Você está na página 1de 4

MENSAGEM DE BILLY GRAHAM NO CULTO DE ORAÇÃO E MEMÓRIA

Catedral Nacional de Washington, DC


Sexta-feira, 14 de setembro de 2001

Senhor presidente Bush:

Quero dizer uma palavra pessoal em nome de muitas pessoas. Obrigado, senhor
presidente, por conclamar este dia de oração e memória. Nós precisamos disto
neste momento.

Nós nos reunimos hoje para afirmar nossa convicção de que Deus se importa
conosco, qualquer que seja a nossa etnia, religião ou opção política. A Bíblia diz
que "Ele é o Deus de todo o conforto, que conforta-nos em todos os nossos
problemas".

Não importa o quanto a gente se esforce, palavras não podem expressar o


horror, o choque e a repulsa que todos sentimos sobre o que aconteceu com a
nossa nação naquela manhã de terça-feira. Onze de setembro se tornará um dia
a ser lembrado em nossa história.

Hoje, dizemos àqueles que planejaram esse atentado cruel e para aqueles que o
executaram, que o espírito desta nação não será abatido por esses intentos
diabólicos e pervertidos. Algum dia, os responsáveis serão trazidos à justiça,
como o Presidente Bush e o nosso Congresso têm afirmado tão severamente.

No entanto, hoje especialmente nos ajuntamos neste culto para confessar nossa
necessidade de Deus. Sempre precisamos de Deus desde os primeiros dias de
nossa nação, mas hoje, especialmente, precisamos muito dele. Estamos
enfrentando um novo tipo de inimigo e nos vemos envolvidos em um novo tipo
de batalha. Por isso, precisamos da ajuda do Espírito de Deus. As palavras da
Bíblia são a nossa esperança:"Deus é o nosso refúgio e a nossa fortaleza,
auxílio sempre presente na adversidade. Por isso não temeremos, ainda que a
terra trema e os montes afundem no coração do mar" (Salmo 46.1,2 – NVI).

Mas como podemos entender algo assim? Como Deus permite que algo tão
maligno aconteça? Talvez seja isto o que você esteja se perguntando agora.Você
pode até mesmo estar com raiva de Deus. Porém, quero lhe garantir que Deus
entende estes sentimentos que você pode estar sentindo.

Temos visto na TV e ouvido no rádio histórias que nos trazem lágrimas aos
olhos, provocando um sentimento de raiva. Mas Deus sempre deve receber
nossa confiança, mesmo quando a vida parece estar em seu momento mais
negro.

Quais são algumas das lições que podemos aprender? Primeiramente, somos
lembrados do mistério e da realidade do mal. Durante meu ministério, centenas
de vezes fui perguntado por que Deus permite tragédias e sofrimento. Tenho de
confessar que não sei a resposta totalmente. Devo aceitar, pela fé, que Deus é
soberano e que ele é um Deus de amor, misericórdia e compaixão no meio do
sofrimento.

A Bíblia diz que Deus não é o autor do mal. Fala do mal como um "mistério". Em
2 Tessalonicenses 2.7, o apóstolo Paulo fala sobre o mistério da iniqüidade. No
Antigo Testamento, o profeta Jeremias diz: "O coração é enganoso acima de
todas as coisas e além da cura. Quem pode entendê-lo?". Ele fez esta pergunta:
"Quem pode entendê-lo?", e esta é uma razão pela qual cada um de nós precisa
de Deus.

A lição deste acontecimento não é apenas a respeito do mistério da iniqüidade e


do mal, mas em segundo lugar, é uma lição sobre nossa necessidade de termos
uns aos outros.

Que exemplo Nova York e Washington tem sido para o mundo nestes últimos
dias! Nenhum de nós jamais vai esquecer as imagens dos nossos corajosos
bombeiros e policiais, muitos dos quais perderam amigos e colegas, ou centenas
de pessoas comparecendo ou esperando pacientemente nas filas para doar
sangue. Uma tragédia como esta poderia ter rasgado nosso país ao meio mas,
em vez disso, tem nos unido e temos nos tornado uma família. Então, para os
perpetradores que intentaram isto para nos destruir, a tragédia funcionou como
algo oposto. O tiro saiu pela culatra. Nós estamos mais unidos que nunca. Acho
que isso foi exemplificado de um modo muito tocante quando os membros do
nosso Congresso ficaram lado a lado, no outro dia, e cantaram God bless
America (Deus abençoe a América).

Finalmente, mesmo sendo difícil enxergarmos nesta hora, este acontecimento


pode nos dar uma mensagem de esperança — esperança para o presente e
esperança para o futuro. Sim, há esperança. Existe esperança para o presente
porque creio que o palco já esteja armado para um novo espírito em nossa
nação. Uma das coisas que nós precisamos desesperadamente é uma
renovação espiritual neste país. Precisamos de um reavivamento espiritual na
América, e Deus tem nos falado em sua Palavra que precisamos nos arrepender
dos nossos pecados e nos convertermos a ele e assim ele vai nos abençoar de
uma nova maneira.

Mas há também esperança para o futuro por causa das promessas de Deus.
Como cristão, tenho esperança não apenas nesta vida, mas no céu e na vida
que há de vir. Muitas das pessoas que morreram nesta semana que se passou
estão no céu neste momento e eles não gostariam de voltar. Isso é glorioso e
maravilhoso. E esta é a esperança para todos nós que colocamos nossa fé em
Deus. Eu oro para que você tenha esta esperança em seu coração.

Este acontecimento nos lembra da brevidade e das incertezas da vida. Nunca


sabemos quando nós também seremos chamados para a eternidade. Duvido se
até mesmo uma daquelas pessoas que embarcaram naqueles aviões, ou
entraram no World Trade Center ou no Pentágono, na terça-feira passada,
imaginavam que aquele seria o último dia de suas vidas. Não ocorreu a elas. E é
por isso que cada um de nós precisa encarar sua própria necessidade espiritual
e se submeter a Deus e à sua vontade agora.

Aqui nesta majestosa Catedral Nacional, nós vemos ao nosso redor símbolos da
cruz. Para o cristão, e estou falando agora para o cristão, a cruz nos mostra que
Deus entende nossos pecados e nosso sofrimento, pois Deus tomou sobre si
mesmo na pessoa de Jesus Cristo nossos pecados e nosso sofrimento. E, da
cruz, Deus declara: "Eu te amo. Conheço as aflições do seu coração e as
mágoas e as dores que você sente. Mas eu te amo".

A história não termina com a cruz, pois a Páscoa nos aponta para além da
tragédia da cruz, mostrando a tumba vazia. Nos fala que há esperança pela vida
eterna, pois Cristo venceu o maligno, a morte e o inferno. Sim, há esperança.

Eu me tornei um homem velho agora e tenho pregado por todo o mundo. Quanto
mais envelheço, mais me agarro a esta esperança que conheci há muitos anos e
proclamei em diversos idiomas para muitas partes do mundo.

Há vários anos, no café da manhã de oração nacional, aqui em Washington, o


embaixador Andrew Young (que havia pouco tinha enfrentado a morte trágica de
sua esposa), terminou sua fala com uma citação do antigo hino "Quão firme uma
fundação...".

Todos assistimos em horror os aviões se chocando ao aço e vidro do World


Trade Center. Aquelas torres majestosas, construídas em fundações sólidas,
eram exemplos da prosperidade e criatividade da América. Quando danificados,
esses edifícios mergulharam no solo implodindo-se sobre eles mesmos. Porém,
debaixo dos escombros ainda existe uma fundação que não foi destruída. Lá
permanece a verdade daquele antigo hino que Andrew Young citou: "Quão firme
uma fundação...". Sim, nossa nação foi atacada, edifícios foram destruídos e
vidas perdidas. Mas agora nós temos uma escolha: podemos implodir e nos
desintegrar-nos emocionalmente e espiritualmente como povo e como nação, ou
— se escolhermos ficar mais fortes por meio desta luta — reconstruir sobre uma
fundação sólida. Acredito que estamos no processo de começar a reconstruir
sobre esta fundação. Esta fundação é nossa confiança em Deus. Essa é a razão
para este culto e nesta fé temos força para agüentar algo tão difícil e horrendo
quanto o que temos vivenciado nesta semana.
Esta tem sido uma semana terrível com muitas lágrimas mas também tem sido
uma semana de grande fé. Igrejas por todo o país têm feito reuniões de oração e
hoje é um dia em que eles não estão reunidos apenas neste país, mas em
muitas partes do mundo.

E as palavras daquele hino familiar que Andrew Young citou, dizem:

"Não tema, eu estou contigo; Oh, não se espante,


Porque eu sou o teu Deus, e ainda te darei o auxílio;
Eu te fortalecerei, te ajudarei, e não o farei tropeçar,
Apoiado por minha mão, justa e onipotente".

Minha oração hoje é que possamos sentir os braços amorosos de Deus ao


nosso redor, e sabermos em nossos corações que ele nunca nos abandonará
se confiarmos nele.

Também sabemos que Deus vai dar sabedoria, coragem e força ao Presidente e
a todos que estão ao redor dele. E este vai ser um dia que nos lembraremos
como um dia de vitória.

Que Deus abençoe todos vocês.


Billy Graham