Você está na página 1de 5

CLARETIANO – CENTRO UNIVERSITÁRIO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARTES VISUAIS – LICENCIATURA


TUTOR (A): Leandro Henrique Siena
ALUNO (A): Francisco Cândido Albuquerque Mendes – RA 8041652
DISCIPLINA: DIDÁTICA E METODOLOGIA DO ENSINO DA ARTE
ATIVIDADE (PORTFÓLIO) – 3º CICLO DE APRENDIZAGEM

PROJETO DE PRÁTICA: ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE AULA

SOBRAL – CE
2018

Claretiano - Centro Universitário


1. Título da aula
A cores em nossa vivência
2. Tempo:
Para desenvolver o tema serão necessárias a realização de 2 aulas (40 minutos).
3. Etapa de ensino:
( X ) Ensino Fundamental (anos finais).
( ) Ensino Médio.
4. Ano ou série da etapa de ensino:
• Ensino Fundamental (anos finais) 6º ano (X) ou 7º ano ( ) ou 8º ano ( ) ou 9º ano ( )
• Ensino Médio 1º ano ( ) ou 2º ano ( ) ou 3º ano ( )
5. Objetivos da aula:
Classificação das cores e sua conceituação:
 Contraste e Combinação das cores.
 Domínio das cores.
 Diferenciar cor, luz e cor pigmento.
 Como se forma a cor fisiologicamente.

6. Conteúdo
Definimos a cor como sendo a sensação produzida pela luz em seus
diferentes comprimentos de onda e atinge a retina do olho humano. Isaac Newton
observou que a luz branca incidindo em um prisma, depois de passar numa fenda,
decompõe-se nas cores do arco-íris ou no espetro solar em suas cores visíveis ao
olho humano: vermelho, laranja, amarelo, verde, azul e violeta.
Ao falarmos de cores, é preciso diferenciar entre a cor-luz e a cor-pigmento.
Já que a cor-pigmento é a cor refletida pelos objeto, isto é, o espectro de cor que o
olho humano percebe. A cor enquanto luz é a encontrada nos objetos que emitem luz,
como os monitores, as lanternas ou televisão. A cor pigmento é a cor das tintas dos
pigmentos químicos, resultante de misturas e reações químicas e físicas.
A cor que visualizamos é como o cérebro dos animais interpreta os sinais
nervosos vindos do nervo ótico através da retina, resultado da emissão da luz refletida
nos objetos por uma fonte luminosa e se propaga por meio de ondas eletromagnéticas,

Claretiano - Centro Universitário


estas ondas que correspondem à parte do espectro eletromagnético que é visível ao
ser humano.
A Cor é um fenômeno físico? Um mesmo comprimento de onda pode ser
recebido de forma diferente por diferentes pessoas ou outros animais, ou seja, cor
também pode ser classificada como um fenômeno fisiológico, de caráter subjetivo e
individual.

7. Estratégias de ensino ou procedimentos didáticos:

Começaremos o estudo das cores. A cada aula, faremos esquemas de cores, para
que os educandos aprendam a criar todos os matizes possíveis, e possam através
deste estudo expandir sua criatividade.

AS CORES NEUTRAS

São duas as cores neutras: o branco e o preto. Na verdade, não são cores,
mas nós as enxergamos como tal. São opostas. O branco é luz e a soma de todas as
cores. O preto é ausência de luz e aparentemente não é feita de nenhuma cor.
Misturando o branco e o preto em quantidades diferentes conseguimos diferentes tons
de cinza.

Os alunos colocarão as cores: preto e branco em potes diferentes. Depois,


o professor poderá fazer uma tabela com a quantidade desejada para se fazer as
misturas. Por exemplo: uma pazinha de preto para duas de branco, etc. Para todos os
quadros, será feita esta tabela, que poderá ter um destes formatos:

Claretiano - Centro Universitário


AS CORES PRIMÁRIAS

Veremos que e como são as cores primarias, começamos ressaltando que as cores
primárias são pigmentos puros, sem misturas. É através delas que se formam todas
as outras cores.

São elas: azul, amarelo e vermelho.

Com a mistura das cores, formam-se as cores secundárias e terciarias, em seus


respectivos tons dependendo da mistura. A mistura de vermelho com o amarelo
produz o laranja, em seus diversos tons, dependendo da quantidade utilizada de cada
cor. O amarelo e o azul, formam o verde e todos os seus matizes. O vermelho com o
azul, por sua vez, formam o lilás, também com suas variedades.

8. Recursos/materiais:
Tinta guache, pincéis, bandejas de isopor ou plástico filme para acondicionar as tintas,
pazinha de sorvete, palito de picolé ou colherzinha descartável, papel de desenho ou
cartolina. Materiais alternativos recicláveis: Potinhos de iogurte, papelão, badejas de
isopor, palitos.

Claretiano - Centro Universitário


9. Referências:
A cor e o professor de Arte: O ensino da cor na Educação Básica Brasileira –
Disponível em: https://www.eba.ufmg.br/revistapos/index.php/pos/article/view/606 -
Acesso em: 11 de outubro de 2018 às 14h22min

PEREIRA, K. H. A. Fundamentos e Métodos da Arte-Educação. Batatais: Claretiano,


2013.

Portal do Professor – Disponível em:


http://portaldoprofessor.mec.gov.br/fichaTecnicaAula.html?aula=575 – Acesso em: 11
de outubro de 2018 às 12h40min

10. Sugestão de trabalho interdisciplinar:


Utilizando os conhecimentos adquiridos. Podemos abordar a parte
fisiológica da cor, desde sua percepção pelo olho até o cérebro, as implicações da
química cerebral e as subjetividades biológicas, podemos realizar pesquisas e
confeccionar desenhos das estruturas biológicas responsáveis pela percepção da cor.
Podemos realizar pesquisas sobre a composição dos materiais que são feitos os
pigmentos e a relação química entre estes pigmentos e como estas reações químicas
podem resultar em pigmentos e cores novas.

11. Avaliação:
Serão avaliados os materiais produzidos em sala, bem como a pesquisa e
a interação do aluno com as atividades. O desempenho do aluno deve ser medido
pelo grau de assimilação do conteúdo e como este resultado implica em sua
expressão quanto aos símbolos repassado.

Claretiano - Centro Universitário