Você está na página 1de 2

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA

DCH – TUR 103 COMUNICAÇÃO, LINGUAGEM E TURISMO


DOCENTE JOSE VEIGA
DISCENTE JONATAS DO CARMO SANTOS

PRECONCEITOS E DESAFIOS ENFRENTADOS PELOS PROFISSIONAIS DE


TURISMO

O campo de atuação profissional é muito vasto, pois turismo em sua


complexidade envolva, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
(IBGE, 2000), 52 setores diferentes da economia (eventos, hospitalidade, agências,
operadoras, transportes, cultura, esportes, entretenimento, alimentos e bebidas,
entre outros), sendo impossível regulamentar todos eles em nome de um único
profissional, o seja turismólogo, hoteleiro os similar. O mercado tem preferido se
voltar para profissionais de competências mais generalistas, com perfil multifuncional
e dinâmico.
O fato é que as possibilidades de atuação do profissional de Turismo no
mercado de trabalho são como um leque, pois seu campo de trabalho é vastíssimo e
cresce a cada dia. Justamente por isso, as profissões na área de turismo não são
regulamentadas em nenhum lugar do mundo. A exceção é o guia de turismo (em
alguns lugares) e de atividades específicas como confeiteiro e similares.
Para assumir muitas dessas funções no mercado de trabalho, é preciso
cumprir as exigências de formação na área como um bom curso de graduação e até
pós-graduação. Mas é claro que no mercado de trabalho turístico existe lugar para
todos os níveis de formação em diversas ocupações, como já foi dito, quer seja
direta ou indiretamente ligada à atividade do turismo. A maioria das profissões não
precisa de regulamentação, mas com exceções óbvias, que são na área da saúde e
nas áreas que oferecem perigo como engenharia, arquitetura e atividades técnicas
altamente especializadas.
O turismo é reconhecidamente a “indústria” que mais emprega no mundo,
aproximadamente 260 milhões de pessoas, ou 10% da força de trabalho global,
envolvendo muitas diferentes profissões e especialidades necessárias para a
produção e o desenvolvimento econômico global, sendo o turismologo pouco
valorizado no mercado de trabalho, demonstrando pouca importância com sua
capacidade técnica e eficiência.