIO


Em 8579

FRIGERI, consistente na garantia de vantagens aos empreiteiros


relati vas a obras públicas da SEDUC/MT e, principalmente, de
cobrança de propina em detrimento dos empresários como


11

contraprestação. I
65

Segundo consta, a manobra não afastou WANDER LUIZ DOS


r: 0

REIS das atividades ilícitas, mas consistiu em mero rearranjo


I
po

feito pelo núcleo de agentes públicos sob a direção de PERMÍNIO


PINTO FILHO para satisfazer as reclamaç6es dos empresários. Isto
sso

porque após ter sido substituído por MOISÉS DIAS DA SILVA no


cargo de Superintendente de Acompanhamento e Moni torlmento da
pre

Estrutura Escolar, WANDER LUIZ DOS REIS - ocupante


Im

provimento efetivo de Professor da EducaeãofBãSl~ n

ua n• xo - roeu oria ça. u


CEP !604s.921 - FOO!!!f!x~
·,
•• a~
~

GAB/PGR
Fls. UOU796
l
~

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NAC~ 868
I

IR
de Estado de Educação de Mato Grosso, conforme DecretolEstadual

AR
n. 1.150, de 07 de fevereiro de 2000, publicado em 07/0±/2000 no
Diário Oficial do Estado de Mato Grosso -, pelas ~ortarias

L
DE
SEDUC/00059/2016 (Diário Oficial n. o 26715, fls. 46 e 52) e 0,-

SEDUC/00066/2016 (Diário Oficial n. o 26716, fls. 67/68 )

:34 AN
publicadas em 11/02/2016 e 12/02/2016, respectivamente, foi

• :46 C
lotado na Superintendência de Acompanhamento e MonitorJmento da

14 E S
Estrutura Escolar da SEDUC/MT, sendo então mantido no circulo de
atuação.


8 - IN
01 OL

EKtrai-se dos autos que no ano de 2015 a emp~esa LUMA


CONSTRUTORA, de propriedade de Luiz Fernando da costal Rondon,
0/2 AR

possuía contrato administrativo de obra pública (aqui entendida


9/1 - C

em sentido amplo) firmado com o Estado de Mato Grosso e atrelado


à Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer o qual se
: 1 30

encontrava em fase de eKecução.


Em 8579

Revelam os autos que no final do primeiro semestre do

• ano de 2015, Luiz Fernando da Costa Rondon se encontrava na sede


11

da SEDUC/MT, onde foi abordado por FÁBIO FRIGERI, que, com a


65

plena ciência, aquiescência e sob o comando de fERMÍNIO PINTO


r: 0

FILHO, anotou o nome de GIOVANI e um númerO de telefone num


pedaço de papel e o entregou a Luiz Fernando pedindo que este
po

ligasse para GIOVANI BELATTO GUIZARDI.


so

Segundo consta nos autos, após tentativa fracassada de


s
pre

estabelecer contato telefônico, Luiz Fernando foi contatado por


GIOVANI BELATTO GUIZARDI, que o convidou
Im

sede da sua empresa (DíNAMO CONSTRU~~.r~~~~

o nexo- u a, ia
CEP7804i-921-F~
t,

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
"
\'.. ~. Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACb

RA
comparecido na companhia de seu sogro Esper Haddàd Neto,

RI
proprietário da empresa PANAMERICANA, no local, no dia não

LA
precisado compreendido no período entre o final do primeiro

DE
semestre e o mês de dezembro do ano de 2015, na hora marcada,
GIOVANI BELATTO GUIZARDI, com o pleno conhecimento, apovação e

:34 AN
por ordem de PERMíNIO PINTO FILHO, entregou a Luiz Fe nando um

:46 C
aparelho eletrônico do tipo tablet em cuja tela estava escrito:

14 E S
"a partir de agora será cobrada uma taxa de 5% sobre todos os
valores recebidos da Secretaria",


8 - IN
01 OL

Diante disso, Luiz Fernando perguntou se o Secretário


I
,
sabia a respeito da cobrança, ao que GIOVANI GUIZARDI respondeu
0/2 AR

fazendo sinal positivo com o dedo polegar da mão.


9/1 - C

Em seguida, GIOVANI BELATTO GUIZARDI solicitou o


: 1 30

pagamento de 5% dos valores já recebidos da SEDUC/MT pela empresa


Em 8579

PANAMERICANA, de propriedade de Esper Haddad Neto,

Conforme resta consignado nos autos, Luiz Fernando não


11

concordou de pronto com o pagamento e, depois da reunião com


65

GIOVANI, procurou se reunir com o Secretário de Estado de


Educação, Esporte e Lazer PERMíNIO PINTO FILHO, tendo obtido


r: 0

êxito em agendar um encontro apenas cerca de dois meses mais


po

tarde para tratar do assunto "obras",


sso

Assim, por volta do início do segundo semestre de 2015,


Luiz Fernando compareceu na sede da SEDUC/MT a fim' de ser
pre

atendido por PERMÍNIO, todavi'a.....-"l,ãfé;::>';;utiEEfVlDêxi to pois este,


Im

L
IPGR
o 0797

&

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO """'J"'9V
Procuradoria Geral de Justiça 869

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias -

IR
através de sua secretária, ordenou que Luiz Fernando

AR
assunto com FÁBIO FRIGERI.

L
DE
Em ato contínuo, Luiz Fernando foi até a FÁBIO
FRIGERI onde foi por ele atendido, oportunidade em aquele

:34 AN
relatou a este o encontro com GIOVANI GUIZARDI,

• :46 C
cobrança de propina por este efetivada, além a

14 E S
dificuldade de ser atendido por PERMíNIO após de
vantagem indevida perpetrada por GIOVANI .


8 - IN
01 OL

Neste contexto, LUIZ FERNANDO indagou a ~F~Á~B~I~O~~~~ se


era verídica a solicitação de propina realizada por ~~~~
0/2 AR

era necessário o pagamento do valor de 5% (cinco por


9/1 - C

todo valor recebido da SEDUC/MT para que IPUlae':;:;em


ocorrer regularmente, ao que FÁBIO FRIGERI
: 1 30

positivamente com a cabeça.


Em 8579

Está registrado nos autos que depois do com

• FÁBIO FRIGERI, Luiz Fernando voltou a procurar .::..::~:..=c=--r=.:==-=~


GIOVANI ZARDI
11

para discutir o valor da propina, barganha que se


65

durante algum tempo e se deu em alguns encontros entre a:mbo,s, da

• qual resultou a redução do valor da propina para 3% rês por


r: 0

cento) .
po

De acordo com a investigação, no dia vinte e três de


so

novembro de 2015 Luiz Fernando da Costa Rondon um


s

pagamento da SEDUC/MT no valor de R$' 159.321,18 e


pre

cinquenta e nove mil, trezentos e vinte


Im

centavos), relativo ao cumprimento~p~ai~5;~~;;~~J~~~


~
m

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
d

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NA O

RA
sendo realizada por sua empresa na cidade de Rondonópolis, de

RI
modo que no dia vinte e seis de novembro de 2015 efetuou o saque

LA
de R$ 5.000,00 (cinco mil reais) da sua conta bancária e se
Edif~cio

DE
encontrou com GIOVANI GUIZARDI na sala n. 1602 do Avant
Garden Business, oportunidade em que entregou a este 6 quantia

:34 AN
de R$ 4.800,00 (quatro mil e oitocentos reais) correspondente a

vinte e um reais e dezoito centavos).

:46 C
3% de R$ 159.321,18(cento e cinquenta e nove mil,

14 E S
trezentos e



8 - IN
Revela a investigação que a atuação de GIOVANt BELATTO
01 OL

GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALAN AYOUB


MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMíNIO
0/2 AR

PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer


9/1 - C

de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVANI como


operador do esquema ilícito em desenvolvimento dentro da
ind~vidas
: 1 30

SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens em


Em 8579

razão dos cargos públicos ocupados por PERMíNIO, FABIO FRIGERI,


WANDER LUIZ DOS REIS e MOISES DIAS DA SILVA, sendo certo também
que ALAN MALOUF seria e foi destinatário de farta fatia da


11

propina eventualmente/efetivamente recebida.


65

Os autos apontam, ainda, que em atuação Similar à de


r: 0

ALAN MALOUF, GUILHERME ANTÔNIO MALUF além de ter garantido a


po

colocação de WANDER LUIZ DOS REIS, bem como de MOISES DIAS DA


SILVA, no cargo de Superintendente de Acompanhamento e
sso

Monitoramento da Estrutura Escolar, da Secretaria de Estado de


Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas atribuições, Iconforme
pre

já narrado, serviam à engrenage - e recebi,mento


Im

r-----~~onex~o~on~'Gera~~~
L-.
-
___--'t;I)'p 78049-921- F-..ml~3~'~~'-""
tGABIPG"
f~) Fls. 000798 d
)......---

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça 870
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
propina, seria e foi destinatário de farta fatia d1 propina

RI
eventualmente recebida.

LA
DE
FATO 19: CORRUPÇÃO PASSIVA - Empreiteiro Luiz
Carlos da Silva

:34 AN
• Consta nos autos

:46 C
do

14 E S
inquérito anexo que em data
precisada compreendida no segundo semestre do ano de 12015,
não
no


8 - IN
Município de Cuiabá, Estado de Mato Grosso, PERMÍNIO PINTO FILHO,
à época ocupante do cargo de Secretário de Estado de Educação,
01 OL

Esporte e Lazer de Mato Grosso, FÁBIO FRIGERI, à época ocupante


0/2 AR

do cargo em comissão de Assessor Especial I, da Secretaria de


Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso - SEDUC/MT,
9/1 - C

e WANDER LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo em comissão de


Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da ~strutura
: 1 30

I
Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio do particular' GIOVANI
Em 8579

BELATTO GUIZARDI, em razão dos cargos públicos que ocupavam,


previamente ajustados, voluntariamente e tendo o domínio
11

funcional do fato, com a concorrência de ALAN AYOUB MALOUF e de


GUILHERME ANTÔNIO MALUF, solicitaram, para si ou para outrem,
65


vantagem indevida de Luiz Carlos da Silva.
r: 0

Conforme já narrado alhures, à 'éPoca do fato, lERMÍNIO


po

PINTO FILHO, ante o teor do ato n. 013/2015, publicado no Diário


sso

Oficial de Mato Grosso em 02/01/2015 (n. 26447), ocupava o cargo


de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato
pre

Grosso, ao passo que FABIO FRIGERI, por força do ato


Of~'~'~~::~~ato
Im

130/2015, publicado no Diário

ua
8

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
...: Procuradoria Geral de Justiça

AU
.
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
12/01/2015, ocupava o cargo de Assessor Especial I, Nivel DGA-

AR
2, da SEDUC/MT, prestando assessoria direta na Secrdtaria de
Estado de Educação desde 02 de janeiro de 2015 (vide anbxo I, do

L
DE
Decreto n. 2.398/2014 e Decreto Estadual n. 233/2015), da mesma
forma que WANDER LUIZ DOS REIS, por força do ato n. 563/2015,

:34 AN
publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em 28101/2015 1 ocupava

:46 C
o cargo em comissão de Direção Geral e Assessoramento,

14 E S
DGA-4, de Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da
Estrutura Escolar, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC
Ni vel



8 - IN
desde 28 de janeiro de 2015.
01 OL

De acordo com a investigação, no ano de 2015 a empresa


0/2 AR

CONSTRUTORA SANTA INtS, de propriedade de Luiz Carlos da Silva,


9/1 - C

possuia contrato administrativo de obra pública (aqui ~ntendida

em sentido amplo) firmado com o Estado de Mato Grosso e atrelado


: 1 30

à Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer o qual se


,
Em 579

encontrava em fase de execução.

II


18

Assim, em razão da finalização de parte da obra


contratada, em data indefinida compreendida no segundo semestre
51

do ano de 2015, Luiz Carlos da Silva compareceu na sede da


06

SEDUC/MT a fim de tratar a respeito do recebimento dos, valores


r:

a que sua empresa tinha direito, oportunidade em que foi atendido


po

por WANDER LUIZ DOS REIS, que, com a plena ciência e aquiescência
de PERMíNIO PINTO FILHO, o encaminhou para FABIO FRIGE ,sendo
sso

que este, com o conhecimento e o aval de PERMíNIO PINT FILHO,


determinou que Luiz Carlos procurasse pela pessoa de GIOVANI
pre

BELATTO GUIZARDI para discutir o assunto, tendo

te1e:;;;~:lii~~~(:~::~~
Im

um papel contendo um número de


.;:;:,. GAB/PGRl

l,>~~
oo~

'-,' ".
Fls. O OIl 7 9 9
':./ :
. ,:.:.:.>,"
0 _ 0 0 0 =J

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO 871

RA
não procurasse por GIOVANI não receberia seus créditos

RI
relacionados à SEDUC/MT.

LA
~FÁ~B~IO~~FR~tG~E~R~I,

DE
Segundo consta, seguindo o comando de em
data não precisada compreendida no segundo semestre do ano de

:34 AN
2015 Luiz Carlos da Silva foi até a sede da empresa DíNAMO, de

• :46 C
propriedade de GIOVANI GUIZARDI, para o fim de reunir-se com

14 E S
este. Na ocasião, com o pleno conhecimento, aprovação e ordem de
PERMíNIO PINTO FILHO, exercendo as prerrogativas de "secretário


8 - IN
de fato" que lhe foram por PERMíNIO investidas, GIOVANI entregou
01 OL

a Luiz Carlos um dispositivo digital do tipo tablet em cuja tela


constava a inscrição "cinco por cento", bem como gesticulou com
0/2 AR

a mão aberta apontando o número cinco, dizendo, em seguida: '~lá


9/1 - C

quem manda é nóis, o governador não manda lá" (sicl.


: 1 30

Revela a investigação que a atuação de GIOVANI BELATTO


Em 8579

GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALAN AYOUB


MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a PERMfNIO

• PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer


11

de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVANI como


65

operador do esquema ilicito em desenvolvimento dentro da

• SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens indevidas em


r: 0

razão dos cargos públicos ocupados por PERMíNIO, FÁBIO FRIGERI


po

e WANDER LUIZ DOS REIS, sendo certo também que ALAN MALOUF seria
destinatário de farta fatia da propina eventualmente recebida.
sso

Os autos apontam, ainda,


que o em atuação simi]ar à de
i
pre

I
ALAN MALOUF, G11ILBERME ANTÔNIO MALUF além de ter gar'ntido a
Im

colocação de WANDER LUIZ DOS REIS no dente

___ ~CEP 78049-921 -


ona 8 ~~J:~ça~.~U~"bO~~~T~l~~s:::~Y<~
Fo~x 361~o;;16;:&"~2ª==-o'
Rua 04 s/n0, Edifielo Anexo 1_ procu
" 1 (J
------c::-:--.\.'
......-/ Página 9ódli 13
-~
w

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da

AR
Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas
atribuições, conforme já narrado, serviam à engreragem de

L
DE
solicitação e recebimento de propina, seria destina1tário de
farta fatia da propina eventuaLmente recebida.

:34 AN
:46 C
FATO 20: CORRUPÇÃO PASSIVA - dois fatos em

14 E S
continuidade delitiva •

8 - IN

Consta nos autos do inquérito anexo que nas datas de


01 OL

vinte e três e vinte e quatro de setembro de 2015, na sede da


0/2 AR

empresa DíNAMO CONSTRUTORA, localizada no Município de Cuiabá,


Estado de Mato Grosso, nas mesmas condições de tempo, I lugar e
9/1 - C

modo de execução, PERMíNIO PINTO FILHO, à época ocupante do cargo


: 1 30

de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato


Grosso, FAsIO FRIGERI, à época ocupante do cargo em comissão de
Em 579

Assessor Especial I, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC,


e WANDER LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo em comissão de
18

Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da ~strutura


51

Escolar, da SEDUc/MT, por intermédio do particular GIOVANI


06

SELATTO GUIZARDI, em razão dos cargos públicos que ocupavam,


previamente ajustados, voluntariamente e tendo o domínio •
r:

funcional do fato, com a concorrência de ALAN AYOUB MALOUF e de


po

GUILHERME ANTÔNIO MALOF, por duas vezes receberam, para si ou


sso

para outrem, vantagem indevida de RicardO Augusto sguartZi.


pre

Conforme já narrado alhures, à época do ERMíN


PINTO FILHO, ante o teor do ato n. Ol~~~~pu~
Im

- roçu
• o

GAB/PGRl
Fls·OOOBOO
. I

P
MINIST~RIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO 872

RA
Oficial de Mato Grosso em 02/01/2015 (n. 26447), ocupava o cargo

RI
de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer: de Mato

LA
Grosso, ao passo que FABIO FRIGERI, por força do ato n.o
1

DE
130/2015, publicado no Diário Oficial de Mato Gtosso em
i
12/01/2015, ocupava o cargo de Assessor Especial I, Nivel DGA-

:34 AN
2, da SEDUC/MT, prestando assessoria direta na Secretaria de

• :46 C
Estado de Educação desde 02 de janeiro de 2015 (vide anexo I, do

14 E S
Decreto n. 2.398/2014 e Decreto Estadual n. 233/2015), da mesma
forma que WANDER LUIZ DOS REIS, por força do ato n. $63/2015,


8 - IN
publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em 28/01/2015, ocupava
01 OL

o cargo em comissão de Direção Geral e Assessoramento, Nível


DGA-4, de Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da
0/2 AR

Estrutura Escolar, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC


9/1 - C

desde 28 de janeiro de 2015.


: 1 30

De acordo com a investigação, no ano de 2015 as empresas


Em 8579

RELUMAT CONSTRUÇÕES LTDA. e AROEIRA CONSTRUÇÕES LTDA, das quais


Ricardo Augusto Sguarezi é proprietário, possuíam contratos

• administrativos de obras públicas (aqui entendida em sentido


11

amplo) firmados com o Estado de Mato Grosso e atrelados à


65

Secretaria de Estado de Educação, os quais se encontravam em

• fase de execução, bem como pendentes de pagamento .


r: 0
po

Assim, em data não precisada no segundo semestre de 2015,


Ricardo Augusto Sguarezi procurou por FÁBIO FRIGERI a fim de
sso

solici tar a este que fossem tomadas as medidas necesjárias à


realização dos pagamentos pendentes devidos pelo Estado de Mato
pre

Grosso à empresa RELUMAT CONSTRUÇÕES LTDA. relacionados


Im

medições realizadas nos meses de outu ro, ro

nexo- J •
L. CEP 1B04f.921-Fone/lax 3§13~ Pá~98del13
·.
~
W
.
,
I

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
.. . Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
ano de 2014, bem como no ano de 2015, ocasião em que F~BIO, com

AR
o conhecimento e sob ordem de PERMíNIO PINTO FILHO, ordenou a
Ricardo Sguarezi que procurasse por GIOVANI BELATTO GUIZARDI,

L
DE
como condição para o recebimento dos valores a que tinha'direito.

:34 AN
Em razão do direcionamento dado por FABIO,' Ricardo

:46 C
Sguarezi se encontrou com GIOVANI GUIZARDI na sede da empresa

14 E S
DíNAMO CONSTRUTORA, na cidade de Cuiabá/MT, oportunidade em que
GIOVANI lhe apresentou uma lista de valores que a empresá RELUMAT


8 - IN
CONSTRUÇÕES LTDA. teria direito de receber do Estado de Mato
01 OL

Grosso, relacionados a obras no âmbito da SEDUC/MT, bem como


I
solicitou a ele o pagamento de propina para que horvesse a
0/2 AR

liberação dos pagamentos, restando então acertado que Ricardo


9/1 - C

Sguarezi deveria pagar a quantia equivalente a quinze por cento


dos valores recebidos pela empresa RELUMAT CONSTRUÇÕES LTDA ..
: 1 30
Em 579

Segundo consta no Inquérito Policial n.


166622/2016/TJ/MT, na data de trinta de setembro de 2015, a


18

empresa RELUMAT CONSTRUÇÕES LTDA. recebeu do Estado de Mato


Grosso o valor de R$ 574.601,52 (quinhentos e setenta b quatro
51

mil, oitocentos e um reais e cinquenta e dois centavos), \em razão


06

do que, em vinte e três de setembro de 2015, na sede da empresa


r:

DÍNAMO CONTRUTORA, Ricardo Sguarezi pagou a GIOVANI GUIZARDI a


po

quantia de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais), valor tecebido


por GIOVANI em espécie para ele, bem como para FABIO FRIGERI,
sso

WANDER LUIZ DOS REIS, PERMíNIO PINTO FILHO, ALAN AYOUB MALOUF e
GUILBEIUm ANTÔNIO MALUF.
pre
Im

n. •
·. GAB/PGR
~~
~L~i:
~r
Fls·OUI:801
I
'

P
MINIST~RIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROS O

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NAC b 873

RA
Consta também no caderno investigativo que nas datas de

RI
quinze e dezessete de setembro de 2015 a empresa RELUMAT

LA
CONSTRUÇÕES LTDA. recebeu do Estado de Mato Grosso,

DE
respectivamente, os valores de R$ 367.130,85 (trezentos e
sessenta e sete mil, cento e trinta reais e oitenta e cinco

:34 AN
centavos) e R$ 275.382,94 (duzentos e setenta e ci)1co mil,

:46 C
trezentos e oitenta e dois reais e noventa e quatro cj1ntavos),

14 E S
em razão do que, em vinte e quatro de setembro de 2015 1
na sede
da empresa DíNAMO CONTRUTORA, Ricardo Sguarezi pagou ~ GIOVANI


8 - IN
GUIZARDI a quantia de R$ 45.000,00 (quarenta e cinco mil reais),
01 OL

valor recebido por GIOVANI em espécie para ele, bem como para
FÁBIO FRIGERI, WANDER LUIZ DOS REIS, PERMÍNIO PINTO FILHO, e
0/2 AR

GUILHEIIME ANTÔNIO MALUF.


9/1 - C

Revela a investigação que a atuação de GIOVANI BELATTO


: 1 30

GUIZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de ALhN AYOUB


Em 8579

MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto a !PERMÍNIO


PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, Esporte. e Lazer

• de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVANI como


11

operador do esquema ilícito em desenvolvimento dentro da


65

SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens inde~idas em

• razão dos cargos públicos ocupados por PERMíNIO, FÁBIO FRIGERI


r: 0

e WANDER LUIZ DOS REIS, sendo certo também que ALAN MALOUF foi
po

destinatário de farta fatia da propina eventualmente recebida.


so

Conforme já narrado, na dinâmica da atJção da


s

organização criminosa, WANDER LUIZ DOS REIS contribuiJ para o


pre

fato tomando providências para obstar a


Im

pagamentos às empresas de Ricardo S

co xol- roçu • U
CEP 7804g.~!1 - F01IéIt.!~ "') \ .
PâginaYóO'-e 113
••
~~

{~~l
DO~~ADO GROS~O

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DE MATO

UP
Procuradoria Geral de Justiça
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
o pagamento da propina. Além disso, os autos revelam q~e WANDER

RI
era destinatário de parcela de toda a propina arrecadada.

LA
DE
Os autos apontam, ainda, que em atuação similar à de
ALAN MALOUF, -
GUILHERME ANTONIO MALUF a I em
' de ter I
ga~antldo . a

:34 AN
colocação de WANDER LUIZ DOS REIS no cargo de Superintendente de

:46 C
Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura Escolar, da

14 E S
Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer - SEDUC, cujas
atribuições, conforme já narrado, serviam à engrenagem de


8 - IN
solicitação e recebimento de propina, foi destinatário de farta
01 OL

fatia da propina recebida,


0/2 AR

FATO 21: CORRUPÇÃO PASSIVA


9/1 - C

Consta nos autos do inquérito anexo que na data, de onze


: 1 30

novembro de 2015, na sede da empresa DíNAMO CONSTRUTORA,


Em 8579

localizada no Município de Cuiabá, Estado de Mato Grosso,


PERMíNIO PINTO FILHO, à época ocupante do cargo de Secretário de
Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso, FÁBIO ~
11

FRIGERI, à época ocupante do cargo em comissão de rssessor


65

Especial I, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC, ·e WANDER


r: 0

LUIZ DOS REIS, à época ocupante do cargo em comissão de •


Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura
po

Escolar, da SEDUC/MT, por intermédio do particular GIOVANI


sso

BELATTO GUIZARDI, em razão dos cargos públicos que ocupavam,


previamente ajustados, voluntariamente e tendo o domínio
pre

funcional do fato, com a concorrência de ALAN AYOUB MALQUF e de


GUILHERME ANTÔNIO MALUF, receberam, para si ou para loutre
Im

vantagem indevida de Ricardo Augusto

o Anexo - roeu
CEP 78049-9~1-F')~IIa~_ .T \
página'iõi de
~
i

I 13
• •
GAB/PGRl
FIS·OU0802
~
l=---:::==.==l

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROlO
Procuradoria Geral de Justiça 874

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NAC.

IR
Conforme já narrado alhures, á época do fato, PERMÍNIO

AR
PINTO FILHO, ante o teor do ato n. 013/2015, publicado no Diário
Oficial de Mato Grosso em 02/01/2015 (n. 26447), ocupava o cargo

L
DE
de Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazerj de Mato
Grosso, ao passo que FABIO FRIGERI, por força do ato n.O

:34 AN
130/2015, publicado no Diário Oficial de Mato G osso em

• 2. da SEDUC/MT,

:46 C
12/01/2015, ocupava o cargo de Assessor Especial I, Nível DGA-

14 E S
prestando assessoria direta na Secretaria de
Estado de Educação desde 02 de janeiro de 2015 (vide anexo I, do


8 - IN
Decreto n. 2.398/2014 e Decreto Estadual n. 233/2015), da mesma
01 OL

forma que WANDER LUIZ DOS REIS, por força do ato n. ~%3/2015,
publicado no Diário Oficial de Mato Grosso em 28/01/2015,1 ocupava
0/2 AR

o cargo em comissão de Direção Geral e Assessoramento. Nível


9/1 - C

DGA-4, de Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da


Estrutura Escolar, da Secretaria de Estado de Educação - SEDUC
: 1 30

desde 28 de janeiro de 2015.


Em 8579

De acordo com a investigação, no ano de 2015 as Lmpresas

• RELUMAT CONSTRUÇÕES LTDA. e AROEIRA CONSTRUÇÕES LTDA, dbs quais


11

Ricardo Augusto Sguarezi é proprietário, possuíam contratos


65

administrativos de obras públicas (aqui entendida em. sentido

• amplo) firmados com o Estado de Mato Grosso e atrelados á


r: 0

Secretaria de Estado de Educação, os quais se encontravam em


po

fase de execução, bem como pendentes de pagamento.


so

Segundo consta no Inquérito Policial n.


s

166822/2016/TJ/MT, na data de dez de ~ovembro de 2015, Ricardo


pre

Sguarezi recebeu o pagamento do valor de R$ 122.237,09


Im

vinte e dois mil, duzentos e trinta e ais

cio nexo -
..PL~~21-Fon~
_ _ _ _ _ _--"CE
roc.ura a ra~=us~ça~.S.U~ia~bã~':MT~~(-~~~' I
~~ ~ Página 1ôf- e 113
I

I ••

.•a I
I'
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GRO~SO

PP
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO
,I

IR
através de suas empresas, relacionado aos mencionadoslcontratos

AR
mantidos com o Estado de Mato Grosso atinentes a obraJ, públicas
!
no âmbito da SEDUC/MT.

L
DE
Assim, conforme revelam os autos do inquéritf que, em

:34 AN
razão da solicitação anterior narrada no fato "20", na data de

Ricardo Sguarezi pagou a


30.000,00 (trinta mil reais),
:46 C
onze'de novembro de 2015, na sede da

14 E S
emp~esa
GIOVANI GUIZARDI
DíNAMO CO~TRUTORA,
a quantia de R$
valor recebido por G10VANI em


8 - IN
espécie para ele, bem corno para FÁBIO FRIGERI, WANDERILUIZ DOS
01 OL

REIS, PERMíNIO PINTO FILHO, ALAN AYOUB MALOUF e GUILBElIH);: ANTÔNIO

~~. I
0/2 AR

I ,
9/1 - C

Revela a investigação que a atuação de GIOVAN! BELATTO


GUI ZARDI foi propiciada e se deu sob o comando de A~AN' AYOUB
: 1 30

MALOUF, que foi o responsável pela tratativa junto alPEBMíNIO


PINTO FILHO, Secretário de Estado de Educação, EsportJ e ,Lazer
Em 8579

de Mato Grosso à época do fato, de inserção de GIOVtA.NI como


operador do esquema ilicito em desenvolvimento déntto da
I


11

SEDUC/MT de solicitação e recebimento de vantagens indévidas em


FÁBI~
65

razão dos cargos públicos ocupados por PERM1NIO, FRIGERI


e WANDER LUIZ DOS REIS, sendo certo também que ALAN MALOUF foi
r: 0

destinatário de farta fatia da propina eventualmente rJcebida.


I
po

Conforme já narrado, na dinâmica da atu~ção da


so

organização criminosa, WANDER LUIZ DOS REIS contribui+ para o


s

fato tornando providências para obstar a dos


pre

pagamentos às empresas de Ric~Qe~~~~~, forçando-o


Im

-'-'-'-


I tÂB/PGRl
Fls·oOn803
I . '
.=1

PP
MINISTtRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GRO~SO
Procuradoria Geral de Justiça .

AU
875
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO
I

IR
especial para os delitos de corrupção passiva, o denunciado

AR
GUILHERME AN'l'ÔNIO MALt1F buscou frustrar a continuidade das
I
investigações atuando para que o investigado WANDER LUIZ DOS

L
DE
REIS - que, conforme narrado no titulo "fato 1: orpanização
criminosa", garantia a circunscrição de GUILHERME MALUF sobre o

:34 AN
cargo de Superintendente de Acompanh~mento e Moni torjmento da

• Estrutura Escolar,

:46 C
SEDUC/MT,

14 E S
peça
solicitação e recebimento de propina já descrito na presente -
não revelasse aos investigadores a sua concorrência nos crimes
lmportante do esquema

I
de


8 - IN
investigados.
01 OL

Neste sentido, apontam os autos que, após a deflagração


0/2 AR

da primeira fase da nomeada "Operação Rêmora" decorlrente da


9/1 - C

investigação em tela, a fim de garantir que WANDER LUIZ DOS REIS


não revelasse sua atuação aos investigadores, GUILHE~ MALt1F
: 1 30

buscou dar-lhe aporte econômico indiretamente, fazendo ,aumentar


Em 579

a remuneração de Renata Lucia Cintra Cunha dos Reis, Ifilha de


WANDER, servidora da Assembleia Legislativa de Matq Grosso


18

ocupante de cargo de provimento em comissão.


51

Assim, consta nos autos que, imediatamente após a prisão


06

1
de WANDER LUIZ DOS REIS ocorrida no mês de maio de 2016 , no mês
r:

de junho do mesmo ano Renata dos Reis passou a receber uma


po

gratificação de nomenclatura GAP correspondente a cem pbr cento


do valor do seu vencimento, ou seja teve sua remuneração dobrada.
sso

Extrai-se da documentação angariada nos autos que nos


pre

meses anteriores a remuneração de Renata dos Reis era ~ompos a


Im

exclusivamente pelo vencimento hO;;;~'-~-:C~~~~~-~~V~~;;;;~J[~::~~:: e

RUa ~; o nexo - Gera us tÇa, Ula


_ _ _ _ _ _ _ _ _ _--'CIi"""P'-'7... 3813...1.!.!S"'2210<.!.!1S"'21I"---_ _ _ _ _ ='=-'".
804"'Hl1:- f~ ..... . _~
~ Página lq6 de 113
PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NAqO

IR
agosto de 2015, era de R$ 3.788,24 (três mil, setecentos e
I

AR
oitenta e oito reais e vinte a quatro centavos). Assim sem que
"
houvesse acréscimos ou descontos extraordinários, descpntados o

L
DE
imposto de renda e a contribuição previdenciária, Renata dos
Reis recebeu, em boa parte dos meses anteriores, inctusive no

:34 AN
mês de maio de 2016, remuneração líquida no valor de R$ 3.220,61
(três mil, duzentos e vinte reais e sessenta e um cent~vos) .

:46 C
14 E S
Todavia, no mês de junho de 2016, a remuneração
8 - IN
dos Reis passou a ser composta pelo seu vencimento base no valor
01 OL
he Renata •
...
de R$ 3.570,00 (três mil, quinhentos e setenta reais), I bem como
por uma gratificação denominada GAP no valor de R$ 3.570 00 (três
0/2 AR

1
mil, quinhentos e setenta reais). Assim, sem que houvesse
9/1 - C

acréscimos ou descontos extraordinários, descontados 9 imposto


de renda e a contribuição previdenciária, Renata dos Rets passou
: 1 30

a receber remuneração líquida no valor de R$ 5.361, 9V (cinco


Em 8579

mil, trezentos e sessenta e um reais e noventa e sete ce~tavos) .

A título ilustrativo, apresenta-se o seguinte quadro •


11

comparativo da remuneração percebida por Renata dos Reis antes


65

e depois da prisão de seu pai WANDER LUIZ DOS REIS:

...
r: 0

Antes Depois
l
po

Remuneração bruta R$ 3.788,24 R$ 7.140,00


Remuneração liquida R$ 3.220,61 R$ 5.361~97
so
s

aum~nto
pre

A tim de que se pudesse justificar o da


remuneração, Renata dos
Im

exonerada do cargo comissionad

o - u
·

.

.g' ::i;&
~.':-"~~
~:~
GAB/PGRl
flls,
.
oo[I 8 O4
.

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GRO~SÕ .... =1
Procuradoria Geral de Justiça 876

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NAdO

IR
Presidência pelo ato n. 237/2016 e nomeada para ocupa~ o cargo

AR
de provimento de comissão de Assessor Parlamentar pelo Ato n.
240/2016, ambos os atos publicados em 06 de julho 20161.

L
DE
FATO 23: EMBARAÇAMENTO DA INVESTIGAÇÃO

:34 AN
atuação sobre Giovani Belatto Guizarpi

• :46 C
14 E S
Consta do inquérito policial incluso que na datai de vinte


8 - IN
e quatro de setembro de 2016, no interior do Serviço de Operações
Especiais - SOE, situado nesta capital Cuiabá, Estad~ de Mato
01 OL

Grosso, GUILBElRME ANTÔNIO MALUF e MILTON FLÁVIO DE BRITO AlUtUDA,


0/2 AR

previamente ajustados, voluntariamente e tendo o I domínio


funcional do fato, causaram embaraço à investigação de infração
9/1 - C

penal envolvendo organização criminosa.


: 1 30

Conforme narrados alhures, na data de 17 de akosto do


Em 579

ano de 2015, o Grupo de Atuação Especial contra o Crime


Invest~gatório


Organizado GAECO instaurou o Procedimento
18

Criminal - PIC n.O 07/2015/GAECO, que tem por objeto a apuração


51

da existência, em tese, de uma organização criminosa bomposta


06

por particulares e agentes públicos destinada à obtenção, em


razão de função pública, de vantagens indevidas, a
I
qual atua, a
r:

princípio, sobre contratos da Secretaria de Estado de fducação


po

de Mato Grosso - SEDUC/MT, bem como a fraudar licitações, a


sso

princípio, da SEDUC/MT.
pre

Insta esclarecer que, conforme descrito no "pró~ogo". o


~•
Im

',"oedime"'" '"ve,'i9.'6'io ' , i m i .

... nexo - rocu


- - - - - - - - C....EP~7.~.H?1~.FoneIIa~J
ça:<:iiTata:Mf
Pâ~ lds de
I'
i13

- ,

11
~
',.'Ii

,J
~.;.~i. "
I

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
I
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
três denúncias que versam sobre os crimes de cartel {art. 4°,

AR
lI, "a" e "c", da Lei n. 8.137/90), organização criminpsa (art.
2°, caput, c.c. seu ambos da Lei n.o 12.850/2013),

L
§ 4°, II,

DE
corrupção passiva (art. 317, caput, c.c. art. 327, p 2°, do
Código Penal) e fraude ou frustração do caráter competitivo da

:34 AN
licitação (art. 90, caput, c.c. art. 84, § 2°, ambos ~a Lei n.

:46 C
8.666/93), além do que serviu de base para a installração do •

14 E S
inquérito policial que acompanha a presente denúncia.


8 - IN
Com o desenvolvimento das investigações foram r~queridas
01 OL

medidas diversas ao juízo da Sétima Vara Criminal de Cuiabá,


dentre as quais busca e apreensão, condução coercitiva le prisão
0/2 AR

preventiva de vários investigados. Em razão disso, na data de 03


9/1 - C

de maio do ano de 2016 foi efetivada a prisão, dentre otltros, de


GIOVANI BELATTO GUIZARDI, o qual, após ter ficado um tempo preso
: 1 30

no Centro de Custódia da Capital, foi transferido o Se1rviço de


Em 8579

Operações Especiais, órgão do Sistema Penitenciário do Estado de


Mato Grosso. I


11

De acordo com o que consta no inquérito, I após a


65

ocorrência da prisão de GIOVANI BELATTO GUIZARDI, ciente de que


I .
o desenvolvimento das investigações em andamento no Proced~mento
r: 0

Investigatório Criminal n. 07/20l5/GAECO revelaria sua condição


I
po

de integrante da organização criminosa sob investigação, bem


como sua concorrência para os crimes por ela praticados, em
so

I
especial para os delitos de corrupção passiva, o denunciado
s

GUII.IIEmm ANTÔNIO !mLtJF buscou frustrar a continuidfde das


pre

investigações atuando para que o in'la~ch'Jldo GIOVANI BELATTO


Im
1 GAB/PGRl
• Fls. uU[I 8 O5
1.:':1:--==.=1'

P
MINIST~RIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça I
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NAOO
".,..,
o j ,

RA
I
GUIZARDI não revelasse aos investigadores a sua concornência nos

RI
crimes investigados.

LA
DE
Neste sentido, apontam os autos que, após a deflagração
da primeira fase da nomeada "Operação Rêmora" decorrente da

:34 AN
. I
investigação em tela, a fim de garantl.r que GIOVANI BELATTO

• :46 C
GUIZARDI não revelasse sua atuação aos investigadores, GUILHERME

14 E S
HALUF buscou intimidá-lo, o que fez através da pessoa de MILTON
FLÁVIO DE BruTO ARRUDA, agente penitenciário do
I

Serviço de


I
8 - IN
Operações Especiais SOE, à época do fato cedido para a
01 OL

Assembleia Legislativa de Mato Grosso onde formalmente 1ocupa do


cargo de Assessor Parlamentar, exercendo, todavia, a função de
0/2 AR

fato de segurança de GUILHERME HALUF.


9/1 - C

Segundo consta nos autos, na data de vinte e quatro de


: 1 30

setembro de 2016, aproveitando-se do fácil aCésso às


Em 8579

dependências do SOE dada existência de vínculo funci6nal, de


cujas atribuições, frise-se, estava afastado, MILTON FLÁVIO DE

• BRITO ARRUDA, sob ordem de GUILHERME ANTÔNIO HALUF, f6i até a


11

unidade em que GIOVANI BELATTO GUIZARDI estava sendo mantido,


I
65

ocasião em que proferiu ameaça velada, cujo objetivo era o de

• desestimular GIOVANI a colaborar com as investigaçpes que


r: 0

levariam à elucidação da concorrência de GUILHERME HALUF para os


po

crimes praticados pela organização criminosa, em espec~al o de


corrupção passiva, oportunidade em que disse a GIOVANI: "Tã tudo
sso

bem? Você lembra de mim? Sou segurança do Guilherme, se wrecisar


de alguma coisa resolvemos".
pre
Im

ua
p
Ji~
l?!gW

P
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO

UP
Procuradoria Geral de Justiça I
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

RA
Segundo consta, após este fato, receoso a respeito de

RI
alguma investida contra sua familia por ordem de GUIL~ MALUF,

LA
GIOVANI BELATTO GOIZARDI contratou seguranças particul~res para

DE
acompanhar sua esposa e filhos em suas atividades diárias.
I

:34 AN
,CONCLUSÃd,.

de :46 C
14 E S
Ex positis, diante da existência de cabal prova de
materialidade e robustos
8 - IN
indícios de autoria
I
doS crimes

narrados, o MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO, iDENUNCIA •
01 OL

a este r. Juízo:
0/2 AR

1. GUILHERME ANTÔNIO MALUF, COi incurso nas


9/1 - C

penas do art. 2°, caput, c.c. s ' §§ ~o e 4°,


Ir, ambos da Lei n.o 12.850/201 .., (fato 1); do
: 1 30

art. 317, caput, por quatro vezes na forma do


Em 8579

art. 71, caput, ambos do Código Penal (tato 3);


do art. 317, caput, por duas vezes na forma do
art. 71, caput, ambos do Código Penal (!ato 7); •
11

do art. 317, caput, por duas vezes na ~orma do


65

art. 71, caput, ambos do Código Penal (fato 11);


r: 0

do art. 317, caput, por doze vezes na torma do •


art. 69, caput, do Código Penal (fatos 2~, 4, 5,
po

6, 8, 9, 10, 12, 13, 14, 16, 17); do art. 317,


v I
sso

C. c. art. 14, rI, ambos do Código Penal. (fato


15); do art. 317, caput, por duas vezes nla forma
pre

do art. 70, caput, in fine, ambos do CÓdige Penal

(fato 18); do art_~.~~~~~~~~~~~~~~~, na


Im

forma do art. 69-


GAB/PGRl
Fls. OOn8 O6 .
1=--'--==,,--:=/

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça 878

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NAGp

IR
18 e 19); do art. 317, caput, por duas1vezes na

AR
forma do art. 71, caput, ambos do Cód~go Penal
(fato 20); do art. 317, caput, do Código Penal

L
1

DE
(fato 21); do art. 2°, §1°, da Lei n.o
12.850/2013, por duas vezes na forma dÓ art. 69

:34 AN
do Código Penal (fatos 22 e 23); todos combinados

• :46 C
na forma do art. 69 do Estatuto Penal;

14 E S
2. MILTON FLÁVIO DE BRITO ARRUDA,
t 2 0 , §lo , a
nas penas d o ar. d L'
e~ n.
1

coma incurso
° 12. 1850/2013


8 - IN
(fato 23);
01 OL

requer que, recebida e autuada esta, sejam eles citadlos para


0/2 AR

responàerem à acusação e notificados para audiência e~ data a


9/1 - C

ser designada, sob pena de revelia, processando-se tudo ha forma


do preconizado na Lei n. 8.038/90, até final condenação, ?uvindo-
: 1 30

se ainda as testemunhas adiante arroladas.


Em 579

Rol de colaboradores e testemunhas:


18

• Giovani Belatto Guizardi, brasileiro, natural de Cascrvel/PR,


casado, filho de Miguel Guizardi Junior e de Marlene Maria Belatto,
51

portador do documento de identidade n. 0909433-4 expedIdo pela


06

SSP/MT, inscrita no CPF/MF sob n. 798.799.931-87, );esident!,! na Rua


das Petúnias n. 99, Condomínio Florais, Cuiabá-MT;
r:

1
po

• Luiz Fernando da Costa Ronclon, brasileiro, natural de Várzea


Grande/MT, casado, filho de Joelio de Fatima Rondon e de Bernadete
sso

da Costa Ribeiro Rondon, portador do documento de identipade n.


13892240 expedido pela SSP/MT, inscrita no CPF/MF sob n.
pre

968.939.581-53, residente na Rua General Irineu de Souza, In .. 144,


apto 1303, Ed. Maison Nocoli, Cuial~~~\-----~
Im
,.
o.
.:
"

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
1. Ricardo Augusto Sguarezi, inscrito no CPF/MF sob n. 962..914.511-

AR
15, residente na Rua Polônia, n. 777, Santa Rosa, Cuiabá~MT;

L
I
2. José Carlos Pena da Silva, inscrito no CPF/MF sob n. 396.528.741-

DE
I
94, residente na Rua I, Quadra 10, Bloco 05, apto 302, Residencial

:34 AN
Paiaguás, Cuiabá/MT;

:46 C
3. Alan Ayoub Malouf, brasileiro, casado, filho de Khali~ Mikhail ~

expedida pela
14 E S
Malouf e Leila Ayoub Malouf, portador da cédula de
638939 SSP/MT,
ident~dade

inscrito no Cadastro de Pessoas


n.


I
8 - IN
Fisicas do Ministério da Fazenda sob o n. 458.825.761-72, residente
01 OL

Avenida Antártica, nO 965, Condomínio Japuina, Lote 02, Ribeirão


do Lipa, Cuiabá/MT e/ou Rua Zen6brio da Costa, 109, BairrQ: Duque
0/2 AR

de Caxias,Cuiabá-MT;
9/1 - C

I
4. Perminio Pinto Filho, brasileiro, nascido em 29/11/1966, natural
I
: 1 30

de Rondon6polis/MT, filho de Francisca Benedita de M. Pinto e


I

Perminio Pinto, portador do documento de identidade n. 317701


Em 8579

expedido pela SSP/MT, inscrito no CPF/MF sob n. 384. 350.~91-53,


residente na Rua Marechal Severiano Queiroz, n. 475, apt, 1601,
Torre I, Ed. São Georges, bairro Duque de Caxias lI, Cuiab~/MT. ~
11
65

Cuiabá/MT, 10 de outubro de 2017.


r: 0
po

Cordeiro Piedade
Justiça - NACO
so

Coordenador do NACO
s
pre

Santos
- GAECO
Im

I
Página 113 ~ 113
. ,

• GAB/PGR
Fls.UUOB07
·l

PP
. ,
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO .... =J

AU
Procuradoria Geral de Justiça I
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO· 879

IR
EXCELENTíSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR RONDON

AR
BASSIL DOWER FILHO - RELATOR DO INQUÉRITO POLICIAL N.

L
DE
166822/2016 - TRIBUNAL PLENO

:34 AN
• Inquérito Policial n. 0166822-
40.2016.8. 11.0000fTJ/MT
:46 C
14 E S


8 - IN
01 OL

Ref. Operação Rêmora


0/2 AR

,
9/1 - C

O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE ~ATO


: 1 30

GROSSO, por seu Promotor de Justiça, designado Coordenador do


Núcleo de Ações de Competência Originária da Procuradoria Geral
Em 8579

de Justiça - NACO, que esta subscreve, no uso de suas atribuições


• legais, vem, respeitosamente, a vossa presença, com fundamepto no
11

art. 129, inciso I, da Constituição Federal e no art. 41 do CPP, oferecer


65

denúncia contra GUILHERME ANTONIO MALUF (Deputado Estadual)


r: 0

• e MILTON FLÁVIO DE BRITO ARRUDA contendo 113 (cento e treze)


po

laudas digitadas.
so

Nesta oportunidade, com o oferecimento da


s
pre

denúncia, requer a Vossa E:xel!iI'ê


Im

o "0-
• •

~
.


~f;;1~
;~

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSS~

AU
Procuradoria Geral de Justiça .
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO

IR
1) sejam requisitadas, ao cartório distribuidor do

AR
Tribunal de Justiça do Estado de Mato Grosso e da Comarca da

L
DE
Capital, informações sobre a eventual existência de processos
criminais contra os denunciados, devendo o senhor distribuidor, em

:34 AN
caso positivo, declinar a data da distribuição e indicar o res~ectivo

Cartório, Câmara ou Turma;

:46 C
14 E S
I
! •

8 - IN
2) seja requisitada de folha de antecedentes dos
01 OL

denunciados junto ao Instituto de Identificação de Mato Grosso;


0/2 AR

3) a realização da diligência inserta no artigo 23 do


9/1 - C

Código de Processo Penal;

GA~CO
: 1 30

4) tendo em vista que ao ser ouvido pelo a


Em 579

pessoa de MILTON FLAVIO DE BRITO ARRUDA relatou que


18

"combinou com o Agente Prisional WENDY, que levaria um televisor de


51

propriedade do declarante para que WENDY consertasse, visto seu


06


conhecimento técnico", considerando que ABEL FRAGA DE OLIVEIRA
afirmou que "MILTON FLAVIO esteve no SOE apenas uma vez, quando
r:
po

deixou um televisor para WENDY consertar"; tendo em mente que


,
ODIVAL MONTEZUMA CARVALHO asseverou que "viu MILTON
sso

FLAVIO, possivelmente num sábado, ocasião em que deix~u um


pre

televisor para o líder de eq' WENDY


ração que WENDY
Im

~--fr--:--_

uo s/n.
y ,.

GAB/PGRl
Is. 00D808.
,
------=1

PP
MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO
Procuradoria Geral de Justiça

AU
Núcleo de Ações de Competências Originárias - NACO '4:1
00
(j Q

IR
FLAVIO esteve no SOE apenas uma vez, oportunidade em que deixou

AR
um televisor para o declarante consertar"; e considerando que <tELSO
APARECIDO LEITE BARBOSA disse que "MILTON FLAVIO estbve no

L
DE
SOE apenas uma vez, quando deixou um televisor para WENDY
consertar", seja oficiado ao Secretário de Justiça e Direitos Humanos

:34 AN
• do Estado de Mato Grosso requisitando-se a instauração de
procedimento administrativo
:46 C
14 E S disciplinar/sindicância para apurar
Estatu~oI
• possível infração a proibições funcionais previstas no dos
8 - IN

Servidores Públicos Civis do Estado de Mato Grosso - Lei


01 OL

Complementar Estadual n. 04/90, em especial às proibições contidas


0/2 AR

no art. 144, XVI e XVIII, pela pessoa de WENDY ALVEZ DA CRUZ.


9/1 - C

5) seja deferido o compartilhamento das rrovas


: 1 30

produzidas pelo procedimento de ação controlada corporificado nos


Em 579

autos judiciais de código n. 418293, que se encontram sob a tutela do

• juízo da Sétima Vara Criminal da Comarca de Cuiabá;


18
51


6) sejam apensados a estes os autos de
06

interceptação telefônica n. 0171278-33.2016.811.0000ITJ/MT.


r:
po

Cuiabá/MT, 10 de outu hmõrfl!r.7fmr---t----.


sso
pre

Coordenador do NACO
Im

xo -
CEP 18049-921 -.f 2211628
PP
MINIST!:RIO PÚBLICO DO ESTADO DE TO GROSS~

AU
Procuradoria Geral de J stiça
Núcleo de Ações de Competência Originá ias - NA

IR
AR
el n9i1o .·1

L
romotor de Justiça - GAECO .

DE
Portaria n.o 63512016 - PGJ,

:34 AN
:46 C
14 E S •

8 - IN
01 OL
0/2 AR
9/1 - C
: 1 30
Em 8579


11
65


r: 0
po
so
s
pre
Im
- - j-GABIPGR
FIs UOu8ü':l 'GR.Q., ü '> O'NJ.J201fJ ....... 881
li/~/201'1l
=
HUENDEL ROLIM, ADV

P
UP
EXCELENTÍSSIMA PROCURADORA GERAL DA REPÚBLICA, RAQUEL

RA
DODGE,

RI
2' 1//// {..

LA
".',o::a--~
SIGILOSO

DE
• :34 AN
:46 C
14 E S
ALAN AYOUB MALOUF, já qualificado nos autos em
8 - IN

epígrafe, representado por seu advogado, requerer a juntada de novos documentos,


01 OL

'. especificamente a sentença penal que foi proferida no deslinde das negociações do
0/2 AR

acordo de colaboração premiada, referente a "Operação Remora", bem como a


interposição do competente recurso já interposto, mantendo fielmente os
9/1 - C

compromissos já assumidos com esta instituição no intuito de esclarecer os fatos


: 1 30

detalhados nos anexos.


Em 8579

Assim, reitera as narrativas e apresenta documentos de

• corroboração para a análise de Vossa Excelência .


11
65
r: 0


po
sso
pre
Im

LOUF

6521274717
Avenida das Flores. 945. S8 Medicai Center. si 802. 78 043 172. Cuiabá. MT
contato!ilhuendelrolim.com.br www.huendelrolim.com.br (I)@
,. -
GAB I PGR
Fls·UU0810
882

PP
AU
IR
EXCELENTÍSSIl\fA SENHORA DOUTORA JUÍZA DE DIREITO DA T

AR
VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ/l\1T

L
DE
Autos do Processo n" 37299-43.2016.811.0042 (Código 459808)

:34 AN
• n()~ :lUt(l::;
:46 C
14 E S ALA N AYOUB MALOUF. i;i dt\'i,L"ncnt'· 'Iu:tlificld ..
do pn)cl'~~f) em epÍgLdt" \ nn, por inrctmú.lio de ~cu~ .\d,+ogado;-:~
8 - IN
fI ilu:,rrc

prcscncl (k \'( )",~,l I ':;..:cd['ncía. 111)~ flTlnl)';'.


01 OL

do:,) art. ,)91. J, do (:úJigu de Procc:'.sn PcnaL


11 H" '1'01" RECUR.SQ, DE A~ELAÇÃO CRIMINAL. ,·tn ["CC da "'nrcnCI '"
0/2 AR
9/1 - C

TcnJ.) I..'ln \"t~r:I () Clhinx'1Ho, H:l1lpc:-:ti\-idadc! <.: ':ldl.'llU<l(;"U


: 1 30

\.k~ll' ltl'rur~(). pugna par;1 que \'~_\~:->:t ]-:\.cl'kncia :,(: digne a conhcn:··!r.) c ~l n-cebi:-lo, õ(

fi.rn de, nos H'nl)l)~ do arl. ()IHI. ':~,-i". do C(')(.ligo de Procc:-:~n Pcn:.,]. cJeterrninaf ~lIa
Em 8579

1'I.:n1c:-:::-:;1 ,10 I:,grl'g-io Tríbunal de JU:,tiC'1 d" !'::-:rado de \lau) (~rt)~s(l, Je nli)dll "-jUt' :1

• dl"f<..'~a :-:Cj:-l inl'inl'ilda na ln~t:'lI1Cí,\ :,upt.'rjor p,trJ ;lprC~l'llmr a~ n-lzúes da irre~igl1ac:l.o .


11
65
r: 0


po
s so
pre
Im

'1 n1\l;,nll'-~' "rÚ1L': I"';:" .1" 1)!1 1; )nl:'). I ,<!;tdH'.1 ':011,1.-11.1('-'0.1 i"('J di~;''':lIbl!V:ld.! <-~11 ':tl.lP ..:!IlI- _'1111111:1 lo 11,1-'
pul,jh:'\;I.\ ,-!)1 ::- !0).':1I i - . ,( \ I.l·!l i1.; • ,d., 'l'!l ,'~ rl.i/'!~ CUfql~ p.l,",~.If.l\1l .1 ,( 'fll I" ~'m ,0_1 0.:\11- ·:'q.~t1il,l.l f~',u 1'",
ti,
,:\ 111' 1\
t, >rI" ! '. i 1 ,q~11; 'n<ld d, " prJ/' ,~ 11' ,~ dl.!~ n l.11 ~,;; - , 02. i I ~lll - " <"
I I _:\11 -;- , ! " ,n:ln;l : I" IR, :ul - )lI, I Co C pqt!'.': 1.1 (,::") :111-
, ,; .• (:1 ti ~\.- _, Ill.lk' ,lIl !J J I I :II! - , o,
11 ,:?l ij-. l' .i" r, ~!.IH; ,LI'. 111.1, 1.jlUl\ld .1 kIHP\ .. 11\'I.!.al. ,k,r;; illl{'rl'n~l~ :i' '.
- . GAB/PGRl
Fls. 000811
...... - : l=---====;:J,1 . \
:~\. ,'.

• lO

P
P0DER JUDICI~O

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
883
7'. VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIzADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

LA
CRIMES DE LAV AGEM DE DINHEIRO

DE
Autos n. 37299-43.2016.811.0042

:34 AN
Id. N. 459808

:46 C
14 E S
Réus - EDÉZIO FERREIRA DA SILVA e ALAN AYOUB MALOUF


8 - IN
01 OL
0/2 AR
9/1 - C

.•
.
: 1 30
Em 8579


11

VISTOS ETC .
65


r: 0

Trata-se de ação penal intentada pelo Ministério Público do


po

Estado de Mato Grosso, em 19 de dezembro de 2016, em desfavor de


sso

ALAN A YOUB MALOUF e EDÉSIO FERREIRA DA SILVA.


pre

A denúncia decorre da apuração da existênf~ em tese, ! e


Im

uma organização criminosa destinada à obtenção de vanJ.gen~ indevidas


junto à Secretaria de Estado de Educação de Mato Grosso - ~~.
'" ,
r~· ~,
1

'.

. ';
'.'
- - GAB/PGIfl
FIS.000812l
_.=1

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO 884
3
7 VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
Foram impu:adas ao primeiro as condutas previstas no art.

:34 AN
• 2°, caput, c/c §§ 3° e 4°, n, da Lei n°. 12.850/2013 (FATO 01), art. 317,

:46 C
caput, do CP, por quatro vezes na forma do art. 71, caput, do CP (FATO
14 E S
03), art. 317, caput, por duas vezes na forma do art. 71, caput, ambos do
8 - IN
• Código Penal (FATO 07), art. 317, caput, por duas vezes na forma do art.
01 OL

71, caput, ambos do Código Penal (FATO 11), art. 317, caput, por doze
0/2 AR

vezes na forma do art. 69, caput, ambos do Código Penal (FATOS 02, 04,
9/1 - C

05,06,08,09,10,12,13, [4,16 e 17), art. 317 c/c art. 14, n, ambos do


Código Penal (FATO 15), art. 317, caput, por duas vezes na forma do art.
: 1 30

70, in fine, ambos do Código Penal (FATO 18), art. 317, caput, por duas
Em 8579

vezes na forma do art. 69, ambos do Código Penal (FATO 18 e 19), todos
• combinados na forma do art. 69 do Estatuto Penal; já ao segundo a conduta
11

típica prevista no art. 2°, ca~Jut, c/c art. 4°, lI, da Lei 12.850/2013 (FATO
65


OI) c/c art. 29, § 1°, do Código Penal.
r: 0
po

A inicial descreve satisfatoriamente as condutas imputadas


sso

aos denunciados, apontando em cada fato narrado o suporte probatóri


correspondente.
pre

'1
documen~ãb
Im

A denúncia veio instruída com farta e foi


recebida em 30 de janeiro de 2017, como se vê às folhas 6050/6b5.,..",lv .~rso.

2
GAB/PGRl
... Fls. UOfi 8 1:1
,
L,,----:-:---c::J

PP
PODER JUDICIÁRIO 885
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
8
7 , VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

AR
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
Em 12 de janeiro de 2017 o Ministério Público trouxe aos

:34 AN
autos relatório de informações 217/ 2016/GAECOIMT onde narra o

:46 C
14 E S
cumprimento de medidas cautelares expedidas por este juízo: prisão
preventiva, condução coercitiva e busca e apreensão (fls. 6058/6068) .


8 - IN
01 OL

Anoto que, embora decretada a prisão preventiva de ALAN


0/2 AR

MALOUF em 13/12/2016, conforme folhas 94/129 dos autos ID 457843,


9/1 - C

em 24 do mesmo mês e ano, durante o plantão do recesso forense, foi


deferido o pedido de conversão da prisão preventiva em prisão domiciliar
: 1 30

em favor deste réu, conforme folhas 238/239 .


Em 8579

• ~ EDÉSIO FERREIRA DA SILVA compareceu em juízo


11

regularmente representado por advogado, conforme se vê as folhas 6069 a


65

• 6071. Da mesma forma, ALAN AYOUB MALOUF, por meio de


r: 0

advogados constituídos, compareceu nos autos às folhas 6073/6075.


po
so

Citado, (fi,. 607617). I \


s
pre

, I .
Resposta à acusação de EDEZIO FERREIRA 'DA S~VA às
Im

folhas 6078/6089 com documentos (fls. 6090/610 1). ~

3
GAB/PGRl
FIs·V00814
. I
- ='

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
ALAN MAI"OUF trouxe resposta à acusação às folhas
6103/6121 e opôs exceção de incompetência, que foi distribuída sob

:34 AN
• código 47045 para tramitação em autos apartados .

:46 C
14 E S
As respostas à acusação foram analisadas às folhas
8 - IN
• 6122/6128, ocasião em que foi designada audiência de instrução e
01 OL

julgamento.
0/2 AR
9/1 - C

Em 30 de maIO de 2017 foram ouvidos GIOVANI


BELATTO GUIZARDI e LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON
: 1 30

tendo o Ministério Público desistido da oitiva da testemunha JAMILE


Em 8579

AYOUB GRUNWALD GUIZARDI .


11

Em 01106/2017 foi ouvida a testemunha JOSÉ CARLOS


65


PENA DA SILVA .
r: 0
po

A defesa de ALAN MALOUF desistiu da oitiva das/'


sso

testemunhas por si arroladas. conforme se vê as folhas 6195.

(\\.
pre

Em 6 de junho de 2017 foi ouvida a testemunh~:J'


cardo
= 8 de junhoI/
Im

I I
Augu"o Sgu","; e 0' ,'u' fo"m ;o"=g.do, 2017

-,~
GAB/PGRl
.- . Fls·OOr,S15
,

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO 887
7·. VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
conforme folhas 6199 e seguintes, nada requerendo as partes em sede de
diligências,

:34 AN
e-,
:46 C
o réu ALAN AYOUB MALUF, que se encontrava em
14 E S
prisão domiciliar, foi colocado em liberdade mediante cumprimento de
8 - IN
• medidas cautelares em 14 de julho de 2017,
01 OL
0/2 AR

As alegações finais do Ministério Público vieram às folhas


9/1 - C

6215/6353 .
: 1 30

As alegações finais de EDÉZIO FERREIRA DA SILVA


Em 8579

estão às folhas 6354/6369 e as alegações de ALAN MALOUF estão às


e~ folhas 6426/6481.
11
65


Uma vez que EDEZIO FERREIRA DA SILVA ofertou
r: 0

alegações finais antes do Ministério Público, determinei fosse intimada a


po

sua defesa para que tomasse ciência das alegações acusadoras, ratificando
sso

suas alegações ou oferecendo novas razões por escrito. A defes~desseréu

foi devidamente intimada conforme certidão de 4 de setemb/o "de 2017


pre

folhas 6417, porém quedou-se inerte, fazendo presumir qu~ia as:


Im

alegações anteriormente oferecidas. )

5
GAB/PGRl
~- . Fls. 000816
,
l---,---.::J

..

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7'. VARA CRIM1NAL DA COMARCA DE CUIABÁ 888

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES D E LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
Assim os autos vieram conclusos.

:34 AN
• 1t O RELATÓRIO .

:46 C
14 E S
FUNDAMENTO E DECIDO .


8 - IN
Inicialmente cabe apreciar preliminar arguida pela defesa de
01 OL

ALAN A YOUB MALOUF .


0/2 AR
9/1 - C

Argumenta a defesa a incompetência absoluta do Juízo,


porquanto há menções nos autos à participação de pessoas detentoras de
: 1 30

foro por prerrogativa de função .


Em 8579

• Aduz que desde o pedido de decretação da prisão preventiva


11

de Alan Malouf este juízo, já vislumbrando a sua incompetência, teria


65

• determinado a remessa do" autos à instância superior, porém nenhuma


r: 0

providência nesse sentido teria sido adotada até então.


po
sso

Alega que, havendo autoridade com prerrogativa(dê f~,


não cabe ao juízo de piso promover o fatiamento do processo, reretbjdO à
pre

instância superior apenas o que diz respeito a tais pessoas, IIi0 1m ~


Im

remessa integral dos autos.

6
PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ 889
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

L
DE
Argumenta, ainda, que o princípio do Promotor Natural não
foi observado nos autos, eis que, havendo menção da participação do

:34 AN
Governador do Estado e de Deputado Federal, a competência para o

:46 C
oferecimento da denúncia seria da PGR e não do MPE .
14 E S


8 - IN
Pede, pois, o reconhecimento da nulidade do feito desde seu
01 OL

nascedouro, com remessa dos autos à superior instância para


0/2 AR

processamento.
9/1 - C

o pleito defensivo não merece acolhimento.


: 1 30
Em 8579

Inicialmente, cabe reportar-me à decisão proferida nesta


• ~ data, nos autos ID N. 470450, exceção de Incompetência, oposta por este
11

mesmo réu sob os mesmos fundamentos. Ali, sendo tempestiva a oposição,


65

• analisei o pleito porém não acolhi os argumentos esposados, mantendo a


r: 0

competência deste Juízo para o processamento e julgamento da presente


po

ação penal.
so

/í\
s

A oposição da exceção de incompetência fl.ivempestivk e


pre

regu~a~ente analis~~a nos. a~tos apens~s., não sendo ca1.ív~l~ I~qui, ~ua
Im

argUlçao como matena prehmmar ao mento da defesa, prj'lto por sua

7
-------- ---------------------------

GAB/PG!fl
Fls·00081B l
.=1

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
a
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
890

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
intempestividade, segundo por se tratar de procedimento com rito próprio,
o qual, aliás, já foi respeitado nos autos referidos .

:34 AN
• :46 C
Todavia, apenas para esclarecer e espancar de vez quaisquer
14 E S
dúvidas que tenham remanescido acerca do teor da decisão a qual ora me
8 - IN
• reporto (autos ID 470750), teço, aqui, algumas considerações.
01 OL
0/2 AR

Com efeito, verifico que há expressa menção nos autos a


9/1 - C

várias autoridades detentoras de foro por prerrogativa de função,


especialmente em juízo, feita pelo réu Alan Malouf, que aponta o ora
: 1 30

Governador do Estado, Pedro Taques, como mandante dos crimes a si


Em 579

imputados, bem como os deputados Guilherme Maluf (estadual) e Nilson


18

• Leitão (federal), como destinatários de parte das propinas arrecadadas pela


51

ORCRIM .
06

• Contudo, anoto que não há indícios robustos da efetiva


r:
po

participação de tais pessoas nos crimes narrados na denúncia, além das


sso

acusações feitas pelo próprio acusado Alan Malouf, de modo que entendo
que não é o caso de modificação da competência.
1\
pre

,
'I /
~imenlal.
Im

"Reclamação. Negativa de seguimento. Agravo r ,


Art. 102, 1, b da Constitl.ição Federal. Foro privilegiado. Lm~les '

8
GAB/PGR
Fls. OO[i 8 1 9
-----=J

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
8
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ 891
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
menção de nomes de parlamentares, por pessoas que estão sendo
investigadas em inquérito policial, não tem o condão de ensejar a

:34 AN
competência do Supremo Tribunal Federal para o processamento do

:46 C
inquérito, à revelia dos pressupostos necessários para tanto dispostos no
14 E S
art. 102, I, b da Constituição. Agravo regimental improvido" (Plenário do
8 - IN
• Supremo Tribunal Federal na Rcl nO 2.l0l/DF-AgR, Relatora a Ministra
01 OL

Ellen Gracie, DJ de 20/9/02) (grifos meus).


0/2 AR
9/1 - C

No mesmo sentido, o HC nO 82.647/PR, Segunda Turma,


Relator o Ministro Carlos Velloso, DJ de 25/4/03: "CONSTITUCIONAL.
: 1 30

PENAL. PROCESSUAL PENAL. HABEAS CORPUS. INQUÉRITO


Em 8579

POLICIAL. NULIDADE. DEPUTADO FEDERAL. TRAMITAÇÃO


.~ PERANTE A JUSTIÇA FEDERAL. INOCORRÊNCIA. c.F., ART 102, L b.
11

1. - Inquérito policial em tramitação perante a Justiça Federal de primeira


65


instância, para apurar possível prática de crime de sonegação fIScal e
r: 0

lavagem de dinheiro por pessoas que não gozam de foro por prerrog tiva
po

de função. JI. - A simples menção de nome de p!~j.~amentar, em


so

depoimentos prestados pelos investigados, não tem o cordão dr firmar a


s

competência do Supremo Tribunal para o processame'nto ) inquérito.


pre

IJI. - H. C. Indeferido" (grifo meu).


Im

9
GAS/PGRl
FI~ 000820
--=J

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO (392
a
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
De outro modo, ainda que se tratasse de usurpação da
competência do STF por parte deste Juízo, tal providência em nada

:34 AN
• aproveitaria ao réu ALAN MALOUF, de modo que não lhe cabe tal
arguição .

:46 C
14 E S

8 - IN
Neste sentido é o entendimento do Min. Dias Tófoli:
01 OL
0/2 AR

"A usurpação da competência do STF traz como


9/1 - C

consequência a inviabilidade de tais elementos operarem sobre a esfera


penal do denunciado. Precedentes desta Corte. Conclusão que não
: 1 30

alcança os acusados destituídos de foro por prerrogativa de função. " (Inq


Em 8579

nO 2.842/DF, Tribunal Pleno, Relator o Ministro Ricardo Lewandowski,


• DJe de 27/2/14 - grifas nossos). No mesmo sentido o RHC nO 135.683/GO,
11

Segunda Turma, Min Dias Tófoli" julgado em 25/1 0/16.


65

PIo~df ~
r: 0

• Po, "te> motivo,_ já "po,,",o, no d,,,,,,o


e~ a~tYise d!t
po

autos de Exceção de Incompetência, que ora apenas repito


vr
sso

preliminar arguida, é que rejúto-a, sem mais delongas.

/
pre

I
Quanto ao mérito:
Im

10
GAB/PGRl
.- on8 2 1 .' .
Fls, Q

I----.=J

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO 893
3
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
De acordo com a denúncia, em data não definida, em
momento anterior ao mês de setembro do ano de 2015, no Município de

:34 AN
Cuiabá, Estado de Mato Grosso, ALAN AYOUB MALOUF, PERMINlO

:46 C
PINTO FILHO, FABIO FRIGERI, WANDER LUIZ DOS REIS, MOISÉS
14 E S
DIAS DA SILVA, GIOVANl BELATTO GUIZARDI, JULIANO JORGE


8 - IN
HADDAD, LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON, LEONARDO
01 OL

GUIMARÃES RODRIGUES, MOISES FELTRIN, JOEL DE BARROS


0/2 AR

F AGUNDES FILHO, ESPER HADDAD NETO, JOSE EDUARDO


9/1 - C

NASCIMENTO DA SILVA, LUIZ CARLOS IORIS, CELSO CUNHA


FERRAZ, CLARICE MARIA DA ROCHA, EDER ALBERTO
: 1 30

FRANCISCO MECIANO, DILERMANO SERGIO CHAVES, FLAVIO


Em 8579

GERALDO DE AZEVEDO, JULIO HIROCHI YAMAMOTO FILHO,


• ..-.., SYLVIO PIV A, MÁRIO LOURENÇO SALEM, LEONARDO BOTELHO
11

LEITE, BENEDITO SÉRGIO ASSUNÇÃO SANTOS e ALEXANDRE


65

• DA COSTA RONDON, voluntariamente, constituíram e desde então


r: 0

passaram a integrar pessoalmente organização criminosa, para a qual


po

concorriam funcionários públicos, condição esta (exercício da função


sso

pública) de que se valia a organização criminosa para a prática de infrações


penais.
~
pre

I _,

d~nida,
\I \
i \
Im

Consta, ainda, na inicial, que em data não em \


momento ",terim 'o mê, de "tembm do ",o de 2015, no 7~J& de
j -; 11
GAB/PGR~
Flsoor'822 I
I
------:'"

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO 394

AU
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
Cuiabá, Estado de Mato Grosso, EDÉZIO FERREIRA DA SILVA passou
a, voluntariamente, sem integrar a organização criminosa acima relatada,

:34 AN
• auxiliar no desempenho de atividades que propiciaram a prática de crimes
pelo grupo .

:46 C
14 E S


8 - IN
Narra a exordial que a organização criminosa ora tratada,
01 OL

composta por particulares c agentes públicos, tinha como objetivo obter


0/2 AR

vantagens indevidas, a princípio, sobre contratos da Secretaria de Estado


9/1 - C

de Educação de Mato Grosso - SEDUCIMT, bem como fraudar licitações


desse mesmo órgão.
: 1 30
Em 579

o enredo dos fatos está descrito de maneira minuciosa,


18

• demonstrando que a organização criminosa é composta por quatro núcleos,


51

conforme abaixo descrito:


06

• - NÚCLEO DE LIDERANÇA: integrado por ALAN


r:
po

AYOUB MALOUF, PEMíÍNIO PINTO FILHO e outras pessoas ainda


sso

não individualizadas. Sob a responsabilidade deste núcleo ficava a


formulação, aprovação e garantia da implementação e desenvolvimento .fe\
pre

esquemas criminosos dentro da Secretaria de Estado de Educaçã ',\Esporte \


Im

e Lazer de Mato Grosso, além de, possivelmente, outros órgãos, os quais se I

desenvolviam sob as ordens dos integrantes desta cúpula. Par taJo/ seus

)
I 12
GAB/PGR
FIs oon823

P
PODER JUDICIÁRIO
895

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
a
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

LA
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

DE
componentes se valiam do poder político-funcional, relacionado às funções
legais atribuídas aos cargos públicos que investiam, bem como do poder

:34 AN
político-econômico obtido pelo financiamento de campanhas políticas,
.~

:46 C
dívidas dos financiados pagas pela aceitação da ingerência na utilização das
14 E S
prerrogativas dos cargos/mandatos em que foram investidos. Os elementos
8 - IN
• deste núcleo eram os destinatários da maior porção da propina arrecadada
01 OL

pelos agentes públicos através do operador GIOVANI BELATTO


0/2 AR

GUIZARDI;
9/1 - C

- NÚCLEO DE AGENTES PÚBLICOS: dele faziam parte


: 1 30

WANDER LUIZ DOS REIS, FÁBIO FRIGERI, MOISES DIAS DA


Em 8579

SILVA e JULIANO JORGE HADDAD, funcionários públicos da


.~ Secretaria Estadual de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso -
11

SEDUCIMT, e, possivelmente, outros servidores do mesmo órgão e/ou de


65

• outros órgãos ainda não identificados. Este seria o centro responsável por
r: 0

dar acesso aos empreiteiros aos contratos administrativos com a


po

SEDUCIMT, através da liberação de informações sobre licitações cujo


sso

edital de abertura sequer tinha sido publicado. Além disso, com


concorrência de outras pessoas ainda não identificadas, os componentes
pre

deste grupo também teriam agido internamente interferind6\nos certames


Im

. I. \
licitatórios com o objetivo de assegurar que os empresá}io~ ligacios ao '
grupo se sagrassem vencedores. Tais atuações teriam Madõ'
I \ /
sob a

.) 13
GAB/PG- R
Fls_ 00f'824 .
1
-----:----.=1
,

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTAJ[)O DE MATO GROSSO 89G

AU
7'. VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DIE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
liderança de PERMÍNIO PINTO FILHO, que, comandava toda a atividade
do grupo. Estas ações eram remuneradas por propinas pagas pelo centro de

:34 AN
• empresários .

:46 C
14 E S
- NÚCLEO DE OPERAÇÃO: composto por GIOVANI
8 - IN
• BELATTO GUIZARDI, LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON e
01 OL

LEONARDO GUIMARÃES RODRIGUES. Os integrantes deste núcleo


0/2 AR

seriam os grandes executores de todo o esquema. Atuavam como "longa


9/1 - C

manus" de cada um dos núcleos como mandatários de cada um dos


centros. Neste compasso, GIOV ANI GUIZARDI, embora não sendo
: 1 30

servidor, teria agido em nome dos agentes públicos e dos integrantes do


Em 579

núcleo de liderança para que estes não aparecessem nas


18

• cobranças/recebimentos espúrios das vantagens pecuniárias pagas pelos


51

componentes do núcleo de empreiteiros, dificultando a percepção de que os


06


destinatários das vantagens indevidas eram servidores públicos que as
r:

recebiam e/ou solicitavam em razão dos cargos públicos que exerciam. Por
po

sua vez, LUIZ FERNANDO DA COSTA RONDON e LEONAL'--LJV


!
sso

GUIMARÃES RODRIGUES seriam os mandatários do fintro do


empresários, já que em nome destes negociavam com o núcleo de L entes
pre

pu'bl'ICOS as prestaçoes
- e contraprestaçoes '1"
- licitas que bene fi·1
IClav ambOS!I
Im

os grupos;
j

14
GAB/PGRl
Fls. 000825.

P
PODER JUDICIÁRIO --=1

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

LA
CRIMES DE LA V AGEM DE DINHEIRO

DE
- NÚCLEO DE EMPREITEIROS: integrado por LUIZ
FERNANDO DA COSTA RONDON, LEONARDO GUIMARÃES

:34 AN
• RODRIGUES, MOISES FELTRIN, JOEL DE BARROS FAGUNDES

:46 C
14 E S
FILHO, ESPER HADDAD NETO, JOSE EDUARDO NASCIMENTO DA
SILVA, LUIZ CARLOS IORIS, CELSO CUNHA FERRAZ, CLARICE
8 - IN
• MARIA DA ROCHA, EDER ALBERTO FRANCISCO MECIANO,
01 OL

DILERMANO SERGIO CHAVES, FLAVIO GERALDO DE AZEVEDO,


0/2 AR

JULIO HIROCHI YAMAMOTO FILHO, SYLVIO PIV A, MÁRIO


9/1 - C

LOURENÇO SALEM, LEONARDO BOTELHO LEITE, BENEDITO


SÉRGIO ASSUNÇÃO SANTOS, ALEXANDRE DA COSTA RONDON,
: 1 30

além de outras pessoas ainda não identificadas. Os componentes deste


Em 8579

• grupo seriam os grandes beneficiários do esquema criminoso que mantinha


viva a organização criminosa, já que, em prejuízo do Estado de Mato
11

Grosso, firmaram contratos administrativos sem base na proposta mais


65

• vantajosa para a administração, bem como se valendo de informações


r: 0

privilegiadas e com as ações materiais de apoio efetivadas pelo núcleo de


po

servidores públicos. Distribuíam entre si, atendendo os interesses


sso

individuais dos seus integrantes, as contratações com o Estado de Mato


Grosso, de modo a frustrar o caráter competitivo das licitações~do ES~~
pre

mantendo o seu "nicho do mercado de consumo" a salvJ \fe outro~


Im

concorrentes que poderiam ofertar propostas mais ~:antrjo~as ~\


administração pública. Em troca do apoio necessário recebidol~rleo dei

_/ 15
GAB/PG!fl
fls. OOn8 2 6'l

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ 398

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAV AGEM DE DINHEIRO

LA
DE
agentes públicos, pagavarn propina a estes durante a execução dos
contratos administrativos oriundos das licitações maquiadas, por ocasião

:34 AN

dos pagamentos efetuados pelo Estado. Com efeito, LUIZ FERNANDO

:46 C
DA COSTA RONDON, LEONARDO GUIMARÃES RODRIGUES e
14 E S
ESPER HADDAD NETO seriam os líderes do núcleo de empresários, pois
8 - IN
• LUIZ FERNANDO e LEONARDO GUIMARÃES exerciam papel de
01 OL

mandatários do grupo, tomando decisões em nome deste. Com a atuação


0/2 AR

categórica de ESPER, coordenavam os passos do núcleo no assentamento


9/1 - C

dos interesses pessoais de seus integrantes.


: 1 30

Conforme registrado pelo parquet, os integrantes do núcleo


Em 8579

de funcionários públicos, por intermédio de GIOVANI BELATTO


• GUIZARDI, em razão dos cargos públicos que ocupavam, solicitavam aos
11

empreiteiros vantagem pecuniária indevida como condição para a liberação


65


dos pagamentos relativos às medições ocorridas na fiscalização da
r: 0

execução dos contratos administrativos de obras públicas da SEDUCIMT


po

que os construtores mantinham com o Estado de Mato Grosso.


so

cObrav~:\
s

Nesta dinâmica em que os servidores públicos


pre

propina por intermédio de GIOVANI BELATTO GUIZARDI ~\~videnci~


s ~tividadJ
Im

a concorrência da pessoa de ALAN AYOUB MALOUF para W '


• • o' _
do grupo cnmmoso, empresano nao pertencente ao ramo d
J J
I nstruçao

) 16
GAB/PGRl
Fls. OO[! 8 2 7

PP
PODER JUDICIÁRIO -----=:1
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7°. VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 839

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

L
DE
civil que, por integrar o núcleo de liderança da organização cnmmosa,
também teria se beneficiado diretamente da propina arrecadada por

:34 AN
." participar do rateio dela feito entre os integrantes do grupo delituoso, além

:46 C
14 E S
de fazer as articulações necessárias para o desenvolvimento dos esquemas
criminosos engendrados para cobrar e receber propina .


8 - IN
01 OL

A denúncia revela que ALAN A YOUB MALOUF, pessoa


0/2 AR

que se encarregava das tratativas necessárias ao funcionamento do esquema


9/1 - C

ilícito, teria articulado junto a PERMÍNIO PINTO FILHO, à época


Secretário de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso, para
: 1 30

inserção de GIOV ANI BELATTO GUIZARDI, pessoa de sua confiança


Em 8579

com quem guarda parentesco, na condição de operador de cobrança e


.__ recebimento de vantagens ilícitas relacionadas a obras públicas da
11

SEDUCIMT, garantindo assim o pleno controle sobre as atividades ilícitas


65


do grupo delituoso .
r: 0
po

Da mesma forma, teriam sido realizadas as tratativas de


carg~,
so

ALAN AYOUB MALOUF que garantiram sua ingerência sobre o


s

Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento d~\ Estrutura


pre

Escolar - posto estratégico dentro da SEDUCIMT que garantia a pressãd


Im

"
, II
'obre o, =preiteim, pm, p",,,"~to da pmpio>, b= wm7,,~otroll

J
17
----- ---------------------------

GAB/PGR"l
fls. ri () fi 828 I
-----,í

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTA)[)O DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ °00
v .'

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DJE LA VAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
sobre tais pagamentos - em relação às nomeações, tanto de WANDER
LUIZ DOS REIS, quanto de MOISES DIAS DA SILVA .

:34 AN
• :46 C
14 E S
Relativamente à pessoa de EDEZIO FERREIRA DA
SILVA, a inicial narra que, sem integrar a organização criminosa e sem ter
8 - IN
• o domínio funcional do fato, auxiliava nas atividades do grupo
01 OL

desempenhando atividades subalternas sob as ordens de GIOV ANI


0/2 AR

BELATTO GUIZARDI.
9/1 - C

Neste sentido, EDÉZIO teria contribuído para as atividades


: 1 30

da organização criminosa a pedido de GIOVANI BELATTO GUIZARDI,


Em 8579

locando a sala comercial n. 1602 no 16° andar do Ed. Avant Gard Business
• em nome da empresa EDÉZIO FERREIRA DA SILVA EPP, onde eram
11

realizadas reuniões "reservadas", local que servia para os encontros entre


65

• integrantes da organização criminosa, para negociação e recebimento de


,I
r: 0

propina, bem como para entrega de listas de obras públicas que seriam
po

licitadas pela SEDUCIMT ao representante dos empreiteiros, muitas delas


sso

antes que seus editais fossem publicados, atos necessários para a


consecução dos crimes de fraude ao caráter competitivo do procedim.
pre

licitatório. , (
Im

Além disso, apontam os autos que EDEZIO FIE,


DA SILVA, a mando de GIOV ANI GUIZARDI, teria contrik o para

18
GAB/PG~
Fls. li U(i 8 2 9.'l
-----,.=1

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO 901

AU
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

AR
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAV AGEM DE DINHEIRO

L
DE
com a organização, fazendo composições individuais de preços da tabela da
SEDUCIMT e consultas ao Sistema Integrado de Planejamento,

:34 AN
.- Contabilidade e Finanças - FIPLAN, dando a GIOV ANI informações

:46 C
14 E S
sobre os pagamentos feitos pelo Estado de Mato Grosso aos empreiteiros
com a finalidade de agilizar o recebimento da propina, bem como para
8 - IN
• eventual distribuição da propina por meio de depósitos bancários.
01 OL
0/2 AR

A denúncia é parcialmente procedente.


9/1 - C

Com efeito, as provas dos autos apontam que tanto ALAN


: 1 30

A YOUB MALOUF quanto EDÉZIO FERREIRA DA SILVA praticaram


Em 8579

os delitos que a inicial lhes imputa, cada um em seu próprio contexto.


11

EDÉZIO FERREIRA DA SILVA, embora negue que tenha


65


auxiliado a organização criminosa, alegando que era subordinado a Giovani
r: 0

e que apenas cumpria ordens, efetuando atividades sem saber a que fim se
po

destinavam, foi delatado por GIOV ANI, o qual afirmou categoricamente


so

que EDÉZIO tinha plena ciência de todo o ocorrido, assIm como d


s

ilicitude de seus atos. .,


pre

i .
Im

Deveras, das provas colhidas nos autos, inclusiv'f do


. ,. do propno
mterrogatono , . reu,
, denota-se que EDE'ZIO'" I 1 ,; peIa
101 o respoPjvel

.J
19
GAB/PGRl
Fls. 000830

l=:----:::=c---,,=l

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7', VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ 902

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
elaboração da planilha que servia como controle de pagamento das
propmas .

:34 AN
• Vejamos
interrogatório de EDÉZIO:
algumas

:46 C
anotações
14 E S
que fiz a partir do


8 - IN
01 OL

EDÉZIO FERREIRA DA SILVA - foi convidado para uma entrevista de


emprego em m,o'rço de 2015 pela empresa do Giovani, ofereceram como
0/2 AR

remuneração R:> 5.000,00 na carteira de trabalho ou R$ 15.000.00 sem


registro, com contrato de prestação de serviços com a Guizardi Jr.
9/1 - C

Construtora em J de abril de 2015. Um dos primeiros trabalhos que fez foi


levantamento dos banheiros das escolas, com uma arquiteta e uma
engenheira civil também trabalhou fazendo obras de interesse pessoal do
: 1 30

Giovani Guizardi. Em setembro de 2015 o Giovani pediu para procurar uma


Em 8579

sala para alugar. Ele pediu que alugasse a sala em seu nome, então
concordou, alugou a sala em seu nome. Nessa sala viu o Fábio Frigeri,


Wander, Eder, Luis Rondon, Leonardo, Esper Hadad, eles iam fazer
reuniões com o Giovani, não sabia o teor das reuniões, não participava
11

delas. Lembra ,'ue o Giovani pediu que fizesse dois depósitos em datas
diferentes e ate),deu, cada um foi de 30 a 33 mil reais. Em certo momento
65

Giovani desenvolveu planilha de possíveis contratos de prestação de


r: 0

serviços em esedas, então fez a planilha para ele e ele orientou a fazer da
forma que ele q"eria, então fez o que ele mandou. Ficou em haver uma nota
fiscal de serviços que prestou e não recebeu até hoje, no valor de R$
po

7.500,00. Duranie o tempo em que trabalhou lá emitiu notas fiscais de tudo


o que recebeu. Quem pagava as despesas da sala era o Giovani, ele dava o
sso

dinheiro e o réu fazia os pagamentos. Os moveis da sala eram do Gio ani,


não havia nada (/0 réu lá.
pre

"abo,f~Pl~ill
Im

EDÉZIO oh,gou inolu,iv, areia"" que a


exatamente d, aoo,do oom o que GlOV ANI exigia, ,mbma'11a n::
GABIPGRl
Fls. 000831 ·1
- ,

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 903
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

LA
CRIMES DE LAV AGEM DE DINHEIRO

DE
fosse a forma correta de executar o serviço. Além disso, tinha ele o controle
dos pagamentos efetuados pela SEDUC aos empresários, que servia como

:34 AN
diretriz para a cobrança das propinas, conforme o próprio GIOV ANI relata

:46 C
14 E S
em interrogatório .


8 - IN
EDÉZIO não é pessoa leiga, ignorante ou pouco esclarecida
01 OL

no assunto. Ao contrário, é engenheiro, empresário e tinha pleno


0/2 AR

conhecimento do esquema criminoso traçado por GIOV ANI e seus


9/1 - C

comparsas, tanto que chegou a alterar o contrato social da empresa de sua


propriedade, aumentando consideravelmente o capital social, a fim de
: 1 30

possibilitar que a mesma participasse do rateio entre as licitações


Em 8579

fraudulentas e, ainda que não tenha efetivamente participado de nenhuma


delas, o certo é que trabalhou para facilitar o sucesso da empreitada
11

criminosa dos demais .


65


r: 0

É certo que EDÉZIO não participava das reuniões entre


po

empresários, como ficou comprovado nos autos. Porém, não havia mo~
sso

para que participasse, já que sua empresa não havia prestado serviços ao
Estado e não tinha créditos a receber. Bem assim, o que fict~ esclarecidJ;
pre

i t I

após a instrução processual é que o papel deste réu no enred? crimin?so era
ID"mo de ",~retrui"," a O_j~ç'o Crimino,,, nada maj,j"' j,oo.
Im

21
GAB/PGRl
Fls. fJ OU83 2
l::---,,::::=_ _ '
=1

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
a
7 • VARA CRIMI[NAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
904

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

L
DE
Ademais, o fato de ter concordado em alugar a sala
comercial em nome de sua empresa denota que colaborou para que o nome

:34 AN

de GIOVANI não ficasse evidenciado no esquema criminoso. A empresa

:46 C
de EDÉZIO serviu como escudo, já que GIOVANI não pretendia envolver
14 E S
a empresa Guizardi Junior Construções na ORCRIM. Serviu, pois, como
8 - IN
• "testa de ferro" para GIOVANI e para os demais membros da organização.
01 OL
0/2 AR

Não é por acaso que, embora não passasse de mero


9/1 - C

secretário de GIOV ANI, recebia mensalmente quantia que difere bastante


da média salarial para esse tlpo de serviço, ou seja, R$ 15.000,00 mensais.
: 1 30
Em 579

Com efeito, o trabalho desenvolvido por EDÉZIO, segundo


18

• o que restou provado nos autos, resumia-se em permanecer na recepção do


51

escritório que ele mesmo havia alugado, elaborar as planilhas referidas nos


06

autos e prestar serviços de banco. Era quase um office-boy de luxo da


organização criminosa.
r:
po

r
sso

Não faz sentido que um engenheiro execute LJe tiJ de


I I I
trabalho, recebendo remuneração desproporcional ao serviço W.J1tado, sem
pre

saber da ilicitude da situação. /


Im

22
GAB/PGR
Fls. 000833
:-----.::1

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ 9 O5
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

L
DE
A alegação de EDÉZIO de que desconhecia o esquema
cnmInOSO não encontra respaldo nas provas e nas circunstâncias que

:34 AN
• restaram demonstradas nos autos e, por este motivo, tenho que merece a

:46 C
condenação, pois, como bem alega o Ministério Público, trabalhou em prol
14 E S

do sucesso das empreitadas criminosas encetadas pela ORCRIM .
8 - IN
01 OL

No que diz respeito a ALAN AYOUB MALOUF as provas


0/2 AR

são ainda mais claras.


9/1 - C

Deveras, além de confesso, é apontado por GIOV ANI


: 1 30

GUIZARDI como um dos beneficiários do esquema criminoso que vitimou


Em 8579


aSEDUC .
11

o contexto probatório, contudo, demonstra que ALAN era


65

• maIs do que mero beneficiário do esquema. ALAN era um dos


r: 0

responsáveis pela existência, pelo bom funcionamento e pelo sucesso da


po

própria organização cnmInosa.


so

!'I,
dlqvANI
s

ALAN MALOUF fOI quem apresentou a


pre

PERMÍNIO e assim procedeu a pedido do primeiro, que preJe


v
d~::_tlavar.
Im

negociações com a SEDUC".

23
"

GAB/PGR'l
Fls·OO[!834
, ,

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
EST ADO DE MATO GROSSO
a
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 906
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES HE LA VAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
A intermediação de ALAN, por si só, indica que sua
intenção era a de locupletar-se das propinas havidas pelo esquema instalado

:34 AN
na administração estadual, seja para reaver seu "investimento" na

:46 C
• campanha eleitoral, seja simplesmente para enriquecer às custas da
Secretaria de Educação . 14 E S
8 - IN


01 OL

Tal conclusilo é lógica: se a Administração Pública deve


0/2 AR

seguir os trâmites da Lei de Licitações para promover contratações, que


9/1 - C

utilidade teria apresentar GIOVANI a PERMÍNIO?


: 1 30

Em outras palavras: se a intenção de ALAN não fosse


Em 8579

facilitar o esquema cnmmoso, por que motivo faria a apresentação, se

• qualquer contratação entre GIOVANI e o ESTADO deveria atender os


11

princípios constitucionais da impessoalidade, legalidade e eficiência?


65


r: 0

Óbvio que a aproximação entre GIOVANI e PERMÍNIO


po

tinha a intenção de colocar GIOVANI como seu longa manus na SEDUC, a


sso

pessoa que se encarregaria de receber e repassar a parte da propina que


ALAN entendia que lhe era devida,
pre

~U, ,
Im

A ""'O ,pre'ffi"da po, ALAN , GIOVAfl.,


princípio o primeiro não pretendia locupletar-se com as propiQ, avi das

24
i

GAB/PGR
Fls. 00['835
'--~--
.. :=J

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ 9 O7

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

LA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

DE
na SEDUC não faz sentido, especialmente quando eles mesmos confessam
que foi ALAN que tomou a iniciativa, a pedido de GIOV ANI, de

:34 AN
apresentá-lo ao então Secretário de Estado PERMÍNIO, por conta da

:46 C
pretensão deste de travar negociações com a SEDUC.
14 E S

8 - IN
GIOVANI BELATO GUIZARDI, após entabular acordo de
01 OL

colaboração premiada com o Ministério Público, prestou declarações


0/2 AR

bastante esclarecedoras em juízo, acerca das quais fiz anotações (não


9/1 - C

transcrições), que ora colaciono a esta decisão. Veja:


: 1 30

GIOVANI BELATO GUIZARDI - Foi apresentado ao Permínio pelo


Em 8579

Alan, disse que o Alan foi um dos financiadores da campanha do


Pedro Taques. Estiveram em reunião e disse que queria trabalhar na
SEDUC com engenharia civil, de preferência estradas. Ele disse que
11

_.~

tinha demanda em reforma de escolas e perguntou se o colaborador


tinha experiência nisso. Nessa reunião ele mandou que procurasse o
65


Wander, que era indicado do Guilherme Malul Foi até o Alan, ele
falou com o Guilherme e marcaram uma reunião com o Wander, lá
r: 0

ele disse que na Seduc tinha pendências de obras. Uns 30 dias depois
procurou o Wander e disse que tinha gente que tinha investido na
po

campanha e que precisava ter retorno. Ele disse que se fosse assim
era só o colaborador e o Alan que não tinham retorno porque o Fábio
sso

e Permínio, o Ricardo Sguarezzi da Aroeira já antecipou 5% par~o


Permínio e o Leonardo já tinha antecipado 5 cheques pa a
pre

pagamento de uma gráfica, uma dívida de campanhdJ. Ele hav'a


adiantado a propina, já tinha licitado, o contrato erb d~le. O Alim
Im

ficou assustado, não sabia que o Permínio estavafazerldo Aso. Depo~s


o colaborador resolveu tomar a iniciativa, pensou enl jazer um
negócio mais organizado, com menos pessoas, onde d ri I_fara fazer

1
um grupo e ter uma contrapartida melhor. No começo o Alan não
. 2S
GAB/PGRl
Fls.OO[I 8 3 6
,
---=O-=.=.J

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
a
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
"'08
'j'

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
quis, mas passou um tempo insistiu com ele e disse que estavam
operando, já não era mais só duas construtoras, era mais e se

:34 AN
deixassem correr iriam perder a oportunidade. Então ele acabou


concordando. Então montaram uma ORCRIM com vários núcleos: o

:46 C
núcleo politic.:-, com Guilherme Maluf, Nilson Leitão, o núcleo que

14 E S
recebia a propina, Permínio, Alan. Guilherme Maluf e o grupo de
operação, com~,osto pelo colaborador, Wander e Fábio Frigeri. Nesse


grupo, Alan, Permínio e Guilherme, cada um tinha 25% da propina
8 - IN
arrecadada, mais 5% para o Wander, 5% Fábio, 5%1 para despesas,
01 OL

gasolina, trocavam celulares toda semana e 10% da propina


arrecadada fic~va com o colaborador, totalizando 100% da propina
0/2 AR

arrecadada. O grupo dos empresários era composto por Luis Rondon,


Leonardo, Sguarezzi, Esper, Eder da Geosolo. Luiz auxiliava a cobrar
9/1 - C

propina, o Esper formatava e dava idéias, Leonardo agia mais para


composição de preços e elaboração de planilhas. Antes de formar o
grupo o Esper esteve no seu escritório e não acreditou muito no que o
: 1 30

colaborador fá/ava, na forma como haviam formatado a ORCRIM


Em 8579

Então ele foi até o Permínio e perguntou se o colaborador era o


indicado para receber a propina e ele confirmou. Daí por diante

• começaram a operar. No total o colaborador arrecadou R$


11

1.200.000,00 que representava 10%, porém parte do dinheiro foi


direto ao Pe ..mínio. O Sguarezzi acertava diretamente com o
65

Permínio. Uma vez o Sguarezi pagou R$ 20.000,00, daí é que o

• colaborador percebeu que o Permínio recebia dinheiro fora da


r: 0

organização. Jusé Carlos Pena da Silva é o empreiteiro que deu os R$


4.000,00 e foi filmado, ele recebeu pouca coisa, não tinha obras.
po

Dilermano Sérgio Chaves também estava no esquema de pagamento


de propinas, em um empresário que estava sendo cobrado; Clarice
sso

Maria da Rocha também é empresária recebeu cobrança de propina


do colaborador. Eder Alberto Francisco Messiano é o proprietário da
pre

Geosolo, fazia parte do grupo de operações, era um dos responsáVêI'f,


pela divisão de obras e também pagava propinas. Com relrção ajJos
Im

Eduardo Nascimento da Silva não soube esclarecer. !No\ que diz


respeito a Silvio Piva e Mário Lourenço Salem diss~ q~e estava

tinha um crédito grande para receber, acha que ele acabou c bendo
26
GABIPGRl
FIS'OOOB37 [

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO ::::oi
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 909
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
mas não pagou propina para o colaborador, Luis Carlos da Silva
fazia parte dos empresários que pagavam propina, Quanto à

:34 AN
repartição da propina, disse que 25% era pago a Guilherme Malu/,
Alan Malouf e Perminio, que representava o Nilson Leitão, ele dizia
e-_,
:46 C
que sempre que arrecadava tinha que mandar dinheiro para Nilson

14 E S
Leitão. Sempre pagou o percentual do Guilherme para o Alan, nunca
fez pagamentos diretamente ao Guilherme Maluf Edézio era ex-


funcionário da empresa do pai do colaborador, ele tinha uma
8 - IN
empresa e como precisavam colocar mais empresas no esquema, ele
01 OL

pediu para colocar a empresa dele para trabalhar, Ele aumentou o


capital social dele, essa empresa usava o mesmo escritório que o
0/2 AR

colaborador, Ele que pagava as contas do escritório com os 5% que


era para bancar custos. Ele que atualizava planilhas, formatava
9/1 - C

planilhas de preços de obras. A empresa dele nunca chegou a


concorrer e nem prestou serviços à SEDUC Esclareceu que nunca foi
ameaçado por Alan Malou/, nem sua esposa, o Alan é primo da
: 1 30

Jamilly, esposa do colaborador, A empresa do Edézio chegou a ter


Em 8579

um contrato de prestação de serviços com a empresa Guizardi Jr.,


mas esse contrato foi interrompido, se não se engana, Não tem
conhecimento se ele é credor de R$ 7.500,00, Não assina pela
11

empresa, que é de Miguel Guizardi, Edezio prestava serviços,


conforme já esclareceu, inclusive de engenharia, era subordinado ao
65

colaborador, Edezio não participava das reuniões destinadas a

• combinar pagamentos de propinas. Para o pagamento das propinas,


r: 0

Permínio deu para o colaborador um post it com anotações de dados


bancários, CNPJ, agência, conta corrente e banco, para quefizessfm
po

depósitos e foi o Edézio quem fez os depósitos: dois de R$ 5. 000,.00 ~


na segunda vez quatro de R$ 5,000,00 em nome de uma empresa, uma

I
sso

rádio do Nilson Leitão de Sinop. Ele tinha plena ciênciii\de que era
I ,
propina. I
pre

I ,
I ! I
Im

Das declarações prestadas por GIOV ANI~BELATO '


GUIZARDI obtém-se que: /

27
,---_.
GABI PGR
Fls. UULi 8 3 8

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO 8 0

AU
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ ~1
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
a) ALAN MALOUF foi quem apresentou GIOV ANI a
PERMÍNIO, visando facilitar a contratação da empresa

:34 AN
• de GIOVANI pela SEDUC;

:46 C
b) GIOVAKI estruturou a ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA
14 E S
para o recebimento da propina da SEDUC, visando


8 - IN
envolver menos pessoas e ter uma contrapartida melhor;
01 OL

c) Nesse grupo, ALAN, PERMÍNIO e GUILHERME


0/2 AR

recebiam, cada um, 25% da propina arrecadada, mais 5%


9/1 - C

para o Wander, 5% para o Fábio, 5% para despesas e


10% da propina arrecadada ficava com GIOVANI,
: 1 30

totalizando 100% da propina arrecadada;


Em 579

d) Com esse esquema GIOV ANI arrecadou R$


18

1.200.000,00 em propinas pagas por empresários, que


51

eram cobrados insistentemente por ele;


06

e) Além dos valores confessadamente recebidos por


GIOVANI, outras quantias podem ter sido pagas
r:
po

diretamente a PERMÍNIO.
sso

Por outro lado e não menos importantes são os


pre

esclarecimentos prestados pelo também colaborador LUIS FrfAl':-IDO


Im

DA COSTA RONDON em juízo, o qual corrobora as alrg1çõ~S da


denúncia, aponta para a existência da organização crimin0~y-Para a
I
J 28
GAB/P?nRl
Fls. O008:J

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
8
7 • V ARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
911

AR
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
cobrança de propinas por parte de GIOVANI, que o fazia em nome dos
agentes públicos e até mesmo para uma negociação em que os empresários

:34 AN
• .
~
conseguiram diminuir o valor das propinas, inicialmente estabelecido em

:46 C
14 E S
5% do faturamento das empresas e posteriormente reduzido para 3% .


8 - IN
Vejamos as anotações que fiz durante o depoimento de
01 OL

LUIS FERNANDO em Juízo:


0/2 AR
9/1 - C

LUIS FERNANDO DA COSTA RONDON - também colaborador,


esclareceu que seus contatos sempre foram com Giovani. Quando
esteve no escritório do Giovani o Edézio estava na recepção. Sobre
: 1 30

Alan Malouf não teve contato. Edézio não participava de reuniões. A


Em 8579

abordagem do Giovani para implantarem o esquema foi no final do


primeiro semestre e isso durou uns 3 meses mais ou menos. É
proprietário da empresa Luma Construtora. Foi abordado pelo Fábio
11

Frigeri que orientou a procurar o Giovani. ele propôs o pagamento


de propina e disse que o secretário tinha ciência. Tentou confirmar
65


isso com o Secretário mas não teve mais contato com ele. Marcaram
uma reunião, porque faziam o trabalho, davam desconto e ainda
r: 0

tinham que pagar propina. Em uma reunião anterior disse que não
iria pagar mais nada. Chegou a pagar para o Giovani uma propina,
po

se não se engana de aproximadamente R$ 4.000,00. Os demais


empresários não concordaram, foi quando os pagamentos da
so

Secretaria começaram a atrasar. Chegou a propor a diminuição d


s

valor da propina de 5% para 3%. A reunião no Bairro Santa Rosa foi


pre

no escritório deste colaborador, estavam presentes José Carlos Pena,


Sérgio, irmão do Dilermano, Leonardo Guimarães, CZarice, José
Im

Eduardo da Ápice, Silvio Piva, Leonardo Botelho, Esfef\ (sogro do


colaborador), dono da Panamericana. A combindção era que
deveriam pagar sempre propina, sob pena de não (rec~~lrem as
l

próximas medições, na verdade não era uma combinaçã6, era uma


.1 29
Fls.
GABIPGR
OO(i84 O
7
~,

PP
PODER JUDICIÁRIO -~

ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 812
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
exigência. Ajustaram também quais obras ficariam para quais
empresas, dividiram por regiões, estabeleceram critérios, isso em

:34 AN
outra reunião no escritório do Eder, da Geotop, nessa reunião o
Giovani deu uma lista com as obras que seriam licitadas e então

• :46 C
fizeram a distribuição entre eles. Relatou que a combinação não foi

14 E S
executada exatamente como haviam acordado, tanto que deveria ter
vencido um certame e não venceu e acabou se sagrando vencedor em
outra que não estava reservada para ele. Não sabe nada sobre a


8 - IN
participação de Alan Malouf e sobre Edézio só sabe que ele recebia
01 OL

as pessoas na recepção do escritório do Giovani. Nesse local fizeram


uma reunião com o Giovani, quando estavam o Ricardo, o pai dele, o
0/2 AR

Eder, o Leonardo, e reclamaram do valor do percentual da propina,


foi quando ele orientou a formarem uma comissão a respeito para
9/1 - C

não ter que fazer reuniões toda vez com todos os empresários
envolvidos.
: 1 30
Em 8579

Típica vítima do esquema cnmmoso que se instalou na


SEDUC é o empresário JOSÉ CARLOS PENA DA SILVA. Além de ser
11

prejudicado financeiramente por não ter concordado em aderir à conduta


65

criminosa, relata que até hoje é perseguido e já sofreu alguns ataques, por
r: 0

• ter sido a pessoa responsávei. pela descoberta do esquema.


po

Vejamos, em síntese, o que ele declarou em Juízo:


so

compromissa~a,
s
pre

JOSÉ CARLOS PENA DA SILVA, testemunha


proprietário da BRT Construtora. Disse que foi convidado para uma
reunião na Seduc pela secretária do Wander. Na verddd~não houve.
Im

reunião, falaram com os empresários um por vez! trataram de!


distribuição de certames, também houve notícia de fe 4inh&m que i
pagar propina num percentual de 5% sobre os vaI1,.J,.eceber,

30
I~' -,
\F\S.~
GAB/PGtRl
Fls. 00 O8 4:J

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
913

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

LA
CRIMES DE LA V AGEM DE DINHEIRO

DE
senão não receberiam. Relatou que Fábio Frigeri lhe passou um
papelzinho amarelo com um telefone de contato que era do Giovani

:34 AN
Guizardi. O responsável pelo esquema era Giovani Guizardi. Ele

• disse que se participassem do esquema teriam facilidades lá dentro

:46 C
quanto a receberem créditos pendentes na SEDUC. Diversos

14 E S
empresários estavam nessa reunião, os mesmos que estão citados na
denúncia. Não chegou a aceitar a exigência e não passou nada para

• eles, só participou no dia em que gravou o vídeo. Depois de um


8 - IN
tempo, os empresários reclamaram do percentual e eles baixaram
01 OL

para 3%. Eles facilitavam o recebimento das medições só para quem


participasse do esquema. Ele chegou a ligar várias vezes, insistia
0/2 AR

para que se encontrassem, para cafezinho, para reuniões, mas era


para receber a propina que ele achava que lhe era devida. Como a
9/1 - C

testemunha não aceitava participar do esquema, enfrentou muitas


dificuldades no órgão. Quando foi falar com o Giovani ele já sabia de
: 1 30

tudo o que a testemunha tinha para receber, tinha ciência do extrato


das medições. Ele insistia que se participassem do esquema teriam
Em 8579

facilidade nos recebimentos. Chegou a receber duas medições, elas já


estavam há um tempo paradas. Nunca falou sobre isso com o
Secretário Permínio. Encontrou com o Guizardi na empresa Dínamo
11

e na empresa dele, que ficava no Trevo do Santa Rosa, no Ed. Avant.


Nunca ouviu falar da participação de Alan Malouf e somente tempos
65


depois do ocorrido é que soube que a sala no Ed. Avant eslava
alugada em nome de Edézio. Até o momento em que foi ouvido não
r: 0

havia recebido tudo o que lhe era devido, impuseram uma barreira na
SEDUC e não tinha acesso a nada, recebeu um pagamento apenas
po

após ter procurado o Ministério Público. Ainda é credor de


aproximadamente R$ 700.000,00. Recebeu ameaças por várias vezes,
sso

teve o escritório depredado, vidros quebrados, já foi jogado para fO~1a


da estrada por pelo menos duas vezes e eslá lendo despesas do
pre

próprio bolso para ter um mínimo de segurança. (\


/ \ I
Im

/ i: '
Da mesma fonna, a testemunha RICARDO IAUGUSTO
SGUAREZZI relata detalhes do esquema criminoso instalado hfs~DUC,
I
j 31
GAB/PGt<
" Fls. 000842

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 91 ,~
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
nomma os envolvidos, declara os valores que foi coagido a pagar e
confirma o teor dos demais depoimentos .

:34 AN
• Observemos:

:46 C
14 E S

8 - IN
RICARDO AUGUSTO SGUAREZZI, testemunha compromissada,
01 OL

declarou que é dono das empresas Aroeira Construções e Relumat


Construções. Logo na troca de governo foi chamado tanto pelo Luiz
0/2 AR

Fernando quanto pelo Fábio Frigeri para uma reunião e nessa


ocasião o Fábio lhe passou um papelzinho com o telefone do Giovane
9/1 - C

para que ent;'asse em contato, primeiro se negou, não queria


participar, até que ele disse que se não participasse não ia receber
mais nenhum pagamento. Então foi a uma reunião em um escritório
: 1 30

no Trevo do Bairro Santa Rosa, onde estavam vários empresários,


Em 8579

Luiz Fernando. Esper Haddad, Leonardo, Celso, Eder da Geotop, lá


foi estabelecido que tinham que dar um pagamento para o Giovani,

• nunca tinham ..isto isso, dar propina para um empresário ao invés de


dar para agente público. Os primeiros quatro pagamentos, efetuou
11

para o Fábio, recusou-se a pagar para o Giovani. O Fábio disse que


65

referente à Re/umat era para pagar para o Giovani, ele quis cobrar


uma quantia absurda, algo em torno de 30% sobre o faturamento
r: 0

bruto da Relumat, então negociou com ele algo em torno de 15% do


faturamento bmto da Relumat, algo em torno de R$ 30.000,00, nisso
po

tinhajá 7 ou 90agamentos em atraso, ele queria cobrar uma quantia


bem alta, sobre tudo o que estava pendente, então negociou com ele,
sso

acabaram se ajustando empagar uns R$ 90.000,00. Como da data em


que conversaram até a data do pagamento da propina já tinham
Ri
pre

vencido outros pagamentos, acabou pagando em três vezes,


50.000,00, R$ 45.000,00 e R$ 30.000,00, no total de ,k$\125.000,0
Im

até mais do que o acordado. Os cinco mil reais exce4entes foram u


"agrado" par.; o Giovani. Para o Giovani fez pagdmentos e,h
dinheiro, mas para o Fábio parte foi em dinheiro e pbrte ~m!cheque~
Em relação à Relumat fechou R$ 30.000,00 mensatlFlt/relação à

/ 32
I
.-

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ~115

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

LA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

DE
Aroeira era para pagar 3%. No início queriam 5"%. Não estava na
reunião em que dividiram as obras, e que foi gravada e está nos

:34 AN
autos. Naquela foi o Luis Fernando e o Leonardo que dividiram as

• obras, a testemunha não participou porque não foi à reunião. Em

:46 C
abril de 2015 já havia ganho uma obra, a 001, então não participou

14 E S
da reunião, mas sabe que foi o Luis Fernando que coordenou, tanto
que foi ele que lhe convidou. Moisés era um funcionário,


superintendente de obras, ele que ficou no lugar do Wander. Ele sabia
8 - IN
que existia o esquema, mas sempre mandava tratar do assunto com o
01 OL

Giovani e o Fábio. Pelo que sabe ele não foi a nenhuma reunião.
Falou sobre esse assunto com o Permínio, avisou ele o que estava
0/2 AR

acontecendo, porque tinha sido abordado pelo Fábio. Ele ficou bravo,
disse que não era para pagar nada para ninguém e que ele ia
9/1 - C

resolver, mas como o Fábio disse que tinha que pagar, acabou
pagando. Depois que passou a fazer os pagamentos de propina
: 1 30

passou também a receber do Estado normalmente. Não sabe qual o


envolvimento dos réus Alan e Edézio neste enredo, nem se alguma
Em 8579

parte da propina foi destinada a parlamentar federal.


11

Em consonância com as provas até então obtidas, ALAN


65


AYOUB MALOUF confessa sua participação nos delitos .
r: 0

Os principais trechos do interrogatório deste réu foram


po

igualmente objeto de anotações de minha parte, durante a audiência, que


sso

ora faço juntar a esta decisão.


pre

ALAN AYOUB MALOUF, interrogado, confessa a prática dhs\delitos.


Im

Ratificou as declarações prestadas no GAECo. DiS~k 'gue; se


beneficiou de R$ 260.000,00 de todo o esquema. Rflatbu jque
aproximadamente em março ou abril de 2015, o GiOvani,~'tinha

j 33
GAB'PGR7
Fls·00 0844 .
-

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 916
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LA V AGEM DE DINHEIRO

LA
DE
sido doador de campanha do atual governador, solicitou que lhe
apresentasse o Permínio, com quem gostaria de negociar, prestar

:34 AN
serviços na área de construção na SEDUC Efetivamente apresentou
Giovani a Permínio e expôs a intenção dele em trabalhar com a

• :46 C
SEDUC Depois o Giovani disse que tinha um esquema para pagar as

14 E S
contas da campanha, a princípio não quis, mas ele insistiu duas ou
três vezes e então resolveu participar do esquema, para poder
arrecadar o dinheiro e pagar as contas da campanha. Giovani havia


8 - IN
doado R$ 201.000,00 para a campanha. Disse que foi um dos
01 OL

coordenadores da campanha de Pedro Taques. Conheceu Permínio


na época da transição, após o Pedro Taques ter convidado para
0/2 AR

titularizar a pasta e Nilson Leitão ter indicado essa pessoa para


trabalhar lá. Quando apresentou Giovani a Permínio não sabia que a
9/1 - C

intenção dele era ressarcir-se da doação que havia feito. Depois é que
Giovani contuu sobre o esquema e disse que era uma boa
oportunidade de reaverem o valor das doações. Alan disse que doou
: 1 30

mais de R$ 2.000.000,00 para a campanha de Pedro Taques. Relatou


Em 8579

que participou de uma reunião com o Giovani, o Guilherme e


Permínio, em aue ele disse que o esquema já estava acontecendo na


SEDUC, estavam arrecadando dinheiro das empreiteiras para pagar
11

contas de campanha. Giovani lhe repassou a propina por três ou


quatro vezes, dgumas em seu escritório e uma vez na casa do réu,
65

sempre em dinheiro. Era próximo do Governador, mas não participou


efetivamente da transição, não tinha interesse em ocupar nenhuma
r: 0

pasta no Executivo. No final da campanha havia um valor a ser pago


e houve um ratdo, no qual participou do pagamento, com ciência do
po

governador, isso apedido do Governador. Fabio Frigeri era indicado


do próprio Permínio e Wander era indicado do Guilherme Maluf e
sso

ambos eramfadlitadores do esquema criminoso. Não conhece Edézio


Ferreira da Silva. Alega que foi mero beneficiário do valor, nunca
pre

participou ativamente do esquema. Sabe que ele repassav(J os v~es


para o Permínio e também para o Guilherme Maluf C1ei{ou .a faZOfr
Im

um pagamento para o Guilherme Maluf de l!$ i 40.000,qo


pessoalmente e um pagamento para o Permínio, a pediJio do G,iova':{,
mas não sabe q;wnto foi este último porque era um en~elo)e jechadq.
Não sabia quunto era o percentual que estavam c.1rÉndo d::

-'
r
GAB/PGR·
Fls oo[I 8 -':J"
4 5 :.

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 917

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
empresários, nem quanto aos percentuais de rateio da propina, mas
sabia que havia cobrança dos empresários e que o dinheiro que

:34 AN
recebeu vinha daí. É amigo de Giovani há mais de 12 anos. O

.- Governador sabia do esquema e concordava com isso. Nunca viu ou

:46 C
falou com Nilson Leitão, mas o Permínio foi indicação do governador

14 E S
e do Nilson Leitão. O Fábio foi indicação do Guilherme Malul Os
pagamentos que ele fez para o Guilherme foi diretamente a ele e se
fez para o Nilson também foi diretamente. Permínio sabia que Alan


8 - IN
estava recebendo. Uma vez Permínio e Fábio procuraram Alan,
01 OL

dizendo que ele estava sendo truculento, então fizeram uma reunião
com eles, tudo foi esclarecido, foi quando foi esclarecido da parte
0/2 AR

técnica do esquema e saíram de lá resolvidos. Na verdade não doou


R$ 2.000.000,00 para a campanha, fez um empréstimo e isso não foi
9/1 - C

declarado, foi caixa 2. A doação do Giovani Guizardi também foi


caixa 2 e o governador sabe disso e tem ciência. Nunca ameaçou
Jamilly ou Giovani, é primo da Jamil/y. Ao que saiba Fábio e Wander
: 1 30

participavam dos lucros do esquema, isso o Giovani que falou. No dia


Em 8579

3 ou 6 de maio de 2015, quando a Operação foi deflagrada e o


Giovani foi preso, passou uma mensagem para o Governador e
marcou uma reunião com ele às 20:30h ou 21:00 horas, lá encontrou
11

o Governador e o Paulo Taques e disse a ele que Giovani tinha doado


R$ 200.000,00 para a campanha e que ele estava fazendo esses
65

acertos para pagar contas de campanha. Ele pediu calma e disse que


ia ajudar na soltura, mas isso acabou não acontecendo. Depois veio a
r: 0

prisão do Permínio, ele também disse que ia dar um jeito de resolver


e soltá-los, mas isso também não aconteceu e os fatos culminaram na
po

sua prisão. Declarou-se arrependido, disse que em interesse eml


restituir o valor ao erário público e está à disposição da Just~:a.
so

I
s
pre

Assim como se depreende das declarações do co~aborador :


, '1 1. . d . " d ,I A\LAiN ,
GIOVANI, e posslve cone Ulr, a partIr o mterrogatono o reu n.
Im

'v~.,J

que:
-)
35
GAB/PG~Rl
FIS'OO:4:J

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7'. VARA CRIMlNAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
918

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
f) ALAN MALOUF foi quem apresentou GIOVANI a
PERMÍNIO, visando facilitar a contratação da empresa

:34 AN

de GIOVANI pela SEDUC, uma vez que este tinha sido

:46 C
doador da campanha do atual governo do Estado;
14 E S
g) GIOV AKI estruturou a ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA


8 - IN
para o recebimento da propina da SEDUC e arrecadou
01 OL

em favor de ALAN a quantia de R$ 260.000,00


0/2 AR

provenieEte de propinas recebidas dos empresários, com


9/1 - C

o conhecimento deste, que assim agiu para ressarcir-se


do valor que havia também doado para a campanha;
: 1 30

h) FABIO FRIGERI era indicado do então Secretário


Em 8579

PERMÍNro E WANDER era indicado do Deputado

• GUILHERME MALUF e ambos eram facilitadores do


11

esquema criminoso;
65

• i) GIOVANI fazia o rateio da propma entre os


r: 0

beneficiários, mas ALAN chegou a fazer pagamentos, a


po

pedido de GIOVANI, tanto para o Dep. GUILHERME


MALUF. quanto par: o ~róprio PERMÍNIO; /\
sso

\
j) ALAN tmha ascendencla sobre GI~VANI, t1nt? qlje fo\
pre

procurado pelos comparsas PERMINIO e FABt),a fim\


Im

\
de que ALAN ajustasse o comportamento deI.) I VANI
ante os empresários.
j
I
36
GAB/PGR'
FIS'OO{'84 7 !

P
PODER JUDICIÁRIO ~,

UP
~

ESTADO DE MATO GROSSO


7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 919

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

LA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

DE
Esses detalhes, principalmente o fato de ter sido ALAN

:34 AN
• quem indicou GIOV ANI para representá-lo no esquema criminoso, além de

:46 C
14 E S
ALAN declarar-se credor de dívida de campanha ao Governo do Estado,


principalmente com a confessada ascendência que tinha sobre GIOVANI é
8 - IN
que me convencem de que realmente ALAN MALOUF não era mero
01 OL

beneficiário do esquema, mas sim um de seus líderes, tanto que, segundo o


0/2 AR

próprio GIOV ANI, era um dos que recebia maior percentual na divisão da
9/1 - C

propina, ou seja, 25% do valor arrecadado.


: 1 30

Tratava-se de sujeito oculto às vistas dos empresários, mas


Em 8579

• não para os altos integrantes da organização, tanto que ele mesmo confessa
ter participado de reuniões com PERMÍNIO, GlOV ANI e FÁBIO
11

FRIGERI, nas quais o assunto girava em torno das propinas .


65


r: 0

Outro indicativo de que ALAN era membro do alto escalão


po

da organização criminosa é o fato de terem entabulado a criação do Projeto


sso

ESCOLA LEGAL, mediante o qual pretendiam auferir a quan1.i.a


aproximada de R$ 33.000.000,00 (trinta e três milhões de reaisVs~ndo q~e
pre

10% disso seria destinado a ALAN. ALAN e GlOV ANQ'


i
tihlIain
Im

I
expectativa de arrecadar nada menos do que R$ 6.000.000,00 deis milhões
de reais) com o esquema fraudulento, metade para cada um. j
./
37
GAB/PGR.
Fls. 000848

P
PODER JUDICIÁRIO
..

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ,'.'·1..... '-"1".' Ü

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
Embora eSSI! plano não tenha obtido o resultado almejado

:34 AN

pela organização, o certo é que restou evidenciada a liderança de ALAN,

:46 C
bem como que foi ele, ALAN, o responsável por inserir GIOVANI no
14 E S
contexto criminoso da SEDUC. Essas informações constam na declaração
8 - IN
• prestada por GIOV ANI GUIZARDI em sede de investigação, mas
01 OL

guardando relação e pertinência com as provas produzidas com


0/2 AR

contraditório, devem ser levadas em conta para a formação do


9/1 - C

convencimento do Juízo,
: 1 30

A análise das provas e das circunstâncias que se apresentam


Em 8579

nos autos demonstra claramente que, tanto ALAN quanto GIOVANI,


I • ingressaram no esquema criminoso, visando ressarcir-se de valores que
11

supostamente teriam doado para a campanha ao Governo do Estado .


65


r: 0

A versão apresentada por ambos de que ALAN só aceitou


foi'~o
po

participar dos crimes por insistência de GIOVANI e que, portanto,


sso

beneficiário do dinheiro arrecadado não convence.

/ i. /
pre

· .
P nmelro, " d'lsse,
porque, como Ja c .
101 ALANlTl~lro duzru
'
Im

GIOV ANI no ambiente da SEDUC. /

38
GAB/PGR 1
Fls. 000849 I

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO ~=I

7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAV AGEM DE DINHEIRO

LA
DE
Segundo, porque ALAN recebia percentual bem superior ao
que GIOVANI, ou seja, aquele ficava com 25% da propina, enquanto que

:34 AN
este apenas 10%. Se GIOVANI fosse o mentor do esquema e ALAN

:46 C
tivesse meramente aderido à conduta dos demais, não haveria motivo para
14 E S
que este recebesse quantia privilegiada em relação àquele .


8 - IN
01 OL

Terceiro, porque o próprio ALAN demonstra, em seu


0/2 AR

interrogatório, que tinha ascendência sobre GIOV ANI, tanto que foi
9/1 - C

procurado por PERMÍNIO e FÁBIO, que reclamaram da truculência de


GIOV ANI, pedindo sua intervenção, quando efetivamente reuniu-se com
: 1 30

ambos e resolveu a situação.


Em 8579

Por estes motivos, veJo que ALAN AYOUB MALOUF


11

integrou efetivamente a organização criminosa como um de seus principais


65

• membros, utilizando-se de GIOVANI BELATO GUIZARDI como seu


r: 0

longa manus, representante e arrecadador, de modo a locupletar-se sem


po

sofrer qualquer exposição, mantendo-se invisível e, portanto, blindado,


sso

principalmente perante os empresários pagadores da propina.

.~_ ~
pre

A p,áti" d, ,rim, d, oo=pç'o p'"iva p&


~á\ que há .
Im

particulares é admitida pela melhor doutrina e jurisprudência,


comunicação entre as circunstâncias elementares do tipo, no ~as~,)ntre

1 I
39
o'

GAB/PGRl
fls. OOnB5 O

.=.1

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
3

ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

L
DE
Pennínio (então Secretário de Estado), Fábio Frigeri e Wander (servidores
da SEDUC) e Alan Malouí' e Giovani Guizardi .

:34 AN
• respeito:
:46 C
Observemos o que diz o Superior Tribunal de Justiça a
14 E S

8 - IN
RECURSO ORDINÁRIO DE "HABEAS CORPUS".
01 OL

TRANCAMENTO DE AÇÃO PENAL


0/2 AR

PARTICIPAÇio DE PARTICULAR EM CORRUPÇÃO PASSIVA.


COMUNICAB!LIDADE DA CIRCUNSTÂNCIA ELEMENTAR DO
9/1 - C

TIPO LEI 9.099 /95. CONSIDERAÇÃO DA CAUSA DE AUMENTO


PARA A AVALlAÇA-O DO REQUiSITO OBJETIVO RECURSO
: 1 30

IMPROVIDO 1. É possível a participação de particular no delito


Em 579

de corrupção passiva, face a comunicabilidade das condições de


caráter pessoal elementares do crime. IL Compu/a-se a causa
18

I •

especial de aumento de pena na avaliação do requisito objetivo de


51

"pena mínima cominada igualou inferior a um ano", exigido para a


06

suspensão do processo prevista pela Lei 9.099/95. 111. Recurso ao


r:

qual se nega provimento. (STJ - RECURSO ORDINARIO EM


po

HABEAS CORPUS RHC 7717 SP 1998/0040571-2 -D'ta de


sso

publicação: 19/ 10/1998)


o,

Id'
pre

B as!'1 eu G arCJa
. Iensma
· que "
umf iunClOnarlO
" po i e íer au I r
o

Sê-IJl-t~crime
Im

do crime de corrupção ativa e o particular pode de

j
'Instituições de Direito Penal, 5'0 Ec!. São Paulo: Max Limonad, 1980. Vol.tl, p. 228-229
40
-------------------------------------------~
1::,.,'- . ..., '.
." (flS~

GABIPG~-'
Fls'ÚUDB51 .

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
corrupção passiva. Quanto à corrupção passiva, a lei adverte que o crime
se poderá dar através de pedido ou recebimento indiretamente efetuado.

:34 AN
• Suponha-se que o funcionário relapso se utilize dos préstimos de um

:46 C
intermediário, que poderá ser outro funcionário, como também um
14 E S

particular. O nexo de coautoria o vinculará à responsabilidade do
8 - IN
principal protagonista. Pode dar-se, também, que determinado servidor do
01 OL

Estado assedie outro, para obter dele a prática de algum ato funcional
0/2 AR

mediante remuneração: aí teremos como réu de corrupção ativa um


9/1 - C

funcionário"
: 1 30

Não há, pois, maior dificuldade em imputar aos particulares


Em 8579

a prática dos crimes de corrupção passiva elencados na denúncia.


-',
11

Por se tratar de pessoa que introduziu GIOV ANl BELATO


65

• GUIZARDI na SEDUC com o propósito de arrecadar propina e reaver o


r: 0

dinheiro que disse ter investido na campanha ao Governo do Estado, tenho


po

que é coautor de todos os crimes narrados na denúncia, eis que promoveu ra\
sso

sua prática, na medida em que apresentou GIOV ANI GUIZARDI a


"

PERMINIO e, com isso, possibilitou o assédio aos eI1J~rbários e I


pre

consequentemente o recebimento das propinas. Além de ter Pro~ov~do a i


aproximação entre seu representante e o Secretário de Estado ~~~ação :
Im

41
GAB/PGt<
F/S.UU[!B52 ,
I
=l

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ 924

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
à época, continuou intimamente ligado aos fatos ilícitos praticados, tanto
que recebia sua cota das propinas arrecadadas (25% do total) .

:34 AN
• :46 C
Nesse contexto, podemos afirmar que ALAN A YOUB
14 E S
MALOUF detinha o domínio do fato, eis que, embora não tenha sido o


8 - IN
executor dos crimes de corrupção passiva, foi seu autor mediato, eis que
01 OL

detinha o controle final do fato.


0/2 AR
9/1 - C

A teoria do domínio do fato, concebida por Welzel, na


concepção finalista, diz que autor não é apenas quem executa diretamente a
: 1 30

conduta típica, mas também aquele que possui controle final do fato.
Em 8579

• Guilherme d~ Souza Nucd, citando Roxin, deixa bastante


11

clara a concepção de tal teoria, quando se trata de crimes praticados por


65

organizações criminosas .


r: 0
po

Vejamos:
f\
sso

"Sob oulm mp'clo, ROXIN 0"""",0 ° 'ioM;fwd' d, ,1


pre

considerar a autoria mediata no cenário da organização criminosa, pois o r I .


Im

líder possui o comando nítido da conduta típica. Desse modo, ~fclzamado

2 Código Penal Comentado, 15'., Ed., Rio de Janeiro: Ed. Forense, 2015, págs. 315/16.
/
42
te
PODER JUDICIÁRIO
j

'::::B::::5:::: =J'/

PP
<.:::::::"::::'J::::L::::'

ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 925

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
homem de trás tem poder quase absoluto sobre o executor, que está sempre
disponível e pode ser facilmente substituído (La teoria dei delito em la

:34 AN
• discussion actual, p. 532-533). Nas palavras de Luis Greco, " a mais

:46 C
notória consequência da construção de Roxin, contudo, é a figura de
14 E S
autoria mediata por meio de aparatos organizados de poder" (O que é e o
8 - IN
• que não é a teoria do domínio do fato sobre a distinção entre autor e
01 OL

partícipe no direito penal", p. 81). E prossegue: "aquele que, servindo-se


0/2 AR

de uma organização verticalmente estruturada e apartada, dissociada da


9/1 - C

ordem jurídica, emite uma ordem cujo cumprimento é entregue a


executores fungíveis, que funcionam como meras engrenagens de uma
: 1 30

estrutura automática, não se limita a instigar, mas é verdadeiro autor


Em 579


mediato dos fatos realizados. Isso significa que pessoas em posições de
18

comando em governos totalitários ou em organizações criminosas ou


51

terroristas são autores mediatos ... "


r:06

É exatamente o que ficou desenhado nos autos: ALi}


po

MALOUF introduziu GIOV ANI GUIZARDI na SEDUC, apresentou-o a


sso

PERMÍNIO PINTO, então Secretário de Estado de EdUCaçãj'ia fim de


garantir que se entendessem e organizassem a forma e os meios de
I
pre

I, .
recebimento de propina, visando exatamente locupletar-se pou;-lf(~ desse
Im

mecanismo, como efetivamente ocorreu. I


j

43
GAB/PGR
Fls. OO[I 8 5 4

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
Assim, é coautor mediato de todos os crimes praticados e
confessados por GIOVANI, ainda que de alguns deles não tenha se

:34 AN

beneficiado, eis que, tratando-se de corrupção passiva, basta a mera

:46 C
solicitação de vantagem indevida para a sua consumação.
14 E S
8 - IN

• É que o tipo penal da corrupção passiva aplicável a este caso


01 OL

concreto consiste em "solicitar" vantagem, de modo que, no momento em


0/2 AR

que tais solicitações ocorreram, os crimes já estavam consumados, mesmo


9/1 - C

em relação aos empresários que não aceitaram aderir à conduta criminosa


da organização.
: 1 30
Em 8579

Assim, ao incluir GIOVANI no âmbito da SEDUC com a


• intenção de que o mesmo agisse em seu favor, angariando fundos
11

provenientes de propina para ressarcir-se de despesas havidas na campanha


65

eleitoral, ALAN A YOUB MALOUF tomou-se coautor de todos os crimes


r: 0

• de corrupção passiva praticados por GIOVAN!.


po
sso

GIOVANI confessa sua participação em todos os comes


narrados na denúncia, mas as provas dos autos também corroboram
pre

confissão.
Im

-f
Com re laçao ao :ato envo Iven do o emj:lresano/
( \. JOS .

CARLOS PENA DA SILVA, qu, foi ou,ido tanto na f"~figot6Ja


j 44
GAB/p(;~
Fls. 001855

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

AR
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
quanto em juízo, desnecessário tecer maiores considerações, eis que tanto a
confissão de GIOVANI quanto as declarações desta vítima são

:34 AN
• convergentes, não discrepando, de modo algum, nas declarações de ALAN,

:46 C
14 E S
que não nega ter recebido dinheiro oriundo deste enredo criminoso .


8 - IN
Com efeito, está provado nos autos que JOSÉ CARLOS foi
01 OL

chamado a uma reunião na sede da SEDUC e lá chegando foi encaminhado


0/2 AR

a FABIO FRlGERl, que lhe passou um papel com o nome de GIOVANI, o


9/1 - C

qual lhe solicitou propina no percentual de 5% sobre o montante que tinha


para receber por obra já executada.
: 1 30
Em 579

• Assim, claro e provado está que neste caso, ALAN


18

MALOUF, por intermédio de GIOVANI, praticou o crime de corrupção


51

passiva .


06
r:

Com relação a este empresário, restou provado nos au:d


po

que na primeira vez não aceitou pagar o solicitado, mas que e.ril julho dei
l
I I
sso

2015, após ter recebido alguns pagamentos da SEDUC, foi pr,oc)lrado por
GIOVANI, que lhe telefonou e solicitou a propina nos seguinf~~#nos: /.
pre

vamos tomar aquele cafezinho?" -;


Im

.J

45
GABI t'\;'j'(
Fls·OU[!B56

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
EST JlIDO DE MATO GROSSO
8
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA S28

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
Dias depois, GIOV ANI ligou para JOSÉ CARLOS e
solicitou novamente o pagamento da propina, dizendo "precisamos

:34 AN
• conversar" .

Em seguida,
:46 C
14 E S
GIOV ANI liga novamente para JOSÉ


8 - IN
CARLOS e diz "vamos tomar aquele cafezinho."
01 OL
0/2 AR

Uma vez que JOSÉ CARLOS não atendeu novamente à


9/1 - C

solicitação espúria de GIOVANI, o mesmo resolveu insistir no pedido,


dizendo: "você não vai vir trazer o combinado?"
: 1 30
Em 8579

Tais solicitações, conforme já frisei, estão claramente


• estampadas nos depoimentos de JOSÉ CARLOS, bem como na confissão
11

de GIOVANI, de modo que não há dificuldade em concluir que, em relação


65

a este empresário, GIOVANI, agindo no interesse da liderança da


r: 0

• organização criminosa, especialmente de ALAN MALOUF, praticou o


po

crime de corrupção passiva por 04 (quatro) oportunidades.


sso

Ainda em relação ao empresário JOSÉ CARLOS/~EN~ DA


pre

SILVA, em 27 de outubro de 2015 o mesmo procurou p G1ECO, I


Im

informando que havia recebido ligação de GIOV ANI marcar&~~fÍcontrf


na SINFRA. /
.I

46
GAB/PGt<
Fls. 000857

PP
PODER JUDICIÁRIO
EST ADO DE MATO GROSSO

AU
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAV AGEM DE DINHEIRO

L
DE
Assim, utilizando-se do recurso legal previsto na Lei

:34 AN
• 12.850, art. 3°.,III, o Ministério Público realizou ação controlada regular,

:46 C
registrada nos autos ID 418293, quando JOSÉ CARLOS foi até a SINFRA
14 E S
e de lá foi conduzido até GIOV ANI, encontrando-o na escadaria. Dali
8 - IN
• foram até o estacionamento e se dirigiram ao veículo utilizado por
01 OL

GIOVANI, onde conversaram por cinco minutos. Nessa conversa,


0/2 AR

GIOVANI exige o pagamento da propina, quando ficou combinado que


9/1 - C

seria feito no dia 29/10/2015. Na mesma ocasião, informa que WANDER


LUIS DOS REIS, então lotado na SEDUC e ocupante do cargo de
: 1 30

Superintendente de Acompanhamento e Monitoramento da Estrutura


Em 8579


Escolar da SEDUC, seria substituído por MOISÉS DIAS DA SILVA, o
que veio a se confirmar dias depois, em 13/11/2015 ..
11
65

• Tais fatos foram registrados não apenas pela ação


r: 0

controlada, mas também pelas declarações do empresário e de GIOVANI,


po

de modo que inexiste controvérsia a este respeito.


sos

Já em 30/11/2015 nova solicitação de propina(dtorreu pOi


pre

, I I .
parte de GIOVANI em face de JOSE CARLOS PENA DA SIJLV A, quando!
quoixou-~ do """o no pagmneoto do um "'ntrato do ~rçãO do
Im

"lo

I
/

47
---~-------------

,FlS.
GAB/PG~
000858
1
,

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7'. VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LA V AGEM DE DINHEIRO

L
DE
serviços, ocasião em que GIOVANI afinnou que para a solução de tais
problemas ele precisava pagar o combinado .

:34 AN
• Mas não para por aí.

:46 C
14 E S
8 - IN

• Após solicitar propma de JOSÉ CARLOS, GIOVANI


01 OL

detenninou que o mesmo ficasse em sobreaviso para que este lhe


0/2 AR

infonnasse o dia, hora e local para a entrega da propina. Assim, em 02 de


9/1 - C

dezembro de 2015, a mando de GIOVANI, JOSÉ CARLOS foi até a sede


da empresa DÍNAMO CONSTRUTORA LTDA., de propriedade de
: 1 30

GIOVANI, onde o encontrou e efetuou o pagamento de R$ 4.000,00


Em 579

(quatro mil reais) tudo devidamente registrado nos autos, eis que a ação
18

• controlada encontrava-se em andamento. Portanto, todos estes fatos


51

encontram-se devidamente registrados nos autos código 418293 .


06


r:

Com relação ao empreiteiro RICARDO SGUAREZI, cujas


po

declarações também estão nos autos, percebe-se que GIOVANI pra9~, a


sso

mando e em beneficio de seu líder e chefe ALAN MALOUF, dois cri es


de corrupção passiva. ,'
pre

( ij
Im

Tanto as deci,arações de GIOVANI como as \9-erRICARDO


são convergentes nesse sentido. !

48
G;:;s-rp I.;; 1\ f

Fls. UlilB59 /

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 931
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
Consta que após executar obra pública mediante contrato

:34 AN
• firmado com a SEDUC, RICARDO dirigiu-se até FÁBIO FRIGERI a fim

:46 C
14 E S
de obter o pagamento que lhe era devido. Nesta ocasião, FÁBIO
determinou que o mesmo procurasse GIOVANI GUIZARDI para tratar do
8 - IN
• assunto, contando, inclusive, com o aval de WANDER LUIZ DOS REIS.
01 OL
0/2 AR

RICARDO contatou com GIOV ANI e compareceu à sede


9/1 - C

da empresa DÍNAMO, quando o mesmo lhe solicitou o percentual de 5%


do valor da medição da obra para que a sua empresa recebesse o crédito.
: 1 30
Em 8579

• Tal solicitação teria ocorrido em duas oportunidades


distintas, sendo que a segunda foi precedida por conversas entre RICARDO
11

e WANDER, bem como RICARDO e FÁBIO, que continuaram apontando


65

• para GIOV ANI como a pessoa responsável para tratar dos pagamentos
r: 0

devidos pela SEDUC.

O'i~
po

""""0 de GIOVArI\
so

Novrunffire, tem-" que • •


sempre com o aval dos servidores públicos e em beneficio e L d~
s

ndo
pre

ALAN MALOUF, assim como nos casos precedentes.


Im

49
PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PúBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LA V AGEM DE DINHEIRO

L
DE
Ainda, no segundo semestre de 2015, outra solicitação de
propina foi formulada, também em face de RICARDO SGUAREZZI,

:34 AN

quando novamente pendia pagamento sobre medição da obra que a

:46 C
empresa AROEIRA CONSTRUÇÕES executava no Estado, fato ocorrido
14 E S
após a substituição de WANDER por MOISÉS DIAS DA SILVA .


8 - IN
01 OL

O próprio RICARDO SGUAREZZI confirma a ocorrência.


0/2 AR

Vejamos:
9/1 - C

"... surgiram novas medições que teriam que ser pagas ao declarante
e então no segundo semestredo ano passado, não se recordando a
: 1 30

data, procuro" por MOISÉS que era o novo superintendente e este,


Em 579

para sua surpresa, lhe disse que se quisesse receber as novas


medições teria que procurar o GIOVANI GUIZARDI e pagar os 5%
18

das medições recebidas, para só então receber as próximas.


51

(declarações prestadas ao GAECO - fls. 300),


06


Em juízo RICARDO confirma os fatos:
r:

"É dono das empresas Aroeira Construções e Relumat Construções.


po

Logo na troca de governo foi chamado para reuniões, tanto pelo Luiz
Fernando quanto pelo Fábio Frigeri para uma reunião e ele passou
sso

um papelzinho com o telefone do Giovane para que entrasse ~


contato, primeiro se negou, não queria participar, até que ele dissd
que se não pa'ticipasse não ia receber mais nenhum pagamento.
pre

Então foi a uma reunião em um escritório no Trevo do Bdirro Santa


, . empresarlOs,
Rosa, on de estavam varlos •. L ·",/1
U/Z r ernan",o,' Esper
Im

, I
Haddad, LeonG'do, Celso, Eder da Geotop, lá foi est(lbeleci;do que
tinham que dar um pagamento para o Giovani, nunc4 ti1h«m visto i
isso, dar propina para um empresário ao invés de dJ~ agente

j 50
~
AB/PGJ

PP
PODER JUDICIÁRIO fls. OO[! 8 6 1 '
ESTADO DE MATO GROSSO -

AU
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ - - - c __ -

ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA ,.~tJ·
') J-

AR
CRIMES DE LAV AGEM DE DINHEIRO

L
DE
público. Os primeiros quatro pagamentos efetuou para o Fábio,
recusou-se a pagar para o Giovani. O Fábio disse que referente à

:34 AN
Relumat era para pagar para o Giovani, ele quis cobrar uma quantia

• absurda, algo em torno de 30% sobre o faturamento bruto da

:46 C
Relumat, então negociou com ele algo em torno de 15% do

14 E S
faturamento bruto da Relumat, algo em torno de R$ 30.000,00, nisso
tinha já 7 ou 9 pagamentos em atraso, ele queria cobrar uma quantia


bem alta, sobre tudo o que estava pendente, então negociou com ele,
8 - IN
acabaram se ajustando em pagar uns R$ 90.000,00. Como da data em
01 OL

que conversaram até a data do pagamento da propina já tinham


vencido outros pagamentos, acabou pagando em três vezes, R$
0/2 AR

50.000,00, R$ 45.000,00 e R$ 30.000,00, no total de R$ 125.000,00,


até mais do que o acordado. Os cinco mil reais excedentes foram um
9/1 - C

"agrado" para o Giovani. Para o Giovani fez pagamentos em


dinheiro, mas para o Fábio parte foi em dinheiro e parte em cheques.
Em relação à Relumat fechou R$ 30.000,00 mensais e em relação à
: 1 30

Aroeira era para pagar 3% No início queriam 5"%. Não estava na


Em 8579

reunião em que dividiram as obras, e que foi gravada e está nos

• autos. Naquela foi o Luis Fernando e o Leonardo que dividiram as


obras, a testemunha não participou porque não foi à reunião. Em
11

abril de 2015 já havia ganhado uma obra, a 001, então não


participou da reunião, mas sabe que foi o Luis Fernando que
65

coordenou, tanto que foi ele que lhe convidou. Moisés era um

• funcionário, superintendente de obras, ele que ficou no lugar do


r: 0

Wander. Ele sabia que existia o esquema, mas sempre mandava tratar
do assunto com o Giovani e o Fábio. Pelo que sabe ele não foi a
po

nenhuma reunião. Falou sobre esse assunto com o Permínio, avisou


ele o que estava acontecendo, porque tinha sido abordado pelo Fábio.
so

Ele ficou bravo, disse que não era para pagar nada pararninguém e
que ele ia resolver, mas como o Fábio disse que tinhaj q~e pàgar,
s
pre

acabou pagando. Depois que passou a fazer os pagamentos de


propina passou também a receber do Estado normalmerlte. 4ãO! sabe
Im

qual o envolvimento dos réus Alan e Edézio neste en+do'1nem se


alguma parte da propina foi destinada a parlamentar fede)'

51
~B/PGRl
L -
UB62
,
- - -:=1

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
8
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
Verifica-se que no caso presente foi MOISÉS que fez a
solicitação-exigência de propina no percentual de 5% sobre o valor que

:34 AN

RICARDO deveria receber. MOISÉS agiu em beneficio do grupo

:46 C
criminoso, inclusive encaminhando RICARDO a GIOVANI, o braço
direito de ALAN MALOUF . 14 E S


8 - IN
01 OL

Assim, do mesmo modo que nos casos anteriores, ALAN


0/2 AR

MALOUF concorreu para a prática do delito, porquanto inseriu no contexto


9/1 - C

criminoso instalado na SEDUC o hoje colaborador GIOVANI, com o fito


de que o mesmo angariasse dinheiro, mediante exigência de propina,
: 1 30

visando ressarcir-se de gastos que diz ter havido em campanha eleitoral.


Em 8579

Outro fato narrado na denúncia foi comprovado na instrução


• processual, tanto pelo colaborador GIOV ANI GUIZARDI quanto pelo
11

empreiteiro RICARDO AUGUSTO SGUAREZZI.


65


r: 0

Em continuação ao fato anterior, quando MOISÉS teria se


po

recusado a efetuar o pagamento devido, condicionando-o ao pagamento de


sso

propina e encaminhado RICARDO a GIOVANI, narra a denúncia.---8.ue


RICARDO eretiv<Unente o proourou, q.,,,,do novo orime foi p~~""",o. \
pre
Im

Com efeito, RICARDO procurou GIOV ANIl ria sede da


i I • I
empresa Dínamo Construtora, quando GIOV ANI teria dito: \y-k-Hecebeu

J 52
GAB/PGK
Fls. 000863

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO ,.~ .=-'", 5
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
os pagamentos que eu autorizei e agora para receber os próximos você tem
que acertar os recebidos comigo. " Segundo as declarações de RICARDO,

:34 AN
prestadas na fase investigativa, GIOV ANI chegou a ameaçar cancelar os

:46 C
contratos que RICARDO tinha com o Estado, caso a propina não fosse
paga. (fls. 300) .
14 E S


8 - IN
01 OL

Com tal conduta, portanto, confessada por GIOV ANI que


0/2 AR

ratificou todo o conteúdo de seu interrogatório prestado no GAECO e em


9/1 - C

juízo afirmou por diversas oportunidades que o conteúdo da denúncia é


inteiramente verdadeiro, tenho que ALAN MALOUF concorreu, também
: 1 30

para a prática deste delito, eis que GIOV ANI agia como seu longa manus e
Em 8579

em seu beneficio, eis que o objetivo de ambos era angariar fundos, via

• recebimento de propina, para, segundo eles, ressarcirem-se de gastos


11

havidos na campanha ao governo do Estado.


65


Com relação aos fatos ocorridos em face do empreiteiro
r: 0

DILERMANO SÉRGIO CRAVES, intitulado fato 10 da denúncia, temos


po

que em dia não apurado, entre abril e maio de 2015, novo crime de
sso

corrupção passiva se consumou. " \


( I \
pre

Restou provado nos autos que nesta data DrJEbM l>. NO


d;;~~C, a
Im

recebeu um telefonema de uma pessoa que falava em nome


qual lhe convocou para uma reunião na sede da instituição.

53
GABIPG·'"K.
F/S'Ü{)0864
i
..= ,

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO '.' "C
~JO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
Chegando lá, DILERMANO foi atendido por FÁBIO

:34 AN

FRlGERl, o qual lhe entregou um pedaço de papel contendo o nome e o

:46 C
telefone de GIOVANI GlfIZARDI, orientando-o para que ligasse para o
mesmo . 14 E S


8 - IN
01 OL

GIOVANI então o convidou para um encontro na sede da


0/2 AR

empresa. Lá chegando, GIOVANI foi logo dizendo que tinha poder de fato
9/1 - C

na SEDUC e que tinha conhecimento que DILERMANO tinha créditos a


receber, momento em que solicitou propina com a expressão: "E aí, não
: 1 30

tem nada?"(fls. 281/282).


Em 8579

'. Assim, vê-se,que o modus operandi neste caso foi o mesmo


11

dos fatos anteriormente narrados. Convocava-se o interessado a Ir a


65

SEDUC, onde o mesmo era orientado a procurar GIOVANI, o qual


r: 0

• executava os pedidos de propina, evidentemente com o aval dos membros


po

da Secretaria.
sso

A prática do delito de corrupção passiva não foi som~te

narrada pela testemunha DILERMANO, mas foi também confirmada por


pre

GIOVANI inclusive em juízo. Vejamos: / "


Im

" .. ,No total o colaborador arrecadou R$ 1.2DO.OOO,OO que


representava 10%, porém parte do dinheiro foi diretob~~nio. O 1

54
GABI PGR
Fls. 000865
'J

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
Sguarezzi acertava diretamente com o Permínio. Uma vez o Sguarezi
pagou R$ 20.000,00, daí é que o colaborador percebeu que o

:34 AN

Permínio recebia dinheiro fora da organização. José Carlos Pena da

:46 C
.~ Silva é o empreiteiro que deu os R$ 4.000,00 e foi filmado, ele

14 E S
recebeu pouca coisa, não tinha obras. Dilermano Sérgio Chaves


também estava no esquema de pagamento de propinas, era um
8 - IN
empresário que estava sendo cobrado; Clarice Maria da Rocha
01 OL

também é empresária recebeu cobrança de propina do colaborador.


0/2 AR

Eder Alberto Francisco Messiano é o proprietário da Geosolo, fazia


parte do grupo de operações, era um dos responsáveis pela divisão de
9/1 - C

obras e também pagava propinas. Com relação a José Eduardo


: 1 30

Nascimento da Silva não soube esclarecer. No que diz respeito a


Em 8579

Silvio Piva e Mário Lourenço Salem disse que estava também sendo
cobrado. Leonardo Botelho Leite não linha obra, mas tinha um
I. crédito grande para receber, acha que ele acabou recebendo mas não
11

pagou propina para o colaborador. Luis Carlos da Silva fazia parte


65


dos empresários que pagavam propina. .. "(grifei).fls, 6165 .
r: 0
po

Assim sendo, da mesma forma como ocorreu nas oca~es

anteriores, tenho que ALAN AYOUB MALOUF concorreu também pará a


sso

prática deste ilícito, eis que inseriu GIOV ANI GUIZARDI p.~" âmbito ~a
I ,
pre

SEDUC com o único propósito de arrecadar verbas ~~tcorr!ntes de


pagamento de propina, visando ressarcir-se, segundo el~e-~ / despesas
Im

havidas na campanha eleitoral anterior.

55
GAB/PGRl
Fls. 000866

PP
I'ODER JUDICIÁRIO
I
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

L
DE
Quando aos fatos envolvendo o empreiteiro LEONARDO

:34 AN
• GUIMARÃES RODRIGUnS a história se repete .

:46 C
14 E S
Consta nos autos que em meados do ano de 2015,


8 - IN
GIOVANI BELATTO GUIZARDI, agindo em conluio com terceiras
01 OL

pessoas e a mando de ALAN A YOUB MALOUF, por duas ocasiões


0/2 AR

solicitou pagamento de propina a LEONARDO GUIMARÃES


9/1 - C

RODRIGUES.
: 1 30

Segundo se depreende do apurado, a empresa JER


Em 8579


ENGENHARIA ELÉTRICA E CIVIL LTDA, da qual LEONARDO é
procurador, também possuía contrato de obra pública com a SEDUC, em
11

fase de execução.
65

• r4
r: 0

S,gundo LEONARDO, 'ntre j"'.'hO 'julho d'(" IS,


po

estava na SEDUC, recebeu das mãos de FABIO FRIGERI) u; paper,


m&l
so

contendo o nome e o telefone de GIOV ANI GUIZARDI, em que


s

orientou-o a manter contato com o mesmo.


pre
Im

56
GAB/PGR-
fls, 000867

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO =

AU
a
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAV AGEM DE DINHEIRO

L
DE
Neste caso, LEONARDO não telefonou imediatamente para
GIOV ANI, motivo pelo qual uma semana após, FÁBIO teria insistido que

:34 AN
• o fizesse.

:46 C
, \. Atendendo à insistência de FÁBIO, LEONARDO telefonou
14 E S
para GIOV ANI, o qual convidou-o para um encontro na sede da sua
8 - IN
empresa,
01 OL
0/2 AR

Do mesmo modo como ocorreu nos casos anteriores, lá


9/1 - C

chegando LEONARDO foi avisado de que GIOV ANI era quem detinha o
poder de fato na SEDUC em relação aos contratos em execução, quando
: 1 30

informou que os assuntos relativos a pagamentos deveriam ser tratados


Em 8579

• com ele .
11

Neste caso, GIOV ANI foi bastante claro, exigindo de


65

• LEONARDO o pagamento do percentual de 5% sobre as quantias que


r: 0

recebesse como pagamento do Estado. LEONARDO não teria concordado


po

em efetuar tal pagamento, quando foi advertido por GIOV ANI que, caso
so

não P"""", teria p'oblom" pMa "oeb" """ credito, i ""to à S,EDUCl
s
pre

Com efeito, após a negativa do empresário! d\e aderir t "

i
Im

os 'a sua I \ r~.sa pe I'li!


. decorosa, os pagamentos que eram deVI' d
proposta In
execução de serviços começaram a atrasar e, segundo a testemJ.lh a, em um

57
GAB/Pi..t(
Fls. 000868

:::::

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
9·~... O
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
dos casos a documentação relativa ao pagamento chegou a ficar retida por
30 (trinta) dias, em posse de WANDER, sem qualquer motivo plausível.

:34 AN
• :46 C
Em outra oportunidade, GIOVANI e LEONARDO voltaram
14 E S
a se encontrar, quando GIOV ANI lhe mostrou uma planilha onde constava


8 - IN
todo o valor que a empresa de LEONARDO (JER ENGENHARIA
01 OL

ELÉTRICA E CIVIL LTDA.) havia recebido, oportunidade em que voltou


0/2 AR

a solicitar, a título de propina, o pagamento de 5% sobre tal quantia.


9/1 - C

Novamente, pOIS, a organização criminosa atuou,


: 1 30

utilizando-se do mesmo modus operandi:


Em 8579

"... Que entre os meses de junho e julho do ano de 2015, estava na

• SEDUC, quando recebeu das mãos de WANDER LUIZ DOS REIS ou


11

FABIO FRIGERJ, um bilhete em papel auto colante de cor amarela,


65

contendo um mimero de telefone e o nome GIOVANI; ( .. .) Que então


r: 0

o interrogando ligou para GIOVANJ, e marcou um encontro com o


mesmo na sede da empresa DINAMO, situada no Parque Ohara,
po

nesta cidade de Cuiabá; Que chegando lá, GIOVANI disse que os


sso

assuntos referemes à SEDUC eram para ser tratados, doravante, com


ele (GIOVAN/,', tais como: problemas de aditivos, reajustes qu
pre

estavam demorando para sair, pagamentos, etc; Qu~ para resol er


todos esses assuntos, especialmente no que fi~ respeito a
Im

recebimentos, GIOVANI exigiu de forma ríspida o rt~al de 5, o


de todo o valor recebido na SEDUC, seja de forl!3 I lcelada ou

. 58
J
GAB/PGtt -1
F/s'OODB69 l

PP
PODER JUDICIÁRIO . ----===:.1
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7". V ARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

L
DE
integral; Que o interrogando disse que não concordava, momento em
que GIOVANI disse: "tudo vai se complicar para você la dentro, você

:34 AN

está fora, você não vai receber, suas obras não vão sair_ " Que um ou

:46 C
--, dois meses após o primeiro contato com GIOVANI, os pagamento que

14 E S
a empresa JER, a qual o interrogando é procurador, tinha direito a


receber começaram a atrasar; Que em uma das ocasiões, uma das
8 - IN
notas fiscais emitidas pela empresa JER ficou por quase trinta dias
01 OL

parada na mesa de WANDER sem qualquer providência; Que a partir


0/2 AR

de então o interrogado passou a perceber a injluência de GIOVANI


dentro da SEDUC; Que em um segundo momento em que manteve
9/1 - C

contato com GIOVANI, o mesmo apresentou uma planilha de todos os


: 1 30

valores que a empresa JER havia recebido da SEDUC e que em cima


Em 579

desses valores, já recebidos, o interrogando teria que pagar 5%; Que

• o interrogando se recorda que o valor que havia recebido era em


18

torno de R$ 1.500.000,00 (um milhão e quinhentos mil reais) e que


51

GIOVANI teria exigido a quantia de R$ 75.000,00 (setenta e cinco mil


06

reais) .... "(depoimento prestado ao GAECO,jls_ 391/395) .


r:
po

Em Juízo, embora o colaborador faça referência breve a


LEONARDO, acaba imputando a ele a co autoria dos delitos. Vejamos:
sso

Então montaram uma ORCRIM com vários núcleos: o núcleo político,


pre

com Guilherme Maluf, Nilson Leitão, o núcleo que rece7.if a propina,


Permínio, Alan, Guilherme Maluf e o grupo de operação, composto.
Im

I \ I

pelo colaborador, Wander e Fábio Frigeri. Nesse! ~up~, Alan,'


Permínio e Guilherme, cada um tinha 25% da proP i7..rJcadada,

59
l ·.... ;·.~i·r· . . . ; ..

fl~. ;j li! b ~ U

P
}'üDER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ 942

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
mais 5% para o Wander, 5% Fábio, 5%1 para despesas, gasolina,
trocavam celulares toda semana e 10% da propina arrecadada ficava

:34 AN
com o colaborador, totalizando 100% da propina arrecadada. O

• :46 C
grupo dos empresários era composto por Luis Rondon, Leonardo,

14 E S
Sguarezzi, Esper, Eder da Geosolo. Luiz auxiliava a cobrar propina, o
Esper formatava e dava idéias, Leonardo agia mais para composição
8 - IN

• de preços e ek'boração de planilhas. Antes de formar o grupo o Esper


01 OL

esteve no seu escritório e não acreditou muito no que o colaborador


0/2 AR

falava, na forma como haviam formatado a ORCR1M Então ele foi


até o Permínio e perguntou se o colaborador era o indicado para
9/1 - C

receber a propina e ele confirmou. Daí por diante começaram a


: 1 30

operar ...
Em 8579

Tenho, mais uma vez, que neste caso as solicitações de


• propina efetuadas por GIOVANI BELATO GUIZARDI também foram a
11

mando e em beneficio de ALAN AYOUB MALOUF, eis que este foi o


65

responsável pelo ingresso de GIOV ANI no cenário da SEDUC, porquanto


r: 0

• foi quem o indicou, apresentando-o ao então Secretário de Estado, com o


po

fito de toma-lo operador do esquema de arrecadação de propina.


sso

Da mesma forma, no caso da empreiteira CLA


pre

MARIA DA ROCHA, descrito no caso 12 da denúncia, terrrs qu: em d ta


Im

não esclarecida do ano de 2015 a mesma, que é propriettria dajempresa


CONSTRUTORA ROCHA LTDA., recebeu um telefoneta~aJSEDUC,

60
PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
8
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
solicitando que se deslocasse até lá para uma reunião com FABIO
FRIGERI .

:34 AN

:46 C
.
~

Assim procedendo, o mesmo orientou-a a procurar


14 E S
GIOV ANI GUIZARDI para resolver problemas de recebimento de valores,
8 - IN
• eis que sua empresa tinha contrato com a SEDUC mas estava com
01 OL

dificuldades para receber seus créditos.


0/2 AR
9/1 - C

GIOV ANI e CLARICE encontraram-se na sede da empresa


DÍNAMO. Na ocasião, como nos outros casos, GIOV ANI solicitou o
: 1 30

pagamento de 5% sobre o valor do crédito da empresa, dizendo que, do


Em 8579

contrário, os pagamentos ficariam parados na Secretaria.


I. Como a empresária não fez o pagamento de pronto,
11

GIOV ANI passou a enviar mensagens de texto a ela, tanto por Whatssapp
65

• como por SMS .


r: 0
po

Vejamos o que ela declara a respeito:


so

"... Que a interrogada compareceu na empresa Dínamo localizada no


s

bairro Coxipó e em reunião com Giovani Guizardi pergunto~ao


pre

mesmo qual seria o motivo do atraso dos valores que ti')hà. . a rece8er
Apre~sãb:,
Im

da SEDUC. obtendo como resposta de Giovani a seguinte ,


"PORQUE VOCÊ NÃO
iO"""gaoda a di", q~
VEIO FALAR COMIG()~~O ~
""" <inha ,"ooia d, ",J 1 P'''i::
.~'_I.-'·"

FL 'J l, ' b ',' 'L'

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
a
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

LA
conversar com ele para poder receber, tendo Giovani respondido que

DE
havia a nece,j'sidade de urna contribuição por parte da empresa da

:34 AN
interroganda, no montante de 5% do valor do crédito junto ao Estado,

• :46 C
Que a interroganda questionou sobre o que aconteceria se recusasse

14 E S
a pagar o exigido, vindo Giovani a dizer que ninguém era obrigado a
pagar, mas que "O PROCESSO FICARIA PARADO NA SEDUC"","


8 - IN
termo de declarações de fls. 406/409) .
01 OL
0/2 AR

Exatamente como nos outros casos, GJOVANJ, agindo a


9/1 - C

mando e em beneficio próprio e de ALAN MALOUF solicitou propina


para a empresária que mantinha contrato de obras com a SEDUC, no valor
: 1 30

de 5% sobre o crédito, sob pena de retardar o pagamento regular, via


Em 8579

Secretaria, Tal solicitação fOi feita porque visava angariar fundos para que
• GJOV ANI e ALAN se ressarcissem, segundo eles mesmos, de
11

investimentos que teriam feito na campanha ao governo do Estado de Mato


65


Grosso .
r: 0
po

Referentemente ao empresário EDER ALBERTO


sso

FRANCISCO MECIANO, de novo configura-se o cnme imputado na


denúncia. \
pre

/\i I
Im

Consta que entre janeiro e agosto de 2,0 15 a ttmpre~a


GEOTOP CONSTRUç6ES E TERRAPLANAGEM ~rd' qJ:
P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
9
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAV AGEM DE DINHEIRO

LA
DE
EDER é proprietário, possuía contrato de obra com o Estado de Mato
Grosso, mais especificamente com a SEDUC .

:34 AN

:46 C
Tal qual nos casos anteriores, FÁBIO FRIGERI entregou
14 E S
nas mãos do empresário um bilhete contendo o nome e o número do


8 - IN
telefone de GIOV ANI GUIZARDI, pedindo que ligasse para ele.
01 OL
0/2 AR

Cerca de quinze dias depois, como o empresário não fez a


9/1 - C

ligação, já percebeu que os pagamentos começaram a atrasar e, por este


motivo, acabou marcando um encontro com GIOV ANI na sede da
: 1 30

empresa.
Em 8579

• No local, GIOV ANl lhe mostrou uma planilha contendo


11

todas as informações a respeito do contrato administrativo de obra pública


65

• da SEDUC referente à GEOTOP e solicitou-lhe o pagamento de 5% sobre


r: 0

os valores a receber.
po

As declarações prestadas no GAECO às fls. 416/419 bem


sso

elucidam como os fatos ocorreram: .~

"que não se recorda a data, es~larecendo que, estava n,


pre

SEDUC e recebeu do servidor FABIO FRlGERf 1fm bilhet4


Im

com um número de telefone e o nome de GIOVi4~, d;izendJ


para o interrogando que ligasse para GIOVA)J,'--Qu~ nestJ
I 63
PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
...
" ., 6

IR
~
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

L
DE
dia encomrou nos corredores da SEDUC com os
empresários JOEL da empresa ESTEIO e JOSÉ CARLOS

:34 AN

PENA da empresa BRP; Que após quinze ou vinte dias,

:46 C
percebendo que seus processos de medição e pagamentos
14 E S
começaram a atrasar, resolveu ligar para GIOVANI; Que
8 - IN

• naquela ocasião GIOVANI pediu que o interrogando fosse


01 OL

até seu escritório, situado na emrpesa DÍNAMO no Parque


0/2 AR

Ohara; Que no encontro com GIOVANI, este lhe


9/1 - C

apresentou uma planilha contendo todas as obras em


execução e saldos do contratoa receber da empresa
: 1 30

GEOTOP, dizendo que prestaria um serviço de


Em 8579

"assessoria", GIOVANI teria lhe cobrado 5% do valor que

• eventualmenle recebesse ... " (declarações de fls. 416/419).


11
65

Em juízo GIOVANI, embora sucintamente, confirma as


r: 0

• solicitações de propina tanTO em face de CLARICE como em relação A


po

EDER ALBERTO. Vejamos:


"Clarice Maria da Rocha também é empresária e r{~'efeu c07rança
so

j prhprietário da
s

de propina do colaborador. Eder Alberto Francisco Meciano é


I. ~.v/sao
pre

-
Geosolo, fazia parte d o grupo de operaçoes, era um dos .
responsave~/JJ
- de'\
obras e também pagava propinas .. n.
Im

/
./

64
FI, ,) l l 8 7lJ

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ 947

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LA V AGEM DE DINHEIRO

LA
DE
Novamente conclui-se pelo concurso de agentes com ALAN
AYOUB MALOUF, eis que, embora oculto no palco dos fatos, foi o

:34 AN
responsável pela inserção de GIOV ANI no contexto criminoso instalado na

:46 C
SEDUC, fazendo-o com o propósito confessado de angariar dinheiro
14 E S
mediante o recebimento de propinas, com o fito de se ressarcir de suposta
8 - IN
• doação eleitoral.
01 OL
0/2 AR

Em face de JOSÉ EDUARDO NASCIMENTO DA SILVA,


9/1 - C

cujo fato encontra-se na denúncia sob n. 14, temos que em meados de


2015, que é o proprietário da empresa APICE CONSTRUTORA,
: 1 30

INCORPORADORA E IMOBILIÁRIA EIRELI, dirigiu-se à SEDUC com


Em 8579


o fito de receber créditos por uma obra contratada com o Estado .
11

Lá chegando, tratou do assunto com W ANDER LUIZ DOS


65

• REIS, quando o mesmo orientou-o a procurar GIOV ANI GUIZARDI,


r: 0

fornecendo-lhe o número do telefone e o nome do mesmo.


po

t
so

, Como n.. 001m, VO',", reunrrrun-" na "do ornp)


s

DINAMO, de propriedade de GIOV ANI, quando este lhe trrpou qJe


pre

• • • , • • "
I / I
podena ajudar no recebimento dos credltos, mas que precisa a fazer um
I
Im

I
levantamento da situaão da empresa junto à SEDUC.
/
65
~A~-~~~l
(~0::J

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
Um mês depois, novamente retomando à SEDUC para
tentar sanar o problema, foi de novo direcionado por WANDER a falar

:34 AN

com GIOVANI.

:46 C
14 E S
Em contato com GIOVANI, o mesmo solicitou pagamento


8 - IN
de propina no percentual de 40% do valor que fosse recebido .
01 OL
0/2 AR

Segundo a~ declarações de JOSÉ EDUARDO, naquela


9/1 - C

época havia contrato com a SEDUC, mas estava suspenso e o empresário


tinha a receber aproximadamente R$ 300.000,00 (trezentos mil reais), de
: 1 30

modo que o recebimento seria mais difícil.


Em 8579

• Trecho do depoimento esclarece bem o ocorrido:


11

".. GIOVANI disse que verificando os contratos. dois deles tinham


65

condições de se pleitear o realinhamento de preço e que caso o


r: 0

interrogando l'iessa a dar entrada no processo, GIOVANI faria o


processo andar para o recebimento dos valores, em troca, teria que
po

repassar 40% do que fosse recebido ao próprio GIOVANI


sso

GUIZARDI, vindo o interrogando dizer que iria providencie;. a


documentação .... " (424/426)
pre

/\
Im

Assim come- nos relatos anteriores, tem-se Hue ihouv~


solicitação de pagamento de propina por parte de GIOV ANiJ-+~~ediad~
j 66
GAB/PGR
Fls. 000877

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 949

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

L
DE
por WANDER LUIZ DOS REIS, a fim que de o empresário EDUARDO
NASCIMENTO DA SILVA obtivesse o pagamento de seus créditos junto

:34 AN
à SEDUC, bem como reajuste nos valores pendentes.

:46 C
A solicitação foi mais alta desta vez: 40% do crédito .
14 E S


8 - IN
O beneficiário e mandante do crime novamente foi ALAN
01 OL

AYOUB MALOUF, que foi o responsável por inserir GIOV ANl


0/2 AR

GUIZARDI no âmbito da SEDUC, com o fito específico de que o mesmo


9/1 - C

arrecadasse propina, visando ressarcir-se de doação eleitoral.


: 1 30

SYLVIO PIV A, procurador e representante legal da SÃO


Em 8579

BENEDITO CONSTRUÇÃO CIVIL LTDA. também foi alvo da ação de


.~ GIOV ANI GUIZARDl.
11
65


Porém, no caso presente, não é procedente a denúncia.
r: 0
po

É que, segundo consta nos autos, no início do segundo


so

semestre de 2015, quando compareceu à SEDUC para tratar de assuntos


s

relacionados aos contratos que estavam em fase de execução juntó àquela


pre

I I
, I I.
Secretaria, SYLVIO foi abordado por FABIO FRlGERl, que, .(la Imesma
pdp.e~cim o'
Im

forma ocorrida com os demais empreiteiros, passou-lhe um

j
67
Fio Uli UB7B

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

LA
nome e o telefone de GIOVANI GUIZARDI, determinando que o mesmo

DE
contatasse com ele .

:34 AN
• :46 C
SYLVIO nzío acatou a orientação de FÁBIO e, por este
14 E S
motivo, dias depois recebeu um telefonema de GIOV ANI, que solicitava


8 - IN
seu comparecimento na empresa DÍNAMO .
01 OL

Ocorre que SYL VIO não atendeu ao chamado e, portanto,


0/2 AR

frustrou a prática do crime de corrupção ativa perpetrado por FÁBIO,


9/1 - C

WANDER e GIOVANI BELATO, este último agindo em prol dos


interesses de ALAN AYOUB MALOUF.
: 1 30
Em 8579

Ainda que, da mesma forma que nos outros casos, SYLVIO


• tenha sido abordado por FABIO, comparsa de GIOVANI, encaminhado a
11

reunir-se com este, com a única intenção de que o crime de corrupção


65

passiva não ocorresse dentro das dependências da SEDUC, esse ato não é
r: 0

• parte do tipo penal.


po
sso

de FÁBIO, acabou sendo procurado pelo próprio GIOVANfy{lue/da mesma


pre

, J
forma tentou atraí-lo ao escritório da empresa DINAMO. /
Im

68
l F!S~.J!e 1

L (;i 1-.. ... ,ruI< --


UU0879 C

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAV AGEM DE DINHEIRO

LA
DE
Embora GIOV ANI tenha solicitado a presença de SYLVIO,
o mesmo, desconfiado, não compareceu e, por isso, acabou frustrando a

:34 AN
solicitação de propina.

:46 C
14 E S
Desta forma, tenho que o cnme não se consumou por
8 - IN
• circunstância alheia à vontade dos agentes, tal seja, o fato de que SYLVIO
01 OL

não se dirigiu até a empresa DÍNAMO, onde a solicitação seria formulada.


0/2 AR
9/1 - C

Ocorre que, tratando-se de crime formal, consuma-se com a


mera solicitação, que não chegou a ocorrer, sendo que os atos antecedentes
: 1 30

não compõem o tipo penal do crime .


Em 8579

• A narrativa da denúncia retrata a prática de atos


11

preparatórios apenas, não executórios .


65


r: 0

SYL VIO narra que em meados do ano de 2015, quando


po

estava na SEDUC, foi abordado por FÁBIO, que lhe entregou um pa I


sso

com o número e o nome de GIOVANI, dizendo: "ligue para esse número"


Não atendendo à solicitação, foi procurado por GIOV ANI, ~lle diss :
pre

"venha aqui no meu escritório tomar um café". Estranhando!o fqnvit I'


Im

acabou não comparecendo ao local e apenas por isso o delwtJão se


consumou.
j
!
69
f:AB/PGR.
r~UU08BO

PP
]'ODER JUDICIÁruO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7". VARA CruMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CruMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CruMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TruBUTÁruA

AR
CruMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

L
Quanto à teni'tltiva, leciona Damásio de Jesus (2012, p, 208): "I") No

DE
tocante à solicitação: tratando-se de forma verbal, não é admissível. Ou o jimcionário

:34 AN
solicita ou não solicita_ Cuidando-se. entretanto. de meio escrito, é possível a tentativa.

:46 C
• 2") Em relação ao recebimento de vantagem: não é possível a figura tentada. Ou o

14 E S
sujeito a recebe ou não a recer-e. 3") Quanto ao verbo aceitar promessa de vantagem:
não é também admissível a tenfativa, seja meio verbal ou por escrito. Ou ele aceita ou


8 - IN
não aceita. Se remete ao corruptor uma carta contendo a aceitação, ainda que ela não
01 OL

chegue ao seu conhecimento, () delito está consumado (consumou-se no momento em


0/2 AR

que, na carta. fixou a aceitação). "


9/1 - C

Deste modo, não procede a denúncia em relação ao fato n.


: 1 30

14, com relação à narrativa de tentativa de corrupção passiva.


Em 579

• Já em face de MÁRIO LOURENÇO SALEM, intitulado na


18

denúncia como fato 16, na ocasião representado por JOSÉ HENRIQUE


51

MARINON STEPHAN, procede a acusação formulada .


06


r:
po

Consta nos autos que a empresa SANEP AVI-


SANEAMENTO E PAVIMENTAÇÃO EIRELI-EPP, de propriedade de
sso

" ri
MÁRIO LOURENÇO, possuía contrato com o Estado de Mato GrSso,fviiJ.
pre

SEDUC, o qual estava em fase de execução, quando, também 10 Jn} de\


Im

2015, a mando de ALAN MALOUF e dos demais envolvidg UIZ!

70
FI! UUlJ881

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
8
7 , VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
953

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

LA
CRIMES DE LA V AGEM DE DINHEIRO

DE
FERNANDO DA COSTA RONDON telefonou para MÁRIO, orientando-
o a telefonar para GIOV ANI GUIZARDl.

:34 AN

:46 C
14 E S
Na data aprazada para o encontro, MÁRIO foi representado
por JOSÉ HENRIQUE MARINON até a sede da empresa DÍNAMO, onde
8 - IN
• GIOV ANI lhe mostrou uma lista contendo informações a respeito do
01 OL

contrato administrativo da obra que estava sob sua responsabilidade,


0/2 AR

quando disse que o patrão de JOSÉ HENRIQUE, MÁRIo, deveria pagar o


9/1 - C

percentual de 5% sobre as quantias relativas às medições que viesse a


receber.
: 1 30

:.
Em 8579

JOSÉ HENRIQUE foi ouvido pelo GAECO e confirmou a


versão da denúncia, como se vê às fls. 938/940.
11
65

• Da mesma forma, o próprio GIOV ANI confessa, em juízo:


r: 0

No que diz respeito a Silvio Piva e Mário Lourenço Salem disse que
po

estava também sendo cobrado.


I
s so

Assim, ao solicitar o percentual de 5% do créditp\devido à


pre

empresa SANEP AVI pela SEDUC, GIOVANI cometeu o I d~lito de


Im

corrupção passiva, agindo a mando e por ordem de ALA1)-! }jOUB


MALOUF, ° qual "" ° b~,fi,iário, mruo, in"",,,ado "" ob'7' lU'W;
71
\ G~~PGR
Fls. 000882

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
a
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ 554

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
advindos da prática criminosa, eis que pretendia ressarcir-se de quantias
pagas a título de doação eleitoral no pleito anterior.

:34 AN
• :46 C
Em relação ao empreiteiro LEONARDO BOTELHO
14 E S
LEITE, cUJo fato na denlmcia recebe o número 17, é de igual forma


8 - IN
procedente a denúncia .
01 OL
0/2 AR

Consta nos autos que no ano de 2015 a empresa INSAAT


9/1 - C

CONSTRUTORA LTDA.,. de propriedade de LEONARDO, possuía


contrato em execução com o Estado de Mato Grosso, especificamente em
: 1 30

face da SEDUC.
Em 8579

• Em data não precisada, entre os meses de junho e julho de


11

2015, quando LEONARDO estava na sede da SEDUC, foi abordado por


65

FÁBIO FRIGERI, que lhe forneceu um bilhete com o nome e o telefone de


r: 0

• GIOVANI.
po

Assim como nos outros casos, LEONARDO ligou paí"~


sso

GIOVANI, marcaram encontro na empresa DÍNAMO e W"o mesmo


!

mostrou-se detentor de poder de fato junto à SEDUC, eis que ;tinh


pre

·
co nh eClmento dos contrato:;, ad'ltlVOS
. e pagamentos re IaClO~51"T-/
. I oh,,;:
aque I ,
Im

Secretaria. / '
J

72
P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
955

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
GIOV ANI esclareceu que para a solução de tais assuntos
junto à SEDUC seria necessário pagar a ele o percentual de 5% sobre as

:34 AN
e_ quantias monetárias recebidas do Estado, advertindo, ainda, LEONARDO,

:46 C
que se o mesmo não concordasse acabaria tendo problemas burocráticos na
SEDUC. 14 E S

8 - IN
01 OL

Como LEONARDO não aceitou de pronto a proposta, os


0/2 AR

pagamentos à sua empresa começaram a atrasar, prejudicando o


9/1 - C

empresário.
: 1 30

GIOV ANI GUIZARDI, em declarações prestadas em juízo


Em 8579

confirma que:
"Nesse local fizeram uma reunião com o Giovani, quando estavam o
11

Ricardo, o pai dele, o Eder, o Leonardo, e reclamaram do valor do


percentual da propina, foi quando ele orientou a formarem uma
65


comissão a respeito para não ter que fazer reuniões toda vez com
r: 0

todos os empresários envolvidos.


po

RICARDO SGUAREZZI, também em juízo afirma que:


(s~
sso

Então foi a uma reunião em um escritório no Trevo do Bairro


Rosa, onde estavam vários empresários, Luiz Fernafzdo, Espe1
pre

Haddad, Leonardo, Celso, Eder da Geotop, lá foi esta.~el~cido


! I
qUi
Im

tinham que dar um pagamento para o Giovani, nunca: tintam vist


isso, dar propina para um empresário ao invés de dat pJrd agente
Iv / I

público. i
73
, GAB I f'(,;~
Fls. UUOBB4 ..

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO :--.===1
t

AU
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 956

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
o próprio GIOVANJ, em juízo, faz referência a esse

:34 AN

empreiteiro:

:46 C
Leonardo Botelho Leite não linha obra, mas linha um crédito grande

14 E S
para receber, acha que ele acabou recebendo mas não pagou propina


8 - IN
para o colaborador.
01 OL

Desta forma, uma vez que o crime se consuma com a mera


0/2 AR

solicitação da vantagem, tenho que mais uma vez GIOVANI está incurso
9/1 - C

no delito do artigo 317 caput do CP.


: 1 30
Em 579

As declaraçôes de LEONARDO encontram-se detalhadas

• nos autos às fls. 1005/1007 .


18
51

É certo que GIOVANJ agia sempre a mando e em beneficio


06

• de ALAN AYOUB MALOUF, era seu longa manus junto à SEDUC,


r:

encarregado de angariar fundos de forma ilícita, que pudessem suprir o


po

pagamento de uma dívida que diz ter em relação a doação efetuada em


sso

campanha eleitoral.
pre

I
Com efeito, embora GIOVANI tenha exec~tallo o crime,
Im

{J I

ALAN co",orreu p= , ,ti> P"ti"" oi, qu' foi ° ,,,pon,>,.,,!,, in~:


/C0"
(;\~~S\11
GAB/PGR,
Fls. 000885

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7', V ARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 95"1

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAV AGEM DE DINHEIRO

L
DE
GIOVANI no contexto da SEDUC, com o propósito já referido no
parágrafo anterior.

:34 AN
.~

:46 C
Quanto aos fatos envolvendo os empreiteiros LUIZ
14 E S
FERNANDO DA COSTA RONDON e ESPER HADDAD NETO,
8 - IN
• verifica-se que em meados do ano de 2015 GIOVANI GUIZARDI
01 OL

solicitou vantagem ilícita dos empreiteiros e acabou efetivamente


0/2 AR

recebendo tal pagamento.


9/1 - C

Consta que a empresa LUMA CONSTRUTORA, de


: 1 30

propriedade de LUIZ FERNANDO possuía contrato com o Estado de Mato


Em 579

Grosso, em fase de execução, relacionado a obras ligadas à SEDUC.


18
51

Do mesmo modo que nos outros casos, FÁBIO FRIGERI


06

abordou LUIZ FERNANDO na sede da SEDUC, quando lhe passou em um


r:

pedaço de papel o nome e o telefone de GIOV ANI GUIZARDl.


po
sso

GIOV ANI acabou contatando com LUIZ FERNANDO,


.
marcaram encontro na empresa DINAMO e lá, em companhia de, ESPER
~ /
pre

I \ .
HADDAD NETO, LUIZ FERNANDO ouviu a solicitação de p'roninJ por
se~1~rada:
Im

parte de GIOVANI nos seguintes termos "a partir de agora


uma taxa de 5% sobre todos os valores recebidos na Secretaria. " /
j
i

75
ta
I'ODER JUDICIÁRIO I :~:lJ
"G::;

P
UP
ESTADO DE MATO GROSSO ..
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA :.; :'1 8

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
Em seguida, GIOV ANI solicitou o pagamento de 5% sobre

:34 AN
• valores já recebidos pela empresa PANAMERICANA, de propriedade de
ESPER HADDAD NETO.

:46 C
14 E S


8 - IN
Consta nos autos que de início LUIZ FERNANDO não
01 OL

aceitou a proposta e tentou falar com o então Secretário PERMÍNIO


0/2 AR

PINTO FILHO, o qual se esquivou, encaminhando-o ao próprio FÁBIO


9/1 - C

FRIGERI, que confirmou a exigência da propina por parte de GIOVANI.


: 1 30

Depois de algum tempo, LUIZ FERNANDO teria


Em 8579

conseguido diminuir o percentual cobrado para 3% .


11

Consta ainda nos autos que LUIZ FERNANDO chegou a


65

fazer o pagamento de R$ 4.800,00 a GIOV ANI, que representava 3% de


r: 0

• um recebimento no valor de R$ 159.321,18.


po
sso

O GAECO juntou aos autos, ainda, comprovant/\bancários


que informam a entrada do valor de R$ 159.321,18 e o saqJe de R$
pre

5.000,00, corroborando, assim, as declarações de LUIZ FE~O, as


Im

quais foram confirmadas inclusive por ESPER HADDAD NETO)


j

76
GAB/PG R l

PP
PODER JUDICIÁRIO Fls. OO~:J
7

ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LA V AGEM DE DINHEIRO

L
DE
Ouvido em Juízo GIOV ANI informa que LUIZ
FERNANDO funcionou como membro da Organização criminosa, assim

:34 AN
• como ESPER e a participação de LUIZ FERNANDO é confirmada pela

:46 C
testemunha RICARDO SGUAREZZI. Vejamos:
14 E S
GIOVANI BELATTO GUIZARDI, em juízo:


8 - IN
Então montaram uma ORCR1M com vários núcleos: o núcleo político,
01 OL

com Guilherme Malul Nilson Leitão, o núcleo que recebia a propina,


0/2 AR

Permínio, Alan, Guilherme Maluf e o grupo de operação, composto


pelo colaborador, Wander e Fábio Frigeri. Nesse grupo, Alan,
9/1 - C

Permínio e Guilherme, cada um tinha 25% da propina arrecadada,


mais 5% para o Wander, 5% Fábio, 5%1 para despesas, gasolina,
: 1 30

trocavam celulares toda semana e 10% da propina arrecadada ficava


Em 8579

com o colaborador, totalizando 100% da propina arrecadada. O


grupo dos empresários era composto por Luis Rondon, Leonardo,
11

Sguarezzi, Esper, Eder da Geosolo. Luiz auxiliava a cobrar propina, o


65

Esper formatava e dava idéias, Leonardo agia mais para composição


r: 0

de preços e elaboração de planilhas. Antes de formar o grupo o Esper


esteve no seu escritório e não acreditou muito no que o colaborador
po

falava, na forma como haviam formatado a ORCR1M E/tãO ele foi


so

até o Permínio e perguntou se o colaborador era o in1icarJbra


s

receber a propina e ele confirmou. Daí por diante cOméfáram a


pre

operar. /
Im

RICARDO AUGUSTO SGUAREZZI, também em Juízo:

77
GAB/PGRl
Fls. 000888 l
--==--=i

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 960

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

L
DE
" ... é dono das empresas Aroeira Construções e Relumat Construções.
Logo na troca de governo foi chamado para reuniões, tanto pelo Luiz

:34 AN
Fernando quanto pelo Fábio Frigeri para uma reunião e ele passou

• :46 C
um papelzinho com o telefone do Giovane para que entrasse em

14 E S
contato, primeiro se negou, não queria participar, até que ele disse
que se não participasse não ia receber mais nenhum pagamento.
8 - IN

• Então foi a uma reunião em um escritório no Trevo do Bairro Santa


01 OL

Rosa, onde estavam vários empresários, Luiz Fernando, Esper


0/2 AR

Haddad, Leonardo, Celso, Eder da Geotop, lá foi estabelecido que


tinham que dar um pagamento para o Giovani, nunca tinham visto
9/1 - C

isso, dar propina para um empresário ao invés de dar para agente


: 1 30

público. Os primeiros quatro pagamentos efetuou para o Fábio,


recusou-se a pagar para o Giovani.... "
Em 579


18

Também nesse caso, em que LUIZ FERNANDO e ESPER


51

são apontados ora como alvos de GIOVANI, ora como integrantes da


mand~
06


ORCRIM, verifica-se que cs atos foram praticados em proveito e. a
I
r:

de ALAN A YOUB MALOUF, o qual inseriu GIOVANI no âmbito da


po

/1'
SEDUC visando arrecadar dinheiro de origem ilícita, fruto de crimes de '
I

s~
sso

corrupção passiva, com o fito de ressarcir-se por ter doado, o ele,


dinheiro para a campanha anterior ao Governo do Estado.
pre
Im

78
(~
~BIPGnt<l
kOOBB_:J

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
Assim, ALAN é coautor dos atos praticados por GIOV ANJ,
eis que concorreu, inserindo-o na SEDUC, com a missão de operador do

:34 AN
esquema criminoso, para a prática dos delitos noticiados.

:46 C
14 E S
Quanto ao fato n. 19 da denúncia, envolvendo LUIZ
8 - IN
• CARLOS DA SILVA, verifico que também procede a acusação.
01 OL
0/2 AR

LUIZ CARLOS é proprietário da empresa


9/1 - C

CONSTRUTORA SANTA INÊS, que possuía contrato de prestação de


serviços de obras com a SEDUC, em fase de execução.
: 1 30

Finalizada a obra, LUIZ CARLOS foi até a SEDUC para


Em 8579

tratar do recebimento, quando foi atendido por W ANDER, o qual lhe


.~ encaminhou a FÁBIO FRIGERI, que, agindo de forma semelhante aos
11

demais fatos narrados, determinou que o mesmo procurasse GIOV ANI,


65

• entregando-lhe um papel com o nome e o telefone do mesmo, advertindo-o,


r: 0

ainda, que se não o fizesse não receberia os créditos pendentes.


po
sso

LUIZ CARLOS foi até a empresa DÍNAMO, tal ocorreu


com os demais empreiteiros, mas lá recebeu de GIOVANI um tib\et, onde
pre

estava escrito "CINCO POR CENTO", ocasião em que mostrotrlJei mão'


Im

aberta, indicando o número cinco.


./

79
~AB/PGRJ
I~00890
.PODER JUDICIÁRIO

P
UP
ESTADO DE MATO GROSSO
3
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
962

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

LA
Na ocasião, GIOV ANI também teria afirmado: "lá quem

DE
manda é nós, o governador não manda lá."

:34 AN
• :46 C
Em Juízo, embora sem entrar em detalhes, GIOVANI

14 E S
confirma que LUIZ CARLOS pagava propina a ele .
8 - IN


01 OL

ALAN A YOUB MALOUF concorreu para a prática dos


0/2 AR

crimes aqui narrados, porquanto, na condição de líder, inseriu GIOVANI


9/1 - C

no âmbito da SEDUC, a fi m de que este, agindo como seu longa manus e


em seu beneficio, praticasse os crimes de corrupção passiva, que lhes
: 1 30

renderiam fundos suficientes para se ressarcirem de quantias que teriam


Em 8579

sido "doadas" durante a campanha eleitoral anterior.

• Assinalo, ainda, que a atuação de GIOVANI foi


11

preponderante para manter ALAN MALOUF absolutamente blindado,


65

tanto que todas as pessoas ouvidas declararam desconhecer qualquer


r: 0

• participação do mesmo no esquema criminoso.


po

Ante o exposto, forte nos elementos de prova /e os


so

PARCftL~EN E
s

argumentos agora expostos, JULGO


pre

PROCEDENTE a pretensão punitiva estatal e CONDEf ~l>ÉZ O


Im

FERREIRA DA SILVA e ALAN AYOUB MALOUF cOI11o· , sos {os


dispositivos penais descritos na denúncia, a saber: '

80
GABIPGR 1
~s [/()I)B9j .[

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO j

AU
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA 963

AR
CRIMES DE LAV AGEM DE DINHEIRO

L
DE
ALAN A YOUB MALOUF: art. 2°., caput (modalidade

:34 AN
• "integrar" organização criminosa, cc §§ 3°. e 4°., II da Lei 12.850/13 e

:46 C
14 E S
artigo 317 caput do Código Penal por 23 (vinte e três) vezes .


8 - IN
EDÉZIO FERREIRA DA SILVA: art. 2°, caput, cc § 4°.,
01 OL

lI, ambos da Lei 12.850/13.


0/2 AR
9/1 - C

De outra banda, ABSOLVO ALAN AYOUB MALOUF


da imputação da prática de corrupção passiva na forma tentada (art. 317,
: 1 30

caput, cc. 14, II do CP), intitulado na denúncia como fato n. 15, em que o
Em 8579

empreiteiro abordado é SYL VIO PIVA.


11

o caso presente retrata a prática continuada dos crimes de


65

• corrupção passiva em relação a ALAN MALOUF .


r: 0
po

Os fatos ocorreram no ano de 2015, sempre tepdo como

Ir
I \ .
so

cenário a SEDUC - Secretaria de Estado de Educação e a emptes~ Díhamo


s

e envo1veram b aSlcamente
· os mesmos agentes, so, vanan L aos:.
. do ertt;ei aao
pre

empreiteiros abordados.
Im

81
PODER JUDICIÁRIO Fls. OO() 8 9 2
I GAslPGRl

P
UP
ESTADO DE MATO GROSSO
::J
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
964

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

LA
ALAN AYOUB MALOUF pode, pois, ser beneficiado

DE
com o reconhecimento da continuidade delitiva, considerando-se que se

:34 AN

enquadra nos requisitos legais expressamente dispostos no artigo 71 do

:46 C
Código Penal, não se podendo falar, olhando-se isoladamente o caso dos
14 E S
crimes praticados em face desta Secretaria, que se trata de habitualidade


8 - IN
cnmmosa .
01 OL
0/2 AR

Segundo Helena Fragasa a continuidade delitiva é uma


9/1 - C

ficção jurídica criada quando há pluralidade de crimes, sempre conferindo


ênfase à unidade de desígnios.
: 1 30
Em 8579

No caso em questão, trata-se da prática de cnmes da


• mesma espécie, idênticos, todos previstos no mesmo tipo penal (art. 317 do
11

CP) .
65


r: 0

Todos foram praticados nas mesmas condições de tc\~,


po

ou seja, o caso preenche (I requisito temporal exigido pelo artigo 71 ia


sso

Código Penal. Houve certa continuidade no tempo, uma periGdicidade ql1e


c: perce b er que se tratava (i e açoes
laz - suceSSIvas,
. n
. d as jempre em lace
pratIca c: 1
pre

de empresários envolvidm em obras destinadas à SEDUb. JJ espadas


I
Im

temporais bastante curtos.

82
Fls. 000893

. -'

PP
PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
7·, VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 9 G5

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAVAGEM DE DINHEIRO

L
DE
Conforme entendimento do Superior Tribunal de Justiça:
Tratando-se de crimes da mesma espécie e cometidos em lapso inferior a

:34 AN
• 30 dias não há o que ser alterado no acórdão recorrido, aplicando-se a

:46 C
súmula 83/STJ (Agrg no ARE-sp 468.460IMG, REL. Min. Sebastião Reis
Júnior, 08.05.2014) . 14 E S

8 - IN
01 OL

Além disso, vejo que o critério das condições de espaço


0/2 AR

também previsto no artigo 71 foi devidamente preenchido neste, caso já


9/1 - C

que todos os delitos foram praticados no mesmo palco, tal seja, a Secretaria
de Estado de Educação de Mato Grosso.
: 1 30
Em 8579

A forma de execução dos delitos também foi bastante


semelhante, variando apenas no que diz respeito às quantias solicitadas e os
11

alvos das solicitações, ou seja, as diferentes empresas envolvidas. Assim,


65

• no que diz respeito aos crimes de corrupção passiva, o modus operandi era
r: 0

a exigência de valores em percentuais do que cada empresa deveria receber


po

como pagamento por obras realizadas. Então, a conclusão é que a forma


so

pela qual o réu praticou o crime de corrupção passiva não variou.


s
pre

Passo, portanto, à do simetria das penas. f,\


Im

. I !
,) Em re1".0 , EDEZIO FERREIRA D 1A,

83
P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ 9 G6

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
EDÉZIO FERREIRA DA SILVA é primário e até o

:34 AN
momento em que praticou esse delito ostentava ficha criminal intacta.

:46 C
• Praticou o crime por gan:illcia, inclusive Giovani declarou que o mesmo
14 E S
ofereceu-se para trabalhar consigo e ofertou inclusive a empresa da qual é
8 - IN

• titular para envolve-la na trama criminosa, foi verdadeiro "testa de ferro"


01 OL

de Giovani. Edézio tem formação superior, portanto, tem entendimento


0/2 AR

suficiente da ilicitude de seus atos, de modo que tenho que praticou os


9/1 - C

crimes com dolo direto e intenso. Sua vida familiar é aparentemente normal
e seu relacionamento social também não guarda anormalidades, ao menos
: 1 30

que tenham vindo aos autos. Não há dados concretos que me façam
Em 8579

aquilatar sua personalidade, de modo que tenho que também não guarda
• máculas dignas de nota. O prejuízo causado foi milionário e até agora os
11

valores recebidos a título dE: propina não foram restituídos .


65


r: 0

Assim, fixo a pena-base em 03 (três) anos de reclusão e 30


po

(trinta) dias-multa, fixado cada dia-multa em I/IOdo salário mínimo


sso

vigente à época do fato, a ser corrigido quando do efetivo recolhimento.


'\

rr ia ~o figo
pre

Considerando a causa prevista no § 4°., 1°'


= ~o
Im

da Lo; 12.850/13, a=onto-lho a pe= 116, "'Im

j
84
\ GABIPGRi
fl~ nOnB95 ~

P
PODER JUDICIÁRIO
,

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
8
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 957
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

LA
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

DE
definitivamente fixada em 03 (três) anos e 06 (seis) meses de reclusão e
35 (trinta e cinco) dias-multa .

:34 AN
• :46 C
A teor do que dispõe o artigo 33, "c" do Código Penal, fixo
14 E S
o regime inicial a ser cumprido no aberto .


8 - IN
01 OL

b) Com relação a ALAN AYOUB MALOUF:


0/2 AR
9/1 - C

ALAN A YOUB MALOUF é primário e até o momento em


que praticou ess~s delitos ostentava ficha criminal intacta. Praticou os
: 1 30

crimes por ganância e segundo ele próprio, agiu premeditadamente, vez


Em 8579


que diz ter contribuído para a campanha eleitoral, visando locupletar-se
posteriormente mediante a prática de crime contra a Administração
11

Pública. Não teve qualquer escrúpulo em participar do esquema criminoso,


65

• mesmo sendo pessoa que leva vida abastada e não necessita disto para
r: 0

sobreviver, como ele mesmo declarou. Tem formação superior, portanto,


po

tem entendimento suficiente da ilicitude de seus atos, de modo que vej.q


/
sso

que praticou os crimes com dolo direto e intenso. Sua vida familiar é
aparentemente normal e seu relacionamento social é bastante intenso, tanto
pre

que chegou a trabalhar como parte do alto escalão na caml1'aq.ha ao


I\ :

f
Im

Governo do Estado de Mato Grosso. Não há dados concretos te lJ façam


",!uilat'" ,u, p,,,,,..Ed,d,, ,mborn iã "nh, dei"do b,m qu' é

/ 85
\ GABIPGRl
Flt UUf'896 . ~

P
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
3
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

LA
DE
pessoa extremamente gananciosa e relativiza seus escrúpulos quando se
trata de enriquecer. Foi um dos líderes do esquema criminoso e demonstrou

:34 AN
• sagacidade, ao pennanecer oculto e obscuro inclusive em face de outros

:46 C
membros da organização criminosa. Todavia, durante o interrogatório foi
14 E S
colaborativo e mostrou-3e de certa fonna arrependido. Auxiliou na
8 - IN
• descoberta da verdade, quando apontou para outros comparsas. A
01 OL

nocividade da ação do réu foi além dos fatos por ele praticados, já que
0/2 AR

escolheu como alvo a Secretaria de Educação, uma das mais importantes


9/1 - C

áreas de funcionamento estatal. O prejuízo causado ao erário foi milionário


e até agora o Estado não foi ressarcido.
: 1 30
Em 8579

Assim, diante das condições preponderantemente

• desfavoráveis ao réu, inclusive por se tratar de um dos líderes da


11

organização criminosa, para o crime previsto na Lei 12.850/13 (integrar


65

organização criminosa), fixo a pena-base em 05 (cinco) anos de reclusão


r: 0

• e 80 (oitenta) dias-multa, tixado cada dia-multa em 1110 do salário mínimo


po

vigente à época do fato, a ser corrigido quando do efetivo recolhimento.


so

do, mas .I\r


s

'c . .
Uma vez que o reu conlessou o cnme pratIca mCI e
pre

na agravante prevista no § 3°. do artigo 2°. da Lei 12.850/13, t'inSideran o


I
Im

..
o concurso d e tms clrcumtanclas, pnnclpaImente o f:ato d e
A' •• N, ser Im

dos principais líderes do esquema e o fato de ter confess dr-ds crimes,


/ 86
GAB/PGRl
fi n8 9 7 .
Fls '!

P
I
PODER JUDICIÁRIO

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7". V ARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA BG9
CRIMES DE LAV AGEM DE DINHEIRO

LA
DE
ainda que da forma mais lhe convinha, mantenho a pena no mesmo
patamar.

:34 AN

:46 C
--,
Considerando a incidência das causa prevista no § 4°., II da
14 E S
do artigo 2°. da Lei 12.850/13, aumento-lhe a pena em 1/6, resultando
8 - IN
• assim definitivamente fixada em 05 (cinco) anos e 10 (dez) meses de
01 OL

reclusão e 93 (noventa e três e seis) dias-multa.


0/2 AR
9/1 - C

Já para os cnmes de corrupcão passiva, previstos no


artigo 317 do Código Penal, também levando em conta a preponderância de
: 1 30

circunstâncias desfavoráveis, fixo a pena-base em 04 (quatro) anos de


Em 8579


reclusão e 80 (oitenta) dias-multa, fixado cada dia-multa em 1/1 O do salário
mínimo vigente à época do fato, a ser corrigido quando do efetivo
11

recolhimento .
65


r: 0

Uma vez que o réu confessou, ainda que parciaÍ~ente, os


I\ .
po

crimes praticados, atenuo-lhe a pena em 1O (dez) meses de rec1u~ãJ/ e 30


(doi~.leses de;
sso

(trinta dias-multa), resultando assim em 03 (três) anos e 02


reclusão e 50 (cinquenta dias-multa). / '
pre

!
/
Im

87

GAB/PGRl
• Fls !lU0898
I)ODER JUDICIÁRIO

P
• -----.1

UP
ESTADO DE MATO GROSSO
7", VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ

RA
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
970

RI
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

LA
Considerando a continuação prevista no artigo 71 do CP e

DE
verificando que se trata de 23 crimes praticados ao longo do ano de 2015,

:34 AN
• aumento a pena em 2/3 (dois terços) .

:46 C
14 E S
Assim procedo não apenas em face do lapso temporal em


8 - IN
que os crimes foram praticados, mas também pelo número de vezes em que
01 OL

o desvio foi praticado, ou seja, por mais de duas dezenas de


0/2 AR

oportunidades.
9/1 - C

Resulta assim definitivamente fixada a pena em 05 {cinco


: 1 30

anos, 03 (três) meses e li} (dez) dias de reclusão) e 83 (oitenta e três)


Em 8579

dias-multa,


11

Resulta a soma das penas ora aplicadas em 11 (onze) anos,


65

mês e 10 dez dias de reclusão e 176 cento e setenta e ~


r: 0

dias-multa). /
po

A 1<0' do q'" di,pô, ° rutigo 33, "," do có~rruú, fi


sso

,0
o regime inicial a ser cumpndo no fechado. /
pre
Im

88




Fls. UUOB99

PP
• PODER JUDICIÁRIO
ESTADO DE MATO GROSSO

AU
8
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO 871

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA A ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LAV AGEM DE DINHEIRO

L
DE
Já que ambos respondem ao processo em liberdade,
inexistindo causa para a decretação da custódia cautelar, defiro-lhes o

:34 AN
• direito de assim apelar.

:46 C
14 E S
A multa, já fixada, será recolhida na forma do que dispõem
8 - IN
• os artigos 49 e seguintes do CP.
01 OL
0/2 AR

Transitada em julgado a sentença, lancem-lhes os nomes


9/1 - C

no rol dos culpados, (art. 5°., LIV da CF, c/c art. 393, II do CPP),
expeçam-se guias de execução e remetam-se ao Juízo competente para
: 1 30

cumprimento das penas .


Em 579


18

Custas pelos condenados, na proporção de 1/5 para


51

EDÉZIO FERREIRA DA SILVA e 4/5 paraALkNAYOUB'MALOUF.


06

Lançada esta decisão no Sistema Apolo estará registrada,,


r:
po

1\
sso

No que diz respeito ao pedido de compartilHamento de


I \ '

provas solicitado pelo GAECO às fls. 6353, uma vez que há ref~rê~ciJs nos
pre

autos à participação de autoridades com prerrogativa de foro, a~t.Jr;, sem·


Im

delongas, a providência. )

89
".
~

1
t
AS i i-'ioiK
, Fls. UOfi 9,O O
.•
• J

])ODER JUDICIÁRIO

PP
• ESTADO DE MATO GROSSO 9'72

AU
3
7 • VARA CRIMINAL DA COMARCA DE CUIABÁ
ESPECIALIZADA CONTRA O CRIME ORGANIZADO

IR
CRIMES CONTRA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
CRIMES CONTRA.A~ ORDEM ECONÔMICA E TRIBUTÁRIA

AR
CRIMES DE LA VAGEM DE DINHEIRO

L
Remetam-se cópias integrais do feito à Procuradoria-Geral

DE
da República .

:34 AN
• :46 C
Publique-se. Intimem-se. Cumpra-se.

14 E S
8 - IN

• Cuiabá, 20 de outubro de 2017 .


01 OL
0/2 AR

i
I i
9/1 - C

SELMA ROS NE SiNTOS RRUDA


JUíZj"V DIRElT I
: 1 30
Em 8579

.'

em....;237~~::-
• Ciente
----~
11
65


,/
r: 0
po
so
s
pre
Im

90
PGR-0003286612018

FI. 901 I
R~~~

PP
MINISTÉRIO FEDERAL

AU
PROCURADORIA GERAL DA REPÚBLICA
SUBSECRETARIA DE GESTÃO DOCUMENTAL E PROCESSUAL

IR
DIVISÃO DE CONTROLE EXTRAJUDICIAL

L AR
DE
CERTIDÃO N° 29/2018

:34 AN
Referência: Procedimento Preparatório - PGR - PP-PGR 1.00.000.001718/2017-14.

• Resumo:

procedi à:
:46 C
14 E S
Certifico que, em cumprimento ao Despacho n" 22/2018 - SFPO-STF/PGR, de 25 de janeiro de 2018, à fi. 750,
8 - IN

• -----_._---- --_ _-----


01 OL

...

O pesquisa de correlatos no Sistema Único. com os seguintes termos:


0/2 AR

Resultado da Pesquisai:
9/1 - C

O Com os termos pesquisados foi encontrado o proccdimcnto c--::-:--:-:-::---' localizado 80(a)


_ _ _ _ _ _ _ _ ., ressalvados os cadastrados sob o grau de sigilo "confidcncial".
: 1 30

O Com os termos pesquisados não foi encontrado procedimento ou processo cadastrado ou localizado nesta
Procuradoria-Geral da República acerca do mesmo objeto do presente expediente, ressalvados os cadastrados
Em 579

sob o grau de sigilo "confidencial",

O Observação:
18
51
06


O Autuacão':
do documento em referência como
r:

1.00.000.0, com folhas, em volume


po

o Conversão:
sso

do procedimento em referência
De:
Para:
pre

mantida a sua numeração originária.


Im

1. O sucesso na localização de processos judidais na pesquisa de correlatos depende da adequada alimentação dos dados dos autos no
Sistema Único pelo selor competente. sobretudo IlO que se refere aos campos "resumo", ''pat1es'' e "assunto judiciário" dos processos.
2. Após autuaçilo do documento no Sistema Ünico, eventuais ajustes, especialmente no que se refere à área de atuação e ao assunto/tema
CNMP do pro<:edimenlo. caberão ao setor competente. após analise mais apurnda.

Cet1idão DCE. Versão I, dc 22i11120l6.


o Distribuicão:
ao PGR, no Grupo

P
UP
o Redistribuicão:
da referência para o Grupo

RA

o Reativacão: "•"

RI
u
ao PGR, no Grupo •

'O

LA

'C
."
U
11> Juntada: ."

DE
~

física do Requerimento12017 (PGR-00030438/2018) e do Requerimento/2017 (PGR-0003044212018) à c


Referência (pP-PGR n° 1.00,000,001718/2017-14) às fls. 751 e 809, respectivamente, com abertura do volume ,•
~

IV. •

:34 AN

o Anexacão: •"u
li~
:46 C
física/eletrônica dota) _ _ (PGR-_/2017) ao Procedimento _-PGR 1.00. _ _ _ _ _ _ , o qual passa a
tramitar junto com o principal como Anexo _ _ o com _ volume(s).

14 E S
r >'U

~:í
.~
'"
o Apensacão: "''''
8 - IN
.~

Nm
física/eletrônica dota)
.~
01 OL

I.XX.______ ao Procedimento de Conflito de Atribuição PGR PCA-PGR


OON
1.00.000. _ _ _ _ _ _ , o (a) qual passa a tramitar junto com o principal. n •

N"
OM
0/2 AR

~'"
nO
o Desentranhamento: ou.
~~
~u.
NO
dos documentos a partir da fl. _ do Volume _ do _ - PGR n° 1.00.000.00, com abertura de novos volumes,
9/1 - C

os quais passam a tramitar junto com o procedimento principal como Volume(s) _ e_.

11> Movimentacâo:
: 1 30

para PGRlSFPOSTFIPGR - SECRETARIA DA FUNÇÃO PENAL ORIGINÁRIA NO STFIPGR


Em 8579

Brasília, 26 de janeiro de 2018.


11
65

Assinado Digitalmente
DANIELA AUTRAN
r: 0

Técnico Administrativo
Divisão de Controle Extrajudicial - DCE
po
sso
pre
Im

Certidão DCE. Versão 1, de 22/11/2016.


P
UP
ILUSTRÍSSIMO SENHOR COORDENADOR DO GAECO!MT,

RA
MARCOS BULHÕES, DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE
MATO GROSSO,

RI
LA
DE
:34 AN
:46 C
• OPERAÇÃO REMORA

14 E S


8 - IN
01 OL

ALAN AYOUB MALOUF, brasileiro, portador


0/2 AR

do CPF: 458.825.761-72, vem a ilustre presença de Vossa Senhoria, expor e


9/1 - C

ao final requerer.
: 1 30

1. o Peticionante foi alvo de medida segregatória no


Em 8579

dia 14.12.2016, por requerimento deste núcleo de combate ao crime


organizado .
11

2. Na sequência, teve deferido o direito de


65

cumprir a prisão cautelar de forma domiciliar, por força de decisão


r: 0

• judicial.
po

o cumprimento das medidas deferidas contra SI


sso

vem sendo rigorosamente cumpridos, sem qualquer descumprimento por


pre

parte do requerente.
Im

4. Em meados do mês de março! abril, o Peticionante


recebeu a vIsita do Sr. Melatti, diretor geral da Rede Centro América de
P
UP
televisão, afiliada Rede Globo no Estado de Mato Grosso, para tratar de
assuntos comerciais referentes a empresa do Peticionante e a Rede Globo, vez

RA
que a empresa do Peticionante serve refeições diárias as empresas do Grupo

RI
representado pelo Sr. Melatti.

LA
5. Estranhamente, segundo Melatti narrou ao

DE
Peticionante, no dia segUlnte ao seu encontro com Alan, foi chamado ao

:34 AN
Palacio do Governo, pelo então secretário Chefe da Casa Civil, Paulo Taques,

:46 C
• onde foi indagado de forma ríspida sobre os motivos que levaram o Sr. Melatti

14 E S
a se reunir com o Peticionante - que pejas declarações prestadas perante este
GAECO e perante o Juízo, tornou-se inimigo do Governador e seUJ aliadoJ -, indagando
8 - IN
• inclusive "se os dois estariam tramando algo".
01 OL
0/2 AR

6. Melatti ainda informou ao Peticionante que


questionou Paulo Taques se eles estavam "monitando Alan", tendo o mesmo
9/1 - C

desconversado sobre o assunto.


: 1 30

7. Essa informação, quando chegou ao Peticionante


Em 8579

causou surpresa, mas precisava ser melhor apurada até para saber se tinha sido
• uma coincidência ou se de fato existia alguma espécie de monitoramento em
11

sua volta.
65


r: 0

8. Após este relato, o Requerente dobrou atenção em


volta de seus familiares, já que o mesmo não está saindo de casa por conta do
po

regime domiciliar imposto em cumprimento de decisão judicial.


sso

9. Com sua Oltlva em Juízo, onde confirmou o


pre

depoimento prestado perante o GAECO, começaram o ocorrer situações


Im

suspeitas em torno da sua residência.


P
UP
10. Recentemente, na semana passada, o Peticionante
pediu ao seu mecâmco de confiança para buscar seu veiculo para uma

RA
manutenção de rotina.

RI
11. o

LA
Sr. Deriel - mecânico retirou o cano na
residência do Peticionante e ao sair do local percebeu que estava sendo

DE
seguido, por um Jeep Renegade.

:34 AN
• 12 . Para confirmar que essa situação se perdurava,

:46 C
14 E S
parou em uma loja de peças para certificar-se de que de fato isso estava
ocorrendo. Ao descer do veiculo, notou que o carro que estava em seu encalço


8 - IN
estacionou do outro lado e ficou aguardando seu deslocamento. Deriel disse
01 OL

ao Peticionante que ligou imediatamente ao seu irmão que é policial, sendo


0/2 AR

orientado a tirar foto do veiculo. Na sequencia, ao sair para realizar as fotos


e tentar checar a placa do veículo, o mesmo se evadiu do local.
9/1 - C
: 1 30

13. Mas não foi somente essa situação que gerou temor
ao Requerente.
Em 8579

• 14 . Recentemente, após a oitiva perante o juízo, o


11

porteiro do condomínio, Sr. Joari do Prado, ficou preocupado com um veiculo


65

que rondava o condomínio .


r: 0

15. Em certo momento conseguiu abordar o veiculo,


po

que estava composto por QUARTO policiais civis, segundo disseram.


sso

16. Os mesmos não deram satisfação do que estavam


pre

fazendo na região.
Im
PP
17. Segundo Joari, os mesmos estavam rondando o
977

AU
condomínio com certa frequência, mas não informaram a serviço de quem e

IR
porque faziam essa "ronda".

AR
18. Portanto, as situações que geram a suspelta por

L
parte do Peticionante não são isoladas. Inicialmente o mesmo até acreditou

DE
que poderia ser uma coincidência, mas hoje, após esses dois fatos posteriores

:34 AN
já não conta mais com isso .

• 19. °
:46 C
14 E S
Requerente teme pela sua vida e de sua família,
pOlS sabe que seus depoimentos têm atingido pessoas muitos poderosas
8 - IN
• dentro do estado, razão pela qual, vem a presença deste GAECO, representar
01 OL

para que sejam apuradas as referidas informações, ouvidas as pessoas


0/2 AR

mencionadas e ao final punindo os responsáveis.


9/1 - C

Cuiabá, 4 de julho de 2017.


: 1 30
Em 8579

• ALAN Ay,tALO
11

Representante
65


r: 0
po
so
s
pre
Im
, .

P
ROL DE TESTEMUNHAS:

UP
:.','" 8

RA
~ j

1. JOARI DO PRADO, podendo ser localizado na Avenida Antártica,

RI
201, bairro Ribeirão da Ponte, Cuiabá/MT;

LA
DE
2. DERIEL CONCEIÇÃO DA SILVA, podendo ser localizado na

:34 AN
Rua Presidente João Goulart, Bairro Santa Isabel, Cuiabá/MT;

• :46 C
3. ZILMAR MELATTI, podendo ser encontrado na Av. Marechal
14 E S
Teodoro, na sede da TVCA ou pelo telefone: 65-99971-2563;


8 - IN
01 OL
0/2 AR
9/1 - C
: 1 30
Em 8579


11
65


r: 0
po
sso
pre
Im
PGR-a;o·"6"O"l /2011
..

PP
AU
EXCELENTÍSSIMA PROCURADORA GERAL DA REPÚBLICA, :3"79

IR
RAQUEL DODGE,

AR
IGILOSO

L
DE
Petição vinculada a Notícia de Fato n. 1.00.000.00.1718/2017-14

:34 AN
• :46 C
14 E S
ALAN AYOUB MALOUF, brasileiro, portador
8 - IN


do CPF: 458.825.761-72, vem a ilustre presença de Vossa Senhoria, expor e
01 OL

ao final requerer.
0/2 AR

1. o Peticionante já apresentou seus anexos perante


9/1 - C

Vossa Excelência, bem como já teve suas oitivas prévias no mês de novembro
de 2017.
: 1 30
Em 579

2. Empós esse evento, recebeu a visita inesperada de

• seu primo, Mario Mansur que lhe convidou para dar uma volta de carro e
18

tratar de um assunto particular.


51
06


3. Todavia, no meio do caminho ele disse que queria
r:

que o Peticionante conversasse com um amigo em comum - à pedido daquele -


po

que estava preocupado com a situação, sem declinar o nome, oportunidade


sso

em que parou o veículo próximo a ,-'\MBEV e a própria casa do Peticionantc


e o Sr. PAULO BURSTOLIN adentrou.
pre
Im

4. Naquele momento, o Peticionário nào tinha como


sair do veículo e passou a ouvir as lamentações de Paulo Brustolin.
PP
5. Esse fato ocorreu no dia 09.12.2017, por volta das
980

AU
16:30h.

IR
6. o Peticionante acredita que ficaram andando em

AR
"círculos" por aproximadamente uma hora, sendo que o trajeto poderá ser

L
confirmado com simples checagem de sua tornozeleira no referido dia.

DE
:34 AN
7. o Sr. Brustolin quena a todo momento saber se
• .t\lan teria feito Delação Premiada. Perguntou ainda o que .t\lan teria falado

:46 C
14 E S
dele, em suma.


8 - IN
8. Brustolin questionou sobre outras pessoas ao Sr .
01 OL

.t\lan, também alvos da Colaboração, tais como: Fábio Galindo e o peJJoa/ do Jetor
0/2 AR

a/coleiro.
9/1 - C

9. Ainda na conversa, pediu ao Sr. .t\lan que acaso


: 1 30

fizesse algum acordo, que in formasse a ele - Paulo BmJtolin - com a finalidade
de ajustarem versões, pois ele também queria "entregar o Pedro".
Em 579

• o
18

10. Representante negou aeerca da eXIstência de


51

qualquer acordo e, por fim, com intuito de despistar o Sr. Paulo, o Peticionário
apenas concordou em lhe procurar acaso fosse seguir este caminho, para que
06

• "juntoJ pudeHem entregar Pedro Taques", sem mais delongas.


r:
po

11. o Peticionante achou estranho a abordagem, e


sso

como possui um compromisso de reportar tudo que ocorre para as autoridades


competentes, o faz neste momento, após o fim do recesso.
pre
Im

12. o Peticionante acredita que Brustolin possa tê-lo


gravado, para poder buscar atingi-lo no futuro.
PP
13. O Peticionário teme pela sua vida e de sua família, 981

AU
pOIS sabe que seus depoimentos atingem pessoas muitos poderosas dentro

IR
do estado, razão pela qual, vem a presença de Vossa Excelência, representar
para que sqam apuradas as referidas informações, e, ao final, punindo os

AR
responsáveis.

L
DE
Cuiabá, 30 de janeiro de 018 .

:34 AN
• :46 C
14 E S F


8 - IN
Representante
01 OL
0/2 AR
9/1 - C
: 1 30
Em 8579


11
65


r: 0
po
so
s
pre
Im
982

P
Secretaria Judiciária

UP
Seção de Atendimento Presencial

RA
RI
CERTIDÃO

LA
Pet 7.490

DE
:34 AN
Certifico e dou fé que, no dia 20/02/2018, fiz o recebimento do processo
protocolizado sob o número em epígrafe, com quatro volumes, acompanhado

:46 C
14 E S
de um pen drive, uma mídia (OVO-R) anexada)!/I. ,15!',eduas mídias (DVO-R
e CO-R) anexadas à f1.747. Eu, ~ Paulo Silva,


8 - IN
técnico judiciário, Seção de Atendimento Presencial, subscrevi.
01 OL
0/2 AR
9/1 - C
: 1 30
Em 8579
11
65


r: 0
po
sso
pre
Im
PP
TERMO DE RECEBIMENTO E AUTUAÇÃO

AU
Pet7490

IR
AR
REQTE.(S): SOB SIGILO

PROC.(AlS)(ES): SOB SIGILO

L
DE
Procedência: DISTRITO FEDERAL

:34 AN
Órgão de Origem: MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

N° Único ou N° de Origem: 00161885220181000000

:46 C
Data de autuação: 20/02/2018 às 17:30:22

Outros Dados:
14 E S
Folhas: 982 Volumes: 5 Apensos: O
8 - IN
Assunto: DIREITO PROCESSUAL PENAL I Investigação Penal
01 OL


0/2 AR

Icustas: 1 Isento.
9/1 - C

CERTIDÃO DE DISTRIBUiÇÃO
: 1 30

Certifico, para os devidos fins, que estes autos foram distribuídos ao Senhor MIN. MARCO
AURÉLIO, com a adoção dos seguintes parâmetros:
Em 8579

Característica da distribuição: Prevenção Relator/Sucessor

Processo que Justifica a prevenção Relator/Sucessor: Pet7150


11

Justificativa: RISTF, art. 69, caput


65

-
DATA DE DISTRIBUIÇAO: 20/02/2018 -18:58:00
r: 0


po

Brasília, 20 de fevereiro de 2018


so

Coordenadoria de Processamento Iniciai


s
pre

(documento eletrOnico) TERMO DE CONCLUSÃO

Faço estes autos conclusos ao(a)


Im

Excelentíssimo(a) Senhor(a) Ministro(a)


Relator(a). com ~1 volume(s).
Brasília, Zf2...-
de ,rrIJ'"
9 de 201S....

Lessana ~ 1974
Certidão gerada em 20102/2018 às 18:58:24.
Esta certidão pode Ser validada em https:/Iwww.stf.jus.brlportal/autenticacaolautenticarDocumento.asp com o seguinte código P5VWYKLL YJ

LESSANA, em 20/02/2018 às 18:59.


Im
pre
sso
po
r: 0
65
11
Em 8579
: 1 30
9/1 - C
0/2 AR
01 OL
8 - IN
14 E S
:46 C
:34 AN
DE
LA
RI
RA
UP
P


P
PETIÇÃO 7.490 DISTRITO FEDERAL

UP
RELATOR : MIN. MARCO AURÉLIO

RA
REQTE.(S) :S013 SIGILO
PROC.(A/S)(ES) :SOB SIGILO

RI
LA
DE
DECISÃO

:34 AN
ACORDO DE
COLABORAÇÃO

:46 C
PREMIADA - REQUISITOS FORMAIS -
14 E S ATENDIMENTO - HOMOLOGAÇÃO.
8 - IN

ANEXO - REMESSA - TRIBUNAL DE


01 OL

JUSTIÇA DO ESTADO DE MATO


0/2 AR

GROSSO.
9/1 - C

ANEXOS ENCAMINHAMENTO
SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA.
: 1 30
Em 8579

1. O assessor Dr. Rafael Ferreira de Souza prestou as seguintes


informações:
11

A Procuradoria-Geral da República, por meio da peça de


65

nO 226/2018 - SFPOSTF, apresenta conteúdo de acordo de


r: 0

colaboração premiada firmado entre o Ministério Público


Federal e Alan Ayoud Malouf. Ressalta ter sido formalizado
po

com a finalidade de obter elementos de prova acerca dos


agentes e partícipes de crimes apurados no âmbito da
sso

denominada Operação Rêmora. Conforme esclarece, o delator


revelou dados de esquema de arrecadação de verbas, captadas
pre

mediante a doação de empresários e a formação de chamado


"caixa dois", destinadas à campanha eleitoral de Pedro Taques
Im

ao Governo do Estado de Mato Grosso, em 2014. Segundo


assevera, o retomo aos doadores consistiria na celebração de
contratos, regulares ou não, com o Poder Público naquele

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001. que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://wW\Y.slf.jus.br/portal/autenticacao/sob o número 14707792.
PET 7490 / DF

P
Estado. Destaca a existência de vinte cadernos anexos ao acordo

UP
de colaboração premiada, nos quais descrita a interlocução do
delator com o citado Governador e outras autoridades que

RA
detêm a prerrogativa de serem processadas pelo Superior
Tribunal de Justiça e pelo Supremo, entre as quais o deputado

RI
federal Nilson Leitão. Consoante aduz, o colaborador apontou

LA
esquema de desvio de recursos públicos, por meio de fraudes a
licitação, no âmbito da Secretaria de Estado de Educação,

DE
Esporte e Lazer de Mato Grosso, durante a gestão do então

:34 AN
secretário Permínio Pinto Filho, indicado pelo mencionado
parlamental; este último o suposto beneficiário do esquema

:46 C
ilícito, presente o favorecimento de empresários que

14 E S
contribuíram para a própria campanha.
8 - IN
Diz verificada a prevenção considerada a petição nO 7.150,
01 OL

na qual Vossa Excelência, em 15 de dezembro de 2017,


homologou acordo de colaboração premiada firmado entre o
0/2 AR

Ministério Público Federal e Ricardo Augusto Sguarezi, tendo


em vista fatos relacionados à Operação Rêmora, apurados no
9/1 - C

procedimento de investigação criminal nº 07/2015/GAECO,


conduzido pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso.
: 1 30
Em 8579

Afirma observados, na formulação do ajuste, os requisitos


legais de existência e validade, bem assim a materialização por
escrito, de modo espontâneo e em consonância com a vontade
11

livre e consciente do colaborador. Sublinha a explicitação, de


65

modo objetivo, dos direitos e deveres de cada parte. Enfatiza


haver sido Alan Ayoud Malouf acompanhado de advogado em
r: 0

i~ todos os atos concernentes à avença.


po

Prelende: a) a distribuição por prevenção ante o vínculo


so

com a petição nº 7.150; b) a autuação da petição em conjunto


com o procedimento preparatório nº 1.00.000.001718/2017-14 -
s
pre

PGR, com as vias originais do acordo de colaboração e anexos,


registrado o segredo de justiça; c) a realização, caso Vossa
Im

Excelência entenda necessário, da inquirição do colaborador,

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Publicas Brasileira.- ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portal/autenticacao/sobo numero 14707792.
PET 7490 I DF

P
presente o artigo 4°, § 7°, da Lei nO 12.850/2013; d) a

UP
homologação do ajuste firmado com Alan Ayoud Malouf, nos
termos do mesmo dispositivo; e e) a cisão dos anexos, da

RA
seguinte forma:

RI
e.l) manutenção dos anexos I e VIU no Supremo, uma

LA
vez ser o primeiro relevante para contextualizar os fatos e
o segundo, para a efetiva investigação das condutas

DE
narradas;

:34 AN
e.2) remessa do anexo XV a uma das Varas Criminais

:46 C
comuns de Cuiabá, com vedação de envio à Sétima Vara,

14 E S
mencionada nas declarações;
8 - IN
e.3) arquivamento, com a ressalva do artigo 18 do
01 OL

Código de Processo Penal, do anexo XIX, por não trazer


narrativa clara de fato criminoso;
0/2 AR

e.4) envio dos demais anexos, além de cópia do nO I,


9/1 - C

a saber, 11, IIl, IV, V, VI, VII, IX, X, XI, XlI, XIII, XlV, Xv,
XVI, XVII, XVIII e XX, ao Superior Tribunal de Justiça, tido
: 1 30

como competente em razão de foro por prerrogativa de


Em 8579

função dos supostos agentes.

o acordo foi juntado à folha 13 à 26.


11

o processo encontra-se no Gabinete,


65

tendo sido recebido


da Procuradoria-Geral da Repúblíca no último dia 20 de
r: 0

fevereiro.
po

2. Observo, de forma estrita, a disciplina legal, ou seja, o que está


sso

previsto na Lei nº 12.850/2013. Nesta fase, descabe examinar os aspectos


materiais alusivos à delação premiada. As obrigações do colaborador,
pre

bem como os benefícios correspondentes, serão objeto de análise quando


de possível ação penal decorrente de inquérito ou procedimento de
Im

investigação criminal conduzido pelo Ministério Público.

Documento assinado digitalmente conforme MP n° 2.200-2/2001 de 24/08/2001, que institui a Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira - ICP-Brasil. O
documento pode ser acessado no endereço eletrônico http://www.stf.jus.br/portalfautenticacao/sobO número 14707792.
PET 7490 / DF

P
No momento, apenas cumpre apreciar os aspectos formais, sem