Você está na página 1de 4

Mapa Mental

Vygotsky e a teoria histórico-cultural

 Um pouco da sua História


 Em 1926 Vygotsky criou o instituto de defectologia experimental que
realizava pesquisas sobre ensino e programas educativos para crianças com
necessidades especiais.
 Seu percurso acadêmico foi marcado pela interdisciplinaridade, já que
transitou por diversas áreas.

 Perspectivas teóricas
 Para entender o indivíduo, primeiramente devemos entender as relações
sociais nas e pelas quais ele se desenvolve.
 As respostas individuais surgem das formas de vida coletiva.
 Era contra o reducionismo psicológico individual, logo criticava o estudo
objetivo do comportamento externo.
 A psicologia evolutiva de Vygotsky deve ser situada num contexto maior: o
da gênese da cultura.
 A psicologia da época apresentava duas posições: a empirista e a idealista,
nenhuma das duas apresentavam respostas significativas para as indagações
de Vygotsky.
 Princípios teóricos de Vygotsky seguem três objetivos:
1. Afastar-se de todo reducionismo e de qualquer forma de
idealismo;
2. Procurar explicar os fenômenos baseando-se no modelo das
ciências naturais e não se contentar com descrições;
3. Adotar uma perspectiva genética (e dialética) buscando a
explicação na história e no desenvolvimento.
 Para Vygotsky, somente a partir das gênesis de um processo é que podemos
passar à descrição de um fenômeno a sua explicação e assim encontrar sua
causa.
 Os três princípios que determinam a estrutura teoria do trabalho realizado
por Vygotsky são:
1. Crença no método genético e evolutivo;
2. A tese de que os processos superiores têm sua origem nos processos
sociais;
3. A tese de que os processos mentais só podem ser entendidos através
da compreensão dos instrumentos e dos signos que atuam como
mediadores.
 Com relação ao primeiro princípio, a importância de estudar o processo, não
importando nos preocupar estudar o produto do desenvolvimento, mas sim,
o processo.
 A história do desenvolvimento cultural da criança deveria ser
estudada da mesma forma que estudamos o processo vivo da
evolução biológica.
 Já o segundo se refere onde ao lugar onde os fenômenos psicológicos se
desenvolvem, isto é, a origem social dos processos mentais humanos.
 Sobre a compreensão de instrumentos e signos que atuam como
mediadores, os mesmos têm um papel fundamental na formação dos
processos psicológicos superiores.
 Ao tratar das origens sociais dos processos psicológicos superiores, ele
formulou o conceito de “lei genética do desenvolvimento cultural”:
 Qualquer função presente no desenvolvimento cultural da criança
aparece duas vezes (no plano social, no plano psicológico).
 Para entender melhor os processos das relações sociais e das funções
psicológicas vamos estudar a Internalização e zona de desenvolvimento
proximal.

 Origens Sociais das Funções Psicológicas


 O grande objetivo de Vygotsky foi o de constatar como as funções
psicológicas (memória, atenção, percepção e pensamento), aparecem
primeiro na forma primária e posteriormente aparecem em formas
superiores.
 Desenvolvimento natural: Produz funções primarias
 Desenvolvimento social: Produz funções superiores
 Não é a natureza, mas sim a sociedade que deve ser considerada como
determinante ao comportamento humano.
 Funções elementares: ações comuns aos animais e aos homens
 Funções psicológicas superiores: vinculadas aos humanos e consideradas
produtos do contexto sociocultural e do qual os humanos fazem parte.
 Funções elementares superiores
1. Passagem do controle do meio para o indivíduo;
2. O surgimento da realização consciente dos processos psicológicos;
3. As origens sociais e a natureza social das funções psicológicas
superiores;
4. O uso dos signos como mediadores das funções psicológicas
superiores.
 Grande diferença entre processos psicológicos elementares e superiores: o
primeiro é controlado pelo meio, o segundo por auto regulação.
 As primeiras estão relacionadas com estímulo resposta (estimulação
do meio).
 A segunda acontece por auto estimulação, criado pela nova situação
que o sujeito se encontra (voluntária e consciente).
 É a utilização de instrumentos e de signos que estabelece a diferença
da psicologia humana.
 Principal contribuição de Vygotsky para a educação: a de não
considerar o processo de aprendizagem como uma sucessão linear de
etapas, e sim como um processo que leva em conta como os humanos
vão desenvolvendo seus conhecimentos de mundo (meio cultural
tem papel fundamental)
 Quando um homem transforma seu meio ambiente, essa modificação
influencia os seus comportamentos futuros.
 Funções psicológicas superiores – surgem da interação dos
fatores biológicos, com os fatores culturais.

 O Processo de Mediação: Instrumentos e Signos


 Mediação é o processo de intervenção de um elemento intermediário em
uma relação.
 Elementos mediadores: instrumentos e signos.
 O desenvolvimento acontece a partir do crescimento orgânico e de
maturação, e a partir do domínio de mecanismos e meios de pensamento e
do comportamento cultural.
 As funções psicológicas superiores apresentam uma estrutura tal que entre
o homem e o mundo real existem mediadores, ferramentas auxiliares da
atividade humana.
 Elementos mediadores
 Instrumentos: elemento interposto entre o trabalho e o objeto do seu
trabalho, que ampliam as possibilidades de transformação da
natureza.
 Signos: Instrumentos que pertencem ao campo psicológico, agindo
como instrumentos da atividade psicológica, que provocam
transformações no sujeito.
 Instrumentos de mediação são produzidos pela cultura

 O Processo de Internalização
 Processo pelo qual certos aspectos da estrutura da atividade, que foram
realizados no plano externo (processos sociais), passam a ser executados
num plano interno.
 Lei da dupla formação: toda função aparece duas vezes, primeiro entre
pessoa (interpessoal), e mais tarde individual, no interior do próprio sujeito
(intrapsicológico).
 Internalização supõe a reconstrução individual de uma atividade externa e
social.
 Desenvolvimento e aprendizagem
 Concepção Reducionista: O desenvolvimento reduzido à aprendizagem, a
construção de hábitos e associações (desvaloriza o papel ativo e
transformador do sujeito na aprendizagem).
 Concepção Idealista: Desenvolvimento é um processo interno, enquanto a
aprendizagem é um processo externo.
 Concepção Sociointeracionista (Vygotsky): A aprendizagem transforma a
natureza do desenvolvimento e vice-versa.
 Desenvolvimento e aprendizagem ocorrem simultaneamente.

 O papel da linguagem no desenvolvimento


 Sem a linguagem a inteligência da criança permanece uma capacidade
puramente prática, natural e semelhante à dos animais;
1. Fala Social (dois primeiros anos de vida): o estágio pré-fala –
caracterizado por sons que expressam emoções e estados
psicológicos simples - evolui para sons repetitivos e,
posteriormente, para as primeira palavras. Durante este estágio o
pensamento é predominantemente não verbal;
2. Fala egocêntrica (3 a 7 anos de idade): neste estágio as crianças
geralmente falam para si próprias como num esforço para orientar o
próprio comportamento;
3. Fala interior: nosso falar para nós mesmos, nos permitindo observar
e dirigir nosso pensamento e, de quebra, nosso comportamento.
Nível superior de sofisticação conceitual.

 Método “genético-experimental” de dupla estimulação


 Consiste em propor às crianças tarefas que se situam um pouco além de sua
capacidade atual e, então, lhes fornecer auxiliares externos para colaborar
com a execução da tarefa.

 Algumas Considerações
 Vygotsky debateu e atacou criticamente sobre os trabalhos de Jean Piaget;
 Assim como Piaget, Vygotsky também preocupou-se com a construção dos
significados pela criança. Porém, ao contrário de Piaget, ele enfatizou o papel
da cultura e da interação social no desenvolvimento da consciência humana;
 Piaget enfatiza as forças internas à criança e Vygotsky as forças externas;
 Três temas abordados por este pensador:
1) Importância do papel da cultura;
2) O papel da linguagem no desenvolvimento;
3) Relação entre aluno e professor.