Você está na página 1de 2

Odiados e animados

João 15.18-27

Ao refletir sobre o significado do discipulado cristão, à luz de João 15, pudemos


aprender que devemos permanecer ligados a Cristo para podermos frutificar (v.1-8) e que
devemos amar os nossos irmãos assim como fomos amados pelo próprio Jesus (v.9-17).
Porém, ainda temos algo a aprender com este capítulo do Evangelho de João.
Sabendo o que estava para acontecer, Jesus cuidou de preparar os seus discípulos
(cf. Jo 18-20). Considerando, especialmente, a maneira com que seus discípulos seriam
tratados após a sua prisão, Jesus tratou de um ponto crucial sobre o significado do
discipulado cristão: os discípulos são odiados pelo mundo (v.18). A partir desta contestação,
Jesus profere algumas palavras acerca deste ódio, para demonstrar que tal disposição
contrária do mundo, revelava algo especial acerca dos discípulos: eles pertenciam a Cristo
e não ao mundo (v.19,27). Daqui podemos extrair alguns ensinos para crescermos como
discípulos de Jesus.
Primeiramente, aprendemos que os discípulos são odiados, mas a sua mensagem
continua sendo a mensagem de Cristo (v.18-20). Ser um discípulo é ser um imitador do
mestre. Ele era perseguido por causa da sua mensagem (v.20). E, ele deixou claro que não
seria diferente com seus seguidores (v.20). A palavra de Jesus era o evangelho da graça de
Deus, que salva e que condena (cf. Mt 4.17; Jo 3.16-21). A mensagem dos discípulos não
poderia ser diferente. Aliás, o próprio Jesus definiu o que deveria ser pregado: o evangelho
(Mc 16.15). Por isso, os discípulos deveriam continuar encorajados, pois a perseguição seria
uma evidência de que a mensagem que eles pregavam era a mesma pregada pelo Mestre.
Em segundo lugar, aprendemos que os discípulos são odiados, mas eles continuam
refletindo a obra do Pai (v.21-25). Jesus também esclarece que o motivo principal para toda
a perseguição e recusa, baseava-se no simples fato do mundo não conhecer o Pai (v.21).
Conhecer a Deus é viver um relacionamento pessoal com Ele, fazendo aquilo que ele manda
(cf. Sl 25.14; Jo 14.21; 1 Jo 5.3). O mundo odiou Jesus, porque suas obras refletiam o caráter
de Deus (Jo 5.36; 10.37,38). Se estamos no mundo como embaixadores, temos que refletir
o caráter de Deus em tudo que fazemos, como parte de nossa pregação (cf. 1 Co 10.31; 2
Co 5.18-20). Refletir o caráter de Deus é uma alegria para os discípulos de Jesus.
Por fim, aprendemos que os discípulos são odiados pelo mundo, mas são animados
pelo Espírito Santo a continuar testemunhando acerca de Cristo (v.26,27). Pense no Espírito
Santo como ele realmente é: o Deus Todo-Poderoso que habita em nós (Jo 14.17; Rm 8.9).
Ele veio a nós como o legítimo “encorajador” dos discípulos de Jesus. Ele dá testemunho de
Cristo e capacita os discípulos a fazerem o mesmo (cf. v.27; 1 Jo 5.7,8). Não estamos
sozinhos neste mundo, muito menos quando trilhamos por momentos difíceis de
perseguição por causa do evangelho de Cristo.
Que Deus nos conceda a graça de sermos verdadeiros discípulos de Cristo, e que
Nele estejamos animados e encorajados no desenvolvimento de sua missão.

Gladston