Você está na página 1de 42

c 




 

 

Mais um ano se passou.

Estou deixando o Blog só para postar dicas e técnicas

As minhas tentativas, continuações de muitas aqui postadas


estão no fórum
um espaço que criei a algum tempo para podermos debater
nossas dúvidas
e postar nossas tentativas para apreciação de todos

espero todos no Fórum

 

já temos algumas novidades para 2010


as podas de aconteceram e estão acontecendo
e logo todas estarão lá

encontro todos no fórum.


abraços e até lá
Criado por Guto às   

 

 
£  
c 
!





"
#$%
&'



 

(
A aramação de um bonsai ocorre quando você deseja definir
melhor sua forma. Às vezes você quer abaixar algum galho,
ou levantá-lo, direcioná-lo para outro ladoƦ O arame é quem
vai te ajudar a fazer isso, o ideal é que se use arames de
cobre ou alumínio (por serem mais maleáveis), mas podemos
utilizar outras técnicas também, como veremos abaixoƦ
Importante: Lembrem-se que quando decidirmos recorrer à
técnica de aramar um Bonsai, não podemos esqueçer:

„ O arame deve ser constantemente vigiado, para evitar


cortes no tronco ou nos ramos.
„ As árvores coníferas (pinheiros, juníperos, ciprestes...)
devem ser aramadas no Inverno, mantendo o arame
durante aproximadamente um ano.
„ As árvores decíduas (macieiras, laranjeiras, limoeiros...)
devem ser aramadas no Verão, mantendo o arame por
três meses, ou seja, até ao Outono.
„ Xma vez retirado o arame, certifique-se que a árvore
não volte à posição inicial. Se assim acontecer, pode
voltar a usar a mesma técnica no ano seguinte.

# Se existirem marcas do arame na árvore, pode pintá-


las com vedante para cortes ou pasta selante.

Primeiro passo: Analise sua árvore, veja as opções de


galhos, às vezes não é possível aramar todos os galhos que
você quer, alguns podem já ser velhos e duros, e tentar
aramá-los pode resultar na quebra dos mesmos (um detalhe,
é possível que você quebre um ou outro galho, não fique com
medo, é normal nas primeiras vezes), outros podem ser
muito jovens e mais fáceis ainda de quebrar. O ideal é que
você crie espaço entre os galhos, o suficiente para que as
folhas possam respirar melhor, mas não tanto a ponto de
ficar com grandes Ơburacosơ no tronco.A aramação deve ser
feita em espiral, como nos exemplos abaixo:

Mas
lembrem-se de só dobrar para dar forma após a completa
aramação!

R) 

)


Conforme a necessidade você pode iniciar com um arame de
calibre mais grosso e depois mudar o calibre conforme
mostra este diagrama. Procure iniciar o arame mais fino
sempre pela parte posterior; questão de estética apenas.

 
)
O diagrama sugere iniciar a aramagem do tronco para os
galhos mais finos. Baseado no desenho a cores da primeira
imagem, procure identificar o encaminhamento dos arames
neste caso.

$ 

 )
 Enfie o arame no solo na parte de trás do tronco.

 Torça o arame em volta no tronco paralelo ao solo.

. A partir dai procure trabalhar com um ângulo de 45 graus

conforme a figura.

 Quando mais de um arame for necessário devido a

grossura do tronco trabalhe os dois juntos.

Neste último exemplo, estamos usando o


mesmo pedaço de arame para prender dois galhos, um
servindo de âncora para o outro, o que nos leva a outro
detalhe: Apenas enrolar o arame em espiral, não vai adiantar
nada, é preciso prender o início do arame em algum lugar (e
não deixar o final pendurado também), pode-se usar o tronco
como ƠâncoraƠ, a base do ƠYơ que as ramificações do galho
fazem, ou até mesmo o próprio vaso, como no exemplo
abaixo.
Outro detalheƦ Segundo as normas estéticas
do cultivo de bonsai, o correto é não cruzar arames. Se você
for passar outro arame, por um lugar que já exista um, o
segundo precisa seguir o movimento do primeiro. Pode
acontecer disso não ser possível, algumas vezes, então ou
você procura outro lugar para usar como âncora, ou então
quebra as normais estéticas. Veja bem, essas normas são
para bonsai em exibição, não é algo que precise ser seguido,
cruzar arames não vai matar o bonsai, só não vai deixá-lo tão
bonito quanto os que foram aramados seguindo as normas.A
aramação de um bonsai é um assunto bem extenso, vou
dividir o post em duas partes então, para não ficar tão
cansativo de se ler.Outro detalhe importante é:

Não esmague as folhas e não estrangule o


ramo.O primeiro desenho é a forma correta de se fazer,
repare como as folhas estão esmagadas no segundo
desenho, isso só prejudicará a planta. O arame é só para
Ơeducarơ o ramo (ou galho, como quiser chamar) e não para
torturar o bonsai. É preciso fazer a aramação com cuidado,
como eu já disse anteriormente, sem quebrar os ramos ou
machucar a planta, mas ao mesmo tempo você precisa ter a
mão firme, e não deixar o arame folgado. Basicamente é isso,
espiral, com uma boa angulação, sem esmagar as folhas e
sem fazer malabarismos com o ramo.O tempo de
permanência dos arames varia de planta para planta, mas o
ideal é que não ultrapasse 6 meses, mesmo que você tenha
que removê-los e colocá-los no mesmo lugar, porque em 6
meses, é normal que os ramos engrossem, assim como o
tronco, e o arame pode acabar deixando marcas no
ramo/tronco, e você não quer um bonsai com essas marcas,
certo? Pode ser que seu bonsai já mantenha a posição que
você definiu em seus ramos, com apenas 2 meses de
aramação, o tempo varia mais ou menos nessa faixa, de 2 a
6 meses. Como saber? Bom, se você achar que 2 meses já
está de bom tamanho, retire os arames, se perceber que não
adiantou, coloque-os novamente.Ao remover os arames, use
SEMPRE o alicate, não reutilize os arames, pois já foram
deformados e você pode acabar machucando a planta ao
tentar removê-los sem o alicate.Esqueci de falar, né? O
diâmetro dos aramesƦ Procure usar um arame que tenha
metade do diâmetro do ramo que está sendo aramado. Caso
você coloque um arame muito fino, perceberá que o ramo
não ficará na posição que você quer. Pela própria flexibilidade
do arame, você conseguirá ver quais ramos ele poderá
ƠeducarƠ.Vou colocar aqui mais um exemplo de aramação,
que é feita utilizando um peso, para puxar o ramo para baixo,
algumas vezes é melhor usar essa técnica, ao invés de se
aramar o ramo inteiro

Muito cuidado ao usar essa técnica, para não


colocar algo muito pesado e quebrar o galho.Outro detalhe
importante, nunca deixe as pontas dos arames soltas, caso
não consiga envergá-las com as mãos, corte as sobras com
um alicate.Caso você deseje aramar um galho muito velho (e
pouco flexível), utilize proteção (ráfia vegetal ou borracha),
para não machucar o bonsai. A proteção deve ser colocada
entre o galho e o arame.Basicamente aramar é isso, claro
que existem formas mais agressivas de se Ơeducarơ um galho
ou tronco (inclusive aparelhos que mais parecem
instrumentos de tortura), mas acredito que essas dicas
iniciais sejam o suficiente para quem está iniciando na arte
de cultivar bonsai. Espero ter ajudado e sanado algumas
dúvidas.

Informações do texto reunidas dos trabalhos dos autores Vinicius Costa, Livro
de Harry Tomlinson no seu O GRANDE LIVRO DO BONSAI, opiniões de José
Augusto Cruz e desenhos de Ailton Mariz Costa, de Recife-PE e Sergivaldo
Costa, de João Pessoa-CE

Criado por Guto às !


 
* 

 
£  

!






 
"
*'(

Essa é uma Aroeira Pimenteira, Schimus terenbetifolius


(segundo pesquisa visual pela internet-não é certeza)
Ganhei a muda com pouco mais de 1 ano e uns 80 cm.
Depois de um mês para adaptação
no novo local de morada
fiz uma primeira poda, 45 cm
PS: não usei e não indico essa tesoura da foto para podas,
com essa ai cortei umas poucas folhas depois da foto.

depois de 8 mêses e mais algumas


podas, com 36 cm
e ja posta em um vaso de Bonsai
vaso Plastico modelo grande
decidi fazer a aramação
depois de 1 ano e meio e algumas novas podas
pesquisei em dezenas de sites e peneirando as informações
segui
o método.
arame de fio externo de telefone ( o que conecta a casa ao
poste da rua)
dividido, pois ele é duplo.
Arame preso ao solo junto à Raiz
(e aproveitando a curva natural da planta)
enrrolada com aproximadamente 45º de inclinação.

A sequência do arame enrrolado no tronco


Notem que há um broto no tronco próximo ao primeiro galho
estou com a intenção de cortar o galho e o tonco na parte
superior
para forçar um novo ápice.

Que acham da idéia?


Visão completa da planta
o galho que forma a parte superior era lateral e foi deslocado
com o arame
o broto citado acima fica na base do primeiro galho
na parte de baixo
no caso ficaria só a raiz para uma nova árvore
só por isso estou a pensar.
Preciso de opiniões!!
Vista mais próxima de forma

lateral Destaque geral


da Aroeira Pimenteira, Schimus terenbetifolius
Espero que gostem
Criado por Guto às  !

* +

 
£  

%'
,
- 
 

Muitas são as arvores utilizadas no cultivo do Bonsai


e sempre surge aquela pergunta:
- Todas árvores podem ser Bonsai??
Mais uma proposta:

mudas inciciais de Café


Estão Brotando de uma tentativa com sementes de café.
A outra é uma Seringueira:

Creio que estão bem fracas e iniciais


mas a questão é
Todas as árvores podem ser Bonsai?
Criado por Guto às  !
.
 

 
£  
  
+





R-&/#0
"
1)

(

Para cuidarmos do Bonsai, é necessária técnica e experiência, que


somente são adquiridos ao longo de estudos e tentativas práticas.
Conhecer como vive uma árvore é importante para poder aplicar a
técnica Bonsai. A necessidade da árvore na natu reza é diferente da
transformada em Bonsai. Conhecendo essas diferenças saberemos como
tratar ambas.
Visando uma evolução nesse aprendizado localizei uma matéria de Lucas
Cardoso Pittela que nos ajudará na compreensão do funcionamento
biológico da arvore e claro no entendimento de suas necessidades.

Fisiologia do Bonsai
O Bonsai é uma árvore plantada em uma bandeja, cujo
desenvolvimento não é interrompido, mas sim controlado e
guiado de forma a se obter uma árvore saudável e estilizada.
A estrutura física do Bonsai é igual a da árvore na natureza,
mas o mecanismo do Bonsai é diferente, e por isso são
necessárias técnicas adequadas para se obter às proporções
e os objetivos desejados.

£23

As raízes das plantas, na natureza, crescem e se


desenvolvem de acordo com as necessidades da planta e as
condições do terreno, mas no caso do Bonsai, a árvore está
confinada em uma bandeja rasa, com dimensões limitadas. A
raiz, nessas condições tem seu crescimento restrito e
conseqüentemente, o resto da planta tem seu
desenvolvimento alterado.
Na natureza, grande parte das raízes serve para fixar a
árvore no solo, enquanto nos Bonsai, as raízes de fixação
podem ser reduzidas drasticamente. Esta poda de raiz é
muito importante, pois promove a renovação da estrutura
radicular da planta. Reduzindo-se a massa de raízes mais
velhas no vaso, proporciona-se mais espaço para que as
raízes novas e vigorosas se desenvolvam. Estas raízes novas
e finas têm mais capacidade de absorver a água e os sais
minerais, e, conseqüentemente, tornam a planta mais
saudável. Na natureza, as árvores velhas apresentam muitas
raízes superficiais, por causa da erosão, e no Bonsai este
efeito deve ser buscado, expondo-se as raízes mais grossas.

&

)

Os troncos e galhos das árvores na natureza têm seu


crescimento e desenvolvimento determinado pela
necessidade de se tirar o máximo de proveito da luz do sol e
para superar outras árvores na competição por este espaço.
Seu formato, direção e textura também sofrem influência das
forças da natureza, como o vento, a chuva, os raios ou outros
danos físicos, causados, por exemplo, por animais. Xma
árvore plantada em uma bandeja parecerá apenas um
arbusto se não for trabalhada através de diversas técnicas,
como a poda e a aramação, para que se consiga o efeito da
ação da natureza sobre a árvore.

1)
As folhas realizam as mesmas atividades tanto nas árvores
plantadas no solo, como nos Bonsai, mas nestes, elas têm
que estar localizadas, posicionadas, em quantidade e
tamanho necessários para atender tanto a função fisiológica
como a estética.
O tamanho, a quantidade, a localização e posição das folhas
dependem, entre outros fatores, da água, dos nutrientes e da
luz, que devem estar a disposição da planta de forma
balanceada. Não há uma regra geral, uma vez que as
necessidades variam de acordo com o clima, entre as
diferentes espécies e estágio de desenvolvimento da planta.
Porém, para se obter folhas menores, pode-se alterar a
quantidade e freqüência da rega, da adubação e a exposição
à luz. Para se obter os resultados pretendidos, também se
usam a poda de folhas, ramos e galhos. A desfolha é uma
técnica usada para se conseguir folhas menores e para
controlar a grossura dos galhos.
As folhas refletem o estado de saúde da árvore. Quando
estão inteiras, viçosas, se desenvolvendo bem, é sinal de que
a planta, normalmente, está em boas condições, mas, no
caso de apresentarem defeitos, manchas ou outros sinais,
indica que algum problema pode estar acontecendo. Nas
árvores de folhas caducas estes sintomas se apresentam
rapidamente, enquanto na coníferas, demoram um pouco
mais.

1)
 



Assim como nas árvores plantadas no solo, podemos utilizar


esta forma de reprodução para conseguir novas plantas,
principalmente no caso de plantas difíceis de encontrar ou
reproduzir de outra forma. Mas no Bonsai a principal função é
estética. Deve-se controlar, através da poda, a quantidade e
a localização, lembrando que uma quantidade muito grande
pode sobrecarregar a planta.

Fisiologia da Árvore
A árvore é um ser vivo que pode ser comparado a um
complexo industrial. Absorve do solo e do ar os elementos
necessários, e com a energia do sol, através da fotossíntese,
converte esses elementos em novas substâncias que são
utilizadas pela planta para o seu crescimento, reprodução,
reserva e manutenção. Este complexo pode ser dividido em
várias partes interligadas, mas com funções específicas:
raízes, tronco, galhos, folhas, flores, frutos e sementes.

£23

A raiz é o órgão dos vegetais superiores que os fixa no solo,


absorvendo e transportando a água e os sais minerais do solo
para as outras partes da planta. A raiz também estoca
alimento processado (açúcar e amido) e produz hormônio. Na
maioria das árvores jovens, a raiz pivotante (axial) é,
geralmente predominante, principalmente em árvores
produzidas a partir da semente. No caso de árvores
produzidas por outros métodos, como a estaquia e a
alporquia, a formação de raízes laterais é predominante. À
medida que a árvore cresce, o sistema radicular se
desenvolve em todas os sentidos. As raízes mais grossas são
responsáveis pela fixação da árvore, pelo transporte de
substâncias e pela estocagem de alimento, e as raízes mais
finas, são responsáveis pela absorção e transporte da água e
dos nutrientes presentes no solo. Numa raiz, da extremidade
à base, encontramos sucessivamente as seguintes camadas:

„ extremidade exploradora, que contorna pedregulhos,


procura umidade, evita contato com tóxicos, etc., é
revestida por uma coifa que a protege do desgaste;
„ zona de crescimento, onde as células se multiplicam e
se alongam;
„ zona dos pêlos absorventes, com numerosos pêlos,
unicelulares, responsáveis pela absorção da água e dos
sais minerais;
„ zona condutora, que contém os vasos nos quais
circulam a seiva bruta (em direção às folhas) e a seiva
elaborada, que alimenta a raiz ou é estocada.

As raízes geralmente vivem em simbiose com fungos


(mycorrhizae). Estes fungos vivem ao redor das raízes, às
vezes penetram nelas, auxiliando e aumentando a absorção
na superfície das raízes. Eles podem tornar certos minerais
acessíveis às raízes. Em compensação, o fungo obtém
energia dos alimentos estocados na raiz. Esta associação da
planta com o fungo específico é muito importante para o
desenvolvimento e para a saúde da planta.

&

4)

O tronco é o caule, parte entre as raízes e os galhos. Os


galhos brotam do tronco, se ramificam e geralmente neles
brotam as folhas e flores (que também brotam no tronco). O
tronco e os galhos exercem diversas funções, sustentam e
posicionam a copa e transportam a água e os sais minerais
extraídos pelas raízes (seiva bruta) até as folhas, e
redistribuem as substâncias transformadas pelas folhas (seiva
elaborada) para todas as partes da árvore e estocam
reservas. O tronco e os galhos podem ser divididos nas
seguintes seções:

„ a casca, que é a camada externa da árvore e consiste


num tecido de cortiça que conserva a umidade e
protege as camadas internas da madeira contra insetos,
vento, frio, calor e contra ferimentos;
„ líber (Floema), conduz a seiva elaborada das folhas para
outras partes da árvore, indo até a raiz;
„ o cambio, composto por uma fina camada entre o lenho
e o líber, produz células destas duas camadas e é
responsável pelo crescimento no diâmetro do tronco e
dos galhos. Quando a árvore é ferida ou quando um
galho quebra, as células do cambio gradualmente
formam um calo, cicatrizando e eventualmente fechando
a ferida, produz novas brotações de galhos e raízes;
„ lenho (xilema), madeira fisiologicamente ativa que
transporta a seiva bruta das raízes para as folhas, e
também armazena substâncias elaboradas pelas folhas.
Esta camada está localizada entre o cambio e o cerne;
„ cerne, madeira fisiologicamente inativa e dura,
localizada na parte central do tronco e dos galhos, cuja
finalidade é a de sustentar a árvore.

1)

A folha é o órgão vegetal responsável pela fotossíntese, pela


respiração e pela síntese de diversas substâncias como
enzimas e hormônios. Além disso, as folhas transpiram água,
protegendo-as do calor excessivo e permitindo o movimento
de ascensão da seiva bruta. Os tecidos das folhas são
altamente especializados, sendo compostos por células
contendo vários pigmentos. A clorofila, que é um de seus
pigmentos, só é formada na presença de luz. Ela está contida
nos cloroplastos e tem a capacidade de capturar a energia da
luz e usá-la através de complexas reações fotoquímicas,
convertendo o dióxido de carbono (CO2) obtido da atmosfera
e os nutrientes, absorvidos no solo pelas raízes ou na
atmosfera, pelas próprias folhas, em compostos orgânicos
como açúcar e amido.
As folhas se apresentam em diversos formatos, tamanhos,
cores e texturas. A disposição das folhas nos caules e ramos
pode ser chamada alternada, se cada nó tem apenas uma
folha; oposta, se cada nó tem duas folhas inseridas face a
face; verticulada, se cada nó tem mais de duas folhas. Elas
também podem estar agrupadas todas na base (folhas em
roseta) ou surgir em tufos, nos nós espaçados de um rizoma.
As folhas podem se apresentar quase verticais e com duas
faces iguais, como nas monocotiledôneas, ou estenderem-se
horizontalmente, como nas outras plantas vasculares. Neste
caso, a face superior, mais clara, em geral, é recoberta por
uma cutícula protetora, desprovida de aberturas e
caracterizada pelo aspecto em paliçada de suas fileiras
clorofilianas (tecido paliçádico) e pela cor de um verse
intenso. A face inferior, que fica na sombra, tem numerosos
orifícios (estômatos), sede das trocas gasosas, e fileiras
celulares, lacunosas e menos ricas em clorofila, dão-lhe
coloração mais pálida. As folhas podem ser caducas,
geralmente descolorindo e caindo no período mais frio do ano
(outono ou inverno), ou podem ser sempre verdes, e intactas
por todo ano. As folhas sempre verdes também caem, mas
duram por um período maior, que pode chegar a alguns
anos. Após caírem, as folhas são decompostas por bactérias e
fungos, enriquecendo o solo com elementos necessários à
planta, num ciclo autônomo e contínuo.

1)
 



A flor é o órgão das plantas que contém os aparelhos


reprodutores. As flores podem variar em sua forma, cor,
odor, tamanho e pode ser completa ou não. Xma flor
completa é formada por quatro vertículos ou uma série de
peças semelhantes: cálice, corola, gineceu e androceu.
O cálice é formado por peças chamadas sépalas, que
geralmente são verdes. A corola é formada pelas pétalas, que
em geral são coloridas. O conjunto formado pelo cálice
(sépalas) e pela corola (pétalas) recebe o nome de perianto
ou invólucro floral, e desempenha papel protetor. O androceu
é formado pelos estames, cada qual composto por um filete
que sustenta a antera, órgão reprodutor masculino, de onde
provem o pólen. O gineceu ou pistilo é constituído pelos
carpelos, terminado em estigmas, formando o órgão
reprodutor feminino, cuja parte inferior (ovário) contém os
óvulos. Se o gineceu ou o androceu tiverem alguma
imperfeição, tem-se flores unissexuadas, masculinas ou
femininas. A espécie é monóica se a planta apresentar flores
de ambos os sexos, e dióica, no caso de apresentar apenas
um.
Na origem de cada flor existe um botão floral, onde o cálice
envolve e protege as demais peças. Quando a flor se abre,
fica exposta a ação do vento, da chuva, das aves ou dos
insetos, que transportam o pólen, realizando a fecundação do
óvulo da própria flor ou de outra flor da mesma espécie. O
ovário se desenvolve formando o fruto e os óvulos se
transformam em sementes, as demais peças, em geral,
morrem.
O fruto é o órgão vegetal resultante do desenvolvimento do
ovário, depois da fecundação dos óvulos, que contém ou
estão ligados às sementes. O fruto serve de órgão de
proteção, reserva de água e sais minerais, durante o
desenvolvimento das sementes e depois participa na sua
disseminação.
A semente é o órgão que resulta da fecundação e
desenvolvimento do óvulo e que está apta, depois da
germinação, a reproduzir um novo indivíduo. A semente é
portada por uma escama fértil, no caso das gimnospermas,
ou encerrada num fruto, no caso das angiospermas. A
semente compreende uma membrana, ou tegumento, e uma
amêndoa. Certas sementes, após serem disseminadas,
podem estar aptas a germinar, mas outras, no entanto,
passam por um período de dormência antes de germinar.
Matéria de Lucas Cardoso Pittella
Criado por Guto às  +

 

 
£  
  






"
#$%
# 
%)





(

Pesquisei em vários sites e livros, e reunindo as informações espero


solucionar o nosso problema com o entendimento de termos do Bonsai

# 

(

Akadama: Argila vulcânica granulada utilizada
como substrato para bonsai. Aka significa
Ơvermelhaơ e Dama, bola.
Ara-kawacho: Árvore com a casca áspera e
enrugada.
Ara-ki: Árvore recentemente coletada e
utilizada como material para bonsai.
(
Bankan: Tronco com muitas curvas.
Bonkei: Paisagem natural em uma bandeja,
contendo rochas, plantas, figuras de animais,
casas, etc.
Bunjingi: Estilo Literato. tronco com
crescimento ereto informal, sem galhos,
exceto no topo ou ápice.
%
Chiu-Bonsai: Bonsai com altura entre 16 e 36
polegadas
Chokkan: Formal, ereto, tronco vertical, com
copa piramidal e galhos distribuídos em todas
as direções.
Chumono-Bonsai: Bonsai entre 16 e 36
polegadas
#
Dai-Bonsai: Bonsai com altura entre 30 e 48
polegadas
Daiki: Planta mãe. Planta-matriz, para a
obtenção de sementes ou de estacas.
R
Eda-jin: Jinƞs feitos artificialmente
Eda-nuki: Remoção de galhos indesejáveis.
Eda-uchi: Galhos distribuídos com harmonia.
Eda-zashi: Poda de galhos
1
Fukinagashi: Varrido ou fustigado pelo vento.
4
Gobo-ne: Poda de raízes.
Gobo-tsuchi: Solo granulado.
5
Ha-gari: Pinçagem de folhas.
Ha-zashi: Poda de folhas.
Hachi-uye-Bonsai: Bonsai com altura entre 40
e 60 polegadas
Hamizu: Pulverizar as folhas com água.
Han-Kengai: Estilo ƠSemi-Cascataơ.
Hankan: Bonsai com um tronco muito
serpenteado.
Hariganekake: Aramar uma árvore.
Hokidachi: Estilo Vassoura. Tronco reto e sem
curvas, com todos os galhos partindo de um
mesmo ponto.
Honbachi: Bandeja para Bonsai.
$
Ikada: Estilo em forma de balsa. Árvore
plantada horizontalmente, formando um
bosque a partir dos galhos que crescem
verticalmente.
Ikebana: Tesoura de bonsai com aparência
bojuda e design bastante peculiar para os
olhos de um ocidental.
Ishitsuki: Agarrado à Rocha. Bonsai enraizado
numa rocha.
±
Jin: Galho ou parte de um tronco que morreu
e permaneceu seco na árvore. Como primeira
acepção: Deus ou Divindade japonesa. Topo
morto de uma árvore.
Ju-sei: Crescimento da árvore.
Ju-shin: O topo da árvore.

Kabudachi: Tronco Múltiplo, crescendo a partir


de uma raiz.
Kabuwake: Separando das raízes.
Kanju: Árvores de folha caduca.
Kannuki-eda: Xm galho mal formado ou feio
que deve ser eliminado.
Kansui: Rega.
Karikomi: Poda de galhos e folhas.
Katade-mochi-Bonsai: Bonsai com altura entre
10 e 18 polegadas.
Kengai: Em forma de cascata.
Keshitsubo-Bonsai: Bonsai com altura entre 1
e 3 polegadas
Kesho-tuschi: Solo decorativo. Pedrisco ou
areia ornamental, para cobrimento do solo.
Keto-tsuchi: Turfa. Matéria orgânica formada
pela decomposição de folhas e musgos dos
ambientes aquáticos.
Ko-eda: Árvore com extremidades muito
graciosas.
Kokejun: Tronco afunilado.
Komochi: Bonsai com troncos gêmeos.
Komomo-Bonsai: Bonsais com altura entre 6 e
10 polegadas.
Kuro-tsuchi: Terra preta.
Kuruma-eda: Ramo mal formado que deve ser
cortado ou eliminado.
Kusamono: ƠPlanta de assentoơ. Ervas
plantadas em pequenos potes, bastante
usadas como Ơacompanhamentoơ para os
Bonsai.
2
Mame-bonsai: Bonsai de baixa estatura
(menos de 10 cm)
Me-tsumi: Pinçar as folhas com as unhas.
Meiboku: Bonsai muito velho ou antigo.
Mi-momo: Bonsai que produz frutos.
Misho: Mudas obtidas a partir de sementes.
Misho-momo: Bonsai cultivado a partir de
sementes.
Mizu-gire: Demasiadamente seco.
Mizu-goke: Musgo.
Moyogi: Ereto informal.
>
Ne-zashi: Corte ou poda de raízes.
Neagari: Bonsai com raízes expostas.
Nebari: Raízes visíveis.
Nejikan: Bonsai com tronco retorcido.
Netsuranari: Raiz em forma balsa. Grupo de
árvores que surge a partir de uma raiz
horizontal.
0
Oki-goe: Fertilizante em grãos ou em pó.
Omono-Bonsai: Bonsai com altura entre 30 e
48 polegadas.
Oyaki: A planta mãe utilizada na técnica da
alporquia.
*
Penjing: Arte chinesa que consiste em recriar
uma paisagem numa bandeja.
£
Roboku: Bonsai velho e antigo.
-
Sabamiki: Bonsai com tronco partido.
Sabi: Aparência de antigo.
Saikei: Paisagem com rochas e árvores, mas
sem nenhuma figura.
Sankan: Árvore com três troncos: pai, mãe e
filho.
Sashi-ho: Estaca utilizada para propagação.
Sashi-ki: Propagação a partir de estacas.
Seishi: Bonsai em fase de educação.
Sekijoju: A árvore fica sobre uma pedra, com
suas raízes descendo por esta e entrando no
substrato da bandeja.
Sentei: Plantio de árvores.
Shakan: Inclinado.
Shari: Parte descascada de um bonsai.
Sharimiki: Bonsai com tronco descascado.
Shizen: Naturalidade.
Shohaku: Árvores coníferas.
Shohin-bonsai: Bonsai com, no máximo, 15
cm de altura.
Shoki: Bonsai de espécies recolhidas através
do Yamadori.
Sokan: Troncos gêmeos: pai e filho.
Suiban: Espécie de bandeja utilizada no cultivo
de penjing e saikei. Sui = Ơáguaơ e Ban =
Ơbaciaơ.
Suiseki: Paisagem feitas com rochas,
colocadas num suiban.
&
Tachia-gari: Parte de um tronco.
Tangei: Material para bonsai.
Tanuki-Bonsai: Bonsai falso, que utiliza na sua
formação partes mortas de outras árvores.
Não confundir com o uso, por exemplo, de
galhos mortos, para a composição de
paisagens.
Tekishin: Remoção de gemas, rebentos.
Tocho-shi: Galho ou ramo com um
crescimento muito grande.
Tokoname: Vaso Japonês.
Tokonoma: Tradição japonesa. Área de um
lar, normalmente na sala de visitas, para a
exposição dos bens mais valiosos, entre eles
Bonsais
Toriki: A técnica de se obter um bonsai a
partir de uma alporquia.
Toriki-momo: O bonsai obtido através da
alporquia.
Tsugi-ki: A técnica de se obter um bonsai
através de um enxerto.
Tsugi-mono: Bonsai obtido por enxertia.
Tsukami Yose: Mais de uma árvore agarrada a
rocha.
/
Xro: Concavidade feita ou existente na planta.
É um buraco na planta indicando que ali
existia um galho que apodreceu e caiu.
6
Wabi: Auto-suficiente. Completo.
Wabi/Sabi: Termo relacionados ao Zen-
budismo, de difícil tradução literal. O conceito
wabi-sabi representa um visão de mundo
japonesa que reconhece e admira a beleza das
coisas imperfeitas, efêmeras e incompletas.
U
Yamadori: Recolher plantas na natureza para
fazer bonsai. Recolhimento na Natureza de
Bonsai natural antigo.
Yamadori-shitate: Bonsai natural antigo obtido
por recolhimento na Natureza
Yobi-tsugi: Enxerto de galho.
Yose-ue: Plantio em grupo de várias árvores
em uma bandeja, com a aparência de uma
floresta.
ÿ  „
  „ „
 „
ë 


 ë
  
ë „ë 

   

 

ë 
 
Criado por Guto às  
+
* 

 
£  
c 
+





"
#$%
£ 

(

0


 

'


A água é fundamental para a manutençao de um Bonsai em
boas condições.
Na maioria das vezes que converso com alguém que perdeu
um Bonsai, verifico que houve descuido na administração de
água: esquecimento, viagem, "achei que estava molhado",
etc...
De fato não existe nenhum complicador para molharmos o
nosso Bonsai desde que verifiquemos alguns pormenores:
7
%) em nossa região Se você mora em uma região
onde o clima é muito quente, deve molhar a sua planta até 3
vezes nos dias muito quentes. Nas regiões mais frias uma é
suficiente. Nos dias mais frios conforme a necessidade da
planta. em dias muito frios não se rega.
7
&

8

)

c 
'
 cerâmica,
concreto Alguns Bonsai são colocados em vasos pequenos.
Isto propicia um enxugamento mais rápido, assim como o
tipo do material usado na feitura do vaso. A cerâmica
esmaltada conserva mais umidade que um vaso de concreto,
este último é mais poroso.
7
9) aonde vamos deixá-la e o tempo de exposição ao
sol Dependendo do local onde colocamos a nossa planta irá
acontecer uma variação na exposição; portanto é importante
observarmos qual o tempo de incidência de sol. É com este
tipo de observação que vamos controlando a rega do Bonsai.
7
:

 fria, quente? É claro que, quando
acontece uma mudança de tempo deverá acontecer uma
mudança na quantidade de água. No período de Inverno
nossa planta precisará de menos água.
7
&

) Alguns tipos de plantas como Crássulas,
Ciprestes, Tuias e Pinheiros aceitam um solo menos úmido, é
importante na hora da compra de um espécime solicitar
informação geral sobre a planta e, principalmente, sobre a
rega.
7
5  Desde que seja um dia quente, rega-se pela
manhã e também a tarde. Como foi dito acima, em dias
excepcionalmente quentes devemos regar também no meio
do dia. Xma boa hora para climas normais é na parte da
tarde, sua planta vai aproveitar a umidade durante a noite. É
claro que, em dias seguidos de muito frio não é aconselhável
molhar a planta a tarde. O excesso de umidade pode
apodrecer as raízes.
7
%
 Xma maneira prática de medida é regar até
a água escorrer pelo furo no fundo do vaso. Muitas vezes,
por esquecimento, deixamos de molhar nossa planta por um
dia. Quando isto ocorrer, a terra do vaso pode endurecer, e
neste caso, devemos molhar a planta por imersão por alguns
minutos isto é, colocar o vaso dentro de 1 recipiente com
água. No ressecamento da terra acontece um travamento do
substrato em redor das pequenas raízes e, quando molhamos
da maneira normal a água não consegue atingir aquelas
raízes essenciais na alimentação da planta, ocorrendo a perda
total da planta. Observe que quando você molha um vaso
seco, ou seja, onde não existe umidade, a água não penetra
de imediato, ela escorre como se fosse um piso. A pouca
água que permanece sobre a superfície do vaso vai dilatando
e abrindo poros que absorverão a água; por isto devemos
molhar cada vaso demoradamente e com regador de crivo
fino. Importante: o vaso para Bonsai tem um furo de bom
tamanho na parte de baixo que é para escoar o excesso de
água que porventura tenhamos usado, fica então
subentendido que não se deve usar um prato para apoio do
vaso, isto criaria um acumulo de água dentro do prato e por
conseguinte no vaso.
7
/

;) Verifico a umidade dos meus vasos
tocando a terra com as costas da mão. É uma boa maneira
de sentir a umidade ou secura do composto. É NECESSÁRIA
A XMIDADE NO VASO DE BONSAI. Se você pegar como
exemplo quaquer planta na natureza, vai observar que, ao
escavar até as suas raízes verificará que elas estão em solo
úmido. Não é porque seja um Bonsai que devemos manter a
umidade mas, porque as raízes devem estar em solo com
alguma umidade. Como o seu Bonsai não tem como levar as
suas raízes até um solo úmido, você deve proporcionar esta
condição. ÚMIDO, NÃO É ENCHARCADO.
Criado por Guto às +
+
* +

 
£  
  






"
#$%
*
R)

(

*£$>%$*$-
R-&$90-

BXNJINGI ¬ DESARMONIA HARMONIOSA:


Possui troncos quase retos, mas com galhos curtos,
espaçados e apenas na parte mais alta da planta. Isso lhes
empresta uma certa elegância discreta. (MINIMALISTA) O
estilo Bunjingi é a presença de um minimalismo no cultivo do
bonsai, provavelmente por influência do Zen. O bonsai
bunjingi não tem aspecto de profundidade e possui uma
razoável tortuosidade, passando na maioria das vezes uma
idéia de simplicidade e leveza.

CHOKAN ¬ FORMAL: A planta se eleva com


o tronco reto.
Este estilo baseia-se nas árvores gigantes que crescem
isoladamente. Deve Ter um único trono reto e rígido, e uma
distribuição de galhos perfeita, diminuindo a medida que o
tronco se afasta do solo , formando um triângulo . Os galhos
podem ser horizontais ou dirigidos para baixo, mas nos dois
casos devem se harmonizar com a árvore.

HOKIDACHI ¬ REDONDA: A folhagem de


cada galho básico é podada em curvas.
O bonsai hokidashi tem o tronco vertical, com os galhos
muito ramificados formando uma copa única. De certo modo,

parece uma vassoura invertida.


MOYOGI ¬ INFORMAL:O tronco da árvore se eleva em
curvas. Estilo Ereto Informal ou Vertical não Geométrico
O bonsai neste estilo tem um único tronco com certa
sinuosidade ou inclinação. Esse estilo assume uma forma
correspondente á maioria das arvores nas praças , parques,
ruas e na própria natureza.O bonsai Moyogi pode ter galhos
exageradamente tortuosos , ou com pouco tortuosidade. O
mais importante é que a árvore possua uma aspecto geral de
informalidade.

SHAKAN ¬ INCLINADO: O tronco da árvore


se eleva em curvas.
O bonsai shakan tem o tronco inclinado e sempre reto,
independente de ser grosso ou fino. A diferença entre este
estilo Fukinagashi (varrido pelo vento) é o fato de os galhos
crescerem nos dois lados da árvore.
Sho-shakan - Mínima inclinação
Chu-shakan - Inclinação média

Dai-shakan - Inclinação extrema


FXKINAGASHI ¬ LEVADO PELO VENTO: A característica do
bonsai fukinagashi é possuir todos os galhos "caídos" para
um dos lados, como se fossem constantemente soprados pelo
vento. A característica do bonsai fukkinagashi é possuir todos
os galhos "caídos "para um lado, como se fossem soprados
constantemente pelo vento.
SHIDARE-ZXKXRI ¬ SALGXEIRO OX GALHOS
CAIDOS: Árvore com todos os galhos, ou quase todos, em
queda. Como um Salgueiro-chorão. Estilo apropriado somente
para o salgueiro-chorão, a glicínia e umas poucas outras
espécies que apresentam ramos pendentes.

HAN- KENGAI ¬ SEMI-CASCATA: A planta se


inclina para fora do vaso. Estilo Queda parcial.
O Bonsai han-kengai é semelhanate ap Kengai. Tem um
aspecto horizontal e geralmente uma parte da árvore se
inclina para baixo porém, com uma inclinação menos
acentuada que a do estilo Kengai. É plantado em vasos mais
rasos que os utilizados para o Kengai.Estes são os estilos de
bonsai que derivam dos estilos básicos. No caso de
observarmos um bonsai com características de dois estilos,
por exemplo, um bonzai de raízes expostos (neagari)
geralmente é um Moyogi, o seu estilo não será Moyogi e
Neagari, somente Neagari. Ou seja o bonsai irá assumir o
estilo específico e não o básico no caso de possuir
características de dois estilos.

KENGAI ¬ CASCATA: A planta se inclina mais


fortemente para fora epara baixo. Estilo Queda total .
No estilo Kengai a maior parte da árvore cresce para baixo,
atingindo um nível inferior ao da borda do vaso. A diferença
entre este estilo e o estilo Han-Kengai (semi cascata) é que
no bonsai Kengai a parte da árvore em queda realmente cai
enquanto que no estilo Han-Kengai ocorre uma insinuação de
queda, uma queda parcial. Para este estilo são utilizados
vasos mais profundos que os comumente utilizados para os
outros estilos de bonsai.Este estilo é baseado na situação que
ocorre na natureza com as árvores que nascem nas encostas
dos penhascos.
NETSXRANARI ¬
ÁRVORES INTERLIGADAS: O bonsai netsuranari caracteriza-
se por apresentar várias árvores que crescem de uma única
raiz serpentiforme.

SOKAN ¬ TRONCO BIPARTIDO: Dois troncos


com um único sistema de raízes

IKADABXKI ¬ MÚLTIPLOS TRONCOS: Vários troncos com um

único sistema de raízes.


KABXDACHI ¬ TRONCOS MÚLTIPLOS: Neste estilo vários
troncos partem de um único tronco mais grosso.Os troncos
devem aparececer a poucos centímetros da superfície
pois,desta forma tronco-mãe será mais curto.O estilo da
árvore da figura ao lado é chamado Sokan (tronco duplo).
Kabudachi.

Classificando pelo número de troncos da mesma árvore que é


o Estilo Kabudachi, temos:
Tankan - 1 Tronco
Sokan - 2 Troncos
Sankan - 3 Troncos
Gokan - 5 Troncos
Nanakan - 7 Troncos
Kyukan - 9 Troncos

SEKIJOJX ¬ RAIZ SOBRE ROCHA: As raízes são aparentes


como no neagari, mas nesse caso abraçam firmemente uma
pedra ou pedaço de rocha antes de penetrar no solo.

ISHITSX I ¬ ENRAIZADO EM ROCHA:


Árvore plantada sobre uma rocha, com suas raízes expostas,
criando um grande impacto visual.
Este estilo é semelhante ao anterior. A diferença é que neste
estilo as raízes não vão de encontro ao solo como no estilo
anterior.
NEAGARI ¬ RAÍZES VERTICAIS EXPOSTAS: Possui raízes
aparentes, que brotam dos troncos e lhes emprestam uma
aparência singular.
O Bonsai neagari possui raízes grossas aparentes , que
sustentam o tronco acima do solo. Este estilo é característico
do bonsai chinês, pois é muitas vezes utilizado pelos
chineses.

KORABXKI ¬ TARTARXA: Xma ou mais raízes se estendem


aos arredores do tronco, formando uma superfície similar à
de uma casca de tartaruga. Estilo raramente visto, o Korabuki
nos dá a sensação de que o tronco da árvore se estendeu até
o solo, querendo cobri-lo. O iniciante deverá procurar uma
muda de árvore em um viveiro com essa característica ao

invés de formá-la.
SHARIMIKI ¬ MADEIRA-EXPOSTA: Não é difícil encontrarmos
na natureza uma árvore com troncos inicialmente vivos, mas
com uma terminação seca e morta, muitas vezes por ter sido
atingido por um raio. São essas árvores que o estilo Sharimiki
representa. Este estilo é obtido através da coleta de árvores
na natureza (yamadori) ou artificialmente (Jin, Shari e

Madeira - Arrastada). SABAMIKI ¬ ÁRVORE


PARTIDA: Tronco rachado, de forma que saiam galhos e
folhagens das duas partes, simulando a ação de um raio ou
de outro acidente natural. Xtilizado para dar a impressão de
uma árvore que talvez tenha sido atingida por um raio, ou
algum outro trauma sofrido há muito tempo. Jins & Shari's
são geralmente vistos em coníferas.
Jin & Sharimiki são frequentemente utilizados quando criar
um bonsai a partir de qualquer viveiro ou material recolhido.
Normalmente, para mascarar um defeito, ou para reduzir
uma árvore e dar-lhe um melhor tronco e altura. Idealmente
madeira morta efeitos deverão procurar resistiu. Encrespar-
se, ou esculpir a madeira, sempre que possível.

NEJIKAN ¬ TRONCO
RETORCIDO: O tronco da árvore deve percorrer um
movimento axial. O nejikan é um belíssimo estilo e produz um
efeito ainda mais interessante em espécies de tronco
particularmente bonito.

BANKAN ¬ SERPENTINA: Este


talvez seja o mais excêntrico de todos os estilos, pois o
bonsai Bankan tem um tronco formando círculos e arcos
consecutivos.

TAKOZXKXRI ¬ ESTILO POLVO: A disposição e a forma dos


galhos lembram um polvo com seus tentáculos. Xm belo
estilo, mas não é normalmente visto no Brasil.
Dotado de um charme particular, este estilo é um dos que
mais chamam a atenção do público ou dos iniciantes nesta
arte. A técnica utilizada para formá-lo não é simples a ponto
de poder ser praticada por um iniciante. Muita experiência em
jardinagem comum e razoável experiência com bonsai são
recomendados.
SAIKEI ¬ PAISAEM EM XMA BANDEJA: Neste estilo é criada
uma paisagem miniatura formada por árvores que são
pequenas mudas ou mame bonsai de árvores de folhas muito
pequenas.

YOSE - X ¬ FLORESTA: Neste


estilo representa uma floresta que deve Ter mais de
nove árvores na mesma bandeija. Quando o número de
árvores é abaixo deste, o estilo não considerado Floresta, é
considerado árvores em grupo.

YAMAMORI ¬ ÁRVORES EM RXPO: Esta é a forma pela qual


podemos limitar o comprimento do tronco e dos galhos ,
regulamos o número de galhos e folhas, e podemos também
diminuir o tamanho das folhas.
2 árvores : Soju
3 árvores: Sambon - Yose
5 árvores: ohon - Yose
7 árvores: Nanahon - Yose
9 árvores: Kyuhon - Yose

*Os estilos são inspirados nas formas que as árvores criam


na natureza, aperfeiçoadas ao detalhe através da técnica
Bonsai. Embora existam muitos mais, e de cada um várias
derivações.
Muitas vezes em uma única árvore reúnem-se mais do que
um estilo, bem como nem todos os Bonsai têm de se
enquadrar num destes estilos, mesmo na natureza existem
árvores com formas que não se enquadram em nenhum
estilo.Assim sendo, se o nosso Bonsai não tiver forma de
ƠBonsaiơ clássico (estilo clássico), poderá sempre ser uma
perfeita árvore em miniatura.
„

Você também pode gostar